Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06545


This item is only available as the following downloads:


Full Text
j\nn XXIV.
Qliarta-feira 2$
o ni A RIO publlra-se todos o da que riSo
f rim Hp guarda: o prev da asignatura he
uiOOO por quartel, pnqoi aiiantndat. Os
nuncio dos aaslguautes sao Inferido
"Tan de 20 r. porllnha, 40 r. em typo dlf-
...iie e a repetice pela metade. O nao
Kanteijugaran 80 rs. por lint e 160 rs
m IVP dlerente' Por cada pub''afa-
PHASES DA LA. NO HEZ OE OUTDBRO.
/v-traU*. a 5, s 11 horas e 42 mo. da manh.
f"S a 12. l hora e 3-.alo. da tard.
uwi *.*' hore *7 m,nt.da rd-
PARTIDA OOS COriREIOS.
Coianna e Parahlba, i segs. sextas-feiras
Rio-G.-'lo-Norie.iiuinis-felras ao meio-dia.
Cabo, Serinhaem, RIo-Forinoso, Porto-Calvo
eMaoel, no L, a II e l de Cada mex.
Garanhuns e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flbres, a 13 e 28.
Victoria, s quintas-feirai.
Ollnda, todos os das.
PREAMAR OE HOJK.
Prfmelra, s3horase 42 minutos da Urde.
Segunda, s 4 horas e 6 minutos da manh.
<1 e Outubro de 1848
N.23E*
das da se* ana.
23 Segunda. S. Jo5o Capistrano. Aud. do J.
dos orph. do J. oiv. e do J. M. da 2. v.
24 Terca. S. Rafael Archaojo. Aud. doJ.
'tf do c. da 1. v. e do J. de paulo 2- dist de t.
i:> Quarta. S. Crispim eC.iispini.nio. Aud.do
J.doc.da 2. v. e do i. depa/. do2dist. det.
26 O"'1*- s- Evaristo. Aud. do J. de orph.
do J. M. da 1. v.
27 Sexta. S. Klesbuo. Aud. do J. do clv. e
do J. de paz. d I dist de t.
28 Sabbado. S. Simio e s Judas Thaddco.
29 Domingos. Feliciano.
CAMBIOS NO DA DE 23 OTTTUBRO.
Sobre Londres a 25 d. por 1f 000 r. a 60 d.
Paris
Lisboa 120 por cento de premio
Rlo-de-J inelro ao i ir.
Desc. de leu. de boa tirinas a 1 ?,' o mci
Acedes da couip. de Iteberllie, a W r*. ao p.
r?wro.Oncar hcspanholas 31*000 a 31p00
. Muidas de 6^400 v. 18*1100
de 16/600 u. 16l00 a 16/700
de 4/000... 0/500 a 0/700
Prata-Patacoes brasileiros 1/980 a 2/000
Pesos columnarios. 1/080 a 2/000
Ditos mexicanos..... 1/920 a 1/940
PARTE OFFIC1AI.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 16 DE SETEMBRO.
Oflicio. An commandonte das armas. Vou
responder o ofllcio de 12 do corren te, em queV.8.,
aecusando reenpefio daquelle do da antecedente m
que eu tratara do fornecimento de medieamentosdo
hospital regimental. faz-me diversas considerarles
i semcl liante reapeito.
He, de feito, ncontestavel que lodos devem do
curvar-se ante a lei, e que o indicado forneciment
fo arrematado de confortidade com o que dispoe o
artigo 22 do rpgulamento de 17 de fevereiro de 1832,
mas o que principalmente cmprese tenha ern vista,
he, tifio simplesmente a arrematarlo dos remedios,
porm aim o perfeito desempenho do contrato ; o
que releva seja niuilo recommendado aos cirurgifles
do mencionado hospital, para- que se possa preen-
cher o lim principal da lei, quero dizer, para que ns
sobreditos remedios sejam da melhor-qualidade;
pois que, do contrario, corre a rigorosa obrigaeo
de aunullar o contrato c procedcr-so logo oulra
hasta.
Esta vigilancia diaria e constante he tanto mais
neceasaria, quanto parece que o preco extremamen-
te favoravel da arrematarlo indica, un pharmaceo-
tico que a elle se subjeita, a reprovada inlencilo de
violar o contrato, dando medicamentos falsificados.
Emfim, para o caso de que se trata, nfo ha falla
do legislarlo, nema Je i he insudicieute: o que he
imlispensarel he que seus executores a queiram ob-
servar, e se curvem ante ella, nllo em urna s occa-
siflo, mas sempre e quando no essencialmente im-
portante a sua xecuc&o.
Dito. Ao mesmo, mandando dar baixa do servi-
do ao soldado do quarto batalhao de artilharia a pe,
Jos Vicente Ferreira,. que ha completado o seu lem-
po. Parlicipou-se ao coronel commissario-pa-
gador.
Dito. Ao director interino do arsenal de guerra,
dizendo que o carvilo de pedra que havia de ser le-
vado ilha de Fernando no litigue escuna Andori-
nha, ileve de lcar naquelle arsenal, alim de ser en-
viado em oulra occasiSo, visto como nflo he possi-
vel que aquello navio o conduza, Communicou-se
ao cm mandan te da Corveta liuterpe.
Dito. Ao commandanle das armas, recommen-
dando expela as mais terminantes ordens, para que
o capitfio graduado do terceiro balalliflo dol'uzilei-
ros, Joflo Duarle Ferreira Benles, siga, sem perda de
tempo, para o Rio-Grande-do-Sul, onde se acha o
referido lialalhfio, e que nao admita pretexto algum
que possa Iludir a puntual execuco do aviso de 29
de agosto ultimo.
Dito Ao coronel commiasario-pagador, dizen-
do que, para o director interino do arsenal do guer-
ra cumplir urna ordein da presidencia, lio de mistar
que S. me. lite presto a quantia de setenta mil ris
para a compra 'de seis cadeiras, assim como para a
promptilicacHo de viole lencocs e viute travessoiros,
que o mesmo director intei uio tem de fornecer com
outros olijectos ao carecreiro da cadoia desta cidade;
e declarando que, feito o forneciniento e remedida
a coiil presidencia, eslu mandar indemnsar a-
quella pagadura da somma su|iracilada. Scienli-
licou-se odirt-ctor interino do arsenal de guerra.
*) Dito. Ao mesmo, ordenando que, pela parte que
loe loca, d prompla execugiio ao contrato, cojo ter-
mo Ihe ser O|ioitunainente enviado, pelo qual o
pharmaceulico Jos l.ui/ liinocencio Pogge so oliri-
gou a fornecer medicamentos ao hospital regimental
com o abate de 65 por cento nos preciado formula-
rio de que o commandanle das armas Ihe remetie-
ra copia, e mediante oulras eondices constantes do
mosmo termo. Particlpou-se ao cominandantedas
armas.
Dito.Ao commandanle das armas, declarando
que o cali de esquadra, Simflo francisco da Silva,
que viera do Ceara com passagm para a corte, efl
cara nesta provincia por doente, deve de permane-
cer aqui at que se reslabcleca de sua sade, e se-
guir para o lugar de seu deslino logo que obtenha
s,'"ielhanle restabelecimento. Commouicou-se ao
coronal commissario-pagador.
Dito.,\o commandanle do corpo de polica, re-
solvendoque por emquanto soja commandado por
um sargento o destacamento policial de Iguarassi.
l'arlicipou-se ao cliefe le polica.
Dito.Ao eommandanto superior da guarda na-
cional do Reeife determinando d as precisas provi-
dencias, para que seja dispensado do servico ordi-
nario do 3 baial hilo da guarda nacional do seu com-
mando superior o guarda do mesmo batalhilo, Jos
Justino l'ereira de Andradc, visto achar-sc nomeado
iiispcctoc do 6. quarlerSo da subdelegacia de S.-
Jose.Sciejililicou-se o chefe do polica.
Dito.ao agente da compaiihia das barcas de va-
por iiiandatidu daf transporte, con.o | assageiro de
estado, para o Marauhflo, a Hermenegildo Antonio
Silva.
Dito.Ao cnimandante das armas, ordenando
mande receber no quarlel do corpo de polica, e fa-
ca asseutar praca em qualquer dos coi pos de 1." II-
ina desta guaruicio aos recrutas Alexandro Jos do
kascimenlo, Antonio Pedro Correa e Luiz Jus Con-
' alves, que acham-so em urn dos calabougos do so-
bredilo quartel. tiommunicou-se ao chufe de po-
lica. ..
Dilo.Ao director interino do arsenal de guerra,
a.utorisando-o despender a quantia de 308,000 rs.
Y"" a compra e mauulaciuru, uno s de 30 bonetes
ue meia la, 30 jaquelas, 30 cacase 30 camisas de
brim, sonfo tambem de 30 sapatos, 30 mantas de
algod:1o e 30 esleirs, visto como convm que aquel-
lo arsenal esteja prvido de seinaUantesarligos,
para fornec-los aos recrutas no momento em que
assentarom praca.--Parlcpou-se ao coronel com-
missario-pagador.
Dito. -Ao inspector da thesouraria de fazenda, re-
commendando ex-peca as convenientes ordens, para
que com parte dos dinheiros provinciaes quo se
acham depositados nos cofres d'aquella reparti^lo
seja paga Jos Antonio da Costa Guimaries a quan-
tia de 363/618 res, que, segundo a conta junta e do-
comentada, se despenden, desde 20 de niaio a 30 de
junho do crrante ao.no, com a enfermara da cadeia
desta cidade.
- Dito.Ao comrnandanle das armas, mandando por
em liberdade o recruta Joaquim Francisco da Costa,
visto padecer elle de molestia de peilo.
Portara -Elevando a forQa do corpo do polica a
500 pracas, e creana* mais urna companhia no mes-
mo corpo.Scienli(icou-se o commandanle do cor-
po do polica c o inspector da thesouraria das ren-
das provinciaes.
Dila.-Mbiidando expedir titulo de 3.' commandan-
loda 4.a companhia dp corpo de polica a Fernando
Francisco do Aginar Montarrovos Jnior. Fizoram-
se as participacOes do estylo.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda fazer
publico que dar audiencia s partes em todos os
dias uteis, desde o meio-dia al duas horas da larde,
exceptuadas as quintas-feiras por estarem designa
das para as sessoes da thesouraria da fazenda pro-
vincial.
Secretaria do governo da provincia de Pernambu-
co, 23 de outubro de 1848.
O secretario interino da provincia.
Honorio Vertir de Ateredo Coutinho.
Keparticao da pulieifi.
EXTRACTO DIARIO DO DA 2V DO CORRfiNTE.
Frim presos ordem do Sr. desembargador che-
fe de polica, o preto Antonio, por ser encontra-
do com una peca de bico no seio da camisa, e os
pardos Manuel Cosme Moroira, Manoel Ferreira Dias,
Marcal Ilezerra de Paula o Manoel Pinto llahia, por
deaobedecerem a polica, e opprem-so prisilo de
um individuo.
O l. Amanuense,
A frigio Jos da Silva
EXTIEROR
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PERNAMDUCO.
Lislid'i, 16 de agosto de 1848.
Finalmente, depois do sel mezas e meio de dis-
cussOes, encerrou-se o.nosso parlamento, sem com
elTeilo.apezarde una tilo tonga legislatura, ler fei-
lo cousa algiima de grande importancia, salvoalei
que diminuio o porte dos corridos aos jornaes poli-
ticos, e eximio de todos os jornaes Iliterarios; me-
dida esta ha omito reclamada por todos os partidos.
Porm a questio de fazenda, esse assuinplo vital de
todas as nceles e snhreludo da nossa, licou adiada,
tal foi a confissfo do mesmo governo, porque as me-
didas quo se adoptaran! foram transitorias, ou pallia-
livas.
O ministerio esteve em criso -por duas vezes no
lim da legislatura : urna na discusso da lei das
transferencias na cmara dos pares. Esta cmara, na
votacilo da artigo relativo s transferencias dosjui-
zes de segunda instancia, empatou por duas vezes a
votacilo, o que, segundo o regiment da mesma c-
mara, equivale a urna rejecSo.
O governo fez quanto foi possvel para vencer a
questio, mandando chamar os pares ausentes, os do-
entes, etc.; porm nada conseguio, o leve que se
contentar com a le, sem Ihe ser permitlido transfe-
rir os juizos da segunda instancia. Se islo fsse ap-
provado,|j muitos teriam sido transferidos.
A oulra crisc foi na discussilo da lei de meios, ou
orcamenlo de receita, na qual. a commissOo de fa-
zenda linha introduzidoum artigo pelo qual os mi-
nistrse seus agentes podiam seraecusades c puni-
dos como conenssionarios so distrahissem os dinhei-
ros pblicos da sua legal applicaciio O governo e
com especialidade o ministro da fazenda, nao quiz
admiltir este arligo no que dizia respeito aos minis-
tros, argumentando com a falla de confianga que pa-
reca conter o arligo, e com nao ler sido ouvido pe-
le comuissfio sobre este assumpto. JosCabral, quo
era o presidente da coinniissno, e a sua fracqilo, jun-
ta opposiQlo, sustentavain o artigo, uilos pela sua
justica, como porque em taes assumptos era escusa-
do ser ouvido ogovenid. O negocio esteve muito se-
rio : o governo mandou chamar al os governadores
civisdas comarcas mais prximas, e os olTiciaesi m
commiasSo, que era ni deputados, uns e outros para
volarem na questio ; e, mesu.o assim, valcu-seda
mesa que eslava do seu partido, afim da quesillo ser
uroi'osla do mane ira que ou alguns nHo votassem mi
votassem a favor; porque, querendo a opposicBo quo te d. jmp... ft esle a venda ^ ^ ^ ^
tOes, e submetteu discusslo em primoiro lugar,
urna emenda (sogundo o regiment) do ministro da
fazenda ao artigo da commissflo, na qual os minis-
tros ficavam excluidos, e a responsabilidade so Te-
cali ia nos thesoureiros, recebedores, etc. Proposta
assim a questo, muitps deputados da qpposicno, da
fraccilo de Jos Cabral e este mosmo deixaram de vo-
tar; porque, querendo approvar a responsabilidade
dos thesoureiros, recebedores, etc., n3o o podiam
fazer sem approvarem tambem a excluslo dos minis-
tros ; assim, noapprovaram urna nem outra cousa,
e na sessilo seguidle i/.eram a sua dcclaraco do vo-
to. O governo, tendo de menos estesadtersanos.ven-
ceu a quesiao; porm o quo lie para admirar, o mos-
tra que no assumpto nao havia mais do quo urna
questio de capricho da parte do governo, lie quo naj
sesso soguiule, este veio acamara propr um arti-
go addicional lei, fazendo rosponsavois os minia-
tros, por concuss3o, se dislrahissem illcgalincnte os
dinheiros pblicos ; slo lie. o mesmo que propunha
o arligo da Comrrlissslo de fazenda Este artigo foi,
como era de esperar, approvado.
A enmara, apezar dos seus repelidos protestos de
que cortara peras despezas publicas, do que nlu> vo-
tara penses, reslabeleceu muit8S verbas cllimina-
las polacommissio e votou um onxamo do pensoes
nos seus ltimos dias de sessao, quasi sem dis-
cusslo.
Parece-mo ter-lho dito, quando Ihe annunciei a
apiev'iiiaro do orqamento as enmaras, e Ihe com-
miiiin| i,i-i o que se dizia acerca das disposices que
havia sobre corle de despezas publicas e regulnrisa-
qSo da nossa fazenda, que era duvidoso este pro-
posito, porque afinal as contmplameles haviam pre-
valecer, e nada de real so fazia. Assim aconteceu in-
felizmente, e a nossa fazenda ficou como eslava, se-
So peior.
No lini, pois, de tantas conlradicces, de immensas
esperanzas Iludidas, encerrou-se honiem o parla-
mento, com sessilo real, lendo S. M. a rainha o dis-
curso de encerramento ; documento esle que nito
transcrevo, porque o poderlo copiar (do Diario do
Governo, ou de qualquer outro jornal que ah rece-
bam. A'sua vista conliecerilo que he. mais urna for-
malidado que se preencheu, porque realmente nao
esl de accrilo com o resultado dos trabalhos par-
lamentares. Nolou-seqne a concurrencia a esU ce-
remonia foi muito mais diminuta quejtie do c.ostu-
inc, nflo obstante ser dia santo e de gala. Nem o mi-
nistro inglez, nem o francei assisliram sess3o
real, do que os partidistas da opposciio querem con-
cluir que nao existo a mellior harmona entre a nos -
sa corlo o as de Pars e Londres; porm, emquajito
prmeira, o nosso governo acaba de reconheeer a
repblica Iranceza, o, sogundo sediz, penoairoga-
do do negocios de Franca niio se torna muito exigen-
te a respailo de reclam.ic;Oes que tem contra o nos-
so governo, o que se atiribue a insinuaces de lord
Seymour, ministro do Inglaterra, cuja poltica a res-
peito de Portugal contina a ser cada vez mais
doble.
Por occasiflo da discussio de um projecto sobre
os emolumentos das secretarias de estado, leve lu-
gar nos corredores do parlame'nto umasconadu es-
cndalo, entre dous deputados os Srs. Pereira dos
ReisePeroira de Mello, quo eram al entilo amigos,
porque ambos eram da mesma cominunhilo. O pri-
meiro que lio ofTiciul de secretaria, combati o pro-
jecto, poique Ihecerceava osinteresses ; o segundo
queheadvogado sustentava-o. De rasfles acres pas-
saram a ataques virulentos c a insultos, e desles a
vi^s de fado, sahindo ambos para os corredores, on-
d se esmurrarain e escoicearam a sua yonlade. O
Sr. l'ereira do Mello nilo voltou mais 4 canara, niio
por vcrgotilia, mas talvez com niedo. A imprensa oc-
cupou-se iiiuilodeslo escndalo, mellendo-o a lidi-
culo, como mereca.
Em um dosartigosda lei de meies propoz o go-
verno que da dolacSo da junta do crdito publicse
distrahissein 500 cotilos, para atlender o governo s
suas despezas, supprindo-oscom ouUa igual quan-
tia da cobranza da dcima. Ora, a dotagfio da junta
do crdito lio formado, pela sua maior parto, dos
rendimenlos das alfandegas, quo s0o os mais certos,
o esta dotagio lem sido em todos os lempos respei-
tada por todos os governos. Porm agora nilo acon-
teceu assim. Debalde levntaram altos clamores os
juristas, ferveram as representaces ao parlamento,
combatu-sc na tribuna o na imprensa ; o governo
fez dislo questao ministerial, chainou todos os seus
adeptos, e venceu a questo. Islo fez com que as
inscripcOes baixassem de prego, baixa que anda
coriservnm, porque ao atraso que j ha nos juros,
pelos distracles que o governo*j lem feil dos ren-
dimentos da dotaefio, se vai ajunlar este quo indiibi-
lavelmento augmentar os embaracos da junta.
O governo foi por mu i tas vezes inlerpellado em
corles com motivo do forneci ment do exercito. O
ministro da guerra prolestou sempre que executava
gundo o Patrila, cujo redactor, o Dr. I.oonel Tava-
res Cabral, he o advogado dos aecusados, tcm-se
commetlido todo o genero de tropela no proeesso,
pata que, quando niio so consiga a sua condemna-
cflo,ao menos tonham-so aquolles inimgosasombra
e seguros, por algum tempo, e muito mais agora
que se npproximam as ferias dos tribunaes. Todava,
a relaco acaba dn dar provmento ao aggravo de in-
justa pronuncia interposto pelo tonente-coronel llor-
ta, o qual foi inmediatamente sollo. A imprensa
cabralina grita muito contra o aecordam quo conce-
deu o provimenlo, chamando facciosa a seccilo dos
juzes que admittio o aggravo.
governo porluguez reconheceu a ropublica fran-
coza, e fez mais, todo o ministerio, e autoridades
civis e militares, assim como o conde de Thomar, e
oulros personagens, fiVam assislir no dia 11 as exe-
quias que. tiveram lugar na igreja de S.-I.uiz, em
comiii8fliorac.no das victimas que hotivo om Paris
nos dias de junho. Como foram convidados lodos
os patuleas, ese reuniram muitos destes, o governo
touiou grandes precau^es com medo de algum.'i.
bernard*
Tom-se manifestado lia alguns lempos urna perse-
guirlo terrivel contra a imprensa da opposicfto. A
ReeolucHo de Settmbro, O Patriota, o Supplemenlo
Burti'eo, o a Kncdo silo as victimas e qualquer destes
jornaes lem urna inimensidade dejmmeros acensa-
dos. Basiam s as despezas das aecusaces para ani-
quilarem os jornaes. A A'aplo appcllon para os seus
correligionarios polticos para a auxiliaren!, se fr
eondemnada : estes teem correspondi.lo, e om lo-
dos os nmeros da Naca~o veem ofllcios d'commissOes
de legitimistas do diversas fr.eguezias de l.isbda e
das provincias proinettcndo esse auxilio pedido pelo
seu orgo na imprensa. Os jornaes do goveruo ina-
aifesUram algofl!asduvhIa sobreest dedica;33;
porm, tendo-Ihe a Noqo respondido que Tossem o
seu escriptorio onde llie mostrara os originaes das
olferlas, nilo fallaram mais nisso.
Diz-se que esta perseguir;o tem sido ordenada
pelo governo, que, alm disso, quiz viciar a paula
do jury, tanto para que os jornaes fssem sonlen-
ceados, como os presos polticos ; porm, achando
resistencia da parle do presidente da cmara muni-
cipal, desisti dessa tentativa.
El-rei D. Fernando deu em Cintra, onde se acha
a crie, umi queda de um oavatlo abaixo; porm
n3o leve ncommodo grave, s apenas so ferio no
nariz o testa ; mas em breve se reslabeleceu dessas
leves feridas.
Formou-seaqui urna assocacSo ou liga promotora
dos interesies malerias do pai*, sobretudo da agricul-
tura, a qual tem as suas sesses no sal3o nobredo
Ihealro do D. Maria 2.'; 6 a ca perteacem os
grandes proprielarios, commerciantcs, capitalistas,
advogados, &c., &c.
A dissenefio lavra no campo carlista, e lum-se tor-
nado mais inaiiifesta desde o seguidle incidente. (
jornal Popular, que dizem recebo nspiraeoes ou or-
dens do conde do Thomar, disse em um dos seus nu
meros, que o tenerite-coroncl Joaquim Rento Perei-
ra intrigava para tirar o commando da guarda mu-
nicipal a I). Carlos Mascarcnlias. Joaquim Rento sa-
ino logo a campo com urna correspondencia no Es-
tandarte desmenlindO o boalo, e atacando n5o s o
redactor do Popular, Jos Carlos Freilas Jacome,
mas tambem o conde do Thomar. O Popular res-
pondeu lombrando ao Sr. Joaquim Rento beneficios
recebidus. Tecm havido replicas e replicas, que
mo fazem neiihuma honra nem a uns nem a outros;
mas que pcm a dcscoberlo certas cousas que esla-
vam oceultas.
Em Coimhra, acaba de, pralicar-se um tacto escan-
daloso. Tinha sido preso um malvado caceteiro, o
achuva-se na cadeia. N'uma bella noite apparoccu
una escolla do verdadeiros ou fingidos soldados
porta da prisno, e exigindo o preso em nome da afl-
torda.ie, levaram-no e derani-lhe fuga. Toda a
imprensa da o'pposr3o de Lisboa, Porto e Coimhra
clama contra somelhante attenlado, o deslexoou
connivencia das autoridades.
Chegou ltimamente aqui o balalhiio de cacado-
res ii. 5 que eslava na ilha Terceira; e marchou im-
mediatamente para Leiria.
No dia 31 do passedo, auniversario do juramento
da carta, representou-se no Ihealro de P. Maria II,
pela primoira vez, um drama de grande espectculo,
intitulado O Alcaide de Faro. O argumento des-
te drama lio lirado da historia portugueza, posto
quo muito alterado, e he produccSo doSr. Jos da
Cosa Cascaes, um dos nossos mais habis escrito-
res dramticos. O drama lio mimoso de lingoagem
o de pensamentos, e mesmo de siluacOos dramticas;
e alm disso foi poslo om scena com toda a pompa
e apparato em vestuario," scenario, bailados, coros,
comparceria e at eavallaria. A concurrencia foi
inmensa, e o espectculo muito applaudido; leudo
continuado a haver as noites successivas endientes
no Ihealro, o que he urna ventura para a sociedade
do que so'eslava fazendo, resultando disto umpre-
juizo para a fazenda, e dedzindo quo disto lucra o
ministro da guerra, ou alguem que Ihe lie subordi-
nado.
Oulro negocio tem chamado tambem muito a alien-
an d i'niniensa. Hu esle a venda da nao I>.-Mario 1"
ma cousa.
Na mesma noite comecouem diversas mas da ca-
pital a Iluminadlo por gaz, pela companhia de Clau-
dio Adriano e Jos Detry. As ras Iluminadas s3o
desde a Boa-Vista, onde esl o deposito do gaz, at
ao lim do Chiado : islo lie Sa-Psalo, ra do Ale-
crim, Lourelo, Chiado e na Nova-d-Almada.
o artigo fsse volado por quesitos em primeiro lu- ] queL"l "'*,UoiKe '' yS "d^AtZ joTfiaes Moudo he magnifica, e vai propagando, r
gar oDquedizia-respeito aos ministros, edepo.srcla-eiiao continua... os e.tfanamentos por outras
tivamente aos thesoureiros, recebedores e denms intenta-se lazer nesta iieg ^._.....,...,i,, i-,- tidnnna Inin
ni7Piila li rcflo 5ue!Iheda a presidencia para propr as ques- Ui p.esos polticos coatinuam no Limoetro, e
I oh*tnle a companhia ter doque lute
es-I as dilliculdades que Uieiem poslo a p
LADO


*2
pa! e cora oulras e varios perdas, pois j por tres ve-
z".--so arrebentou o deposito Com I uto, perseveran-
te uxiliada pelos accionistas, acredita-se que lo-
v i ,i cousa a efTeilo. A concurrencia do ranchos
p 's ras tetn sido numerosa, para ver a nova Hu-
r acAo. Verdadei'amento era vergonhosoque Lis-
bi'a estivesseainda illu,niada pelo systema aoligo,
0 "al e [orcamente; porm lcsavam-se interesses
cora que a cmara municipal lucrava, c que por isso
1 toda a guerra possivel a nova invcncSo. Esta
ca nara tem-se feito nolavel por mais de ura motivo
Donois de mandar derribar os bellos olmeiros e lou-
ri iros que havia no passeio publico, imaginou man-
da! calcara immensa pro.en do Roci, hojo de D. Pe-
dro, de pedra miudal O que. mais be, he achar-se
dirigindo essa grande obra fl marechal Eusebio Can-
dido, commandante geral do corpo de engonheiros.
dem, 31 de agosto.
Os nossos negocios cha mam ainda doquandoem
quando a attencAo do parlamento ingle/.. Em urna
das ultimassessOes, ura dos merabros da cmara dos
comoiuns ceosurou virulentamente o governo pela
ultima intervencAoemPortugal.dizendoquc o trata-
do da quadrupia allinnca e o pnrinenlln nada mais
tinham feito do que eslabeleccr goveruos despticos
c tyrannicos em Portugal c llespanha, c que os ln-
glozes com rasAo deviam sor odiados nesles dous
paizes.
Lord Palmerslon, sustentando a sua poltica, disso
relativamente a Portugal, que este paiz, se tivesso
juizo com as insliiicOes representativas quetem,
ainda podia chegar u ter um bom governo e pros-
perar.
Isto demonstra que lord Palmerslon modiicou a
sua politica a respeito de Portusal; que j nflo he
o mesmo que era era 1846 e!847, talvez porque do
ca se Ihe (izesse alguma promessa. O procedimento
do ministro inglcz nesta eOrt" corrobora isto mes-
mo, porque se tem afTastado, ou tem affastadn o mais
possivel os corifeos ta opposicdo, que n'outro lem-
po era ni os seus continuos comnieusacs.
Afinal lerminou o processo dos presos polticos ;
alo he, ferliou-se a inquirilo, icando pronuncia-
dos mais tres individuos, dous dos quacs foram pre-
sos, os Srs. Hadelra cScxas: este, porm, que lie
m.ijor ila quarta secedn foi logo sollo, por se rceo-
nhecer que fra engao, o que o Scisas de quera se
trata va era oulro, que ainda nflo npparoceu ; pelo
quesevo que em certas occasioes be perigoso al
0 ter uns tantos nomes. O terceiro pronunoiad he o
tenenlc-eornneljlorta, que epois de ilespronun-
ciado pela rclaco, apparece pronunciado poroutio
districto. F.sla perseguiedo, que se pode qualilicnr
de alroz, deu motivo a morte de urna lilha sua, me-
nina de 17 annos, quo, adiando-so enferm.i grave-
mente, succuinbio quando soubc que scu pai era de
novo procurado para ser preso. O Sr. Hoita, depois
dos dias do nojo, foi elle mesmo constiluir-se preso.
Nestc' processo lera appsrecido fados risiveis e
faetns que revollara a consciencia mais indiffeicote.
Na acarearlo das lestcmunhas com os aecusados.
nito hniive duas tcstemunhas conformes, e iain Ido
mal aineslradas, quealui do seconlradizereni a ca-
da nasso, quando se ihe perguntava se conhecinm
os accusailos e que os in licavam, agarravam-se a
pessoas tolalfltente diirerenlcs. Algumasdestas tcs-
temunhas recciosas de futuras consequencias ja des-
uppaiereram. Isto tem servido de dedique aos jor-
nal s da opposic,do, ts todos acreditam que os acensa-
das ledo provimenlo no nggravo de injusta pro-
iiiiiich logo que as ferias acabem, ou sordo absolvi-
dos pelo jury.
Iiepois de se proceder ao alistamento para osba-
1 :lh>s nacinnas, leem-se comenlo aprender os
iuc foram intimados e ndo comparecern!. Ao mes*
1 lempo prende-se para o recriitaiiiento de tropa
de linlia, e como aqui ludo se faz com violencia, ndo
i scapa ninguem : lodos os qne rcceinin ser incoin-
n miados se homisiam. os llicalros e mais espectcu-
los estdo deserlos, causando isto grandes peritas s
iinpri'zas, e mesmo aos interesses particulares, pela
'alia de andamento dos negocios. Alm disto teein-
: coinmetido bastantes escandalos,obrigando a sen-
lar praca nos hatalhOes gente cora molestias clironi-
is, Coinpletamciile impussibililados eisentos: ou-
Iros quej foram olliciaes, os fazem scmar'p'raca de
soldados; cmsummu at ticiii iilo buscar gente aos
(ciliados para onde se tinha refugiado. Parece haver
insto um capricho, pois que a inultos depois de te-
rem praca assenle Ihe teein dado licencas Ilimita-
das. Esta perseguiedo, junta a naluial mdisposifflo
que lodosos Poituguezes leern para seren soldados,
quaiiilo ndo julgam a patria em perigo, fazem com
que minios mancebos euiigreni de Lisboa, mesmo
para o llrasil, apezar das mas milicias que de la se
rece he m.
A derrota do rei Carlos Alberto, c os desastres da
Italia alcgraram aqui os rclrogudos, e lornarain ra-
bisbaXOS os progressislas. As aOMisaccs da impren-
sa exaltada teem sido lerriveis contra Carlos Alber-
to, cujas faltas, segundo seassegura, sSo mais dos
seus generaos do que delle propiiq. Entretanto, o
negocio anda u9o esl terminado, e pode dar i in-
sultados muito diversos do que se pensa.
Quando os nimos esta vara pivoccupa.los com es-
tes acontecnientos, soubcrau.-se outrosque, locan-
do-nos mais de perto.lizeram mais Itolorosa mpres-
sdo. Foram osles os que liveram logar nessa provin-
cia nos fins de junho. perigo a que eslavain expos-
tos os nossos compatriotas fizeram levantar altos
clamores, a toda a imprensa, pcdindo ao governo
providencias. Este mandou logo sahir a crvela Iris,
que parece recorrer todos os portos do imperio, o
esl-se apromdlando o brigue Villa-Flor para se
dirigir a esse porto. Ndo sei se ii mais algum
navio.
(ionio o govemo ndo levou no parlamento a sua
avante sobre as transl'ei encas dos juizes, uomenu
umacoinmissAo para Irutar da organisacAo do po-
der judicial, composta dos Sis. Duarte Leildo, Souza
Azevedo, Aguiar Ottolini, Sa Vargas e Pereira de
Mello. I'arece comtudo que esta coinraissdo ndo lera
muila voniadedetrabalhar, e que a sua nomoacao
licart em Icltra mora.
Durante a residencia da familia real era Mafia, on-
de hoiive um incendio que devorou ascocheiras e
palheiros, o marechal Saldanha juigou conveniente
ir mostrar a el-rei o campo da baialha de Torres-Ve-
dias, a duas legoas daquelle real sitio. povo du
Torres-Vedrus he todo patulea, e recebeu ido mal
el-rei, que geralmenlo ndo Ihe tiraran) o chapeo.
El-iei veio desgosloso. Os jornaes cabialistas fizu-
raru com este motivo grande alarido, pedindo no go-
verno que allendesse a oslas circuinsiuucias, para
estar cauteloso.
Talleccram ltimamente o marechal Luna, um
"os do Minello, onde Commaiid&ra os cstur
o- Srs, l'ossollo, ex-governador de Cali-
la, que eslava respondondo a concelho
le guerra por fados pralicados durante o seu go-
verno.
Diz-sn que a viuva do bardo da Folgosa (Bran-
ddo> cas com um filho do Sr. Agostinho Albano ;
que a lilha do mesmo burdo com um filho do Sr.
Rodrigo da Fonseca Maga'hSes.
A illuminacdo por gazprogride. JA se fizeram
osencnnnmentos, ese pozerain os cmdieiros na ra
do Arsenal,' e agora fazem-se os encanamentos na
cidade baixa. Alera disso, alguns logistas vdo adop-
tando esta illuminacdo. O primeiro que deu o exem-
plo foi JosMoracs, com loja de bebidas noChiado.
Se isto se propagar, mesmo as casas particulares,
enlao a companhia poder lucrar.
PERNAMBUCO.
LISTA DOS CIDADAS QUAL1FICAD0S NA FRE-
GUEZIA DE SAN-JOS.
Primeiro quarteirAo.
1 Alexandre Jnnuario Poreira.
2 Antonio da Suva Cusmdo.
3 Antonio Jos de Oliveira.
i Antonio Manoel da Cunta.
5 .Antonio Sudr.
6 Antonio Jos Pestaa.
7 Antonio Francisco das Chagas.
8 Antonio Lino.
9 Antonio do CarmoJPeroira.
10 Angelo Jos do Careno.
H Alevandre Jos de Sanl'Anna.
12 Antonio Faustino de Miranda
13 Andr Avelino do Sacramento.
14 Antonio de Barros Rogo.
15 Antonio Jos rlodrigues,
16 lionto Snares.
17 Bernardino Pereira de Sena.
18 Bernardo Jos da Cosa.
19 Crjspiano Custodio.
20 Cosme Damdo da Silva.
i Domingos Jos dos Sanios.
22 Florencio Itaptista de Oliveira.
23 Francisco dos liis NunesCampello Jnior.
24 Francisco Bran Ido Paz Brrelo.
25 Francisco Jos da Costa Campollo.
26 Francisco Xavier das Chagas Sicupira.
27 Frederico do Souza Comes.
28 Gervazio Julido dos Santos Mondones
29 Hiplito Jos da Silva.
30 Hermenelgi lo Eduardo do Reg.
31 Jnsuino de Souza Tavares.
32 Jodo de Dos Cabral.
33 Jodo Lopes Lima
34 Jodo Dioii'zio Barbozu.
35 Jodo Calislo dos Santos.
36 Jodo Germano dos Sanios.
37 Jodo Jos Barroso da Silva.
38 Joaquira Jos lavares Jnior. .
39 foaQuim Margues d^ Penha. .
40 Joaqun! da Cosa Lisboa.
41 Joaquira CoiiQalves Meirclles.
42 Jos Angelo do Sacramento Pinto.
43 Jos Antonio de Azevedo Mello.
44 Jos Bunio Alves.
45 Jos Vidal Nunes.
46 Jos toballa Padilba.
47 Jos Bernardo do Sacramento.
48 Luiz Pereira de Castro.
49 Manuel Biheiro.
50 Manoel de Jess Oliveira.
51 Manoel Gregorio de Albuquerque,
5 Manoel Gouealvi-s doNasciaiento.
53 Manoel da Silva Leudo.
54. Manuel Alexandre Corroa.
55 Martitiho Jos de Souza.
56 Martinho Barroz Brrelo.
57 Sersn do Rozario.
58 Vicente de Dos e Silva.
59 Vicente Ferroira dos Reis.
(vorrespoiulencia.
Sr*. liedactoret.Muilo tarde sube do insulto o
calumnia feita ao Sr. Manoel Riheiro da Cunha Oli-
veira, pela Voz do Brasil 11. 66, assiguados por um
herdeiro roiibado, o qual depois de usar dos insul-
tse injurias de que s elle he digno, principia
! pelo rnuho feito ao casal de meu finado pai, o Sr.
Joaquim (ornes da Silva Azevedo. Srs. Redactores,
nunca pusei que houvesse pessoa Ido perversa, que
se ntrevesse a tanto. Esse vil calumniador, herdeiro
intitulado, declare o seu nome, edigaquem 1 lie cu -
coramendou a calumnia, o ndo queira por um 11.culo
Ido escandaloso compromelter os verdadeiros her-
deiros que nunca sordo ingratos ao Sr. Manoel Ri-
heiro da Cunha Oliveira a quem tanto devem. Elle
por -nossa felicidade leve entrada na casa de nosso
finado pai, quando aluda exista, para Ihealugara
casa onde se ostabeleceu, c por falleciineuto do dito
meu pai e de alguns caixeiros que atrs se segui-
ram, miiiha mdi Iba pedio se encarregasse do cer-
tos negocios da pasa, o que aquello Sr cumprio cora
muila honra e prohidade, quo ha todos deixou pe-
nhorados, e posso asseverar que ndo a ura herdei-
ro do meu pai, que ndo recoulieca os servidos pres-
tados a lodos por aquello Sr. Oliveira: e so houver
algum segundo que declare o seu nome, porque
elle tem bastante piobidade para Ihe fazer juslica
ou rebator suas calumnias: quem esconde o seu
no me .he ingrato, e tem .modo quo se descubran! os
seus achaques. Meu finado pai so leve sele lilhos.dos
quaes tallecen ura, e os descendentes desles 11S0
sdo capuzes de mogar o Sr. Oliveira, pela sua capa-
cidade, c iuleiro couhecimeiito que leera delle: dos
seis existentes dous estilo na provincia das Alagas,
que a seu lempo desiiienlirdo o calumniador, eos
qualro presentes ja principiaiain a desmentir o per-
verso, o eu por 1111111 e miiihas irmdas ausentes, I).
Margarida e I). Joaquina, declaro que he falso e ca-
lumnioso ludo quaulo diz 11 herdeiro rondado, in-
serido na Voido llrastt 11. 66.
Diguein-se, Srs. Redactores, inserir, em seu esli-
mavel jornal esta iiiinha declararan, para conlieci-
uiento da verdade, com o que muilo obrigardo a
Ma, ii' ,
Isabel Joaquina Velloto d* Azevedo.
Desoarregcm hoje, 25 ileoulubro.
Barca Ligeira ceblas, batatas e uvas.
Rarca Indui bacalho.
Brrguo Hindoo taboado e ferro,
flrig auroro lariiiha.
Brigue Andes bacalbo.
CONSULADO GERAL.
RENDIMENTO DO DA 2. .
Geral .......................'
Diversas provincias...............
839,517
19,519
859,036
Segu vjgem para MaranhBo e Para a encuna
nacional Marla-Firtnina, com a maior brevidS(ie
possivel : quem tiver varga para o Par deve .
prompia-ls para embarcar quanto antes para de|roTs
podr-se receber a do Maranhdo; a tratar na ruada
Cndeia do Recife, no cscriptorio de Jos Aiiloni0
Basto
Para o Ceari" segu por estes dous dias a brl
caca S.-Joo-Baptista por lor quasi a sua cargt
prompta : para o reatante, trata-so na ra da* Ciuz
n. 28, casa de Lima Jnior A Companhia.
. Leloes.
CONSULADO PROVINCIAL.
REPiOIMENTO DO DA 21........... 324,377
Movimenlo do Porto.
Navio entrado no dio 24.
Havre ; 42 dias, brigue francez Tolof, de 136 tonela-
das, capitAoMonnica, equipagnm 11, carga fazen-
das; a B. Lasserro & Companhia. Passageiro, Joa-
quim Rodrigues Vieira, Brasileiro.
Vivios sahidos no mesmo dia.
Parahiba ; hiale brasileiro Parahibano, capitSo Nico-
lao Francisco da Costa, carga varios gneros.
dem ; hiate brasileiro Purtsa-de-IHaria, capitdo JoAo
Francisco Martins, carga varios gneros.
Bahia e Rio-de-Janeiro ; brigue austraco Piula, ca-
pitilo Thomas Liporatz, em lastro.
EDITAfS.
-- Olllm. Sr. inspector da thesouraria da fazenda
provincial, em virtude de resoluedo do tribunal ad-
ministrativo, manda fazer publico quo, em cumpri-
lionto da lei, peranto o mesmo tribunal, se ha de
arrematar, a quem mais der,nos dias 7, 8 e 9 de no-
vembro prximo futuro, o rendimeiilo dojardira bo-
tnico de Olinda, avaliado annualmente em 150,000
W.J devendo o dito arrendamento durar do dia da
possedo rendeiroal 30 de junho d 1851.
As pessoas que se propozerem a osla arrema-
tando comparecam na sala das sessOes do mes-
dilo tribunal, nos dias cima indicados, pelas 10 ho-
ras da na-i hda, competentemente habilitadas. E pa-
ra constar se mandou allixar o presente e publicar
pelos Diarios.
Secretaria da thesouraria da fazenda provincial de
Peruamhuco, 23 de oulubro de 1848.
O segundo escripturario,
Antonio t'erreira d'Anmmciaco.
JoAo Stewa'rt' far leI3o por inlervencAo do
corretor Oliveira de grande variedade de fazendas
de Ida e de algoddo as maisapropriadas para esto
mercado o que se vendem para fechar conlas : sex-
""a-feira, 27 do corrente, s 10 horas da mantilla
no seu armszem da ra do Trapiche-Novo.
No dia 26 do corrento, vende-se em leildo an.
te odoutor juizde orphSos e ausentes mobilia
escravos e o brigue Sociedade, fpertencentesa herin!
ga do finado Jos Francisco Collares : o bom' assim
duas tabernas, sitas na praca da Boa-Vista, e duu
vaccas.pcrloncentcs a heranca de Jos Pinto Moreira,
Os que pretenderem lancar comparecam pelas 4 hol
ras da tarde, na ra da Aurora, na porta do juiz de
orphAos, onde he o lei 1.1o
Russell Mellors & C. fardo leildo, por interven-
cao do corretor Oliveira, de variado sorlimento de
fazendas inglezas as mais propriaa do morcado;
hoje, 25 do corrente, s 10 horas da manhda, no seu
armazem, ra do Vigario.
J. G. Taylor, tendo de retirar-so.breve para In-
glaterra, fara leildo, por intervengflo do corretor
Oliveira, de loda a mobilia quasi nova da casa de
sua residencia, consistindo em mesa redonda do
meio de sala e iremos com tampog de pedra marmo-
re, mesa comprida com abas, ditas dejogo, sofs,
cadeiras, ricos espelhos, mesa de jamar elstica,'
aparador, leilos de bronze e de ferro com todos
seas pertenecs, guarda-vestidos, nnmmodas, roar-
quezas, lavatorios grandes e modernos, toucadores,
vasos da sevres para flores, ricos quadros a lene es-
tampados, mesinhas diversas, secretaria, cornad/|e
gelozias, esleirs de salas, obras de prata, bule, rafe-
teira, colhercs e garfos de metal britannia, appare-
Ihos de louca, e d porcellana para mesa e para cha,
mesas e utensilios de cbzinha, e muitns mais ohjer-
tos indispensaveis pora qualquercasa ; etambem se
vender o seu lindo carrinho novo de duas rodas com
assentos em frente e para tras, e ds competentes ar-
reiros montados decasquinha fina : sabbado, 28 do
corrente, s 10 horas da manhSa, 110 sitio que foi
do Sr. Baptisla, contiguo ao do Sr. Dubourcg, na
Capunga.
Miguel Archanjo Monteiro de Andradi, oficial da im-
perial ordem da Rosa, cavalteiro da de Christo e ins-
pector da alfandiga de l'ernambuco, por S. M. o
Imperador, que Deo$ guarde, etc.
Faz saber que, no dia 26 do crrente, ao meio-dia,
na porta da mesma, se ho de arrematar, em hasta
publica, 700 barris com plvora, de 25 libras cada
um, e em lotes de 100 barris, por se acharem com
avaria, e avahada cada libra segundo a tarifa em
450 rs., cuja arienialaQdo ser Teita pelo preco que
so ollerecer, ern couformidade do 4 do artigo 263
do regulamenlo, sendo mesma yre Je direitos au
arreinalante.
Allandega, 23 de oulubro de 1848.
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade.
Oeclara^cs.
CAlMEftCIO.
ALFANDEGA.
RENDIMENTO DO DIA .84. ... 19:;22,253
A administraedo geral dos estabelecimentos de
caridade manda fazer publico, que, ne dia 30 do cor-
rete, pelas 5 horas da tarde, na sala das suas ses-
sOes, contratar o fornccimenlo Uo leile ed'agoa de
que precisa rom os mesmo s estabclecimenlos.
Administraedo geral dos estabelecimentos de ca-
ri iade, 23 de outub 10 de 1848.
O escripturario,
F. A. Cavalcante Cousseiro.
PUBLICACAO* AGRCOLA.
Manual pratico do fabricante de assucar, por
Agoslinliq Sommier. Esta obra ensina praticamente
o modo de fabricar o assucar demonstrando os in-
convenientes da antiga pralica os meios de as re-
mover e finalmente ludo quanto se precisa para ti-
rar maior e melhor resultado de sua factura o esl
escripia em urna lipgoagcm que qunlquer pessoa
percebe; podendo-se mesmo dizer que os Srs. de
eogenhos cora ella s errardo se quizerem : vende-
se por 2,000 rS., na praca da Independencia iivra-
ria ns. 6 e 8.
Avisos martimos.
A harenca Natalense recebe carga para o Rio-
Gramle-do-Norte : trata-so cora Sebaslido Jos Go-
mes Penna na ron do Collegio.
Para o Rio Crande-do-Sul saldr, em poneos
dias o brigue Naregante; o qual somonte recebe es-
cra vos e passageiros para o que tem bous comino-
dos : quem pretender pode entender-so com o ca-
pitn a bordo ou cora Aiiioriin li nios, na ra da
Cadeia, n. 39.
Freta-se a barca americana Indus: pode rece-
ber algum frete para Hallimoreou para Philadelphia:
euteiidein-se com os consignatarios, L C. Ferroira
&C.
Freta-se para a Costa d'* frica, lluenos-Ay res ou
oulro qualquor porto do Mediterrneo, a nova o ve-
leira polaca sarda N -Ara.-do-l.'armo, forrada do co-
bre, de 180 a 200 toneladas: quem a pretender en-
leuda-se com o consignatario Jos Saporili, na ra
da Cruz, 11. 18.
O hiato Novo-Olinda marca definitivamente o dia
31 do correnle para a sua sabida para o Aracaly com
a caiga que livor a bordo : quem ucile tiver ainda
vonla de de car regar so entender cora o mrslre do
mesmo, nu trapiche Novo, ou na ra da Cadeia-Ve-
!h, n. 17, :-sur.d5S5sr.
Avisos diversos.
M- -,-, .1. !.... .. .. ...
O escrivSo da rmandade do Se-
nhor Bom Jess das C hagas, por ordem
da mesa, convida a todos os nros para
issisi tem ao oieio que se tem de fazer no
da 37 do correle, na igrrja de Nossa
Senhora do l'araizo, ao l'.xni. Sr. mar-
qoez de Recife, irinio da mesma rman-
dade
Tendo apparecido um nnuncio no Diario Jt
Pernambuco ns 234, 236 e 238 em nome de Anua
Bita do Sacramento, forzoso he responder, para con
vicgflo de quem o fez 8 p parecer, que cempareca ni
ra estreila, do Rosario n. 10, segundo indar, para
ver os ttulos de crdito que existen!, e solv-los ero
,'aC delira.
Constantino Jacintha da Molla.
--DAo-se tres exemplares dos Segundos Canlos,
por igual numero dos Primeiros, estando eslessem
defeilo : na livraria da esquina do Collegio, faz-ss
esta permuta.
Precisa-se alugar una preta que sai ha ilgumi
cousa dcozinha e do mais servico de urna cas es-
l rango ira de pouca familia : no sitio Estancia em tu-
quia.
Manoel de Carvalho eMoura avisa ao Sr. arre-
matante do consumo das agoas-ardentcs, quede
hojo em diante drixou de vender dito genero
Na ra das Cinco-Puntas, n. 98, se dir que"1
vende um> moleque e um pardo, ambos de 20 anuo,
para pagamento de urna divida, e s se vendem ffr
ra o mallo, por elles quererem. *
AVISOAOSS'RS.DE ENGENHO, BOTICARIOS K
REFINADORES.
Agoslinho Sommier & Companhia cstaboleceram
um deposito de carvdo animal, em p e em gr.lo, de
primeira qualidade 111 ra da Concordia, n. 8, on-
de vendem pelo preco de 1,500 rs. 1 arroba.
Claudino Salvador Pereira Braga, Brasileiro, re-
tira-se para o Rio-de-Janeiro a negocio, por pouco
lempo, edexi OS Srs. solicitador de causas Manuel
Jos Soares.de A villar e o advogado Dr. Joaquim Jo-
s da Fonseca por seus-procuradores bastantes ni
ca usa civel que demanda contra seus credores.
No dia sal. liado, 21 do coi lente, foi entregue
em um sobrado na ra da Floienlina Um barril rom
vin ho por ciigano : a pessoa a quem peilencer pode
dirig r-.se a venda do Sr. Nicolao, esquina do beceo
que segu para o thealio novo, que, dando os sig-
naos, o recebera.
Precisa-so de duas prelas para venderm azei-
le de carrapato : na ra las Cruzes, primeiro andar,
i!. 36. Na mesma casa vende-se una camu pequea
du augic'o, por muilo commodo proco.
JoAo Antonio (lomes Guimares embarca para
Lisboa no patacho po'rtuguez Liberdade, a escrav
crioula de nomc'Joanna, a entregar a sua senhora
D. Mana Jos de Jess Cunha Guimarfles..
O injusto silencio que o Sr. Jodo da Silva Bra-
ga sustenta acerca da congruente rogativa que polo
Diaiio Ihe fiz me iuduz a declarar-lhe novameuti,
que,se no decurso de oito dias.a contar du hoje.Snic
ndo palentear pelo mesmo Diario a resposta quo
julgar adequada ao dito pedido que Mi fiz ^iCI"'
se*ha entendendoqueSmc. ndo levo quo llegar "e
niiiiha conducta por isso quo ndo respondeu ; ou-
lro sim, ficara desmentido o-ncre o iiujuolo enreda-
dor, que, smente para instifcar desavcngns.mandou
estampar meu nome as paginas de alguns Diarios^
indignamente. Antonio Martins de hara.
r- NAo se entrale oannuncio inserido no
n.237 ,coin as Ultras iniciaos M. G. da C.
Matiocl Comes da Cruz
(juera precisar de urna ama que coso, engom-
an e Taz todo o mais servido de una casa dlrij'
icauaaB uanrizda boa-vista, 11. ao.
Diario
. coa
MUTIl


.. precisa-se de un trabalhador do massefra na
ra da Florentina, n. 3.
.. o propretario da venda do B^cen-Largo do Re-
W p. 4 participa ao Sr. arrematante do imposto
(|.iS'|)P|).|as espirituosas de producc3o brasileira ,
giiedeixou de vndT'utas bebiilas desde o da pri-
meiro do com-i / mez.
.. o-ibuixo ...dignado, suppondo n3o dever nada
a n'nsuem directamenlo le hnje, por issofazo pr-
senle Inuuncio; porm, no caso do que baja al-
feiqese julgoe seu credor pode tirar sua con-
ta no prazo de oito das, para ser paga, na ra da
Ko'iedado, n. 52, assim como roga as pessoas quo
lhe estilo a dever hajam de lhe pagar at o fim do
correnle; do contrario usar das meios que lhe
competoin aflm de seu procurador, na sua ausen-
cia cobraras que.faltaren!.
lenlo Fernandet do 'asio.
Jos Saporiti embarca para o Rio-Crande-do-
eul ( na primeira occasiSo que houver a sua osera-
va crioula do nome l.uiza.
Florencio Jos Alves retira-se para fra da
provincia. ....
lretende-se saber se nesta provincia oxistem
prenles de Manoel Archanjo dos Santos ou de sua
mulhcrfMiioela do Plsscimento de Jess; ambos na-
turaes desta cdade.
Taetano Agapito deSouza faz publico a qunm
interessar, que .deixou do vender bebidas espirituo-
sas de produccilb brasileira na sua venda da ra lar-
ga do Itozario, n. 52, desde o dia 23 do correnle
outuhro: edeclara a quem pertenoer que vscien-
tificar-so da verdade desle annuncio.
Aluga-se o segundo andar da casa da ra da
Senzalla-Nova, n. 42: a tratar noarmazeiii da mrs-
ma casa.
Manoel Marques FernandeS deixou de vender
ro'ardcnte na sua venda do Aterro-da-Boa-Visla,
_ Aluga-se, pelo tempo da festa ou annnalmen-
te, urna casa terrea, sita na povoaclo do Monteiro,
confronto a igreja cuja casa se aclia rectificada de
novo e leni bous commodos para familia : na ra
doQueimado, n 11.
-- Precisa-se de um caixeiro que tenha algum'a
pratica da venda e de 12 a 16 annos o qual de fia-
dor a sua conducta: na ra estreita do Rozario,
"..47
Domingos Garca Paramis deixou de vender
ago'ardento as suas vendas da travessa das Cruzcs,
ns. 8c li
Aluga-se o segundo andar do sobrado da ra
do Codorniz, n. 9 : a tratar na fabrica do charutos ,
por baixo do mesmo sobrado
Pri'cisa-sealugar una ama secca de bons cos-
lumes, para o servicp interno le urna casa de pou-
ca familia e que sai ha comprar. I)irigir-se rua
larga do Rozario, h. 36, segundo andar, por cima
da botica do Sr. Barlholomeu.
Desappareceu, da rua Nova do sobrado por
cima onde mora oSr. doutor Dornellas um papa-
gaio muito fallador : quem o pegar, querendo resti-
tuir, ieve-o a botica de Barihoiomeu na rua do Ro-
zario que ser recompensado.
Precisa-se de tres contos de ris a juros, dan-
do-se gainutia em um predio perlo dvsta cidade :
quem.quizerdar dirija-se a botica de Baitholomeu,
que se dir a pessoa que precisa
-Antonio Jos Rabello Guimaraas faz sciente a to-
dos os irmiTosde N. S. do Terco que de boje em di-
ante deixou de pcrleiicer a dita irmandaile.
JoaquimJosde Faiia Machado relira-se para
fra do imperio.
Deixou ile ser caixeiro de Joflo Alves de Carva-
lho porio, desde o dia 21 do correnle, o Sr. Domin-
gos Jos ile Amonio.
Precisa-so alugar por oito ou dez dias', um
'prelo para um sitio perlo da praca : na praca da In-
dependencia ns. 6e8.
I'recisa-se alugar um sitio pinto desta praca,
coiii cummniios u'ncoiiies para nina familia : na rua
de Passcio-Publico.'ns. 9 e 11, se dir quem pre-
cisa.
f.hegando ao meu conhecimentoquo o orphflo
AITonso, lillio do fallecido Jos Mauricio de Oliveira'1
Maciel meu tutelado e neto, tcm feito o conlinia a
fazer nSo obstante o annflncio queja fiz algumas
compras e vendas torno novami-nle a declarar que
pessoa algiima nilo faca negocio algum com o dito
meu tutelado Alfonso e nem rom seu irmilo Adol-
I lio c ncmdelles fiem cousa alguma sb pena de
perderem e de ficar nullo c sem eiTeito- qualquer
contrato que com os mes ni os zercm, a do se pro-
ceder contra quem o contrario (izer : outro sim de-
claro que quem comprou ou tiver oni seu poder
uns breviarios do reverendo padre ahbade o capel-
'lilo das freirs do recolhimento da Gloria, vendidos,
ou emprestados por o dito Aflonso os ven ha no
termo de 24 horas entregar no dito tutor ou ao di-
reverendo padre debaixo da pena do so proceder
criminalmente contra quem qiirque fr. Recite,
19 deoutubro do 1818. Guitherme l'atritio Heserra
Cacalcanli.
Mu (I anca.
Aoflicina de encadernaclo que o P. F. C. de Le-
ntos e Silva dirige acha-seem a rua estreita do Ro-
zario, o. 8, proviila de lodo o necossario para o bom
desempenho de qualquer obra de encadernacSo ,
por ums rica que seja ; assim como tem e tanibem
aprompta qualquer emblema apropriado as mesmas
obras., e promelte promptidSo por ter algumas
Pessoas Irabalhando: bom como pode com facilida-
de aparar urna grande poreflo de resmas de papel
diariamente : ludo a um preco moderado.
AO BESPF.ITAVEL PUBLICO.
O annuncio nesle Oario.datado em 18 do correnle,
que diz vemlerem-so diversos gneros de molhados
"o arihazem n. 36 da rua da Madre-de-Deos, he
falso, porque all s se vende aboa pinga do vinho
da Figueira : luilo mais he pela.
.Pelojuizo municipal da 2.' vara, e com exerci-
cio na do civel, anda em praca publica, e em 3 pra-
cas, para ser arrematada por venda, uina proprieda-
de de trras denominada Fagundes, entre os enge-
nlios Guerra e Boin-Jesus, na freguezia do Cabo,
avallada toda a propriedade cm 7:000/000, 0 neste
valora parte quo ha de ser arrematada he 5:I69#290,
cuja arrematacSo he para cumprimento de disposi-
ees testamonUrias. O escriptost cm mfio do por-
leiru Sorra-Graudo, a quem se poderSo dirigiros
pretndanles.
O abaixo assignado, em consequencia das pos-
ituras da cmara municipal, que prohiben) a venda de
Ro'ardonle sem billicle cessa (Ir vender o mesmo
liquido em suas vendas da rua do Corredor-do-Bis-
..l'o n 20, e da rua R-ial do Manguinlio ns. 51 o 53 :
por sso ruga ao Sr. arrematante do dito consumo
para no prazo de oito das varejar as suas casas, o
desta dala em diante nao pretende comprar mais, e
sim acabar um pequeo resto que tem licando
corto que acabado este tempo no paga mais con-
sumo. Joo Antonio Carpinleiro da Silva.
Na rua dos Quarteis, n. 10, precisa-se de urna
mullier de meia idade para ama de casa de portas
a dentro.
--Sunza & Irmo fazem sciente ao Sur. collector
dasagoas-arfentes de produccft"o brasileira. que dei-
xaram de vender tal genero na sua venda da la da
Guia, n. 9, desde o dia 15 do correte.
Aovoltarda ruado AragSo para a S.-Cruz, pri-
meiro andar do sobrado r.. 52, precisa-se alugar urna
prota para o servico de casa.
Perdeii-se, no dia 17 do crrante urna carteira,
contendo dentro della apenas alguns papis que so
inleressam ao abaixo assignado, euma letlra acei-
ta pelo Sr. Meroz, o qual se acha sciente para a nao
pagar: por isso quem a tiver adiado, querendo res-
titu-la ao abaixo assignado ser gratificado. Joso
Jonquim Ferreira Rabello.
Por execucito de Cyprianno Luiz da Paz contra
Manoel Cezar do Espirito Santo e sua mulhcr, se ar-
rematarlo por venda tres casas pequeas comseus
quintaos e cacimbas, em chflos propnos.avalladas em
180,000, 200,000, o 220,000 rs., na rua de Joao-Fer-
nandes-Veira, ostrada que vai para oManguimio:
na sala das audiencias depois da do juiz do civel da
primeira vara, no dia 2* do correnle, terceira praQa.
O Sr. M. G. da C. queira vir pagar o que esta de-
vendo na vonda da travessa das Cruzes n. 12 pois
o tempo j he bastante para espera; do contrario, o
negocio passar adianle.
Aluga-se um pequeo sitio na tra-
vessa do Pnmbal, o qual ica na esquina que
vai para o sitio do Sr. coronel Joaquim
Bernardo de Figueiredo, com larangeiras,
coqueiros, jaqueirase outro.sarvoredos, e
com cacimba de boa agoa de beber: fallar
com Joaquim Lopes de AImeida, caixeiro
do Sr. Joao Malhens.
amada Praia, n. 47, compra-se urna venda,
sendo em iugar projino de negocio para a Ierra e
mallo.
Jos de Sonza Teixeira faz publico que deixou
do vender ego'ardente de producto brasiloira na
sua venda da rua do Pilar, n. 137.
~ Furtaram do um cabriol, adianto do sitio do
Sr. I.uiz Gomes Ferreira, um eavallo alazn barri-
gudo com arreios, por se terem quebrado os tirantes
do carro, e emquanto se foi a cocheira concortar os
niesmos, deu lugar a furtarem dito eavallo : pod-
se a qualquer pessoa que o adiar ou der noticia (lo
mesmo, procure a cocheira doSr. Frederico Casein,
que ser recompensada.
Jos Valentim da Silva, bem conhecido por
ensinar lalim ha qusi 13 anuos, e contar boje em
dia em sua aula ( na rua da Alegra n. 38) lilhos do
de possoas bom distnctas, avisa a quem convior
nue do dia primeiro de novembro vnouro ensina
'..i !.%. ,i. *-- --------------
da
naoiiSa at um da tsrde sos qu<*
quizerem fazer examo em marco.
Aluga-sc, ou vende-se urna canoa aberta em
bom uso : na rua do Amorim, n. 7. segundo andar.
Quem precisar do um moco brasiloro, do boa
conducta para caixeiro de engenbo cujo lugar
j tem oceupado annuncie por esta folha, para ser
procurado.
Pergunla-se aoSr. Manoel Antonio
Viegas, juiz de paz da freguezia de Santo-
Antonio do Hecile, quaes os motivos ou
disposiefies de leis em que se fundn, pa-
ra deixar de qualificar para as futuras e-
leices ao abaixo assignado?
yin ionio da Cunha Soares Guimarces
Quem sununcio precisar de 200,000 rs, ci.m
hypulhcca em casa, di ja-so a rua do S.-Francisco,
n. 30. Na mesma casa vende-se um terreno na Ca-
punga com 17* palmos de frente e com alguns
arvoredos de fiurto.
Precisa-so de um feitor que trabadle com enxa-
la entenda do borla, jardim e vaccas : na Mag-
dalena ao entrar da estrada nova, primeiro silio
com porto do ferro.
-- Dcseja-se saber da moradia do Sr. Jos da Cosa
Machado Juniur para se tratar negocio que lhe diz
respeito.
- I'recisa-se de urna pessoa capaz que queira en-
carregar-se de cobrar urna divida em Garanhuns ,
daiiio fiailor que se responsabeliso por aualquer
qu'antiaque rocober: na rua do Queimado, loja
o 51.
--Aluga-so, ou vende-se urna casa bem reparti-
da, com silio do larangeiras, estribara, nozinha
fra e mais um quarto separado, lambein raparli-
do : na rua de Aguas-Verdes, n. 98, so dir quem faz
esto negocio. ...
OSr. Jos Noberto Casado Luna queira declarar
a sua morada.
Precisa-se do un amassador: na S.-Cruz, pada-
ria de urna s porta.
Quem annunciou querer ser caixeiro de venda,
dirija-se a rua da Cadeia, n. 18.
Anda est para se vender o sobrado n. 7, sito
na travessa da Madre-de-1)eos por preco commo-
do : a tratar na rua da Cruz, n. 50
Quem quizer urna ama para tratar de meninos,
ou para reger urna casa dirlja-sea rua estreita do
Rozario, n. 3.
Na padaria da rua da Guia, no Recifo llavera
todos os das a venda o novo pao de Provenca fa-
bricado por outro modo que o actual e la melhor
familia que ha no mercado : por este motivo no se
pode fazer seno a 40, 80 e 160rs.
-- Na rua Diroita, padarian 26, da-se po de ven-
dagem a pretas, sb responsabilldade de seus se-
nliores.
Aluga-se o bem conhecido sitio na estrada do
Cordeiro de Nuno Mara de Seixas, s proprio para
algum negociante estrangeiro, ou outra pessoa que
tenha tratamento : na rua do Amorim, n. 15.
--Alugam-ae dou sitios com mullo boa* acomuioda-
cea um na cawpinha da Caaa-Forte e outro na rua
da dita povooCo com cucheiras e cavallances ; alin
como varias casas, de prr;os coininodos para se pas-
ar a fejU : atracar na rua do Amonio, n. 15.
Alugam-se, para o lempo da festa las mora-
das de casas terreas, sitas no largo de S.-Aona-de-
Denlro : a tratar na rua Bella n. 23.
Precisa-se de um bom cozinheiro prefenndo-
so captivo : na rua larga do Rozario, n. 2 so dir
qU-- 0P8r.CAnionio Jos Rabello Guimaraes .queira
olanlo enles declarar por este Diario ( ja que a elle
.i'correu) o motivo por que nilo quer ser mais irniao
da irmandado de N. S. do Terso : assim o espera
O acluai iitunv.
Lotera do Iheatro publico.
Hoje comeca o nagamento dos pre-
mios sabidos na exlraccao da segunda ter-
ca parlo da 18.a loleria, das 9 horas da
manila a urna da tarde, continuando
nos mais dias, s mesmas horas, na casa
do thesoureiro, rua doQueimado, n. 3g.
Os bilhetes da ultima ter.ca parte da
mesma lotera acham-se desdei a ven-
da nos lugares docostume, e o thesourei-
ro ninda urna vez roga aos amadores des-
te jogo que se n5o demorem na compra
dos bilhetes, afim de que nao seja tam-
bem demorada a extraecoda lotera, a
qual dependendo integramente da referi-
da venda, vista do impulso que esta ti-
ver, em poucos das ser designado aquel-
lo em que prehxamente as rodas dc-
vem ter o seu andamento.
Precisa-se alugar pretos para trabalbarem o 3
urna casa nesta praca : na rua da Concordia n. 8.
-Manoel Francisco da Silva faz vagera para fra
da provincia.
Jos Francisco de Teives, com venda na rua do
Rosario da Roa-Vista, n. 2. participa ao Sr. collector
das agoas ardentes, que desde o dia 19 do correte
mez n9o vende mais ditos gneros, em consequen-
cia das leis impostas.
J se tem a certeza da pessoa que lrou'o eavallo
alazflndo cabriole!, deixando ficar os arreios, no
sitio do Sr. Sebastiflo, no Chora-Menino que foi
visto por algumas pessoas o para evitar quesles, o
que se altribueser urna cassoada tenha a bondade
de o mandar entregar na cocheira do Sr. Frederico ,
que ser recompensado do seu trabalho e no caso
deo'n.lo fazer no prazo de 3dias, ver o seu nome
por extenso soffcendo a pena da le.
Um rapaz que tcm pratica de venda e d fiador
ti sua conduela se ofTerece para administrar algum
lestes estaliclecimontos entrando com alguns fun-
dos : quen pretender annuncie, ou dirija-so a rua da
Praia n. 49. Na mesma casa compra-so urna venda
om lugar proprio le negocio para a Ierra o mallo.
No pateo da matriz le S'-Antonio, n. 4, segun-
do andar,tirain-so passaportes para dentro e fra do
imperio despacbam-se escravose correm-so tullas,
ludo coma maior brevidado possivel, e por dimi-
nuto preco.
Rentista.
M. S. Mawson, cirurgiai") dentista,
letn a honra de participar a seus fregue-
zes, e em geral ao respeilavel publico,
que tem mudado sua residencia para a
rua Nova, n. ai, primeiro andar. Espe-I
ra que todas as pessas que precisaren
de seu prestimo, bem reconhecido nesta
cidade por muilos annos, continuem com
a*sua proteceo ; esmerando-se elle no
desempenbo da sua arte, e. remuneran-
do-as com a sua promptidao e commod-
dade nos presos.
(i abaixo assignado faz sciente ao respoilavel
publico, quo ninguem faca negocio algum com um
sobrado lo um andar na cidadA ileOlinda, na rua
lo Amparo, n. 41. pertcncenteaos herdeiros do fina-
do Jos da Silva Rotelho, do que he testamntelo o
Sr. Manoel Firmino Ferreira : o como o dito sobra-
do se ade penhoralo pelo abaixo assignado, como
so poder ver no cartorio do Sr. Pedro Ignacio da
Cunha, he para livrar de queslOes para o futuro que
se faz o presente annuncio.
Josi da Silva Mortira.
Um homem c.isado, brasileiro, de
boa conduela, pela qual d pessoas que a
afiancem, se offerece para caixeiro de rua
de qualquer casa de negocio, ou mesmo
paia algum eagenho : na rua de Hurtas
- Compra-so um pinxoque tenha pouco uso : no
becco de Manoel-Liz-Gonclves armazem n. *.
- Compra-se um escravo com offlcio de "">ofiiro
urna vez que seja perilo.ao qual agradando n5o se Vida pagar bem : em casa de Amorim Irmflos, 119
rua da Cadeia, n. 39. ,,
- Compra-se, para urna casa distincta, nn\ escra-
va perila costureira e que mo seja viCiOSj : paga-
se generosamente : na rua de Agoas-Verdei, n. 46.
- Compra-se umaplaina dotanoeiro e um ban-
co : no Aterro-da-Boa-Visla n. 41, venda quo foi do
- Compra-se e paga-se bem lila de frecha, sii-
mauma ou barriguda : na rua Nova, n. 28, loja ue
selleiro quasi em frente da Igreja da Conceicno dos
militares.

Vendas.
n.
14 ,
pri-
juntoa igreja dos Martyrios,
ineiro andar.
Lava-seeengomma-secm toda perfeiQ;1o, por
prego commodo : na rua da Florentina, n. 40
OSr. quo mandou pedir a Francisco,Dubarry,
com loja no Aterro-da-Boa-Visla, n. II, amostras do
livro de fitas, em setembro, queira fazer o favor do
mandar entregar na mesma loja os tres livros do
prelondente.
Manoel Jos Flix da Rosa deixou de vender
agoardente de prodcelo brasileira, desde o ultimo
de setembro do correnle anno, na sua vonda sita no
paleo do Terco, n. 7.
Agencia de passaportes.
Na rua do Collegio, n. I, o no Aterro-da-Boa-Vis-
ta loja n. 48, conlinuam-se a tirar passaportes
tanto para dentro como para fra do imperio, as-
sim como despacham-se escravos : ludo com bro-
vidade.
- Os Srs assignantes da Liria po-
tica queiram mandar receber os ns. 1 a 5
do terceiro volunte na rua da .Cadeia do
llecife, loj* de .loo da Cunha Vlaga-
Ihaes.
Na mesma loja vcmlont-so as poesas de Joo do
Lomos Seixas Castcllo-ranco, por 1,500 rs.; o Amor
e melancola ^)or Castilho, ornado com tres riquis-
smas.estampas.lythograpliadas, iior 3,000 rs. ; os
quadros histricos de Portugal, por Castilho; ri-
quissimas estampas lylograpliadas, em brochura
por 6,000 rs.
Vende-se um elegante carro de 4 rodas feito
por encommenda nos Kstados-Unidos ; ho muito
leve e podo muito bem accommodar cinco pessoas
e servo pura um ou dous cavallos : na cocheira do
Miguel, 110 Aterro-da-Boa-Visla ou na rua lo Tra-
piche-Novo, n. 18.
Vende se urna cadeirinha pintada de novo, to-
da dourad o forrada de damasco, com regaqos de
selim.com franja toda em roda e guarnecida do
belotas, com um vidro grande na frente e dous dos
lados com sacro para senhora guardar leiiQO e lo-
que com aldraba le prata para se fechar por den-
tro e abrir independenle de chave, para n3o oceu-
par pagem e com correiames : ludo novo, por pre-
co commoilo ; tres pares do mangas de vidro sen-
do dous bordados, muito ricos c um par liso ; umu
marqueza deangico nova, tudo muilo barato : na
rua Nova n. 21, terceiro andar.
Vende-se urna mesa de jaca randa, le meio de
sala om segunda mflo ; uina cama de angco ; 6 ca-
deirasjum jogo de mesas usadas; jogos de mesas
do amarello, novas ; cadeiras le oleo ; ditas de Ja-
caranda ; mesas do meio de sala, de oleo ; ditas de
Jacaranda; jocos de baiicas de oleo; dilas de jaca-
randa ; marquezas de oleo; meias commodas de
amarello; toucadores de oleo ; ditos de Jacaranda;
e mais diversos trastes 1 lia rua da Cadeia de S -An-
tonio 11. 18.
Machinas para copiar cartas.
Em casa de Frederico Robiliard na rua do Tra-
piche-Novo, n 18, ha Um pequeo resto destas ma-
chinas, tilo utese necessarias a una casa de com-
mercio.coin seus competentes livros e portences :
tambem se veale m livros separados, papel em res-
mas e tinta de oscrever: ludo proprio para as
mesmas.
Cerveja preta ero botijas.
Contina-se' a vender esta 13o afamada cerveja.
em toles do uina. barrica para cima a vr.r.tade do
comprador: em casa de Frederico Robilliard na
ruado Trapiche-Novo, n. 18 Na mesma casa ha
tambem um pequeo resto da mesma cerveja em
botijas, muito piopria para casas particulares.
Vendem-se 4 molecotes du 12 a 16 annos sen-
do um sapaleiro o outro com principios de cozi-
nha ; um lindo mulalinlio do 13 anuos ; lous escra-
vos sendo um delles canooiro ; 4 negrinhas de 14 a
lennos; las cscravas de bonitas figuras, que
cosem eengonimain liso;"duas pardas mocas: na
rua Dircils, n. 3.
Vende-se a lista geral dos premios da segunda
terceira parte la 18." lotera do thoalro : na livrara
da praca da Independencia, ns. G c 8.
Sapatdes de ."> solas, a IjfOOO.
No Aleno-da-Boa-Vista, loja, n. 78, acaba-se da
receber um novo sortimenlo de sapatoas de 3 solas.
Unto de ps pequeos como grandes. As pessoas que
encoinmendaran, be lempo do vircm a el les.
Pechincha.
NoAtterro-da-Boa-Vista, n. 78, vendem-so sapalos
de cordoAo do lustro para senhora a 1,000 rs ;
ditos de marroquim, a 800 rs ; botins do duraque
para senhora 2,000 rs. ; sapalos le bezerro de
sola e vira, para homem, a 2,240 e 2,560 rs.; botins,
a 6,000 rs. ; bonetes de riscado a 320 rs.
Vende-so um capoto de panno, todo bandado o
corri.lodecordes de velludo, para senhora, de mo-
da portiigueza : no pateo do San-Pedro, segundo
andar, n. 10. u. ._......,. ,,;,,* desla
Compras.
Compram-se escravos que sejam officias de car-
pina, de 18 a 25 annos e de boas figuras ; pagam-se
bem sendo de bons costumes a perilos no seo nfli-
eio, poissSo para urna encommenda do Uio-de-Ja-
neiro: na rua do Amorim, n, 35, a fallar com J. J.
Tasau JuiCr.
- vncio-se oengenho Amazonas, distante
neiro : na.
nardino.
-Vende-se urna preta de 14 a 15 anuos, propria
para casa de familia, por saber engommar, coser e
cozinhar: na rua da Senzalla-Velha n. 76.
Vcndc-seum par de bancas de Jacaranda e en-
vernizadasde novo, em bom estado : no Aterro-da-
Boa-Vista, n. 86, segundo andar.
Vendem-se, pegas de madapolflo largo com 20
varas, a 2,800 e 3,000 rs. ,oa reUlho a 7 e 8 vin-
tens : na rua do Passeio, loja n. 17. ,.*
- Vendem-so boas laranjas da China, aos ceios,
na rua Nova n. 52, terceiro andar. '
___ Vende-se um sobrado de um indar,
na rua do Hospicio, junto venda do
Leao d'ouro, muito fresco e com linda
vista ; com porta cocheira, uina rica sala
dbrada, e todos os mais commodos com
asseio, tom quintal com parreiras e ca-
cimba de boa agoa de beber : a tratar com
o dono, na mesma casa.
__Vende-scalojan. 5da rua do Passeio, pti-
ma para um principiante por ter poucos fondos o
vender muito a retalbo : a tratar na mesma rua ,
n. 19.
Churu tos da llavana,
viudos no patacho hespanhol Hurocau : vendem-se
na rua da Cruz no Becife, armazn) n. 13.
Atteueao !
Vendem-se ricos apparelhos de metal
para cha, chegados ltimamente e do me-
lhor gosto: na rua Nova, n. ao, loja dj
Joao reraandea prente Viar.ua.
.itl
ILADO


r
Vendem-se bonetes de panno ris*-
c do, a 32o rs : na loja de quatro portas
da ra do Cahug, n. i C.
A 1,600 cada mn.
Ni loja de Coima riles & C, que faz esquina para o
rut do Collegio, n.5, vendum-se barretes de seda
pina padre, pelo baralo prego de 1,600 rs. cada um.
-- Vende-se um cabra ollicial de pedreiro de bo-
nita figura do is ,unios, proprio para pagem : pre-
cre-se vcnder-se para lora da provincia, ou para en-
genho : na ra Nova, fabrica de chapeos de Chris-
I i,ni o Irniflo.
Ci>arrilhos hespanhes ver-
dadciros.
Quem iio traga urna fumaca produzida por estes
deliciosos cigarrilhos no se pode contar no nume-
to daquelles que sabem. apreciar os deleites da vida
contempornea :e as pessoas que se julgarem nes-
tas circunstancias, dlrijam-se atrs da matriz do
Corpo-Santo, no Recite, venda n. 66.
Pechincha.
Vendem-se luvas de fio da Escocia para senhora,
polo diminuto prego de meia pataca cada par : na ra
Nova, n. 30, loja de Domingos Antonio do Oliveira.
Vendem-se toucados para senhora, proprios pa-
ra partidas o bailes : na ra Nova, ti. 30, loja de Do-
mingos Antonio de Oliveira.
Vendem-se saceos coni farelo, pelo barato pre-
co de 2.400 rs. : na ra di Senzalla-Velha, n. 138.
PRELO,
a 1,500 rs. a barrica no armazem n. 20, de Joaquim
da Silva Lopes, confronte a guarda da alfamb-ga.
Vendem-se caixas de vidro, mili
bem enfeitad.s, para guardar joias, por
preco commodo: na loja de quatro portas
da i ua do Cabug, n. i C, do Duarte.
Agencia da fundicao
Low-Aloor, i ua da ."Senza!la-
nova, n. 42.
Neste estahelecimento contina a ha-
ver um completo sortimento de moendas"
e meias moenda, par- engenho j ma-
chinas de vapor,e taclias de ferro batido e
coado, de todos os tamaitos, para dito.
Potassa.
Desembarcou Ia poneos clias urna per-
cao de harris pequeos, com milito nov.i
c snpeiior potassa, e se acham venda,
por preco mais barato do que ultima-
mente se venda, na rua da Gadcia-Velha,
armazem de Baltar& Oliveira, n. 12.
Vende-se colla de superior qualidade, das fa-
bricas do Itio-Grande-do-Sul: na rua da Moda
A
==*=
11.7.
Vende-se caivetes de cabo de ma-
d re-parola, de nina folha at quatro ; d-
t< s de punhal ; tesouras pora unbas, fi-
nas ; ditas de costura ; ditas com caive-
tes ;colheresde metal do principe, para
cha ; saca-rolhas de patente ; estojos de na-
ilbas; aiadores, com sua competente
pedra; dos melboiesquc teem apparecido :
ilojadeqtiatro portas da rua do Cabug,
do Duarte.
>Ta loja do Passeio-Public- ,
11. 19 de lauocl Joaquim
Pascoal Kamos,
vende-se riscado de algodfo para cortinados a 120
rs. o covado e 2,400 rs. a peca com 24 covados;
riscado monstro a 280 rs. ; corles de casimira, a
4,000 rs. ; ditos de 13a a 2,000 rs. ; castor para cal-
cas a 200 e 360 rs. ; madnpoliio, a 3,000 o 5,500 rs.;
nsca.lDsrrsncezes, a 200 rs.; ditos muilo linos a
280 rs. o covado ; chales de larlalnna de seda, a 9,000
rs. ; mantas de seda a 10,000 rs. ; lencos de sar-
ga a 1,000 rs.; ditos de seda, a 1,000 rs.; panno fi-
no azul ,.a 4,000 rs. ; dito preto do 3,500 a 5,500
rs. ; chilas encarnadas muilo finas ,. padrOes moder-
nos, a 280 rs. o covado ; c oulras umitas ranadas
por preco commodo.
Igodo monstro de 8 palmos
c meio de largura.
Na loja n. 5, que faz esquina para a rua do Colle-
gio de Cui fazenda de algodflo branco muilo proprio para loa-
lli.-is, pelo barato preco de 640 rs. Da-se amostra.
Vende-se alcatrao da Suecia, de
boa qualidade, em barris bem acondicio-
nados com ai eos de ferro: na rua do Vi-
gario, n. 4.
Vende-se, por nSo se poder conduzir para o
mallo, um piano em muito hoin estado e de mili-
to boas vozes por melado de seu valor : na rua do
Queimado, n. 17, segundo andar.
Lindos vasos para fl >res
Vendem-se vasos para Oores, e urna porfo de
louca vidrada : 110 caes da Alfandega, aruiazein n. I,
Charutos de San-Flix.
No caes da Alfandega, armazem n. 1, vondem-se
ests superiores charutos da marca verdadeira poj-
mais barato preco do que em outra pualquer parle
por ser em primeir* m3o.
Vende-se um preto de bonita figura perfeito
canociro; urna negrinha de 13 annos, muito boa
costureira no pateo da matriz de S.-Antonio loia
11.4, se dir quem vende.
-- Vende-se nina preta de Angola, do i>W.nt* n
gura de so aunos, com slgurnas habilidades";"po-
rm s se vendo para fra da provincincia ou algum
engenho : na rua No\u, n. 18.
Vende-se urna casa no lugar da Capunga, perto
'lo rio, de pedra e cal, anda nova toJa envidra. --
da : vende-se por menos de seu valor recebendo-se
melada a vista : no pateo da S,-Cruz ao p da bo-
tica n. 8.
fia loja de quatro portas da rua do
Cabug, n. 1 C, do Duarte, tem um
completo sortimento de perfumaras, per
preces mais com modos do que em outra
qualquer parte.
Vende-se urna escrava de bonita figura que
faz todo oservico de urna casa, e he ptima para
vender na rua por estar a istoacostumada : na rUa
da Concordia casa junto a venda n. 9.
Vende-se um preto proprio para padaria por
ser muito bom forneiroe trabalhador do que tudo
ontende o motivo por que se vende se dir ao com-
prador : no pateo da S.-Cruz, n. 24.
Vinho barato.
Acha-se estabelecido na rua da Madre-de-Dcos ,
n. 36, um armazem de
Vinlios da Figueira,
de ptima qualidade, a prego de 1,120 rs. a caada,
e a 160 rs- a garrafa ; e para nDo haver dolo do com-
prador serflo lacradas as garrafas e com rotulo, re-
cebondo-so a garrafa vasia, e dando-se inmediata-
mente a outra cheia tambem ha barris muito pe-
queos proprios para quem passa a Testa. O pro-
pietario desto cslabelecimenlo pede encarecida-
mente que se no illudam avahando, pelo diminuto
prego e som conhecimento de causa a qualidade de
sua fazenda digna por certo da estima dos verda-
deros amantes da boa pinga. Elle cunta que quem
urna vez provar, continuar com gosto e sem arre-
pendimenlo. E o bom preco!! .' A todo o exposto
accresce o asseio e bom acondicinnamento o que
ludo se podera verificar em dilo estabelecimento,
Vendem-so baleias para esparlilhos e vesti-
dos : na fabrica de chapos de sol da rua do Passeio,
11. 5 A.
Cera de Lisboa.
' Na rua da Cruz, n. 60, ha um completo sortimen-
to de cera de Lisboa emcaixas de todos os tama-
itos que os compradores desejarem; assim como
lanibem ha urna grande porefloda que vem em gru-
mee em pilo ,'vende-sc por menos prego do que em
outra qualquer parte.
apra homem, de diversas cores, de pon-
to inglez, a 1,000 rs. ; dtas dealgodao a
5oo rs.; ditas de seda a 800 rs ; ditas pa-
ra senhora a 1,280 rs. ; lencos de grava-
ta, de seda, de 1,000 rs. a 1,600 rs.; ga-
iSes entre-finos de diversas larguras;
espiguilhas, galoes falsos, e volantes, por
precos commodos ; bicos do Porto, de di-
versas larguras, de 80 a 160 rs. a vara ;
ditos francezes, de bonitos padrees; fitas
de seda, n. 9 e la ; flores francezas; len-
cos de garra a 1,000 rs : na loja de quatro
portas da rua do Cabug, n. 1 C, do
Duarte.
Vende-se um preto de bonita figura que est ha
10 annos em botica, do que tem pratica : na
rua larga do Rozarlo, loja n. 35, Na mesma toja tam-
bem se vende urna parda, propria para ama de casa,
por ser fiel, e de juizo e ter habilidades.
Saccas com milho ,
a 5,200 rs.:
vendem-ss no armazem do Bacelar, no caes da Al-
fandega.
Vende-se cal virgem de Lisboa!, em barr* de 4
arrobas chegada prlo ultimo navio, por prreo coimna-
do : a tratar com Almelda it Fonaeca.na rua do Apollo
YVndVm-sf barra pequeos com cal virgein de Lis-
boa a mais ora que ha no mercado, por preco com-
modo : na rua da Moda armazem n. 17.
:>

>
1
>
->
->
p
m
Potassa nova e superior. *
1
41
i
6
vira ditos para meninos de sola e vira
por precos commodos: na rua da Cade
do Kecife, n. 9. '*?
ptima pinga 140 rs. a
garrafa.
Vende-se na rua do Amorim, n. 36 0
muito superior vinh da Figueira a i,0'0o
rs. a caada ; e tambem tem os mais so,
periores vinhos de Lisboa e Porto, porpre'
eos commodos.
No armazem de Das Ferreira, no
caes da Alfandega, veode-se, por preco
muito commodo, potassa muito superior
em pequeos barr de 100 libras cadi
um, desembarcados ltimamente.
Vende-se, a dinheiro ou a praio
e sendo com boas firmas, a loja de mi.
dezas da rua do Queimado, n. 53:
pretendentes dirijam-se mesma.
--Vende-se pspel alinago e florete, azul e brinco
muito em conta : em casa de Frederiou Itobillisrj'
rua do Trapiche-Novo n. 18 : bem como lio prol
prio para coser saceos para assucar.
Vende-se urna preta da nago, moga, o que he
ptima para todo o servigo do urna casa : na rua da
Mangueira n. 9.
03
Vende-sea a5o rs. cada libra,na
rua do Apollo, armazem n. 18, ou
na rua da Cadeia, n. 4o-
QMAAAAAAa^-AAftAAAajMiAAAO
Vendem-se ps de srag da India ehegados
ha poucodo Itio-de-Janeiro e plantados em sepa-
rado : na rua da Florentina, n. 16.
CHA' HYSSON,
de ptima qualidade a 2^240 rs. a libra: na rua da
Crin no Recife armazem n. 13.
FAREL
a 3s'ooo rs. a sacca
nos armaiens ns. 1 e 3 do caes da Alfandega,e no de n.
35 da ruado Amoriiii, de J. J. Tasso Jiinior,
A 4.000 rs. cada um.
Na loja n. 5 que fz esquina para a rua do Colle-
gio, de Guimariles & C, vendem-se chapeos de sol de
seda ypnle, azul c encarnada, pelo diminuto prego
de 41000 rs cada um.
Vende-se um escravo caiador, e que entende
de plautagOes de sitio ; urna caixa do msica con-
tendo differentes pegas ; um rico aderego de ouro,
com diamantes, para senhora; um relogio de ouro
e outro de prala ; um annel com .diamantes ; urna
correle e cagoleta de ouro; alguns garlos de prata;
urna duzia docadeiras; um cannap; duas bancas
de oleo ; urna carteira de amarello para escriptorio;
urna cama de armaeo do angico e com enxer-
gOes ; e outros mu i ios objictos por prego commodo:
na rua Direita, sobrado n 16
Vende-se a verdadeira potassa da
Kussia, desembarcada hontem, por pc-
eo muito rascavel, vista de sua muito
superior qual.dade : na rua do Trapiche,
n. 17, e rua da Cadeia, n. 34-
-Vende-se urna negrinha de bonita figura, de
12 annos costurera, e que he muito sadia : na rua
larga do Rozario n. 46, primeiro andar.
Um novo sortimento de
r eado monstro.
Vendom-se na loja de Guimar.tes & C, que faz
esquina para a rua do Collegio, n. 5, nuvos risca-
do* monslros de padroes modernos e lindos, pelo
mesmo prego do 320 rs. o covado.
Casimiras elsticas.
Vendem-se superiores cortes de meia casimiras els-
ticas de pura laa, pelo barato preco de 2/JO0 e 3/1)00 rs.
o corte de calca : na nova loja da estrella, da rua do
Collegio, n. 1.
Vende-se um bonito sortimento de
boles de seda, para casaca; ditos pura
vestidos de meninos; ditos amarellos, de
Pedro II; ditos para militares, de c-
vallaria e inftntaria, ditos para libres de
pagem, brancos e amarellos, de bons pa-
droes ; ditos de raassa, para fardamenl
de cacadores ; ditos de vidro, de diversas
cores : na rua do Cabug, loja de quatro
por preco
n. 9.4.
Urub-re.
Vende-se um urubii-rei
commodo : na rua da Praia,
Vende-se ca virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do que em outra qual-
quer parte: na rua do Trapiche, arma-
zem'n 17.
Vendem-se dous pianos fortes de Jacaranda,
ehegados ltimamente, que, altn de sorem um
magnifico ornato de urna sala, teem excellenles
vozes, sendo o mechanismo da muila approvada no-
va invengSo, chamada repitidor patente de Col-
la ni : em casa de J. Koller & Companhia na rua da
Cruz, n. 55.
- Vendem-se aeges da ex-
mela companhia de Pernambuco
e Paraliiba: no escriptorio de O*
liveira Irmos & C, rua da Cruz,
n. 9.
~ Vende-se a armagilo, sem fazendas, da loja da
rua doPasseio, n. 17.
--Vende-se um checheo muito manso e encl-
lenle cantador; bm como urna grande serpente
viva encerrada em urna fortegaiola propria para
ser levada para qualquer pail eslrangeiro: na rua
da l'lorenlina, n. 16.
Vendem-se mis bancos, torneiras e urna ca-
deira grande do magisterio : a fallar com o sacris-
tlo da Madre-de-Deos.
-Vende-se muito superior lagedo de l.isba e
cal virgem em barris de 4 arrobas, por mdico prego:
na ruado Vigario, n. 19.
Vendem-se chapeos de castor branco
J|^4,000 rs. : na rua do Queimado, n. 22..-.'
. Vende-se urna negrinha de 8 annos, .-.u
cose soffrivel e he propria para se educar, ou dir-
se de mimo a urna menina : na rua Nova, n. 21, se".
gundo andar.
J\a rua de Agoas-Verdrs,
n. 46,
vendem-se2escravas com boas habilidades, de #
a 20 annos; dous bonitos moleques de 12 a 20 snnos-
um dito bom carreiro ; dous escravos pegas; duas
escravas boas quitandiras; um pardo ofiicial de
que nao
a Ilaiate.
Sortimento para os
sabem.
Vcndem -se condegas e bala ios de todos os tana-
nhos; esleirs de Angola, grandes e pequeas;
baldes de pinlio para compras; saccas de familia
fina ; ditas de feijflo; ditas de arroz pilado; ditas
de milho e de arroz de casca ; urnas bataneas guar-
necidas de la tilo a com correntes do mesmo; um
brago de dita do autor Itooflo; um temo de pesos
de 8 libras at meia quarta,, de bronze, tudo pro-
prio para baldo decasa de negocio; lima .frasquei-
ra com 18 frascos competentes e clices, tudodou-
rado obra bom feita em Lisboa : na rua da Cadeia
do Herid!, n.8.
portas, do Duarte.
Riscados monstros.
Vendrin-se superiores riscados monstros, i brm co-
nocidos lauto pela qunlidadr como prla largura em
demasa, pelo barato preco de 280 rs. o covado Estes
riscados sao ehegados ltimamente-: as i6res sao fixas
e os p.nlrdes muito modernos e .de bom costo : na nova'
lujada Rstreilada rua do Collegio, n. 1.
Vende-se nina casa terrea muito grande, tila na
rua da Mangueira, na lloa-Vista, n. II, com grandes coiu-
modos, quintal muito grande e miutnsarvoredos defruc-
tos, por preco o mais rasoavel possivel: trata-se na rua
do Arago, n. 27.
-- Kirmino J. F. da llosa vende muito superior pan-
no de algodSo trangado fe i lo na Haba t muito pro-
prio para saceos ilo assucar assim como para roupa
do escravos por ser muito encorpado : os prelcn-
dentes dirijam-se a rua do Trapiche, n. 44, primeiro
andar.
Vendem-se luvas de nellica narl
Vende-se os mais ricos e mais
modernos corles de vestidos, de
seda de cores, tanto em gosto, co-
mo em qualidade ehegados no ul-
timo navio, tendo a superioridade
de nunca mofar, e com 21 covados
cada corte : na rua do Queimado,
quatro cantos, loja da casa amitrei-
l, n 29.
Escravos Fgidos
Anda contina a estar fgido o escravo Patri-
cio devinteetantos annos; he desdentado; tem
urna fistola no rosto, de um lado; he de altura re-
gular magro, pernas finas ; ja veio urna vez preso
do Brejo-da-Madre-de-Deos por isso Sabe muito
bem o caminho do sertilo. Quem pegar leve-o 10
Recite rua da Cruz, n. 26, que ser gratificado.
Fugio urna crioula de nomo Catharina, com
os siguaes seguidles : alta, mag^a ; tem a barriga
um tanto crescida nariz grosso,, denles bonitos;
levouum roupo de riscadinho cor de rosa, urna
saia de lila o outra do f hita esverdeada com dous
babados guarnecidos com fila de velludo preto um
cabego de cassa de quadros com abertura e bolOes,
panno da Costa sem estar embainhado ; levou mal
una sua filha de nome Mara de dous annos ; te ni
as cosas unidas a ponle de a fazer espalhar os ps
para os lados; suspeita-se que esteja escondida em
Fra-de-Portas esuspeita-se mais oulra cousa de
que.por n.loestar bem vsmerilbada, nSo se faz decla-
ragSoaljjuma : quem alegar leve-a ao Alerro-Ja-
Uoa-Visfa, n. 42, que ser gratificado : limibeni'e
protesta contra quem a tiveroceulta
Fugio, no dia 18 do coi rente, do engenho S-
Joflo, no Cabo, Marcolino, pardo trigueiro de 19
annos, estatura regular cara redonda olhos p-
quenos denles limados ; levou duas caigas, urna do
brim pardo e oulra do riscado azul : quem o pegar
leve-o ao referido engenho ou a casa de l.uiz Co-
mes Ferreira no Mondego, que ser generosamen-
te recompensado.
Fugio, no da 18 do correntc a escrava Joa-
quina, de uagSo Angola, de 18 a 0 anuos alta >
cheia do corpo, cor fula, olhos grandes, beigos grs-
sos, rosto redondo peilos grandes; tem as cos-
tas signaesde sua haglo : quem a pegar leve-a a seu
senhor, Manoel de Souza Cordeiro SiniOes, na rua
estreita do llozario, n. 23, primeiro andar, que re-
compensara.
Fugio, no dia 20 do corrento, urna eserava ca-
bra de nome Josepha natural do Ico, do lugar do
Brcjo, de altura regular corpo, peso mies glos-
aos*, rosto regular queixo fino, beigos bicudos, na-
riz arrebitado, testa estreita ; lem os denles da fren-
te aberlus orelhas regulares de 25 anuos, pouco
mus ou menos; levou vestido de chita rxa, panno
da Costa corrido da malames em roda ; andava ven-
deudoazeilo : quema pegar leve a rua do Fogo,
n. 28, quo ser generosamente recompensado..
~ Fugio, no dia 24 do correlo o preto Marlihho,
crioulo, de 24 annos pouco mais ou menos, esta-
tura regular rornido do corpo ; be bstanle ilesom-
baragailo ; levou camisa e caigas de algodflo branco:
quem o pegar leve-o a rua do Apollo, casa de- Nober-
ro Joaquim Jos Cuedes, que sei recompensado.
Fugio, do engenho Bom-Jesus-da-Slalla n
noite de 21 de outtibro Benedicta crioula de 23
annos, estatura regular, cheia do corpo, cor un
pouco fula ; tem o pescogo mais preto que o corpo B
cara olhos redondos, pequeos e pretos; teui.iy
fonles mais aperladas que a testa, beigos e nariz
grossos, denles alvos e sos : quem a pegar leve-a
Vende-so a venda n. 1 do pateo do Terco, coma Jos Vieira Brasil rio mesmo engenha, ou rie*U
osrundosdefiOO.OOO rs.: quoin pretender dirija-so a I praga no engenho da Torre, que sera generosame-
mesm. j te recompensado.
No arma-fin n. 66, principio da
ruada Cruz, vindo da rua da Cadeia,
vend-se vinho da Figneira, de lia qua-
lidade, a 160 rs. a garraf.t, c 1,120 rs. a
, e em pipas ser vendido por
que em outra qualquer
e em
preco
caada
menor
parle.
He chegado loja nova
do Aterm-da-Ba-Vista, 11. !M,
um sortimento dos mais dt li-
cados riscados denominador
monstros, ese vcndem pelo di-
minuto preco de ttO rs. o c
vado.
senhora, enfeitadas, a 3,800 rs. ; d'itaslualro ; ditos (te courTranco dT^la ejpgan. ; na ut. de m. f. DirAEU.-i
mTjtl


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EL82U8P8Q_EWE98H INGEST_TIME 2013-04-24T18:58:51Z PACKAGE AA00011611_06545
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES