Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06542


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ni> XXIV.
Sabbado II
n Bf 4"" pb"c*"*'' lo,,0 "que alo
a,, guarda: n"* ariUUl Pr I""-1'1- *Mib..*ii. O
inicio do ashrniule 5o Inserido i
*!' ,lr O r. |hii lilil, 40 ra. ein lypo dif-
, .ir rairepelife Pr' metadc. nao
rrf
Sm'-IM Wria t!" '"'i10 "
em i)l'J '^"^';reote P0' c*d' Pub"cavSo-
PHASES DA LOA O HEZ E OUTUBRO.
a.^-u a5. i II hora r mi. da manb.
?T^. a li. a I hora e 36 min. da Urd.
MMM,alt.aoi 8 mln d* manh.
fflS; V 11 hor e 27 mln. da Urd.
PARTIDA. DOS COR REOS.
Gnlanna c Parablba, i fu, e wxtai-ff ira.
Rio-G.-lo-^orie.qiitnla-feiri ao mrio-dia.
Cabo, Se rlnhJrin. Rlo-Formoin, Porto-Calvo
r Macelo, ao I.*, a II r 21 de rada inet, v1
Caranhon c Honllo. a 8 e 11.
Boa-VUia e Plore, a i:l C 28.
Victoria, quiutaa-frira.
01 luda, lodo odla.
PREAMAR DE 110JE.
Primeira, O hora e 30 minutos damanh.
Segunda, sO horas r M minuto da tarde.
de Ou(ubro He 1848.
N. W>.
MAS DA SEMANA.
II) Segunda.S. M iriiiii.ino. Aud. do J. do>
orph. do J. rlr. e do J M. da 2. t.
17 Terca. S. Ilcduviee. Aud. do J. do c.
da I. v. i* dn I. uVpiidnj .1,i de t.
18 (Juana. S. Lucas fi.ing'llili. Aud. do J.
doc.da 2. v. ertoJ. dr pal d.i 4 dist. do (.
19 Quinta. S. Pedio de Alcntara, feriado.
10 Sexta. S. Joo Cancln. Aud. do J. dociv.
e do J. de par. d > I dist de t.
I Sahbado. S. Urania. Aud. do J. do c. .
e doJ. de paxdo I dist. de t.
22 Domingo. S. Mara Salome.
CAMBIOS NO DA DE 20 om*URO.
Sobre l.ondre a 21 d. por IfOOOr. 00 d.
a Pars
I.Unoa 120 por eenlo de premio.
Rio-de-J inriro ao > ar.
De*c de leu de boas firma al fao me
Aecrxla eoinp. de Hebrrlbe. aaO/rs. aop.
Oaro.Oneas hespanhola 31*000 a 3Uf>uO
MoedadeGVi0 delliHiOOn. ItilBOOa I8|700
de 4/100... 9#!W0 a f#T'M.
PralaPatace braiileiro 2/020 a 2/WO
Pesos coluinnario. 2/l>00 a 2^)20
Dito mexicano..... 1/900 a l/W1

i.
DIARIO DE
NAMBUCO
PARTE omCIAl.
MINISTEBl DA FAZNDA.
EXTRAJO DO EXPEDIENTE 00 DA 18 DE SE-
TI'MHIIO DE 1818.
A* theouraria do flio-dp-Janeiro. apprnvando o"
que prupor de nomear, sobre propnsta e responsa-
biliilade dos piivflps das mesa do rendas, ajudan-
tes que ns suhstituam nos spiis imppdimcntos, e de
aiitnrisaros escriviles pnra stilislituirem Asadminis-
tradores nos casos de suspensao, remocjlo, demissilo
ou falleriniputo.
A" de Minas, respondendo aooflicn dp r. deju-
nhoqup, sendo restricta a disposiclo do artigo 15,
- j 3 da lei d 21 rt> otitiibro de 1843 para as qui-
tncpseoutros ttulos do dinlieiro prnvpniPnles de
contratos quejtenham pago o sello devido, nlo
pode npsla disposieflo spr comprehendida aescrp-
tura de hvppinerapaaSHila por Julio Va* o aeiio
l'-anrisc de Paula-Santos, a qual com as lettras. e
i'pquprinK'iit" se devnlve. As lettras e pseripturas de
hvpotheca san ttulos dist i netos, do diversa origem
e "iialureza, subjeilos cada um delles a unt sello pro-
prio diverso; embora estas se nliram aquellas,
as IransBCCoes pode cada nm dosditus ttulos sor-
tiro sen efleilo indeppiuleiitr um do onlro. A cscrip-
tura de bypoilipca de que se trata, nSo sendo um r>
toritii.pleiiipnlar, nernooudig<1o essetirial das let-
trs de que faz menean, e nem derivado upeossaria-
mente, della que ni" possa proluiirspu pffeito con-
iunrlamente, e>taporconspguinio suhjeita ao arti-
gue.0 do rpguliinieiilo do 26 de abril de 1816, assim
cuino eslo as lettras provenientes do premio das a-
polices no seguro, por serem tlulus diversos, sul)-
ietus cada um delles a sello proprio, como fui lti-
mamente declarado por portara de 19 de uoveriihro
de 1845, ej'pdida rm cmisequcncia d re,ilueln de
Consulta da seceflo de fazenda do concellio de Citado.
Itcparticilo da polica.
EXTRACTO DIARIO DO DA 20 IK) COMIENTE.
PARTS Di POLfCIA.
Foi preso, pnrordem do delegado do 1. districto
desla cida le, o pardo Migu-I, escravo de Ignacio No-
nes dos i'razcrcs, si-ni que desse o motivo da prisilo.
o Amanuense,
Aprigio Jos da Silva
rv nrcDifjn
LA IMiiOD.
LONDRES, 26 DE ACOST.
or.nvHBNo pRovisoaio da hrpubuca raA&cszA.
-
Dnr^nien extraordinario periodo em qiieos nego-
cios d Franca foram dirigidos pelo guveriio proviso-
rio, diversos motivos conlrihuirnm para in Iu7r os
prinripaes org.los da opiniilo publica na I uropa a
suspenderen! sua directa censura n respeito dos pro-
cedinienlos irrpgulare e escandalosos daquella sd-
mimslraQo, assim c<>moa espassarem a completa
fcpnatcffo da depravacfln e dos crimes daquellcs
iip repentinamente haviam sido investidos como
supremo poder revolucionario. Nos nao lamenta-
mos a reserva indulgente que foi observada para
coin aquelle govomo, por isso quo elle, omquanlo
ndolosae bnm, no foi ncm -feroz, nem sanguina-
rio, nem pervprso, e porque a vi.sta de homens taes
como Sobrier, Huber e Barbes, um l.edru Rullin
mesmo euir l.uiz Blane pareciam quasi sofTrivcis.
Mas a grande inqniriefio da assemlila franceza acer-
ca ds causas que j eoi mais de duas occasiOes bao
levado a propria repblica borda da ruina, ha
preservado pin dorudouros registros urna pintora do
governo provisorio de Franca, que escode as mais
negras suspeilas s mais gravps accusaeOos que
nunca se lizeram contra elle ; o nos smente lamen-
tamos uue o eiionno volutne desles aunaes revolueio-
nanoa, ,. B ifi,t cunfusilo da massa de depoi(lien-
tos mo nos permitan! analysar nem condensar tilo
'liversificsda perfidia, o tilo intrincada iniquidado
He u.esmo baldado dividir 0 governo em duas partes;
porque, roniquantu baja, sem'duvida nenbuma.gran-
tle diirig-eiica entre mu buincn tal como Albarl (ope-
rario,), o qual hm disso a l.edru Rolliu em o da 15
de m*io:o Dentro de meta llora vossa miseravel
cmara (a aSsembla nacional) lera p salto que mere-
ce, e scu cullegas mais moderados, todava he
ceilo que drsde o principio estes collegas haviam
lido inleiro conheciuiento do juo materias inflain-
niaveis se iam diariamente amonloaiido sobre o fu-
go. Clubs dii maisatruz o violento carcter estavam
em iMiiun, cooiinuuicago c terior, e por meiodeseus cheles soturnas considera-
veis, pi rleiicenlesao publico, se despendalo coin os
emissarios revolucinanos quo crain enviados aos
departamentos.
Siin enle um urna occasiilo l.oogpfjpd, um dos
priiici|iaes agentes de l.e.iru Rull(i, recebeu mais de
300,oou fr. |>ara o lim de os despender com assuas
-'euturas. E quo emissaiius foian esrolhidos para
f'i/rr boma aos principios republicanos Pazednres
de ciiiipi'-o de chuva, pasleleiros, correlures, pin-
tor
es, Ifilores,
iuiiuineraveis boiiieus de b-ttiaa .' o
Uftit pinicos individuos que ja haviam sido conjeiu-
nailu a gais, furmarain este varicgado eiercito de
drufc.suies de iibardade, de lurds de igtiuldade, de
libertinos privilegiados'quo fram onvados como
espiritos destruidores para perverter-a rasilo, excitar
as ixecs e csiiuifaiisHi iodo o senlimentr honesto
do povo- francez. No admira, pois, que 14* aven-
turemos dissolulos, sabidos dos clubs de Pars, ex-
citassem por toda a parteo honor dequsntosainda
nto estavam degredados pelo contagio revoluciona-
rio ao nivel de sua infamia fraternal. Entretanto,
em Parisa imprensa, livre do todas as restrieces da
le. e de todas as obrigacoes fiscaes, soltou as ro-
deas a tudo quanto hp grotesco, absurdo e feroz.
Depoisde 2* de feverpiro no menos de 171 jornaes
novos derramaran! sua loucura, sua malignidade e
sua extiavagancia sobre a naciln, e antea que o a-
nhilo de junlio tivosse reprimido estas saturnaes es-
candalosas, duas gazetas respectivamente intitula-
das /; Incendie [U Incendio,, c U Sangui,iaire a
(0 Sanguinario;, parecem haver tocado a meta neslas
cpbemerides de horror. Quo fazia entretanto o go-
vorno? O governo contribua consjderavlmcnlc
para urna especie de lilleratura que polluii os pro-
prios muros do Pars. Una autora, cuja enorgia de
estylo s he excedida por sen reeonhecido desprezo
pelas decencias di vida'social, e pelas luis, assim
divinas como humanas, foi expressamcuto alugada
pela reparligilo do interior para fabricar os bullelini
dn repblica, alguna dos quaes claramente ameaca-
vam a assembla nacional com urna repoliciio das
proezas |>opulares do mez de fevereiro ; entretanto
queoulros insina va m .Ma destruidora e deshonesta
influencia no propio amago da vida sncial, e nos
prolundos Bsenlos das am-icOes domesticas. Um
minuta do gabinete foi felizmente preservada, c del-
la consta que a revisao diaria duslas felizes prnduc*
cOes era assignada alternativamente a cada memhro
ilo governo, c que elles dividiam entre si rom ridi-
cula prerjisuo a pesada carga desta responsabildado
lilleraria. Com esta abundante superintendencia,
e esta Ilimitada somma de audacia, M. Ledro Rullin
C seus ccmpaiii'-iros sonaeiiviii-So de que deniro
de seis seminas po 'eriain fazer todos os Franrezes
li> cun, lelos republicanos, quanto elles incsmos
o iran; porm, sea experiencia falhnii, ese ais-
tembl, qiiaudo eli-ita, dou provas de nlo estar mui
adianlaiia lias tbpiias pelas quaes de presento 8
para o futuro se leve, governar a sociedade franceza,
be evidepte que o partido republicano liuti sido
bem preparado para deslroi-la viotPilaiiipnte. O
dia 15 de maio foi o marcado para a execueo dcsle
projeclo, e por espaco de tres horas ello pareceu
liaver succedido. Depois da dispers.lo temporaria
da assemlila uaquclledia, Baibs diriniu-se ao llo-
lel-de-Ville, onde o seu prmeiro cto fui escrever
do seo proprio punho uina declaraco de guerra in-
mediata contra a Russia c contra a Allemaoha, se
clin recusassem a immediata reconstiluicno da Po-
lonia .' M. Ledro Itollin tinha multo lempo-antes
praticado com grande artificio a Siasm: cspeci"'do
poltica exlerna. As pxpedicfles da Blgica, da Al-
leiuanha meijdional, oda Salioia, be buje provado
quo fOram cmpiehendidas coin pleno conhecimento
sen e approvacflu ; dinlieiro e urmamculo fram fur-
iiecidos pelo governo francez aos infelizes que actu-
almente estilo sendo julgados em Antuerpia por
urna invasiio pirtica do territorio belga.
Estes detalhes poderiam ser iulinitainento mu: ti -
plicadqs, mas elles serviriam para desenvolver o
amieivoespeeiaculo da peior e mais baixa das pai-
xoes.humaiias devorando em urna m hora as partos
vi taes He um grande paiz. Causar admiragan em
loiliis os lempos o liaver a nacltu franceza permane-
cido passiva por estes 120 diass ordons do um go-
verno vil e milito mais'cova'rde do que nenhuma das
sanguinarias cmanacOes da primeira levolucilo, o
qual prolougou sua miseravel existencia smente
prticandu com a gentalba nos clubs, e trahindo
lodos os outros inlercsscs do estado. Quanto mais
ello for examinado, (|iianlo mais conbecida fr a
sua historia secreta, tanto mais extraordinaria pa-
recer a existencia de um tal governo. Elle subsis-
ti sem finca militar, sem iutegriddde, sem talento
poltico, sustentado smente por urna peca occasio-
nal de apparatosa eloquoncia, porm principalmen-
te pelo medo vil de um povo inleiro.
Pode acaso cunceber-se que uina nafo como a
Franca Trtssc por mezesgovernada por hornees,que
se associaram corniiroressores recunhecidosde ma-
tanca, incendio e pllhagem por homens que eseo-
Iherum estes malvados para seus emissarios e ins-
trumentos, e depois na hora do real perigo abando-
naran! a desesperada causa em quo elles inesmos
haviam inettido Uina | opulaca desesperada c fainin-
ta '' So as prisoes publicas fossem repentinamente
convertidas ein tribuuaes de justica, e as gales em
assenlos do poder, ellas nao poderiam fcilmente
ler produzido uina inullidflo mais desleal e traidora
-um credo publico mais extravagante o destruidor.
a Mal, si- tu o meu bem, quo su a mascara de
iiistiluices republicanas lio procurado aniquilar
osdireitosdo industria, uhalai a baso da sc/ciodaJe,
o iiiesino palliar as mais horrorosas aboncOes do
crime. Se o-mundo udodevusollier alcuma catastro-
plie mais lerriyel.do queasagoiisilo 0%io uuiver-
sal.ou qbe a clruva Je lo'go que desiruio ascidades de
Sodoiua e tioinorra, esta peste dove ser reprimida. A
lula u3o be mais por nenuuili governo poltico, po-
rm sini pelas leis primarias >ia moralidado, por
auuelles imuiulaveis mandaineutos que protegeui a
propnedade e.prese vam a vida.
Nao ha duvida que em lodosos tempos leem liavido
ladrOes eassas5uio.s,-houieus,cuja uiSu esta levan-
tada contra lodos, o contra os quaes lodo- U-eui a
,ao levaniada ; mas nao be posMvel Couceber-se
queen, um pal. qa se uf.ua de haver locado o ,. n-
...culoda oiv.ln.acao, a execucao aJ'Sa '"
iasse, quanuo ml uecessiae uavia de seu ugwr,l
e que se pozessem armas as milos dos misados c dos
mos paa porseguirem o destruirem a beranca do
genero humano. F.si lula no foi de nenlium modo
terminada pelos acontecmentos de junho.' Antes de
so paasarem muilas semanas, ou mesmo muitos dias,
he bem provavel que ella seja sanguinolentamente
renovada. O governo que existe nao he mais que
lim meio, o vive smente por autoridado delegada.
Elle representa a vonlade de una nacilo laslimosa-
monte dividida, e profundamente corrompida, e as
fiireas disposicSo do general Cavaignac Sflo que
supprem o lugar .la IradicSo c dos dreilosestabeln-
cidoscmopposicno implacavel hoslilidade de urna
minora profundamente penetrada do vordadeiro es-
pirito de anarebia,Iludida, innaminada, desmora-
lisada e arruinada.
(The Time*..
INTERIOR.
COI.ONISACAO.
IIISTRIBCICXO DB TURRAS DRVOMTAS.
(Continuaro do n. 230.;
A importancia que ha em se tratar do principal
elpmpnlo de pnlonCo com a mais perfeila uni-
formidade he tilo grande, que inda sunporni, com
risco de cansar o leito', um Caso que sra compre-
heiiiliilo at por quem nunca lestemnnbou os mos
pfTeitos da irrpgulardadecm conceder e negar tr-
ras novas.
Supponha-se que o governo inalez acboo uma
grande porQ-lo de miro pii'opm Middlesex flor da
Ierra, pesando milharos do milhes do libras; e a-
lm disto, que mportava milito ao povo inglez man-
ler'o prpsentc valor do ouro. Nesto caso, como pro-
coderia o governo a respeito desta rica mina ? Ha-
vena ummeo milito fcil ie pagar a divida nacio-
nal ; porm, se assim se fizesso, inaiores males i|a-
hi proviriam ao povo do que se se tivesse duplicado
a sua divida. Sunpondo, como j fizemns, que se
tinha por lim mantor o actual valor do ouro entao
devia o govomo fornecer uma qnantidade suflicien-
tn para servir de meio intermediario as Iransac-
fOes, e guardar, so a pnpulaciln e suas transacc,les
moiiplariis crpscesspm, a ptoporcan entro a deman-
da e o oRerecimento desto metal. Porm, para oinil-
tir esse ouro, sem excesso. compre liaver algu-na rp-
gra, p nunca desviar-sc della i' Seriamente, porque
un plano geral. com exeepcoes, nao sera uma re-
gra, porm diversos planos, operando ao mesmo
te upo, e talv z em direccoes oppustas. A regra pa-
ra corresponder ao seo ulijeclo deve ser invariavel,
isto he, qualquer que seja a que se adopte para .a
emissao do ouro, deve ser ella restrictamente obser-
vada, peis do contrario n.lo sucia mais uma regra.
Em lal caso mo faltara quem pedisse ouro como
remuneracao de servicos pblicos, reaesou suplos-
los, para o bem da rcligiao, como fundo de ca ida-
de, ou para a educaco publica. Qualquer desles
pretendentes dira : O nosso lim lie tilo importan-
te, e he tao fcil consegui-lo por este meio/qun te-
mos direilo que se faca uma excepco a regra ge-
ral. Po rom a lodos respondera um bom govomo :
Tcreiso ouro, segundo osyslcnia adoptado ; por
nenhuma outra considcraQo emilliremns nem se-
qur uma onca, pon|ue o nosso primelfo dever nes-
ta materia he manter o valor dn moda, observando
escrupulosamente a regra. Supponha-se, porm,
um governo negligente ou immoral : ueste caso, se
iilguma regra se adoptasse em apparencia, seriam
tantas as exeepcoes que tornaiiam quila. Se os
membros deste governo lvessem bastante juizo pa -
ra perreber que a extrema prodigalidade na emis-
sii-: leria du-em breve fazer perdura mina osen m-
rito, por nleresso proprio, ciniltinan ouro com
alguma parcimonia, porm anda com vergonbosa
njusliCB, concodcnilo favores a uns cusa de ou-
tros. cuiiceilendo-os em nina occasiao e negando em
outra, causando vilenlas oscillacOes no valor da
moda e arruinando unas a pus outra* a fortuna do
cada um de seus subditos. Se o governo fsse min-
io ignorante, cao mesmo tempu negligente e im-
moral, poderla ser levado pela fachdade de.concc-
der favores e de satisfazor a pedidos urgentes, a
emiltir tanto ouro, que a mina em breve para nada
mais servase; csso seria o resultado liuai de um tal
procedimenlo. Sendo quasi todos os governos co-
loiiisadorcs negligentes e corruptos, pela maior par-
le lem lulo bastante juizo para perceber que a pro-
digalidad!; em conceder tenas devolulas, levada a
um certo poni, dcstrc o sen podt*:r de dispar desto
elemento de riqueza. .Assim nao aconteceu com o
governo que fundn a colonia no Swan-lliver. Ah
a prodigalidade foi tao grande, que nao valia a pena
aceitarum-se tenas devolutas :* : arica minado
ouro nda vale. Porm, mesmo com alguma pru-
dencia da parte dos governos coloniaes, os niales que
pdoni fazer aos seus subditos pelo caprichoso ex-
ercicio do-seu direito de dispor de trras devolulas
sao inaiores do que aquelles que sollreriain os Ingle-
zes pr do uina iinmonsa quanlidade de ouro. Ha a pru-
dencia daquellcs governos colousadores, para seus
proprios lins, que impede que fagain mal. Todo o
daino que elles leem foito, o anida podem la/er.
/?i O auno passado 100,000 geiras de trras esco-
Ihidas, perlo do jWaii-Uiver. lram postas a venda
pin- menos du um furting por geira, porem nflU se
achoo comprador. i\o inesino lempo o governo ven-
da ierras uevolulas em N w-Soutb-iaK-s e Vau-Die-
uiau's-Land pelo preqo de 5 a 2U s. por geir
conservando o direito de dispr de Ierras devolutas,
e oxercendo-o caprichosamente, pdem o conceber
os proprios habitantes de um paiz. velbo, se refiecti-
rem no caso figurado de tima rica mina de ouro
disposicao de um governo negligente e corrupto, e
se tiveremalm disto em lembranea quanto o valor
das Ierras, dos capitacs e do trabalbo, dependera
pxoporijao entre as Ierras o a populsritn.
A ultima condicclo de uma boa regra para dispr
de trras devolulas he a permanencia. Ilavr ora
uma regra. ora Oulra, seria quasi tao mo como n3o
haver nenhdma. O estabelecimento do Swan-Rvor
mo conta 5annos de existencia, ejfrtram adopta-
dos tres (danos inteiramete differentes naquella co-
lonia para a dislribucao delerras devolutas. Naex-
posico do prmeiro plano, dado pelo governo in-
glez, declarou-se. em MUitaa palavras, que nutro se-
ria adoptado dentro de I OU 2annos; anda nflo se
tinbam completado esses dous annos depois doler
partido a primeira expedieo, quando foi adoptado
outro plano; e com a inudauca do ministerio na In-
glaterra veio um lercc-iiii; lodo? elles dentro de 3
anuos. O prmeiro e o ultimo plano nao podiam ser
mais dilFerentes. Segn'o aquelle, qualquer pessoa
poda ohlerde graca urna illunilada quaulidaile de
Ierras, e ein virtnde deste, niuguoin poda obl-las
sem pagar ao menos Ssbillings porgera. At- 1831
podiam obter-se Ierras gratis em Van-Ieman's-
Land. cm New-Soulh-Walles e no Canad ; neste an-
uo smente se da rilo a quem as quizer comprar : tai-
voz que para o auno que vem se restaure o plano de
cuucessAes gratuitas. A ultima iiiudanca no syste-
ina das colonias nglezas mo se enVctuou por u-n
acto legislativo, mas simplesmenle por orlens do
ministro ingleZ das colonias, dirigidas aos governa-
dores das Colonias, dizendo-lbes : ho.este o mo-
do porque haveis de dispr de trras devolulas em-
quauto outra cousa nao determinar, ou o meu suc-
ce-sor. Eis-aqui, diz um escri|ilo aitonyaao nipres-
*o em Downing-Streel uo i." de margo de 1831, O
miuimario das regrasqiie sejulgm convenienteettabe-
lecer para substituir as que Tram dadas ein 20 de ju-
liui de 1830. Oulra publieagilo anouyma de D.iW-
uing-StreeL de 20 de Janeiro de IS.n'di/, eis-aqui
o suinmario das regras que sejulgaram conveni-
entes para rcgular-se a venda de Ierras cm Nesv-
South-Wales e Van-Dieman's-I.and o Quem julgou
co i veniente fazer muilanca* tilo importantes na eco-
noma poltica destascolonias? O ministro das co-
lonias um Inglaterra ; 'porm o seu successor p le
lii'i-ir convrmeiilr [m liar novamente ao plano anti-
go, ou adoptar um plano iuteiraoientii novo; eos
colonos leem de sulimctter-se sem apppllacflo quil-
liiqiieum lord inglez igiioraule ou preguicoao qui-
zer dominar u suminario de regras. Admiltinilo
que a ultima iiiiovaco seja boa para os colonos,
que o plano ora seguido seja milito melhor do que o
modo de proceder irregular o corrupto que se se-
gua, que garantas leem aqtlelies que cumprnin tor-
ras, segundo o novo plano, de nao perderein odi-
nlieiioque por ella* leram, sendo restaurada san-
liga pratica ? O novo plano he odioso aos governos
coloniaes, porque Ibes tira osen mais importante
privilegio, o privilegio de abusar na dislribucao de
trras devolutas Elle he odioso tanibem a lodos a-
quelles que na Inglaterra perleucum classe deno-
minada (he red lape ich"ol of politia ou the
Pecl and Dawson cretc. {*) Presentemente o minis-
tro do interior pule dar ao seu primo urna caria do
introdcelo para o ministro das colonias, sem ob-
ler para elle 500,000 goiras de Ierras devolulas. O
novo plano, que foi suggerido ao governo por uma
sociedadeem Londres, sorprenden os governos co-
loniaes ; se elles tivessom sido consultados, leriam
provavclinenle iudu/ido lord t;oderich, com oapoio
de um grande partido na reparlico das colonias, a
abster-se de escrever aquellas conimunics^Oes que
0 tragaran! ; e be bem provavel que soesforcem, tal
be a natureza humana, por fazerem reviver a antiga
pratica, e scrSo nisso apellados com zelo por alliados
habis em Dowiiiug-Slreet. Nao he decrer que o
successor de lord Guderich, que viajuu na America,
restaure os abusos a que deu lugar o anligo plano :
porm o podo fazer, se quizer, por um rasgo de pen-
na, assim como o podo lazer tambora o seu succes-
sor. Qualquer que seja, pnanlo, a confianca quo so
possnter iioscoiibecimenlos e industria dos Ameri-
canos, qualquer quo seja o orgulbo de Mr. Stanlej,
nao ha uina seguranca, digna desso nomo, quo ali-
ancea continuacao do actual systema. He inleira-
iiienle impossivel que o novo plano ou outro qual-
quer prove bem, mquantu esliver subjeito a ser
mudado ou alterado. Na America trata-se melhor
destas cousas l.auma reparticao indepeudenle do
governo he que sooccupa da distribuicao do torras
devolulas; o plano geral de vend-las foi oslabele-
cidopclocongresso; quando se alterou o prego foi
o congresso que decreou esta altoracao; s o con-
giesso pJe fazer concessouscxcepciouaes. O.syste-
ma he protegido pelas legislaturas de todos os es-
tados, e he dirigido por pessoas escolhidas pela sua
idoneidade, responsaves peranto anaeflo, cobriga-
das n3o smenle adarcoula publicamente de lodos
os seus actos, como uinbum a proceder sempre em
face do publico. Aqu, pois, ha a melhor garan-
t coulra as iunovacoes ; ha um acto logislalivo
comcuiistaolopuljliciade, eo resultado beque na
America qualquer comprador de trras devolulas sa-
be o que lem du fazer ; calcula suhre bases ceilas ; e
que o governo recebe aiiiiualinenteda venda de Ier-
ras devolulas 3 Ouu.000 de dollars. Se- 0 congresso
da AineiicaelovdS.se o px-co sobre le ras devolulas
ao quu fsse pieciso paia impedir a prejudicial dis-
(*) Vide u orgAu hbil da Igraja poltica e do par-
tido lory ua-lugUleiia o Staud-ird.
MUTILADO


rs
o

I

Vieran mais mesa, c to-mn appmvadn* o* se"
ptiiniis requer i entos 'los Sis. creadores Aquino
i- Bernia.
U'-ijiK-iro que i |< Urii vencida do 'oilo Hilario de
q .c i-v-t em fi ir.' Ihe seja apios' ntads, e
ii i raa"i de ii.mi ser puna. se proceda roinn fir do-dj-
iviui contra o leu fiador. Sala iIbsses--s, &c. -
.li/u/ri.
* Requeiro que so autoriscaoSr. procurador inte-
rino para receher todo e qualquer dinheiro quo por
ventura existir possa em poder do Sr. procurador
Mello Pacheco, actualmente suspenso por esta c-
mara. Sala, 3!) de setembrode 18*8. O vereador,
llarala. ,
Despacharam-se as peliedes de Antonio da Silva
Angelo, de ManoerFiguera dcKaria, de Francisco
Lucio Colho, de Jos Itiheiro, lo padie Joaquim Jo-
s Barrlo, do Pedro Gomes Ayres, de Manoel Gon-
calves Servina. Eu, lodo Jote Ferreira dt Xguiar,
secretario osubscrevi. liego Mbuquerque, presi-
dente. Mamede. A. de Barro. Barrut. Ba-
rata. A quino. r. Ntryda Fonseca,
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
RENDIMENTO DO DA 20........... 9:881,964
Descarregam hoje, 21 de oulubro.
Briguo Rola mercaduras.
liaren Indus bacalho.
Brigue Hindoo taboado.
CONSULADO GEBAL.
RENDIMENTO DO DA 20.
p*" > da nopiilacto. aem enur a ana da ramosa *g-
g i hi r'.i, i- iii-i\ >>( t. <" i ni I ontfln, o -iii atenta para 'tiapi'ir da
( I I .....He ''lleno, geria
f" v vi-. Uniforme pi-'rt mente K-.li- he n
" sociedad* da Cutoniaai
[Contimunr ttJtn.)
Cmara municipal do Recite.
Si:SS"iO EXTRAORDINARIA EM 30 DE SETEMBRO
DE 1848.
PRESIDENCIA DO SR. EGO ALBUQDBRQUE.
Prsenles os Srs. Dr.Nery, Barros. Dr. Aquino,
Barata, Mamede, Gaudino Wesquita Pimental, a-
bro-se a gessflo, sendo lida e approvada a acta da
antecedente. .
O secretario fez mencSo dos soguintes oflicios :
L'm do Exm. presidente da provincia, remetiendo
osexemplares das lei nrnvinciaes nmeros 219 de 17
de agosto ultimo, e 22* de 30 du ruesmo mez, aquel-
la restituindn a este municipio a freguezia de Muri-
beca, eesta ilividindo-a em dous distrietns, assim
como a de J boat.fo, c San-Loureneo-da-Malia, alim
de que.ao expedir a cmara ordem aos juizes de paz
respectivos para aseleic/Oesdo veroadores e juizes de
paz, Ihes detetmiiiasse, qtianto aos districlos crea-
dos por aquella lei, a observancia do estatuido nos
artigos 92, 100 e 101 ila lei de 19 de agosto de 1846.
Que assim se cumprisse e se aecusasse a recepeflo
do oflicio.
Oulro do mesmo Exm. presidente, mandando se
llie remettesse um exemplar das posturas, a que se
refera o oflicio desla cmara de 18 do correle, alim
de que pndesse resolver acerca de seu conteJo.
Que se satsfizesse.
Oulro do secretario interino do supremo tribunal
de Justina, pediudo se mandasse saiisfazer, naquclla
secretaria, a quantla de 24#i>00 ris, de. cuitas de pro-
cessos, constantes da rolaran que remeltia, em que
be esta cmara recorrente, e que se acliam parados
no mesmo tribunal. Que se expedisse ordem ao
procurador interino, para satisfazor dita quan'ia.
Oulro do cidadito Jos Camello Jo Rugo Barros,
participando ir assumir no dia 2 do mez scguinle a
vara de juiz de paz do I." disln'clo da freguezia do
Poco, na qnalidade Je Io supplente, visto lr cessa-
do o impedimento que o ininbio de ter estado em
exercicio, Imeirada, e que se nfficiasse ao sup-
plenle actiialmenle emexeicieio uaquelle dstricto;
sendo approvado o segiiinle requer mrito que fez o
Sr. vereador Aquino, em virtude do oflicio t>cima.
Requeim que seja aprsenla la a esta cmara a
acia da sessSo em que se tralou do impedimento do
juiz de paz supplente da freguezia do Poco oS\ Jo-
s Camello no Rejo Rairos, pelo que leve dc.fuiic-
ci>mar o si'ppleiita inmediato o Sr. Fr nciscoG -rai-
do M"ipia Temporal, quan lo.o joiz ile paz niais vo-
tado roinmunicou que se achiva impedido, .assim
cornu a ciimniU'iicaulo nfllcial do me-mn Sr. Barros,
en lasio i|ueapresoniou nnra motivar o se.i impedi-
mento. Sala das se>-0ts 30 de selembro de 18*8. -
Aquino. a
OSr. vareador Mamodei leu e fti approvada urna
proposta, dividmdn om dous disti irlos a fregut'zia
da Va 17 ea, sen lo esta adiVisiln: A l'Dha divisoria I
principiara do lugar denominado Rabo-fo-Giqui, on- ,, ,
de freguesa divtde rom ., de >,-,,.,..,,;..,.! '"" Cnmtl'" ''" 1yoHnrro*,us drP, tupphnte da
V IU......carao lo pelo .io (api) aribe al o postoijue A'ff''*^" l'*f da l'mella, ele.
bi o i ii-enlio.S iu-Jo;.n. subir i or elle i'mi j A cha mi o-se designado o dia 19 de-novembfft pro-
i nha i '-i.! al :i poiln d'.igna do as-udo direngenlio zim,i" futuro para eleijjlii de uizes de pa deata
o. ,u> di n le si'jum lo eiii mlia recia a oncn* freuuezla e de vereadnres do n>imiei pi, segundo as
liar a esirada que val par uengenho i.urndo, edes- ordena para esse fim da las pelo F\m. presidente du
ceii lo por cala al n pnrtera do engenhii San Paulo,' provincia, em dala de 23 de selembro pioxinio pas-
ia ila tarzea divide rom :: dos Afo^a- sudo, que me fram ciiininunieads pela cantara iiiii-
dos: de fnna que os tericnos que flcaqi ao lado do niei|ial ; convoco, em cimrpriment do artigo 9* da
noite desl i iinli i divisoiia formarno o p imeiro .lis- lei n, 387, de I9.deagosto de is'tC. os i-!eilorese sup-
i de paz, no da matriz, eos que licatn ao lado lentes desla freguezia, nella residentes, para compa-
(In S'il, o segundo dstricto. reccrem no indicado illa pelas novo horas da ma-
Nilo compareceiido licitante nos objeclos quean- ulula, na ignja malrir, para a organisa<;flo(da mesa ;
diivaiu em pratja para seren arrematados, nem mes- o bem assim a-lodos os cidiuliios votantes para da-
ino o que oderecra na sessSo passada o UuiJO do rom sens votos, sob as penas da lei.
jl'O ii'.s mais sob'e o preQo da aferiqSo, os Sis. ve-
npclarnc^'s.
Ceral .......
Diversas provincias
1:180,176
28,039
1.208,215
CONSULADO PROVINCIAL.
RE>DIME.NTO Do' DA 20........... 903,840
VlovrriPilln do Porto,
Navio entrado no dia 19.
Ceara; 19 das, sumaca bmsileira l'lor-'h-AngtKm,
de 92 totiladas, cnpitflo Bernardo de Rouza. equ-
pagem 9, carga fariiihn ; a l.nix Jos de Sa Araujo.
Nato nahidn no niesmo dia.
Liverpool por Parahiha ; brigue iuglez Proteus, ca-
pitfio Joiiu l.aird, cargabnealliaai; lastro.
readore Barata e Aquino tizeram osseguinles reque-
rimeniosque, sendo discutidos distinclauuiute, fo-
lam approvados.
a Requeiro que n!io seja admittido a lanzar no
contrato da aferielo o Sr. Joaquim Gnncalves Vieira
tiiiimariles, visto como be sabido e notorio que ello
costuma a fallar a f em lodos os contrato* em que
se nviilve, do que ha no foro minios exemplos. Sa-
la das SssAes, 30 de M'te.uiliro de 18*8 U ve reador
furata. p
NSoapparecendo licitante ao imposto da aferi-
ELEITORF.S.
Os.SeaAorf.
1. Carlos Martins deAlmeida.
2. Antonio Ayres Velloso
3. .loio |.pte Rodinalho.
4. Joflo lunacio Ribiro Roma.
5. Miguel Joaquim do Rpgo Barros.
7 Vigarlo Francisco Luiz de Carvalho.
10 Francisco llelmiro da t:osta.
11 l.uiz de"Mello de Albuqunrque Pitta.
12. Jo* Antonio Goncalves da Mello.
n nao apparecoii'iu in-uouio u iiii|>umu uo ici i- --- -.. -T-----... u.,..v........... .
?ao que oflerec.a osquesitos necessarios, requeiro ]; ^'Colao Rodi igues da Cunba.
que so leve esta oceurrencia ao conhecimenio do ]* Jeroiiymo; Freir de Faiia Pe
que
Kxm. presidente da provincia, pedindo-scautorisa-
e'io para que esla cmara possa por em adminisira-
jito a arrccadaeSo do dito ini|iosto. Sala &c.
Aquino. a
Entrando em discussSo o oflicio do procurador
desla cantara, communicando nao poder por doente
comparecer a sesso de i.oje, nem ter por isso podi-
do concluir os trabalhos da escriplurac.i1o que linha
entre nulos para o ultimo balancele que Ihe fui exi-
gido, o Sr. vereador Aquino fezo* segundes reque-
nmenlos.que, sendo di>cuiidos,e postos cada um de
persi em d^cussflo, fui approvado o primeiro ca-
diado o segundo, ffu conseq'ueocia do que tambem
fez oulro o Sr. vareador Ha ros, quo foi approvado,
votando contra o mesmo ver olor Aquino, que de-
elarou protestava contra qualquer inconveniente que
houvesse de resultar da nao dcmissiio do procu-
rador.
a Requeiro que esta cmara trate de proceder ju-
dicialmente contra o seu procurador, a vista do des
falque que se musir pelo exame do contas procedi-
do pela commissSo especial, nio ten lo elle saldado
esse desfalque no dia por elle mesmo pedido para
esso fim, e que esla cmara Ihe marcou definitiva-
mente. Sala das sesses, &c. Aquino.
a NSo pdenlo o procurador dest cmara conti-
nuar no emprego qu exerce, pelas oceurrencias pif-
S' nciaoas por lodos os sen-, m-inlnos,' propunho
que seja dellllttldo. Sala, ote A/umo.
Reiiueiro o adiamenlo do n quciimento que fez
o Sr. Ui Aqu'iio d-< dauM**So do proeura>ior( em-
quaum na., eutiegai. o oiuiieno ao aciual proedra-
iiu inlti mu aie a pnmeiiH ses o. |\,ro ila C Hilara
Ilm rut. a
15. Jos l'ereira da Silva.
16. Manoel FernandesGama.
Pedrosa.
SUPPI.ENTES.
Os'Senkoret.
3. Joaquim Jos Carneiro Monteiro.
4 foSn Francisco do Reg Maia.
5. Jos Ignacio Pereira da Rucha.
7. Florencio Jos Carneiro Monteiro.
8. Antonio l.ins Caldas.
9 Pedro Jos Carneiro Monteiro.
10. Sebasliilo Antonio do Reg Barros.
11. Francisco de Paula de llego Barros.
12. Mnnsenhor Francisco Muniz lavares.
14. Jos francisco Carneiro Monteiro.
16 Joaquim Jos Cavalcante.
E para que ebegue a noticia de todos, mandei la-
vrar o presente qua sera afiliado nos lugares mais
pblicos da freguezia, e publicado pela imprensa.
Primeiro dismoto da freguezia do Pogo-la-l'anul-
la, em 18 de oulubro de 1848. E eu, Franeiw Jote Al-
e$s Gama, ascrivSo juramentado o escrevi.
Jote' Camello do Reg Barrot,
-------------------------.-----------------------------;--------1
(1 lalwllio do registro visa n quem cmivicr que
as eseiiplnras de hycolbecis feitas clepois'U crea-
co do earinrio do registro uo gozam do direito de
pre/eranrla, nem tem a precisa sivgu.ranca,eiliquan|o
ntlo frtreni compele dmenle registradas.
Pela delegacia do primeiro districlo do Recife,
se faz publico .que se achsm recolbidoa em deposito
cinco cavallos de seis que fram encontrados na ilha
do Maruim, em casa de Joao dos liis Comes, que se
siippoom furlados, tendo sido um deltas entregue a
seu legitimo dono : quem se julgar rom direito aos
meamos cavallos, compareca nesla delegacia, muni-
do dos competentes titulos,que,provando pertencer-
1 lio, scr-lhe-h.lo entregues.
Delegacia do primeiro termo do Recife, 17 de ou-
lubro de 1848.
O delegado de polica,
Feliciano Joaquim dos Sanio.
PUBLICACAO' AGRCOLA,
Manual pratico do fabricante da assucar, por
Agostinho Sommier. Esla obra ensina praticamente
o modo de fabricar o assucar demonstrando os in-
convenientes da antiga pratica os meios de as re-
mover e finalmente ludo quauto se precisa para ti-
rar maior e melhor resultado desua factura e esta
escripia em urna lingoagem que qualquer pessoa
percebe; podendo-se mesmo dizer que o Srs. de
cngenhns com ella so errarSo se quizerem : vnde-
se por 2,000 rs., na praga da Independencia, livra-
ria ns. ( e 8.
TtBATKO NACIONAL
. DA
RA DA PRA1A.
DOMINGO, 22 DO CORRENTE.
Beneficio do Sr. Anastacio Pacheco & C.
A pidiiJt: .ligno.s amigos do beneficiado, repre-
sentar-se-ha
0 ClGANO.
Esta peca, recommendavel pelas suas brilhantes
perepicias e pelos seus rasgos eminentemente dra-
mticos, tem de ser melhor representada, pelo ew-
penho como trabalham para isto lodos os represen-
tantes.
Na Frailea, um bom drama he representado 30 a
40 vezes sucessvas, porque o que he bello nunca
aboi rece.
Os nter vatios do drama serflo preenebidos com
bellissimas uverturas, entre as quaes se executar
a linda cavatina
IDUE Toscviti.
No fim do dito drama o emprezario cantar a sem-
pre aplaudida aria da polka K o espectculo ter-
minara com o jocoso e'nlremez :
O TAFUL FORA DE TF..MP0.
Principiar o divertimerito as 8e meia horas da
noite com a ebegada das autoridades.
Avisos martimos,
Para o nio-de-.raneiro Sahe impreterivelmenle
no dia 25 do ronenle o brigue imcional JL'geiro : pa-
ra o resto da carga, passageiiOS o eseravos n frcle,
lrata-seCom Manoel joaquim Somos ou com Novaes
k C na l'lia do Ta' elle, n. i\.
Frela-aa a barca americana Indus- piule rece-
ier alguin frete para Bal I i more 011 para l'liilado||i|iiii:
ente"ndein-so com os consignatarios, I. C. Ferreira
& C. *
Frela-se para a Costa d'J frica, Boenna>-Ayrrs ou
oulro qualquer porto do Mediterrneo, a nova e ve-
leira polaca sarda N -.Sra.-do-Carmo, forrada de co-
bre,'dt>180 a 200 toneladas: quem a pretender en-
tenda-secom o consignatario Jos Saporiti, na ra
da Cruz, n. 18.
O hiate Novo-Olinda marca definitivamente o dia
:)! do correte para a sua saluda para o Aracaly com
a carga que tiver a bordo : quem nelln tiverainda
vontade de carregar se entender com o.mVslredo
mesmo, no trapiche Novo, ou na ra da Cadeia-Ve-
llin, n. 17, segundo andar.
O patacho portuguez Liberdade tem mas al-
guns diasda demora, por Ihe fallar um reato de car-
ga : para o que trata-se com o capilflo do mesmo,
Izidro Ayres de Souza, ou com Francisco Severianno
(tabello 4e Filho.
-- Segu viagem para Marauli3o e Para a, escuna
nacional Maria-Firmina, com a maior brevidade
possivel : quem livr carga para o Para leve a-
prmnpla-la para embarcar quanio antes para depois
po.lr-se receber a do Maiauli.lo: a tratar na ruada
Cadeia do Recife, no escriptorio de Jos Antonio
Basto
Tara o Rio-de-Janeiro pretende seguir com r
maior brevidade possivel o brigue nacional Auilral.
quem no mesmo guizer carregar ou ir de passagem
dirija-sa aruadaModa, n. 11, a tratar com Silva c
Grillo.
Lcila.
-- Richard Roy la transferid o seu leililo defazen-
das inglezas, que tencionava tivesse lugar em 17,
para segunda-fira,23 do.corrente.s 10horas da ma-
ndila, no seu armazein, ra do Trapiche-Noro.
Avisos diversos.
Ignacio Jote Pinto, fiscal da freguezia da Boa-Villa,
em virtude ta lei, etc.
Faz saber aos habilaides da mc*ma freguezia, que
as posturas muuicipaes, que teeuisido publicadas
por esta fnlha, se acln>m em vigor por lerem sido
mandadas cumprir piovisuriamuiile pelo Exm. pre-
sidente ila provincia.
E i ai a que nn.g em se chame ignorancia man*
le publicar o ptiMBnla.
Fr-ue/i a- lio.-Vista, 20 de oulubro de 1848.
Ignacio Jote Pinto.
s.-p. -a.
Tendo de haver hoje sessto geral e extraordina-
ria, para tralar-se de negocio de transcendente im-
portancia, o primeiro secretario convida os Srs. so-
cios a comparecerem s fie meia horas da tarde.
Tendo apparecido um annuncio no Diario de
l'ernambu-o n 234, em noine de Anua Bita lo Sacra-
mento, forzoso he responder, para convierto de quem
o fez aiqiare"er, que comprela na ra do Rosario
estreia, u. 10, geguudo andar, para ver os ttulos de
crdito que existem, e resolv-Ios em face delles.
NUo so leudo podido verificar aceO'di algn, ri\
primena i un i Tin dos e olores do obaiTO assignA-
em fias* ds Rra. Jumes Crlrtfee \ C... <9n unvinv-n.
le coiiviil i tos a en! mizo lloras i|lmj
4lhita lo dLi -2\ do CoiTCHtfl I i,a loj i da ra ilo Qu*
inado, n. 7.
Manoel Percha Lumcgo.
Na eocheira dejlo da Cu nha tle,, pared. mi>a
do llotel-Cnmnieroio. ha mullos .bous e.ivillns i|c
aluguol, proprios de qualquer Sr. passear, tsmlie.ln
ha bonsquarlaos para viagens. Nest mesma casa
compram-se, vendem-sc, trocam-so cavallos e rece^
bem-se para tratar.
Aluga-se ou compra-so um preto padeiro: na
ra Direita, n. 82.
Aluga-sc urna casa na Capunga: quem a pre-
tender dirja-se i ra do Cotovello, n. <0, para tratar
as Cinco Ponas, n 91, precisa-ae de um nns
nio para caixeirode venda, que lonha de 10 a |j
annos.
-- Precisa-se de urna ama para urna casa do pou.
ce familia para fazer o servico da casa e comprjr
na ra na ra do Queimado, n. 2*.
Rerhardino de Souza Pinto faz scionte ao Snr.
colleclordasagoas-ardeiites que deixoude vender
tal genero na sua venda da ra da Seuzalla-Veliia,
n. 46, desde o dia 20 do correte.
Manoel Ignacio Gomes de Mello retira-so p>a
a Bahia a tratar de seus interesses : por isso as pe*,
soas que com elle tiverem negocio appareeam.
Souza & trmflo fazem sciente ao Snr. collectnr
las agoas-ar lentes le produccilo brasileira, que dei-
xaramde vender tal genero na sua vendada ra Ja
Guia, n. 9, desde o dia 13 do correte.
Antonio Francisco das Chagas Portuguez, re-
tira-se para os purtus do sul.
Joflo Jos I.o es da Silva participa a quem per.
tenrer, que deixnu le vender ago'ardente na sua
venda da ra do Mondego, n. 49, desde o dia 21 do
coarente.-
Oabaixo assignado, suppondo nffodevernadaa
ninguem directamente at boje por isso faz (pr-
senle nnnuneio ; porm, no caso de que baja alguem
quesejnlgueseu credor p le tirar sua conia, no
prazo de oilo dias, para er paga, na ra da So.'eds-
de n.52; assim como rog as pessoas que llie es-
tilo a dever hajam de Ihe pagar at u lim do cor.,
rente; do contrario usar dos meios que Ihe com*'
petem alim de seu procurador, na sua ausencia,
cobraras que faltaren).
Bento Fernandet do Pasto.
Pede-se
ao mu digno jniz que tem de presidir extraerlo
da prei-enb'lotera do thealro que corre boje, fa;a
cumprir o legulamentn de mandar mecher as cdu-
las na.urn-1, na occasifl da exlracgoo para nflo
acontecer como das mais vezes e desla manein
evitar de sahirem s os nmeros que ficam por cima.
Lm que deseja tirar premio.
Joaquim da Silva Ferreira Vuihas deixou de
vender ago'ardente na sua venda da ra da Cruz,
n. 20.
Bernardino Ferreira Lima deixou de vender
ago'ardente na sua venda da ra las Ci'U7.es, a. 22.
--Joaquim Bernardo da Cunba comprou, por or-
dem do Sr. Manoel Jos l'ereira Pacheco, do Araos-
ty .um bilbelefem dous meios) n 5,209 da pri-
meira loleria concedida pata indeninisiicao do ihe-
souro publico do Rio-de-Jaiudio.
Quem aniiiinciou querer ser caixeiio do venda,
dirija-se a na da i advia, n< 18.
IVideu-se, no din 17 docirienlo iiirn cnrtoir.i,
cnirt.....lo dentro drill apenas algi.ns | apeis que s
nteiessr.iii ao nb'ixo nssigiiajlo ounia Ultra acei-
ta pilo Sr. Meroz o qiial se aclia scienle para n mo
pagar: por s>o quema livor icliailn, qiiereudores-
titiii-la.no abaixo assignado sera gratificado. Jos
Jo;n|iiim Fon rita Italiollo.
-- Chegnudo ao ineu conbccimenToqun o qrjiliflo
AITon^ii. lillio do fall t lu .los Mauricio de Oliveira
Maeiel nieu tutelado eloto, ten feilo e coiilinili a
Inzer nilo obstante o ainiuneio queja fiz algnniii
comprase vendas lomo nvaniente a declarar que
'pessoa alguma nilo l'aQa negocio algiiin Como ilirfl
nieu tutelado Alfonso e neip rqifi sen irmflo Afl'd
plio e nem delles liem cousn alguma sob pena il
pprderenf,e delirar iiullo e sem elTeito qualquer
conlralo que com osmes" os lizerem, e de se pro-
ceder contra quem oconlriio lizer : oulro sim de-
claro que quem comprou ou liver em' seu poder
mis breviarios do reverendo padn; atibado e Capel-
lilo das freirs do n-colbi ment >t Gloria vendidos,
ou etu| restados por o lito Affonso ,. OS vrnna no
terpio ile 24 huras entregar ao dito tutor ou ao .l'f
rovereinlo padre lebaixo da nena do se proceda
criminalmente contra quem qiir qun fr. faene,
19 le oulubro de 1848. Gullk'erme Patrelo bettrr
Cavalcanti.
Na ra da Praia.fl. 47, compra-se urna vend,
sendo em lugar proprio de negocio para a turra a
mallo.
O abaixo assignado, em consequencia das pos-
turas da cmara municipal, que prohibem a ven la do
ago'ardenle sem billii'le Ci'ssa le vender o mesmo
liquido em suas vendas da ra do Coiredor-do-Bi*-
po o 20, e da roa Real do Manjiuinho ns. 51 o53:
por aso ruga ao Sr. arrematante do Mu consumo
para no prazo de oilo lias varejar as suas casas, e
Jesta dala em daule nfto prelemle comprar m*\*,
s sim acabar um pequeo resto que lem tirando
ceito que acabado este lempo nlo paga mais con-
sumo*. Jodo Antonio Carpinleiro da Si/na.
Um Portuguez, ou Brasileiro, solteiro, quequi-
zor ser feitur em um sitio na estrada la Turre, sa-
bendo desleilar vaccas piocuic a Jos Beinardino
de Sena, ra da Boda sobrado deis exposlos.
Existe na cadeia desla cidade um pardo escu-
ro de mime Martndio, viudo lo Araraty no pal.i-
cho buridoso mu 1S do crrenle. Fsle escravo fot
do abaixo asaignaoo, e vendeu -y era julho de 18(6;
diz o dito escravo ser iioje seu seuhor, Jos Francis-
co senhor do eiigeuhu Caiuugn dstricto da l'ara-
biba : quem se julgar cun diroilo ao sobredito es-
cravo procure na luja da esquina da rus do Crespo.
que vira para o (Jueiinado pagando as despezas.
Manoel Ferreira Ramot.
Jos Teixeira Peixoto, achando-se na maior in-
digencia possivel, gem meios de ganharV. po ^",^,
a aa numerosa familia e sem prolecgilo, v-sen
tura necessidade de vender a horauga que tem de
receber no inventario e parlilhas los beus de sul
fallecida miii: c cuino quer pagar a seus credorejL
quo o veixain lodos os das, fara todo o negocio vanr
tajoso ao compiador : os preleudenles cnliidaiii-s*
com o mesmo no sobrado da esquina do becco do
Ouvidur ra de S-Francisco.
-Itotiraiii-se para o llio-Giandc-do-Sul Manoel Go-
mes dos Santos e seu criado Mau'oei Aulouio das M*
ves todos Porluguezes ; uo navio mais prximo.

ILEGVEL f


h
c
i i
olera do Iheatro publico.
; ,je, i do rnrreiil, as K lidias ila
ili.'i.i. cmica o auii.imcnlo das
,, otfiia. n ron-islo'i i Mo
, ,.:,;,*,i 'los militares Quem o essa
nao Jiuprar bilbeM, Inai acut
n .i:.s
ig..j.i rl
ni rim
I>-
Ics.
HornnnloJos da Cunha faz scienle que dci-
oii'ile vender ago'ardente c todos os mais espritus
,, roiluPQlo brasileira na sub taberna da ra. da
Sen**?** "89' des',e di8 Prime,ro de Qulu-
Anua Rita do Sacramento julga nao dever nada
, ssonalgunna ; todava, *e alguemae considerar
-.i i-rediir queira apresenlar as competentes con-
j,, para serem voiideadas no seu sitio do Rozari-
,ho ou na ra da l'eiiha n. 1, torceiro andar.
- Clemente da Silva Lima faz publico que dei-
tou de vender agoas-anlenles nacionaes em sua
taberna na ra da Ma Irc-de-Deos n. 9;
-- AntiHiin Luiz da Silva e Ricardo Pinto de Almei-
da Brasileiros, reliram-se para o Kio-de-Janeiro.
-- Aluga-sc urna cana terrea na ra Bella, com dua
lias duas alcovaa, um quarto, cozinha fra, quin-
tal e cacimba : a tratar na ra do Collegio n. 15,
segundo andar.
Q NOVOPO DE PROVENGA. {?
A Vindt-H toioi o Aiat.
O proprlatario da padara rpast.-ll.iria franceza /a
do Ait-rro-da-ltoa-Visia, n. 00, desejando agradar *JP
cada ve*'mala aoi ir ui fregueei, reaolvru offere- Q
i-i-r-llii-s um pan que ir fabrica eiu Provrnfa por J
(A um proco** milito dlfferente do ordinario, r que, ty
i, txigiudo Cariaba da lurlhurr qualldades, mere- g\
n ce a nraferencla do publico, pela tua alvura, V
pureza dellcadeadesua fabrlcacao. jft
S ir farSo par de 40, 80 e 160 r., e era fcil W
conhrc-los pela ua forma oblonga c elegante. A
a

7 ^"SameiinaucaM coutina-e lambein a vender
bolinho pira cli de toda, as qualidadrj, e Um- t
licm a enfeitar bandejas ricas para bailes e sa- ^
$) roS.
_ Precisa-se alugar urna preta captiva que saiba
cv/nhar engomma. e fazer o masservco de urna
casa de pouca familia : na ra do Queimado, n. 6.
Jitflo Jiicintho Moroira faz sciente que deixou
de vender ago'ardente as suas vendas da ruada
Cruz, ns. 16 i-46, desde o dia que a'ppareceu a pos-
tura da cmara,prohibindo vender-sc.
.-Um rapaz brasileiro que d fiador sua conduc-
ta so offcrec* para caixeiro ile qualquer estabele-
c metilo : quem o precisar, dirja-sca ru Imperial
n. 25, ouannuncie.
I.ava-se e engomma-se com toda porfeiQSo, por
prer;o comino lo : na ra da Florentina, n. 40
-- O Sr. padrXandido Jos Coelho, morador na
villa ti* Rstremoz queira mandar pagar a quantia
de 62,000 rs. que'devc desde 1812 ; bom como os Srs
Manod Thco loro d Almeida Alhiiqiierqne, mora-
dorna l'amhiba 13,000 rs., de 184-2 ; Jos Pinheiro
Snladn de Araiijn t morador no' encendi Iban ,
21,400 rs. de 1813 ; Fi'tppo liiniz Cava1canli\ moi
ra'ior em Ti mi 9,000 rs. do 1813 ; etilo Marlins
lotieiilves l.i.-lio,i ,21,500 rs t!a Silva (.' pri.-lanti ( inculca-so esludiinte ) 35,0110
rs. di-isic; Atiliiuio do Mmfeiros, 8.000 rs., tle
1815 ; JoanuimTlMkulro Alvos, 3r.,380 rs de 1812;
Joan ilii Alletllfie Sisiu-iro ila" Canuir l'J.OOO-.rs. ,
de 1813 ; Francisca Soiire.s da Silva, morador no
<:.i i, I2,0ii0 rs., do*lbl;i; AUgiiin Carlos di- Littoa
. i-, 16,313 W 'lo ii:t ; Manuel Joaijiiim
Aniones, leuiailiir na Vaizea 6,loo is. ilel13;
Jii- Tlionmz da Silva, ,2,;i20 IS., de 1843j J".a-
i|iinii Kiim-Iio, 7,C0J rs. k ltl: na i na i\ova,u. 18,
luj do nlf.ilirto. .
((ibaixoa sitiado, ja cansado com os setisremis-
S"s ilevedores, por. -ausa driles nao pudendo
andar em .lia lie obligado a liiucjir inflodwile mel,
lian para otea cooiii para oulros que d'ora om
iiiiinlrtfio He-ser lembrados para que venban pa-
ga' su^ semitas () baisoassignailu e>la eerlo que
r.s-e n.eiii para mu i los be desagradavel, porm
olbem para os anuos e vejaii se um arista be ca-
pialista parii estar no desembolso de tantas quan-
lias quemuiitan a conlosdeiis pulo que ir con-
tinuando.
H. A. Caj.
. *- Os Srs assigriAntps da Lilia poe-
t-ca qnciram mnnilar rereber os ns. I a 5
do lerriro voluine na ra la C^deia do
I'reeiss-se lunar um preto padeiro
reita, hadara n. 26.
J.iriiitli" Luir Ciiorr.-irn deixou <\* vrnier sna-
ardenie de i rmlnci.-o lirasileira na sua venda da
rnii ild S -Cruz, n I.
--r.arb's Monteiro Teix<"ira deixou de vendei
afii'nrdi-ipe i!.- |.rud-1001111 br.isili-ia na sua venda
\.i rus ila l.-C.rtfz, 11 3.
-- Uii lioiiii' ('a-a-lo entn pouca fa-nilia se. idr--
leca para caixeiro de qualquor e>lalieleeioieiilo ,
tanto tiesta praga como fra dola, ainda mesnio
que soja para engenho ou cobrar dividas no mat-
to : quem precisar annuncie por esta fulha.
Alugam-se os segundo e terceiro andares do
sobrado da ra do Vigario, n. 4: a .tratar no escrip-
lorio da mesmacasa.
Aluga-se, ou compra-so un preto cozinheiro ,
para urna casa eslrangoira: na roa do Vigario, n 4.
~ Desencaminhou-se una lettra da quantia de
50,000 ra. passada pela Sr.' Francisca da Costa Pe-
reira, e aceita pelo Sr. Jacntlio Rodrigues da Silva
vencida em 13 de marco ueste almo: quem a livor
achado n a quizer restituir, leve-a a ra Imperial
Tn. 22, poisqueo aceitante j est sciente do nSo a
pagar, por j ter feito um nevo trato, ficando a
mencionada Mira sem valimerito algum.
Aluga-o urna casa terrea na povoaqno do Mon-
teiro com sahUla para o rio, a qual tem duassaUs,
quatroquartos, cozinlia fra, cacimba, estribara
para dous cavados quarto para escravos doua
quinlaes murados : a tratar na travessa do Veras
u. 15.
O secretario da irraandade de
Jiosso Senhora do Terco convida a todos
os ii maos dt mcsiim para comparecercn
em o respectivo consistorio, domingo, aa
ilo coriontr, pelas H horas da manlia,
fin de se proceder, em mesa geral,
elricao de nova mesa regedora, como de-
termina o compromisso.
--Antonio Joaquim Vidal & (1, fazom publico te-
re m pago lodo o passivo do seu estabelecimonto da
ra do morim, n. 36, perteiicente extincla- firma
de Antonio Joaquim Vidal, e por isso declaram nada
dever daquella firma; porm, se alguem sejulgar
eri-dor ainda daquelle lempo, queira apresentarsuas
conlas no ditoesUbelecimento, para serem pagas,
estando legaes.
Joflo Evangelista da-Costa e Silva faz sciente aos
Srs. arrebatantes desaguas ardenlcs que, desde o
dia 19 de outubro de 1818, deixou de vender ua sua
venda ua travessa do arsenal todos os espirit* na-
cionaes a retalho, pelos escravos uo trazerem bi-
llietes de seus senbores.
Antonio Jos Maduroira retira-se da provincia
I)eseja-se fullar noSnr. Ifis Antonio da Cos i
Rraf, senliiiriioi-ngi-'ili.idii C un'"- a iii-/"i-ni de
sen inleirse: no Alerro-di Uua-Vtala, loj.i i
ti
i. 65.
.. t[ 800.000 r. a juro iiypo
morada do casi
annii
ili-M-J l-M
pniidi-ul-- d'O Si-. .
ihuiaioi no Aniiidipe de IpijnCa aiie-nci.. dii ni. s-
mo Si. : na ruii IHrflita sobrado n. 16, que T es-
quina para S.-l'edro
saber ir,i"Mi h" neala cid irte n
i ida OiVii
.n.lipe de l|iiijnC.i alte,
a llireita sobrado n. 1
Pedro.
Dentista.
M. S. Mawson, cirurgiSo dentista,
tem a honra de participar a seus fregue-
zes, e em geral ao respeilavel publico,
que lem mudado sua residencia para a
ra Nova, n. ai, primeiro andar. Espe-
ra que todas os pessoas que precisaren!
de seu prestimo bem reconbecido nesta
ciilade por muilos anuos, continuem com
a sua proteccao ; esmerando-sie elle no
desinpenho da sua arte, e remuneran-
do-as com a sua promptido e commodi-
dade nos precos.
Aluga se um pequeo silio ni tra-
vesado Pombal, oqunl fica na esquina que
vai para o silio do Sr. coronel Joaquim
Bernardo de Figueiredo, com larangeiras,
coqueiros, jaqueiras e outros aivoredos e
com cacimba de boa agoa de beber: a fallar
com Joaquim Lopes de Almeida, caixeiro
do Sr Joao Malbeti.
-- No pateo da matriz de S.-Antonio, n. 4, segundo
andar liram-se passapoi tes para dentro e fra do
imperio despacham-se escravos e correm-su fo-
Ihas: ludo com a maior brevidade possivel, e por
diminuto preco.
Reg & Olivcira, com venda na ra da Cruz, n,
32, declaram aoSr colleclor das agoas-ardentrs de
prodcelo brasileira oua quem receber este im-
posto que ellosdeixaram de veuder o dito genero
do dial."i do correte em diajite.
Ao vollarda ra do AragSo para a S.-Cruz, prt-
meirq andar do sobrado i.. 52, precisa-se alugar urna
prcia paiao servico de casa.
BtiW
-A ii-
..V-nde-semnae > ^
i: .-oy,.ii.aodia.|......lima cata, lW *
viek htun poi
I Vn, i a C.umIi '
vo pao ,ro"\
rria na
,,ue na i:, aIfoveury ..i'
eaUinloiraineiil.ihabiliWd......wu.m ''' r'"r
co podon.lo assrvcrar que he o mellior p0 qu
ta provincia se tem uano No Rio-de-Jaunro <- '->
liia lia muito que gozan dcsla forma de pao -
gumacousa sedeve ao introductor, por e*c'iar "
curiosidade e cada um se esmorar em melhor o
apresentar n.lo roubando a primazia iulgo ie-io
apresentado o melhor possivel i quem o tem usauo
o dir. Todosos dias a 6 horas da manliaa eslara a
venda lano necia padara como no deposito da
me.snia.ua travessa da Madre-de-Oeos, n IS.
Vende-se os mais ricos e inais
modernos corles de vestidos, de
seda de cores, tanto em gosto, co-
mo em qualidade chegado* no ul-
timo navio, tedo a superioridade \
de nunca mofar, e com aa covados I
cada coi te : na ruado Queimado, S
qtiatro cantos, loja da casaamrel- 8
la, n 39. I
Compras.
de Joo da Cunha
i\laga-
Hecife, lej 1
Iliaca.
Na mrsmn liija von-lem-se as poesas de J0S0 da
l.em.isSeixas Cstlh>-R'anco. poi 1.500 rs.; o Amor
c meliineiili pnr Caslilhn, urnailo com tres riquis-
siuiasest niiBS.1ythonraphadns, por 3,000 rs. ; os
quadrns historios d^ Portugal, por Casltlho ; ri-
qnis^mas estampas lyldgrapbadas, em brochura,
por6.d00rs.
-- Quem precisar de lellras pequeas sobre o R10-
dr-Jmivro ilitija-se a ra da Cruz, n. 40.
Jo Juaquim Dias dos l'razerea, Brasileiro, vai
aolt..-(;ri.n-lo-ilo-Sul com escala pelos pm tos ante-
riores, a trur de seu. negocio, levando em su
compartida o seu escravo .le no un* Joaquim.
I'reeisa-se de urna ama que ifiiii* buin e bastan-
lelcite, para oriar uuia menina, sendo foira ou
captiva : m ra de Apollo, n. 22, piuieiro andar ,
se dita quem precisa.
Jo-l'ircsToixciradcCarvallio faz cenle aos
Srs. arrematantes que ileix.tu de vender o dito genero as suas ven-
da, da ra do Mondego, ns. 68 e 143, desde o da 18
do cnrrenle.
Avisa-se a todas as pessoas que tiverem contas
coma burn americana frnflnn, capitlo John ian-
cis, ariilmila pOr fOr^a maior.quo deveriioquanio an-
tes aproaenuj-las-, ao mais tarde al sabbado, 21 do
correte pois que sendo depois n.lo se rcsponsabilt-
lisara pur nnhumas, no consulado dos Kstados-Uni-
dus da Ametloa do Norte, ruado Trapiche-Novo,
U. 12, trreero andar.
-- Precisa-se alugar urna escrava que saiba bem
engomuiar coser seja diligente paia o mais ar-
ranjode utna casa : na ruada Concordia, sobrado
de.Mimocl Fimino Ferrera.
o Sr Antonio Ilerculano de Figueiredo queira
fliiniinciarsua morada, negocio seu.
Precisa-sede um l'orluguez para feitor de es-
cravs 110 IlioFormoso aunde se alianza boa paga
c trata ment : lias f inco-Pontas, 11. 62.
AO RESPF.ITAVEI. PUBLICO.
Oannuncio nesle flario.datdo em 18 do corrente,
que diz venderom-so diversos gneros de molhados
110 armazem n. 36 da ra da Madre-de-I>eos, he
Talso porque all sse vend aboa pinga de vinho
da Figueira : ludo mais he peta.
Jos Antonio de Carvalho faz sciente ao Sr.
colleclor das agoas-ardentes de producclo brasilei-
,ia que desde o da 15 do corrente. deixou re ven-
.lerdiln genero na sua taberna da Passagem-da-
Magdalena .'n. 9.
Manoel Francisco dos Santos o Silva faz-scenle
ao Sr, nrrcmatanle do imposto das agoas-ardenUs de
produoeflo bnisileira que deixou de vender o Jilo
-enro ua sua taberna da ru 1 das l.arangeiras 11.
16, desde odia 15 do corrente.
Alnga-se iio-a es Ierro* no sitio do Cordeiro,
ii nuugeui do rio Capiboribo com sullloienles ooni-
mjldi S parj familia estribara o Co'/.iidia fH : "
Ira lar no pateo 1U Carino, 11. 17, eoin Gabriel An-
tonio.
Antonio Joaquim (Tavi-res deixou de vender
ago'ardenlo de jirodUCcnd brasileira ua Su a venda da
ra da Cadeia II 1.
Na ra tos Quarlcis n. 10 preoisa-se de una
mullier de meia idade para ainade casa de portas
a dentro.
Pelojuizo municipal da 2.' vara, o com oxerci-
cio na to civel, anda em praca publica, e em 3 pra-
;as, pata ser arrematada por venda, urna proprieda-
de de Ierras denominada Fagundes, entre os enge-
nhos Cuerra e Bom-Jestis, ua fregm-zin do Cabo,
avahada toda a propriedade em 7.000/OO, e nosle
valora parte que ha. de ser arrematada he 5;169>-290,
cuja arrematarlo he para cumprimenlo de disposi-
ctirs testamentarias. O escrii lo esta em mo do por-
teiro Serra-Grando, a quem se pdenlo dirigiros
pretendentes.
Precisa-se de um ptimo enzinheiro que saiba
fazer toda a quali-ia nesins clicuiiislancias, drija-se a ra du Rosaiio,
venda da esquina. 11. 39, que se tln quem precisar
Cbarutos finos.
H.lo-chegadn proximainenteda Babia charutos de
superior qualidade, pululares, bom gosto e regala :
na ra Nova, ii. 18
Aluga-se um sobrado de dous andares e sotilo,
muito grande e muito fresco, por ser da parte da
sombra, altas dal matriz da Boa-Vista, n, 26: a tra-
tar na loja do mesmo.
A pessoa a qu.-m ha 3 para 4 annos se desenca-
minhou um rflogio na occasilo de o mandar con-
certar o qual he horisoiilat, e tem caixa de ouro ,
dirlja-se a livraria da praca da Indeiietidencia, ns. 6
e 8, para dar os signaea, e pouer-sli informar se
lie o que seannuncin.
Roga-se aolllm. arremalante do consumo de
espirilosde pruduccilo brasileira, queira declarar se
esse tributo ontende-se smente com as agoardentes
branca eoann, ou setambem roinpiehende^ asge-
nebras e licores, eompradas s fabricas do paiz, pa-
ra vender em garrafas ou botijas.
Osabaixoassignados fzem publico que Jacin-
llio Augusto do Amoral deixou do ser seu caixeiro
desde o dia 19 do corrente; por isso nSo se respon-
sabilisamosabaixo assignados por transado algu-
ma ftita pelo mesmo, desla data em diantc,
Jiu Rodrigues Colho $ C.
Precisa-se de una mullier de 38 annos para
mais, debonscostumes, quecozinho softrivel para
urna casa de familia, dando conbecimciilo de sua
t.essoa : quem estiver neslas circumstancias procu-
Compram-se escravos que sejam offlcias de car-
pina, de 18 a 25 annos, fl de boas figuras ; pagam-se
bem sendo do bons costumes e peritos no seu tifli-
eo pois So para urna encommenda do liio-de-Ja-
neiro : na ra do Amorim, n. 35, a fallar com J. J.
Tasso Jnior
Compra-so o diccionario de Moros da quarta
cdcfln,que eslija em bom estado.: quem tiver an-
nuncie.
Compra-se urna ou dos casas terreas, em qual-
quer liaino desla cilade, sen lo en boa ra : na
roa da Cruz, no Recifc, 11. SO, se dir quem compra.
C I,
vendido por
oulra qtvulquer
"' 'rndns.
Vendem-so as novas posturas da Cmara mu-
ir- i: na ptac,a da Independencia, livraria na 6"e8.
-. Vend 111-se i; n icllnih de metal fi-
c!i, modelos modernos e bonitos
ti a d
no p
re para'ajslar no principio da ra do Aragflo, casa
de dous andares, n. 19.
-Precisa-so do um ollicial do laloeiro.ao qual sen-
do perito sedara bom jornal : no Alerro-da-Boa-
F,8--Quem precisar de um caixeiro portuguoz para
venda ou oulra qualquor arrumacao, annuncie sua
morada.
em c sa tlcGco: Keifworlky & C
Cruz, n 2.
__; Vetidc-se um escravo ciioulo de bonito figu-
ra propiio(ira o servcO de campo e da pra|P ,
de boa cotniuoia, de 24 a 26 annos; una parda ooni
alguinas habilidades, ptopria para urna casa ; nina
linda crioula que cozinha engomma e cose : ludo
se vende em oonla paia um pagamento : na ra do
Fogo n. 23. se dir quem verde.
Vendem-se, pecas de madapolo largo com 20
varas, a 2,800e 3.000rs. ca retalho a 7 e 8 vin-
tens : na ra do Passeio, loja 11. 17.
Na luja da ra do Crespo, n. 5 A,
aop do arco de Sanio- \ntonio. vendem-
se pee >s de ijia.lapolo fino, enfisiatlo,
a 5,5oo rs.; ditos de gallo dourado, a
4,ooc rs.; pecas de bretanba de idlo, eom
10 varas, a a,ooo rs.; pecas decassn dqua
dios brancos, proprias para baba dos,
rom 8 varas e meia, a 2.600 rs.; sarja de
jieda, pela-, com quotro palmos de largu-
ta, propria para vestidos i,5oo rs o covado ; mantas de tarlalana,
para senhoia, a 1,000 r* cada urna ; di-
tas de laa e seda, para meninas, a a,ooo
rs.,edeseda a 7,000 rs.5 casimirasenfes-
ladas, proprias para palitos e calas, a
a,5oo rs. o covado ; cortes de cassas finas,
com 6 varas e meia a,5oo rs.; e outras
muitas faiendas, por pceo commodo.
- Vende-se, no armazem de Vicente Ferro ira da
Cosa, na ra da Madre-Dos, semeas em^saccas
grandes ebegadas ltimamente de Trieste ; vinho
da Figueira em harris, o mais superior que tem
viudo a eslo mercado, do muilo conhecido autor ra*
bino; vi 11 lio aba fado, em ancoielasde 4 o meia a 5
caadas. '
Vende-se urna casa ainda nova, margem ao
rio, no POco-da-Penella, com duas boas salas, qua-
Iro quartns cozinha fra um bello quintal cerca-
do de lmo e muito bem plantado de larangeiras
de embigo mangueiras, sapotizeiros c vanas outras
fructeiras com portao na frenteeoutrono rundo,
e quo lem a frente para a igreja : a tratar na ra da
Trempe, no sitio da casa cor do chumbo.
'Na ra das Cruzes, n. 32, segn Jo andar ven-
dem-se 3 escravas sendo : urna mulalmha de 18 an-
nos que engomma liso, cose chflo faz renda e la-
va desabilo ; urna prel da Costa, de 18 alios que
cozinha lava, e he quilandeira ; um C
14 anuos, oplimo para pagem.
- Vende-se mrja preta de 20 annos que engom-
ma com perreieflo, cozinha o diario de urna casa
lava o cose qualquer vestido de senhora: na ra do
Seve, primeira casa a direila.
ptima pinga a 140 rs. a
garrafa.
Vende se na ra do Amorim, n. 36, o
muito superior vinho da Figueira ai, ooo
rs. a caada ; e tambem tem os mais su-
periores vinbos de Lisboa e Porto, por pic-
eos commodo.?.
' Vende-se urna heranja em boa propriedade
tiesta praca queso vai proceder o inventario o
partilha, porem o annunciatite tem precisllo de di-
nheiro para pagar urna divida e comprar escravos
para viver do agricultura : por isso faz-so todo o ne-
gocio ventajoso ao comprador: qum pretender anr
iiunce. j
No armazem n. 66, principio da
ruada Cruz, viudo da ra da Cadeia,
vende-se vinho da Figueira, de boa qua-
lidade, a 160 rs. a garrafi. c i.iao r
cnnad.i, e em pipis se
menor preco que em
parle.
Vende-s un dirijo de 'oiania, lllllilo 1111080
0oxcellenlo caliLatlof : na ra ila Florinljn i, n. 16
\ roarfe .^i?oas-V"r-!s.
il /aj,
i ven do-so, de nina pessoa qoo se retira, urna linda
| inulalinlia de 13 .milis co.n lia Mil 'V,'; 'J nplimas
esoravas boas ontrommaderas oqtie fazom todo o
mus servir de timO casa j dual dRa Imas quilan-
lileiras; um moleque poca bo'n| c.irreliv ; 2 cra-
uisaumpardoalfauln'; um bonito m^eque de 12
anos. .
Chitas escarales de ricos pa-
c roes.
Na r.ua dol.ivrammio, n. 14, araba do chogarjm
rico sortmento de chitas linas e de bonitos pa.ltiies:
bem como out-os palrOesnovos para a festa. A el-
las, que so estilo acabando.
He chegado loja nova
do Aterr-'-da-Ba-Vista, ll. !M,
um soi'timenlo dos mais. d< li-
endos riscados duiominalos
monstros.ese vcndeiu pela tli-
minuto precio de JfcttO rs. o ct>
va* o.
' Vende-se a venda n. 1 do pateo do Terco, com
os fundos de 600,000 rs.: quem pretender dirija-se a
tnesma. ,
Vende-se urna cama do angico e urna commou.i
de amarello em b. m uso: na ra do Mundo-Novo,
casa que foz esquina com a travessa da ra Bella,
n. 60.
Vendem-se sapates de couro de
lustro ; ditos de couro Lianco de sola e
vira ditos para meninos de sol i e vira,
por precos commodo.?; na ra da Cadeia
do liecife, n. 9.
Vende-se a melhor taberna que ha para as par-
les das rnco-Pontas com poucos fundos, na roa
do Alecrim, n. 2. sobrado da esquina : a tratar na
mesma venda.
Vende-se urna excellenle vacc do cabo da Boa-
Fsperanca j aclimatada : vende-se por seu dono
relirar-se: em S.-Anna-de-Dentro, casa que foi do
fallecido Xavior.
__ INo armazem de Das rerreira, 110
caes da Alfandega, vende-se, por preco
muito commodo, potassa muito superior,
em pequeos barra de 100 libras cada
um, desembarcados ltimamente.
Vende-se, a dinheiro ou a pra/.u,
e sendo com boas firmas, a loja de miu-
dezas da ra do Queimado, n. 5.1: qs
1 pretendentes dirijam-se mesma.



i 1
V
MUTILADO


No armazem 4a roa Nova, n. 67. acaba de re-
celar at um rico grande sortimento de mow de
variiia quididades, como -jam : estantes para livros;
mesas elsticas de diversoslmannos; dilaa slejo-
go ; ditas redondas de meio de aala ; camas eom lt-
iro do palhmha ; guarda-rnupa ; commndaa de dif
.renles tamaitos ; sophis, tanto de Jacaranda co-
mo de oleo ; marqueza*; carie iras de urna a face,
para eaciiplorio ; ditas enm lodos oa nertences para
riagens ; estojo* coni espeIlioa para barba ; louca-
dores de varioa tamanhoa; vidro* para eapelho; ga io-
tas de rame de bom Rosto para pastaros; lavato-
rios ; codeiras de palhinha, a duzia a 24,000, 30,000,
40,000 46.000, 50,000, 60,000, 7.000 e 80,000 M.;
e oulroa muitosohjectos que a viata dos comprado-
res se Tarto patentes : ludo por proco muilo com-
modo e a contento dos freguetes.
Vende-se una porrto de taboado de amarello,
sendo coatadinho e aaaoalho, e tambera 12 taboas de
louro, ludo de hoa qnalidade: na ra da Praia, n. 35,
e para tratar, uas Cinco-Ponas, n. 32.
A 4.000 rs. cada um.
Na Inja n. 5 que faz esquina para a roa do Colle-
gio, de Cu i manes & ("., vendem-se chapeos de sol de
seda verde, azul o encarnada, pelo diminuto preco
de4#000rs. cada um.
Fazcnda nova.
Vendem-sc lencos de garca, com ramos de matiz,
osto inteiramente novo ueste genero ditos cora
ico de blonJea toda : tudo por commodo preco:
na ma Nova n. 30 loja de Domingos Antonio de
Oliveira.
'" IJP
, ~ Vendem-se riquistlmoa cortes de seda pare res-
tidoa rhegad >s ltimamente de Franca pelo ulti-
mo navio : na ma Nova n. 8, loja do Amaral.
FARRI.O,
a 1,500 ra. a barrica no armazem n. M. de Joaquim
da Silva Lopes, confninle a guarda na alfandega. -
Vendem-se ctixas de vidn, mu
bem enfeitad >s, para guardar joa.t, por
preco conimodo: na loja de quatro porlas
da ra do Calinga, n. t C, do Duarte.
Agencia da fundic.
Low-Moor, ra da Senztlla-
nova, n. 42.
Neste estabelecimento contina a ha-
ver um completo sortimento de moenrtas
e meias moendas, pora engenlio; ma-
chinas de vapor,e tachas de ierro batido e
coado, de todos os lmannos, para dito.
Potissa.
Desembarcou lia poneos das urna por-
cao.de barris pequeos, com muito nov.i
e supeiior potassa, e se acham venda,
por preco mais barato do que ultiina-
Vende-se cal virgem de Lisboa, em barr, de 4
arrobas chegada pelo ultimo navio, por preco coninm-
do : a tratar com Almeida St Fooseca, na ra do Apollo
Vendem-se barra pequeos com cal virgem de Lis-
boa, a maii nova que ha no mercado, por preco com-
modo : na ra da Moda armazem n. 17.
--Vende-se colla de superior qnalidade, das fa-
bricas do llio-Grande-do-Sul : na ra da Moda ,
n. 7.
*2-
Cabt><
hrZ^nJivr'^'a^L'?\e'cn,,('" r, ,porcr .de ?! mente se venda, na ra da Cadeia-?elh,
bracas de Irentee mil de fuhdo, 1/2legoa de trra al n .. .
margem dorio doL'na,ide parle do norte, confronte]armazerf> JOllar c Uliveira, n. 12.
torra de Japaranduba e na niesma forma oulra
igual poreflo de Ierra no fundo da mesma que li-
mita com o enireiiho Formigueiro, e outros heros;
icando a frente desta ultima para essa parte: na ra
do Kaugel, n.45.
No Atcrro-da-Boa-Yista de-
fronte da cal tinga
ho chegado multo bons marroqnins.courode lustro
o hezerros francezes : tudo de superior qnalidade e
por preco commodo.
Um novo sortimento de
r cario monslro.
Vendem-se na loja de Cuimarfles & C, que faz
esquina para a ra do Collegio, n. 5, novo* risca-
dos monstros de padres modernos o lindos, pelo
nMfjmo preco do 320 rs. o Covado.
Casimiras elsticas.
Vendem-se superiores cortes de meia casimiras els-
ticas de pura laa, pelo barato preco de 2>000 e 3/100 ri.
o corte de calca: na nova loja da estrella, da ra do
Colleglo, d. I.
Vende-se um bonito sortimento de
boloes de seda, para casaca; ditos pura
vestidos de meninos; ditos amarellos, de
Pedro II; ditos para militares, de ca-
vallaria e mf'.Hilaria, ditos para libics de
pagem, brancos c amarellos, de bons pa-
saron ; ditos de massa, pira fardamento
de caradores ; ditos de vidro, de diversas
cores: na ra do Cabug, loja de qualro
portas, do Duarte.
Vendem-se luvas de pellica para
senhora, enfeitadas, a a.Hoo rs. ; ditas
apr bornem, de diversas cores, de pon-
to inglez, a t,ooo rs. ; dilas dealgod a
ioors.; dilas de seda a 800 rs ; ditas pa-
ra senbtira a 1,3X0 rs. ; lencos de g>ava-
la, de seda, de 1,000 rs. a 1.600 rs. ; ca-
les entre-finos de diversas larguras ;
espiguilhas, galoes falsos, e volantes, por
pr< eos conidio los ; bicos do l'orto, de di-
versas larguras, de Hoa 160 rs. a vara ;
ditos francc7.es, de bonitos padrocs ; filas
de seda, n pe n; flotes francezas ; len-jcas, a20e J
eos de garra a 1,000 rs : na loja deqitttrolSlKtSS
portas da rna do Cabug, n t C, do
Duarte.
ja ue quatro porlas da ra o
g, n. 1 C, do Duarte,- tem um
completo sortimento de perfumarlas, por
precos mais rommodos do que em outra
qualquer parte.
Vende-se na venda de Bento Jo.lo Cardozo, na
na Direita n 95 superior cal de Lisboa em barris
de 4 a 5 arrollas,' chegada prximamente por mais
Commodo preco do que em outra qualquer parte.
- Vende-se urna casa no lugar da Capunga, perlo
do rio, de pedra e cal, anda nova tola envidraga-
da : vende-se por menos de seu valor recebendo-se
melado a vista: no pateo da S.-Cruz ao p da bo-
tica n. 8.
Vende-se muito superior lagedo de Lisboa; cal
virgem em harris de 4 arrobas por mdico preco:
na ra do Vigario, n. 19.
Vende-se caivetes de cabo dema-
drc-perola, de utna folba at quatro ; di-
tos de punbal ; tesouius para unbas, fi-
nas ; dilas de costura ; ditas com caive-
tes ; colberes de metal do principe, para
cha ; saca-rolhas de patente ; estojos de na-
valbas; afiadores, com sua competente
pedra; dos inelboies que leem apparreido :
ne loja dequalro portas da ra do Cabug,
do Duarte.
A 6^0 rs.
Vendem.se lencos dogarga de todas as cores, pa-
ra senhnra e meninas a duas patacas : nflo ha nada
mal barato. A elles antes que se acahcui. Na ra
Nova, 11. 30, loja de Domingos Antonio de Oliveira.
demasa, pela barato preco de 9t0 rs. o eevado. Ratea
n.ci.lo. rio ehegados ltimamente : as corea alo flaas.
' o padrn inulto inndernose de bnrn (oslo : na aova
loja da Estrella 4a ra 4o Colleglo. n. 1.
Vendem-se cacitos de florea e c-
pela*, e pennas para enfeites de chapeos
de senhora ; na ra do Cabug, loja de
quatro portas, do Duarte.
Vendem-se terrenos productivos, em poreflo
maior ou menor, e por baixo preco I na estrada que
vai da Soledade para Olinda sobrado do primeiro
silin depois de passar a igreja de Belm, ao lado cs-
querdo nos dias uteis at s8 horas da mandila, e
das 5 at a 6 da Urde, nos domingos e dias san-
tos a toda horadodia.
Vende-se urna eaaa terrea multo grande, sita na
ruadaMangueira, na Hoa-Visu, n. 11, com grandes com-
modo, quintal muito grande e mullos arroredoa de fruc-
tos, por preco o mais raeoavel possivel: trata-ae oa ra
do Arago, a. 27.
Firmino J. F. da Rosa rende muito superior pan-
no de algodlto trancado, feito na Babia muito pro-
prio para saceos de assucar assim como para roupa
de escravos por ser muito encorpado : os preten-
deiitesdirijaro-sea ra do Trapiche, o. 44, primeiro
andar.
Saccas com milho ,
a 5,U00 rs. :
vendem-ss no armazem do Bacelar, no caes da Al-
fandega.
Vende-se, a dinheiro para pagamento dos cre-
dores a venda da esquina dofrnnte da igreja dos
Mari y nos eom os fundos do 400,000 e tantos rs :
esta infierna vende diariamente para a trra 10,000 a
12 000 rs.: a tratar na ra da Mdre-de-Deos arma-
zem de Vicento Forreira da Costa.
-- Vendem-se podras de lagedo para ladrilho e
juntamente um torino : cm S. -Amaro, no sitio de
Manool Cardozo da Fonseca
Vende-se, por 4iitoiroou por metade, urna lo-
gon de Ierra no riacho Carur termo da villa da
Athalaia, com urna legos do fundo, confronte a Ier-
ra dcoominaila Css.t-de-P.tlhs, deios piros da Silva
qneficadolado suido dito riacho: ama do Ran-
gel.n.45.
toneis que frara de deposito de a rail*, nina, ,
gnardente branca, mcias ditas, quarlolas' lu
an|ueadn .lo Trro por pree,o coniuodo : na rm i"
reita, venda u. 76 "'
Ven.io-se. |ior nflo se podOr conduzir partW
me'to, um pao em muito bou estado, e deniui
tu boas vozea m>r metale de seu valor : na
Queimado, n. 17, segundo andar.
fu d
Lindos vasos para fl tres
Vendem-se vasos para ores, e urna pordo h.
ouceridreda : no caes da Alfandega, armazem n.,
Charutos de 8an-Fel.
No caes da Alfandega, armazem n. 1, vendern.*.
ests superiores cha rulos da marca verdadeira o
mais burato pro^o do que em oulra pualquor parta
por ter em primeir* mfio.
i um preto de boniu figura perfui.
anegrinh de 13 annos, muito boa
no pateo da malriz de 8.-Antonio, |0jj
'.* Potassa nova e superior.
Venffe-se a 2.">o rs cada libra,na
P ra do Apollo armazem n. 18, ou
9 na ma da Cudria, n. 4o-


I
*
e
por preco
n. i!\.
Na loja do Passcio-Pubcn ,
n. 19 de .11 inoel Joaqun
Pascoal Knrnos,
Vende-se ca.' virgem de Li>lioa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do que em outra qual-
quer parte : na ra do Trapiche, arma-
zem n 17.
-- Vendem-sc dous piano fortes de Jacaranda ,
ehegados ltimamente, que, alm de seren um Sai',0> I-
magnifico ornato de urna sala, toem oto-lenles
vozes, sendo o mechamsmo da muila a( va invenci chamada repitidor plenle de Col-
vende-se riscado de algodflo para cortinados a 120
rs o covado e 2,400 r. a peen com 34 covados ;
riscado monslro a 280 rs. ; cortes de casimira a
4.0(10 rs ; ditos do 1.1a a 2,000 rs.; castor para cal-
360 rs. ; madapoln, a 3,000 e 5,500 rs ;
ncezos, a 200 rs ; ditos muilo tinos a
280 is. o covado ; chales de larlalana de seda, a ,000
rs ; mantas de seda a 10,000 rs. ; lencos de (s''-
ca a .000 rs ; ditos de seda, a 1,000 rs.; panno l-
noazul, i 4,000 rs idilo preto, do 3,500 a 5,500
rs. ; chitas encarnadas muito linas pa.iroes moder-
nos, a 280 rs. o covado ; e outras militas fazeudas
por pr.< co commodo.
Vende-se alcatrao da
Suecia, de
boa quali.iade, em barris bem acondicio-
nados com ai eos de ferio: na ra do Vi-
jan.: em cesado,. Hollar Cumpa,,.,!, na ra da tod.e^X^^7^rTSS
Cruz, n. 55.
- Vendem-se aeces da ex-
tincta companhiade Pernambuco
e Parabiba: no escriptorio de O-
liveira Irmos & C, ra da Cruz,
n. 9.
--Vende-se um checheo muito manso e excel-
Cera de Lisboa.
Na ra da Cruz, n. 60, ha um completo sortimen-
los os tu ma-
ndos que os compradores desejarem ; assim como
tambeui ha urna grande porruda que vem em gru-
mee em pflo wnde-se por menos preco do queetnl
outra qualquer parte.
Algodo monslro de 8 palmos
e meio de largura.
Na loja n.5, que faz esquina para a ra do Col.e-
gio deGuim^rAeaetCuiiipanhia >ende-se a
0AAAM4alAAA-AMMAAAAir#
Os verdadeiros charutos de
S.-Fclix.
Cbegaram os afamados charutos deS.-Felix, sua
qnalidade rivasa nos melhorcs charutos da llavana:
vendem-sc nicamente os verdadeiros na ra do
Queimado, ti. 17. Dao-seamostrasTrancas eos com-
pradoies
Vendem-se ps de ara ( da India, ehegados
ha pouco do Kio-de-Janeiro o plantados em sepa-
rado : na i ua da Florentina, ti. 16.
Urub-re.
Vende-se um urub-rei
commodo: na ra da l'rai,
Vende-se um preto de bonita figura que est ha
.0 anuos cm botica,'do que tem pralica : na
ra larga do llozano, loja n. 35. Na mesma loja tam-
ben, se vende urna parda, prupria para ama do casa ,
por ser fiel, o de juizo e ter habilidades
A I 600 cada um.
Na loja de CuimarSes & C, que faz esquina para a
ra do Collegio, n. 5, vend*m-so barrotes de seda
para padre, pelo barato prego de 1,600 rs. cada uni.
-- Vendcm-se duas pelas sadias e sem vicios ,
urna de 15 aunos punco mais ou menos e a oulra
'le 22 annos ambas sabem engonunar levare fa-
zcr lodo o servido de urna casa : a mais moga tam-
bom cose soffrivclmente: na ra de S -Francisco
sobrado n. 6.
Vrndc-se um muito bom relogio de ouro, de
sabonete : na ra do Itozario larga, n 28.
Vende-se urna poreflo de gado vaccas paridas,
e nnvilhas mojadas : lodo esto gado he do raga (-
rina por prego commodo : na ra da Concordia,
passando a ponte direita, primejra casa.
Vende-se urna pela do gwntio de Angloa, com
urna ciia mulatinha : na ra Din-ita n. 55.
(gari ilhos hcspaiihrs ver-
dadeirO''.
Quem nflo traga urna fumaga nroduziila por estes
delicinsns cigarrilhos nflo se pode contar no mme-
lo daquelles que sabem apreciar os deleites da vida
contempornea : e as pegsoas que se jlgarem ties-
tas circumslancias, dirijam-se atrs da malriz de
Corpo-Santo, no lleeife, venda n. 66.
V
lente cantador ; bem como una grande serpente z'Jn,.f_|f "l?lVn'-bIai'.C".",l!'.lo.Cro,'rio"M loa"
viva encerrada em urna fortegaiola propria para
ser levada para qualquer paiz eslrangeiro: na ra
da Florentina, n. 16. ,
Ihas pelo baiato prego de 640 rs Da-se amostra.
--Vende-se muito superior bismuto francez de
Rheims : na ruada Cadoia-Velha, n. 39.
CHA' HYSSON,
de ptima qnalidade a 2/240 rs. a libra
Crus no Recite armazem n. 13.
na ra da
Chegaram em im mais navalh9
de a i; o da China : a sua qualldade e propriedade pa-
ra evitar e mesmo curar as molestias cutneas, he
superior a lodo elogio, e por isso j seu autor foi
agraciado : as verdadeiras venuem-se na ra larga
do Rozario n. 35 onde tamben, se vetidem facas c
garios de osso pulido, feitio de marfbn ; finissiinas
osouras para unbas e para costura ; colberes de me-
tal do principe ; boloes para camisa a republiqtie ; i
facas o garios para sobre-mesa ; oculos para (odas as I
idades tambem de vidraca azul, oro trios narit s.i
tud.r o no,te; e outras mSu. miude'z.s b.VaUs .TS!" J^ftW* '.fdo* odatn. je Pem co-
FARELO
a 3sooo rs. a sacca
nos rmateos n*. 1 e 3 do caej dar Mfndega, e no de n.
35 da ra do Amonio, de J. J. Tasso Jnior,
Riscados monstros.
n-se superiores riscados monstros, ja .
1 ohecldoa tanto pela qualidadt como pela largura em
Pechii cha.
Vendem-se luvas de fio da F-scocia para senhora,
pelo diminuto prego de meia pataca cada par : na ra
Nova, n. 30, loja de Domingos Antonio de Oliveira.
Vendem-se toncados para senhora, proprios pa-
ra partidas e bailes : na ra Nova, n. 30, loja de Do-
mingos Antonio dp Oliveira.
Na ra de (lorias, n. 52. esquina de S.-Thcreza,
ha para vender superior farinha do reino, assucar,
manteiga da mais superior, cha do melhor que tetn
apparecido superior viiiho do l'orto engarrafado,
cerveja patente da melhor, espermacelo muito fino,
batatasporluguezas muito novas, superior azeile
doce do Lisboa : tudo por preco muilo commodo,
do que os freguzes nflo se desagradarlo.
Vendem-se saceos com farelo, pelo barato pre-
go de 2.400 rs. : na ra da Senzalla-Velba, n. 138.
Veude-se una escrava criouia.de 25 aunos
pouco mais ou menos bstanle sadia, que Coso,
entotuma liso lava do varrclla o sabflo o faz todo
o mais ser vico do urna casa: na ra de Hurtas, n.
138, se dir quem vendo.
Vendem-se 3 mob-ques de 12 a 18 annos ; 4 ne-
grinhas de nagflo, de 13 a .4 anuos ; 2 escravos mo-
gos ; 3 pretas com habilidades; urna parda quo co-
se, nuninma e coziuha bem: na rua Direita n. 3.
Vende-se urna porgflo de cascos vasios a saber :
Vende-i
canoeiro; um
oostureira
n. 4, se dir quem rende.
Vende-se urna preta de Angola, de elegante fi
gura, de 30 annos, com algumas habilidades ; po!
i em s se vendo para fura da provinCincia ou aliriini
ongenho: na rua Nora, n. 18.
Vende-se urna escrava de bonita figura qae
faz todo o servico de urna casa e he ptima part
vender na rua, por catar a isto acostumada : narui
da Concordia casa junio a ren la n. 9.
Vende-se um preto prnprio para padaria nor
ser muito bom foruoiroe trabalhdor, do qu tudo
ntende : o motivo por que so vonde se dir ao com.
prador : no pateo da 8 -Cruz, n. 21.
Vende-se um cabra offlcial de pedreiro de bo-
nita figura do 18 anuos proprio para pagem : pre-
fere-se vender-so para fra da provincia, ou para en-
genho : na rua Nova, fabrica de chapeos, do Cliria.
tiano Irmflo.
Vende-se azoito de carrapato mujto bom a
1,240 rs., de 20 caadas para cima o de 100 ditas/
para cima, a 1,200 rs. : nos Quairo-Canlos, vend
n. 95.
Vende-se muito boa lelhn e ladrilho por nree
mais commodo possivel, sendo da melhor quali l-
de : bem como urna canoa em milito bom uso que
carrega 1,200 lijlos de alvenaria, por progo muitai
barato : ta travessa do Mondego, n. 8.
Visito barata.
Acha-seestabelecidona rua da Ma.Jre-de-Leo,
n. 36, iim arinazum de
% iiilios da Figucira,
leortima qualidado, a prego de 1,120 rs a caada,
e a 160 rs a garrafa ; e para nflo haver dolo do com-
prador serflo lacradas as garrafas e com rotulo, re-
cebendo-so a garrafa vasia, o dando-se inmediata-
metilo a oulra cheia tautbem ha barris muito pe-
queos proprios para quem passa a festa. O pru-
prielario deste cslabeleciinento pedo eucarecida-
mente que se nflo illu lam avallando, pelo ilimiouio
prego e sem conheciuientn >le causa, a qnalidade de
sua fazenda digna por corto da estima dos verda-
deiros amantes ilu boa pinga. Elle cunta que quem
urna vez provar, continuara con, gosto e sem arre-
pendimento. K o bom prego I!.' A lodo o exposto
accresce o asscio o bom acondicionamento, o que
ludo se podera veri.icar em dito cstabdecimento.
- Veudciii-.sc bonetes de panno ris-
cado, a 3o rs : na loja de quatro portas
la rua do Cabug, n. i ('.
Vendem-so barcias para espartilhos e vesti-
dos : na fabrica de chapeos do sol da rua do Pssseio,
n.5 A. *
Vende-se um escravo rajador, e que entende
de planlagocs de sitio ; uuia caixa de msica con-
trndo difTerentes jiegas ; um" rico aderegn de ouro,
com diamantes para senhora j um relogio do ouro
e nutro de prata ; um miel com diamootes ; urna
correle e cacolela de ouro ; algups gai fos de prata;
una duzia do cadeiras; um cannap; duas bancas
de oleo ; urna carleira de amarello para escriptorio;
urna cama de armagflo de angico e con, enxer-
ges ; e outros muitos objoctos por prego commodo:
na rua Direita, sobrado n 16
Vende-se a verdideira potassa da
Russia, desembarrada bonlem, por pc-
eo muilo ras'-avr!, vista nc sua im.ilo
superior qual dade : na rua do Trapiche,
ii. 17, e rua a (Jadeia, 11. 'S!\.
Veude-se urna negrinha de bonita figura
12 annos coslureira, e que he muilo sadla: na n
larga do Rozario 11. 46, primeiro andar
Escravos Fgidos
Aindn contina a estar fgido o escravo Patri-
cio de violectantos annos; he desdentado ; tem
urna (islilla 110 rosto, de um lado; he de altura re-
gular magro, peritas finas; j reio urna rez preso
do Brejn-da-Madre-de-Deos por isso sabe muilo
bem ocaminho do sertlo. Qem o pegar leve-o ao
Kecife rua da Cruz, n 26, que sera gratificado.
Fugio urna rriouln de norrn- Calliarlna rom
os signaes seauintes : Ha, msgni ; teni a l-arnps
um tanto crescida nsriz grrisso,, denles bonitos;
levo u un roupflu de riseadinho cor de rosa, ni"1
saia de lila e oulia de chita esverdeada com duus
baba dos guarnecidos com lila de %c Iludo preto um
cabegflo de cass'a do quadios com abertura e IkiIOcs,
panno da Costa sem oslar emhainhado ; levou 0>ai'
lima sua filba de nome Maria de dous anuos ; tem
as Coxas unidas a ponte de a fazer espaldar os pf
para os lados; suspeila-se que esleja escondida em
Fra-de-Portas e suspeila-se mais outra colisa da
que.por nfloeslar bem esmerilhada, nflo se fz ecla-
ragflo alitunia : quem a pegir leve-a ao Aterro-da-
lloa-Vista, n. 42, que sea gratificado: tamben, se
protesta contra quem a livt-r occulla.
Fugio, do bordo do brigue Argot, no dia 7 do
corrente pelas 7 horas du noite um escravo mi-
rinheiro do nom Jos, deuagflo Cabinda altura
regular Cbeio do corpo; representa ter 22 anuos
pouco iiihs ou menos rosto redondo sem baib,
olbns grandes; levou cagase camisa do zuarie azul
e cinta encarnada : quem o pegar leve-o Imrdo _"Q*i
diin hriuue, ou a Amoiim Irmflos. na rua da Cadea,'
n. 39, que recebera boa grali.icagflo.
pRhv.
J..II
Ma TV>.
IIB Bf. r, DE FAMA.

MELHOR EXEMPU


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8XPUPNRJ_HP66Z0 INGEST_TIME 2013-04-24T19:47:53Z PACKAGE AA00011611_06542
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES