Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06539


This item is only available as the following downloads:


Full Text
>
Anw
XXIV.
Quarta-fdra IA
Opf ID'"publlci-i(oiloiMdliiqut n!o
furn de guarda: nr*co da aalgnatiira-lie
i" ifc '0 r rr piarte!. fMfM HdiAtwiot. o
inundo doi asignante alto iuaerido
,o dr20ri. poilliiha, 40 r. em typo dlf-
t,rrnle e reptic Jo" |*M I"" "" lfi0 r
i,i lyi" dllferetitc, por cada publicicao.
PHASES DA LT1A NO MEZ DE OUTITBRO.
r..,M*U.5, 11t boraa e 48 mln. da tnanh.
lache, a 12, I hora e 36 ma. da tard.
MouioanK, a 19, aoa 8 mln da manh.
Innova, a 2(>, i 11 horai e 27 mln. da tard.
partida dos corrf.ios.
Cnianua e Parahlba. aef. c aeitat-frirai.
Rlo-G.-oo-N->rte, ipilntaa-fcirai ao inelo-dia.
cabo. Serlnharin. Rio-Korinoao, Purtn-Calvo
e Macelo, no I ., a 11 c II de cada mez.
Garanhuna e lloiiitu. a e 23.
Boa-VUia e Plore, a 13 e 28
Victoria, t quintaa-feira.
Olioda, touot o das
PRF.AMAR DE HOJE.
Prlmclra, 10 boras e 0 minutos da manh.
Segunda, s 10 hora r 30 minuto da tarde.
da Ou< ubro de IM9.
N. .W.
MU ha sismara.
16 Secunda.S. Martiniano. Aud. do J. dot
orph. do J.ci. edoJ. M. da 2. r.
17 Terca. S. Ilcriuvigea. Aud. do J. do c.
da I. r. e A J.de pardo 2. dlt de t.
18 (Juana. 8.1.uca evangeliila. Aud. do J.
no c.da 2. r. e ito J. de na/ do 2 dial, de t.
1!) Quinta. 8. Pedro de Alcntara, feriado.
20 Sexta. S. Joao Canelo. Aud. do 1, dociv.
e do J. de paz I I diit de t.
21 Sabbado. 5. Driula. Aud. do J. do c. v.
e doJ.de patdo I diat. de t.
22 Domingo. S. Mara Salom.
CAMBIOS NO DA DF. 17 OlTt'BRO.
Sobre Londre a 2a d. por IfOOO r. a 80 A.
Paria
a Liaboa 120 por eento de premio.
Hin-iii'-1 inrirn ao car.
Deac. de lett de boa firma al % ao mea
AecAeadacoinp.de Heberibe, a50/rs. aop.
Oaro.Onca hetpanholai 3IJ0OU a 31/ft00
Moldas de OXOO v. 17|TiO0 a 17/70Q
. delbyiiOOn. IbyOOOa 16/700
.de 4/100... 9/VW a 9/700
| PralaPatacn brasilelro* 2/020 a 2/020
Peaot oolumnarioi. 2/000 a 2/020
Ditos meiicanot..... 1/900 a 1/920
**
PERMAMBUCO

____PARTE OFFICIAL.
govep.no da provincia.
EXPEDIENTE DO DA 28 DE AGOSTO.
Ofh'cio. Ao Inspector da thesouraria da fazenda.
Por nm equivoco filho dos termos de que se servio
o majorlnnocenclo Eustaquio Ferreira deAraujona
descripefio, que por copia remetli a V. S. etn 26 do
corrente, dos ornamentos das despezas a fazer com
as obras militares, ora etn andamento, disseeu a V.
' S., em ollicio daquelln data, que para essas obras j
selinha ronahido na pagadoria militar no menos de
7 ii-.'.IS'GO ri'is, quando tal recelament so nio havia
elTectuado, segundo me acaba de informar o sobre-
dito mjor, e tnande verificar nesta secretaria. I hija
V. S. r*os- or nfln aventada se?np!hnls ssserefio
e d as suas ordens, para que, alm da somma de
:.-:.'iiii.'-ii'Ki ri, que, nu meu citado ollicio, detetmi-
nei fsse fornecida a mencionada pagadoria, eja
tambern remelllo ao cliefe desta eslacfio o quuntita-
tivo a que me referi em principio. |ai ticipou-se
ao cnmniissario-pagador.
Dito. Ao commandanle das armas, dizendo lia-
ver concedido vista do parecer da junta do sado,
ao lente Jnaqilim Can.I ido deSetXHS nin./.
emeio de liceuca, para tratar do seu reslabeleci-
mento.
Dito. Ao mesmo, scienlificando-o de haver de-
ferido a supidica do soldado do 4. hatalhfio de arti-
Iharia a pe, Firmino Dia.s, em que pe le para dar um
substituto que sirva o lempo que lli falla para com-
pletar o sen engajameulo, e declarando que podo
aceitar o paisano por elle'olTjrecido, Manoel Itezerra
Valer no, edar baixa ao referi lo Das.
Dito. Ao delegado do termo de Coianna, aqtori-
gandti-n a contratar o sustento e vestuario i ni ispeo.
savel aos presos pobres da oadcia dessa cidado, com
ascnivlic,es asmis favoraveis que poder obter n
fazenda provincial.e declarando que, para ser o cn-
tralo fnvoravel, cumpro que seja posto em praca c
colebrado com quem por menos se encarregar de
sustentar o vestir a cada um preso, o que dilo con-
trato (leve de ser suhmcttido aoexame e arprova-
efio da presidencia, seni o que nao ter elle i i o.
Dito. Ao capitn do porto. Km muilo aprecio
cu o mrito, intelligencia o zelo de V. Me e pois
adoptara desde j anpinlo que manifestou em olli-
cio de 11) do correte, acerca da cousli uci;o da bar-
ca de escavano, se nfio se acbasse nomoada urna
commissiin que, em execuglo de ordem imperial,
deve de ser ovida em ludo quanto se referir o me-
Iboramonto do port dcsta cidade: mas, como existe
esta commissiio, e ou DBo pessa prescindir do seu
pr.rccer no locante mencionada construcQiio, sein
quedeixe do cumprir a ordem que me boi repor-
tlo, e que muilo me cabe acatar, justo be que ella,
lomando ronhecimenlo deste Objcclo, me informe
do que pensar a respeito.
Dito. Ao direclor interino do arsenal de guerra,
dizendo quo pode S. Me. prestar o parque de arti-
llara ao capilo commandanle da coinpanhia de ar-
tfice;, sempre que este o requisitar para os ejerci-
cios da mesma companliia ; mas que d as precisas
providencias, para que o sobredito parque seja reco-
lhido a esse arsenal iramediatamento depois de ter
sido enipregado no mlslcr deque se trata, segun-
4<) o estylo. Participou-se ao cominandanlc das
armas.
Portara. He jurdicamente incompalivol o excr-
cciosimullaneo dos empregos dejuiz do direito e
juiz municipal, reunidos em um mesmojindviduo ;
ou o jniz mnuicipal exerca smenlo altribuicoCs^cri-
minaes, ou conjunctaniente as civis; por quanto, no
primeiro caso, tendo o juiz de direito do inspeccio-
nar aojuz municipal, ijjstruindo-o nos seus deve-
res, cdigo do processo artigo 46 9, devendo for-
mar-lhe culpa, e julpa-1" noscrimes do responsab-
lidade, e julgar as suspei^Oes, que lhc forem postas,
le do 3 de dezembro de 184l,rtgo 25 1, 2 e 5, be
evidente que tifio pdem deixar de ser dislnctas e
separadamente excrcidas as jurisdicgOes de um o do
outrn: no segundo caso, semlo certo que entre as
attribuicOes do juiz de direito nfio se depara com al-
guma que seja meramente civil, nfio ser a quo Ihe
foi conferida palo artigo 119 da referida le, e.que
niais propriamente lio administrativa; o, pelo con-
Irario, cou.tituindo a melbor parte da jurisdc^fio
do juiz municipal attribuicOes puramente civis, ar-
ligolKdalei j-citada, lio fura ueduvida quo se
"Ppe manifeslamcnte i legislacfio em vigorfexercer
oj'iiz de direito, quo he auloridade exclusivamente
criminal, as allribuicocs civis do juiz municipal que
usexirce, jureproprio, Ha, boreal, um caso, emque
0 juiz municipal, deixando as funcQoes do seu etn-
l'rrgo, passa a exercer simultneamente as de juiz
"e direito ees de juiz do civel, qne sfio as mesmas
que as suas na parto civil; isto succcdc, quan lo se
ausentan, ou seucham impedidos estes funecona-
nos nos lugares em que existem; enlfio, so verifica
mente de-
84l,arligos
- segunda vara civel
RMacilade, entren o juiz municipal respectivo na
plcnilude de sua juristlicgllo, como fol muilo bem
Uecjdido pelo aviso de 9 .le junho do oxrente auno,
e inconlestavcl que o conflicto quo.se suscitou en-
tre o juiz de direito inierino da primeira vira o o
ljyz municipal interino da segunda, quereudu aquel-
"exercer satliibui(,Oes civis deslc, deve sor resol-
viuo confoime os principios cima estabeb-cidos, e
Por conscqttencia decido temporariamente que ao
juiz municipal interino da segunda vara compete
exorcer todas as altribuices civis que com as cri-
minaos consliluera a sua jurisdicQfio. Remetie-
ra m-se copias ao juiz de direito interino da primeira
vara, e ao juiz municipal Interino da segunda.
Dita. Ordenando ao director interino do arse-
nal do guerra, forneca, por emprestimo, ao cor.mel
commandanle do 4 batalbfio de artilharia a p duas
pecas de bronzo do parque do campanha que so
acha recolliido ae mesmo arsenal, sendo ambas de
igual calibre, para serum emnregadas nos oxercicios
que teem de fazer o referido batalhfio. Participou-
se ao commandanle das armas.
Dita. O presidente da provincia, em consequen-
cia do que informou o commandanle do corpo de po-
lica, em oflicio de 23 do correte, ha por bem de-
mitlir os soguntesolliciaes do mesmo corpo :
ESTADO MAI0R.
Ajudanle Antonio Pereira de Souza.
Secretario L'lysses Cocklcs Cavalcante de Mello.
i." Companhia.
3.* commandanle Jos de Rrito Salguero.
(iabriel Moreira Itangel.
PERNAMBUCO.
jur\ do iaecifi:. .
2.' I l LTIMA SESSAO DA QUARTA ORDINARIA
m i6 de otmnjfto de i848.
Prmdencia do Sr. Dr. Si/va Nevet.
2.' Companhia.
3. commandante Antonio Francisco Xavier da
Costa.
.1,* Companhia.
1. commandanle Firmino Theolonio da Cmara
Santiago.
2." Jofio CavalcanlodeAlbuquor-
que.
Francisco das Chagas Ribero
Participou-se ao commandanle do corpo de pn|-
cia, e ao inspector da thesouraria das rendas pro-
vinciaee.
Dita. O presidente da provincia, em consequen-
cia duque Ihe informou o.commandanle do corpo do
polica, Fernando Francisco de Aguiar.Montarroyos,
em ollicio de 23 do crreme, ha por bem resolver
que, d'ora avante, fique o mesmo corpo organisado
da maneira ssguinte :
ESTADO MAton.
Ajudinle Manoel Eleuterio do Reg Barros.
Quartel-mostre Flix Miguis.
Secretario Eduardo Firmino da Silva.
Cirtirgifio-mr Miguel Felicio da Silva.
Cirurgifio-ajudante Andre Ferreira do Almeidn.
i.* Companhia.
Antonio Camello Pessoa de La-
cerda.
Francisco da Si Iva llego.
Jofio Lucio da Costa Mouteiro.
Francisco Xavier Rodrigues de
Miranda.
As 11 horas e meia da manhfia, Ceita a chamada,
verifica-soestarem presentes 41 Srs. juizes de fado.
OSr. Juis l'ruidente declara aborta a sessfio.
Apregnam-seo reo o as lestehiiinhas. *
OSr. Juis Vresidente declara ir proceder ao sorteio
do jury que tem de julgar ao reo Manoel do Nasci-
mento Vera Cruz, aecusado por crimo de UM de ar-
mas defesas.
Os juizes sorteados prestam o juramento do estylo.
OSr. Juis rreiiente faz ao reo o seguinte
IHTEHROCtTOMO.
Juiz:Como se chama ?
Uro :Manoel do Nascimento.
Juit; Smente ?
Rio :Da Vera Cruz.
yuta:- porque se acha preso i'
Reo :Nfio sei.
Juiz-.Nfio se records de estar com um punhal na
occasifio.em que foi preso ?
Reo : Nfio, senhor.
Juiz: Condece a Jos da Trindade Craval ?
Reo :Nfio, senhor.
Juit-.Que idade tem ?
Rro: Qualorze annos.
Dado por lindo o interrogatorio, o cscrivfio do tri-
bunal faz a leitura das peQas do processo.
Em seguida passa-se as alegacoes pro e contra o
reo.
OSr. Juiz Presidente faz a exposiefio da causa, for-
mula osquesitos e cnlrega-os aos juizes sorteados
que se retirare para a sal das conferencias, e vol-
lam meia hora depois dos debates com resposta aos
meamos quesilos.
O ir. Juis l'retidenle, conformando-se com a de-
cisfio do jury, absolve o reo, manda quo se Ihe pas-
se alvar d soltura e conde.una a municipalidade
as cusas.
Depois do urna breve allocucfio, na qual declara lin-
dos os Irabalhos, oSr. juiz presidente agradece aos
Srs. juizes de fado presentes a sua coadjuvaefio,
c concilio declarando multados em 20,000 ris aos
seguintesSrs. jurados que deixaram de comparecer :
Manoel Joaquim dos Passos, Raymundo Jos da Sil-
va Maia, Joaquim Theodoro Coireia da Silva, Fran-
cisco Comes de Oliveira, Joaquim Correia da Silva,
Jofio Uaplista da Silva Lima.
Encerra-se a sessfio as 2 horas da tardo.
Se, como estamos persuadido, S. Exc. se nfio apar-
tar da linha de conducta que Ihe tra^a esse documen-
to precioso, e seguir risca, corto que consegui-
r o apoio da parto sensata da populacho, daquella
que nfio quer vor no presidente senfio o restricto
observador das leis, o guarda cuidadoso da sag-
ranga individual o do propriedade, o homem menos
apto para abusar desses poderes discrecionarios que
em (antas occasiocs hfio servido para desabafo de
paixdes mesquinhas c pequoninas, e que temos f
nfioserfio dest'arteestragados porS, Exc.; pois que
todos os seus precedentes nos trazem a convicio de
que elle jamis se apartar das regras do justo edo
O illm. Sr. desembargador Firmino Antonio de
Souza entrou boje no exercicio do cargo de juiz de
direito chele de polica.
S. S. est justamente no caso de coadjuvar o Esm.
Sr. Ferreira Penna no plano administrativo queS.
Exc. so ha tragado.
He inteiramente falso o boato quo boje correu
nesta cidade acerca do assassinato do Sr. Manoel Jo-
s Teixeira Bastos Jnior, professor de primeiras
lettras em Olinda.
O Sr. Bastos Jnior est perfeitamenle sfio, e hojo
pelas novo horas da noile recolheu-se a esta capital
em companhia .le seu pai, que, despertado porse-
melhanto noticia assustadora fon busca-lo ao lu-
gar em que elle lecciona, o onde seafilrmava haver
sido commeltido o delicto.
(.* commandanle
2."
3
3.
1. commandanle
2."
3."
3."
2.# Companhia.
Jofio Rabello Padilha.
Manoel Porfirio do Castro A-
raujo.
Bellarmlno dos Sanios Dolco.
Joaquim Theodoro de Vascon-
celos Aragfio.
"mos lugares em que exislum ; entilo, s
aquella subsiuiQfio, he por ser expressat
^' minada pela lei de 3 de dezembro de \Si
7 7. e 116. E como, abolida a segunda
3.a Companhia.
1." com na ndanli Francisco do Souza Reg Mon-leiro.
2." Joaquim Urbano Lumachc de Mello.
3." * Jofio Fernandes da Silva Itciiioti.
3.* Antonio Jos Pestaa.
F.m conclusao, ordena o presidente da provincia,
que pela respectiva secretaria so expeca titulo aquel-
los dos individuos quo ficam mencionados, que nfio
sfio conservados nos postos que dantos tinhuin, ou
UAHIO DE PEHMABUCO.
BECirE, 17 DE OUTUBIIO DI". 1848.
Iloje honve, de l'eilo, lugar a posso do presidente
nomeado-para esla provincia, o Exm. Sr. Ilerculano
Ferreira Penna.
A esto acto comparecen a mor parle da gente gra-
da da cidade, que, ao sabir de palacio, como que
lava vivos indicios de captivada pelas maneiras affa-
veis e bondosas de S. Exc, nada inferiores aquellas
com que o Exm. Sr. Costa Pinto conquistava, qtiasi
por encanto, as sympathias de lodos quantos se Ihe
approximavam.
Hemos todas as rasOes para crer quo, fiol delega-
do do gallineto do 29 de setembro, testa do qual se
acha o mu digno Pernambucano, Exm.visconde
de Olinda, S. Exc. o Sr. Ferreira Penna governar de
aecrdocom o bello esimples programma que esse
que sfio agora nomeados. Scicntificou-sc o com- \noS90 muj dign0 comprovinciano communicou, em
mandante do mesmo corpo, e o inspector da tliesou-1 ,
raria das rendas provinciaes. circular, aos diversos administradores do provincia,
e que tomoso prazer de inserir nesta pagina do Da rio:
Dita. O presidente da provincia, alterando a por-
tara dcsta data, por que reorganisott o corpo de po-
lica, ha por bem resolver: i., que o segundo com-
mandante da segunda companhia do mesmo corpo,
Manoel Porfirio do Castro e Araujo, passe a servir no
posto de ajiulnnte, e seja substituido no que oceupa-
v por Manoel Eleuterio do Rogo Barros, que fora
Horneado para o mencionado posto : 2., quo o lu-
gar de segundo commandanle da (erceira compa-
nhia seja ex.ercido.por Belarmino dos Santos Bolcfio,
e um dos de lerceiro della por Joaquim Urbano Lu-
machi de Moli. Coramunjcou-se ao commandan-
le do mencionado corpo e ao inspector da thesou-
raria das rendas provinciaes.
Dita. Ordenando ao direclor interino do arse-
nal de guerra, que mande formular, csubmctia ao
coiihccimento da presidencia a conta da despeza a
fazer com as 2,000 espoletas de peca o 200 velas
msticas, lm de que, addicionondo-so a nnpoitan-
cia dessa conta docusto da bandeira imperial, se
possa solicitar do Exm. presidente das Alagas, que
requisitou essee.objectns, a Indemnisacao do dispen-
dio a que deve de dar lugar o foinecimento dellos.
fiio-de-Janciro. Ministerio dos negocios es-
trangairos,.em 30 de setembro de 1848.
Illm. e Kxm. Sr. Tendo S. M. o Imperador con-
ce.lulo a demissio que Ihe pedir o concelheiro
Bernardo de Souza Franco do cargo de ministro e
secretario de estado dos negocios cstrangeiros,
. honve por bem nomear-me, por decrelo de 29 do
crranle, para o referido cargo c presidente do
< concelhode ministros.
a Encarregado da presidencia do concelho, com
que S. M. o Imperador honve por bem honror-nic,
cumprc-me, etn observancia das ordens do mesmo
augusto Sr., recommendar a V. Exc. a mais rcli
glosa execuefio da conslituico c das leis, a mais
activa vigilancia na manutenefio da ordem publica,
e a mais icflectida moderacilo no exercicio dos po-
deres discrecionarios que as leis couferem as iuIo-
ridades.
O que participo a V. Exc., para sua intelligencia
e fiel execueflo, e a fin de que baja de dirigir-me
a a correspondencia com esle ministerio.
u Dos guarde V. Exc. fecunde de anda.
Sr. presidente da provincia de Permmbuco.
Vamos continuar com o extracto dos jornaes os-
trangeiros que intimamente recebemos.
O reino de aples flcra traquillo at o da 24 de
agosto. Cria-sealligeralmento que a Franca e a In-
glaterra conseguriam regular pacificamente a quos-
tflo siciliana. Continuava, porm, anda a ser prohi-
bida a correspondencia por meio de cartas entro a-
ples o a Sicilia, o que causava grande detrimento
ao commercio.
Roma (cara nm paz, eos Austracos ltimamente
haviaiu evacuadu Bolonha. O papa, desejoso de in-
troduzira civilisa^fio religiosa no oriente da frica,
nomera um vigario apostlico para a ilha de Mada-
gascar.
0 circulo poltico de Veneza publicou a 19 de se-
tembro a seguinte proclama(fio:
a A Italia de 22 de marco est borda doabysmo,
mas nfio est perdida, lima nacfio de 2 niilhes de
almas nfio pode perecer monos que seja por sua pro-
pria culpa Avante, pois Corram todos os homrns a
unir-so ao cstandarto da repblica em redor do co-
raefio da Pennsula, cm redor de Veneza, a Italia vi-
gilante da honra italiana, cidadella inevpugnavel,
contra a qual ser de nenhum efTeilo todo o furor
dos barbaros. Topanos I os cidadfios de Curtalono
0 Montanara clamain pclosangue do nimigo. Napo-
litanos segu o oxemplo dos vossos irmfios, os
quos o rei Fernando ha proclamado rebeldes. Povo
da Pennsula, levantai-vos como um s hornera
O governo provisorio daquella cidade decretou :
1." Que Veneza fsse cercada por um cordfio de
barcas armadas, as quacs excrceriam, noile edia, a
mais activa vigilancia.
2. Que nenhum bote, qur pblico, qur particu-
lar, enenhuma materia, qualquerque fsse o seu
destino, a sua forma, o seu peso, etc., podessemen-
trar na cidade, ncm sabir della, semserem previa-
mente examinados pela tripolacfio do urna das bar-
cas do cordfio.
3.' Que cada exame fsse monconado cm um cer-
tificado, o qual deveria ser apresentado prefeilura.
4." Quesoalgum bote nfio respondes.se ao lercei-
ro brado das sentnellas, se Ihe fizesse fogo.
">. Que todo o bote achadosem licenga fsse im-
medialamcnte sequostrado, sendo seu proprietario,
incslre o todas as pessoas encontradas a bordo con-
deinnadas a pagar urna mulla de 150 libras italianas.
Foi lambem decretado que nnguem podesse sahir
de Veneza Sl-iii I cenca oxpressa do governador.
A cidade de Osopo foi bombardeada a 2 de agosto
desde as 4 ate 7 horas da tarde, mas sem proveilo al-
gum para os sitiantes, esem grande damno dos si-
ASardenhaficra em paz. Carlos Alberto traba-
dla va com actividade na reorganisiQfio do exererto
sardo, e pedir ofilcialmento ao governo francez um
commaiiilauloenchefo- para o commandar.
O principe Eugenio de Saboia decretara a comple-
ta expuls.lo dosjezuiias dos dominios sardos, e con-
fiscaia-lhcs as propiedades para o cstabelecimento
de cullegios naciouaes.
Con ia que o duque de Cenova recusara a cora da
Sicilia que Iho havia sido offerocida.
O ministerio siciliano dera a sua demissfio, e um
novo gabinete acha-se organisado.
Os novos ministros declararam cmara que ae-
gur3u.a polilica de seus predecessores, que "fio la-
rfio nenhum compromisso com urna dynastia abor-
LADO


PNMl e perjura, e que consolidarlo rom tolas aa
S":IS frcas os lagos do aniira.ln existentes entre
Sicilia e o governos re Inglaterra e Franca
O pi ineipe le ivt cu I la, Siciliano, qUr- aciimpanlinu
o ronde Ludt.lf,agente dn re He aple*, ana gabi-
netes .le Londres u Paria, foi declarado infame e trai-
dor a patria.
a habitantes- de Parma, Piaccnza e.Molea ha-
viam protestado contra a reslluigilo dcstas cidades
so imperiod'Austria.
A columna do general Gilibaldl, depois de haver
tido varios encontros com o inimigo, e ser reduzida
a um estado de completa destituicAo, dissolvra-se e
retirra-se para Tissino.
Km Vicnna graves disturbios haviam occorrido.
I ma collislo leve lugar no dia 2*de agosto entre os
operarios e os guardas nacionaese municipaes, ten-
do os primeiros 6 mortos e 61 feridos, e os segundos
15 feridos.
Os negocios hngaros em Pesth e na scena da
guerra vilo muito mal. A traiclo, a anarchia e a co*
vardia parecen ser a ordem do da entre as tropas
hunparas. Ellas fram duas vezes batidas junto de
Lngerdotf por um corpo de insurgentes muito me-
nos numeroso, e fugiram em um paroxismo de ter-
ror e desordem. Os insurgentes hilo obtido assigna-
ladas vanlagens e vilo diariamente ganhando ter-
reno.
Cartas de Constantinopla, datadas de 15 de agos-
to, annunciain a nomeagilo de tteschid Pacha para o
posto de grlo-visir e a de All Pacha, para ministro
eo generosos ? Porm no, o hnmem que chora-
mos, que lamentamos o sen papiamento e que n
acnnipanhmo* at ao fechar da sepultura, nlo tem
alm de urna constante dr. sanio o desvelo,os
cuidados de urna querida e extremosa esposa:ora
f-liz, e quandn veio a hora nm que deixou esta vi la
nara sentn, encontrn dodicages hem pronuncia-
das, lagrimas, dr, pena e .. eque importa que um
rnrag.lo pouco sensivel, pouco'gencroso desojasse a
chegada desse apartamento." Que importa que houves-
se urna ingratidllo,urna amhigiloquandn tudo foi
e he bem compensado com urna lembranca viva, com
lagrimas, com saudades o.... e que nAo ha, quem
n.lo diga bem, c nutra pena pelo bom amigo, oxtre-
moso marido, obediente ilho e integerrimo magis-
Irado,pelo Dr. Augusto da Silva Telles?
Este homen tAo sentido, tilo chorado, cuja perda
tem sido um comploto lamentar, e que todos os co-
rages sentem, e sentem muito, nasceu na cida de
da Baha om o dia 7 de junhndel822; seu pai foi o
desombarga.lor Antonio da Silva Tellescujo noroe
bastahe o seu panegyrico .' Sob as vistas e direc-
clto do finado anciilo recebeu urna educagilo toda mo-
ral, toda religiosa, acompanhando em tudo a seu pai,
at quando foi para a corte tomar lugar entre os do
(supremo tribunal de jtistiga, o ah nos bracos do i-
lho e de um amigo, o Sr. barlo de Monto-Santo, aca-
bou o pai zeloso os seus dias, deixando por ultima
ilisposiciTo seu filho entregue dirceglo o cuidados
do mesmo Sr. bariJo do Monte-Santo, quo.fiel ao de-
positoque no momento ultimo Iho foi confiado, nun-
-----=
nos principados danubianos Tora que occasionra es
t revoluc.o ministerial, e cria-so que a porta ia as-
sumir urna altitudo differente naquella diflicultosa e
^rave questlo.
O reino da Polonia est sendo lilteralmente inun-
dado por tropis russianas. lia as vzinhangas de
Varsovia cemoutros lugares acampamentos nume-
rosos, e urna frca do 70,000 homens est prumpta a
entrar na Polonia ao primeiro aviso. A primitiva dis-
ciplina do exercito russo ha soffrido alguma a llera-
cao. Actualmente j nlo he permittido inflingir cas-
tigos corpuraes, monos que sejam estes ordenados
po um couceiio do guerra. Ksperava-so o impera-
dor em Varsovia, e preparos se faziam para a sua re-
eepcfto.
loncltiio-seem Kiel um armisticio entre a Dina-
marca e a Allemanha, faltava smenlo ser.[ractifica-
do. Os ministros de Franca o Inglaterra haviam con-
corrido muito para que este arranjamento se effei-
tu;i.v-e.
ASuecia havia reconhecido a repblica franecza.
O rei havia nomeado para seu enviado extraordina-
rio e ministro plenipotenciario junto aquella rep-
blica no Ilustre cavalheiro rondo de Lavenhielm.
O grflo concelho de Ticino (Suissai rejeitou no dia
25 de agosto o novo pacto federal por urna maioria
de 53 votos contra 27. '
O cholera-morbo continuava a lavrar pela Russia,
e j havia penetrado na Austria.
Communicario.
NECROLOGA.
Fina lagrima cntcriisimn morte lo
lllni. Sr. Dr. Augusto da Silva Telles,
lui/. municipal e l'orplios da eidade de
Macelo.
O lioinem nao desee lodo
sepultura, quando a sua vida
ac tnatia de ac^dn dignas de
viverrin na memoria dos vir-
tuoso!.
(De urna oraeao fnnibre.)
Militi'i eslvita hominisluptr 'erram
El dies ejus sieut mtreinarii tranieunt.
A vida do hoinem he uina consume
lula sobre a ierra.
F. hi'ni como os dos mercenarios as
stin se passam cus dias.
(Job cap. 7 v. 7.)
Que hradar be este por finados ? Que voz pezaro-
sa, martirysante e lgubre he esta no templo do
Scnhor? Meu Dos, ser....ser a hora do passamen-
to.. .do... ha como de esta lembranca..... mas
altos silo os decretos da Providencia.. .1 Itcsignagilo,
valore pena, e depois tima lagrima ao bom amigo,
ao extremoso marido, ao obediente filho cao inte-
gerrimo magistrado !
ini, j nilo resta a mais pequea esperanga... E he
no meio do luibilhfio da vida que vimos contemplar
os estragos da morle !.... E be ilesle mundo epheme-
ro, e nesta vida transitoria que ousanios descortinar
os penetraes da elernidade !. ... Oh! como he locan-
te a ideia da morle'... .e da elernidade .'?.... Oh!
como sangram tantos corarnos por urna dr pungen-
te .' Como vivir o amigu, cujos esforgos fram de-
dicados ahi aos ltimos motlenlos de uina vida pura.'
Como.... ah!... que fa llego ao dizer.... Como vivii
a esposa modelo, nutrindo em seu seio a lemhranga
viva do homem objeclo de suas adorarles, dos seus
cuidados c delirio,e em lutar continuo com o spectro,que des-
cara! em paz l no jzigo,--longo e hem longe das
cousas deste mundo epliemero.'... V-la-heis ainda
em cada canto e ao mais leve susurro descolirir em
tudo os movimentos do homem queja esqueceu-se
do mundo e do suas conlradicgeS, mas que deixou
corages partidos, maguados por ausencia da eler-
nidade .'-V-la-heisanda mais, em cada ideia, em
todo spu pensamento figurar o homem que est l no
co recebondo os premios das suas buosaeges; o
murmurar sempre estas palavras que fazem partir
coroges, mas que silo a vida da viuva inconsolavel
....Meu marido.... meu Augusto.... E quem sabo
at quando um corpo dbil, fraco, repassado de dr,
delirante mesmo, poder exprimir o ultimo senli-
mento....? Viuva inconsolavel, mulher que soubes-
le comprehender tua posiefio,--leus deveres,anjo
da Ierra,Dos s compadeca de ti.... recebe os nos-
sos sentimentos!....
O filho que seguio em toda sua vida os conselhos
do seu pai,desse pai anciSo respcitavel, magistra-
do modelo,que ja morreu, mas que vive na lem-
branca, desde os grandos do imperio at ao mais pe-
queo da sociedade ;--este filho que trouxe sempre
<:m suasaeces os diclames desse anciilo, tambem ja
morreo !.... a vida.... sim, a vida fui para elle um
nionlHo de felicidades e um cumulo do soflrimi-u-
l0>.....' O magistrado sizudo,o juiz rectodeixou
um vacuo imci.enso na appiicagilo e cumplimento
das leis E lie assim que se. vive ?E lie a.ssim que
se passa por este mundo '. Lacrgma; sunt rtrum.
h quauuis-vezes aliu do mat lytio Ue urna emien-
da ......i Kurda pelos solTrimenlus--pela drtemo.
- > i" '........"viiw uiviMiv um iui wiiiimuui nuil'
dos negocios estrangeiros. A siluaeflo dos negocios ca esqueceu o filho do amigo e do collega,acom-
'panhando-oemtudo, e sendo restricto na continua-
cilo da educagilo deste, apartando-se ilelle para
manda-lo para Olinda em novombro de 1841, e em
1842alistou seu nomo entre os acadmicos, e du-
rante o seu terocinio o Sr. Dr. Telles oceupou sem-
pre a allencjio de seus meslres e collegas,sua con-
ducta,o seu procedimento e as suas maneiras ti-
nbam lugar entre as dos homens de bem,merecen-
do assim a eslima eamizade dos moradores da eidade
de olinda, donde relirou-se, deixando muitas sau-
dades, em novembro de 1846, por ler tomado o grao
de bacharel formado em sciencias sociaes e jurdicas
em das de outubro :chegando em sua provincia,
foi recobido com todas as demonslraces de estima
e amizade dos seus prenles e amigos, e apreciado
pelos seus patricios; foi em fe ve rei ro 'lo 1847 no-
meado delegado de polica do 2. districto ondo pres-
trou bons servicos.
Assim estimados e apreciado, oSr. Dr.Tellos acha-
va pouco, quera um estado feliz, quera quem o aju-
dasse a soiTrer, ou quem como elle podesse interes-
sar-se por sua satide,porque entilo j soffria de urna
hyperlrophia do baco,quera urna mulher, urna
companhera inseparavcl,amava.e nilo tardou a
chegar o dia 15 de maio de 1847, dia em que a pala-
vra do Senhor abencoou o seu consorcio com a Exm."
Sr. I>. Leopoldina de Campos Silva Telles ;dias
bem felizes seguiram-se ao do consorcio, era junto
mulher escolhida que se passavam instantes de
muito valor, era ella que com todo o corintio, amor
e paciencia promova a felicidade do seu consorte,
era ella que, ja sentindo a gravidadejda molestia do
seu marido, nunca o dexava um instante s, e, des-
pezando todo o gozo deste mundo, o seu elemento,
a sua maior ventura era cuidar do homem que Ihe
pertencia, repartir com elle suas frcas, tudoemfim
para estitiii-lo ao oslado de sade, e era ella a es-
posa que comprehendia seus deveros, o a mais res-
tricta observancia dedicava ao objecto do todas ado-
rarles. Era ja dita, o Sr. Dr. Telles costumava e
peiorar, e por mais cuidados, mais esforgos que fi-
zesse o seu amigo o Sr. Dr. Antonio Pereira de Mes-
quita, a molera zombava dos meios da sciencia de
curar : e como elle nfto era esquecdo poraqueile a
quem seu pai enlregou aos seus cuidados, nao obs-
tante sua molestia, o Sr. baro de Monte-Sanio pro-
curava dar execueno ao seu compromisso, o por de-
creto de 31 de margo de 1848 foi o Sr. Dr. Telles no-
meado juiz municipal e d'orpliilos da eidade de Ma-
eei ;j era tarde, bem perlo eslava.... e foi bem
cuslosa uina separagflo de familia ;porm ludo es-
lava presc ipto, frga era cumprir a lei do destino ;
eno dia 19 do maio chegou em Macci o Sr. Dr.
Telles, o em 22 do mesmo mez iomou posse do seu
lugar, passando a exercer interinamente as varas de
dreito e filo la fazenda nuejonal, por impedimen-
to do juiz etrectivo.
Todos sahem o interesso que o novo juiz tomava
pelo servico publico : j doente e bem doente nSo
deixou de promover una regularidade e cumprimeu-
to das leis, e quem ousar dizer o contrario he ca-
lumniador, he um mentiroso ; nos que o conhece-
mos, nos que vamos as alllicgoes do finado juiz por
se adiar em um estado de muito in sade, e que o
privava de entregar-sc lodo a causa publica, desalia-
mos a quem ao menos lacha-I o de negligente, que-
rendo contrariar nossu dito.
lm palavras para dcrever o qne Ateste por ten Baha
marido, JA que he mesmo impossvel dizer-se, por-
que tudo s-r aqum 4o quo fiaste, Daos te re-
compensar, e este mundo bemdir tua glorie / 0
leu estado presento noi vexa, nos afilige e nos con-
pedamos o leu soll'riinenlo e sentimos com expres-
tflo do coragln que tfio cedo passasses pelo golpe
nico eo msif atormentador em tua vida 1 Anda
outra vez Meo, te compadega de ti, recebo os nos-
sos sentimentos. Seria incompleta a descripgflo
deste sent ment, senflo memorassemos osservigos
prestados amizade; dependo urna lagrima de sen-
t ment de mistura com um ramo de sypreste no t-
mulo do homem que choramos, deremos por elle
agradecer a todos quantos se prestaran) em obse-
quiar as suas cinzas, e aqui cabe dizer: Sr. Manoel
Antonio Lopes da Silva Muritiba, o Dr. Augusto da
Silva Telles enconlrou em vos um amigo serio e ver-
dadoiro; vos prestasles tudo quanto p le imagi-
nar-sede servigose obsequios; vossa familia tem a-
companhado a inconsolavel viuva em sua dr, e em
vossa mulher ella tem achado urna dedicada amiga,
esonossas palavras nlo pdem em agradecimento
comprehender a extensflo de vossos servigos, lein-
brai-vos daquella carta que o nosso amigo escre-
veu aos seus prenles em 8 de agosto, j se despe-
dindo; vede quo silo palavras do sepulchro, que silo
present mentos da morle, vos sois o nico a quem o
nosso amigo agradece o reconbece. Basta. Aqui
ueste mundo de injusligas ha alguem que aprecia as
amizades, e vosso nome nilo pode deixar de ser sau-
dadoem attenco e por tlever do amigo que obse-
quiastes e continuis a obsequiar, porque o que
l'azeis viuva he em continuagilo das cinzas que se
veneram, e aquelle que descansa para sempre, de l
vos agradecer, porque do tmulo tambem se agra-
decen! os verdadeirvs sentimentos; e com oque
fizesles e continuis a fazer, sorois aqui digno dos
maiores incomiose rocotihecimeiilo: de nossa par-
le receboi o mais subido ngradecimento, o com nos-
co deposilai urna lagrima no tmulo do fallecido Dr
Augusto da Silva Telles. Dos tenha d de sua
alma.
brigue nglex r.MaU,uft>,, capillo Samu.t
Crosby, carga parte da que trouxe do Clise,.*
Passageiro, John fluid, Ingles. '
Deca ra^ofts.
COWWlftCIO.
ALFANDEGA.
RENDIMENTO DO DIA 17.......... 4:665,713
Detcarregam ho)e, 18 de outubro.
Brigue Hendoo taboa Jo.
Brigue Prolem bacalho.
CONSULADO GERAL.
RENDIMENTO DO DIA 17.
-Geral ........................ 1:363,285
Diversas provincias............... 116,814
1:480,099
0 vapor Imperatri, Techa as malas para os porto,
do nort, boje 18, ao meio-dia. ^ os
Pela delegacia do primeiro districto doRecif.
se faz publico que se acharo recolhidos em depnsi
cinco cavallos de seis que fram encontrados na i'li.
do Maruim, ern casa de Jolodos liis Comes, qe
suppom furtados, tendo sidoumdellcs entregue
seu legitimo dono : quem se julgar com direito an.
meamos cavallos, compreos nesta delegacia, muni
do dos competentes litulos,que,provando pertenrer"
Ihe, ser-lhe-hflq entregues.
Delegacia do primeiro termo do Recife, 17 de ou.
tubro de 1848. u
O delegado de polica,
Feliciano Joaquim don Sanioi.
A administraciTo geral dos estabelecimentosde
candade, manda fazer publico que no dia 19.lo cor-
Tente, anniversario do padroeiro do grande hospital
das seis horas da tarde pordianle, se franqueara en!
irada as pessoas que quizerera visitar o mesmo hos-
Administraco geral'dos estabelecimentos de ca-
ndado, 16 de outubro de 1848.
O escriturario,
Franciteo Antonio Catalcante Cousseiro.
THEATRO NACIONAL
DE
SJN-fR4N(?lSC0.
Os poucos servigos prestados pelo Sr. Dr. Telles
ahi estilo, e tem a gloria de nilo resentirem-se do es-
pirito de prolercfiu ou de qualquor defeilo, Uto com-
muin hoje entre nos. Sim era juiz, eiiocumprimeii-
to de seus deveres no tinlia amigos, a justiga era
o seu progrnmma ; perdeu, porUnto, o municipio
do Maceio um juiz recto, imparcial e integerrimo
Foi aqu que o Sr. Dr. Telles tve o ataque, talvez o
causador de sua morle; 10 das depois de sua che-
gada o solTreu, o comquanto o Sr. Dr. Jos do Bar-
ros Arcioli Pimeiilel empregasse todos os meius quo
a medicina Ihe favoreca, pode dar melhora, mas
ilisse em confianga a um amigo que era certa a mor-
le ; nilo obstante, a esposa extremosa, duvidando da
certeza bem annunciada.e leudo uina es; eranga, en-
tregou a molestia a humceopatliia; mas era tarde,
ah foi desengaad,.. Imagina! o desespero po-
icni o amor tem esperances; relirou-so o Sr. Dr.
Telles para o Hebedouro, onde se enlregou a ualu-
reza, porque j eram falliveis todos os ineios.fdllecoii
nos bragos de sua chara amante, e de seu amigo o
Sr. Manoel Antonio Lopes da Silva Muritiba no dia
2 de outubro de 1848 pelas nove horas do dia, de
urna hypcrlrophia do hago, seguida do irritages
chronicas das vceras d> uaixo veutre, ensnelas e
finalmente alleragiio profunda de luda urganisaciio.
Assim lerminou seus das, mas no meio dos maio-
res ofileios de amizade, tudus, lodos, nesta hora com
dr no coragilo moslraram alfeiges bem dedicadas
ao finado, e quem resista?... e quem ha ahi que nilo
tenha d de uina mulher louca do sonlimentos no
maior aoge do dr:1 Quem n3o se condoie de urna
viuva ? Da Exma. Sra. D. Leopoldina de Can pus Sil-
va Telles? DeSsa inuer que desde o dia do seu con-
sorcio entreguu-i. coiuloda a dedicago ao hornera
que ja descansa em paz e por elernidade-' De>sa
mulher digna porsem duvidu de imitar-se modelo?
.Mulher incaiisavel, quemo poupasio esforgos, que
n:)o lizetu valer fa.ngae; mulher virtuosa, l no
co esta o pie.niu los ervigos o eitnrgus que lzcs-
CONSULADO PROVINCIAL.
REtSDIMENTO DO DIA 17........... 705,602
PARAHYBA DO NORTE.
Julhode 1848.
Rend ment arrecadado pela alfande-
ga, consulado e mesa, portencente a re-
ceita do exercicio de 1848 1849..... 5:130,909
Stmtttrt addiaional.
dem, dem, pertencente a receita do
exercicio do 1847 a 1848......... 402,400
Agotto.
dem, dem, pertencente ao exercicio
correte do 1848 a 1849......... 5:435,642
Semestre aidiccional.
I.lem, idem, pertencente ao exercicio
de 1847 a 1848............... 273,127
Settmbro.
dem, idom, pertencente ao exercicio
corrento de 1848 a 1849.......... 6:803,453
Semeitre addiccional.
dem, i.lem, pertencente ao exercicio
de 1847 a 1848.............. 58,000
Parhyba, 7 de outubro de 1848.
Jote I.wnt de, Sousa flangel.
Nilo tendo chegado ainda o Ilustre deputado o Sr
Joaquim Nones Machado fca a recita gratuita dedi-
cada chegada do mesmo Ilustro Sr. para odia de
sua chegada, que se espera no primeiro vapor do
!,!stqhc. se chegar at ama horada tards: po-
rm, sendo depois desta hora, ser o espectaeulo no
da seguinte :
Outro sim ficam desde j snnunciados os espectav
culos para o crrente mez de oututro que silo os se-
gundes : a 19 beneficio do um particular, drama -
escola de casados : e no sahbado, 28, beneficio de
outro particular, drama o ~ duque de Baviera e
farga.
BENEFICIO DE UM PARTICULAR.
Quinta-ftira, 13 di outubro, dia de gala.
San-Pedro de Alcntara, nomo Augusto deS. M. I.
e C apparecer um primoroso retrato do mosmo"
AuguMo Senhor, perante o qual se cantara o hymno
nacional. Seguir-se-ha a representago da sublima
pega de Molieri
A ESCOLA DE CASADOS.
No fim da qual se executar o lindo pantomimo
A reeruta na aldeia. Preenchido com diversas
dangas.
O beneficiado espera a coadjuvagfio dos seus bene-
mritos compatriotas.
Principiar chegada da autoridade que deve pre-
sidir. r
Avisos martimos.
MovJoiMiio c!o Porio.
nBssasersBswaaB: tttt&Jttx&ugipix
//avin entrados no dia 17.
Parahiha ; 3 dias, hiato Conctictio-Flor-das-Virludet,
de 23 toneladas, rapiUlo Elias do Rozaiin, equipa-
pagein 4, carga toros de mangue ; a Paulo Jos
Baptisla.
Rio-de-Janeiro, Babia e Maeei; 11 dias e do ultimo
po/lo 19 horas, vapor brasileiro Pernambucana,
. .I.'210 toneladas, com mandante Joflo Militilo Hen-
rique.equipagom 29. Passageiros, oDr Joilo Pau-
lo de Miranda, a familia do desembargador Firmi-
no, 4 olliciaes da armada e 190 imperiaos mari-
nlieiros.
Glasgow ; 46 ,|jas, barca ingleza Dyson, de 267 tone-
ladas, capitito Roheit Cumming, equipagetn 14,
em lastro; a Ri.lgway & Jamenson.
Aracaly ; 15 das, hiato lirasileiro Dm-idoto, de 43
toneladas, capito Jos Joaquim Alves da Silva,
equipagem 5, carga varios gneros; a Jos Ma-
noel Martins. Passageiros, Jus Joaquim de Mes-
quita com 4 escr'avos, Antonio Jos Corris, Cy-
priano Forroira da Costa. Raymundo Jos do Ro-
zarioCil, Manoel dos Santos, Manoel Comes Cha-
ves, Antonio Jos do Nascimento e 5 escravos a
entregar.
Natos taidos no mesmo dia.
Loanda porBenguella ; escuna hamburguoza Argo,
capitilo C. F. Bruse, carga ago'ardente
Babia Ki-de-Janeiro ; paquete inglez Crant, com-
niandaute James Pallersou. Passageiros, os mes-
no* que trouxe.
Para o Rio-de-Janeiro sabe, coma maior bre-
vida.le possivel, o brigue nacional iigeiro : ainda
recebe alguma carga : quem no mesmo qiiizer car-
regar ou irdepassagem, pa>a o que tem assea-
dos enmmodos, dirija-sea Manoel Joaquim Soares,
na loja de ferragens ao p do arco da Conceicao ,
ou a Novaes & Companhia, na ra do Trapiche,
n. 34*
Para o Rio-Crande-do-Sul sahir impreterivel-
mente, at o dia 25 do corrente o hrigue-escuna
Htnriquela : podendo smente admitlr passageiros
e escravos trata-se com o capitilo to mesmo, Igna-
cio da F. Marques ou na. ra da Cadeia do Recite,
n. 17, segundo andar.
Para o porto da Figueira, Lisboa ou eidade do
Porto partii at o fin. do corrente mez o pata-
cho portuguez Mora Si Joaquina : tema maior par-
te do seu carregamenlo : para o restante, e pas-
sageiros trala-se com o consignatario na ra do Tra-
piche, o. 44, Firmino J. F. da llosa.
Para o Aracaly tem de impreterivelmente se-
guir visgem, at o dia 26 do correte, o hiale.Nov
Olinda, por ler quas completa a sua carga ja trata-
da : para o resto da carga trala-se com c mestre do
mesmo, Antonio Jos Vianna no trapiche Novo,
ou na ra da Cadeia do Recife, n. 17, segundo
andar.
Vcnde-se o hiate portuguez Especulador, de lo-
te tle seis a 7,000 arrobas, de muito boa cousirucg.lo
e novo : os pretendentes pdem v-lo e examina-lo
noancoradouro, defronte Ao trapiche do Angelo, e
p^ra o ajuste, na ra do Trapicho, n. 44, com Firtiti-
i.o Jos Flix da Rosa.
Para o Ass segu, impreterivelmente al 15 do
coi rente, brigue ln asilen o Sagitario: para carga nu
passageiros, trala-se no armazem da ra da Cadeia
do Santo-Antonio, n. 23.
--O hiate nacional Espadarte sahe para a Paralii-
ba no dia 18 do rorrele impieteiivelmente : quem
nelle quizercarregarou ir de passagem, dirija-se a
ra do Vigario, u 5.
O patacho portuguez Liberdade tem mais al-
guns dias de demora, por Ihe fallar um resto de car-
ga : para o que Irata-se com o capitilo do mesmo,
Izidro Ayrcs de Souza, ou com Francisco Seve ianno
Rabello &c Filho.
Segu viagem para Maranbo e Para a escuna
nacional Maria-Firmina, comj a maior brevidade
possivel: quem livor carga para, o Par deve a-
protnpla-la para embarcar quanto antes para depois
podr-se recebur a doMaratiii.lo: a tratar na ra da
Cadeia do Itecife, no escripturi dd Jos Antonio
Basto.
Para o Havre, o brigue francez Nilie-Uatildi,
capitilo Varlet, sahr infallivelmente no dia 28 do
crrenle: quemquizer carregar ou irdepassagem,
para o que tem excellentes e estelados commodos,
dirija-se aos consgnatari os, Dider Columbiez St C:
n ra da Cruz, n. 8, ou cun o capitilo a bordo.
I-eilis.
-J
Schafheillin & Tobler transferiram o seu leiliK
de fazetiuas puriniervengilu Jo conclu Olivura i
para hoje; 18 do corronle, as 10 horas da manhSa, no
s;i srna7cn". ds fus d; Cruz.'
MUTIL


TP.-.
v iflfllr r,r* 1*"*. porconU de. quem par-
v' nrcsenga'! delegado do cnsul da re-
tcn'"1r fr,nCeza nesta provincia lo urna calxa
p "marca I T. n. S, contando SO duziaa de bo-
cn nejjn fl'ili capilflu Tombarcl: hoja, 18 docor-
f"\ 11 horas da mantilla
""!!!. J. AHlky aileilSo, por inter-
0 do corrttor Ulivcirt, de urna
V0'rc3o dos melhores couros de lustro,
Limiras francezas de cores, varias Ta-
ndas de la e de seda, e umitas outras
decentemente importadas, e que serlo ven
didas para mais breve liquidacao : quinta-
lera todo corrente, s 10 horas da ma-
nhaV no seu armazent,iua da Cruz.
' ordem do respectivo iuizo se far leilflo da
IhiUa do fallido Antonio Jos Antunes GuimarSes,
m0 1 todo em soph mesa de meio de sala, ditas
ZTl e epeiras que emparelham outras de dif-
f,r-ntesqualidades B,,"K"" de. V.i(' nTqUeZ" '
inuca lor, dous Hndos quadrospintado* a oleo com
mol turas domadas o relogio de repet.cflo, um an-
nel de ..uro salva, castices ,, ospevitador do prata,
"f' .%xi.f,.ira, 20 do corrento as 10 lloras da ma-
nhfla em casa do corretor Oveira, no Recito. Na
m.snaoccasinoseexporflo a ven.la publica, urna
onti ii e bem' acabada mobilia de Jacaranda para
sala feita noPHo por encoinmenda commodas,
manluezas, tremes e mesas com tampos (fe podra
marinore, mesa de sala para cli um piano inglez
muito superior, um leito de Jacaranda novo e feto
s moderna com aeus pertences horco, candela-
bros lanternas con\mangas um liom acllim para
montana de senhora quadrus a oleo e outros de
eslampas, o alm de outros ohjectos apreciaveis ,
sigumas obras de ouro e de prata e desta urna bo-
nita bandeja grande.
Avisos diversos.
fcoterm do Iheatro publico
desla cidaclc.
iheioureiro desta lotera avisa aos
amadores desie jogo que esto qnasi aca-
bados os bilhetes que restam, os quaes
existem em numero diminuto ; por cuja
raso espera fazer correr as rodas por
toda esta semana, nao obstante ter mar-
cado o dia 27 para a extraccao. Acabem-
se de tildo os bilhetes boje, e a lotera
correr amanhia.
-- Quom precisar de um caixeiro para engonho ou
outra qualqucr cousa: dirija-so a Boa-Vista, tra-
vessn doQuiabo, n. 1.
Clara llerminda da Silva CarJinl remette para
Una o prelo Euzebio, crloulo a entregar ao Sr. Jo-
s Joaquim de Goveia.
Jos Marques da Franga Borges declara que o
seu nome inteiro he como aqu se assigna, e nSo Joso
Marques da Fonseca o que faz publico para evitar
qualquer duvida.
Jos Antonio Marques remette para o Passo-de-
Camaragihe o reto Manoel, de ncflo Angola a
entregar a seu senhor. Antonio Jos Marques.
OSr. Jos Sorberlo Lima queira declarar sua
morada. ,
A resposla que o Sr. Joo da Silva Braga deu ao
pedido que ISo politicamente Ihe liz pelo Diario, me
poena rigorosa olirigacflo do voltar ao mesmo as-
sumplo, anda que bem contra, meu genio. Declaro
primeramente ao Sr. Braga, que haja de por de par-
te esse respeito e considerado que diz ter a ramilla
com quem me acho ligado, porque isso de nada po-
do servir para responder satisfactoriamente ( como
bem diz la um po.lhlc.que na mclhnr boa fe Ibc liz ;
cipero, pois, que desta vez nflo sere desatendido,
a vista da provocado que mui positivamente Ihe
dirijo, desauando-o a que aprsente um so fClo
praticado por mim durante o tempo que me cou-
ssrvei em sua casa : n.lu se negu a sto,]Sr. Braga ,
pois que mui l.em devo saber Smc. qual a aorte dos
calumniadores Voltarei anda.
Antonio Jos ferreira Guimariet.
i -Joaquim Bernardo Barreiro deixou de vender
agurdente de prodcelo hrasileira na venda n. 4,
da pracadaS.-Cruz.
Manoel Joaquim Gomes lera dus cartas, vin-
das do Rio-.de-Janeiro, para entregar aos S'S. Manuel
Joaquim da Silva Maeieira eJi.no Jos dos S.nlos.
- O Sr Joaqun. Jos de Olivara Jnior queira an-
nnnciar a sua morada, ou dirigir-s a rua do Viga-
rio ,n. 19,alim do pagar o que ficou devendo do
aluciiel .1.. casa da rua de S.-Jiwt, aondo mordu.
-11 Sr. Manoel Alvos Gungnlv-s Fcnena quc.ra
procurar urna carta vinda do Para, na rua do Tor-
res, n. 46, segundo andar.
-Faz-se sciente aoSr. Francisco de Souza mo-
rador na tu. lo Buzarioda B.ia-Vista.que naja de
'lar providencias a sua escrava Mara, 1 os, pela mul-
la liberda.leque-Hieda se Ihe acontecer alguma
cousmiiio lera do que so queixar.
Precisa-se de um amassador: na S.-Gruz, pa-
dara de urna s porta.
O ahaixo assignado faz cerlo aos Srs. invenla-
riante. lutor e herdeiros do finado Jos Mauricio de
Oliveira Maciel que nada ficou devendo aquelle tal-
lecido 11.I0 obstante existirem em poder dos mes-
mosduas leltrasqueacoitouem 1810ou.*l ao dito
Maciel, urna de cento e tantos mil rs. o a outra do
trezentose tantos mil rs. as quaes se acham com-
pr.-hendidasnos dias do seu veticmenlo na|conla.cur-
enlo duda por aquello Maciel, que em cuja coma
fazia-se cre.lor.por saldo, de quindenios e lautos mu
rs ; masseassim aconteceu haver esse saldo, o
julgo imaginario, o protesto nao annuir a essacon-
t lesiva nois que leudo documentos comprobalo
1 ios do referido finado de quantias superiores que
delxou de levar acredito na conta correnleque, se
assim, em boa f,elle tivesse obrado', em lugar de
serellemeu credor, pelo contrario seria meu de-
ve.lor de violo e"lanlos mil rs. Queira, Sr. redactor,
por obsequio publicar este annunco para desegano
* dos referidos berdeiios Becife, 16 de outubro
de 1848. Goncalo 'rancttco Xavier Cavalcanti UehOa.
Francisco de Mattos Vicra faz sciente ao ar-
rematante do consumo das agoas-ardentes, que des-
deodia!5do corrcr.lc, deixou a sua taberna da
ruadellortas,n.52, do vender ago'agoardenle: o
nuo fo, .MiKlicn. nr n3n jiaver dlIvidSS.
Manoel Ferreira Tilho avisa ao Sr. collector das
sgoas-ardenles do prodcelo brasilei la ou a quem
este imposto receber que deixou de vender o dito
genero as suas vendas da rua da S.-Gruz, ns. 9 e 88,
e da rua do Sebo n. 33, desde o dia primero do pre-
sento mez do outubro de 1848.
Denlo Antonio Coutinho deixou do vender agos-
anleute na sua venda em Fra-de-Portas, n. 89 e
declara mais que quem pertencr vonha tomar co-
nhecimonto do que existe na casa, para ver se elle
vende mais.
-- Ignacio Jos Rodrigues deixou de vender sgoa-
ardento na sua venda em Fra-de-Portas, n. 84, e
declara a quem pertencer que venlia tomar conne-
cmeuto doque ha em casa para ver.se elle vende.
Domingos da Rosa deixou de vender agurden-
le na sua venda em Fra-do-Porlas, n. 92 e decla-
ra a quem pertencer que venha tomar conta do que
ha na casa para ver se elle vende.
-- Manuel Jos Ferreira deixou de vender ago'ar-
dente na sua vsnda em Fra-de-Portas, n. 88 o de-
clara a quem pertencer que venha tomar conta do
que ha para ver se elle vende.
Precisa-se de um pequeo brasileiro de 14 a 16
anhos, preferiudo-so de fra da cidade ou da provin-
cia : na rua Nova, n. 18, se dir quom precisa.
Moje, 18 do correle, depois de (indar a audien-
cia do ll!m Sr. Dr. juiz municipal da segunda vara ,
na sala da mosma audiencia,. de ser arrematada| >or
venda por ser a ultima praga urna propriedade de
trra denominad! Fagun les, entro o engenho Guer-
ra e Bom-Jesus na freguezia do Cabo avahada to-
da a propriedade em 7:000,000 de rs., e neste valor
a parle que ha de ser arrematada lie 5:169,290, cuja
arrematarlo be para cumprimento de dsposices
testamentaras. Oescripto est em m8o do portei-
roSorra-Grande a quem se poder3o derfgir os pro-
tendentes.
Por execucao de Cvpranno Luiz da Paz contra
Manoel Gesar do Esplriio-Sanlo e sua mullicr se ar-
rematarlo por venda 3 casas pequeas na rua de
Joo-Fernandes-Vieira, estrada que vai da Soledade
para o Manguinbu, no da 2r do corrente, ao meo-
dia na sala das audiencias linda a do doulor juiz
do civel da primeira vara as quaes estilo avalla-
das em 120,000^00,000 e 220,000 rs., chaos pro-
prios e quintaes murados.
No dia 18 do correle, peranle o doutor juiz
do civil da segunda vara na sala das audiencias ,
por ser a ultima praqa, a escrava Gosma, parida ha
um mez, com muito boin leite. ,e he muto sadia,
por execucSo de Francisco Jos Cerillo Leal contra
D. Rosa Lins de Menezes.
Desapparcceu, da casa n. 42, da rua do Torres ,
urna gatinda preta com marcas pardas: quem a le-
var a dita casa ser bem recompensado.
Precisa-so alugar pretos para traballiarem em
una casa nosta praga : na rua da Concordia n. 8.
--Smento para atalhar qualquer injusto concei-
to quo de mim so possa fazer, passo a rogar ao Sr.
Jolo da Silva Braga que queira fuzer-me o especial
favor de expr por esta folha, se durante o tempo
que estive em sua casa teve de chamar alguma vez
leprehensivei a minha conducta.
Antonio Uarlins de t'aria.
_Offerece-se um rapaz brasileiro para caixeiro de
venda, ou qualquer outra ai ruinaran o qual lem
pratica': quem o pretender annuucie por esta folha.
Joaquim GonQalves Reltr3o faz sciente quo dei-
xou de vender bebidas espirituosas nacionaes na
su venda da rua Direita, n. 18.
__ Alugam-se os pnmeiro, segundo e
terceiro andares da casa da rua do Viga-
rio D. 5, juntos, ou apartados : a tratar
no de n. 7, primeiro andar.
__o ahaixo assignado faz sciente ao respeilavel
publico, quo ninguem faca negocio algum com um
sobrado de um andar na cidade dcOlinda, na rua
do Amparo, n. 41, pertencente aos herdeiros do fina-
do Jos da Silva Botelho, de que he tcstamentero b
Sr. Manoel Firmino Ferreira : o como o dito sobra-
dse acho penhorado pelo abalxo assignado, como
se poder ver no caitorio do Sr. Pedro Ignacio da
Cunha, he para livrar de questOes para o futuro que
se faz o presente annunco.
Jote da Silva Moreira.
Dentista.
M. S. Mavvson, cirurgiSo dentista,
tein a bonra de participar a seus fregue-
zes, e em geral 00 respeilavel publico,
que tcm mudado sua residencia para a
rua Nova, n. ai, primeiro andar. Espe-
ra que todas as pessdas que precisarem
de seu prestimo, bem reconhecido nesta
ciJade por muitos annos, continuemeom
a sua protecc5o ; esmerando-se elle no
dcseinpcnbo da sua arte, e remuneran-
do-as com a sua promptido e commodi-
dade nos precos'.
Compras.
-- Compram-se escravos que sejam o (Vicias de car-
nina, de 18 a 25 annos o de boas figuras ; pagam-se
bem sendo de t.ons costumes e peritos no seu offi-
cio pois sao para urna encommedda do Rio-de-Ja-
neiro : na ruado Amorm.n. 35, a fallar com J. J.
Tasso Jnior.
Compra-se urna preta de ida.le, porn sem
vicios nem achaques : na Boa-Vista, travessa do
Quiabo n. 1.
Compra-se um marac de prata, sem feitio :
as Cinco-Pontas, n. 62.|
Compram-se 6 bos mansos para carro : no en-
genho Boa-Vista do Cabo de que he proprietario
Antonio Fabiao de Mendonga on na rua do Cres-
po, n. 15.
Compra-se urna ou mais juntas de bois mansos
e gordos: quem tiver annuncie.
Vendas.
Casa de modas francezas.
M.A. MILLCHA.
Aterro-da-Boa-Visla n. I,
com a entrada peDoito.
Pelo navio Nelie-Mathilde acaba-se de receber
um lindo sortimenlo de chapeos da ultima moda,
pura senhora com sejam : chapeos de palha a ber-
ta muil ricos ; ditos de dina ; ditos lisos da Ita-
lia' ou iuglezes chapees da palha aberta, para mo-
c'm'has ; um grande cscoll.imento de fitas de setim e
seda lauto para toucas de meninas como para ves-
tidos e chapeos de senhora ; manteletes-palitos para
senhora, moda nova o muito elegante ; bicos bron-
cos e pretos verdadeiros ; trangas de seda de todas
as cores para enfullar vestidos; ricos lencinhos de
g:irga ; cabegO'-s bordados j plumas ricas ; camisl-
ohas bordadas ; enfeiles de cab.ga para saraos
bailes ; punhos bordados ; capellas e ramos do llo-
res de laranjas para novas ; um grande sortmien-
tonle flores le tod-s as quali.lades ; luvas para se-
nhora o meninas ; cambraa do lindo ele. As se-
nhoras acharBo sen.pre um lindo sortimenlo de cl.a-
pos de seda e fautesia de verdadera moda do to-
das as cores e por prego muito em conta : no Alcr-
ro-da-Boa-Vista, n. 1, por cima da loja fechada.
Arrendam-se tres casas 110 sitio do Cajueiro ,
com bons commodos para se passar a festa ou por
anuo proprias para grande familia : a tralar no
mesmo sitio : assim como vonde-se urna olana com
barro para toda obra grande terreno para ter vac-
cas de leite e plantagOes, na Passagem-da-Magda-.
lena defronte da Capunga. No mesmo sitio tambem
se vende urna rica cama grande, com armagao, cor-
tinados e enxergOes. ___
- No dia Udo corrente, *s 11 horas da manhaa,
fueio o moleque Thiago, criOulo.de 13 annps, cor
fula; tem us sobrancclhas carnudas, que parecen,
inxadas; em urna das pernas tem humis.gnal pe-
queo d urna ferida quo teve ; vc.o do B.o-.rande-
do-Norte ; levou camisa do madapoWlo. calsa da la
do uuadrs usada, o chapeo de Gh.l.o ja velho con
esta marca T -; cosluu.a mudar de nome. e-inti-
??.lar-se forro : roga-so a quem o apprehcnderenlre-
gX na r do Collegio, venda n. 12, aonde se gra-
t [\C'\ 1 't '
- Precisa-sede urna mulhercapaz para casa de
um homem solteiro eslrangeiro para' coz.nh.r e a-
zer o mais ser.vigo de urna casa na rua de S.-Ama
ro por baixo do sobrado do Sr. Mosquita.
Yendem-se apparelhos de metal fi-
no para cha, modelos modernos e bonitos-
em casa deGeo: K.enworthy & C, rua da
Cruz, n. 2.
Vende-se urna negrnha do bonita figura de
12 annos costureira, e quo de muito sadia ; na rua
larga do Rozaro 11. 46, primero andar.
Yendem-se duas pretas sadias e sem vicios.,
urna do 15 annos pouco maisou menos c a outra
do 22 annos ambas sabem engon.mar, levare fa-
zer todo o servigo de urna casa : a mais moga tam-
bem coso solTrivelmento: na rua de S -Francisco ,
sobrado 11. 6.
Vende-se um mulo bom relogio de ouro, de
sabonote : na rua do Hozarlo larga, n. 28.
Vende-se um sobrado de um an-
dar, na na do Hospicio, junto venda
do l.eao de ouro, com bous commodos,
grande quintal, com poco d'agoa de be-
ber, e que est livre e desembaracado.
A 1,600 cada um.
Na loja de Guimaraes & G., que faz esquina para a
rua do Collegio, n. 5, vendem-se barretes do soda
para padre, pelo barato prego do 1,600 rs. cada um.
Vendem-se chapeos de palha da
Italia, para homem, a6,ooors., e de se-
nhora a 1,280 e 4,000 rs.: na rua do'abu-
g, n. 1 C,loja dequatro portas, do Duarle.
AO BOM E BARATO.
Na rua da Madre-de-Dos, armazem n. 36, alm
da boa pinga haazeitcdoce a 320 rs. a garrafa;
vinagre puro a 500 rs a caada ca garrafa a 70
rs.; bacalhao, a 2,500 rs. a arroba, e a libra a 80 rs.;
manteiga inglcza a 400 rs., e em barril, a 360 rs. ;
dita franceza a 320 rs. ; bom cd a 1,500 rs. a li-
bra ; caf a 80 rs., e om arroba a 2,400 rs.
Uriib-rci.
Vende-se um urub-rei por preco
commodo: na" rua da Fraia, n. a4-
- Vende-se um prcto de bonita figura que est ha
10 annos om botica,'do quo tem pratica : na
rua larga do Rozarlo, loja n. 35. Ni mesma loja tam-
bem se vende urna parda, propria para ama do casa ,
por ser fiel, 0 de juizu e ter habilidades.
Os verdadeiros charutos de
S.-Felix.
Gdogaran os afamados charutos do S.-Flix sua
qualidadc rivalisa aos melhores charutos da ll.ivana:
vendem-se nicamente os verdadeiros na rua do
Queimado, n. 17. l)3o-se amostras Trancas aos com-
pradores ,
Vende-se um moleque de 18 annos, ofllcial de
sapateiro.ccom principios de cozndeiro : na rua
do Queimado 11. 13.
Vende-se urna negrota de 16 annos, que cose
muito bem be recibida e lem hoa conducta ; na
ruadas Larangeiras, n. 15, primeiro andar.
Ven.lem-se 4 lindos molecoies pegas, de naciio,
sem vicios ; 4 pretos de 20 a 25 anins, bons para todo
o servigo ; 1 bonita preta do 22 annos. que engomma
bem, cozinha e faz todo o mais servico de casa ; 1
dita boa para rua; 2 ncgrinl.as recolhidss, de 13 an-
nos, com muitos bons principios de habilidades : na
rua do Vigaro, n. 24, se dir quem vende
Aos Srs. padeiros.
Vende-se hum terreno que lem as proporgoes para
so collocar urna ou mais padarias, cujo terrono he
proprio para sso, por estar nos termos das posturas
da cmara os pretendentes annunciem a sua mo-
rada, o que deve ser at o da 20 do corrente; porque,
passando esso dia, fecda-se um negocio com o dito
sitio, caso nao apparega quem di mais : lio muito
barato.
Vende-se um lindoescravodo;20 a 24 annos,
por prego commodo: na loja n. 5, que faz esquina
para a rua do Collegio.
Vende-se urna preta crioula, de elegante figu-
ra, com 18 a 20 annos do ida.le e um tildo do 2 an-
uos : sabe fazer lodo o sorvigo de urna casa de fami-
lia, e he perfeta engommadeira ; no Becife. rua da
Cruz, armazem n. 45.
Vende-so hum bonito moleque de 13 annos, a
urna mulatinha de 7 annos, propria para dar-se a
huma monina : na rua larga do Rozaro, n. 46, pri-
meiro andar.
Chtirutos da Havana,
vindos no patacho hespanhol Huracau : vendem-se
na rua da Cruz no Recife, armazem n. 13.
Vende-se urna escrava muilosadia, boa lava-
deira equitandeira e que he muito propria para o
servigo de campo, por commodo prego; na rua
Augusta, u. 46, casa terrea confronte ao fiscal de S.-
Jos.
Vende-se aloja 11. <7, da rua do Passeio com
os fundos a contento do comprador a tratar na
mesma loja.
Vendem-scescravos baratos, na rua das
Larangeiras, n i4, segundo andar :
urna prcla de 25 annos, perita costureira engom-
madeira, e que tambem faz lavarinlo ; urna dita com
a mesma idade que coso e engomma ; duas negri-
nhas de 14 annos; urna preta de 20 annos, ptima
quilandeira ; urna dita de nago Costa de 26 annos,
milito boa quilandeira; 2 moloques de 14 annos;
um dilodo t6annos, com oflicio de sapateiro ; um
lindo cabritilla de 16 annos, ptimo para pagem ;
dous pretos do meia idade por 360,000 rs. cada um;
um moleque de 7 annos por 250,000 rs.
Na rua do I.ivramenlo loja do nicho,
venden.-sn corles do cassa e de cam-
braia de Unas linas e de padntos botil-
los a 2,500 e 3,000 rs.
;>
gr

;
pa>
Potassa nova e superior.
Vcnde-sea a5o rs. cada libra,na
rua do Apollo, armazem n. 18, ou
na rua da Cadeia, n. 4o-
I

<*
goa
Vende-se, por inteiro ou por metade urna lo-
ja de trra no riacho Carur, termo da villa da
\thalaia, com urna legoa de fundo confronte a tr-
ra denominada Casa-de-Palha-de-Jos-Peros que ti-
ca do lado sul do dito riacho: na rua do Ranget,
n.45. ,'
Vendem-se silhes inglezes para
montara de senhora, sellins inglezes els-
ticos para homem: em casa de Geo: Ken
worthy & C, rua da Cruz, n. 2.
Vendem-se ps de a raga da India chegados
ha pouc do Rio-do-Janelro o plantados em sepa-
rado : na rua da Florentina, n. 16.
Vende-se um moleque de nagSo Angola, del
20 annos -. na rua do Cabug, u. 6. 1
AOS SRS. F.STRANGF.IROS.
Vende-se urna acauhaa (passaro grande^ muilo
mansaccanladeira um papagaio, manso e Tallador,
os quaes d3o-.se a experimentar; um casacito de
panno ing'B*alvadio, forrado de bata com bo-
tOes'amarellos; e em bom uso, proprio para offlcial
do mar : na ruado S.-Rita n. 91, das 3 horas da
tarde em diante.
No armazem n. 44 da rua do Tra-
piche ha para vender urna porcSo de so-
biicasacas, por muito diminuto nrecn.
chegadas o ultimo navio da Inglaterra,
sendo muilo proprias para casa, escripto-
ios, ou para quem passa a festa, porse-
rem feitas de linho e outras Fazendas de
gosto ; igualmente ha urna porc5o de ca-
misas brancas, com peitos e punhos de li-
nho, e algumas ditas de riscado.
Vende-se um escravo mogo do gento de Ango-
la do bonita figura : prefere-se para engenho : no
becco do Veras, 11.15. ... ^
Vendem-se, pegas de madapoiao largp com 20
varas, a 2,8(10eS.OOOrs. oa relalho a 7 e 8 vin-
teus : na rua do Passeio, loja n. 17.
__ Na loja da rua do Crespo, n. 5 A,
ao p do arco de Santo-Antonio, vendem-
se pecas de ma.iapolao fino, eofestado,
5,>oo rs.; ditos de gallo dourado, a
4,ooc rs.; pecas de bretanha de tolo, com
1 o varas, o 2,000 rs.; pecas decassa dequa-
dros brancos, proprias para bailados,
com 8 varas e meia, a 2,600 rs.; sarja de
seda, preta, com quatro palmos de largu-
ra propria para vestidos d senhora, a
i,5oo rs o covado ; nuntasde tarlatana,
para senhora, a 1,000 rs. cada urna ; di-
tas de 15a e seda, para meninas, a 2,000
rs.,ede seda 87,000 rs.; casimiras enlis-
tadas, proprias para palitos e calcas, a
L2,5oo rs. o covado ; cortes de cassas finas,
e
com 6 varas e meia 2,5oo rs.; e outras
multas fazendas, por preco commodo.
-Vendc-se.no armazem de Vicente Ferroira da
Costa, na rua da Madre-Feos, semeas em saccas
crandes .chegadas ltimamente de Trieste; vtnho
da Figucra.embarris, ornis superior que tcm
vin.lo a esto mercado do muito conhoctdo autor ta-
bulo; vinlioabafado, emancoretasde 4 e meia a 5,
caadas.
Vendem-se bonetes de panno ris-
cado, a 32o rs : na loja de quatro portas
da rua do Cabug, n. 1 C.
Vendem-se queijos londrinos os mais fresesaa
que ha no mercado ; latas com bolachinhas de ara-
ruta ; ditas com hervilhas ; ditas com sardjnhas i
na rua da Cruz, no Recife, n. 46.
_ADO
\1


Vende-ae colla de superior quslidade, das fa-
bricas do Itio-Crande-do-Sul: na ra da Moda ,
a. 7. '
^fnde-sfi iim linilo cabriol com todos os per-
tences, por 250,000 rs. : a ver. na ra das Laranttei-
ras, n. 15. *
Na loja de quatro portas da ra do
Cabug, n. i C, do Duarte, tem un
completo sortimento de perfumaras, por
precos mais commodos do que em outra
qnalquer parte.
Vendem-se luvas de pellica para
senhora, enfeitadas, 2,800 rs. ; ditas
para homcm, de diversas cores; de pon-
to nglez, a 1,000 rs. ; ditas dealgodao a
5oors.; ditas de seda a 800 rs.; ditas pa-
ra senhora a 1,280 rs. ; lencos de grva-
la, de seda, de 1,000 rs. a 1,600 rs.; ga-
lues entre-finos de diversas larguras ;
espiguilhas, galSes falsos, e volantes, por
precos commodos ; bicos do Porto, de di-
versas larguras, de 80 a 160 rs. a vara ;
ditos francezes, de bonitos padroes ; fitas
de seda, 11. 9 e la ; flores francezas ; len-
cos de garcaa 1,000 rs : na loja de quatro
portas da ra do Cabug, n 1 C, do
Duarte.
Vende-se ca,' virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do que em outra qual-
quer parte : na ra do Trapiche, arma-
zem n I7.
Vendem-se dous pianos fortes de Jacaranda
chegados ltimamente, que, alm de serem um
magnifico ornato de urna sala, teem excelientes
votes', sondo o mechanismo da muita approvada no-
va invensSo chamada repitidor patente de Col-
lard : em casa de J. Keller & Companhia na ra da
Cruz, n. 55.
- Vendem-se acedes da ex-
tincta companhia de Pernambuco
e Parahiba: no escriptorio de O-
liveira Irmos & C, ra da Cruz,
n. 9.
.41.
- Vendem-se 4 iteiros, proprios para loja de miti-
Iha, loja de miudezus n. 9. se dir quem vende.
No rma?em da rua Nova, n. 67. acaba de re-
cobr seum ricoe grande sortimento de movis de
varias qtin|idndes, corno sejam : estantus para livros
mesas elsticas do diversos tamaitos ; ditas dejo-
uo ; ditas redondas de meio de sala ; camas com las-
tro de palhinha ; guarda-reupa; com moda* de dif
lerentes tamaitos ; suplas tanto de Jacaranda co-
mo de oleo ; marquezas ; carteiras de urna s face,
para escriptorio; ditas com todos os pertcnces para
viagens ; estojos com espelhos para barba ; louca-
dores de varios tamanhos; vidros para espelho; gaio-
lag do rame de bom gosto para passaros; lavato-
rios ; cadeiras de palhinha, a duzia a 24,000, 30 000
40,000 46.000, 50,000, 60,000, 72,000 e 80,000 rs.:
ooutrosmuitosohjectos que a vista dos comprado-
res se farilo patentes : tudo por preco muito com-
modo e a contento dos freguezes.
Vinho barato.
Acha-se eslabelecido na rua da Madre-de-Deos
n. 36 um armazem de
Vinhos da Figueira,
deoptimaqualidade.a nrenode 1 n (1-.11.-,- ___. .._ *. -_#
Vende-se vinho do Porto, muito su-
perior, pelo baratissimo preco de i.iaors.
em caadas, e 160 rs. a garrafa : no becco
da Lingoeta, n. 8, venda de Manoel Gon-
calves Pereira.
~ Vende-se vinho verde, muilj bom e sem con-
fecSoalguma ,a 2O0rs. a garrafa ; vinegre branco
de Lisboa muito forte: no pateo do Carmo, venda
- Vende-se, por preco commodo, a I codito tran-
cado, de superior qualidado fabricado na Bahia ,
proprio para saceos de assucare roupa de escravos ;
fio em nvelos u mesma fabrica : a rua da Cadeia-
velha, n. 9, primeiro andar.
Casimiras elsticas.
Vendem-se superiores cortes de meia casimiras els-
ticas de pura laa, pelo barato preco de 2^000 e :U000 rs.
o corte de calca: na nova loja da estrella, da rua do
Colloglo, n. 1.
Para vestido de senhora.
Vcndom-se lindos cortes de 1.1a transparente, para
vestidos de senhora muito baratos; luvas de pel-
lica entonadas, para senhora, a a.soo rs.; ditas ii-
ea 160 rs. a garrafa ; e para nSo haverdoo do"com-'"C^"'0,Udas',para sennor .00 .; ditas li-
prador serlo lacradas as garrafas e com rotulo ra-lS,\S br?nc??e de c0rfis chapos de palha aberta ;
ditos do cima ; ditos lisos ; fitas de selini lavradas
cebendo-se a garrafa vasia, e dando-se immeiiat-
menlo a outra dieta: lambem ha barris muito peque-
nos, proprios para quem passa a festa. O propieta-
rio Ueste eslabelccimento pede encarecidamente
quesenaotlludam avahando, pelo diminuto preco
e sem conhecimento de causa a qualidade de sua
fazenda .digna porcerto da estima dos verdadeiros
amantes da boa pinga. Elle conta quo quem urna
vez provar, continuar com gosto e sem arrependi-
mento. E o bom preco A todo o exposto accres-
se o asseio e bom acondicionamento o que tudo se
poder verificar em dito eslahelecimento.
1 endem-se barrig pequeos com cal virgem de Lis-
boa a mals nova que ha no mercado, por preco com-
modo : na rua da Moda armazem n. 17.
Vende-se na venda de Bento Joilo Cardozo, na
rua Direita n. 95, superior cal de Lisboa em barris
de 2 5 arrobas, chegada prosima titate por mais
commodo preco do que em outra quslquer parte.
Vende-se urna casa no lugar da Ca punga, perto
dorio.de pedra ecal, ainda nova toJa envidia-
da : vende-se por menos de seu valor receben do-so
metade a vista mo pateo da S.-Cruz ao pe da bo-
tica n. 8.
PRELO,
a 4,500 rs. a barrica : no armazem n. 20, de Joaquim
da Silva Lopes, confronte a guarda da alfandega.
Vendem-M eaivas de vidro, mui
bem enfeitadas, para guardar joias, por
preco commodo: na loja de quatro portas
da rua do Cabug, n. 1 C, do Duarte.
Agencia da undico
Low-Moor, rua da Henzalla-
nova, n. Jk*t.
Neste eslabeleeintento contina a ha-
Ver um completo sortimento de moendas
e rucias moendas, para engenbo; ma-
drinas de vapor,e taclias de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, para dito.
I'otassa.
Desembarcou ha poneos dias urna por-
cao de barris pequeos, com muito nov..
e superior potassa, e se acliam vendo,
por preco mais batato do que ltima-
mente se venda, na rua da Cadeia-Velha,
armazem de Bailar & Ulivcira, n. 12.
Vende-se cal virgem de Lisboa em barris de 4
arrobas chegada pelo ultimo navio, por preco eoiuuio-
tlo : a tratar com Almrida & Fonseca, na rua do Apollo.
A l.sooo rs. t
ancoretas com azeitonas superiores : ven-
dem se no caes da Alfandega, armazem
n. 7, de Francisco Dias Ferreira.
Algodo monstro de 8 palmos
e meio de largura.
Na loja n.5, que faz esquina para a rua do Coile-
gio de Guimarfiea& Companhia vende-se a nova
fazenda de algodio branco muito proprio para toa-
Ihaa pelo barato preco de 640 rs. Da-sc amostra.
Veude-se muito superior biscouto francez do
Itlieims : na ruada Caduia-Velha, n. 29.
CHA* HYSS0N,
de ptima qualidade a 2/240 rs. a libra : na rua da
CrUi, do Beclfe armazem n. 13.
PRELO
a 3sooo rs. a sacca
nos armazeuj na. 1 e 3 do caes da Alfandega, e no de n.
35 da ruado Amorim, de J. J. fasio Jnior.
R sea dos nimsima.
Boa compra.
Oilo moradas de casas terreas, todas no bairro de
S.-Aitonio, as principaos ras: a tratar na rua
de Agoas-Verdes n. 46, segundo andar.
- Vendem-se 3 moloques de 12 a 16 annos ; 4 ne-
grinhas de 14 a 18 annos ; duas boas escravas de bo-
nitas figuras ; urna parda boa coslureira coslurei-
ra eengommadeira e cozinheira : na rua Direita.
n. 3. '
-- Vende-se urna banilo escrava com as habilida-
des necessarias para urna casa de familia ; um molo-
que de naclo, de 18 anuos ; um prelo de bonita li-
g.ura por preco muilo rasoavel, para liquidacHo :
no pateo da matriz de S.-Antonio, loja n. 4.
Vendem-se missaes romanos: na rua deS.-Fran-
cisco outr'ora Mundo-Novo n. 66.
Vende-so una porcao de taboado de amarelio,
sendo cosladinhoeassoalho, e tambetn 12 taboas de
louro, tudo de boa qualidade: na rua da l>raia, n. 35,
e para tralar, as Cinco-Puntas, n. 32.
Vendm-se ricos cortes decosimira no!o dimi-
nuto proco de 3,800 rs. cada um : na rua' do Qu'ei-
mado .loja de miudezas, n. 24.
Venilc-souma parda moca qne lava bem, tanto
do MbffQ como de varrella, faz renda o cose chUo : na
rua da Cadeiu do Itecife, casa n. 53, segundo andar.
A 4,000 rs. cada um.
Na loja n. 5 que f.z esquina para a rita do Colle-
gio, de Guimariles & C, vendem-se chapos de sol de
seda verde, azul e encarnada, pelo diminuto preco
de 4*009 rs. cada um. v
Fazenda nova.
Vendem-se lencos de garca com ramos de matiz,
gosto inteiramenle novo neste genero dilos com
bico de blonde a toda : tudo por commodo preco:
na rua Nova n. 30 loja de Domingos Antonio de
Oliveira.
Vende-se, por inieiro ou cm porces do du-
zentas bracas de frente, meia legoa de Ierra mar-
gam.lonode Una, da parle do norle confronte
aterradeJaparanduba, e na mosma forma outra
igual poreflo de torra no fundo da mesma que li-
mita com o engenlio Forntigueiro e outros heros;
licamlo a frente desta ultima para essa parte: na rua
do Kaiiftel n.45
-Vende-se, eirectivaiticnte. porcHode lijlos de
alvenaria grossa da marca maiur que pode Itaver
do minio bom barro e bou cozidos : a trular com
Jos, Joaquim de Abren, na rua Direita.
Vende-se unta grande casa de laip'a, bom cons-
truida e segura coberla de lelhas de muito boas
madeiras, sita no lugar da Cabanga com bom por-
lo de embarque e desembarque, propria Lara ar-
mazem de couros e salgadeim, segundo as posturas
da cmara municipal : na rua das Cii.co-I'onlas,
Vende-se o bem conhecido licor cheirv-cordial:
em casa de llothe & lledoulac na rua do Vigarlo ,
Vendem-se 4 lindos moleques de 16 a 18 an-
nos; 5 prelos de 25 a 30 annos ; 3 pardos de 16 a 18
annos ; duas mulalinhas de 7 a 14 anuos com prin-
cipios de habilidades. 5 {trena de 12 a 25 annos, en-
tro ellas algumas com habilidades : na rua do Cul-
legio, n. 3, se dir quem vende.
muito lindas; bicos de seda branco e de todas as
larguaas ; crep de coros snpatos de marroquim ,
lustro, setim edo tluraque de Lisboa; bozeguins,
tudo para senhora ; (lores para chapos e eabeca de
senhora ; um sortimento de perfumaras} e outras
fazendas por preco commodo :. na rua Nova, n. 30,
loja de Domingos Antonio de Oliveira.
Vende-se um bonito sortimento de
boles de seda, para casaca ; dilos para
vestidos de meninos ; ditos amarellos. de
Pedro II
, ditos para militares, de ca-
vallaria e infantara, dilos para libres de
pagero, brancos e amarellos, de bons pa-
droes ; ditos de massa, para lardamento
de cacadores ; ditos de vidro, de diversas
cores : na rua do Cabug, loja de quatro
portas, do Duarte.
A 00 rs. !
Vcndem-se lencos de garca de divejsas cores, na-
rapescoco de senhora e meninas, a dous cruzados
cada um : na rua Nova, n. 30, loja de Domingos An-
tonio de Oliveira. B
- Vende-se urna casa no lugar da Capunga ner-
todo no eiia de pedra ecal, ainda nova, lo la en-
vidiada a qual rende 10,000 rs. mensacs: vnde-
se metade a vista : a tratar no pateo da S.-Cruz n
8, ao p da botica.
-- Vende-se um checheo muito manso e excel-
leme paiiludur ; bem como urna grande serpente
viva encerrada em urna ortegaiola propria para
ser levada para qnalquer paiz estrangeiro: na rua
da Florentina, n. 16.
Catangas de porcellana.
Vendem-se calungas de porcellana, de diderentes
tamanhos. a 1,000, t,500 e 3,000 rs. cada um : na
rua Nova n. 30, loja de Domingos Antonio de Oli-
veira.
Chegaram em fin mais navalbas
de ac da China: a sua qualidade e propriedade pa-
ra evitare mesmo curar as molestias cutneas he
superior a todo elogio, e por isso j seu autor foi
agraciado : as verdadeiras vendem-se na rua larga
lo Hozarlo n. 35 onde tamhem se vendem facas e
* o Aterrona-o-Vista (|e.
fronte da caluuga
hijo chegado muilo bons marroquins.courode lustro
o bezerros francezes : tudo de superior qualidade e
por preco commodo. s
-Vende-se um mulatinho de 15 annos de idade.
muilo propno para pagem, e por preco commodo
na rua da Cadea do Itecife, n. 14.
Vende-se tima ptima casa moderna no larco
do Manguind tuda c.tvidracada com 6 alcovas,
duas grandes salas cozinha fra cacimba toda
murada com dous porlOes, sendo um do cucheira
o porto do embarque e desembarque por Drec
coinuiooo : na rua do AragSo n. 9.
Vende se um lindo moleque de i3
a 14 annos, pouco mais ou menos, sem
vicios, nem achaques, e proprio de lodo o
servico, e para pagem : na rua do Crespo,
loja n. a A, se dir qoem vende.
Um novo sortimento de
riscarfo monstro.
gano uossopodo feiliode marm ; inissiinas
esouras para unhas e para costura ; colheres de me-
tal do principe ; bolOes para camisa a republique;
facas o garfea para sobre-mesa ; oculos para todas as
idados lambem de vidracs azul, proprios para os-
ludar de noite; e oulras muitas miudezas baratas.
--Vendem-se riqusimos corles deseila para ves-
tidos chegados ltimamente de Franca pelo ulti-
mo navio: na rua Nova, n. 8, loja do Amaral
Vende-se a venda da rua da Madre-de-Deos
n. 9 com poucos fundos, e a armacto muito com-
moda : a tratar na mesma venda.
- Vende-se muilo superior lagedo de Lisboa cal
virgem em barris de 4 arrobas, por mdico preco:
na rua do Vigano, n. 19. fe,o.
Vende-se caivetes de cabo dema-
dre-perola, de utna folba at quatro ; di-
tos de puiibal ; lesouras para unhas, fi-
nas ; ditas de costura ; ditas com caive-
tes; colheres de metal do principe, para
cha ; saca-rolhas de patente ; estojos de na-
valhas; ofiadores, com sua competente
pedra; dos melhotes que teem apparecido :
na loja de quatro portas da rua do Cabug!
do Duarte. s
A 64o rs.
Vendem-se lencos de garca de (odas as idres. pa-
ra senhora e meninas a duas patacas : no ha nada
mais barato. A elle* antes que se acabem. Na rua
Nova, n. 30, loja de Domingos Antonio de Oliveira.
Na loja do Passeio-Publico ,
n. 19 de Manoel Joaquim
Pasco a! Ramos.
vende-se riscado do algojflo para cortinados, a 120
ra o covado e 2,400 rs. a peca com 24 covados :
riscado monstro a280rs. ; cortes de casimira, a
4,000 ilo de 13a a 2,000 rs.; castor para cal-
Cas a 200 a 360 rs.; madapoln, a 3,000 e 5,500 rs
r,scadosfrsncezesa200 ,s.; dito, muito noa a
280 rs. o covado; chales de tarlatana de seda, a 9 000
rs. ; mantas de seda a 10,000 rs. ; lencos do ar-
ca a 1.000 rs^; ditos de seda, a 1,000 rs.; panno fi-
no azul, a 4,000 ra. ; dito prelo, de 3,500 a 5,500
rs.; chitas encarnadas muilo linas padrOes moder-
nos, a 280 rs. o covado ; e outras muitas fozendas
por preco commodo.
mod^" Cm feJ8 mUlalnh0 PorP"Oc0m.
Cera de Lsb.
Na rua da tfz, n. 60, ha um completo sorlmB
lo de cera de Lisboa, em ca xa de todos os T
nhosque os compradores desejarem; assim e
antbem ha urna grande porcloda que vsm em e"''
mee em pflo vende-se por menos preco do nn
outra qualquer parte. w eei
Cunha& Amorim teem para ven.
der, por baratissimo preco, barris com i
arrobas de cal de Lisboa, para fabricod
assucar, da melhor qualidade que j,.
neste genero : na roa da Cadeia do Hecife
n. 5o. '
Vende-se um preto da Coala, sem vicio e,i.
idade de 25 annos; euma negriBha de lOanrm?
crioula com principio de costura: na rua do aZ
rim, n. 4*. mo%
Vendem-se cachos de flores e ca.
pelas, e peonas para enfeites de chapeo.,
de senhora .* na rua dn Cahnor. Ino a.
quatro portas, do Duarte.
Vendem-se terrenos productivos, em porci
maior ou menor, e por baixo preco : na estrada qg,
vai da Soledade para Olinda sobrado do primeiro
sitio depois de passar a igreja de Belm, ao lado es.
auerdo nos dias uteis at s 8 horas da manh.la e
as 5 at s 6 da tarde o nos domingos e dias s'n
, tos a toda hora do da.
CHA'VIPANHv
da verdadeira marca COMETA.uma factura nova- vas.
de-sa na rua da Cruz, no Itecife, n. 17.
Vende- utna r i.n-.i multo ~r-- j -i,,
rua da M.nguelra. na Boa-Vista, n. ICc^Vaode. oT
modos, quintal multo grande e muitnsarvoredos de rruT
toa, por prefo o mais raioavel posslvel: traia-*e na nu
do Aragao, n. 27. *
Vende-se farinha de trigo SSS,
em porcao e a retalho, ltimamente des-
embarcada, muilo nova e de superior
qualidade: na rua do Vigano, n. n,casa
de Francisco A Ivs da Cunha.
Firmino J. F. da Itosa vende muito superior pan-
no dealgodao trancado, feto na Bahia muito pro-
prio para saceos de assucar assim como para roupa
do escravos por ser milito encorpado: os preten-
den tes dirijam-se a rua do Trapiche, n. 44, primeiro
andar.
Saccas com milho ,
a 5,i00 rs. :
vendem-ss no armazem doBacelar.no caes da Al-
fandega.
. Cn;.C 3C .i uiiiicm) para pagAffiiil dos cre-
lores, a venda da esquina dofroule da igreja dos
Marlyrios, com os fundos de 400,000 e tantos rs.:
esta taberna vende diariamente para a Ierra 10,000 a
12.000 rs.: a tratar na rua da Madre-de-Doos arma-
zem de Vicente Ferreira da Costa.
Vendem-se pedras de lagedo para Iadrilho o
juntamente um. torino : om S.-Amaro no sitio 'de
Manool Cardozo da Fonseca
Escravos Fgidos
-Fugio, emsetemhro prximopassalo um pre-
to, denomeJooCalraciro bastante ladino, in-
culca-se forro de 30 annos baixo faliam-lhe al-
gumacousa ; consla andar pelas Cinco-htntas, Afo-
sados ou Magdalena : quem o pegar leve-o a S.-
Amaro casa de Manoel Cardozo da Fonseca, ou ni
praca doCommcrcio, a qualquer hora.
Fugio urna crioula do nomo Catharina, cora
os signaes seguidles : alta, magra ; tom a barriga
um tanto crescida nariz grosso,, denles bonitos ;
leyou um rouplo de riscadinho cor de rosa, urna
saia de lila e outra do chita esverdeada com dous
babados guarnecidos com fita de velludo preto um
cabeeflo de cassa de quadros com abertura o botOcs,
panno da Costa sem estar embainhado ; levou mais
urna sua filha de nome Mara de dous annos; lera
as cozas unidas a ponto de a fazer espalhar os ps
nara os lados; suspeita-se que esteja escondida cffl
Fra-de-Portas esuspeita-se mais outra cousa de
que.por nfloestar bem esmerilhada, uflo se faz decla-
raco alguma : quem a pegar leve-a ao Aterro-da-
Boa-Vista, n. 42, que ser gratificado: lambem se
protesta contra quem a liveroceulta.
Fugio, no dia 7 do correnle, um escravo tri-
gueiro porm tem o cabello acaboclado ; (cm no
rosto algumas espinhas de 24 annos pouco mais ou
menos; levou calcas brancas, camisa de madapo-
l1o, e chapeo de palha; he de poucas fallas ,e na-
tural do serlSo do Ceara; suppOe-se ter seguido por
esta entrada, ou deoutroserlo. Roga-se s autori-
dades policiaes e cupilSes de campo que o appre-
hendam e levom-noa rua ta Cruz, n. 37. Declara-
se que este escravo veio remettido do Ceara por Jos
Smilh do Vasconcellos. (Baraleiro. )
Fugio, do bordo do brigue Argot, no dia 7 do
corren te pelas 7 horas da noite, um escravo mi-
rinheiro de nome Jos, de iiagfo Cabinda altura
regular, cheio do corpo; representa ter 22 anuos
pouco mais ou menos rosto redondo sem bailn,
ollitis grandes ; levou calcas o camisa dozuarleazul
e cinta encarnada : quem o pegar leve-oa bordo tlilo lirigue', nu a Amorim Irnt.los. na rua da Cadeia,
n 39. que recebera boa gratificucRo.
Ainda cnnlin* a estar fgida a preta crioula,
de nome Maria, de 16 anuos pouco mais ou monos,
eslatura e corpo regqlares coin falla de alguna den-
tes na frente da parte superior falla um pouco da
vagar indican lo vergonha ; levou camisa de algo-
dilnzinho vestido iln edita mu hrln.ni un.
roa brincos en-
VenJem^e superiores riscado inonslroa'j bem co- V\<,C fo lili inl ni "" ^ende-Se alcat^O da.Suecja, de
s^x aus na rSana *--JSf5fiSSc, ,u. fba, ^M^ ^r'bem acodici,>-
rtscado aao chegados ltimamente: aacrea sao fijas, lesfiuina para a rua do Collegio, h. 5. novos risca-lna"os Com 'COS de ferro: na rua do V-
Y "^ Vendim-se, no armazem de Franciaco Dias Fer-
carmdoado louca e c'onlasazuesno pescoco ; veio
ha pouco do serillo de Carirys; torna-se conhecida
pelos modos o feicfles; existo toda a descunltanca, ou
certeza de que esteja ucctilta em alguma casa nesta
praca pelo que roga-se a qualquer pessoa que a
pegar, ou a descobrir, de a levar a rua do Torre.*, no
escriptorio de Joflo l'into de Lomos & Falli, que se- j
r recompensado ; protestando-so perseguir com to-
do o rigor das penas da li a qualquer pessoa que a
liver cm seu podr, e nflo a mandar restituir.
PfihN. : NA TTP. DS M, F. DB FABIA. l9i8

MELHOR EXEMPL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E83O7YM00_EGCTQJ INGEST_TIME 2013-04-24T19:13:32Z PACKAGE AA00011611_06539
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES