Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06535


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXIV.
Sexta-feira 15
n nil HlO pnbllca-ae todos o diasque nSo
0 iVoii.irda: o preco da asslgnatura he
K'Smn por quirtel. P*9 "'i0'""*>
anr 20r" Po. linh, 40 rs. em typo dlf-
'"* fiiri-petlcOw pela metadc. Os nao
^,l1ntt"pgwMri. por ilSfcfc 100 rt
*;fjpo di*reic. por cad. publ.cacilo.
"pHASES DA LA NO MEZ E OUTUBRO.
, 9n hora e 42 m, da manh.
lwcA<".Y'a 8 ml da ,anh.
-,,-.*,. ., 0fk e 27 u,lo. da Urd.
PARTIDA DOS CORREIOS.
Gnlanna e Parahiba, s fgs. e sextas-felras.
Rlo-G.lio-Norte, qulntas-felraa ao melo-dla.
Cabo, Sertnham, RioFormoso, Porto-Calvo
e Mac?i, no 1., a 11 e 21 de cada mez.
Garanbuns e llonlto, a 8 e 23.
Boa-Vista c Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas-felrs..
Olinda-, todos os dias.
de Outtibro de lfttf.
PREAMAR DE TOJE.
Primeira, sGhorase 6 minutos da tarde
Segunda, s li horas e30 minutos da manh.
DAS D SEMANA.
9 Segunda. S. Dlonlilo. Aud.do J. dos or-
rkh. do i. clv. edo J. M. da 2. t.
10 Terca. S. Francisco d Borja. Aud.doJ.
doe.dal. v. e do J. de paido 2. dist de t.
J I Ou.irta. S. Firmino. Aud. do f. do c. d
2. tve do J. de pai do 2 dist. de t.
12 Quinta. S. Cypriano. Aud. do J. de or-
ph. do J. M. da 1. v.
13 Sexta. S. Eduardo. Aud. do J. do clv. edo
j. de paz d- I dist de t.
14 Sabbado. S.Calisto. Aud. do J. do c. v.
e do J. de pal do 1 dist. de t.
15 Domingo. S. Thcrea de Jess
CAMBIOS RO DA DE 12 OTITTTBRO.
Sobre Undre. a24 d.T>or 1/000 r. fiO d.
Pars .
a Lisboa 120 por cento de premio.
., Rlo-de-Jineiro ao i.ar.
riese de lett de boas lirims a I ?; ao mex
Ac^oe, da eo.pp. de Krberibe *W app
Oiiro.-Oncas hespanholas M#m a 3l#SOO
Muidas de 6*400 v. I7/..00 a 17*700
. B,u^a ^^-inon.KJdWO-a lb*700
. de 4/h)0... 9/f.OO a 9//00
Prata-Patacoes brasileiro. 2/020 a MO
. Pesos columnarios. 2/000 a 2/020
, Ditos ineatcano...... 1/900 a 1/92'
-.-. ..*-..._
HKTE OFfKtAL,
GOVERNO DA PROVINCIA.
.EXPEDIENTE DO DA 19 DE AGOSTO.
Oflco --Ao presidente das Alagoas, rogando a ex-
o,lic!lo rie suas orden, para que seja capturado em
n lalaiier ponto d'aquella provmcia.onde porventnra
L.ireca. o grumete'do corpo de .nperiaes marmhei-
rns Jos Pereira, cujos signaes vno mencionados na
noli que remetle, por ter elle desertado .lo burdo da
crvela Eultrpe.Ka mesmo sentido se olliciou ao
presidente da Parahiba e ao chefe de polica.
[litoAo"'presidente da Parahiba, deprecando a
expedicnodesuasordens, fin de qu^sejam captu-
rarlas, caso apparecam no territorio d aquella pro-
..j-.j,,' as nraeas 1I0 coreo de imneriaos marinhei-
r' Augusto Antonio do l^ascimento e Jos Gomes
da Croi cojos signaes caractersticos constam da
ola qu remelte.-Scientificou-seo chefe de polica
*o cor.nnmrhnte do briuue-escuna Canpo.
Portara.A. iioroeacfln dns supplenles dojuix mu-
nicipal da ci.lade de Coianna, feita om observancia
doait 19da leide 3 de dezembro de 1811, recahio
nos cidadilns bcharel Verato Aurelio da.Cunta Go-
vea major Jos Joaq'uim flocha Faria, l.acharel Jos
Ignacio la Cunda RabelJo, tciunte-cnroiiel Ment
Jos Ferreira Hnbell.0, major ChristoviSo Vieira de
Mello Pessoa e lente Mapoel Das da Costa. Temi
sido posteriormente nomeado o priiiieiro para o em-
preo de juiz municipal, foi s instituido por Antonio
le Arroda Cmara, e por haver pedido eobtidode-
mi.-sflo o quinto, foi nomeado o collocado om pri-
meiro lugar o barbarel Joo de Caldas Ribeiro Cam-
pns> alleraiido-se a-ordem dos outros supplentes. O
ultimo nomeado peiu e obivve Jiisso, scino-
Hie dado por successor Manocl Correa do Oliveira
An'lrade. Neste estado de cousas, representramos
suppleiiles Antonio de Arruda Cmara o Jos Joa-
qui Rocha Faria, pedindo que se restabelega a or-
tlem primitiva das nomerjgoos, oom as alteracOes que
leiislmentese fizeram. O presidente da provioea,
reconliecendo que, na reorgamsa<;no da lista dos
supplenles, feita por portara de 30 de mai prximo
passado, nflo tora observada a le, clara em si, e por
ueniais explicada pelos avisos de 15 de fovereiro e 28
de marco de 1814, e lomando 0111 considerac.no a rr~
1 restMiaco supramencionada, resolveu reatabe-
lerer, en:o restabelece, a ordein dos supplenles do
iuiz municipal de Comuna | ela maneira seguinte :
1, Antonio de Anuda Cmara; 2o, major Jos
Joaquim Bocha Faria; 3., bacharcl Jos Ignacio da
Cunta Rahelfe; 4., Icneiile-coronel Rento Jos Fer-
reira Rabello ; 5.", Manuel Correa "e Oliveira Anars-
de; 6., touwiile Manocl Das da Costa.--Fizerani-sc
as participacOes do estylo.
DEM DO D'A 21.
OlUfiO Ao chefe de polica, communicanilo que,
em cumprimetito de inipeiiataviso, expedido pela
secretaria d'eslailo dos negocios da JustlOa, acaba de
ordenar os jui/es 11 iinicipaes, cojos seniiiin no litoral desta provincia, nflo > que, de
accfjrdo coro as autoridades pojiciaes ilos inesmos
dislncli'S, facain quaulo coubcr no crculo de suas
atlribuivfies, por evitar quo se |>ratique no mesmo
litoral contrabando de Africano," de varias merca-
duras, como gejam marljm, tartaruga e cera, que, se-
?iiiinlo inlurioages colhilas porS. Kxc.se diz lercm
lugar c'oin nolavel defraudado das rendas nacionaes,
e nueiisa das leis do paiz ; como tambem qoe, ape-
nas soubuem que soriielliaote crimola sido perpe-
trado, se nflo poupein a estoicos para descubriros
autores dolle, alini de fulminar-llies as penas em quo
livorem incorrido; e recommendando baja S me.
de expedir nesto sentido suas ordena s sobreditas
autoridades. Ofllciou-se neste sentido aos junes
municipaesdo Recre, Olinda, Iguarassu, Goianna,
Cabo, Serinhflem e Ro-Formoso ; ao commandante
das armas, ao inspector do arsenal demarinha, ao
commandante da corveta Euttrpt, ao lo corpo de po-
lica e aos comniandantes superiores da guarda na-
cional do Recie, olinda, Goianna c 10-Formoso.
i'orlaria.Supprimindo a cadeira de primeiras let-
tras da povonciro da Boa-Viagem. por nflo ter o nu-
mero ile alumnos marcado pelo art. 6.' capitulo 1.
da lei de 10 de junho de 1837.-Fizerain-se as conve-
nientes particpacoes.
Dila.O presidente da proyincia, nao podendo,
por causa de suas incessantes occupa^Oes, examinar
com a altenQflo indispensavel, e apreciar como con-
vm, o ensaio sobre a estatistca civil e poltica da
provincia de Pernambuco, composla pelo bcbarel
Jerunymo Martiniano Figoeira de Mello, em virtu le
uo contrato que cun e cem>ra"5 \is> O seas svC-
cessores, rosolveu nomear aos Srs. conclheiro An-
tonio Peregrino Maciel Monteiro, viga rio Francisco
Ferreira Brreto e Dr Jos Mamedo Al ves Ferreira,
para informaron! com o seu parecer, nflo so a respei-
to do merecimento da obra, mas tambem se foi ca-
balmente desempenhado pelo autor o programla
que faz parto do sobredito contrato.Scentiucou-se
os nomeados.
DEM DO DA 22.
Ofllcio.Ao coronel commissario-pagador, man-
dando entregar ao lenente-coronel S-basliflo da Cri-
olla Accole l.ios, por conta do que elle devo de rece-
ber da despeza feita com a guarda nacional do muni-
cipio d'Agoa-Preta, que presin servicos por ordem
desla presidencia, a quantia do 2;000/000 de res,
at que, examinados os prels, e as informagOes que
sobre elles tcem sido Jadas, possa a presidencia de-
liberar -acercu da quamia que lioiiitiVamcutc Ule
deveser paga, .
Dito.Ao director interino do arsenal de guerra,
segniticando haver nomeado o major Innocencio Eos
laquio Ferreira de Araujo director das obras milita-
x k- c 11 r, om na infame correspondencia, comtudo nfloapre-
dasse do exPercilo a Jos Augusto de Mene7.es Pres-| publico sabe.
tes, tenenle do 5.' batalhflo de fuzileros.-Partici-
poo-seao coronel commissario-paundor
Portaria.-Nomeando subdelegado do \. districto
da freguezia da Escaria a Manoel Antonio inas.-Sei-
enlificou-se o chefe de polica. '
liita.-Demiltindo o subdelegado da fregoezia do
Rio.Formoso, oacharel Manoel F.rmmo de Mello; o
da de Boa-Visla, Antonio Pires Ferreira o da de
Afogados, Francisco Carneiro Machado Ros ; e o da
do l'oco-da-Panella, Carlos Martms de Almeida.-
Parlicpou-se ao chefe de polica.
Correspondencias.
Srt. Redaclnm He a gralhlflo o sonlimcnto mais
nobre do coraeflo do homem, e felizmente o -Autor
do Existente-so dignou conceder-mc este alio hem;
sou gralo ao menor beneficio, assim como me sei
sentir da minima olTensa. Tendo o Sr. eommenda-
dor Angelo Francisco Carneiro, sem ter de minha
pessoa maior conhecimento, o nicamente guiado
pelo seu bemfazojo coracio, mostrado por mnn
grande nteresse, nflo s fallando em mou favor, con-
tra urna injusticia que se me pretende fazer, como
at seempenhando com sous amigos, para que so-
jam allendidas as minhas crcumslnncias e a rasao
que me assiste ; e nflo tendo en um neio de provar-
Iho a mirilla giatidflo, lancei inflo 'la penna para com
estas toscas linhas fazer sciente ao publico do qu.m-
to he merecedor d'eneomios.o muito digno Sr. com-
inenrlador Angelo Francisco Carneiro.
Aceite, pois, S.S. os meos sinceros agredecimentos,
o crea quo sempre Ibe ser reconhecilo
O Artista.
Resposta do guarda nacional correspondencia do ex-
rapiti'10 da guarda nacional.
Quandoo guarda nacional lancou mito deste O/a-
rio foi para defender alguns olliciaes do quarto be
Como o llm do guarda nac.onal foi derender-so
dos referidos annuiicios do ex^eapitflo. "* pro\.lo
est serem falsos, (como o publico sabe e. se lem
mostrado) para licar conliecendo o ex-capitno por
desacreditador da reputado alheia ; deixa por isso
o campo aberto para o dito ex-capitflo dizer os .lesa-
foros que bem Ihe parecer e que correspondem a sua
educaeflo, continuando (sendo provocado) porque o
seo fi.11 be mostrar ao publico a mentida aasercilo da-
quellesa.iiiui.cos; todava Ihe faz ver o guarda na-
cional, que o gngado cahio-lbe no goto, o musir a
sua airosdade, o que para isto nflo serve o ex-capi-
tlo. porque de buiu s tom o crescimento .las boche-
chas e que, finando o guarda nacional pertencia as
lileiras dos briosos olliciaes do outro lempo, S. me.
era mao guarda nacional ; e pergunla-se, se para ser
preso por falla de servico, nflo perc.sava de poli
cia? Foi por isso nflo pode perte..cervcoino algiini.i
coss sos halalhi wjMHa poca, em que S. me.
era caixeiro, na ra Nova, da loja do madama, oxer-
cendooemprego de inlroduz.r os freguezes, c.il.o
osquaes eslava o guarda nacional quo la dai 0 80U
contingente a seu chamado.
I m guarda nacional.
on

- AU'ANDKGA.
HKM)1MKNTOOOD1A12...... 9S74*^'
Desearregam hoje, 13 di oMtrifcro.
Briguc -Hiena* merendorias.
firigue Challticg dem.
lirigue -Imnonutl carvo de pedra.
(jarca Crramnrr bacalho.
Brigue Paulina inercadorias.
res desta rrOvincia; e declarando que, nesta inlelli- rio 101 para oeienner mguus uiowann u h-"" ""-
gencia.deve S. me. reriTeltcr-lhe a conta da despeza talhflo da guarda nacional das injuriosas calum-
F.-ita eiirn < nhrasdo ouartel dosaorendiz.es meno-nias contra elles publicada peloex-capitflo emseus
gencia.deve S. me. reriTeller-lhe a conta da despeza talhflo da guama nacional oas injurio ;iu.ii-
feita com as obras do quartel dos aprendizes meno-nias contra elles publicada pelo ex-capilflo em seus
res do mesmo arsenal durante a sua administracilo. annuncios do Diario-Novo n. 196, e deste Diana
Dito.Ao coiiimaiidanie das armas, participando '- '" 'nfl
haver S. M. o Imperador concedido reforma no mes-
mo posto, com o respectivo sold por inteiroda la-
rifa actual, ao capilflo do 4. balalliflo de ariilliaria
a |i, Joaquim Pessoa da Silva, que se aclia na corte,
addido ao 1. da mesma arma.
moriras dj; um medico, (*)
oh atevsniJrc ^unu.0.
TERCEIRA PARTE.
<** XXVI.
MR, OE BIOHXXIBU APRECIA A NICOLINA.
Mr. de Richelieu parti dlrelto para a modesta resi-
dencia'de Mi", defaverney, na ra :oq-Heron.
Em cunsequeucia do privilegio que nos possiiimos de
conta a metadc coi o diao-coxo, a qual nos d a faci-
lidade de penetrar em qualqucr casa fechada iis sabe-
mos antes dcMr.delUchclieu o saber, queobarao, diante
da suachainiuc, com os ps pousados sobre os limnen-
'os caes de ferro debaUo dos quaes se via quasi apaga-
du ubi resto de licao, prgava um semino a Nicotina pe-
gaudo-lhe de ves cinquaiiil na barba, lito obstante as
careiiuhaa rebeldes e deadeohotas da rapariga.
Tena NfCollua gostado niais das caricias seui.oserinan,
011 preferirla ella o serinS" sem as caricias ? Eis oque
nos uo atreveremos a detddir.
A conversaco rolava entre o amo e a criada sobre um
PuiHo importante, isto he, que nunca, a certa horas da
. (*) Vlde Ditrio n. 924.
Dilo.Ao ntesmo, communicando haver S- M. o
Imperador determinado que, para so reconliecerem
piiuieiios ou segundos cadetes os futios Ilegtimos
das pessoas que em diioito para sous filhos legti-
mos serem primeros ou segundos cadetes, deverlo
os piftendenles a presen lar no respectivo concellio a
coinpetente caria de legitimaQo, o que estacarla
nflo pode sersupprd pela cerlido de baplismo dos
sobredilos prelendenlos.Parlicipou-so ao auditor
de guerra.
Dito.Ao mesmo, determinando, em cumprinien-
lo de ordens inipenaes que mande desligar da com-
pauliia lixa de avallaria desta provincia oalferosdo
2. batalhflo decarjadores, Jos Negreiros de Almeida
Sarinbo, e no primeiro vapor que d'aqui partir o la-
ca seguir para a corlo, atiin do se ir reunir ao seu
corpo no Rio-Grande-do-SuLComiminicou-sc ao
Cuinniissario-pagador.
DiloAo iiiesini), participando que, por aviso da
secretaria de estado dos negocios da guerra, foi com-
nunicado que se mandara addir ao 1 balalhfloilu
fuzileiros o major do 6. de cacadores, Joflo Guillior-
me de Bruce. Scieiililicou-se o coronel commissa-
rio-pagador
un-. nzr. isoasryM
noile Nlcolina acodia exactamente ao toque da eaiiipal-
nlia, due ellaseniprc tinha alguma cousa que faier no
iardim ou na estufa, eque, mesmo cu. lodos os outros
casos pie nao estes, ella prehenchia mal os seus de-
veres
AoqueNicolina, virando-se e rcvirando-e com urna
eraca seductora evoluptuosa, responda:
Tanto peior!...eu.j estou eufadada de estaraqui:
tinpom-iiie prometido que'en bavia de ir para Tnaiion
coiii iiiadenioisellal T...
Foi aoouvir semelliante resposta que Mr. de raverney
julgra dever por carldade ameigar-lhe as faces e o
queixinlio, atm duvidaparadistrahi-la.
Nicoliira, proseguindu osen thema. e repellindo toda
especie de consolacao, deplorava a sua inlelis sorle.
He verdadel diiia ella gemendo, eu estou ai)Ui en-
tre quatro tristes paredes, nao lenlio sociedade, quasi
que uo lenho ar, e l tinlia eu a perspectiva de um ui-
ver ti ment c de um futuro.
Onde.' perguntou obarao.
NoTriaiionl repllcou Nicolina; no Irianou onde
eupodia ver toda'a gente, onde eu poda ver o luxb,
ondeeu terla multo que rer, e onde tambem me teriam
Oh! oh! senhora Nicollnlnha.disse obarao.
Oh! meu seiilior, e\f sou niulher e valho tanto co-
mo qnalqueroutra. .
ComellVitu! isto he que he fallar, dlsse comsigo
obarao, como Isto vive, e como se meche! Oh. se eu
fra moco ese fra rico!..... .
K oio pode deixar de laucar olhos de admiracao e di
cubica sobre tanta mocidade, see e belleza.
Nicotina delirava e se mpaclentava de ves emquando.
_ Vamos, deite-se, sculior baro, disse ella, para que
fu lamben me possa ir delur.
_ Escuia mais una palavra, Nicotina.
De repente a can.pai..ha da ra fes estremecer Ta-
vernev esaltar Nicotina..
-Ouen. me pode procurar, dlssc o barao, as o.i/.e
horas c inela da noile? Vai ver,pequea.
fll.l.UIICIU UU #*.-,>vv ... ,^w, --------------------
de 6 do corrento, dendo a perceber que osacluaes
olliciaes tinhara-lhe empenhado o instrumental da
extiucta msica, e'que devam caixa do dilo bata-
lhflo : cja se deixa verao tespeitavel publico que o
guarda nacional, foi primeramente aggredido, na
pessoa dos seus olliciaes. pelo cx-capto.
A visla disto, era do dever do guarda nacional de-
fender, negando a falsidade dos ditos annuncios, e
desafiando ao ex-capilflo para apresentar os docu-
mentos com as assicnaluras dos olliciaes que Ihe
empenbaramo instrumental, e que devam ; mas a
isto o que fez oex-capilflo? liotou do parte a ques-
illo principal, ("por nflo ter argumentos sullicieiites!
o eis que apparece com urna correspondencia neste
diario de 10 do corrente, alfastnndo-se da discussflo
que principiou a encelar, (o do que assim inesnio
mal a dn i(;ia o mentor que se divorie a sua cusa) e
em remate, (em falla do provas para sustentar oque
lo'du pouco acecido flirmou) si'ivicr-se de oxpres-
soes bem propiias de educaeflo de balcflo : as>m
pralca quem Ihe faltam os verdadeiros rucios que as-
sislem a quem francamente pleitea, ecom anticipa
Qflo esporava-se.por Ihe faHarem os documentos, que
havia de laucar nio da vida privada do guarda na-
cional, e por isso bem podo conhocer o publico do
precedento desle ex-capitilo O guarda nacional
lem apresentado peranle o publico sempre boa con-
ducta, e ser respeilador das leis. Todos, em lempo
da verdura dos annos.teem alguns escorregos.e, an-
da mesmo que fssu verdade o quo diz o ex-capilflo
Por easa bemaventurada abertura se escapou urna
sombra que vinha do pateo, nao sen que fizesie suffi-
ciculc rumor, para que o inarcebal, (porque era elle)
se vollassc c visse a evasao.
Nicolina camlnhava diante delle, com a vela na mao
e com o ar todo sacudido.
__ Que tal, que tal, que tal disse o marechal orrin-
do e seguiudo-a ate ao salo, este velhaco de Tarernev
nao me liaha fallado senao da lilli.i
O duque era um desses homeus que nao precisain
olhar duas vez.es para ver, c ver completamente.
A sombra que fugia o fe pensar em Nlcolina, Ni-
colina na sombra. Adivinhou elle pelo lindo rosto da
moca oque linba vindo faicr a sombra, e d'ahi, depois
de lervisioos olhos tita maliciasos, os denles lo blan-
cos e o taihe tao esbelto da criad, nao leve mais que
desejar saber a reipeito do seu carcter e gosto.
Nicoliua aunuuclou com um certo palpitar de coracao
entrada da sala :
O enhor duque de P.ichelieu!
Semelhaote nome eslava desuado a causar emocc-cs
essa noile. Producto tal eBelto sobre o baro, que este
se levanlou da poltrona em que eslava e cainiotiou di-
reito d poria, sem poder dar crdito a seus ouvidos.
Mas, ames jiiesino de ter chegado pona, avislou elle
a Mr. de Richelieu na penumbra do corredor.
Oduquc!..... balbuciou elle.
He verdade, meu charo amigo, o duque, o duque
en pessoa....., replicou lllchelieu com a mais amavel
vos. Ohl islo te admira depois da visila d'outro da.
Pois bem e cou ludo nada ha que seja man real. Ago-
ra dii c essa mao se querr.
Senhor duque, V. Excellencia me confunde
} se te Toi embora o espirito, meu charo disse o cede
*^ ... ._____>>. .....i......... 1 \l,'i> lili
velfio marechal, dando o basto c o chapeo a Nrcol.na
paraseassentar mais a commodo ii'uiua cadeira de bra-
cos: vals-nie (loando cada v(i mais codea, parece-me
i.ue j caducas.....i ja nao sabes viver segundo vejo.
i Commdo. duque, parece-me, r.spoudeu Taverne,
deixou a pona ds ra soaberta. I nganasse.
CONSULADO GURA...
RENDIMENTO DO DA 12,
Geral........
Diversas provincias*.
,'1:446/009
179/302
1:1.267204
COINSULAOC PIUWIINCIAL.
RFNIMMFATO D( DA 12..........l:308/ll.-
Hovimniilo fo Porto.
Navioi mirado* nndia 12. ,
Rio-tirande-dn-Sul ; 20 dias, patacho brasileiro Pous-
le-Wareo, de 116 toneladas, eap.tao Antonio Montero
de Almeida, equipagem II, carga carne ; a Ainorim
[|hlar'denMa.i.oi'alro-Vcrde) : 20dias, brigue din-imar-
qur/. Kdwati. de 2.30 lonelada-, eapilo Paier Uuller,
equipagem 0, carga sal ; a ordem.
Nnviot lahida' no mesmo dia.
Londres : brigue l'ngle Swifi, capitn Jolin David, car-
ParahYba?lrhiate brasileiro- Pme-.itde-Maria, caphao
Joao Francisco Martins
oBKis Ora escuta, tolelrao, respondeu Richelien, outro
dia tu te condnziste como um rapa, de escola e eu cn.no
um mestre de aldeia ; de li para mim nao so la a dllte-
renCa da palmatoria. Tu sabes que eu sou leu amigo
velho: has de querer fallar, mas en quero poupar-te
essetrabalho; tu iriaspor al.i dizer ilgMiwildlce e
eu havia de responder-le outra. Oemos, portanlo, un.
lio de ouiro da ale hoje.-Sabes tu o que vendo aqu.
faeer esta noile? '
Por certo que nao. h,.
Venbo trazer-te a companhia que me foste podr
ante-honte.neque el-rei .leu a leu f.lho.- Tu parf-
ces-.ne um simplorio! nao eonheces d.nerenca,
.ntHionu-n. eu era quasi ministro, P""r era ima ln-
juslica. boje que rectuei a pasta que sou o imples R
chelieu de outr-ora, serla absurdo se nao pedisse. Ped,.
0bVpuqaer,era verdade, e..... esla bondade da la
P"-eHe umeffeito natural do meu dever de amigo.....
O ministro recusava, Richeliep sollcila e da.
Ah 1 duque, lu me enches de r-conhecimenlo, en-
tao s um verdadeiro amigo ?
Z Ma's'el-rei', el-rei que me fazsemelhante favor.....
_ Nciii el-rei sabe oque faz, ou tal ve/. ne lenha en
engaado e elle o saiba a mil maravilhas.
Oue queies lu dlser?
Ouero diter que S. Magcslade lem, sein dunda, al
Kum ...olivo neste momento para desagradar a madama
Dubarrv e que he antes a este motivo do que lalvci ;,
imnli.i innuencia que lu deves o favor que elle eon-
:de.
Crs tu nisso ? *
Estou bem ceno e quasi que aposto. Sabes tu qur
e por causa dessa brejeira que eu recusei a pasta .
-- Assim m'o disseram ; mas.....
Mas tu nao acreditaste. Anda.dize depressa.
Pois bem! confesso-lc..
I
rUIS 4/nil vuiiunjv-tv.i
Isso quer diier que tu me conheceste sempre sein
escrpulos, nao he assim'
NUMERACO INCORRETA
ILEGIVEL

i


EDITA ES.
*2


Perantea cmara municipal lesta cidade andar
nova mente em pra;a, segundo a ordem do Exm. pre-
sidente da provincia, no da 13 do corrente, o impos-
to da arenciio deste municipio; assim como os de-
ntis objedos que ainda nilo fram arrematados Os
pieten.lentes deverao comparecer munidos de fiado-
z* tssssszsr*da iei-sem *
de';ad0 tugssz**jo Recife'em sess,i
Manoet Joaqun do llego e Albuquerque.
Presidente.
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade, o/Kcial da im-
perial ordem da Rosa, cavalleiro da de Chrislo e ins-
pector da alfandega de l'ernambuco, por S M 0
Imperador, que Deo guarde, etc.
Faz saber que, no dia 16 do corrente, ao meio-dia,
,hP^It^^,e?m, Se h9? de amatar, em hasta
publica. 213 volumes com barricas abatidas, conten-
do 1397 barricas e 2*0 molhos de arcos pertencentes
as mesmas, no valor de 600,000 rs., impugnados pe-
lo guarda Jos dos Santos Lages, no despacho por
factura so n. 1554; sendo a arrematacilo subjeita
aos direitos.
Allandega, 12 de outubro de 1848.
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade.
fe ,lm da responsabilidade, ser multada em
2.>tboo rs., e soflYer quatro dias de prsao, e na re-
incidencia, alm do dobro da multa, soflYer 12 dias
Art. 7. Ficam prohibidos os papangs as procis-
soes, e os judas nos sabbados do nlleluia : os infrac-
tores paga rflo de multa i/000 rs., e soffrerao dous
das de prisao.
Art. 8. Ficam prohibidas as farcas publicas, em
quo se apresentem individuos ornados com insig-
nias ecclesiasticas, arremedando as funeces do sa-
grado ministerio : os infractores serflo multados em
30/000 rs., e, se forem escravos, sofrrerao quatro dias
de prisao.
,,Arl-9, Fica prohibido que se construam nichos
fora das casas desle municipio: os infractores se-
rSo multados em 20/000 rs., eos nichos serlo tapa-
dos sua rusta.
Arl. 10. Ficam prohibidas as brigas de gallos: seus
donos serao multados em 10/000 rs.
(Continuar-se-ha.)
narefTectiva a apprehens.lo e conseguintemnte a
arrecailacjloda multa, para obstar qualquer dai-
no que se pretenda causars obras e mais objectos
pertencentes companhla,e para repar'acSo dn
iamno causado eimposicao da pena em que liver
inrorrido o infractor.
Deca raides
Joo Xavier Carneiro da Cunha fidalgo cavalleiro da
casa imperial, cavalleiro da ordem de Chrislo, e admi-
nistrador da mesa do consulado desta provincia, por
S. M. o Imperador, que Dos guarde. He.
Faz saber que no dia 16 do corrento, ao meio-dia
se hilo do arrematar em praca. porta da mea na, n.i
cOros viudos na canoa denominada San-Joa'o-Bnp-
tisla da Barra Grande, provincia das Alagas, ai>-
prehendi.los pelo guarda de.Ma mesa, Maxiiniann de
Oliveira Mussurepo. por nlo Irazerem enig :em
indicacao no manifest respectivo ; sendo a rrema-
tagilo livre dn despeza ao arrematante.
Mesa do consulado do Pernambuco, 12 de outubro
de 1848.
O administrador,
Joio Xavier Carneiro da Cunha.
O arsenal de guerra compra carvto vegetal:
quem o mesmo genero quizer fornecer comparece^
ra na sala da directora do mesmo arsenal, com sua
proposta no dia 13 dn corrente mez.
Arsenal de guerra, 10 de outubro de 1848.
Oescriptnrario,
Francisco Serfico de Astis Carvalho.
PBLICACAO1 AGRCOLA.
Manual pratico do fabricante de assucar, por
Agostinho Sommier. Esta obra ensna*praticamente
o modo de fabricar o assucar demonstrando os in-
convenientes da antiga pratica os meios de as re-
mover e finalmente ludo quanto se precisa para ti-
rar maior e melhor resultado de sua factura e est
escripia em urna lingoagem que qualquer pessoa
percebe; podendo-se mesmo dizer que os Srs. de
cngenhns com ella so errarao se quizerem : vnde-
se or 2,000 rs., na praca da Independencia livra-
na ns. 6 e8.
THEATKO NACIONAL
PuMicaCfio Mt lera ra.
OCRNTII, F.NAMORAOO
acaba de sabir do prelo. O autor desla obra***
sc.eenle ana Srs. que a a,ignaram, que qP?'
ter a bondade de a ir recebe? no paleo do ro*
Kio, lujadoSr. l)ourado,n. 6.
Avisos martimos.
DA
RA DA PRA1A.
POSTURAS
DA
cmara do recife.
(Continuacao do numero 225.)
TITULO X.
Sobre voterias, obsenidades e indecenciat que se prali-
enm em lugures pblicos, e potioia acerca dos escra-
o, ele.
Artigo 1. Fica prohibido desde j fazerem-se, a
qualquer hora que seja, vozerias, alaridos e grilos
pelas ras, sem ser por objectos de necessidade : as-
sifli como fica prohibido que os pretos carregadores
andem pelas ras cantando desde o rccolher al o
nascer do sol, sdb pena dos primeiros paga re m 1*000
rs. de multa, e os segundos 800 rs., applicada aos
apatazes.
Art. 2.' Nmguem poder mandara ra escravos
ouescravas, sem que sejam vestidos de roupas que
Ibes cubram os coros, nilo sendo essas roupas es-
lrangalhadas, debaixoda pena de o senhor pagar de
multa 2/000 rs.
Art. 3.' Toda a pessoa que de dia fr adiada nua
em beira de praia, ou tomando banhos com os corpos
descobertos sem a devida decencia, soffrer a mesma
pena declarada no artigo antecedente, com a mesma
proporciio. Sendo.porm, os transgressores, compre-
hendidos no antecedente e presente artigo, perten-
centes a corporales militares, serao entregues aos
leuscommandantcs respectivos, para esies Ihes fa-
zerem applicar a competente pena de prisao.
Art. 4. Nao ser permiltido acoutar escravos as
easas particulares, de modo que os seus grilos, ou
estrepito das chicotadas incommodemos vizinhos,
ou os que transitao ; a.ssim como o nao ser o castigo
de palmatoadas ou pancadas dadas liio a niiudo, ou
tao repetidas vezes, que incommodem os visinhos :
os infractores acrSo multados em 4/000 rs., e na
reincidencia cin 12/UOO rs.
Art. 5." Fica prohibido as casas particulares o
castigo nos escravos desde o toque de recolher ate-
as 6 horas da manha : os infractores sero subjeilos
as multas do artigo antecedente.
Art. 6. Toda a pessoa que der asylo a escravos fu-
.lito pelo menos quer diier que te condec sempre
(em prejuizos.
Meu charo, j estou vrlho, c nao gono maii daa
mulberrs bonilat ienao para inliii. ... f. dentis, aiuda
teuho outras dras... Voltemo a leu filliu, lieum ra-
pa* encantador?
Que be multo mal quisto de Joo Dubarry, que es-
lava em tua cata, quaudo fi a asueira de me anreseu-
tar l.
Hem o aei, e he etsa a raio por que nao aou mi-
nistro.
liom.
.'eui duvida, meu amigo.
Tu reculaste a pasta para uo desagradar a meu
lillto?
Se eu t'o dissesse, nao o liavias de acreditar: maa
isso nao he assim. Recuse! a paila porque as exigencias
dos Uubarrys.que comrcavau, pela exclusa de leu fi-
lo, leriaiu chegado a enormidades de lodo o genero.
Kulo clias-te boje desavindo com semelhaute
gente?
Siin enao : elles m teiueni e eu os despreso, he
una represalia.
Isso be lieru ico, mas be iuiprudcnie.
Imprudente porque?
A condrsia tein mullo crdito.
Ora adeo 1 disse Rlcbeleu.
E como tu dises liso ?
Uigo-o como um humen! quesete o fraeo da po-
sifao, e que, se ftisse preciso, collucaria o inineiro a boc-
ea da mina para fazer salur a praca.
J vejo a ver(|ade, preiu um iervico a meu nlho,
ma tainbem um pouco para atormentares os Du-
barrys.
Ha nisso mulla parle, ea la perspicacia nao le en-
gaita ; leu lilli me serr de granada, incendio por niei
uelle. lia. a proposito, baiao, nao ten, m una lillta >
.Tenlio.....
Mocar
I), zasels aunos.
Bella?
Cunto Venus.
ContinuacSo dos devedoree'da dcima dos predios urba-
nos, que leem /le ser ex-cnlados, se n<~> tomparecerem
al o dia 15 do corrente me* a saldar *n dbitos.
A saber :
Francisco Xavier las Chagas. 157,738
Monica Goncalves Rodrigues Franca 84.264
Antonia Mara da Penha 84,264
Vicente Thomaz dos Santos 63.717
Hermenegildo Jos de Alcntara' 108,495
Herdpirna ,1o Francisco G"elvps Rodrigues 153,073
Ditos de Joio Manuel Peroira de Abreu 89.548
Mannel Conexivos Servilla 274.742
Herdeiros de Jos Silverio 66,420
Ka irmandade de San-Domingos da igreja
do Rosario. 116,868
Dita doSS. Sacramento de Jaboalo, 119 814
Dita de San-Jos de Riba-Mar. 265,407
Dita do Sr. dos Marlyrios da igreja dos
cr.oulos 830U
Dita Jo mesmo Sr. da igreja do Rosario. 92.617
Dita le Santa Eugenia .la mesma jgrpja 85,991
Dita de San-Thiago da igreja do Pilar. 110,786
Irmandh'te de V. Sra do Rosario da Roa-
Vista in g7y
Lourengo Jos das Neves, como testamen-
leiro do padre Francisco Dias de Oli-
veira' 213,395
2:290,030
(Conlinuar-se-ha.j
~ O jury desta cidade dar principio boje 13 do
correle, a seus trabalhos, no caso do so reunir
numero sufliciente de juizes de facto. "
- <) subdelegado da fr.-guezia de S.-Antonio man-
da publicar, para conheiiinenlo e fiel ezecuc loi
inspectores que pcranle elle servem e le lodos os
moradores da mesma freguezia os arligos 12, 13 c
1,abaixo iraneriptos,do ngulamento da comnanhia
de Itebonbe que so acha approvado pelo Exm. Sur.
presidente da provincia.
Sub.ielegaeiadarrcguezia de S.-Anlonio, 12 de
outubro de 1848.
O Subdelegado,
Rodolpho Jo& llrala de Almeida.
* A'1-'2- guardas policiaes, probibirflo que sejam abertoso
depsitos respuadores etomeiras do aqueduelo e
dos cl.afa.i7.es, quando nilo se adiar presente o
uiimimsiiador, ou oulro einpregado da cumpanhia ;
nflo consent.ro. lepois do loque de recolher al 5
da aivorada, ajuiitaiiicnUis, nom a permanencia lo
urna un mais pessoas em ruda do chafa/riz, depsi-
tos, respiradores ctorneras de ;sgolo : e obsiarflu
qualquer (lam.iilieacilo das obras da companhia, dis-
persando ou prundeiido os que tentarem ou elfec-
luarem a desfruieilo de qualquer peca, ou parte das
mesillas obras.
Art. 13 Os conservadores o mais ompregados
da companhia pdenlo prender em flagrante uual-
juer individuo que enconlrareni damnificando ou
deslru.ndo as maltas cobras.io encaiiamento eo
condozrOo a presenca da autoridado co.npele.ilo ,
para procede, na forma da le, leudo en, visla o
ai ligo 5 do contralode II de dezembro de 1838
Art 14. No caso de resistencia, ou probaiili-
dadederes.slencia.oempregado pedir ao agente
de polica do lugar o auxilio necessaro para se tor-
ia-^tirnn tia-^amsgtf,.-ae ctc^j^^p^ r,tamaijwsi
Que mora noTrianon.
Knlo (u a couheces?
Passei o str.. con, ella, e converse! a respeito del-
la urna hora con. el-rel. r
.^.C<"" el'T ? rxlalno' 'averney, cujas faces se
toma vam cor de purpura.
En, |>essua.
TaTen.'"? fa"Un *" ",lnha filha' de rad"o'ella de
obTro* qU"" e"e devora com os o",0 falou, meu
Ah! drvras ?
Oilendo-te ,!,,..,,,:,, ,Ml, ?
.7,hA "i"" "'"? refro....; el-rei honra-me mul-
to olhnmlo para n.mlia filha...., mas.....
Mas o que ?
He que el-rel.....
Tem moscoslumes, he islo qu queres dizer?
Deuf.nel.vre de fallar mal de S. Mageslade, elle
ten, o (lucilo de ler os cisluinrs que qulier ter.
P..,s l.e.n enta., que signlllca ese espanto T Ters
lu a preiencno de fazer que made.uoisella Andrcia nao
seja unta bellera completa, e que, por consecuencia, el-
rei nao olhe para ella coid olbos amorosos.
Taverney nao respondeu palavra, levantou smente
os hombros e cabio en, um sonho, oo qual uperseeuio o
olltar implacavelmente prescrutadorde llicbelieu.
Di vert ment ofTerecido a todos os habitantes dos-
ta cidade.
DOMINGO/ 15 DE OUTUBRO.
A beneficio de dous particulares, representar -se-
ha a linda comedia
O RETRACTO DE MUITAS FAMILIAS.
I'ersonagen* principnts da dita comedia, e ot nomes
dos actores que a reprettntam.
0 cavalheiro. Cunha.
O rorgado. Caltral.
Henrique. Jos Alves.
Leonor. D Josepl.a.
A baroneza. D. vicencia.
Jorge, criado gracioso. -- Santa Ro.
Andr. Fiel. .
Rosa criada. n. Jesuina.
Osintervallos do drama seiSo preenchidos com
helliss.massympbonias; no fim da peca o autor San-
ta Rosa cantara a muiapplaudida aria que tem por
titulo
O MSICO CHARLATA'O.
Pora fim a todo o diverlimento a jocosa fanja.
OS DOUS,
na qual Sania Rosa esforcar-se-ha por bem desem-
penhara parte do Inglez. O beneficiado avisa ao pu-
blico que nSo he preciso lovar caduiras para os ca-
marotes, pois haver assenlo em todos.
Pincipiar o divertimenlo s oito e meia horas
com a (iicgada das autoridades.
~ Para o Assu segu, impreterivelmente al 11 h
corrente.o brigue brasileiro Sagitario: para carea
nassageiros, Irata-se no armazem da ra da Ci,w
do Santo-Antonio, n. 23. '"k^
-- 'ara o porto da Figueira, Lisboa ou cidade d
Porto partir ale o fim do rorrete mez 0 mi,
cho portuguez Maria & Joaquina : tem a maior n!*
todo seo carregamenlo : para o reatante e nJ
sageiros Irata-se com o consignatario na ra do Tr.
piche, n. 44, Firmino J. F. la Rosa. *"
"Para o Aracal pretende sabir al 20 rio presen
too luate/Voeo Oltnda, mestre Antonio Jos Viann,
os pretendenlcs a carregar, se entenderao com\
mesmo mestre no trapiche Novo, ou na ra da c.
dea do Recie, n. 17, segundo andar.
- Vende-se o biale porluguez lispeculador, le lo-
le de seis a 7,000 arrobas, de multo boa consIruccSo
enovo: os prelendenles pdem v-lo ecxamina-!
no ancoradouro, defrontn do trapiche do Angelo
r,Ta, PvSrt' !'M'uadQTr8P'cl'. 44, com Firaii-
i.o Jos Feliz da Rosa.
-Para a Rahia sane o hiato ExaUtca'o, por esle
das, e por ter a maior parte da carga p>omn|a
quem no mesmo quizer carregar ou ir de passagem
illrija-se a hija de ferragens, junto ao arco da CoiiceU
cito do Recife.
LeilocvS.
THEATRO NACIONAL
DB
SAN-R4NC1SCO.
SARBADO, 14 d8 CORRENTE.
Em beneficio de D. Ursulina Esmeralda da Luz e
Silva, se represenlai o novo e gracioso drama
ARTUR, OU DEPOIS DE 16 ANNOS.
Sendo a msica de dous coros de composicfto do
Sr. Jos Fachineth, apparecer a vista do marinha,
junio n qual se est conslruindo nma nova barca
quesera lancada aomar: a manobra ser ezecula-
da con, tal illuslo, que o director se persuade quo
muito agradar ao respeitavel publico No fim do
drama se dancar a polka, rematando o espectcu-
lo com a graciosa farca
O HUELLO NO TERCEIRO ANDAR.
A beneficiada pede e espera que lodos os senho-
resquo se dignaran) aceitar-lhe bilheles de platea,
se dieiiem remunerar-llie na mesma imite, no ca-
marote .le frente nohre, n. 27, on.le se achara para
recebe-los; quanto aos camarotes, ir pessoalmen-
le pelos mnsmoi fazer o corljo do coslume.
O espectculo nflo principiara sem a ebegada da
autoridad que leve presidir.
O director, constamlo-lho que ha quem invente
que elle brbaramente leva pelo beneficio desta se-
nhora {orphfla de ia e que tem juz a ser prolegidaJ a
quantia do 200,000 rs declara que be also, poil
geialmente tem vendido os beneficios para sonho
ras a 150/000 rs e para bomens a 160/rs.: sendo
esta mais rovorecida, porque o director pagou alm
do ulitis a composieflo da msica ao Sr. Jos Facbi-
nelh.
- KsJkmsnn & Resermnu farao ienao, por inler-
venclo do corretor Oliveira de grande sortimenlo
de fazenlas de seda, 1.1a e de algnri.to as mais pro.
pnasdo mercado: hoje, 13 do corrente s 10ho-
ras da manhfla no sen armazem ra da Cruz *>
- Lelllo que fazem L. G. Ferreira S< C-, por inter-
v-ncSo do corretor Oliveira.de 300 barrifas com fari-
nha de trigo, por conta e risco de quem pertencer
sabbado 14 de oulubro, s 11 horas da manhaa, n
seu armazem, ra do Goncalves.
--Schafheillin &Tobler farflo leilflo, por interven-
Cflo do corretor (Hiveira, He grande sortimenlo de
Tazendas de seda, lila e algodlo, as mais proprias do
mercado : segunda-feira.16 do corrente, as 10 horas
da manhaa, no seu armazem, ra da Cruz
Avisos diversos.
- Koni, adivinho o que dirias se em ves de pensar
lallassea alto, coniinuuu o velbu marccltal ebegaudo a
sua cadeira para ao" p da'do baro diras que el-rrj
esta habituado a sua sociedade, que ae loma canallu
como secostunta direr aos. lides, e por conseeuinie'
que tunco laucara ns nidos para essa uobre dmnflla
de pone lao pdico e de amores tao castos*.e por con-
seguiiile au reparara no tliesouro das suas gracas e
en. autos de todo o genero... elle que nao se deleita
senao com conversas licenciosas, con, olbares liberti-
nos e com as conversas de rail iras.
Decididamente es un, graude hometn, duque.
E porque ? *
Porque adiviohaste Justamente, disse T.r=s-,
E coiutudo, confessa, baro, proseguio Richeiieu,
queja era lempo de que o nosso soberano nos nao o-
brigasse a mis nuirns gentis-hoinens, a nos pares e
comnanheiros d'rl-r. i de Franca, a beijar a mao baia e
vil de urna corteza de semelliaute especie i|ue j era
lempo de que elle nos reuuisse sdb a a'.mospliera em
que devenios respirar e que depois de ler cabido da
Lhaleauroux, que era marqueza ; mas iie una maisa di-
que se Tazem duquesas, ale a Pompadour, filha e inu-
llier de um coulralador ; depois da Pompadour al
llubarry. que se chama simplesmeme Joanila, u cata
da Uubariy por al,i nas mos de alguma moca de ani-
lina ou de aiguma maralona de provincia ; he bem hu-
milhante para nos, bario, que temos una corda nn ca-
pacelc. abatxar a cabeca diaule de seiuclhaoles siri-
gauai
Oh isso he me he liter a vrrdade ; murmurou
Taverney, e nao ha duvida que na -orle ha hoje um
grande vacuo, com semelhaoles modos de proceder.
Naotnavendo rainha nao ha damas; uo havendo
damas nao ha cortezaos f el-rei manten, urna loureira
c o povo esla sobre o ihrono, representado por made-
c."cn, Pari"a""a Vaubcr"ler- "'caddra de roupa bran-
t. o caso he que isso he assim, e .
erTauVhUvfL"',1* ^"^ i"te"'l mareehal,
era uu, bello papel se para Mina mullier espirituosa
que lu.iesse reinaren. Franca agorames.no .,l""IUu"
i.,M^!.?e.n0;'i'S''T'"^e'"Py' tuJ coraeo batia, nas
inleluiuenlc u lugar esta tomado
Paca urna mulher, conliuubu o. mareehal, que,
sem ter os vicios dessas prosliluidas, tivesse o ardimeu-
lo, o calculo e as vistas que ellas leem para urna mu-
ll er que augmentara lauto a suafurluoa, que fallariam
"ella, aluda mesmo quaudo a munarchia j uo eaistls-
e. Sabes tu se a la lilha he espirituosa....', barao ?
Mullo, e ten, principalmente multo Juuo.
He bem bonita !
bella con, essa liexlbilidadc voluptuosa que tanto I
agrada aos homens, bella com essa caodura, e com essa I
""' >m:c ^u ;.,.|.Gi ica|>iio mesmo smu-l
Um homein cnsado, brasileiro.de
boa conduela, pela qual d pessoas que a
afiancen), se oFerece para caixeiro de na
de qualquer casa de negocio, ou mesmo
pata algum engenho : na ra de Horlas,
juntoa igreja dos Marlyrios, n. i4 j, pri-
meiro andar.
Oabaizo a-sighado respondo ao annuncio da
Sra. 0. Josepha Francisca Itosa que a sua familia nilo
seduzo a pardinha Cordolina como se emende de
seu annuncio, enem tilo pouco familia alguma lem
que dizer da sua ; pardinha appareceu no dia 9 s
7 horas da noile, pedindo que lho dsse um agasa-
Iho, quo a Sra. D. Rosa a tinha bolailo^iara fra da
sua casa, e se Iho nHo dsse, ira dormir no arco da
Concedi ; foi islo o que se passou, e se dei o aga-
zalho foi por bumanidade e n3o por seduccSo, c no
lia II foi para casa da Sra. D. llosa n dita pardinha.
Julgue agora u publico aquillo que frtr de justica.
Francisco da Silva lloa Vista.
I). Josepha Francisca llosa anuuncia ao respei-
tavel publico que do sua casa sabio Iludida um
pardinha forra dn noii.e Cordulina de 13 annos
punco mais ou menos; consta estar recomida em
casa .le Francisco da Silva lina-Vista : e para que
nfio leve extravio por qualquer pretexto faz u
presente annuncio
~ O abaixo assignado', morador na ladeira da Mi-
sericordia em Olinda faz scienle que Ihe desap-
pareccti, no dia 10 do enrenle, pelas 7 horas da noi-
le, um relogiocylindro, com passador deouro, bs*
lanle^rosso: quem dulle tiver noticia ou o rswti-
tuir lera em recompensa 40.000 r.
Pedro de Aruujo Argolle Ferrdo.
--Sabbado, 7 do Curenle, appareceu no quintal
da casa da ra Din-ita n. 18, urna arara : quem fr
seu dono, dando os siguacs, Ihe ser entregue.
"''I'".....H' preciso ter milito cuidado com semelhan-
te iliesouro, ineii querido amigo
Esls-me ah a Callar della con, lano ardor.....
Eui! he porque Wtou apaixonado, eslou loura, e
epoza-la-hia amaoha a nao ler os meus tlenla e qua-
tro annos ; mas estar ella tem c.npregada onde est?
jen, ella ao menos esse luxo que couvm a urna, lo bel-
la flor ?..,. Repara noque le digo, baro, esta n..ite en-
imu ella soziuha para o seu aposento, sem criadas, iem
ba iedor. com uu, laeaio do delphim que levava unta lan-
lerna dame della : cheira Isto un, pouco a Cousa de
cilado.
Que queres tu, duque, bem sabes que nao ou
rico.
Rico ou nao, meu charo, he preciso pelo menos
Una aia para tua lilha.
Taverney suspiro,,.
Bem sei, disse elle, que mlnha lilha tem necessl-
dade de urna criada, ou ames que teria neccssldsde.
Pois que! nao tens tu una ?
O b9rao uo responden.
Que linda rapariga he aquella, prosegua Riche-
iieu, que ha pouco eslava alii, Iluda e delicada na ver-
dade
Siin, mas.....
" Mas o que, baro?
He ella justamente quem eu nfio poiso mandar pa-
ra o Trianoo. '
Entao porque .' ella pelo conlrrio me parece Mi-
rle pcrleitaueiilc ao emprego ; ser urna criajlioha do
trinque.
Kntao anula lite nao olhasle para o rosto, duque ?
~ o" *i,"'a "* f'zoutra cuusa.
Olhaste-lhe para o rosto e nao notaste a sua eatre-
ma semelliauca ? "Y
Com quem ?
Com. ... vi l!.,.. Anda cMcona.
Mirollna approxiiuou-se: estava ella porta, fazen-
do mil trrgritiis, como urna boueca de eneoucos, e li-
aba ouvidu ludo.
(Conlmtiar-fe-na.)
MUTIL


Lotera do thealro publico
dosta eidarie.
lloje teem de correr as rodas desta lo-
teria no lugar dj cosame : o resto dos
bilhetes sse vencer al a hora do an-
damento rias mesnns rodas, na botica do
Sr. Moreira Marques.
_ 0 Sr. Antonio Phyladelpho da lloclla qneira
comparecer administracSo do correio, a(im de re-
rehcr urna carta. ,,.:
Precisa-sede um caixeiro para venda, de 10 a 12
a unos, que d liador a sua conducta : no Alterrorda-
B1!. llnc-so no Sr. Jos Coz do Paula o obsequio do
anuunciar sua casa, para se lhe Tallar a negocio de
"". Aluita-se n casa da ra da Treinpe n. 13 : trata-
se na ra larga do osario, n. 14, pnmeiro andar.
Aluga-se ummolequcde 18 annos.de boa cou-
ducta na praQa da Independencia, n. 3.
0 abaixo assignado roga ao Sr. JoJo da Silva
Brasa que queira ter a bonde de declarar por este
Diario.so, durante otempoque o mesmo abaixo as-
sianado esteve em sua casa, leve alguma cousa que
di/.er a respeilo de sua conducta : isto pede aim de
evitar qualquer juizo nio que contra o abaixo as-
signado se possa fazcr. .
Antonio Jote lermra Gumariei.
Sflo convidados lodos os Srs. terceiros profes-
Sos da veneravel ordem carmelitana para compare-
cern no consistorio da mosma ordem no da sab-
bado, 14 do correnle oultultro s 10 horas da ma-
nhilx. a assistirem a mesa geral, que nesse dia tem
ile decidir negocios" de summa importancia,em cum-
prinienlo dos respectivos rslalulos, como mandn o
Ijiii. Sr. bisgo diocesano. O Sr. I)r juiz do civel da
segunda vara provedor de capellas, comparecer
igualmente para lomar couhecimento de certos
actos.
reue-se
ao mni digno juiz que tem de presidir exiracQ.no
da loleriado llieatro, que tem de correr boje, faQa
runiprir o regulamento de mandar meclier as sedo-
sas na urna, no correr da extracQSo, alim de evitar
de sabir s os nmeros que eslSo por cima.
l'mqut des/ja tirar premio.
Quem precisar de nina ama para casa do pou-
ca ramilla a qual faz todo o servico do porlas a
dentro dirija-se a ra do Noguia n. 15.
Precisa-se de uin foreiro ; na ra Direita, pa-
daria n 82.
Precisa-se alugar urna canoa de carreira que
leve seis pessoas : na ra da Cadeia-Velha n. 56.
Aluga-se o armazem n. 42, da ra Nova : a Ira-
lar por cima do mesmo ou na mesma ra Nova,
n 24.
-- Aluga-se urna casa corn terreno no lugar da
Torre, prxima ao rio, bem sufllcieiite para qual-
quer familia passar a f*sla por proQO muilo com-
modo :.na rua do Cotovello, n. 31.
Ha 10 ilias que se ausenlou um pardinho de 9
anuos, de nome Andr, claro o cabello louro ; vio-
se passar em um coniboi, para o matto : quem o
encontrar o podar levara rua da Aurora u. 4, on-
de ser recompensado de seu trabalho.
-Um meio bilhete da secun.la lerceira parte de
18." lotera do thealro, n. 484, em poder de Antonio
deSouzaMoreira, portence a Snra. D. Hita Innocen-
cia de Ai'hujo Moren n, de Goianinba.
0 coebeiroda roa do (lao, Pedro Corre ia de
Amoriin rctira-se para o Ass.; e por meio deste
tlespede-se lo seus Ireguezes, scienlilicando-osque
deiilrnein pouco lempo regressar.
Ouem achou um relogio sahoneto, com caixa
dcouro c uina peqiioua" corrente quereudo res-
tituir, leve-o ao paleo do Carino, n. II, segundo
andar; pois se suppOo ler cnido da algibeira, se-
guindo o palco do Carmo, ruaseslreita e larga do
Rozario praQa da Independencia', Crespo, enes da
Alfandega al a porta da mesnia.
--Quem precisar de um homein para ensillar pri-
mriras letlras ou pina caixeiro de armazem ou de
entiendo, ou para destilador de ago'nnleiite, ou mes-
mo para administrador de otaria ou sitio, dirija se ao
Furtn-do-Maltos, rua do tmorim n. 32.
Aiauju & Pruna compraran) por conla do Sr.
Domingos lloilrigui'S da Cusa lia ciliado da l'ara-
lnha, mu iik-o bilhele da segunda teiQa parle da
17.' lotera a favor das obras do thealro publico ,
n.1031.
Jos F. d Lima dono da reflnacJIo de assucar,
vsiia na rua Direita, n. 22, vendo um annimcio nesle
Diario. ( ile hoiitein J em qno pedia um caixeiro dos
cliegados ullimamenle do Porto declara que tal an-
nuncio nilo mandn publicar, massim alguma pes-
soa, qu<-nflo estando nincoi de como annuncianle ,
recorren a imprensn para por este meio u intrigar.
- Constando a Antonio Rodrigues de Almeiua que
se quer vender una casa de sobrado de dous anda-
res no laigo da Roa-Vista pertenecido a Siira. D.
Mara de Pinho Rorges declara que ha nella uina
liypothecH : e para que niuguem compre engaado,
faz o prsenle annuneio.
AOS ILLUSTRISSIMOS ACADI MICOS.
0 resumo da historia do Brasil com o mappa dos
barbareis formados, cometa de boje em dianta a
8" distribuido em Oiinda pelos Srs. acadmicos, em
allenQfio asna bieve retirada. Apezar de fallarein os
ndices, eoj Im|ri'ess3 tor mg espera a salisfaQno do importo do assig-
ualuranoaclo da entrega visto que, na necasiito
de sabir a ultima folha do prclo tem de pagara ly-
pographa o restante da impressilo cuja despe/.a
muito excedeu ao sen calculo. A distribuicao dos n-
dices se fara dentio de ponaos dias.
-Jos Mooteiro Pereira relira-se para fr do im-
perio.
-- Precisa-se alugar urna cscrava que saiba bem
cozinhare fazer lodo o mais serviQo de urna casa
de punca familia : na ras do Queimado, n. 4.
Precisa-se de um caixeiro do 12 a 14 anuos, das-
tes chcgailos lia pouco do Porto : na rua da Floren-
tina, n, 30.
Quem achou um relogio, sahoneto de ouro,
quereudo restituir love-o ao pateo do Carino n. II.
segundo mular pois se SUppOu ler cabido da algi-
"eira.seguindo do paleo do Carino para alfandega.
Aluga-ae nina casa terrea no silio ilo Cordeiro,
r a margoin do rio Capibaribe com sufilcicnles com-
iiiudus para familia eslriharin ; cozuba lora etc. :
os pretendeiiles dirijam-sc ao pateo-do Carino, n.
17, a tratar.coui Gabriel Antonio.
Cincimto Ylavignier, retratista, faz
constar ao resiipiavi'l nzblico aue recebeu ullima-
menle da Franca um cmplelo sorlimento de linis-
simas tintas para retractos, ptimos marfins, papel
db desenlio, etc., etc.: as penosa que se quizerem
retratar.nno s ficarf possuindoum verdadelro cx-
emidarde sua physlonomia,como tambem apreciaran
as bellas tintas. A grande concurrencia que o artista
tem lido, pronietle cada vez no desempenbo de sua
protissflo deixnr satisfeitissimo os seus retratados.
ila travessa do Carmo, n. 1, segundo andar.
Aluga-se urna rasa terrea grande com muitos
bons commodos com quintal murado e cacimba de
boa agoa sita na rua do Mundego n. 27 ; tambem
se alugam tres casas terreas ns. 25, 29 e 31 sitas na
rus Real, prxima ao Manguinho, as quaes teem
bstanlese bons commodos, quintaes murados e
cacimbas com porto para embarque e desembar-
que no fundo dos quintaes, o una dellas tem um pe-
queo sitio e viveiro de peixe : a tratar com seu
proprretario, Manuel Pereira Teixeira morador
prximo aquello lugar.
-- Na rua do l.ivramento loja n. 11 precisarse de'
nfllciaes de sapateiro que facam'calQado para se-
iibnr.i bem fcitO a iuntarn de calca.lo IV.ince/. :
paga-se bem o seu trabalho. Na mosina loja com-
pram-se diarios velbus para embr.ulho,a 120 rs. a
libra.
Furiaram, na noite do dia 8 do corrente.pelas se-
te horas, do sitio nm que mora Raymunilo de Arau-
jo Lima, no Arraial, um cavallo ruQO rodado, como
ollio direilo vasado, bom carregador : roga-se s au-
toridades pnliriaes, ou a quem liver noticia onde
exislu o sobredilo cavallo,que se dirija ao mesmo si-
tio, ou no Recifc, na rua do Crespo, n. 4, loja da es-
quina que volts para a cadeia, que ser-recompen-
sado.
O Sr. Joaqun) Theodoro Alves queira mandar
pagara quantia de 3f>, 380 rs que deve desde 1642,
bom comoos Srs. Jo3o de AllemSo Sisneiro da C-
mara 19,000 rs. de 1843 ; Francisco Soares da Sil-
va morador no Cabo, 12,000 rs., de 1843; Jos Tbo-
maz da Silva, 22,920 rs., de 1843; Augusto Carlos de
Lemos Pacheco, 46,340 rs. de 1843; Manuel Joa-
qun) Ribeiro da Silva 38,250 rs., de 1845; Ma-
nuel Joaquim Antunes, morador na Varzea 6,900
rs., da 18*3; ss rus Nova n. 18 lnj de Ifaiale.
0 abaixo assignado, ja desesperado com os seus
(redores, por nSo poder andar sempre em dia por
culpa destes Srs e uniros que desla mesma forma
obram porisso he que langa in.To deste meio pa-
ra muitos desagradavel ; porm as pessoas corda-
tas lhe l'aro jiistiQii, a vista dos anuos em que est
no desembolcode uiuilas quaptias que lazem mui-
tos conios de ruis, pelo queira continuando.
M. A. Ciij.
Silva & Antunes remettem para o Rio-Crande-
do-Sul o escravo Sabino, de nac3o Cabund, a en-
tregar a Bezerra & Marques.
Urna pessa com pratica de escripia
commercial, e bonita leltra, prop5e-se a
escrever as horas vagas, nos domingos
e dias sanios, comlimpeza, mediante m-
dico estipendio : quem precisar, annuncie.
O arrematante do imposto de 20 por canto so-
bre o consumo das agons ardcnlcs de produCQlo brn-
sileira avisa aos senhores que anda nilo pagaran)
dito coiisummo, venham faz-lo nos dias 10, 11, 12,
13,14 e 15 do corrente, na rua Direita,, n. 80, (indos
os quaes se proceder na forma da le contra os que
dcixarein de pagar.
Arrenda-se um sitio na Varzea
margemdorio Capibaribe, com excedentes com-
modos parase passar a festa casa grande e mobi-
liada cocheira, estribara, baixa para capim e mui-
tas arvores de fructo :-no fundo do sitio corre o Ca-
pibaribe : a tratar n pateo do Carmo, n. 9, segun-
\
L
LADO
do andar.
Para
l^ncio-
as pessoas que
na ni seguir vi age m
Na rua do RangPl n. 9 conlinuam-se a tirar pas-
saportes para dentro e fura do imperio despachan)-
se escravos, e correm-se folbas, ludo com hrevidade
e preQo muilo e muilo commodn, como se tem dado
exuberante prova no decurso de 8 anuos.
Jofio Gregorio dos Santos esta Ululado despa-
chante na mesa do consulado gem por ter-se ha-
bilitado na confiu'inidaila do n-gulameiito da (Illa
repartic.no: por isso se oflerece aos Srs. negocian-
tes que se quizerem ulilisar do seus scrviQos, o acha-
i .i sempre prompt na dita lepsrlfQiio lodos os dias
uleis.
Casa de ni das franeezas.
M. A. MILLU(I1\U.
iterro-da'Iloa-VMa n. I
cooi a entrada pelttoito.
Pelo navio Kelie-Mathilde acaba-so de receber
um lindo sorlimento de chapeos da ultima moda
para senhora com sejam : chapeos de palha uber-
ta muito ricos ; ditos declina ; ditos lisos da Ita-
lia, ou nglezes chapeos da palha aborta, para mo-
cinhas ; um grande escolhimenlo de filas de setim e
seda tanto para toucas de meninas como para ves-
tidos e chapeos de senhora ; manteleles-palits para
senhora moda nova o muito elegante ; bicos bran-
cos e prctos verdaderos ; Irancas de seda de todas
as cores para enfeilar vestidos; ricos lencinbos de
gurga da bcQes bordados; plumas ricas; camisi-
nbas bordadas ; enfeites de calx-ca para saraos e
bailes; punbos bordados ; capellas e ramos de llo-
res de laianjas para noivas ; um grande sorlimen-
to de flores do lodosas qualidades-; luvas para se-
nhora e meninas; eambraia de linho etc. As se-
nhoras achar.lo sempre um lindo sortimeulo de cha-
peos de seda efanlesia de verdadeira moda de to-
das as crtres e por prego muito em conta :-ito Ater-
ro-da-Roa-Vista, n. I, por cima da loja fechada.
Rog.i-seao &r. tlieourciro da lotcria do thealro
publico que nao pague, caso ala premiado, o nielo bi-
lhete numero 148, da mesma lotera que corre a 13 do
correte, senao a seu proprio dono, o preto Thomaz,
que he escravo do Sr. Jos Alves Maniede Kerrrira.
Juflo Pereira Lopes Munir. faz scienlo aos seus
credores que, tendo-os convidado parase reunj-
rein na sua cuw de negocio para tomarem conta dol-
a o nSoquizerainfaZor : por isso novamenlo os
convida por meio desta annuneio, para, no pra/.o
le dous dias, tomarem conla lindos os quaes leco-
lhcra chave ao deposito geraI nflo se responsa-
bilisando maistor cousa alguma que possa acn-
tt*c<*r
Catharina Mura da ConoeiQo f8z saber ao pu-
blico queiiniguem faca negocio algum com seu ma-
rido, Joilo Pedro da Rocha, sem que ella nao seja
sabedora: do contirio, quem lizer perder, que
I ella por nada se obriza.
"Joffo Rittnr retira-so para fra do imperio.
Jos Moitinho da Silva., Portuguez retir-a
P*rs o Rio Grande-do-Sul, no navio mais prximo
aahir
Alug"-se urna escrav para o trafico do urna
Pasa : quem a pretender dirii-se a rua da Praia-de-
S.-Rita sobrado n. 43.
Pelo juizo municipal da 2.' vaa, e com exerci-
cio na do civel, anda em nraQa publica, e em 3 pra-
Qas, para ser arrematada por ven la, urna proprieda-
d de trras denominada Fagundes, entre os euxo-
nhos Cuerra e Bom-Jesus, na freguezia do Cabo,
avahada toda a propredade em 7:000/000, e neate
valor a parte que ha de sor arrematada he 5:169/290,
cuja arrematagao he para cumprimento de disposi-
QOes testamentarias O escriptoest em m9o do por-
teiro Serra-Grando, a quem se pdenlo dirigiros
pretndanles.
--Caetano Pereira Vianna, tendo de inventariar
os beus que Ibo Picaram por fallocimenlo de sua mu-
Iher, Josepha Joaquina de Santa-Anna, visa a todos
os credores do snu casal, para qttose apfesentom no
ca lucio do escrivilo dos orplulos com suas conlas
para seren en) lempo acreditadas, e uo solTrcrom
prejuizo algum : o inventario comcQa hoje(!3|.
HOJE, 13 do corrente peran-
te o Sr. l)r juiz do civel da primeira va-
ra, na sala das audiencias, 4opois desta, se ha de ar-
rematar infallivolmenle.porser a ultima praQa,o en-
golillo Goabeira, moenleecorrente, com safra cria-
da, um dos melhoros que existe, por ser muilo por-
to da praQa e de boa produc'Qflo : assim como varios
animaos vaceum 0 cavallar euma casa na povoaQao
o Santo-A maro-Ja boa tilo, onde he o mosmo enge-
nho situado, o qual so arremata para cuin|>riinonlo
le dispnsiQOes testamentaras: quem.a pretender
cu ni paree., i: o que ludo melbor consta do escriploem
odr do porteiro Serra Grande.
vj? Precisa-se de urna ama de leite, <
a; que o icn'na com anudancia, e :s
35 seja/elosa : na rua Nova, loja n. i3.
Aluga-se o bem conhecido sitio na estrada do
Cordeiro, de Nuno Maria deSeixas, s proprio para
algum negociante eslrangeiro ou oulra possoa que
lenba trataincnto : na rua do Amorlin, n. 15
Alugam-sr douf sitios com muito boas aconnnoda-
(de> mu na caiupinba da Casa-Forte e outro na rua
da dita povoaco,, com coebeiras e cavallariccs ; assim
como varias casas, de pri'909 commodos para se pas-
sar a Testa : a tratar na rua do Amoriiu, o. 15
Compras.
Compram-se escravos que sejam oflicias de car-
pina, de 18 a 25 annos o de boas figuras ; pagam-se
bem sendo de bons coslumes o peritos no seu offi-
eiu pois sao para una eiicommenda do Itio-de-Ja-
neiro : na rua do Amorim, 11. 35, a fallar com J. J.
Tasso Jnior
~ Compra-seum missal anda que esteja bastan-
te usado com tanto que estoja completo 1 na rua
Nova n. 14, segundo andar, ou ununcie.
Compra-se pevide de melancia : na rua Direita,
n. 58.
Compra-se um sobrado de um andar ou casa
terrea, preferc-se no bairro de Santo-Antonio e em
boa rua : na rua de Hurtas, 11.112, se dir quom
compra
Compra-se urna sella de casco iniilez com lo-
dos os pertences em bom uso: as Cinco-Pontas,
n "i, ou annuneio.
I ondas.
Vende-so urna porQ.fo de taboado de amarello,
sendo costadinho e assoalho, e tambein 12 taboas de
louro, tildo de boa qualidade: na rua da Praia, 11 35,
e para tratar, as Cinco-Puntas, n. 32.
Venifom-se reos cortos de cos m re pelo dimi-
nuto preQo de 3.800 rs. cada um : na rua do Quei-
mado Joja de miude/as, n. 24.
Vende-scuma parda mi(a que lava bom, tanto
do sabfln como de varrella, faz renda e cose clnlo : na
rua da Cadeia do Recife, casa n. 53, segundo andar.
> o AtciTO^da-Boa-Visla de-
fronte da ealuiiga
bao chegado muito bons inarroqiiins.courode lustro
o bezerros franeezas : ludo de superior qualidade c
por preQo commodo. .
Vende-se um mulalinho de 15 annos de idade,
muilo propiio para pagem, e por preco commodo :
na rua da Cadeia doltocife, n 14.
Vendem-se 5 molecotes muito lindos; 4 negri-
nlas de nacilo, do 16 anuos; 6 escravas mofas ; 2
pardas de 16 a 28 annos, que cosem e engommum
bem marcam ecozinham : na rua Direita, n. 3.
Vendom-se, na rua do Crespo, 11. II, os srguin-
tes lvros : 2 Atlas de Simencoiirt novos com 47
cartas, por 9,000 rs cada um ; Jesus-Ghristo pe ren-
te o seculo IraduCQao do Collago, novo por 4,000
rs. ; grammatcadeSeveno, nova, por 5,000 rs. e
usada, por3,50Ors. ; Magoum Lexicn cncadernado,
novo, por 5,500 rs. ; Virgilio ; Horacio ; Saliislio ;
Selecta ; Fbulas; Historia sagrada de Rernar.lino,
por 4,000 rs ; o varas obras de direito : ludo muito
barato,
Vendo-se urna casa anda nova margem do
rio, 110 PoQO-da-Panella com duas boas salas, 4
qliartos cozinha fra um bello qninlal cercado de
iinio e muito bem plantado de larangeiras de em-
bigo mangueiras sapotizeiros e varias outras fru-
teiras.com porlo na frente e outro no fundo e
teui a froille para a igreja : a tratar na rua da Trom-
pe 110 sitio da casa crde chumbo.
Vende-se, por preciso, umaprcta de 1* a lean-
nos que cozinha, cnsaboa c faz q mais aranjo de
urna casa ; sem vicios nem achaques 1 na rus das La-
rangeiras luja 11. 5 so dir quom vende.
Vonde-se urna pret de 18 a 20 annos de muito
bonita visla, que cozinba o diario de urna casa, la-
va ehe propna para vender na rua por ler um pe-
qu'ino deeito em um olho e por isso se vende ba-
rato : na rua do Queimado, loja n 10.
Vendem-se meias dealgodao feitas no Porto ,
sardiubas escuchadas muilo novas, em barricas e a
retalho, cera de Lisboa muito pura, e arroz do cas-
ca, ludo por preco commodo: na rua da Praia, n.
37.
Vendfm-se toninas de liuho Je
uiroerSfS de 8e 2 1 2 varas ; um resto de panno
de linho muito nno ; um jogo de piflollaa de oua
canos, de algibeira >ua milito boa : todo lor I -
cncomiaclo: na rua do yneimndo. loja de miu-
dezas, n. 25.
Novotrem de cinha.
Ha chegado a rua Nova, loja do ferra-.u-ns de Jo<-
LAIl Pereira, pancllas, caQiirolas e chaln as de Torro
forradas de loura: os Srs. que tem felu inoommer,-
das apparecam com lempo.
Folhinhas do Kio-de-.laneiro
para n a nno de I84tf,
ornadas de linissmos retratos da Emilia imperial, c
contando alm de um interessantissimo tratado
prophotion sobre a espantosa povoacilodo globo no
anno do 2445 a ebroniea nacional de 181711 a
chronologia do 1791 a 1800 ; o exactissinio kalenda-
ro com lodos os eus pertences ; 'lias de gala au-
diencias, taboas do sol o da lua sonadores o deptua-
doscoraese provinciaes, partidas do correio cor-
po diplomtico e consular, genealoga fla augus-
lissima casa imperial c dos principaes soberanos ,
etc.
Ttulosdaidifertnle folhinhas que 'o'as concern no
principio ai materias cima isprcifiaxlas a saber :
1. Folhinha do Nigromante contando ama linda
colleccAo do sones para intrelonmenlo das nuiles
de S. Antonio, S. Joyo, 81 Pedro o S. Auna-
2. Folbinha de medicina domestica com tratados
sbreos vermes Intostinaes, solitaria, bixosdos pos ,
dracunculo, cobras ehydrophobia.
3. Folbinha Ihcalral, contendo o Falso religioso .
drama, e o Dr. Sovina enlremez proprtos para re-
reiirosenlacao em Iheatrinbns.
'4. Folbinha de pilhcrias, contendo urna reun ao
da pilhcrias, ratiees e anecilas capazos do tazercm
soltar barrigudas da riso aos mais serios.
5. Folbinha de prendas contendo o passalcmpo
alegre e.familiar, e os mais lindos jugos de prendas,
ir.) veriimento das ron|pti!>*.
6. Folbinha joco-seria dos poetas, contendo as es-
pantosas accoesde Ant.lo Rroega, Tamoso narigudo,
e multas outras lindas prodceles da Musa.
7 Folbinha dejogos contando as luis e rogr.is do
voltarete do viole e um da lonliua, do emprosli-
nio, da comadre, do commercio e do coco.
8. Folbinha biogiaphica de .Napoleo, contendo
um brilbanle resumo popular da historia du grande
Napoleao. Ornada com lindas vinhelas.
9. Folhinhas de Cupido couteudo a nova e go-
niiinii lingnagem e diccionario das ores, rructos,
borvas. ruizes etc. era verso rimado.
10. Folhinha nacional hrasileua, com um ndice
da historia doRrasl. ,..,
11. Folbinha lusitana contendo um bosquejo Del
da historia de Portugal. .,.-. ,i
12. Folhinha histrica, com vida c o retrato Oo
imperador D. Pedro I.
13. Folhinha das damas, adornada com cinco no-
vellasualantissimas.
14. Folhinha dos nrlistas.com sogredos conceruen-
tesus arles, ollicios, etc. ....
15. Folbinha do sabio, com mximas flobXtN.br,
muiuuez de Marica.
16. Folbinha da historia nacional, com noQes dos
tros reinos e 20 eslampas.
17. Folhinha de sadc, com um tratado sobre ona-
nismo seguido de artigos sobre as quedas, feridas,
esfoladuras arranliadurus o conlusOcs.
18. Folhinha das flores, com o diccionario da sig-
nieaco (las flores, etc.
19. Folhinha de justiQa, com a reforma do cdigo
e o regulamento.
20. Folbinha constitucional, com a constituigo e
le de suas reformas.
Vende-se na loja de livros de Jo5o da Costa Dou-
rado no pateo do Collegio, 11. 6.
Vende-se tiui escravo Africano, mo-
co, sem vicio algum c sadio : quem o pre-
tender diiija-sc rua larga do osario,
botica n. '12, em cojo lugar se dir quem
o vende.
Vende-se una casa terrea na rua do Jasmun,
n 1 no lugar dos Coolbos, em ch3os propnos o ,
edificada ha pouco lempo, por preQo cnmn.odo : na
rua do Collegio, h. 16, segundo andar, se dir quem
Na padara da rua do Rosario estreita, n. 13,
vende-so bolacha a 3,520 rs a arroba, e tambem se
ratera cncommondas para uianlimcnto dos navios es-
trangeiros: quem precisar dirija-so a mesmo pada-
ra, a fazer as encommoudas que precisar.
Un novo sorlimento de
ri>eado ministro.
Vendom-so na loja do Cumarcs & C, que faz
esquina para a rua do Collegio-, n. 5, novos risca-
dos monslrus de padrdes modernos o lindos, pelo
mesmo preCO do 320 rs. o Covado.
--'Vende-se um silio com boa casa e por preco
commodo, na estrada da Agoa-Fria : na rua Nova,
n. 46.
SSo cliegados os mus ricos cortes de tramoa do
seda, recenlemento vindos deFranQa, os quaes -
valisaincm qualidade aos de eambraia eseda: o seu
diminuto preco he de 6,000 rs.cada corle: vnde-
se nicamente na rila do Queimado, loja n. 17.
Vende se um lindo moleque de i3
a 14 anuos, pouco mais ou menos, sem
vicios, nem achaques, e proprio de lodo o
servico, e para pagem : M rus do Crespo,
loja n. 2 \, se dii quem vende.
Vende-se uina prela moQa do bonita (gura ,
por preco commodo: na rua do Crespo, n. 15.
Vende-se urna escrava do 18 anuos, de bonita
figura que cozinba o diario de urna cusa, engom-
ma, cose ensabon e be muito diligente osada : na
rua da Cadeia do Recife, 11. 53, lercciro andar.
Vcdem-se terrenos productivos, em porQilo
maior ou menor e por baixo prego : na estrada quft
vai da Soledade para Oiinda, sobrado do primeiro
sitio depois do passar a igreja de Belm, ao lado es-
querdo nos dias uleis al s 8 horas da inaiihia e
das 5 at s 6 da tarde e nos domingos o dias san-
tos a toda hora do dia.
Vendem-se luvas de pellica branca, para iio-
mem e senhora a 1,000 rs., e de cores, a 500 rs. :
na praQa da Independencia, 11. 39.
Vendem-se una ttulos da divida da thesoura-
ria geral : na rua da Cruz a fallar com o caixeiro
do armazem n. 16.


m
p^
_________i ...
A
m
*


Vende-se cal virgem de Lisboa,
cbegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do que em outra qual-
quer parte : na ra do Trapiche, arma-
zem n I7.
Vendem-se dous pianos fortes de Jacaranda ,
chcgadog ullimamente, que, alm de seren um
magnifico ornato de urna sala, teem excellentes
vozes sondo o mechanismo da muita approvada no-
va iuvencSo chamada n-pitidor patente de Col-
lard: em casa de J. Keller & Companhia na ra da
Cruz, n. 55.
, Vendem-se acedes da ex-
ttncta companhia de Fernambuco
e Parahiba: no escriptorio de O-
liveira Irmlos & C, rua da Cruz,
n. 9.
Vendem-ie barris pequeos coin cal virgem de Vit-
bai, a maii nova que ha no mercado. por preco com-
modo : na rua da Moda armazem n. 17.
Vendem-se queijos londrinos os mais fresesae
que ha no mercado ; latas com bolachinhas de ara-
ruta ; ditas com horvilhas ; ditas com sardinhas :
na rua da Cruz, no Recite n. 46.
Vende-se urna cama de armario com lona.qua-
si nova por preco commodo : no Aterro-da-Boa-
Vista, n. 48.
Vende-se na venda de Benlo Joflo Cardozo, n
i ua Direita n 95, superior ral de Lisboa em barris
de 4 a 5 arrobas, ehegada prximamente por mais
commodo preco do queem outra qualquer parte.
Vemle-se urna casa no lugar da ({runga, per I o
dorio de pedraecal, nimia nova toJa envidraca-
da : vende-se por menos de seu valor recebendo-se
melado a nata : no pateo da S.-Cruz ao p da bo-
tica n. 8.
Vendem-se, na rua do A mor m, venda de Anto-
nio Joflo Fernandes de Carvalho as maiores eslei-
rs vindasdo Aracaly por preco commodo ; ca-
xas de cao tamhem do Aracaly imitando tartaru-
ga, obra milito bem feita a 1,000 rs. cada urna.
Vende-se cera de carnauba, mu lo boa, por
preco commodo : no Aterro-da-Boa-Visla fabrica de
licores, n. 17.
Vende-se vinho verde, milito lio me sem con-
eicJo Iguma a 200 rs. a garrafa ; vinegre branco
de Lisboa muito forte : no paleo do Carino, venda
n. 1.
Vende-se a loja da ruado Crespo, n. 5 A, com
os fundos existentes : a tratar na niesma loja.
Vende-se um escravo de 18 anuos, de muito
boa conduela o que he ptimo para qualquer ser-
vico : na rua Direita, n. 16, sobrado que faz esquina
para S.-I'edr.
Na lojan. :> A da rua do Crespo,
ao p do orco de Santo-A ntonio,Vendem-
se mantas de laa e seda, muito bonitas,
para meninas, pelo barato preco de
i.ooo rs ; assim como cortes de chita es-
cura, com io covados, a 1,600 rs ; cassas
de cores, de qualro palmos de largura, a
>.'jo rs o covado.
Potassa.
Desembarcou lia poucos dias urna por-
cao de barris pequeos, com muito nova
e superior potassa, e se acham venda,
por preco mais barato do que ltima-
mente se venda, na rua da Cadeia- Velha,
armazem de Bailar & Oliveira, n. 12.
Vendem-se chapos de castor branco a
.JS^M00 rs. : na rua do Queimado, n. 22.
Vende-se cal virgem de Lisboa em barris de 4
arrobas ehegada pelo ultimo navio, por preco coinnio-
uo : a tratar com Almeida & Fonaeca, na rua do Apollo
A 1 sooo rs. ,
ancoretas com azeitonas superiores : ven-
dem se no caes da Alfandega, armazem
n 7, de Francisco Dias Ferreira.
do: a parte que se negocia excede a um terco, e
vende-se a prazo ou com permutas : sendo dinhei-
ro a vista melhor ser paraquem comprar: na rua
do Caldeireiro, n. 69.
Vende-se caivetes de cabo de ma-
dre-perola, de tuna folha at quatro ; di-
tos de punhal; tesouras para unhas, fi-
nas ; ditas de costura ; ditas com caive-
tes ; colheres de metal do principe, para
cha ; saca-rolhas de patente ; estojosde na-
va I has ; aladores, com sua competente
pedra; dos niel lio tes que teem apparecido :
na loja de quatro portas da rua do Cabug,
do Duarle.
Vendem-se chapeos de palha da
Italia, para homem, a6,ooors., e de se-
n hora a 1,380 e /|,oon rs.: na rua do Cabu-
g, n. 1 C, loja dequatro portas, do Duarle.
Vende-se urna porcao de rotim : em
risa de Russell Mellors& C. na rua do
Vigario, n. a3.
Vende-se dm piano-forte, oriion-
tal, novo ; c estanho em verguinhas : na
rua do Vigario, n. a3, casa de Russell
Mellon & C.

tanto
aos
Potassa nova e superior.

eg
m
I



41
Casimiras elsticas.
Vendem-se superiores cortes de inela casimiras els-
ticas de pura laa, pelo barato preco (le 2000 e 3 o corte de calca: na nova loja da. estrella, da rua do
Collegio, n. I.
CHAVPANH
daverdadeira marca COMETA,urna factura nova: ven-
de-se na rua da Cruz, no Becife, n. 17.
Vende-se uina casa terrea muito grande, sita na
rua da Mangueira. na Boa-Vista, n. 11. com grandes com-
modos, quintal mullo grande e muilos arvorrdos de fruc-
tos, por preco o mais rasoavel possivel: Uata-se na rua
do Aragao, n. 27.
A Igodo monstro de 8 palmos
e meio de largura.
Na loja n. 5, que faz esquina para a rua do Colle-
gio de Gui'iiar.1es& Companhia vende-se a nova
fazenda de algodSo branco muito proprio para loa-
Ihas pelo barato preco de 640 rs. Da-se amostra.
Vende-se muito superior biscuuto francez de
Rheims : na ruada Cadea-Velha, n. 29.
CHA' HYSSON,
de ptima qualidade a 2/240 rs. a libra : na rua da
Crut, no Recife armazem n. 13.
FAREL
a ,'isooo rs. a sacca
nos armaien ns. 1 e 3 do caes da Alfandega, e no de n.
35 da ruado Ainorim, de 1. J. Xasso Jnior,
. ,~ RIscados monstros.
Vendem-se superiores riscados monstros, beui co-
nhecidos tanto pela qualidade como pela largura em
demasa, pelo barato preco de 280 rs. o covado Ests
riscados sao chegados ltimamente : as corea sao flias,
e os padroes multo modernos e de bom gosto : na nova
loja da Estrella da rua do Collegio, n. 1.
Vcnde-sea a5o rs. cada libra,na
^ rua do Apollo, armazem n. 18, ou
r na rua da Cadeia, n. 4o-
wL
-Vendem-se luvas de pellica para
senhora, enfeitadas, a.Hoo rs. ; ditas
para homem, de diversas cores, de pon-
fo ingles, a 1,000 rs. ; ditas dealgodao a
5oo rs.; ditas de seda a Sor rs.; ditas pa-
ra senhora a 1,280 rs. ; lencos de grva-
la, de seda, de 1,000 rs. a 1,600 rs. ; ga
loes entre-finos de diversas larguras
espiguilhas, aloes falsos, e volaDtes. por
precos commodos ; bicos do Porto, de di-
versas larguras, de 80 a 160 rs. a vara ;
ditos francezes, de bonitos padroes; fitas
de seda, n 9012; flotes francezas ; len-
cos de garca a 1,000 rs : na loja deqmtro
portas da rua do Cabug, n- 1 C, do
Duarte.
PRELO,
l 4,500 rs. a barrica no armazem n. 20, de Joaquim
da silva Lopes, confronte a guarda da alfandega.
Vendem-se c.iixas de vidro, mni
bem enfeilads, pira guardar jnias, poi
preco commodo: na loja dequatro portas
da rua do Cabug, n. 1 C, do Duarte.
Tijolosde inarmore.
Vendem-se lijlos de marmore, brancos e azues ,
de 10 pollegadas quadradas por preco commodo :
na rua da Cruz, n. 18, primeiro andar.
Vendem-se saccas com farelo pelo barato pre-
co de 2,400 rs.: na rua da Senzalla-Velha n. 138.
qusdsdc, dasfa-
na rua da Moda,
Agencia da undicn
Low-Moor, rua da teeifzaila-
nova, 11. 42.
Neste estabelecimento contina a ha-
ver um completo sortimento de moendas
e mcias moendas, para engenho ; ma-
chinas de vapor,e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tmannos, para dito.
Vende-se urna ptima casa moderna no largo
do Manguinho, toda envidracada, com Salcovas,
2grandes salas, cozinlia fra, cacimba toda mu-
rada com dous porlAea sendo um de cocheira e
porto de embarque e desembarque, por preco com-
modo : na rua do Aragao, n, 9.
Vende-se um bonito sortimento de
bol oes de seda, para casaca ; dilos pura
vestidos de meninos ; ditos amarellos, de
Pedro II; ditos paro militares, de ca-
vallaria e infantera, ditos para libres de
pagel, brancos e amarillos, de bons pa-
droes ; ditos tic massa, para fardamento
de caradores ; ditos de vidro, de diversas
cores : na rua do Cabug, loja de quatro
portas, do Duarte.
Vende-se vinho do Forto, muito su-
perior, pelo baratissimo preco de i,iaors.
em caadas, e 160 rs. a garrafa : no becco
da Lingoeta, n. 8, venda de Manoel Gon-
calves Fereia.
C unha&i Amoriin teem para ven-
der, por baratissimo preco, bnis com 4
arrobas de cal de Lisboa, para fabrico de
assucar, da melhor qualidade que ha
ueste genero : na rua da Cadeia do Kecife.
n. 5o.
Vende-se alcatrao da Suecia, de
boa qualidade, em barris bem acondicio-
nados com ai eos de ferro: na rua do Vi-
gario, n. 4.
Vende-s, na rua do Vigario n. 24, boa bola-
cha para escravos, por muilo comnjodo prego.
Vendem-se neste armazem os superiares
charutos de Ha vana
vindos no patacho hespanhol Huracn
centros, como em caixinhas de 500.
PRIMOBES da fabrica de Francisco Cros muito
superiores, em caixinhas de 100 ; e alm deslas qua-
Hdades outras j annunciadas e que se vendem
por precos commodos.
No mesmo armazem so vendem por precos rasoa-
veis os seguinles genoros excellontes e novos: quei-
jos londrinos ; presuntos para fiambre, tanto ingle-
zes como de Westphalia ; sardinhas e hervilhas ,
muito novase em latas; licores finos em garrafas
com roldas de vidro ; ditos em garrafas communs ;
marraschina ; vinho de rhampanha Bonleaux ,
Sauterne e Porto em garrafas; excellonte cerveja
bi anca e prota em garrafas e meias ditas; azeite
doce refinado em garrafas; conservas de todas as
qualidades muito fresquinhas frascos com fruc-
lasem espirito; espermacetc de varias qualidades;
queijos flamengos novos ; cha hysson superior, mui-
lo barato : alm (lestes gneros otitros muilos pro-
irios destes estabelecimentos.
-- Vendfl-

lricas do llio-Grande-do-Sul :
n.7.
Vendem-se seis bonitos- moloques pegas de na-
Co de 10 a 18 annos, sem vicios; dous lindos mula-
tinhosdel2a 18 annos; um molecSo de elegante fi-
gura, muito bom official de alfaiate,s se vende para'
engenho ou fra da provincia; cinco escravos de bo-
nitas figuras de 20 a 25 anuos, bons para servico de
campo ; tres bonitas pretas de naQflo de 20 a 24 an-
uos, que engommam bem, cosinham e.cozein ; Ires
npgriutias recolhidas de 12a 13 annos, com muilos
bons principios de habilidades : na rna do Vigario,
11. 24, se dir quein vende.
Vende-se um lindo cabriol com todos os per-
lences, por 250,000 rs. a ver. na rua das Larangei-
ras, n. 15.
Na loja de quatro portas da rua do
Cabug, n. 1 C, do Duarte, tem um
completo sortimento de perfumaras, por
precos mais commodos do que em outra
qtialquer parte.
Corles de cassa.
Na rua do Livramento, n. 14, hechegado um gran-
de sortimento de cassa de ricos padroes e de supe-
rior qualidade por preco commodo ; Instilo bran-
co a 500 rs. o covado ; e outras umitas fazendas
baratas.
~ Vende-se, por preco commodo, algodTo tran-
cado, de superior qualidada fabricado na Babia,
Kopro para saceos de assucar eroupa de escravos ;
fio em nvelos da mesma fabrica : na rua Ja Cadnia-
Velha, n. 9, primeiro andar.
Vende-se urna loja de miudezas, com poucos
fundos que nflo escedem de 700/ rs., com arma-
c3o leudo de cada fazenda urna poreflo.: tambem
se vende aumente a armacilo sem as fazendas: no
Aterro-da-lloa-Visla n.58.
Algodo trancado da fabrica
de Todos-os Sanios da Ha-
ll a,
muito proprio para saceos de assucar e rotipa de es-
clavos : vende-se em casa de N. O. Biebor & Com-
l'.uiliia na rua dn Cruz, n. 4.
Para vest ti o de senhora
Vendem-se lindos cortes de La transparente, para
vestidos de senhora muito baratos ; luvas de pel-
lica enfeitadas, para senhora a 2,800 rs.; dilas li-
sas brancas e de cores; chapeos de palha a berta ;
ditos do dina ; ditos lisos ; filas de selim lavradas,
muilo lindas; bicos do seda branco e de todas as
larguaas ; crepo de cores ; snpalos de marroquim ,
lustro selim e de duraque de Lisboa; bozeguins,
ludo para senhora ; llores para chapeos e cabeca de
senhora jum sortimento de perfumaras; c outras
fazendas'por preco commodo :'na rua Nova, n. 30,
loja do Domingos Antonio de Oliveira.
% 800 rs. !
Vendem-se lencos de garca de divwsas cores, pa-
ra pescoco de senhora e meninas, a dbus cruzados
cada um : na rua Nova, n. 30 loja de Domingos An-
tonio de Oliveira.

-- No deposito da ruada Cruz, n. 26, recobeu-se
da Baha da bem acreditada fabrica da Francisco
Croz, os excellentes chbrutosregalos o Bahia-vellow
chegadosrccentemenle no patacho Olimlra. '
Tinta imperial.
para tingir assuiSsas e cabellos ruivos ou bran
coa, tornando-os perfnitamente pretns, sem dam-
noalgum e desla sorle massiose lustrosos : vnde-
se no escriptorio de Novaes & Companhia, na rua do
Trapiche, n 34.
Chegaram em im mais navalhss
de ac da China : a sua qualidade e propriedade na.
ra evitar e mesmo curar as molestias cutneas, he
superior a lodo elogio, e por isso ja sen autor fo
agraciado : as verdadeiras vendem-se na rua larga
do llozario n. 35 onde tambem se vendem Tacase
garfosdeossopolido feitiode marflm ; finissiinas
tesouras para unhas e para costura ; colheres de me-
tal do principe ; boloes para camisa a republique
facas o garfos para sobre-mesa ; oculospara todas as
idades tambem de vidraca azul, propnos para es-
ttidar de nolte; e outras muitas miudezas baratas.
Esleirs do A racaty, a240 rs.
cada urna:
vendem-se na rua do Amorim venda n. 36, de An-
tonio Joaquim Vidal & Companhia : tambem se con-
tinua a vender o melhor caf moido que se. fabric
tiesta cidade.
Vende-se una casa no lugar da Capunga per-
lo do|rio feita de pedra e cal, anda nova, lo la pii-
vidmcnda a qual rende 10,000 ra. mnnsaes: vende-
so metade avista : a tratar no paleo da S.-Cruz n
8 ao p da botica. '' '
-7 Vendem-se,.na rua Nova, loja n. 18, de M a
Caj, casacas de merino de superior qualidade. com
gola de velludo; ditas-de panno fino ; sobre-casa-
cas de todas as qualidades ;e toda e qualquer obra
feita tanto superior como mais inferior; panno fi-
no de todas as qualidades; casimira branca, muito
superior; dita preta; e toda e quaiquer fazen la que
fr precisa para qualquer obra Na mesma loja ven-
de-se um escravo para o servico de campo.
-- Vende-se um checheo multo manso c excel-
lente cantador ; bem como urna grande serpete.
viva encerrada em urna forte gaiola propra para
ser levada para qualquer paiz eslrangeiro: na rua
da florentina, n, 16.
ATTENCAO".
Vendem-se facas muito linas para mesa, rom
cabos de cbifre 5,200 e a 6/rs anda mais finas ; lorneiras de metal,
de todos os tamaiilios ; botos doma.los para larda
e outtas muitas ferrageus por preco muito barato:
na rua Nova, loja n. 39, de Amlrade & Moieira.
IIISCAIIUS MONSTROS
Ve;idem-so riscados monstros, a 260 rs. o covado:
na roa Nova, n. 26, loja de Tinoco & Rocha.
Vendem-se riquissimos cortes de seda para ves-
tidos chega.los ltimamente de Ftanca pelo ulti-
mo navio : na rua Nova n.8, loja do Amaral.
Vende se potassa niujto superior,
ehegada ha poucos dias, em barris peque-
os, e por preco muilo commodo: no
caes da Alfandega, armazem de Dias fer-
reira.
Vende-se a venda da rua da Madre-de-Deos ,
n. 9 com poucos fundos, e a armacHo muito com-
inoda : a tratar na mesma venda.
Vende-se muilo superior lagedo de Lisboa ; cal
virgem em barris de 4 arrobas, por mdico preco:
na rua do Vigario, n. 19.
Escravos Fugidos
Cera de Lisboa.
BOM NEGOCIO. ^J .
Vende-se, pela justa avalacfto, urna parte do um
sobrado em situar/10 de commercio casa bem cons-
Cjiliiiigas de porcellana.
Vendem-se calungas de porcellana dedificrenles
tamanlios, a 1,000, 1,500 e 3,000 rs. cada um : ni
ru Nova n. 30, loja de Domingos Antonio de Oli-
veira.
Vende-se a dinheiroou a prazo urna taber-
na que vende bastante para a trra a qual tetn de
fundo 500/ a 600/000 rs. : na rua das Cinco-Ponta
n. 12, primeiro andar.
Vende-se urna escra va crie uta de 30 e tanto
annos; que faz tod.o o arranjo de urna casa com por-
feicfio faz doces, cose soffrivelmente e engomma
mullo bem : o motivo por que se vende se oir ao
comprador : na rua do Collegio venda da esquina,
n. 2S, que foi do Suliral.
Vende-se urna prela da Costa, moca, de boa con-
ducta cque he ptima para vender na rua 1 no
Aterro-da-Boa-.Vista, n. 3, primeiro andar.
Na rua da Cruz, n. 60, ha um Completo sortimen-
to de cera de Lisboa em ca xas de lodos os lma-
nnos que os compradores desejarem ; assim como
lamben, ha urna grande porcAuda que vein em giu-|csciiptorio de Novaes & Companhia na rua do Tra-
me e em pflo'. vemln-se por menos preco ds que c::: !:t!:c n. 34,'S r.s ras dn C;;*" do Recito loia da
truida, e que onerece grandes proporcoes para lu-I outw qualquer parte. Jmiudezas,n 9.
Xarope do bosque do doulor
II o lis.
Cniitina-se a vender ete xarope tnicamente no
Fugiouma crioula de nomo Catharina, rom
os siguaes segui ntes : alta, magra; tem a barriga
um-tatito eres cida nariz grnsso, denles bonitos;
levouum roupilo de riscadinho cor de rosa, una
saia de lila e outra de chita esverdeada cem doui
bahados guarnecidos com fila de velludo prcto um
cabe^lo do cassa de qiuidroseom abertura e boles,
panno da Costa sem estar embainhado ; levou mais
urna sua filha de mime Mara de dous anuos ; lem
s coxes unidas a ponte de a fazer espalhar es ps
i-ara os lados; suspeila-se que esteja escondida em
Fra-tlo-Porlas esuspeita-se mais outra cousa de
que.por niloestar bem esmerilbada, 11H0 se faz decla-
racflo alguma : quem a pegar leve-a 110 Alerrn-da*
Boa-Vista, n. 42, que ser gratificado: tambem M
protesta contra quem a tiveroceulta
Fugio, no dia 7 do coiTi'iiie um escravo tri-
gueiro porm tem o cabello acahoclado ; (em no
rosto algumas espinhas de 24 annos pouco mais ou
menos; levou caigas brancas, camisa de madapo-
Iflo, e chapeo de palha; he de poucas fallas Je na-
tural do scrlflo do Ceara ; suppOe-se ter seguido por
esta estrada, ou deoulro serto. Roga-se s autori-
dades polciaese capilSes de campo que o appre-
hendam e levem-noa rua da Cruz, n. 37. Declara-
se que este escravo veio remedido doCear por Jos
Smith de Vasconcellos. (Barateiro. )
Fugio, no dia 8 do crtente, o preto Cactano ,
escravo de Jos l'ereira da Silva, genro de Nicolao
Rodrigues da Cunta ; levou um panicum com pilo
queandava ve'ndeudo pela Varzea o aeus suburbios.
Ruga-so s autoridades poiiciaes e capilfle dn cam-
po, que o apprelieutlam e levem-no a S.-Anna em
casa do Sr. Nicolao Rodrigues da Ctinlia que pa-
gar todas ns despezas.
Fugio, de bordo do brigue Argo$, no dia 7 do
crreme, pelas 7 horas da noite um escravo m-
riiiheiro de nome Jo.- de nagilo Cabinda .altura
regular, cheiodo corpo; representa ler 22 anuos
pouco mais ou menos rosto redondo sem barba,
olhos grandes ; levou calcas e camisa do zuarle azul
e cinta encarnada : quem o pegar leve-o a bordo do
dito nriguo, ou a Amorim Irm.los. a rua da Cadeia,
n. 39, que recebera boa gralificaco.
-- Anda fgida c consta que vaga as ras desla ci-
dade urna parda clara, de nome Cetrudes natural
doMiiraiihao; he gorda, de estatura baila-, da 40
a 46 anuos; tema falla aportuguezada ; levou ves-
tido de riscado do quadros j desbulado e um cha-
le iie'lla'e algodlo verde-escuro ; temo costume do
ombriagar-se; auppOe-seler coitn na rua do Ran-
gel, onde ja fui vista : quem a pegar leve-a ao Aler-_
ro-da-Boa-Visla n. 86, segundo a 11 Jar quo seta re-
compensado.
PlHV. : Va TVP. DEM. F. PE PABIA.-10*4"
L
MUTIL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E65A597IY_FGL2NN INGEST_TIME 2013-04-24T19:48:48Z PACKAGE AA00011611_06535
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES