Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06534


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno
XXIV.
Qtiinta-fe.ra IS
^
.., irt nilbllca-sr lodos oe diasque nlo
'a L/uardai ""?" asignatura 5
'""" iOri. perlina*, 40 r.. r.u typo dif-
" .fi.rrnrcors prU &
^""'.^.WM&raoHO rs. por IL.i.ar IU0 rs
f;;ru'&c,porc.d..pab.ic,cao.
"MASF.SP.VU'ANOMEZ'^OUTIIWIO.
.5 Ai 11 hora e BJtfth di manh.
9*2 m 'hor m '"'n-d.'wr
/.W"''" ni sos 8 mln da inanh.
^"C a !'. 11 ho. 27 inlo. da tard.
PARTIDA DOS CORREIOS.
Gnianna r Parabiba, l icga. e srxtas-ferss.
lllo-G.-do-Norte, qniniaa-frirae ao uieio-dla.
Cabo, Srrliiiuii'iii. Rlo-Formoso, Pono-Calvo
e Macri, n I .*, a 11 r 21 de rada me/..
Ca .minios r Bonito, a 8 c 23.
Boi-VUii flores, a 13 e 28.
Victoria, ii quluias-fetra*.
Ollnda, todo* osdias
PltRAMAB OK UOJK
Prlmeira, s !t horas e 18 minutos da manli.
Segunda, s 5 horas e 42 minutos da tardr.
de Oulubro de 1848.
DAS DA 8F.MANA.
8 Secunda. S. Dioniro. Aud. do .1. dos or-
ph. do J.clv. orto J M. da 2. v.
lll Terca. S. Francisco de llurja. 4ud.doJ.
doc. da I. v. c du J. dr pa/.dot.dl*t di- (.
11 Quarla. S. Flrmlno. Aud. do J. do c. da
2. v. e do J. dr paz d.i 2 dist. de I.
12 Quinta. S. Cypriano. Aud. do I, dr or-
ph. do J. M. da 1. v.
13 Sexta. 8. Eduardo. Aud. do J. dorlv. r do
J. de pazd. 1 dial de t.
14 Sabbado. S. Calisto. Aud. do J. do r. v.
c doJ.depaidoldist. dr t.
15 Domingo. S. Thercxa de Jess
N. **
CAMBIO NO DA DE 11 onTtTBP.0.
Sobre Londres a 24 d. por IfOOO rs. a 80 d.
Parts
Lisboa 120 por cento dr premio.
.. Rlo-dr-J inrlro ao rar.
rirsc de Irtt. de boas Brnris a I V, no mes
Arcos da comp. de Hrberihe. aSW ""\
0aro.-Onc.as hospanliolas 31*000 a .ll#S00
MoVdad.-G#4n0 v. W.00 a I7700
di- IrlJIUlOn. MVHOOa
dr 4/100... 9fMt a
PrrtMPataces brasileiros 2/* a
Pesos columnarlos. 2/P00 a
. Ditos mexicano...... 1/900 a
16/700
0/700
2/920
8080
I/W0
PARTE OFfJCfAS .
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEOIENTE DO DA 9 DE AGOSTO.
/inicio A" inspector da thesouraria dr fazenda, or-
denando mande passar, proporcao que se for vencen-
do I nota oii supprlmrnto, qur cotn a despeza do ciir-
n. mihlico se tnn dr fatrr no corrente excreloio dos co-
(V, da tlirso.iraria de fazrmla pama caixa dos deposilos
ondrsrhSo recolhUo o imposto provinciaes, aflu de
,i- te fazrndo facr as drspezas da provincia.
hilo Ao commandanlc grral interino do corpo dr
dira atitorisando-o, avista de InTormarfio dojnlzde
Sireilo'cbefe de polica, a conservar no cnminando do
deliramento do Bonito o oflicial desse corpo, que all
" 'i,., beiii como a render por outro todo o destaca-
rne'nlo de Pa|ahVi-dr-Florri c a elevar ambos riles ao nu-
loraui ex-
~>V
mero de pracas designauo n oruensqm- ni
Mhiidas asrmelhantc rcspelto; e coi.iinuncaiido-lhe
me lia providenciado, nao s para que ejain abonados
\ toldos do* meses dr acost r setembio do corrente
non ao segundo dos mencionados destacamentos, senao
jhnbeiu para que Ihe sejan. forurridas as moxllas que
,ialslh0. lucloii-se a respeilo ao Inspector da Ihe-
souraria das rendas provinciaes, e ao director interino
d"nloP *n niesmo, ordenando que faca marchar para
a villa'rio Rio-Vormoso, disposicao do rrsprrtivo dele-
IvU, uin destacamento do sru interino commando.
CO.nposto de u< oflicial r quarrnW pracas, r que advir-
,' official comniandante. c,ue desan f.Vca tem de ser
tiradas duinze pracas para guardaron a cadejo, de Sen
H' all fiieiem as diligencias que Ihe f/em
o denadas pelo delegado laqu.llr termo. Part.c.pou-
e aocommaiidantr das armas e ao chore dr polica.
Dito Ao insprrior da tlirsouraria dr ratonda, man-
dando pagar ao professor Simplicio Jos de M-llo oque
se Ihe estiver a dever de seus ordenados vencidos.
Dllo.-Aoconi.i.an.lanto goral interino do corpo de
polica, ordenando faSa marchar para a villa do Igua-
la mil destacamento de inte e cinco pracas do cor-
po de sen interino commando. a disposicao do respecti-
vo delegado, c declarando que esse destacamento tem
dosercomiiiandadopor um offlcial de primrira linha,
que deve para all partir. Pai ticipou-so^ ao chele de
polica, e expedio-se ordeni ao commandantc das ar-
mas, para fazer marchar o mencionado offlcial.
Dito. Ao commandantc das armas, participando na-
ver sido pnirngada por um ui'Z somonte a licenca com
one Tora rrle o 1. cadete, 2." sargento da coinpanhia
fu de cavilara desta provincia, Leopoldo liurges uai-
vaoUeha Coinmmilcou-se ao coronel comi.ilssario-
r'Y)ilo- Ao nspetor da thesouraria das rondas provin-
ciaes. mandando adiantar ao coinnianrtante geral Inte-
rino do coipo de polica quatro me/es do sold ao nesta-
camento que tem do seguir para a comarca da ?a-W-
tn Inolusive um oflirial. vista do prrl qur elle houver
de presentar. Sclentiflcou-se o commandante geral
interino do corno de polica. ,
Dito A*o coronel cmnmissarlo-pagador, d.zeiulp
que ruido annunciar a venda, cm hasta publica, dos l
cav.llosda co.upanhia IWa de cavallan. de prune.ra li-
nha, que tee.n de ser arrematados. L-ommunicou-se
aiM'oiiniiaiidaiile das armas. .
Dito. Ao commandante geral Interino do corpo de
pulida, ordenando f.ica punir, como lor de le. aspiacas
do corpo de son interino'cuiumaado, quedosertaraui no
desucameuto de Pajalm-de-Florc*. propoifao que To-
rem sendo capturadas. Pai licipou-se ao chore de po-
lica.
Dho. Ao inspector da thosmirarla da fazenda.trans
niiitindo, para que lenlia a devida execiico, a iionira-
eSo do continuo da rocrbodorla do rendas internas, u-
gcluCiisiodiuKodrigueiFranca, para platicante da mes-
ina repartico. .
.' Dito. Aocoinmaiidanto das armas, dizondo que, a
*ina do disposto no imperial aviso de 13 demarco de
1848, niio pido mandar sallstairr a roquisicao do ins-
trumental para o S." batalho de fu/.ili'iros.
Hilo. Ao inspeclorda thesouraria da raienda, man.
dando pagar dos dlnhelros rocolliidoa fOl depoMlo nessa
thesouraria, porlenrentes ao corre das rendas provin-
ciaes, a rolha dos olnciaes e os prels das piafas do cor-
po de polica que ihe foro ni apreseniados polo respecti-
vo coininaiidanle interino. Coiiiiniinicoil-sc ao com-
mandante geral nuc ino do corjio de polica.
Dito.-Ao inspector da ilieadui aria das randaspro-
vinciaes, participando que, em cuupriiiiento da le pro-
vincial de 27 de iulho lindo, ha mandado passar carta
do jubilacio ao professor da cadoira do gramiiiallca a^
tina do bairro de Saii-Frcl-Pcdro-Goncalvcs, o padre
Joiqiiiin Rafael da Silva. Parlicipou-sc ao director
Portart. [Horneando para aisisttr ao concolho de
que traa o artigo 4.' da le de 14 de agosto de 1*1 J ao
juii municipal interino da seguuda vara, visto se adiar
"juidedlreilo iuteiiiio do orime na presidencia do
tribunal do jury desta capital, o convir dar andamento
aoinesino concellio. Scientificou-se o non.cado o o
capitn do porto.
DEM do da II.
Oflicio. Ao commandante das armas, parlicipando
queS. M. o Imperador liouve por bein nomear para
coniiiiandante do 6. batalhao de lacadores o toionn
avulso de infanlarla, Francisco Jos Damasceuo Rosado.
farikipou-sc ao coiimiissario-pagador.
Dito. Ao .r.osiiib.coiiiinunicai.do l.aver S. M. im-
perador concedido passagem ao all'eres dn7. uaiain.o
de cavadores, Ltiix Antonio Favilla. para o 8. de luz-
leiri-s, e drste para aquelle corpo ao air.-res Joaquim ua
-Osla Reg Moiileiro. Comiuunicou-se ao coiuiiei
coiiimisiario. pagador.
Dito. Ao m. sn.o, narlicipamlo haver passado para
o esiado-inaior da segunda classe o 2. leiicute avulso
de aullhaiia, Joo Mariulio l'acs Rarreto. Scleiitili-
cou-seo Coinoiissari-pagador.
Dito. Ao mesino, coioinunicando <|ue S. M. o Im-
perado, houvc por b.in mandar passar da segunda para
>a 'primrira classe do exordio, com xorClclo no quarlo
batallio dr snilharia a pe, os capliae Jos Venancio
taulalice, para a prio.rira conipauliia. c t.a.tos Antonio
10 Petra dr Uarnw, para a quinta; os prlinnros tonculrs
- Daniel Alvos l'eroira Ribeiro Llrne, e Luiz Pedro de
, dio A.ugusto de Alcntara Nabuco Araujo, c Antonio Pe-
I reir dos Santos, sndeoste como ajudante. Parta-
pou-se ao coronel coinmissario-pagador.
Dito. Ao coronel commissarlo-pagador, mandando
adlantarao coronel do estado-malor do exercito, Traja-
no Cesar Hiirlaiuaque, que tem de seguir para a corte,
os sidos de sua patente at novembro Inclusive do au-
no trrenle. Scientilicou-sc o cninmandante das
armas. ,
Dito. Ao inspector da thesouraria dr ratenda re-
n.ottondo a filiaeo de tros cornetas do .r>.0 batalhao de
guardas nacionnes dcste municipio, a fim de que manilo
abrir os neiessarios assrntimentos de praca. ,Com-
iii ii ii i. ii scao commandantc superior respeclio.
Dito. Ao commandante das armas, ordenando laca
rornuilar, eremella, para que a presidencia mande sa-
lisfaxer, a requisicaode una jarra.onde se deposite: agn,
em o quarto do oflicial commandante da guarda do pa-
lacio, e bom asslm a de um coco, e de mn castical para
uso do niesmo oflicial.
Dito. Ao Inspector interino da thrsouraiia das ren-
das provinciaes. mandando pagar Jos da Costa de M-
buquerquo Mello a quantia e 2#o40 ris, comianic ua
conta que rriurtte, drspendlda com o sustento dos pre-
aos pobres da cadeia desta cidade, de 22 a 31 dejulho
fin-lo. Communicoii-se ao chefe de polica.
Dito. Ao niesmo, ordenando que pague ao enTcr-
iiieiro da cadeia drsta cidade, Jos Antonio da Coala Gui-
inaraes, a quantia de363#6l8 ris, que dospendeu, do 20
do maio do corrente nnno ao ultimo do juoho prximo
passado, com os presos doenles recolhidns enrermai la
da mesma cadeia. l'articipou-se ao choro de polica.
Dito. Ao commandante das armas, cnminiinicando
queS. M. o Impera lor houvo |r bnn determinar que
fique de ncnliun effeilo a passagem concedida, do cor-
po fixo da provincia do San-Paulo para a companliia n-
xa de cavallarladeata provincia, ao 1."cadete Carlos Ma-
ra deOliveira. 3cionlificou-se o coronel coinmissa-
rio-pagador.
Dito. Ao coronel coinmissario-pagador, ordenando
que, a contar do 1." de deiombro prximo futuro, abo-
ne ao procurador do coronel Trnjano Cezar Hurlama-
que, nesta cidade. o sold da patente do niesmo offlcial
consignado por elle i sua familia, emquanto rativrr na
corte. Prticlpou-sc ao inspector da thesouraria de la-
zenda.
Dito. Ao mosmo, mandando abonar dous mozos do
sold adiantados a tres olnciaes de prlmeira Hnha que
teein de destacar para a comarca do Bonito, bem como
cavalgaduias pvra canduccao da bagagom dos mosmos
offlciaos; c declaraudoque esse abono deve de sor feto
avista de urna folha assignada pelo commandante do
rrsprclivo corpo. '.
Dito. Ao agrnte da coinpanhia das barcas de vapor,
rrcoininrndand aexpedieo de suas ordena para que
si ja rocobido abordo do vapor que esla aclirgar dos
portos do norte, como pas.ageiro de estado, o coronel
Tiaiano Cesar l'urlan.aque que, em cuinprimenlo de
ordrui Imperial, srgue para a corte. Participou-se ao
commandante das armas.
Portarla. Ordenando ao director interino do arsenal
de guerra, que d'ora em diente mande foruecer ao
conin.audantc da guarda do palacio, para a illumtnacao
do respectivo quarlo, as velas marcadas na respectiva
tabella. Scieiilificou-se o cominandante das armas.
Dita. Mandando passar noniraco de coihmandante
BAMBUCO.
Dito. Ao eommandanta do corpo de polica,
mandando dar haixa, e remoller para bordo da ror-
vetn Euterp-, alim ile" ser alistado no servieo da ar-
mnda, no soldado do rorpo de sen commando, mij
noel Camillo de Barros Braniiflo, que ha desenvol-
vido m conducta, etm 16 snnos de idade. Scion-
tficou-se o eomman lano, da dita crvela.
I'orlaria. Ordenan lo no administrador dns obras
publicas mando proceder, com urgencia, aos conser-
tosdeque carece o portHo principal do qunrtei do
corpo de polica. -- l'erlicipou-so no cominandatile
do mesmo corpo.
declarado que era esse o tempo de que ello careca na-
Sclentlficou-se o commandante das
ra tralar-so.
armas. .
Dito. Ao agente da coinpanhia das barcas de vapor,
recommeudando a expedifo de suas ordens para que,
em qualquer dos lugaros-destlnados para passageiros de
estado, que por ventura trouxer vago o vapor que esta a
ohegflr do. portos do norte, seja transportad.) para a ca-
pital daWri o capito graduado do lerce.ro bata-
lhao de ftiilhoiros, JoSo Duarlc Ferrara lentes. -
Coininunlcou-sr ao commandante das anuas.
Olio. Ao coronel commissarlo-pagador, ordenando,
em aitoncao ao que represento!! o capllno graduado do
terceiro batalho dr f.izileros, Joati Duarte Ferrara
nenies, artiante-lhe tres mozos de sold para Ihe seren
descontados pela quinta parte no lugar em que se acha
o niesmo batalho, a que se val ello reunir, em cumpri-
menlo de o. dem imperial. Parliclpou se ao comman-
dante das armas.
Dito. Ao mesmo, mandando adiantar dous ine/.os
de sold ao tenente do quinto batalhao de rutilaros.
Manuel Amando de Al.noida, que va seguir para Igua-
ngsdatM........<^-r s r.e...cii(. dosiaeamonto c bem
asslm qi i'n'o'aboiie"nina cayalgadura para condueco
da bagagem. Scienliflcou-se o commandante das
Dito. Ao inspector da thesouraria das rendas pro-
vinciars, mandando saiisrazer a Joo Manool Ribe.ro a
quantia de 101/800 rts, que despaidrii com o s}aiio
dos presos pobres da cadeia desta cidade, de 13 a 21 de
iiinho nroxiino passado.
Portarla. Nomea.ido subdelegado da freguez.a do
Pao d'Alho ao capilla Mauoel Correia de Araujo.
Parlicipou-sc ao chefe de polica.
1DF.M DO DA 16.
Ollicio. A Feroanilo HalMd. Trata-se de
construir nesta cidade do llecifo tima cadeia, que,
harmonisanilo-se com o disposto na consiitm?no do
imperio, prceneha o fim 8 que he desuada, e subs-
litua n immunda e pessima casa de pnsBo que aqu
lia, eaqual raltam todas as cnndicOes necessnnns,
pnraque he possa caber semclh"" denominncao.
A nova ca-leia deve de ser construida dehaixo deum
de dous pontos de vista: que/o dizer, ou o edificio
lia do ser of upado no todo pelos criminosos, ou es-
tes teriio de ficar gmente na parte terrea, reservan-
do-so a assobradada para as sessies do tribunal do
iurv, audiencia de todos os agentes da juslica cri-
minal, cartorio* dos diversos escnvSos e label-
Uaes, para que as partes passem a gozar da vanla-
gem delerem um ponto certo e determinado, onde
possam obter qualquer informacio que porventura
Ibes aproveil*.
Km qualquer dos dous casos figurados, os langos
que se liouv.-rem de reservar para os criminosos de-
vem de conier as necessariss divisos para que el-
los estejum separados, nflo s na rasfo dos sexos, se-
nf.o lainbeni em atlencSo gravidade dos drlictos; e
do corpo de polica, em vrludo da lei 11.240, de 2H do
iulho prximo passado, o lenle da quarla classe do
rxercito, Frrnaudo Francisco de Agui.ir iMonlarroyos. -
l'ai tii i pou-se ao coiniuandanlc geral mleriiio do corpo
de polica, ao commandante das armas o ao inspector da
ihesouraria das rendas provinciaes.
' DEM DO DA 12.
Oflicio. Ao inspectpr da thesouraria do fazonda, dl-
zendo que, vista do que informam o insprclor da al-
fandega e o adinlnislrador das obras publicas, ha roro
iilii-i'iilo que, no estado em que so achan os colicortos
do caos da uiosnia alfandoga, nao pdeui doixar de ser
continuados, aiuda imsiiio com alguiu excosso das or-
d.ns desta presidencia, em oil'ensa das regras da boni
entendida economa e qur, por consrquencla, tan de-
terminado ao administrador das obras publicas, mande
nrosetjuir nos sohreditos coneerlos, com os melhora
'lientos de que ten. coi.heclinonlo. Parlicipou-sc ao
adiiinstiadordas obras publicas.
Dito Vocoiiiniandinte das armas, rccommendanUo
o expedicao de suas ord.ns para que no da 15 do cr-
reme pelas nove horas da maiiba, marche nina guar-
da dr honra para a Irrnle da Igrrja dr ^ossa >r..hora
'-. Paraizo, ali.n de assislir a lesta da mesma Senliora.
Dilo Ao mesmo, mandando postar 110 tbeatro pu-
ioo dosta cidade.....dia 13 do corrente, as / horas da
n!.Tt"ui guarda de honra cofn baudoira eiwHfn.
e ,como Im soldado, do quinto a<''" '"'<':
ros armados e en. grande uniforme, para assi.ti.ri a
ropresonta5oque drve-de ter lugar no mesmo ll.eat o
o que tem .or fin. festejar o nasc.mej.to P'"6' '
imperial, conforme declarou o director, Francisco de
Frelias Gamboa !,.-/.,.
Dito. Ao chefe de polica, coininunicando nava ex-
ra, Horneados nspe^i^.^. -%..--------
ordemao commandante superior da guarda nacional
do municipio do Hccife.
DEM DO DIA l*.
Oflicio. Ao commandante das armas, lembrando
une o aviso do primelro de abril ultimo i.reecreve a ...a-
olra por que o. soldados deven, de loflciur SUM b
xas e ser-Ibes rila, concedidas, e remoliendo, .por c0-
p, o av s d5 do julho prximo passado que proh be
qu os requeriuienlos que devolv- do. Soldados Ai. brci-
,'io Antonio e Joo Frri'o.r. ,do >a.c.nenlo sejan. leva-
dos presenta de S, M. o lu.peador
releva que es.sasdmscs sojam r.-iliis de accnlocom
iispteccitos dnbvgiene, para que uo succeda que
venbaiu a son.erem sua galdfl os iii.iiviiiuos que ah
houvcrem de ser conservados
Tendo. pois, om cuiisidcraciio lodo o exposto, e
prevenido, nlm disto, dequecom a obra projecta-
,la se p.le despender de 200 a 250 conlos de ris,
digne-ge V. S. deorgai.isareremelter-mecom a ca-
bivel br.vidade duas plantas que suvam de base a
edilicaeflo da mencionada cadeia, tsto he, una que
regule esM cdilicacSo, ve.icada a pinneiia das hy-
poheses ligur.ulas, coutrn.quc, dada a segunda,
por igual Un-sirva do norma. .,.', ,
Na coi.r. ccHn d.e laes pnulas, que \ .8 lera a bon-
dadede hzer acompaubar dos respeclivo orgainei.-
los, planos. dcscri|>co"S e quaesquer expliccOes,
V. S. piocurar a|ipit*ximai-se o mais possivcl do
gyate'ma que presidio a COMtruejao da cadeia da ci-
dade do Ouro-1'rolo.
Mas nuu he s esle o favor que leuhode solicitar
de V S. lambem desojo que, coosiderando os arti-
gosdelei que inclusos remello, baja de formular
a planta, orcamento, descripcr.o e plano para tima
casa de tletensflo, afim de que, de poase de taes tra-
badlos, me liabilile a dar execueno ao que nesses ar-
tigosse dispoe. -_i
Dit Ao commandanlc das armas, exigmdo
no da 20 do cor-
la, se prsenle
a guarda de honra
para tornar brilhaiite a reata que fazem os devotos
!ia Scnbora-do-Hom-Successo-dos-NHveg8nles, crec-
a na mesma groja, e para que, a larde, marche un
batalhao para acompaubar a procisSo, o qual per-
manceera all al lindar o Te-Dtum.
Dilo Ao agento da coinpanhia das barcas de va-
por, manda.ido dar passagem para a corle, como
uracfl de pret, a bordo do vapor Vernambucana, ao
segundo cadete do sexto batalhao de fuzlciros, Tho-
maz Antonio Alvares de Azevedo. ,,:
Dito ao mesmo. recommendando a cxpedic.io
de suas ordens ao commandante do vapor ttrnam-
bucana, para que entregue na provincia das AlagOas
ao respectivo presidente umcaixao contend) espo-
letas e velas mistas, e mai urna h-ndeira imperial;
o declarando que ludo islo sera remettido pelo direc-
tor itileiino do arsenal de guerra.-Pailicipou-si
ao director interino do mesmo arsena
Dilo.- Ao mesmo, dizeudo que s deve ue ser
recebido por conta do guvern u "''^?
TrajanoCesar Bu.lamaque, visto S. 8. dar P'-*
ao haver lugar vago para passageiro de e>la JO a
bordo do va por. I'ernambucana que segu paraos
portos do sul.
Hito. Ao mesmo, recommendando a expedJ3to
de suas ornens, para que sej-m recebido. JftJ
vai or Vtnmmbucum, e entregues ao Lxm. miual
. '........... ...., ,,.,..,,:,.., iiiariuliciios u
DEM DO DIA 17.
Oflicio.--Ao presidente e ao secretario da direccao
dacompanhiailoHeberibe, npprovandoo regnlamen-
(oque formuloram pitra a boa exeouefloilos nrls. :V.o
5." do contrato do 11 de dezembro de 1838, dos qtiaes
o primeiro subjoila ao pagamento de mulla os in-
fractores do privilegio exclusivo concedido a essa
eompanhia ; Desaguado providencia aceic. ~?. dsm-
nificacSo das mallas o obras pertencenles a empreza
do encanamenlo das agoas do Prala
Dito.Ao director interino do arsenal de guerra,
dizondo que deve do cossar com a despeza do forne-
cimento de velas aos olliciacscommnndantes da guar-
da do palacio desta presidencia, vislo, como Sinc.
informa, ser expresamente prohibido por lei.Par-
ticipou-se ao com mandante das armas
Portaria.--Acli.indo-sc desde muilo ausente da re-
pailicnoo escrivilo da pagadoria militar Joaqun)
Marnho Cavalcanle de Albuquerqtie ; tendo essa au-
sencia concorrido para que a escnplura?ao dessa
estacio esieja sobremodo atrasada, com grave pre-
iuizodo servieo publico, o convindo. providenciar
para que desappnreea semelhante incoiivomento ; o
presidente da provincia ordena que, emquanto o
conirario nao Iftr resolvido pelo governo imperial,
o pesoaI da sebredila pagadoria fique orgamsado do
modo s.>gtiinle.--Commissaiio-pgador, o coronel
Jos de Brilo Inglez ;--escrivfio, oulhcial Joo Arse-
nio Barbosa s-ofllcial, amannense Joaquin Perei-
ra Bastos ;-amanuensc, Ignacio Francisco Martins ;
-addido, o alferes da 8.' classe do exercto Joaqu.m
l'eroira Xavier de Olivpira.-Parlicipou-se ao com-
missario-pagador. ,
Dita.Nomeando delegado, do termo do RlU ao
lenente-coronel Roque Carlos Peixoto de Aloncar.--
Communcou-seao chefe de polica.
Dita --O presidente da provincia, desejoso de que
s diversas obras militares, queso esta piocudeudo
na mesma provincia, presida a maior liscalisacuo
possivcl, o convencido de que esta se nao dar, sem
que laes obras cstojum sb a direCCflo 1 inmediata do
um individuo que smenie ouro de inspecciona-las ;
n incumbir dessa direccao o major do *.
arhi' -Ao coronel coinmssaro-pagador, coiniimi..-
Dito. Ao commonuaiitu h*b
que expela suas ordens para que, no 1
rWitc, pelas nove horas da manhiin,
em frente da igreia do Pilar urna gut
lu por bem ..
batalhao de arlilharia a p, limocencio Kustaquio
Ferreira de Araujo, que ser conservado em seme-
ntante coinmisso emqtianlo fr nocessaro, caqui
eslvero mencionado batalhao, e por ella percebera
os vencimeiilosqiie Ihe oouipetirem por lei Scien-
lilicou-se o coiiiinartdante das armas, e o coronel
comiiiissario-pagailor.
DEM DO DIA 18.
Ollicio.--Ao presidente di Parabiba, recommen-
dando a expedicao de sitas ordens, para que sejam
capturados, e remetlidos para esta provincia, caso
aln appaiecain, os marinheiros iinpenaes, e man-
uheiros grumetes, conslaiilcs das relacoes que re-
melle, acoinpanhadas dos sigiuies caracleristicos dos
ditos individuos, os qunes deserlaram das emharca-
oOes de guerra surlas ueste poilo.
Hilo.--Ao comtnissario-ingador, mandando enllo-
car ao arrematante Francisco Muuiz de Almeida,
pela quantia de 261/000 rs., os 15 cavallos inutllisa-
ios da eompanhia lixa de cavallana, caso teniiam
sido ureenchidas todas as formalidades legaes no
acto da arrematagao dos me.smos cavallos, a que se
urocedera ante a pagadura. ,**. _
Dilo -Aojiiiz do orphaosdo termo do Becife, or-
denando nouieio um tutor, que assigne o tormo que,
,euiuo o disposlo no arl. *." do regulamentouc 3
iojano.ro do 18*2, deve de preceder a entrada, para
ac.inpanhia dos aprendizes do arsenal de guerra, do
,3 Mauoel, a favor de quem o subdelegado da
reguezia de S -Jos leclaua a protoctlo do governo,
ni-sor orphao de pai e mfii, o jazer 110 maior desam-
paroTL raca da n.esma ncguezia.-Sciet.l.licou-se
ao subdelegado da niesm lieguezia. ,...
-Iria.lNomeandoJ.Osuppb:nteidosube.r
licia.
EXTERIOR.
c a viciuna de """"'".V..^. 'ue despotismo, com
dC '^.Tetmadif RStS vrol da' nacao. .....
ttnalcsg.'lra afoica c o sueco do.poro. Desde.
rnenlo a dvuaStia militar cessou de r.
Moraes Mesnuila de I.amare, e os segundos tenentei Pe- uardiuo
ro saigenlodo seguud
I ...-H1..0 de bous Magalbaes
^lerajnudriadet mencionadacorteu
dos marechaes
o noder loi inai
do'o'.fseuYug'rim'vez'do. rdrsPso.dado, que, s.hU
,.............. ,*- a.......raiS^ir5S3SrSfc
LADO


*X

i-
f
i

damentedadaa NapoleSo eaoa Rourboni. A inudanca
na balanza poltica do paiz de.de 1788 lie 1815 foi tnaior
lo que ninguem poderla ter ronjectiirado em nenhum
periodo do arcillo ultimo. A bourftoiiie conseguio un
poder real que nao ousaria esperar nem na Idade pro-
veca do Meaumarchais. nem na juventud* de Lafayet-
te. Ett mudanca, lio grande eui si infama, e de to re-
pentina consummayao, teria aido incrivel, a nao ser o
drama chelo de incidentes que a preceder. A feudali-
dade o privilegio, o provincialismo, tinham-se desva-
ina ido. Que falta va, pois, para completar os desejos da
J i nica .' Quaes eram anda os obiectos das lulas dista
naci? Comquanto fosse extraordinaria e admiravel a
inodanca que um quarto de secuto bavia effeituado na
condicao social dopaii, outra aioda maior havia sido
perada sobre o espirito e temperamento do povo A
revolucao tinha antes suscitado o amor da revolucao
do |ue o do socego. As amigas formas estavam aboli-
das, as velbas ideias tinham-se desvanecido, os amigos
privilegios haviam desapparecido j todava anda algu-
ina cousa mals se desejava. A nova geracao havia (ido
educada ein urna sociedade inudavel e inerrta, e subs-
titua as tradieces o capricho, aos dogmas a mutabili-
dade.
Este povo foi, com taes c0ndi9c.es, snbjeitado a urna
dj nastia que elle nao amava, e a formas de que elle es-
carneca. He verdade que a subjeicao era mais nomi-
nal que nal. A corte de una monarchia restauada, e
a resurrelcao de urna igreja huinilhada erain ames
uina otienta vaidade do povo do que um ataque s li-
berd.ides, ou um golpe nos interesses da Franca. Po-
em desgranado daquelle governoque oH'ende a vaida-
de de um povo! E desgracadd* do governo e do povo
que tomam erradamente umacrise econmica por urna
crlte poltica, e attribuem s constituiedes os vicios de
mu systema social, ou as imperfeiedes da humanidade !
A Franca laborou na realauraco debaixo de grandes
males. Ella tabora hoje debaixo de males ainda malo-
res. Mas estes males eram e sao daquelles cujos nao tra-
tan! as constituiedes, e que as cartas nao pdem curar.
Vo primeiro periodo suadesgraca poda ser judiciosa-
mente attribuida as consequeiiciaa de urna guerra que
durara um quarto de secul. Eira a miseria que 25 au-
no de conscripeo, de conquistas e derrotas, de triuin-
plios e humiliaces alternativas nao podain deixar de
intrnduilr na inassa da populaco.
A Franca he actualmente mais desgravada do que o
fra em o periodo da rest.iuraco ; porin sua miseria
he hoje, assiin como o fra outr'ora, econmica e so-
cial as reformas polticas, pois, por si sos nao poderam
remediar seus males. Ateo diadas fuaes ordenancas,
em IMO. ella J"t9tj de Uiaii tibcidadc di) ;:c em S!.';:
a Franca de 1830 tinha mais independencia, e certamen-
te mais riqueza do que a Kranea de 1815.
t.'arlos X era pessoaluiente mais popular quando en-
vin a grande expedlfao Algeria, do que Napolco
quando marchou para Walerlon. Purm a Franca era
tao triste e to descontente em 1830 quanto o tiuha sido
em 1815. A sorte de Carlos X era tao segura no momen-
to em que a artilharia de Pars annunciuu as victorias
de Bourinont, quanto havia sido a de Napolco quando
este regressou da derrota de Moscow. To descontente
eslava o p'>vo debaixo de un rgimen quinto o havia
estado debaixo do outro. As rasdes deste descontenta-
mento deven* procurar-se, assiin as circunstancias pe-
culiares em que se acliava a nacao franceza, como no
sen carcter geral. Os Francezes haviam concebido ex-
travagantes espetancas da gloria e vanugeiii do engrau-
derimeuto imperial. Elles liaviain taiubem esperado
milito da calina de una monarchia restaurada ; mas em
Dina e outra cousa suasesperanzas se uiallograram.
O imperio foi urna illuso bullante. Me fez chover
ourOi jolas e principados sobre alguus soldados afortu-
nados, mas deixoua multido pobre e exhausta. A res-
taurado foi urna illuso sem brilho. 'illa clevou a 6our-
oeo/iiV, mas a multido, ella a deixou para ser ajudada
pelo nao escrupulosos conselhus de una ambicao nao
salisfeila. Entretanto que MM. Tliiers, Dupin e Casimir
Perier fabricavain represeutaedes constitucionaes. a po-
pulaca de Paris, dirigida por seus jorualistas, frcou a
fcniroroirir a fazer urna revolucao ; e a corda foi derrota-
da por um partido desunido, meude do qual gritava
ii l'.-ili! pan I > e a outra melade Viva a earta! a
A substituig3o dt* una raonarchia popular em lu-
gar de utna monarchia dyuaslica derla eiTeituar o
que o consulado, o imperio ea restauragao nlo ti-
uliam podido operar. O rei dos Francezes devia fa-
zer sen povo mais feliz e mais livre do que neiihum
rei de Franca havia podido faz-lo. Todas as classes
deviam gozar os privilegios que at entilo haviam si-
do tnonopolisados por algumas. O povo,os obrei-
ros eos servidores que tinham derramado seu san-
gue no March(-des-)nnocens,os proletarios que ha-
viam ajudado a defender urna causa constitucional
ni a Place-de-Grete,deviam agora participar jun-
Rastilha e neste momento a Franca devo sua exis-
tencia e integridade (ei militar. Rila deve O estar
salva da anarchia, Jo saque, da dilaceracio sus-
pensfio e suppressSo desla mesm forga que hi 15
annos ella organiaa contra a auioridade. Se Carlos X
acabou com a imprensa por um edicto, e l.uiz Filip-
pe por meio de julgamentos, o governo actual aca-
bou com ella por um fia! militar. Paris ronsente em
aceitar de Cavaignac termos que seus soberanos d-
noslos nSo ousaram impr-lhe. A ofllcina de li. de
Girardin he escalada, seus typosapprehendidos, seu
jornal supprimido pelos administradores de urna re-
pblica que fra felta pelos jornalistase pelo povo
A liberdade, fraternidade e igualdade tratam o povo
como a corda,' a igreja e a aristocracia nunca sonha-
rain em trala-lo. A liberdade o prende, a igualdade
o subjeita espionagem, ea fraternidade os espin-
garda aos rentos. mais rencoroso inimigo de
Luiz Filippe nunca o aecusou de ser tito rigoroso.
Elle esteve exposto aos tiros do assassino mais vezes
do que nenhuma testa corada desde o principio do
mundo ; comtudo elle perdoou mais vezes do que
nenhum rei havia perdoado antes. Elle nao ora se-
dentodc sangue; elle n<1oera vingativo. Masogo-I
ver no da repblica *na e indivisivel,o governo quo
foi fundado sobre a base da liberdade, fraternidade
e igualdade, e que combaleu debaixo destes symbo-
los, -este ha derramado mais sangue, ha malbarata-
do mais Ihesouros dentro de cinco mezes do que to-
das as administrages nos tres difierentes reinados
depois da balalha de Waterloo! K.qtia I devera ser a
consequencia de todas estas cousas ? Presentemen-
te o povo, o povo, que nao devia mais ser po-
bre, que nao"devia mais sentir falta de emprogn,
nem ser opprimido pela fotne, pela injuria e pelo
despreto,o povo est ja clamando por pilo, raivuso
contra o governo que elle mesmo eslabelecra ; o
governo est descmillado, suspeltoso e pobre ; ea
buurgeoisie que ajudou os disturbios que hoje deplo-
ra, est contemplando a imposieflo de tributos que
Mfln podera pagar. isto he tudoi' Recejamos que
nao. Cav.iinii.il' p le liem leuibrar-so destas omino-
sas palavras que, ha 15 annos, proferir o seu ho-
mnimo:* A revoluto he toda a natjilo
(Thi Time*.)
juiz do direito ebefe de polica, Antonio Henriques
de Miranda, a
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
HENDIMF.NTO DO DA 11..........15:132/437
Otiearregnm hoje, 12 de outubro.
Hiate Exalafo. ferro em barras.
Brigue Paulina mercadorias.
Rrlgue Immanuel alcatriio e carvao
Escuna arriet bacalho.
Barca Creamore idem.
PatachoOliveira charutos.
Brigue ChaUexcge aduellas
le''so'eraHs'e!|B'-'Kue **" -farlnha.
CONSULADO GERAL.
RENDIMENTO DO DA 11.
Oeral....................1:172/010
Diversas provincias.............204/728
1:376/738
Hlllllll III PIIIIIIBCt
B.ECirE. 11 DI OUTUBRO DX 18*8.
O importante ollieio do Exm. Sr. Costa Pinto, pu-
blicado em o numero 227 deste Diario, appareceu ah
com algunserros typographicosque nos parecern!
graves; portsso, pois, o reimprimimos hoje.
a Da correspondencia ollicial de diversas autori-
dades da comarca de Pajahu-de-Floros, que tem che-
gado directamente ao meu conheriracnto. de offi-
eitwque Vmc. me ha dirigido, o linalmente de um
olTicio que recebi do Exm. presidente da Parahiba,
acouipaiihado de outros de autoridades d'aquella
provincia, os quaes todos Ihe transmiti, uns por
copia e outros em original, se deduzquea seguran-
za e tranquillidade publica se acham gravemente
comprometlidas na sobredila comarca, nilo s por
se terem all comnietlido recenlemento, e de lempos
esta parte, muitos crimes, aentlo tambeni porque
setcem involvido nesses desgranados aconlecimen-
tos pessoas prepotentes e poderosas do luga/, ou in-
dividuos que eiia piolegem, de srtrte quedt quasi
nenhuma a achilo da jusliQa para fazer punir lanos
allentados, e, o que lie peior, n3o parece provavcl
que a polica possa prevenir outros qUe a situadlo
ameaQd, por eslaretn lalvez os cargos, de que ella
dispOe, empoderde homens dominados do espirito
de vinganga e nimiaincnte facis, pela dentoralisa-
qSo que ludo ha invadido, em perpetrar, ou ao me-
nos em tolerar que se perpelrem os mais horrorosos
delielos, e, o que ainda he mais revoltanld, com o
pretexto Je defesa do principios polticos com os
CONSULADO PROVINCIAL.
RFVniMF.NTO DO DA II..........002/257
Wov!ment do Porto.
Navioi entradoi no da 11.
THEATKO NACIONAL
DA
RV A DA PRAJA.
Divertimento ofTerecido a todos os habitantes d
la cidade. ""
DOMINGO, 15 DE OUTUBRO.
A beneficio de dous particulares, representar-ge,
ha a linda comedia
O RETRACTO DE MIIITAS FAMILIAS.
Per*ontigen$ principal da dita conidia, i no^,
doi adores que a rtprettntam.
O cavalheiro. Cunta.
O morgado. Cabral.
Ilenrique. Jos Alves.
Leonor D Josepha.
A baroneza. I. Vicencia.
Jorge, criado gracioso. Santa Rosa.
Andr. Fiel.
Rosa criada. I). Jesuina.
Os intervallps do drama setSo preenchidos com
bellissimassymphonias; no fin da peca o autor San-
ta Rosa cantara a mu appiaudida aria que tem por
O Mt'SICO CHARLATA'O.
Pora fim a todo o divertimento a jocosa farca
OS DOS,
na qual Santa Rosa.esforcar-se-ba por bemdesem-
prnhar a parte do Inglez. O beneficiado avisa ao pu-
blico que iiS he preciso levar cadniras para os ca-
marotes, pois llavera assenlo em todos.
Pincipiar o divertimento s oito e meia horas
com a chegada das autoridades.
k
THEATRO NACIONAL
Terra-Nova ; 37 dias, barca americana Jll-Dorado, de
1*3 tonefsd.i, capUSo lames Eichbercer. sjKipsgrai
II, carga 1.912 tinas rom bacalho ; al,. G. Ferrelra
Ji Cnmpanhia.
nin-Cirande-do-Sul ; 12 dias, brigue brasileiro Lio, de
170 toneladas, capitao Antonio Rodrigues Garca, e-
quipagein 13, carga carne esebo ; a Amoros Innaos.
Passagelro, Joaquim Rodrigues Garca.
Parahib.-- 3 dias, hiato brasileiro EepadarU, de 27 tone-
ladas, capitao Joaquim de Oliveira, equipagem 5. car-
ga ago'ardente, azelte de carrapato e toros de man-
gue ; ao capitao. Paisageiros, Francisco do Reg Pon-
tea, Antonio FranciscoCordeiro, Krasileiros.
Navioi tahidos no memo dio.
Rio-de-Janelro ; barca americana Fl Dorado, capitao Ja-
mes Ktrhberger, carga a mesilla que tinuse.
Rio-de-Janeiro ; brigue brasileiro Felit-Deitino, capi-
tn Manuel Jos de Aievedo, carga assucar, algodo,
ago'ardente e mais gneros. Passageirot, 4 escravos a
entregar.
DB
KJMTAL.
lamente com os bnrgeoit defensores da carta'dos i quaes prctendem acobertar seus o'diSs Wucorosas
seus fruclos materiaes. Finalmente elles deviam co-|iuiniizades.
Iher o premio pelo qual haviam derramado seu san-
gue, haviam padecido e morrido. Taes eram as os-
; "i anras do povo francez em 1830. Os 18 annos deste
periodo elisio de pertrbaces e incidentes, que me-
diarnm enlre a esplendida hiaugurscSo e o deshon-
roso fim da ultima monarchia francezB, pdem bom
testificar quaes eram a jaslica e a racionabilidade
deslas esperangas. Desde a primeira exhibigflo de
lesconlentaniento, silenciosa e desarmada, com que
a gentalha de Paris saudou o novo Ihrono at a des-
orden! em Lyon;desde a desordem em Lyon at a
primeira perseguicSo da impronsa revolucionaria
P"rum governo revolucionario;desde o primeiro
enrajoso protesto de Arniand Carrel al a sua apolo-
ga na cantara dos pares;desde a couspiracilo de
'itschi at a de le Cont; desdea primeira consoiida-
ciio deum governo apparenleuiente forte at a sua
auiquiiaciioem o mez|de fevereiro passado;-em to-
das estas mudaveis e variegadas scenas, o que he
que com as lulas se ha ganhado ? O que he que se
he realisado quanto saspiracOes de mais de 60 an-
nos ? a piimeira revolucao fiaureza fui um arden-
lissimo protesto em favor dos direitos do homem,
da igualdade da especie, eda exaltaefiodos pobies
Depois de ISannus de lula, de caineficina e confu-
so, ella eniliioiiisou um despotismo mais egosta e
desarraaoado do que lodos os que o haviam precedi-
do. A revolucao de 1830 deveria ler leito aquillo
que a revolucAo de 1791 nao lia va feito. Quaes as
suas prnmrssas, c qual a maneira por que as cumpri-
ra, bem.o moslrain as sociedades secretas, a ligado
assassinos, a descoiilianca da bourgeoisie, o descon-
teiilamenlo da populara, a impralicabilidade da poli-
tica, ea cessagflo de una conslituiQilo que nSo pode
salvar a classe baixa da penuria, eutrelaulo que sub-
jeitou a alta corrupcSo.
Sendo, pois, eslos os casos em que se devo de to-
mar providencias mais enrgicas e eflcazes, e que
fAram I li t..ru I rr.....!.. ........i... __. '
Urna quarta revolucao ha sido efleituada. Quaes
fram as suas proruessas f Qual a maneira porque
asteem compridoP- Quaes as suas consequencias?
Se a curie de Carlos X foi prodiga, a de Luiz Filippe
foi extravagante. Se a primeira foi arbitrarla por
crenca, a ultima tornou-se arbitraria por necessida-
de. I'orm o que foi a prodigalidade, ou o despo-
tismo de ambas, comparados com as desarrazoadas
despezase o absolutismo oespotico do systema que
as ha substituido? Carlos X lez oidenacoes contra
a iiiiprenso, e foi deposlo. Luiz Filippe persegujo a
impiensa e oppoz-se a liberdade das associaces po
lincas; -elle se acoa hoje exilado. Mas a Franca he
acaso mala livre? Esta ella mais prospera? lie a
ispeza do sru governo mais benr liscaisada t lie
sua miposirao luais leve, sua segurauca maior?
gencia de que
oencarrego, os seguintes : l.o, formar culpa a to-
dos os criminosos de delielos mais graves de que se
nao leuha lomado conhecimeiTlo pelos motivos ci-
ma declarado*.; y passar-se. se julgar necessario,
e a bom de complelar-se a diligencia, para qualquer
das comarcas v.zinhas. onde cosluinam asylar-se
alguns dos ditos criuiinosos; 3., informar-so es-
crupulosamente acerca de pessoaa que devam de ser
no.neadas pa.a os empregos de polica, evitando com
todo o cuidado propr para esses cargos (segundos
twTT d0'",e7-, reiro de 1842; homens prepotentes, involvidos em
malquerencas e dominados por odios; *oiinjiCiIr
os lugares e.n que, como um dos meio* de conse-
guir-se a seguranca e tranqu.llidaMe publica dessas
comarcas, convem quesejam collocados os desta-
camentos do corpo de polica e os de primeira tinha ;
fi f ar eJ*Zer, 00!"rv'"-, ltenla a proximida-
de da poca das elcices do ven-adores e juizes de
paz, a ocular de 23 desetembro prximo pasudo;
6. em sumuia, couduzir-se, no desempenho da di-
ligencia, de una maneira lo satisfactoria, como he
de esperar de um magistrado inlelligente, probo,
imparcial e provecto, equovai incumbido deuin
inissao nicamente protectora e de iienhunia sorte
vexalona aos povos, por enlre os quaes tiver de a-
Char-se.
Perantea cmara municipal tiesta cidade andar
novamente em praca, segundo a ordem do Exm. pre-
sidente da provincia, no da 13 do correte, o impos-
to da aferictlo deste municipio ; assiin como os do-
mis objectos que ainda nao fram arrematados. Os
pretenden tes llvenlo comparecer munidos de fiado-
res habilitados na forma da lei, sem o que nSo Ibes
ser permitido lancar.
Pago da cmara municipal do Recife, emsessHo
de 9 de outubro de 1848.
.Vanoel Joaquim do Reg Albuquerque.
Presidonte.
Oeclara^es
O arsenal de guerra compra carvo vegetal:
quem o mesmo genero quizer fornecer comparece-
r na sala da directora do mesmo arsenal, com sua
proposta no da 13 do corrente mez.
Arsenal .de guerra, 10 de outubro de 1848.
Oescripturario,
Francisco Serfico de Astil Car valhn.
Continuaqo doi decedore da decima doi predio! urba-
nas, que teem de ser ex'cutadot, se n&o lomparecerem
mro dia 15 do corrale me a saldar dbitos.
A saber t
Francisco Xavier das Chagas. 157,738
Monica Gongalves Rodrigues Franca 84.264
Antonia Mara da Penha 84,264
Vicente Thomaz dos Santos 63.717
Hermenegildo Jos de Alcntara 108,495
llerdeiros de Francisco Cnncalves Rodrigues 159,073
SAJV-fRJNCJSCO.
SABBAD0,14 00 CORRENTE.
Em beneficio de D. Ursulina Esmeralda da Luz f'
Silva, se representar novo e gracioso drama
ARTIJR, OU DEPOIS DE 16 ANNOS.
Sendo a msica de dous coros' decomposicao do
Sr. Jos Fachinelh, apparecer a vista de marinha,
junio a qual se est construindo nma nova barca,'
quesera laucada ao mar: a manobra sera exectila-
da com tal illuso, que o director se persuade que
muito agradar ao respeitavel publico No Tim do
drama so da ligar a polka, rematando o espectcu-
lo com a graciosa farca.
O HUELLO NO TERCEIRO ANDAR.
A beneficiada pede e espera que todos os senho-
res que se dignaram aceilar-lhe bilhetes de platea,
se diguem remunerar-lhe na mesma noite, no ca-
marote de Trente nobre, n. 27, on.le se achara para-
receb-los ; quanto aos camarotes, ir pessoalmen-
te pelos mesmos fazer o cortejo do costume.
O espectculo uiio principiara sem a chegada da
aniori.la.il' que deve presidir.
O director, constando-lho que ha quem invente
que elle brbaramente leva pelo.beneficio desta se-
nhora (orphSa de pai e que tem juz a ser protegida) a
quantia de 200,000 rs declara que he falso, pois
geralmente tem vendido os beneficios para aeuho-
ras a 150#000 rs., e para homens a 160/rs.: seudo
esta mais fovorucitla, porque o director pagou alm
do mais a composicao da msica ao Sr. Jos Faclii-
neth.
Avisos martimo*.
E porque existo na comarca de Pajah-de-Flores
um destacamento de polica, i-irle de 48 pracas, com-
mandado por um oflicial de confianza, e na de Boni-
to outro d linlia, com a frga le 87 pragas, igual-
mente bem coiniiiuiulado, dos quaes Vmc. puder
dispr para fazer respeitar sua auioridade, e conse-
guir os litis de que he incumbido, julgo sufiiciento-
que o acotnpanliem desla capital mais 10 pragas de
(avallar ia; o que nSo obstante, seS. me. entender
que Ihe sao precisos alguns outros auxilios, os requi-
silaiem lempo. Devo tambem preveni-lo de que
cumpre deixar ordem na secretaria da polica para
me seren ipresentados osofiicios que ah from re-
cebidos em sua ausencia, alna de setein abortos,
pois isso pode interessar aoservigo publico; bem i
couf iuipoi la que me coinmunique, em todas as oc-
Dilos de Joto Mauoel Pereira de Abrou
Manoel GongalvesServina
llerdeiros de Jos Slverio
Da irmandade de San-Domingos da igreja
do Rosario.
Dita do SS. Sacramento de JabqaUo.
Dita de San-Jos de Riba-Mar.
Dita do Sr. dos Marlyrios da igreja dos
crioulos
Dita do mesmo Sr. da igreja do Rosario.
Dita de Santa Eugenia da mesma igreja
Dila de San-Tliiago da igreja do Pilar.
Iriiianilh le de N. Sra do Rosario da Boa-
Vista
Lmirengo Jos das Neves, como testamn-
telo do padre Francisco Dias de Oli-
veira.
89,548
274.742
66,420
116.868
119814
265,407
83.014
92,617
85,991
110,786
113,877
213,395
Para o Ass segu, impreterivelmente at 15 do
correte,o brigue brasileiro Sagitario: para carga ou
passageiros, trata-se no armazem da ra da Cadea
do Santo-Antonio, n. 23.
Para o porto da Figueira, Lisboa ou cidade do
Porto partir at o fim do rorrete mez o pata-
cho portuguez Maria & Joaquina : tem a maior par-
te do seu carregamento para o restante e pas-
sageiros trata-se com o consignatario na ra do Tra-
piche, n. 44, Firmino J. F. da Rosa.
Para o Ara cali pretende sabir al 20 do presen-
te o hiate Novo Olinda, mestre Antonio Jos Visiina;
os pretendemos a carregar, so entenderSo com a
mesmo mestre no trapiche Novo, ou na ra da Ca->
deia do Recife, n. 17, segundo andar.
Vende-se n hiate portuguez Ispeculador, de lo-
te de seis a 7,000 arrobas, de minio boa cuuslrucgflo
e novo : os prelendenles pdem ve-lo eexamina-lo
no ancoradouro, defronte do trapiche do Angelo, e
para o ajuste, na ra do Trapiche, u. 44, com Finni-
t.o Jos Flix da Rosa.
Le oes.
-Kalkmann & Itespnmund fario leilflo, por inler-
vengflodo correlor Oliveira de grande aortimeulo
de fazeudas de seda, la e de algnd.to as mais pru-
prias do mercado : sexta-feira, 13 do correle s
10 horas da manhaa uu seu armazem ra da Cruz.
- Leilflo que fazem L. G. F.-neira & C., por inter-
veneSo do correlor oliveira.de 300 barricas com fri-
nlia de trigo, por coma e tisco de quem peiteucer,
sabbado 14 de outubro, s 11 horas da maulifia. no
seu armazem, ra do Gongalves.
2:290,030
(Conlinuar-ie-ha.)
por
PUBLICACAO' AGRCOLA.
Manual pratico do fabricante de assucar,
Agostinho Sommier. Esta obra ensina praticamente
o modo de fabricar o assucar demonstrando os.In-
convenientes da antiga pratica os meios de as re-
mover o finalmente ludo quanto se precisa, para ti-
rar maior e nielhor resultado de sua factura ,' e esta
escripia em una iiugoagem que qualquer pesson
percebe; podendo-se mesmo tlizer que os Srs.
Avisos' diversos.
- *----------9"w %" iva i 0^...*.. m ..._. (_^ SexU-feira passada foi o aiiuiversario da tomada da I bro de 1846. Antonio da Costa Pnlo. Sr. Dr.
dizer que os Srs. de
casiOesqe s l^e'oiierecerenT tTciue fr ccorreiuTo 0"Be,,h,,s Co"' -ll" errarflo se quizerem : veude-
uurante a diligencia de que he encarregado. Dos | *?"!'[ *,00 > "a ljraSa guarue a Vmc. Palacio de Peruatrrbuco, 16 deoutu-
ria ns. 6 e 8.
Fago saber ao publico que.desde o dia 26 dese-
tembro prximo passado, fugio da cidade da Victo-
ria, urna escraya de nomo Maria, do idade de 40 an-
nos, pouco mais ou menos,coin ossignaes segundes,
a saber : corpulenta, boa altura, urna mSo foveira,
edm dous ou tres denles tirados na frente, de cima,
comsignaes de velba, cintura um tanto fina, rosto
grosseiro o taciturno, o beigo de cima grosso e meio
hiendo ; levou de roupa um vestido de chita verde-
escuro com palmas, urna sala de chita prela, outra
dita de algodfloziuhu azul, .las ditas de chita usada,
tuna cobeita de panno da Costa Ja usada e nina rede.
I'ede-se s autoridades e mais'pessoas que a appre-
hendan e levem a seu seuhor, Manuel Alves da Silva
Caldas, que ser bem recompensado, ou na ra do
Queimado, n. 27.
t
MUTIL


EK


nneviesn 9r. theaourelro da lotera do theatro
Miro aue nao pague, cato tala pr?miado, o mclo bl-
|""' nl,,iT0l48.
  • ..M>uie. i"'* a leu proprlo dono, o prelo Thomaz,
    , h escravo do Sr. Jos Airea HamrdeKerreira.
    -l) Josepha Francisca Rosa annuncia ao respei-
    . "i publico que de sua casa sabio Iludida urna
    nardinha forra de nome Cordulina de la annna
    Luco mais ou menos; consta estar recolhida em
    rasada Francisco da Silva Roa-Vista : e para que
    ao levo extravio por qualquer pretexto faz o
    nresenle annuncio
    .- 0 abaixo assignado morador na ladeira da Mi-
    ricordia em Olinda faz scienle que ihe desap-
    areceu, nodia 10 do corrente, pelas 7 horas da noi-
    tB um relogio cylindro, com passador de ouro, bs-
    tante crosso: quem delle tiver noticia ou o resti-
    tuir lera em recompensa 40.000 rs.
    Pedro de Araujo Argolle l errdo.
    .. pergunla-seaoescrivilo de espolias quanlo le-
    va Vm pela approvacflo deconlas de urna Irmanda-
    de que com sua resposta ter mais que Ihe pergun-
    lar O curioso. .
    precisa-sede umeaixeiro, dos chegados lti-
    mamente da Porto : nn ra Direita, refinacHo, n. 22.
    Salibado, 7 do corrente, apparecou no quintal
    ds cssa da ra Direita n. 18, urna arara : auem Mr
    MUdno, dando ossignaes, Ihe ser entregue.
    A QUEM MI FALTAR.
    A pessoa que Ihe faltaren) 3 travs dirija-se a ra
    de S.-Amaro, venda n. 8, que se dir quem as pegou
    iodo polo rio abaixo.
    _ precisa-so de um caixeiro de 12 a 14 annos ,
    Brasileiro ou Portnguez para entregar pilo com un
    prelo na ra : recehe-se at mesmn nao saliendo da
    inesma arte: na padaria do pateo da S.-Cruz, n. 5,
    PF.IIIIM) RKI.IGIOSO.
    Pele-so por carida.leaos revero.idos prelados do
    invento de S.-Francisco ilest cidado o obsequio de
    iioiiairm demissorias a subilitns seus, sem a uapa-
    ciilailr M'ii-nl ilio i o recomineiidada Ipelo concilio-
    trideiitino. e pelo aeu mesmn instituto, e que nSo I-
    ludam dest'artea boa fde S. Exc. Ilevm. que se
    lotiva as suas palavrns como consta o vJo fazer
    acora com alguns que, alom do mais, nem em la-
    tn fAram examinados. O donato.
    ~ Recominum aecVdo, fie extincta a sncieilade
    lie gyrava sb a rasilo de Uartins Raposo & Com-
    paiihni ,em ii i armazem de asquear, na ra do
    Unini; ffeando desligado da mesma suciedade os
    soeins Felisbiim de GarvaJ.no Raposo e Jos Ignacio
    de Medeiros Rogo Monteiro, continuando o socio
    Antonio Marin Carvalho com o mesmo estahele-
    cimentne nbrigadoa liquidago do passivo e activo
    ila dita extincta lirma.
    Joaquim Cavalcante de Albuquerquc faz sciente
    que em seu engetiho se acha un pardo, de nome
    Flix, que diz ser cscravo do Sr. lenle Thomaz
    l'ereira l'inlo, que procura va senhor para o comprar:
    po: tanto, o dilo Sr. ou pessoa por elle aulorisada, 0
    pedir vir buscar, que o annuuoiante o entregar
    prnniplanieiile ; porm nlo se respnnsahilisa pela
    fug* iiu uiio esersvo Er.gc.1iio Pauala, 10 de
    outulirode 1848.
    -- OSr. Jos Paulo do llego Rarreto dirija-se a
    ru do I vrn ment, ti. 14, luja de Francisco (avl-
    enme de viliui|iii'i i|ui' a negocio que llie diz respeilo.
    ~ Francisco Jos Corroa Guimariles faz sciente ao
    respeilavel publico que deixo do ser caixe'no do
    Sr. Jos da Costa Carvallio 'Gujmar.tes, desde o di 9
    do correnle mez deoululiro de 18*8
    No paleo da matriz deS.-Autonin, n. 4, segundo
    andar, tiram se passaportes para dentro e fra do
    imperio, despacliam-se escravo e correm-so fo-
    Ihas: ludo com a maior brevidade possivel, e por
    din.mull prego.
    -- Ai i nula-se, ou vendc-se um sitio na estrada de
    S.-Amaro para Belm seliindn da poiilezinba, a di-
    reita, o lerceiro sitio muito bem plantado e com
    boa casa de vivenda : quem o pretender dirija-se ao
    silio grande que tem am mirante so da mesma
    ponlezinba ou no largo do Corpo-Santo n. 114.
    A mesa regedora actual da irmandade do SS.
    Sacramenlodo J>airro de S.-Antonio dcsta cidade
    faz scienle aquel les dos inquilinos dos predios que
    fazem o patrimonio da mesma irmandade, quo dei-
    xaram de comparecer para pagar os seus dbitos e
    presiaiem Piadores que lie marcado pela ultima vez
    odia 12 do conente pelas 5 horas da larde, para
    eomp leceiem no consisioiioda mesma matriz: is-
    lo tamliem se enleude com qualquer devedor a
    irmandade, pois que lema irmandade para Com os
    omissos de deliberar.
    FABKie.A.) PIANOS.
    Ruado Queimado, 13.
    Jolo Vignes, lendo dirigido urna das primeiras fa-
    bricas de pianos em Caris, e lendo qualro anuos
    de residencia nesta cidade onde pela qunntidade
    de pianos que lem concertado e aliado, de todos
    os nuioresede todas as armneOes., acha-se habili-
    tado para apreciar os defeitos destes ; por isso fs-
    b'ica pianos de proposito para esle paiz de modelo
    novo o riquissimo os quaes offerecem todas as
    vantagrns reunidas i bouileza o seguranga dos su-
    periores : lambem concerla o uliu* pianos com toda
    a perfeicilo.
    -- Urna pessoa que tem na riheira de de Una mais
    de cen aeras e que tillo tem ierras nos suboibius
    desia cidade onde as possa conservar para desfruc-
    lare leiie convida h quem as liver,e nrto liver vac-
    ias, a sociar, concoi rendo cada u n com o que
    em : O'iemial negocio quizer ,.dirija-so a ra do
    "'fiel, ii. 45.
    Na pa iji ;l (| ru, ,|;l Guia, no Rccife haver
    lodosos ilias a ven ia o novo pilo de Provenga fa-
    b'icaiig poroulro modo que o actual e da melhor
    lamilla quo |la ,lu niercadn : por esle motivo no se
    Pode fazer seufio a 40. 80 e 160 rs.
    Aluga-sn uma grande casa terrea na ra Impe-
    rl*l com duas salas 7 quaitos, cozinha fra, quin-
    81 murado e cacimba : na ra de S.-Gonzalo, so-
    Drado n. 29.
    --Jofio Riller retira-so para fra do imperio.
    Jna Moilinho da Silva Portuguez r.elira-se
    para u Rio Gra.nde-do-Sul, no navio mais prximo
    sabir
    Aluga-se*unia escrava para o trafico de urna
    casa: quem a pretender dirija-se a rua da Prala-dt-
    ^""'ta sobrado n 43.
    Precisa-se de um amassador: as Cinco-Pon-
    ws, padaria n.tio.
    ., ~AI,|gam-se 4 mei'agoas, duas no buceo do
    . Jei'oto duas na Iravessa do Vivfliro, pelo prego
    1"i5-'0t) rs. mensaes : na rua lio Crespo, o 15, a
    aliar com Antonio da Cunha Soares Guimar3es.
    -, Pn cisa-se de un Portuguez que saiba andar
    ni canuca na rua .Nova, n. 46.
    --O secretario da irmandade de N. S. do Rom-
    Parto convida a todos os irmSos desta inesma ir-
    mandade para comparecerem nodia 15 do corren-
    te no consistorio da inesma irmandade para o Ii"'
    dse proceder nova mesa que lem de reger a ir-
    mandade no anno de 1848 a 1849, s 9 para as 10 ho-
    ras do dia.
    Aluga-.se o nrimeiro andar do sobrado n. 86, no
    Aterro-da-Roa-Vista : a tratar no segundo andar do
    mesmo sobrado.
    10,000 rs.
    D9o-se 10,000 rs. de gratiHcacSo a quem touxer
    na ruada Cruz n. 21, um cachorro de fila anda
    nOvo de cor escura, fucinho prelo ,*cauda com-
    prida orelhas cortadas; o qual perdeu-seno do-
    mingo, primeiro do corrente mez.
    Catharina Maria da Conceiciio faz saber ao pu-
    blico que ninguem faga negocioalgum com seu ma-
    rido, Joiio Pedro da Rocha, sem que ella n8o sejs
    abedora; do contieno, quem fizer perder, que
    ella pomada seohriga.
    JoSo Pereira Lopes Muniz faz sciente aos seus
    credores que, tendo-os convidado para se reunj-
    rom na sua casa de negocio para tomarem conta del-
    ta o uo quizeram faznr : por isso nnvamente os
    convida por uteio deste annuncio, para, no prazo
    dedousdias, tomarem cunta (indos os quaes recu-
    diera a chave ao deposito geral nto so respor.ss
    llisaiulo mais por cousa alguma que possa acon-
    tecer.
    O abaixo assignado declara ao res-
    peitavel pulilico que, leudo comprado
    una porgo dededaesde prata ao Senhor
    Augiilo Marcn, pai, com fabrica de ouri-
    ves no ru>i de Santo- \ntonio, no Hio-de-
    anciro, como se prova pela factura do
    mesmo Senhor, acontece ter-se ver#cailo
    serem ditos dedaes de cobre e nao de pra-
    la, como julgava o abaixo assignado ; e
    como nao queira engaar a pessoa algu
    ma, roca aos seus freguezes que compra
    rain os ditos dedaes de os levarem rua
    da (laeia de Santo-Antonio, n. i3, no
    hotel ommercio, alim de receberem a im-
    portancia que derain por ellos ; pois que,
    sendo engaado pelo mesmo Senhor Au-
    gusto Alaren, nao era a sua intencao ter
    igual procedimcuto para com o publico.
    Simn Louis.
    Precisa-se de urna ama forra, ou escrava, para
    o servigo interno de urna casa de pnuca familia: a
    quem couvier. dirija-se a rua largado Rosario, pri-
    liieiro andar, n. 48.
    A mesa regedora da nrdem terceira deS.-Fran-
    cisco tem marcado o prazo Je dous mezes desta data
    ,:::r:! Rufas os 53us dsve.'orcs, tanto de alugueis de
    casas, como os de foros, virem pagar o quo estiverem
    a dever, nlo Ibes serviudo de pretexto o tereni afo-
    rado novos terrenos de marinha, porque, rindo esle
    irazo, sero executados;pa>a oajo liin se devcro en-
    louder com o imio procurador-geraI da mesma
    nrdem.
    No dia 13 do corrente peran-
    te o Sr. Dr juiz do civel da primeira va-
    ra, na sala das audiencias, depois desta, se ha de ar-
    rematar infallivolmenle,por ser a ultima praga.o en-
    geoho Goiabeira, moenleecorrenle, com safra cria-
    da, um dos melliores que existe, por ser mu lo por-
    to da praga e de boa producgflo : assiin cuino varios
    animaes vaccuin e cavallar euma casa na povoagilo
    ileSanto-Amaro-Jaboaiao, onde he o mesmo enge-
    nho situado, o qual se arremata para cumprimento
    de disposiges testamenta" ias: quem a pretender
    comparega: o que ludo melhor consta do escriptoem
    poder do porleiro Serra Grande.
    Precisa-se de urna ama de leite,
    que o tenha bom e bastante, forra ou
    captiva : no \ terro-da-Ba-Vista, loja
    n.78.
    Na rua Direita, padaria n 26. da-se po do ven-
    dasen) a protas, sb responsabilldade de seus se-
    nhores.
    Pede-sc ao Sr. JoJIo da Silva Rraga quoira, por
    sua bondadn, relirar quanlo antes ue sua casa esse
    hojudo t3>* uslngJ antes que elle faga com sua
    S. Me. coinoJoflo Brocha, Forias, Guimaraes e otilros
    do mesmo lote.
    Aos pais de familias.
    Umasenliora queja ha annos vive deensinar pri-
    meiras letlras, contar, grammatica poitugueza, cos-
    tura chfla, lavarinto, marcar e todas squalidades
    de bordar, que ltimamente tinha aula na.rua do
    Hospicio, mudou sua residencia para .i rua da Rinci-
    ra na Roa-Vista, casa terrea, n. 86, c ah se acha le
    aula aberta, prompla a receber qualquer alumna que
    se Itie offorega, por prego commodo.
    Lotera do theatro publico
    dcsla cidade.
    0 ihesoureiro dest lotera aifrmn
    que as rodas andam impreterivelmenle
    no dia i3 do corrente, como csl marca-
    do, eo pequeuo resto debilitles que exis-
    te acha-se venda nos lugares docostume
    at o da i >..
    Compras.
    -- Compram-se escravos que sejam ofllcias de car-
    pina, de 18 a 25 annos, e de boas figuras ; pagam-s?
    bem sendo de bous eostumes e peritos no seu off-
    eio pois silo para urna encommenda do Rio-de-Ja-
    neiro: na ruado Amorim,n. 35, a fallar com J. J.
    Tasso Jnior.
    f.ompra-seum missal ,ainda que esteja bastan-
    te usado com tanto que esteja completo : na rua
    Nova n. 14, segundo andar, o i autiuncie.
    Com pa-se u m sobrado de um andar, ou urna
    casa lerrea boa: preere-se no bairro de S.-Anlonio,
    e em boa rua : na rua de Hortus, n. 112, so dir
    quem compra.
    Compra-se chumbo velho : no paleo do Car-
    mo, n. 17.
    Compra-se pevide de melancia : na rua ireila,
    n. 58.
    Vendas.
    Vendem-se missaes romanos: na rua de S.-Fran-
    cisco outr'oraMundo-Novo n. 66.
    Tinta solar.
    Ksta tinta serve para marcar a roupa por mais fi-
    na ou grossa que seja ; e usa-so sem prenaragilo
    alguma engommandn.a roupa e oscrevendo cem
    penna deganso expOe-se ao sol por urna hora, e
    depois torna-se prefn duravel e mpossivel de des-
    botar na lavagem : vende-se no escriptorio de No-
    vaos & Companhia na rua do Trapiche, n. 34, a
    1,000 rs.
    Agn de perola.
    para tirar sardas, rugas e em-
    bellezar o rosto.
    Este celebre cosmtico fui por muito lempo- s
    mohecido de poucas pessoas nos Estados- Unidos ;
    porm sua grande utilidado tnrnou-o o comestico
    mais popular queso usa nostoilels modernos : cus-
    a cada frasco 2,000 rs. envolto no competente re-
    ceiluario; vende-se no escriptoiio de Novaes &
    Companhia, na rua do Trapiche, n 34.
    Pasta de flor de lyrio.
    Esta superior preparagilo, a melhor at hoje co-
    ndecida-para limpar os denles e conserva-Ios se n-
    pre alvos e livres da pedra e carie, conserva a forti-
    lirago dasgengivas e evita a accumulago d tr-
    taro pelo seu uso regular : cusa rada boio 2,000
    rs. c vai envolto no competente receituarin : ven-
    le-se no cscriplorio de Novaes& Companhia, na rua
    do Trapiche, n. 34.
    Agn de mcl
    para fortificar e limpar o cabello, removendo a cas-
    pa ,-couscrvando-lhe o lustro e massieza e|promo-
    vendo ao mesmo lempo a acgilo salutar das raizes ,
    e dt-sU Mirle 'szs-o cacor eoi snsis vigoro he!
    !r/a. Esta til o agradavel agoa lio preparada e des-
    tilada do mel do abelhas, contm nilo s todas as
    suasvirtudes, como tambero um aroma superior
    aos mais agradaveis perfumes : vende-te no escrip-
    torio de Novis ei Companhia na rua do Trapiche,
    n. 34.
    SSo chegados os mais ricos cortes de tramoia de
    seda, recentemente vindos deFranga, os quaes ri-
    valisam om (fualidade aos de cambraia e seda: o seu
    diminuto prego he i|e 6,000 rs. cada corte : vnde-
    se nicamente na rua doQueimado, loja n. 17.
    Vende-se urna armacSo de loj de
    calcado, toda envitiracada,e ptima para
    miudezas, ou oulro >|iialqner negocio, por
    ser n'uma das melliores ras na na da
    Cadeie-Vellia, n. 3.*.
    Venderm-se na loja da viuva de Vieira Fiiho,
    na rua da Cadeia do Recife, n 24, da 16." lotera, do
    monto pfti geral, os nmeros seguiutes: 4,337.1:000g
    rs. ; 887, 400.000 rs.: 5,870, 200,000 rs.; 3,299, 100
    rs.; 499,100,000 rs.; 4,963.40,000 rs.; 5,453,40,00o
    rs.; 3,532, 40,000 rs ; 5.8U9. 40,000 rs.; 2,133,40^
    rs.; 3,664, 40,000 rs,; 1,981, 40,000 rs. e immensos
    de 20,000 rs. '
    Vende se um lindo moleque de i3
    a 14 nnqs, pouco mais ou menos, sem
    vicios, nem achaques, e proprio de lodo o
    servico, e para pagem : na rua do Crespo,
    loja n. i A, se dii quem vende.
    Na padaria da rua do Rosario estreita, n. 13,
    vende-se bolacha a 3,520 rs. a arroba, o tambein se
    fazem enCOmmendaS para maulimoto dos navios H-
    irangeiros: quem precisar dirija-se a mesmo pada-
    ria, a fazer as encommondas que precisar.
    Um novo sortimento de
    riscaflo monstro.
    Vendem-se na loja de Cuimanles & C, que faz
    esquina para a rua lo Collegio, n. 5, novos risca-
    dos monstros de padres modernos o lindos, pelo
    mesmo prego de 320 rs. o covado.
    Vende-se um silio com boa casa e por prego
    commodo, na estrada da Agoa-Fria: na rua Nova,
    n. 46.
    Vendc-se um escravo .Africano, mo-
    co, sem vicio algum e sadio : quem o pre
    lender diiija-se rua larga do Hosaiio,
    botica n. !\"x, em cujo lugar se dir quem
    o vende.
    Vende-se urna casa terrea na rua do Jasmim,
    n. 1, no lugar dos Coelhos, em chitos proprios o
    edificada ha pouco lempo, por prego commodo : na
    rua do Collegio, n. 16, segundo andar, se dir quem
    vende.
    Vende-se Jesus-Christo perante o seculo ou
    os novos teslemunlios das sciencias, 1 v.; Descrip-
    cilo da cidade do Porto com um mappa ,1 v. ; His-
    toria da revolug.lo de Pernambuco em 1817, pelo
    doutor Francisco Muniz Tavares 1 v.; Portugal ve-
    lho 5 v. ; Poema, os burros 1 v.; Cartas de Jos
    A. de Macedo : tudo por prego commodo : na rua do
    Queimado n II.
    TNa loja da rua do ( reSpo, n. 5 A,
    ao pe do arco de Santo- \ nIonio, vendem-
    se pecas de maJapolo fino, enfeslado,
    a 5,5oo rs.; ditos de gallo dourado, a
    'l,ocio rs.; pecas de bretanha de tolo, com
    io varas, a 3,000 rs.; pecasdecassn dequa-
    dros brancos, proprias para babados,
    com 8 varas e meia, a a,600 rs.; sarja de
    seda, preta, com quatro palmos de largu-
    ta, propria para vestidos dv senhora, a
    i,5oo rs o covado ; mantas de tarlataa,
    para senhora, a 1,000 rs. cada urna ; di-
    tas de la e seda, para meninas, a 2,000
    rs., e-de seda a 7,000 rs.; casimiras enfes-
    ladas, proprias para palitos e calcas, a
    a,5oo rs. o covado ; cortes de cassas finas,
    com 6 varas e meia a,5oo rs.; e ouCras
    militas fazendas, porprecocommodo.
    Vende-se ur sobrado de um an-
    dar, na rua do Hospicio, junto venda
    do Leaodcouro, com bons comiuodos,
    grande quintal, com poco d'agoa le be-
    ber, e que est livre o desembaiacado.
    Vende-se urna escrava criouia, de SaoiHWflfl
    idade, a qual cose, engomma liso, coifnha e Taz lono
    omaisservigode nina cas, ou troca-se : na rua un
    Hortas, n. 138.
    A 1,600 cada um.
    . Na loja do Guimaraes & C, que faz esquina para a
    rua do Collegio, n. 5, vendem-se barretes de sada
    para padre, pelo barato prego de 1,600 rs. cada um.
    Vendem-se ricos chapeos de fil para senhora ,
    do ultimo gesto, vindos pelo ultim/j navio de Fran-
    ga : na rua Nova, loja n. 8, do Amoral.
    A niNHEIRO
    pro muito batato prego sapatos de lustro Jo urna so-
    la para homem, a 1,000 rs.; borzeguins para dito,
    a 3.200 rs.; sapatos de duraque de l.isbda, a 800 rs,;
    ditos para meninas, a 500 rs.; ditos de lustro, a 1,000
    rs ; ditos de selim branco oara senhora, a 1,600 rs.;
    sapatOesde he/erros. a 3,200 rs.; sapatos de lustro e
    marroquim para meninas, a 00 rs. e ouiras quali-
    dades: ludo recentemente chegado : na rua do Ca-
    deia do Recife, n. 15,
    AJTENCA'O.
    Vendem-se, nos Arrumbados, as madeiras seguiu-
    tes: trave do 25 a 48 palmos, enchameis de 22 a 3o
    ditos, mos travessas do 30 ditos, caibrosde 30 e de
    40 ditos : todas estas madeiras silo de primeira qua-
    lidade : oscompr idores dinjain-se a dito lugar que,
    escolhendo c ajustando, mauda-se Irazers obras e
    por prego muito commoilo, e lira-se loda e qualquer
    madeira quo queiram.
    A 4.000 rs. cada um.
    Na loja n. 5 que faz esquina para a rua do olle-
    gio, ilc Cuimarfes & C, vendem-se chapeos de sol de
    seda verde, azul c encarnada, pelo diminuto prego
    do 4#000 rs. cada um.
    Vende-se potassa muito superior,
    chegada ha poneos dias, em barra peque-
    nos, e pir preco niuilo commodo: no
    caes da Alfandega, armazem de Dias l'er-
    reira.
    --Vende-se, por o donoso retirar para fra urna
    cama de casal, feita om Lisboa com os enxergOes
    iiusiou elles; ilefronte do quartel de polica n II,
    Firroino J. F. da Rosa vende muito superior pan-
    no de algodo trancado, fe'ito na Rabia muito pro-
    prio para saceos de assucar assim como para roupa
    do escravos por ser muito encorpado : os preten-
    lentes dirijani-se a rna do Trapiche, n. 44, primeiro
    andar.
    CAFE'.
    Vende-se caf da Ierra de primeira qunlidade. sen-
    do de arroba para cima a 14! r* a libra e as Loas
    a 160 rs. : na rua do Rangel, n. 45.
    Vendem-se, na rua do Qneimado, n. 45, loja de
    fazendas, as bem condecidas velas de carnauba,
    vindas do Araeaty em caixas de urna arroba sen-
    do de primeira sortede 6 em libra a 280 rs.; ditas
    dsete em libra a260 rs. e de segunda sorte a
    240 rs., de oito em libra.
    Vendem-se lijlos de alvenaria grossa, de mui-
    to bom barro.bem cozidos.proprios al para obra de
    ces.postos em qualquer porto de obra ou no embar-
    que da otaria, tttdo como couvier ao comprador, pe-
    lo mais commodo prego possivol, e sendo porgo de
    milheiros mais se attender no prego: a quem con-
    vier dirija-se, a tratar na rua estreita do Rosario, n.
    15. '
    Vendem-se na lojadeManoel Ferreira Ramos,na
    rua do Crespo, que faz quina para a do Queimado,
    cortes de cambraia de e dilosde tarlatana.a 2,600 rs.; ditos de bolmira.a 2.500
    rs.; cortes de algodo e seda para collete, a 500 rs.;
    ninas casimiras,a 500 rs. o covado; corles de velludo
    para collete, a 3.000 rs.; assim como um variado sor-
    temento de pannos finos pretos e de cores, casimiras,
    selins, ele
    -- Vendem-se litulos de divida da thesouraria ge-
    ral: no armazem da rua da Cruz, n 13.
    Vendem-se uus litulos da divida da thesoura-
    ria geral : na rua da Cruz a fallar com o caizeiro
    do armazem n. 16.
    Chapeos da Jg ultima moda
    Vendem-se superiores chapeos francezes do ulti-
    mo gusto de Pars, chegados intimamente no bri-
    gue Kelie-lUathilde; bonetes para meninos ; chapon
    de niassa de ludas as qualidades at o diminuto
    prego de 2,400 rs. : na rua do Queimado, loja de
    chapeos, n. 38.
    Na rua de Agoas-Verdes,
    n. 46,
    vende-se, de urna pessoa que se relira, urna bonita
    mucama bem educada c com todas as habilida-
    des ; 4 escravas de 18 a 22 annos, que engommam,
    cozinham e lavnm tudocom perfeigflo; duas ditas
    avadeirns equilandeiras ambas por 600/ rs.; um
    bonito escravo de 20 annos ; um dilo de 26 annos,
    que liaba [ha de rarpina e he ptimo trahalhador
    de carpina o de todo o servigo ; um dito por 350/ rs.
    Vende-se urna b.nnito escrava com as habilida-
    des necessarias para urna cusa de familia ; um mole-
    que de naglo, de 18 anuos ; um prelo de bonita fi-
    gura por prego muito rasoavel, para liquidago :
    110 paleo da matriz de S.-Antonio loja n.4.
    -- Vendem-se luvas de pellica branca, para iio-
    mem e senhora a 1,000 rs., o de cores, a 500 rs. :
    na praga da Independencia, n. 39.
    Vende-se urna preta moga de bonita figura ,
    por prego commodo : na rua do Crespo, n. 15.
    Vende-se muito superior lagedo de Lisboa ; cal
    virgem em barris de 4 arrobas por mdico prego:
    na rua do Vigario, n. 19.
    Vende-se urna escrava de 18 annos de bonita
    figura que cozinha o diario de urna casa engom-
    ma, cose ensaboa c he muito diligente esadia : na
    rua da Cadeia do Recife, n. 53, lerceiro andar.
    Vendem-se terrenos productivos, em porgilo
    maior ou menor e por baixo prego : na estrada que
    vai da Soledade para Olinda, sobrado do primeiro
    sitio depois de passar a gruja de Belm, ao lado es-
    quefdo nos das uleis al s 8 horas da mantilla e
    das 5 al s 6 da tarde, e nos domingos e dias sao-
    tos a toda hora do dia.
    V.ende-se a venda da rua da Madre-de-beos ,
    n. 9 com poucos fundos, e a armagSo muito com-
    moda : a tratar na mesma venda.
    LADO
    1


    n..-vm
    film
    -ur m



    Vende-se vinho verde, muito bom e sem con-
    fecfloalguma.aaoors. a garrafa; vinegre branco
    de Lisboa muito forle : no pateo do Caroio, venda
    n. 1.
    Vende-so a loja da ra do Crespo, n. 5 A, com
    os fundos existentes : a tratar na mesma leja.
    Ven.le-se un escravo de 18 annos, de muito
    boa conducta o que he ptimo para qualquer ser-
    vico: na ra Direita, n. 1 6, sobrado que faz'esquina
    para S.-Pedro.
    - Na loja n. 5 A da ra do Crespo,
    ao pe do arco de Sanio-.4 ntonio, vendem-
    se mantas de laa e seda, muito bonitas,
    para meninas, pelo barato preco de
    a,ooo rs ; assim como cortes de chita es-
    cura, com io covados, a i,6oo rs ; cassas
    de cores, de cjustro palmos de largura, a
    a4 rs o covado.
    I'otassa.
    Desembarcou lia poucos dias urna por-
    cao de barris pequeos, com muito nova
    e superior notassa, e se acham venda,
    por preco mais barato do que ultima-
    mente se venda, na ra da Cadeia- Velha,
    armazem de Baltar&liveira, n. 12.
    JL
    Vendem-se chapos de castor branco
    4,000 rs. : na ra do Queimado, n. 22.
    tes ; colheres de metal do principe, para
    cha j saca-rolhas de patente ; es tojos de na-
    valhas ; afiadores, com sua competente
    pedra; dos melhores que teem'apparecido :
    na loja de quatro portas da roa do Cabug,
    do Duarte.
    Vendem-se chapeos de pal ha da
    I'alia, para homem, a 6,000 rs., e de se-
    nhoraa 1,280 e 4,000 rs.: ns ra do Cabu-
    g, n. t C, loja deqnatro portas, do Duarte.
    tfS^BOM NEGOCIO. <9
    Vende-se, pela justa avaliagSo, urna parte de um
    sobrado em situagflo de commercio casa bem cons-
    truida o que ofTeroce grandes proporgOes para lu-
    do : a parte que se negocia excede a um terco e
    vende-se a prazo ou com permutas : sendo dinhei-
    ro a vista melhor ser para quem comprar: na ra
    do Caldeireiro, n. 62.
    V i-iidp.se cal virgen] de Lisboa em barr* de 4
    arrobas chegada pelo ultimo navio, por preco commo-
    A ii'000 rs. ,
    ancorlas com azeitonas superiores : ven-
    dem se no caes da Alfandega armazem
    n. 7, de Francisco Dias Ferreirs.
    Casimiras elsticas.
    Vendem-se superiores cortes de inela casimiras elas- .
    ticas de pura laa, pelo barato preco de 2/000 o 3/000 rs ra sei,nora a 1,200 rs. : leneos de {ira va-
    o corte de calca : na nova loja A- A-"- J-
    Collegio, b. 1.
    A os fumantes de bom gosto.
    Na ra da Cruz no Becife venda n. 66 atrs
    Rio-de-Janeiro no vapor S -Salvador, os afamados ci-
    garrilhos hespanhes. A elles, freguezes, antes que
    se ac bem.
    Vende-so urna escrava com cria a qual cozinha
    soffrivelmenle he quitandeira e lavadeira, o de pre-
    sente propria para ama de luite : na ra da Paz n.
    26, junto ao lampeo.
    AGOA DE TINGIB CABELLO
    Conlinua-soa vender agoa de tingir cabellos e
    suissas: na ra do Queimado, n. 31. 0 methodo de
    applicara dita agoa acompanha os vidros.
    Vendem-se luvas de pellica para
    senhora, enfeitadas, 2,800 rs. ; ditas
    para homem, de diversas cores, de pon-
    fo inglez, a 1,000 rs. ; dilas dealgodao a
    Son rs,: lila* de seda a 800 ,*.. ditas pa-
    rte cacadores ; ditos de vidro, de diversas
    c'ires: na ra do Cabug, loja de quatroI
    portas, do Duarte.
    Vende-se vinho do Porto, muito su-
    perior, pelo baratissimo preco de 1,120 rs.
    em caadas, e 160 rs. a garrafa : no becco
    da Lingoeta, n. 8, venda de M a noel Gon-
    calves Pereira.
    Vendem-se sellins inglezes, supe-
    riores, para montara de senhora, recen-
    temente chegados : em casa de Geo :
    Kenworthy&C, ra da Cruz, n. a.-
    AOS 20:000,0000 DE RS.
    Vendem-se bilhet.es da lotera do Santissimo Sa-
    cramento do Rio-de-Janeiro, cujas rodas correm im-
    preterivelmente a 18 do correle : ni run da Cadeia
    do Recife, loja n. 51.
    Cunda & Amortn teem para ven-
    der, por baratissimo preco, barris com 4
    arroba* de cal de Lisboa, par fabrico de
    assucar, da melhor qualidade que ha
    nesle genero : na ru da Cadeia do Kecife,
    n. 5o.
    Vende-se alcatrao da Suecia, de
    boa qualidade, em barris bem acondicio-
    nados com arcos de ferro: na ra do Vi-
    gario, n. 4.
    qiioem outra qualquer parte ; urna machina de lv
    thographia com podras, tintase mais pertonce
    tinta azul em p, chamada ultramarim que ,7?
    assucar, e para azular a roupa ollerecendo miu
    rHntagensdoqueoanil; eum completo snrtimeiT
    to de instrumentos de msica tanto de metal com
    le madeira : na na da Cruz, 11. 55.
    Algndao trancado da fabrica
    de Todos-os Sanios tfa a
    hia,
    muito propno para saceos de assucar e roupa de e
    cravos : vende-se em casa de N. 0. Bieber & r.,m
    panhia na ra da Cruz, n. 4.
    Para vestido de senhora.
    Vondern-se lindos cortes de 1.1a transparente, n,,.
    vestidos de senhora muito baratos; luvas de Vi
    lica enfeitadas, para senhora, a 2,800 rs. j ditas1 li
    sas brancas e de cores; chapos de palha abert"
    ditos do cima; ditos lisos litas de setim lavradaV
    muito lindas; bicos de seda branco e de todas ai
    larguaas ; crep de coros; sapa (os de marroqui'm
    lustro, setim e do dura que de Lisboa; bozeKuiiis'
    ludo para senhora; llores para chapos e cabeca J
    senhora; um sortimenlo do perfumaras; e outras
    fazendas por preco commodo : na ra Nova, o. 30
    loja de Domingos Antonio da Oliveira.
    da estrella, da ra do
    CHAUPANHv
    da verdadeira marca CO.META.uma tortura nova: ven-
    de-U na ra da Cruz, no Recife, n. 17.
    Vende-se uina casa terrea muito grande, sita na
    ra da Mangneira. na lloa-Vista, n. II. com grandes com-
    modos, quintal multo grande e muitns arvoredos de fruc-
    tos, por preco ornis rasoavel possiVel: trata-se oa ra
    ao Aragao, n. 27.
    Algoddo monstro de 8 palmos
    e meio de largura.
    Na loja n. 5, que faz esquina para a ra do Cod-
    alo deC..in..r!IeS&CompSr.hi3, vende-sea ..ova
    razenda de algodflo branco muito proprio para toa-
    Ihas, pelo barato prego de 640 rs. D-se amostra.
    --Vende-se muito superior biscouto francez de
    Itlieims : na ruada Cadea-Velha, n. 29.
    CHA* HYSSON,
    de ptima qualidade a 2/240 rs. a libra : na ra da
    Crn, no Recife armazem n. 13.
    PRELO
    a 3.sooo rs. a sacca
    nos armasen* ns. 1 e 3 do caes da Alfandega, e no de n.
    Mi da ruado Auiorirn, de J. J. Tasso Jnior,
    Riscados monstros.
    Vendem-se superiores riscados inonslros, jbem co-
    uliecidos tanto pela qualidade romo <). farcun .-:i
    ileinasia, pelo barato pre9o de 280 rs. 'o covado? Rales
    riscados sao rhegados ltimamente: as cores sao fixss,
    . os padroes muito modernos e de bom costo : na nova
    loja da F.streila da ra do Collegio, n. 1.
    Vende-se cal virgem de Lisboa,
    chegada no ultima navio, em barris pe-
    la, de seda, de 1,000 rs. a i,6oo rs" ; ga-
    Joes entre-finos de diversas larguras;
    espiguilhas, galoes falsos, e volantes, por
    precos com modos ; bicos do Porto, de di-
    versas larguras, de 8o a 160 rs. a vara ;
    ditos francezes, de bonitos padroes ; fitas
    de seda, n 9 e 12 ; No es francezas ; len-
    cos de g:irea a 1,000 rs : na loja de <|ii .tro
    portas da na do Cabug, n. 1 C, do
    Duarte.
    0VVVVfffffVfV-Vff9VVVVVWtfft
    * .....<
    E Potassa nova e superior. 1
    *
    Vende-sea 2fo*rs. cada libra,na J
    ra do Apollo, armazem n. 18, ou
    na na da Cadeia, n. 4o.

    quenos, por menos do que em outra qual-
    quer parte : na ra do Trapiche, arma-
    zem n I7.
    Vendem-se dous pianos fortes de Jacaranda,
    chegados ltimamente, que, alm de serem um
    magnifico ornato de urna sala, teem excedentes
    vozes, sendo o meehanismo da muita approvada no-
    va iuveneflo chamada repitdor patento de Col-
    lard : em casa de i. Keller & Companhia na ra da
    Cruz, n. 55.
    Vendem-se ac<;6es da ex-
    mela companhia de Pernambuco
    e Parahiba: no escriptorio de O-
    liveira irmos & C, ra da Cruz,
    n. 9.
    Vendrm-ae barra pequeos com cal vlrgein de Lis-
    boa, a maii nova que ha no mercado, por preco com-
    modo : na ra da Molda armazem n. 17.
    Vendem-se queijus londrinos os mais fresesae
    que bao mercado; latas com bolachinhas de ara-
    rula ; dilas com hervjlhas ; ditas com sardinhas
    na ra da Cruz, no Recife n. 46.
    Vende-se urna cama de nrmaco mm lona.qua-
    si nova por preco commodo: no Aterro-da-Boa-
    VisU, n.48
    Vende-se na venda de Benlo Joflo Cardozo, na
    ra Direila n 95, superior cal de Lisboa em barris
    de4 a 5 arrobaa, chegada prximamente por mais
    commodo preco do que em outra qualquer parte.
    Vende-se urna casa no lugar da Capunga, pprlo
    do rio de pedra e cal, ainda nova loJa envidraca-
    da : vende-se por menos de seu valor recebendo-se
    meta de a vista : no pateo da S.-Cruz ao p da bo-
    tica n. 8.
    Vendem-se, na ra do Amorim venda de Anto-
    nio JoSo Fernandes de Carvalho ,-as maiores eslei-
    rs vindasdo Aracaty, por prego commodo; cai-
    xas de pao, lambem do Aracaty imitando tartaru-
    ga, obra muito bem feita a 1,000 rs. cada una.
    Vende-se cera de carnauba, muito boa por
    prego commodo : no Alerro-da-tloa-Visla fabrica de
    licoies, n. 17.
    Vende-se caivetes de cabo dema-
    dre-perola, de urna folha at qualro ; di-
    tos de piyihal; tesouras para unhas, fi-
    nas ; ditas de costura ; dita com canive-
    -Vende-se urna vacca gorda sem fllho; ptima pa-
    ra acmigue : no Aterro-da-Boa-Vista, fabrica de lico-
    res, n. 17.
    Vende-se, para frada provincia, urna bonita
    crioula de 18 annos, muito sadia que engomma,
    cozinha, cose e faz todo o mais servco de urna casa
    de familia t no Aterro-da-Boa-Vsla, fabrica de li-
    cores, n. 17.
    FAREI.O,
    a 4,5(10 rs. a barrica no armazem n. 20. de Joaquim
    da Silva Lopes, confronte a guarda da alfandega.
    Vendem-se Caima de vidro, mu
    bem enfeiladrfs, para guardar jejas, por
    preco commodo: na loja de quatro portas
    da ra do Cabug, n. i C, do Duarte. '
    i"jolo8 de marmore.
    Vendem-se lijlos de marmore, brancos e azues
    de 10 pollegadas quadradas por prego commodo
    na ra da Cruz, n. 18, primeiro andar.
    Vendem-se saccas com Trelo pelo barato pre-
    go de 2,400 rs.: na ra da Senzalla-Velha n. 138.
    Agencia da fundicao
    Low-Moor, ra da MezaJla-
    nova, n. 42.
    Neste estabelecimento contina a ha-
    ver um completo sortimenlo de moendas
    e mcias moenda9, para engenho; ma-
    chinas de vapor,e tachas de ferro batido e
    coado, de todos os tmannos, para dito.
    Vende-se urna negrinba de 15 a 46 anuos,
    muito linda que cose, engomma e cozinha, ludo
    solrrivelmente por isso prupria para criada ven-
    de-se, na provincia ou fra deila : no pateo da Paz.
    n. 80 nos Alagados.
    Vendem-se. com abate, 6 apolices da compa-
    nhia de Reberibe : no Iheatro novo.
    -- Vende-se urna preta cozinheira e engomma-
    deira muito moga sem defeilos nem achaques :
    iiocoinprailorse dir o motivo por que se vende:
    na ra do Hospicio, n. 21.
    -- Vende-se urna ptima casa moderna no largo
    do Alanguinho, toda envidragada, com 6nlcovas,
    2grandes salas, cozinha fra, cacimba toda mu-
    rada com dous portOes sondo um de cocheira e
    porto de embarquen desembarque, por prego com-
    modo : na ra do Aragao, n. 9.
    Vende-se um lindo prelo de nago Angola, de
    25 annos : ao comprador se dir o motivo por que
    se vende: na ra das Trincheiras, sobrado n. 16.
    Vende-se um bonito sortimenlo de
    boloes de seda, para casaca ; ditos para
    vestidos de meninos; ditos amaiellos, de
    1'edro 115 ditos para militares, de ca-
    vallaria e infantana, ditos para libres de
    pagei, brancos e amarellos, de bons pa-
    dr5es; ditos de masaa, psra farda/nenio
    Vendem-se neste armazem os su peares
    charutos de Ha vana-,
    vindos no patacho hespanhol Huracn tanto aos
    centros, como em caixnhas de 500.
    PRIMORES da fabrica de,Francisco Oros, moito
    superiores, em caixnhas de 100 ; e alm destas qua-
    lidades nutras j annunciadas e que se vendem
    por precos commodos. s
    No mesmo armazem so vendem por pregos rasoa-
    veis os seguintes gneros excedentes e novos : quei-
    jos londrinos ; presuntos para fiambro, tanto ingle-
    zes como de Westphalia ; sardinhas e hervilhas ,
    muito novaseom latas; licores finos em garrafas
    com rolhas de vidro ; ditos em garrafas communs
    marraschina ; vinho de rhampanha Bordeaux
    Saulerne e Porto em garrafas; excedente cerveja
    !_":uw ,i nrpla t-m Dirnf.. mnj,B (Illa* -.;,,
    ,; ',' =..-. w ....__ i.,,.,, oti,iic
    doce refinado em garrafas ; conservas de todas as
    qualiilades muito fresquinhas frascos com fruc-
    tas em espirito ; espermaceto de varias qualidades;
    queijosflamengos novos ; cha hyssnu superior, mui-
    lo barato : alm destes gneros outros muitos pro-
    prios destes estabelecimentos.
    Cera de Lisboa.
    Na ra da Cruz, n. 60, ha um completo sortimen-
    lo de cera de Lisboa em caixas de todos os lma-
    nnos quo os compradores desejarem ; assim como
    lambem ha urna grande porgfloda que vem em gru-
    mo e em pilo vende-se por menos prego do que em
    outra qualquer parte.
    Vende-se, na ra do Vigario n. 24, boa bola-
    chapara e.cravos, por muito commodo prego.
    Vende-se um piano-forte, nriznn-
    lal, novo ; e eslanbo em verguinhas : na
    ruado Vigaiio, n. 23, casa de Russell
    Mellors & C.
    Vende-se urna porco de rotim : em |
    casa de Hussell Mellors & ('. na ra do
    Vigario, n. 23.
    Vendem-se muito boas esporas de molas, e
    molas para as mesmas, chegadas ltimamente de
    Lisboa por prego commodo .- na ra do Queimado,
    loja n. 4.
    Vende-se, para fra da provincia urna escrava
    crioula de 24 a 25 annos, de bonita figura, que en-
    gomma, cose e cozinha : ludo com perfeicAo : no
    Aterro-da-Boa-Vista, n 26, segundo andar.
    --Vende-se colla de superior qualidade, das fa-
    bricas do Itio-Grande-do-Sul : na ra da Moda ,
    n. 7.
    Vendem-so seis bonitos moloques pecas de na-
    CM de 10a 18 anuos, sem vicios; dous lindos inula-
    tinhosde 12 a 16 annos; um molecllo de elegante fi-
    gura, muito bom oulcial dealfaiate.s se vende para
    engenho ou frada provincia; cinco escravos de bo-
    nitas figuras de 20 a 25 annos, bons para servigo de
    campo; tres bonitas pretas de nagflo de 20a 24 an-
    nos, que engommam bem, cosinham ecozem ; tres
    negriiihas recolhidas de 12 a 13 annos, com muitos
    bons prijici pos de habilidades : na rna do Vigario,
    n. 24, se dir quem vende.
    Vend-se um lindo cabriol com todos os per-
    lenr.es, por 250,000 rs. : a ver. na ra das Larmigei-
    ras, n. 15.
    Na loja de quatro portas da ra do
    Cabug, n. i C,do Duarte, tem um
    completo sortimenlo de pe fumarias, por
    precos mais commodos do que-em outra
    qualquer parte.
    Cortes de cassa.
    1 800 rs.
    Vendem-se lengos do garga de divejsas cores pa-
    ra pescogo de senhora e meninas, a dous cruzado
    cada um : na ra Nova, n. 30 loja de Domingos' An
    Ionio de Oliveira.
    Catangas de porcellana. >
    Vendemrse calungas de porcellana de diflerentes
    tamanlios, a 1,000, 1,500 e 3,000 rs. cada um i ni
    ra Nova n. 30, loja de Domingos Antonio de Oli-
    veira .
    Vende-se a dinheiro u a prazo upa inh._
    na que vende bastante para a torra, a qual tom de
    fundo 500/a 600/000 rs. : na ra das Cinco-Ponta
    n. 12, primeiro andar.
    Vende-se una escrifva crieula de 30 e lanrfA
    annos, quo faz todo o arranjo de urna casa eom per-
    fegflo faz doces, cose soffiivelmente e engomma
    muito bem : o motivo por que se vende se dir ao
    comprador : na ra do Collegio venda da esquina
    n. 25, quefoi do Sobral.
    i/&*

    88$
    0 Cha brasileiro, hysson. S
    * Sempre se encontrar muito bom cha na Zl'
    M) nova loja de4ivros do paleo do Collegio,
    jN n. 6, de Joflo da Costa Dourado : veudo-se uol
    de meia miarla imra rima, or nrnr-'i >m_ ,!i
    8 m0d' A
    $888888P6d88-''
    - Vendo-se urna preta da Costa, moga, de boa con-
    ducta e que he ptima para vender na ra : no
    Aterro-da-Boa-Vista, n. 3, primeiro andar.
    No deposito da ra da Cruz, n. 26, receheu-se
    da Baha da bem acreditada fabrica da Francisco
    Cro7, os excedentes charutos regalos e llahia-yellow,
    chegados receulemente no patacho Oliveira.
    Xa r o pe do bosque do dmilor
    Molla.
    Conlina-se a vender este xarope nicamente no
    csciiptorio de Novaes& Companhia na run do Tra-
    piche it. 'I, C na fu u Cu-iia do venfo !*" Mfl
    miudezas, n 9,
    Tinta imperial
    para lingir as suissas e cabellos ruivos ou blan-
    cos torna ndo-os per fci la mente p retos, sem dai-
    no a Igum e desla soito massios e lustrosos : vnde-
    se noesciiplorio do Novaesdt Companhia, na ra do
    Trapiche, n 34.
    ioja dt
    Escravos Fgidos
    Na ra do Livramento, n. 14, hechegadoum gran-
    de sortimenlo de cassa de ricos padroes e de supe-
    rior qualidade por prego commodo ; fuslflo bran-
    co, a 500 rs. o covado; e outras muilas fazendas
    baratas.
    -- Vende-se por prego commodo, algodffo tran-
    gado, de superior qualidadj fabricado na Babia,
    proprio para saceos de assuca re roupa de escravos ;
    lio em nvelos da mesma fabrica : na ra da Cadeia-
    Velha, n. 9, primeiro andar.
    - Vende-se urna luja de miudezas, com poneos
    fun-los que nflo exce.iem de 700/rs, com arma-
    gilo leudo de cada fazenda urna purgflo : lambem
    se vende apente a armagflo aero as fazendas: no
    Alerro-ila-lloa-Visla n 58.
    -- Vendem-se charutos da llavana e da Babia, che-
    gados ullimaineuie, por prego mais commodo do
    Fugio urna crioula de nomo Calharina com
    os signaes seguintes : alta, mgr ; tem a harrijfa
    um tanto crescida nariz grosso, denles bonito*;
    levou um roupflo de risca.iinho cor de rosa, una
    saia de lila e otilra do chita esverdeada com dous
    babados guarnecidos com fita de velludo preto um
    cabegio de cassa de quadros romuhertura e botoes,
    panno da Costa sen. eslar embainhado; levou mais
    urna sua filha de nome Mara de dous annos ; lem
    as coxas unidas a ponte de a fazer espalhar os pos
    para os lados; suspeita-se que esteja escondida em
    Fra-de-Portas ejuspeiU-se mais outra cousa ,'de
    que.por nfloeslar Mln esmerilbaila, nflo se faz decla-
    lagiio alguma : quem a pegar leve-a ao Alerro-da-
    Itoa-Vista, n. 42, que ser gratificado: lambem se
    protesta contra quem a tiverocculU.
    -- Fugio, no da 5 do concille um prelo rriou-
    lo, de nome Patricio de 30 annos ponen mais ou
    menos; levou cagase camisa de ganga azul, cha-
    peo de palha com grande falta de denles na fren-
    te ; tem urna fstula arrehentada em nm queixo, ma-
    gro peruas finas ; mlou Irabalhando no da 4 do
    correte em puxar madeira a- pe do porto das ca-
    noas na ra Nova ; tem suas amisades ha Koa-Visla
    quem o pegar levo-o a ra da Cruz no Becife n.
    37, que sera gratificado.
    Fugio, no da 9 de julho, o molequo Francis-
    co, de nagflo Kebolo ; levou caigas de panno azul
    ja velhits; tem a marca C em urna das ps; repr-
    senla 20 annos quem o pegar leve-o a ra da Ca-
    deia do Kecife, n. 2, que recebis de grailicaco
    50,00ff n.
    Fugio, nodia7 do corrente um escravo tri-
    gueiro porm tem o cabello acabocla.lo ; tem no
    rosto algumas espinhas, de 2i anuos pouco mais ou
    -menos; levou galgas brancas, camisa de madapo-
    Iflo, e chapeo de palha ; he de pouras Tallas ,|e na-
    tural do serlflo do Ceara ; suppOe-se ler seguido pr
    , osla ealraiin, ou deoutro selUio. Iloga-se as autori-
    dades pbliciaes e Cipilfli's de campo que o a/>pre-
    heudiiu e leveiii-noa ra .la Cruz, n. 37. Declara
    se que este escravo veio lem.Uulo do Ceara por Jos
    Sinilli Uo VasconcellS. (Bamleiro. )
    rm
    \A I VI DE M.
    T. DEFAMA.----1^
    MUTILADO


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EES1GMV8N_WGXIWK INGEST_TIME 2013-04-24T19:39:36Z PACKAGE AA00011611_06534
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES