Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06527


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Xnno XXIV.

Qiiarta-fcira 4
o II! IH10 publlca-sc todos o diasque nao
i,rin di" gmril: o preco da astignalura he
ti/000 rs. por quartel, pigos adianl.ados. Os
-nuncios Jni assigiianles sSo inseridos
,-u de '20 rs. porllnha -40-rt. em fypo dlf-.
frrriite, e as repeti{.fJe* pela molicie. Os nao
.isnantes piarlo 80 rl- Por ""hae !ll "
mi iyl' difieren, Pnr caai< public*cao.
PHASES DA LA. No'hBZ OE OUTIIBRO.
/tosejis, a5, 11 hora e 42 mln. da nmili.
"adulo, a 12. 1 hora e 30 .nin. da tard.
MlMoanU, a 19, aos 8 mln da man),
uu mm, a 2, s 11 hora, e 27 mln. da tard.
TARTIDA dos CORREIOS. i
Goianoa e Parablba, as segs. e sextas-feirai.
P io-G.-do-Norlc, qulntas-fclras ao meio-dia.
Cabo, Serinhaem, Rio-Forr.mso, Porto-Calvo
1 e Macl, no I.1', a II e 21 de cada ran, t;
Garanhuns o 'tonllo. a 8 e 23.
Boa-Viiu e Florea, a 13 e 28.
Victoria, i qulnlas-feiras.
Oliuda, todos os das.
PREAMAR OE BOJE.
Priincira, as 10 horas eS4 minutos dantanh.
Segunda, s II horas e 18 minutos da tarde.
de OiitHhro de 1848.
m. mi.
DAS da semana.
2 liegu-iri-,. ii Aojada ftiirds. And. do
1. dos orpli. do J. el, e do 1. M. da 2. v.
3 Terca. S. Candido. Auil.do J. do c. da 1.
v. c ilu J. de |ii/ do 2. diit de t.
4 Quarla. S. Francisco de Assii. Aud. do I.
doc. da 2. r. e doj. de par. do 2 dlct da i.
.i Quinta. S. Placido. Auil. do J. do orph.
do J. M. da I. v.
6 Sexta. S. Pruno. Aud. do i. docir. e do
J. de paz di 1 dist de t.
7 Sabbado. S. Marcos. Aud. do J. do c. v.
e doJ.de pac do I dist. de t.
8 Domingo. O Patrocinio de 8. Jos.
CAMBIOS NO DA 3 DE Ol'TUBtO.
Snhrr Londres a 23 '/, d. por l'rs. atfcid.
Pars
a Lisboa 120 por cenlo de premio
* Rlo-de-Janeiro ao par.
Desc. de lelt. de boa* llrmis al % ao nin
Acedes da coinp. de Iteberlbo. l&O/rf, aop.
Oaro.Oncas hespanliolas .IU.'iOO a 31/71"
Modas de 6/400 17/700 a 17/800
de 0/400 n. 16/700 a 16/800
de 4/000... 9/&00 a O/lHU
PrataPataces brasilelros 2/030 a 2/040
Pesos columnarlos. 2/030 a 2/040
. Ditos mexicanos..... 1/000 a 1/920
DIARIO DE PERNAMBUGO.
PARTEO fFICIAL.
MINISTKRIO DO IMPERIO.
I pnr va ttdecixSexque deu o presidente da provincia de San
Paulo s duvidas apreientadatpeloi juizes de paz diti fre-
cuetias de San-Srhustiiio, Juquiry e Bnrreiro, A lei regula-
mentar dateleicOes.
Em 25 de agosto de 1848.
Illm. e Exm. Sr. Sendo presentes a S. M. o Impe-
rador os ollicios de V. Ex., nmeros93, 97e 98, coin da-
tas de 18 e 19 do crreme, submettendo no conbeclineu-
to dogoverno imperial as soluces por V. Ex. dadas s
seguinies duvidas occorridas na execuco da lei regu-
lainentar das eleices :
1." Dojulz de par, presidente da mesa parochial da
iregueziu de San Scba:!.o, .ponderando que, Sendo de
proceder-se elelfSo de vereadores e juites depat na
dita freguezia, e na de Sanlo-Antonio-de-Caraguatalu-
ba novamentc creada'; e nao pudendo elle presidir ao
inesmo teinpo a ambas as eleices, duvlda passar a ju-
' lisjliccao ao inmediato iin votos,o pudre Jos llucno da
( n'iili.i, por Ine parecer que este cidado perdeu o lu-
gar de juiz de pai, tanto por haver mudado sua residen-
cia para a villa de Ubatuba, onde exerceu o cargo de vi-
gario encominendado, posto que depois regressasse para
aquella freguezia, como pin i|ue, aceitando, como a-
ceilou.o dito cargo de vigario encnnimerfdado.devc sup-
por-sc ter renunciado ao de juiz de paz cm vista do avi-
so.de 18 de setembro de 1829, que deelarou os dous car-
gos inconipativels.
2.a Do juiz depat da freguezia de Juquiry, commu-
nicando que, em consequencia de (er sido annullada
a eleicao de eleilores da uiesma freguezia, tomou a re-
solticuo de suspender a convoracao determinada pelo
ortigo 24 da citada lei; c consulta por isso se deve espe-
rar ou uo pela nova eleicao de eleitores, e no caso af-
lirmalivo como satisfazer ao inesmo artigo, que manda
fazer a convoca(o coin anticipacao de mu inez.
'3.* finalmente, do juit de paz da frrgiiczia do llarrei-
ro, fazendo ver que, nao se leudo procedido eleicao
de eleilores pela referida freguezia cm noveinbro do au-
no passado, entra em duvida quacs as pessoas que deve
convocar para a organisaeo da mesa parochial no dia7
do un-/ de setembro futuro, e da junta de qualiflcacao
na lerceira dominga deate mez.
O iiiesmo augusto senhor houvc por bem declarar o
seguate:
1.' Que cojn nerrto resol ven V. Ex., considerando
procedente n duvida do mencionado juiz de paz presi-
dente da mesa parochial da freguezia de San-Sebastian,
eque, porlanto, devia elle ser substituido na presiden-
cia da mesa parochial em CaTaguatatuba, pelo que
se seguir cm votos ao sobredito padre Jos bueno da
Ciinha.
2. Que bem decidi V. Ex. a segunda duvida,respon-
drndo ao juiz de paz da freguezia de Juquiry que, de-
vendo ter lugar imprclrivclinenlc nodia7 de setem-
bro a eleicao de vereadores ejuizes de paz, e havendo
falla absoluta de eleilores na parochia, em virludc da
annullaco da respectiva cleicao, cumpria que o dito
juiz de paz, em conformidade do que ordena o decreto
n. 48i),de 24 de outubro de 1846,decisao stima, passasse
quanlo antes a fazer n couvocacao para se organisar a
mesa parochial no citado dia 7 pela maneira indicada
no artigo 6." da lei.
3.a finalmente, que tamben) acertadamrnle resolveu
V. Ex. a lerceira duvida, significando ao juiz de paz da
freguezia do llarreii'o que devia proceder forinacao da
mesa parochial, e junta de i|iialificar;lo pelo modo deter-
minado no citado artigo G ", como dispon o mencionado
decieto n. 480; ponquanlo, havendo falta absoluta de
eleilores naquella parochia, acha-se verificado ocaso
.providenciado pela referida deciso stima do mesmo
Ir ,decreto, que manda proceder nesla conformidade cm
idntica hypolhese. Oque ludo coinmuiiico V.'Ex. ,
para sua imelligencia.
Dos guarde a V. Ex. Jos Pedro Diai de Carvalho.
Sr. presidente da provincia dcSan-l'aulo.
Apprtta adeeitaSque opretideiile da provincia da$ Alagai
dera aojuiz depat do dislriclo de Camaragibe a reipeita dtx
eleicet de juixetdepaz e vercadoret.
Em 28 de agosto de 1848.
. Illm. c Exm. Sr. Em resposta ao ollicio de V. Ex., de
17 do crreme, no qual coininunica que, teudo-lhe o
juiz de paz do dislrlclo da parochia da povoaro de Ca-
maragibe fello ver que nao.era possivel alhxar-se edi-
taos coin antecedencia de um-iiiez, como he expresso no
artigo 94 da lci.n. 387, de 19 de agosto de 1846, para as
elcices de juizes de paz e vereadores, por haver Mimen-
te recebdo no dia 14 do dito inez as ordeus da respecti -
va cmara municipal, lomara a resol uciio de declarar ao
referido juiz de paz que proceder aquellas eleices,
i inlii,1,1 uo podesse mediar o espacu marcado na lei
Jiara os editaos: lenho de significar-lhe que "bem pro-
cedeu V. Ex., eque, competiiido ao governo imperial
lomar conliecimento de semelhanles cleicOes, delibera-
r opportunamente sobre a validado dellas, avistados
dooume
merado, rubricado e encerrado, acopia da acta da so-
bredita eleicao, e que Ihe serve de diploma, convocasse,
vista dola, os vereadores inais votados, e na sua falta
os i ni mediatos em rotos lenho de declarar a V. Ex. que
esse nieio so he praticavel no caso de nao existir na se-
cretaria da presidencia a copia da acta da apurara ge-
ral dos votos para vereadores, como determina o artigo
14 da lei do 1. de outubro de 1828,porque,a existir, de-
ve V. Ex. mandar confronta-la com a do diploma do
vereador presidente, c transcrevc-la cm livroproprio
parasupprir ao das actas que desappareceu. Foresta
ocoasio recommenda o governo imperial que V. Ex. d
todas as providencias para se reconhecer quaes sao os
autores de semelhante.delicio," afim de seren punidos
na conformidade das leis.
.Dos guarde a V. Ex. Jox Pedro Oi'ai de Carvalho.
Sr. presidente da provincia do Rio-Grande-do-Norte.
Bufara a maneira per que dte ereupprda a falla Hro
dax aclat da eleira di rleitorex da villardl Ellremo:, na pro-
enria do Hio-rande-do-Norte, que le detcncaminhou.
Em 29 de agosto de 1848.
Illm. c Exm. Sr. Em resposta ao ofucio que V. Ex.
me dirigi na dala de 7 do corrcnte.no qual. communi-
cando o embaraco em que se achava o jui de paz da
villa de Estremos, para proceder s prximas eleiedes de
vereadores o juizes-Jo paz, pnr nao saber-se quaes erom
os competentes eleitores esupplentes da actual legisla-
tura, em consequencia de nio ter a me ..i parochial re-
mrltido cmara municipal o livro das actas daqucllas
cleiedes, que foram transcriptas no mesmo livro das da
referida cmara, que se desencaminhou, d conta da de-
librraco que tomara de ordenar ao dito juiz de paz,
que he lanibem o presidente da cmara, que, fazendo
trasladar para un livro, por elle aborto, numerado, ru-
bricado e encerrado, o diploma de alguin dos eleilores,
se regulasse por semelhante traslado para os necessarios'
Iraballios da mesa ; tenho de dcclarar-lhe que o govri no
imperial, nao s app(ova a dcliberaco de V. Ex. mas
Minlieiu manila recommendar-lhe todas as providen-
cias para obter-sc o livro que desppareeeu. c para se-
ren punidos os autores de semclliante delicio.
Dos quarde a V. F.x. Jox Pedro tiax de Carvalho.
Sr. presidente da provincia do Rlo-Grande-do-Norle.
a provincia, S. F.xc. acltou nio s a enfermara, se- fiai em os representantes de vosso povo, i-loitos pela
lei que vos mesmo sanecionastes, coniai em nossa
religiSo, e no amor que vos consagramos ; defondei-
nos, defemlei a Italia, em o nome de Dos vos pedi-
mos .' Nos eremos que he necessario chamar s ar-
Jeos g
ntos que chegarem sua presenca.
;uarde a V. Ex. Jox Pedro Viut de Ci
Sr. presidente da provincia das Alagas.
<'lllTll//i.
Declara a mam ira por que deve ter lupprida a fulla do livro
rfflf ira deeleiccx de vereadore da cmara municipal de
Bxlremoi. na provincia do llio-Gi-ande-do-Xorte, que se
desencaminhou.
Em 29 de agosto de 1848.
reo!',"' no'^lSr' i7 E'" rc,no' rficio de 5 do enr-
IV.l hq V- hx- "'"unicando o embaraco em
qneseacha a cmara municipal da villa de Estren
/ -para funccloo.r, por baver-se desenca.ninhado o | vro
das actas das respectivas eleicrs e nao ser por isso ,5
sivel saber-se quaesos#Upple.ites, que deviam ser cha-
loados e.u lugar dos vereart,,,,., (Iue esuva.m susnc-.3iis
e em processo-, d conta da dcliberaco que lomou de
r,.,n,fT, UU p,rcsidc"tc ^aquella cmara que, fazendo
..-:.a'_3r par terina para uovo,livro por elle aberto, nu-
GOVERNO DA PROVINCIA.
Illm. t Exm. Sr. NSo descontinuando,inuno em-
pregdo todos os meios ao meu alcance, Exm. Sr.,
pnra bem desempenhar quanlo V. F.xc. houve'ile or-
denar-me no officio de 18 do prximo lindo mez;
mas, apezar das diligencias, empenho cboa vootade
por mim empregadasat hoje, nada pude ilescobrir,
qem mesmo indicios do compromeltimento a tal res-
pcilo dealgum dos emprega'dos desta reparli^Ho;
oiide,entretanto,pde"bcm acontecer que nio tivesse
lugar o extravio das duas carias designadas no cita-
do ollicio de V. F.xc; faltando-mc apenas, pnra o afir-
mar com lma n probaliilidadc, a parlicipacio da ad-
iniiislriioro do corrcio da corle, d'ondc vira infalli-
vclmcnlo a reclamiQ.lo 'dessas cartas, se ellas falta-
rem na mala indicio enlflo-cerlo deque fram suli-
trahidasa esta rcpartiQlo. As diligencias e pesqui-
zas de minlia parte, nfio obstante o que levo dito,
conlinuam, e quanlo poder colherdarci conta inme-
diatamente a V. Exc. Tambmn posso aflirmar a V.
Exc, em observancia do oflicio de 23 do referido
mez, que a partlcipaclo da falta,se a houvcr, na ma-
la r-meltda para a curte no dia 12 do indicado mez,
he indispensnvel 0 itifallivcl no primeiro vapor de
volla para este porlo, so ni dependencia do qualquot
reclamarlo, por frga do arligo 102 do rcgulamenlo
de 21 de do2cmbro de 184i.
Nilo lenho inais de pressa respondido aos officios
de V. Exc. por esperar das minlius iudaga^Oes inais
alguns esclarccimenlos, e que mellior convences-
sem a- V. Exc. e ao publico quanlo me maguam seme-
ntantes oceurrencias, nuo sendo eu capaz de transi-
gir com o crime, tnrinente se elle Tora praticado
por algum empregado desta repartijflo Islo posto,
lie quanlo lenho n honra de informar a V. Exc.
Dos guarde a V. Exc. por muilos anuos. Adtninis-
Iracic, do corrcio, 2 de outubro de 1848.
Illm. e Exm. Sr. dusembargador Antonio da Costa
Pinto, presidente da provincia.
huno Antonio de Serpa Urnndo.
Administrador do corrcio.
nilo tamben todo 0 arsenal em eslado que anda
mais o convonceu do zelo, actividade e inteligencia
com que o Sr. capito de mar o guerra graduado,
Rodrigo Theodoro do Freitas, se esforga por desem-
penhar os deveres inherentes a seu cargo.
A enfermara eslava nimiamente aceiada: as
roupas que guarnecanlas camas dos doentes, aclia-
vain-se bem lavadas; -- o assoalho mu limpo ; -- os
enfermos davam mostras de satisfeitos com o trata-
menloque se Ibes ministra : ludo indicava que e
nio desperdigan), mas sim gastam-so provetosa-
mente os dinheiros pblicos quo al)i so consu-
men).
Snlisfcito de ver correspondida assitn a .sua ex-
pectativa, S. Exc passou a examinar o arsenal, o
nada vio que o nio deixasso na persuasSo deque
essa reparliyfQ caminlia tnui bem.
Quanlo aos navios do guerra, S. Exc. regosijou-se
da boa orilom, limpeza odisci puna que neiles divi-
sou, e veio penhorado do respeilo, delicadeza o ur-
banidado com quo o trat aram os Srs. commandantcs
dos mesmos navios, dentro os quaes mais que todos
excedeu-so o da corveta Euterpe.
Como foi a bordo da crvela que S. Exc em 1,
ugarso dirigi, a ojliciulidadc dos domis vasos all
o csperava.o conservou-sono mencionado bordo etn-
quanto S. Exc. esteve' prosente ; mas, ao presentir
quo se elle preparava para retirar-so, passou-se para
as embarcarles respectivas.
IIItilH) ME PflnlAl)UCU.
BEOirK, 3 DE OUTUBRO DE 1848.
O Exm. Sr. presidente da provincia dignou-sede
visilar hojo, pola manha, nio s o arsenal de mari-
nha, senflo tambem as enibarcarOes do guerra sur-
tas nesto porto.
S. Exc. ia acompanbado do'Sr. presidente do con-
ccllio de salubridade publica, deulor Joaqum de
Aquino Fonscca, a querq quz levar comsgo, por-
que, ao projeclar semelhante visita, teve em mira
examinar se na enfermara esiabclccida no sobredi-
to arsenal marchan) as cousas do modo regular, isto
he, de maneira justificar a bou idea que ello fr-
Roma, bem como ante-hontem noticiamos, acha-se
em paz ; porm grande excitamenlo eagitacio rei-
iianini iiaquellu ciilatle tanto nos ltimos dias de ju-
Iho, como nos primeiros do prximo passado agosto.
Urna carta escripia daquella capital a 4 deste ultimo
mez, a qual fora publicada pelo Gatignani't Menien-
ger, refero pela maneira seguinte os disturbios all
occorridos :
Esta cidado, diz n carta, Icm estado e est em
grundo agilacio. A 29 do passado tivemos noticia,
posto que nilo nllicial, de urna batalha pelejada en-
tro os l'iemontezes o Austracos. No da seguinte
annunciou-sc que os Italianos havati) ganhado urna
grande c gloriosa victoria; e isto continuou n ser
positivamente acreditado, sem embargo de urna pu-
blica eflo do commissario Rcllini, queannuncira o
lovantatncnlo ilu sitio de Mantua, e a retirada do
corpo diplomtico para l'iadcua, 30 milhas relaguar-
dn, &c. Pela nole, levatiloit-se as ras um terr-
vel tumulto, cspalhuu-se quo tinbam chcga.lo noti-
cias coiilirmalivas da victoria alcanzada pelos Italia-
nos, e at se assoalhou que Hadelski havia sido
morto. Todos os sinos de liorna arripicaram, tiros
se dispararan) aqu e all, e do utn grupo, mas agi-
'ado que os outros, partirn) estrondosos gritos de
* Viva Carlos Alberto, nico re da Italia Urna
parte do povo dirigto-se ao ministro Mamiani, o qual
Ibes deelarou que as noticias da victoria dos Italia
noseram verdaaeiras Files se encaininliaram depois
casa do ombaixailor sardo, o un individuo que
appareceu no balclfo, annunciou lamhemquea no-
ticia era verdadeirn, aleando depois o grito de Vi-
va o rci Carlos Alberto, o vicloiioso 0 povo eslava
tito impaciento por tanger os sinos,.que nio esperou
pelas chaves das igfrejas, senlo que Ibes arrombou
as porlas ; e alguns, tilo grande era o excitamenlo !
em vez de arripicarem, dobrararo, entretanto que
tocaram a rebate. Isto, junto s descargas do mos-
quolaria e aos gritos da los pelas ras, n3o deixou do
causar grande susto. Assegura-se quo algumasso-
rrhoras grvidas niorreram de terror; diversas pes-
soas, isto posso aflirma-lo, saliiam feridas. Entre
os gritos proferidos pelos bandos mais turbulentos,
muilos se ouviram de Morram os cardeaes!
u Morram os padres i No da 31 o povo esteve tran-
quillo, e rumores comegaram a correr de que os Ita-
lianos havia ni sido, nilo victoriosos, porm derrota-
dos; e por lim soube-se que o excrcito piemontez
se havia rclirado para Cremona. NO 1. do correle
approvou a cmara dos dopulados a scguinle repre-
sentado, a qual dirigi ao rflPa rcsolvendo no
exactamente que se couservassein em scsslo perma-
nente, mas que se suspendesse a scsslo publica o se
espurasse pela resposta do pontfice :
Santssimo padre.Na agona do paz, a cmara
dos depulados recorro vossa santidade, em cujo
nomo a Italia so revanlou para a defensa do direito
de sua nacionalidade, consogrado pelas divinas pa-
layras que dirigiste ao Omnipotente, o qual nio de-
soja que seu imperio repouso smento sobre a espa-
da. A independencia de um s eslado italiano nilo
pode ser assegurada, se toda a Italia nuo frinde-
pendente. Quanlo a nos, a qucstSo agora he, se se-
remos ou nilo Italianos ; quanlo a vos, principe, se
governareis utn povo livre ou se vos curvareis com
elle debaixo
lo jugo do cslrangeiro ; quanlo a vs,
puntillee, se defenderis a propriedado da igreja du
qual.stfls o veneravel cliefe I1 A cmara dos depula-
-0.S:..de.seJa.'_esoluUmen.le deren,,er, todo,.08 direitos' em oV^M^lt'ocwuaT^>altol>anii,' 1M-
opno, em seu carcter de puntifice soberano,
enviar ao campo u genera,
mas um grande numero do voluntarios, mobilisar a
guarda nacional, empregar urna legio cslrnngcira
debaixo do estandarte de vossa santidade, e conce-
der meios extraordinarios ao lliesouro do estado para
estes fins. Estamos resolutos a fazer toda a sorte de
sacrificios, porque desojamos assegurar a vossa glo-
ria e a do eslado, a independencia da Italia e a honra
de todos. Nos desajamos salvar o estado das discor-
dias intestinas e das terriveis subversOes que o hilo
de i monear su nao soubcrmos tirar vantagem do cu-
thusiasmo popular, c se vos, com a vossa autoridade,
nfio sustentadles a nossa. Ah escutai, santo padre,
a voz de vossos devotados lillms! Ah .' n.fo permit-
ais que, no reinado de l'io IX, !mi>rar. do desas-
tre de um exercito italiano peso sobre nossas cons-
ciencias como um remorso.
a Havendo sido annuneiado cmara pela depu-
lacloquo fra enviada ao papa, que sua santidade
receberil a rcpresciitnr;!lo noitc, os depulados re-
solveram adiar a scsslo para o dia seguinte. Aosa-
birem da cmara, fram todos, com excepeflo do
principe Bonaparte, assobiados e insultados pela
mnlinliin que eslava reunida em frente do edificio,
e que nilo levou a bem que se nio livessem conser-
vado em sesslo permanente. O papa, cm resposla
representaban, deelarou que nilo desapprovava o pe-
dido feito pela cmara dos doputados ; que dizia s-
menle que cousas mui seras e importantes eram pe-
didas, as quacs. requeriam ser maduramente exami-
nedas. Elle oxpressou o desejo do que a represen-
UcRn fs'se communicada acamara alia, queassim
todos cslai iam de aecrdo e medidas opporlunas se-
riam postas em execuefio. Elle dsse que em sua
mocidadeconhccra o maiorcapitlo dos lempos mo-
dernos, o que este liunca enviara guerra conscrip-
tos sendo tropas experimentadas, as quaes vence-
rain os Austracos. Ello deelarou quo a independen
cia da Italia lhe era chara, que nio se oppunha a to-
mar a seu sold urna legDo estrangeira, mas que
taes cousas nao se podiam fazer de urna vez. Ello
aecrescenteu que. confiava na cmara e no bom sen-
so do povo para deliberar com madureza e tomar as
mais efiieazes medidas. Os depulados, aosahirem
ila presenca do Daps, fram ussaltados pelo povo
qne da parte de lora os esperava, e que os obrigou a
declarar ludo quanlo o pontfice havia dito. A mul-
tidlo niuslrou-sa grandemente dissatisfeita, excla-
mou que era tempo de levar as cousas a um lim, e
gritos fram mesmo levantados em favor de um go-
verno provisorio. Por fin a guarda cvica leve que
ser chamaiU para dispersar esta tumultuosa mulli-
ilov Na mandila do dia 2 muilos dos soldados que
chcgara'm i Roma depois da capilulaclo de Vicettza,
reuniram-se no quarlel de Jess, e, sb pretexto de
munler a ordein, faziam parar, eexaminavam a to-
dos ((iiantos pussavum. Espcrou-se um conflicto,
mas nenhum leve lugar, comquantoso julgassc ne-
cessario reforcar alguns postos. Na cmara dos de-
pulados grande sensacilo excitou o dizer o ministro
de polica que nio poda consentir em prohibir-seo
povo de reunir-se para pedir cousas garantidas pelas
leis o pela coustituco. M Seren, prosidente da
cmara, indiguado pela maneira por que fra insul-
tado no dia precedente, deu a sua demisso, ereli-
rou-se para rra do liorna. A cmara votou unni-
memente e no moiode grando applauso :1.* convi-
les a todos os parlamentos Italianos para se uniroin
afim de adoptaren) as medidas necessarias pira res-
lauractoda independencia nacional; i.', a niobili-
sucilo inmediata de 12,000 liomens da guarda cvi-
ca, para o lim do defonderetn a ordein publica o a
independencia nacional; 3.", cngajumenlo do maior
numero possivel de voluntarios para o serv?o do es-
tado c da independencia ; 4., o chumamento do um
corpo do 12,000 estrangeiros para a defeusa do esta-
do e da independencia italiana. Estes quatro decre-
tos fram immediatamonle enviados cmara alta,
a qual promptamenle os approvou. Mamiani ap-
pareceu em ambas as cmaras e sustentou estes de-
cretos como ministro, posto que j o nilo fsse,
por haver dado sua demissSo no dia precedente, em
consequencia do papa o haver severamente repre-
hendido por causa dealgumasobservaces que con-
tra elle lizera. Na manlila do dia 3 foi publicada
urna proclamacSo do pontifica ao povo, annuncian-
do a retirada de Mamiani, e que o comi E. Fabri,
pro-legado do Urbino e Pesara, havia sido chamado
para formar um novo ministerio. Em algumas par-
tes da cidadeesta proclamadlo foi respeitada, porm
em oulras foi feita pedamos e pisada.
De conformidade com a recoinmcndaco de Mamiani,
a cmara dos depulados proclamou Carlos Alberto o
Primeiro Cidndiio da Italia.
O novo ministerio acba-se assiin composto :
Corboli, ministro dos negocios estrangeiros.
Conde l'abri, ministro do interior.
Lauro I.aun, ministro da fazenda.
( .impel, ministro da guerra.
Galleti, iniuistro de polica.
Sturbiuelli, ministro das obras publicas.
Ao cliegareui a liorna as noticias da invasao de Ro-
inagna pelos Austracos, subi de ponto o excitamento
popular. O ministro da guerra publicou uina proclama-
cao, pela qual, depois de annunciar que os Austracos
baviain entrado nos estados romanos, chamara s armas
a guarda nacional e todos os rogiidcntos de linha aquar-
lelados na capital, com a uleuco de dirigi-los iinme-
illatamente a i.allulica, como a nica posico militar
em que era possivel fater-se i.....i primeira defensa.
O ministro da jusilla fez cmara dos depu'.adc?, em
nome do papa.'a se^ulnlc deciaracao :
Sua santidade considera a entrada dos Austriacoi
ma do actual inspectordessoeslabelccnento. a?s,,,dai|rreja, cmodo povo, oda nacSo at a ul- lVc'lie'pr
Felizmente jiajru esse luiiccionano publico, c para '.iuiduxlruiuidaa. 0! SSSlO padre .' confiai, con*1 aum auiiaae pretende
LADO
i


.
'""I*

austraco cidro uina deputi(io, compon, do cardeal
M.iniii cdoi principes Corsini e Simoiirtli, par* o lim
de < unir a imincdiita rvacuaco do trrrilorio romano,
amc.icando-o dr empn-gar todo 01 nirioi ao seu alcance
pir.i iblcr esla eracuacao. Sua sainnli.tr. accrescentou
n ministro, n.io^pretende all'ruux ir, e anda menos pre-
venir a eircucao das medida rccrutcincnte ordenada*
pelo Ministro da guerra, para a defenso do estado, ele.
A cmara decidi unnimemente que sr flzesse um
appello para a Franca, e cale vol Coi omcialmenle com-
inuuicado ao einbaixador quciahfra para Par.
A 7 de agosta Coi oceupada a cidade de Modcna por
um corpo auslriaco de 8,000 borneas.
Ne.te incsmo dia, pelas 7 hora, dous omciaes supe-
riores austracos cotraram em Bolonba pela porta de S.-
re ix. e se encaunnharam para o palacio rio governador.
Pelas 9 lioras. um eorpo de 200 dragues entrou pela
roria-Maggiort, c estabeleceu-se na praca de S.-Potro-
jiio. mas poucos minutos depoi relirou-se pela porta de
baulera. Ao meimo lempo 50 homens partiram da por-
ta de San-relia para a Porta-Vaggiore e oceupa-
ram os potlos das portas Galliera, San-Pclii e Mag-
Kiorc. A frca austraca acampada extra-muros compu-
nba-sc de .{.000 homens de infamarla. 500 de cavallaria
c 18 pecas de artilharla. O general Welden estabclccc-
ra scu quartel-general ao palacio de Davia, poucas jar-
das fluante da porta de San-Fclix.
Como quer que os Holonheies matassem a um official
austraco que levava despachos para o pro-legado, na
occasiao de alravessar pelo districto de San-Felix, e o
mesmo uiessem a um toldado, portador de outro des-
pacho, os Austracos de guarda na porta de San-Felix,
onde eslava assestada urna peca de artitharia, aliraram
sobre o povo, mas felizmente ninguem foi ottendido. El-
les evacuaram depois a cidade, e toruaram para Monta-
gnola, donde se poieram a bombardear a cidade. O fo-
go coinecou pelas 5 horas, e durou al as 8. Os comba-
lentes liolonheies eram 50 carabineros, 30 empregados
da alfandega, 500 homens do povo. pouco mais ou me-
nos, e algnns guardas nacinaes. Todos ellcs deram uro-
val da tnafor intrepidez. Monlagnola foi levada de as-
sallo, e os Austracos fraui expulsos, sofl'rendo inulto ao
deixarein a porta alllera ; riles liveram um official e
40 homens morios e 50 prislonelros. Os carabiueiros
perseguiram-nos por mais de urna mllha. Os Bolonhe-
es perderain 15 homens entre morios e feridos.
No dia 8, pelas 6 horas da inanhaa, os Austracos vol-
taram outra vez a Uolonha. A guarda nacional pegou
em armas, determinada a conibaicr at a ultima extre-
midade. M. Kiauclietti, o pro-legirin, escreveu ao ein-
baixador ingiez em Franca para"informa-lo do que ha-
via oecorrido. O general Welden, depois da accao de 8
de agosto, exigi do pro-legado a entrega inmediata
dos chefes da'resistencla fcia naqulle dia, e de al'unj
dos principar cidados de Uolonha, como refens." Vlr.
Ilianchettl offereceu-se para este flu, porm o povo nao
quiz coosentir que o pro-legado se snbinetlesse a urna
lal exigencia. O general austraco entrou depois na ci-
dade a frente de 4,000 homens; mas, sendo atacado e rc-
pellido pelo povo, mandn logo Mirar sobre ella. Neste
inlerim oscamponete o alacaram, c elle foi obrigado a
farer cessaro fogo. Depois disio os Holonhezes enviaran)
crrelos a tudas as enlacie cin Romagna a pcdir-lhes
a acorro,
Quando chegou Florenca a noticia do bombardea-
mento de Holonha, o corpo diplomtico, all residente
dirigi ao general Welden o seguinle protesto :
ii Nos, os embaixadores abaixo assignados, acreditados
junto ao grao-duque da Toscana, cedendo ao desejo de
ver posto um fim deploravei clluso de sangue huina-
no, protestamos a V, Rao, ossentinieotos de dr que
bavemos experimentado ao ouvirmos a narracfio dos
eventos que fizeram hontem derramar-se sangue na
cidade de Uolonha ; nos rogamos a V. Exc. digne-se des-
istir de um ataque, o qual enche urna populacao inlei-
ra de angustia, c he reprovado pelas leis da humauida-
de e mximas da civilisacao. Os abaixo assignados, con-
.11. idos de que os entiincntos de que se acham ani-
mados serao apreciados por V. Exc. aproveitam esta
occasiao para dar a V. Exc. a seguranca de sua distinc-
ta consideracao.
CONSULADO PROVINCIAL.
RrTNDIMF.NTO DO DIA 3..........774/730
Movimcnto do Porto
Ce nova por Cihr.ili.ir; 5! das e do ultimo porto 30, brl-
gue sardo Emilia-Louisa, de 193 toneladas, capillo
l.ourenco Canivaro, equipagem 12, em lastro ; a Joo
Pinto de I.emos.
Parabib* ; 10 horas, hiate brasilelro Tres-lrmos, de 32
toneladas, capito Mauoel Ignacio da Cunta, equipa-
gem 4, carga assucar e tros de mangue a Leopoldo
Jos da Costa Araujo.
.Vali, nliii/o no mnmo dia.
Habla ; brigue sardo r'mii7iii-,om'ia, espitao Lourenco
Canivaro, carga a mesinaque trouxe.
Cear ; sumacabrasileira Carila, capito Jos Uoncal-
ves Simas, carga varios gneros. Passageiros, Anto-
nio Joaqulm Pereira, Fauslina Mara com urna filha
menor, e os Porluguezes Manoel Jos Salgado com
um criado, Francisco Luis Carrelra, I.uli Ribeiro da
Cunha.
Declarares.
COXCEI.IIO CERA!, DE SALUBRIDAD!! PUBLICA.
Tendo-se do apresentar ao Sr. director to vaccinieo do imperio, para ser levada presenca I
do governo do S. M. o Imperador, urna relacilo /le
pessoas quo possam exercer o lugar do commissario
vaccinador, nos municipios o parocliias desta pro-
vincia, aquelles que se quizerem prostar gratuita-
mente a este servico, lenham a bondade de mandar
com a maiorJ>revidade reparticSo da vaccina seus
nomos e inoradias.
Recifc, 30 de setemliro de 18*8.
Dr. J. J. Pinto,
Secretario.
DECRETO ti. 464 DE 17 DE AGOSTO DE 1846.
CAPITULO X
Art. 6 Os
* dito escravo, comparece na mesma subdelegada
"unido doi mus competentes ttulos.
O Subdelegado,
farata de Almtiia.
0 arsenal de guerra compra papel almajo, dito
de peso, pennis de cscrever e massos de obreias, e
nem assim azeile de csrrapsto.dito de coco,velas de
carnauba, (o de algodfla e psvios: quem ditos gene-
ros quier fornecer, comparecer na sala ds directo-
ra com sua proposta, no dia 6 do correte mez.
Arsenal de guerra, 3 do outubro de 1848.
O oscripturario,
Francisco Seraneo de A$s: Carvalho.
-- Pela subdelegada da freguezia de Santo-Anto-
nio, se faz publico que tora rocolhi.lo cadeia (tests
cidade o preto Antonio, que diz ser escravo doSr.
Jolio Bastos dcOllvcira: quem, portanlo, se julgar
com i ireilo ao dito escravo, comprela na niesma
subdelegaoia, munido dos seus competentes ttulos.
O subdelegado,
Itarala de .Uncida.
por
eommissanos vaccnadores mtinic-
paes o parocdiacs serilo nomeados por portara do
ministro e secretario dos negocios do imperio, so-
bre proposta lo inspector geral, ouvdo e commissa-
rio provincial respectivo, sendo, porm, preferidos
para exercer taes empregos os mdicos ou cirur-
gies que, em virtudode acto legislativo provincial
estivercm oncarregados da propagarlo da vaccina n
municipio ou parochia, mas os seusservicos, sendo
prestados com reconliecido zelo por. mais de dez an-
uos, se julgarcto remunera veis.
Art. 7. Xas povoacOes onde n3o bouver faculta-
tivo, podera ser ejercido o Ingar do commissario
parochial por qualquer. pessoa intelligeiite que se!
nueira prestar a este importante servico; e o ;o
meado, alm da remuneracSo a que tiver ilireito na
forma lo artigo antecedente, sera dispensado lo
todo o servico da guarda nacional, quer seja facul-
tativo, qur nflo, emquatito estiver no exercicio do
ero prego.
PUBLIC A CAO' AGRCOLA.
Manual pratico do fabricante "do assucar,
Agoslinho Sommier. Esta obra cnsina praticamente
o modo do fabricar o assucar demonstrando os in-
convenientes da antiga pratica os meios de as re-
mover o finalmente ludo quanto se precisa para ti-
rar maior e melhor resultado de sua factura e est
escripia em urna lingoagem que qual|uer pessoa
percebe; podenilo-se inesmo dizer que os Srs. de
engonhos com ella so erra rilo se quizerem : vnde-
se por 2,000 rs.
ria ns. 6 e8.
na praca da Indopendencia livra-
.1 visos martimos.
Correspondencias.
Srs. Redactare: Um amigo mgu da Boa-V'iagom
me communicou quede maio para c est apagada
e .ampada la Sra. do mesmo nome, por falta deazci-
lej quando certo devoto fallecido deixou um sitio
de c.iqueiros para delln se prover de azeile a referida
a|ampada! Assim lambeta ouvi dizer que o canel-
luosoqtieisava que se eslava a dever com hiilris
Btjunho, e que muito cusa o secretario darordem
para o lliesourciro llie pagar, vislo quo sem ordem
uaquello se n.lo movo urna palha. Que tal, Senborcs
Redactores ? Bom sera quo o Sr. juiz de capellas uo
nlia os ollios nesta santa irmandade, e condecora
que a groja uo tem alfaias nem ornamentos, n mo
un,nulo
mentos, eque
so festeja pede-so ludo por empreslimo.
quando ludo poda possuir, por ler de rendimento
mais de um cont e duzenlos mil ris; ealcmda
lalla deludo, a capella mor esl cadindo, a igreja
viudo abaixo, o consistorio clieio de rcmendcTs e
ludo islo acontece por so naoedamarem para as me-
sas os irmSos fundadores e moradores no lugar e
smi gente que alli passa a festa, eque n3o tem inte-
resse pelo bem da irmandade. Tambein alli oconie-
ecu que se n3o quizesse alugar urna casa a um devo-
to de San-Benodito, s por elle uno festejar eslo san-
to crelo na mesma igreja, quando a esta festa con-
coma muita genio; emfim, Sendores Redactores
muito mais Ibes liria scnOo fsse a pressa. Seu as-
signanlo
O morador de /pojuca.
i tmm nK'daclZe':" Ll a correspondencia de
Candido Idomaz Pereira Dutra conla mim, eso me
ocurredizer-llio quo nao nosoffende aquello uueos
outro* julgi por si, eque be maiscrivelque freuuen-
tasse as universidades deGomorra o deSodoma a-
quelle que foi varredor do tlieatro de Olinda. e moco
de recados ou correio de Cupido. v
Pernambuco, 2 de outubro de 1848.
Joaqun Antonio dotSanloi Andradi
ALFANDEGA.
Rundimentodo dia"3..........lom
iscarregam hoje, 4 dt outubro.,
Hiale Especuladorviuho.
Patacho ^urfiio ladrilho de inarinore.
Itrigue Elisa laboas de pinho.
Patacho- Yuroca azeile, \inho, albos, passas e
figos.
Galera Columbio mercadorias.
I rgue Nelie-MalhUde Mein.
ObrigacOtt prescriptas pelo mesmo decreto aos commissarios
vaccinadores municipaes e parochiaes.
CAPITULO Vil.
1. Vaccinar em lodosos domingos, c mais una vez
ao menos na semana, a todas as pessoas que para csse
flin se apresentarem, dando certificados aquellas em
que tiver aprovetadoa vaccina.
G. Propr cmara municipal respectiva todas as
medidas que della dependerem, para que a vaccina se-
* cfncazmcnle propagada, e se obste ao desenvolvimcn-
to da epidemia de bexlgas, logo que esta se manifest
em iin.iiiiiii-i- pnntn do municipio.
CAPITULO VIH.
2. Informar ao commissario provincial inmedia-
tamente que appareca em qualquer ponto do munici-
pio o contagio das bexlgas, indicando quaesquer provi-
dencias que Ihc parecam acertadas para atalhar o con-
3. Tero maior cuidado na conservacao da vscclna
para que ella nao falte jamis uo municipio, reciiiisitan-
do-a com a precisa anticipacao ao commissario iwi..
cial. sempre que seja precisa.
paci ao commissario provin-
3 4. F.xecutar lodas as ordens e Instruccccs que Ihc
f.em ransm.ltidas pelo commissario provincial, nara
o regular andamento do servico a seu cargo.
5. Ilemetter ao commissario provincial, de tres em
tres metes, um inappa de lodas as pessoas que se tive"
rem vaccina.lo no municipio, acompanhado de nuaes-
juer observares que julgue necessarlas para o melhor
desempenho de seus deveres. lnor
Para o Cear sshe, em poucos dias por ter a
carga quasi prompta.a sumaca Cariota :para o res-
tantee passageiros Irata-so com Luiz Jos de S
Araujo, na ra da Cruz, n. 26, ou com o mestre ,
Jos Goncalves Simas.
--Para Lisboa pootende sabir at 15 de outubro o
patacho portugus Liberdade, de quo de capitflo Isi-
dro Ayres de Souza : lem bellissimos e asseiados
commodos para passageiros: quem quizer carregar
ou irdepassagem dnija-se ao mesmo capitao ou a
Francisco Severianno Rabello Fildo
Vende-so o hiato ConecteSo-do-Porto, de 10 to-
neladas ancorado no porto dosta cidado por pre-
co commodo : os pretondentes dirijam-se a ra do
Livramento, n 26 a Manoel Buarque Macedo Lima,
das 7s 9 doras da manbaa e das duas da tardo em
piante.
Para o Ass segu, impreterivelmonte at 15 do
correnle.o brigue brasileiro Sagitario: para carga ou
passageiros, trata-se no armazem da ra da Cadeia
de Santo-Antonio, n. 23.
Para o Aracaty tem do seguir viagem al 20 do
corren te o hiato Novo-Olinda, mestre Antonio Jos
Vianna : os pretendemos a carregar so entenderao
com o mesmo mestre, no trapiche Novo, ou na ra
da Cadeia do Recife, n. 17, segundo andar.
Para o Rio-de-Janeiro segu em poucos dias,
por ter a maior psrte do seu carregamento prompta.
o brigue nacional Ligeiro: quem no mesmo quizer
carregar, embarcar escravos a frele ou ir de passa-
gem, para 6 que lem excedentes commodos, diri-
ja-se a Manoel Joaquim Soares, na loja de ferragens,
ao pedo arco da Conceic3o, ouaNovaes& C, ra
lo Trapicde, n. 34.
0 brigue nacional Jpiter segu para o Rio-
Grande -do-Sul na presento semana para escravos
c passageiros trata-se na ra da Cruz, n. 7, ou com
o capitao, Antonio Jos dos Reis.
Le loes.
CAPITULO IX.
Art. 23. Os
commissarios vaccinadores parochiaes
rlhX^/!1 rfs',cclis. Proehlas a, mesmasat-
Ir.buicOesque leemos commissarios vaccinadores um
nicipaes em seus municipios. 'mu
Continuacdo dos devedores da decima dos predios urba-
nos, que teemde ser ex-cutados, se wo comparecer*
ate odia 15 o*o corrente mes a saldar seus dbitos.
' A saber :
JohnstonPater& C. fsrilo leilfio, por intnrvencao
do corretorOliveira, de um grando e variado sorti-
mento de fnzendas mglczas, as mais proprias do
mercado : quinla-feira. 5"do coirente, as 10 doras da
mannfla, no seu armazem, ra do Vigario
- O capililo James Durfee, da barca americana
llarnet, arribada o conderona.la ueste porto na sua
recento viagem que fazia com destino ao de Cowes.
lara leilflo, por cotila e risco de quem pertencer.em
presenca do Sr. cnsul dos Estados-Unidos, e por in-
tervenciio do corrector Oliveira de cerca deOOcui-
xas le assucar branco e mascava.lo, considerado em
bom estado, e bem acondicionado, para do produc-
to occorreraos gastos feitos; o declara ser feita a
venda do dito assucar livre para os compradores das
despezas de guindaslo e safamento, esem excesso
do novos dirottos, le exportado, visto ter sido em-
barcado no referido porto da Babia : sabbado, 7 do
corrente, as 11 doras da manbaa, no armazem do
trapiche do llamos, onde os pretendemos pdein exa-
mina-lo anticipadamente.
Ea*r. 231j:?sjj..
CONSULADOGERAL.
RENDIMENTO DO DIA 3.
Geral........
Diversas provincias ".".". ", *. '. '.-'. '
558/352
D. Isabel llosa CarneiroMonloiro
Herdeiros de Jo3o Francisco Garneiro Mon-
teiro
I). Rita Rosa CarneiroMonleiro
D. Francisca Thomazia da ConceicSo Cu-
nha, da casa da ra do ngel, n. 56
llerdeiros de Maria Josepda de Mallos
Antonio Martius Coulo Vianna
Jos Flix de Souza
Jos da Fohseca o Silva.
Severianno Pinto
Marcellino Jos Lopes
Jos Gomes Coimbra
Zacaras Lopes Macizado
Estevo Jos Barboza le Moura
Thomaz DiasSouto
D Maria Joaquina Marques
Jos da Silva Braga
Maria Catharina de Senna
Mara Rita Corroa Peres
Ignacio Nery da Foi.seca
Arma Mara de Carvalho Ucha
Joaquina Maria da Punficacao
Antonp Luiz Pereira Bastos
917,086
111,282
46,350
369,728
203,291
167,508
82,317
107,944
116,802
139,791
81,112
108,897
74,160
68,227
182,526
222,480
66,744
74,252
226,188
74,252
148,728
91,161
Avisos diversos.
3:690,826
(Conttnuar-si-ha.)
O abaixo assgnado faz publico quo Jos de Al-
meida Lima deixou do ser scu caixeiro desde o dia
30desetembro.
Jodo da Silva Braga.
No dia 5 do corrente se bao de arrematar pelo
juizo de alsenlos, na praca da Boa-Vista, as avernas
perlencentes a heranca do finado Jos Pinto Moreire
assim como duas vaccas: as pessoas que quizerem
laucar comparecam s cinco doras da larde. '
Nos dids 3 e 6 do corrente, peran-
te o Sr. Dr juiz do civel da primeira va-
ra, na sala las audiencias, dopois desta, se ha de ar-
rematar inraliivelmente,por ser a ultima praca.oen-
genho Goiabeira, moeniee corrente, com safra cria-
da, um dos melhores que existe, por sor muilo oer-
to da praca e de boa pro.luccflp: assim como varios
animaos vaceum e cavallar e urna casa na povoacao
deSanto-Amaro-Jaboa.tao,onde be o inesmo engo-
lillo situado, o qual so arremata para cumprimento
le disposiccs testamentarias: quem a proiender
compareca: o que ludo melhor consta do escriptoem
poder do porleiro Serra Grande.
Wuga-se um nioleque cozinheiro,
proprio para qualquer cosa de homem
solteiro, por j estar acostumado, e ser
(el e bom comprador dos arranjos : quem
Cinciruto Mavitvnier, retralista, |
constar ao respeilavel pzhljeo que receheu ultim,
menle da Franca un completo aorlimento de fini
simas tintas para retractos, ptimos marfins, p.D5
de desenho, etc., etc.: as pessoas que so quizerem
relratar.nflos flcaraopoisundo um vordadeiro e
emplardesuaphysionomii,comotimbcm apreciaran
as bellas tintas. A grande concurrencia que o artiju
tem tido, prometi cada vez no desempenho do su
profissflro deixar salisfeitissimo os seus retratados'
fin travessa do Carmo, n. I, segundo andar.
-- D. Mari Arehanja Cavalcanlo de Albuqueraus
viuvadeJoflo Cavalcantc de Alhuqucrque, esl f
zendo inventaro do casal de seu fallecido marido n
juizo dos or-phflos de Iguarass desta comarca es.
crivao Reg : e por isso convida a todos os credo,
res do mesmo casal a quo apresentem os' ttulos |
gaes de suas dividas, dentro do prazo de 15 dias
lim de screm separados os bens para scu pagamento
com assistencia dos inleressadiis na partilha Jelfes
Jos Comes da Silva embarca para o Rio-Gran
de-do-Sul, ocio Rio-de-Janoiro, o seu escravo liei"
xior, de nacao Angola.
O abaixo assgnado, lendo t.lo contascom oSr
Antonio da Silva Gumarnes, e como osto diz que te
nho em meu poder a qua*ntia de 70,000 rs., declar
que o dito Gumants anda me lio devodor, e por eu
nada Ihe dever fago o presente e se julgar que ida
so ti dovedor, baja no praso de troj dias mostrar do-
cu mentos competentes, e nao mostrando, ficar tido
por calumniador, como he. .
Antonio Joaquim Lamas
--- Manoel Jos da Cmara, filiio de D. Maria Joso
da Silvcira, faz publico que pessoa alguma traa
rom a mesma sephora negocio algum sobro vend.
dos bens existentes, dcxados por fallecmento ,ln
seu pai, de igual nome, ou inesmo dar dinlieiro s^
dire el les ou emprestimos de qualquer qualidade
sb pena de perder; porquanlo, sendo fallecido i
ha 12 annos seu psi.a referida senbora at esta dais
n3o Tez inventario, e tendo j disposlo do mais do
que Ihe pertencia, se v hojo oannunciante preiu-
dicado, c por isso na precisflo de proceder a inven-
InrlO.
-- Precisa-se lugar urna escrava quo saiba en
gommar e cozer, o seja diligente : na ra da rnn"
cordia, uitlmo sobrado de Manoel Firmino Ferrir
I'recisa-se depretasque vendam pao de vcii,-i
geni : na ra lo Burgos no Forte-do-Matlos n. 38
--Aluga-se urna grande casa terrea na ra Impe-
rial com duas salas, 7 quartos, cozinba fra, quin-
tal murado ecacimba : a tratar na ra de S -Gnn
calo, sobrado n. 29.
--Aluga-so una prola para o servico de urna casa
de pouca familia pagando-se-lhe aquillo que se
convencionar: na ra larga do Rozario, n. 48 ori-
meiro andar. p
A casa da viuva & Filhos do finado Vicente Je-
ronymo do Carvalho do engenho Mangibura [lea
le a ata do primeiro de outubro do 1848, de conlas
saldadas com os Srs. Joo Ferreira dos Santos e Se-
nasiiaoJoae comes Penua.
--Alugn-se umprclopadcro: quem o precisar
uinja-se ao paleo da S.-Cruz, padaria n. 6.
Precisa-sc alugar um prelo : lias Cinco-Coritas
n. 33, ou annuncie. '
D-se dindeiro a premio com penhores, mesmo
em pequeas quanlas : na ra do Quemado, n 14
Um estrangeiro que mora s, precisa de m es-
cravo para o servido de cozinhar que n.lo seja bo-
llado nem ladr.lo : quem tiver annuncie.
OITerece-so um rapaz de 17 annos, para qual*
quer estabelecimento para oque tem bastante pra-
lica excepto venda e padaria :.qucm de seu pres-
timosequizerutilsar, annuncie.
--Francisco Garneiro da Silva mudou a sua resi-
dencia para a ra Augusla, sobrado de um andar
ti. 26. '
--Quomannunciou querer comprar um balco
usauo, un ija-se a ra da Cadeia do Recife, n. 34.
Aluga-se um sitio na travessa da Cruz-de-Al-
mas com boa casa de vivenda bastantes arvore-
dos boa agoa de beber c baizn para capim, estriba-
ra : a tra-tar'na ra Augusta, n. 26.
--Quem precisar le urna ama
cozinhar, dirija-so a ra do
Vista.
Precsa-so fallar aoSr. Luiz Plassn o como se
ignora sua morada roga-so-lhe a queir'a annuT.c.r.
Precisa-sc de um administrador para eneenho
quo lenha perfeilo condecmento do Irabafims li
campo 3 que seja afianzado por Srs. de engenbos
v!JCvne.C"la s".[\ : 8 ral,ar'no Aterro-da-Boa!
Visla, venda n, 44. ,\a mesma venlem-so
para engommar e
Piros, n. 15, na Boa-
coSoqualidode'e ,am,,em rwi5?jt.
--Pergunta-scaoSr. Ignacio Jos Pinto, fiscal Ja
freguezia da Boa-Vista, so a travessa do Martins es-
ta designada em alguma postura incgnita la cama-
nul?." No.c"8? que nos relohda pela ne-
v,n i,f A "al,"ral .e'gunla--o-lho : so, ser-
w .,i!!la aVeSS" de es60t0 das aens' Aterro, S.
5u?.,,7Tn" conserva-la obstruida como
esta, quando volta o meia esta mandando por seu
fr..t,.rl,.,ll,uli0 madracoe atrevido, vr-
rnndpn,taa8das ,0Jas e ve,,das pespegando
condemnaCos injustas por da c aquella palha? Se
nos nao responder, brevemente volta.emos ao pre-
f?P?,J0.m,remos "ossa co"ta a liscalisacSo desta
nent. h ruvelaremos publico e particular-
mente a lllm. cmara municipal o que vai por ah.
O guarda do chafara.
- Quem tiver una rasa terrea para alugar na fre-
guezia deS.-Anlonio ou S.-Jos annui.cie.
-- lloga-se a quem livor adiado um cao de raes
mgleza malhadodo branco o prelo alguma cousa
sujo do navio, e com urna correia no pescoco uue-
rendo restituir leve-o a ra do Trapiche-Novo, n.
11, que ser recompensado com 10,000 rs.
--Precisa-sede um pequeo dos chogados lti-
mamente do Porto : na ra Nova, n. 30.
Precsa-so de urna boa ama para todo o servi-
co de urna casa de portas a denlro : no becco da l.in-
goeta n. 5, segundo andar.
-- Precisa-se fallar com a parda forra, de nome Ge-
trudes ,a qual fpi escrava do fallecido Joao Cantista
Co/rea Nunes, qe morava no Aterro-dos-Afuga-
dos quando falleceu : na ra do Rangel, om casa le
Victorino francisco dos Santos, que he para nego-
cio de seu interesso. -/
Quom annunciou querer comprar medidas de
pao o loiba para uso de urna laderna dirija-so a ra
ao Codorniz no Forte-ilo-Mallos, n. 11 que acha- (
ra urnas em bom estado e baratas.
OlTercce-se um rapaz brasjleiro para caixeiro |e
qualquer estabelecimento, excepto vomla : quem
. KXWdOZ n i^wmui-t-nu.l
-------- 60/790 .-Pela subdelegada da freguezia de Santo-Anlo-
--! ... ,-Cm., poria..., so jlgsr SOS di.'citO' VflhO, itiinmiim l5s 8. or"*" "'" lela ns clrclnstanrl. A* h,
'servlfo interno e externo de uina casa de famll
urna es-
hptn fu7.fr o
familia.

MUTIL


. Vil* justo a contratado por compra o litio cnm
,"" ,i esquina da traveisa da Capunga que vai
,rl'a Katxa-Vcrde, perlencente ao 8r. Francisco
tures Cordeiro : quem, portadlo tiver direiro no
Srto sitio e casa, qur por hypolheca qur por
"iuiier titulo,queira declarar por ela folha no
iodooilodia; d contrario concluir-sc-ha o
J',,.-jcio,e nao se attendor mais a reclamagao al-
pm*.
rUNDICAO
r
/)'/! vnonn.
C Siarr ti t., engenheros, com futid (So de ferro e
broie. e ferrara, ludo cm ponto grande, movido por
las machinas de vapor, montadas as casas novas ua
riiadaAiuoraem Santo-Amaro, avMn.n aos sen. O-
cuezea, e ao publico em eral, que tcem acabado dea-
momlar para vender varias machinas de vapor de bai-
I .' __-. n ilii ilivorcnf InnviitKiio mina ni_
xa e de alia pressao.
e de diversos tamaitos : eslas ma-
chinas sao providas de bombas para supprir a caldelra
com agoa ja quente, c com vlvulas com os seus arran-
io.i mullo simples para regular n quantdade da niesma
goa ; mas os atiniinclanies, longe de inculcarem estas
invenfoes como suas, adverteni que a pritneira foi adop-
l.ida pelo celebre Savary em IC98, e a segunda inventa-
da por Brindlev j mais que cem anuos passados, c
ambas ntroduzidas nesta provincia cm 1835 pelos an-
nunciantes na machina de vapor do eiigenlid Garana
[o prnieiro fabricado ueste imperio) o qual ainda est
em effectira opera(ao, c desde entao se ha extrahdo
prri6dcutna duzia das mesmas machinas, feitas nesta
fabrica, contendo os meamos apparclhos, e com luiunio
V aproveitamento dos compradores; porlanto impingir
isto agora como cousa nova, era impostura. Os aiinini-
cianles tcem lim a satisfago de informar 10 respeitavel
publico, que bao conseguido um nicllioi,miento de nao
ncqueua Importancia, e verdaderamente novo neste
pas, que he por meio de urna modfica(iio da caldeira
e um simples arranjo de canos e registos, aprovcitnr
Hlfogo superlluo do assentamenta para later mover a
fachina de vapor sem mais gasto de combustivel de-
pois do rngenlio ter gatillo sua marcha : esta inulto ull
Irmlii mn.'.'i tem sido experinicnt ida com bons resulta-
dos cm us engenhos Trapiche c Jardlm. Esta fabrica es-
t sempre sortida de
Moendas de tambles abertos para huchas de ina-
deira, grandes cpequeas, com seus perlences.
Ditas coln aguilhes aciinhados chamadas metas
moendas, de todos os tainanhos c com rodetes de ferro
ou sem files, para agoa ou animis.
Ditas inleiras, todas de ferro,-endependente, com a-
marras diagonaes de gancho, inven(5o dos.annuncian-
tei, e milito approvadas pela sua lorlidao e lcilldadc
d'arinar c desarmar.
Alambiques de ferro, cousa nova e muito approvada.
Muinhos e prensas de mandioca c Tornos de familia.
Carros de mao e arados de Ierro.
Grande sortimento de brames, aguilhes, chutuacei-
ras, parafusos e mais perlences de engenho.
Hojas e rodetes de varios tamaitos.
Moceas e crivos de fornalha.
Huchas para carro(as,serra d'a(o para serrarlas.
Molinetes, bromes e roldanas para navios.
Os annunciantcs, pelos lougosannos de pratica nes-
te p ii/. pela grande capacdade e commodos de seu
novo estabelecitnento, e pelo cn-scido numero e umita
experiencia e pericia dos seus operarios e empregados,
oilcrecein aos freguezes vantagens nao possuidas por
nenlitmia outra fabrica ueste Imperio, e eslo, portanto,
verdadeirainente habilitados a emprchender e execu-
lar com a maior promplidao e pcrfei(aoqualqiicr obra
de engenhara ou iiiachinisnio.
Offerocc-se una ama de leite para criar em sua
casa: quem precisar dirija-se a ra da Sanzalla-Ve-
llia, n. 52. "
A pessoa que cnconiiiicndou urna mulalinha do
jilado de 13 anuos, para mucama ileunia noiva, di-
rija-se a ra das Agoas-Verdes, n. 46, quo ahi achara
urna cm tuda propria, o a possoa com quem deve
tratar.
Jonquim Pinto do Azevedo retira-so para o Kio-
Gramlc-do-Sul, e leva em sua compnnhis os seus es-
ernvos, Varelio, crioulo, Joslo u Francisco, de naoflo.
O a bai so signado faz scienlo pelo presente a
todas as possmis que tivereni penh.ores com o prazo
vencido em poder do abaixo assignado, que no prazo
de oilo jilas osvlo rcsgalar nu pagar os Juros : do
pal ojuros.
No d
ia
2 5
Joaquim Luis dos Santos:
de selembro prximo
.instada fugio Benedicto, de nacao Costa,
que representa 4o annos de idade, alto,
ollios pequeos, pouca barba, bocea e cor-
po regulares, esl de presente descora-
do e com nina ferida na unlia do dedo
do p direito, e he Instante bucal; levou
vestido tamisa e ceronla d'algodao : por
outra fugt esteve na cadei desta cidade,
donde sahio ha poneos tnezes. Koga-se
a apprehensiio a todas as autoridades po-
liciaes e aos capitaes de campo, e que o
leven) ao engenho San-Jos-doBom-Jar-
dim, desta comarca, ao seu senhor, capi-
tao francisco Joaquina daiiocha Falcao,
ou nesta praca a Ltril Jos He reir Simoes,
na das Crnzes, n. !\o, que recompensar
generosamente.
--No dia terca-feira, 26 de setembro do 1848, fugio
do engenlto Passnssunga o preto Luiz, escravo de
Fre Francisco do San Boavenlyra, com os signaos
seguintes: lio alguma cousa fulo da cor ecrioulo,
olio e seccodo corpo, ps largos o na canella direi-
ta una marca de ftida, olhos grandes c a vista es-
pantada, levou vestido camisa o ccroulas de algodSo
da Ierra, e consta ter descido paro esta praca : roga-
se s autoridades policiaos ornis a qiialqncr capi-
tflo do campo para o pegarem, e leva-lo na ra Nova
desta cidade, no segundo andar da casa ti. 58, aonde
se gratificar.
l'recisa-sede un preto robusto, quo cntenda
pe fritamente de relinar assucar : paga-se tem :
nesta typographia se dir quem precisa.
-* Oengenhsiro Florianno, I). Portier mudou a sua
residencia para a ra da Concordia n. K.
t. i. Tasso Jnior faz leilflo, por conta de quem
perlencer, de urna porco de barricas e cestos con
cerVeja, em otes a vonlade dos compradores : quar-
- ta-r.'ira as It horas da manha, na,porta da al-
Vaudeea.
Lotera do lliealro publico
desla cidade.
0 ihcoirrcirn desta lotera allirma
que ns rodas andam itnpreterivelmente
no dia i3 do correnle, como esl mirca-
do, eo pequeo restodebilhetes que exis-
te acha-se venda nos lugares docostuine
at o dia 11.
-- Precisa-se de un Portuguez quo saiba bem ti-
rar leite em vaccas e tratar de borla para feitor de
um silio inulto pcrlo desta praca : na ra Direita,
ti. 36, primoiro andar.
- Oueut lito faltar 2 colberos de prala que foram
adiadas por urna pela nos entulbos que lieam jun-
to a mare no enligo porto das canoas.no Itccife,
aproscnlando outra igual lite serrn entregues na
ra do Apollo, n. 15, lerceiro andar.
--Alugain-se dous sitios com muito boas acommoda-
(5ea um na campinba da Casa-Forte c oulro na ra
da dita povoa(3o com cocheiras e cavallarlces ; assim
como varias casas, de pre(os commodos para se pas-
sar a fe>la atra??' n* risa *trt Amnrl>n, o. 15.
O abaixo assignado avisa s lodos os jrs. que
tcem penltores em seu poder, que hajam do os ir ti-
rar at o lim de deiombio do corrento atino, alias
passar a vcndc-los para seu pagamento, assim como
todos os Sis. qtieleetn lettras vencidas, hypothecas
ealguns dinlieiros lomados sem clareza, hajam de
os rosgatar at o mesmo lempo cima declarada,
poisoahaixo assignado portende fazer urna viagom
a Kuropa a tralar do sua sade, indo em sua compa-
nbia sua mtilher.
Icrcuiatio Jote de Freilai.
a5 i i !
Hrecisa-se'de urna ama de leite, jg
j! que o tctilia com abundancia, e 'M
S3>; seja/elosa : na ra Nova, loja n. a3. j^
-Na padariada ra da Guia, no Rccifo llavera
todososdiasa venda o novo p3o de Provenga fa-
bricado por oulro modo do que o actual o da ine-
Ihor farinlta quo ha no mercado o por osle motivo
ni!o se podo tazer senBo a 40, 80 e 180 rs.
e dias i.inlo, com limpera, mediante m-
dico estipendio : quem precisar, aununcie.
Nu i na liireits, padaria n 26, da-so pao do ven-
dagema prolas,|0b responsalnlidade do seus se-
nitores.
'!.'


Compras.
-- rnmpra-se um escravo t|tie seja co/.inheiro o
qual agradanilo e desempenhando 0 inisler para quo
se prerisa nio so duvidar do pagar tem : na ra
da Cadei, n. 39 ou a bordo dn brigue Velot, Tun-
deado dclroute dacscadinlta du Passeio-Publico.
--Coinpram-so 12 cadeiras de Jacaranda, ou de
oulra ui.i li.'ira ,queeslejam om bom estado : na ra
do llaugel ,u 36, primeiro andar, ou annunrie.
Compra-se, ou aluga-so urna canoa de car reir,
que carregue 4 a 6 pessoas : na praca da Indepen-
dencia loja n. 3.
Compiam-sc30 paos do 30 pannos do compri-
ment e pollegadas em quadro ; 350 caibros de
30 palmos : ludo da mclbor qualidade : na ra to
Callegio, n. 15, segundo .indar.
Compra-se um mostrador de venda ; um temo
I.) pesosoeolio libras a alela guara estando em
bom estado na ra da f.adcia de S.-Antonio, n. 17.
Coinpram-so escravos que sejam olticias de car-
pina, de 18 a 25 anuos a de boas liguras ; pagam-se
bom sendo do bous costuines e peritos no sen o lu-
cio poisso para urna oncommonda do llio-de-Ja-
neiro : na ra do Amorim, n. 35, a fallar com i. i.
Tasso Jnior
-- Coiiipr.itn-se dragonas bandas e liadorcs de
oIBciaesde priincirae segunda lio ha: na ra do
ijui'i na lo, luja de cirgueiro n. 10.
Cotnpta-se um |iardo mangas de vidro lavra-
das, com castigaos do mesmo: na ra da Cruz, ven-
da n. 32.
Compra-se um armazcmde canto secca na rita
da Praia : quem tal estabelecitnento liverco quizer
vender, aununcie, ou ditija-sc a ra do Cabuga, lo-
ja da esquina, junto a botica do Sr. Joiio Moreira,
que lase dir quem quer,
^Mnvwa iijgiwaiijii^iiiwjii i MiB|ininnTr-iTrfffrTT~l .....
. endas.
lio emchflosproprios, por preeo con.n.od : na
" de S..Francisco casa da esqulM quo roltt par
J.A. S. Jane, artista, tema honra d avisar ao res-
peitavel publico que tem voltado do norte e se
aeha residin lo na ra estreita do Roza'rio, n. 16, pri-
meiro andar, aonde coutina a por denles artii-
ciaes.de porcellana, cotnposigo esta iiiteiramciile
iseuta de corrupgio : como bem lira as caries dos
naluracs, caiga de ouro e prala. O auniinciaule de-
clara a todas as pessoas que se quizerem utilisar de
seu prest"no, que nio exige receber paga alguma,
se por acaso no licarem os ditos deules artificiaos
tilo bem posos, que nflo 9 pess diflerongar dos
proprios natitraes sendo os meamos postos sobre
chapa de ouro o sobre tarracha os quaos licam tito
seguros, que se pode mttstigar toda a comida com el-
los sem causar a menor dr.
-- Acha-se justa o contratada por permuta a cas
da ra de S.-Miguel, n. 12, da povoagilo dos Afoga-
dos de Joiio uastacio e Mara fzabel das Gragas ,
com una na povoagilo de Pedras-dc-Fogo da ra do
Cobre, pcrlcnceute a Frederico Chavos : quem se
acharcoin algum direito em qualqucr tas ditas ca-
sas queira annunciar no prazo de oito dias; do
conlrrio se ultimar o negocio c nflo se attender
tnais rcclamagflo alguma.
Aluga-so o bem condecido sitio na estrada do
Cordciro, de Nuno Mara do Seises,' s proprio para
algum negociante eslrangeiro ou oulra pessoa que
tetilla iraUii-.'iilo : na ra do Amorim, ir. 15.
H CHAPEOS DE SOL g>
Ra do Passeio-Publico n, 5.
0 fabricante desteestabeleciinento adverte ao respei
tavel publico desta cidade que elle possue presente-
mente um rico aortimento de chapeos de sol, assim
como chapeos de sol de seda furta-cores, dos mais ricos
que tem apparecido neste mercado e de cores conde-
cidas ; ditos para senhoras de bom tom adamascados ,
lavrados com suas competentas franjas de reros, lu-
do que tem de mais moderno e do melhor gosto; um
completo sortimento de chapos de sol de panninho de
todas as cores e de todos os taannos para homens ,
senhoras e meninos ; ha tambeni igual sortimento de
fazendaaparacobrir arma(des tanto de seda de cores
como de pannlnhos trancados e lisos imitando seda. Ad-
verte-sc nue os freguey.es serao servidos com brevidade.
e se acharosatlsfeitos da boa qualidade, do bom gosto e
do prego.
Pol issa.
Desembaicou ha poneos dias tuna por-
cao de barra pequeos, com milito nova
e superior polassa, c se aeha i venda,
pelo prer.o o mais barato, do que ultima-
mente se vender : na ra da Cadei-Volita,
armazem de Bailar & Oliveira, n. 12.
Vcndc-se urna escrava de 18 anuos, do bonita
figura, que sabe cozinhar o diario de urna casa, cn-
gommar, coser snlTtivelmente o ensalmar: na ra
da Cadea do cclfc, 5:>, segiiml6 andar. *
Vcndc-se una carroga nnva deconduzir pipas
por balso, com ascoBipelnleacorrentcs, por pre-
go comiiKitlo : na estrada da Joflo-Fet reir, indo da
Solcilade para o Manguinho, n. 19.
AOS 20:000,0000 DF. US.
Vondcm-so bilhetes da lotera do Sanlissimo Sa-
craniento do Hio-de-Janeiro, cujas rodas corrom im-
ptclerivclmento a 18 do correlo : tu ra da Cadei
do Rccife, loja n. 51.
Cunba & Amorim teem pira ven-
der, por bartilissimo preco, birria com !\
airlas de cd de Lisboa, par fabrico fie
assucar, da melhor qualidade que ha
ueste genero : na ra da Cadciado Hecife
n. 5o.
Vcndem-so 6 bonitos moleques de nagflo.de 13
a 18 anuos sem vicios neni molestias ; um preto de
25 anuos ; 2 inulatinhos bons para pageos, ou para
prenderen! ollicio ; 3 negrinhas, muito lindas, do
12 a 13 anuos, com bons principios de habilidades,
equo nflo teem vicios; 5 prelaa muito mogas, o com
habilidades : na ra do Vigar'io, n. 21, se dir quem
vendo.
Vende-se, U'i caes dd Al'andcga, =
armazem n. 5, de Antonio Aunes ||
Jacome l'ires, feijo inulalinho, g|
m saceos, muito superior, e por :<\
preco commodo.
NOVO PAO DE PIIOVENQA.
V ende-te lodos os diat.
O proprietaro da padaria e pastellaria franceza
do Aterro-da-lloa-Vista, n. 50, desejando agradar
cada vez mais aos seus fregueses, resol veu offere-
cer-lhes um pao que se fabrica em Provenca por
um processo multo dferente do ordinario, c que,
exigindo l'arinha das melhores qualidades, mere-
ce a preferencia do publico, pela sua alvura,
pureza c delicadeza de*ua.fabrica(io.
S se farao paes de 40, 80 e 100 rs., e ser fcil
conhec-los pela sua forma oblonga e elegante.
Na mesina casa contina-se tainbem a vender
bolinhos para cha de todas as qualidades, e tam-
bem a enfeitar bandejas ricas para bailes e sa-
raos.
0

d
0
__ Urna pessa com pratica de escripia
commercial, e bonita leltra, prop5e-se a
escrever as horas vagas, nos domingos
0
Vende-se una escrava do 20 annos de nago
Cosa de bonita figura com uina cria de lim anuo,
j desmamada o muito linda : a preta cozuiha o
diario do unta casa engonitiia lava de sabfloe var-
relia arruma bem una tula, o be muito entendida:
o motivo por que se vende so dir ao comprador:
na ra da Cadcia ao p da casa da Apullinea.
llgalos de Ha vana.
Na rita larga doltosario, n. 32, alcm do diversas
qualidades de superiores charutos, acha-se grande
porgodos verdadeiros regalos, que so vendom por
menos do que em outra qualqucr parte.
Chap >s parasen-hora.
Vendem-se chapeos de palha aberta para scnlto-
ra cltcgados ltimamente, por menos prego do
que etn outra qualqucr parte : na ra Nova, n. 30,
loja de Domingos Antonio de Olivoira.
Vende-se urna excedente canoa de carreira : na
ra do Collegio, n. 8, terceiro andar
Na rita do Caldeireiro, n. 44,continuam-se a ven-
der hostias do muilo boa farinh e muito bem fei-
tas.
Agencia da ndico
Low-Moor, i ua da enzallrt-
nova, n. 42-
Neste estabelecimento contina a ha-
ver um completo sortimento de moendas
e meias moendas, para engenho; ma-
chinas de vapor,e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tamaitos, para dito.
-- Vende-se a venda da ra de Santa-Thereza, ti.
60, bom areguezada vara a letra ; vende-se por seu
dono se retirar para fra da provincia.
i
-Vende-se ou permula-se a caaa n. 3, fJU .,
ru. do Bom-Sucesso, ,. alinda .con. un, peipieno
U~
m_ -
a ra da Florentina.
F Ihinhaso i)de-.laneiro
para O auno d<" JD'aO,
ornadas de finissiinos retratos da amilia imperial, e
contendo alm do um ntoressaiilissiiiio tratado
prophelico sobre a espantosa povoaCaO dn globo no
anuo de 2415 I ehronica nacional do 1817 a 1848 ; a
chronolngiiido179lnl00 o exactissitio kalenda-
rio com lodos os seos perlneei das de gala au-
diencias, inlioas do sol e da lita senadores e deputa-
.los eraos e provinciaes partidas do crrelo cor-
po diplomtico o consular, genealoga ta augus-
tissima casa Imperial e dos principaos soberanos ,.
etc
Ttulos das difftrtnici folhinhas ijiie /.> principio as materias acimn especificadas a so6r :
I. Folhinha do Nigromante, contendo una linda
collccgfo dosortes para intrtonimento das noiles
lie S. Antonio, S. Joflo, 8. Pejt o o S. Amia.
9 Folliitiha de medicina domestica com iraUooa
sobre oj vermes hiteallne, soliurla, bixosdos ps,
ilractinculo, cobras e hydrophobia.
3. Folhinha iheiilral, contendo o Falso religioso ,
drama, e u l)r. Sovina ntreme/., proprios para re-
renresenlagflo em llieatiinlios.
4. Folhinha de pilhorias, contendo una reunjo
do pilheriaa, relices e ancdotas capazos de fazerem
soltar barricadas do riso aos mais serios.
5. Folhinha de prendas cometido o passatoinpo
alegre o familiar e OS mais lindos jogos do prendas,
para divet timento 'las companhias.
ti. Folltiiiha joco-seria dos poetas, conloado ns es-
pantosas argoes de Anlfla llroega, ramoso narigudo,
e multas ostras lindas produegoes da Musa.
7. Folhinha do jogos, contendo as Seis e regras do
voltarelc do vinle o um da tiinliiia, do- empresli-
ino, ila comadre, do commcrcio o do coco.
K. Folhinha biograuJiioa to .Napoleo,'* contendo
um brilhanlo resumo popular da historia do grande
.Napoli'ilo. Ornada com lindas vinlictas.
9. Folliinhas de Cupido, couloudo a nova c ge-
nuino lingosgem e diccionario das liores, fruclos ,
hervas, raizes, etc. em verso rimado.
10. Folhinha nacional lirasilcira com um indico
da historia do brasil.
II. lolhinlia lusitana conlcndo um bosquejo bel
da historia de Portugal.
1. Folhinha histrica, cnm vida o o retrato do
imperador I). Pedro I.
13. Folhinha das damas, adornada com cinco no-
vellas galantissimas.
14. Folhiiilia dosartisttts.com segredos concernon-
tesas artes, oflicios, etc.
15. Folhinha do sabio, com mximas doKxni. Sr.
inarauoz do Marica.
10. Folhinha da historia nacional, com nocOes dos
tres reinos e 20 estampas
17. Folhinha de sade, com um (ratadrt sobre ona-
nismo seguido de arligos sobro as quedas, l'eridas,
esfoladuras, arrnliaduras e contuses.
18. Folhinha das llores, com o diccionario da sig-
nilicaco das flores etc.
19. Folhinha de jusliga, com a reforma do cdigo
c o regulamenlo
20. Folhinha constitucional, rom a consliluig.lo o
a lei de suas reformas.
Vende-se na foja de livros de Jlo ta Costa Deli-
rado no pateo do Collegio, n. 6.
Vendc-se, na loja da ra da Cadei, n. 2, um
rico espeHto.de oito palmos do altura, coth um vi-
dro de primeira qualidade', muito grosso e claro,
com moldura de Jacaranda om columnas, e proprio
para urna senhora se vestir.
MEDICINA UNIVERSAL.
Pilulas vegetaes de James
Mor son.
A medicina vegetal universal he o resultado do 20
annos de invcstigacOes do clebre James Morison.
Por meio dcstas pi'lulas eonsegio seu autor inn-
meras e admiraveis curas desde as alfecges quo
atacatn as criangas do peito al as molestias chroni-
cas do aticiilo.
A F.uropa saudou este remedio como remedio uni-
versal para todas as doengas, o at hojo ainda n;lo
foi desmentido tal titulo.
F.sla medicina vom acotnpanhada de urna receila
que cnsina e lacillila a sua applicago. Consisto em
tres preparagoes, a saber :duas qualidades de pil-
las distinctas por ntimeros, e um p : cada qual goza
de modos eaeges diversas.
As pillas n. 1 so aperitivas ; purgam sem abalo
os humores biliosos o vlcosos, e os oxpulsam com -
eflicacia.
As do n. 2 cxpulsam com esses humores, igual-
mente com grande frga os humores serosos, ocres
o pulridos, de que o saugue se aeha a miudo infecta-
do ; percorrem todas as partes do corpo, os ces-
sain de obrar quando teem expulsado todas as im-
purezas.
A terceia preparago consisto em uma limonada
vegetal sedativa : he aperaliva temperante e ado-
gaute : torna-so em commum com as pilulas feacil-
lila-lhes os melhores efleitos.
A posigflo social do Sr. Morison, a sua fortuna in-
dependenle, repcllem toda a.idcia do charlatanis-
mo ; o as admiraveis curas, operadas com o seu
syslema no collegio de sade de Londres, silo mais
que garanles da cllicacia do seu remedio.
Kecommenda-sc esta medicina, que nao pede nem
resguardo do lempo, nem do posigo da parle do
doonle a lodos os que, atacados do molestias jul-
gadas incuraveis, se quizerem- desengaar da sua
virlude. ..
Oxala que a humanidad feche os ouvidos aos m-
teressadosemdesacrc'dilar estes remedios tSo sim-
ples 13o commodos o tilo verdadeiros.
Vende-se-smente em casa do nico e verdadeiro
agento J. O. lilster, na ra da Cadeia-Velha, n. 29.
No deposito de Me. Calmonl & Companhia na
ra do Apollo, armazem n. 6 acha-so constante-
mente grande sortimento do ferragens inglezas para
engenhos do assucar cono sejam : taixas do ferro
coado de diircrcitles modelos, os mais modernos;
ditas de forro batido ; moendas de ferro do mode-
lo adoptado para armar em madeira ; ditas todas
de forro, tanto para agoa como para atnmaes ; ma-
chinas de vapor de frga de quatro cavallos c de al-
ia pressao o mais moderno e simples que he possi-
vel ; repartidoras ; espumaderas ; resriadoiras de
forro eslanhado; formas du ferro: ludo por prego
commodo.
LADO


'
- _
h


.
\a lo,.11,. 5 \ da rua ,io Crespo,
so ..' do orco de Santo- .1 ntonio, vendem-
m ni iiI is de laa e seda, milito bonitas,
para meninas, pelo barato preco de
a.< oo rs ; assiin como cortos de cinta es-
cura, com io covado*, a i,(ioo rs ; cassa.s
Ir cores, de quiltro palmos de largura, a
a4o rs o covado.
Vendo-so urna parda minio boa cozinlieira o
eugommadeira ; 2 lindos molequos de nacflo, do 12
l*annos ; urna prela do 20 aunos, mullo boa en-
gommadeira ecoslureira; urna nogrinha do 12 au-
ne*, coa habilidades: no pateo da matriz de S,-
A .1,1111,1, sobrado n. 4,
Vendem-so chapos de castor branco a
4,000 rs. : na rua do Queimado, n. 22.
-- \ende-sc marmelada eni latas grandes o peque-
as,-doro doginja a 320 rs a libra : tudo mullo
superior i no pateo do (armo, venda n. I.
Chocolate hoinoDop.ithico.
Na fabrica de licores do Aterro-da Boa-Vista, n.
17, alm do chocolate de canda, baunilha sade ,
ferruginoso o muscoislandico,|ha do homceopalhicn,
o (|iial he milito ulil para as pessoas que se curam
pela medicina homceopalhica.
Vende-so um carro de duas rodas com arrciose
cayado, ou som elle, a vontade do comprador : na
rua da Cruz, n. 38, ou na coclioira do Augusto.
--Vendem-se peca de madapolilo com 20 varas,
nimio largo eoncorpado, a 2,800, 3,000 e 3,200 rs. ,
e a rotalhu, a 7, 8 o 9 vintens ; pecas ile chitas nara
robera a 6,000 rs., c a 160 rs. o covado
do Passeio, lojan. 17.
na rua
CIlA^IP.ANI
da verdadeira marca COMETA, urna factura nova des-
pachada, no dia 28 deselembro da alfandega : veu-
ilO-Sd na rua da Cruz, no Recife, n. 17.
No A (erro-da-Roa-Vista loja n 78, vendom
so sapntes a 800 rs.; bonetes para meninos a 800
rs ; ditos do riscado para homein a 300 rs. ; ditos
de niiirroquim prcto obra bein frita, a 2,500 rs. ;
dilos de merino para meninos, a 4,000 rs. ; bolins
para homein ,a 2,800 rs ; hahusde madeira enver-
llizados a 1,000 0 2,500 rs. ; couro do. lustro gran-
de; marroquim superior e de varias cores.
Vende se, poi proco muito com modo a obra
de direito mercantil, por Silva Lisboa: na rua do
Cabulla, loja da esquina, dcfronlo da matriz.
Vende-se una tipoia com lodos os seus pe ten-
res em bom estado por proco commodo : na rua do
Nogueira, n. is.
Vendem-se 3 lindos moloques de 14 a 18 annos ;
un pardo de 18 annos.de elegante figura ; um pro-
Iodo35 annos, bem robusto; urna negrinha de
12 annos miiilo boa costureira ; 2 pretasdo todo o
servico: no paleo da matriz de S.-Antonio sobra*
do n. .
~ Vende-se nina casa terrea omito grande, sita na
rua da Mangueira, na lloa-Vista, n. II, com grandes com-
mudos,quintal muito grande e inuitosarvoredos de fruc-
i"i, por preco o mais rasoavel possivel: trata-se ua rua
il i Aragao, n. 27.
cebeu-se, pelo ultimo navio vindo de Franca um
soilmenlo de chapos da aenhora da ultima mo-
da .tanto de soda como de palha ; visitas, palito- ,
moda nova e muito maiseieganlos qu<> u mantclc-
le; camisinhas bordadas; floro* muito om conta ,
em porcilo e'a relalho ; plumas linas; luvas ; cam-
braia de linho.
Vende-se cal virgem de Lisboa em barril de .
arrobas chegada pelo ultimo navio, por preco commo-
do : a tratar com Almelda Si Ponseca, na rua do Apollo
A i so ou rs. ,
ancoretas com azeitonas superiores : ven-
dem seno caes da Alfandega armazem
n. 7, de Francisco Dias Ferreire.
Casimiras elsticas.
Vendem-se superiores portes de mela casimiras els-
ticas de pura la, pelo barato prefo de 2/000 e 3/DO0 rs.
o corte de calca : na nova loja da estrella, da rua do
Colleglo, n. 1.
~ Vende-se um moleque de boa conducta o que
soafianca : he recommendado a ser vendido a pes-
soa conhecida por ser digno de lerum bom senbor:
na rua llireita, n. 16, esquina que volta para S.-Pe-
dro, se dir qnom vende.
ilgodHo monstro de 8 palmos
c moio de largura.
Na loja n. 5, que faz esquina para a rua do Colle-
gio deGuimarIes Companhia vende-se a nova
fazenda de algodao branco muito proprio ara loa-
Ihas pelo barato preco de 640 rs. D-se amostra.
Vende-se muito superior biscoulo francez de
Rheims : na ruada Cadeia-Velba, n. 29
CHA' HYSSON,
deopiima qualidade a 2/240 rs. a libra
Crui no Rcclfc armazem n. 13.
na rua da
M

^Z%S^
I

0 propriclario deate estabeleciinento, por g2
circiimstancias occorridas, v-se obrigado
n relirar-se para a Europa, e como nfio o p- f,
de fazer sem primeiro pagar a seus credo- S
M res, oirereccalgum alialimenlo a seus de- g5
ffl vedores que quizerem saldar suas conlas t
.. no prazo de trlnla dias (indos os quaes, el- pf
Jffl lepnssaraa fazer Iransacciio com os docu- S
,.;J nclitos que tem emsmi poder, isto to s- 3
K mente, fim de como producto delles, po- 3
.,.,' der mais fcilmente saldar conlas com seus g?
^ credores, c supposlo que esla transaceo H
C>. motiva grande prejuizo ao annuticianlc, ne- gS
J nlionia utilidade resulta aos devedores que m
5j liram no mesmo caso obrigados a pagar por ^
|g intoiro seus documentos, sem que lalvez J
v cnronlrom contempladlo alguinii e nem offi
ahalimoiitoqueoanniinciaiilc por incio de (Sj
sem annuncios offerece a todos os devedo-
S res : lambem lem resolvido vender o esta-
belecimento comorestp das fazendas, que
sendo anda em grande numero, serfio ven-
didas todas por piceos diminutos a saber :
pecas de chitas de cures lisas e pannos finos,
a 5,500, 6,000c 6,500 rs. e muito linas, en-
trando algumas de cohcrla a 7,000 e 7,500
rs. ,eo covado a 170, 190c 210 rs. ; pegas de
madapoln largo e muito cucorpado, a
3,000, 3,200, 3,500, 3,800 e 4,000 is. ; dito g
largo e fino de superior qualidade a 4,500. i
S 4,800 n 5,000 is.; princeza de duas larguras j
" a640rs. o covado; lila larga a 380 rs ;
casineta preta a 800 rs.; luvas de pellica ,
para senhora a 320 rs. ; ditas de seda a
' 320 rs, ; ditas brancas muito (as, para ho-
I mem, u 400 rs. ; pannos de mesa de nicio de
[ sala de bonitos goslps e de superior quali-
I dade, a 3,000 o 4,000 rs ; golas c pescozi-
| nhos de cambraia, fazenda muito propria
| para meninas, a 200, 24o c 320 rs. ; los de li-
nho muito grandese de superior qualidade,
! a 7,000 e 8,000 rs. ; ditos mais pequeos a
| 6,000 e 6,400 rs ; suspensorios de mei a
40, 120, e 160; ditos de borracha, a 200 e
e240rs ; ganga azul, a 100 rs.; algodao
de listras muito cucorpado propfio para
esclavos, a 170 rs ; chales grandes |pro-
prios para escravas a 800 c 1,000 rs.; ditos
linos de diversas qualidades, a 1,500, 1,800
e 2.000 rs ; o oulras multas fazendas que
por oceuparem muito lugar dcixam de ser
anniinciadas, e que todas serflo vendidas
ainda mesmo com grande-prejuizo, s aflin
de se acabar com o eslabeleciinenlo. "
PRELO
a 3sooo rs. a sacca
nos armaiens na. I e 3 do caes da Alfandega, c no de n.
35 da ruado Aniorim, de J. J. Xasso Jnior,
Kseados monstros.
Vendem-se superiores riscados monslros, j bem co-
nhecidos tanto pela qualidade como pela largura em
demasa, pelo barato preco de 280 rs. o covado. Kstes
riscados sao chegados uliimamcnte : as cores sao fixas,
e os padrrs muito modernos e de bom gosto : na nova
loja da Estrella da na do Colleglo, n. 1.
Vende-se ca/ virgem le Lisboa,
chegada no ullima navio, em Larris pe-
queos, por menos do que em ontra qual-
quer parte : na rua do Trapiche, arma-
zem n 17.
-- Vendem-sc dous pianos fortes de Jacaranda ,
Chegados tiHimamentc, que, alem de screm um
magnifico ornato de urna sala, teem excedentes
vozes sendo o mechanismo da inuita approvada no-
va invcncSo chamada repilidor patente de Col-
Urd : em casa de J. Kcller & Companhia na rua da
Cruz, n. 55.
Vendem-se barris pequeos com cal virgem de Lis-
boa, a mais nova que ha no mercado, por preco com-
modo : na rua da Moda armazem n. 17.
Vendem-se queijos londrinos os mais fresesae
que ha no mercado ; latas com bolacbinhas de ara-
rula ; dilas enm hervidlas ; dilas com sardinhas
na rua da Cruz, no Recifo 11. 46.
' Vende-se, na venda de Joaqun)
Correia Rezentle liego, no largo do Li-
vramento, n ao, superior cal de Lisbdi,
em bairisde 4 a 5 arrobas, a mais nova
que ha, viuda pelo ultimo navio, por pro-
co mais commodo do que om outra qual-
quer porte.
Vendem-se acedes da ex-
mela companhia de Fernatnbueo
e Paratnba: no escriptorio de O-
liveira Irmos & C, rua tlaCruz,
habilidades; duaa mulatinhai, muito lindas; um
moleque deII annos; urna mulatinha'de 6 a 7 an-
uos; um proto de 20 annos, de lio ni l figura; um
moleque de 7 annos : ns rua das Flores, n. 19.
-Vendem-se 44 raves de 40, 45 at 50 palmos de
rom primelo : tudo de madeira de fundo e da me-
Ihor qualidade posaivel : na rua do Colirio, n. 9.
Vende-se urna loja de miudezas sita no Aer-
ro-da-Roa-Vista, n. 58, com os fundos de 600,000 a
800,000 rs., e de cada fazenda urna pequea porcilo,
bem afreguezada e est em boa situacSo, por (car
no centro da rua: vende-se por o dono relirar-se
paraomatto.e por isso tambem se far negocio
com quem quizer armacBo smente ou com as fa-
zendas com algum abate que fr justo : a tratar na
mesma loja.
Vendom-soenfeites para rabees de senhora ,
chegados ltimamente do Rio-de-Janeiro : na rua
rvova, n. 30.
Vende-se um bom cabriol coberto muito ma-
neiro ,ecom excedentes molas : na cocheira de Jo-
s Ma.iia na rua das Flores 011 na rua das l.aran-
geiras, n. 15.
Vende-se vinho verde, muito bom e sem con-
feigo alguma a 200 rs. a garrafa ; vinegro branco
le Lisboa muito forte : no pateo do Carmo, venda
n. I.
-- Vendc-se. para fura da provincia ou algum
engenho urna escravade nacilo, de 20 annos.com
habilidades, e he de bonita figura: na rua Nova,
n. 14.
Vendem-se chlese mantas de seda para senho-
/a ; luvas de pellica lisase bordadas ; ditas de seda
de (odas as qualidades, para homein e senhora ; sa-
patos deselim branco; ditos do couro do lustro;
ditos de niarroquim preto o de cores; ditos da du-
raque preto ; tudo para senhora ; borzeguins pro-
tos para senhora ; sapatosde tapete para homein e
senhora ; bicos de seda, brancos', muito alvos e de
todas as larguras; flores para chapeos de senhora;
chapeos de sol, de seda furta-cores para dmeme
senhora ; cortes de cambraia para vestidos ; um
completo sorlimento de perfumaras ; bem como ou-
lras fazendas por preco commodo : na rua Nova ,
n, 30, loja de Domingos Antonio de Oliveira.
Ainda existe um resto dos verdadeiros charutos
deS.-Flix os quaes sevendem nicamente na rua
do Queimado, ns. 16 e 17.
nov
na rua de S.-rh, '
rs. j urna farda de flnissimo panno tambem
para uzlelro por 10,000 rs.
n 91.
Vende-se, r dinheiro, 011 com boas (Irmas 1
venda muito afreguezada a qual o menos que ",
do he 10,000 rs. di nos o para fazer este nVar-ci?"
nilo precisa mais d. 500,000 rs. de fundo: o man'
porque se vendo se dir ao comprador : as CiaZ
Ponas, padaria n. 30. co"
Vendem-se 40 libras de canella nova, por mu
lo menos doque na alfandega lambem se vende i
porcilo que convierao comprador: na rua dos Mi-
lynoa venda n. 36. r"
Vehde-se, ou aluga-se urna canoa d'agoa. enn
certada de novo : na rua do Amorim, n. 7, segundo
anda
Vende-se um escravo de 18 a
20 annos
com
11.
).
Cera de Lisboa.
Na nova loja da rua do Livra-
mento, n. f) de Antonio
.11 z de Brto Correia,
vendem-se sapatos de duraque francez para senho-
ra muito boa fazenda a 2,000 rs.-; ditos de setim
preto e branco a 1,920 rs.; borzeguins, a 4,000 rs. ;
sapatos deduraque de Lisba a 960 rs.; ditos pa-
ra meninas a 840 rs. ; dilos de marroquim, a 960
rs, ; ditos de cquro de lustro a 1,800 rs. ; ditos de
dilo para menino, a 960 rs. j ditos de marroquim a
640 rs. ;sapatOes de couro de lustro, para homem ,
francezes a 5,000 rs.: dilos feilos na Ierra; sapa-
tos do marroquim para senhora, menino o meni-
na dilos de couro; pedes de couro de lustro, a
4,200 rs.; ditos de marroquim a 2,200 rs. ; couro
de cabra, em branco e preparado; sola; graxa ; e
outras miudezas.
Jtj Vcndem-seescravosba-
(Jfj ratos na rua das La-
M-4 rangeiras II. 14 se-
gundo andar : um lindo mo-
loque de 18 anuos; un dito de 16 anuos, com offi-
eio de sapaleiro ; um preto de naQIo, bom ganhador
de rua de 30annos, por 380,000 rs. ; um pardo-de
30 anuos, por 350,000 rs. ; um dito de 25 annos ,
de cor escura com bous principios de carpinloiro,
c enteiide de manijo ; urna linda parda do 20 an-
uos com algumas habilidades c que he de boa
conducta; duas negrotas de 15 annos; e outros
muitos escravos.
A a rua de Agons- Verdes,
n 40,
principios de serrador e que he apto para qulque
outro servico : na rua Augusta, n. 26. .
Vendem-se liuhas de meada, muito finas, pro
pnas para lavarintosde cambraia de lindo: bba"
dos de panno de linho bordados, lingindo bico di
Ierra; meiasde linho;.ditas de laia para padre-
oulras mudas miudezas por preco muito commodo-
na rua do Cabug, loja de miudezas, n. *.
Vende-se urna mulatinha de 10 a 11 annos-
um inulalinhode14a-15 annos sem vicios: na ru
do Cabuga, loja de miudezas, n. 1 I), do GuimarSes
Vendem-so penles de tartaruga da moda de
marrafa ; caixas para tabaco : tambem se concerta
qualquerobra deslegenero, Tazein-se novas o des-
mancham-sc penles volhos o fazem-se novos : na
loja do tartarugueiro no pateo do armo sobrado
da esquina que volta para a rua das Tnncheiras
Escraios Fgidos
Na rua da Cruz, n. 60, ha um completo sorlimen-
to de cera de Lisba em caixas de todos os tama-
itos quo* os compradores desejarem ; assiin como
lambem ha una grande porcoda que vem em gru-
mo e em pilo vende-se por menos preco do queem
outra qunlquer parle-
Vende-se um escravo caiador, e que enlcndedo
plantacOes de sitio : na rua llireita sobrado n. 16,
que faz esquina para S.-Pedro.
Vendc-se una escrava crioula de bonita figu-
ra com urna (Ida de dous annos: a escrava he p-
tima lavadeira, cngomiiradeira e que enlende de
costura c de cozinha : na rua llireita n. 32
--Na casa ,te modas Iraneezas de II. Millocbau .
jioAlcrro-da-Boa-Visla, n.l, primeiro andar, re-
Yinlio verde.
Vonde-se o puro o refrigerante vinho verde che-
gado ltimamente do Porto por prego commodo:
na rua estreita do Rozario venda que faz esquina
para o paleo do Carmo.
Vendem-se e alugam se
bisas hamburgue/as, por preco commodo : na rua
das Cruzcs, n. 40. .
-Vende-se sag fino tapioca do Maranlulo, ce-
vadinha, cevada gomma de araruta : na rua das
Cruzes, n. 40.
Charutos.
Na fabrica da rua estreita do Rozario, ha um com-
pleto sorlimento do charutos muito superiores,
viudos da Rabia, pelo ultimo vapor, os quaes se es-
tilo rclalhando por preco muito commodo, e das
qualidades S.-Fclix, doputados regalos de llavana
cavalleiros, Julias, cigarrosda fama, quem fumar sa-
ber rogalia superior, e outras (imitas qualidades.
Vende-so, na rua das Cinco-I'ontas, n. 71 una
preta crioula de 18 anuos sem vicios: vende-se
liara um pagamento. Na mesma casa lambem se ven-
de panno de linho,muito superior o coi conta visto n
qualidade.
Vende-se urna preta de 20 annos, que cose, en-
gommae lava bem una casa: ua rua de Auolio.u. 15
terceiro andar. '
-Vendem-se, por piccisao, 3 escravas com boas
vende-se urna ptima escrava de 20 annos, com
um lildo de 5 mezes, nplima ama de leilc e propria
para todo servico ; quiltro ditas para todo o servi-
co ; duas ditas quitandeiras, por 600,000 rs,; um
lindo mulatinho, de 14 annos ; 3 esernvos e um mo-
leque de 18 a 20 annos ; e 75 accOes da companhia de
Beberibe.comalgum abato.
~ Vendc-se a loja de fazendas n. 17 da rua do
Passeio, com bonita armando de vinhalico, e com
poneos fundos : a tratar na mesma.
Vendc-se urna casa terrea na rua do Jasmim,
n. 1 no lugar dos Coelhos, em chlos proprios e
edificada ha pouco lempo por prego commodo : na
rua do Collegio, n. 16, segundo andar, se dir quem
vende.
Vende-se, na rua do Collegio n 25, venda que
foi do Sobral por preco mais barato do que em ou-
tra qualquer parlo, um sorlimento dos lucidores
charutos chegados ltimamente no vapor, em cai-
xinhasde 100 a saber regala e moia-regalia re-
galos de llavana regalos ja j ,a vista faz f me-
lindres calanos de llavana, depulados o senado-
res do S.-Felix e oulras mudas qualidades.
Vende-so a loja da rua do Crespo, n. 5 A, com
os fundos existentes : a tratar na mesma loja.
-Vendc-se, para fura da provincia, urna escrava
crioula de 24a 25 anuos de bonita figura, que
cose o cozinha ludo bem : no Aterro-dl-lloa-Vista,
n.26, segundo andar.
Vende-se um escravo de 18 anuos, de muito
Hioa conducta e quehe ptimo para qualquer ser-
vico : na rua Direita, n. 16, sobrado quo faz esquina
para s.-Pedro.
Vendem-so buhles o meios ditos da nona 'lote-
ra a beneficio da freguezia do Sacramento do Rio-
de-Janeiro : na rua da Cadoia do Recife loja da
viuvn Vieira & Filho. Os bilhetos vendidos nesta loja
vilo firmados.
Vende-se um baldo : na rua do Livramen-
(o,n 14.
Vende-so um balcito de amarado, por preco
commodo mu rua da Senzalla-Velha n. 116, loja
de carpina.
Vendem-se os melliores charutos da Babia,
chegados ha pouco no patacho Aurelio, comosejnni:
cacadores, cavalloiros a vista faz f, qumn fumar
saberii: narna da Cadeia do Recife, n. 28.
Vende-se um carro de duas rodas com rober-
a de couro de lustro, cun pouco uso e por preco
commodo: na rua Nova, coclioira do Sr. Adolph
Vende-se "um poncho ao gosto hespanhol, com
32 palmos de roda e"pouco usado por 25,000 rs. ;
urna barretina de couro de lustro nova, or 3.non
Fugio, no dia 17 do passado, a parda Francis
ca, levando comsigo seu lidio menor de um anno-
he de cr clara ,. bocea regular, com falla de denles
nfrenlo, cabellos cacheados e cortados,' nariz afi-
lado ; tein um defeitoem um dedo da mo esquer-
da, odios regulares, peitos pequeos ; levou vestido"
de dula azul com llorss encarnadas o outro de rK
cado j dcsbolado : o lidio foi vestido com limito i.
usado: quom a pegar leve-a o rua do Trapiche-No-
vo n. 40, que sera recompensado
Dcsappareceu, da casa de seu senhor no bairro
do Recife, na noite do dia 21 do corrente, urna es-
crava de nome Hara, de 16 anuos pouco mais ou
menos estatura regular, corpo um pouco cheio-
lem falta de alguns denles na freete do lado superior'
ia|la um lano de vagar indicando vergonba ,-levou
camisa do algodinzinho o vestido de chita rxa em
bom uso e conlas azues no pescoQo : lendo cliegs-
do da-pouco lempo do serillo, torna-se condecida
pelos modos o feices : quem delta tiver noticia, ou
a appreheiider dirija-se a rua do Torres, casa do
JoSo Pinto do Lomos quesera devidamente recom-
pensado.
-Fugio, no dia 17deselembro, crioula Auna,
alta, magra, com o dedo mnimo da mil o csquerdn
aleqadu; teni falta do denles na frente ; levou pan-
no da Cosa, c saia de chita ordinaria. Esta escra-
va lem de coslume andar om Olinda ; inlitula-se for-
ra ; tem um filho om casa do vigario da Boa-Vista
e outro em Coianna para onde lalvez fra. Roga-
se s autoridades noliciaes o capitilesde campo que
a appredendam e ievem-a a rua do Rangel n. 8
que sordo gratificados : tamdciii se proceder con-
tra quem a tiver oceulta.
-Fugio, no dia 2 do corrente, a parda Tdereza,
ue 15 annos, bastante alvae amarella com muitos
pannos no pescoQo, do estatura regular ; levou ves-
tido do cdit rxo desbotado : queaa pegar leve-a
a seu senhor, Manoel Jos de Magalhfcs Basto, ni
rua das Larangeiras, n. 15 que gratificar Esta es-
crava loi do (ingenuo Coqueiro, comaria do S -A-
ino e he do presumir que para l tenha ido.
Fugio a preta Catharina, crioula com Uma cria
de 3 annos de nome Alaria ; levou urna trouxa com
roupa, por isso nilo se pode saber com qual eslava
vestida ; he alta o magra ; tema barriga um tanlo
crescida e o nariz grosso : quem a pegar leve-a ao
Aterro-da-Boa-Visla n. 42, quesera gratificado.
--Nuno Mara de Seixas recompensar com cem mil
res, por cada um, a quem llie apresentr ou Indicar au
lugar em que esta qualquer dos esclavos abalxo de-
clarados de sua propriedade podendo-se dirigir rua
ao Amorim u. 15. .
Piulo, Mozambique com os aignaes de sua iiaco,
n.ixo, gordo, retinto ; lie cauoeiro tem os denles li-
mados e alvos e que outr'ora ro escravo de RoheA
relly, c ull(|iameiile de Jos Marques Vlanna, em cifls
inao o couiprou e est fgido desde 1830.
Paulino, Calubar, baixo, odios espantados e esbuga-
Ihados fulo, dentes agudos, representa ter 40 anuos;
foi escravo de um padre, no lUo-Giandc-do-Norte o
qual Ih'o vendeu por seu procurador Thomaz Antonio
Lobo, c esla fgido desde 1838.
Matbeus, Angola, alio, magro, rendido das venidas o
qual vcio do Maranbao para er vendido pelo nnun-
ciante; lugio em juuho de i83'J, do sitio do Cordciro,
iiaCasa-roi-te c sabio com una corrente no p nial
he natural que a lirasse : he a tcrcelra vea que foge e
lem sido sempre agarrado longc da praca.
Augusto, Mucaubiquc, alto, gordo, sem barba com
um $ no pello direito ou esqucido nenias erossas ha
canoeiro ; fugio em 28 de'junho de 1839.
Manoel, de nacilo Augola moleque de 18 annos ma-
gro, cr fula ; levou eaurisa e ceroulas de algodao de
Muas ; uando falla ou responde parece espantado
fugio em 10 de oulubrode 1840 e suppoe-se ter ido cm
aigum comboy para o centro desla provincia.
Sergio de Angola, de M annos, baixo, grosso do cor-
po, fulo ; levou camisa e ceroulas de algodao de Minas;
he ladino e multo pronostico; fugio seguuda-felra na
uolte do d,a 17 de malo de 1841; tem sido encontrado
110 Chora-Menino, Magdalena e Fra-de-Porta; o qual
oda vesgo de um albo
Hypolio, tambem Angola, baixo, de 11' a 18 annos,
multo esperto falla correntemeiite, parecendo criou-
lo ; levou ceroulas de algodao de Minas : sem signal de
uacao retinto da ct, com o rosto e dentes comprido :
desappareccu sabbado a noite, 5 de junho do mesmo
auno de 1841, na occasiao em que apara o sitio, e jul-
ga-se ter sido dcsencaiiiiuliado por seductores.
Vctor^ mas dd pelo nome de Sanenlo) de nacaoAii
gola de 15 a 16 anuos ; levou camisa c calcas curtas de
algodao de Minas ; nao tem signal de nacao ; embi-
gudo ; tem os ps grandes as peruas algum Unto am-
blas; lugio no trajelo do Recife para o sitio da (asa-For-
te na noite de 10 de selembro das 7 horas e mcia cm
diantc, levando um botijao de oleo de lindara ; suppe-
se ter sido seduiido como j lram outrus.
Tito, do Angola, de 19 a 20 annos, rosto liso e sem
irba estatura resillar lM>rn.-i< mu nnnr-o Inrlm. Pi-V
.. a "
/
barba estatura regular pernas um pouco tortas, pi
chatos e curtos : he pintor e bolielro muito ladino e
falla correntemente o portuguez : fugio em abril de
J842 ; siippni--.se que esteja traballiando de pintor por
ter emo anuo de I83) feito igual fuga irabalbaudo por
este olficio em Olinda como forro.
NA tv o ni m .
i\o i.-> m 1 .
.H/
MUTIL
k-_
l.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELO5G9YSK_SOWCPT INGEST_TIME 2013-04-24T17:52:28Z PACKAGE AA00011611_06527
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES