Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06521


This item is only available as the following downloads:


Full Text
; -i
-
j\iin<> XXIV.
Quarta-feira 17
n DIARIO publlea-se todos o diasque no
(irPi de guarda: o preeo da asignatura he
JufUUu' rs. por quartel, pagos arfianrulni. Os
nnUDcios dos assiguaiites sao inseridos
,,io de 20rj. por linha, 40 rs. un typo dif-
fprent. easrrpetlces pola inclade. Os nao
alunantes pagarSo 80 rs. por linha e 160 rs
ein IJP Por ca PIIASESDA LA HO MEZ DE SETEMBRO.
r,uctU, a 5. is6 horas e24 min. da Urd.
i",cktU, a 13. as3horas e59 min. da manh
^ nM, a 27, as 7 horas e 16 rain, da manh
PARTIDA D08 CORREIOS.
Golanna e Parablba, s segs. e seitas-reiras.
Rio-G.-do-Norte, qiiintas-fcras ao meio-dia.
Cabo, Scrlnhrm, Rlo-Formoso, Porto-Calvo
e Macelo, no 1.a, a II e 21 de cada uiez.
Garanbunl e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Plores, a 13 e 28.
Victoria, s quinlas-lelras.
Olinda, todos os das.
PREAMAR OE IIOJK.
Primeira, ;is 4 horas e 30 minutos da tarde.
Segunda, s 4 horas e 54 minutos da manh.
lie Set.en.hro de IH4H.
n. i*.
DAS da semana.
25 Segunda. S. Kirinino. Aud. do J.doi or-
ph. do J. civ. edo J. M. da 2. v.
2(i Terca. S. Cypriano. Aud. do J. du c. da
1. v. e do J. de paz do 2. disl di- t.
27 On nTi. Ss. Ostmt e Dimito. Aud. do J.
doc. da 2. ?. e doJ. de pan do i dist. de t.
28 Quinta. S. Vcnccilo. AuJ. du J. de or-
ph: do J. M. da I. v.
29 Sexta, % S. Miguel Archanjo.
.'10 Sabbado. S. Jeronyiuo. Aud. do J.do c.
v. c doJ.de paz do I dist. de t.
1 Domingo. O Ss. Itozario de Nossa Senhora-
CAMBIOS NO DA 25 DE SETEMBRO.
Sobre Londres a 2' d. por I f rs. a 60 d.
., Pars
l.i,!i o i 120 por rento de premio
ii nin-dr-iiMBlrO ao par,
DMC de leu de hias tirmn a I an inri
Acedes da couip. de Keberlbe. a.'iR^rs. ao p.
Ouro.-Oncas hespaiihoU 32#000 a
Muidas de6#4O0 v. 17#H0O a
de 6/400 n. lojMOO a
de4/n00... 90900 a
PratnPatacArs brasileiros 2/040 a
Pesos columnartos. 2/UiH a
Ditos mexicanos..... 1/900 a
32/20"
18/000
16/HOO
10/300
2/05O
1/920
PARTE OFFIC'At.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO I1IA 12 DE JI.HO.
(illicioAo commandanto das armas, scientifican-
do-o de que, em consequencia do disposto no impe-
rial aviso ile 11 de outubrode 1832, s a presidencia
deve pelo seu intermedio levar ao conhecimento do
coverno as rep'resentacftes dirigidas a S. M. o Impe-
rador.
Dito-Ao inspector da thesournria das rendas pro-
vincias, dizendo que, convindo ao servico publico
quequsnto anlcs se proceda ao balapco da caixn
,!::q:::'!!:: thesrvnrari, par e vpriflear OS SsMcSCXS-
tenles e o estado driles, tcm nomeado para proce-
derem ao dito exame ao inspector da Uiesouraria de
fazenda, ao contador e a um empregado da mesma,
aTisquaesS me. franquear entrada. Communicou-
se sos nomeados.
DitoAo coronel commissario-pagador, dcclaran-
do-lhe que uo s a companhia de cavallaria, senfio
tambem o 7. batalhflo de caladores, ou qualquer
nutro que o venha substituir, emquanto se acharem
de retm, devem de perceber o augmento de otape
quen presidencia mandou abonar aos corpos que es-
tiveram em movimento nos dias 26 o 27 de julho ul-
limu. Participou-se ao commandantc ilas armas.
Portarla. Nomeando, deconformidadecom a pro-
posta do chele de polica, subdelegado da freguezia
de Ipojuca ao .cidadflo Joaquim AffoiTso Ferreira.
Gninu.unicou-se ao chefe do polica.
DitaNomeando subdelegado da freguezia de Cra-
vsl ao mnjor Manoel Antonio Ferreira. Partici-
pou-sc ao mesmo chefe du polica.
Dita Nomeando subdelegado da freguezia da Var-
zea ao cidadflo Francisco Joaquim Machado, e da
de Murilxca, ao cidadflo Joaquim Machado Portclla.
Spieiitiflcou-se o chefe de polica.
DEM DO DA 43.
OfficioAo inspector Interino da thesouraria das
rendas provinciaes, ordenando que se preste aludo
quanto a commisso encarregVda o exam* do'sla-
do d'aquella thesouraria, composta dos Srs. depu-
tndos l.uiz Ignacio Ribciro Roma, l.uiz Duarte Pcrei-
ra, Filippe Carneiro de Olinda Campello, Christovflo
Xavier Lope o Vicente Ferreira Gomes, requisilar
para habilitar-so a dar cotila de semelhante incum-
bencia.
DitoAo agente da companhia das barcas de vapor
mandando dar passageni para a corle em lugar vago
de passageiro do estado, e nflo obavondo, por con-
tado governo, ao tnajor Joio Giiilhrrnio de Bruce.
Paiticipou-so ao comniandanle das armas.
Dilo-Ao administrador das obras publicas, orde-
nando que mande parar com todas as obras provin-
ciaes que seestiveremTazendo por admlnislracSo,
visto como se acham desfalcados os cofres das rendas
com que deve de ser pago o que se bouver de des-
pender com laes obras Comtnunicou-sc ao inspec-
tor interino da tbesoiirariii das rendas provinciaes.
DiloAo commandanle superior da guarda nacio-
nal do Recite, eominunicando liaver nesta dala man-
dado passar patente de reforma ao mnjor do 4. ba-
tnlhfloda mesma guarda nacional, Faustino Jos dos
finios.
iv.awHasasw^
"'H'"
MEMORIAS DE UM MEDICO, (*)
ioh aieyanorc JDumag.
TERCEIRA PARTE.
XXIV.
A CEIA DO MIPHIM.
No mesmo da, mademoisella dcTavcrner sabio da sita
cantara s tres horas, para ir ao aposento' da delphina
1e linda o costuuie de ouvir lr antes de jantar
O ecclcsaslico primeiro leilordeS. A. Real nao excr-
cia litis (rioelhaiMea l'uncdes. Occupava-se agora da
poltica transcendente desde cenas intrigas diplomti-
cas' itasquaes havia desenvolvido um extraordinario la-
lento como negociadqr.
al.-idcuioiseIla de Taverney sabio, pois, toda eni'eitada e
dirigoste ao sen posto. Solt'ria ella, como todos os hos-
pedes doTriailon.as dilticuldades de nina inslallaco un
punco precipitada. Nao havia aimla urgauisado nada,
nein oseu servico, tem .i dispusican da sua pequea
uobilia, e linlta sido provisorianiente vestida por unta
das aias le madama de Noailles, dessa dama de honor
iniratarel a quem a deipltina cltainava senhora eti-
queta.
i Trajava Andreza um vestido de seda aiul de lalhe
cuuiprldii e todo picado como o corpo de unta bespa.
Ene vestido se abra e se divida adiante para deixar ver
outro de fina cassa com tres ordeus de tufos bordados ;
mangas curtas, igualmente bordadas, de casia afestoada
e coui ordens de folbos desde os hombros acompanha-
DitoAo inspector da thesouraria de fazenda,
mandando fornecer ao inspector do arsenal do man-
tilla, em suppremento rubricacorpo d'armada,
no exercieio lindo, a quantia nocossaria para o pa-
gamento do sold dos mezes maio e junho do corren-
le anno, que se est a deverao capitlo-tenente da
armada, Manoel Jos Vieira, afim de poder transpor-
tar-so para o Rio-Grande-do-Norte.Scientificou-se
o inspector do arsenal de marinha.
DitoAo inspector interino da thesouraria provin-
cial, mandando pagar ao delegado do termo do Ex,
ou a pessoa por ello aulorisada. a quantia do 213/700
rs., despendida com o aluguel da casa que serve de
cadeia n'aquelle termo, e com o sustento c luz para
os presos pobres.Partcipou-se ao delegado do ter-
mo do Ex .
Dito Ao mesmo, enmmiinicando ler concedido
pciiscntadoria ao cilicia! mttlor du secretan* u go-
verno Antonio Jos de Oliveira, com o ordenado cor-
respondente a 2* annos e quatro dias de servico.
PortaraNomeando, em vrtudo do disposto no
art. *." do regulamento de 16 do setembro de 1887,
secretario interino da provincia ao ofllcial maior
aposentado Antonio Jos de Olveira.Participou-se
ao inspector da thesouraria de fazenda.
DitaMandando passar patentes : de coronel che-
fe da I** legiflo da guarda nacional do municipio de
Goianna ao coronel reformado Antonio Francisco
Pereira, e de mnjor do 6." balalhilo da mesma guar-
da nacional, an cidadflo Joflo Alves de Garvallio, vis-
to terem perdido os postos os cidadflos nomeados
por portara da presidencia, do 16 de abril de 1847.
em consequencia de nflo terem tirado patentes den-
tro do prazo legal.Communicou-se ao comman-
danle superior de Goianna e aos nomeados.
DitaMandando passar patente de tenente-coro-
tiel chefe do 1. batalhflo da guarda nacional do mu-
nicipio do Cabo io cidadflo Nereu do Sa e Albuqucr-
quo.Scientillcou-so o commandanle superior do
Cabo 0 o Momeado.
DilaMandando passar patentes: do major do 2."
batalhflo da guarda nacional do municipio do Cabo,
a Braz Antonio da Cunha, e do ajudanle de ordeus
do respectivo commando superior ao mnjor l.uiz Pi-
res Ferreira.Participou-se ao commandanto supe-
rior respectivo. ...
Dila Mand'tufo passar patento de major do .'
batalhflo da guarda nacional do municipio do Rccife,
ao capilflo Francisco de Paula Goncalves da Silva.
Intcirou-so ao commandanle superior do Recife.
DitaMandando passar patentes : de major coin-
mnndanto docsquadrflo de cavallaria da guarda na-
cional ila freguezia do Ouricuty da comarca da Roa-
Vista, ao cidadflo Antonio do Castro Silva ; de ma-
jor da I." legiflo da mesma comnrea, ao cidadflo Joflo
Scveriano l.ima; e de mnjor do corpo do cavallaria
do Ex, ao cidadflo Esperidiflo de Siqueira Campos;
visto haverem perdido os postos os cidadflos anleii-
ormento nomeados pola presidencia, cni consequen-
cia de se nflo terem lirado patente dentro do prazo
marcado.Communicou-so ao commandanle supe-
rior da ligjrVista e aos nomoados.
DEM DO DA 14.
OlttcioAo agente da companhia das barcas de
vapor, mandando dsr transporte para a corte ao ca-
bo do 6. batnlliflo docacadoros, Manoel Thomaz de
l.ima, quo para ah vai seguir em companhia do ma-
jor do mesmo batalliflo, Joflo Guilherme de Bruce
Parlicipou-se ao comuiandanle das armas.
jr
l'ld Diario n. 311.
v.iin o lencinho bordado camponeza, que occullava
pdicamente o cullo da donzella. Mademoi/.ella Andre-
za irazia apenas levantados os bellos cabellos com nina
lila a/ul semelliante au vestido; esses cabellos,cahiudo-
llic das faces sobre o eolio e sobre os hombros em lon-
gos eespessos anelt, realcavam, multo mais do que as
plumas, os lacos de pedras preciosas e as rendas de que
eitlao se usavam, o rosto altivo e modesto da bella vir-
gem de tes morena e pura, que oarrebique nunca man-
chara.
Kmquaoto caminhava, metlia Andreza as suas luvas
en ni pndas de seda branca os dedos mais delicados e tor-
neados que seja possivel ver, no enlamo que na areia
do jardim se iinprimla a beira do elevado salto das suas
galochas de setini aiul celeste.
Soube ella.anchegar ao pavilho doTrianon, que a se-
nhora delphina linha ido dar uut passeio com o seuar-
chilecto e o seu jardinciro. Coutludo ouvia-sc ranger
no andar superior a roda do torno sobre o qual o del -
phiin se oceupava ein la.ei unta (echadura de segredo
para um cofre que elle inulto estimava.
Andreza, para se ir encontrar Min a delphina, atra-
vessou o jardim, onde, nao obstante a cstaco adianla-
da. algumas flores, cuidadosamente cobertas imite, al-
cavam a cabrea paluda para aspirar os fugitivos raiusdo
sol mais paludo que ellas. K como j comecasse a escu-
recer,porque nesia estarfio a nolte vem s seis horas,al-
guns ajudautes jai-dineiios se oceupavam em abaixar os
sinos de vidro sobre ai plantas mais friorentas de cada
algrete. *
Ao voltar de urna ra de arvoics verdes que, corladas
em canicaaa ecirculadas de rozeiras de bengala, iaui
dar n'um bello labuleiro de relva, vio Andreza de re-
pente um desses jardinelros que, ao v-la, se levantava
sobre apa el saudava com unta polidez muito maior
e multo mais intelllgcnte que a polides ordinaria do
povo.
Olhouella.e nesse trabalhadur reconheceu Gilberlo,
eui is tnos. mo obstante o trabalho, ainda^stavaui betti
a I vas para fazer desesperar a Mr. de Taverney.
Andreza croit sem o querer; parecia-lhe que a pre-
scita de Gilberto ncise lugar era o resultado de urna
liugular complacencia da sprte.
Gilberto redubrou o seu cuiupnmento, e Andreza lli o
rctribuhio continuando a andar.
Mas era ella u.na crealura mui leal e mu corajosa, pa-
lito--Ao inspector da thesouraria de fazenda,
mandando receber e recolher em deposito os dinhei-
ros arrecadados semanalmente pela reparteflo do
consulado provincial al segunda ordem da presiden-
cia.-Communicou-se ao inspector interino das the-
souraria provincial o ao administrador interino do
respectivo consulado.
DitoAo commandanle das armas, recommen-
dando a expedieflo de suas ordens, para que um dos
corpos de linha marche amanhfla para o largo da
casa da assemhla, pelas II meias horas do da,
lim do fazer as honras ao Exm. presidente nomea-
do para esta provincia, desembargador Antonio da
Costa Pinto; e bem assim, alimdoqueS. Exc. seja
acompanhadopor um piquete do cavallaria.
Dilo-Ao mesmo, dizendo que, lendo do tomar
amanhfla possoda adminisln-cflo desta provincia o
Exm. Sr desembargador Antonio da Costa Pinto,
nomeado presidente da mesma. cu'mpre que S. S.
expeca suas ordens para que a tropa de 1/ linha se
Tormo em grande parada no largo do palacio do go-
verno pelas II horas da inanlifla; n prevenindo-o de
que se rcunirflo dila tropa do linha os corpos da
guarda nacional dcste municipio que poderem mar-
char, para rujo im licam expedidas as neeessnnas
ordens ao respectivo commandanto superior.I'arli-
cipou ao commandanle superior do Recife,,
DitoAo agento da companhia das barcas do va-
por, mandando dar transporte para o Para em luga-
res vagos de passageiros d'cstado, e, nflo os ha vendo,
por contado governo, aos olciaes de fazenda no-
meados para servirem na divisflo naval d aquella
provincia, Izidro Jos do Araujo e Fernando Francis-
co Malheiros."Comniunicou-se ao inspector do ar-
senal de marinha.
Dilo-Ao juiz dos fcilos da fazenda, remetiendo,
para ler o devido cumprimeiito, urna Carla requisi-
toria, passada a favor do thesouro publico provin-
cial do Maranhflo contra W. Scharf& ('..I'arlinpou-
se ao presidente do Maranhflo.
Dito-Ao commandanto das armas, commnnican-
do quo pelo Exm. presidente da provincia da Parn-
hiba foi enviado, o se acha a bordo do vapor viudo
boje do norte, o desertor do7-* batalhflo do cacado-
res Aiiii-uio Concalo de Sotiza, que se apresentou
n,aqurtl*jh-ovncia.--Scenllcou-se o Exm. presi-
dente da Parahiba.
- Dito-A1 Antonio Josi de Olivoira dizendo, que al-
ternases rasOOS allegadas por S. S., a presidencia
concede-llio a dispensa que pede do cargo do se-
cretario interino desta provincia, e que, accedendo
assim a vontade de S. S., nflo pdedcixarde louvar-
Ihc a valiosa coadjuvaQflo .pie preslou a mesma pie-
sidencia emquanto exerceu o mencionado cargo.
Paiticipau ao inspector d thesouraria do Tazenda
DiloAo commandanle superior do Recite, runi-
munieando ler concedido reforma aos alteres do I."
e 5." batalhoes da guarda nacional do seu comn.an-
do superior, Manoel l.uiz Goncalves. I'enna c Manoel
Antonio ue Andrade, por nflo poderem continuar no
servico em rasflo do suas molestias.
Dito-Ao mosino, participando haver concedido
reforma, por assim o ler pedido, no lente da se-
gunda companhia do esquadrflo de cavallaria, Ma-
noel Canieiro Leal.
PortaraMandando passar patento de major do
3." batalliflo da guarda nacional do Recite, ao capi-
lflo Joaquim Lucio Montero da Franca.--l'articipou-
se ao commandanle superior respectivo.
BmaiiitJB6K'^at^v^c^^w-smirgai ^naasaaaemaasai
tlhos, vollou rpido vida e deu um sallo para se ap-
proximar da donzella.
V. Merc aqu
Andreza.
He verdade. mademoisella.
DitaDemtlindo o inspector da thesouraria das
rendas provinciaes, Joflo Baptista, Pereira Lobo, o
lliesoureiro Joflo Manoel Mondes da Cunha Azevedo,
e o fiel deste, Evaristo Mendes da Cunha Azevedo.
Participou-se ao inspector interino da thesouraria
provincial.
DEM DO 01 \ 17.
scnlior Gilberto? disse framente
Por qumelos i
Minha senhora, he preciso viver < viver Itonraua-
inente. .
Mas sabe o senhor Gilberto que isso heler muita
fortuna?
ObV uiuila, mademoisella, disse Gilberlo.
One di/. ,, ..
Digo, mademoisella, que tenho, conu) V. t.xecilen-
cia pensa, mulla fortuna.
Quem o fez entrar aqui?
Mr. de Jussicu, ineu prolector.
Ah exclamou Andreza sorpresa, o seuhor comie-
re a Mr. de Jussieu '
Et a amigo do incu primeiro protector, de mcu mes-
tre, de Mr. Ruusseau
Pois continu a ser homein, senhor Oillierlo, con-
linuea set hoinem, disse Andreza preparando-se para
partir. .. ,
V. Kxcelleucia passa mellior, madeiiioisellai"......
perguutou Gilberlo com unta voz tao trmula, que bent
se va que se liuha fatigado ao sabir do coracao, do qual
ella representava todas as vibrares. .
Mellior ? como assim ? perguutou Audrea n la-
mente.
Mas..... o'accidente?..... _..
Ah! he verdade.....; muito ubngada, scnlior un-
beito, j eslou mellior, nao foi nada. ,-,,,..
Ol! V. Excellencia quasi que moire.disseUilDi.r-
to no cumulo da emocao, o perigo era terrivel..........
Nesic momento. Audreza julgou que ja era I. mpo ii
abreviar essa conversa com um obretro em pleno par-
(ine real. .. ..
Moas noites, seuhor Gilberlo, disse ella. f
Minha senhora, nao quercra aceitar unta rosa
perguntou Gilberto trmulo ecuberto de suor.
Mas, senhor Gilberto, icsnondeu Andreza, \ Mcr
c me oircrecc urna flor que nao Ihe P*>ce; h.,M
Gilberto, surpreso. aterrado, nada I^W
acabefa, e como Andreza o encarara im ce la a le gr a
ler manifestado a iiiMi.ttsrlWr.Glll>"">-
vantando-se, arrancou um galbo Inteiro florido .da mais
i Mli. i i Ao Exm. hispo diocesano, participando, pa -
ra que se digne de fazer constar ao vlgario da freguezia
de Macelo, Antonio Tlintn.i/. Tcixera (ialvao, e ao da
parochia da Granja, Joo Barbosa Cnrdeiro, que, por
decreto de d jiinlio ullimo, houve S. M. o Imperador
por bem permitlir que os referido vigarios perinulrm
entre si as suas freguezias.
Dito Ao loipector da thesouraria de fazenda, remet-
iendo n decreto de Ift de junho ultimo, por que S. M. o
luiperadoraiiouve por bem nonicar escrivao da recebe-
doria das rendas internas geraes ao primeiro escriptu-
rarle da mesma repartirn, Manuel Aulouio Simcs do
Amaral.
Dito Ao commandanle das armas, participando ler
S. M. o Imperador, por decreto de 1-1 de junho ultimo.
Humeado para o lugar de eapellio do segundo batalliao
de fu/.ileiios o padre Joflo Tararea de Mello. Scienli-
fieou-se Delineado.
Dilo Ao inesinu, cnmuiuuicandn haver S. M. o Im-
perador determinado que lique de neiihum etl'eito o a-
viso da secretara ile estado dos negocios da guerra do
l. de abril desle anuo, relativamente ao capitao do sex-
to batalliflo de caradores. Manuel Augusto da Silva M-
reira c preveniido-o deque, pela dita secretaria, se
expedirn a oecessarlni ordens, para que este olVtcial
se reuna ao cu corpo tiesta provincia.
Dito Ao iHCsmo, participando haver S. M. o Impe-
rador determinado que se d baixa ao cabo de esqua-
da Justino de Soma, e ao soldado Jos Gomes de Albo
quei(|ue, ambos do sexto halalho de cacadores, visto
terem sido litigados incapazes do servieo militar.
Dito Ao Inspector da thesouraria de fazenda, dizen-
do haver S. M. o Imperador delcrniiu.ido que, emquan-
to se nao li/.er nova ilisiribuico para ai despezas da ma-
rinha, contine tiesta provincia, (ni o exercieio de4Sa
49, a mesma que fura ordenada para o exercieio lindo.
l'arlicipou-sc ao inspector du arsenal de iiiariuha, au
contador c ao presidente e Miembros do couccllio de ad-
minislracao do mesmo arsenal
Dito Aonicsuio, remetiendo unta copia do aviso
i imperial, cpedido pela secretaria de estado dos nego-
cios do imperio, da'.ado em 21 de junho ultimo, acerca
da distribuidlo do crdito provisoriamente concedido ao
referido ministerio para o exercieio de 48 a 40. Igual
partieipacSo se fez a rcspello dos ministerios da justica
e guerra.
Dito Do secretario interino da provincia a Joo
Baptista Fernandrs, particqiaiido, d'ordem do Exm. pre-
sidente da mesma, alini de que solicite a expedicao de
seu ti tillo, que S. M. o Imperador, por decreto de 8 de
jtiuliu ullimo, houve por bem iioinca-lo para serrentua-
rio do ollicio de araliador dos predios urbanos do ter-
mo desta eidade.
Portara Poiiicando secretario interino desta pro-
vittciaao bacharel Estevlo de Aibuqucn|ue Mello sion-
(euegro. Goininuiilcou-se au Inspector da thesouraria
de fazenda c au nomeado.
DEM DO DA 18.
Ofhci.i Ao Exm. presidente das Alagai, dizendo
que, leudo a presidencia ordenado ao cominandante da
arnns que liiesse recolher a esta capital o destacaincu-
lo do seliiuo batalhao de cacadores que, ao mando do
lente Manoel Pereira de Sotiza Hurily, acharase esta-
cionado em Una ou Agoa-Preta, c nao sendo encontra-
do em ditos lugares o referido destacamento, queira S.
Exc. informar se o mencionado oflicial se recolheti com
o destacamento essa provincia, onde existe parte do
dilo batalhao.
-----------------'
ferir gratuitamente um inferior apanhado em flagrante
delicio de polidez. Assim. maneira de todas as pessoas
altivas que senleiu que fieram mal, continuou ella a
andar sem accrcscenlar nina s patarra, quando talvez
a desculpa ou a emenda lite viesscm aus labios.
Gilberto tambem nao accrcsceotou palavra, lancou to-
ra o galho de rosas c tomou a tomar a sua pa; mai a sua
ndole easava o orgitlho com a astucia; abaixou-se para
trabalhar, sem duvida, mas tambem para afaslar-se de
Audrea que no tim de urna ra nao pode deUar de
vollar-.se. Era tnulher.
Gilberlo contentou-sc com semelliante fraquesa para
dizer couisigo mesmo que acabava, nesta nova lula, de
e.mli m a victoria.
Ella he menos lorie do que cu. dtsseelle couis.gu
ursino, e en a dominare!. Orgulhosa da sua belleza,
noitte c fortuna que cresce, insolente cotu o meu amor
que ella adivinha lalvez. tem por iiso he menos dese-
iavel para o pobre ttabaihadoi que treme olhando pa-
ra ella Oh I este eslre.iiecimetito, este tremor tud guos
deunihomeiit; ol! as baixczas que ella me obriga a
cotiltetter, ha de paga-las um dia! Mas, eirt*
uiuitu.accresceiiloii elle; venc o inimigo..... tuqocUc-
via te sido '- vino nue amo. tut de vezes
mais forte.
Mas era ella u.na crealura mu leat c mu. i..-.,, ,.a- '-"-- "--- ae;f0lhar as rosas com um san-
ea resistir a un, movi.neulo f '.''j^'1""''' '"^ Jf, f.Vtoe pm- no^rea.Jue iu.po.eram viva admlracio
ta timaqueslao de seuespitilo taquieto. iK.mi
VolteaCH ob.e eu. paSO, c Gilberto, que ja se
havia tornado pallldo e a segua sinistratuenie com os
3 "EMella mui justa e boa para nao ver que acabava de
masfraco, visto que amo,
"Repe'tio'elle ainda estas palanas com u.ua alrJHrjl-
age. i e con. a indo convulsa sobre a fronte intelligenle,
donde levaotu os bellos cabellos negros que linha; en-
te, -rou vigorosamente a p no algrele, lancou-se como
u.. cabnu-munlezatravsda ra de eypresle. e le.xos.
1-s.ou rpido como a briza oulro algrele de plan-
n estllfai sem rocar por una s, nao obstante a ra-
pidez extraordinaria da suacarreira. e fot collocar-se
la extremidad,- da diagonal que acabava de descrever.
para cercar o calumbo que Andreza segua circular-
AH com ell'.ito, elle a vio ainda catninliar pensa-
tiva e quasi hu.nubada, com os formosM olltos b.uxos.
com a inflo hmida e ucrle braudaineutc b.,laii{ada so-
breo vestido que estremeca; ouvio-a elle, escomlio
pur irs de una tspessa canif ada. suspirar duas vezes.
cuino se fallassc coinsigo mesma. b.iiliiu, ella passou
Uio pe to das arvores, que Gilberto tena podido, eslen-
dendo o braf u, locar no de Andreza, como urna febre in-
sensata e verligiuusa Ihe aconsclhava que fizesse.
Mas IVauzlo as sobrancclhas com um movituento de
ontade que dissereis odio, e, pondo a nio convulsa
uo coracao: *
Ainda cobarde, disse elle. IVahi accresceulou bat-
xiuho: Masctia ne tao bella!

..''
ILADO


;.';
-!*T

v
I
;
Va
DUo Ao Inspector dn arsenal di' mariuha, partici-
pando havcr mandado salisfazer pela reparllco coinpe-
lenlr aconia da drspexa fcila por este arsenal com o
embarque dot objectos, remrltidos ltimamente i ilha
de Fernando.
Dito Ao coinmandantc da armas, rccomincndan-
do, ro conscquenxia do que determinou S. M. o Impe-
rador, que o mappas mensacs da frc.a dos corpos de
linha aqu existentes fio sempre com referencia ao ul-
timo mez. como he cosliime e se fai necessario, alim
de que o governo poisa ter conheciinento, cm tempo
conveniente, das alte rarors ccoi ridas.
Dito Ao inspector uterino da lliesouraria das ren-
das proviuciaes, diieudo licar inteirado de haver S.
Me. exigido novos fiadores aos agentes dos impost* do
tabaco e sabio, e de 40 ris sobre caada de bebidas es-'
pirituosas.
Dito*ao cominaiidante das armas, devolvenda um
requerinientn do tenente Pompeo Romano de Carvalho.
ifm de fazer constar ao peticionario, que, segundo o
dispnsto no avis de 11 de outubro de 1832, a presiden-
cia su deve levar ao coiilivcmeiito do governo as repre-
sen tacoei dirigidas i S. M. o Imperador, como j l de-
clarado em olliciu de 12 do corrente.
PEKNAMBUCO.
Cmara iiuinicipal do Kccife.
2.' SESSAo ORDINARIA KM II DR SETEMURO
IH-: 1848.
pmutiniMCii no SKNHOR USGO ALBUQUKRQUB.
Presentes os Srs. Marros, Dr. Aquino, Mameile, Barata
e Caudillo, abrin-sc a sessao, sendo lida e approvada a
arla da antecedente.
O secretario fez a leilura de um ofhVio do pri-
inciro supplcnte do juiz de pas do primeiro dslricto da
freguezia de Jaboatlo, participando ter-lhe o juiz do
mesmo dstricto coiumiinicadn que se nchava doente, a-
fin de que elle supplente fsse presidir aos trabnllios da
junta de recurso ; mal que, estando elle tambem doen-
te, i/1 i constar a esla cmara, para que tomaste as pro-
videncias : em virtude do me it'bero:: fli, en*
ch amasse o segundo supplente, o Dr. Domingos de Sim-
ia Liao, para vir prestar juramento, c entrar rin exer-
clcio.
Nao leudo inais expediente .1 mencionar, lev-ntou-si
sesso. Ku, Jado Jns Ferreira de Aguiar, secretario
escrevl. Reg Alb'iquerqae, presidente. A. de Barros.
Hanoi. Aquino. Slamsie. Harala.
. Dtscarrega hojt, 27 le Miembro.
Marca inglesa (olien-Fletes carvo.
CONSULADO GERAI/.
RENDIMENTO DO DA 26.
Geral...................1:610/044
Diversas provincias .......... -/094
1:612/038
CONSULADO PROVINCIAL.
RRNDIMK.NTO DO DA 26..........2:039/668
Wovimpnfo t\n Porto

Correspondencia
Senhoret Redactores -- Vi as ti tas correspondencias
dos Srs. Dntra e Mesquita, relativas a existencia de
uma sociedade enlre clles en casa de tneu fallecido
(ogro, Jos Pereira Tcixcira; sociedade contra a qual
protestan, entre nutras proviR.qtifl na demanda seriio
exhibidas, o iliuturno silencio doSr. Mesquita, du-
rante a vida de meu sogro ; o testamento que a nlo
menciona, a escriplu rae/lo da nossa COM, o proprio
escripto social, e esse documento contraproducente
que o Sr. Mesquita com afn puhlicou : mo me con-
vm discutir ajora pela imprensa esta quesillo im-
portante e revelar os myslcrius da causa; mas dot]
flanea ao Sr. Mesquita do que, em chegando a occa-
siilo opportuna, depois tlot artigse prodcelo de
provas, liei de confundi-lo perante o publico que en-
tilo julgara essa prctenclo absurda e extravagante, a
qual o Sr. Mesquita conceheu para locuplelar-se, e
pasmar de ver porque arle fiam adquiridos alguna
de-.se> documentos que o Sr. Mesquita pulilicoti.
Km resumo, direi que todo o cm Jado que poi ven-
tura me dava essa demanda, C8SSOU com a exhibiefio
das raso e documento que o Sr. Mesquita tein para
funda-la.
Aproveilo-me desla occasiito para lanzar de sobre
mim a responsabilidade directa ou indirecta dessa
correspondencia publicada na Voz do lira ti l, para a
qual jamis eu concorreiia, porque a pezar du.ludo
amia respeilo ao Sr. Mesquita como amigo de meu
sogro,cuja memoria me be chara, e a quem devo gra-
lidfio. Finalmente voto ao desprezo esses insultos
que me dirigi o Sr. imita, cuja educarlo Dflo poda
dar oulro fruto que esse, porque ninguvui da oque
nao leu), e neni inais do que lein.
I'ernambuco, j>6 de seleiubrode 1818.
Joaquin Antonio dos Sanios Aiidr de.
m
O-...MERCI0.
ALFANDEGA.
RF.NDIMF.NTO DO DA 26..........4.273/599
Gilberto talvez tiveise ficado por multo tempo em se-
nelhante contemplacao, porque a rua era longa e o
passo de Andreza milito lento e compassado; mas essa
rua tinha outras que desembocavam nella donde poda
apparecer algum importuno, e o acaso iratou lio mal
a Gilberto, que um importuno dcsrmbocou ell'ectiva-
menle da prhneira rua lateral esquerda, isto he, quasi
defronte do mastico de arvores verde onde Gilberto
estava escondido.
Este importuno caminhava com um passo methodico
e medido; tralla a cabeca elevada, o chapeo debaixo do
I aro direilo c a nmo esquerda sobre a espada. Traja-
va casaca de velludo por baixo de urna pelissa forrada
de ni ai ila a zibelina, e estendia, ao ailar, a pema, que
era bem feita, e inais o peilo do p, que era alto como
mn de hoinem de raca nobre.
Este srnhr, emquanto caminhava, avistou A-ndrcza.
e a forma da donzella Ihc pareceu sem duvid i agrada-
vel, porque dobrou os passos, cortando obliquamenle,
de ni ni.na que se pudesse achar sobre a linha que An-
dina segua e cruxa-la o maisdepressa possivel.
Gilberto, temi visto essa personagem, alcou involun-
tario um pequeo bradae fuglo, como um merlo es-
pantado debaixo dos sumagres.
A manobra do importuno sortio-lhe bem; sem duvida
que elle linha costuinc de usar dclla, e, antes de tres
minutos, se achou junto de Audreza a quem, tres mi-
nutos antes, rile segua distancia bstanle grande.
Andrea, ouviudo esses passos afras de si, retirou-se
priiiiriramente um pouco para o lado, alim de deixar
paasarohomein; e, quaudo passou, lancou-lhe os olhos
de lado.
A personagem olhava tambem com toda aaltenco;
ale parou para inelhor ver, e, voltando-se depois de ter
visto:
Ah! iiiadcmoisi'lla, dsse elle com urna voz chela
de amabilidade, onde vai com Unta pressa ?
Ao soni dessa voz, Audreza lev.intoii a cabeca e vio, a
trina passos atr; de si, .doiis ulliciaes das guardas que
camlnhavam lentamente; vio debaixo da pelissa de mar-
ida sibelina daquelle que Ihe diriga a palavra. a deco-
racao azul ; e toda paluda, toda amedrontada de aeine-
Ihante eucontro inesperado e desla interrupeo gra-
ciosa.....
El-rei! dsse ella inclinando-se profundamente.
Madeinnisrlla......, repiicou t.uiz XV pproxiinan-
ilo-se,queira perdoar-me, tenho lo mosolbos, que sou
obligado a perguntar-lhe o sen uoine.
MaHeinoisella de Taverney, muriuurnii a mofa tao
cuufusa, tao trmula, que apeuas se fe ouvir.
Navios mirados no dia 26.
Ilahia ; 5 das, brigue sardo Universo, de 245 toneladas,
raptao Jaconic Ronsinhor, equipagem 11, carga las-
tro, farinha de mandioca, caf e mais gneros ; a B-
T.asserre ti Conip.-inhia.
dem ; 9 das, rlate brasileiro Aurelio, de 160 toneladas,
capitao Joo Antonio Gomes, equipagem 10, carga
baealho. fumo, charutos e mais eneros do paic ; n
Novis St Compagina. Passageiros. Idrlfonso Manoel
dos Santos, Jos Doiningiics, Jo.io Antonio de Sao
Jos, llrasilciros.
New-York ; 46 dias, barca americana (irafton, de 330 to-
neladas, capitao John Franris, equipagem 16, carga
plvora, armamento, opiim, fazendas e inais gne-
ros ; ao cnsul. Arribou, e segu para Sumatra.
Navioi sahidos no meimo dia.
Parahiba ; hiate brasileiro Pureta de-Marin, capitao
Joo Francisco Marlins, caiga varios gneros. Passa-
geiros, Cypriano Antonio Rodrigues, Manoel Pcreira
de Arauja, Rra&llirui,
Ass ; sumaca brasileira 'erla, capitao Domingos Jos
da Silva Papalina, cm lastro
BDTAKS.
despejem para a rua; podendo, para evitar isto, fazer
sumidouro, mesmo as ras: os infractores serlo
multados ta mesma forma que no artigo anteceden-
te, marcando a cmara o prazo em que deve ser n
obra executada.
Art. 3. Todos os moradores terflo seus quintaes
bem limpos e vres de lamas ou de immundices : os
infractores soffrerilo as mesmas penas que as do ar-
tigo antecedente, sendo a multa dividida pelos mo-
radores da mesma casa.
Art. 4. Nenhum morador laucar, nem mandar
laucar as ruasou lugares pblicos, que nflo frem
para este fim designados, lixos ou imundices, ou
Jualquer cousa que possa incommodar, ou causar
amiio ao publico ; sb pena de 6/000 rs. de multa,
sendo constrangidos a 2* horas da prisSoosescra-
vos ou criados que por ordem dos senhores ou amos
olizerem.
Art. 5. Quando, para moderar o estrepito que cau-
sam os carros que passam as ras calQadas, se quei-
rn laucar ajguma porco de nalha, porque dello po-
de provir incommodoou perigo a qualquer doente,
s ser permittido faz-lo com licenca de alguma au-
toridade de polica, sendo removida a palha logo
que se torne intil: os infractores serilo multados
em 3/000 rs.
Art. 6. Iodos os moradores serloobrigados a ter
a frente de suas casas sem lixo ou immundice, var-
rendo-as, pelo menos, de tres om tres dias: os infrac-
tores serio multados em 3/000 rs.
Art 7. Ningucm poder laucar agoa limpa na rua,
da varanda abaixo de dia, e mesmo noite s o
poder fazer depois de 11 horas : os infractores, a-
lm do dainno causado que pagarSo, seriio multados
em 6/000 rs. Se a agoa fr suja e infecta, a multa
ser de 12/000 rs.
TITULO IV.
Do asseio e regularidad* dot matadouros
vendas de carne e curraet, elo.
$ acougues,
A cmara municipal da cidade de Olinda e seu termo
em virtude da lei, ele.
Paz sabe; que serlo arrematados,nos dial 22, 25 e
28 do corrente mez, por quem mais der, por lem-
po do um auno, que sera contado do primeiro de
outubro ao ultimo de selembio de 1819, os con-
tratos seguimos: o repeso dos acougues, dos mas-
cales o boceteiras, a afcricio dos pesos e medidas,
as casinhas da ribeira.armazem grande e pequeo no
Varadouro, ex-subsidio dos porcos, uin sobrado de
um andar na rua do Vigario da cidade do Itccife e
uma casa terrea no Manguind, que foi anligamenle
de plvora : os licitantes comparucam habilitados e
munidos dos competentes fiadores. K para que ede-
gue ao conhecioienlo do lodos, mandamos publicar
o presente pela imprensa.
Cidade de Olinda, H de selembro de 1848.
Josi Joaquim de Almcida Cuedes,
Presidente.
Jado l'aulo Ferreir,
Secretario. i
POSTURAS
ha
CMARA DO RECIFK.
(Continuacno do numero antecedente.,
TITULO III.
Do esgotamento d'agous empolladas, limpezn das
ras, etc.
Art. 1. Ningucm poder matar e esquartejar rezes
paia o consumo do povo seniio nos acougues p-
blicos ou particulares com licenca da cmara, sb
pena de ser multado em 16/000 rs. e da puna da
carne.
Art. 2. Ninguem poder picar rez alguma, seiiSo
depois do seu arrobatnento com assistencia dos exac-
tores dos direitos, para que depois seus donos pos-
sa ni ve ii 111'--la, como lites parecer; sb pena de 2/000
rs. de multa.
Art. 3. A matanca do gado sera feita desde as seis
horas al as 10 da manhaa, e desde as quatro at as
seis da tarde: os infractores serao multados em 10/
rs., e na reincidencia, alm da multa dobrada, sof-
frero tres dias de prislo. Acamara municipal po-
der todava alterar a hora da matanca, se alguma
medida sanitaria o exigir.
Art. 4. Os exactores dos direitos no pdenlo op-
pr a menor duvida na matanca das rezes em horas
competentes, sb pena de serein multados cm 2/000
rs., salvo se houver molestia na rez.
Art. 5. Ninguem abrir acougue, que nlo seja nos
lugares designados pela cmara municipal por meio
de editaos : os infractores serlo multados em 25^000
res.
Art. 6. Ninguem poder pendurar as carnes nos
acougues pblicos ou particulares, em paredes, se-
niio encostadas em pannos brancos e limpos, que
devei'ilo ser mudados todos os dias, para a conserva-
i.-.'.o do devido asseio, assiin mais, serio cortadas
com faca eserra, (icando suspenso o uso do macha-
do, applicado este somonte nos ossos das articula-
res, alim de nTo macerar as carnes: os comprehen-
didos em qualquerdestas infraeces pagarlo 10/0, u
ris.
Art. 7. As carnes serio conduzidas para os talhos
cm canoras, roberas com panno brancoe limpo;
lira mo absolutamente prohibida a conduQlo de ou-
lro qualqucr modo, sb pena de 25/000 rs.
Ai. 8. Os administradores dos matadouros pbli-
cos ou particulares serlo obligados a faz-los lavar
lodos os dias, depois da mal aura dos gados, alim de
se conscrvareni limpos, e sem mao cheiro, sb pe-
na de pagarem 16/000 rs.
Art. 9. Ninguem poder matar rezes doentes, ou
Art. I. Os proprietarins de terrenos, em que (ka-
rom represadas asagoascom a enchente da mare,. mandar esrolar e esquartejar as que apparocerem
seriio obrigadOS a alerra-los ou esgota-los de modo! moras: os donos das rezes ou por elles seus admi-
que as agoas nao hquem estagnadas: os infractores nistradores seriio multados em 30#000 rs.
serao multados em 25/000 rs., e subjcitar-se-hao as Art. 10. Todas as rezes que morrercm no transpor-
despezas que su hzerem para que se consiga o esgo- te paia a ,,raQa> em qua|quer lugar que seja dentro
lamento. I dcste niunicinin. deverilo ser eiilorrurlas ln< nnln
Art. 2. Os proprictarios
verio dar expedi^lo s agoas
cumularem em seusquintaes,lazcndo-lhes"sumidou-;SOrflo_inullados'em'oiooo rs
ros cobertos com ralos, mas nunca abrirao canos que
wsmmi&tt*i*^air ibi^mamsta... :...:- y-ans^i-n ,_v.?..k".im
Ah! cerlainente! de urna feliz viagein que faz ao
Triaiion, uiademoisella, dsse el-rei.
.. >,>,^v w~.0m Vv<.Bv> ie para a pratja, em quaiquer lugar que seja dentro
deste municipio, deverilo ser enterradas logo pelo
de predios urbanos de- conductor da boiada custa do seu dono, e no lugar
as das chuvas, que seac-1 cm que cmara houver destinado : os infractores
rio multados cm i omino rs.
Art. 11. Os conductores das boiadasque vierem de
iam>aiT"4a
Vou encontrar S. A. Real a seuhora delpliina, qu
me espera, respond u Andrea cada vez mais trmula.
Madcmoisclla, eu a eondimr.-i at l, repiicou I.uit
XV, porque vou como um viiinho de campo faier urna
visita a minlia filha; queira aceitar o meu braco, j que
ambos seguimos o mesmo caminho.
Andi-e/.a sentio urna como iiuveui passar-lhe pela vis-
ta edescer-lhe em :ui lilliea com osanguc at ao co-
raciio. tom ell'eiio, urna honra seuirlliaute para a po-
bre moca, o braco d'el-iei, deste soberano senhor de to-
dos, urna gloria tao inesperada, tao incrivel. um favor
de que toda a corle teria lido zelosa, Ihc pareca alguma
cousa semelhante a um sondo.
Assim fez ella a rl-rel uma tao profunda e tao rrlgio-
*.....nte tmida inisura, que el-rei se julgou obrigado
a sauda-la de novo. Quaudo Luiz XV se quera lembrar
de 1.un XIV, era seuiprcemquestes deccrimoual e de
pulidez; posto que cssas tradi;es de cortezia viessem
de mais louge, porque vinham de llenrique IV.
Oflereceu elle, pois, a-mao aAndreza a qual pousou a
exlreiuidade ai denle de seus dedos sobre a luva d'el-rci,
e ambos coiilinuaram a raminhar para o pavilhao oude
linli.un iliin a el-rei que estava a delpliina com o seu
arediteetu e janlineiro em chele.
Podemos affiruur que Luiz XV, que nao era muito
amigo de andar, loiuou o caminho mais longo para cou-
duzrAudrcia ao pequeo Triauuu. O laclo he que os
dous olliciaes que camiiihavam atrs, se apererberam
do engao de 8. Magestade e o maldisseram, porque es-
tavam vestidos ligeira, e o tempo lornava-se fri.
Chrgaram tarde, visto que nao enconir.ir.ini a delplii-
na onde espera va ni aelia-li. Ma i ia-\ uliniiei.i a.ah na
de partir, para nao faier esperar o delpbiin que gosta-
va de cear entre m sris e sele doras.
S. A. Keal ebegou, pois, liora exacta, e como o del-
pliim, mu pontual, j estava no salan para ir mais dc-
pressa sala de jamar, quando o inoidoino apparecesse,
a delpliina l.ineou a sua manta s unios de Ulna camarei-
ra, fui tomar alegre o braco do delpdim, e o lerou para
a sala de jan t ir,
A mesa estava preparada para os dous Ilustres am-
phvlrldes.
Occupavam elles ambos os lados da mesa, deixando
assim livre a cabeceira, que, depuis de certas sorpresas
d'el-rel, iinnca era oceupada, mesmo quando a mesa es-
?* nnuii. tl convivas.
Resta cabeceira o servico d'el-rel com o seu talher
oceupava um lugar cousideravei, mas o mordoiuo, que
nao contava com semelhante hospede, fazia o servico
por esse lado.
Por irs da cadrra da delpliina, com o espaco neces-
s ario para que os criados circulassein, estava madama
de Koallles, toda tesa, mas apreseutando no rosto toda
a amabilidade que se eleve ter un acto de urna refeicao
real.
Junto de madama de Noailles estavam as outras da
mas., squaes a sua posieo na corte conslituia o dircito
ou mereca o favor de assistlr cela de suas A. lieaes.
Tres veies por semana, madama de Moiailes ceava
mesma mesa com o delphiui e a delpliina. Mas nos dias
em que u.io ceiava. Dos a llvrassr de nao assisHir
cela, porque era esse alias um meio de protestar contra
a i'xclusao dessrs quatro dias dossete.
Delonie da (luque/..i de .Soailles, a queui a delpliina
chamava seuhora eiii|ueta, estava u'umlasseiito, pouco
mais ou inriios semelhante, o duque de ficlieiieu.
Era elle tambem um estricto observador das conve-
niencias, smente a sua etiqueta ficava iuvisivel a to-
dos os odos, eternamente occulla como eslava sb a
mais perfeila elegancia, e inciiuu alguma. vezes sb a
mais lea zombaria.
Mesultava lesia autilhese entre o primeiro gentil-ho-
niem da cmara c a prhneira dama d'honor de S. Alteza
Heal a seuhora delpliina, que a^ couversaco, continua-
mente abandonada pela chiquera de Noailles, era conti-
nuamente sustentada por Mr/ de Iticlielieu.
O marechal tinha viajado por todas as curtes da Ei-
ropa, e tomara CID cada urna dellas o tom le ekgancia
que era inclhor appropriado sua propria na'iure/a
de sortc que, adiniravel de tocto e de ulvilidatte, sabia a
mesmo lempo todas as ancdotas que se poiiiam contar
a mesa das loureiras e mesa dos principes.
Percebe*] elle que. nrssa nolte, a delpliina coma com
apetite, e que o delphim devorava. Suppos que elles
Ide nao presiariam altenco conversa, e que se uo
ira lava senao de la ter passar a madama de iNoailles una
hora de purgatorio anticipado.
Poz-se entiio a fallar de philosophia c- de llrealros,
dous aisumptos de conversacio autipalliicus para a re-
iut.i vel duqueza.
Narrou, pois, o objecto de urna das ultimas liradas
pdil iniropicjs do philosopdo de Ferney, nome que j
se dava ao autor da Uenriadt ; c, quando elle vio a du-
|iie/a desesperada, mudou de texto, e expoz toda a df-
hculdadc que elle, na sua qualidade de geiitl-hoinem
da cmara, linda encontrado para faier representar
mais ou menos mal ai seiihoras comediantes urdiuaiias
d'el-rei.
fra para os curraes das Cinco-I'ontas, deverSo en-
Irarcom ellas pelo cortume dos Coelhos, e quando
por impedimento das mars,nfio possam por allj r,',
sar, s podero conduzi-las por dentro da cidade
da meia-noite at as seis horas da manhfla ; hora es'
t que deverao estar nos curraes tendo todo o cuL
dado a que nlo causem damnos por onde transita]
rem : os infractores pagaro a multa de 4/000 rs.
Art. 12. Nlo se matar rez alguma fatigada, em
corrida, sen3o depois de dous dias de descanso fo-
cando'absolutamente privados s briuquedos de'to.
reamentos de bois em quaiquer parte, sb pena 20/000 rs. e tres dias de prislo quesoffrer o que lo.
rear. t
Art. 13. A cmara municipal designar por ediUej
os lugares em que sorflo estabelecidos os matadou-
ros: os que os edificaren! fra desses lugares serao
multados em 30/000 rs. e a obra ser demolida suj
custa.
Art. 14- As rezes serlo bem sangradas, e sem o se.
rem nlo poderlo ser esfoladas : os infractores serlo
multados em 6/p00rs. porcada urna.
Art 15. Nflo se vender carne ou peixe, ou inte,
tinos de rezes, sem que seja debaixo de telheiros
para que nlo eslejam exposlos aosol ou chuva: o
infractores serflo multados em 2/000 rs.
Art. 16. Todos os acougues se fecharflo s quatro
horas da tarde, em verio, e s seis no invern o
infractores serflo multados em 10/000 rs.
Art. 17. Todos os acougues terflo, em vez depor-
tas, grades de ferro ou madeira : os infractores se-
rio multados em 30/ rs. e na reincidencia, alm do
dobro da multa, soffrerilo dous dias de prislo.
Art. 18. Em cada um dos acougues pblicos have-'
rflo quatro talhos, pesos e balances promptos pan
os crhidorcs, quando quizerem talhar seus gados
por cujas addices declaradas nflo pagarDo despez i
alguma: ampliandp-se igualmente os referidos la^*J
Ihosaos criadores de porcos, carneirosou cabras, e
os administradores dos acougues e repesadores p'ro-
verflo aos ditos criadores do todos os objectos acim
expendidos,sb pena de 4/ rs. por quaiquer falta.
Art. 19. Os repesadores dos acougues pblicos se-
rflo obrigados a repesar a carne comprada, logo que
lite fr por quaiquer nessoa requerido, e echando
falta no peso, avisarflo logo ao fiscal, se estiver pt
sent, e nflo estando, tomarflo tres testemuntiasf
nota do infractor, para apresentarem ao fiscal com
a declaradlo dos nom.'s das Icstcuiunhas, obrigando
logo ao carneceiro a preencher a falta da carne: o
repesador que assim nflo praticar, pagar pela pri-
me ira vez 6/rs. e o dobro pela reincidencia ; e o ven-
dedor da carne fraudada soffrert oito dias de prima,
e o dobro na reincidencia.
Art. 20. Os que venderotn pelas ras a rola I lio car-
nes de poico, de carneiro, cabras ou toucinno, de-
verao ter balances e pesos aferidos, e as carnes sp-
bre pannos brancos o limpos, cobertos com os mes-
mos, sb pena de pagarem 4/ rs. de inulta, e o duplo
pela reincidencia.
Art. 21. A cmara municipal fornecer aos cria-
dores c marchantes curraes, em que sejam recollii-
das as rezes destinadas a malanga para consumo,
sendo os ditos curraes cobertos de tena on madeira,
e tendo em se recinto tanque d'agoa potavel, por-
celiendo a munii-ipali.lailc 500 rs.por cada cabeca.
Art. 22. Os liscaes, todos os sabbados, e nos dias
que bem Ihes parecer, visitaran as vendas, (avenas,
botiquins, acougues, etc., e os que frem adiados
sem a devida limpeza, tanto a respeito da casa, co-
mo das medidas, seriio multados cm 4/rs.
Art. 23. Aqueles que venderem gneros alimenta-
res, solidos ou lquidos, estando falsificados ou cor-
rompidos, depois de verificado isto por exame sani-
tario, serflo multados em 8/ rs. para cada genero, de-
vendo ser lanzados ao mar ou enterrados aqueles
que derem lugar multa.
(Continuar-u-ha.)
i HEATKO NACIONAL
DB
SAN-R 4 N CISC O.
SABBADO, 30 1)0 CORRENTE.
A beneficio de Adelo Alvos da Silva se represen-
tar a cnsi&no pega chegada do Rio-de-Jaueiro, o
Noto Tartufo, llancas pelas jovens do thcalro, jocosa
farca
A CASA CONSTITUCIONAL.
He este o espectculo que o beneficiado cscolheii
para divert ment do respeitavel publico desta capi-
tal a quem pedo proleccflo. >
Principiar chegada das autoridades.
mrsrsr!ij&.^v?iF.~z,~sc.-3maESBBmmBmBimms^B
A delpliina gostava das artes c principalmente do thca-
lro ; e at linha mandado um vestuario completo de
Clyemnestraa otad .inmiscue Raucourt ; ouvio, pois, a
Mr. de Itichelleu, nao s com indulgencia, mas com
prazer.
Kntao vio-se a pobre dama d'honor, infringiudo a eti-
queta, mecher-se toda no assento cm que eslava, aiso-
ar-se alto e agitar a veneravel cabeca, sem reparar ni
nuvem de polvilhos que, a cada um dos seus moviin'"-
tos, Ihe envolva a fronte, como a cada rajada de vrnlo
urna nuvem de nev envolve o ciime do Uonte-llranco.
Mas o divertir a sendora delpliina ainda nao era lu-
do ; era preciso tambem agradar ao delphim. Riclic
lieu abandonou, pois, a queslo do thcalro pela qual a
herdeiro da corda de Franca nunca tivera grande syin
pathia, para fallar de' philosophia humanitaria. Ostrn-
lou elle, n respeilo dos Inglexes, todo esse calor nu
Itousarau derrama como um fluido vivificante sobre
personagem de Eduardo llomstou.
Oa. madama de Noailles execrava OS Ingleses tan
quanto os philophos.
Una ideia nova era nina fadiga para ella, e urna faill-
ga desairanjava-lde a economa de toda a aua peaioa.
Madama de Noailles, que julg.iva ter vindo a o mundo
para conservar, bradava forte contra as deias novas co-
mo os caca contra as mascaras.
Ilchelieu tinha dous ns representando aein*Mill,e
papel ; alorinenlava a inadam.i etiqueta, o que causa-
va sensivelmente prazer a sendora delpliina, c leinbra-
va-sc de vez em quaudo de alguna apophteginaa virtuo-
sos e de algtius axiomas de malliematicaa recolhidosa-
legreiuenlc pelo senhor delphim, que era um princip*
uui all'eicoado s cousas exactas.
Faila elle, pois, a corte s mil maravilhas, procuran-
do com todos os sentidos algiiem que eaperava ver ah,
e que nao encontrara, quando um grito aleado no prlu-
cipioda escadaria subi-sonoro a abobada, repelido po'
du a- outras vo/.es postadas no patamar, primciraiueute
c depuis, niesiuo em cima da escada.
ki-vc. ;'
A esta palavra mgica, madama de Noailles ae 'c,a""
i ni como ac nuil mola d'.ico a livesse l'elo saltar <>"
era de
a boc
seu assento. tUchclleu ae levanlou lento como
seu habito, o delplim lmpou precipitadameute .
ca com o guardanapo e poi-sc em pe Junto da aua cauci-
ra, com o insto voltado para a porta.
QllSiifo seuhora delpliina, dlrlgio-se ells pra ".'
cadaria, alim de ir mais depreaaa ao encontr d'el-rc
e Ihc fazer as lloaras de aua caaa. v
(Coalwr--aa./

MUTIL


3

i visos martimos.
"*.. Parao Cear salie, cm poueos dios i>or ter a
rga (|uas prompta, sumaca Carila : para o res-
trala-so. cun l.uiz Jos de S
na Fu da Cruz, n. 26 ou com o mestie
,atee passageiros
Arauj1 i
jos Goncalm Simas
... Para o llio-do-Janeiro segu, em poueos das, o
lirlue nacional Filit-Dutino por lera maior parto
i. *eii carrcgainento prompto : aimla recbe algu
de son i
_jllM
cursae escravos a frote : trala-se na ra da Cadeia
", iiccifc, escriptorio do Sr. Manuel Goncalves da
'"para o Rio-do-Janeiro sabe, em poueos dias a
"neira S.-Joo-BapUita-Muda pode receberalguma
carca a frete : Irta-se com Novaes & Companhia ,
lia rUa do..Trapiche, n. W.
Pura o Rio-de-Janeiro sabe iinprelenvolmen-
Icno dia 30 do corrate o briguc Auombro: os Srs.
mssageirose Srs que Iratarain escravos a felo,
..roiiiplar-se-liflo para o que dinjain-so u ra da
Cadeia do Recite, n. 61, a fallar com Jplo Jos Fer-
nandos Magalhacs.
Vende-se, ou freta-so para Angola ou outro
qualquer porto do Mediteruaaeo, a mu i lo veleira e
nova polaca sarda nacional N.-S.-do-Larmo forra-
da oeucavilliBla de cobre : quem a preteiulor en-
tenda-secom o consignatario, J. Saponli, na ra da
'para o Rio-Crande-do-Sul segu no dia 3o do
corrento o brigue nacional Jpiter; recebe anda
alguma carga iniuda passageiros e escravos a fre-
te, para o que lem bvni commoJos : a tratar na
ru da Cruz n. 7, ou com o captao, Antonio Jos
dos Rois. .
-Para a Aracaly sahe.em poucus dias.o Inale ll'ir-
do-Recifi, pregado c forrado do cobre : para carga e
passageiros trala-se na ra do Vigario n. 5.
Para a Rabia sabe ein poueos dias a garpeira
Sanlo-Amaro : quem na mesma quizer carregar diri-
ia-se a Novaos & C, ra do Trapielie, n. 3*.
-ai pranlas o mv uaciuiui >/.^., -
be impnterivel nenio no dia 30 do corralo: para
carea o passageiros trala-se na ra do Vigario, n. 5.
--Joflo da Silva Forreira o Francisco Domingos
Silva Aratijo reliram-se desla provincia.
IjC oes.
S.T. N. THALIA.
OSr. ex-geronte do consulado francoz tendo
brevemente de retirar-se desta provincia, far lei-
IHo por ntervnnco do corretor, Oliveira de toda
a niobili da sua casa consislindo em ricos conso-
los, mesa de meio de sala ditas de jog, sophas ,
cadeiras inclusive de balanco, marque/as lindos
espelhos guarda-roupas relogios de cima de me-
sa o de parede um magnifico piano lotica do por-
cellana, cryslaes objectos de cozinlia e mullas
obras de prata ele.,: boje, S7 do correnle, as 10 llo-
ras da mnhfia sobrado n. 63, na ra do l'ilar, em
Fra-dc-Portas.
Ocapilfio James Durfce far leiliio, cm pjesen-
ca do Sr. cnsul dos Estados-Unidos por ronln e
risco de quem pertencer, e por intervenclo do cor-
redor Oliveira do casco, inaslros e gurupas, om
um so lula, ( com que se principiar o leillo ) da bar-
ca americana Haniet, arribada a este porto e nn
'i i'miio coadomnada na sua rcenlo viagem, pro-
cedala do da Rabia com destino ao de Cows; as-
sim como, eni difTercates lotes subsequeates, das an-
coras e frrenles veame, vergas, mastaros cor-
doalba, moitOos, lancba o iluas balieiras e niais
pcrleacrsda dita barca, aacprada actualmente na
vtilla do Korte-do-Hrillos |onde os pretndanles p-
dem ir examina-la aalicipadainenlc assiin como
os referidos objectos existentes no armazem do
Araujo boceo do Goncalves, no llecifo ; e mais urna
porcio de lenha c un loto de aducllas e lampos ,
no trapiche do Ramos : quiuta-feia, 28 do corrate,
as 10 horas ila maaba no referido armazem lu-
gar em que se far a arroinalaCft'0 ilo ludo.
u _i-: % jr -Tr"***'irvtvTrs-ataBaaia^tmtir'maam
Avisos diversos.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da ra do
ltangel,n. 59,rom duas grandes salas, tendo ama vis-
ta para o aiar, o oilo quartos, alm decozinha : na
praca da Indi-pendencia, livraiia ns. 6 e8.
Jos Antonio de Carvalho embarca para o Rio-
de-Janoiro a esoava Lucia, crioula, a entregar a Joflo
j Jos Fernandos de Magalhfles.
* Furlaram, do chapeo do abaixn assigaado, um
meio bilholo n isit da lotera do Iheatro, prxima
a correr, assigaado por IK O S. e J. M. C.: roga-se
ao respectivo thesoureiro nSo pague qualquer pre-
mio que possa sabir senflo a seu logilimo doao
Antonio Brochado Soares Guimartt.
D-se diiiheiroa premio, sobro peaboresde ou-
ro ou prata e desconlam-so sidos: aa veada n. 1,
defronle do quartcl de polica, a tratar com Gregorio
da Costa Moateiro.
Ol l Sr. Curioso !
O fabricante da bolachinha tegalia, na nadara do
urna so porta, est muilo prompto para satisfazer s
suas curiosidades, com taalo que o Sr. Curioso se
d n limitado trabalbo de chegar a referida padaria,
sonde ser em ludo e por ludo satisfeito, e no caso
deque nflo encontr logo quem o satisfaga, haja-se
do demorar um poueo, para O que achara uma cadei-
ra polka, quo teabo reservada para os curiosos
dessa laia.
Precisa-so singar dous pretos para irem ajutlar
a fazer os trabalhos da moagem do um eageaho, do
primeirn de onlubro aa ultimo de marc! quom os
livor o quizer alugar dirija-se a praca da Boa-Vista,
casa n. 32, segundo andar, que achara com quem
tratar.
-- Lino Jos de Castro Araujo vai a provincia das
Alagar, a leva em roinpanhia o sou escravo cnoulo
de aome Joflo. -
--G. Francos, f..z publico que aaila deve aos Srs.
Mosquita & Oulra, como se enlonde de seu annuncio
no Diario i 'unambuco do 26 do corrento, e se por
acaso Ihes deve, baja ni de a presentar suas contas, ou
esclareconn os motivos porque fezeram um seir.e-
Ihaiile annuncio, pois do coulrano iicarflo por ca-
lOmuiadores.
= Declarase c|iir fin laram da casa terrea da ruada
Sentaia-Vellia, n. 28, tres pares de caifas engoiriamdas,
rndii. um par blanco, outro pardo e outro com listras
aman lis, todas de lirini de Imho; a quem as ditas cal-
cas forem offerreidas far o favor de ir a dita casa que
ser rccompedsadu.
Offoioce-se urna mulher do bons costumes para
ama deca de pone* familia, ou de hoiaeui aoltoi-
ro, preferiado-seestraogeiro, a qual lem (Mita pra-
. Wt* de lodo o aoi vico i n ra do Mondego, u. oi.
O primeiro secretario avisa aos Srs. socios, que
hnje. 27 do corrento ha sessflo extraordinaria, pelas
6 horas da tarde para se tratar de negocios de gran-
de urgencia e pede aos mesmosque hajam do Dflo
faltar; outro siiu convida, pola tercelra vez, aos
socios quo ainda nflo tomaram assento para com-
parecerem a bora indicada.
A abaixo assignada copio testamealoira de
seu finado marido, Jos Varella, faz scicnte aos ere-
dores do sen casal, que perderflo todo o direito de
exigir seus dbitos, se, no prazode 8 dias, contados
desla dala, nSo o justificaren!, antes que se proco-
da o formal de parlilha. -- Recife, 26 de selembro
de 1S48. Marta da Conetico.
Alugam-se as seguintes casas: um sobradinho de
dous andares, no paleo da S.-Cruz, n. 1*; urna casa
terrea com duas salas seis quartos um gabinete e
todos os com modos para grande familia, na ra For-
mosa, n. 4 ; oulra dita pequea na ra do Sebo n
52 por 7,000 rs. mensaes; outra dita nos Afogados,
por 5,000 rs. mensaes i a tratar no escriptorio de
F. A. de Oliveira na ra da Aurora, n. 26.
Foram vendidos da lerceir a lotera a beneficio
das caldas de S.-Catharinn, na loja da viava de Viei-
ra& Filbo, nS premios seguinles : 805, 4:000,000
do res ; 4,553, 400,000 rs.; 1,155^200,000 rs.; 3,245,
3,021, 5,503. 100.000 rs. ; 5,867,159 o 149, 40,000 rs. ;
alm destos, immensos com o premio de 20,000 rs.
- Ubardina Thomazia dos Prazeres moradora na
ra do Cotovcllo, n. 40, aluga urna casa propria
para se passar a fesla no lugar da Capunga com
commndos sulicienles.
Desappareceu no dia 21 do corrale s 8 ho-
ras da millo uma cacborrinha felpuda queacom-
paiihiiv'a seu dono ao becco do Ouvidor : quem a
pegare a quizer restituir, dirija-se ao oitao do Ihea-
tro novo; n. 11 quesera gratificado.
Prccisa-se do um homein do assento o bons cos-
tumes .|no tenha pralica de venda para lomar coti-
la de uma por balando dando fiador sua conduc-
ta ; n9o tedQvida- dar !hc um bofft ordenado ou
metadedo inleresseque na mesma houver. Comas
mesmas qualidados e condicOes se precisa de um
oulro para uma padaria. A tratar com Joflo da Cu-
aba Res na cachelra junto ao hotel Commercio.
Adverte-so a cerlo morador da ra ao lado do
Amparo da cidado de Olinda quo a ra lila he lugar
de despejo das iinmuadiccs de sua casa, aem os seus
viziuhos pdem soffrer hlitos corruptos a qualquer
bora do dia e se se nlo ebsliver so publicara o seu
nome.
Precisa-so do um menino de 12 a 14 anuos pa-
ra caixeiro do venda o quo lenha alguma pralica, ou
sciii'olla : na ra Imperial, n 111.
Acha-se justa o contratada por permuta a casa
da ra do S.-Jliguel, a 12, da povoacSo dos Afoga-
dos de JoSo Anastacio c alaria Izabel das dagas ,
com uma na povoacflo do Podras de-Fogo da ra do
Cobro, perlencente a Frederico Chavos: quem se
adiar com algum diroiloem qualquer das ditas ca-
sas queira annunciar ao prazo do oilo das; do
contrario so ultimar o negocio e nflo se allonder
inaisa iccIaniaQilo alguma.
--Aluga-se um sitio na Poale-de-Uchda com
duas casas de vivenda, estribara, aores de fructo o
bando : a tratar na ra do Queimado, n. .17.
-- Precisa-se de una ama que tonha bom e bs-
tanle loito : na ra de Hurlas, n. 61.
Alugn-so a casa terrea n. 7, defronle do Iheatro
novo : a tratar na ra da Cruz, ao Recife, n. 30.
--Quem annunciou precisar de 300,000 rs. a pre-
mio sobre penhores do otiro dirija se ao Alerro-da-
Boa-Visla, reuaacSo n. 68.
Precisa-se de uma boa ama para ludo o servico
de urna casa do portas a dentro : ao becco da Lia
goda, n. 5, segundo andar.
Roga-se s autoridades policiaca e capilHes de-
campo, que aprehendan! eleveril a ra Nova, n. 18.
que se recoiapensar, o esclavo Bernardo, de naQSo,
de 40 anuos pinico oais ou menos, alto o chco do
corpo : levou camisa o coroulas compridas de estopa
nova ; lem um lobiaho no congole, bem junto au
col I .ti ii ho d,i camisa poiom pequeo Ksle escra-
vo fugio no dia 23 do corralo indo botar o lixo
fra.
Uma pessoa que tem su Ilicin te conhecimento
da (mi iptiiiacn mercantil por partidas dobradas,
se ollerece para as lardes escripturar com boa lel-
Ira c correc;flo os livros respectivos de alguma casa
de commercio : quom o precisar aaauacie.
-- Joflo Loubel faz scieato as pessoas que tiverem
em sua loja, no Passoio-Publico, chapeos de sol pa-
ra cobrir o para concertar o oulras armaces para
guardar, que queiram vir buscar, no prazo de 8 dias;
do contrario, serflo vendidos para pagamento dos
concerlos : o para nflo baver duvidas faz o prsen-
lo auuuncio.
Aconscllni-sc a um coito caixeiro (o envergado;
da ra da Cruz do Recife e morador na ra da Ca-
deia do bairro de S.-Antonio que seja mais mode-
rado em trillaras pessoas que tcem alguma coasi-
deraeflo na sociedade, pois que n'ingucm est para
aturar insultos de um peinilla, que aa ordem das
cousas ho um zeru Ficando cerlo que o offeadido
tem alguma educagflo, e por este motivo nflo tem rc-
pellido os ataques de um tal higorrilha K para que
aodopoisnSoso queixedo que Ihe acontecer, des-
de j so Iho declara que aceite esta dse para sua
emenda. O oiotididoem lempo algum faltn o res-
peilo a alguem nem tflo pouco roni|icu ein algum
excesso ; mas talvez seja fri;ado por o amoacar es-
te qudam continuadamente. Em lim, esto pobre dia-
ho deve-sc lembrarque lie llhode uma viuva que
ser inelhor cuidar na sua familia do que descer ao
inmundo charcho dos insultos para lisnar o crdito
albeio e de uma maneira iadccorosa.o positivamen-
te maltratar a quem dello nunca fez caso e o despreza
solemnemeiile. t.
Quem precisar de uma ama que faz todo o ser-
vico, para casa deum homom solleiro, dirija-se a
ra da Piedade, loja de barbeiro.
M. do Perora embarca para o Itio-Graade-
do-Sul o escravo l.uiz,
Vrecisa-se alugar, ou comprar um preto coz-
abeiro', para urna casa eslrangeira : na ra do Vi-
nario, n. 7.
Quem annunciou querer 300,000 rs. a juros
com peuboi es, dirija-se a ra Queimado, a. 14, on-
do lamboia se da em pequeaas quaalias.
-Aluga-se urna boa casa torrea na povoacflo do
Monleiro com duas grandes salas 4 quartos co-
z I a lora cacimba dous quiulaea murmlos o con,
o, flo para o no estribara para dous cay.llo e
qartoparaescravus: a tratar aa travess. do Veras
da oa-Visla, sobrado a. 1. -
--Aluna-seo bemcouliecido sitio na estrada do
Corde^de^uao Mara deSe.x.s aii propno par.
hIkuiii negocaiile esiraugeiro <- -ulra ,"80
enha iraumento : na tua do Amoro., u. 15.
Uma pessua com pratica de escripia
commercial, e bonita lettra, ptop5e-se a
escrever as Loras vagas, nos domingos
e dias santos, comlimpeza, mediante m-
dico estipendio : quem precisar, annuncie.
-- O advogado Antonio Rorges da Fonseca livre
j da atroz perseguicilo qiiesoffrera offorece seus
servicos a quom delles carecer? aos pobres advoga-
rdegraca : por ora pode ser procurado na ra do
Nogucira n. 19.
Aosdevedores do sertao.
D Francisca da Cunha Bandeira de
Mello, viuva de Joao Carlos l'ereira de
Burgos Pooce de Len, e filhos pelo
presente apressam-sea avisar aodevedores la casa,
que nflo be mais sou procurador om cohrancas
P*Francsco l.uiz Ferdandes da Costa ^ por-
lanto nenhum de seus devedores poderflo validamen-
te contratar nem pagar ndito Costa, porque terflo
de pagar oovaaiente.porquanloteein osannuacaates
protestado contra qualquer lransaec.no que flzerem,
e para quo nflo occofra alguns inconvenientes, por
falla deste aviso a lempo se faz o prsenle. Amis
de 10 mezes, que nflo so lem noticias do aanuneado
Costa, que parlioem26dH maio de 1847, para co-
brar do diversos devedores ilo Garanbuns, Tacaralu,
Fazenda-Grando, Malta-Grande. I'nnema, Floros,
Pianc, Brojo-da-Madre-de-Oeos, Taquarelinga.Ca-
riry, etc. Roga-sp mui encarecidamente a qualquer
pessoa que souber onde ello so ada de avisar ao
Hurgas, aa rus ircila .sobrado a. 16, que faz es-
quina paia a liavessa de S -Pedro que saniamente
agradecer
l'recisa-se de um homcm que cateada de ma-
cbinismo de vapor, para adininistra-lo em um en-
geabo distante desla maca, durante as moagens :
na Camboa-do-Carmo, u. 10 primeiro andar. Na
misma casa vende-sc um rico l'ardamento para ofll-
cial da guarda nacional do cavallana.o qual SlUCIttO
servio uma vez,
Aluga-se un sitio com casa de viveada, esln-
bari, liBixa para capim arvorodos de fructo, o
comniodtis paia 3ou4 vaccas preferindo-se as es-
tradas da SoledadoaloSalgadinho do Manguinlio
atCruz-de-Almas, ou Agoa-Fra travessa do Ito-
zarinho al Itelm o becco do S.-Amaro : quem
livor annuncie.
-- Precisa-se de um menino de 11 a 12 anuos, que
queira ser caixeiro de urna venda o d fiadora sua
conducta : aa ra de Hurtas, a. 160
No dia 29 do corrate as 6 horas da maalifla ,
acharflo oslllms. Olindenses, no lugar do Varadou-
ro o finissimo pflo de Provenca fabricado na pa-
llarla de Miguel Archanjo l'ornaades Viaanu a 40,
80 e 160 rs.
Precisa-se de 300,000 rs a premio a 2 por cen-
toao me/ com penhores de oaro .e por lempo do
3 mezes que'm qyizer dar annuncie.
Na ra Direila, padaria u 26, da-se pflo de II-
dagem a p.rclas, sb responsalulidade de seus so-
nhores.
pul
Para
iriicio-
que
as pessoas que
nam seguir viftgem.
Na raa do llaagel a. 9 conliauaai-sc a lirar pas
sapnites para dentro o fra do imperio despaeham-
se escravos, e correm-se folhas, ludo com hrevidade
e preQO muito e muito commodo ; como so lem dado
exuberante prova no decurso de 8 anuos.
- Aaloaio Podro Rodrigues Franca se cha despa-
chado pela polica e seguo viagem para o Rio-G.-
do-Sul. .
- Aluga-se um sitio na Magdalena, lia estrada aa
Torre, com boa casa de vivenda, com 6 quartos,
coziaba fra cacimba coberta tanque, estribara
ecasa para prelns : ao Alcrro-da-I!oa-Vs(a, a. 43.
-Aluga-se urna brota com muilo bom le lio
quem a pretender, dirija-se a ra Augasla coalron-
le ao sobrado em que -mora Jos Mana Placido ue
Magalhes.
-Kmpalham-se cadeiras c marquezas, com pama
muilo boa, com toda a perfei?80 c asseio, o mais cm
conta do que em oulra qualquer parle: na n
Laraagciras, a. 5.
- Aluga-so para o lempo de fesla ao lugar uo
Moateiro. urna casa beira do rio Capibaribe, leu-
do porta bastante alta terrado na frente, salas gran-
des dous corredores, sendo um delles para serven-
ta da casa iudependenle cinco quartos, coznna,
uuarto com larimba para pretos, estribara para 2
cavallos, no fundo umquarlo para despeio quintal
murado : a tratar ao Aterro-da-Boa Vista, ti, 37.
- OITerecc-so ata bomem casado sem filhos
para administrador de engenho do quo tem bas-
tante pratica o qual d fiador a sua conduela
quem do seu presli.no so quizer ulilisar, Uir
a ra larga do Itozario, n. 35, ou em Mei
om rasa do Sr. Baixa.
- Maaoel Peixoto de Freilas relffa--se para flora do
imperio.
- Din homeni casado que lem pralica de escripta,
seofTereco para trabalhar em qualquer casa, e tam-
hem para cobrar dividas nesta praca e Tora uena .
quem de seu presumo precisar dirija-se a praca da
lo lepen lot.cia, livraria ns. 6 e 8, ou a ra
cada, n. 38.
- A mesa regodora actual da irmandade do San-
lissimo Sacramento do bairro de S.-Antonio desta
cdade faz scienle a lodos os inquilmos (los pre-
dios quo fazeia o patrimonio da mesma irmandade,
que, a vista do atraso em que a maior parto delles se
acham no pagamento dos devidos alugueis, lem
marcado o da 28 do crrente mez para comparece-
r m todos no consistorio da mesma matriz, abra de
fazerem effeclivo o pagamento do que so acham a
dever, e prestarem fiadores idneos aos mi-sinos
alugueis, com a pena de serem judicialmente despe-
jados, eos predios levados a piaca para serem arre-
matados nos roadimeatos por trieanio.
- Dosappareceu da casa .le seu senhor no bairro
do Recife, aa noilo do dia 21 do qorrente, urna es-
crava de nome Maria, de dado de 16 anuos pouco
mais ou menos, estatura regular, corpo um pouco
ebeio, falta de alguns denles na i eale na paite su-
perior, falla um tanto de vagar indicando vergoniia,
levando no corpo camisa de algodlozmho o vestido
de chita rouxa em bom uso, e coalas azues ao pes-
cuco : leudo chegado a pouco lempo do Scrl.l,
toriia-socoobecida polos modos o fe.cOes: quem del-
|a livor aolic.a ou a apprehender, d.nja-se a ra do
Torres, casa de Joflo Pinto de Lemos, quo sera de-
vidamenle recompensado.
- Aluga-so o segundo andar do sobrado da ra
da Moda, n. 9 com commodos para grande Tamilie,
por pre^o mdico i a tratar na ra do Vigario, n. >.
Lotera do iheatro publico
Deixaram de ter andamento as rodas
desta loleria no dia a3 do confute, como
havia sido annunciado, em consequenria
de ter a rapidez, com que t* cstaAOin
vendeudo os billieles, quasi que pariis do, e restar ainda um ciescido numen
uestes por vender. \' visla do que, o
respectivo thesoureiro novamente designa
para o referido andamento o dia |3 d*
outltbro prximo fuliif o, ceitificando, p*>-
rm, que se entes desse dia a venda dos
bilheles se concluir, as rodas se anlecipa i
13o, como aconleeen na passada lotera.
Vai piaea para ser anematado
pelo que der, salvo a approvaeo do juic
competente c para pagamento dos credo
res do fall.-ti !o joftqniii Antonio Ferrci
ra de Vaseoncellos, osegniute:
Uma casa de sobrado de um andar eso
tao, com 35 palmos de frente e 8:"i de fun-
do, acibadj e habitada, com um viveiro
de peixc, quintal cm aberio, com p
inos de fundo, cm chaos de foro
Oulra dila pega 'a mesma, de iguaes
dimencoes, acabada por fra, com caixi-
Ihos e cnvidracada, c por dentro smenle
travejatla, com camboa pelo centro do
quintal com os mcmios fundos da outra.
I i caix5o d'alicerce pira duas mora-
das de casa, de Ga palmos de frente c]i
de fundo, com quintal em alerto que com-
prebende a mesma camba.
Finalmente, um tirieno no mesmo a-
iiihiniento, com os competentes fundos
i camboa, que fien no centro do quintal,
un chaos de foro: tudo situado na frente
t!a eslrada que vai para a Magdalena, fa-
zendo esquina com a que vai pira o Re-
medio.
Lslesprcdios, situados em urna posicao
lito alegre c de grande transito, offere-
cendo proporefis para qualquer estabeleci-
menlo, sciao aricm >lados no dia qutnta-
feta, iHdo concille mez de silcmbio, s
to horas da niaaha, na praca il Com-
niercio*, e tambo< vcndem-Ha amigavel-
mente; pudendo os pret* ndenles dirigi-
rem-se ra da Senzalla-Velha, n. t38.
Compras.
-- Compra-s um escravo que seja cozinheiro o
qual agradando e desempciihando o mister para que
se precisa uno so duvidar de pagar bem : na ra
da Oadeft, II. 39 ou a bordo do brigue Velot, fun-
deado defronte da escadinba do Passoio-Publico.
Compram-se dous casaes do pombos sendo
um casal de msriolaa e um de rabo de leque : na
ra do Crespo loja de Sanios Noves & Gol maraes.
-- Compram-se escravos que sejam offlcias de car-
piaa, do 18 a 25 aaaos a de boas figuras ; pagam-se
bem seado de boas costumes e peritos no seu ofTl-
eio poissflo para urna encommonda do Itio-de-Ja-
neiro : na ra do Amorim, ti. 35, a fallar com J. J.
Tasso Jnior
-- Compram-se dragonas bandas e fiadores de
olliciaesde primeirae segunda linha: aa ra do
gueimado, loja do cirgueiro a. 10.
--Compra-se um ou dous toneis de madeira de
amarell que sejam aovos oa com pouco uso, pa-
ra agua : na ra (lo Passeio, loja n. 17.
Compra-se urna casa terrea om quaesquer dos
bairros da Boa-Vista ou S.-Anlonio : na ra larga do
Itozario u. 35, se dir quem compra.
Compra-se una padaiia sendo em S.-Antonio,
ou llecifo : na ra do Itozario da Boa-Vista, n. 44.
h endas.
(^ COMPRA VANTAJOSA. j
Vendo-se uma morada de casa de dous andares ,
com duas lojas mui bem fundada muilo fresca ,
com Brande quintal commodo para grande ramilla,
em bom estado, livre e desembarcada do qualquer
tinus por preco rasoavcl; Taz-se lodo o negocio ,
segundo o estado do lempo: vende-se no todo ou
em liarle i na ra do Crldcireiro n. 62. _
Vende-se a muito afreguezada loja
de calcado da ra da Cadeia-Velhn do
Recife, n. 35 : a tratar na mesma
Na loja n. 5 -V da ra do Crespo,
ao p do orco de Santo-.4 ntonio, vendem-
se mantas de la e seda, muito bonitas,
para meninas, pelo barato preco de
i ooo rs ; assim como cortes de chita es-
cura, com'io covados, a i.Goo rs ; cassas
de cores, de qualro palmos de largura, a
a'|0 rs o covado.
-No deposito do Me. Calmoat & Co.npanha na
ruado Apollo, armazem n. 6. acha-se consUnte-
meitle grande sortimenlo de ferragens inglesas para
en-enbos de assucar, corro sejam: tanas de ferro
coadode difreronles modelos, os mais modernos;
ditas de ferro batido ; moendas de ierro do mode-
lo adoptado para armar em .madoira; Jilas todas
de Trro, lano para agoa como para ananaes ; ma-
chinas de vapor de frc,a de qualro cavallos e de al-
ia pressSo o mais moderno a simples que he poss-
vel -repartideiras ; espuinatfeiraa ; reslriadeiras de
rerroestanbado; formas do ferro: ludo porprec,u
cuiaiaudo.

!
LADO


ir,
r
1
i
I
a

'S?^^S^^igfS S5SSfi2S*S f **! ^areom a tratar coui Almeida & Fonieca, na ra do Apollo
A i.sooo rs. ,
ancoretas com azeitonas superiores : ven-
dem se no caes da Alfandega armazem
11. 7, de Francisco Das Ferreira.
Alpaca alcochoada, a 8oo rs. o covado,
vendc-se, na loja que faz esquina para a rua gio o. 3. de Guinares & Coinpanhia, a nova alpaca
alcochoada vinda de Lisboa faienda iuteirauenic
nova neiu cidadc preta e cor de caf, de 4 palmos de
largura, pelo barato preco de 800 rs. o covado.
Vende-se um moleque de boa conduela o que
se afianza : he recommendado a ser vendido a pes-
soa conhecida por ser digno de ter utn bom enhor-
na rua Itiroita, n. 16, esquina que volta para S.-Pe-
dro, se dir quem vende.
FARINHA DE TRIESTE.,
marca verdadeira SSSF, chegada ltimamente: vende-se
en casa de N. O. Biebcr Companhia, na rua da Cruz ,
ii. 4.
Vende-se cal virgem de Lisboa,
chegada no ullima navio, em barris pe-
queos, por menos do que em outra qual-
quer parte i na rua do Trapiche, arma-
zem n \"j.
- Vendc-se urna escrava do 18 annos, que coso,
engomma e cozmha parida de pouco lempo, ccom
oplimo leile para criar da qu al se aManga a boa con-
duela : na rua do l'asseio, loja n. 19, se dir quem
vende.
Casimiras elsticas.
Vfiidem-ie superiores cortes de meia casimiras els-
ticas de pura laa, pelo barato proco de 2/000 e 3/000 rs
o curte de calca: na nova loja da estrella, da rua do
Collegio, n. 1.
--Vendem-se superiores sellins inglezes, elsti-
cos e de patento lisos e alcochoados cahecadas n-
fil'-zas, rohease chalas ;cameiras brancas; silbos
inglezes para monlaria de senhora : ludo rcenle-
mente chegado : na rua da Gru, n. 2,casa s George
Kenwortliy & Companhia.
mo no caos da Alfandega ou no seu escriptorio ,
na rua do Trapiche, n 44, aonde tambem vende
lindos vasos para jardim.
Vende-se, na venda de Jooquim
Correia Rezende Reg, no largo'do Li-
vramento, n ao, superior cal de Lisboa,
em bairisde 4 a 5 arrobas, a mais nova
que ha, vinda pelo ultimo navio, por pre-
co mais com modo do que em outra qual-
quer parte.
Vende-se. por preco commodo urna casa de
pedra e cal, sita na Capunga na nova estrada que
vai para o rio : a tratar no paleo da S.-Cruz, n. 8, ao
p da botica e defronte da mesma casa se acham as
chaves, para quem a quizer ver, pois he ptima
parase passara festa.
AGOA DE UNGIR CABELLO.
Conlinua-soa vender agoa de tinglr cabellos e
suissas: na rua do Queimado, n. 31. O mclhodo de
applicara dita agoa acoinpanha os vidros.
Vendem-se aeces da ex-
mela coinpanhia de Pernambuco
e Parahiba: no escrijlorio de O
liveira Irmos & C, rua da Ciuz,
n. 9.
Para senhora.
Vende-se um rico adereco de ouro
diamantes finos, por 350,000 rs. : di
Algodao monslro de 8 palmos
e meio de largura.
Na loja n. 5, que faz esquina para a rua do Coito*
rio. de Guimarfles& Companhia vende-se a nova
lazenda de algodflo branco muito proprio para loa-
ibas pelo barato preco de 640 rs. D-se amostra.
Vende-se muito superior biscouto francez do
Rheims : na rua da Cadeia-Velha, n. 29
CHA' BYSSON,
de ptima qualidade a 2/240 rs. a libra : na rua da
Crui, no Recifc armazem n. 13.
matizailo com
. na rua Direila ,
sobrado n. lfi, que faz esquina para a liavessa de
S -Pedro.
Vende-so um escravo eaiador, e que entende de
plan acOes de sitio : na rua Direita sobrado n. 16,
que faz esquina para S.-Pedro,
JL
Vendem-se chapeos de castor branco
4,000 rs. : na rua do Queimado, n. 22.
FAllELu
a 3sooo rs. a sacca
Cera de Lisboa.
Na rua da Cruz, n.60, ha uin completo sortimen-
to de cera de Lisboa em ca xas de todos os tama-
nhosquo os compradores desejarein ; assim como
tambem ha una grande porgflo da que vem em gru-
mo e em pilo vende-se por menos preco do que em
outra qualquer parte
FARELOS.
Vendem-se barricas com Trelos, chegados ulli-
mamentexle Lisboa: na rua da Madre-de-Dcps, ar-
mazem, n. 20, defronte da guarda da alfandega.
Vendem-se 3 caixilhos para fiteiro ou armario ;
4 varaes de Jacaranda por todo o dinheiro : na rua
doCaldeireiro, n. 62.
um marac de prata, enfeitespara cipteiro de crian-
cas, um par de brincos pequeos de fllagrana um
dito de pedrascompridosencastoados em ouro um
caixilho de ouro para retrado: na rua da Roda, n.
45, segundo andar das7 s 9 horas da manh"a e
das 2 as 4 da tarde.
Vende-se vinho superior engarrafado, a 400
rs.; dito do Porto, em caada a 1,920 rs. e em gar-
rafa 240 rs. ; dito de Lisboa, a 1,600 rs. a caada, e a
garrafa a 200 rs.; dito da Figueira a 200 e 240 rs. a
garrafa e a caada a 1,600 e 1,920 rs.; dito branco
muito bom a 240 rs. a garrafa e a caada a 1,920
rs.; manteiga franceza a 800 rs. ; dita ingleza (a
880 o 960 rs. a libra ; presuntos inteiros a 360 rs. a
libra e a retalho a 400 rs.; Mngoicas do Porlo a
400 rs. a libra ; cha hysson, a 2,000 2,240 e 2,560
rs. a libra ; licor fino, a 260 e 400 rs. a garrafa ; c
outros muitos gneros de venda por preco commo-
do : defronte da matriz da Boa-Vista na esquina
que vira para o Hospicio.
Vende-se um monho grande para caf : na rua
Nova, n. 1C
Vende-se um bonito moleque de Angola de
8annos: na rua Nova, n. 16 .
Vende-so um relogiode ouro horizontal, muito
bom regulador, por preco muito commodo : na ru
Nova, n. 21.
Vendom-selinhasdo meada muito finas, pro-
priaspara lavarintos de cambraia de linho ; baba-
dos de panno de linho bordados, fingindo bico da
Ierra ; meiasde linho ; ditas de 13a para padre; e
oatras muitas miudezas por prego commodo : na
rua do Cabina, loja de miudezas n. ?.
Vende-se urna preta da Costa de 20 a 22 an-
uos sein vicios e que he muito boa vendedeira de
rua : na rua do Queimado, n. 40, segundo andar.
Vendc-se urna moleca de II a 12 annos, muito
linda figura ; urna preta de 16 a 20 annos, que en-
gomma e cuzinha peritamente com urna cria de
tOmezcs: na rua do Fogo, n. 23, se dir quem
vende.
Vende-se urna casa no Cachang, com frente de
pedra o cal: a tratar no pateo de S.-Jos, n. 43.
Vendem-se uns poneos de castigaos do prata
colheres e copos de prata : ludo obra do Porto : na
rua das Larangeiras, n. 15.
Vende-se urna lipoia com todos os seus perten-
ces em bom estado por preco commodo : na rua do
Nogueira, n. 18.
olarmateuf, ni. 1 e 3 do caes da Alfandega, e no de n.
a da ruado Ainoriiii, de J. J. Tasso Jnior,
Riscados tnoiistros.
Vendem-se superiores riieados nionstros, ja bem co-
nhecidoj tanto pela qualidadr como pila largura em
demasa, pelo barato preco de 280 rs. o covado. Estes
rucados mo chegados ltimamente: as cores sao fixas
e os padrees muito modernos e de bom gosto : na aova
loja da Estrella da rua do Collegio, n. 1.
Vendem-se duus pianos fortes de Jacaranda ,
chegados ltimamente, que, alcm de screm un
magnifico ornato de urna sala, teem exccllenlcs
vozcs.sendoomechanismo da umita spprovada no-
va invengan chamada repitidor patente do Col-
la rd : em casa de J. Keller t Companhia na rua da
Cruz, n. 55.
Vendem-se barril pequeos com cal virgem de Lis-
coa, a mais nova que ha no mercado, por preco com-
modo : na rua da Moda armazem n. 17.
Vendc-se uina casa terrea muito grande, sita na
rua da Manguelra, na Boa-Vista, D. 11, com grandes com-
modos, quintal multo grande e inuilns arvoredos de fruc-
tos, por preco o mais rasoavel possivcl: trata-se na rua
do Aragao, n. 27.
Potassa.
Vende-se muito superior potassa em
barril pequeos : na rua da Cadeia-Ve-
lha armazem de Baltar&Oliveira, n. i a
Vende-se cera de carnauba de boa qualidade,
em porgflo e a relalho por preco commodo : na rua
da Madre-de-Deos, n. 34.
Vende-se urna morada de casa terrea na rua
Imperial n. 9, feita a moderna e com commodos
para um grande familia ;s com a visla de quema
pretender melhor se poder informar: na rua Au-
gusta, u. 94.
@@@#
ti

m
O NOVO PAO' DE PROVENCA.
Continiia-si: a vender todos os dias pilo de D&
Provenga na padaria da S.-Cruz n. 6 o ''"'
no deposito da rua cstreita do Rozarlo, n. B&
39, fabricado com as melhores farinhas ii
que para ellese teamescolhido Esta quali- ')
dade de pflo lorna-sa mnilo recommenda- ^
vel, lanto pelo seu bom gosto como por r;
nilo conter em si azedo pela rapidez que Q,
demanda o seu fabrico. 'w
O proprielario dos referidos estabelcci- (EES)
mentos, cada vez mais versado em fazer -
> este novo p3o, sendo um dos segundos que (
. o apresentou aos seus freguezes, logo que W
elle se instituio anda nilo cessa do em- ?
gneros pelo
Atcrro-da-Boa-
_--Vendem-se dous negros de nac"o Angola, bo-
nitas figuras, o de boa conducta, o que se afianca ao
comprador; ih negra boa cozinliena e que engom-
ma liso ; uina dita que cugomma e coze soirrivcl: e
urna dita boa quitandeira : na ru Nova, n 21 se-
gundo andar. '
Veudu-so um sopli 1 par do consolos, uina
mesa redonda para meio de sala : ludo de Jacaranda
e quasi novo : na rua do Cabuga, loja do miudezas,
Vende-se muito superior manteiga ingleza da
mais nova que |,u .. mercado pelo diminuto pre-
Co800 rs. ; o mais superior cha hysson que lem viu-
do a esla praca a 2,400 rs., a libra; palos muito
njivos a 240 rs. ; chouricos a 400 rs. ; superior vi-
nho ,le Ixsl.oa a 240 rs. a garrafa, e em caadas ,
a 1,600 rs. queijos muito (Voseaos, chegados lti-
mamente a 1,760 rs ; e todos os mais
mala diminuto preco possivel:
Vista venda n 51.
Vendem-se a lindas mualas, muito
moras, boaseos tu re i ras e engommadeiras;
e um mulatinhode 12 annos ; um moleque
de 1/, anuos pouco mais ou menos, e pro-
prio de todo o servico de casa e campo, ou
para pagem : na rua do Crespo, loja n.
2 A, se di 1 quem vende.
--Na venda do neceo do Lobato vende-se mullo
superior cha da India a 1,600 rs. ; toucinho d,-San-
os, 1 140 rs. a libra ; espermarete a 720 rs. a libra
bacas pintadas, a 560 rs ; dilas brancas o grandes
a 400 rs. ; urmos a 320 o 400 rs. ; caf a 120 rs
libra ; pratos a mil rs. a duzia ; ligelas 1,000 rs a
duza 5 chicaras brancas a 1,000 rs. a duzia ; dilas
pintadas, a 1,500 rs ; hules grandes pintados a
140 rs 50 PS' ; Mlelr" d l"-'rl'C' y, a
- Vendc-se um carro de tluas rodas com arreiose
cavalo.ousem elle, a vonlade do comprador : na
rua da Cruz, 11. 38, 011 na cocheira do Augusto
- Vende-se a venda do becco do Lobato lfi
bemarreguezad.paraater.a, e con. pouea fun-
dos ,00 sen alugucl lie muito barato : vendo-sc or
seu dono relirar-se : a tratar na mesma venda
- Vende-so urna mulatjuha do idado de 13 a 14 i-n
une ,.,..,. mmaUU .1^.____. .* i. ii.1
tN^BOLIVIlA^.v O
DEG PORTAS Nct
'X O dono dcste cstabclcciiiicnto,vcndo-se em cir-
m cumstancias de Ihe ter precito rctirar-se para a
3 Europa precisa primeiro pagar a seus credo-
a rci,e para ell'eituar este pagamento o mais
>. breve possivel, ofi'erece alguin abatimento a
i seus devedores que quizerem saldar mas cun-
m tas assim como tein resolvido vender todas as
j fazeodas por diminutos precos, a saber : pe;ai
% de madapolao, a 2/, 2/UOO, 3^00, 3^500, 3^700,
9 3/900 e 4# rs. ; ditas de chitas eicuras, Uase
ag cutre linas-, de cre fixas a 4/800, 5/, 5/500,
3 6/e 6/500 rs. ditas muito superiores, eulran-
':_$ do alguiuas de coberta, a 7/ rs. a peca c a 190 '
Egi rs. o covado ; alpaca, a 600 rs. ; Illa larga, a 380
Bg rs.; cazineta preta a 1/ra. ; los finoi e gran-
;: des de linho, a 6/400 7/ e 7/500 n.; chales
gg grandes de garfa 4 1/500 rs. ; ditos de chita a
** 800 rs.; vestidos de cambraiacom bico e renda
g de superior qualidade, a '<*rs ; inania de cam-
braia para senhora, a l/rs.; luvasde pellica,
6cda e algodao, para hoinem, a 320 rs. ; pesco-
cinhose golas de bonitos gustos, a 240 e 320 rs.;
blcos frauceics, inglezes e da trra e alguns de
de seda preta, a 120, 160,200, 240,320, 400 e 640 1
rs. ; lencos de casia para grvala a 200 rs. ; di-
tos de muitas qualidades para hoinem e se-
nhora a 180, 200, 240, 300, 320, 360. 400, 480 e
560 rs.; suspensorios a 40, 120 e 1(50 rs. ; ditos
linos de borracha a 200, 240 e 260 rs. ; garca
de. seda multo larga com llores douradas a 240
rs. o covado ; cassa da India,a 400 e 480 rs. a va-
ra ; merm fino e entre-lino a 1/800 2jlKKl e
2/500 rs. ; paunos finos, a 3/800,4/ e 4/5O0 n. ;
e outras muitas fazeodas que nao se annunciaiu
por oceupar muito lugar as quaes se vendem
todas .linda meiino com grande prejuizo s
aiim de se acabar com o dito estabeleciuicnlo
o qual tambem se vende no estado que se acha',
haveudo quem o queira comprar aindB mes-
no a prazo com lettras de firmas que agrada-
ron a seus credores.
nos, com principio de costura e
Praia, n. 32.
renda 1 na rua da
() Pre8r todos os seus esforcos, afim de que 'Ogi
^ o seu pilo,entro outrque j o fazem, W
mereca a primazia. Nos mesmos estabele-
ctmentos acharilo os freguezes a muito su-
perior bolachiuha regala tanto doce co-
mo agoada.
Pt-
laya o vende na rua ; oum cahrirrha de"l4 a'nt.o, bo-
ntla figura, ptimo para pagem.
-Vendem-se 40 accOes da companhia do Bebcri-
bc a dinheiro ou a prazo com boas firmas : na rua
das Laraagcra* sobrado n. 15.
- Vende-se um bonito cabriol coberto co.n ex-
cellentes molas o muito maneiio, por 280 000 rs I
quom o qui/er ver, dirija-se a cocheira do Jos
na na la da Mores, ou na rua das
n. 15.
Ha-
Laraiigeiras ,
%*
fe'>

d
ee
,,ZZt'0m'ae ?U9lj,,s adrin os mais frC!
%U?X.&2jJfto co"! o..chinhasde
com
esesao
ara-
sardinhas :
. ditas Com hervilhas: ditas
na rua da Cruz, no Itecifo 11. 46
^firmDO** Flix da t0M len' P vender
excelletitevinhoiJa Figueira, empipas o barris"
os
- Vendem-se doces de todas as qualidades; h-
celas cheias de doce secco do caj e de outras (ma-
ldades mullo bem seceos, o bem enfeitados: lam-
ben se fazem bolos, e bandejas enfeitadaa com Lo-
linhos, alhnis, conleiios, ramos dos mesmos, fru-
teiras p3o-de-lo, doces de ovo, podios, pastis de
nata e do carne, arroz de leile, tremedeiras : ludo
com muda perfeicflo e preco commodo : na rua Di-
[reita .sobrado de um andar, n 33, ao pe da ho-
I It'il .
Vende-se urna honila escrava cabra, de 17 an-
uos sein vicios nein achaques ; 2 burros bous de
carga e muito novos : na rua das Larangeiras, 11. 18
Vendc-se um meio faqueiro de prata uina sal-
va para um copo il'agoa um casino do ouro para
bengala do elegante gosto. um annelilo de ouro,
dous botOes do abertura um collar, ludo de ouro,
--Vendem-se duas cabras prelas(bixo), tendo urna
bom leite, e que lie muito mama o propria para criar
meninos : no Aterro-da-Boa-Vista, n. 75
Vende-se una cama nova de pao d'nleo com
armaco e em segunda inflo 1 na rua do Fogo, n. 34.
-- Anion 10 Ferreira Lima, na rua Nova, n. 3, ven-
do caixiiihas com 10 a II libras de massas para so-
pa leudo cada uina quatro qualidades, estrellli-
nha, ponlinha, pevide 0 cruz do Malta : tambem
a retalho
Vende-se muilo superior vinho malvasia pro-
prio para tost em barris poquenos : ao p do arco
da Conccicflo armazem do Azevedo 61 Cardozo.
iVa rua de Agoas-Verdes,
n 46.
vende-se uina muito linda escrava, mucama reco-
llnd.'i de 18 anuos excediente nifonimadeira e
com lodas as habilidades 5 duas bonitas molecas (lo
15 a 16annos, com habilidades; urna escrava de
22 anuos, boa engommadeira e cozinheira ; urna
dita boa quitandeira por 300,000 rs ; uina dita por
320,000 rs. ; urna elegante mulatinha do 17 anuos-
75 acedes da companhia de Bebcribo ; um bom es-
cravo de 25 annos ; dous ditos e um moleque de 16
annos.
- Vende-se una prensa de patente, piopria pa-
ra sello de qualquer consulado ou repartieflo
plica, por preco commodo: na rua da
11. 52. -
- Vende-so urna preta da Cosa, de 22 a 24 annos,
sein vicios de qualidade alguma e muilo boa vende-
dora de rua : na rua do Queimado, 110 segundo an-
dar da casa n. 40.
Vendem-se 3 lindos moloques de 14 a 18 annos ;
um pardo de 18 annos, de elegante figura ; um pro-
l de 25 anuos bem robusto ; uina negrinha de
12 anuos, muito boa costureira ; prelasde lodo o
servico : no pateo da matriz de S.-Antonio sobra-
do n. 4.
Vendem-se duas carteiras de urna s face ni*
das e mnilo bsratas : na rua da Praia traveg'sa d
Carioca primeiro armazem ao p do theatro.
Vendem-se 4 ou 5 mil telhas muito boas assim
como outra igual poreflo do lijlos de lad'rilho a
alvenaria batida, por barato afim de se ojlugar em que estflo no Becco-Largo junto as taisa"-
de ferro: a tralar com Manool Antonio da Silva
1*101 lfi.
Vende-se urna preta de dade de 26 annos
qual sabe muito bom engommar o cozinhar : em
ra de Portas, n 145.
Vende-se um sitio na cidade de Olinda, Ijvre e
desembarazado, sito na rua do Bom-Successo, com
duas casas de pedra e cal : no pateo do Carmo. n ir
-tVende-se um relogio de ouro, sabonete, mu!
to bom regulador, por preco muito commodo n
rua Nova loja n. 21.
Vende-se urna preta de nacSo Angola, de 16 an-
nos que engomma com perfeicSo cozinha, tanto
de forno como de fogao; urna dita de nacSo Costa
de 18 annos que engomma com perfeicSo cose
muito bem e cozinha o diario de urna casa ; urna J.
la crioula, de 15 annos, de muito linda figura, que
cose sofrivelmente; urna mulatinha de 10 annos
muilo linda : na rua Nova, 11 21, segundo andar '
Vende-se urna excellenle canoa, propria para
familia, eacabada agora do construir, por pree'i
commodo : om Olinda venda de Jos Joaquim Al-
fonso-& Companhia.
Vendem-se duas pretas mocas, de nac&o una
cozinha o diario do urna casa e lava o a outra pro-
pria para trabalhardo enxada por j ter uso disso-
em Olinda, confronte a S.-Sebastio, sobrado n. 20
que a vista dellas, n3o se deixar de fazer negocio'
Vende-se .cera de carnauba, muito a I va por
preco commodo : no Atorro-da-Boa-Vista fabrica
de licores, 11. 17.
Vendem-se pecas de madapolao com 20 varas
muilo largo e oncorpado, a 2,800, 3,000 e 3,200 rs '
e n retalho, a 7, 8 e 9 vintens ; pegas do chitas para
coberta a 6,000 rs o a 160 rs. o covado : na >UI
do Passeio, loja n. 17.
-~ Vende-se um carro de quatro rodas, envidra-
cado de almofada com os competentes arreios 1
ludo novo : no Alerro-da-Boa-Vista n. 46
Vende-se salsa do superior qualidade, por pTjC*
co coinmoJo ; na rua de Apollo, armazn, 11. 4 .de '
I). F.Maya. '
Vendem-se 2 lindos moleques de 10 a 14 an-
nos ; 3 prelos de 25 i 30 annos ; 3 pardos de 14 a 18
anuos ; 3 mulalinlias do 7, 12 e 14 annos, com bons
principios de habilidades ; 2 pretas do 30 annos de
todo o servico: na rua do Collegio, n. 3. se lira
quem vende.
Vendem-se oculos (inissimos, de vidros qua-
dradose de aro do ac, para conservar avista na
rua do Crespo, n. 17, loja de Santos Neves & r,u-
marSes. ul
Vede-se um bom carrinho novo, de 4 rodas
para umcavau na eocliia do .iguei ,110 Alerro-
da-Boa-Vista.
Vendem-se dous fiteiros proprios para livros 011
louca ; um diccionario de Mojaes, quinta edieflo, am
2volumes; 3 pares do cortinados para 3 jauellas
com todos os seus po teneos de ferro e florOes dou-
rados : na ru da Cruz, no llecife, n. 43
Vende-se urna negrinha de 12anuos pouco mais
ou menos de bonita figura com priucipios de cos-
tura nflo tem vicios nein achaques e que he pro-
pria para mucama : na rua do Queimado, |0ja n.'io
Vende-se muitu bom fumo de folln para capa
de charutos : no armazn do fallecido Braguez, ta
rua da Cadeia do llecife. '
Escravos Fgidos
um
aq
pn-
Cadeia ,
Fugio, no dia 23 do corrente o preto Jos', da
nac.lo Rebolo, lialxo, cabega acarneirada embigo
grande, bocheixudo-do rosto; lovou em dinheiro
2,600 rs.; deve estar pela povoacflo de Reher he 011
Giqui; foi do finado Bnto, padeiro da rua Nova:
quem o pegar leve-o a Fra-de-Portas junto a pa-
daria que ser bem pago.
-- Fugiram, no dia 10 do corrente, 3 escravos ,
11 de nome Pedro, outro de nome Joaquim,
uelle reforcado docorpo muitt/brulo ; represen-
la 28 a 30 anuos c este cabra escuro curto da vis-
ta alio e secco; tum quatro dedos en una das
milos ; sflo canoeiros e tem sido vistos om Olinda ,
Monleiro e A Togados : quem os pegar leve-os a ni
da Praia-de-S.-Rita, ns. 25 ou 37, que sera recom-4
pensado.
Desappareceu, no dia 18 do corrr'cnle o prelo
Agosliinho, de nacflo Angola, de 25 annos cheio do
corpo cabello grande, que parece presistirno mat-
to, olhos grandes e encovados que parece ter aca-
bado de dormir denles limados cara larga muito
robusto ; tem as milos cheias de calos por traba-
Ihar em padaria ; quandoanda levanta os dedos dos
pes come quem lem bixos ; luvou ctmisa e cerou-
las de algoJflo da ierra o urna bata encarnada ;
foi visto no dia 20 do corrente na Varzea e tomou 1
dirccc.lo do eiigenho S.-Jo.lo : quem o pegar leve-o
a rua Imperial 11. 37, que ser bom recompen-
sado r
Fngio, no dia 21 do corrente, o prelo Simulo,
do nac3o Costa de 30 a 35 annos; tem algumas mar-
cas de bexigas pelo rosto e alguns tainos signaes
lesna nacflo ; tem falla de denles ua frente, e una
marca no peilo por ter ha lempo levado um caustico;
he bastantegrosso, bem reforcado, tanto em corpo
como em peruas e bracos altura regular; quando
falla hedemaiicira que Ihe cusa bem a especie de
eancasso ; levou Caigas de ganga azul camisa do
bata encamada; Taz uso deceroulas com filas amar-
radas por dentro das caigas levou mais urna porgo
leroupa.por isso Ulvez leulia mudado de trajes.
Roga-so as autoridades policiaes, tanto drsta cida-
de como da villa do Cabo, Serinhflem o JUacei por
ser este o ultimo lugar aonde ello ja estovo por al-
guns anuos, e se desconfa quo para l fugisse,
a mesma recommeudacflo se faz aos capilfles.de cam-
po queoapprehendan e lovem-o a rua Real no
Mangii;nho, 11. 51 queserflo recompensados.
rugi, no dia 17 do corrente; a parda Francis-
ca, levando coinsigo seu lilho menor de um anuo ;
he de cor clara bocea regular, com falla de denles
na frente, cabellos cacheados o 001 lados, nariz afi-
lado; ton um defeitoem um dedo da inflo esquer-
d, olhos regulares, peilus pequeos; levou vestido
de chita azul com (loras encarnadas o outro de ris-
cado j uesboudo : o lilho foi vestido com timfl" Ja
usado: quema pegar leve-a a rua do Trapiche-No-
vo 11. 40, que ser recompensado.
A
PERN. .- NA T*P.
E M,
F. OEFAR1A. lSW
>
MUTIL
-=*-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHBN8JMG1_8TCSYU INGEST_TIME 2013-04-24T17:53:13Z PACKAGE AA00011611_06521
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES