Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06517


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A nao XXIV.
Sexta-fera 19
a D/^BO publicare todos ot das qoe no
,,,, di guarda: o pre9o da asignatura he
titJOO r>- Por 1rt*l> PW adiamlaitoi. Os
Wfncioj dos asignantes sao inseridos
""de 20 rs. porliuha. 40 r. cin typo dif-
.r easrepetices pela metadc. Os nao
f enante* pagaro 80 rs. por linha e 160 rs
'"'fypodifferente, por cad.fpublic.15ao.
phasesda la no mez de setembro.
t.,f, '5. as 6 horas c24 min. da tard
r_ffi, a 13, 3 horas e 59 inin. da manh
&n?;, a 19, 7 hora, e 38 min. da manh
K, 27. 7 hora, e 16 min. da manh
PARTIDA DOS CORREI0S.
Goianna eParahiba, s egs. e sextas-foiras.
io-G.-do-Norte.qiilntas-feirai ao nirio-dia.
abo, Serlnhaem, RioFormoso, Porto-Calvo
e Macelo, no l.", a U e 21 de cada mez.
Garanbuns e Bonito, a 8 e 33.
Boa-Vista o Flores, a 13 e 28.
Victoria, quiotas-felra..
Olinda, todos os das
PREAMAR DE HOJE.
Primeira, s 0 horas e 30 minutos da tarde.
Segunda, 0 horas e 54 minutos da manh
de Setembro t!e 1848.
das da semana.
18 Segunda. S. Jos de Cupertino. Aud. do
J. dos orpli. do J. civ. e do J. M. da 2. v.
19 Terca. S. Januario. Aud. do J. do c. da
1. v. e do J. de paz do 2. dlst de t.
20 Quarta. S. Eustaquio. Aud. do J. do c. da
2. v. e do J. de paz do 2 dist. de t.
21 Quinta. *. S. Malhcus.
22 Sexta. S. Mauricio. Aud. do J. do civ. e
do i. de paz db 1. dist de t.
23 Sabbado. S. Lino. Aud. do J. do c. v.
e doJ.de paz do I dist. de- t.
24 Domingo. Nossa Senhora das Merces.
N.tlf-
CAMBIOS NO DA 20 DE SETEMBRO
Sobre Londres a 23 d. por Ifrs.ar d.
.. Pars
Lisboa 120 por cento de premio
Rio-de-J.ineiro ao par.
De se. de lett- de boas firmas a 1 J ao mez
rnVsda co.nn. de Heberllie. aSO/r. aop.
Ouro -Onca hespanhola. >2000 a 32#30
. Moldas d 67400 v. 18/000 a 8/200
. de 6/400 n. 16/400 a 6b00
. de 4/000... 9/900 a 10/000
PruKi-Patacors brasileiros 2/04O a 2/WW
Peso, columnarlos. 2^40 a 2/J
Ditos mexicanos..... 1/900 a i/w'

BUCO.
EXTERIOR.
as insubreicOesfranckzas de maioe juniio.
Pm a sessfloda assembla nacional de Franca, le
3 ,i'o prximo passado agosto, subi Mr. Bouchard
tribuna para o llm de lr o relalorio da commissao
nnmeada para inquirir dos acontecimentos de maio
e junbo. Mr. Bnurhard, depois de lr o decreto da
embla pelo qual a commissao bavia sido inst-
"tuida, disse que ella se tinha particularmente es-
frra.lo por descobrir a connexno (pie podesse exis-
tir entre estes dons acontecimentos, e que tinha
sido nimlada pela cooperagBo do todas as classes do
cidad.los que se baviam curvado soberana da as-
sembla. Os processos llnhim sido polticos e nSo
indicia! *s sacrilegas tentativas contra a ordein
social nilo fram justificadas por nenhuma causa,
em mesmo por nenhum pretexto, e n.lo ha n dis-
uria nenhum exemplo de tima agressflo igual. A
assembla nacional, sem embargo da falla de acer-
do que reinava entre os membros do governo provi-
sorio, os declarara benemritos da patria e, deso-
jando evitar anda a mais pequea apparencia de re-
arlo, preservara na commissao executivaos prin-
cipaes membros deste governo. Foi no momento
em que ella se eslava preparando para cumplir a sua
misslo que vio a magestade do seu sanctusno profa-
nada durante tres horas por um bando faccioso. A
assembla deu mostra da maior ben.gnidade; ella
ncm sequr ordenou que se instiluisse um exame,
ealmanteve a existencia das duernas nacionaes.
Os dous ataques fram ambos dirigidos contra a re-
presenlBQIo nacional por urna minora facciosa que
quera dominar a maioria : todava o seu Bm era dif-
fercnle. O olijeCto us Conspiradores de 15 era dissolver a assembla e substitui-la fpor urna
cnmmissSo de salvacflo publica. Ellos oram inspi-
rados pela commissilo dos operarios reunida no Lu-
xembourg, a qual prof-'ssava doutriuas socialistas.
N.mhum signal de dslribuigao de diuheiro, nem da
interveticflo de pretendemos bavia sidoreconhecido.
Mr Iloucliard disse depois que a commissao havia
miudan.enle investigado a conducta dos membros
do governo provisorio, o senta Iiaver descoberlo que
mis por urna nocSo errnea do estado db paiz, e ou-
tros por motivos sediciosos, baviam produzdo no
paiz urna sensacilo extraordinaria com o designio do
uVsorganisa-lo. Emrr.issarios dos clubs parisienses
liaviaui sido ostensivamente enviados aos departa-
mentos papos com os nindos destinados ao sem-
en secreto, teste modo o HulUlin de la Republtque
precava s claras a revolta das provincias contra a
capital, o particularmente um artigo escr.plo por
urna mlher clebre, (Jeorges Sand, era nina appei-
lacfto rara a guerra civil. As de.ges fnrtn I Uria-
na, debaixo ,le todos os pretextos, alim do luMr
dcnni.laniet.te a reuniflo da assembla. Apparecen
depois o protesto de Mr. Lamartine, no qual proda-
mava-seao mundo que a FranCa so abslena deluda
a propaganda, entretanto que a cxped.gao contra a
Blgica era publicamente empreheiidida ; os invaso-
res fram prvidos de armas pelos arsenaesdo esta-
do, pagos pelo lliesouro e sustentados pelo commis-
sario do governo no departamento do norte. As
theoriss falaes desenvolvidas as conferencias do
Luxembourg exciUram nos espinlos. dos operarios
osnerBncas impossiveisdo reahsar, e como a assem-
V blea nflo rod sa'lisfaze-las foi invadida Todos os
discursos proferi.los por Luiz Blanc nao bao sido pu-
blicados. A commissao obteve a copia de um que
foi [renunciado peranle una assembla de opera-
rios, no qual se diz que elles eram a verdadeira as-
sembla do povo.o que.ge a assembla nacional recu-
sssse fazer-lhcsjuslica, elles a dis>olvessein, o que,
se elle Luiz Blanc fosse chamado para regular a nova
sociedade, nunca jamis se esquecena de que tmba
sido um dos lillios dealierdados do povo, e na pre-
sencade Dos preslou o juramento de Hannibal. o
governo provisorio, iustiluindo as olicinas nacio-
naes quiz, fazer dos obreiros um exercito auxiliar,
porm elles passaram log para as mSos de seus inl-
migos, ecstiveram inteira disposicao de Messrs.
ofissidiepe e Luiz Blanc. Foi o ultimo .lestes que
organisou o movimenlo popular de 17 de mBrco. Al-
guns diasantes, Mr. Caussidire, prefeito de polica,
havia reunido os 48 commissarios de Pars, e assim
llics fallou: Dizei aos habitantes dos quarteires
de Caris,.que s.lo amigos das instituices monarebi-
eas,dizei s classes elevadas qne.se n.lo procederem
com sabedoria, a espada de Harneles esta suspensa
por sobre suas checas, e que, se osdeputados das
provincias resstrem eos desejos dos patriotas de
tarta, serilo todos exterminados. Dizei vossa es-
tpida bourgtoith e aos guardas nacionaes que, se
elles tentarem a menor resistencia, 400,000 operario
estilo determinados a fazer tabttrate e destruir Caris.
Para este fim elles nlo terdo necessidade de mosque-
tes ; algumas mechas chymicas serao bstanles.
i* co!B!!ssRc obteve deras!* urna carta de M. Grand-
mesnik (um amigo de Mr. Caussidire) escripta a 8de
abril a seu lio em Angers, na qual se l o seguin-
te : a Marcos (Caus.-ddiere) pedo-vos com instancia
quo manufacturis com o maior segredo urna porcao
dos vossos projeclis, eque immediatamente os man-
dis para Caris com algum.s das vossas bombas in-
cendiarias.a
Mr. Caussidire repetidamente inlerrompeu o re-
latnr.doclaraado que ludo quanto ello diza era falso.
O resultado da investigaclo da commissao, conti-
nuou Mr. Bouchard, convenceu-a de que Messrs
Caussidiro, Sobrier e Ledru Bollin baviam dirigido
o movimenlo de 16 de abril. M. Blanquiz recusou
lomar parto neile por isso que M. I.e.lru Bollin de-
rla ser proclamado dictador.- 0 teslomunlio de M.
Lamartine corroborava esta opinilo, e o do general
Cliangarnier era conclusivo. O ultimo foi ternesse
dia com o general Lamartine no Hotel de Vtlle, e
acbou-o grandemente auaid.i. Mr. I.omartine disse
que Messrs. Luiz Blanco Ledru Holln tinham conhe-
ciineno da demonstrag3o quo 100,000 operarios reu-
nidos no campo de Mart intcntavam fazer. O gene-
ral cliamou entBo a Mr. Marras! a quem achou bein
disposto, e este escreveu a orJem por elle dirigida
s municipalidades para mandaren! tocar a rebato.
O club dos clubs prosidido por Sobrier, e o club dos
direitos do homein tomaram urna parte activa uestes
eventos. Riles mantiveram urna correspondencia
directa com os membros do governo. As armas com
que ameacaram o paiz fram ministradas pelos Brse-
uaes do estado. Soluler linha estabelecido seu quar-
tel-general, eoin o consent ment desautoridades,
no .lilicio da lista civil ; 500 mosquetes o 30,000 car-
tucho* embalados, fornecidos pelo prefeito de poli-
ca por ordein do ministro da guerra, fram amon-
loados naquelle edilicio. Sobrier havia-se compro-
.llim) a ii.adsr 500 ou 00 homnns s provincias
para o Bm de revolucionar o paiz. Estes homens re-
cebiam do' lliesouro 10 fr. diarios. Estes dous clubs
tinham manufacturas de armas, das quaes a prnci-
pal.situada na barriere de la Sanie, eslava sb a duec-
gflo de Raspail." O relator passou depois a recapitlal-
os documentos adiados em podr de Sobrier. Um lid-
ies proclamava a inslituicilo de urna commissao de
salvacO publica, outro o ostabelec ment de una '
taxa progressiva extraordinaria, e delerminava que
os proprietarios que recusassem paga-la fsscm des-
pojados de suas propriedades ; um tereciro procla-
mava a dissolugao da guarda nacional e exclua da
piotecciio da le a todo aquello guarda que fsso
encontrado as ras armado, etc. No dia 15 de maio
mn individuo foi enviado por Mr. Udru Bollin ao
presidente do club dos direitos do homem para o
|in de suspender o movimenlo. Mr. Ledru Bollin,
sendo interpellado acerca dosle facto, nflo o negou,
untes elogiou o seu emissario pela discrigao e* talen-
to que desenvolver em dfferentes misses. A com-
missilo executiva declarou que todas asordens pu-
blicadas naquelle dia haviam sido adoptadas em
commum, e que, so ellas Dtp fram exceuladas, era
isto devido traic3o. O commandanle da guarda
nacional declarou quo elle proprioaconselhara me-
... .,. ,,. .-mbla as auaes se, ment das cousas do vellio mundo; mas nos, cansa-
dlas para a protecclto da assernblea, q"*. | lanta n,auc e sahendo um,,em m pou-
t Ji.m^veij'aVuaSnr-ldo's'de v"r tanta laueia, e sahendo tamben, um pou-
rossem n^^".'^l^;^^l]^rzz- co do que vai pela F.*apa. nao como elle, s,por
meio dos tivrinho, procuramos, no nosso artigo,
instruir aquellos quesupp.inham que os nones por
elle cita los eram de pessoas mu illust.es na scien-
ca. Mostramos que homens detrahidos pelo Sr. Dr.
Sabino, por haverem malfoito ou feito de mu f as
experiencias homreopalhicas, eram os meamos que
elle, sem saber, citsva depois como notabilidades;
mostramos que desses homens alguns naolinliam
illustrac.lo, equeuin s linha nomo por sua obra,
alias escripia segundo s principios da verdadeira
medicina ; e mostramos mais que elle nao sabia dis-
tinguir alguns individuos, citando um quando ba-
viam dous; mas o Sr. Dr. Sabino, em voz de respon-
der ao que mais Importa*a, s so anereob-ui do al-
guns tormos, que elle, chamando-os olTensvos, ap-
plicou-os sobre sua caheca, em forma de carapuca,
e diz quo o insultamos.
Muitas pessoas leram nosso artigo; osquequize-
rem anda o podoro !. : no aos parece (JIM tanhu-
mos insultado ao Sr. Dr. Sabino. He verdade que de
alguns termos usamos, quo nilo lie doviam agradar
muito, mas esse mogo que tein a libra to sensivel ao
ponto de incommodar-se com ludo quanto tnm sido
publicado..anda nao se apereebeu dos insultos que
ndislinctamenle teni cuspdo sobre a classe medica,
desde seu primeiro artigo do saudag.lo sua propria
cliegada a esta provincia at o ultimo que so pJe
chamar de congralulaglo; no se lombrou que, prin-
cipiando por chamar a todos os mdicos desla pro-
vincia aventureiros at levo o arrojo de offen-
dor a religiSo em seu mais profundo mysterio, fa-
zeudo comparacus sicrilegas; e tal besen furor ou
sua inyopia, que no mesmo arligo a que responde-
mos, e era que elle so queixa do o bavermos insulta-
do, insulta nSo s ao concedi de salubridade que,
pelo que nos parece, s lein procurado cumprir or-
dens superiores, mas a outras pessoas; e isto ludo
faz sem rdiexlo, sem saber que queu. eospe ao ai,
na cara recebe o cuspo.
lo. O ministro da guerra fez urna deca a.,
mediante, e accrescentou que Uvera tentages de
dar sua demissao, quando vio que suas ordena nao
am cmridas. O governador militar de Caris que
zo roliPar as tropas dos invlidos, disse haver
assim obrado em vrtude de ordens m***m*
responsabilidade da nUo-execuQflo destas me. das
devia, pois, recahir toda sobre o governo. M. Caussi-
dire confessou que tivera conhec.mento fia deter-
minacSo, tomada por Sobrier, de fazer urna demons-
trrgao a 15 de maio; porm, como bavia obtido delie
a promessa de quo esta demonstragio seria armada,
nao lh deu mais altengao. Todava um facto pro-
vou que elle era connivente com ella : M- Yon na vi a
sido- nomeado polo presidente commissano de puli-
la da assembla. Esta escollia desagradou a Mr.
Caussidiro, o qual mandou chamar a M. Ion, exe-
eommendou-lhe que per.nanccesse em seu posto o
rNtoNro oni, mo, Caussidire Ihe disse : Coisbe.n, vollai para a
assembla, a sua sorte me he indilTerenle. Urna
outra testemunha interrogada pela commissilo do-
blaron que ouvira dizer a Mr. Caussidire : Eu lan-
garei a assembla pelas janellas fora. Era facto no-
torio que a prefeitura de polica, antes del., de maio,
antava convertida em manufactura de cartuchos em-
balados. Um representante referi urna oxpress3o
do general Courtais, a qual he completamente ca-
racterstica, Nos contamos com Caussidire, dis-
se este representante, porque ello empenhou sua pa-
lavra do honra de quo nos avisara 24 horas antes de
sua retirada. A queslflo da pnsao de Caussidire
foi discutida no concedi do governo, porem somente
Mossrs. AragoeMarievotaramporella. No da ido
maio houve urna numerosa reuniflo em casa de M.
Luiz Blanc.-Barbes eslevo presente. M. Luiz Blanc
aflirmou que nenhuma meng.lo se lizera da maniles-
tago mentada para o dia seguale, patCtn ouiros
dizo .. o contrario. >a scguinle inanhna 60 pessoas
fram ler com M. Luiz Blanc, o qual logo depois sa-
bio e seguio o ca.nii.lio da Bastidla. Mr. Luiz Blanc
disse quo fra almogar ao cafe dos Panoramas Mr
Banchard passou depois a descrever a scena de 15 di
maio na qual M. Luiz Blanc representara t;lo cons
picuo papel. Est provado, disse Mr. Caussidire.
que elle fallara ao povo e approvara a profanagao da
assembla. Que elle lora do Hotel de fif/eanoite
uequasi igualmeulocerto. Elle fot encontrado na
ra da htcola-de-Medleina no meio de um bando de
homens armados, e havendo um dos seus amigos
critado: Viva Luh Blanc, elle o mandn calar di-
zendo: Tudo esta perdido, nao pronunciis, pois,
o met nomo, do contrario sorel preso. M. I.uiz
Blanc entrou na loja de M. Masson, l.vre.ro, e erigi-
te depois a p para a ra do la Harpe. Ello fo. visto
Z ponte de foto D,m, escoltad, por res homens
armados, e U'm lenente-corouel da guarda nacional,
positivamente declarou t-lo visto no edilicio do Uo-
tel-de-Ville. ,.fc...
Depois de urna pausa de um quarlo de hora, M,
Banchard conlinuou com a Icitura de seu relalorio,
e passou a descrever a origcm da insurre.gflo de ju-
(rontnuflr-se-A'i.1

m~y

MEMORIAS DE UM MEDICO, (*)
por aicranDre J^uma.
TERCF.IRA PARTE.
- XXIII.
DIHNCAMTO.
Joao, que ficra furioso com semelhante tirada provo-
cadora, deu dous passos para o baro; dabi encollteu os
hombros ; e voltando ao marechal;
O senhor duque recebe desta fiuenda em .na ca-
sa? perguntou elle.
Ol! ...eu charo, est engaado; ponlio-a pela
porta fura, ao contrario.
O senhor duque sabe quem he esse pastel?
Por miliha desgrava, sei.
Nao; mas sabe be... quem elle he?
He un Taverncy.
(*) Vlue Ditrio n.* 210.
Coiiiiiiuiiicado.
Tal he a impudencia com que o Sr. Dr. Sabino
tom respondido a todos os a.tigos publicados acerca
dahm(Bopalhia, tal he a insolencia com que insul-
ta todos aquellos a quem se dirige, que nilo lie pOS-
sivel guardannos silencio, e uecessario se torna que
digamos alguma cousa em resposta a seu aranze .pu-
blicado no Diario de l'ernambueo de 6 do correnle.
OSr. Dr. Sabino, respondendo a um communicado
do Mario de l'einambuco, o querendo fazer acreditar
a doutr.na que por mero inleresse abragou, citou no-
mes de pessoas que se tinham convertido a honiceo-
pathia, e isto fez com seus ares de grande conliec-
He um homem que quer deilar a filha frca na
cama U'el-rei.....
Qual I ora v-sc dahi.
-,- He u.n borne) que nos quer suplantar, e que pro-
cura todos os nielo para o conseguir.. .. he verdade,
mas eu, que me chamo Joo, c estou lerla, e grafa
a l)..'us vejo mui bei...
. o condejulga que rile quer.....
Poi. iaao he muito dimcil de co.ibecer, nao he as-
sim?..... O partido uodrtphin. meu charo.....; e depois
te... .nao o seu espadachit.ninlio ....
-- Ora cssa!
Trm-se ...n mancebo sempre prompto a morders
barrigas das pernas da gente, un. brigo que despal-
deiradas na. costas de Joo..... deste pobre Joao.
Moconde? be .eu iniuiigo pessoal?! disse B.cne-
lieu, fngindo-se sorprezo.
OhT be verdade, he o meu adversario no negocio
da muda, e nio sabia disto?.....
Oh! veja como he a sympathia, euignorava isso e
rcpelli todos o* seu. pedidos ; smente em ves de o ter
mandado imbora le-lo-la expellido se en soubesse.......
Fique socrgado, conde, esse digno e.padachiu cah.o-me
debaixo das unhas, c elle bem o sentir.
He verdade, V.|Excellencia pode fazer com que elle
nerca o eoslo dos ataques ... estrada real....Mas. emfim,
vamos la! cuainda Ihe nao del os ...rus p.r.bens
_ He verdade, conde; parece que isso esta dcnlliva-
",!H'oh'Itudoeit cabado..... D-ine licepca que Ihe
d um abraco?
Z BffSS n:ui^cu.tou; ... o trabalhonada
he uuando se alcanc o que se d.seja. O duque est con-
! ,en-?Qt0rquaetef..le franco?..... esto., porque ju.go
| nue nuderei ser til.
Iquepodereiserutll.
Nao ha duvida, mas foi um golpe atrevido e h
de erilar multo. ,,.__,
Porventura nao sou eu bem quisto do publico?
O duque?..... Mas eu nao vejo que seja nem bem
nem mal quisto; elle he que he execrado. ,
Klle*.... disse Richelieu sorpreso: quem he elle r...
Sem duvida iuterrompeu Joo. Oh! os parlamen-
tos se vo insurgir, he u.i.a repelicao do azorrague de
Luis XIV ; riles estaosendo flagelados duque, e mullo!
Explique-nic... .i i
Mas isso se explica fcilmente pelo odio dos parla-
mentos contra o autor das sua. perseguices.
Ah! o conde julga que. ...
Estou certo dlsso como toda a Franca. He o mes-
mo, duque, e fes ...aravilhosamenle bem quando o man-
dou vir a toda a pressa. _. -.
_Oui.ii?..... mas. a quem, conde? estou sobre es-
pinhos, e nao comprehendo urna s palavra do que me
e5_*Es'tour'lhe fallando de Mr. d'Aiguillon, de seu so-
brlnho.
Ento! digo-lbe que fes muito bem em manda-lo
Ch_"hl emendo! entendo! Elle pode ajudar-.nc,
nSo he isto que o conde quer dlier?
_ Elle nos ajudar a todos..... O duque sabe que elle
est de perfeltoaccrdo com Joanninha.'
Z Per'feiwmeme. Aposto que elle, j conversaram e
.< emenden as mil maravilhas?
Z Hebbem8facil sab-lo. Joanninha he a mais pregui-
co.a dormiuhoca que ha no mundo.
Ella nao .ai do ledo ante, das nove, del ou onie
horas.
i va1 niv/in, vui|'"i
lia cousas que nao teem resposta,nao pelo despre-
zoque inspiram, mas por sua evidencia : tiesto caso
parece-nos estar nosso artigo..O Sr. Dr. Sabino citou
nomes de pessoas que elle n.lo couherc, ncm
mesmo por seus escriptos; cilou-os sem icfleso, o
s por iuformages colhidas do passage.n, e citou-os
ignorando iuleiramcntc a litteratura ou historia da
scieuciu medica; mas nos sabemos qual foi a rutffo
que o impellio c fez esbaflrar-so sobre sua propria
obra : elle nao condece, nem tem visto esciplosdo
resumo de Amador, que, segundo eremos, nunca se
couverleu a homueopalhia, anda que tivesse feito
algumas experiencias ; nao sabe quem he Charg de
Marselba ; por ver cilado no folholo do J. V. Martins,
em resposta representagao do concedi de salubri-
dade publica da Baha, o nnrne de Devergi, npre-
seuluu-usem dizer quai .elles he;c,nflo sabcmlo que
ha dous llapous, eque mais clebre doquoRapou,
o autor da historia da homaopathia, lio Rapou o autor
do tnmio tabre a almidialrica, em umvolume, publi-
cado em 1819, do tratado do methodo fumigatorio, em
dous volumes, publicado em 1821, e dos annaee do
methodo fumigatorio, cuja primeira parte apparecou
em 1827, citou Rapou, sem dizer do qual fallava ; e
isto fez so por encontrar em algumas paginas do
mesmo folhelo esse nomo O nosso artigo nilo agra-
dou aoSr. Dr Sabino, porque Ihe oi comprimir um
poiicooorgulho, eesclareceu a parte sensata da po-
pulacilo, para a qual escrovemos; e he por esta ra-
s.lo que elle, em vez de rdutar o que Mavomos dito,
conlentou-se de dizer que o insultamos; e para fa-
zer diversa.) vem com o Sr. Dr. Moraes Sarment,
sorvindo-lhe de motivo o termos nssignado o nosso
artigo com as duas leltras -- M. S., -- que bem sei
pode, que se eiicontrem no nosso nome; como se s
porque.o Sr. Dr. Jos Joaquim de Moraes Sarment
lambem as tem no seu, ninguem mais dellas se pos-
sa servir, anda mosmo que as tonha em seus nomes.
Causa-no* tedio, e tedio grande, quando lmosos
artigos do Sr. Dr. Sabino, uo pelo arrojo das phra-
ftsata^* Miajljmiur-T nTiiri;iirMaa__r***-*"*~
Ento! esta manliaa.cm Lucieonea, *ram, muito seis horas, vi sabir a carruagem de Mr. d Al-
As seis horas I exclamou Richelieu sorrindo.
He verdade.
Da manha? esta inanhaa? ____
Da manha, esta manha. Nao Ihe parece que para
ler madrugado tanto, para ter dado audiencia a teme-
Ihame hora, Joanna deve elnr louca pelo.eu charo so-
"-'sim, he verdade, conlinuou Richelieu. e.freg.ndo
asmaos, s seis horas. Bravo! Aigu.llon.
He preciso que a audiencia coinecasse s cinco ho-
s..... De noite! he extraordinario...... _.,'_
He extraordinario!...... repello o marechal. Ex-
traordinario, com cuello, meu charo Joao.
E eis-vos ah todos tres como baviam de ser tora-
les, Pylades, c anda um uulro Pylades.
Ncste moinenlo, e quando o marechal esfregava mais
alegremente as ...aos, Aiguillon entrou no salao.
O sobrinho sa.idou o lio com um ar tao peuallsado.que
bastou a Richelieu. seno para coinprehender toda a
verdade, ao mciio. para adivinhar a maior parle della.
Richelieu empalliieceu como se tivesse rccebldo urna
ferida .norial: veio-lhe sbitamente a idela deque na
corte nao ha amigos nem prente, e que cada um pro-
cura as suas vanlagens pessoaes.
Eu fui u.n grande pedaco d asno, disse elle eom-
sigo ii.es.no. E fnlao d'Aiguillon? disse elle .uUoan-
do u.n grande suspiro.
E en tu.), senhor marechal '
He ..... golpe bem atrevido para os parlamento.,
di.se Richelieu repettndo todas as palavras de Joao.
D'Aiguillon crou.
V. Excedencia sabe? disse elle.

_ADO


sea, ainda que insolentes ; mas pelo ar de charlata-
nismo que de todos se exala, por ver qu j muitas vo-
Z'vsi) (proposito Jr> suas respostas ho tirado desso fo-
Iheto de J. V. Martins; o que nos ser fcil, e preten-
demos mostrar a final, como painel deste fogo do ar-
tificio; e pela maneira ridicula e vergonliosa por
que tergiversa em todas as questOes que nilo so en-
contratn em sua cartilha ; sendo prova disto o mes-
mo artigo a que respondemos. O Sr. Dr! Sabino,
identificando-so com a homceopathia, n;1o pode dis-
tinguir oque se dirige a elle, ou a ella : istojmui
bellamente se Ihe tem feito sentir; e por mais que
se ataque de frente a sua doulrina, dizendo quo os
principios fimJamentaes da homoeopathia sflo falsos
ou absurdos, nSo da por davanle, nSo mordo no an-
zol, e so grita do lonpe ataquem embora fuja
sempre que qualquer delle mais perlo se cbega. He
falso, tem-se dito, que os medicamentos determi-
nen! no homcm 8.1. molestias idnticas aquellas con-
tra que silo applieados; isto j foi demonstrado po
experiencias Vitas n Europa, e por pessoas que es-
tilo em posiroes mui elevadas, e diante doquem o
Sr. I)r. Sabino brillia tanto quanto, com umsolde
verdo e no mein-dia, brilha a luz de um perilampo :
be absurdo, Inmbom se tem dito, que a acijft'o dos
medicamentos so torne mais intensa a medida que
se multii licam asdeluicOes, para oque niio be pre-
ciso mais do que a sfla 'rasfio; mas o Sr. Ur. Sabino
a isto nflo responde; niio sustenta o contrario do
que se tem dito o repetido a enfastiar nosjornaes
doata cidade; os tem um cbavfloque por montono
ja faz somno, ehe : discutamos
Silbemos que ser diflicil aoSr. Dr. Sabino sustentar
aquillo que nnm llahnmnmi, e ni-m seus discpulos
poderam sustentar ; c mais diTicil aindn ser faz
voroso, como tem si lo pela allopalbia: mas ludo
isto nilo refuta o4ue bavemos dito, e nflo deixa de
provocar o nosso riso, j que nem liberdade quer o
Sr. [)r. Sabino que ten liamos para criticar seus es-
criptos.
7 dosetembro de 1848.
V. S.
('o rcs|)OM(lcn(;ia.
d esa ppa rcenlas oi.ras do mdico aaxonjo us conlra-
ilircOcs que nellas se eucontrain ; mas pelo menos
IHKlia mostrar algum nsforco sustentando sua dou-
trinii com us snpbisinas. j mui batidos, e de que
ainda se servem os bomoeopatbas ; no menos devia
mostrar que pralca essa dnnirinn em nresen-
t.M-si' em opposifo aos precoitos do mostr. Klle
fecl.a na nlhos, quando depura com algumas linlms
que a isto se referen) ; e quando tem de responder a
algiiui artigo, por elles salla, e faz bem ; porquau-
tnnque II* ronvm i>e entreter g Ico, amigo da
novi.la.le, com ossps tiros >em projectis, al quo el-
le por si, e com na furtos se desengae, e se aperce-
lia que tem | agn a peso de ouro a plvora gasta.
Qunndo o Sr. Dr Sabino drixott sua villa da Malta-ile-
San-Jniln da Babia, onde vegetava, para vir explorar
as provincias do norte, tifio foi danoslo a travar s-J
rias contenda procura juntar alguns contos de ris
que onm elle nerita repartidos, e retirar-se no (im de
algum t" ni i >i > para vivcr descansailu ; embora tenha
de pagar alguns apregoadores de esquina, lojas e
vendas, e esetiptores sempre promptos a elogiar ou
descompur por dinlieiro; embora perante o gand
juit tenha de dar contas de suas boas aeces, quan-
do deixar esta vida de miserias.
Acreditamos pamente no que di/, o Sr. Dr. Sabino,
relativamente ao Sr. Dr. Moraes Sarment; c damos
gracas ao acaso de baver-nos servido tito favor.ivel-
menle, quando nio contavamos com este destecho.
Niio penae o Sr. lir. Sabino ou alguem, que foi com
iiitiMic"ioque provocamos essa declararlo, assignan-
do o nosso artigo cumas lettras M. S., que alias, co-
mo dissernos, bem poden encontrar-se no nosso no-
mo ; mas, j que o acaso nos favorecen, demos gra-
cas a elle. Quizeramos niio crer na declararlo do
Sr. Dr. Sabino; mas, emquanto niio Mr contestada
pelo Sr. Dr. Moraes Sarment, forca beque uella a-
credtemos. Mas perguntaremus : como be que o
Sr. Dr. Moraes Sarment, acreditando na verdade
dos principios hoinrxopathicos, que estilo em oppo-
siriio aos da allopatliin, ir*o admitle os factos e pode
continuar a tratar os lenles de sua clnica segun-
dos preceitos da velba medicina, que.sendo oppos-
tosaos da homa'opathia, nilo pdem deixar de ser
falsos, visto quo reconhece que os da bomoooputliia
sao venlaileiros? He certo que, seoSr. Dr. Sarmen-
t, para lser publica abjuraco, precisa de fados
verificados por oiie niesmo, uo o fara s com o fac-
i ilo escravo da Sra. Mara Candida, por ello apre-
Plitado,como capas de levar-llio a convicr.au ao uii-
ilo da alma ; e se todos sao desta ordem, nunca laia
ubjaraeSo ; porquanlo febres sementantes fazem
desapparecer em um da asnossas curandeiras com
fin stores de malaguelas ou -lo que o vulgo chaina
Ijilgoa de vacca, batatinba o pimenla d'agoa.
Acreditamos lambeni que o Sr. Dr. Moraes Sar-
ment tenha ido a casa em que mora oSr. Dr. Sabi-
no, para protestar contra qualquer equivoco, e que
para prova dissesse que nilo costuma insultar, e
nunca escrevo sefli assignar seu nume (Sor extenso ;
c isto eremos porque sabemos que esse medico be
incapaz dessas cousas, nao exislindo contra elle a
mais leve impotaeflo ; e porque para isto era preci-
so que se parecesse com aquclle que, ha pouco lem-
po, disse que o tlenlo s resida em alguns mdi-
cos estrangeiros, e que os lirasileiros eram urna mi-
stria.
Acreditamos, emfim.que o Sr Dr. Moraes Sarmen-
t niio exerce a profissilo por intorease, mas por a-
mora humauidade, como faz o Sr. Dr. Sabino; o
queso por ella, levado inleirainenle por esse amor,
se converler a homoeopathia, o ser por ella t3o fer-
WmS
Sr*. Redactores. Deparando com um pequeo artigo
no Diario Novo tte 13 do corrente n. 198, assignado pe-
lo Carioso, e conhecendo quanto ha de venenlo ein tal
artigo, turca he faier ver ao publico que nada encerra
este artigo que nao srja e drvaser reputado como ea-
c.inil.iioM iiH'iiiir.i tanto mais quando a lembranca do
Carino ii.in lir lilha de vrrdadeiro e patritico amor, e
interesse pela boa liscalisacfm da fazenda publica, ma>
sim de intrigas mesquinhas com que costuma nutrir-
se : ainda mais porque se conhrce que o autor desta
malfeita e drsconchavada observacao s teve em mira
desconceituar ao milito digno c honrado juiz dos fri-
tos da fairnda, a quein s pode accommetter com estas
e mitras infames mentiras, onde he frtil este vil Curio-
so, e nao com provas irrefragavris.
Saina, pols, o tal de Curioso que a repinaran, presti-
gio C inte|ligenc!a do jo/, dos frito ;n COUSSS que ii-
ram mu alto para seren feridos com revotes de vis ca-
lumniadores ; i unlu ni he errto que elle desprea ui-
vos qur nao Ihe serve a carapuca drpedincheiro, que Ihe ta-
Ihou este mentiroso e meutecapio 6'un'oio, e se eu eitou
occiipando-rne em demonstrar a falsidade das proposi-
tos comidas eiu dito artigo, he gmente para prevenir
aos incauos e quellrs que nao coiihecem ao Sr. Or. Je-
r'onynio M.iriii.innin Figurira de Mello, intrgrrrimo
juiz dos feitos da farrnda, qualquer juizo desfavoravrl
que |ioni"i,iin.i se possi fszercontra rile ; porque ne-
ta provincia, Itio-de-Janpiro, Car.i c Maranho, onde,
em cada una, este eximio ridadau tem exercido impor-
tautis>iiiius cargos com toda dignidade, sao bem conhe-
idas pelos homi'iii honestos sua probldade, austerida-
de e firmeza de carcter.
Bem longedc entrar em una aualyse de todos os ex-
cedentes allributus do juiz dos fritos da fazenda e te-
cer-lhe elogios, como que elle nao se ufana, passarri a
rrfutarrstr infaiuissiuio artigo Dii elle que desde o
limo de 1833 at setembro dr 1848 existe no .juizo para
iccooui .i i|ii.iiuia de lub.UO^alXK) em lettras muito
audaz he cortamente um calumniador, quando, srm a
menor vergonha, com tanto descaratiirnto aprsenla ao
publico nina proposito, que nao s he inexacta, como
oll'rnsiva : todo mundo, pois, sniba que s em setembro
de 184a foi rrmetlida prla primeira ves ao juizo dos fri-
tos uina rcl.ic.m, assiguada pelo pruprio inspector da
thesouraria, contendo todas as lettras que rntao exis-
talo para se cobrar, montando naquantia de 24:771/448,
no exrrcicio di: 1845 a 1846 a dr 8:543^5, no de 1846 a
1847, 7:847/H35, no dr 1847 a 1848. 4:905/842, e no cr-
rente exercielo de 1848 a 1849, 2:324/401, que ludo pre-
faz a iinpurtancia de 48:31)3/481, donde se v claramen-
te que tal quaulia de 11)6:000/000 nao existe scno na
caixola do crlrberrinio Curioio ; releva entretanto ob-
servar que dekta quanlia de 48:393/481 drxou-se de co-
brar, nao s porque i.ao exislrui os devedores, como por
outros motivos que imposibilitan! a cobraiifa, a saber :
uo exercielo de i845a 1846 a quanlia de2:099#0O0, no
de 46a-17 a de 4.504/246. e no priuieiro semestre do
exercielo de 1847 a 1848 a de 2:202/520 r tudo mais tem-
se cobrado c rccolhido a thesouraria ; emquanto mrs-
ino aos mandados para aqurlias execucoes que se uo
leem Irvado a ell'rito, estes term sido rntrrgues ao Sr.
pro.urador-liscai para promover em lempo opportouo
o que julgar coiiveiiieule aos inlrresses da fazenda pu-
olu:.i. .' vista, pois, do que vruho de dizer, paieuc-iiie
ter provado sulhcieiiteuicnte a falsidadc do artigo que
refutei, e desde j se desala a ole mentiroso que for-
mule sua contj de cornos cento esris, e aprseme que
ser iiu-lhornicute respoudido c contundido por aqucl-
le a qurm diz respeito e receba agora, Sr. Curioso, ra-
la dse hoinreopalhica que ihcapplico : a mentira e
intriga pdem permanecer por algum trinpo, pnrin cuui
prrscvrrauca e energa tiiuiiqiha por inn a verdade.
Hasta, 'trullo respondido.
Queiram por boudade, Srs. Bedactores, mandar in-
serir em seu bem coucrituado jornal estas toscas linhas,
que muito obrigarao ao seu constaule Iritor
U humein Jal boat.
CONSULADO PROVINCIAL.
BP.NniMKNTO DO DA 21.......... 229/967
Mov ment do Porto.
.Vario.i nttradat no Jia 21.
Itichmond ; 44 diai, barca americana E.-Sofrey, de 299
toneladas, capltao F. "'car., equlpagem 12, carga f.
rinha de trigo; a L. G Ferrelra 8. Coinpanhia.
Havre; 52 das, brigue franen Tanerm. de 162 tonela-
das, capitao Helar, equipagem 13. carga batatas, rnan-
telga e mais gneros ; a'Avrlal Frres. Paasagelro, Ba-
Slliaao Francisco de Pae Brrelo.
Navios sahins no mesmo dia.
Acarac por Cear ; patacho brasileiro Santa-Cnu, ca-
pitao Joaquim Antonio Gnncalvrs dos Santo*, cana
varios gneros. Passageiros, Fr. Si-ralim da Colonha
prrgador apostlico capuchinho italiano. Dr. Manorl
1 in o i no de Mello com 2 criados e 1 escravo, Francis-
co Frrrelra l'mmlrl com 2 criados, Ce/arlo Frrreira
da Costa com I escravo, Francisco Jos Pacheco de
Mrdriros. Jos Frederico de Andradc com 2 criados e 1
escravo, Jos Bodrigues Horgrs, Jos Antouio Fernn-
des de Carvalho. Brasileirn*.
Mahla barca americana E.-todfrey, capitao Bears, car-
ga a mesma que trouxe.
Lotera do Ihe airo publico
desta cidade.
O thesoureiro ailirma que
as
r0dj,
desta lotera andnminfalivellmente no rjj,
3 do corrente. e qu o restante dos bilhe!
tes s se vender at o dia a a. Os Srs.
que
EDITA ES.
A cmara municipal da cidade de Olinda t sen termo
em virtude da le, etc.
Faz saber que serflo arrematados.nos iiis 22, 25 e
28 do corrente mez. os contratos seguintes: o repe-
so dos acougues, dos mscales e boceteiras, a aferi-
cSo dos pesos e medidas, as casinhas da ribeira, ar-
mazem grande e pequeo no Varadouro, ex-subsi-
dio dos porcos: os licitantes eomparecam habilitados
e munidos dos competentes fiadores. E para que
cliegue ao conhecimento de todos, mandamos publi-
car o presonte pela imprensa.
Cidade de Olinda, H de setembro de 18*8.
oj. Joaqun, de Aimeida Guedei,
Presidente.
Joo Paulo Ferreira,
Secretario.
Avisos martimos.
o...'t;Vw*J.
ALFANDEGA.
KENDIMENTODO DIA21..........14:570/940
scarrranm hoje, 22 te selembm.
Barca Jiune-Nelly inercadorias.
Galera Bonitadem.
Ilriguc Nossa-Senh ira-do-Carmo dem.
Galera Iris bacallao.
I'al.icho.Wnriu Jour/'imi vinho.
CONSULADO GE RAL.
RENDIMENTO DO DIA 21.
flffj...................
Diversas provincias.............
560.^919
63/924
~624843
O senhor conde me eomuiiinirou tudo, replicn
Richellru, mesmo a tua visita a Lucieaues, esta ina-
nli.ia. antes dr romper o dia ; a tua uoriira(o he um
ii i ii ni i din para a miuha familia.
(Jucha arredilar-me, senhor marecbal, com bem
pezar mru.
- Qur diabo est elle a dizer ? perguutou Joo en-
criizaudo os bracos.
tV>s c nos rntrndriuos, inlerrompeu Rchelieu,
nos r nos entendemos.
Isso he outro Caso, mas c por iiiiui nao uo coni-
prelirinlo----, petares..... ah .' sim......porque uo ha
dr ser rreonhrcido iinuit 9 iinnjcdialmeme; siiu, he
verdade..... j emendo.
Aj! havrr um imrrm, responden o marecbal,
que seiitio rutrar-lbr de novo 00 cora(o a rspeiauca,
rssa ho Um iiiteriiu, he vrrdade, srnhur mareehal.
.Mas, no emaulo, rxi lainoii Joan, elle j rst hem
pago com isto... o uielhur comiiiaudo de Versallies.
Ah! disse Richellru romo qurm Ihe abrisie nova
ferida, pois ha um coiumaiido ?
Mr. Joo Dub.irry talvrz que exagere um pouco,
respondru o duque d'Aiguilion.
Mas i'inltni c|ue cumulando he esse?
Os cavados ligeiros d'el-rel.
Rchelieu sentio mais una vez a pallidez invadir-lhe
as laces rnrugadas.
Oh I hr vrrdade, disse elle com um sorrisoque o.-io
.Jir possivl rxprimir, sim, he bem pouca co'us para um
boiiiem t.io brlloj tuas queipirres, duque, a mais brlla
moca do mundo nao pode dar senao o que tem,ainda aue
srja a amante d'rl-rei. H
Urauvez foi d'Aiguillon quein empallideceu.
if o*Va Para bellos *"""<" do marechal.
t. Kichelieu baleu us cusa* dosobrinho ditendo-lhe-
Anda bem que Irns proinrssa de urna promocao
prxima. Recbeos meus paratifus, duque... os mrus
sinceros parahens. A tua finura e a tua hablidadr as
nrgociacOes. igualam a tua fortuna.....Adeos que tenlio
qur fazer, n.io teesqiircas de miin no meio das tuasgra-
9as. mru rharo mnitro.
D'Aiguillon respondru smenle:
O senhor duque, suu eu, senhor marechal e eu,
son o srnhor duque.
E, andamio o lio. sahio. guardando a dignidade qur
Ihe era natural, rseapando-se assim de uina das mais
dilciris poslces que elle achara na sua vida, juncada
de tantas dilliruldadrs.
Oque ha ah de boin, apprrsou-se a disrr Richeliru,
assim qur rile parti, a Joao que nao sabia oque jul-
gar drssa troca de polidn rnire o sobrinlio eo tu,; o
que ha ah de admiravrl rm Aiguillon he a sua slngrlr-
za. tile hr uta luuiirn rsplriiuuso e candido;abe estas
formalidades da corle, e he honrado como una virgem.
--I'ara u l'.io-doj-aneiro sabe impreterivelmente.no
dia 24 do corrente, a escuna Curio-a: para o restan-
te da carga, passageiros e esclavos a frete. trata-se
com i.uiz Jos deS Araujo, na ra da Cruz, n. 26
OU com 0 capitn.
-- Para o Rio-de-Janciro aegue, em poucos das, o
brigue Asiombro, forrado de cobre e de primeira mar-
alia, por ter parlo de seu carregamento quasi promp-
la : quem quizer carregar, ou ir de passagem, para
o que tem excedentes commodos, dirija-se a ra da
dulca do Recife, botica n. 61, a fallar com JoSo Jos
Ferniitules MagaliiSes.
Para 11 Rabia segu, em poucos dias, a garopeira
.Sanlo-/4m(iro : quem na mesma quizer carregar, di-
rija-se a Novaes & C., ra do Trapiche, n. 34.
Para o Porto-de-Pcdra e Paco-de-Camaragibe
sabe com umita brevidade o hate Santo-Antonio-Flor-
do-ltecife, por ter parte da carga protnpta: para o
restante, Irata-secom o mestre.Hypolito Jos da Sil-
va, a bordo, ou com Leopoldo da Silva Queiroz, na
tua da Moda, n. 21.
Para Lisboa o mais breve possirel o veleiro pa-
tacho portuguez Liberdade, de que becapitflo Izidro
Ayres de Souza : quem nello quizer carregar ou ir
de passagem, para o que tem asseiados e bons com-
modos, dirija-se ao mesmo capitao ou a Faancisco
Severiaiino Itahello & Idilio. >
Para o Cear salir, em poneos dias por ter a
carga quasi prompta, a sumaca Carlota : para o rs-
tame e passageiros trata-:So com Luiz Jos de Si
Araujo, na ra da Cruz, n.26, ou com o inestre ,
Jos Uoncalves Simas.
Avisos diversos.
apartaram bilhetes queiram vir recebe.
los; certos de que, seo nSo fizerem, -erin,
os mesmos bilhetes vendidos.
Manoel Jos de Souza Favella retira-se para p0r
tuga I.
Deseja-se saber quem be o correspondente nem
cidade do Sr. Antonio Correia Pessoade Mello seiC
do Vcrtenles, para negocio que Ihe diz respeito ,
ra Djreita, casa do Burgos. '
Quem precisar de um forneiro, dirija-so c
Hilado, n. 14. O0"
r Severino Jos de Carvalho, subdito brasileiro
retira-sedestapraca.e como estoja quito nwtaW
ca e toda a provincia roga a qualauer Sr. nn. .-"
juigar aeu uredor queira por sua bo'ndade Ihe'anrZ
sentar, noprazo de 15 dias, letlraa, fleas-ou nT
dens.que, sendo verdadMras, prompto far seu w"
gamento em casa de sua residencia na ra di
Senzalla-Velha, n. 6, primeiro andar.
-Arrenda-se, no lugar do Manguinho. defronte
do sitio do Sr. Herculano Alves da Silval. um sita
com boa casa de vivenda estribara, cocheira di
versas arvores e baixa para capim ; a tratar na' Z
da Cruz, no Recife. n. 66. A chavo da casa acha-se n,
venda aproximada ao dito sitio. "
Para as pessoas que tenci^
nara seguir viageot.
Na ra do Rangel, n. 9 continuam-se a tirar ni
aportes para dentro e fra do imperio despachan
seescravos, e correm-se roldas com '2*.
pre^omuiloe muitocommodo: com.% ... ."... ,9
uberanie prova no decurso de S^nsTueTo?
esta rolha se lem annunciado. H pot,
DENTISTA. -^
M S;M,w,on- chrrglfio dentista acha-se resldind^
no Rec.fe ra do Trapiche-Novo, n. 8. srguudo .nd,r
onde continua a pr dentes tnlneraes. ficando w'
ruptlveiseparecendo inteiramente como dente, '
raes : tamben, lira a pedra, a qual. nao sendo ntrahdT
en. pouco tempo tanto arruina os denles; chumba coa!
ouro.prata. ou den tico para privar de augn rnta?
corrupeno : tamben, lira, limar fa. todas as onerarfl
denticaes com a inaior delicadeza possivel. Elle esnrn
que os elogios e o mullo patrocinio que te.n recebd"
pelos beneficios que tem produsido na sua pratlca du
rante 8 annos de residencia nesta cidade 'serio ral'
Has aufficientes para as pessoas que, precisando de IM
restimo, nao o drixem de procurar.
- Na ra d'Alegrla, n. II, prreisa-se alugar urna ei-
crava que esteja as circunstancias de bem Sr s
scrvlco interno e externo de uina casa de fauilia.
Urna pessa com pratica de escripia
commercial, e bonita leltra, prop5e-se a
esenver as horas vagas, nos domingos
com limpeza, mediante mo-
e dias sontos.
O consulado da repblica franceza
nesta provincia fica Iranferido para a ra
do Trapiche, n. 10, segundo andar. A
chancellara estar aberla todos os dias,
quando nao forero erhdos. desde as 9 ho-
ras da manhaa al as 2 da tarde.
-- Na rua Formosa, esquina da da Uniflo, precisa-
se de urna criada de bons costumes para o servigo
interno do cosa de urna senhora donzella.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da rua do
ltangel,n. 59,0001 duas grandes salas, tendo urna vis-
ta para o mar, e oito quartos, alm decozinba : na
piara da Independencia, livratia ns. 6 a8.
Precisa-se de um Portuguez para fitor de enge-
nbo: no Alorro-da-Boa-Vista, n. 6, lerceiro andar.
de
E demais elle o estima multo! disse Joao.
- (.01110 um carnero.
Oh! meu Dos! he'mais seu filho que Mr.
Fronsac'
A' t quo sim.....; t que sim.....; conde.
E Kii.lu lini responda ludo isto passeando com agita-
cao em torno da sua cadeira; e procurava una cousa
que nao achava.
Ab! condessa, inuriniirava elle, lu in'o pagars !
Senlior marechal, disse Joo com liriura, agora vi-
moa inis quatro real*ar aqurlle famoso feise da au-
liguidade: lembra-se? aqnelle f. ixe que se nao poda
quebrar.'
Vis quatro1 meu charo senhor Joao, como com-
prrhende isso?
Minhttirmaa-- o poder d'Aiguillon aaatorida-
dc, o senhor duque oconcelho eeu a vigilancia.
__rJWI'liM .-^'fJJif.'Nl.~
Ilrllissimamente! hrllissimamrnle!
K les ti- modo ven ha ni para c atacar minha iriiiia
Eu drsafio a ludo e a todos.
Com dlrito disse Rchelieu cuja cabrea ia pe-
los ares.
Venhain para c oppor rivaes agora, exclamou
Joao embriagado com osseus planos e com assuas ideias
Iriumphaes
Oh exclamou Richelleu batendo na testa.
Eiitao o que he! charo marechal, que Ihe veio i
cabei;a ?
Nada : acho a sua ideia admiravrl.
Nao aell.l ?
K entro de corpo e alma na sua opiniao.
Kravo:
E o l'averiict mora em Trianou com a lilha ?
Niio; mora eiu Pars.
E a rapariga he muito bonita, meu querido conde ?
Ainda que ella filssc bella como Mropatra ou co-
mo..... minha iriua, nem por isso a tenera mais......
desde que nos achassemos ligados.
Oconde ditque Taverney mora em Pars, creio que
na rua Saiol-Honor?
Eu nao disse na rua Saint Ilonorc1. he na rua Coq-
Heron que elle mora. Dar-ae-ha que V. Eicellrucia te-
nha alguma ideia para castigar a Taverney?
Julgo que sim, conde, julgo que trnlio uina ideia.
O duque be um homein incomparavel, eu o driso
e drsappareco, 'para saber alguma cousa do que se diz
pela cidade.
Enlao adeos, conde..... A proposito, o conde ainda
me nao disse qual he o novo ministerio.
Oh! passaros de arribaco: Trrray, Berln, finio
sel mais |iieiii..... A uoeda de d'Aiguillon, emlini, do
I verdadeiro uiiulstro adiado.
dico estipendio : quem precisar, annuncie.
- Em Olinda. na rua da Boa-Hora, na casa que
lem e muro novo, trata-se muito bem de cavallos
pelo commodo prego de 12/ rs. mensaes.
FACTO HORROROSO.
Fugio, em dias do mez le agosto prximo passado,
do engenho Antas da freguezia de SerinMem, por
ler assassinado a seu senhor, o escravo preto crioulo
de nome Sehastiflo, de idade de 25 anuos, pouco
mais ou menos, secco, altura regular, pernas finas
um tanto arqueadas, nariz chato; tem emumaiiu
sobrancelhas urna siCatriz proveniente deumcou-
ce de cavallo: por isso roga-se a qualquer auto
ridade policial, capilfles decampo, o apprehendatn
onde qur que fr encontrado, o comluzam-o a ca-
deia desta cidade, para ser punido com todo o rigor
de nossas leis, para que semelhante erime nilo fique
impune.
Aluga-se a casa terrea n. 3 da rua do Jismin, por
trasdeSan-fioncalo : a tratar na rua de Apollo, n.
22, segundo andar.
Victorino Francisco dos Santos comprou por
conta do Sr. JoSo Domingues da Silva ora no presi-
dio da Mha de Fernando o meio bilheten. I 382 da
18.' parte da lotera do Ihealro.
Precisa-se(de urna pessoa que se queira inrinii-,
bir de receber urnas dividas em Rio-Formose Bar-
reros e Passo-de-Camaragibe razendo-se negocio
ventajoso : a pessoa que a isto se quizer propr di-
rija-se a rua do Cabug loja de miudezas, n. 1 I),
do Cu i 111 a riles.
Agencia depassaportes.
Na rua do Collegio, 11.1, e no Aterro-Ua-Boa-Vis-
ta loja n. 48, continuam-se a tirar passaportes,
tanto para dentro como para fra do imperio, as-
sim como despacham-se escravos : tudo com bre-
vidade.
Que talvez o srja Indefinidamente, prnsou o mare-
cbal. Janeando a Joao o mais gracioso sorriso. como ca-
ricia dr adeos.
Joto parti ; c Raft entrou. Tinha elle tudo ouvldo,
e Din, sabia como se devia comportar : todas as su
suspritas acabavam de realisar-sr ; omitido nem una
palavra disse ao amo, porque o conhecia de peno.
Nem iiiesiuo chamou o criado da cmara : foi elle
inrsmo quem o drspio e o levou para a cama, na qual o
vi lio mareclial se riiteruou iminrdiatamente, ardrudo
em febre drpois de ler lomado urna plula que o secre-
-tario Ihe fes engolir.
Hall fechou as cortinas e sahio. A antecmara eslava
chela de criados j admirados eque escutavain. Raft
tomn o primeiro criado grave pelo braco :
Toma bem cuidado do senhor marechal, disse el-
le, que est doeute. Soft'ieu rsta manha uuia viva con-
trarirdadr ; fbi-lhe preciso desobedecer a ei-rei.....
Desobedecer a el-rei! exclamou o criado grare
chelo de espanto.
He T'rda,le. S. Msgeslade euviava uina pasta a S.
Excellencia ; maso marechal que soubeque Isso se fa-
ifa por inirr veneo da Dubarry, recusou 1 Oh he mu
rasgo magnifico, e os Parisienses Ihe drvrm um arco de
triumpho ; mas o choque era violento, e nosso amo a-
cha-se enfermo ; toma bem cuidado nelle. '
Raft, drpois drstas poucas palavras, cujo alcance cir-
culalivo onliecia d'ante-uio, voltou para o seu g- -/
bnete.
Um quarto d'hora depois, toda Versalhes conhecia a
nobre conducta e o patriotismo generoso do aiarechal,
que dormia profundo somno sobre a popularfdade qu<
Ihe acabava de alcatifar seu secretario.
(Continuar-M-ho.)
MUTIL


!
=*
I
.-O beneficilo Matliias Antpnio Cezr dectara
,0 publico que dcixou de ir scena o espect-
culo aniioneiadoparao -lia 20 do corrente em vir-
4111I0 da repentina molestia do actor o Sr. Jos Ma-
' ximo C ibral, o qual fui assislidu pelo Sr. 'iguel; po-
rcm o dilo espectculo ir o aren, no domingo, 24
rlncorrente^ o ser annunciado por esta mesma
f0l.8s meios bilheles ns. 132,135.1.216 e 1,225 da
.ejjunda terceira parle da decima oitava lotoiia do
iliealro publico annunciada para correr no dia 23
do corrento pertencom a Rosa Fmza Lima da ci-
dade do Araeaty.
.-'Precisa-se alugarum preto ou molecote que
lo lenha habilidades, par andar ao servico do
interior de urna casa : na ra da Cadeia do Reclfe ,
n 32 coma entrada pela run da Senyalla.
- Precisa-so de pretas que vendam pflo de venda-
cem na ra do Burgos no Forte-do-Mallos 11 38.
.-lugam-sodous bons canoeiros ou paja qual-
quer outro servio : na ra de S.-Francisco. no pa-
~ Jos Francisco Bclm pretendo retirar-se para
onde Mo convier quem so julgar com qualquer ne-
cocio Ihe aprsente sua conta para ser pago imme-
iatamente.
-- Joaquim Goncalves Bo't'-'10 sciente a quom
Intoressarquemudoua sua venda, sita na ra do
Livramento. para a ra Direila, n.18.
Um c> d'igoa toio braneo.
Desappareceu um cflod'agoi todo branco : quem
o adiar far o favor de mandar entregar na ra da
S -Cruz n. 38, ou na ra doQueimado n. 27, que
ser generosamente recompensado, se o exigir.
Preeisa-se de urna ama que entenda do colindar
e fazer o mais servico do una casa de pouca familia :
na ruada Cruz, armazem n.48.
-- Prccisa-s rtigsr mu iiiuique quo sama idcor
compras, o o mais necessario de urna casa de pou-
ca familia : ua ra da Cruz, armazciri n 48.
pede-se aoSr. V. Letelier o favor de dirigir-.se
a ra do Queimado n. 18, segunda luja.
--/liuga-se, peio lempo da esia um sitio no
Cordciro, com baixa de capim a'rvores de fruclo e
> hurta I ice, boa casa de vi venda estribara para 3
f*e\a\loa, scnzalla para cscravos o ludo quanto he
de commodidado para urna familia : irata-se na run
doQueimiido 11. 4.
O Dacharel Manoel Firmino de Mello precisan-
do ir ;'. provincia 1I0 Ceara a tratar de sua saile ,' e
11S0 podondo pela rapidez da viagem despedir-se de
lodos os seus amigos particularnieute por isso o
faz poresle meio,' offerecendo-lhes naquolle lugar o
seu pequeo prestmo.
--Precisa-so do urna prcta-para o servQo de urna
casa eslrangeira que entenda alguma cousa do co-
zinha : na ra do Vigario, casa de Kothe & Bc-
doulac.
Hegratii
para quem quzer mandar buscar urna ponjilo de
ralice para entulho sonde oram as catacumbas da
irmandadede S. Jos 'la Agona.
~Offerece-se urna ama com inuito bom leite, o
que he nimio cuidadosa : na ra das Cruzcs, n. 18.
Antonio Augusto Piulo de Siqueira retira-se
para o Kio-de-Jnnciro.
Precisa-sede um caixeiro portuguez de 12 a
14 anuos, para urna venda : ua ra da Florentina,
11. 30.
-- OfTorece-so um homem casado sem filhos ,
para administrador de engenho do que lem bas-
tante pratica o qual da fiador sua conducta
quem de seu prest no so qizer ulilisar, dirija-se
a ra larga do Rozario, n 35, ou em Meranguape ,
emeasado Sr. Baixa.
Melctior Jos Comes retira-se para frn da pro-
vincia.
Aluga-se para o lempo de festa no lugar do
Monleiru tima casa beir do rio Capibaribe. ten-
do porta bastante alta, terrado na frento, salas gran-
des, dous corredores, sendo um delles para serven-
ta da casa independenle cinco quartos, cozinha,
euario com tarimba para prelos estribara para 2
cavados, no fundo um quaito para despejo quintal
murado : a tratar no Alerro-da-Boa -Vala, n. 37.
--Quem annunciou querer hypolhecar urna casa
por 500,000 rs. annunoiesua morada.
Precisa-so do urna ama que nfto ande do limito,
equesaiba engommar: na Camboa-do-Carmo, n.
3j sobrado por cima da venda.
Aluga-se o segundo ondar da casa, sita na ra
Imperial, n. 65: a tratar com Dellino Concalves
Pereira Lima, na ra Nova, 11. 42
NOVO PAO DEPBOVENgA. 1


Vendt-11 lodo 01 da.
O proprielano da padaria epastellaria franerza
do Aterro-d.i-Hoa-Y'ista, n. 50, desrjando agradar
cada vez mala aosaeu freguees, resol vi'u offere-
cer-lhes um po que e fabrica em Provenca por
um processo inulta difieren, le do ordinario, e que,
eiigiudo lariiiba das melbore* qualidades, mere-
ce a preferencia do publico, pela sua alvura,
pureza e delicadeza de ua fabricaco.
So te arao pes de 40, 80 e 160 rs., e ter fcil
conhcct-los pela ua forma oblonga e elegante.
Na niesiiia casa contina-e tambem a vender
bolinbos para cha de todas as qualidadei, e tam-
bem a enfeitir bandeja ricas para bailes e ta-
raos.
pali

i
fi
5
&--- id
O Hiinuncio das iniciis J. C. L. nao se entende
cornos Srs Joo "arlos Lumachi e Jaimes Carlos
Leite.
CHAPEOS DE SOL j
Ra do Pmseio-Publico n. 5.
O fabricante dcitc estabeleclinenlo adverte ao respel-
tavel publico desta cldadc que elle ,iossue presente-
mente um rico sortlinento de chapeos de sol, asiim
como chapen de sol de eda lurta-cre, dos nials rico
que teui apparecldo nesle mercado e de cores conhe-
cida ; ditos para senhoras de bom toin adamascados ,
lavrados com sua competenta franjas de retro, tu-
do que tein de mais moderno c do uielhor gusto ; um
completo sorlimento de chapeos de sol de pannlnho de
todas a cores e de lodos os tainanhu para hoirjens ,
fenhnras e meninos ; ha tambem' igual sorlimento de
fairndas para cobrlr arm.ifes ,'tanto de seda de core
como de panninho trancados e Usos imitando seda. Ad-
vci'if-nc que os freguezessern servido com brevldade,
e se achnrao satlifeito da boa qualldade, do bom golto t
do prego
) Alngam-sc dous sitios com multo boas acoinmoda-
' (fies um na campinha da Casa-Furte e oulro na ra
da dita povoacao com cochelras e cavallarlce ; assitn
como varias rasas, de preco cominodo para se paa-
ar a fciia : a tratar na ra do Ainorlm, n. 15.
Aluga-se urna grande casa terrea na ra Impe-,
rial. com duas salas, sete quartos, cozinha fra,
quintal murado e cacimba : a tratar narnadeSan
GonQalo, sobrado n. 29, das onze horas em diante.
O anniincio das inicaes J. C L. nilo se entende
com o Sr. JoSo Carlos l.umache.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado n. 59,
sito na ra da Cadeia do Recife : a tratar no mesmo
sobrado, segundo andar.
Precisa-sede pessoas que queiram trabalhar
de eneadernador, ou mesmo rapazes de menor ida-
da, que queiram aprendrosla arte mediante um
trato rasoavel: na ra de S.-Francisco oulr'ora
Mundo-Novo, n. 66.
L'm rapaz queja ha servido de cscrevente de
differentes carlorios e gosa ter boa lettra seofTe-
rece a'qualquerSr. advogado para copear rasOes, e
bem assim loda a qualidadede escripturaQo : tu lo
slo com modilicacHo em seus ajutes : quom o pre-
tender dirija-se a ra do Rangel, sobrado n. 9.
~ Precisa-se de um feitor para engenho que nao
lenha familia : na ra Nova, armazam n. 67.
Aluga-se o bem conhecido sitio na estrada do
Cordeiro de Nono Maria deSeixas, s proprio para
algum negociante eslrangeiro ou oulra pessoa que.
lenha tratamento : na ra do Amorlm, n. la.
Nos dias 22 e 26 do corrente, perante o Sr Dr.
juiz do civel da primeira vara, na sala das audien-
cias, depois desta, se ha de arrematar, por serem as
ultimas piacas, o engenho Goinbeira, moenlo e cor-
rente com safra criada e todos os seus utensilios ,
constantes do escriptoem poder do po'rteiro Serra-
Grande, o qual, alm de ser perto desta praca, na fro-
guezia de Santo-Amaro-Jaboatilo, he de ptima pro-
dcelo : quem o pretender comprela.
Vai praca para ser arrematado
pelo que der, salvo a approvacao do juiz
competente e para pagamento dos credo-
res do fallecido Joaquim Antonio Ferrei-
ra de Vasconcellos, oseguinle:
Urna casa de sobrado de um andar eso-
tao, com 35 palmos de trente e 8> de fon-
do, ac i liad,, e habitada, com um viveiro
de peixe, quintal em aherto, com 191
mos de fundo, em chaos de foro
Outra dita pega-Ja mesma, de iguaes
dimencoes, acabada por fra, com caixi-
Ihos e envidracada, e por dentro smente
Ira vejada, com camba pelo centro do
quintal com os inesmos fundos da outra.
Um caixSo d'alicerce pira duas mora-
das de casa, de 62 palmos de frente C]-i
de fundo, com quintal em aberto que com-
prehende a mesma camba.
Finalmente, um terreno no mesmo a-
linhamento, com os competentes fundos
e camba, que fien no centro do quintal,
ein chaos de foro: tudo situado nfrente
da estrada que vai para a Magdalena, fa-
zendo esquina com a que vai pira o Re-
medio.
Esteftpredios, situados em urna posico
muito alegre e de grande transito, offere-
cendo proporedes para qualquerestabeleci-
mento, serao arrematados no dia quinta-
feira, 28 do corrente mez de setembro, s
10 horas da manha, na praca do Com-
mercio; e tambem vendem-se amigavel-
mente; podendo os pretendentes dirig
rem-se ra da Seuzalla-Velha, n. i38.
Na fnndicao grande de S.-Amaro, vendem-se
arados de ferro, pelo modelo inglez com sobresa-
lenlo a 70,000 rs. ditos pelo molde americano a
50,000 rs.
~ Precisa-se do um caixeiro para venda, do 12a
15 atinos com pratica ou sem ella e que de fiador
a sua conducta : na ra do Colovello, n. 31.
No Aterro-da-Boa-Vista, n. I, precisa-se de urna
preta captiva para o seaviijo de urna casa de pouca
familia.
Aluga-s, por festa ou annualmente, urna gran-
de casa no PoQo-da-l'anella com duas salas, qua-
tro quartos, cozinha fra muito fresca e com um
sitio com diversos arvoredos de fruclo e baixa para
capim e plantacOes : a tratar no sobrado confronte
a ribeira da Boa-Vista, n. 7. .'
Hojo, 22 do corrente perante o Sr. Dr. juiz do
clvel da primeira vara na sala |das audiencias ,.dc
pois desta, se ha de arrematar urna paitada casa n.
10, do liccco do Marisco sendo dita parte 32,590
j-s., correspondente a 800,000 rs .emquefoi a casa
no todo avallada : quem a pretender comprela ,
que he a ultima praga.
-- A prcla l.uiza annunciada no Diario n. 208 ,
de 19 do corrente por execu^So de Joaquim Jos
Fcrreira-, (icou espadada a arrematadlo para o dia 22
do corrente, as 12 horas da manhaa na casadas
audiencias : os pretendentes lugar dia e horas indicadas.
Precisa-se entregar urna carta de importancia
ao Sr. Dr Joao Florines Dias e como se ignora a
sua morada roga-se-lhe do a annuuciar.
Os Srs. Jos Antonio de Azevedo e Joaquim
Augusto da Silvadirijam-.se a ra do Queimado, n.
14 a negocio de seus interesses.
Troca-se urna casa na ra da Gloria da lloa-Vis-
la com 22 palmus de largura muito bom fundo ,
bom quintal, e 8 palmos e meio de terreno annexo,
que ludo da urna grande casa ou sobrado por ou-
tra no mesmu bairro ou no deS.-Antonio, que sa-
ja glande e nlo em ra mui deserta : volta-so o que
l'oi'justo : quem este negocio quzer fazer anuuncie.
Na mesma casa vende-so um lindo cavallo gordo,
grande, muito bom andador debaixo a meio e forte ,
com todos os apparelhos novosdo montara al es-
poras.
Manoel Marques das Naves e Jos da Cunta re-
tiram-so para forado imperie.
Aluga-se urna casa no curtume das Cinco-Pon-
tas propria para salgadeira 1 na ra Imperial, so-
brado n. 39.
HOTEL-COMMERCIO.
Esteestabelecjmenlo, silo na ra da Cadeia da
rresuezia deS -Antonio na propriedade o. 13, adia-
se augmeniado de commodos independemos o de-
centemente mobiliados, para hospedes com fami-
iase sem ellas, e para pessoas que exijam menos
tratamento. O segundo andar do referido stahele-
cimento offerece as precisas commodiJa les para
bailes e partidas. A posicao da casa em situacfto
fresca o aprasivel vista e enllocada no centro da
cidade concor erra a ser preforivel a outros esta-
liclcci nclitos st'mp'.liantcs. Os precos serSo mdicos,
em relacSo as proporcOes que seollerecem.
Compras.
Compra-se um methodo para piano, mesmo
com uso : na prar;a da Independencia n. 17, se di-
r quem compra.
Compra-se una escrava que seja boa engom-
madeira, costureira carinhosa para meninos e nlo
tenbaviciosnein achaques: na ra doQueimado,
esquina do becco da Congregarlo segundo andar.
Compram-s escravos que sejam ollicias de car-
pina, de 18 a 25 annos e de boas figuras ; pagam-se
bem sendo do bons costumes e peritos no seu olll-
eio pois silo para urna encommenda do Itio-de-Ja-
neiro : na ra do Amorim, n. 35, a fallar com J. J.
Tasso Jnior
-- Compra-se o stimo volume da historia do D.
Quixote, ou vonde-se a mesma historia em oitavo
volumo sem o stimo na ra Cadeia, n. 23.
Compra-se um preto do meia idade e que nilo
lenha achaques -. na ra do Colovello n. 31 ou an-
uuncie.
-Compra-se cera amarella : na ra da Cadcia-Ve-
Iha, n. 3.
Vendas.
B^* COMPRA VANTAJOSA. ^
Vendo-se urna morada de casa de dous andares ,
com duas lojas, mui bem fundada muito fresca ,
com grande quintal eonimodo para grande familia,
em bom estado, iivre e demaibaracada qualquer
11 ti ns por preco rasoavel; faz-se todo o negocio ,
segundo o oslado do lempo : vonde-so no todo ou
em parle : na ra do Crldeireiro n. 62.
^otMANT/Me
Ruada.Cruz .\:>)J.
Nesto annazem, oncnntraro os fumantes do bom
totn os melhorcs charutos que ha no mercado, vindos
pelo vapor Bahiana. As qualidades silo :
Producto de sement de Havana
San-Felix (verdadeiros;
Emilios
Melindres
Cahanos
Primores
E Qutm fumar taber.
No mesmo armazem se vendem por precos que n3o
espanta 111, os seguintes gneros excellenles e novos
presuntos para fiambre, tanto inglczes como de
Weslphalia ; sardinhas e hervidlas, muito novase
em latss ; licores finos em garrafas com roldas de
vidro ; ditos em garrafas communs ; marraschina ;
vinho de Champanha, Bordeaux,Sauterne e Porto em
garrafas ; excedente cerveja branca e preta em gar-
rafas c me i as ditas ; azeite doce refinado, em garra-
fus ; conservas de todas as qualidades muito fres-
quinhas"; frascos com fruclas em espirito ; esper-
macete de varias qualidades; queijos flamengos no-
vos ; cha hysson superior muito barato : alm des-
tes gneros outros mu i los proprios Astea estabe-
lecimentos.
Vende-se urna excellcnte canoa,
propria para familia, por acommodar'iGa
20 pessoas, pintada, com cadeira de en-
cost, bancada em roda, estrado no fundo,
e digna de quem ti ver bom gosto; urna ou-
tra tie carreira, de um s pao, com 35 pal-
mos de comprida e grossura sufficiente pa
aa abrir : Irata-se em Fora de-Portas,
com Joao Francisco Teixeira.
Vendem-se 3 caixilhos para fiteiro ou armario;
4 varaes de Jacaranda por todo o dinbeiro na ra
doCaldeireiro, n. 62.
Vende-se linla em oleo branca, azul, verde, a-
marella c preta, por prero commodo : em casa de
Adamson llowie & Companhia, ruado Trapiche, n.
42. Os mesmos tecm para vender plvora ingloza, de
superior qualidade, em partidas de 10 barris para
cima : tambem por preco commodo.
Vende-se urna excedente canoa de carreira : na
ra do Collegio n. 8, terceiro andar.
TIJOLOS DE MARMORE.
Vendem-se lijlos de marmore, brancos eazues,
por commodo preco 1 a fallar com J. Saporit, na ra
da Cruz, n. 18.
Vendem-se 1 aecesda companhia
de. Beberibe, pelo valor em que esto,
por ter seu dono de retirar-se para fra da
provincia : na prar-a da Independencia, ns.
Ge 8, se dir quem laz o negocio.
-- Vende-se um sitio com casa de vivenda e ar-
voredos de fruclo todos novos, com 80 palmos de
frente foreiros, e mais 25 palmos proprios no lu-
gar da Casa-Forto que deita os fundos para a es-
trada do Arraial une he murado e lica pegado 11
casa do Feriflo, por preco commodo I na ra da
lloda 11. 48.
ACOA DE TINCIR CABELLO.
Conlinua-sii a vender agua de tingir cabellos e
sulsaas: na ra doQueimado, n. 31. O meihodo de
applicara ilila agoa acompanha os vidros.
Vcnde-se superior fumo coi folha, chegado
ltimamente da Haba : no caes da Alfandega ar-
mazem n. 3, a tratar com Silva & Grillo.
Vendem se os verdadeiros charu-
tos de San-Felix; na ruado Queimado, n
17 : do-se amostras aos compradores.
Vendem-se na ra Nova, n. 35,
duas violas francezas, e um meihodo por
Carullv, por preco commodo.
Vende-se, ou troca-se um mulatinho de 12 an-
nnspouco mais ou menos, por um moleque ou
preto que trabalhe de enxada voltando-se o que se
aiustar : na rus da Cadeia do Recife, n. 14.
Vende-se urna escrava de 18 a 20 annos de Do-
nita ligera que coso, c engomma perfeilamento :
na ra larga do Rozario, n. 36 botica do Bartholo-
meu Francisco de Souzn.
Gotas egypcies. .
Remedio sem igual para a dor de denes, ja bem
condecido no Rio-de-Janeiro e as provincias do sul,
pela sua efficacia em alliviar rpidamente a dor mais
tenz.qur soja,motivada pela carie.qur por intlam-
uiacilo; mas s a experiencia do uina nrova Ihe da-
r o devido mcreciitlento. Vende-se no esenptono
de Novaes & C, ra do Trapiche, n. 31.
Vendem-se 3 sacadas de pedrada torra, urna
cama de angico com seus colchaos usada 2 pares de
dohradicas grandes de chumbar, duas bacas gran-
des de rame 1 laixo um annaiio urna mesa 8
ricos quadros para sala urna marqueza, um bahu ,
um sellim urna mala urna roesinha de sapatoiro ,
urna frasqueira, um lustro de meio de sala um can-
dieiro de laio 2 tomos das Noitcs do Voung urna
Orthographia do Madureira : na ra das Larangei-
ras, n 29.
Na ra Nova, loja de alfaiate do Monoel do Am-
paro Crj. n. 18, ha para vender obras feitas de to-
das as qualidades, tanto finas, como inferiores : as-
sim como um sorlimento de pannos finos de todas as
cores o qualidades, e toda e qualquer fazenda que
fr precisa para fazer qualquer obra do encommen-
da, etc. Na mesma loja- precisa-se do ofllciaes do
mesmo officio.
Quem deiiar de comprar a
dinheiro
pelo muito barato preco o scguinle calcado : botins
francezes para bomoin a 5,500 rs. o par; ditos de
Lisboa a 3,000 r. ; horzeguins gaspoados para ho-
mem a 5,000 rs.; ditos inglczes u 4,500 rs. ; ditos
francezes par;, senhora a 3,200 rs ; sapaios ilose-
lim branco para senliora a 1,700 rs. ; ditos de lus-
tro a 1,800 rs.; ditos de duraque a 900 rs ; dilos
de lustro para meninas, a 1,000 rs. ; ditos de dura-
que para ditas a 600 rs. ; ditos de marroquim a
500 rs.; ditos de lustro ts de una sola para homoui .
a 1,000 o 1,600 rs.; ditos do marioquiui para ho-
inem a 800 rs. ; ditos de lustro c. marroquim rom
clcheles para meninos a 500 rs. ; ligas de seda
liara senhora, a 800 rs. ; agulbeiros do niarfim para
senliora na ra da Cadeia do Recife 11. 35.
Na ra do Vigario, 11. 24, vende-se bolacha a \jf
rs. por arroba, muito boa para o sustento de ani-
maes.
Vendem-se queijos londrinos os mais fresesae
que ha no mercado ; latas com bolachinhas de ara-
rula ; dilas com hervidlas ; litas com sardinhas:
na ra da Cruz, no Recife 11. 46.
EXTRACTO DE SALSA PARRILIIA CONCEN-
TRADO DO DR. MEAD.
lia qualro annos desde que esta superior prepara-
c.ni de salsa parrilha foi conhecida no Brasil, princi-
palmente ao sul,onde he conhecida como um dos mo-
ldures remedios para todas as molestias produzidas
pela impureza do sangue, como sejam escrfulas ou
alporcas, molestias syphilicase mercuriaes, rheu-
matismo, chagas ulcerosas, tumores brancos, do-
encas do ligado e da cutis, debilidade geral, ele ; a
he tambem recoiT.aicndado para as molestias interio-
re, em que se suppOem os peitos e bofes atacados,
ebem assim n'aquellas om que a constituidlo esti-
ver arruinada pelo uso exagerado de preparaces
mercuriaes. As curas que teem cfTuctuado nesias
molestias silo tao numerosas e completas, quoalli
tecm ganboo titulo de verdadoirorestaurador da sau-
A grande procura desle exceilcnlo ineiiicamen-
to para as provincias do norte, induzin os agentes*
geraes no Rio-de-Janeiro os Srs. R. C. Yates & C. a
eslabelocerom um deposito nesta cidade, ra do
Trapiche, n. 34, escriptorio de Novaes & C. Cusa
2/000 cada frasco envolto no seu competente reeei-
tuario.
Vende-se oca amarella, de prtmeira
rpjalidade, a 600 rs. a arroba; pos pretos
a 3,56o rs. a arroba ; na ra da Cruz ,
n. i*
Vende-se, a dinheiro ou mesmo a prazo com
boas firmas, a venda nova da ra do Rangel, n. 8,
por seu dono precisar ir para fra tratar de sua sao-
de sendo o aluguel dn casa barato : tambem se to-
ma um caixeiro que saiba desempenhar o seu lugar
e que d fiador a sua conducta, dando-se um terco
dos lucros.
Firmino Jos Flix da Rosa lem para vender
excedente vinho da Figueira em pipas e barris : os
pretendenles todos os dias pdem tralar com o mes-
mo no caes da Alfandega, ou no seu escriptorio,
na ra do Trapiche ,11 44 aonde tambem vende
lindos vasos para jardim.
Vende-se, na venda de Joaquim
Correia Rezende liego, no largo do Li-
vramento, n ao, superior cal de Lisboa,
em barris de 4 a 5 arrobas, a mais nova
que ha, viuda pelo ultimo navio, por pre-
co mais commodo do que em outra qual-
quer porte.
Vende-se um escravo de naco, de bonita figu-
ra : ao comprador se dir o motivo da venda : na
ra do Queimado, segunda loja, n. I*.
Vende-se um moleque de 18 annos de bonita
figura sem vicios o com oflicio de sapateiro por
preco commodo na ra Nova, n. 67.
No armazem da ra Nova, n. 7 ha um grande.
sorlimento de movis como bem cadeiras de pa-
Idi 11 da a 24,000, SO* 36/, 40,000 45,000, 58,000 ,
70,000 e 84,000 rs. ; sophas do Jacaranda e de oleo ;
coniinodas; bancas; mesas do meio de sala e d
jantar ; carloiras de una s face e do viagem ; eslo- -
jos para na va I lias ; espellios ; e 011 tros nimios Objec-
los quo vista dos compradores so farflo patentes :
tudo por pre^o commodo afim de serem bem ser- >
vidos os freguezes.
-- Veode-ae vinho do Porto multo superior em
dpas e barris dequarto e oitavo, proprio para engarra-
ir ; dito mal inferior, tambem em pipa e barr de
quarto e oitavo ; cevada ; painco ; peneiraa de rame ;
retroz do Porto, sonido ; fecksdura para porta de ar-
mazem coeiros de algodo ; pllulas da familia ; anco-
relaicom azeitona ; meiaidc lindo e de algodao paral
homem ; panuo de lindo: tudo por preco commodo : na
ra do Vigario n. II casa de |Franclsco Alvcs da
Cunba.
LADO
t



,A
-
v
8^>Vende-se urna moleeota de 13 a 13 annos. de
bonita figura muito reforgada e sadia sem vicio
mu achaques o que se afianca a qual ensaboa ,
faz (pilo o servigo lie um casa e tem alguns princi-
pios de engominodo : vende-se por nflo so precisar
di lia : na ra de Moras, casa terrea n. 62.
Vcude-se un pequeo sijiocom casa de pedra
ocal no lugar da Capiiugn com varios arvoredos,
na esquina que vai para a llaixa-Verde n. 30 : a tra-
tartar no Mondego, venda n. 7*.
Vende-se urna luja com armado moderna e
fazendas, na ra do l'asseio, n. 17, ptimo lugar
para se vender a retalho.
-- Vendo-*c a venda da ra Nova, n. 71, sendo a
melhor do hairro do S.-Antonio, por estar no porto
das canoas o ser muito afreguezada para a trra : a
tratar com Domingos Jos da Cunta Lagos.
DESCOBRIO-SE AFINAL
o nico e verdadeiro medicamento para a cura da
phlvsiracm lodos os seus dilTcrenles graos qur
motivada por algumas das seguintes molestias: cons-
tipacfi-s, tosse, asllima, pleuris, escarros de sangue,
coqueluche dr molestias dos org;1os pulmonares. Este oxcellente
medicamento he o xaropo do bosque, j bem co-
ntiendo nesta provincia pelas grandes curas que
tem effeituado, o que prova a grande extraogflo
que tem tido, e ter sido receita lo por alguns. pro-
fessores. Eni New-York onde primoireiramente foi
inlroduzido pelo leu digno autor, doutor Multa, fez
curas quasi milagrosas as ilHTerentcs molestias
cima mencionadas, o quoo induzio a mnnda-lo
par.i o Brasil sendo a sua prmeira introdcelo no
Rio-de-Janeiro, ondo tem produzido os mesmos
effeitOS quealli.
Vende-se nicamente no deposito da ra do
Trapiche, n. 34, escritorio de Novaes& Companhia,
ena ra da Cadeie do Recite, luja do miudezas, n. 9.
Vendein-se dous pianos furtos de Jacaranda ,
chegadus ltimamente, que, alein de seren um
magnifico ornato de una sala, teem cxcellenles
TOzes sondo o meclianismo da muita approvada no-
va invcncn chamada rt-nidor patente di Gol
Ir.i,l: eni casa de J. Keller & Cornpanhia na ra da
Cruz, n. 55.

O dono dcste estabelecmento,vcndo-se em clr-
cumstancia* de Ihe ser prcciio relirar-se para a
3S huropa precisa primeiro pagar a seus credo-
$5 ri'S. e para eti'eituar este pagamento o mais
^ breve possivel olterecc algum abatimento a
Vlj ( m ; .issiui cuino leui resulvidu vender ludas as
-1 fazendal por diminuios precos, a saber : pecas 4
'':< de madanulio, ni// 2/U00, 3/200, 3#500, 3/700.
gg '!#!)00e 4/rs. ; dilas de chita* escuras, finase
S euire-tlnaf, de cores filas a 4/800, >f, 5/500 ,
33 (^ e 6/500 rs. ; dilas multa superiores eulran-
-4->j di .-ligninas de cubera, a 7/ rs. a peca c a 190
;_ rs. o covado ; alpaca, a 600 rs. ; lila larga, a 380
K is. ; ca/.inrla prela a 1/rs. ; los linos e grau-
g .les de liuho, a 6/400 7/ e 7/500 rs. e-bales
j grandes de garca a i/'JUU rs. ; dilos de chita a .
* jgj ile superior qualidade, a 3/rs ; inanias de cam- j
- Iji ii.i para senhura, a 1/ rs. ; luvasde pellica, j
eda e algodao, para bonieui, a 320 rs. ; pesco-
5^ cinhoi e golas de bonitos gustos, a 240 c 320 rs ; |
. 3 hitos frauceies, inglezes eda Ierra ,ealguus de
g de seda prela, a 120. 160, 200, 240, 320. 4(10 e 640
I is. ; lencos de cauri para grvala a 200 rs. ; dl-
:'> los de inuilas qualidades para bomeiu .- te-
V nhora a 180, 20, 240, 300, 320, 360. 400, 480 e .
500 rs. ; suspensorios a 40, 120 e i60 rs. ; dilos
lino de borracha a 200, 240 e 260 rs. ; garca
de seda muito larga emn flores domadas a 240
. rs. o Ouvadu ; cassa da ludia,a 400 e 480 rs. a va- S
jj ra ; merino fino e enlie-lin.. a 1/800 2j000 e
g 2/500 r. ; pannos finos, a 3/800.4/ c 4/5UO rs.
3s e nutras militas lazendas que nao se anuiinciam
Vj por uceupar muito lugar as quaes se veudein
j indas .mu.i nietmo com grande prejuizo >
?i aliui de se acabar com o dito cstabrlecimcnlo ,
vo o qual lambem se vendenn esladoquese acha,
y havendo quem o qurira comprar anda ines-
i ii.ii a praxo com huras de Urinas que agrada-
}(>; rcui a seus credores.
m
Vende-se una linda mulatinha de 7 a 8 annos ,
com principios de costura; um molecote de 22 an-
nos que lie carreiro e muito esperto para enge-
nho : vende-se para pagamento de urna divida: na
ra Imperial junio a nova matriz, n. 3.
Vendem-se sellins inglezes elsticos e sem
serem elsticos de patente forrados do couro de
porco, muito fortes, por lerem dous ferros na ar-
mado ; sellins promptos para pageos, muilo for-
tes ; cabezadas inglezas roligas ditas do lustro,
brancas e prctas ; macas de couro de lustro sem se-
rem forradas de ppenlo; ditas brancas sill; hOes
para montara de sen hora forrados" de couro de
porco inglez ; brides de parafuso modelo da Itahia;
e ludo o mais quo pertouce o mesmo estabeleci-
mento por prego comuiodo : na ra Nova, n, 28 ,
defronte da igrcja da Conoeicflodos militares, loja
de Antonio Ferreira da Costa Braga.
Vendem-se bolinhosdc diirerentes massas : na
ra e.strcla do Rozario, n. 13, por cima da pedirla.
Alpaca alcorhoad.1, a 8oo rs. o covado,
vende-se, na loja que fazeiquina para a ra do Collc-
gio ii.5, de Guimares t Companhia, a nova alpaca
alcochoada vinda de Lisboa fazenda uteiramente
nova nesla cidade prela e cor de caf, de 4 palmos de
largura, pelo barato preco de 800 rs. o covado.
Vende-se 11 m moleque do boa conducta o que
se atranca i be ecommeiidado a ser vendido a pes-
soa coiihecida por ser digno de ler um Lom senhor:
na ra Direilu, n. 16, esquina que v.olta para S -Pe-
dro se dir quem vende.
Casimiros elsticas.
Vendem-se superiores corles de meia casimiras els-
ticas de pura 15a, pelo barato preco de 2O00 e 3/000 rs.
SoTge1d,en"lIti: nan0a 'Ja H***& a ra do
Vendem-se acedes da ex-
mela coinpanliia e Paraktba: no escri ptorio de O-
liveira lrmos & C, rua da Cruz,
n. 9.
FARIM1A DETRIF.STE.,
marca verdadeira SSF, chegada ltimamente: vende-ae
em casa de N. O. Bieber te Companhia, na rua da Cruz
n. 4.
Vende'in-se queijos londrinos e presuntos para
fiambre chegados prlo ultimo navio de Liverpool ;
hei vilh.is pruprias para sopa ; vassnras para varrer sa-
las : no armazem de Davis te Companhia na rua da
Cruz, n. 7.
Vende-se ca/ virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do que em otitra qual-
quer parte : na rua do Trapiche, arma-
zem n 17.
Vende-se cal virgem de Lisboa., em barris de 4
arrobas chegada pelo ultimo navio, por preco commo-
do : a tratar com Almeida & Kouseca, na rua do Apollo
A i.s'ooo rs. ,
ancoretas com azeitonas superiores : ven-
dem-se no caes da Alfandega armazem
n 7, de Francisco Dias Ferreira.
Os antigs riscarios monstro.
Na loja de Guimares Se C. rua do Crespo, vendem-ae
os bem conheridos riscados moustros de padrdes muito
modernos, e que teem quasi urna vara de largo,pelo ba -
rato preco de 320 rs. cada um covado.
CHA' HYSSON,
de ptima qualidade a 2/240 rs. a libra : na rua da
Crui, no Recite armazem n. 13.
Vendem-se barris,
em porco emoem barris
~ Vende-se, para fra da provincia ou para al-
gum engenho urna escrava de 20 annos, de nneo
Angola que engomma e cozinha: na rua Nova ,
n. 16.
Vende-se um moleque do 8 annos, muito lin-
do : em Fra-de-Portas, rua do Pilar, n. 19.
-- Compram-se potes degrax o de tinta vasios e
frascos que tiverom sido de agoa do Colonia : na rua
da Cadoia loja de miudezas n. 17.
No Uerro-cla-Boa-Vista, n. 45,
loja de louca vidrada,
vende-se um par de jarros de crystal lapidados, pa-
ra enfeites de sala e flores por 12,800 rs. ; Historia
do Brasil, com finos retratos dos antigos descubri-
dores e restauradores, em bom ppele typos ; dita
romana desde a fundacSo de Roma traduzida do
inglez para portuguez do doutor Goldsmilh, sobre
a duodcima edico ; o verdadeiro rap Meuron, em
libras, meias ditas e a retalho este csiabelecimen-
to vende ate as 9 horas da noite.
com 11 re 11 tanto
; na na do Tra
3G, em casa de lYlatbeus Aus-
srs qui-
pe nnts de
duque
piche, n
tin&fi.
Na rua da Cruz n. 2fi. vchiIa-ca
ilacSo de contas, sola, cera de carnauba,
ema e chapos de palha por menos prego
em outraqualquer parte.
Vende-se muito superior biscouto francez de
Rheims : na rua da Cadea-Velha, n. 29
Taixas para engentaos.
' Na fundicio de ferro da Fra-de-Portas, contina
a haver um completo snrtimenlo de tai xas do ferro
coado de todos os lmannos por preco commodo.
Ka loja de Uanoel Io.iquini
Pascoal Raines, no Pawseio
Publico, n. 19,
vendem-se as seguintes fazendas : pannos finos pre-
to,a 3,000, 4,000, 4,500,5,000 e 5,500 rs. ; pegas
je madapolitoliiio, a 3.00, 3,500, 4,000, 4,500, 5,000
e 5,500 rs. ; chitas escuras a 140, 160 e 200 rs. o
covado ; ditas linas a 2t0, 260, 280 e 320 rs. ; man-
tas de seda a 12.000 rs. ; riscados francezes a 200
rs. o covado ; cortes de lita, a 2,500 rs. ; ditos do cas-
sa-chita a 2.000, 2,500, 3,000 c 4,500 rs. ; chales de
seda a 9,000 rs. ; dilos de metiin a 1,000 rs,; pel-
|e do diabo a 200 rs. o covado; castores de todas as
qualidades a 200, 240 e 320 ; lencos de seda a
1,000c 1,600 rs. ; cortes de colletes de porgurio
preto a 4,500 rs. ; dilos de fustflo a 1,000 rs. ; es-
guiilo fino, a 2.000 rs. a vara; sarja prela, a 2,000
e 2,500 rs. o covado ; cortes de casimira a 6,000 rs.;
brim branco de puro linho a 1,800 rs ; dito pardo,
a 1,600 rs ; ditos de cores a 1,000 e 1,500 rs. ; chi-
tas de cubera a 2f>0 rs. o covado ; chapeos de sol,
deseda preta a 5,500 o 6,400 rs. ; merino lino a
3,500 rs. ; cassa lisa a 360 rs. a vara ; Chalos de lila,
a 1,200 e 2,500 rs.; pecas do platina de ulgodflo, a
4,000 rs.
Vendem-se chapeos de castor branco a
4,000 rs. : na-riia do Queimado, n. 23.
-- Vendem-se pegas de madapolo com 20 varas,
muito laigo c multo etuorpado, a 2;800, 3,000e 3,200
rs. ; chita para cnlierla a 160 rs. a retalho; roupa
fela para escravos isto he jaque tas, caigas o cami-
sas : na rua do l'asseio loja ti. J7.
O verdadeiro systciDa para cu-
rar vista curia
ou cansada no se cncontra na homceopalhia, nem oa
allopalhia porm sim em oculos apropriados os
quaes se vendem na rua larga do Rozario, loja de
miudezas, n. 35.
Vendem-se galoesde ouro verda-
deiro, de lodas os larguras, e mais barato
do que ern oulra qualqur parte : na rua
'arga do Bosario, n. ->.l\.
FAHELO
a 3s'ooo rs. a sacca
nosarmaiens ns. 1 e 3 do caes da Mfandega, e no de n.
35 da rua do Amor i m, de J. J 'l'asso Jnior,
Riscados moustros.
Vendem-se superiores riscados inonslros, j bera co-
ndecidos tanto pela qualidadr como pela largura em
demasa, pelo barato preco de 280 rs. o covado Rsles
riscados sao chegados ltimamente : as cores sao Haas,
e os padres muilo mc.dernose de bom gosto : na nova
lujada Kstreila da roa do Colleglo, n. I.
Vendein-se barris pequeos com cal rirgeinde Lis-
boa, a mais nova que ha no mercado, por preco com-
modo : na rua da Mnd.i armazem n. 17.
Vende-se urna casa terrea multo grande, sita na
rua da Mangueira, na Moa-Vis ti, n. I l.com graedes coin-
modos, quintal muilo grande e inuilns arvoredos de fruc-
tos, por preco o mais rasoavel possivel: Irala-se na rua
do Araga, n. 27.
- Vende-se a armagflo da venda da rua eslreita
do Rozario, n. 8, com todos os seus pertences ,'por
prego muito commodo : a tratar na niesina venda.
0
m
m
m
O NOVO PAO' DE PROVENCK.
Conlina-se a vender todos os dias pilo de
Provenga na padaria da S.-Cruz, n. 6, e
no deposito da rua estrellado Rozario, n.
39, fabricado com as melhores farinhas ,
que para ellese teamescolhido Estaquali- (@)
dado de pilo torna-s" mnilo recommenda- f*
vel, tanto pelo seu bom gosto como por '58'
Qj) nflo conleremsiazedo pela rapidez que gg)
3S. demanda o seu fabrico. W
O proprielario dos referidos estabeleci- A
i^ mentos, cada vez mais versado em fazer 2
O este novo pao, sendo um dos segundos que (
/pj, o apresentouaosseus freguezea, logo que rL
$M? elle se instituio, anda n.lo cessa de em- 'K?
SBl Pn8*r lo(,os "s seus esforgos, Jafim de que (j*
*J o seu pilo, entro nutro que j o fazem w
jgjj moitgaa primazia. Nos mesmos eslabele- [f\
amentos acharflo os freguezes a muito su- ^
perior holachinha regala tanto doce co-
illn acniulii ^^

mo aguada.
1988891^
Bolarhinha superior a regala
Na rua da Snzalla-Velha n. 96 vende-so hola-
chinha superior- regfllia aguada, a 160- rs-, Hbra-:
nflo se menciona a perfcigflo com qio lie fila, por
que quem a comprar o sahr.
Vende-se urna escrava de 18 annos, que cose,
engomma e cozinha parida de pouco lempo, e com
ptimo leite para criar ,da qual sealiauga a boa con-
ducta : na rua do Passeio, loja n. 19, se dir quem
vende.
Vendem-se superiores sellins inglezes elsti-
cos e de palente lisos e alcochoados cabegadas in-
glezas, roligas e chatas ; carneiras brancas ; silhOes
inglezes para montara de senhora i tudo recente-
mente chegado : na rua da Ciuz, n. 2,casa s George
Kenworthy & Companhia. .
Ugodo monstro de 8 palmos
e meio de largura.
Na loja n. 5, que faz esquina para a rua do Colle-
gio def.umaries& Companhia vende-se a nova
fazenda de algodflu branco muito proprio para toa-
Ihas pelo barato prego de 640 rs. Da-se amostra.
Vende-se um ca ro de quatro rodas,- em estado
de trabalhar, por 200,000 rs. : na cocheira da tra-
vessa das Flores junto ao convento do Carino aon-
de lambem ha bons carros para alugar com lodo
asseio e criado fardado.
Na livraria da rua da Cruz do
bairrodo Itccife, n. 56,
acham-se a venda os compendios seguintes vindos
da Hiiliia onde sSo adoptados as respectivas aulas:
Compendio grammalical reduzido a dialogo para
uso dos principiantes no exercico de primeiras let-
tras, por Antonio Gentil Ibirapitanga quinta edi-
gflo, prego 800 rs..
Compendio orlhographicn para uso dos meninos
na inslrucgflo primaria pelo mesmo autor prego
240 rs.
Elementos de arilhmetica para as escolas de pri-
meiras lettras pelo mesmo autor prego 200 rs.
Conslrucgo latina, ou explicagflo da syntaxc,
para uso dos principiantes de latim, pelo mesmo au-
tor, prego 800 rs.
Artede traduzir do latim para o portuguez ba-
scada sobro a arlo do Iraduzlr de SebastiSo Jos
Guedes c Albuquerque, prego 1,000 rs.
Na mesma livraria a prego de 1,000 rs., Antov,
drama em 5 actos, composlo por Alexandio Dumse
traduzidoem portuguez por I. j. F.
Na mesma livraria ainda se contina a subscrever
para a publicagio dos Annacs de medicina brasilien-
se; jornal da academia imperial de medicina do
Rio-de-Jneiro, publicado sob a redacgflo doSr. Dr.
Itoherlo Loba Jorge lladdork a prego de 6.000 rs.
pelos 12 cadernos, do julho [de 1848 a junho de
1849.
Allencao.
Vende-se urna porgflo de toneis proprios para se
fazer garaim em quol(|uer desiilagflo, pela sua boa
runst ruerno qualidade demadeira e serem arquea-
dos de ferro: na rua das Larangeiras. n. 18.
Vende-se um mulalinho de 14 a 15 annos; urna
mulatinha de 10 a 11 annos sem vicios : na rua do
Cabug, loja de miudezas n. 1 D, do GuimarDes.
Vende-se em Olinda na rua do Uom-Fim ,
um terrino com 50 palmos do frente: a tratar na
rua do Amparo com Anua Isabel da Visilagilo.
Vende-se una casa terrea na rua de S.-Cecilia ,
no hairro de S.-Jos com duas salas, dous quarlos,
cozinha frtra quintal murado e cacimba por 650/
rs : na na laiga do Rozario, n. 14, segundo an-
dar a fallar com Manuel Gomes Ferreira.
Vendem-se dous oralurios do guslo moderno ,
por prego commodo : na rua da Cadcia-Velha, n. 3.
I'otassa.
Vende-se muito superior polassa em
barril pequeos: na rua da Cadeia-Ve-
Hi.1 irniHzmi de iialtaickOliveira, n. la
Vende-so a Historia da Grecia amiga 2 v.; o
Feliz Independente 3 v. ; Jesus-Christo iterante o
seculo ou os novos teslemunhos das sciencias 1
v. ; Escola mercantil ,lv ; Poslilla do comtnercio,
I grosso v.; cartas de Jos A. de Macedo, 1 v.; os Je-
suistas cas leltras, 1 v. ; Crimea do governo in-
glez, 1 v. {Solidan, 1 v.; Atlas moderno, 1 v.; Pen-
samentos sublimes, 1 v. ; Methaphysica, 1 v.; Ins-
trutgoes de'arilhnfTica, I vV; Vida He 0,'ilola de
Castro 1 v.; Compendio das pocas, 1 v.; Sino das
las horas 1 v.; Geographia universal, 1 v.; Con-
traveneno 1 v.: tudo por prego commodo : na rua
do Queimado n. II.
- Vende-se cera de carnauba de boa qualidade ,
em porgflo o a retalho por prego commodo: na rua
da Hadre-de-Deos, n. 34.
Vende-se urna morada de casa terrea, na rn
Imperial n. 9, feita a moderna e com eommodos
para um grande familia ; s com a vista de quem t
pretendermelhorsepoder informar: na rua Au-
gusta, n. 94.
Vende-se urna porgflo de ouro velhoe outrade
prata no paleo do Carmo, venda n. 1.
Vendem-se 3 bonitos moleques de 13 a 18 an-
uos sem vicios ; 2 lindos mulatinhos de 14 annos
quesflo habis para lodo oservlgo; 2 pretos bonsgi!
nhadoresdenia ; 1 negrinha de 13 annos, com ha-
bilidades e que he recolhida ; 3 pretas mocas, pti-
mas para todo o servico : na rua do Vigario, n. 24"
se dir quem vende. '
~ Vende-se urna porgflo de pimenta do reino por
prego commodo : na rua da Florentina, n. 30.
Vendem-se as obras de I. J. Rousseau; Nov
Heloisa, 7 v., por 3,500 rs.; Melanges, 8 v., por
4,000 rs.; Pieces diverses, 4 v., por 2,000 rs.; Emi-
te, ou a educagflo, 5 v., por 2,500 rs.; Les Con-
fessions, 6 v., por 3,000 rs.; Dialogues, 2 v., por
1,000 ; Discours, conatrat social e gouvernement de
la Polegne, por 1,500 rs.; Azuni, droit maritime de
l^urope, 2 v., por 5.000 rs.; urna Biblia portu-
gueza, por 5,000 rs.; Magnum Lexicn, edieflo de
Paris, por 5,000 rs. e edieflo portugueza, por 4/
rs.; um Atlas de Simoncourt, novo, por 10,000 rs.;
Diccionario francez e portuguez, por 3,000 rs.
GrammaticadeE. Scvne, por 5,000 rt.; Elemen-
tos pralicos do foro civil, por 2,000 rs.; Luziadas
de Cam(>s, por 2,000 rs.; lloras Marianas, por 9,400
rs.; Historia da Philosophia por V. Gousin por
8,000 rs. ; Thcatro de Voltaire, 5 ?. por 2,400 rs. ;
e grande sortimento de livros das aulas por preg
commodo na rua do Crespo ,11.
-- Vende-se um sitio no Ingar d'Agoa-Fria, com
oplima casa de vivenda de podra e cal, estribara ,1
corn bastante terreno para planlagoes, urna haix'^
de boa producgflo e com alagadico no fundo do sitio
na rua Nova loja de chapos, 11 46, de Cuilherme
Vellozo.
Vende-se muito superior vinho malvasia pro-
prio para tosie em barris pequeos : ao n dn aren
da conceigflo armazem de Azevedo & Carduzo.
Escravos Fgidos
%
Fugio do engenho Pereiras o preto Francis-
co de cor fula mal feito do corpo pernas finas ,
estomago para fra barrigudo; tem as nadegas
empinadas; consta andrnosla praca s quem o pe-
gar leve-o ao cscriptorio de Joflo Pinto de l.emos &
Filho na rua do Torres, n. 14.
Fugiram, no dia 10 do corrente 2 escravos,
um de iiome Pedro, e nutro de nome Joaqun),
aquello reforgado do corpo muito bruto ; represen-
ta 28 a 30 annos, e este cabra escuro, curto da vis-
ta alto e secco; tem quatro dedos em urna das
mflos ; sflo canoeiros e tem sido vistos em Olinda ,
Mnnteiro e Afogados : quem os pegar leve-os a rua
da Praia-de-S.-llita, rre. 25 ou 37, que ser recom-
pensado.
Fugio, de um sitio do Hozarinlio ha 2 para 3
mezes um preto de nome Thomaz do nagflo Uen-
guella, alio calvo ; tem urna ferida em urna perna ,
ou cicatriz ; representa ter 50 annos ; intitula-se
forro ; fui escravo da viuva do llernardno de Sena
Lins: quem o pegar leve-o a rua do Crespo a
Ignacio Viegas, ou a sua senhora, no dito sitio,
quo ser generosamente recompensa lo.
~ Fugio, no dia 9 de julho, o moleque Francisco,
de 20annos pouco mais ou menos, de nagflo llenlo;
tem na pa direita a marca C ; lovou camisa de algo-
dflo azul caigas de panno azul jvelhae: quem o
pegar leve-o ao palco do Paraizo, n. 2, que ser
generosamente recompensado.
Do engenho Maugbura termo de Porto-Calvo,
provincia das Alagas fugio, no dia 4 de setembro
do corrente anuo um caboclnho de nome Lean-
dro, que representa ter 14 a 15 annos ; he baixo,
cheio do corpo tost redondo, nariz e bocea regu-
lares denles iiujados cabellos estirados c que os
Irez sempre cortados por causa de feridas de cabe-
ga ps e mflos pequeas dedos curtos ; levou ca-
misa e ceronlas de algodflo trangado branco, chapen
do palha ; he bastante ladino, e suppOe-se que se
tera entranbadu pelos serios de Alagas ou Pernam-
buco por ter sido encontrado no engenho -Prac-
nha, da ribeira de Una e se receia quo elle trilhe
os caminhosdo sertflo do Serid donde he natu-
ral. Roga-so s autoridades policiaes e capitfles de
campo, que o appretiendam e levem-no ao dito enc-
ubo a seu senhor o ahaixo assiguado, ou na pra-"
ca de Pernambuco, a seu correspondente, o Snr.
.Manuel Buarque de Macedo Lima que serflo gene-
rosamente recompensados.
Antonio da lincha llollaiida ('.avlenme
Fugio, na noite de 16 do corrente do engenho
Jangadinha ,0 pardo Raymundo de 25 annos, cor
retinta, altura regular, bom corpo, espadando,
cabellos prelos olhos e bocea pequeos nariz
grosso pouca barba, dentes miudos, e silos,feigOes
grosseiras ar Iristonho bastante espevitado est
vaccinado nos bragos; levou camisa de chita branca
com flores brancas dita de algodflozinho trangado,
cero ti las e caigas azues, bata encarnada rede,
chapeo de couro e matulflo de couro de ovelha ; sup-
pe-se que se encaminhe para as partes do sertflo da
villa do Pombal, por ter sido escravo de Germano de
tal o Flix Rodrigues moradores no dito lugar. II-
ga-se s autoridades policiaes o capitfles do campo,
que oapprehendame levem-no ao dito engenho, ou
na rua de Collegio, n. 16, que serflo bem recompen-
sados.
-- Fugio, no dia 17 do corrente a parda Francis-
ca levando comsigo seu filho menor de um anuo;
he de cor clara bocea regular com falta de denles
na frente cabellos cachoados e cortados nariz afi-
lado ; tem um defoito em um dedo da inflo esquer-
da olhos regulares, peitos pequeos ; levou ves-
tido de chita azul com flores encarnadas e oulro de
riscado ja desholado : o I i I lio foi vestido com tiinflo
ja usado : quema pegar leve-a a rua do T-rapiclie-
Novo, n. 40, que sera lecompensado.
Da rua Augusta sobrado da dous andares,
pintados de rxo du fallecido Colares do primeiro
andar, fugio, no dia 15 do corrente a noite um
preto.crioulode 18 annos, de nome Lino bastante
condecido nesta cidede ; he baixo cor fula, alguma
cousa grosso do corpo com falta de um dente na
fenle ; lem as pernas um lauto arqueadas ; leou
camisa do algodflozinho caigas doargodflo tranga-
do u chapeo ue seda preta ja velho : quem o pe-
gar leve-o ao dito sobrado 011 no pateo da ribeira,
sobiado de um andar n 19, que sera recompensado
PeBAI. : NA TTP. DEM. F. DKfABtA.----18*8


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOPCCK9OZ_VL84PI INGEST_TIME 2013-04-24T17:42:17Z PACKAGE AA00011611_06517
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES