Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06485


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXV.
Sabbado I*
$S^iMMWM
O P/^JI/OpublIci-setodoJosdlaiguenSo
forfm de guarda. Opreco da assigniura he
AeOCU;* pbrquarlel, pjMarfinl*rfot. Os
.,,';unofc da assignsntes sao inseridos
r.iso de 20 rs. por liaba, 40 rs. em typo dif-
Ifrreiite, eas repetirles pela metade. Os nao
L,algnanl*s pgarao 80 rs. por Iiulia e 160 r.
r em typo dill"ireute. por cada publicacao.
PHASESDA LA NO MEZ DE UAIO.
TnacMie,a7, it4 hrae47min.da manir
ilil-jiB- '.--".....II inin.damanh-
^nnr; fe a & hora, e 17 .lo. da manh.
Cre.ceute,a28,is9borMe4tio.dalard.
PARTIDA DOS CORREIOS.
Golanna e Parahlba, i$ eg. e exUs-feira.
Rio-G.-do-Norle, quiotas-feirai ao molo-dia.
Cabo, Serinhaein, RioJ'ornioso, Porto-Salvo
Macelo, no 1. a 11 e 21 de cada me?..
Garanhuos e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Visla e Flore, a 13 e 28.
Victoria, s qulntai-felra.
Olinda, todos os dial.
PREAMAR DE HOJE.
Priroeira, 8 horas e 30 minutos da manb.
Segunda, l 8 boras e M,minutos da tard.
de Maio de 1849.
N. I0 das da semana.
7 Segunda. 8. Estanislao. Aud. doJ. dos or-
ph.,do J. doclvel edo J. M. da2.v.
8 Terca. S.Heladio. Aub. do I. dociv. da 1.
v. e do J. de paz do S.dist. de t.
9 y liarla. S. Gregorio Aud. do J.do c. da 2.
v. e do J. de pat do2. dist. de x.
10 Quinta. S. Antonio. Aud. do J. dos ornh.
c do J. H. da 1. v.
11 Seito. S.Anastacio, Aud. do J. dociv. e do
J. de paz do 1. dist. de t.
12 Sabbado. S. Joanna. Aud. do J. dociv. da
1. v. e do J. de pai do 2. dist. de I.
13 Domingo. Nossa Senhora do Maitvrrs.
CAMBIOS RO DA 11E MAI.
Sobre landres a 20 d. por 1/000 rs. a (Odias.
Pars 355 a 30.
. Lisboa 100 por cento de premio.
> Hio-de-Ja'uciro ao par.
Desc. de lett. da boas tirinas a 7sJ> ao inez.
Acedes da coinp. de Hebcribe, swf rs. ao p.
Ostro.Oucas bespanhola. 31/500 a 31/800
. Modas de /400 v. 17200 a 1MP
de 6/400 n. 16/2O0 a 16/4.
de 4/000.... 9/*X)a Vtfv
Pra-Patacdebrallelro. 2/000 a 2/MO
Pesos coluuinarios. 1/980 a 2/000
. Ditos mexicano..... 1/900 a 1/W0
PARTE O^FICUt.
Commando das armas.
Oaarlel-aeneral do ronmando dai arma aV*PT"ieo,
10 de .'o i 1849.
ORDEM DO DA.
Non sendo > o premios a recompensa com que he
ji alarduada a elasse militar pelos srrvicos <|ir<- presta, e
sendo os clogio*felicit.ice,diiigldaniema pelas au-
toridad* superiores,tambein una alia prova da conside-
raclto em que he llda p*lo bom deemjienho da eus de-
ver**,'he rom a maior urania e satisfcno que o inarccbal
d campo graduado,comuianilanic das armas,manda pu-
blicar.para conhecimento daguarajico.o olflcio.qurprlu
(iili. Sr. presidente da provincia Ihe foi rcmcttido em
dala de 7 do corante met, e qua acoiupanhou a copia
do voto de agiaoTcinientos dirigido ao ui*siiio*Exm. Sr.
pela nobre cntnniissao da asscmbla legislativa desta
provincia, Horneada para felicita-lo em noineda me-
ma, pela pacificaran da infellt lula que tanto asioluu
esta bella provinria, e a resposta inesma, dada pelo
Ksin. S. presidente, cm que, rendendo aquella o de-
vldot agradreimento e louvores ao inesino Em. Sr.,
las delira comparlilhar a guarda nacional, corpo de
voluntarios, primeir linba, corpo de polica, nfio
pela bravura, que ottenlaram em todas as occasi's
que tlveram de encontrar os revoltosos, como pela Hde-
lidade que gempre conservaran! s instiluiedes que
ir Mmenle nos rcgcui, fazendo anda dessa ves desper-
stiadir os incautos que esperan o apoio dos cidadans
judiciosos e do eirreito brasilelro para coadjuvarem
seiis anarrliieos e criminosos planos.
O marcrli.il de campo graduado, commandantc das
arma, dando publicidadc ao supr'acitadu ollicio, es-
pera que os Srs. coinmandantes de Torcas e corpos da
guarnico, tomando na devida considerarlo a parte
iiin. Sr. presidente da provincia, facam sentir aos Srs.
nlhclac e mal pracas.suat subordinadas,as leae Inlen-
roeida aisembla legislativa, bein como os nobre en-
limenlos do iiiesmo Eztn, Sr. presidente, para cuj i
lim niaedariio lr a presente ordem na frente de seus
corpo c eoinpauhias.
Otclo lltm. e Eras. Sr. Transmiti V. Exc. o
voto de agradreimento que a asscuibla legislativa
desta provincia se dignou fazer chegar presidencia
para demonstrar o aprreo em que te ni os relevantes
srrvicos prestados pelo exerclto.e por todas as Coreas que
sb o coiumando de V.Exotsrempciiharamgluriosaiueiilc
em prol da o de ni publica c da pacilicaco da menina
provincia, beiir como a resposta que por esta occasiao
dliigi ; atim d que V. Exc acrando-o na parle que
.i > jusiameule lhc cabe, baja de o faker constar aos
bravos e leaes defensores de lao sagrada ciusa, aos
quaes por certo iicuhuma recompensa mais uobre po-
da ser ottereclda, Sendp desta vez o Interprete fiel doj
sen ti ni mi los da assembla, reitero meus louvercse agra-
dreimento V. l-.xe e ao leae defensores 'da ordein
lelos luesmos motivos. Dos guarde a V. ExcPalacio
da goverjio de Pernambuco, 7 de maio de l849.Manat
Virira Taita.Illm. c Exm. Sr. iii.neeli.il Jos Joaquim
Cacillo, commaiidantr das armas. m
Illm. t E.rm. .Sr!-(Juaiido um paiz rdremecido
pola discordias civis, e ensauguenlailo por uma desa.ifrosa, v eslendrr-se-lhe o braco firme e vigoroso
do governo que o defeoje e que o salva ; o reennheci-
iiento do pitvo para com esse gnverno lem tanto ilc sa-
grado, como teni de nobre a sua nianil'csiaeao.
Grave e aisustaddra era por certo a situaeo desta
provincia, ronflagrada em alguns pontos p lo acervo de
materias Inflammaveis que Ihe deposilrn-no seio urna
poltica desregrada c l'elinl, c que ao aceno do egosmo
c da cteca romperam cm medonlia exploso : e se por
um lado os ampio recursos do p.u-iido da ordem, to
forte pela santidade da causa, lao forte pela suprriori-
dade do* numero, afianravam o restabclecimcnto di
paz publica eo triumpho da eonstiluirao do estado; por
oulro a mlssao de reunir c encaminhar tac recursos,
aisiin como de empregar cipporlunainenle os que mi-
nistrara afdfca armada, que lao bein uirreccu da patria
nrsla conjiinciura suprema, so podia cr sabiamente
drsempenhad.i par um administrador que, rlevaodo-se
a altura da situarn, dste um excmplo conspicuo e pes-
soal de selo, de derlicaco, de patriotismo e de coragem,
F.sle administrador, Etm. Seuhor, a sabt'dorla do
gnvrrno imperial no-lo deparou cni V. Kxc, que tao
liabllinente eamprehcndcu'a tarefa que lluha de execu-
tar, ejSo foi miente cxeculou a tarefa que havla com -
prehndldo.
Hoj*, pori'in, que o Pernambucano, no remani
da pat sombra tutelar das lustiiuces quesos Ihes
prruiillem rrpouso e prosperidade, saborram o fructo
de tae bcnrlicio, e contenplam flu V. Exc. o princi-
pal aulor de lao gloriosa obra ; a assembla legislativa
da provinria julgarla faltar no dever que Ihe ImnOe^a
opiulo do paiz, s'e porvenlura, Constituindo-Kebrgo !
fiel de lar eniimrnlos, nao oflereeesie V. Exc. nuil
vol de sen profundo recoiibecimeuto, ese nesla oc< I
lao nfio exprimiste lambem as sympatblai que todo
os lialii tan es desta provincia vtaiu ao exerciloe a na- '
rinlia nacionae, cuja lidelidade e bravura na delrnso
do tbronn, da le e da liberdade, ao iiirsmo lempo qoe !
auxiiiarain eincaiuiente a sabias c patriticas medidas '
da presidencia, deram tamanlio lustre ao soldado bra- I
siler*
He esta, Exm. Senlior, a missAo'que a inesma as-'
sembl nos rncarregou de cumprir, nomeando-no'
iar* ein depulsrao solemne vir depr lias mios de V. .
ixr. a expniso de lao espontaneo sentimentos ; mi-'
sao eita que nos lie particularmente tanto mais grata
quinto mi sua ignitlcacao se coiiiprchrndem lambem
os sentimentos que prisoalmeulc no auimam para com
V. Exc, ctijo relevantes ervicosein prol desta provin-
cia-nos sabemos reronliecer e apregoar. I
Paco da assembla legislativa provincial de Pernam-
buco, 4 de maio de IH49.Antonio l'engrina MaeM Moa-
lf.ttr. Joaquim Villrl* r Cattro Tavnrn.Joi ftdro
ila Sifrm.f'rnrro ferrara Sarrtto.l)r. Jos Omto da
( nmkm Fianeireo. |
Senltoru '. O dia de boje he o mais venturoso dos
de toda a mlnlia vida, porque lie aquellc em que os II-
lustiet representantes da heroica provincia de Pernam-
t' neo, prestando o mais solemne leslciniinlio do seu su-
llVl" apireo prlu rrslabrleciiiieiilo da ordem c da paz
'pubHaa, efela ninnuteneo do tbrono e das inslitulebrs
do paiz, se dlgnaraiu associar met nonie aos nome de
lano c to distincto ctdadaos, a glorias do cxcrclto o
da inarinha'nacloaaes, que lao nobremente ae empe-
nliaraifrna defesa de una causa justa e santa.
A' lealdade da iiuniensa matarla desta bella provin-
cia, a dedicacao e heroisino de seus fllho, itAblas e
efucaze provideaci do governo imperial. j*lor e li-
delidade do exerciloe marinha, se deve o Iriunipho del-
ta causa sagrada. Quanto a mlin, pague! lmente o tri-
buta que devia ao meu pal com o pequeo crvi(o
que, elle me exigi.
u Eu ser! o interprete fiel do sentimentos da isscm-
bla para com o bravo do nosso exercito < marinha, e
paro com todo o leae defensora da ordem ; e pono
aancar-vos que a inanlfeocao dee sentimentos he a
mal alta recompensa que eles poderim deejar.
' Peco-vo, senhore. que vos.dignis fater presente
assembla legislativa provincial a eiprrsao cordial e
siiK-er.i do meu eterno reconheclmanto pelo voto com
que em nome da provincia se dignou honrar-me. Eu
procurare! merecer a sua confianca, devolando-me In-
leiramente ao servico da provincia para consolidar a paz
c a ordem, c para eleva-la ao grao d prosperidade
que he destinada pela Providencia, e que ihe afineam a
ndole e illuitracao dos Pernambucano. E vos. senho-
re, recebri particularmente os protestos de ininba es-
tima, cnsideraco e ainiade.
Palacio, do "goveruo de Pernambuco, de maio de
1849. Assignado, Manat VMta toila. n
Assignado, Joi Joaquim Ctelho.
Quarltl-geniral ioommantlo das armas de Pernamburo,
10 Jf maio de 1849.
. ORDEV1 ADDIClONAI. A DO DIA.
S. Exc. oSr. marechal de campo graduado, criminan
dante da armas, manda pirblicar, para conhecimento da
guarnirn, que por despacho do Exm. Sr. presidente da
provincia, de 9 de maio, foraiu concedidos tres mezes de
lcenca da favor, para ir corte tratar de seus inleres-
ses, ao Sr. alferes do terceiro batalhiio de fuiilciros
adido ao quinto da mesina arma Jetuiuo" Mariins dos
Santos Vianna.
Jos Pedr Heilor, ajudanle de ordem interino
EXTERIOR.
pilos dlreilns, nao possa regular por mel de ufria abia
iiegoclaco ; c conveni que um governo, -como he o
nono, fundado sobre a moralidade c Intdligencia de
seus i dallaos, e sustentado por suas alleiciies, esgote
Crimeiramrnle lodos os recursos de una deplomacla
mu osa antes de apprllar para as armas. Na gerencia
de notsas relacoes esle ioret, eu me conformarel com
estas Ideias, porquanlo as creio essenciars aos inelhores
Inlercsses e verdadrira honra do paiz. O poder de no-
mear dado ao presidente Impc-ine delicados e honro-
sos deveres. Tanto quanto me fr posslvel adquirir
informaron, farei que a honeslldadc, a capabldM e a
fldelldadesejam condirdes indispensaveis para qualqurr
ser noineado para um emprego publico, C a ausencia
de algiima destas qu.illdade ser julgada um motivo
siill'u ienie para er dflle dcuiillido. Eu procurare! rc-
commenda>- ao congresso aquellas medidas constitiicin-
naes que frem necesarias e proprias para animare
proteger es grandes inleresse da agricultura, coinmer-
cio e manufactura ; para iiiethorar nnssos rlol e pollos;
para conseguir a prompta extlnccaoda divida publica ;
para fazer ell'ecliva urna restricta resnonsaliilidade da
parte de todos os empregados do governo assiin como a
maior ei inioiiii a as despeza publica .pormperlence
sabedoria do congresso, ao qnal a coustituiSo cohfe-
rlo todos o poderes leg_ilalivos, o regular estas c outras
materias de poltica interna. Eu espero, confiado no pa-
triot sino Ilustrado desta corpnraro, que ella adoptar
medidas de conciliaeao que potsiltl harmonisar os inte-
resses oppostos, e lendan a perpetual a tinio que di ve
aer o objrcto principal de nossas esperanfas calleicoes.-
Em tudo quanto fr calculado para promover un objec-
lo taW charo ao coraco de todos os que verdaderamen-
te ainam o eu paiz, eu me unirel icloso aos ramos co-
ordenados da adminjslracao publica. Em concluso eu
me congratulo comvosc-o pelo alto estado de prosperida-
de a que a bondade da Divina Providencia tem elevado a
imss i patria. Implrenlo a conlinuaeao desle cuidado
protector que nos lem sublimado de pequeos principios
eminencia que liojc occiipamns ; e esforceme-nos por
merecer esta conlinuncao pela prudencia e moderarn
de nosos consellios,-por tentativas bem dirigidas para
aplacar os odios que muitas vetes assignalain as iuevi-
tavelsdill'erencas de opinio,pela promulgacaoe prall-
ca de ptiocipios justos e liberaes,-c por um patriotismo
extenso que nao conheca outros liuiilcs que os de nossa
vastissia repblica, t
O uoro gabinete da l'nlo acha-* asiimorganisado :
Secretario de elado, John M. Clayton de Del.
Secretario do thesouro, VV. II. Mercditb de Pa.
Secretario do iritcrlor, T. H. Eiwlng do Obld.
Secretario de marinha, W. B. Presin de Va.
Director do crrelo, Jacob ColUiuer de Vt.
Secretario da guerra, O. W. Crajgford dg Ga.
Procurado-geral, R. Johson de Md.
IHVillDEi'HWSIICII.
Birirc. 11 Bl MAIO DE 1849.
A asscmbla legislaliva provincial approvou hoje em
trreeira disensso o projecto n. 6 doste anuo, bein como
o que lixaufrca policial que ha de servir de 1849-1850;
e cm piimeia o de n. 7 : apreciando ao depois as po -
turas da cmara municipal desta cidade at o artigo li
do titulo 5."
A ordem do dia para a sessao d'amanhaa he a conti-
iiuaco da discussaodas sobreditas posturas.
Correspondencias.
FALLA DO GENERAL TAYLOR NO CONGRESSO AME-
RICANO. *
Eleito pelo povo americano para o mais Importante
dos cargos reconhecldos por nossas leis, eu venho esta
casa nao smenle para prestar o Juramento que a
conatituico do paiz prescreve, sean lambem par,
de conformidad): com um eosiumc sanecionado pele
tempo, dirigir-me aos Ilustres cidades r;ue se acham
ajui reunidos. A confia uta c respeilo com que me
honraram o iiirui compatriotas, elegendo-iu pre-
sdeosle d'iima repblica, a qual oceupa una poilfta
elevada enlre as naede da trra, leem-me inspirado en-
llmenlo da mais profunda gralido porrn, quando re-
fliclo que a accitaco do posto para o qual me elrge-
raui, iinpoe-me o drsempenbo dos mais arduos de-
veles, e involve a> mais pesadas obrigaedes, conlieco
que a poaico em que me ho collocado, comquanlo e-
j i sullii ienie para contentar a mais alia amblco, he
todava cercada de teiniveis .responsabilidades. Feliz-
mente, porui. no cumprimento de meus novo deve-
res, nao me faltar quem hbilmente coopere eommi
go. O poder legislativo*c o poder judiciario cont.iin
cm si :i seio pessoas dislinptas por suas virtudes civicas
e madura experiencia ; e eu empregare todos os inetl
desvelos em chamar para o executivo individuos cujos
talento, iDlrgridade e pureza de carcter dm ampias
garantas para a fiel e honrosa execuefio das eommi.-
sOes de que l'rein encarrrgado. Assim ajudado e ani-
mado do proposito de fazer e que fr justo, espero emn-
prlr com diligencia, iuipareialidade e para o mrlhor
inleresse do paiz o* multiplicados devrres que poain
obrc ni i ni. No des, ni |K nli.p Uestes deveres tomarei,
senboi es, por guia coustitolco que hoje juro preser-
var, proteger e defender, niiando for necessario inter-
pretar este instrumento, altenderri para a decisora do
triliiinaes jiidiciarius, eslalnleeidos |ior sua autoridade,
e tainbeiii para a pratica do governo dos priuieiros pre-
sidentes que lio grande parle liveraui em sua forina-
co. Ku le i i bempre todo o respeilo c acaiamenlo ao
exemplo que no deitaram este ilustres paullas, com
especialidad* aquellc que por tantos ttulos foi o pai de"
na patria. Cnmmandar o eiercito e a armada dos Esta-
dos-Unidos, fa/er tratados com o conselho e approva-
co do senado, nomear rmbaixadures e oulros empre-
gados, infoiinar o congresso do estado da I'nio, recom-
mendar a medida que julgar necestarias, e lerouida-
do de que as leis sejam fielinenlc rxecutadas, -x laes sao
as mais imporlanles funecrs que a consliluicao confia
ao prrsldciile da Unio e eu, senhores, publicare! lo-
go os principios pelos quaes me guiare! em sua execu-
co. Escolhido pela malorla do povo ttcbaixo da pro-
messa de que a uiiiiha adminislraeo seria dedica-
da ao bein de lodo o pai/, e nao sustentculo de
alguina seceo particular, ou de inleresses meraiuetits
locaes, eu renov agora as declarares que he! feito,
proclamo a lixa resoluco em que esiou de manb r o go-
verno em sua diiie/a original c de-adoptar como base
de ininba poltica publica as doulrinas republicanas
que constiluem a frca de nossa existencia nacional. A
respeilo doexercilo e da armada, ltimamente emprega-
dos com tanta distineco em servico activo, terei todo o
cuidaJo de auegurar-lbe a mais alta cundirn de cllici -
enca ; e para consecuco desle objecto, as escolas mi-
litares e navaes, sustentadas pela llberalidade do con-
gresso, merecero a atlcnco especial do executivo.
Cuino Americanos livres. senhores, nao podemos deixar
de sMii|ialliisar com lodos osesforcos que lecni por lim
eslrnder asbencns da liberdade civil e poltica ; porm
ao iiirsmo lempo somos advertido pela lice da histo-
ria e pela voz do nosso amado Washington a abster-nos
de fazer alliancas com a naedea estraugeiras. O uoa
inleresse, nao menos que o nosso dever, nos aconsrlha
a permaneeormos restrictamente neutrac em todas as
disputas que cxlstem ou possam existir entre os dille-
rentes governo's; entretanto que a nossa posieo geo-
grapbica, a ndole de nossas instiluiedes e de nosso
povo, o espirito pregressivo da civilisaro, e snbrrludo ,..
os dicuiu.s da religio nosordenaii. acullivacoo de reta- para all marchen no dia 8 de noveinb.ro do anuo pro-
coe pacifica e an.igavrjs com todas a potencias. He ximo findo ao mando do coronel ezerra, o que ciim-
de esperar que uenhuma queslao* Internacional posa
agora levantar-te, que um governs),oqual confie emsua
propria fdrea e estej, determinado a proteger seus pro-
Ssv, riielore.Lendo em eu bein conceiluado Pia-
no um officio de S. Exc, cm que agradeca ao iligno
delegado d Olinda rSr. coronel Joaquim Cavalcaule de
Albuquerque, nao os servicos pVcilados como delega-
do na exlinceao da revolla, como a generosidade com
que o inesmn Sr. se dispemou de receber do thesouro a
importancia das despezas que fez com a sustenlacao das
tropas e seus venciinentos por duas vezes que as acoiu-
panhou as marchas que fizeram ao norte da provincia,
dispertou-nie o desrjo de patentear ao publico pelo iniu
do esse* imporlanles servico; servico nao so pessoaes
com rico de ua existencia, en'o lambem considera-
vrlniente dispendiosos. E para puiipai trabalho. inui
sumeiente he transcrever aqui o ollicio a que me retiro,
o qual lambem me dispeusa deteccra esse prestante ci-
dado o bem merecidos encomios pelo inuitu com que
concorreu para o restabclcciinento da ordem publica,
le.a ivelinenle perturbada, poique o publico Ihe Tara
ustica em prsenos do dito ollicio e do mappa que
tainbeiii val transcripto, d'ondo se ve que lie minio
maior a forea do que avallara oSr. coronel l avalcaute,
summamente snodesto como he; leudo maisa nolar-sr
que foi ella consideiavelineoie augnieutada em Crusaby
como se v na nota do mesura mappa. Hogo-lhes.'porian-
to, Srs. Redactores, o obsequio de darem publicidadc a
estas lnhas, assiin como ao mencionado ollcin e map-
pa, com o que mnito obrigarao ao seu constante lei-
. or. iVs dos cotbpanheirot dai murra.
I Illm. e Exiit, Sr.Congratulando-me com V. Kxc.
'pela exlinceao da revolla, aniquilada por cerlo pelos
I priueldio de ordem e de verdadeiro patriotismo, que
felizmente aniuiam a ponulacao mais grada e sensata
deit piovlnciii, pela Icalaadc e heroico valor do exerci-
1 lo, e principalmenle pelas prompta c acertadas nicai-
il.-is tomadas pela sbiae.proteetnra adminlslracao ae v.
Exc; eu, nao queiendo-me arrogar o dirclto de apreseu-
1 lar V. Exc. o itinerario da priincira c oulras marcuai
que lUeram as tropas da legalidad* para o norte da pro-
vincia, allm de bater .-. rebelda, enfeudo que algu.iias
' narticularidades que podiam escapar ao iunerailo que
'en. duvida leria V. Exc. lecebldode pessoa competente,
: devem ser por assim levados ao coUliecimonlo de V fcxc.
' o qtie agora faco.
< Quando a revolla, rebenlando em Pao-d'Alho, re-
percuti sen mal forte echo na villa de lguarassu,
live ordem da presidencia para acouipanhar a frca que
pri; o, oliegando all sein encontrar o rebelde, a forca
seguio. seus pastos alt1 que cm Mussupinbo se tes com
elles enconlradica, e ah Ijouve o primeiro, o um dos
mais mortferos combates; combate que foi sern duvida
o qtlr deu o primelro*golp*: rhorf al na revolla, ^>m
que alguns dos metis moradores perrclrrasn, outros fij-
i .un. Icndos, depois do que m* rrcolhi casa no dia 19,
decorrendo II da de marcha, durante m qua*,i, eu
como delegado, conhecedor daqurllc lugares, cT por
isso mais habilitado para procurar c fornecer terca
iquilla de que ella preclsava, liz todo o fornreimeui.'.i
minha cnsta. a exc*pciTo- de tres raerles que do dia a
para 13 fram dadas pelo coronel .lose" Mara ile barros
Rirroio a toda a forja ; de duas que do dia 14* para 15.
Arartl dadas pelo pronrietario do engenlu> Agular, An-
tonio Lourenco Tavare ; e de duas lambem que ofl'e-
reeeu no dia 19 o Dr. .Pedro Francisco de Paula Caval-
canle, proprielario do engenho Cainaraglbe, quaniln re- .
gressava a frca para n capital ; relevando diter que a
frca se coinpunlia d* 250 piaras de llnha, e 10't da.
guadla nacional qn* pude reunir, intliilndo nrllas 10
praeas enm que o coronel inlerinp Francisco de Paula
."onza I.eo auxllinu. 9
A toda esta frca. Inclusive a ollei illdade, .ustentei
durante a maieln .i ininba eil.l.i. caja despe? i pli i que
V. Exc". p'ossa calcular,lncluso lemetto o recibo darquau-
tia de cenlo e trinta inil iris, importancia d* tres bois
que snmt-htc em un dia Corneo, alm dcjqualro alquei-
res de fannha comprada a (i.400 rs. llevo declarar mais
que depois de tomado o pal um do Musnupinlin, liaven-
do al'i falta de ga lo para fazer as raerles da forea. lan-
cmi se nio de noverezes que se eneonlrarain un cercado
desse engenho, constando de garrotes e vaecas lao ma-
gras, que se no piide pagar por mais df 23JOO0 >s., o
que rntendi dever Instruir Y. Etc., como piLncqxai lim
leste meu ollicio, pra que nao haja a fazenda pmliea
em alguin tempo de soll'rer o prrjuzo do excelso daqud-
loqm realmente valem as dila rezes, quando for exi-
gido seu valo/ pela prsina a c|iiein ella pertruccm,
Devo anda fazer a V. Exc. sciente de que pague! d*
minha algibrira a todas as praeas da guarda nacional e
polica que reun .1 frca de linba, como j disse, os
\cnciinenios dos ou/e das de inarelii, excepeo so-
liente de cinco praeas que gratuitamente prestaran!
seus Services. Os meu moradores, que livrram a la
felieidadc d* aer ferldos nesse combate, c familias
da |u. lles dentie elle, queperderam eu chefe, teem
sido tratados c mantidog minha cusa desde o da do
seu ferimento e nim te al hoje ; e contino a prestar
estes soceorros ati1 que S. SI. 1., a quem riles v.io apre-
srntar os seus servicos, c o miseravel estado em que se
acham, por intermedio de intu, Ibes proporcione um
nielo seguro de^sua subsistencia.
A segunda expedfo de 150 praeas, que inarchou
sb o'mando do capilao Alexandre Gomes Argollo, e
iiuc bateuos rebelde*emTapissuma, Pasmado e Caga.
rogo, taiuiirin foi aeompanhada por niiin, levando em
minha eompanliia seis guardas montados, e deila occa-
sio tainbem forncoi toda frca duas raedes.
Accresce dizer que desde o principio da revelta al o
seu iiHiiii'ifiun, seinpre protei agazalho, hospedagem e
forneclmenlos para as marclias a todas a frca* que
pelo iiitii engenho passavain, qur eu all estire**,
3ur nao; porque havia ordem minha para isto, tratan-
o a sua nfnclalldadc da mclhor majieira que me era
possivel. E como eslava disposio a continuar aprestar
estes e outros srrvicos einquanlo durasse o estado ex-
ccpicional da provincia, al que se restabelecesse a paz
.e a ordem publica, nao me havia apicssado em levar ao
'conbcclinrnto de V. F.xc. ludo quanTo bel expendido,
cuino agora facn.por ter gloiia de ver o termo da.gticr-
ra civil; significando a V. Exc. que de lodos estes serv-
eos c despezas que hei l'eto a prol do governo e da mi-
nha palria nenlninia paga quero, dando por inulto bein
empregado tudo, una vez que lenho a satiifacfio de
vera provincia em o seu estado normal, por cuja conti-
miaco devenios rogar a Providencia, que seiu duvida
vela pledosa sobre nussos destinos. Enlrelanto aso ni o
a V. Exc. que, em qualqurr occasio em que o governo
haja de precisar do meus fracos servicos, me encontra-
r seniprc promplo a obedeccr-lhc e a tustenlar asins-
tituices do paiz.
Agora perinilta V. F.xc. que eu particularmente Ihe
oll'errca inrus minuciosos serviros, prla|conshlerarao em
que me ha tido, e que assiin lhc manifest minha gra-
lido.
n Dens guarde a V. Exc. Delegacia do termo de inda,
13 de abril de 1849.
i, Illm. c Eim. Sr, drsembargador nanoel Vielr Ta-
la, dignissinio presidente da provincia. Jonaum Cm-
valcanti de Atbuaucrqnc, delegado do termo de Olinda.
1*101 gW^-iiN W
s si g 5 5^ 3 "O -5j6

S |3ld ap SDaSJ,] "
I -a |> SE1 0 0 Sa. 3 S|
i 1 O -ij|U9ii,il-soptlii9atj .- .r
9 *3 -saiuaaa)-oj|.tui!J(| BT-- .| -1
saeiulci w . re
'a i i oiuepnfe-oyilinjn .
o o i .J i 1 ni leial i.K- . ~ E.2a! 1*1
jjisjiii-pnienf) .
.llUUpUL'IIIUIO.) pill 'JQJ)
*
- e " 3
5 c- <}\
3 a
S i" m -3 . . | I s>. |54|
i. V 5- -3 so
c o ft
E TI 2 5 o . r
a cr e 5 o Si 1 2 i. 111 55S
p ce - a
tx ' -s i'
H 3 1 < g . o o n 41 i*.S'l.
4n^ ^i
i



I
2
Sn. RetUctorei. Sem querer ter gloria deetcrlptor
publico, pois que ininha Traca penna para tanto nao po-
de tentar, todava venho lioje occupar um canllnho do
sen mu estimado jornal, alim de rene posso destruir
as calumnias e asseredes de um dos prejudicados
de acu mesino / iaritt n. IQ5. Principia este energme-
no o seu aranzel com o monopolio das carnes verdes,
j acensando um projeeto de le que foi discutido na nos-
aaassembla provineial, cuja titilidadc agora nao me he
dado pi ovar, ej niesmo com sociedades qu certos e
determinados marchantes teem feito, as quaes nunca
prcjniliin,1111, e ni'in podero prrjudicar, e conclu'
com o edilal da cmara,*em o qual mui sabiamente
mandn remover os talhos que existimo dispersos para
certos lugares determinados, nrredandu-o* assim da ra
do Rangel, ondeo verdadeiro monopolio, ou para Miar
inais claro, o Turto .os singolarisava.
Srs. Redactores, eu entrare! por tambem ser o que molivou as linhas de um dos
pr'judicado* Diz este sriihor que j o vou conhe-
cendo, que siutenia-se o prtco das carnes pela reino*
ro dos talhos ; ora d-se disparate igual ? E quando
ella eslava a 20 et4 patacas, noestavam and. os talhos
na ra do llangel ? Talve entiiu se sustentaste, porque
vos a iris comprar, ou arrobar, como Ihe chamain, na
casa da balancnj para a veifderdcs ao povo ; e o mal
engracado he que iimiioi de vos a compraveis para a
vndenles peto inesmo preco, c no outro da vos gaba-
veis que nlo-is gauho tantos c quautos '.'' Mamiuha es-
ta que se acahou com a tal rrmufo. Mas eu en i -< 11 -
nao icm tldo esta a causa, c sim a falla de gados, em
vu lude da guerra civil que tantos e lo deploraveis f
rain os prejuizos que nos causou, c se agora podemos
asseverar quVlla j nao existe, devenios tambem sa-
ber que o que mais abunda o nosso mercado de gados
nao os de oulras provincias, e os desta de lugares lo
longincuos, que impossivel era j concorrercm em tal
abundancia, que dssem para menos do cm que clao as
raines de 10 e 12 patacas. Di/, o tal Sr. que poucat sao
as casinhas da ribeira : pols 48 casinhas, em algumas
das quaes tem qualro.(albos, sopoucag ? (Jomo he, Srs.
Redactores, que se lira a livre concurrencia cxi9lindo
quarrnla c dous talhos no acouguc >li Boa-Vista (inclu-
sive qualro que sao para os criadores! trinta e dous
mis das < iuco-Pontas ; (que tem igualhiumero paraos
criadores) os quaes vio praca lodos os anuos livres a
ipicm os quiter arrematar, que ainda inesmo agora o
pode l'a/cr, pols iiuiii i ainda eslo para lata quareuta
Coito casinhas da ribeira, como j t ver ; licenca fran-
ca para nbrireiu quantas quiterein no pateo do Paraso,
asilaa como cm toda a ra da Guia c Fora-de-Porlas, etc.
etc. ? Ora, Sr. um dos prejudicados, diga antes que
j no*pode com de/ c dote, talhos que liulia no Itangel
comprar navio e carrega-lo de sua con la ; j nao pode
de urna so casa receber dous aliigircres, ui
GOMMERCIO.-
ALFANDEGA.Rendiniento do dia 11 .
Ottcarregam lioje, 12 de maio.
Rrigue Runnymrde bealho.
('alera (.'u/umiui mercaduras.
11:580/59!
coniinrrcial deila praca pretende celebrar na matriz de
San-Frei-PedroGoncalves, um Te-Deum em aceito de
macas ao rodo-Poderoso pelo restabelcciinento da paz
nesta provincia.
Assim. depols de haver teiteinnnhado ao |Alliss-
mo leus entntenlos de gratulan c reconheclmenlo por
tao grande beneficio, os habitantes desta capital pode-
ro enlreler-sc algumas horas da noilc em apreciar a rc-
presentaco de mil drama escolhido, que cr cuidado-
samente ensatado.
IMI'ORTACAO.
Colvmtu, galera ingleza, vinda de Liverpool, entrada
no crreme me, consignada a Me. Caliiiout & Compa-
nhia, mauifcstou o seguinte :
4 volumes fatendas de algodo ; a J. Crabtrec k tom
panhla.
l I.'I voliinics r.i/.enil.is de linho, 74 ditos ditas de algo-
da" 5 ditos ditas de la, 3 ditos ditas de seda. lOgigos e
1 meio dito louca, 1 embrulho pinnas e papel ; a Me.
Calmont 8t Companbia.
12 volumes fazendas de algodiio, (i ditos ditas de li-
nho ; a Jiilinsioii Pater & Coinpaiihia.
50 volumes fazendas de algodo, 1 dito ditas de linho, j
!0 ditos de fin ; a R. R'oyle.
1 embrulho pertence> para escriptorio ; a N. O. Illebei
& Lomnaiihia.
DO baTris soda ; a I). G Kcrrelra I.lina.
X> vulniucs dealgodao, 12 ditos lio ; a 11. ibson.'
4(1 presuulos, 1 pacole toucinho, 20 queijos ; a D.
Greco.
1 calta cha, I dita ferragens, 1 dita fazendas de algo-
dio ; a J. Slwart.
40 volumes fazendas de algodo, 15 utos ditas de li-
ndo, I caixa fazendas da moda, I barrica cervrja, 1 po-
te arenques, 5 pacotes cabos, 5 toneladas arcos de Ier-
ro ; a G. Kcnworlhy & Coinpanhia.
3 volumes fazendas de algodo ; a R. braga & Coin-
panhla
2 barrica ferragens, 40 potes de ferro, 10 toneladas,
Publica cao Iliteraria.
Acaba de apparecrr uo Rlo-de-Janriro, e brevemente
aqui seexpor venda-o A miliario do r.rasil de 1847-se-
gundo annn|dr*tapublicacao-l vnl.de673 paglnasem mui
m 11,la impresso, comprehendendo qualro parles dedi-
cadas separadamente a poltica, d historia, estatistiea e
a necrologa das pessoas lllustradas do llrasil, a seiue
Ihanca do Animal Itegistrr, em Inglaterra, e AuBuair
hlstorique de'Lesur, em Franca.
O publico tem j reconhecido ai vaiilagens de urna
| resenha annual, que oft'ereec por exteuso os relatoi ios
dos ministros, o resumo dos debates das cmaras", o
/uadro dos aconlecimentos histrico, o< progressos da
cslatlstlca coinmerclal e agrcola, eslabrlecendo gra-
dualmente iim verdadeiro archivo nacional.
Subscreve-se para o humero dos exeniplaresquc deve-
nio vir 5,000 ris pagos a recepen de cada um: no At
trro da Uoa-Vista, n. 3, e na praca d. Independencic
ns. 6 e R.
emsskWk^mmmammmmmmmmmmae^mmm
avaos martimos.
glezas de las, linho e dealgodao, toda* parirlas do nirr.
oado: terca-felra, 16 do correnle, s 10 horas da ina.
nlia cm ponto, no seu armazcm, na do Vigario
Avisos diversos.
I
Para a llahia segu muilo brevo o palhabote
.S.-^nlonio-rencerfor, forrado de cobre o minio ve-
a Hraudis.
42 voluntes fazendas de algodiio, 1 dito ditas de linho,
8 ditos ditas de la ; a RussellMelibrsi Cnuipanhia.
100 bu i is chumbo de inunico ; a J. Rider i Oom-
pauhia.
3 volumes fazendas de algodo a Jos Jeronyino Mon-
teiro.
50 bariis chumbo de inunico ; a A. V. da Silva Bar-
roca.
1 presunto, I barril lingoas ; a Patn.
i chapeos de castor ; a Niutlull.
8gigua louca; a A. S. Corbcll.
(il voluntes fazendas de algodo, 4 ditos ditas de linho,
do mar- 2 ditos ditas de la, lOOcaixas folhas de Flandres, 03 vo-
chante que Ihe deitava carne, c uutro da familia que liimcs ferragens, 75 pacules pus de ferro ; a Jones Patoii
morava na inesma, nao se importando com as posturas ti Coiiipsnhia.
da cmara, que tanto isto privavaui, e iirm hrsiiio al 21 volumes fazendas de algodo ; a Fox llrothers.
que bexigaa houvease na casa em que se venda carne ao i taixa livros im|iressos ; a II Chi islophers.
povo ; j nao pido ..... Ora vein tambem sua nicrce i barrica lerrajtens, I ciaxasellaiias, lOObarris nian-
< om a insalubridaile,.-io que dcixo de^iponder por amor teiga ; a S- 1'. Johnslon Si Cumpauhia.
s tripas dos pri.es. e s ufilcinas de .N'euiiuii i C. : 3 volumes pannos, 42 ditos fazendas dealgodao, ldi-
euto qurr sua inerc que baja mais salubridade em tus ditas de linho ; a Deauc Voule 8c Coiiipauliia.
nina casa, en jo fugo ncli.i he constante, onde mora una 5 volumes fazendas de algodo ; a ls a l huan n llrothers.
familia que de quaiidoem vez tem um duriile, etc., etc., i barrica bicos de algodo; a H, Jamcisoii J Com-
couio n'uma outra que, alm de nada disto ler, accresce pauhia.
o grande arejamento por ser detelha va, etc. ? Ora va- 40 queijos, 8 volumes conservas, 10 volumes fazendas
lliam-nos as tripas dos penes Vem tambem com o pre- de algodo ; a Manoel Joaqiiiiu llamos e Silva,
julio da fazeuda pela diminiii(o da dcima ptimo, Sr. i (j voluntes fazendas de meia, 1 dito ditas de algodo
um dos prejudicados ceitamenle diininue a deci- a A. Ilowie & Coinpaiihia.
na, porque barateia o aluguel, em raso deja nao ser .. ..____.
acouene, e sim casa de inoradla; pelo que claro est' rnvslll all TFIUI
quelitera o povo em ter tantas casas para morar por- uumjuinnw menos do que a poderia ter : ora sua uicrc quer tan- Rendimento do dia II..........
lo bem aos reiidiiueutos da farenda, c porque nao ha Diversas provincias ...........
de querer laubem aos da inuiiieipaiidadc ? Nao \i que ,
assim val ella melhorar o seu patrimonio das casinhas !
da ribeira ? Ah he que su* merca su enxerga aquillo
que Ihe coovm. Vem laubem sua melrc com os ceu- I ___.._____......_
tenarea de individuos que vivlain desie neguero : noi
ine dir que centenares de individuos sio estes que vi-I CONSULADO PROVINCIAL.
viain, e hoje j. nao vlvem deste 'negocio por causa da Rmdiinculo do dia li .
reiiiocu dos tslhos ? Mostre-mc ao menos meia duna ? -^m^i
Ora nao s Irinbra que falla para o publico I. atrve-
se, Sr. um dos prejudicados, depois de lama* false-
dades, chamar alientan de suu causa a il lustre assem-
bla ? Nao sabe que esta he compona de capacid des,
,.ujos conhci-iuieiitus nao se dcixnro imbahir com suas
;1lieanliiias ?!
Ilasla, Srs. Redactores, lenho sido mais prolixo do
.que pretenda : aeeitem estas lindas em seu estimado
Jornal, que mais obrigaro ao seu assignanle
Um Que nao leu ja ler prtjaditad:
- l'nblcacao a pedido.
Illm. e Uxm. Sr. fiii Francisco Gomes de Araujo Li-
ma, que a bem de sua juca, c em favor de seu tllho
o duutor Jos Jeronyino Pacheco de Albuqucrque Ma-
ranho, V. Ex. por sen respeitavel despacho mande qu
o Illm. Sr. coronel das fincas do norte aitrslc se o filis
do supplicante apresentou-se-lhc lugc que chegou na
villa de lYi/.ircili ; assim como sobre as informaroes
Em cumprimenlo do nllieio do Exm. Sr presidente
da pruvlncia de 7 do correnle, o Illm. Sr. director inte-
.rinu do Ivecu inaiiila fazor publico que, ala dala deste a
quepossaler adquirido, e qual fui a conduca do mes- I ,., ,|us di,n,, vat n ronc.nso a cadeira de aram-
iio seu filho em lodo lempo da rcvolla, isto he.se 1-| lli;l,u.a |a ,ia villa do Pao d'Alho : as pesson qiiequi-
la leve parle, ou como autor, ou como cmplice |r unm onporte dita cadeira deve.n habililar-se na
tlsmo-Ped ao Illm. el'.xin.r. niarecliale comiiian- |l)r,a ua M. Srcrf,ar., ,i ,yceili ,,0 1|laio de l840.
dame das armas da provincia dlgne-se deferir como re-1 Slir,scr,.vi e assi,,,.. i. j; itnmlt de Sena, secreta-
querido Irm o supplicante. E. H. Mefrancisco Uamet r0 imcrlho.
39arrobas e 18 libras ferro. 40 caixas queijos; a Urender iero jatem ,, niaior.parte do sua carga prompla ,
| n para.o resto Irala-se com Joilo Francisco da Cruz ,
( na ra da Cru7, n. 3.
- Para o Itio-Grande ilo-Sul ..lie, em poneos das,
por ter Parte de sua carga prompla o patacho na-
cional Eulerpe, capitflo Manoel Luiz dos Santos :
anda pode receber alguma carga afrete, eseravos
e passageiros ; Irata-so com o mesmb rapito ou
com Luiz Jos de S Araujo na ra da Cruz, n. 33.
Para Lislnia partir, com a mainr breviilade ,
o palacho portuguez Mura & loaquinu forrado e
onc.i villnnlo do cobro e de boa marcha de lote de
7,500 arrobas ; tem melado d carga prompla : para
o restante c passsgeiros, para o que offefece muilo
lions fumino Jos : a tratar com o consignatario, Fir-
ni i no J F. da Rosa, na ra do Trapiche, n. 41, ou
com o capilSo Manuel du Cosa eilva ,'na praca do
do CorpoSanto
Para o ltiu-(ir,inde-do-Siil pretende sahir breve o
veleiro patacho Emetiana, capitao Valcntlin Ribeiro dos
Santos, o qual ainda recebe carga : quem uo inesmo qui-
zer ca regar, embarcar escrafos ou irdt passagem, po-
de contratar cm Amoriin & Irmos, na da Cadela,
ti. 39.
= Para o Rio-Grande-do-Sul salte, com loda a bres-i-
dade, o brigue brasilciro Sympatkia, eapilo Candido
Jos l-'iancise'o Guillaste : quem no inesmo quizer carre-
jar ou Ir de passagem, dirija-sc a Gaudino Agostinho de
tarros, ou ao dito capujo.
sn Para a Habla s he, cm puncos dias, o hiate nacio-
nal Siin-J io : para carga e passageiros, trala-se com No-
vaes & i o ni pan,'lia : na ra do Trapiche, n. 34.
Para o Itio-de-JaueifO salle imprelerivelmentc
imilla \i do crrente, li veleira escuna Gatante-
Maria : ainda pode receber alguma carga, assim
como eseravos rfrele : a tratar na ra da Mnda ,
n. II.
= Para o Aracaly leindesahi.- al l4 do correte o
hiaLc .Vni'o-Dli'uiliz, mestre Antonio Jos Vianna : ainda
Je receber algiiuia raiga miuda e passageiros, para o
'i trla-se com o inesmo uiesirr no Trapiche-Novo,
ou ua ruz da Cadeia-Vrlha, n. 17, segundo andar.
c- Para o Ass sahe, uo dia 13 do correnle, o brigue
naeiuual Surie ceUe carga a frelcs commodos : Iraia-se com Jos alar-
cellino da Roza, no largo da Alfandega, srinazem n 3,
e na ra do Vigario, n. 25, piimeiro andar, com Jos
llaplisla da Fniiaeca Jnior.
Para o Porto sahe com a malor brevidade possivel
a veleira barca Espirito-Santo, por ler a maior parle do
seu carregaiuento prompta : quem ua mesilla quizer
canegaf, ou ir de passagem, para o que tem os mais
alaciados cuuimodus, dirija-se ao seu consignatario,
l'razitisco Alves da Ciinha,' ni i lia do Vigario, n. II.
a^Para o Havie a barca franerza '.illa, capilo De-
y, segu imprclerivelmenle no dia 20 do correnle
miz: Tem excellcnles comuioilos para passageiros. I>i
rijlm-se aos consignatarios, J. P. Adour & C, ra da Ca-
deia do Recife, n. 52
= O bi igue-escuna nacional OUnda segu, com lire-
\ id,ule. para o I: in-ilc-Jancii u por ler paite de sua car-
. 3:325/229
. 132/442
3:457/071
= Precias e alugar um preto para vender pao na rus
com um caixeiro c fazer mi tros ser^icos de padaria ni
ra larga do Rozarlo, n. 48. Adverle-se que se"Ihe di
sustento e bom aluguel. f ^^ :
= Roga-seaos Srs. Joaquim Justino IGonfaHrGg,.,..
ra, Jos Maria de Souza Rangel, D. Mlchaella dsrjp,,,,
Mara Uravner e TJrsu'la das Virgen Madeira, de Irein ou
nandarein ao Aterro-da-Roa-VIsta, casa n. TO.
= Hoje, II do correnle, pelas 4 1/2 horas da tarde
porta do Sr, Dr. juiz do clvrl da segunda vara, se hSa'iii.
arrematar, por ser a ultima praca, varias ferrndolas l
mais pertences doollieiodc inarccnrlro, penhoradoz a
Joao Klcard, por execueo de Miguel Martus Costa Ri.
beiro.
RF.SPOSTA.
Quem mente ao advogado perde a 'demanda, x m,
soa que inserin o anniiBCio contra o abaixo auignido
ineniin no tndo ao Dr que Ih'o redigio, pelo que aflan-
(o-lhe que perdeti o seu lempo ; porque acousa he ou-
tra. f'raneiieo Pereira Pinto Cavalrantc.
- Antonio Pereira da Rocha Bistos deixou de ter
caixeiro do Sr. Joaquim Pereira Aratit'S desde o dii
t Odo cqrrente mez. O mesmo aproveita o emejo
para agradecer ao mrsmn Sr. o bom tratamenln
com que semprc o obseqtiiou durante o lempo ata
que esfeve em sua casa.
-- Na praca da Roa-Vista, botica doSr. Ignacio de '
Coufo, e na do Sr. Mnrcira.se dir quem ciisina neo-
graphia, fallare escrever gram mal cal mente ingle?,
frsncez e portuguez.
Pede-se a quem tirou por engao urna caria do
cotreio, vinda do Rio-Grande-do-Sul-, para Manoel
Jos do Jess Americo lenha a bondadu de manda-
fla entregar no pateo do Tcrgo padaria n 30.
. Arrendam-se, por um ou mais anno<, dous ter-
renos grandes e bons na estrada nova denomina-
dos do Luca sendo um proprio, como lie e tem i-
do, para ranchos o o outro em que esleve o Sr.te-
iienio Barros Lima e utlimamonte o Sx. I aurenlino,
ptimo (Ara diversas plantaQOes, como sejain can-
oas, n iindroca, capim, legumes muilos oulrosque
convierem ao morador que para all quizer ir: os
pretendentes dirijam-se no sitio do Cordeiro, em
S.-Auna a fallar com a vi'uva do Tinado commenda-
dor Antonio da Silva ou na ra do Vigario, n. 7,
primeiro andar.
O Sr. Jos Pedro Leite dos Aojos, lemlo annan-
f indo que se relira para fura do imperio, n3o o pode-
r'a fazer, sem.que primeiro venha pagara qoantia de
13,760 deque he devedor a Antonio Martina filiar-
te : por isso roga-seao Illm. Sr. Dr. chefe de polica
que no rncela passaporte ao dito Sr. Leite.
Hoje, 12 do correnle, se bao de arrematar por ser
a ultima prava, porta do Illm. Sr. Dr. juit municipal
la segunda vara, uns eseravos penhoradbs aos herdeiroi
de Francisco Xavier da Fonsrra Coutinho por exrcucao
do coronel Chaby, c oulros penhorados a viuva de Jos
de Oliveira c herdeirus, por exrcucao de llenry Fosters
te.
O portador da lellra de uin cont de ri, vencida
em 10 de abril prximo passado, ou 10 do correte, sc-
enla pelo Sr. Dr. Pedro lle/.err.-i Pereira de Araujo llcl-
Iro, e acceii.i pelo Sr. Dr. Joo Aulonio de Souza liel-
trao de Araujo Pereira, ou vlce-veraa, queira mandar
receber o sen importe no escriploilo do correior Oli-
veira, onde ha multo se acha'prompto.
-- 101
Mov Lucillo do Porto
A'aviu entrado no din II.
Macelo; 2dlai, batea ingleza Sr-lamei-Siuiart, de 2 7
toneladas, capitao Diniel Me. Farland. equipagein 13,
carga algodo e assucar ; a James Grabtree ti Com-
panliia Passageiro, Ricardo Pereira da Roza (.ins,
llrasilciro. Vem receber carias e segu para Liver-
pool.
JVaciof n/irf'is no mesmo dia.
Ilostou ; galera americana lazar, capilo Tilomas Siuip.
son, carga a mesma que Irouxe.
Santa-' alhai iu i patacho brasilciro Mura-Luz. capilo
Francisco de Paula Fousrca, carga assucar c ago'ar-
dentc.
Occlaracoe.
de .Iriiui'u Lina.
tomo pede. Qiiarlrl-general do comiiiando das ar-
mas na cidade do Rccife,25 de abril de 1849. Marechal,
Cocino.
ii Joi Vicente de Jmnrim Bezeira, riignitario da imperial
ni dem do Cruzeiro, commendador da Ilota, condecorado com
a medalhit de dUtlnco da guerra da independencia, hacha-
Til em hellat lellrat pela academia ic Parii, coronel gra-
duado e cemmandanle do quarlo bnlollulo de rlilhaiia a
p de primiru limka por Sua ilageitade o
Em eiiinpi Inienlu an respeitavel despacho do Exm
Sr. marechal de campo commaudaiite das armas, dado ao
Iresentc requerimeuto, atiesto que o Sr. doulor Jos
rmnywo Pacheco de Albuquerquc Marauhao se me a-
prrseutou logo que cheguei i esta villa, e acianu-se
Iresentes na oeeasio o delegado do termo, o Sr.
ose Francisco Lupes Lima, e oulras pessoas desta
villa, tivede pergtintar quem era o dito doulor, por is-
ao que nao o ennheela, e se havia tomado parle na re-
rolla; a que me foi respondido que era praieiro d
principios, porm que minea Uvera pegado em armas,
aem oceupado emprego algum na rebelda, por Isso
que nao ealivera as torcas inimigas, e antes sempre
nrata lilla c no engeuho de seu pai, autor do prsenle
requeiiinenlo ; sendo urna das pessoas que assim me
disse o actual subdelegado, e rscilvo de orplios e ca-
pillas, o Sr. Ignai lo Vieira de Helio, edepois ouvi o ines-
mo ao Sr. doulor juiz municipal Jos llandrlra de Mello
e ao Sr. capitao de priinrira liulii reformado Amonio
Alvea de Paiva, lodo* legalistas r< conliecldoi e sem innn-
eha, c por isso iiosiispeilus. Atiesto manque o Sr doulor
Jos Jeronyino Pacheco de Albuquerque .Maranho velo
a lueu quailel i|uisenlar-ine o diploma que havia re-
ceido para ir tomar assento como dvputado provin-
cial e pedir-uie uin passe para poder seguir, ao que lh
respond que nao precisava; e, ac audo-se tambem pra-
senle o dito Sr. delegado Lope/ Lima, este accreseentou
o ser preciso o passe, purquaulu o referido Sr. dou-
lor nao era suspeitu- e que o inesmo diploma era o ma-
lhor paaac. O que ludo por aer verdade o allirm.
uartel na villa em Naiarelh, 8 de malo de i849.
Jal Viente de Amorim Bezerra.
O abaixo assignado, cnsul de S. M. Mrltannica nes-
ta provincia, iillerrce a graliftcaro de qululieutos mil
ris a qualquer pessna que Ihe poder inculcar ou dar in-
frinaces precisas para conseguir a apprellf uso e'en-
trega s autoridades deste palz do assassino ou assassi-
nos do subdito britannico James lijan, que fui brbara-
mente assassinado na imite de srguiida-leira, 23 do mez
prximo passado, na punte da laearuna. Consulado bri-
minien, 7 de maio de 18-19. //. uguiti l^ttptr,
mperiitor. Si., cnsul. -J
== OSr. Jos Soarrs, piloto escrivoque foi do cu ler
Eiperancade-lliheribr, coiuparrca na coutadorla de ma-
riuha no piazn de tres dias para api i sentar suas coutas.
Goni nimia de mailnha de Peruambiico, 7 de maio de
1849.Manee! I obo de Miranda llenriquei.
Acha-scdepos lado pela subdelgaos* da lloa-Vista
um cavallu castauh i escuro, qualro ps calcados, com
dous ferros iguacs oa perna e mo direila, com um de-
feilo noolho: quem fr seu dono dirija-se u iiiesiua suh-
delegacia.
WV^'^ ^!*fli
- BBBBBDBB.-
Sao convocados os Srs. accionistas da coinpanhla de
Hebeiihc para se reunirein em assembla, geral no dia
15 do coi rente, pe las 10 lloras da manha nn escriptorio
da mesma companha. asSin de ser rlelta nova adminis-
Iraco, e de se dar riamprlment disposi^o do artigo
7 dos estatutos.O director, Francitto Antonio de O/i-
vtira.
TKATUO DE SAN-FtUtfCISCO.
' i NOTICIA.
I edro Daptlsta de Sama Rosa, director do thealro de
Nan-frsncnco, acha se preparando uin grande espect-
culo para a noite de 17 do corjcnW.ein que a aasociacao
a rngajada : para o resto, passageiros ou eseravos a
rete, trata-sr com V.u hada \ Piulu-iro, na ra' do VI-
galio, ii. 19, segundo andar, on com n capito na praca.
c I) liia^ue l'tiijiu lv-dc- Pfnl^niliiiro sepile para O Rio-
(iraiulc-ilir-Siil no (lia 13 do correnle: tem asseiados
coinmodos para passageiros e recebe eseravos a fete :
'quem pretender qualquer das cousas, diiija-se a ruada
Mo, da, II. 7.
Para Lisboa o briguo portuguez Veloz, eapitiio
Antonio Pedro du Figuoiredo sahe com a maior
bruvidadu possivel : quem no mesmo quizer carre-
gar, ou ir de passagem para o que oll'ereco os mais
excedentes comniuilos, diiija-se aos consignata-
rios Oliveira Iranios & Com pan Illa na rui na Cruz,
it. 9, ou ao referido capito, na paca do Coinmcr-
CIO.
= Para Lisba sahe, rom a maior brevidade possivel,
o brigue portuguez ,lmia-.l/i7,iu/r, forrado e encavllba-
do de cobre : recebe carga c passageiros, jiara os quaes
tem cxccTlfiiics coiiiiuuilos : a tratar com o consignata-
rio, Ion | o i ni Ferreira Meudes Cuimares, na la ds
Cruz, u. -Id, ou com o capito, Ignacio Jos de Araujo,
na praca do (.'omniercio.
^r. Para o Rio-de-Janeiro segue'viagcm, com milita
brevidade, a mullo veleiro e coiihecida barca Firmeta :
qurm pretender carregar ou ir de passagem, para oque
U ni cseelli nies cumiiiiidiis, ilu ija-se au caes da Alfan-
dega a tratar cun Manuel Francisco da lva, ou na ru*
da Madre-de-leo., asa n. 3, lercciro andar.
=a Para o Itlo-dr-Janrlrosegu, com muita brevlda
de, o brigue uaclonal .immii ; tem a maior parte d car-
regamruto prnjiipla : para o resto c eseravos a frele,
ii aia-.se com Juno Francisco da Lruz, na na da Cruz,
numero 3
Para o Rio-Crande-du-Sul segu no dia 13 do
correle o brigue nacional Dcipipie : recebe carga-
pasdacciros e eseravos a freto ti ala-se com Macha,
do anuir ,ou rom ocapilHo a bordo.
ferca-feiea, 15 do crreme, na sala das audiencias
peranle o Sr. juii do clvel da priineira vara, ae nao de
epe
arrematar por ser a ultima praca,
des
Lciloes.
- O correior Oliveira continuar Icilao publico, por
ordein eem presenca do Illm. Sr. juiz respectivo, de
gratule porfo de cadeiras de todas as qnalidades, ban-
cas de jugo, digas de meio de sala, solas, canias, e mul-
los outros trastes, proprloi tantb paVa particulares co-
mo para lujas de marcenelros : segunda-feira, 14 do cor-
rente, s 10 lloras da ui.iuha, na ra da Alfandega-Ve-
Iha, arinazein n. 9, por baixo do hotel Franeisco.
Johnslon Pater Si C faro leilo, por IntervencSo do
correior Oliveira, de grande sortimenlo de fazendas iu-
um sitio na Ponte-da-
llia c varias propedades de casas, a requeiiuieiito
de eredoreat
No dia 10 do correnle pelas aete Jioras da noite,
furlaram a Antonio Jos Gomes do Corr io uina escrava
da Costa, mojabiaixa'. de nome Izab I, cotn alguna ris-
cus as faces, signal da sua ua(ao, levando vestido de
chita desbolado : quem da mesinatliver noticia poder
avisar an' dito Gomes ou leva-la no crrelo, ou na aua
casa ua cidade nova de Sanlu-Aluaro, que recompensa-
r o Irab.-ilho.
O dono da venda bem afreguezad para o matto e
para a Ierra, pode diiigir-sc ra do burgos no Furte-
do-Mallos, n. ,'l.
- Aluga-se nina luja na Boa-Vista esquina da ra Ve-
llia, e com portas para a travessa de Joo-Franciaco,
concernida e calada, muilo propria para qualquer esta-
ueleciiiiento, e com commodos para familia.' os preten-
d mes dinjain-se a ra de Sauta-Thcreza, n.50, ou ao
largo do Carino, venda n. I.
Mano,! Jos Pacheco de Mello, brasileo adoptivo,
vai para a ilha de .San-Miguel tratar de sua sade, leva
em sua compaiihia sua senhora e dous arlados, e delta
por seus bastantes procuradores durante a sua ausen-
cia, em piimeiro lugar o Sr. Francisco Jos Raposo, eui
segundo o .-ir. Manoel Caetano Borgcs e Silva, e em ter-
ceiro o -T. Jos Aulonio ( un ca Jnior.
Antonio Vteira Marlins vai para a ilha de San-Mi-
guel tratar de sua Sade, levando em sua couipnohia uin
i O hado c um criado, eroga ao inesmo lempo a todas as
pessoas com quem tem tido negocios, uu se por esque-
eiuiento drve alguma cousa, o que julga o contrario, \
que hajain de apresenlar Ihe suas contas ar o dia 10 do
correnle incz par se tirar qualquer duvlda. assim como
deixa por seus bastantes procuradores, durante a sua
ausencia, cm primeiro lugar ao Sr. Francisco Jos Ea-
poso, cm segundo ao Sr Antonio lavares Ferreira e eui
trreeiro ao>r. Jos Antonio Correia Jnior.
Pirdru-se na tarde do dia 8 do correnle, una cai-
xa para rap, de prata, desde a Soledadcpelo Coi redor-
do-llispo, roa da Gonceiro e em direitura ale ein Fors-
dc-Poirtas : quem a liver nchado e quizer restitu-la
sci a gralilic ado na rila da t.'iu;, |l. 55.
Na uuile de 7 do correule mes. fugio o esersvo
Joaquim, pardo claro, punca baiba, alio, magro, prr-
nas finas, tem o olliar um pouco espanlado, levou ca-
misa e ceroula dealgodozinho c chapeo de palha gros-
sa c pequeo, com nina fila deseguiar por balso du
queixo: roga-se a qurm o apprehender entrrga-lo a Sr-
bastio JosGomes Penna, na ra duCollegio, aonde se
dar a devida graliricsco.
= O abaixo assignado,na qualidade de primeiro lesta-
iiientciro dnsbens do liuado reverendo Jos Duartr Ce-
d un, e auioi sado pelos respectivos brrueiros, convida
por este a todas as pessoas que Irnliniu cuntas eui aber
com o lelerido tinado para, nn prazo de Iriiila dias da
dala deate, vireni justa las com o abaixo assignado, pa-
ra ciijo Iim ser encontrado lodos os dias no primeiro
andar da casa da rua da Grus n. 64.
Ilencdiln Jos Duart* Cedrim.
As audiencias do juizo eccjcsiaslico lero lugar to-
das as quiulas-feias pelas 4 horas da larde esa casa da
residencia do vigario geral, o padre Leonardo Autuur)
Melra Ilemiques.
Alugam-se escra'os ou hnnieus livres que eatejaiu
acnstumallos a trabalhar uo campo : na Treinpe sobra-
do, n.i, que tem venda por baixo. No mesmo sillo
tem para vender ps de par reir moscatel de chelrn, fi-
gueias, rouieiras, ludo da inclbor qualidade, t lam-
ben! bom capim de planta por pirco coinuiodo, sendo
freguezia cena uinnda-sc por em casa'do comprador.
Clirgaram pelo vapor S.-Salvador, entrado do norte,
os excelleutes queijos de qualha limito superiores e fres-
caes : quem os pretender comprar dirija-se a rua da
Ci ii/. do Recife, n. 33, arniazrin de Araujo.
AVISO A POBREZA. -f.
Coutiuna-se a vender a bolacha de larlnha de ihI4
a 80 rs. a libra: be multo saborosa, e o prreo deve allra-
hlr os freguezes. V



I
3
Hom negocio para qupm quer
principiar -coiu pouco di-
nTit iro
No botiqun) da Esperanza precisa-e
dfi un bom cozinhciro para tomar Jjontn
do mesmo catabelecimento por b3lanco
ao qual se dar nteresse nos lucros : <
mcsmo negocio se far com outra qual-
quer pcssoa que se queira enoarregr do
sobretlilo otabelecmento, tendo bastan-
te pratica : a casa acba-se bem monta'a,
tem bastantes fregnezes bons pagadores,
visto as boas comidas qne costuma a-
prescnlar. Fax-se este negocio por moti-
vo de molestia : a tratar no mcsmo boti-
qun), ra da Senzalla-Yelha do Hecife,
n. i6.
RA NOVA, N.elO.
Recebru pelo ultimo navio de Franca ricos lequcs de
madre-perola, cortea de seda para vellidos,' blcns de
blnnd, caprllis para noiva, pentrs de tartaruga para
prender cabello e marrafas, encerados de todas as lar-
guras e de lindos padrees para mesas e planos, meJai de
scila brancas e pretas.luvas e calcado de todas ai.qual-
dades, calungas de porceilana para botar espirito : ludo
imito rico e por couiiiiiidos pircos
flnga-se um sitie no principio da estrada de San
to-Amnro, Indo para llelin, Junto ao sitio do Sr. Or. Gui-
inaraes : a tratar no pateo da matriz de Santo-Antonia,
obrado n. i.
Abrem-se firmas para bilhetes do visita otn
quaesquer caracteres, com tarjas e enlaces, ou sem
estes com delicadeza e por proco commodo na ra
larga doRozario n. 48, segundo andar.
Alugam-se dous ou 3 andares da casa da ra da
Cruz,*. 40: a tratar no escriptorio do primeiro
anJar.
I)-sc pSo de vondagem a prctas ,'com respon-
s-iliilidadede scus senlimes: na ra Direiln, piula-
ra n. S(.
i= Vicente Tboma/. dos Santos, rrlirando-se deata pro-
vincia por algiiiu lempo, nao pode drinar de agradecer
as attencca e obsequios receidos de militas pessoas c
amigos, pediudo a estes o dcsciilpem de nao ser pessoal
i ni sua despedida, como desrjava, mas que leus muitos
afazeres Ihe nao permittiram.
Agencia ilc passaporles.
No piteo da inalrit de. Santo-Antonio, sobrado n. 4,
tiraiu-se passaporles para dentro e fura do imperio, as-
iin como despacham-ae escravos.
-- l'recisa-se do um feitor para uro sitio perto da
praca : na ra de S.-A mu ni, n. 8.
Deseootam-se sidos dos Srs. uRicises da tercei
ra o quarta classes : cin a venda confionle a cadeia
so dir quem faz este negocia).
'-- Pfecisa-so de um menino de 12 a 14 annos, ca-
ra .caixeiro do ven la o qual d fiador a sua conduc-
ta : no ,\lerro-da-fioa-Visla venda n! 20. *
-- Precisa-so de urna ama secca qua engomme ,
coziMie o faga as compras de una casa de punca ra-
milla : na rui tireita, sobrado de varanda de pao,
n. 45.
Agencia de passaporles.
Na ra do Collegio, n. 10 e rio Aterro-da-Boa-
Vista lujas na. 48 78, continuam-sc a lirsr passa-
pertes, tanto para dentro como para fra do imperio,
assim como desDacham-se esoravos: ludo com bre-
vidade I
Toleria do lhcairo publico.
O estado' da venda dos bllhcles desta lotera, pouco
ariiaiitada drpois do Ultimo anuuiicio, nao habililou o
tliesoureiro para realisar, como deaejav, no dia 27 do
protima (Indo uiei o andamento das respectivas rodas';
purciii, esperancado de Mr desla ve/, muitos deaejaro
rnlr.ir em um jugo de Dom agouro pela proxluildade
das sorles de S,au-Joo, tema iiovamente designar o dia
19 da eorrente para o dito andamento das rodas, quasi
convencido da infallibilidade dessedia. Se, pnrm, an-
les disto a venda se-ultimar, rnloscr anticipado o an-
damento referido com vanlagciii dos que arriscaram.
Aluga-se um escravo bom tratador de cavallos
e do o ais ,-ei vico de casa : paga-se bem : na ra do
Sol.n. 15, 3 "andar.
Alirio-si! um acouguc no pateo do|Para7.o, "n.
1" anude os freguezes acharflo sempre boa carnee
por precn roiumodo.
--Precisa-ge de um amassalor: na ra da Sen-
zal'a-Velha, padaria n. 90.
Prccisa-sealugarum escravo: na ra Vclha ,
n 80
Aluga-se a loja do sobrado n. 73 da ra do lian
gel :a UMar a ra da Cadeia do Recife, n. 48
.Precisa-se de um ollirial do babuleiro : na ra
do Collegio, p. 13.
-- Aluga-so um preto que cnlenda de padaria :
as Ciuco-Pontss. n 38.
-- I) Auna Rita Caetarra da Silvera faz verao res-
pcilavel publico par que pessoa alguma faga nego-
cio de qualquer naturc/a com os beus dcix-ulos pelo
scu dundo marido Joflo larinho Faleiio porque
anda nflo fram inventariado!', e ella como inverna-
ra ntedetde ja piolesla contra toda e qualquer. pea-
so qua o oontiaiio fizer: e para que. nao scclianiem
a ignorancia, faz o presente annuorin.
I>. Anna Hita Caclana da Silvcra pelo presento
faz ver so publico que vai proceder inventario dos
beus ilt xailos por seu tinado marido Joilo Man n h u
Faicao ; pelo que convida a todas as pessoas a quem
0 mcsino tinado ..tlevia que queiram comparecer
cometeiiteinent* habilitadas ; bem como todos os
devedures do mesmo finado, hajam do comparecer
pata tratara respeito.
Airenda-.se um sitio perto do engenlio Ciqui,
com ptima pastagem para criar, e com siidlciencia
para sustentar 25 vaccas e para iais havendo cui-
dado : tratar com o sou proprielario, na Torro
Arrenda-se unta decente caa terrea com umj
grande quintal e cacimba, sita no Corredor-do-Bis-
1 o, Mayer.
I. Cecilia Rosa da Costa, viuva de Joaquim Jos
Lourenco da Costa fuz aviente ios inqiiiliiios dos
pidig do seu casal que tem passado procuiaco,
p< lo oa/loriodo Ubelliflo Coelho a Juo Antonio
sohits du Abieu e su lvala em couta os recibos
paasailus telo dito seu procurador.
Ka aula da piimeiras leltras da ra da Cadeia
de S.-Antonio no segundo andar do sobrado da es-
quina do beccodo Ouvidor, ensinair-se meninas o
meninos ; taubum sc'aceilam pensionista e meios
l-enairflstas, os qtiaes serlo traalos com toda a de-
cencia e por um mdico preco.
Oadvogado Filippe Menna Callado da Fonscca
participa ao mus amigos, clientes c aos Sr. soli-
citadores, que mudou o seu escriptorio parca casa
contigua aquella onde resida,na mesiua ra do Col-
legio, n. 1.3.
v~ Aluga-so o segundo andar do sobrado n. 18, na
ra do .Trapiche-Novo, com linda vista de mar,
e ntuilo propfio*para escriptorio: a tratar no pri-
meiro andar do mesmo sobrado, com Eduardo II.
Wyaltt.
Precisa-se de urna lavadeira para urna casa es-
Irangeira que lave bem e com regularidado ; na
ra do Vigaro, n. 4.
Precisa-so de 2 feitores um para enge> ho e
mitiojih a um sitio porto da cidade : atrs do-Cor-
po-Santo n. 66.
= Precisa-se de um calxeiro qoe tenha alguma prati-
ca de padaria e reftnacao, e que de fiador sua conduc-
ta : na praca da Roa-Vista, n. 7.
asa Aluga-sc o primeiro andar do sobrado n (i.Vda ra
Nova, com bastantes commodos : a tratar na mesma
ra, n. 63.
= Precisa-se de urna senhora que tenha bons costu-
mes e que saiba cozer, bordar e tocar piano, preferin-
do-se a que souber grammatica portugueza e franceza,
para ensinar duas meninas fra desta praca : a pessna
que a isso"se dedicar, anntinci* sua morada, ou dirja-
se ao Atcrro-da-lloa-Vista, n. 44, onde achara com quem
tratar.
Edevin Forster Adama, cldadao americano, retira-
se para os Estado-Unidos. .
Antonio Soarea Collinlio, Portugue/, relira-le para
fra do imperio.
Jos Atvee de narros e Sebastiao de barros Crrela,
cldadaos brasllelros, rellrain-se para fra da provincia.
Jos Percira dos Sancos Silva relira-se paraos por-
tos do snl.
Retlram-se, para fra do Imperio os cldadaos por-
tuguezes .Manuel Goncalvcs Lima e sua mullier ; Ja-
cinlho Jos da Molla, sua mglher, seu sogro Francisco
Jos do Amaral.auasogra, dous filhos e urna filha ; Joiio
Ferreira (.'ordeiro, sua mulber e um filho ; Jos Fran-
cisco Medeiros, sua mullid-, cinco lillios e cinco filhas ;
eJos Martina Ferreira um criado por noine Antonio
Jos.
Jscinlho Jos de Medeiros, Portuguez, e sua
mulher retiram-so para Angola.
Jos Pinto retira-se para fra do-imperio-
Iteliram-so para fra do imperio os cdadSos
portuguezos Antonio Coutnho, Francisco Ferreira
da Silva com um filho e um criado de nomo Fran-
cisco Manocl do S.-Anna, Jos -'ni innato de Almeida,
com sua mulher cinco lilhos o un a criada.
Joaquim Jos. P.ibeiro, Portuguez, relira-se
para.Pin ui^al com sua senhora.
~ Erna noilede7 do correle, furtaram do sitio
do S.-Jos do Manguioho o primeiro da estrada no-
va da Capunga 2 gansos ambos Torneas: roga-se
a qualquer pcssoa quem forem oderecidos, que
os apprchouda e annuncie que ser recompensada.
-Ocscriviloda irmandade do Divino Espirito San-
to avisa aos irmtos quo domingo, 13 do corrcnle,
pelas oilo horas da manlii, se devem arhar reuni-
dos no consistorio. para seprorodcr a eleir;io da
nova mesa regedora.
rUNDICAO
f
DA vnnn'
C. Starr V 6'., engeiihclros, com fundiciio de ferro e
bronze, e ferrarla, tildo em ponto grande, movido por
duas machinas de vapor, montadas as casas novas lia
na da Aurora em Santo-Amaro avlsam aos seus fre-
gue/es, e ao publico em gcral, que leein acabado dea-
promlar para vender varias inacliina de vapor de bai-
xa e de alta pressao, e de diversos tamaitos :. estas ma-
chinas sao providas de bonillas para supprlr a caldelra
com agoa j quelite, c com vlvulas com os seus arrau-
jos i'nuilo simples para regular a quantidade da n.eama
agoa ; mas os anniinciaiiies, longo de inciilcaiein estas
invenedes como saas, advertem que a prlmeira foi adop-
tada pelo clebreSavary em 1698, e a segunda inventa-
da por l'i iiullev j mais que cem anuos passados, c
ambas introdiizidas nesta provincia em 1835 pelos au-
iiuiicuinies na machina de vapor do engenlio Caraune
(o primeiro fabricado neste.iinperjo) o qual ainda est
em ell'eetiva operaciio, c desde cuino se ha eitrahido
peno de urna duzia das mesillas machinas, feitas nesfa
fabrica, conteudo os mesmosapparelhos, c com siimmo
aproveitamento dos compradores ; portanlo impingir
isto agora como cousa nova, era impostura. Os aiinun-
ciantes teein sim a salisfa^ao de informar ao respeilavel
publico, que lio conseguido um iiieihoramento de no
pequea iniportancia, e verdadeiramente novo nesta
palz, que he por meio de urna modiiieacao da ealdrira
e um simples arraujo de canos e registos, aproveitar
o l'o:o supcrlluo do asseniainenl para faier mover a
niacliina de vapor sem mais gasto de combustivel de-
pols do eiigrnlto terganhosua marcha : esta mullo til
lembranca tem sido experimentada com bons resulta-
dos em os eiigrnltos Trapiche c Jardlm. Esta fabrica es-
t sempre snriida de
Morndas de tambores iberios para huchas de ma-
deira, grandes e pequeas, com seus pertences.
Dras com aguilhes acunhados chamadas meias
moendas, de todos os tamaitos e rain rodetes de ferro
ou sem elles, para agoa o animis.
Dilas inicuas, todas de' ferro, endependente, com a-
marras diagouaes de gancho, invencao dos aniiuncian-
lei, e ni ni to approvndas pela sua fortldo c l'aeilidadc
il'ai ni.n c desarmar.
Alambiques de.Ierro, cousa nova e iiinilu appi ovada.
Molnlios c ofensas de mandioca e fornos de familia.
' .ni os de inao e arados de Ierro.
fu ande sin tmenlo ile Inon/es, aguillies, cliniii.icei-
ras, paiafusos c mais pertences de engenho.
Iludas e rodetes de varios lainanhos.
Hoccas'e crivos de fomalha.
Ruchas para carroraa, erra d'aco para serraras.
Bolinetcs, lirn/.es e roldanas para navios.
"i aun uncanles, pelos longos anuoa de pratica ues-
te paiz, pela grande vapacidade e commodos de seu
novo eslalielcciinenln, pelo erescido numero c umita
experiencia e pericia dos seus operarios e euipregados,
olleieccni aos freguezes vantagens nao possuldas por
leniiuiiia oiiini fabrica nesie imperio, e esto, porlauto,
verdadeiramcnlc babililadoa a eiiiprehender c execu-
lat i otn i maior pi'uuiplidiiii c pe leicnu i|iialqiiei' obra
de r-itgeiinaria ou inachiniamo.
-- Alu^a-so unta casa lenca para qualquer fami-
lia na ra da (.loria, u. 6 : a tratar n ra da Sen-
/.allii-VeIba, n. 70.
Feriiando Francisco Tcker, outr'ora com o no-
me do Fernando Francisco, llespauhol, vai a Portu-
gal : por isso quem fr seu credur aprsenle sua con-
ta para ser ponlualmeuto paga.
lia-se diuheiro a juros em quantia
de dii/.cnlus mil ris para cima : a fallar
com o Sr. I'inlincs, na ra larga do Ho-
zarlo, n. 14*
Prcclaa-ae de um calxeiro portuguez que tenha pra-
tica de venda : na ra Uireita, venda n. 18.
m Thonaz Jos Soarea retira-te para Portugal.
.
Thomas Dawbarn tem cartaa no eicrlptorio de Lt
RretonSchrainm &C, ra do Trapiche.
Precisa-se de um rapai brasilelro ou pnrtqguei pa-
ra'caixeiro de unta venda : etn Fra-de-Portas, junto a
igreja do Pillar, n. 12.
Aluga-se um sobrado do um andar e sntto, hem
arejado, na Passagem-da-Magdalena ni esquina
que vira para o Remedio : a tratar no mesmo so-
brado.
Sociedado Apollinea.
A coimnissao administrativa convida os senhorea so-
cios par'a comparrcerein no horas da tarde, na casa da mesina socledhde, aflu de
se proceder cleifao da coimnissao administrativa que
tem de dirigir os negocios da mesina dranie o corren-
tc anno a lindar em marco de 1850. '
Outro sim, scieniifica aos ditos senhorea que nesta
occasiao recebar as propostas para convidados par-
tido do crreme inez a qual ter lugar em a nolte d
da 2tido iiiesmo me;, adverte finalmente que ficaro eli-
minados de socios todos aquelles senhorea que at o
prelixo da 12 nao se acharem corrrentea coma mesilla
sociedad*.
= Retira-se para fi'ira dn Imperio, 0 cidadao portu-
guez Domingos l.uii Ferreira.
p Sr. Jos Fortunato do Almeida haj de se no
retirar para fra do imperio, sem quo primeiro pa-
gue ao abaixo assgnaoo oque Ihe deve ; certo de
que na sua sahda,se usaro dos meios que a Ici con-
cede. Jos Roiriguet Ferreira.
O Sr. Jos Fortunato de Almeida que annunciou
retirar-se para fra do imperio nilo o pode fazer
sem quo primeiro pague 79,170 rs. que deve desdo
13 do abril de 1847 na ra Direla, n. 82.
Quam annunciou querer fallara Francsto Es-
tevas de Mello, rendeiro do engenho Cindahy de
Una dirija-se ra do Padic-Florianno, n. 42, pe-
las duas horas da tai de.
Precisa-se fallar ao Sr. Joaquim Cordeiro Iti-
hero Campos a negocio que Ihe diz respeito: -na
rm do Cabug lujada csqtiina junto a botica.
-- Quem precisar alugar una preta para ama do
leite, dirija-se a ra do Cotovello, n. 57.
O professnrde inglcz e francez do collegio das
arles ensina estas disciplinas, o casa du sua resi-
dencia ra da Gloria, n. 7.
Oabaixo assignado lira pasaportes para dentro
e lora do imperio,c corre folhas com prestesa e com
nodo prego ; os preteiulenles, dirijain-sc a ra do
Cicspo, loja do Sr. Manuel 'Ferreira llamos.
Claudmo do liego Lima.
Precisa-se de um feitor para um sitio pcilo des-
la praca -na travessa do Veras, o. 15.
Precisa-se do urna ama que tenha bom leilo ,
para acabar de criar um menino que tem 7 inuzes :
na ra da Cruz, ti. 43.
' Precisa-se de una ama para casa de um hoinem
solteii'0(, que seja parda ou branca de 40 a 50 an-
uos pn'ra 'fra da provincia a qual d fiador a sua
conduela: pag-se otrans|Oitce so obriga o dono
da casa a turnar a mandar comluzi-la sendo que
a dita urna uo queira continuar: quem esliver ties-
tas circunstancias, aunur.cie.
ooipras.
Compram-scos livros segundes : Curso de phi-
losophia por Dainiron, Elementos de dita por l'issot,
Tratado da lingoagem por Cliarm : quem livor an-
nuqcio.
--Comprom-so unas conchas de balamja grande,
em bom us: no paleo do Terco, n. 30
Compra-se um escrano que seja fiel, e teiria
bom compartamento seja moco e sadio: no Man-
guioho, padaia ii 51.
Compra-se um par de brincos de diamantes: na
ra Nova, n. 63.
Compra-sea ola de moral do hispo Motile : na ra
Nova, n. 63.
Compram-sc 5 quarlas de cordita fino do ouro ,
com o peso do 5 oilavas : na ra do Queimado, so-
gunda loja, n. 18, so dir quum compra.
Vendas.
Feijita.
Vendem-se saccas com foiilo mulatinho novo e
proprio para semenle : no caes da Alfandega ar-
inazem n. i, o primeiro indo da ponte.
Na ra Nova luja de ferragens
Costa May recebcu-se novaincnto
de Joaquim da
umsorti ment
de ricos appiirelhos para clin sendo bules, ralclei-
ras, ass*ucariros manteigueiras, leitciras, tigellas,
jarrse bacas ludo de metal branco e*o mais li-
no quo tem vindo ao mercado.
c" Vendcm-se riscados monstros de novos |i
%M padries, a 300 rs. o covado ; cortes de n
ufa casa do c^rs fixns a 2,240 rs. cada un ; .
Sh IcriC* de seda da India a 1,000 rs. ; cor- >>T;
" tea de Calcas de casimira a 4,500 rs. : na {)-
ra do Queimedo nos quatro-canlos lo- > ;
i ja do sobrado amarello, n. 29. t,
11
,.:-^ ::;:v.o? ^ ^<^.^
Na ra do.Crrspo, n. 10,
?endem-se pecas de cassa lisa, de vara de largura e
com12jardas.a2,240 rs.; ditas de bretanha com
10 varas, a 1.440 rs. ; brim trancado branco de pu-
ro linho a 800 rs a vara ; cassas pintadas francezas
a 240 rs, o covado ; os bem conliecnlos cobertores de
algodflo americano, a 6i0 is.; pecas de zuarle da
ludia, com 32 pollegadas de largura e de 24 covado,
a 4.6O rs. ; dito de chadrez com 40 covacos a 6,500
rs. ; algodilo liso fabricado na Baha a 200 rs. a
a-ara; corles de casimira do pura Ii., a 4,000 rs. ;
merino verde entestado a 560 rs.
Vndese urna porao de pedacos de lijlos par
alicerce, por prc^ocommodo : na ra do Oalduirei-
ro, n. 14.
Deposito da fabrica de Todos*
os-Santos n.l Baha.
Vendse em cs de N. 0. Bieber & C., n _iua
da Cruz, n. 4, algodilo lrncdo daquella faDrica ,
muito proprio para saceos de assucar e para roupa
de escravos a"os prerjos de 270, JOOe 310 rs. a va-
ra ennforme as qualdades. a,..,.
Na ra da Crin, armaiemde SAraujo, n. S>, na su-
perior farlnha de inandlora em saccs para vender.
Veudein-'se quatro escravo marioheiroi, bonitas
figurus, e bem aadios : a tratarcom Manocl Ignacio ae
Oliveira, na praca do Coinintrcio, 6-
Ao bom gosto.
Na casa de pasto da rua do Pilar, n. 143, havera
lodosos das chocolate mais berii feito do que em
oulra qualquer parto e*os domingos e quintas-fei-
ras, ds7s10 hora da mnnlia haver o bom
pralo de mocot para of freguezes. NJo ha cousa me-
Ihor.
Vende-se urna catfeira de armar : na rua de S.-
Amaro. n. 8
Vende-se urna parda moga de bonita figura ,
sem achaques ncm vicios : na rua da ConceicSo da
Boa-Vista, n. 18.
--Vendeni-se, de urna resso que so retira, dous
pares de lanternas de vidro e um lindo par de jar-
ros de porceilana dourada com flores : na rua No-
va, n. II, loja dos Srs. Guerra, Silva & C
= Vendo-se urna cariis de amarello, muito bem
fcita : na rua Nova loja de chapos, n. 24.
Vendem-se ealugim-so bichas de llamhurgo
no liecco da Gnngrogacfln, loja ile harbeiro de Theo-
philo Jos Ferreira do Saip-paio. O mesmo Sampaio
sangra, applica ventosas e ludo o mais clicamente
no ollicio do barbeiro
Vende-so nina prela criotila, de bonita figura,
perita cnvinlieiia e engoinmadeira taot P*1' ho-
mem como para senhora o que tamben) he quitan-
deira : dcfiouteda ribeira dopeixe, soh'adu n. 3.
AO IIAKATO.
i>a rua do Crespo, loja n. ti,
vendem-se cortes do brim pardo de puro linho, a
I.OOOrs. cada um ; ditos de insiri para colimes, a
1,200 rs. ; ditos de velludo, a 1,000 e 3,000 rs. o cor-
lo ; cortes de camhraia a 1,800, 2,000 e 2,500; dito
de cassa-chita com sote varas a 2,090 rs ; ricos cor-
les de talagarga, a 4,000 rs.; riscados do linho, pro-
prios |iara jaqueta a 3C0 o covado; riscados mona-
tros de superiores qualdades e com cinco palme de
largura 300 rs o covado ;e nutras mu'tas fa/.en-
las por muito barato preco.
Vcndc-se a taberna do paleo de S.-Pedro, n. 1,
rom os fundos a volitado dn comprador : l'az-se todo .
o negocio, por seu dono retirar-se -. a tralar na mes-
iua venda
Vende-se uina preta moga, do btuiila figura,
quo cozinha o diario de urna casa e engomma liso :
na rua Nova, n. 40 ou na rua do Queimado, n. 19.
Vendem-se duas moradas de casa de podra n
cal muradas, diante do Varadouro, na rua da Man-
gueira, om boa rua daquella cidade para negocio o
urna delbis tem sotflo : na rua do Aragflo', n.T9.
Chocla le amargo de musgo
islndico, ou thesourodo pe-
to,preparado por Mr. I. A losse, esta doenca tilo couimum quinto descui-
dada lito graves silo suas consequncias quanlo pa-
rece ligeira em seu principio to matadora por si
s como todas as outras doenijas que consomem a
especio humana, no tinha para combate-la e des-
Irui-laum medicamento especial o nico. Todas as
paslilhase xaropcsquo teem apparecido at hoje ,
teem sido impotentes.
Nilo tem acontecido islocom o chocolate de mus-
go. O principio que forma a su base principal offe-
reco propiedades incontestaveis a reconhecidas de-
pois do iniiilo lempo, e ningtiem ignora os relices re-
sultados da sua applicnco em loJa* as phleugma-
siasagudas ou chronicas do pujiniro alTecOcs do
peilo. phlvsica.defluxos, toces, etc. para dar tom
ao estomago, abrir voulade de comer, conservar
as genpivas e e bom alilo, mataras lombrigas, prin-
cipalmenlo as crianzas. Vende-se nicamente na
rua do Queimado, n. 1T.
Chegucm ao barato antes que
se acabe.
ca bem conbe ida loja n 5 A, na rua do Crespo,
ao | do arco de S.-Antonio, vendem-se pura liqui-
dacjio as seguintesfazendas ; cortes de cassa de 5 e
G varas e de cores lixas, a 1,600 e 2,000 rs. ; ditos em-
ita pelados, Oiiiilo linos, de cores epsdroVs grada-
veis muito fixas e com se te varas, a 2,500 rs. ; ditos
de burras bordadas, braucos, de cures o de padrfles
novos a 3,500 rs.; lencos do assa de cores para
grvala, a 160 rs. cada um; luvas de algoJflo de
cores, tanto para'humen) com para senhora a tio
rs o par-ciles de selim do cores para colletes ,
muito boa lazenda a 3,uoo rs.; cassa I na
400 6 500 rs. a vara ; dila mais ordinaria a 240 rs.;
panno de algodflo grosso de cores escuras, proprio
para escravos, joiiir mullo lorie e largo, a 180
ra o covado ; lencos de camhraia piulados, borda-
dos con. lislras e guarnecidos de bicos muito fi-
nos prourio para senhora, a 400 e 500 rs ; casimi-
ra de um s cor verdo e azul-escura de duas largu-
ras piopria para calcas e palitos, a 1,600 r. o cova-
do luslflo branco liso com alcochoado paru colle-
tes a 5 BSUrflo patentes aos freguezes. O.'io-se amostras com
os competentes penhores.
Veudc-se um escravo acostuuiado ao aervlfo de
campo: ao comprador se dir o motivo porque e vendt:
dcfronle da matrii da lloa-Visla, venda n. 68.
Vende-se superior vinho da Medeira, em barris :
no caes da Alfandega aruiazoni do Bacelar.
\eiidc-.su um pardo do 20 aliaos proprio para
pa'gem por ser muito diligente: n rua da Cadeia
dollicile, n. II.
Atlenqo ao que interessa.
Vende-se a melhoreinais bem afreguezada la-
1......a do pateo do Paraizo n. 14 : nilo lem liados e
s vende a dinheiro ; tom commodos para familia ,
ho fresca tem boa cacimba e o seu ulugiiel lie
mdico: o motivo porque so vende he pela pes-
soa quo nella esta retirar-se |para fra da provincia -.
a tratrr na mesma venda.
Vende-se um" bonito cavallo muito andador
de baixo at meio e quo he proprio para carro, por
ser grande o muito manso ; na rua de S.-Rita, n. 91-
-TVende-se una prela de 20 annos, de bonita fi-
gura, que cozinha, engomma e cese : na rua da Au-
rora, n 50
Vendem-se os melliores charutos vindo da
Baha, por prego mujlo commodo: na rua da Ca-
deia do ltecife, n. 48.


aja
'

1
-------7*

*A
=====

Vendem-se, na ra da Cruz, n. ai,podrs do mar-
moro franeczas para mesas redondas e consolos.
Algodo da (erra.
Vcndo-se muilo bom algod.lo da Ierra por preco
commodo : na ra do Crespo, n. 23.
Uli I lio uovo, a 3,500 rs. a sacca
INoPaeseio-rublico, n. 15, vende-se milbo muilo
superior, a 3,500 rs. a sacca de alqueire.
Arroz quebrado do Maranho,
a 1,200 ris por arroba.
Yende-se no armazem que foi do falle-
cido Braguez, ao p do arco da Concei-
c,ao.
Vendcm-se cadeiras e marquezas deoleocom
asscnlo de palbinha, lavatorios, meras commodas,
mesas pequeas, ludo de amarello, e outrns 0b-
jeclos, ludo de forte construcco e de gusto mo-
derno, por menos de seus valores : na ra das Cru
lea, ii. 31, loja de marceiiciro defronle da lypogra-
pliia.
Farinha de lrip;o Sw SF
de superior qualidadoe nova ; dita americana, em
meias barricas ; dita gallega, em meias barricas;
cal virgem d Lisbo ; inlio do Por lo em pipas e
barris de quarto e oilavo superior e mais infeiior;
techadoras para porta de armazem ; superior cha
liysson nacional deS.-Paulp ; familia de mandioca ,
em saccas por preco commodo : na na do Viga-
rio, armazem o- 11, de Francisco Alves da Cunta.
A 5oo ris.
Vendem-se superiores pentes para marrara, de lar-
taruga : na ra larga do Itozario, n. 24.
Vinho barato.
Arlia-soestabelccido na ra da Madre-de-Deos ,
n. 36, un armazem de
Viilos da Figueira
de'oplima qualidado a preco de 1,360 rs. a cana-
da ea 180 rs. a garrafa e para nlo haver dolo do
comprador sero lacradas as garrafas e. com rotu-
lo, recebendo-se a garrafa vasia e dando-se imme-
diamente a outra cheia : tembem ha barris muito
pequeos, proprios para quem passa a fasta. O pro-
pietario deste eslahelecimento pede encarecida-
mente que se nflo illudam avadando pelo diminuto
preco' e sem conhecimenlo de causa a qualidade de
>;ua fazenda digna por certo da estima dos verda-
deiros amantes da boa pinga ; elle conta que quem
urna vez provar continuar com gosto o sem arre-
pnidimento. K o bom preco.'! A ludo o expostn
accresce o asseio e bom acondicionamenlo, o que lu-
do se poder verificar em dito estabelecimenlo.
Para liquidaran.
Na loja da ra do Crespo, n. 5 A. ao p do arco de
-S.-Antonio, vendem-so mantas de gaica com lecilo
de soda, de muilo lindos padroos, a 1,000 rs.,
proprias para meninas ; chitasde ratnagens e de co-
res fixas. a 190 rs. o covado e em peea a 4,000 rs.;
lencos para grvala de bom selim de cores, a 1,600
rs. inteiros pannos Anos superiores prelo, verde,
azul e cor de caf, de 3 a 4,000 rs. o covado ; chales
de chita de c6rcs*escuras a grandes, a 800 rs., ditos
pequeos, proprios para meninas a 500 rs.; corles
de colletusde gorguifio escuro, a 200 rs.; ditos de
Instilo, a 500 r. t merino prelo e lino, a 2,500 rs. o
covado; casimira prcU muito Tina, a 2,500is.; dita
prela de lislras, a 5,000 rs.
A 5.400 rs.
Vendem-se chitas de cores muito fixas a 5,400
rs. a peca e a 160 rs. a relalho, proprias para escra-
vos ; lindas grossas muilo fortes, urna quarla por
200 rs. : na ra do Caes, leja n. 17.
-- Na rua doQueimado, vindo do Itozario, segun-
da loja n. 18, vendem-se chai eos de sol, de soda ,
1 ii i a homem, a 5,000 rs.; dilos para senhora e meni-
nas, a 3,000 rs. ; lencos prctos de seda para grvala,
a 500 rs ; dilos de lila flor idos ecom'franja para Itoni-
ros de seuhora a 500 rs. lencos de cambraia de
seda para grvala a 500 rs.; risrados francezes a
ICO, 200 340 rs. o cenado; alpaca de linho a 400
rs. o covado ; lencos brancos aliertos em roda para
mSo de senliora, a 280 rs. ; cortes de collcles de vel-
ludo, a 3,000 rs ; ditos de fusllo muito lino a 2,400
is. ; lindos corles de casimira, a 7/000 rs. ;e oulias
muilas fazendas por preco commodo.
Kilo ha nada tilo barato.
Vendem-se cortes de calcas de casimira elss-
tica padrOes novos pelo barato pieco de E
5,000 rs. i na rua do Qucimado, loja do so- jfi(
brado amarello n. 29. a
Venda-se salitre refinado por menos preco do
que em nutra qualquer parte : na ruada Cadeia do
Iteeife, n. 56.
P. Caumont, fabricante de candieiros e doura-
dor com loja na rua Nova n. 52, participa aos aeus
freguezes que acaba de recober de Franca n m bo-
nito sortimento decaslicaes, turbulos, navetas, cru-
cilixios e caldeirinhss de hroir/e dourado e de mui-
lo lindos gestos os quaessRo recommendados para
grejas porseren de modelos proprios e de minia
duiacfio pela fnrtidfio eo bem trabalhado da obra ,
por preco muito commodo; e sendo que nflo se venda
ato o (un do correle mez de maio serSo remetlidos
para o Itio-de-Janeiro para onde fram encom-
mendados.
~ Vendr-se a laien-ta de gados no lugar do Ju, 6 Ir-
goas ao puente da povoafo de Haira-dc-Naluba, mi
2 casai dr tenas, cercado para juma, curial coiu meia
lcKoa de Ierra em quadro, parle da qual lielavradiae
de malea produccan, por ser em ierra, com lOOcabe-
cas de gado vaceum eiurc grande e pequeos, mais de
oulrat cein de gado ovelbum ecabrum, um casal de es-
cravos inocoa, appticadcu em vaquejar ejie gado, do
<|ue se leiu perlado com muilo irlo evergonha dando
muilo boa conta de dita taienda a ieu aeuSor, com aooa
permanente em grande acude : veude.ic ludo >,( ,,or
.'.000/000 r. uoda, ou prriuU-se por escravo ou
predios neala praca. ou tuas viiiulianc.is : lraia-c com
m'ii pi-upiieaiio Jo.iqiii.m Alvri Camello de Araujo Pe-
rrira, im na eiigenlio Machados, Icruin de Iguarass,
ou com seu correspondente Francisco de Paula Prrvlra
di Andrade, nesla praca, na rua da Cu, u. 00, priinei-
ro andar.
Vendem-se ans ras de ferro e ancorles: na
rua da Senzalla-Nova n. 42.
Vende-se urna prela de 20 annns cozinlieira e
veudedeira de rua ; um moleqoe de 12 annos : ven-
dem-se para liquidacno, por isso dfio em conta: n.i
rua larga do Itozario, loja n. 35.
Farinha de mandioca
do ftio-dc-Janeiro, superior, em barricas e suecas,
vende-se por preco commodo : na rua Direlta, n. 17,
e na rua da Madre-de-Doos, n 31,
Vende-so urna escrava de 16 annos, propria
para mucama por ser reeolhida e saber engom-
niar fazer lavarintoc coser; urna dita perita en-
gommadoira ecozinheira ; urna dita de nac3o Cos-
to propria para vender na rua, ou trabalhar de en-
xaila ; urna dita mora ptima para enxada ; urna
dita engommadeira e cozinheira ; um molecnte de 18
annos, de boa conduela ; um dito bom cozinheiro ;
um pardo bom carreiro; um mnlatinho de 13 annos,
proprio para pagem por ser muito lindo : na rua
Nova, n. 5.
tfATO DA MTfy

O dono dosto estabelecimenlo pelo prcsonln an-
nuncio avisa ao respeitavel publico qtielemcm-
pregado todos os esforcos para montar o. sen depo-
sito com as melhores qualidades de charutos que
se fahricem na provincia da Rabia para por este
meio merecer as sympatliias do publico, o por
achar-se este deposito prvido de um rico sortimen-
to das mais estima veis i| nulidades de Charutos que
pdem apparecer no mercado, por isso avisa os
seus freguezes que o sortimento he o seguidle : '
Saquarema;
Dcputados;
Venus;
Quem-fumar- saliera;
I a va llenos di' la llavan;
Beija-Flor.
Gyracol.
Kegalia de diversas qualidades;
S.-Felix.
e outras mais qualidades que ser.to patentes aos
freguezes.
CIIA'BRASII.F.IRO.
Vende-se.ou armazem de molhadns airas do
Corpo-Santo n. 66, o mais excellentc ch produzi-
do emS.-Paulo, quo tem vindo a este mercado
por proco muito commodo.
Agencia da iiindicFin
I.ow-Moor, rua da SenzMu-
nova, ii. 42.
Nesle estnbelecimento contina a ha-
vei um completo sortimento de moendas
e meias rr.oendas, para engenbo ; ma-
chinas de vapor,e tochas de ierro batido e
co mo, de todos os tamanhos, para dito.
e serrada do todas as grossuras e comprime fltts:
ende-se pelo menorpreco que he possiyel.
Potassa.
Desembai'co.u La poneos das urna pbr-
cao de barris pequeos, com muito nova
e superior potassa, c se acham a venda,
por preco mais barato do que ltima-
mente se vendia, na rua da Cadeia-Velha,
armazem de Bailar & Ulivcira, n. 13.
Cha barato-
Vende-se muilo bom cha, pelo preco de 500 rs. a
libra : na rua do Crespo, n. 23.
Taixas para engenho.
Na fun lico de ferro da rua do Brum, acaba-sc do
receber um completo sortimento de taixas de 4 a 8
oalmos de bocea as quaes acham-se a venda por
preco commodo e com promptldSo emharcam-se,
ou carregam-se em carros sem despezas ao com-
prador.
Calcado.
Na mj a do Arantes na praca da Independencia,
ns. 13e 15, receb'eu-se ltimamente um completo
sortimento decalcado, a saber: sapa tos e sapatOes
de lustro e de bezerro, de Paris e de Nantes ; borze-
guirs para homem e senhora ; sapatos de lustro ,
marroquim e selim para seuhora e meninas; ditos
le lapele para homem e senliora ; sapales de lus-
tro para moninos ; hotinszinhos de marroquim e de
lustro para menino ; chiquitos de lustro e do mar-
roquim ; ditos de lila e de seda, proprios para bapti-
sados; bem como pulros calcados ; marroquim ;cou-
ro de lustro ; chapeos francezes ; perlumarias do te-
das as qualidades.
Sement de liorlalice.
Vendem-se semenles de hortalice de todas as quali-
dades e muile novas, chegadas ltimamente do Por-
to todas por preco mui'o commodo, principalmen-
te para os Srs. que se retira ni para a costa d'Africa,
pois que he de suppOr aviarem grandes!receitas,vislo
queja muiloso teem feito: na rua L'ireita, venda
n,76.
Alm dos baratos cites de vestidos de bar-
ras de 2,000 a 3,000 rs. meias de cores pa-
ra senhora a 1,800 rs. a duzia ditas rara
meninas a 1,200 rs. a duzia supensorios,
a 1,200 rs. a duzia bolOes de duraque, a
400 rs. a grosa que se tem anuunciado, ha
modernos lencos de seda para al-ibeia e
hundiros de senhora a 1,000, 1,120, 1,280,
1,440, 1,600,1,760,1,900,2,000, 2.210, 2,50
2,720 rs.; bretaiiha de linhu, muilu su-
perior e de quatro palmos e meio de largura,
a 14,800 e 18,500 rs. a peca; um eaixflozi-
11I10 com ferros de fazer llores, por 90.000
rs. : no pateo do Taimo, 11. 18, segundo
andar.
Vende-se um piano inglez, sem defoito, ptimo
para se aprender : na 1 ua Aova, loja do trastes do r.
RIJA DO THAPICHU, !, 44,
cscriploiio de i innito.
J. F. da Itozti,
deposito da fabrica de lodo-os-Santos
na UhIi ,
.MIi vende-sealgodflo trancado daquella fabrica,aosJ
procos segiiuiti-s : largo, a 320 rs. a vara; eslieilo
monos urna pollt-gadu, a 300 is.; mais ordinario, a
2701 s.
-- Vende-ce o ongonho Novo do Cabo para paga-
mento da hypoihi'Ca que nelle lom o Sr. Jola Vieira
da Colilla : quem u pielender dirija-se ao mesmo en-
golillo a trata, com Ira i'cisco Jos da Costa.
Vendein se presuntos inulczes para hambre ;
latas rom liolachinlms do Lisboa ; ditas de araruta ;
ditas de uiarmelada de l,2o4libras ; di taslo sar-
dinhas ; ditas de hervidlas ; ditas do chocolate de
l,isha ; Irascos do conservas ; dilos d'agoa de flor
de laranja ; barris com azeitouas brancas de Elvas ;
garrafas com vinho moscatel de Selubal e da Ma-
deira; queijos de pialo, fresones: tudo novo
DE6RORTASNeJ#
Nesta "loja vendem-se manas de seda de
superior qualidade e padroes os mais boni-
tos a 9,000 rs. ; chitasde cores fixas, a 140
rs.; e unirs muilas fazendas por. barato
preco para fechar contas.
. Vendem-se gigos Je garrafas va-
stas : no armazem de Antonio Aunes, no
caes ra AlHndega.
No armazem do bnrateiro, na porta
da Alfandega, n. 20, vendem-se gigos com
batatas a 2,000 rs. sacca com milho a
3,5oois. cerada de Lisboa a i,Too ra. ,
saccas com fejjSo braico de Lisboa e a-
mendoas, farinba de ti igo gallega em bar-
ricas e meias ditas, superiores queijos de
prato por menor preco do que em outra
qualquer parte, e oulros mtiilos gneros
de estima : ludo muilo em conta.
A bordo do brlgue Ei^rilo-Sanio, Tundeado ao pe
la rampa, veude-sc bom scko em rama e a preco ein
conta.
Frrguezii.
Vende-se vinho da Figueira de superior qualida-
de a 180 rs. a garrafa ; arroz do vapor do Mar
nio a 2,200 rs. a arroba, e a 70 rs. a libro ; ha-
ca llio bom, de meia arroba para cima, a 2,500 rs. ,
eaSOrs a libra; cha superior, a 2,560, 2,240 e
1,280 rs. ; cha do S.-Paulo, a 2,000 rs. ; papel al-
maco azul a 2,400 rs. a tesina ; e todos os mais g-
neros por preco commodo; no pateo do Terco, venda
n. 7.
1^ Quem os vir uno deixai de comprar.
{<; Cortes de cassa-chita de lindos padrees e "
fgf cores seguras, pelo baralissimo preco do &
Qg seto patacas: na ruado Queimado, qua- }
g tro-cantos, loja do sobrado amarello, n. 29. W
menta tio do contrato de commiss.lo por Em i lo Ca- I
drs, I v., 1845 ; o Livro das naguas ou tratado
philosophico theorico e pralico dos direito de au-
tor e de inventor, por M. Le Senne', 1 v. tMfi.
l'ennas superiores e baratas,
vendem-so na loja de livros do pateo do Codeein
n. 6,deJ.daC. ftourado. ^ *
Obras novas.
Desconflitsou empietement de 1'autorito admi-
nistrative sur le pouvoir judiciaira, par 11. f# ^
llavoux : ha varios ejemplares deata obra para so
vendei em na rua do Crespo, n. 11.
Vende-se urna porcflo de urina e bules, 2 pipas
com arcos de ferro, urna porcflo de vinho do Parto
engarrafado, e o restante de urna armaeflo : naei.
quina do caes do Ramos.
- Vende-se rima venda batante afreguazada par
a trra e para o mallo : com a vista se poder a valiir
a sua bondade : o motivo por qoe fe venda so dir
ao comprador : quem a pretender annuneie.
*- Vendem-se, na loja do Alerro-da-Bba-Vista, n.
1, defronte dochafarizda ponle, copos para goa ,
de diversos (amanhos, por preco commodo, dis h
horas ao meio dia.
Vendem-se na rua Direita taberna n. 53, sac-
eos com um alqueife de milito, a 3,500 ra.; e lodos
os mais gneros por preco mais commodo do que
em ouira qualquer parte.
-- Vende-se farinha de mandioca em saccas, por
preco commodo : no armazem da Das Kerrer |i-
celar, n. 1, no caes da Alfandega.
-- Vende-se Jacaranda muito superior chegido
da llahia, por prego commodo re 12 duziasde lahons
de sedro : a tratar com .Novaos & Compatlltia na rua
do Trapiche ,n 34.
Vendem-seligellas pintadas e prato da btira
iz.ul a 900 rs. a.uzia ; ligellas meiflas a 8*M rs. a
duzia ; e mais lauca ordinaria por prego com modo.
na praca da Moa-Vista, n S.
Vendem-se esleirs grande de Angola, rttv
rs. cada urna : na rua doCollegio, venda n. 16.
Vende-se urna escrava crioula com habilida-
des : na rua da Matriz di Boa-Vista n. 26, seguado
andar.
Vcnde-se um sobrado de um andar que sti por
acaoar-se, na travessa do Callabougo, n. 33 : na rua
do Caldeireiro, n. 14.
Vendem-se 5 apolices da companhia de Beberi-
be: nolheatro novo.
--Vende-se um apparclho de cairo: na ruado
Caldeireiro, n 14.
Vende-se.na rua da Praia, n. 50, boa farinha di
trra por rreco commodo.
Vende-se unta burra hespanhola, muilo rriaasi:
na rua da Concordia no ultimo armazem de atade-
ras. i\o mesmo armazem aluga-sa urna salgadeira
no corlume dos Coelhos.
Vende-se urna crrente de puro de lei com 33
oilavas o meia ,3,50o rs. : na rua da l'cnlia, ven-
da n. 33.
chogado ltimamente c Lisb* : na rua da Cruz
no Iteeife, II. 4li. .
Vcndent-se sellin inglezes e camas
de Ierro : na rua da $cnzalla-nova, n. 41.
lo!lia de Flandres.
Vendem-se catxas com folha le'Flandres: em
rasa de J. J. Tasso Jnior : na rua do Amoiim, %, 35.
Carnaiba.
Vende-se, na rua da Cruz, n. 21, unta porcilo do
cera de carnauba de superior qualidade, o por to-
do o pr- cu.
Vende-sft cal virgem de Lisboa, de supoiioi
qualidade em barris de4 arrobas rhegadu ueste
mez pelo brigue Hara-Jote : a tratar ua rua do
Itrum armazem do Antonio Augusto da Fouseca ,
ou na rua do Vigarjo, 11. 19.
ia na rua de Apollo, pegado ao armazem do Sr. Mol-
la lia um terceiro armazem com niadeia de pinho
da melhor qualidade quo tem vindo a este mercado,
mmi
Vendem-se cobertores de algodSo,
bastante grandes, a duas palacas } e pe-
cas de luetsuliade rolo, com lo varas, a
seis patacas : na rua do Crespo, loja da
esquina que volta para a Cadeia.
Obras modernas >chegadas
Im rar i da esquina do Col-
Irgio:
diccionario da lingoa pnrtuguoza seguido do .dic-j
cionario potico e de opithetos por Fonseca e Bo-
quete 2 v. 1818; Carta sobro n orgaiiisaglo do
trahalho, nu cotudos sobre as principies causas da
misoiia e sobre os merosJiropnsios para rcmedial-a,
porM. Chovalicr, 1 v., 1848; tratado do direito in-
ternacional privado ou do confliclo das leis dedille-
renles nncOes, cm mat< ria de dimito privado, por
M. Fuelix segunda edieflo corrigida e augmentada,
1 v. 1847 ; Concordancia entro os cdigos civis cs-
Irangeiros o cdigo fraucez, por SI. a. do Saint-
Jescph 1 v. ; Enciclopedia do direito por Adol, lio
Houssel, 1 v.; Ensa io sobre o bello, ou elementos
do philosophia esthetica por Giobcrli, I V. 1843'
Lices de I literatura o do moral por .Noel ot de l.
Place, I v. 1848 ; Cudigo civil posto em harmona .
com o direito commerciai, seguido de um com-1 i
Escravos Fgidos
--------------------.---------------------------------1
Paula, parda de 20 annos bem disposta, le
bonita figura com uns pannos na pelle do pstero
e lamhotn pelo peitos, cabellos cacheados, cor
natural de pardo ; anda calcada ; tem visos de for-
ra ; ho natural do Cururipe, e Ii foi vendida a Cons-
tantino Comes de Carvalho de Porto Calvo, que 1
venden Antonio I.cal da Barros seu legitimse-
nhor; fugioa 18 da setembro do anuo passad,
si'dnzida por um egibarcadico, de nome Cusma
Hilarte Itibeiro quejoi para o Aracaiy cm um bar-
co de Jos Manoel Ma/lins ; o dilo llibeiro he Ii I lio
da Parahiba araboejado e utuit queimado do sol:
quem a pegar leve-a ao Passo-jle-Camaragibe, a An-
tonio Leal de lanos, ou a esta praca, a Manoel
Ignacio de Oliven a.
--Continua a estar fgido o pardo Jacob, de 18
annos secco do corpn, cabello estirado ; lem falta
de um dente na frentee um pequeo lalho na naca
do rosto; o mais visivel signal he a marca de um
caustico as costas; fugio a 21 de dezembro de 1817 :
quem o pegar leve-o a rua Nova, a Jos l.uiz Pe eir,
que grulilicar.
50,000 rs.
Furtaram na tarde de 8 de fevoreiro, de um si-
lip no Remedio, portencente ao abaxo assignailn, 1
prelo de nomo Vicente, de naco Bengurla ; rapro-
senta 35 a 40 anuos cor prela altura e corpo re-
gulares, pouca barba ; tem 'pequeos signaes de
bexigas a roda do nariz, e um lalho no meio do
queixo que a barba encobro, res um pouco embar-
rados e apapagaiadose com os dedos grandes abe-
tos para dentro ; nunca falla pelo que parece, mu-
do e quando filia he to piuco, confeso e atrapa- ,
Ihado que parece bucal; he um pouco leso ou mi- '
luco : quem o pegar, ou doli der nolicio, sci beat
recompensado ; poicm quem o aprcseniar ao abaixo
ssignado, seuhor do duo prelo recbela 50.000is.
de gralilicacao nflo se querendo saber quem o ir
nem ondo o pegou basta entregar na rua do Itao-
gel, n. 51, fabrica de licores que ncebera a dita
gratlicacBo. Victorino Franeiieo doi Sa lot, '
Fugio, no dia 9 Jo crreme pelas 8 horas di
noitc, una prela crinla, de nome Josepba, de ca-
talura regular, biacog e corpo refoicados, cooj va-
ras marcas de chicote Rseoslas; he fula, com po-
nos 110 roslo; alm uestes signaes existo um que se
torna seusivel, o qual li ser cauhola ; levou un
baliuzinho pcquerio, vellto com capa de couro de
bezerro com urna saia prela e panno lino lamber
prelo e em meio uso, um vestido de chita de lucio,
com flores brancas, um dilo do 1 iscado azul-claro,
um dito de zuarle azul coin roupiuho'ja velho e rou-
xu com flores encarnadas o urna saia do mesmo. lis-
ta preta foi do Sr Miguel, por anllioitumasia piro,
edepoisdoSr. Paulino da Silva Uindello, mora-
dor eiji belm a quom foi comprada ; descolia-se
que a dita prela fossosedttzida por um seu iniau de
nome Manoel que Ira ha I ha du alfaiaie,n he escravo di
Snra. I. Francisca do llio-Foi moso. Previne-se aus
capitiies do navios e meslrea de barcacas toda a vi-
gilancia alim de uo se deixarem Iludir pela nie-
nia para recebe-la do passagem, pois su protesta con-
tra quem a livor occulla. Quem a pegar leve-a a mi
da Conceicilu da lioa-Visia 11. 9, que ser gralilica-
do geni rosameiilo e se guardara segiudo ae.aexi-
giroin.
. Fugio o escravo Arcenio, de naclo Cafange, aua
representa ter 19 annos ; vive de pescara; Jevou cal-
Cas azuose camisa do ciscado ; ausciiluu-so lio dII
13 de uulubru prximo passado ; consta ter sido en-
contrado ua novoacfio da lloa-Viagem : quau) o pegar
leve-o a Fra-de-Porlas a sua seuhora *iva o
Joaquiu l'olic.irpo que recompensara.
ERN.
KA TVP. DB U. F. DU FAMA I*J9


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWXF3NW6T_IK2W18 INGEST_TIME 2013-04-13T01:36:39Z PACKAGE AA00011611_06485
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES