Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06477


This item is only available as the following downloads:


Full Text
....
Anuo XXV.
Quarta-feir 2
O />/.U/Opul)Hcvsc todos os diasque nao
forcm de guarda. Onreyo da assignatura he
,|c4WMWrs. por tifiarte!, pagos adianlados. Os
annuncios dos asignantes sao inseridns a
rasan de ?0 rs. por linlia, 40 rs. ein typo dif-
ireme, eas repelieres pela metade. O nao
assignantes pagaro 80 rs. por linlia e 160 rs.
em typodifl'erentc, por cada publcaco.
l'll ASES DA LA NO MEZ DF. MAIO.
I.na obela; a 7, i 4 hora e 47 inin. da manir
Mingoante,al!,s8horase 11 mi.da mauh-
La nova, a 22, s6horas e 17 min. damanh-
t:reeeute,a28,s9horase 4 rain.da tard.
PARTIDA DOS CORREIOS.
relian na e Parahiba, segs. e sexias-feiras.
Ria-G.-do-Worte, qulntas-feiras ao meio-dia.
Cabo, Sernhein, Rio-Formoso, Porto-Calvo
Mhoei, no 1.' a 11 e 21 de cada me?..
Gara'nhiina Bonito, a 8 e 23.
Itoa-Vista e Florea, a 13 e 28.
Victoria, s quintas-Oirs.
Oiinda, todos os das.
PREAMAR DE BOJE.
Primei/a, aos 30 minutos da tard.
Segunda, aos 54 minutos da uianti.
de M ai o de 1849.
N. Oft.
DAS DA SEMANA.
Segunda. S.. Catliarina de Sena And. doj.
dos orph.,do J. doclvel cdo J. M. da2.v.
1 Terca. S. Philipe e S. Tiago.
2 Quarta. S.Alanazio. Aud. do J. do c. da 2.
v. e do J. de pai do2. dist.de t.
> Quinta. ** Invenco da Santa Crttt.
4 Sexta. S. Monica. Aud. do J. do civ. e do
J. depazdol. dist.de t.
5 Sabbado. S. Pi. Aud. do I. do civ da 1
r. e do J. de pas do 2. dlst. de t.
8 Domingo. Matcrnidade de Nossa Senhora.
CAMBIOS NO DA 1 DE MAIO.
Sobre Londres a 26 d. por I/0O0 rs. a60dias.
. Paris 355 a 360. .
> Lisboa 100 por cenlo de premio.
Rio-de-Janciro ao par.
Desc. de lett. de boas firmas a Vi K ao mez.
Acedes da romp. de Rcbcrbe, a 50f rs. ao p.
Owro. Oncas hcspanholas. 30/800 a 31/IMh)
. Moldas de 6'400 17/200 a 17/40)'
de 6/400 n. 16/200 a 16/400
> > de 4/000.... 9/200 a 9/401)
PraU-Patacoeahrasildros 1/180 a 2/D0rt
Pesos columbarios. 1/980 a 2/000
Ditos mexicanos..... 1/880 a 1/900
10 DE
--
PARTE OFFICIAL.
...
MIFSTEltlO DA JUST1CA.
Retarn dos commandanles- superiores dtmittidos por Tiren ios
de'l di marco de 1849.
Manoel Fulgencio de Figuelrcdo, do commando su-
perior da guarda nacional da Jacobina da provincia da
Baha.
Joao Eaptista Avoudano, dem da capital da provin-,
cia da Parahiba.
Bento Jos Alves Vianna, dem da Campia-Grande
da mesina provincia.
Frlls Rodrigues dos Santos, dem do Pombal da mes-
ma provincia.
Antonio Onofre Rlbeiro, i de ni de Alcntara da provin-
cia do Maranbo.
Foro rwmradot por decretos da mema dala.
Torqiiato Jos Teixeira Soares, para cominandantc
superior da guarda nacional da Jacobina da provincia
da Rahia.
Joaquim Moreira Lima, dem da capital da provincia
da Parahiba.
Jos Gomes de S Jnior, dem, do Pombal da mesma
provincia.
Antonio de Barros Lcira, idem da Campia-Grande
da mesma provincia.
Manoel JoSo Ribeiro, idem de A leantara da provincia
do Mamullan.
Manoel Lino da Silva Tarares, idem da Anadia, pro-
vincia das Alagoas, por decreto de 4 de abril do corren-
tc anuo.
Companhia de ravallaras s sete.
Companhla de guarda nacional destacada s sete e
Inela,
Segundo batalhao de artlharia a pe* olto.
Quinto batalhao de fuzilelros olto c meia.
O contingente do quarto de artilharia s nove
Igualmente manda o intimo Exm. Sr. I'arr publico
que por despacho do Era. Sr. presidente da provincia
de vinle e sete do coi rente fram concedidos quarenta
das de licenca para tratar de seus Interesses, a contar
do primeiro do mci vindouro emdiaute, ao Sr inajor do
segundo batalhSo de cacadores, Josa da Silva Gulimrcs
Jnior. Jos Vedro Mor, ajudanle de ordens Inte-
rino.
paz diga-se : autoridade de polica mais proxi- mo est, nao poaso approva-lo, porque o acho mui-
ma. r. Cunha Figutirido. to pesado, principalmente para a populado pobre.
Seja reduzlda a inulta a 10/000 rs., e a prisao a Van mesa, e s5o apoiadas para entrar cm discusso,
3 das ; esta'no casodo Infractor nao poder pagar a mu- as seguintes emendas:
ta. Mavignier. | Sendo pessoas mlseraveis, o facultativo dos pobres
O Sr. Lopes Gama : Sr. presidente, primeramente ser obrigado a attestar iudependciitc de cslitiondio al-
lUml n>lB ... ....illa H( 'liW rm I... a,lM..^;l...i. ........ ..... II .... Ct....'..- .
Quarlel-general do eommando das armas de Pernmmbueo,
I.' de nato de 1849.
ORDEM DO DA.
S. Ibc.'o Sr. marechal de campo graduado comman-
dante das armis manda fazer pnblico guarnirn,
que por despacho do Exm. Sr. presidente da provincia
de 18 de abril prximo piaaado frain concedidos tres
mcies de licenca para tratar de ana saude na provincia
da Rabia ao Sr capito do primeiro batalhao de cacado-
res Guilhermino Jos da Silva, tendo principio seine-
Ihante licenca dn dia 29 do mez prximo passado.Jod
l'edro Heilor, ajudanle de ordena interino.
dlrel qne ess multa de30/rs. he extraordinaria, por-
que 30/000 rs. nao he misa que se ache na ra.
O Sr. Aquin : Porm obriga.
Vm Sr. Uepulado:-- Neni dez lustres se acham na ra,
quanto mais 30/000 rs.
gu niModa Silveira

do concell
municipio. O mais como no artigo. Jos Pedro.
OSr. Fcrreira Ilarrelo: -He nutro grande embanco
Oepois da palavra-attestado-digi-sc do presidente
oncellin de'saluliricl nle publica, ou do medico do
govci.no da provincia.
Illni e Iaiii. Si l'enlin a honra de participar a V
Kxc. que esta provincia gota de tranquilldade. Dos
guarde a V. Exc. Palacio do governo da provincia de
Minas-Geraei. 4 de abril de 18l!i. lllm. e Exm. Sr. cou-
cclhciro Manoel Vieira Tosta, presidente da provincia
de l'ernambuco.Joit Ildefonso de Souia Hamos.
EXPEDIENTE DO BIA 28 DE ABRIL.
iHuelo. Ao Iaiu presidente da Rabia, participando
que esta provincia lca tranquilla.
Dito.Ao coinmandante das armas, comirmnicando
que se consedera licenca para frequentar o observatorio
astronmico ao segundo tenentc do segundo batalhao
de artilharia a p, Francisco Raphael de Mello Reg,
ora na curte do imperio.
Dito. Ao niesiiio, participando que por decreto de 2
do crreme houvera S. M. o Imperador por bein conce-
der passagem, no inclino posto, para a companhia xa
de cacadores da provincia de Rio-Grande-do-Norte an
lente do pltavo batalhao de cacadores Joaquim Fan-
cisco de OliveiraScientlhcou-se o Inspector da aaea-
doiia militar.
UtoAo chefe de polica, declarando que, tendo j
sido examinadas pela thesouraria as notas falsas que S.
S. enviou, e publicadas as dlflcrencas que se iiotaram,
as devolve, bein como urna de 5,000 ris que foi remet-
tlda pelo subdelegado do primeiro diaUiclo dos Afosa-
dos, para que proceda contra os introductores na forma
da le.
Dito.Ao inspector do arsenal de marinha, ordenan-
do, em cnmpriuieifto de aviso da secretaria de estado
dos negocios da guerra de lldo corrente, e em confor-
inidadedoartigo27daleldonrcamenlo vigente, man-
de bine, demolir o forte do Rom Jezus.-Sclcntiflcou.se
o coiiimandatuc das armas e o Inspector da thesouraria
da faieuda.
Dito,Aojuls de direito de Garanhtins, declarando
cm solucao a duvida proposta por Smc. acerca dos sup-
plentesdojuii municipal que anda nao towaram posse
que, emquanto nao Wrem eassadas peta governo as
nomeacAe conferidas.aos mesnios supplentes, pdein
elles prestar juramento e entrar em exercicio.
Hilo. Ao juiz de orphaos do termo do Reclfe.dizendo
qiiepara podrCm ser alistados na companhia de apren-
di^ejjnenores do arsenal de guerra os orphaoa Ueuja-
iiiim Martynlano doa Anjoi, Juo C'arneirode Siqueira,
los Francisco Rege Angela da Coila Rozal, indicados
na rclaco que acnmpanha os officlos que remette da
adiiiinistraco dm patrimonio dos urpli'os e do director
do arsenal d guerra, he de mister que hmc. mande
proceder ao termo de que tratain osarligos 4.' do regu-
i mu nm n. 113 de 3 de Janeiro de l842 e 2.* das iiutrue-
edesque coui elle baixaram.-Nesle aenlido ofticiou-se
a referida administrafo.
Dito.A Nuno Maria de Sefxas Determinando o go-
verno imperial por aviso da secretaria d estado dos ne-
gncios cstraugeiros,datado de 8 do corrente,que se casse
a V. S. o exequtur que Ihe fra concedido para exercer
asfunccaesdevice-consul de Uespaoha, as3lm o coin-
munico a V. S. para o seu coahecimento c execucao,
declarando-lhequedehoje^m dantc dexar V. S. de
ser recouliecido em carcter consular segundo os avisos
que, ora faco s cstaces competentes.lnteirou-sc o
inspector da thesouraria da fazenda e ao capllo do
porto.
-N. It.i-De igual data e teor ao mesuio Nuito mino vice-
cnsul da cnilederaca'o argentina.
Dito.Ao inspector da thesouraria da fasenda provin-
cial, cuiiiiiiiinicando que por oflicio do primeiro secre-
tario da aaaemblalcgislaliva provincial constou pre-
sidencia que a nietsaa asseuibla demitUra o terceir'u of-
licial de sua secretaria Ignacio Rento de Loyola.e ocon-
tuud Doininjios de Azeredo Cuutinho,Scicnlilicou-se
o mencionado secretarlo.
SE.i------
dominando das armas.
QuMrlel-general do commando da, arm, em Pernam-
buco, 30 o*e ttrH de 49
m ORDEM DOPIA. '
Devaado ler lugar em o dia primeiro do futuro mez
de malo a revista gerai de mostra aoa corpoa e cumpa-
nliias desta guarnico em srus respectivos quatteis, de-
terminas. Kx. oSr. marechal de campo graduado coni-
iiiandante das armas da provincia, que a mesma se paa-
TRIBUNAL DA ItfiLACAO'.
i *
SESSAO EM 30 DE ABRIL DE 1849.
PRRSIDKNCIA DO EXM. SKI. COlfCRLBBIRO AZBVEDO
Presentes os Sr*. desembargadores Ponce, Ramos,
Villares, Lea. Rebeilo eojuix de dirello Pereira Mon-
teiro. Callando cora causa os 8rs. desembargadores Bas-
tos eSonza. o Sr. presidente declarou aberla a aessoo pe-
las dez horas.
DeeisSo.
' Mandou-se com vista ao promotor moneado, para dizer
obre os embargos, a causa de appellacao civel em que
sao :
Appellantc, Antonio Jos Pimcnta da Concelcao ; ap-
pellado, Manuel Jos da Silva Braga.
Asslgnou-se o primeiro dia til para julgamento das
appellaces :
" Sr. Lope attender ao estado das familias: morre urna pessoa, e|pranto, de desgosto, de allliccao n'um dia em que
aquelles que cora ellas viviam nio sabein quaes as au-' una familia se revolve toda Inlcira, tenlia-se de mais a
tnridades a quem devein participar o bito ; e, nimias mais nesse dia de andar era busca de Ji'ofessores para
vezes, se sabem, as vito procurar, e nao aa achara. [que deein attestados Quantas vejes acontece procurar-
1/0 Sr. uepulado : Mas teem para Isso vinte equa- Uc uin facultativo, c o facultativo nao estar em casa, e
tro horas. nao se poder descobiir nn outra parle ? E, nesse caso,
O Sr. I opee Gama : Mas essas autoridades estSo f- que farer do defunto ? Se o enterran!, teni de ser-sc
ra, nao voltam nesse dia, e entilo ? D-se Isto militas multado, c se o nao enterrara, ter de apudreeer-lhes
vezes Nos devemos ter alguma commiseracao dos po-'ein casa. Semclhante medida nao he. iiem conseiitinea
vos. Drpols que apparecerara essas posturas, tetn acn-' coiuaearidadc, e nein o pode ser com a leglslago-du
tecido que se procuren! essas autoridades, que se ai pai7.. Me nina medida de enibaraco, de vexacao, aug-
n.ao acheni, e que fiqueni ein aperlada collislo as pes- I menta a desconsolarao de una familia que vi expirar o
soas, na casa das quaes morreu este nu aquelle individuo, seu eliefe, seu filho, seu irmao, ou nutra qualquer pes-
Senhores, devenios procurar saber, paca o bem dos soa: inultas vetes faltara agentes que se encarregiieiii
pobres, se esle artigo Ibes he gravoso ; devemos proctf-! niesiiio do preciso, do Indtspentavel, c al llics lie dilli-
rar aaber se elles terao pessoas que deein esses passos cil mandar casa do parodio buscar a licenca. E como
que o artigo exig. Essa medida parecc-me ser multo I entiTo andar de porta ein porta a procurar o facultativo,
boa em seu sentido; porm da sorte por que ella est se mesuio Ihcs eusta a dcscobrir a casa do parodio ?
concebida, nao a acho boa : os legisladores nao se devein i Nesles momentos, tildo de>e ser docura e earidade, cae
ontentar cora as coniideraciVs geraes ; devein tain- houver alguma medida legislativa, dever.i ser de cqui
bem prevenir certos casos particulares.
Sr. presid nie, o artigo, soHVendo algumas emendas,
poder j passar. Eu dirci o que me nao parece convenien-
te nlle : sao dous pontos.
O primeiro lie essa precipitaco com que manda par-
ticipar a bito aos agentes da polica, fe essa cclcrida-
de lie que cu au approvo : o artigo manda fazer essa
communicacao instantneamente, isto he, quer que se
va logo e logo : e pode acontecer que se nao ache n
agente da polica em casa,e cnlo estar o pobre hornera
em apertos.
O segundo ponto he a grande multa de 30/000 rete
contra aquelle que nao satislizer a exigencia do artigo;
tanto mais quanto rae parree que, segundo o que j te-
tilla ponderado, pode muito bein acontecer que tal dis-
posieo teja Involuntariamente infringida por quem
houver de dar-lhe execucao.
Como csse artigo val prejudicar a militas pessoas que
nao sao abastadas, como vai prejudicar a familia; po-
Appell.nte, Goncalo Jos da Costa ; appcilado, Miguel brea que, ao cuuiprrem-no, talves tenhain de chorar
Gomes de Soma.
Appellantes, Vicente Cardoao Ayrea ; appelladi, Amia
Joaquina de Almelda.
Appellantc, Jos Porfirio da Motla ; appcilado, Jos An-
tonio de Danos.
Arpillante, Manoel Antonio da Silva e sua mulhrr ;
appellado, Domingos Jos Pereira Pacheco.
Appellantc, Ignacio Joaquim Fernandes e oulro ; ap-
pellado. Manuel Claudio de Qciros
A appcllac.no criase em que sao :
Appdlante, liernardo Ferreira Luis ; appellado o
julio.
Revises.
Passon do Sr. deiembargadur Ramos ao Sr. desembar-
gador Villares a appellacao civel em que sao :
Appellantc, Francisca Barroso de Soma (.'ordeno ; ap
. pellado, Francisco Barroso Braga.
Passaram do Sr. desembargador Villares ao Sr. destn-
bargador Leo as appellaces civeis em que sao;
Appdlante, Manoel da Costa Prazcres ; appdiaila. Jo-
aefa Maria do Sacramento Costa.
Appdlante, Francisco das hagas Cavalcanle Pessoa;
appellado, Meruardo Dainiao Franco.
Passoa do Sr. desembargador Rebeilo ao Sr. Dr. Pe-
reira Monteiro a ap)iollacao civel em que so :
Appdlante, o juito da fazenda das Atagas ; appellado,
Manoel de Araujo Caldas Checheo.
Passou do mesuio Sr. desembargador Rebeilo ao Sr.
desembargador Ponce a appellacao criine em que sao :
Appdlante, o Dr. promotor publico ; appellado, o reo
Policiano Jos da Luz,
Nao se Julgaram as causas que estavam com da assig
nado por faltar o Sr. desembargador Soma.
Levantou-se a sessoao meio-dia.
PEfiNAMBUCD.
ASSEMHLA PROVINCIAL,
SESSAO BM 30 DK ABRIL DE 1849.
(ConelusXo.)
O Sr I.* Saarslari* observa que, com a entrada do Sr.
deputado Jos Theodoro Cordeiro, he necesaario que
sala mu dos supplentes menos votados, porque ao con-
iraiui o numen de diputados existentes vacederia ao ,
marcado na lei ; e em consecuencia propdc que se re- cultalvo. poique o he, ipso faelo he generoso, honrado,
corra i sorte para ver-se qual dos membros presentes! bora, & ? Nao ; porque isto so no co se podera encon-
deve sabir, visto que teem igual numero de votos os trar. Eu nao quero com isto tancar sobre elles odioso
seus eliefes, creio que elle nao se acha em termos de
passar tal qual esta. Entretanto creio que, sollrcndo
algumas emendas, tornar-se-hia elle til ; mas nao
me aitrevo a proponas, e espero que a casa me preve-
nir ; asseverando desde j que votarei por aquellas
que melhor correspondan! s niinhas ideias.
U Sr. Ferreira Ilarrelo : -- Sr. presidente, quando pe-
d a palavra, quera eu fallar sobre outra consa, sobre
o artigo era geral ; mas o nobre depulado, que acalmo
de fallar, expendeu excellcnleraente o que en poderla
dizer: cedo, porlanto, da palavra a esse respeto, e |i-
mitar-ine-he nicamente multa de 30/000 rs. que se
quer uipor. Nao voto por isto. Pois una pobre mu-
Iher, a qneui raorre seu marido, deve de mais a mais
pagar nina mulla de .10/000 rs., quando ell.ine.se da
nao tein cora que posss*passar odia, e neiu dinheiro
para veslr-se de lucto ? Nao voto por scineliiaute cou-
sa, porque nao quero.
Julgada a materia discutida, he o artigo approvado
cora as dnas emendas apresen [adas.
Entra em dlscusso o artigo stimo, concebido as-
im :
Art. 7." Nenhuma pessoa que a seu cargo tver lu-
gar de luhtimacdes dar sepultura a cadver, sera que
se Ihe aprsente por escripto altcstado de facultalivo,
que declare o noine, idade, moradia do fallecido, e a
all'eccao a que siiccuuibio, "flor era lugar onde cxistaiu
pessoas habilitadas para exercer a arte de curar : os in-
fladores incnrrcro as penas do artigo antecedente.
OSr. Lopes dama:Sr. presidente, para que eu vol so-
bre este artigo he preciso que previamente me dissi-
pein uina duvida cm que me acho, cvcui a ser, se esses
attestados dos Srs. facultativos, cm os qliaes se ha de
declarar o noine, idade, inoradla, &, s.'o gratuitos, ou
ho de ser pagos ; se esta postura impSe a obrigaco de
dar esses attestados de graca a quera fr pobre, ou se
fic.i a arbitrio dos krs. facultativos d-los, ou nao, gra-
tuitamente a pobreza ? !c assim fr, dlrei que he isso
muito pesado a pobreza. Segando a postura, innrreiido
alguein, nao se poder.i dar sepultura a seu cadver, sem
Jue se aprsente csse attestado : morre, pois, uin pai
c familia que lie pobre, nao pdem seus fllhos dar seu
corpo sepultura sem ease attestado do facultativo ;
mas tero elles com que paga-lo ? E, se o nao o quie-
r- ni dar gratuitamente, o que fazer ?
enhores, eu eouheop facultativos tao cariciosos, tao
ph i la nili ropos, que nao sao capa r. de negar estes attes-
tados pobreza, porque todos os dias fazem esmolas ;
lilas todos srifio assim .'Nao...
OSr. 11; ai'un : -Nao a poiailo. .
O Sr. Lopes Gama :Sr. 'deputado, eu nao laoco de-
saire sobre uina classe qualquer, dzeudo que mili exis-
ten) houiens muito philanthinpos e generosos, e outros
que o nao sao : pois querer-so-ha dizer que todoofa-
lacho com os lucios mais suave, ; porque, como cu j o
dlsse, ii'um dia de cnnsle nar.in c de lagrimas, aconte-
cer de mais a mais faltar quem ande era busca de au-
toridades, de professores, e lornar-se-ha grandemente
dillieil esse attestado que se exige. Eu nao voto por isto :
no voto porque nao quero.
OSr. .l./.n'i.i : Sr. presidente, desde o principio da
dise.ussao teuho observado que os Ilustres meinbros
desta asseuibla so teem encarado a questo por un
lado, e Jie ; que convem que se proteja de preferencia
urna parte da sociedade em detrimento de toda. O lim
das posturas municipaes nao he proteger os pobres, mas
todos ; e o que convem he que sera dlsllncao se verifi-
que se as min es sao naluraes ou violentas ; e lalve/
se nao tenlia frito isto de un modo conveniente. Seuho-
res, cu sou franco, e por isto julgo dever declarar pe-
! rao te esta assembla, que unas tres pessoas de raen couhe-
cimento frara enterradas sem o menor embarace) ; en-
tretanto rasao tenho para suppor que nlo succiimbiram
naturalineiite.
O Sr. Vaes Karrelo :Ohll Eu quero aaber disso ; drv-
ra participar.
O Sr. Aguino : Quando tive alguns dados mais posi-
tivos, j era larde para se proceder a um exaine.
No i.e muito pesado passar gratuitamente attestados
aos pobres : quem olhar sem iiieneaop.ua as eousas.
suppor que ha milharrs de attestados ; entretanto en-
gaarse ha, Eu, cm conseqiieucia da estatistica me-
dica, que deve fazer o concedi geral de salubridadc
publica, recebo de todos os Srs. vigarios niappas nior-
tuarios, e desses mappas se ve que no bairro do Recife
uiorrem anniialmcntc pouco mais ou menos duzentas e
oitenta c tantas pessoas, nos de Santo-Amonio e S.-Jos
quinhenlas e tantas, c que o da KAa-Vista est na ineS-
ina propofcao ; e dahi se deprehende que, ein cada bair-
ro nao morrendo por dia una pessoa, nao he cusloso
passar esses attestados.
O Sr. Ferreira Ilarrelo: E se houver- urna epide-
mia1
O Sr. Aguino :Esle.easo lie extraordinario.
Sr. presidente, sobre a mesa se acha urna emenda que
ao presidente do couccllio impoc a obrigacn de_pas-
sar esses attestados : o presidente do concclho nao se
quer lu lar a essa obrigaco que elle nao reconhece,
poisque a le Illa nao inipOe, Elle semprc tcni passado
os attestados pedidos pelos pobres, e o te feilo inesuio
quando certos collegas, por zombSria, sua casa diri-
gein aquelles a quem nao se dignara de prestar csse ser-
vico ; alguns assira procedcni, devo confessa-lo, porque
olhain para osenipregos cora inveja.... -
OS'r. Lopes Gama : Oh la!.... tao bons c tao inve-
josns!...
O Sr. .tquino : Se ha invejosos, isso nao he motivo
para que nao haja caritativos ; c nenliuiu facultalivo
conhevo que se negu a passar um atteatado sem ser
movido por uin motivo particular. A emenda, pois, que
iiupde ao presidente do concclho a obrigaco de passar
attestados aos pobres nao serve seno para raolesta-lo,,
por.plinto Ihe impoc aquillo que elle sem constrangi-
inento e de motu proprlo tem pralicado at boje ; c cu
nao julgo qun se deva impor ao presidente do concclho
tal obrigaco, quando elle esl persuadido que deve fa-
zer esse servico por mera earidade.
Emendo tainlicm que nao convem impr essa obriga-
co ao medico do municipio, que j se acha bastante
salina anegado : a cmara, segundo creio, paga 500.00A
rs. um facultativo para curar os pobres, e parecc-ine
qqe, se alguein deve ter essa obrigaco, he esse facul-
tativo ; pnripiaiilo quem he obrigado a visitar ou re-
a ilir os pobres, laminan deve s-lo a passar os attesta-
dos competentes quando elles morreut. .
Sr. presidente, desde o principio descubro que se
quer pieslar cmara municipal uin liesejn, que ella
que eslao neste caso.
Era resultado da sorte, retira-se da sala o Sr. Nabuco
de Araujo.
ORDEM DO DA.
Contlnuaco da segunda dlscusso das posturas da
cmara municipal do Recife.
Encerrada a dlscusso acerca do art. 5" do titulo 1'
adiado da sesso anterior, he o mesmu artigo cBbmetti-
do votaco, e approvado com a emenda do Sr. Mavi-
niei, tendo sido cejeitado o adiamento proposto pelo
r. Nabuco de Araujo.
Sorra em dlscusso o segninto.:
Art. 6. Morrendo. qualquer pessoa repentinamen-
te, o dono da casa ondf liver expirado, ou quem auai
veses lrer. ser obrigado a relatar sem demora o oc-
corrido ao subdelegado oujuiz de paz do lugar, para gratuitamente
3ue d logo as providencias, e proceda .conforme fr nao.
e direito : os infractores sero multada* em 30/1X10 rs., Quanto a pena de
algum ; porque, repito, cimbreo facultativos inulta
capazes, muito caridosos, muito distinctos, multo de
bem ; mas....( nao quero dizer que couheco ) talvez haja
alguns que queiram dinheiro por estes attestados. Nein
isto rae concede pelo amor de Dos ?...
O Sr. .fmae :Coneedo-lbeludo o que quizer.
0 ir. I opee Gama :Poli bem....Eu sou padre, mas sou
o primeiro a diier qnn ha padres milito Jjpnrados, mui-
to dignos, mas que ha padres que nao prrstam para na-
da. Entretanto, repito, sou padre ; mas nao pucho tan-
to para essa classe como o nobre deputado quer puchar
para a sua.
\ ultando, purcn, ao meu assuinpto, digo que, se nao
fr gratuito, cite attestado torna-se pesado para a po-
breza. Se a cmara tem poder para linpr aos fa-
cultativos a obriga?o de passarem estes attestados
eu votarei pelo artigo; ao contrario,
rs. tambcnia acho pesada.
nao tem, de opprimir os pobres, quando ella s pro-
cura garantir a todos, e melhorar o astado sanitario des-
ta cidade, que nao he dos mais sitislaclorius. Quan-
do encarreguei-mc orno vereador de orgaiiisar
estas posturas, consulte! alguns regulamcntos de Irn -
;a e de Portugal, e desses regulamcntos lirei alguma
cousa. As multas impostas teem parecido grandes, ex-
traordinarias a alguns membros desta asseuibla, c a
prime ira vista pan cen; mas, se refleclirinos que
nos regulainentos francezes ha multas que se elevara
al somma de tres mil francos, que em noisa mocd.i
equivale de 1:200,000 rs. pouco mais ou menos, nao
pareccio muito elevadas as que sao impostas nestas pos-
turas.
Sr. presidente, o que quer a cmara ueste artigo he
evitar que se sepullcui, sera exame, pessoas que tenham
trrido violentamente: o nielo he este, c por esta ra-
sgo voto pelo artigo.
O Sr. Lopes Gama insiste as suas primciras Ideias ;
observando que o pobre deve ter dilliculdade era obter
o attestado. pois que, para que o facultalivo a quem o
se s horas seguintes :
Sexto batalhao de cacadores e contingente do pri- e soBVero oito dias de prisao.' Lace'ce"-sero'"uman>roVidenc1a,'iie verdde ; nas eu val "pedir, h'o pos'sa prestar, lie preciso que examine o
mi.no da uirsuia arma as seta horas da mauhaa. Vio mesa, e ao apolada* as aeguintet emendas : I nao rae attrevo a emendar o artigo : se alguein mais ha- cadver do morto, c que por conseguiiitc se decida a rou-
Companhia de artfices s tela e incia. Em lugar das paiavras ao subdelegado e juiz de Mlitado nestas materias o fier, eu votarei por elle : co- bar algum lempo ao servico de que Ihe resulla lucro pa-
wnm


'
ra appllca-lo a um trabalho deque lhe nao provlri o
ni 11.1 iiid interesse pecuniario.
O Sr. Mavignier diz que o prnsanicnto que a c-
mara consignla no arligo rm disciiss.in he inuilo lou-
vavel, nao su pelo que prrlcnce salubridade publi-
ca, como pelo que diz resprito polica do pala; mas en-
tendo que, concebido como so acha, elle nao pode pre-
enchern sen Iiin observa que nos pataca eni que
ha a verinencao que exige o arligo, ha mdicos eslipen-
diados pelos cofres pblicos para proccderein a lal exa-
inc, e emende que, para a cmara poder conseguir o
quetein cni vistas, era misler que designasse no mu-
nicipio os professorrs que devlam cncarregar-se desse
servico ; mas que, nao 0 lendo feito, crenu grave em-
banco!, os quacs nao sao removidos pelas emendas,
porque impdem essa obrigaco o euipregados que j
estiiu enerados de mitras.
0. Sr. Perreira Barrtlo Insiste na opiniao que einiltlra
em principio, c declara que votar contra o artigo.
O Sr. Maciel Monleiro, depuis de simples observaces,
manda mesa a seguinte emenda:
Oalteslado ser* pastado, dentro dos limites da ci-
dail porqualquer dos facultativos que sdb qoalquer
Minio reerbem ordenados dos cofres pblicosou da mu-
nicipalidade. S. R. Moeil Afonleiro..
Apoiada, entra ein discussao.
O Air. Jo< l'tdro faz breves rrllexcies acerca de sua
Hienda ; e, notando que na apresentada pelo preceden-
te orador slavam prevenidas as suas intences con-
< tuc pt'dimlo licenca para retirar a que subinettra
consideraco da casa.
1.. ii uit ida a asscmbla, concede a liccnc.i pedida.
He lida, e apoiada para entrar ein discussao, a seguin-
te emenda .-
i O attestado ser gratis, c a disposicao ter. lugar s-
mente a respeito dos pobres. Maciel Monleiro.
Tambern se apoia ein seguida esta emenda:
l.m lugar da palavra moradia, diga-se morada. Ma
cirl Monltiro.
Depois de mais algumas rellexcs do .Sr, Aquino em
pro do artigo, c em resposta a alguns dos oradores que o
precedern!, julga se a materia discutida, e he o artigo
approvado com as emendas e asub-enicoda do Sr. Maciel
Mouteiro.
Entra ein ditcusso o seguinte:
Ait. 8. Nenhuin cadver ser sepultado antes de ter
decorrido o espaco de 24 horas depois de ter a pessoa
expirado, verificada a mortc por facultativo, se o hou-
ver no lugar, que disto dar attestado, declarando a af-
feeco que sucumbi, e sua natureza, nein depois de
30 horas ; excepto em alguns casos que sero determi-
nados pelas pessoas autorisadas a exercr a arte de cu-
rar: aquelles que a seu cargo tiverem as sepulturas,
aqiicllcs que para o euterramento conrorrerem, se in-
l'rngirem o presente arligo, incorrero as penas do ai-
tigo antecedente
Depois de breves reflexoes, he approvado com a e-
gnnte emenda:
Depois da palavra expirado supriinam-se as se-
guinles at a palavra naturezainclusive. Jos
l'tdro..
Entra em discusso o artigo 9., reJigido deste modo :
Art. 9. Se a corrtiprao do cadver estlver bastante
adiautada, que di Ha resulte mo cheiro, aquelles que
dirigirem o enterro, servir-sc-ho de preparaces des-
infectantes, como a agoa de Labarraque (chlorureto de
soda} para que o mo cheiro nao iiicommodc os que
tr.ansitam pelas ras, c os miasmas uo causem damnn:
aquelles que dirigirem o enterro, lendo recursos pecu-
niarios, incorrero na multa de i2,000 rs. 0 mesmo
dever-e-ha observar com os cadveres depositados as
igrejas para encoinmeiidaces ou officios de corpo pre-
sente.
Vio mesa, depois de algumas refleies, as scguln-
tes emendas:
Suprima-se o artigo 9." Jote Pedro.
Suprima-se a multa. -- /m rignier n
Encerrada a discussao, he approvado o seguinte re-
querimento, mandado mesa durante a discussao :
(i Requelro o adiamento da postura para depois da
dis. o--..i i das outras. Maciel Monltiro.n
OSr. Prndenle uomcia o Sr. Slincs para suprlr a falla
de um dos membros da commissao de cantas munici-
paes, segundo ponderara o Sr Uego Barros.
D a hora.
OSr. Preiidtnte dlsigna a ordem do da e levanta a
sesso.
ERRATA.
No discurso do Sr. Cunta Figuciredo, publicado em o
Diario n. 96, pagina segunda, cnluuina tercclra, linlia
decima, ein vez de fells Icia-sc -- infelis

Cmara municipal do Recfe.
SESSAO EXTRAORDINARIA' EM 26 DE MARCO
DE 184.
Presidencia do Sr. Carntiro Monleiro.
Presentes os Srs. Barros, Egidlo Perreira, Karata, Gau-
dino, Mamedc e Vianna, faltando sem causa participa-
da o Sr. vereador presidente, pelo que foi julgado incur-
so na respectiva multa, abrio-se a setto, sendo lida e
approvada a acta da antecedente.
O secretario fez a leitura dos seguinles officios :
Um do rxm. presidente da provincia, remetiendo um
exeiuplar do Muri de Ptrnambuco n. 60 de 15 do corren-
tc. couteudo avisos imperiaes, expedidos em 15, 16, 17
c 19 de Janeiro ultimo, todos solvendo duvidas occorri-
das na execuco da lei regulamentar das elelcues. hi-
len .ul i. e que se respondesse.
Outro do inesmo, r..........ni. ando a reinocao do Dr.
Manocl Mendes datJunha Azcvcdo do lugar de juiz de
direitoda segunda vara do criine desta cidade para o de
juii de (hi-cilo na comarcado Ip, na provincia do Cea-
r, e a do bacharel Alexandre llernardino dos Reis'e Sil
va, juiz de dircito da comarca do I.imoeiro, para o lugar
.1 i | lie I le. I Ule se aci lisasse a rCCCpCio.
Outro do mesmo, communicando a disposicao do avi-
so imperial de 9 do correntc, que manda proseguir nos
Irabalhos da qualificacao dos votantes, nao obstante a
dissolucao da cmara dos deputado<, alim de que a c-
mara dsse cuinpriiiieuto ao que lhe incumbe a lei de
19 de agosto de 1846. Que se respondesse ao Kxm. pre-
sdeme, que, nao se temi dado comeen a csse trabalho
em Janeiro, nao he possivel agora continuar nelles, ou
cnccta-los sem que S. Eso. designe o dia cm que se dc-
vc reunir a junta qualificadora, urna vez que jase pas-
saram as pocas designadas na sobredita lei.
Outro do juiz de pat em exercicio do primelro dlstric-
to do bairro do Kecife, pedindo que a cmara juramen-
taste os dous supplentes que lhe ski immediatS, para
o substituirein no seu impedimento. Que se chamas-
sem dous supplentes desimpedidos.
Outro do presidente do concelho de salubridade, of-
ferecendo um exeiuplar da colleccao dos trabathos do
mesmo concelho durante o ultimo auno linanceiro, e
outro das Inslrucce que sobre a vaccina escrevra.
Inteirada, e que se respondesse.
Outro do procurador, coiuuiunicando nao ter desco-
berto ineio de segurar a fiel arrecadaco do imposto das
medidas de farinha, sem que nelle deixe de haver abu-
so, pelo arbitrio que pdem ter os administradores ; c
a. oiiselliaiulo a ai iemalacao do inesmo imposto, sb a
base de 25 mil ris annuaes, segundo o que se tem ar-
recadado, -r- Que se annuuciasse praca para o dia 2 de
abril.
A cmara autorisou o procurador a comprar a lage
precisa para o calcamento do inatadouro das Cinco-Pun-
tas, recommendando-lhe se desse pressa nessa obra.
Despacharam-sc as pelices de Joaquim Lobato Fer-
relra, do padre Joaquim Jos llarrelo, de Antonio Joa-
quim Ferrclra de Sou Juan da Conceicao Bravo, e levantou-se a sesso. Eu,
Joo Jos Perreira de /guiar, secretario a subscrevi.
fui nein. .Hiiiiiciru, pro-presidente. trala, r'ianna.
iWiiiri/e. ftrrtira.
lteccita c despeza da cmara municipal do I lee. fe, no
mez de abril de IS349.
IIECEITA.
Iinlineo do mez de margo an-
tecedente ........
Alugueisdas lujas da prac,a da
Independencia...... N" 78 a 91
llilieiradii frcgucza deS.-Jos 1
imposto de 2/ rs. obre ms-
cales o boceleiras .... 114a 123
i ordeaces e licenras ... 46 a 55
laxa das medidas de fatinlia. 1
Mullas pelo reg. n. 120de 31
de Janeiro de 1842 ....
494,994
361,763
120,000
20,000
118,000
15,580
7 e 8 166,000
Mullas por infraccOes depotlurai, a saber:
Cobradas pela polica N.* 4
Da freguezia do Recife ... 73 a 92
Dita de Santo-Antonio > 90alll
lua de S.-Jos....... 26
Hilada Boa-Vilta ..... 16a 19
8,000
136,000
202,000
30,000
103,000
Rs. 1:775,337
DESPEZA.
Ordenados e commissao do
mez de mareo p. p. N.
Aluguel do pin,',) da cmara,
vencido no dito tnez ...
Expediente da secretaria da
uiesroa......... >
EleieOcs..........
l.iiiipeza de ras.....-
Evcnluaes ......... >
9
19
3
11
30
19 a 20
Raanlo a favor da receila
740,574
133,333
20,880
23,280
228,160
102,58
1:248,785
528,552
Rs.
1:775,337
Contadura municipal do Recife, 1 de maio de 1849.
O contador,
Manoel Gregorio da Silva.
HUR IIEI'&elWUI|mi.
BXClrC, 1 Dr MAIO DC 1849.
Ein euinprimento de ordem superior foi boje dissol-
-..!.. a compaiihi.i de contingentes de varios corpos da
guarda nacional deste municipio, que sb o cumulando
doSr Jos Connives da Silva, capilo do quario ba-
talliao da uiesina guarda nacional, lo importantes ser-
vifos fez a provincia durante a exliucta revolta.
Ao dissolver a cumpanliia, o Sr. eapito Goncalves da
Silva dingio-lhe a seguinte allncufo :
. Tendu-se o Exin. Sr mareclial coniniandanle das
armas da provincia dignado de mandar desaquarlcllar a
companhia de guardas nacionaes sb meu cominaiido,
faltara eu a um dos inais sagrados deveres se nao Iri-
butasse a cada um dos guardas, que Uve, a honra de
.miiuanil.il', meiis votos de saudade c sincero reconhe-
ciuiento pelo bein que desempenharain seus deveres du-
rante o largo espaco de quasi sete mezes de aquartela-
inenlo.
A companhia de guardas- nacionaes destacados,
prestando na ultima lula sci vicos extraordinarios, exce-
leii expectativa de muita gente queatentao rm nada
estiinava a guarda nacional; desmenlindo assim, por
urna successao de Tactos que jamis olvidarei, esse con-
c(iiu tao desl.ivor.,vel qiianto baldo de bous funda-
mentos. -
Proinpta sempre primeira voz, ella marchou para
dulcientes pontos do centro;batru se denodadamente
e por mais de una ves com o inimigo ; -e, sempre fiel
ao governo, portou-se de modo a humar sobieinaneira
classe que perteuce: nao he, pois, sem petar, que.
se despede de lao Jeaes irmos d'annaso coinmandantc
que sempre mil., enconlrou amor, rrspeito e tideli-
dade.
i. Aceite, poi tanto, cada um driles a minha despedi-
da, e cont com os meus ser.vir.os particulares,qual-
quer que venha a ser a minha posico social, qual-
qiie> que seja a paragetn que n destino me couduza. >
Durante a allucucao, inultos dos gualdas que a ou-
viam, vertern! lagrimas de saudade e rrconhreimrntn
pelo bravo olticial que a reeilava; e, termin da ella.esscs
inejtnos guardas procuraram, Um a un, o coinman-
dantc que driles se despedir como o bom pai saaparta
de seus filhus, para lhe apresentarem os seus protestos
de eterna amizade,--para lhe assegurarem que i.un dis-
postos a inorrer a seu lado pugnando pelo throiio, pela
constituicHo jurada e pela intrgridade do imperio.
Volta, pois, o Sr. capitao Jos Goiifalves da Silva a
simples condico de particular ; mas volta chelo de
honra,--acompanhado da estima publica,--ecobertodas
heneaos desses Pe iiainliue.iii.is a quem soube conservar
na verdadefra disciplina militar, sem prrsegui-los, sem
vexa-los.
O un mu nica do.
NECltULULU.
SU Itbi Itrra levis ; leus coloque receplui
Allertai sedee ifte subiri queat.
I-e ve a trra te seja ; e as inanirs etreas possas
entrar cm gozo.
J. C. di C.
Urna lagrima da mais pungente dr morte do meu I
amigo e collega o Sr. Jos I.uit de Mello Acetle. Mo-
cldade to chela de encantos I tao chela de vida I .
Que dos teus esforcos? Como te mostras fraca'e mesmo
tmida ao sopro aterrador da lr inviulavel ? Como ce-
des tao prompta o teu lugar? Porque .nao repelhsle
([liando em presenca este inimigo a quem dantes mos-
travas indlfferenfa? Ah! Porque n.io o tueste ? Porque
s ilhiso E urna perlgosa lllusao !.... Finou-se urna
existencia esperancosa. oh dr !! Finou-se o men caro
amigo inda lao moco !! ficando apenas recordaces de
suas nobrrs qualidades!! Chamado logo nos tenros
annos para a companhia de'seu lio, o IMm. >sr, coin-
mendador Jos Ramos de Otiveira,(de saudosa memoria
para os amigos de sua patria) ahi recebeu a mais aecu-
rada e fina rducacao j e, reconhecendo este extremoso
lio a viveza c habilidade de seu terno sobrinho.qulz que
se dedicasse As scieiicUs e s bellas-artes. Satlsfazeiido
avontade de leu to, oSr. Jos Lufz de Mello Acetle
curson todas as aulas que serven a preparar a intelll-
gencia para esludos mal* profundos ; seu mrito como "'' -- ^j,^''
talentoso fora reconhccldo pelos seus lentes ; c a habi-1 lidade nao vnlgar que apresentou na arte do desenho o I Patentes Ul gtiaraa naciu.i.u
tornara prrfello meilte,' se se dedicasse exclusivamen- Escravos despachados .
te ella. Completo o seh tirocinio de preparatorios, en-1 Passaporles de polica .
CONSULADO PROVINCIAL,
Rcndiincnjo do dia 1.......*. .
RKNDIMENTO NO MEZ DE ARRIL DE 1849.
Direitos to exporlaeo de 3 por cento
Ditos tle dita de 5 por cento. .
Taxa...........
Capatazia ...-
Decima.urbana........
Meia siza dos escravos.....
Matriculus do seminario.....
Dita de lal i ni........
Novos c vellbs direitos. ....
Imposto do fabricas de chapeos. .
Dito de casas de modas
Dito de fabricas de charutos. .
Dito de serraras
*207/T55
trou para a academia jurdica no anno de 1845. Ah nao
foi menos feliz na sua reputacao : o lugar distincto que
sempre oceupou entre seus collrgas, aprzar do amor
proprio de cada um, o torna mais bullanle c mais dig-
no de attencao. Asss maravilhavain a polidez e allabi-
lidade com que o Sr. Jos Luiz de Mello Acciolc sem-
pre tratou a seus collegas : destituido de lodo o orgu-
llici com seu coracao sempre nos labios tratava a todos
com a mesma distineciio : Incapaz de trahjrsequer n um
gesto ao seu amigo : mostrava-se generoso quando pe-
iii.im as occasies : a citcumspsccao que emprrgava no
tratar com estranhos dava-lhe um certo porte de gra-
vidade, apesar de seu juvenil semblante : inulto scioso
de sua palavra c de seu crdito, nunca deu occasiao a
que fostem mareados pela menor falta. Tantas virtudes
em tao poucos annos bein indicavam um perfetto e ex-
cei leu te cldadao hoje, mallogrado!!
Quatro mezes ha que o Sr. Jos I-uiz de Mello Accio-
lc recebeu como esposa a Exin.* Sr.'D. Amalia Josehna
de Aducida Barata; consorcio este todo ebrio do mais
puro e do mais desinteressado amor N'uin mundo de
delicias viviam ambos, e o curto espaco tlessa doce har-
mona se passou rpido e desapercibido E( eterna
existir a lembranca desta morte prematura J
Diguai-vos receber, Exni.* Sr.", as consolacoes do
amigo do vosso esposo I correi presurosa ao sanctuano
da rellgio, antidoto dos males desta vida E la en-
contrareis allivio para urna alma aterrada por tao l-
gubre acontcclmento. j que a cruenta morte ludo des-
conheceu, e surda s lagrimas roubou d'entre vossos
bia.-os o mais charo penhor !! edo celo da academia um
alumno quasi no termo de sua carreira! Aluda hoiitem.
oh dr fatal ainda hontein foi lido o seu uomc i E
nina voz pesada expremio a terrivel phraseHe mor-
toI Sim morreste, oh meu amigo para o mundo ;
mas indelevel ser o leu retracto na mente do teu ami-
go. Descansa em pat emquanto pasto os ineus illas in-
da entregue s illusdes deste mundo engaoso Des-
cansa em paz emquanto aqui lica a desditosa esposa,
las delicias, un phanthasia, regando o teu turnum
com o teu pranto, c levando ao cu fervorosas oraedes
a bein de tua alma candida Descansa em pat ; .que us
males deste mundo jamis te affectaro (loia da man-
sa, i dos justos, emquanto eu ligado este barro vou sof-
H'reiido o peso da lei da existencia. ***
Multas
Juros
tiesa
1849.
33:133.060
3:542,5Ss
2:2SO,20n
':043,flo
5:24O,043
=098,663
170,ooo
",000
638,066
76,800
40,00o
ia.8oo
,400
140,800
29,000
60,000
52,800
109,71*
28,980
ALFANDEGA. Rendlmento do dia I.* 5:533/402
Descarreqam hoje, 2 de maio.
Krigue livat mercad.iras.
Ilrigue l'uiuam farinha de trigo.
EscunaMary-Meanor dem
l'.scuua ('ni iHtf-.Wuiiii pipat vasiat.
Brigue olinilu pipat vatitt, sabiioe fumo.
I'ataclio Eulerpe fumo e pipas vasias.
Ilrigue Steiedade pipas vasias.
barca Carolinebarricas abatidas.
Iliatc Fortuna vinho.
Patacho Varia & ./oagvina vinho c ceblas.
RENMMENTO NO MEZ
Renilimento total ......
Re.slituic.0es..........
DE ABRIL DE 1849.
.........251:151,556
......... 65,000
Liquido. 251:086,556
Direitos de consumo..............246:817,883
Reexportado, 1 por cento.......... 13,262
Expediente dos gneros do paiz.i por <. 64,157
Expediente dos gneros estrangeiros com
carta de guia, 5 por cento......... 351,285
Armazenagemde mercadorias....... 584,737
Dita de plvora................. 4,500
Premio dos assignados............ 3:112,756
Multas....................... 130,296
Emolumentos de ccrtidfles......... 7,680
Rs. ... 251:086,556
0 escrivSo da alfandega,
Jacome Gerardo Mara Lumachi de Mello.
CONSULADO CERAL.
Rendlmento do dia 1.........
Diversas provincias ..........
. 3:44/)3I
. '525/476
4:169/1507
RENDIMENTO NO MEZ DE ABRIL DE 1849.
, A saber :
Cousiilado de 7 por cento ... 82:451,785
Dito de 2 por c....... 26,424
Ancoragcm para fura do im-
perio................
Dita para dentro do imperio
82:478,209
1,725
5,ff2
Sello fixo. .
Dito de ttulos
6:871,7!
275
------------- 7:146,897
7M.600
3/000
Cerlidos. .
Sita de 5 p. c. .
Dita de 15 p. c.
Diversas provincias.
Dizimo do assucar das AlagOas 3:600,671
Resliluir-Ap feta .......
736,600
17,480
210,000
15,000
90:644,186
Dizimn do algodilo da Parnliiba.
Dito du ditu do Hiu-tiraiiili- il.i-
Norle ...............
Dito dito do Ccur....., ,
7,2t4
487,029
-------------- 3:593,457
10,942
262
94:696,775
Depsitos existentes.......7:285,351
Ditos restituidos ... ... 761.094
. 47:847,307
do consulado provincial, 30 do abril de
Jos Cnvalcantjmf lbuquerque,
crlva
EscrTvSo interino.
IMPORTANCIA DOS RENDIMENTOS ARRECADADOS
PELA RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS C.E-
RAES DA PROVINCIA DE PERNAMBCO, EM TO-
DO MEZ DE ABRIL PRXIMO FINDO.
A saber :
Foros de terrenos de marinba...... 31,321
Cizadosbonsderaiz..........1:358,755
Decima de mo morta...........1O6,'20o
387,790
5,080
488,602
3:737,600
8,000
76,800
Novos direitos
Di tos do chancellara .........
Dizima da mesma...........
Matriculas do curso jurdico......
Cartas de hachareis..........
Droitodc ligitiinacOns.........
Sello Mxo..........1:077,1201
Dito proporcional......1-.788,690)
Premio de depsitos pblicos......
Patentes de despachantes.......
Emolumentos de certidOcS.......
Imposto do lojas............1:533,680
Dito de casas de mojas......... 80,000
Dito de carros............. 249,200
Dito du barcos............. 38,400
Taxas de escravos........- 497,000
Total.....11:649,832
2:865,720
9,321
175,000
1,360
Em

cobro
notas,
618,832
11:031,000
11:649,832
Rccebedoria, 1 do majo do 1849.
No impedimento do escrivSo,
Francisco Antonio deSouz*.
......-----JLJL-------------- I
Movimento do Porto.
A'ni'i'ii entrado no dial.0
Dublla 35 diss, barca austraca Mary.ie 328 toneladas,
capitao L. Muuswicb, equipagem 11, ein ltiro
orden.
--ir----------.....-T-iTSisa-j-TT
EDITA L.
Jase Camello do Hego Barros,-juit dspai suppltntc do prit
meiro ditlriclo da freguesia do Poco-da-fanella, em virtud-
da lei, Si.
I'aco saber que em cumprimenlo das ordens do Eira,
Sr. presidente da provincia, que me lurain tiansii.ilu-
das por a cmara municipal desla cidade rm officio de
25 do un / prximo passado, tem de proceder-sc elei-
cao de venados do municipio e juizes de pal do pri-
meiro e segundo districii desta lregueiia no dia 3 do
mez de junho prximo vifdouro ein consequeucia do
que convoco aos Srs. eleitores e supplentet abaixo mea-
ciouados para que no referido dia 3 de junho por as no-
ve horas da maulia comparecam na igreja matriz desta
parochia.aliiii de ter lugar a organisacao da mesa na
conforillidade da lei regulamentar das elricdes de lU de
agosto de 1846.
Igualmente convoco aos cidadios qualificados na ul-
tima revisao felta insta dita freguetla em Janeiro do au-
no passado a cumpaiecercm uo referido dia a darem seus
votos sb as penas da le.
EleUoris.
O Srs. Carlos Martins de Almeida, Antonio Aires
Velloso, Joo Lei te Hodovalho, Miguel Joaquim do Hego
Barros, vlgario Francisco Luiz de Larvallio, Fraucitco
lid mi ni du Costa, Lula de Mello de lbuquerque rila,
Jos Antonio C.oncalves de Mello, Nicolao Rodrigues di
Cunha, Jerouymo Freir de Faia l'cdrosa, Jos Pereira
da Silva.
Supplentes.
Os Srs.Joaquim Jos Larneiio Monleiro, Joao Fraa-
cisco do Reg Mala, Joarf Ignacio Pereira da Rocha, Flo-
rencio Jos Carneiro Monleiro, Antonio Lint Calda,
Pedro Jos Carajeiro Monten o, Sebastifio Anlouio do Re-
g Carros, Francisco do Paula do Reg barros, Francisco
Munli Tavares, Jos Francisco Carneiro Monleiro, Joa-
quim Jus Cavalcante.
F. para que cliegue noticia de todos inaiidci laviaro
presente quesera afhxaao nos lugares mais pblicos ua
Iregueiia e publicado pela ffuprcuta.
I'riuieiro dislriclo da l'rrguetia do Poco-da-l'anelU,
pi micho de maio de iS-ill, Ku, Francisco Jos Alviilt*
ma, escrivfio juramentado o cscrevi. '
Jos Camello do Reg Sarros.
lleclara^oes.
O administrador,
Jodo Xuvier Carneiro da Cunha.
ASS0CIACA.0 COMMERClALDEWRNAMBIJCO.
Nflo comparecendo numero sullieienlo de assocu-
dos na reuiiifloannUHCiada para o dia -fjriiiieiro do
correle, flcou a meama-lransnrrida para quarta-t'-i-
ra (2), as 11 hora da maiihla : advertc-se quo nes-
la segunda reHl5o se considerar haver asseinJilM
geral com os socios que entilo se acliaremprcsontesi
como dispOc artigo 5. do capitulo 1. -- Bernar-
do de Oliveira Mello, secretario.
O arsenal de guerra compra dous costados de ama-
rillo de 30 palmos de compriuiento e 20 puilegoalas de
largura, um pao de ticopira, quatro arrobas de cobre
velho, duas arrobas de cobre em lencol, 30 libras ueea-
l.niho ein verguinhas, duas c meia arrobas de chumbo
em lencol, uito libras dezinco embarrase i0 melot de
sola da matta : quem laes genaras te propozer a vender,
pode coinpareaer na sala da directora do mesmo arte-
nal no da 4 de maio prximo vindouro, trasendo sua<
propntta com ot ltimos precos em carta feohada.
Arsenal de guerra, 30 de abril de i8i9. -,0 escripwa-
rio, Francisto Serfico de Assis Carvalho.
II FfiVFI L





\lIINISTRAgA-0 DO PATRIMONIO DOS ORPHXS.
Permite a adininrttracao do patrimonio los orphaot
sr|ho de arrematar a quem iriait der, c por lempo de
: ,1o crrente auno ao liin de jultro de 1802, as rendas das
srguintet casas pertencentes ao incsnio paUinionlp ; o
segundo andar da casa n. 1 no largo do Collegio, e as
dun lojas da mesma casa do lado da rua do Queimado
n. 33; as cjsns nmeros 23 na ra do Collegio, 9 na ra
.lo Crespo, 29 no largo do Paraiio, 17 na ruadas Laran-
geiras, 58 na na do Rangcl, 13 praca da Boa-Vitta, JJ
na rua Velha dita, 22 c 24 na ra de .-Gonealo dita,
.1 na ra do l.cbo dita, 39 na rua do Pires dlta.rJO na
ra do Hoiarlo dita. 44, 53. 57. 59 e 01 na rua da Cadcia
da R.clfe, I. 9, 2. 4. 6. 8. 10, 12. 14, ib,- 18, 20, 22,
24 c26 na rua da Madrc-dc-Deoa. As pctsoat que se
propotereiii a arrematar ditas rendas, poderao enmpare-
cor na casa das setset da dita administraran nos dias
2. 10 e 16 do futuro mei malo, as 4 lloras da larde com
adverlindo-se que se nao accitarao
ga, haver leililb d urna pequea partida defariuh'
de trifro ordinaria em lotes de 10 barricas, por con-
la e risco de quem pcrloncer. '
= OcorrctorOlivcirafarlellSode toda a Iouca cxls- I-uiz Vielra e Jos Machado Soares.
tente no armazem da casa n. 1. no Atcrro-da-l adjudicada tenliora D. Thertia Goncalvct de Jezus
Azevedo, por ordem de quem se vende: sabbado, 5 do
corren te, s iO -horas da inanha, no referido armazem
e rua.
Avisos diversos.
- Antonio Ferrelra Mvneres Jnior delxou d ser
caixeiro de A. V. da Silva liarroca, desde o dia 21 do cr-
reme.
- O escrivao Alcanforado mudou o cartorio da rua
da Aurora para as lojas do obrado de un anda da es-
os icus fiadores adverlino-se que .e nao accitarao gu|na da rua Augusta depols da casa terrea amarella,
laucos riaquelles inqullhnoi que se nao acham crreme* 0Ildc ta,,.^,,, lc^de ua ca" "'"' '"'"
. C. l *- n > >rn iliiiiclr*i>.*n iln __
- Na rua Ja Madre-de-Deos, n. 3, sobrado de 3
ndares desejt-sn lallar aos Srs. Mareolino Ferroi-
ra da Silva Juvoncio Paulino da Silva Antonio
iiii scus pagamentos, Secretaria da administrado do
patrimonio dos orphos, 28 de abril de 1849.Jodo
fi (indico dt Chuy, secretarlo.
THEATRO DE APOLLO.
Sabbado, 5 di mato de 1849.
Ucprcsontacio extraordinaria em beneficio do Sr. e da
Sra. Alexandre. >
Concert distribuido pela mancira seguiute:
INDIANA E.CARI.OS MAGNO
Urna noite de bail maienrado
Vaudcville jocoso a carcter e n'iini acto.
DAMCA.
|/ Vmyaiiombre, dancado pelaarra. Cainoin.
Grande itmtfMi* em rabeca pelo Sr. Alexandre.
CINTO.
A grande aria do Seqredo, cavatina de Hernani, m-
sica de Verdi ; cantada em italiano pela Sra. Alexandre-
Urna filka l'rrivel, vanaVvillc jogoso, a pedido de va,-
ria pessoas.
A giande aria da Filka di regiment, msica de Donl-
letll. cantada pela Sra Alexandre.
A chava abite ai floree, romance cantado pelagra. Ale-
xandre.
Hondo rwso de lleriot, tacado em violo pelo Sr. Ale-
xandrei
Comccar s 8 horas da noitc.
NOTICIA.
O director do theatro de San-Francisco, Pedro Baplls-
ta de Santa Rosa, arlia-se preparando um grande e va-
riado espectculo, afim de lvalo brevemente scena
Ksse espectculo ser asslm distribuido :
A linda symphonia Nabueodonoior msica, do clebre
G. Verdi.
Um vaudeville pelos membrosda cnmpanlra franceza,
a quem o Sr. chefe de polica permittlo representaren!
in'ste theatro.
A coiiiniedia Marido da viuva por Alexandre humas.
(na das mclbores arias jocosas, cantada por Santa
Rosa.
lima danca latero, pela joven Felismina.
A Iluda faifa o Diletanti, composta pelo autor da que
tem por titulo o JwJiu em eabbkdo de atleluia.
O annunciaiile, ao pasta que muito agradece ao res-
peitavcl publico a indulgencia com que tem recebido os
espectculos tob sua dlreccao, nao pode delxar de tribu-
tar um testemunho de profundo reconheclmenlo a varias
familias que de uovo coinecam a frequcutar o theatro
de San-Francisco.
O diretor, tendo reconhecido o gosto c talento do Sr.
Jorge unioi, tomn a resoluto de encarregar-lbe o cn-
saioda compauhia dramtica: este Sr., dando inaisuma
prova de sua benignidade e de seu amor scena, dig-
nou-se de acceitar semelhante initso, e certo a desom-
pr ii lu,i de maneira a nada desmentir o crdito de que
uio merecidamente gosa.
Os similores assignaotes einals pessoas que pretende-
reui cainarolcs pdem mandar receber os candes na ca-
sa anncxaao meamo theatro, residencia do director.
Avisos martimos.
'Para o Rio-de-Janeiro sahe, em poucoa das,
.loira escuna Calante-Mari*, por ter a mair parte d
= Para o Aracat; est prestes a sal ir o liiate Kovo-
Olinda, por ter proipta a sua carga, podendo anda ad-
inittir ininlr/.'is e passagelros : para isso trata-se com o
mestre do mesmo, Antonio Jos Vianna, no Trapiche-
Novo mi na rua da Cadeia-Velha, n. 17, segundo .indar.
= O brigue-escuna nacional Olinda segu, com lire-
vidade, para o Rin-dc-Jaiieiro por ter parte de sua car-
ga engajada : para o resto, passagelros ou escravos a
frele. Irala-te com Machado & Plnhciro, na rua do VI-
gario, n. 19, segundo andar, ou com o capitao na praca.
.= Para o Rio-dr-Jaueirn segu,, com umita brevida-
de, o brigue nacional aurora tem a inaior parte dn car-
regainenlo piouipta : para o resto e escravos a frele,
trata-se com Joan Francisco da Cruz, na rua da Cruz,
numero 3
a ve-
! do ear-
regamculo prompta ; para o reatante, escravos afrete e
passagelros, para o que tem excedentes commodos, tra-
ta se na rua da Mocda, n. 11
O capitao da barca nacional Tentaliva-Felii anuun-
rla que sahe impreterivelmciile para Mossamedes no dia
20 de malo ; que todos os nhjectos que hoiiverem de car-
regar na mesina lien ao a borda ate o dia 12 ; e que no
dia da tahida uo admitte pessoa alguma a bordo seno
os que fdrem de pasaagem ; por isso recoiniiienda a lo-
us i.ii mi em Ierra as sitas despedida!.
Para Lisboa, com escala pela ilha de San-Miguel, a
barca portuguesa Tejo, capitao Silverio Manoel dos Res,
sahe com a inaior brevidade possivel: quem na mesma
tpiizcr ra regar para qualqur dos dous portos, dirja-
se aos consignatarios, lifVra hmos k C na ruada
l-rui, ii. 9, ou ao referido capitao, na pra;a do Cm-
iiiercio.
~ Tura o Porto sahe. com a maior brevidade pos-
sivel a lii-iii cnii ln rula e veleia ha iva K-pirilo-San-
lo para o que ja tem a huido meia orga : quoin na
tnesmn quizer cartegar, ou ir de. passagem, para o
que lem ueiados commodos, dirija-so ao seu con-
signatario, Francisco Alvcs da Cuuha : na rua do
Vigurio, n. II, primeiro andar.
Para o C'eir sahe uestes 8 dias a escuna A/a-
ria-Firmina : para carga e passageiros, trata-so na
rua da Cadeia, com Jos Antonio Uaslos.
Vcnde-se ohiaie AlUluia, novo, de 2-2 tonela-
das por proco commodo, tundeado no Forle-do-
Maltos : a tratar no mesmo, com o dono.
Lcjios.
Me. Calmonl & C. Carito leil.lo, por interven-
cilo do corretoroliveira do Rrande por^flo de fa-
7.1'tidas iuglezas, inclusive sedas e pannos de cores,
ijiiu se venderflo psra liqui tes : hoje, 2 de maio as 10 horas da manhaa.em
seu aniiKzein largo do Corpo-Sanlo.
HOJE, 2 do correte, no caes da Alfande-I fiadoi asuacapacidade: na ruado Aiagao, n. 8.
No dia a8 de abril prximo pafsado
furtaram da lojadarna larga do Kozario,
n." ii, um relogio com caixa de prata,
patente inglez, lendo dentro, por cima da
robera, o nome do" fabricante, Ab.m
Jackson, e o n. 8,957, em Liverpool :
previne-se, portanto, ao respeitavel pu-
blica e principalmente aos Srs reJojoei-
ros que, no caso de Ihes ser ofterecido
li| relogio, o apprehendam e levem-o a
dita luja, que rccelierao 80,000 ris du
gratifieacao ; porm para isso be pre-
ciso que se tenba conkecimtnlo do au-
tor de semclbante roubo f
= Arrenda-sc ou vende-se um ptimo sitio na estra-
da de Santo-Amaro para Ilelin, sendo o terceiro pas-
tando a ponte, com multo boa casa para familia, bas-
tantes arvoredos de fructo de todas as qualidades, tr-
ra para plantario, tendnj parle da mesma plantada ; c
pode terttuas a tres vacias de lelte. Taubem se vendem
tres vaccas de leitc com crias, liUias do pasto e por pro-
co commodo : a tratar no inesino sitia, ou na rua do
Itnngcl, n. 17.
Lotera do Ihealro publico.
O oslado da venda dos bilhetes desta lotera, ponen
adiantada depols do ultimo annuncio, nao habllltou o
thesouroiroparareallsar. como desojara, no dia 27 do
proilnio lindo mex o andamento das respectivas rodas ;
porm, esperanzado de que desta vez inultos desejaro
entrilr em nirf jogo de bom agnuro pela proximidade
das sorles de San-Joan, lenta novamente designar o dia
19 do coi-rente para o dito andamento das roda, .quasi
convencido da infallibilidade desse dia. So, pnri'm, an-
tes disto a venda se ultimar, entilo ser anticipado o an-
damento referido com vantagem dos que arriscaran!
= lia-se 300/000 a premio sobre penhores : a tratar
no largo do Paraizo, sobrado n. I, segundo andar. Tam-
heui se vendem dous consolos de Jacaranda com lampo
do podra inarmoro, um jogo de bancas modernas e um
sof de dito .-ludo por proco comiuodo, por seu dono
ter de retirar-se para tora.
RUA NOVA, N. 10.
Rocebeu pelo Ultimo navio de Franca ricos loques de
inadre-pernla, corles de seda para vestidos, bicos de
blond, capell ia para noiva, pontea de tartaruga para
prender cabello e marraras, encerados de todas as lar-
guras c do lindos padios para metas e pianos, meiai de
seda brancas e pretas, luvas c calcado de todas as quali-
dades, caluugas de porcellana para botar espirito : ludo
lilaila rico e por commodos proco!.
? "" Pcctsa-se de mu smassador que saiba cortar mal-
sas : na rua Direila, padaria n. 82.
= Precisa-se de una ama de lelte forra ou captiva
na rua do Queimado, n. 6.
t= Lu/. Manoel Fe man des Chaves, Porluguez, retira-
se para fra do imperio.
Bom negocio para quem quer
principiar coiu pouco d-
nli- iro
No botiquim da Esperanza precisa-se
de um bom cozinbciro para tomar cont.i
do mesmo catabelecimento por bjlanco,
ao citial se dar interesse nos lucros :
mesmo negocio se La rom oulra qual-
quef pessoa que se queira encarregtrdo
sobredilo estabelecimenlo, tendo bastan-
te pratica : a casa acha-se bem monta a,
tem bastantes freguezes bons pagadores,
visto as boas comidas que costuma a-
prescnlar. Faz-s este negocio por moti-
vo de molestia : a trafar no mesmo boti-
quim, rua da Scnzalla-Velbu do Kecife,
n. 136.
Manoel Forreara dos Santos, Brasileiro, va i
cidade do Porto.
Precisa-sede um pequeo para caixoiro, que
do fiador a aua conduela: nos quatro-canlos. da
Boa-Visla, rua da Gloria, n. lll.
--Sexta-teira, 4 do curenle, na sala das audien-
cias peraole o Sr. doutorjui do rivel da primSira
vara, se hilo do-arrematar, por ser a ultima praca,
os utensilios para chapeos consistindo otn massas,
chapeos de sed, ditos limteos de castor caixilhos
onveritizados com hslciln penhorados a Vctor le-
lioys, por execu^o de Tltereza (encalves du Jestts
Azcvedo.
BernardinoJof de llessa Guimni-os, subdito
porluguez, relira-se para tora do imperio.
O abeixifcsignado, leudo recebido do Sr Ber-
nardo I ei naiiiles Cama urna olirigacao para cobrar
do crioulo Jos Hilario da Omceictlo da quanlia de
cotilo o lanos mil rs., com acondi^o de o ahaixo
assignado ter umtc co desta cobranca.e para cuja llm
passou urna cautela e como nSo lo i possivel reali-
sar ilila cobranza, por dizer o devedor que esta di-
vida provinhade um negocio criminoso o quodeu
lugar ao ahaixo assignado restituir dita obrigacilo
a ni ii. I i Gama, (cando o negocio de nonhutn etTei-
to por lignina preveneo aquolle Cenia lio resli-
tuio a cautela que perlenco ao ahaixo assignado;
e constando agora que elle a vista da cautela que
indevidamente para em seu poder, anda fazendo ne-
gocio, previne o ahaixo assignado, que ninguom fa-
ga negocio com esse liLuJg, .porquatilo est ingtili-
sado : outro sim O mesmo ahaixo assignado pedo
todito Sr. Jos Hilario da Conceicto que baja do
dewbrar por esta l'olha su deu ao abaixo assignado
algum iiiuheiro por conta desta divida, e qual o seu
resultada.' Jaronymo SebastUo de A lenca si ro.
Precisa-se de um caixeiro para veuda e que d
Preoisa-se alugar urna prela captiva para o
ervico da tima casi : em r"ra-de-Portas n. 143.
Philippo a Europa.
Joflo Donnolly retira-se para fra da provin-
cia.
OdoulorC. Ambrosioni vai fazer urna viagem a
Italia.
- Appareceu, no ongonboConcei?^o la fregue-
lla do S.-AntSo urr moleque de nome JoHo que
diz ser escravo do Jos Bezerra Cabra I morador em
Malta-Virgcm fajpruezia de Bom-Jardim : quem
f6r seu dono, compareca em dilo engonho.
Antonio CoutiiTbo do Azeveilo Jnior retira-se
para fra da provincia com sua mulher.
. Prccisa-sc alugar um preto para diversos servi-
ros : paga-se bem e da-se o sustento : na rua larga
do Itozario, padaria n. 48.
-- Quem tiver urna cirmela do bfa em segunda
mio era hom estado, que tenha boas vozes, e a
quizer vehder, ilirija-se a rua do Mon lego n. 107 ,
ou uiniincie.
-- Precisa-se fallar ao Sr. Francisco Estoves de
Mello, do engonho Junliahy : por isso queiru an-
nuncinra sua assisloncia nest praQa.
OITerece-se um rapaz para raixeiro de qualqur
ongenho; quem de seu presumo se quizer utilisar.
annuncie.
No dia 4 dn corrento, so ha de arromatar, em
hasta publica do Sr. doulor juizdo civel da primei-
ra vara desta cidade um sobrado do dous andares,
lio na rua estrella do Kozario, por execijcflo da Jo-
Francisco Belm contra Manoel Antonio Dias.
0 sobrado est avallado em 7.000,000 de rs. lio a ul-
tima praca.
--Desencamiiihoti-se, do porto da rua rua Nova,
al o Monteiro um trouxa de roupa quo ia para se
lavar sondo a maior parte dola mrcala com as
leitriis A. J. S. A : quem della souber d parle na
rua do Queirqado, n. 32, que ser recoinp'nsado.
Jos Go-icalves Torro>|lunior vai a Macelo.
-Manoel Dias Fernandos e Joaquim Dias l'ernan-
des vilo ao Passo-du-Camaragihe, provincia das Ala-
gai, tratar de seus nagocios.
Compram-s) toneiso pipas vasias do,'azoile : na
de.-lilueo da Iravegsada floncordia.
~ JJwpl'i Cyrillo de Souzn Gameiro, Brasileiro,
vai fazer lima viagem a Europa (cando encare-
do de sen* negocios o seu socio, o Sr. Joilo Dotniti-
gues llamos.
Munoel Jos deSouza Garneirt, Brasileiro adop-
tivo vai lazer urna viagem a Europa, a tratar de
sua ade lie in lo ("iram'g.iilos do activo e passivo
do sua casa os Sis. Francisco Alvos da Cunta, Joilo
Malhetis e Nicolao Harlery.
Vlcnln Fcrreira da Costa pede encarec.la-
mente ao Sr. Antonio Francisco dos Santos, q:ie an-
tes de retirar-se para Portugal Ibe va pagar a quan-
tia de 11,000 rs. que lliodeve, importo de unta bar-
rica com bolacha o quaUo gigos com batatas quo
Ihe comprou em seleinhroilo anno passido.
Jo3o Fernandes Generoso relira-se para fra da
provincia com sua senhora c urna diada de no-
me fartinha.
Precisa-sealugar mensalmcnte um escravo para
o servido de bolica : na rua do AragSo n. 10
Domingos Gomes da Sijva, sub.lito de S. M. F-
delissima vai a Portugal.
--Manoel Rodrigues GuimarScs subdito porlu-
guez, relira-se para fra do imperio.
Joaquim Francisco Bocha retira-se para fra do
imperio a tratar de sua sa le e deixa por seus pro-
curadores a seu socio o Sr. Francisco Ignacio Tino-
co de Souza Claudio Dubeuxe Jofio Fernaudes P-
renlo Vianna.
Jos Ranaco de Mello, subtido portuguez, ret-
ra-se para ilha de S -Miguel.
Bernardo Jos Ferroira, Portuguez, relira-se
para forado imperio.
-- Aluga-se um moleque para o servico de urna
casa : no pateo do Terco, n. 14
Precisa-se de serventes para o
de una casa ; pitra-se bem
servico de una casa ; piga-se dciii : n.i
rua da Sanzalli-Velha, n. 126.
Aliign-so um sitio na estrada de Joflo-do-Barrus,
com boa baixa, excellonte casa com duas salas na
frente, dita de juntar, 6 quartos, cozinba, can pa-
ra prelos, eaUibara : a tratar na rua da Cru, ni
Bocife, n II.
-Na tua Direita, n. 38, lava-sec cngonima-se com
muita perfeiciln e a 80 rs. a peca
Antonio Alves Villela, sub.lilo poitugucz, reli-
ra-se para fra do imperio.
-Antonio Jos Forretra retira-se para forado im-
perio.
Na rua Nova, n. 35, loja detilfaia-
te, precisa-se de um babil contra-mcslre.
Precisa-se de um feitor, natural das Ibas, sen-
do casado melhor : na Iravossa do Veras, n. 15.
Precisa-se fallar ao Sr. Jos Itoberlo Moraos c
Silva e como no se saiba de sua morada roga-se
ao mesmo Sr. de aiuiuncia-la para ser procurado.
Betirant-.se para fra do imperio os Portugue-
sas Victorino de Mello Palga, Francisco Jos da Cos-
ta Antonio Itomano Franco com sua mulher, I).
Joiiniui Rnchel da Silva.una (Iba menor, Joaquim
Jos liento, Francisco Jos da Costa e Ignacio Jos
da Cosa.
Furtaram, da sala do primeiro andar do Aler-
re-da-lloa-Vista, n. 33,'um caslicM de piala lavrada,
o ipial so ilesalarracha do pe. lloga-so a quem fr
oll'eiooidii que tenha a hondade de o lomar o levar
a dita casa, que se satisfar toda a despeza.
Os herdeiros do fallecido Jofio Maria Seve, se
quizerem comprar a posse do terreno em que silo
foroifos dirijam-se casa em que morou o falleci-
do Caelano da Silva Azevedo na rua da Madrc-do-
Deos, primeiro andar. Na aiesina casa se vende um
terreno ou troca -se por urna casa lerrea na estra-
da nova de S.-A maro.
-- Aluga-so urna casa de 3 andares no largo da
Assembla ha pouco concertada com commodos
para grande familia sendo a cozinha no primeiro
andar, e que he muito propria para qualqur nego-
ciante por ter muito bonita vista para o mar e ser
multo fresca! afallar com Joaquim Francisco de Alm,
no Forle-do-alatloa, ou na praca da Independencia,
Imana ns. C e 8.
Aluga-sc un primeiro andar, na rua Nova, n.
65 : a tratar na mesma rua n. 63.
Um liomeni habilitado a ensinar as primeiras
letlrase gramtnalica portuguesa, se offerece para
dtr licOes em casas particulares, e promette desem-
penhar as obrigaces com aplidfio : quem o precisar
annuncie.
= Firmino J. F. da Roa, com escriptorlo na rua d"
Trapiche, n. 44, acaba de receber pelo hiate r'orluna
novo sortimenlo doalgodao trnifado da fabrica de lo-
dos-os-Santos di Baha, do quilidado larga j 320 ra. e
do estreito a 30O rs. : Uinbe.ii tem dequahdade mam
inferior por proco commodo. *
= Na travesa do Qireimado, venda n. fi precisa-se
de um caixeiro que onleuda da metma c d conhcci-
mento de Ma conducta.
= Jos Joaquim Alvet Teljoira retlra-ie para a l.u-
ropa a tratar do sua sado, levando em tua conipaiinia
tua mulher, teu eoteado PoiniuRos da Silvs reixeir c
nina negrinha menor de qualro annot, e delxa por sen*
bastantes procuradores at tua chegada, aot Srs. t>"-
Vfira IrinSos & CmnpanhU em primeiro lugar, Jos lllat
da Silva em segundo e Antonio Joaquim Alvet, Tcixcira,
teu irmao, em terceiro.
= Na rua da Crui, n.21, preclta-te de um eteravo pa-
ra o servico de casa.
O *balxo assignado, tendo perdido em 9 de mareo
do crreme anuo uinacartcira com divertat letlrat co-
mo consta do annuncio feito por esto Diarlo n. flb de lll
de marco, doelara que das lejtiras perdidas recebeu a
dos Srs. Jfoao Tavaroi Cordeiro, Joaquim Pinhelro Jaoo-
uio e Jos da Fonseca Soares o Silva ; licando delta tur-
ma sein vigoras ditat leltrascaso apparecain: e para cla-
reza dos mearnos senhores fai o presente annuncio.
Manet de .Soma Tavarei.
'oaquini Correia de llesenile Reg embarca para
o Rlo-de-Janeiro o crioulo Uermeneglldo. eteravo de
Lulz Barbalho de Vasconcellos. da Iregueziada listada
por emita do respectivo sonhor.
* Ocedadc Harmonloo*
ThWilr.il.
O primeiro accrctario avisa aos Srs. socios que os bi-
lhetes para a recita do dia 2 do maio se distribiiom em
o sabio do theatro nos dias 30, I o 2, oque a iluee-
co se reunir no dia t s 4 horas da larde |>ara appro-
vaco dos convida los.
Precisa-se de um feitor que saiba tratar do hort.i o.
poipar, o do enchertar : no Atorro-da-boa-Vista, n. 1.1.
Precisa-se alugar nina ama tecca de bons costmnes,
que saiba fazer todo o servico interno do urna casa de
pouea familia Dirlgir-se i rua do Rotarlo larga, u.,30,
por olma da botica do Sr. Ilaribolonieu, segundo andar.
Antonio Fiancitco dos Santos, Portuguc/., rclira-so
para fiira do imperin.
%o respeitavel publico.
Ouilhcrme Froderioo Walter tem a honra de aniiun-
ciar que acaba 1e receber de Paris novas machinas de
dagarreotypo, bom como mili neos e variados apparo-
Ihos, taos como caixat do ultimo goslo, .illinei.es e re-
domas de ouro, mu proprios para roceberem retratos.
aimiiiiuanieespera dos habitantes de Periianibuoo
a coiitinuaoo da proteceo enm que al hoje o tcom el-
los ponhorado, o advortequo oit prxima a poca qiie_
ha fixado para a sua retirada desta capital,
Ello tem urna verdadera machina de Voigtlaender, a-
coiiipauhada do todos os npparolhos, a qual vender por
proco commodo, obrigmido-so atnsiuar ao comprador,
modiaiite una recompensa rasoavol, todos os sogredos
da arto i|uc profossa.
Aluga-sc o piimeiro andar da casa n. 7 da rua da
i'ud i :a tratar namosuia
== Na rua do Fngiindes, n. S. a qualqur hora do dia,
achrocom quem tratar a venda de una banca redondi
d'oloopara meio de sala.
-- precisa-sii de um rapaz de Ifi a 18'annos, quo
etnha prnlica de venda : no puteo Ja S.-Cruz, n. 2.
O Sr. Joo Fernandos Cenoroso que lem annun-
ciiido pata se retirar laflo o poder* fazer sein quo
primeiro pague a Bernardo Jos da Costa o importe
de una batir vonftlda em 4 de ouluhro de 181-2 : por
isso roga-se aolllm. Sr. chefd de polica que mo Ihe
conceda pasaaporte som que pague a dita quanli.
Na rua do Queimado, n. U, se dir quem dn di-
nhoiro a premio. Na mesma casa se vendem dous re-
logins varias obras de ouro un colcha da India o
urna batuleira nacional.
Wo botiquim da rua larga do Rozarlo, n. 27, pre-
cisa-se de um caixeiro para o servico do mesmo bo-
tiquim.
Arrenda-so um silio grande, com um sobrado
propio para qualqur familia urna grande otaria,
bastantes fruteiras Ierra muito productiva junto
ao oogenho do Forno-da-Cal: a tralar no mesmo en-
genho.
-Jolo Baplista da Bocha e Manoel Azevedo de
Almeiila.suiidilos porluguezos, ieliraiii-se para n ci-
dade do i'otlo.
O afcridor roga a todas
pessoas que conduzcm Riel, agoardente, azeite
..., para o mere dodosla culado em ancoras; oque
anda nao afcriram,quoquantD antes venham aferir.
0"is o lompo la nforigflo est a acabar-se,e os liscaes
respectivos passarlo o dar as corridas do contume, o
aquellas que encontraren) sem estar afondas neste
auno ilc !849,serflo multadas em 2,000 ris cada urna,
o obrigadas a aferir; assim cooio previno aos senho-
res de lojas, que, estando prximo o lempo da revi-
slo, nao Ibes passar verba de rcvisJo, sem que es-
tojam exactas com o padro da cmara, o para esso
(m j lem preparado una porclo de varas e covados
ja lloridos para aquellos que pfecisarem.
Fabrica de espelhos.
Joo Ilubois l'.i/ publico quo presentemente acaba
do montar nina fabrica de por aijo'etn espelhos de
maior tamaito i as pessoas que se quizerem ulisar
lesna arle pode o procurar era casa de sua resi-
lencia na rua larga do llozarin sobrado ns. 6 e 8.
-- Precisa-so de urna mulher quo saiba engom-
mare coznhar: no pateo da S.-Cruz, venda aop
da padaria de urna s porta.
Jos Baptista da Fonseca Jnior tem para ven-
der no armazem do Bacelar defronto da escadinha
laalfandaga ou na rua do Vigario, ti. 25, a me-
Ihur farinha em saccas que ha no mercado, a pruqo
menor que nenhum outro possuidor.
l^.-.lMl u^apMWfi
Compras,
Compra-se, ou aluga-so um sitio do pequeo
valor nos arrabalds desta cidade : na rua da Cruz,
n. 26, i 11 ii ii' i i o andar.
Compra-se una banda de seda em bom uso : na
ruados -Rita, n. 40.
Compram-se duas colleccOes do Panorama ;
nina llanta do bano de urna chave: na piara do
t'.ommercio, n. 2, i riraeiro andar.
Corr.pra-so urna venda que soja sita cm bom
lugar e afreguozada : as CincorPontas n. 120,
se dir quem compra.
as Cinco-Pontas, paleo de N. S do Terco, n.
14, cotnpra-se toda e qualqur obra de prata e ouro,
sem feilio ; assim como se da dintieiro a premio em
pequeas quanlias, sobre penhores de ouro e prata.
Compram-se, vendem-so e lomam-se de com-
misses escravos para o que se olTorece tuda se-
guranza : na lu das l.araugeiras n. 14, segundo
andar.
m Compra-sc um taixo'grande que tirva para fater
varrella, em meio uso : quem o livor, dirija-te i rua do>
Cabug, n. 5.



. .
:
leas
-- Compram-seSvaccasquesejam boas leiteiras e
mansas: quem tiver annuncie.
-- (.ompra-so uma secretaria de Jacaranda, ein
bom uso : na ra do Queimado, n 32.
--Compra-ge.papel do diarios clTeeli vamcnte : na
ra larga do Rocano, n. ij.
Ammm
Vendas.
Estando prximo o mea de malo, dedica110 a Mara
Saiitissima, e reatando um pequeo numer d0 cxcel-
Icnte 11 v i 111) o o Novomez de Maris, impresso de pror-
sito para ser vendido pelo diminuto precb de mil rl
afim de rliegar seu uso a toda ai classea, co"vida-se "a
qucm inda nao comprou para fuer, antea que se acabe
na certeza que s:io osincsinos adoptados pelos rcveren'
dissimos padres de N. Scnliora da Penha, desta cidade
J)irijam-sc a prafa da Independencia, nunieros e S '
AC.OA I)K TINGIR CABELLO.
Continua-se a vender ama do Queimado, o. 31. O
metliodo de applicar, acompanha os vidros.
- Vcnde-se o compendio de pralici por Paschoal Jos
Ir Mello Freir, para as aulas do quinto anno jur-
dico, por preco inui commodo : na ra doCalnig, loja
-- Vendein-sc na ra Direita, venda n. 27. superiores
queijos de Minas a C40 rs.; manteig de Ilambiirgo lem
sil, chegada ltimamente, a libra a (510: na mesma venda
se dir quem da 400/ a premio sobre peuliores de ouro
oh prata.
s= No annasem, n. 34, rua do Trapiche, defronte do
botel l'isior. de Raymond >V (,'omp.inlii.i, vendein-se
queijos e presuntos londrinos, conservas de diOcrcntes
nulidades c inais gneros. Tamben) ,iluga-sc o primei-
ro andar por cima do incsuio arinazem, o qual serve pa-
ra escriplorlo.
Vondem-se relogios do ouro, patente inglez : na
rua da Senzalla-Nova, n. 48.
~ Ksl i venda uffl novo compendio de gramma-
tica portugiieza, obra fcitn para os alumnos do ins-
troceflo primaria, no qual conten as precisas regras
da grammalica de uma maneiraa niais clara possivel
comphreliens3o dos meninos: no palco do Collegio,
loja do Sr. Dourado; na praga da Independencia,
li vraria ns. 6 e 8 ; no Recite, loja do Sr. Canlozo
Ayres.
Vendem-se 10 escravos sendo 2 moleques de
1 -.> :iis iniifis ; dous escravos, sendo um delles co-
zinheiro ; 6 escravas do 18 a 30 annos : lodos de bo-
nitas figuras : na rua Direita, n. 3.
-- Contina-se a vender boa manleiga a 400, 500.
fioO, 700 c 800 rs. ; bom cha, a 2,000 rs ; caf om
gr.lo, a 120 rs.; dito moido, a 160 rs. ; velas de car-
nauba, de6, 7 o 8em libra, a 28o rs.; espermaceti,
a 720 rs. a libra; rap Meuron, a 1,040 rs. cevada
nova, a 80 rs. ; passas, a 240 rs. ; bolachinla de so-
da, a 280 rs.; dita americana doce a 280 rs. ; dita
doce da trra, a 200 rs. ; dita ingleza, a 240 ra.j dila
grande a 200 rs. ; toucinbo de Lisboa a 210 rs. ; vi-
11I10 linio, a 1 0,200, 240 e 280 rs. a garrafa; quei-
jos nuvos a 1,600 rs.: 110 paleo do Carmo, esquina
da rua de Hurlas, loja do sobrado novo.
Vendem-se pedias do nioinhos de moer milho;
lilas de rebolo para baibeiro; ditas de amolar fer-
ramenla ; sementes de hervilhas, proprias para plan-
lar : ludo por prego commodo : na rua larga do Ro-
zarlo, n. 20.
-- Vendem-se duas prclas, sendo uma erioula, de
19 annos que cose, engomnia, cozinha, faz l*va-
rinlo e marca ludo eo.n perfeico ; e a outra de na-
eflo, boa quilandeira, o que engnmma liso, lava de
siihiloc cozinha o diario do uma casa: na ruada
Cruz no Recite, n. 40.
Vcnde-se, por seu dono se retirar um mobi-
lia nova de Jacaranda e do melhor goslo possivel
nn rua Nova, n. 7, segundo andar, das 6 as o horas
da inanha.
Vendem-se presuntos inplezes para fiamnre
latas com bnlaehinbag de Lisboa ; ditas de ararula
Jilas de mermelada l I, 20 4 libras ; ditas do sar-
dinbas ; ditas de hervilhas ; ditas de chacolatc do
Lisboa ; frascos de consenas ; ditos d'agoa de flor!
de laranja ; barris com azeilonas bramas de Klvas
garrafas com viubo moscatel de Sctuhal e da Ma-
i.na ; queijos de prato, frescacs : ludo novo e
rhegado ullinianieiKc de Lisboa. : na rua da Cruz.
110 Itecife, 11. 4G. '
IJCA TOA L11A
Vciide-sc
Vende-se cal|virgem de Lisboa de superin
qualldade em barris de 4 arrobas, cbogada ncsle
me/, pelo brigue MariaTJoi a tratar na rua do
Brum armzem de Antonio Augusto da l'nseca ,
ou na rua do Vigario, n. 19.
Vinho barato.
0 proprietario des'oestabelecimenlp, desejando
conservar os seos freguezes c nilo Ihe endo possi-
vel pelo prego de 160 rs. a garrafa visto ter o ge-
nero subido cerca de 20,000 rs. por pipa, em raso
de nilo ter viudo ao mercado,(boro contra sua von-
tadej v-se na dura preciso do augmeniar o pre-
go e pelas rastJes apontadas, cunta quo seus fre-
guezes Ihe faro justica o se n5o escandalisarflo
Madeira de pin lio.
; I1
arflfaz
de
toalha toda
na 1 na Augusta
uma bonita
li vari rilo, c com bien :
lefroitie da casa n \n
Vendem-se sellins inglozes c canias
le ferro :. na ruadaSenzalla-nova, n. 4a.
Vendem-se setins do todas as cores, proprios
para miagues de igrejas c para forros, por preco
minio emennla : na rua do Queimado, loja do so-
brado amarello, 11. 29.
I oha de Flandres.
Vendem-se raixas com folha de Flandres: ero.
asa de J. J. Tasso Jnior 1 na rua do Amorim, n. 35.
Vende-se o engenbo Novo do Cabo para paga-
mento da iiypothecaquenelle lem o Sr. Joilo Vieira
da Cunba : quem o pretender dirija-se ao mesmo en-
grudo a tratar com Francisco Jos da Costa.
Carnauba.
Vende-se, na rua da Cruz, n. 21, uma porg?o d
cera de carnauba de superior qualidade, e por to-
do o pn 50. r
rta rua do Apollo, pegado ao arnYr/.em do Sr. Mol-
la ha um terceiro anuazcm com madeira de pinho
da melhor qualidade que lem vindo a este mercado,
e serrada de todas as grossdras e comprimo ntos:
ende-se pelo menorprego que he possivel.
Polassa.
Dcsembarcn lia poneos (Tas uma por-
cilo de barris pequeos, com mnto nova
e superior potassa, e se acham a venda,
por preco mais barato do que ltima-
mente se vendia, na rua da-Cadeia-Velha,
armazcm de Baltar&Oliveira, n. 1a.
Para liquidaran.
Na loja da rua do Crespo, ao p do arco de S.-An-
tonio n. 5 A, vondem-se cortes de cassa para vesti-
dos de cores (xas a 1,600 e 2,000 rs., bonitos pa-
drees ; cortes de casimiras elsticas para caigas, a
5,000 rs. ; ditos de fazenda de algndflo para calcas ,
de cores escuras e muito encorpadas a 1,000 rs. ;
iiiiiii porglo de chitas escuras bous pannos, a 120
rs o covado; chapeos do sol, do seda finos a 5/
rs. ; chales de garca, a 2,000 rs. ; lencos para nios,
de cassa pintada e arrendados a 240 rs. ; e outras
muitas fazendas que a vista se patenlearflo aos fre-
guezes.
Vende-se algodo da trra s 200 rs. a vara : na
rua do Queimado, loja do sobrado amarello, n. 29.
Cha ha rain.
Vende-se muito bom cha, pelo prego de 500 rs. a
libra : na rua do Crespo, n. 23.
A o barato.
Vendern-se cortes de camhraia de cores,a 3,000 rs. ;
ditos de cassa a 2,000 rs.; riscados fiancezes, a
200 rs. o covado : na rua do Queimado, quatro-can-
tos, loja do sobrado aniniello,.n. 29.
Tai xas para eriffenho.
Na fundicilo de ferro la rua doRrum, acaba-sede
receber um completo sorlimenlode taixas de 4 a 8
oaIrnos le bocea as quaes acbam-se a venda por
prego commodo e com promplidSo embarcam-se,
ou carregam-seem carros sem despezas ao com-
prador.
- Vendem-se cadeiras emarquezas de oleo com
assonlo de palhinha, lavatorios, mcias commadas,
mesas pequeas, tildo de amarello, e outros ob-
jeelos, linio de forto construceflo o de goslo mo-
derno, por menos de seus valores : na rua das Cru-
zes, n. 31, loja de marcenciro defronto da typogra-
phia.
- Vende-se urna raulatinha de 12 I* annos, re-
eolhida ,a qual tom principios de costura e que se
vende poraen dono retirar-se para fra da provincia:
na rua estreita do Rozario, n. 20, segundo andar.
Vcnde-se o engenbo de cannas, moento e cor-
rente, com uma atea para 2,000 pites com todos
os utensiliosnecessarios, muito boas Ierras: tam-
hom so vende o gado vaecum e cnvallar perteneen-
te ao dilo engenho o qual he silo na cidado da Vic-
toria duas legoas para o sul : a tratar no dito enge-
nho com seu proprietario, Domingos da Cimba e
Silva.
Cigarros de palha de milho,
vindos do Rio-de-Janeiro no vapor Impcralriz : ven-
dem-sc por preco mais barato do quo em outra
qualquer jarte: na rraca da Independencia, n. 37
Farmha de mandioca
desupriorqualidade.chegadaaeste porto no dia
24 do correte ; vende-se mais barato do que em
outra qualquer parle : a bordo da sumaca S.-i4n*o-
niode-Padua, fundeada defronto do caes do Col-
legio.
Nilo ha nada tilo barato.
Vendem-se cortes do calcas le casimira els-
tica padres novos pelo barato prego de
5,000 rs. : na rua do Queimado, loja do so-
brado amarello, 11. 29.
Vendem-se cortes de cambraia do cores c
i modernos padres; riscados francezes linos ;
\>: chitas francezas largase de novos padres;
a riscados largos, proprios para camisss; cas-
es sus linas o de cies, (iostos inteiramenle no-
vos ; lirim de | tiro Imlio do cores e bran-
^ eos de lislras ; casimiras francezas de novos
^ padrOes ; longos de seda da India; o outras
muitas fazendas finas ludo por prego do
gradar aos compradores : na rua do Quei-
mado quatro-cantos, loja do sobrado ama-
rello n.29.
CHA'BRASILF.IRO.
armazem de molhados
atrs do
Farinha detrito SrSSF
de superior qualidade e nova ; dita americana, em
meias barricas ; dila gallega, em mcias barricas ;
cal virgem de Lisboa ; vinho do Poito, em pipase
barris de quarlo e oilavo superior e mais inferior ;
fecbaduras para porla do armazem ; superior cha
hysson nacional de S.-I'aulo ; familia de mamlioca ,
em saccas, por preco commodo : na tua de Viga-
rio armazem n- 11, de Francisco Alvts da Cunba.
Algodao trancado da fabrica
de Todoji-os-Santos da
liahia,
muito proprio para saceos de assucar e roupa de es-
cravos : vende-se em casa de N. O. Uiober & Com-
panhia, na rua da Cruz, n. 4.
A 5oo ris.
Vendem-se superiores pentes para marrafa, do lar-
taruga : na rua larga do Ituzario, n. 24. .
Latas de marmclarla e copos
de jalea de marnelo,
vindosdo Rio-dc-Janeiro pelo ultimo vapor, ven-
dem-se no armazem de molhados airas do Corpo-
Santo
Vende-se uma flauta de bano com 8 chavea e
anneis de prata, com excellentes vozes muito em
conta : na rua dasTrincheiras no cartorio do es-
crivo Ferreira.
A 5,400 rs.
Vendem-se chitas de cOres muito fixas a 5,400
rs a pega e a 160 rs. a relalho proprias para escra-
vos ; linhasgrossas muito fortes, uma quarta por
200 rs. : na rua do Caes, loja n. 17.
Vende-se um ptimo e grande sitio no lugar da
Cruz-d'Almas, com casa de vivenda armazem, co-
cheira e cavallarice, uma pequea casa no mesmo
sitio ; um lindomoleque, sem vicios nem achaques;
4 duzias de cadeiras de palhinha, a 3,000 rs. cada
cadeira na travessa do Arsenal de Cuerra arma-
zomn 5.
Vende-se um bom piano cora excellentes vozes,
o um relogio saboneta : na rua do Queimado, n. 17.
-Vende-so um pardo de 18 annos, de.bonita figura,
perito official de sapateiro, o qualnflo tem vicios nem
achaques : o motivo por que se vende he por seu se-
nhor 1 ciirai-se para fra da provincia : na travessa
doCorpo-Santo, n. 27.
Vende se no pateo do Terco,
taberna n. 7, um porgfio do caixOes vasios proprios
para bahuleiros; bemcomo quarlolas e barris va-
sios por prego commodo.
Vende-se a muito acreditada e superior farinha
de Irigoda marca Baronaine, chegada ltimamente
do Havre, por prego commodo : a tratar com los
Joaquim nas Fernandos, 110 seu armazem da traves-
sa da Madre-de-Doos, n. 12 ou na rua larga do Ro-
zario, n. 50.
Na rua do Trapiche n. 44, primeiro andar, ven-
de-se fumo em folha para charutos, tanto para ca-
pas como para milo, <) melhor qualidade quo
produz a provincia da Babia e recentomento che-
gado pelo hiate Fortuna.
Vende-se um habito de ChrUto para militar:
na rua larga do Rozario,n. 35.
Vende-seuma carroga de carregar pipas: na
rua da Concordia, tiliimo armazem do madeiras;
bem romo uma lniiiin hespanhols muito nova.
-- Vende-se uma taberna na piuca da Boa-Vista,
n. 5. com muito poucos fundos : a tratar na mesma
venda.
Vende-se uma linda escrava de 16 annos, pro-
pria para mucama por ser recolhida e saber coser,
engommar e fazer lavarinto : na rua Nova, o. 5.
fto Alen o da-lina- Vista', de-
fronte da boneca, a troco
de dinheiro.
lia chegado ltimamente um novoe completo sor-
timento de migado francez de todas s qualidades .
tanto para homem como para senbora e criangas ;
borzeguins para homem a 4,000 rs.; sapaioes de
lustro a 5,000 rs; os muito desojados sapatOes de
bezerro de Nantes ; sapatos de cordovflo para senbo-
ra. a 1,000 rs. ; ditos de lusiro, duraque, selim e
manoquim ; os bem conhecidos sapates do Ara-
caly tanto para homem como para meninos ; pel-
los de marroquim couro de lustro e de bezerro
franrez : ludo por prego commodo.
no da guarda nacional, centendo barretina, draa,,.
as espada toda prateada fiador, banda, canana
talim .eoutro do servico ordinario, contando bar
retilo espada, talim e emana : na rua Nova, n.j63~
Para liquidacao.
Na loja da rua do Crespo, n. 5 A. ao pe do arco de
S;-Antono vendem-so mantas de garga com tecidn
de sada de muito lindos padrees, a 1 000 rs
proprias para meninas ; chitasde ramagens'e deco-
res flxas, a 120 rs. o covado e em pega a 4 000 rs
lengos para grvate de bom setiin de cores' 1 o
rs inteiros ; pannos finos superiores, pret verde
azul e cor de caf, de 3 a 4,000 rs. o covado ;' chales
de chita de cores escurase grandes, a 800 rs., dios
pe que nos, proprios para meninas a 500 rs.; cortes
de eolleles de gorgur.TO escuro, a 200 rs.; ditos de
fusifo, a 500 rs.; merino preto e fino, a 2,500 rs. o
covado ; casimira prcta muito lina, a 2,500 rs.; dita
prela do listrv, 5.000 rs;
Algodo da trra.
por prego
Vende-se muito bom algodilo da trra
commodo : na rua do Crespo, n. 93.
llilho novo, a 5,300 rs. a sacca
No Passeio-Publico, n. 15, vende-se milho muito
superior, a 3,500 rs. a sacca de alqueire.
Fregnezia.
Vende-se vinho da Figueira de superior qualida-
de a 180 rs. a garrafa ; arroz de vapor do Maranho
a 2,200 rs. a arroba, e a 70 rs. a libra ;.bacalhn
bom de mcia arroba para cima a 2,500 rs. e a 80
rs. a libra ; cha de S.-I'aulo, a 2,000 rs a libra ; ca-
f ero grito, a 130 rs.; e todos os mais gneros de
boa qualidade por prego mais commodo do quo
em outra qualquer porte: no pateo do Tergo, ven-
dan. 7. .
Vende-se um cabriolel de muito boas molas:
para vor, na rua Flores cocheira de Jos -Mara e
para tratar, na rua Nova.Jn. 63.
Vendem-se queijos de Minas a 600 rs. ; ditos
flamengos, a 1,200 rs.; ditosjpuito frescaes a 1,760
rs". : na rua Direita, venda n. 18
I O O o
-= c .
& -r- a -
O
I
.- jiS
II
i
ES
<0
U '-
: = "
O-S C N 0" o O ? 3
8 I "" ?S

I- u
y ^
3 fe >-a
= a
O O o
os o
. ./i 5 *
a.C~
i
X 3

s?e
Ea
o
S-
a 3
*1
b c e a. 5 cu
' 'E "5 2
a 2 5
o o
2
V
^> 9 O 3
=5
B =
B .. o
-5
a"\p C --....a,vM u mili NiHMl.1 tlllfla UU
.orpo-hanto, n. 66, o mais excedente cha produzi-
uo cms.-paulo, que tem vindo a este mercado ,
por prego muito commodo.
Agencia da fundicao
Low-Moor, rua da Senzalla-
nova, n. 4*2.
Neste estabelecimento contina si ha-
ver um completo Hortimento de moendas
e meiad moendas, pBra engenho ; ma-
rinnas de vapor, e taclias de ierro batido e comprador, serfio lacradas as ^garrafas e com rolu-
coado, de todos os lmannos, para dilo '."' recehendo-sea garraa vasia e dando-se imme-
'" diamante a outra cheia : tembem ha barris muito
pequeos, proprios para quem passa a festa. O pro-
prietario (leste estabelecimenlo pede encarecida-
mente que se oflo liludam avahando pelo diminuto
prego e sem conhecimenlo de causa a qualidade de
sua fazenda digna por rerto da estima dos verda-
n. 66.
Vinho barato.
Acha-secstabelccido na rua da Madre-de-Deos ,
n. 3G, uro armazem de
Vinhos da Figueira
de ptima qualidade a prego de 1,360 rs. a cana-
da e a 180 rs. a garrafa e para nflo haver dolo do
Vendem-se casaes de ponibos, a
Gqo rs. cada um ; e tomando todos, a 5oo
rs.: no Mangninho, no sitio do sobradi-
nho junio a capella.
Continuam-sea vender coitos de vestidos de
j camhraia com lindas barras, brancas e de
cores, a 2,000 rs.; ditos mais unos, a 3,000
rs. ; suspensorios finos de meia a 100 rs. o
I par.ea 1,000 rs. a duzia; meias campri-
das para senbora azues prelas, esverdea-
j das, mesrladas, a 160 rs. o par, e a 1,800 rs.
j a luzia ; ditas para meninas at 8 annos a
120 rs. o par e a 1,200 rs. a duzia : estas
1 meias silo tilo baratas que val o trabalho de
incuria-las, para lionium e menino ; botOes
de duraque e franklim para jaquetas de fa-
zendas de lila a 40 rs. a duzia, e a 400 rs. a
groza :uo paleo do Carmo, u 18, segundo
andar.
Y ,i y i deiros amantes da boa pinga ; elle conta que quem
na iiih ao t,respo, n. O, veniiem- uma vez provar continuar com goslo o sem arre-
se superiores redes, de dilTerenles cores, l,Rndimenio. e o bom prego/! A lodo o exposfo
e nor muito commndn nreen accresce o asseio e boro acondicioaameiilo, o que lu-
e por muilo commodo preco. dosepodera verificar ero dito estabelecimento.
Praca da Independencia,
numero 57.
Aos 120:000^000.
Bllhetes e meios ditos, quailos, oitavoi e vigsimos
das loteras do Rio-de-Janelro : a cllea antes, que se
acaben).
Vende-se urna casa terrea de pedra e cal, na rua
de S.-Miguel nos Afogados, n. til, em cbflos e muros
proprios cacimba mi oozinha fra e diversas arvo-
res de fructo;: na rua do Collegio, ven la n. 12.
Vendem-se, na rua da Cruz, u 21,pedrasde mar-
moro rancezas para mesas redondas, e consolos.
Vcnde-se um pardo de_32 arinos bom carreiro
c Irabalhador de fouco c machado; um mulatinho
de 13 annos, proprio para pagem, por ser muito
lindo ; uma prela moga, perita ongouimadoirew:o-
zinheira edoceira para fra da provincia ; unres-
cravo de 25 annos perito cozinheiro, proprio para
enibarcacAo : na rua Nova, n. 5.
- Vende-ae um rico apparelhode oflicial subalter-
S .aSCfnOii;
SS ..iSflB
ra c -a
Bo O 3 -= S
n 3 o-.- i- o a "
!a2*4&3|atii
IlOllSilsaS^S-aS--
Vendem-se queijos londrinos ; ditos de prato;
biacoulos inglczes; conservas inglezas e francezas
de sardinhas, hervilhas, frutase salame; vinhos
do Porto, Madeira, moscatel de Setubal, Bucio.c.r-
cavellos, Lavradio, Schery, Colares; licores linos
de todas as qualidades chocolate lino de eaneila :
ludode supeii.ir qualidade, por prego commodo:
na ruada Cadcia n. 2, venda do loles.
Vendem-se 5 bonitos molecotes de nagflo ; um
preto de 22 annos, bom cozinheiro; um dito com
ollicio de sapateiro ; um pardo bom trabalhailor de
onxada o que enteude do tratar de sitio; um pre-
to de meia idado ; uma prcta da 22 annos, que cose,
en^oiiiiiia e cozinha ludo com perfeigilo; uma di-
ta,que cngomjna e cozinha, con) toda a perfeigilo;
uma dita de meia idaile; uma parda: na rua das
l.arangeias, n. 14, segundo andar.
Riscados monslros.
Vendem-se riscados monslros corii vara de largu-
ra pelo barato prego de 300 rs. o covado ; na rua
Nova, n. 42, di fronte da igreja da Conceigilo dos
militares, loja de Ti oco & Itocha.
Vendem-se
chapeos de molas, a 6,000 rs.: na praca da Inde-
pendencia, ns 7 o 9.
Aiaaa existen) na loja de Joilo Donneley. na rua
da Cadeia-Velha, n. 16, alguna dos palitos de 3,200
rs. e tambem alguns culletes de 640 rs. cada um.
-- Vendem-so dous lindos moleques de ti a 18
annos, sendo um delles odela! de carpina ; um pra-
to de 30 anuos ; uma negrinha de 12annos; uma mu-
latinha de 16annos, coinalgumas habilidades : na
rua do Collegio, n. 3, se dir quem vende.
Vendem-se duas ca.-ati na cidade de Olinda, urna
nos (jualro-Cantos, n. 20, e a outra em S.-I'edio-
Martyr, n. 18, em chflos proprios : na rua atrs da
matriz da Boa-Visja, n. 52.
Na rua do (Jueimado, loja n. 18 vende-se cen-
lo e tantas arrobas de boa qualidade de cera de car-
nauba por prega rasoavel
Arroz quebrado do Maranho,
a 1,200 ris por arroba.
"Vende-se no armazem que foi do falle-
cido Braguez, ao p do arco da (oncei-
CO.
Escravos Fgidos
Kugio, na larde do dia 29 de abril, um preto de
nome benedicto de 50 annos. barbado, alto, ma-
gro ; levou camisa de madapolilo j usada caigas de
li un branco de lislras j usadas. Csle escravo foi da
Parabiba. Quem o pegar Ievo-o ao Pasaeiu-Publicu,
lujas ns. 9 e 11, quesera gratificado.
--Kugio, no dia 98 de abril, um preto de nome
JoDo.de nagfio Angola, de 19 a 20 annos, estatura
alia, chelo do corpo ,' bem fallante, que parece ter
crioulo ; levou caigas de algodfio trucado azul j
rotas los joelhoa, camisa de madapolao ; he no-
ticias que tort) andado na'Doa-Vista : quem o pegar
leve-o a Passagem-da-ilagdalena padaria ao [ da
ponto, que ser recompensado.
I'ebn.

NA TYP.
DE
M. F,
Ol FARIA----l84g
TI


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6WB1P9KX_U8S8RC INGEST_TIME 2013-04-13T00:31:18Z PACKAGE AA00011611_06477
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES