Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06461


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*'
Anto-XXV.
Sexta-fera 15
O PM^/Opublica-setodnsos diatqne uo
"Wtn d# guarda. O prejo da asignatura he
di'l'IHP-J por i|n.irti-l, ;iny>M>i'/i.'in('i'iuf. Os
aunuuclu dot assignantcs to ateridos
rato do 20 ri. por linas, 40 ri. ein iypo Jif-
fcrenie, ca rrpelifoes pela mesarte. O nao
assignaotfs pagarn 80 rs, por liuha e 100 rs.
m typcrtjlrereuie, por cada publicacao.
PHASES DA LA NO MEZ DE AnRIX.
Lua ctiefa, a 7, 1 hora e 30 inin. da tard.
M ugoaulf, a l,s 4 liora.se 48 inin. da tard.
Luanovfa2,s9horate34 mln.datard.
Crcscenle, a, 39as 11 horas e48inln.da inanh.
PARTIDA DOS CORREIOS.
Gnlanna e Parahiba, s te. e sextas-felras.
RIo-G.-do-Norle, qtiintas-feras ao meio-dia.
Cabo, Serioharm, Riu-Formoso, Porto-Calvo
Macelo, no 1 a 11 e 21 de cada nica.
Garanhum c Uouito, a 8 e 23.
Iloa-Vista e. Floret, a 13 e 28.
Victoria, s quintas-feiras.
Oliuda, lodos os dias.
PREAMAR DE IIOJE.
Prirorlra, s 8 horas e 30 minutos da maob.
Segunda, s 8 horas c 54 minutos da tard.
de Abril Me 1819.

N. a.
DAS DA SEMANA.
0 Segunda. >* S. Demetrio. Fe iado ein
da a semana para us negocios fureuses.
10 Terca. J< S. bscquirl.
11 Oiiina. S. I.eao.
12 Quinta. S. Vctor.
13 Sexta. S. Hermenegildo.
14 Sabbado. S. Tiburclo.
15 Domingo. S. Hazlisca.
CAMBIOS NO DA 12 DE ABRIL.
Sobre Londres a 27'/, d. por I/00J ri. afttd.
. Pars 350
Lisboa ItO por ceato de premio.
Rlo-dc-Janciro no par.
Desc.delcU.de boas firma a IV, '.'.' ""''
Acede* da comp. de Beberibe, a S0|rs. ao p.
Ouro. Oocas bcspanhnlas. 31/000 a 31/200
Modas de 0/400 v. 17/2110 a 17/40'
. de 6/400 o. lC/200 HT"
de4/000.... 9/300 a
/'rub Patacoe* brasilciros 2/000 a
Pesos culuinuarios. 1/980 a -,
Ditos mexicanos..... 1/9Q0 a 1/920
PIRTE OPfICIAU
GOVRRIVO DA PROVINCIA.
Illm. e Exm, Sr.Tenlio a sallsfaco de partici-
par a V. Exc que esta provincia contina a gozar
UV perfciln aneogn.
Den guarde a V. Exc. Palacio rio governo ra pro-
vincia do Piauhy. 27 de fevereiro do 1849.Illm. e
Fv.ni. Sr. presidenje da provincia dn Pernambuco.--
O presidente, Anselmo Francitco Perelii
Illm. e Exra. Sr.Tenho a satisfacilo de conimu-
nirar i V. Exc. flue esta provincia est em paz.
Dos guarde a V. Exc. Palacio do governo do Pa-
ra, 28 de marco de 1849 Illm. e Exm. Sr. presi-
dente1 da provincia de Pernimbuco.Jerongmo Fran-
cisco Cocino.
Illm. e Exm. Sr. -Tcnho a honra de participar a
V. Exc. que esta provincia contina a gozar de so-
reg.
Heos guarde a V. Exc. Palacio do governo do Ma-
rarihlto, 30 de margo de 1849.Illm. e Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de Pcrnambuco.O presidente,
Hrrculano remira Penna.
Illm. e Exm. Sr.Tenho prsenles os oflicios de
V. Etc., de datas de 11 e 21 do mez passado, com os
quaes se servio V. Exc. do scienlillcar-me do aspec-
to lisongeiro que vai tomando essa provincia pelo
estado de aniquilamento em que seacham as forjas
dos revoltosos abandonados pelos seus cheles, e
completamente enfraquecidos c dcsmoralisados niio
so pelas ultimas derrotas, senn tambem pelas gran-
des e continuas descreselos que su teem soccorrido
a clemencia tic S. M. o Imperador para o fim de se-
rem a maja liados por V. Exc, como effecli va mente o
teem sido.
Fcliciusndc-mo com V. Exc. por Iflo felizes suc-
cessos nessa provincia, os quaes enro em grande
parte.Mdevcm Ilustrada actividade de V. Exc. ;
posso assegursr a V. Exc. pelo que respeita .esla
provincia que se cha ella ein estado de tranquillida-
de, o ncnlium recein tenho de que soja alterada a or-
den publica.
Dos guarde a V. Exc. Pala -.o do governo do Loa-
r, ein a de abril de 1849.Illm. e Exm. Sr. Manoel
Vieira Tosta, presidente da provincia de Pemambu-
co.-O presidente, avil Augutto de Aguiar.
Illm. o Exm. Sr.Tenho a satisfacSu de commu-
nicar V. Exc. que esta provincia fica tranquilla.
l)eos guarde a V. Exc. Palacio do governo do Rio-
Crande-do Norte, 7 de abril de 1819. lilm. e Exm.
Sr. presidente da provincia do Pcrnambuco.Benve-
nulo Anguila de Uagalhet Taquee, prosidenle.
11'"V. e E*'n' Sl*-Te,,|i(J a honra de commijnicar
a V. Exc. que esta provincia goza de perfeito so-
cego.
Dos guardes V. Exc. Palacio do governo da pro-
vincia da Parahiba do Norte, 9 de abril de 1849. -
Illm. e Exm. Sr. desembargador Manoel Vieira Tos-
la, presidente da provincia do Pernambuco. O pre-
sidente, Joto Antonio de Vatconcellot.
r.niiiiii,imo das armas.
Quarlel-general do commando dat armat em Pernam-
. buco, 3 de abril de \U9.
', OllDKM lbiMA.
Nflo sendo muito consentaneo a disciplina militar
que os 8r. cominadantcs de frcas, por occasifiu
do encontr com o inimign, facam publicar ordena
do dia a respailo, seni esperar que o general com-
mandanle das armas da provincia, a cujo conheci-
niento devem fazer chegar as partes respectivas, do-
seuipenhc esta tarifa, niio podendo haver prejuizo
algu.n se os mesmns Senhorea drem as suas partes
com aquella religiosidade como he de esperar, e
anda mais porque o general commandante em che-
fe de um corpode exereito be o unlco habilitado
para avallaros fcitos do armase servicos dos seus
subalternas, evitando assim o ciume o qunixas que
as vezes apparccem, quando taes ordeus nUo partem
da prlmeira aafcuridade militar; tenho "determinado
que neuhs.ro Senhor commandante de columna, Tor-
ca ou batalhflo, di> ordem do dia por occasino de
liialquer encontr que as mesmas frcas tenham
cun o inimigo antes da publicarlo da ordem do dia
que a resuelto fr dada pelo quarlel-general, pro-
lubindo mu positivamente que os meamos Senho-
res manden) publicar na folhas qualquer artigo
leudante ao servico, aem previa permisao desle
commando. (Assignado).- Joti Joaavim Coelko.
Quatlel-general do commando dat armai em Pernam-
- buco, 3 de abril de 1849.
ORDEM DO DIA ADDICIONAL.
S. Ex. oSr. general commandante desarmas or-
dena que o Sr. capltflo docorpo fixodo Cear l.uiz
Xavier Torres esteja promptoa seguir para, a mesma
provincia conforme o ofllcio do Exm. Sr. presidente
i i rovincia, de !, publicado em ordem dodia de
47 du mez prximo passado.
Oulrosim, ordona o inesino Exm. srTque o Sr. al-
fares rirurgiSo ajudanUfido sexto batalhilo do caca-
dores Jos Flix de Moraes passea servir no hospi-
tal da Soledadu, devendo cointudo paasar diaria-
mente revista aus (lenles do halallio a qiMperlen-
ce, e ao contingente do primeiro balalbflo de cara-
dores.
Fmaaineiile manda publicar a guarntjflo queesla
exerceiidoaa funecots de auditor da gente de guer-
ra o Sr. doutor Manoel Jos da Silva Neiva, no im-
pedimento do doutor Jos Thoniaz Nabato de Arau-
jo, que tomou asseulo na assembla provincial co-
mo depulado stipplente. ( Assignado ). -Jote Pedro
lleilor, ajtidante de ordena interino.
Quarlelgeneral do commando dni armas em Pornam-
buco, i de abril de 1819.
ORDEM DO DIA.
Sua Exc. o Sr marecbal decampo graduado Jos
Jnaqiiiin Coelho, "ommandanta das armas da pro-
vincia, manda fazer publico para eonhec'mnlo da
RiiarnicS o ollleio que nelo Exm. Sr presidente da
provincia Iho fui remettido co'n data de hoje.
Illm. e Exm. Sr.Tenho a satisfacflo de participar
a V. Exc. que S. M. o Imperador, por decreto de 14
de marco ultimo,promovu a V. Exc. i gradtiacao de
marechal decampo, conforme me fui communicado
por aviso da secretaria de estado dos negocios da
guerra do qiiinze do referido mez.Dos guardo a
V. Exc. Palacio do governo do Pernambuco, 4 de
abril de 184.Manoel Vieira Tottm.Illm. e Exm.
Sr, general Jos Joaquim Coclho, commandante das
armas.
Oulrosim, n mesmo Exm. Sr. manda publicara
relacSo dos alfares despachados por decreto de 14
de marco prximo passado, anniversano natali-
cio de S. M. a Imperatriz, que Ihe foi rcmettida pelo
mesmo Exm. Sr. presidonle da provincia em ollleio
de boje datado.
ItEI.ACO DOS AI.FERES DESPACHADOS POR DE-
CHETODE14 DU COftRENT-K, A QUE SE IIEI'EKE
O AVISO DESTA DATA.
Segundo batalho de orlilharia a fi.
Para segundo lenonte-quartel-mestre, o primeiro
cadelo do mesmo butulhlo Manoel de Azevedo rJjp
Nascimenlo.
Qiiarlo baialMo de arlilkaria a p*.
Para segundo tcnente-ajudanlc, o primeiro cade-
ledo mesmo batalh Manool Deodoro da Konseca.
Companhia fixa de cavallaria de Pernambuco.
Pata alferos, o primeiro cadete da mesma cotupa-
uhia Jos Joaquim Coelho Jnior.
Quinto biilalho de fuzileirot.
Para alferes ser-rola' io com direilo a acc vsso, o so
gundo cadete do segundo balalhilo de arlharia a
p ('.aciano Xavier de Oliveira.
Para alferes : o primeiro cadete do segundo bata-
Ihiio de artilbaria Innocencin Eustaquio Kerfeira de
Araujo; o primeiro cadete do segundo batalhilo de
fusileiros JoBo do Reg Barros Cavalcnnte de Albu-
que; o primeiro cadete do primeiro batalhilo de fu-
sileiros Joaquim Rodrigues Itraganca ; e o primei-
ro sargento do quarto halalli&o deartilliarii a p
Vicente l'erreir l.ima.
Primeiro balalho de catadores.
Para alferes quailel-mealre, o particular.sargefhr
to-ajudanto do mesmo batalhao Manoel Ferroirn
Konseca l.ira.
Para alferes : os primeiros cadetes do mesmo ba-
lalbflo Pompeo Capistrano do llego l.oboe Joaquim
Caetauo dos Iteis ; e o segundo cadete primeifo sar-
gento do mesmo batalhilo Jos Francisco de Moraes
a Vasconcellos.
Quarto baialhdo de cacadoret.
Para alferes, os primeiros cadeles do primeiro ba-
talhilo de caradores, Augusto Gezar Uilancuurt e
Antonio Francisco Marlius Campos.
Quarto balalhiio de capadores.
Para alferes, o segundo cadete do sexto batalhflo
de cucadores Francisco Rodrigues llamos.
bato bulathJo de caradores.
Para alferes, os sargentos do mesmo batalhflo
Pedro da Costa Chaves-e Francisco Borges Je l.ima.
Sclimo bulalhdo de capadora.
Para alferes, o primeiro cadete do oitavo batalliflo
da mesma arma Lourencu da Costa Vasconcellos.
Selimo l>atalltdo\de fuzitiioi.
Para alferes, o primalro cadete do segundo bata-
lhflo de racadores Jos Fernandes dos Santos Vi-
eira.
Carpo fixo de aradora da provincia do Cear.
Para alferes, o segundo cadete do quarlo batalhflo
de artilbaria a p Jos Tliiago Dantas, eo primeiro
cadete do sexto balalhilo do catadores JoSo Jos de
Bruce.
Campanilla fixa de cavaltaria da provincia da Baha
Para alferes, o primeiro cadete e primeiro sar-
gento da compatihia Dxa de cavallaria de Pernambu-
co llerculanu Alexaudrino da Moli.
Secretaria de estado dos negocios da guerra, Ifi
do marco de 1849.Francisco de Paula Vieira de Aze-
tedo Conforme.Ooflicial-maior, Florianno Correa
de Brittb~.
Finalmente que por despacho do Exm. Sr presi-
dente da provincia, de 28 de marco lindo,forain con-
cedidos 2me/es de Invoca a meio 'sold ao Sr. Joa-
quim Francsco Hamos, alferes do primeiro regi-
ment de cavallaria ligeira, ora adido piimeira
companhia de cavallaria desta provincia, aara tratar
de seus negocios na provincia do Maratiiso; e que
por ofllcio de 3 de abril crrenle ordenara o niesuio
Exm. Sr. que o voluntario Francisco Antonio Xavier,
ferido no alaque desta capital em i do feveroiro, seja
ddido ao quinto balulhflu de guarda nacional des-
tacada para perceber os vonciinenlos que Ihe com-
|iclireui. (Assignado) Jos Pedro lleiior, ajudunle de
oidens interino.Couiormc. Uvtlherme dot tantos
Saci Cudet, alferes servindo de secretario interino.
throno, e depois na mesma quesiao na cmara dos dr-
putados, onde obteve una maioria de 64 votos contra 9,
foi preciso que se mortifcame para continuar a existir,
e mesmo as as feridas que receben de seus adversarios.
O ni ii chai S ild inli.i, querendo responder as ala-
rgues que como ministro Ihe dirigirn] os depulado*
lanilla volto Mainr e silva ( abral, lancou-se no cam-
po das personalidades, chamando a mil heretirn, aps-
tala e desellar, aecusanrto-o de tereserlpio as carias de
(jrnecho e Tulla, cuja rtonlrina seguida lodos eoulie-
i i un, o de ler frgido ua frente do inimigo ein ls'l-1 ao
inin o, lancando-lhe em rosto as aecusaedes de malver-
sador, de que Malas venes tem sido objecto. sobre ludo
no contrato das estradas. Taes aecusaedesi ndiscre-
tamente feitaspelo uiarcchal, que, leudo sido gravemente
ferido, su quu tirar a desforra sem ulliar s consequen-
cias. provocaran! terriveis represalias. O deputado An-
tonia do (ninli i dcsnientio logo o marechal emquauto
a sua fuga da frente do inimigo, dlzen lo que desertara,
mas lora de sua casa na ra dos Mouros, por uinaques
tan que Uvera com o aeu commandante, mas que, fu
glndo comprometiera s a sua pessoa, c nao a causa pu-
blica, como lisera o marechal Saldanha eml828, aban-
donando os sublevados no Porto, c fugindo no frlfact ;
que elle Cunta nunca pisara aos p* o laco cons-
titucional, como lisera o marechal cml82'l; e Finalmente
chamou-lhc hvpocrila e fantico.
Islo deu em resultado sahirem a campo os feriubrates
do marechal. Ximcnes, Rosado dorjao e Chicharro,
insultando e desaliando o deputado Antonio da Cunta,
em cartas que escreveam nos jornaes, o que anda
pcioroii mais a ntu.n_.io do iiiareclial, que, leudo l'eilo
urna Figura IritllMllOa no parlamento, segundo a opi-
ui.io de amigos c iuiuiigos, eonsenlia agora que os seus
a luanles de ordeus, uu olliciaes do seu estado niiior,
dcsaliasscm um deputado que o havia aUcadO como mi-
nistro.
Posto que os desafio! licassem em agoa mnrna. como
aqu acniprc acontece, 1'draiii cointudo o assumplo das
conversaces, ditraulo muitosdias, em lodos os clcu-
los da sociedade desla capital.
Emquanto ao Sr. Silva Cabial, laniliem o Sr. Ximc-
nes o mandn desaliar, mas esle dei laion-llie logo que
nao Ihe itava rcsposla alguma, por nao Ihe reconhecer
dircitu de o iutcrpcllar. 'orcm, as expllcacAl que
deu eate depulado, anda foi mais pngeme do que li-
uha sido no seu discurto. Provou com documentos U-
rueusavels, que nao s tinha havido dissiparao nos l'uu-
do pblicos para a polica secreta, mas que. no con
Uato das estradas, so exccular* o delermiuado pelo
conde de Thomar, cntao mililitro do reino, cujas car-
tas apreseniou e leu approvando o seu procedlincnto ;
mas i inilieui aprcsentoii cartas que se diicm ser d'el-
rei D. Fernando, que disse publicara se fsse a isso
couslrangido. Ora islo prava a leviandade com que o
marechal Saldanha fes as suas accusai^cs, porque devia
saber que existiam laca documentos, e por s.iiisl'a/.er o
seu despeilo mo devia eoniproinciter assim nem a dig-
uidade dos seus amigos polticos, ncm mesmo a da co-
ioa.
O certo he que desde logo se l'illou em crise ministe-
rial ; mas, quando todossu|ipunham que sahiiia o lime-
EXTERIOR.
CORtiESpONDENClA DO DIAHIO DE PEnNAMilL'CO.
Otboa, 16 de ftvereiro de 1849.
O governo, nao obstante a grande maioria qne alcao-
cou na cantara dos pares, ua resposta ao discurso do
.........as, [ ti 11 n i ._
'* chai Saldanha,soubc-sc que eram sacrificados os Srs.Joao
Elias, da justit-a ; bariio de Francos, da guerra ; e Mi-
elo, da l.i/cnila: eandu o marechal e o viscoude de Cas-
tro i .'oiuiuc. o ani logo a circular lisias miiiisleriacs,
e a piimeira nuc se aprcseniou foi a seguinte : mare-
cbal Saldanha, reino ; visconde de Castro, cslrangeiros;
Frauliii, l'a/.nul.i ; Lopes Uranco, juslica barao do Ou-
rcm, ( Lipa) guerra Avila, inai iulia porin desde lo-
go i un inin ac disse que esta combinaciao uo rlngava ,
porque o Sr. Framini em I lugar nao quera formar
parle do gabinete com o Sr. Castro, e al.'ni disso Im
rnha condicocs a icspciio da rrgularisacao da faien-
, sobre ludo relativamente ao banco de Portugal
que os dous ministros que licavam, julgaram iiiadinis-
sivels. O Sr. Avila tambem exigia a dissolucao dos ba-
talhes nacionaes, e outras concessoes igualmente ina-
dmissiveis ; por coseguinle fallou-se depuis da entrada
do baro da Barca e do bariio da Lus, c al parece que
oi decretos csliveram assignados ; mas esta combinara >
tambem niio vingou, e alinal reeompoz-sco nilulsterlo
da man. iia scguiuc : duque de Saldanha, piesidcnle
e ministro do reino ; visconde de Castro, ministro dos
negocios esliangeiios e da iiiariuha ; -o depulado An-
tonio Bobcrlo Lopes liranco, fazenda ; o deputado
Jos Marcclliuo S Vargas, juslica; o baraodo Ourem,
guerra.
O uiareclial apresentouse s cmaras, e leu una espe-
cie de programuia minislerial, anounciando que o mi-
nisterio seguaos principios do anterior ; que queria
i regularisaeo de fazenda, a le de estradas e a Ici
clriin. i!. I i. icrpcl l.i.lo as (Inas cmaras sobre os mo-
tivos que liuliain causado a ultima cri*e minislerial,
nada respoudeu ; diste que os ministros tiuhaiii sabido
porque tiiili.un querido, licando bous amigos dos seus
anligos collejas.
A iiiodlicae.io ministerial foi para tapar a bocea a
maioria que comecava a inurinurar que se niio modifi-
caste o gabinete depois dos ataques c accusaccs da op-
posico ; lacrificarem-se os que nada tignilicavaui no
iniiislerio, substituir anise com entes utios, porque a
alma do gabinete he duque de Saldanha e Gomes de
Castro, c he por Uso que a opposicao contina a guerra,
tanto na imprensa como na tribuna. Alean das iiitcrpcl-
lacocs que j se Ibc tcm feito sobre atraso de pagainen-
tos, o deputado Percira dos liis inlcrpellou o ministro
da i.i/cnda sobre o negocio das sele casas. O iniuittro
responden que em breve a coinmissao de fazenda apre-
sentaria o seu parecer, o que com ell'eilo se verilicou
no dia seguinte, rejeltando o contrato. Mas o minis-
tro nao respoudeu sobre anticipaces feitas ao governo
passado por con la do contrato, nem do empreslinio
do 500 coutos, feito pelo banco io actual governo, do
qualj recebeu 180 contos, com a piouiessa le que nao
se ciici iiiai i.i o contrato das se te casas, parlicipando-
se-lhd Uto por urna ppruria. F.sta predllecco do go-
verno para o banco'deu lugar a grande eeleuma no
parlamenta te na imprenta contra um cslabelecimento
que faiia rmprest mos de StM) contos, e nao pagavaat
suas nota queestao a mais de 40 por cenln. As aecu-
saees l'i.un lao vehemente], que um dos directores do
banco, que lie o depulado o Sr. Jos Lourencoda Luz,
propoz que a cmara nomeasse una coiniuU.o de n-
quel i lo coiiiposla de tres dos seus meinbrot, para xa mi-
nar se as traiisacei s que se faziam no banco, cram feilas
na eonformidade da lei A commisso loi logo uoineada,
porlm j dous dos aeut membros pedlram a sua escusa, I
c dUTci.i-sc que baja quciii qurira aceitar. O negocio'
besciio pelas iigaces que leincout o governo,c suiua
medida enrgica e rigorosa he que poda pr aquelle
esiabcleclinento a bom caminho, ma para Isso era prt
ciso que o governo nao carecesse delle a eada nie-
inenlo
O governo, no seu programma ministerial,deelarouqne
queria a le de estradas e a le elelloral. Queris fler co-
mo cumpli esla prnmessa ? Logo que entrn em dls-
eus-.i.i a le de eslra ias, veio o governo propAr o teu
adiamanto, com o preleito de que havia a liquidar
contratos com a companhia das obras publicas e nutras.
Ao principio o a ltamento rra indefinido ; porin, tendo
snlIVido grande opposicao, iieoii reduziilo a I5 remos te nos llns deslesvolia a .liscms o. e teas liqui-
darles estau ultima.las. Uu, i.la-se muito.
."eguio-se a lei eleftoral, e dous membros da maioria
propozeram tambem o teu adiamenlo,-querendo reno-
vara questito da constitucin a lidarte do artigo li'l da car-
ta, que foi votada negativamente o anno passado por
uina grande maioria. esobre esta deeislo beque a cino-
mis, ".o da lei eleitoral apresenlnu um projectn de elei-
coes directas. Todava foi l;o grande n oppotieo que se
manifestad contra o adiamento da le eleitoral, que os
seus autores vlram-se obrigadot a retirado. Agora a
questaohc sobre a eleleao ser directa ou Indirecta. O
governo no anuo petado, o presidente do cnncelho que
he o tu. sino de boje, em vista do ettado da Furopa, de-
el nuil que o governo quera as eleiv0es directas; poriu
hoje, como as eous.s leem mudado, eo principio con-
servador Icui adquirido preponderancia, c alcm dlsso
ha no actual ministerio dous membros, os Srs. Lope
Uranco eSa Vascas, que votaram pelacoustitucionallda-
ile ilo artigo l i'. da caria, o governo quer innn; r ja
dizque a dcclsa da cmara sobre a dito art. 61 nao im-
porta que a cleieo sej directa. Me por islo c pelo adia-
mento do projecto de estradas e ouirns em que o go-
verno tinha iniciativa, que rilo he aecusadu de nao ter
pensanioniogovernativo,e de viver porque hade existir
mi governo. Demais, o novo ininlttrn da fazenda nao
goza de grandes cidilos, c como boje a grande queito
he o crdito e a coiiliauea, acredita-te que nao permit.
cera por mullo lempo no poder. Mein dlsso, se a di.
eussno sobre a lei eleitoral continuar tan acalorada co-
mo o tem sido ale agora, uo se sabe se a vot.K.rao era uu
lio a favor da cleieao directa, e receia-sc iiitlilu o que
ja se tem dito por varias vezes,-que. se .i oppotleo con-
tinuar como al apara, o governo adiar a3 oortcs, pan
poder obrar livrenionic.
Dlx-sa mais que tambem nao existe a mcllior harmn-
uia entre os amigos ministros eos novot.
Parece que um dos primeiros actos do novo ministro
da i i'enrta foi suspender o ordenado de HlUO.tlOO rs_. que
reedita o Sr. Avilla como presidente da commisso do
cadaslro, por ser contra lei. Se isto he verdade, o novo
ministro merece os niaioi es elogios, e oxal.i que elle coa-
linue assim, porque adquirir o crdito que nao goza,
ac.barcom minios desperdicios, e ter meios de pagar
aos pobres servidores do estado, que eada vez esli em
maioi atraso. O certo lie que o Sr. Avilla, que al agora
ai oiava o go'crno, se declarou em opposicao, sobreto-
do ao ilitn nin.troil i fazenda, o que parece confirmar i
noticia.
Iiiz-seque a nao IWo-rfu-d'fima sahira em breve, c que
depois de delxar o infante II. I.uiz na illia da Madclra.
seguir para o llrasil.
F'alla-sc de um novo enipresliiiio de lN) conlos ao go-
verno, feito por nina companhia a seinclhanea da com-
panhia Cmtfiiuci, c sol a direceo do banco de I.isba,
<|ue nao quer figurar oslcnsivamente, por cauta do des-
crdito dat suas notas.
No dia H, deilou-se no largo do Lourlo, de urna ja-
nella abaixo, dentro de urna panella, una crlane.i inor-
f, hora do meio-dia. A polica procedeu logo a averl-
guarrs, masainda niio se deseobro quem seja a uu.
Acrdila-se que a crianca era de oulro sitio, e foi man-
dada rteltar dalli, porque a janella donde se .1. itou foi de
una escada.
Ksie auno leni havido una immeiitiade de bailes. >a.s
asseuiblas, nos clubs, as casis particulares, ele, lem-
sc danrjdo. rido e folgado. Teem havido ires bailes de
beneficencia! um a favor dos necessilados patuleas, ou-
tro dos nrcessitados realistas, e oulro do asylo de incndi-
cldade. O primeiro leve lugar no//ole/ de Bra$ant; o
tceundo, no palacio do marques de branles ; e oter-
cciro, as talas do club Lisbonense, Todos cttiverain
coiicorridissimos e brilhanlcs, pois que aqu, quando te
trata de fazerbem, poeni-tc de parle lodos os odios pol-
ticos, e s nos leiiibramos que somos christos ; he por
isso que se viram os realistas no baile patulea c os lilie-
raesno baile realista. Os bailes coutfnuam ale ao dia de
entrudo, que ha o baile de uiascsras no theatro de S.n-
Cailosj e depois, m (|uarla-f4a,J[entencia e jejuus
As noticias das provincias liaste eotlleui de iniporlaii-
|e : go/a-se de socego, o Su de tfieni quando se tulla de
alguin maleficio, o que aconteca em todos os Icin-
PSl t*
As noticias de llespauba annuiiciam que Cabrera
fura gravemente ferido n'uma aceito com as tropas de
Concha, c que morrra em contequencia das leeidas ;
mas esla noticia carece de conlirmaco.
Irfem, 21 ilc ferntito.
Aqueslo eleitoral benque hoje oceupa os nimos
em gcral. A dltcusaao do art. I." da lei que etUbelcCC
o meihodo directo, tem sido longa c acalorada, cpro-
metlc continuar. Alc dos 3*i deputado* ajue forinaiu
ursta qucslo a pbalangc do Sr. Silva Cibral, c que vo-
taram o anno passado pela consiilucionslidadc do .m
CI da carta, ha mais alguns que votaran! pela nao
i onsitm ionahdade, c que, tubmettendo o seu voto t
deciso da maioria, para volarem pclat eleifes direc-
las, qm rciu hoje recuar, sustentando que aquella de-
ciso nao imporlava a approvacao do methodo directo.
Ibnis unitivos ha para esta mudauca : I." Ocover-
no nao julgar hoje urgente o metliodo direclo de elei-
cOes, apezar das suas declararles do auno passado. 2.
Acharem te no ministerio dous Individuo! que vota-
ram pela consliuclonalidade do art. U3 da carta c
par conseguale sustentando hoje as suas opiuies. di-
viden o ministerio e fizem porlanto raclllar a maioria
a Miua,.'!!!. porin, destes versaicls, tem sido na ver-
dado l.isiimosa : os que sustenlam a necestidade do
methodo direclo, e sobretodo os membros da counni-
tao eleitoral, leem-lhe manifestado a palpavel contradlt-
cao em que exislcm entra a sua opinlo desle anno
com a do anuo passado.
Na verdade os argumentos a favor do methodo direc-
to de eli'u Oes teem sido multo mais I.a es e coiicluden-
les.; pois'que os seus mesmos advertarios, reconhecen-
di ,is suas van tac. n .. Ibc uppofiu o ser contrario ao
ai t. (Vida carta, cuja discnisao reprnduzem, masque
a cmara J decidi nio ter constitucinij| como ou-
tras camarat leem decidido nao seren constilncionaes



o, .rtigo, relativo, regencia .o casamento da Impc- **"<2[ W^Xf^'6 l
2

i ante, etc., ele.
A questao est duvidosa : a phalange a Sr. "'va ca-
bral quiz leva-la de sorprea no dia 17, pedndo que a
malcra se julgasse discutida ; e, como isio no vingou,
requeren que e governo se e-plcasse sobre a ques-
tio. O governo, polo orgao do ministro da faienda, un
ii.ii qu volaram o anno passado pela constllucionalda-
d doart. 63,-declarou que nao quera Influir de ina-
neira alguina nejta queslao que dcixava a inaioria
einillir livremenle os sens votos, sem receio de que
offendessem a snsceplibilidade de nenhum dos minis-
tros ; que o governo quera que nesta legislatura se
ultlinasse a le elciloral ; c que lodos desejavam que
as elrifdes fossein directas, a divida flava u ai podamos
adop'ar. Esta ultima asserco he que torna duvido9a
a s0lu9.no da queslao ; posto que ditcm que o presi-
dente do concelho, comproinettido com as suas deca-
racoes do anno passado, se empenha em que se apprn-
ve o mrthodo directo. Provavelinenle esta semana vo-
la-se a queslao: se o methodo directo fr approvado,
a discusso da lei pode progredir, e podemos ter urna
lei eleitoral sofTrivel no flu desta scsso ; porin, se o
inethodo indirecto fr o approvado, o projecto teiu que
voltar cotnmisso, porque est bascado no systema
directo, e precisa ser reformado. Alm disso, he pro-
vavel que acommiss* eleitoral se demilla, e ento
larde triemos lei eleitoral.
O governo pedio autorisaf fio s corles para dar nova
organisa;ao ao exercito, no intcrvallo da scsso de 1849
a 1850. Dix-se que o actual ministro da guerra quer
revolver tudo, e urna das uovidades que pretende in-
trodusir he sa.ncclonar o commaudo cm chefe do ej-
ercito.
Corre o rumor de que asta arranjada una grande
Iranqulbernia com o negocio das estradas, c que fui
liara isso que se adlou projecto ; mas que agora,
como o negocio j esl concluido, voltar em breve
discusso.
A ptzar da publicidade promctlida pelo ministro da
fazenda, nos contratos c Iransaccdes feilas pelo gover-
no, acaba de i'ontrahir-sc um emprcsliino >i porta [c-
ihada. Neste enipreslimo entra o banco com 180 cou-
tos, e si'ib o titulo de una comvanhia auxiliar empresta
inais o banco 576 contos. Os 180 contos sao urna quar-
ta parte em olas e o resto em metal, vencendo o juro
de .'> por cento ; os outros 070 contos sao270 em metal,
90 em notas e 210 contos em ttulos dos servidores do
estado, posteriores a julno de 1848. Estes ttulos s sao
obrigado* a entrar no flu de deiembro que vein ; to
he, d-se larga aos agiotas para comprareui por baixo
prefo. O einpresliiiio s depois de concluido he que
appsreceu no Diario o que quer dizer que se fez sem
concurso e sem publicidade.
Teein corrido rumores de mudanca ministerial, e at
se chrgou a dizer que o mareclial Saldinha ia para
l-r.ni(.i. Ajunlava-se que o conde de I homar anda
nao enlraria desla vez; mas que o ministerio que se
lorinasse Ihe servirla de ponte para subir ao poder.
Corre o boalo de que existe una cana de Mr. Dielz,
acouselhando- a nossa corte que faja concessocs por-
que na Alleinanha e na Austria lem elle visto cousas
que niio esperava, e que all esto limito ameacadas
as dynastias.
Parece que a nao Vaico-da-(jamaj nao vai para
0 Hrasil, mas sui para a llalla. O que se alhruia lie
que o infame Luis, que se di ia nella, j nao vai.
Os bailes teem continuado com a maior allluencla.
1 m dos inais conenrridos e brlhantes fo o que se deu
em casa do marques de branles a favor dos amnis-
tiados de Evoramonte. Concorreram perto de mil pes-
soas os billieles erain a 1/200 reis. Reunio-se a ve-
Iba e nova aristocracia, e as notabilidades de todos os
partidos. Home una lotera I'eila pelas fldalgas, que
rendeu inais de 40 uioedas.
O enlrudo lem sido inspido e montono, o que mos-
tra o nouco desejo de se divertir o que se chama po-
vo. O baile de mascaras, em ?.-Carlos, esleve concor-
rido, mas pouco variado.
Como sempre acontece nestes das de loucura, liou-
veram algumas desgraras. Nasegunda-fcita de enlru-
do maiou-se um soldado do balalhao do Joasnbn ( 2.
provisorio) lfa-Visla, c falla-sc de oulros desastres.
dem, 28 de fevtreiro
No dia 21 votou-se na cmara dosdeputados a queslao
eleitoral,luto he.se a elelfo dcvla ser directa ou indirec-
ta. Apezar de todos os estoicos da comiuisso, a maiorla
nao Ihe imporlou moslrar-se inconsequente;nem o go-
verno atlemleus dcclaracoes que tnha feilopela bocea
do presidente do concelho, quando no auno passado se
ii.-iiuii da constllucionalidade do arl. (3 da carta. A
elelcio indirecta fui approvada por 59 votos contra 3i.
Ha a notar que todos os empregados no pa;o volaram
pela ele9o directa ; mas diz-seque islo|foi una arina-
dilha, porque por outro lado intrigra-se para que a elei-
(o fsse indirecta.
lMesnio assim, parece que nao qucrcm|lei eleitoral,
porque depuis de decidida a grande queslao, apeuai se
.ipproraram nias quatro arllgos, c depois pz-sc a lei de
banda, sendo substituida pela das estradas, cujo syste-
ma proposlo, lato he, fazer o governo as estradas, rece-
ber um imposto de 20 por cenlo sobre todas as cootri-
buifes directas, c abolir o systema de barreiras, solfee
grande opposieao, c lalvez mo seja approvado como fo
apresentado.
Ainda mais, a I nio, peridico do governo, j disse que
a lei eleitoral, posto que nccessaria,io o era tanto, que
a cmara nao podesse levantar nio della, para se occu-
par de outras Iris, tanto ou uials uecessarias ao paiz. O
que se pergunta he; para que servio a grande c prolon-
gada discusso que leve lugar na sessao passada sobre a
constllucionalidade do arl. 63 ? Para que servem as pro-
meisas do governu de que quer dolar o paii de una lei
eleitoral uesia sesso? Os t" eios provam o conlriirio. O
paiz esl cansadla mas, se lizer una revolucn para ob-
ter nina boa le elciloral, a culpa nao he delle, he de
qiiem ua-> allende s suasurgentes necessidades.
O governo oireiccepoucacsiabilidadc. Desde a vola-
ipposicao cleifao directa, (icou considerado como o
iliefe da inaioria, c nao admrala que, uiaisdla, menos
das, drrrulie o ininistero Este, alm disto, parece nao
viver em boa haruionia entre os seus meuibros ; e lti-
mamente a sua queda rsteve inevilavel; pois que, lendo
feilo o depulado Assis de Carvalho um requeriineuto su-
bre publlcaco de comas, irrogavaem dito requerimen-
to urna ceusura no ministro da f.xcnda. O requeriincn*
lo fol approvado, e o ministro disse lugo nos corredores
da cmara que-ix pedir sua demiiso. Fol preciso
que no da seguinle, leilura da acia, inuitos ineinbros
da m nona declarasscm que tinhain vulado o requeri-
ineiilo--salva aredaccaoe declarando que tinham ple-
na couflaiifa no ministro da fazenda Nesla queslao
e as explicaces sobre a lei eleitoral, manifcslou-se
que esla felta a paz entre o Sr. Silva Cabral e seu irmao
o presidente da cmara. Na questao das esplicacoes,
censurando o depulado Avila a mesa por ter dado a pa-
tarra a oulro depulado depois dellc, quando a liulia
miles, o Sr. Silva abral lomou acaloradamente a defen-
sa da mesa, e chrgou at a pedir saiisfaco ao Sr. Avila.
Na questao do requeriineuto, o presdeme susieulou que
a cmara o approv&ra sem reserva; o queda sobjaiuente
a demonstrar que o chefe da opposlc,ao e o presidente
da cmara trabalham de aecrdopara derrubar o minis-
terio.
A cmara oceupa-te agora com a queslao do contrato
das sete easas, que a commlsso de fazenda rrjeilou.
l'iiriii, o ex-ininistro da faienda, o Sr. Falco, proferto
um longo discurso em aua defensa, apresentou docu-
mentos, de manen a que pretendeu provar que linlia pa-
;o mais do que devia. Todava, estes caslellos de cartas
mam destruidos pelos Srs. Carlos Memo, Pereira dos
Kcis e SUva Cabral, que, nao s com argumentos, mas
com grande copia de documentos, provaram a inexactl-
dao dos clculos da Sr. Falco, a sua inepcia como li-
nanceiro e o quanto era generoso o contrato das sete
casas felto por elle, e a quem chamava leu dolo.
A pezar do emprcsliino que o governo fez de 500 e lan-
mor he geral; e he por isso que lodos auguram a pro
xiin.i queda, ou modiricafo ministerial.
No dia 25 houve um accidente na sessao da liga dos
inlercsses irduslrlaes c maXeriacs do paiz, que consler-
nou a todos que eslavam presentes. Tcatava-sc de um
projecto de banco rural, em cuja discusso lomou par-
te acaloradamente o socio desembargador I.ulz Antonio
Itebello da Silva, pai do depulado Rebellinho, pronun-
ciaudn-se contra o privilegio que tnha o banco de Lisboa
de einillir notas. Acabando de fallar sentou-se, e pas-
sados dous minutos cahl atacado de uina apoplexia ful-
minante. I'i-esi.ii'ain-se-llie logo promptos soccorros,
porque se achavam presentes inuitos facultativos mas
todo foi baldado, nao podrram chaina-lo vida. .1 reu-
n '-o se dissolveu sob a mais dolorosa impresso.
Temos lldo urna secca de dous mezes, de maneira que
j havla serios temores sobre as futuras colheitas, re-
ceiando-se uina grande fome, e, alm disso, alguin ter-
remoto ; mas, felUinenle, o lempo inudou ; j lem cahl-
do alguma chtiva, e tudo annuncia que continuar.
As uoticias das provincias c de Hespanha nada ofl'erc-
ii'iii de iinporlanle.
PEHNAMBUC
ASSEM&LE PROVINCIAL.
SESSAO EM 11 DE AHRII. HE 1849.
Presidencia do Se. Sousri Teixeira.
Conclusilo. )
Sito mandados mesa, lidos o approvadososse-
guintes pareceres:
Acommissfioileconstituicflo c poderes, exami-
nando os diplomas dos Srs. deputados supplenlos
lirs. Manoel Mondes dn Cunha Azeveoo e Joaquim
lligino da Molla Silvera, achou-os conormes cu/n a
acia geral da apurarlo da elcicno dos deputados pro-
vinciaes; e, como na ordein da votacilo sRo estes
Srs compreheiididos non.0 dos Srs. deputados sup-
plenlos que devem substituir os deputados quo Tal-
laram, he de parecer a commissilo que tomem as-
sento.
Paco da assembla provincial de Pernambucn,
11 de abril de 1849. -- Jote l'edro da Silva. Manoel
Claro Gonealves Guerra Joaquim Joti da Cotia.
A commissSo de constituidlo e poderes, exami-
nando o diploma doSr. depulado supplenlo Jos
Caetano de Medoiros, acbou-o conforme com a acta
geral da apuraedo da eleicio dos deputados provin-
ciaes, e por isso be de parecer que tome assento, vis-
to lera assembla rosolvido que lodosos Srs. depu-
tados suplientes que foram chamados pela cmara
municipal pdem substituiros deputados que fallatn.
a Paco da assembla legislativa provincial de Per-
nambuco, II de alnil de 1849. Jote Pedro da Silva
- Joaquim Jos da Coila. Mantel Claro Concalvet
Cuera.
Silo introduzidos na sala pelos Srs. Xavier Lopes e
Souza llandeira ( nomeailos polo Sr. presidente ) *
Srs deputados supplontes cima relealos, os quaes
piestam juramento e toma ni assento.
Passa-sc votnco das commissOes ; c, corrido o
escrutinio e apurados os votos, reconbcce-sc tercm
Sabido nleitos:
Para a commissfo de constiluiQo o poderes os
Srs.: Jos Btnto, com 16 votos; liaptisla, com 15;
llego Dantas, com 13.
Para a de fazenda e orcamento os Srs. : Jos Pedro,
com 27 votos ; MarieJ Monteiro, com 22 ; Pedro Ca-
valeanti, com 18..
Pura a de cotilas e despezas provinciaos os Srs. :
llellro, com 85 votos ; Mavignier,-m 21 ; Mame-
de, com 16.
Para a de commercio, agricultura, artes, estradas,
navegacSo, coloiiisacfio o obras publit-Hs, os Srs. :
Mamede, com 16 votos; Costa, com Jl; barflo de
Suassuna, com 18.
Para a de reilarrfio de leis os Srs.: Nabuco, com
23 votos ; Aguiar, com 17 ; Lopes Cama, com 16.
Para n de nstruceSo publica os Srs : Maciel Mon-
teiro, com 18 votos ; Jos liento, com 17; Dornel-
las, com 16.
Para a de cstatistica os Srs. : Pedro Cavalcanti,
com 17 votos; FigueiredO, com 11; Souza Leilo,
com 15.
Paiaa do justica civil e criminal os Srs.: Xavier
Lopes, com 18 votos; Guerra, com 15; Souza Bau-
deira, com 14.
Para a de negocios ecclesiaslicos os Srs.: vigario
Brrelo, com 24 votos; Joiquim Villcla, com 18;
Figueircdo, com 15.
Para a de posturas de enmaras os Srs.: Xavier
Lopes, com 16 votos; Carneiro, com9; Mendes da
Cunha, cotn 8.
O Sr. I'reiidentt declara que interrumpe a ordem
do dia, e levanta a sesso, por ja havcrciu dado 2 1/2
horas da larde,
.
SESSAO EM 12 DE ABRIL DE 184.
Preiidencia do Sr. Souza Teixeira.
SL'MMARIO. Juramento do Sr. Sebatli&odo Reg llar-
roi --KequerimtHlo do Sr. J. A. de l'iovei-
rdo. liisrurios do mesmo Sr. e dos Srs.
Joi Vedro, Mendei da Cunha e Nabuco.--
''Kleicio le commissoei.
As llomeiahoras da nianbu, feita a chamada,
verifiVa-se estarem presentes 23 Srs. deputados.
O Sr. Pretidtnt declara abeila a sessao.
O Sr. 2 Secretario l a acta da sessfio anterior,
que be approvada.
(lia as galeras grande porcilo de espectadores,
a mor paite da primeira plana )
O Sr. Joti Antonio de /'igueiri'do manda mesa o
seguinle reqtierimcnto :
Itequeiro que, com urgencia, se pega ao gover-
no o seguinle : 1.", quo informo quantos supplen-
tes mandn chumar, e quantos foram chamados
pela cmara municipal; 2", a lista ilos deputados e
mi I -penles impedidos, rom cspecilicaco da nature-
za dos impedimentos, acompanliarfa do documentos
que os comprovem ; 3.. se essa lista foi enviada a
cmara quando teve de chamar os supplentes.
( Moita attencilo na casa.Silencio as galeras. )
lie intrndimdo na sala, com as formalidades do
regiment o Sr. Sebastian do llego Barros; presta
juramento, e loma assento
Apoiadoo roquerimento, entra em discusslto.
O Sr. Jos Pedro (pela ordem):Parc^-me quo a
primeira parto do requerimento, ou quesilo, pode ser sirpprimida ; porquiW secreta-
ria existe um documento que satisfaz plenamente
uessa parte os dosojos do nobre depulado. Todos
nos sabemos que as duas sessOos preparatorias, que
na forma do regiment deviam haver antes da sessao
deaboitura, nOo liveram lugar por falto decompa-
recimento dos deputados que deviam tomar assento
Depois deste facto, por arbitrio dos denotados sup-
plentes novamente convocados, houve urna outra
sesso preparatoria em o domingo, 2 do crranle...
0 Sr. Mendes dn Cunha :Houve arbitiio ?
OSr. I. .1. de Figutlredo :-Ee quem toi o arbi-
trio ?
OSr. Jos Pedro :-Nosel....Constqu-me que al-
guns deputados supplontes so tinham reunido cm
sesso preparatoria. Eu comparec na segunda-rei-
r, chamado particularmente por um amigo....
O Ss Mendet da Cunha : -Ah...Ah...
OSr. os Perito:Entend que, na qualidado de
primeiro secretario interino, derla apresentar-me
aqu com os ofllcios que anteriormente linha rece-
hido; mas, como naquella bccasio no os tnha em
mo, no me foi possivel inteirar a casa do que llu-
via relativamente materia de quo trata o primeiro
quesito dorequerimento do nobre deputado. Passa-
da essa occasio, a da sesso da abertura no me pa-
roccu oppftrt'una para fiar informacOes arespeito;
mas agtira direi que o Sr secretarlo da provincia
me parllcipou que o Sr. presidente tnha determi-
nado se chamassem 26supplentes para supprirem a
taita dos membros mais votados' quo no tinham
comparecido as sessOes preparatorias. A casa sa-
be, portento, que fram chamados 26 supplentes :
logo he superfino o primeiro quesito do requerimen-
to em discusso.
O Sr. Mendes da Cunha : Estou por ludo quan-
to acaba de dizer o nobre deputado, at porque de-
clarou que fram os supplentes chamados por arbl
trio..
O Sr. Jos Pedro : No disse isso ; disse que as
duas ultimas sessOes preparatorias fram arbitra-
rias...
OSr. Mendes da Cunha : Sim, senhor, arbitra-
rias as sosses. Mas quem ns formou ? Por ordem de
quem ? Arbitrio de quem? Do presidente da provin-
cia, ou de quem ? Ilouvo arbitrio: o roquerimento
lende a veribear por quem fol pratlcado o arbitrio
Nos j sabemos que o houve pelo lestemunho do no-
bre deputado; iiibs, apezardoconceitoqueo Ilustre,
deputado me merece, onlendo que convm verifi-
car-se isto por intermedio do presidente da provin-
cia para que so sajba so o arbitrio veio delle, ou
de outrem. He isto o que importa o primeiro que-
sito do requerimento.
O Sr. Jos Pedro. Agradecendo o conceito que
de mlm faz o nobro deputado que acaba de fallar,
vejo-me obrigado a observar-lbe quo me no perce-
beu. Eu no disse que os deputados supplentes f-
ram chamados arbitrariamente ; declarel que fram
chmalos 26 supplentes para supprirem a falta de
oulros tantos membros desta assembla que deixa-
ram de comparecer s duas primeiras sesses pre-
paratorios ; o, como o nobre depulado autor do re-
querimento pede no primeiro quesito que se declare
quantos supplentes fram chamados, notei que j
existe na casa parlicipaeflo olliclal a respeito,que
a mesma casa j eslinteirada do que o nobre de-
putado quer saber.
O Sr. Hiendes da Cunha ( pela ordem ): Sobre utn
requerimento s se pJe fallar urna vez; nem mesmo
a titulo do explicarjito se jde conceder a palavra
segunda voz; ao menos assim seobservava no lempo
em que eu era vivo...
O Sr J. A. de Figueiredo. Ento est moito
hoje?
O Sr. Mendes da Cunha.Quasi morto.
"(XonJimiar-je-As.)
capitoJ. J. Skjnner, equipagem 28, cargazeite
depoixe; ah capito.
Tcrra-Nova ; 39 dias, brlgue inglez Zebula,m tii
toneladas, capito George llart, equlpagfc i3)
carga 2450 barricas com bactltio ; a Me. Ciimont
r Companhia. .
yVnrios sahidos no mesmo dia.
Liverpool porParablba ; barca ingle/a Mary,epitSo
llenry, em lastro.
Babia; brigue inglez Sir-Roberl-Campbell, tapito
Duncan Campbell, carga a mesma que trotixe.
Caoal; brigue inglez Tumfulh-Catlle, capit9 John-
Castlo. carga assncar. v
dem; brigue inglez Spray, capito Arcnibal Steel,
carga assucar.
Em commisso ; brigue-escuna de guerra brasilero
Canopo. commanilanle o pritneiro-tenento Jos* do
Mello Crista d'Ouro.
Macei;palBCbobrasiIeiro-4//V Scverino d'Avila, carga fazendas o mais gneros.
ETABS.
RlCirt, 13 DB ABBII, DI 189.
Amanhal 13) a assembla legislativa provincia
oceupar-se-ba com a conlinuaco da discusso do
requerimento doSr Jos Antonio de Figueiredo,
com oque estava designado para ordein do dia da
sesso do hoje.
0 brigue inglez Wase, ebegado bonlem de Lisboa,
trouxe-nos as Iros cartas do nosso correspondente
nesta orto, as quaes inserimos no lugar competen-
te ; bem como varios exumi-l.nvs do Diario do Go-
verno que ;,lfaiie.ani a 4 de margo ultimo.
Osjornaes nada a.liaiitaui no que as mencionadas
Carlas se cnntm; apreciando-as, pois, os leilores
ficaro intoirados de quanto occonra de oris im-
portanle no reino de Portugal durante os dias a que
ellas so refercm.
COfflfflEftC.O. _
AI.FANDECA.Rendlmenlo do dia 12 15:704,913
fescarregam hoje, i3 de abril.
Brigue iibolum bacalho.
Brigue frandwite farinlu, bolochinha e barri-
cas abatidas.
Burea John-l-arnum feriaba e barricas abatidas.
Calera SwordFih mercadorias
Escuna Wase vinho.
I5i guc Bootle mercadorias.
IMPORTACO.
Conceicao, brigue brasileiro, vindo do Itio-Grandc-
do-Sul, entrado nocorrente mez,'consignado a Ma-
noel Alves Guerra Jnior, manifestou o seguinle :
10200 arrobas de carnc-secca estrangeira ; ao mes-
mo consignatario.
Felis-VniSo. brigue brasileiro, vindo do B-lo-Gran-
de-do-Sul, entrado no corrente mez, consignado a
Amoritn 6i Irmos, manifestou o seguinle :
9184 arrobas de carne-secca ; aos mesmos consi-
nalarios. .
CONSULADO GERAL.
Rendimento do dia- ii..............3:942,455
Diversas provincias............... 168,141
CONSULADO PROVINCIAL.
Itondimetilo do dia 12............
4:110,596
2:931,478
fminenlo do Porto.
Navios entrados no dia 12.
Baha; 7 dias, barca prussiana Beriag-Bngislase. de
382 toneladas, capito A. V. Jager, equipagem
11, em lastro ; ao capito.
Mar-Pacifico, lendo sabido do Slonninglon ha 30 me-
zes, galera americaiii Kalumi, de 316 toneladas,
O majar Manoel' Antonio Vier/as, juis de pas do prin^i^
ro distrlclo da fregueslade S. S. do bairro de S.-An-
tonio da cidadi do Rtife, provnola di Pernambuc,
em virtude da le, &.
Achando-se designado o dia 13 de maio futuro
para a formacod.i junta quallficadora que lem de
rever qualiflcago do anno antecedente e formar-
a lista goral dos chUdSos quo teem direito de volar
na eleico dos oleitores, juizes do paz e viradores ,
segundo as ordena da presidencia que me fram
communicadas pela cmara municipal em otllcio de
27 do mez flndo, o que devia ter-se ormado nt ter-
ceira dominga do mez de Janeiro deste anno se-
gundo o disposto no art. 25 da lei n. 387 de 19 de a-
gosto de 1846, convoco os oleitores e supplentes
desta freguezia aj o n. de 33, nella residentes, cujo
nomes se segum.
EI.EITORES.
Os Srs. Antonio Affonso Eerreira, Pedro rornel-
las Pessoa, Joo Francisco Bastos, Vicente-Ferreiri
Gomos Jnior, Jos Francisco Pinto Gulmarfles, Fran-
cisco SimOcs da Silva, Jos Hygidlo Ferreira, Manuel
Joaquim da Cos'ta, Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Ignacio Manoel Viegas, Miguel Felicio da Silva, Fran-
cisco Manoel ds Rosa, Sllverlo Joaquim Marlins dos
Santos, Manoel da Silva Ferreira Jnior, Manoel
Jos Ferreira, Francisco de Paula Carneiro Lefio, Vi-
cente Alves Ribeiro.
SUPPLEN1 ES.
Os Srs. Manoel Eslevo do Nascimonto Quinteiro,
Jos Tbeodoro da Gon'ccigo Vioira, Francisco An-
tonio Pereira de Brlto, Jos Raymundo da Nativi-
diiile Saldanha, Cirios Francisco Soares de Brito,
Joaquim Jos de Abreu Jnior, Manoel da Fonseci
Soares e Silva, Antonio Ricardo do Rogo, Jos Flix
de Brito Macedo, Francisco Camello Pessoa de La-
cerda, Justino Pereira de Fari, Joo CUrisosthomo
Fernandos Vianna, Manoel Lopes Machado, Joo
Thoodoro da Cruz, Francisco de Souza Re*io Mon-
teiro, Jos Mara da Cruz, Francisco Jos do Reg,
Jos-do Carvalho Raposo, Claudlno doRego Lima,
Joaquim Celestino Gonealves, Joaquim Jos Barbosa
Lobato, Antonio Bernardo Quinteiro, Frauciseo Jos
dos Santos Jnior, Antonio dos Santos Mira, Victo-
rino Francisco dos Santos.
Os quaes devero comparecer em o corno da igreja
matriz deS.-Antonio em o prodito d^ 13 do men-
cionado mez de maio futuro pelas 9 horaa-da ma-
nha, licando subjeitos multa comminada noart.
126 5 n. 2 da citada lei os que deixarem de compa-
recer sem motivo legitimo.
Recife, 11 de abril de 1849. Eu, Joaquim da Silva
Reg, oscrivo, escrevi.
Manoel Antonio Viegas.
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade oficial da im-
perial ordem da Rosa, cavalleiro da de Chrislo i ins-
pector da alfandega de Pernambuco, por S. M. o
Imperador, que Heos guarde, ele.
Faz sabor que no dia 16 do crrente, ao meio-di,
em hasta publica, na porta da mesma, se ho de ar-
rematar 12 suspensorios bordados, novator den.
10,000; 29 varas de tala garca da seda, no valor de
12,000 rs. ; 1/Wfe seda frouxa, novalorde 3,000 rs. :
lodo impugnado fro guarda Jofln Cancio Cuines da
Silva, no despacho por factura n. 4372: sendo s ai-
remalaco subjeila a diroitos. Alfandega, 12 de a-
bril de 1849. Miguel archanjo SlonUiro tie Andrade.
Joo Xavier Carneiro da Cunha, fi.llgo cavalleiro da
casa imperial, cavalleiro da ordem de Chrislo e ad-
ministrador da mesa do consulado detta provincia,
por S. M. o Imperador que lieos guarde, etc.
Faz saber que no dia 18 do corrente, aomeio-di,
se ho de arrematar cm praca por da mesma, tres
saccas com farinha de mandioca o duas lalhas de
louca vidrada, apprehendidas pelo guarda desta
mesa Jos Cunea Leal, agente do trapiche do Pelou-
rinbo, por virein na barcaca Santa-Hila da provin-
cia d'Alagaa sem a competente guia, conforme a
ordem do tribunal do thesouro publico nacional de
24 de feverciro de 1848; sendo o apprehsjnsor obri-
gado a pagar o respectivo dizimo. Mes do con-
sulado do ifornanibiico, 12 da abril de 1849. 0
administrador, Jo&o Xavier Carneiro. da Cunha.
Deca racoes
A cmara municipal desta cidado faz sesso ex-
traordinaria no dia 16 do corrente.O secretario,
JvSo Jos Ferreira dt Aguiar.
- A sabida do vapor 5 -Stbasto fui transferid
para hoje ( 13 J: as malas piincipiaiu-M a feichar ao
meio-dia : as coiruspondoncias que vieren depoi
dossa hura pagaro o porto duplo al urna hora se-
ment.
Avisos uiartiitios.
Para a Babia sogue o patacho S.-Cru: : pr
carga epasseiros, Irata-se ao lado do Corpo-Sanlo,
luja de massamos, n 25..
--Parta Baha sabe o hiile S.-Benedicto : quem
nello qui?cr carregar, dinja-sc ao seu propriel-
rio Joaquim Jos de Oliveira na ra do Amoro,
n. 19, primeiro andar.
I'ara Lisboa sabe imprelorivolmenle no da
do corrente o brigue portuguez TriumphanM, CS>'
to Sabino Antonio do Uabo Almoida : ainda i0,10
n Ctber algama carga a frele e passag iros, pr *
quaes uflertce os mais excellenlescommodos : quem
pretender, dirija-se aos consignatarios, OliVeita rr-
mos & Companhia, na ra da Cruz, n. 9, ou ao re*
ferido capito, na praca do Commercio,
ILEGVEL 1


'*
s
'-Par o Rio-de<-Janero pretende sahir breve o
bngue Mercantil, por ter ama parte d#carrcgaroen-
to : gMm.no mesmo quizer carregar, embarcar es-
cravos, ou ir depassigem, entenda-so com os con-
signalarios, Amorim.jrmflos, na ra da Cadeia, nu-
mero 39;
Para Lisboa por as Ibas dos Acores sahir no
poriodd da semana vindoura a barca portugucza
Flumintnu, a qual inda pode receber' alguma carga
para os ditos poi tos, bem como passageiros : quem
na mesma quizer rarregar, ou seguir yiagom so dove
anticipar a lomar passagcm, piran lindo se o bom
tratamenlo, agazslboe commodos : ludo por preco
. rasoavel : para oque tratase com Aniorim Iranios,
ra da Cadoia, u. 39.
Para o Ilio-de-Janeiro segu, en) poucos das ,
o brigue Assombro, de primeira marcha por tero
seu earregamentoqtiasi prometo': para passageiros
toan muito bons commodos : os pretcndentes diri-
jam-se ra 4a Cadeia do Recite n. Ct, a tratar
com Joflo Jos Fernandes Magalhfles.
Le loes.
O corretor uliveira far Icililo de urna mobilia
eoWjdrla do casa, quasi nova, o dos melhores gos-
los, consistindo em hemos, consoloa, mesa redon-
da com pedra-mar moro, dita para cha, solas, eadei-
ras do. .lifTercntes qualiiladts, lauto das iisuaes, co-
mo de bracos, bancas para jogo, estante rica pata li-
vroa, guarda-roupa, cspelbo grande para loilele de
senhnrss, aparador, gurrda-louca, mesa do juntar
elstica, loucadores, relogios de paredc, quadros,
leilo francez moderna, camas de vento, lanternis
cahdieiros, tapetes ricos, jarros e garralinbas de por-
celana, cryslses, mesas e trem de cozinha, obras de
prnfa e niuitos oulros artigos de menos monta, po-
rm uleis e indispensavcis: boje, 1S do cor-
rente, s 10 horas da manhila, na ra d'Apollo, n.
as, por cima do armazem dcesSMcar de Candido &
Compasis.
-- O correlor (lliveira far leilflo, por ordem eem
presenca do Sr. cnsul de S M. liriiannira, de 300
toneladas de carvllo de pedra artificial, muito apre-
ciado para os vaporeada marinba ingleza, existentes
no annarem inargcm do rio que lava o principio
da ra Bella, ( Mundo-Novo ) onde os pretendenlcs
pdcm anticipadamente cxamina-lo, bem como as
amostras que aclwrflo no consulado britannico : sab-
liado, 14 do crreme, ao meio-dia em poni, porta
da associscflo commercial.
Rremlcr a Rrandis, estando a retirar-se para a
Europa pelo primeiro navio. Tari leilflo, por jnter-
vencto do correlor Oliveira, damubilia da sua at
agora casa de moradia no campo, consistindo em
mesase eadeiras de diffbrenles qualidades. secreta-
rias, almarios, guarda-roupas, solas, marquozas,
bancas, aparadores, commodas, lavatorios, camas
de ferr ede madeira, ditas para meninos, um ber-
co de ferro, espelhos, loucadores, quadrOs, cundo-
labros, celogio para cima de mesa, candieiros, ap-
parrlhos de mesa e paradla, crystaea, loiiea e trem
de co/inha, um ptimo carro de quatro rodas com
os competentes arreios para dous cava I los, urna ca-
noa com lame, remos, etc., urna setta de superior
qualidade para atirar ao alvo, e muitos 011 tros objec-
tos : segunda-feira, 16 do corrate, as 10 horas da
manhfla, 110 sitio pericltenle O defronte do do com-
mendador Francisco Antonio de Uliveira, pouco a-
diantedo.Manguinho. .
m Avisos diversos.
Avisa-seao respeitavel publicu que, em virlu-
dedoedital da Ilustre cmara municipal, de bo-
je e.ndiante se ven lera carne verdonas caeinhas
do mercado da ribeira da Ireguezia de Sen-Jos.
Illu&trated Loadon News
A pessoa acujo poder tenham porvenlura ido parar
os nmeros de 9, 23,e 30 de dezemhro ultimo sem
Jho perlencerem ; querendoreslilui-los a sru dono,
pode procurar a A. V. S. Uarioca na ra larga do
llozario n. 39 ou na ra da Madre-de-Deos n. 26
--Precisa-se de una paida ou preta forra, para
urna de una casa de familia : na ra da S.-Cruz
n. 28.
- O padeiro que quizer drr 200,000 rs. a premio,
sobre hypolheca cm um oferavo que vende pilo di-
rija-scrua Direita n. 51.
-- No botiqun! da Cova-da-Onca, ti\ ra larga do
Roznrio precisa-se do uuwboin cuzinheiro forro
011 captivo preferindo-sa owapliv. No mesmo bo-
tiquim vende-so um cama de corfdu em bom
estado.
O abaixo assignado declara ao publico que no
di 1 primeiro do abril desencaminhou-se um vale pas-
sadq j co Sr. Frederico Chaves, da quanlia de 40/
res e una lettra aceita pelo Sr. J^ tencua da
Silva Jnior, por isso previne-se ao publico para
quo ninguem faca Irausaccoalguma com ellas.
/rancheo Joiiida Sliva Eirai.
ociedade Harmnico-
1 heahal.
A direceoda soriedade llarmonicn-Tbeatral con-
vida pelo presento a lodos os socios da mesina a se
reunirem no illa 15 do correte, pelas 10 horas da
mandila, nosalflo do mesn.o thealro, ali.n dse
rumpr.r o-disposto no artigo 10 dos estatutos, certos
de que se proceder de conformidade com o arti-
go 11.
Manuel Francisco de tirito subdito portuguez ,
vai a provideia das Alagas com sua sen hora 4 II-
I hose urna escrava.
Aluga-se um* prela captiva 011 mesmo forra ,
que faca o ser vico de urna cusa de portas o dentro:
na ra do Collegio, 11 15.
-- No sitio |or detrs do palacio do Sr. bispo, em
Uliuda guaram-secavallos com segoranca pelos
das que convier, sendo bem tratados e por menos
paga do queem oulra qualquer parle.
Precisarse de urna espada para esquadrlo de
cavallariada guarda nacional : quom liver, dirija-se
a roa da Cruz, n 27.
Joflo Feruandes Moreira, Portuguez. relira-se
pas Angola. '
-- Quer-se arrendar um engenho perlo desta pra-
ca, preferiedo-se ao que for de moer com agua:
quem liver annuncie, ou dirija-se ao subdelegado
da Ireguezia da Roa-Vista que dir quem. o pre-
tende.
-- l'iecisa.se do urna ama para cozinhar e lavar
algumaa veces : no beceo da l.ingota, sobrado 11. 5.
ne-eedinheiio premio, sobre ouro e prala :
na ra do Hospicio, sobrado junto venda do leilo
de ouro.
Philogono Adour, cidadflo francez, vai fazer urna
viagem Europa.
Acabam dechegar a loja de
Maya Ramos & rompanhis os muito desojados e
divertidos jopos de vispora : pede-se aquellas pes-
soas que haviam procurado o dito jogo que se pre-
vinam a tempo para quo ao depois uo Ihes acon-
tece ficar sem elles como da oulra vez : o preco he
commodooa lodos devem agradar.
Quem quizer urna ama para tratar de meminos
em casas estrangeiras dirija-se a Passagem-da-Mag-
dalena n. 45 junto a ponte.
Marcelhno Henriqucs l'ereira, tendo-se diiigi-
du difTcionles vezes e ainda hontem s 10 horas
dodia rua deVigario, n. 19 e tendo achado a
porta fechada, declara que mora na ra da Guia,
n. 36, onda com franqueza pode ser procurado para
qualquer que seja o negocio.
Quem precisar do um rapaz portuguez, de 20
anuos', com pratico de loja do fazendas, dirija-se
praca da Independencia n. 12, ou annuncie
Odoutor Cae tao Xavier l'ereira de Br i to for-
mado em medicina ecirurgia tema honra de offe-
recero seu prestio ao respeitavel publico desta ri-
dade, cm sua casa no Atcrro-da-Boa-Vista n. 43 ,
onde podo ser procurado, de mandila at s 9 horas
e mein e de tarde das 3 horas em dlante
-- No Aterro-ila-lloa-Vista, 11 1,defron(e do cha-
fariz, precisa-se de una preta captiva pagando-se
mentalmente.
Nsrrizo Francisco do Souza e Jos da Costa Jor-
ge, subditos de S. M. Fidilissima, ietiram-se para
fura do imperio.
Jote Rodrigues de Arnujo Porto embarca para o
sul o seu escravo Joaquim.
F.jias Rapsla da Silva faz publico que Antonio
de Souza deixou de ser sou criado desde o dia 4 do
corrate.
Francisco Jos Teixeira Rastos retira-se para f-
ra do imperio com sua familia.
Precisa-se de tres aprendizes para aprenderem. o
ofUrio de marciaeiro : na ra da Cadeia de Santo-
Antonio, o. 18.
a ra Nova, loja de Carlos Gil
lain, precisa-se de oiliciaes de alfaiale
1). Candida Ai,tunes de uliveira eSilva retira-
se para Portugal, levando em sua rompaohia I).
Barbara Mara de Azevedoeseus dousfllhos meno-
res, de nomes Joaquim e Antonio.
Joaquim Velloso Ferr ira Braga retira-se pira
fura do imperio.
Alugam-se o primeiro e segundo andaies do
sobrado da rus do Caldeireiro : quero os pretender,
dinja-se ao pateo do Carmo, sobrado n. 12, segundo
andar.
~ Di-so pilo devendagem a pelas, sendo com
resionsabilidade de seus senhores: na ra larga do
llozario, padaria n. 48.
Aluga-se a loja do sobrado, n. 40. do Aterro*
da-Ba-Vista, que faz esquina para o becco do Mar-
lins, propria para qualquer cata de negocio e com
bons commodos para familia : a tratar 110 paleo da
Santa-Crua, n. 70, segundo andar.
-- O Sr. redactor do biario de Pernambuco tenha
a boniliidc de dizer se o abaixo assignado foi o autor
de uns annuncios ltimamente publicados neslo
jornal, aceica de uma tal machina de vapor para fa-
zer barhas.--*/Miio,/ofa'- tarta Machado.
NSo foi o Sr. Antonio Jos de Faria Machado,
o autor dos annuncios i que se refero --Os Kll.
Joaquim Ferreira da Costa, Portugus, retira-so
para o Rio-de-Janeiro.
Joaquim Cabral e Mello, subdito portuguez, re-
tira-se para a ilha de San-Miguel.
Manoel Comes da Silva vai a Portugal.
Aluga-se uma casa terrea, sita na ra dos Pes-
cadores : quem a pretender, dirija-se ra da Sen-
zalla-V'cIha, 11. 70, tecceiro andar.
Precisa-sede um homem para andar venciendo
cfTeilos, acompanhado dn um preto para carregar :
airas da matriz da Boa-Vista, casa de sotflo, n. 4.
Frecsa-se alugar uma escrava :
airas d matriz da Ua-Vista, casa de so-
to, n 4-
A Viuva Sevo & Filhos fazem publico que muda-
ra-m sua residencia para a ra do San-Francisco, ca-
sa de um andar, confronte ao theatrode San-Fran-
cisco.
Aluga-se um escravo fiel, o qual sabe cozinhar
odiarlo de uma casa : quem o piclender, dirija-se a
ra da Cruz, n. 64.
Maicolino Jos da Silva vai ao Rio-Crande-do-
Norle tratar de sua sade..
I.ATIM.
Uma pessoa, sufllcieiilemenle instruida na lingoa
latina, como consta da rerlldiio do seu exame feilo
na academia, propOe-se a ensiiiar a .lila lingoa, para
o quo recebealguns principiantes, mediante um m-
dico e rasoavel estipendio, pHimeitenilo esmerar-se
quanlu lh'fr possivel no seu ailianlaiaculo, e 110
bom coniporlamento para com os un sinos alumnos.
Na ra do Queimado n. 14. primeiro andar, se dir
quem a islo se prupOe.
O Sr. Francisco Jos Favo nao se
pode retiran sem que pague primeiro o
que deve a Vicente ,\lrcs Alachado.
Aluga-se um preto cozihheiro : na ra do Li-
vraincuto, n. 22, lerceiro andar.
Precisa-so alugar um preto bom trabalhador de
masseira, pois que se nflo olha dar bom aluguel.
Tainbeiu preciss-se de um bom amassador branco,ao
qual, Sabendo bem desempouhar o seu lugar, nflo se
duvidara dar bom ordenado : na padaria da Passa-
gom-da-Magdalena, de Domingos Antonio da Silva
Beiris.
----------------------------------
- Qualquer capitSo de campo, ou encarregadot -Aluga-se a loja do sobrado n. 5 do Aterro-da-
de polica poderi prender o escravo Francisco, de Roa-Vista ptima para todo o gonero de negocio,
nacflo Mozambique, ceg de um ll ; levou cal-
cas de lirim camisa do mailapollo e bonete na cahe-
ca ; he baixo egrosso doorpo, barba feila Entre
Ireguem -noa seu senhor, Joflo I .cite Pita Orligueira,
morador na ra da Cruz, n. 12.
Manoel Fontana, subdito hespanhola, retira-se
para o Para levando em sua companhia dous cria-
dos Manoel Antonio do l.ago o Alberto Plane, am-
bos hespaiihcs.
Urna pessoa quetem do relirar-se para frs do
imperio vende urna mobilia em muito bom estado ,
contendo osobjectos seguintes : duzia e meia de
eadeiras duas banquinhas, uma mesa redonda para
meiodesala, um sopb: ludo de Jacaranda; um
aparador, um guarda-louQa duas marquezas de
amarella, umtoucador de Jacaranda, urna cadei-
rinlia de anual de goslo moderno: todos estes
objectos sito modernos e de gosto, por preco mais
rasoavel possiel : na ra Relia, 11. 40.
Os Portuguezes abaixo declarados retiram-so
para fra do imperio Jos Joaquim da Silva Peroi-
ra, com Thereza do Jess ; Jos da Costa ; Manoel
ConcMvcs llonsinha; Antonio Joaquim da Costa;
Manoel do llego Corrcia Barros coni Anua Joaqui-
na dos Prazercs umTilho menor; Joaquim Morei-
ra de Almeida Liares; Alberto de Franca Abren e
Castro; Antonio Joaquim do Carvalho, com um li-
Iho menor ; Francisco Jos Pereira com sua inu-
llier e Ires filhos ; Jaeinlho do Coilo Falco ; i'ran-
cisco Jos Puvflo com sua mullior e 4 lilhos ; Joflo
Baplista dos Pasaos ; Colhieb lluurgs Suiseo, com
sua mulher; Jos Bernardino de Mallos Cuimarfles.
Arrenda-se, ou vende-se um sitio no lugar dos
Afogados com arvoredos de fruto, viveiro e pro-
porces para utros : a Iralar na ra Diroila, do lado
da ipeja do Teicn, 11. 139.
lin rapaz brasileiro, quetem pratica de com-
mercio, se oflerece para eserever eai horas vagas,
ou domingos e das santos, a qualquer dono de es
tabelcclrocuto que por sua naluroza nflo possa ter
nm caixeiro effectivo, acrescendo quo o annuncian-
lealmdeter boa lettra, sei commodo oai seus
ajustes: quemo pretender annuncie.
Precisa-sede um feilor para um engenho na
provincia das Alagoas : na rus da Praia, n. 5.
Um Portuguez de 34 anuos, e que existe ueste
paiz ha 8 anuos sempre servindo do feilor de en-
genho se ollerece a algum engenho para o mesmo
lini por entender de luda ptantacflo de caima al de
arado e do qualquer modo que u senhor de enge-
nho determinar ; o elle tambam'sabe ler e eserever :
quem de sou picslimo se quizer utilisai dirija-se
a ra da Praia, casa do anzolciro, n 60.
Russell Mellois&C. mudaram sen escriploiio
e armazem de fazendas da ra do. Vigario, n. 23, para
a ra do'Trapirhe, 11. II.
O Sr. Manoel Joaquim, que por vezes lein ido
de corrcioa Sergipe,sendo epeira fazer para all uma
viagem, tenha a boudade ilc apparerer quanlo antes
em Olinda, ra do Amparo, sobrado do ponto, onde
acharaVeini quem tratar.
Na ra do Queimado, n. 14, se dir quem d di-
nheim a premio. Na mesma vendem-sc medalhas de
ouro, 2 hbitos de Christo, 2 relogios, concilles,
trancclins, brincos, anueloes, 2 coras, rozelas e 011-
lias obras, assim como um piano para se apronder.
-- Alguus Srs. passageiios que vieram do Rio-de-
Janeiro ou do Hiu-Craude-do-Sul, e que lenham car-
Ub para entregar al). Henriquela Amalia de llrito,
queiram procura-la na travessa da Ordem-Terceira-
de-San-Francisco, n. 6.
Cluistiano Jos Tavarcs, Portuguez, relira-se
para lora do imperio, e leva em sua companhia sua
mulher, uma lilia de 1 auno e f criado.
Aluga-se um sobrado de tres andares no lar-
go da Assembla : na praca da Independencia li-
vraria lis 6 e8.
Jos do Simas (Jarcia relira-se para a costa
d'A frica.
Precia se de urna ama, para o ser-
vico interior de caso de pouca familia: na
pela sua escolente localidade : a tratar no mesmo
sobrado, a qualquer hora dodia ondalambem se
far negocio com a armaeflo envidraba, existente
na mesma loja.
Aviso ao resucita'el publico.
f.uilhermcFredcrico Waller, como tenha de de-
morar-se por mais algum tempo, pela bstanle con-
currencia que lem tido avisa as pessoas que o lean
fallado para tirar retratos que apparecam quanto
antes uestes 10 a 12 das,
,2
Roga-se a lodos os senhores foreiro de enge- m
jfe nhos, predios e terrenos perlencentesao jialn- &
# tflo a dover foros vencidos de um, dous ou #
9 tros anuos, quo hajam do satisfaze-los quanto A
antes, afim de nflo seren publicados os seus
@ nomes comas precisas declaiacoes. #islo que
* uannunciaiilo de balde se tein esforcado em
? fazer ossa cobranca.
s
- Ernesto Augusto Cordeiro retira-se para Lisboa.
- Clifgaram do Uio-de-Janeiro com-
mendns da Kosa, cliapaspsra ofiicitesda
llosa, ditasde Christo, ditas do Cruzeiro,
hbitos di llosa, ditas de Christo, ditas do
Cruteiro, tanto pcqueuas como grandes,
e a vista se dir o preco : na ra do Cres-
po, loja 11. 17, de bmos Nevca fc Gui-
maiaes.
Compras.
ra Nova, loj* l'ranceza, 11.
3.
na ra Uirci-
Roga-se aoSr. Francisco de Alhemas de- Aqui-
110 que, antes de se reinar pata a ilha de San-Miguel,
v pagar o que dove na tua da Penha, venda da es-
quina por baiso do sobrado.
Cozem-so costuras de homem e|Ue senhora com
promplidflo e asseio : na ra de Aguas-Verdes, nu-
mero 86
Quem liver adiado |uns oceulos com aros do
casquinha, querendo reslilui-lus, poder levar ra
do l.ivramenlo, na loja do fazendas, n. 2, que lera de
grslificaco 2,000 rs.
Os Portuguezes Manoel Oas Ferreira o Bernar-
dino Francisco Ferreira reliram-se para Portugal.
Fr. Joflo Capislrano de Mcndonca lem aberio no
convenio deSanlo-Autonio desta enlacie um curso
de geograplua e historia, e outro de rhetoiica e po-
tica : os Srs. que osquizerem frequentar, poderlo
dirrgir-se ao mencionado convento qualquer hora.
Joaquim Pereira Arantes, com loja de calcado,
roga aos seus devaoies que venham pagar-I lie suas
contas tomando em consideracflu que calcado s
se compra a dinheiro, e os meamos Srs. estflo mui-
to atrasados nos seus pagamentos.
Precisa-se de um bom forneiro
ta, n 79.
Precisa-se de um pequeo de 12 a 15 anuos ,
que tenha praatica de venda e seja desembaracado :
na se olha a "dar mais alguma cousa : no pateo do
Carmo, venda por baixo do sobrado novo.
Perdeu-se, no dia 5 do crrenle, quinla-feira-
snta, visitanilo-.se as igrejas, pelas nove horas da
noite, uma cala redonda de tartaruga, bastante for-
nida a qual eslava clicia do rap : quem a achoii ,
querendo reslitui-la dirija-se ra-da Aurora, n.
62, lerceiro andar, quo ser rcoompensado.
-Quem precisar de uma pessoa capaz para admi-
nistrar qualquer estabelecimcnlo de negocio na au-
sencia de sen propnetario ou mesmo para um h-
bil raiseiro dirija-sc ra da (iadcia-Vcllia, n. 53,
que se Iheassegura a sua boa conduela.
Izidro Jos Caparica embarca para o Rio-de-Ja-
neiro o seu escravo ci ioulo, de nome Rafael.
Jos Baplista da Fonscca Jnior embarca para
o Rio-de-Janeiro o pelo Antonio escravo de Joa-
quim Antonio Viunna do Maranhflo que I lie re-
mntteu Manoel C.oucalves Ferreira .Nina da mesma
cidadn.
Jos Baplista da Fonscca Jnior tem para ven-
der no armazem do Bacelar delimito da escadinha
da alian dega OU na na do Vigario, 11. 25, a me-
Ihor farinha em saccasque ha 110 mercado, a pre;o
menor que ncuhum outro possuidor.
Joflo da Silva Braga laz publico que vendeu a sua
loja de selleiro, que linha na ra Nova, delicile do
Oitflo da mal i/, e est em milra da mesma ullicina de
SF.I.LF.Il'.O, NA RI;A 1)0 QDEIMAUO N. 9, onde os seus
freguezes acharflu sempre 1 completo sorti.-iiento do
obras-daquclla arte, como sejam : sel luis de todas as
qualidades, tanto para montara do homem, como
para senhora, apparelhos militares, tanto para ca-
vallaia, como para Plantara, e colchOcs de diver-
sos (manilos e qualidades,
Na ra larga do Rozarlo, segundo andar, por ci-
ma da loja de luucv, precisa-so du urna ama que te-
nha luite, que soja moca e que nflo tenha vicios iiom
achaques : qualquer hora do dia achara com quom
Iratar.
Precisa-se de um caixeiro de 14 a 16 anuos, o
qual tenha alguma pratica de loja de miudezas : na
ra larga do llozario, ioja 11. 26.
Manoel dos Sanios, subdito portuguez, relira-se
para Portugal.
Aluga-se um engenho de porten as fechadas ,
corrondo-se o risco dos escravos e auiaiaes : quem
liver annuncie.
Jos Trilho Fontes, subdito hospanhol, retira-
se para fora do imperio, com sua familia.
Retira-se para a tilia de S.-Miguel Francisco Al-
berosiz de Aquino a tratar de sua sade.
Compra-se um pao para tipoia : na rus du Pas-
seio loja de fazendas, n. 21.
Compra-se urna mobilia de oleo, ou de angieo
que esleja cm bom uso : quem tiver jintiuucie.
-- Compra-se ma rotula das antigs com 5 psl-
mo's emeio do largo e II de comprimenlo: na ra
dosMailyrios, n l.
Compra-se uma rotula em bom uso: quom a
liver, dinja-sua ra da Cruz, 11. 64.
Compra-so uma casa de um andar ou- terrea ,
com commodos para familia : na ra do l.ivramen-
lo, n. 22, lerceiro andar.
Compra-se o segundo volume do Panorama do
auno da 1838 : na na estrella do Un/ario, n. 4.
Comprain-so o vendem-se escravos e lamben!
se receben de commissno 1 na ra das Laraiigeiras ,
11. 14. segundo andar.
Compra-se um braco de balance peso* e seus
perlenccs proprios para armazem de assucar : na
ra da Cruz, uo Recite, armazem 11 :U.
Compra-se uma piensa do copiar tartas que
csteja em bom estado quem tiver annuncie.
-- Compra-se "ou aluga-se uma liteira u.ada :
quema tiver annuncie, ou dirija-se s Cinco-Pon-
tas, n. 71.
Compra-se uma preta, ou parda que cozinhe
bem e engoinme e seja desembarazada nflo se
olha a prcc,o : na ra do Vigario, n. 24.
Vendas.
Carnauba;
Vende-se, na ra da Cruz, n. 21, uma pnrclO de
cera de carnauba de superior quslidade, e por lo-
do o pr.-co.
Depreciacao.
Vendem-se pecas de cambraia com 21 covados ,
de I mis desodlos opliuias pata colimados e mes-
mo para veslidos sem a menor avaria pelo barato
preco de 3,500 rs.; cortes de cassa com 7 varas, que
ja valeram 6 t 7,000 rs. por 2,000, 2,500 e 3,000 rs.;
pepas de parisiense, lingindo seds com 8 varas a
3,000 rs ; Ifla de boa qoalidade, para veslidos, a 320
rs. o covado; princczlnha dn seda escurs, mu
transparente, propria para mosquileiros a 400 rs.
o covado : na ra do Crospo, n. 11.
Vende-se urna rica loalha, 2 lencos de lavaria-
10 2 redes de veranda velas de carnauba liquida,
j bem contiendas pela sua durac&o, por preco com-
modo : na ra esticita do Rozario, 11. 13.
Km casa de Hebra rd ce Companhia, na ra do
Trapiclio-N'ovo, 11 22, vendem-se salame de Rolonha
e queijos de Cnn ere muito frescos.
No armazn] do Bacelar, vende-se arroz de va-
por a 1,400 rs a arroba.
--.Na 111a dasCruzes, n. 22, segundo andar ven-
dem-so duas escravascrioulas qne sflo engomma-
deiras ecostureiras ; urna ilila de todo o servico ;
11 m escravo do servido de campo : lodos de bonitas
figuras.
Vende-se urna fazenda de gado as cabeceiras
de Ca in -de-I ora de nome .Noruega ,_ com vertente
d'agoa permanente, ea mellior Ierra que se conh-
ce para criar e plantar, com exlensflo para tres fa-
zendas .sendo o seu nico elogio a gravidade de
nflo ha ver secca quo mate o gado visto que a qua-
lidade do pisto he tal, c a abundancia d'agoa,
nflo s da fazenda como das eircunvizinhancas, que
vive ludo farto e lem de mais a mais lugares pro-
prios para sollas,|creados quasi pela natureza. lima
propriedade propria para criar gado de toda a qua-
lidade, 110 lugar da Pitombeira no Cariry-de-Fra,
junto ao Bodocong. t'm engenho na comarca de
c01a una, pe lo da cidad.', sito cm torras muito fer-
iis margen) do Sirigy com exlensflo para dous
grandes engenhos, um marcado prximo ao outro
que Ihc empresta a incllior cominoJida.le desvian-
do cm ptima o plana estrada para a cidade, com
lilallas sulliciunlvs o mullo maneiro por estar de
prusio ha alguus anuos ,pelo que necessita do certos
reparos as ulnas que com quanto Sejam de lijlo e
arueira todava se tem arruinado. Faz-so qualquer
negocio por uma propriedade na comarca de algum
lugar de areias com ordinaria sulliciencia para edili-
car-se um engenho segundo a bondade c mesmo
di ii:ensilo doten eno : os pretendenlcs dirijaiii-se a
ra larga do Rozario, n. 48, segundo andar.
Na ra do Queimado, 11. I ij, ainda
ha para vender om resto de ateas com
arroz pil .do, muito superior, e por preto
commodo.
Vende-se um fardauento, inda nflo servido, pa-
ra ollicial ou iuferior de cavallara de guarda nado.
nal : na ra Nova, n. 16.
I
1 ,
_
1 -.hall J. iaaai



K^tms*-m^^
,3
*
~ No armazem de Francisco fias Ferrpira, no
caes da Alfandcgn vende-se ffijAo mulatinho sem
mistura e de omito boa qualidade.
^unrriorcs charutos.
No armazem de Vicente Ferreira da Costa, na ra
da Madre-Ppos vendem-se superiores charutos,
chegados i! lialna no date S.-fenediclo cm caixa
e barricas pHo dimnulo prego de 6,5uO, 7,000 e 10/
rs, o millu-iro.
Vende-se arroz de vapor, dito de casca, dito da
trra sacras com milho : tudo do melhor que ha no
mercado, por prego romrnodo : na ra da Praia ,
becco do Carioca, luja de alfaiate n. e venda
n.27.
Vende-se cal virgem de Lisboa, de superior
qualidade embarrisde4 arrobas, cliegada neste
mez pelo brigue Maria-Jot : a tratar na ra do
Brum .armazpm de Antonio Augusto da Fonseca ,
ou na ra do Vigario, n. 19.
Vendeni-se sellins inglczes e camas
de ferro : "na na da Senzalla-nova, n. 4a.
Agencia da fundicao
I.ow-Moor, ra da Senzalla-
nova, n. 42.
Neste estabelecimento contina a ha-
ver um completo sortimento de tnoenrlas
rucias moendas, para engenho ; ma-
chinas de vapor,e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, para dito.
Vende-se ca virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio,"em barris pe-
queos, por'menos do que em outra qual-
quer parte : na ra do Trapiche, arma-
zem n. \-.
Vcndem-se pe^as de madapoln largo, com 20
varas proprio para forro o para roupa de escravos ,
a 3,000 is. ; lencos linos de cambraia e com palmas ,
proprios para as senlioras devotas da l'enha traze-
rem a cabera a 500 rs.; lindas grossas., muito for-
tes a 200 rs. urna quarta ; chitas de cores fixas, a
160 rs. ; selineta a nove vintens o covado : na ra
do Passeio, loja n. 17.
Vendcm-sa, na ra da Cruz, n. 21,pedrasde mar-
more francezas para mesas redondas e consolos.
Vendcm-se, na ra Direita taberna n. 53, sac-
cas com um alqucire do milho novo, a 3,500 rs.; di-
tas com arroz pilado; ditas com caf; ditas com
feijflo e tos os mais eeitos de venda mais barato do
quo im outra qualquer parte ; bem como uina pe
(fio de madeira de louro oleo para marceneiro, e
travs de diversas grossuras.
"Na ra do Cabug u. i A, loja de
I'rancisco JoaiJuim Duarte, ha para ven-
der bolSes de I*. 11, da primeira, se-
gunda e terceira qualidade ; ditos de ca-
> aliara da guarda nacional c volunid-
rios ; ditos de casacas, amarellos e pre-
tos ditos de libr de pagens ; ditos de
seda e de vidro e wadruperolla, proprios
para vestidos de senhoras e meninos; man
tas de selim paru meninas, 8oo rs ; len
eos de garca a 8oo rs ; fitas de setim de
ns. 6, i)c u ; setim de cores, a 900 rs.
o covado ; lavas de pellica, a 800 rs ; di-
tas enfeitadas, a a,000 rs ; ditas de seda,
a 700 rs; lencos de grvala, a 1,600 rs.
e 1,000 rs ; galoes finos largos e estrel-
lo; dilos de palheta, brarcos c amarel-
los ; volantes e trina ; espigilhas e ren-
das ; llores artificiaes ; capellas de flores
de laranja ; peifumaria fina ; toncas de
laa feitas no Bio-de-Janeiro : as a mos-
tras se acham patentes aos Srs. compra-
dores, c se vender tudo por piceos rasoa
veis.
Conlinuam-se a vender corles de vestidos de t
camliraia com lindas barras blancas e de
cures, a 2,000 rs. ; ineins compridas azues ,
mescladas, rouxas, esverdeadas o pretas a
120,160 e 200 rs. o par; suspensorios linos
de iiu'iii, a 120 o par; botdes.deduraquo |ire-
to, a 40 rs. a duzia : no paleo do Cumio ,
11.18, segundo andar.
Com mito pendente
He que os eu quero;
Ao liom e batato
Ku c os espero.
NA Itl'A l0 QUEIMADO N. 16, I.OJA DEJSE' OAS
SIMOES & COMPAMIIA.
AOS SRS. ARMADORES.
Vendem-se, por prego maiscommododo queein ou-
tra qualquer parte, volantes largoseestreitos, bran-
co e de cor, bem como trina larga e eslreila, ren-
da prateadao ilourada, espeguilhas, galiio entrefi-
no, &, <\, di.
AO BOM COSTO E DA MODA.
. Froco, filas de velludo de todas as cores, proprias
para enfeites, e muito proprias para a cabezadas se-
nhoras ; bem como fitas lavradas e lisas, asselina-
das, do mellior goslo possivel; bicos de lindo de su-
perior goslo e qualidade; agulhns francezas, muito
linas, lano em callonas como em caixinha; linda
de marcar azule encarnada, muito fina; luvas do
pellica de todas as qualidades; meias de seda e al-
godflo brancas e pretas para senhoras; bicos ; pentcs
de tartaruga para marrafa; ditos de bfalo para ali-
sar e de vanas qualidades; os maia linos perfumes
de varias qualidades; escovas e pos de denles; ditas
para cabello, muito finas; ricas cutilarias, contend)
varias qualidades de lesouras para coatura o bor-
dar; dilas para unhas; e um completo sorlimenlo de
ludas as fazandas, proprias de loja de miudezas.
Vendem-se dous pretos de inna dade, pro-
prios para o servido de campo, pelo barato prego de
.'.00,000 rs. amboa: 00 Aterro-da-Boa-Visla, loja de
ferragens, n. 46.
Vende-se urna graceja servida em mnitobm
estado, e que he propria para acougue: na Cinco-
Puntas. n. 32.
Vende-se, na ra da Moda. n. 10, segundo a-
ilar um moteqiw de 18 annos. de nacflo ; urna pre-
a de 30 annos, crioula, qup cose chlo he quitan-
deira p faz Indo o mis arranjo do um casa : o mo-
l vo da venda he porseu senhor rclirar-se para fra
do impprio.
Vende-se, na ra Nova, n. 56, um guarda-louc
com pouco uso urna commnda de Jacaranda um
relngio de quadro mudo superior um par de va-
sos de porcellana com llores, de muito buin gosto ,
duas mangas de vidio pararse ter santos com de-
cencia um diccionario latino da ultima edig.lo
tudo se vende muito barato, por seu dono ter de
retirar-se.
-- Vende-se, na ra da Mnda, n. 19, segundo an-
dar, urna mobilia de Jacaranda contendo 12 cadei-
ras 1 supla 2 bancas, 1 dita de mejo do sala 1
com moda 1 tourado>,1 Icilocom seus enxergfles
em hom uso 1 candieiro francez de meio de sala ,
12radeiras americanas, nina jarra da Babia para
agoa 6 qoailros da CiilleCCSo de I) Ignez de Castro ,
em hom oslado e oolros mullos liastes : tudo por
barato prepo, por seu dono ter de retirar-se para
fra do imperio.
Nao se deve perder a boa
occasio.
Em consequancia do una nova pnslura da cma-
ra na qual obriga a mudanga dos csladelecimenlos
de fogos activos al o dia 10 de maio do correlo
anuo, o abaixo assignado vende um muito Imm
alambique de cobre, com urna grande serpentina de
estando ,com caldeira que lova 45 caadas, e de
novo systema ; tem tres relificadores os quaes fa-
zem elevar na primeira destilagiTo o oleool a 38 a 40
graos, e sendo que deslila garapa eleva a 36 graos,
ludo da primeira deslilagilo e os espiritos silo da
melhor qualidade, pordeixar um deposito nos re-
lificadores e sahir na deslilagilo o espirito sem chei-
10 ; arha-se montado, promplo para o comprador o
ver c conhecer o quanlo de simples, por isso torna-
se muito proprio para se assenlur em algum enge-
ndo, por- nflo exigir grande trabalho tanto para o
montar como para o andamento : no Aterro-da-Boa-
Vistu, n. 17, fabrica de"licores, de Frcderico Chaves.
--Vendem-sebotOesdourados ilisose muito linos
para fardas na ra Nova, n. 30, loja do ferragens de
Audrade c\ Moi'cint.
Continuam-se a vender, na loja de Maya Ramos
& Companhia retratos das pessoas mais preeminen-
tes de Portugal. Faz-se igualmente sciente aos Srs.
miguelislas que o retrato desse principe tambein se
acha a venda na mesma loja assim como assogura-
se ser muito semulhante por haver sido retratado
do original em 1848.
Ao barato.
No Pssseio-Publico, lojas ns. 9 e 11, de Firmiauo
Jos Rodrigues Fcrreira existe urna porgfio de chi-
tas-cussa de cores seguras que so vondem pelo bu-
rato preco de 200 rs. o covado; bom como riscados
em cassa ;cassas ercarnadas, a 160 rs. o covado;
cortes de cassa-chila de ricos padrOcs a 1,600,
3,500 o 3,600 rs-; eoutras muitas fazendas baratas.
Vende-se na loja de Maya Ramos & Compa-
nhia, um dos mais bellos jornaes qWe em Lisboa se
leem publicado e que se intitula I nivertu-l'itto-
risco he de multa nstrucgfloe recreio e seus au-
tores so os melhcrcs escriplorcs que ha em Portu-
gal : adverle-se que cada numero do dito jornal traz
quatro gravuras differcnles lilhograpbadas em ri-
co papel : adveitc-so mais que > obra he de 6 volu-"
mes em biochura, a contar de 183!) a 1844, c que s
assi::i se vender.
Superior farinha.
.Na ra do (.ollegio, venda de Scbastifio Jos Co
mes l'cnnu, vunde-se superior farinha em saccas
glandes, a 4,000 rs. cada una.
Cheguem, fregurzes, ao bom
c Iresvestes barato.
Vcnde-sc velludo de seda, de superior qualida-
de ; ricos cortes de vestidos de seda, proprios para
bailes e casamenlos ; chales de seda arela lavrados
e de superior qualidade ; sarjas adamascadas deco-
res ; ricos corles do collcles ; chalet da lila de de-
ferentes crese gustos e alguna de tamaito pro-
prio para meninas; pannos .para cima do mesa, de
muito bom gosto ; selins lisos de dilTerentes cores,
de superior qualidade e imitando os de Macu ; fi-
las ricas para enfeites o outras mais baratas, pro-
prias para boceleiras ; lencos du seda para algibei-
ra ; ricos adeiecos de 011ro chegados ltimamente
da Frailea c do molhor goslo condecido; merinos
de todas as cores : pannos finos d crese algmis
proprios para palitos e capotes : ludo pelo mais Dal-
lo pic(0, por ser para liquidagilo : na ra do Trapi-
che, no Hotel-Francisco.
ACOA DETINCIR CABELLOS E SUISSAS.
Contini'ia-sc a vender agna de lingir cabellos e
suissas : na ra do Queimado, n. 31. O mclhodo de
pplicar a dita agoa acompanlia os vidros.
Vinho barato.
O proprielario deste estabelecimento, desejando
conservar os seus freguezes e nflo Ido sendo possi-
vel pelo prceo de 160 rs. a'garrafa visto ter o ge-
nero subido cerca de 20,000rs. por pipa, em raso
de nao ter viudo ao mercado,fbem contra a sua von-
ladc, \.-se na dura precis.lo do augmentar o pre-
qo o pelas rases apontadas, conia que seus fre-
guezes Ibe l";n ;ni; lu.-i ii,-i e se nflo- escandalisarflo.
A diiiheiro.
Sapatos inglczes; dilos de Nantes ; ditos de Paris ;
dilos do Ai aealy ; e lodo o mais calcado que ae faz
preciso tanto para bomem como pura senhora e
crianzas ; assim como soso dar a amostra como
competente penhor para evitar fiados : na prara ds
Independencik os. 13 e 15.
Vriidein-se 2 esclavos, sendo um prelo, mor;o,
de bonita figura e um mulcque de 12 anuos pouco
maisou menos, sem vicios nem achaques : na ra
do Crespo loja n. 2 A, se dir quem vende.
Vende-se um bonito escravo de 25 annos que
da duas patacas por dia : na ra Imperial, 11. 39.
Vende-se a verdadeira potassa da
ttussiii, desembarcada hontem, por pre-
90 muito rasoavel, vista de sua muito
superior qualidade : na ruado Trapiche,
11. 17, e ra daCadeia,.n. 34
Vendem-se 4 lindos moleques do 12 a 18 annos ;
3 pretos de 25 a 30 annos; dous pardos de 18 a 25
annos; 2 negrindas de 9 a 12 anuos; urna mulati-1 covado : na ra do CoHegio n. 3. Na mesma loja
uha de 16 annos com algunas habilidades; duaal veudem-sepanuo¶ mesa a 1,400 rs. cada uui.
metas rom alguns habilidades : na ra do Coliegio,
n. 3, secundo andar se dra quem vende.
-- Vendem-se hnrris com breo, no ar-
mazein n. 'o, defronte da guarda da al-
fandega, por preco muito commodo: no
mesmo armazem compra-se um pardinho
nu moleqne de doze a desasis annos: a
tratar d s 9 at 4 horas da tarde.
Sementes de hortallce,
vindas de Lisboa muilo novas e de todas as qna-
lidailes; feijflo carrapato; hervilhas tortas; dilas ne-
noveza ; dilas de Angola : na ra da Cruz no Re-
cite, n. 62.
Luvas de pellica-
Vendem-se luvas de pellica para senhora da me-
lhor qualidade possivel; oculos de diffrenles graos e
vidros : na ra larga do Rozario, n. 24,
Chitas a 5,600 rs.
Na ra do l.ivramentn, n. 14, vendem-se pec,es de
chilas de quadrns a 5,600 rs., eom covados a 160
rs. lencos com tiico as ponas multo linos, a 48(>
rs.; meias pretas dealgodflo, muilo linas, para
senhora ; chitas escuras, a 180 rs. o covado; ditas
escarate, a 7.600 rs. a peca o o covado a 220 rs.
e outras minias fazendas por barato preco
Vendem-se gigos com Jjatt tas fran-
cezas, novas: na porta da Alfondega, no
armazem de Joaquim da Silva Lope
n. 20.
trelo de Lisboa, em barricas :
vende-se no armazem do Vicente Ferreira da Costa
na ra da Madre-do-Deos a 3,600 rs. novo o che-
gade ltimamente de Lisboa.
Continuam-se a vender saccaa com superior
colladas fabricas do Itio-Crande-do-Sul, por pre-
co commodo : na ra da Moda, n. 7.
Madeira de pinho.
mh ra de Apollo, pegado ao armazem do Sr. Mol-
la ha um lerceiro armazem com madeira de pinho
da melhor qualidade que tem viudo a este mercado,
o serrada de todas as-grossuras e comprimenlos :
en de-se pelo menorpreco que he possivel.
Potassa.
Desembarcou ha. poucos das urna por-
cao de barris pequeos, com muito nova
e superior potassa, e se acham a venda,
por preco mais barato do que ultima-
mente se venda, na ra da G.adcia-Velha,
armazem de Bailar&Uiiveira, n. 13.
Aos filmantes de bom gosto.
No armazem de moldados atrs do Carpo-Santo,
n. 66 recebe-se por lodos os vapores viudos do su I
porc.Ho de cigarrilhos hespanhes dilos de palha de
milho assim como superiores charutos de varias
qualidades : tudo se vende por prego mais barato do
que em outra qualquer parte.
Vendem-se saceos com superior
feijo miilalinho, a 5,000 rs. cada urna :
na porta da Allandega, armazem do La-
ral c i id n. ao.
~ Vende-se o engenho Novo do Cabo para paga-
mento da iiypotheca que nelle lem o Sr. Jo fo Vieira
da Cunda : quem o pretender dirija-se ao mesmo en-
genho a tratar com Francisco Jos da Costa.
Vendem-se presuntos inglozes pau fiambre;
hilas com dolarlonbas de Lisboa ; ditas de araruta;
dilas de maimelada de 1, 2 e 4 libras ; ditas de sar-
dindas ; ditas de hervilhas ; dilas de chocolate de
Lisboa ; frascos lo conservas ; ditos d'agos de flor
de laranja; barris com azeilonas brancas de Flvas ;
garrafas com viudo moscatel de Selubal e da Ma-
deira ; queijos de prato, frescaes : ludo novo e
chegado ltimamente do Lisb : na ra da Cruz,,
no llecife, n. 40.
CIIA'BRASILEIRO.
Vende-se.ou armazem do molhados atrs do
Corpo-Sanlo n. 66, q mais excellente cha produzi-
do em S.-Paulo que lem viudo a este mercado ,
por preco muito commodo.
AlgodAo trancado da fabrica
de Todos-os~Santos da
liahia,
muito proprio para saceos de assucar o roupa do es-
cravos : vende se em casa de N. O. Bieber & Com-
panhia, na ra da Cruz, n. 4.
Presuntos.
Vendem-se superiores presuntos inglezes para
Hambre, chegados no ultimo navio; no armazem
do llraguoz ao f do arco da.Conceicfio.
I o!ha de 1' landres.
Vendem-se caixas com folha de Flandres : em
casado J. J. Tasso Jnior : na ruado Amorim, 11. 35.
Vende-se resina de angico, muito superior a
320 rs., levando de8 libras para cima : na ra da
Cadcia do Itecife, loja de ferragens, de Joflo Jos de
Carvaldo Moraes.
Vende-se um Tbompson, um Vi-
gario de YVekeield e um diccionario gco-
graphico, bistoricoedescripto do imperio
do lirasil : tudo por precos commodos,
tanto por junto como cada um de per si :
na na do Queimado, n. II.
--Vendem-se 300 barricas vasias, por prec-o com-
modo : na ra larga do Rozario, padaria n. 48.
Vendem-se ps de larangeiras da China de 4
a 6 palmos para plaular ; bum como limoeiros pa-
u erica: ludo por menos prego do que em outra
qualquer parte : na estrada dos Afuictos, segundo
silio, direita.
Cortes de calcas, a l,'J80rs.
Vendem-se coi tes decalcas de gambrces, pelo
diminuto preco de 1,280 rs. : esta fazenda lie de
muito corpo, escura e propria para a presnteosla-
eflo ; riseaiave para vestidos escuros e da crs se-
guras, com cinco palmos de largura, a 300 rs. o
yin lio barato.
Arha-se cstabelcrido na ra da Madre-de-Deos
n. 36, um armazem do '
Yinhos da Figucira
le ptima qualidade a preco de 1,320 rs, a, cana-
da e a 180 rs. a garrafa ,e para n-lo havpr dn|i> do
comprador serflo lacradas as garrafas e com rotu-
lo, recebrndo-sea garrafa vasia e dando-se imme-
diamente a outra cheia : tembem ha barris muito
pequeos, proprios para quem passa a festa. O po-
prieta rio deste eslaheleci ment pede encarecida-
mente quesc nfio illudam avallando pelo diminuto
preQO e sem conhecimento de causa a qualidade de
sua fazenda digna por certa da estima dos verda-
deros amantes da boa pinga ; elle conta que quem
un a vez pruvar continuar com gosto o sem arre-
pendi ment. E o bom preco.'! A todo o ei ponto
accresce o asseio e hom acondicionamento, oque lu-
do se poder verificar em dito estabelecimento.
Sa ra doQu -imado, n. I,
vendem-se cortes de seda branca, proprios para vel-
lidos de noiva, os mais modernos e os mais reos
que tpem vindoa este mercado. ^^,-
Na ra eslreila do Rozario defronte do Nrcoo,
n. 4 vendem-se os seguintes livros, por prer;o com-
modo : Maguum Lexicn 1 v.; Virgilio, 3 v ; Ho-|
rucio, 2 v.; Tilo Livio, 1 v ; Corneli, I v.; Ph-dro,
1 v. ; Salustio, 1 v ; Cicero, 1 v. ;Sel-cta, 1 v.; dic-
cionario ingle?, 3 v. ; Mealre iuglez, 1 v. ; gramma-
tica franceza ; 1 v. Telemaco 1 v. ; Fbula* de-L
Fontaino.lv. jGeographia deCaUltier, !'; cionario da fbula, 1 v. ; Pliijosoplna de Cliann |
v. ; diia deCousin 3 v ; Kloquencia nacin 1, 1 v.;
Manual de clnmica 1 v; dilo encyclopediOO, 1 v. j
Historiada America, 2 v.; e muitos mais livroade
instruecKo e recreio.
No becco do Peixe-Frilo, n. 1 vendem-se os
seguintes retratos : D. Mara II, rainha de Portugal;
duques da Terceira Saldanha e Palmella ; marque/
de Fronteira ; conde das Antas ; general Pevoaa; Si
da Bandeira ; debates no parlamento britaunico so-
bre os negocios do Portugal l v.; e o retrato de Gar-
ret: tudo por preco muilo commodo.
Vende-se urna cabra perfeila costureira', en-
gommadeira e cozinheia : na ra larga do Bozario,
loja n. 35.
Na ra das Larangeiras, n. 5, vendem-se cadei-
ras de angico, Jacaranda e mesas com pouco aso,
por prego commodo.
; Vende-se um moleque do naci, de 16 a 18 an-
nos de elegante figura, sadio e sem vicios, *B qal
lem dous annoa de ullicio de calafate : no Alerro-da-
Boa Vista n. 86, segundo andar.
Vende-se um bonito cabriole! discoberto e em
bom uso pelo baratissimo prego de 250,000 rs.: ni
ruado Crespo, n. II.
Vende-se urna parelha de encontr, muito
bons cantadores o muito fogosos e urna saa-ia que
canta muito bem : no pateo do Terco, n. 28.
Vende-se, na villa do l.imoeiro urna oflicina
de moer azeite de momona, cuja oflicina moa eom
duas rodas e animaea, est plantada a boira do rio ,
em um silio com boa casa de morada um armazem
de receber somente, urna casa defazer farinha, com
seus pertences, e leudo o mesmo sillo muitas fm-
leiras de varias qualidades e 6 bestas de roda para
a mesma odicinv : na ra Velha, n. 77. .
Vendem-se duas pretas sendo urna de 18 an-
nos, que coznda o diario de urna casa ; e a outra do
30 anuos, quede engominadeira : na ra d}_Amo-
rim, 11.19, primeiro andar.
Vende-se um cavallo rodado andador baiio a
meio : na cocheira do ir. Pessoa,
Fariniia de mandioca do Rio-de-Janeiro,
de superior qualidade por prego commado na ra
Lireita, 11. 17, confronte a matriz da Boa-Vista, ven-
da n. 88, e na ra do Pilar n. 120.
Escravos Fgidos
Fugio, do engenho Cambe no dia 22 do pr-
ximo passado, um escravo crioulo, de rime Jacob,
de 22 annos pouco mais ou menos de altura regu-
lar ; lem as peritas cambadas e com urna ferida em
urna dellas ; tem urna cicatriz em um dos lados di
bocea ; fui encontrado no dia 25 do dilo me?., no
engenho Qcimadase suppe-se ter seguido o cami-
nho do Itecife: quem o pegar leve-o ao dito enge-
nho a seu senhor Manoel Jos llenriques, ou nes-
la praga a Rodrigo daJCosla Carvaldo na ruado
Apollo que se rccoinrWisar generosamente.
Fugio, do engenho ltai/, da freguezia da Esca-
cada no dia 11 dopioximo passado o escravo Jo-
s de nacfio Angola reprsenla ter 45 annos ; ha
brixo o grosso do corpo; tem asperoasom pouco /
arqueadas para dentro e grossas; te ye. da pouco
lempo bexigas do quo conserva ainda sigues. Esta
escravo vcio preso da comarca do l.imoeiro ero 21
de outubro do anuo passado. I!oga-So as autorida-
des e qualquer pessoa que o apprehendam e le-
vein-no no dito engenho, a seu senlior, Antonio
Alves da Silva ou nesta praga a Rodrigo da Cosa
Carvaldo, na rfia de Apollo, que se recompensar
generosamente-
Fugio, nos primeiros dias de Janeiro prximo
passado do engendoS -Joflo freguezia do Cabo ,
um molecote do nome Anaslacio do 14 a 1( annos,
de bonita figura rosto muilo regular um pouco
fulo,falla baixoe brandamente; ievou cagase ja-
quelada liscadoazul e bonete : quem o pegar le-
ve-o ae dito engenho ou no Mondego nenia cida-
de casa de i.uiz Cuines fVi 1 cu. que recompensa-
r com 100,000 rs.
Fugio, dos arrabaldes da cidada da Victoria ,
do silio Tcrra-Prcla, um escravo crioulo, de norria
Joaquim de 24 anuos pouco mais ou menos, clieio
do corpo, nariz chato cor fula bem parecido; Ie-
vou chapeo de palha em meio uso, jaquela de chita
preta de lislras, caigas azues mugadas, camisa1)
ceroulas de algodo trancado azul, o outra de dito
blanco um podico du panno da Cosa de listras en-
carnadas. Esto escravo de natural do Brejo-das-Bi-
nani'ii as. Roga-se as autoridades policiaca e capi-
teles de campo, quo o appiclieiidain e levem-no
seu senlior, Kilippo Rodrigues Teixeira, 110 dito sil'"
ou 11a ra Uo Queimado, 11. 27, que serflo gratifi-
cados. ...
Fugio, no dia 8 do correle, de bordo do pala- ]
Cho ttova-Lw o escravo Thom crioulo de esta-
tura baixa e na figura uariz dalo, rosto redondu.
Cabello um pouco grande, roupa uiuiluauja, de 25
annos pouco maia ou menos : quem o pegar leve-o a
pragado Corpo-Sanlo, n. 6, primeiro andar, aa recompensado.
Peb>.
HA TYP. VE
M. F* Dt FAMA
- 1849
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETHRKLQJV_Z708IV INGEST_TIME 2013-04-13T01:42:02Z PACKAGE AA00011611_06461
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES