Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06459


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^m
p

A nno XXV.
Quarta .feira II
O DiMS/Opublica-setodosos diasque nSo
forem de guarda. O prejo da aasignatura he
dc4J000rs. porqiiartel, pagosaitiuntadoi. Os
aiinuncios dos assignantes sao inseridos
i .11.10 de 20 rs. por liulia, id rs. em typo dif-
fcreiiic, c as rrpelices pela uielade. Os nao
assignantes pagarn 80 rs. por liulia e lGO rs.
"mi typodinerentc, por cada publicaco.
l'HASESDA LUANO MEZ DF. AMUL.
I.na chela, 7, 1 hora e 30 min. da tard.
Mingoaote, a I.';,s4 dorase iS min. da tard.
1.11a nova, a 2, s Iboras e 34 min. da lard.
descinto, a, 29sll horas clKmin.da mauli.
PARTIDA DOS CORREIOS.
Goianna e Parabiba, s segs. e sextas-feiras.
Rio-G.-do-Norle, quintas leiras aonieio-dia.
Cali, Serinhaem, Rio-Formoso, Porto-Calvo
Macelo, no 1. a 11 e 21 de cada mez.
Garanhuns e Bonito, i 8 e 23.
Iloa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quinlas-feirai.
Olinda, todos os dias.
Pili: A MAR DE HOJE.
Prlmeira, s G horas cM minutos da manh.
Segunda, s 7 boras e 18 minutos da tard.
de Abril de 1849.
N. 80.
DAS DA SEMANA.
Segunda. 8. Demetrio. Feriado em
, dl semana para os neocios forenses.
10 Terca. S. Kiequiel.
I Quarta. S.Lelo.
12 Quinta. S. Vctor.
13 Sexta. S. Hermenegildo,
14 Sabbado. 8. Tiburcio. .
ID Domingo. S. bazilisca.
CAMBIOS NO DA 10DE ABRIL.
Sobre Londres a 27''.. d. por 1/003 rs. a 60 . Paris 350
Lisboa ICO por cento de premio.
It io-ilr- l.iueiro .ni par.
Desc. delett. do boas lirmas a l'/i ,', ao inez.
Acoles da ixinip. de lieberibe, aStlf rs. ao p.
Ouro.lincas bespaoholas. illnoo a 31/200
Modas de tifiOO v. 17/200 a 17/401'
. de U/400 n. l/200 a l(qt Ur
detono.... V/200 a 0/KM
l'ruii l'.u.i,.,rsbrasileiroa 2/900 a 2/120
Pesos coluniuarios. 1/980 a 2/000
Ditos mexicanos..... 1/000 a 1/980
PEHNAMBUCO.
ASSEMBL4 PROVINCIAL.
SESSAO DE ABF.RTlinA EM 10 DF. ABRIL DE
1849.
Preiideneia do Sr. imitar Joaqun Filela.
A's II lloras da man hila, reunem-se na sala tlssses-
sfie os Srs Mannel do Souza Teixeira, Manoelda
Silva Ferrolra Jnior, Francisco F.lias do llego Dan-
tas, Francisco Camello Pessoa, Manoel Jos desun-
za l.nn'a, Joaquim Jos da Cosa, Francisco Xavier
l'aes llarrelo, Joaquim d'Aquino Fonseca, Francisco
Sime* da Silva, Francisco de Paula Raplista, Chris-
toviln Xavier Lopes, Jos Thomaz Nabuco de Araujo,
Jdlo Jos Ferreira de Aguiar, padre Miguel do Sacra-
mento Lopes Cama, Jos Pedro da Silva, Manoel
Claro Concalves Guerra, Pedro Bezerra Pera ira de
Araujo Beltr.lo, Jos Itaymundo da Cosa Menezus,
Simplicio Antonio Mavignier, Jos Mame le AI ves
Ferreira, barSo deSuassuna, Antonio Peregrino ala-
cie! Monteiro, Pedro Francisco de Paula Cavalcantc
de Albuquerque, Antonio Carneiro Machado Rios,
Jos lenlo da Cunba Figueirodo.
O Sr. Presidente convida os Srs. deputaJos a rem
assistir missa votiva ao Espinto-Sunto.
Os Srs, deputados saliem da sala.
I'otico depois de'mejo-dia, reuncm-se de nova-
mente os Srs na sala respectiva.
O Sr. Presidente noma os Srs. Souza Teixeira,
Costa e Paos llarrelo pira mambros da dopulaciloque
Ir ni de receber na ante-sala ao Sr. presidente da
provincia.
A' meia hora depois do meio-dia a depuUcflosalie
da sal, e volt cm companliia do Sr. presidente da
provincia, o qual, tomando assettto direita do pre-
sidente da assemMa, l oseguiute rea lorio :
Si ii lio iv s I ii a-sr nil> lia legflsliitivu
pi'ovinrinl.
. O estado excepcional desta provincia na poca mar-
O prinieiro indicio da revolta appareceu na villa (iuvocandu semprc o noine da liberdade. ao pasto que occasuies semelliantes, ganharam a victoria KUtpra que
doPo-do-Alho em fins ile outuliro, tentando o pro-,praticavam o mais horriveis alternados. lioni depi essa liveram de bater-se com os revoltosos,
prlo coinmandante do destacamento de polica subte-,o ataque do Po-Ainarcllo vingou us ultrages de Goian- Turua-ae digno de especial menc/io o brioso com-
va-lo contra a legitima autorldadc para Incorporar-se na, c final oda cidade de Arelas, na provincia da Para- portamenlo dos soldados e olHciaes .l.i ." baulhao da
aos insurgentes que comecavain a rrunir-se no enge- hiba, acabou de aniquilar o bando de criminosos, que, guarda nacional do Recife, que destacou e servio duran-
11 ni ni.mi o vigsimo-quinto anniversarlo do juramento
da lei fuudaiiirntal do imperio ; mas, nao sendo possi-
vel installar-sc nesse dia aassemblca, sagora venho
eniiiprir o precrito legal de inteirar-vos dos negocios
pblicos, e de alguui.s providencias necessariasaoau-
daniento da aduiiuislracao da proviucia que pela hon-
rosa e alta cuunanca de Sua Mageslade o Imperador
fui cneairegado de dirigir na quadra melindrosa e dif-
licil que vos todos conheceis.
A Divina Providencia que se tein dignado de lan-
oar suas vistas protectoras sobre o primeiro imperio
nho Lavageni, c a 4 de novembro o proprio delegado
do governo em Natareth revelava cm officio presi-
dencia seus temerarios intentos.
Em Olinda, marchando para fura da cidade. urna
parte da guarda nacional aluciada e commandada por
ses proprios chelea foi oceupar a villa de Iguarass.
A cada momento e reproduziam factos da mesma na-
lure/.a em diversos pontos, sempre dirigidos por pes-
soas que a brandura do governo ainda nonservava nas
posicoes oRIciacs. Entretanto os directores do inovi-
iiiento Ihe davam incremento por todos os meios, la-
sendo em seu delirio gcmrr a imprenta com as mais au-
daciosas e iminoraes publicaciie*. a ponto de apregoar
que, apenas organisadas suas Torcas, viriam dar com-
bate ao goveruo dentro da piopria capital, onde abun-
daran! os elementos da desordem !
Neste estado de cousas, o governo cumprlo o scu
dever mandando dispersar cssas reunloes armadas pelas
tropas que tinha >ui disposico. A justa indigna'
9S0 da grande maioria dos honrados e leaes Pernambu-
canos, a reprovaco de quasi todos os llrasileiros, da-
quclles mesmos que os revoltosos chamavam correli-
gionarios seus cm oUtrasprovincias.se manifestou con-
tra essa revolta. Em nenhum outro ponto do impe
rio repercuti o brado de aprenla qucelles poieram
em campo, antes de inultas deltas proinptos soccorros
demuuices, tmp.s c do que mais era necessario para
su Une ir o indumento, fura 111 enviados espontinea-
inente. Nao houvc enlioquem, fiel ao seu juramento,
nao qulzesie ser o primeiro a expdr a vida cm favor da
ordem; quem nao corresse s armas para defender
un governo que j dra exuberantes provas da mais
aquilatada brandura.
Honra, Senhorcs, honra a esses benemritos que
assim acuJIram aos reclamos de patria allcta! Honra
a todos esses briosos militares que prestaran o valioso
contingente de seus servicos, em desiggravo das leis da
soriedadee da moral ottendidas, cque nao pouparamsa-
crificios para salvar o seu paiz! A seus esforcos se devem
os trlumphos inigualados dos priineirns recontros com
osiiiimigos noi combates de Mussupinho, Maricota, Ca-
lue.i e Lruangi; depois dos quaes, perdeudo os rebel-
des a esperain .1 de cousegoir a victoria aimla quecoo-
tinuassem a cncoluir o negro plano de desmoronar o
sempre em. debandada, e por caiuinlios tortuosos, vie- te a luti, e anda serve com toda a dedicaro, guiado por
rain refugiar-se as maltas de Araripe e nutras, divi- seu Ilustre chefe o leen te-coronel Francisco Carneiro
dlndo-sc em dous grupos, dos quaes 11111, seguliido para Machado Rios, que fui gravemente tomn uo ataque j
Ipojiica, implorou a clemencia imperial, que nao duvi- cima especificado ; bem como o da companhia orga-
dei 1 i/.er elleeiiva mediante a entrega do armamento e nisada de contingentes de diversos corpos da mesma
muni(cs, na persuasao deque he sincero scu arropen- guarda, e semelliantemeulc a companhia destacada do
dimento. |. batalh.io de Oliuda.
Tcndo-se retirado para Agoa-Prela o grupo com- Ao passo que assim vos redro o digno i-oniporta-
mand.iilo por un dos caudilhos de manir nomead, foi ment desta briosa por.,.10 de Brasileos, nao posso del-
all cenado pelas forcas legaes, que cedo ns 1
xar de deelaiar-vos que a guarda nacional aelia-sr em
tal estado dedesorgauisacao, que nao me hepossfvel dar-
vos luforinacfio alguiua sobre o numero de prteas de
-----------------------,--------------------- -----------^... .. ........... ,. 11.,.11. IIIMIV ,U UIMII.JIIIII.il t|
cnaa por le para vossa reunlao obrigou-me a espara- edificio da monarchla constitucioMl, que a opini.i
pa"..J"C_,l?OraVf!.l,,'',5<,c.marv0.- el." fiucje"- geral do lir.isil Idolatra como nica salva-guarda de
seus direitos cliberdades, desenrolaram bainlrira de
un .era v os retn mas que o paiz rejeita, e que mesuio cs-
aes degenerados Brasilciros nao podiatn Ciuprehcn-
der iiem explicar.
Ksuoeosso foi condigno da inveuco: ficarain el-
los sos no novo terreno, como 110 autigo se tiuliain
collocado, isto he, sem outro auxilio mais do que o dos
ambiciosos e dos Iludidos pelos meios de que vos tal-
lei anteriormente.
' Continuaran! a laucar mao do recurso das armas por-
que Ibes .1II001 un os il 1 rasiio oda intelligeuei >, mas na-
fuelle como uestes o triuinpho esleve sempre da uos-
sa parte.
nastia do iiiagnanimo fundador do imperio com o us-
[ cimento de S. A. Imperial o Senhof om Pedro All'ou-
so que gnia de inteira saiide, bem como sua auirus-
la Mil e toda familia Imperial.
TRANQUILLIDADE PUBLICA.
Desejara, Scuhores, entregar ao esquerimenlo os
lolorosos successos que abalaran! a
lnlade da provincia desd
p3 e a tranqilll-
o prximo passado me de
xpelliram
em combate imiivil, havendn, dias antes, fgido esse
ebefecom alguns companheiris, receloso do ser entregue
pelos seus proprios a justa vindicta das lois ; e 01 Infcli- que ella se comp
es que elle comprometiera, reeonhecendo seus crroi, i Mullo loria a diier-vos acerca das lois provin-
acabam de depr c entregar as armas, seguiudo o Ion- caos que conleem diversas providencias sobre este iin-
vavcl cxemplo de oulros a quem nao faltnu a clemencia portante aSiiinple, mas, como o julgo em mxima
piternat de S. M, o Imperador. 7arle fra da rbita de vossas atlribui;oos, e pende do
F.mquanto csus colisas se passavam nas comarcas poder legislativo gera I a decretar Jo de nina lei regu-
do litoral, diversas reuuiors revoltosas so formaram cm lando a guarda nacional 0111 lodo o imperio liinilai-
outras do interior, com exerpoa smenlo dado Gara-1 me-hei a inauil'estar ueste lugar os votos que faro para
nlnins. mis em todas nao Ialtram prestantes cidadans T"e alguilia medida sobre este objecto passo quanto
defensores da ordem, que com pequeas auxilios do iro- antes, ulim de darse esla vahos.-, pai le da forra pu-
pas regulares pozeram em debandad.i os criminosos, e. Nlea urna organisacao adequada s circuiiislanclas do
os obrigaram a largar as armas 1 l'i''. para que ella possa prcciichor os fins de sua ins-
Im Flores, batido cm novembro, un corto N'oguera tituico.
Paz refugiou-se em Plane e, tentando repetir em das <;"r/,o di polica Conipoe-se actualmente este cor-
do mez passado uova aggrosso contra a villa, nao olio-' I1" de quiulicntas e cinco praeas, das quaes tresentas
gnu a realisa-la, porque grande parle da pnpularo, cor- c nvenla o solo acham-so cm diversos destacamentos
rendo a deleuder-se, bem depressa Itie tirn lo Ja .1 es- I diligencias. O coinmandante o olliciacs, uliiiuamonti-
Conheccndo que o norte os nao poda habilitar
para a conquistada capital, cujos despojos deviaui ser a
recompensa dos desgracados que baviam Iludido par.i
os asinciar a seus ai.....s e servir aos prnjeclos de sua Iciineulo "da paz e da trauquilliilado nubliea, pela na
diiunn i.-.ii, fugindo perseguico dos valoutcs e leaes Jniitouco das iustitun oes do palz, que lodos desejamo
defensores da ordem, fdrain dispertar nos incautos o ru- e juramos defender.
peranca de successo, reslabeleccndo-se assim a Irn
quilliuade publica.
O 1110,11111 acontereu no Ex. que em Janeiro do an-
no crreme alguns dosvairados procuraran! manchar
com a nodoa da rebelda ; succiimbindo. porm, como
nos mais pontos, pelos esforcos dos deleusores da or-
dem, mediante nprompio auxilio de algumas filrcas re-
gularos da provincia do Cear. que acertadamente li/.e-
ra enllocar na cid ule do l.ud i ni o digno delegado do go-
verno imperial naquclla provincia.
a I 111 ni. 1 ni 011 (o, Seuliores, a guerra civil est termina-
da, o .aniquilada a revolta : em nenhum lugar existem
reunios armadas contra a aulorldade publica: dos que
as coiiipuuham alguns cholo. eslo nas uios da juslica,
oulros se auscnlaraui para fura do Imperio, segundo
cunta, o resto se acha homisiado, a mxima parte que
formava a dos Iludidos se aprovcilim do generoso per-
do qoc o governo Ibes franqueou em diversas pocas
desta desgratada lula, e que teria poup.nl.1 umitas vic-
timas, estaucadu immeiiso sanguo, se alguuscriminusos
chefes nuil sscnicni seus pellos senlinientos, jno digo
de patriotismo, poiui de hiiiiiaiiidade.
Possam ellos, possam os que at agora oscaparam
s posquias da juslica ; possam liualiiieule ns que os-
tia presos rcconhcccrtts males eiioruies que cb 1111.1r.1111
sobro a patria. Possa a justica dosoarrogar seus golpes
sobre os verdadeiros culpados, sobro esses ainheiosos
doma fe, que so o sanguo poderia saciar. Possam, li-
nalmente, em harmona c concordia eongrossar-se lodos
os l'eriianibucauis amantes do paiz e unir-se todos un
pensaiiiento comiuiiiii de ordem e inonmhia conitl-
tucion.d.
Eu, poiSi me congratulo rninvosco, judo roslabole-
novembro, ederramarim o susto em todo o imperio ;
mas foram ellos to graves, e aU'eclaram lao pmfun-
1 menle o paiz, que n,1o posso delxar de referir cm
Jireve quadro o que de mais notavel se passou ; inesmo
para que se conheca que nao houvc motivo, nao sr
leu causa alguma plausivei para esse atlentado horri-
lyi, piumovido pin mu pugillo de ambiciosos turbu-
lentos, que, eiquecidos do que deviam a Dos, patria
o ao M,niai cb. 1 generoso que sempre os proteger eo
1110 pai desvelado, abusan Jo das posicoes ofliciaes em
que se acliavaiu, levaram a inorl c a dcsolaco qua-
si todos os ngulos da provincia!
Desde quedo alto do ihronn se ouviram as consola-
! loraspalavrs=Jusllcactolerancia=. como o program-
m.i poltico quedevia guiar o gabinete de 8 de marco.
1 esses ambiciosos, coubecendo que sua domiiiacao la
acabar-se, que o lempo de sua conquista ia terminar,
nao pouparam meios alguns para sr suslentarem por
mais alguui lempo uo poder exclusivo, de que nao cs-
j tavam saciados ; e para logo comecou a tufvar-sc o nos-
so lio, minio poliilco nos dias do governo de um dig-
|no Mrasileiro.
Tinham ellrs embebido nos nimos das classes
renos pensadoras 3e:,tlment ao exaltamento : tiavlam assulado as paixes das maa-
sai. que produzlrain os desastrosos acorneen.ionios de
* c n "c junho; acontrciuienios que riles mesmos
I 1 cpi nvaraiu dcpi is, sem se l.i 111 brarem de que os ti-
nham imprudentemente provocado 1 juntaran! a ludo
isto o lerrivel etnlius'.e de que seus adversarios procu-
ravaiu vender como oscravos nina parte da popula-
cao j e assim ficou preparada a mina que mais tarde
llova la/.or expins.-o, poremquanlo demorada, porque
Ibes ful conservado o poder, aluda que restricto a cer-
ts Ii unios que Ibes impozera a poltica de um de meus
nebros prcdrcrsso 01.
A deinlssao do ministerio de 31 de nulo, fazendo
renascer o programan de tolerancia e justica, que nes-
sc da hara suecumbido, ImporUva ao mesmo lempo
1 a decadencia do dominio exclusivo dos ambiciosos
que lenh alliidido; e por Issojulgaram que era che-
gada aoccasiao de por em pralica os nefandos proje-
ios que de ba minio baviam preparado.
Dcsprriando os meios de o/iposlcao legal, abusan-
do da muileraco c brandura da aduiiuistraco do 111011
Ilustrado c digno antecessor, que por seu carcter
conciliador havia merecido a honrosa cscolha do Mo-
narcha, tomando por pretexto as pnucas deiuissOes de
cniprrgados de cuja lealdade e mrito so o governo
poda eer juli, esses boniens sem t, sem conviC(ao,
Ldlioios a lodos os verdadeiros interesses da sociedade,
com os olbos ao poder e na vinganca. arvoraram o es-
taudarde da recolta, Invocando a principio o nomo
nuguito do Monarcka que desacalavam, a defesa das
iustitulcOes que auiquilavam '
Jes habitantes das mallas do su I ideias de olilerein em
um dia as riquezas da capital. Cegos que nao vian o
abj -ni o que dlante de si cavavam!
lie.slriiibiav n-so deque, cortando os lacos.de obe-
diencia que preudiam esses povos, nao poderi.im mais
liga-Ios, c que entilo seriain ellos mesmos victimas da
auarchia que colrouisavatti.
A despidi da vigilancia que se empregava 0111 la/, -
los seguir por toda a parle, os bandos lebcldos poderaan
no me* de Janeiro do anuo correte rreuuir-se na vil-
la de Agoa-Preta, donde, furiando-se ao combale com
as tropas do general coiniiiiudanie das armas, corre-
rn! a marcha forradas sobre a bella cidade do Recife,
na persuasao de que a sorprenderiam, como Ibes nn-
niiiici iva a correspondencia de cerlos cabecas que, la-
zendo o triste papel de espides, alraifoaudo muitos del-
les as inaos generosas que Ibes forneciam o pao de cada
dia.se conserva!,un aqui para maiidar-lhes uiirnicoes e
outros soccorros, e dar parte de quanto observavam
Kll'ociivauenle no da 2 de feverciro. com todas as
torra de que dispunhain. os rebeldes atacaram a capi-
tal, que por mais de trozo boras estere sob o peso de
um combate mortfero, de que mullos de ros fostes
testemunhas. Osaogue nrasileiro correu uesso dia a jor-
ros, e os habitantes pacficos, irantidos de horror, pare-
ce que nao acredita va m na perveisidade dos que provj-
carani esta scena de dr!.
A Providencia Divina protegen os esforcos dos de-
fensores da ordem, e a capital fui salva dessa horda de
vndalos que juntava a tuurte ao latrocinio nosse dia
meinoravel eluctuos .; memorare! porque nelle foi sul-
focado o monsiro da rebellio que nos dilacerava, e
promeltia accommettrr outros pontos do Imperio ; luc-
tuoso porque 11 sangue correu como nj ha memoria
nos anuaes de Prrnambuco.
Prrinili, Senhorcs, que cu renda aqui o tributo de
min lia dure admiracao a esses Mi aslenos disti notos que
Nao coucluirci este tpico sem pagar o trbulo de
gralido que deve a provincia ao governo imperial pola
oppoi linio lado das medidas que tnmoii ; ao Kxm. Sr.
Francisco Goncalves Marliiis polos prnmpias soccorros
que preslou; aos r.xms. Srs. Hereiilauo Ferreira Pcnna e
Jerouymo Francisco t.'oelho pehi valioso auxilio do 5.a
carpo de fuziloros e 3." balallio de arllharia a p ; aos
Kxins. Scuhores presidentes das Aligas, Ceare l'ara-
ja, que eficazmente nos coadjuvaram linilinente,
Seuliores, aoexercito c nttrillha, a lodus os l'einainliiiea-
nos leaes e generosos, que com tanta dedicaco serv*
rain ao scu paz, quaudo este necessituu de seus osfnr-
eos.
A p tu 1 agradecida os encher do beuco ; o Mo-
earcha Augusto abrii para lodos o thesouro de suas
gratas.
SECURANCA l.NDIVIDI'AI. E DF. PROPRIEDADE.
As 11 eiino.1 ineias, que vos hci referido no antece-
dente tpico, iiilluiraiu linderos.luiente na seguran;a
individual e de propriedade. N'o oslado de guerra em
que nos adiamos aseguranra exista somontecinquanlo
nos.as forras oceupavam os pontos ; em sua ainoncia o
1 id id:io pacifico lio iva exposto morlo e ao latrocinio,
principalmente e elle nao esposara a causa da rebel-
lio.
A respeito dos crimes que nao teubaiii relaco com
esse estado excepcional, nao me consta que so aug-
nieulassc osen numero, c Aira daquellei casos, se a se-
;n. ., nao era perfeta, ao iheun* no tinha sido me
or do que a que se gozava autcroriiienle.
FORCA PUBLICA.
11 (i'iiiii i/,i nacional. Valiosos sao os serviros presta-
dos polos cidadans soldados em sustenlaco da ordem
edas in.iiiiin ,10 do pai/. na cri.se por que tem passadn
pereceram em defesa da patria, da honra e da nvllsa- a provincia. .
(ao: ellos lora 111 nossos companheiros nesla honrosa la-1 Nesta capital apenas conslou o rompimeiilo da re-
reis de patriotismo : us tullios iesieniuiib..s de mu i,, v,lta, c 11 li-ain elle, espontneamente a alistar-so sb
roisniu : riles mereceraiu os louvores, os agradecimen- a bandeira da legalidade, e em breve formaran! um lu-
los e a^adnnraco dos contemporneos: ilusos nelos zido carpo de voluntarios, testa do qual collorou o
bemdirao tambem seus nonios e apreciarn suas glo-' governo um dos Pernambucanos mais distiuclos por
riai. I seus senliuientos de adiirso e fideliilado monarchla
Consent ainda, Senhorcs, que eu eipresse um sen- constituicioual, c pela eonsidei.aeao de que juslanienle
lmenlo de compaixo por esses infelizes que aggredi- goza entre seus concidados. Km alguns outros dis-
raui seus irmos, e procuraram aniquilar sua patria: el- | Irictos formarain-sr tamhrm compaiibias do volnta-
les rram nossos irmos, e nao sabiaui o que faziaiu : o rios, que, cmnposias de cidados de todas as classes e
ceo se amreledelles I commandadas por ollicaes de inteira conlanea. (orain
i'nsto que dosacorof ondas com esta derrota, nao ce. | consideradas como urna das nielhorrs garantas de or.
doraiu os autores de tantas de>gra;as da exocujo de seas ^em e seguranya : e no dia 2 de feverciro o balalhn de
laucos projectos, ou fdsse porque teiniam o juslo castigo voluntarios da capital nao so juslificou completamente
de seus Crimea, ou porque esperavam ainda qualquer conceito que delle se orinara, mas ainda excedeu a
inudaiica de fortuna. Retirando-se, pola, das iminedia- I expectativa de mulla gente.
cues da capital, uusaram Invadir a cidade de Goianna, | Nos diversos combales foi a tropa de luib.i coad-
onde, medame o vandlico lucio de uina explnso no juvada pela guarna nacional, e nas cumarcas mais re-
convento de N. S. do Car.uo, apritlonaram o pequeo motas ondeuo podiam chegar proaiptamcnute as provi-
dostacameuto que o guardava, assasslnando barDara- J deudas do governo, foi a ordem publica mautida prin-
mrnle alguns soldados e pessois iueruirs que enooulra-, cipalmente pelos esforcos dos cidadiios que'sb o com-
rain, despcdacaraui um veneravel retrato, roubaraiu e mando de obeles que se conservaran! liis ao seu jura-
destruiraiu os movis e archivos da cmara municipal, ment, 011 dirigidos por homens j experimentados em
Horneado., euinpreni dignamente ns seus deveres, e
milito ho aielliorailn a disciplina que d'antes eslava
glande......Uo relaxada. Durante a lebelli.io o corpu de
polica prestou impelanles servicos^ coadjuvandn a
tropa de liuha em dlftercnles combale*, e inaailendo a
ordem nos lugares cm que se acbaiu poslados os seus
destacamentos.
Exislia 11.1 provincia pouea fica de I." liaba quau-
do rompen a revolta. e por iaeo autorisou o ineii an-
tecessor o engajaiiionto de voluntarios al o numero de-
cent e cincuenta praeas, anda que houvessc excesso
do estado completo, ilctci minado por le; louiaado so-
bre sua responsabilidade o augmento de dospoza pro-
veniente dessa medida, urgentemente reclamada pelas
circunstancias .' como, porm, nunca se coinploiasse
aquello numero, importa o excesso de desprza, at o
liui de Janeiro, smente em res qiiatroceulns o triuta e
sele mil c duzenlos, pois que pelo arl 41 da le 11. 228
esta o governo aulorisido a elevar a forra al qiiinbeu-
tas praeas. Espero,pois, que em alleii(oanexpeudido,
nao su .1111,111,,1. a mencionada deipeza, scau lambein
que elevis a torca a seisceatas praeas, como se la/, indis-
peusavel ao serviyo publico 4 |M>rquaalu, leudo de rc-
lirar-Se parte da tropa de linlia que actualmente exilie,
preciso he conservar em diversos pontos da provincia
fortes destacamentos para auxiliar as autoridades nu
manteara da irniiqmllidade publica, c captura dos cri-
minosos', del salido na capital mu numero sulllciontr
para o sea servico ; 11 que nao he possivcl conseguir-so
caaui a frca decretada para oslo anuo.
u Terminando este objjcclo, rccaiinuendw ,1 liuuiaiii-
dade dos repiostiilaiitcs da proviucia as pi o 1, d.-si,.
corpu que uuaram InlwbiHladas, e as viuvas e orpb.ios
dos fallecidos em diversos comb l S, al que o governo
imperial Ibes asseguro meios de subsistencia, que ellos
nao pudcni prove.
A relaco de mis e oulros ser traiid a VOSSO
eonheciiiionto.
11 CULTO l'l III.ICO.
n 0 estado das musas matrices he deploravel: poucos
slo os templos novaiaeple edificados: nao he inaioro
numero dos que teeai sido covenienlemeiilo reparados:
A piedaile publica, que oill oulros lempos api centava
cssas bellas casas do Senhor, que anula boje frmaiii os
monumentos le noisas colados c villas, parece agora
desalentada. Represntateles tcem subido ao conheci-
inoiito do governo, pediudo quaulias para o reparo dos
templos porm a inaneira por que dispc a lei do or-
cameiito vigente acerca destai obras, a falta de oroa-
inenliis reculares nao doraui lugar que se acudisse
essa lao vital neeessidade para inaniilenco do cullo ex-
terior, ijue poderosamente coiilribue para linnu os
senlimentos religiosos, sem os quaes a moral nao he
mais do que una sombra. Rogo-vos, Scuhores, que
habilitis o governo cai'n os sullieientos meios de occor-
ror a taes despegas.
KSTAUKI.ECIMEfJTO DE CAHIDADE.
a \.o, tein podido progredir a obra do hospital de ca-
lillado, denominadoledro II- : rsgotada a quota vo-
lada 110 auno linanceiro passado, nao foi possivcl appli-
car no anuo coi rento a diminuta quanlia consignada^10
orcameulo para rsla obra importante. O que actisll-
lliente existe, que ora he administrado por cidados ze-
losos, e verdaderamente philaairupicos, arha-seno es-
tado que voin relatado nos docameulos ulliciues que dei-
xo sobre a mesa.
AIHIIMSIIIAC.VO DO PATIUMONIO DOS Oltl'IIAOS.
Compdo-Se osla ailininlslraco de iros reparticoes,
a saber : collegio dos orpbos, dito das orphas e casa de
e ipostoi. \eii.i.iiu-,e osles Importantes rstabrlecimeii-
los san direceo e sem meios de salirfazer a sem encar-
gos; porquanto, havondo-se ooinpromellido na rebel-
lio ate. 11 us dos uienibroa da administraran, estaram
uas presos, c nutro, ulu^iidn.; o ihesoureiro ha-
via 1.1II1 culo, deixaado um alcance nao pequeo. No-
uieei, pois, urna nova administraran, composta de ci-
dados de iccoahrrida probidnde o philaniro|iia- No
son rotatorio que junio acharis, asss se revela o zelo
e inlelligencia de seus iiiemhros, e o intorosse que tr>-
mam pea prosperidad!' do estabrleciinento que Ihcs foi
conliido. Pela niinha parte tomarel em multa conslde-
raco as judiciosas observarnos que ah se fazeiu acerca
dos meios de melhorar o estado linanceiro, 0 espero que
prestis o vossn nssenllineiito s medidas que depeude-
rein de acto legislativo. Devo aqui in ormar-vos. Se-
uliores, que, atlciidriidod iinpossibilidade em que se
achavam os cofres da adinnslrac;o de satisfazer as suas
mais urgentes despease, por se havor parausado a arre-
cadacoda renda, maiidci cinprcslar-lhe pelo cofre pro-
vincial a quautia de dous contos de ris, que serio res-
liluidos logo que a admliiistraco lenha meios suflicieu-
tes. Julgo, porm. que he cte um dos cstabelccimen-
tos que mais dignos se fazeia da prolocco da assombla,
e que nesta occasUo virla mnilo a praposlto qualqucr
so ei 011 o pecuniario que IhCS dcstioasseis.


w
SALUBRIPADE PIThl.lCA.
Do rrlatorio do presidente do concclbo de salubri-
dade veris qae eseepcao dan bexlgas c da lossc con-
vulsa, que alguna estragos hiin fello, nonhuma onda
epidemia tem reinado na provincia.
u Nada se pode por ora afflrmar sobre a emeacia do
uassae para a cura da elephantiasis. porque algumas
experiencias feila ein dous individuos alienados desse
mal nao produiirain satisfactorio resultado, por ter sido
interrompido o seu tratamcnlo por falla d'aquclla subs-
tancia.
A lei que creou o concclho de s.ilubridade, cci la-
mente conten dispusieres de incontntavel ulilidade pu-
blica, mas parece-me eiressiva a quantia que se gasta
rom asdrspczasdess inslitiiicao, mimenle sr atlrnder-
inos que igual servico he feto ein oulras provincias
coni menor grvame dos cofres pblicos. Nao tcnbo
podido fier uso da faculdade que conferiste presi-
dencia para reformar esta reparticao: se continuar, po
i' ni a mesina aulorisacao.nao drixarri de cumplir este
dever. logo que o permitala as circumstancias da pro-
vinaia.
lNSTRUCfJO PUBLICA.
Do rrlatorio presentado pelo director do lycOo cons-
ta que este rstabeleclmento fez com ordem e regulari-
dade os cstudos do anuo findo, matrlculando-se eruto c
quarenta e seis alumnos, do quaes dous frcquentiram
duas aulas ao meamo lempo F.xaininaram-se no lim
do anuo setenta e um alni do que foram tkttt exame
na academia de Olinda. Dos matriculados so a inetadc
mostrou aproveitamentn. Leinbra novamente o direc-
tor a ncceasldadc de providenciar-se sobre un edificio
arcnimnodado s circumstancias do lyceo, e propoe al-
gumas alteracoes que julga deverem-se f.izrr-sc no rc-
g l ment Sobre a priinelra mid'di resolvereis o que
julgarries conveniente, vista dos recursos da provin-
cia : 'iii nitii a segunda, mu o governo autorisado a rc-
lormar o estabeleciiuento mas, drpendendo qiialquci-
allrracoo de un exacto conhecimento dos detritos do re-
gulamento actual,- e nao me teudosldo pnssivcl no cur-
to < s 11. t ; 11 de iniiili.i administraciio dar-me a esse cstudo,
atientas as circumstancias extraordinarias da provincia,
aguardo occasiio opporluna para cumplir esse dever,
se continuar a ficuldade que lendes conferido presi-
dencia.
Alin das aulas do lycro. existen) nuil tres cadeiras
dr I iiiiu nrsta cidade e quatro cm cutas povoacoes, a
sabrr: as cididcs de Goianna e Victoria, c as villas de
Nazarean e l.iinoelro. A' excepcao da aula do Hecifc,
juche a inais frecuentada, as oulras de pouca ulilida-
de sao.
Exislem providas sessrnta c tres cadeiras de priinei-
ras lettras pura o sexo masculino, sendo seis desta capi-
tal ; tendo-se matriculado nestas quatrocentos setenta
e tres alumnos, e as de fura mil setecentos e vlnie e
seis, ao todo dous mil eruto noventa e nove, numero
crrtsmrnte multo Inferior ao que deveria ser cm rela-
cao populacaoda provincia ; c ainda assim dix o direc-
tor que, sendu os inappts dos professorrs as nicas n-
li.nn n ors que tem para conbecer deste numero, pde-
se reduzi-lo inetadc.
Para osexofeminino ha cinco cadeiras de priineiras
lettras nesta cidade, e des cm outraa povoacoes Fd-
ran asprimeiras frequentadas por duzrntas oitenta e
duas alumnas, c as segundas por duzenias e sessenta.
O director attnbuca pouca Irequencia drstas aulas a lia-
verem-se aberlo militas esrulas e coilegios particulares,
0 que elle considera um mal, por nao ser conhecida a
aplidao dos que se dediram ao um. K experiencia,
porm, mostra que na curte c cm oulras provincias,
onde abundam estes estabrlecimenlos particulares, a
imtruceo se aclia limito adiantada, eospais de familia
eucontraiii inais facilidade em faier educar seus lilhos,
sendo evidente que, nao s os directores de tacs estabe-
lrcimentos sao particularmente interessados em adqui-
rir habis mestres, para se acreditarem, e attrahirein a
roncunenca de alumnos, mas anda que 09 pai sao os
inais zelnsos fiacaea do rgimen interno, inclnelo de
ensino, e aplido dos mestres; enudlt/ies cssenciaes para
5ue taes estabelrcimentos possam subsistir e prosperar,
ulgo todava que se deve marcar certas condiedes de
inoralidade e instruccao para os que se propuzerem a
exercer tio licita e til industria, de cuja falta alias se
resente esta populosa capital, e por este modo ticar
prvido de remedio o mal que o director justamente as-
signala. Sobre a mesa lica o relatorio a que me hel re-
ferido, para que, a vista delle e do inais que tem chega-
gado ao vosso co.ali*'ciiiiento as srsses anteriores, de-
liberis o que vos dictar a vossa sabedoria sobre este
objectodc tao subido iiilercise social.
.ADMINISTRADO DA FAZENDA PROVINCIAL
" Km virtudnla lei n 323 de 17 de agosto dr i848, ins-
t.illiiii-sr .1 i el" sriruilii o do nirsiilu anuo a Ihcsoura-
ria da fairnda provincial, tirando extincta a que dantes
se denominara -de rendar provinciaet, passando para os
cofres il.iinill.i o saldo de rs. 11:532,153 em dinhclru,
c 119.109,863 em lettras pertencentrs a diversos exerci-
cioi. Alguns obstculos se oppozrram em principio ao
regular andamento drssa reparticaio, j pela coufuso e
atraso ein que eslava a eicriptuiaco da extincta the-
sourarla, j pela falla de empreados praticos uo novo
sj slema errado pelo rrgulainenlo dado por um de uieus
antecessores : masa intrlligeucia e aclividade do digno
inspector, Jos Pedro da Silva, vencen tudas esta dilll-
ruldades, e hoje a reparticao j trabalha rcgulanncn-
tr, posto que parte do expediente so ache ainda em I-
gum atraso.
Do relatorio do Inspector que srr trazido a vosso
conliecimcnio-veris que, sendo oreada a renda do anuo
liuaucriro correte em rs. 66;V00t>,0U0, apenas se arre-
cadou no semestre Ilud) 174:399,156 ris, menos da mc-
lade da renda oreada. Pi-ovm esta dill'crenca, entre ou-
tr.is ruusas, da bina dos piejos dos dous principar ra
mu dr expi tacan da provincia,o assucar e o nlgodu,
rm consequencia dos movimentos polticos da Europa.
A despeza do rxerciclo corrrutc.no semestre passado
iiiiportou em rs. i(9:ft53,;t52| e a do exercicio linio em
90:133;ISO rri. Quasi loda esta drsprza foi frita com o
pessoal, por (crem sido suspensas por meus anlrcrsau-
res tudas as obras publicas em vii lude dos apuros cm
que se acbaram os cofre provinciaes pelo roubo que
nrllrs se verifcou, de queja leude roiibecimento pelo
exame que esta assrmbla mandou proceder por urna
< uintiiisso do seu sci<>, na srssan do anuo passado.
f llavendo o governo imperial, em rxeruco da le n.
.)I4 dr 2S de outubro de 1848, mandado tornar ell'eclivo
o emprestimo de tresentos coutos, que fura votado |ielo
poder legislativo geral, lem-se j reccbldo por canta
delle a quaulia dr srlcuia cuntus, que tem sido appii-
ada com as renda da provincia s despezas tanto do
exercicio coi rrnlc cmodo lido.
Prope o inspector a supprcsso de alguns impos-
tos, e a crea(o de uutros. Ein circumstancias ordina-
rias, talvez se podessem adoptar algumas dr suas dras:
mas actualmenle, quaudo a provincia ainda se retente!
do profundo abalo que sullrcu com os desastrosos axon-
tecimenlos de que tem sido tlicalro, quando a furtuiias
privadas e o commercio em geral. se acliain c.lreme-
cidos pelo choque que recebrram nao so dos acunteci-
mentoj que me reliro, como dos uiovlmentos que
1 em agitado diversos palies da Europa com quein te-
mos relacrs coiumcrciacs, parece que nao be occasio
asada dr tirar de una para iinpr a outro a obrigacu
de contribuir para as despexas publicas : actualmente
malqucr iniovacao em materia de imposto*, longe dr
iiielhorar o estado financeiro da provincia, viria aggra-
var ainda mais as complicaccs c dilKculdades cun que
luamos. Julgo, pois, que 'levemos limitar-nos a can*
sriv.ir o 1.1I11 quo, esperando rjuc um estado de trau-
quillidade permanente e a regularidadc das Irausaccdea
numerciaes furnecaui urna base segura para su decre-
~ que fr mais cousrutauro com a cuuiuioidadc
sufcirnte para as sitas despezas ordinarias,. mas ainda
fornecer os inrios de promover muitos dos rnelhora-
mentos inateriaei de que tanto necessita para o desen-
volvmento de sua riqueta e prosperldade.
Ao vosso Ilustrado patriotismo cabe, Senhorcs, to-
nar em consideraran o que inais conveniente vos pa-
reccr aos nteresses da provincia que representis.
OBRAS PUBLICAS.
n Poucoterei a dizer sobreest imprtame assmnpto;
porque, tendo opparecido rm 12 de jiilho do anno pas-
sado um grande desfalque nos cofre* provinciaes, como
j rm outro lugar vos annunciei, fie ai am parausados
quasi todos os trabalhos da thesouraria pelo desappa-
recimento do inspector e priso do ex-thesoureiro e fiel,
do que resullou grave transtorno na arrecadacao das
rendas eein todas asdeinais operaces da ihesouraria.
Em lacs circumstancias forcoso fui mandar suspender
a continuacao das obras que eslaram cm andamento,
limitando-se as despezas ao srrvico pessoal, cujo paga-
mento passou a ser feito pelo consulado, ale que se or-
ganisasse novamente a reparticao. As frrquentes 11111-
dancas de presidentes e a rebrllio que pouco depols
do incendia-la, assisinara o referido tenenle-coro-
nel, bem como o capitito Jos da Cunha Machado
que ah eslava, e a mais dous fmulos desses se-
nhorcs.
Consummado este acto do canibalismo, o indivi-
duo que o dirigir, A.frente smente de 6 dos seu
sicarios, pois que perder 4 durante n conflicto que
sustentara com os escravos da fazenda, encaminh-
ra-se para a casa de Antonio da Costa Oliveira, dis-
posto 1 arrancar-I he la m bem n existencia ; mas este
riiladio leve a ventura de poder evadirse.
Vendo mallograda desl'arle a segunda parte do
damnado plano com que entrara-o territorio mnra-
nhense, Nunes Pereira regressra com os cmplices
para o lugar do seu domicilio ; mas. ao passsr pelo
llrejo, fora perseguido por Joflo Paulo Baccllar, o
qual. tendo capturado ahi urna porQflo da malta as-
sassina, conseguir prender o resto em trras do Pi-
auhy.
Km Marrecas, districto de San-Bernardo, Manocl
Rodrigues ajado suecumhira a 25 facadas;' e em
-_ ---------------- -- -.....- -1-- -------- iiouii^iir (,il huii fciirriimmi n n -j ia(.nii"ii v vt*
rompeu teeni sido a causa de nao poderem continuar as c ^ Tutoia. Joo Rodrigues Catado (pa-
nbrat, como alias limito ennv na; tendo-se apenas man- ," j. "', ," ,," _. i--. ,...
dado fazer alguns concert* mais urgente as proxi- rente talvez do precedente) cahira por trra, trespaa-
ini'l.ules da capital Do rrlatorio do respectivo adini
lustrador veris quaes as obras concluidas, quaes as
que estiio por acabar e os reparos de que quasi todas
careerm. Vos, Senhores, conhccels inclhor que nin-
gucni quaes as necessidades da provincia nesta parte,
assim como os meios de as salisfazer; consigna!, pois,
as sommas quejulgrdes sufticirnles, na certeza de ((ur,
firmada a tranquillidade da provincia, ser meii prlu-
cipal einpeiiho cuidar de facilitar os meios de coinmu-
nirafo e transporte, porque estou persuadido de que
delles depende essencialmente o cngrandecimenlo c
prosperidade desta rica e bella provincia.
A neressidade de umapriso nesta capital com to-
das as condirdrs hygirnicasc de seguranca tem sidocon;-
tantementr demunstrada nos rrlatorlos anteriores ;
maiidei j encelar os trabalhos preparatorios para le-
var a ell'eito esta obra, appllcaudo os fundos que para
isso foram volados na le vigente do orfainento, Jogo
que as circumslanclat o pcrintllrem : a coiisignaco de
igual somma no que tem de ser organisado, dar meios
para seu adiantamento no anno vindouro.
A bella obra do theatro publico merece os favores
do corpo legislativo provincial, para que seja breve-
mente concluida, e dotada esta cid de com tal edi-
Ircio, por certo digno dr suaci vilisacao c riqueza.
" Senhores da asscmbla legislativa provincial.Re-
conheco que na succinta exposicao que hci dado lim
no attlngi devidamente lodos "ns objectos que jnerc-
ciam ser tratados. Em tres inezes de administraciio, 110
meio de nina guerra civil que absorvia toda a ininha
atlrnco, cercado de trabalhos sein numero, tendente
pacilicacn da provincia, nao me foi possivrl reunir
todos os dados, esludar as necessidades do servico pu-
blico em suas milito variadas reanles, para propr-vos
medidas convenientes. Curtos foram inesmo os instan-
tes que tirei a outros trabalhos para confeccionar o pr-
senle relatorio, que infalivclmente se resiente de tal
circumstancia. Se, porm, me faltou o tempo, aobrain-
le de.1 jos de coadjuvar com toda as ininhas frcas a
inissao importante de que vos nchais rncarregados. Ao
Tarto de todas as necessidades da provincia, vos, Senho-
res, proporcionareis sem duvida os meios de satislaze-
las. O govern vos promette a mais franca e leal roope-
raco, certo de que, promovendo a prosperidade da pa-
tria, daris o exemplo animador de respeilo ronsti-
tuico, e procurareis firmar a ordem c trahquillidaJe
publica.
Terminada a leilura, retira-so S. Exc. com as mes-
mas formalidades com que entrara.
(Cunlinuar-st-hn)
DIARIO IlPISfralBlCn,
BtCHT, 10 OliBRll Dr 1849.
lar o
dus coutribuiutes e Interesses da fazenda publica Dada
a hj-puthese dqjiui drficit, o meio de o evitar br reduzira
deipria ajusta proporfo da recrlla ; mas estou per-
kuadido que. mediante urna severa economa e liscali-
saco da arrrcadacjio, a renda da provincia uo s he
VAPOR DO NORTE.
Pelo vapor San-SebastiaO, chegado hoje dos portos
do norte, recebemos jornaes do Pjauhy it 28 de fe-
voreiro prximo passaJo, do Para at 2* de marro
ultimo, do Maranho al 30 desse mez, e do Cear
at 2 docorrente; bem como urna carta do Rio-
Grande, datada a 26 do predilo mar?o.
Piatihy licara^ranquillo ; mas, a crermos o que
diz a Vosea Verdad?, cujos cinco prinieiros nme-
ros ora temos vista, os negocios pblicos nilo
caminhamahi de um modo satisfactorio, por falta
de conveniente (tireccBn da parte do presidotilc da
provincia, lo para nular que aquelle periodioco
proclamare sectario da polica hoju cm voga, e que,
isto nao obstante,faz opposigo colrica o desabrida
ao resferido presidente, que j ou vimos citar como
um dos Domea que melhor comjirehendcm os dog-
mas dessa poltica.
Todas as attenc;es dos contemporneos como
que seacham voltadas para o municipio de Campo-
Maior, onde, segundo elles, os mais pronunciados
inimigos do govorno, ainda revestidos de autorida-
de, conspiram escandalosamente contra o mesnio
govorno e porseguem os sous maislirtnes alhados ; no
entonto que, scientr disto, a administraciio provin-
cial, alni do uo tomar providencia nlguma a tes-
pcito, quasi que protege os conspira ores.
Estamos mui distamos dos coliegos, e ignoramos
sobremodo os circumstancias peculiares do lugar em
que se elles ncliam, para que nos arrisquemos a
emitlir juizo seguro acerca desse conflicto entre
ellas o 0 cidadilo que, segundo notamos maia ci-
ma j, nos fui apontado como um dos mais genui-
nos representantes dos principios polticos que bo-
je vigoram. Entretanto, sempre Ibes observaremos
quo o melhor tnotlico nilo he aquello que, sem nl-
tenciio situaQfio excepcional to enfermo confiado
n seus cuidados, combate o molo.-tia que o alTecta
com remedios, por demais heroicos, e que, em vez
do curarem, pdem produzir urna criso perigorissi-
ma, e porventnra a morte.
Para -gozava pleno socego.
O hospital to caridade que a presidencia desas
provincia fizera insudar em Macap em junlio do
anno (indo, ia presLaiiilu provelosos soccorros po-
breza do municipio ; e, o que he mais, sem dispen-
dio de grandes capitaes, porquant em 8 mezns mo
gastara mais de I:l'i0#oo0 ris, no entretanto que
recebra as respoctivas enferinarias uflo menos de
119 enfermos.
i-jKra apprebendida pela polica paracnse, e reco-
nhecida falsa polos fiis eucarrogados do troco do
papoi-moda, urna ilota de 20/uOO ris da 3.' es-
tampa, campo a tn i rollo e chapa azul, da 1/serie,
e sb o numero 9:G27, a qual se ochava assignada
por Luiz Manoel do AI incida.
Km Moranliflo uo haviareceio deque f<>ssc pertur-
bada a tranquillidade publica ; mas continuavam os
assasshalos, acoinpanbados de circumstancias, mais
ou me nos aggraantes.
A ti do mez que findou, Joaquim Nunes Pe-
reira, o qual viura do ro Parnahiba capitaneando
a 10 assassinos, invadir em Chapudinha a fazenda
Uo lenente-coronei Luiz das Neves Fiallio ; e, depois
sado de urna hala.
Ao passo que mflo homicida vai assim fazendo des-
apparecer da provincia alguns individuos, porven-
tura virtuosos e respeilaveis, e como que barbari-
sa o bom povo maranhense, o que fazem os poli-
iieot Improvisado! ? Nada esquecem que concorrer
possa para falsearas mais puras instituicoes, e para
tlesmoralisar aquellos cuja felicidade inrulcam pro-
mover.
Scgutitlo o Observador eo Eilandartr, o ligurrot,
em numero de 20, armados de hacamartes o de facas
de ponta, expilliram da junta qualiflcadra deSan-
Vicente-Kerrer a Marianno Pinto, nico represen-
tante do partido $aguarema uaquella junta ; e, de-
pois de commettido este acto, hiio disposto as cnu-
sas de mancira que comente leem sido qualificados
os da sua parcialidade.
Ao dizer do Progreuo, os saquartmai to Alto-Mea-
rim mandaram derramar o susto em a nova fregue-
zia de Soti-l.iii/-(ionzaga por 20 bomens armados de
bacamarte, e debaixo da mpressoo do terror procc-
deram all, a 5 de margo, a urna segunda eleicno
para juiz de paz, tmente para nullficarem aquella
que se verificara no inesmo dia sb a presidencia de
llerculano r'erreira Lisboa Parga.
Assim, pois, ambos os partidos se fazem gravissi-
mas aecusaedes, sobro as quaes ninguem poder*
julgar imparcialmenle na ausencia de documentos
olliciaes loo valiosos como o que vamos offerocer
considerado dosloitores, e que prova que algumas
autoridades igueirai da villa de San-liento levaram
o arrojo ao ponto de arrnncarem das prisdes dessa
villa, e conduzirem para Alcntara a tres Si
queseachavam indiciados em crimode morlo
N. 16. Illm. Sr.Apreaso-me a levar ao conhe-
cimento do V. 8. urna dessgradavel oceurrencia que
leve lugar nesta villa.
Tendo sido brbaramente assassinado nodia 9
de fevereiro prximo passado, no lugar denominado
--Cunrpitanga--, Manocl francisco ta Prnha, vindo
em companhia de sua mulher, e de duas suas inno-
centes filhas, sua viuva D. Carlota Joaquina Pereira
rae denuuciou tres individuos como co-autoresdesso
M.sASsinalo : mandei-ns prender; passei a organisar
o respectivo processo contra elles, ej algumas tes-
temunhas tinham deposto, e comprometido com os
seus depoimentos os tlenuncisdos. Eis que no dia 7
to correnle live a denuncia de que se pretenda sol-
la-los, tendo j corrido anteriormente boatos ueste
sentido. Era quasi meia-noile quando me dirig ao
quartel que serve de prislio, e estava tratando de
averiguar o fado quando so me apresentou o juiz
municipal sipplente deste lermo, Ricardo Francisco
Mendes, a reclamar os presos para os mandar para
Alcntara, pois litiham ohlido ordem do habeai-cor-
pui do juiz de direitd interino Fiz-lhe ver por bous
modos que os presos eram criminosos de morte, e
no poiliam, portanlo, conseguir habta$-corpus, na
forma do artigo 3i2 do cdigo do procosso que a
llora era muito impropria para remelte-los para Al-
cntara, oque eu s ti tilia n-cebidodo juiz de direi-
to inteiino ta comarca ordem para informar sobre o
motivo da prisflo desses indivituos A'nada, porm,
quiz atlender o dito juiz municipal supplente, que
nao cessava de bradar pela entrega tos presos, no
que era i nula.lo por Francisco Raymuntlo de Castro,
que, sendo labflliflo e escrivo, exerce.uflo ubstunte
as func^Oes de capilfio e commandaute interino do
baialli.io de guardas nacionaes desla villa, e foi
ueste carcter quo se apresentou ; isto he, vestido
com o uniforme des'so posto. Veio tambom com elle
Mariano Hermenegildo Nunes, escrivo das execu-
COaa civels e critnos, e um nao pequeo grupo de
paisanos, alguns dos quaes, armados de ccele e
una voz, ln .i.l.i va cu que queran) os presos para, se-
ren enviados paro Alcntara a ordem do juiz do di-
rcito tiesta commarca, pois que era um grande atien-
to lo desobedecer utna ordem de habetu-corpus. Es-
l*v* eu .fazoHtlo novamente algumas rasoaveis ob-
servaces esto respeilo quando o referido capitSo
Castro se dirige aos soldados quo eslavam do guar-
da aos presos, e Ibes ordena que Ibes Tuesten! entre-
ga inmediatamente, dos tnestiios presos, 80 que elles
responder am que stiofatiatn por ordem minha, i
cuja disposir.no eslavam. Etilflo o capitSo Castro
grita-lhea furioso: EslSo llsdos presos; e os
manda effectivatnente prender o guardar por outros
gualdas nacionaes, depois do que ello e o juiz muni-
cipal supplente tiram e levam os presos.
Vendo eu que as autoridades que me deviam au-
xiliar na manuleiiciio do socego publico e na puni-
i,o dog dclinquentes, eram as que mais contribuan!
para se me tirar aforra moral,as que moslravam
mais inlcresse pelos criminosos,; nilo querendo que
houvesse sem maior necessid ule altrnelo da ordem
publica, iictn que apparecesse o escandaloso exem-
plo de lutas entre as proprias ouim id.nlrs que as dc-
veni evitar julguc inais acertado rctirar-me, o
iestrmunhar o faci com muitos dos enlodos que
o linham presenciado, para o levar com exaetidoo
ao onheciinenlo de V. S., coma agora o f.iv.
lingo o V.S, que se digne levar este meu oflicio
ao conlirciment de S. Exc olim de que elle lomo,
do aecrdo com V, S., as precisas providencias para
que tiiio liqueui impunes lanos excessos*da.paile
tas autoridades; para que os grandes criminosos
noo iscapc.ni a iccoo da justifa por proleccSo das
proprias autoridades, e para que um agente da po-
lica nao seja desrespeilodo no exercicio de suas
ronceo es.
Sem um pequeo destacamento de linda de 6
prncaa pelo menos nao me he possivel uiauler aqu u
socego publico.
> lie o quo muilo pressa posso por ora informar
V. s. sobre as oceurreucias aqui havidas ltima-
mente.
Dos guarde i V. S. Villa de San-Ueulo, aos 8
de morco de 1849.liiui, Sr. l)r. Antonio de Hartos
Vasconcellos, dignissimo chefe do polica desla pro.
vinciaMariano Hilidoro da Tenha, subdelegado d
polica.
Felizmente, porro, o juiz de direto interino da
Alcntara, o Dr. JoSo do S, em nome do qual os
criminosos fram sublrahidbs polica, nAo sancio-
nara tamanhaimmnralidade; ao contrario, declara o
06ryador,os reenviara para S.-Bentq bem escoltados,
o ordenara ao subdelegado que conliwassp activa-
mente o processo a que elles esta va m respondendo.
Entretanto, corria qua o- juiz municipal supplenlo
Ricardo Francisco Menlles is processar ao dito sub-
ilelcgatlo !....
O Publitador Ua'anhenu do 17 de mareo Iranscra-
ve do Ttlegrapho de faxiat de 3 o seguinte :
Teem estes dias corrido noticias bem desagri-
daveis do estado da Chapada. Diz-ae ue oteuen-
le-coronel Mililo ou genja^au* assaasinra o dale-
gado Carvalhedo, ou juiz dfcpz, e mais oulra pes-
soa cojo nom no temos ouvido referir; e que o
coronel niogo se refugiara para o Cear : entretanto
as informncOes que potlmot/iolher nosaulorisam a
recusar crdito a semelhanleS noticias; e hoje nos
disse pesson fidedigna que ubi bomem vindo da Cha-
pada desmenta o boato, confirman lo apenas ter
sido preso o tenante-coronel Militan, mas logo de-
pois sollo.
A 15 do passado, pelas 3 horas menos 5 minutos
da madrugada, Tallecer o juiz de direito Ezequiel
Franco de S, victima do envenenamento de que por
vezes temos fallado aoselcitores. ,.
A 26 o cambio sobre Londres fluctuavs, na praca
maranhense, entre 25 t/2 a 26 d. por IfOOO ris.
Ainda baviaahi falla absoluta de oncas mexicanas
e bi'spanholas, bem como de modas de 6g400 : ai
de igooo'valiam de 9/500 a OfiOO.
A 10 naufragara dentro da barra do porto de San-
Luiz a canoa grande Campeo, pertencenle a David
Concalves de Azevedo; e perder lodo o carrega-
ment.
Em Cear e Rio-Crandc nada occorrra de extra-
ordinario.

NOTICIAS KSTRANGEIRAS.
TOSCANt.
Em o numoro precedente tendo communicado aos
nossos le i o es que Leopoldo II, grao-duque da Tos-
cana, deixra os seus estados afim de evitar a ex-
communhao fulminada pelo papa contra todos os
que adherissem conslituinle italiana, e que o poro
daquelle paiz proclamara em consequencia dlsso
repblica, e declarara a Tscana unida repblica
romana, vamos agora referir-lhes mais municiosa-
mente a maneira por que este faci se passra.
~ f.il' S ^ grilo-duque achava-so cm Sienna, quando, no
dia 7 de fevereiro, se delerminou a dcixar os seus
estados ; % noticia de sua fugi la, dada pelo ministro
Monlanelli, produzio em FlorcnQa una sensaefio im-
mensa. Na manhaa do dia 9 o povo, reunido no pa-
teo do palacio do groo-duque, nomeou por acclama-
co tim governo provisorio, composto dos signiores
Monlanelli, Cuorrazzi e Mazzoni. A seguinte procla-
madlo do club popular foi que cxcilon a populacho
a adoptar esta medida :
Pavo de Florencia. Considerando que a fgida
de Leopoldo d'Austria be urna viulacto da constitui-
goo, e deixa o paiz sem governo ; Considerando que
o pnmeiro deverdo povo, nico soberano, he provi-
denciar contra as contingencias ; a cidade de Floren-
r>a, olhando-se, demais tlisso, tomos interprete'das
provincias irmas, noma um governo provisorio,
composto dos cidadlios Josepb Monlanelli, F. 0.
GuerrazzieJ Maizoni, os quaes exercerflo alterna-
tivamente a presidencia ; ella Ibes confere a supre-
ma tlirecQo tos negocios polticos, e, em o nome di
Uolia, a guarda da honra toscana, com a condi-
gno de que a forma difinitiva do governo da Tosca-
na sei regulada pela conslituinle italiana de Ruma ;
e que no entonto o governo provisorio abrir com-
municactOes cmodo Roma e.forroar com elle um
s governo aos olhos da Italia e do inundo Largo-
do-Povo, 8 de fevereiro de 1849. ( Assignados. ) 0
presidente, osvice-presidentis (secretarios do club
popular. '
Pelas duas horas da tarde, reunidas as caaras, o
presidente do concelbo communicara-lbes as cir-
cumstancias que linham precedido o l'ugida do grDo-
duque, quando a sala fui invadida pelo povo, o quil
pedia a conlirmaciio do governo provisorio que-pcli
mantilla havia proclamado.
Depois tle etlraordtnaria confusSo restabelecen-se
alnol o silencio, eCuetrazzi leu o decreto do povo,
0 qual foi ratificado pela asscmbla.
O governo provisorio instituir urna commiaso
para a defensa militar do paiz, debaixo da presiden-
cia do general Dominico d'Apice, e no nesmo dia
publicara o seguinte decreto :
Ai ligo 1." advogadoA. Mordioi be nomeaJn
ministro dos negocios estrangeiros ; o professor C.
Moruiocrhi, : drpulo ni ) iiiiinsti'o do interior; 0 Dr.
L. Romanclli, f ilepulodo J ministro da jusliga edos
negocios ecclesiaslicos ; o Dr. F. Franchiiii, (depuls-
do ) ministro da iiistruccflo publica ; M. Mariano
d'Ayala, ( deputado ) niiuislro da guerra; P. A. Ada-
ni, i. deputado ) minisliu da fazenda e das obras pu-1
blicas.
u Art. 2.* Cada membro do governo provisorio
presidii o concclho de ministros durante ama se-
mana, conleme a ordem das assignatuias afflxadas
no presento decreto. Floretea, 8 de fevereiro da
1849. ( Assignados. ) Os u.einbios do governo pro-
visorio *'. U. Gutrrac. -. UMf. J- Uonla-
nelli.
Logo, porm, que se recobeu em F!oren?a s poli-
ca ile que a repblica havia sido proclamada em Ra-1
na, os nimos lies rom extremamente excitados, e
no dia 18 de fevereiro loro all tambera proclamad
esta forma do governo, e plantara-se urna arvore di
liberdade. As ras da cidade eslavam apiuhoadas da
pessoas que trazimu todas o luco vermelho. O go-
verno assumio o Ululo de governo provisorio da re-
pblica romana na Tuscan, e seacha com posto dus
individuos seguinte : Guerazzi, Munluiiulli e Zau-
uelti, o commandaute da guarda nacional.
So dia 19 o governador de Lime publicou ao po-
vo a seguinte proclama^o :
Ao povo .' A repblica esta proclamad. O po-
vo lie re. Kesgfacado do quera Untar despojar-vu
do scrplto que haveis comprado a precn de tantas
lagrimas, do tanto sangue o de tanto* sublimes es-
toicos. Povo, cutnpri vossos gloriosos dcslinos. Re-
flocli que Roma lie vossa capital e a llalla vossa p:
tria. Foi o vosso direito que vos deu o Imperio e ft
Heos quera o consagrou. Viva a Italia para sempre
Viva a repblica Liorna, 19 de fevereiro de 1819. --
O governacor, Cario l'igli.
Conforme autiuticia o itisorglmento, o grOo-duque,
o qual ae aclia em S.-Strfauo, dirigir aos mambtos
do corpo diplotnaltco eiu Fiorenca uta pretesto for-
mal centra es recentas decretos do club popular


3F"
TTr
do ministerio, e estes Srs., excepto smente o minis-
tro inslcz que so acbave, indisposlo, fram ter com
o grifo-duque ndqnelle logar
O general Ijngier tondo proclamado tropa cm
fnvordo grilo-duque, e reunido gente armada em
.(lrfon*idii mpsmo. os deputados das provincias e o
f pnvo reunidos om -Ploren*;* no largo dn la Signiora
tomaramas seguintes resolncfles: 1., proclamaran
langier twidnrefora ds le!, o dec'araram rehilaos
ossatadosque continuassnm asegui-lo; 2.0, decla-
raran qrte Leopoldo de Austria havia perdido a ana
sobrante; 3.'. Analmente, declararan-, o paiz em pe
rigo, chameram a po,iula?loas armaS, J3 convida-
rarn-aa a marchar para Luce e Pietra-Santa contra
Langfrr:
PIFMOKTE.
KM* paiz firra tranquillo. A proclamacSo da re-
pblica em liflma e Toscana nflo linha excitado all
iionHum cnthusiasmo : o exercito o o povo sardo a-
mam do coracflo ao rei Carlos Alberto, e a seu fllno o
duque de Genova. A cmara dos deputados em o
spgulnle paragrspho da res posta a falte do Ihrono
ciprirhe-se Je maneira qoe d bem a Conhecer o que
acabamos rtedizer:
n Asnaces, que conflam em sua congenie em
seua direitos, di/, ella.--nflo temem a guerra; porom,
consejas dos perigos inevitaveis que a acompa iiiara,
s deeidem puchar a espada querido os sagrados in-
teresan e a honrado paiz imperiosamente o exi-
gom. A Italia nflo tem um interprete mais fiel des-
ta honra, nem um campeflo rois intrpido do que
Vossa Magestade ; e so as duas poderosas nacOes
nossa? amigas, asqiiaes, romo as mais interessadas
na manutoneno da paz da Europa, teem offlciosa-
mente nlervlndo na quesillo, nBo alcangarem o
desojado Objccto, estamos crios,Senhor, que as anti-
gs provincias do reinq, assim como aquellas que ul-
limamente por um voto espontaneo seIhe teem uni-
do, responderlo com enthusiasmo ao vosso cbama-
me'nlo. O nosso glorioso exercito, o qual nto tom
esquecid seu antjgo renome, ese assignalra na
ultima guerra por brilhantos proezas, do mesmo
modo que a pori;5o activa de nossa generosa guarda
nacional, cooperarlo grandemente para consolidar
[pormeioda armas o throno constitucional da alta
Hada, entretanto que os oulros cidadilos ajudarflo
os seus esforcos por meio ile subsidios, reforcis, ora-
cOes e fervorosos dosejos, o espera rilo o resultado
I ia hita, confiados no valor do exercito, na sympa-
thia de todas as nacOes generosas, na energa do
consenso unnime e na santidade de direitos impres-
i criptiveis, que teem'sido calcados aos pos.
mrOLP.s.
Este reino ficara em paz ; porm infelizmente a-
cnnlecimenlos hilo nello tido lugar que fazom receiar
pela Iranquillhlade publica.
A eamara dos deputados arha-se om guerra aberta
com o ministerio. Ella declarara ltimamente, por
meio de urna resolueflo, que adoptara por 73 votos
contra 25, que os acluaes ministros nflomeroriam a
confianca do paiz, e dirigir unta ropreaentaeflo a
coroa pedindo a demissflodos meamos. A drscussSo
havida nesta occasiflo fui sobremodo calorosa: o po-
vo das galeras applaudia os oradores que fallavam
contra os ministros, entretanto que os poucos de-
putados que procurarain defender o governos com
rnnila dimeuldade conseguiram que os deixassum
fallar.
O rei acha-Sb em Canta junto ao pap., e ter por
conseguinte ou de demitlir o actual gabinete, nlo
obstante merecer-lhe toda a conlianta, ou du dis-
i solver a eamara, e eslalielccex uina nova le eleito-
l ral. Se o rei adoptar este ultimo al vi t> o, como al-
guus julgsui queo faia, talvez o paiz tenha de pre-
senciar as aceas dolorosos pelas quaesjaem oulra
' occasiflo pagsi r.i.
Os Miembros da cmara, sen lo pela maior parle
republicanos, se derramarlo pelas provincias, e pro-
c.ir r."i.i revoluciona las, excitadas como devem os-
lar pela proclamarlo du repblica em Roma e Tus-
ona.
A Contlituente Italiana de 16 de fevercro anuuncia
qiie aa diflerencas existentes entre aples e a Si-
cilia linviam sido reguladas sobre as seguidles ba-
ses :
1.' l'm parlamento separado.
2." Um vice-reida familia dos llourhon*.
3 Urna guarnido miste.
A Piedmoatese (melle, porm, firmada em cartas
de l'.ib-rmo de 12 de fovereiro, a minucia que OS | re-
parativos para a guerra conlinuavam all em activo
progreaso. _
L-O^lEilCfO.
AI.FANOF.CA.Rendlmenlo do dia 10 8:231,146
Detcarregam hoje, 1 1 de abril.
alera Sieord-Fi$h mercadorias.
II itj tnrnutn familia, liolacliiinia, barricas
abatidas o hauha de porco.
. CONSULADO CERAL.
Rcndimenlo do dia 10..............1:818,180
Diverjas provincias............... 253,956
ladas, capitflo E. llansson,.equipagem 10, em tea-
tro ; a ordem.
Liverpool por Workinglon ; 71 das e do ultimo por-
1*43, brgue inglez llooilc, de 152 toneladas, ca-
pitflo William Patrickson, equipagem, carga fa-
zendas ; a Jobnston Paln & C.ompanhia.
Mar-Pacifico, tendo sabido do New London ha 30
mezes, galera americana Veipa, de 323 toneladas,
capitaoW. W. Clark, equipagem 21, carga azeite
de pcixe; ao capitflo.
Philadolphia ; 36 das, brigue americano Bratiiiei-
ne, de 207 toneladas, capitflo Lus Cassen, equipa-
gem 10, carga fannha, fazendas tmais gneros;
a Malhous A ust i n & Companliia.
Ass; 18 das, polaca brasleira N.-Senhora-do-
Carmo, de 291 toneladas, capitflo Andr Cuilhcr-
me Brekenfel, equipagem 12, carga sal o pelln ;
a Francisco Alves da Cunha. -- Segu para o Rio-
de-Janeiro.
Rio-de-Janeiro e Rabia 18 das e do nllimo porto 5,
corveta ngloza de guerra Tnml, cornmandante
lord Francis Russell.
Babia ; 3 das, barca dinamaraueza Olio, de 242 to-
neladas, capitflo N. Croembcrk, equipagem' 13,
em la.-tro ; a N. O. Bieber.
Rio-Crandc-do-Sul; 21 dias, brigue brasileiro /'-
lit-l'niHo, do 188 toneladas, capitflo Jos Rento
Campes, equipagem 17, carga carne; e Amorim
Irmfios.
Ro-de-Janeiro; 15 dias, brigue Inasileiro Comei-
Oilo, Je 197 lonetedas, capitflo Fructuoso Jos IV-
reira llulra, equipagem 14, carga carne; a Manuel
Alves Cuona Jnior.
JVnrioi tahidot no meimo dia.
Baltmore ; barca.bremenseSop/ii'n, capitflo rj, guii-
deson, carga a mesma que trouxe.
Itio-de-Janciru; brigue dinamarquez Ida, capitflo
Jorge Jergenson, carga a mesma que trouxe.
Ro-(.rande-do-Sul ; brgue brasileiro Algrete, capi-
tn Manoel Jos de Azevedo Sanios, carga assucar
eago'ardenle. Passageiros, Jos Teixeira Beatos,
Brasileiro, e 1 escravo a entregar.
Costa-d'Afnca; brigue americano H'Ai'e, capitflo i.
B. WUippy, carga ago'ardente.
lleclaracoes.
O Sr. Ignacio Bentode Loyolla tem tido por pri-
sflo o aloja ment dos ofliciacs dos brigues-escunss
Andonnha e Canopo, a mu lo decente e arejada en-
fermara da fragata ConsliMc*o, e o lugar sndese
acham as pessiias mais graduadas a bordo da barca
Tentntiva-t'eliz. Nunca esleve a ferros. Como o Dia-
rio no he lido smente por pessaa que enlendem
bellezas do dialctica, julgn do meu dever fazeresla
declaracao. Itecife, 10 de abril de 1849.O corn-
mandante da divisfio naval, Joaquim Jod Ignacio.
O IIlu. Sr inspector do arsenal de muriuha, em
cumpriincntodiis ordena do lllm. e Exm. Sr. presi-
dente ila provincia. Convida aos propfielarios e
consignatarios de navios quo tenliaui commodos
para corderos presos quo se acharo a bordo da bar-
ca Teniativa-Felh, eosquiserem fre.lar para seme-
ntante mister, a comparecerem nesta repartieflo no
dia 11 ao meio-dia com as suas propostas, as quaes
leverflo doclarar seu menor preco, o o lempo pelo
qual Ibes convm Tazer csso fietaaiento.
Secretaria da ii\s| eceflo do arsenal de marnba de
Pernanibuco, 10 de abril de 1849.O secretario in-
lerino, Bacharel Thotn* lernandet Madeira de Cauro.
0 fiscal da freguezia de S.-Antonio do Recife
faz publico, os artigos 17 e 18 do titulo 7 das pos-
turas municpaes de 18 de setembio do 1818 para
que ii'iiliain o devido cumprimento :
Art. 17. Todas as casas arruadas serflo guarneci-
das de passeios de 10 palmos de largura : os pro-
pietarios serflo obligados a conceita-los logo que
eslejam arruinados: os contraventores solTrerflo a
multa de 30,000 ris.
Art. 18. Nos passeios j existentes ser observado
O nivela ment du maior numero de casas i|iio bouve-
rem na ra ; sen lo os propietarios obligados u
alia xa-los ou a eleva-los para quo chegueaao mve-
lamciilo: os infractores |carflo subjeilus as ponas do
artigo antecedente, ea obra sera feilasua cusa.
Becife, 4 de abril de 1849.Benicio Machada
.__.. As malas que tem de couduzir o va-
por SanSeimtiio para os purtos do
sui priucipiain-se a fechar amanlifla,
. 12, ao meo-dia. As correspondencias
que rieran depoisdessa hora pagaran o porte duplo
at urna hora da tarde.
THEATRO DE
APOLLO
DE 1849
beneficio do
t-......... I ____-!
Pira o Ro-de-Janciro sabe com a maior hrevi-
lade possivel, por ter a maior parlo da carga enga-
jada, o patacho nacional t'rancelina : para o resto da
carga e escravos, trata-se com Machado & Pinheiro,
na ra do \ gario, n. 19, segundo andar.
--Para a Baha na prsenle somana, por alora
maior parte da carga do sou ea-regamonto a bordo,
o hiato t'lor-do-lltcife, pregado e forrado de cubre :
para o resto da carga e passageiros, dirijam-se a
ra do Vigario, n. 5.
Leiloes.
-- Rcgord & Caucanas farflo leilflo, por interven-
C:"io do corretor Oliveira, de grande varedade de fa-
zendas de seda, Ifla, linho edealgodlo, todas prn-
prias do mercado, e que serflo vendidas sem limites,
visto ser para liquidacSo da casa do vendedores:
hoje, 11 do coi-rento, s 10 lloras da manhlta,
no seu armazem, ra da Cruz, prximo ao arco do
Bom-Jesus.
Leilio que faiem Katkmann Irnios, por
intervenQflo do corretor Oliveira,de grande porgflode
mobilia, ullimamenle chegada, consislindo em conv
modas, armarios, riquissimos pianos, marquezas,
cadeiras, mesas de todas as qualidades, secretarias,
escriveninhas, espelhns o toucadores ; assim como se
venderflo burras de ferro nuvas, uina cullec(flo de
vasos e varios dhjcrtos de marmore, milito ricos, nu-
tros objeclos do lii>toria natural, como passarinbos
e animaes cheios, pinturas a oleo o oulros quadios
para adornos de salas, e mais artigcs anu nao rs-
pecilicados : quinla-feira, 12 do correnle, s 10 ho-
ras da inanliii cin punto, iliui de poder haver lem-
po para vender lanos aitigos, no seu armu/eni, rtia
da Cruz do Recife.
~ Ocorrelor Oliveira far leilflo de urna mobilia
completa de casa, qtias nova, o dos nielhorcs gus-
tos, consislindo em tiernos, consolos, mesa redon-
da com pedra-marmorc, dita para cha, sofas, cadei-
raa de diuerontea qualldadet, tarno das usnaes, co-
mo de bracos, bancas para jogo, estante rica para l-
vros, guarda-roupa, espelho grande para loilete de
senhoras, aparador, guarda-luuca, mesa de Ja Mar
elstica, toucadores, relngios de purede, qumlros,
leilo francez inoderjia, camas de vento, lanternas
candieiros, tapetes ricos, jarros e garhalinhas de por-
cellana, ciystaes, mesas e Irem de colinda, obras de
prala c muitos oulros artigos de menos monta, po-
rm uleisein ispensaveis : sexla-feira, 13 do cor-
rente, s 10 horas da manhfla, na ra d'Apollo, n
22, por cima doarmatem de assucar do Candido &
Coinpauliia.
O corretor Oliveira far leilflo, por ordem eem
presenta do Sr. cnsul de S Al. ntuiiiiica, de .100
toneladas de curvao de pedia aililicial, muilo apre-
ciado para os vapores da marinlia ngleza, cxi-tenlos
no arina/eiii inargem do rio que lava o principio
da ra Relia, (.Mundo-Novo onde os pretendentes
pdem aiiticipailamente examiiia-lo, bem como as
amostras que acburflo no consulado britannico : sali-
bado, 14 do curenle, ao meio-dia em ponto, porta
da assuca^flo commercial.
Avisos diversos.
Iiendimonto do dia 10.
CONSULADO PltmiNCIAI
'
2 102,136
726,769
Movmenlo Vui'/di entrados no dia 10.
Paie porlos intermedios; I* dias o laboras e do
ultimo poilo 12 lloras, vapor brasileiro Sim-Seba$-
l'o, de 300 toneladas, commandanle o primeiro
lente Antonio Xavier de Noronha Torrezno, e-
quipagem 29. Passageiros: para esta provincia, Os prelendentes a billieles podein uro
Joaquim Jo< Barboza Jnior, Maximiano Ferroira 'los os das, das 12 horas da_ manhaa s
Rorees, M.inorl Morena Oiicrra, Agnalinho Morei-
ra Guerra Jnior, Manoel Antonio da Rocha Jn-
nihr, MaunelCavalrantii iIk Albuqucrque, os Por-
lagui/es Francisco l.uiz Salgado^* Manoel Nones
de Mello, o lnglezea Walleriprangor e John
Cowie, Jos Corris dos Santos, Manoel Marques
Camacho, Thnniaz Anlunrsde Almeida, Audio de
AJbuqueique Cavulcanlo Maranhflo com 2 oscra-
voa, Antonio Filippe de Albuquorque Maranhilo
rom 1 earravo, Fnncisco Ferreira de Novaos, o
mejor lligyno Jos Coelho com llpracas para o
aegundo betalhflo de aitilharia, 1 desertor de ni*.
rinlra e* escravos a entregar; para osul.ohr.
Francisco Vu ira da Costa com 1 escravo, Marcos
AuiaxiioLoue, 15 soldados, 6 escravos a entregar
e 1 dispenaeiro de armada.
Syt* ; 45 Otea, brigotueco D.-Thtrtta, de 202 too-
QUINTA-FEIRA, 12 DE ABRIL
RtpresenlacOt) extraordinaria, em
Sr. Dupri.
Primeira representaeflo de
CATIIAIUNA IIOWARD.
lira na a carcter o a grandoespecticulo em 6 ar-
los pido Sr. Alexandre liornas.
OSr. Dupr far o papel de Elhelwnrd.
Tem havido o mais escrupuloso cuidado em dis-
pr as cousas de modo que se guarde a maior exac-
lidflo, n.lo snos vestuarios, como na exccucilodes-
sa peca, que Ka olitido o maior applauso em lodos
os tlieatros onde tem sido representada.
DA.NCA.
L'm passo nobre e novo, dancado pela senhor
Camoin.
CASTO.
' A grande aria llalien noveau de Nabucodonosor,
cantada pelasenliora Alexandro.
DANCA,
A cachucha, dancada pela senbora Camoin.
.Ira variada de Beriot, executada na rabeca pelo
Sr. Alexandre.
O capildo Helando, vaudevillc jocoso em um acto.
urocura-los lo-
l -la tarde,
na ra da Scuzalla-Vclha, n. 142.
Priucipiara as 8 horas cbogada de Ss. Excel-
Icucias
Od'uectorlema honra de prevenir o publico de
,,ue 0 prc^u da pa lea esta reduzido a 1,000 ris.
Avisos martimos.
PRECISA-SEdeolUciaesdealfniate, tanto de obras
grandes como miudas: na ra das Cruzes, n. 39.
. Jos de Simas Carcia, retira-se para a costa
d'A frica.
Joflo l.uiz F'erroira Ribeiro, embarca para o
Rio-de-Janeiro o seu escravo crioulo, de noine Fe-
liciano.
Precisa se de nina ama, pata o ser-
vico interior de casa de pouca familia: na
na Nova, lojn franceza, n. 3.
--Precisa-se de um bom fornoiro : na ra Di rei-
ta, n. 79.
Itoga-se aos Srs. Harcetlino llenrquos Pereira,
Anlnnin Bernab de Miranda, Joflo da Malta llolellio
eSebastiflo Jos dn Oliveira Macada quoiram an-
nunriaras suas moradas, ou dinjam-se a ra do Vi-
gario, n. 19.
-- O Sr. Antonio Jos de Mallos queira dirigir-se a
roa do Vigario, n 19, alim de pagjr oque se a In a
dever de sua passagL'in e fretc do hrlgUO Conccirio-
de-Maria.
o dia 8 do corrento Diez, desappareceu um ra-
choninho d.'agoa. do Atierro-Jos-AI'ogidos, de urna
casa junto ao chafarlz : quem o achou e quizer en-
tregar, se Ihe dar o valor do cachornnlio: na pra<;a
da Inilependoucia, loja do enc,aderuacflo, n. 12.
-- Antonio Joaquim de Araujo faz. sciento ao res-
peilavel publico que deixoil de Ser cai\ciro do Sr.
Manoel Coinjalves da Silva, desde o da 4 do cor-
rente, e muilo Ihe agradece o bom tratamenlo que
Ihodcu durante o lempo do dez annos incompletos.
Russell Mellors&C. nnidnam seu escriptorio
e armazem de fazendas da ra do Vigario, n. 23, para
a ra do Trapiche, n. II.
' OSr. Manoel Joaquim, que por vezes (em ido
de correio Sergipe.sen loqueira fezer para all uina
viagem, tenlia a bouilado de npparecer quanto antes
em Olinda, ra do Amparo, sobrado do poni, onde
adiar com quem tintar.
itoga-se ao experto Senhor que lirn junio a
escada que sobe para a assembla um chapeo de sol
prelo do sola com aspas do ferro, e cabo marrlii'ludo
-- Para o Rio-de-Janeiro segu, em poucos dias ,
o brigue Assumbro, de primeira marcha, por tero
seu carregament quas prompto : para passageiros
lem muilo bous commodos : os pretendentes diri-
ja m-se a ra da Cadea do Recife n. 61, a tratar
com JoSo Jos Fernandos Nagalliflea,
niadre-perola, o obsequio do cnlrega-lo !na venda
__ pateo do Carnio.in. 2; c so nflu (izerterii o dissa-
bor de ver o seu nomo por cxlonso neste Diario ;
pois loi visto pelo soldado que eslava de guarda, o
que bom o couheceu ; alm de qnn uo pollera andar
com dio por ser bem condecido, e o seu dono morar
nesta praQa.
Deixcmonos de gracas
Desde o anuiincio da machina de vapor barba, milita gente voio em casa para ver o para-
fu so de dita machina, porm como nio son inocha-
nico, nem ti-nlio leuda de dito ollicio, approveto
esla occasiflo para avisar ao respeilavel publico que
vendo navalhas para fazer barbas a inflo, e as abo
quando no corlan mais, assim como que moio na
ra larga do lluzario, n. 14 -- As pessoas que de-
sejam ver dilo parafuso procurem-no na ra dos
Uuarteis, atrs do quarlelde polica, quctalvez o
ucbarflo. J. Pradne$.
Esl-se em negocio para comprar a parle do 00-
genhoSalgadiuhoein que existo Jos Antonio Comes
Jnior; por isso, sealguem sojulgar com direilo a
mesma parto, huja de declarar por esta l'ollia no pra-
zo de 3 dias da data desle. llecil'e.lO deabtil de 1849.
Itoga-se iioM-, c.ipii.io Antonio Malhcus Itan-
gel que, antes de se retirar para o.Limoeiro, v ao
Aterro-da-Ba-Vista, casa n. 10.
Ernesto Augusto Cordciro retira-se para Lisboa.
- Na roa do QuHmadn, n. I*, se dir quem d di-
nheiro a premio. .Na rnesma vcmlem-se medallas oe
orno, 2 habilos de OJiristo, 2relogios, correntes.
trancelins, brincos anneles, 2coras, rozelase ou-
tras obras, assim como um pao para so aprenuer.
Alguns Srs. passageiros quo viera.m do llio-oe-
Janeiro ou do i;iu-Crandc-do-Sul, c que tenhan cai-
tas para entregar a II. Ilenrqucta Amallada linio,
queiram procura-la na Iravessa da Ordem-lerceir.i-
de-San-Francisco, n. 6. ..
-- f.hiisliaia Jos Tavares, Portuguez. rolira-se
para lora do imperio, leva em sua companhia sua
multier, urna lilha do 1 anuo e 1 criado.
Boga-se a todos os sonhores foreiros de enge- #
nhos, predios p terrenos perlencenlea ao palri-. P
* iiioino do hospital de N. S do Panizo, que es- ?
* Iflo a dever foros vencidos de um, doua ou #
p tres annos, que hajam de satisfaziMos qpanto A
m antes, alim de nflo seren publicados os seus ^
* nomes com as precisas declaraciies. visto que i*
o annunciatite de balde se tem esforcado em
S fazer ossa cobranca. A
9) A'
f^*** 1?^).|P P** *******
Caso litCfpsSJVite
ludo eu na noite do dia H do cor-
renle por celta roa, otivi doiw sios, e indo
ada lite de ntlna nlgama passos, o muiiu
synipalliico da aterro i da Boa- Vista o
Sr. (i. d. entendeu ser cohi ell.-,e por isso
paron,o olhon.efol'M indicando para o lu-
gar nonde eslava nina linda inadama, ce/,
esla arriar para baixo por urna lita um lenco
um pouco volumoso, c com a viuda de al-
guein desappareceu no mesmo instante a
dita madama : apressei os pissos e pude
reconhecer bem, pie o mimoseado era o
tal symptthic>(. C: decl.ro, pois,a^stc
senhor que veni ao baiiro' esteanlio |Ver
las suas, que se no repartir do minry a
|iieui se deu ao trabalbo de ver o l'un dos
sios, lia de snece fer-llie mal : conlen-
|eme se ciuizcr pausar be ni. J Curioso.
Alugam se por preco commodo as
lujas que reata(n por baixo ila secrelaria
da polica : quem as prelvndcr dirija-se
a Jost: Joaquim de Titilas C.uimaraes.
Joaquim Jos Comes va aos porlos do sul do
imperio. .
Izidmo bastos de Oliveira deixou de ser caixei-
ro do Sr. Joaquim Antonio dos Saotos Andrade des-
de o da 6 do cnente.
Precisa-se do um amassudor : na ra Direita, pa-
d.u 11 ll. 82
Manoel doSouza Tavares, Antonio da Silveira e
Suuza o Manoel Joaquim da Silva Figueiredo reti-
ram-se para Tora do imperio.
Taniult, subdiio francez, vai a Parahiha tralar
de seu negocio.
.Muga-seo segundo andar do sobrado, n. 1, da
ra da Pe nli, bem arejadoe fresco: quem o preten-
der, dirija-se ao primeiro andar do dito sobrado que
adiar com quem Iralar.
Precisa-se do una ama do Icite : na ra do Sol,
obrado por cima do armazem dceapim doSr. Pas
brrelo.
Avilo ao res|>eitfivcl publico.
Ciiilherme l'redcricu Waller, como tenha de de-
inorar-se por mais alguin lempo, pela bastante con-
cuneiicia que tem tido avisa as pessos que o tem
rallado para tirar relalos, que apparecam quanto
antes uestes 10 a lidias,
O Dr. Lourenco Trigo de l.oureiro, sentiodo in-
leiram,'nlo deteriorada a sua saiile ao lempo em
que foi sollo da prsfo docsta lo-maor do corpo do
polica, onde fo detilo desde G do feverero prxi-
mo passado et i do corrento me/, de abril, por sus-
peilus falsas, basoadas no lulso supposto de ter assis-
lido a clubs na ci lude de Olinda, j antes, j depois
floappareclmento'da revolu vio-so obrigado a en-
trar immodiiitainenle em uso de remedios, o qual
devo continuar por muilo lempo, alenlo o estado
de ruina do sua sai! lo ; e assim impedido, por essa
causa de ir agradecer possoahncnto a cada uina das
innuineiavcispessoasquese dignaram viaite-lo na
dita priado, roya por este meio a cada urna de per
si se digno aceitar este publico testemunho do seu
perpetuo reconbeciincnto.
Aluga-so um sainado de Ircs andar* no lar-
go da Assombla: na prac da IndopenJencia li-
vrana lis 6 e 8.
Oflerece-so um liomom casado.com pouca la-
mlia e queenUnda perfetainenle do administrar
erigcuho, por ja o'ter feilo para serempregado na
referida adminislracito: qu..m do seu prcslimo se
quizer utilsar drja-se a livrara da praqa da In-
dependencia, ns. 6e8.
Precisa-se do 1 caixeiro do 13 a 15 anuos, baasi-
Iciro ou portuguez para uina padara, que sejfiel:
preferndo-se o que entender: na padara do pa-
to da S.-Citiz, n. 6.
Arrenda-seiim engenho que se ja de boa prodne-
(;flo : quem tivor annuncie ou dirja-sc ra do ('.a-
biig, loja defronte da matriz.
yuem precisar do um rapaz porluguez para cai-
xeiro de qualquor eslabelecimonto dirija-se i pra-
va da Independencia, n. 12.
O aferidor, em coi.formi-
dade do artigo 8. do regulamento da cmara, roga
aos Srs. fiscaes, que estando a lindar-sc o lempo da
al'eiico anida nflo appaieceu individuo algum para
aferir regoas de 10 palillos, craveiras que sflo obri-
gados a usarem todos os niesires podreiros, carp-
nas, canteiros, vcndedoies de maderas e todo a-
quelU que lem necessidade dessa medida, alim de
que ventiam ater-las, do contrario ser prejudica-
io em sua arremalacSo.
Dentista.
II. W. Ilaynon, cirurgiflo dentista americano,
leudo mudada a sua residencia da ra da Cadete de
Sanlo-Anlouio para ama do Trapiche-Novo do Re-
cife, agora olfeiece aos seus amigos e ao publica o
seu presumo, isto he, chumbar, prdentea posticos
e as mais operafOes da sua arir, pelo melhodo lti-
mamente descoberlo,
*',
.-..



-- Preeisa-se de un pequeo de 12 a 15 annos ,
que tecina pratica de venda e seja desembarazado :
n!Jo seolha a dar mais alguma cousa no pateo do
Canil", venda por baixo do sobrado novo.
Perdeu-se, no da 5 do correnle, quinla-feira-
santa, visilando-se as rejas, pelas nove boras da
noile, urna caixa redonda de tartaruga, bastante for-
nida a quul eslava chcia de rap : quem a acliou ,
querendo restitu-la dirija-.se ra da Aurora, n.
62, terceiro andar, que ser recompensado.
Quem precisar de urna pessoa capaz para admi-
nistrar qualquer estaboleciment de negocio na au-
sencia doseu propnetario ou mesmo para um h-
bil raixeiro dirija-se ra da Cadeia-Vclha, n. 53,
que se Ihe assegura a sua boa conducta.
Sociedade de leitura franceza.
OsSrs. membros sao convidados para se reuni-
rem na casa do secretario boje, quarta-feira ao
meio-dia para dispor dos livros, conforme a de-
cis.To tomada na ultima reuniilo.
No dia 7 do corrento, da casa n. 16 da ra do
Aragfio deseneaminhou-se um doguezinho de ra-
c.a inglcza com tres malbas cor de rap, urna as
radeiras, outra nascruzeseoulra por toda a cabera,
com urnas listras brancas pelo mcioda calinga e um
signalio foc-1 ti lio do lado dircilo : quem o (ver
adiado leve-o a mesma casa que ser recompen-
sado.
Quem liver contas contra ('.. A. Ilrendera Rran-
dis queira apresenla-las at sabhado, 14 do corrente,
no escrii tono da firma, ra do Trapiche, n. 16, pa-
ra serem pagas.
G. A. Brendera Brandis, retirando-se para Eu-
ropa, traspassa o aluguel da sua actual residencia ,
na Ponte-dc-Ucha : a casa te ni duas grandes salas,
dousquartos,4 alcovas, famoso copiar, coclieira ,
estribara quintal plantado de larangeiras o com
Lanho no fundo do dito.
-Izidro Jos Caparica embarca para o Rio-dc-Ja-
neiro o seu escravo crioulo, de nome Itafacl.
Alu^a-se urna prela que faga o servigo de urna
rasa de familia e juntamente um preto que enten-
da do piulara- no Alerro-da-boa-Visla, n. 41.
Precisa-sede um caizeiro para urna venda no
largo do Paraizo, n. 30, o qual saiba lur escrever e
contar o que de fiador a sua conducta.
- Aluga-seum ehgenho de porleiras fechadas,
correudo-se o risco dos escravos e animaos quem
liver annuncie.
--D. Carlota Joaquina de Albuquerqne e Mello
embarca para o Rio-de-Janeiro a sua escrava F-
lippa, crioula.
-- Jos Trilho Fontes, subdito hespanhol, retira-
se para fora do imperio, com sua familia.
Retira-se para a Iba deS.-Miguel Francisco Al-
beruaiz de Aquino a tratar de sua sade.
-Oflerece-se um moco de 16 a 18 anuos, para cai-
xeiro de venda para o que sendo preciso dar fia-
dor a sna conducta ; quem de sou preslimo se qui-
zerutilisar, annuncie.
Jos Raplista da Fonscca Jnior embarca para
o Rio-de-Janeiro o preto Antonio escravo de Joa-
quim Antonio Vianna do Maranho, que Ihe rc-
metteu Manoel Cougalves Ferreira Nina da mesma
cidade.
Jos Raplista da Fonseca Jnior tem para ven-
der no armazeni do Bacelar de-fronte da escadinha
daalfandega ou na ra do Vigario, n. 25, a me-
Ihor farinha em sarcasque ha no mercado, a prego
menor que nenhum oulro possuidor.
Jo3o da Silva Braga laz publico que vendeu a sua
loja de selleiro, que linha na na Nova, defronte do
ditan da matriz, e abri outra da mesma ollicina de
selleiro, na ra do Queimado n. 9, onde os seus fre-
guezes achariio seuipre un completo sorliniento de
obras daquella arle, como sojam : sellins de todas as
qualidades, (auto para montara de horneo!, como
para senhora, apparellios militares, tanto para ca-
vallaria, como para nfantaria, ecolchoes do diver-
sos lamanhos e qualidades,
Na ra larga to Rozario, segundo andar, por ci-
ma da loja dejouca, precisa-se do una ama quo te-
lilla leite, que seja moca e que nio lenha vicios nem
achaques : a qualquer hora do dia achara com quem
tratar.
Prccisa-se de um caixeiro de 14 a 16 annos, o
qual imita alguma pratica de loja de miudezas : na
na larga do Rozario, loja n. 26.
Manoel dos Santos, subdito portugus, retira-se
para Portugal.
Compras.
Compra-se o segundo volume do Panorama do
auno da 1838 : na ra estieia do Rozario, n. 4.
Comprain-se e vendem-se escravos e lamben)
se receben 'le commisso : na ra das Larangeiras ,
n. 14, segundo andar.
Compra-se um lirado de balanga pesos e seus
pertenecs, proprios para armazem do assucar : na
ra da Cruz, uo Recite, armazem n 33.
Compri-se urna piensa do copiar cartas que
esteja embotn estado quem liver annuncie.
---Compra-se un sellini que seja largo c forte ;
no pateo do Livramcnto, sobrado n. 30.
-- Compra-se urna enmmoda regular, a qual este-
ja em molo uso : na na do Kangel, n. 9
Contpi ,.--( um selim em meio uso : no paleo do
Carino, n. 18, segundo andar, ou annuncie.
Compra-so ou luga se una lileira litada :
quem a tiver annuncie, ou dirija se as Cinco-Pon-
tas, n. 71.
-- Compra-se urna negrnha ou moleque de 10
ale 13 annos, para urna cncommeuda : na ra lar-
ga do Rozario, n. 35.
Compra-se una preto, ou parda que cozinhe
beme engomme, e spja desembarazada: nao se
olha a prego : na ra do Vigario, n. 24.
ro muilo rasoavel, vista de sua milito
superiorqualidade : na ruado Trapiche,
n. 17, e ra da Cadeia, n. 34.
Superiores charutos.
No armazem de Vicente Ferreira da Costa, na ra
da Madre-neos, vendem-se superiores charutos,
ebegados da Rahia no hiate S.-Benediclo', em caixas
e barricas, pelo diminuto prego die 6,500, 7,000 e 10/
rs, o milheiro.
Vende-se cal vrgem de Lisboa, de superior
qualidade em barris de 4 arrobas chegada neste
ni'-/, pelo brigue Maria-Jot : a tratar na ra do
l'.iniii, armazem do Antonio Augusto da Fonseca ,
ou na ra do Vigario, n. 19.
Vendem-se sellins inglezes e camas
de ferro : na na da Senzalla-nova, n. 4^.
Agencia da fundico
Low-Moor, ra da Senzalla-
nova, 11. 42.
Neste cstabelecimenlo contina a ha-
ver um completo sortimento de moendas
e meias moendas, para engenho; ma-
chinas de vapor,e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, para dito.
Vende-se ca) virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do que em outra qual-
quer parte : na ra do Trapiche, arma-
zem n. 17-
Tai xas para engenho.
Na fondicffo de ferro da rua do Brum acha-se
venda um completo sortimento de taixas de 4 a 8
palmos de bocea, por prego commodo, e com promp-
lidSo embarca-so, ou carrega-se em carros sein des-
pezas ao comprador.
lia ralo.
Capachos de todas as qualidades ; luvase meias de
seda prela e dcoutras muilas qualidades ; bicos ,re
litas ; lesouras ; garganlilhas ; e onlros muitos oh-
jeclos por prego mais barato do que em outra qual-
quer parte i assiui como um resto de calgado para
sen hora, por lodo o prego :.na rua larga do Roza-
rio, n. 24.
Alachado & l'inheiro vendem
110 armazem de Antonio Aunes
.lacome l'nes, no caes d'Alfande-
ga, farinha, milho e feijo de su-
perior qualidade, e precos mais
mdicos do que em outra qualquer
parle.
Vende-se superior farinha de S.-Calharina a
mellior que ha no mercado : a bordo do patacho Ro-
va-Lw Tundeado no forte-do-Mattos, defronte do
trapiche do algodfio, ou na praga do Conimercio,
n. 6, prmero andar.
Farinha do mandioca do Rio-de-Janeiro,
de superior qualdado: vende-se na na Direita,
U.17, em fronte da matriz da Boa-Vista, venda
11. 88. e na rua do Pilar, n. 120.
Vendem-se lonas americanas de todos os n-
meros e a prego mu lo commodo ; potassa nova su-
perior ; ral virgem de Lisboa ; lechos de pinho aba-
t'dos pioprios para se enchereni de assucar: na
praga do Commercio, n. 6, primeiro andar.
-- Vendem-se pegas de miidapolao largo, com 20
varas proprio para forro c para roupa de escravos ,
a 3,000 rs. ; leugos finos de cambraia o con palmas ,
proprios para as senhoras devotas da l'enha, traze-
reni a rabega a .F>00 rs.; liabas grossas muilo for-
tes a 200 rs. uina quarla ; chitas de cores lixas a
160 rs. ; selineta a nove vntens o covado : na rua
do Passeio, loja 11. 17.
Vende-se algodQo da'tcrra, muilo superior : na
rua do Crespo, n. 23.
Vendcm-se sapates de eouro de lus-
tro para hornera; ditos pira meninos; sa-
palos ditos para senhora; ditosde marro-
quim para homem e senhora, por preco
commodo : na rua da Cadeia do llecife,
n. 9.
Vondeni-e 12 lindos moleques do naglo e
crioulos de 12 a 20 annos sem vicosnem moles-
tias ; 6 pelos bons para lodo o servgo ; nina prela
que engonnna perleilamefite cozinlia e faz lodo o
arranjo de urna casa ; una dita de nago boa qui-
landeira ; nina cabra boa lavudeira ; e oulros mui-
tos escravos : na rua do Vigario, n. 24.
vallara da guarda nacional e volunta-
rios ; ditos de casacas, amarellos e pre-
tos; ditos de libre de pagens; ditos "Se
seda e de vidro e madrcperolla, proprios
para vestidos de senhoras e meninos; man-
tas de setim para meninas, 800 rs ; len-
cos de garca a 800 rs ; fitas de setim de
ns. 6, 9 e 1 a ; setim de cores, a 900 rs
o covado ; lufas de pellica, a 800 rs ; di-
tas enfeitadas, a a,000 rs ; ditas de seda,
a 700 rs; lencos de grvala, a 1,600 rs.
e 1,000 rs'; gales finos largos e estrei-
tos; ditos de palheta, braceos e amarel-
los ; volantes e trina ; espigilhas e ren-
das ; flores artificiaes ; capellas de flores
de laranja; perfumara lina ; toncas de
13a feitas no Bio-de-Janeiro : as a mos-
tras se acham patentes aos Srs. compra-
dores, c se vender ludo por precos rasoa
veis.
Vendem-se saccas com feij3o, de
muilo boa qnalidade : no armazem que
foi do finado firaguez, junto ao arco da
Conccicao, pelo barato preco de q na tro
mil res.
Joaquim Jos Rodrigues da Costa
vende o seu bilhar, sito na casa n. a3,
na rua do Passeio-Publico; assim romo
os pertences do mesmo bilhar e a mobi-
Iha, constando de mesas cmpralas com
timpos depedra marmore; bancos e moi
xos com assento de palhinha : vende-se
a dinheiro 011 a prazo, com firmas a con-
tento. O mesmo annunciante julga nada
dever nesta praca, nem fra della; po-
rm, se nimia houvcr .quem seja seu cre-
dor por conta ou titulo, baja de os apre-
senlar no prazo de tres dias, que, sendo
egaes, scrao inmediatamente pagos;
assim como tambem pede aos seus deve-
dores de virem pagar o que devem se n5o
quiezrem ser iiinidos, e ver seus no-
mes por extenso ne.ta lolha.
Com mito pendente -
He quo oseu quero;
Ao lio ni e barato
Eu c os espero.
NA RIJA DO QUEIMADO N. 16, LOJA DEJSE' DAS
SIMI2S & COMPANIIIA.
AOS SRS. AIIMADOUF.S.
Vendem-se, por precomaiscommododoqueem ou-
tra qual quer parte, volantes largos e eslreitos, bran-
co e de cor, bem como trina larga e eslreita, ren-
da pralesdae dourada, espeguilhas, gal.lo entrefi-
no, &, &, A.
AO BOM COSTO E DA MODA.
Froco, filas de velludo de todas as cores, proprias
para enfeites, e muilo proprias para a cabegadas so-
nhoras ; bem como fitas lavrsdase lisas, assclina-
das, do melhor gosto po'sivel; bicos de linho de su-
perior goslo e qualidade; agulhas francezas, muilo
finas, tanto em carte'uas como em caixinhas; linha
de marcar azul e encarnada, muilo fina; luvas do
pellica de todas as qualidades; meias de seda e nl-
godiio brancas e pretas para senhoras; bicos; pentcs
de tartaruga para marra la; ditos de bfalo para ali-
sar e de varias qualidades; os mais finos perfumes
de varias qualidades; esenvas e pos de denles; ditas
para cabello, muilo finas; ricas culilarias, contendo
varias qualidades de tesouras para costura e bor-
dar; ditas para unhas; e um completo sortimento de
lodasas fazendas, proprias de loja de miudezas.
Vendem-se obras completas de Camoes em 3
voluntes encadernados ultima c mais ntida edi-
glo; diccionario inglcz-portuguez e p'irtuguez-in-
glez em 2 v., por procos insignificantes : na rua
Nova, loja n. 56.
Vende-se a venda da esquina da rua das Cruzes'
n. 20, com poucos fundos : a tratar com Jos Rodri-
gues l'ereira.
Vende-se urna escrava que engomma, cozinha e
cose chao : na rua do Rangel, n. 50.
Nao se deve perder a boa
ocCAsiao.
duas mangas de vidro para se ter santos com d
cenca um diccionario latino da ultima edicSo
ludo se vonde multo barato, por seu dono ter iid
relira r-ge. ae
-- Vende-se, na rua da Moda, n. 19. segundo
dar, urna mobilia de Jacaranda, contendo ia cadei"
ras, 1 supla 2 bancas,-1 dita de meio de sala 1
enmmoda, I toucador.t loilocom seus eoxerges
em bom uso 1 candiciro francezde meio de sala
12cadeiras americanas, urna jarra da Rahia pan'
agoa 6 quadros da collocgilo de O Ignez da Castro
em bom oslado e onlros mullos trastes : ludo or
baralo prego, por seu dono ter de retirar-se nara
fra do imperio. *^
Vendem-se botOes dourados lisos e muilo finos
para fardas : na rua Nova, n. 39, loja de ferragfpjdp
Andrade&Moreira.
-- Continuam-se a vender, na loja de Maya Rtmos
& Companhia retratos das pessoas mais preeminen-
tes de Portugal. Faz-se igualmente sciente sos Srs
miguelistas que o retrato desse principo tambem se
achaa venda na mesma loja assim como aasegura-
se ser milito sementante, por haver sido retratado
do original em 1848.
Vend-se urna uegrinha de 13 annos, muilo lin-
da ; urna prela de naglo Costa propria para ven-
der na rua ; um pardo muilo robusta propria pan
trabalitar de enxada : na rua Nova, n. 5.
Ao barato.
No Pssseio-Publico, tojas ns. 9 e II, de Kirmiano
Jos Rodrigues Ferreira existe.urna porgiio de chi-
tas-cassa de cores seguras que se venden) pelo ba-
rato prego de 200 rs. o covado; bem como riscados
em cassa ; cassas ercarnadas a tCOrs. o oovado ;
cortes de cassa-chita de ricos padrAes a 1,600,
3,500 e 3,600 rs-; contras militas fazendas barata*.
Vende-se, na loja de Maya Ramos & Compa-
nhia, um dos mais bellos jornaes que em Lisboa se
teem publicado o que se intitula Inverso-I'iilo-
retco he de iiiuia nstrucgflo e recreio e seus au-
tores sSo os melhorcs escriptores que ba em Portu-
gal : adverle-so que cada numero do dito jornal traz
quatrogravurasdifTerehles, lithographadas em ri-
co papel: adverte-se mais quo a obra he de 6 volu-
ntes em brochura, a contar de 1839 a 1844, e qttes
assim se vender.
Superior farinha.
Na rua do Collegio, venda de ScbastiHo Jos Co-
mes Pcnna, vende-se superior farinha era saccas
grandes, a 4,000 rs. cada urna.
Escravos Fgidos
Vendas.
Contlnuam-se a vender rolles de vestidos de
ramlnaia com lindas barras brancas o de
cores, a 2,000 rs ; meias compridas azues ,
inesclaiias. i'ouxas, f sverdeadas e prelas a
120,160 c 200 rs. o par ; suspensorios finos
de mei, a 120 o par; botOes deduraque pre-
to, a 40 rs. a du/ia : lio pateo do Cu 1110 ,
n. 18, seKundo andar.
M
--Vendem-se, na rua da Cruz, n. 21,pedrasde mar-
more francezas para mesas redondas e consolos.
Vendem-se, na rua Direila taberna n. 53, sac-
Vende-se arroz de vapor dito de casca, dito da
Ierra saccas com milho : tuno do mellior que ha lio cas com umalquetrede milito novo, a 3,500 rs.; di-
"irrcado, por prego commodo : na rua da l'raia
becco do Carioca, oja de alfaiate n. e venda
n.27.
Vendem-se cadeiras e marqnezas de oleo e com
assenio de palhinha lavatorios meias-coiumodas,
mesas pequeas ludo de amarello, e outros objec-
los: ludo de forte construccXlo e de gosto moderno,
por menos de seus valores: na rua das Cruzes, n.
34 loja de marceneiro defronte da typographia.
No armazem de Francisco Dias Ferreira, no
cae&da Alfandcga vunde-su feijao aiuiatinlio sem
mistura e de niuito boa qualidade.
Vende-se a verdadeira potassa da
Kussia, desembarcada hontem, porpre-
las com arroz pilado ; ditas com caf; ditas com
feij.lo ; e tos os mais efeitos do venda mais barato do
que un oulra qualquer parte ; bem como urna po'-
gflo de madeira de louro o oleo para marceneiro e
travs de diversas grossuras
Vendem-se sapalSes do Aracaly
para liomeui e meninos, por preco com -
tu o ti o : na 111a da Cadeia do hecife, n 9.
Na ruado Cabug" n 1 A, loja de
francisco Joaquim I huirte, ha para ven-
der linioes de P. II, da primeira, se-
gunda e terceira qualidade; ditos de ca-
Emconsequencia do una nova postura da cma-
ra na qual obriga a mudanga dos estabelecimenlos
de fogos activos al odia 10 de. maio do corrente
anuo, o abaixo assignado vende um muilo bom
alambique de cobre, com urna grande serpentina de
estanho ,com caldeira que leva 45 caadas, e de
novosystema; tem tres relificadores, os quaes U~
zom elevar na prinimra destilagilo o oleool a 38 a 40
graos, e sendo que destila garapa eleva a 36 graos,
tudo da primeira deslilagilu e os espirilos sao da
melhor qualidade pordeixar um deposito nos ro-
111 no den es e sal ir na destilagilo o espirilo sem chei-
ro; acha se montado, pmmpio para o comprador o
ver u;ciu,lieccia o quanto he simples, por isso torna-
se muilo proprio para se assentar em algum enge-
nho, por nflo exigir grande trabalho, tanto para o
montar como para o andamento : no Aterro-da-Roa-
Vista, n. 17, fabrica de licores.de Frcdcrico Chaves.
Vende-se urna grade j servida em muito bom
estado, eque lie piopria pata agougue : na Cinco-
Ponlas, 11. 32.
--Vendem-se dous pretos de meia idade, pro-
prios para o servigo de campo pelo barato prego de
500,000 rs. ambos: 110 Alerro-da-Uoa-Visla, loja de
ferragens, 11. 46
Vende-se, na rua da Moda, n. 19, segundo an-
dar um moleque de 18 anuos, de naglo ; uiha pre-
la do 30 annos, crioula, que cose citan he quitan-
deira o faz lodo o mais arranjo de um casa : o mo-
tivo da venda be por seu senhor retirar-so para fra
do imperto.
Vende-se, na rua Nova, n. 56, um guarda-louca
com poucouso urna commoda de Jacaranda um
relogio de quadro muilo superior um par de va-
sos de porcellana cum flores, de muito bom gosto ,
Fugio, no dia 27 do passado, urna parda de no-
mo Sllveria, com o cabello cortado rente da parle de
detrs ocomprido na frente testa pequea olhns
na flor do rosto com signaes de bexigas ainda de
pouco tempo, beigos um tanto rouxos, deutes lima-
dos ; tem urna das nrelhas lascadas no lugar do brin-
co ; levou vestido de chita cor dovinhoe chale qua-
si da mesma cor tem os pos grandes e os dedos
dos meamos bastantes aberlos ; representa 24 annos
pouco mais ou menos : quem a pegar leve-a rua
da Cadeia de S.-Antonio, n. 4, que ser gratificado.
-- Fugio, no dia 3 do corrente a prota Mara, de
naglo Costa, alta, secca, talhada na cara tem uus
tullios compridos nos bragos cara comprida, olhos,
nariz e bocea regulares ; tem os dedos das mos
compridos e seceos, ps taubem seceos c compridos;
tem urna marca deferida na, purria ; levou saia de
chita encarnada de listras e panno da Costa ; lie qui-
lanilcira o vetulia pilo : quema pegar levo-a as Cin-
co-Ponas, n. 59, que ser bem recompensado.
Fugio, do engenho Cumbe 110 dia 22 do pr-
ximo passado, um escravo crioulo, de nome Jacob,
de 22 annos pouco mais ou menos de altura regu-
lar ; tem as peruas cambadas e com urna ferida em
11 ma ilullas ; Icin urna cicatriz em unidos lados da
bocea ; foi encontrado no dia 25 do dito mez no
engonlio Qcimadas o suppe-se ter seguido o eami-
uhodoRecife: quem o pegar leve-o ao dito enge-
nho a seu senhor Manoel Jos llenriques ou nes-
ta praga a Rodrigo da Costa Carvalho na rua de
Apollo que se recompensar generosamente.
~ Fugio, do engenho Raz, da freguezia da Esca-
cada no dia 11 do prximo passado o escravo Jo-
s de nago Angola representa ler 45 annos; lie
brixo o grosso do corpo; tem as peritas um pouco
arqueadas para dentro e grossas ; leve ha pouco
lempo bexigas do que conserva ainda signaes. Esta
escravo veio preso da comarca do l.imoeiro em 21
de outubro do anuo passado. Roga-se as autorida-
des e qualquer pessoa que o apprehendam e l<-
vem-110 ao dito engenho, a seu senhor, Antonio
Alves da Silva ou nesta praga a Rodrigo da Cosli
Carvalho, na>rua de Apollo, que se recompensar
gneros? monte.
--Fugio, nos prlmeirosdias de Janeiro prximo
passado do engenho S -JoflO freguezia do Cabo ,
um molecole de nome Auaslacio de 14 a 16 annos,
de bonita figura rosto muito regular um pouco
fulo falla baixo e brandamente ; levou cagase ja-
quel de riscadoazule bonete : quem o pegar le-
vo-o ae dito engenho ou noMondcgo, nesta cida-
de casa de l.uiz Comes Fsrreira que recompensa-
r com 100,000 r$.
Fugio um pardo de nomb Aniceto, magro, olbos
grandes sem barba do 18 annos : quem o pegar
leve-o ao Alerro-da-bsa-Visla, n. 6, terceiro andar.
Fugio, no dia 20 de margo, urna prela de nome
Ursula, de 19 annos ; levou vestido de ganga azul e
panno da Costa ; tem urna cova na testa o uina ore-
Iha rasgada da conliiiuagSo de trazer o brinco; le
urna mulla do pannos pelos hombros e peilos, e no
brago esquerdo urna queimadura de fugo: quema
pegar leve-a a rua de S.-ISiia-Nuva. II. 50, que sor
gratificado.
Foi seduzida, ou furlada da casa do Sr. rnajor
Antonio Leal de Uarros, morador no Passo-de-C*-
maragibe provincia das Alagoas una eserava par-
da acaboclada de boa cOr, cabello corrido; letn
pannos no rosto e peilos du boa figura muito la-
dina de 2u,anuos pouco niaisou menos; anda cal-
gada o talvc* CtUL lilubj de furia; he natural de
Cururipo ; fui pida para P01 tu-Calvo ao dito Sr.
Antonio l.eal dvPtfarios de la conduzida por uhi
pardo acabildado d no.no Cosme Duarlo Ribeiru >
anda limen, com cabellos cacheados, 11a lu al da
Paralnba do Norte ; audou embarcado em um biale
de nome S.-Jusc.-Gionuto. Roga-se a todas as auto: 1-
dades policiaus e mais poasuas particulares, que a
appieiieudain e lovem-iia a rua da l'i .na-de-S -Hit-',
11. 15 i:m casa de Amonio D. da Silva Cardat, quo
gratificara coiu 50,000 is.
..-jO--ir--iui iBllItl-"
FRN. : NATTP. Ot M. F' Dl FAMA 18$0


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E37X4XFK5_NHTFOD INGEST_TIME 2013-04-12T23:06:08Z PACKAGE AA00011611_06459
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES