Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06458


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*^m^mm
c- "*"
'*.. '
mmmt

Artno
XXV.
.1
Terca >feira 10

0 lll.4 /f/f)piil>lic,-se toduns diaique uiio
forero de guarda. Oprec.o da asignatura he
iI.t4OU rs. porqitartel, pagos aimlate. Os
aununcioa ilos aislgnautcs sao Jptcridos
.r.iso de 20 rs. por lniha, 40 rs.flh typo dif-
M,'i iii t<-, e as rcpelifcs pela Hiende. Os nao
raslg.iales pagario 80 rs. por linha e lOrs.
,iii typo Iterante, por cada publicacSo. #
I'IIASB* DA LA NO ME/. DI'. Anilll-
I.ua theia. a 7, i 1 hora e 30 mo. da Urd>
Miuguaiis,al,';,s4horase 48wlo. datard.
I.ua nova, a2.s9horase34 min.datard.
Lrcseeote, a, 90s II horas etufln.da iiianh.
PABTIDA DOS CORREIOS.
Goianna c Parahiba, a segs. e sextas-feiras.
Rlu-C.-do-Norle, quintaa-felras ao mcio-ili.i.
Cabo, SerlnliSem, Rio-Formoso, Porto-Calvo
Macci, no 1. a 11 e 21 de cada me/.
Garanliuus e Bonito, a 8 e 23.
Roa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas-feiras.
(Huida, todos os das.
PRAMAR S4? HOJE.
Primeira, s 0 horas e(i minutos da manli.
Segunda, s B horas 30 minutos da tard.
de Abril de 1849.
N. 70.
das da semana.
!) Segunda. +!)( S. Demetrio. Feriado eiu
toda a semana para os urgorloi forenses.
10 Terca. S. Kscquiel.
11 Quarta. S. I.eo.
12 Quinta. S.Vctor.
13 Sesla. S. Hermenegildo.
1 i Sabbado. S. Tiburoio.
15 llamingo. S. Hazllisca.
ABRIL.
CAMBIOS NO DA 7 DE
Sobre landres S17'/j d. Por l/001 n- a8 "
. Pars 350
. Lisboa ICO por cento de premio.
Rio-de-Janciro ao par.
Desc. de lelt. do boas firmas a 1'/ % ao mes.
Acedes da comp. de Beboribc, a OOf rs. ao p.
Wuro.-Oncas bespanholas. 31/000 a 31/200
Hordas de/fOv. 17/200 a I7/40P
. de 6/400 n. 16/200 a 16/40
. de4/000.... fl/200 a 9/40
Pralu-PaUcoesbrasileiros 2/DOO a 2/029
Pesos columuarios. 1/980 a 2/U00
Ditos mexicanos..... I/B00 a 1/920
IARIO
'.
=s~
niAKIfl HE PBR^ASBUCO.
xcirx, si ABB1& d 1M*.
Amanlirta. (ledo corren te )ao meo-dia, lera lu-
gar a itislallscno da sessflo ordinaria dosle anno da
assembla legialslva-provincial., -
Recebamos os nmeros do Times de 12 a 20 do fo-
vereiro, e de 26 desso mesmo mzate o 1. de mar-
co, fajlando-nos os de 21 a 25 de fevereiro.
INOLATKnaA.
Rale paiz (cara tranquillo: nada de extraordinario
havia all orcorrido, bom que o estado da lilauda in-
quietaste alguma causa o governo, e oceupasse lem-
bemaattencao do parlamento, oqual prosegua re-
gularmente era sens trabadlos.
A guerra da India continuava anida, n.lo obstante
lerem os Inglezes rijantf'~ consideraveis vanla-
gons.
Q-icontli licarama 91 3 8; as apolices da banco.
Nndia 6 do crranle, pelas 10 horas da mandila,
fallceeu n'um litio em Snnl'Anna, o Sr\ desembar-
gadnrda relic.lo desta provincia, JoaquimAyras de, do 194 a 194; os tres por cenlo reluzidos, de 91 i
Almeida Freitas. Ia9l 5/8; os trese um quarlo poscenio, de92 t a
Desde muilo que o Sr. Ayre soffria em sus sade, ,93 5,8; os fundos brasileiros a 83; os cinco por
etSo pravamente que ha mezes n.lo compareca ao cenlo hespanhes, de t7 1/8 a 16 7/8;os quatro por
tribunal de que era membro: mu a lu enfermida-j cento hollandezes, de 79 34 a 781 4.
de aggraroa-ie sobremodo donis que o grupo re-1 isjsUiiiLi
beld que ai de fevereiro prximo panado asssl- Ag ^^ ^^ ^^ ^ ^ ^ Je ^^
tou esta capital pelo lado'da Boa-Vista, invadi ai
casi em que elle nessa poca'residia em a Soledade,
e ssquatni-a de modo a delxs-lo, bem como a sua fa-
milia, smente com roupa que Ibes cobrla as car-
nes. De entilo para ea os padecimentos de S. S. sug-
mentiraW tanto, qtre, aperar do desvelo com que a
-meefiefnk a* empenhou por conserrif-lhe a existen-
cia, nada Ibe foi possirel conseguir.
Magistrado de urna honradez toda prava, o Sr.
Joaquim Avre de Almeida Freitas fallecer om ni-
mia pobreza, independen te do faci quo I he ttre-
viou a mor te; mas, dada ess circunstancia, pode-
mos izer que flearam a bracos com a miserfa sua
esposa, suas duas Ribas, e o filho cuja educaefio nem
ao menos ti vera lempo de completar. Entretanto, o
governo poder porventura roelhorar um poucoa
snrte de tilo desolada familia, providenciando para
que Ihe seiam pagos os ordenados de juiz de direito
que o scu fallecido ebefe deixou de perceber durante
osqualroannosque aqui esteve sem Tara, lulando
com militares de privaces.
A providencia que lumbramos ao governo, nos pa-
rece tanto tpais fcil de tomar, quanlo sabemos que
tem um precedente a sen' favor. Queremos fallar do
que se piaticou com o actual juiz de direito da co-
marca do Hrejo, o Sr. Manoel Teixeira Peirato, que
conseguio ordem para o pagamento "dos honorarios
correspondentes o lempo em que estivera desera-
pregido. Adoptando, pois, aemolbanle alvilre, o
mesmo gpvcruo dar um testemunho publico o-
lemno deque nao esqtiece os enrieos deum magis-
trado que, sempre cumpridor dos respectivos deve-
res, nunca malversan, nunca poz ajuslica em al-
moda. ,
O passamento do Sr. Frailas foi como o de todos
os homens justos: nlo se dispensou de um so- dos
soccorros espiriuacs que a santa iyrcja se libcra-
lisar a seus flhoa na hora extrema ; e, ao expirar, ie-
commendou a sua familia, com oacecntoda convic-
c3o intima, que se esforcasse por ser virtuosa, obser-
vando-lite que neste mundo ludo era Irartlitorio, e
que, pois, os que nello peregrinan) devem do afanar-
se por norlar-se de maneira a merecerem a vida
eterna, nica em que se encentran) gozos reaes, e
jamis icompauhados dos dissabores deque somos
victimas aqu na trra.
O cadavor de tilo dislinclo Rrasiloiro est sepulta
iloom um dosjaxigos da matriz de Sanlo-Anlonio.
Aoseifenlcrramento ndo precoJeii tuna s dessis
pomposas ceremonias rom que os vaidosos buscain
dilferencar dos dentis homens aquellos que lites
pertencem, anda mesmo na occasiilo em que ellos
.s-3o nivelados a qualquer de seus semelhanlcs pa-
gando. natureza o trbulo a quo nenhum mortal
se pede eximir j e isto, j porque sogundo .os rilos
da nossa igreja n.lo podiam ellas ter lugar no dia om
quo tal eiiterrainento se verilicou, (sabbado d'Alle-
luia)j porque o nosso charo patricio,-nos seus ul-
timus inslantes, declarou milita vez qu as dispon-
sava, -iusictio al para que Ih'as nilo trlbulassem !...
Aisn, ;poU, i siraplicidade e a singeleza acom-
panliaram-no ate ao tmulo.
Km a madrugada de 8 docorrente manifasloti-se
incendio n'uina taberna sita na ra de Sanla-Therc-
? na casa que faz esquina para a travesta do Poci-
i'l'o, eque, uaica, constitua o mingoado patrimo-
nio da igreja de Nossa. Senhora do Terco.
Segundo tnformaeocs do dono da taberna, he para
crenrue algtim mal intencionado lan?ou fogo para
futrodelta por Urna abertura platicada em urna
das paredes da easa, aquella que deita para a tra-
yessa em que nevemos fallado. *
l'oucos momentos depois de terem os sinos dado o
signal de fogo, oSr. major director do arsenal do
guerra a presen loti-se ea> frente da taberna com a
compendia de arlilices oquatro bombas, sendo que
ja euconirou ah urna fftrca do corpo policial, com-
niaudada pelo alteres Mau. icio ; mas, apezar de seus
grandes esforcos, apezar dachuva que copiosamen-
te calna, apenas pude conseguir que o incendio n3o
passsfse para as casas vizinhas. Aquella em que
etieapparecer, apenas ficou reduzida s quatro pa-
redes meslras. 1 l
lo toda esla calaslroplie n.lo esullou, felizmente,
perla alguma de vida.
uSr. inspector do arsenal demaiinha, com urna
bomba erarios trabalhadorcs daquelle ealabeleci-
mento;**. o St. Commandanlo da divisSo naval ;
os hrs subdelegados das freguezias de San-Juico
Sar.to-Antonio ; todos esses Srs. cooperaran! gran-
demente para quo o incendio nio fsse mais lerrl-
vol em seus eTeilos, e pressurosos corrern) a para-
gem em que se etla desenvolver.
gritaido : VivtRaspaill l'iw la Nontar/nc Franca vos tondes dosfoilo por vossa energa sen-
' Vite / guiltolint! A bus la afolle'. (*) A has minosos projectosdos inimlgOS da paz publica. Vos
les turan* A autoridade do subprefoito, do proco- lendos salvado o mundo civilissdo do vergonhoso e
radorda repblica, e do mni>c, foi desreipeilada, e doploravel espoctaculo de urna nova invasSo de bar-
a frca publica insultada. A desordem no cossou baros, que fazem guerra a sociedado para disputar
emquauto os turbulentos nHo souboram quo o sub- enlre si os seus despojos. Vos leudes prefer lo a pru-
prefeko tinha mandado buscar um batalhilo do reg.;dencia que pnupa o derramamenlo do sangue ao pe-
mente 17, oqual havia chegado a Coulangcs. Km' nosoee/ol de urna repressilo enrgica. Vos compre-
Tolosa, o prefeito Mr a obrigado a suspender dtu hendesles que entuma collisao deploravel em quo
enmpanhias di guarda nacional, que tinham defen-' h3> I vencedores,por isso que os vencidos silo
dido o oonnelroiiye Em Anche, varios guardas' I''*P#ozose irmfios-.uma baUllia evitada he a mais
nacionaes commandados por seus odlciaes percorre-! nobre das victorias.
ram a cidade proforindo gritos criminosos, c at pe- Roccbei nossos sinceros agradenmonlos: a I rauca
netrando as barracas da cavallaria ; porm a nter- et com vosco, e olla se aleDl de ver que o presi-
ven?.1o das tropas restauran a ordem, eos guardas dente de sua escolhn cuntpro excelentemente a
nacionaes fram suspensos polo profeito. Em Dijon, | Wh de qi)3 sua soberana vontado o enema
ai autoridades cipturaram unta por^o de balas que Kara-
tinham sido feitas recentemenle.e alguma plvora, e
preniler.im duas pessoas. Em liiiilliotii' e, (i.yon) ten-
do varios facciosos arvorado o fconnel rouge, o pre- raglo.
Aceitai, Sr, presidente, as nossas congralulac/s e
a expresso respeilosa de nossa profunda conside-
Cvpaiz (icira em perfeita paz a as cortes proseguiant
regularmente om seus trabalhos.
A camam dos deputados linhiliomeado urna com-
miiso para examinar o estado do banco de Lisba,
oqual, segundo um relatorio publicado pelo seus
directores, livera de lucro em o anno prximo pas-
sado a qnantia de 445 contos de ruis. O capital deste
estabelecimonto tinha. sido diminuido de 10,000 a
7,930 contos em apolices de 500,000 ris cada unta.
O governo anda nflq pude conseguir vencer as
dilliculdadoi linanceiras que tem encontrado emsua
carreira, todava logrou contractar ultimamento
com o banco de Portugal um emprestimo de 180
contos de ris em prestaefles mensaes do 30 contos
cada urna, a juros de 5 0 ao anno. O mesmo ban-
co se encarregou tambem do negociar-lhe, livre de
commisiilo, um outro emprestimo de 576 contos de
lisem prastacOes mensaes de 00 contos cada urna.
Havia falta do chuva em Lisboa, o que fazia recciar
alguma cousa pela sorte das lavouras
As apolices do banco de Portugal flearam de 35 a
30, 90a 40,000 de premio ; o as notas do banco do Lis-
boa a 41 e moio por cento do descont.
IISPMU
A capital dcse reino gozava de perfeita tranquil-
lidade. O carnaval tinha sido divertido este anno
mais do que om nenhum oulro; entretanto as pro-
vincias no dcsfruclam a mesna felicdadi: ellas con-
liuuam ainda a ser devastadas pela guerra civil. Os
carlistas do urna parto e os republicanos da oulra
dilaceran) desapiedadamonle asenlranbas da patria;
is trapas lgaos, porm, os teem.balido, sempre que
os tcem podido aicancar. Um bando de 600 facciosos
que tinha entrado a Navarra, lora ullimmenle 'dis-
persado de unta maneira tilo complela, que um s
delles n.lo permaneca mais na provincia. O bando
de Pimentero fora destruido em Recuenco na pro-
vincia de Cuenca, ficandoaqucllo caudilhoe mais nove
dos seus morios no campo. Amellcr, o chelo dos
progressistas, fra derrotado em Recassens no dia
13 de fevoreiro. Dos que o acomianhavam, lram
morios no combate; 73 flearam prisioneiros.inclusive
0 brlgadeiro Molins e o intendente Joarisli ; 70 sub-
met cnim-su s autoridades liespanliolis ; e*55, temi
fgido para Franca, fram dosarraados pelas autori-
tsdes francozas.
Conforme annuncia n Journal du l'euple de Itaion-
na, a guarnicilo do Qcbngavia tinha descoberlo na
Sirle da floresta de liaty, perlencento llespanlin,
20 granadeiras, e varios caixOes, uns choios de pl-
vora o outros de carluxos embalados
As cortes conlinuavam cnt seus Iraballios. O mi-
nistro da f.izenda devia apresentar no dia 22 de oyc-
retro o orcamenlo das despezas do reino o qual dizia-
se que tinha sido-reduzido 1,300.000,000 reales.
O hispo Posadas havia sido substituido pelo bispn
de Murcia na dignidade de palriarcha das Indias.
0 Commercio de Cdiz do 8 de fevereiro noticia que
o cnsul inglez em Marrocos fra assassinado pelos
Slouros, o que o esquadrflu britmnico se eslava pre-
parando para bombardear Tangeri. Conforme o mes-
mo jornal,a corveta do guerra hcspanhola Venus dcvia
partir nquclle dia para all, aflm de proteger os resi-
dentes hespanhes; porm o Clamor Publico he de
opiniilo quesenSo devodar inteiro crdito a esta
noticia.
FRASCA.
Oanniversario da revolucSo fra celebrado em Pa-
ria com muila magnificencia; e, posto que as ras
daquella cidade estivessem apinlioadas do gente,
nenhuina desordem liouve que lastimar nosso dia.
Una pomposa ceremonia religiosa leve lugar na
igreja da Magdalena. Primeiramente celebrou-se um
memento pelas almas dos que morreram combalendo
pela liberdade, e depois um Te-Veum em seces de
gracas pelo feliz resultado da luta. Os inainbros da
aSombl) nacional,{o presideule da repblica, o
qoal Irsjava o uniforme de oflicial general da^guarda
nacional, e trazia ao pescoco a lila e gran-cruz da
legiflo da Honra, os ministros eoutras nimias pes-
soas gradas assistiram ceremonia.
Infelizmente,* porm, as provincias o dia 14 de fe-
vereiro nosopassou em lana tranquillidade: te-
dios que deplorar algumasdesordens, cujos particu-
lares os Icilores acharao no seguinte artigo, publi-
cado pelo Mvmttur de 27 do mesmo moz :
Alguna disturbios tiversm lugar em varias partes
ds Franca por occasiilo do auuiversario de 24 de fe-
vereiro. A anarchia nio so contenlou em toda a
parte, como acontecer em Pars, de mandar seus sd-
vogados grilarem em redor de um edificio religioso,
ou em um banquete abortivo five la rcimblique d-
moermliqui etsoelate l Em Claniecy, 500 a 600 pesso-
as percorreram is ruis com zabumbas ebandeiras,'
feto ordenou as autoridades que o removessem. No
departamento do Dome, lendo os aires recusado
ajidar a remover esle emblema de desordem, o pre-
feito dirigi pessoalmente esta operacfto, coadjuvado
por ilguns destacamentos do excrcito dos Alpes. O
mesmo aconteceu em Carcasson, onde adespeito das
amcacas dos auarchistas esta medida nio prbduzio
oulra emocJo mais que o prazer que lodas as pessoas
bom intencionadas manifestaran!. Em Uzes.um pas-
quim de carnaval, impropriamente tolerado pela au-
toridade municipal, den lugar no dia 22 a urna lula
que polis ter si lo segu la do serias consoquencias.
Sete pessoas fram presas. Em N;irbonna,u oflensa
foi ainda maior Os inembros do club que represen-
ta a repnblicn vermellia, iniullarsm por meio do
urna mascarada indecente o presidente da repblica.
Esla oahibicfo que ullrajava todas as leis existentes
durou por espaco do duas horas sem que o subpre-
foito, ao maire se apresenlassem, ou a polica n-
terviesse. L'm ultrage semolhante foi infligido ao
lenlo da cavallaria da guanta nacional, oqual lie
conliecido por um enrgico defensor da ordem. O
ministro do interior, informado disso por meio do
tclegrapho, toutou medidas do aecrdo com o minis-
tro da guerra para mandarreforcos Naiboiina, on-
de novosdisturbios se recciavam. (ragas presen-
ta do um liaUlli jo de linha, o dia se passou om paz.
As autoridades policiaes estilo fazendo udagnertes
acerca do occorrido no dia 22. O subprefeito, o
3nal mostrou alguma inercia,foi j demittido. Medi-
as rigorosas serito adoptadas a rospeilo da guarda
n-icional o da; autoridades municipacs. Alli, hein
como em nenliuma parte, o governo mo dexar de
cunipnr o sen dever. Final nenio em Crnix-Rousse,
alguns cpntenarcs de maucelios se rcuniram pelas
onzu horas da noile, o cantando a Marseilhaise e a
Carmarjnnle daneu'am om roda da arvore da lilurda-
de; lodivia, sendo intimados pela polica, rctira-
ram-se socegadamente.
Por occasiilo do anniversurio do que fallamos, o
presi lente da repblica franceza perdora a diver-
sos militares as penas em que tinham incorrido.
Os Miembros da assembla nacional, que advogam
a causada repblica democrtica o socialista, assim
como os editores de lo los os jomaos respectivos,
dirigiram ao povo a seguinte pruclamaQio :
v CidadSos.-Faz agora um anno que o povo, de
posso de sua soberana, pioclantou a repblica. O
glorioso anniverar o, consagrado por um decreto, o
convertido em (esta nacional, nSo sari jamis apa-
gado om nossa memoria Nossos maos morreram
pira conseguir a repblica ; conservemos pamente
a lembranca do sus virtudes cvicas, desuadedi-
eacaoaopaiz, e renunciemos por agora idoia re-
ligiosa de r conectivamente depositar no' tmulos
desses marlyreso nosso tributo de gratdii o ad-
miracilo. Os' inimigos da repblica colebraram liy-
pocrilamentc este dia. Nio Ibes demos nenhum pre-
texto em seu odio mpiacavcl ; saibamos resistir
todas is suas provocares, e confiemos na juslica de
nossa causa. A eslagnaco docommerc o tem pro-
duzdo ums miseria espantosa ; as manifeslacoes
populares, mesmo as mais legitimas o pacificas, da-
rinn urna nova o:casiilo para aecuir os republica-
nos por esta estagnaco universal, Nossa rosignicilo
servir para provarque o mal tem oulra origom, e
o govorno nlo poier occullar por mais lempo a
impotencia do seu svstema pira restabelecer a pros-
peridade publica. Nao nos tornmosos complicas
deesas odiosas falsidadcs que lancam solnc o povo
aresponsnbilidadoda miseria, hoja existente. Mus-
tremosiinulmentequaes s.lo os amigos da ordem, e
quaes siio os seus inimigos. Nos logamos a lo ios
os republicanos queso abstonham de toda i niMi-
festacq solemne, da qual os iiiiiiiigoa da revolueau
possam tirar vantsgem. >
0 presidente da repblica .le dia om da \ai ga-
nhando terreno na estima popular CoaUm-ttuwM
varias historias, que, a serom verdadeiras, provaoi a
existencia ou uo muita benevolencia do coraco, ou
de consideravcl tsclo.
A cmara municipal de Marselha volara-ilie a se-
gumto mnnsagem, ,congratulando-o pelas medidas
3ue seu governo tinha adoptado para a manuteocBi
ordem no dia 27 de ja.iciro :
Chamado por seis milhOesdo sulTragios ao car-
go de primeiro magistrado da repblica, vos com-
prhendestes as obngaces que um poder assun con-
ferido vos impunhe. Vos vos cercastes de homens
amados pelo paiz, os quaes se tcem levantado em nos-
sas lulas polticas, e em o novo posto em que vos-
sa conlianca os tem enllocado corlo uiio desampa-
rarilS a causa da ordem nem abandonarlo a da
A junta de commcrao de Toulon enviou tambem
ao-presdenle da repblica, com dala de 14 de feve-
reiro, urna ni i: ii sag ni congraliilanilo-o pela firmeza
que havia manifestado no dia 27 de Janeiro era sup-
priillir a eouseii ni'i i.
Depois do declarar, diz o Times, que os promolo-
res da anarchia que em 15 de maio e23 de junh.i len-
tarant revolucionar o paiz anciavam oulra vez, per-
turbar a tranquillidade, a mensaeem diz que a firme
aititudo do presidente da repblica a de seu gover-
no preveniriam suas esperancas de seren ^alisa-
das! A Fran?a, diz ella em conrlus.lo, precisa ter
ordem, disto o que custar; porque com a Odian re-
vivir o crodilo, o trabadlo e a prosperdade. Per-
milti, porlanto, que nos que enmpomos junta de
co.nmerco do Toulon, vos offere?amos as nossas
congrnlulaqes, o a expressilo de nossa gratdo por
ludo quanlo liavcis foilo c estis fazondo aflm de
conseguir esto resultado.
*\) espirito pubioo aclia-se presentemente oceupado
com a prxima eleioSo da.assembia Ingislaliva : nao
monos do quatro partidos teem j comeesdo suas
operaros para assegurar as oleices geraos, cada um
em seu favor : estos partidos silo o legilimista, o lm-
napartista, o ropublieano, o o da rogencia. He, po-
rm, opiniHo quasi geral que os bonaparlislas com-
porilo a maioria da futura assembla. Lina com-
miss.lo eroiloral fra por ellos nouteada para o flm
de com mais actividade ercgularidade promoveros
iuteressesdo partido.
Esta rommissfio, presidida polo general Hchelo.
e tondo por vice-prosidenles os gcueraes llulet d'Oso-
ry, llomeiiil, Sourl, I .a marre. Pelel o o coronel
I.ungais, dirigir aos cleilorcs rio Parisedos depar-
lamontos a seguinte proclamado :
A comnissao central homipartista, om o momen-
to em que se vai proceder em todo o paiz urna elei-
cj i solemne, da qual dependo a sorle futura da
tranca, julga do seu dever collocar-se om directa
commuDicaOilo com o< cloitoro-, assint de Parts, co-
mo dos departamentos, explicando-Ibes seus desig-
nios, a linha do conducta quo lenciona seguir, e as
esperances que tem de ser bom succedida. A I ranea,
sabindo ha pouo dasrommoces vioientase pode-
rosas do nina revoluQilo, doseja anciosanienle o re-
pouso, o estabeleciineiito da ordom, a oonlaiie i na
opinio publica, c a roconciliaQiio e concordia entro
todos os partidos. Fatigada do viver em incerteza,
ella persuade-so ter chegado ao termo desua crise
politica, c repelle a idea de nina nova mudanca,
islo lie, a idoia do una nova revoluQo. Iiopois da
grande reforma social que lerminou o ultimo seculo
o inaugurou o presente, a tranca lom successiva-
incnlo experimentado o aban lonado duas formas de
governo:o direitodivino, adespeito das asociaces
que com olio estilo ligadas, ea m'onarchia constitu-
cional, no obstante seus resultados materiacs. Po-
rm o impero,--que foi a nica forma do governo
que nao cabio pelo povo, cabio diante de um inmigo
eslraiigeiro. A Frang desejou por um termo defini-
tivo a tantas vcissitudes polticas, adoptando urna
constiluic.no, a qual emquanto se prestar aos mo-
Ihoramentos o ao progresso, lem direito ao rospeilo
de todos, pin que ho obra do todos.
(1 desojo da maioria dos Franco/es ho preservar
o estado aclual de cousas, c evitar conseguinlemen-
le novas revoluco.-s : tal deve ser lamben) o vol de
lodos aquellos que professem oniniOee bonapartistas,
e que depois da cb iejo do 10 de dezembro teem un
direito a crer que expressam as opinies dessa maio-
ria. A consliluico, baso fundamental do governo
e-.ialieleci-l i, Ser! coiiseguinlemanto a pedra angu-
lar do gran.lo edificio poltico quo nos desejamos
fundar, invocando entretanto o nome do Napoleo.
a O manifest do Luz Napoleao llonaparte, fiel-
mente executado e religiosamente observado, sera o
texto do nosso programla poltico eleiloral. Rcs-
peiloconsliluico,adliesiloao manifest; laessiio
osdousailigos de foque devem seros symbolosdo
nossa uniflo as commisses cloiloraes de 1849.
A commiss.lo central honapartista no prestara,
porlanto, o seu apoiosenflo aquellos cjididalosque
so comprometlererrf a lospelar, sem restriccSo o
sem reserva mental, a constituico votada pola as-
sembla nacional, o os principios i olicos adoptados
por Luz Napoleilo om seu manifest.
Outros penhores devora ser tambem dados pelos
respectivos candidatos para o limpie oblcremaas-
sislenoia da commiss.lo central bonapartisla. O gran-
de movimcnlo quo se seguio rovolu^flo do 1848
foi feto em nomo da relrma eleiloral. As oloices
de 1819, se be quo queremos que puuham um termo
as revoluces, devoran ser dirigidas sobre ludo em
o nomo da relrma liuanceira o administrativa, lima
berdade, Com sua poderosa cooperario e o apoio da ; reuuCCii0 na taxagno, por meios de urna reducc,0o na
------- despeza, produzira um equilibrio entre esla e a re-
(*; Abiiso com a padraria. coila. Urna dciraiialion adminitralive simplificari
.cu


2
*
iilcmatjkfanonte con) nlirada maquina da administr-
oslo departamental, som todava enfraqucecr a cenlra-
lisacao poltica, i|iie consliluea frca da Tranca, e ex-
cita a inveja dos eslrangeirs. Tsl deve ser o duplo
nbjectoe o duplo resultado das prximos eloicoes.
A rommissfio central esta convencida quo lie pola
reforma (Inanceira u administrativa, que lie rea-
lisando a .lea do um govc.no barato o simplili-
candu as formas que iuipcdcm a administroslo lo
cal-,que I.uiz Na polillo naparte.o hornera de nos-
sa escollta, podera mais ellicazmcnte consolidar o
principio da aulordade, e produ/.ir o desenvolvi-
menlo da prosperidad* publica por meio de urna pro-
teccio rasoavel, dada agricultura, ao commercio e
as manufacturas.
(( respeito conslituiQio.-a decuplo do ma-
nifest financciro o administrativo,- a redcelo dos
impostos,tal lio o programma e a senba das elcicOcs
de I8t!). Tal be a bandeira da commissio cutral
bonauartista,tal boa de todos verdaderos ami-
gos da ordem e do presidente da repblica. Viva
a constituido, a Viva Luiz NapoleSo Bonapar-
fAssignadosJ O presidente, os vioe-nresidentes o
os secretarlos da eommissao.*
Os republicanos da sua parle lambem nao teem si-
do ociosos : as diQVrentes fraccocs deste partido ef-
leiluaram nina fusilo, e parecen) disposios actual-
mente a considerar o general Cnvaignac como sou
befe conimiim.
A l'nsse, fazendo jusliQa a assemhln nacional, ex-
prime-se assim a sou respeito :
< Esta corporaefo tem rcilomuko pelo restabeci-
mentoda ordem, pela repressSO da igilaco revo-
lucionaria, e pela seguranen de vida e ilc proprioda-
de. Ella ten) sido lalvez mais republicana do que
liberal. R|ja conceden ludo ao u,ue julgou Ser par-
tido conservador ; ella deu-lbe o estado de sitio, a
dictadura, as deportarles, a suspensflo arbitraria
la imprensa. A bisloria lbe exprobrar sto como
umn Taita, o a democracia fai o mesmu ; porem, se
esta Mta tom urna desculpa, ella sera encontrada
sem iluvnla na in 11 tl'.-r cni;;i coin (|ueo paiz testemii-
iibou o sacrificio do alguns dessos direilos, cuja
conquista llio custra tanto sangue, e cuja profana-
cSonunca devena ser perniittida, especialmente ao
rabona hypocrita e, perjuro de um governo de IIbar-
dada. Km urna palavra, a assemblea nacional est
para retirar-se depois de baver conduzido a Franca
per entre os desfila.leros da anarchia, no meio do
dilliculdades enormes, de crises terriveis, sem ler
ordenado nunca a orocclo de um cadafalso poltico,
sem ter compromettido sequer um s dessesinte-
ressesquea Franca representa no mundo, edeixan-
doasua liberdade em sua Carreira futura a sobera-
nia deseui direilos, a fnviolabilidade dos principio
l,,Y' provincial.Ignacio Dent de Loyolla, 3." official
Ja secretaria.
YARIEDADE.
O papa, porem, o qual se acha anda em f.aela,
dirigir ao corpo diplomtico o seguinte protesto
contra a proclamoslo da repblica romana :
A louga e no interrompida serle de atlentados,
commeltldos contra o dominio temporaldos estados
da igreja, tem tocado o ullmo degro docrime. A
assemblea constituinlo romana approvra em a ses- O ANNO BISSEXTO
^^ol^ZZ^^Se^t^ ,3^ J q
governo temporal dos estados romanos.-converlen- J" J70P"""- ^LtTrnT," 7 d ,apr,esen''r *
do assim oslo governo em urna democracia pura de- ,^XU ft"fn aconlecimenl*.r<"'uia'>u-a M(,
ba.xo donme de repblica romana brigado por i" ,;,"', ',a .. ....
estofado, erguemos outra vez a nossa voz contra ,,/"lf "''f^ l^n p'- ?"ftdo S^^ ES
un acto que se aprsenla perante o mundo civilisa- fJ^HU* Pmoileo dot lohra PM'- *1"
do com lodos os caracteres de ingratidlo. iniustica, .,?*: _
ignorancia e impiedade, e cercados pelo sacro col- "iV,5TA D0 *"? >"S8to.-1848.
legio e pelos dignos representantes das potencias e i,_.#... j._____ "**"?'L>
governo amigos^, santas.-proteslamos conlra .,,A erU\ZttLm""*m l-'fMs-Cr.ppe em Por-
elle, e da maoeira a mais solemne o declaramos RB Jl SIu,ssaTGhleIr" nornteriorda
nullo, e de nenbun. Reito, como o Lavemos Jeito u. i 7i em<*Panhe de I) Baldomero Es-
para todos osados precedontes. Vos, Srs., teades Sfl B ,?7 .^-El-kaderohega preso Franca.-Re-
sido lestemunbas dos factos igualmente deploraveis, 'ta scilia.-Agiodasnotsi do banco de Lisboa
quo liveram luga em 15 e lo do i.ovembro do inno por '
prximo passado, e do accordo com nosco os baveis1 rm n revertir
lamentado e condeinnado. Vos confoi tastes o nosso'. hm fr,s as commissoos roformisUs declaram dar
coraconaquelles infaustos das. Vos nos seguistes ''an1uel* contra as ordens do governo.O rei de
a esta ierra para onde l.avomos si lo conduzidos pola 52"*' da, no?a, constituiclo. A celebre Lola
mo de leos, o qual exalta os bumildes, e OIWM' ffS!?.' c.unufsa "e Landeslebl, favorita do re; de
abandona aquelles que nclle confian). A vos que 2",e,r u "W?. 8"'"r Mnich.-0 re de
anda nos cercis dirigimos estas palavras Da tMe-2R?" ^iuisao.-KefOlocfo em Paria : Luu
que ella tem senipro sustentado, eque seacban pie-
sequeucia dos arlilicios da dita CacoSo, inimiga de
toda a sociedade buinana; nos, como principe tem-
poral, e anda mais, como cabera do poulilicado
da sania roligiao calliolica, expomos as lamenlacoes
eao iiusino lempo as orac,6>;s do nossos itos sub-
ditos ponlilicies, que anciosainente dcsejain ver
quebradas as cadeias quo os opprimem. Nos roga-
mos ao mesmo lempo a manulengo dos sagrados
direilos do dominio temporal da santa s, dominio
que ella lem logrado por lautos seculos, e por todos
tiin sido umversalmente reconliucido,--dominio que
por ordem da Divina Providencia se tem tomado
o cessario para o livre exercicio da religiflo callioli-
ca da sauta s. O vivo uteresse que o inundo lia
manifestado em favorita nossa causa, be una prova
luminosa de sua n-in-.i, e no duvnainos que esto
iiusso protesto sera recebido com lodo o inleresse
propro tiaeta, H de Icvoieno
TOSCAM'A.
O grito-duque de Toscaoa fugra dos sous estados,
para escapar a excoramunbflo fulminada pelo papa
eontia aquelles quo concorressom para a eleicSo da
constituinto italiana, o em consequencia disto o po-
vo proclmala a repblica, o declara a Toscaua uni-
da a Boina.
No seguinte numero relataremos por extenso a
maueia pela qual este acoulocimenlo tivera lugar;
assim como publicaremos, para coiihecimento dos
nossos leilores.mais algumas noticias que encontra-
mos us joruaes que recebemos.
^BgBBe^BBiBHPIPM^l
,---------------------------------( ...,,..,,......r sentemente confunilidos com a vida moral no desen-
volvimenlo df civilisacao. A (arefa era dillicultosa,
porem ella a desempenhou. A bisloria nao o esquo-
"cra; e, so a assenibl nao poder ser admirada por
sua grandeza, sera venerada por sua sabodoria.
Nodia 23 de fevereiro o barlo Antonini apresen-
lou ao presidente da repblica as credenciaes do rei
das iMias-Sicilias, nonieaiido-o seu enviado exlraor-
dinarioe ministro plenipotenciario junto a repbli-
ca franceza em lugar do conde Ludolf, cuja missio
iiavia terminado.
Segundo aiinuncia a Presse, Sir llenrv M F.llis,
ministro plenipotenciario nomea.lo pela rainlia da
Inglaterra para o cciigiesso do Broxelaa, relativo
ios negocios da ftalia, reoebera no dia 10 de feverei-
ro ordem de partir iuimcdiatameule para o Seu pos-
to. M. de l.agM'nce.iiomeado para representar a re-
pblica fianceza no mesmo congiesso, recebera
igualmente inslroccoes para partir sum demora para
Bruselas. O conde (.'olloreJo, plenipotonciaro aus-' -----i""'."T".
triaco, ja os Ijnba precedido A conferencia deve- '?.me,,.onh ri da anarcliia nesla bella
Com mu nica do.
naalirir-se logo que os ministros plenipotenciarios
houvessem ebegado. Mil. Ilicei, Maitini cJafTetbi,
plenipotenciarios da Sardcnba, Toscana o Vene/a, e
que se acliavam em Paris, licavam a partir lambem
para llruxelas.
Os individuos rondemnados a morle pelo assassi-
nalo do geneial Brea appellaram para o conseil de
revisin, mas cria-saque a senlenca Ibes seria Con-
firmado, sendo lalvez somante reformada aileVap-
preau, contra o qual no bavia proras assas convin-
centes.
ROA,
AsesafiodS assemblea conslitiiinlo romana f.ii so-
lemnoiiiente aberla nodia 5 de fevereiro. minis-
iro do inleiior, II. Armelini, leu nesla occsaio una
talla, na qual, diz o Timti, esforcra-se por demons-
trar a incoinpalibilidade quo existe entre o poder
temporaleo espiritual dos papas Aodescer da Ir
buns elle exclamara: Viva a Italia .' Viva o povo
para sempre! Gritos estes que foram repetidos pelo
auditorio. '
No das.lo mesmo mtz pelas 12 lloras da noite a
assemblea proclamara a repblica : o decreto para o
eslalielecinienio desta forma de governo fra pro-
poslo por M. Savini, e bu do leor seguinte :
Art f.' O papado lem cabido rfe fuclo o de jure do
tliroilo temporal do estado romano.
Art. 2 a ponliflce romano gozara de todas as ga-
rantas necessarias para o exercicio de seu poder es-
piritual. '
..Ail.3.0goveniodoestadn romano ser nmade-
mocracis pura, e assuifilr o glorioso titulo de ropu
Mica romana. '
Ai I J. a r. publicaromana mantera com o resto
Slid'de!.01'^ CX,BdaS p0r Um" <'"""um ":-
\ d.-posicno do papa foi decretada por 136 votos'
A hornero conscicncioso corre um indispe'niavel
obrioacilo de nfo deixar sepultado ius trovas de um
criminoso silencio o herosmo dos benemritos da
patria, e de recommen.lar a posteridadea memoria
daquolles Ilustres feitos que distinguemo boineb|na
socicdado, qualquerquoseja a posicoque ncll oc-
| cupe. Qiiaudo liomeus de indolo feroz fueram ouvir
o medonlio grito da anarchia nesla bella provincia,
nilo s os briosos e honrados Pernarobucanos, como
todos os llrasileiros amantes do Ihrono imperial o da
ordem, para logo so dispozeram a allronlar todos os
perigos, o encarar a morle, no (Irme destino, em
inabaltvel reaolu(So do sulfocar a anarchia, o anrti-
quilar essa tilo infundada quanto infamo rebelda
que por-mais de quatro mezes lem ensanguentado o
solo periliimbucano.
Nesla lu* fratrici.bl
ja por sua lulelidadeao governo, esta poico do ex-
erciio brasileiro que por todo esle lempo de borro-
rosa recordacao, sustentando os direilos do tlirouo,
e vingando a patria dos ullrages-que sobre ella
lattcaram HUIOS degenerados e ingrato;, garanti
no-sas vidas e fortunas. Mas uu.a grande e remar-
ca vel gloria eslava reservada para depois do dia 2 do
rovereiroaos muilo benemritos Sis. lenenles-coro-
neis riilclo o Luiz Jos Fereira : a estes dous bra-
vos olliciaes so deve a pacilicagilo do norte dosta
provincia; o primciro pela incansavel marcha que
somprolez contra os revoltosos que poderam esca-
par do ataque da cidade, e o segundo pela accOo que
llies dou, desbaralando-os e aprisionando o seu pri-
meiro diere, o caudilho Antonio llorges da Fonceca.
Parece que a Providencia Divina tem reservado o Sr.
lente-coronel herreira para dar o ultimo eolpe
aos rebeldes en. qualquor parlo onde elles apiare-
cam: seus leitos de bravura as provincias de Alara-
IhOO, Minas, B.o-liande, c hojeen. Periiambuc. o
tornam recoiniuendavel a todos os llrasileiros ami-
gos do throno e da ordem. Queiram os cos prolon-
gar os das Mu preciosos desies Uo dislinctos olli
ciaes, seguros por corlo das heneaos, e do cierno re-
conheciiuento dos Pornambucanos, que amis se
esquecorflo .le seus relevantes servicos, o de seus
Marfo.
O duque de a umale o o principe de Joinville deixam
o commando da Argel, chegam a Lisboa, donde par-
ten) para a InglaterraDpsordens em toda a Fran-
ca : em Lyao queimam teares de ricas fabricas.-
U-iM linanceira em Paris, cessando muitos ricos ban-
queiros os seus pagamentos. Motins em Londres
napracadeTrafalgar, aonde os policiaes quebram
algumas quarenta caliecas.Al o principe de Mo-
naco da a sua coosttuc.fio.-Kevolta em Vienna.
0 principo do Mettornich be demittido. O rol da
1 russ.a muda o ministerio, em consequencia do urna
revolla.O imperador da Itussia pOe o exercilo em
pe do guerra.-Molinv em Madrid em favor da rep-
uiica.-l'io IX da conslituisao.Revolta em Miiilo
contra os Auslnacos que abaudonam a cidadella, e
cnegaoi all do exercilo piom ontoz. -Agio das notas
4a por 0/0.
., Abril.
narT.m6,1,? ? "L N*P,eS COnl^ 8S ""esolucOeS do
'I110/8 Palermo.-Combate do (ioilo, lican-
HPt.nn ? S os Auslriacos- Morro em Berga.no
um mc.-r? ?." P81,8 aPre8enlar una petcSo ao mi-
nisieno. -Nova constituicilo na llollanda.Morre a
2oUdm"iif.1 ''Imella -Cheg.d. a Londres do priaC
cipe ao Mettornich.Itevista em Paris a 265 mil ho-
s!?ifva /^"'"v* -Os Pruasianos tomam
o f>iueswig._0s Komanos dSo 24 horas ao papa para
noniear novo minislerio, e declarar guerra Aus-
n. .""e"seem F,a"cfurt a assemblea nacional
50 por 0Ante d "Dperi0 a"emao._Agio das notas
Jfafo.
"e,v71ein Madrid, em que morre o capitfio-ge-
be,nV e,S,?~Nlmsm Sev'l"a.na occaaiSodo
lle.r ;'. fc uu.qus do Montpensier. O infante i)
ho 11vqiu8pr,vado..det0,,8Sas honras.-Em Pars
a dcUr.r .' '.*en,w nscional para obrigarem-a
f.lml n "Se \f,vor do l'o'onia.-O gorerno hespa-
u o manda sabir de, Madrid M Bulwer dentro de 48
n.r..- ,vail0 em v'0'na, o imperador foge
pan Inaprunck -Revolta cm N.poles : e o reaul-
wuo ,e o povo o a guarda nacional serem metrilha-
o durante horas -A assembla nacional vota a
exciusao perpetua da familia Orleans.-Acc.1o de Pea-
cinera _s negros commellem horrores na Martini-
ca-Agio das notas 50 por 0/0.
Junho.
Vicenza caneen poder dos Austracos. insur-
reioaodos communislas em Parls.-O generalCa-
va.gnac he .lomeado chefo do poder executivo. -Mor-
Wm no cmbale os generaes Brea, Negriere Duvi-
viero ifCi'iiw.in ii.i ..,,,. ...... :.. i'.n._ .
sesses, he obrigada pela frca a no se reunir en
Berln Roberto Rlum, deputado de Francfort, que
tinha sido rreso defendendo urna barricada em Vien-
na, he fuzlsdo, bememno Masseuhoiiser, commin-
danle da guarda nacional, e outroc communistis.
Em Berln o general Wrangel declara a cidade em es-
tado de sitio.-Prorlama-se a nova constituoslo em
Pars. RevolucSo em Roma : o conde Itossiheis-
ssssinado quando ir abrir as cmaras.0 papa ne
forjado com arllhara porta do palacios nomer
Mamian presidente do novo ministerio.o corpo di-
plomtico resolve o papa a abandonar Rema.Elle
foge disfarcado em pagem do ministro de Ritiera
elle o padre santo que, em paga dos beneficios lihe-
raes que deu aos Romanos, recebe da patulea negra
ngratidSo, e chega a <;ae(a, aonde pede asyloao rei
de aples, que logo all o vem cumplimentar.\
dieta allem.la ho mandan* leunir em Krnmsier.Ati-
ram um tiro ao duque de Modi n i. Cholera em Vien-
na, em Edimburgo e Londres.Agio das notas 401
por O/o.
Deiembro.
O imperador d'Austria abdica em favor de seu so-
brinho Francisco Jos.Ka%Madrid descobre-se urna
tentativa contra Narvaez.Ele'icao do presidente da
repblica frsnceza. -Sahe cleito Luiz Napoleio.-o
papa ho destituido do poder temporal.Luiz ipo-
ledo be proclamado preaidente da republiea taance-
za. Conspiracao descoberta em Sevilha. O rei di
Prussia dissolve a dieta constituinlo, e outorga unu
constituicilo, que ha de ser subjeila i apprevico
da nova dieta. -Morle do efemor. Agio das notas
40 por 0/0-
Sentimos que nesse seu a pona ment esquoces-
se o jornalista os mporlantes acontec mantos do Bra-
sil ; aqu os accrcscentaoios.
Uarco
DssoIuqSIo do ministerio dos favores e rancores.--.
OrgauisacSo do ministerio da tolerancia.
Abril.
Movimentos sediciosos em Pernambuco.
Malo.
Dissoluco do ministerio da tolerancia.Organisa-
cSo do ministerio da repercussSIo e do remo que-
brado.
Julho.
Movimentos tumultuarios em Pernambuco. Ite-
presenlaco da' assombla provincial praieira.lm-
passi bil idade do governo e da cmara.
Selembro. ,
Pssseio da polica eleitoral armada de achaa de le-
nlia pelas ras do Rio-de-Janeiro.Dissolu^Slo do mi-
nisterio do remo quebrado.
Ouiubro.
Acamara nogenuinaflca douda furiosa........ha
adiada
Noxmmbrt
Hompimento da polica inamovivel em Pernam-
buco.
(O Brmit.)
tOMMEACIO.
ALFANDRGA.Rendlmonto de dia,j 10:34l,43t
Oeicargam boje, 10 df abril.
Ollera Sord-Fisk mercaduras.
Birca tarmtm farinha, bolachinlia, barricas
abatidas e banba de porco.
CONSULADO (ERAL.
Rendimenlo do dia 7.............. 4:M1,744
Diversas provincias............... 312,352
V554,092
- quo bomens, Iludidos uns,
o oulros ambiciosos egostas, ousaram por em cam- urea. Naerier e
po, multse tem distinguido, ja por sua bravura, *r -Oarcohispo de Pars, que ia fallir aos insi.r
sua fidelidadoao aoveruo. nsia iw>.i-n.. a ... entes, lio mnrin _iini>n. Am n___ ". "'
Publicarlo a pedido.
conlra s,,, o csl/l/ce'ci'mVn'toVtrr 'T ''"' "".'S|,Bra?03 l8" "StalhOes quo nunca entrara
votos; "'clecimcnto da repblica por ISO combate quo dellem.osahissem'corOajosdeluro?
Pelas duas horas da tarde do d.a 7 a bandeira re *" *"* J1""a'S "^ l"UrC'""'-
pub .cana lora basteada sobre a lo.ro do c pii,L t
Na sessiiododiai3o ministro Slorbini rninn.
modo mm.slro da fazenda, aprsenlo I, p"X
determinando que todas as propriodades cel"sU
ticas passassem a pertencer ao estado, e ouetodaa
all.en.oao das n.csm.s propr,edades, qu.?quer qUe
l'hweS S e"S,Jcassl: ""'o de no-
A commiss|b execuliva e o ministerio da reubl
ca romana ba\iam publicado o seu program.na El
les declararan) ueste documento que a repblica
...do por nico ohjeclo o bem da Italia, ligha-s
levantado da anliga ordem de cousas sem derramar
sangue; que a assemblea constiluiile itallaua era a
Ma bandeira, o a guerra da independencia o seu lim
yueclla iiilenlava restauraras nuancasau seu ela-
(10 normal, modificando os cdigos, organisai.do a
iii.rriiadedascnrporacflps inunicipaes, prestando a
dev.da cons.d, raclo as quueloes souiaes.o eolio-
cando .a propnedado dcbaxoda salvaguarda do es-
()0. .
III. Sr.-Nilo esiou Icgalmenle impedido de com
parecer aos trabalbos da secretaria ; mas um poder
lorie o irres.slivel me priva do ex. rcico do ine em-
prego, cuja-Talla so opera ndependcnle da ininlia
vonlade. Eslou iFlega I .nenie preso desde 3 de Janei-
ro Uo anuo crreme, marly.isado por diversos po-
roes dos navios de guerra, arrastrando pesados fcr-
roa. O uieu cnine nao be oulro m*is do quo haver
toinhatulo a influencia porlugueza, por amor da
wi un preso e continuo a ser massacrado.
-.?.!"i ("''P"?" deve chegar ao coiihecimento da
'ssenn.ie., legi.sl.t.va provincial, por inlermed.o de
C0'tiEtlS.m" Pr,t'tU ub,,,ll-1" a ^"aidera.
atSfcna.yA, 'le i"lclri'r a n,esma "embica, quo
/ suit-u.,?/ ?' B"T0 a Drca TtnlmSem Ft-
79 n. sPr "l,e''er?,n,buco- 24 do marco de
181. Illm. Sr. t-scc,aUnoda.asambleaJegisla-
Se! "^rl,i:-|tovolla e>" ''-(!. e assassin.m
mee/a W.n.lischgraetz e Um filho.-o princioe
tdischgYaetz bombardea Praga.-Cholera em Sa-
irsburgo, Da.itzik o Riga. i.uiz NapoleSo heelei-
2Pc uor,P'la.Cu,rseea-l'esordens em Pern.m-
o contra os Portuguozes. Agio das notas 53
r^P/O.
Julho.
Morbo Chateaubriand.Os Itussos oceupam a Vat-
lacha.BaruIhosemSan-Peterburgo, por espilha-
rem que se tinham envenenado as fonles.Grande
incendio em Smyrna. Em Palermo elegom re da Si-
cilia o lilho de Carlos Alberto.llluminacaoa gaz em
parte de Lisboa.-berrota de Carlos Alberto porto de
Vero na.Cholera no Cairo, Damietie Alexandria -
Agio das.notas 40 por 0/0.
' Agolo
Priso do Irlandez O'Brieu pela polica.-Enccrra-
meetodas curtes cm Lisba.-Cholera em Tilsitt e
em Berln.-Radelki entra em Mliio Os Austra-
cos bombardean) Rolouha.-Incendio das cavalhari-
Cas de Marra.Os Piemontezes entregara Peschera.
-Desordons etn Vienna, Berln o Munich.Incendio
em Albania.Agio das notas 40 poro u.
Selembro.
Entrada do exercilo Napolitano em Mcssina depois
de., .has de combale. -Morre em Santarem o viscon-
rte da Serra-do-Plar.- Morre em Braga o conde de
VinhaM.I.uiz Nipole.lo, depuUdo, chega a Par*-
Inccndio em Constanlmopla.-Os radicaes assassi-
nam om Francfort o principe do Licknowaki e Auers-
weld.-A duqueza de Montpensier d a luz urna
princeza em Sevilha. Cholera em Hamburgo e
M.mburgo.-O conde Rossi forma um ministerio em
o.na.-OcondeLimberg, lugar-tenente do im-
perador na llungris, ho assassinado.-Por proposla
ue principe do Monaco convo.to-se o principado em
ropubhca.-Os Turcos entrara em Bucharest.-AKo
das notas 89 por 0 o-
Ouiubro.
Cholera em Loiidres.-Revolucao em Vienna, on-
de ps socialistas assassimun o coudo de utour, mi-
Olmutz.-O Irlandez O'Urien he sentenciado a mor-
le.-O principe Wmdischgractz o JelUchicli atacara
Vienni: os Hngaros, cominaiidados por Kossulh
que a vinham proteger, s.lo ropellidos.-Bo.i.bardea-
OWSULAIM) PROVINCIAL.
hendimenie do da?.............. 1:138,782
PIUCA DO RECIPE, 7 DE ABRIL DE 1849,
AS 3 HORAS DA TARDE.
Rcvislu semanal.
Cambios ----- Hove poucas transaccoes a 27
1/2 d. por 1,000 rs.
AlgodSo ----- Entraran) 382 siccas. O de pr-
nieira sorte anda se vendeu a
4,400 ra. por arroba, e odeso-
gunda a 4,000 rs.
Assucar- ----- Bem quo os presos (oseen os
meamos que noticiamos na revis-
ta anterior, todava o mercado
estove mais animado. A aulla-
da do ensaccado foi abundante;
. noeulauto que apenas vieran) a
.. praca 180 ca xas.
Couros sajados- Venderam-sa a 100 rs. por libra.
Bacallto ----- Kicarom por vender 2200 Mri-
cas. As yendas regularan) a rs.
12,200 por .cada urna.
Bulachinhe- Veudeu-se a 4,000 is. por barr-
- quinha.
Canella dem a 480 rs. por libra.
Carne secca -r As vendas continuara* de 2,600
a 2,400 rs. por arroba; a, com-
quauo eaAiasse um carregamea-
to, o deposito he .de 40000 ar-
robas.
Cha hysson--------Vendeu-so de 1,400 a 1,000 rs.
por libra.
Familia de trigo Chegou um carregamenlo coa
1950 barricas, o qual elevou o de-
posito a 7500. Oa preco foram
os mesmos da semana antece-
dente.
Maiiteiga de poico- Vendeu-sa a 000 rs. por libra.
Picaran no porto 70 einbarcacOe, a saber : 3 aint-
ricauas, 4 austracas, 35 braaileiras, i brmense,
diuawarquezaa, francezas, 16 inglezaa, 5portu-
guezas, 2 sicilianas, 4 sardas e 1 sueca.
__^'^imjymnaitammktaasam^maaas^mmmtimm
Vlovimento do Porto.
iTJe ^Iei"",'/que se ulrea a U'cricao.-Agio
das tiolas 40 i.or O/o
Novembro.
O re da Prussia encarrega o conde de Brandehur-
go de rormar um ministerio.-A aSsembh-a coslUu-
inie, quewcusou ir para Brandeburgo faier u suss
Navios entrados no dia 7.
Rlo-do-Janeiro; 21 das, barca ingiaza f.-fenwa/-
Flanter, de 256 toneladas, captao DuesbervJIan-
smi.equ.pigoni 12, em lastro: a Deaue oulaA
Companhia.
Maranhflo ; 17 das, brigue-escuna brasilairo Loira,
de 163 toneladas, capitn Antonio FranciscodsSil-
va Santos, equipagem 13, carga arroz e nusg*,,e"
ros; a Novaes & Companhia. Passageira*. Juio
Mondes de Almejda, Leonardo Marculuo a Lemoi,
Jos de Almeida Martina Costa, Frauciaco Jos P-
reira de Brito, Manoel Marlinsdo Vasconcello*Por-
to, Filippa, prelr forra el escravo a entregar.
Alario sabido no wstssm dia.
Baltrmore ; barca juaericiat^Jil-aradu, capilfio Js-.
mes Etcbberger, carga assucar.
ILEGIVEL


Navios mirados no dia 8.
Rio-de-Janeifo; I* das, barca portugueza Fulm-
nense, de 872 toneladas, commnndanlo o capUTo
de mar c guerra Thomar. Henrlque Villdi'm, equi-
pagem 34, carga roadeirl. caf e maisgneros ; a
Amorim hmfos. Traz 32 passageiros c segu pa-
ra Lisboa com escala por Acores depols de reoor
her alguma carga dqui.
Uuenos-Ayres pelo Rio-dn-Janeiro ; 35das* do ulli>-
mo porto (0, pilaclio brasiteiroj./><>i4ro, de ItiG to-
neladas, capiUlo' Jos Caelaiio vlira da Silva, e-
qioagem 8, carga carne ; a Caudillo Agosliubu
de Barros. 'T
dem ; 37 das e do ultimo porto 16, polaca sarda
Grillo, do 179 toneladas, rapillo Nicolao Epipha-
nio, equipagem 10, carga carne ; a N'asrimenlo &
Amorim.
Navios sahidm no mesmo dia.
Maeaio ; barca ingle/a St.-\tncenl-Planler, capillo
II. Hanison, sm lastro.
Val-Paraizo; barca americana Ahne, cadilata W.
Cobb, carga a mesma que trouxe.
Genova; barca sarda^U/Ma, capiUo Dominico Bu-
zano, earga assueafJJ^ouros'
Idoin ; barca sarda Correbodequnde, capito Jos Se-
vea, carga assucar e algodo.
Lisboa ; brigue portuguez Sublim, rpido Joto
Francisco de Amor, carga assucar. Passageiros,
Joaqun Pereira/larinho com 2 fillios e 1 criado,
Manocl do Carmo Araojo, Miguel Ferroira Das dos
Santos, Antonio dos Santos Souza MorWa.
(.ibrallar; brigue iuglez Lalla-ltook, cipiUto John
Maciarevich, carga assucar.
dem ; polaca austraca Abdel-Kader, capiUo L.' fts-
beta, carga assucar.
l'ar por ataranliSo; patacho brasileiro ./oie/i/i/na, ca-
piUoJose alaria da Silva Porto, carga fazendas e
assucar. Passageiros, o atieres Joaquim Francisco
Harrea, o l)r. Luiz- Lopes Castello-Branc
Carlos nom sua familia, I). lismoria Uaria
coiclo com sua familia.
(.anal; brigue ingle* Charlollt, capitilo Robert Tilo-
mas, carga aMucar.
Navios enUados no dia 9.
nio-Grande-do-Sul; 30 diaa, brigue brasileiro Pa-
quete-de-Pernambitco, de (94 toneladas, capiUo Joilo
Concalves ||< i, cquip igem 12, carga carue : a
Leopoldo Jos da Costa Araujo.
Costa da Patagonia; 33 das, barca brmense Sophia,
de St9 tooelaJas,eapit;1o N. Uundesen, equipagem
ti, carga gUnd; ao capil3o. Traz 4 marinhei-
ros de uin navio naufragado na masnu cosa.
Novio sabido no mesmo dia.
Havre-de-Grace; barca fraqceza Jeuae-Mly, capi-
tfloJosepliCimbarel, carga assucar. I'assageiros,
llenry Zimer com sua sehoru o lilbos monore,
Hamburgueses.
Ob$ereacSei.
Fundeou no Lameirnn, para acabar de carregar, o
biigue inglcz Tavmouth-Cattle, capitao Julin Millar.
dem, o brigue inglcz I.tda, capiUo Joliu Perler.
I lem, o brigue inglcz Urtcian, commandanto o l-
ente Tindal.
inco> Cosme
da Con-
che ndvo ou na rua.'da -Ca,dea-Velha, n. 17, segun-
do andar.
Sali para Lisboa no dia 21 do correle a barca
portugueza Ligeira, de que he cpitia Antonio Joa-
quim Rodrigos: para o resto da carga dirijma-se aos
seus consignatarios, FranciscoSeveriano "tabello &
filho ou ao mesmo capil.lo, na praca do Commcr-
cio.
Para ilha dos Ac,otW e Lisboa siho impreleri-
veiiiieiiic, nodia 24 de abril, a polaca Soeiedade-le-
H*. por se achar com o carregamenio quasi comple-
to : para o resto da carga o alguns passageiros, aos
qnnes oifereco bons rommodos-; trala-so oom Juno
'lavaros Cordeiro, na ra do Vigario, n. 8.
Para o.liio-de-Janeiro sabeom poucos das, por
se achar quasi promplo, o brigue nacional Sao-Jos:
para alguma carga miuda, escravos a frete e passa-
geiros, para o que lem excedentes commodos, tra-
la-secom Caudino Agoslinho de Barros, ou como
capitilo do.mesmo.
Para o Rio-de-Janeiro segu com muila brevi-
dade, per lor parte da carga prompta o patacho
Diligente : quem quizer carregar, ou ir de passagem,
para o que tem excedientes comino los pode fallar
com Jos Antonio de Magallifles Basto, ou na luja
da cabos de Luiz Uorges de Siqueifa na ra do
Vigario, assegurando-se levar carga por menos frete
Ib que qualquer ou tro.
I'aia o itio-dc-Jnneiro sabe, coma roaior bre-
vidade possivei, o biiguc nacional l.igeiro, por ler
porte de seu carregamenio prompta : quero uo mes-
lo quizer carregar, embarcar escravos O ir de
passagem, para o que tem asseiados coiniodos,
dirija-so a Manoel Joaquim So a res na loja de fer-
ragens, ao p do arco da Conceiciio, ou a Novaes &
G., no ra do Trapiche n. 34.
Para as Ihas dos Afores e Lisboa sahe a barca
portugueza Ilumneme, do loto de 240 toneladas O de
boa marcha, oqual est a chegar do RTo-de-Janeiro,
segundo os avisos, o deve ueste porto demorar-so
poucos dias : quom na mesma quizer carregar a di-
to deslino, ou seguir viagem, podo com anteceden-
cia contratar com Amorim Irmfios, ra da Cadeia,
n. 39, os quaes garantem os bons commodos mesmo
para ramillas.
al
nos
O PflSSado lil*Piil n fllK,ma influencia na compra dos bilhcle que rejlam. o
, | MiMl, O presente e O ll;respectivo Ihesoureiro, levado por esta influencia
tllTO queespera n.lo ser arreruciJ, desigu^ odia 27^de
Nlfoffmdosidn possivel mslrar no dia marcado o
pnmeiro ensatada grande mar-hina de lazer barbas
por vapor em consequencia do so ter encontrado
um pequeo defeito no parafuso central da grande
roda dasnavalhas.o director doestabelecimento mr-
Ca de novo o dia 15 do correle para mostrar nfto s
aos qun undosamente esneram ver realisados os
planos desse grande autor da mclhor dcscoberla do
sculo presente, como tambem para mostrar aos
que anda duvidam que nemsd na velha Kurcpn se
goza das melhores commodidades da vida ; por isso
convida los primeiros para que so dirijam a olll-
cina do Sr. Mundoesle, na ra dos Quartels, onde es-
tara exposta durante o res4t da semana a grande ro-
da do 305 navalhas do pjseMe C quintaos que o dilo
ar. gratuitamente su encarregou de aperfeicoar o
Paraluso ; e aos segundos ;ara que so dirijam ao
r-F., adnidequo Ihe mostr o desenlio da ma-
cliina-barbiorama, que de corlo os convencer da
possilnlidade lo sua existencia. Pombal, 7 de
abril de 1849 O director.
Joaquim Jos Comes vai aos poilos do $0.1 do
imperio.
Leiles.

lloa grac.-i.
Pede-so ao lllm. Sr. ... que por engao levou da
loja ele cera do Sr. Fortunato Carduzo de Cuuveia um
chapeo trocado, o qticira entregar na mesma loja,
que receber o que deixou licar; vislo que ao an-
nuncunte nollic convem tal Iroca, e muilo meuos
gosta de semelhantesgracinhas
-- Precisa-se de 1 caixeiro de 13 a 15 annos, hrasi-
teiro qu portuguez para uinn pndaria, que seja fiel:
prelerindo-se o quo entender: na paularla do pa-
tito da S.-Cruz, n. 6.
Arrcnda-seum engenho que.seja de boa produc-
jao ; quem livor aununcie ou dirija-se ra do Ca-
nga, loja defronle da matriz.
-- Quem precisar de um rapsz portuguez para cai-
xeiro de qualquer cslubelecimcnto duija-se pra-
q$ da Independencia, n. 12.
-- Izidoio Bastos de Oliveira deixou de ser caixei-
rodoSr. Joaquim Antonio dos Santos Andrade des-
de o da 6 docorronte. -
Precisa-se de um auiassador
dara n. 82
na ra Direita, pa-
EDITA L.
Joaquim dAquino Ion sica, r. em medicina p$U [a-
euldade de Parte, presidente do caurelho geral de $a-
tubridade publica, conmutarlo ouccinader provin-
cial por S. H. o Imperador, *nagllf^rmaondenie
da eociedade de eciencias medictm 4e_
Faz saber que ninguum po'dera," ^^B^sem
que antes sa faca inscrever, para i q*
quo coraparrea na repartrcBo as quarfaif-lliras' ou
sabbados, das 8 as 9 horas da manida ; assim romo
que pessoa alguma olio podei ser inscripta sem que
declare com a tawior exaclidilo o nomo, idade, na-
luralidadi;, nliacilo ou senhorio, estado e moradia
indicando o numero da casa. '
Sala das sessocs do concelho, 12 de marco de 1849.
Joaquim de quito Fomeca.
f---------------------- Ti
Ilegord &Caucanasfarnoleil;1o, por interven-
gflo do correlor Oliveira, de grande variedadoie fa-
zendasdeseda, la, linho edealgodflo, todas pro-
pnas do mercado, e que serflu vendidas sem I i mitos,
visto ser para liquilacflo da casa dos vendedores :
quarta-feira, 11 do correte, s 10 horas da munhSa,
no seu armazem, ra da Cruz, prximo ao arco do
Uom-Jesu*.
Lciloqtie fazem Kalkmann Irmiios, por
inlervencflo do corretorOliveira.de grande porc.lode
mobilia, ltimamente chegada, consistindo cm com
modas, armarios, riquissimos pianos, inarquezas,
cadeiras, mesas de todas as qualidades, secretarias,
escriv ninbas, espelhos e toucadores assim como se
venderflo burras do forro novas, urna collec^o de
vasos o varios obiectos de marniore, muilo ricos, ou~
tros objeclosde historia natural, como passariuhos
eanimaes chelos, pinturas a oteo e oulros quadros
para adornos de salas, e mais artigos aqu niio es-
pelucados : quinta-fura, 12 dd coi rento, is 10 ho-
ras da mantilla em ponto, allm de poder haver lem-
po para vender tantos artigos, no seu annazem. ra
da Cruz do Itcuite.
THEATKO DE AFOLLO
QUI.NTA-FEIIIA, 12 DE ABRIL DK 1849.
Heprntntactto extraordinaria, em beneficio do .
Sr. Dupr.
Primcira rpresentacilo do
GATJIAItINA IIOWARI).
inl'^kV CV,'CtorJ Krand' "Pecuculo em 6 ac-
tos pelo Sr. Alexandre Humas.
O Sr. Dupr rara o papel de Elhelword.
aT? .0.on',fe8CruPulMO cuidado em das-
t.dflo, nilosnoa vestuarios, como na execucSo des-
o BUM?btiJ?. ",ii0r PP"1"0 'Jos
os tuca tros onde tem sido representada
DANfA.
CaSinP8SS n!,re UV' d*I,C", peta 8en,,or
Avisos diversos.
c
CANTO.
A grande ana /// noM0u do Nabucodunosor.
otada pela seuhora Alexandre. '
BANCA.
A cachucho, dancada pela senhora Camoiq.
tna ranada de Ueriol, execuladu na rabees
ir. Alexandre.
polo
n,T.,.? 'Td*' '"'evileJocoso em um acto.
rfn. J rlend1e,,l.0"lhelespaem procura-Ios to-
dos os das, das lil horas da manhao 4 da tarde
na ra da Seuzalla-Velh, n. 142 '
lene' P V* S 8 ''0ri'S c,,0*aJa de Ss. Kxcol-
O director lem a honra de prevenir o publico de
quo o pre$a da plata est rcduzido a 1,000 ris.
Avisos martimos.
abrvldadfe, por tor i matar parle de sua carga, o
.,*,". i "y"".capitao Maooel SiuiOe:
pode recebe alguma carg.,'p,M,i,eiroJ e escravos a
que qoizor ombarcar eatenda-se com o di-
freto;
tocapilo. Ocom M.noelgnlo d.^eira ,
praca o i.ominercio, a. o, primeiro andar.
na
bo passageiros., para os qu*s bflVrece exceleii-
tescommodos : quem quizer ir de psssagoin, diri-
ja-sc ao consignatarios, Oli\eira IrmflOs & Cumpa-
nliia, na ra da Cruz, o. 9.
- Para o Aracalf osli proposto o hiato Novo-Oiin-
da para sabir con a possivol brevi.Jo : ifuern nelle
quizer carregar, ou ir de passagem dirija-te ao
rncau-e do ntosmo, Antonio Jos Vianim, no trapr*
rlvio ao respcitavcl publico
p Guilhermo Frederico Waller, comdtenha de de-
Kirar-se por mais algum lempo, pela bstanle con-
currencia que lem tido avisa as pessoas que o tem
fallado para tirar retratos que appareQam quanto
antes oestes 10 a lidias,
-Alfonso Saint-Martn ao anuuncio de Gadault,
inserto no Diario de Pcmambuco n. 77, do 5 do coi-
rento abril, respondo que estullo he quem Ihe
molteu nos cascos oslar ello Gadault desobrigado d
prestar emitas em juizo.na qualidado de curador
do desass7ado llypolito Sainl-Marlio, por isso que a
relacto nojulgou provada a demencia de'seu cura-
lellado;que, tomlo llypolito fallecido com testa-
mento e mesmo que o nilo livesse leito, sendo os
aeiisherileiros instituidos, ou nflo instituidos, pes-
soas que devem pagar o sello da heranca, elle Ga-
dault tem de dar emitas do que recebe quando se
encarregou da curatella, e islo n.to pelo inventario
feilo no carlorio do Cunta pela chumada^ inventa-
riante, ms por aquelle inventario existente no car-
torio dos orph.los; que essas coutas bao do ser fis-
calizadas c bein liscalisada, apezar de qualquer pa-
drinbo que appareca.pois nem sempre do pao do com-
padre se ha de poder dar grande fatia ao afil/iado.....
-quo se n:1odeve alegrar muilo com o julgamento
Obi ido na relac,ao--al a lavagemfdm cettot he vendima;
e que,quando assuas esperaikms na final decisflo dos
embargos pendentes se viriliquem, lembre-sede que
anda hmvn pannos para mangas sendo que no juizo
do publico cordato a quem pela imprensa aerilo sub-
mettidas as principaes pecas do procosso, seniefTga
eaccord.los estar o mellior julgamento e deciso
Jue na causa o annunciante poder obler; que,
nalmente requintada na l tem quem se qiler
apoderar do que Ihe n.lo pertenece para o conseguir
so n.1o poupa'a meiosturtuosos. Bastar por agora.
O Dr. Lourenco Trigo de Loureiro, senlindo in-
teiramento deteriorada a sua sade ao lempo em
que foi sollo da priso do catado-niaior do corpo de
polica, onde foi dolido desde 6 do fevereiro prxi-
mo passado tl 2 do correle mez de abril, por sus-
peitas falsas, bascadas no falso supposto de ter assis-
tidoaclubsna cidade deOlinda. ja antes, j depois
do apparecimenlo da revolca vio-so obrigado i en-
trar inmediatamente em uso de remedios, o qual
deve continuar por muilo lempo, aliento o eslado
de ruina de sua salido ; e assim impedido, por essa
causa de ir agradecer pcssoaliuenlo cada urna das
innumeraveis pessoas quo se diguaram visiU-lo na
dita.pris.1o, roga poresle mel a cada urna de per
si se digiio.aceiUr este publico tcstemunho de seu
perpetuo reconhecimento.
Aluga-se um sobrado do Iros andares no lar-
go da Assomblca : na praca da Independencia li-
vrariaiw 6e8.
- Offcreoe-se um hornero casado, com pouca fa-
milia, e que entende perfeitauenle ilo administrar
ciigeuJio por ja o tor leito para, ser empregado na
"?" J"niStraca: quem de seu preaiioio se
quizer ulilisar dirij.-so livcaria da prac- da In-
uepeiiuencia, ns. 0 8
.ir" i06***1* f Almeida, subdito portuguez, re-
tira-so para fora do imperta.
Urna pessoa, do meia idade e de muita capacidade
sooflerece para administrar qualquer engenho, qu
n3o disle desla plaga na is do olo logoas. ella tem
bastante pratira dos trabadlos campestres, e d fia-
dor idneo sua conduta : a tratar na ra Velha, es
quina do boceo de Joilo-I'rancisco.
-- Manoel de Souza lavares, Antonio da Silveira e
Souza e Manoel Joaquim da Silva Figueiredo reli-
ram-separa fra do imperio.
Tarault, subdito franrez, vai a Para li i bu iralar
de seu negocio.
Aluga-se o segundo andrr do sobrado, n. 1, da
ra da Penha, bein arejado e fresco : quem o protn*
der, dirija-se ao primeiro andar do dilo sobrado que
achara com quem tratar.
Precisa-se de urna ama do Jeite : na ra do Sol,
sobrado por cima do srmszem de capim do Sr Pas
Brrelo.
Rento Jos Taveira embarca para o lliodo-Ja-
ueiro o seu oscravo pirdo, de nomo Agostinlm.
Para as pessoas que tencio-
iiam seguir viagem.
iril corrente para o andamento das rodas, e coniia
ds amadores desle jogo qOe o coadjuvario ua rcali-
sacilo do referido andamento.
Fabrica de Todos-os-Sanios.
Firmino Jos Flix da Roza, com cscriplorio na
ra do Trapiche, n. 44 avisa aos seus freguezes que
acaba do receber pe escuna Curiosa novo sorti-
menlo do excedente panno de algodllo entrancado
daquella fabrica. ptimo para cnsacear assucar o
para roupa do escravos. 0 annunciante conta que,
almda fazenda o desrjo de animar o desenvol-
vimentode una fabrica inleiramente nacional, pro-
mover o promplo consumo da sua receila.
Fabrica de es pe Hi os.
Joto Dubois faz publico que presenluraonte acaba
de montar urna fabrica de por ac em espelhos do
maior tamaulio : as pessoas que se quizerem utilisar
de sua arte, pode o procurar em casa de sua resi-
dencia na ra larga do liozario sobrado ns. C o 8.
gciici.. de pass;iportes.
Na ra do Collegio, n. 10, e no Aleno-da-Boa-
Vista lujas ns. 48 e 78, coiitinuam-so a tirar passa-
portcs, lano para dentro como para fra do imperio,
assim como despacham-se escravos.*ludo com bro-
vid.de.
Vigiles, fabricanle de pianos,
na na do Queimado, ir, 1%
tem pianos de novo modelo, feitos de proposito pa-
ra esto paiz : silo riquissimos, de niacbinismo e vo-
zes stip-riores, o que se afianca ao comprador :
tambem lem pianos inglezes, que silo pouco usa-
tlos ; concerla e a lina pianos com toda a perfeiro ;
vende cordas, camurcas e-todos r avla^ientos ne-
cessa(ios para ditos instrumentos: tudo por prec,o
com modo.
0 bacharel em direilo I! *ootinho e sua irm3a
U Mnria da Conceiciio Vieira vio a Lisboa.
Joilo Itodrigues Coelho, subdito portuguez, re-
tira-se p.na fra do impeiio.
I 9
Novo pilo de Provenca.
$ Na padaria do beeco das llarreiras e no de-
f psito da Cslrella, no Alerro-da-Boa-Vista, n. fjf
i 39, fabrica-sp o novo pilo de Provenga, oqual
l he fabricado pelo inethodo do seu primeiro S*

Na ros do Itangel, n. 9, continua m-se a tirar pas-
soportes para d-ntro r fra do imperio despartam-
se escravos e correm-se follias : ludo com brevida-
dee preco muito commodo como se lem dado ex-
eellento prova no decurso de 8 annos
Osbcns da finada Liberata Mara da l'onsec,
viu\ ,i do finado Manoel Ignacio Monleiro, estilo por
dircito suhjeitos'aoabuixo a.^signado para pagamen-
to dos seus ordenados, durante o lempo que foi cai-
xeiro do mesmo, segundo consta da quesillo que o
abaixo assignado Iraz em juizo, e a seu favor deci-
dida : por isso ningiicni faca negocio ou transarcHo
de qiiiilidade alguma com os mesmos. I. para que
nilo allcguem iguoiancia su Taz o | resent.. -- Ma-
noel do \asciwenlo l'inheiro.
-- Precisa-se de um feilor para um silio perto da
praca na Iravessu do Veras, ti. IS.
--Aluga-se um pequeo sitio com casa deviven-
da, dita para pntos, estribara, jaqueiras, larangei-
as, coqueiros e mus arvoredos, cacimba de boa
agoa de beber, sito na estrada do Pombal, entrando
pela estrada de Juo-dc-Uarros, proprio para qual-
quer empregado publico, por ser muito perto da
pra^a e de preco commodo : a datar atrs do lliea
tro, ai'ina/.em de tahuas de pillho.
Prcrisr-sc dcuin padeiro perito para fura da
provincia : a datar na padaria de Francisco do Pra-
do, uo lar^o do Livrameulo, n. 32.
O aleridor roga a todas
as pessoas que conduzem mel. agoardente, azeite
Ac para o morcado dosta cidado em ancoras; e que
anda nilo aferiram.que quanto antes venham aferir.
poiso lempo da afenciloesl a acabar-se.e os liscaes
respectivos passaro s dars corridas do coslume, e
aquellas quo encontraren) sem eslar aferidas nesfe
auno de l849,ser!Io multadas em 2,000 ris cada urna,
e obrigadas a aferir; assim como previne aos senho-
res de lojas, que, eslapdo prximo o lempo da revi-
silo, nilo Ibes passar verba de revisita, sem que es-
teja in exaelas com o padrHo da cmara, e para csse
fin ja lem preparado urna poreSo .le varas e covados
jaferidos |iara aqucllesque precisaren!.
- Cliegaram do Ilio-de-Janeiro com-
mendas da Hosa, chapas para otliciaes da
llosa, dilasde Chrislo, ditas do Cruzeiro,
hbitos da Kosa, ditas de Chrislo, ditas do
Cruzeiro, tanto pequeos como grandes,
e a vista se dir o preco : na na do Cres-
po, loja ii. 17, de Sanios Ne\es &Gu-
mares.
Aluga-se urna grande casa terrea, na ra Impe-
rial cun duas salas, 7 quarlos cozinha fra, quin-
tal murado e cacimba : a tratar no tliealro novo.
Aluga-se a loja do sobrado II. 5 do Aterro-da-
Uoa-Vista ptima para lodo o genero do negocio
pela sua excedente lucalidade : a tratar no inesmo
sobrado, a qualquer hora do dia onde tamben) se
fara negocio com a armaco envidraeada, existente
na niesiua loja.
introductor que veio a esta provincia o com ;t
^ ns mellioies familias que ha 110 mercado, e as- .
^ seio que he possivcl : da mesma surte SO la- 9
liricam as fatiasda raiulia de llospanlia bo- i*
w 1 nlins biscoiilos, biscoulinhos, fatiaf. cava- c'
* cas : ludo do mellior gosto possivel c proprio jt
-| para cha ; tamben) ha olachinha de Lisboa **
emlalasdeS libras, por preco commodo; 1:
ainendoas confeiladas e de varias qualidades. %
^CHAPEOS DESOL
Ra do Passeio, n. 5
Oh! que petincha para o amavel e respoitavel pu-
Idico : novas sedas da molbor qualidade quo se pu-
de fabricar, por sorem de iocotnmenda e da meluor
fabrica de Franca, recebidas agora.
O rubricante '"T^^'l^ii^njrisjifiitT) adverte ao res-
pcitavi'l publico deshi ''ilad^V* e"e Possue Pre"
scnlcinente um riMflj Mm^wf de chapeos de sol,
assim rumo chaprH>raNlir>aleseda furta-eres, dos
mais ricos que Icem aaiparecido ueste mercado, e de
cores conhecidas ; ditos para senderas de bom tom,
adamascadus, luvrados, ro jas de relroz, ludo que lem do 11.ais moderno e do
mellior gusto; um completo sorlimenlo de chapeos
de sol de paiininho de ludas ns cores c do todos os
taniaulios, para homens, senhoras e meninos : ha
tambem igual sorlimenlo do fatendaspara cubrir ar-
[i 1.11 <".--. lauto de sedas de cores, como de panninhos
trancados e lisos imitando seda. Adverle-se que os
freguezes sordo servidos com bruvidade, eseacha*
rilo satisfeitos da boa qualidade, do bom gosto e do
Dom preco.
4
Compras.
Compra-sc urna rommoda regular, a qual este-
ja cm meta uso : na ra do ltaugl, n. 9
-- Compra-se um selim em meio uso : no paleo do
Carmo, 11. 18, segundo andar, ou annuncie.
Comprase ou alugn se urna liteira utada:
quema liver annuncie, ou dirija se s Cinco-Pon-
tas, i). 71.
-- Compra-so urna negrinha, ou moleque de 10
ale 13 anuos, para una eucommenda : na ra lar-
ga*do lio/ano, n. 35.
Compra-se urna preta, ou parda que cozinhe
bem e cngoinme e seja ilesemlmracada nao so
odia a preco : na ra do Vigario, n. 24.
rotera do Iheatro publico.
Estando vendida quasi melade dos bilhetes da ul-
Uma terca parle da 18.' loleiia do tliealro publico,
oappaioeeudo Com a pacicacao da provincia lgu-|
Vendas.
- Vende se tuna burra bastante gor-
da e mansa no pateo da llibeira, nu-
mero f)t.
-- Veiidein-sepes de larangeiras da Cbins, de 4
a 6 palmos, para plantar ; bem como limoeiros pa-
ra cerra : tudo por menos preco do que em oulra
qualquer parle : na eslraJa dos Afilelos, segundo
sido, a direita.
Deprcciaco.
Veudem-se pogas de cambraia com 21 covados ,
de bonsdesenlios, ptimas para cortinados e mes-
mo para vestidos sem a menor avaria pelo barato
preco de 3,500 rs. ; cortes de eassa com 7 varas, que
ja valeram t 7,000 rs. por -',000, 2,500 o 5,000 rs.;
pecas de parisiense, lioglndo seda com 8 varas a
3,000 rs ; 1,1,1 de boa qualidade, para vestidos, a 320
rs. o invado ; princeziulia do seda escura mu
transparente propria para mosquiteiros a 400 rs.
ocovado : na ra Uo Ciespo, n. II
Vende-se urna rica toallia, 2 lencos de lavario-
lo ,2 redes de varanda velas de carnauba liquida,
ja bem conhecidas pela sua duraco, por preco com-
modo : na ra esticila do liozario, 11. 13.
- Km casa de Hobrard & Companhia na ra do
Traplche-Novo.il 22, vemlem-sc salame de Bolonha
e queijos de Gruyere, muilo frescos.







ir

1---------------
- Vendem-se barris com bren, no ar-
mnzem 2o, ilcfronte da guarda ta alj
fandega, por prego muilo commodo: no'
mcsino armazem comprn-sc um pardiuboj
oh molequc de doze a deznscis annos:
tratar des p ale 4 horas da tarde.
Semen tes de hortalice,
vindas de Lisboa milito novas e de todas as qua-
liilades; foijilo carrapato ; hervilhas tortas; dilas ge-
nove/.a ; ditas do Angola : na ra da Cruz no Itc-
cife, ii. 62.
Luvas de pellica-
Vendcm-sc Iuvas de pellica para senhora da mr-
Ibor qualidade possivel; oculos de difterentes graos e
vidros : na rua-larg do Rozario, n. 24,
4 hilas a >,<100 rs.
Na ra do l.ivramento, n. 11, vendem-se pecas de
chitas de quadros a 5,600 rs. c cm covados a 160
rs. longos com lilco as ponas, milito linos, a 480
rs.; mcias prelM dealgodflo, milite linas, para
senhora ; chitas escuras, a 18J rs. o covadn ; ditas
escarale, a 7,600 rs. a peca cocovado a 220 r.s. ;
e utas muilas Tazcndas por barato prego.
Pccliincha, rapnziaria !
Na na do Qubfmadn, vindo do l'.07ario segunda
loja n. 18, vendem-secortes de casimira, pelo di-
minuto prego de 5,000 rs. A ellos que so estilo aca-
llando.
-- Vcndcm-sc saccas com arroz do Miiranhuo, a
3,400 rs. a arroba ; ditas rom arroz de casca com
alquoire ,a 4,480 rs.; ditas rom milbo, a 3,500 rs. :
no hecro da Carioca armazem do olfaioto, ou na
ra da l'raia, venda n 27.
Vendem-soosengenhosTelha eTriumpho, si-
los na freguezia de Serinhaem, moenles e corren-
tes, ambos*'agoa copeiros, lions de producgiloa
com bastantes mallas e terrenos suflirienlcs par,
grandes safras ; seus embarques distam duas li'goas:
a tratar com o major Antonio da Silva GusmOo, na
ra Imperial junto ao vivoiro do Muniz ou como
scu proprietarlo, Joio ciimaco Fernandas Cevalcan-
le, nos mesmos engengos.
Familia tic mandioca,
do superior qualidade e mas nova que lia na trra
a 3,200 rs. cada sacra : nos armazens da viuva
Ramos.
Vendem-se gigos com bat las fran-
cezas, novas: na porta da Alfandega, no
armazem de Joaquim da Silva Lopes,
n. ?.o.
Vrelo de Lisboa, em barricas :
vende-se no armazem do Vicente, Kerrcira da Costa ,
na ra da Madre-de-Deos a 3,600 rs. novo c clic-
gailc iillimamento do Lisboa.
Tabeado de pin lio.
( Vendem-se taboas de pinlio no
Forlc-do-Mattos armazem do Vianna c
no armazem do Macbado, na ra de
Apollo, junto ao porto velbo das c.moas,
e os melbores pranchfles, costados, costadinbos e ta-
lioas de todas as grossuras e comprimenlos por to-
do o prego.
Conlfnuam-se a vender saccas com superior
rolladas Fabricas do llio-Cramlc-do-Sul, por pre-
go commodo : na ra da Mocita, n. 7.
Taimado de pinho da $ necia ,
de 10 a 55 palmos
de comprmanlo omelbor quetem ebegado a este
mercado, em raido de se poder envernizarem qual-
qner obra por nflo ler nos e ser muitoalvo, sen-
do costado, cosladinbo, assoalho, forro e para fun-
dos do barricas : vende-se a prego que o comprador
far todo o negocio i atrs do tbeatro, armazem de
Joaquim l.opcs de Almeida.
Carnauba.
Vende-se na ra da Cruz, n. 21 urna porgflo do
erra de carnauba de superior qualidade, o por to-
llo o prego.
Unofre Jos da Cosa vende saccas
com f< ijiio de lodas as qualidades, muito
supetior, pelo diminuto preco de 5,000
rs. cuda sacca : no armazem de Macollar,
em frente a escadinba da Alfandega.
pinito.
Na ra de Apollo, pegado ao armazem do Sr. Mol-
la lia um lereeiro armazem com madeira do pinho
da melhor qualidade que lem vindo o este mercado,
e serrada de lodas as grossuras e comprimenlos
vende-se pelo menorprego que lio possivel.
Potassa.
Desembarcou ha poucos das urna por-
cv.o de barra pequeos, com milito riov
e supeiior potassa, e se acbam a venda,
por preco mais barato do que ultima-
mente se venda, na ra da Cadcia-Velho,
armazem de lallarek livcirn, n. 12.
Aot filmantes de hoin gusto.
Na armazem .le molinillos alias do Corpo-Sanlo,
n. 66, iecehe-sc por lodos os vepnreg vindos do sul
I oigo de cigairilhos hespanhes ditos de pulha ite
1. litio assim c< nio superiores charutos de varios
qiiBdades ludo m- vende por prego mais barato do
que cm ouira qualquer pai le.
Vcnden.-se saccas com superior
i'eijo mulatinbo, a 5,000 rs. cada urna :
na porta da Alfandega, armazem do l,a-
raleiro n. 20.
Ji
itl*
Madeira de
Aos Srs. armadores.
Trina, volante, galfio largo e eslreilo: ludo se
vende por prego commodo na ra larga do Roza-
rio, n. 24,
Vendc-se o engenho Novo do Cabo paia paga-
mento da nyfolhcci que nelle lem o Sr. Jolo visura
da Cunba : quem o piclcnder dirija-se ao mesmo cn-
genlio a tratar com Francisco Jos da Costa.
Vendom-se presuntos inglcz.es para fiambre;
latas com bolachinbas de Lisboa ; dilas de eraruta;
.lilas de marmelada de 1,2 e 4 libras ; ditas de sar-
dinlias ; ditas do hervilhas ; ditas de chacolate de
Lisboa ; frascos do conservas ; ditos d'agoa do flor
de laranja ; barris com azeitonas brancas de Klvas ;
garrafas com vinbo moscatel de Setubal e da Ma-
deira ; queijos do prato, fresca es : ludo novo e
ebegado ulimmenle de Lisbi : na ra da Cruz,
no Rccife, 11. 46.
CIIA'BRASILEinO.
Vende-se,ou armazem de molhados atrs do
Corpo-Santo n. 66, o mais excellento ch produzi-
do em^S.-Paulo, que lem vindo a este mercado ,
por prego muito commodo.
Algodo trancado da fabrica
de Todos-os-Sautos da
lahia,
muito proprio para saceos de assucar e roupa do es-
clavos : vende-soem casa do N. O. Ricber & Com-
paubia, na ra da Cruz, n. *.
Presuntos.
Ycndcm-se superiores presuntos inglez.es para
fiambre ebegados 110 ultimo navio: no armazem
do BraguOZ ao p do arco da.Conccigfio.
I'o!ha de Pandres.
Vendem-se caixas com folln de Flandros: em
casado J. J. Tasso Jnior : na ra do Amorim, n. 35.
Vende-se resina de angirn inuilo superior a
820 rs., levando de 8 libras para rima: na ra da
Cadcia do Itecife, loja de ferragens, de Joo Jos de
Carvalho Moraes.
Veude-.se a verdadeira potassa da
Russia, desembarcada hontem, por pre-
co muito rasoavel, vista de sua muito
superior qualidade : na ruado Trapiche,
n. 17, e ra da Cadeia, n. 3J.
Superiores charutos.
No armazem de Vicente l'erreira da Costa, na ra
da Madre-Deos, vendem-se superiores charutos,
ebegados da Rabia no biate .-fenediclo cm caixas
e barricas, pelo diminuto prego de 6,500, 7,000 e 1
rs, o miiheiro.
Vende-se cal virgem do Lisboa de superior
qualidade em barris de 4 arrobas, ebegada nesle
mez pelo brigue Uaria-Jot: a tratar na ra do
llrum .armazem do Antonio Augusto da Fonseca ,
ou na ra do Vicario, n. 19.
Vendem-se selins inglczes e canias
de ferro : na ra daScnzalla-nova, n. 4^.
Agencia da fundicao
Low-Moor, ra da Scnzalla-
nova, n. 42.
Nesle estabclccimento contina a ha-
ver um completo sortimento de moendas
e mcias moendas, para engenho; ma-
di i mis de vapor,e tachas de ferro balido e
coado, de todos os lmannos, para dito.
Vende-se ca virgem de Lisboa,
ebegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do que em outra qual-
quer parte : na ra do Trapiche, arma-
zem n I7.
Taitas para engenho.
Na fun.ligfo de Trro da ra do Brum acha-se a
venda um completo sorlimenlo de laixas de 4 a 8
palmos de bocea, por prego commodo, e com pro ni p-
tidfo embarca-so, ou carrega-se em carros sem des-
pezas ao comprador.
Barato.
Capachos de lodas as qualidades ; luvase meias de
seda pela e dcoulias .'imitas qualidades ; bicos e
filas ; tesouras ; gargantillas ; e onlros muitos ob-
jerlos por prego 11 ais barato do que em outra qual-
quer paite : assim romo um reslo de calgado para
senhora, por lodo o prego : na ra laiga do Roza-
rio, n. 24.
'* i*,
-Macbado & l'inbeiro vendem
no armazem de Antonio Aunes
Jarome Pirra, no caes d'Alfande-
M g, f.irinba, milbo e feijao de su-
fperior qualidade, o, a precos mais
mdicos do que em outra qualquer
wmmmwmmmmmw/jmz
--Vende-se urna prcta de nacao, que lava.cngom-
nia c cozinba ; nflo lem vicios nem acba(|ucs : vende-
se por prcciso : na ra do l.ivramcnlo loja n. 19.
Vende-se superior farinba do S.-Catharina a
melhor que ha no mercado : a bordo do patacho Ko-
va-Lu fundeado no f ortodo-Maltos, defronle do
trapiche do algod.lo, ou na praga do Commercio,
n. 6, primeiro andar.
Vendem-se as casas terreas ns. 25, 27,29 o SI
sitas na ra Beal prxima ao Manguinbo, as quacs
teeni bastantes e bons commodos quiutaer mura-
dos cacimbas o terrenos fra dosquintacs, cujos
fundos clie^am al a can.boa por prego commodo :
lamboiiise vendem terrenos, ou eiiflos proprios pa-
ra se edificar os quaes li'eni bous fundos o largu-
ras e lambem vilo al a cambia: a tratar na ra No-
va loja de ferragens, do Joaquim Antonio dos San-
ios Andrade.
Farinha do mandioca do Rio-dc-Janciro,
do supciior qualidade: vende-so na ra Dircila,
n. 17, cm frcnle da matriz da Boa-Visla', venda
n. 88, c na ra do Pilar, n 120.
Vendem-se lonas americanas, de todos os n-
meros e a prego muito commodo ; polassa nova su-
perior ; ral virgem du Lisboa ; Techos de pinho aba-
l'dos, proprios paia se eiicherem do assucar: na
praga do Commercio, n. 6, primeiro andar.
-- Vendem-se pegas de madapolfo largo, com 20
varas proprio para Torro o para roupa de escravos ,
a 3,000 is ; longos finos de camhraia o com palmas ,
proprios para nssenhoras devotas da l'enha, trazc-
rem a cabega a 500 rs.; linhas grossas, muito for-
tes a 200 rs. urna quera ; chitas de cores fixas a
160 rs.; setineta a nre vintens o covado : na ra
do Passeio, loja n. 17.
Vende-se algodo da|terra, muito superior 1 na
ra doCrespo, n. 23.
Vendem-se sapaloes de couro de lus-
tro para homem; ditos para meninos; sa-
patcs ditos para senhora; ditos de marro-
quim para homem e senhora, por preco
commodo : na ra da Cadeia do Uecife,
n. 9.
Vondem-se 12 lindos moloques de nagSo e
crioulos, de 12 a SO annos sem vicios nem moles-
tias ; 6'prelos bons para todo o servigo ; urna preta
que engomma peritamente cozioha e faz todo o
arranjo de urna casa ; urna dita de nagfio boa qui-
tanileira ; urna cabra boa lavadeira ; e outros mui
tos escravos : na ra do Vigario, n. 24.
Contlnuam-se a vender corles de vestidos da
camhraia com lindas barras brancas e de
cores, a 2,000 rs.; meias comprlas azues ,
msela,las, rouxas, esverdeadas o pretas a
120,160 o 200 rs. o par; suspensorios linos
de niea, a 120 o par; botos deduraque pre-
to, a 40 rs. a duzia : no paleo do Carino,
n. 18, segundo andar.
Vendem-se, na ra da Cruz, n. 21,pedrasde mar-
more franeczas para mesas redondas e consolos.
Vendem-se, na ra ireita, taberna n. 53, sac-
cas com um alquoire do milho novo, a 3,500 rs.; di-
tas com arroz pilado ; ditas com caf; ditas com
fejilo ; e tos os mais efeitos de venda mais barato do
quo -ni outra qualquer parte ; bem como urna por-
efo de madeira de huiro o oleo para niarceneiro e
travs de diversas grossuras.
Vendem-se sapates do Aracaty
para homem e meninos, por preco com
modo : na ra da Cadeia do Uecife, n. 9.
Aviso as scnlioras
que se da"o a oraefo e aos ezercicios pin da religiTo.
Na livraria da esquina do Collegio eslflo venda ,
ebegados do fresco, os seguintes livros : Manuies
dos ofllcios da semana-santa : lloras Marianas ; Ma-
nuaes de missa ; Mez do Mara : todos com augmen-
to do novas estampas finissimas, folhas douradas e
com encadernagOrs de velludo de difTorcntes coree e
gestos; com ttulos, Techos e demais guarniges
douradas: algumas das encadernagocs teem por f-
ra das capas embutidas as imagens do Senhor Cru-
cificado e de N. S., perTeitamente douradas. ,Nflo
baver porcerto muitos objectos mais proprios para
um presente do que um livrinlio destes. Tambem
estflo venda estas mesmas e outras obras pas, com
encadernages monos ricas e communs.
Na ruado Cabug n. 1 A, loja de
Francisco Joaquim Duarte, ha para ven-
der botSes de P. II, da primeira, se-
gunda e terecira qualidade ; diloa de ca-
vallaria da guarda nacional e volunta-
rios ; ditos de casacas, amarellos e pre-
tos; dilos de libr de pagens; ditos de
seda e de ridro e madrcperolla, proprios
para vestidos de .scnlioras e meninos; man-
tas de selim para meninas, 800 rs;len-
cos de garca a 800 rs ; fitas de setim de,
ns. 6, 9 e 19 ; setim de cores, a 900 rs.
0 covado ; luvas de pellica, a 800 rs ; di-
tas enfeitadas, a 2,000 rs ; dilas de seda,
a 700 rs; lencos de grvala, a 1,600 rs.
e 1,000 rs ; galocs finos largos e eslrei-
tos; dilos de palbeta, brarcos e amarel-
los ; volantes e trina ; espigilhas e ren-
das ; fie-res artificiaes ; capellas de flores
de laranja ; perfumarla fina; toncas de
1 aa le i las no lio-dc-Janeiro : as amos-
tras se acbam patentes aos Srs. compra-
dores, e se vender ludo por precos 1 asoa
veis.
Vendem-se saccas grandes com superior Tarinba
da Ierra a 4,800 rs. : no Forte-do-XIalios venda de
Antonio Jos remandes de Carvalho.
~ Vende-sc urna Terrameuta necessaria para um
oflicial de Tunileiro, por prego muito commodo : na
ra do Torres, n. 20.
Vendem-se duas voltas do trancelim duas cas-
solclas, 4 pares de pulseiras do ouro de le e de gos-
to o mais moderno que lem apparecido : na ra No-
va, loja n. 41.
Vendem-se 121 ongas de ouro: na ra da AITan-
diTga-Velha, n. 36.
Vendem-se saccas com feijao, de
muilo boa qnalidade : no armazem que
foi do finado Bragtiez, junto ao arco da
Conccico, pelo barato preco de qualrb
mil ris.
-- Vende-se a loja de coUros, calgado e sola| com
os Tundos de 75,000 rs. e aarmagiio da mesma por"
10,000 rs. :a tratar na ra do l.ivramento, ao p dd
nicho, segunda loja de couros.
Vende-se, para fra, um esclavo bom cozinhei-
ro, proprio paiaembarcago por saber remar: ao
comprador se dii o motivo porque se vende : na
ra do Queimado, loja de Terragcns, 11. 10.
-- lliquissimas molduras para enTeitcs de sala e
le tras grandes para ta boletas: vendem-se "jor pre-
go commodo, na ra da Cruz, n. 21.
Joaquim Jos Rodrigues do Cosa
vende o seu buhar, silo na casa n. a3,
na ra do l'asseio-Publico; assim como
os pertences do mesmo bilbar e a mobi-
Iha, constando de mesas compridas com
tampos de pedra marmore; bancos e moi
xos com assento d palliinba ; vende-se
a dinbeiio ou a prazo, com firmas a con-
tento, mesmo annuncinnte jnlga nada
dever nesta praca, nem fra della; p0_
rm, se ainda hotrver qnem seja sen cre-
dor por conta 011 titulo, baja de os apre-
sentar no prazo de tres dias, que, sendo
legaes, serao inmediatamente pagos-
assim como tambem pede aos seus dere-
dores de virem pugar o que devem se nao
quiezrem ser sjuizados, e ver seqs no-
mes por extenso nesta olba.
Com mo pendente
Ha quo os eu quero; -. .
Ao bom e barato
Eu c os espero.
NA RA DO QUEIMADO N. 16, LO JA DE J06E' DAS
SIM0ES & COMPANIIIA.
AOS srs. iRjimoaas.
Vendem-se, por prtgomaiscommododoqueem ou-
tra qual quer parte, volantes Jtjeos e eslreitos, bran-
co e de cor, bem romo trinOTga e eatreita, ren-
da pratcida e dourada, espeguilhas, galfio entre li-
no, &, &, &.
AO BOJ COSTO K DA MODA.
Froco, fitas de velludo de todas as cores, proprias
para enTeites, e muito proprios para a cabega das sc-
nlioras ; bom como fitas lavradas e lisas, asselina-
das, do melhor gosto possivel; bicos de linho de su-
perior gosto e qualidade; agulhas Trancezns, muito
fnastantoem carteias como em caixinhas; linba
de marcar azul e encarnada, muito flna; luvas de
pellica de todas as qualidades; meias de seda o a|-
godio brancas e pretas para senhoras; bicos; penles
de tartaruga para marra Ta; ditos de blalo para ali-
sar e de vanas qualidades; os mais' linos perfumes
de varias" qualidades; escovas e pos de denles; ditas
para cabello, muilo Anas; rioas entilaras, contendo
varias qualidades de tesouras para costura e bor-
dar; ditas para unlias; e nm completo sorlimenlo de
todas as Tazendas, proprias de loja de miudezas.
Vendem-se obras completas de Camoes em 3
volumes encadernados, ultima e mais ntida edi-
gflo; diccionario inglez-portuguez e porluguez-in-
glea em 2 v., por pregos insignificantes: na ra
Nova, loja n. 50.
Vende-se a venda da esquinada ra das Cruzes'
n. 20, com poucos fundos : a tratar com Jos Rodri-
gues Pereira.
Vende-se urna escravs que engomma, cozinba e
cose cinto : na ra do IIngel, n. 50.
Vendem-se 3 Tortes pianos,ebegados pelo ultimo
navio francez de muito boas vozes. superiores as
deouiro qualquer que tenha apparecido, ede novo
modello que nao deixraDo de agradar ao comprador;
charutos de llavana, por prego mais commodo doqu
em oulra qualquer parte; un completo sortimento
de instrumentos de msica, tanto de metal como
de madeira ; bustos do gesso representando muito
fielmente a rainha Victoria e o principe Alberto:
relogiosdeouroe de prata chegados ltimamente
da Suissa. Estes relogios que sao muilo bem aca-
bados se lornam muito recommendaveis a qual-
quer particular e adverte-se que ha entre ellos
alguns que anda m oito dias sem precisaren de cor-
da : na ra da Cruz, no Itecife, n. 55.
Escravos Fgidos
*~ Fugio, no dia 27 do passado, urna parda de no-
mo Silveria, com o cabello cortado rente da parle de
detrs ecomprido na fronle lesla pequea olbos
na flor do rosto com signa*s de bezigas ainda de
pnuco lempo, beigns um tanto romos, deutes lima-
dos ; lem urna das orelbas laacadas no lugar do brin-
co ; levou vestido de chita cor de vinho e chale qua-
si da mesma cor; lem os ps grandes o os dedos
dos mesmos bastantes aberlos ; representa 24 anuos
pouco mais ou menos : quem a pegar leve-a ra
da Cadeia de S -Antonio, n. 4, que ser gratificado.
Fugio, o, .na 3 do corrente, a preta Maria.de
nagflo Costa, alta, secca, talluda na cara lem uus
tullios compridos nos bragos, cara comprida, olbos,
nariz e bocea regulares ; tem os dedos das m0os
compridos e seceos, ps taubem seceose compridos;
tem una marca do Terida na perna ; levou saia de
chita encarnada de listras c panno da Costa ; he qui-
landeira e venda pilo: quem a pegar leve-a as L'in-
co-Pontas, n. 59, que ser bom recompensado.
Fugio, do engenho Combe no dia 22 do pr-
ximo passado, um escravocrioulo, de nome Jacob,
de 22 annos pouco mais ou menos, de altura regu-
ar; tem as pernas cambadas e cem urna Terida em
urna dcllas ; tem urna cicatriz em um dos lados da
bocea ; foi encontrado no dia 25 do dito mez no
engenho Qeimadase soppOe-seter seguido 0 cami-
nho do Itecife : quem o pegar leve-o ao dita enge-
nho a seu senhor Manuel Jos llcnriques, ou ues-
te praga a llodrigo da Costa Carvalho, na ra de
Apoilo que se recompensar generosamente.
Fugio, do engenho llaiz, da Treguozia da Esca-
cada no dia II do prximo passado o escravo Jo-
s de nagSo Angola representa ler 45 snnos ; he
briso e grosso do corpo; tem as pernas um pouco
arqueadas para dentro e grossas; tere lia pouco
lempo bexigas do quo conserva ainda signaes. Kt
escravo veio preso da comarca do Umoeiro, em 21
de outubro do auno passado. Iloga-se" as autorida-
des e qualquer pessoa que o apprebendaui e le-
vem-uti ao dito engenho, a scu senhor, Antonia
Alves da Silva ou nesta praga a llodrigo da Costa
Carvalho, na ra de Apollo, que so recompensar
generosamente.
~ Fugio, nos primeiros dias de Janeiro prximo
passado do engenho S -Joo fi eguezia do Cabo,
um molecole de rime Amslacio ue 14 a 1G anuos,
de bonita figura, rosto muilo regular um pouco
fulo, Talla baixoe brandamente; levou calcase ja-
quelado liscadoazul e bonele : quem o pegar te-
vo-o ae dito engenho, 011 no Mundcgo hestacide-
de casa de l.uiz Comes Farreira que recompensa-
r com 100.000 rs.
Fugio um pardo de norte Aniceto, magro, olbos
grandes sem barba, do 18 annos : quem o pegar
leve-o ao \lerro-da-lija-\'ist,i, n. 6, lereeiro andar.
Fugio, no dia 20 do margo, urna preta de liorna
rsula, de 19 annos ; levou vestido de ganga azul
panno da Costa ; lem urna cova na testa o urna cre-
Iba rasgada da conlinuagSo de Irazer o brinco; leal
una uiallia do pannos pelos hombros e peilos, e no
braco esquerdo urna quemadura do fugo: que*
pegar leve-a a ra do S.-bita-Aova, u. 50, quo ser
gratificado.
I'eRN. : Hk TYP. DI M. F' pk IAK1A
-X49
MUTILADO i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIWADSTCX_14PAPD INGEST_TIME 2013-04-13T01:28:39Z PACKAGE AA00011611_06458
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES