Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06456


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A nno XXV.
Quintafeira $
-I
0 DIA RIO |iut)lica-se todos 69 diasque nao
foreni de guarda. O preco da assignatura he
,lr 000 rs. norquariel, pagos aiiirtntaioi. Os
., 11 j 11111 (- i o s dos assignantes sao inseridos
raso de 20 rs. por linha, 40 rs. 1-111 typo dif-
fereute, easrepetif.i5es pela nictade. Os nao
...signantes pagaran 80 rs. por linli.i e 160 rs.
111 lypoditt'erenie, porcada publlcaco.
PUASES DA I.UA NO MEZ DF. A0B1L.
La chela, a 7, 1 hora30mln.da Urd.
Miugoaiie,al5,4s4haraae '*8",ln- dataid.
I.ua uova, a2.s9horase34 into.daurd.
CrcsCQile, a, 20 s !1 horas c48uiin.da manh.
PARTIDA DOS COR REOS.
Goianna e Parahiba, s segs. e sexUS-feiras.
RIo-G.-do-Norle, quintas-feiras aomcio-dia.
Caho, Seriuhaem, Rio-Formoso, Porto-Calvo
Macelo, no 1. a 11 e 21 de cada mcz.
Garanhuns eOonito, a 8 e 23.
Iloa-Vista e Flores, a 13 c 28.
Victoria, s quintas-feiras.
Olinda, todos os das.
PREAMAR DE HOJE.
Prime ira, as 2 horase U minutos da tard.
Segunda, as 2 horas e 30 minutos da manh.
de Abril de 1849.
N. 77.
das da semana.
_ 2 Segunda. S. Francisco de Paul. Perlado
un toda a semana para os negocios fo-
renses.
- 3 Terca.S. Ricardo.
\ Quarta de Trevas. S. Isidoro.
' f> Quinta de F.ndoencas. ( >J..J. do ineio dia
etn diante.) S. Vicente Ferrer.
(i Solada Painao ( ."> ateo mciodia. )
8. Marcelino.
7 Sahbado d'Alleluia. S. Epifanin.
8 Domingo. Pascho.i di Ressurreicao.
S. Amancio.
CAMUIOS NO DIA 4 DE ABRIL.
Sobre Londres a 2?'/:e28d. por l/rs. aUOd.
t Pars aV)
Lisboa ICO por cenlo de premio.
Rio-de-Janeiro no par.
Desc. de lett. d boas tirinas n I'/, % o mcz.
Acees da coinp. de llcberibe, a 50JI rs. ao p.
0ro.Ooca l.espanholas. IJfUOO a 30/T.OO
Moedas de (i#4no v. I7f-10Q a !7/iiH>
de U/400 o. 1(5/200 a Ki/Hs'
de 4/000.... 9/OO a 0/401/
Prala -Patacoesbrasileiros 2<000 a QM0
Pesos columnarios. 1/380 a I2W
Ditos mexicanos..... 2/000 a 1/920
MORTE DE G11RISTO.
I oiga, Ahrahlo, na campa adormecida,
Folgalsace Jacob!
A promessa de Dos he ja cumprid,
E as prodiccOesdeJob.
Empresla-me, David, a tua lyra,
Os sons divino leus:
Quero contar o genio, que me inspira,
Do fllho do meu Dcos.
Erhbora os tristes ais de Jeremas
Eu tenha deentoar,
Ou os horrores tarros de Isaias......
Eu quero a Dos cantar.
' Enabora fu gire i, errante, sanha
De outro novo Sal,
Karei soar a minha voz laminilla
l.onge.....do nortea sul.
Ecom letras do fogo, aos peitos duros,
Tremendas, vou gravar
As myslicas palavras sobre os muros
De todo o BilUiasar.
Simquasi j dous mil annos
O lempo nn plancou,
Povos, sceplros e tyrannos
Ao nada precipitou,
Desde quando o Verho Santo
Coberlo do fel e pranto,
Dos reis o povos espanto,
N'umcndaialso expirmi.
*Esus vo/derradeira
Omundoj todo encheu,
Dos homens a raca inteira
Siiscilou c'o brado seu
Deu aosservos alforria,
A's trevas da nolte o dia.....
Ka face datyrannia
Cruel Impallidecou.
Dos Cesares, dos Augustos
Que valem cruel edictos f
E dos imperios vetustos
Os consagrados dolidos ?
Que valeni reis o nacAes ?
Que valem mil geracoes,
Ardendo em ceg furor?
Que valem contra a verdade
Conlra a lei da liberdade
Pregada pelo Senhor ?
Do Roma s portas j bate
Do mirle o brbaro audaz, :
Travou-se rijo combate :
F. o Codo que a guerra faz
Tomn a crencha de Christo ;
No seu pendfio logo visto
O erhblema>do Redemplor
As hosles levou guerra
Ilion por toda a trra
vos renles o ardor.
Caducas nacos antigs,
Tyrannas de escravos mil.
Sceptros, c'roas inimigas,
Ue pagSos a raca vil,
Cede ludo ao sanio brado
Que mu pobre crucilicado,
Filho humilde de Bellilerrr,
Soltou lias anejas da morlc .
' Km frente de senhor forlo
Da forte Jerusalem.
K quasi j dous mil annos
De lempo correndn vilo,
Renovada entre os humanos '
F.le llmenlo a l'aixiio;
E linda vai alerraudo
TyramiQ* que vilo lican>lo, .
O brado do Salvador,
T que um a un j quebrados
Os ferros scjni trocados
So em algemas de amor.
">
O lempo lio rlmgado em que l n'oulras eras
Koi esse tremendo delicio espantoso,
Que llorodes e Chiisto sagrado c bondoso
Matidou ao supplicio so proprio de feras.
Saudemos o dia tremendo e fatal,
Que o lilho ilo Eterno por nossoa peora los
SofTrcu mil ultrajes por nos, rescatados
l.'p sangue d'um marlyr, divino, immorlal.
Saudemos o dia, em que-a voz da verdade
Sagrada e altiva encarno os tyrannos
De humilde palilt'lo pregando aos humanos
A le taciosanla da fraternidi.de.
Curvemos a fronte as pedras do altar,
Hossanas a Chrislo, moitnos, cntueins
Seu nome sagrado, christ.ios, adoremos
Na flor das ca:pinas, ras ondas do tnar.
(Hev/ita Popular.)
MED1TAGAO DE JESS.
Oh Christo Quando no mciode urna plebe cor-
rompida pela servidlo, e encendida contra ti pela
ere.Iulidade vm palavras d"hy pocrttas, tu eras arras- j
lado pelas vagas populares na terrivel proceda do ra maldicla : eugn'o cruel continuara a ser, se tu,
dia extremo da vida, por corlo que o tou coraQflo
venen sangue debaixo do peso de tilo dilatada a-
gonia:
Como, pois, foi possivel que diante dos insensatos
que te alormentavam, re da philosophia eterna, nilo
clamasses segunda vez ao pai, como na solidiiodo
Celhsemani, para que te affaslasse dos labios o ca-
lix que trasbordava de le e de amargura t
Como foi possivel que tu, oque havias eondemna-
do as geracoes passadas e arremossado as futuras por
um caminhoarahi incgnito, nilo curvssscs a cabe-
ca dianle do espectro de padecer atroz, e nilo trailla-
ses a la misslo, dizendo baila e fazcodo cahir a
teus ps com a face no p os verdugos da tua inno-
cencia ?
Nessa hora, lilho do homem, mo eras tu fraco e
mortal como todos os teus irmfloa ?
Na historia da tua mysteriosa nassagem na Ierra
muitas paginas quizesles, oh Christo, que fossem
deixa.las em braneo; porventura porque, se essa his-
toria mssecompleta, a saucduiia do iioniem poeria
igualar a sahedera de Dcos.
Nos adiamos hoje os vestigios dos teus ps pela
subida do Golgolha ; mas estil apagados os que es-
ta m pastes as ras da Salem, na hora em que os as-
sassinos tinham vestidos toga dejuizOS, e, julgan-
do-te pela lei do odio popular, blasphemavam da
Jlislica.
Foi essa hora da dolorosa anciedade, quoatra-
fdiceflo guardou no incompleto Ihesouro do evange-
Iho, e por isso a tua constancia entro asafTronlas e
atrocidades das turbas desenfreadas por hypocritas,
he o mais terrivel e profundo dos mystcrios da tua
morada na trra.
Na cruz semimorto estorccslo-le, oh Christo, nos
tranres da agona e limitaste ao Senhor : Heli!
Heli \ porque padecesle e solTresie em silencio na
hora em que eras cheio de vida ?
Por rerto que', quando os esbirros e algozes te
levayam entro apupse risadas perante Pililos e
entros brados de morle daquelles para qudm o
leu exemplo ora um remorso, elles te deixaram re-
pousar assentado sobre o marco .la estraUa, no tran-
sito de amargura.
E tu, oh Christo, Picaste alguns momentos so com
os teus pensamenlos, immensos e insonda veis, qual o
espacoem que est derramada e perdida a infinida-
de dos mundos : e estes momentos avigoraram e
consolaraui o leu espirito.
Depois-queo governador romano procurara res-
galar-le, por prego de vituperios e.cruozas da sanha
sangui-srtlenta dos Hebreus, e nilo o alcancamlo te
entregara aos furiosos para que le arrastassem ao
Calvario, lavando*as miios do crime, emquanto el-
(leselamavam que o sangue do justo cahisso em ci-
ma de suas caberas e das cabecas de seus lilhns, os
soldados teconduziam ao patbulo.
E o pobre SimQo de Cyrene nilo linl'.a aindi toma-
do aos hombros o instrnmento ignominioso do leu
supplicio, que hoje he para os homens o pharol da
esperance.
Foi entilo, talvez, que encostaste os membros pi-
sados e feridos sobre a podra Tria borda do canii-
nho do Golgolha.
Porque o Senhor, que le enviara Ierra, moveu os
animo-; dos algozes para que le dexassem repousar,
e nessos curios instantes a idea da tua missio, ge-
nerosa e terrivel, aniquilando em ti o scnlimi lo
da existencia qialerial, te avigoren o espirito ateo
'ligar do sacricio.
A consolucilo desceu sobro ti, oh atribulado, es-
quecendo-lo do lugar em que eslavas, e dos que ao
redor da victima espera va m em silencio que ella se
erguesse para proseguirem no seu prestito festivo de
autropophagos.
Com a fron'e encoslada ao braco, (miado sobre
os joelhos, foi larga e profunda a tua meditaeflo que
abrangia no e.-paco o mundo, e no lempo os seculos
passados, o presente e o indelinilo porvir.
Porque para ti nilo havia estas medidas por onde o
homem he constrangido a aferiros phenomenos do
universo, c que, liraudo-as do seu modo de^xistir
para as applicarao que o rodela denominou dura-
qo o exteii-.ni.
Sobro a tua ciibcca um co sem limites patenlea-
va os mystcrios que encerra a leus ollios divinos, e
vlvendo estes para a ierra vas o orbe nlelro a teus
.Sj e asna historia desde o primuir-o at o ultimo
dos Jias eslava escripia na face delle.
Que viste, oh Jess, na historia que passra e na
que passava rpida ao redor de li ? CorrupcHo e mi-
seria.
Viste os homens separados dos homens detesta-
rom-se o perseguirem-se ignorando que eram ir-
anios : visto T> criruo do Can convertido oui norma
dos povos.
Visto que a virtudeera urna ostcntacilo vla um
embuste contado s mullidOes, porque uo se firma-
va nein no co nem na esperanc : que o poder era
urna tyrania insollYive!, n a obediencia servidilo :
tyrannia at no ser pai, escravidflo at no ser
lillio '
Visto roda de ti desmentidos todos os airelos
humanos : vislc a espada posta no lugar da lei: vis-
te combates de gladiadores o o pilo arrojado pelos
dspotas ao tigre popular para haverem de por mais
longe a hora de seren devorados por ello.
Viste a superslico dos dolos, um culto dissolu-
lo ir Hlame aus .leo-es .las nios dos llouieilS ir OS
vicios e crimes sanctilicados por hypocritas.
As gerarOes que te precoderam e a que te roleava
estuvam com um cadver gangrenado : a civilisacn
era um ouropel : a vida um materialismo insen-
sato.
A sociedade lora, pois, atea tua vida, urna menli-
oh Chrislo, nilo Uveras viudo para a
com a tua sabe.loria celeste.
Tu aflastaste entilo os olhos horrorisados deste es-
pectculo atroz para contemplares o futuro, que fi-
Iho do leu evangclho rejeitava e condemnava o
passado.
Ea temerosa cruz do supplicio te appareceu glo-
riosa, porque se ergua como um pnndflo, em vnlta
do qual se ajuntavam por li com as armas da verda-
de, da resignaco e do amor.
Os chrisllos das catacumbas passaram dianto do ti
corno um exercito do martyres que lestilicavam a
philosophia ila rcdempc.lo, e cujos hymnos de espe-
rance retumbavam por essas arrarins iminensas e
tenebrosas,emquanto por cima delles no solo de
Roma restrugiam os cantos obscenos, as risadas
ebrias as orgias dos senhores do orbe.
Cepoisviste-losdiapte da Tua do dia assistindo
longa agona do imperio, eofTerecendoao povu gi-
gante, que morra, como um velho infame, frca
de disseluces, a nica salvasffoqnn Ihn restava a
que o Senhor guardou para o arrcpendimenlo-- a
d'alm do sepulchro.
Cs selvagens do norte so agglomeraram entilo
.liante .le Iros olhos sobre o vulto dessa sociedade
moribunda, e despedazando c trituran lo entro as
suas mos do ferro tenplos, palacios, munumontns,
leis, scicncias, ludo, na sua nativa fereza, na sua
transformares o olilo, perdoars por rerto, ol Chrislo, eslas linha*
escripias no pedestal da tua crin, durante os das em
que os leus rrentes celeliiam a rnemorit do tremen-
do Sacrificio do Golgolha. A. Ilereulano.
(Panorama.,
fARTE OH-S2BAL.
.MINISTERIO DO
IUP
ERIO.
RBLACO DOS IDBSPAQflOS
[:':cmlo- na coile no Ir ISl!>, niMilvcrsnriri ilo .|ni-nneiili
d confttltnlcfiodo Imperta.
CORTE '' CASA IMPKIIIM..
Honras de 'irrtndrzi.
P.r!lo do Cajahvba ; burdo de Ipsti^-iia
BarOtt.
Capilo-mi'ii'Minoel Antonio de l'reilas, harao do
Rio-Claro ; Mano.'l Antonio Alvares do AWVOilo, li i
rito de llapacor; lente-coronel da guarda nn-
rimnl Jos Joaqiiim Pires .le C-rvallio e Aibitquer-
que, barode Pi'aja Jos Theo.loro Corre i de A/e-
ve.lo Coiilinho, bar fio da Mearim ; 1'iin- is-n I'er-
le Mello
i nandes Veira, hsnlo do Iro ; ro'oniil lenlo
barbara virludo nilo (omaram urna so pera de lan- peivrn hanlo de Cotins'ilia.
Titulo do ronrelho.
Deseinlinrgulor Joo J.ise de Motn Mngalhiles.
tos thesnuros
.Salvo duas cousas peregrinas om Roma, duas coli-
sas que nunca tinlmm podido ligar-se c harmonisaN
te Com osobjeclosde luxo, com as obras primas da
civiiisacilo amiga.
Eram estas duas cousas, oh Christo, um ma.leiro
tosco, um rolo de pergaminho pouro extenso ; a
tua cruz c o leu evaiigellv!
Porque pira os pobres n rudos barbaros estes dous
monumentos eram simples e intelligiveis, aperar
do sublimes: o osforco generoso e indomavel da-
quelles homens ingenuos romprehendia o teu sa-,
crifcio : a singelc/a do sen coraeflo romprehendia
as virtudes que tu ensinavas, novas para elles romo
o tinham sido para a soriedadororrompida que se
desfazia debaixo de seus ps.
Nrsle momento que separava duas firmas de
existir humanas, a antign e a moderna, a tua oren-
ia, oh Filhodo llomem, tomava pela m.lo as nifOes
quesurgiamdo meio de urna grande revolurSo so-
cial, e guiava-se pelo camuhn do urna nova civilisa-
Cflo bom diversa da quo cessava.
Quanto hojo he honra e glora dos grandes povos ,
ludo tu viste nascer da tua palavra como de fonlc
Caudal: o (achoque tu accendesto foi que allgm-
ou o mundo.
\ sirque o tronco, onde devias soil'rer trance af-
finiitoso no topo do Calvario, serla o asy lo junto do
qual vilinin ibrigar-sc milhesdc homens das gcr.i-
ces futuras.
Depois de llaveros contemplado a tua obra, oh Je-
ss, ergueste-te para caminliaies ao supidirio, e os
que le rodeavam viram no leu rosto divino um ju-
bilo nofldvel, um sorris > de bemavenluranra nos
leus labios. Oque tanlo amara os homens julgava-
so acaso pago'deum sarrilieio immenso ?...
A tua borra nfio o disse : (u guardaste para li esse
myslerioso segre.lo !
O jiii/- quein se revelou a tus Inuocencia, cho-
mou-teo homem:- NOS a quem tu revelaste os nos-
sos eternos destinos, e os mais puros e santos afleo-
tos da vida moral, mis lo chamamos um lieos.
Mas a ingratidiio uo foi exterminada da Ierra .
Veio um seculo em que a arvore da rivilisaco e
da scioncia eslava robusta e eheia de vico : a vasta
sombra de seus ramos abrignva a mclhor parle do
genero-humano : e os lilhos da civlisaciio e da ser-
enis comecaram a envergonhar-so de ti, e logo de-
pois a motejar-te, -e acuspir-te as faces como lia-
viam fetoos Judeus.
Os ilesgracados pensaAm que essa arvore planta-
da por ti c por li s -linha chegado a perfeicOo do
vecejar, eque os que viviam debaixo del I a eram
bem superiores soque esconder na ierra a semen-
tinha incgnita da qual ella MsCra.
O evangclho era, porem, eterno.
Quando tu, Senhor, laucaste os olhos torvoadpsdo
alto dos reos paca condemnarem estes homens orgu-
llosos, estes sabios que renegavaui da origem de l>-
da a sciencia, elles tinham passado, e nflo Ihcs adias-
te mitro vestigio senilo o grande silencio das suas
campas. i .i .
E a nos, que Ihessuce.cdcmos, visle-nos do joelhos
de roda da tua cruz. .
A arvore da sabedoria havia brarejado m*M robus-
tos turneo, mais vrenles ramageiis, o Fui-nos pro-
vado entflo que ella BsMCra no Calvario.
lloie, Senhor, a hilCbria humaira vem conlirmar
todos os dias a la hjslora divina a philo,opli.a
actual ergue sobre as ruinas dos syslcmas passados
o lbaro ds tua philosophia. .
A lOiencil que indaga marav.lhas pelos pininos do
~-o, ou vai procura-las as |brogscntranlias da
I 'eador honorario.
Ilariiodo Uolflin.
(uarjit-ratina honorario.
Albino dos Santos Pereira.
Mttlieo ila imperial rumora honorario.
Dr Manoeldo Yallado Pimental,
Fidalr/wt eiwallelroi.
Tenente-enron 'I Manoel Jos de Almei.l'.i Contri;
lira/ Augusto HonteirO do llarros ; conrelheiro An-
tonio de Cerqueira l.ima ; niarerhnl de eimpo Ven-
ceslao do Oliveim Relio ; coronel honorario Antonio
da Cosa Pinto.
onnKM nr. s.-bf.sjo nr. Viz.
Commfnioi/o/-.
Sargenlo-mr Manuel de Fras Vascnncclloc.
Covaltiirot
Visrnndo do Caniami'i; eapilao Jos Mara Jovita :
dito francisco Joaquim Bacallar; dito l.uiz Soarffs
Viegas ; dito Franrisro Joaquim Pereira de Carv.i-
Iho ; prniero-fpnenl'! da armada Pedro Mara Coe-
Iho do Abren.
oanni i.r. uuisro.
Cmnmcntladores
Bachirel n. Francisco Balthasar .la Silvelra chele
do legiiln da provincia Sonto S ; gnarda-roupa Camillo Josc Pereira .le
faro; Jos l.uiz Campos do Amoral Jiaqui.n No-
nes de Camino; Pedro l.uiz de Sooza ; o presdan-
le da provinria do Minas los Ildefonso do Souva
Ramos; ronego Jos Conralves da Silva; Candido
Caldeira de Suiza; o reverendo hispo de Mariano i;
Jos fgnarin Conos Rarbosa ; coinmnridanlc supe-
rior .Manoel Ignacio do Simpiii : coronel da guarda
nacional Jeronymo Viera Tosa ; doulor franrisro
Anlonio llibeiro ; padre Marros de Araujo Costa;
Thonwde Aquno Osorio; Jolo Bernardo de Aze-
vedoBraga ;Francisco losde'Arafljo Costa: lose
Mondes Vioira; Jo-e da Cunha Lulosa; Jos Ro-
drigues Coellio ; Valenlim Pereira da Silva ; liarilu
.lo Tingu ; rtele do legiflo Manoel Anlonio .-.iii-
mares
Cavtilleiros.
BachareJ Joo de siqueira Qiiejroz ; doulor Jaio
Affonso de l.ima Xogueira Francisco lgoaoio.de
Carvallio Moreira ; Carlos Antonio do HuJIroes Hi-
beirojJos de Siqueira Barbosa de Ma.lureiri Quei-
roz; i'eneiil"-roronel Andr Cordeiro Nogroiroa I.o-
hnt; dito da guarda nacional da Itihu Joaquim
Prot Honrado j dito Jos Maria Servlo Sampaio ;
dito Joaquim Mil.mi da Silva Carvallio ; major da
r,|,i nacional da Babia Antonio da Costa Chas-
dito Manoel Bodrioues Valenc : di lo Jos
gua
tete
trra, que as busca no* continentes, ou no vulto
enorme dos mares, amontoa-as para com ellas tecer
a coia da tua gloria.
As nacoes que vis agitarem-sc o rug.re.ii ..oloro-
samente en. ludas civis, nao fazem seiio preparar-
se para podrem escrever as taboaa de bronze das
leis duas'palavras, que rvsumcm todo o evaugelho-
libcrdade e fraterndade.
com
Aquellas, emlim, a quem a natureza ennqueceu
in os lliesouros do genio, derramam a leus pes
Rodrigues Valenc;
francisco de Mello ;capito Ha guaran nacional An-
lonio Jos del.ima;dito francisco fausto da Silva
Castro; Anlonio Jos de Souza ; Manoal Antonio de
Barros; doulor Antonio francisco de Almeida llar-
bosa;Jos Anlonio Bar oso de Ca-valho ; l.uiz Josc
de So'u/a e Silva ; Antonio Rgidlo da Cunda ; vigario
Jos Alberto da Silva ; taante Coronel da guarda
nacional da Bahia Pedro Jos Honorato; dito Fruc-
tuoso Pinto da Costa; dito Joaquim Jos da Silva
Calvan capitn llegin Ido Comes dos Santo* ; dito
Antonio Rodrigues Cunha ; Matdeus Antonio dos
Santos ; Torquato Marl'ms de Araujo Malta ; vigario
Joo ferreira de Carvalho ; dito francisco Candido
de Magalhites ; dito Joaquim Jos da Costa Senna ;
dito francisco Pereira deAssisjdito Justino Pint
Ferreira ; dito Manoel Feriiandes Riheuo ; dito Jos
Ferreira Estrella; dito Pedio Meiivlles de Barros ;
dito Francisco Moreira do Carvalho i "lo Joa-
quim Teixeira da ConceicSo; dito HuniUeio uar-
busa Martina ; padre Joaquim Jos de Moa* i
doulor Luis SoaVi de Gouvea Mora doulorManoel
Jo- Pinto deVasroncellos; doulor ledro (.aciano
Sanchos de Moura ; doulor Kugeuiu Celso N0fawto|
loutor Joaquim Pe Iro de Me
doulor Jos Tara-
sublimes e suavos a poesa! Joaquim da Costa I.age
auantas harmonas mais sublimes e suaves a poesa! Joaqu.m "- "
revelou a esto seculo que ere e espera, como Mara, I Barbosa ; wn"n*
Bernardo Bello Pmentel
do engeiilieiros francisco perei-
o balsamo do nardo.
A mili., que sou pobre como
ra do Aginar; francisco Ezequiel Meira ; Boborto
a viura que aastou'Rsymu
udo de Aguiar; Antonio ^Francisco de Salles;
i ".iu-j


T-------
vigario Joaquim Marlins Grugel ilo Amaral; Fran-
cisco Jos Moroira ; doutor Evaristo Ferreira deA-
raujo ; vigario Scbastiflo Dias Larangeira; dito Jos
Gregorio dos Santos ; dito Antonio Marlins Ferreira;
bacharel Serafim dos Anjos Franca ; vigario Iama-
zo Jos Correa ; Luiz Alves da Silva ; liento Jos
Concalves Guimarfles ; Joaquim ilc Freitas Aguiar;
capilflo-tanente Anlonio Francisco Pereira; tcnente-
coronel Rodolpho Joflo Barata de Almeida; Fran-
cisco Mendes do Souza ; Ignacio Lopes da Silva A-
raujo.
OnORU DA nOSA.
Commendadoret.
O coronel Polydoro da Fnnseca Quintnnilha Jor-
ililo ; visconde do Rio-Vermelho ; tenr-ntc-coronel
da guarda nacional da Babia Jos Flix da Cunha
Menezes; Aiiastacio Lcile Riheiro ; Mannel Itiheiro
de Almeida ; Ballhasar de Abrcu Cardoso ; Francisco
JnseSoares; Antonio Marcondcs do Amaral; o ins-
pector da alfandega da Rahia Joaquim Torqualo
Carneiro de Campos ; tencnte-coronel Jos Veriato
de Freitas.
Ofllciaei.
Vicente Ferreira de Castro c Silva; o chufe de po-
lica da Baliia Joio Mauricio YVandcrley; lenenle-co-.
rnnel da guarda nacional Hermenegildo Duarte Mon-
teiro; dito Mariano Procopio Ferreira Lago; dito Au
euslo Jos le Carvaltio: majar de legiflo Antonio Sol
res Pinto; diln Juflo Jos de Azevedo Mello Pilad; dito
do terceiro baialhflo da edite Constantino Mchalo
Cecilio; tenenle-coroiiel da guarcl nacional da Ba-
bia ICvariato Ladislao da Silva ; dito Joaquim Olavo
da Silva Rebelln; dito Alexandre do lcenla Seabra;
Manoel Gomes Riheiro de Avellar; Francisco Alves
de Azevedo Murado; l)r. Joflo Jos Coutinhfl; Anto-
nio Rilieiro Basto; Bernardo Vieira Ferraz; Jos Jus-
tinlano da Silva; Jos Comes Riheiro de Avellar;
JoBo Pinhiro de Souza,- o gnarda-roiipa Jolo Fer-
nandes Viannn; Manoel dn Silva Ferreira; Jos da
Silveira Vargas: Jos Custodio Cutrim da Silva; o
presidente da orovincia do Guar l)r. Fuaslo Augus-
to de Aguiar; dito da Parahiha Joflo Antonio de Vus-
conrellos; Tbeoiloro Constantino de Chcrmont: An-
tonio Alves iie liveir; Manool Vicenta Foro; coro-
nel Jos Sotero de Menezes; Francisco Raymuiido
Cor re i a do Faria soluinho; Ignacio Pereira Nunes;
ca,,ita Domingos Rodrigues Sonto" ciego Fr.llCS- PP ro Rodrigues do Paula; ebefe de legiao Antonio Ro- 1""'ltl'. *** fl" e"H "'."'Ha polo /ano,
drigues Pereira; dito Jos Rento Costado Azedias; segundo decs
dito Jo/JO Rento Pereira Salgado; lenenie-cnronol c
Rodrigo PoreiraSoares de Albergara; Lucas Anto-
lllm, e Exm. Sr.Tenho a honra de participar
V. Ex. que esta provincia goza do tranquillidadc.
Dos guardo a V. Ex. Palacio do governo da pro-
vincia de Mnas-Geracs, 16 de marco de 1849.Illm
e Exm. Sr. desembargado;' Manoel Vieira Tosta, pre-
sidente da provincia de Pernambuco.O presiden-
te, Jote lldefomu de Souza liamos.
Illm. e Exm. Sr.Tenho a satisfaco de commu-
nicar V. Ex., que esta provincia goza de tranqull-
lidade.
Doos guarde a V. Ex. Palacio do governo da Ba-
ha, 31 demarco de 1849.Illm. e Exm. Sr. presi-
dente da provincia de Pernamhuco.Francitco Gon-
calves Marlins.
Illm. eExm. Sr.Tenho a satisfaeflo de comrru-
nicar V. Ex., que esta provincia se acha em com-
pleta tranquillidadc.
lieos guarde aV,Ev Palacio do goveino em Ma-
cen, 3 de abril de 1849.Illm. o Exm. Sr. conco-
Iheiio Manoel Vieira Tosta, presidente da provincia
de Pernanibuco.Antonio Nunet de Aguiar
EXPEDIENTE DO DA 3 DE ABRIL
Oflirio.Ao presidente da relaciio, recommendan
ilo baja de dar o seu parecer acerca do conte lo no
oflicio que remelle, (miado pela cmara municipal
de Olinda, o em que esta pergunta se deve do proce-
der-se qualifiraco em a freguezia de Mtranguape,
a qual, se bem que fosse exmela por lei provincial,
a inda se acha provida de paroeho.
Dito.Ao inspector da ihesouraria da fazenda, rc-
niettendo (una nota de 1,000 res, im do que a
faca examinar rom as outras que a presidencia Ihe
Iransmittio em 29 demarco ultimo; e, recommen-
dando que terminado o exame, devolva a menciona-
da nota.-Parlicnnu-se ao chofode polica.
Dito. A Agoslinlio Bezerra da Silva Cavalcantc,
commindantu superior interino da guarda nacional
do Municipio do Cabo, kiuvando os sentmentos que
llie inspiraran! a resoliicflo de ceder em beneficio da
fazenda publica os soldse mais vcncimenlos quo
Ihe competem e Ihe ITouverem do pertncer pelo
coinmaiido das forcas da Murifjeca.Scientificou-so
o inspcclni lii psg;:*ira Militar.
Hilo.Ao.contador de marinlia, declarando que,
lulo sendo ollicial o jornal do Itio-de-Janeiro em que
nio Monleiro do Castro; Francisco Carneiro Santia-
go; coronel da guarda nacional Antonio Goncalves
do Carvalhn; Joflo da Costa Jnior; inajor Manoel
Caetano deOliveira Passos; dilo Francisco de Oli-
veira Cueiles; tenenle-coroiiel Joio Ferreira Lima;
dito Juo Rlocii; Jos Ferreira de Carvalhn; Silvestre
do Augusto Nascentes de Azanibuja; sargento-mor
Judo Confalves dos Santos Cruz; Joaquim Baplista
da Silva. Joflo de Oliveira Franco, capitflo Manuel
Mondes Leitflo; Joaquim Jos da SiUeira; Jos Anto-
nio de Oliveira e Silva; O oflicial-maior graduado da
secretaria da guerra Libanio Auguslo da Cuulu
Mallos.
Cavalleiroi.
Capitflo Luiz Pedro Leeor; crurgiflo-ajiidanto Ma-
rianno Antonio Dias; capiifio Manoel Jos Rodrigues;
quartel-mestre Joaquim Antonio de Azevedo; capitflo
da guanta nacional Francisco Alvesde linio; dilo An-
tonio de Almeida Brito;*dlio Francisco Antonio Al-
ves de Carvalho; dito Domingos Jos Marques; alie-
es da guarda nacional Manoel Quinlino Riheiro;
inajor da guarda nacional da Babia Manocl Gomes'
Tourinho; Francisco Antonio de Souza Nunes; capi-
tflo Juflo Al ves Ferreira prado Chaves; cirurgifio Fi-J
lippe Pornim; Joflo Chrisostomo de Carvalho; viga-
rio llermogenes Casimiro de Araujo Rrunsuik; Joflo
Fernandes Ramos; Lucio Jos de Figueiredo Murta;
LuizdeFigueircdo ;\eves; Conrado Comes da Silva;
Francisco de Paula Ferreira da Silva; Antonio Joac
Dias Coelho; Joai|uim Pedro Vidigal de Barros; vi-
gario Custodio Ribeiro de Carvallio; Manoel Jos
Pereira Jnior; Fuando Antonio Durmond; Dr.
Jo.- Affonso Dias de Souza; Manoel de Barros Arau-
jo Silvei'a; Joaquim Jdaximiauu Gomes; Dr. Jerony-
moMximo do Oliveira e Castro; capitflo Jeronymo
Velloso l'ederueira; dilu Affonso de Almeida e Albu-
querque; Juse Pereira Nunes; Francisco Jos da
Cunha Caslello-Urmicu; Dr. Francisco Riheiro da
Silva uveirozi Fianoiacu Luureuco Caalelo-Branco;
Virgolino da Costa Cunnarfles; Rogerio Antonio de
Oliveira; Venancio Jos Pereira; Joflo Munleiru Car-
son; Jos Vieira Machado da Cunha; Domiciano An-
tonio de Suuza Munlairo; Albino do Oliveira Sanios-
Gamillo da Silva Reis; Firiniano Jos do Castro-
Celso Eugenio dos Res.
Secretaria de estado dos negocios do imperio, em
as de mareo de ISM.-Jos de fytta Magal/met
CUIt'et,
irou a respecliva redaceflo ; osofficiaes
iK|ui existentes o contemplados na met -
clonada pruposta, nflo pdem ser considerados como
uo exiircicio dos poslosa que ah se achain elevados.
Dito.Ao subdelegado do 2o districto de Bezerros.
Foi-mo prsenle o ollicio de 25 de marco prximo
finio, em que Vine ao passo quo refero os impor-
tantes servicos prestados oesse districto em pro da
ordem e da truuquillidade publica pelo reverendo
moili-
ha-
se
ue
e
lizcr-
pero que vine, nada pou|iai por inspirar
conlaiica ao povo. c nianter inalteraveis a paz e a
tranquillidade publica.
TUESOURARU DA FAZENDA PROVINCIAL.
emonslracao do nld exilente na caixa do exercifio
findo em 31 de marco de 1849.
Saldo em 28 de fevereiro p. p. l*:740,48l
Despeza do correlo mez ... :i:.'3,69
Saldo 13:201,813
Em
cobre
olas .
........ H.812
........13:190,000 13:204,8ia
Tliomas Jos da Silva Gusmo Jnior,
luis de l'inho liorge.
cial; sendo quo dentro os primeiros aponas dous
couberam a cidadflos residentes nasta proviAcia, a
saber : o ha*bito de Christo ao Sr. Rodolfo Joflo Bara-
ta de Almeida, eo odlcialadoda Rosa aoSr. Dr. Jos
Eustaquio Gomes.
Obacharel Jeronymo Mximo deOliveira e Silva;
tinha si lonomeado juiz dediroilo da comarca de
Matto-Crosso.
A l7ombarcra para a Estrella, com destino a Mi-
nas-Geraes, o primeiro liatadiflo de fuzileiros.
S. M. o Imperador assistra ao embarque ; mostr-
ra-se salisfeilo da boa ordem, asseio e firmeza do
butalhflo ; c, por essa occasiflo, fra victoriado por
avullada por^flo de povo : accrescendo que to los us
espectadores como que porfiavam por obter a hon-
ra debejur-lhe a inflo.
O mesmo augusto Sr. dignra-se de dar um pas-
seio at lora da barra, em o din 23, no vapor D.-Af-
fun.so, a cujo bordo aceitara um almoco que llie of-
ferrrra o respectivo commandante.
A 13, visitara S. M. a alfandega da corte ; e, como
qur que perrorresse todos osarmaznns da estiva,
gastara na visita nflo menos de duas horas.
A 14, correr agoa pela primeira vez em o novo
chafariz da ra da Copa-Cabana, denominado Fon-
te de l'edro II.
Comqunnto simples, diz o Crrelo da Tarde, o mo-
numento he elegante, e aprsenla urna bella fa-
chada.
As dotas do Rio-Grando-do-Sul chegavam at 5 de
marco.
Tinhem sido suspensos e iam ser responsabilisa-
dos Joaquim Mara de Azevedo Guerra, Fernando
Ferreira da Silva eJos Carlos Pereira de Almeida
Torres, escriturarios e feilor da alfandega do Rio-
Gi'-inde.
Segundo o lito- Grandense esses em prega dos fdiam
suspensos por causa de certo engao commetlido na
ic'iHv.m de 28,560 jardas de chitas n'uin despacho
pertencento a Prodfood Mu & MofTat.
As noticias de Montevideo alcancavam a 10. Acer-
ca da queslflo Le Prdour, eis o que diz o Commerclo
del Plata :
Buenos-Ayres, 7 de marco. Ha dous dias escre-
veu-se ao general em cheje do exercito unido da tan-
guarda da confrderaedo argentina, presidente legal
da repblica do Uruguay e alliado do nosso gover-
nador, sobro o'ncgorio da suspensflo de hostilida-
des. Supponlio, pois, que o nflo haver-se ido o
" Sr. Le Prdour ser por nflo ter chegado a respos-
la do illustre e independente alliado.
Emquanto ao mais. e ao recobimento do Sr.
Soulhern, e s convencGes ajustadas.........
At outro da.
Quanto Babia, bem pouco sabemos.
A 23 abrira-sea bibliotheca publica que, havia 2
annos, estava fechada por se adiar em concertos o
respectivo edificio
Ao di/.er do Mercantil, doze mil o tantos sflo os vo-
luntes existentes no cstabnlecimento. Entretanto,
apenas sete mil e tantos acham-seom bom estado, e
perlencein a obras completas : os demais ou fazem
parte de obras truncadas, ou nflo pdem ser ronser-
vados por oslaren) arruinados.
Corra que apparecra na Chapada urna nova mi-
na de diamantes muito abundante, e que a explora-
va com inuita vantagem urna sociedado de 5 indivi-
duos.
Francisco Pereira dos Santos Varglnha, sujeito ni-
miamente pobre, envenenra-se, por nflo haver po-
dido obter certo emprego publico, mo grado as di-
ligencias com que o solicitara.
Noticiando este envouenamento, a Tolerancia de-
clara que elle nflo produzra a morte de Varginha,
e faz a respeito algumas reflexisquo nos-porecem
dignas da altoncflo dos leilores.-Ei-las :
Esta rasflo, (a de nflo poder obter o emprego)
n'uui paiz tflo abundante u frtil como o Rrasil, onde
o clima nos serve de roupa, os res o mallas de sor-
Pecas de 6,400 .
Jlodas de 4,000 .
Patacocs brasileiros. .
hespanhes.
mexicanos .
17,500 a 17,800
9,400 a 9,600
1,^80 a 2,000
,980a2,000
1,960 a 1,980
-C Mercantil.]
motivo para lamanbo crime (o suicidio),
rede du nos essa inania fatal.
Dos ar-
Movimento do Porto.
Navio entrado no da 4.
Rio-de-Janeiro, Rahia o Macei ; 8 dias e 14 horas a
do ultimo porto 15 horas, vapor brasileiro Sa%.
Salvador, de 300 toneladas, commandante Antonio
Carlos de Azcredo Coulinho, equipagem 28. |>>S.
sagoiros : para esta provincia, Joaquim Rodrigues
Vieira, Francisco E Alves Vianna, Manoel Jos
Fernandes Guimarfles, Pedro Paio, oSiiisao T. Rou-
mond, Dr. Acciolo de Azevedo, Joaquim Carneiro
de.Campos, Joflo Amaro de Souza Panizo, Gon-
calo Muniz Brrelo, llenrique Jos da Silva, |ir
Caetano Xavier de Briao com 1 escravo, Miguel
Ferreira Dias dos Santos, Baltazar de Araujo Ara-
gflo Volcflo, Joflo Jos de Oliveira Junqueira, Joa-
quim Pereira Marinho rom 2 lilhos menores, Ha-
noel do Carino Araujo, Antonio de Souza dos San-
tos Moreira, l.oiz Alves iligal lo, Luiz Regeuildn
Alvm, Francisco Jos da Costa Campello, D Lau-
rin la de Mello Franco, Francisco Jos, Manoel An-
toiHO, Francisco de Paula Rodrigues, Adolpho de
Barros Cavalcantc Albuquerque, Dr. Joflo Rodri-
gues da Silva, Rodrigo Neto Fi miao, Antonio j,.
Souza Santos Moroira, Manoel Joaquim Magalbfiec;
para Cear, Dr. Manoel Caetano do Goveia com aua
seuhora, 2 filhos menores e 1 criado, Joaquim
Francisco Baptisla de Mello Oxala ; paraMira-
nhflo, Dr. Candido Mendes de Almeida com fces-
cravo; para o Par, o coiicelheiro Bernardo de
Souza Franco c om sua senbora, 2 filhos menores
n S cscravos, 8 soldados desertores e 1 do mi-
f iuha.
Navioi tahidoi no meemo 41%.
libas Mauricias ; brigue inglez hte-of-White, Cspi-
tflo George Dunford, em lastro.
Golleiiburg ; patacho sueco Gneline,' caprtfo Har-
nate Solale, carga assucar e couros.
New-Vork ; briguaj americano Francii-P.-Bech, ca-
pitn James E. Avery, carga assucar. J
Camaragibe ; hiato brasileiro Kovo-Dettino, capitflo
Estevflo Riheiro,carga varios gneros.
EDITIS." *"
Miguel Archanjo Monleiro de Andrade offlcial da im-
perial ordem da Rota, caoalteiro da de Ckrto i ins-
pector da alfandega de l'ernambiico, por S. M. |o
Imperador, que lieos guarde, etc.
Faz saber que no dia 7 do correte, ao'meio-dia,
na porta da mesma, se hilo de arrematar em basta
publica 6 pulseiras deouro, no valor de 120,000 rs. ;
2 pares de holes dilo, nodo 20,000 rs. ; 4ditos de
brincos, no de 50,000 rs.; 6allineles de peito dito,
no de 90,000 rs. ; G gargantillas dito, no de 150,000
rs. ; e 3 trancclins dito, no de 70,000 rs. : ludo im-
pugnado pelo guarda Manoel da Fonseca de Araujo
Luna, na nota para des; aclio sb n... : sendo a ar-
remalacflo sulijeila aos direitos. Alfandega, 4 de li-
lil I de 1849. Miguel Arclutnjo Monleiro de Andrade.
Miguel Archanjo Monleiro de Andrade, etc.
Faz saber que no dia 7 do crreme se hSo de ar-
rematar, em hasta publica, porta da mesma, an
meio-dia, 8 duziasdo fundas, 5itas do siuias e 85
uiassos de molas de ferro para fundas, em estado de
av.ii ia, e avalladas, segundo a laxa, as fundas a rs.
36,111 rs. a duzia, a 12,000 rs. a dita de molas e a
5,000 rs. a dila de sinlas : a arremalacflo ser feita a
vista do genero, e pelo preco que se offerecer,
lidas dispensas, podo ser um pretexto, mas nflo um gundo o artigo 277 do regulamento ; sendo a mesma
livro de direilus ao arrematante. Alfandega, 4 de
abril de 18i'.i. Miguel Archanjo Monleiro de Andrade.
Deca raodes.
o.1"". *X
o* ce"
-i- I g

U I
12 I
t-l
m i 2
o c.
** O
I
4 A
ei 5
afef
12
m to o ou ?f i
n -o o m 2 I
lS oo *
oT->foT |
- S 5 !
DEPACHOS
publirndos na corle, m-Iu secretoria 4-:-tado los negocios ,:, Joatlca, no fans-
llaalmo dia 25 demarco.de i n4!>,aii-
iitveixario do jnrami-iuo da eoaUtiii-
cao,
CrELl. IMPERUI..
Honras de monsenhor.
Ao conego Joao Jos Ramallio.
tonrus de conego.
Ao padre Angelo Jos da Fonsera, da ridade de
Lampos.
Ao padre Jo3oJo.sc da Silva Pessanba, da mesma
ridade.
Ao padre Manoel dos Santos Ferreira, da nrovin
cia de Minas. '
Ao padre Affonso de Albuquerque Mello, da pro-
vincia das Alagdas. K
Ao padro Manoel Cordozo Lourciro, da provincia
da Babia.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Illm. e Exm. Sr. Tenho a satisfaeflo de partici-
par V. Ex., que esta provincia acba-se tranquilla.
Dos guarde a V. Ex. Palacio do goven.e da pro-
vincia do Espirito-Santo na cidado da Victoria, 3 de
marco de 1849.-Illm. e Exm. Sr. presidente da pro-
vincia de Pernamburo.Jote Francisco de Andrade e
Almeida Monjardim.
[ALFANDEGA.Rendlmento do dia 4 10:830,209
Descarga para o dia 5 de abril.
11! nra John-tarnum mercadorias.
IMPORTACAO.
JoAn-/arnum, barra americana, vinda de Phila-
lelphia, entrada no rorrete mez, consignada a Ma-
|hous Austin & Companhia, manifestou o seguinte :
23 raixascanella, 1950 barricas fariiha, 300 har-
jauinbas bohebinha, 50 volumes fazendas de algo-
so, 35 caixas cha, 5-25 barricas abatidas e seus per-
aces, 1 machina para lavar roupa, 1 barril pcixe
leaigado, 1 ciixa balsamo, 200 barris banha de por-
[ro ; aos mesmos consignatarios.
Canarim, brigue brasileiro, viudo de Montevideo,
entrado nocorrente mez, consignado a Amorim &
Irmflos, manifestouo seguinlo :
2273 quhHaes rarne serca; os mesmos consie-
natarios.
Br.dTT., 4 SE /.BBll DX 18<9.
Pelo vapor San-Salvador, chegado boje dos portos
do sul, recebemos jornaes fluminenses e habanos:
estes at 31, e aquelles at 26 do nWCo ultimo.
Ilaviam Tirado em plena paz todas as provincias
queassentam uesse lado do imperio, segundo infe-
rimos da leitura dos rilados peridicos, e conformo
o que alteslam algumas particioacOcs ofilciaes quo
inserimos no lugar competente'.
Ouasi que sflo inteirnmenlo destituidas de inte-
rce as novas da cOrte, de quo boje lemos de in'tci-
rar os leitores.
a/J?.aH PBS8do publicaram-se pelas secretarias
pachoaque transcrevemos sOb a rubrica Parte Offi-
CONSULADO GERAL.
Rendimenlo do dia 4...........
Diversas provincias............
CONSULADO PROVINCIAL
liendimento do dia 4 ......
7:536,702
176,690
7:713,452
3:402,575
RIO-DE-JANEIRO.
CAMBIOS NO DU 25 DR MCO DE 1849.
Cambios sobre Londres.......26 a 25 3/4
Pan.......'. nominal.
llamburgo......670
Mctaes. Oncas hespanhlas.....31,500 a 31,600
da patria.......31,000
Pecas de 6,400, velhas 18,000 a 18,500
Pesos hespanhes......2,000 a 2,020
* k da patria. ....... 2,000 a 2,010
Patacoes...........2,000 a 2,010
Apoliecsde 6 por rento......86 a 86 l|2
provinciaes.........86 1/2
( Jornal do Commercio.)
BAHA.
CAMBIOS NO DIA 30 OE MABCO DR 1849.
Londres.............27
Pars...............360
llamburgo........... nominal
Lisboa..............120 p. c.
Metaee. .
Oncas hesponblas........31,500a 31,600
> mexicanas...... 31,300 a 31,500
Olllm.Sr. inspector da the.souaejp.ia da fazenda
provincial manda tazer publico que^U do enrren-
le mez em diante pagam-se os ordenados vencidos
em margo o mais despezas provinciaes. Secretaria
da Ihesouraria da fazenda provincial de Pernambu-
co, 3 de abril do 1849. O segundo escrplurario,
Antonio Ferreira d'Annunciacdo.
O hospital regimental do primeiro batalhflo de
arlilbaria a p contrata os gneros seguinte, para
forneciment do mesmo hospital : arroz pilado as-
sucar refinado, caf muido cha doce de goiaha ,
dito de mermelada larinha de mandioca', dita do
Maranhao, manteiga, toucinho, vinagre, viuho brin-
co, letria, leuda em adas : ludo de primeira qua-
lidade : quem se quizer prnpr-ao dilo fornecimeii-
lo, compareca no dia 7 do corrente, das 11 s 12llo-
ras da manbfla no mesmo hospilaL da Soledade.
Recife, 3 abril do 1849. Joaquim du Silva .*ajf,
segundo teuente agento.
_" -O vapor S.-Salvador recebe as malas
para os portos do norte hoje {5) ao
meio-dia: as correspondencias que
vierein depois dessa hora pagarflo o por-
to duplo at as duas horas, e passadas estas nflo se
receberflo mais.
-9"
A vimos uiaritiiuos.
Para o Porto sahira, imprelerivolmente no du
J de abril, o brigue portuguez Ventura-Felis, por se
achar com o carregaoieoio quasi completo: par* o
resto da carga, e alguna passageiroa, aos (JoBM ,"'
offerece bons commodos, trata-so com o consig-
natario, Joaquim Ferreira Mondes Guimarfles, <>u
com o capitflo, Zeferino Ventura dos Santos, na prC
do Commercio.
Para o Rio-de-Janeiro saheem poneos dias.por
se adiar quasi promplo, o brigue nacional San-Jote:
para alguina carga muida, escravos a fete e passa-
geiros, para o quo lem excellenles Commodos, tra-
ta-secom Caudino Agostinho de Barros, ou com o
capitflo do mesmo.
-- Para o Rio-de -Janeiro segu com mulla brevi-
dade, por ter parte da carga prompla o pataclio
Diligente : quem quizer carregar, ou ir de passagem,
para o que tem excelente commodos pode fallar
com Jos Anlonio de Magalhfles Basto, ou na luja
de cabos de Luiz Borges de Siquefra na .ua do
Vigario, assegurando-se levar carga por menos rele
do que qualquer outro.
Para o Rto-de-Janeiro sahe, em poucos dias, o
patacho Conctlcao : para o resto de caiga, escravos
a frete e pasagdros trata-se com Novaes 4 C., na
ra do Trapiche, n. 34,





-S
Tara o Aracaty est proposto a> --O bacharel em direlo B roulinho esualrmaa
,r.~. Lio*- i\r rtf j lD Mara da Conceicfo Vieira to a Lisboa,
carga o hiate Novo-Ohnda, para seguir) -ooflo Rodrigues Coelho, subdito poriuguez, re-
impreterivelmente na lun de 17 do pre-.tira-se para fra do imperio.
sent rnm a nrm mm livor a hnrdn n1 -Oprofessordeinglezefranroz do collegio das
senie, rom a carga que tiver a bordo os' artesensna estas disciplinas em casa de sua residon-
prctendentcsa carregarem se entenderao ca, na la.Gloria, n. 7.
com o mestredo mesmo. Antonio Jos i D^^V^cI^SsMT't^sc
Vianna, no Trapiche-Novo, ou na ra
da Gadeia-Velha, 11. 17, segundo andar.
Para o Rio-de-Janeiro salie, com a roaior bre-
vidade possivei, o brigue nacional Mgeiro, por ter
parte de seu carregamenlo prompta : quem no ms-
mo quizer carregar, embarcar" escravos, ou ir de
passapem, para o que tem asseiados commodos,
dirija-so a Manoel Joaq-uim Soares na loja de fer-
ragens ao fi do arco da Conceic5o ou a Novaos &
C., na ra do Trapiche n. SI.
rW o Rio-lrande-do-Sulsahc, al odia 12 do,,
abril,, escuna Tentadora : pode Sia* receber al- Ml Pr"'lendo a
ht?.
o e p
guma carga miuda escravos a frete e passageiros
Uala-se com Novaos*; C., na raa do Trapiche, n. 3*.
-- Para a Bahia em poucos dias o hiato l'lor-do-
Recift, pregado e forrado de cobre, por j ter maior
parte do seu carregamenlo prompia: para carga e
passageiros, na ra do Vigario, n. 5.
Para as (has dos Acores e Lisboa sane a barca
portuguesa Fluminense, do lote de 2i0 toneladas e de
boa marcha, a qual est a chegar do Rio-de-Janeiro,
segundo os avisos, e (leve neste porto demorar-se
poucos dias : quem na mesma quizer carregar a di-
to destino, ou seguir viagem, pode com anteceden-
cia contratar com Amohm Irm.los, ra da Cadeia,
n. 39, os quies garantem os bons commodos mesmo
pura familias.
Para o Rio-Crande-do-Sul sahir breve o brigue
Xicioria, o qual pode receber alguma carga a frote :
quem quizer no mesmo carregar e embarcar escra-
vos, pudo dirigir-so a tratar com Amorim Irniflos, na
ra da Cadeia, n. 39.
Quem tem aviso de remessa de quatro suecas
com feijao do Itio-de-Janeiro, no hrigtio S.-Nonoel-
Auguslo. baja de os procurar do cap tilo do dito bri-
gue; o, uu o fazendo uestes i das se veudero por
contada quem prelencer, nlo s em beneficio da
fuzuiida por ser de prompta Uaanlic,icau ,; como
para se tirar o frete.
Para o Cear segu viagem a escuna nacional
Uaria-Firmina : para carga ou passageiros, trala-se
com Jos Antonio, nu ra da Cadeia do Recifo, nu-
mero 3.
ii
.Lel&o.
entendem com o Sr. Manoel Jos Concalves Braga e
aim com Manoel Jos Guimariies Braga. Jos di
Ahntida Brrelo Bastos.
O ahaixo assignado responde ao estulto annun-
clo de ABbnso Saint-Martn, no qual previno ao pu-
blico para que nenhum negocio faca com seus hens
em rasflo de estar ohrigado pela curadora de seu
irmlo Hiplito Saint-Martn : 1., que, havendo a re-
lac.Tbjulgado nilo provada a demencia daquelle Hi-
plito, lem cessado a curadora e por isso os bens
estilo na posse da inventariantee testamenteira que
2., que, quando al-
guma responsabilidad!? houvesse, eslava sufllcien-
temento garantida pelo seu fiador, e tambem por
oulros mutos bens deraiz que possue; 3, que Af-
lonso nenhum direlo tem sobre esta curadora, por-
que, alui de ter sido repellida a sua pretenco de
ser o curador de seu irmfo foi declarado pela re-
lacflo vlido o testamento em que fui insimula a
dita iuvenlariante. V-ae, portanto, que neste annun-
cio se ni)o d maisde que requintada m f, desejo
do prejudirarao abaixo assignado, e mal disfarcado
despeilode nito havcrempolgado a cobijada heran-
<,'", e porisso nenhum fundamento lem, c nem me-
trece a menor alinenlo. Cudautt.
Na ra da Cruz, n. 21, precisa-se alugar um
prelo captivo para servico do casa. Na mesma preci-
sa-se igualmente de um hom cozinheiro.
Jos Joaquim Braitdlo, Porluguoz,.relira-se pa-
ra Lisboa a Ira fard sua ssde.
Quem liver urna ol ra truncada de Mathilde ,
por Eugenio Sue, em porluguez e queira vender oitavo volume, annunrie.
Antonio da Cosa Araiijo rctira-se para Coian-
ninlia.
Vigiles, fabrcame de pianos,
na ra rio Queimado, n. 1*1,
tem pianos de novo modelo, fe i ios 'de proposito pa-
ra esto paiz : siio riquissimos, de niachiuismo vo-
zes superiores, o que se afianza ao comprador
I.cillo que fazem Kalkann Irniios, por inter-
vcnclo do correlor Olveira,. de granilo porefto de
mohilia, ltimamente chegada, consistindp em com-
modas, armarios, riquissimos pianos, marquezas,
cadeiras, mesas de lodos as qnalidades, secretarias,
eserivaniihas, espellios o loucadores ; assim como so
vcnderflo burras de ferro novas, urna colleccflo de
vasos e varios objertos de marmore, muilo ricos, ou-
trosobjeclos de historia natural, como passarinhos
e animaes cheios, pinturas- a oleo o outros quadros
para adorno* de salas, e mais artlgos uini nlo es-
pecificados : qanta-feira, 12 do corrento, as 10 ho-
ras da mandila em ponto, afim de poder havor lem-
po para vender tantos ailigos, no seu armazem, ra
da Cruz do Recife.
Avisos diversos.
cessaros para ditos instrumentos : tudo por proco
com modo.
--Jolo da Costa l.ma Jnior deixou de vend
agurdente de producclo brasileira, desde o da I
de abril, na sua venda da ra Nova, n. SO.
~ Precisa-se d urna pessoa intelligente que quei-
ra enranegar-se de um negocio mporliiilej al a
Fazenda-Gtande lio je Floresta : dando fiadort a sua
conducta pode dirigir-se ao pateo do Carino n.
18, segundo andar.'
Hcsappareceu, da praia, no fin do Becco-I.ar-
go no Recife urna canoa abcrla que tinlia sido
d'agoa, e eslava para se conceitar : quem della sou-
ber, participe no mesmo lugar, onde se vende te-
dia e lijlo, que ser gratificado.
Precisa-se de um homem que tenha pralica para
administrador de um engenho perlo desl prac,a
quem se achar nestas circumalancias appareca na
bolica da ra larga Rosario, n. 36, que achara com
quem tratar.
Albino Jos Ferreira da Cunha embarca para o
Rio-de-Janeiro a escrava Feliciana crioula, perlen-
,, ... centeao Sr. lr. Antonio de Souza Sirncs'l.ima, a en-
ilippe fNery l,ollacolaz publico tregarao mesmo.
que pretende abrir a sua aula no dia ii --D-se dinheiro a premio sobre panhores de ou-
An oArr.ni. n. _.^i _j fo e prala : na ra estrella do Rozario n. 30, se-
) corrente. Os senliores que qnuerem gond,. andar, se dir quem da.
~ Precisa-se de urna ama para cozinharo diario
de uirn cas-i e fazer mais servico que fr necessa-
tanibem tem pianos inglezes, que sAo pouco usa- ri,n slreita do Rozario. Na mesma vendem-s
dos ; concerta e afina pianos com toda a peifeieflo ;|de Hainhiirgo o alugam-sea 320 rs. cada urna, ..-
vendo cordas, ca mu reas e lodos s avlamenlos ne- vera lambeni a venda meias barricas de farinhagul-
-.__ _..__ j-,.. ?.-._.___ .. Ihfu ilii.c ,!,. cct:L- ...,,;<.. *!.. .......______ __ .
'-- Aluga-se urna grande casa terrea, na ra Impe-
rial com iluas salas, 7 quartos cozinha fra, quin-
tal murado e cacimba : a lralar no theatro novo.
Aluga-se a loja do sobrado n. S do Atcrro-da-
Boa-Vista ptima para todo o genero n negocio ,
pela sua excedente localidado : a tratar no mesmo
sobrado, a qiinlquer hora do dia onde tambem se
far negocio com a armaefio envidracada, existente
na mesma loja.
Fabrica de Todos-os-Santos.
Firmino Jos Flix da Roza, com escriptorio nn
ra do Trapiche, n. 4* avisa nos seus freguezes que
acaba de receber pela escuna Curiosa novo sorti-
mento do excedente panno de algodiTo entrancado
daquella fabrica ptimo para ensaccar assucar e
para roupa de escravos. O annuncante conta que,
alm da fazenda o desejo de animar o desenvol-
viment de urna fabrica nteiramente nacional, pro-
mover o promplo consumo da sua receita.
Fabrica de espelhos.
Joo bubois faz publico quo presentemente acaba
de montar urna fabrica de por ac em espelhos de
maior tamanlio as pessoas que se quizerem ulilisar
desua arle pude o propurar em casa de sua resi-
dencia na ra larga do Ro/ario sobrado ns. 6 o 8.
Agencia de passaportes.
NartiM dnCollegio, n. 10, e no Aterro-da-Boa-
Visla lojas ns. 48 e 78, conlinuam-so a tirar passa-
portes, lano parartlentro como para fra do imperio,
assim como despacham-se escravos: tudo com bro-
vidade.
--No dia 20 do correle, na sala das audiencias,
depois desta, pcanle o Sr. I)r. juiz do civel da pri-
meiravara, se ha de arrematar urna das melliores
olaiias que exsiem, sita dianle do becco ilas Barrei-
ras.aqual he terreno proprio, o pela sua localidade
pode servir para estabelecimento de padaria nu lun-
dicilo, por ter poito de embarque com caes feito, no
qual se pode Dolar guindaste, com urna casa nn
frente da ra do Mohdego, porlflo ao lado, que serventa para a olaria, independente da casa, com
alguna arvoredos o prreir,::. J35, confronto cu-
sa do Sr. Selle : acba-se avadado tudo muito em coti-
la, segundo aposit;ioem que se acba : quem pre-
tender pode examina-la e comparecer em dito dia,
que he a ultima praQa. '
Prfcia-se de um forniro : na padaria n. 13 da
bisas
ela-
reqaenlar alguma das disciplinas que
elle professa, pder porlanto procura-lo
qor nobairro deS.-Antonio na casa em
que tem a mesma aula, qur no da Ba-
Vista, na caa em que mora, na roa da Glo-
ia, n. pajil
Jos Permra de Almeida, subdito por tuguez, ro-
tira-se para fra do imperio.
Os bons da finada Liberata .Mara di Fonseca,
v;uva.do finado Minoel Ignacio Monteiro, estilo-por
direlo subjeitos ao abaixo assignado para pagamen-
to dog seus ordenados, durante o lempo que foi cai-
xero do mesmo, segundo consta da quesillo que o
abaixo assignado trazemjuizo, e a seu favor deci-
dida : por isso uinguem facimiegocio ou transaccOn
de qualidade alguma com os mesnios. K para qqe
nlo adeguem igiioranciH se faz o presente. Ma-
nuel do bastimento Ptnheiro.
-- Hoga-se a possoa que tecebcu por engao duas
eai*as com passas, j abertas, no dia 2 do crreme
mez, queira annunciar para seren procuradas, vislo
niioapparecero prelo a quem fram entregues na
renda de Joo JacinlhoMorcira, rua-das Cruzes.
Antonio Jos dos Santos Fortunato de boje em
diante seassgnar por Antonio Augusto dos San-
tos Porto.
Precisa-se de um feitor para um sitio perlo da
placa ; na Iravessa do Veras, n. 15.
A pessoa que precisar de urna ama secca para
casa eslraugejra, tiui.t sabe bem traUr decriancas,
'llrija-se a Passagem-da-Magdalona j^into a ponte
Aluga-se um pequeo sitio com casa deviven-
ua.iia para prelo*, estribara, jaqueiras, larngei-
i.is, coqueiros e mais arvoredos, cacimba de boa
agoa Ue beber, sito na estrada do Pombal, entrando
pela estrada do Joilo-de-llarros, proprio para qual-
quer erupregado publico, por ser muito perto da
praca e de preco comtuodo : a tratar atrs do thea
ti o, armazem de laboas de pinho.
Soctedade Harmnico-
Thcalral.
O pnmeiro secretario scienlifica ao>
bis. socios que. no dia 9 do corrente,
pilas 9 horas da mauhaa, tei lugur a
rt-unio daassembla gera da sociedade
paro cleit ao da nova direcrao.
No sitio Cortumo, no lugar dos Afogados, acei-
tam-se cavados para seren bem tratados, assim co-
mo rtiaiTi-ae os queestiveicm doenles e eugordam-
se, pi.r preco cominodo, islo he, justo mcnsalmento'
PreeiSf-se de um padeiru (lerdo para torada
provincia : a balar na padaria de Francisco do Pra-
do, no nfo do Livramenlo, u, 32,
rio: no becco da Lingota n 5.
Precisa-se do um amassador : na ra da Flo-
rentina, n. 3. _
Km casa do Manoel da Silva Santos na ra da
Madre-de-l'eos n. existo urna carta para o Sur.
Francisco Urbano da Silva Ribeiro.
A. Saint-Martn faz participante a quem no Dia-
rio n. 73 de 31 do prximo psssado aiinunciou ter
justo e contralado com Nicolao Cadaut a compra do
seu silio da Capunga, que o dito Nicolao Gadaul an-
da uJoprestou contas da curatella do finado Hipli-
to Saint-Marlm.
1)( ntist.
I>.. W. Iiaynon, cirurgio dentista americano,
leudo mudado a sua residencia da ra da Cadeia de
Suniu-Aiilonio para a i lia do Trapiche-Novo do Re-
cife, agota offeteceaosseus amigos e ao publico o
seu presumo, isto be, chumbar, por denles postigos
o as mais opciaresda sua arte, pelo methodo lti-
mamente (lesroherlo.
-Aluga-se parle do primeiro andar do sobrado
amarello da ra do Queimado, n. 29 a fralar na lo-
ja do mesmo sobrado.
~ Justino Jos Lourcii?o*rclira-se para Portugal
a tratai de sua sa*de.
> Precisase alugar urna escrava, ou
pessoa forra que saiba cozinliar c fazer
iodo o servico de una casa de pouca fa-
milia : a tratar na tua larga do iiosario,
n 46, segundo andar.
O abaixo assignado, que na noile do dia 29 do
prximo passado marco foi toubudoem sua loja de
miudezas na ra do Queimado, n. 53 declara quet
entre a fazeudas que I he roubaram, fra urna libra,
pouco mais ou tjienos do prala lina de galilo,
e como seja objecto bom conhecido pede a qual-
quer pessoa a quem fOr offerecido, tenha a bondad
de coDimunicar ao abaixo assignado que gratifica-
ra. O oulor do roubo deixou 3 chavinhas presas e
urna correnliiiha de prata, o um pe de sapato de lus-
tro inda em bom uso^ue junto a outras mullas cir-
cuinslancias podo revelar quem elle seja; maso
abaixo assignado que nao quer expo-loa odiusda-
de puhlicu de que he merecedor, conlenla-se em
adveiti-lu que entregeos objuctos roubados que
se Ihe guardarsegredo; do contrario, em obten-
do mais algumas provas Ihe cuslara caro a sua
biincadeira. Sosa' Uomingves Codiceira,
Aluga-se a loja do sobrado n. 40, no .Alerro-da-
Boa-Visia, que faz esquina para ojbecco do Martins,
propria para qualquer negocio 'e com bona com-
modos para familia: a tratar no paleo da S.-Cruz
n. 70, segundo andar.
Antonio Jos ua Rocha, subdito portuguez, rc-
tira-se para lora do imperio, levando em sua compa-
nhia sua sviihora c um lilhy menor.
lega, ditas do SSSF, muito fina e por preco com-
modo.
Aluga-se ou vende-se um silio na estrada dos Af-
ilelos, com boa casa de vivenda de peilra e cnl. ar-
voredos novos, cacimba d'agoa do beber que admit-
i urna ora : a fallar com Joaquim (le Oliteira e
Souza, no Aterro-da-Boa-Vista, ou no sitio con-
tiguo.
Clemenlina de Moraps Sarniento vai a Kuropa
com seus tres filhos menores.
OSr. M. J. G. 11. queira ir pagar oimpoilc do
duas ledras que seacham venc las, na ra da Cruz,
n. 63, primeiro andar; do cutiano, ver o seu noiue
por extenso e publicadas suus cartas, para ficar sen-
do conhecido do publico.
Obras de ouro.
Si nulo Luiz relira-se brevemente para os portos
do sul pelo quo declara ao rospeitBvel publico, que
tem grande sorliinento de obras de ouro o bullan-
tes rhegados ltimamente de Franca : as pessoas
que dc.sejarom comprar ditos Ohjectos, dirijam-se
ao Hotel-Francisco no Recife, Trapiche-Novo, n. 9,
que se vcnderflo por preco commudo.
Velas de carnauba.
A fabrica de velas que exista na iravessa do Vo-
ras na Boa-Vista tranferio-se para a na da Alegra,
n. 9 : all arhatflo os fregue/es as melhores velas de
ca o.- lila tanto em alvina con,o de boa luz o que
se abanen ch li, 7, 8 e 9 em libra.
CasairariceVa, ra Vova,ii. 69
Vi litio de Bordeaux, em quatlolas o em garrafas,
muito em conta e de muito boa qualidado : dito de
Chnlcau La Rose : dito Cliateau l.ewillc; dito Rous-
sellon ; dito S.-Julicn ; dito Rivesalles; dito mosca-
tel ; dito de Champanha : todos de primeira quali-
dade : grandesortlmento de licores de todas s qna-
lidades e de lodos os luces, com garrafas muito
lindas; xaroi es; extracto de punch ; rhiim de Ja-
maica; supetior cognac vellio; kirsch O absinlb
suisso da marca verdadeita ; genebra dellollanda;
vermout ; agoa de Mor de I ara tija ; azeilc doce de
Plagnol; conservas tle sardinhas e hervidlas; oseil-
Ic ; julienne ; queijosde Cruyeic ; conservas do v-
nagte ; enchovas; goleas de grosellas e de maiHie-
los ; presuntos para fiamlire ; salames de qualidado
muito superior ;e outras militas cousas. Ouiinuu-
ciante responsabilisa pela boa qualidado de todos es-
tes gneros. Se acha lamhem ueste eslabelecimeulo I
lugar muito proprio parase tomaren: refrescos diver-
sos, de qualidado superior o servidos com diligencia
e asseio.
O aferldor, em confu mi-
dade do artigo 8." do regulamentu da cmara, roga
aos Srs. fiscaes, que estando a (ndar-se o lempo da
ufeiic,o anda uo appaieceu individuo algutn para
aferir reposa de 10 palmos, cra>/eitas que silo oliri-
gados a usarcm lodos os mostrea pedreiros, carpi-
nss, rauteiros, vendedores de madeiras e todo a-
quclle que tem necessidatle dessa medida, afim de
ue veiiliam alen-las, do contraro sera prejuJioa-
o em SUU ariemalaeo.
Augusto Hirsch retira-se para fra da pro-
vincia.
Cliegaram do itio-de-Janeiro cmn-
mendas da llosa, cliapaspara olliciicsda
nona, ditasde Clirislo, tulas do Cruzeiro,
hbitos I. Kosa, lilas tic ChristO, ditas do
Cruzeiro, tanto pequcuas como grandes,
e a vista se dir o preco : na ra do Cres-
po, loja n. ii, de Quilos Nevea ckGui-
niaraes.
OITerrce-se una mulhcr branca para ama de
urna casa a qual sabe lavar, eiigomnrtr, cozinliar c
fazer todo o mais servico : nosCoelhos, delrontc
do hospital de (.andado, ii. 7.
Lotera do tiieatro publico.
Estando vendida quas meladedos blhetes da ul-
tima terca parle da 18." lotera do Ihoatro publico,
e appaieceudo com a pacillcaciig a provincia algu-
ma influencia na compra dos bilheles que restam. o
respectivo ihesoiiroiro, levado por esta "
que espera nflo ser arrefecida. designa odia 27 de
abril corrente para o andamento das rodas, e conlm
nos amadores deslo jogo que o coadjuvarflo na reali-
saeflo do referido andamento.
O aferldor roga a todas
as pessoas que conduzem mel ogoardenlo, azeile
&c para o inrenlo desta cidade em ancoras; e q"
ainda mo aferram.quequanto antes venham ararir.
posotempoda afi-riefloest acabar-se.e os liscaea
respectivos passarflo dar as corridas do cnstume, e>
aquellas* que. encontrarein sem estar aferidas neslo
auno de 1849,serRo multadas em 2,000 ris cada urna,
o obrigadas a aferir; assim como previne aos senho-
res do lojas,que, estando prximo o lempo da revi-
sti, Ufo Ihes passar verba de revisti, sem quo es-
lejam exactas com o padrflo da cmara, c para esse
lim j lem preparado urna poreflo de varas e covados
j ateridos para aquellos que precisaren).
.i......ni .i______^mmmmmmmmswmmm
Compris,
Compra-s urna ven-la com poneos fundos, pre-
forindo-se om bom lugar : no iirniuzcm do Sr. Ru-
fino, na ra da Conceicflo.
-Compra-seuma parda recolhida, que saina co-
ser com porfeic.no : pag.i-so bem casu agr le : ns
ra da Cadeia do Recife, loja de fazendas n. II.
Compra-so urna mulalinha de 16 a 18 anuos,
que seja do bonita figura', o de boa eonducta : paga
se bem : na na das l.arangeiras n. 14, segn lo
andar.
~ Compra-so unta bacia do rame grande e em
bom uso : na ra da Gloria, n f.O.
-- Compra-se o Diario 1812 : na ra do Crospo, loja n. II.
-- Compra-se urna negrinha ou niolequn de lo
al 13anuos, para una enconimenta : na roa lar-
ga do Rozario, n. 35.
Compra-seuma preta, ou parda que coznh<"
bem e engommo e soja desonibararada : nOo se
odia a breen n ra do vigarie, o >*
Vendas.
-- Vondem-se lindos aderocos para senhora bo-
lOes do abertura do camisa : tudo do ultimo gosto ,
por preco commodo : oa rua'tlo Crespo loja n. 15.
[Sa ra do Cabug n i A, loja do
l'r.ii)cisco.loii|uim Duartc, lia para ven-
der boles ile P. II, da primeiro, se-
gunda o lerceira qualidade ; dilos tle ca-
vallaria da guarda nacional 9 volnnla-
rios ditos tle casacas, nmarellos o pre-
tos; dilos de libr tle pagens ; dilos de
seda o de vidio e inadn'peolia, proprios
para vestidos de senliorasc meninos; man-
tas de seliin para meninas, 800 rs; len-
cos de garra a Honra; litas de setim de
ns. G, q c i ; selim de cores, a 900 rs.
o covado ; Invas de pellica, a fino rs ; di-
las fiifeitadas, a >.nn rs; ditas de seda,
a 700 r.s ; lencos de grvala, a i,Goo rs.
c 1,000 rs ; gaies linos largos e estrei-
los ; ditos de pallicla, brarcos e nmarel-
los ; volantes e trina ; espigilhas c ren-
das ; llores artiiciaes ; capcllas de llores
le laranja; perfumara tina; toncas de
Ua fritas no Kio-de-Janeiro : as amos-
tras se ae lia 111 patentes aos Sr. compra-
dores, r se vender tudo por procos rasoa-
veis
Vendcm-se resmas de papel almaco br.ineo pre-
tina do primeira qualidade; ditas do poso azuI e
branco, por preco barato; na loja da miudezas,
placa da Independencia, n. 4.
Venda-Be Cera de carnauba de superior qualida-
de, em barricas e a Malln ; chapeos de pallia, fei-
los un Aracaty ; cera amarella ; saccas com farinhs ;
charutos de S.-I-Vlix ; penns do cma ; couriiihos
mudos: na ra da Crur, no Recifo,-0. Si, venda de
Manoel Jos de Sa Araujo.
Veudem-se saccas grandes com superior farnha
da trra a 1,800 rs. : no Korlo-do-Matlos venda de
Antonio jse Fernandos deCatvalho.
~ Vende se nina l'eriainenla necessar a para um
ofllcial de funileiro, por pret;o muito commodo i na
ra do Torres, ti. SO.
Vende-se uma negrinha do 13 anuos, muilo
linda; nina negro do nacAo Cosa, propria para ven-
tor na ra ; um mulato muito robusto, proprio para.
lubalhar doenxMa na ra Nova, n. 5.
-(Juejos ilamcngos novos a I 200: 110
paleo do Carino, esquina da ra de Mor-
as, venda por baixo dosobrado novo..
Veudem-se duas voltas do I.......-hu duas cas-
soletas i pares de pul-eiras de ouro do lei e de gos-
to o mais moderno que lem apparocido : ua ra No-
va, loja n. 11
Vende-se a loja de couros, calcado e sola com
os fundos de 75,00U rs. e a armaefio da mesma por
10,000 rs. : a Halar na ra do Livramenlo, ao pe do
nicho, seguuda loja do couros.
Vende-se, para fra, um esetavo bom cozinhei-
ro, proprio para emba cacao por saber remar: ao
comprador se dita o motivo por que se vende : na
ra do Queimado, loja tle ferragens, n. 10.
Riqtiissimas molduras para ouleites du salan
ledras grandes para tablelas : vendem-sc por pro-
co commodo, na ra da Cruz, n. Ui.
Aniendoascoiifeiladas, propriasda presente se-
mana : vendcm-se na ra da Cruz, armazem 11. 13.
-- Vende-sc um cavado rodado, bom eslradeiro al
meio : no armazem du Si. Rufino, na ra da Con-
cejero.
Vendem-se 121 ticas de ouro : na ra da Alian-
dcga-Velha, n. 36.
Vendein se saccas com l'eijo, de
muilo boa qualidade : no arinazein que
li d tinado Bragucz, junio ao arco da
Conccico, pelo barato preco de quatro
mil ris.
ay


3
Vendem-se saccas com superior
fcijo mulatinho, a 5,ooo re. cada urna :
na porta da Alfandega, armazem do La-
rri le i ro n. 20.
Aos Srs. armadores.
Trina, volante, g*l.1o largo e ostrcito : ludo se
vende por prego commodo na ra larga do Roza-
rio, o. 24,
~ Vende-se o engenho Novo do Cabo para paga-
mento da hypotheca que nelle tetn o Sr. Jofio Vieira
da Cunha quem o pretender dirija-se ao mesmo en-
genho a tratar com Francisco Jos.' da Cosa.
nova, n. 42.
Neste estabelecimento contina a ha-
ver un completo sortimento de moendas
e meias moendas, para engenho ; ma-
chinas de vapor,e tachas de ferro batido e
en ido, de todos os tamanhos, para dito.
Iotlia de Flandres.
Vendem-se caixas com folha de Flandres : em
casa de J. J. Tasso Jnior : na ra do Amorim, n. 35.
Vende-se resina de angicn muito superior a
820 rs., levando de 8 libras para cima: na ra da
Cadeia do Itecife, loja de ferragens, deJolo Jos de
Carvalho Moraes.
Vende-se a verdadeira potassa da
Rusta, desembarcada honteni, por pre-
90 milito rasoavel, vista de sua muito
superiorqualidade : na ruado Trapiche,
11. 17, e ra da Cadeia, n. 34
Superiores charutos.
No armazem de Vicente Ferreira da Costa, na ra
da Madre-Deos, vendem-se superiores charutos,
chegados da Baha no hiato S.-Benedicto, em caixas
e barricas, pelo diminuto prego de 6,500, 7,000e10#
TS, O iniiiiciiO.
Vende-se cal virgem de Lisboa, de superior
qualidade, em barris de 4 arrobas, chegada neste
mez pelo brigue Maria-Jot: a tratar na ra do
111-ii 11 >, armazem do Antonio Augusto da Fonseca ,
mi na ra do Vigario, n. 19.
Vendem-se sellins inglczes e camas
de Ierro : na rita da Senzalla-nova, n. !\i.
Agencia da fundico
Low-Moor, ra da Senzalla-
Vendem-se presuntos'inglczes para fiambre;
lulas rom bolachinhas de Lisboa ; ditps de araruta;
ditas de marmelada de 1,964 libras ; ditas de sar-
dinlias ; ditas de hervilhas ; ditas de chocolate de
Lisboa ; frascos do conservas ; ditos d'agoa de flor
de laranja ; barris com azeitonas brancas de F.lvas ;
garrafas comviubo moscatel de Setubal e da Ma-
leira ; queijos de prato, frescaes : ludo novo e
chegado ultimamenle de Lisb : na ra da Cruz ,
no Itecife, u. 46.
CHA' BRASILEIRO.
Vende-se,ou armazem de molhados atrs do
Corpo-Santo, n. 66, o mais escolente ch produzi-
do em S.-Paulo, que tem viudo a este mercado ,
por prego muito commodo.
Algodo trancado da fabrica
de Todos-os-Santos da
Baha,
muito proprio para saceos deassucar e roupa de es-
eravos : vende-se em casa de N. O. Ricber & Com-
Panhia, na ra da Cruz, n. 4.
Presuntos.
Vendem-se superiores presuntos inglczes para
fiambre chegados no ultimo navio: no armazem
do Uraguez ao | do arco da.OonceigSo.
Taixas para engenho.
Na fundicSo de ferro da ra do Brum aclia-se a
venda um completo sorlimento de taixas de 4 a 8
palmos de bocea, por preco commodo, e com promp-
tid3o embarca-se, ou carrega-se em carros sern dcs-
pezas ao comprador.
Barato.
Capachos de todas asqualidades ; luvase mcias de
seda prcta e deoutras muitas qualidailes ; bicos c
fitas; loouras ; garganlilhas ; e outros muilos oh-
jerlos por preco mais barato iio que cm outra qo.nl-
qutT parte : assim-cumo um resto ile calcado para
si'iibora, por todo o prego : na ra larga do Roza-
rio, n. 24.
Machado &c l'inbeiro vendem
no armazem de Antonio Annes
.lamine Pires, no ces d Alfande-
ga. Lunilia, milito c fetjao de su-
perior qualidade, e a precos mais
mdicos do que em outra qualquer
parle.
modo, a hordo do patacho Natividode,
fundeadodefronte do trapiche do algodao.-
a tratar com o capit3o a bordo, ou com
Novaes & Gompanhia, na ra do Trapi-
che, n. 34.
--Vendem-se toros de angico de superior qualidade,
de 12 a 20 palmos de comprido, assim como vinte
e oilo curvas de sicupira, proprias para canoas aber-
tas, por prego commodo- na rua do Vigario, n. 5.
r\tteirc&o<
Vende-se farinha de mandioca muito superior,
chegada ltimamente do Cear na sumaca Carlota,
por preco mais commodo do que om outro qualquer
armazem: na rua do Crespo, n 11.
Farinha de mandioca do Rio-de-Jnnoiro,
de superior qualidade: vende-se na rua Direita,
n. 17, em fronte da matriz da Roa-Vista venda
n. 88, o na rua do Pilar, n. 12 0.
Vendem-se barris com bren, no ar-}
mazem n. 2o, defronte da guarda da al-
fandega, por preco muito commodo: no
meino armazem compra-se um pardinho
ou moleqne de doze a dezaseis annos: a
tratar dts 9 al 4 horas da tarde.
Sementes de horlalice,
vindas de Lisboa muito novas irMe todas as qua-
lidades ; feijfo carrapato ; hervilhas lorias ; dilas ge-
noveza ; dilas de Angola : na rua da Cruz no Re-
cite, n. 62.
Luvas de pellica
Vendem-se luvas de pellica para senhora da me-
Ihor qualidade possivel; oculos de dtferentes graos e
vidros : na rua larga do Rozario, n. 24,
Chitas a 5,000 rs.
Na rua do Livramento, n. 14, vendem-sei pecas de
chitas de quadros a 5,600 rs. ,ecm covados a 160
rs lencos com bico as ponas mullo linos, a 480
rs.-meias pretas dealgodflo, muito linas, para
senhora; chitas escura?, a 180 rs. o covado ; ditas
escarate, a 7.600 rs. a peca, e o covado a 220 rs.;
e outras muitas fazendas. por barato preco.
Pcchinclia, ra pazada!
Na rua do Queimado, vindo do Rozario, segunda
loja n. 18, vondem-se cortes de casimira, pelo di-
minuto preco de 5,000 rs. A elles que so estilo aca-
bando.
__Vendem-se saccas com arroz do MaranhSo, a
2,400 rs. a arroba; ditas com arroz de casca, com
alqueire.a 4,480 rs.; ditas com milho, a 3,500 rs. :
no beaco da Carioca armazem do alfaiale ou na
rua da l'raia, venda n 27.
Vendcm-scosengenhosTclha eTriumpho, si-
tos na freguezia de Serinhueni moenles e corren-
tes ambos d'agoa ,' copeiros, bons de prodcenos
com bastantes maltas e terrenos sudicientcs par,
grandes safras ; scus embarques distam duas legoas:
a tratar com o major Antonio da Silva Gusmio, na
rua Imperial. junto ao viveiro do Muniz ou com o
scu proprietario, Jofio Climaco Fernandos Cavalcan-
le, nos inesnios engengos.
Farinha de mandioca,
de superior qualidade c mas nova que ha na Ierra ,
a 3,200 rs. cada sacca : nos armiizcns da viuva
Ramos.
Na rua do Qurimado, viudo do Rozario, segun-
da loja n. 18, vendem-se lencos de seda pela a 500
rs. cada um ; dilos de Ifla lloiidos e com franjas, pa-
ra hombro a 500 rs.; luvas de pellica para senho-
ra a 400 is. o | ar ; los prelos a 4,000 rs. ; o ou-
tras mullas fazendas por preco commodo.
ot;-. "' r ';'" '"' "T \:':'^
<<
Vende-se urna armaefo de loja com parte envi-
dragada e alguns objectos pertencenles ao oflicio
de selleiro : ludo por prego muito commodo na rua
do Pocinho, n. 21.
Vende-so urna preta de nacfio, que lava.engom-
ma e cozinha ; nlio tem vicios ncm achaques : vende-
se por precisfio : na rua do Livramento loja n. 19.
-- Vende-se superior farinha de S.-Catharina a
melhor que ha no mercado : a bordo do patacho Ko-
ra-l.ut tundeado no Forte-do-Maltos, dcfronle do
trapiche do algoililo, ou na praca do Commercio,
n. 6, primeiro andar.
Vendem-se as casas terreas ns. 25, 27,29 e 31 ,
sitas na rua Real, prxima ao Manguind, as quacs
tecm bastantes e bons commodos quintaer mura-
dos, cacimbas e terrenos fra dos quintaes, cujos
fundos chegam at a camboa por preco commodo :
lambem se vendem terrenos, ou chilos proprios pa-
ra se edificar os quacs leem bons fundos c largu-
ras o tamben) vfio at a camba: a tratar na rua No-
va loja de ferragens, de Joaqun) Antonio dos Sari-
tos Andrade.
Vende-se farinha de mandioca de
Santa-Catharina, por preco muito com-
lidade, "por ter tres retificadores : na fa-
brica de licores de Frederico Chaves, no
Aterro-da-Ba-Visto, n. 17.
Ao honi gosto de Pars.
Vendem-se superiores chapeos do machina, cober-
tos do pelucia, muito proprios, pela commodidade
queofferccem~par osados da semana-santa; as-
sim como chapeos francezos da ultima moda, che-
gados ltimamente de Franga -. na rua do Queimado,
loja de chapos, n. 38.
Em casa do Sr. Manoel Jos* Gon-
calvcs Braga, no arco de S.-Antonio n.
1, ha para vender urna excellentc escra-
H Rom c preco commodo. I
V'% Vende-se um completo sorlimento de los ife
U) pretos bordados de seda ; meias de seda fjfcj
; q preta de peso ; a verdadeira sarja do seda a>t<;
B hespanhola jsclim preto de Maco lisoe ag
com llores; c outras muitas fazendas de SU
fc^.| gosto : na rua do Queimado, qualro-can- j@j
los casa amarclla, 11. 29. |>>-.
va, a qual sabe cozinhar, cozer, lavar
perfeitamente, e fazer todo o mais arran-
o de urna casa : nao tem vicios nem mo-
estia alguma: a rasa o de se vender he
porque seu senhor, leudo ontros escra-
vos, nao precisa dos servicos desta. Aos
pretcndenlcsse dir quem he o senhor se
o exigir.
trelo de Litba, em barricas :
vende-so no armazem do Vicente Ferreira da Costa ,
na rua da Madre-de-Deos a 3,600 rs. novo o chc-
gade ltimamente de Lisboa.
Taboado d pinito.
Vendcin-se taboas de pinho no
Forte-do-Mattos armazem do Vianna c
no armascm do Machado, na rua de
Apollo, junio ao porto velho das canoas,
o os melhores pranchOes, costados, costadinhose ta-
imas de todas as grossuras e comprmanlos por to-
do O |)l ('(.'(1.
Vende-se caJ virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do que cm outra qual-
quer parte: na rua-do Trapiche, arma-
zem n I7.
Contintiam-se a vender saccas com superior
colla das fabricas do Rio-Crande-do-Sul, por pre-
co commodo : na rua da Moda, n. 7.
Taboado de pinho da Suecia ,
de 10 a 55 palmos
decomprimento o melhor que tem chegado a este
mercado, em razilo do se poder envernizarem qual-
Snerobra por nio ter nos o ser muito alvo sen-
o costado, costadinho, assoalho, forro e para fun-
dos de barricas : vende-se a prego que o comprador
far todo o negocio: atrs do theatro, armazem de
Joaquim Lopes de Almeida.
Carnauba.
Vende-se, na rua da Cruz, n. 21, urna porg.lo de
cera do carnauba de superior qualidade, o por lo-
do o preco.
Onofre Jos da Costa vende saccas
com li ijao de todas as qualidades, muito
superior, pelo diminuto pre^o de 5,000
rs. cada sacca : no armazem de Bacellar,
em frente a escadinha da Alfandega.
illadeira de pinho.
Na rua do Apollo, pegado ao armazem do Sr. Mot-
ila um lerceiro armazem com madeira de pinh
Ihor qualidado possivel, a 1,000 rs. cada par; ditas
para senhora: na rua do Queimado, 11. 16, loja de
Jos SimOes t C
Vendem-se diversos terrenos com alicoreas no
lugar do Coelho com frente a rua do Jasmim e par-
lo da marc lugar proprio para se eslabeleeerern fa-
bricas padarias ou ferraras; a fallar com Fran-
cisco Romlo de Souza, no mesmo lugar rua do
Jasmim casa junto ao lampciio.
Vendem-se luvas de seda preta para homem; o
muito novo caldo de tmalos: na rua da Cadeia, n.
15, loja do Bourgard.
Vendem-se 12 lindos moloques de naco
crioulos, de 12 a 20 annos sem vicios nem moles-
tias ; 6 prelos bons para lodo o servico ; urna preta
que engommu perfeitamente cozinha a. faz todo o
arranjo de urna casa ; urna dita de naco boa qui-
tandeira ; urna cabra boa lavadeira ; eoutros mui-
tos escravos: na rita do Vigario, n. 24.
Vende-se urna preta com muito bom laite, e
sem cria ou Iroca-se por outra : o motivo por que
so vende se otra ao comprador: na rua do Encanta-
mento, n. 11.
-- Vendem-se lonas americanas, de todos os n-
meros o a preco muito commodo ; potassa nova su-
perior ; ral virgem do Lisboa ; fechos do pinho aba-
llos proprios para se enchercm de assucar: na
praca do Commercio, n. 6, primeiro andar.
Vendem-se pecas de madapoino largo, com 20
varas proprio para forro o para roupa de escravos,
a 3,000 rs.; lencos finos de cambraia o com palmas ,
proprios para as senhoras devotas da Penha, trazo-
rem a cabeca a 500 rs.; linhas grossas muito for-
tes a 200 rs. urna quarta ; chitas de coros usas, a
160 rs.; selincla a nove vintens o covado: na. rua
do Passeio, loja n. 17.
Vende-se algodao da^terra, muito superior : na
rua do Crespo, n. 23.
Vendem-se sapatoes de couro de lus-
tro para homem; dilos para meninos; sa-
patos dilos para senhora; ditos de marro-
quim para'homem c senhora, por preco
commodo : na rua da Cadeia do llecife,
loja do couros,
tratar na mesma
n. n.-
Vende-se urna armacno de
na rua do Livramento n. 13 :
loja.
Aviso as senhoras
que se ilu a oragHo o aos exercicios pos da' religiffo.
Na livraria da esquina do Collegio estilo venda,
chegados de fresco, os seguintes livros : Manuaes
dos oflicios da semana-santa : lloras Marianas-; Ma-
nuaos de missa ; Mez de Mana : lodos com augmen-
to do novas estampas linissimas, folhag douradas e
com encadiTiiiicocs de velludo de diiTerentes cores e
gustos; com ttulos, fechos e demais guarnieres
douradas': algumas das encadernagocs teem por f-
ra das capas embutidas as Imagens do Senhor Cru-
cificado e de N. S. perfeitamente douradas. Nlo
havera por certo muilos objectos mais pro, rios para
um presente do que um livrinho drstus. Tamben)
estilo venda estas mesmas e outras obras pas, com
encadernaces menos ricas e communs.
Vendem-se sapatties do Aracaly
para homem e meninos, por preco com-
modo : na 1 na da Cadeia do Hecife, n 9.
Caslanhas verdes e pdadas, de
lio qualidade, recentemente chegadas, e
por preco commodo : vende-se na rui do
Amorim, n. 30, casa de Antonio Joa-
quim Vidal & ( ompanhia.
Vendem-se gigos com bat tas fran-
cezas, novas: na porta da Alfandega, no
armazem de -Joaquim da Silva Lopes,
n. 20.
Vende-se urna linda o muito hem feila com-
mendi) da oidemde Chrislo, chegada ha pouco do
Rio : na rua do Collogio, loja n. 6, de JoSo da Cos-
ta Honrado.
-- Na rua do Queimado, vindo do Rozario, segun-
da loja 11.18, vende-se merino preto com seto pal-
mos de largura lito fino como lapim com listras. v
do seda boidailas a ponto de agulha, fazenda riquis- ^
sima para vestidos o palitos de meninos. Tilo finissi-l
ma n.eicadoria levava destino a outro porjo ja haba]
luado a compra-la pelo sen justo valor, mas havendo
trenstorno na viapem foi vendida aqui por melado
de seu valor, incidente muito favoravel para quem
quizer Irajar rica fazenda por mdico prejo.
--Vende-se una padaria em Sanlo-Amaro, com
muito bous commodos : quem a pretendor, dirija-se
a mesma, que achara com quem tratar.
Vende-se um muilo bom alambique
de cobre com grande serpentina de estn
ribo, levondo a calJtira 45 caadas de li-
quido : he de novo systema, o qual faz
tres dislilacdi'S do da c eleva o espiito a
4o graos :.acha se montado para o com-
prador ver, e he proprio para algum Sr.
quequeira assenlat- una dislila9o em en-
genho, pura dislilar garapo, por ser mui-
to simples e poder tirar espirito e agur-
dente de diversos graos e de melhor quu-
ta
da melhor qualidade quo tem vindo a osle mercado,
o serrada de todas as grossuras o rompimientos :
vende-sc pelo menorpre^o que he possivel.
Potassa.
Desembarcou lia poneos das urna por-
cao de barris pequeos, com muito nova
e superior potassa, e se acham a venda,
por preco mais barato do que ltima-
mente se vendia, na rua da Cadeia-Velha,
armazem de fialtar&Oliveira, n. 13.
Aos fnm;ules de hoiii&osto.
No armazem de molhados atrs do Corpo-Santo,
n. 66 recebe-se por todos os vapores vindos do sul
poreflo de cigarrilhos hespanhes ditos de palha de
milho assim como superiores charutos de varios
qualidades : ludo se vende por preco mais barato do
que em outra qualquer parte.
PARA LIQUIDAR.
Vendo-so cal virgem de Lisboa de superior qua-
li 'me por preco mais barato do que em outra
qualquer parle : na rua a Cadeia do Itecife, n. 50.
Continuam-se vender corles de vestidos da
cambraia com lindas barras brancas o de
cores, a 2,000 rs. ; meias compridas azues ,
niesrladas, rouxas, esverdeadas e pretas a
120,l6e 200 rs. o par ; suspensorios linos
de meta, a 120 o par; hotdes deduraquo pre-
to, a 40 rs. a duzia : no paleo do Carino ,
11. 18, segundo andar.
m
Vendem-se, na rua da Cruz, n. 21,podras de mar-
more francezos para mesas redondas e consolos.
Chitas finas e baratas.
Na rua do Livramento n. 14, vendem-so chitases-
curas pelo prego do nove vinlens o covado ; ditas
escarales, a 220 rs. o covado; brins do linho para
calcas o casacas, a 400 o 480 rs. o covado; um rico
sorlimento de cortes de cassa a 3,200 rs. o corle;
lencos de m3o para senhora com bico as ponas ,
a 48o rs. coda um ; casimira preta ; merino ; panno
fino preto ; chamalolc para vestido ; o oulras mui-
tas fazendas por barato prego.
Vendem-se, na rua Direita taberna n. 53, sac-
cas com um alqueire do milho novo, a 3,500 rs.; di-
las com arroz pilado; ditas com caf; ditas com
feijlo ; e tos os mais efeitos do venda mais barato do
que "in outra qualquer parto ; hem como nina por-
qSo do madeira do louro e oleo para marceneiro, a.
travs de diversas grossuras.
Luvas do pellica, a 1,000rs.
Veudeni-so luyas do pellica, para homem, da me-
Escravog Fgidos
Fugio, no dia iodo passads, urna preta de no-
nio Maria, de rauca o Congo do 30 anuos; Icvon saia
de ganga azul j velha mas com a barra mais viva
por se lar desmanchado urna prega. Ksta preta foi
comprada ao Sr. Antonio Jos Vieira de Souza, no
da primeiro do margo, e beinsalisfeta se mostra-
va a mesma preta rom o novosenhorio e como nlo
livesse dado motivos para a fufa suppoe-.se estar
Curiada: por s.-o se protesta com todo o rigor da
lei contra quem a livor occuH. Roga-se a lodas as
autoridades policaos, nlo s desla cidade como de
toda a provincia bem como aos esptaos de campo,
que a apprehcndam e levem a rua itaJIangol, n. "5,
defronto da botica.
i -Contina a estar fgida a preta Anna, crioula, de
25 annos altura regular secca do corpo ; tem em
urna das orelhas um boraco e em urna perna slgntlde
ler tdo urna ferida ; quando falla aj unta saliva nos
cantos da bocc c sempro baixo ;. no parece criol-
la no fallar ; lev ou vestido de chita i velho, ca-
misa de algodflozinho e panno da Costa ; consta ter
andado lavando roupa para as partes de Reberibe :
quem a pegar leve-a^ rua Nova, n. 33, que sera
bem recompensado.
-- Fugio, na manhffa do dia Ido corrente vindo
comprar lacflo para bordoj do patacho Doifi-h-
mio> o pardo Decidcro, de 24 .tunos pquco mais
ou menos ; lio baixo ; tem os denles da frente qua-
si lodos podres; he bastante experto ; tem olliciode
alfaiale : quem o pegar leve-o roa do Trapiche ,
n. 6, que ser gratificado.
Fugio, do engenho Cumbe, no dia 22 do pr-
ximo passado, um cscrnvocriulo, de nome Jacob,
de 22 anuos pouco mais ou menos de altura regu-
lar ; tem as pomas cambadas e com urna ferida em
nina dcllas ; lem urna cicatriz em um dos lados di
bocea ; foi encontrado no dia 25 do dito mez, o
engenho Qeimadas o suppoe-se ter seguido o cami-
nho do Itecife : quem o pegar leve-o ao dito engo-
lillo a seu senhor Manuel Jos Henriqucs ou ties-
ta praga a Rodrigo da Costa Carvalho, naruaue
Apollo que so recompensar generosamente.
Fugio, do engenho Raiz, do freguezia da Esca-
cada no dia 11 do pioximo passado o e'cravo Jo-
s de nacflo Angola representa ter 45 annos; no
brixo e grosso do corpo ; tem as pernasl um pouco
arqueadas para dentro e grossas; leve ha pouco
tetnpo bexigas do que conserva anda signaos E>ta
escrajMiveio preso da comarca do l.iinoeiro em SI
de oulubro do anuo passado. Ruga-so as autorida-
des e qualquer pessoa que o' apprchcnjm e le-
vom-iio ao dito engenho, a seu senhor, Antonio
Alves da Silva ou mista praga", a Rodrigo da Costa
Carvalho, na rua de Apollo, que so recompensad
gneros monte.
Fugio, nos primeirosdias de Janeiro prximo
passado, duengeiiheS-Joo ,, fregueaia do Cabo ,
um inolecole de nome AnasUcio ue 14 a 16 l""~
de bonita figura rusto muito regular um Pu,'cu
fulo, falla baixo e brandamento; lttou Calcas e 1-
quelade liscado azule bonete : quem 0 pegar e-
vu-o ae dito engenho, ou noMoudego, 'nesta cilia-
do casa do l.uu Gomes Ferreira que recompensa-
ra com 100.000 rs.______ ^
PeRN : KA TYP. OE IB. f OK FARIX lW)


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZXQMHP51_URM8MY INGEST_TIME 2013-04-12T22:54:00Z PACKAGE AA00011611_06456
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES