Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06455


This item is only available as the following downloads:


Full Text

A ni
Qiiart.i feira h
O DJ^fl/Opubll-Netodosof diaique nao
forem desuarda. Oprec.0 da asignatura he
d4|800rs. porqnartel, pagolnlii\M'ulot. Os
i o nuncios dus asignantes sao inseridos
r.is:u> de 20 rs. por liuli.i, 40 r. en lypo dif-
, (Vn-nlr, eas rejieticfies pela mrtade- Os nao
assignanle s pagaro SO rs. por liuha e 1150 rs.
ni typoirllreieutc, por cada publicacao.
PIUS-S DA LA NO ME/. DK ABRIL. -
I.ii chcia, a 7, 1 hora, e 30 niin. da tard.
Miugoaule,alt,i4iiorae 48mo. datara.
I.unova,a2.as9hore34 niln.daUrd.
(Jnewent, a, 29 11 hora c48mln.aa tnann.
PARTIDA DOS CORRKIOS.
Golanna e Parahiba, segs. e sextas-reiras.
Rio-G.-do-Norlc, quintas-feiras ao meio-dia.
Caho. Serlnhlein, Rio-Formoso, Porto-Calvo
Macelo, no I." a 11 e 21 de cada inez.
Garanhuns e Bonito, a 8 e SI.
Boa-VilaeFlores,.al3e28. &
Victoria, s qulntas-fclras.
(Muida, todos os dial.
PREAMAR DE HOJE.
Prluieira, a 1 horac 1S minutos da tardV
Segunda,a 1 horac 42minutos da nianh.
deAlirl de 1849.
DAS da SEMANA.
N. W.
2 Segunda. S. Francisco de Paula. Feriado
em toda a semana para os negocios fo-
renses.
1 Terca. S. Ricardo.
4 Quartada Tretas. S. Isidoro.
5 Quinta de F.ndorncas. ( '.-; do mrio da
ei dianlc. ) S. Vicente Ferrcr.
G Sesta da Palito ( >>>* aleo meloda. )
S, Marcelino.
7 Sabbadod'Alleltiia. S. F.pifanio.
8 Domingo. Paschoa da Ressurrcicao.
S. Amando.
CAMBIOS NO DA 3 DE ABRIL.
Sobre Londres a 2?".e28d. por 1/r. aOd.
Pars 350
Lisboa 160 por eenlo de premio.
Rio-de-Janeiro ao par.
Dcsc. de lett. de boas Urinas a l'/i t ao mei.
Aerees da cotnp. de eberibe. aoO rs. ao p.
(/uro.Oncaa hcapanholas. 30#u00 a 30/iOO
Hocdas de (i/400 v. 17/200 a 17/40*'
. de/400n. 16/200 a I6/H>
de 4/000.... 9/200 a 9/4W
Pralo-Patacesbrasllelros 2/000 a 2/020
Pesos coluiiinarios. 1/980 a 1/980
Ditos mexicanos..... 2/000 a 1/920
PARTE OFFICIAl.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 2 DE ABRIL
Circularaos presidentes das provinciasdo sul.Tc-
nho a satisTscRo de communirsr V Ex. quoo grupo
de rebcldescapitaneado por Rorges daFonseca foi in-
Iriramcnto derrotado no da 10 do passado pelo bata-
IhSooitavodeeacsdores no lugar de Trcs-Ladeiras,
perlo de Igunrass, perdendo elcJ^elomortos, algum
armamento prisioneiros entre os quaes se conta o
mesmo Rorges da Fonscca, intitulado general o
niembro do dirocloritf, o o seu ajudante, que no din
sofiiinle cliegaram i esta cidade, e acham-so rccolhi-
ilos a bordo.
O bando de salteadores de Agoa-Prcta, lendo fgi-
do ao approximarem-se nnssss frcas, foi refugiar-se
r l'ra'.s era r.isero do 200 pouco niais ou menos,
e sendo seguidos-pelas mesmas forjas, lia todo o fun-
damento a Crer que a esta hora lerfio sido batidos,
ou lalvez se tenham dispersado; pois, segundo as ul-
timas noticias, grando parte ilellos se tinham pre-
sentado deponlo as armas.
Pde-se, pois, asseverar que est extincta a rebel-
liodestajrovincia, tanto queja mandei dispensar
do servico a maior parte dos guardas nacionaes quo
tfio patriticamente ompunharam ss armas oin do
fesa da or.leni e da monarchia constitucional; gran-
de numero de familias que haviam allluido para os
lugares onde so actiavam estacionadas nossas fr-
cas, vilo regressando a seus domicilios, o por toda
a parte vai-so reslalielecendo a iranquillidade.
Dando, pois, V. Ex. 13o fausta noticia apresso-
me a cougratular-me com V. Ex. e cura todos os bons
nrasih-iros pelo feliz successo das armas imperiaes
contra un movimento que tantos desastres ha cau-
sado e 13o de perlo ameacava as inslituicoes do
paiz.
Praza a Dees que esta lic.no aproveito, o que os
anarchistas e ambiciosos seconvencam de urna vez
pata semprc que sorSo baldados lodos os seus esfor-
cos para alterar a actual forma de govemo, porque
ellaassenla sobre as convienes da grande maioria
dos Rrasileirus verdadeiramente amigos do seu
paiz.
Dilirio Ao presidente das Alaglas, dizendo que
do oflicio que remolle em proprio original ver Sua
Ex. quaes os motivos que for$aram o commandante
do vapor Urania a recressar para o podo desta ci-<
dada aules de receber resposta da participado que
dirigir 4 S. Ex.
hito --Ao commandante das armas, transmittimlo
oollicio do inspector da pagadoria militar, en) que
expoe as rasos que levo para impugnar o paga-
mento dos medicamentos fornecidos por Jos Maria
Freir ameiro ao hospital do quinto batalhSo de
aililliarla, afim dn que 8. Ex em vista dos docu
incntos que aoompanham o mesmo officio, informo
com seu parecer repeilo.
Dito.Ao inspector da pagadoria militar, decla-
rando que pode elTeeluar o pagamento da quantin do
33.'i/408 rs importancia liquida de seis rezes que D
Mai ia Arcbunju Cavalcanlo forneccu froa sb o
canniiando do loiieuU-coronel Feliciano Antonio
Falclo.
CircularAos juizes do civel e munic.ipacs, trans-
mitlindo copia do aviso da secretaria de estado dos
negocios da Justina de 5 de marco ullimd, e orde-
nando, em cumprimenlo do quc'nclle so dispe, nSo
s que informem a presidencia com a maior brevidade
possivel, se ha depositario publico no termo sb sua
jurisdieo oqual o valor da li.mri que ha pesiada ;
senSp lambem que, caso ahi exisla soinelhanlc fuuc-
nuiario, sem quo esleja devidamentn afianzado, faga
com quecesse immedialanientco seu ejercicio ; re-
coinmeudaqdo, emlim, a liel execu^So do que se
conten na ultima parte do citado aviso.
r Quarlel-gtneral do commando lu armnt de Pernam-
buco na cidade do Iteci/e, 2 de abril de 1849.
ORDEN DO DA.
Kaco publico, para conhecimenlo da guarnifilo,
que a columna em operfl?0es ao norte da provincia,
ao mando do Sr. coronel JosVicento do'Aiiioriin
llezerra. acaba de aprisionar uin dos principaes cau-
dilbos Ja rcvnlta, Antonio Uorgc,s da Fonseca ; sen-
do fcila a diligencia pelo Sr. lente coronel l.uiz
Jos Ferreira com o oilavo bitalliOo de cagadores
siM) seu commando, o qual de accordo com o Sr.
delegado Minocl Thornaz Rodrigues Campello do-
ra m as melhores disposic,Ocs de manoira que o dito
cumlillio foi preso na sua niesms barraca.
Ao eflelluar-se a prisfio lioiveram alguns tiros
donde resullou a morte ileoiid rebeldes, ea prisilo
do quiltro incluindo um intitulado inajor de briga-
da, liento Jos Ferreira Ponlciro. Consta tamben)
terem fngidO alguns fui idos, e entro esses 0 eaudi-
llio Antonio l.uiz. A rdrc'a quedescinpenhou a coin-
misso de que trato fui disposta em tres partidas : a
pdmeira co mando do mesnio S'r. lenenlo-coroncl
Ferreira; a segunda ao mando do Sr. inajor do
.Mencionado oilavo balalh3oManoel Lopes Peccguei-
lyT-u, e a leiceira sb o commando do diligente capi-
' tOotlo mesmobalalliBooSr. Manool Jos da Soleda-
de, cuja parlidr, onde tambem marcharam os Srs.
ni reres Joflo Antonio l.eit3o e Francisco de Assiz
Cuimarues, fazia de guarda avanijadc, a que a sorto
conferio a captura dos rebeldes.
Segundo ai'nolas achadas na occasiilu da captura
do caudilho Uurges, aiifda dispunham os rebeldes
do uns orienta homens, e cu nBo duvido avancar
que este aconlecirtento trara a conclusao da guerra.
Dando a publicidade devida a um aconlecimento
delanta magnitiide, eu me congratulo com os Srs.
Coronol Jos Vicente de Amorim Bezerra, tonente-
coronel l.uiz Jos Ferreira, capitflo Msnoel Jos- da
Soledade. delegado Alanoel Thornaz Rodrigues Cam-
pello e maisSrs. officiaes que tiveram parle na sor-
tida, pelo bom xito que ella leve.Jote Joaquim
Cotlho.______________________
PES.NAMBUC;-.
ASSEMBLE4 PROVINCIAL.
4.' SSSAO PREPARATORIA EM 2 DE ABRIL
DE 1849.
Preuldencia do Sr. dmilor Joaquim Villela.
(Concluso.)
Enlram em discusslo os pareceres da commissSo
da poderes, nnl>lrdo em o o 7-1' O Sr. Figueiredo :*-$r. presidente," pala simples
letura do parecer, vejo que sua canetnsfo lie bypo-
thelica, ou condicionales commissflo nllo decide
simplesmento quecom effeito devem tomar assento
os deputados cujos diplomas Ihe foram presentes ;
decide que devem tomar assento, se estilo nesse
caso : ora, se estrio ou mo nesse caso, he o que ella
devra resolver definitivamente, assim como resol-
ven quo os diplomas estSo conformes acta da apu-
ra can geral, e nSo apresentar urna concluso quo
offerece duas questfies, que lio de necessariamente
provocar duas decisOes, a saber : so devem lomar
assento por estnrom osseus diplomas conformes
aclS geral da apuracio ; so devem tomar assenln por
Ihes competir na onlom numrica dos supplenlcs...
O Sr. Xavier Lopes :He condicional.
O Sr. Figueiredo :~Parece-me que a conclusilo de
um parecer de commiss.lo deve ser absoluta, e nSo
conteruma hypeUieso quo importa urna queslao di-
versa do quesito : ou entilo, devem hsverduns vota-
Ces sobre as duas conclusjies dadas. Portanto jnlgo
que ou somante se dove por volagito a concluslo
do parecer que diz que os deputados cujos diplomas
li'iram remellidos Vi commiss3o devem tomar assento
sem allencfo proposQ3o hypothetica, ou entffo
exigir-se da casa duas volarles. Em todo o caso me
parece que o parecer est um pouco defeituoso.
Meo que tenbo a observar.
O Sr. Pedro ('avahante Sr, presidente, *u en-
tondo que a commissilo n3o desempenhou a sua obri-
ga(3o: a assembla tem do resolver se os individu-
os, cujos diplomas foram remellidos commissilo,
s3o ou nao aquelles que devem tomar assento ; mas
este julzo da casa deve ser baseado no oarecer da
commiss3o : a esta, pois, cumpria declarar se s3o
osses similores os que devem, ou nlo tomar assento,
aflm do que sobre esta base firmassemos todos nso
nossojuizo Eiilrelaiilua conclusao do parecer .loque
se trata, ho hypothetica; ido he, ello termina indi-
cando que to niin assento os supplentes se comoflei-
lo s3o os aptos para isso. Ora, isto nffa be eonclusSo :
a coinniissao foi noiiienda precisamente para exami-
nar so esses supplentes eram os aptos para tomaren!
assento; por conseguiulc, n3o coinmunicaudo a
casa o resultado deste exame, deixou do deseiupe-
nbur o son dever ..
O Sr. Xavier Lopes :Escrupulisou, lalvez...
OSr. Pedro Cavbanle : Mas a assembla tem de
resolver a questSo.
A vista de ludo quanto bei exposto, entondo que
o"parecer carece de ser emendado; visto que, se fr
approvado tal qual est, a casa nSo decidir cousa
alguma a respeilo do objeclo de que elle trata.
U Sr. Jote Pedro : Eu creio que a commissSo fez
algum trabalho : a commissSo disse casa que os di-
plomas que llie fram remellidos seachsvam confor-
mes com a.acta da a puracSo", deixando assim aper-
ceber que est persuadida de que os_deputados que
se acliam nesta casa sSo em verdade alguns dos elei-
los da provincia. Entretanto, uflo ora smenle issoo
quo cumpria a commissSo r-lia tambem devia dizer
se esses deputados eram realmente os substitutos
dos Impedidos; mas, para quoodissesso com preci-
sSo, era-lbc necessaria urna base segura, cra-lhe m
dispcnsavel saber com certeza quaes eram os impe-
didos. Era isto, porm, o quo justamente nSo eslava
ao alcance da commissSo, porqiranto apenas llio
conslava que o Exm. presidente da provincia orde-
nara cmara municipal do Itocifooxpcdisso diplo-
mas a vinlo o seis dos supplenlcs que podessem
comparecer em substituicSo dos que eslivessem im-
pedidos. E a vista disto eslava a commissSo hab li-
tada para ir alm do poni a quo seliuntou I odia
assegurarquo aquelles que se apresptam sSo os quo
devem substituir os que nSo comparecern!- ceno
que nSo poda.....
Um Sr. Uevutado : E a casa pode ?....
OSr. Jos Pedro: E so a casa o nSo poje como
0 ha do poder a commissSo ? .
O Sr. Jos Dent: Logo a concluso nSo dovia
de ser hypothetica.
O Sr. Josi Pedro : O nobro deputado nSo quer
partilhar da responsabilidado do acto i mas quer que
a commissSo a lomo toda sobre si.
Demais, eu nSo soi quaes SSo os deputados o sup-
plentes impedidos ; e, pois, nSo posso dizer que
aquelles quo se acham na casa sSo os verdadeiros
subttulos dos que nella nSo estSo E nesto caso, se
flzesso'uma classilicaQSo qualqucr, nao me arrisca-
ra a ser censurado de obrar arbitrariamente, nao
ue arriscara a ouvir quo qualillera de impedidos
os que na rcalidado o nao estSo f
Tenhoduvidas, Sr. presidente, e por isso as sub-
jciiei consideradlo da casa, par que ella asre-|
' solvesso como cntendesse um sua sabedora : nSo mo i
1 julgo'nas circumstancias de avaliar, por niim incs-l
mo, do impedimento dos membros que ora se nSo
acliam com nosco ; e digo islo com toda a sinceri-
dape; e dgo-o conscioncosamento ; porquanto, so a
semelhanto respeito posso emitlir com seguranga o
meujuizo acerca de alguns desses Srs. o mesmo
nSo aconleco quanto aos outros, pois que nem mes-
mo os conheQo.
As circumstancias em quo cu estou, sSo tambem
as em que se acham os domis membrna da commis-
sSo ; e, pois, a casa convr commigo quo euinpr-
mos o nosso dever, apresentando o pritnciro dos pa-
receres que so discutem.
O Sr. Aquiar : Sr. presidento, he preciso dar
algumas pequeas oxplicacflcs casa, para ella po-
der deliberar.
V. Exc. sabe quo as ultimas oceurrencas que se
deraiii na provincia fizeram com quo alguns deputa-
dos Hilo podessem comparecer, e que mesmo, cho-
gatlos os dias das sessoes preparatorias, nBo houves-
sa numero para funrcionar ; creio que mesmo V.
Exc. nim i o i. presidencia ueste sentido, dando ""-
tedoste impecilo : a presidencia, considerando a as-
8Pmhla em sessOes preparatorias, determinen en-
mara municipal que convocasso 2f. supplentes Je en-
tre aquelles quo nSo eslivessem impedidos, o que
foi entendido por aquelles supplentes que polcssem
comparecer promptamento, visto que, conformo j
disse, a administracSo suppiinlia a assemhla em ses-
sOes preparatorias. A cmara recebeu csla onlom.
e, em vista da acta da spuraefio geral, rhamou 2fi
supplenlcs que podessem mais proniplainenle com-
paracer, embora nessa occasio alterasse a nr.lcm da
vola^o ; mas nem por isso deixou de remoller a
cada um dos supplentes, com cojo comparecimenlo
nBosopoderia contar, o respectivo diploma, C'-rta
do que, proporeo quo viessem cheganlo os depu-
tados mais volados, os menos volados sahiriam, urna
vez que a assembla eslivessn completa com o nu-
mero de 36. Por consequencia a cmara municipal
do Itecife procodeu desta manelra em virlude lia ob-
via intolligenciaque resultava da ordein quo leve
do Exm. presidente ; e parece-me qiieneuliuma im-
puia?Soso Ihe deve fuer, visto que alia nSo fez mais
do que cumprir o que se Ihe ordenou. Convocou 20
supplentes quo enlcndeu podiam logo lomar parlo
nos Irabalbos da assembla, visto que no era pos-
sivel esperar-se prompto comparecimenlo do mem-
bros que, ou eslavam presos, ou alsenles, ou, cou-
forme'be de nutoriedade publica, fura da provincia
cliamou, port*ntO, os que poliam mais prompta-
ntate vir aqu l'unccionar. Assim, cntendo i|iie a
rasSo queda o nobre relator di cominissSo do uflo
saber quaes sSo os membros alsenles quo devem ser
substituidos, precisa de fundamento.
A cmara remclteu S. Exc. a rolacmi dos sup-
plenlcs que frain cha mados para conparecer com
mais promplidSo, e mais a daqucllcs a quem se cx-
pediram diplomas, o por isso j se v que Rilo lia
um numero maior do que aquello quodeviaser clu-
niado, atienta a rasfio do que, n proporeflp que si
apresentarem os mais votados, lerflO de so retirar os
menos vota'dos, sempre no numero design idi pola
ordem da presidencia ;ea assembla bein sabe que
S*bOo podo contar com a presenta promptado Indi-
viduos que moram as comarcas da lla-Vista, (a-
ranhuns e em outros lugares longinquos da pro-
vincia.
Eis a maneira pela qual acamara entended e eie-
cutou a ordem receida, e julgo que em nada preju-
dicou oessencial duchamamriito, sendo que por is-
to eslou porsuadidodeque os membros iiovainenle
chamados eslSo no cso do ser reconhecidos.
Quanlo, poim, ao parecer, cntendo que, ou so
Ihe dovcsupprimir asegunda parte, ou decidir-se
que volle a co4imiss3o para que esta o reforme.
O Sr Jos Pedro : Sr. presidente, o nobre de-
butado quo acaba de sentar-se revelou a casa aquil-
|n que eu nSo sabia, isto he, inteirou-uos de haver a
cmara municipal tomado a deliberado do chamar
sui.ple.ites, n3o s para subsliluirem os deputados
que nao linham comparecido as duas sessOes pro-
paraloiiasquc ja houve nesta casa, como tambem
ossuoplentesque deviam ser chamados. Ora, se o
nobre deputado COOfOSS* que a cmara, toda preven-
tiva, assenlou de chamar supplentes para suppnrem
as rallas de ou iros aqucui tambem expediotliplomiis,
deixou aperceberque o numero dos impedidos nao
be coiihecidoporiunguom. Oque se sabia,.era qu.
.____n r.ti... ...i.. .,.,,11.1,1 so lo/ a narlicipaiao
moro legal, afim do qucS. Fxc. dosigneo dia ora que
dove ter lugar a scssSo d.i abertura
OSr. Loprs Gama : Sr. presidente, nSo estando
ainda marcado pelo Exm. presidente da provincia o
dia em que leve ler lugar a installacSo desta assem-
bla, est claro que S. Etc., ao ser informado de
que existe na casa numero sulliciente do mombros
para que ella possa funecionar, o designe inmedia-
tamente ; mas como, segn lo o regiment, a essa
iislnllac.no dove de preceder missa votiva ao Kspiri-
to-Sanlo, e como, le conrormidade com o rito da
nossa igreja, nao podo haver tal missa durante a
poca em que oslamos, entondo seria prudente lom-
hrar isso a S. Etc.
OSr. Presidente:Eu entemlo quo isto nSo pode
ser objecto de diseussBo. Trats-se do urna participa-
do que tem do sor falta pelo Sr. secretario ; e nSo
sei ss ello se adiara aiilorisado para fazer scmelhan-
le reflexSo....
O Sr. Jtpes Gama : -Mis S. F.xc pe i sua profis-
jBn, nodo nSo estur ao Tacto deste rito da igreja...
Alguns Srs. Deputados :Mas nos llttO sanemos,
se ello est ou nSo ao fac i desss rilo
OSr. Lpes (am> :-lvi suppuuha que os secula-
res no sabiam mallo do rit da igreja; mas agora
Meo saben lo que no ignoram cousa alguma, que sa-
bem de ludo, e muito.
Suspende-se novamenl.' a sesso, emquantose re-
melle o olllcio o se pspera pela roiposts do Kxm. pre-
si.lonleda provincia.
Pouco depois contina a sassllo.
OSr. 1." Serrctarin da cunta casa de um oiheio
doSr. secretario da provincia, participando quo s.
Exc. oSr. presidente tem designa lo o da lOdoeor-
renlc pelo meio-dia para ter lugar a sesso d'abor-
tura.
A casa lica inteirnila.
O .Sr Presidente levanta a sesso depois de 3 ho-
ras da tarde.
Correspondencias.
Sr. Ridartor.Tenbo por coslume approvar tu lo
quanto so faz em louvor de Dos, e por servico da
santa igreja. Son IVrnambucano legitimo, e mora-
dor na cidade de Olinda : pusando eu nestes ltimos
dias perto do hospicio dos meninos nrphos. ouvi
lies cantaran Um pattico sanctus: deu-meloeoa
curiosidade de pergunlar se aquelle cntico era
destina lo para alguuin festividade : a resposta loi
alrmaliva aos nious desejOS, disserain-me que a-
quelle suave eantipo perlenee a grande missaque se
conhece debaixo do titulo D. Podro ll Imperador d
Brasil, e que a irman lade de S.-Jos da matriz do
Corpo-Santo ha vis ordenado se pozesse ora pralica no
da ti de abril prximo, primoir i oitava de Paseos.
Todo P-M-nambiieanojii ouvio essa bella composi-
pSo, c foi perai a approvaco depois (|ue pela pn-
meira vez foi execuUda na mesma igreja na occa-
sio em que cantn um solo urna cantora italiana
quo so aclwva de passagem nesta cidade.
Louvores sejam por isso dados a briosa irmaiida-
,le o aos seus ebefes pela acertada escolha que tiza-
ra m do urna verdadeira composieo ecclesiaslica,
contando desde ja com o voto geral dos bons I er-
nsmhucanos, mxime dos que mais se esmerara em
louvor de Dos e dos seus santos.
O lleligioso OUndense.
com a rasSo por que a amara excodou semelha
ordem.....
O Sr. Xavier Lopes : Ampliou-a um pouco.
O Sr. Jos Pedro :.... e expedio mais do que b
diplomas. ...
OSr. Aguiar: O que a cmara pralicou esta do
accflrdocom a ordem da presidencia.....
U Sr. Jos Pe4,o : Esta. pois. rcconhec.do que
as rallas eram ignoradas l pela cmara, P<"'lu ;
nobre deputado"nos disse que se cape. I dipl. -
mas a supplentes para subslilu.roin as ralla que el-
le conjeclurou.
O Sr. Aguiar Eu, nao.....
O Sr. Josi Pedro : A cmara ... K'flro-me ao no-
bro deputado como empregado da cmara.
Julgada a materia discutida, lie o parecer appro-
do em a primeira parle, l.cando prejudicada a se-
B.U_m*SCg0ldi os Srs. deputados supplentes preslam
juramento, sendo logo submellido a votacSo e ap-
provado o sogundo parecer.
O Sr. Presidente declara que vai olliciar-se ao Exm.
presidente da provincia, partlcipaiido-lhe haver nu-
Srs. Itedaclores.-Kxa P^V1^" ?h^P/i'
Dupr, director da companbia Iranoza theatral,
bam inerecidos elogios pelamsne.ra P[ J
procurado agradar a populscOo esclarecida do Per-
nambuc). No nuio dos desgustos que nos cercam,
hora digno donossa gratido o estr.nge.ro
que. dcixando as plagas da patria, vera tr.zer-nos
uma diverso as nossas magoas ; mas se aesU con-
sideraeo accrescentarmos que o Sr. Di P e tem
vencido dilliculdados que para oulrem W***?
sem insuperavois ; se a esln consideraQo accrescen-
Urmosqie,"ban onedo por uma boa parte ds com-
nanliia em favor da qual tinba reilo adianUmentos
Kopassageiis, vo^S raduzldo apenas a aneo ar-
tistas uno liis ao contrato o teem acompanhado ;
se ullenlermos a que o Sr. Duprocom estes cinco
.listas tem conospondido expectativa do publico,
reuresentando pegas da primeira importancia, enlSo
de,e subir de poni a nossa estima para cmi este
distincto actor, tilo recommendavel por suas quali-
dadcs pessoaes, pela sua aclividade e peloempenlio
com que busca agradar ao paiz de que-he hos-
'"cneio, pois, de sympathia pnra cora oSr. Dupri-e
sua companhia, congratulo-mocom (lies, e, snire-
gandoao dosprezo o publicos renegados que a-
bandonaram o seu prolector em oWJienM
critico, e que boje segundo rae consta PnMMM
sac.v,lita-lo o arru.na-lo, convido o publico, illus-
irado para que domos prora **2_J,ffiTaS
bellas quaJadesdoSr. Dproed. *"*V
Ihe licou fiel, passando no tbealro, qMJ^
Utl apiido dirige, beni.aprss.veis momentos, e
viudo representar na propna ^SffgJSl
escriptos, os bellos dramas do Alexandro Dumas,
de ouiras nolabilid.des trancezas. ^^_____
~PubIicayes a pedid.
Uim exm. sr.-Dcsejando quanto era mimea-
bo -irmosras da dedicado o alferro que consagro
a causad monarchia e da ordem. a qual tenbo de-
fen'do desde novembro proxirao passado com risco
do vda e de fortuna, renuncio a bera da fazenda
*


r


publica os sidos o mais vencimentos que me com-
petem por lodo o lempo em que lenho servido, e
houver de servir no coinmando das forjas de Muri-
beca.
Dos guarde a V. Ex. por muilos aunos. Quarlel
docommando superior da guarda nacional do Cabo,
30 de margo do 1849. Agostinho Beserra da Silva
Cavalcanti, coronol commandai.le superior inte-
rino.
2
=2
m
O thesourciro d'admiiiistraQo geral dos cstabelecmen
de caridade, Jos I*ircs Per reir*
1841
Margo
DEVE.
8 Itecebido da thesou-
raria da fazenda pro-
vincial, importancia
do subsidio do gran-
de hospilal de carida-
de, vencido em os me-
zas de Janeiro e feve-
reiro prximos pas-
sados......1:083,332
lio hospital dos laza-
ros, dem .... 500,000
Da casa dosexposlos,
ideni......550,000
16 Dolllm. Sr. Domin-
gos .\IVims.) Nery For-
reira, thesoureiro da
admnistragflo do pa-
trimonio dos orphflos,
. o trimestre vencido
em 15 do passado
do segundo andar da
asa da ra d'Aurora,
oceupado pelo collc-
gio das orphflas.

9:133,333
137,500
2:270,832
1IAVER.
1839
Margo 8 l'ago aos empregados dos
estabelecimentos de cari-
dade, scus ordenados dos
inozesdeoutubroa dezem-
bro prximos passados.do-
cumentos nmeros.
i. Aos enfermeiros e serven-
tes do grande hospital de
caridade, dem em novem-
bro e dezembro.
.) Ao regente do grande hos-
pital de caridade, o reve-
rendo Albino de Carvalho
l.essa, importancia das des-
pozas miadas que fez no
inez de fevoreiro.
Ao dito da casa dos expos-
los, Manor-1 da Ressurrci-
gilo Cardozo, idem. .
u Ao dito, importancia de
538 libras do carne. .
Ao dito do hospilal dos la-
zaros, Francisco Joaquim
de Olivcira e Souza, im-
1 porta nria das despezas
miudasdo mez de fcvcrei-
ro.......
Aodilo,importanciade8C3
libras de carne. .
27 AManoel AnloiiiodcJezus,
importarte!*', do pRo do
mez do fevereiro. ,
31 Saldo em caixa.
1 e 2 9G4.166
3 1*4,030
4 335,940
143,980
84,000
7 146,160
8 143,200
9 193,409
2:124,945
145,887
2:270,832
Administragflo geral dos estabelecimentos do caridade, 31 de margo do 1819.
O Thesoureiro,
Jos Pires Ferrtira.
O Escrvflo,
Antonio Jos Gome do Corrreio.
Uesumo da divida activa c passiva dos estabelecimentos
de caridade, verificada at 51 do dezembro de 1848.
DIVIDA ACTIVA.
Iteceita por arrecadar.
Dficit......
AdministragSo gera
7:638,585
6:550,849
14:189,434
DIVIDA PASSIVA.
Despezas por pagar......14:189,434
14:189,434
dos estabelecimentos de raiidade 31 do margo de 1849.
O EscrivSo,
Antonio Jos Gomes do Corrtio.
VA HIEDA DE.
ItEPliltl.lCA i; MONARCIIIA.
Conlinuacao do n 74.
A nagiio que, em lugar de trabalhar.de augmentar
as riquezas e sabedoria, rsgota-so em guerras, re-
voluces e discursos, perdo o scu lempo.
O bello, disse um sabio Crego, he o maior numero
de ideias no mais breve espago do lempo.
Desde o principio a humanidade, na pessoa de al-
guns honiens,segu no alcance do seu ideialde liher-
dade e de ordem. Adiantando-se, o lempo leude a
transformar esta maioria por transgoes continuas o
permanentes. Marchando fielmente, oiempodohra,
triplica, centupliCH a sua furga ereleridade. S he
detido nesta carreira divina pela violencia da revo-
lucilo
Va verJade, tada a rcvoluglo, mesmo a mais legi-
tima, he un lempo do parada, porquanto barulha
Desde -que a humanidade existe, s ten le para um ? elementos orgnicos da or.iem e os enlcrra por
n ; pandar lempo o pproximar os espagos larB" fP0 "* etrocos das sus rumas. I'or mais
Em que e difTerenca o liomem sem educaeflo do espertante que um piloto soja, qu.-r o vento lira
teja favoravcl quer tillo, ello filio avanga um passo,
sVa'^Wro!'^amU"qrom .aia-IK e.m !oir se ve obrigado a perdero
siR.ial basta para o segundo. Toda a di (Te- seu len,P ", ",ar f ,u cni aljum porto, a con-
ccrlar o navio, a mudar do velas o do marinheiros,
un.un.la peiora locar a bomba dia noule para
iiRo sossohrar. As revolugfies s pdem ser indifTe-
rentes aos povps proguigosos, levianos e voluveis,
fim
Em que se differenga o homum sem eilucagil
liomem instruido i1 lio necessario repetir Irez vezes
luna cnusa
vra, um siRual basta para o seg
renga esta no beneficio do lempo
He mister 50annos para f.izer calar na massa urna
verdade que um homeiii espirituoso om 50 segundos
comprelii'iide.
Anda lia nescios lellrados a quem lio preciso repe- 1lle m"18 leom 1ue l,crder 'lo 'lue 0 lempo.
tir alaeis vezt's que o commercio o a industria silo Ah .dirio-as revolugOes nflo sflo foitas para o
dons elementos dos mais poderosos do progresso prsenle, mas para 0 futuro. Mentira 1
humano. Pelo commerdo, as diversas parios do I'or mais necessarias que sejam, nilo acontecom
senflo purque os hoinens nflo sabem marchar coni o
lempo. Ja he i inmensa a desgrana. Pois bem! ludo
quaulo o porvir podo reparar, he tornar a voltar,
depoisdn militas minchas e contra-marchas, para o
ponto donde se deveria ter partido. Porquu os ho-
mens nlo souberaui seguir os passos do lempo, o
lempo, depois de os derribar, neni por ssoTnarcha
mais depreisa.
Disse-sc que a rcvoluglo de fevereiro era ao mes-
mo lempo um progresso poltico o social. Onde est
esso progrosso i' Su antea de 24 do foveroiro, haviam
10 ricos e 20 pobres, ha porventura agora 20 ricos
e 10 pobres ? Pelo contrario, ha mais 10 pobres.
Julga-se agora que nossos lilhos e netos serilo lano
mais ricos.' Mas ser-nos-ha mister dez anuos do paz e
do ordem para vollar ao'estado to prosperidade
quo nos acliavam.is antes da ruvoluclo. s dopois
de chegar a os.>e ponto se poderia a proposito dis-
cutir as grandes questfjes de trabulho e de asso-
ciagilo.
No eslado actual, assemclhamo-nos alguma oousa
moga da hilha do leile. Um mez inleiro levamos
em sentios e a fazer bus a favor do trabalno e da or-
dem ; multiplicaino-iios, enriquecemo-nos, sempro
passeamlo para o lado do meicado do traballio. lia se
um Uro, e todos os nossos sonlios desapparecein, e o
ovo dotrabalbo derrama-so em sangue polas ras, e
teni-se de rn'0:ii'(ir a cousa.
Ha cincuenta annos que a Frang fazum trabalho
mundo lornam-se um nico paiz. Pelo vapor, Paria
e Bcrlims distam urna da outra 30 legoas. Foi o
commercio que invenlou a navegagflo, servindo-se
do mar que separa as nag.'s, para uni-las mais es-
treilamente. A industria ca inechanica lie quo in-
ventaramo vapor, o halflo aerosttico, easestrad-s
de ferro.
Smenle as revolugOes naila Inventaran), lio sem- ,
pre a mesma cantiga. A primeira rcvoluglo estrcou
com um desterro.Foi Ad.lo oxpcllido do paraso
Estas revoliigoes, porin, fOram mais frequenles
nos lempos pnnilivos isto he na infancia da huma-
nidade. Na moncnice, a humanidiido, assiui como o
liomem, disperdiga o seu lempo. Julga-se de ordi-
nario que o mogo poeta crea. Erro.' Como a hu-
manidade na sua cslrein elle bem entrevo um ideial :
mas em geral a mneidade leude mais a ser Ilumi-
nada do que esclarecida. Para ella, longe dos olhos
serem instrumentos de observagflo, nflo passam do
uhjectodeattracgflo, semolhantes aos olhos jaspea-
dos das azas das horbololas c da cauda do pavflo.
Anda menino quando se esclarece, ha Como oa na-
vios de guerra durante a noite, para se evitaren! ou
para se alacarem. O liomem nao lie aja verdada ori-
ginal e nilo ci o bem sendo na idado madura, depois
quo as ideias fervenles da imaginaeflo tumam ui
lypo plstico no modo da rasflo.
lie mister que a organisagflo do liomem leulia al-
tingido lodo o seu desenvolvimento exigido pela sua
physica, para que a raslo, esta sa le da alma, seja
fecunda. corpo o a alma silo duas rudas movidas uu Sisypho.
pela mesma endcnlengo. O mesmo acoutocu com
a humanidade.
Os prnneiros grandes homeus da historia nilo eram
individualmente maioros do que os que precodorani.
.Noeram m&\s esclarecidos, porm eran mais alus-
trados. A' noilo, vemos una luz do niui longo. A'
medida quo nos adiantamos para o crepsculo, ella
empallidecc, posto quo seja a mesma.
I'orqueha cincoenta annos que a Franca no lie
monaichia, nem republicana, nein constitucional,
lio revolucionaria.
Maltcni otempocicatrisalo asferidasde urna re-
voiugao, mal tem voltadoaoseu poulo de partida,
logo as revolugOes da resistencia o langain nos bra-
cos das revolucflea do mnvi.neiHo. Faz lo.nbrar as
leitieeiru do Macbelh qU se Iransformam om par-
'eiras para jogara bola com as criangas recem-nas-
cidas.
Seria longo enumerar lodosos erros dos homens
do poder, sob cojo governo, nestes cincoenta annos,
taes revolugOes te'em tillo lugar. A' violencia da re-
sistencia segue-se sempre a violencia do movi-
mento.
Nilo basta ter a repblica, he preciso anda ho-
mens de poder e de progresso pacifico, isto he, ho-
mens que nflo vilo nem adianle nem atrs do tempo.
NSo basta, como vulgarmente se diz, ter a lebre
para tero guisado; he a inda preciso o bam coz-
nheiro.
A commoglo de fevereiro he a derradeira oscilla-
gilo da Franga revolucionaria ? A Franga, esta alma
poltica, que tem andado a penar, achou finalmen-
te a sua forma, o seu corpo ? Prximo porvir no-lo
dir.
Muitos defeitos leem sido exprobrados 3 Franga ;
mas frga he concordar que n3o tem ode ser curiosa.
De ha cincoenta annos que nunca procurou seria-
mente perguntar a si mesmo o que he.
De ha cincoenta annos que a Franca pareco urna
donzolla formosa, esbelta, pura o forte, que pOe
cor, eciao rosto; que ora se apolvilha ingleza,
ora se perfuma grega ; que em urna palavra, toma
todos os Irabalhos do mundo para agradar menos,
ou, o que he peior, para desagradar.
Enlrelanto ser-lhe-ha tilo fcil agradar.' Bastar.-
Ihe-hia mostrar-se como he ; bastar-lhe-hia usar de
vestidos pelo seu talhe.
Para que as nagOes sejam grandes e immortaes,
cumpre que, em um dia dado, possam responder,
como Jchovah a Moyss :Sere sempre o que sou.
Alexandre Veill.
(Exlrahido).
. j.
COMMEftCI.
ALFANDEC.A.Rendimenlo do dia 3 ... 12:201,338
fescarregam koj, 4 de abril.
Hiato Kxalaco charutos e fumo.
Hrigue Nelly-Malhilde mercadorias.
CONSULADO GERAL.
Rendimenlo do dia 3..............4:493,913
Diversas provincias............... 70,879
4:564,792
CONSULADO PROVINCIAL.
Itendimento do dia 3..............2:060,537
Movimenio do Porto.
Navios entrados no dia 3
Londres ; 32 das, brigue inglez Isle-of-White, do
212 toneladas, capitSo Geuge Dunfor.l, equipagem
12, em lastro; a Le llreton Schramm & Compa-
lilla. Seguio para Mauricias por nflo querer fa-
zor qu aren tena.
Philadelphia ; 47 das, barca americana John-Far-
nam, de 249 toneladas, capit.lo P. Smack, equipa-
geni 12, carga familia e fazendas ; a Matheus Aus-
lain & Companhia.
Montevideo ; 28 dias, brigue brasilerro Canarini, de
177 toneladas, capilflo Francisco da Silva Aveled',
equipagem 10, carga carne; ordem.
Navios saliidos no mesmo dia.
Philadelphia ; briguo americano Ida, capitSo Char-
les Foulkcs, carga assucar.
Itio-Crande-do-Sul pelo llio-da-Janeiro; patacho
brasllciro Dous-lrmdnt, capilflo Jeronymo Jos
Telles, carga assucar e ago'ardenlo. Passageiros,
Jos Alves Guerra com 1 escravo e 2 ditos a en-
tregar. '
New-York ; patacho americano ilizabeth-felton, ca-
pilflo Alfred Eldridgc, carga assucar.
Parahiba ; hiato ConceicSo-Flor-dai-Virludes, capi-
lflo Elias do Rozario, carga varios gneros.
_LM.li '! .....ana^M
KDITAE8.
Miguel Archanjo Monleiro de Aniraie oflcial da im-
perial ordem da Rosa, cavalleiro da de Christo e ins-
pector da alfandega de Pernambuco, por S. U. o
Imperador, que Dos guarde, etc.
Faz saber que hoje, 4 docorronle, se hilo de arre-
matar, em praga publica, porta da mesma, ao
in.'io-dia, n;i barricas com bacalho da marca A e
92 da marca I. M E em esta lo de avaria, e avahadas,
segundo a laxa, em 10,000 rs. o quintal, cuja arre-
matagflo ser fcila vista do genero, e pelo prego
quo se offerecer, segundo 0 artigo 277 do regula-
mento ; sen lo a mesma livre de direilos ao arrema-
tante. Alfandega, 4 de abril de 1819. Miguel Ar-
chanjo Monleiro de Andrade.
Joaquim d'Aquino Fonseca, l)r. em medicina pela fa-
culdade de l'aris, presidente do conrelho g'fruldesa-
lubridade publica, cvmmissario caecinaatr provin-
cial por S. W. o Imperador, mimbro correspondente
da sociedade de sciencias medicas de Lisboa, etc. ele.
Faz saber que ningucm poder ser vaccinado sem
que antes se faga inserever, para o que he necessario
quo comparega oa repaitigflo lias quartss-feiras ou
sabhados, das 8 s 9 horas da manhfla ; assim como
3uo pessoa alguma nflo podei ser inscripta sem que
celare com n maior exactido o.nome, idade, na-
luralitlade, filiagflo ou senhorio, estado e moradia,
indicando o numero da casa.
Sala dasscssOes do coucellio, 12 de margo de 1849.
^ Joaquim de Aquino Fonseca.
mroaumj ^ *--v-.. *-.**. -r-j-re-r iT. |M|
lleclaracoes.
Acamara municipal desla cidade. tem de fazer la-
grarn niatadouro das CincO-Pontas, o para esse fim,
pi.r ollicio do 2'i do margo lindo autorisou ao sou
procuradora contratar cssa obra: o mesmo pro-
curodor, pois, convida aos meslres pedreiros que
ilcllase quizerem cncarregar a comparecercm no
pago municipal, no dia 11 do rorrele, das 10 horas
da manhfla al as 2 da tarde para fechar o ajuste
com aquello que por menos prego o fizo-; adverndo
quo ness ajuste se comprehenderflo os sorventes
necessarios. Oproouradorda cmara, Jorg Vctor
Ferreira Lopes.
Pela subdelegada da freguozia de San-Frei-Po-
dro-Gongalves do Recifo foi apprehendido hontea,
em poder de um preto, um gigo com batatas ingle-
:quem sejulgar com direito ao referido gigo,
Subdelegada
ves. 3 de
CURSO JURDICO. r^
Nflo sendo conforme Asregras da civilidad? edn
decoro que so deve guardar em ilrn ostalielecrmento
como este, que, ao passo que os Srs. lente* se atre-
senlam as aulas o actosdoate curso vestidos com
suas becas, os estudantes venham menos decente-
mente trajados, recommendo aos ditos Srs. lentes,
nflo consintam que entrem em Suas respectivas au-
las estudantes de paleto, vestuario proprfo-.^ara casa
ou para passeio de campo, e incompatival'com a gr.
vidade e respeito que deve haver em urna academia.
O mesmo recommendo aos Srs. professores do cel-
legio das artes,'relativamente a seus alumno*. Se-
cretaria do curso jurdico do Olinda, 24 de mareo de
1849. O padre Miguel do Sacramento lofes Gmma,
director.
O hospital regimenlal do primerro balalhfio da
arlilharia a p contrata os gneros seguintes, pira
fornecimento do mesmo hospilal -.arroz pilado, as-
sucar refinado, caf modo cha doce de goiaba ,
dito de marmelada farinha de mandioca dita do
Maranhflo, manteiga, toucinho, vinagre, yinljobrin-
co, letna, lenha em adas: ludo de prime i qua
lidade : quem se quizer propr ao dito fofWawBen.
to, comparega no dia 7 do correle, das 11 s Itho-
ras da manhfla no mesmo hospital da Soledade.
Recife, 3 abril de 1849. Joaquim da Stl*a Haya,
segundo tenonte agento.
O fiscal da freguezia de S.-Antonio do Recife
faz publico, para conhecimento dos inleressados.que
em consequencia do que dispfle o art. 5." do til. 4.
das posturas municipaes de 18 de setembro de 1848
tem a cmara marcado por editaes as castalias da ri-
beira o as do largo do hospital do Paraizo para nu
prazo improrogavel de 30 dias, a contar do da 12 de
margo corrente, se/om removidos os acoogues ora
existentes nesta freguezia, epara os que novamenle
se estabelecerem ; pagando os que infringirem esla
disposigflo 25,009 ris de mulla, e o duplo na reinci-
dencia. Recife, 30 de margo de 184!!.Benieh Ma-
chado.
O fiscal da freguezia de S.-Antonio do Recife
faz'publico quo, em consequencia do exposto no art.
2. do til. 12 das posturas municipaes de 18 do se-
tembro de 1848, tem a cmara marcado por editaes
a praga de S.-Amaiu, junto cu* do ,*,<; 'oaquiw
de Mesquita, para praga aonde d'ora em diante se
vender capim e lenha, e para praga de marcado de
bortalice, frutas e outras especies do comeslives que
cosiiiniam vender as quitandeiras, tem marcado a
ribeira e o largo do hospital do Paraizo, llcando des-
de j prohibida a venda destes gneros fra destes
lugares, sob pena do serem os infractores multados
como dispOo o citado ai ligo. Recife, 30 de margo
de 1N19. lUnicio Machado
A adminislracflo do crrelo geral precita enga-
jardous homens bons caminheiros : quem se adiar
neslas eircumslancias, dirija-se a mesma adminis-
tragflo. O ajutlanle do administrador, Anltnio Jon
Gomes do Correio.
Avisos luar i timos.
m
diparega na mesma suhdolegacia. Su
freguezia de San-Frei-I'edro-Gongal
com
da
abril de 1849. Uaaudc.
- Para o Rio-de-Janeiro sahecm poucos dias.pnr
se adiar quasi proinplo, o briguo nacional San-Joie:
para alguma carga miuda, escravos a frete e passa-
geiros, para o quo tem excedentes com modos, tra-
ta-secom Gaudino Agoslinho de Barros, ou com o
capilflo do mesmo.
Para o Rio-de-Janeiro segu com multa brevi-
dade, por ter parle da carga prompta o patacho
Diligente ; quem quizer carregar, ou ir de passagem,
para o que tem excellentea commodos pode fallar
com Jos Antonio de Magalhfles Basto, ou na loj
de cabos de Luiz Borges" de-Siqueira na ma do
Vigario, assegurando-se levar carga por mejios frele
do que qualqer outro.
Para o Aracaty est proposto i
cargn o hiate Novo-Olinda, para seguir
mpreterivelmente na lu i de 21 do pre-
sente, com a carga qu livor a bordo : os
prcteudentesa carregaretn se entenderlo
com o mes tro do mesmo, Antonio Jos
Vianna, no Trapiche-Novo, 011 na ra
da Gadeia-Velha, n. 17, segundo and.ir.
Para o Rio-de-Jneiro sabe, com a maior bre-
vidado possivei, o brigue nacional l.igeiro, por ter
paito do scu carregamenlo prompta : quem no mes-
mo quizer. carregar, embarcar oscravos ou ir de
passagem, para o que tem asseiadoa commodos,
dinja-so a Manuel Jpaquim Sos res .na "luja de fer-
ragens, ao p do arco da Conccigflo ou a Novies *
C. na ra do Trapiche ir. 34.
Frela-se para quahjuer dos porto* do nortea
muito veleira barcaga Aurora-Feliz do lote de mais
de duas mil arrobas : a tratar no Foite-do-Mattos,
com o meslre Henrique Luiz de Franga ou na ra
de Apollo armazoui 11. 23.
Para o Rio-de-Janeiro sabe, em poucos dias, o
patacho Conccicio : para o reslo de carga escravos
a frete e passageiros lrata-se com Nuvaes & C., na
ra do Trapiche, 11. 34.
Para o RioGrande-do-Sul sali, aleo dia 12 de
abril, a escuna Tentadora: pile anda receber al-
guma carga miuda escravos a frete c passageiros,
Irala-secom Nuvaes & C na raa do Trapiche, n. 34.
Para a Babia em poucos dias o hiato Flor-do-
llecife, pregado e forrado de cobro, por j ter maior
parte do seu carregamenlo prompta: para carga e
passageiros, na ra do Vigario, n. 5.
Para as ilhas dos Agues e Lisboa sobo a I"*
portugue7a Fluminense, do loto de.210 toneladas e do
boa marcha, a qual esla a chegar do Rio-de-Janeiro,
segundo os avisos, o deve neslu porto demorar-**
poucos dias : quem na mesma qui/.er canegar a di-
to destino, ou seguir viagem, pode rom anteceden-
cia contratar com Amoriill Irmflos, ra da Cadeia,
11. 39, os quaesgarantem os bons commodos mesmo
para lamillas.
Para o Rio-Graudc-do-Sul sahir breve o brigue
Victoria, o qual piule receber alguma carga a fele :
quom quizer no mesmo carregar o embarcar escra-
vos, pode dirigir-so a tratar com Amriin IrmflQs, na
ra iia Cadeia, n. 39.
Quem tem aviso do remessa do quatro. saccas
com eijflo do Rio-de-Janeiro, no briguo S.-Monoel-
Auguslo, haja de. os procurar do capilflo do dito bri-.
gue; e, nflo o fazenJo uestes 4 dias so vndenlo por \
conta de quem prelencer, nflo s em beneficio i
fazenda por ser de prompta daniHilicagu ,; como
parase tirar o frele.
Para o Itio-dc-JanoIro seguo viagem enm loda
a brevidade, por ter u maior parto do scu carga,
o brigue S.-Manat-Augusto, Capilflo Manuel Simdes:
pude r.-eeber ulguina carga, passageiros o escravos
a frote : quem quizer embarcar di.-ija-M ao dito
capilflo ou a Manoel Ignacio de Ollveira 11a praga
ao Commercio n. C, primeira andar.
V
I


*1
-- Para o Coar segu viagem a escuna nacional do communicar ao abaiio assignado ,011o gratificar
aria-Firmina : para carga ou passageiros, trata-se r. O oulor doroubo deixou 3 chavinnas presas o
Maria
rom Jos Antonio, na ra da Cadeia do Itecifo, nu-
mero 31
Leil&o.
JoiloKeller do corretor Oliveira, dq. grande variedado de fazen-
das ila soda, IBa, linlio e de algodflo as quaes serflo
vendida iiifallivelmenle sem limites de proQo : hoje,
4 do corrcnte, s 10 horas da manhfli no scu arma-
1 da ra da Cruz.
Avisos diversos.
rnpne Nery Collaco faz publico
3ue pretende abrir a sua aula no dia 11
o corrente. Os senhores que quizerem
frecuentar alguma das disciplinas que
elle professa, pdem portanto procura-lo
qur nobairro de S.-Antonio na casa em
que tem a mesma aula, qur no da Ba-
Yista, na casa ero que mora, na ra da (i lo-
na, n..()j.
Jos Joaquim BrandSo, Porluguez, relira-se pa-
ra Lisboa a tratar de sua sade.
Quetn livor urna obra truncada de Mathilde ,
por Eugenio Sue, cm portuguesa queira vender o
oitavo volume, annuncie.
Antonio da Costa Ara 11 jo retira-se para Coian-
ninha.
Vienes, fabricante de pianos,
na ra do Q ti cima do, n. 12,
tem pianos de novo modelo, feilos de proposito pa-
ra esta paiz : sKo riqnissimos de macbinismo e vo-
zes superiores, o que se afianca ao comprador :
t.iinbein lem pianos inglezes, que ao puCu usa-
dos ; concerta e atina pianos com toda a perfego ;
veinle cordas, camtirgas e lodos os avlamenlos ne-
cessarios para ditos instrumentos: tudo por prego
commodo;
JoSo da Costa l.ima Jnior deixou de vender
ago'ardente de produccffo brasilera, desde o dia 1.
de abril, na sea venda da ra Nova, n. 50.
Pergunta-se aqtiem souhcr responder, se un
empreado, estando occullo desde o luetnso dia 2 de
feverelro pode recebor ordenado s pelo tacto de
apreseetar atteslado do doente ignorando-so bo-
je onde se acha e se desta forma o chefe da re-
particHo o pode considerar como tal, sem dar parte
ao Exm. Sr. presidente e qual o motivo por que o
lem'deixado de l'azer at hoje, constando-llie o con-
trario. Isto quer saber o Curioso;
Preclsa-se do um pequeo brasilciro, ou por-
luguei, para urna venda : na travossa do Mondego,
n. 49.
Quem qui/er alugar urna preta para cozinhar,
dirija-se i ra Nova, n 67, segundo andar.
Precisa-so de urna pessoa intelligenle que quoi-
ra enrarregar-se do um negocio importanto] al a
Fazenda-Crande boje Floresta : dando fiador a suu
conducta, pdedirigir-se ao pateo do Cfrmo, n.
18. segundo andar.
Iirsappsreceu, da praia, no tim do Recco-Lar-
go.nollecife, urna canoa aberta, que linda sido
d'agoa, cestava para se concertar : quem della sou-
ber, participe no mesmo logar, onde se vende le-
llia e lijlo, quesera gratificado.
Precisa so d um honiem que tenba pralica para
administrador do um engenho perlo desta praga :
quem se achar nestas circumstancias appareca na
botica dn rus larga Rosario, n. 36, quo adiara com
quem tratar.
Albino Jos Fcrroira da Cunlia embarca para o
Hto-dc-Janeirn a escrava Feliciana crioula, pertcn-
cciite ao Sr. |)r. Antonio de Souza Simes l.ima, a en-
tregar ao mestno.
-- lia-se diiciro a premio sobre panhoresdo mi-
ro e prata : riafrua estrella do Itozario n. 30, se-
gundo andar, se dir quem d.
Precisa-sede uina ama para cozinhar o diario
ile umi casa o fazer o mnis servigo que for iiccossa-
rio : no becco da Lingocta n 5.
Offercce-se una mulber branca para ama de
una casa a qual sabe lavar, engoininar, cozinhar o
l'azer todo o inais servigo : nos Coelhos, defronlc
do hospital de Ca i lude, n. 7.
I'recisa-se de um amassador : na ra da Flo-
rentina, ii. 3.
Km casa do Manoe! da Silva Santos na na dn
M.iIrc-dc-IVios n. existo una certa para o Sur.
Francisco Urbano da Silva Riheiro.
-- A. Saint-Marliu faz paiticipaule a quem no Dia-
rio u. 73 de 31 do prximo passado auiiuiiciou" ler
justo a coiilraladocom McolaoCadaut a'cumnra do
seu sitio da Capunga, que o dito Nicolao C.iduui an-
da n.lo prestou coutasda curatclla do tinado Hipli-
to Saint-Martn.
Di ittisla.
I. W. Raynon, cirnrgto dentista americano,
leudo mudado a sua residencia da ra dn Cadeia de
Santo-Antonio para a ma do Trapiche-Novo do Hc-
rife, agora otrereco aos seus amigos o ao publico o
seu presumo, isto be, cliuiiibor, por denles postigos
e asmis operagm-sda sua arte, pelo methodo ult-
inameiito descoherlo.
Quem prteisurde urna ama para loto o servi-
co da urna casa, dirija-se ra llireita, n. 87.
--Antonio Jos dos-Santos Fortunato de hoje em
dianle se assignara Antonio Augusto do Santus
Poilo.
- Aloga-se parte do primeiro andar do sobrado
nmarello da ra do Qucimado, n. 29 : a tratar na lo-
ja do mesmo sobrado.
-- Justino Jos l.nurcnco rclira-se para Portugal
a Iralardestia-ssi'i.lc.
" l'recisa se alugar urna escrava, ou
pessoa forra que uibi cozinhar e fazer
lodo o servico de tuna casa de pouca (a
milia : a tratar na i ua larga do llosario,
n. 46 segundo andar.
Uabaixo assignado, que na noite do dia 29 do
11 uxiino pufsado margo foi loubado em sua loja de
ii.iiidczi s na rus do Qucitiudo, u. 53 declara que
enlre as fazendas quelite roubaraiu, lora urna libra,
pouco inais ou nimios, do prala lina de galo,
c como seja objecto bom conliecido pede a qual-
quer pessoa a quem fr olTerecido, tenba a bondade
urna correnlinha do prata, e um p de sap'ato de lus-
tro inda em bom uso, que junto a oulras multas cir-
cumstancias pode revelar quem elle seja; maso
abaixo assignado que nlo quer.expo-lo a odiosida-
de publica de que he merecedor, contenta-se em
adverti-lo que entregue os objectos roubados quo
se tlio guardarsegredo; do contrario, em oblen-
do mais algumas provas lho costar caro a sua
biincadeira. Jote Domingvet Codieeira,
Aluga-sc a loja do sobrado n. 40, no Aterro-da-
Boa-Vista, que taz esquina para o'kbecco do Martina,
propria para qualquer negocio e om bons com-
modospara familia: a tratar no paleo da S.-Cruz,
n. 70, segundo andar.

#5 Na galera de daguerrotypo do artista Guilher-
9, me Frederico Walter, na ra da Cadeia de S.- m
m Antonio, n. 26, lerceiro andar,,tiram-se retra-
$ tos muito superiores.pela invencBo de Daguer-
# rer tanto em fumo como coloridos das 7
i horas da manhSa *s5da tardo; afflrroando-se
> e garanlindo-so tanto a durabilidade das co-
m res, como a perfeila semelhanga.
% As pessoas que se dignarem favorec-lo din-
? jani-se a easn cima mencionada. 9
* O annunciaiite previne ao respeilavel publ-
? co, que pretende demorar-se muito pouco
m lempo nesta capiUl, por isso previne a qual- $
? quer pessoa que precisar de seu relalo mu- -
<> to fiel, ou qualquer pintura copiada, que ap-
fl. parega antes do fim do mez, em casa do sua
m residencia.
.Aluga-se urna grande casa trras, na ra Impe-
rial com duas salas, 7 quartos, cozinha fura, quin-
tal murado e cacimba i a Itrotar no tbealro novo.
Pergunta-se ao autor do annuncio da venda do
bilhar no Passeio, nos Diarios ns. 73-e 74, por quem
foi sulorisado a fazer dita venda ?
Antonio Jos da Rocha, subdito portuguez, re-
tira-se para fra do imperio, levando em sua compa-
niiia sua senhora e um (libo menor.
f' aferidor roga a todas
as pessoas que conduzein niel, agoardente, azeilo
tac para o mercado desta cidade em ancoras; e que
ainda nflo aferiram.que quanto antes venham aferir,
pois o lempo da aferifSo est a acabar-se,e os (iscaes
respectivos passarflo a dars corridas do costme, e
aquellas que encontrarem sem estar afeudas neste
auno de 1849,ser.1o multadas em 2,000 ris cada urna,
e obrigadas a aferir; assim como previne aos senho-
res de lojas, que, estando prximo o tempo da rovi-
slo, nflo Ibes passar verba de revisSo, sem que es-
tejam exaclas com o padr.lo da cmara, e para esse
fim j lem preparado urna porciio de varas e covudos
j ateridos para aquellos que precisarem.
Jfe
Novo pilo do Provenga. ^
Na padaria do becco das Uarreiras e no de- jjt
| psito da Estrella, no Alerro-da-Boa-Vista, n. ||
39, fahrica-se o novo pao .le Provcnca, o qual ^
J he fabricado pelo methodo do seu primeiro i
i introductor que veio a esta provincia com jjg
I as melhoros farinbasqueha no mercado, o as- j.
| seio que he possivel: da mesma sorte so fa- 3
I
3
liricam as fu lias da rainba de Hespanba bo- |
Hnhos.biscoutos, biscoulinhos, fatias, cava- |
cas : ludo do melbor gosto possivel e propriol
para cha ; tanibcmha bolachinha do Lisboa
emlatas.de 8 libras', por preqo commodo ; S
amendoas confeitadasle de varias qualidades. |
Aluga-se a loja do sobrado n. 5 do Atcrro-da-
Boa-Vista ptima para todo o genero do negocio ,
pela sua excellcnlelocalidudo : a tratar no mesmo
sobrado, a qualquer hora do dia ondetamhem se
fura negocio com a armaeo envidracada, existente
na mesma loja.
UCHAPKOS DESOLJI
Rita do Passeio, n. 5
Oh! que petincba para o amavel e respeilavel pu-
blico : novas sedas da mclhor qualidade que se po-
de fabricar, por serem do incommenda e da nielhor
fabrica de Frange, recebidas agora.
O fabricante desle eslabelecimento adverto ao res-
peilavel publico desta cidade que ello possue pre
senlomente um rico sortiment de chapeos de sol
assim como chapeos de sol de seda furia-cores, dos
inais ricos que teem apparecido neste mercado, e de
cores conhecidas ; ditos para sen horas de bom tom,
adamascados, lavrados, com suas competentes fran-
jas de retroz, tudo que tem do n.ais moderno o do
melbor gosto ; um completo sortiinonto de chapeos
desoldepanninho de todas as cores o do lodosos
tamaitos, para hnmens, senhoras e mollinos : ha
tambein igual sortimenlo de faxendas para cobrirar-
maoes, lauto de sedas de cores, como do panninlios
trancados e lisos imitando seda. Adverle-se que os
freguezes ser.lo servidos com brevidade, e se aclia-
rito satisfeilos da boa qualidade, do bom gosto cdo
ooiu proco.
Itileria do theatro publico.
F.stando vendida quasi melada dos bilhetes da ul-
tima terca parte du 18." lotera do thoalro publico,
o apparorendo rom a pacificaclo ila provincia algu-
ma influencia na compra dosbilbeles que retlan, o
respectivo thesoureiro, levado or esta inllueiiria
que esperanao ser arrefecida, insigua odia ^7 de
abril prximo futuro para o andamento das rodas,
e confia nos amadores desle jogo que o coadjuvarflo
na rcalisaco do referido andamento.
Fabrica de Todos-os-Sanios.
Firmino Jos Flix da Roza, com oscriptoro na
ra do Trspehr, n. 4* avisa aos seus Ireguezes que
acaba do receber pe escuna Curiosa novo sol t-
menlo do exeellente panno de algodSo enlrancado
daquell fabrica, ptimo para ensaccar assucar e
para roupa do*escravos. O annuncianle coala que,
alm da fuzenda o desejo de animar o desenvol-
vimeutodo urna Tabrica inteiramente nacional, pro-
mover o promplo consumo da sua receila.
Fabrica de espedios.
JoSo Dubnis faz publico que presentemente acaba
de montar urna fabrica de por seo cm espeibos de
maior laman lio : as pessoas que se quizerem ulilisar
de sua arte, pode o procurar em casa de sua resi-
dencia na ra larga do Kozario, sobrado ns. 6 o 8.
Agencia de passaporles.
Na ra do Collegio, n. 10, e no Alerro-da-Boa-
Vista lojas ns. 48 e 78, continuam-so a tirar passa-
porles, tanto para dentro como para fra do imperio,
assim como despacham-se escravos: tuTo com bre-
vidade.
No dia 20 do correrle, na sala das audiencias,
depois desta, peranle o Sr. Dr. juiz do eivel da pri-
meiravara, se lia de arrematar urna das melborrs
otarias que existem, sita diante do becco das Uarrei-
ras, a qual he terreno proprio, e pela sua locali.iade
pode servir para estabeleoimento de padaria ou fun-
dicio, por ler porto de embarque com caes feto, no
qual se pode botar guindaste, com urna casa nn
frente da ma do Mondego, portflo ao lado, que d
serventa paraaolaria, independente da casa, com
alguna arvoredos e parreiras, n. 135, confronte a ca-
sa do Sr. Selle : acba-se avahado tudo muito em con-
ta, segundo aposicao ero que se acha: quem pre-
tender pode examina-la e comparecer em dito dia,
que he a ultima praga.
Precisa-sedoum forneiro : na padaria n. 13 da
ra estreila do Rozaro. Na mesma vendem-so bixas
de Hamburgo e alugam-sea 320 rs. cada urna, e lla-
vera tambein a venda meias barricas de familia ru
legB, ditas do SSSF, muito fina o por prego com-
modo.
Aluga-se ou vende-se um sitio na ostrada dos Af-
ilelos, com boa casa de vivenda de pedra ecal, ar-
voredos noves, cacimba d'agoa de beber que ;i I mil -
te urna ora : a fallar com Joaquim de Oliveira e
Souza, no Alerro-da-BAa-Vista, ou no sitio con-
tiguo.
Clementina de Moraes Sarment vai a Europa
com seus tres filhos menores.
OSr. M. J.C. B. queira ir pagar o importo de
duas letlras qu se acbnm vencidos, na ra da Cruz,
n. 63, primeiro andar; do contrario, ver o seu nome
por extenso e publicadas suas cartas, para licar sen-
do conliecido do publico.
Os Porluguezesabaixoadeclarados retiram-se pa-
ra fra do imperio :
Francisco Jos Pinto de Oliveira, Manoel Jooquim
de Andrade Val-Verde, Antonio Fcrnandes de Cas-
tro, Manoel Ji.se Al ves, Rodrigo Barbosa l.oal, Igna-
cio Braz do Oliveira, com sua senhora e um lilno,
mtnor, oaqum de Oliveira, Antonio Piniode QmI
roz, Manoel Joaquim de Arruda Baptisla, Joilo Joa-
quim de Souza, Manoel Joaquim Marques l'onseca,
Jos Joaquim da Silva, Hernn lino Vieira dos Santos
Braga, liorningos da Cruz Ulivoira Braga.
-Manoel do Nasrimenlo l'inheiro vai ao Rio-For-
nioso a seu negocio.
Obras de ouro.
Simio l.uz relira-se brevemente para os portos
do sul pelo que declara ao respeilavel publico, que
tem grande sor I miento de obras de miro e brillian-
tes, rhegados ltimamente de Franca : as 'pessoas
que desejarem con.| rar ditos objectos, dirijam-se
ao llolcl-Fruncico nn Recife, Trapiche-Novo, n. 9,
que se venderflo por prego commodo.
Velas de carnauba.
A fabrica de velas quo exislin na travessa do Ve-
ras na Boa-Vista tianfcriosn para a ra da Alegra,
n. 9 : all arharflo os freguezes as mclhores volas de
carnauba lano em alvura con,o do boa luz o que
seafiaiica de 6, 7, 8 o 9 em libra.
Oflercce-so um administrador sem familia
habilitado, nSos para oque di/, respeito,como para
fazer rom que nilo falle agoa para tirar toda e qual-
quer safra sem todava embarogar o andamento da
safia o mois'servigo tendentes : o annuncianle, pois,
se prestar lodo aquello quo sofTrer esto inconve-
niente. Dirijam-se a ra larga doRozario. n. tu, ou
aununeie.
Casa raiiciza, rila Nova, i. 69.
Vinho deBordcaux, em quaitolase cm garrafas,
muito em conta e de muito boa qualidade ; dito de
Cbaleau la Rose : dlo Chalcau l.ewille ; cito Itous-
sellon ; dito S.-Julieu ; dito Rivesalles ; dito mosca-
tel ; dito de Cliampunha : lodos de primeira quali-
dade : grande sortiinonto do licores de todas as qua-
lidades e de lodos os pregos, com garrafas muito
lindas; xaro| es ; exliaclo de punch ; rbum de Ju-
maiea ; superior cognac vellio; kirsch o iibsinlb
suisso da marca verdadeira; genebr dellollanda;
vermout ; agoade flor de laranja ; azeite doce i
1
I
-- O autor do annuncio dos Diarlot ns. 73 e 74,
respeito ao bilhar do Passeio, rosponde que nao pre-
cisa de autorisacKo do pessoa alguma *>
vender dito bilhar visto ser seu, eso de.x.ra d.
ser recebendo o importe por quo foi tratado con
pode.a rnostrar-se por um documento que existo om
poder do mesmo. .
-Augusto llirsch retira-se para fora da pro
vincia.
muito superior; oulras muitas cousas. O annun-
cianle respoiisabilisa pela boa quolidadede lodos es-
tes gneros. Se acha lambem ueste cslabeleclmi'iilo 1
lugar muito proprio parase tomaren) refrescos diver-
sos, de qualidade superior e servidos com diligencia
e assoio.
Cbristiano Jos Tavares subdito de S. M. l'idc-
lssima relira-se para fra do imperio levando em
sua oompanhia sua senhora e um lillio de lilll auno.
Manoel buarlc de Fai a, doutor em medicina lie-
la uinversidude de IMinburgo, lem lisado a sua re-
sidencia na ra do Queimado II. 10, primeiro an-
dar onde podera ser procurado por aquelk-s que de
euprestimo se quizerem ulilisar, sendo que aos po-
bres se pieatara desde 8 horas as 10 de todos os das.
Francisco da Maya Brrelo subdito portuguez,
retira-se para fia do imperio.
Figuras de procissiio do enterro.
Os Srs. que leem cncommendado figuras do ceii-
turioes proplielas, Magdalenas ele., queumn dei-
xar.linbciro de siglale O seu nomo por intciro es-
oripto na loja do Sr. Guerra & Silva na ra Nova,
alim de so dar principio promptmoaC&O de laea II-
guras, para evitar arrependimenlos.
Aluga-so um cscravo co/.nbeiro, para casa
francesa, por ler grande pralica doeslylo M",*.
quem pretender dirija-so ao pateo da S.-Lru*. n.
8. Na mesma casa vende-se um par de lanternas e
vidro usadas, por prego commodo.
.- O afeiidor, em con foimi-
dade do artigo 8. do regulamento da cmara, roga
aos Srs. fiscal, que estando.. DndaMe rtofflpoda
aferignoainda ...lo appareceu individuo algum paia
aferir regoas de 10 palmos, cruve.ras que sao obn-
gados a usaron todos os mesires podre.ros carpi-
nas, ranteiros, vendedores de ma.le.ras e todo u-
ouelle quo tem pocessidade deasa medida, i.li.n de
quevcnhainaferi-las, do contrario sera prejudica-
do em sua arrematagao.
Precisa-sede um boincm de mcia idade para
administrador du urna oluria, preferindo-so os quo
desle istaliclecimenlo liverem pralica na mitiga
ruados (Juartcis, u. 18. No mesmo lugar precisa-so
de um padeiro blanco que enlcuda pe'feitamenlo da
sua arle.
Compras,
Compra-se urna parda rccolhda que saiba co-
ser com perfegSo : paga-se bem caso agrade : na
ra da Cadeia do Reca, loja de fazendas n. 41.
Compra-so urna mulatinha de 16 a 18 annos,
quo seja de bonita figura e do boa conducta : paga-
se bom : na ra das l.arangeiras, n. 1*. segundo
andar.
Compra-se urna bacia de rame, grande o om
bom uso : na ra da Gloria, n 0.
Compra-seo Diaria de l'ernambueo n. 87 do
1812 : na ra do Crespo, loja n. 14.
Compram-sc pataces brasileiros : na praga do
Commercio, n. C, primeiro andar.
Compra-se una negrinha ou moleque de 10
al 13 anuos, para urna enconimeiida : na ra lar-
ga do Rozaro, n. 35.
-Compra-se urna preta, ou parda que coznhe
heme engomme e seja desemoaragada: nao se
ollia a prego : na ra do Vigaro, n. 2*.
Vendas.
Vendem-sc saccas com feijSo, f.
muito lioa qnalidade : no armazem que
fui dr. fundo Hraguez, junto oo arco di
(onecicao, pelo barato preijo de qualio
mil ris.
Vendem-se sapales de rouro de lus-
tro para bomem; ditos pira meninos; sa-
patcs dilos para senhoraj ditos de marro-
quii para liomem c senliora, por preco
commodo : ua ru da Cadeia do Recfc,
n. y-
Vende-se urna armag.lo do loja do couros ,
na ra do l.ivraniento n. IS : tratar na mesma
Aviso as senhoras
que se dito a oragilo e aos exe.rricios pios 4a religio.
Na livrara da esquina do Collegio estilo venda ,
ehegadosdo fresco, os seguintes livros : Maiiuaes
dos ofllcior. da seniann-sanla : lloras Marianas ; Ma-
noaes de missa ; Mez de Marn : todos com augmen-
to de novas estampas finissimas folhas douradas e
com eiicadernagors de velludo de dilTorentes cores e
goalOS} com ttulos, fechos e demas guarniges
douradas : algumas das encadernagoes leem por fu-
ra das capas embutidas as imagens do Senbor Cru-
cificado c de N. S. perfelsmente douradas. Nilo
haver por certo muitos objectos mais proprios paia
um prsenle do que um livrinbo est"s. Tamben
eslilo venda estas mesmas e oulras obras pias, com
encadernagoes menos ricas c communs.
O.lanodcsto cstabeleciinento ?iflo londo
podido conseguir vende-lo por causa dos
pretndanlas nilo quererem de modo algum
licar com as dividas que porserem mullas e
monlarcm em grande quantia nlo pode o
anniiuciaiitc deixar de niencioiia-las para
com o producto dellas poder mais facilmcn-
le saldar emitas com seus cre.lorcs para
i cnio fim lem o anniiiieinnlo eilo todas as
diligencias de negociar dita di vidas, ( anida
I mesmo com grande prejuizo seu ; tanto
I cornos prelendentes a loja. como com os
mesinos.levedoes (como de seus annun-
cios anteriores so deixa ver) e que, tendo
I ellos comparecido cm mullo pequeo nume-
ro lalvez pelas cirriimslaiicias do lompo ,
e inesmo por mullos moraram a grande dis-
tancia da praga, resolveu o annuncianle,
! entretanto que cllea cheguem a sorlir de
I ovo a loja com fazendas novas de difle-
entes cualidades e todas mu bem compra-
das lanfu em prego como em qualidades h-
naa a saber : suporiores maulas de soda pa-
! rasenliora; longos de selm do cores para
I Bravatas; ditos de seda para liomom o so-
! nliora ; corles da cassas do bonitos goslos;
I rrados nionstros, dos mus linos quo leem
| apparecido a 260 rs ; longos do cambraia
bertosebordados,a 200 e 2o rs.;dulas
escuras c brancas de mullo bous pannos e
Unaslixas, uiuors ;c todas as man la-
zendas pelo prego do costume.
- Vend -se cera de carnauba de superior qualida-
de, em barricas e a rotulho ; chapeos de paina. "i-
tos no Aracaly ; cera amarella ; saccas **.
charutos do S.-Fclix ; peonas de eu.a ; JOBOS
miudos : na ra da Cruz, no Recile, n. 2t, venda e
Manoel Jos do Sa Araujo. ,.:.
- Vendem-se saccas grandes co" P'r,or/"g
da ierra a 4,800 rs. : no Forte-do-Mallos venda e
Antonio Jos Fernandes de Carvallm.
Venden se sapatScs do Aracaly
para liomem e menino, por preco com
modo: naiuada'adeiadoHecie, n g.
.-ijueiosllamcngos novoa l,aoo: no
paleo do Uarmo, esquina da rua de Mor-
as venda por baixo do sobrado novo.
.1 Vendem-se resmas de papel almago branco pre-
Uua de primeira qualidade; d.ljs de peso azul e
ranco, por prego barato; na loja de miudez.s,
praga da ludependeiicia, n. 4.
.
, i

l
dHMl
I-------I-..1-J-


ti
ft.
'arelo de l.isbon, em barricas :
vende-so no armazem do Viconlo Ferreira da Costa ,
na ra gade ltimamente de Lisboa.
Taboado do pin lio.
Vendcin-sc taboas de pinho do
Forlc-do-Mattos armazem do Vianna c
no armaiem do (Machado, na ra de
Apollo, junio ao porlo vellio das canoas,
e os melhores pranchOes, costados, costadinhos e ta-
boas de todas as grossuras o comprimentos porto-
do o prego.
Vende-se caJ virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do que em outra qual-
quer parte : na ra do Trapiche, arma-
zem n. I7.
- Continuam-se a vender saceas com superior
colladas fabricas do Rio-Crande-do-Sul, poipre-
go commodo : na ra da atoada, 11. 7.
Taboado do pinho da .Sticcia ,
de 10 a 5> palmov.
decomprimento, o melhor quetem chegado a este
morcado, em razio de so poder enverni/arcm qual-
qner obra por nilo ter nos e ser muilo alvo sen-
do costado, cosladinho, assoalho, torro e para fun-
dos de barricas : vende-se a prego que o comprador
far todo o negocio : atrs do thcatro, armazem do
Joaquim l.opcsde Almeida.
Carnauba.
Vende-se, na ra da Cruz, n. 21 una porfo de
cera de carnauba do superior qualidade, e porto-
do o prego.
Onofre Jos da Cosa vende saceas
rom finja o de todas as qnalidadcs, muito
superior, pelo diminuto preco de 5,000
rs e*da acra : no armasen) de BaClldi,
em frente a escadinha da Alfindcga.
Madeira de pinlio.
Na ra do Apollo, pegado ao armazem do Sr. Mot-
il na um terceiro armazem com madeira de pitido
da melhor qualidado que tem vi ndo a este mercado,
0 serrada de todas as grossuras e comprimentos:
vende-so pelo menorprego que be possivel.
Potassa.
Desembarcou ha poucoa das urna por-
C&O de barra pequeos, com muito nova
e superior potassa, c se acham a venda,
por preco mais barato do que ltima-
mente m venda, na rua da Cadeia-Velha,
armazem de BailarikUliveiia, n. 1?.
Ao> fumantes de bomgosto.
No armazem do molhndos atrs do Corpo-Santo,
11. 66, recebe-se por lodos os vaporea viudos do sul
porcSo de cigurriihos hespanhes, ditos de palhi de
millin assim romo superiores charutos do varias
qualidades : tudo se vende por prego mais barato do
que em outra qualquer parle.
PARA I.IQlllliAR.
Vende-se ral virgem de Lisboa de superior qua-
1 i'-ailc por preco mais ha ralo do que em outra
qualquer parte : na ra da Cadcia do Itecife n. 30.
--Vende-se urna pida de 20 a 22 anuos, que Co-
rintia o diario do nina casa, rngomma e lava: s
se vende para o malto cujo motivo se dir ao com-
prador : na ra Helia, 11. 40.
Sarja hespanhola verdadeira-.
Vende-se verdadeira sarja hespanhola pelo prego
de 2,700 rs. e da melhor a 2,800 rs. ; pannos linos
pelos al :!.< 00 is o covailo ; casimiras pretas, mui-
to linas ; ditas de cores, propriaspara ficto tic me-
ninos; cortea do seda moderna, do lindissimo gos-
lo ; dito de cassas de cores, muito modernos e bo-
nitos : no armazem de fazendas de Itaymuudo Car-
los l.cite, ra do Qeimado, 11. 27.
Luvas de troca] para senbora.
Continuam-se a vender luvas pelas de trognl para
senhora, pelo barato preco de 1,000 rs. : na rim do
Queimado, n. 27, armazem de fazendas deliaymun-
do Carlos Lcile.
--Vemlem-se, na rila da Cruz, n. 21,podras de mar-
moro fruncezas para mesas redondas c consolos.
Chitas finas c baratas.
Na na do l.ivramenlo n. 14, vendem-sc chitas es-
curas pelo proco de nove vinlens o covado ; ditas
escarales, a 220 rs. o covado; brins do linbo para
'Migas e casacas, a 400 e 480 rs. O covado; um rico
sortimento de corles do cassa a 3,200 rs. o corte;
lentos do milo para senhora com bico as ponas ,
a 48o rs. cada um ; casimira pieta ; merino ; panno
lino preto ; chamelote para vestido ; o oulras mui-
tas fazendas lor barato preco.
I.ivros baratos.
Yr-ndcm-sa as OrdenafOes do reino, ultima edi-
tilo; LlxTeixeira, direito civil, ultima edicilo; Coe-
II10 da llricha direito civil, ultima edicio ; llistoi ia
do consulado u do imperio, porThicrs.taducgfto por-
tugueza; Conloa de uiinha ierra bella tradceflo da
provincia do Minho pelo litterato ,1. I, da Cunba ;
Viagens na minlia Ierra publicagiio muilo intr-
ressantee divertida do hem conhecido Iliterato
l.arrett; Jornal das bellas arles. archivo de pintora,
I il lera lu a etc., com muito boas eslampas ; Revista
Universal Lisbonense jornal muito conhecido e
acreditado, pelos seus niterassanles artigos collo-
borado pelos mais eminentes escriptores porlugue-
zcs ; Revista popular jornal para as Clasaes menos
abastadas da sociedade com bous ailigos : na casa
defroote do trapiche novo n. 6.
Vendcm-se, na ra ireita taberna n. 53, sac-
eas com um alqueire do milho novo, a 3,500 rs.; di-
las com arroz pilado; ditas com caf; ditas com
feijio ; e tos os mais efeitos do venda mais haruto do
quo "iiu outra qualquer parte ; bein como uns po>-
e.10 de madeira de Inoro O oleo para RiaiCCtieiro, e
travs de diversas grossuras.
Superiores charutos.
No armazem de Vicente Ferreira da Costa, na ra
da Madre-Deos, vondem-se superiores charutos,
chegados da llaliia no hiate S.-Dtnediclo cm caixas
e barricas, ^lo diminuto preco de C.500, 7,000 e 10/
rs, o milheiro.
Vcnde-se cal virgem de Lisboa, de superior
qualidado, em barris de 4 arrobas, chegada ueste
me/, pelo brigue Maria-Jot a tratar na ra do
Rrum armazem do Antonio Augusto da Fouseca ,
ou na ra do Vigario, n. 19.
Vendem-se sellins nglczes c camas
de ferro : na ra daSenzalla-nova, n. l\i.
Agencia da fundicao
\ ow-Moor, ra da Senzalla-
nova, n. -52.
Neste estabclccimento contina a ha-
ver um completo sortimento de moendas
e inoias moendas, para engenho; ma-
chinas de vapor,e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, para dito.
I o!ha de Flandres.
Vendcm-so caixas com folba de Flandres: em
casa ile J. J. Tasso Jnior : na ra do Amorim, n. 35.
Vende-se resina do angico muito superior a
820 rs., levando de 8 libras para cima: na ra da
Caileia do Recite, loja de ferragehs, de Joflo Jos de
Carvalho lloraes.
Vende-se a verdadeira potassa da
Russia, desembarcada hntem, por pre-
co muito rasoavel, vista de aua muito
superior qualidade : na ruado Trapiche,
n. 17, c rua da Caaeia, n. 34-
"Vendem-se presuntos'inglczes para fiambre;
latas com bolachinhas de Lisboa ; ditas de ararota;
ditas de uiai iiitida de i, 2 e4 libras.} ditas de sar-
dinhas ; ditas de hervilhas ; ditas de chocolate de
I islii'ia ; frascos de conservas ; ditos d'agoa de flor
de laranja ; barris com azeitonas brancas de Klvas ;
garrafas comvinho moscatel de Setubal e da Ma-
deira ; i)in-ijos de prato, frosraes : ludo novo
chegado ltimamente do Lfsbi : na rua da Cruz
no Itecife, n. 4(.
CHA' BRASII.EIRO.
Vcndo-se.oii armazem do motilados atrs do
Corpo-Sanlo, n. 66, o mais cxcellente cha produzi-
do emS.-Paulo, que tem viudo a este mercado ,
por prego muilo commodo. *
Algodao trancado da fabrica
de Todos-os-Santos da
Baha,
multo proprio para saceos do assucar o roupa de es-
cravos : vende-so em casa de N. O. Hieber & Com-
pendia, na rua da Cruz, n. 4.
Presuntos.
Vcndein-se superiores presuntos inglezes para
fiambre chegados no ultimo navio; no armazeai
do llraguez ao p do arco da.Cunceig.1o.
Tanas para engenho.
Na fundigfo ilo ferro ila rua do Brum acha-se a
veinla um completo sortimento de taisas de 4 a 8
palmos de horca, por prego commodo, c com promp-
lidiio embarca-so, ou carrega-so ern carros sern dcs-
pezas ao comprador.
Barato.
Capachos de todas as qualidades ; luvase meias de
seda pela, e do outras multas qualidades; bicos c
Utas ;'ie.-ouras ; gargantilhasj o onlroa muitos ob-
jeclos por prego o ais bnalo do que em outra qual-
quer parte : assim como um rcslo de calcado para
senhora, por todo o preco : na rua larga do Roza-
rio, o. 24.
Machado &c Pinhciro vendem
no armazem de Antonio Annes
Jacome Pires, no caes d'A Mande*
ga, ftiiinha, milho c feijio de su-
perior qualidade, e a precos mais
mdicos do que em outra qualquer
parle.
Luvas do pellica, a 1,000 rs.
Vendem-se luvas do pellica, para liomem, da me-
lhor qualidado possivel a i,uuo rs. cada par ; ditas
para senhora : na rua do Queimado, n. 16, loja de
Jos SiraOes K C.
Sao chegados os mais lindos
e superiores cortes de casimiras que se vendem por
haralissimo preco : na rua do Queimado, vindo do
Rozarlo segunda loja n. 18. A ellos antes que se
acabem.
Vcntlem-se saceas com superior
feijio mulatinho, a 5,ooo rs. cada una
na porta da Alandcga, armazem do ba-
rate i ro n. 20.
Aos Srs. armadores.
Trina, volante, galgo largo e eslreilo : ludo se
vende por preco commodo na rua larga do Roza-
rio, n. 24,
Vende-seo engenho Novo do Cabo para paga-
mento da hypolhcca quo nellc tem o Sr. Joilo Vieira
da Cunba : quem o pretender dirija-so ao mesmo en-
genho a tratar com Francisco Jos da Costa.
Vende-se urna carteira do embarque, urna caixa
de amarello grande, muilo forte, outra menor, urna
rica pedra de marmore para mesa, de quatrn quinas,
2 pranchocs de Jacaranda, tudo por baratsimo pre-
cio : as Cinco-I'onlas, n. 62. a mesma casatam-
l>em se vendo urna cadeira de arruar muito boa e ba-
ratsima.
Vende-se peixe salpreso esecco:na rua larga
doltozario, n 30, venda da esquina,
Vendo-sc nina armasito de loja com parte envi-
dracada alguna objectos perlencenles ao officio
de selleiro ludo por preco muito commodo : na rua
do l'neiniiii, n. 21.
Vende-seurna preta de nag.lo, que lava.engom-
nia e cozinlia ; nfio tem vicios nem achaques : vende-
se por precisdo : na rua do l.ivramenlo loja n. 9.
Vendem-se duas ricas toalhas de lavarinto 2
lencos e 2 redes de varandas : na rua estreita do Ro-
zarlo, n. 13.
Vende-se superior farinha de S.-Catharina a
melhor quo ha no mercado : a bordo do patacho No-
va-Lut, fundoado no Forte-do-Mattos, dofronte do
trapiche do algodo, ou na -praqa do Comniercio,
n. 6, priinoiro andar.
Vondem-se as casas terreas ns. 25, 27,29 o 31 ,
sitas na rua Real, prxima ao Manguinho, as quaes
tecm bastantes c bons commodos, quintaer mura-
dos, cacimbas e terrenos fra dos quintaos, cujos
fundos chegam at a cambda por prego commodo :
tambemse vendem terrenos, ou chos proprios pa-
rase edificar os quaes leem bons fundos o largu-
ras e tambem v3o at a camba: a tratar na rua No-
va loja do ferragens, de Joaquim Antonio dos San-
tos Andrade.
Vende-se farinha de mandioca de
Santa-Catharina, por preco muito com-
modo, a bordo do patacho Nativitlade,
fundeado defronte do trapiche do algodao;
a tratar com o capitao a bordo, ou com
Novaes & Companhia, na rua do Trapi-
che, n. 34.
Vendom-sc loros de angico do superior qualidade,
do 12 a 20 palmos de comprido, assim como vinte
e oilo curvas de sicupira, proprias para canoas aber-
las, por preco commodo: na rua do Vigario, n. 5.
'Utencao.
i
Vende-se farinha de mandioca muito superior,
chegada ltimamente do Cear na sumaca Carlota,
por preco mais commodo do que em outro qualquer
armazem: na rua do Crespo, n II.
Farinha do mandioca do Rio-de-Jnnciro,
de superior qualidado: vende-so na rua Diroita,
n.17, em fronte da matriz da Boa-Vista venda
n. 88, o na rua do Pilar, n. 12 0.
Vendem-se barris com bren, no ar-
mazem n. 2o, defronte da guarda da al-
fandega, por preco muito commodo: no
mesmo armazem compra-se um pardinho
ou inou'i|iu: c u/.c a ucZstfis annos: a
tratar dea 9 al 4 horas da tarde.
Semen les de horlalice,
vindas de Lisboa muito novas e de todas as qus-
lidades; teijilo carrapato; hervilhas tortas; ditasge-
noveza ; ditas de Angola : na rua da Cruz no Re-
cite, n. 62.
Luvas de pellica-
Vendem-se luvas de pellica para senhora da me-
lhor qualidade possivel; oculos de dlfferontes graos e
vidros : na rua larga do Rozario, n. 24,
Chitas a 5,000 rs.
Na rua do l.ivramenlo, n. 14, vendem-so pecas do
chitas de quadrns a 5,600 rs. 6 em covados a 160
rs. lencos com bico as ponas muilo linos, a 481
rs.; meias pretas dealgodlo, muito finas, para
senhora ; chitas escuras, a 180 rs. o covado; ditas
escarate, a 7.600 rs. a peca o o covado a 220 rs.;
e outras muitas fazendas por barato prego.
Pcchincha, rapa/Jada!
Na rua do Queimado, vindo do lio/ario segunda
loja n. 18, vendem-se cortes de casimira, pelo di-
minuto prego do 5,000 rs. A elles que se estilo aca-
bando.
Vendem-se saceas com arroz do Maranlifo a
2,400 rs. a arroba ; ditas com arroz do casca com
alqueire a 4,480 rs.; ditas com milho, a 3,500 rs. :
no becco da Carioca armazem do alfaiato ou na
rua da l'raia, venda n. 27.
Vcndem-scosengenhos Tclha eTriumpho, lid
tos na freguezia deSerinhlem moenlcs e corren-
tes ambos d'agoa copeiros, bons de producgilua
com bstanles maltas e terrenos sufllcientcs par,
grandes safras ; seus embarques distam duas legoas:
a tralarcom o major Antonio di Silva Cusmilo na
roa Imperial junio ao vivoiro dolldoiz ou como
seu proprielario, Joilo Climaco Fernandos Cavalcan-
te, nos mesmosengciigos.
Farinha do mandioca,
de.superior qualidade o n>a:s nova quo ha na trra ,
a 3,200 rs. cada sacca : nos armazens da viuva
Ramos.
- Na rua do Queimado, vindo do Rozario, segun-
da loja n. 18, vendem-se lencos de seda preta a 500
rs. cada um ditos de lila floridos e com franjas, pa-
ra hombro a 500 rs.; luvas de pellica para senho-
ra a 400 rs. o par ; los prctos a 4,000 rs. ; e ou-
tras muilas fazendas por prego commodo.
rx jrJjj Ilom c proco commodo.
&j Vende-se um completo sortimento de los
01 pelos bordados du seda ; meias de seda yijjs
uji l'iela de peso; a verdadeira sarja de seda IjSS
. ,-.i hespanhola ; setim preto de Macao liso e egq
r ^j com llores; o oulras muitas fazendas de 11
jSI {>osto : na roa do Queimado, qualro-can- ^
j (j los ea.;a amarella, n. 29.
m
mos de largura 13o fino como lapim com- tistras
do'scda bordadas a ponto de agutha, fazend riquis-
siina para vestidos a palitos de meninos. T3o niesi-
ma merendona levava destino a outro porto ja n-
tuado a compra-la polo seu justo valor, mas havando
trenslorno na viagem foi vendida aqui por moUdu
de seu valor, incidente muilo favoravel para quem
quizer trajar rica fazeada por mdico prego.
Vende-se um muito bom alambique
de cobre com grande serpentina de esta-
nto, levando a caldeira f caadas de li-
quido : he d novo systema, o qual faz
tres dislilacoes no da c eleva o espirito a
4o graos : acha-se montado para o com-
prador ver, e he proprio para algtjtf Sr.
quequeira assenlar urna dislilacoem en-
genho, para dislilar garapa, por ser mui-
to simples e poder tirar espirito e agur-
dente de diversos graos c de melhor qua-
lidade, por ter tres edificadores : n fa-
brica de licores de Frederico Chaves, no
Aterro-da-Ba-Vista, n. 17.
-Vende-se urna padaria em Santo-Amaro, cotJr"'\
muilo bons commodos : quem a pretender, dirija-so
a mesma, que achara com quem tratar.
Ao boni rosto de Pars.
Vendem-se superiores chapeos de machina, cobcr-
tos de pelucia, muito proprios, pela commodidade
queofferocem pira os actos da semana-saOt; as-
sim como chapeos franeczes da ultima moda, che-
;ados ltimamente de Franga : na rua do Queimado,
oja de chapos, n. 38.
Em casa do Sr. Manoel Jos Son-
calvcs Braga, no arco de S.-Antonio, n.
2, ha para vender urna excedente escra-
va, a qual sabe cozinhar, cozer, lavar
perfeiaiiienie, e azer todo o mais arran-
jo de urna casa : uao tem vicios nem mo-
lestia alguma : a raso de se vender he
porque seu senlior, tendo ontros escra-
vos, nao precisa dos servicos desta. Aos
pretendentesse dir quem he o senhor se
o exigir.
waaJkafllrfSjMlittaMt#(iits^Mat4aM^^aaii^Aftf laitaaalataiaM ---
* Contlnuam-se a vendor corles de vestidos de
camhraia com lindas barras, brancas e de
cores, a 2,000 rs.; meias compridas azues ,
mescladas, rouxas, esverdeadas o pretas a
120,160 e 200 rs. o par; suspensorios linos
de meia, a 120 o par; botos doduraque pre-
to, a 40 rs. a duzia : no paleo do Carmo,
n. 18, segundo andar.
Castanbas verdes e piladas, de
bou qualidade, recentemente chegadas, e
por preco commodo : vende-se na rm do
Amorim, n. .36, casa de Antonio Joa-
quim Vidal & Companhia.
Vendem-se gigos com bal tas fran-
cezas, novas : na porta da Alfandega, no
armazem de Joaquim da Silva Lopes,
n. 20.
LegifcJuco brasieira.
Vende-so a collecgOo da l.egislagilo brasieira des-
do 1808 al 1845. edicgilo correcta, de uro-l'reto,
com os volumes posteriores do Rio, iinpressos no
mesmo formato. L>-se por cem mil ris, prego por-
que nlose obtm 110 Rio, ondo he rarlssima a edic-
gilo d-, Ouro-Preto : na lirraria da esquina do Col-
leglo.
Vende-se urna linda o muito bem feila com-
monda da ordem de Christo, chegada ha pouco do
Itio : na rua do Collogio, loja n. 6, de Jo3o da Cos-
ta Domado.
Na rua do Queimado, vindo do Rozario, segun-
da loja n. 18, vende-se merino preto, com sete pal-
-- Vendem-se diversos terrenos com alicerces no
lugar do Coelho com frente a rua do Jasinim e por-
to da mar lugar proprio para se eslabelecerem fa-
bricas ,j)adarias ou ferraras; a Tallar com Fran-
cisco Romiio de Souza no mesmo lugar rua do
Jasmim casa junto ao lampeilo.
Vendem-se luvas de seda prela para homem; o
muito novo cabio de tomates; na rua da Cadoi, 11.
15, loja do ourgard.
Vondem-se 12 lindos moleques do nagSo e
crioulos de 12 a 20 anuos sem vicios hem moles-
tias ; 6 pretos bons para lodo o servigo ; urna prcla
que engomma perleilamente cozinha e faz todo o
ana ojo de urna casa ; nina dita de nagfio boa qui-
tandeira ; orna cabra boa lavadeira ; c outros mui-
tos escravos : na rua do Vigario, n. 24.
--Vende-se urna prela com muito bom leite, o
sem cria ou troca-so por outra : o motivo por que
so vende so dir ao comprador : na rua do Eiicanla-
menlo, 11.11.
Vendem-se lonas americanas daWodos os n-
meros e a prego muito commodo ; potassa nova-su-
perior ; ral virgem de Lisboa ; fechos do pinho aba-
tidos proprios para se enchercm de assucar: na
praga do Commercio, n. 6, primeiro andar.
Vendem-se pegas de madapolilo largo, com 20
varas proprio para forro o para roupa de escravos,
a 3,000 is.; longos linos de cambraia o com palmas ,
proprios para as senhoras devolas da l'cnha, traze-
rem a cabega a 500 rs. jlinhas grossas muito for-
tes a 200 rs. urna quarta ; chitas de coros lisas, a
160 rs. ; selincta a nove vinlens o covado : na rua
do Passeio, toja n. 17.
Vcnde-se algodSo da^terra, muito superior: na
rua do Crespo, 11. 23.
Escravos Fgidos
Fugio, no dia 10 do passads, urna prela de no-
mo Mara, de naglo Congo do 30 annos ; levou saia
de ganga azul j vellia mas com a barra mais viva
por se lar desmanchado urna prega. F.sl preta foi
comprada ao Sr. Antonio Jos Vieira de Souza, no
dia primeiro de margo, o bem salisfeila se mostra-
va a mesma preta rom o novo senborio e como nilo
livesso dado motivos para a fufa suppOe-sn estar
foliada: por is.so se protesta com todo o rigor da
lei contra quem a liver occulla. Ruga-sn a ludas as
anloiida les policiaes, uo s desla cidade como de
toda a provincia bom como aos capilaes de campo,
que a appii'liL-udaiii e levem a ruado Rangel, n. 75,
defronlo da botica.
Contina a estar fgida a prela Auna, crioula, de
25 annos altura regular secca do corpo ; tem em
urna das orelhas um buraco o em urna pama sigua I de
ter iiilu una fe i Ja ; quando falla ajuuta saliva nos
cautos da hoce o sempro baixo ; nilo parece criou-
la no fallar; lov ou vestido de chita ja voltio, ca-
misa de algodaoznho o panno da Costa ; consta ter
andado lavando roupa para as partes de Reberibc :
quem a pegar leve-a a rua .Nova, u. 33, que sera
bem recompensado.
Fugio, na uiaiihfia do dia 3 do crrente vindo
comprar ragflo para bordo| do patacho )ous-lr-
mot, o pardo Deciderio, de 24 aunos pouco mus
ou menos ; he baixo ; tem os denles da frente qua-
si lodos podros; ho baetaule espurio ; toni oiiicio de
alfaiate : quom o pegar leve-o rua do Trapiche,
n. 6, que aera gratificado.
........ ^ww^
PEIlN/: NA TYP. D M. F*
ut fSu1J49


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EE382RUH8_H9W6CG INGEST_TIME 2013-04-12T23:56:52Z PACKAGE AA00011611_06455
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES