Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06449


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Anuo XXV.
Sabbado 24
O D/,4 T fO|niblca-*e todos ni dinque nao
fnrrm d guarda. O prefo da asignatura he
de. 41000 rs. porquarlrl, pagtuninnlaioti 0
iiu.oclos dos asignantes sao inslidos
rasao de 20 ra.prtr linha, 40 rs.' eii lypo dlf-
lerente, cas repel (des pelaueude. Osuno
tassignarlleapagarao 80 rs. por linha e 160 rs.
iu ivpo diUereiiic, por cada publicado.
1'IIASES DA IA7A NO MEfc DF. FEVfcREIllO.
La chela,o7. s 8 horare 56min. da man..
Miugoaute, a 1 a .1 l.ora e 431 uno. da mauh.
La novaba, s 11 hora* ifOmln. d ia>de.
PARTIDA DOS CORREIOS.
Ooianua eParahiba, s sega, e sextas-feiras.
Itio-G.-do-Norle, quinlas-feirai aomeio-dia.
Cabo, Sierlnhem, Rio-Korinoso, Purlo-Calvo
Macelo, no 1 a 11 e 21 de cada niez.
Garanliiiui'r Bonito, a 8 e 23.
Iloa-Vista e Flore, a 13 e 28.
Victoria, s quinlai-feiraj.
Ohnda, todos os dias.
PREAMAR DE HOJ.E.
Primelra, s 6 horas e (i minutos da manti.
Segunda, s 6 horas 30 miuutos da Urda,
de Fevereiro de 8).
N. /.*
das da semana.
19 Segunda. S. Conrado. Aud. doJ. dos orph.
do.l.dociv edn .1. M. da2. v.
urjty "20 Terca. S. Kleutenu. And. doJ.doc.dal.
, \Jff v. r do i. de. pai do >. dist. di t.
' 21 iiiin i i. S. Maximino). Aud. do J. do c.
la i. v.e do I. de paz. d'2. dist.de t.
22 (Hiinta.S. Margarlda de Cortea. Aud. du
I. dos orph. e do l M. da I. v.
-! 1 Sexta. laara. Aud. do J. do civ. c do
J. de patdo I. dist. de t.
24 Sabbado. ^S. Malillas.
25 Ddiiilngo. S. Cciarlj.
CAMlOS NO DA :i DE 1 lAEltEIHO.
Sobre Londres a 20d. por 1/C00 rs. a() din.
Paris
T.lsboi ICS por cenlo de premio.
Hio-de-Ianeiro ao par.
Dse, delett.de boa* Urinas a l'/i '.Van me*.
Aufdei di couip. de Bftbertbe, a .">"> rs. ao p.
furo.Ouc-as despalilllas, WIM. a Sl/OOO
Mocdas de(i#4(Mlv. 17 MM) a Iz^OC
> de (i/400 ii. 10/100 a I010"
de4000.... 9/OO a 9/40
Pralo-Patacoe brasileiros 1/900 a 1/W0
Pesos coliiiiinarios. 1/900 a 1/9SH
Ditos mexicanos..... )/80 a 1/JOO
PARTE 0FFICIAI.
\ | | i -
MlWtSTEllO DA MAMAMA.
Aviso de 25 de Janeiro de 4*48.Modifica o art. 74 do
regulamenlo de 5 de junho dt*faraocorpo do
mperiaefrmaTrrttieifos.
lllm.oBim. Sr.-3; M. o Imijerador. conformndo-
se rom o flue V. Kt. prbpozerarm oWcio n. 13de5d
frrenle, ha por be ro, modificando o art. 47 do regu-
lamento de 5 de junho de 1845 para o corpo de impe-
riae marinheiro determinar que sos desertores do
dito corpo que tiverem nova pracase alionem as pe-
cando fardameflto da tabella n. 2 a vencer, descon-
lando-se a sua imoortancia pera melado do sold
vencido: oque communicoa V. Esc.para sua intol-
ligencia e exacuefo. .
OeosguaTde a V. Fxc. Paco, em 25 do jane.rode
WWlUonotl Misario Sonsa e lUello.-Sr. Miguel
de Souza Mello e Alviro.
I
maceutico l.uiz Pedro du Neves a quanlia de 560.280. no posto que este ministro acabava de resignar. O pajam .. ostavam no poder. o eram.. iaoba-
rcis. importancia dos medicamentos que vendeu mundo ainda nllo esqueceu que 0 re da PrusMa 86
para a botica do presidio da ilha de Fernando.lu- apoasou do poder soberano da Allemanha no mesmo
leirou-se o inspector do arsenal de msrinha. I momento em que sua autoridad?, na propna capital
Ibto.Ao vigario de Serinhilnm, agradecendo os de seus estado, ca pisada por urna canaula feroz,
termos obsequiosos em que se aeh concebido o uf-jeem quo elle tinlia suhjellado sua dignidade real e
ficio em que sua inerre felicita a*. Ese. por llteha- seus devore* do horneo) aoi grlt4 da populaca.
ver M. u ftiiiinlUliii fiiiilii' i n n 'niiri 1" r" 'n Ao desgosto causado por estes deploraveit acon-
ta provincia, e petoreliz resultado que obliveram as tecimenlos foi devida a esculla do um archiduque
forjas da legalidade no combate do dia 2, cm que os austraco para vigario do imperio, ca nomeacmi db
rebeldes ousarum atacar esta capital. um ministerio em grande parle ostriaro. Poretn,
depuis (|tie a corle prussiana foi enllocada em limos
imns habis, e recobrou alguma cousa que parece
auluridade, os designios que ella tein coni lana IIr-
meza seguido na Alleinacilia loriiam-S* do novu niais
pcrcopliveis.
A direccSo da Allcmanlia, posta as mos do re
da l'russia, suslenlado por um exercitu poderoso, e
Londru, 20 de deiembro. po|0 orgulho de seus proprios vassallos, seria urna
Enlretanto que as grandes potencias do continen- 0UB. u.ui dilTetenlo da mera .bstr.CcSo que agora
EXTERIOR.
a reinar cm Frankforl : seria a ascendencia,
te teem grada ment recobrado os sentidos edesen-, "*''"" a .'" tl" r"" .. ,..,....,.
cerUi medidas i *> < unidade germnica, mas do poder pruBStano,
e as ramosas palavras que a l'russia linha-so eva-
porado na Allenianhi virium a significar que* Al-
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTA DO DA 22 DE FEVEP.EIRO.
(ifilcio.Ao chefe de policia, autorisando-o a Inu-
varemnomeda presidencia ao negociante. Manocl An-
tonio do Jess os sentimentos de liberalidade e phi-
1H i,i ropia que o levaram a ceder em beneficio das fa-
milias dos que pereceram no tlia 2 pelojamlo pela
causa da ordem a importancia do pilo o bolacha que
po referido dia e no immodiato forneceu as tropas
legalistas.
Dito.Ao mesmo, recommendando a cxpediqao
de suas ordens para que d'ora cm liante nilo so os
delegados e subdelegados da cidade, mas tanthem
as rondas de policia inspeccionem a illuminaQo
puldica, devendo as rondas as partes diarias espe-
cificar quanlos lampen; acharam apagados; eexi-
gimloque nom de cada iner. faca S. S. extractar
esas partes e communique oOlcialmente a thosoura-
ria provincial esse extracto, afim deque o arremalan-
I- da illuminacflo possa receber a proslacfio mcnsal,
deseonlandn-s^aa multas pelas falla que se verifi-
iT.rcmi'arlirip ju-so ao inspector da referida the-
sb tirara.
Hito.ao cbanceller do consulado de S. M Fide-
lissima nesla cidade, declarando que muito o sensi-
hili^r.u noticia do fallrcimento do digno cnsul de
S. V -.. joaqtiiin llaptista Moreira, Uazi.la porS. S.
ao conbecimciito da presidencia; o signilicando-lhe
que reconhece a S, S. como encarregmla daquelle
consulado, o que neste sentido vai expeJir as con-
veniente orden s repartieres compeientes.Sci-
enlilicou-so o inspector da llicsotiraria de fazeiida,
o chefe de policia, o inspector da alfamlega, e o ca-
pitao do porto.
Dito.-A' Antonio Joaquim do Figueiredo Seabr
Foi-uie presente n representarlo que em dala de
18 do crrente mo dirigirnm qualro ci ladSos da vil-
la do Pao-d'Allio, ollerecondo-se por si e e'rit nome
de o litros a organizar urna compuliia de voluntarios
para cnadjuvar a fdrga de linlia ou qualquor otitra
que'alli se mande destacar, o fazer o servico de poli-
cia da mesilla villa ; e eni resposla lenho a decla-
rar a Vmo., como primeiro signatario da mesina rc-
presenlaoAo, que aceito este ulTurecimetilo e louvo
os Mitlimenlos patriticos de quo se acham po*sui-
dos oa habitamos dessa villa. Nesta data oltlco ao
chefe de legiOo para que mande dispensar proviso-
riamente do servico os guardas nacionaes que se
alistaram na companhia de voluntarios, o ao coin-
mandanlo militar para que orgatuso a companhia,
fazndo-a logo entrar em servico, o uoincando os
ofilciaes Correspondentes ao numoro dos que se alis-
tatem, dando-mu parle de ludo para serum appro
vados. O que rommunico a Vine, paraseu conhe-
cimenlo, e a.fim de que o faQa constar aos oulros as-
signalanus da dita represenlasao. -Commpuicou-so
aus cima mencionado.
Dito,Ao inspector do arsenal de marinha, coni-
muuicando haver arbitrado ao Dr. JosMamede Al-
ves Eerreira a gralilicaclo do elecentos mil rs. pelo
li'ibalho que tuve como membruda cominissao en-
cii regada do melhuramenlo do porto.
Dito.Ao director do arenal de guerra, man-
dido entregar s pessoa que se Ihe apresenlar de or-
dem do rofflmandante das armas a purcSo do lio pro-
pno para consumo dos hospitae, que sua tuerce diz
achar-ae em os armazens daquello arsenal. Parlici-
pou-se ao cominaiidaiite das armas.
Diio.-Ao inspector da pagadona mililar,approvan-
do a proposle que Sute, fez do capilo da lorceira
clisedoencito,Joquiin Jos de FariasNeves, para
exercer pruvisoriaiiienle as fuuct;4ea de pagador
duqualla pagadura, sOb fiantja do brigadeiro e pro-
priutariu Antonio Itodrigues de Almeida, e com a
gralificacilo que a le do orcamento vigente arbi-
truu ao Ihesureiro da thcsuuraria do fazenda pela
ccuniulacilo das atlribuice que deviam pertencer-
ilie em virtude do decreto u. 568 de 24 de dezeni-
bio ato anuo passado.
Dito.Ao mesmo, ordenando pague a Joilo Jos
l'erreira de Mello, procurador do delegado du termo
do Lmooiro, a quantiad 1:014,190 res, importan-
cia dss racOes de carne vorde o farinli quu (ram
destribuidas a forga de paizanoaeui servico no refe-
rido termo, de 13 de Janeiro ultimo a 19 du corre-
le. Scioutificou-se o delegado du mencionado
termo. I
Dilo.Ao mesmo, determinando- que, a vista da
conta que remelle em duplcala, pague ao puar-
volvidosufficienle fortja para apoiar
definitivas do governo, essenciaes a restauraco da
emlem o mesmo I defensa da libertado, oulros pai-
zesem que a frtj actual du eslado he menos capaz
de lutar com as difilculdades dos lempos, ainda se
debatem no redemoinlio da revotu^fio. a Austria
e na l'russia urna frca real e uina aoloridsde posili-
ja teem felizmente succedido aos gritos da canallia e !
lemanita eslava condensada debalso da direcefio
prussiana. nanlo mais real e ell'ectiva se lornas-e
una tal ascendencia, mais ella excitara o ciomo da
Austria, posto que esta Ihe uo fsse subjeila, a.vsim
como a tcsistencia das potencias menores, as quacs
ella suli'Uitadas. A Itaviera especalo]
aos decretos das convencoos, e aquelles estados ain- V*
daacharam na disciplina militar tradiccional, qu
nem mesmu a crise presento pode arruinar, os tneios
de reassumir a posico que oceupavam na Europa.
Porm, se atlendeinios para Franckforl, e para o po-
der central da Allemanha, o qual desde o sen uasci-
mento nunca leve urna base solida, nomdispozde
recursos palpaveis, acharemos quo a revolucOO da
confedoratjilo germnica permanece Iflo estril, con-
fusa o impratioavel.como o fura no prneipio; e que,
qoanlo mais as diversas potencias se levanlaiem a-
cima das difilculdades que parecam opprimi-las,
menos disposlas eslarilo a ceder sua independencia
aos maiidadusdo um pliantasnia imperial.
Esle estado de cousas tein agora chegado a um
grao de discordia Ul, que receia-so que a Austria,
com ludes os seus depulados e ministros, se retire
da confederacOo, acto que ser seguido da resigna-
(lo do archiduque, e da suslentaco patente das pre-
tencOcs do roi da Prussia A dirccgiVido imperio.
bchmeiling e Yon Wierlli, ambo.s tnemtiros atis-
ti ..eos do gabinete fideml, ja se ret raram, e a loia-
lidado dos depulados austracos, os i|uaes iiionlain a
nilo menosde 121, volaran ulliinamenle debaixo da
influencia deobjeclos nacionaes em oppos'njBo ma-
nilesla com oseu primeiro partido na poltica ger-
mnica. Os successos dos ltimos dous mozes teem
complelamcule alterado as ielac.uos da Austria com
o poder central. Os demcratas allemues tiuham
con
rem
P
da
. t, estado catl.olico, na posso de urna casa soberana,
i'ieii.s HBO inewor a neuliunia OUlra na Allemanha, e leu-
do um carador nacional forleniente marcado, adia-
ra iiiteirameule intoletavel a supremaca de una
potencia seplcmlriunal o protestante, principalmen-
te sendo esta potencia representada por Krodcrico
Guilhermo IV. O poder central germnico aelu-se,
poitanto, nesip dileiniiia:-clle devo ou ser deposi-
tado as mnosiuslgiim soberano allemao, poderoso
iden-
ional-
aclia-se,
1
K
por seus proprios recursos, 0 ueste caso sera iden-
tificado com estes recursos, e servir pecas
mente para o engrandecmenlO leste soberano ; ou
leve ser delegado a algum principe, ou a alguma
peisonagem que niio tenba nenliuma lorca par., sus-
tentar sua dignidade. e nesle caso a atiloildado li-
deral lorna-se urna mera alistiaccao.
Para a Austria a iclirada parcial dos oulros esta-
dos alleinfies nao he urna materia de cooaequencia
vital ou de imporlanca priniaua. Em um punto de
nMilar ella iiao nodo fcilmente ser atacada
.a-cueaiAiwioeniiBi* aeelaro poi
1 "pe iirflisl.i, "seiii que o territorio germa-
""ivl'juenle invadido; em uiu poni de
..al seus luteresses seriam maaelll-
.movidos por una revisogeial de suas
5 pela adupciio do una tarifa COlUlUUin
.euianlia. Puim para a Allemauha a re-
lie um toli.e l'alal"ein seus vasloi
vista
M
p.i
UK'i
visi
ca/.
tan
a ti.
tii a
-;i,r
AUSliia
gol i
deunidade polilica.-efouiinercial. Suas
na de hoie reqoerom sombra protectora
uiispiradocom os insurgentes hngaros para leva- I ^ au:rJi.s j0 hoie reqoerom a sombra protectora
em a guerra capital do imperio, e darem un gol- iluarcnia o de um imperio, coevos com a
ecmVienna, o qual deveria produzr o Inumplio i Ja Luloua moderna. Este -mesmo grito
arevolucAo na Europa central o meridional. tsle| ;, ,Uil,le ,,,,,,,1, o lie em suostancia senuo
projecto fui nullilca.o polu bom seoso c lirmezaij' paaao jaquelle poder esuvol quo aAus-
dogovorno, assm como pelo Valor edisciplina do ; ..0Ser>uu ale que se despcdac,uu por exceso
exercito. As torcas iinpenaes lornaram a entrar j.',Je} e, se fdsao pussivel fazer lOViyor alguma
em Vienna, e em justo cumptnnenlu de um dever ri-. j ^ da aulorl,laJo suprema que a dieta de itatia-
goroso, porm imperioso, o piucipe VVindiscligralz vrm as|liruU a exercer ate o principio do presente
larris...
litbala veis:'!... Sim, nos sentimentos de odioe
do vingaiiQa contra os seus adversarios : inah ilaveis
nos desletaveis principios dcaiierra e de exterminio;
mas nio mis posiciV'S que iufe/.munle oceupavam.
Nessas nilo; apenas u*ma levo toa osstratlnha: que-
brada olla, seriam rorcadamente arrojados por ierra.
pola que em nada s suslentavnm. Eram hmnens
sem r.ierilo, sem si'ivieos e sem prestigio; tiolinn
posto o paiz nm conflagrat;3o, havism ja promovido
a revolla em duas provincias, o liaviam cliegido ao
podOr qiiando menos o nierecinni : nao era posSVCl
eonservar-se nello longo lempo, o homens sensa-
tos os lemiam, o paiz conscivava-se em coiilinoo
rereio, e a parte mais importanted nac&o viva in-
quieta e sobresaltada ; em nada so lnnavam : e
piles ? se diziam seguros c inalialaveis... orgulho
preso mpoffo.'...
Acreditavam-se firmese cabiram'.cihiramquanli
mais segurosse suppunham! Aturdios com o tom-
bo, espantados, aluda prurtiiarauiagarrar-so h proa,
mas ella I lies havia escapado das lilaos ; e ellos, lora
do poder, ainda nilo podiam erar quo lal tivessea-
coutecidu... Oh eram inabsIavAis !...
Cinco anuos de dominio deram-lhes um'direitu
imprescriplivcl e inquostionavel, cinco muios de
manilo e de alta posicQu os linham aCOStumado
ao poder, a mandar c nSu obedecer: nilo podiam
ca h ir.
Ksquecoram-se de que lieos vela pelos homens;
que elle promelleu ahater os soberbos e elevar os
humildes, e que a vonlade do Altissiino lem qnem a
exerute lia Ierra. Julgavam-se Id vez mu'<0 cima
enllocados suppunham, quem sabe, quo a uslitja
liviua os nao poderla alcanzar na Ierra : oiigaiiarain-
se '.... a hora sooo, o 0 golpe ful dado ; o os sobar-
bos foi'din desthronadose os humildes engrandeci-
dos c elevados...tal fui a vonlado do Senbor: c a von-
lade de Dos lem quotll a cunipra na trra... eos
presuinpcos cabiram... o os tramas de Sntanaz R*i-
lam desfeilos...
I.oucos que eram .' Mingumlos Titsns finam fulmi-
nados; iniserabilissimos phaotontes perdern) redeas
vieram de roldioa lena ; iinprudenlissiinos leiros
fiesram sem as gradadas azas, e do alio se precipi-
ta rain.
Miseria '.
Perdoramo mandoe ei-los anda ufanos e orgu-
iicuaa, Lados presumpcfio, sem quarof-8" envergo-
nliarlesi, sem tinoc sem rtlizo Mn.n- i ..-._
,., ,., H ..." wWd,e lungo de paoillcaii.......
com calma merecreem legalmentevollaraupoUr,
alies desesperara, aiiram-se a ello sem esperar due
chegoe. querem consquista-lo, querem-o c nof- i
pbt.u di victoria. Nilo oclas y.as legaes, com ...
meios que a consliluiroo permute, n.....SOm a de-
,.....cia da minina, o cmbala da imprensa, o
dignidade dos bous servico
resistencia, applaudindo a rain
bens a revolla !... ,
(.lueienio poder a torca de armas. .
tomo boa pieza', vilopoi cito
i pura locuplelar-se: fa-
inuslruu pela execuco de ItoberlO lilum, quo u
Austria be deopini.lo que aquelles que aggredem a
suu paz, licam subjeilosas suas leis, o que ella nao
pode recouliecer o carcter sagrado do um legislador
imperial nosemissatios esliangeiros que excitaran!
a genlalha de Vjenna aus uliunos aelos do iraico.
Os commssarius enviados de Frankforl nesla oc-
casifio nada alcaucarain ; una repulsa civil loi ludo
quauluencuiiirarain, o o gabinete austraco nolein
muslradu a mais ligeira disuusicoo de subinoller a
sua publica ItiapeccSO dos dilelianli de Kraukfurl.
Fra-lbes, pelo contrario, intimado que a nica con-
nexSo que podera subsistir entro a Austria e o reslo
da Allematilia, bu a que se basear em um tratado de
iiuiu federal, nilo mu dissemelhaute du acto do
1815. Esta lie provavelmoulo a sulueu mais rasoa-
vel da dilliculdade, e a nica que o principe Leinin-
gen, Von Gageru eos mais eminentes estadistas al-
lemaes teem pela maior parle adupladu. Ao mesuro
lempo a abdidacu e Fernando, o a clevacau do jo-
ven imperador lum mudado um elemento impor-
tante na quuslo.
Ateo preseiileaincapacidado pessoai do sobora-
no reinante da Austria luruava iiupossivcl quo a dig-
nidado de um imperador da Aetwanha Ihe fsse principios
conferida, por isso que no podenaobrar da mauei- mortj.
ra precisa para renovar os louro* iniircbosdo iiupe-1 Homens
i, ella au seria segua ne.m duradoura
mellior conseivadu
se
ela\ii'le da Allemauha quo teui
sua luouarcliia, sua aristocracia e sea lo.
( The Times.
YAUItlADIiS.
A MORAL DA 01'1'OSir.O.
Cinco snnus oceuparam todas as posic/icssocices,
,nos se faltaran, do autondade, e-tolloeado,
orgulhoso
cinco all
uo poder os praeiro-luzias, cheios de si,
e nresumiJos, diziam-so u.alialaveis...
morle
menos
osde exterminio : lal era e sera sempre sua
do governo, jamis se lombrmm que a
iio grandes desastres, dando lugar a que
,na ierra os Urasileiros em guerra conl.i.u..
grande objecto de sua ambicao, o como .entro,, >^^s ^T^M ^2*
prev.ram que seria nnpoasivel a oasa de raiidebur- ciicariiic '" '",u !0.?;":"
gu lomaradiauloira casa de Uirruine-IIspaburgo, tendeiu a exle
ouiquanlo todas a potencias germnicas formaren! I
fui Jas as de Francisco Juseph da Austria
O part Jo prussiatio, todava, ainJa nio pcrJcu 'sa pro
de vista o grande objecto uo sua ambicao, o como entro i
da
mas proclamando a
ia, e dando para-
conquista m-o
em campo do hatalha co
como em busca de um me. -
uerra como osaveutureiros rara adquir r mr-
luna, ou como os conquistadores para estender >cu
dominio eauloridade I! ,
Insensatos'... inleresse. ea paixao OS cega a tal
ponto, que franquearan, lodosos limites dejuatositto
Boneslo, eque, rralricid.s, csquccidos dos idereres
,! Uomm ,.' de oidadao, voltaram-secoi^^Ira s*upro-
nlo se importan, con, o bem publiLo,i mi
osmo. Furiosos, teem
pilo paiz:
procuran, o
triumphodqseu
grado entre a naQo e o soberano I quo
aidlqiieMJs'loeousadossealrevereina 1 r- bes
s,ci liegamente asninos impuras: esse, sero VICll
mas de Uto granja profauatao ..
Sim une o povo lodo, que a nacflo mleira se
,eva i'aVa'coinu'un, so I.Omein pa;a sustentar sa-
radu carcter do contrato. A palavra o, da i... o
p So" fui iransciptu. );*^
Luellequese Iheauteporhe reo peranlo Dmm
homens, bo rimensamente criminoso, he sacrilego
e perjuro. [Braril.)
AMOR FILIAL.
Enviuvou coila mullier, licando com tres filhos,
sem algo ni oolro me,o de subsislenca mais do qi
ue com sen trali.il
pouco
'est?do7csYum-dosao^
Kanhavam ; sOigia-os sof.reinaneira o nao^oducui
a sua mili urna vida mais c
de iniruct;o,
"jornalistas, sacerdotes e
Os rapazas,
la
m
''.'."ooe'iiiva
Tillha-so ltimamente estatuido nina el que diva
grande recompensa :, que,,, quor que ****" "
fadrao as nins d.. iutia. Os tres irm.i. a quem
a^-irtff^
Combinaran! que un. do t,u P"^1^
pelo interrogatorio.o u.ais tramites,
ciiuie A' vista do que inand..ram-uo para a ca.lna,
- o os limaos reccbcraiti a somma estipulada. Miles
I MUTILADO


:"' v .'
'
-a
^
da voltarem ras, consegu.ram v-lo na prisflo,
e d-zerem o ultimo adcos ao infeliz rmflo; e, nflo jul-
gando que alguem os observussc, lancaram-se nos
braQos do preso, esuas lagrimas e temos abraeos
testemunharam o excesso de sua dT e de seu deses-
pero- ,
Aeontccendo estar o magistrado em um lugar ua
prisflo de onde poda fcilmente observados, ficou
altonito coin a scena quo presenciou, e ordenou a
um de seus criados que acompanhasse aos delatores,
e os iifin perdesse de vista
O criado obcdt-ceu, e qunndo voltou relatou ose-
guinle : que tinlia seguido isdns irm.og, sem que
dessem por elle, e entrado desapercibido at porla
do quarlo, onde parou e podo muilo a seu goslo ou-
vir i u.id que disseram.
Seu primeiro cuidado, disseo criado, foi darom
n sua Diili o dinheiro que liiiham recebido, feudo da
tlenuncia : a nuillier pnntentcnii mais inquietar,;?!)
do que alegra avista de urna tflo.consideravel nom-
ina, e pcrgunton-llies com instancia a cans da u-
sencia de seu rmflo, ao que os de$gracailos mance-
bos nflo poderam ao principio responder sen i o com
lagrimas porm anual, sendo an.cacados com
ilial.liQflo de sua querida uifli, dcseiibriran.-lhe a
lerrivel vordade. A mili, penetrada ao mesmo lemp
de gratidflo, terror o admraeflo, abandonou-sc aos
transporte ile un justo desespero, e precplou-se
fra do quarto, na intcneflo de r linio revelar ao
juiz ; porm os dous cmes o ao mesmo lempo ge-
nerosos filhos esloivaram-na, |ancndo-se-lhos aos
pos : pobre mulher, combatida pelas mais violentas
emocoea que a combinadlo da raiva, d dr e da
lernura podem produzir, cabio sem sentidos nos
I reos de um delles.
O magistrado, assin que acabou de ouvir esta
narracOo, encaminhou-se sem puna de lempo para
a prisflo, inlerrngoii de novoo preso, de quem com -
ludo nflo pode conseguir quo se relractasse da pri-
meira ronfissflo.
A' vista disto, o juiz asseverou-lbe que ja eslava
inrormado de todas as circunstancias da suu histo-
ra, accrescentando que, se linba ungido ignra-
los, tinba sido para ver ale que punto ominava em
sen peitooamor lili;.I.
Dahi fo imniedialameiite ao Cubo Sama ( sobera-
no ) ronlar-llie esla aventuia ; o c.-te principe, sor-
prendido c cntliusiasmailo com tflo heroica accXi
mandou vir a sua presenca os tres irmflos o a Jitosa i pigu vuiw <- m" X1"""'.""" a"n
le tflo virtuosos filhos. a quem eobrio de elogios} Ha; *ff **'!* Uo ffif ouvido fal-
aceitado as fazendas quo Ihe dei em pagamento, o
que ludo mostrava evidentemente que, em vez de
sereu seu devedor, era ello quem me devia a quan-
tia do 108/ ris, a qual, ou fqsse por erro, ou de bu-
tro qualquer modo, elle me lnha feilo dar de mais,
o quefoi por todos reconhecdo, eoSr, cnsul teve
mesmo a generosa bondade de represenlar-Ibe mul-
tas vezes que sua negativa era sem fundamento a
vista das provas aprosontadas ; pois dolas conslava
comefTeiloqueeu nflo era seu dovedor, que pelo
contrario era elle quo me dovi 108/ res por saldo.
Pssou-se dopos ao ombargo feilo em casa de mi-
nha mnlber. e elle disso que cria l-lo Jeito antes
do ter aceitado as fazendas. mas oi faed provar o
contrario, porquanto a aceiKSo levo lagar pelos
fins de agosto e o embargo pelos fins de seteii.bro.
Ello foi, portanto, obrigadoa confessar linal.nenieter
feito o embargo, ter ..brigado mniha mulher a cora-
municar-lbe o segredo que eu tuina comprado,
t-la constrangidoa passar nina obrigacflo do inul-
tos enntos de ris, e ter exigido as duas lellras des-
criptas na queixa, assm como a codula de 20/res,
edeclarouqu-tu.lo entregar.a quando qu.zessem
Rsti eoi.hssflo, elle a fez d.anlo do .Sr. cnsul e das
le.stemunbas, todava segundo o desojo de Mr. (.lla-
ves, o negocio foi ad.ado pelo Sr. cnsul para d all
a nito das, lato he, para o dia". Nesle dai eu me
aprsenle! mesma hora na chancellara, e nao en-
contr! la s-nflo o oserivflo, o qual me disse que mo
tinba olvido fallar dest" negocio ; especei ale meio
di intilmente; e, rctirando-me, volle. a tarde
as nflo obtive mclhor roaulla, o. No o. tro_d a,e I.
e'r'a'co.n effeil verde le que o di- 17 devia ser o da
daaXncia, mas que Mr. Lctcllor n o...ha co,,-
parecido, o ..aquella mesma fardo pe ra aeu pa -
sanurte para a B.hia eso retirara no lia 18. .lo da
^d WKi-mo'o Sf. cnsul a quem ade, em casa,
ecl mcondrmou ludo quaulo seu esemao me
tinba dito ; cn..o pedi-lhe qu.zesse ter a bondade
de me dar urna dedaraeflodo queWA'",."?????
diantodelle na audienciencia conc Ha MMi ii
cmodo nflo compereclment **VJ^St5J?
,r- da 17. e tambe ni de sua partid, porem Wg*
o,. deverrecus.ir.se a islo, dizendo-n.equo A Leu le
Lo voltaria, c que entflo eslo negoc o COIlu.
e de signaos de distinccflo, mandando dar ao mais
ii el,-.i urna pensflo de mil e quinhenlas cotas por
auno, e aos outros dops de quiuhenlas a cada um.
( Exlrahidu da //lu- ia do JapSo.)
( Crrele Mercantil.)
USO DO GUANO NO PEM}'.
O I)r. Tschudi, as SUSS inleressanles riagent pelo
l'er, diz: muito se Icm ultinirmenle escnplo sobre
o nsii e ulilidade do guano, porm a maueira por
que dcllo se servem no l'er. como asieren, parece
anda pOUCO conhecida. Os l'(-ruanos servem-se dal-
le com espccialidadc as plaales de millio e ha-
tatas : poucassemanas depoisque a sement prin-
cipia a brotar abrem um buraco a roda da miz, que
i ncliein de guano, e depnis Inrnam a tapar com
uma carnada do trra. Aps um inlervallo de doze
oti quinze horas regam todo o campo com bastante,
agqa, desorle que lique ensopado por alpumas ho-
ras. Do guano brinco basta menor quanlidule e o
campo deve ser agoado com mais presteza e abun-
dancia, doconliaiio as ruizcs licariam rroln..
*'; "' ------...../m ncrn!mmn '' "1
f ,!.. a if. IOII..I-SU a ijH.
ni nuj q iSMlidade be infallivel una bou l .Hiena;'
ii ii .mi s, pindiieco ser o triplo do que leria
s -. re .. ii?. f,-,.-.- reda.
As fazendas ihacii n isa; do va!1-* 'o < llanca y teem
consumido uestes ltimos cinroenia onusvie 03,000
36,000 buihl (medida que regula quasi com o nosso
Iqueire) de guano transportado das Ibas de Cham-
rhacpa c Pirco
O proco do bathel do gnaiiir de cor be um dollar e
um qu.to. eo do braiiru do dous a Ires. Tem com-
tudo iiiimamciite variado muito, em cdftwquencia
da expoita^-flo para a Europa,
O USO deala especio de eslruti.e lie.niiito antgo no
l'er ; e leu.os provea aull>.ilc..s de queja era em-
pregado no lempo dos Incas. O principal deposito
do guano branco era oiitflo as Ibas fronteiras a
Chincha, de onde se leu. progressivnmente tirado,
ha COu annos esta parte, sem visivel dfl'eiein;a
A uniforniidudo de clima em urna Costa em quo a
chuva he pouca, deve coulribuir para que o guano
peruano seja um eslrumq muito mais retaceado do
que o da costa d'Africa, porque l.in menos part-
culas salinas em dissolUOVo, o he conseguiiteuienln
menos suhjcilo a evapuraflo.
dem )
lar oque me faz cerque elle nflo esta disposlo a
terminar este negocio migavelmente.
Com effeilo, se tal fOsse a sua 'nteneflo nada o
impeda de comparecer na audiencia do da 17, pois
que sua Partida nao se vffeiluara *^;
guintc : se seus negocios o chamara... a Dabisno dta
mmedi.to aquello em que dev.a comparecer, po-
derOo cbama-locom igual promplidfloao Itio-de-Ja-
nelro e mesmo a Frsnee. ResU incerteza creio do
nieu dever levar este negocio ao conbecinienlo do
publico, afim de que elle julguado que pane m. a
rasflo, e eu possa lomar a entrar em Ra eal.na,
a qual nunca teria perdido se nflo fsse este I.Oini.ui.
Convido, portanto, a quem quer que acredite ler que
fazer aUuma observagao sobre a verdado, assi.u da
niieixa como do resumo da sessflo conciliatoria, a
fa/-'lo'sem icceio, pois eslou promplo a responde.
Siinpre io.ll a v.rdade. Se sou culpado, accuse.ii-ine
se... iveeio. mas pelo menos cesse este astado de
cousas, pois nflo volUi aqui senflo para ou sollrer
l pena que me.cco.ou fazer triumpliar u verdaJe.
Peco tamben as pessoas honestas que qu.zereii. 0OU-
veocer-se da verdade de quaulo bea dilo con. a vista
das ritas respeiiiu.i. l..'j- de coillinUVVai'-iiie o
II .H;i qil ..^.Mi.j-aii.l*' *" '
,. mostrar, ou eiituo que bsidiaui
a niii.hr. casa v-las.
Pela exposiQflo dosfactosacuna m?.
CONSKRVACAU DAS ItATATAS.
Collocam-se as hlalas em uma cov fohre uma
carnada de po de carvflo de pedra (cok', ou de car-
vflo madeira.
Cob.cm-se com uma segunda carnada de um p de
espessur.i : lorna-se a por nova carnada de batatas
enova carnada de pode carvflo eassim por liante.
Por cima de todo lanea-se urna carnada de p de
carvflo, e (apa-sc d.pois a cova. ,
Se ss batatas estiverem em principio de docnca,
c-ia nflo progride, nem se commuinca as tilas.
Por este processo tambem se piem conservar
c.ioiras, betarrabas, e otros fruclos.
O p de carvflo deve estar bem secco ; sendo con-
veniente mell-lo primeiro em un forno paia Ihe
tirar a humidade que possa ter.
C levisla Viiirersul I.ibonentt. i
%
rublicngao a peliM,.
Eu me aprcsenlei na chancellara etm consulado de
l-'ranc.i com a queixa cima em o dia 8 d Janeiro, o
o Sr; cnsul, tendo a bondade de toma-la em Con-
sidera^flo, marcou o dia 10 para a audiencia con-
ciliatoria. Entfloconvidei para ininhas te-temunhas
a Mr. Chavea Ain, canceller do consulado fraucez,
e a Mr. Ilruguire, negociante francez desta cidade,
os quaes liveram a bondade de acceitar meu Convi-
te. A audiencia leve lugar no da marcado, leudo o
Sr. cnsul a minba qoeisa em prcsenc-i das tcste-
muubas, c cunto Mr. I.elellier pielendesse seu.pre
que eu Ihe devia, vi-mo na necessidado de apresen-
tar o miulivro, a sua factura, os seus recibos, co-
mo tamben, os documentos que provavam ter elle
que o publico podora julgar de erm; i-
rasflo; assim como lenho lahfadJ uma :
dade sobre a eona'uloracSo em que o i'.'.ust
Peruamburo de\cra para o futuro loro uu.
Lelollier. Oxala que eu tenha a fel.Cidaiio
di-lo de fazer ouira, para o que nflo duvi>
pregar todos os ii.eios. ao meu alcance. Jai
Carla escripia t minhas tettemunluii, a qual <
vir de documenta.
i
Sr- Como V. m. nflo ignora que Mr. Letcll
ausentou desta cidade, e eu nflo sei quando volljl
e liem tenbo inten(flo do aqui licar, antes brevem
te pretendo retoar-me, vou ruga.-Ihe pela pr.s.;me
que no caso de estar intimamente convci.cid ido
que eu nida devo a Mr. lietellier sul.re a cotila pre-
sentada no consulado francez na audiencia concilia-
toria de 10 de Janeiro, da qual V. m. foi leslomunha
( cu nflo fallo senflo da coutu que fui apresentada no
consulado), e cojo balando he em meu favor da
quanlia do 108/ rs., conforme a factura, os reciuos,
o termo de accita^ao que V. in. vio o ve.iilic.ou, lu-
nha a bondad de declarar ao p desta a sua cou-
viceflo a este respeilo, autorlsaudo ludo com laa
assignatiira. Espero nflo se recusar ao que peijo;
sobre tudo porque esta he a verdado.
Ilogo-lhe. mais se digne de atleslarse Mr. Lelel-
ler roiiic.-..-.!) i ou nflo na audiencia conciliatoria ter
feito o embargo, ter em seu poder uma obrigaeflo
de iKuilos cui.los de rs., a qual elle ohrigou ininha
piulher a \tir, assim comu as duas lellras ineu-
cinnadas na queixa, e a cdula de 20/ rs. lambeh
inencionaJa, ese declarou ou nflo que e>lava promp-
to a entregar ludo, qbando quizessem. Certo de sua
boiira n.flu teilbO duvida que reidora *-!> homena-
gct.i verdade.
Peruambuco, 29 de Janeiro de 1819.Seu aliento
venerador e criado.
F. Tarault. .
Lu abaixo assignado Luiz Druguire, negociante
franeczem Peruanibuco, chamado perauteo cnsul
da republica frauceza para assislir a verilicacflo d.t
conla en. discussflo entre os Srs. Tarault e Vctor
I.elellier, declaro que dos documentos que fram
pruduzidns. resulta que a conta em quesillo apresen-
lava no dia 31 de outubio de 1845 um saldo de losa
rs. em favor de Mr. Tarault, em f do que assi^nci a
presente deelaraeflo.
Peruamburo, 30 do Janeiro de 18*9.
Luis Druguire.
Declaro quo Mr. I.etcllier disse Icr cm sen poder
urna obrigaeflo de mu tos contos de rs., passada por
madama Tarault, assim como duas lellras pequo-
nas somn.aiido ambas na quantia de 125^ rs., e mais
urna ee.lula de 208 r-, e decla.ou qiie eslava promp-
to a entregar tud primeira exigencia.
Pornambuco, 31 dejaneiru do-1849.
Lu* Ilruguire.
Approvoa declarafflo acim.
Pernambuco, 31 de Janeiro do 1849.
Chaves Aine.
COtMERCtO.
ALFANDEGA.
ItEIMDIMENTO DO DIA 23......... :137,035
Dcarrtgam hoje, 2* de fevtreiro.
Brigue -- Kordem madeira de pinito.
Iliate Paquete-do-Marulm roercadorias.
Briguo Primavera cebolaa.
Brigue Hagle ferro em barra.
CONSULADO GERAL.
. RENDIMENTO DO DIA 23.
i;eral ,
Diversas
provincia.
4:380,544
122,846
4:503,390
CONSULADO PROVINCIAL.
HF.MMMKNTO DO DIA 23.......... 2:292,168
Navios entrados no dia 23.
Mar-Pacifico, tendo sabido de New-I.ondon ha 18 mu-
zos a pesca de baleia, gslera americana Jefferson,
de 396 toneladas, capilflo S. L. Grayvindo..
Rirhmond; 28 dias, barca americana K.-H.-D.-C-
Wright, de 371 toneladas, capllo John Jackson,
equipagem 15, carga farinha de mandioca ; ao so-
brecarga.
Navios sahidos no mesmo dia.
Costa d'Africa ; barca sarda felUs-Limegna, capilflo
G. D. Grondona, carga assucar e ago'ardenle.
Gottemburg; brigue sueco Gustavo-Melim, capilflo
C. II. Sllale, carga assucar o couros.
PhiUdclphia; briguo lubejuense aurora, capilflo,
lt. Suckau, carga assucar.
ObservacaO.
Fundeou no l.ameirflo para acabar de carregar a
barca ingleza Kulerprece, capilflo F. Frallor.
liDITAKS.
A cmara m unicipal da cidade de Olinda e seu termo
em tii lude da lei, ele.
Faz sabor aos habitantes do seu municipio que,
nos dias 23 e 26 do rorrete, hilo de ir praca as ca-
sinhiis da ribeira, para serem arrematadas de renda
annual. Quem quizer arremala-las comprela na
sala das sessOes no dia 26, por ser a ultima praca,
deveiido mostrar-se com peten tomento habilitado.
P.'iqo da cantara municipal da cidade de Olinda,
20 do l'evcreiro de 1819 --Francisco Jos do Amar al.
Mandil Joaguim de lininda Lobo.
O lili. Sr. inspector da thesouraria da fazends
provincial, em virtude da resolu<;flo do tribunal ad-
ministrativo, manda fazer publico que, nos dias 20,
'21 e 22 de marco prximo vindouro, ir praQa pe-
raute o mesmo tribunal, para ser arrematado a quem
por menos.lizer o concert da ponto da Passagem-da-
Magdalena, o das pnntcsinhas da Passagcm e do le-
me.lio, sli as clausulas especiaes abaixo transcrip-
tas, e pelo pirro de 880,000 rs.
As pessoas que se propozerem esta arrematado,
roni|i iieram na sala das sessi.es do sobredito tribu-
nal, nos dias cima indicados, pelo ineio-dia, compe-
tentemente habilitadas.
E para constarse mandou ulular o presente, e pu-
blicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda provincial do
Pernambuco, 17 do fevereiro de 1849.
0 2. cscriplurarlo,
Antonio Ferreira d' Annunciacdo.
PONTES E ARCOS,
Cor.ceitos da ponte da Passagem-da-Magdalena,
e das pontesinhas da Passagcm e do Remedio.
Clausulas especiaes da arrematacao.
I.* Os concertos da ponte da Passagem-da-Magda-
lena, das pontesinhas da Passagem e do Remedio,
sei io retios do modo indicado no orcamonlo appro-
vado pelo i:\ni. Sr. presidente da provincia, na im-
portancia de 880,000 rs.
2.' As ulnas principiaran no prazo de quinze dias,
o terminarflo no de dous mezes, ambos contados
em couformidade do art. 15 do rogulamento das ar-
lematetjdes.
3.' U pagamento do imposto da arremataeflo rea-
IUar-.se-ha no lint das obras depois dolas recebidas
pelo engenheiro director.
4.* Em ludo o mais que nflo est determinado as
presentes clausulas, seguir-se-ba nleiramente o
que dispoe o regulamento das arremalai.'Oes de ti de
julho de 1843.
Obras publicas, 14 de fevereiro de 1849.
O engenheiro,
/. L Vctor Ueutier.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria da fazenda
provincial, em virtude da resolupAo do tribunal ad-
ministrativo, manda fazer publico que, eos dias 20,
21 e 22 de margo prximo vindouro, ira a praca,
perante o mesmo tribunal, para ser arrematado a
quem por .nonos fizer, o arbame..t.. da segunda
parlo do 6." lanco da estrada do l'ao-d'Alho, sh as
clausulas especiaes abaixo transcriptas, e polo preco
de 4:200,000 rs.
As pessoas que se propozerem a esta arremataeflo
comparecen, na sala dassosses do sobredito tribu-
nal nos dias cima indicados, pelo meio-dia, compe-
tentemente habilitadas.
E para conater ae mandou afflxar o presente, e pu
blicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda provinciil
do Pernambuco, 17 de feveriro de 1849.
02. escripturario,
Antonio Ferreira a" Jnnuaeiaeio.
CLAUSULAS ESPECIAES DA ARRf|ATA{Ao,
Estrada do l'o-d'Alho,
Acahamento da segunda parle do 6.* Unco.
1.' Oa Irabalhos e obras para o acabamenlodas >
parte do 6 o lauco da estrada do l'o-d'Alho itrio
faltos pela forma, sb as condiedes, o do mclo lnd.
cado no orcamento approvado em 8 de fevereiro
correle-pelo Exm. Sr. presidente da proviuaia pe-
lo prei;o de 4:200,000 rs.
2.a Em todootempo das obras, 0 arrematante di-
r livre transito sos viandantes pelo lado esquerdo
da estrada.
3. As obras prineipiarflo no prazo de um mez, e
acabaran no de cinco mezes, ambos contados em
couformidade do art. 10 do rogulamento daa atro-
m a taches.
4.a O pagamento do importe da airematacflo re-
lisar-se-lfa em qualro prestares do modo indicado \
no art. 15 do regulamento respectivo.
5.a Para ludo o .mais que nfio est, determinado
pelas presentes clausulas, seguir-se-ha inteirameni*
o que dispoe o irgulanienlo das arreo.la;es de ti
do julho de 1843.
obras publicas, 14 de fevereiro de 1840.
O engenheiro,
J. L. Vctor Ltculicr.
O coronel Francisco- Ha mede de Almeida, juiz de f;
svpplenle do 1." dislrict da freguetia de S.-Frei.fe.
dro-Goncalves, &, &,
Faco saber que aa audiencias desle juizo conli-
nuam a ser nos mesmos diaa, isto he, quartas e
sabbados, as qualro horas da larde ; o quando esset
dias lorem feriados ou aantillcadot, serlo nos dias
antes daquelles : tercas, ou sextas-feiras. K pan
constar maudci publicar o presento pela impreusa
1 dislricto da freguezia de S.-Frei-Pedro-Con-
(alves do Recife, 23 de fevereiro de 1849__Eu, ala-
noel Joaqulm da Silva Ribiro, escrivflo interino o
escrevi.
Francisco MameU de Almeida.
Declara^des.
De ordemdo lllm. Sr. inspector selfaz publicoque
poresla thesouroria tem dse afreta ruma embarcado
para conduzr dj porto da cidade do Rin-Gramle-dn-
Norte para a de Londres a porc.fl.> de po-brasil que
ali se acha prompta : aquelles que se propozerem io
dilo afreta ment dirijam-se mesma thesouraria ero
o dia terca-feira, 27 do correnle, pola volla do meio-
dia, afn, de se tratar do mencionado ajuste. Secre-
taria da thesouraria de fazenda de Pernambuco, 2J
de fevereiro de 1849.
No impedimento do ofucial-maior
Oolllcial da secretaria
Antonio Lutido AmoraleSilva,
Beverley Newcomen, cnsul de S, M. Rriirji-
ca nesla provincia, An. publico qu \ ->--ig-
p .i.... i. ., ;... 'e ... si. j 'os da ga>.
lera Ifa.icuz'ii(/c.>(f, naufragad* ua^ |a?dras Ja
pona-.: Ulto em a uoito do din 13 de (iineiro ii'li-
mo, pela cessflo cm abandono ftta pelj resnpe;,vo
capilflo, tem de proceder veud ... ilde pbli-
cos, por conta e risco de quem pertencer, das nur-
cadorias que se achain anda recolhidaa alfandeg,
quo por estsrem em bom estado, e livres de avaha
geral, serflo despachadas pelo annunciante, tendo
principios os dilo leilOes do dia 26 do correnle em
danle; o par quecheguo a noticia a quem fnle
interease mandou imprimir e publicar o presente.
Consulado britannico em a Parahiba, 14 de feve-
reiro de 1849.
Beverley Newcomen.
Pela segunda scelo do consulado provincial
se faz publico quo o prazo de 6 mezes concedidos
pela le provincial n. 228, de 2 de selembro do anno
prximo passado, para o pagamento de meias si/as
dos escravos, que se estiverem a dever,' se tliiali
no dia 5 dcniaieo proxinm vindouro: em conse-
quencia, pois, desse dia em diante nflo se recebe
nu-ia siz, que, vista do papel de venda, sequei-
ra pagar 30 dias posteriores a sua data, em enjo caso
licara suhjetto ao ai l. 17 do regulamento de II di
abril do 1842. Segunda secc.fio;do consulado |>m-
vincial, 15 de fevereiro de t848.
O escrivflo chefe da segunda secfflo,
Theodoro Machado freir Pereira da Sik*.
Pela subdelegara de S.-Frei-Pedrc-Concalvesfoi
appiebendido c se acha preao na respectiva cadeia
o prelo Mam.el, de nacflo Congo, que diz ser cscrivo
de Joflo Pereira llypollto, morador em Cururipe, |ro-
vincia das Alagas : quem se julgar com diieilo ao
referido e>cia\o, coinparrca na mesma subdelega-
da, munido dos con.plenles ttulos.
Francisco Mamede de Jlsneide,
Subdelegado suppleote.
TIIEATKO DE APOLLO.
HOJE, 24 DE FEVEREIRO DE 1819.
.F.PFSrsTCA BXTRlOnDINiBU KT rlCI0 D* *
MARIi, OU 4.a Di ASSICHTUR4.
A EPIDERMA DE MELANCOLA,
Extravagancia romntica em 3 actos.
IMNCA.
, a cAciiur.n,
DangaJa por M."' Camoim.
INTERVALLO DE CANTtt
Lt oRiNDAia D'aitosa,
Opera nova d'Auler, cantada por M." Alexandr.
SI TO ME RBOBBTTAIZ .'
Romance novo, cantado por M.-* Alexandre.
ft
MUTILADO L


-
.

M
*U VARIADA EM tiBFC.',
Executada por Mr. Alexanda, chefe do orcliestri.
DANCA
PAS-GALOl",
flaneado por M.*" Camoin.
xiSBrr,
Vaudcviltt novo em um aelo.
fJcHneear a* hors da noile.
CARTAS SEGURAS EXISTENTES NA ADMINISTRA-
GAO" l'ARA S SUS. ARAIXO :
ausente, Elias Ignacio
Antonio Jos* de Siqueira
Oliveira.
Heanlo Jos [.opes. -_; ,
Fraucisco Euzebio de Parias Torros.
Ignacio Antonio >le Barros Kalc.lo.
Jus Antonio de Magalhiles Jos Francisco de Ar-
ru la Ornar, ausento, Jeronymo Villela de Castro
lavares, Jor Muniz Tavares.'
Manoel B>atos Abreu e Lima, Manoel Jos Lopes ,
ManoeNos lleudes.
visos martimos.
-- Manoel Pereira de Castro embarca paraospor-
tos do sul a sua escrava Therezn, de Angola
O aliaixo assignado declara que licou suspensa
a srrematacilo do seu escravo por execucflo que Ihe
movo Guerrra & Companhia em consequencia de
urna vista pedida pelo abaixo a'ssignado, que sendo
credor tambem do exequente,este se nega ao respec-
tivo pagamento e se oppozera a reconvenci que o
mesmo abaixo assignado offerecera na quesillo prin-
cipal sb pretexto de que domnndava-o como so-
cio de urna casa commerefal, e a divida reconvino"
provinha de ajuste particulareestranba a Firma so
cial ; todava o abaixo assignado tentou achilo con-
tra Jos Alves Guerra pelo que estilo penhorados os
trastes desle, que seco levados a praga, se em
tempo no for remida a divida.
Jos Francisco Pinto Guimares.
A barca. Helia-Pernambucatm sobo impreterivel-
mente para o Porto no dia 8 de marco prximo : os
Srs. carregadores queiraui levar quantos antes os co-
nhecimentos casa ilo "consignatario na ra da
Cruz, no Jtecifo, n. 34, terceiro andar.
para o Aracaly segu com brevidade o biate
Duvidoso: para carga e passageirns, trala-se com
Jos M. Marlins ao lado do corpo-Santo loja n. 95.
Para n Rio-Grande-do-Sul segu com brevida-
de o brigue Ntro: recebe alguma carga a freto :
quem pretender eiiten.la-secom Leopol do Jos da
Costa raujo, na ra da Moda. n. 7.
r- Segu viagem para o Rio-Grande-do-Sul o
bem conhecido bergantim5.-**ar/-*ixi-5or/: rece-
be escravos a Trole e paasageiroi, e saldr at o flu
do corrente mez :os prcten.lentes dirijam-se pra-
ca do Commercio a fallar eom o capillo, ou ao es-
critorio de Manoel Concalves da Silva, na ra da
Cadeia do Rehile.
Para o Porto sabe, com toda a brevidado por
teramaior parte de aeu orregamonlo prompta, o
briiiue portuguez Ventura-Felis, do qual be rapilSo
Zeferino Ventura dos Santos : para carga e passa-
goiros para o que tom xccllontes commodos tra-
ta se com o capitno, ou com o scu consignatario,
Joaquim Ferreira Mendos CuimarSes na ra da
Cruz, n. 49.'
Para Lisboa saho, com a maior brevidade, por
tor a maior parto de sua carga prompta d" brigii"
portuguez S.-Domingot, capitno Manoel Goncalves
Vianna : quem no mesmo qoizer carregar, ou ir do
passagem, para que tem cxcellentes commodos ,
dirija-so ao referido capilao ou ao seu consignata-
rio Joaquim Ferreira Mendos Guimares, na ra da
Cruz, n. 49
Para a Rabia segu em poucos das, o hiale
\f >.<,[ iurCniuript: quem quizer carregar, ou ir de
. jssanem dirija-so i.ra do Vigario, ri. 5.
Para l,iba atura, no dia 2 lo narco, o hn-
' cuez portuguez Marta-Jos*, capilau Joaquim Jos de
iiooquini para o resto da carga ou passageiros,
trau-se com Francisco Severiajlo Rabello & Filho ,
'ou com o mesmo capilao. '
I'nni o itio- li'-J.iueiio sabe, com muita brevi-
f"iUdi!.-por ler parte de sua carga prompta o patacbo
< iiscontrM?irt7> : para o restante da carga escra-
vos a frete e passageiros para o que tem expelien-
tes commodos, trata-se com Luiz Jos de S Araujo,
na ra da Cruz, n. 33.
Para o Rio-de-Janeiro sahe imprctertejetmente,
no dia 94 do corrente a vcleira escuna CaGml-Ma-
r : anda pode receber alguma carga, bem como
passageiros e escravos a frete para o que offereco
asseialos commodos : a tratar na ra da Moda ,
ii. II.
Para o Rio-de-Janeiro sahiri breve a escuna
San-Judo-Buplisia, por ter a bordo a maioria do car-
regamento; aluda, porm, p It receber alguma car-
ga : quem pretender pode contratar com Amorim
& Irmios, na ra da Cadeia, n. 39.
Para Loanda sabe, no dia 5 o brigue pertu-
guez tlor-do-Tejo capituo Frederico Carlos Roza :
para o resto da carga e passageiros Irata-se com o
consignatario, J. P. da Costa Rouxo, na ra do
Crespo, n. tO, primeiro andar, ou lodos os dius na
praca do Comuiercio.
Avisos diversos.
JM
-- O bacbarel formada em malhematicas,
Bernardo Pereira do Carmo, tem aberlo
um curso das seguintes disciplinas: ari-
Ibmelica, algebra, geometra, trignome-
tria rrclilinea : aquellos Srs. que o quize-
rem frequenUr, Uirijam-se A ra larga do
Rozario, n. i, segundo andar.
'>J

-- Antonio do Reg, sublido portuguez, retira-se
[para fra do imperio.
-- Precisa se de200 a 300,000 rs. a juros sobre po-
Inhores deouro e pinta : quem tiver annuncio ou
[dlrija-se Fri-de-Portas, n. 93, que so dir quem
[precisa.
Perdeu-se, no dia 21 do corrente, um concliz
jmuito manso, da casa da roa da Aurora, n. 26 : quem
[o achou, querendo restilui-lo, leve-o mesiiia casa ,
I que recebrra 10,000 rs de gratificarlo.
~ Quem precisar de um cont de ris a premio so
re bypotheca a seguran? em predios ucsta praca ,
livres e desembarazados dlrija-se ra Nova, n.
"4, segundo andar, que se dir quem da.
O meio billiclen 264 da ultima terecira parle da
18.' lotera a favor das obras do tbealro publico des-
la cid a de perlenco ao doutor Pedro Pereira da Sil-
va Cuimaraes morador no Cear.
Avisa-se ao respeitavel publico que lia scrmiln
Juaresmal lodos os sabbados, das 6 s 7horas da lar-
i! na Igrejade N. S. da Conceicao dos militares,,
sendo prrgador o muito reverendo Sr. padre mestre
| jiregador imperial Fr. JoOo Caprislano de Mendonca.
Mael Antonio Vicira retirs-sa para fra do
imperio com sua familia.
( Bernardiuo Pinto retira-ie para o Rio-de-Ja-
heiro.
Na galera de daguerrolypo do artista Guilber- 9
fine Frederico Waltcr, na ra da Cadeia de S.- 9
Antonio, n. 26, terceiro andar V iran -fe retra-
tos muito superiores,pela iuveucSo de Daguer- #
re*, tanto om fumo como coloridos, das 7 *j)
boras da nianhSa s 5 da tarde; aflirman Jo-se {g
e garanliudo-se lauto a durabilidade das c-
9 res, como a perfeila semelhanca.
* As pessoas que se dignarem favoroc-lo diri- 9}
5p jam-se casa cima mencionada. *
N. B. Adverte-se ao respeitavel publico que $
'< lem um ujacliina para tirar retratos das 4
m ciiancas nd^pacp de 15 segundos, e terSo lu- ?
fe gar das 10 boras as duas da larde. "*
H
Cincinalo Mavigniei, retratista, faz saber ao res-
peilavel publico,quo tem recebido sempru grande
porc&o de tintas linas, marlim.para monulura, o quo
contiua a desempeiJiar as obrigagOesdeseu minis-
terio ; assim como pede encarecidamente a todas
aquellas pessoas que teem retratos em sua casa lia
maisueu mezes queiiam ler a bondadu de os ir
buscar e que cspea ser alleudido na iravessa do
Carmo, n. 10, segundo andar.
Precisa-so de urna pessoa capaz para servir
de ama em urna casa de pouca familia para ludo o
servico de portas a dentro : fia ra Nova, 11. 41.
Tondo-se entregado no da 30 de Janeiro um
bai ni de manleiga com a marca diamante C, n. 38 o
com o peso de 2 arrobas e 21 libras a um pelo ga-
nbadore conhecido, para entregar na casa de pasto
Hotel-Francisco acontece quo este nao recebeu o
dito barril; 0, como nflb appareca por ora o dilo pre-
to pede-sea .qualquer pessoa que recebessu dito
barril por engano ou souber onde elle esleja, diri-
ja-se ao armazem o. 7, no caos oa AlfauJega ou na
ra da Praia, sobrado n. 3, e islo antes que o
prel appareca para dizer unde enlregou.
). J. Ue Olivoira embaca para o Rio-de-Ja-
neiro a preta Adriana, crioula.
-. Antonio Granon & Companhia, ra Nova,
11. 69, oll'erecem aorespeilcvel publico e a scus fra-
gules o sorliiueiilo seguinle:
' Conservas
desardinbas, lier'vilhas, juliennes, cenouras, oseil-
les, copes, espuigos, cove-llores, trussas cbouri-
cos conservassorlidascoqi vinagre, frascos com
frutas surtidas, mostarda,-galeas do grozelas e de
mermelada ele. presuntos para Hambre, salames
de arles.
V111 los
do Bordeaux em quarlolas e em garrafas de diversos
precos e qualidados dilo de S.-Julicn dito de
Roussillnn, dito da Madcira dilo de Rivcsaltes di
lo moscatel, dilo de Champauba etc.
Licores doces
possiyel lie o melhoramento dos Srs. agricultores,
toem inventado e conseguido construir varios car-
ros de ferro que facllitam de urna maneira admiravel
este pesadissimo Irabalho.
As possoas interessadas silo convidadas a inspec-
cionar, na fundicao da Aurora em Santo-Amaro, esta
mui ulil invengo.
C. Slarr & C.
Emharea-sc para o Rio-Grande-do-Sul o mole-
quede nomeFabiao, pertencente a Lourenco Jos
de Mnraes Carvalho.
no-se 500,000 rs. a premio sobre hypotheca em
urna casa : quem pretender dirija-so ao Alerro-da-
Boa-Visla, loja de sapateiro. 11. 63.
-- Manoel Jos Coellio de h'reilas Portuguez re-
tira-se para fra do imperio.
Jaciiitbo Antonio Alfonso retira-se para fra do
imperio.
Bernardo Fernandes da Cunha retira-se para
fra do imperio. '
Prccisa-se de um amassador para padnfia quo so quizereio utilisar de sen presumo
enlenda bem de amassar : na ra Ilircila n. 69 ou
na padaria dos Afogados.
Precisa-se alugar nina casa no bairrode S.-An-
tonio, sendo as ras da Cadeia, Nova, Cruzea, Quci-
mailo, Collegio e Crespo,: qiiem tiver iiuiiuncio por
esta tulla ou dinja-sua ruada Cadeia de S.-Anto-
nio casa de BenloJos Fernandes Barros, defi'oule
de S.-Francisco.
Aluga-so urna ama de leite : quem precisar di-
rija-so as c.ineo-i'i)iiin<, n. 120.
Prccisa-se de um fe;tor para um sitio perlo da
cidade : na ra de S.-Amaro 11. 8.
Precisa-se do 11111 fe i tor para urna nimia perto
desta praca que entenda peifeilainenla da ai te,
e seja livre da praca : quem so adiar tiestas circuns-
tancias c der liador sua conducta, dirija-se a ra
larga do Rozarin, n 18.
I'iccisa-se una ama de leite : no pateo de S.-
I'edro sobrado de um andar 11. 9.
--Domingos Francisco subdito porluguez, reti-
ra-se para Portugal com sua familia.
Antonio Jos da Silva Chrispiuiano, sublito por-
tuguez, va i ao Ceara a negocio.
Aluga-se urna grande casa terrea, com muilos
commodos, com sotiloc grande quintal, na mal 11-
perial : a tratar na ra do Livramento, 11. 3.
Joio Jo> Marques de Araujo embarca para
Rio-de-Janoiio o seu escravo Manoel, de naeao An-
gola.
linos, em garrafas muilo ricas do lodos os procos e
qualidades. *
Licores espirituosos
cognac velho de diversos precos absinlh kirsch do
Fersey e Lecoultre vermoul, gonebra de Hollanda :
lambem so acliain outros minios gneros como
agoa do flores do lYanja, azeite doce do Plaguol.
O respeilavel publico achara neslu eslabeluci-
menlo
Sorvetfs
todos os dias dss 6 boras em diante e todas as
qualidades de refrescos. Um lugar fresco e ayrada-
vel foi disposlo uesla Uitcncao.
Deposito de charutos
do Francisco Croz da Babia ditos da fabrica de
S.-Felixe outros.
, Os proprietarios desle cstabelecimento emprega-
rilo tudos seos esforcos para satisfazer os fre'ue/es,
tanto pela boa qualidado dos gneros como pela ba-
rateza dos precos.
DENTISTA.
M. S. Mawson, cirurgiflo dentista, tondo-se de re-
tirar breve para IngUtcna, offereco o seu presumo
aorespeilavel publico desta cidade, durante o curio
espaco de tempo que ainda lem de se demorar, em
quanlo arranja os preparativos de sua viagem ; nd-
verlindo que sera incansaval em servir bem a todas
as pessoas que se quizerem utilisar de sua arle, que
tara a lempo, e lambem com commodulade nos pre-
cos ; pdom-o procurar em casa de sua residencia,
na ra Nova. n. 91, Io andar.
-- Antonio Loiz dos Santos & C. embarcam par a
villa d'AUlaia, na provincia das Alagas, o cabra Pa-
tricio, para ser entregue a seu senbor o tenento-co-
runel Joaquim Tenorio de Albuquerque.
100,000 ris de gralificacao a quem descobrir
dous escravos furtados do tell.eiro da rosliUcSo de
Franca & Irmuo, na praia de S.-Rila, na noile do
quarta-feira 21 do coirenlo feveroiro, ambos de na-
?ao Uenguola, a mel bucacs, com os seguintes sig-
naes : Manoel, alto, magro, rosto redondo o peque-
no, ar alegre, pose untos pequeos, amellas linas,
reprsenla 25 anuos de idade, levou vestido camisa
e calca de riscado dealgodflozinho, foi vacemado ha
poucos dias; e Joo, lambem alio, porm menos
queooutro, grossura docorpo correspoiidunlo ha
altura, rosto sobro o comprido, testa larga e airam-
pada, ps grandes, loruozolos luchados, vcnlre
bastante saliente, falla um pouco lanbosa, repre-
senta SS. annos do iddo; lambem foi vacemado ha
poneos dias, levou vestido camisa de algodSuzinho
riscado e calca de slgodao azul: quem os appre-
bendor, ou delles dr noticia certa, receber 100^
ris de gralilicacao, na ra do S.-Rila, n. 83.
'fli Slarr & Companhia, convencidos de que a
conduccao das formas de assucar para a casa du pur-
gar, besemduviila o sarvico que mas mortifica a
escravalura de um engeuho, e desejaudo quanto
Para as pessoas que tencio-
11am segnir viagem.
Na ra do Rangel, n. 9, continuam-se a tirar pasSa-
porlis para dentro e fra do imperio, despacham-se
escravos e correm-se folhas, ludo com brevidado e
preco muito comino lo.
Joao DtiLcis, com acou^ucs ao p
do i|n 11 le de fiolicia, ns. 5, G e 8, pre-
vine no publico e a seus freguezes que
quizerem alguniaa peinas, 011 bandas de
curheiros muito gordos, para sabbado 011
domingo, que os devem cncommendar an-
tes, que serSo servidos em conla.
Lotera do Iheatro publico.
Nao obstante a momsidadequetem bavWona ran-f inoTl. S; ra larJE (fo'l|oyario, ns. 29 e^3J ; ra-tfra
com escravos, bois e linio o que Ihe pertence. A -in-
tratar com o mencionado coronel nesta prac, ua
na do Seve.
Fabrica de todas as quididades de mobilia
fr'anceza no ultimo gosto de Pairs em
l'crnambuco. -
lourenco Pugi, marecneiro francez na ra Nova,
n. 4S,hom conhecido das pessoas nataveis desti capi-
tal por fabricar trastes do ultimo gosto avis 1 nos
seus numerosos freguezes o geralmente a lodo o
respeitavel publico peinambucano que ja Hieden
tantas prnvas de ser amante ilo bom gestor, que el-
le tem augmentado sua fabrica e que esl habilita-
do para omprchender qualquer mobilia que se lho
encominondar. Asarles vllnde par com a civilisa-
cSo, qoanlo mais um povo lie civilisado, quanto mais
os artistas devem produzir obras linas e delicadas;
ueste sentido o aiimiuriante empregar lodos os
seus esforcos para satisfazer a todas as pessoas que
Na mesilla ca-
sa l.i/nii cortinados para cama a franceza.
JAPEO.S DESOL
Rua do Passeio, n. 5.
Oh quo ppMticli 1 para o amavel e respeitavel pu-
blico : novas sedas da inelbnr iiualidade que sop-
le fabricar, por seren do incoiinueiiila e da melhor
fabrica ile Franca, reoehidal agora.
O fabriciiute deste estalielecimento adverte ao res-
peitavel publico desta cidade que elle possue prn-
sentementn um rico sortiment do chapeos da sol,
assim como chapeos de sol dsela urla-cres, dos
nais ricos que teem apparecido nasUrmercado, c do
cores conlif-cidas ; ditos para lenhon 1 ile bom tom,
ailamascailos, lavrados, rixn su.is Competentes fran-
jas do relroz, ludo que tem de. 11.ais moderno o ilo
melhor gosto ; um completo sorlimcnto do chapeos
de sol de panninho de todas as cores o do todos os
tamanlios, para homens, senboias o meninos: ha
lambem igual lorliment ili faseuda para cobrir ar-
uiaces, lano do sedas de corea, como de panuiuhos
traiiQados e lisos imitando seda. Adverle-se quo os
freguezes serao.servidos com breviilsde, esoacha-
rto salisfuilos da boa qualidade, do bom goslo c do
bom preco.
Toda attenesio ao que !m bom.
Deposito de rap andarahv
c iuipe ial
Na rua da Cruz, n. 63, primeiro andar, escrito-
rio de Jos de Almeida Rarrelo bastos, vende-se o
bem acreditado rap andaraby e imperial, fabricado
110 llio-dc-Janeiro, sendo o nico deposito nesta
provincia; assim como se vende 11 relalbo as se-
guidles casas : rua da Cruz, 11. 62 ; becco da Lin
got n. 3 ; rua do Pilar em Fra-de-l'oltas n.
Sil;roa da Cadeia ilo Reclfe, ns. 17 o 19 ; rua do Eft-
cautanieulo, n. ; rua do Vigario, n 14; rua Ja
Cacimba, n. 2; rua do Crdoniz, n. 11 ; rua do Col-
legio, n. 9 ; praga da Independencia, ns. 4 e 39; rua
do Queimado, ns. 10, 16 e 33; rua do l.ivramento,
ns. 4, 5 e 38 ; rua da Penba, venda da esquina, por
bai'x'o do coronel Joaquim tSenmrJo de Figiicircdo ;
rua Direila, ns 6, 16, 53 95 0 141; rua d Mnco-I'nn-
las. ns. 50 e 8-2; rua Imperial, n. ; paleo do Car-
da dos brnrtca da ultima IWCI parle da M.1 lotera,
todava o Ihesuureiro, desojosoda fazer andar as res-
pectivas rodas o mais brevoppSivel, convida ero-
Lea aos amadores dente jogo ifwo seapiessem a com-
piar o reslo dos bilheles que ixistom.
-J**ntonio Ferreira Braga, Portuguez iclira-se
para K11 ropa.
Manoel Ribeiru de Carvalho, subdito porlu-
guez, va 1 ao Itiode-Janeiro.
-No pateo da matriz de S-Antonio, sobrado n.
?; lirain-sopassapories para dentro e fra do impe-
rio assim como pa Awcravos e correm-sc tullas,
por prego commodoil
-- Airenda-soosilioquc foi de Paulino Augusto
da Silva Freir na travesea da Casa-Forte para o
Arraial, oqual tem o-, commolos seguintes: boa
fi\ea de viveuda cocheir, estribara arranjos para
pretos ,um grande tillieiro para se rccolber vatcas
e quarlus cacimba de podra e cal com boa MOl de
beber, urna borla e muilos arvoredos de fruclo ,
baixa com capim de planta um cercaMinlio para
pasto de animaos, o duas casas de tenas pcitencen-
les aQ nicsino silio : a tratar em dito silio.
eseiicaminbaram-se, da livraria ngleza dous
volumcs de una obra ingleza intituladaHe Israelrs
Curiosities of l.ileralure : quem levar os ditos a
loja do Sr. Joilo Carroll na praca do Corpo-Sanlo ,
receber a uratilicaeflo de cinco mil rs.
.-Manoel Jos du Andrado subdito poituguez ,
retirase para Portugal.
Quem Uvero quizor dar a criar de leite alguma
crianca.dirijn-sea iravessa deS.-Podro, II. 7.
-Antonio llernab de Miranda Portuguez, reti-
rase para Lisba-
Aluga-se a venda da esquina da rua do Cnblei-
reiro com armacao para molbados, por mdico
ologuel a qual he ptima para quem qufzcr prmci-
uiar: na praca da Independencia, livraria ns 6 e .
-Fr J080Capistrano de Mendonca professor oa
seouraphiao historia do lyceu desta cidade, lem
aba to no convenio de S Antonio as aulas seguintes .
le philosophia rheloric, geograplua, historia t
historia sagrada e eclesistica : as possoas que a
quizerem frequeutar, o pdenlo procurar no men-
cionado convento a qualquer hora.
MCDANCA.
0. w. Ravnon cirurgio dentista
participa ao
residencia di
ti lar
o as
respeitavel publico quo mudou a sua
rua da Cadeia de S.-Antonio para a rua do "Irapirl
Novo n- 14, do bairro do Recifo terceiro
aoiulc contina a calcar e por denlesartlOCiaes
mais obras de sua prolisslo. rnrislar
.. O coronel Rento Josc Lemcnb 1 UM**e*~
quem convierque esta disposto a vender ou laaer
ua er negocio sobre os beni e terrenos silos .-.
?re*'i." m do Una. comarca do Itio-Formoso, que lho
c. m por heranca de seu finado sogro.O> >
uo Itccife dando preferencia aos rendeiros quo eatBo
los ditos bens. S:1o cllesossegn.ntcs : a po-
" terrenos
Cruzas, n. 40 ; roa do Cabuga, ns. 1e7; rua Nova,
11 50; Alorro-.ij-Bda-Visla. ns. 2, 46 o;1; praca da
Boa-Vista, n. 17; l'onto-Velha ns. 23 e 5V; palco
da S.-Cruz, n. 106.
.. 2
lloinu'opatliia. ^
f) Primeiro consultorio gratuito para os pobres v-#
* na rua da Cadeia de S.-Antonio, n 22, dirig-
m do pelo Sr. J. R. Casanova medico francez
Este consultorio estar aberlo desde as !lio-
(> ra's da manlll as 4 da larde. Os pobres
m recebernoconsultas o remedios gralintaineii- m
1 le: apresentaiidoum attestadode pobreza de
o scus vinarios, ou mesmo de oulro qualquer m
sacerdote. 9
Compras.
- Compra-se urna me.laMa de S.-llento-de-Aviz :
ni praca da Roa-Vista, venda n. 13
_ Coinpra-sc 11111 cordao de ouro com pouco pe-
so e que nfio oiceda de urna vara de comprmanlo
ouom tiver annuncie.
-Compra-se urna escrava moca.com habilida-
des nrincipalmenle de cozinba e engommado, prc-
ferido-sc rccolhida : pnga-siv bem : na praca do
Commercio, 11. 2, primeiro andar.
-Compram-seniil garrafas quo Icnbam sido do
rindo: paga-se a 7,000 rs. o cento: no pateo do
Carino loja do sobrado de Gabriel Antonio, n. 17.
' .. cmpra-se unta casa terrea no bairro da Boa-
Visla que lenha bom quintal c que seu preco uilo
exceda de uuj coulo do ris quem tiver annuncie.
Vendas.
Grande e melada das Ierras da povoaqflo dos B:irrei-
ros. Tambem se negocia o bem conhecido engeuho
Jurissaca, silo as varzeas do Cabo, moenle corrente,
VcndQ-se um orgio piano forte, propno para
urna pequea igreja ou capella do engeuho 4 rea-
lejos do differentes lamanlios, rom mu ilo ricas
msicas; tambem tem um com tambor e cornetas,
que locam immitan lo msica militar: tuiloso yendo
por preco milito coinmodo por se querer liquidar :
no Atcno-da-lloa-Vista fabrica de licores, 11. 1<-
obilias muilo baratas.
Na rao Nova armazem de trastes
defrontc da rua de S.-Amaro vendem-se riquissi-
inas mobilias de Jacaranda e mogno do melhor gos-
to alm de um completo sortimenlo do trastes do
todas as qualidades bem como cado.ras amcr.canis.
deDocdcpalhinba.eadeirasdebalancode pao o
de i.alhinba ditas do bracos proprias para so es-
crever ditas para sentara, banquinhos para as se-
ntroras preni os ps, bancfainllaa de costura cadei-
riu'ias altas para meninos comerem a mesa, guar-
da-vestidos .lo amarello e de inosno marquevas de
oleo muilo lories, e outros muitos trastes por pre-
co muito COiniUOdo uUendciido a boa quulidade,
I ILEGVEL


_
~~ Venclem-se, na rua pslreita fio Rozerio n 8,
os sepuinlcs livros : Diccionario Magnum Lexicn .
diln i!e fonscca, dilo de fbulas dito de composi-
gfio latina dito callepinos, dito Fonsecaem francez,
dito porttil, (lito da academia franroza Prono lia
de liento l'ereira. Solela, Fbulas, Conidio, Salus
to, Sntaxe de Dantas, artes latinas de dinVrentes
autores, Vigi)k>. Horacio, Cartas de Cicero Teren-
cio Ovidio Tito Livio, Expositor do Horacio, Ka-
bulas, Saluslio grammatira franceza de differenles
autores ,dila inglcza, diccionario de Vieira |>oila-
til e grande dilo franco;: o italiano Breviarios t-
manos em 4 v. rica cncadernaglo impressiio
t'rancf 7.a e mui pequeo formato, cartas de a h c, ta-
imadas calhocismo do doulrina de differentea auto-
res npudautas. procuragoes bstanles ledras, Iras-
lados pa pe pintado,' dito de esorever o oulros
mullos livros que para no ficar muilo extenso o
inmundo sonflo publirain.
Vende-se a armado da loia do Tallecido Trosso ,
a una I lio fcila com loda'a perfeieilo toda de ama-
ii'lln de primeira sorte lo la ciividragadn o forrada
de l.ai i ti, por prego coimiiudo : no Attcrro-da-lioa-
Visla, n. 17.
No sitio da Passagcin-deOlinda do francisco
Antonio de Carvallio Sfqueira vendem-se dous bois
mansos fillms do pasto ; urna Carroga em bom esta-
do ; uoi novilhote ; uin quartao capado e familia
l.niiliciii se faz negocio com ludo a troco do vaccas
paridas, ou paia isso sendo de boa quali lado.
Vinho barato.
Acba-se eslabelecido na rua da Madre-de-Deos,
ii 3fi ii m armazem de
Yinhos da Figucira,
de ptima qualidade, a prego de 1,200 rs. a caada,
e a 160 rs a garrafa ; e para nSo baver dolo do com-
prador sorflo lacradas as garrafas e com rotulo, re-
cebendo-se a garrafa vasia, o dando-so inmediata-
mente a outra ebeia : tambero ha barra muilo pe-
queos proprios para quem passa a festa. O pru-
pretario desto eslabelecimento pedo encarecida-
mente que senSo illudam avahando, pelo diminuto
prego e sem conhecimenlo de causa a qualidade do
8IM fazenda digna por certo da estima dos verda-
deiros amantes da boa pinga. Elle conta que quem
urna vez provar, continuar com goslo o sen* arre-
pendimento. E o bom proco !!.' A todo o oxposto
accresce o asscio e boro acondcionamento o que
tudo se poder verificar em dito cstabelccimeulo.
Pl'ftOVlNIlODA FIGURINA.
Existe no armazem do molbados, atrs do Cor-
po-Sanlo n. 66 urna grande porgilo deste genui-
no vinho que se est vendendo pelo diminuto pre-
cn de 1,120 rs a caada c a 160 rs. a garrafa ; tam-
bem lia em pipas que.se vender maisem conta : be
esle o melhor de lodos os vnlios que se teeru an-
niiiii'iailo pela sua simplicidado e ptimo paladar :
quem urna voz o beber jamis dei&ar de o com-
prar.
Vcndem-se seliins nglczes e camas
do ferro : na rua da Scnzalla-nova, n. l^i.
Vende-se a verdadeira potassa da
Russia, desembarcada hontem, por pre-
co muilo rasoavel, vista de sua muilo
superior qualidade : na ruado Trapiche,
n. 17, e rua da Cadeia, 1. .Vi.
.Hadeira de pinho.
Na rua de Appollo, pegado ao armazem do Sr.
Molla ha um novo armazem com madeira de pi-
nho da melhor qualidade que tem vimfo a este mer-
cado e serrado de todas as grossuras e comprimen*
los : vende-se pelo menor prego que he posaivel,
NOVIDADK.
vi'iini; MMIO.
No armazem da rua da Madre-de-Deos, n. 36, aca-
ba de chegar (para cspeculagilo; pelo briguc Vtntura-
J'elii, recenlrmento chegado do porlo, o mais ex-
cellcnt vinho verde, paraos amantes se refresca-
ren) com este gole : inandema elle, cmtiuautu se
nSo acaba, por ser urna so pipa ; e para 11.10 cscan-
dalisar o amantes e freguezes, mo so altera o proco
de 160 por garrafa.
Vende-se vinho do Porto, muilo superior e
de oulras qualidades em han is de quarlo, quinto,
seilo, stimo oilavo eem pipas, por prego muito
commoito : na rua do Vigario, armazem de Fran-
cisco Alves da Cunha, n. II.
Algodao trancado da fabrica
de Todos-os-Santos da
liahia ,
muito proprio para saceos de assucar e roupa de cs-
cravos : vende-so em casa de N. o. Biober & Gom-
panliia na rua da Cruz, n. 4.
CHA' BiUSILFJRO".
Vendn-se.ou armazem do molhados atr do
Corpo-Santo, n. 66, o mais excellenlo cha produzi-
do em S.-Paulo, que tem viudo a este mercado ,
por preco muito commodo.
Presuntos.
- Vendem-se superiores presuntos inglezcs para
Hambre, chegadus no ultimo navio; no armazem
do Braguoz ao j do arco da Cunceigilo.
FARELO EM SACCAS DE SOMBRAS :
vende-se no armazem de Vicente Ferreira da Costa
na rua da adre-'do-Deos, a 3,500 rs.
Tahas para eiigen-ho.
Na fondicSo de forro da rua do Brum cha-so a
venda um completo sorlimenlo de laixas de 4 a 8
palmos de bocea, por preco commodo, e com promp-
ndao embarca-se, ou arrega-seem carros sem dcs-
pezas ao comprador.
Vendeoi-se semeas em saccas muito grandes ,
a 4,500 rs. : na rua da Madrc-de-Deos, armazem de
Vicente ferreira da Costa.
Vendem-se queijqs londrino os mais frescaes
que ha no mercado y massas linas a 320 rs. a libra.;
chocolate do cauella, (no e de Lisboa; latas com sar-
dinhas ; azeite doce fino, por prego commodo ; na
rua d Cruz, n. 62.
Na padaria daruada Guia, no Beclfe haver
todos os dias o venda o novo pao do Provenga fa-
bricado por nutro modo que o actual e da melhor
farinha que ha no morcado : por esle motivo nSo se
pode fazer senSn a 40, 80 e 160 rs.
Vendo-so a vendada rua do Apollo, n.21, com
poucos fundos: quem a pretender, dirija-sea rua da
Madre-de-cos, Iratar com ,V'icento Forreira da
Costa.
Vendem-se barriquinhas com cal virgem de
Lisboa muito nova ; fechaduras para portas de
irmnzcm; relrozdo Porto; barra com alcatrflo da
silera; por prego commodo : na rua do Vigario,
n. II, armazem de Francisco Alvesda Cunha.
Vendem-se taboas a me rica
as at 5 palmos de largura
o de todos os comprimcntos.que ha muilo lempo mo
teom vindo eos freguezes experimentando a Talla
desta excellenle qualidade. A ellas que s3o poucas e
o preco he barato. Atrs do thealro, armazem jun-
to a maro, de Joaqun) Lopes de Almed.
Vende-se um bom cavallorugo; 70 saceos que
foram de assucar anda em muilo bom estado lu-
do por muilo commodo prego : na rua da Conc-.r-
dia, segunda casa do lado esquerdo indo pela pon-
Veiidc-se urna escrava crioula com um lilho
mulalinho; na rua da Madre-de-Deos, n. 34.
Vendc-scum escravo por proco muito com-
modo e que he ptimo para trabalhar em um sitio
e tratar de vaccas por estar acostumado a isso na
rua do l'asseio, loja n. 19. ...
Vendfin-sc taboas de pmho no
['orle-do-Mattos armazem do Vianna e
no armazem do Hinchado, na rua de
Apollo, junto ao porto vellio das canoas,
e os melhoros prendios,-costados, costadnhose ta-
imas de todas as grossuras e compnmenios por to-
Veme-so a venda n. 60 da Passagom-da-Magda-
lena rua que lica antes do chegar a estrada nova ,
rom poucos fundos o muilo afreguezada, cujo elu-
guel he muito barato : a tratar na mesma venda.
Na roa Nova, n. 5,
vende-se urna negrinha de 8annos, que j cose sof-
frivel, o lio propna para so educar, ou dar-so de mi-
mo a una menina por ser muito linda e esperta ;
una pula do nagiio de 25 anuos boa quilandeira,
e que sabe hem cozinhar; urna dita do 18 anuos,
que sabe eiigoiniiiar o cozinhar e que d-se barato
por ter um defrilo em um olho ; um molequo de
nagiio de 16 annos do muito linda figura.
Aos amantes da boa pitada
se offerece o rap Novo-Lisba no sou deposito da
rua larga do Rozario, u.24.
Lotera do Rio-de-Janciro.
Aos 20:000,000 tle res.
Bilheles, quartos e oilavos da 49.* loteria da San-
ta Casa da Misericordia, cuja lisia devo chegar a es-
la al o da 25 do crranlo : veudom-se na rna da
Cadeia do llecifo *P* loja n. 51. <3
No Alerro-daV-i-IJoa -Vista,
detroiiTe .t boueca ,
ha chegado um novo o en. ipleto sorlimenlo do cal-
gado francez de lodas asqnaiidadcs tanto para*o-
idoiii como para senhoia e meninas; hem como os
hem conhecidos sapalosdo Aracaty para homfm ,
por prego commodo. N
-- Vende-se urna flauta urna :orrcnte para reto-
precode 3,4o'rs.: na zn* d Saiwalla-
Velha, n. i38.
Vende-se sarja de seda hespa- gj
nimia, muito superior; setim de M
Maco proprio para vestidos; los de j
linhopretos,bordadoftsedn; meiaa |
pretas de seda de peso; panno pre- I
to milito fino o prova de lim5o; l
casimira pfeta elstica ; sarja de I
listras,8elinpropriodecoIlete; as- !
sim como outras muilas lazendaa
finas, proprias para a quaresma :
ludo mais barato do que em oulr
qualquer parte : na loja de Jos
Moreira Lope fk Companhia, rua
do Queimado, quatro cantos, ca-
sa amarella, n. tg.
Na rua do Crespo loja de 4 portas, n. 12, ven-
dom-se chapos de castor prelos, de muito boa qua-
lidade a 4,400 rs.
No deposito de Me. Calmont & Companhia na
rua de Apollo, armazem n. 6, acha-se constante-
mente grande snrtimeutode ferragens inglezas para
engenhos do assucar, corro sejam : taixns de ferro
coado de diTorentes modelos os mais modernos ;
ditas de forro batido ; moendas de ferro do mode-
lo adoptado para armar em madeira ; ditas toda*
de ferro, tanto para agoa como para animaos; ma-
chinas de vapor de fOrga de quatro cavados o de al-
ta pressilo o mais moderno asimples que he possi-
vel ; repartideras ; espumaderas ; resfriadeiras de
ferro eslanbado; formas de ferro: ludo por prego
commodo.
Agencia da fundicao
Lo\v-Hoor, rua da Scnzalla-
nova, n. 42.
Neste estabelecimento contina a ha-
ver um completo sortimeato de moendas
e meias moendas, para engenho; ma-
chinas de vapor,e tachas de ierro batido e
coado, de todos os taannos, para dito.
Taboado de pinho da Suecia,
de 10 a 59 palmos
decomprimento, o mellior que tem chegado a esle
mercado, em raxflo de se poder envernizarem qual-
Snerobra por nao ter nos e ser muilo alvo sen-
o costado, costadinho, assoalho, forro e pera fun-
dos de barrica: vende-se a prego que o comprador
far todo o negocio: atrs do thealro, armazem de
Joaquim Lopes de Almeida.
i Vende-se ca virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
iiticnos, por menos do que em outra qual-
quer parte : na rua do Trapiche, arma-
zem n. I7.
Vende-se cal virgem de Lisboa, de superior
qualidade, em barris de 4 arrobas, chegada neste
mez pelo brgue Mara- Jote: a tratar na rua do
glo, um gamito com podras de arftm: na rua \i* Jtru"' .armazem de Antonio Augusto da Fouseca ,
gado Rosario,.24. t
Vende-se urna prela crioulj
. .le 16 anuos : na
rua da l'iaia, n. 45, segundo ni.1 .>r, se dirfio ashabi-
idadeseo motivo por que so veinte.
-- Vcndem-se leilOos, o duas cabras com bastante
leite : na rua de S.-Krancisco, OUlr'ora Mundo-Novo,
n. 66.
Vende-se um bonito pardo de 16 annos, pro-
prio paia pagem ; urna prita de mcia Idade, por pre-
go commodo"; duas pelas de 18 a 20 anuos, com
habilidades; um molequu de USgflo: no pateo da
matriz do ^.-Antonio, sobrado n. 4, se dir quem
vende.
Vcndem-se sacras com mil lio a 4,000 rs. sem
sacco, e a 4,400 rs. com saccu ; dilascoin feijao mu-
lalinho a 12,000 as. : no caes do llamos, venda de
Joilo Kvangelisla. Cheguem, freguezes; que se eslao
acabando.
Vende-so urna escrava de nacHo, moga: ao
comprador se dir o motivo por quo se vende: na
rua da Cadeia do Recite, escriplono do corretor uli-
veira.
- Vende-se farinha de muito superior qualidade,
por prei;o coinmudo : bordo do patacho Cuncei^o,
fondeado no caes do Collegio.
Farelo,
em barricas a 4,000 rs.; saccas grandes, a 3,50o
rs., ditas pequeas, a 2,800 rs : no armazem de I.
i. Tasso Jnior, na rua do Amorim, n. 3.
Potassa.
Dese/nbarcou ha poucos dias urna por
cao de barris pequeos, com muito nova
e superior potas, e se acham venda,
por pre$o mais barato do que ultima-
mente se vendia, na rua da Cadeia- Velha,
armuzem de Bailar & Uliveii a, n. 12.
T-A HELO
em saccas moito grandes,
a 3s'Goo rs. a saeta:
no armazem do llragoezao pedo arco da Conceigflo
Vende-se a verdadeira e muito superior fari-
nha SSSF, a relalhoe em porgflo ; dita dooutros au-
tores na rua do Vigarro, armazem de Francisco Al-
ves da Cunha,- n. 11.
Vendem-se saceos com farelo,
chegados ltimamente, pelo* diminuto
ou na rua do Vigario, n. 19.
Fabrica de Todos-os-Santos.
I'irmno Jos V. da Rosa com eseriptorio na rua
do Trapiche, n. 44, avisa aos seus frgnexes que aca-
ba de rrceber pela escuna Cu&oau novo soitimen-
lo do excellenle panno de aJgodfto entrangado da-
quella fabrica oplimo para eusaccar assucar e pa-
ra roupa de esravos. O annunriante conta que,
alm da fazenda, o desejo de animar o desenvolv-
ment de urna fabrica intciramente nacional, pro-
mover o proiiiitto consumo da sua receila.
Ferro
de todas as qualidades edimensoes, em barra ver-
galhiio, verguiiba, arcos-e chapa, por prego com
modo : na rua da Madre-de-Deos, armazem n. 26.
Vende-se um moleque de8a 9 anuos, sadio o de
bonita ligura ou trocu-sepor urna prela que tenha
habilidades c sem defeito, vollando-scoquo fr jus-
to : no Alerro-da-Boa-Visla, n. 26, segundo andar.
Msicas para piano.
Na loja da praga da Independencia, ji 37 anda,
ha para vender um loslo de bellaa msicas para
pianos, lindas polkas, valsas, arias, quadrilhas.
ote por menos prego do que em outra qualquer
paite; laubem rcslamalgumas valsas para flauta.
Lotera do 11 io-de-Janeiro.
Aos 20:000^000 de rot.
Na loja da praga da Independencia, n 37, acaba de
i'hegai' um novo sortimeiilo meios bilhetes, quar
tos, oilavos e vigsimos da lotera do Ro-de-Ja-
nciro, concedida a benelicio da rasa da Misericor-
dia da cOrlo. Na mesma loja se mostraa lista da lo-
tera passada o se trocam os bilheles premiados.
TIJOLOSDEMARMORE.
Jos Seporti vende lijlos de marmore azul a
branco por prego commodo : ua rua da Cruz, n. 18,
LONAS CUUASDEI.INHO.
Jo.v Saporil vende lonas cruas de-linlio da lar-
gura das da Itussit, por prego coaiunajo: n rus da
Crvz, n. 18
Conlina-sea tender'agoa de tingir cabello:*
na rua do Queimado, n. 41. O methodo do appcar
edita agoa acompauha os vidros.
Nos arinazens de Joaquim Flix da Raa, na rua
da Madre-de-Deos ha para vender ferro sai Tuina
por prego commodo.
-- Veodcm-se queijoi de prato, dilos londrlnos ,
mullo fi estaos, latas com bulactfinhas de Lisboa ,
a-au_w u, ...i .-1L40LL*
ditas com ditas de ararula dilas convherviihas, di.
las com Sardinbas, ditas de mermelada de 1 2 e 4
libras garrafa rom vinho moscatel deSetubat di-
tas de dito da Madeira ditas de licor tino, avens
velas de espermacelo da otem libra, propriaa pil
ra lanternas caixinbas de maesas finas do estmlij.
tilias, frasqunhnsdouradoscom agoa de flor de I,
ranja: na rua da Cruz, no Recite, ri. 4.
Farinha de mandioca.
No armazem n. 1, no caes da Alfandega, vendem
se saccas com farinha de maiwloca d alqueire
muito auperior, por prego commodo.
Vendem-se caixas com licor em'garrafas, mui-
to' swpwitrr t bem como cognac Urntoam ate girrt.
fas : no eseriptorio de Novas Gompantiia.
(-evada e caf moldo.
No Forte-do-Mallbs, rua do
Amorim, n. 36,
n anliga fabrica qt* pertertoeU ao finad Vi di
liveira boje rerlencenle o sdb direcetoi de Arr>
Ionio Joaquim Vidal l CompanhintiS, vena-se,alm
do superior caf moido o muilo exopllehte e est.
mado caf de levada da melhor qualidade que iu
no mercado por prego mais^commodo do que em
outra qualquer parle.
Fejao mulalinho
muito novo e em saccaa : na rua da Crua, ao Reci-
te, armazem n. 13.
Queijosde Minas,
por menos prego do que em outra qualquer parte:
na rua da Cruz, no Recite, armazem n. 13.
Vendem-se caixas com' feooes partrVnBis t
mais ferragens, vindas agora : na rua da' Arlftrrdegi-
Velha n. 5, armazem de C. T. A. Stlay.
Vondm-se, no armazem junto ao arco ds Co-
ceigo, n. 64, balis em arroba 0 saccas com mi-
Iho, por prego cnniinodo.
Vende-se a barcaga Carlota, de carga de 12 csi-
xas, pi ompla a navegar: na roa do Caoug, loja di
Francisco Joaquim liuarte.
Vende-se feijSo mulalinho', a .coo rs. a su-
ca : no caes da Allandeg*, armazem M Antonio Ali-
es Jacome Pires.
Vendu-se um bonitb cavallo bstanle novo, do
cor rozilho anda de baixo a mcio e que'lie proprio
para aenhora : na rua ostreila do Kozario n. 30; se-
gundo andar.
i\a rifa de AgoaVerdes,
n. 46,
vende-se, por precisSo, urna escrava sera n menor
defeito e coro excedentes habilidades; duas ditase
dous moleques.
-- Vehde-.se una prela de 24 annos, vistosa sa-
dia bastante diligente, e que lava e cosa ; urna ca-
hrnha de 12 annos muito geitosa para o servigo da
urna casa : na rua Nova, n. SO, segundo andar.
Na livraiia nova do palco do f
Collegio, 11. 6, de Jloaod.i Cos- j|
la Domado. (
vende-so popel para oorles de vestidos, dito do mu-
sica muito fino proprio para rtopiar meilinhas para
pianos, de pluuitosia ou papel de eucommendas,
lapes fiaos verde, azul, encarnado e ainaretlo se- f
mentes, obreas de gpnua-afbVd, com passns ri- '
quiasiinas carteiraa de mai lim.reguas de diffeienles
qualidades e tamaitos, peonas de ago muilo boase
oulros inuitos ubjeclos que so aesbam d receben
estilo palelos os freguezes: tudo por prego cum-
modo-
Vende-se um Atlas de Coujou e a obra de geo-
graphia porllrcui : no pateo do Collegio, loja n. I.
-- Vende-se urna loalha toda de renda, um lo de
lnho branco um coero de casimira bordado: tudo
por prego commolo : na rua de S. -Francisco, u. 30.
Vende-se um bonito inoloquedo nagiio Costa,
de 22 annos sem vicios nem achaques: ao compra-
dor se dir o motivo por que se vende; na ruado
Caldeireiro, n. 46.
--.Vende-se urna parda do 18 anuos, que engom-
ma lava e coziuha o diario de urna casa por pre-
go commodo : o motivo porque se vende He poros-
lar preuhe na rua do l'adierr'lorianuu n. 9, vis-
do do erigado.
Escravos Fgidos
-------------Li.
-- Desappareceu o prelo Antonio, da nacao Con-
go olhos grandes ; tem falta de alguna denles ni
frente e urna ferida em um pe : quem o pegar leve-o
a rua da Cruz, n. 2, quesera gratificado.
Desappareceu, 110 dia 20 do corrente; as2 hora
da tarde um negroierrioulo de nomo Cypriano,
de 16 a 17 annos, cor fula, ollios grandes; tem "U"
cicatriz na testa cabellos corlados esescogo MI*-
do; le vou caigas velhas azuladas, camisa de ni'l-
polao : quem o pegar love-o a cana do padre rr.eitro
Miguel do Sacramento Lopes Cama, que recom-
pensar.
Fugio, no dia 19 do corren te urna parda
Antonio do Souza ilarroao, morador no engen'10
feuanduba a qual dirigu-se nara esta praga ; be "e
altura rogular, cabello ruim, beigos grossos, denles
limados o com falta de um o dous na frenla; ".
noticias de ter vindo em um comboi ds ago'arJ*'
alaos Afogados: quema pegar, leve-a a. rua larga
do lio/ario, 11. 39, que ser gratificado.
- Fugio um moleque cabra de Borne Caudencio,
nos lilis do Janeiro prximo paseado ; levou cainiM
e ceroulas de algodSozinho, bonete do orello da pa"
no azul e branco ; representa ler 13a 16 anno,w
cicatiizes de bexigaa anda muito redunda : quem o pegar leve-o rua do QuenBoi
loja u 27;
- Ainda se cha aosenle, deWe ato escrava Josepba erioule, natural- do erWo ;
va vendoiido fratM a\e3teiiiwa>r*-ia^iams?*".
lur ; levou saia da igual* artl, pmam m ***
usado : quon a *a* la*e-e a r. PJsJlpaist
porto da ru Hora, sera graiMcado.
f*(*i*. : ni ftt. omm.t. o* raaiH-***^
MUTILADO 1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENICJGBMD_S1YV61 INGEST_TIME 2013-04-13T01:14:15Z PACKAGE AA00011611_06449
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES