Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06448


This item is only available as the following downloads:


Full Text
- ....

.Anno XXV.
Sexla-feira 25
0 W4*/OpubHca-eti>ooiwdlaaqueao
forera d, goarda. O preO ""H"" >
,1c000rs. norqiiarcel. P annuncio do aMgnanle sao Inaerldos
raao de 20 n. por liuba, 40 ra. em typo dif-
Urente, ca rrpetiertes pe %UJ^' Ln*
f ...Igoanle. P 1M r..
| cni typo differentc, por cada publicado.
PIIA8ES DA'LUS NO MEZ DF. FEVEREIRO.
Un hela, a 7, 8 hora e 86, mi*, da maah.
PARTIDA DOS CORREIOS.
Goianna e Parahlba, i seg. e aextaa-felras.
Ui.i-G.-do-Norte, quint9-feiraa aomeio-dla.
Cabo, SerluhSein, Rlo-Porii^oaOi Poi to-C,ilvo
* Macelo, no I a 11 e 21 de cada mct.
Garanhuns e Bonito, a H e 2.1.
Iloa-Vista e Flores, a 13 e28,
Victoria, s quintaa-f-iraa.
Olinda, todos os dias.
PREAMAR DE HOJE.
Primelra, ai 5 horas e 18 minutos da manh.
Segunda, 5 boras eii miauos da tarde.
de Fevereiro de 1849.
N. 43.
DAS DA SEMANA.
10 Segunda. S. Conrado. Aud. do J. dos orph.
doJ.dociv.eilo J.M. da2. v.
20 Terca. 8. Kleuierio. And. doJ. doc. dal.
v. e do J. de pai do 2. dit. de t.
21 Quarta. S. Maximiaiio. Aud. do J. do c.
la 2. v.edo J. de i>i/. 22 Quinta.S. Margarida de Cortnua. Aud. do
j. dos orph. e do J. M. da 1. v.
23 Sexta. I.iiaro. ntl. do J. do civ. c do
J. de pai do I. dial, de t.
24 Sabbado.*S. Malillas.
25 Damlogo. S. CcLria.
Cambios no da 22 de fevereiro.
Sobre Londres a 20 d. por IfflOO rs. a 00 dia.
Pars
Lisboa lfi8 por cenlo de premio.
> Rio-dc-J.~.neiro ao par.
Hese, de Iclt. de boas urinas a !/, % ao raei.
Accoea da coinp. de Rrberibe, a 50? rs. ao p.
C/uro.Dncas lic.pnuliola. -l'Wm a 30#i)(>i>
Mocdas de 6/400 v. 17#2rtll a IT/lOi'
. de 0/400 ii. 10/200 a lli^Oi'
de 4/000.... 9/200 a 9/4O0
Prala-Pataertes brasllelros 1/060 a 1/680
Pesos coliunnarios. 1/900 a 1/9SI)
Diios mexicanos..... 1/880 a 1/100
PARTE OFFICtAL.
MINISTERIO DA FAZENDA.
EXTRACTO DO EXPEDIENTE DO DM 24 DE JANEIRO.
Ao administrador da recebedoria, que, em con-
formidade com a imperial rcsolucfto le 13 do.eor-
rente, sobre consulta da seclo de f.zend. do con-
celho de estado, o banco commercial nllo deve pa-
par novo sello dos tales de que trata a portaria de
10 de fevereiro do anno passado, una vez que ex-
pirado o pr.4 ae corttervem em poder dos qoo os
possuirem, saoi quo nisso ntervenlia o banco, e sem
que baja novo contrato, em virtude do quat conti-
nuem gyr.r,mas, se frem recolhidos, nio do-
vem ser novamente tdmittiilos sem que paguem o
sello respectivo. B norqne consta que o banco an-
da depoi de lei do 18 de setembro de 1815 tem in-
deviilamente papo o sello dos vales-pela tabella le
0 de abril de 1844, com o fundamento le que havia
feito pagamento anticipado, pela faculdadequc para
jsso d o decreto daquella data, quando deveria ter
pago n forma isa nova lei, cumpre que se exija o
pagamento da differenca que so verificar.
INTERIOR.

GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 31 DE FEVEREliiO.
Odelo.Ao inspetor da thespuraria do fuenda
transmittindo o aviso de uro lettra da quantia de
100,000 ris sacada pela thesouraria da fazendaado
Rio-Grande-do-Norte sobre cssa e a favor do Manoel
Joaquim de Araujo.Scientifcou-se ao vico-presi-
dente da referida provincia.
Dito.Ao mearan, recommendando a expcdic.lo
lo suas ordena, para que, da verba votada para des-
peras da policia, seja entregue ao subdelegado sup-
plente da freguezja de San-Frei-Pedro-Concalves,
.Francisco Itanede de Almeida, a quantia de 30,960
que elle despendeu.com carpe tos de varios ohjectos
que apprehendeu o fez recolher ao arsenal de guer-
ra e i fortaleza do Brum.-lnleirourse o che fe de
policia. Dito.Ao comrtlandante da ilba de Fernando,
communicando quo nosta occasiSo segu para
aquella ilha o padre Vicente Ferrcira do llego, no-
meado capeltto daqucllc presidio.
Dito.Ao mesmo, declarando que pelo comroan-
dante do patacho /'rapama ser-lhe-ha entregue urna
caxinha conlendo puz vaccinieo.
Dito.Ao mesmo, dizendo que quizera remetter-
Ihe prensa que S S, requisllara para a rahrlcacio
do farinhn de mandioca ; mas que, sendo informado
de que.ella se pode fazer alii mesmo, exije que S. S.
declare se he isso possivel, e no caso contrario envi
as dimensoes delta para Ibe ir daqui prompta, ou
ao menos.remctterem-sc-lbe os materiaes necessa-
rios para alai se fazer ; declarando que seria grande
vantagem que ahi so podesse fabricar toda a f.rinha
precisa para oconsummo da ilha, o quejulga muito
fcil attenbj o, numero do presos trabalbadores que
ahiha,-ea fertidade do terreno; recommendan-
do, emim, esapregue S. S. todo o zelo o esrorQos
em obter..al* resultado na certeza de quo a presi-
lencia o auxiliar com todas as providencias que
del la depende re m.
Dito.Ao inspector da pagadoria militar, orde-
nando que, vista da ernta que remelle em dupli-
rata, pagues Rento dos Santos llamos a ouantia de
72,000 ris, importancia le tres mil telha que von-
leu-ao inspector doarsenal de marinha para serom
enviadas ao commandante da ilha do Fernando que
as requisitou.Communicou-se ao inspector lo re-
ferido arsenal.
Dito.Ao mesmo, dclorminando entrefino aoal-
moxarife do arsenal de marinha ou pessa por elle
autnrisada a quantia de 148,706 ris que se despen-
den com o sustento dos prisioneiros quo cstiveram
recotbidoi a bordo do patacho Pirapaura, do 5 a 11 do
frrente.Parlicipou-se ao inspector do masmo ar-
senal.
Dito A&mesmo, mnndando que pague a Ono-
fre Jos da Costa a.quantia de 21,000 ris, impor-
tancia de duas barricas de bacalhao que vendeu
*o inspector do arsenal de marinha para sustonlo
da furca queguarucceu afreguezia doheeifq no dia
2 do crrenle.
Dito.Ao coramandanto do corpo de policia, oxi
Rindo remella presidencia a f de officio do solda-
do daquetle corp, Manoel Francisco llandelra, que
tallecer no da 19 do crrente, cm cunsequencia
do forimento que recehra no combate do dia 2, e
declarando que o documento exigido deve de vir
acompanhado do lodos os esclarec mentas que Smc.
poder obter acarea da familia do mesmo soldado.
Hito.Ao inspector da pagadura militar, orde-
nando que pague ao commandante do vapor l'er-
nambucona, Jou Milito Delinques, a quantia de
374,400ris que despendou com as comedorias do 1
lente, 1 alteres, dous cadete e 110 pravas de
prel qu por ordem do governo imperial conduzio
da corte o da Babia para a provincia das Alagftas.
I'articipou-se ao commandante do referido vapur.
Dito.Ao Inspector do arsenal do marinha, reeom-
mendando baja de providenciar para que se pspue no
commandante do vapor l'ernamui/einn, Joilo MililHo
Henriques, a quantia de 37,500 res pela importan-
cia dnsromedorias de embarque que forneceii a tres
oiliciaes d'armada nacional, que, de ordem do Exm.
Sr. ministro da marinha, conduzio elle da provincia
da ftahia parosla:Seientibcou-s o commandante
inencio#do vmiv
ALAGOAS.
Illm. e Kxm. Sr.Sendo a amizade e gratidiio dos
povos a melhor prova dasqualidades eserviqos laj
seus respectivos administra.lores, leva V. Exc. isto
crtillcado, dtspedindo-so dos Alaganos, que geral-
mente reconhecem o ficam beuidiiondo as bt^as e
honestas inlencOes com que recta e mparcialmanto.
soube fazer juslica a todos. Esta cmara municipal,
porlanto, no pile deixar de manifestar V. Exc.
que acompanba aou seus comprovincianos o munici-
pes om particular nettes justos senlimentos, restan-
do-llie s a esperance de adiar na pessoa do digno
successor de V. Exc. virtudes o inlen^Oes que, reuni-
das i sua reconhecida illastracio, pdenlo fazer n
felicidade desta provincia, que V. Exc. tanto deseja-
va o promova. Digne-se, pois, V. Exc. de aceitar es-
te tributo de recoiihecmenlo e de saudade com que
noadeixa penborados.
Dos guarde a V. Exc. Paco da cmara municipal
lo Macei, em sossn ordinaria do 12 de Tcvereiro do
1849. Illm. e Exm: Sr. Dr. JoUo Capislrauo Randeira
de Mello, ex-presidento desta provincia.Assigna-
dos l'rnnciico Elias Periira, presidente. Mutioel
fiette de Sampaio. Manuel da Coela liraei.ller-
nardino Gomen Hibeiro.Antonio Alvaret Monleiro.
Paulo Joaquim Tell'ei Jnior. Francisco de Metra Li-
ma.l.vit Corrcia de Uenczei.
lllmi. Srs. Os mctis diminutos servicos durante o
curto periodo da minba administraco no furam 80-
nilo o cumprimenlo dos meus deveres; mus as ex-
pressoes de benevolencia quo Vv. Ss. acabam dodi-
rigir-mepor occasilo deachar-se linda a minha la-
refa do presidir esta provincia-, mas o apreco etn que
Vv. Ss, s dignam de ter os desejos que sempre me
animaratn de engrandece da quanto mo fdsse dado,
importam umtestemunho muito lisongoiro ao meu
corceo, e com que me sinlo sobremodo penliorado.
E, pois, asseguro a Vv. Ss. que esse acto de bondade
com que lano me honraram, ser por mim sempre
recordado com o mais vivo reconhociniento.
lieos guarde a Vv. Ss Maceio, 13 de fevereiro de
1849. Illms. Srs. presidente e mai vereadoros da
ruinara municipal desta cidade.Joo Capislrono
Uandeira de-Mello*.
Illm. e Kxm. Sr.Se a paz e o bem estar do* povos
silo os primearos e melliores bons por que suspiram
os habitamos de qualquer parte do mundo, os da
provincia das Alagues, que dovidamenle prezam c
aprecian cssos bens, gozaram-nos plonmenlo du-
rante o lempo da justa, paciiiea o honesta adminis-
trado le V Exc que, empregando as mais acerta-
das e promptas providencias, fez que licassemos
sontos dos horrores e desgracas por que ora esta
psssando nossa irmua e vizinlia, u infeliz provincia
de l>ernatnbuco.
Km cunsequencia, a cmara da ciliado das Alagas,
por si c pelos habitantes do municipio quo represen-
ta, nOo proeucheria a sua misario se por l.lo plausi-
vel motivo deixasso de patenlear V. Exc. o seu jus-
to reconliociniento, a sua eterna gratidao; e lauto
mais ella se ufaua de o fazer quando- suulfc que o
melhor dos monarebas, pesando em sua alta sbado-
doria ISO valiosos scrviro, acaba de condecorara V.
Exc. com o veidaileiru o real distiuclivo com que
silo premiados os bons e leaes servidores do eslado.
Oueira, |tuis, V. Exc. aceitar os puros o sinceros votos
desta camaru, quo implora ao Kutc Supremo dilate
os preciosos utas du V, Exc., como se faz misier.
Dos guarde a V. Exc. Paco da cantara municipal
da cidade das Alagas, em sessilo extraordinaria do
16 de fevereiro de 1849. Illtn.e Exm. Sr. Dr. Joilo
Capislrano Baudeira de Mullo, ex-prcsidenle dosta
provincia. Jote demandes de Otiveira Santos, ppo-
presidente.Joaquim ini de Uliveira. Padre Jote
Candido de Vatconcctlof.Francisco Manoel da Cunha.
lago francisco Pinheiro.
A paz le que goza esta provincia cmquanto lula
fratricida ensanguenta a de Pemainbuco, he um pa-
drio de gloria paru todos os Alagilanos, e os servi-
ros quo elles anda prestam a favor do reslaboleei-
raenlo da onlein n'aquella provincia, devem ench-
los de orgulbo. i) que fiz por bciii dos mesmos deve-
res, o eucareco benignamente a genarosidade do
Vv. Ss., e eu, cordialmente grato a Vv. Ss. pelo con-
coilo. vantajoso que ttveram a bondade de manifes-
tar-me aceica de minba adtninislragflo, sinto-me etn
extremo animado com tilo dislincta recompensa .'
mas quizera, antes do consegu-la, ter motivos para
realmoule cousiderar-me digno lo mereco-la.
Dos guardo a. Vv. Ss. Macei, 17 de fevereiro de
1849-Illms. Srs. presidente e voleadores ta cmara
municipal das Alagas.Assignado, Joa Capistra-
no Uandeira de Helio.
n5o tarda o momento em que nos vejamos no gozo
da mais perfeita paz, bem como do todos os benefi-
cios que tlella sem provir.
Ainda nio ha dous dias,. publicamos nos em o n,
41 deste Diario dous ofiicios e unta carta, comproba-
torios da desmoraiisacfloc desanimo que lavrampor
entre o grupo rebelde que, balido cm Po-Amarello,
por abi divaga cm busca de escondrijo ; boje vamos
dar publicidado a tima parlicipaclo do subdelegado
do Pedras-de-Fogo, a qual, ao passo quo confir-
ma ludo quanto naquellas pecas so contiiihn, dcs-
creve mais explcitamente a situacilo perdida c des-
granada desses horneas quo, pouco experimenta-
dos, o ainda acreditando as fallazcs ptomessas
daquelles quo se inculcan seus amigos no entre-
tanto que os precipitam om um abysmo nsotnlavel
de miserias, tiveram o descoco do tornara medir
I u is armas fratricidas com asdos leas defensores da
legalidade.
Illm. e F.xm. Sr.Tcnlio a honra ilo communi-
car V. E. que boiilar, ns 4 horas la madrugada,
o Sr. tcnentc-coroncl Fellicano Antonio FalciYo le-
vanlnu o acampamento desta povoiico para a de
Ilababiana, provincia da l'araliiba, o la chegOU
a ao mcio-dia com 6 lgoas de marcha, quando os
a rebeldes j senflo nchavam thi.pois tinlinm sabido
u precipitadamente com dirccQ.lo para o Itrejo-d'A-
rea desde as 9 horas da mandila do 16. Al as 5
< horas da madrugada de boje ainda a forra do go-
verno se achava acampada uaquelle lugar.
Ootista-tno que ocaudilhq Moraes, delnhamila,
retirra-se muito descontento pelo assignalado
triumplio que as armas da'legalidade obliveram no
.. combate dado contra elles no campo do PSo-
Amarcllo, e que o seu descontentamente so tor-
al nara ainda maior vista do dosprezo com que o
iraia o generoso povo parabibaiio que, surdo a
todas as suas pedidas liisinua<;Oes, detesta ao
mesmo cattdilho e a horda de selvagens que a
scompsnlia.
a Alin desse desgosto, leva Moraes o desespero
rjue Iho causou o ferimento do un prenlo seu,
e a niorte docaudilbo liorna, cuja peda ello ten)
a e a mo
por irrcparavel.
Inlrctanto, cont V. Exc, que o povo parahlba*
no muito respeilador do governo e do nosso sem-
pre adorado monarcha, se conserva tranquillo em
suas casas, i espoliando as autoridades.
Consta-me igualmente que, depois dimortedo
Roma, sedebandou a genio que o acuinpaiiiiava,
levando as armas e as munices.
Dos guarde a V. Exc. Subdelegada de policia
dnl.0deslriclt>del'cdras-de-F.go, 18 do feverei-
ro de 1819 Illm. e Exm. Sr. desembargada Ma-
noel Vieira Tosa, dignissi.no presidente da pro-
vincia. Vicente Jos de Souto, subedelogado sup-
plente.
s silo dovidamenle julgndos no futuro, o s vezes
mtiitos nnnos dopois que tiveram lugar. Talvez
mesmo quo alguem do partido do communicador
absulva a revolta como mcio de desdicrelo do pirtido
que a siisciton, c garanta de duracHo para o partido
que a combaten.
Abstrajo lo quadro horroroso que presentara
esta bella cidade, so a revolta triumphasso ; no
quero-entrar na quesillo da BXCelleneia dos meioa in-
lellecluaos sobre as vas ib'fado para a implantaf;io
das aletea : mas, embura vejamos nos indios do
llarreiros tima horda de sclvificns sedentos de san-
fiuc o de saque, crein qii" esta circttmstanc.i nfio
altera a untlireza poltica do facto, e que os polticos
e auloriilailes fa-lo-hHo punir, mo como prime con-
tra a seguranza individual, mas como delicio polti-
co. Quando em Itoma as IrgiiVs plchas, amotina-
das pelo Yi'lho mutilado que vociferava contra a bar-
baridado las leis acerca dos devedores, se scpar.i-
ram, e, acampadas sobre os montes Sagrado o Aven-
tino, emeecaram a cidade, uo nassava isso de una
insurreeo criminosa ; mas este fado foi prenlie de
RContecimentos la prlmeira iiiagniniili*, foi a oiigem
do tribunalo, que mais tarde trouxe a lei das doze
laboas. Trago este exemplo Smeilte para provar que
silo incalctilaveis as cotiseqiieneias de um fado pol-
tico, oque ha fados que, no parecendo polticos,
teein louavil a mais seria influencia sobre a legisla-
cSo e a sorlo do povo no mciodo qual so passam
econi esta explcatelo exijo que so ntlo Itv s minlias
expressties otitra iiiterprda Devemos, pois, sor cautelosos no jtilgamento e
apreciaQio dos firandes aconlpcimentos j e porqtin
iini li->mi -ni prudente es|ier.i o calma las paixfiRS,
nio pode nem deve ser insultado a pretexto de affeic-
tjtlo is affiea populares, cniuilo menos a> Igsassi-
nato cao rotibo, que s vezes silo o seu paradeirn.
Rrbtlde encnberlo o. lujpociila Quom anlorisou o
commiinicatlnr do Unido a assim qualificar-me ? lin-
do estilo os meus feiloa? Quo exprimo mesmo esta
lngoagcm seno roprovada ferocidatle ? Torne-so
oniou inimigo superior a esses odios de momento ;
veja as cousas com olhos imparciocs e siga com a
historia aborta a marcha da cviinr9o e a sene dos
acnntecimentos. Ntlo se arrogue liio pouco os attri-
bulosda Divindade, o no queira perscrutar 0 que
so Pss nocorar;;lo alhein, mnnenlo quando esle
cora^lo sempre palpilou pela m/.v /n-lo dominio da
le, o que nem loilos poilerilodizer : quom sabe so a
sua BXtltacSo he menos devida pacilicaclo da pro-
vincia do que ao eslado anormal, que I lie parece
proporcionar asado onscjO para covar vinganens ran-
corosas ?
E so o communicadnr do lirado, tachan lo de mo-
derado o governo, jblga desl'art fazer-lbc urna
censura, engaa-se. Os vencedores teomdireitoao
galardflo o recompensa do governo, i quem leal-
mente serviram ; mas n.lo a que se elle tomo ins-
trumento do seus odios particulares.
Doutor Antonio Vicente d !\'ascimento Vellosa.
duiiiit umhMgiiicti.
BECirc, 2 di nviariao deis.
MIS UM PBOT^ D ArmOXIHAyiO DOASIQCIIA-
MHTO DI RIVOI.TA.
Cada dia vem leras nossas nulos um documento
.Srs. Redactores Quando me achava entregue a
inlensa dr de haver perdido tninlia mfii. levada ao
tmulo pelos sustos do da 2, e pelos dissahores por
queafizeram passar os fautores de minha priado,
Uve mais o desgosto le me ver acnmoniosament.,
insultado em um lihello famoso inserto no lirado da
Haion. 13; c insultado, por havor empregado sem
nUncflO em um annuncio, que (iz inserir em o seu
Otario de 14 do corrcnle, urna exprcss3u innocente
que ao autor daquella diatriba aVrouve traduzr era
criminosa sympalbii pela revolta. Disseou em meu
annuncio, uo na tardo do dia I. do corrento me
retirara para o meu sitio bem desassocegadn por cor-
rer o boato de quo as torgas da revolta liberal pre-
tendan! fazer a sua entiada na cidade. A expressflo
revolta liberal deu lugar que o communicador do
Orado me acoimassede rebelde encoberto ehyponrita
sem pudor nem moralidade, que
em suas nios, aseria em
ruria
go
sea
as
des
l\ouTrVberal," teo nomo honesto sb (
sido conliccida
tomar sobre m
edi'st'ihndo coila,..
o presente teuho guardado. Cooenh "
.......tsw^BSsfsr
a estar o governo
u'ina'masinorra e nao clio-
e nois, poreslenotneatralu, sem
"..i. a responsabUidado da |W>g
,n8erv.rtod-..mparc'lid.de qua at
he,
consequenctas
desastrosas; mas devo cu scmmo
(lllilllll-
5**"*' i7 rnaem da naixao, ntialili-
deivar arrastrar ocla linguaoC"1 i .t ..
u.ixai diiasi i i..... > |0nlll0 da cniiiuali-
caressa revolta, quer sou o'"""".,. -, ..
dade. qur sb o do.....no da poltica i t.ieio quo
nao Pelo que respeita a cnnunalulade, tenl.o le
nos lribun.es do pau; a elica compeli decidir, so
he urna rebellino, se he urna seoicilo ou outro
qualquer crime ; e cnlflo. respe.tudor da le., ser.
Reverente nara cum as decisOes dos tribunal, l'elo
Sri. Kedaclores.Na poca actual em quo o sim-
ples cuniprimente de devores he considerado acto do
herosmo, em que as paginas lo sen Diario se achata
petadas de elogios ao. briosos defensores da logli-
de, spja-me licito tornar recommendavel o neme do
nosso ligno compatriota, o Sr. Ignacio Firmo Xavier
Jnior, alumno do5." anno da escola le medicina
la Babia ; > quaapenaachegado a esta cidade, non-
de na doce intimidado de sua familia pretenda des-
cansar das viuilias do auno ledivo, foi alistar-se no
batalhfo de voluntarios, e ahi recebido como cirur-
giffo-ajudante preatau valiosos servicos durante o
memor.vel conflicto do lia -2 do corrente, acudinno
com dMtimidez. todos os pontos emquceramreeln-
m.idos os socorros da sua arte, e continuot depois
cora zelo chumanidade a easialiraos laridoa, moa-
Irando deserabaraca o alguma pericia no cxercioio
de sua prolissflo. Esto rasgo de virtude Cvica mani-
l'esta o bom carcter do nosso estimavel patricio, eu-
io patriotismo, de.lica.lo-i inonarc.liia, o anhelo de
boa reputaco prova locera ni em sen animo as dis-
Ir.ccflo. que de ordinario aspira um estudanloem
ferias.
Assim, pois, adquiri elle direito eslima de todos
os homens de honra, que sahem dar valor aos que
eapflom a propriavidaeindefoaadaqrdemedase-
guranga publica.
Possa elle conservar na Italiia, para onde vai com-
pletar os seus esludo., o bom concoilo quo nos
seus primeiros anuos dn medicina merecen no lim-
ite Janeiro, e, alcanzado o premio dos trab.tllios e-
eolaslicos, regressar nos seus lares, e aqu encontrar
fortuna e geral aceitaclo. No ctanlo sirvam Hiede
animadlo e recompensa as agradavea reconiaeoea
de haver preenebido os devere* d bom eidadiio, o
ajusta apreciaefiodo seu merecimenio.
Qoeiram, Sr. Iledaclores, coadjuvar-me n dar tirri,
lesiemunlio do me., reconhecimanto, publicando
estas linlias cm signnl de gr.tiddo lo
l'm dos feridos no cmbale.
8ublcacocs i pedido
.. i. i-,-. I reverente nira Com 8S UeCISOeS UOS iriuuuaiu. i eui
pa. iubtlitar-noj a convencer os leilores de que nao ^g^ dominio da poltica, lambcm rao
lemoa andado m.lavisados sempre quo Ihes havemos onsidero 'incompetente para julga-la : os aconteci-
M.er.da> que.a revolta toca a, seu teroo, eque! mentes polticos, embora condemnados no prsenlo,
Illm Sr cnsul. Ein o anno do 1842 devia cu a
varia, peaaa. da villa do Pochia, na provincia das
Alagas, ondo cutio resida, a quantia de 180frs.
penco muii ou menos, e como quizesse relirar-me
ilalh iz-lhes cessao por acto judicial de ludo quan-




.
. .

^M-BS
to possnia, isto he, urna casa eobcrta de telha, anda
no inteiramento acabada, utensis e materines, o
que foi por elles aceito ; e, cnnstiluindo meu pro-
curador com os podros nccessiiios para este lim ao
juizdc pando lugar, part para Pernambuco, onde
nunca mas ouvi fallar dcste negocio, seno om
julho de 1844, em que me foi presentada nina lel-
tra por mim acoiti e sacada por um tal Ferreira
Cuimarcs, aquelle ile incus civdores a quem cu
devia maior quantia, o qual, assim comu os oulros,
tinha aceitado a ccsso que eu fizera de meus bens.
Recusei pagar esta leltra ; porque, segundo consta
de urna carta a inim dirigida por este inesmo Fer-
reira Giiiniares, elle tinha ja recebido parle de sua
importancia das mos do nrCU procurador; mas elle,
a nada atiendendo, recorreu juslica ; esto procesan
durou muito lempo, e anda durascm nenhum re-
sultado ; todava, por meo de um lestemunho lalso,
elle conseguio que se fizesse urna penhora provi-
soria em meus bens, ecom effeito fui-me tirado de
casa inuilo mnis de um cont de rs. em diversas
inercadorias, as quaes fram postas em deposito ; c
como por conselho de umitas patanal en declara!
que estas mercaduras n.to me pertenciam, fui ne-
cesario quo um terceiro apparecesse cuino dono
dellas. Isto levo lugar nos ltimos dias do mezde
agosto de 1845.
Em novcmbrode184, Mr. Vctor l.etcllier, nego-
ciante francez, o qual lodosos annos faz una va--
gom Franca, me tinha vendido, como no anno pre-
cdeme, varias fazendas no valor de 2.62N1 rs., co-
mo consta de sua factura, e por conla dcsta sornma
eu Ibc tinha dailo em dinlieiro, desde 17 da dezem-
biode 1844 al 15 de abril de 1845, nao a quantia
de 1,862/ rs. como elle pretende, mas sini a de
1,974/ rs., como consta deseus recibos, restando*
Ihe eu a dever gmente 651/rs. em vez de 762/ rs.
que elle reelamou. Mas, como a fe que nelle tinha
me impedase de verificar este erro, so he que erro
liouvc de sua parte, e elle eslivesso a partir para a
Franca, passei-lhe tres le tras afim de indemnisa-
lo da dita quanlia, a primeira de 250/ rs. a vencer
no flm do agosto de 1845, a segunda tambem de
250/ rs. a vencer no lm de setembro, e a terecira
de 262/ rs. por saldo a vencer no lim de oulubro, o
quenionlava a 762/rs, isto he, a 108/rs. maisdoque
cu clTictivamente Ihe devia.
Elle parti para franca no da 23 de abril de 1845,
e voltou no principio do agosto do mesmo auno ; e
eu, indo ter com elle, lliedeclarei francdiiienloqiie
nffo me era possivel pagar as tres leltrai que Ihe ti-
nha passado, tanto mais que naquello lempo o com-
merein lora inleiramente nuil. pela falta de familia
que naquelle anuo houvera ; porm que, so elle qui-
z'esse reccher em pagamento as fazendas que me
linham sido penhuradas pelo negocio de Macelo,
negocio que elle conhecia lauto como cu, as quaes
montavam a urna quantia muilo uiaiordo que a-
quella que Ihe devia, cousadeque elle podara f-
cilmente convencer-se, apiesenlandu-se como do-
no dellas, eu Ihe remelteria todas as pecas e todos
os ttulos precisos, o que elle acechando, depois de
tomar as infurmagoes necessanas, propz a acgiio
conveniente, como consta da curta junta que me es-
crevera, e tambem das pegas do processo.
l'elo que fica dito v-se que cu Ihe deixei um valor
muilo maior do que aquelle que elle pretenda que
cu Ihe devia, e que pelo titulo de sua aceitago eu
nio era mais seu devedor ; era ello ao contraro
quem me devia, por quanlo, ou fsse por erro, ou
sse por qualquer outro modo, elle tinha ton.t ra.
meus, slm pois em a carta, ife queja fallei, c que me escrevera
na pabia com dala de 9 do oulubro, assim se expri-
meanda contino com o negocio de Ferreira Cui-
mares-oque prova a sua acceitagflo. Mais adan-
te ello diz assim rerommeiiilo-lhe mande-me di-
zer o numero da casa o a ra onde dever ser pro-
curado, em qualquer parte que se demore, assim
como que me remella a leltra que dei a ma lama
Tarault para o Sr. ass'gnar, pois asoulras, eu as
perd, puiquanto, no caso de que o embargo ler-
ceiro que propuz, no seja recebido, como creio que
uo sei, lendo a ledra, eu poderei entramo ra-
teio das fazendas como credor ; be por este motivo
quo Ih'apeco, 'e uo porque Ibequeira fazer mal
csla lellra, a qual foi sellada a 27 de setembro de
1845, he assim concebida.
l'ernambuco, ldeetembro de 1845-Rs.7628000.
All uta das precaos, contados da data desta, pa-
gar V. m. a mim ou niinha ordem a quantia de
setecenlos e sessenta e dous mil rs. de igual valor
que de mim recebcu cm fuzendas.
Creio que estas provas so bastantes para mostrar
que eu uo era mais seu devedor; entretanto, ou
fsse por esqueci ment meu, ou porque nilo dcs-
conliassc delle, continuaran, cm seu poder as tres
letlras, as quaes em conformidade da sua accei-
lago, e segundo a probidade, cu devia considerar
como aullas ; c o erain com cllcito. Isto se passou
pelos (iris do mez de agosto, e eu part alguns dias
depois para a Babia, dexando aqu minha miilher
com ordem de ir ter com migo aquella cidade, logo
que tivesso arrecadado algumas quantias que me
eram devidas; porque, gracas i lieos, eu nada devia
a pessoa alguma em l'ernambuco.
Cumpre-me declarar aqui, Unto para render ho-
menagem verdade, como por que isso he necessa-
rio, que ella nfio he niiulia inullicr, equea casa cm
que morava eslava alugada em sen nume, o que he
fcil deprovar-se; entrelariio eu nilo sei como, nem
com que inlcngrs Mr. Letellier, quinze dias depois
do minha partida, mandou fazer embargo em sua
casa, estando ella ausente, arronibaiulo-se-Hio a
porta, fazendo-se o mesmo aos seus babs, rcvol-
vendo-se ludo, c al sem respeilo ao pudor revis-
tando-sesua cama, sua rouna suia. lodos n< um i .i
papis fram lulos cu. alta voz, Ihe fou"rado 1'" ,qU' "\ i l qU" a,|U' rc'Iro '' al-
O qual elle julgou necessario para o negocio\lasfc e'" qU'1 ,,-M *^" ,,r0V"' *'e "da V0,,,i,,,e
opprlmida debaixo do peso de urna afronta assas pe-
nivel para urna mulhcr, absorvida pelo pezar, pela
verconha e pelo desprozo em quo urna acgo tl
acabava deenvolv-la, pois que tinha e$pnlhado que
eu Ihe devia mais dequatro contos do res, e me ti-
nha retirado como um velhaco. Vendo-so despreza-
da ile todos, sem saber o que fizesse om semelhanto
circumstancia, um dos amigos desto homem, creio
nu, aconselbou-ljie que fsse sua casa, pois, sen-
do ella mulhere Franceza, era mais-que provavel
que ello nilo fsse bstanle injusto para dcixa-la cm
urna posicilo semelhanto ; a desgragada, nilo vendo
outro recurso, mas rito saliendo a sua morada, foi
infelizmente para a casa de Mr Ilaze, livreiro fran-
cez da ra Nova, amigo e confidente deslo homem,
eu poleria dzerscu complico; porquanlo seu no-
me, sua presenga e sua perfidia ligo, rain em todo
este negocio do urna maneira i no deixar nenhuma
duvida acerca de sua compjicidade. File suba me-
Ibor que ningui'ii) o que eu restava a dever aquelle
aquem fizera tilo nobic servign, pois, como lesle-
niunlia, sabia dn aceitago das fazendas, entretan
to elle figura, assim no e nbirgo feito em casa desla
desgragada, como lanibetii no seu levaulamento,
enlregando-lheellcs nesta occasio somante aquil-
lo quo convencionaram dar-lhe; alm disso sua
perlulia em todo eslo negocio para com a desgraga-
da mulher que della foi victima no fui trio abo-
ininavel.cnmo fui depois que ella disso so queixou,
o que a mesma provar quando fr lempo ; porm
ello llio cnsinou a casa que ella procurava, qual
ella foi como supplicante e toda chorosa :ou pego
ao Sr. cnsul que atienda a esla desgragada mulher
para poder convenecr-se da maneira liumillianlo,
pela qual estes liomens a Irataram, e da con lucia
aboiiiiuavel que para cun ella liveram, cnviamlj-a
da casa de um para a casa do outro, como qne por-
llando cm huniilha-la cada vez mais. Ellos obriga-
ram-na a fuzer todas as concesses que Ibes aprouve,
e as quaes ella so suhjeitou pela frga da desgraga,
pois que nem nina s alma caridosa se apresen-
tava para ajuda-la, mesmo com o seu -conse-
lho. Mr. I.etllier sabia bein que assim havia de
acontecer pelo desprezo que tinha laugado sobre
ella, e por isso obrigou -a logo a ensinar-lhe o se-
grclo de fazer mechas chimicas, que eu li-ilia
comprado, bom cono outros muitos, antes de par-
tir, dizendo quo s depois disso Ihe maullara abrir
a porta, e que domis seria isso urna indemnisigilo
por conla do que elle pretenda que eu Ihe devia.
Sua carta prova o que affrmo, pois quo ello all se
exprime assim.-Mr. Aube parti hontem para o
Itio-de-Janeiro e coininunjcou a Air. Itaizo um pro-
cesso de fazer mechas melljor ilo quo aquelle que
Jindama Tarault nos revelou. Com effeito ella Ihe
ensinnii esle segredo em casa de Mr. Itaize por con-
veng.lo feita enire estes Srs. alim de ambos se apro-
veilarem dollc, mas Mr. Letellier racusou o levan-
tmenlo do embargo, dizendo que o segredo era
mui punca consa, e Dito valia a pena ; que elle tinha
gasto muito dinlieiro com o embargo afora aquelle
quceu Ihe devia; que, se ella quizesse, pois, que ello
Ihe mandasse abrir a porta, era preciso quo Ihe pas-
sasso urna ohrigag.lo semelhantca um modelo que
Iheapresentou, o qual olla pela dore pezar que sen-
ta, no se loinbra positivamente de que quantia
ca, mas esla persuadida quo pelo menos era de
dous contos de ris, se he que no era de mais, e
como Ihe observas.se quo sabia que eu nada'Ihe M
va, elle reapondeu-lhe qilft, noeao Hoqo querer
passar a dita obrigagSo, ella poda retirar-sc para
onde quizse, quo ello nilo liulia precisilo do suas
lagrimas, e a mandar por em piaga ludo o que
linlia embargado, assim como a caixa de flha de
flandres,que liuha em sua casa, o que sempre o in-
demnisaria um pouco do que eu Ihe devia. Ora quo
poderla ella fazer sem dinheiro, sem aponi, arruina-
da pelo pezar o pela humilagilo? I'assou a obri-
gacffo, como ello o exiga, mas isso no loi ludo ;
eu no sei como elle soube que ella tinha urna let-
tra do 100/sobre a casa Mesquita & Compauliia, a
qual procurava negociar para fazer a sua viagem ;
o que sei he que elle obrigou-a cjin a mesma amea-
Ci a entregar nilo smenlo esta letlra senilo tambem
nutra de 25/ris, prelendendo sempre que era em
descont do que eu Iho devia, e conslrangindo-a
mesmo a eudossa-las ea faze-lo r econbecer como
portador das mesmas. He de notar, Sr. cnsul, que,
quindo ella Ihe cnlicgou estas duas letlras, o que.
leve lugar no mesmo dia o poticas horas antes de'
sua partida, achava-se dentro dellas urna cdula de
20/risquellie proviiiha de um dom philanlropi-
co, romo he fcil de provar-se, e quo ella, pela dr
o aligo, esquecra ; mas, apercebendo-se disso, a
rorlamra logo, azendo ver a necessidade que tinha
desla pequea quanlia, a qual era a nica que pos-
suia ; porm Mr. Letellier, longe do restitui-la, a
guardou a pezar das suas supplicas, dizendo quo
Aolllm. flwm. Sr. Natioel Alots l'creira, proprie-
lario e capel/o de Cora-Granie, em tutemunho de
eterna gratido.
S3JIBP<3>o
Ou o hsphoro eu veja sussurnnte,
Ou as libyeas syrtcs procellosas ; .
Ou divague as plagas bellicosas,
Do fro Scylhe, do Nunii Ja errante ;
. Ou bellatriceCallia Iriumphante,
Ou do cabo as ondas tormentosas ;
Ou siculas voragona espumosas,
Ou o Elhna eu veja fumegaule;
Ou dos doces perfumeado oriente
Eu os climas habite embalsamados,
(iu o ixo horizonte do occidente;
Ou o Antrctico, ou o rctico gelados,
ludeleveis sero na minha mente
leus obsequios mais que assgnalados.
Pon Manuel Amando Chaves.
CfflMEBClO.
ALFANDEGA.
RBNDIUBNTO DO DIA 22........... 8:551,178
Deicarregam hoje, 23 de fevereiro.
Brigue Nordem laboado.
Iliate Paquete-do-Maruim fumo e charutos.
Geral .
Diversas
UlNSULADO geral.
kendimento do da 28.
.......................1:418,334
provincias............... 104,661
1:522,995
CONSULADO PROVINCIAL.
KE>DIMENTO DO DIA 22.......... 1:939,901
Movimento do Porto.
Magdalena, e das ponteainhas da Passagom e do Re-
medio, sb as clausulas eBpeciaes abaixo transcrip-
tas, e pelo prego de 880,000 ra.
As pessoas quo se propozerem a esta arreaatacfio,
comparecam na sala das sesses do sobredito tribu-
nal, nos dias cima indicados, pelo ineio-dia, compe-
tentemente habilitada.
K para constar se mandou aflixar ojiresente, e pu-
blicarpelu/Ji'iiriu.
Secretaria da thesouraria da fazenda proviaaiil de
l'ernambuco, 17 de levereiro de 1M. .
0 2. cscripturarlo,
i4nf PONTES E TICOS.
Concertos da ponte d Passagem-da-| gdaleni,
e das ponlesinhas da Passagem o do llemedio.
Ctauulai espeeiaet da arremUacao.
1.* Os concertos da ponte da Passagera-da-Msgdi-
lena, e das ponlesinhas da Passagem e do Demedio,
sordo feltos do modo indicado no ornamento appro-
vado polo Exm. Sr. presidente da provincia, na im-
portancia de 880,000 rs.
2.a As obras principiarSo no prazo de quiniedlas
e termnarfio no de dous mejes, ambos con^ado.^
em conformidade do art. 15 do rcgulamento das ir-
rematigos.
3." O pagamento do imposto da arrematago.rei-
lisar-se-h no lim das obras depois dellas receidas
pelo engenheiro di rector.
4.a Em ludo o mais que no est determinado nu
presentes clausulas, seguir-sq-ha inleiramente o
que dispe o regulainento das arremalagOeida 11 de
julho de 1843.
Obras publicas, 14 de fevereiro de 1849.
0 engenheiro,
/. L. Violar Ueutier.
sempre era mais urna apprebenso sobro o que eu
Ibe devia. Finalmente no ha humiliago que elle
no fizesse soffier a esta desgragada mulher, a pon-
i de qualilica-la de ladra, o quo eu quero que ello
prove, e al mesmo depois que ella se retirara daqui
fez correr a seu respeilo os rumores os mais es-
candalosos, apicseiitando-nie lambem, por meio da
obiigago que por frga obtivera c que tcm mostra-
do por toda a pa'te, como iim tratante, um canallia
e bancaroturo. Elle tem eapalhado que minha par-
tida lora nina fgida alim de calotear a lodo o mun-
do, eu que nada devia a pessua alguma, o que
foi cxproliradouo Ro-Granito, no Itio-de-Jaueiro,
lia lila o inesmo aqui eui Pernambuco !
me
na
Eu ouso esperar que o Sr. cnsul se persuadir do
que um lal eslado de cousas uo | o.le durar mais
lempo, i os mo vnliei aqui aenSo para o fazer ces-
sar, lamenlaiido nao tur podido voltar mais cedo o
rogo, porlanto, aoSr. cnsul queira ter a boiulade'de
ver se ha mens, antes de ir mais longe, de o chamar
* conciliogiio peranto sua pessoa, e de anlemode-
Navine entrado no dia 22.
Mar-Pacifico, tondo sahido de Greenfort ha 17 mezes,
galera americana llaly. de 299 toneladas, capitn
Francio A. VVeld, equipagem 24, carga |azeite de
peixe; ao capito
Sidnay ; 94 dias, galera ingleza Seringapatan.de
360 toneladas, capito Frunci I.owell, equipagem
, 21, carga a/.eite de peixe, sal e mais gneros do
paiz ao capio. Vom refrescar e seguo para
Londres
Boston ; 30 dias, barca americana Brunelte, de 249
toneladas, capito Eduard Me. Gralh, equipagem
10, carga lastro; al.. G. Ferreira & C.
Hio-Grsnde-do-Sul ; 40 dias. escuna brasileira Htn-
riqueta, de 134 toneladas, capiliio Ignacio da Fon-
seca Marques, equipagem 13, carga carne; a
Francisco Joaquim Podro da Costa. Passigeiro, An-
tonio l.ins Maciel, Brasileiro.
Babia ; 17 dias, brigue inglez Saftguard, de 290 to-
neladas, capito John Me. Gawlly, equipagem 14,
Carga lastro ; ordem.
Vigo ; 32 das, brigue portuguez Primavera, de 171
toneladas, capito Manoel de Azevedo Canario,
equipagem 16, carga vinho, pedra e mais gneros;
a Antonio Joaquim Kibeiro. Passageiros, Manoel
Luiz dos Santos Maitins com sua mulher, 'Jos
Luiz de Barros, Portuguez ; Manoel Jos Ribei-
ro, Joaquim Pereira da Costa Larangeira, Anas-
uno Marques, Antonio Julio Lega de Moraes,
Domingos Luiz Ferreira, Eleodoro llibeiroda Fon-
seca.
Navios sahidos no mesmo dia.
Genova ; polaca sarda ledantate, capito Pedro Re"
bulTo ; carga assucar e couros
Itio-do-Jaueiro; brigue brasileiro Sociedade, capi-
to Manoel Joaquim Lobato ; carga sal e palha.
Liverpool ; galera ingleza Bonita, capito \V. Kelly;
' carga-assugar.
KDITAES.
/endas, cuja aceitago liuha tollo, fez-se desle o
bargo, o qual foi anles um roubo do que um embar-
go, urna especie de insulto, de liiinnliago e de des-
prezo, assistindo a elle um grande numero de pes-
soas, pois, segundo coufcssa seu autor, a casa, posto
que grande, cstavu cheia de gente, liraram-lhe urna
caixa de folha de flaudies coiileuJo phosphoro, a
qual mandaran! pesai tui urna venda e elle fez con-
duzr pura .su, casa, licaudo o inspector de quar-
tciro com a ciave de urna outra fecbadura deposi-
tario dos objeclos embargados. Eu cito a lirada Uesia
caixa porque he preciso que o Sr. cnsul ennbeca
toda a duplicidade, para no dizer -outra Cuus, uin-
pregada por esle homem, o qual preleudeu no en-
irega-la seno com cunJigus infaiiies, quetevea
petulancia de propr.
Por esle procedimenloa desgragada mulher es-
leve quatro dias fra de sua casa sem dinheiro, sem
i-.-ytu, seui recurso o som ucaliuw couhecimealo,
gu ni do q
inesubmetterei a todo o rigor das leis. Eu nilo peco
favor, pego justiga ; tanto mais quo Toi rom estas
mesmas lies letlras especificadas no principio da
presento queixa, soiumaudo lo las na quanlia do762f
ris, as quaes pela sua aceitago das fazendas li-
caram sem valor, quo elle conseguio engaar a jus-
tiga para fazer o embargo, commettoudo desl'urle o
cuma de esielloualo; porquanlo, par alcangar o
mandado do embargo, apreseutara ttulos a que no
Hulla nenhum direitu, smenle para fazer que solne
nos recahisse o odio publico, e losemos considera-
dos como entes desprezivois.
Tcnho a honra de ser, Sr. cnsul, com respeilo o
considuiago, seu aliento venerador o criado.
F. Tarault.
A cammx municipal da cidade de Olinda e seu termo,
em tiflude da lei, etc.
Faz saber aos habitantes do sed municipio que
nos dias,2.l e 26 do concnie, lulo de ir praca as 03-
siuiiax da ribeira, para serem arrematadas de renda
annual. Quem quizer arremata-las comparega na
sala das sessOes no dia 26, por ser a ultima praga,
ilevendii nioslrar-se competentemente habilitado.
Pagoda cmara municipal da cidade de Olinda,
2*"de fevereiro de 1819.l'ranciico Jote do Amar al,
Manoel Joaquim de liranda Lobo.
Miguel Archanjo Vonteiro de Aniraie official da im-
perial nrdem da Roa, cavalleiro da de Carillo e ins-
pector da alfandega de Pernambuco, por S. M. o
Imperador, que Ueo guarde, etc.
Faz saber que, no dia 26 do curenle, ao melo-
da, e na porta da alfandega, se lio de arrematar II
barricas com alpisla, no valor de 170,000 rs., im-
pugnadas polo amanuense Congalo Jos da Costa e
S, no despacho por factura sob o n. 3451; sendo
dita arre ma la gao subjeita ao pagamento dos direi-
tos de consumo.
Alfandega, 22 de fevereiro da 1849.
Miguel Archanjo Vonteiro de Andrade.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria da fazenda
provincial, em virtud da resolugo.do tribunal ad-
ministrativo, manda fazer pblico que, nos dias 20,
21 e 22 de marco prximo vindouro, ir praga pe-
anle o mesm > tribunal, para ser arrematado a quem
por uicuusjzer o concert da ponle da Passageiu-Ua-
0 lllm. Sr. inspector da thesouraria da fazenda
provincial, om virtude de resolueflo do tribunal ad-
ministrativo, manda fazer publico que, nos diis
20, 21 e 22 de margo prximo vindouro, ir prag
pcranle o mesmo tribunal, para ser arrematado a
quem por menos tlzer, o empedramento de 400 bra-
gas correntes nos 6., 7., 8." e 9. langos da estrada
do Po-d'Alho, sb as clausulas especiaos baixu
transcriptas, e pelo prego de 3:400,000 rs.
As pessoas que se propozerem esta arrema tagSo,
comparecam na saladas scsses do sobredito tribu-
nal nos dias cima indicados, pelo meio-dia, com-
petentemente habilitadas.
F. pa^a constar se mandou adlxaro presente, e pu-
bliir polo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda provincial di
Pernambuco, 17 do fevereiro de 184a.
O 2.0 escriturario,
Antonio Ferreira tf Annunciacio.
CLAUSULAS ESPECIAES DA ARREMATACAO.
Eitradado Po-d'Alho.
Quatrocenlas bragas correntes de cmpedrimenlo
nos 6., 7.; 8.e 9." langos da eslrada do Po-d'Alho.
1 .* O empedramento feito pelo systema Mac-Adam
execular-se pela forma, sb as condiges, e domo-
do indicado no orga ment approvado em 8 de feve-
reiro correte pelo Exm. Sr. presidente da provin-
cia, e pelo prego de 3:400,000 rs
2.a Em todo o lempo das obras o arrematante dar
um li.vre transito aos viandantes.
3.' As obras principiarSo no prazo de um mez,
acabarlo no deseis mezes, ambos contados em con-
formidade do artigo 10 do rcgulamento das arre-
mata gcs.
4.a O pagamento do imposto da arremataglo rea-
lissr-sc-ha en, quatro prestages, do modo indica-
do no art. 15 du rcgulamento respectivo.
5.a Para tudo o mais quo no e.sta determinado
pelas presentes clausulas, soguir-se-ba inleiramente
o que dispe o rcgulamento das arrematares de II
de julho de 1843.
Obras publicas, 14 de fevereiro de 1849.
O engenheiro,
/. L. \ictor Lieutier.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria da fazenda
provincial, em virtude da resolugfio do tribunal ad-
ministrativo, manda fazer publico que, nos dias 20,
21 e 22 de margo prximo vindouro, ii.a prag,
peranle o mesmo tribunal, par* ser arrematado
quem por menos iizer, o acabameuto da segunda
parle do 6.a langoda estrada do Po-d'Alho, sol is
clausulas espociaes abaixo transcriptas, e pelo prego
de 4:200,000 rs.
As pessoas que se propozerem a eata arrematago
coinparegaiii na sala das sesses do sobredito tribu-
nal nos das cima indicados, pelo raei-dia, compe-
tentemente habilitadas.
E para constar semaudou aflixar o presente, e pu-
blicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda proviociil
do Pernambuco, 17 de fevereiro de 1849.
O2.o escripturario,
Antonio Ver reir a" AnmuMiacdo.
CLAUSULAS ESPECIAES DA ARKEMATACO.
Estrada do Po-d'Alho.
Acalminenlo da segunda parle do 6.* lango.
1.a Os irabalhos e obras para o acabamenloda 2.'
parle do 6. lango da estrada do Po-d'Alho serao
linios pela frma, sb as condiges, e do modo indi-
cado no orgameiito approvado em 8 de fevereiro
crreme pelo.Exm. Sr. presidente da provincia, pa-
lo prego de 4:200,000 rs.
2. Em lodo o lempo das obras, o arrematante lia-
r livre transito aos viandantes pelo lado esquerdo
da estrada.
3.a As obras principiarlo no prazo de um mez, o .
aruharo no de cinco mezes, ambos contados em
conformidade do art. 10 do rogulamento das aire-
matages.
4. O pagamento do importo da arromaiego re
lisiir-se-ha em quatro preslages do modo ldicu
no art. 15 do reguiamenlo respectivo.
5.a Pare ludo o mais que uo esta delcrininiui
pelas prsenles clausula*.srguir-se-ha ntoiram*"}"
o que dispe e reguiamenlo da arrematagOes de n
de julho de 1843.
Ubra publicas, 14 de fevereiro de 1849
0 engenheiro,
J. L. Vctor lieutier.



.. '
Deca racoes.
3
____
A cmara municipal desla cidode faz sessflo ox-
traoidinaria no da scgunda-fcira, 86 do corrente.
O secretario,
Jo Jal Ferreira de A guiar.
as domingas da prsenle quaresma manda o
Rxm. e Rtm. Sr. hispo diocesano celebrar missa so-
lemne com sermflo. pelas 10 hora da manh.la, na
matriz de S -Froi-l'edro-fioncalves do Recife, com
assislencia do musmoEtm. e Rvm. Sr.
rteeife, at de fevereiro de 1849.
O secreta rio'da S. Esc. Rvm.,
. Paire Franeiieo Joii Tavam da Gama.
everiey Newcomen, cnsul de S. M. Britanni-
ci nesla provincia, faz publico que, como consig-
natario das merodorias e despojos salvados da ga-
lera franceza Edmond, naufragada as pedras da
Ponta-dc-Matto em a noito (o di 13 de Janeiro ulti-
mo, pela cessilo em abandono feita pelo respectivo
capitflo, tem de proceder 4 venda em luile pbli-
cos, por eonta e risco de qum pertoncer, das mer-
cadorias que se acham ain que por estarem em bom estado, e livres de avaria
geral, sorflo despachadas pelo annunciante, leudo
principios os ditos leudes do clia 26 do corrontn em
diante; o para que cliegun a nolicia a quem fr de
interesse mandou imprimir o publicar o presente.
Consulado britannico em a Parahiba, 14 de feve-
re i ro de 1849.
Beverley Newcomen.
JLIZQ DOS FEITOS DA FAZENDA.
Asqualro horas da tarde do dia 23 do correute,
porta da easa da residencia do lllm..Sr. Dr. juizde
direito substituto dos feilos da fazenda, Jos Tlio
maz Nabuco de Araujo Jnior, nu Alterro-da-JJa-
Visla, serflo arrematados em praca publica, por
quem inelhor lango mTerecer, os bens seguintes: seis
escravos de diversas dados a valores, soqiiestrsdos
por parlo da fazenda a seu devedor Pedro Alexandri-
no Comes; uic cscravo pardo, avahado em 450/ rs.,
sequestrado ao major FilippeDuirte l'eieir; una me-
sa do mero de sala, de madeira Concalo-AI vos, S0-
queslrado a Julio Her.iiiger,e avallada emS/rs,; um
sitio no lugar de Sanio- A ma i o, de ronda animal, ava-
llado em 300/000 ris e sequesirado aos herdeiros de
Francisco Antunes Ferreira : os escriptos existem
uni poder do respectivo porteiro do juizo, de quem
os pretendenles se pdenlo informar.
Itccife, 22 de fevoreiro de 1849.
O solicitador dos fcitos da fazenda.
Francitco knlonio Cousteiro e Silva.
Pela segunda scccilo do consulado provincial
se faz publico que o prazo de 6 mezes concedidos
pela lei provincial n. 228, de 2 de setembro do anno
prximo passado, para o pagamento de meias si/as
dos escravos, que se estiverem a dever, se finalisu
no dia 5 demarco prximo vindouro : em c'onse-
quencia, pois, desse dia em diante nflo se receber
meia siza, que, 4 vista do papel de venda, se quei-
ra pagar 30 dias posteriores a sua data, om enjo caso
Acara suhjoilo a art. 17 do regulamonlo de II de
abril de 1842. Segunda *eccflo;do consulado pro-
vincial! 15 de fovereiro de 1848.
O esrrivlo cliefe da segunda seceflo,
Tlwdoro Machado freir 'entra da Silva.
Pela subdelegada de S.-Frei-Pedro-Goncalves foi
apprebendido e se acha preso na respectiva cadeia
o preto Manuel, de nacQo Congo, que diz ser eseravo
de Joflo Pereira llypollto, morador em Cururpe, pro-
vincia das Alagas : quem se julgar cin direito ao
referido esetavo, comparera na mesma subdelega-
cia, munido dos competentes ttulos.
Francisco Mamedede Almtida,
Subdelegado supplente.
CURSO JURDICO.
Deordcm do lllm. Sr. director deste curso jurdi-
co fuco saber a quem convior, que du lio. diste au-
no por diante s exames preparatorios das tres lin-
goas serflo feilos iiidislinclameale, e sorles nos
livros seguintes :
LATIM
Tilo l.ivio, Odes do Horacio Oracdes de Cicero e
Eneida de Virgilio.
FRANCEZ
Telemaco e Fbulas de 1.a Fontaine o Genio do
christianismo de Chateaubriand e as Salvias de
Itoile.u
INCI.FZ
o Vigario de Wakefeld por Cnldsmith o a Historia
romana do mesmn, as Estacesde Thomson e Perni-
zo perdido por Mjlton.
Secretaria d'aeademia jurdica de Olinda, 16 de
fevereiro de 1819.
Eduardo Sonre de Albergara,
Secretario interino.
9f"
Leilu
i'ilao.
- O correlor Oliveira far leililo, porordem do Sr.
cnsul ife Franca eoin presenca deste Sr., ou de
seuchanceller, de 8 eavallos perteuccnles ao esla-
belecimenlo de carros de ajugnel do fallecido Au-
gusto Janssome, subdito francez: sexta-reirn, 23 do
corrento, s 11 horas da manala, na ra Nova,
Avisos martimos.
Segu viag.-m para o Hio-Grande-do-Sul o
bem eonhecido bcrganlim S.-Maria-Boa-Sortf. rece-
be escravos a frele e passageiros, e sahir at o liiri
do corrente mez :os pretendenles dirijam-se i pra-
ca do Cummercio a fallar com o capitflo, ou ao es-
criptorio do Manuel Guncalves da Silva, na ra da
Cadeia do Recito.
~ A baica lella-Pcrnambucana sali imprelerivel-
mente para u Porto no dia 8 de marco prximo : os
Srs. earregadores queiram levar quantos antea os co-
nhecimentos casa do consignatario na ra da
fCruz, nu llecifo, n. 34, tarceiroandar.
Para o Porto sabe, com luda a brevidado por
ter a maior parte do seu carrega monto prompta o
brigue portuguez Ventura-Feliz, do qual be capitflo
Zeferino Ventura dos Santos: para carga e passa-
geiros para o que tem excedentes commodos, tra-
ta-ae com n capitflo, ou com o seu consignatario ,
Joaquim Ferreira Mendos Cuimarfles na ra d
Cruz, n. 49.
Para Lisboa sahe, com a maior brevdade, por
ter a maior parte de sua carga prompta o brigue
portuguez S.-Damingoi, capitflo Hanoel Concalves
Viunnii : quom no mesmo quizer carregar, ou ir de
passagem para o que tem excellentos commodos",
dirija-so ao referido capitflo., oil ao sen consignata-
rio Joaquim Ferreira tiendes Gumar3es, na ra da
Cruz, n. 49.
Para n Rabia segu em poucos dias, o fiale
Flor-de-Cururi pe: quem quizer carregar, ou ir de
passagem dirija-se 4 ruado Vigario, n. 5.
-- Para Lisboa sahir, no da 2 de marco o bri-
guej. portuguez Maria-loU, capitflo Joaquim Jos de.
Mesquila: para o resto da carga ou passageiros,
trata-se com Francisco Severiano Rabello & Flho ,
ou com o mesmo capitflo.
Para o Rio-de-Janeiro sahe com muta bre'vi-
dade, por ter parle de sua carga prompta o patacho
nscional Euierpe : para o restante da carga, esrra*-
vos a frete e passageiros para o que tem excellen-
tos commodos, trata-se com Luiz Jos de Su Araujo,
na ra da Cruz, n. 33.
Para a illia de S.-Miguel segu viagem, com mu-
ta brevdade, o patacho nacional Anglica, por ter
parte de sua carga prompta : para o restante e pas-
sageiros, para o que tem excellentes commodos,
trata-so na ra da Cruz no Recife n. 33, com Luiz
Jos de S4 Araujo.
Para o Uo-de-Janciro sahe improlertvelmente,
no da 24 do corrente a voleir* oscuna Galanti-Ua-
rla : ainda podo receber algnma carga, bem como
passageiros e escravos a frete para o que offerece
asseiados commodos : a tratar na ra da Moda ,
t. 11.
Para o Ro-de-Janeiro sabe impreterivelmenle,
no dia 24 do corrente, a escuna nacional Curiosa por,
se adiar com o carregamento quasi completo eso
poder receber algumas miudezas, passageiros o es-
cravos a frto : para urna o oulra cousa, trala-se na
ra da Cruz do Recife, sobrado n. 33, com Luiz Jo-
s de S Araujo.
Para o Itio-de-Janeiro sahir breve a escuna
San-Jodo-Baplisla, por ler a bordo a maioria do car-
regamento; anda, portn, pode receber alguma car-
ga : quem pretender | ,le contratar com Amoriin
& Ir ni aos, na ra da ('.adela, n. 39.
Para Comida sahe, no dia 5, o brigue portu-
guez Flor-do-Tejo capitn Frederico Carlos toza :
para o resto da carga c passageiros Irata-so com o
consignatario, J. P. da Cosa Itouxo na na do
Crespo, n. 10, prmeiro andar, ou lodos os dias na
praca do Coininercio.
Avisos diversos.
A pessoa queannunciou precisar de 200,000 ria
sobre ponbores de ouro on prata, sendo queira 100/
rs., pode dirigr-se ra Augusla, defronle do Sr.
subdelegado.
Perante o Sr. Dr. juz docivel da primeira va-
ra so ha de arrematar hbje 23 do corrente, por ser a
ultima prlhja, urna rasa de sobrado de dous anda-
res esolflo, na ra do Trapiche do bairro do Recife,
por execu^flo de Leopoldo Jos da Costa Araujo con-
tra seu devdor Jos Comes Villar, e avahada em
14:000,000.Escrivflo Reg.
DENTISTA.
M. S. Mawson, cirurgiflo dentista, tendo-se do re-
tirar breve para Inglaterra, offereceo seu preslimo
ao respeitavel publico desta cidade, durante o curto
espnco de tempo que n.inda tem de so demorar, em
oiianto arranja os preparativos de sua viagem ; nd-
verlindo que ser incansaval em servir bem a todas
as pessoas que so quzerem utilisar de sua arte, qun
far a tempo, e tambem com commodidde nos pre-
cos ; pdem-o procurar em rasa de sua resideucia,
na ra Nova, n. 21, 1 andar.
Antonio Luiz dos Santos & C. embarcam para a
villa d'Atalaia, na provincia das Alagos, o rabia Pa-
tricio, para ser entregue a seu senhor o tcnento-co-
ronel Joaquim Tenorio de Albuquerque.
100,000 ris de gratificarlo a quem dosrolirir
dous escravos fin lados do lelheiro da roslilK~o de
Franca & Irmao, na praia de S.-Rla, na noile du
quarta-feira 21 do corrente fevoreiro; ambos de na-
eflo'Rengela, e meio bucaes, com os seguintes sig-
naos : Manool, alto, magro, rosto redondo e peque-
no, ar alegre, ps c milus pequeos, canellas finas,
ropresentn 25 anuos de idaiie, levou vestido camisa
o caichi de riscado dealgodflozinho, foi varcinado lia
poucos dias; e Joio, lanibeni alio, porm menos
que o oulro, grosstira do corpo correspondente ha
altura, rosto sobre o comprido, testa larga e arram-
pada, pes grandes, tornozclos ochados, ventre
bastante saliente, falla um pouco fanhosa, repre-
senta 35 anuos de idodc; tambem foi vaccinadoha
poneos dias, levou vestido camisa de algod.lozinho
riscado o caiga de algodflo azul: quem os appre-
hender, ou delles dr noticia certa, recebara 100/
ris de gralificacflo, na ra do S.-Kila, n. Si.
' C. Starr & Companliia, convencidos de que a
condcelo das formas do assucar para a casa de pur-
gar, hesem duvida osarvico quu oais mortifica a
oscravalura de um engenho, e desojando quanlo
possivel he o melliorameuto dos Srs. agricultores,
teom inventado e conseguido construir varios car-
ros de f.-rro que facilitam de una manera admiravol
esle pesadisbimo trabalho.
As pessoas interessadas s.to convidadas a inspec-
cionar, na fundieflo da Aurora em Sanlo-Amaro, esla
mu til invencSo.
C. Starr & C.
D. Joanna Marganda Moreira, viuva do cm-
mondador Joaquim Baptisla Moroira, quo foi
cortaul de Portugal uesta provincia, sumina-
menle agradecida aos dignos Srs. coegas do
fallecido, aos Srs. olliciaosda marinha brosileira
e portugueza, aos auigos de Seu prezado mari-
do, u a todas as mais pessoas que concorreram
ao "seu enterro, e so prestaram por essa triste
occasifio ao servidos inherentes a este acto f-
nebre, dando assim a ultima prova de sua dedi-
carlo ao finado, Ihes pede queiram aceitar o
eterno reconhecimente de seu grato coracio.
Einbarca-se para o Rio-Grande-do-Sul o mol?
gue de nome Fabiflo pertenecido a Lourenco Jos
de Momea Carvalho.
Oflo-ae 500,000 rs. a premio sobro hypotheca em
orna casa :. quem pretender dirija-so ao. Aterro-da-
Boa-Viola, luja desapaleiro, u. 63.
-- Preeisa-so de urna ama branca, ou parda para
criar do leite : na ra do Collegio, n. tercelro
andar.
Maiioel Gongalves da Silva embarca para o Rio-
Crande-do-Sul a cscrava de nome Filippa.
Os abaiso assignados |>revinem ao respeilavel
publico que nflo facam negocio algum cjm n snulio-
ra sua mili, Maria Joaquina do Cspinto-Sanlo ou
com seu rmflo Joo Bernardo liniz sobro a es-
crava Antonia e o seu filho mulatinho de nome
Francisco, do 4 annos, visto perloncerein ao casal
do seu fallecido pai; Jo.to It i ptista o os annuucian-
tes terein direito como herdeiros que silo por se-
ren filhos do mesmd casal, e nflo haverem oulras
cousas em que possam os annunciantcs so indem-
nisar. Como administra lorde sua mulhcr, Roza
Maria do l.ivramenlo, Antonio Fernanda de Olivei-
ra. Bernardina Joaquina da lleturreicdo.
Manoeljos Coelhode Freitas Portuguez, re-
tira-so para Tora do imperio.
Jacntho Antonio Alfonso rctira-sc para fra do
imperio.
Bernardo FernanJes da Cunda retira-se para
fra do imperio.
Precisante de um amassador para padnria que
cntenda bem do amassar : na ra Direita n. 69 ou
na parlara dos Afogados.
Preeisa-se alugar urna casa no bairro de S.-An-
tonio, sendo ras ras da Cadeia, Nova, Cru/es, Quci-
mado, Collegio e Crespo;: quem tiver annuneie por
esta folha ou dirija-se ra da Cadeia de. S.-Anto-
nio casa de Rento Jos Fernandos Barros, defronle
de S.-Francisco.
Aluga-so urna ama de leitc : quem prensar di-
rija-se s Cinco-I'ontas', n. 120.
Prccisa-se de um fe;lor para um sitio perto da
cidade : na roa de S.-Amaro n. 8. "
Precisa-s do duas prelns para alugar na tra-
vessa de S.-Jos n. 4, do lado da ra da Calcada a
qualqucr hora do dia.
Precisa-se do un feitor para urna olara perto
desta praga que enlenda perfeitamente de borla ,
o seja livre da praca : quem so adiar nestas circuns-
tancias e der (ador a sua conducta dirija-se a ra
larga do Rozaro, n 18.
lloje, 23 do corrente finda a audiencia do lllm.
Sr. doutor juiz do civcl da primeira vara, e na sala
das audiencias se lia de arrematar um eseravo pc-
nborado a Jos Francisco Pinto Cuimarflcs, por ese-
riicflu de Guerra Silva & Coiiipanhia avaliado por
350,000 rs. : be a ultima praca.
--Prccisa-so urna ama de leite : no pateo de S.-
I'edro sobrado de um andar u. 9.
Oabaixo assignndo relira-se para fra do impe-
rio e so alguem se julgar seu credor aprsenla sua
couta na ra da Praia n. 30.
Antonio do llego de Mello VimenUl.
--Domingos francisco subdito portuguez, reli-
ra-se para Portugal com sua familia.
Antonio Jos da Silva Chrispiniano, subdito por-
tuguez, vai ao Cear a negocio. 1
Acbando-se vago o lugar de carrasco, porgunta-
sc a Mr. Port se nflo quer requre-lo visto que llic
faz conta lodo o eniprogo quu vaga, apezar de os-
lar servido.
--Aluga-se urna grande casa terrea com muitos
commodos, com sotfloe grande quintal, na ra Im-
perial : a tratar na ra do Livramenlo, n. 3.
Quem annunriou querer una ama dirija-se s
Cinco-i'ontas. n. 120.
Joflo Jos Marques de Araujo embarca para o
Ri-de-Janeiio o seu eseravo Manocl, de na(So An-
gola.
-- No dia 23 do corrente se hilo de arrematar em
praca publica do Sr. doutor juiz do civel da primeira
vara duas casas terreas na ra da Florentina, ns 16
e 18, sendo una habitada e outra en\armazom, cern-
iendo os alicorees dos tapamentos e quasi lodos os
encbames com quintal de 397 palmos n mais al-
gumas obras dentro como cacimbas, lelbeiros e ar-
voresde fruclo cuja'avahado be de 6.000,000 de
ris, e melhorse ver do escripto que se acha em
mflo do porteiro do juizo.
As pessoas que tiverem penborescm pndr do
abaixo assignado, com venda na ni a Imperial, n
13 queiram ir tirar al a data daste ; do contra-
rio, serflo vendidos para seu pagamento, por assim
0 trataren Frederico de Souza Gomes.
Para as pessoas que tcncio-
nam seguir viagem.
Na ruado Rangel, n. 9, continuam-sc a tirar pnssa-
portes para dentro e fra do imperio, despacliam-se
escravos e correm-se folbas, ludo com brevdade e
preco milito commodo. t
Joio Dubois, com acollones ao pe
do (juarlcl de polica, ns. 5, c 8, pie-
vine ao publico e a seus freguezes que
quizerem algumas peinas, ou bandas de
carueiios uiuito gordos, para rabilado ou
domingo, queos devem encommenilar an-
tes, que seiao servidos em conla.
--Antonio Jo Vidal, Portuguez, retira-so par o
Maranbfio.
Francisca Augusta, Brasiloira, retira-sc para o
Maranhflo.
Prccisa-se de dous perilos ofliciaes de cliaru-
loiros, e que sejam de por(flO, pagando-se-lbes
mais alguma cousa do costunie: na ra Nova, depo-
sito de charutos, ti. 30.
Lotera do Ihcatro publico.
Nflo obstante a morosiilade que tem liavido na ven-
da dos billieles da ultima terca parte da 18.' lotera,
todava o Ibesoiiroiro, desejoso de fazer andar as res-
pectivas rodas ornis breve possivel, convida ero-
ga aos amadores deste jogo que seapressem a com-
prara resto dos bilbeles que exislem.
-Antonio Ferreira Braga, l'orluguoz retira-sc
paia Cnropa. ... .
Maiioel Ribeiro do Carvalho, subdito portu-
guez vai ao Itiodo-Janeiro.
Al te n cao.
Precisa-sede 2 tapates de 10 a 14 annos, brasi-
leiros ou portuguozea para caixeiro do venda : na
ra do oueimado, n. 33, segundo andar.
No pateo da inulriz do S-Antonio, sobrado n.
4 lirain-se passaporles para dentro e fra do impe-
rio assim como para escravos e correm-sc ollias,
por preco commodo.
Maria Antoinello Aglae Trcsse, nica berdeirn
do ialleeido Tresse, declara aos dvedores do dito
fallecido, que s deverflo pagar os seus dbitos ao
Sr Frederico Chaves, por ser elle o seu nico pro-
curador.
Quem annuncio querer comprar um rlietoiiado
Magnum Lexicn, dirija-so a ra Nova, sobrado
Arrenda-soositioque foi de Paulino Augusto
ra Silva Freir na travesa da Casa-Forte para o
Arraial, oqill tem os conimo los seguate*: "oa
cwa de viveuda eocbeira, estribara arranjos para
pretos ,um grande lelheiro para se recolher vaceas
e quarlaos cacimba do pudra e cal com boa agua do
beber, una borla e muitos arvoredos de fructo .
baixa com cnpim de planta, um cerca ludio para
pasto do animaos, e duas rasas de telhas perlencon-
tesao mesmo sitio :a tratar om dito sitio.
O bacbarel tarmado em nialhemalicas Bernar-
do Pereira do Carmo, tem abarlo um curso das se-
guales disciplinas : arilhmetica, algebra, geome-
tra, IrignoiDotria ractilinoa :aquellesSrs. que o qui-
zerem froquentar, diiijam-so a ra larga do Roza-
rio, n. 12, segundo andar.
Dcscncainiibaram-se, da livraria ingleza dous
voluntes de urna obra ingleza intituladano Israeli's
Curiosities of Literal uro : quem levar os ditos
ja do Sr. Joflo Carrol I na praca do Corpo-Sanlo ,
recebar a gratlficac,8o de cinco mil rs.
-- Maiioel Jos do Andradfl Subdito portuguez ,
retira-so para Portugal.
Uuem tiver e quizer dar a criar do leite alguma
crianca,dirija-sos Iravossi do s.-Pe.tro, n. 7.
Antonio Bernab de Miranda Portuguez, reti-
ra-su pai a Lisboa-
?
Uomu'opathia. L
W ^
fll Primciro consultorio gratuito para os potiies i
# na ra da Cadeia de S.-Antonio, a. 22, dingi- >
W> do pelo Sr. J. I!. Casanova ineJico'.francoz. r3
ft Kste coosultorio estar abertd'desde as 9 lio- !>
9; ras da mantilla at-as 4 da tarde. Os pobres a>
jft receberflo consultas o remedios gratuilainen- Gi
% le: apresentaudo um atlestado de pobreza do G
JJJ seos vigai ios, ou mesmo do oulro qualqucr *
jf. sacerdote. *
Soxla-feira, 23 do corrontn de|.ois du audien-
cia do Sr. juiz municipal da primeira vara o Interi-
no docivel, se ha do arrematar, por ser a Ultima
praca urna casa terrea na ra di S.-Cruz da llpa-
Vista n. il. pertencontaao* herdeirea do tallec, o
Jos Mauricio do Oliveira Maciel por cxeeucflo de
J,'.s Moreira Lopes & t:.
Offerece-se un rapaz portuguez para c.mx-iio
de venda o qual toma qualqucr casa por bala neo,
c dallador a sua conducta : quem de seu presumo
se quizerulilisar annuneie.
Aluga-so a venda da esquina da ra .lo CaUlei-
rciro com aruueilo para moldados por mdico
aluguel, a qual be ptima pri quem quizer princi-
piar : na prac> 'l> Indepenlencia, livraria ns C o 8.
Fr. Joan Capislrano do Mendonca professor de
geograpbiao bisloria do lycou desta cidade, lea
aborto no convento de S Antonio as aulas seguales ;
le philosophia rbelonca, geograplua, historia o
bisloria sagrada e eerlesiustica : as pessoas que as
quizerem frequentai o poderflo procurar no men-
cionado convento qualquer hora.
O padre Manuel Antonio Teixeira o Moura retira-
se para Portugal.
-J. 0. F.lstei' mudou o sou estabelecimento da rua
da Cadeia-Velha para a rua da Cruz. n. 51, anude os
compradores acharflo um bem prvido sorlimento
de vinhos de todas as qualidades o conservas o quo
ludo vender por madreo prec,o.
MUDANfA.
I) W. Bavnon, cirurgiflo dentista participa
rcsp'eilavel publico que mudou a sua residencia
runda Cadeia de S.-Antonio para a roa do Irapiche-
Novo ii. 14, dobaiiro do Recife lerceiro andar,
aonde'conlina a calcar a por denles artiliciaes c as
mais obras de sua prolissflo.
Prcrisa-sc de um administrador para urn enge-
nho distante desta praca 7 legos*: nflo bavera du-
vida em se fazer una boa vanlagom o anida me-
llior lindo o pretndeme escravos : a tratar na rua
do Queimado, n. 27.

.10
da
Compran
- Compra-se urna modalba de S.-Renlo-de-Aviz :
na praca da Boa-Vista, venda n. 13
- Compra-so um cordflo de ouro rom pouco po-
so e que nflo esceda de urna vara de cumplimento :
quem tiver annuneie. .
- Compra-so urna escravs moca com habilida-
des principalmente de cozinha o ongommado, pre-
ferindo-se rocollilda paga-so bem na praca do
Commercio n. 3, primeiroaudar,
-Compram-seniil ganaras que lenliam sido do
vinho : paga-so a 7,000 rs. o rento: no pateo do
Carino luja do sobrado de Cabrio! Animan, a. 17.
' .- cmpra-so una casa torrea no bairro da Boa-
Viva, que tenlia bom quintal e que sou preco nflo
esceda de uui cont do ris quem liver annuneie.
Vendas.
Vende-se um orgflo piano forte propno para
una peqaeaa igreja ou capolla do engenho 4 rea-
lejos do dillerentos tamanhos, com muilo ricas
msicas; lambom tem umeom tambor e cometas,
queloeam iiamitando msica militar: ludo so yendo
por proco multo eoioiaodo por so querer liquidar :
ao Alcrro-da-lloa-VisU .fabrica do licores, n. 17.
Mobilias muilo baratas.
!Na i u Nova annazcm de trastes
defronle da rua do S.-Amaro venilom-sc riquissi-
mas mobilias de Jacaranda o mogno do meiiior gos-
lo alm do um completo sortnnenlo de trastes do
lodas as qualidades bem como cadenas americanas
de pao e de pall.inlia eadeiras de halanoo do pao O
de Valhinha, ditas do bracos .proprias P>ra se es-
rrever ditas para seabora, banquinhos para as se-
nboraspremosps, banquinlias de costura cadei-
rinhos alias para meninos comerem a mesa guar-
da-vestidos do amarello e do mogno marquezasde
oleo milito lories, e outros muitos trastes por pro-
co multo romiifodo aUendondo a boa qualidade.
Vonde-SO urna parda do 18annos, quo eagom-
nia lava o cozinha o diaiio de urna casa por pre-
co rornmudo : o motivo por que so vendo lio por os-
lar pronhe na rua do Padro-Floi iaauo a. 3, viu-
do do Serigado.



-'
Veni!e-.'e um bom cavado rugo; 70 saceos que
loram de assucar a inda om muilu bom estado : lu-
"0 por muito commodo prego : na ra da Concor-
dia, segunda cusa do lado esquerdo indo pela pon-
tozinhu.
Voncic-so urna cscrava crioula com um lilbo
BlUlatinlio: na ra da Madre-de-Deos, n. 3*.
Vende-ge um escravo, por prego muito com-
modo e que lio ptimo para ti almbar em um silio
c tratar de viccas por estar acosluurado a isso : na
ra do l'assejo, loja n. 19.
Vendem-se taboas de pinho no
Forle-do-M altos armazem do Vianna
no armazem do Machado, na ra de
Apollo, junio ao porto velho das canoas,
e os melhores pranchOes, costado*, costadinhos e ta-
bn* de todas as grossuras e comprimenlos por to-
do o prego.
Vende-se a venda n. 60 da Passagom-da-Magda-
lena ra que (ka antes de chegara estrada nova ,
com poucosfundse muito afreguezada cujo alu-
gucl lie muito barato : a tratar na mesma venda.
Vende-se urna pretacrioula do 16annos : na
ra da Praia, n. 45, segundo andar, se dirflo as habi-
idades e o motivo por que so vende.
Vcndem-se leites, e duas catiras com bastante
leite : na ra de S.-Francisco, outr'ora Mundo-Novo,
n. 66.
Vende-se c.if de r.iroco a 120 rs., e em por-
gio a 110 rs.: no pateo do Tergo n. 28.
a na Nova, u
5,
vende-se una ncg'inha de 8anuos, que ja coso sof-
frivel, o 1)0 |uo|>i i para so fducur, ou dar-M de mi-
mo a una menina por ser muito linda e esperta ;
urna pretil do naco de 25 unios boa quituudeira,
c que sube bem cozinhur ; nina dita do 18 anuos,
que sabe engonunar e coz i n liar c que d-se barato
porterum deleito em um ollio ; um moleque de
nacilo, de IG anuos de muito linda figura.
Vende-se urna Al uta urna corrente parj relo-
gio umgamoconi pedrasde marfim : na ra lar-
ga do Itozario, n. 24.
Aos amantes da boa pilada
se ofTereco o rap Novo-Lisboa no scu deposito da
na larga do Ilozario, n. 24.
Lolcria do lio-de-Jan< iro.
Aos 20:000,000 de res.
Hilheles, quartose oilavos da 4!).'lotera da San-
ta Casa da Misericordia, cif] lista deve ebegar a es-
ta al o da 25 do crenle : vcndem-se na rna da
Cadeia do Itucifo {3^ loja n. 51. ^rj
Vende-se um bonito pardo de 16 annos, pro-
prio paia pagem ; urna pr. ta de mcia idade, por pre-
go commodo ; duas prcUs de 18 a 20 anuos, com
habilidades; um molequn de n.ico: no pateo da
matriz de S.-\nlonio, sobrado n. 4, se dir (|uem
vende.
Vcndem-se saccas com milbo a 4,000 rs. sem,
sarco, c a 4,400 rs. com sacco ; ditas com feij;1o mu-
lalinhn, a 12,000 as. : no caes do llamos, venda de
Jofio Evangelista. Cheguem, freguezes; quo se esl.lo
acabando.
Vende-se una escrava de na crio moca : ao
comprador se dir o motivo por quo se vende: na
ra da Cadeia do Hccife, escriplono do cor-rotor Oli-
veira.
Vende-se um par de rodas do ferro para carro-
sa : na rna da Aurora fundieo do Starr.
Vcndem-se 8 lindos moleques de nago e criou-
]r>s, de K a 18 anuos sem vicios : um lindo nuil.11
nbo de 14 annos ; 5 pretosdc20 a 30 anuos, bous
para lodo o servido; I dito de nieia idade ; una pre-
ta boa vendedeira de ra ; 1 di la de meia idade, que
engomma ccozinba muito bem ecosc; urna cabri-
nbu ue 10 annos, que cose muito bem : na ra do
Vigario, n. 24.
Vendem-so dous faqueiros de prata obra do
Porto e do ultimo goto por preco commodo: na
rna do Vigario, n. 25, primeiro andar.
Vende-se um prelo fcrrelro de bonita figura ,
sadio sem vicio algum, de 20 annos : na ra do Vi-
gario, n. 25, primeiro andar.
Vendcm-se pelles de guarazea encarnadas, mui-
to boas; ptimo guaran do Para, por preco com-
modo para fechar coritas: na ra do Vigario, n. 25,
primeiro andar.
Attenco a pecbimba.
No armazem do bacelar drfronte da escadinha da
alfandega, vende-so arroz do Maranbfio, a 1,200,
1,600 e 2,200 rs. a arroba em saccas a vonladr dos
compradores e so lor a dinlieiro a vista ,' far-se-
I a ajguma iITcrenqa.
No A le i o-da-da-Boa -Visla,
defrontcdaboneca ,
ha ehegado um novo c completo sortimento de cal-
cado franeez de todas asqualidmles tanto para bo-
mem como para senboia e meninas ; bem como os
bem conliccidos sapatosdo Aracaly para hoineni ,
por prego commodo.
No sitio da PassHRem-dc-Olinila de Francisco
Antonio de Carvallio Sii|ueira vendem-sc dous bois
mansos lillios do pasto ; una carroca em bom esta-
do ; um novilhote ; um quarlo rapado e farinba :.
tainbem se faz negocio com tudoatioeo do vaccas
paridas, ou paia isso sendo de boa qualidade
Vendeni-sc, na ra eslreita do Itozario n. 8 ,
os seguiile livros : Diccionario Magnum Lexicn ,
dito, de l'tinscca, dito de fbulas, dito de composi-
c1o latina dito callepinos, ilito Fonseca em franeez,
dito porttil dito da academia franreza Prosolia
de liento l'ercira, Selecta, Fbulas, Cornclio, Sa'lus-
to, Sinlaxs de llantas, arles latinas da dilferenles
autores, Vigilio, Horacio, Caitas do Cicero, Tcren-
cio Ovidio, TitoLivio, Expositor de Horacio, F-
bulas, Salustro grammutica franceza d dilferenles
uutores dita ingiera, diccionario de Vieira poita-
til e grande dito franeez e italiano Breviarios l-
manos em 4 v. rica encadernaeflo iniprasso
franceza e mu pequeo formato, cartas de a b c, ta-
boadas, cathecismo de doulrina de dilTerentes auto-
res apudaulas, procuracOes bastantes leltras, tras-
lados papel pintado dito de escrever e oulros
muitos livros, que para nao licar muito extenso o
niiiuiucio so nilu publicam.
Vende-se a armagiio da loja dofallccdo Tresse ,
a qual he feila com toda a perfeicilo toda de ania-
rello do primeira sorle, toda envidragada o forrada
de louro, por preco commodo : no Allerro-da-loa-
V*ta, n. 17.
:-r-t------r--------x--~ fc
A bordo do brigue Amoiim, Tundeado defronte
doForto do-Mattos, vende-se boa farinba do man-
dioca emalqueires e saccas por prego commodo :
u tratar a bordo do niesmo ou em casa do Amo-
rim Irm3os ra da Cadei n. 39.
Vinho barato.
Acha-se estabelecidona ra da Madre-de-Deos,
n. 36, um armazem. de
Vinhos da Figueira,
de ptima qualidado, a prego de 1,200 rs. a caada,
e a 160 rs a garrafa ; e para n3o haver dolo do com-
prador serio lacradas as garrafas e com rotulo, re-
eebondo-se a garrafa vasia, e dando-se immediata-
mente a oulra cheia : lambem ha barris muito pe-
queos proprios para quem passa a Testa. O pro-
prietario deste estabelccimento pede encarecida-
mente que se nBo illudam avallando, pelo diminuto
prego e sem conhocimento de causa rqualidade de
sua fazenda digna por corto da estima dos verda-
delros amantes da boa pinga. Elle conta que quem
urna vez provar, continuar coingosto e sem arre-
pcndimenlo. Eo bom preco!!/ A todo o exposlo
accresco o asseio e boro acondicionamento o que
ludo se podera verificar em dito estabelccimento.
PURO VINHO DA FIGUEIRA.
F.xisle no armnzem de moldados, atrs do Cor-
po-Santo n. 66 urna grande porglo deste genui-
no vinho que se est vendendo pelo diminuto pre-
go do 1,120 rs a caada e a 160 rs. a garrafa ; lam-
bem ha em pipas que se vender mais em conta : he
esto o nielhor de todos os vinhos que se tcem n-
nunciado pela sua simplicidade e ptimo paladar :
quem urna vez o beber jamis deixar de o com-
prar.
Vcndenl-s sellins inglezes e camas
de ferro : na na da Senzalla-nova, n. [\i.
Vende-se a verdadeira potassa da
Russia, desembarcada hontem, por pre-
co mullo rasoavel, vista de sua muito
superior qualidade : na ruado Trapiche,
n. 17, e ra da Cadeia, n. 34*
Madeira de pinho.
Na ra de Appollo, pegado ao armazem do Sr.
Motta ha um novo armnzem com madeira do pi-
oln da nielhor qualidade que tem vindo a este mer-
cado c serrado de todas as grossuras o comprimen-
tos : vende-se pelo menor prego que he possivel.
NOVIDADB.
vanoa Vinoo,
No armazem da ra da Madre-de-Deos, n. 36, aca-
ba do chegar (para esperulagao) pelo brigue Vtnlura-
l-'elis, recentemente chepado do porto, o mais ex-
cellente vinho verde, paraos amantes se refresca-
ren) com este golc : mandema elle, emquanto se
nBo acaba, por sor urna s pipa ; e para nao csran-
dalisar os amantes e freguezes, uo se altera o prego
de 160 por garrafa.
Vende-se vinho do Porto, muito superior, e
de oulras qualidades em barris de quarto, quinto,
selo, stimo oitavo e em pipas, por prego muito
commodo : na ra do Vigario, armazem de Fran-
cisco Alves da Cimba, n. II.
Algodao trancado da fabrica
de Tbdos-os-Santos da
Baha ,
muito proprio para saceos de assucar e roupa de es-
cravos : vende-so em casa de N. O. Biober & Com-
panhia na ra da Cruz, n. 4,
CHA' BRASII.EIRO.
Vende-se.ou armazem de raolhados atrs do
Corpo-Santo, n. 66, o mais excedente cha produzi-
do em S.-Paulo quo tem viudo a este mercado
por prego muito commodo.
Presuntos.
Vendem-sc superiores presuntos inglezes para
fiambro, ebegados no ultimo navio: no armazem
do liragucz ao | do arco da ConceigSo.
FAREI.O EM SACCAS l)F. 90 Lilil AS :
vende-se no armazem de Vicente Ferreira da Cosa
na ra da Madre-de-Deos, a 3,500 rs.
Taitas para engenho.
Na fundiglo de ferro da ra do Brum acha-se 1
venda um completo sortimento de laixas do 4 a 8
palmos de bocea, por prego commodo, e com promp-
lidlo embarra-sc, ou carrega-se em carros sem dcs-
pezas ao comprador.
Vendem-se senieas em saccas muito grandes
a 4,500 rs. : na ra da Madre-de-Deos, armazem do
viienle Ferreira da Costa.
Vendem-se queijos londrino os mais frescaes
que lia no mercado ; massns linas a.320 rs. a libra
chocolate de canda, fino c de Lisboa; latas com sar-
dinhas ; azeile doce lino, por prego commodo : na
ra da Cruz, n. 6
Na padaria da ra da Guia, no Reclfe haver*
todos os diasa venda o novo pilo de Provenga fa-
bricado poroutru modo que o actual e da nielhor
farinba que ha no mercado : por este motivo nao se
pode Inzer senSo a 40, 80 e 160 rs.
Vende-so a venda da ra do Apollo, n.21, com
poucos fundos : quem a pretender, dirija-se a ra da
Madre-de-Dcos, tratar com ..Vicente Ferreira da
Costa.
Vendem-se bsrriquinhas com cal virgem de
LisbOa muito nova ; fechaduras para portas .de
irmazem ; retro/ do Porto; barris com alcalino da
Suecia ; por prego commodo : na ra do Vigario
n. II, armazem de Francisco Alves da Cunha.
Vendem-sc taboas- america-
nas at 5 palmos de largura
e de lodos os comprimcntos,quo ha muito lempo nlo
teem vindo e os freguezes experimentando a fulla
desta excedente qualidade. A ellas que sflo poucas e
o prego he barato. Atrs do theatro, armazem jun-
to a maro, de Joaquim Lopes de Almeida.
*l-

-
Vende-se farinba de muito superior qualidade,
Tor preco corrrrodo bordo do patacho Conceu;*','
fondeado nocaes'doCollogio.
Farelo,
em barricas a 4,000 ra.; saccas grandes, a 3,50o
rs., ditas pequeas a 2,800 rs : no armazem de i.
i. Tasso Jnior, na roa do Amurim, n. 3.
Potassa*
Desembarcou Ta poucos diaa ama por-.
c,3o de barris pequeos, com muito nova
e superior potassa, e se acham venda,
por preco mais barato do que ltima-
mente se vendia, na ra da Cadeia- Velha,
armazem de Bailar & Oliveira, n. 13.
FARELO j
emsaccas muito grandes,
a 3s'Goo rs. a sacca:
no armazem do Braguez ao p do arco da Conceigo
Vende-se a verdadeira e muito superior fari-
nba SSSF, a relalho e em porgo ; dita deoutros au-
tores na ra do Vigario, armazem de Francisca Al-
ves da Cunha, n. II.
Vendem-se saceos com farelo,
chegados ltimamente, pelo diminuto
preco de 3,4oo rs.: na ra da Sanzalla-
Vefha, n. i38.
Na ra do Crespo loja de 4 portas n. 19, ven-
dem-se chapeos de castor prelos, de muito boa qua-
lidade a 4,400 rs.,
No deposito de Me. Calmont & Companhia na
ra de Apollo, armazem n. 6, acha-se constante-
mente grande sortimento de ferrageus inglezas para
engenhos do assucar corro sejam : taixas da terco
coado de dilTerentes. modelos, os mais modernos;
ditas de ferro batido ; moendas de ferro do mode-
lo adoptado pura armar em madeira; ditas todas
de ferro, tanto para agoa como para animaos; ma-
chinas de vapor de Torga de quatru cavados e de al-
ta press.to o mais moderno e simples que he possi-
vel ; repartideiras ; espumaderas ; raslriadeiras de
ferro estanhado; formas de ferro: tildo por prego
commodo.
. Agenciada fundico
Low-Moor, ra da Senzalla-
/* nova, n. 42.
Neste estabelccimento contina ha-
ver um completo sortimento de moendas
e meias moendas, para engenho; ma-
chinas de vapor,e tachas de ferro batido e
coado, de todos, os tamanhos, para dito,
Taboado de pinbo da Suecia,
de 10 a 55 palmos
de rom pr i ment o melhor qu tem ehegado a este
mercado, em razilo de se poder envernizar.em qual-
3ner obra por nao ler nos e ser muito alvo sen-
o costado, costadinbo, assoalbo, forro e para fun-
dos de barricas: vende-se a preco que o comprador
far todo o negocio: atrs do theatro, armazem d
Joaquim Lopes de Almeida.
Vende-se caJ virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do-que em otitra qual-
quer parte : na ra do Trapiche, arma-
zem n. (7.
Vende-se cal virgem de Lisboa, do superior
qualidade em barris de 4 arrobas chegada neste
mez pelo brigue Maria-Jdi: a tratar na ra do
Brum armazem do Antonio Augusto da Fonseca,
ou na ra do Vigario, n. 19.
Fabrica de Todos-os-Santos.
Firmino Jos F. da Rosa com escrlptorio na ra
do Trapiche, n. 44, avisa aos seus freguezes quo aca-
ba de receber pela escuna Curiosa novo sortimen-
to do excedente panno de algodao entrangado da-
qucllo fabrica ptimo para ensaccar assucar e. pa-
ra roupa de rsravos. O annuncianlo conta que,
alm da fnzenda, o desejo da animar o desenvolvi-
mcnlu de nina fabrica inici ruinen lo nacional, pro-
mover o promplo consumo da sua receita.
Ferro
de todas as qualidades edimensfles, em harra ver-
galhSo, verguinba, arcos e chapa, por prego com
modo : na ra da Madre-de-Deos, armazem i\. 26.
Vende-se um moleque de 8 a 9 annos, sadio e du
bonita figura o troen-se por urna prela que tenha
habilidades e sem defeito, voltando-se o que for jus-
to : no Aterro-da-Boa-Vista, n. 26, segundo andar.
IMh i sicas para piano.
Na loja da praica da Independencia, n. 37 anda
ha pura vender um'icsto do bellas msicas para
pianos, lindas polkaB, valsas, arias, quadrilbas,
ele., por menos prego do que em outra qualquer
paite; lambem reslam algumas valsas para* flan ti;
Lotera t|0 Kio-de-Janeiro.
Aos -20:000^000 de rs.
Na leja da pregada Independencia, n 37, acaba de
chegar um novo so>lmenlo meios bilhetes, quar-
tos, oilavos e vigsimos da lotera do llio^-do-Ja-
neiro, concedida a beneficio da casa da Misericor-
dia da cOr lo. Na mesma loja somoslraa lista da lo-
tera passada e se trucam os bilheles premiados.
TlK)|^)Sd)E.MABMt)R.
Jos Sapoiiti vende lijlos de inarmoro azul e
liranco, por prego commodo : na ra da Cruz, n. 18.
Ni., irir niirr~>,
Vendem-se 5'lindos moleques de 12 a 18 annos
4 pardos de 16 a 25 annos; 3 prutos do 23 annos
nina pardinha do 16 anuos ; 4 pretas do 12 a 30 an-
nos tendo algumas dellas habilidades: na ra do
Codegio n. 3, se dir.quom venda,
Mel de engenho.
Vendem-se barris de ml, edm 22 ornadas: na ra
da Cadeia do lecife, aroiazem n. 8.
Farinha de mandioca.
No armazem n. 1, no raes da Alfandega veodem
se saccas com farinba de Mmtocar, m alajotire
muito superior, por prego commodo.
Vrtdem-se caixjis com licor en\JgatTafa, moi-
to superior bem como cognac tnmbem em carra-
fus : no escriptorio deNovaes&Compwihia.
Vende-se sarja de seda hespa-
nhola, muito superior; setim, de
iMaco proprio para vestidos; Ios-de
linho prelos, bordados a sedn; meias
pretas de seda de peso; panno pre-
to muito fino e prova de limo;
casimira preta elstica ; sarja de
lis!ras, setim proprio de collete; as-
sim como oulras wiuilas fazendas
inas, proprias para a qunresma :
ludo mais barato do que m outra
(|iialquer parte : na loja de Jos
Aloreira Lopes ck Companhia, ra
do Queimado, quatru cantos, ca-
,m sa amar ella, n. 29.
Conlina-se a vender agoa de tingir cabello .
na ra do Queimado, n. 41. O.melhododo applioar
a dita agoa' acompanba os vidros.
Nos arrnazens de Joaquim Flix da Roza, na ra
da Madre-de-Deos ha para vender ferr em folha
por prego commodo.
Vendem-se caitas com -Taces parnahibas, e
mais ferrageus vindas agora : na ra da.Alfandega-
Velha n. 5, armazem de C. T. A. Stlay.
Para a Qu a resma.
Vende-se um sortimento de fazendas pretas de se-
da e de lila proprias para a qunresma setins, sar-
jas, veduTlos, etc., obegadas ltimamente : na ra
da Alfandega-Velha, n. 5.
, Wiule-so o verdadeira jarope de bosque, che-
gado pelo vapor Bahiuttno: na ra da Aurora, 11. 63,
terccii o andar.
Cevada e caf moldo.
"No Forte-do-.Uattos, na do
Amorim, n. 36,
na anliga fabrica que pertenceu ao finado Vaz de
Oliveira hoje pertencehle e sflb direegOo de An-
.tonio Joaquim Vidal te Companhinba, vende-se.alm
do superior caf moido o muito czoellente e esti-
mado cafe de levada da melhor qualidade que ha
no mercado por prega mais.'comrnudo do que em
outra qualquer parte.
Vendem-so, no armazem junto ao arco da Con-
ceigflo, n. 64, batatas em arroba e asceaa com mi-
lho, por prego commodo.
Vende-se a. barcaga Carila, de carga de 12 cai-
xas, promptii a navegar : na.rus, do Cabug, loja de
Francisco Joaquim iiuarte,
Fejao mulatinho
muito novo e em saccas : na ra da Cruz, no Rcci-
fe, armazem n. 13.
Queijos de Minas,
por menos prego do que em oulra qualquer parlo :
na ruada Cruz, no Recite, armazem n 13.
Vendem-se queijos de prato, dilps londrino ,
muito frescaes, latas com bolachinlms de Lisboa ,
ditas com ditas de ararula ditas com hervidlas di-
las com sardinhas, ditas de mermelada de 1, 2 e 4
libras., garrafas con vinho moscatel de Setubal, di-
tas de dito da Madeira, ditas de licor fino avelans,
velas de espermacele de oilo em libra, proprias pa-
ra lanlernas caixiiibes de massas finas de eslrelli-
nbas frasquinhnaeouradoscom agoa de flor de la-
ranja : na ra da Cruc.no lecife, n. 4*.
-- Vende-se feijlo mulatinho a 6,600 rs. a sac-
ca :- no raen da Alundega, armazem de Antonio Ali-
es Jacome Pires.
Vende-se um lionito cavado bastante novo do
cor rozilho anda du baixo a meio e que he proprio
para sen hora : na ra eslreita do Itozario n. 30, se-
guudo andar.
LONAS CI1U AS I>F. I.I.MIO.
Jos Sapoiiti vende lonas cruas de lilio da lar-
gura das da Itussi, por prego commodo: na.rut.da
Cruz, a. ti.
EsCr*vo* FueidoH
-- Desappareceu o prelo Antonio du nagflo Con-
go odios grandes; tem falta de alguna denles na
frente e urna ferida em um p : quem o pegar leve-o
a ra da Cruz, n. 2, que sera gratificado.
Desapjiareccu, no di a 20 de correnl, as 2 horas
da lardo um qegrole crioulo de noiiie Cypriano ,
de 16 a n annos, cor fula, olhos grandes; tem urna
cicatriz na testa cabellos cortados e poscogo rapa-
do ; levou calcas velhas azuladas, camisa de inida-
nolflo : quem pegar Iqve-o a casa do padre rr.estre
Miguel do Sacramento Lopes Carne, que recom-
pensar.
-Fogio, nodia 19 do corrente. urna parda do
Antonio de Souza llarrozo morador no engenho
Penanduba a qual dirigio-se'para estapraca he de
altura regular, cabello rulin, beicos grosso*,, denles
limados e com falta de um ou dous na frente ;.ha
noticias alaos Afogados : quema pegar lve-a a.raa 'larga
do Rozar, n. 3, quesera gralrTicado.
P.tM. : w,TTr,
_.;4.i.".o,u.i.|i,>-j...'ijmn
D*.)*-,r;..#;rAW4.-849
ILEGIVEL
r^m


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8BKIMUA5_T4PWNJ INGEST_TIME 2013-04-13T00:39:52Z PACKAGE AA00011611_06448
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES