Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06446


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I Q^D/^UfOiHiblicl-jetodusoj diasque nao
forern de guarda. Oprecada assignatura lie
UeslSOOOrs. porqimrtel, pagoija/Hanladai. Os
[anuncios das assignamrs sao Inscridds
tasiio de 20 rs. por liuha, 40 rs. em typo dif-
ieren le, eos repetieijrs pela inctade. O ndo
assignanlea,.|iaj-ar;io 80 rs. por liuha e 160 rs.
ein IjpodlBVrente, por cada publicacio.
I PIIASES DA LA NO HEZ DF. FEVEREIRO.
La abala, a 5. s 8 horas e B6 mln. da manh.
JiiigQa,aJA. a 1 liara e43miii.daiauii.
iVwv* ta* H hora, e Muslo, da tarde.
Quarta-feira SI
PARTIDA. DOS COBREIOS.
Goianna e Parahiba, s sgi. e sextas-felras.
Rio-G.-do-Nerte, qulntas-felras aoililo-dla.
Cabo. SerinhScm, Rio-Forinoso, Porto-Calvo
Macei, no 1." a 11 e 21 de cada mcz.
Garanhuas e Bonito, a 8 e 43.
toa-Vista e Flores, a. 13 e.28.
Victoria, s ((iimil-felral.
Olinda, todos os otas.
PREAMAB DBHOJE.
Prluielra, s 8 horas e 4? minutos da Urd.
Segunda, A 4 boras 0 Minutas da manh.
se
sam
de Feverefro de 1849.
N. 41.
das da semana.
10 Segunda. S. Conrado. A ud. do J. dos orph.
doi. doclT.edo. M. da. v.
20 Terca. S. Eleuteno. And. doJ.doc.dal.
r. e do 1. de pa do 2. dit. de t.
21 Qoarta. S. Haximtano. Aud. do J. do c.
da 2. r. e do J..de pan do 2. dlsl. de t.
22 Quinta. S. Margarida de Cortos. Aud. do
J. dos orpli. e do J. M. da 1. r.
23 Sexta. I.aiaro. Aud. do J. do civ. c do*
J. de pat do 1. dist. de t.
24 Sabbado. S. Mathlai.
35 Damingo. S. Cetario.
CAMBIOS NO DA 20 DE FEVEREIRO.
Sobre Londres a J6d. por l/W'rt. a60dlai.
Paris
. Lisboa 108 por eento de premio.
Rlo-de-Janeiro no par.
IJesc. de lett. de boas firmasa l'/t o ao >ex.
Acedes da couip. de Hebcribe, a50| rs. ao p-
Ouro.-Oncas despalilllas. 295<>0 a 30/900
M odas de 67400 v. 17/200 a 17/4 0P
, deM400n. ro/200 a l6?4ol>
de 4/)00.... 9/200 a 9/100
rVaM-Patacoesbraaileiros 1/9t a 1/WO
Pesos coltiinnario-. 1/iKjO a 1/980
Ditos mexicanos..... 1/880 a 1/900
IARIO
PARTE OFFICIAl.
MINISTERIO DO MUEUO. .
iolva divorsa duvidas sobre a excern-do da lei re-
auLm-nUr das fleices, propostas pelos juizes de
mz presidente das mesa, pafochiaos d>s freguc-
iias do Pilar, de Nossa Senliura da Conceicdo da
Praia^ daSaiiU-ABO, na provincia da Baha.
1 SecQflo.-RiOTd-ineiro.-Minislerio dos neg-
cio's do imperio em 8 de Janeiro de 1849.
lllm e Exm. Sr.Fram presentes a S. M. o Im-
perador oa oflioios de V. Esc., de numero 27 a de
31 de outubro do 1817, Tersando sobre as segtintes
duvidas, oecorridas por occawlto da exeeucflo da le
regulainmttr da* eleicOes.
1 Duvid. Dojelz de paz presidente da mesa pa-
rnrhial di freguezia do Pilar, consultando se o cida-
illo imidado da urna parochia. depois de nella qua-
lificado, pdena meama ser votado para eleitor, ou
seo deve ser na em que liverestabeleoido a sua ora
residencia. ,
2. Durida. Do mesmo Jnlz de paz : se om eldaddo
reconheeidamentef morador em urna parochia, h
annos, pJe ser rotad para eleitor em otitra paro-
rbla, onde sirrluladamente se deu i (Jualih>a-i1o,
mas na qual ndo tem residencia constante ou tempo-
raria.
S. Duvida. Bteji de paz presidente da mesa pa-
rochial da freguezia de Nossa Senhora da Concedo
da Praia : se pdem votar nesta Jreguezia os cida-
dflo que, sendo nella qualficados, mudaram-se
posteriormente para oulra ferguezia.
*. Duvfda. Dojuizitepaz presidente da mesa pa-
rocliial da freguezia de Santa-Anda : se plem votar
e ser volados nesta parochia para nleitrs um elei-
tor e gm sopplonte da> legislatura anterior, que dei-
xaranule ser nella qualficados poreslarem ausen-
tas, urna vez que se apTesentem na occasido da elei-
ciio sendo que o supplente he empregado publico
em oulra provincia, e dalla aeausentou com licenca.
5. Duvida. Do mesmo juu de paz : se os meneio-
nados eleitor e supplente foram devidamente con-
vocados para .oraanisnQilo da mesa ptrrnchial de 7
de novemhrode 1847, eso plem nella funcoiohar.
6. Durida. Do sobredilo juiz de paz presidente da
mesa parochial da freguezia de Nossa Senhora da
Conceicn da Praia : se devem ser convocados para
a luniiac.no da mesa parochial dous supplente* de
eleitoros da mesnia fregueai, que, depois de nella
qualicdos, mudaram separa oulra freguezia, onde
residen ao lempo da oigauisaQfloda dita mesa.
K inleirado o mesmo augusto Scuhor das solugOes
dadas por V. Esc. s referidas duvidas, manda de-
clarar :
le 3. Duvidas. Que bem resolvidas foram por V.
Esc. al. e3. duvidas, declarando que, sonifoaqua-
lifioacAo a base da eleiciio, ( como se reconhec no
9. do decreto n. 480 de 2* de outubro de 1846 ) de-
vem os cidadlos de que tratam oslas duvidas votar'
c ser volados smenle na parochia em que frain
quatifleados, como se concluo das disposieOes dos
arts. 17, 50 e 53 da lei regulamenter das eleicOes.
3 Durida.' Que o-ciiiadn de qu trata esta divi-
da, rilfoestando no caso dos antecedentes, poisquo
Iho falta a residencia exigida pelo 2 do art. 17 da
citada lei, 'iiiln pode, como decidi V. Exc, sor vo-
tado para eleitor, e sim smetite devem ser recebi-
dos os rulos que sobre elle recahirom, e ser-lho ex-
pedido o eompetenlc diploma em conformi ladn e nos
I termos do art 56 da mesma lei, declarado pelos
aviso 2. de 15 de abril de 1847, 0 9 de setembro de
1818 3.
4. uvi.la. Que bemdocidio V. Exc, que os cida-
dilos mencionados nesta duvida nao pdem votar
nem ier volados na parochia onde nfo lram quali-
licadoa, em vlrtnde do principio invocado mis duvi-
das 1 e3., embora lossc o eleitor de que se Ira la ex-
cluido ihdridanionle da qualiflcaQlo, por nlo haver
mudado a sua residencia, o smente se ter ausen-
tado temporariamente da parochia, como parece
sodevu concluir da esposic.lo que faz aquello juiz
de paz, visto rrffo se ter elle aproveitado dos re-
cursos que Ihe conceda a lei contra essa uxciusSo. -
5. Duvida. Que tanibom he confonne leiedeci-
sOei imperiacs, a soluco que Y. Exc. deu a esla du-
vida, declarando que o eleitor o supplente de que el-
!s trats nflo dCTfsm S?r convor*adn* nr, or^aitisa-
,'Ao da mesa itarocral, e nem purlaiito pdem deila
fazer parte.
6. Duvida. Qne, finalmente, nio foi bem resol vida
a 6. duvida, pois que, segundo Os artigas 5 o 41 da
nieiicionadaiei rcgulaucnlar das eleicOes, sobre os
quaca fium dadas as lerniiiiaules decisdos cons-
tantes dos avisos 3." do 1. de outubro de 1847 2%
e de todo agosto de 1848, no pdem ser convoca-
dos para a forniaeflo da mesa parochial os suplien-
tes do eleilofede quose trata, nao ae podendo fa-
zer distincefio do caso da previa qualilicacSo, por
isso que nil.o a faaeiu e.iu.ing arligos.
Oqueconiinuiiico V. lixV para sua iiitelligencia
c Roverno.
(leo* guarde a V. lije.Titeandtdi llonte-Aleyre.
Sr. ji esidcnlc da provincia da Ualiia. -
A pprova a deoMo que o presirTento da provincia do
Itio-ile-ianeiro deu as duvidas propo-tus pelo
Juiz de paz da Trcguezia da villa do SauJoilo-da-
liarra lei regulamentur daseleices.
i. Seceso. jaia4e-Junen>. Ministerio dos neg-,
cos do imu?rio,.em8do-janeirodei849.
lllm. e Bxm. 8c Foi yeaente a S. M n Impera- I
dor o oflicio de V. Ex. de 2 do correnlc, e copias
que o acompanharam, do qual consta que, pedirido
o juiz de paz di freguezia da villa doSan-JoIo-da-
Barra essa presidencia o esclareeesso primeira-
mente, seos eloitores que teem de proceder 17do
corrente eleicflo de um senador, devem reun r-so
no din antecedonte, afim de organisar-se a respec-
tiva mesa; e em segundo lagar, se o juiz do paz com-
petente para presidir i dita mesa lio o doquadrien-
nio actual, ou o do seguinte, resolver V. Ex. res-
poader-lhe:
1. Que, sendo applicaveis reunido dos cleitnres
para a eleiciio de senadores, pelo artigo 84, as dis-
posicOes molidas no capitulo 3. da lei do 19 do
agosto de 1846 a respeito da sua iastallacta, cere-
monia religiosa, e mais actos preparatorios, devem
ser preenchidas nu da 17 do correle todas as for-
malidades exigidas pelos artigos (9 e 70 da refe-
rida lei.
2. Que pertence ao juiz do pazdo novo quadrien-
nio, e om aua falta oa mpedimoataaoseu imme-
diato em ."los, a presidencia interina do collegio
eloilral, visto que os juizos de paz anteriores ter-
mina rain o ejercicio do auas funeces no dia 6 d0
corrente, a lei citada sllies permitteno artigo
110 expressa e laxativamente a presidencia dasjnn-
(as de qualilicacilo para as quaea tiveiem lei lo a
convocaco dos cleitores e supplonts, c nerfhuit
outro acto mais
E tomlo o mes-no augusto fionhor approvado am-
bas as referidas deeisoes dadas por V. Ex. issimo
coinmunreo i V. Ex para son conhecimento.
Dos guarde a V. Ex. Vitconde de IUnf Alegre
Sr. presidonle da provincia do Rio-de-Janciro.

Approva a deB sflo que .o presidenfo da provincia
da Baha deu duvida proposla pela cmara mu-
nicipal de Cannavieiras, deudo deverem ser in-
cluidos estrangeiros- na lista dos votantes, pelo
simples facto do so acharem estes qualficados na
guarda nacional.
1. Sece.'io. Kio-de-Jaueiro. Ministerio dos nego-
cios do imperio, em 9 de Janeiro do 1849.
lllm. o Exm. Sr. Sua Magostado o Imperador,
a quem foi presente) o oflicio dessa presidencia da
19 de feveroino do nno passado, acompanhando a
deciso sobro a duvida proposta pela cmara mu-
nicipal de Cannavieiras, a saber : Se os estrangeiros,
pelo simples l'acto de oslarem qualficados na guar-
da nacional, devem ser incluidos na lista dos votan-
tos : ha por bem anprovar a iriesma deeisio conce-
bida nos seguinles termos: que, om vista do artigo
5. do regulamento n. 500, do. 16 de feverciro de
1847, a posse dos direitos de cidadifo brnsilciro cons-
tituida pelo seu oxercicio, e pelo de quaesquor car-
gos piiblicos, nflo obstanlo ser sufTfciente para fa-
zer incluir o quo est no gozo delles na lista dos vo-
tantes, ieoluima outr* Corea (em mais do que a de
urna presumpcSo, centra a qual se pode opjjr pro-
va quo anullifique; e que, porUrrto, una vez quo
provado seja que laes individuos sSo'cstraugoiros,
cumpre quo a mesa respectiva os nfio qualilique. .
O que communico a V. Ex., para seu conheci-
mento. YUc.nde de tlonl' Alegre. Sr. presiden-
teda provincia da Baha.
Approva as deeiscs dadas pelos presidentes das pro-
vincias da Baha, Periianihucu eMinas-Ceraes, so-
bre as duvidas dos juizes do paz presidentes das
juntas do (|uulilicaco das freguezi.s de Inhambu-
pe-, Santc-\mro-de-lptmga, Bezcrros o Arripia-
dos, por occtsio da exeeucd da lei regulamenlar
das cleicOcs.
t. Seccdo. Rio-dc-Janeiro. Ministerio dos nego-
cios do imperio, cm 9 de Janeiro do 1819.
lllm. c Exm. Sr.Frim prsenles a Sua Magesta-
de o Imperador, cornos oflicio* dos presidentes das
provincias da Baha, l'ein.iinbuco o Uinas-Geraes, as
seg'uinles duvidas suscitadas pelos juizes de paz de
valias parocliias, por occasido daexecu^doda lei re-
gulamenlar das eleicOes.
1. Duvida. Do juiz de paz presidente da junta de
qualileaco da freguezia de Inhanihupe, provincia
da Babia, perguniando so Lino Reginaldo Alvim,
mudaiido-su com sua familia para a cidado de Olin-
da, onde est matriculado no curso jurdico, depois
de haver sido qualificado naquolla froguezia, pode
nella ser votado para eleitor, e sedovurdo ser apura-
dos o volos(que nelle recahirem, una vez qu He
assisla aseleicus por occasido de ir passar as ferias
na mesma freguezia.
2. Iuvilla. O juiz iA paz presidente da junta do
qtialilicncdo da parochia dos Arripiados, provincia de
Minas, expondo que, havendo tros individuos recla-
mado para seren inscriptos na lista dos volantes
deata parochia, exglndo de mais uafi delles a ins-
c'ripfdo de oulros individnos cm iiuiuoro de 157, lo-
dos pertehceutes ao novo distrielo do Sauto-Anlo-
nio-do-ilarangoll*, freguezia do S -Paulo-do-Murie-
b, por onde fram qualilicados como doviam, a re-
ferida junta inadvertidamente incluir atlos na-
quella lista ; consulta so devem laes individuos ser
julgados nullamcnlo lulillcados votantes na paro-
cha dos Ampiados,.e se a mesa parochial dola de-
ve recusar aceitar os cus votos, quando ah enmpa-
recam e instein para seren) considerados votantes.
3. Duvida. fio juiz de paz da freguezia do Sanlo-
Aniaro-do-lpitanga, provincia da Baha, consultando
ae o eleitor que se niudou para outra freguezia, deve
aer convocado para compr a junta qualilieadora d.i-
qualla freguezia em que foi oUiito.
* Do'Btcsmo juiz do paz, se, en vista da segunda
jMrte'Uo artigo 17 da lei regulamenlar das eleicoes,
he permittido a qualquer cidaddo morar em urna
freguezia, e dar-se rol om otitra, para nesta ser
qualificado.
5. Ojuiz de paz presidente da junta de qualillca-
(Jo da freguezia de Bezerros, provincia de Pemam-
' buco, pergunta so um eleitor que fez parle da junta
dequaliflcacdo, e quo fui igualmente qualificado na
dita freguezia, masque posteriormente se mudou
para "outra fra da comarca, deve oi hdo ser convo-
cado para a formaeltoda mesa parochial da fregue-
zia a que havin pertencllo. o onde foi qualilicido.
6. Do mesmo, se o mesmo ndivi luo cima pode
votnr e ser votado na freguezia deque se inudou, e
omlofoi qualificado.
E o mesmo Augusto Senhor, tonto presontes as
decisOiis dadas pelos referidos presi lentes a estas
duv Jas, manda declarar :
1. o 6. Duvidas. Que acera la fui a decisdo do pre-
sidente da Rabia, para que fssem recebidos e apu-
rados os Votos q'fte oblivesse o cida Ido de que se
Irata, e,m conformidade, e nos termos do artigo 56
da lei regulamenlar dis eleicOes, coro j foi decla-
rado ros avisos 2." do t de abril dn 187, e9 dose-
fombrode 1848, 3*, pols que smente ao collegio
cfoitornl compete decidir as duvidas quooceorre-
rem sobre a idoneldade dos votados, segundo o cita-
do arligo 50, o o artigo 71 da mosma lei. E quo a pr-
itieira parto da primeira duvida, que nlo foi resol-
vi la por aquello presidente; deve sor decidida da
mesma mai.era por que o foi pelo presiden te de Per-
iiamliuco a sexta duvida, islo he, que os cidaldos
qualficados em una parochia devem nella volar, e
ser votados, embora ao lempo da eleigdo eslejain
mudados para oulra parochia, pois que a qualilica-
Qiloba a base da eleicdo, sogundo foi declarado em
aviso datado de honleni, expedido ao presidenl du
Baha.
2. Duvida. Quo acertadamente foi declarado pelo
presidente da provincia de Minas, que os individuos
de que trata esta duvida ndo doverum ter sido qua-
lficados na parochia do. Arripiados,'mas que, urna
vez que fram, devra-se ter usado contra ossa in la-
tida qualificado dos recursos que concedo a lei,
explicada pelo decreto n. 500 de 16 de fevereiro de
1847, artigos 8 e 9 j e que, devendo cada cidaddo1 vo-
tar na parochia a que pertence, como determina a
loi, e O dedlara o decreto n. 48!) de 21 da outubro do
1816 2.\ importara em nullidado a Intervencdo
daquelles individuos na eleie.lo da parochia dos Ar-
ripiados. Cumpre, porra, em solucdo ao ponto
principal da duvida, accrescentar que nada tem que
entender mesa parochial com essa qualificacdo c
votos desses individuos, pois qno aquella s p le
ser comediada, urna vez quo o nao foi por meio dos
recursos competentes, pela junta de qualiljcaco do
anuo seguinte ; e, quanto a estes, o seu conheci-
mento pertonco ao podr competente, o ndo dita
mesa, querrr, na conformidade do arligo 50 da re-
ferida lei de eleicdo o decises mperiaes, nada mais
cumpre do que recebes* e apurar os votos dos in livi
dos qualficados.
3. llovida. Qiiohm resolveu o presidente da Ba-
bia a lerceira duvida negativamente, om vista do
tiisposlo no aviso de 24 do uovembro de I84U, o das
domis decises citadas no piceilado aviso dtalo
de hontcin. .
4. Duvida. Que da mesma forma fui rom resolv-
.la pelo mesmo presidente esla duvida, quo admira
tivesse lugar, em vi,la da clara e teninnaulodisposi-
cdo da segunda parle do artigo 17 da lei de cleices,
citada pelo mesmo juiz lo paz.
4 Que, finalmente, foi bem decidido pelo presi-
dente de Peinainbuco, quo o individuo do que traa
esla duvida ndo deve ser convocado para a organisa-
cdo la mesa parochial da freguezia do Bezerros de
que se-mudon, pois que ndo s sdo applicaveis as
sas parochiacs as deci.-0es quo (icain nionciona-
na torceira duvida, como porque est esla espo-
1"
mes
das
ci decidida pelo aviso 3.0 do 20 de fevereiro de 1847,
Ooc pelo du 10 do agosto de 1818. de conformida-
de com aquellas decises o dos artigos 41 o 94 da le
regulamenlar das eleicOes que so lefecomao artigo
5. da meama. ,
Dos guarde a V. Exc. Yisconde de Moni -Aleijrc
Sr. presidente da provincia da Babia.
Declara que os membros das juntas de qual (cacao,
concelhos municipaes de recurso o mesas paro-
chiaes, quando sorleadosjiiradns, sirvam de pre-
ferencia naquella* estacoes, participando ao pre-
sidonlu do tribunal do jury o seu legitimo impedi-
mento.
1. Seccdo. Rio-de-Jineiro. Ministerio dos nego-
cios do imperio, cm 9 de Janeiro do 1849.
lllm. o Exm Sr.- Foi presente Sua Magostado o
Imperador o oflicio de V. Esc, de 21 de feverciro do
auno passado, cobrindo o que V. Exc. cspedio ao
presidente da junte deuualilicacdo da capitel disssa,
provincia, declarando-lhc em solucdo irdtivida pelo
msmo proposta acerca da lei regulamenlar das elei-
cOes, que, tendo a mesma lei marcado o modo pelo
qual podem ser substituidos os membros das juntas
qualilicadoras, &c., neiihum inconveniente lia para
que osdaquclla junta coinparecam no tribunal dos
jurados como juizes de fado, para elle sorteados.
E ndo merecendo a imperial approvacdo esta tle-
cso do V. Exc, manda o mesmo Augusto Senhor
declarar-llic que, posto seja verdadeiro o principio,
emqtfoclla se baseou, da dilllculdado da se reunir
geralmonlo o concclho de jurados por falte de mem-
bros, o quo occasiona a demora nojulgamento dos
reos osquaes, assm como a socedado, interessam
em que soja logo decidida a sua sorte, comtudo,
em vista ta preferencia que a lei dfi ao servico das
eleicOes, mesmo sobre a administrando du justir;a,
como se collte dos arta. 28. e38. da citada lei regula-
BUCO
i mentar das eleiges, e de varios avisos; e nlo sendo
I Ido eminente, nem irremediavel o inconveniente
I previsto por V. Exc, pojs que na maior parte dos
casos podo ser removido pelos meios que a lei tem
estabelecido para prenncher o numero dos jurados;
he mais conforme ao espirito da mencionada lei re-
giilmentar que, nos lemos do aviso de 17 de ju-
nho de 1847, o presidente e mais meqibros das jun-
tas de ualificarjdo, bem como dos concelhos muni-
cipaes de recurso e mesas parochiacs, quando acon-
tec terem de comparecer naquclle tribunal como
jurados ao mesmo lempo quo hajam de funecionar
como membros tiestas cstagoes, sirvamde preferen-
cia uestes, participando ao presidente do dito tribu-
nal o seu impedimento.
Dos guarde a V. ExcYisconde de ilonf Aleare.
Sr. presidente da provincia do Rio-Grande do
Norte.
Declara que, na falta do cscrivdo do juiz do paz ou
do subdelegado, pode ser chamado algum dos
douscidaddos ja juramentados, som que soja ne-
cessario novo juramento, ou Hornear e juramen-
tar outro.
1. Seccdo. Rio-dc-Janeir. Ministerio dos nego-
cios do/Imperio, em 9 d Janeiro de 1849.
lllm. e Exm. Sr. Foi presente Sua Magestade o
Imperador o oflicio de. V. Exc4, do 13 de Janeiro do
anuo passado, aodual acompanhou copia do quo V.
Exc. expedioao vigaro da freguezia de Salinas, de-
clarando-lhc : 1, que para servir na falta de escrivdo
do juiz de paz ou do subdelegado por occasido da
prxima futura reunido da junta do qualificagdo da-
quclla parochia, poder o juiz de paz presidente da
mesma junta, em virludo d arligo 3* da lei regula-
mentar das clei(;x.es, chumar algum dos dous cid-
ddos queja seacham nomeadose juramentados, sem
que seja necessai o novo juramento, ou nomear e
juramentar outro so o julgarcnvonienl: -2 que,
se aquello que lio pratico da barra Jor ao mesmo
tompo chamado para conduzir alguma embarcando,
devora prestar-se a esto servico com preferencia,
por ndo sor Ido fcil a sua substituiedo no mesmo
sorvico.
E havendo o mesmo Augusto Senhor approvado
este'decisdo: assim o communico 'V. Exc, para
sua inteligencia.
lieos guardo a V. ExcYisconde de Mont Alegre.
Sr. presidente da provincia do Para.
Solve duvidas propostas nelor presidente da pro-
vincia {ja Babia, acerca da lei regulamenlar da
eleicOes.-
1. Seceso. Rio-de-Janoiro. Ministerio dos nego-
cios do imperio, cm II de de Janeiro de 1849.
lllm. e Exm. Se. Foi ouvda a seccdo d impe-
rio do concelho d'estado acerca dsseguintes duvi-
das, proposlas por V. Ex. sobre a lei rogulamcotar
das cleicfles, de 19 de agosto do 1846.
1. Duvida. Se naquellas freguezias, em que ndo
so procedeu s eleicOes de juizes do paz evoreado-
res na poca legal, na qual liveram ellas lugar em
as demais do municipio, devo-so ella rcalesarein ou-
Iro dia que baja do ser designado
2. Duvida. So determinado que ndo deva ter lu-
gar a eleicdo, he esta deliberacfto extensiva aocaso
de que as freguezias que ndo intrvieram na ante-
riormente verificada, constiluam a maioria do mu-
nicipio.
3. Duvida. Se, decidido negativamente o antece-
dente quesito, qual o procedimento a segulr-ae : se
odeixar vlida a eleicdo da minora, ou mandar ve-
rificar a eleicdo em todo o municipio, ainda mesmo
as freguezias em queja fra levada a effoito.
E havendo Sua Magestade o Imperador, por sua
immediala resolucilo do 16 de dezembro do anno
prximo passado; se conformado com o parecer 4a
referida seccdo, exarado em consulta de lldcno-
vombro do mesmo auno, ha por bem declarar :
1. Duvida. Que cumpre proceder-so s eloicos
para ven-adores c juizes de paz as freguezias do
municipio em que estas so ndo effeituaram, desig-
naudo-se para ellas o mesmo dia em cada munici-
pio, urna vez quo so verifique o impedimento do
artigo 60 da loi. Se, pois, ndo liver occonido impe-
dmento liara so ndo fazereni as elcices no dia mar-
cado na lei, ndo poderdo cffeitiiar-se, salvo quando
a freguezia ou freguezias em que tal falta se der,
constituir--)-a inaioria do municipio.
2. Duvida. Est revolvida com a decisdo da an-
tecedente.
3. Duvida. Que siibsfafem as elclc,oes de verea-
dores e juizes de paz feilas na poca e com as for-
malidades legaes, embora se proceda s mosinas as
outras freguezias do municipio em que ellas so nJo
effeituaram, pois quo ndoborasoavol quo o quo "no
feito .segundo as disposicc's da lei, se declare -Mil-
lo, mrmente por actos de tercoiro, quo ndo pdem
ser imputados quem desempenhoU o seu dever.
He, porm, indispensavel quo se verifiquen) as elei-
cOes para juizes de paz em todos os districtos, em
que ndo tiverein lugar na poca marcada, anda
que pertcneaui s freguezias a que, como tica dito,
ndo cabo eleger sous vereadores por ndo o haresem
feilo no dia profiri, sem que occorresso impe-
dimento.
Podcndo acontecer que, ate que se efieitue a etai-
eflo nr. freguezia ou freguezias que a ndo fizeram,
tenha terminado o lempo da dnraqito legal das c-
maras municipaes e juizes do paz elcitos em 18*5 ,
e exigindo o bem publico e particular que ndo cesse
o exercicio destas autoridades antes de cleitasas
<-tic teem do succcdor-lhes; ha oulro-sim o mesmo
augusto senhor por bem declarar que, emqanlo
ndo esliverem eleitos os tiovos juizes de paz e ve-


*r
=
Madores, conlinuem a cxercer as suas fnncges os
aue serviram no quadrionnio anterior, embora
ndo.
0 que ludo communico V. Ex., para sua intelli-
gencia, eexecugflo.
Dos guardo n V. E\. Viscondede Moni' Alegre.
Sr. presidente da provincia da Babia..
Solve a duvida proposta pelo juiz de paz da cidade de
Sorocaba ao presidente da provincia de, San-Pau-
lo, sobre a execugflo da lei regulamentar das
eleiges.
1. Secgflo. Itiu-de-Janeiro. Ministerio dos nego-
cios do imperio, em 12 de Janeiro de 1849.
lllm. e Exm. Sr.~ Foi ouvida a seceso do imperio
do concelho d'estado sobre a seguinlo duvida susci-
tada poroccsi3o da execugflo da lei regulamenrar
das eleiges de 19 de agosto de 1846, constante da
rcprescnlac&o do juiz de paz da cidade de Sorocaba,
i'tnais papis que acompaiiharan o oITlcio dessa pre-
sidencia de 17 de julho do anno passado.
Temi a cmara municipal daquclla cidddo oficia-
do ao referido juiz do paz para convocar os eleitores
que tenham de compr o collegio elciloral para a
cleigflo de un dcpulado a que sedevia proceder cm
consequenoia da vaga que dcixou o deputade Hornea-
do ministro da justiga, duvidou o mcsino juiz de paz
fazer essn convocagflo, nilo s porque nflo achava na
lei que 1 lie fosse dada esta ntlribuigo, como por
mo ter meios de saber os nomos c mrulas dos elei -
tures ilus oulros districtos, pareccndo-lhe por isso
mais competente para aquello acto a cmara muni-
cipal. Insistindo porm, esta em sua opinjflo, c
recorrendo aquclle juiz de paz & essa presidencia
nfim de decidir este conflicto, cnlendeu a mesma, co-
mo se ve da portara que por copia acompanbou os
mencionados papis, ser iidifTercnte que as cama-
ras l'acam a convocagflo, ou dirigindo-sc directamen-
te aos eleitores, ou por intermedio dosjuizes de paz,
visto quo nada ha de positivo na lei das eleices so-
bre esta materia ; advertindo, porm, que no caso
ilc seguir-se este ultimo arbitrio, deve a cmara of-
liciar a toilos osjuizes de paz para convocarem os
eleitores dos scus respectivos districtos, visto nSo
Olinda, ordenando informe com urgencia quo meios
de subsistencia leem os orphSos lilhos do Uado l-
ente da guarda nacional, morlo no combate de 2 do
correnle, Manuel Kiiliuo de Barros, aosquaos j foi
por Siiic. nomcado tutor.
Portara.Suspendcndo do exerorcico de com-
mandanle superior da guarda nacional do municipio
do Bonito a Francisco Xavier de.Lima, visto ter-se
mostrado nfenso causa da ordem e da legalidade,
e Humeando interinamente parvo substituir ao lo-
nente-coronel Francisco Antonio de Barros e Silva.
Fizoram-sc as participacesdo eslylo.
INTERIQB.
mi. ?*'?<. coml,c'c1ntc.0J!"^ dc,Paz dodistncto j nacional, c finalmente a todos O.
VhJl nUf.o0lJeg,,01el,:"?ral- i Whm. ollclacs inferiores e mais guar
i-lu!?* SVa Mnfst?lle o Imperador .por sua serviCo,'que prestaran! durante o nfeu i
inmediata rcsolugSo de 16 de dezembro do armo
passado, se conformado com o parecer da referida
secgflo, exarado cm consulta de 29 de julho do mes-
mo anno; ha por bem declarar.
Que, comquanto j-setenha concluido, ha muto,
aquella elcieflo, comtuilo para regular nos casos oc-
curientes, deve ficar entendido quo ciimprc esca-
maras municpnes ofliciara todos os juizes de paz do
seu municipio iifim de que estes convoquem os elei-
tores de seus respectivos districtos para o collegio
elcitoral quo deve rcunr-so no 1." distiicio, debai-
xoda presidencia interina do juiz de paz dcste, visto
que, como bem entende essa presidencia, nio he es-
te 0 competente para fazer aquella convocagflo.
O que communico V. Exc. para sua intelligcncia
e execugflo.
Dos grarde a V. ExcVizconde de Motil'Alegre.
Sr. presidente da provincia de San-Paulo.
ALAGOAS.
Qimrlcl do commando das Jreos, na villa do Porto^
Calvo, 10 de fevereiro de 1849.
ORDEM DO DA N. 12.
Tcndo recebido hontem noite a ordem do dia
sb n. 1. do Exm. Sr. coronel Antonio Mues de
Aguiar, presidente desta provincia, em a qual me
ordena a entrega da fren sb o meu commando ao
mui digno militaroSr. tonentc-coronel Antonio Ma-
ra de Souza, deveudo eu recolhej-me capital, por
isso fago entrega boje da sobredita frca.
He do meu dever nflodeixar cm esquecimento os
bons servicos que bao prestado os Sis lenentes-co-
roneis Jos Ignacio de Mondonga, Joaquim Marinlio
Falcflo e Pedro d'Aloantara tiarque, commandan-
tcs dos corpos da guarda nacional que compem esta
frca, e com particularidad!.- ao dito Sr. Mendonca,
o primeiro que reuni frca cm defesa da legalidade
para balcr os revoltosos, e a quem se deve a salvaclo
desta villa. Os mesmos elogios dirijo no Sr. Dr.
Jacinthol'aes de Mendonca, propietario do engenno
Novo; assiin como muito agradeeo aos Srs. capitflo
Manoel Jos de Espinla, commandante do contin-
gente delinha, capitflo Jos Mus Tavarcs que ser-
ve as minhas ordens, lente Manoel Luciano da C-
mara (; na rana, lente Silvano Tcixeira Quedes, da
os mais Srs
das os bons
eos quo prestaram durante o meu commando,
ajudando-me sempre em todas as occasos at con-
seguir deixar esta bella provincia em plenu paz c
com a fronteira coberta.
Manoel Mans Tavares,
Estimo a boa sado deV. S., por ser com res-
peito Do V. S. Atiento, muito venerador e
Obrigado --Manoel Jos de Oliveira Helio. .
A' vista de tudo isto estSo, como dissemos em
principio, a verificar-so as nossas previsos; isto
ho, npressa-se o momento de vormos inteiramente
desbaratado esse troco de vndalos que percorre por
alii alm em busca de um asylo, oque corto nflo
poder escapar vigilaneia e actividade dos dous
militares, cujos nomes deixamos inscriptos.
Permita DOS que se complete a paciicagflo da
provincia sem mais effusio de sangue ;que esses
loucos e pervertidos se dispersem por si mesmos.
VARIEDADES.
CONSULADO PBOVIKCIAL.
REMMMNTO DO DA 20.......... 1:352,704
'Movimento do Porto.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DIA 17 DE FEVEREIRO.
Offico.Ao commandante das armas, recommen-
dando a expedidlo de suas ordens, afim de quo esta-
cione na povoagflo dos Afosados no lugar que lhe
parecer mais proprio um destaca ment do corpo de
polica, coniposto de 25 pracas.-Parliclpou-so ao
cnefo do polica.
Dito.Ao commandante da i I ha de Fernando,
aecusando recepeflo do seu ollico, acompanhadudo
auto da veslora, que se procedeu no cadver de
Joflo Andi da Cosa que com Antonio Jos de Mello
fra ifrrebatado pelas ondas no lugar denominado
Barro-Vermelho, onde se acharam pescando.
Dito.Ao agente da companlia das" barcas de va-
por, recommen lando haja de expedir suas ordens,
alim de que no 1." vpor quo passar para o norte seja
transportade para a provincia do Cear em um dos
lugares destinados passagoiros de estado, ou por
coma do governo, se os referidos lugares cstiverem
preenchidos, o alferesdo corpo fixo it'aquella pro-
vincia, l.uz de Franca de Camino.- Sccntilcou-se
*' Cornil andante das armas.
Dito.Ao inspector da thesourara da fazenla,
Iransmitiindo o aviso de urna lellra da quauta de
(00,000 res, sacada pela thesourara de (alendada
provincia duKio-Crandc-do-Morle sobre essa, ea favor
do Joaquim Jos de Araujo Coinmunicou-se ao
presidente.da referida provincia.
Dito.Ao meslo, iransrniltindo o saque de urna
le|lra da quantia de 880,000 ris, feito pela thcsou-
raria da provinciadoKio-Crando-do-Norlcsobre essa,
e a favor de Joilo Evangelista de Vasconcellos l.ima.
Inteirou-se o presidente da mencionada pro-
vincia.
Dito.Aomesmo, Iransmitiindo o aviso de una
lellra da quantia do 416,000 ris, sacada pela lhe-
sourana da provincia do Hio-Crando-do-Norte so-
bre essa, c a favor de Manoel Joaquim de Araujo.
Particpou-se ao presidente da referida provincia.
Dito.A juiz municipal da primeira vara desla
cidade, ordenando informe acerca do conleudo no
requerimcnto que remelle, acompanhado do olllcio
do brigadeiro commandante da illia de Fernando
c cm que o sentenciado Jos hodrigm-s da Silva pede
a S. M o I. a commulagaa.ua pena a que fiacon-
demnado.
Dito.Ao inspector da pagadoria militar, orde-
riainlo que, a vista da conta que remelle, pague Smc
a Joflo Carlos Augusto da Silva a quantia do 159 oo
ris. Importancia de 30 s-iccas do farinlia que'lhe
com ron o inspector do arsenal de marinha para
lorneci ment das tropras T)ue lomaram paito i,
combate do dia 2-Scientilicou-su o Inspector do
mencionado arsenal.
Dito.Ao director do arsenal de guerra, aulori-
sando-o a despender a quantia de 600,000 ris cun a
compra de 300 meius de sola, para quo nflo parau-
sen) os trabalbos .das ollicinas da quinta classe
d,muelle arsenal. Coinmunicou-se ao inspeelor da
pagadoria militar.
Hilo. Ao commandante do corpo de polica, de-
terminando mande aprosentarao commandante das
Migas uavaos estacionadas no porto desla cidade
o rebelde Seralim Jos, que d'ordcm do general
commandante das armas foi recolhido a um doscal-
labougos do QUaitcl do corpo de sen commando.
Parlicipou-se ao commandante das armas o ao com-
niandai.tr das forjas navaes.
DitoAu juiz municipal edeorphflosdo termo de
1IMKIII !lEPEll\ABIiri:ii.
BECIFE, 20 DE FEVEREIRO DE 1849.
ESTA Jt VF.KIFICAR-SE AS NOSSAS riIRVISOKS.
Batidos e destrocados em Po-Amarello,-- com a
desordem o o desanimo introduzidos cm suas rotas
fileiras, a bracos com a continua e diaria dcserco
de um grande numero de comparsas, tendo aca-
bado de tcstemunhar o fallecimento do Jolo Ignacio
Ribeiro Roma, o mais esforzado dos chefes que
ainda Ihcs reslavam.os rebeldes ahi vilo correndo do
ponto em ponto, empenhando-se por chegara Brejo-
d'Areia, o quo cromos rulo conseguirlo antes de se-
rem alcanzados pela columna do bravo e dstincto
tenenle-coronel Falcio, que se nflo cansa de persc-
gui-los^ como se ve do seu ollicio que ora vamos
transcrever: *
lllm. cExm. Sr.Tendo os sediciosos seguido
para osla villa, cu mov a columna nesta direc-
Qo, c ella cheguei ns dez horas desta mandila ; e
saliendo que sedirigcm para a do Brejo-d'Areia,
sigo inmediatamente na sua retaguarda.
lie exaclissima a noticia do feriinentodo Roma,
e do eminente perigo de vida em quo eslj 6 at
consta-me que ja falleccu.
O inmigo principia a sulTrer as deserges, infal-
lvesnas deslocalisages, como aquella queso por
< cffeto de demencia einpreheiidou. e os Paradiba-
< nos nflo o teem seguidoem a nefanda empreza do
siriiverlcr a socedade.
Deos'Guarde a V. Ex. Acampamento volante da
i columna do norte em a villa dcltabaiana, 16 de
< feveriro de 1849.- lllm e Exm Sr. brigadeiro Jo-
i s Joaquim Colho, commandante das armas dos-
< ta provincia de Pernambuco. Feliciano Antonio
i Falca>, tenenle-coronel commandante.
Os Icitorcs terlo nolado sem duvida o termos nos
afllrmado a mortc de Joflo Roma, no entretanto que
o Sr. Falcio apenas diz quo lhe consta (avcr ella
tido lugar : cumpre, pois, que submeltamos sua
consideracao mais dous documentos : um notician-
do tambem essa morte, e indicando al a paragem
em quo so ella verificara; ooutro descrevemlo o
movimento do grupo rebelde de maneira a confir-
mar ludo quanlo a scmelhanle respeilo declara o
mesmo senhor Falco. Estes documentos sflo os
scKuintes:
A EDUCACAO' NOS ESTADOS-UNIDOS.
O baluarte de que a America republicana mais se
devo orgulhar lio a educaeflo universal que ella lem
sabiamente eslabelecdoe fomentado por meio de
seo systema singular de escolas. Em nonhum paiz
do mundo a inteligencia do povo, meninos, e adul-
tos podera comparar-se com a dos Americanos co-
mo lio fcil de mostrar porinnumeraveis factos es-
latishcos, e como todo o viajante observador e sin-
cero he obrigado a reconheccr. lie por isso que en-
tro as raparigas de nossas fabricas, como no caso
na i.owell Ol-ring, encontram-se algumas ca-
pazes do proferir, do meipda bulla de seus leares
pe.isamentos-dignos.d'atlencflo dosmelhores Htte-
ranoa da Europa.
Acostumadas desde a infancia com os livros e r
cal oi.do em bem dirigidas escolas urna educaeflo
ju.iiciosa, por que rasflo nflo fallariam assim T Os
maiores philosopdos nflo sflo senflo entes humano,
com uma maiorsommade conhecimeutos a.liquri-
los, qurpor meio dos livros qur pela observa-
do ereflexflo pelas quaes os livros sflo produzi-
dos A Lowell Offerlng causn uma grande sen-
sacao, especialmente lm do ocano, onde ma-
n.reslaces Iliterarias nflo se esperan) das pessoas
empregadasem nossas fabricas porm nsa consi-
22.&f!& c?-'?00 fruclnalural de um
o.iucacflo bem dilTundida.
..PUblC'C,'l0 """ua tem PPcido ou est M.
oPLrorrJ2Sta C'"it'}e' 0CCl"",'ia '"Jiramente
nn .!BS,iPSICn8 **Mh dos estudantes de
len" Publ'cas; desde a idade de 7 annos al
1 pii i l,lul0(lcsla Pblicacflo he The Eccelslor,
''P'8"6 8lono lado imperial, e atreve^
mo-nos adizer, peloque dellatemos visto, que.com-
2m i? "I "rt,*M l-nham 8d eSCrPt0S ESfct
cimento do que ser.am impressos, o Exeelcior ho tflo
pub cagos saludas da imprensa americana, ou pro-
tegidas pela condessa do Blessington. Elle revola
obremente. influencia do espiito de educaeflo
ffioaa lmporta"cia do no"as escolas pu-
Ha poucos meninos que profiram pensamentos sa-
ni,L e?ul,es' que Pssa,n creditar cabecas e
coracOos velhoa. A pratica de comPosiCflo deve sor
o maisipossivel animada em nossas oselas e a nu-
plicacflo anima dos themas estimular a todo o es-
udanie que turcr a menor ambiguo a melhorar son
pensainenlo e eslylo.
irA)ca dB aPresent"im ao publico alguna dos
rucios de nossas escolas foi suggerida pr E. B.
Follows, um dos mais efilcazes advogados da acade-
mia l.yre, das escolas nocturnas e outras desta cida-
de: elle se eucarregra da direccflo desta publica-
gno. Seja educada fmocidade da America o nflo nos
sera preciso nenhum exerpito permanente. Nossas
escolas serflo nosso grande arsenal nacional, o a
educaeflo sera o capacetoe a facha com quo vence-
reinos o governaremos todos os outros ppvos do
Navios entrados no dia 30.
Valonea; 11 dias, escuna brasileira Santa-Cm, <].
115 toneladas, eapitflo Manoel Pereira deSozs
equipagem 9, carga farinba de. mandioca ; i j00'
- Francisco da Cruz.
Rio-Grande-do-Sul; 30 dias, brigue brasilairo Fi-
lis-Destino, de 207 toneladas, capullo Manoel Jos
de Azevodo, equipagem 14, carga carne; a Pedro
Dias.
Navios salados no mesmo ila.
Lisboa; brigue portugus Tarujo 1.', capitito Mi-
noel de Oliveira Faneco, carga assucar, mf
ago'ardente e algodflo. Passageiros, James Hili-
day, Inglez, Bernardo Jos Tavares, Antonio Pe-
reira de Souza, Antonio Joflo Furtado, Antonio
Francisco de Azevedo, Flix Duarte Madail, Elias
Jos dos Sanios Andrade, Porluguezes ; Jos Gon.
galves Mara, llespanhol.
Havre ; brigu francez Virginia, cipitflo P. Bor-
tdem, carga assucar e algodflo.
Em commissflo ; vapor de guerra brasileiro Urania,
commandante o capit flo-tenente Joa EduardoWm-
dencolk.
EDITAES.
OS CASAMENTOS NA RUSSIA.
Os preliminares dos casamentos na Russia sflo al-
guma cousa originaes. A mulher promette fecliar os
odos as infracces do contrato conjugal contenidas
pelo marido e este promette castigar a mulderera
um caso scinelhantcsem misericordia, porm sem
Quando uma donzclla russiana ajusta um casa-
mento o pai, armado de uma bengala, pergunta
ao Tuturo noivo se quer lomar a rapariga por sua
mullier. No caso da resposta ser alHrmaliva, elle
descarrega sobren filda duas ou tres bengaladas di-
zendo-llie. lie este, iniulia amada lilha o ultimo
castigo quo receberas das mflos de leu afTeicoado
pai. De boje por dianle eu deposito minda aulorida-
dee muida bengala as mflos de leu marido : elle
sabe meldor do que o uso a que ella deve ser appli-
cada. O noivo, segundo a etiqueta,nflo procura re-
cebera bengala .untes essegura ao pai que nunca
Ido sor necessario usar della com sua lilha O pai
todava insiste e pOe a bengala ao servico do noivo,
com isso se acaba a ceremonia preliminar.
17 hs Sun Weekly. )
COMMEilC.0.
lllm. e Exm. senhor. Agora mesmo ( meio
dia ) recebo a conimuuicagflo inclusa do mo-
vimento do inimig, a qual me apresso n pas-
sar lis mflos de V. Ex., accrescenlando que, len-
do sido ferido gravemente de urna balu na ca-
li beca o caudilho Roma, no ataquo do Pao-Amarel-
lo, no dia 13 do con ente, corre agora aqi a uo-
licia de que com efleito fallecer no lugar deno-
midado Scrrinda.
Dos guarde V Ex. Quartel do commando mi-
litar da comarca do Nazareth, 17 de fevereiro-de
1849.--lllm. e Exm sendor desembargador Ma-
noel Vieira Tostij presidente da provincia de Per-
na ni buco. Joao Jos da Costa i'iinenlct, coronel. <
lllm. Sr. coronel Joflo Jos da Cosa l'imentol
Neste momento chegam-me dous exploradores
que reem de Cruangy, econtam que os robeldos
nflo estilo nesse lugar, mas sim que passaram
a tarde no engenho Minga, disUnte do
UE.NDIMKNTO DO DIA 20. ....... 3:970,829
Descarregam hoje, 21 de fevereiro.
O lllm. Sr. inspector da thesounria da fazemli
provincial, em virtude da resolugflo do tribunal ad-
ministrativo, manda fazer publico que, nos dias90,
21 e 22 de margo prximo vindouro, ir praga pe-
ante o mesmo tribunal, para aer arrematado a quera
por menos,zer o concert da ponto da Passagsm-da-
Magdalena, o das pontesindaS da Cas jago m o do Re-
medio, sb as clausulas especiaes abaixo transcrip-
tas, e pelo prego de 890,000 rs.
As pessoas que se propozerem i esta arrematagITo,
comparegam na sala das sesses do sobredito tribu-
nal, os dias cima indicados, pelo meio-dia, compe-
tentemente habilitadas.
E para constarse mandou aflixar o presente, e pu-
blicar pelo Diario.
Secretaria da thesourara da fazenda provincial de
Pernambuco, 17 de fevereiro de 1849,
0 2.c oscriplurario,
Antonio Ferrelra d!Annunciacio.
PONTES E ARCOS.
Concertos da ponte da Passagem-da-Magdalena,
e das pontosiubas da Passagem e do Remedio.
Clausulas especiaes da arrtmatacao.
1.* Os concertos da ponte da Passagem-da-Magda-
lena, e das pontesi.nhas da Passagem e do Remedio,
serflo faltos do modo indicado noorgamento appro-
vado pelo Exm. Sr. presidente da provincia, na im-
portancia de 880,000 rs.
2.' As obras principiarlo no prazo de quinze ilias,
e terminarflo no de dous mezes, ambos contados
em conformidad do art. 15 do regulamehlo das ar-
rematagOes.
3.* O pagamento do imposto da arremataban rea-
lisar-se-da no fim das obras depois dellas recibidas
pelo engenheiro director.
4 Em ludo o mais que nflo est determinado as
presentes clausulas, seguir-se-ha Inteiramente o
quo dispOe o regulamenlo das arremaiaces de II de
julho de 1841.
Obras publicas, 14 de fevereiro do 1849.
/.
O engenheiro,
L. Vctor Lieutiir.
Brigue f'eslal baealho.
Brigue F.agle caivflo do pedra.
Brigue -- Nordon laboado de pind.
Rrigua Fcrdinand mercaduras.
Polaca -* Archangelo batatas, ceblas o mar-
inoro.


Cruangy urna legoa, e procuraram estrada cima
dizcudo irem para o Brejo-d'Areia.
CONSULADO GERAL.
RENDIMENTO DO DIA 2o.
Coral .
Diversas
provincias.

2:537,715
334,903
2.872,618
Q,lllm. Sr. inspector da tdesouraria da fazcnil
provincial, cm virtude de resolugflo do tribunal ad-
ininislralivo, manda fazer publico que, nos dias
20, 21 e 22 de margo prximo vindouro, ir i i>ragi
perante o mesmo tribunal, para ser arrematado a
quem por menos fizer, o empedramento de 400 bra-
gas corronles nos 6., 7., 8." o 9. tangos da estrada
do Pn-d'Alho, sb as clausulas especiaes abaixo
transcriptas, e pelo prego de 3 400,000 rs.
As pessoas que se propozerem esta arrematarlo,
comparegam na saladas sessOes do sobredi lo tribu-
nal nos dias cima indicados, pelo meio-dia, com-
petentemente, habilitadas.
E pa' a constar se mandou aflixar o preicnte, e pu-
blicar pelo Diario.
Secretaria Ja tdesouraria da fazenda provincial da
Pernambuco, 17 de fevereiro do 1849.
O 2. escriturario,
Antonio ferreira d'Annunciacio.
CLAUSULAS ESrECIAES DA ARRENATAC0.
Fitradado Po-d'Alho.
Quatrocentas bragas crranles de empedramento
nos 6., 7., 8 e 9.' langos da estrada do fo-d'Allw-
1.* O empedramento feito pelo syslema Mc-Adam
execular-se pela forma, sOb as condigOes, e do mo-
do indicado no orgamento approvado em8defevo-
reiro correle pelo Exm. Sr. presidente da provin-
cia, e pelo prego do 3.400,000 rs
. 2.a -Em todo o lempo das obras o arrematante dar
um livre transito aos viandantes.
3.* As obras principiarlo no prazode,um mez, *
acabarAn np de seis mezes, ambos contados em con-
formidade do artigo 10_ do regulamenlo das arr-
matagOes.
4.* O pagamento do imposto da arrema'.acflo rn'
lieer-se-lia em qualro prestagOes, do modo indica-.
do no art. 15 do regulamenlo respectivo. I
5." Para tudo 0 mais que nflo est determina110
pelas prsenlos clausulas, seguir-se-ha iteiramenta
o que dispo o regulamenlo das arreoiatages do U
de juldo de 1843.
Obras publicas, 14 de fevereiro de 1849.
O engenheiro,
J. L. \Mor Lieulitr..
1


-----
J
-


3
P
O lllm. Sr. inspector da thesouraria da fazenda
provincial, crri virtiide da resolugSo do tribunal ad-
mirtistraclivo, manda faz?r publico que, cm cum-
primento da ie, peranlo o mostno tribunal, vai no-
vamente praga para ser arrematado quem mais
dcr, no da 22 do crtente, o imposto da laxa da Dar-
reira da estrada e ponto da Tacaruna, avallado annu-
almente em 1:000,000 rs. _____
A arrematado ser feita por lempo do 2 an nos e
* mezes, a contar do I de margo do corrento anno-
at 30de junho do 1831. ,_______.....
Aspossasque se propozerem esta arrematagno
comji.regam na sal. das sessOes do sobred.to tribu-
nal pdia cima mencionado, aomeo-dia, compe-
tentemente habilitadas.
E para eonat-r te mandou auiar o presente, e pu-
blicar pelo Ditno.
Secretaria da thesourana da fazenda proTinciil de
Pernambuco, 17 de fevereiro de 1849.
O 2. eserlplurario,
Antonio Fttrtira d'AnnuMiacio.
O lllin. Sr. inspector da ihesoureria da fazenda
provincial, em virtude da resolugao do tribunal ad-
ministrativo, manda fazer .publico que, nos das 20,
21 e 22 de marco prximo vindouro, ira a praca,
perante o meamo tribunal, pra se.t arrematado a
quem por menos ftzer, o acabamento da segunda
parle do 6." Unco da estrada do Po-d Albo, sob as
clausulas espociaes abaixo transcriptas, e pelo prec.0
de 4:200,000 rs.
AS pessoasque se propozerem a esta arremotagao
comparcam na sala dassessocs do sobredito tribu-
nal nos dias cima indicado, pelo mcio-dia, compe-
tentemente habilitadas.
E para constar semandou afiliar o presente, e pu-
blicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda provincial
do Pernambuco, 17 de rever,ero de 1849.
0 2. escripturario,
Antonio Ferreirn d"Annunciacdo.
CLAUSULAS ESPECIAES DA ARREMATADO.
Estrada do Fo-d'Alho.
Acabamento da segu nda parle do 6. lango.
!. Os trabalhos e ebras para o acabamento da 2.'
iarte do 6. lango da estrada do l'o-d'Alho serlo
Ritos pola forma, sb as condiges, o do modo indi-
cado no orgamcnlo approvado em 8 do feveroiro
crreme pelo Exm. Sr. presidente da provincia, pe-
lo prego de 4:200,000 rs.
2* Em todo o lempo das obras, o arrematante da-
r livre transito aos viandantes pelo lado esquerdo
da estrada.
3.' As obras principiarlo no prazo deum moz, e
.valanlo no do cinco mezes, ambos contados em
conformidade do art. 10 do rogulanienlo das aire-
malages.
4.' O pagamento do importe da arrematarlo rca-
lisar-se-ha em quatro prestsgOes domlo indicado
no art. 6 do regulamenlo respectivo.
5.* Para ludo o mais que n.fo esl detorminado
polas presentes clausulas, soguir-sc-ha inleiramenta
o que dispOe o regulamenlo dasarrematagOes de 11
dojulhodel843.
ubras publicas, 14 de fevereiro de 1849.
O engenheiro,
J. L. Vctor Lieulier.
JoSo Xavier Carneiro da Cunha, fidulgo cavalleiro da
rasa imperial, cavalleiro da ordem de Chriilo ad-
ministrador da meta do consulado data provincia,
por S. U. o Imperador que IHo guarde, etc.
Faz saber que, nodia 25 do crrente ao mcio-
dia, se ha de arrematar, porta da musina, urna cai-
xa com assucar branco do n. 5, do engenho Man-
gibura, provincia das Alagas consignada a Ma-
noel Ruarqu-> de Macedo apprehen liJa por fals-
ficagSo da tara pelo guarda agente do trapiche do
llamos Jofto Daptitta de Araiijo : sen lo a arrema-
lag.lu livre de despezas au arrematante.
Mesa do consulado do Pernambuco 20 do feve-
reiro de 1819.
O Administrador,
Juo Xavier Carneiro da Cunha.
Antonio Jos Vidal, Portuguez, relira-sopar o
MaranhSo.
Francisca Augusta, Brasilera, retira-se para o
Maranhfto.
Declaraoiks
A sabida do vapor Hahiana para o nor-
te /oi. transferida para boje, ao
1 moio-dia recebendo as malas s 8
horas do da.
- Pula segunda secco do consulado provincial
se faz publico que o prazo de 6 mezes concedidos
.pela lei provincial n. 228, do 2 de selembro do anuo
prximo passado, para o pagamento do meias si/as
dos oscravus, quu se eslveiem a dever, se lina-lisa
ni) da 5 demaigo prximo vindouro: em ennse-
quenca, pois, desse dia em dianle uiio s receber
moia sixa, que, vista do papel de venda, sequei-
ra pagar 30 das postei iures a sua dala, em cojo caso
licar subjeito ao art. 17 do regulamenlo de II de'
abril de 1842. Segunda aecg3o,do consulado pro-
vincial, 15 de fevereiro de 1848.
O escrivio chefe da segunda seegilo,
Tkiodoro Hachado freir l'eretra da Silva.
O aracnal de guerra compra 300 mcios de sola :
quem o meamo genero quizer fornecer comparece-
r na salada directora no dia 21 do corrente mez ,
com sua proposla em caita fechada e a amostra.
Arsenal de guio, 19 de fevereiro do 1849.
O eseriplurario,
F. Seraneo de Aui, Carvalho.
curso junibico.
De ordem do JlIm. Sr. director dcste curso jurdi-
co fago saber a quem convica, que do 11 m desle au-
no por diante os exames preparatorios das tres lin-
goas serfio feilos fndistinctamente, e sorles uoe
livTosseguintes :
IATIM
Tilo Livio, Ode de Horacio Orages de Cicero e
Eneida de Virgilio.
FRANCEZ
Telemaco e Fbulas do La Fon tai no o Genio do
chrislianismo de Chateaubriand e as Salyras do
lioileau
I.NCl.EZ
o Vigario de Wakefield por f.oldsmith e a Historia
romana do mesnio, as Estages de Thomson e Parai-
zo perdido por Milln.
Secretaria d'academia jurdica de Olinda, 16 de
fevereiro de 1849.
Eduardo Soares de Albergara,
Secretario interino.
TNEA.TRO DE APOLLO.
QUINTA-FE1RA, 22 DE FEVEREIRO DE 1849.
REPaRSIimgAO F.XTRlOnDINARU RM BINtFlCIO DR M."
MM4, OU 4.' Ok ASSIGIUTUFU.
A EPIDERMA DE MELANCOLA,
Extravagancia romntica em 3 actos.
DANCA.
A cachucha,
angado por M."" Camoim.
INTERVALLO DE CANTO.
I.K CHANDaIR D'hIYDK,
Opera nova d'Auler, cantada por M."" Alexandro.
SI TU ME RECRRTTAIS .'
Romaneo novo, cantado por M." Alexandro.
ARIA VARIADA EM tABRCA,
Ejecutada por Mr. Alexando, chefe de orcheslra.
DANCA
PASCALOP,
Darlgado por M."" Camoin.
Yaudeville novo em um acto.
Comegar as 8 horas da no i te.
Leudes.
-- O corrolor Oliveira far Icililo, por ordem do Sr.
cnsul de Franga eom presenga deste Sr., ou de
scuchanccller, de 8 cavallos pertencenles ao esla-
helcciment do carros de aluguel do fallecido Au-
gusto Janssome, subdito francez: sexta-feira, 23 do
corrente, s 11 horas da mantilla, na ra Nova,
-- O corretor Oliveira far Icililo, por conta e ris-
co do quem p.-rtencer, de urna porg.lo do barricas do
bacallio viudas do Lisboa por todo o prego vis-
to querer -se ultimar una conla de venda: quinla-
felr.i, 22 do corrente, s 10 horas da mantilla no ar-
mazem do Sr. Bacelar, defroute da cscadinlia da
alfandega.
Avisos martimos.
~ Para o Rio-dc-Janeiro sahe, no dia 21 do cor-
rente o brigue nacional Sociedade : recebe nica-
mente passageiros, ou escrvosa frete : Irata-sc com
Jos Baplsla da Fonseca Jnior, ou com Jos Mar-
cellino da Roza na ra Dlrcita, n. 93
Salle para o Ass no dia 22 do corrente a pola-
ca N.-S -do-Carmo : recebe carga o passageiros: tra-
ta-se eom Francisco Alvcs da Cunta, na ra do Vi-
gario, n. II.
-A barca B7a-/>rnam6tCina deve sabir pora 0
Porto nodia 22 do corrcnlo : anda polo receber
urna pequea porgilo de raiga o passageiros, para q
que trnta-se co:n o eapitflo, na praca do CommerCio,
ou com o consignatario na ra da Cruz, n. 34, ter-
ceiro andar.
-Para a ilha de S.-Miguol segu vagem. com mul-
ta brevidade, o patacho nacional Anglica por ler
parte de sua carga piompts : para o restante e pas-
sageiros, para o quo tem cxcellentes eommodos.
(rata-sena i ua da Cruz no Recifo, n. 33, com Luiz
Jus de SA Ai aujii.
-- Para o Itio-de-Janeiro sabe mprclerlvclmcnle,
no dia 24 do corrente a voleira escuna Gulantj-lUa-
rla : anda pode receiier algunia carga, bein como
passageiros e escravos a fr. lo para o que offerece
asseiados cummodos : a tratar na ra da Moda ,
n. II.
Para o Rio-de-Janelro sabe iniprelerivolmenle,
no dia 24 do corrente, a escuna nacional Curiosa por,
se achar com o carregamenlo quasi completo e s
poder receber algumas miudezas, passageiros o es-
cravos a felo : para una o oulra cousa, trata-se na
ra da Cruz do Recife, sobrado n. 33, gum Luiz Jo-
s de S Araujo.
Paraa Babia segu em poticos dias, o luale
Flor-de -Cuiuripe: quem quizer earregar, ou ir do
passagem dirija-se rundo Vigario, n. 5.
-- Para o Itio-de-Janciro sal.e, com a niaior brevi-
dade possivel O brigue nacional Vconde de-Cama-
mu' : para carga,, passageiros e escravos a frete tra-
te-se com os consignatarios, Novacs & Coriipanhu ,
na ra do Trapiche, n. 34.
Para o Itio-de-Janeiro sahir breyo a escuna
San-Jodo-Baptisla, por tor a bordo a maioria -lo car-
regamento; ainda, porm, pode receber alguma car-
ga : quem pretender pode contratar com Ainurim
& Irm'ios, na ra da Cadcia, n. 39.
Para Acarac,com escala peloCcar, segu va-
gem com a roaior brevidade possivel o patacho na-
cional Emulaco: recebe qualqucr carga e passagei-
ros : os pretendonlesdirijain.su a bordo do mesino a
fallar com o capilHo, ou oesciiplorio de Mauoel
Congalves ta Silva, na ra da Cadeia do Recife.
Para Loanda sabe, no dia 5 O brigue porlu-
aaez Flor-do-Tejo capil.to Frederico Carlos Roza :
para o resto da carga e passageiros trata-se com o
consignatario, J. P. da Costa Rouxo na ra do
Crespo, n. 10, primero andar, ou todos os dias na
praga do Comaiercio.
Avisos diversos.
. Quem annunciou precisar de iim criado para
um homem solteiro dirija-sc ra do Queimad ,
n. 6.
-- Precisa-se de dous peritos olflciaes do charu-
teiros, o que sejam do porgClo, pagando-se-lhes
mais alguma cousa do costume : naTua Nova, depo-
sito de charutos, n. 50..
O professor de inglez n francaz do cnllegio das
artes cnsina estsd-c.>linas na casa do sua resi-
dencia na ra da Gloria, sobrado n. 7.
-- Precisa-se de um citado para um homem sol-
teiro :'na ra da Cadeia do S.-Antonio, n. 26, se-
gundo andar.
MUDANCA.
D. W. Raynon cirurgiflo dentista participa ao
respeitavel publico quo mudou a sua residencia da
ra da Cadeia deS.-Antonio para a ra do Trapiche-
Novo n-14, do bairro do Recifo terceiro andar ,
amule contina a calgar e per denles artificiaos e as
mais obras de sua profssfio.
Precisa-se de um administrador para um enge-
nho distante desta praga 7 legoas: nilo haver du-
vida em so fazer urna boa vantagem e ainda me-
Ihor tendo o pretendente escravos : a tratar na ra
do Queimad, n. 27.
Quem annuncio querer comprar um diccionario
Magnum Lexicn dirija-so a ra Nova, sobrado
n. 56.
No dia 2a do corrente, pelas 11
horas, na ra do Queimad, n. 17, pri-
niciro andar, cm presenca do Sr. l)r.
juiz da |irimeira vara, scrao arrematados
varias fazcnds, a reqnerimentos de ere-
dores, e paia seu pagamento, cujas se
venderao pela rJimiiinla avaliacao, cm
consequencia do seu estado.
Domingos Francisco da Cruz Portuguez, reti-
ra-sc para Lisboa com sua familia.
Francisco Bernardo da Molla deixou do sor ca-
xero dos Srs. Lima Jnior & C. desde o da 18 de fe-
vereiro, e mui penhorado tica pelo hom trata monto
quo os meamos Srs. Ihe prodigalisaram diiranloo
lempo que os servio, o mesmo pela urbanidadu afa-
val durante a sua molestia, e igualmente grato para
com o seu primero cnixeiro oSr. Malinas Joaquim
daM.lia pela delicadeza com que sempre olralou.
Jos do Souza Lima, sub Jilo de S. M. I'idelissi-
ma Felira-so para Portugal.
Roza Anlunes de Oliveira embarca para o Rio-
dc-Janeiro a sua escrava parda, de nomo Paula.
Vicente Rodrigues, subdito portuguez, retira-
se para lora do impciio.
Precisa-se de dous caxeiros para um engenho
distante desta praga 20 legoas que sejam mogos e
sem familia : quem esliver nestas circumslanlicias ,
dirija-se ra larga do llo/.ario casa do JoSo Ma-
noel Rodrigues Vallenga.
O Sr. J. C. A. M. queira .quanto antes r pagar
a quantia do 10.000 rs pelos quaes j foi citado
do contrario, se publicar osen nomo por extenso.
Joaquim Bernardo de Figueiredo embarca para
o Rio-do-Janeiro o pardo de nome J080
J. Elsler mudou o seu estabelecimcnto da ra
da Cadeia-Velha para a ra du Cruz, n. 51, aonde os
compradores acharo um bein prvido sorliment
de vinhos de todas as qualidadcs o conservas o que
ludo vender por mdico prego.
L. Dclachayo e A. Cbafer, subditos francezes,
reliram-se para o Rio-de-Janeiio.
Vigties, fabricante c pimos,
11a ra do Queimad u. 1$,
tem pianos de novo modelo feitos de proposito pa-
ra este paiz silo riquissimos de macbuismo o vo-
tes superiores, o que se ali.nga ao comprador: U
bein tem pianos ingleses que sao pouco usade
cmirerta e afina planos eom toda a perfeicna ; vende
eordas, cainiirgaic todos os aviamentos n^cessanos
para dilos inslruinentns : ludo por prego comniolo..
O coronel Berilo Jos l.oineiiha l.ms faz constar
a quem convierque esta dis| oslo a vender ou Tazer
qualqucr negocio sobre os bens e terrenos sitos na
fieguezia de Una, comarca do Itio-Formoso, que Ihe
loeaiam por heranga de seu Blindosogro, O marque
do Recifo, dando | referencia aos rendeiros quu estao
no gozo dos dilos bens. Sao cites os scgninlcs : a po-
'fi;rua da Cadeia do Recife, ns. 17 e 19; ra J >
cantamento, n. 4!; ra do Vigario n 14 '
Cacimba, n. 2; ra do Cordoniz, n. 11 ^rua ao m
.'egln, n. 9 ; praga da Indapendencia, ns. 4e
do Queimad, ns. 10, 16 o 33; ra do Livrame'.MJ,
ns. 4, 5 c3S ; rus da Poni'.a. venda da esquina, -or
baixo do coronel Joaquim Bernardo de Flgueiie.'" >
ra Direila, ns 6, 16, 53 95 e 141 ra das Cinco-'un-
tas, ns. 50eS2 ; ra Imperial, n. 2 ; paleo do i.r-
uio.n. a ; ra larga do Bozario, ns 29 o 35 ; ra tas
Cruzes, n. 40 ; na do Calinga, ns. 1 e 7 ; ruafiova,
n 50 ; Alrro-da-Boa-Vita, ns. 2, 46 e 54; praca da
Boa-Vista, n. 17 ; Ponte-Velha ns. 23 e 54; paleo
da S.-Cruz, n. 106.
? Homceopatliia.
Primeiro consultorio gratuito para os pobres #
na ra da Cadeia de S.-Antonio, n. 22, dirig-
do peloSr. J. B. Casanova medico'.francez. 9
Este consulloio estar aborto desde as 9 lio- #
ras da manhaa at as 4 da larde. Os pobres #
reeebero consullas o remedios gratuitamen- #
le: aprescnlando um attestadode pobreza de 9>
seiis vigarios, ou mosmo de oulro qualquer *>
sacerdote.
Fabrica de todas as qualidadesde mobilia
fraOCeta no ultimo gosto de i'ariscni
Pernambuco:
tam-
os ;
vende
respeitavel publico pernainbucano quo ja Ihe deu
tantas provas do s*r amanto do bom gosto que el-
melcira, metadeda propriedsde San-Jos-ds-CorOa-
Grandoe melado das Ierras da povoaCo OS Barrei-
ros. Tambein se negocia o bam Conliecido cngenjiu
Jurissara, sito as"varzoas do Cabo, moentfl corren,
com escravos, bola e ludo o que Ihe perlencc. A con-
tratar cora o mencionado coronel nesla pragi. na
ra do Seve.
^CHAPEOS DESOL
Rita do Passeio, n. 5.
Oh! que peinclia para o amavel e respeitavel pu-
blico : novas sedas da molhor qualidade quo se po-
dc rabricar, porsirem dcincoinmenda oda meinor
falirica de Franga. recebidas agora.
(I fabricanlodestn eslabeleclment adverte ao res-
neilavel publico desta cidade que elle possue pre-
sentemente um rico sorlime.ito de chapeos do sol,
como chapeos de sol de seda furta-cOres, rt
ISSIIII tililiu unir-" >- --- -
nais ricos que teem apparecido noste mercado, eue
Arej conhecidas ; ditos para senioras do bom tom.
Quem precisar de urna ama para casa de pou-
ca familia dirija-se ra das Flores, n. 17.
Quem annunciou, no Diario n. 39 precisar de
um criado dirija-ao 4 ra larga do Rozario, n. 40.
de sol do pan
tamanhos, para homens, senho.as e meninos. na
lamliem igual sorli ment do farendas W*r
macOcs, tanto de sedas de cores, como de gWBkM
trancados o Usos imitando seda. M'^M"
freue?es senlo servidos com brevidade, esaacha-
rilo salisfeilos da boa qualidade, do bom gosto do
bom prego.
Toda iittencfi,0 ao qelie bom.
Deposito de rap audarahv
e imperial.
Na ra da Cruz, n. 63, primero andar, escripto-
riodeJosc de Almeida Brrelo Baslos, vende-seo
bein acreditado rap andarahy e imperial, fabricado
no llio-de-Janeiro, sendo o nico deposito nesta
assim como se vende a relalhu as se-
ma da Cruz, n. 6i ; becco da Lid
provincia
gmotes casas
gota ,
n. 3; ra do Pitar, em Fra-de-Pottas, n.
ueste sentido o annuncianle emprogaia lodos os
seus esforgos para sat.slazer a todas as pessoas que
sequizerom utilisar do seu prestlmo. Na inosina ca-
sa fazeui cortinados para cama nanceza.
GALERA DACL'KRRF-ANA.
Do ariisla Guilhermc Fredirico Walter.
Tira retratos muilo superiores pela invengo de
Dagucrer tanto em fumo como coloridos em
qualquer oecasiao, allinrando e garantido, tanto a
durabilidadodas cores, como u pcrloiti sernelhanga.
\s lossoasque se dignarom favorec-lo se podem
pirigir a sua galera, e examinar os modelos quo
sempre tem de mostr, das 9 horas da mantilla ate
as 4 da lar.lo, na ra da cadeia de Sanlo-Antonio,
n. 26,2. audar.
FUNDICA D FERRO.
Na fabrica do llowman & M. Callum, enge-
nheiros macliinistas c fundidores de ferro, na ra
do Brum, nn Recie, coritina haver um grando sor-
timento de la'xas para engenhos e moondas de cari-
na de lodos os lmannos o dos modelos os mais
modernos e approvados. Na mesma rabnca conti-
nuam-so a construir de euconimenda machinas de
vapor, rodas d'agoa, rodas dentadas e lodosos mais
nbjectosde machinismo, com a pcrfeignoj contie-
nda, por preco enmmodo.
llowman & M. Callum desejam chamar a alten-
gao dos Srs. prnprietarios de engenhos as machinas
do vapor construidas na sua fabrica visto seren el-
las de um modelo muilo forte e seguro o todas as
pegas peifeitamenlo adaptadas unas as outras, por
rncio do tornos automticos, machinas deaplninar
ferro, o oulros apparelhos modernos: alcm disto, as
machinas de sua construcclto teem as vantagens se-
guintes: possucm urna cisterna de ferro, onde a agua
destinad* para a caldeira se deposita por meio de urna
bomba movida pela machina, e onde so aclia aquen-
tada pelo vapor superfino antes de ser por meio da
segunda bomba de l introdiizida na caldeira, alim
de nao esfriar a agoa nella existente, pela indroduc-
giJo d'agoa fria [como lio de costume em machinas
inferiores | e assim produzir grande economa de
comliustivel.
Alin da supradila economa de combuslivel na
producc.no de vapor, estas machinas possuem urna
inoililicagflo nova das vlvulas por onde o vaporen-
Ira c sahe do cylndro, pela quala mesma quanti-
dailedo vapor produz maor effeito do que as ma-
chinas do construccilo anliga augmentando assim
de urna mneira, nao pequea, a economia do com -
hustivel necessario para maniera machina cm mo-
vimcnlo.
As ditas machinas possuem tambora um appare-
llin pelo qiial a quantidade d'agoa introduzida na
caldeira se cha regulada automticamente com a
maor certeza pela machina mesma evitando des-
la nianeira o grande pergo quo existo as machi-
nas, onde por causa da mesquinhs economa do*
fabricantes o forneciniento d'agoa para a caldeira
ha de ser regulado por mo de negrot.
Estes eselaiccimontossfio respetosamente olTere-
cidosaosSrs. propietarios :le engenhos, que aindn
perseveran em "o melbodo fraco, dispendioso t
insalisfaclorio de moer eom animaes, afim de sa-
tisfaze-loS que, no mnprego destas machinas, no
existe o menor motivo para receio, ncm do explo-
sionen! de quebra ncm do denrasiado consumo
de combustivel ; e llowman & M. Callum nilo
teem pequea salisfagiloem asscgurar-lhcs que pe-
la pericia dos seus adrainistrailorese offioiaes. pela
perfeigao dos seus inslrunientose apparelhos c po-
la abundancia e boa qualidade das suas materias
primas se achara habilitados para construirn! ma-
chinas de vapor de todos os tamanhos c para lodos
os lins : assim como toda especio do machinismo ,
com umaperreignomao inferior as obras .das MfMo-
res fabricas de Inglaterra e mui superior as gerai-
menle importadas daquello paiz.
Affonso vSaiiitMarlin,
com loja na praga da Independencia n. 38, tem pa-
ra vender elegantes chapeos de soda e de palh.nha
para senderas*, visitas, manteletes e palitos uos
giiarncci.los com franjas de relroz e oulros com
blonde verdadero superwes sedas pretas para
vestidos bieo do blondo para guarni dos mes-
mos cortes do seda de cores para vestidos, supe-
riores mantas de seda lengos grando de seda com
franja llores linas artiflciaes de todo o genero : so
levara ao domicilio.


'
Cm"~p"Pcisa-so dnum liomctn, ou rapaz, que saiba
t. pJl,e ol"cna. P um matto distante desla
pragp is legos : na ra do Queimado, loja n. 6.
Vendem-se sellins inglezes e camas
de ferro : na ra da Senzalla-nova, n. ^i.
aber to no convonto de S Antonio as aulas segui'ntcs :
deiph.losophi rhelorica, gcograpliia, historia e
Historia sagrada e eclesistica: as pessuas que as
quizerem frequenlar, o poderflo procurar no mon-
conado convento a qualquer hora.
--Roga-soao Sr. Tli. caixeiro, ou negociante
tamOU.r0S eCC0S 'e ,r "r urna barrica e iun-
tamenic o importe do ohjecto nella contido senflo
passara pelod.ssabordemaisalgu.na cousa isto Ihe
pede um que precisa de receber o que se Iho dcve.
> u da nea.
dou^I0r';Mde-l,r* ao rcsPPi>avel publico que mu-
cifr .^r?nCla r"8 tcl-Francco, 1.0 Ite-
t o;iiZs.Jrap,<:he,ondoos compradores acha-
por prego
dibei"OrUaapdrOe.ffm,,d0' "' ** M *W d
se'para pTuS"0" Anl0"O TCXera MUra relra"
tugue'^fn"!^ da.f_sla.Ar?uJ'.sul"lil0 Pr-
mffi.'.^ P"a o-rande-do-Sul con. na fa-
ta, i ermina, Caclana e Jo3o.
Lotera do Iheatro publico.
da^Io0sS?iea,mr0sida,le fluetem ,,avid0 ,,a V(,n-
indvf.n uf da.ult'm terca parte da 18.- lotera,
ST.n, .mil" ?a" b"epovel, convida e ro-
ga aos amadores destejogo que oapressem a com-
prar o resto dos bill.etcs que existoin.
Agencia de passaporles.
Na ra do Collegio, n. 10, o no Aterro-da-ltoa-Vis-
ta lojus ns. 48 o 78, continuam-se a tirar i assapor-
tes tanto para dentro como para fra do imperio
assim como despacham-se escravos tudo com bre-
vidade.
- Antonio Ignacio da Roza embarca a sua cscrava
de nome Alaria, crioula.
-uem annunciou, no Diario de 15 do corren te
ter um sell.m u.glez en, meio uso para vender -
ja-sea ra do A.i.orim n. 33, primeiro andar, on-
de taml.em se poder diiigir oulra qualquer pessoa
que o tenlia. r
Aspcssoasque tiverem penhoresem poder do
abaixo assiguado cun venda na ra Imperial n
15,queirm ir liraral a data daste; do contra-
rio, seriio vendidos para seu pagamento por aisim
O trataiem. Irederico de Sm.u Goma.
Para as pessoas que tcncio-
nati) seguir viagem.
Na ruado Rangel, n. 9, continuam-se a tirar passa-
porles para dentro e*fra do imperio, despacham-se
escravos e correm-se fallas, ludo com brevidade e
prego muito commodo.
- Quein annunciou querer urna ama dirija-se as
Cilic-l'oiilas, n. 120.
--OTerece-se um rapaz portuguez para caixeiro
de venda o qual toma qualquer casa por balando,
ed fiadora sua conducta: quem do seu prestidlo
se quizerulilisar annuncie.
--Precisa-sede 200 a 300,000 rs. a premio sobre
penborcs de ouro e prala : quem livor annuncie, ou
dirija-se a l'ora-del'ortas, n. 95, que se dii quem
procisa.
Compras.
Compra-so um cordlo do ouro, com pouco pe-
so, e que nio esceda de urna vara de comp.imento :
quem liver annuncie.
--Ahordodobriguo Amoiim, Tundeado defronte
do Forte do-Mallos, vende-se boa farinha de man-
dioca emalqueires e saceas por preco commodo :
tratar a bordo do mesmo ou em casa do Amo-
rim Irmilos ra da Cadeia n. 39.
Vondo-mso, na ra do Trapiche, noarmazem de
llaymodiC, defronte do Hotel-Pistor, queijos do
Minas ,de diflbrenles pregos.
Vinho barato.
Acha-se estabelecido na ra da Madre-de-Deos,
n. 36, um armazem de
Viiihos da Figueira,
de ptima qualidade, a preco de 1,200 rs. a caada,
e a 160 rs- a garrafa ; e para no haver dolo do com-
prador sero lacradas as garrafas e com rotulo, re-
rebondo-se a garrafa vas.a, o dando-se inmediata-
mente a outra cheia : tambem ha barris muito pe-
queos proprios para quem passa a festa. O pro-
pietario deste cstabelecimento pede encarecida-
mente que se nflo illuda.n avaliando, pelo diminuto
preco e se ni conhecimenlo de causa a qualidade de
sua layen la digna por certo da eslima dos verda-
deros amantes da boa pinga. Elle conta que quem
urna vez provar, continuar com goslo e sem arre-
pemlimento. E o bom preco!!.' A todo o exposto
accresce o asscio e bom acondicionamento o que
tudo se poder verilicar em dito cstabelecimento.
Cigorrilliosdc palha de millio.
Chcgou do llio-de-Janeiro, no vapor Paraen-
, urna porgSo desles deliciosos cigarrilhos, os
quacs se lornam muito recommendaveis aos bons
fumantes pela sua superior qualidade, e n3o faze-
rein mal ao peilo': veiule-se no Recite, airas do Cor-
po-Sanlo, armazem du molbados, n G6.
PURO VINHO DA FIGUEIRA.

Existe no armazem de molbados, atrs do Cor-
po-Santo n. 66 urna grande porcSo deste genui-
no vinlin que se est veudendo pelo diminuto pre-
go do 1,120 rs a canuda o a 160 rs. a garrafa ; tam-
bem ha em pipas que se vender mais em conta : he
este o nielhorde lodos os vinlios que se teem an-
nunciado .pela sua simplieidade e ptimo paladar:
quem urna vez o beber jamis deixar de o com-
prar.
Vende-se a verdadeira potassa da
lUissia, desembarcada hontem, por pre-
co muilo rasoavel, vista de sua muito
superior qualidade : na ruado Trapiche,
ii. 17, e ra da Cadeia, n. 34-
Veudas.
Vende-se urna escrava de nagflo, moca : ao
comprador so dir o motivo por quo so vende: na
ra da Cadeia doRecife, escriptorio do corretorOli-
veira.
Vende-se um par de rodas do ferro para carro-
3a : na ra da Aurora fundlgflo do Starr.
Vende-se o verdadeiro xaiopedc bosque che-
gado pelo vapor Bahiauno: na ra da Aurora n. C3,
lerceiro andar.
Vende-se farinba de muito superior qualidade,
por prego commodo : bordo do patacho Coneeifip,
fondeado no caes doCollegio.
Vendem-sc 8 lindos moleques de nagflo e criou-
los, de 8 a 18 anuos sem vicios : um lindo niuUti-
nbo de 14 annos ; 5 pretos de 20 a 30 aunos bons
paca lodo o servido; 1 dito de meia idade ; urna prc-
ta boa vendedeira de ra ; 1 di la de meia i da de, que
engomma, c coziuha muito bem e cose; urna cabri-
nha ue 10 annos, que cose muilo bem i na ra do
Vigario, n. 24.
Vendem-so dous faqueiros de prala obra do
Porto o do ultimo gosto, por prego commodo > na
ra do Vigario, n. 25, primeiro andar.
Vende-se um pretofeirelro de bonita figura ,
sadio sem vicio aigum, de 20 anuos : na ma do Vi-
gario, ii. 25, primeiro andar.
Vendem-sc pellesde guarazes encarnadas, mui-
to boas; ptimo guaran do Para, por prego com-
modo para fechar cotilas : na ra do Vigario, n. 25,
primeiro andar.
AlteiicaO a pechinclu.
Noarmazem do Bacelar definteda escadinha da
alfandega vende-se arroz do Muianlilo a 1,200,
1,600 e 2,200 rs.'a arroba em suecas a volitado doa
compradores e so fr a (Jinbciro a vista lar-so*
baalguma dillerenga.
So Aterro-da-da-Boa Vista,
defroi ta da i oncea ,
hcehegadoum novo c completo sortimento de cal-
gado francez de todas asqualidades lauto para lio-
mein como para senhora e meninas; bem como os
bem coubecidos scalos do Ara cal y para homem ,
por prego commodo.
Wadcira de pinho.
Na ra de Appollo, pegado ao armazem do Sr.
Mulla ha um novo armazem com madeirn de pi-
nho da melhor qualidade que tem vindo a este mer-
cado o serrado de todas as grossuras e compriincn-
los : vende-se pelo menor prego que he pussivcl.
NOVIDDE.
vi;i.ui: VIRaO,
No armazem da ra da Madre-de-Peos, n. 36, aca-
ba de chegir (para especulag.lo) pelo briguc Ventura-
l'eliz, recentementc chegado do porto, o mais en-
cllenle viudo verde, paraos amanles se icfresca-
rem com este guie: mandema elle, cm(|uanto so
n8o acaba, por sor una SO pipa jepara nfio cscan-
dalisar os amantes e freguezes, nao se allera o prego
ile IGOpur garrafa.
Vende-se vinho do Porto, muilo superior e
de outras qualidades em banis de quarlo, quinto,
M'vln, stimo, oitavo e em pipas, por prego muito
commodo : na ra do Vigario, armazem do Fran-
cisco Alves da Cunta, n. 11.
Algodao trancado da fabrica
de Todos*os-Santos da
aliia ,
muito propriopara saceos deassucar e roupa de es-
cravos : vende-se em casa de N. o. Biober & Com-
panhia na ra da Cruz, n. 4.
r.HA'Bli.VSII.EIRO.
Vende-se.on armazem do molhados atrs do
Corpo-Santo n. 66, o mais excellcnles>li s produzi-
do einS.-Paulo, que tem viudo a 'este mercado ,
por prego muito commodo.
Presuntos.
Vendcm-se superiores presuntos inglezes para
fiambre ebegados no ultimo navio: no armazem
ilo Uraguoz ao p do arco da ConceigiTo.
PRELO EM SACHAS DE 90I.IBUAS :
vende-so nonrma'zcm de VicenteFerrcira da Costa
na ra da Madrc-do-Deos, a 3,500 rs.
Taitas para engenho.
Na Condigno de ferro da ra do Brum acba-so a
venda um completo sortimenlo de taixas do 4 a 8
palmos de bocea, por prego commodo, e com promp-
lidilo embarca-SR, ou carrega-se em carros sem dcs-
pezas ao comprador.
Vendcm-se semeas em saecas muito grandes ,
a 4,500 rs. : na ra da Madre-de-Deos, armazem de
vi"ente Fcrreira da Costa.
Vende-se urna carleira em bom uso, do urna
sfaeo; 2 livrosque serveni para jornale corren*
les de qualquer casa de commercio ; 12 libras de li-
nda ilo Porto muito superior : tudo se vende por
seu dono rclirar-se : na ra Nova, sobrado n. 56.
\>ndem-so diias pretas um* de 16 a 18 anuos,
de nagiTo Angola que cozni* alguma cousa lava
de va hilo e faz lodo o mais servigo de urna casa; a
outra be quitandeira lava de sabSo, cozinha e cose
cbSo: vendem-se por seu dono lef de retirar-se
para fra da provincia .- na ra Nova, sobrado n. 56.
Vendem-se barriquindas com cal virgem de
Lisboa, muito nova ; fechaduras para portas de
irmazem ; retroz do Porto ; barris com alcatrllo da
Suecw ; por prego commodo : na rua do Vigario,
n. 11, armazem de Francisco Alvesda Cunha.
Vendem-se taboas amcrica
as at 5 palmos de largura
o de todos os comprimcntos,que ha muito lempo nio
teem vindo e os freguezes experimentando a falta
desla encllente, qualidade. A ellas que sSo poucas o
o prego he barato. Atrs do Iheatro, armazom jun.
to a maro, de /oaquim Lopes de Almeida.
Farelo,
em barricas a 4,000 rs.; saceas grandes, a 3,500
rs., ditas pequeas a 2,800rs : noarmazem de J;
J. Tasso Jnior, na rua do Amorim, n. 3.
Potassa.
Desembarcou ha poucos das urna por-
^ao de Iiarris pequeos, com muito nova
e superior potassa,- e se acham venda,
por preco mais barato do que ltima-
mente se venda, na rua da Gadeia-Velha,
armazem de. Bailar &01ivera, n. a.
PRELO
em saceas muito grandes,
a 3s'6oo rs. a sacca:
no armazem do Braguoz ao p do arco da ConceigSo
Vende-se a verdadeira e muito superior fan-
nlia SSSI", a relalhoeem porgflo ; dita deoutros au-
tores ; na rua do Vigario, armazem de Francisco Al-
ves da Cunha, n. 11.
Vendem-se saceos com farelo,
chegados ltimamente, pelo diminuto
preco de 3,4oo rs.: na rua da Sanzalla-
Vellia, n. i38.
. Na rua do Crespo loja de 4 portas n. 12, ven-
dem-sc chapeos de castor bretos, de muito boa qua-
lidade a 4,400 rs. -
No deposito d Me. Calmont & Companhia na
rua de Apollo, armazem n. 6 acha-se constante-
mente grande sortimenlo de ferragens inglezas para
engenhos do assuear coirosejam : laixas de ferro
coado de diflcrenles modelos os mais modernos ;
ditas de ferro batido ; moendas de ferro do mode-
lo adoptado, para armar em madeira ; ditas todas
de ferro, tanto para agoa como paraanimaes; ma-
chinas de vapor de frga de quatro cavallos o de al-
ta presado o mais moderno esimplcsque he possi-
vel ; repartideras ; espumadeiras ; resfriadeiras de
ferro cslanhado; formas de ferro: tudo por prego
commodo.
Agencia da fundicao
Low-Moor, rua da Senzalla-
nova, n. 42.
Neste eslabelecimento contina a ha-
ver um complet sortimenlo de moendas
e meias moendas, para engenho ; ma-
chinas de vapor,e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, para dito.
Cintas baratas.
Na rua do Livramen'o, n. 14, vendem-se chitas li-
nas e de bonitos padies a nove vintens o covado ;
cortes de cassa de bonitos padrOes o bom gosto :a
3,260 rs. o corle.
bncado por outro modo que o acluai, e da mu,\b
fannha que ha no mercado : por este motivo nSn
pode fazer senSo a 40. 80 e 1S0 rs. *
Vende-se a venda da rua do Apollo, n.li
poucos.fundos : quem a pretender, djrija-sea ruad
Madre-de-Deos, tratar com Vicente Ferreira d
Costa.
Vende-se um molequedo8a9 annos, sadio rf
bonita figura ou troca-se por urna preta que tenl
habilidades e sem defeito, vollando-seo que fOr iu
to : no Alerro-da-Boa-Visla, n. 26, segundo andar *
Msicas para piano.
Na loja da praga da Independencia, n. S7 anj
ha para vender um reslo de bellas msicas nir'
pianos lindas polkas, valsas, arias, qudrilh,a
etc., por menos "prego do que em outra qualqur
parte ; tambem reslam algumas valsas para fl,ul
Vende-se sarja de* seda hespa-
hola, muito superior; selim de
Maco proprio para vestidos; los de
linho pretos, bordados a seda; meias
pretas de seda de peso; panno pre-
to mnito lino e prova de limao;
casimira preta elstica ; sarja de
lislras, setim proprio de collete; as- i
siin como outras mullas iazendas
finas, proprias para a quaresnia :
tudo mais barato do que em outra
qualquer parte : na loja de Jos
Moreira Lopes & Companhia, rua
do Queimado, quatro cantos, ca-
sa amarea, n.. 29.
Taboado de pinito da Suecia,
de 10 a 5a palmos
decomprimento, o melhor que tem chegado a este
mercado, em razilo de se poder envernizarem qual-
3nerobra por nito ter nos e ser muito alvo sen-
o costado, costadinho, assoalho, forro e para fun-
dos de barricas : vende-se a prego que o comprador
Tara todo o negocio: atrs do Iheatro, armazem do
.oaquim l.opcsde Almeida.
Vende-se oa! virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do que ero outra qual-
quer parte: na rua do Trapiche, arma-
zem n. 17.
Vendc-se cal virgem de Lisboa, de superior
qualidade em barris de 4 arrobas, chegada nesle
me/, pelo brigue Harta-Jote : a tratar na rua do
Brum armazem do Antonio Augusto da Fonseca ,
ou na rua do Vigariu, n. 19.
Fabrica dcTcdos-os-Santos.
Firmino Jos F. da Rosa com escriplorio na rua
do Trapiche, n. 44, avisa aos seus freguezes que aca-
ba do receber pela escuna Curiosa ,-novn sortimen-
lo do excedente panno de algodflo entrangado da-
quclla fabrica ptimo para ensaccar assuear e pi-
ra roupa de esravos. O annuncianto conla que,
alem da fiizeiida, o desejo de animar o desenvolvi-
mento de urna fabrica iiilciraineute nacional, pro-
mover o prompto consumo da sua recata.
Ferro
de Indas as qualidades e dimensoes, em barra ver-
galhfio, verguinha, arcos e chapa por prego com
modo : na rua da Madre-de-Dos, armazem n. 26.
~ Vendcm-se meias de algodflo dobrado, feitas
no l'orlo ; cera em velas multo purificada ; brincos
de lilaerana do ultimo gosto da repblica francez* ;
urna preta robusta, por prego commodo: na ruada
Praia, n. 37.
Vendem-se queijos londrino os mais frseles
quo ha no mercado ; massas finas a 320 is. a libra ;
chocolate do canella, fino de Lisboa; latas com sar-
dinhas ; azeite doce lino, por prego commodo : na
rua da Cruz, n. 62.
Na padaria da rua da Guia, no Recir haver
todos os dias a venda o novo pflo de Provenga fa*
-- Vendem-se dous.relogios, 2 correhtes, 3 tran-
celn* cordOes, collares, pulseiras, annefcs, brin-
cos, cruzes, argolas, boWes de aberturas e duas me-
ualnas : na rua do Queimado, n. 1*.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Aos 20:000^000 de is.
Na loja da praga da'lndependencia, n 37, acaba do
cnegar um novo sortimenlo meios bilhctes, quar-
los, oilavos e vigsimos da lotera do Rio-de-Ji-
nciro, concedida a benolicio da casa da Misericor-
dia da cOrto. Na mesma loja se mostra a lista da lo-
tera passada e se troca m os buhles premiados.
TIJOLOSDEMAIIMORE.
Jos Sarorili vendo lijlos de marmore azul e
branco, por4>rego commodo : na rua da Crua, n. 18
LONAS CHITAS DE LINHO.
Jos Sapori ti vende lonas cruas de linho". da lar-
gura das da Itussia, por 1 rogo com modo: na rua di
Vendem-se 5 lindos moleques de {2 a 18Bnos;
4 pardos de 16 a 25 annos; 3 pretos do 25 annos
nu.a paidiuha de 16 aunos ; 4 pretas de 12 a 20 n-
nos lendo afumes dell.s habilidades: na ruado
Collegio n. 3,-ae dir quem vende.
--Vendem-se pias de pedra para fillrar agoa : ai
rua da Piaia n. 17,. serrara do Cordial.
Vende-se um bonito cavado mellado, novo e
com bons andares por prego commodo : na rua di
Ladcia-Velha loja de ferragens, n. 59.
Hel de engenho.
Vendem-sc barris de mel, com 22 caadas: na rui
da l.adea do Recite, armazem n. 8.
Farinha de mandioca.
No armazem n. 1, no caes da Alfandega vendem-
se saceas com farinha de mandioca de alqueire,
muilo 'superior, por prego commodo.
Veiidem-socaixas com licor emf garra fas, mui-
lo superior bem como cognac tambem em garr-
ras : no escriplorio de Novaest Companhia.
Vende-so, ou troca-se por fazendas, um sitio
muito grande oui Beberibe com bom cercado para
vaccas e boas trras para planlaces : na rua da Sen-
zada-Nova, n."7.
-- Conlina-se a vender agoa de Ungir cabello :
na rua do Queimado n. 41. O melhodo do applicar
a dita agoa acompanjia os vidros.
.-- Nos armazens de Joaquim Flix da Boza, na rui
da Madre-de-Oeos ha para vender ferro em fulhi
por prego commodo.
Vendem-se caitas com facOes parnahibas e
mais ferragens vin Jas agora : na rua da AlfinJrgi-
Velha n. 5, armazem de C. T. A. Stlay.
Para a Q na resma.
Vendo-seumsorlimenlodefazeodaspratasdose--
ua e de la proprias pora a quaresnia setins, sar- I
jas, velludos, etc. .chegadas ltimamente : na rui
da Alfandega-Volhe, n. 5.
Escravos Fgidos
I'esappnrcceu o pelo Antonio, de riagflo Con-
go odios grandes ; tem falta.de alguna denles na
Trente c urna ferida em um p : quem o pegar leve-o
a rua da Cruz, n. 2, quo sera gratificado.
-- Fugio, na manhila dodia 14 do .crrante, .un
cscrava de nagflo Bcnguel, de nome Mara, de 18
annos, de estatura regular, .ecea du corpo ollm
grandes, orellias muilo pequeas o urna deltas ''"
gngadu ua pona com um grande signal por ciroi
de 11 m_ doa sobr'olhos, ps grandes e radiados e um
delleainchado; levou vestido do chita amarello com
risquiuhas e palminhas encarnadlas panno da Cun-
ta azul ; nflo lie aeostumada a fugir por sao sup-
pOe-se serscduzda, pelo queso protesta contra *
pe.vsoa que a liver octulta : quema pegai leve-,
rua do Sebo n. 36, que ser gratificado.
- -
Rrwi : ni'W; arir. r.-m ntiaie.-~vHt9


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQ4Z12LMU_5GW2TW INGEST_TIME 2013-04-13T01:52:33Z PACKAGE AA00011611_06446
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES