Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06443


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^nno XXV.
Sabbado 17
O DM7(/Opiiblc-sr lodosos diafque nao
forem de guarda'. O preco da asignatura he
de400flri. porquarlel, pafmdiiintado>. Os
ai.nuncios dos assignantrs ao iasrridos a
ras.no de 20 r. or linda, 40 rs. ein tyoo dif-
ferrnle, eas repelicfles.ppla nietade, Os nao
assignantru paga rao 80 rs. por llnha e H>0 rs.
em lypodlflereutc, por cada puolicaeio.
PHASES DA LA NO MBZ DK FEVBKIRO;
IM ch.t*.a7,-i 8horaieMmln. da manh.
Miogoaute.ai, a IjUora e 4M da La nova, a 22, s 11 bora e lOmin. da Urde.
PARTIDA DOS C0RREIOS.
Golanna e Parahiba, s segs. e sexta j-fr ras.
Rio-G.-do-Norle, quinlasfeiraa aomeio-dia.
Cabo, Serlnhein, Rlo-Formoso, Porto-Calvo
Macci, no 1 a 11 e 21 de cada mcz.
Garanliuns Bonito, a 8 e 23.
Roa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas-feiras.
Oiinda, todus os das. .
PREAMAR DE HOJE.
i *
Prlmelra, aos 30 minutos da Urd.
Segurida, aos 54 minutos da manh.
de Fevereiro de 1849.
N. 5ft.
DAS DA SEMANA.
12 Segunda. S. Batalla. Aud. doJ. dosorph.,
doj.dociv.edo J.M.da2. v.
13 Terca. S. Gregorio. And. doJ.doc. da 1,
v. e do J. de paz do 2. dist. de t.
14 Oiiari.i. S. Valcnliin. Aud. do J. do c.
da i. v.edoJ. de paiddS, dist.de t.
15 Quinta. S. Faustino. Aud. doJ. dos orph. e
do i.M. da 1. V.
10 Sexta. Porflrlo. Aud. do J. do civ. c do
J. de patdo 1. dist. de t.
17 Sabbado. S. Silvino. Aud. doJ. do c.
da 1. v.e do J. le pat do 2. dist. det.
18 Domingo. S. Tbcolonio.
CAMBIOS NO DA 16 F. FEVF.REIRO.
Sobre Londres a 26 d. por 1/000 rs. a60 dias.
Pars
Lisboa IC8 por cenlo de premio.
. Rio-dc-Janeiro ao par.
Dcsc. delett. de boas firmas a 1'/ mol.
Accocs dacomp. dfUebcribe, aOrs. ao p.
(juro Oncas liispn.nlic.las. 20#i(i a iti'.XWO
Modas de 6/400 v. 17/300 a 17*501'
> .- de 6/400 n. ItfUM a 16/10"
de 4^000....
Pratq-Patacdc braaileiros
> Pesos columnarios.
Ditos mexicanos.....
'J/-/00 a
I/M60 a
I/IKW a
1/880 a
9/101)
um
lSll
1/900
PARTE OFF1CIAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 15 DE FEVEREIRO.
Oflicio.,\o inspector ta theaburaria da fazenda.
Cnnvindo que nSo pn'rem as obras militares que
estilo em andamento nesta capital, e achando-se
qunsi esgolaila a conslgnaco para ellas designada,
li'iilin resolvidb, alientas as circunstancias em que
se acha a provincia,quecom as mesmas obras se des-
penda mais a quanlia de 6:857,000 ris quo V. S.
mandara entregar pagadoria militar proporcilo
que fr pedida.Alciou-s neste sentido ao ins-
pector da pagadoria militar e 10 director das obras
militares.
Dito.Ao inspector da pagadoria militar, orde-
nando que, vista da emita que remello em dupl-
cala, pague Smc. ao patrao-mr leste porto a quan-
lia de 12,800 ris para ser distribuida par tlez re-
madores que no ia 11 guarneceram urna lancha
que conduzo recrulasde differentes navios de guer-
ra para bordo.do vapor O. Affunso.Parlicipou-
se ao inspector do arsenal de mu inda.
Dito.Ao director do arsenal Mr guerra, autori-
samlo-o a despondera quantiade86,000rs.,para po-
der satisfazer a requisieflo, que remelle, do varios
objectos precisos a companliia de aprendizes meno-
res daqurlle arsenal.Communicou-so ao inspector
da pagadoria militar. -
Dito.Ao mesmo, determinando que com a maior
brevulade possivrl faca apromptar e remetter ao
commandante do corpo de pottein os objectos cons-
tantes da relaeflo que envia por copia, oso nes se
fazem necessarios ao hospital regimental d'aquel-
le corpo, e em condlusfio recommendando que
mande organisare traga ao conhecimento da presi-
dencia a conta do que so despender com a prompti-
ficaeflo dos mencionados objectos, alim de a man-
dar salisfazer pela thesoureria da fazenda provinci-
al. Scienticou-se o commandante do referido
corpo.
Hito: A'administrac.ao dos estabolecimentos de
caridade, reco/nmendondo haja de dar as precisas
irovidencias para que seja recebido em urna das en-
ermarias do gramil) hospital de ciridade, alim de
ser ahi tratado, o preso Joflo Alves Ferreira, que se
acha doento de bexigas e Ihe ser apresentado por
parte do chufe de polica. ~ Inteirou-se o mesmo
chefe de polica.
Dito.Ao inspector do arsenal de marinha, re-
commendando naja de expedir a,nas ordens, para
que o tenenle-cnronel Jos Antonio Lopes soja in-
domnisado da quanlia de 200,000 rs. aue prestou em
Tamandar ao commandante do brjgue-cscuna I.ega-
/i'oW.para compra de carne verde.cobrando o almo-
xarifo daquelle arsenal do commandante do mesmo
brigue-escuna conhecimentos em duplcala, acom-
panhados de recibos que proven) haver sido tal
somma. entregue ao individuo que a fornecera.
Participou-se ao commandante das frcas navaes.
Dito.Ao juiz de orphfios deste termo, remetien-
do cnpia do aviso da secretario de estado dos nego-
cios da justica, hem como os documentos que
so elle refere, e quedcverSo ser devolvidos afim do
3uo, dando cumprimento ao disposto no menciona-
o aviso, haja de proceder acerca do serventuario
vitalicio do odlcio de escriviio desse juizo de con-
formidaile com o parecer do cpncelheiro presidente
da relaeflo, o qual se acha entre os mencionados
documentos.
Dito.Ao commandante militar da comarca do
Rin-Formoso, agrandecendo os termos em que se
acha concebido o odlcio porque, em seu nomu c no
dos ofilcaes do Torca quecommanda, folicitou a osle
goyorHo pelo triumpho que no dia 2 a causa da le-
galidade alcancou sobre a rebelda dentro Jas ras
desta capital e em alguns deseus arrabaldes.
Portara.Resolvendo, em atteneflo ao que rprc-
sentou Aiitnno Ceraldo do Carvalho, conceder-lhe
demissno do lugar de escrivSo privativo do jury do
termo do Ex, comarca da Ua-Visla. l'i/.eraui-so
as parlicipaces doeslylo.
Dito. Demillindo dos cargos de supplenles do
suhdelelegado do segundo ilistricle da freguezia de
San-Loutenco-da-SUlta os cidaduosabaixo declara-
dos i
1.* Jos Podro Carneiro da Cimba.
2. Diogo Soares le Albuquerquo.
3. Joaquim do llego Pessoa.
4 Mar.oel Carneiro de Albuquerque.
Commnnicou-se ao chefedo policial.
Dita. Nomcando para os cargos desupplentes
do subdelegado do segundo districto da freguezia
de San-I.ourenco-da-Matta os cidados abaixo de-
clarados.
I. Manoel Cavalcanle de Albuquerquo.
2.' Francisco do Paula Correa de Arauio.
3.a Joaquim Mauricio Wanderley.
4." Manuel Carlos da Silva Fragoso.
Participou-se ao chefe de polica. ^
Dita. O presidente da provincia, conformndo-
se com a proposla do tenenlc-coronel commandan-
te do batalhflo de voluntarios do llecife, o allenden-
do ao merecimento e mais parles que concorrom na
pessoa do lenle Manoel Jos Teixeira Bastos, tem
resolvido nbmea-lo capililo da quinta companbia do
nieamo balalh.lo.
De igual dala e leor para lente da quinta, ao al-
ie res Francisco de Paula Murlins dos Anjos; para al-
feres aoalferes da companbia addida dos Afogados,
CaelanoQuintino Calhardo, e para alivies da com-
panbia addida dos Afogados a Antonio Concalves do
Moraes. Participou-se ao commandante do refe-
rido batalhao.
NOTICIAS SCIKNTFIGAS.
Ha perlo de dous annos que o chloroformio, o al-
godflo fulminante e o ether oceupam a attencto pu-
blica, e parece nilo terent de renunciar tilo nodo
sua popularidades
Estes tres productos chimicos como que plcleiam
qual dalles operar maiores maravilhas e ser ap-
plicado a maior numero de novos inventos.
Assim, por cxemplo, o chloroformio, csse liqui-
do que suspendes existencia humana, constitue-se
motor de estradas de ferro, e tende a nada menos
que a substituir o vapor.
O algodlo-fiil minante, da sua parte, que at ago-
ra pareca so servir para produzir a morle e substi-
tuir o mais lerrivel do todos os meios de destru-
cao, transforma-se em agente therapeutico, eal
industrial. '
Para isso rene- se ao clhcr, esse re oeslronisa-
do pelo chloroformio,. e loma o nome de collo-
dion.
O collodio veio offerecer novo tcstcmunho do es-
pirito e do genio francez : ardentcs, ayentureiros,
inventores, enpenhosos, oS Francezcs criam o aban-
diiiiam a sua obra sem trataren! de doduzirlhe as
consequencias e fazer della utois applicacOes.
Os Americanos o os Inglezes, pelo contrario, alias
pouco inventores, primam especialmente em desen-
volver e utilisar as ideias dos oulros.
Assm, pois, M. Gaudin reconhece, em 1816, que o
ethor dissolve o algoiLlo-fulminante; verifica a le-
galidade da sua descobe'rta perantea academia das
scencas, o nisso para.
Os Srs. Moynard e fligelow, em 1848, em Londres,
reconhecem que cssa substancia, a que dSo o'nome
de collodio, be um excellente conglutinativo, des-
tinado a prestar os mais rclovantts servicos ci-
rurgia. ,
Do fcito, pela promptidJIo com que secca e pela
propriedade que tem de ser refractario agna, o,col-
Indio proporciona inapreciaveis vantagens no cura-
tivo das feridas.
Eis o modo por que os chimicos inglezes enume-
ran! essas vantagens.
1. Por sua contrsecuo poderosa durante a evapo-
raQSo esta substancia pOe os labios la ferida ern
um contacto mais intimo do que o que se pode obter
por meio dos pontos falsos ou de qualquor emplas-
tro adhesivo. A soluclo effcclu-se por urna pres-
sflo igual om toda a extens.lo da ferida, o essa reti-
nDo he permanente ; 2., preserva perfei ta mente a
chaga do contacto do ar, por causa da sua Inper-
mcabilidade; 3., nlo possue propriedade algtima
irrilanle pelo que respeita pelle e aos labios da fe-
rida, oque est bom longe de succeder com as ou-
tras preparac.oes adhesivas ; torna todas as suturas
inuleis para a reuniilo das chagas, qualquer que seja
a suadjttensflo o circumferencia ; *., porsiste em
contacto ntimo com a pelle at ao momento da ci-
catrisacio; 5.', he impermeavel agoa.o permiti
por conseguinte que se lave a ferida lodas as vezes
que he isso necessario 6.', ho inrolor e transpa-
rente, de sprte que o cirurgilo pode se ni p re saber o
queso passa por bailo sem ser obrgado a tira-la ;
7., para a sua applicco nSo se torna necessario
o emprego do calor, e o nico inconveniente do fri
be demorar um puco a cvaporuQo do ethor; s.", o
seu preco n.lo ser mu subido.
Pin i'in aiuila isto n.lo he nada.'
O collodio parece apropriado a tornar material-
mente possvel ovlo do naosei que principe quo
desejava abrir urna janella no corceo dos seus
cortezfios. Urna pequona carnada dcsta substancia
transparente, posta sobre urna ferida, produz o elTei-
to do um ospelho ; impede o funesto contacto do
ar, o deixa acompanbar sem custo os progressos
da cura. Se o estado do doento exige que se tiro
cssa pequea crosla, basta um pouco de clher para
dissolvfi-la.
Esta applicacfto do collodio, que j serve s jo-
vens milis, e substittie com evidenlo superioridade
as mamadoiras de todos os inventores possiveis, a-
presenlar os mais proficuros resultados nos casos
de bexiga. Cobrindo-se as pstulas com una suh-
til carnada de collodio, ficarfio ellas preservados do
contacto do ar, e so impedirlo por csse meio usci-
calrizes.
Al aqui pelo que respeita medicina : passemos
agora industria.
Transparente, de preco pouco subido o fcil de ser
vasado em formas, o collodio pode substituir o vi-
dro, do qual lera a limpidez sem a friigilidadc. Seja
cssa materia empregado por artistas intelligeotes e
habis operarios, .que dentro em pouco ver-so-ha
surgir urna industria nova e fecunda.
Emim, a borracha, a gomma elstica, e lodas as
substancias impermeaveis tendem a \er-se deslhro-
nisadss pelo invasor collodio. Sem prejudicar a fle-
xibidade dos pannos, sem alterar no quo qur que
seja o brllno de suas cores, o collodio torna imper-
meaveis todos os tecidos de 13a, seda e algodOo.
Finalmente, quem sabe? pois o collodio s dala
de liouiem ; quem sabe so a ciencia nao (er tai-
vez anda do ever a essa nova substancia esses vi-
droa, essas lentes de miravillinsa pureza e de enor-
mes dinicusOes que os oplicos o os sabios tanto al-
meja m? ,\ ligeirusa, a transparencia do collodio, c a
sua facilidada em lomar todas as foranas, lalvez que
anda Ibe reservem esse ultimo milagro.
Por excepcao, eem raslo de todas as maraviHias
quo acabamos de enumerar, aqui consignaremos a
frmula scientilca do collodio, pois alguma difle-
renca existe entre o algodSo-fulminante vulgar e o
destinado prepararlo do collodio.
Xiloidina sulphurica
Assucar pulverisadoesecco.....400gram.
Acido sulpburico concentrado ... 600
Algodao cardado ......... 20
Collodion
Xiloidina sulphurica .
Ether sulpburico dislilado
Alcool purificado ,
8 gram.
15
Nilo se supponha, porm, que o vapor va deixar"
se vencer e renunciar ao papel que representa no*
maravilhas-da industria : nilo. Dado mesmo que o
chlorolbrmio o substitua as estradas de forro, e
fique sendo o nico agente cncarrogado do levar os
navios alm-mr, o vapor nimia podera tornar-se
til. Eis que apparece M. Violeltc que o applica com
vantagem coccolos alimentse do pilo, e sobre-
todo corhonisacio la madeia. Sabido be do que
importancia he essa carbonisocHo para o ralirico da
plvora lo munigno.
Quanto cocc.lo do pilo, a opplicacHo do vapor he
das m8s facis, produz inmensa economa no pro-
ejo do combuslivel c permiti coz-lo a toda hora
som intorrupca. Abre-se urna torneiro, una co-
lumna do vapor a duzentos graos do calor precipi-
ta-se n'um apparclho quo subslituc o forno. o lahi
a alguns instantes a niassa acha-so transformada
em pn> excellcnle. cozido a ponto o perfeitamonte
tostado. *
Ocliolera-morlms est na ordem do dia no mundo
medico. A academia das sciencias inuilo j se occupi
com elle, c eomecam a chover de toda a porte bro
churas sobre o assutmlo.
Entrg estas, cumpre citar urna que parece sabir
dos tramites banaes e vulgares. II. Verde llelisle es
tabelece quo o cholera tem sua sede no systeuia cir
dilatorio. No seu entender, um principio lelclorio
opera as vias respiratorias o dccompOe o sanguc
como um acido decompOo o leite. A parle serosa de
sangue rellue ao estomago e aos intestinos que a le
pellem ; a parte fibrinosa unida materia colorante
coagula-se, estagna-se e mato.
Nilo mencionaremos aqui o modo de trolamento
proposto pelo Dr. Delisle, nos lermos da sua opi-
nilo. Os que frem mdicos, ou tiverem medo do
flagello que nos auiesco, acliarflo na broebura de
quo fallamos circunstanciados pormenores que
mal cabidos fram em una simples noticia do
S. Henry Berlhoud.
( Jornal do Commercio, I
flIAKl HE PBK\.imil'i:i.
beoitk, enxTtvzRTino oz ims.
MMS UM MI0MPIIO D* CUS DALOAMnADESOBUE
A DA nF.BPLPl*.
0 bravo e disiincto Sr. tcnenle-coroncl Feliciano
Antonio FalcHo araba de balcr esse grupo de rebel-
des que, mais tenaz do que toJos os outros, aindo
ousa medir suas amias fratricidas com asdos bro-
sos defensores da monarchia o da ordem. Foi no
engenho l'o-Amarollo que o benemrito Maranhense
deu mais urna prava da sua pericia militar, segun-
do o atiesta o documento que ora vamos tronscrever:
i lllm. c Exm. Sr.-F.m conloimida.lc da partici-
pacno que liontem lita a honra lo dirigirlV,
Kxc. doengenho Merer, sesu.ogrupo deaedi-
. ciososquedevasta. esta he lia c heroicai rav
. o a, em direcQo Goiannnha | e, sendo al. i .-
, formado de quo elle so .chava no engonl o l'ao-
. Amorello. dislanle d'.aquella povoaciio urna lo-
. Joa elevado ao numera de 800 1000 bomens,
. perreitomente armados e moniciudo, comi os dea,
. pojos da gu.rnicflo de coianna, acezar do aerem
.. j 5 horas la larde, da supenor.dode da sua forc.
.unie.ica. comparada cmoda columna do mou
mando. "de ler esta marchado todo o u. fj l-
. mar refoi?o olg.imo.-conliado !*"*
i causa que lefcndemos, bem como no v. loi dos
meus soldados, eoiil>clunndoqUO, m*ireriaae
. o combate pan. boje, talvez o inimigo ti. o ^cei
lassetonlrci em .CCJO, que foi porl.ada desdeU 6
. horas da tanlc ot as 2 da madrugada MJflDdO 0
Inimlgo nessa occaaiOo o campo do c< i ale- c
. com ello 60 espingardas I0M.cartusos wbaj.
dos do ada.mc 17, un barril da plvora, 6 Miiua
. lo sua bsgagem, 30 priaioneiroi e 13 mo.tos no
ampo, oa quaea feixou Ipsapullo..*9*~
que enerrou durante o combalo, eos ferldoique
conduzo.
. A columna do mcu commando leve mortoscinco
soldados; feridos, um 1' lente, 2sargentos,
'rurripie 15 soldados ,] 2- balalhilo de art.lha-
i ria a p; o bravo c leal tencnle Itob-rlo Morena
Carduzo do Olivcira Pantoj morlo, c 5 soldados
. feridos, todos do 6." batalliHo de cacadores; 1 ca-
boe 1 soldado morios ; 1 lente, 1 cabo o5sol-
i dados feridos do 5.' balalblo de fusilciros; o o
Albuquerquo l'ortocarreiro, que commamlou a
k guarda avnncada, queimado pala explos.lo da pa-
ii Irona de um soldado.
a A brevidado com que transmiti esta partiCpac,So
V. ElC, nilo me permiti partieularisar os bene-
k mritos; fa-lo-hei, porm, amanhia, o desde ji in-
formo V. Exc que o coi pos do que so compito es-
lo columna, rival isa ram em gajnardia, e prova-
raiu anda mais osla vez a esses bonicos i quem i
plianalismo poltico obrigou a empunliar as ir-
mas, c quo octi.alineiilo percorrem as cidadesn
villas com o tocho em una das mSos e o pumial
na outra, invocando o sacrosanto nomo da libor-
dude edo patriotismo, eutlenlando contra a vida
o fazenda dos bous cidadHos, de quanto silo capa-
zcs os bravos que pelejam com honra eem defeza
o da lei.
Dos guardo a V. Exc. Acampamento volante
da columna em operoces do norte no engenho
Po-Amarello, 14 de reyerc.ro de 1819. lllm. o
Exm. Sr. brigadeiro Jos Joaquim CoAlbo, ciin-
i< mandante daaarmasesta provincia. Fdeiano
a Antonio l'alcio, icncnte-coronel ecommandante.
Eis, pois, outhcntieanieiilc provado oque temos
dito em varias ccasi'S ; isto lio, que no lia resis-
tencia duravel contra um governo justo eenrgico.
lio bom possivol que meio dalia do homens trcslou-
cados, e que se deixcni dominar pelo desejo do man-
do ao ponto de nilo recuarom ante o feo crime do ar-
rastraren! ao matadouro centonas o centenas le r-
milos seus, consigsm pbanatisar a milbares do
inexperientes, e leva-Ios oo orrojo do baterem-se de-
sesperadamente, como no caso actual, com as mesmas
frcas quo j u.ni vezos haviam feito retroceder,
e cujo ompenhoa nada monos leudo lo que a pro-
curar-Ibes o mais real dos beneficios que so pode
proporcionar a um povo, e do qual como que d-
mamam todos os outros ; queremos dizer, a paz,
a tranqiiillidade : mas, ebegodo o momento de lu-
(orem peito a peito os defensores da legalidade
com os anarchistas; dsda a occasi.lo em que o
verdadero valor, qoo somonte pode nascer la san-
tidadeda causa por que pugnamos, se Icnlio do me-
dir com o pbrenesi nascido da irrllaSo com que
bomens perdidos se debatem por quebrarem a barroira
quo Ihes impade o avancarem na carrera do crime,
a victoria nilo podo ser duvidosa por muito tcn.po :
ella var pora junto daquelles quo derramom o san-
gne om pro dos objoclos que mais sagrados devem
ser a todo o cuto croado ; sto he, a patria,a honra,
a vida c a propriedade.
rozo oos Ccos quo mais esta lco n.lo deixe de
aproveilaraos Iludid os, que oindo seguem aos lou-
cos que Ibes collocnram as armas as infos smen-
teparatercm o satnico prazer leostentorem,
custo do sangue dos seus concidadios, a importan-
cia o a inlluenca que na corto so gabavam de ler
nesta provincia !
Permita DOS quenio mais tenbamos o lamentar
tantas morios, quantas essas que nos custou osle
ultimo triumpho do legalidade ;que nilo mais te-
nbamos a verter lagrimas-do dor o de compunjo
sobre cadveres de lioroes 10o estimaveis como o
tciicnU: Pant'ja,,ncm tilo pouco sobro os membros
estragados ou contusos de Ilrasilciros tilo bravos
como todos esses ofllciaes o soldados, cujas morios
e ferimentos sflo noticiados pelo lenenle-coronel
faleflo,
Entretanto, eremos que ainda n3o cliegou o mo-
me.itode serem attendidos osnossosvotos; pois que,
ao cscrevermos estas linbas, somos informados
quo adianto do C.oianninha os rebeldes so lornaram
encontrar com tropas da legalidede, e, ha vendo
tidoa demencia do rcsistir-lhcs, deixaramo campo
uncado de morios.
Aguardamos as participares ofliciaes acerca deaU
novo cmbale; e, logo que os obtivermos, as susci-
taremos considoroco dos leitores.
ASWISF.BSEM BUSCADOS MARIDOS.
Temos visto om ollicio do delegado do termo
do Santo-Aniao. datado do hontom, do qual consta
quo aquella enmarca ficra em perfeilo socego, e em
que lemos que no dio 13 passara em Massauass


una avultadissima porfo do mullicres, quasi todas
indias e mestizas, as quaes com as lagrimas nos
OihOl buscavam novas de seus maridos, a quem os
promotores da revolta haviam arrancado dos po-
bres lares com promessas 13o seductoras, laes como
a de os fazerem participantes da riqueza desta-ca-
pital, se porventura os ajudassem a loma-la deas-
salto. Ellas proprias referiram o que acabamos de
dizer, e accrescontaratn que, deslumbrada's por se-
melhsntes promessas, acompanharam os maridos
desde Agoa-Preta atea Gloria; mas queahirram
deixadas sob o protexto de tercm do ser sustentadas
pelo respectivo vigario, que logo no da mmeiliato
(]es*pparccou.
Kstns desditosas abnndonaram para logo a para-
gem onde linliam sido victimas de tamaita de-
cepcSo, e esforcavam-sc por seapproximarentdoseu
domicilio ; oulras, porm, menos dispostas para
tcnlarem 2.' vez uir.a vugem tilo longa, e cujo nu-
mero, segundo ellas, nfiohe menor do ICO, anda por-
maneciam na Gloria, o lamenlavam a sua desgraca,--
c amaldicoavam aqucllcs que haviam abusado da sua
boa le.
Muito pudo aambicSodo mando /... Muitopdpa
iv. 11;a das paixfjes desordenadas !..
NOTICIAS POI.ICliFS.
Decommunicaco feita pelo delegado do termo do
Nazareth com data de 13 do corrente mez, consta
que no 1. districto de Tracunli&cm um rebelde as-
sassnra a um legalista, sendo por este igualmente
morto ;--que outros rebeldes, d'embuscada no m
mo districto, assassinaram tambem a um Porlu-
gunz.de nome Manoel d'Azovcdo, morador no en-
genho Cannavieira, o qual regressava d'esta capital
para sua casa, all situada ;--c, finalmente, quo os
mesmos afilores deste ultimo assassnnto cotnot-
teram outro no engcnlio Itapssuma do 2." districto
d'nqucllc termo.
Correspondencias..
Srs, Redactorei.Nao he a opinio publica de um
ou do outro jornalisla, que podo conceituar oudes-
conceituar alguem : quando se referen fados he
niister que se estoja bem nlerado delles, e ordi-
nariamente as chamadasreclificaQOes(tratndo-
se da conducta de algum individuo) siio (litas de
resentiinenlos particulares, e que, revelando um
passo de leviandade e de condescendencia censura-
vel, dexam sempre o publico na duvida se o que so
disse pela prinieira vez foi lilhode verdade e decon-
viccilo.ou o que sabio depois a luz romo emenda ou
recticaco. Nesta consideracHo, em respusta ao n.
73 do jornal Uniao aprsenlo OS documentos que vilo
juntos, os quaes peco tenham u bondade de publicar
em sua bem coiiceituada folha, declarando-llie que
mu i (os o.ais poderia apresentar como dos Sis. com-
uiandantes dus corpos de cavallaria de primeira li-
nlia e municipaes, o do Sr.Dr. Tliom Fernandos
Madcira subdelegado da freguezia de S.-Jos, quo
presenciaran) o meu comporlainento em o dia 2 do
corrente, mas que o deixo de o fazer, poique a apre-
ciaciio dos meus servicos s ao govemo compete.
I'or este obsequio ficar assaz grato o seu cons-
tante Icilor,
Francisco Juaquim Vertir Lobo.
DOCUMENTOS.
em caso algum, e muito principalmeute sobre ob-
jecto do qal depende a repulacflo de um militar :
firme, nois, nosta convicca"n,vou rogar-lhe o especial
obsequio de attestar qual foi minlia conducta
no desastroso dia 2 do corrente, quando os rebeldes
invadiram esta capital; ehem ssim se presenciou
a ininlia assstencia em algum ponto atacado pela
mencionada torca.
Com bastante constrangimento dou cu este in-
coinmodo A V. S ; mas, para mostrar a verdade a um
itiimigo gratuito que pretendo ferir o mcu crdito,
son obrigadoa dar este passo.
Approveilo a ocasiSo para offerecer V. S. o
meu limitado presumo nesta provincia, por isso que
prezosercoma maior consi.leracfloDe V. S. ami-
go muito silencioso venerador c criado
a Francisco Joaquim Pereira Lobo.
c Sua casa, 10 de fevereiro de 1819.
lllm. Sr. Francisco Joaquim Pereira /jjdo.Tenho
o prazer de acensar recobida a carta qne V.S. se dig-
nou hnje dirigir-me, e em resposta tenho s a re-
petir V. S. o que a muitas pessoas tenho dito, e ho
que no dia'2 do corrente o vi sempre ao lado do be-
nemrito commandante superior da guarda nacio-
nal da capital desla provincia, vi-o cnvallo e com
o seu uniforme, exposto ao fgo que de varios lu-
gares se Ibes fazia de urna mancira tifio corlvenien
le, como cu niesmo notei ao Sr. commandanto su-
perior.
A.rcsoluco, quo em V. S. observe!, do firme
cumpriroseu dever para com o Imperador e a pa-
tria, e a maneira por que o fez no dia 2 do corrente,
tem feito rom que muitas pessoas cu tenha dito
que muito esliinarei ter por compaiiheiros pessoas
com a coragem, resolucao e firmeza, como a quo no-
lei em V. S.,de quem sou amigo o alenlo venera-
dor e criado
a Joaquim Murqitts Lisboa.
cRordo do Affonso, \\ de fevereiro de 1849
lili, Sr. capilao de fragata Joaquim los Ignacio
Corto da probidade que ocaracleiisn, estou conven-
cido que V. S. nSo se esquivar do apresentar a ver-
dado acerca dequalquerobjeclo, e muito principal-
mente quando ella possa influir na rcpulacHo de um
militar: e, como V. S. foi um dos senhores ofiiciaes
que, desdo o comeco do conflicto que desgracada-
mente appareceu no dia 2 do corrente, quando os
rebeldes invadiram esta capital, se prestarnm ao go-
verno com a maior bravura, apresentando-se om
quasi lodos os ponfos quo l'ram atacados, rogo-
Ihe o especial obsequio de allestar qual fot a nimba
conducta nessa lula, o bou assim se presenciou a
minha estada em algum desses lugares om que po-
desse correr perigo minha existencia durante o dito
cmbale.
tem quizera poupar-me a dar este incommodoa
V. S.; mas, ferido no meu crdito por um inimigo
gratuito, para defender a minha onra, sod forcado
a dar esle passo. .
"Aproveito a occasiio para offerecer o mcu limita-
do preslimo, afianzando a V. S. que prezo ser com a
maior concderaciio ^De V. S. amigo muito aliento,
venerador o criado
Francisco Joaquim Pereira L*obo.
Sua casa, em 10 de fevereiro de 1819.
VARIEDADES.
NOVAS ARMAS DE GUERRA, INVENTADAS POR MR.
PERROT.
Depois de longos estudos sobre os meios de utilisar
na guerra os descobrimenios feitos ha alguna secu-
los, M. Perrot maginou tres especies de armas.
A primeira he urna espingarda de pressfio de arou
gaz comprimid. Pode ser de um ou mais canos :e
pode laucar um grando numero de balas, em qual-
quer direceflo. Esta arma he destinada defensa das
pracas, o em gerat das posicOes atacadas de viva
frca.
A segunda ho a primeira, montada em urna loco-
motiva qualquer, servindo para todas as posiefles,
quer no ataque, qur na defensa.
A tnrreira compOe-se de armas de tiro cem vezes
mai" fortes quo as catapultas, balistas, ole.
M. Arago, que teveoccasifo de examinar estas tres
armas, Ibes faz os maiores elogios.
Urna arma destas, que foi aprsenla.la a M. Arago
c commissilo permanente da arlilltara, formada de
tres canos, lancou 15 a 20 balas por segundo, e 900
a 1200 por minuto.
Acerleza dos tiros he tamanha com estas espingar-
das, que M. Arago, fallando a esto respeito as c-
maras, disse o seguiote:
Atiramos ao alvo, M. Perrot e eu, e consegui-
oos mol ter todas as balas em um buraco do tama-
< nho do urna peca de cinco francos, ou em urna li-
li nlia horizontal que apenas linlia um decmetro de
largura.
Examinando bem as armas do M. Perrot, antov-se
j o dia em que a ai le da guerra ser muito modifi-
cada.
Considerada sb o ponto de vista lechnologico, o
que he a guerra srno o emprego de machinas de des-
trincan f torca ho concordar em que, aperfeicoando-
se to.las as machinas do industria, estas tan.bem se
haviam de aperfecoar.
Com a espingarda ordinaria ha tilo puuca certeza j
no Uro, que he rara a bala que se emprega ; com
espingarda de M. Perrot, nao lia fumo, a mfio no
treme, nem ha receio de errar, poisqueo machinis-
moem que ella est assenle permitte alcancar-se a
maior exaclidflo.
Para as armas ordinarias ho necessaria a plvora,
para eslas basta dar urna manivela, comprimir o
ar, ou produzir o gaz.
lllm. Sr. coronel Francisco Joaquim Pereira Lobo.
Respondendo carta que V. S. me fez a honra de
dirigir com dala de 10 dcste mez, tenho muito pra-
zer em declarar que no combate do dia 2 de feverei-
ro soliouve V. S. com a coragem esangue-frio, pro
prios do militar brioso; que por muitas vezeebiV.
S. meu companheiro nos ataques quo fizemos a va-
rios punios desde roa da Florentina at entrada
da ponto da Roa-Visto, e depois pela ra .\'nva c .4
Trincheiras; quo multas vezes vi a V. S. a cavallo
conduzludo cartxame paro os nossos pontos, ves-
tido como seu uniforme e expondo-so ao foguininii-
go quesecruzava das ras e janellas.
E nem s no dia 2 foi que V. S. esteve cm minha
companhia. Em lodos os dias crticos por que esta
cidade tem passdo, observei que V. S. se apresen-
tava junio ao govorno, e que eslava disposto a oum-
prir as suas osdens, e defende-lo.
Por isso repulo a V. S. como militar valentee
honrado, dedicado ao governo, c sustentador da
ordom.
Rogando a V. S. que faca desta minha doelara-
efo o uso que lhe aprouver, reitero V. S. os toeus
protestos da mais subida eslima e consideracq.
De V.S. muilo affoctuosoamigo, criado e abrigado.
Joaquim Jos Ignacio.
* Recife, 12 de fevereiro do 1819.
'lllm. Sr -A contingencia em que me collocou um
inimigo gratuito, que pretenden dcsacrcditar-ino
para com os meus rompanheiros d'armas, apresen-
lando em o numero 73 da Vnio una reclificacSo
que baslanlemenle ie offende, me obriga a rogar
V. S-, digne-se declarar.em abono da verdade,
Ti/?} ? ","l,'a ,cond"cla dU,Te cm,iniel1lUe Senhores fedactores. Assim como a luz desponta
esgracadan.ente leve lugar nesla capital no da i no meilon,10 das Levas com lauto realce e bri ban-
do correte, quando.me incorpore! ao estado- (j da ...esma sorle a virtude, esta mimos, hlha
maior quo acompanhou a V. b. durante a mencio- i, Mt orguo sull (ronlo radiante no pasmos
nada lula, e quaes o serv.cos que preste, nessa horror da ajversidi.de; eniao, tomando-so urna diva
e, apezar do lestemunlio de V. S. ser mais
occasifln;
que sufficienle para dessipnr qualquer idoia dcs-
favoravel que contra mim possa ter acarrelado a di-
la rectihcacSo, peco-lhe igualmente licenca para me
dirigir aos Srs. ofiiciaes graduados que a par de V.
sacro-santa, se llio rende o mais resjeitoso culto c
reveroule ncatamento.
He superior a todo o elogio as philanlroplcas o de-
licadas manen as com queso Conduzio o .lignissiino
gunda legiflo da guarda iiicional do Rccifo, 10 de
fevereiro de 1849.-lllm. Sr. coronel Francisco i>-
cinlhu Pereira, cuminandanlc superior da guarda na-
cional do Recife. Francisco Joaquim Pereira Lobo,
coronel diere da segunda legio.
lllm. Sr.Tenho prsenle o seu officio dalado do
10 do coi r.-lile, eeni resposla cumpre-mc dizer-lbe
. que V. S. fez parle do meu esla.lo-maior durante o
conflicto que dcsgracadamenle leve lugar nesta ca-
pital 110 dia 2 do corrente, o quo se porlou com tuda
a dignidad'', expoinlo a sua vida aos perigos do
combato para transniillir proiuplamenleas minina
i.rdens a lodos os pontos a quo o maudei, em al-
guns dos quaes cunsta-me que V. S. prestara ou-
tros servicos, anu mando o niuniciamlo as lrcas
que combata m em favor da legalidade. Pode V.S.
dirigii-se nos ofiiciaes graduados que preseiiciarain
a sua conducta durante o mosuio conflicto.Ucos
guarde a V. S Quarlel do ominando superior da
j.'iiaiia nacional do municipio do Recife, 13defo-
vereirode 1819 lllm. Sr. Francisco Joaquim Pe-
reira Lobo, coronel chafe da segunda legiilo.Fran-
cisco Jacintho Pereira, couiuiandaute superior.
///*. Sr. Joaquim Marque Lisboa.Fiado na dig-
nidade com que V. S. excrco o poslo de capilao do
maro guerra na marinlia brasileira, estou conven-
cido que jamis sei capaz do alterar a verdadade
sem dia-
tinccilodeclasse c qualidade, liberalisando a loJos
francamente a sua mesa, no Infausto dia % de feve-
reiro coi rente; o sendo*de lodo o expendido-una
teslemunha presencial, achei quo era una justica
devida as nubres qualidades que exuriiam a lina
bem formada do dignsimo coinniaudnulo pulen-
lear ao publico o-dislinclo comporta monto desie
cidalflo prestante nessa criso fatal, para que todos
I lie devolem a mais alta estima e.amizade, do qe se
faz con'digno, dcixando um renome imu.orlal a mais
remota posteridado neste paiz,mruieuio para aquel
les que gozaratn do seu uobreacolliimeuto.
DAS QUALIDADES QUE DE VE TER UMA TERRA
PARA SER FRTIL.
Depois de se examinaren! as diversas espocies de
lena, a sua composicfioe suas propriedades, he f-
cil indicaras condicOe que devem ter para serem
feriis.
lie preciso: -
Que sejam bem solas para podrem ser trabalha-
das c lavradascoin facilidade, epara que as raizes
das plaas possam crear-so sem dilliculdade, e
as hastes romper a trra durante o seu cresci-
monto.
Que sejam com tudo algum tanto compactas para
quo as plantas se enraizem slidamente, sem ficarcm
expostas a serem arrancadas pelo vento.
Que sejam hmidas e sufflcientemento quelites pa-
ra favorocer a germinado da,s sementes o o deson-
volviuienlo das plantas.
Algum tanto profundas para que asraizos possam
alastrar e profundar sem encontrar obstculo.
I.igciras o porosas para quo sejam penetradas do ar
o dos gazes atmosptiericos.
Suflicientemcnlo permeaveis 11 agoa das chuvas,
para que esta possa conduzir alas raizes infinitas
os suecos nutritivos, de que ellas se nlimentam, e os
saes i|ue estimulan! estasalimcntacfles ; equo on-
trranlo facililcm osecarem-se, para que oexcesso
de hiiniildade niu apodreca as raizes, e mate as
plantas.
He preciso que fo sejam do nalureza lal, que
quando se seccarem mo facam fondas o buracos quo
as exponliam aceito do ar, ou que aportem de mais
as raizes quo as solToquem:
Que se embebam fcilmente da humidade at-
mos'pherica, e ronservem a quo ho necessaria ve-
gelacflo. A'
Que sejam de urna cor carregada para absorvorem
durante o dia o calor dos raios solares ea conserva-
ren! durante a noite em qualidade sufllciente, para
que as ranlas nSo liquem expostas s grandes varia-
(,'i'irs de leinperalura.
Quo se coinponliam de parles prximamente
iguaes de argila, slice e materias calcaras, de mo-
do que as vantagens da rcuniuo destas Ierras com-
pensemos inconvenientes dcada urna dolas em
particular.
Que facililcm pelo calor e humidade a decompo-
sicio lenta dos testos vegetaes depois da colheila,
bem como a dus estimulantes e eslrumesque selhcs
lauca, para que as plantas achein no maior lempo
possivel as substancias alimentares necessarias ao
seu desonvolvinu-nlo.
Emflin que descansen) sobre unta carnada de Oti-
lia Ierra que facilite o escoametito das agoas, quan-
do a supenor livor a propriedade de as reler dema-
siada inenle.
(Journal des Connaissancts tiles.)
( Revista Universal Lisbonense.)
preludio das perfeilas festividades que o futuro lhe
reserva. Vinde, porlanlp, irmiios c vos, mulhe-
res que anda hesitis, vinde, fortificai voseos co-
rac/ics, c reanima! vossa coragem nestas festas de
amor fraternal. Lembrai-vos destas palavras de
nossopai: Em verdade, em verdade vos digo, que
quando dous d'entre vos ou mais se reunirent era
meu nome, eu estarc no niio delles. "
Annunciou-se queosdeputados Mongnord assij.
tiriam funccflo; porm parece que MM. Pedro
Leroux e F'elix lyat fram os nicos membros da as.
serrfblca nacional que honraran o banquete coot
sua augusta presenca. O proco dos bilhetesde ad-
msso para este santo sacramento, no qual "0
pilo e o vinho devam ser ministrados prdigamen-
te e ad libitum, alm de militas oulras iguarias que
se niio usam no aliar, foi filado a 1 fr. 50 c. paca >,
pessoas adultas, e em 50 c. pira os meninos. De,
Eis da "sagrada ceia ter sido discutida, ea 00.
rta removida, o publico foi admittido a presen-
ciar as ceremonias subsequentcs, mediante a paga
de 25 c. por cada individuo. Um grande numero de
pessoas aproveitaram-se do privilegio e as gale-
ras se encheram immediatamento. A primeira fa|.
la religiosa foi pronunciada por urna senhora, e ti.
nhii por titulo o sermSo sobre a montanha. Em
consoquenoia do seu baixo :om de voz e da bulla
causada pelo ngrosso dos espectadores, no pode-
mos collir mais que algumas phrases deste elo-
quente discurso, no qual Jess Christo foi apio-
sentado como o apostlo do socialismo. Depois
disso, algumas senboras propozeram brindes fra-
lernidade universal, vinda do reino do Dos sobre
a trra e liberdade. Mr. Pedro Leroux, respon-
dendo ao ultimo desles brindes, disse : Eu re-
ceio que depois de todas ss ideias admiraveis que
lenho ouvido enunciar, nSo possa proferir mais que
alguns lugares coinmuns. vos haves feitoallusSo
a esses infelizes queperseguem com o sarcasmo e
o ridiculo a tudo quntito he nobre, bom e grande.
Deixai-os, vos digo, porque nilo merecem que nos
oceupemos com elles. Jesus-Christo, nosso redentp-
tor, nSo creou castas. Nos. os socialistas, levan-
tamos o veo com que os padres querein para sem-
pre occullaros altares da verdade."
Madama Granel ergueu-se depois, e propoz um
brinde ao Natal. Senhoras, disse ella, se desoja-
mos reformar a sociedade, escolhamas para nosso
modelo a Virgem Maris, cujo nome ser sempre
bemdito enlro s mulheres. Provenios quo esla
reunio de mulheres he una retniao sania, eque
os socialistas, longo de desejarem abolir a familia,
sao animados por um amor profundo que s tende a
proteg-la. "A oradora concluio, propondo um brin-
de aS. Simn e a Fourior, outro aos exilados que
soffrem, e outro finalmente fraternidade, a qual,
obsorvou ella, enllocar Dos de nossa parte.
Mr, Horno, depois de ter feito apologa de S.
Just, propoz um brinde sua memoria, -juntando oa
nomos de Couthon e llobespicrro. Fizeram-se de-
pois anda os seguiutes brindes :" As mulheres;" "A
nossas mais e nossos filhos ; "A Franca, o Chrslo
vivo ( por Mr. Uornard, o qual procurou provar
que lia va urna completa sontolhanca entre Jesus-
Christo eo povo de tranca ); A Mara, a primeira
propagadora do socialismo ; Aos martyres de Vi-
enna" ( por urna senhora ) ; A desigualdade ; "
" A realisacilo da felicidade universal sobre a tr-
ra ; a religiao;" "A independencia do pensa-
mento. etc. Recitaram-se depois aplogos e poe-
sas, assisonadas com difTerentos cnticos patri-
ticos sagrados.
Um outro banquete teve lugar na mesma noite01
barrena de Svros, presidido pelo ahbade Chatcl. Di-
versos" discpulos e adeptos da i gruja franceza
estiveram presentes, e brindes fratu propostos 1
" Jesus-Christo, o grande apostlo do socialismo."
No lim da funeco cantaram-se alguns dos psalmos
hyinnos usados as igrejas da Franca.
( Le Jt,vrnat des Debis.)
CO&MEftCIO.
Por um reconhecido. '
Srs. fedactores. Como eslou bem persuadido
quo se devo dar a Dos o quo he do Dos, e a Ce/.ar o
quo lio de Cezar, apresso-me a declarar quo nao se
itleudo com o Sr. Domingos Jos Ramos, massi.7>;
com Jus Joaquim Piulo Martina, a correspondencia
inserta em seu Diario 11. 34 de 13 do crrenle, tol-
liva ao agradecimento feito aos lllins. Srs. capil.fo,
piloto e mais IripulacAo da burea americana Navar-
ro, que polo simples faci daquellc Sr. ser BSsignan-
to do sou Diario, sabio tambem como assignanle 4**-
quella correspondencia, e sctii que nella livesso a
utiuiuta parto.
OS BANQUETES DOS SOCIALISTAS EM HONRA DO
NATAL.
Em o dia 25dedezembro teve lugar, em a sala Va-
lentino, o segundo banquete das mulheres dem-
cratas socialistas. (Hcenlos hospedes, pouco mais
ou monos, homons, mulheres e meninos, assistiram
a ello. Os conviles feilos pelas directoras eram conce-
bidos nos segttintes termos : A despeilo das da-
tribes odiosas ou absurdas, fulminadas contra ellas
pelos jornaes reaccionarios, as mulheres democra-
cias -socialistas prosegucm om sua obra de propagan-
da fraternal. Com este intuito ellas teeni organi-
zado um novo banquete, o qual lera lugar a 25 do
mez concille, -- da da natividadc de Chrslo. Ellas
convi.l.nn cspiH-uilmcnleparn este banquete a lodos
aquellos que as columnlam sem as conhocoroin. He
lempo do que esta fcsU do Natal, instituida om hon-
ra do primcjro socialista, dnquelle quo veio ao
inundo para pregar aabolico de todos os privile-
gios o do todas as formas de escravidao, he lem-
50 que osla festividade, crcumscripta porspicxt
0 2,000 anuos dnlro do circulo estreito da faitti-
li.'i civilsada, -- rena nos lucos de urna santa com-
munhilo a todos aquellos que,como o divino mes-
tre, colhem por premio de seu ardente amor da Ittt-
'manidado unta colheila de desprezo, irrso cabuso.
Ho lempo quo a grande familia' humana execute um
ALFANDEGA.
RENDIMENTO DO DIA 16........... 5:870,870
Dtscarregam hoje, 17 di fevereiro.
Polaca Mathildt lijlos.
Brigue Naomi bacalho.
Itrigue Ferdinand mercaduras.
Brigue Eaglt dem.
niPOUTACAO'.
Eagle, brigue inglez, vndo de Glasgow, cnlrido
00 corrente tnoz, consignado a Ridgway Jametson a
C, mantfestou o seguiite :
5 c.iixas e 16 fardos fazendas de olgodilo; a Adam-
son llovrio & C
83 gigos e I caixa louca; a Astley.
3 ancoras, 1 corrente de forro, 15 toneladas bn-
goados do ferro, 58 toneladas carvlo de pedra, 2'5
barricas cerveja, 20 gigos o 2 barricas louca; a
Ridgway Jametson & C.
lOcaixas Imitas; a Johuston Patcr & C
Subrticas de ferro ; a A. V. da Silva Barroca.
CONSULADO GERAL.
RENDIMENTO DO DIA 16.
Geral .
Diversas
provincias.
. 4:891,*
. 205,693
Tsoo.os
I
CONSULADO PROVINCIAL.
HEMH MENT DO DIA 16...........S:61'
Mov me lito do Porto.
. ^ j -
Navios t ni rodos no dia 16.
Ro-dc-Janeiro; 20dias, brig'ie sueco Hilda-Cnaf
lolle, do 477 toneladas, capilao J G. Hoilbn.
equipagetu 14, carga lastro; a Le Ureton .Scltramm,
& C. ,-
Nato sahido 'no mismo dia.
Asaca.y -r o hiate braaileiro Novo-OUnia, caplo
Antonio Jos Vianna, Carga varios gneros. I
sageiros, Joaquim Liberato Barroso,
Marcellino
I


V
' >'--
3
3
Ferreira da Silva, Vicenta Teilaira Cofcnbra.--Do-
mingos'Theophilo Alves Ribeiro, Manuel Jos l'e-
rcira Pacheco, Manool entuno* e Oliveira,-^Ao-
gelo Custodio rea Cabral, Porluguez ; Henry |ToVne, Ameri-
cano.
Declaracoes.

I0.I0 Ina de Moraea foi orneado fiscal da fce-
ueiia de S.-Jos do Recite, e acha-aoera exercuSo
3o referido omprego i a aua residencia he no Recirsfjj
ra da Cadeia, n. M.
Pela segunda gecgflo do consulado provincial
se fax publico queoprazo de 6 mezes concedido
pela le provincial n. 228, de 2 de setembro do anno
prximo passado, para o pagamento de meiaa sizss
dos escravos, que se estiverem a dever, se lina I isa
no da 5 demarco prximo vindouro : em conse-
quencia, pois, dessn dia em diante nflo se receher
meia siza, que, vista do papel de venda, se quei-
ra pagar 30 dias posteriores a su data, em enjo caso
(cara subjeito ao art. 17 do regulamonto de 11 de
abril de .1842. Segunda Recejado consulado pro-
vincial, 15 de fevereiro de 1848.
O esp.rivo chee da segunda seceso,
Theodoro Mochado Freir Pereira da Silva.
A repartidlo das 'obras publicas compra, para,
a casa da barrelra da ponte de Tacaruna, 6 laboas
de assoalho de amarello, 5 ditas ditas Je lonro e 6
enxams de20 palmos de compriraenlo. Adminis-
trac-lo geral das obras publicas, 15 de fevereiro de
1849.
Josi de Barro Falcgo i /cerda,
Administrador.
A repartido das obras publicas compra, para
o concert da ponte dos AITogados, 6 contra-madres
de 32 palmos, 12 contra-linhas de 26 palmos, 10 es-
tivas de 32 palmos, 8 mAos-lrevessas de 30 palmos,
SOcajbros, 2 arroba de pregas de varias.qualda-
des e 20 pernestos. Administrado gcral das obras
publicas, 15 de fevereiro de 1849.
Jos de Barros Falco de Lacerda
Administrador.
JUIZO DOS FRITOS DA FAZENDA.
Hoje, 16 docorrciite, as 4 horas da tarde, a porta
da residencia do lllm. Sr. I)r. juiz d direito e subs-
tituto dos feilosda fazenda, Jos Thomaz Nabuco de
Araujo Jnior, no Alerro-da-Bda-Vista, vilo a praga,
para serem arrematados por quem mclhor lauco of-
forecer, um silio no lugar da Torre, com boa casa de
viveada, arvoredos, etc., avaliado por 6:000,000 rs.;
e 9 escravos de diversas idade, qualidade e valores,
e que pdein ser examinados pelos pretndanles no
deposito geral onde se acham ; cujos bous fram so-
questrados, por parte da fozeuda nacional, a Pedro
Alexandrino Comes, como fiador da casa fallida de
Lcnoir Puget 19 Companhia.
O solicitador dos feilosda fazerlda,
Francisco Antonio Cowteiro e Silva.
Leilo.
Brendera Drandis & C. farflo leilo, por inter-
vonglo ilo eorretor Olivoira e por conta o risco de
quem pertoncer,do urna porgSo decutelerias edo-
bradicsavariadas d'agoa salgada, a bordo da ga-
lera Columba na sua recente viagem de Liverpool
Kara oslo porto: torga-feira, 20 do corrente s 11
oras da mandila em ponto no seu armazom da ra
do Trapiche-Novo.
Avisos martimos.
A barca Billa-Pernambucana (levo sabir pora o
Ponto no dia 22 do crrenle: ainda podo receber
uma pequea porreo de carga e passageiros para o
que lrata-se co:n ocapitflo, na praga do Commercio,
ou com o consignatario, na ra da Cruz, n. 34, ter-
Ceiro andar.
I'arao Havre sane, al o dia 18 do
corrente o brigue francez Virginia : offerece um*
espagosa cmara com oxcellenlea commodos para
passageiros : trata-so no escriploro de Avrial Ir-
mflus.
Para a ilha de S.-Miguel segu viagem, com mui-
tabrevidade, o patacho nacional Anglica, por ter
pacto, de sua carga prompta : pira o restante e pas-
sageiros, para o quo leirt excelentes commodos,
lrata-se na ra da Cruz, no Recife, n. 33, com Luiz
Jos de S Araujo.
Para o Rio-de-laneiro sahe, com a maior brevi-
dade possivel, o hiate nacional Gil-liras : quem no
mesmo quizor onrregar, ou ir de passagem, dirja-
se a Novaes & Companhia, na ra do Trapiche ,
n. 34.
Para o Rio-de-Janeir she improtertvelmente,
no dia 24 do corrente a voleira escuna Galanti-Ua-
rla : ainda podo receber alguma carga, beni como
passageiros e escravos i frote para.o que offerece
asseiados comaiodos: a tratar na ra da Moda,
n. 11.
~ Para o Rio-de-laneiro sahe mpreterivclmento,
no dia 24 do Corrente, a escuna nacional Curiosa por,
searharcotn o carregameno qua*i roiiipleto as
poder receber algumas miudezas, passageiros o es-
cravos a fretc : para urna o uulra cousa, lrata-se na
rua da Cruz do Recife, sobrado n. 33, com Luiz lo-
s de S Araujo.
Para a Itahia segu em poucos dias, o hiate
Flor-de-Cururipe : quem quizer carregar, ou ir de
passagem, dirija-te a ruado Vigario, n. 5.
Samuel I*. Willelz capitfio do brigue america-
no Andrew-H.-Jones, com agoa~aherla precisa a ris-
co martimo sobre o casco e frete do dito brigue a
quariiia-ile iros contos daris pouco maisou menos:
oa preMAntes pdem-se enlendercom. os sejjs con -
signatarios,, llemy Forsler & c., na ruado Trapi-
che, n 8.
Para o Msranliffo san*, em poucos dias^ o bri-
gue-cscuna Laura : para o resto da Carga e jhssago-
ros, para o que tom escolenles comlu^ftbs, trata-
se com o captflo na pracn do Commorcio, ou com
Novaes & Companhia, n rua do Trapiche, n. SI.
Para o lliu-de-Janeiro sabe, com a maior hrevi-
dade possivel, o brigue nacional Visconde-de-Cama-
mu' : para carga, passageiros e escravos a frote lra-H
te-ae com us consignatarios, Novaes & Companhi ,
na rua do Trapiche, n. $4.
~ J'ara Genova pretende sabir at o din do curren-
te mez a polaca sarda Silencio, bom mohecida o de
primeira marcha : pode recebera frete300 a 400sac-
eos com assucar, ou 1,000 a 1,500 coi.ros : quem
quizer carregar ,'oiitenda-secom o seu consignata-
rio, Jos Saporiti na rua da Cruz, no Recife, n. 18.
Para LisbOa sahe com brevdade, por ter parto
da carga prompta, o brigue porluguez Haria-Jos ,
forrado eenravilhado de cobre, de que he capitao
JoaquiSB losMesquita : quem nelle quizer carregar,
ou ir de passagem para o que tem bons commodos r
dirija-seaos seus consignatarios, Francisco Seve-
rianno Rabello & Filho ou ao mesmo capiirio.
Pretende seguir viagem para o Havre o briguo
francez Beaujeu, no dia 10 de marco impreterivel-
mente por so ter engajado para islo com varios pas-
sageiros ; mas ainda resta commodos para maisal-
gaos : os prelendeutesdirjam-se. rua da Senzal-
la-Wha, n. 138.
Para o Porto sahe, com a maior brevidade pos-
sivel por ter a maior parte do seu carregamonlo
prompto, o brigue porluguez F'entura-Feljs, do que
lio capillo Zoforino Ventura dos Santos j para carga
e passageiros, aos quaes offerece bons commodos,
trata-se com o referido capitlo, ou com o seu con-
signatario, Joaquim Ferreira alendes Guimarfl.es, na
rua da Cruz, n. 49.
Par Lisboa segu com toda a brevidade, por
ter parle da carga prompta, o briguo porluguez Soa-
Uomingos, ilo qtial he capitfio Manool Congalves Vi-
anna : quem no mesmo quizer carregar ou ir de pas-
sagem, para o que tem escolenlos commodos, diri-
ja-so ao referido capitao, ou ao seu consignatario,
loaquim Ferreira aleudes Guimarfles, na rua da
Cruz, n. 49.
Avisos diversos.
O Sr. tenentc Bernardo los da Graca tem
urna carta na lvraria da praga da Independencia ns.
6 e 8.
Alugam-se dous molatinhos, proprlos para
criados :n rua da Prai, por cima da lypographia
do Diario Novo.
O bacharel Jote Antonio de Figueiredo entina phi-
lotophia e geometra em cata de sua residencia na rua
larga do Rosario, n. 30, primeiro andar.
Pela rogra de quem se morde albos como, bem
parece que o tal M. J S. do Diario de honlotn, he o
mesmo cujo referido que he a primeira pessoa da
trindade ladrona ;e se nflo olliem-llie para a civoira
e verao se nlo tem fe ico os de macho de liteira, com
pomas de grillo condecido por curinga ; esperta-
Ihfio papador de herangas o que quera engolir a do
heicinho ,ecomo enconlrou tranca no caminho,
hoje so faz muito amigo do cerlo estrangeiro para
sempreagadaohar alguma cousa. Quanlo ao UIM.
J. S. nilo estarpsra dar pallia responde-se-lhe quo
tomara elle palha para comer parja o que tem bons
queixoseest muito acostumado desde que/o mo-
go de estribara; cadverte-se-lheque, quando des-
cubrir seu nome so Iho dir ornis. /. A. C.
Iloga-se aos Srs. Filippe Mena Calado, Vlrialo
de CarvalhoTavarese los Candido de Carvalho Me-
deiros que queiram dirigr-se rua do Vigario, n.
19, a negocio de seus interessos.
--Fazem-se fiozes de seringa e de outras quali-
dades muito bem foilos, e encommendando-se do
vespera ou logo de manhfla cedo : lambem so fa-
zem bolinhos para cha bandejas onfeitadas cot ra-
mos e llores do mesmo bolo e de alfinim, do melhor
goslo que fr apetecido, arroz de loite pastis de
nata e de carne tortas de leito o de doces empa-
das de gallinha e de peixe, doces de varas qualida-
des, tanto secco como em calda : ludo com muita
perfeigoe delicadeza: na rua Dircita sobrado de
um andar n. 33, ao p da botica.
Quem precisar de um Porluguoz casado, com
pouca familia para feitordoum sitio, ou engenho
perlo da praga dirija-se ao Cortume, dclronte da
malanga, n; 11.
HODAKCA.
D. W. Rarnon cirurgiilo dontsta participa ao
respeitavcl publico quo mudou a su residencia da
rua da Cadeia de S.-Antonio para a rua do Trapiche-
Novo n-14, do bairro do Recife terceiro anJar ,
aonde contina a calgar e por denles arlificiaes e as
mais obras de su profissSo.
aloje, 17 do crrenle, na sala das audiencias,
perante oSr. I)r. juiz municipal da segunda vara,
se hilo de arrematar, por ser a ultima praga, duas
moradas de cssas urna de 3 andares na rua do
Livramenlo outra terrea com silio na Magdalena-,
ponhoradas a viuva e herdeiros do Joaquini Leoca-
dio Viera Cuimarfles porexecugilo do tenente-co-
ronel Domingos Aironso Nory Ferreira como tulor
do menor, filho do fallecido lleulo los Alves o sua
mulher.
Frederick AugustDose, subdito dinamarquez ,
retira-se para fra do imperio.
Qualquer pessoa que tiver penhores, ou forcr.i-
lora, ou llovedora ao casal do tciienle Manuel Rufi-
no de Barros queira apresentar snas roclamgOes
IbnirodcS dias ao inventarame o cirurgiilo-mr
Francisco-Jos do Amaral na rua Nova, em Olinda.
lamis se podo- oceultar uma verdado pura, o
que foi praticado polas mui dignas pessoas, o Sr.
capito do brigue Ventura-Feliz, Zoferino Vontura
dos Santos, o o Sr. loaquim Ignacio Xavier, no da
i I do corrente, quando os boatos assustadorcs cor-
riam por esta cidado; recolhendo estes dignos Srs.
a seu bordo tanto Portuguezes, como familias brasi-
leiras, que com seus coragoes afadigados para all
corriam; recebendo estes Srs. a todas as pessoas
que a seu bordo atracavm, com todo o prazer, lhes
franqueavam seu navio, o mandando para os portos
dos embarques seus escaleres afim uo conduzir a
todas as pessoas quo para seu bordo quizessem ir:
isto foi vislo praticar pelo mu digno Sr. capitflo Ze-
ferino e Sr. Xavier, e toda a tripolagilo do navio ; a
cardade, zelo, patriotismo o presteza com que es-
tes Srs. so prestaram os tornam tilo recommenda-
veis a nossa gratido por pessoalmente termosre7
cobil seu favores.que faltaramos aos mais sagrados
de todos Jcvercs, so por mais lempo nos demorasso-
mosom tributar nossos sinceros agrndecimentos.
M. 1. da Silva B-llomonlee familia Soguem-so
mais assgnaturas brasilciras.
-- Em resposla ao annuneio feito no Diario n. 35 ,
assijrnado por J. A. C. se Iho declara quo podo fa-
zcr pblicos os ttulos do quo traiou no seu annun-
eio do Diario n. 26 ou declarar por extenso os no-
mes das pessoas com qu om se entendo a palavra
trindade como so Ihe pedio polo Diario n. 27, afim
desold poder dar resposla satisfactoria, como se
Iho promollou ; do contrario, nilo so Ihe dar mais
palha, omquanio nOo declarar e sssignar sau nomo
por extenso.
O aba i so assgnado, sendo procurador o co-
brador de diversas pessoas desla cidade, e leudo
cobrado avultadas sommas para os Snrs. B. I.asserre
& C., Avrial Irm.los, lo.lo Som Luiz Antonio Si-
Jneira loaquim da Silva Castro, o major Antonio
a Silva Gusino o outros minios ; lem de regressar
para o centro indo pela Parahiba afim. do promo-
ver cobrangas para alguns destes Srs. e outros; por
jsso offerece os seus servigosa quem dellos se quei-
ra utilisar Apode ser procurado em casa do seu
mano, Miguel los de Almeida Pcrnambuco, no pa-
teo do Carmn ou em sua casa na rua da Concordia:
islo com brevidade visto que o abaixo assignado
tem de sabir uestes dias.
Francisco Jos Aires de Carvalho.
Precisa-so alugar uma casa terrea ou um pri-
meiro andar decente para uma pequea familia ,
queseja sita na rua liiretade Fra-de-Portas : quem
tiver annuncie, ou dirija-se ao Alerro-da-Boa-Visl,
n. 17.
Trapassa-se o aluguel deum sitio na Ponto-de-
l'ehoa com casa que lem 2 salas, 2 quartos grandes,
4aleovas, grande copiar, dispensa, coznha, coche
ra, estribara pomar do larangeiras e dando : a
tratar na rua do Trapiche, n. 16, primeiro andar.
-- Aluga-se uma casa terrea na rua do. Padre-Flo-
rianuo n.59, com duas pequeas salas, duas ca-
marinhas, quintal .cacimba e cozinha fra : a tra-
tar na rua larga do Rozaro, n. 44.
Precisa-se de um administrador para um enge-
nho distante desla praga 7legoas:no haver du-
vida em sc.fazer uma boa vantagem e ainda mo-
lhor tendo o pretendente escravos : a tralar na rua
do Qucimado, n. 27.
Desapparcceu do escrptorio do abaiso assigua-
do hoje, s 4 horas da tarde, urna lettra da quantia
de 2:625,000 rs. sacada e aceita pelo Sr. los loa-
quim Dias Fernandes em outuhro e novembro do
anno passado, a vencer em oulubro e abril prximo
futuro, pagavel ao Sr. laclnlho Antonio Affonso,
por este assignada as costas : provino-so, pois,
toda e qualquer pessoa do a nflo negociar, visto que
ellalicasemeffeiloalgum, porassim estar scente o
diioSr. Fernandes, e de a pagar somonte ao abaixo
assignado, a quem ella portence.
Recife, 15"de fevereiro de 1819.
ngel Id Francisco Carneiro.
Roga-se as pessoas quo tivoram contas com Adol-
pho Quist, quohajam delirar as mesmas o leva
rua da Cadeia do Recife, B. 48, primeiro andar, para
seren conferidas e pagas.
Quem annunciou querer fallar com Jos do Nas-
cimonto Lopes, dirija-so rua do Qucimado, n. 20.
Precisa-so do um amassador : as Cinco-Pon-
tas, n. 30.
Precisa-se de um criado para servir um ho-
meru solleiro o qual d fiador sua conJucta :
quem cstiver tiestas circumstancias annuneio.
Aluga-se uma casa torrea na rua da ViragSo ,
n. 37, com duas salas 3 quartos quintal e cozinha
fra: a tratar na rua larga do Rozario, u. 41, pir-
melro andar.
Quem annuneio querer comprar um diccionario
Magnuin Lexicn dirija-so a rua Nova, sobrado
n. 56.
Precisa-sede urna mulher para oozinhar e en-
gommar, para uma casa de pouc familia dando
liado* a sua conduela : na rua do Ruzario botica de
Bariholomeii Francisco de Souza.
Vignes Jeune, subdito francez relra-se para
fra da provincia.
Precisa-se de uma ama para o servgo de uma
casa do pouca familia : na rua do llortas, n. 49.
Melchor Ambcrg, viudo da Baha, seguo para
Mra do imperio.
Maria Joaquina da Conceiglo relra-se para f-
ra do imperio com seus filhos.
No boUquim da speranga, na rua da Senzalla-
Velha, n. 126, se ocha para alugar urna canoa aber-
ta para familia, por prego commodo.
Aluga-se una grande casa terrea na na Impe-
rial, com duas salas, 7 quaitos, cozinha fra e quin-
tal murado : a tratar no llicatro novo.
Os Sr. carregadores da horca Della-Pcrnombu-
cana queiram trazer ao escrptorio do consignatario
os coiiliecinicnlos para se fazerom os manifeslos.
la lojas ns. 48 o 78, continuam-se a tirar pasapor-
tes tanto para denlro como para fra do imperio ,
assim como despacham-se escravos, ludo com bre-
vidade.
O coronel Rento Jrsc l.emonha Lins faz constar
a quem convierque est disposto a vender ou fazor
qualquer negocio sobro os bons e terrenos sitos na
freguezia de L'na, comarca do Rio-Formosn, quo Iho
locaram porheranga de sou finad ogro, o marquez
do Recie, dando preferencia aos rendeiros que estilo
no gozo dos ditos bons. Silo elles os segnintes : a po-
vogao do Abren com lodos os sitios e terrenos in-
natos, os engenhos Manguind, Agoa-Fria, Po-Fer-
ro, metade do engenho Rom-Jardim e de outros que
se lo va u ia ram as mesmas Ierras, a propriedade Ga-
meloira, metade da propriedade San-Jos-da-CorOa-
Grande e metade das Ierras da povoagflo dos Barrei-
ros. Tambem se negocia o boni condecido engenho
lurissaca, sito as varzeas do Cabo, moenle corrente,
com escravos, hois'e tu lo o que Ihe pertenec. A con-
tratar com o mencionado coronel neala praga, na
rua do Seve.
Toda attenip&o ap que lie bum.
Deposito de rap andarahv
e imperial.
Na rua da Cruz, n. 63, primeiro an lur, escrpto-
rio de Ins de Al.....i,la Brrelo Bastos, ven le-se o
bem acreditado rap andarahv e imperial, fabricado
no Rio-de-laneiro, sendo o nico deposito nesta
provincia; assim como se vende a relalho lias so-
guintes casas : rua da Cruz, n. 62 ; boceo da l.in-
goOta n. 3 j rua do Pil ir em Fra-dc-Pollas u.
86;rua da Cadeia -do Recife, ns. 17 e 19 ; rua do En-
cantamenlo, n. 4; rua do Vigario, n 14; rua di
Cacimba, n. 2 ; rua du Cordouiz, n. 11 ; rua do Col-
legio, n. 9 ; praga da Independencia, ns. 4 c 39 ; rua
do Queimado, ns. 10, 16 e 33; rua do Livramenlo,
ns. 4, 5e 38 ; rua da Penhn, venda da esquina, por
balXO do coronel loaquim. Bernardo de Figueiredo ;
rua llireita, ns 6, 16, 53 95 e 141; ruadas Ciuco-I'on-
tas, ns. 50e82 ; rua Imperial n. 2 ; pateo do Gar-
ioo.il 2; rua larga do Rozario, ns. 29 e 3> ; rua das.
Grates, n. 40 ; rua do Cabug, ns. 1 e 7 ; rui Nova,
u 50 ; Alerro-da-lia-Vista, ns. 2, 46 n51; praga da
Boa-Vista, n. 17 ; Ponte-Velha ns. 23 e 54; pateo
da S.-Cruz, n. 106.
m m
Homiropathia.
m
Primeiro consultorio gratuito para os pobres
na rua da Cadeia de S.-Antonio, n. '2-2, dirig- ^
do peloSr. 1. II. Casanova inodico]fiancez. #
# F.ste consultorio estar aborto desde as 9 do- >
jp ras da inanliHa at as 4 da larde. Os podres SJ
01 receberiio consultas e remedios gratuitamen- *)
^ te: aprcsenlando um attosladode pobreza de
jg seus vigarios, ou mesmo de oulro qualquer <*e
jsj sacerdote. (ft
*
Z OSr.Amaro Gomes de Olivoira, do engenho
# Canna-Rraba queira ir ou mandar buscar
uma carta para S. S., na casa do Burgos n
pateo do Carmo, sobrado n. 18.
Aluga-se uma casa terrea na rua do Padre-Flo-
rianno, n. 41 : a tralar na rua larga do Rozario, n.
39, segundo ou terceiro andar.
GALERA DAGUERREANA.
Do artilla Guilhermt Fredtrico Waller.
Tira retratos muilo superiores pola invcngflo do
Dagucrnr tanto om fumo como coloridos em
qualquer occasiSo, afirma'ndo e garantido, tanto a
durabilidadedas cores, como a perfeti semcldanga.
As possoas que se dignaren favorcc-lo se podem
pirgir sua galori, e examinar os modelos que
sempre tem de mostra, das 9 doras da manhfla ate
s 4 da larde, na rua da cadeia de Sanlo-Anlonio,
n. 26,2.0 audar.
Va a praga, de nrrendamenlo, no dia 20 do
corrente perante ojuiz do orph.los da cidado da
Victoria o engenho l,efln, situado na freguezia da
Esoada.com casa devivenda, senzalla, sorra d'agoi,
forno, casa de purgar com furos c corrontos, casa
de rtame com assentnmcnlo dita do engenho com
moenda para moer d'ago, com molinete do beslas,
ha niesmaoasa assentamento do cinco laixas sem
defeilo, cinco casas para lavradoros lu>lo coderto
de tellias, com 400 formas boas, avaliado cada an-
no c'in 600,000 rs. Adverlc-so que he a ultima praga.
Vignes, fabricante de pianos,
na rua do Qucimado n. 12,
tem pianos de novo modelo Teitos de proposito pa-
ra este paiz silo riquissimos de maclnnismo o vo-
zes superiores, o que se afinga ao comprador : tam-
bem tem pianos nglezos que silo pouco usados ;
C3nccrla e afina pianos com toda a perrcigflo ; vende
corda, camurga? e lodos os aviamentos necessanos
pira ditos instrumentos : ludo por prego commodo-
Aluga-se um quintal bstanlo grande rom
portiio para a Ponte Volha muito proprio para qual-
quer deposito, ou mesmo para serrara por ter des-
embarque na porta : a tratar no Alcrro-da-Boa-Vis-
ta, n. 75.
Agencia de)passa portes.
Na rua do Collego, n. 10, c no Aterro-da-Boa-Vis-
~ Precisa-se alugar um sitio quo tenha casa re-
gular para uma familia decente o arvoredos do
frnclo baix para caplin o agoa de beber : prefe-
ro-sc porto da praga e abeira du ro:, quem o tiver
annuncie.
Procisa-se do um rapaz que tenha capacidade
de tomar conta de uma venda por bataneo ao qual
so dar bom ordenado : om Olinda, rua do Amparo,
venda n. 1.
Aluga-se a casa da esquina da rua do Galdei-
reiro para o porto de embarque com artnacflo pa-
ra venda e commodos para morar familia : na pra-
ga da Independencia livrarla ns. 6e 8.
^CHAPEOS DESOLH
Rua do Passeio, n. 5
Od que pevincha para o amavcl o respeitavcl pu-
blico : novas sedas da melhor qualidade quo se po-
de fabricar, por serem de incommenda e da melhor
fabrica do Franga, recedidas agora.
O fabricante desle estahelecimento adverte ao res-
pelavel publico desla cidade que elle possue pre-
sentemente um rico sortimento de chapeos de sol,
assim como chapos de sol de seda furia-cores, dos
mais ricos que tecm apparecido nesto mercado, o do
cores conhecidas ; ditos para senhoras do bom tom.
adamascados, lavrados.com suas competentes fran-
jas de retroz, ludo quo tem do rr.ais moderno o do
melhor goslo ; um completo sortimento de chapos
de sol de panninho de todas as cores e de todos os
tamanhos, para homens, senhoras e meninos : ha
tambem igual sortimento de fazendas para cobrir ar-
maces, lano de sodas de cores, como de panninhos
trancadose lisos imitando seda. Adverte-se que os
freguezes sero servidos com brovidado, e so acha-
rflo satisfoilos da boa qualidade, do bom gosto e do
bom prego.
Fabrica franceza no ultimo gosto de Pars en *
Pcrnambuco.
I.ourengo Pug, marecneiro francez na rua Nova,
n. 45,bem conhecido das pessoas notaves desla capi-
lal, por fabricar trastes do ultimo gosto avisa aos
seus numerosos freguezes e geralmenlc a todo o
respeitavcl publico pernambucano que j Ihe den
tantas provas de ser amante do bom goslo quo ol-
io tom augmentado sua fabrica e q\ie esta habilita-
do para emprehender qualquer mobilia que ao ihe
encoimnendar. As arles vflo de par com a civlsa-
g3o, quanlo mais um povo he civilisado, quanlo mais
os artistas devein produzir obras finas e delicadas ;
uesle sentido o annunciante empregar lodos os
seus csforgos para satisl'azer a todas as pessoas que
so quizorem ulilisar do sou presumo. Na mesnia ca-
sa fazem cortinados para cama a franceza.
Pedo-so encarecidamente a pessoa, que por
engao tirou do corrcio urna carta viuda do norte
para Leonardo Ferreira Lima, que baja de a entre-
gar na rua do Padre-Florianno, n. 26.
Lotera do llicatro publico.
Nflo obstante a morosidade que tem havido na ven-
da dos bilhetes da ultima torga parte da 18. lotera,
lodavia o thesourero, desejoso de fazer andar as res-
pectivas rodas o mais breve possivel, convida o ro-
sa aos amadores deste jogo que se apressem a com-
prar o resto dos bilhetes que existoni.afim de que.al
o lim do correnle mcz.e quando muito no principio
do fevereiro prximo futuro, possa ser marcado o
dia nfallivel do referido andamento.


rj lilil I I I I I I
' c ~T''reciga-so de urna ama forra, ou escrava para
ozinhsr o diario de urna casa depouca familia : na
ua ua Cadeia do Recife, n. 20. segundo andar.
-- C em annuncioo querer comprar o livro Tem-
poral e eterno, dirija-se na do Mundo-Novo,
n. 30.
Aluga-se um preto coziiheiro : na ra Impe-
la! i^nda da esquina, confronte da matriz nova.
I'n-.iiss se de um homem forro para Ira ha I liar
em una fabrica : na ra da Ciidoia-Veiha, n. 9.
Kurtaram, em principios deste mez, um relo-
gio de our saboneta horizontal, esmaltado, ten-
do de um lado dous macacos e do outro urna aguia ;
tem o mostrador de prata ou pUtilha ponleiros
de ouro, e he do segundos ; lambem levaram a
caixa do mesmo, sendo encarnada com enfeiles dou-
rados, (endo dentro um vidro de sobrecalent e
urna chave. Roga-se quem fr florecido que o
tome o leve a ra do Crespo, n. 10, primoiro andar ,
quosor recompensado.
-Ricardo Dias Ferreira, Jos Ferreira e Joaquim
ileOlivcira, subditos portuguez retiram-so para
tora da provincia.
Marianno Carneiro daCunha embarca para os
portos oiul oscuescravocrioulo, de nomo Fran-
cisco.
--Olivcira-lrmaos & 0. embarcan! para o Rio-do-
Janeiro o prelo de nomo Antonio.
iJ8*
Compras.
Vende-se multo superior lagedo de Lisboa, e
cal virgem em harria de arrobas, por mdico prego:
na ra do Vigario, n. 19.
VIgodo trancado da fabrica
de Todos-os-Santos da
ltahia ,
muito proprio para saceos deassucar e roupa de es-
cravos : vende-se em casa de" N. 0. Biober & Com-
panhia na ra da Cruz, n. 4.
CIIA'BRASILEIRO.
Vende-se.ou armazem de molhados atrs do
Corpo-Santo, n. 66, o mais escolente cha produzi-
do em S.-Paulo que tem vindo a este mercado
por prego muito commodo. .
Presuntos.
Vendem-se superiores presuntos
fiambre, cliegados o ultimo navio
inglezes para
no armazem
Compra-se urna escrava at 23 annos, que saiha
en^ommar e cozinhar : na praga do Commercio, n.
2, ou na roa do Rangel, n. 11, segundo andar.
--Compram-se garrafas vasias pelas o compr-
das : ni ra do Padre-Florianno venda n. 2.
Compra-se urna casa terrea nos bairros da Boa-
Vista e.S.-Antonio, uno sendo em becco, ou rifa ex-
quisita cujo valor chegue at 800,000 rs. quem
tiverannuncie.
Vendas.
Lotera do Uio-de-Janeiro.
Aos 20.-000^000 de i s.
Na prago da Independencia, n. 37, vendom-se bi-
lhctes, meios, quartos, oitavos e vigsimos da lo-
tera do Rin-de-Janciro. S1o poucose bous, a elles
antes que se acabem.
A bordo do briguo Amoiim, fondeado defronto
do Forte do-Maltes, vende-se boa firiuba de man-
dioca cmalqueires e saccas por prego commolo :
a tratar a bordo do mosmo ou em casa do A mo-
rim li hijos ra da Cadeia n. 39.
Vendu-mse, na ra do Trapiche, no armazem de
Raymod & C, defronte do llotel-Pislor, queijos do
Alinas ,de ti i lere tes pregos.
Vinhos da Figuelra,
de ptima qualidade, a prego de 1,200 rs. a caada,
e a 160 rs a garrafa ; e para no haver dolo do com-
prador ser.1o lacradas as garrafas e com rotulo, re-
cebendo-se a garrafa vasia, e dando-se immediata-
mente a outra cheia : lambem ha barris muito pe-
queos proprios para quem passa a festa. O pro-
pietario deste estabelecimento pede encarecida-
mente que se nSo illudam avallando, pelo diminuto
prego e sem conhecimenln de causa a qualidade de
sua fazenda digna por certo da estima dos verda-
deros amantes da boa pinga. Elle conta que quem
urna vez provar, continuar com gosto e sem arre-
pendimento. E o bom proco !! .' A todo o exposto
accresce o asseio e boro acondicionamento o que
tudo*e poder verificar em dito estabelecimento.
Cigarrilhos de palha de milho.
Chegou do Bio-de-Janeiro, no vapor Paraen-
te, una porgflo destes deliciosos cigarrilhos, os
quacs se lornam muito recommendaveis aos bons
fumantes pela sua superior qualidade, o n.ln faze-
rcm mal ao peilo : vende-se no Recife, atrs do Cor-
po-Santo, armazem de moldados, n C6.
Vende-se na foja n. 5 A da ruado
Crespo, ao p do arco de Santo-Antonio,
urna porcao de retroz do Porto, preto ,
azule decores, de primeira sorte, a n
rs. a libra e a ioors. a oitava: a elle, an-
tes que se acabem.
--Vende-se urna arroba de pennas de cma pro-
prias para espadadores; urna porgflo de esleirs de
palha do carnauba muito grandes e bem feilas; 7
couros de onga : ludo por prego commodo: na ra
do Queimado, loja do ferragens, n. 10.
Vende-se urna grade de pinito, de
nove palmos de comprimento e quatro
de largura : na ra de Hortas, n. 70.
Vendem-se couros de cabra, mcios de sola ta-
mancos sapalose bolins : lado por prego rommo-
do tiint .1 retalli como cin pcrgio : na ra do L-
vramenlo, na entrada do becco do Padre loja de
couros 1I0 urna s porta.
Yeridc-se una porcao de esleirs
d'Angala, grandes e pequeas : a tratar
com J. F. di Costa Hoxo, na ra-do
Crespo, n. 10, primeiio andar.
do Uraguoz ao pe do arco da Conceigflo.
FARELO EM SACCAS DE 90 LIBRAS :
vende-se no armazem de Vicente Ferreira da Costa
na ra da Madre-de-Deos, a 3,500 rs.
Taixas para engenho.
Na fundigo de ferro da ra do Uro ni, ach-so a
vemla um completo sortimento de taixas de 4 a 8
palmos de bocea, por prego commodo, e com promp-
tidflo embarca-so, ou carrega-soem carros sem dcs-
pezas ao comprador.
Vendem-se semeas em saccas muito 'grandes,
a 4,500 rs.: na ra da Madre-de-Deos, armazem de
Vicente Ferreira da Costa.
Vende-se vinho do Porto, muito superior, e
de nutras qualidades em barris de quarlo, quinto,
se\lo, stimo oitavo eem pipas, por prego muito
commodo na ra do Vigario armazem de Fran-
cisco Alves da Cuhha, n. 11.
Madeira de pinho.
Na ra de Appollo, pegado ao armazem do Sr.
Molla, ha um novo armazem com madeira do pi-
nho da melhor qualidade que tem vindo a este mer-
cado e serrado de todas as grossuras o compriinon-
los : vende-se pelo menor prego que ho possivel.
Vende-se a verdadeira potassa da
Russia, desembarcada limito ni, por pre-
co muito rasoavel, vista de sua muito
superior qualidade : na ruado Trapiche,
n. 17, e ra da Cadeia, n. .Vi.
Vendem-se barriquinhas com cal virgem de
Lisboa, muito nova ; fechaduras para portas de
irmazem ; relroz do Porto ; bfrris com nica Irfio da
Suecia ; por prego commodo : na na do Vigario ,
n. ti, armazem de Francisco Alvesda Cunta.
NOVIDAE.
VERDE VI.M10.
No armazem da ra da Madre-de-Bcos, n. 3C, aca-
ba de chegar (para especuladlo; pelo brlguc Ventura-
Feliz, recenlemente chegado do porlo, o mais ex-
cedente vinho verde, paraos amantes se refresca-
rem com este gole: mandem a elle, cniquanto se
nSo acaba, por ser una s pipa ; e para nflo esoan-
dalisar os unanles e freguezos, no so altera o prego
de 160 por garrafa.
Vendem-se taboas antetica
as ateo palmos de largura
e delodos oscomprimcntos.quo ha muito temponlo
loem vindo e os frepuezescxperinientando a falta
dcsla exeelli ule qualidade. A ellas que sio poucas e
o prego he barato. Atrs do thealro, armazem jun-
to a mar, de Joaquim Lopes de Almcida.
Farelo,
embarrices a 4,000 rs.; saccas grandes, a 3,50o
rs., ditas pequeas a 2,800 rs : no armazem de J.
J. Tasso Jnior, na ra do Amorim, n. 3.
Potassa.
Desembaj'cou lia poucos dias urna por-
cao de barris pequeos, com muito nova
e superior potassa, e se acham venda,
por preco mais barato do que ltima-
mente se vendia, na ra da Cadeia-Velba,
armazem de Bailar ckliveira, n. 13.
FARELO
em saccas muito grandes,
a 3s'6oo rs. a sacca:
no armazem do Braguezao p do arco da Conceigflo
Vende-se a verdadeira e muito superior fan-
nha SSSF, a relalho e em porgflo ; dita de outros au-
tores j na ra do Vigario, armazem do Francisco Al-
ves da Cunta, n-. 11.
' Vendem-se saceos com farelo,
chegados ltimamente, pelo diminuto
preco de 3,4oo rs.: na ra da Sanzalla-
Velha, n. i38.
~ Na ra do Crespo loja de 4 portas n. 12, ven-
dem-se chapeas de castor pretos, de muito boa qua-
lidade a 4,4Wrs.
No depsito de Me. Calmonl & Companbia na
ra de Apollo, armazem n. 6, acba-se constante-
mente grande sortimehlo de ferragens inglezas para
engenhos do assucar corro sejam : taixas de ferro
coado de difTercnles modelos, os mais modernos;
ditas de ferro balido ; moemlas de forro do mode-
lo adoptado para armar em madeira; ditos todas
de ferro, tanto para agoa como para animaes; ma-
chinas de vapor de frga de quatro cavallos e de al-
ta presso o mais moderno esimples que be possi-
vel ; repartideiras ; espumadeiras ; resfriaderas de
ferro eslanhado; formas de ferro: ludo por prego
commodo.
Agencia da fundico
Low-Moor, ra da Senzalla-
Vendem-se sapatos de couro de lustro, para
meninas de 8 a 12 annos a 1,930 rs.; ditos para se-
nhora a 2,800 rs.; bnrzeguins gaspeados, a 4,500
is.; sapatos de cordovo para meninas de 8 a 12an-
nos a 1,280 rs.; sapatoes de tres solas a 1,000 rs.:
no Atorro-da-Boa-Vista, loja n. 78.
Taboado de pinito da Suecia,
de 10 a 55 palmos
de comprimento o melhor que tem chegado a este
mercado, em razlto de se poder envernizarem qual-
3nerohra por litio ler nos e ser muito alvo sen-
u costado, cosladinho, assoalho, forro e para fun-
dos de barricas : vende-se a preco que o comprador
far todo o negoeio: atrs do thealro, armazem de
Joaquim Lopes de Almeida. *
Vende-se ca virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do que em outra qual-
quer parte: na ra do Trapiche, arma-
zem n. 17.
Vendem-sc tres quartaos e um bom
cavado de sella: no sitio da Crut-das-
Alinas, defronle do tainariuciro, junio
estrada que segu para Olinda.
Fabrica de Todos-os-Santos.
Firmino Jos F. da Rosa com escriptorio na ra
do Trapiche, n. 44, avisa aos scus freguezes que aca-
ba de recol'er pela escuna Curiosa novo sortimen-
to do excedente panno de algodflo entrangsdo da-
quella fabrica ptimo para enaaccar assucar e pa-
ra roupa de esravos. O aqnunciante conta que,
alm da fazenda, o desojo de animar o desenvolvi-
mento de urna- fabrica inteiramente nacional., pro-
mover o prompto consumo da sua receita.
Chitas baratas.
Na ra do Livramento, n. 14, vendem-se chitas fi-
nas e de bonitos padrOes t nove vinlens o covado ;
cortes decassa de bonitos padrOes e bom gosto, a
3,260 rs. o corle.
Vendem-se 5 vaceas e urna pnrgflo de cabras
do muito boa qualidade vindas do Cabo-Verde, por
preco commodo : no Aterro-da-Doa-Vista padaria
do Sr. Barrillier.
Vende-se cal virgem de Lisboa, de superior
qualidade em barris de 4 arrobas chegada neste
mez pelo bi igue Maria-Jotc : a tratar na ra do
Rrum armazem do Antonio Augusto da Fonseca ,
ou na ra do Vigario, n. 19.
Atlencao.
Na ra da Cadeia do Becife, n. 55, vende-se I
piola anda moga de bonita (gura,que cose.engom-
ina coziiiba o diario de urna casa o faz rende mui-
to bem : o motiv por que so vende so dir ao com-
prador.
nova, n. 4S.
Neste estobelecimento contina a ha-
ver um completo sortimento de rooendas
e meias moendas, para cngenbo; ma-
chinas de vapor,e tachas de ferro batido e
Jcoado, de todos os tamanhos, para dito.
Na padaria da ra da Goia, no Recife haver
todos os dias a venda o novopfio de Provenga fa-
bricado por outro modo que o actual e da melhor
farinha que ha no mercado : por osle motivo nao se
pode fazer senSo a 40. 80 e 160 rs.
Vende-se a loja de alfaiate do Aterro-da-Roa-
Vista na esquina do becco, s eom a armagSo, e
propria para fazendas ou miudezas; lambem tem.
commodos para familia : a tratar na mesura loja.
Vende-se a venda da ra do Apollo, o. 21, com
poneos fundos: quem a pretender, dirija-sea ra da
Madre-de-Deos, tratar com -Vicente Ferreira da
Costa.
Vende-se a venda n. 60 da Passagem-d a-Magda-
lena com poucos fundos, muito afreguezada e seu
alugucl ho muito em conta: a tratar na mesma
venda.
Vendem-se superiores charutos de
lia vana, em casa de J. O. Klster, na
ra da Cruz, n. 5i.
Vende-se muito superior farinha,
em saccas, desembarcada hoje do brigue
Amorim, vindo da Babia, por preco com-
modo : no armazem de Dias Ferreira,
no enes da Alfandega.
Vende-so tima bomba de cobre em bom uso,
propria para cacimba : na ra larga do Itozario '.
n. 20.
No armazem de louga vidrada da ra do Encan-
Jamenlo n. 3, vende-se palha de Angola longa vi-
drada um pouco de painso c doces de todas as qua-
lidades : tudo por prego commodo.
Vemlem-se ptimas pennus de ema : na ra da
Cadeia do Recite, n. 56.
Vendem-se saccas com farinha de mandioca ,
de boa qualidade c saccas grandes, por prego com-
modo : na rua da Cadeia do Recife, n. 19.
-- Vende-se lijlo de ladrilho, dito de alvenaria
batida tapamenlo e telha,tudode barro do Mon-
leiro pelo mesmo prego que se vende as olarias :
tambem se manda conduzir tanto por Ierra como
embarcado no lim do Becco-Largo, no Recife, jun-
io a taixas No mesmo lugar tambem se vepde bar-
ro, cal branca o preta, e botam-sc canoas do areia
para obras.
Vende-se urna rica e muito bem feita armag.to
deamarello toda forrada de louro o envidragada ,
a qual foi feita pelo finado Tresse, propria para loja
de fazendas ou miudezas ; una grande rede de pes-
cara de maia de carnario : tudo por prego commo-
do: lambem havendo quem queira comprar a ar-
mago c tirar na mesma loja se traspassar' a cha-
ve cujo alugucl he muito mdico, e tem commo-
dos para familia : a tratar no Alerro-da-Boa-Vista
n. 17.
Vendem-so saccas com feij3o, por prego com-
modo : no paleo do Puraizo, n. 24.
Vendem-se saccas de l'oijio mulalinho muito
sSo ditas do mil ho, por prego commodo : na venda
do caes do Bamos.
Vende-se urna cadeirinba do arruar, por pre-
go commodo ; um rologio iuglez dolparede, pti-
mo regulador: na rua do Pilar n. 147, terceiro an-
dar.
Vende-se um moleclo de nago proprio para
urna parellia de cadoirinba por prego niiiilo em
conta por se ler preciaSo : na rua da S.-Cruz, n. 5,
ou na rua da Mangueira, n. 16.
Vendem-se duas escravas de 16 a 29 annos, com
exccllenles habilidades : na rua de Borlas, n, 52, se
dir quem vende.
Vendem-se dous relogioa sabonetes sendo
um de ouro e outro de prata .plintos reguladores ,
por prego commodo por seu dono lor de retirar-se
para fra;: na Tua larga do Rozarlo, loja_h. 26.
Vendem-se 8 lindos ir.oleques de naglo ecriou-
los, de 8 a 18 annos, sem vicios; um lindo mu
mos para todo o servigo^Tdilo de meia dade e
preta boa ven>deira do yT; 1 dita de meia ,ia,i*
que cngnmma,costaba muito bem ecose; urna ni
hrinba de 10 annos, que cose muito bem : na rui ,u
Vigario, n. 24. uo
Excedente petsco.
Vendem-se ovas do serillo, multo frescaes nn
prego commodo : na rua do Queimado, loja d t.J
ragoos, n. 10. | '"'
Vende-ae urna carteira em bom uso, da dmi
s face ; 2 livros que serven) para jornal e corren
tes de qualquer casa de coinmercio ; 18 libras de |1
hha do Parto muito superior : tudo ae "Vende or
seu dono retirar-so : na rua Nova, sobrado n. 56.
Vendem-se duas pretas, urna de 16 a 18 annos
de na gao Angola que cozinha alguma cousa, |v
de sabSo e bu todo o mais servigo de urna casa
outra be quitandeira lava desabSo, cozinha e cose
chSo: vendem-se por seu dono le.r de ratlrar-se
para fra d provincia : na rua Nova, sobrado n. 56
Vendem-se meias de algodSo dobrado, feiuu
no Porto ; cera em velas muito purificada ; brincos
de filagrana, do ultimo gosio da repblica trancen
urna preta robusta, por prego commodo: na ruidt
Praia, n. 37.
Vendem-se queijos londrino os mais frescaes
que ha no mercado; massas finas a 320 rs. a libra
chocolate de canella, fino e de Lisboa; latas com sar- i
dlnhas ; azeite doce fino, por prego commodo; ni
rua da Cruz, n. 62
Vende-ae, na serrara da Ponle-Velha, costado
cosladinho, assoalhoe forro de amarello e louro;
coatado de oleo ; urna porg&o de refugo de louro'
mais em conta do que em outra qualquer serrarii.
Na mesma se precisa de dous serradores.
Ferro
de todas* as qualidades e dimensrtes, em barra, ver-
galhSo, vcrgui'nba, arcos o chapa por prego com
modo : na rua da Madre-de-Deos, armazem n. 26.
Vende-se um escravo proprio para todo o servi-
go, de bonita vista, de 30 annos pouco mais on me-
nos por prego commodo: na rua do Queimado
loja de ferragens, n. 10. '
Vende-se, para liquidaeSo de cqntas cera de
carnauba, por prego commodo : na rua da Cadeia-
Velhi, n. 8.
Vende-se pouco mais de melado do engenho
Paratibe muilo prximo a esta praga com boas
Ierras, sendo que a outra parte perlence a dous her-
deiros que talvez venham tambem a dispr d'ella ; a
que ora ae oflerece, ser vendida pelo mesmo prego
por que fra dada aos actuaea possuidores que sao
lambem dous herdeiros : se os prelendentes quize-
rem igualmente comprar a safra que existe, selhe
far toda conveniencia : no Atarro-da-Boa-Vista, ao
p do cutileiro francez, ou ua loja do Sr Joflo Hon-
riques da Silva na esquina da rua do Collegio.
Vende-se um bom cavado rugo; 70 saceos que
foram de assucar, anda quasi novos: tudo por ba-
rato prego : na rua da Concordia segunda casi do
lado esquerdo,, ao entrar pela ponlezinha.
Fejao mulalinho
muito novo eom saccas : na rua da Cruz, no Reci-
fe, armazem n. 13.
Queijos de IIhas ,
por menos prego do que em outra qualquer parla;
a* rua da Crua, no Recife, armazem n. ir
Vende-se una porgflo de barris que foram de
oleo de linbaga : na rua larga do Rozario botica de
liarlholomeu Francisco de Souza, n. 36.
Escravos Fgidos
Fugio urna preta de nome Victorina represen-
ta 30 anuos; tem osolhossvermelhadoi, rosto com-
prido bastante preta, estatura regular, cheia do
corpo seio grande; tem um carogoao p do coto-
vello do brago direto ; tem um modo de andar de
papagaio ; levou dous vestidos, um de Chita azul
desbotado e outro de chita preta velho, e panno da
Costa novo guarnec do de traleniea i quem i prgir
leve-a a casa do mejor Mayer que sera lecomfcn-
sado.
Fugiram, ao amanhecer do da 13 do correnle,
do engenho novo da Noruega freguezia Ida Escada,
do commandante superior Manoel iThom de Jess,
2 escravos, um de nome Braz crioulo, de 32 an-
uos pouco mais ou menos alto, cheio do corpo, is-
to he, de boa grossura, bem feito, com pouca bar-
ba rosto a propnrgflq do corpo, olbos um linio
vivos : e a preta de nome Gatharina de naglo An-
gola do 30 a 40annos, alta de bom -corpo : am-
bos casados porm nflo um com outro porque o
tal preto levou esta prela que he casada com outro:
quem os pegar leve-os ao dito Sr. cima que gra-
tificara com 50,000 rs.
Hesappareceu, no da 7 do corrente, urna es-
crava de nome Dorothea, crioula,muito preta, de l
asnos ', meia alta ; tem urna glndula airas de urna
das orelhas ; levou vestido de chita de palmas gran-
des ; nfio tem costumede fugir, se suppOe, por isso,
que fosso seduzida, ou ludada pelo que se pro-
tosa contra quem a liver ooculta. Roga-se as auto-
ridades policiaes e capilfiea de campo, que a appre-
liendam elevem-na ao silio que lica na travo* da
Casa-Forte para o Arralal, que sero gratificados.
Fugio, no dio 10 do corrente urna escrava
parda de nome Mara baixa, cheia do corpo,, ca-
bellos cacheados, semblante carrancudo; levou ves-
tido encarnado com flores smarellas, panno da cos-
ta, e sapatos do roarroquim verde ; tem em um olho
um signal e alguna outros pelos peitos; suppdf-se
ter sido seduzida : quem a pegar leve-a a rni do
Queimado, n. 52, segundo andar, a seu senlior,
Jos da Costa e Silva que recompensar. Adverte-
se quoa dita parda tem outros signaos, no hombro
esquerdo e entre as peitos dous ditos levou lam-
bem brincos de metal iuglez.
ERRATA.
No finJ da acta da cmara, publicada honlein, aatc
das^Jsignaluras, accroscente-se o seguidle :
Declaro em lempo que o ofllcio do Sr. vercador
Francisco Antonio d' Oliveira nflo foi lido em s*"**"0
de 29 do Janeiro, embora n'osse mesmo dia fs>o
entregue ao aecretario, sendo por slo julgado isonto
da multa. Eu, Joflo Jos Ferreira d'Aguiar, secretario
o jubscrovi.______, t. ^_____
1
tinho de 14 annos ; 5 pretos de20 a SOacinos opli-l iCMt- N TT',i '. DI TARIA.o49


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMKBD1M0Z_29PV2J INGEST_TIME 2013-04-13T02:23:16Z PACKAGE AA00011611_06443
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES