Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06441


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*
Auno XXV.
Quinta-feira IS
O U/.M/Opn'jUci-J* todos os diai que nao
forem^de vaaVdn. O preeo da asignatura he
de45000 rs. porq.iarlel, yUnnladot O
,u..cios dos sanante, sao inseridos
raso de 20 rs. por liaba, 40 M. n 'W0,^'
renle, cas rrpellcoe. pela metade. Ortifcl
LlManlr. p3arao 80 rs. por liuha e 160 r.
Z fy^differeole. por cada publicas.
PHASES DA LA NO MEZ DF. FEVEHE1BO.
I m chei.a 7, s 8 horas e 56 min. da inanh.
mM$\&. ll.or.esSiulo.dawejfc.
ua'uoya, a 13, a 11 horas e lOmta. da lare.
PARTIDA DOS CORRUOS.
Goi.innae Parahiba, is sega, e afxtti-feiras.
Rio-G.-do-Norte, quint.is-lelras aomeio-dia.
Cabo, Seiinhein, Rlo-Fornoso, Porto-Calvo
Macelo, no 1." a II e 21 de'cada mez.
Garauhuns e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flores, a 13 e28.
Victoria, as qdintas-feiras.
OliuUa, todos o da*.
rREAMAR DE BOJE.
Primeira, ilO horas e 54 minutos da niaub.
Segunda, s 11 horas e 18 minutos da tard
de Fevereiro de 1849.
.N 56.
s.
MAS DA SEMANA.
12 Segunda. S. Eulalia. Aud. doJ. dosorph.,
doJ.dociv.edo J.M.'da2. v.
13 Terca. S. Gregorio. Aud. doJ.doc.da 1.
v. e do J. de pa do 2. dist. de t.
14 Quarta. S. Valcnlini. Aud. do J. do c.
da i. v.cdol. de pudo2. dial, de t.
1.) Quiuta. S.Faustino. Aud.do J.dos orph. e
doJ.M.dal.v.
16 Sexta. Porfirio. Aud. do J. do civ. c do
J. depaido 1. dist. de t.
17 Sahbado. S. Silvlno. Aud. doJ. do c.
dal. v..' do J. de paz do 2. dlt. del.
18 ttamlngo. S. Tfaeotonlo.
CAMBIOS NO DA 14 DE FEVEREIRO.
Sobre Londres a 20 d. por I/G00 rs. a60 dlai.
, Pars
, Lisboa 108 por cenlo de premio.
i Rio-de-Janeiro no par.
Dase, de lett. de boas firmas a IV. % ao me.
Acces da comp. de Beberibc. a 50* IMJJf.
C/uro.-Oncas bespanholas. 29/500 a JQJM0
. Mocdas de fl/400 v. 17/300 a 17>W
, do 6/400 n. 16/200 a I6/40J
. de4/000.... 9/200 a 9#W
PraU- P.tacoei braalleiro 1/960 a i/jet
Peao coliiinuarios. 1/960 a 1/W
. Dito, mexicano...... 1/880 a 1/900
10 DE PE
~B-S.
PARTE OFFICfAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 18 DE FEVEflEinO.
(i(Tirio.Ao commandante das armas,remetiendo,
par |er o um convertierte, a guia do soldado do 6.*
Ltalbflo de cacadores, Antonio Manuel Lomba, o
ua! achava-seem diligencia no Marart.flo.e rogres-
poii nara esta provincia no vapor Imperador.
Dito _Ao agente da companhia dos barcas de va-
nor recottimendando mande dar pass.gcm para a
corto no vapor Imperador, por eonta do governo, ao
cVllIIo do 3. batalhao de cacadores, Joflo Taborda
da Silva '*, o ao 2. lente da companhia de
rlifices, Traj.no Alipio de Carvalho Mendonc..-
Parlicipou-se ao commandante da armaa.
Dito -Ao chefe de polica, recommendando a
eii.edicno das convenientes ordena para ser cap-
turado o imperial marinheiro. Benedicto Jos da
Silva pcrtencCnto a corvla Euterp, e cujos signaes
caractersticos constam da ola que remelle, o qual
desr-rlou da fortaleza do Brum-Comrounlcon-se
ao commandante da corveta mencionada.
Dito -Ao juiz de direito da Uoa-Vista, aecusando
recebido o ollicio coi que Smc o felicita por haver
tomado cunta da administrado desta provincia, e
.cradecr-ndo-lhe os lermos obsequiosos cm que o
nVesmo officio se acba concebido.
Dito -Ao inspector da tliesouraria da azenda pro-
vincial, declarando que, nao lando a viuya do ex-
thesoureiro da administraeflo do patrimonio dos or-
pl.os, l.uiz Ignacio Ribero Roma, entrado para o
respectivo cofre com a quant.a cm que ficou elle I-
cancado, ordena Smc- I08' Scm ,'Crd" d,8 lemp'
faca promover a cobraba dessa quanlia pelos meios
COnilolInAoS'mcsmo, ordenando mande adiantarao
administrador das obras do Iheatro publico desta
cidade a quantia de 1:000,000 roa para pagamento
das ferias dos trabajadores, empregados as refe-
ridas obras. Scienliflcou-so o udminislrador do
mencionado Iheatro.
Dito Ao ioapeclor da ragadona miIttar.Mleter
minando que, i vista da conta quo remelle em du-
plcala, pague a Joflo Augusto Pessa a quantia de
821 710 ris, importancia de quatrocentas camisas
c otras tantas calas que elle brneceu para os du-
rentos prisioneiros qne seguiram para a corte a
bordo do vapor D. Affonto, e do mais trinta camisas
que.se Ibe compra rain para os rebeldes feridos que
se achara na enfermara do mencionado arsenal.
Inteirou-se o inspector do arsenal do-mar.nna.
Dito Ao juiz de direilo da comarca da Boa-Vista,
accuandoa recepgflo do olUcio em que Smc. presta
as infrmaseos exigidas pelo artigo 38 do regula-
monto n. 120 de 31 do Janeiro de 18*2, e recommon-
dando quo use de toda a prudencia para manter a
harmona que, a bem da administrarlo da juslic,a
e conscrvacllo da ordem publica, mmlo conven que
exista entre as diversas autoridades e empregados
pblicos. ,.,..
Portara.-Exonerando da administrado do pa-
trimonio dos orphflos a Jos Machado Freir Pereira
da Silva, Francisco Simes da Silva, Jos Hygmodc
Miranda e Nuno Mara do Seixas, o nomeando para
os substituir como presidente olir. Jos Bento da
Cunba Fguciredo, socretario Joflo francisco do
Cliaby, tbesoureiio Domingos AlVouso Nery Ferrci-
r*. voaaes Antonio Rodrigues de Almeida e Fran-
cisco Antonio de Oliveira.-Expediram-se as conve-
nientes parlicipaces.
Dita Nomeando urna comm.ssao composla dos
Srs. inspector da lliesouraria da fazenda provincial,
como presidente, do procurador fiscal o do oflicial-
maior da megma, para lomar conUs a administra-
clo do patrimonio dos orphflos que acaba da ser ex-
onerada.-Fizeram-se as part.cipacOes do ostylo.
Appellante, Manoel Caetano de Goveia appellado,
Cerworl Powel a Pnor.-ConOtmaram a senlenja.
Appellante, o juizo ; appollado, Luiz Gonzaga deMe-
nozea Lira.- Mandaram ouvir ao Dr. curador geral
e o Se' desembargador procurador da corda.
Appellante, Joflo Francisca do-4>li.eira ; appellado.
Manoel Joaqun Perelra.-PWm recebido o, em-
baro-oa desloa reformado oaccordam embargado.
Appellante, Manoel Pereira Cuimarfles PP,j;
Agostinhollenrique da Silva. Mandaram descer
ao juizo a quo para se decidirem os embargos.
AppeLntes, Antonio Joaqun. Ferre.ra uoSouzo e
outros ; appellado, Caudmo Agoslinho de Barros.
FOrm desprezados os embargos dos appel-
Isnlcs
Appellaato, Mara Anglica Carneiro de Sampaio;
appellado, Antonio do Santiago Paos deel--
Fdram desprezados os embargos P|Pel,Am
Appellante, o juizo; appellados, Joflo Keller c. Com-
panhia. Fol reformada a scnlenca.
Appellante, o juizo; appellado, Antomo F.lippe de
Barros. Confirmaran a sentenga.
Appellante, o juizo; ppellada, Francisca Mana de
Jess. Confirmaran! i sentenca.
Appollanle, Vicente Jos Gomes; appellado, Jos Es-
tanislao Ferreira.-Beforraaram a menea
Appellante, Antonio Pinto de Azevedo ; aP|e lado.
aviuva herdeiros de Ignacio (ranciseo I ereiro
Dulra. -Julgaram a desistencia.
Appellaule o juizo do ausentes desta cidade; appcl-
'lado, Jos'Aionioda Costa Cuimarfles. Julga-
ram incompetente o juizo de ttUSe"le: onto. .
Aonellanle D Anua Joaquina do Nascimento; ap-
^elladDini'z Antonio d"e Moracs Silva.-Reforma-
ApVXK^rcel.ino Jos Lopes ; a pp.lh.do .Ma-
noel Elias de Moura. -Connrmaram asenlenca.
Foi assignado o primeiro da ulil para serem jul-
gad.s as seguintes appcllacoes c.veis em quo sao :
A peante, Ltiiz do Reg Mooteiro ; .ppallado, Ma-
ApnX?^n?isTSS0da Fonsoca ; aPpe,.a-
JftrJlSVSR penado, Manoe,
3SX Krenco Jos da. Neves; appellados,
Me. Calmont & Companhia. ,. i-
Appellante, o juizo; appellado, Juaqu.m Marques de
ApplTanfe, Jos da Silva Carneiro Cuimarfles; ap-
pellado, Leopoldo Cayo de Mello Cuararma.
Appellanle,' Joaquim Antonio do Amonm ; appella-
do Claudio Pereira da Costa.
c Revieses.
TRIBUNAL DA RELACAO.
SESSAO EM 13DEFEVEBEIR0DE1849.
PaCSIDCNCIA DO XM. Sfr. C0NCELHEIRO AZEVBDO.
Estando presentes os Srs.desembargadores Ponce,
Ramos, Villares. Bastos, Leflo, Souzae Rbello. rl-
lando com causa o Sr. desembargador A y res, abno-
M) a sessflo pe'"*llcz horas. ..... "
O Sr. presidente aprescnlou, c foi lulo, un ollicio
do Exm. presidente da provincia, participando haver
S. M. o Imperador removido ao juiz municipal V-
neto Aurelio da Cuqha Coveia da cidade de coianna
para o termo da Maioridade, na provincia do Rio-
Grande- dp Norle.
Julgamenloe.
Foramproposlasejulgadas asseguinles appella-
(Oes civeis em que sao :
Appellante, HenriqueMerge ; appellado, Ignacio Jo-
s de Mello.-Receberam-seos embargos do appel-
lado.
Appellanle, Christovao Dionisio do Barros; appella-
do, Caotano Pereira Gopqalves da Cunba. Man-
daram proceder na liabilitacao dos herdeiros do
fallecido appellado.
Appellante, Pommaleau ; ;appellado, r.Poirler.
Desprczaram os embargos do appellante
Passaram do Sr. desembargador Ponce a o Sr des-
embargador Ramos as seguintes appellacOes m que
sflo : ;
Appellanlo. D. Francisca da Cunba Bandeira de Mel-
lo ; appellado, Bernardo Antonio de Miranda.
Appellanle e appellados. Bernardo Lasserre &. Lom-
panhi e Bernordino Gomes do Carvalho.
Appellanle, D. abbade do mosteiro de San-Bcnto de
Olinda ; appellados, Manoel Camello Walceccr e
sua muler.
Appellante, Arcenio Fortunato da Silva; appellado,
Gabriel Antonio Penoa.
Passaram'do mesmo Sr. desembargador Ponce ao
Sr. desembargador Villares as seguintes appelIaces
em que sflo:
Appellante, Jos Francisco Collares; appellada, a fa-
zenda nacional. .. _.J
Appellantes, os herdeiros dojpadre Antonio 1 uerezo
de Oliveira Antones ; appellada a fazenda na-
cional.
Passaram do Sr. desembargador Ramos aoSr. des-
embargador Villares as seguinles appellacOes em
quo sflo:
Appellante, Jos Roberto doMoraes Silva ; appella-
do Chrislovo Starr. .
Appcllanto, o r.Sior Francisco Jos de MHo appel-
lada, Francisca Anglica do Sacramento.
Appellante, a viuva e herdeiros de Joflo Jos Velbo
Brrelo ; appellado, Jos l.uiz IVre,xa Ij";.
Appellante, Jaquim Francisco de Mello Cavalcanti
appellado, Manoel Elias de Moura. ,.,.,.
Appellanles,Mendes & Tarroso conio Pt0.cu"d"r^,^
D. Elena Perpetua ; appellado, Francisco da Silva
Medeiros. ., iinoi
Appellante, Joflo Pinto de Lemos; appellado, Manoel
Elias de Moura. In.j, cnn
Appellante. Joflo Vieira da Cunba; appellado, I ran
ciscojos da Costa. ntiB.
Appellanle. Manoel Jos Soares deAvellar, appclia
da.Manoela Francisca Monleiro eg4aa*- .
Appellantes, Amador de Araujo Pessoa de Mello o ou-
tros ; appellado, Jos Luiz Innocenoio I o ge.
Appellaule, Jos l'io Machado ; appellado, Bento Jo-
s de Moura.
Passou do mesmo Sr. desembargador Ramos ao
Sr. desembargador Souza a seguirte appellacao cm
que sflo
Psssarsm do Sr. desembargador Villeros jo Sr.
desemotrgador Bastos as seguintes appellacOes em
quasfio
Appellante, Anna Ellsabet Adella Poireon; appella-
- l, Alfonso Saint Martin. *in-*
Apneftanle, Jos Joaqun Gomes Duarte ; appeiiaoo,
Gaudino Agoslinho de Barros.
Appellanle, Agoslinho Fernanda. Cal.nho, de. Vas-
cuncellos; appellado, Joflo Frodenco de Abreu
ApS'nte.-loKo de Si Leitflo ; appellado, Joflo Edu-
ardo Chardon. ,.-.
Appellanle, Francisca Tbomazia daConceiQilo, ap-
pellado, Francisco da AssumpQflo l'orres.
Appellante, Jos Chixes de Moracs; appellada, Anna
Joaquina Litis. n_a_ ...
Appellanle, Joanns Ferreira de Goes; appellado, Ale-
jandre Jos da Conceicflo.
Appollanle, Francisco Leocadio Vieira ; appellado,
Ao^Xlr^D^rUnoz. de Souza Mag.lhfles por
si e como tulora do seus Cilios menores ; appella-
ApSiaSriutofo Beranger; appellado, Jos Anlo-
Appc0|.anter.CAnton-.o Joaquim de Puntes Lins, appel-
lado, Manoel Alves Guerra. .,mBI>. .>.,..
Appellante, Antonio Uommgues de Almo da I oCas,
appellados, Jos Beriiarmo Leal, oUr. curador
ApW'antoSuim Jos do Nascimento ; appe.la-
do, Filippe Lucas da Cunba Lima. annB.
Appellante; Bernardo Antonio de Miranda ; appella-
do, Thom Correa de Araujo. ., Ha
Appellante. Manoel Jos Consalves; appellado, Ma-
noel do Medeiros Muniz. mih,r
ADDoll.ntes, Antonio Perc.ra de Mello e sua mulner,
apelados, Joaquim Jos Ferre.ra ijw.
Appellanle, Antonio Lopes MMevM.eMO! appel-
lado. Antonio Joaqun de Almeida Cuedes Alean
AonTlate Praxedes.da Fonscca Coutinho ; appella-
AT aM.?iannaXJoqin. da Sig. V.M Cantar,
ros de Antonio da S Iva & G,ompanlna..
Anncl antes Francisco josMeira .u. mulhor .P-
Tlados Antonio Fernandes Lima esua mulhor.
Apenarte, Francisco de Sale. Mor.es Alves; appel-
&&SBSSr*l .PPeH.-, Jos
riher aDPellado Luiz do S Tcixeira Lims.
Ap, ellan.erJos Joaquim da Silva Maya ; appellado.
USii&n&lS** narboz. ; appellado,
Po nadre"nIonio Francisco de Sampeo.
Appel artes, Joflo Porfirio da Molla sua mulhcr;
annelado, Manoel Antonio dos Santos.
ApTellanC'o juizo crimo; appellado, Jos Antonio
Muricoca.
Passou doSr. desembargador'Bastos ao Sr des-
Recorrente, JoSo Marcellino Ribeiro ;
juizo.
Levantou-so a sessflo.
recorrido o
EXTERIOR.
LISBOA, 22 DE SETEMBRO DE 1848.
As theorias sflo uteis ou perniciosas, segundo os
resultados que produzem, ou que por mcio de urna
lgica conclusflo se suppOe devoren produzir, quan-
do sflo levadas a pratica. A sua bondade, pois, nflo
sodevo regular pela belleza dos principios que en-
cerram, mas sim pela possiblidade de melhorar a
condieflo dos objectos a qesc querem applicar.
Urna Iheoria, do formas bellas e encantadoras, yo-
ga hoje por toda essa Europa, fallando aos ouvidos
do povo urna lingoagem meliflua e seductora.
Esta theoria he o suffragio universal, que o* so-
cialistas pretendem se conceda snacoes, fundados
na rasSo de que, nflo havendo pessoa elguma iscnta
dos encargos do estado, dos tributos, ate mesmo do
bributo de sangue, todos os individuos sem exe-
cepeflo devem gozar do direilo de votar e ser volados
para os cargos do paiz, e tomar parle nos negocios
pblicos. ,
Esta questflo dove ser tratada de dous modos :
i o em relucSo ao direito quo devem gozar os di-
iTerentes individuos que compOem a socijdade : 2. ,
relativamente s conveniencias da sociedade em ge-
ral, e dos seus membros em particular.
lie mu grave o delicada esta materia para poder
ser tratada em um artigo de jornal, que subjeita or-
dinariamente o peusainento aos estroitos limites de
um laconismo toreado. ___
Faremos apenas algumas ligeiras consideracOes
sobre aquelles dous modos de tratara quesillo, fcs-
tabeleceremos, portante, alguna raciocinios que nos
parceam mais proprios par. tir.rmos a conelusao
lgica, quo faz a baso da nossa opiniflo sobre asta
""s covernos fdram estabelecidos para dar pro-
leccflo e seguransa a todos os membros da sociedad
contra os opnressores internos e os inimigos exter-
nos ; para azer respeilar o direito de propried.de.
omnmr. maior somraa.de felicidade fosunl
paVaa nacflc emgcral. Daqu. deduzem-se natural-
mente os tres seguintes coronarios: .._
i -Todos os individuos teein direito a suasogu-
ranca. o nflo pdem ser della esbulhados emqu.nlo
resreilarom nos outros esse mesmo direito.
2 Pesa sobretodos igual deverde se prestaren
aos encreos relativos esta segur.nca : tondo, pois,
obrigaeflo de defender o paiz contra os inimigos ex-
tornos; iato he, a lodos perlence pagar o Inbuto de
Sa3R-UTendo o governo necessidade de meios para
acudir s despezas ndispensave.s para mantoi .-
auella securanca, para dar garantras ao direito tte
Jnpr"od.de, e para promover o desenvolviento
dos interesses moraes o '^^JgXSll
encargo de fornecer estes m.os so pode liirnoi
ouepossuemalguma propnedade, Picando por con-
seguinte sontos dello os proletarios.
Se os encaros, pois, de urna n.Qflo nflo se cham
distribuidos ijuamente por toof os individuos que
compoem, antas ao f^J^^J^LZS^,
Appellante. a fazenda publica.das;Alog6as; appel-
lado, Malheus de Araujo camas mw |a compoem, antes ao pa 4^? -a-y ~~ Uo
que sao :
Appellante, o juizo de ausentes ; appellado, Antonio
a2BS>Si da fazenda ; appcl.ado, Manoel
joaquim do llego Albuquerqu.
Appellante, Francisco Jos de Siqueira ; appellado, I ..... _.M c.nrroira noellados, Manoel O recurso
Jos Francisco do Rcgo Barros. M.ndaram ver- Appellanle, Lu.z P.res Ferre.ra appeiiaoos, ^ .
baradiziuia. l*l' Ferreira o outroa.
/JjnoucJ.
Ao Sr. desembargador Ponco a appellacflo civel
em que sflo:
\nDcilante. o juizo; appellados, l'olicarpo JosoLai-
AP, e o rocurUor-Visca. da fazenda pub ,ca e o cu-
rador d. heranca de Manoel da Silva Santos.
Ao Sr. desembargador Ramos a .ppellacflo civel
em que sflo :
ADnellante, Josefa Epifana da Fonseca ; appellados.
PM...el da Fonseca' Silva e mais herdeiros de I).
Mara Francisca da Silva.
AoSr.desembargador Villares as appellacOes ci-
veis em quo sflo:
Aelartt Ignacio Joaqun, Fernandes ; appellado,
Manoel Claudio de Queiroz.
AoSr. desembargador Bastos a appellacflo civel
em que sflo
Appellantes, Portes & Mello ; appellado, Antonio Ro-
drigues.
AoSr. desembargador Lcflo a appellacflo civel em
que sflo:
Appellanle. Antonio Pedro de MendoncaCorle-Real;
appellada, Mana Candida de Magalliaes.
AoSr. desembargadorSpuza a appellacflo civel em
que sflo:
Appellante, Jos Antonio Gomes Jnior; ppellado,
o juizo do capailas e residuos.
O recurso crime do juizo de direito desta cidade
repartid, pela, diversas classes da sociedade, na pro-
conai, nem iuuu g enlram pir,
numero do direitos.po^e eiemenlos. Se una
rlaTUnSSU&m fornea
^XoTK suS;.- hom fundamento
eiusnea sc'quo.ra conceder a individuos que nflo
e?rescVtam?nteresse elgum "fiJS*tK
lar e ser votados para os cargos do estado, MM ne. *
lfaculd.deV de lomar parte activa nos goe.w pobj-
eos, que he amis importarte regala dequepoue
d,ffld,SSqUU, pelo lado das convenien-
cias soci.es e mesmo individn.es jf*"" *
s uegootOi do estado devem ser dirigidos por -que'
les que maiores encargos tcem a cumprir, e m.ior
numero de direitos a proteger. mmmodi-
A posse de bens, proporcionando mais cornmod._
d.des, f.z os individuos mais otatslMdoa a o-
nulencflo da ordem, base necessari. d.ifMgl is
das nacOes, e por conseguido tamberaosfsz
apios, ja por aquella rasflo. ja pelo. eje.tos *
nielhor educaeflo que selhe devesuppor, Par* ,.
ciar o que mell.or convem ao seu paiz, do q
quelleaquenad. possuem. rineiD.inen-
Se a felicidade das nacOes consisto P^n^roeBU
,. como parece fra de toda a duvida.no
d
le, como parece fra de toda a duvida, iM wb
da riqueza publica ; so esto so po. d'm'*[ *co.
lade, inlellecttial ou "'"". ~nJ?-negaVel
mo capiUl e elemento de indu.ir a uo m b
fds par promoio? s melhor.mei.los phys.coa.
morae ; pa. Unaluierts .ssegur.r a boa ordem, e
f 7Prresoeilarosdireilosndivduaes.
f" sendo te resuludo um beuecio para toda a W-
--""
mk


ciedade, he claro que participam delle aquelles mes-
mos que poucoou nada concorreram para elle, e
q,N* podenam obte-lo por seus esforgos.-
NaoMdiga que por este modo a sociedude he in-
justa, porque liega o gozo de alguna direitos aos que
nennuma culpa teem do ter nascido em urna con-
iliclo precaria.
Nflo, nflo he injusta para com elles ; nflo lhes neja
o gozo desses direitos por querer arrogar asi mu
privilegio oxelusivo e odioso ; mas siui porque os
naojulga habilitados para gozar del les em proveito
gem da Moflo. Antes, altendondo a toilos os inle-
ressus, soulio conciliar com estes todas as regras de
juslica; pois que, cslabelecendo a instrucgflo gra-
tuita, franquoou indistinctamonle a todos o cami-
nno que conduz os homens de qualquor condigno
quosejam aacquisigflo daquelles dous gneros de
propriedade.
Se estos raciocinios, pois, teem a Torca que Ihe
surpomos.delles se. lira a justa conclusilo-que o
sul ragio universal he urna daquollas theorias que
poleo, seduzr pela sua belleza, mas que posta
[ralica deverflo produzir mais maleado que
que
( Diario do Uoverno. )
s em
bens.
LONDRES, 41 DE DEZEMBRO DE 188.
A 24 de novembro prximo passado, o pontfice
romano deixot furtivamente a cidade eterna, c irans-
portou-so a Cela, ondo se esperava que ello embar-
cara p rento a repblica franceza. A ccsshc.Io do poler
temporal do papa be um aconlccimento do grande
interessee importancia, qur para aquelles que ob-
sorvflo o progresan das occurenciasconlemporaneas
luz mysteriosa da prophecia, qur para aquelles, o
estes sao em maior numero, cujas especulares po-
lticas teem urna relacto mais exclusiva com as
causas mundanas dos negocios humanos. Ella nflo he
a mera abdicagflo ou doposigflo do um principe
tomporal.que se mete no mosteiro do. Justo, ou
no castello de Claremont; ella nflo deve mesmo ser
comparada a estes periodos de captiveiro, ou de
* oppressflo em que toda a autoridade papal fo nter-
rompida pelo exilio, ou tela pris3o. Pi IX nilo ha
.sido privado senilo da forma exterior o da conve-
niente defensa de sua supremaca e independencia.
Suaonedahasido a consequencia da baixeza o in-
gralidflodesous proprios vassallos, e sua expulsilo
le Roma he o primeiro grande resultado das ma-
cl.inacoesdcssepsitidoque ha muito tempo iraba-
Iha em segrednpara fazerda cidade imperial o cen-
tro da unidade italiana, e do urna democracia nacio-
nal Ilimitada. Ja houve, disse Joseph Mazzini
em 1815, urna Roma-dos Cesares; ha presentemle
urna liorna dos papas ; a Roma do povo italiano ain-
da ha de vir. Fazendo justiga a este conspirador,
confessamos que elle tem seguido os objectos de
sua vida poltica com firme tenacidaile. Quando
mesmo, ha muitos annos, era.moda de um partido
deste piiiz sympalisar com o seu feroz, o fantico
patriotissimo; nos o aponamos como um do mais
ousailos o menos escrupulosos revolucionarios la
Europa ; e um assassiualo manchado com mais do
quea alrocidade trodicnional da Instara italiana,
tem agora aberto ao partido capitaneado por olle
a sede desejada do poder. A Roma do povo italiano
lie realmente viuda.
Nos nflo podemos prever para Romo um castigo
mais apropriadodoqueser ella entreeue ao domi-
nio de taes directores e dopravagflo de seu pro*
prio povo. Estas revolugOes democrticas teem ensi-
nado ao mundo urna graude ligflo, a qual pelo me-
nos em Franca tem j produzido o fructo da expe-
riencia.
A intervcngflo de exercitos estrangeiros em algum
dos primeiros periodos destas occurrencias mo faz
mais que converter a causa de urna faceto na de to-
da a nagflo. Formas de governo que professam deii-
var a sua autoridade do extremo da licenca, entro
um povo ignorante, fantico e susceptivcl do exci-
lagflo, sflo promptameiito seguidas de sua pronria
rctrihuico ; c posto que seja tcrrivel contemplar a
destruieflo neste foco do anarchia de ludo quanto
embell-za, o mesmo sustenta a vida, todava, se esta
Mr a vonlade do povo, taes ligoes nflo serflo dadas
em vilo. Coiiheca o mundo a Roma do povo italia-
no; julgue a Italia dos talentos governativos dos
homens que teem passado a vida cm tramar escuras
conspirages, o dirigir .sanguinolentos ataques con-
suasleis e sua paz. Nos nflo temos duvidas tem
receios quanto ao resultado, qualquer que seja o
pezarque sintamos pelos que solTrem innocente-
mente por causa de urna tul experiencia.
Como a guerra immediata com a Austria lio urna
condigflo prominente no programma dos demago-
gos romanse tosca nos, e Mizzini blazonou ha muito
que os tratados de Vienna haviam deservir de huchas
aos soldados italianos em sua marcha para Vienna o
principal prigo que se deve receiar he que estes go-
vernos populares provoquen* urna collisflo com as
forras austracas, a qual abreviar a salutar experi-
encia de seu dctestavel reinado.
I'orm a anarchia de Hamaca sorte da Italia sflo
mais admiraveise interessantes do que ludo quan-
do tem acontecido ou pode anda acontecer ao Don-
tilice fugitivo, lie um laclo inconlestavel, por mais
singular c ingratamente que tal assergffo possa soar
que Po IX, mesmo ein a hora do sua fgida o de su
queda, ente he mais inteira eessencialmente papa
e cabeca da igreja latina do que muitos centeneras
de seus predecessores o hflo sido no meio do esolen-
dor do l.aterano.
O pontfice deposto tem exhibido pessoalmenle ao
mundo urna poreflo nflo commum de virtudes evan-
glicas, e coniquanlo, por causa da indignidado de
seusvassallosedainrelicidado dos lempos, seus ta-
lentos polticos nflo lenham sido adequados uara
que elle executar as reformas moderadas emore-
heiidra. todava a apparigflo de um hoinem Un
benigno o consciencioso sobre o throrto nonti.
Iicio, no meio das perturbagoes da Europa, tem ferido
fortemente a imaginagflo e ganhado a affeicao de to-
da a populagflo catholica romana desta parte do
inundo. Conseguictenumle ; em urna crise em ouo
todas as oulras autoridades constituidas teei sido
mais ou menos abaladas, e todas as outras insli-
tuices mais ou menos provadas, a hierarchia ro-
mana, em lodosospaizes em que existe, temeslen-
didoa sua influencia, e desenvolvido mais claramen-
te o seu poder. Na Ailemanha um concilio de pre-
lados catholicos romanos, o, qual dizem ser o mais
consideravel que se tem celebrado dopois do de
f rento, reunio-seem Wurlzburgo para o flu de to-
mar em consideragao as relagos entre igreja o as
instituiges civis modificadas do reino.
neno de Voltaire. A segunda repblica, polo con-
traro, invocou em altas vozes os ritos da igreja e
a sanreflo do christianismo. Aa prinoipaes ceremo-
nias do estado framsanctificadas por observancias
religiosas ; no meio da insurreicflo de junho a igreja
de Franca vio cahir um Ilustre marlyr que ia as
barricadas cm urna mensagem do paz ; e na vespera
do urna grande cnnteslacflo domestica a assembla
nacional da Franca escuta nflo smente sem impa-
ciencia, senflo com onthusiasino, o catholecismo a-
paixonadrtrlo Mr. deMoutalembert, o qual certameu-
>e nunca fra tflo bem acolhido na frgida atmoa-
phera da ex-camar dos pares.
A igreja de Franca toma parle as deliboragflesda
assembla consliluinte,nflo sendo mais fatal, co-
mo linlia sido outra ora, ao ramo mais velho da mo-
narchia,ella d o seu apoio repblica, em vez
da hostlidade quefora tflo prejudicial ao ultimo re-
gimen. Em urna palavra, a igreja de Roma lein-se tor-
nado popular na Europa calholica. O seu grito he
em toda a parte por urna libnrdade completa, a qual,
Communicado.
segundo ella, consiste na remocho do todas essas
roslricgcs que teem acompanhado a sua connexflo
com o poder temporal.
A experiencia da Irlanda, da Blgica o dos Esta-
dos-Unidos tetn convencido os seus chefes de que
o governo democrtico o a agitaeflo democrtica
nflo sflo de nenhuma sorto desfavoraveis promo-
gflo desse dominio espiritual quo ellos aspiram a
exercer sobro as inlelligencas, o que o poder da
hierarchia catholica pode ser augmentado mesmo
depoisda subversflo do todas as oulras antigs for-
mas de autoridado.
Com estas tendencias particulares para unir a
igreja ao povo, c o povo igreja, um concurso ex-
traordinario do circumstaiicias tem collocado o
cabega dessa igreja dobaixo da proteceflo da rep-
blica franceza, e provalvelmente o levar as praias
de Franca. O enlhusiasmo dos devotos, a vaidade
nacional dos nflo sinceros, e o sentimento pnblicu da
Europa para com um soberano ultrajado, cons-
pirarflo para cercar o progresso de l'io iX do ex-
traordinario esplendor, e a parte que elle lera
que representar, be bem apropriada a dignidade e
mansidflo du seu carcter, lio para admirar que um
povo como o francez, o qual he excessivameuto ze-
loso de influencia cstrangeira em seus negocios,
sade, nflo obstante islo, com ardor a autoridade
espiritual de um padre italiano cujo poder he pre-
sentemente tflo real o ellicaz entre o clero do paz,
quo pode contribuir grandemente para determinar o
futuro governador da Franca, lio ainda mais para
admirar que a proslracflo da rasflo em materias de
f e disciplina, que he a base do poder do clero ca-
ihoico, tenlia sobrevivido e acompanhado mesmo as
experiencias as mais atrevidas e ai theorias asmis
extravagantes do governo temporal. I'orm estas
sflo smenlo algumas das maravilhas dos lempos em
que vivemos, o no enlauto que as expomos a obser-
vacflo.'a solugflo de laes problemas perleuce re-
ilexio e ao futuro.
( The Times.)
O DA 2 DE FEVEREIRO EM PERNAMBUCO.
Descrever miudamcnle este dia que, se he roemo-
ravol, he luctuoso para esta bella cidade do novo-
mundo, seria renovar aceas tristos em que irmflos
se mostraram invenciveis Achules contra irrafios
que Ihes nflo cederam em valenta, movidos por
cegas paixOcs : nflo he este o meu lim, nflo he; mas
simdar os mcusagradecimentos a todoa oa que se
empenharain na lula, e ae mostraram tilo eminen-
temente civilisadna, que lodos aquelles que nflo to-
maran! parte activa, foram dentro d cidade nota-
velmente respeilados Em lulas fratioidas raras vo-
zes acontecer ha ver. tanta generoaidado da parte
dos vencedores, raraa vezea um proceder tflo legal;
porquantn, sendo muitat aa caaasestrangeiras, ne-
nhuma sofTreu nem a menor desalenoslo : he isto
honroso para Pernambuco, mrmente depois de
tanto lerem excitado I ios contra os estrangeiros,
papeluchos que lodos teem I ido.
Ser eterno em minha lembranca este dia, a cujo
raiar nolei a grande confusflo de innumeraveis es-
trangeiros e nacionaes, quecorriam porlia para as
praius do bairro do Recle para se salvarem bordo
dos navios surtos no porto, e nflo sei se he mais do ad-
mirar o grande concurso do gente, se a presteza com
que fiam d'alli conduzidos para bordo dos navios
nos escaleres e lanchas dos mesmos, sendo muito de
louvar o zloeassidua deligenciudosbrigues deguer-
ra portugueses Villa-Flor e Douro: nao cessaram ellos
um momento tle conduzir gente de lodos os sexos
e condicOes para bordo dos seus navios at os en-
tulharem, n ainda dopois para os morcantes : honra,
pois, seja feia a todos os Srs. ofliciaes e tripolagflo
dos dous brigues de guerra portuguezes, que cm
verdade foram auxiliados polos escaleres da man-
nha brasileira, d'esta corporaeflo jacclora de todo
o respcilG, e j nobro por tantos ttulos, mas que
acaba de elevar-se agora em l'ernambuco de urna
maneira superior a todo o elogio, bem como seus
companheiros de armas, as tropas do governo. A
todos eu rendo os meus sinceros votos de gralidSo
pois sou Um ctirangtiro agradecido.
Publica^ao a pedido.
UMIilUflEPERNAHulJCO.
asoirs, HDirEvmtmo ds 1849.
NOVAS DA nEVOLTA.
O mais numeroso dos grupos rebeldes que se es-
caparan! de Pasmado, invadi na noite 11 do cor-
renle a cidade de Goianna, indo capitaneado por
Antonio Rorgesda Fonseca.
A cidade eslava quasi inteiramenle desguarneci-
da, pois que apenas era guardada por um destaca-
mento do 40 a 50 homens queseachavam no con-
vento do Carmo : os rebeldes, pois, ficaram sonlio-
res de!Ia sem a mnima resistencia. Isto, porm,
nflo obstante, pralicaram atrocidades : assassina-
ram a varios cidadflos inermes, e, para obrigarem o
destacamento a se Ibes render, incendiaran,'por
meio de um barril de plvora, urna porta daquelle
convento ; incendio do que rrsullou nflo pequeo
estrago a tal edificio, e que seseguio o facto de
entregar-se ao inimigo a reduzida roreflo de lega-
listas que ah eslava.
Consummado mais este acto de vandalismo, o qual
houvera lugar na jnaiihfla de 12, os rebeldes abando-
naram a cidade, e.seguiram para Coianninha, le-
vando presos c cm mos t ratos os nossos irmflos que
se tinliam visto na dura necessidade de prem-se
sua disposujSo, e entre os auaes ianValguns olll-
ciaes, bem como o Sr. coronel do exercito Cypriano
Jos de Almeida eoSr. tunente coronel da guarda
lllm. e Kxm. Sr. Em virtude do oulcio do Exm.
Sr. presidente de Pernambuco e ordem do dia de V*
Exc., do 2 do corrente cumpre-medizer a V. Exc7
que cstou prompto a seguir ueste mesmo barco quo
se acha fundeado no porto desta ilha, para me "unir
ao meu batalhflo ou aondo o governo de S. M. ul-
gar con veniente, ordenanda'V. Exc. o meu embar-
que e carrogando V. Exc. com alguma rosponsabili-
dade que disto possa resultar por ficar a ilha por
alguna mozos sem capellflo.
Qualquer, porm, que seja o resultado tepho a
rogara V. Exc. que leve esle negocio ao conheci-
mento da autoridade competente.
Dos guarde a V.-Exc. por muito annos. Ilha de
Fcrnando-de-Noronha, 4 de Janeiro de 1849. lllm.
eEsm. Sr. Francisco Sergio deliveira, ligniasimo
brigadero comniandante militar desta ilha.De
V. Exc. subdito obediente, o padre SOiio Tavaret de
Mello.
Moviraenio do Porto.
Navios entrados no dia 14.
Mar-Pacifico, tendo sabido do New-l.ondon ha 3o mc-
zes, galera americana rmala, de 413. tqnnhnlas
canitflo W. Ftch, cquipagem 26, carga azeilo d
peixe; ao eapilfln.
Terra-Nova ; 37 das, hriguo inglez Vittal, do 160 tn-
nelegadas, capililo W. Taylor, equipagom II, car-
ga 2034 barricas com bacalho ; a Me, Calmont &
Coiiipanhia.'
Mortugamm ; 36 dias, polaca sustrisca Piraste, a
264 toneladas, espitan Ciovani Mntaluvieh, equipa-
geni II, em lastro; a N. O. Biebor iCompinhia.
Navios sahidos no mesmo dia.
Rio-de-Janeiro pela Baha ; paquete inglet Poioa/T
enmmandante o lente l.eslie.
New-London ; galera americana rmala, capitSo W
Fitch, carga a mesma que Irouxe.
Santa-Calharina ; brigue brasileiro No>-o-I/>ba caoi
tflo Jos Alves, Carga assucar, algodfioe agoa'ir".
dente. Paaaageiro, Manocl Ignacio Lopes Por-
tuguez. r '
Rio-de-Janeiro pelo Asa ; patacho, brasileiro San-
Joio-Fencedor, capitSo Francisco JoadeArauiu
Carga ago ardente e lastro do aroa. '
Portos do sul; vapor brasileiro Imperador, comman-
dante o primeiro-tcnento Ignacio Eugenio Tava-
res. Alm dos passagpjros que trouxo dos nortoi
do norte para os do sul leva a seu bordo : uara Ba-
ha, Claudinp Falcflo Diaa ; para o llio-de-Janei.u,
Joaquim Jos l.amignier Vianna, Joaquim Beill
Prea, o primeiro cadote Jos Ccrqueira Lima, o
segundo lente Trajano Alllpiode Carvalho JUen-
donca, o capellflo do lerceiro batalhflo dqcacado-
reaJoflo Taborda da Silva Braga.
EDITA L.
COiVIMEACIO.
ALFANDEGA.
RENDIMENTO DO DIA 14. ...... ... 6:946,082
Descarregam hoje, 15 de fevereiro.
Brigue Eagle mercadorias.
Rrigus l'erdinand idem.
Brigue Naomi bacalho.
Polaca N.-S.-do-Carmo mercadoriaa.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria da lazcndi
provincial, em virtudo da resoliicSo do tribunal ad-
ministraclivo, manda fazer publico que, cm cum-
primonto da loi, peranto o mosmo tribunal, ae ha de
arrematar em hasta publica, a quem mais oflerercr,
nos dias U e 15 de fevereiro prximo viodouro,'
o imposto da taxa da barreira da eatrada e ponte da
Tacaruna, avaliado animalmente em 1:000,000 rs.
A arrematadlo aera fela por tempo do 2 annos o
4 mozos, a contar do I de marco do corrente annq
at 30 de junho de 1851.
Aspossuas que se propozerem a esta arremataran
comparoi;ain na sala das sessoos do sobredito tribu-
nal nos dias cima indicados, polo moio-dia, compe-
tentemente habilitadas.
E para constar se mandou allixarjo presente e pu-
blicar pelo Plano.
Secretaria da thesouraria da fazenda provincial de
l'ernambuco, 30 de Janeiro de 1849.
O2.oescripturario,'
Antonio Ferrtira Declarares.
IftlPOUTACAO'.
E/ti, patacho dinamerquez, vindo do llambugo,
entrado no correnlo mez, consignado a N. O. Bie-
ber & C, manifestou o seguinle:
2 caixas chalesd'algodflo, I dita chales de Ci; a
C. I. Aslley. '
110 barricas cimento ; a ftothee Bdoulac.
100 barricas genebra, 100 cestos de batatas ; a N.
O. Itieber & C. '
1 caixa couros de lustro, 7 ditas fazenda de lgo-
dflo ; a J. Keller & C.
1600 garrafes vasios, 250 sestos btalas: aN
II. C.ottsche.
nacional Francisco de Albuquerquo Maranhlo Ca-T !Ua""ld'> polaca sarda, vinda de Genova, entrada
no curronle mez, consignada a Jos Saporili, mani-
festou O .seguinle :
6000 ladrilhos de marmore, 3 barris do alcalrflo.
4 barricas scenno, 2 fardos flor de viola, 2 caixas
valcanti.
A 13, porm, o Sr. tenento-coronel Falcflo chegou
cidade do Coiauna com a columna a seu mando,
e, apenas soube da oceurrenci quo temos referido,
deu-se pressa em perseguir os reboldes; mas, so-
gundo nos Informam, j nflo osachou em Coianni-
nha, pois quo ellos, temendosem duvda a presen-
gado bravo militar, se tinhamarelirado d'ahi preci-
pitadamente.
He para notar que, antes do entraren! na cidade,
os rebeldes deixaram em Morer onze barris de pl-
vora o urna poreflo do chumbo, que felizmente j se
acham em poder da frca do Sr. Falcflo.
Entretanto, ao passo que easa poreflo dos rebeldes
que cscaparam ao valor das frcaa legalistas em o
da 2 do corrente, ain Ja derrama o
No dia 15 do corrente, perante a tlieaourarla da
fazenda provincial, ae ha de arrematar de renda o
sitio que ro de Sebaati.lo Jos da Silva Draga, no
becco do Eapinheiro, avaliado em 100,000 ria por
anno.e pelo tempo j annunciado.
Ocommandanteda divisflo naval declara qua
tem dado ordem aoa commndantea dos navios Blin-
de se acham recclhidos os presos para que se per-
mita a estes fallaren) s-pessoas das suas familias,
ou amizades horas o pela maneira que nflo preju-
diqueo servigo de bordo.
-- Pela subdelegada da freguezia de San-Frei-Pe-
dro-Coiicalves oi apprehendido um cabrfnha, menor
de 5 anuos, o qual diz chmnar-se Flix Antonio Se-
verino da Conceic3o, ii| lio de Manoei de tal. e de An-
tonia Mara Rita da Conccicflo, moradores ni co-
marca do Po-d'Alho, e ter viudo a osta cidade em
coinpaiihia do urn homem a vendeY familia, antea do
da 2 do corrento mez : quem se julgar com ilireilo
ao referido menor, compareca na mesina ubdele-
gacia .
Francisco IHamede de Almelia,
.. Subdelegado supplenle.
-- Pela subdelegacia da freguezia de S.-Fr.-Podro-
Goncalveefoi apprehendido e so acha recolhido a
cadea o prelo Francisco, que diz seroscravo de Ma-
noei Thom de Josus lavrador do engenho Mttto-
Grosso: quem se julgar com direito no referido es-
cravo compareca na mesma siib.lelegacia, munido
dos respectivos documentos. Franoiso Mami.it
de Almeida, subdelegado supplonte.
m
aniendoas, 12 ditas magnezia, 1 dita acido modici-
nal,22 saceos caslanhas, 3 caixas com marinte.
2t boctas e 1 caixinha mana, 7 diUa essoncias. 1
ca xa pos de joanne, 1 dita razndasde soda, 100 cai-
xiuhas massas, 2 bocta fazendas de algudilo, 7
Tardos razendas-do linho; ao consignatario
Kaomi, brigue inglez, viudo do Terra-Nov, en-
trado no cerreute mez, por raiiquia, consignado a
Me. (.aimont l C, inanileslou o seguinle :
2811 barricas de bacalho: aos consignatarios
morte i
Na Fraiu;a.aprimeira rpblica"prseguio at lpor algumas paraanVnrZI"" SU.Sl ? lenor
orte um sacerdocio c urna igreja que eram odia-| ('""gens, os demais, embrenhados as
dos por causa de suas connexOes com a monarchia|raallas'Procuram escapar-se a aceflo das Iropas do
c a e6ro,e iinham aido envenenudo pelo ve-Igoveroo, que ncess.ntemeule o. per^guom.
36 caixas vidros, 20 barris pregoa, 6 caixas e 3
harneas ferragens, 1 dita obrejas, 8 caixinhas lico-
res ; a I. D. Wolphppo t C.
10 caixas espingardas de caca, 2 barris brochas
de sapateiro; a M. J. Ramos e Silva.
100 frascos genebra, 150 saccas farelos, 2 barri-
cas o 7 caixas miudezas, i dita litas de algodflo e
miudezas, 1 dita boctas de pinho, 1 dita brinque-
dos, 1 barrica erragens, 1 dtia facas, 1 caixinha cs-
tojos, 22 caixas facoes, 2ditasbixas, 5000 tiiolos-
a ordem. '
A barca Bella-Pernambueana devo sabir para o
Porto no da 22 do corrente: ainda pode roceber
urna pequea poreflo de carga e passageiros, para o
que trala-se com ocapitflo, na praca do Commercio,
ou com o consignatario na ra da Cruz. n. 34, ler-
ceiro andar.
Para o Havresalie, al o dia 18 do
corrente, o brigue francez Virginia : oTercre uma
espacosa cmara com exrellentes commodcs para
passageiros : trata-so no escriplorio de Avrial Ir-
mflos.
Para a ilha de S -Miguel segu viagem, com mui-
la brevidade, o patacho nacional Anglica por ter
parte de sua carga prompta : para o restante e pas-
sageiros, para o quo tem excedentes rommodos,
irata-se na ra da Cruz, no Recife, n. 33, com Luiz
Jos de S Araujo.
Para a Bahia sahe, em pouens dias, o hiato S.-
Joo : para o resto da carga trata-secom Novaes &
Companhia na rus do Trapiche, n 34.
-- l'ara o Rio-de-Janeiro salle, coma maior brovi-
dade possivel, o hiato nacional Gil-lira; : quem no
u.esmoquizcrcarregar, ou ir de passagem, dirja-
se a Novaes & Companhia, na ra do Trapiche,
Ir. 34.
Para o MsranhSo sabe, em poucoadiaa, o bri-
gue-escuna Laura : para o reato da carga o passagei-
ros, para o que tem cxcellenlea com modos tiala-
so com o capilflo na praga do Commercio ou com
Novaes & Companhia, na ra do Trapiche, n. 34.
( Para o llio-de-Janeiro sabe, com a maior brevi-
dade possivel, o brigue nacional Fon mw': para carga, passageiros e escraroa a frete, Ira-
Geral .
Diversas
CONSULADO GERAL.
RENDIMENTO DO DA 14.
provincias........., ...
3:282,994
76,340
3:359,334
CONSULADO PROVINCIAL.


T~
.-
te-so com os consignatarios, Novaes & Companhia ,
na ra do Trapiche, n. 3*.
1'ara Genova pretende sahirat o flm do corren-
te mcz a rolaca sarda Silencio bom eonhccida o le
prmeira marcha : pode recebcr a frcte 300 a *0D sac-
eos com assucar, ou 1,000 a 1,500 courus : quem
quizer-ogregar, cntenda-sccomotseu consignaia-
rio. Jas Sapnriti na ra da Cruz, no R. n- '
Para Lisboa sabe com brevidade por, ler parle
da carga prompta. o brigue porluguez Marta-Jote,
forrado e enravilhido de cobre Je que he cnp.tao
Joaqun JosMesquita : quem nnlle quizer carregar,
ou ir de passagen., par. o que em bons ciim.no.los,
dirija-mo* s.ls consignatarios, Fr.nc.sco Seve-
rianno It.bello 3c F.lho ou ao mesmo cpitao.
~Preie.ideseguirvi.gem para o Havre o brigue
francos Beauiu. odia 10 de ma.co impretenvel-
menie por se ler engajado para islo com vario pas-
sagoiros : mas ainda resta com modos para maisnl-
guns: ospretendentesdirijam-se ra da Senzat-
la-Velha, n. 138. '
Para o Porto sane, com a maior brevidade pos-
sivol por ler a maior'parle-do seu carregamenlo
prompto, o brigue porluguez Ventura-Feliz, do que
he copilao Zeferino Ventura dos Santos : para carga
e passageiros, aos q uses offerece bons commodos,
lrata-se com o referido capillo, ou com o son con-
signatario, Joaquim Ferreira alendes GuimarSes, na
ra da Cruz, 11.4. '
Para Lisboa segu com toda a brcvidade, por
ter parte da carga prompta, o briguo porluguez San-
omingo, doqual he capilio Manuel (encalves Vi-
i mi,. : quem no mesmo quizer carregar ou ir de pas-
sagein, para oque lem excollentos commodos, diri-
ja-so ao referido cjpilo, ou ao seu consignatario,
juiquim Porreira Mendos Guimaraes, na ra da
Cruz, n 49.
Para Loandaf Angola ) o brigue porluguez llor-
(lo-Tejo sabe en. principios da marco, capilio Fre-
dorico Carlos llosa : para carga muida, ou passa-
geiros para o que tem encllenles comino Jos tra-
la-se com o consignatario, Jos Francisco da Costa
Ilouxo.n ruado Crespo, n. 10, ou na praga do
Commercio.
Avisos diversos.
Alugam-se dous molatinlios, proprlos para
criados :n ra da Prai, por cima da lypographia
i do Diario Novo.
I.eii lo o Diario de Pernumbuco n. 55, nelle vi um
artigor.nque um Mermado pedia a qualquer Brasi-
leiro, quo por ventura tivesse procurado os brigues
de Ruerra de S. M. F. Douro e Villa-Flor, para mo as-
sislrem as luctuosasscenas do da 2 defevereiro an-
dante, que doclsrasscm o proced ment dos com-
danmanleseofliciaes losdiios rasos. Fu, comqunnlo
nessedia nlo tivesse procurado os mencionados bri-
gues, todava, no dia II do mesmo moz, em conse-
quencia das nolicias que gyraram n'esla ciJade, de
tuenessa noite osrcbuldos tenlavam pela segunda vez
atacalla, tivo occaaiSo de hir para bordo do brigue
Douro, onda fui bem acolhido pelo digno comman-
(lante c ollicialidade ; 0(> mesmo vi pralicar com
lo las as peasoas) sem distinegno de-sexos e nacio-
ualidade, tratando a todos com o inaior desvello,
tornando-so por 13o dislincta proteecHo dignos dos
maiores elogios. Eiso que, em abono da vordade c
em agradecimonto, lenho distincta honra de de-
elnrar. ... ... .
Um Ceareute.
FNDI^AO DE FERRO
Na fabrica de llowman & M. Callum enge-
nb.'irns machinistas e fundidores de ferro, na ra
do Itnini, n,o lecil'e, conlina haver um grando sor-
timento de taigas para eiigeuhos e moendas de can-
oa de todos os luiiiunlius o dos modelos os mais
modernos e approvndos. Na inesma fabrica conli-
i'iiam-se a construir ile enro.nuienda machinas de
vapor, rodas d'agoa, rodas dentadas o todos os mais
objectos de machiiiismo, com a perfeigaoj conhe-
cidft, por prego conrinodo.
lowmau. & II. Callum desi'jam chamar a alton-
go dos Srs. proprietarios de engenhos as machinas
do vapor construidas na sua fabrica visto seren el-
las de um modelo muito forte e seguro e todas as
pecas pe Ccilarneule adaptadas urnas as mitras, po.
meio de tornos automticos, machinas desplumar
ferro,e outros appurclhos modernos: alm disto, as
machinas do sua construcefio leem as vanlagens se-
giiintes: possum una cisterna de ferro, onde a agoa
desuada para a caldeira se deposita por meio de una
bomba movida pela machina, e ondoso acba aquen-
lada pelo vapor superfluo antes de ser por meio da
segunda bomba de l introdnzida na caldeira alin
do uo esfriar a agoa uolla existente, pela indroduc-
glo d'agoa fria [como he de costume em machinas
inferiores]'); ossim pioduzr grande economa de
combuslivel.
Alm da'supradita economa dn combuslivel na
producgilo de vapor eslas machinas possucm urna
modilicacfto novadas vlvulas por onde o vaporen-
Ira e sabe do cyliudro, pela qoal a mesma quanti-
dade de vapor produz maior ell'cito do que as ma-
chinas de construcQilo anliga augmentando assini
de uina' mnneira, nlo pequea, a economa do com
bustivel necessario para manter a machina em mo-
vimento.
As ditas machinas pfisSUem tambem um apparc-
lhn pelo qusT a quanlidado d'agoa inlroduzida na
caldeira se aclis regulada aulqmaticamente com a
maior certeza pela machina mesma evitando des-
la maneira o grande perigo que existe as machi-
nas onde por causa da incsqiiiuha economa dos
fabricantes o foruccimgnlo d'agoa para a caldeira
ha do sur rogulado por mo de negros.
Estes esclarecimunlos silo respetosamente ofTere-
cidosaosSrs. proprietarios de engenhos, que anda
perseverara em o melhodo fraco, dispendioso e
1 (.satisfactorio de moer com animaos, afim de sa-
tisfaza-los que, no emprego deslas machinas, nflo
existe o menor niotivp para receio nem de explo-
s.1o, nem dequobra nem de demasiado consumo
do combuslivel; e llowman & N. Callum mo
lecm pequen* satisfagan om asscgurar-lhes que pe-
la pericia dos seos administradores e ofliciaes. pela
peifeicflo dosseus iiislrunieulose upparellios c pe-
la abundancia o boa qualidade das suas materias
prunas, se acham habilitados para construir) ma-
chinas de vapur de lodosos lamanbos e para todos
os lins ; assim como toda especio de machinisnio ,
com urna perfoigoniio inferioras obras .da tnelho-
'et fabricas de Inglaterra, e mu i superior s gerql-
menle importadasdaquollo paiz.
**\ a prac*. de nrrendamento, no dia 20 do
cor rente parante ojuiz de orphSos da ci.lado da
Victoria,oengenho l.eflo, situado na f.ogueziada
forno, casa de purgar com furos e corrontes casa
de relame com assentamenlo dita Me engenho com
mouda para moer d'agoa, com,molinete de tiestas,
na mesma casa assentamenlo do cinco laixas sem
defeilo, cinco casas liara lavradores tildo coborlo
de telhas com 400 formas boas avallado cada an-
no em 600,000 rs. Adverte-se que he a ultima praca.
Vignes, fabrican te ele pianos,
na ra do Qurimado n. I 'i,
tem pianos do novo modelo, feitos de proposito pa-
ra este paiz ,'sflo riqussmos de machinismo o vo-
zes superiores, o que so ali, nga ao comprador : tam-
bem tem pianos inglezes que silo pouco usados ;
concerta o afina pianos com toda a perfoigiio ; vende
cordas, camurgas e lodos os aviamentos necossarios
para ditos instrumentos : ludo por prego coinmodo.
Quem aununciou querer co>npi-ar um Mugnum
Laxicon dirjn-se a ra da S.-Cruz, n. C6, quo se fa-
r todo o negocio ; assim como outros muilos 11 vi os,
por.baratn prei;o.
Aluga-se um quintal bstanlo grando com
portan para a Ponte Vclha mullo proprio para qual-
quer deposito, ou mesmo para serrana por ler dus-
omhaique na porta :.a tratar no Atcrro-da-Uoa-Vis-
la, n.,".
I)espachm-je navios e escravos.ellram-sopas-
saporles com (oda brevidado, o por coinmodo pre-
go : ua praga do Corpo-Santo, armazem n. 17.
Tendo apparecido ao amanhecor do dia 2 do
correle o tcrrivelaconlecimentoque encheu do lu-
lo esla cdade, dia em que so colebrava a fesla do N.
S. da Assumpgo na imperial capella da Estancia ,
e por cujo motivse deixou do fazor. O administra-
dor tem determinado fazer a festa com loda a pom-
pa no dia 24 do corrente para o que desde j previ-
no a todos os devotos; isto he, nao apparccoudo
cousa que eslrovo.
-sabaixo assignados faltariaiu ao mais rigoro-
so dever, se deixassem de agradecer aos Srs. Jos
Alves do Sacramento e Jos Theodoro de Souza Lo-
bo proprietarios do brigue nacional Novo-Lobo., a
promplitluo com que os soccorreu no da 2 do cor-
rente quando j esta cidad se achava a bracos com
os desastrosos acontecimenlos sendo iiicansaveis
para com os abaixo assignados o muitas pessoas, al
os recoNier a seu bordo, assim como a quanlos se
apresentavam na praia tratando-os com o mais ca-
rinhoso dcsvello a ponto do ceder-Ibes o seu pro-
prio camarote. Tambem sflo dignas de elogios as
pessoss da sua Iripolagao, que pelos bons cxemplos
de seu capilio, sempre promplas o alegres so pres-
ta varo al mesmo com risco das propras vidas.
Aceitem, pois, o nnsso eterno agradecimenlo em
quanlo logamos a Oes para qued prospera e
prolongada existencia a tito dignos o hospitaleros
oflcia'es e a 1,1o bcnifazoja compauba. Itogamos aos
mesmos Srs. proprietarios que nos dosculpem, se
dealguma maneira oflendomos a sua modestia com
este rtosso publico toslemunho de agradecimenlo.
J.S. C. Seguiam-se mais seis assignaturas.
Agencia de passaportes.
Na ra dt>Collegio, n. 10, e no Aterro-da-lloa-Vis-
ta lojas ns. 48 e 78, conlinuam-se a tirar passapor-
les tanto para dentro como para fra do imperio,
assim como despacham-se escravos, ludo com bre-
vidade.
Avito iniermante aos Stt. negociantes.
Quem tiver dividas para as parles do Cear Araca-
ly, Sobral, Ico, Inhamuns, flio-do-Peixe, l'ombal,
l'arahiba, lirejo-de-Areia, Campina-Grandc, Alaga-
Nova, Alga-Grande llananeiras Gorahira, Inga,
Carry, Prdras-de-Fogo Piauc, villa lo Patos, As-
s. Riu-Grande-do-Norle Naiuba Brejo-de-Kagun-
des, llabaianna, .villa do Pilar, villa da Jacoca ,
villa da l.ean.lr... Calhol-do-ltocha Gunnbein Ca-
baceiras, llabio, ou em outro qualquer lugar do
centro do norlo urna pessoa casada e moradora nes-
ta praga que tem transitado lodos estes lugares on-
de ten. mullos conhccmenlos so oll'erece para a=
cobrar, o a respoiloilesua capacidadee activdade,
pdenlo os prelendenles se informarem dos Snrs.
Manoel Jos Gongalvea, Jos Joaquim da Cosa Leite,
doolor Joaqum Jos da Fonseca. Quem de tea pres-
umo se quizer utilisarannuneie por esta follia para
se tratar do ajuste e '
promover a cobranga.
do meio mais commodo de
rUNDlCAO
tscada, com casa de vivcndi, scnzalla, sorra d'agoa, d'armar desarma.-.
C. Slarr i'v t\, cngfiibeiros, com fundliio de ferro c
bro.izr. e ferrarla, ludo cni poni grande, movido por
duaj macli i as devapor, montadas nas casas nova na
rua da Autora em Santo-Amaro avisaui aos seus fre-
gueses, e ao publico cm geral, que trein acabado dea-
promtar para vender varias inachinas de vapor de bal-
ka e de alia presso, e de diverso* lainanhos : eslas ma-
chinas sao providas de bumli.e. para supprir a caldeira
com agoa j quenle, c com vlvulas com os srus Tiran-
jos mullo simples para regular a quanlidade da mean.a
agoa ; mas os annunciau.es, longe de inculcaieui calas
i.vciii,-:."'- como sua, adverleni(|iie a prln.eira foi adop-
tada pelo celebre Savary em 1698, e a segunda inventa-
da por Rrndlev j mala que cen anuos passados, c
ambas introduztdas nesta proviucia em 183d pelos nn-
nuncianlrs na machina de vapor do'engenbo Mraune
(o primeh-o fabricado neale Imperio) o qual aluda esta
e.n ett'ecliva operaeo, c desde eutab se ha eilrahido
peno de uina duxia das mcsinas uiaehiuas, feilas netla
fabrica, contendo o mesmos apparelhos, e com surnuio
aproveilamenlo dos compradores ; porianlo iuipingir
Islo agora como cousa nova, era impostura. Os annun-
cianles leem sim a salisfacao de Informar o rcspeltavel
publico, que bao conseguido um n.elhoran.ento de nao
pequea Importancia, e verdadeirainenle novo nosln
paix, que he por nielo de uu.a uiodilicaciio da caldeira
e um simples arranjo de canos e registos, ap.oveilar
o fogo superfluo do assenlameniH para fazer mover a
inacliina de vapor tem mait gaslo de combuslivel de-
|eiis 1I11 engenbo lerganbosua marcha : es.a multo mil
lembranca lei sido experimentada com bons resulta-
dos cu. os engenhos Trapiche e Jardl.n. Esta fabrica es-
t senprc sortida de
Moendas de tambores abertos para buchas de ua-
deira, g.andes e pequeas, co.n seus pertences.
Ditas com aguilbOes ae.i.diados chamadas meias
moendas, de todos os tamaitos e com rodetes de ferro
ou sem ellcs, para agoa ou animis.
Dliariiitciras, todas de ferro, endependenle, com a-
luorras diagunaes de gancho, inveiico dos aununciau-
tei, e iiuiiio approvadas pela sua fonido e facilidadc
Alambiques de ferro, cousa nova e muito approvada.
Muinhos e prensas de mandioca e foruos de fariuha.
Carros de nio e- arados de Ierro.
Grande soriiinento de bromes, aguilhfies, chumacei-
ras, parafusus e mais pertences de engenbo.
Rodas e rodetes de varios tamanhos.
Boceas e crivos de fornalba.
Buchas para carrocas, serra d'a<;o para serrarlas.
hollneles, bro ,zes e roldanas para navios.
Os annunciantes, pelos longos anuos de pratca nes-
tep.ii/, pela grande capacidade c commodos de seu
novo ettabeleclmento, e |iel errteido numero e multa
experiencia e pericia dos seus operarios c empregados,
ofl'creeein aol frrguex.es vanlagens nao possuidas por
nenii 11111,1 outra fabrica neste Imperio, e estilo, porlaulo,
verdaderamente habilitados a empreheuder c execu-
lar com a maior promplldo e perfei(lo qualquer obra
de engciiuaria ou machinismo.
Ttida attcncfio ao que he bom.
Deposito de rap andarnv
e imperial.
Na rua da Cruz, n. 63, primeiro andar, escriplo-
rio de Jos le Mnenla Itarrelo Haslos, vende- se n
bem acreditado rap an.larahy e imperial, rabrjeado
no llio-de-Janeiro, sendo o nico deposito nesta
provincia; assim como se vende a relalho nos so-
gui 11 les casas : rua da Cruz, n. (' f ; boceo la l.in-
goeta n. 3 ; rua do Pilar em Fra-de-Pottas n.
86;roa da Cadeia do llecfe, ns. 17 e 19 ; rua do En-
cantamento, n. 4!; rua do Vigario n 14; ruada
Cacimba, n. 2; rua do Cor.loniz, n. 11 ,*rua doCol-
legio, n. 9 ; praga da Independencia, ns. 4 e 39 ; rua
do Queimado, ns. 10, 16 e 33; rua do l.ivramento,
ns. 4, 5e38 ; rua da Ponha, venda da esquina, por
baixo do coronel Joaqum bernardo de Figueiredo ;
rua Direita, ns 6, 16, 53 95 e 141; rua dasCinco-Pon-
tas, ns. 50e82 ; rua Imperial, n. 2 ; -paleo do Car-
ino, n. 2; rua larga do Itozario, ns. 29 e 35 ; rua das
Cruzes n. 40 ; rua do Cabug, ns. 1 e 7 ; rua Nova,
n 50 ; Aterro-diHa-Vista. us. 2, 46 o 54; praga da
lina-Vista, n. 17 ; Ponte-Ve|ha ns. 23 e 54 ; palco
|da$.-Cruz, 11. 106,
Lotera do theatro publico.
No obstante a mornsidade que tem havido na ven-
da dos bilhetcs da ultima terga parte da 18.a lotera,
todava o thesoureiro, desejoso do fazer andar as res-
pectivas rodas o mais brevepossivcl, convida ero-
ga aos amadores desto jogo quo soapressem a com-
prar o resto dos lu Hieles i|.ie xistem.aliin de que,ale
o lm do crrenle inaz, e quando muito no principio
defevereiro prximo futuro, possa ser marcado o
dia infallivel do referido andamento.
Tantos foram os favores e obsequiosos desvellos,
caridosa c poli lamente prodigalisados pelo Sr. Jos
de Azevedo Canario, digno commandanle da bella
barca 10rlugue7.ii Flr-a-IHaia, aos abaixo assig-
nados c muitas oulr.is familias pernainbucanas que
se dignou rcreber a sen bordo por dTerentcs vezes
pelas tristes oceurrencias aqui infelizmente, surce-
didas desde o sempre infausto dia2de fevereiro,
em.quehomcns, ou pira melhor dizer fras com (i-
gura humana, se atreveram ensanguentar as ras
d'Sta cidade, que n.lo nos podemos dispensar de
solemnemente confessarmo-nos eternamento agra-
decidos aos seus favores, que lano maiores elles se
tornaran), quanlo o mesmo Sr. Jos do Azevedo Ca-
nario nos nflo coiibccia, nem sequr presencial-
mente. Esteacollnmenlo generoso do Sr. Jos de
Azevedo o colloca cima lo todo o elogio. Ilem
moslra elle rom seu proredimento, que be natural
daquelle bello paiz (Portugal) cujos lilhos sao emi-
nentemente generosos.
N'uma poca tilo melindrosa, cm que urna peque-
a noreflo de Brasileiros indignos desto nomo por
meio do una fnlha intitulada Fos do fruiil l're-
prclrudian manchar, mas em vilo, o nomo ''or-
nan bucano por meio do doutrinas anarebicas, inci-
tando com ellas o homens inconsiderados injusta
e desabridamente guerreaiem aos Portugueses, so
pelo laclo de o serem, nesla poca, dizemos nos, de
pungente lr para os verdadcirosltrasileiros surgem
o Sr. Jos de Azevedo o lodos os Portugueses com-
maniiaiilcs de navios mercantes o de guerra despre-
sando niesquinhasconsidenigo'es, disputando a por-
fa a primazia de prestaren) valiosos soccorros cm
seus navios nlo s ios seos patricios como com
magnnima especialidado aos mesmos llrasileiros..'
Honra e gloria, pois, scjain solemnemente dad*s a
esses nohres Porlugoezes, que sabem 13o justamen-
te liffercngiir os bons lliasileiros daquelles poucos
que nlontevatn fu/rr saciilegamente escuiecer e
uTuscar o genio bisatro e hospiulciro que natural-
mente caraclerisa os lilhos da Ierra da Santa-Cruz.
Mil grabas sejam especialmente dadas ao Sr. Jos
de Azevedo Canario polos favores com quo tilo llbe-
rariDCi.lc boi.rou aos abaixo assignados. Heos o
avivenle. Dos o f. licite em todas as suas preton-
gOcs, em quanlo quo nos, tocailos do mais intimo
gra'decimeiilo, unimos as tenrinhas mDos dos nos-
sos innocentes lilliinhos, e, fazendo-as orguer aos
cos, Ibes eusinan os a dizerHeos de bondade, pro-
tegei aquello quo 18.0 caridosamento acolhou a nos-
sos pais, e a nos.
Manuel llodrigues do Patio, e tua [amina.
N,B. Scguem-se mais assigiuluras.
MtttUtM %%%%
Uoma'opathia.
Primeiro consultorio gratuito para os pobres
na rua la Cadeia de S.-Antonio, 11. 22, dirigi-
do peloSr. J. H. Osanova mcdicojlrance/..
Este consultorio estar aborto desde as 9 ho-
ras da manliila Ble as 4 da larde. Os pobres $
recbenlo consultas o remedios graluitaiiien- m
te: apresenlando um ultestadode pobreza do
seus vigarios, ou mesmo de oulro qualquer I
? sacerdote. 2
-Prccisa-se alugar um sitio que tenba casa ro-
eular para urna familia decente e arvoredos de
frnclo.baixa para capim o agoa le beber: prefe-
re-se pe. toda praga cabeira do no: quem o livcr
annuncie.
Affunsofcaint-Marlin,
com loja na praga da Independencia n. 38, lem pa-
ra vender elegantes chapeos do soda e dn palbinha
para senhoras visitas manteletes e palitos uns
guarnecidos rom fianjas do relrojt e outros con.
blondo verdadeico superiores sedas prelas para
vestidos, bicos lo blonde para guainigilo dos mes-
mos corles de sed de cores para vestidos, supe-
riores mantas lo seda lencos grando de seda com
ranja flores linas arliflciaes, de todo o genero : se
levara ao domicilio.
Pordeu-se um lengodocambraia de linho de
lavarinto com bico, ecom a marca i. J. 1'. \\., des-
de a casa em que morou o Sr. Manoel- le Souza Tei-
xeira, na rua do Rangel, al a pracinba de l.ivrimer.-
lo : dar-se-ba tresmil rs. a quem o levar a loja do
Sr. Manoel H'erreira Ramos, na rua do Crespo quo
faz esquina para a do Queimado.
--OSr. J. C. A. M. queira quanlo anles ir pagara
quanlia de 10,000 rs. pelos quaesj #oi citado ; do
contrario ser publicado o seu nome por extenso.
Precisa-se de um rapaz que tenba capacidade
de tomar conla de orna venda por balango ao qual
so dar bom ordenado :em(linda, rua do Amparo,
venda i>. 1.
Thomaz de Aquino Mendello segu visgem para
a Parahiba com seu escravo, de nome Jeronymo.
AntonioJoiloFuitado, subJito porluguez, re-
tira-se para fra lo imperio.
Quem aununciou querer ceder o arrendamenlo
de um sitio a margem do Capibaribo e muito perlo
da praga com boa casa de vivenda estribara e
senzalla murada liaja de annunciar o lugar do dito
sitio e a quem se leve procurar para se tratar.
- No sitio do catlole Cavalcanli na estrada da
Casa-Forte para o Arraial estilo t cavallos que f-
ram apandados no dia dous do correnta: quem so
julgarcomdireito aos ditos cavallos dando os sig-
naos cortos Ihe serio entregues.
Ilenry Towne cidadao americano, relira-so
para o Aracaly.
Luiz JosdeS Araujomudoua sua residencia
da rua la Cruz, n. 37, para a mesma rna, u. 33.
James Halliday relira-se desla provincia.
Aluga-se a casa da esquina da rua do Caldei-
reiro para o porto de embarque com armagflo pa-
ra venda e commodos para murar familia : na pra
ga da Independencia vraria ns. 6e 8.
J. O. Elslermulou osou estibelecimento da rua
la Cadeia-Velba para a rua da Cruz, n. 51, sondeos
compradores acharflo um, bom prvido sorlmonto
de vinhos de todas as qualidades e couservas o que
ludo vender por mo Jico prego.
Fabrica de todas as qualidades de mobilia
i'ranceza no ultimo gosto de Pars em
Pernambuco.
I.ourengo Pug, marconeiro francez na rua Nova,
n. 45,bem condecido las pessoas notaves desta capi-
tal por fabricar trastes do ultimo gosto avisa aos
seus numerosos freguezes o geralmenle todo o
respeilavel publico pernambucatio que j lhe dou
tantas provas do ser amante do bom gosto que el-
le tem augmentado sua fabrica equo esl habilita-
do para empreheuder qualquer mobifia que se Ihn
encominondar. As arles vilo de par com a civilisa-
gffo, quanlo mais um povo ho civilisado, quanlo mais
os artistas devem proditzir obras linas e delicadas :
neslo sentido o aiinuncianle ompregar lodos os
seus esforgos para satisfuzer a todas as pessoas quo
se quizeioui utilisar do sou prestimo. Na mesma ca-
sa fdzcm cortinados para cama franceza.
JUCHAPEOS DESOL
Rua do Passeio, n. 5
Oh que peiincha para o amavel e respoilavel pu-
blico : novas sedas da molhor qualidade que se pi-
Ic fabricar, porsorem de incommenda e da melhor
fabrica de Franga, recebidas agora.
O fabricante deste estabclecimento adverte ao res-
peilavel publico desta ciilade que elle possue pre-
sentemente um rico sortimento de chapeos de sol,
assim como chapeos de sol de seda furta-cres, dos
mais ricos que leem apparecido noste mercado, e de
cores condecidas ; ditos para senderas de bom tom,
adamascados, lavrados, co jas de retroz, todo que tem de mais moderno e do
melhor gosto; um completo sortimento do chapos
deso de panriinho de todas as cores e do todos os
tamanhos, para homens, senhoras e meninos : ha
tamben, igual sortimento do faxendaspara cobrirar-
mages, lano de sedas de coros, como do paniiinhos
trancados e lisos imitando seda. Adverte-se que os
freguezes serlo servidos com brevhlade, o se acha-
ran salisfeilos da boa qualidado, do bom gosto e do
bom prego.
Aviso satisfactorio.
O abaixo assignado, agente do doutor Brandreth,
faz scienleao respeilavel publico, que pela escuna
americana Ouesie.cnlrada no correle mez de Janei-
ro racedeu un novo provimento lo pillas vege-
liies de seu propiio autor. Estas clebres pilulas
silo recommcndadiis por multares le pessoas, como
bem demooslrs 0 receituario que acompanha as cai-
xinhas a quem ollas tem cura lo de thysica,influen-
cia calarros.ndigcsles.despepsia.doresde cabega,
dros on peso na nuca, que geralmenle silo sntomas
d'apoplexia, iclericie, febres intermitentes bilis, es-
carlatinas, fe bro amsrella o toda classo do febres as-
tliina,gol;>,rruinatsii>o,enfermidadesuervosa8,dores
no ligado pleuresa debilidade interior, abati-
mento de espirito, rotura", nflammagOes, inchagoes
dos olhos, accidentes, psralesa, hidropesa bexi-
gas, sarampo, enfermidades dos meninos toase do
toda ch.sse clicas cholera-morbus, dr de pedra,
lomhrigas, dcsinteria sordez, vagados de cabega,
erisipela ulceras algumas de 30annos, canearos'
tumores inchaertes nos ps e pernas, almorremas,
rupefio de pello [sonhos dorrives, pesadellos ,
loda a qualidado do dArose molestias de mulheros,
como abstrugOes rclacbagOes, ele.; de. um modi-
cainenlo inteiramente nolTensivo, podendo-se ap-
plicar at as criangas recemnascidas o ltimamen-
te se tom applicado a urna inlinidadede molestias
julgailas incuraveis, do cuja applic|cflo so leem tira-
do tilo felizes resultados, que parece cada vez mais
resolvido o problema de um remedio universal Ven-
de-sc na rua da Cadeia-Velha, botica n. 61.
Vicente Jos de Brito.
O coronel Benlo Jos Lemenha l.ins faz constar
a quem convierque osla disposto a vender ou fazer
qualquer negocio sobre os bens e trrenos sitos na
freguezia le Una, comarca do Rio-Formoso, que Ido
locaiam porherauca de seu linadsogro,o marque/,
do Itecifo, dando preferencia aos rendeiros que estai.
no gozo ios dilos bens. S;lo elles os segnmtes : a po-
voacodo AbreucoBi todos os sitios e terrenos au-
nexos, os engenhos Manguinho, Agoa-rria, Pio-Fer-
ro. motade lo engenbo Bom-Jardun e de outros quo
se levantaran) nas mesmas Ierras, a propriedade C.a-
meleira, metade da propriedade San-Jos-da-CorAa-
Grando e metade das Ierras da povoagSo dos Barrei-
ros. Tambem se negocia o bem conhecido engenho
Jurssaca, silo nas varzeas do Cabo, moente corrente,
com escravos, bois e ludo o que Ide perlence. A con-
tratar com o mencionado coronel nesta praca, as
rua do Seve.

idtaaa




I
soiT 9^erece-se "fa ama para casa I Hro : quem de sen presumo se quizer ulilisar,
J"-<* a rn Nova, n. 52, primeiro anilai*.
- OSr ItiPMOii-piro da lotera do Iheatro nBn pa-
gm-o ii eio liili ele n- 19i da ultima terca parte
da 1.' caso san premiado o qual fo rouliadoda
cartejra do padre Joio Taborila da Silva Braga.
Melchor Amberg, vindo da Babia, segu para
/ora do imperirt.
Quem precisar do umn ama para todo o servi-
co de uma casa dirij-se a ra do Padre-I- loi ianuo,
ao virar para a ra dos Acouguinhos, n, 43.
-- Alupa-se una grande casa lorroa na ra Impe-
rial, com duas salns, 7 quaitos, cozinha fr e quin-
tal reunido : a tratar no iheatro novo.
OsSr. carregadores da borca Rtlla-Pernambu-
cana queiram Irazer ao escriptorio do consignatario
os conhecimcnlos para se fa-zerem os manifestos.
Quem annuncion querer comprar urna rotula,
ou porta dirija-so ra larga do Rozario n. 20.
O ahaixo assignedo declara o rcspeitavol pu-
blico que doixou de ser caixeiro do Sr. Mirarlo Bur-
ges da Silva, desde odia 10 do crrante. O roesmo
serve-so da imprensa para por ella agradecer ao dito
Sr. obom tratamentoe urbanidade ejuo Ihe preslou
durante o lempo quo esteve era sua casa.
JoSo Ferreira Coutinho.
Precisa-so alugar uma casa terrea ou um pri-
meiro andar decente para urna pequea familia,
que seja sita a ra liireitad Fra-do-Portas : quem
livor anrruncie, ou dirija-se ao Aterro-da-Boa-Visla,
n. 17.
Trapassa-se o aluguel deum sitio na Ponto-de-
I 'dina com casa que tem 2 salas, 2 quartos grandes,
4aleovas, grande copiar, dispensa, cozinha, coehei-
ra estribara pomar de Urangeiras e banlio : a
tratar na ra do Trapiche, n. 16, primeiro andar.
C. *. F. S. A.
O secretario convida aos socios para a sessfo de
lioje, 15 do corrente s 5 horas da tarde. II. II.
Prelende-se fallar com o Sr. Jos do Nascimen-
to Lopes para negocio de seu interesse : annuucie
sua morada.
--A lllin.'Sur.'I). Clara Joaquina da Silva Santos
queira aiiiiiinciar a sua morada para negocio de seu
jnteresse.
-- Precisa-se do um mulhcr para todo o servicode
urna casa : na ra do Crespo, n. 10, primeiro andar.
OSr. Francisco Ferreira orges queira dirigir-
se a ra Nova casa em que mora Aulonio Coigal-
ves Pereira a negocio de seu interesso.
*^
h
Compras.
Compra-sea Moreninha, um volume, em bom
uso : quem tiver annuncie.
Compra-so urna preta de idade para o servico
interno de uma casa e que venda na ra: na ra
do Aragflo, n. 9.
Compra-se umn cscrava at 25 annos, que sailia
engommare cozinhar : na praca do Commercio, n.
2, ou na ra do Rangel, n. II, segundo andar.
Compra-se em segunda inflo, estando em bom
uso, um Alagnum Lexicn da ultima edicilo ; 2 com-
pendios de historia sagrada emlalim: quem tiver an-
nuncie.
Compram-se garrafas vasias pelas e compri-
das : na ra do Padre-Florianno venda n. 2.
-- Compra-so urna casa terrea nos bairros da Boa-
Vista eS.-Antonio, no sendo em becco, ou ra ex-
quisita cujo valor chegue al 800,000 rs. : quem
tiver annuncie.
Vendas.
Lotera do Rio-de-.Jaieiro.
Aos 20:000^000 de i is.
Na praca da Independencia, n. 37, vendem-se b-
jleles, meios, quartos, oitavos o vigsimos du lo-
tera do Uio-de-Janciro. Sao poucoso bous, a elles
antes que se acabem.
Cigarrilhos de pal ha de millio.
Chegou do llio-de-Jnciro, no vapor Paraen-
ie, uma porcao destes deliciosos cigarrilhos, os
ouaes se lornam muito recommondaveis aos tions
fumantes pela sua superior qualidade, e'nlo fazc-
rem nial ao peilo : vende-se no Uccife, atlas do Cor-
po-Sanlo,armazemdemolhados, n C6.
Vende-sc na loja n. 5 A da ruado
Crespo, ao p do arco de Santo-Antonio,
uma porco de relroz do Porto, preto ,
azule decores, de primeira sorte, a ni
rs. a libra e a toors. a oilava: a elle, an-
tes que se acabem.
-- Vende-se um cavallo ruco, grande, com todos
osandares : na ra larga do lio/ario, n. 39, entran-
do pela travessa.
Vende-se uma banca redonda de meio de sa-
la, de angico e quasi nova : na ra da Senzalla-Vo-
llia n. 70.
Vende-se um preto da Costa anda moco, per-
feilo ofllclal de carpina, c queso llic podo entregar
de mestre qualquer casa que se queira construir de
novo : a fallar com o Sr. Pntenle!, no porto da ra
Nova.
A bordo do brigue Amotim, fondeado di'fronte
do Forto do-Mallos, vende-se boa farinlia de man-
dioca etnalqueires e saccas^, por prego cominodo :
a tratar i bordo do mesmo ou em casa do Amo-
rim Innilos ra da Cadcia n. 39.
Vinho barato.
Acha-seestabelecidona ra da Madre-de-Deos,
n. 36, um armazem de
Vinlios da Figuera,
de ptima qual idade, a preco de 1,200 rs. a caada,
e a 160 rs a garrafa; e para nSo haver dolo do com-
prador serSo lacradas ai garrafas e com rotulo, re-
cebendo-se a garrafa vasia, e dando-se i m med a la-
mente a outra chela : tambera ha barris muito pe-
queos proprios para quem passa a Testa. O pro-
prietario deste estabelecimento pede encarecida-
mente que se nSo illudam avaliando, pelo diminuto
preco esem conhecimenlo de causa a qualidaile de
sua fazenda, digna por certo da estima dos verda-
deros a mants da boa pinga. Elle conta que quem
uma vez provar continuar com goslo e sem arre-
pendimento. E o bom preco !!.' A todo o exposto
accresce o asseio e bom acondicionamento o que
tudo se poder verificar em dilo estabelecimento.
Vende-se muito superior lagedo de Lisboa e
cal virgem em barris de (arrobas, por mdico preco:
na ruado Vigario, n. 19.
Algodo trancado da fabrica
de Todos-os-San tos da
Babia ,
muito proprio para saceos de assucar e roupa de es-
cravos: vende-so em casa de N. 0. Bieber & Com-
panhia na ra da Cruz, n. 4.
CHA' BRASILEIRO.
Vende-se.ou armazem de molhados, atrs do
Corpo-Santo n. 66, o mais excellente cha produzi-
do emS.-Paulo, que tem vindo a este mercado ,
por preco muito commodo.
Presuntos.
Vendem-se superiores presuntos inglezes para
fiambre chegados no ultimo navio: no-armazem
do Bragucz ao p do arco da Conceicflo.
FARELO EM SACCAS DE 90 LIBRAS :
vendo-se no armazem de Vicente Ferreira da Costa
na ra da Madre-do-Dos, a 3,500 rs.
Taixas para engenho.
Na finidefo de ferro da ra venda um completo sortimento de taixas de 4 a 8
palmos do bocea, por preco commodo, e com promp-
lidSo embarca-so, ou carrega-se em carros sem dos-
pezas ao comprador.
--Vendem-se semeas em saccas muito 'grandes ,
a 4,500 rs. : na ra da Madre-de-Deos, armazem u'o,
Vicente Ferreira da Costa.
FOLIIINIIAS
para sacerdotes paia algibeira, para escriptorio e
para porta i vendem-se na praca da Independencia,
livraria ns. 6 e 8.
Yendc-se muito boa cera branca,
em pito, ctamljem refinada, para limas de
clieiro, por preco commodo: na ra da
Senzalla-Velba, n. 70.
Vende-se vinho do Porto, muito superior, e
de oulras qualidades em bariis de quarto, quinto,
sctp, stimo oitavo eem pipas, por preco muito
commodo : na ra do Vigario, armazem do Fran-
cisco Alves da Cuuha, n. 11.
Madeira de pirtho.
Na ra de Appollo, pegado ao armazem do Sr.
Molla ha um novo armazem com madeira do pi-,
iiiiu da melhor qualidadcque tem vindo a este mer-
cado o serrado de todas as grossuras o comprimen-
tos : vende-se pelo menor prego que ho possivel.
Vende-se a verdadeira potassa da
Russia, desembarcada hontem, por pre-
co muito rasoavel, vista de sua muito
superior(jualidade : na ruado Trapiche,
n. 17, e ra da Cadeia, n. 34.
Novos riscados njonslros chi-
nezes, a SCO rs o cernido.
Na loja de Cuiniariles & Companhia ,na ra do
Crespo, n. 5, vendem-se os novos riscados chine-
zes linos de padrOes muito lindos e os mais mo-
dernos que tcem apparecido nesta cidade do vara
do largura pelo barato preco de 360 rs. o covado.
As novas casMtiiras de algo-
dao, a 300 rs. o covado.
Na loja n. 5 da ra do Crespo, vendem-se as novas
casimiras de nlgodllo de padrOes os mais ricos que
teom apparecido neste mercado pelo barato preco
de 560 rs. 0 covado.
Vendem-so barriquinhas com cal virgem de
Lisboa, muito nova; fechadurns para portas de
irmazem ; relroz do Porto ; barris com alcalrao da
Suena ; por preco commodo : na ra do Vigario ,
n. tt, armazem de Francisco Alvesda Cunha.
Vendem-se taboas amerita-
as ateo palmos de largura
e do lodos os comprimcntos.quc lia miiilolempo nlo
teem vindo e os freptiezesexperimentando a fulla
dcsla excedente qualidaile. A ellas que silo poucas e
o preco he barato. Atrs do Iheatro, armazem jun-
to a maro, de Joaquim Lopes de Almeida.
la re o ,
em barricas a 4,000 rs. ; saccas grandes, a 3,50o
rs., ditas pequeas a 2,800 rs : no armazem de J.
J.'Tasso Jnior, na ra do Amorim, n. 3.
Vendem-se barris pequeos com cal virgem de Lis-
boa, a mal cova que ha no mercado, por prefo eoni
modo : na ra da Moda armazem n. 17.
Potassa.
Desembarco lia poneos das urna por-
co de barris pequeos, com muito nova
e superior potassa, c se acham venda,
por preco mais barato do que ltima-
mente se venda, na ra da Cadeia-Velha,
armazem de Bailar tkUIiveira, n. 12.
FARELO
emsaccas muitograndes,
a 3soo rs. a sacca:
no armazem do Braguezao p do arco da ConceicSoj
Vende-se a verdadeira e muito.superior fari-l
liba SSSF, a relalho e em porcao; dita de outros au-'
tores na na do Vigario, armazem de Francisco Al-
ves da Cunha, n. 11.
Na ra do Crespo loja de 4 portas 0.12, ven-
'lem-se chapeos de castor protos, de muito boa qua-
lidade ,4,400 ri.
Vendem-se saceos com farelo,
chegados ltimamente, pelo diminuto
preco de 3,4oo rs.: na ra da Sanxnlla-
Velha, n. i38.
No deposito de Me. Calmont & Companhia na
ra de Apollo, armazem n. S. acha-se constante-
ment grande sortimento de ferragens ioglezas para
engenhos de assucar cotro sejam : taixas de ferro
coado de differeutes modelos, os mais modernos;
ditas de ferro batido ; moendas de ferro do mode-
lo adoptado, para armar em madeira ; ditas todas
de ferro, tanto para agoa como para animaos; ma-
chinas de vapor de frca de qatro cavados o de al-
ta pressilo o mais moderno e simples que he possi-
vel ; repartideras ; espumadeiras ; resfriadeiras de
ferro cstanhado; formas de ferro : tudo por preco
commodo.
Agencia da fui* di cao
Low-Moor, ra da Senzalla-
nova, n. 4*1.
Neste estabelecimento contina a ha-
ver um completo sortimento de moendas
e mcias moendas, para engenho; ma-
chinas de -vapor,e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tamaitos, para dito.
Taboado de pin lio da S necia,
de 10 a 55 palmos
de compriment o melhor que tem chegado a este
mercado, em raztlo re se poder envernizar em qual-
aer obra por nao ter nos e ser muito alvo sen-
do costado, costadinho, assoalho, forro e para fun-
dos de barricas : vende-se a preco que o comprador.
Para lodo o negocio : atrs do Iheatro, armazem de
Joaquim Lopes de Almeida. -
Vendem-se sapatos de como de lustro para
meninas de 8 a 12 annos, a 1,920 rs. ; ditos para se-
nhora a 2,800 rs.; bnrzeguirs gaspeados, a 4,500
rs.; sapatos de cordovftn para meninas de 8 a 12an-
nos a 1,280 rs.; sapatOes de lies solas a 1,000 rs.:
no Aterro-da-Boa-Visla loja n. 78.
Vende-se um piano de armario cm meio uso
e de boas vozes : na ra do Crespo n. 21.
Vendem-se o alugam-se bixas de Ilamburgo ,
chegadas de prximo por mais barato preco do que
em outra qualquer parte : na travessa da ru do
Vigario, loja do barbeir, n. 1.
Vende-se ca.' virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do que em outra qual-
quer parte : na ra do Trapiche, arma-
zem n. 17.
Vendem-se tresquartaos e um bom
cavallo de sella: no sitio da Cruz das-
Almas, defronle do tam&rinciro, junto
estrada que segu para Oliuda.
Fabrica de Todos-os-Santos.
Firmino Jos F. da llosa com escriptorio na ra
do Trapiche, n. 44, avisa aos scus freguozes que aca-
ba do leeel-er pela escuna Curiosa novo sortimen-
to do excellente panno de algodflo eotrancido da-
quelln fabrica ptimo para ensaccar assucar e pa-
ra roupa de esravos. O annunciante cunta que
alm da fazenda, o desejb do animar o desenvolv
ment de umn fabrica inlclramente nacional, pro
mover o prompto consumo da sua receita.
Cbitas baratas.
Na ra do Livramento, n. 14, vendem-se chitas fi-
nas e de bonitos padrOes, a nove vintcnso covado;
cortes docassa de bonitos padroes e bom goslo,
3,260 rs. o corto.
Vendem-se 5 vaccas e uma porco de cabras
do muito boa qualidade, vindas do Cabo-Verde, por
preco commodo : no Aterro-da-Boa-Visla paitara
doSr. Barrillier.
Vende-se cal virgem de Lisboa de superior
qualidade em barris de 4 arrobas chegada nesle
niez pelo biigue *aria-Jote : a tratar na rfti do
Brum armazem do Antonio Augusto da Fonseca ,
ou na ra do Vigario, n. 19.
PUUO VINHO DA FICUEIRA.
Existe no armazem de molhados, atrs do Cor-
po-Santo n. 66 uma grande porcio deste genui-
no vinho que se est veudendo pelo diminuto pre-
go do 1,120 rs a caada ea 160 rs. a garrafa ; tam-
bem ha em pipas que se vender mais em conta : he
esto o melhor de lodos os vinhos que se teem an-
nunciado pela sua simplicidade e ptimo paladar:
quem uma vez o beber jamis deixar de o com-
prar.
Na paitara da ra da Coi*, no Recife baver
todos os diasa venda o novo pao de Provenca fa-
bricado por mil 10 modo que o actual e da melhor
lar 1 nha que ha no mercado : por este motivo nSo Se
pode fazer senSo a 40, 80 e 160 rs.
Vende-so uma escrava moc,a com bom Icile,
para criar um menino, oque engomma, cozinha e
ceso : na ra do Fogo, n. 23.
. Vende-so a loja de alfaialo do Alerro-da-Boa-
Vista na esquina do becco, so eom a armaco, e
propria para fazendas, ou miudezas ; tambom Um
commodos para familia : a tratar na mesina loja.
Vende-se urna rica mobilia do Jacaranda, por
preco commodo : 110 Aterro-da-Boa-Vista loja da
esquina do becco.
Aos bous fumantes.
do as cabecadas e loros novos sem uso algum o jj.
tribos de latlo :quem quizor comprar annuncie.
--Vende-seum violilo de Jacaranda, da omito
boas vozes: na ra de S.-Cecilia n. 9, por detrada
jgreja da Penha.
--Vende-se a venda n. 60 da Passagem-da-Magja.
lena com poucos fundos, milito afreguezada e J '1
aluguel he muito em conta: a tratar na* me3(B4
venda.
SPF.RIOIIF.S CHARUTOS.
Vendem-se, na ra Nova, veada do A. F, um,
n. 3 al ni de outras qualidades, os afamados o,]
rulos saquaremas e'liberaes.
Yendem-se superiores charutos de
llavana, cm casa deJ. O. Elster, Qa
ra da Cruz, n. 5t.
Vende-se muito superior farinhj
em saccas, desembarcada hoje do brigle
Amorim, vindo da Babia, por preco cen-
modo : no armazem de Das Ferreira
no caes da Allandega.
Vende-se uma bomba de cobre em bom uto
propria para cacimba : ta ra larga do Itozario'
n. 20.
No armazem de louca vdrada da ra do Encan-
tamento n. 3, vonde-se palha de Angola lonea vi-
drada um pouco de painso e doces de todas as qua-
lidades : ludo por preco commodo.
Vendem-se ptimas pennas do ema : na ra di
Cadeia do Recite n. 36.
Ferro
de todas as qualidades o dimensOes, vergalhflo, ver-
guinha, arcos e chapa por proco commodo: na
ra da Madre-de-Deos, armazem n. 26.
Vendem-se saccas Com farinha de 'mandioca,
de boa qualidade c saccas grandes, por prero com-
modo : na ra da Cadeia do Recife, n. 19.
Vende-se lijlo de ladrllho, dito de alveniri
batida, tapamenloe telha ludo de barro do Don-
leiro pelo mesmo preco que so vende nns otarias:
timbem so manda conduzir tanto por trra como
embarcado., no lim do Becco-Largo, no Recife, jun-
to a taixas. No mesmo lugar tambem se vende bar-
ro, cal branca o preta ebotam-se canoas de aris
para obras.
Vende-se jjma rica e muito bem fefla armaco
doamarelln toda forrada de louro o enVidracaila,
a qual Coi feila polo finado Trosse, propria para loja
de fazendas ou miudezas; uma grande rede de pes-
cara de maia de camarlo : tudo por preco commo-
do : tambem havendo quem queira comprar a ar-
tnacfio o ficar na mesra loja se traspassar a cha-
ve cujo nluguol he multo mdico, e tem commo-
dos para familia : a tratar no Alerro-da-Boa-Vista,
n. 1".
Vende-se um lerreno com 40 palmos de fronte,
na ra nova da Soledado para o Manguinho : quem o
pretender ununcio.
Vendem-se saccas oom feijoo, por preeo com-
modo : no pateo do Paraizo, n. 24.
Vendem-se saccas de feij3o molatinho muilo
silo ditas de milho, por prego commodo.: na vend
do caes do Ramos.
Vende-se uma cadeirinha do arruar, por pre-
co commodo ; um relogio iuglcz de parede, pti-
mo rogulador: aa ra do Pilar n. 1'47, terceiro an-
dar.
Vende-se uma marqueza de angico ainda no-
aa um csixOo de flandres oleado e forrado o funda
de ta boas, proprio para vender fazendas um bih
de cu uro novo, muilo forte o que ainda nlo foi ser-
vido, uma cama de vento nova urna mesa grande de
amarrello, para juntar com urna aba e gaveta em
muito bom uso um caldciro de ferro: ludo muito
barato: na run estreita do Rozario, n. 2 terceiro
andar.
Escravos Fgidos
No Aterro-da-Boa-Visla, loja n. 33, vendem-se
superiores charutos de regala a 2,000, 2,500 o
3,000 rs. a caixinha.
Vrnde-sc a venda da na do Apollo, n. 21, com
poucos fundos: quem a pretender, dirija-sg a ra da
Madre-de-eos, tratar com ,Vicente Ferreira da
Costa.
-- Venda-so um sellimInglez em meio uso san- *V**> '- na ttp. o* m. r. Di r*atlA.ioig
Fugio.no dia terra-feira, 6 4o corrente, urna
preta de nomo liosa, de 50 annos; tem os beicos
bastantes grossos e os bracos afoveirados. Esta pe-
la li recoihida e anda sempre com lenco na enllo-
ca o no pescoco; nlo conheceas ras desla cidade,
porisso.se desconfa que esteja iccolhida em I-
guma casa para o que se protesta com lodo o ligor
da lei contra quem a tiverocculla. Tambem nao.-o
duvida vende-la. Quem a pegar leve-a a ra do Tra-
piche, n. 44.
Fiigio o preto Jos Malulo, de ns'cffo Cacange,
de trinla e tantos annos estatura regular, rheiodo
\corpo cor- fula bem barbado, roslo e jiariz largos ;
ho bastante Tallador quando bebe; he clsado no Bre-
jo-da-Ma.Ire-de-Deos ondo existe a mullier,
dizom fngira para este fugar. Este escravo heper-
teiu'enie aos herdeiros do finado Bento Antonio fK>-
mingues. Quem o pegar leve-o ao tutor dos ditos
orphios Jacinlho Silvestre Vicente, no becco do
Abreu n. 1, que gratificar.
l-'ugo, no dia 9 do corrente, uma preta criouli.
de nome Josepha do 30 annos de estatura me-
diana levousaia de algodflo azul, panno da te
j usado ; consta andar no Arraial, emeasa de um
ci ionio carpina : quem a pegar levo-a a JoQo Venan-
cio, cm S.-Auna.
Fugio um escravo do nome Antonio de nacHo
BeiiRuela de25annos com buco de barba emi-
go mais que ordinario ; levu calcas de algodozi-
nho azul, camisa do mesmo e chapeo de ciot
bronco ; quem o pegar levo-o a ra larga do Roza-
rio n. 20, que ser recompensado.
Fugio, no dia 12 do crrente, um moleque,
de nome Justino ci ionio do 18 annos pouco mus
ou menos de estatura haixa ; tem Taita de um den-
le do cima o com urna cicatriz na testa ; ho* gios*0
do corpo ; quando. falla parece da Angola ; leven
calcas de lila cor de caf bstanlo sujas camisa'11*
risCado j desbotada e sem chapeo: quem o pe?;ir
levo-o a ra Dreitu, n. 22, quesera recomponsade.
Fugio uma preta do nome Victorina represen-
ta 30 annos; tom os olhos avermelhados, rosloo>m-
prido bstante preta estatura regular, chciado
corpo seio grando ; tom um carocoao o do coto- j
vello do braco direito ; lm um atado ae sndar da
papagaio ; lovou dous vestidos um de chil *z"1
desbotado e oulro de chlt* preta velho e panno da
Costa novo, guarnecido de matemes : quem a peg'r
leve-a a casa do major Mayer que sera recompen-
sado.
mi mi Ann 1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ESK9NILW8_PNNZEU INGEST_TIME 2013-04-12T23:00:32Z PACKAGE AA00011611_06441
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES