Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06438


This item is only available as the following downloads:


Full Text
:/
Anuo XXV.
Segunda-feira 12
0 DMJtfOpurjtlc-ietedsot diasque nao
forrm de guarda. 0 preco da anigiiatura he
de 4|000 rs. pqr quariel, (jo adiautadoi. O
aunuucios dos asignantes sao inseridos a
rasaa de 20 rs. por liiiba, 40 rs. cm tjpo dlf-
fcreol*, cas repellfSes pela iiirtadc. Os nao
asilCoantPs\pagrSo 90 rs. por linhae 100 rs.
em'mio diflfereotc, por cada pubRcapao.
HMttES DA LA O MEZ Df. FEVERUR.
La. chela,7.a 8 horas 56 rain, da manh.
fflUW.Ift. 1 hora 43mi".daah.
LA toovs, a 23, s 11 horas 10mm. da tarde.
PARTIDA DOS COP.REIOS.
Golean eParah iba. asegs.e scxtas-ftiras.
Bio-G.-do-Worte, qulntas-fclras aomelo-dia.
Cabo. Serinhem, Rioformoao, Porlo-Calvo
Macelo, nef.*eile'2lde cada mez.
Garanhuna e Bonito, a 8 e 23.
lloa-VlaM e.Florcs, a 13 e 88.
Victoria, ijjalntai-feirai.
Olinda, todos pa das.
PREAHAR DE UOJE.
Primeira, s 8 horas e 90 minutos da manh.
Segunda, s 8 horas e 54 minutos da tard.
de Fevereiro de 1849.
N. 5.
das da semana.
12 Segunda. 8. Eulalia. Aud.doJ.doiorph.,
loJ.duciv.edo J.M.da. v.
13 Terca. S. Gregorio. Aud. doJ.doc. da 1.
v. edo J. de pai do 2. dist. de t.
14 Quarta. S. Valentlm. Aud. do J. do c.
da 2. v. c do J. de paz do 2. dial, de t.
15 Quinta. S.Fautino. Aud. do J. dos orph. C
do J.M.dal. v.
16 Sexta. Porfirio. Aud. do I. do cir-e do
J. depaidol. dist. de t.
17 Sabbado. S. Silvino. Aud. del. do c.
dal. v. edoJ.de paz do 2. dist. de t.
18 Demlngo. S. Theotonlo.
CAMBIOS NO DA 10 DE FEVEREIRO.
Sobre landres a 36 d. por 1/000 rt. afiO dlai.
a Paris
Lisboa 108 por ceoto de premio.
Rio-de-Jaoelro ao par.
Dse, de le<. de boaa firmas a l'/ X ao mea.
Accoea da comp. de Beberibe, a 50 ri.sop.
0ro.-Oncaa beapanholas. 29/500 a dO/WO
. Ilocda. de K#400 v. 1700 a 1050
, de 6/400 n. 16/200 a ltt/40P
de 4/000....
Prata-Patacoea brasileiroa
Pesos coluinuarlos.
Ditos indcanos.....
9/200 a 9/40*
1/860 a 1/S80
1/960 a 1/980
1/880 a 1/900
DIARIO DE PERK. AMBUCO
PARTE OrTKtl.
S MINISTERIO DOS NEGOCIOS ESTRANGEIROS.
' decreto 578 dr 11 m Jl0 DK 1849.
Modifica t tubetttue a tabello de emolumento* contuh-
rtt, mandada observar pelo de U de jmho ie 18*7.
Convindo regular as vantagens quo perceberft os
cnsules do imperio'a titulo de emolumentos pelos
acto de seu ofllcio, de modo que a differcnciaes
que tenhem tto pesar sobre os navios nacionaes,
pelos servicos e especial proleccSo que I des pres-
iam aquellas funecionarios pblicos, guardem urna
insta e bem calculada proporeflo com a retribui-
do que Ins he devida pe'0 despachos dos navi-
os estrangeiros nos seus respectivos distritos, oei
por bem, em conformidade do que j resolv em 91
de dezombr do auno prximo (Indo, em consulta
da seccSo dos negocios estrangeiros do concelho de
estado, e em attenglo ao que me foi nclla reproson-
Udo, que a patita do omolumentos consulares, man-
dada observar pelo decreto de 11 de junho de 1847,
seia modificada e substituida pela que com esle bai-
la aasigJiada pelo visconde de Olinda, do meu eon-
ceho, presidente do concelho do ministros, minisr
Iro e secretario do estado dos negocios estrangeiros,
que assim o lenlw entendido e faga executar com os
despachos necessarios.
Palacio do Rio-de-Janeiro, oro 11 de Janeiro de
18**, vigesimo-oitavo da independencia e do impe-
rio.-Com a rubrica de S. M. o Imperador.-VUeon-
de de Olinda.
Tarifa de* emolumentos que cotnptiem ate camuladoi
bmsileiroe por legtlisagio de doetmentoe e outrot
acta* consulares.
Por legalisacSo (duplicada) do manifest da carga
de um navio, conforme a sua tonelagem, calculada
segundo a iegislacflo dos respectivos paizes.
Kacionaes. Eelrangeiroe.
De 1 navio al 200 tons. pesos
- de 201 a 250
de 951 a M
de 301 a 350 .1
de 351 para mais
Por certificado (duplicado)
lastro.
Sendo nacional........ *
estrangeiro.......2
caria de snde de cada navio nos lu-
gares onde n!lu houver roparlicfio
que as conffra........2
Sendo siroplesmente visada. ... 1
visto a matrcula de equipagem. f
endoaso nopassaporte de um navio. 1
passsporte expedido a individuos. 9
visado.......1
inventario de um navio. .8
vistoria de a ...... 8
de fazendas a bordo. ... 8
em trra. 5
um testamento. *......o
approvac.lo de dito.......*
tormo de abertura de dito.....'.*
inventario de bens por fallecimento. 5
urna procurarlo........i
urna escriptura de venda ou. compra
e acto de sociedade......8
8 6
10 8
ti 10
14 19
18 14
de vir um navio em
que, na provincia da Baha, por mais 4 annos, na
forma da lai.
dem idem, rerrovendo o juiz municipal e de or-
phos, Antonio Jos da Motta e Silva, do termo do
Jagu.rJo parco de Casaapava, na provincia de San-
Pedro do Rio-Crande-do-Sul, por assim o hover po-
dido.
dem idem, apresentando o padre Joffo Martina
Guimaraes na freguezia de Nossa Sonhora da Con-
ceiQ.lo do Guerm, do arcebispado da fiahia.
Idem idem. fazoado merc a Jos da Silva Belm
-da serventa vitalicia do odelo do escrivilo do. judi-
cial e notas da villa de Aras, em S. Paulo.
dem idem, faz'endo merc a Ricardo Jos da Sil-
va Azevedo da serventa vitalicia do cilicio de la-
belli3o pubico, judicial e notas, eescrivAo das exe-
cures civeis e crimes da villa da Estrella, na pro
vincia do Rio-de-Janeiro.
dem idem, aceitando a desistencia que fez o mes-
mo Ricardo Jos da Silva Azevedo do offieio de dis-
tribuidor e partidor do geral e orphHos da dita villa
da Estrella, do que era serventuario vitalicio.
Idem idem, exonerando aMaximiano Jos Rodri-
gues do cargo de subdelegado da freguezia de Iraj.
dem idem, nomeando7lynolto Marcos Vieira
subdelegado da freguezia de Iraj.
Carta imperial ao hispo capelllo-mr, na mesma
data, para que o conego honorario da capolla impe-
rial Jofio Joequim Ferreirade Aguiar tenlia assento
e posso na mesma capella.
mss
vigesimo-oitavo da independencia e do imperio.
Com a rubrica de S. M. o Imperador.tfanoe! Fe-
zardo de Soma e Mello.
MINISTERIO DA FAZKNDA.
EXTRACTO DO EXPEDIENTE DO DA 10 DE
JAMURO.
Ao inspector da aliamlega,. respondendo ao que
representou," se declara que o sentido em que dovo
ser entendida a porlaria de 8 desta mez ho que,
quanto aos objectos quo os proprios recorrentes
Concordamnno azer parte da machina, deliberou
o tribunal, avista das razes por ellos aposenta-
das, quo nHo devora ser sustentada a appreliensflo ;
e pelo que toca aos outros objectos que os recor-
rentes allegam, o o apprehensor contesta fazerom
parle da dita machina, deve a quesillo ser deci-
dida pela commissao das machinas. Se a decislo
fr contra a parte, pagar ella os diroilos compe-
tentes e outro tanto para o conferonte, e em favor,
dar-se-lhes sabida da mesma manera que a machi-
na de que fizercm parle.
um protesto ou deelaracao. ... 9
interrogatorio de testemunhas, por
cada urna. ......... 9
um attestado do cnsul para servir
emqualquerestaQito......1
ii registro de qualquer documento nos
livros do consulado, que nSo seja o
manifest; carta desade, matricula
de equipagem e passaportes, por ca- .
da pagina..........1/2
reoonhpcimento de assignatura ou le-
galisacHo de qualquer documento,
Dio paseado no consulado. 1
orna certdflo qualquer.....9 -'
Excedando a cerlidfioduas paginas,
pagar mais por cada urna. ... 1
Iraduccilo de qualquer documento,
por cada pagina.......9
s assisiencis do cnsul a setos que exi-
jam a sua- ausencia do consulado,
por cada dia uu cada tres milhas de
distancia, alm das despezas da jor-
nada, se as houver......91/9
ilinlieiio recebido ou despendido por.
cunta Jo governo, ama commissao
de............I/.
conta de particulares...... 9-1/9 Ve
deposiiu de dinheiros ou bens no con-
sulado, e adminislracu do bens do
subditos brasileiros que -morrom
abintestados, obre a somma ou va-
lor, urna commissao de.....2 1/2%
easislu- a qualquer 'venda, sendo rc-
quarido..........8/
> airecadacao de objectos pettencenles
carga e casco de um navio naufra-
gado, sobro o valor da somma. 91/90/
Palacio do llio-de-Janeiro, en 14 de ianeiro de
1819.- Kieoiie de Olinda. .-
M1N1STRIU DA JUSTigA.
Decreto de 15 de Janeiro, nomeando o bacharel
Francisco Marlanni juiz municipal e de orphSos
dos leruros reunidos da villa da Barra e Chique-Chi-
MINISTERIO DA GUERRA.
DECRETO N. 579 DE 0 DR JANEIRO DE 1849.
Eitabeleeendo as regras por que deterjo ter (tilas at ul-
terior dispoiicao legislativa ai prmocOei no diffe-
retes corpos do exercito.
Tomando em considerarlo a proposta que o con-
celho supremo militar fez subir minha imperial
presenca, em consulta de 93 de agosto de 1847, boi
por bem, conformando-me com a opinifio do mesmo
concelho, determinar o seguinte :
Art. 1.A promoQflo do imperial corpo daengo-
nheiros continuar a ser feita em conformidade do
disposto as instrucc,oesannxasao decrete de 4 de
dezembrode 1822.
Art. 9.' O estado-msior general, o esladn-maior
del.* classedo exercito, o estado-maior de 2.'classe
do exercito, o imperial corpo de enaenheiros, a ar-
tilharia ecavallaria.e a intantaria sao corpos e ar-
mas independentes, o como taes devem ter Suas pro-
mo;0es especiaos, e dentro em si, sem que possa
dar-se reclamacilo quando qualquer official do urna
arma com menos lempo do servigo do que outro de
arma differenlo for prmeiramente promovido.
Art 3 As passagens de uns para outros corpos ou
armas s serio permitidlas at o posto de alteres e
por troca entre ofllciacs da mesma patente eantigu-
dade; (loando, porm, entendido quo esta determi-
na?ao nio acra applicavcl aquellos officiaosqne I1011-
verem de ser passados do estado-maior de I.* classo
em conformidade com o dsposlo na ultima parle do
artigo .'
Art. .4.* Devendo ser considerado como servien
alheio ao exercito o pratirado nos corpos municipaes
permanentes da corte e das provincias, embora com
outras denominares, os oillciaes do exercito ncllcs
empreados, excepQ3o dos commandantcs e me-
jores, passarao para a 9.' classe do exercito ; e ueste
caso nao terSo accesso emquanto nflo voltarom para
a primeira.
Art. 5.* Para que seja mentido o direilo dos ofli-
ciaes do exercito nos seus accessos, e se possam bem
desempenhar os detalhes e funecoea do servido, so
confeccionar na secretaria de estado dos negocios
da guerreo almanak dos mosmes ofllciacs, pola or-
dem de suas anliguidades em cada urna das armas
o classes, designando-se odia da primeira praqa de
cada'um, as dalas dos decretos ou re>oluc,6s do
poslo quo oceupar, e daquetles que tiver desempe-
nhado, e, em igualdado de circunstancias, o motivo
que por uns sao collocados em primeiro lugar de
preferencia a outros : devendo ser o almanak pu-
blicado animalmente, com as alterac/ies que liverem
ocrorrido dopois da ultima publicaeflo.
Art. 8.' Convindo, para o bom desempenho das
importantes funches a que sao destinados os oiii-
ciaos do estado-maior do exercito do 1.* classe, que
seja eslo composlo smenle de oficiaos habilitados
com osestudos do curso respectivo estabelecido, no
artigo terceiro des estatutos da escola militar, man-
dados executar pelo decreto n. 401 do I.' do marco
de 1845, n3o dovenlo jamis entrar para o mesmo
corpo sen.To aquellos oillciaes que tivorom o referido
curso ; oumprindo que dolle so vio tirando paulati-
namente, e da mancira mais rozoavel o convonienlo
ao bem do servico, os que nHo tiverem todas as pre-
cisas babililacOes.
Arl. 7.' A anliguidado entre os olliciacs militaros
so deve contar da data do decreto do ultimo posto ;
havendo igualdado tiesta dala a respeilode dous ou
msis individuos, so recorrer s datas dos postos
anteriores al o primeiro de oUlcial; c quando anda
baja igualdado, se Jera recurso ao diada primeira
praca ; devendo preferir o que tiver mais lempo do
servico, depois o que livor mais lempo de vida, o l-
timamente decidir a sorte.
Manoel Felisardo de Souza o Mello, do meu conce-
di, ministro e secretario de estado dos negocios da
marinha a encarregado intorinamonte dos da guer-
ra, aisim o ten ha entendido e faca executar com os
despachos neOssarios.
Palacio do Rio-de-Janeiro, en 9 de Janeiro de 1819,
EXTRACTO DO EXPEDIENTE DO DIA 13
DE JANEIRO.
Circular. Joaqum Jos Rodrigues Torres, etc.,
de conformidade com a imperial rsolucflode 10 do
crrante sobre consulta da seceso de fazenda do
concelho de estado para execucao do disposto no 1
do art. 9.' da lei n. 514 de 28 de outubro ultimo,
declara que estao comprehendidos na disposicao do
dilo paragrapho para o pagamento de 80 por cenlo
os objectos seguintes:
Roupa feita para senhoras e meninas Vestidos,
sias, camisas e capoles.
Pera homens o meninos, oxcepluados os de prova
d'agoa ou feitos de gomma elstica Casacas, so-
brecasacas, paletos, rodaques, japonas, jaquetas,
capoles, ponches, caltas, calcesecolletes.
Exceptuadas as de meia de ISa ou de meia de al-
godao :- Camisas e ccroulas.
Calcado:Todo o calcado para homens, senhoras,
menido'ae meninas, exceptundoos sapolnhos de
meia o rede de ISa para marica.
Obras de marcenara .-Todos os objectos de-ma-
deira para adorno ou servico de casa, vulgarmente
chamados mobila ; exceptuados todos aqucllesar-
ligos em que a madeira nao seja a materia principal,
como, porexemplo, os pianos, realejos e outros
instrumentos de msica ; espelhos o quadros doa-
rados com ou sem vidros e estampas; molduras dou-
radas; caixnhas enfoiladas com ou sem preparo
para costura, barba, ou outros misleres, ele.
EXTRACTO DO EXPEDIENTE DO DIA 17 DE JANEIRO
DE 1849.
Ao inspector da alfandegn, declarando que as pa-
tentes conferidas aos despachantes antes da execucao
da loi de 28 de outubro p. p. nSo estao por ella an-
nulladas, e que a disposicao do art. 37 da mesma le
s vigora para aquellas que'se passarem depois que
ella foi promulgada.
. 'Circular,declarando ostensivas as disposicoes
da circular de. 31 de Janeiro do anno passado rela-
livamenfo arrecadacao das herancas dos subditos
portuguezes aos cnsules das demais naees pelo
que rospeita aos bens dos seus respectivos compa-
triotas.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DIA 9 DE FEVEREIRO.
Olllcio.-Ao cnsul de S.'II. FidelissimaCons-
tando-me, por olicio do chcfo das fnjas navaes, que
o commandnnte do briguo de guerra portuguez
Douro prestara O cirurgiao do seu navio para coad-
juvar o da corveta Eulerpe no tratamento dos pnsio-
neiros feridos no ataque do da 2 desteimez, bem
como que no desempenho dessa commissao ge hou-
vera elle com toda a humanidade e penca, conser-
vando-sealli emquanto foi necessaaria a sua pre-
senca : eu mo dirijo a V. S. par. que haja de Mini-
ficar aos rerendos commandante e AnM
esla presidencia multo louva o agradece IflO genero-
so procodimenlo, e que o levara ao conhec.menlo do
governo de S.M. o Imperador.
D.to.-Ao juiz municipal tapenlo do tormo de
Olinda, duendo que na verdade foi morto pe OS re-
beldes no dia 2 deste ex o lente de guardaana-
ciunaes de Olinda Manoel Rufino de barros, cuja
f m "a po? certo o governo imperial nao consenl.r.
que fique exposta a miseria; cumpr.ndo en retanlo
que Sinc. acautelo sobre as pessoas o bens dos oi-
phaos deixados pelo referido finado.
|>ito.-Ao promotor publico do Pao d Albo, agra-
derendo as obsequiosas exprcsses do fue se se v o
para manifestar o jubilo de quo so .cha possutdo
pelo tiiumpho quo no dia 2 a causa da legalidade
Icancra sobre a dos rebeldes as ras desta ca-
pital eem alguns de seus arrcbaldes. .
Dito.-Ao lente coronel Jos Antonio .Lopes'
agradecendo as expressOes de que se servio para
palentear o prazer de que se ada possaido pelo
glorioso triumpho que ohteve a legalidade sobre a
tebcldia no dia 2 do correte mez.
Dito.A cmara municipal de Goianna, appro
vando provisoriamente, no sentido do parecer, que
I remello por copia, do presidento da relacflo, a deii-
I beraefio que tomaram Smcs. de crear um novo dls-
' tricto de paz com denominado de Carahu na par-
ledo municipio deIguarass, que pela lei provin-
cial de 30 de agosto do anno prximo lindo passou
a perlencer a commarca de Goianna.
Dito.Ao agentada compendia das barcas de va-
por, recommendando mande receber como passagei-
ro de proa no primeiro vapor que passar para o nor-
te a Guherme Francisco Douradoque, tendo, obtido
baixa do servico de primeira linha, recolhe-se ao
Cear, sua provincia natal.
Dito.Ao commandante do vapor I). A/fonso, re-
commendando haja de transportar para a corle a
borrlo do vapor sb seu commando o 1 cadete Uen-
jamim Peres de Albuquerquo afaranhuo que vai ma-
iricular-.se na escola militar.
Dito.A' cmara do Rio-Formoso, agradecendo aa
obsequiosas expressOes de que se serviram Smcs.
para patentear o regosijo do que se acham possuidos
os habitantes daquello municipio pelo triumpho que
as forcas do governo alcancaram no dia 9 deste moz.
Porlaria.Demillindo do posto do coronel chefe
da segunda legiao da guarda nacional do municipio ,
do Bonito a Pedro Paz de Souza, e de tenante coro-
nel chefe do torceiro batalhao da mesma guarda na-
cional a Manoel da Silva e Souza.Participou-se ao
commandante Superior respectivo.
TR1RUNAL DA RELACAO.
SESSAO EM 10 DE FEVEREIRO DE 1819.
riiEsiuKscu do exm. saa. coscei.hiro azevxdo.
A's horas do costume, achando-se presentes os Srs.
desembargadores Ponce, Ramos, LeSo, Souza Ra-
bello. Tallando os Srs. desembargadores Villares,
Bastos e Ayres, o Sr. presidente apresenlou um1 rn-
elo do Exm. presidente da provincia, acompanhado
da ralacao dos juizessubstitutos das varas desta ci-
dado ; e, cftmparecendo depois o Sr. Dr. juiz de di-
reilo Poreira Monteiro, abri a sessno.
Nfohouveram julgamentos dos feitos omque se
havia assignado dia,por falta dos Srs. desembargado-
res Villares e Bastos.
Na appellacao entre partea emque sao:
Appellantes, JoSo llaptlsta Pereira Lobo e sua mu-
Iherjappellado, Joaqum da Silva Pereira, man-
do u-so proceder habilitacBo dos herdeiros deste.
RevitSes.
Passaram do Sr. dosembargador LeSo ao Sr. des-
embargador Souza os autos civeis am que sao :
Appellante, Jos Rodrigues do Paco; appellado, Ma-
noel Pereira Magalhaes. .
Appellante, ojuizo; appellada, D. Antonia Vieira.
(ti 111 {19
Appellante, ojuizo; appellado, Manoel Joaqum do
Reg Albuquerquo.
A appellacao crimo em que sSo:
Appcllanle, a juslica; appellado, Antonio Baptista
de Oliveira.
Passou do Sr. desembargaddrRabello ao Sr. des-
embargador Ponce a appellacao civel nm que sSo :
Appellante, Jos Luiz do Caldas Lins ; appellado,
Joao Baptisla l'aes Brrelo.
Foi assignado o primeiro dia til para o julgaraen-
lo da appellacao civel em que sflo :
Appellante, lenlo de Barros1 Felcjo de iueerda ; ap-
pellada, Pctronilla Florentina da Soledade.
Nao l.avendo mais dstribuictos, levantou^so a
sessao antes do meio-dia.
EXTERIOR.
PROPOST.V
DO CONCELHO DE MINISTROS DE FRANCA AO PRE-
SIDENTE DA REPBLICA.
Parie, 23 de desembro de 1848.
. Senhor peetidenle. O gabinete que tende*hon-
rado com a vossa cenlanca, accordou em propOr-
vos urna medida a qual elle cons.dwa como a ex-
pressao do senlimento umyora. -- W .
So nossa patria te.11 atravessadocom tanta ci-
ma e dignidade a maiore mais dimc.l pr0va9.no peh
S al unfpovo livro pode passar he tu to&o. sem
duvida, ao progressode nossa educatjao politice, po-
rm nsdevemos tambera ettribu.r e honra^ desto
succosso infiucncia beneOca desea nomequejei
xou o coracnodenossos concidadBos urna taocna
ra e tao gloriosa recordaeflo. oon,in(,nt0 com-
Esta fusao dos ponidos cm mS*VSS!z2EL
mum, e ost reconciliacao ^ffljSSkTmS'
hoslis, he. urna nobn' ''^0 agrando homem,
mona do imperador f0iew. vm
porlanto, ainda mesmo depois """; '? v
'prestar su. patria f'^ZJS Ul momen-
. Epodor.amosnsosquece e genor jero-
l,VnoVon:;:.Te,,rvTrdesrntfio entre ns -I.
nh0 leKrKmoPBon.parte.( ex-rei de
Sercito. Elle foi o ultimo que Uesesperou da salva-
C3o da Franca.


>
N\
,-(.____,.____,.___. -nsultado em seas co-
rnil JT fr8nC.el fMe C. -clamara unnime-
mic.os, estamos certos que pro |eBo devia
mente que o lugar do irmo de Ni. e seu
rm3o
em a qual
lerpretes
vossa
junto do deposito sagrado das cinz. |ia
e frente dessa nobre phalange vetora ,Qg
as gerages successivas de no3sos bra\\
acham um ultimo refugio. \
Nos somos, Sr. presidente, os meros in
da opini.to publica, qunelo apresentamos
sancgflo o seguinle projecto de decreto :
o Ar. 1." O general de liviso Jeronymo Boi.
parte he nomeado governador do hotel dos Invali
dos em lugar do marccnal Molilor.
Art. 2. O marechal Molitor he nomeado grflo-
chancellrda legifio da Honra em lugar do general
de divisflo Sabervie.
O ministro da guerra no encirregado da exe-
cuco do presente decreto.
Em o nome Jo concelho de ministros.
Oiillon Barrot.
A p pro vado em concelho.
Luis Napoleilo lionaparls ,
Presidente da repblica.
LONDRES, 27 DE DEZEMBRO DE 1848.
A perplexidede quo temos sentido em samlar por
sens prpprins ttulos o novo governador da franca,
nlto he diminuida pela recepgflo que seus concilla-
dnos acabam de fazer-lhe em sua exaltada capacida-
de. Doucos pareceram conlicccr os termos em que
suas cnngratulacOes deveriam ser concobidas. m
orgflo da opinio franceza suggerio que o silencio
eraomelhor exrediente em tal embarace, e que
nnpuom deveria aventurar-so a especificar os fun-
damentos que tinha para regozijar-se, com medo de
que as anlcipaeoes de seu vizinho acerca do mesmo
venturoso acontecimento Ihes fossem exaelamonte
contrarias. Folzmenle.comtudo.em o dia da ceremo-
nia da inauguracflo.uma expressflo foi descoberla.em
a qual os sent n entosde todos podaran) coincidir.
Nflo era um cnsul,um general,um principo,um impe-
rador ou um presidente que eslava diante delles ,
mas smenle um Bonaparte. Viva Napoleflo foi o
grito universal ,e he a restauracilo de urna familia
imperial que, prezumimos, devomos agora saudar.
Aquellos que reconhecem a theoria de un curso
<;. cheo de successos terflo sido edificados pelas il-
lustracoes da doulrina que a ultima semana lem
subministrado. Doze mezes passados, os verdadeiros
imperialistas formavam um partido entre o povo
francez, porm um partido alguma cousa superior
cm numero esignificaglo aos verdadeiros republi-
canos. Os republicanos ti vera ni o seu dia primeiro ;
os imperialistas teem o seu agora. Pouco importa
examinar a composigflo dista enormo maioria pela
qual um Napoleflo foi oulra vez collocado frente
do povo francez. Ella pode ser o resultado, bem co-
mo Mr. OdiHnn Barrot aflirma, de urna fusilo dos
partidos em um senliment commum, ou podo in-
dicar um compromisso menos permanente, ou sa-
tisfactorio.
Ha todava um Tacto consuaamado. A nacfio fran-
ceza lem declarado a sua opiniflo debaixo de cir-
cunislancas mais favoraveisa urna expressflo deli-
berada de sentimento do que nunca coube em sor-
te a nenbumpaiz. O resultado he significativo em
mais de um ponto de vista.
Aquella aceto da popnlaco que se proclamou
cmphalcamente.o povo, > que arrogou a sobera-
na absoluta da Franca que ameacu com proscrip-
eflo c saque, com ferro e fogo toda opposicKo aos
seus mais extravagantes caprichos,tem sido pesada e
contada, ella nflo com prebende em todas as suas va-
riedades, nom meio milhfio do caberas dentre sete
mllliOes e meio. Lancando mesmo em conta a l.edru
Iiollin e Raspail todas as cdulas duvidosas e ncons-
titucionaes que se acharam as urnas, o numero dos
votos dados a estes camprOes da repblica social nflo
checa a 500,000, sendo o numero total das cdulas
7:4*9,471. Um por quinze.' I'roporctlo exactameule
idntica com a que lora observada cm nossa propria
metropole entre os inimigose os amigos da ordem
publica.
Mas, ha bem quatorzo mezes que urna solem-
niilade de extraordinaria oceurrencia, mesmo entre
as multiformes Testas do Paris, excitou as sympa-
l i.is e as recordacOes dos Francezes.
Um verdadeiro marechal do imperio foi consig-
nado s abobadas dos Invlidos. Entro os indivi-
duos que acompanhavam o fretro pelo meio das
longas fileiras de veteranos, atraves do nobre pateo
do hospital, viam-se algumas reliquias do grando
exercilo. O tancar encamado e o thako polaco que
depois se tem tornado tilo communs a esta clas-
se, o calador da guarda com suas botas e pelissa,
e o vellio granadeiro com o seu capole azul o capa-
cete de pelle de urso l'ram all apresenladosem vi-
va realidade geragflo de seus successores, extre-
mamente admirados. A repblica em o lugar da
mnnarchia era em verdade urna transformagflo bas-
tante estranba; porm quem pedera ter entilo conce-
bido que os caiacteres e ttulos do imperio seriam
um dia tesusctados i vida actual, que um Napoleflo
cslabeleceria outra vez sua residencia no palacio
real e recebria as saudades de milhares de pessss
na praca Vendme, que um Bonapaile presidira
nos Invlidos, queoulro ira como cmbaixador a
Londres, e que a bourgeoisii de Paris se prostraria em
sipnal derespeto e reverencia dianlc do um trom-
beteio da guarda imperial?
Foi em urna manbfla frigidissima de invern, ha
quasi meio seculo, ouea forma de urna repblica
foi finalmcnto substituida em Paris pela promoeflo
de m Napoleflo. De i.012,569 leilores, 3,011,007
consentirn) na siihstituigfio de um Bonaparte mi-
scravel parodia de urna constiluicio.
Depois do algumas precaugoes o novo cliefo do
povo entrn formalmente as dignidades de seu
posto. Precedido por urna brilhnnte escolta, elle
tomnu posse do anligo palacio dos Capelos, cassi^-
naloua sua elevaeflo pela solemnidade carocteiistica
de unta pomposa revista militar. De todas as par tesa
multidio corra nflo smente paia sauda-lo com gri-
tos e arclamacOes, senfo tambem para admirar a no-
breza de seu ar. Sua belleza grave e pensativa, diz
o historiador, atlrahio os olhos de lodos, e lodos
eram unnimes em.affirmar que de sua vida c segu-
ranza dependan) os destinos da Franca.
Nos podcrlamos quasi ter transferido esta descrip-
efio lo grande Napolefio para as nossas columnas de
liontem em que nos referimos elevaeflo de seu so-
lirinho. Ilavt ra sem duvida algumas di Merengas.
l'njvez que os turbulentos voluntarios do baulieu
nilo fossem julgados um substituto siillicieute as
brigadas 96 e 30, commandadas por La unes, Mural
c Bessicrrs, e mesmo teria sido diflicil construir o
aggregado de particulares em urna parodia soUrivel-l
embaragosodizer que scenas na historia da Franca
se nflo podem esperar que revivam.
i *S h no,"n,ono desapreciar o novo NapV
leao. O seu.debut, qualquer que seja a degenera-
cao da presente politice, Toi maissugpestivo dosdlas
do imperio, do que o do Luiz Blanco foi dos da rep-
blica. Elleachara na administrarlo interorda Franca
pelo menos tanto que fazer quarito achou oseu gran-
de homooymo. o crdito nflo era peior em 1800,
as fortunas particulares nflo estavam mais dilapida-
das, a fortuna publica nflo eslava mais completa-
mente arruinada do que se acham agora em 1818.
O alvo principal de Napoleflo I era a paz. Nos temos
ie este ser igualmente o alvo de Napoleflo II.
EaU' Prledesua tarefa est Taita ; nflollie Impre-
ciso nvnnuma cmpanha de Merengo para assegurar
a sua pa. Cl.nc8c de Amions. Porm, se elle conse-
guir resti.lu,raf'r*nca *in(, mesmo urna sombra
daquella pro.,Peritf,,ic 1ue e"* derxou gratuitamen-
te perecer, ni.'18uem ma,s poder por em questflo a
existencia de Tlri'.ue em ."> n<"ne.
Ha urna semana q'.ueLui-z Napoleflo Bonaparte to-
mou posse de sua res.'demia ofllcial, formou o seu
cortejo e relirou-se para descansar na ultima cma-
ra que seu to oceupou em Paris. Nos nflo indaga-
remos os sentimentos que ello pode experimentar
ao passear por este aposento Iflo estra n ha mente re-
cuperado, mas*cu grande predescessor nflo senlio
cortamente neiibuma perplexidad em comrrehen-
der a sua posieflo na occasiflo anloga aquella a que
nos temos referido. Kh bien, Borrienne. dase
elle ao seu secretario, logo que o pode fazer sem
testemunha. Eh bien, nou voila done aux TuileJ
riel '.Maintenant t faut y reier
f THK TIMES. )
oper4C6es, caso se verifique a hypothese que ci-
ma estabelecemos, e na qual nflo nos podemos re-
solver a acreditar: logo, seos rebeldes vierem sin-
da inquietar-nos, serflo completa e rpidamente
aniquilados;logo os habitantes da capital, en-
tregando ao merecido desprezo esse novo embuste
com que os desordeiros pretenden) aterra-los, e ten-
do as autoridades a merecida confianza, devem de
contar-se perfetatnente seguros;devam d$ atar
tranquillo!.
" I I I
PEriNAMBUCO.
DIARIO f)E PEK1VAMBUCO.
nzom, iairmRimolw.
OS HABITANTES DA CAPITAL DEVBM DB ESTAR
TltANQILLOS.
Quando alguns desses homens quasi-selvagens que
folgam sobre os cadavores de seus irmflos, se esfor-
cam por derramar o susto por entre os habitantes
desta cidade, fazendo-lhes crr quo o sanhudo ini-
migo que j urna vez tenlou reduzi-la a cinzas, pre-
para-so para ataca-la de novo, o levara ferro efogo
tudo quanto se I lio pozer por diante quando tal fac-
to seda, dizemos nos, consideramos do nossa restricta
obrigaeflo dirigir algumas palavras aos le toros, aflm
de dcmonstrar-lhes que semelhant'js boatos sflo in-
teiramento falsos, c sem o mnimo fundamento.
De Teito, o troco rebelde que, no meio da confusffo
inmediata ao combate de 2 do corrente, podra es-
capar-se, acantonou-se em Pasmado por oilo dias;
mas, presentindo que o persegua urna forte colum-
na commandada pelo bravo tenento-eoroncl Falcflo,
deu-sopressa em abandonar aquelle ponto, "e, hoj-
tem note, dsamparou-o precipitadamente diri-
gindo-se, segundo nos nfonnam, para a villa deNa-
zarelh.
A columna legalista, antea qual fugram os vn-
dalos, nada se ha de ter demorado em segui-
los, e he de suppr que, se na realidade vio el-
lescaniiiihodeNazaretb, sejam completamente des-
trocados ; pois que nao s serflo balidos na reta-
guarda pela referida columna, que sem duvida os
alcancar dentro cm breve, senflo tambem d fren-
te pelas frcas ao mando do coronel Pimentel, ora
naquclla villa, as quoes silo sullfcientes para destro-
ca-los.
Assim, res, parece-nos quenada ha a receinrpor
cssa segunda invasiio da capital, com que alguns de-
generados anda pretenJem alentar, por poucosdias,
as esperanzas de meia duzia de homens inexporien-
tcs a quem buscam de todo perder. Mas figuremos
que, tomando veredas tortuosas, e conseguindo il-
ludir a vigilancia dosdous benemritos oficiaes, j
referidos, comroettem os barbaros a criminla- lou-
cura de bater-nossegunda vezas portas da oidade.
Qual ser o resultado dessa temeraria tontaliva que
si) podo ser aconselbada pelo desespero? Oremos
que nada arriscamos em asseverar que ellos recebe-
rflb urna licito anda mais dura do que a primoira.
Sini; smenle em forcas arregimentadas, sem
contar coas a guarda naciuna! que, cm abono da
verdade, nestes ltimos dias tem desenvolvido mui-
ta aetividade,acba-sea prac. i guarnecida por mais de
1500 bayonetas, promptas a agredirom o inimigo,
apenas elle se aprsente;todos os cidadilos em cir-
cumstancias de pegar em armas, estilo dspostosa
coadjuvar osseus irmflos-soidados na nobre ompre-
za de esmagar a cabeca da hydra revolucionaria,
sogundo atesta o afn com que ellos seagruparam
n o pateo do palaciodo governo na note de 9 do cor-
rente, quando, j pc| meia noite, fram desperta-
dos por um tiro de pega que a fortaleza du Brum
jogou contra urna harcaca que procurava sabir do
porto;a polica contina vigilante ; o Exm. Sr.
prcsiJcnte nada lia arrefecido no cuidado com que
se tem cinpenliado.por extinguir a rcvolta de ido que")
LISTA dotboplismoi feiton nomatri* de Santo-Anto-
nio do llecifetm o mu de Janeiro de 1819.
Da 1. Adelaide, parda; nascida aos 25 de julho
de 1848. '
Dia 8. Francolina, parda; aos 35 de marco de
1848.
dem. Rozalna, parda ; aos 9 de, oulubro de 1848.
Dia 4. Vicente, crtoulo, escravo: aos 19 julho do
1818.
Dia 6. Letanclo, 'jardo, escravo: aos 17 de julho
de 1848.
dem. Antonio, crioulo, escravo: aos 4 de julho
de 1848.
dem. Guillermina, branca : aos 20 de marco de
1818.
dem. M'.ria, branca ; aos 12 de setembro de 1846.
dem. JoSo, branco ; aos 9 de abril de 1848.
Dia 7. Thereza, branca ; aos 8 de abril de 1847.
bien;,, paulina, branca ; aos 6 dejunho de 1848.
Di'd 9. Anna, branca ; aos 30 de setembro de 1834.
')ia 10. Paulo, pardo; aos 97 de novembro de
'.848.
dem. Mara, branca; aos 29 de abril de 1845.
Da II. A'nnunciada, branca ; aos 25 de.... de 1847.
Da 14. Lidio, pardo, escravo ; aos 7 de dezombro
de 1848.
Dia 20. Izabel, parda, escrava ; aos 19 de novem-
bro de 1848.
Dia 21. Joflo, pardo; ag 20 de julho de 1848.
Dia 22. Antonio, branco; aos 30 de oulubro de
1848.
Dia 25. Lourenca, branca j. aos 8 de Janeiro de
4849.
Dia 28. Ceminiano, pardo; aos 20 do dezembro de
1848.
dem. Thereza, branca; aos 22 de novembro de
1848.
dem. Sofa, croula, escrava; com tres mezes de
dude
dem. Francisco, pardo, escravo; em novembro
do 1848.
Dia 30. Prxedes, branco ; em junhode 1848.
dem. Alfonso, branco; com douaanos de idade.
O Vigario, Venancio Henriquei de Rennde
Correspondencia.
Sr, Redactor.Com a biographia militar do bene-
mrito capilflo da guarda nacional Jos Goncalves
da Silva, publicou o Diario de bonte.ni os servidos
honrosos prestados por esto distjncto cidadflo no
combate de 2 do corrente.
O Diaria nflo son be. por corto de um felo generoso
e philanlropico, pralcado pelo Sr. Silva para com
um ofllcial da. armada nacional imperial.
Eu o publico em honra ao mrito, e em execueflo
dos meus devores como commandanlo da lorca
naval.
u O Sr. capilflo Jos Goncalves da Silva, quando o
combalo seachava mais encarnizado, tinha por seu
companlieiro 0 meu 2. lenlo Braz Das da Costa,
que commandava urna Torga de impriaes marinhel-
ros. Este oTflcial que, sendo alias bravo, tem urna
constiluieflo dbil, recebeu urna conlusilo de bala,
3uo com tal frca he encontrou a carranca do lalim
a espada, quo o laucn por Ierra sem sentidos.
Eiitfiou benemrito capilflo Silva, expondo sua
vida, o collocuii sobre garupa do cavallo quo mon-
tava, c, atravesando a cerrada phalange iuimiga, o
troiixe a lugar sonde, sflo e salvo, pode anda al-
guns servicos prestar. >
Honra ao benemrito Maranhense.'
Honra ao benemrito oQlcial da guarda nacional
pernambucana! .
ccife, 11 de fovereiro de 1819.
Jouquim Jote Ignacio.
COMMERCIO.
AtFANDGA.
ItENIMENTO DO DIA 10........... 3:981,037
Deicarrigam kojt, 12 de fevtreiro.
Briguo Kl marcadorias.
Ilrigiio Helio/ioHi alcalrflo.
Itrigue ero pipas vasias.
NSULADO GERAL.
por arroba, o de segunda i r s
4,000.
Assucar- ----- Vicram ao mercado 333 caixis.^.
Os precos suhiram, pois que non-
i-'- i ve vendas do eneaixado, de 800
a 900 rs. por arroba sobre o fer-
ro. ; e do embarricado e ensaca.
do branco, de 1,900 a 2,000 ra.
bem como do masca vado, de ri'
. 1,550 a 1,600.
Couros ------ Venderam-se a 97 rs. p>1ibra.
Bacalhio '* Ficaram por vender 3000 barr.
cas. Retalhou-se do 10,400 i
11,500 rs. por barrica.
Canella ------ Vendeu-sea 520 rs. por libra di
da India.
Carne secca Existen por vender 15,000 aira-
bas, inclusive um carregamento
chegado esta semana, O con-
sumo tem sido grande, eaa ven-
das rogularam de 2,80 3,540
rs. por arroba da do Rio-Grande
e de 3,000 a 3,200 rs. da de Bue-
nos-Arres.
Corveja ------ Vendeu-se de 4,000 a 4,600 iii
por duzia de garrafas.
Cobr- ------ dem de 640 a 660 rs. por libra,
tanto para caldeirciro, como pa
ra forro e pregos.
Enxadas ----- dem de 500 a 610 rs. por cada
urna.
Folhadel'landres- dem 31,000 rs. Por ca xa.
Dita de ferro------dem de 10,000 a 11,600 rs. por
quintal.
Farinha de trigo O deposito monta a 8000 barr.
cas, por ter entrado um carregi.
ment com 1800. As vendn
continuaran) de 15,500 a ii.ooo
rs., conforme a qualidade.
Ferro ------- Vendeu-se a 7,200 rs. por|quintil
do inglez em barra, e de 9,000
a 9,900 ra. do de Suecia.
Manteiga ----- dem de 550 a 600 rs. por librada
inglcza, e500 rs. a franceza.
Pregos- ----------dem de 2,300 rs. por milheiro
dos ca ares.
vinh9......dem a 95,000 a 115,000 ri. por
pipa do de Lisboa, marca Pitlt.
Ficaram no porto 86 embarcacoes, a saber : 4ame-
ricanas, 3 austracas, 22 brasleiras, 5 dinamarque-
zas, 4 francezas, 2 hamhurguezas, 20 inglezas, n
portuguezas, 3 sicilianas, 9 sardas, 6 suecas e 1 rui-
siana.
No loo barris de chumbo de municSo que vieram
de Londres no brigue inglez deorge-Ann consigna-
dos a Nuno Marra de Seixas, deve-seler 60 barra da
ehumbo de munieflo 25 barris dealvaiade e 25 bir-
ria de zareflo. O engao proveio da tradcelo do
manifest.
RENDIMENTO DO DIA 10.
Cera I .
Diversas
provincias.
.....
2:197,117
41,645
2:238,762
CONSULADO PROV1RG1AL.
REISDIMENTO DO DA 10.......... 745,005
Itomou posse da adminislragilo da provincia;o
Exm. Sr. general commandanle das armas, omOm.
acha-se agora entre nos, e dirigir pessoalmcnle as
I'IIACA DORECIFE, IODEFEVEREIRO DE 1849,
AS 3 HORAS DA TARDE.
Revitla semanal.
Cambios Houve saques a 26 d. por 1,000
Algodflo
res.
Movmento do Porto.
Ifavioe entrado no dia 10.
Rio-de-Janoiro ; 91 dias, barca ingleza Reytist, de
841 toneladas, capilflo Simpson Cooper, equipa-
geni 11, om lastro ; a ordem.
Baha ; 14 dias, briguo brasileiro Amvim, de 196 to-
neladas, capilflo Pedro Nolasco Vleira de Mello,
equipagem 13, carga farinha ; a Ainorim Irmflos.
Navio lahidos no mamo Ha.
Gollenbcrgh ; brigue sueco George, capilflo O. F.
Hoempeke, carga assucar.
Parahiba; hiate brasileiro Parahibano, capilflo Nico-
lao Francisco da Costa, carga varios gneros. Pas-
sageiros, Antonio Tolentino de Meti, Manoel Pe-
reira da Silva.
Portos do norte ; vapor brasileiro Paraenie, com-
uiandMite o capilflo de fragata Manoel Francisco
da Costa Pereira. Alm dos passageiros que trou-
xedos portos dosul para os -do norte leva a seu
bordo : para Parahiba,- Edward Power, Inglez;
para oCeer, Cuilherme Francisco Dourado. o t-
ente Francisco Luiz da Costa Moroira, urna m.u-
Iher, o padre Manoel Duarte Rodrigues e 6 escravo
a entregar. ...
Gibraltar; brigue sueco felocifero, capilflo Antonio
Guazello, carga assucar.
Navio entrado no diai.
Falmoulh, Madeira e Canarias; 36 dias, paquete in-
glez l'cngiiin, commandanle o primeiro-tenenle
Leslie. Conduz 5 passageiros para o sul.
Cenova ; 41 (lias, brigue sardo tirina, de 215 tone-
ladas, cap ilSo Joflo Baplisla Chianella, equipagem
12, em lastro; ao capilflo.
Rio-de-Janeiro 30 dias. polaca brasileira N.S.-de-
Carmo, de 195 toneladas, capilflo Anacleto Elzi-
rio da Silva, equipagem 16, carga pipas vasias,
toucinho, barricas vasias e mais gneros; a Fran-
cisco Alvesda Cimba. Passageiros, L. S. C. Rauch,
Dinamarquez; Ricardo Pinto dcAlmeda, Jerony-
mo IJns Itiboiro. Antonio Eneas Gustavo Calvo,
Urasileiros, Francisco Jos Soares, Porluguez.
Maranhflo ; 12 dias, brigue-escuna brasileiro Laura,
de 163 toneladas, capilflo AntonioFerreira da Sil-
va Santos, equipagem 14, carga arroz, farinha de
mandioca e mais gneros ; a Novaos & Comp."
Aracaly ; indias, hiele brasileiro Flor-do-Reeife, d
30 toneladas, capilflo Jos Cuilherme dos Res,
equipagem 4, carga sal, algodflo e couros; a Luiz
Korges do Cerquoira. Passageiros, Antonio Comes
l.iflo, Manoel Bernardo dos Res, Antonio Bernar-
do Jos Montero.
Navios sabidos no mamo dia.
Em commissflo; brigue-escuna de guerra brasileiro
A'idorinha, commandanlo o capilflo tenonte Lou-
tn*c
Cl
rengo da Silva Araujo Amazonas,
asgow ; barca ingleza Jane-Drowni, capilflo *}
Iheus Wallaco, carga assucar. ^
Trieste; brigue inglez Gmllkernu, capillo Euzebio
Silencio, cargaMUueajjgi
Rio-de-Janeiro; val Keguerra Alfonso, comman-
'danto, ocaiiito ifaattar e gnerra Joaquina Marques
Lisboa. Alen dos ptjageiros quo trooxe lo"'
-.'.-. Apenas entraran) 54 saceos.O I seii bordo o lente ala\ii'nardo FerBafldei *>*
de primeira sorle foi procurado I mi com sua familia, Jos Lhpewe'ereira Batai curo
aos precos de4,300 a 4,400 ris| sua familias o 2 criados.

-. i
ILEGIVEL
w*m^i""+*



3
EDITAES.
O lllm. Sr. inspectoras thesourariada laxenda
provincial, em virtude da resolucflo do tribunal sa-
minlutractivo, manda fazer publico que, em cum-
rimento da le, peranto o mesmo tribunal, so ha de
arrematar om hasta publica, a quem mais oflerecer,
nos dias 13, 14 o 15 delkwereiro prximo vindouro,
o imposto da laxa da barreira da estrada:11 ponte da
Tacaruna, avallado nnualmente era 1:000,000 rs.
A srTemattcflo aera fela por lempo de San nos e
4 roezea, a contar do l de margo do correte anno
atsodejunho de 1851. *
As possoas que se propozerem a esta arrematagflo
comparegam na sala dasessfjes do sobredito tribu-
nal nos dias cima indicados, pelo meio-dia, compe-
tentemente habilitadas.
E para constar se mandou alTixar|o presente e pu-
blicar peto Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda provincial de
Pernambueo, 30 de Janeiro de 1849.
O 9. escriturario,
Antonio Ferreira d' AnnunciacSo.
Miguel Arekanjo Monteirode Aniradt, -o/ficial da im-
perial ordem da Bota, cavalciro da di Chriilo t ins-
pector da alfandega di Pernambueo, por S. M. o
Imperador, que Deot guarde, efe.
Fago saber que no dia 13 do corren te, ao mcio-dia,
i porta da mosma, se hilo do arrematar em praga pu-
lica 678cadcirisdo pao, americanas, 6 ditas'do dito
da balanco, 96 ditas-do nslba, 40 ditas de palha do
balanco e a ditas de cocnim, no valor de 9*1,000 rs.,
impugnadas pelo amanuense Gabriel AfTonso Reguei-
ra, no despacho por factura n. 3216 ; sendo a arro-
uiatagflosulijoita aos direitos.
Alfandega, 10 de fovereiro de 1849.
Miguel Archaitjo Monteiro de Andrade.
Declara^oes.
TORRE DE NESLE,
drama em cinco actos e nitoquadros, a carcter o
a grande espectculo, por Mr. Alexandre Dumas.
Mr. Dupr tem-se esforzado para que esta peca su-
ba scena tal como ha sido representada em Pars.
BANCA.
Novo patde de* nobre, daneado pela Senhora Ca-
mota e pelo Senhor Adolpho.
UELLA E POBRE.
Romance moderno, cantado pela Senhor Ale-
xandre.
Um romanee novo, cantado pela Senhora Natbalie.
DANQA.
A HcNGtaA, pai dedevx novo, danzado pela Se-
nhora Camoin e pelo Sr. Adolpho.
O espectculo comecar s 8 horas da noile.
mmemmmmmmmmBamm
Avisos martimos.
L*ft 5!X'io^m^^q"ar^

No dia 13 do corrente, perante a thesouraria da
fazenda provincial, te ha de arrematar do renda o
sitio que foi de Sehasliflo Jos da Silva Rraga, no
becco do Kspinheiro, avaliado em 100,000 ris por
anno, e pelo lempo ja annunciado.
O cirargiio ajudante do batalbSo de volunta-
rios nflo podendo ir pessoalmente a casa de todos os
scus carneradas que fram feridos no dia 3 do cor-
rente, poros ntio conhecer, ncm saber as suas mo-
radias, por isso avisa todos a virem pessoalmente,
caso sejam os scus ferimenlos leves,ou mandarem no
Aterro-da-Uoa-Vista, n. 4", para serem procurados.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria da fazenda
provincial manda fazer publico que, do dia 19 do
corrente mez por diante se pagarao os ordenados e
mais despezas do corrente anno (inanceiro, vencidos
al o ultimo do prximo passado mez.
Secreta'ia da thesouraria oa fazenda provincial de
rornambuc, 7 de fevereiro de 1649.
O segundo escripturalio,
Antonio Ferreira a" Annuncico.
CURSO JURDICO.
Por ordem do lllm Sr. director, foco saber a quem
convier, que, para regularizado dos cxamoS prepa-
ratorios, ficam estes distribuidos pelos dias da sema-
na do modo segunte :
Segunda-feira, das 9 horas asi 1 e meia geografa;
das 11 horas as 9 da tarde la ti ni;
Terga-feira, das 9 horas as II e.meia 'hetorica;
das 11 as 2 da tarde latim.
Quarta-feira, das 9 horas As 11 e meia goografla;
das II s a da tarde francez.
. Sexta-fera, das 9 horas s 11 o meia inglcz ;
das 11 s 9 da tarde francez.
Sabbado, das 9 horas s 11 e meia geometra ;
das 11 s 9 da tarde philosophia.
N. B. Odia impodido por ser feriado passsraser
como a quinta-feira. Uutro sim, os despachos aos
requerimenlos de exaincs preparatorios s serSo
dados nesta secretaria, eos requerimenlos, depois
do despachados, lieario na mesma, onde se far urna
lista dos que leoni de ser examinados.
Secretaria da academia, jurdica de Olinda, 93 de
Janeiro do 1849.
Eduardo Sonre a"Albergarla,
Secretario interino.
Arham-se recolhidos i esdeia desla cidade o
prelo Manoel, escravo de Bernardo Jos da Tmara,
morador no engeiiho Bemfca, e Silvestre, ea ravo
de Ji Theodoro doMoraes l.ins, morador na ra de
San-ltoiiiu, em Olinda : seus senliores comparegam
'. na subdelegada da Roa-vista, munidos do seus litu-
| los, aflu de Ibes serem entregues.
. Vicente Antonio do Espirito Sanio,
Subdelegado.
Pela subdelegada, da freguezia de San-Frei-Pe-
dro-Goiigalves foi apprcheiidido uin cabrinha, menor
de 5 anuos, o qual diz chamar-se Flix Antonio Se-
verino da ConceigSo, lillio de Manoel de tal, u de An-
tonia Maria Hila da Gonccigflo, moiaJores n co-
marca do Pao-d'AIho, o ter viudo a esta cidade em
compaulia de um homein a vender familia, anles do
dia 9 do correnla mez : quem se julgar com direito
ao referido menor, comparega na mesma subdelc-
gacia
Fraitcitco Uamede de Almeida,
Subdelegado supplenle.
-- O profissor de rhelorica do collegio das artes
avisa a quem convier que est aberta a matricula
as pessuas que se quizerem inscrever Uevem com-
parecer na secretaria da academia im todos os dias
uteia. ailM
As malas que tem de conduzr o pa-
quete do S. M. brilannica Penguin para
o P.io-rfe-Janeiro e Rahia lccham-se
amanliila, 13, ao meio-dia.
----------
THEATUO DE AFOLLO.
REABF.RTURA.
Quarta-feira, 14 defeoereiro.
A conipaiihia franceza sOb s ditecgSo de Mr. Dupr
lera a honra de dar para a quaila rcpresentacilo da
eeaignatura
Pretende seguir viagem para o Havre o brge
francez Beaujeu. no dia 10 de marco impreterivel-
menle, por so ter engajado para isto com vapos pas-
sageiros ; mas anda resta commodos psra mais al-
guna : ospretendentesdirijam-se ra da Senzal-
la-Velha, n. 138.
Para o Ass sane, no dia 13 do corrento, e pata-
cho S.-loii-feneedor : quem quizer carregar, ou ir de
passagem dirija-se ao seu consignatario, Francisco
Alves da Cunha na ra do Vigario, n. II, primei-
ro andar- ...
-- Para o Porto sane, com a maior brevidade pos-
sivel por ter a maior parto do seu carregamonto
prompto, o hrigue portuguez Ventura-Feljs, de quo
he capito Zeferno Ventura dos Santos : para carga
e passageiros, aos quaes olTeroce bons commodos,
trata-se com o referido capitflo, ou com o seu con-
signatario, Joaquim Ferreira MendesGuiraaraes, na
ra da Cruz, n.49.
Para Lisboa segu com toda a brovidade, por
ter parte da carga protnpta, o hrigue portuguez San-
Domingos, do qual he capitflo Manoel Gongalves Vi-
anna : quem no mesmo quizer carregar ou ir de pas-
sagem, para oque lem excellentos commodos, diri-
ja-so so referido capitflo, ou ao seu consignatario,
Joaquim Ferreira Mendes Guimarfles, na ra da
Cruz, n 49.
Para Loandaf Angola ) o bngue portuguez Hor-
do-Tejo sahe em principios de marco, capitflo Fr.e-
derico Carlos Rosa : para carga miuda ou passa-J
geiros para o que tem excellentes commodos tra-
ta-se com o consignatario, Jos Francisco da Costa
Rouxo na ruado Crespo, n. 10, ou na praga do
Commercio.
Para o Rio-de-Janaro sahe, com a maior brovi-
dade possivel, o brigue nacional Viiconde-de-Cama-
m : tem excellentes commodos para passageiros :
para carga e escravos a fete, trata-se com o capitflo
na Praca-do-Commercio, ou com Novaes& Compe-
ndia, ra do Trapiche, n 34.
Para o Rio-de-Janero seguo em poucos diss a
escuna Galanle-Maria, de primeira marcha : para o
resto da carga e passageiros, trata-se na ra da loe-
da, ii. 11.
Para o Rio-de-Janeiro pretende seguir viagem,
com brevidade, a escuna nacional Curioia, por tpr
parte da carga prompta : para o restante e passagei-
ros, trata-se com o meslre, Domingos Antonio de
Azevedo, ou com I.uiz Jos de S Araujo, rus da
Cruz, n 37, segundo andar.
Silva Ferreira Santos retiram-so para fra do impe-
rio : por isso rogatn aos seus erndores, que hajam de
apresentar suas cootas na padaria da ra da Sen-
zalla-Velha, n. 98, no prazo do oilo das, contados
da publicarlo deste annuncio.
,Joaquim Martina Coelho retira-se para fra do
imperio a tratar de soa saudc.
-- O Sr. Jos Manriques de Carvalho tem urna car-
ta na ra do Vigario n. 19, segundo andar.
Miguel da Costa Honrado, Brasileiro, retira-se
para a Baha a tratar de seus estudos.
Precisa-se de um menino para caixero : no
Aterro-da-Boa-Vista, loja n. 94.
. O Sr. thesoureiroda lotoria do theatro nSo pa-
gue o meio bilheten. 194 da ultima terca parte da
18 ', caso saia premiado, o qual foi roubado da car-
teira do padre JoSo Barboza da Silva Braga.
Aluga-se ums casa terrea na ra Bella, com 9
salas, 3 slcovas, cozinha fra, quintal e cacimba : a
tratar na ra do Collegio n. 15, segundo andar.
Mara Antonele Aglae Tresse, fllha legitima
eherdeira do seu fallecido pai, Joflo Baptista Clau-
dio Tresso convida eos Srs. que se julgarem credo-
res do fallecido de apresentarem suas contas cor-
rentes do que lite dove, para se trstar do pagamen-
to, no Aterro-da-Boa-Visla, n. 17, em o dia 15 di
corrente. s 10 horas da manhfla.
Maria Antoinete Aglae Tresse declara ao res-
peitavel publico que constituio o Sr. Frederico Cha-
ves seu procurador bastante em todos os seus ne-
gocios : por isto faz ver que de hoje em diante com
elle ho quo so devorflo entender. Pernambueo, 9
de fevereiro de 1849.
Flix Maifocl Rodrigues Coelho, Portuguez, re-
tlra-se para o Porto.
Na ra do Agoas-Verdes n. 90, precisa-se de
urna ama forra.
-- Um rapaz brasileiro, de"boa conducta, ( do que
d fiador^ com boa letlra e sulloienles conheci-
menlos das lingoas franceza o ingleza se offerecc
para caixero de qualquer casa de commercio des-
tas nacoes: o Sr. negociante que se quizer utilisar
de seu presumo annuncio. *
Precisa-so de urna ama parda ou preta para urna
casa estrangeira de pouca familia que saba bem
engonintar e fazer o mais servico ; adverte-so que
mo precisa cozinhar: na ra da Cruz, armazem
n. 48.
r- Francisco Alves Monteiro retira-se para a Eu-
timo ae quizer utilisar annuncie por esta folha vara
so tratar do ajuste e do meto mais com
promover a cobranca.
Avisos diversos.
-- Aluga-se ums casa torrea na ra do Padre-Flo-
ranno, n. 41 : a tratar na ra larga do Ruzaro, n.
39, segundo ou tereciro- andar.
Ricardo Dias Ferreira, Jos Ferreira c Joaquim
dedliveira, subditos portuguezes, relram-so para
fra da provincia.
Oabaixo assgnado, para poder, perante ores
pelavel publico, lvrar-se do urna falsa calumnia,
sugerida (Oosmenle pela mais descarada protervia,
roga a todos os seus vizinhos, tanto da ra da Pe-
nha. como da ra liireila, declarcm por este mesmo
Diario, se viram nq da 2 do mez que rege, da casa
do mesmo nhaixo assgnado, haver uins tiro feito
sobre s forjas da legalidade, com a condigno do
que, nfio apparecendo quem (al declare, he o annun-
ciaute considerado
sua reputadlo.
Iva
innocente a tal rcspeilo, e .
Jote da Fonuca Silta.
t ula de primeirns letlras.
Ensnam-se meninas com todo o desvelo a ler, es-
crever, contar, grammalica porlugueza, costura, la-
varinta, bordar de toda as qualidadrs, de seda e
matizes, tudo com perfeicno, assim como tamhem
ensiitani-so meninos ; na ra da Cadoia de S.-Anto
nio, no 9.* andar do sobrado da esquina do becco da
Ouvidor.
O coronel Bento Jos l.emcnha Lins faz constar
a quem convier que est disposto a vender ou fazor
qualquer negocio sobre os bens e terrenos sitos na
freguezia de Una, comarca do Rio-Formoso, que Iho
locara m por heranca de seu finado sogro, o marquoz
do Recifo, dando preferencia aos rendeiros quo estilo
no gozo dos ditos bens. Silo elle os scgninlcs : a po-
voacfio do Abreucom todos os sitios e terrenos ait-
uexos, os engenlios Manguinho, Agoa-Fria, Po-Fer-
ro, melade do engenho Kom-Jardim edeoutrosque
se lovanlaram as mesmas trras, a propriedade Ga-
melcira, metade da propriedade San-Jos-da-Cora-
Crando a metade das Ierras da povoaclo dos Barrei-
ros. Tambem se negocia o bem conhcciilo engenho
Jurissaca, silo as varzeasdo Gabo, nioeule correle,
com escravos, bois e tudo o que Ihe pertence. A con-
tratar com o mencionado coronel nesta praca, na
ra do Seve.
Oabaixoassgnado faz scienle ao publico, em
roconhecimouto da reputacSo commeicial dos Srs.
Mosquita & Dutra, que o annuncio publica..lo em o
Diario de Pernambueo de 95 de setembro do anno
passado, no qual declarara o mesmo abaixa assg-
nado nada dever aos ditos Srs. foi eTeilo de um
csquecinicnto, porquanlo verilicou ser rea I motilo
devedor de um saldo de letlras, cujo saldo pagou a-
gora, e so acha em harmona com 's mesmos Srs.
George Francs.
Aluga-se um prelo inuito fiel e meslre refina-
dor de a&aucar eUmbem aocador : na ra da Cen-
CvifOo da Boa-ViaU,-n. 9.
ropa.
Na ra da Prais, n. 43, existe urna csrla, vnda
do Rlo-de-Janeiro para o Snr. Joaquim Pinto de
Azovedo. ,
--Precisa-se alugar um sitio que tenha casa re-
gular para urna familia decente e arvorodos de
fruclo haixa para capim o agoa de beber prefe-
re-se porto da pra?a o abeira do rio: quem o liver
annuncie.
Precisa-se de um oudous meninos para aprefi-
derem o.oflico de latoeiro ,) ou funileiro, forros ou
escravos: na ra das Cruzes loja n. 33.
-- Na ra da Cruz, ti.91, precisa-se de um preto
forro ou captivo para o servio^ e urna casa de ho-
mem solteiro.
--Arrenda-so urna casa Ierres com commodos pa-
ra grande familia o decentes grande quintal com
alguns arvoredosdo fruclo, defronle do palacio do
Sr bispo e junto de unta oulra casa tesrea : a tra-
tar com o major Mayer.
Cede-se o arrcndamenlo de um sitio margem
doCapbaribeemuitoperloda praca, com boa ca-
sa do vivenda, estribara cocheira o senzalla mu-
rada : quem quizer annuncie.
Precisa-so de urna inulhcr de meia idade, que
quera cozinhar para um homem solleiro : na ra
Nova, n.42. Na mesma loja vende-se um rolugio do
ouro.
Prccisa-se de urna ama de lete : no pateo do
Hospital, n. 24.
Precisa-sede urna preta pera O servico interno
e externo de ums casa : pag-ae bem : na ra larga
do Rozario n. 48, segundo andar.
aparecen, no dia 4 do corrente, um cavallo
ruco i sem arreos : quom fr sou dono dirija-se a
cocheira da ra de S.-Francisco, quo, dando os sig-
n.aes cortos o pagando as despezas, Iho ser en-
tregue.
Agencia de passaportes.
Na ra do Collegio, n. 10, o no Aterro-da-loa-Vis-
ta lojas ns. 48 o 78, continuam-se a tirar passapor-
tes tanlo psra denlrocomo para fra do imperio ,
assim como despacham-se escravos, tudo com bre-
vidado.
Quem precisar de urna ama para casa de pouca
famia a qual cozinha, lava, engom:nae (faz to-
do o mais servico interior de urna casa ; dirija-so a
ra da Palma, n. 4,
Claudino FalcoDias rctira-se para Babia, e co-
mo talvez, por falta do lempo, nlose possa despe-
dir de todos os seus amigos, o faz por esta folha.
.- Demetrio Acacio Fernandes da Cruz, primeiro
cadete do segundo halalhiiode arlilharia a pe, tendo
de partir para a corto boje, 8 do corrente, aprovoita-
sc da imprensa para despedir-se, e ao mesmo lempo
para olfereccr seu prestimo aos amigos, que pela
presteza Ihe escapou.
Joaquim Bento Pires, subdito portuguez, rett-
ra-se rara o Ro-do-Janeiro.
-Quem annunciou querer comprar um terreno
com 200palmos pouco mais ou menos dirija-su a
ra do Mundo-Novo, n. 30, ato 10 horas do dia.
Precisa-se alugar um preto que cnlcnda do ser-
vido de padaria: na ra Direita, n. 69. .
Itespaeham-se navios e escravos, ctlram-sc pas-
saportes com toda brevidade, o porcommodo pro-
co : na praca do Corpo-Sanlo, armazem n. 17.
Pretende se ajustar com um meslre pedreiro
para fazer urna cacimba : na Pra^a-do-Comincr-
cio, n. 9.
Na Praca-do-Commercio, n. 2, 1 andar, exis-
lem 6saccas com caf, viudos do Rio-Formoso, para
o Sr. Tiburcio Valeriano.
Joflo Francisco de Vasconcellos e sua mulher,
Brasileiros, rcliram-se para liuenos-Ayres.
Aviio intersfnnte aos Srs. negociante/.
Quem liver dividas para s partes do Cear Araca-
ly, Sobral, Ico, Inhamuns, Rio-do-Peixe, Pombal,
l'arahiba, Brejode-Area, CampinsGrande, Alaga-
Nova, Alaga-Grande-, llananeira* Gorabra, Inga,
Carry, Pedras-de-Fogo, Pianc, villa do Patos, As-
s, Rio-Grande-do-Norte Naluba Brejo-do-Fagun-
des, Itabaianna', villa do Pilar, villa da Jacoca ,
villa da l.eandra, Calhol-do-Rocha Gurtnhem Ca-
bacoiras, llabrflo, u em outro qualquer lugar do
centro do norlo, urna pessoa casada e moradora nes-
ta praca que tem transitado todos estes lugares on-
do lem minios conhecimentos se offerece para as
cobrar, o a respeito de sua capacdadee actividade,
poderSo os prelendenles se informarem dos Snrs.
so tratar'do ajuste, o do meio mais
iranca. L ..
-Precisa-se alugar um sitio abe.ra do no (.apioa-
rbe situado na Magdalena ou em Ponle-de-Uc^a.
a tratar com RicardoRoyle, na roa do Trapiche do
Sr. Angelo, n. 11.
Ingleze francez.
Ensina-se a traduxir, escrever e fallar as ditas lin-
goas por um professor inglez de ncao das b u -
ras da tarde em diante; bem como em casas Pirll~V"
lares : na ra da Cadeia do Recife, n. 46, segunao
andar, defronte do becco da Cacimba.
Toda attenco ao que he bom.
Deposito de rap andarahy
e imperial.
Na ra da Cruz, n. 63, primeiro andar, escriplo-
ro de Jos de Almeida llmelo Raslos, vende-se o
bem acreditado rap andarahy e imperial, fabricado
no Rio-de-Janeiro, sendo o nico deposito nesta
provincia; assim como se vende a retamo as se-
guinteseasas : ra da Cruz, n. 62 ; becco da Lin-
gota n. 3 ; ra do Pilar em Fra-de-Pottas n.
86;rua da Cadeia do Recifo, ns. 17 e 19; ra do En-
cantamento, n. 4!;ruado Vigario, n 14; ra da
Cacimba, n. 9; ra do Cordonz, n. 11 ; ra do Col-
legio, n. 9 ; praca da Independencia, ns. 4 e 39; ra
do Queimado, ns. 10, 16 e 33; ra do Livramento,
ns. 4, 5 e 38 ; ra da Penha, venda da esquina, por
baixo do coronel Joaquim Bernardo deFigueredo;
ruaDireila, ns 6,16, 53 95 e14l; ruadasCinco-Poo-
tas, ns. 50e82 ; ra Imperial, n. 9 ; paleo do Car-
mo.n. 9; ra larga do Rozario, ns. 29 e 35; ra das
Cruzes, n. 40 ; ra do Cabug, ns. 1 e 7 ; rus Nova,
n 50; Alerro-da-Ba-Vista. ns. 9, 46 e54; praga da
Boa-Vista, n. 17 ; Ponte-Volha ns. 23 e 54; pateo
da S.-Cruz, u. 106.
Lotera do theatro publico.
Nflo obstante a morosdade que tem havido na ven-
da dos bilhetes da ultima terca parte da 18.' lolena,
todava o thesourero, desejoso de fazer andar as res-
pectivas rodas o mais breve possivel, convida ero-
ga aos amadores deste jogo que sespressem a com-
prar o resto dos bilhetes que existom.am de que.at
o fim do corrente mez, e quando muito no principio
de fevereiro prximo futuro, possa ser msreado o
dia infallivel do referido andamento.
Fabrica de todas as qualidadesde mobilia
franceza no ultimo gosto de Pars em
I'ernambuco.
I.ourenco Pugi, marecnero francez, na ra Nova,
n. 45,bem conhecido das pessoss notaveis desta cap-
tal por fabricar trastes do ultimo gosto avisa aos
seus numerosos froguezes o geralmenle a lodo o
respeitavel publico pernambucano que j Ihe deu
tantas provas de ser amante do bom gosto que el-
le tem augmentado sua fabrica e que est habilita-
do para emprehender qualquer mobilia que so Ihe
enconunendar. As artes vflo de par com a civilisa-
eflo, quanto mais um povo he civilsado, quanto mais
os artistasdevem produzir obras finase delicadas;
noste sentido o annunciante empregara todos os
seus esforc.os para satisfozer a todas aS pessoas que
se quizerem utilisar.de sou prestimo. Na mesma ca-
sa fazem cortinados para cama franceza.
i. O. Elstermudou o sou estabelecimentoda ra
da Cadea-Velha para a ra da Cruz, n. 51, aonde os
compradores acharto um bom prvido sortimento
do vinhos de todas as qualidades e conservas o quo
tudo vender por mdico prego.
O abaixo assgnado continua a ensinsr primoi-
ras letras, doutrina chrislfla.'arithemetiaa e gramma-
lica portugueza com o oaor zello o actividade pos-
sivel : na ra na Roda, sobrado n. 32; assim como
d lcfles om casas particulares.
Joao Antonio uito.
Aluga-se a casa da esquina da ra do Caldei-
reiro para o porlo de embarque com armacHo pa-
ra venda e commodos para morar familia : na pra-
ga da Independencia livrarla ns. 6 o 8.
Compras.
Compra-s um cordilo de ouro, com pouco po-
so e que nflo exceda de urna vara de comprimento:
no Forte-do-Maltos ra do Burgos, n. 31.
Compra-se tima cancella ou grade j servida,
que nflo seja multo grossa, de 11 a 12 palmos de al-
tura o de'5 o meio de largura, ou porta da mesma
altura e lsrguga, usada, porm em bom estado.
Vendas.
Lotera do Rio-de-Jaeiro.
Aos 20:000^000 dejis.
Na praga da Independencia, n. 37, vendem-se bi-
lhetes, meios, quartos, otavos e vigsimos da lo-
tera do Rio-de-Janeiro. Sflo poucose bons, a elles
antes que so acabem.
Cigarrilhos de palha de mi I lio.
Chegou do Rio-de-Janeiro, no vapor Paraan-
te, urna porgao destes deliciosos cigarrilhos, os
qitacs se tornam muilo recommendaveis aos bons
fumantes pela sua superior qualidade, o nflo faze-
rein mal ao peilo : vende-se no Recife, atrs do Cor-
po-Santo, armazem de motilados, n 66.,
0ucijos de Minas
vndos pelo vapor l'aracme, os mais frescaes poss-
veis: vendem-se por prego commodo.no Recife,alra
do Corpo-Santo, armazem do molliados, n. 66.
Vende-se na loja n. 5 A da ruado
Crespo, ao p do arco de Santo-Antonio,
urna porco de relroi do Porto, preto,
azule decores, de primeira sorte, a ni
rs. a libra e a loors a oitava: a elle, an-
tes que se acabem.
.- Vende-se um bom cavallo de estribara, gordo e
com alguns andares, assim como os arreios, por
mdico prego : na ra da Concordia, n.15.
Vende-se utn cavallo rugo, grande, com todos
os andares: na rus larga do Rozario, n. 39, entran-
do pela Iravessa. ___,


r -
. ~ Na padaria da ra da Guia, no Reclfe havera
toaos os das a venda o novo pa"o de Provenga fa-
bricado por outro modo que o actual e da melhor
'. ^ue na ne ""ercado : por este motivo nflo se
pode fazer senao a 40,80 e 160 rs.
Vinho barato.
Acha-se estabelecido na ra da Madre-de-Deos,
n. 36, um armazem de
V iiihos da Figueira,
de ptima qualidade, a preco de 1,200 rs. a caada,
e a 160 rs a garrafa ; e para n3o haver dolo do com-
prador serSo lacradas as garrafas e com rotulo, rc-
cebendo-se a garrafa vasia, e dando-se immediala-
mente a outra cheia i tambem ha barris muito pe-
queos. proprios para quem passa a fesla. O pro-
prietario desta estbelecimento pede encarecida-
mente que se nSo illudam avallando, pelo diminuto
preco e sem coulteci ment de causa a qualidade de
sua fazenda digna por certo da estima dos verda-
delros amantes da boa pinga. JJIIe conta que quem
urna vez provar, continuar comgoslo e sem arre-
pendi ment. E o bom preco !!.' A todo o exposto
accresce o asseio e boro acondiclonamento, o que
ludo se podera verificar em dito estbelecimento.
Fabrica de Todos-os-Santos.
Firmino Jos F. da Rosa com escriptorio na ra
do Trapiche, n. 44, avisa aos seus frcguezes que aca-
ba de roceber pela escuna Curiosa novo sortimen-
t do expeliente panno de algodflo enlrancado quella fabrica oplimo para ensaccar assucar e pa-
ra roupa de esravos. O annunciante conla que,
alm da fazenda, o desejo de animar o desenvolvi-
mento do urna fabrica intoiramente nacional, pro-
mover o prompto consumo da sua receita.
PURO VINHO DA FIGUEIRA.
Existe no armazom de molhados, atrs [do Cor-
po-Santo n. 66 urna grande porcSo deste genui-
no vinho que se est vendendo pelo diminuto pre-
co do 1,130 rs a caada e a 160 rs. a garrafa ; tam-
bem ha em pipas que se vender mais em conta : he
esto o melhorde todos os vinhos que se teem an-
nunciado pela sua simplicidade e ptimo paladar:
quem urna vez o beber jamis deixar de o com-
prar.
Vende-se a venda da ra doApollo, n. 21, com
Eoucos fundos : quem a pretender, dirija-so a ra da
ladre-de-Dcos, tratar com Vicente Fcrreira da
Costa.
Algodo trancado da fabrica
de Todos-os-Santos da
Bahia ,
muito proprio para saceos de assucar e roupa dees-
cravos : vende-se em casa de N. O. Bicbr & Com-
pendia na ra da Cruz, n. 4.
CHA' BRASILEIRO.
Vende-se.oa armazem de molhados atrs do
Corpo-Santo, n. 66, o mais excedente cha produzi-
do em S.-Paulo, que tem vindo a este mercado
por preco muito commodo.
Gangas da India,
amrellas a peca
do dnas larguras pelo barato prego de dez tustoes,
para realisar conlas : no armazem de fazendas de
Raymuudo Carlos l.eite na ra d Qucimado, u. 27
Presuntos.
Vendcm-se superiores presuntos inglezcs para
fiambre, chegados no ultimo navio: no armazem
do raguez ao pe do arco da Conceiflo.
FARELO EM SACCAS DE 90 I.IDRAS :
vende-se no armazem de Vicente Fcrreira da .Costa
na ra da Madre-de-Deos, a 3,500 rs.
Tai xas para engenho.
Na fondiQodeferroda ra do Brum acha-se a
venda um completo sortimento de taixas de 4 a 8
palmos de bocea, por preco commodo, e com promp-
dfio embarca-so, ou carrega-se em carros sem dos-
pezas ao comprador.
Vende-se muito superior lagedo de Lisboa, e
cal virgem em barris de 4 arrobas, por mdico preco:
na ra do Vigario, n. 19.
Vendem-se semeas em saccas muito [grandes ,
a 4,500 rs. i na ra da Madre-de-Deos, armazem de
Vicente Fcrreira da Costa.
FOLH1NHAS
para sacerdotes para algibeira, para' escriplorio o
para porta vendem-se na praca da Independencia,
livrana ns.^e 8.
- Vende-se muito boa cera branca,
em pao, e tambem refinada, para limas de
ebeiro, por preco commodo: na ra da
Senzalla-Velba,-y, 70.
Bombas de ferro.
Na fundicto de ferio da ra do Brum acham-sc
a venda superiores bombas para cacimba, assim
como de repudi para fazer a agoa subir escasas de
4 a 5 andares.
Vende-se vinho do Porto, muito superior, e
de outras qualidades em barris de quarlo, quinto,
soto, stimo, oilavo eem pipas, por preco muito
commodo : na ra do Vigario armazem de Fran-
cisco Alves da Cunha, n. 11.
Vendem-se barricas com cal virgem do Lisboa ,
desembarcad* ncates dias, por menos preco d& que
em outra qualquer parte: na ra do Brum, armazem
de Antonio Augusto da Fonseco.
Madeira de pinito.
Na roa de Appollo, pegado ao armazem do Sr.
Molla ha um novo armazem com madeira do pi-
nito da melhor qualidade que tem vindo a este mer-
cado e serrado de todas as grossuras e comprimen-
tos : vende-se pelo menor preco que he possivrl.
- Vende-se a verdadeira potassa da
m
fk
III \-i' IUI 'wiii.'.i"| 1 111 i>n i 1 1 .- )_,
hoje e por preco commodo :
s Ferreira, no caes .d'Alfan-
Russia, desembarcada hontem, por pre-
co muito rasoavel, vista de sua muito
superior qualidade : na ruado Trapicbe,
n. 17, e ra da Cadeia, n. 34
Novos riscados raonstros chi-
nezes, a 360 rs. ocovado.
Na loja dGuimarfles'& Companhia na ra do
Crespo ,'n. 5, vendem-se os novos riscados' chine-
zes, finos, de padrflesmulto lindos, eos mais mo-
dernos que teem apparecido nesta cidade, de vara
do largura pelo barato prego do 360 rs. o covado."
As novas casimiras de algo-
dao, a 560 rs. o covado.
Na loja n. 5 da ra do Crespo, vendem-se as novas
casimiras de algodflo do padrOes os mais ricos que
teem apparecido nesle mercado pelo barato'preco
do 560 rs. o covado.
Vende-se muito superior potssa, em barris pe
quenos, desembarcada
no armazem de Dias
dega.
Vendcm-so duas prelas, mSi e filna tendo esta
bom leite, por deixar urna cria do 5 mezes: d-se por
preco commodo, com a condico do ser para fra da
provincia : no largo do Carmo, venda n. 1.
Vendem-se barriquhihas com cal virgem de
Lisboa, muito nova ; fechaduras para portas de
irmazem ; retroz do Porto ; barris com alcalrao da
Suecia ; por preco commodo : na rua do Vigario ,
n. ll, armazem de Francisco Alves da Cunha.
Vendem-se taboas america-
nas at 3 palmos de largura
e do lodos os comprimcntos,quo ha muilotempo nfo
teem vindo e os freguezes experimentando a falta
desla excellente qualidade. A ellas que sito poucas e
o preco be barato. Atrs do thealro, armazem jun-
to a mar, de Joaquim Lopes de Almeids.
Farelo,
em barricas a 4,000 rs.; saccas grandes, a 3,50o
rs., ditas pequeas, a 2,800 rs : no armazem de J.
J. Tasso Jnior, na rua do Amorim, n. 3.
Vendem-se barris pequenoi com cal virgem de Lia-
boa, a maii nova que ha no mercado, por prejo com-
nodo : na rua da Moda armazem n. 17.
Potassa.
Desembarcou lia poneos dias urna por-
cao de barris pequeos, com muito nova
e superior potassa, e se acham venda,
por preco mais barato do que ultima-
mente se venda, na rua da Cadeia-Velha,
armazem de Baltar&Oliveira, n. 12.
FARELO
em saccas muito grandes,
a 3s6oo rs. a sacca:
no armazem do Braguez ao p do arco da Oonceic,fio.
Vende-se a verdadeira e muito superior fsrl-
nha SSSF, a rctalho e em pnrcHo ; dita dooutros, au-
tores : na rua do Vigario, armazem de Francisco Al-
ves da Cunha, n. 11.
Na rua do Crespo loja de 4 portas n. 12, veri-
dem-se chapeos de castor prctos, de muito boa qua-
lidade ,a 4,400 rs.
Vendem-se 3 escravos muilo bons para todo o
servico, principalmente de engenho, por preco
muito barato : na rua do Trapicbe, n. 34.
Vendem-se saceos com farelo,
chegados ltimamente, pelo diminuto
pceo d<; 3/joo rs.: na rua da Sanxalla-
Velha, n. i38.
No deposito de Me. Calmont & Companhia ha
rua de Apollo, armazem n. 6, acha-se constante-
mente grande sortimento de ferrageus inglezas para
engcnbos de assucar coirosejam : taixas de ferro
coado de liflerenles modelos, os rilis modernos;
ditas de ferro balido ; moendas.de ferro do mode-
lo adoptado, para armar em madeira; ditas todas
de ferro, tanto para agoa como para animaes; ma-
chinas do vapor de luir de quatro cavados c de al-
ta presslo o mais moderno esimplcsque he possi-
vel ; repartideiras ; espumadeiras ; resl'riadeiras de
ferro eslanhado; formas de ferro: tudo por preco
commodo.
Agencia da fundico
Low-Moor, rua da Senzalla-
nova, n. 42.
Neste estbelecimento contina a ha-
ver um completo sortimento de moendas
e meias moendas, para engenho; ma-
cbinas de vapor,e taclias de ferro batido e
coado, de todos os tamaitos, para dito.
Taboado de pinito da Suecia,
de 10 a 35 palmos
dccomprimenlo o melhor que temchegado a este
mercado, em razAo de se poder enyernjznrcm qual-
3or obra por n.lo ter nos e ser muito alvo sen-
o costado, cosladinho, assoalh, forro o para fun-
dos do barricas : vende-se a preco que o comprador
far todo o negocio: airas do thealro, armazem do
Joaquim Lopes de Almeida.
Vende-se um cavallo com lodosos andares e de
bonita figura : na rua Imperial, n. 77.
- Vene-se urna pnrciio de cera de carnauba por
preco commodo, alacado ou a relalho: na ru da Ca-
duia-Ye Iba, loja dr ferragens n. 59, de Jos Dias da
Silva. Na iesma casa lambem se vendem tres foles
grandes para ferreiro.
conchas e pesos, muilo proprio para armazem de
assucar ,ou para arrobar: tambem ge vendem se-
mentes de hortalico do todas as qualidades, de Lis-
boa.
Vende-se a venda da praia do Caldeireiro, que
foi do Lrangeiras, n. SI: a tratar na casi junto a
mosma venda.
Vendem-se ceblas em (mlhos e aos centos;
saccaa com feljo preto : na rua da Madre-de-Deos ,
n 31, ao lado da alfandega.
Vende-se um lindo escravo crioulo moco, e
que he proprio para qualquer servico : na rua do
Amorim, n. 36.
~ Vende-se urna escrava sadia e sem vicios de
30annospouco mais ou monos, muito boa coz i-
nhelra e intelligenle de todo o mais arranjo de casa :
no Aterro-da-Boa-Vista, n. 55.
Vendem-se sapatos' de couro de lustro para
meninas de 8 a 12 annoa a 1,920 rs. ; ditos para se-
nhora a 2,800 rs.; borzeguins gaspedos, a 4,500
rs.; sa patos de cordovSn para meninas de 8 a lan-
nos a 1,280 rs.; sanatOes de tres solas a 1,000 rs.:
no Alerro-da-Boa-Vista, loja n. 78.
Cigarrilhos do Rio-de-Janeiro.
Na praca da Independencia n. 37, ha os famosos
cigarrilhos do Rio-de-Janeiro : vendem-se mais em
conta do que em outra qualquer parle.
- Vende-se um piano de armario em meio uso
e de boas vozes : na ruado Crespo n. 21.
Vende-se una prelado 14 anuos, sem vicio al-
gum: na rua do Crespo, n. 21.
Vendem-se e alugam-se bixas de Hamburgo ,
chegadas de prximo por mais barato preco do que
em outra qualquer parle : na travessa da rua do
Vigario, loja do barbeiro n. t.
Vende-se sarja de seda bespa-
nbola rmii lo superior, se ti m de Ma-
ca o proprio para vestidos, Ids de
linho pretos bordados a seda,meias
pretbs de seda de"peso, panno pre-
to muito fino e prova de limito,
caz mira preta elstica, sarja de
listras.selim proprio de collete, as-
sim como outras militas fazendas
finas, proprias para a quaresma :
tudo mais barato do que em outra
qualquer parle : na loja de Jos
Aloreira Lopes &c Companhia, r.ia
do Qucimado, quatro cantos, ca-
sa amarclla, n. 3Q.
Na rua eslreila do Rozario, loja de encader-
nacHo, n. 34, vendem-se os seguintes livros : Mag-
num Lexicn, 1 v.; Virgilio, 3 v.; Tito Livio, 1 v.;
Cornelio, 1 v.; Horacio, 2 v. ; Salustio, 1 v. ; Phe-
dro, 1 v. Iliad. 1 v.; Cicero, 1 v. ; Rhetorica em
latim 1 v ; Poelica de Horacio, 1 v.; dita de Fon-
seca 1 v.; Grammalica ngleza, 1 v.; dila franceza,
1 v. ; dila porlugueza 1 v.; Diccionario da fbula ,
1 v. ; dilo ingiez deVieira ,2v. ; Les Fables de La
Fonlaine, 1 v.; Elemnes de Psochologie, 1 v.; Pbi-
losopliia de Cosen, 3 v.; Eloquencia nacional, i. v.;
lices do Direito publico, I v. ; Constiluicao poltica
do imperio 1 v. ; geographia de Gautier 1 v.; Cri-
mes do governo ingiez 1 v.; Revolucflo de 1847,
1 v. ; Viimio trgico, S v.; Crnica de Clarimundo,
3 v. ; Saudades de Uernardino Kibeiro, 1 v. Sobe-
rana do povo 1 v.; Melodas 1 v. ; Considera-
res do duque de Bwglie, 1 v.; Manual de chimica ,
1 v.; e oulras obras j annunciadas.
Vende-se carnauba muilo superior e muilo
amarclla, edr de flor de algodo, por preco commo-
do : na rua de Hurtas, n. 120.
Na rua Nova, n. 5,
vende-se urna negrinha de 8 annos muito linda,
queja cose muilo bem, e he propria para se educar,
ou dar-se a urna menina ou menino ; urna preta de
nacSo de linda figura e que be ptima quitandei-
ra ; urna dila que cose, engomma e cozinha, c que
d-se barato por ter um defeito em um olho ; 2 mo-
lecotes de na^fo, do 15 annos cada um e de lindas
figuras. -
Vende-se caJ virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por menos do que em outra qual-
quer parte : na rua do. Trapiche, arma-
zem n. I7.
CLOS
chegados de Franca no ultimo navio, e dos melho-
resvidros que teem vindo a este mercado, iato he,
para visla cansada : na roa do Rozario, n. 35, loja
do l.uily.
Vende-se, na psdaria defronle do
viveiro do Mtiniz, 4<>o barricas vazias,
em muito bom estado e muito modernas :
na mesma casa compra-sc ou alugam-se
dous pretos que tcnbam trabalbad em
pacan.1.
Vendem-se tres quartaos e um bom
cavallo de sella: no sitio da Cruz-das-
Almas, de fronte do tamttnnciro, junto
estrada que segu para Olinda.
Aviso satisfactorio.
O abaixo assignado, agente do doutor Brandrcth,
faz scienle ao respeilavcl publico, que pela escuna
^-------- 1-L ^
dos olhos, accidentes, paralesia, hidropesa, bexi
gas, sarampo, enfermidades dos meninos tosse 1].
toda classe clicas cholera-morbos, dr de pedra
lombrigas, dosinteria', surdez, vagados de cbpC8'
erisipela ulceras aignmasdeSOannm, canearos'
tumores inchaces nos ps e pernas, almorreimas
rupeflo de pelle [sonhos horriveis, pesadelioj'
toda a qualidade de drese molestias de mulheres'
como abslrucOes relachacOes,*elc.; he um rnedil
camento inteirsmente inofTeosivo, podendo-se ip.
plicsr at as criancas recemoascidas e ultimaron,.
te se tem applicado a urna infinididede molesljij
julgadas incuraveis, de cuja applicaQao se teem tira-
do tSo felizes resultados, que parece cada vei nuii
resolvido o problema de um remedio universal. Ven-
de-se na rua da Cadeia-Velha, botica n. 61.
Vicente los de Brito,
SALSA-PARR1LHA DE SANDS.
Este excellente remedio cura todas as enfermi-
dades, as quaes ,s3o originadas pela impureza do
sanguc, ou do sy'stema ; a saber :
Escrfulas rheumatismo crupefles cutanen
brebuthas na cara, hemorrhoides, doen(s chronil
cas, brebulhas, bertoeija, tinha, inchacOes, dores
nos ossos o juntas,ulcaras, doencas venreas,citica
enfermidades que atacara polo grande uso do mer-
curio, hidropisia expostos a urna vida extrava-
gante Assm como clironicas desordena da cons-
tiluicSo ser.lo curadas por esta 12o ulile appro-
vada medicina.
Rio-de-Janeiro, 14 de dezembro de 1g47.
Sr. rederic H. Southuortko.
Tendo eu lido no Jornal do Commercio e no Dari
do Uto de Janeiro por diversas vezes annuncios da sal"
sa-parrilha de A. B. e D. Sands, que so venden*
rua do Rozario, n. 79, por Frederico H. Southworth,
a este me dirig e Ihe comprei urna caixa .com 12 vi.
dros do dilo extracto e achando-me com um gran-
de tumor no sovco do braco direito i parte do pei-
lo, soffrendo immensas dores por todo o corpo me
delibere! a tomar o extracto da dita salsa ; e tendo
tomado dous vldros e usando d?lle, loro ao segun-
do vidro conheci immensas melhores, e conlinum-
do, liquei perfeitamente bom ; a tendo alguna
amigos meus fe.ito uso do dito extracto para rheu-
matismo, tem-no uso delle por flm do lerem lomado
8a 10 vidros flcado bons. do que lem resultado man-
darem-me de differentes partes encommendas da
dita salsa para fra desta corte a diversos que teem
eifto uso della e se teem restabelecido perfeitamenle'
e mandando-me agradecer, assim considero ser un
acto de humanidade e obrigacSo minha fazer publi-
co tilo eftlcaz e salutar remedio. Joaquim Ferreira
deSowa Fiares.
Iteconlieco verdadeiro o signal supra. ro 13
de dezembro de 1847. Em lestemunho de ver'di-
de Joaquim Jote de Catiro.
Vende-se nicamente em Pemambuco na botica
de Vicente Jos de Brito, na rua da "Cadeia do lio-
cife
Vendem-se 5 vaccas e urna poreBo de cabns
de muito boa qualidade, viudas do Cabo-Verde, por
preco commodo : no Aterro-da-Boa-Vista padaria
doSr. Barrillier.
Vende-se cal virgem de Lisboa, de superior
qualidade, em barriste 4 arrobas, chegada nesle
mes pelo brigue Maria-Joi -. a tratar na rua do
Brum .armazemde Antonio Augusto da Fonseca
ou na rua do Vigario, n. 19. '
Vende-se urna escrava moca com bom leite,
para criar ura menino, e que engomma, cozinha e
cose : na rua do Fogo, n. 23.
Vende-se urna casa de pedra e cal, no lugar da
Capunga, muito perlo do rio : no pateo da S -Cruz,
botica n. 4.
Vendem-se 8 milheiros de pallia de carnauba,
por preco commodo: no Forte-do-Mallo, ruado
Burgos, n. 31.
Agoa de mcl
para fortificare limpar o cabello, removendo a cas-
pa couservniido-lhe o lustro e massieza e promo-
vuudoao inesmo lempo a acefio salular das raizes ,
e desla sorle fazo-Ios crescer com mais vigor e bel-
leza. Esta til e agradavel agoa he preparada o des-
liladadomelde abelhas, contm nfio s todas as
suasvirtudes, como tambem um arOina superior
aos mais agradaveis perfumes : vende-se no escrip-
torio de Novacs & Companhia na rua do Trapiche,
n. 34.
Xarope do bosque do doulor
Watts.
Conlina-se a vender esle xarope nicamente no
escriptorio de Novaes & Companhia na rua do Tra-
piche n. 34, e na rua da Cadeia do Recito loja da
miudezas, n. 9.
Pasta de flor de lyrio.
Esla superior preparaciio, a melhor at hoje co-
ndecida para limpar os denles e conserva-Ios sen-
pre alvos e livres da pedra e carie conserva a forli-
licaclo das gengivas e evita a accumulac.lo do lar-
taro pelo aou uso regular : cusa cada boho 9,000
rs., o vai cnvolto no competente receituario : ven-
de-se no escriptorio de Novaes & Companhia, na ru
do Trapiche, n. 34.
Escravos Fgidos
Fugio.no din terca-feira, 6 do correle, una
preta de nomc Rosa, de SO annos; lem ns beicos
Instantes grossos e os bracos afoveirados. Esla pre-
ta he recolhida e anda sempre com lenco na cabe-
ca e no pescoco; no condece as ras esta cdado ,
porssose desconfa que esteja recolhida em al-
guma casa para o que se protesta enm todo o rigor
da Iri contra quem a tiver occutla. Tambem nflo**
duvida vende-la. Quem n pegar leve-a a rua do Tra-
piche, n. 44.
Dcsapparoceu, na larde do da 8 do frrenlo,
do sitio do demedio, um preto do moia idade, do
dores ou peso na nuca, que goralmenle silo sntomas
d'apoplexia, ctcrlcie, febrea intermitentes bilis, es-
carlatinas, fehre amarclla o toda classe de febres a's-
thma,gota, reumatismo,en tenuidades nervosas,dores
n t\ ftlxi iln iilAnrni'ti ilnt> I ,1.. 1 n >^S _!__. Sv t
Na rua da Seuzalla-Nova, n. 7, vende-se omino ligado, pleuresa, debildade interior, abat- n
braco de balanza do autor Rdm3o & Companhia, I ment de espirito, roturas, oflammacOes, ndiacea PcxJ<. : na TT. dim.f. dk pama.>*
por ser canoeiro : quem o pegar leve-o
Rangel n. 54 restilacio de Victorino
dos Santos que pagar O trabalho.
a rua do
Francisco


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELZ6KHHL0_NTY2S0 INGEST_TIME 2013-04-12T22:31:34Z PACKAGE AA00011611_06438
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES