Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06437


This item is only available as the following downloads:


Full Text
_
Sabbado 10
O fl/,HMOpublic-aeti'dnsoidlaiquenao
foretn de guarda. O prefo da aiaignalura he
deijOOM ra. fior (]ii.irt<'l. pigoiadiunliutoi. O
annuncies do -aaaigriaiites ao itiieridoi
raso de-20 r. por liuba, 40 ra. em typo dif-
ireme, e ai repetcdca P* melde. Os u
asilgnantcs paga rao 80 rs. or linha e IbO ra.
eni lypo dilTeretric, pvr cada publlcacaio.
PHASES DA LA NO MEZ DE" FEVERERO.
I4MU.^7. w 8hori efifi-mn. *">>
Uiug.,ante,al5, a >1ioMeiiin.dinwh.
JM|itov, a 2,a IIHora* e lOu""-da.larde.
PARTIDA DOS CORREIOS.
Golanna o Parahiba, i sega, e extas-feiras.
ltiu-.-do-Norte, quintaa-feiraa ao moio-dia.
Cabo. Sertnliarm, Rio-Kormoao, Porto-Calvo
Macelo, no 1." a 11 e 21 de cada mez,
Garanliuua e Bonilo, a 8 e 23.
Roa-Vista e Plores, a 13 e 28.
Victoria, a qulntas-felras.
Olinda, lodoa os das.
PHEAMAK DE 1IOJK.
Primeira, ( horaa 54 minutos da nianh.
Segunda, a 7 qoraa e 16 minutos da tard.
DIARI
de Feverero de 1849.
N. 52.
das da semana.
5 Segunda. S. gueda. Aud. do J. dosorph.,
doJ.dociv.edo J. M.da2. v.
b' Terca. S. Dorotliea. Aud. doJ. doc. da I.
v. e do J. de pa do 2 dist. de t.
7 (Juana. S. Romualdo. Aud. do J. do c.
rta i. e do J. de paz do 2. dist. de t.
8 Quinta. S. Juan da Milla. Aud. doJ. dos
orph. e do M. da I. v.
9 Seita. Apolluiia. Aud. do J. do civ. c do
J. de paido 1. dial, de t.
10 Sabbado. S. Escolstica. Aud.ddJ.doc.
da I. v.e do J. de paz do 2. dist. det.
11 llamingo. S. Lzaro.
CAMBIOS NO DA 9 DE FEVEREIRO.
Sobre Londres a 25'/a a20 d.p.l/ rs.a60 dlai.
Pars
> Lisboa IC8 por cento de premio.
Ulo-de-Janeiro ao par.
fese, de lelt. de boas firmas a l'/< ?.'ao mea.
Acces da comp. de lleberibe, a 50* rs. ao p.
Ouro.(Incas lirapanliftlas. 20/000 a IW5O0
Modas dettf-IOOv. 17/200 a 17/100
. deGXOOu. IB/100 a IW3O0
de 4/000.... 9/OO o 9/100
Prala-Patacoeahraidlciroa l/Jfti l#Wi0
Pesos coluinnarios. 1/940 a 1/OBO
Ditos mexicanos..... 1/880 a 1/90O
PAUTE OFFICIAl.
K
MINISTERIO DA GUERRA.
Illm. e Exm. Sr.Ha vendo por bem Sua Magesta-
de o Imperador condecorar, pelos serrinos prestados
contra os revolteos fesaa provincia, os nfllciaes de
differentes corposahi em servico, constantes da re-
tacan inclusa; assim o coinmunico V. Exc. para
que Ihes faca constar, fleando V. Exc. na intetligen-
ria de que os sargentos e cadetes serao remonera-
dos, logo qtio venham as .relaces que j fram
pedidas- ....
Heos guarde V. Ex,c. Palacio do Bio-de-ianeiro,
cm 2-2 tle Janeiro de 1819.Manonl Pelizardo de Sonsa
e Milh.Ht. presidente da provincia de Pernambuco.
Cumpra-se e registre-so. Palacio do gtrvcrno do
Pernambuco 9de evereiro de 1S49. Tottm.
llelacXo ios individuo condecorados, em alinelo mot
servicia prutados em defeto da ordem publica na
pruvhicia de Pernambuco.
TiMionte-coronel coinmandante do 5.' batalhao de
fuzileiros, Feliciano Antonio Falcao, e o tenente-
coroneleomrnandantedo corno fixo do Cear, Luiz
Antonio Ka villa. Commendadorcs da ordom da
Hoza.
Tenente-coronel do estado-maior de segunda clas-
se Jos Mara Ildefonso Jacome da Veiga Pessoa de
Mello, e o coronel da gurda nacional, Joaquim Ca-
valcanti de Almiquerquc. Offlciaes da ordem da
Roza.
Capo-mandante do 1/batalhao do cacadores,
JoSodosFassos Nepomuceno, major graduado do 7.
de ruailciros, Jos Flix Bandeira, e o major do ?.
de artilbarla a p, Innocencio Eustaquio Ferreira de
Araiijo. CavalJeiros da imperial ordem do Cruzeiro.
2.* lente secretario do ?." batalhao de artillinria
ap, Joaquim Fabrico de Mallos, Manoel Ihomaz
deAliiquorqiioMnranhao, e Agostinho Gomes Fe-
toza. Cavallelros da ordem da Hoza.
c.apiao do 1.* batalhao de caladores, Luiz da
Franca leite, capitao do 5.* de fuzileiros, Angelo
Baptista Mendos, o tenenlc-ajudante do 5 de fuzi-
leiros, Jos Manoel Braga, o lonente do corpo fxo
do Cear, Jos de Souza Lima, o t.* lenle do 1."
batalhao de arllharia a p, Joe Pedro Hetor, o I.*
t encole lid da mesilla arma, Carlos do Moraes
CamisSo, o 3. lenle do dito corpo, Pedro Augus-
to de Alcantr Nabuco, o 9.' lenle do dito corpo,
JofloMara de AlmcidaFoij, o 2. tenente quartel-
mestredo mrsiiw corpo, Leopoldino da Silva Azeve-
do, e o lenla da guarda nacional, Joaquim Correia
Lima. Cavalleiros da ordem de Christo.
Secretaria d'estado dos negocios da Guerra, em 22
de Janeiro de 1819.
Decretos de 21 do Janeiro de 1849.
Francisco de Pava Vieira de Azevcdo.
GOVERNa DA PROVINCIA.
Illm. e Exm. Sr. Tenho a satisfacBo de commu-
n'ear V. Exo. que esta provincia se acha cm tran-
quilizado.
Dos guarde a V. Exc. Palacio dogoverno da Ba-
bia, 2 do fevereiro de 189. FrancUco Uoncalves
Mnriins. -^-lllm.. Exm. Sr. presidente da provincia
de Pernan buco.
EXPEDIENTE DO DA 7 DE FEVEREIRO.
Ofilcio.Ao presidente da provincia do Para.Ac-
cusando ircebido o tifllcio 'de V. Exc, de 22 de Ja-
neiro ultimo, em quncommuuca a vinda decent
noventa c cinco pracas do 3 batalhao d'arllharia
a p, inclusive sete ofiiciaes, tenho a honra de de-
clarar V. Exc. que essas pracas aqu chegaram
hqnterji, bem como a de agradecer-lhe a prnmpti-
dam com que V Exc. sa esmero.i em dar cumpri-
mentoaordem do govento imperial, em virludeda
qual seguiram para esla ci.ladc mo s essa parte do
menciqnado batalhao, scinlo lambem outra qrte an-
teriormente havia sillo conduzida pelo vapor Impe-
ralris. Ao concluir asseguro a V. Kxc que providen-
ciare! para que em satistacao dos &vu dustjus seja
aquclle corpo conservado no mesmo estado cm que
para aqui veio. Sctrntifcou-se o commandante das
armas..
Dito.Ao do Mnranliio, deolarando quo hontem
aqui chegaram no vapor ti. Sebatii^o as pracas do
3.a batalhao da arlilliaria, procedentes do Par, e
que, alenlo o estado dcsta provincia depois do com-
bate que houve lugar em su a capital, parece nao ser
ncceeaaria a viada de mais tropa. Concille agrade-
ceiulo'a S. Kxc. a solioilude que moslra pela tran-
quillidnle desta importante parle do imperio e a
promptidan rom que em virlude de ordena do go-
verno imperial a suecurreu com a Torce do lnha de
que poda dispor.
Dito.Ao commandante das armas, participando
llavero Exm. presidente da provincia da Parahiba or-
denada ticasse na capital d'aquclla provincia, incor-
porado a respectiva compendia de lnha, que per-
tenca, o leneute Claudino Agnello Castello-Branco
que, procedente de Goianna, all se apresentra com
Iiecnca. Parlicipou-se ao inspector da pagadoria
militar eait presidente da referida provincia.
luto. >> mesuio, reoonimendando a expedi^aa
das convenientes ordens, para quu sejam removidos
fiara o hospital quairo soldados de primeira linha
rid qua sa acbam no quarlel de polica, visto
que all no ba commodos sullicientea para serem
I tratados eom os cuidados e desvelos, que convem
empregar para com quem 13o valerosamente ex-
|p0e a vida nos combate?.
Dito.Ao mesmo, participando que por decreto
de 30 de nnvembro do anno pretrito, hotivera S.
M. o I. por bem passar para o 3.* batalhao de fuzi-
leirosocapcliao do corpo fixo d'equella provincia,
ora em servido nesta, padro Jo.lo Taliosa da Silva
Braga.Communicou-se ao presidento desta res-
pectiva provincia, c ao inspector da- pagadoria
militar.
Dito.Ao inspector da pagadoria militar, orde-
nando que satisface a Clan.lino Baptista do Rozario
a quantia de 25,000 ris pelo rahalfio de ir a capital
da Parahiba conduzindoofficios da presidencia.
Scieniilcou-se o inspecto do arsenal de marinha.
Dito.Ao mesmo, determinando que, a .vista da
conta que remeltc.satisfaca a Joaquim Flix da H028
a quantia 214,500 ris pela importancia de 39 saccas
defarinha que elle venden para a sustentado da
tropa no Ha 9.Intciron-se o Inspector do arsenal
de marinha.
Dito.Ao inspector da thesouraria da fazenda,
approvando a resolucao porS S. tomada de mandar
abonar pagadoria militar as somraas indisnensa-
veis para fazer face s despezas com a pacifleaeflo
da provincia, vislo n.lo sor sulliclenle o crdito fi-
lado para oeapezaamililares no corronte exeicicio.
Dito.-Ao mesmo transmiltindo o aviso de urna
lettra da quantia de 500,000 res, sacada pela the-
souraria. do Rio-Grande-do-Norlo sobre essa, e a fa-
vor de Joaquim Ignacio Pereira.Scienlilicou-se o
presidente da referida provincia.
Dito.Ao inspector da pagadoria militar, orde-
nando que, a vista da conta que remelle, pague
Diogo Rodrigues a quantia de 100,000is, impor-
tancia de oito barricas de bacalho a elle compradas
para sustentaeilo das fdreas legaes que no da -2 do
correte entraram em combale nesla praea. Com-
municou-se ao inspector do arsenal de marinha.
Dito.Ao mesmo, determinando pague a Alexan-
dre Joaquim Saturo a quantia do 23,960 ris pela
importancia de um alqnere de familia o urna barri-
ca de bacalho que forneceu fortaleza do Itruin no
dia 2 do oriente. Scienlficou-se o inspector do
arsenal de marinha.
Dito.Ao mesmo, mandando pagar a Manoel Jos
Bandeira a quantia do 35.000 res, importancia do
frele por que conduzio na harcaca Noca-Felicidade,
para o porto do Rio-Formoso, armamento e vveres
para as tropas em operacesParticpou so ao ins-
pector do arsenal de marinha.
Dito.Aomesrho, dizendo que fica sciente de lia-
ver Smc. passadoaoofficial daquclla pagadura Joa-
quim Pereira Bastos a chave do cofre quo se chava
em mSo do respectivo escriv3o, visto estar este
Impossihilitadode comparecer a rrp.irticfto por Ihp
le em os rebeldes rouliado lodos os moves e roti-
pa em o dia 2 do crrante.
Dito.Ao mesmo, remetiendo a conta em dupl-
cala da importancia de quarenta arrobas de carne
secca quo foram compradas pelo aisenal do mari-
nha a Amorm Irmaos, e enviadas s forcas que se
achavam no sul da provincia ao mando do general
coinmandanle das armas, alm de quo a vista del la
pague aos referidos negociantes a quantia de 144,uOo
res.Communicou-se ao inspector do arsenal do
marinha.
Dito.Ao director do arsenal de guerra, mandan-
do entregar ao commandante do corpo do polica 50
lences, 50 camisolas, 50 frontal e 10 colcliOes fina-
dos para provmento do hospital do mesmo corpo.
Dito.Ao jui/. de orpli.MH, remetiendo o ollicio da
administrarlo dos estabelcciinentos de caridade, a-
companhado de outro do regente da casa dos oxpos-
lose coberto de informacao do director do arsenal
do guerta, lim deque cuinpra acerca dos menores
Matheus, Trajo e Antonio o dsposto no arl. 4.'do
regulamento n. 113, do 3 de Janeiro de 1812.
Dito.Ao commandante do corpo do polica, d-
volvcndo a conta demonstrutiva do alcance em que
se acha o quartel-meslie daquelle corpo, aliin Je que
Taca orgamser oulra conla em regra, juntando os do-
cumentos que demonslrem a sua exa Xido.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PERNAMBUCO.
/fo de-Janeiro, 23 de Janeiro de 1819. -
Principiar!' retraclando-mo em parle do quo na
minha de 8 do crrante Iho disse sobre a alliiudx to-
mada pela nova redac^ao do Mercantil, a respeito
dos calvcs; e apresso-me em faze-lo para quo se
nBo penseque tenho iiiteressoem fazer as oceurren-
cias da ciiIi chegarem ahi tajadas a met gosto e ca-
pricho. Com enVilo, melhor avisados andarin aquel-
los que interpietavam o silencio do Mercantil m'iIi a
nova direccBo, como seii.ui infenso,' o menos des-
approvailor das proezas caturtU ; C assim he, (misera
bastante saber eu que a testa da adininislragno do
orgo opposiclo.nista eslava o vice-presidente da c-
mara dos deputados, Brrelo, o que eu entilo Igno-
rava, par* me nao restara menor duviJa da allilude
tomada pelo Mercantil na presenca dos desastrosos
aconlecimenlos de Pernambuco; nao porque seja o
Brrelo da comniunhflo saquarema, mas porque he
pai de numerosa familia, esta bem de fortuna, e he,
solneisio, homem honesto e bem querido das pes-
soas que o frequrnlam ; e, si-jamos francos, a ho-
n.ens neslas circuuistancias nilo convm a liberdade
t;3o da folha he o Paranhos, nBo admira que de qunn-
do em vez apparegam artigtiinhos da fabrica do I'r-
bano, .anda que mais moderados ; mas tenho espe-
ranza dejar o Paranhos conhecer que para um moco
da sua csSacidade c que apenas encela a carreira po-
ilica, no convm fazer causa enmmum com re-
volloso do jaez dos catucaf. O corlo lio que a rnni
alianca pessoa que me merece lodo o dterio que o
Urbano quoixara-se-lho de que o Paranhos por con-
descencia com o Brrelo, e este em allonc3o MUS
pillos amigos, o Boa-Vista, Schastao eMaclel,
nelliS doixava ampia faculda lo de peijar diaria-
mente as columnas do Mercantil com as suas sandi-
ces coslumadas e as do general sem btath'is trans-
criptas do Diario rVoj'o; ao que respondra-llic a pes-
soa de quem rallo, e, a met ver, com argumento d'a-
quellos dos quaes diza o fallecido deptiladn Alvares
Machado, que eram doenupir,que, se elle linha
conscienca da exccllcncia da causa-caiiirii, devia a-
signaros seus arligospara mostrar aos seus caturs
que compartilha da rcsponsabilidado de seus glorio-
$oi feilot; o urbano, porm que sempre fui e ha de
ser per omnia scula um refinado espeitalliao, nfio
melle inHo em cuinhuca : vai sorrateramento tiran-
do a sardinha com a m.lo do galo ; e depois, se pe-
garon) as bixas, *hi oleremos re do norte; Benito,
voltar a sua antiga pOSCflO de rapadlo das esca.las
do Vasconcellos, Honorio c Paulino, protestando
nunca se haver nvolvido na revolta-catucn.
Se me nao engno, fallei-lhe, em una das minhas
atrasadas, de urna medida sobre a ereacao de ban-
cos e sociedades annonymas em geral, que prelen-
dia lomar o governo, o para 0 que consultara as sec-
coc-s reunidas de la/onda e jUatCS do Concellio de
estado. Unjo' corre impressi a consulla, e bascado
milla acaba o governo do publicar com dala de 10 do
correle um regulamentoeslabelecendo rogras para
a iiicorpnrac;"c) das sociedades anonymas. Releva
uotar-seque o Alves Brahco, como membro da s-i--
(,'an de fazenda, concordando cm geral com os prin-
cipios que expoz a maioria das seceea em sen pare-
cer, comtiiilo divi'rgio em alguns ponlos. eoque
allana a boa fe com que se houve elle neslo negocio,
he que couconlou com eila na parle em quo aeouse-
liia a wogac/io da deliberacao por elle lomada
i] nao lo ministro da fazenda, na qual declarara suli-
jeitos ao sello os vales ou leltras quena forma dos
esiallos os bancos emillem, bem como a os liva-
llarem, quan lo, gyrando depois de vencidos, nao
tiverem pago o sello lanas ve/es qtianlaa pagaran)
se finios os piazos tivessem sido recollidns e ree-
inettnlos ; coufessando que osla sua deliberacilo mJo
fui bem considerada. O regulamento da quo trato tem
por base que neuliuina SOCicdada pode ser formada
(isto lie, coinmercialj sem aulorisacao ilo governo
central esem que por elle seja approvadoosen (lla-
no. Para obler-se essa aulorisac;1o sera enviaila aos
presidentes as provincias, e aos respectivos minis-
tros ni corle, urna petiead assignsda por todos os
meiiibros da sociedsds o scompanhads dos estatu-
tos cdoeuinouios que declarem: 1., o negocio ou
negocios que a socicilado se propOo empreheod r ;
2.u, o domicilio da sOciedade ; :l., o lempo do sua
diirac,;"o; \", S^impnilancia dos fundos; 5., a ma-
neira porque little ser formada; 6 o, os pra/os m
quo (levo ser real isa la ; 7.*, finalmente, n modo de
adminisirago da sociedade. As petl(0S dirigidas
aos presidenics das provincias respectivas sera > en-
viadas ao ministro competente, com ns inforuiac -s
soguinles: I", su a empieza aprsenla alginua tou-
sa que paraca contraria s leis, boa f do com mur-
cia, ou aos interesses da in lustra em geral ; > S
lem probabilidad)! de ser bom suCCOdida ; 3., se as
quahdades e moralidade dos subscriptores dio siif-
licienles garantas, ose leem alies meios de realisai
suas entradas as pocas que frem ileterminsdas.
Esta medida, so bem que me parecadodillicil oxecu-
eflo e mesmo onerosa, corta todava abusos invete-
rados e mu familiares as nossas grandos cidales,
mrmente aqu na corto; mas eu quizara que se
no difllcultassa tanto a incorporaeflo de compa-
nhias entro nos, como por corto dilliculta a modida
do governo ; pois que mo deixa de ser vexatona as
associaes provinciaes a diaposiedo regula meo lar que
poe dependente dogoverno central a fonnagao del-
las, quando entendo ser j occasulo le fazer-se al-
gumas conccssOes s provincias. Nao sou dos ho-
mens ilas franquezas provinciacs : a ceiilralisagao lie
Sempra til e inherento forma de governo que fe-
lizmente nos rege, bem como a inlgi dade do impe-
rio ; mas, quando he eiia exagorada a poni do tor-
nar al os muios deengrandeclmenlo das provincias
dependentes do centro, entilo muda do nomo e de
carcter: lorna-se urna verdadeira concent rnedo;
systema esle, om vez do benfico, injusto eaviltantu
para ellas.
Nilo passo a outro assiimpto sem dzcr-lho que o
tercuntil se entreteve muilos nmeros com csso re-
gulamento : mas, infelizmente, n3o Iho posso dar
ideiado contcJo nos seus arligos; porquo, conie-
(,'aiido apenas a leilura do primero delles, pareco-me
cousa assim do Clinsliaiio Otton, e, coufessoa mi-
nha I raque/.a, cahio-me a alma aos pea, nilo live co-
ragem de leva-lu ao cabo, lembrando-me das tre-
mendas massadas que me dnva esle moco na cmara
estando eu as galeras, bem entendido; com os
seus dicursos inlermiuaveis.
Pereira Pinto, presidente removido do Espirito-
Santo para o Rio-Graude-do-Norle, acaba do se-lo
novameule desla presidencia para a de Santa-Caltia-
rina, em consequeucia do instar e por din obter a
sua dumissau o general Aulro que a presidio du-
que a poltica da tolerancia que tan hem lia sido
compreliendida pelo actual gabinete, soffre eom a
demisslo do veterano administradora perd da co-
mljuvacao deum de seus mais conspioios partida-
rios.
O Jornal do Commcrcin, quo bontem nolicin a mn-
danija ile que ac.iio do fallar, di lamben) o coronel de
engonlieirns Aguar, nomealo presidente das Ala-
goas. O simples faeto do ser a noticia dada pelo Jor-
nal, garanto sullicientemente a ver lade della ; mas
nao creio quo o governo obrssse com lo la a ilscr-
eliO, so, demiltiil'loo Bandeira do Mullo, dou-lhe por
successor o Aguar : creio anlos quo fui esto Horne-
ado por ser urgentemente reclamada pelo estado do
o-Granilo-do-Norto a presenca de um administra-
dor com as habililacoes do Baudeiri. Assim, pois,
suspeito, quu o Bandeira vai removido para a presi-
dencia do Rio-Crande. Todava, lies po lem seras
cirruinstancias, que a iinnteac.ao do Aguar, o a nSo
remocao, massiin demssao do Bandeira sejam justi-
fica das.
Tenho conhecido que iie nulil dar-lhc conla dos
despachos do governo, porque quasi sempre sao pr-
meiramenlo sabidos nos lugares n que dizeOl res-
peitii, do que publicados aqui. Nao se a que ser
devido islo; mas os nonios dos actuaos ministros
silo garanllias seguras de que, se nlgumas v ilaa po-
lticas ha ll'sto, sao lioneslas l'ortanln farei de ora
i'in ilianie menijflo saiente dos ilespachos mais frau-
das c ile recente data. A-sim, por exemplo, men-
ciono-lhe a nornesQlto do sou amigo voltio Autnnino
para > lugar de administrador da rasa do correrlo ;
emprego que me dizom ser o mollior da corte, de-
pois ila inspectora da alfandcga ; e a passazem que
leve o l)r. I'inlieiro Guimarfies, cunliado doincom-
paruvel Chichorrn, ila secretaria do Ihesouro para a
ilo estraugeros. Fallei-Hnj, segundo creio, na in-
justiea praticada para coan os cmpregailos d'aquclla
secretaria palo Souzi Franco, quando interinamente
encarregado da pasta da fazond.i, nomeamlo esse
moco olleial da secretara do thesoum, contra o ex-
presso na lu da sua eroaojlo, ou regulamento, que
garante aos empregados oilroitu a accesso por an-
tiguilade e servicoa ; e tan clamorosa fo a injustiqa,
(|iic os empregados sobre os quaes ella rocahio, fize-
ram subir a presenca do l.nnerador urna lepresen-
Uco contra o Souza Franco, sobre a qual mandou-
so ouvr o conocido de estado. Sendo o parecer
ileste favoravel representaca ), pareco que o gabi-
nete actual 0hr*va muilo na rbita ile seos ileveres,
se aiinullasse o decreto do nomeac3o de tal enipre-
gado ; pois nflo o fez aproveiamlo-se da vaga quo
evsla na socretaris do e.-lrangeiros, preencheu-a
com o ompregado Intruso da secretaria do thesouro.
Entretanto, o ministerio he reactor, perseguidor,
sanguinario o qnanlo apraz a npposicao !...
Esqueca-mc di/er-lho quo a representaco do que
trato, subi ao Impera Inr, no ministerio mesmo do
Souza Franco, o que o parecer ila seccffo de fazenda
do conculho do estado, que, cornija disse, fo favo-
ravel aos empregados do thesouro, eslava assignado
lambem e sem rostrcco pelo Alves Brauco, membro
da dita seeejh>.
Por decreto de 2 do correnlo, rivalidou o governo
o de de novomliro de 1810 quo coucoJeu a Tho-
maz Corhrane o privilegio exclusivo por 80 annos
para a construccflo de um caminlio do forro da cAr-
to a S.-l'aiilo. Era lambem este o lempo proprio
para os Pernembucanos continuaren! os melhora-
menloa msterlaes da sua provincia, quo quando por
la passei om isiamcom impulso idroiraval.eque,
segundo oiivi a mulas pessoas quo de la leem vindo,
frain inteiramente parausados durante o jugo fr-
reo do invomparav'l Chicliorro. Infelizmeiiliiassim
nao lia ile acontecer.' A ainhicSo desrograda o iva
nualillcavel de alguns de seus ti hos levou o maira-
da lo l'ernambucauo a ser preza da guerra civil que,
sobre regado com o gangue do seus proprios filhos,
esgotar os recursos que, hojo melhor iiscalisados
e dirigidos, haviam do ser spplicsdos aos melliora-
rnontosmaleriaesda provincia pira ulildadodo po-
vo a apogeu da seu gloria......Quando me lembro
que os homens que ha pouco lempo dizam quo Per-
nambuco mo lnha um homem para represnta-
lo no senado, querem hojo proclama-lo inde-
pendente da corte e das mais provincias, tenho von-
iaile ilc perguuiar a esses senhores se cstavam es-
condidos as maltas do Catuci os homens dignos do
representaren) a provincia; porque s assim se pido
explicara metamorphoso porque passou,do to
pobre para lito rica em capacidades: do contraro,
Inlo do me permitlr que, jurando por suas proprias
palavras, faca milito miscnvel bleia do novo estado
cuja independencia proclaman). Com islo nHo faco
injuria aos l'eriiambucauos ; pelo contraro, mostr
comparlilhar com ellos a indiguac,ao que devia e
dove anda causara infame idoia, pela praia propa-
lada, .loiino haver em l'ernambuco homens dignos
de senlar-e no senado.
A nova cmara municipal lomou posso no da 7
do crrente, e logo na sessSo de 12 o vercador The
ophido Olloni apresentou nina proposla para que a
cmara nomeasso urna commissilo extorna para vi-
sitar as prisOes' civis, militaros e ecclesiasticaa, os
carceres dos conventos regulares o.todos os eslauo-
locimenlos polticos decaridade, e dar infor.nacao
do seu estado o mclhoi amento quo so necsitam. Se
outro vbreador, quo nao o OtU.ni, Uouvesse feto
esta propusla, eu onchergar.a n ella somonte o cum-
p. imenlo de um ilever que tem s.do esqtieci.lo pelas
amaras transadas ; mas, sendo como fo reila por
elle o fasendo paite da couimissao o priilanlhropo
rauta quas 10 anuos. Dizem-mc
plicado em seus nogoems, lomou
qiuo general, con,- Urbano e Joso do Asss, parece-mc islo um epujr.P>
iu o accArdo de re- ma que se pretende laucar ao governo e aos MU-
moda dos caiucs, islo lie, liberilade plena de ron- lirar-se du poltica, aliui do dar melhur diruceo ao
remas ein geral; oque me levara a dizer, sa eu
a mona uos caucus, i>to no, uueniaue pieua ue rou- iirar-so uu poltica, auin un uar nieiuor unuc^iu ou "" ----- -.-- ;.',___,._,.-,..
bareaasaasinar, sem quesa Ibes oppoi.ha a aulori-'seu patrimonio que existe em quasi lolal abandono fosa as* tu*,qW dade. Entreunto, como o encarregado da redac- no llio-Crande-do-Sul: he puna que assim seja, por- ciencia de serum esses os lugares que mes assigoa
v ..



. X -
- '
2
asas**
i^
bus turbulencia, que vilo do antemlo mandando
prepnra-los. No seria mo que por cautela deixas-
sem 'icnr o Urbano eni um (relies f o mais seguro)
rreptraitdo a hubila^flo para os c<.llegas do Calu-
cft. 'Ai', di) lainentar-se quo a lluslrissitiia cmara
se e' qtiecesso do Chichorro, tillo o nomeando para
con .nissBo.
O ooi.oelheiro Montesunia levo snhida honra de
reeeber no dia 15, c:n sua inui pilrcsca Itablago
na Gavia, SS. MM., que l passaram o dia.
Ainda boje estamos a 23 do priineiro mez do nnnn
e j o numero dos suicidos monta n 10: no dia 3
houveram 5, e antes de bonlein leve lugar o ultimo
dos que fallo. Dizem alguns apostlos da civilisago
que be isto signal da quo j vamos teildo ; e isto ,
confesso-o francamente, tcm-me posto a schismar ;
porque toda a minba vida tenlio procurado andar
parda civilisacao, mas nunca lembrei-me de a-
cubar ns meus dias com un; suicidio. IMmi vendo
agora que estamos mellido n'uin dilema : ou conti-
nuaremos a nos Civilisar c daqui ba poueo estara o
Brasil entregue aparte no Civilisida, que enlre nos
sao os Africanos c os indgenas; ou havemns de re-
trogradar para os incultos lempos da descocerla da
Amoros, o quedar o mesmo resultado. Cyramos,
portanlo, cm um circulo vicioso Que desgraga.'
No para aqui I nossa dcsg.aga; escole mais es-
ta : a bnmceopalbia ja dcscobrio entro nos o cholo-
ra-mnrbus ; o quo foi ba dias annunriado pelo me-
dico Duque-Estrada. 0 que nos vale be quo pura
este nal temos nos remedio o descubridor do cho-
lera afianza quo com qualquer dse homrcopalliica
est salva a liumanidade.
A 17 do corrente, procedeu-se eleicflo secun-
daria dos nienihros que devem compor a lisia tri-
plico sobro a qual so tem de escollier um senador
para preencher a vaga dexa la pelo fallccmcnte do
M. de Marica. O resultado da votacflo cm -'2 collegios
be o seguirte:
Paulino..............781
Viana...............702
Brrelo Pedroso..........562
A candidatura avulsa do Montesuma, bein como
do S.Salvaiinr, tem roubado alguns votos ao menos
volado da ciiapa ; mas no ba a mais pequea du-
vida de ser alterada a chaps; porque, ainda que a vo-
as que siibstiluam as fileiras legalistas os bravos
quo corajosamente derramam o sen sangue efn prol,
da causa publica ; Ifta se lembram que o governo
devo mostrar aos briosos defensores do imperio cons-
lilueional, da inonarc.hia eda ordem, que o paternal
governo de S. M. niio-se descuida um instante se-
da por salteadores e bandidos quedesonm a patria !
A questo ferraz parece ter tocado o sou termo;
porque urna informado dada por esso digno insp"C-
tor sobre urna representago Toita ao governo pelos
merca lores de farinba de trigo dosta praca. e contra
o inspector da alfandega, poza calva decerles con-
trabandistas do alto conturno moslra. Quexavam-
se os representantes de baver o inspector da alfande-
ga, por um exeesso de zelo malentendido pela fa-
zenda publica, difficultmlo em extremo o despacbo
ou sabida da farinba de trigo daalfandoga para o
consumo, mandando fechar urna porta que exclusi-
vamente linba esta serventa; o Feraz, qnem
baxou para informara representago, informa quo
a porta foi fechada por ser muito pequea eno dar
sabida siilllciento a todo o trigo necessario para o
consumo pnis que o numero das barricas desse ge-
nero sabidas diariamente pela almejada portinha era
do 100, o hoje que ellas sabem por onde devem sa-
bir o sdl) a inspecgo de empregados da alfandega, e
nao do caixeiro do Maxwell & Companhia, que, as-
senladn na portinha com um coro ao p, recebia di-
nbeiro c dava farinba, ruinoso fsseaquillo um r-
mazom de sou patrflo, boje, digo, o numero das bar-
ricas sabidas diariamoiile monta a 480. Entilo era
pequea a porta ou iior1 Vcjam qitelyranno que he
para o commercio este Ferraz Km vez de deixar sabir
100barricas do farinba para o consuno, faz sabir
4S0, s para ter o goslinho do vexar o commercio li-
cito !.....Felizmente o ministro da fazenda be Jos
Joaquim Ilodrigues Torres ; so fdsse algum dos que
leem por programma poltico favores aos amigot
duvido que o Kerraz ainda esttvesse na alfandega,
porque a guerra que lite faz o commercio tem este
nico alvo .
A ebuva que desde alarde de do corrente foi
sem iutcrrupciioale l, occasionou nste dia o des-
moronamenta de gj-ande parte do morro, em cuja
base passt a ra do Cllete, o nosso feaubourg Saint-
d'0
seme|hanle boato he inteiramenle falso. Felizmen- poca fez Tolerantes servigos i sua provnola nat|
te, o nosso distincto comprovinciano vai flcandofra
do perigo: a sua familia, os seas numerosos amigos,
folgam de ve-lo ir molborando progressivamente.
Fagamos votos aos cos para quo se nio fino vida
to preciosa.
., HU MI". lllll"ll I "I il I" .. -, .
tacnodosocollegiosquefalla.nf^seunanim-recahir Gfrmaiii. A parte comprendida, entre a cas*
no Montesumao S.Salvador, ella tifl solfreria al-| ('-lX,*B a cochera das gndolas desahoi. sobre Ama
teragilo algum*. A opposicno nos eollegios cm que pode obt..?|guns votos, como para dar ,xac.a ,|ea dos hearam em petig.lo do miseria; tambo... SoQVeU
lopapi.itoune a anima, f-loS recabir no Chichor- a Ci,s "mmediata que eslava quas. concluida c que
ro, L'rbannn [Hunos Machado. Assim, cmS.-Jofio-do-
Prinoipe, collegio de 90 olelores, oblevo o Chichor-
l'()39 votos; en Mago leve o utios 9 ; c na l'ara-
livha-dn-Snl o Urbano 9, e o Nuncs lanibo.n. Veste
Ultimo collegio ainda moslrou a opposicno turbu-
lenta que o roncejlo que d'ella formam os verdadoi-
ros amigos das nstitnigoes e do paiz, be mais que
justo ; pois nflO sei Como qualilcar-se o acto da me-
sa li itor.il da villa da Parahyha, mesa toda da oppo-
SCfto, a qual. linda a apurago, e verificado que a
victoria era dos governstas, leu parle de doeute
toda ella para no passar diploma aos elcilores ; re-
sultando d.dii nao vota rom os cloilores por nao a-
pieseiiiarem diplomas
Aflanca-me um libiral que esta estrategia tem de
ser empiegada em grande escala se bouver disSolu-
QHo;0 que be milito fcil de acontecer, porque silo
ellos scnhnres de todas as cmaras municipaos, elei-
tas sb a innueneia benfica .las nchat de ten ha, bem
como os juizados do paz : p'-r oulra, eslf.u com u fa
ea e o queijo. hilo 0 que era para ver-se, era o prazer com que o pobre
1 o i em narra va esse arto de Itberdadt por ineio do
quaj pretendem os lbeme bzer as urnas exprimirem
a vontaie vacionnl gciiuiia e vrrdudeira !
U paquele S/iider Irouxe ditas de Monlovido al
23 e de llneiios-Ayrcs II8; poram .lomos datas
mais modernas IrazidaspeU* transporto Oriento, lie
lio propriedade de um tacliigrapbo do Jornal do
Commeicio. 0 governo tem dado as providencias ne-
cessarias para que nlo conliiiue o morro a ameacar
ruin, no quo so tem ompregado o inspector das
obras publicas o seus emoregaaos com grande nu-
mero de gales e presos de correcgfio.
Uncorrespondente oMtreanltt diz-lbo do Per-
nambuco quo os gofernistas leem assalariado assas-
sinospnra darein cabo traigoeiramontc dos che fes II-
bintes, o que no se tem ivalisado por tercm sido
anpreliendidos osassassinos, que mesmo no cimao
fram passados as armas S.) OS tiberaet do Catitea
dio agora nesto plano infernal de assassinarem a
qnanlos presinenos (z'Tem, sob preloxlo de seren
assassinos, ba de ser isto bello!..... Os govcrnisUs
mandam assassiuar o&ohtfu libtran, e os que stu ss-
sassinados silo os tlapiremas, os lllbos do scnlior do
ungenhu Aguiar c outros governisUs Ntp he mi
cala Kclizuiento o presidente dessa provincia be o
Tosa.....
ii fb'fo de policio da corte pedio ao governo quo
desse ss suas ordens para que Msse construido um
ebafariz na piaga da Conslituigilo (vulgo o largo do
ItocioJ.
') cambio sobro Londres subi bontem a 25, as
apolices coiisoi vam -sena quotagilo que antes do bon-
tom dei.
No atino passsdp cntraram n'este porto 1,147 em-
sabido que llosas no quer reeeber o Southern sem[lfCSCOM de longo rurso com 2j9,9I7 toneladas e
qiieostejn este munido pelo seu governo do plenos'do c..botagem 2,402 com 2I4.M69 loneUdas,-e salu-
po.lOres para codera lodos as exigencias do dicta- rao. d-aquellasl,03 com 323,729, ed estas 2,333 com
dor A" vista disto,, be natural que no seis possivel ia.476, sendo 2,071 do vela e 312 do vapor,
negociago alguma ; porque nao be orive] que a vo- e **ucar de l'crnambitco fOram as entradas avul-
IbaAlbion.Uktcelosa desous foros, se dispa do seu t*das,aizo tomo/, monUndo a petto de60,ooobar-
orgu lio. ou estoja ja tu demento, que ceda a lao ricas esaccas, alem do 1,000 caixas d'alli, do Maceta
ucsloucadas pretcncoes. llosas linl.a comprado no [ o Sergype. 0 bronco estove brtne de 2J8U0 a 3/100,
mez do noven,bro munigOes do guerra na importan-il quo baixou com os grandes supprimentos da
cia de dous mili oes o nieio de | esos. (I Jornal, maio e junbo, elVectoaudo-so n os| mez vendas a-
Iransmitliinloa seus luiloresas noticias trazidas po-
lo Oriente, diz assim
Do Buenos-A y res alrngam as noticias a 27 do
ilezembro. Mlirina-se que o general llosas dora or-
dem a Virasoro, governador do Corrientes, para re-
clamar do governo do Paraguay a entrega das Ibas
Apip, no Paran, e pura comegar logo as boililida-
des contra esta repblica, no caso de no ser satis*
feila aquella leclamago. Aecrescenta-se que o ge-
neral llosas tinba mandado subir para Comentes os
vultadas de 2/200 28700. Kntrou pouco nos qualio
meses seguules, mas a maior parlo dos 2j,000 sac-
eos o barricas recobidus em dozombro eslavam cm
ser no lio. do auno.
O assurar, como genero deexportafflo, tom perdi-
do no niei ca,lo a sua importancia ; mas o cousumo
absorvoquasi todas as entradas.
Vou ver sena agencia da coinpanlii querem en-
carregar-se do eniregar-lhe esla, porque agora in-
formam-me que o correio no recebe mais carta pa-
rticia me foi dada por um liberal, tal voz soja das que
cosluuiB dar o Mercantil.
vasos de guerra que linba om San-Nicolas o outros rf Vernambu^ por oslo vapor. Dabi, comoa uo-
ponlos.
A respeito da Itolivia diz a mesma folha
Segundo referen, carias do Ilucnos-Ayros, pare-
ce que a revolugo em Polivia lomara carcter gra-
ve, e que se linba appellado para (.general Santa
Cruz como o ni.ico liomein quo podia tirar a rep-
blica do chaos en. quo so ucbava. Coi riu como corlo
que o presidente Vilasco, para cuja elevago ao po-
der muito cotilribuio o governo de Uuonos-Ayres,
tinh fgido o eslava refugiado em Sulla, piovincia
argentina.
Preien.iia fazer um resumo do rctrospeeto annual
de 1848 que | ublicuu o Jornal; mas ja to longa vai
esta o io prxima el ahora de lechar-so a mala
que be impussivel faz-lo. As apolices esto a 87,
dividendo pago ; o cambio sobre Londres esla u 24
o 3/4.
O Ihealro do San-Jauusrio nlo deu nada do novo
nestes ltimos dias.
t. S. Nflo fui inexacto as minlias suspeitH -
cerca do Itamleira de M.llo ; aliancam-nic nesto ns-
tame que foi elle removido para o Cear o quo o
Fausto passa a presidir ltio-Ciai(do-do-Noilo.
dem, 25 de Janeiro til 1849.
O 'rcense, depoi* de ha ver largado deste- para os
poitos do norte, fitBdeou de riovo em eonsequeneia
da entrada do Haitiana, que era ncioSamenie espe-
rado. Vou i.prnvi llar as poltras huras deque posso
dispdr para addicionar maisalguma cnusa ao con-
tedo na mitUia de anles-d'bontem.
S M. n Imperador, iicoiiipaiihi.il'. do ministro da
guerra e mais pessoas do seu sequilo, passou, no dia
23, no arsenal de guorra, revista ala direita do se-
gundo balalltode cagudores, que.clevada torga do
320 prgas, Segu pata o ttorlo no vaintr l'araens.
Os liberan deslc contingi-iite dedu/cui que O esla-
lilaRIO !iEPEB,\Ail[i['CH.
BEOIFB, 9 DZ FivtBEino SE 1849.
VA>OR DO SOL.
Kntrou boje dos portos do sitio vapor Paraent,
Ira/cnlo jomaos fluminenses al 5 de Janeiro ulti-
mo, e da Pabia at 1 lo corrente ; bem como a gra-
ta noticia de baveicm Picado em plena paz lodas pro.
vincias daqucllc lado.
As novas da ooite sffo to bem resumidas as duas
caitas do ikisso cotrespondenle, exaradas sb a
competente rubrica, que nada temos a adJicio-
nar-lbcs.
tu.auto a Bt hia apenas diremos que ella contina
a cotnprazor-sc da justa e prudente admlnislrago
do Sr. Conexivos Martins.
O SS. CAPITO DO 4. BiTALXo DA r.AltDA NA-
ClOMAt DO MUNICIPIO DO RECIPE, JOSb' OONgALVBS
DA SILVA.
F.m o numero 27 deste Diario annuncimos nos
a bravura com que se portara o Sr. capilOo Jos
Congalves da Silva em o dia 2 do corrente; mas nao
ofizomoscom a necossaria individuagSo, porque s
agora he quo podemos colhcr .informages exactas
acerca da maneira briosa porque se ello conduzio.
A 1 deste mez achava-se o Sr. capito Silva na ci-
liado deOlinila com a companhia de guardas nacio-
naes, quo no comego da presidencia do Exm. Sr.
Ilerculano Ferreira Pcnna destacara sb seu com-
mando apenas acabava elle de reeeber a nomeagfio
para o posto que" hoje exerce, quando foi mandado
yir para Santo Amaro, afim de guarnecer esse ponto,
que pareci mais accessivel ao inimigo quo no dia
seguinte ousou bater-nos s portas da cidade e inva-
d-la, do quo aquello em que entilo estava.
Como qur que destinado a reeeber continuas
provas da conianga que inspira aos seus superiores,
o Sr. Silva, poucos momentos depoisdo haver oceu-
pado o ponto de Santo-Amaro, foi removido para o de
Chora-Menino, onde se acreditava que o perigo seria
muito mais eminente; e, apenas rompouo fogo no
Atcrro-dos-Afogados, teve ordom do Sr. coronel
Ilozerra para ir cortar a retaguarda do inimigo com
as pragasaseu mando, condjuvadas por trinta im-
ponaos marinheiros quo oram dirigidos por um Sr.
2." lenonlc da armada.
O distincto ofllcial executouessa ordem de modo
a justificar a ideia que sempre formamos do seu ca-
rcter vcrdadoirainento marcial : desalojou o inimi-
go de tres pontos importantes, cm um dos quaes
teve-a felicidade do restituir liberdade um cadete
do 1." linhn, algumas pragas de polica e varias da
guarda nacional, que se achavam prisioneiras, to-
mando-IItcao mesmo lempon,1o pequea porgo de
artnamonto e muniges.
Animado por tilo bons successos, assaltou elle o
quarlo ponto q ue, guarnecido pelos rebeldes, 'o se-
parava dos irmilos d'armas em cujo soccorro voava ;
mas, comquanto a principio houvcsse obtido decidi-
das vautagons, recon heceu todava n necessidade de
retrogradar, por terapercobidoqueosvndalos esla-
vam intrinebeirados, e dispunham de urna frga mui-
to superior sua. Entretanto, parece quo a Providen-
cia quera pora prova a coragem do Sr. Silva: ao
rollar o valente capit o para o Chora-enino, um
trogo rebelde, eeste muitissimo numeroso, tentou
embargar-lhe o passo; c j o distincto Maranhon.se,
depos do haver medido denodadamente as suas ar-
mas com as dos anarebistas, achava-so em Ggu,
para onde se retirara, sempre perseguido pelo ini-
migo, sono quando encontra-so com a columna do
Exm. Sr. general Jos Joaquim Coelho, aquomestava
destinada a dita do salvar das garras dos barbaros
to valeroso Brasleiro.
Anda com as armas quentes do combate,ainda
fatigado das lulas quo com tanta galhardia susten-
tara, o Snr. Silva incorpnrou-se i ni meda lamente
a columna que o ajudra i desembaragar-sedo ini-
migo ecom ella entrou nesla Capital,e com ella
operou em varias paragens, onde levo novas occa-
siOes de tcslemunharsua bravura, pericia e sanguo-
frio.
(Maranbo), conlribuindo com os seus esforgoj pa-
ra que os rebeldes fssem deslrogados em Jaguar,
Caxias, Itapicni- p Qutros pontos, nos quaes todos
desenvolveu tanta bravura, que o Snr. coronel
JosThomaz Henrique jamis deixou do cscollie-lu
para os combates mais arriscados.
Com tSo louvaveis precedentes, veio o Snr. Jos
Congalves da Silva habitar entre nos, e em 1845,
quando j havia obtido escusa do servigo delnhi
entrou para o corpo de polica ns qualidade de l-
enle : abi sempre se portou de maneira honren
e foi conservado at fins do snno do 1847 tro
-que demiltirsm-no por intrigas meramente pel,
ticas.
En principios de 1618 vollouo Sr. Silva no mes-
mo posto para o corpo de polica, e poucos das de-
pos do empossado, como commandantoda guarda
avangada da frga que fra baler os turgentes qu
appsreccram as maltas do. Cituea, dirigidos por'
Jo3o Ignacio Ribeiro Roma, dcstrogou-os prompta
e intrpidamente, merecendo por esse seto os elo-
gioso a estima do Exm. Sr. Vicente Pires da Molla,
que entSo administrara esta provincia. Entretanto
em meiados do anno citado, teve de ser expeflido do
mencionado corpo, por assim o exigirem os in-
teresses da poltica que entilo domnava ;_mas, pou-
cos mezos depois, o Sr. commandante do,4. bi-
talhao da guarda nacional deste municipio o pro-
poz, o o Exm. Snr. Ferreira Peona appfovou-o
para o posto em cujo exercicio se bs portado (Ao
bem.
Cdado to benemrito,t3o dedicado i monar-
cha e causa da ordem, tornase digno davsympa-
tbiasdo publico sensato, eda protegodo govorno
imperial, que, galardoando-o, dar um tesiemunho
solemne de quo no sabe esquocer Os leaes serviUore
do estado.
Publicbalo a pe di Jo.

A presteza com que os muitos dignos Srs. olUciaoj
do briguo de guerra Honro deS. M. F.(* surto nesle
porto lizeran reeeber pelos prnpros escaleras a
todos que sorprehendidns ilo susto e de terror bus-
cavam aitxiliar-se'alli ou na sua afilelo iam, inda
que a seu pezar, precipitar-se as ondas que ba'nham
as praias e caes tiesta cidade arriscando-so a per-
der ou salvar as proprias vidas depararam j
prompto o melhor meio ile salvagflo com preferen-
cia nos lugares onde o perigo se jufgava eminente
tanta philantropia tamaita dcdicagflo pelos seus
irmilos atribulados e pelo bem com muro manifes-
tatn claramente os nnbressehtimpiitos que minara
a esses dignos Srs. ofllciaes da armada porlugueza, e
Ibes grangeam bem merecidos encomios de lodosos
que aprecam o fiel cumprimento tic seus deerei
a par de bem demonstrados desejns de exercer a ci-
ridado quo Ibes be propria dando a dinrg.to mais
bem determinada ios seus evidentes soccorros de
salvago, que depois de Urna tilo franca e generosa
recepciln a seu bardo ainda colorian! cot a m-
nslragoaqtte nao souberam poupar-sedo lodosos
molos que cotioorressem para allviar os nxtludos
na situagflo fflictiva em que s achavam. Taes f-
ram os rucios meritorios qoe vi pralicar o do cujos
beneficios tambem comparlilltei, no da 2 do cor-
rente mez quando osla bolla ci lade se achava i
bragosrom os deploraveis desastres que neste dii
occorreram, e pois Ihe tributo as espressOes de meu
sincero agradec ment o minlia particular gralidlo
aos mesmos Srs. olliciaes pelos imtuensos favores
quo delles recebi e Ibes rogo desculpem a ofTensa
que deslo meu publico agradeclmento possa resol-
lar a sua modestia.
J. .deS.
LOMtECIQ.
DBSMKTIDO \ UM BOATO ASjU.sTADOR.
Corren bojo nesta cidade que oSr. tenente-coro-
uel Krancisco Carneiro Machado Kius sceumbira ao
do de Pe. nnn.buco ernpeio. a de .lia em da em con- { m ll() rcc,,bra n comD,l0 l]o dia 2 do ror.
sequencia des repelidas eaisiijnaladat vidorras dos) "" "" ul" '""'^
Osleilores nos permiltrSo.-sem duvida, que pa-
ra bem dar-lhes a conbecor o bravo do quem temos
tratado, fagamos ris breve doscripgio do sua carrei-
ra na vida militar.
Km 1833 alistou-se elle no 4.' batalbo de caga-
dores do 1." linba un qualidade de cadete, e, j com
o posto de sargento, marcho i com aquello corpo
do Maranbo ao Par, quando essa provincia eslava
revolucionada e sb a presidencia do general Ma-
nuel Jorgo Rodrigues : abi commandou diversos
pontos importantes, taes como Cory e Santa-Cruz
no Amazonas ;-concorreu nos combates da capital
Colares, Chapeo-Virado, villa do Veras, Acara e Rio-
Pequeo ;distinguio-se, emllin, em varios tirotei-
ros, mais ou menos importantes ;--e, terminada a
pacillcagio da provincia, contara tros forimei.tos)
dous dos quaes ha va ni sido graves.
Por motivos qoe agora nos Ucumpre avaliar,
o Sor. Silva, logo que acabou a fratricida lula a
que o Para servir de theatro, resolved desalistar-se
ALFANDEGA.
RENWMKNTO DO DIA 9........,. 7:523,689
- Dticarreyam hoje, 10 th ftvtreiro.
Rrigue ero barricas vasias.
Polaca Silencio farioha.
Brigu fenlufa-Feliz barricas vasias.
Rrigue Maria-Josi mercadorias.
Briguo Neliopolii idenj.
Brigue Gtorge-Ann dem.
IMPORTA GAO'.
Helibpolis, brigue francez vindo de. Uarsellhe ,
entrado no corrente mez, consignado a L. Bruguie-
re, maiiifesioii o seguinle :
20 fardos fio de vela 4 ditos dito de sopsleiro.
50 barricas bacalho 50 ditas alcatr.ln, 00 barris
giz, 100 barricas farinha de trigo, 30 barris, M
caixasazeilodoce, 21 caixas papel braneo toditas
dito de peso l da., .uta de cor, 50 caixas cnnr- ti
vas 100 ditas masans, 12 bhus o 7 caixas perfuma-
ras, 1 caixa modas, I dita utensilios para bilhr,
I fardo algndo 5 ca '.as fazenda do seda, 9.00 U-,
jlos envernlzados 100 jai ros vastos, 8 caixas catn-
phora, 96 caixas licores, i fardos dor da tili cai-
xa penies de inarlim 100 barra chumbo de mum-
go, 10 ditos olqo de lnhaga, 35 ditos ilpista l*
fardos papel ,50 saccas pimenla, 13 caixas amen-
doas 30 fardos berva-doce 40 ditos alttzoini, 3
caixas chapos 100 barris vinho brancff, 1 catxi
salamo 1 dita ttiuslarda, 1. sacca lenllltss, 1 dita
Imrvilbas ,1 dilagro de bien., 1 dita foijo 12 cai-
__ ----- ---- -------_, -------------- ____ .1 i na i ua. oinma ao unas iritcus : a Oi'Uem.
atiucut; mas no se lembram que be necessario fr- renle. Jemos, porem, o prazer do asseverar que | ciscs, entrou de novo para ello eni' 1839, e nessa -! Georgt-Ann, brigue iuglez, viuJo de Londres, en-
do exercito ; mM,CoJoodossuaa inciinacOos mr-lx"sco'" ,(4"etJ^ iditas plaas, 4 voluntes tna-
I v I o l cajxa gomma, 96 ditas TrucUa; a ordem.
(ciacs, entrou de novo para ello em 1839, eneisa-l Georgt-Ann. brigue ingle*. viudo de Londres, en-



Irado no crrante mez, consignado a Deane Voule
& Grimpanhia manifeslou o seguinto:
3 fardse i caixa com 12 pecas de bata, 120 pares
de cobertores, 35 pecas ("uzeada de algodflo \9
ditgs ditas ile seda 60caixas queijos; a Francisco
Comes de Olivcira.
too barricas cerveja ; a Deane Youle & C.
5 barricas tinta : a O. Kenworlhi & C
? quarlolasvinho 200 caixa* velas; a Itolhe &
Bidoulac.
400 barris plvora 60 barricas cerveja, 3 fardos e
t caita (aicndasde linho 1 dita ditas de iBa e al-
godflo ; a Fox Brothers.
tOO barras chumbo d Soixas.
i2J barricas carreja ;a F. Robiiliard.
I caixa chapeos de seda 148 barris tinta ;,a or-
dem.
100 canos dn Ierro, i caixa ferrolhos e nozes de
ferio SI ilodaes de ferro, 50 garrafoes oleo de li-
nhaca ; 10 barricas de zareflo a compaohia de Be-
ben be.
7 caixascobre: a J. A. dos Sanios.
I fardo couro de lustro ; a E. B. da Silva.
7 barricas cerveja ; a O. Brown.
1 caixa diversas fazendas ; a A. S. Corbett.
CONSULADO GERAL.
ENDIMENTO DQ DA 9.
(eral. .,. -J ... .................1:379,454
Diversas provincias............... 20 752
11300,206
CONSULADO PROVINCIAL.
RKMHMENTO DO DA 9. .____... 482,970
Secretaria da thesouraria da fazenda provincial
do Pernambuco, 30 de Janeiro de 1849.
0A escripturario,
Antonio Ferreira d'Annunciaco.
Clausulas especiaes da oirematac/lo.
1.' Os reparos da rasa da barreira daeslrada do
norte serflo fetos do modo indicado no orea ment
approvado pelo Exm. Sr. presidente da provincia,
i importancia de 134,000 rs.
2 As obras principiado no prazo de quinze dias,
o termina rilo no de um mez, ambos contados se-
gundo o artigo 10 do rogulamnlo das arreraa-
taces.
S." O pagamento do importe da arrematarlo rea-
Ijsar-se-ha no fin das obras, depois dellas recebidas
pola reparticSo das obras publicas.
*. Em ludo o mais que nflo est determinado as
presentes clausulas segur-se-ha inteiramente o que
dispOe oregulamento das arrematares de It de ju-
lhode1843.
Reparticflo das obras publicas. 29 de Janeiro de
184.
O erigen lie i ro,
ft Rodrigue! da Silva.
A mola que lem de conduzir o vapqr do
guerra O. Affonso para o Rio-de-Janei-
ro, om dreitura, fecha -se hoje 10, ao
moio-dia.
O vapor Paraente fecha as malas para os
portos do norte boje (10), a uina hora
da tarde impreterivelmente.
fovtmnto do Porto.
Wavioe entrados no da 9.
Rio-de-Janeiro, Babia e Macoi ; 14 dase 12 horas
e-do ultimo porto 34 horas, vapor brasileiro Para-
eme, de 210 toneladas, commandanle o capitflo de
fragata Manoel Francisco da Costa, equioagem 30.
Passageiros : para esta provincia, o capillo de fra-
gata Antonio Firmo Cocino com 1 criado, Trajano
Canuto deCarvalho Glvflo. Jos Bernardo de' Fi-
gueired Jnior, Brasileiros ; Adolfo Blan, llam-
barguez ; Vctor Lctellier, Francez ; M. Amherg,
Allemflo; F. Eolmm, Sardo"; o padre Justino Do-
minaros de S, Brasileiro; I desertor do primeiro
hatalhflo de cae olores, o soldado Agoslinho Lopes
da Silva,; para o Coar, o Dr. Frncsco Domingues
da Silva com su a Sra., 3 filhos e 7 cscravos, Bra-
sileiro'; para Maranh.lo, o padre cipuchinho l.ou-
renco do Monle-Livre, o cirurgiilo sjudanle Joflo
da Cruz Santos; para o Para, o dispeuseiro d'ar-
mada Jos Honorato de I! ir rus Paiva e 2 cadetes.
Santos ; St dias, brigue austraco Bota- Vathllde, de
202 toneladas, capitflo l.odonco Maffei, equipagem
10. em lastro ; ao capullo.
nio-de-Janeir<>; 35 dias, hrigue brasileiro ero, da
195 toneladas, rapjtflo Jos Joaqun* Pereira, equi-
pagem 15, caiga barricas vasias e lastro ; a l.eo-
, poldo Jos da Costa Arauju.
Mar-Paciliro. tendo sabido de N' w-l.ondon ha 17 me-
zes, galera americana North-Amsrica, de 388 tone-
ladas, capilSo John Bolles, equipagem 27, carga
azeile de peixe ; ao oapilila.
Cardiff; 52 lias, brigue inglez Leda, de 200 tonela-
das, capitflo John Portar, equipagem 10, carga
Curvflo ile pedia ; ao Capiliio.
Parahiba ; 2 dias, ltale brasileiro Santa-Cruz, de 22
toneladas, raptSo Antonio Manoel AfTonso, equi-
pagem 4, carg toros de mangue ; ao capite.
Nanos taidos no metmo da.
Canal; patacho inglez S.-Ann, capitfio Philip Bou-
telier, carga assucar.
dem; patacho inglez Cetario, capillo Peter L. M.
Bishard, carga asiuear.
ObtervaraB.
Fundeou no Lameirflo a polaca austraca Guil/ier-
m, capitfio Euzobio Silencio.
O lllm. Sr.. inspector da (hesouraria da fazenda
provincial, em cu ni nr i ment da ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia, de 29 do corrente, manda
fazer publico que nos-dias 13, 14 e 15 de fevereiro
prximo vindouro iro a praca peranteo tribunal ad-
ministrativo,para lerem arrematados a|quem por me-
nos fuer, os reparos de que necessita o primeiro lad-
eo da estrada nova delinda, sob as clausas espe-
ciaes abaixo transcriptas, e pelo preco de 704,550 rs.
As pessoas que se propozerem esta arrematarlo,
comprela m na saladas sessOes do sobredilo tribu-
nal nos dias cima indicados, pelo meio-dia, com-
petentemente habilitadas.
E para constar se mandou afiliar o presente e pu-
blicar pelo Diarlo.
Secretaria da thesouraria da fazenda provincial de
Pernanibuco, 31 de Janeiro de 1849.
O 2. escripturario,
Antonio Ferreira d'Annunciaco.
Clausulas especiis da arrematado.
1 Os reparos da carnada de barro da estrada do
norte no piimeiro lauco atempera dasvalas serflo
feitas como indica o orcamento approvado pelo
Exm. Sr. presidente da provincia, importando em
704,550 rs.
2.' As obras principiarfio no prszo de quinze dias,
eso concluirlo no de dous niezes, contado ludo de
conformidade com o aitlgo 10 do regula ni cuto das
arrematarles.
3.a 0 pagamento do imposto da arrematacSo ser
realisailo em ditas prestares, sendo a primeira
quando o servico estiver em nielado e a segunda no
li ni da obra.
4.* Para ludo o mais que nflo est determinado
as presentes clausulas, seguir-se-ha inteiramente
oquedispOe o regutamentode 11 dejulhode1843
Avisos martimos.
Para Loandaf Angola ) o brigue porluguez Fior-
do-Tejo sahe em principios de marco, capitflo Fre-
derico Carlos Rosa: para carga miuda ou psssa-
geiros para o que tem encllenles commo los tra-
t-se com o consignatario, Jos Francisco da Costa
Rouxo.na ruado Crespo, n. 10, ou na praca do
Commereio.
-- Freta-se para qualquer porto da Europa "o bri-
inglcz Lalla-fookh de loto do 200 toneladas : a tra-
tar com o capiflo na ra da Cruz ,-n. 45, om casa
de Nascimento & Amorim.
Para o Ito-de-Janero sahe, com a maior brevi-
dade possivcl, o brigue nacional Visconde-de-Cama-
m -. tem excellcntes commodos para passageims :
para carga e escravos a frele, trata-se com' o capillo
na Praca-do-Commercio, ou com Novaesfc Conipa-
nba, ra do Trapiche, n 84.
-- Para o Rio-de-Jauero segu em poucos dias a
escuna Galanle-Maria, do primeira marcha para o
resto da carga e passageiros, trata-se na ra da Moe-
da, n. 11.
Para o Rio-de-Janeiro pretendo seguir viagem,
com brevilado, a escuna nacional Curiosa, por ler
parte da carga prouipta : para o restante e passagei-
ros, trata-se com 6 mestre, Domingos Antonio de
Azevedo, ou com Luis Jos de S Araujo, ra da
Cruz, n 37, segundo andar.
Para o Rio-dc-Janero segu com multa bre-
vidade o brigue nacional Alalia : para o resto da
carga passageiros e escravos a freto trata-se com
Joflo Francisco da Cruz, na ra da Cruz, n. 3.
Avisos diversos.
O engonheiro,
F. Rodrigues da Silva.
Dpclaracocs.
GDITAES.
O lllm. Sr. Inspector da thosourria da lazenda
provincial, cmvirlude da resolueflo do tribunal ad-
miiristractivo, manda fazer publico que, em cum-
primento da le, perante o mosmo tribunal, se ha de
arrematar em hasta publica, a quem mais oflerccer,
. nos dias 13, 14 e 15 de fevereiro prximo vindouro,
o imposto da laxa da barreira da estrada e ponto da
Taearun, avaliado annualmonle em 1:000,000 rs
A arremataeflo ser feita por lempo de anuos c
4 mezes, a contar do 1 de marco do correle auno
alo 30 de junho do 1851.
As pessoas que se propozerem a esta arremataran
comparecen! na sala das ses-es do sobredito tribu-
nal nos dias cima indicados, pelo meio-dia, compe-
tentemente habilitadas.
E para constar se mandou afiliarlo presente e pu-
blicar pejo (Harto.
Secretaria da thesouraria da fazeu la provincial do
Parnambuco, 30 de Janeiro de 1849.
O cirurgiilo ajudanle do hatalhflo de volunta-
rios nflo podendo ir pessoalmente a casa de todos os
scus camaradas que fTam feridos no da 2 do cor-
rente, poros nfloconherer, nem saber as las1 mo-
radias, por isso avisa todos a virom pessoal mente,
casosejam osseus ferimenlos leves.ou mandurem no
Aterro-da-Boa-Vista, n. 47, para serem procurados.
O lllm. Sr inspector da thesouraria da Calenda
provincial manda fazer publico que, do da 12 do
corrente mrz por diante so pagarflo os ordenados o
mais despezas do crrenlo auno liiiaucciro, vencidos
al o ultimo do prximopassado niez
Secretaria da thesouraria da fazenda provincia9
Pcruambuco, 7 de fevereiro de 1849.
segundo cscriplurai o,
Antonio Ferreira d'Annunciaro.
de
CURSO JL'ltIDICO.
O 9.' escripturario,
Antonio Ferreira d'Annunciacio.
O llm. Sr. 'spector da thesouraria da fazenda
provincial, em virtud*, da resolugao ,1o tribunal ad-
rnrnislrat.vo, manda Tazer publico que. nos das 13,
14e 15 de fevereiro prximo vindouro, irflo a praca
perante o mesmo Iribunal.para serem arrematados i
quem por menos tizer, os reparos da casa da barrei-
ra da estrada do norte, sb as clausulas especiaes
abaixo transcriptas, c pelo preco de 134,000 rs.
As pessoas que se propozerem a esta arrematarlo
coniparecam na sala dasscssOes do sobredilo tribu-
nal nos dias cima indicado, pelo meio-dia, compe-
tentemente habilitadas.
E para Constar se maudou afOxar o presente e pu-
blicar peh Mario.
Porordcm do lllm Sr. director, facosnhcra quem
convier, que, para regularidado dos oxames prepa-
ratorios, licam estes distribuidos pelos dias dasema-
na do modo seguint:
Segunda-feira, das 9 horas l 11 e meia geografa;
das 11 horas as 2 da larde latim ;
Terca-feira, das 9 horas s 11 e meia 'hetorica ;
das 11 s 2 da tarde latim.
Quarta-feirs, das 9 horas s 11 e meia geografa ;
das II s 2 da tarde fianrez.
Sexta-fcira, das 9 horas s 11 e meia inglez ;
das 11 as2 da tarda trance/.
Sabbado, das 9 horas s 11 e meia geometra ;
das II s 2 da tarde philosnphia,
N. B. Odia impedido por ser feriado passar a ser
cmo a quinla-feira. Oulro sm, os despachos aos
requer metilos di: cxsincs preparatorios s serflo
dados nesta secretaria, eos reqiicrimenlos, depois
do despachados, licarfio na inesnu, onde se lara urna
lista dos que leem de ser examinados.
Secretaria da academia jurdica de Olinda, 23 de
Janeiro de 1849.
F.dnardo Soares d'Albergarla,
Secretario intorno.
O arsenal do guerra compra aznile de carrapa-
to dito de Coco, velas de carnalia o do esperma-
ecte lio do algodflo o pavios : quem taes gneros
quizer forneccrcomparccei na sala da directora
do mosmo arsenal, no da 10 do crranle mez, com
sua proposta em caria fechada.
O amanuense,
Jodo Iticatdoda Silva.
Achani-se recolhidos radeia ile.-ta cidade o
prelo Manoel, escravo de Bernardo Jos da Cmara,
morador no riigenlio Bemiica, e Silvestre, escravo
de Jo.- Thcodorn de Moriics Lins, morador na ra de
Sffu-llonto, em Olinda : seus senliures romparccaiii
na subdelegacia da Boa-vista, munidos da seus lilu-
los, aflu de Ibes seren entregues.
Vanle Antonio do Espirito Santo,
Subdelegado.
Precisa-se de urna preta para o servido interno
e externo de urna casa : paga-so bom : na ra larga
do Rozario n. 48, scgnndu andar
^pparcceu, no dia 4 do corrente, um cavallo
ru?o sem arreos: quem for.sou dono dirija-so a
coeheira da ra do S.-Francisco, que, dando os sig-
MM certos c pagando as dospezas, Ihe ser on-
tiegue.
Agencia de passnportes.
Na ra do Collegio, ti, 10, o no Aterro-da-Boa-Vis-
ta lojas tis 48 e 78, conlitiiiam-se a tirar passapor-
tes tanto para dentro como para fra do imperio,
assim como despacliam-se cscravos ludo com bre-
vidade.
Quem precisar de urna ama para casa dn pouc.i
fauna a quai cozinha, lava, engomma e |faz to-
do o mais servico interiur de una casa drija-so a
ra da Palma, n. 4,
Claudino Falcflo Dias rotira-se para Babia, e co-
mo lalvez, por falta de lempo, tifise possa despe
dr do todos os seus amigos, o faz por esta folha.
Demetrio Acacio Fernandcs da Cruz, primeiro
cadete do segundo hatalhflo de art i Miara a p, leudo
do partir para a corte boje, 8 do corrente, aproveita-
seda imprem para despedir-se, e ao mesmo lempo
paia iillerecor seu presinti aos amigos, que pela
presteza Ihe escapou.
--------- -- -------------<
la praca que lem transitado todos estes lugares on-
de lem muilos conberimenlos se olTeiece para as
cobrar, e a respoitodc sua caparida.de e activdade,
pdenlo os protefldeutes se nformarem dos Snrs.
Manoel Jos Concalves, Jos Joaquini da Costa Leile,
doutorJoaquimJo.se da Fonscca. Quem de >eu pres-
limo se quizer utilisar annuneie por esla folha para
se tratar do ajuste 0 do meio mais commodo do
promover u cubranija.
Offerecc-se urna parda j de idadopara ama de
urna casa de bomem solliro : qein de seu presu-
mo se quizer utilisar dirija-se a ra do Murtas, n.
70, primeiro andar.
Aluga-se o sobrado Je 2 andares da ra Direila,
n. 66, com loja de couros, o armaefio, com poucos
lundos l a tratar na mesma loja.
Precisa-sc alugar um sitio abrir do rio Capiba-
ribo .situado na Magdalena ou em Pontc-de-Ucha '
a tratar com Ricardo Itoyle, na ra do Trapiche do
Sr. Angelo, n. 11.
Inglezc fratiefs.
Ensina-se a Iraduzir, escrever e fallar as ditas lin-
goas por um professur inglez de naQflo das 6 ho-
ras da larde em dianle ; lieui como em casas particu-
lares: na ra da Cadea do lleeil'e. II. 46, segundo
andar, defronto ilo beccoda Cacimba.
- Aluga-se 1 casa terrea rom um grande solflo,
grande quintal, com arvoredo, na Soledadc, n. 42
os prelcndenles dirijam-se ra do Quemado, loja
u. 20.
Toda' attenc&o ao que e bom.
Deposito de rap andiirahy
c imperial.
Na ra da Cruz, n. 63, primeiro andar, escrptn-
rio do Jos de Alineida Brrelo Bastos, vende-se o
bem acreditado rap andarahy e imperial, fabricado
no Rio-de-Janeiro, sendo o nico deposito nesta
provincia; assim como se vende a retalho mi se-
gundes casas : ra da Cruz, n. 62 ; becco da l.tn-
gota n. 3 ; ra do Pilar cm Fra-dc-Poltas, n.
86;roa da Cadea do Recife, ns. 17 e 19 ; ra do En-
catitamenlo, n. 4'; rtia do Vigario n 14; ruada
Cacimba, n. 2; ra do Cordoniz, n. II ; ra do Col-
legio, n. 9 ; prac;a da Independencia, ns. 4e 39 ra
do Qucimado, ns. 10, 16 e 33; ra do l.ivramento,
ns. 4, 5e 38 ; ra da Pendo, venda da esquina, por
balso do coronel Joaquim Bernardo de Figuciredo;
ra Hireila, ns 6, Ifi, 53 95 e 141; ra dasCinco-Pon-
tas, na. 50e8j ; ra Imperial, n. 2 ; palco do Car-
ino, ti. 2; ra larga do Ro/.ario, ns. 29 e 35 ; ra das
Cruzes, n. 40 ; roa do Cabug, ns. I e7 ; rua.\ova,
n 50; Aterro-du-Bna-Visla, na. 2, 46 e54; praca da
Boa-Vista, u. 17"; Pontc-Velha ns. 23 e 54; paleo
da S.-Cruz, n. 100.
Lotera do Iheatro publico.
Nilo obstante a morosLladequetem havido na ven-
da ilos hilhetes da ullfma terca i arte da 18." lotera.
Que boa occasiao para se fa-
zer o) rae sem precisar de
dioheiro.
No (iiti do Beeco-I.nrgo no Recife onde se ven-
de cal, lijlo e telha ha para vender a troco de fa
zeudus e tambem a diuheiro para quow quizer te.-
Ilia lijlo de ladrilbo alvenaria batida n tapamen-
to : ludo de barro do Mnnleirn : tainbcm so faz
para enrommenda qualquer qualidade de lijlo ,
como seja do cacimba o quadrado com o mesmo tra-
to cima: quem Ihe convier, dirija-se ao mesmo
lugar do Becco-Largo a tratar com Manoel Antonio
da Silva Molla ou com o Sur. Henfiquo Joige, ou
annuneie.
-- Fica denenhum effeiloa festa de S.-Braz, em
o dia It do crtente, romo se annunciou li cuido
transferida para mellior OCCIsifio, a qual seiti an-
nunciada.
Jnaquim Benlo Pires subdito porluguez, reti-
ra-so rara o Rio-de-Jaociro.
-Quem annunciou querer comprar um terreno
com 200palmo.s pouco nmis ou menos, drija-so u
ra do Mundo-Novo. n. 30, Ble lu horas do dia.
Gaspar da Silva l.oyo relfra-IO para Portugal.
Precisa-se alugar um preto que entend do ser-
vico de padaria: na ra Direila, n. 69.
Despacham-sc navio's c escravos, etirani-se pas-
ssporlcs rom toda brevidade, o por counnodo pie-
jo : na piuca do Corpo-Sunlo, nriiinzcm n. 17.
Pretende se ajualar c'om um mestre pedreiro
para fazer uina cacimba : na Praca-Ju-Cummer-
co, n. 2.
-- Precisadle de um rapaz brasileo ou porlu-
guez, de 12 a 14 anuos, para caixeiro ; em Oiilldl, na
padaria do Varadouro, i ua do Baldo, por liaixo do 3.
sobrado, quem va i do Varadouio.
. \ ula de primeiras lettras,
Ensiiam-sc meninas com todo o'desvelo a ler, es-
crever, contar, grammalica porlugue/a, costura, la-
varinlo, bordar de toda as qualidades, de sede, e
matizes, ludo com perfeifflo, assim como tambem
cnsinam-se meninos ; na ra da Cadea de S.-Aulo
nio, no 2 andar do sobrado da esquina do becco do
Onvidnr.
~ Na Praca-do-Commercio, n. 2, 1. andar, exis-
tcm 6 saccas com caf, viudos do Rio-Tormoso, para
o Sr. Tihiircio Valeriano.
Jofio Francisco de Vasconccllos o sua uiulhcr,
Brasileiros, rctram-se bara lluenos-Ayres,
Aviso interessunle aos Srs. negociantes.
Quem tiver dividas para as parles do Ccar Aracn-
ty, Sobral, Ico, nhainuns, Bio-do-Peixe, Ponibal ,
Parahiba, Bu-jo dc-Areia, Cimipina-Crande, Alagou-
Nova, A|ag6a-Crande l'.atianeiras Gorabira, luga,
Cariry, Pedras-de-Fogo Platic, villa de Patos, As-
s, Bio-Grandc-do-i\oile rtatuba lirejo-dc Kngun-
des, lia ha launa, villa do Pilar, villa da Jacoca ,
villa da l.eaudra, Cathol-do-ltocha Curinhem Ca-
baceiras, llabrflo, ou em outro qualquer lugar do
centro do norlo, urna pessoa casada e moradora nes-
Uomu'opatliia.
todava o thesoureiro, ilesejoso de fazer andar as res-
pectivas rudas o mais breve possivel, convida ero-
ga aos amadores deste jogo (|iio seapressem a com-
prar o resto dos bilbeles que existcm.aflm de qtie.at
o lini do correte mez, e quando muito no principio
de fevereiro prximo futuro, possa ser marcado o
dia infallivel do referido andamento.
Fabrica francesa rio ultimo gosto de Paris em
Peroambuco.
l.ourenr;o Pugi, marecnciro francez na ra Nova,
n. 45,bem condecido d*s pessoas nula veis desta capi-
tal por fabricar trastes do ultimo goslo avisa aos
seus numerosos liegnezes n geralinenle a todo o
resppitavnl publico pernambilCMilo queja Hieden
tantas provus de ser amante do bom gosto queol-
le tem augmentado sua fabrica e que est habilita-
do para eniprchender qualquer HlobHia que se Ihe
oiicommendar. As arles Ym do- par com a civilisa-
?lo, qnanto mais um povo ic civilisado, quanlo mais
os artista! devem produzir obras linas e delicadas ;
ueste sentido o ainiiiiiciante empregar lodos os
seus esforcos para satisfazer a todas as pessoas que
se quizcre.ui utilisar de son prestimo. Na mesma ca-
sa f.,/em cortinados para cama franceza.
Aluga-se a casa du esquina da ra do Galdei-
reiro para o porto do embarque com armaeflo pa-
ra venda e commodos para morar familia : na pra-
ca da Independencia liwariam 6e 8.

Pi Primeiro consultorio gratuito para os pobres 4
*Pi nn rua da Cadea de S.-Antonio, n. 22, dirigi-^
> do peloSr. J. B. Casanova medicojfrancez. m
ts F.steconiultorioestar aberto desdeas 9ho- #
"> ras da maubfla at as 4 da Luds Os pobres *
ai recbenlo ronsiillas o remedios gratuitamen- ji
5 te: npresentaiido um atlesladode pobreza de *
ffl seos vigarios ou mosmo de oulro qualquer ?
ajft sacerdote.
fti i. O. Klsler mu Iuti o seu estabeleci ment da roa
da Cadeia-Velba pura a rua da Cruz, n. 51, anude os
compradores achariio um bem prvido sortmenlo
de vinhos de todas as qualidades e conservas o que
ludo vendra por mdico prego.
Manoel Ribeitode Carvalliu retira-so para o Rio-
de-Jaii'ifo
-- Joaquim Jos d'Almcida, tendo vislo no Crrelo
Mercantil um aunuiicio, cm que se iudngava sua mo-
rada, ( ou lalvez de oulro do mesmo nouie ) faz pu-
blico que bu trila anuos ho morador na cidade da
l'o laleza, provincia do Ceara.
O abaixo assigiiado conliiuia a ensinar primot-
ras letras, doutrina chiistfla.arilbemotoa e gramma-
lica rorlugueza com o maior zallo e aclividaJe pos-
sivcl : iiarua.na Roda, sobrado n. 32; ussim como
da licOes om casas particulares.
Joo Antonio LcilSo.
Veiidem-se tresquartaos e um bom
cavallo de sella: no sitio da Crin das-
Altnas, defionle do lamariucirq, junto
csirada que segu pira Olinda.
__ Vende-se, na podara defronte do
viveiro d> Mtiniz, /|00 -barricas vazias,
rin muito bnin catado e muito modernas :
n,i mesma casa compra-sc ou nlugam-si
dous pretos que tcnbam Irabalhado em
padaria.


Quem precisar do urna ama pra todo o servico
'' portas a dentro de una casa de h o moni solteiro ,
rija-s a ra da Gloria, n. 25.
Antonio de Soma, subdito porluguez relira-
so para fra do imperio.
- ("respeitavei publico adiar no armazem do
Antonio Oanon & Cooipatihia, n^ ra Nova, n.
89,o soi tmenlo seguiuto, < llegado' pelos ltimos
iavos : sarJinhas, bervlbas, conservas, oseille, ce-
pea, cspirgn cova-llores inteiras, cbourigas den-
tro de hanha de porco chourigas'guisadas, presun-
tos para Hambre, pepinos peleas de groaethas e de
niarinclns licores Anos de todas as qualidade* em
arralas muito rifas marVascbno te Zara cognac
velho, kirsch e absinlhedeyersei o Lecouttre, gene-
bra de Mullanda vermouth vinho de Uordeau* coi
qurlolaseemgrrars de diversos procos e quali-
dades vinho de S.-Juliu de Uoussillos, de Madei-
ra.de Itevesattes, moscatel o oulros, champanha
le lioa marca fino azeite doce de Plagnol agua de
llordelaranja frascos de frutas de diversas qualida-
oes, xaropes do groselhase oulros: bem como uin
'psito de charutos da fabrica de Croz da Babia,
lanceiros, primores, cagadores, regala, regalos,
*.-Flix eoutros : lambem liaver toilos os das sor-
vetes, das 8 horas da tarde em diante.- Os propriela-
nos ilesto eslabeleeimento leem arraniado iim-lugar
inuilo fresco o agradavel, e toio enidado de salis-
Jazer sous freguezes com boa quali lude de todos
os refrescos.
-'- Aluga-se nm Sitio na estrada do Rozarinbo',
com friiieiras. que flca defronleilo sitio do falleci-
do Manuel Jos do Almeida : a tratar na ra Augus-
ta n. 38
-- Ahiga-se urna casa terrea na rua Helia, com 2
satas, 3 alcnvas, rozinha fra, quintal e cacimba
tratar na rua do Collegio n. 15, segundo andar.
Mara Anloineto Aglae Treseo, flha legtima
e nerdeira do seu fallecido pai, JoSo Haplsla Clau-
dio Trcsse convida aosSrs. quese julgarem credo-
res do fallecido de a presentaren! sues contas cr-
renles do que llie deve, para se Iratar do pagamen-
to lio aterro-da-lloa-Vista, n. 17, em o da 15 do
conente. s 10 horas da manhila.
Mafia A-ntoinete Aglae Tresse declara ao res-
poitavel publico que consiituio o Sr. Frelerico Cha-
ves sen procurador bastante em lodos os seus ne-
gocios : por isto faz ver que de boje em diaute com
elle lio que se deverBo entender. Pernambuco 9
de fevereiro de 1849.
Flix Manuel RodriguesCoelho, Porluguez, re-
tra-fo para o Porto.
Na rua de AgoasrVcrdes, n. 90, precisa-se de
una ama farra.
Um rapaz brasilciro, de boa conducta, ( do que
da fiadorJ rom boa leilra e sufllcienles coriheci-
nicnlos das lingoas franceza oingleza, se olTereco
para catauro de qualquer casa de cunimercio des-
tas nagoes : o Sr. negociante que se qui/er ulilisur
de seu prcslimu, annuncie.
Precisa-se de uma ama parda ou prcla para urna
casa cslrangera de louca lurailia quesaiba bein
engominare fazer o mais SJJlrvigo : advo/te-se quo
nlo: precisa cuziubar: na rua-da Ciuz, nrn>a7.em
n. 48.
--Francisco Alvcs Monleiro relira-se para a Eu-
ropa.
Na rua da Praia, n. 49,6x1816 uma carta, viuda
do hio-de-Janeiro, para o Sur. Joaquim Pinlo du
Azevedo.
--Precisa-se alug'ar um sitio quo tenha casa re-
gular para uma familia decente e arvoredos de
fructo biiixa para cap m c agua de beber: prefe-
re-se porto da praga cabeira du lio: quem o livor
annuncie.
Precisa-sede um oudous meninos para a pren-
de re ni o.ofilco de Jatoeiro ou funilciro forros ou
cscravos : na rua das Cruzes luja n. 33.
--Na rua da Cruz, n. 21, precisa-so do um prclo
forro ou captivo para o servigo de. uma casa de ho-
rnero solteiro.
Arrenda-sc urna casa terrea com commodos pa-
ra .grande lamilla e.decentes, grande quintal com
alguns arvoredos de fructo, defrunte do palacio do
Sr. bispo e junto de uuia outra casa lesiea : a tra-
tar com o m.ijor Mayer.
~ Cede-se o ariendamenlo do um sitio margem
do tiapibaribe e muitu perlu da praca com" boa ca-
sa do vveuda, estribara cocheira c sen/.illa mu-
rada : quem qutzor annuncie.
I'iecisa-sc de uma niulbcr de nicia idade que
queira cozinbar para um liomcm solteiro : na na
ISova, n. 42. Na misma loja vende-so um relugio de
ouro.
Precisa-se de uma axa deleito: no pateo do
Hospital, n. 24.
Vendem-se barriquinhas com cal virgem de
Usba, muito nova; Tachaduras para purtas de
irmazem ; retrozdo Porto ; barris com alcatrHo da
Suecia ; pillas da familia ; ancoretas com azeito-
nns, pnr prego commodo : na rua do Vigario n. II,
armazem de Francisco Al ves da Cuuha.
Vendem-se taboas atnerea
as at 3 palmos de largura
o detodososcmprimcntos.quc ha muito lempo nlto
.teem viudo e os freguezes experimentando a falto
ilesta excellenle qualidade. A ellas que silo pouess e
o preco be barato. Atrs do tlieatro, anuazom jun-
io a mar, de Joaquim Lopes de Almeida.
Fardo,
em barricas a 4,000 rs. ; saccas grandes., a 3.50o
rs., ditas pequen, a2,800rs : noarmazem de J.
J. Tasso Jnior, na rua do Amorim, n. 3.
Vciidem-ae barril pequeos com cal virgem de Lis-
boa a mal nova fie ha no mercad j, por prefo com-
modo : na rua da Moda armazem a. 17.
Vendas.
OCULOS
ebegados de Fsenga no ultimo navio, e dos melho-
resvidros que leem vndo a este mercado, isto he,
para vista cansada: na rua do llozario, u. 35, luja
do l.ody.
Vendcm-se snpatSes de sola viro,
do Aracaly,por prcco'comniodo, em por
cao e a retaliio : na rua da Cadcia do He-
cife, n. 9.
Vend'e-se carnauba muito superior c muito
amarclla, cor de llor dcalgodiio, por preco commo-
do : na rua de llortas, 120.
Na 111a Nova, n. i>,
vende-se uma negrinha do 8 annos, muito linda,
queja cose muito bem, e he prop.i apara so educar,
ou dar-se a uma menina 011 menino ; uma prcla de
nagflo de linda figura e que he ptima qu'iluudci-
rn ; uma di la quo cose, eagonuna e cozinlia, eque
d-se barato por ler um defeilo en> um olho ; 2 mo-
lecotes de nago de 15 anuos cada um e de lindas
figuras.
f Vende-'** ca.' virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barris pe-
queos, por meos ({oque cm outra cjml-
quer paite : na rua do Trapiche, arma-
zem n. 17.
Lotera do Hio-de-Janeiro.
Aos 20:000^000 de i cis.
Na praga da Independencia, n. 37, vendem-sc l>-
Ileles, mcios, quartos, oitavos e vigsimos d '
lridao Rio-de-Janeiro. Silo poucose bons,, a
autos quo se acaben.
Potassa.
Desembarcou lia poucos das urna por-
cao (fe barris pequeos, com muito nova
c superior potassa, e se acbam venda,
por preco mais barato do que ultima-
mente se venda, na rua da Cadcia-Velha,
armazem de Bailar & Uliveia, q.. 1%.
Vendem-se presuntos para fiambre; quuijos
londriuos ; ditos de pialo ; latas com bolaclnnlia
fina de Lisboa ; ditas de arar uta ; conservas novas ;
moslarda j potes com sal fino ; latas com marmela-
da nova ; ditas com bervlbas; caixinhas cora mas-
sss linas; vinho moscatel de Setubal; dito Men y ;
licores linos ; e oulros mais gneros, par prego com-
modo : na rua da Cruz, do Itecife, n. 48.
FARELO
em saccas muito grandes,
a 3'600 rs. a sacca:
no armazem do Rrnxuez ao p do arco da ConceicSo.
Vendc-se a verdadeira e muilo superior fan-
nha SSSF, a rclalfio e cm poreflo ; dila de oulros au-
tores na rua do Vigario, armazem de Francisco Al-
ves da Cimba, n. 11.
fin rua do Crespo loja de 4 poetas n. 12, ven-,
dem-se chapeos de castor pretos, da muito boa qua-
I idade a 4,400 rs.
Vendem-se 3 esclavos muilo bous para lodo o
servico, principalmente do engenho, por prego
muito barato : na rua do Trapiche, n. 34.
Vendem-se saceos com farelo,
ebegados ltimamente, pelo diminuto
preco de 3,4oo rs.: na rua da Sanzalla-
Velba, n. i38.
No deposito de Me. Calmont & Companhia na
rua de Apollo, armazem n. 6 acba-so conslanle-
meule grande snrlimenlode ferragens inglezas para
engenbos de assucar cono sejam : laixas de ferro
ruado de difTerenles modelos os mais modernos ;
ditas de ferro batido nioendas de ferro do n>ode-
lo adoptado, para armar em uisdeira; ditas todas
de ferro, tanto para agoa como para animaes ; ma-
chinas de vapor do loica de qualro cavallos o de al-
ta hressflo o mais moderno esmplesque he possi-
vel ; repartideiras ; espumadeiras ; reslradeiras de
ferro eslanbado; formas de ferro: ludo por prego
couitnodo.
Agencia da fundicao
Low-Moor, rua da Seizalla-
nova, n. &%
Neste eslabeleeimento coulin a ha-
ver um completo' sortimento de moendas
e incias moendas, para engenho; ma-
chinas de vapor,e tachas de ierro batido e
coulo, de todos os.tBmanhos, para dito.
Taboad de pinho da Suecia,
de 10 a 5o palmos
de eoniprinienlo o midbor que tem chegado a este
mercado, em razfio de se poder envernizarem qual-
qner obra por nlo ler nos e ser muito alvo sen-
do coslado, costadinhn, assoalbo, forro e para fun-
dos do barricas : veude-s a prego que o comprador
raa lodo o negocio : atrs do Ihealro, armazem de
Joaquim Lupes de Almeida.
Na paitara da rua da Gua, no Recife haver
lodus os das a venda o novo pilo do Provenga fa-
ll cado | o oiitio modo que o actual e da melhor
familia que lia no mercado : por esto motivo nio se
pode fazer scnSo a'40, 80 e ICO rs.
Vinho barato.
Acha-se eslabelecido na rua da Madre-de-Deos,
n. 36, um armazem de
Vinhos da Figueira,
de ptima qualidade, a prego de 1,200 rs. a caada,
e a ICO rs a garrafa ; e para nSo ha ver dolo do com-
prador serflo lacradas as garrafas e com rotulo, re-
cebendo-se a garraja vasia, o dando-se immcdiata-
meute a outra cheio i lambem lia barris muito pe-
queos, proprios para quem passa a Testa. U pro-
trietario desle eslabeleciinenlo pede encarecida-
mente quo se no illdam avahando, pelo diminuto
prego e sem couhccimenlo de causa a qualidade de
sua fazenua digna por certo da eslima dos verda-
deros amantes da boa pinga. JJfle conta que quemt
uma vez pruvar, continuara com goslo e em arre-j
peudiinento. tu bom preco! .' A todo o esposlo
accresce o asscio o bom acondicionamenlo u que
tudo se podera verificar em dito eslabeleeimento. ,
Fabrica de Todos-os-Sanlos. ,
a lo-1
ellesj Firmino Jos F. da Rosa com escriptorio na rua
|'do Trapiche, n. 44, avisa aos seus fregueies quo aca-
ba de reoeher pala escuna Curiosa novo sortimen-|
todo excellenle panno de algodjo entrangado da-
quella fabrica ptimo para epsaccar nssucar c pa-
ra ron pe de esravos. O nnupciante -cotila que,
alm da farenda, o desejo d animar o desenvolv-
ment de uma fabriea rulermeiite nacional, pro-
mover o prompto consumo da sa receita.
PUftO VINHO DA FICUF.IRA.
Existe no armazem de molhados. atrs do Cr-
po-Santo n. 88 ama grande po'go desle genui-
no vinho que se esta veudendo pelo diminuto pre-
so de-1,120 rs a caada O a t6e rs. a garrafa ; lam-
bem ha ero pipas que se vender mais em coRla : he
esto o melhor de todos os vinhos que se teem an-
nunciado pela sua simplicidade e ptimo paladar :
quem una vos o beber jamis deixar de o com-
prar.
Vende-se a venda lo na do ApoHo, n. 9f, com
poucos fundos : quem a pretender, dirja-sea rua da
Madre-de-ueos, tratar com Vicente Fcrreira da
Costa.
Alffodio fraileado da fobrica
de Xodos-os-Sautos da
Baha ,
multo proprio para saceos doassucar e roupa de es-
crsvos: vende-se era casa de N. 0. Biober & Cqm-
pauuia oa rua da Cruz, n. .
CIIA'BRASILEIRO.
Vcnde-se.ou armazem de molhados atrs do
Corpo-Sanlo n. 66, o mais excellenle cha produci-
do emS.-Paulo, que, Um viido a este morcado ,
por prego muito commodo.
Gangas da India,
a ni relias a peca
de duas larguras polo barato prego do dei tuslOes,
para realisar contas no armazem de fazendas de.
Itaymuudo Carlos l.eite na rua do Qucimado, n. 27
Prest n tos.
Vendem-se superiores presuntos inglezes para
fiambre, ebegados no ultimo navio; no armazem
do Braguez ao p do arco da Conceicfo.
FABELO EM SACCAS DE 90 LIBRAS :
vende-se no armazem de Vicente Ferroira da Costa
na rua da liad re-de-Dos, a 3,500 rs.
Tahas para engcoho.
Na fundicao de fero da rua do Brum acha-se a
venda um completo sortimento de laixas de 4 a 8
palmos de bocea, por prego commodo, eeom promp-
lidflo emhsrca-.se, ou carrega-se em carros sem des-
bezas ao comprador.
Vende-se muilo superior lagedo de Lisboa*, e
cal virgem em barris de 4 arrobas, por mdico prego:
na rua do Vigario, n. 19.
Vendem-se seroeas em saccas muito 'grandes,
a 4,500 rs. : na rua na Madre-dc-Deos, armazem de
Vicente Fcrreira da Costa.
FOLIIINHAS
para sacerdotes para aigiheira, para escriptorio e
para piula vendem-se na praca da Independencia,
livraria ns 6e 8.
Vende-se muilo boa cera branca,
em 11 i o, etambem refinada, para limas de
ebeire, por pceo commodo : na rua a
Senzalla-Velba, n. *o.
Bombas de Ferro.
Na fundigilo deferro da rua do Brum, acham-sc
Svenda superiores bombas para cacimba, assim
como de repucho para fazer a goa subir as casas de
4 a 5 andares.
Vende-se vinho do Porto, muito superior e
de oulras qualidades em barris de-quarl.o, quinto,
sexto', stimo oilavo eem pipas, por prego muito
commodo : na rua do Vigario, armazem de Fran-
cisco Alves da Cimba, n. II.
Vendem-se barricas com cal virgem de Lisboa ,
desembarcada uestes dias, por menos prego do que
em outra qualquer parte: na rua do Brum, armazem
do Antonio Augusto da Fonseca.
fadeira de pinho.
Na rua de Appollo, pegado ao armazem do Sr.
Molla, ha um novo armazem com madeira do .pi-
nho da melhor qtialidade que tem vndo a este mer-
cado e serrado de ledas as grossuras e comprimen-
tos : vende-se pelo menor preveo que he possivel.
Vende-se a verdadeira potassa da
Russia, desembarcada bou tem, por pre-
co muilo rasoavel, vista de sua muito
superior qualidade : na rua do Trapiche,
n. 17, e rua da Cadcia, n. 34-
iN'ouisrisrades monslros chi-
ne/es, a S60 rs o covado.
Na loja deCuimaraes & Companhia, na rua do
Crespo n. 5, vendem-se os nnvos riscados chne-
7es finos de padrOes muilo lindos e os mais mo-
dernos que teem nppaiccido nesla edade de vara
de largura pelo barato prego de 360 rs. o covado.
As novas casimiras de algo-
cio, a .100 rs. o covado.
Na loja n. I*da rua do'Crespo, vendem-se as novas
casimiras de algodio de padroes os mais ricos que
teem apparecido neste mercado pelo barato prego
de 560 rs. o covado.
-- Vende-se muito superior pplassa, em barris pe
quenos, desembarcada boje epor l'fego commodo :
no aimazem de lijas Ferrera, no caes d'Alfan-
rfega.
Vendem-sc duas prctas, mili e flha tendo esla
bom lele, por deixar urna cria de 5 oiezes: d-.e por
prego commodo, com condigno de ser para fra da
provincia : no largo do Carmo, venda n. I.
dem-se duas nretas aeado uma de 40 annn, o.on-
Ira de 16; um escravo de 22 annos : ummolequn de
11 anuo*; um cahrlohade 11 annos com hai>i|,t.
d.cs quo se dirBo qo comprador.
', Vende-se um eavallv eom todoiioB andares e do
bonita figura : na rua Imperial, n. 77.
Vrnile-se uma porcSo>dcera de crriha por
purgo cbmmodo, atacado ou a realho*. na ni dq Ca-
deia-Velbfl, loja de ferra^ena 11. 5, de Jos Dras da
Silva. Na mesma osa tambero se vendom tros'foles
graudas para ferr i ro.
^Veuda-so dm cavallotapado, gordo, bem au-
gurado e bom carregador, per prego oommodo : di
rua Nova arniazem u. 87.
Vendem-se ceblas em mlhos o aos oentos
ssceas com feijM.prato: ns raa da Madr44teos'
n. 31, ao lado da alfaiKlega. '
' Vende-aeum lindo escravo crieulo ,-roogo,
que tM proprio-para quaiouet seraioo 3 -Km 0
Amorim, o. 34,
'--Na rus da Swalla-Iva, o. 7, vendo-se um
braco de batanea do autor llomfio c Companhii
conchas e pesos, muilo proptia para arroazen
assuear ou para arrobar : Umtesg m vewpn
mentes de hortalico do ledas as qualidades, do Lis-
boa.
Vende-se s venda da praia Jo Caldoireiro, que
fo do Larangeiras, n. a : a tratar na casi junto a
mesma venda.
Vende-se uma cscrava sa,dis e feto) vioios d
30 anuos pnuco mais ou menos, muilo boa coz i-
nheir.a e iiitetligente de todo o maisarranjo de Casi:
no Alen-o-da-Boa-Visla, n. 55.
Veadem-se sapatoa de eouro de, lustro para
meninas de 8 a 12 annos a 1,998 rs. ; ditos para se-
nhora a 2,800 rs.; bnrzegiiins guapeados, a 4.500
rs.; spalos de cordovan para meuinas de 8 a 19an-
nos a 1,280 rs.; sapaloes de lies solas a I.OOO.rs.:
do Alerro-da-Boa-Vista, loja n. 78.
Cigarrilhos do Rio-de-Janeiro.
Na praga da Independencia o. 37 ha os famosos
cigarrilhos do Ro-de-Janeiro : vendem-se mais em
conta do que em outra qualquer parle.
Vende-se um piano de armario cm meiouso
e de boas vosos : na roa do Crespo n. 21.
-.- Vende-se urna prelado 14 annos, en vicio i|-
guin : ns rua do Crespo, n. 91.
Vendem-se e alugam-so binas da Hamburgo
chegadas de prximo por mais barato prego do que
em oulra qualquer parle : na travesee d rua do
Vigario, luja do barbeiro n. 1,
Ven^de-se sarja de arda bespi-
nhel miiitosuperior, setim de Ma-
co proprio para vestidos, Ida de
linho prelo* bordados a seda,rneias
pretus de seda de peso, panno pre-
to muilo fino e i prova de bmao,
caz mira preta elstica, sarjo de
lislras.sctim proprio de rollete, as-
sim como outras muita. fazendas
finas, proprias para a quareama :
tudo mais barato d-o qne ero outra
qualquer parle; ti,a loja. de Jos
Aloreira Lopes &C (,'onip inliia, raa
B do Queimndo, cjuatro cantos, ca-
g| a!> 'marella, n. 39.
Na rua eslreila do Boza rio loja de enrader-
nagio, 11. 34, vendem-se os srguintes livros : Mai-
num Uicoii, t v. ; Virgilio, 3 v.; Tilo l.ivio, 4 v.;
Cornclo, 1 v.; Horacio 9 v. ; Salusli, 1 v. ; Phe-
dro, I v. ; Miad. 1 v. ; Cicero, 1 v. ; lUietviiea era
latim 1 v ; Potica de Horacio, 1 v. ; dita de Fon-
seca 1 v.; Crammatica ingles, t v. ; dita francezi,
1 v. dita porlugucza 1 v. ; Diccionario da fbula,
1 v. ; dito ingiez de Vieira 9 v. ; les Fables.de l.i
Fontaine, 1 v. ; Elemnes de Pscchologie, t v. ; l'hj-
hisoplua de Cosen, 3 v. ; F.loqueneia nacional, I. v;
ligos de hueito publico, l v. CnnstiluijBAo politici
do imperio 1 v. ; geographia deCautier 1 v. ; f.ri-
mes do governo ingiez 1 v ; Bevolugilo do 1847,
1 v.; Viriato trgico, 2 v. ; Crnica de Clafiniumlu,
3 v. Saudades de llemsrdino lliheiro 1 v. Sobe-
rana, do povo ,1 v.; Melortia, 1 v. Coiisidcn-
goes do duque de Bwglia 1 v. ; Manual de diiaiica ,
1 v.; e outras obras j nnunciadas.
Vcnde-se a legitima agoa dis caldas da rsinha,
que tem fi ilo prodigios fe salvar a hnmanidade,
muilo princpalneiile para mpleslasdoestoinaso
e ilicurniiticas, proximan ente ctlegada de Lisboa:
na rua da C17,'' no llccife, n. 46,
Escravo Fgidos
------------;------------------.-----------.---.------------y.----1------
Aviio mu Srt. capitn i* campo e autoridnkipolicim-
Fugio, no da 25 do Janeiro um oscr*vo, de nom'1
Simfm, dcnagflo Vacngan de estatura regular.
cor preta rom marcas do bexigas pelo rosto. o*~
riz chato ; costuma trazer barba no queiso, de 25
anuos; levnu camisa de linho enlraitgado calen
de ganga azul chapeo de pnrhs embrcaoS; tem ai-
do visto pela Passagem e Campo-Grande: qneo
pegar leve-oa Francisco Bolellio de Andrade, f"
S.-Amaro .junto a fundigilo ou na rua Nova a An-
onioFerrera Una quesera recompensado gen*-
Irosamenle.
-Fugo, no da 4 do corrente,, um moleqi!0*'
bra de nome Severino de 10 aniios cabell'H ver-
melhos o crespos retorced, do torpo cara redon-
da ; levn camisa de madapolio velha, rbapn de
palba : quem o.pegaj* leve-.o a. rua Augusta, 11. 9*-
--Fugio,no da terga-feira, 6 do corrente, um
prcla de nome Ilusa, de SO annos; tem e bcif1"1
bfcslatitcs grossos e os dragos foyeirados. Esla P,e'
la be recolhida e anda sempre coui leuco na ca.W"
ga e no pescogo; nfio conhece as roas desle cidade ,
porissose ilesronfia que ealo^^^^^Ha, 0J8.*1'
guma casa para o"qan se prot. ,do o rigor
da lei contra quem a tiver oeculta. Tambeui no se
duvida vende-la. Quema pegar leve-a a rua do 1r''
piche, u. 44.
sasa
*&!*"*
wv iii<-i> mv inapt/ UU V-l W*Jj VWIIU II. 1. q g
-rafbadadCriuei, n. ^segundo indar, ten- ?**{ w* TTr. di m. r. t ****** ~rf*(J
V



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EELDT2W04_ZCWI6J INGEST_TIME 2013-04-12T23:43:02Z PACKAGE AA00011611_06437
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES