Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06413


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVII
Sabbado 9
de Agosto delHf)
N. 178.
DIARIO DE* PEKViMBMO,
PBBCO XA aTB01UOlO.
PiOAMIHTO ADUNTtDO.
Por trimestre...........
por semestre............
Por anpo "*
PlGO DBNT*0 DOHIMHTBE.
P01 n^TIIi-DO-I^o.
oi ... 12 de Julho iMinas .. 10 de
Srgsart.aj!
pl?.hta. dito. lB.hU... de
veno
8ono
15#00p
4/tM
Julho
Julho.
Julho.
dito.
dis DA iiniHi,
4 Scg. S. Domingos.
i Tcrc.N.S.dasNevcs
6 Qnart. Transfigura-
rlo de Chrlsto.
7 Quii S. 1 aciano
AUDIENCIAS.
Juico de Orphaos
2. e>. s 10 horas.
1. varado citel.
3. 1 i:, ao meio-dia.
f'firenda.
. .,..>--. ,,>>>-> .....
8 Mexl. S. Cyrlaco; S. 3. c 6. s lo horas.
Kiniliano. 2- rara do citel.
9 Sab. N. S. Roniao. 4. c sbados o inclo-d
10 D0111. S. Lourenco] RelacSo.
tn. Tercas e sabidos.
intumiiii,
PARTIDAS DO* OOHBIIOS.
Crrscenle a 4, as 2 horas e 48 minute da man. I Goianna e Parahiba, tegunda e sexlas-
'heia a 11, as 7 horas c 23 minutos da larde. feiras.
Vllngoanle 19, as 10 horas c 39 Minutos tarde. Rio-Crande-do-Norte, lodas as quinias-ieiras
Nova '2G, as 8 horas da tarde. aomeiodla.
iGaranhunse llonfTo, a 8 e 23.
T..AMAB B H" i Bo.-VI.la. e Florea, .3 e 28.
Primelra s 2 horas e G minutos da tarde. Victoria, s quintas-feiras.
Segunda s 2 horas e 30 minutos da mauhaa. Olinda, lodos os das.
NOTICIAS MTnANqlIHA.
Portugal,
ilespauha
Franca ...
Blgica...
Italia.. ..
Alemania,
i'ru'ssia...
Dinam.rca
Hussfa....
Turqua..
H de 1 un,.
6 de J11II11
7 de Julho
4 de Julho
I de I un,"
3 de liiil.
3 de Julho
3 de .lulli
1 de Julho
1 deJulh
(ustria... i de Julho
Suissa. ... 1 de Julho
Sui-i i.-i. .. 2 de lnili.i
Inglaterra 8 de Julho
E.-l'nidos 2(1 de J1111)10
Mxico... B de Junho
California 14 de Malo.
Chlll. 26 de Abril.
uenos-A.. 2 e Juiha
Muntevidco 9 de Julho
CAMBIOS DB 1)1 AOOSTO.
Sobre l.ondre. a 28 d. p. 1#000 re.
t Pars. 340 por Ir. nominal.
Lisboa, a 100
MZTAES.
Ouro.-ncashespanhola....28>OO a 28/500
Mocilii de UJ/400 velbas Ib/nou a |6>200
> de 61400 novas. 16/000 a 16/200
de 4/000...... 9/000 a 9/100
Prata.PaUffles braailelrof.. 14920 a 1/920
Pesos columnarlos... 1/920 a 1/920
Ditos meiicanos..... 1/7(0 a 1/760
PARTE OFFICIAL.
GOVEKiNDA FKOVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA i DE AGOSTO DB 1851
omclo aocoramando das armar dlzendo que
deve proceder como for de el contra o e cor-
neta do I batalho de Inantarla JoaoB.ptl.ta
de (oes, ou propor e requlsltar qualquer pro-
videncia que for pela inesma le autorlsada,
visto laver elle na necasiao de r buscar a sua
escusa dirigido insultos ao lenle coronel
couiinaiidanted'aqucllebaialhao.comose vedo
ollicio que acompaohou ao de S. S. datado de
23 de julho ultimo.
Dito.--Ao mesmn aulorlsandoo, em vista
de sua infunnacio a mandar passar para a
companhla de artfices o anspecada do Io lia-
ulliio de infurtira Miguel Luit da Purifica-
do, conforme tollcllou a mai do incsiuoans-
prcada.
Dito. Ao un .mu ditendo que visto nao
haver Inconveniente em ser empregado na
coadjuva(io dos Irabolhos de escrlpluracao da
psgadoria militar, conforme requisita o res-
pectivo inspector, o 2* cadete do O batalho
de mi linaria Tito Augusto de Albuqucrquc
Porlocarreiro, mande-o para esse fin apresen-
lirao referido Inspector.
Dito. A psgadoria militar remetiendo no-
vamenle a c na em dupllcata dos 350 meios
desala garroteada que o director do arsenal
de guerra, em consequencla de orden da pre-
sidencia inandou vlr da corte para spatlilater
um pedido de corrame do 4o batalho de ar-
tilharia a pe llm de que mande pagar aos nc-
cocanles Novaes 1 Ca quanlla de I:6l8,239rs,
rni que Importa a referida conta. Nestc sen-
tido omclou-se ao referido director.
Dilo.-- A inesma inteirando-s de haver o
soltado do 4a batalho de artilharia a p Joa-
quina Fideles, depols de findo o scu lempo de
servlco contrstsdo, nos lermos do decreto e re-
gulainenlu de 18 de novembro de 1848, c do
aviso de 30 de oulubro do anno prximo pas-
sado, para continuar no -mesmo servl(o me-
diante agralificaco de 250,000 rs., que deve-
r ser paga pela forma j eslabelecida. Inlel-
ligenciou-se ao cominando das armas.
Dito. Ao desembargado! cheIV- de polica,
interino, autorisando a compra dos objectus
constantes do pedido, que remellen por copla,
do cirurgio da cadeia desla cidade ; consis-
llndo em lencoes colxoes e camisas para os do-
cotes da respectiva infermaria.
Dito. A Ihesourarla da fazenda provincial
111ln1.1111l.1-a de haver deferido o requerimen-
to em que Haymundo Nonato Schilk, addido
ao archivo da secretaria da presidencia, pedia
que a gratilicicao que percebe inensalinenlc
m vlrtude da portara de 7 de agosto do anno
proiimo passado, Ihe seja abonada por aquel-
la Ihesourarla, em vista de alleslado do secre-
tario da provlucia, ti 111 de eviiar-se o pro-
ceisa demorado, ate agora em pratica, para o
recebiineoto da meocionada gratificarlo, c
prerenindo-a de que deve o referido Schilk
perceberas gratificar/Oes dos mezes de junho
c jiilli.i ti I [1111. s pela inaneira agora eslabele-
cida.
Dito. Ao juiz de direito da comarca do
Cabo diiendo em resposta ao seu ollicio de 26
de julho ultimo, que o destacamento de polica
all existente tem de se prestar a todas as de-
lgencias policlacs, que se houverein de fazer
n'aquella enmarca, c que o respectivo com-
inandante altenders requesiedesdas autori-
dades.
Dito. Ao delegado do termo do i'onilo di-
tendo que por ora nao pode ter lugar a requi-
sicuo que fez de um destacamento de polica
para substituir o de I* lioha que se aehava n'-
arjuella villa, pudendo todava requesltar do
coiniuandantedo que est em caruar as pra-
vas que ferein indispensaveis para qoalqucr
scrvlc.0 importante.
Dito. Ao juiz municipal do termo da Boa-
Vista. Tenho presente o omclo que Vmc. me
dirigi em data de 8 de maiu prximo passado,
solicitando solucao s duvldas por Vmc. pro-
postas cin officlo de 24 de Janeiro do correte
anno, a cerca das libas do Kio de S. Francisco,
amigamente concedidas aos ludios, e em res-
posia se me ofierecc dizer-lhe que uo e aclia
no archivo da secretaria colrliclo que Vmc.
se refere, nem consta qual o deslino que teve .
convindo por tanto que Vine, o remeta por
copla. Entretanto como na secretaria existeiu
usseos nidrios de 26 de agosto e 19 desetem-
bro do auno passado sobre o inesino objecto,
remetto-lhe a Inclusa copla da resposta que
Ihe Toi dada por esta presidencia emdala de
22 de oulubro, acompanhando tanibein por
copia o parecer do procurador da corda c fa-
zenda nacional, como qual lie jo solvidas as
du.ida que Vmc. propde.
' mamo ao offlcio de 8 de fevereiro deslc an-
uo, de que lambem pede Vmc. solugao, envi.
Ihe a Inclusa copia da resposta, quejase Ihe
deo cu, 26 de marco ultimo.
Portarla. Mandando por em liberdade o
rccruiaJuvino Kduardo Pina por ter aprrscn-
tado Isenco legal; I
Dito. O presidente da provincia usando
da 11, uldade, que Ihe concede u artigo 38 da
le provincial n. 283 de 8 de malo do crrente
anno, resolve crear nove guardas para llscali-
navao dos genero que psgain direito de expor-
laco no consulado provincial, e nomea para
u> n feridos logares coin o ordenado marcado'
na inclina I i os Individuos seguintes i l)o-
niingorSorlano Cordeiro slmors, Joaqulio de !
Je>us Pinto, Francisco Jos Alvcs d'Albuquer-
que, Antonio Elrulerio da Silva B aga, Luis '
IIfierra Monteiro Padilha, Eneas Targino Ac-
ciali. Francisco Jorge de houza, Manuel Fer-
reir chaves Jiinior, e Joo Bizerra de Mello. '
K ordena que pela secretara da presidencia se !
passein os competentes tilulos aos Horneados,
fazendo-se as coininunlcaciesdevldas. Neslc
I sentido Bzerain-se as convenientes cominuni-
caedes.
Commando das armas.
Quarlel do commando (/. fjrtMl M cidade do
Hecift,em I5tf ju/ioJe 1851.
i.iii.KM n.i DA n. 115.
O coronel coinmandante das armas, declara
a.'sn inii. 10 para os tins convenientes, que o
governajde S. M. o Imporador houve por bem,
por aviso expedido pela reparlico dos nego-
ciosda guerra na data de 20 de junho ultimo
concederuinmez deliecnca comsold simples,
para Ir a provincia de Santa Calharina, o Sr.
caplto do nono batalhu de infantuia J0I1
Autunlo Cardoio, que se acha na corle, seguu-
do fol communlcadu em ullicio da presidencia
desla provincia de 17 do crrante.
Determina o coronel coiiiiiiandanlc das ar-
mas, que os senhores Coiiiiiiandanies dos cor-
pos c das cumpanhlas lixas de cavallaria c de
anlllcc, envlein a secretaria militar (com ur-
gencia) os livros de premios e castigos, escrlp-
luradus at o dia i7 deslc me, os quac v.10
ser 1 ni- ni los ao Exm. Sr. ministro da guerra
que os exigi cm aviso de 28 do referido mez
de junho.
Lie Vicente de Amonm atierra.
Quarlel do commando das orinas mi cidade do He-
cife, em 2l de julho de i85i.
onusn do UIA >. 116.
II iv.-ii lo o Sr. tenenlc-coroncl graduado Ha-
noel Ilolcinbcrg de ilincida, pedido, por eu-
i-oiiiiiio.los de saude, ser despensado da coin-
missao de exames dos inferiores c cadetes, da
qual era mciubro, c leudo o Exm. Sr. presi-
dente da pmviiieia em cilicio de 19 do corren le
anaudo a esse pedido, c iiomcaudu o Sr. 111a-
jor co.....lamanle inleriuo do batalho nouu
de infamara Joo Nopoinucciio da Silva Por-
:ella. para o substituir na referida coinulisso;
ocoroncl coinuiaiidante das armas assiui o de-
clara a guarnico paraos ell'eitos necessaiios,
devendo o Sr. inajor Portella apresentarsc ao
Sr. coronel do csiado-niaior, presidente ^da
iiieiKi..n 1-I.1. iiiiiiins..,o de cxaincs Trajano Ce-
sar urlamaque.
Jote Vicente de Amiiiim Hacrra,
OLIIETIU.
TRISTO DE BEAURECARO. C*(
( PELO MAKQl'f/ DE FOUDRAS.)
II.
Vio coirtiremos da por illa, hora por hora,
ludo o que se passou depois da niortc do Sr.
ne Bcauregard ; nao Taremos nossos leitores
ssitirem a abcrlnra do testamento que encer-
"va suss ultimas vonlades ; nao mostraremos
eus dous lilaos, entrando outra vez, depols da
ceremonia do funeral, nesse castello que a au-
,'.rl* deumsente parecia ter drspovoado :
loaos se ten achado em eircnmslancias analo-
SVi. "?e,n I1"" tpa"to doloroso que se se
*, a "esapparlcSo de um chefe de familia,
-ausa um estupor mais ou menos longo duran-
,,.mq. *1u"esque Ihe sobreviven nao tem
"olvcr r8'*' ne,n vonude de nada rc-
,'?At Um ?'" linh J Recorrido sem que
arinP 1?. i "",l"9- vcskc lolTrido alle-
u ,V 1 -" I""' unlfofmes e tristes,
.,ua"rT, .ri;laocA'licite tlvessem urna ves se
Jvr .,1 Va m"mo '"''etaroente, a
grave delicada questao de seu futuro. Seus
(*) Video Ciarlo n. I7S, \
INTERIOR.____
GORRB9PORDEMCIA 00 DIAU10 IE PER-
LNAMBUCO.
I'n -iinii 1 '. de Of/oilo (/ I ''1..
Tevc lugar honte-n ('!) a InUlifSo da as-
sfinbla d'esia provincia, poique lio dia 'M do
p. nao se reuni numero leyal para stsiao
preparatoria.
O Em. presidente apresentou seu relatorio.
cm que espuz un ben delineado quadro s
necessidailei da provincia, c meios de sana-la*,-
porni como na casa de pouco pS", todos cho-
ran) e ninguem lm rasio, mostrou logo que
a receita provavel doprotimo anno linaricriro
pouco mais d pelo que nada de milliorainentos dispendiosos
pnderu a asscmbla decretar, sob pena de ca-
hir no abvsmo do drfieil, palavra parlamentar,
e linaucelranientc horrivel
S. Ex. mostrou n,io estar inulto satisfeilo
com os rs. juizes inunicipaes. e nao sei se elle
tem rasao; porque de funga, data que algn
, d'elles, sicil ii'H, loauquejiui de mu olho.
Activlssimos nos^lnventarios, siio paralticos
nos processos c os delegados, c subdelegados
vem-se m sos com a captura dos criminosos,
cuja mxima parte, em honra da polica o di-
remos, do as trancas, deixando-nos a triste
oonsolaco de lamentar em paz as victimas.
S. Ex. est possuido do bom desejo de ac-
vbar com os assassinos, perscguiido-os, c pu-
nindo-ns; bein como a seus protectores, se
conseguir isto merece que Ihe inauguremos
urna columna.
Pedio aulorisaciio para fazer estradas, cadeia
n'csta capital, ccmltcrio, concluir o quartcl da
polica, e nuil ih obras de menor monta, ns
pencamos que ludo isto he milito bom, porcm
mllhor seria se tlvessimos dinheiro, porque
niio entendemos orcamentos de cifras somos
amante das realidades.
Anda Ihe mo posso dzer iiual o aipccto da
assembla para com o goveruo provincial. po<
rm como a lu em cima de un monte nao
pode estar occiilta por muito lempo, na pri-
meira occasio Ihe direi alguma cuusa a res-
peito.
Enlendo niic ella soie cinpregar-sc toda na
si.alisacao das rendas provinciaes, escassini
obrar mostrara ter compreheudido a primeira
iieccssidade da provincia, isto be a falta de di-
nhelro, que a mcu ver provem da m liscali*
sacao.
Entre ella n'esse terreno, examine bem ns
deseneaminhos, c desperdicios, que ha, que
talvez alcance um soflrivel saldo.
Agora dlr-lbe-hel atguinxs cousa sobre o
estado da provincia. O Invern parece estar
concluido, porque as chuvas escacearam, e
ser um flagello se o anno fr mu, como re-
ceamos. Depois do desapreclanicnto do DOMO
asstiear, e algodao, dos quacs livcmos muito
boa safra se appareccr asecca, seremos loffre*
dores das iras celestes, c dos clculos dos es-
peculadores negocisnles. que souberam ncu-
tralisar o favor da paisa da estacao.
Qaano Deus, em lempos mais lelics, quiz
mandar ao Kgypto 7 annos de secca, deu-lhc
antes ^ de fsrtura, c cousentio revelar a pr-
xima praga agora se elle se dlguasse fazer-nos
Igual rcveiafio, conviria, como urna das me-
didas preveutivas, acabar, durante os annos
fertes,|com araya de qualro monopolistas, que
nos deliahaao.
Tem cessado n'estes dous ltimos mezes a ina-
nia do bacaiuarle, c j vamos respirando d'es-
se flagello, que a meia duit de annus nos
persegue : Deo queira que nl i reappareca.
Dou os sentiuicntos aos perna*mbucanos por
ter seguido para Cruangy d'essa provincia o
famlgerado assassinu Miguel Pereira da Silva,
que nao se dando bem por estes ares, deixou
sM|i treatro de suas scenas de sangue ; c novos
are, novos clima* foi perto procurar. Se a
polica ah o pusesse sob lelo inchuto To
feliz nao ser elle. Breve dar-lhe-hei noli-i
cias minlias. --
PERNAMBUCO
O SI
Mez.
Diai.
Cadaverri.
liomcm.
Ualherri.
Piimi/oi.
Ilomen
Importancia ur-
rccadad't.

9% ;
i B -
vA
?i
e;
n
a-

G
Ssa
s S
-. '-
te c
5 n
a-
os
>-
Gfl B P
ess ,
BjrS
.omiiHincafl ).
r. n-i i\ a-n i- que a cooipinhia lyrica
composla dos Srs. Lucas Vasco, ('.arlo* flico
0 das > "lionas | -"ii.i i M i.;anli I.CIII11S
tencionavam dar a^gum.is reprosentac' s,
nas non sainamos 0:11 qual ilns lli'iil'iis po-
.l.'i: i'n i r apreciaras Oieliduas, u so na li-
les vo/cs desleaniti.tnsde r.iconlioci lo mri-
to e 13o acrodiUdoscacei tos tiesta provincia,
al que o anniincio publicad h me n H do
corren'o no Diario nos vcio tirar desst iti-
carteza declaran le s r no tneatro de Apollo
onle essss representado ;s dove n dar-so
.Muito nos alegrn essa noticia, principal-
menta por sei a norma a per;i cscolhila
para a primeira represrRtsQ.lo. A parto' da
norma va ser oxecuiajla pela Senhora Hara
Linda, cuja voz esta cima de lodo o qual-
quer cli(io quesi possi fazer, ea di d'Al-
i--3 pela Senhora Margarida Lomos a de
muito conhecida pula ,locura e^iiaviosi,la-
de de scu c.mi ir. (i Sr. (.'arlos Itico de-
sooiiiihara a partede l'.illione ; esto Sr.
Carlos i|uo tilo sauJosos i|cis deixou quan.Io
do nsse auzentoo tem do ilar-nos o pra/er
de Kosarmos outra vez lie saa encantadora
voz. O Sr. Lucas de Vasco ira dosempe-
nhar o papel .1 rbeso ; a robusto/ e ox-
lencAodesua voz, de acord com o estilo
delica lo que seue ealo^li, o tornilo me-
roceloi il/i aprob cm que goraljiente lia
lijo en Pernamhuco
Tercnios pois do ver e de ouvir ss .Senho-
ras Linda, o Uargaridl tainos, a estes dous
se.afins que nos tom do encantar, teremos
timliem.lo vor c do ouvir aos Srrf. Vasco o
Carlos Itico, e lialmente casa compaahia
lyrica que tem do alcgrar-iius e enlrcter-
nos, e unido uecessario se torna <| domos as pessoas dmenlo, as possois de
gosio o em geral a todos os babtiinies de-la
capital para iroin ao Apollo; snn ao Apol-
lo, porque he o nico Uicatro que esta
aherto e Iraballii ; ao Apollo p'i'que i ni
urna > iiirivi-l companbia dramtica ; ao
Apollo, porque ncllo. rosplon loo fulgura a
primeira actriz do hrazil a Senhora Alaria
Leopoldina ; ao Abollo pois, vamos ao A. ol-
io i ao Apollo '.
o Sr. GuiniraSes.
Uorrc'spoHdeiii'ia.
analoga encunlro rnlre merecido encomio que dirig S. I \ en-
tre o itiosj'actos, que sobre inaneira abo-
ii'io as suas adniiiiislra(es podeici citaros
elogios, que no conaelno de oslado I ti n pio-
Seahori* reductores.I -p.ir.iii lonosetljor- digalisava o faloci lo Sr Vasconcellos, esa
nil de 2 do Cnrruiili) com una correspon- eininaiicia do nossu paiz ; poderei dizor que
deliciado meu collega o lllm. S'. i. Maca- o laclo do Ihe ser dada a presidencia de
rio Kigueira de .Mello vcji-uie ni rigorosa Sergipe dore provar quo sua ICxc. goveria-
Ciliiigcncia di pioeurar do novo as suas ra o l'iauny dentro dos limitas da coiistiiui-
coliiuiiis par8, por meio dallas, responder r;lo, o das lois, e a conteni da pi^ulac/iu
ao que afliriiiou o meu [eslimavel amigo. Se da provincia ; poderri dizerquoos nume
solratiss! uiiicitni'ijte de inleresso mcu por ros os amigos, c simpalbias que ello deixi-
certo que eu nilo te'na a vaidado de oceu-'ra nessss p oviueas teslificarO as suas
par commigo as atteofOes do publico ; mas bol ulminislracje
cono um scnlinionto mais alta, a voz do K'a minlia voz de pedir ao mcu amigoe
dever, a voz da conscieiicia me dicta, a me collcga desculpas do nao ter adiado razua-
traca o meu proc-ucr nilo posso per aue- veis as sus refleZOoS ; e depedir-llie tam-
c t inactivo, e leulio de pola segunda e til- bem que n3o descubra nas minhas palavras
lima vez- (alim de nflo perpetuar discussOesj couza nlguma, que por qualquer modo Ihe
defender o Exm. Sr. Dr, Zicliarias lio acre, seja od'onsivi.
e injustamente acensado. Uiuia :i de agosiode I8>t.
Conlosso i|iio iiiuii o me desapontou a de- j Joio Jos de Oliveira Juni/aeira Jnior
masiada insistencia que o meu collega faz
comm&cio.
sobro as ideas, que enunciara na sua pn- ,
meira correspou.leiica relativamontC i-o
Exrn. Sr. Ir. /.adiaras ; 'insistencia esta i
para mim tanto mai-, eslranlia por laso que, ALKANDEGA
o disso, e acredtala .|ue sotnenlu a cIV r- llondimento do dia 8......K:itJ,.iS0
vescouciu do momentofOra acau/.a da ap- Descarrcgam hoje 9 deayosli.
pang.lo dessas suas expicss'S., I'ermillir llares iiigleza GinmtVt mercaduras.
o mcu nobro amigo, cujas man 'iras dclica- Harca ingloza Sicord-lisl. dem.
das e cortezas eu atiesto, e lodos quaiiloa o Id iguo americano ll'/n. 'rice ~ brinda o
conhecam o alleataraO eommigo, permittiri i bolacliinha.
. que eu leuda a lumia ousadi de fazer-llie Briguo americano II un rea dom.
i a observarlo do que, depois de ter eu expli- Escuna b asiloira Emelia o reslo.
I cado o procedimenlo de S. L' | tilo Satisfactorio para a honra, e para o bem ] paz
enteiiililo amor propiio do meu collega, o i liii|ioi'lii<,'it<>.
Movimeiito do porto.
_____i'
spoldina lineara algumas c laminas elecl'i- que apresentava S Exm o especilicar fie- fc.X|o-tiii;O.
cas, todos ns assistenles achavam-se frene- tose nomes, a Um deque os Srs. depulados, Ilio l.rallde do Sul, brigue brasileiro Udo,
licamontc onlhusiasmados. adversarios na tribuna, Ihtpodesscn com conduzio o seguinte : 1,000 alqueires de
Nessa nuito e com parliculariado no ol- vantagem respond-r. De fsclo como des- ssl, 40 pipas agurdenle, 8) bsrriquinhas .
timo quadro da pena, oSr. Cuimariles de- truir urna accusacilo vaga, que nada frlza, e 450 barricas com 4,1 ib arrobase ai libras de
sompenliou magnilicamonte o papel d 11. que pude ter tanto o cunti da verdade, assucar, 900 cocos com casca.
Alvaro foi nesti occisio que podemos mais como o da calumnia?. Hospndcrei mais Bahia, escuna brasilcira Adelaide, de SO
urna vez avaliar-lhe lo lo o talento, e as in- quedo nrnlinma maneira enlrou em mi- touella las, conduzio o seguidle: 350 cai
numerase repelidas palmas que colheram olas vi-tss o destruir oa sagrados, e eternos xas bscalho, 400 lijlos. 10 ciixas chapeos
os seus finaese sublimes i-sfo (os.nasceram lagos da consanguinidadc.e que por modo deso, 250 liames de vilro, 1 caixa colxe-
So o Sr. CuimarSes nos caricatos nilo tem puhvras; disso sim que a solidariedade, laciiinhas, 30 molhos couros de cabra e II
rival cutinos, o so po le ser comparado do parentesco n5o era tilo lata que podesse: barris azoile decirrapito.
ueste genero a alguma i celebridades euro- fazer corar ao Exm. Sr. Dr. lian leira por se' ItECEBEDKIA IH-. IIE.NDAS I.EIlAl.s
: peas, liojo oslamos persoadidos q in lo las as Ide ditnrque um prenle seu fira em tal| INTERNAS.
I decepcOos acerca da sua cxccugilo nos pa- ncrasiilo um pouco iisubordina lo em urna Itenilimento dodisV......503,665
} pois do gibo S2 doveni achar desvena- aula publica ; oque esta trguicflo, i meu CONSULADO PROVINCIAL.
' cidas. ver, nSo era tilo altamente deponente, quatldam do da 8. ?11.50.
A Sra.Marii Leopoldina liesemprc a actriz po lesse operar um similhanle effeilo. Onde -
fascinadora l'osa-nos que todos os papis pois existo nislo molii'o, para censurar-sn o
que llie cabem nilo si-jam iguaes ao seu im- Exm 8r, Zacliari.sl' A accUMCfio feita por
menso tiieulo ; todava, inaneira do liot S. Kxc. seria inqualiiicavelso fosso de urna
lux, elle converto em obras primas as mais orleni tal queatlacasso, o mancliasseti don
insiguilicautascreagas ; e I). Ilranc de Coi- ra do meu nohre amigo ; nesse caso sou o
dova ue urna prova disla asserc,3o. piimeirn convir quo o Exm Sr. Dr. Ban-
A Sr. Maria Leopoldina representou com deira devia lornar-se solidario c >m a vergo-
grando l'olicidado na nouto de sabbado ; o oda do sen prenle, pois quu enlendo quo o
os reiterados Iriumplins que ella consegue genio da iinio deve extender suas bri-
fardo que dentro em pouco o seu tionie scji Ihanles, e aun-fulgentes azis sobre lo Jos
condec lo em lo lo o Brasil, ropclido pelos os membros do u na familia.
mudares de odios dos sons dos la ciegan- Diz tambem o meu rsiimavel colleg que
le voz. smenle em u.na neclirologia sana bom ca-
lluje tem do icpetir si o inesmo drama ; bi lo o elogio, que lci ao Exm. Sr. Dr. Zi-
ebtamos codos que todos ns que laluiam a diarias por suas alminist'icO'S expri-
primcira representacao, irSoesti nou'e ex- me-so (>or eslo molo : a vai lado do amigo
piar a, culpa que coimnetleram, e gosir as vivo suppro a deficiencia de menlo do ami-
iinlTaveis emOfOCS que ooni tanta gunero- go morlj ; porni o meu nobro collaga da
sidade nos p'O ngali.saui a S.a. Leopoldina e de per loar-meque Id diga qne n>-nliuina
Navios entrados no dia 8.
Christiansundae --52 das, escuna dambur-
gueza alenc, de 212 toneladas, capitn
II. Ilreckvvnloll, equipagem 7, carga lia -
Call i; a.V. O ttieher & C.
.varuool 36 das, harca ingleza llr -
atoa/;, de 371 toneladas, capillo Jolin D.
Douldeny, equipagem 15, carga fazenlas;
a Riissell Mellores C.
leni 35 das, barca ingleza Genecieve, de
271 loncladas, capitn C. Couper, equi,a-
Kein 11, carga fasendas ; a fieme Youlu
& C. PasSSgeiro, l>. Pauliiu Ermina Joan-
na Comes e sua familia.
lllm de Sandwich -- 103 lias, barca ameri-
can Juna Deten, de 189 toaeladas, capi-
ISo L. I Slo^kbridge, equipagem 9, car-
Ka azeite; ao capiai. Veio refrescar
e segu para l'-w Yoik.
Liverpool 36 das, barca ingleza Irme,
de 321 toneladas, capi nal.I, einipagoni 15, em lastro; a Me.
CalmontA C.
Acaracu- 30 das, hiato nacional San (tu,
d> 48 ton lilas, mestro Jos Minoel llo-
diiguos, equipagern 4, carga sola e cou-
rosj ao meslre. I'assigoiros, Manool Jj-
f dos Santos o 2 oscravos, o I escravo a
ootregsr.
Savios^ahos no mesmo dia.
Acapulco escuna americana Cliflon. cipi-
IfloO. Daggett, carga plvora e petrecho
do (uerra.
Aracaty hiate nacional Kngclica, maslro
Jos Joaquim Alves da Silva, carga Tazon-
das e mais gneros. Passageiros, Predio
l.Alves Itibeuo, Raymundo Aulunes do
Oliveira, Ivocaciano Pamplona. Antonio
M mu -I da Sampaio, Anlonio da S Birru-
to, Raymundo Mentes Cuerreiro, Joa
H 11 ni ternandes Bastos, Jos Francisco
Ribairo e seu lillio,no ITlituguez Joaquim
Lopes r'erroira, Marcellino Antonio Lim
po, 'iancisco Silvario de Lima, Dr. em
medicina Epifauio AstodilDu o Busssu
II spanliol.
AlCJbija lancha Sani'Antia do iwramenl0
meslre Miguel Jalo de Medeiros Cnavcs
carg varios genenos.
Ideo lancha Viciarla, meslre Domingo
Josl'aclicco.cirga varios gneros.
KJSJ
Declarayoes.
sagrado c nunca abdicavel dever de cava-.
-- 0 lllm. Sr. Inspector da thesouraria di.
Rrigue americano lltinlress viudo dePhl-lAxcnda provincial, manda fazer publico, qui
a HalneuS Auslim&.:<,0,dla o"" "''"'' P' dianlc pagain-se os
in o seguinte :
J ordenados c mais ilrspe/.as proviuclacs venc-
TIIEVTRO HE APOLLO.
Nos Danos da semana passada vimos o
annuncio para a representacSo do drama
O liomcm da Mascara Najra : a pos'o que nao
gustemos muito desso pioducli ,la imi-
g'tiar;ao do Sr. Mendos Leal, Coinlodo sem-
pre nos deliboramos a ir ao Ihaatro.
Como a sala estivesso poico guarnecida
de espectadores, conclualos que o mesmo
senlimenlo tntipilhico que csperimeulava-
mos, atacara tambem a oeUas uessoas.
Eiitretanm, coma;ou o rspectoeulo.... o
nosso enfado se foi evapo'au lo.. .. A linsl
de cuitas, depois do terceiro acto em
que o bullanlo talento ds Sra. Miria Lio-
lli-insinu Ihe impuuha a justa obrigaco do ladelphia consignado
na.i insistir, de u.lo repro !n/ir mais argui- Ccmpanhia, minifeit.u
Cues. Assim creio (irmemente que s a mi 28 fardos tecl los, i c.-iixns dito 100 bar- d" Mc ln".'le.'"""' P"*'"" "
r?aoem que desde a su. p,?,e,ra cor- ris manteiga, ,50 d'los dan,,,, de porc5.iS)' &SX5EXRS& ?&**'
respandvncisSO collocara o mcu amigo em raizas velas. 15 barris cunos salgadas, 16 O secretario,
referencia ao Esm. Sr.Hr, Zacharias, ar- caixas queijos, :|J0 piasuntos 500 barricas, Antonio Ftrrilraa"JmuaeiaeJo.
rastou-oa commetier similhanle lilla ; po- bolaxinlias,3l caixas therebentina,l47.> bar-' De ordum do lllm Sr. oirector geral
siglo essa tilo falsa, quo acariciando o meu ricas l'arinha do trigo ; aos consignatarios, da insliuccao publici, faco saber aos snnlto-
csuniavel collega na sua ivelludadl, mas Simiaca brasileira licita Carolina vin la da res que se inscreveram como opposilores
engaosa base, traillo a sua elevada inlclll- S. Maihcus consignada ao capillo tnanifes- 1 ca leira de iiistrucglo elomentar da villa
geucia. para remover do sobro o Exm. Sr. o seguinte: do Agoa Prcta, que o dilo concurso tem
Dr. Zcitarasa peona de leviano nilo tenho 8700 alqueires farinha : ao 010*010 ca- principio no da II do correle no lyccti
nocessidaJo do mais do qui de iranscrcver pillo. pelas s litcraes palmas do mcu collega o Sr. Paladn brasileiro Nereida viudo do Rio Direclorii Re al, 5 de agosto de 1851,-
Macario; cl-las : not>-so po.cji que eu, do Janeiro consignado a llemiquo Jorge ammuenso ar.-lnvisti,
convencido de quo um representante do paz Connives, manifeslou n seguinte : Candido V.uslaquio t'.ctir de Mello.
precisa de apresaolir os dbitos prcticos U rolos fumo, 10 canas velas; a ordem. -- Aclianlose vagas as cideiras do ios-
da iiiilituiclo, que julga coiivoniente 30 sacos cafe : a Mmoel Joaquim Sovc. trucjlo elcmonlar do primeiro grao do In-
reformar-se, e quo lio dodificil obter sem- 50 ditas dilo,300 caixis s*bao,IO litis es- gazeira, Serra laldula opassagemdo Joazei-
pre Informarse/ bem txaelai, entenii que a pecies modicinaes, I embrulho ignora-se, ro, de ordetn do lllm. Sr. director geral da
simples aprsentelo desso fado imagina- 530 sacca l'arinii i, 3 volumes niercadorias ; inslrucclo publica, fro saber aquemeoo-
rio alo puderia servir de imada carga S a Manoel Alves Guerra Jnior. vier, que esto postas a concurso como
BXC.a, A vista portanlo desla trecho o Sr. I caixlo couro cm obras; a I), barbara praso de 60 .lias da dala deslc.
Macario convc n commigo cm que O Exm. Francisca Xavier, Directora geral, 4 de agosto do 1851.
Sr. D Zicdarias n.lo fijra leviano em apre- 20 sacess cale ; a F, Jos C imes. Candido Euilaquio Cesar de Mello, amanu-
sentar a assemblea geral o lacio de que nos 803 CaixiS sabio a J. J l'asso Jnior, ense archivista.
oceupumos ; o assim dou ao meu collcga os 461 alqueires, 4 barrica farinha ; ao con- o^-a vaPr draileiio Paruenic,
parbaos pjjr esla sua dodnracilo tio rusua- signatario. ^Kvt^. commandanlo o espillo do
vol, lilha legitima do seu genoroso carcter. 30 saccas (lili; a .Macha lo <\ Pinlieiro. 'MrmaaT' lr,'nnla t-osta Pereira, dei
Censura poroto o meu collega que S. Esc. COASlil iDll CERaL. aSSBb chegar do norte al o da 15 de
indigilnssa aquclle, enjo procedimenlo Leiidmenlo do da I s 7 .... 9:318,080 agoslo corronle, e seguir para Macai, Ba-
stygmatisava, (nrmenlo declaran lo-o pa- dem do da 8......... 775,291 hia e Rio de Janeiro, no dia seguidle.
renlode um membro da cmara tmpora- -----------_
ria. Em primeiro lugar responder! que 10:093,371
antes descubro nosse acto uina priva de le- DIVERSAS PROVINCIAS,
aldade doqoe a rcvolacilo de uiwa injustili- Reo lmenlo do dia I a 7 205.190
cavcl iiidiscric, ou ma l; o por isso dis- |dcm do da 8........ 79,055
se na minlia correspondencia que eslava _________
mus em harmona com o cmbalo lauco,
84,841
REAL C.OMPA.NIIIA DOS PAQUETES INCI.L-
ZES A VAPOR.
O vapor 7'eno, comoiandan-
,lc Itivctl, cs?era-so de volta
dos por'.os do sul no dia 20do
corronle mez, e seguir no dia
seguale para os da Europa. As pessoas que
yislnhos, seus amigos culdavain nlsso por el-
los i porm como a rxcepcao doSr. Vlalard, os
orpliaos a ningoein lnhaiii anda recebado no
castello, nenhum aviso Ihcs tinha sido dado.
Bnant que se tlnlia intilmente aprcscnlado
multas vetes, qucliava-sc dcsta obstlnaco e
fallava dclla com amargura. Sua aiTcIcao aos
lllhos de seu velho amigo era sincera ; de mais
elle tiuha una Inclluacao irrcslsilvel para in-
trouiclter-ie nos negocios silicios, alin de
que sua mulhcr eaprobiva-the'dcsde que mna-
nhecia al que auoltecia, a preferencia que se
dsva ao cura, cuino se eslivesse as mos do
pobre doulor obl-la para si.
' Tn na,i sanes haver-tc, dissc-lhe ella um
da depois de uina discussao mais animada que
de ordinario ; em teu lugar, cu cscrcvcria ao
Sr. Tnsi.1,1 que lu leus diretos oais anligos
que os do Sr. cura, e sem duvida, se elle tem
um pouco de senslbiiidade, le convidara a ir
v-ln.
Mas, inlnha chara a'mlga, eu inia sel ale
3uc ponto esta maneira de obrar seria delica-
a, responden o doulor : as conveniencias, a
dignidade!. .
As conveniencias! a dignidade I Silo bel-
las raies estas .' Ou se be amigo, ou nao. Se se
he, Importa prova-lo. Pois bem, sei que ludo
n,i castello est eutregue ao abaudono. Nin-
guna ah d ordena : aspsrtilhas nao estao fel-
fas, e em um dia estes pobres meninos acor-
darlo arruinados.
('nem tediase tudoisto ? dlze-mc.
. Koi o notario, coin o qual fallel honlem
em Autuin.
Ali I lu perguntaste isso ao notario I Ccr-
laiucnle fol uina boa Idela que ilvestc.
Se eu nao livesse ideias, qiieni as Icria
aqu ?
doutor pot-se a ais ibar uina aria entre os
deules i este era o seu costuuie, toda a ves que
nao quera nem approvar nem conlradiicr sua
mulhcr.
Vosse lie na verdade de um egosmo rc-
vnllame, respondeo esla coin um redobranien-
to de a/,' iiini,. Voss devia ludo a este pobre
Sr. de Hcaurcgard. pois que se nao fosse elle,
nao teria casado coiiiinigo ; mas como seria pre-
ciso niccher-se um p ,neo para prestar servi-
cos a seus nihos, busca pcrsuadlr-mc que isso
nao serla decente. Ileabsolutaiucme como sua
lillia Cun i : desde que vnltou do cnllrglo que
atormento-a para que escreva i Sra. Allleiie
adiiidc pedir-llic a pcruiisso de n v-la, ella
responde-ine que Isso seria Indiscreto ; ella
leino coraco tao secco quanto vosse.
Ah t senhora Brian, respelic a Corina,
disse o doutor com um soniso Jovial, porm
declilido : he uina cicelleule menina: c nao
pcruiiilirci que ningucn, ncui mesmo a sc-
nhoia, falle mal dclla.
Vosse dir della o <|uequlter quauto a
iiiiiu digo que he egosta c que Um gojlos vul-
gares.
Ncste-moiiiento, a porla abrio-sc, c Corina
enlrou. trauma rapariga de desasis a desa-
le anuos, loura, fresca e rlsouha ; (raiiauui ces-
to chelo de ovos na nulo esquera, e um cha-
peo de palha linmenso pendente do braco dl-
lelto*.
Anda com a cabeca descoterta excla-
mii a Sra. Urlanl. Vosse he Incorriglvcl incnl-
ns ; nao ceaso de dizer-lhe que o sol de malo
he mortal para a cor, c vosse nao fas nenhum
caso das minhas advertencias. I ni bem pouco
lempo scu rosto rslai lodo cnberto de sardas.
.N ni ralbe coniiuigo, ininlia mal, tenho
seinprc andado .sombra.
Sombra.' sombra! nao ha cousa pcior,
quando la tem calor, Parece que de proposito
proema licar iiidetlusada para ter um pretex-
to para noestudar a lela de cantona. 1. que
tem vosse nesie cesto ?
Sao ovos frescos, niinlia mai. Uontem
Vine queixou-se de que os que Ihe Ibraiii ser-
vidos nao cslavain bons, por isso fui pedir es-
tes rcudelra das Ravrlas.
Acoiinhcira llie ha de agradecer bem o Pa-
tero que he ile sua obrigacao, respondeu a Sra.
Ilriaui, repelliiido sua lillu que quera abraca-
la ; por minha parte, leria preferido que esli-
vesse tocando o scu piano.
Tua ini tea raio, Corina, disse docc-
incntco doulor ; tu delcivns um pouco leus ta-
lentos, e fases mal em sahir sem chapeo.
Mas, meu pal, tenho scuipre ouvido Vine,
diicr que as mulberca nao cullivain mais seus
tlenlos, quaudo sao casadas, responden Co-
rina, suspendendo-se ao pescoco do doulor
coin um abandono infantil ; para' que pois to-
mar tanto trabalho para adqucri-los :'
Para que para que bis os fruclus de
seus loncos discursos, seulior, eiilaiuou a Sra,
Urlanl. racas a ellos, sua llllia com cuja edu-
can tenho gasto Uez mil francos, nao passar
nunca de utna rustica.
O doutor teria querida bem que sua rllha Ihe
tivesse poupado este Improperio; mas a amavel
menina couitnuava anda suspensa ao scu pes-
coco ; elle senta o rosto inaciu c fresco dclla
ein sen contacto com su* face, c nao senllo-sc
com forca de censura-la para obler a paz: pro-
curou pois lograr este resultado por outro
lucio.
Minlia Corininha, disse-lhc elle, queres
farcr-nic um lavor ?
_ Se quero lser-Iba uin favor, nnu pal!
Nrio s um, como de,c cen, se cu lor capaz, respondeu ella sallando de alegra.
Pois lieni! Kscrcvc nina cariinha, linda
como tu, Sra. Allieltc para pcdir-lhc a per-
inissao de ir v-la.
Que quer Vine, que Ihe dgi i ha lauto
lempo que nao a Icuho visto.
A Sra. Briant levar.tou os hombros, scu
rosto tinha ao mesmo lempo a lividez ardentc
c sombra de nina nuvcni que esl para re-
bentar.
Dir-lhe-has,'apressurou-sc o doutor em
replicar, que tomas graode parle em seus pe-
tares e que Ihe rogas queira pcruilliii-ic que
vas chorar com ella.
_ Pois tu, Corina, disse dcsdcnhosanicnte
a Sra. Briaul, esliveste olio anuos nu collegio e
nao sabes o que se deve diter cm Mes circuais-
tandas ?
f'arel o que puder, mluha mai ; c te me
vlr cuibaracada, espero que Vine, lera a bon-
dade de ajudar-iue.
'nterroga teu coraclo, uiluha lilha, inter-
rompeu vivamente o Sr. briant, eslou certoque
elle le inspirar bem I
Corlua sahio correndo.
Mullo bem, seuhor; lisonga-a, dlfa-lhc
quem tem mais talento, mais laclo que sua mal
e far dril i urna tola orgulhosa ein vez de uina
tola estouvada como he. Em verdade eslou
quasl inandando-.i outra vez para o collegio,
donde nao de vera sabir seno quaudo eslives-
se para casar.
O doutor uada respondeu a esta nova aujea-
ca de sua mulhcr mas lllou sobre ella um
olliir lio profundamente sardnico que ella
couipichciideu bciu que sua .im.-.i. i uo era
lomada seriamente. Este pequeo revet cal-
iii" i- i, pelo menos em appareucia, e quaudo
Corina, alguns Instantes depois, tornou a en-
trar, leudo na in.i,, o bilhelc (|ue acabava de
escrever. achou sua mai cm dsposicOes muito
mais pacificas. Ella eslava mesmo 1:1o condes-
crudente que chegou a dar uina muda aprova-
co s ingenuas lnspiracdes de sua lbs, as
quacs transcrevemus aqu:
a Nos nos auiavamos outra ora, cuaino-a
anda: queira pois ter a bnndade de penntttir-
meqiiC v chorar com a senhora Corina.
Esl bom, mlnha Ulna, disse o doutor com
una certa euior/ao ua voz; esl mesiiio multo .
bom. Vem abracar-me.
lie preciso mandar levar cale bilhelc pelo
criado, accrescentou a senhora Briant. Onde
est Lzaro ? ,
No areial, miulia chara amiga, respondeu
o doulor como mu de um boiuem que sabe
de aiiieino que sua rcsposti sera mal acu-
Ihlda. .
Pois bein.' jo que Dlzaro nao esta aui,
voss inesmo levar esta caria, c lera o cuida-
do de pedn a resposta.
Kulie luda a exinc.icia de na uiuliicr, o
doutor tinha uina predllFCyo particular por
aquellas que o faziam sahir de casa, ajile cha-
mava a isso seus bons momentos, e lomando
alegrein, ni,- sua bengala c leu chapeo, deu-sc
pressa rra sahir. A senbota Briant aproveitou


ptcleiideretn pasaagem dever3o dirigir-se pltSo e pnlico Antonio Silveira Miciel Ju-, cilorqulado primeiro asparles a julzo]Jvlito,
ruspectiva agencia : rm do Trapiche novo nlor, silie para Para en direitura Com a queoobra o que j ae pagou aquem Icgitltna-
n, 43, poaaivel brevidade. e apenas recebe alguma meulepodla receber, quinto ae oj que pagaro
,_. '." icarga miuda.e passageiros 1 para urna o ou- ante ua.eafla de cdlotoi devem tambem
[htttro de Apttlo._ ^tf~>Z ^ IZ W^-W3?. V?rtS
2
I r.HCKIitA RECITA DA ASSICYXTUrU.
Ij* 9 de agosto de l85i aublr a acea
o multa applaudido drama ;
OHOHEH UA MASCARA NEGRA.
Pirioaagmi a aciorti.
O prior do Cralo, o br. Jorge.
Ocoude U'Alvaro, o Sr. Guunariei. ^
I). Fernando de Cordova, o Sr. Hallo.
D, Goocalo de Cordova, o Sr. Tulle.
Antonio Raraclio, o Sr. Coila.
Rui Mendea, o Sr. Nevet.
Dlogo Holelbo, o Sr Flguelrcdo.
Upo da Guarda, o Sr. Francisco.
Conde de Viuiloso, o Sr K. N.
O primelro jui, o Sr. Figuelredo.
Segundo dito, o Sr. Miranda.
.Sacrislio. o Sr. /'raudo.
Sacerdote, o Sr, Sebaallio.
JJ. Branca de Cordova, a Sra. 1). Leopoldina
l.uuuur, a Sra. O. Garollua. .
Pagcna, pregoeiro, porteiro, soldado, matea
O. 13.
Para Vacet.
1 0 biate Caprichoso, novo, bem construi-
do, e muito veleiro : quem nelle quizer car-
rugar dirija-s a praca do Corpo Santo n. 2,
ou ao tnoaire bordo, defronte da rampa do
llamos.
I Para Jracaly.
i Sabe com toda a brevidade por ter ja al-
guma carga tratada, o liiate Saeta 6'riis,
eslo hiele cabio do estalelro e se acha prom-
lo de ludo; pode entrar naquella barra em
qualquerdia sera precisar do agoas por de-
mandar 7 a 8 palmos carregado;para o resto,"' Mu?lt c Antonll> Jo Rodrigue da Cu-
: da carga o passageiros, Irata-se na ra da I "j. 521! ,'.C.UI crcdor"- *2&A n. 2 com M..J Jos de r?.T?; 'dr.ft.r?.,K!.P,.',Bch.:
S Araujo.
Vende-se o muito veleiro e
para o aer: stimo se o despacho do gorerno
de 22 de junho fol authoriaodo para cobrar
de quem ioda nao llnjia pago ao arrematante
ou foi para receber de quem j pagou! oilavo
qual a le que o authorlsa as veidcs que lein
pratlcado, e est pratlcando com a garanta
apenhorar dedlreito que so lema fazenda e os
arrematantes, visto que os fiadores s sao cxl-
Sldos para pagsrem o que o arrematante
elxar de pagar, e nao cobrarem do contrl-
bulntes que uada tem com os prejultoa de
ninguem : Isto Ibe perguulaao
fftieano Inri.
O abaixo asslgnado vandeu a aua taberna
tila na Iravessa das Cruzeui 10 aos Sra. Jos
radoa.povo, cavalhelros portugueses c bes- Dem conlicciilo brigue americano
fanhoei.elc, etc. ,,f- < ,, ,
iualisar o expectaculo com a muito jocosa \\ 1.lilil! I fice fie lole UO 23n tO-
xpccl.
larca
A ESCOMA DE MARIDO POR MODA.
Principiar as oito horas.
Hoje sexla-lcira q
tas Inteiramente novas.
Prlmeira. O grande tnel gigantena Irlanda.
Segunda. O tmulo de D. Pedro I ein San
Vicente de Fra em Lisboa.
Terceira. Un fuucral do frade em Boma.
Quarla. O interior de urna escola de nadar
em Vlenn
rulos II. 14 junto botica do Sr. Jos Mara
c lainbcm pede a tqucui Ihe deve Ibe vo
pagar na luesma fabrica.
Francisco Macicl de St Pedc-sc a certo Individuo morador na
ra do Hospicio, o lavor|dc olhar niais para os
eldelas, eaCVlInaUI> e lorratio seus actos, que criticar da vida privada de al-
tinviiliifiilr ilft'tiliip l n^n-nntlna-,Bl"n"peMoa5, 'iuenunc o plicndem.ccrtode
iiovaiiiciUB uciouie,e proaipio pa- quesecoullnnar, ter de ver o seu nome n'es-
ra qualquer vi a ce m: os pretenden-lcJori,al' e patente o sembons fcitos: isto
. *,. .\ ii tambem se pede ao V.
tes dirijSo aos consignatarios Uen-| .. Aiuga so no sitio do ojueiro qualro
se passar a Testa
i com commndo*
quem as pretender
j para tratar.
-- Offerece-se urna mulher para seramn
de urna casa, para lodo o trabalho Interior
da casa : na ra da Calcada, sobrado ama -
relio.
_ ......y .n,.u..6u....... ..v.. i AlUga 3J 110 SltlO UO (
ihealro de Sail-FrailClSCO ry Forsier ik Companhia, na na proprieladesdocisas para s
-,.i-i,i,.i,. j*_ t__... ,, iOU por anno, junloao rio; i
COSMOIIAMA. do IrapiChe n. 8 'n, viandaihailli.. nati
Tod-osdias das 6 1,2 alen 9 1,2 horas da noili ,-, Pn'J" Q
Hojesexia-fciraquarta mudanca com II vis- lL- e procure no tnesmo sitio para
Leiles,
JoSo Kolley At Companbia farflo leilSo,
em presenta do Sr. chanceller do consulado
de franca nesta cldade, por Inlervento do
corrector Oliveia, e por conta e risco de
Quinta. Jonslantiaopla pelo lado do mar de 1uem pertencar, de Sil n. 209 e 210, I volu-
srmore. mes com 514 cortes do cainbraHS diversas o
litspoila.
AoSr. que mo quer licar excoaimunga-
do, e que por isso faz a pergunti, que him
no Diario d.i 5 do corrente mej, responde
oabaixt assignado, que os quatro ovange-
" os, que se devom lor as escolas prima-
."*ya'r.A I'"!18 ^i,U da ,crra dosrKo centoviagem do Havre para este porto, onde
J"CpM.,,,>1i.i. n aportuua20domez de jullio prximo pas-
Marmore. mes
Sexta. A grande ruaReal ein Rerllm, capital adamascadas, e de lili n. 10, 18 pecas do
da Prusaia. cassineUs, ludo avariado, a borJo da barca
Stima. A serra de Pancorva na lleipnoha. I'ranrcza Jn'f, capitn Tambarel, na sua re- r',s> ''lo de Sr os da traduce^ do padre
Antonio Percira do Figuriredo com as suas
compelenles notas, sein as quacs soria pc-
rigosa a leitnra dosses liv os ssgrados.
O director Geral da In Augusto C. de Ahreu mudou o sjuos-
tlbeleolmento, da caa n. 41 da rua da Ca-
deia para a dn n. 40 da mesma rua.
~ .Missias Jos de Frcitas, brasileiro, v*
ao lo Crainlo do Sul.
Ailminitracio do Patrimonio dos orphaos.
I'eranle a ailrti'stracao do paliiiiionio
dres. ras da
Uindecima. A magnifica cidade dcMcssina Cruz.
manilla, no seu araiazcm, rui da
ua Italia.

-- James Crabtree & Companhia Cario
leliao, por intorvenr;ao do corrector Olivoi-
ra, de variado sorlimenlo de fazen las iugle-
zas as ni.H-. proprias do mercado : segunda-
dme,! I do correlo, as 10 horas damanhaa,
Publicaco luterana.
p .i. i-, i i. AtiA.. r no seu armazcm, rua da cruz
m ,?m u.ii LS,;Ha "' dA 8g?5" correlor Oliveira fara lailOo por Qiul- *" ""aos se hade arrematar a quem mais
nliir.1 i^ .\ m-VJrl*Spr0UTCS iuer pretJO. de pbrc.lo de mobilia, co. sos-'<*". c por o lempo que decorrer da dala de
Sata d. rVJ. E011"?''' S' JT lindo emumnieiro de vidraca.carleirpa- rrem.il.cnoaollm Je junlm do luti.ronnno
naru K no \\.' J" n ,conlH'el,do ra escriplorio e moxos.muza de jantar.com- <"" rendas dos dous andares da caza
ver?n" ,Ti P i ,uW,?,d.M T'^ moda, cabide para fallo, quadros, conolos, 11 da rua do ei.c.ntamento no bairrodo
versos jornaes. de algumas prov.ncias do im- mr^rt canap e caueir.s de oleo, me". **<*'* pcssoa.quequlicrom licitar sobre
i u .mi i.i dilo, candieiros de Iresluzcs, man- dilasrenJas poderlo comparecer na casa das
de vidro, o oulros nbjcrlos miudos sessOesdo refori lo muniripiocm o dia 14do
ro do meimo bairro avallada em ltOOO,ooo Na rua da concordia primolra casa ter-.attoncSo publica para a a
dar., cujos buns forSo aquinhoidoaa mes- rendo lado do nacente, cozem-ae o fazem-se teregt dallas granda aortimentoi Drn' r'or
mafazendi para pagamento do sello de lie- vestidos de todos os moldes e rateadas, as- as quaea construidas na sua fabrica n??"'
raiiyt.no inventario do flnalo Jos Ram.is sim como capolilhqs, a rhanleletese paliis competir com as fabricadas em oa
de Oliveira o sua mulher; um sanelunrio de qualquer fteenda, chipos etouoas para trangeiro, tanto em prer;o como em
russo ja velho, com bastantes marcas de fe- mudado a mesma para Foidel Pinto & Com-
rida as costas, proveniente da cangalba : panhia, continuando d'ora em dimito a gi-
quem o descubrir, o igualmente o mesmo rara easa coinmercial dos cima declara-
ladrSo, reoober 50,000 rs. e o dito cavillo. dos com a referida mu-lauca de firma, e o
para o que se entender com o proprielario Sr. Lino Kerreira Pinto, como procurador
do passo do Giqui. que d'antos era.
-- O lliesouroiio da irmindade da sania Soverino Alcxmdro Villarlm morador
casa da misericordia da cidade de Oliiida, na villa do limoeiro, onde be proprielario,
aulorisado pela mesa respectiva, faz acienlo e acha-se Advogando, offerece-se a quem
a todosos inquilinos que se acham a dever convier para -incumhir-se de quaeaquer
aloguois, quo dentro do improrogavei praso quesides licitas no foro daquella comarca ;
do 30 dias, contados da data dosle, satisfa- a bem assim scientiflea, que nSo s so an-
clo ludo quanto de verem sob pena de con- csrregari de cobraucas como que negocia-
tra elles usar-se dos meios legaes : outro r as dividas quan Jo os devedores as pos-
sim, o m 'smo thesourdiro, avisa aos forei- sflo couhecidamente pagar; elianca igual-
rus que osl.Tu n llover inaisdo tres anuos do mente gasjaiilir e sstisfazer polos meios
foro, salisfaeOo no mesmo praso sua obri- convenienns quaesquer contratos a Juste
gaclo, ficando os oniissoa sujeitos a mesma que tenba de celebrar,
pena. j Quem quizer comprar urna negra boa
OfTerece-se um rapai de I5annqjde cosinboira, e quo faz lodo o mais servido de
idade, para sercaixeirodloja de fazenda, urna casa, sem vicio, enem achaques, ap-
e d fiadora sua conducta: quem de seu parega na rua A'iguala n. 1, no primeiro
prestimo se quizer utilisar, aununcie por andar,
esta follia para ser procurado. '( Ka rua da Cadeia do llecifo n, 46, loja
-- Antonio Jos de Mallos dcixa deven- de mude2as,venderam-se os nmeros 2001,
der agurdenle na sua lavarna na rua do em que sabio os 4:OuO,O0O rs., e mais onu-
co lo'iiis n. 4., desde o dia 31 dojulbo. moro 5979 em que sahiu 1:000,000 rs., e pa-
Quem precisar de um rapaz para qual- ga-se na rua do Trapiche n. 36, segundo an-
quer arrumacao, diriji-so rua Direila dar, em casa do cautelista o Sr. Salusliano
n.95. de Aquino Ferreira.
Passaportei. A mesa regedora da irmandadedo Sr.
Tiram-se passapoites para dentro e fra 1 Jess das Dores, ua igreja de S. Goncalo,
do imperio, dcspaclum-so escravo?, cor- convida a lodos os mulos para a eleiclo
rcm-se folhas, e tiram-se ttulos de residen- da nova mesa, a qual se ha de proceder no
cia : para este fim procura-se oa rua da Ca-. dia sexta feira, 8 do corrente, as 9 horas do
deia do ftecife n. 55, loja de fazendas do Sr. dia, em virtude do deepacbo do I Um. Sr. r.
I.uiz do Uiiveira Lima, e em Sanio Antonio, Joll de capellas.
na rua do Queimalo n. 25, loja do miado-; -- Aioda se precisa alugar urna pretaes-
zas do Sr. Joaquina Monleiro da Cruz. i crava, que saiba tratar de urna crianca e
-- Antonio Joaquim Vidal, embarca para cuidar da roupa dola, pagando-se lo.un i rs.
o llio de Janeiro, o s.-u escravo, cabra, de pormezi quem a livor, dinja-se ao por-
nomo Simplicio. i teiro da alfaadega desla cidade, na mos-
Precisa-so alugar urna ama escrava,, ma repartidlo, ou annuucie para sor pro-
que sirva para cozinhar e comprar, sendo curado.
que agraJe, paga-so boiu : a tratar na rua da l'recisa-se Je una ama que engomme
Cruz do Recifo n. 49. > bem : na rua do Hospicio n. 52.
-- Roga-se ao Sr. Joaquim Ignacio Cle- Precisa-sede una ama forra para casa
mente de Almcida Sarinho, que melhor sej do urna viuva de pouca familia, que saiba
esplique no sou ani.uncio, para bem se Ihe engommar e cosinhar o diacic do urna casa:
Paz q
da, na casi do Sr. L. Uizerra Monteiro.
CO 3,000 rs.
Avisos martimos.
Pre-
perio, e principalmeute pela poezia : A
Corma, s lu s meus amores, -- que por "
i^U?, JSi'.Tr ""'Snaluras, na igua,n,enle de variedade de'obii-ctos de lo- Presente mez as 4 .horas da lardo com seos
linaria da esquma do (.olieg.o, eemoiin- j de MJlileir0, c,n0 So Js,lppa(0j do Sadorea Secretaria da adainl.lracflo do
"' mullas quaiidades para liomoiii, soiihore, ''"l'i "ionio dos orphaos em 7-le Agosto de
e mininas, formas de pao. couros de luslio, *"5I. Antonio Jote de Oireira, secrc-
|besorro^ couios de caba,inarroqnim do co- lafio.
res, I iilins, broxns, cera branca e prcta, Antonio Marque da Cosa Soaies, de-
graxa, litas de seda o algodlo. pretas o de clara, que ninguem faca negocio com a Ict-
|cOTea&., ludo ouli'ora peileucentc a Fer- tra offereci la lelo the.-oureiro da irmanda-
nandes da Luz e lnn.'io. Na mesma occa- ''c doSS. Sacramonlo di matriz da Boa-Vis-
silo se vender huin Piano propiiu para '"i'cceila por elle, e endorssada por Ignacio
priucipianles dcste instrumento, hu i ca- Marquea di Costa Sones, que em lugar o
ma para casal, huma dila monur, dili para lempo compleme provar anulidade da
menino, um ber^o, lavatorio, mestnbas, sel- mestna loltra,com a senlenc-i o sobro sen-
il ns para uionlariu de boniem ede-senliora, tenca do tribunal da rclafu Jesla cidade ; e
jarras do parcailana dourada com llores r- n,flisoulrosdocunuiitosque cxislcm cm seo
liliciaes o mangas, vasos linos.cun lieiro do poder.
globo para gaz, caiteira pequea do urna ~ JoHo Francisco da Cruz, embarca para
lace, um rologio sabonete de ouro patenta
lugl z, e oulros olijectos miudos : Sabbado,
0 >io crreme, as lo horas da ni .i.i.n .,tj. seu
asciptoiio, rua da cadeia.
-- Para Loanda e mais portos d'frica o
brigun portuguez Triumphante capitSo An-
tonio Domingos de Carvalhu pretende, sa-
bir at 8 do agosto, recebe pssa;iros i
quem pretender dinja-se ac referido capillo
ou a Oliveira Irruios 6> Compauhia, na rua
da Cruz n. 9.
~ Para o Rio do Janeiro segu vi.igem
com brevidajo o brigue brasiloiro dni'mo,
capillo Domiugos Antonio de AzeveJo:
quem no mesmo quizer carregar, ir de pas-
sagem ou embarcar escravos, ple cnlen-
der-se como capilao ou com Luiz los de
S Araujo, na rua da Cruz n. 33.
Cear e Maranho.
O muilo condecido o conceilundo brigue
escuna biasileiro Laura, devo chegar ues-
tes dias, a esto i orto, precedente dos de a-
quclles; regressar para ns mesmos com a
costumada, niconteslavel brevidade, leudo
ji a maior parte da carga prompta : para o
restante o passageiros, para os quaes ole-
roceptimas acommodaces, trata-se com
Jos Baptista Ja Fonseca Junior, na rua do
Vigaris D. 23, segundo andar.
- Para Lisboa legue com brevidad, por
lera maior parle da carga prompta, o brigue
portuguez Laia, b*m construid.), forrado 0
oncavilhalo do cobre, c de que he capillo
Manoel Jos Antunos: para o reslo da caiga
e passageiros, para o que lem os mrlhores e
mais aceados commodos, trata-se com os
seos consigntai tos, Francisco Severiano Ita-
bello&Filbo.
-- Para iRahia segu na presente semana
por ter a maior parlo do seu carregamento,
obieto I.iyeiro forrado e pregado de coin,
para o resto e passagoiros : dirijam-se a rua
do Vigario n. 5,
Baha.
Segu em poneos dis.o bem conliecido
hiale Amelia por tor parte da carga promp-
ta, para o restante trala-se com os consig-
natarios .Vovaes Companhia : na rua do
Trapichen. 34.
itio ^de Janeiro.
Segu em pouros dias o bem condecido
nalacbo nacional tlenle por ter parte da
carga prompta, para o resto, passageiros e
escravos a frote; traa-se com ocapitaons
praca ou com os consignatarios IVovacscvl
Companhia, oa iua do Tiapicne n. 34.
Para o Hio de Janeiro,
.segu com brevi lade por ter parto da
:arga prompla o patacho nacional Iserelia
bem conhecilo pela rapidez do suas via-
gens, qcem no mesmo quizer carregar, em-
barcar aacravos afrete, ou hir de pas-agom,
dirija-se rua da cruz n. lo a tratar con
Mauoel Alves Cucrra Junior, ou com o capi-
llo Manoel Jos do Senna Martina.
Para
A escuna nacional Emilia, deque de ca-
o llio do Janeiro a sua. escrava, parda, de no-
me Florencia.
liento Fernn lea do Passo, roga a lo-
dos que llio eslo deven lo, o favor de 1 tic
vir pagar no praso de 8 das, pois ja ha !ias-
lanle lempo, do contrario veram seus no-
mes por Ita follia.
No paleo do S. Podro n. 18, precisa-se
Jo urna ama forra ou captiva, para servico
do casa.
Tundo eu vislo nos Diarios de Vcmain-
Avisos di Versos.
Associarao commercial de i'er-
na ni buco.
A directo convoca tima reunan ex-
traordinaria Jos Sra. socios cm assembla de 3 e 4 do corrente um annuncio eda-
geral, para sabbado, 9 do correuto agosto,' '"anJa-ine na rua Nova n. 33. alim de cu ir
ao meio Jia cm ponto. pagar o rrslo de urna conta minlia, o como
A palmcira pernamburana. ?"? fja '"?nr ."""P*""";- Ijoho a dWva
., i ,. "*"**" que permito ojoizo de paz Ja Ireguezia da
Moje ao meio da em ponto estar a venda Varaea nonio moro, eslou promplo a ir para
o segunJo numero deslc mteressante peno- mostrar se d-vo alguma cousa tiesta casa :
diCO : a elle que eatl de patente; tras ex- <.d.-oqiieb.ista.-^oa?w.m/./ac/o(,7emife
cellentes arligos em prosa e vers >, e alguna d'Klm-.Ui Sarinho.
disparates para lazer rir aos amaveis com-
pra Jorcs. VeuJo-se |ior 40 rs. na praca Ja
InJepenJencia, loja de encadernaciin n. 12,
iz es.
avaliado em 20,000 rs., tambei rara paga-' croa'ncas por menor'prec. do que em 'ou- idado da' materias piaas V'mao'Ti'l1'1'
ment de sello deheranca.no inventario do tra qualquer parte, em contento do Ir- a saber: "Obra,
Inado Jos Concalvea de Oliveira cha. guez. Machinas de vapor da melhorconstroe^
Furtaram Jo l.iqui ao amanbecer do Pelo presente ae faz publico que a firma Moendas de caona para engenhos i ?'
laquarla-feira 6 do crranle, umoavallo, social Fellipe Feidel & Companhia tem dos os tamanhos, movidas a vapor por
ou animaes. *g'>,
Rodas d'agoa,moinboa de vento eserraa"
Manejos independentes para cavallos
Rodas dentadas.
AguilbOes, bronzesechumaceira.
CavilhOes e parafusos de todos oa tam.
nhos. lua'
Taixas,pares,cri vos e boceas de fornalh,
Moinhoa de mandioca, movidos a mi o
por animaes, e prensas para a dita.
Chapas de foglo e frnos de farinha.
Canos de ferro, torneiras de ferro e d.
bronze. ue
Bombas para cacimba e de repuebo, dj0.
vidas a mo, por animaes ou vento.
i.uinJastes, guinchse macacos.
Prensas hydraulicas e de parafuso.
Ferrageos para navios, carros e obras pu.
biicaa. KU
Columnas, vartndas, gradea e poria
Prensas de copiar cartas e sellar.
Camas, carros do mo e arados de ferros
ClC y ClC. '
Alm da auperioridade das suaa obras, i,
geralmenle, reconheoida, Bowman & Me
l.allum garantem a mais exacta conforma
Jade com os moldas e dezenhos remeltidoj
pelos sonhores que se dignarem de fazero
Ibes encommendas, aproveitandoa occasiSs
para agradecerem aos seus numerosos ami-
gos e reguezea a preferencia com que leen
sido por elles honrados, e aaseguram-lbe
que nlo pouparlo esforcos e diligcncu
paracoiititiuarema merecer aua conlUnca
INSTRCCA PHIMAKIA.
O abaixo assigmdo, leudo recebido do
respeitavel publico benvolo acolhimento
visto como J rouitos paea de famila Ih
lem confiado seus liius, convencidos da
o,ancua coiKcicnciosa por que o annun-
ciante tem desempenhado as obrigacesi
que se comprometiera na direcc&o de sua
aula particular na rua do Mondogo ti. u
rende por este meio um publico agradeci-
meulotquelies que nelle tem deposilado
sua conflaoca em asssumpto Uo delicido
comoaeja a priaieira oducaclo do seus 11-
Ihos. O annunciaole julga dever ainda so-
licitar a conlianca das pessoas moradoras
fra da praga, para quem foi especialmea-
le creado o sau eslabelecimenlo. E em
verdade, he geralmenU roconhecido, qtu
mullos paea moradores fra da praca dei-
xam de dar a edocaclo precisa a aeua ||.
Ihos, ou a fazem com grandeg sacrilicioae
diliculdades, em razio defaltarem aulas oa
collegio, onde possam colloca-los, por tal
modo dirigidos que descansem inteiramen-
te, nlos a respailo do tralamento e din-
vellos, como a rospeito do desenvolv me-
lo miuliectiial e moral; era portanto do
palpitante uceessidade a creaclo de ums-
tabelecimonto que remisse todas aquellas
coodic,oes e foi com essas vistas que o n-
nuncianle eslabeleceu a sua escolla no lu-
gar indicado. Os pensionistas, que Ihe fo-
rera confiados, echarlo estabelecimeato do
annuncianle lodos os elementos necessa-
responJer, assim como o numero coito Ja
casa aonJo foi chimado.
I'rocisa-se alugr um sitio ao p do rio
Capibsribe, sendo nos lugares seguinlos :
Capuoga at o Monteiro, Passagem da Mag-
dalena, em parlo fro3Cs, embora geja pe-
queo, porm em lugar saudavol: na rua da
Cadeia d,o llccife n. 54.
Precisa-se alugar um nogro possanto e
sadio : na rua do Encantamento n. 6.
Sociedadc Nova Tialia.
Pelo cnconvienlo de se achardoente, o
representante domingos NunesForreira, ti-
ca transferido o espectculo paraujuiota fei-
ra, 14 do co reme.
()fferece-se urna mulher para fazero-
bras de carregaflo, scifdo cilsas, aquetas e
camisas: quem do seu prestimo se quizar
ii111 i sur, dirija-se a rua das Cinco Ponas
n. 82
.- O bacbarcl formado, Francisco Pereirai Illarf,0 do im eopportnamenle prolesta-
l'rc.ro, mudou sua residencia e eicrlptorio da la2.se loU fJJ os Jo
doadvogacia, para o palco do Carmo, casa eiliendam-sa com o aclual thesoureiro o Sr.
na rua da l'enha, sobrado que Taz quina pa-
ra o beco do Cercerciro.
- A possoa que annunciou no Diarlo de
boniem querer 400,000 rs., a premio, pode
dingir-se rua da Santa Cruz n. 5, que abi
se dir quem os d.
Dinheiro a juros.
Na rua do llangel casa terrea n. 21, se di-
r quem J dinheiro a juros com firmas que
.igra l, ni, ou bypotbecas em casas terreas*
que so mostrem livres Jepenhora ou hypo-
llieca.
l'rccisa-so alugar urna prcta queseja
boa, e em conla : na rua das Cinco Ponas
n. 68, ou annuucie.
-- A irmandado do S.S. Sacramento, da
matriz da lioa-VL-Ja, offerece com abate unta
letra Je rs. 8.408,080 Jo principal, alem dos
juros, acoita pelo Sr. Antonio Marques da
Coala boaros, e enJn;aJa pelo Sr. Ignacio
Marques da Costa Soares, vencida em 14 de
llernardino Jone Monteiro
mado, loja n. 24-
oa rua do Quei-
~ l)-se a premio, com lelras de boas fir-
mas, c do donlro Ja pia-ja, do 700, a 1:000/
do rs. : qu'm qui/.er dirija-se a esta lypu-
enalivraria do paleo do Collogio du Sr. graphia, quose dir a pusso'a que da.
Dourado.
Annuncio para is pessnas
pobres.
0 cirurgiiio bernardo Percira do
<
<5
Car-
Na rua Nova n. 65, primeiro andar, ha
urna carta vinla do aertBo para o Sr. Ilr
Jos Antonio Pereira Ibiapina, a qual sera
entregue em mo propria,
Itoga-se ao Sr bauliarel Antonio llor-
^ ino residente na rua larga do Roza- *3 gesLoil Jotera liondide de maular Juei
rio n 30 segundo andar, estando con- "< qumdo est Jisposlo a pagar a quantia Je
vicio de quantos indegeutes cstao sof- ^ 43,560 de leito que seu fallecido sogro licou
ir, oilo e resignados a nao se po.lerem <% a dever romo se acha ustilicido no inven-
iralar por nao lercm com qne recom- pensar urna visita c o proseguimiento <7 |,ells pag,ir aini|a n3o ac|,0 gor toni-
\\ttE2ZMR tttCi; t '"'ponto "c se Mw" "uo n vai procu-
* rente me., que para as pessoas pobres *$ rjr na sua f*M l'ara n, l"Sar 1u0 ,leve-
J> me presiaruigrans, o que de novo con- > firmo. Assim tainbeiu que nao se dei- -i, publico, quo pelo JuilO de orpblos desla
2> xempassar ao estado tremo da mo- < 0l.|asle, so blo de arrematar emo Jia II Jo
le.tia. e na ulm. precl.ao. o que r.u <5 corr,.nla s i horas di tardo na
a auseucla de seu marido para ir visitar seu
arrial ; ncata eieurso ella levou coinsigo aua
lilha. nao eaquecendo-sc de fue-la touidi- un,
' liapen. Quaudo no fin de una hora ellas lor-
iiarain a enlrar na sala, acharam j.i ahi o dou-
tor, o qualentregoii a Corina um bilbete lo
lacnico e lno te uo como o seu.
Eis-aqul o que elle continha :
Visto que a scohora loma parte cm nossos
penares, iiiinba boa amiga, pode vir : eu a de-
sejava e agora espero-a.
Duran!.- o jantar a aenbora Briant disse a sua
lilha:
A tarde esl magnillca, Corina. Tu de-
veriaa aprovcita-la para ires ver a senhora Al-
lietle. Tanta reserva temos mostrado at hoje,
Unto empenho devenios mostrar agora. N.iu
lie assim ineu marido ?
Traursua filha por lu, consultar seu maii-
. do, era da parte da senbora Briant provar que
eatava comealissima.
He verdade, dase o doutor. Levare! pois
Corina ao castello agora mesmo.
Muito bem, ineu amigo ; mas cumprc
que a delaes na grade, porquaulo o bilbete nlo
lar. uriibuiiia inencao de nos.
Meia hora mais larde, Corina, leudo com-
posto um pouco o na cabello, tomou o brac.o
de aeu pal c ambos se eDcauiuharam para o
castalio,
A senhora Brlaul segui-os com os olbos ein
quanto pude ve-Ios, depon tbrnou a enlrar,
murmurando em voi balsa :
El) sercoudessa.
Dcil s ordena que tlnha recebido, briant
deliou sua rllha na grade do caitello ; mas
antea de a deixar, lancou oa olhos pelo pateo,
iioindo o signou otcroio alianra ao seu aiiiiiiu
Falco ,e foi com a condloo de cobrar segn- 000,000 do rs., 0 qual sitm foi aquinboado
da veidoscontribuinlcs os prejuims que po- mosma fazeinja no jnvenlano do finado
deisem ter no contracto; segundo se os contri- Francisco Carlos Teixeira; tiio dito no lugar
buinies tem obrigariio de sabercm que aua mcr- da iiontc Je L'clla com Casa do viven Ja, ro-
c be socio: fiador etc. etc., em que fulha fe/, clioira, estribaria, Senzalla, e differeiiles
ver isso ao publico, para prevenco : terceiro rrcteiras avadado em 6:003,000 do rs urna
r,ue ob" u'e T^^Z^L o'VuTo^- "s" junto ao Jilo s,t,o Com quin.-l
gitimo ar.cmalaule receben; qua.ta se quaudo e alKu,,s a"orcdos avallada em 2 OJO.OOO da
Falco voltaraqui, se teiu.dlreitocomolegilimo .: urna dita Jila na rua Ja Ponto Velha do
arrematante acobrar as qnanlias que sua mer- bairro da Boa-Visti n. 16 avaliada em 2.000/
ce est chamar com mandados depciiliora sem de rs.; dila dita urna sita em Santo Ama-
n. 18, primeiro andar.
Aluga-se urna ami de leile, forra ou
cativa d-se i.om tralamenlo o paga-so .. HSJit duzentoslnil ris a juros
bem : na rua da SoloJale confronto a pady- por t 0 Je dando-se egu-
calriz do un lalho, ovou vestido de chita a- ,>. w ______- .... ,
.01 panno Bao preto. forrado Je tafel ro- d. OiW?K,XT.S?^U ma'nd" r
II. ii n nunsnreratilleadn l'recisa-se de um caixeiro que tetiha
reita ti. 80, que sera grtlllioaao. pr4llca ? venJai e ^ fMm ^ ^ con ^^S^*"*1**^^*^^ ta : um Fura de Portas, pateo do Pillar n 21.
Coksultorio crnthal iioiiccopiTiuco ;; --Pedro Aqgusto Martlia subdito porlu-
% ni: pnsAMBucM. !9'guez retira-se para Luanda.
ft! DcriyiaopchDr Sabino Olegario .ud- Precisa-se alugar um sobradinho as
?S yero Pinho. ) ruasdos Cruzcs pi eslreita do llozario, que
% Rua do Trapicho Novo n. 15. VjoSoteJa mais de 10.000 rs. : quem liver
' Todos os dias utuis se dar3o consultas miiiuncie per esta folha.
>} o reme los Je grac aos pubres.ilesdc (4) .- Precisa-sede urna ama de leitc quo s-
pela mandil, at arduas horas Ja tar- *? ja de hoa conJucla : na rua larga do Rosa-
de. As coiresponJenciasc informa->* rio ti. 2S, segundo andar por cuna da loja
Ces poderlo ser dirigidas verbil-j ,de luuca.
J. Soum vai fazer urna viagem a Eu-
ropa-
para ver se Tristo ahi cstava, peisuadido que
este o convidarla a entrar.
Cortua atravessou o vestibuio c a sala de
jantar sem encontrar um criado que a fosse an-
nunciar ; ella entrou no salo, o qual achou
deserto ; balteu na porla do quarto de Aliielte,
c niuguem Ihe I "lioii ; finalmente leve o pen-
saoicnlo de chegar a urna janella c avislou esta
sentada no jardim sobre o banco predilecto de
sen pal. Alliette a reconheceu epoucos ius-
tautes depois, ella lanfava-sc nos bracos de
sua amiga, solucndn. Corina nao linh.-i nun-
ca sorTrido, non vislo niuguem aotlVcr; mas
era amorosa e sincera, c como aenlisse as la-
grimas de sua amiga de Infancia inundarem
seu rosto, nao pode conter as suas que corre-
ram em abuudancia. Ella tlnha fciio o pro-
posito de procurar consola-la, mas vendo-a
(io desgranada, nao le sen to com Torcas nrin
com dlsposicao para o fazer, e sua emoco foi
taoviva, sua svmpathia lio profunda que foi
preciso que Alliette fosse a que primeiro rum-
peisc o silencio.
I Fique! muito coinmovida com o seu bi-
I Mirle, minlia boa Corina, Ihe disse ella, levau-
do-a para o banco que tiuha deliadopara vir
encontra-la, e fatendo-a sentar-se ao seu lado.
Muito coinmovida, juro-lhe, repello ella,
agora agradeco-lhc a sua prcseu;a...; sim ella
mefai bem.
Eu ainu-a tanto respondeu docemente
(.'orina, apenando aa mos de aua amiga ; c de-
pois que voltei para aqui teoho estado verda-
deramente afllicta por uo ve-la;
Eu linlia mudo que sua alegra, da qual
anda me lembro, me liiesse sollrer ; perdoe-
mc este mao sentimento, contlnuou Alliette
apertando Corina sobre seu pello.
A sinliora Briant tinha recommendado mui-
to a sua lilha que nao pronunciasse dianle de
Alliette o nome do Sr. de Beauregard, e que
evitasie ludo o que podesse despertar esta Icni-
branc-i. Corina, subitaincnle iniciada no sof-
friiiiuuto moral, coinprebendcu Inslinctameii-
te que esta reserva seria falta de dclieadcia e
quebrou-a iinuiediatamentc, dizendu a Al-
llene.
Seu pobre pai! Ah! quanla dor sinto ao
pensar que nlo o turnarel mais a ver Elle
era '.:1o bom, lao alfcctuoso para commigo !
Conservo sempre presente seu bello rosto lao
calmo! ouco constantemente aua voz Ah !
piTiiiitia-nie que vnlte aqu inuilas vezes sHm
de que possamos fallar dellc. hu o amava
lamo '
F.slas lernas palavras fizeram correrem maior
abundancia ai lagrimal de Alliette, mas um
aorriso brilhou no meio de suas lagrimas e
priviu a Corina que seu curaco nao a liaba
engasado.
Obrigada obrigada inhiba boa amiga,
i-Mi un.ni Alliette, pois he esta a primeira vez
que ouco prouunciar seu nome querido, de-
Siols que l'illi-i-uii Ob : sim, veoha ver-ine I
illemos delle .' saiba eu bem que sua lem-
branca he anda \ iva Aqui vejo roslos cons-
ternados como o mcu, mas a dor, que sentein
be muda como a campa que cobre leu corpo
Sel que se penis sempre nelle, mas ninguem
me diz isto, creca acalmar ineu deseipcro, e
irritam-oo! querem poupar mea corsean e
laceram-no Vuss nao lera esia cruel timi-
dez, miaba boa Corina, nio be assim ? Vosi
ii) mente, ou por escriplo, dovendo o 9
doento indicar priiaeiro : o nome, a 4;
JJ-, idade, estado, piolisslo, e conslitui- *
> (Tin ; segundo: as*molestias, que lem 4
Si tido, o os remedios lomados; tercei- t
t' a poca do apparecimento Ja mo- %
>' dos signacs ou symptomas que lotf c. 4
<.jV^**>^***.-*a.#*'.'.?,*> "*
ITi-cisa-se lugar urna ama secca que
ja lonha alguma idade, o seja de bons cos-
tumes, para o servido interno do urna esa
de pouca familia. Paga-se muito bem, agra-
dando o servido Dirigir-so rua das Trin-
clieirasn. 19, sobraJo.
-- Quem quiser consultar ou tratar-se do
molestias agu las ou chromcas, pode diri-
gir-so a rua larga do Rozario n 30, ondo
est residinJo bernardo Pereira do Carmo
Snior, quo est promplo a exercer sua fa-
culdade em qualquer hora Jo dia ou da mu-
l. Para com as pessoas pobres se prestar
g-atis
Na rua do Livramcnlo n. 15 preciza-se
de olllciaesdo sapaleiro.
. ..
ser o echo de minhas queixas, a confidente
de minhas angustias ; era finalmente mlnlia
irma, visto que o chora '. Ah 1 porque nao ti-
ve mais cedo o pensamento de chama-la cm
mcu soccorro ?
Qoer que vamos orar sobre sua sepnltu-
ra ? perguntou Corina com urna vos, cuja do-*
cura penetrante causou um moviuiento de pic-
dosa alegra na alma de Aliielte.
Oh mu, quero venha venha
Ellas se levantaram c pozeram-sc cm mar-
cha com os bracoi euticlacados. Os caminhos
da aldeia que percorreraincslav.ini lo dcsar-
tos, porque a noitc tinha j cabido, que as duas
raparigas ciiegarain ao cemiterlo sem eucan-
trar ninguem. No momento ein que iam ajoc-
Ibar-sc Junio da pedra que deslgnava o lugar
em que o Sr. de Beauregard tinha Uo sepul-
tado, pciccberam que nao ust.iv.im sus. Um
boniem vestido de preto eslava all proitado e
orava.
O' ineu pai! Vine, me lem perdoado?
dlzia urna voz entrecortada de solufos, que
Alliette reconheceo ser a de aeulrmo.
Tristo, voss est aqui ? disse ella ter-
namenle. Por que raiao velo Toase aqu lem
mim ?
Triito deu um grito que exprima aomei-|
mo lempa o terror c a colera; depois levan-'
i'iii-se c foi por-ie diante de sua irma na
attlludc de um pbantasma aineatadur.
A pobre orpba. gelada de inedo, chegou-se
para .sua companbuira, que por sua parle nao .
delxara de estar um pouco assusiada c trmula i
de um encontr que parcela dever dar lugar
a e*plicacc lluuvc um inlervalo asas longo de silencio

BOWMAN de MC. CALI.UM, engenbei-
ros macliinislas e fundidores de ferro mui-
respeitosamente annunciam aos Senhores
proprielanos de engenhos,"fa-zendeiros, mi-
neiros, negociantes, fabricantes e ao res-
peitavel publico, quo o seu eslabelecimenlo
de ferro movido por machina do vapor con-
tina em ofieclivo excrcicio, e se aclia com-
pletamente monlado com apparelhos da pri-
meira qualidade para a perfeita confec^flo
das maiores pe?ss de machinismo.
Habilitados para emprohender quaesquer
obras da sua arte, Bowman & Me. Callum
dosejam mais particularmente chamar a
=&=
j durante o qual as duas raparigas nao se tran-
quilisaram, porque ao nicsuio lempo que os
ltimos clares do crepsculo inostravam-lbes o
rosto paludo e irritado de Tristo, o silencio
que reinava em torno dellas, nesta hora e nea-
tc lugar, permitti'a-lhes ouvlr sua lespiracao
ruidosa e sotlreada como a de um boniem do-
minado pela mais violenta emoco.
Mcu irm'i, inurmuroii Aliielte com urna
voz que revelva bem a que ponto seu cora-
co eslava dolorosamenlc commovido, permit-
a qoe lhc pergunte oulra vez, por que raso
velo voss aqu lem misn?
__ 1-. von, por que velo aqu sem mlnha
licenc ? pcrguutou Tunan com o empenho de
um boinem que Interroga para aubtrabir-ie ao
embaraco de responder.
Porque, Tristo? respondeo Aliielte com
mais firmeza, porque nao cria qne urna lilha
tenha neccsiidade da permlsio de quem quer
que seja para Ir orar lobre a sepultura de seu
pii. Se mlnba mal fosse viva, eu nao Ib'a
pedera.
Poli fallarla a aeua dcvcre para com ella,
assim como falta a seus deveres para commi-
go ; esquece-sc que sou hoje o chefe da la-
milla .'
Se eu fosse capaz de eiquecer-mc dino,
ineu irmo. esta pedra m'o leiobrarta, reapon-
dco Alliette esforcando-se por conter os lolucoi
que entrecortavzm suas palavras, c indicando
com um gesto respeitoso e digno a sepultura
de seu pai.
Prohibo-lhe que venha aqui, quando cu
cstlrcr neite lugar, exclamou Tns.o com
una violencia sempre creicente ou menos
ros ao bom desenvolvimento phisico, in-
tellectual e moral. Habitarlo sadia, com
as accommoJaces necessarias, e todos o
cuidados que um pao polo dispensar a seus
lirios, ilustres escolni los de grammalica
latina, franceza, msica vocal o instrumen-
tal ; se i ncan-egaram de aperfeigoar o in-
lelligencia dos alumnos.em quanto oao-
nuncianle dirigir especialmente as primei-
ras leltras, n3o poopando eaforcos para a-
diantar os seus discpulos; em flrfl a mo-
ral e a religiSo serSo cultivadas, como c m-
vem quem subre ludo quer formar bons
ridadaos. A nica recommendaf&o plau-
sivel este respeito he um exame ocular,e
para este lim o annunciante convida a lo-
dos os paes de familia que d'antemSo qui-
zerom certificar-se da rualisacSo das pro-
inc-sas do annunciante, para quo se diri-
ja ni sua aula eahi examinen) por si mes-
mos a ordem e regularidade dos trahalhus.
e as mais condifOes que licam enumeradas,
O annunciante espera coutlouar mere-
cer o favore conlianca do puplico.
Francisco de Sales a"Albuguergue.
Aos deutes.
i. A. S. Jane, dentista, tem a honra de a-
visar a respeitavel publico, que se acha
residindo na rua nova, primeiro andar, u.
19 onde estar sempre prompto quilquer
chamado das 9 horas da manhSatas4da
tarde ; o annunciante enchorta de uai to-
dos os denles, que para* isso lem um cora
pleto sorlimenlo de denles artiflciaes da
porcelana, sendo esta coroposifSo incorri-
givel mui delicados e do ultimo gosto, e lo-
dos os mais acceasorios tendeles a sua
profissao : o annunciante assevera a (odas
as pessoas que se quizerem utilisar do seu
prestimo, que nSo exige paga alguma oio
iicando os denles bem postes; que nao se
possam iliimunuar dos proprios denles na-
lur.ius, o podenJo-se mastlgar Com OS mes-
mos toda o qualquer comida, sem sentir
a menor dr, aem ter receio de oa quebrar.
Tambem chumba os denles naturaes fu-
ios da carie, com ouro nu prala, preveniodo
assim a conlinuacSo da.caiie e doics, e
mesmo evitando por essa forma de passar
a carie dos denles furados para oa oulros
Sos : tambem tira pedra ou carie dos den-
les em geral, que tanto damnifica ecoope-
>a para o mau balito da bocea, nSo sendo
tirado : o annunciante lia 12 annos que
exerce a sua prolis&o oesla praca, e esse
longo lempo o deve garantir.
-- Precisa-se de 400,000 rs. > dando-sc 2
por cento ao maz, e por fiador um negoc-
enle muito acreditado : quem quizer dar,
aununcie a aua morada por este jornal.
refreda. Prohibo-lhe lito, c voss me obe-
decer, se quizer vlver cm paz commigo.
Enio, ni,'ii irmo, tenha a bondade Ac
prevenir-mecada vez que leus panol ae diri-
girem para este lado, reapondeo a pobre me-
nina com urna dor viva, mas tambem com a
docura a maia anglica. Sim, prevlna-me,
continuou ella fazendo um movimento para
se aproximar de Tristo e prgar-lbe na mao:
previoa-me para que dor de nao poder orar
com voss aobre esta chara sepultura, nao ve-
oha ajunlar-ae o pesar de Ihe desagradar e o
leinor de o molestar.
Trislo deu alguna passos para tras, como
se quizesse lubtrahir-ae alfectuoia demons-
trado de aua Irma, e depoii disse-lhe com
um accento que desla vez exprima mais deses-
pero que colera.
Quando eu vier aqu, quero e devo estar
s, porquanto o que linio, ninguem o pode
lenilr-, o que peco, ninguem o pode pedir,
netira-te, pois, filha da ineu pal! accrcscen-
lou Tristo com um gesto Imperioso. Tu ora-
r lus do dia, eu meditare! na sombra e
uo silencio da noute. S. lua vlnda teria sido
urna Imprudencia; acompanbada, be quasi
um crime.
Se nao fra a presenca de Corina, he prava-
vcl que nada terla Impedido Alliette de iotei-
rogar aeu irmo sobre aa palavrai aingulsres
queacabavadedirlglr-lbe; mai uinaenllunel
IjcII de comprehender-ie, deu-lbe a l"ort'*e
vencer ai torturas de sua Inquieta curioswa-
de, c resignando-ie asupporta-las al ao ino-
lento em que-podesse pedir coovenlentemen-
uma explicaco, ella llmltou-ie a dlzatr:
Eu me rellro, ineu Irmo At Juro f'
MUTII ADO



Kesposta mesmo ao frigir dos ovos.
Os doui iocommo lados pelas serenatas
, c,rs. caieiro-> e niais socios do segn lo
,nJar de certo sobrado na ru do Rangol,
ae faz fundos pera os da Penha e l.ivra-
inento, para evtarem engaos, o maos jul-
ios iulijaa) prudento declarar aos jovens
nitscos, que em suss conjecturas erraram
de popa a otoi ; porquanto nem os dousiin-
rommodados So velhos, nem teem fllhos a
crinr, cotu. quanto lenham familias que
'Wserenalas, meus jovens dilectantes, sSo
Dissatempos innocentes quando dadas era
Scc.sioes opporumas, mas ninguem dir
aueseUdivertimenlo toleravel o tucar-se
H.ula e vioiao, cora o acento da m.viosa
,01 de msico de capella pobre toda urna
oite de chrislo, privando-se assim a um
Sobre chrlstao le pregar olhoem toda ella.
Ora, n,lo sabis, que tanto as voss.s serena-
tas de toda noite nSo sao innocentes, que
o a polica manda filar aquelles, que em
Uos dez horas, e pelas ras dam igu.es des-
canto. ? Quan gente boa para cantar as
omanlica, modinl.as, os bellos lundu.o
son do armonioso e bam tangido violao.
quanta genio, dzem s por se dar a esse
?niocente pa ..lempo em /lian esquas,
paleo, ou mesmo na porla de sua casa n3o
fot visitar as plaga" ioo-pitas da iberia bra-
s/leirii Ab .'queridos jovens dilecianles,
quaoto porderam eses infelizes era nao te-
rem tao bom advogado como vos /'....
Queris que n3o s nos, os dous incom-
modados, mas tambem um ceito velho a
quem rallis vamos morar as nulas por-
que na praca vive'a genle, mas he essa mes-
nia razao que 'allegamos em nosso favor.
Amice, gente, e gente que sabe ser gent-i
he civil, e quem he civil nao iocommoda os
autros pelo principio de querer divertir-se:
equemquer viver a larga, quem quer sal-
lar, correr daseoibestadamenle, cantar at
enrouquecer, tocar flauta azoinar os mais
r.lield -s ouvidos, tauger violSo u morrer,
quem quer ser hornero livre, deia a praca,
itolie a cidade, onde s se pode viver se-
gundo as leis da civilidade, e enlao bem an-
damos em lembrar-vus as matas. Y. agora
que dizeis ao arrasoado, meu Dr. de tib
quoque?
l'edis-noso raais ao velho, que por amor
de uossas familia, nao continuemos a diri-
sir-vos insullos .. : ora, queridinhoi, nem
13o calvo que vos apparecam os milos, e
flor sabenJo que depois que nos nasceram
os denles perdemos o medo es almas do ou
tro mundo.
Qneridtnho$, n3o tenhais receodo que
vos queiracnos privar do vosso recreio, sim-
plesmenie queremos n3o nos ncommoJeis,
fazei isto, combinai as cousas de modo, que
possamos descancar, porque, olhai, temos a,
vida 18o oceupada..., e nos vos promelle-j
nos deixar-vos em paz.
P. S. o vosso coust-lho demudar-nos nao
mesa a lodos os membros que tom de dar
o seu Voto nessa elelcSo, para coniDarcce-
rem no mencionado da IS, designado pela
autoridade competouto, como se v do des-
3
Goiupanhia de accionistas do titea-1 Na ra Fova n. io,
tro de Apollo. 'vendem-se cassa franceis, o chita
NSo se tendo effectuado
dita,
n do bom Rosto, incerados de
a rom narat.mull nn"s
pacho.que se segue.-AWist. da inrorma-SYoqu hav^o .Jdo convocados_^
do escrivSo lera lugar a mesa nodiatsdo
crrante; o assim fica revogadoo despacho
anterior, devendo o esorivSo da irmandade
fazer os convites do estylo.
~ A absiio assignada declara ao publico
e protesta proceder contra quemo contrario
fizer, que nao contrate por ora com seu ma-
rido Francisco Jos Duarte Csmarco, mora-
dor na ra da Concordia do Recife, porque
seodo esto oxecutsdo a 4 do corrente agosto
de 1831, em cumprimento de contonea que
obtiveram ella esua lllha, para pelo negro
Tliom que para alimento deu-lhes, e que
dnpois foi preso a requerimenlo de quem se
diz legitimo senhor, entregar-lites oulro ou
500,000 ra., valor por que foi dado, tendo j
elle comprado-o por 26:2,500 rs. inclusive a
siza, como diz o papel de venda, hoje em
autos ; trata dissimuladamente fazer ven-
das, allm de n3o s frustrar a accSo da jus-
lica nesta execucfio.como para iijkar a mea-
i,m i da annunciante; pois na taroe do mes
tito da ? fui pelo (litio,a quem de toda mauei-
nislas, no da 7 do mezpas
mis-o administrativa da mesut enmpa
nhia os convida novamente para seasao ex-
traordinaria da assembla geral, domingo,
iodo correlo pelas 10 horas da mantilla,
allm de ter lugar a revisSo e emenda de al-
gus artigos dos estatutos que regem a com-
panhia, conforme a deliberadlo tomada na
sua ultima sessSo.
'.rto'.'nmices manteletes e espolinos pretos e forts-
{' Tirocinio harmnico. I
t>' Est exposto i venda e para se dis- a)
(r tribuir pelos assignanles o 1.'numoro j
fg do interessanto peridico musical o )
fe limcinio harmnico constando de urna >)
V excellenie modinha com acompanha- )
V ment para piano e urna valsa tam- -j
t bem paia piano, composicOes do nos- 4
fr; socollaborador e insigne artista per-
. ambucano o Sr. Pedro Nolasco Bap- S
*> lista. Este peridico, que j desde o >
: auno 11.41. foi annunciado e n ni tovo <
ra procura desconcoituare intrigar por car-, w execua0 por certos inconvenientes, #
tas unmi 1 ni .. com as pessoas deamizade,a- tein j,. cuiilinuar agora sahin 10 luz prehendido o preto Zacaras, escravo delle, M u01 numero em cada mez ernquantu #
dous papis do vendas de escravos, feitos a a formos animados pelos amanti-s da *
Rita Mara de Jezus, e a Antonia Mara de Je- m, jivina arto, os qtiaescortameuto n3o 9
zus, mana desta, ambas com elle habitan- g doixarBo de coadjuvar-nos medanlo (?
tes na mesma casa, leudo ido os ditos pa- ^. suas assignatur^s, offerecendo-lhes 4
peis a Olin.la, dopos de assignados pelo v us pequeas composiOes originaos *
mesmo Camayo como vendedor, e Manool jj e ae bom gosto para seu eulreleiii- f
Joaquim Botelho como segunda testemu- ^ mCnto. Osassguahtes pagarSo-por #
nba, para serem assignados, no intervallo t cal|a numero t.ooo rs. 1 vende-se a
delxado, polo portuguez Coronyino Kran- ^ vu|So por 1,280: no llecifo, ruado W
cisco da Cunha, cum morada o taverna na r Hruin, casa contigua as que cstao re- IJ
ra de S. liento de Olindi, e casado coma 9, a,,rBj>a do alinliamnlo, e na ra da W
irmS daquelUsde nooio Joanna: avista pois ~,: cruz, loja de livrosn. 56: em Santo #
do que (lea dito, que alem de j muitosa- ^ Antonio na ra Nova n. 8e 11. Nesses (9
btdo, fcilmente provar-se-lia, queaSocla- ^ |u(.ares s0 receben) as assignaluras. a
rissimas suas malignas iotenQOes, e que a ^ o Ediclor. W
diz-lo he forcada a sua mulher Joanna Ma- ^^^^aa^jp^j^ft^^^pa-^i)^.*
ra mcM.Francisca detalles Khes Maciel.: .
% Consultorio homaomthico dofacullati- Q ou em oulro lugar igualmente prximo ,1a
m voJ II Casanova. \ cidade, o qual telilla boa casa o bastante ar-
Gratis para os pobres. voredos de fruclo : quem tiver annupcie,
Na ausencia do facultativo J, B. ('. 1-
sanova, o professor homccnpallia
O Gosset Bimont continuara com os
tiabalhosdo mesmo consulloric, on-
j) de poder ser procurado a qualquer
ara tratar, a ra Nova ti. 41,
- Precisa-se do um criado n< ponte vollia
ou dirija-se, .
O primeiro andar.
ooooooooooo u. 14.
A01 habitantes da billa Capunga.
Na venda nova da Capnnga ilo Manoel d-i
Souza l'erera Jnior existe um deposito do
fariulia do mandioca de S. ullmina, de
s Srs. Guslodio Alves da Gunlta, e Jo- Iho da.condcelo do Recifo para est9 lugar,
s Alves de Souza, aquelle que morou na ra mais o despezas de carretos.
dos Guararapes, e este na ra do Pilar,
nosserve, ora o era bem bom, liav.a do ueirMn d,rigr.se a tvraria n. 6 e 8 da pra-
andar um fillio de Dos com os cacos na ca-! H .
"I d. 1^. _-------------ompras
Irava terriveis e insuporUveis tangedores1 nuvo tiuuianu, Compra-se um relogo, patente nglez,
de violSo.... zas mudanca ; chegava alli e Na ra Velha, casa o. 74, tnge-sn de todas sen lo de ouroe bom regulador : na ra do
e esbarrava com um locador de buzios.... as cores,tira-se 110 loas, o prepara-se casacas Uangel n. 64.
ca nova mudanca, e isto se tornara nter- que lenham algumas nodoasou defeito. .. Compra-se urna escrav.a mot;, do bo-
miuavel : ora pelo amor de Dos! Havia No pateo da Ribeira, loja do sobrado n(a finura, crioula, sadia edo bous costu-
alguein apalxonado da caca, quando dous u. 15, engommase e lava-se loJa a quali- ,.< que saiha cozer c engommar : na ra
dos serenatas, e vai dahi um mcommodo, o dado do roupo, por preco maiscommodo do AfagSo n. 9, primeiro andar.
retem om casa alguns das, e o nosso lio- do quoemoutra qualquer parte. I Com^ra-so um pretn, quo saiba cozi-
mem para nSo perder o habito pinta pelas 0 Sr. Francisco Antonio da Silva, da nhar o engommar, equenSo exceda de 30
parejas alguns passaros e ei-lo a cacar, tiro ra do Uangel, queira mandar pagar a as- anuos de idadu na rua da Cruz n. 46.
aqui, tiro acola, Irus, fugo..., c a caca em siguelura desle Diario, o em quanto nao-0 | .. compra-se para fra da provincia,- un
breve pareca urna grande cliamm; tanto fizer ver o seu nomo publicado cm letra mulato >lu 20 aimos o do bonita figura, o se
fumo de plvora sabia pelas varandas : mas reJonda. entender do bolea roeluor, paga-so bem:
o visinhodo segundo andar (o cacador 010- Precisa-sede aprondize o liradotes .le na rua ugs Larangeras numero 14, segundo
rava no primeiro) lembra-se urna bella ma- fumo, paga-so bem : na rua Imperial n. 11. alljar.
nlnla de que muilogoslava da pesca, e para Na rua dus Agoas Verde, n. 14, lava-se, __ coav,ra-so urna carrosa, apparclbada
deslrahir-se derrama pela casa quanta agoa e engomma-se toda qualidadc de ruupa, por a cav,||0 u0 esleja etn bom estado : na
pode, e ei-lo por seu turbo de vaiinlia, an- preco mais commodo do quo em outra rila 0 |ireSi jU|,io a caixi o'agoa n. 34.
zol, e sambura ; pula aqui, escorrega acola, qualquer parto.
o poixe nicles, em compensarlo porm a ca- ty+tylfWWWf ^V'v W v'v ?V v1
sa era um lago, corra agja por toda a par- p,.mera8 |etras costura, bordado
te; o tanta que quasi inunda, e afoga os '
passaros do calador. Ora, se os dous in- e ores,
cooimodidosselembrasseaj do locar gaita,; Umisenhora honesta e quoseaclia con-
quando os jovens dilectantes langessem vio- venientemente habilitada, se ofi'ereco a en-
Ijj, que lal sera?.... sinar meninas por modieo preco : quem de
^^ ^~. ^. c^ -> -^ seu prestimo se quzer ulinsar, dnijase a
aawjlanan mnnaaaa ruadoAragSo u. 12, segundo audar, quo
mTmf W W mT W VM W achara com quem tratar.
INDICADOR DOS ALCOUDUS M AMAM^MM
Joa Luiz Pereira, pretenlendo acabar
at o fiai do corrento anno com a sua lija de
lerragens da rua Nova n. 16, oll'.rece a
quem a queira comprar, o principia desde
ja a vender qualquer porcjjo de ferragens
011 miudezas pelo que llio custaram ; apro-
veita a occasiao para rogar a seus devedores
queiram satisfazer seus debilos no ptoso
de 30 das para o nSo constianger a chamar
silln 1 n/ n.in iiiivo e interessantissimo por folltas publicas aquelles quu so esque-
netbodo.bem gravado,volume em papel car- cerern.
tio, foi malo grn vi-a ment n. 27, a 4,000 rs. Hoga-sc aos de ama a una s pessoa, aabendu cozinliar,
7IOLA
Sern auxilio de mestre e sem co
nliecimento da niuzica.
similores assignanles, que anda no procu-
raran! esta obra, se dignem mandar buscar
ssus exempiares at ao dia 15 do correte
porque depois desse dia nSalcrao mais as ~/f
garanlias da astignalura, quanto ao preQo--
isto porque existe um pequeo numero de
cxemplares. e para dispor delles, o autor
precisa desembaracar-se daas>ignalura.
A mesa da irmandade do Senhor Bom
Jezus das Dores, erecta na igreja de S Gon-
zalo, lera a declarar a todos os irmSos da
mesma irmandade, que he falso o a n num-ni
lavar e engommar : ua rua estrella do Ito-
z-rio n. 17, primeiro audar.
I
Pitillo i C.'alfjnoiix, lentlaln #
1 franct/. OBfereee sen pn-li-
mono piillico para lodosos *<
W mlsteres de sua prossao : i
pilc ser procurado a qual-
9 quer Hora cm sun casa, na t..
V rua larga do Hozarlo, 11. ;1G, A
segundo andar. ,
CAt9SCtCAff9990S909S@?i
Aluga-se um silio na campia da Casa
. Forte com boa casa de vtvenda, mu i tos ar~
publicado no Diario de Pernambuco o Im- voredos de fruclo, boa agoa do beber, es-
irensa, de 6 e7do corrente, convocan lo-os tribaria para douscavallos com toda a frente
para a eleico no dia 8 j semolhante annun- o pai te dos lados murado, portao do ferro :
ci foi feito sem que a mesa delle tivesse a tratar na ruadaCadeia de Santo Antonio
scienca, e em contraoosic.9o do que se acha n. 15.
dc'erminado pelo Sr. juiz de capellas o qual Na rua de Agoas-Verdes, Sobrado de
por seu respeilavel despacho datado de 6 do um andar 11. 14, dSo-se bolos de vendagem,
corrente, marida que se proceda a eleicao pagando-se quatro vintns por cada pataca:
nedia15, que he feriado, o mais apropriado tambem se recebo qualqer oncommenda, o
para se proceder taesacios, como lem sido se armSo.bandejas do muito gosto, le do lo-
sompre cotlume. A'vista disto, couvioa a do o pre$o.
"' ..... -' ......
esla sepultura que Ihe obedcccrel, por mais e enlao um solu(o doloroso responda a eslc
cruri que me parrea nina prohlblcao que me mudo aperlamcnto.
condeiuna '
Depul
Compra-se urna pequea pronsa dea-
parar livros : quem tiver, annuucie.
Cotipram-SO papel impresso {Diarios),
que nao tenhaO sido encaiiernados, a 2,560,
a arroba, e a 80 rs a libra : na prici da S.
Cruz, paderia u. 106.
Compra-se urna escrava de bonita figu-
ra, equeseja boa eozuilicira, engoinmadei-
ra e costuretra, para fra da provincia : na
rua do l'asseio, loja n. 31.
__Compra-so um bilhar, com todos os
seus utencilios, cm bom uso: na rua do Cres-
po n. 16.
Compra-so urna, ou duas correntcs de
relogio, de ouro, em segunda mo : no pa-
teo do Hospital n. 30.
Vendas.
DE VERES DOS HOMENS,
a 5oo rs.
Vende-so esto compendio aprovado para
as aulas, em me i a oncadcrnaQlo, a OO rs ,
cada um: na livrarn. 6 e 8, da praca da
Independencia.
Siuio de Nantun, a 640 rs.
Na lvrara da praija da Independencia n.
6e8, vende-se slo compendio approvado
para as aulas, pelo prce,o do 640 rs.
Principios geraes de economa pu-
blica e industrial.
Vende-se este compendio, approvado para
as aulas do primeiras lelras, a 480 rs.: na
pra^a da InOKpen'loncia, livrsri n fin,
Bilfieles do tito de Janeiro.
Aos 2o.ooo,ooo de rs.
Na loja de miudezas da praQa da Indepen-
dencia n. 4, vendem-se bilhetes inteiros,
meios, quarlos, oitavos e vigsimos da de-
cima terceira lotera do hospital da Sania
Casa de Misericordia, que corre no da 5 do
correte*
Milao-
Vende-se milSo fino, a 1,400 rs., o nusso
com n i'iii'i ii.-j.: na rua doCabug, loja de
miudozas do Uuaite n. 1.
w
a chorar e a orar sem voss. I Allictle va bem que teria sirio deseudeve
ella srgulo a Corlaa. a qual, ir-apressurar-se em dar uina eiplicaco conve-
a\i ineni "l"-"f** aparlaram-ae vagarosa- nao se leudo sentido a principio com fureal pa
miar' pa'e\" "'" vol'ar a cabeca, tein es- ra o fazer, ella reconliecia de momento em 1110-
^uiai para saber o que ae passara atraa dellas. memo que Uso se Ihe lornava cada ve mal
nueileA "'"''* de dor e "'vorada de ia- difficultoso, o que era um soll'iimcnlo de mais
din *' '1U'ca qUe uo 'lnn* frfa para accresctnlado a todos os ouiros.
im elCMv o apoio do braco de sua A' Torca de vagueares*direila e esquerda
anii. i i"P lerl* canldo desmaiada sem ter consciencia do que faziam, as Uuas a-
terin n I,od''10 '*hlr do reclolo di. cemi- ] migas chegaram por acaso dame da casa do
lerrnre. n.^"0!"""08 "' ln,i' '"ubres, os doulor. Foi Allielte quem primeiro deu f dis-
aene.hV. Pungentes se chocavam ein'so, aem duvida porque llnha neceseidade de
a iicnn n. TS Sf podil dar Preferencia oslar s. em vet de que sua amiga teria queri-
tdo? n '* me"" lemP por,donaodeiia-la anida.
o coras de'-' '"--" ,errlv,!!. Pe,va '.obre I ~ Adeoi, Corma, laedisse tila ternamenlce
nu'jrVcvnud eutre elle nSo e '"a-
i que a de
o*., ^v;^10
Asdu
guai
cuida
"unclirem
mesmo co
llldn.. a----------""' l"s'" |'=wiiiicn
U? brafo de *"' Pa'"do P"' b.l4
ueu, oapertav oonvulilvarneuie ao pcltoi
uS-A "MUnlS par. |f
Alele '"""" a'">a 'naia forte qu
|dl,.r*.P*rii" nJa"" raole. poral-
1 iostao.es uo, camiobo, da aldela. sem
i...L """" u,1]a direcelo, aem pro-
'" um ,6 p.|,a, ,era p.Kce'^.u
Juicar pelo peosamento. S-
na qie
' bailo
1 pellu,
'i
prcasa em accrescentar:
Porque nao me diz vossi! at logo?
Por que t ab I nao acaba voss de ouvir
que nao sou senhora de minbasacedes?
Ouvl seu Irmo pedir-lhe que nao fosse
nolte ao cemlterio; in coinprebcodi que era
por lulerease que loniava em aua ande.
A engenhosa dellcadesa desu inlerprelaco
fot um alivio para Aliielte, e aem a considerar
como sincera, ella creo que era deaeudever
parecer aceita la, porquanlo era eslc mel de,
jusiiticacHO que liutia procurado sem poder'
descubrido; lio perturbado eslava seu espi-
rito I
Voss lem rasSo, respondeu ella esforcan-
lidos, fil de malme branco, preto e cor de
rosa, franjas, trancas,bcos de lilmi ',, dltoa
de malino o de valencienne brancos o pro-
toa, fitas ricas, llores e cpelas de flores da
laranja, e muilo mais fazendas de bom gos-
to e de preco commodo.
Vende-so tima escravasinha de 14 annos
e I111111 moleque de 18 na rua do Queimado,
O. 7.
- Vende-se um proto da Costa, de bonita
figura,sadio, proprio para gBiihar na rua ou
para servico de campo : no botcquim da
rua Nova se dir quom vende.
Vende-se urna escrava que faz o servi-
co de urna casa, por 220,000 rs.: nu beco do
l'adr, sobrado, lado do sul.
Vende-se urna negrinha de 14 a lean-
nos: na rua do Crespo, loja da esquina que
vira para a Cadoia, se dir quem ven le.
Pechochas?
Vondem-S) pecas de chilns finas, a 5,500,
6,000, 6,500 e 7,00 rs., em covados a 160,
180 0 200 js. ditas francezas largas de 280
rs o covado ; superiores corles do catn-
liraias de MlpiCOS miudos, de cor, a 5,500,
6,000 e 6,500 rs. com 8 varas ; frankliiu
preto. superior fazenda, a 400 rs., o eovado;
algodSo do listra, para oscrvos, a 200 rs., o
covudo ; pecas de maJapolilo, para lo'rode
20 varas, a 2,240 rs. ; cortes decambraia de
seda, a 15,000 rs., o corto ; cortas deoassa
Chita, muito linos, a 2,100 rs. ; pecas do al-
gOJ3o transa lo, proprio pura escr.ivatura,
por ser de umita dura e elstico, a 3,600 rs.,
a poQa ; pecas de cassas, para babadus, a
2,400 02,500 rs.; pecas de bretanlia d li-
nho, com varas, a 3,000 rs ; cortes de cal-
sasdobrim decores, a 1,120 rs., rom 13 e
meiu covados; corles de Casimira, muito li-
no, a 4,000 a 6,500 rs.; ditos do meia casi-
mira, a 3.000 e 3,500 rs ; riscadinhos de li-
nho, a 360 is., muilo lino ; algodes para
saceos, de superior qualidade, a 210 rs., a
jarda; riscadiulios francezes, a 210 rs ; ror-
t<8 dugambiees, de superior qualidade,
pelo diminuto proco do 1,860 e 2.0UO is.,
cad.i corto de caifa ; cortes da oambraii i"
uliiuiu gosto, pelo diminuto preco do 7,000
rs., lazeiida muito lina, o oulras mulls fa-
zendas, por protjo inulto couiiiiodo : im loja
da estrella do rua do Queimado n. 7.
Vcndem-se saceas coot fanuba de Ma-
go, da mais superior qualidade e por com-
modo prego : 110 aiazotii del'routo da ram-
pa daalfaudega.
-- Vende-se uina linda cabra, do l! a 20
alios, lio perfeita costur.nra, marca, fu/
lavarinto, engomina c coiinha o iliurio do
urna casa, lem muito boa conducta o he bs-
tanlo carinliosa para criancis ; IraU-Se na
rua l/ireita ir. 25, segundo ,,.V ,
Vonlem-se volas do espermocete, ct
caixas, de superior quolidado : em casa de
J. Keller o Companliia : na rua da Cruz nu-
mero 55.
Na ruadas Cruzes n. 22, segundo an-
dar, vendem-se duas escravas cre.iulas, de
22 a 26 anuos, bonitas ligaras, quo enguiii-
mam bom, cosem Cfiflo, cozinham o lavam
do salino, e una dellas !'o 11111 lillio mole-
que do 2annos; urna dila com ss mesillas
habilidades, com urna lillia creoula, de 7
anuos ; una dita da Costa, de 26 anuos, op -
tima quitaodeira ; utn molecota de linda ti -
gura, de 18 annos, perfoilo coziulieiro; um I
pardo do 24 anuos, proprio para todo servi-
co, e urna prela de meia Idade, propria pa-
ra todo sorvico.
Vendo-sc um moleque, do 15 annos do
idade, proprio para p'goin: a tratar 110 bec-
co da I.mgoeta n. 8.
Vnnde-sj urna csciava creoula, de 20
amos do idade, com uaia cria do 3 annos,
cozniha o diaiio de uina casa, lava o faz o
mais servico externo e interno na rua do
Ro/ario 11 29.
-- Vendem-se lencos do seda de cores, pa-
ra grvala a 480 rs. na rua do Crespo
11. 23.
No aterro da l$oa Vista, loja
11. 18.
Vendem-se casinetas mescladas, o lima
para palitos, pelo baralissiuiu prego de 6(0
rs., o covado, e ainda resta01 aiguus corles
decasimia, a 3,000 rs., cada um.
Carne do serlao.
Wn te-sc carne do seil.lo, a inelhor quo
lem appareculo no mercado : na rua do
Queimado n. 14, de Jos Rodrigues Ferreira.
Loterin de N. S. do Livraucnto.
No aleo da Roa Vista, loja de calsadon.
58, vendou-se alm do outros premien o
rucio bllhele 11. 513, em quo saino 1:500,000
rs., da lutria dcN.S. do l.ivianieiuo, e
na nicsm.i loja estilo a venia bnhetes ,
moios, quarlos, quintos, decimos e vigsi-
mos da mesma loteiis, a qual corro no dia
30 du agosto correle.
Bflbeles 10,000
Meios 5,000
Vcndom-se luvas de pellica, para ho-
rnera, de cores, a 1,000 rs,, o par: na 11..1
do Queimado n. 47.
A 310 rs.
Vondcm-se Icafos de cassa e seda, para
grvala de hotnem, por 320 rs., cada um: na I p'QVrts
ijiiintos
Decimos
Para as escolas.
Vende-se nn pateo do Collegio, l"ja do
livro azul a syn n>sis do general Abren o Li-
ma, ltimamente adoptada poloKxii tTPSi-
dente da provincia como compendio da lii-
liua e historia do Urasil as escolas prima-
rias da provincia.
Preco em brochura 2,560
Encsdernada 3,2*0
Vende-se urna prela da costa boa qui-
landeira, sem arhaques, e seo*- vicios, o mo-
tivo por que sa vendo se dir ao comprador:
ua rua Vellia n. 111.
) Compram-se o veudem-so cscra-
i5 vos o recebem-se de cominiss3o ,
t tanto para dentro, como para fra da
provincia, e so dianla dinhidro so-
5% breos de roinmissSosom lovar-se ju- &-
ros, o os que fore n comprados nesta
casa, os dunos.desgostaii'lo e entre-
9 gando os escravos da mesma forma t
m que os compraram, receberSo o seu ft
9 importe, fazendo um pe |ueno des- (
4 cunto: na rua das Larougeiras u. 14, fe
$ segundo andar. J
- Vondem-se quatro bonilos pardos de
idad.ide8, 12, 16 o 20 anuo*, sem vicios,
ptimos para pageos; dois dos quaes s8o
ion. copeiros, u um uo,- tWtO remador o esti
vador, todos sem vicios e bem sadios ; 2 lin-
oas mulatlnhas de 10 e 18 annos, urna das
quacs be o emgo'nina o faz lodo o servigo de
casa ; 11 ia dila hem corpulenta, de 30
annos que rozmlia bem, lava e eingomma
solTnve.l 3 piolas de bonilas figuras, que
0111 goi)i'ii3o eoziiili3o o lavtlo roupa ; uina
dita sem abi lado ; 3 pretas lo mola i lado,
iiniavilas'qua-'S cosiiibs c vendo na rua ; um
inolecote de 20 anuos, multo li nn olllcial de
ell'aiate ; 2 pretos bous para lodo o servic.0 ,
2 Jilos do rucia idado, bem corpulentos e
sadios: na tua da cadeui do recite 11. 51, 1.
audar.
Vonde-sn na loja 0, 1, do atierro da
boa-visla, ricos veos 10 noiv, lils da lil 11-
di', licas canelas d florus e CiilOSdC la
ranjeira, capellas a caixas para madriuhas
dn noivas, bicos de blsn le, I uvas coilas c
comptilas, meiis blancas, lisas > abeila
bordada de seda, lencos de Rito do cam-
nala do lillho, neis lilns brancas ; faz-se e
eiifeita.se du ultimo gosto vesti o de noi-
vas, por comino 10 prego.
Cas d: moilaa fran;eias Bntssard
,Miilocliau, aterro do Uoa-Vis-
ta, lojl n. 1.
Nesta ctsa es/ocialmonlo de modas, os se-
iinorisnciiai3o sempre um grand/ sorti-
iiiculo do ludo o que componhe um toiletho
elegante, viudo directamente por todos os
navios dlhvre as mo las as mais escolbidas
de Pariz, em chap >s, manteletes, loucados,
bicos, litas, luva-, (los, vestiuos, blondos,
cambraiis, cassas, lingos, llores, plumas,
espartilbos, transas, tarllanss,garcas, etc ,
etc., faz-se eontinusmente chapos, touc<-
dos, vestido*, e qualquer eiif.'ilc do senho-
ra, (mo pira bailes c casamentes, como
para visltas.com gosto reconbeoido o pre-
go co.uuiodo.
Vende-se o deposito de assucar, cafa
mu do, proprio para botar venia ou mitro
qualquer negocio : no aterro da Boa-Vista
n. 43. a tratar na mesma casa.
- Van lo-se urna boa escrava, moca e sem
vicio algiini : na>rus Helia n. 16.
PRESTOL SALSA PAIIltll.HA AMERICANA
Methor mais extraordinaria do mundo.
Preservaliva mf.ilivel contra as febres.
A salsa parr liba original egeuuia de Bres-
tol possuo todas as virtudes para curar to-
das as enfermedades que provm de um os-
lado de impureza desanguedas secreegoe-
morvidas do ligado e estomago, e em tos
tos o< casos que necessitam remedios para
purificar o robustecer o sistema. F.m to-
dos os casos de escrophulas, erlsipalas, ti-
nti 1 erupges cutneas, manchas, bilis, eno
uantaoSoe debililade nosolhos, ineliagas
las glandolas, dOres lombares, affecgoes
iheuuiaticas, dores nos ossos o as junlaa
nydorpcsia, despepsia, asthmo, deanhoe
desenteria, tosse resfriados, enllammagSo
do pulmoes phlhisica quaodo provm da
ni'st 1 nono dos bronebios em pessoas escru-
pulosas, culluenzs, fndigestao, ictericia
debiltdade geral do systema nervoso, febres
agudas, calores, enfermidades das mulhe-
resenformidades beliosas, e em todas as
al'ecges provenientes de uso moderado do
mercurio, l.sia salsa parrilha se emprega
cum clllcacia em lodos os sobredilos casos,
e he reconhecufa como a melhor m'dicina
quo existe. Os frascos de salsa de Brislol
leum mais de quatro latnanhus dos de sal-
sa de Sanda entretanto que os de Bristol
sevondom por 5,000 rs. eos de Sands por
3,000 rs. Deposito central no llio de laoel-
ro, casa de Vital Lapupe, e em Pernambuco
na botica de Jos Mara Coocalves Ramos,
na ruadosQuarlcis pegado ao qusrlel do
polica.
'. 'ii>'. do Mo de Janeiro.
Aos 20:000,0110, IOOOu.000, 4:000,000,
2:000,000.0 1 :fl00.000 do rs.
Ma loja de ca nbio da Viuva Vieira o Fi-
Ihos, na rua da Cadeia do llecifo n. M4, re-
C'beram pelo vapor Imperador, ontrado em
3 do corrente, a lista da decima futra lote-
ra i beneficio do tbeatro do Nicihc oy, e o
Jurnal do Commercio com a extraccSo da dci-
ma sexta lotera do tbeatro de S. I'e tro de
Alcntara, c pelo mesmo vieran) o achar-
se a venda os mu afortunados btllietes e
cautelas da dcima tcrcolra lotera a beni-
ficio do hospital da Sania (lasa de Misericor-
dia, os quacs trocam-se por billieles pre-
miados de todas as loleria.s, titilo do Itio
de Janeiro, com) desta provincia.
Aos 3:000,^000 tic rs.
Loterii de N. S. do l.ivraniento.
Ooiulelisti Snlusiiaiio de Aqtiino Ti rrei-
ra. faz sci ule so respeitavel publico, que
as rolas da mesma lotera, andam lufalli-
vcl no da 30 de asrosto vunioiiro, o as suas
mu afortunadas cautelas estilo expOStas a
venda, na praga da I 1 leven lencia 11 4, loja
de miudezas ; na rua da Csdoia 00 llecifo
n.46, loja de miudezas j no aterro da Bol
Vista 11. 58, loja de Calcado, o na rua Dueit
n 124, loja doourves.
I'iomios rorresponden-
los asortedeSiOOO.1
Pregos das cautelas.
rua do Crespo n. 23,
Aos 0:000,000.
Casa feliz.
M 1 in llamos & Companhia, na rua Nova
n. 6. ice In rain pelo vapor Imperadur ,
os mui afortunados bilhetes, moios, quar-
los, oitavos e vigsimos da dccioia torceira
lotera da Santa Casa de Misericordia do Itio
de Janeiro, cuja lista devo chegar pelo pri-
meiro vapor
2 600
2 100
1,100
Vigsimos 600
Vendem-se farinlia
1:150,000
920,000
460,000
230,1100
SSSF verdadeir
ara curar da phtysica em lodos os seus
dilTerenlcs yros, ou motivada por consti-
paefiet, tosse, asthma, plouriz, escarros de
sanguo, dOr de cosase peitos, palplac3o
no coracSo, coquelucho bronchites dOr
de garganta o todas as molestias dos or-
gSos pulmonares.
Do ludas as molestias que porheranga fi-
n.iiii ni i-ii |iu humano nenliutna ha que
ninis dostruilivii tenha sido, ou qu" tenlia
zombado dos esforcos dos honiens mais
eminentes em medicina do que aquella
quo lio gcrnlinenle conhecida por moles-
lia 110 bofe. Em varas pocas do se-
clo inissado, tendo-so offerecido ao publi-
co difieren tes reme luis com atteslados das
extraordinarias curas que elle tem feito ;
porm qtiasi que em lodos os casos a ilusilo
lem iilo apenas passageira eo doento
torna a recanir om peor estado do que se
achava antes de applicar o remedio 12o re-
1 ommeiidado oulro tanlo n3o acontec:
com es lo extraordinario
X.arope de bosque.
Novaos & Companbia, os nicos agonlcb
ursla cidade provincia, e nonmados pelos
Snr.s. i!, c. Yates *t Companbia, agentes
geraes no llio-de-Jiinetro mudaran! o de-
posito deslo xaropu para a botica do Snr.
los Marn G. llamos, na rua dos Quarteis,
11. 12, junto ao quartcl de'policia, onde
sempre acli^rao o nico, o verdadeiro, a
5,500 rs. a garrafa, o a 3,000 rs. iticias gar-
rafas.
(nntle sortimentode bicos.
Vend m-s bicos de iliversas larguras, do
seda, lintio o ali;odao, com as amostras, o
t'ham-so patentes aos sjnliores comprado-
res : na rua do Cabuga, loja de miudezas do
Duarte n. I.
Vendo-so ou permuta-se por casas ou
sitios Desta praga oengenho Pao-Sangue,
sito na comarca ilo Itio l'ormoso, moonle o
corrento, de muito boa producgflu, com um
quarlo de goa de (rente, e meia de fundo,
com proporges para moer coa agoa vanla-
jiisameiiie, por tirar margem do rio Serl-
iiliaem : lem ptimo cerca lo quasi lodo fei-
to do vallados, c muito bom sitio para
lavraduros; quem o pretender dirija-se a
ru 1 Direita, no segundo andar do sobrado
n. 88, das 6 as 8 horas da mamula, e das 4
as 6 da tardo.
-- Vendem-se g escravos, sondo um bom
carreiro, e 5 de todo o servigo ; 3 moloques
da idade 12 a 20 annos; 2 nogiolasde ida-
le 16 annos, sendo urna recoibida, quoen-
;in;ii a, coso e coziutia o diario de uina ca-
-a 1 I bonitas esorava de lodo o soivigo: na
rua liiieila, dcfronlo do becco de S. Pe-
dro n. 3.
Vendem-se colleeces com
mais de seis lindas vistas, repre-
sentando a ponte do iiecie cora a
nova, oleo ;ic I.....ag,,brr,s com breulu- a|/an(lec,a a ponte da Boa-Vista,
do a vontade dos compradores : no arma- O I 5
zem de Joaquim da Silva Lo oes, porta da ia Clatlc de t)linda,a ponte do La-
aiiandegan. 20. changa, l'oco-da-1'anella, e a rua
Cuuro de lustro. IdaCruiconi o arco do Bom-Jesus;
Ni rua da Cadoia do Itecile 11.jb loja, von-
na mesma casa"mo'stram-se! des couro de lustro do superior qualida-'uem COU10 duas grandes Vistas de
as listas das quo ja correram. e recobem-so de por mais barato preco de quo etn Odlra 1 Pernambuco : na rua da Cruz, n.
bilnctes premiados de oulras lotorias do m- qualquer porto : quom quzer desengaar- lKalLmnn I"
se, dirija-so ao lugar indicado.
peno.
i
nou com um tom ao mesmo lempo imp:rios
do-se por dar calma e firmesa .1 sua voi; meu
excellenie irmo mi pOde ter senao um moli- ccarinlioso, puls esuva anciosa por v-ia,
vo desta nalureza para privar-mc da consola- 1 queria disp-la coiilianca,
500 de orar com elle, e atrevo-me a esperar que | Vaideitar-te, Tousslnc, disse ella aereada,
mili me tirar a de tornar a v-la, minha a- quando vio entrar Corina; pois nao preciso que esta soberbiaba recebeu a comaluvcz, e
miga. mais de (i. | que voss uio se atreve a diier-mc isso.
Toussine, que dorma cm p havia j bem Juio-llie ({na aio, miaba mil, responden
meia llora, obedeceu sem replicar, nao res- Cortas, pondo a ma. sobre o peno ; di/.eudo
i'.ll 1 Hcoii espaulada da pallipe c da tristeza
que cabria eslc roslo, ordiiiariaiiieule tao ale-
gre e l:ii> Iresco. .
Minha liltia. exclamiu ella estou corla
-- Porquaanao entra para descantar um pou-
1, loiulia amiga ? disse Corina. aleus pas fol-
gariam tanto de v-la!
Fique isso para oulro da, Corina; al
logo.
Esta ultima palavra sabio tSo fraca da bocea
de Allletteque Corina nao a entendeu bem, ad-
vinliou-a.
Pelo menos permita que chame meu pal
para ir acoinpanba-la atao castello.
Oh I nu, nao, minb.i boa amiga ; respon-
deu Allictle com viv.icul hIi-, A distancia he
muito pequea e a la est muito clara. A-
deos.... at logo.
Dizendo islu, a pobre menina que pareca ter
recobrado suas forcas, apartou-se coin uin pas-
so rpido. Illa tinli.i um projecto que Ihe fszia
deaejar vr-sesd. Corina seguio a cun os olhos.
e quando nao pode inais v-la, pui-se a escutar
o bruido cada vez mais fraco de aeus passos;
depois ella eolrou na casa de seu pal.
O bom doulor eslava deludo, conforme or-
den) que iiuli,-! recebido de aua digna metade ;
quinto a est.-i, como no dia seguinte varias pes-
soas deviam jmiar em sua casa, ealava oceu-
pada em fazer alguns arranjos em sua cosioha,
pola em semelbanlcs occasides mostrava-se or-
dinarianicute eiu toda a verdade de seu ca-
rcter.
Tendo a bulha, que lizera a porta, annuncia-
do aSra. Uriaut a vofla de sua lilba, ella a cha-
10- casa I.; Kalkmanus Irmo,
Nos o acbainos ao p da sepultura de seu
pai.
Embora! elle sabe viver; val ao cemite-
rio, mas nao leva ah ninguem. Que Ibe dis-
se elle?
Nada, mizinha: creio mesmo que elle
uno me reconheceu.
-- T me oecultas algoma cousa, miaba Co-
rimnlia, disse a Sra. Uriaut. lomando outra vi1.:
sua vo/. insinuante, e tratando carinbosaweote
Sua lilla a por tu.
Corina nao dase nada.
Por que rasan n Si. Ti isln que, segundo
. nao res- Corina, pnndo a inao
laudo assim ua costaba seno a Sra. Hriant, sua islo a pobre menina, cojos ervos cslavam aiu
llia e nnii l.eclerc, que eslava iando em seu da abalados, pnz-se a solucar.
canlojuotoda ciieinln, scui parecer nteres-, Nn ha diiTid.it algiima cousa bouve.
sar-se no que se passava ao requr de si A co-1 Quero saber ludo ludo est onvindo '
sinha eraespai;osa, c como nao eslivesse escla-I I'ois siui, mittnlia 1 Allictle fui eommi-
recida seno por um candlelro com bandeira govisitar a sepnltin a de aeu pal, esua dor com-; di/.es, eslava no cciuerio, nao veio ale aqu
de cobre, reiuava nella uina obicuridade que moveu-me profundamente. comtigo?
iinpedio a Sra. Hriant de observar a alteraco Havia j algums moineiilos, que mal l.eclerc, | --Mizinha, pelo amor de Dos, nao me in-
do roslo de sua lllha. I para a qual a Sra. Ilriaol e sua llllia linliain as lerrogue mais, exciamou Ingenuamente Cori-
-- Como foi voss recebida.' Ihe pergunlou costas volladas, pareca intetessar-se vivamen- na, ajuniaudo as nios com um ar supplicanle.
ella. 1 te nesta conversado. Sua cabefa estava levan- Tcuhu.liic dilo ludo quanto podia dlser-loc;
Too bem quanto meu coracao o poda de- 1 na, seu olhar ftxo c penetrante, c seu fuso Iperinitta que me retire, pois sinio-mc inoiio
sejar, mizinha; isto he como urna amiga de penda iminovel da ponta de seus dedos ossu-!fatigada,
infancia.
Que projectos lem elles enlao (
Nao Hz nenhuma perguntaa este respei-
(o, minha mi, nem recebt nenhuma confi-
dencia.
-. Que lizcrain enlao durante tanto lempo?
rallemos desse pobre Sr. de Heauregard,
c choramo lo.
T choraste t! Que me estaes dizendo ?
Digo-lhe a verdade, mi/.inha.
Nesie momento, a Sra, Hriant creo observar
que a vos de su 1 lillia citava alterada, e como
quisesie conbecer ludas as particularidades de
sua visita, levantou sbitamente a baudelra do
candlelro, e litou um oibar pcracrulador so-
bre seu roslo,
dos e inleriyados. A explicacao de Corina. sel ASra Hriant teria querido de boa *"""'''
nao satlsfez a sua mi, calinou-a um pouco, continuar seu interrogatorio, mas co""'
porque a deseoberta de um ullrngc teria ac- mi fosse mui aeosivel, o ""-"""""iu,,, ana
Dado de destruir aua, espera.,., j muilo in- j'^;'-;, f^gu-i ao *._SJ-
certas.
-- K Sra. Allieuc rccebeu-i
singular, disse ella com de
que se Icmbra it-ii) ttticg fi iros. Peto menos creio que o Sr. Tri.lo acom- de^r de.c.n'a^ ,,, Umbeiu
panhou-as nao he assim/
de un. modo le. quando sua sueca """l^X^'lV
espeito. Quem he .(. >%&" &K*"pX"^
, vis.u a um cern- ^^^ ^
Quaudoella vultou se para o
1 que fosse deiur-sc, achou-a em sua poslcao ha-
, _.___,._____...n. ._3i.inin res- bliual: islo he,coin a cabixa Inclinada obre o
^^ft^&ww&z poiar*,eu ,u3 iKa"meau emsu*
(ConiiHuar-ic-ft*/*
po
capou a aua mal.
luu.iu do o vio, nao lie.'


11 rrri\/iri
<


4:
TMxi para engenho.
Ni fundigSo de (erro da ra do Hruin,
acaba-se de receber um completo sorllmen-
to de Lisas de S a 8 palmos de booca, at
queas acham-se a venda por prego com-
modo, e con prompiidto embarcam-se, ou
carregain-se em carros sem despezas ao
comprador.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
III'A DA SENZALLA NOVA N. 42.
Neste estabeleeimento conti-
na a haver um completo sorti-
ruento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido c
coado, de todos os tamanhos, pa-
ra dito.
Eui cus ilc J. Kellcr t Com-
panliia, na ruada Cruz n. 55, acha-so a ven-
da o"Xcellcnto e auperior rhihn ilr ttn-
cellets, em barris de 5.*, he muito recom-
inendavel aa casas estrangeiras, como cx-
cellente vinbo para pasto.
Vende-se superior cognac velho, em
barris de 12 a 24 caadas : na ra da Cruz
ii. 55, casa de J. Keller & Companhia.
Vende-se gesso em barricas, vindo no
ultimo navio cliegado de Franca, lendo ca-
da bairica 20 arrobas pouco mais ou or-
nos : na ra Ja Cruz n. 55, tasa do J. Kel-
ler &.Companhia.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
com cambio de sicupira e bracos
de ferro ; na fundico da ra do
firum ns. 6, 8 e 10.
Vendcm-se amarras de ferro : na ra
da Senzslla nova n. 42.
TecifJo de algodao trancado na fa-
brica de Todos os Santos.
Na na da Cadeia n. 5a,
vendem-sc por atacado duas quilidadcs
proprias para saceos de assucar e roupa de
iscravos.
Moinhos de vento
i'iiin bombas do repuebn para regar hortas
d l'iiigas de capim : vendem-se na fuudigo
de Bowman c Me. Cali un, na ra do Bru
ns. 6. Se 10.
Novo Borttmento i;- fazenitas, nal
loja la ra lo Crespo II. (>.
Corles de cassa cinta fraceza, do cores ti-1
xas, por 2,000,2,400 c 2,800 rs. ; ditos da.
cambraias desalpicos, a 3,600 rs. ; corles
de chita de bom gosln, a 1,9:20 rs., com 12
covados ; cossas dequadros pura bailados,
iiini 8 l|2,a2,400 rs., a pega ; alparka de
cordSo muilo lioa, a 800 rs., o corado, e
muitas outras fazendas por barato prego.
JJombas de ierro.
Vendem-se bombas de repuso,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Bruin ns. 6, 8 e io,
l'undicao de Ierro.
Bom e barato.
VenJcm-socarleirinhascom agullias Iran-
cezas, proprias para loda a quali lade de
costura, a 300 rs. ; ditas em camnhas-fa-
/i'inl.i muilo superior, a 300 rs. ; linlias de
peso, muilo linas, a 60 rs., a miada i ditas
em esrreleis de 200 jardas, a 60 rs., cada
carretel ; a;u|iias canlofas, a ISO rs o pa-
pel, com lOOagultias; paules de halea, pa-
ra alisar, o mais lino que se pode encontrar,
a40l) e 320 rs. ; agullieiros linos, a 201) rs. ;
tesourinhas inglezas, o mais lino quu lem
apparecidu e de varios tamanhos, a 400, 60o
e 800 rs. : na ra do yueimado, loj de miu-
dezas junto a de cera n. 33.
Vende-sc
Arroz de cases,
l'arello novo,
Cha preto,
Chumbo de munio,
Cimento,
vende-se ludo por presos commodos : no
arinazemde). J. Tasso Jnior, na ra do
Amoriii. n. 35.
Panno- tinos de (odasasqnn-
Itdades.
!Sa ra do Crespo, loja da esquina, que
volla rara a Cadeia, vendem-se panno lino
preto, a 3,000, 8,500, 4.000, 4,500 e 5,000
rs.; dito azul, a 3,noo, 1,000 rs., e muilo su-
perior, a 5.1.00 rs.; dito verde, 3,800 ra.;
jilo muilo claro, a 4,000 rs. ; dilo cor .le
rap, a 3,000e 8,500 ra.; corles de casimi-
ra prela, a 5,000, 6,000 e 8,000 rs.; dilos de
cor, a 6,400 rs., o oulras fazendas o mais
barato possivel.
Cera de carnauba.
O mala superior i|ue ha nesle genero, veu-
i;, -- em |mii .i... < a retalho : na ra da Cadeia
do llctil'e, loja n. 50 de Cunta u Ainoriui.
i ellas le -leiuinn.
Vendeni-ae oslas vellas da nirllior qualidade
poasivel a itiff rs. cada caixinha de 25 libras,
trala-se
do llecil
Deposita de cal e pilassa.
ft'o .u n, -. :,i da ra da Cadeia do hecife n.
12, ha muilo superior cal de Lisboa cin pedra,
assim como potassa chegada uLliiuaiiicnlc a
reco niiin rasoaveis.
Potassa la Rassla.
Vende-se potaste dn llussia, recentomen-
t.e chegada, a de muilo superior qualidade ,
na ra do Trapiche n. 17.
Kenworthv & Companhia, na ra *' Par crisngis, pelo diminuto prego de
j -,. 320ra., maracas muito bonitos, que locan.
da UrUZ n. *. de (res maneiraa, a 240 e 120 rs : na ra do
Aindamis peclllnclia. 'Queimado, lojs de miudczaa junto a decera
Corles de casimira prela, lina, por 5,000 n. 38.
rs.; ditos de coros, a 6,400 rs. ; brim bran- | ni i^av iiliac d Vi-
co trancado de llnho, i! 1,800rs., ocorte da ^IIHIdS ( .11\ III lias til, VI
calca; dito escuro, al,6u0rs.; dito de lis- \ro i(;| i;t llllllla I' OIUS.
tras, a 2,000 ra. : na ru. do Crespo n. 6. Venden|.se lindfs c.ixinnig ddr0 com
Superiores CapaCIlOS. espelho, proprias par guardar joias, pelo
Vendem-ae superiores capachos brancos e diminuto prego de 800 rs.: na ras do Quei-
pintados.devariostamanhos.aondeoscom- mado, loja do miudezas junto a de cera nu-
pradores pleni escolher a aeu gost, pelo mero 33.
diminuto prende800, 1,000,1,400 e 1,600 Jj.tM ;is para llOlilCIII.
ra. i na ras do Queimado, loja de miudezas Ver,dem.8a sllpcriores ., de pelica ,
junio a ue cera n. jj. ponto iiiglcz. a 1,900 rs.; ditas de seda pre-
* \V .Ynnn, .rf./n. ./.i, las, sem defeito ilgum e lazendi muito su-
Corl la Mero, com f2 covado,, a 1,600, 1.800. ^ e #|g0(H brinMg o ( ^ ff
Naloia"da esquina da ra do Cicspo, que Prias '"nt,na Por reo muito en-
volla para a Cdeia, vendem-se corles de forpadas, a 320 rs.: na ra do Queimado,
cas'as chi'a.a 2,000 rs.; ditos de chita, loja de miudezas junto a d5 cera n. 83.
1,600, 1,800e 2,000 rs.; dilos de cambraia ] (jrTavataS (le IHOla.
branca coiu lislias de cf.rc, a 3,000 rs.; di- vendem-se suporiores Kravalas pretas de
toa desalineo, a 3,000 rs.; cortes de col ele mo| |o (limjllul0 pTe(.0 Jc 2,000 rs. : n>
de fustDo do ultimo gosto, a 1,600 rs ,ooii- rua do Q,ieiniado |0j de mlu Jezas junto i
Iras mullas fazeudas por preco commodo. 'de cera n. 33.
Vende-se um grande sitio no lugar do i , Manguinho,que lica defronte dossitiosdos OeHffallDuOS II MUS.
Srs. Carneiros, com grande casa de viven- Vendeiii-sesuperiuios bengaliiihas, a 500
da, de qualro agoas, grande scnzalla, co- e 1,000 rs., cada urna : na rua du Queimado,
cheira, estribarla, baixa de capim que sus- loja de miudezas junio a decera D, 33.
lenta 3 a 4 cavallos, grande cacimba, Com j :*A
bomba e tanque coberlo para banho bas- j A OUU I h.
tantos arvoredos de fructo: na rua da Con-1 Vende-se cli liysson, do muilo boa qua-
cordia,primciro sobrado novo de um andar. li.lade, pelo diminuto preeo de 500 rs., a li-
bra : na rua do Crespo n. 21.
cor-
Ricas franjas para
tinados.
Vendcm-se franjas brancas, proprias para
cortinados, as mais lindas que lem a apare-
cido e por prefo que ninguom vende: na rua
do Queimado, loja do miudezas junto a de
cera n. 33.
Vendcm-se ricos apparclhos
de metal para cha : em casa de
G. K.en\vorthy & Companhia, na
rua da Cruz u. i.
Casa de commissao de escraves..
Vendem-sc escravos e recebem-
se de commissao, tanto paro a pro-
[vincia como para lora dclla, para
I o que se offerece muitas garantas
j a seus donos na rua da (Jadeia do
[ Hccii'e ii. 51, piimeiro andar.
Cera l<- carnauba.
Nuarmazom de Domingos llodngues do
Andrajo o: Con.panhia, na rua dosTanoei-
ros n. 5, veude-se superior cera do carnau-
ba, ltimamente viudas do Aracaly, em
porflio o a relalho, por menos prei;o que
em oiitrn qualqucr parle, assim como sola e
cnuros nuudos.
R'o annaiem da rua da lUnrda n. T, con
liuua-se a vender laecaa com superior colla
das fabricas do Rio l'.rande do sul, e opreco
ein conta.
Agencia de Edwin Maw.
Ra rua de Apollo n. armaccm de Me. Cal-
muni.v Companhia, aclia-sc conilanlemenlc
bous sorlimenlos de talas de ferro coado e
baliilo tanto rasa como Unidas, muendas iu-
eiras ludas de Ierro para Snlinsea, Sgos, ele,
ditas para armar em madeira de todos os la-
maiihos c uudcllos o mais moderno, machina
horisontal para vapor, com forca de i caval-
los, coucos, passadeiras de ferro eslauhado
para casa de pulgar, por menos preco que ni
de cobre, escovens para navios, fero ingles
tanto em barras como em arcos lolbas, c ludo
por barato preeo.
AO VI DA DE.
A ellrs emiiuanto nao se acabam.
Superiores cortes de cambraia prateada.
E-tes corles silo polla jiimeira voz chega-
dos 4 este mercado,e porlanlodcvem ser vis-
tos e comprados pelas senhoras de bom gos-
to, sendo seu diminuto cusi de (,0o) ; nu
loja da rua do Crespo n. 6.
;: -.,.*,; i .,.... .,ji_,^^,,
* Na loja pernambucana, rua j
do Crespo n.i i.
ia Vendem-se ricos enrerados, do bo-
M) nilas estampas, com 8 palmus de lar-
R B". ,J
* r>r:~ .< *X :.-.........^.-.iTO
Vendem-se couros para cu-
beras de carros os melhores
uc teni vindo ao mercado : em
casa de ti. Kenwoilhy ik Compa-
nhia, na rua ta Cruz n. n.
Luvasde torca 1 c de peli-
ca, para sen hora.
Venilem-s superiores luvas prelas de 1ro-
?al, a 1,000 e 1,28') rs., o par; ditas sem de-
dos, a 240 rs., fazenda superior; ditas de
pelica brancas e amarellas, a 1,000 rs. : na
rua do Queimado, loja do miudezas junio a
de cera n. 33.
na rua o irap
Mr99aM:(M8&$:$SSi*+A9
% Alfodao para saceos. %
S>; Vende-se muilo bom algoJSo para
a>, saceos de assucar, por prc^ocomino- t>
. t do : em casa de llicardo lloyle, na
H rua da Cadeia n. 37. j.
4*::r* ^^'?'.tfea
Vendcm-se relogios de ou -
ni c prala, patente inglcz: na rua
da Scnzalla Nova n. !\i.
M< c ni'ii- stiptiioi'l-.
Ra fund:t;3o de C. Starr & Companlila,
om S.-Amaro, acham-sea venda moendas
de canna, todas de Ierro, de um modelo e
i'unst' uccSij muilo superior
Arados de ferro.
Na fundico da Aurora, em S. Amaro,
vendem-sc arados de ferro de diversos mo-
delos.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na rua do Trapiche, n. 17, ha
muilo superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa
na barca Ligeira.
Dt 110-II da lalirlea le Todos os
Santos 11a Huilla.
Vende-se, em casa de t. O. Bieber & C. ,
na rus da Cruz 11. 4, algodSo tranaado da-
luella rabrica, muilo proprio para saces* de
tsucar e roupa de escraros, por prejocom-
mono.
Vendem-sc relogios de ouro,
de sabonete, patente inglez, e di-
los paia senhora: em casa de G.
Vende-se cola do itio Gran
cont^-C. de AbMa, na rua da Cadeia t|C) em bar,0S c por prcCO C 111-
modo-: na rua do Vigario n. 19,
segundo andar, escriptoiio de Ma-
chado k Pinheiro.
Vendem-se vasos de 1005a lina para
jardim, azulejo da mesma lou^a de bonitos
goslos proprio para forrar frentes da casas
jirdins, c. ; coeiros de algodao, a/citoua
nova, fumo, vinlio do porto em pipas e bar-
riz, alhos e roldas em canaslras, lio porre-
ta, brins de algudo, peneiras do rame,
linha de roris, por piceos commodos: na
rua do Vigario n. 11 no arniazcm o Io ah Jar.
Vendem-se sclins inglezes c-
lasticos c ditos com boiranhas: em
casa de G. Kenworthy k Compa-
nhia, h 1 111 1 da I 1 ii?. 11. a.
> JNa luja pernambucana, rua *
:> do "Jrespo n.n.
> Vendcm-se superiores cobe.t*sde ^
* casimira carmezim bordadas de 2
preto, para pianiios, mesas de meio g
E de sala e dejanlar.
Vende-se superior panno de
algodao, para saceos : em ca.ade
C. Ker.worlliy & Companhia, na
rua da Cruz n. ?..
.>Iiias Ven lem-so supeiioros meias de lai, para
psdres, pelo diniinuto prer;o de 2,000 rs., o I
iir: na rua do Qnoimado, loja de miudezas j
junto a de cera 11. 33.
Charutciras domadas j
linas.
Trancas de seda c reqtii-
fifes pura vestidos.
Vendem-se muilo bonitas Iranias do seda
c requififes, proprias para enfeitar vestidos,
por presos muito commodos, dam-se amos-
tras SOS Compradores: na rua do Queimado,
loja do miudezas junto a de cera n. 33.
Camisas de meio.
Vendem-se nalesimat camisas do meia, a
2,00,) rs. ; tillas a 1,280 rs.; ditas decores,
padres muilo bonitos, a 1,000 rs.: na rua
do Queimado, loja de miudezas junto a de
cera D.4K
liieas tilas lavradas.
Vcndem-sn fitas lavradas do dilTerentes
larguras egostos o mais fino quo piule ha-
ver om lilis : na rua do Queimado, loja de
miudezas junio a de cora n. 33.
Vemlu-so a taverua n. 8. da rua do
liangel, com pouco fundos, ou s com os
casaos, vontade do pretondente, ou mes-
rao este separadamente, assim como a re-
lalho, pralos, a 1,000 rs., a du/ia : tigelas, a
060 rs ,a dita ; bules pintados, a 480 rs. ;
assucarciras c roantegueiros, a 320 rs. ; su-
perior vinho do Porto, lia muilo engarrafa-
do, a 500 rs., S garrafa; dilo linio, a 180 rs ;
vinagre puro de Lisboa, a 1,000 rs., a cana-
da ; azeile doce do Lisboa, a 500 rs., a gar-
rafa ; serveja, a 320 rs a dila, e oulros
inuitos arligos, por piceos commodos, para
liquidar.
Familia,
do miindioo, cliegada de Sania Calbarina,
mi briguc lhiervn, ancorado em frente do
ces do llamos : vende-ae a bordo do mes-
nio navio, ou na rua do Trapiche, escripto-
rio n.5, a proco menor do que em parte
alguma.
Vendem-se os scgninlcs goneros de su-
perior qualidade muito em conta, queijos
londrinos frescaos dilos de pralo pnzuu-
tos para furebra, ditos hainburguezes,di-
los portugueses melgaso para panoila. lalas
eom bolacha de L'sbua, ditas com chocolate
do canda do Lisboa, frascos com conservas
nglnzBS,hcela e calimbas muilo asseradas
com niassas linas para sopa, garrafas do vi-
nbo muscalel.dositubal, ditas com dito f>i-
toria do poilo, dilas com dito de carcave'-
los brancD.ditas com dito do colares: na la
da Cruz numero 16 defronte do Sr. I)r. Cos
me de Sa Perelrs.
Kicos toucadores.
Vendem-sc lindos toucadores de Jacaran-
da, com columnas e muilo bom espelho,
pelo il un mu proco de 2,500 rs. : na rua do
Queimado, loja du miudezas junio a de ce-
ra ii. 33.
Carapucas de seda, prela,
Vendem-se carapucas de seda preta, fa-
zenda muito superior oaom defeito algum,
pelo diminuto i reco de 500 rs., veuJe-se
por eslOpre(0 lor haver grande porfSo o
ter-se comprado minio liarbln : na rua do
Queimado, loja de miudezas junto a de ce-
ra n. 33.
iuui e batato.
Vendem-se esizinhtS cot tintas linas, pa-
ra dezenhO, a 3,00'l c i,000 rs.; (ivi'linhas
douradas para c. Isas e coletes, a 200 rs.; fa-
cas muito linas, de bslaneo, a 6,000 rs., a
duzia ; bieos largos e linos, proprios para
Ulhos de vestido muilo barato, c outras
multas cousas, que se veudom majs barato
do que em oulra qualquer parte : na rua do
Queimado, luja de miudezas junto a de ce-
ra n 33.
NOY1DADE-
A clles ames que fe acaben).
S3n cliegados pela primeira vez a esta
provincia os muito afamados ciius de ves-
tidos praleado para quem livcr bom goslo,
pelo diminuto preco de 4,000 rs. : n:t#rua
do Crespo, loj i da esquina que vira para a
cadeia.
.Meias pretas de algod&o .
para padre.
Vendem-sc muito linas meias prelas de
algodio, para padres, a 700 rs., o par : na
rua do Queimado, loja de miudezas junio a
de cera 0. 33.
Presuntos.
Ycnde-sa os mais superiores presuntos
americanos que tcm vindo a este mercado,
por preco commodo : no caea da alfandega,
armazeui da esquina confronte a arvore.
ffwvftfirffvvwvvvtrvft
Fazenda moderna.
Ka loja de 1. L. B. Ttborda, na rua do
Crespo n. 10, vendem-se vestidos prsteados,
pelo diminuto preco de 4,000 ra.
Bom e barato.
Rua 4p Passeio publico, loja n. 9 de Albi-
no Jos Leile, vendem-se neos cortes de
meia cas.mira,padrees modemosa 1,400 rs.,
riacadog de linbo azul e de corea a 300 rs.
ocovado, ditos francezea a 200 rs, ditos
moostro a 200 ra., chitas pira colxas a 160
rs ditas para veslidoa a 120, loo e 00 i.-.,
chapeos de sol de paninho do ultimo gosto,
com barras a 2,500 rs., cortes de coleles de
fustflo a 800 rs., ditos de Illa e seda a 1,000
rs., lencos de seda a 1,000, ditos de blco a
320 rs, ditos pintados para meninos a 140
rs., grvalas de setim s 1,500 rs cuales de
cinta a 640 ra., cambraia da india a 400 rs.
a vara ; e outras muitas fazendas que tifio
annunciam-se por naO oceupar lempo.
Batatas, a 5oors., o gigo,
Vendem-se batatas, chegadas ltimamen-
te, a 500 rs., o gigo : no armazem do Das
ten una, no caes da Alfandega, defronte ao
guindaste.
Erva mate.
Na rua Nova o. 6, loja de Hila llamos &
Companhia, vende-se erva mate, chegada
pelo ultimo vapor do sul" a 240 rs., a libra, e
6,00) rs., a arroba, be bebida mui fresca e
diorelica.
Cambraias tinas de cores.
Vendem-se lindas cambraias finas de co-
res, por precos commodos : na rua Nova
A clles antes que se acabem.
Vendem-se luvas de fio da escocia muito
(las pelo diminuto preco de 320 rs. o par,
brtngallas de junco muito boas a 400 rs. ca-
da urna, liabas de carritel de 300 jardas de
todos as nmeros a 60 rs. o carrinlio, dito
de 100 jardas a 30 rs. o carr)nl)o, meias do
algodilo cruas muilo encorvadas e sem cos-
tura a 360 ra. o par, assim como tocadores
de Jacaranda com columnas muilo bons a
2,100 cada um, e outras muitas miudeiss
pur menos preco do que em outia qualquer
parte : na rua do Queimado, loja de miu lu-,
zas.junloa de cera n. 71, ao entrar part a
rua doRangel.
Tesouras muito linas para
costura.
Vendem-se tesouras para coatura do
muito superior quali lade e de todos os ta-
manhos, ditas direitas o volteadas para cor-
lar unhas, o por prego mais cmodo do que
em oulra qualquer parto : na rua dos Quar-
teis n. 24, loja da miudezas de Jos Das
Simeo,
atindalas a 480 rs.
Vendem-se hongallas a 4S0 rs. cada urna,
ditas mais Unas a 2,000 e 4,000 rs. : na rua
dos Quintis n. 24, loja de miudezas de Jos
!)fs SimOes.
,Navu!hns para barba.
Vendem-se superior qualiJade de nava-
Ibas para barba, com cabos de marino, em
estujosde urna s ntvalha, frequontando-se
aos compradores poderem leva-Ios a con-
tento, haveudo mais outras diversas quali-
A 16a rs."
Vende-ae rucado francez, de muito a..,.
". ^lf!il,!'V 14 "> owado n,
do Crespo n. 93.
riu
23, que faz esquina para a Camboa do Car- dades para menos precos : naruadosQuar
mo, loja de Amonio Comes Villar. leis n, 24, loja do miudezas do Jos Di.s
(Manteletes, palitos e capottnhos. simOss.
Vende-se um grande sortimeiito de man- Aos artistas.
teleles deseda, pretos e de cores, de muitos Tratado da architoclura, contando cenlo
feitios modernos, chegados pelo ultimo na- evinle estampas por Barossio Obra inipor-
vio vindo de Franga: na rua Nova n. 23 : taulc para os artistas: vende-ao no pateo
que faz esquina para a Camboa do firmo, do Collegio, cas do livroazul.
loja de Antonio Comes Villar. Vende Se
Chitas linas francezas. f nu (|, ru; ;do c, do
Vendem-se chitas linas francezas, cores ,,,' chicutB, para c,rros, a 3.500 rs.;
das, de minio lindo goslo e mais barato tMourls iinS par, unhas ecosturss; di-
que em parle alguma: na rua Novan. 23, Us f^ie.d.s em <;umirSes e cmiveles
que laz esquina para a Camboa do Carmo, no
loja do Antonio Comes Villar.
Cortes de brins de listras, para cal-
sas, a t.'i i o, i,.')Od c 1 .Sun f.-.
VenJem-se corles de brim-do lislras de
cores, a 1,440 rs.; ditos de brim amarello, a
1,500 rs. ; ditos brancos de puro liuho, pro-
prio para militaros, a 1,800 rs.; esguiOosdo
algodao com 10 112 varas, a 2,500 rs., a pe-
5a; chales de lila de bonitos padros, pro- versas personagens do Franca, a203rs.
prios para andar cm casa, a 3,200 c 3,600 rs.: Oll'iitrim
na rua do Crespo, loja da esquina que vira ll4tll US.
para a Cadeia. Vendem-se quadros do santos.com moldu-
OO^^sJOO^GOOOJ^^O ras douradas, a 500 rs. : ni rua do Cabug,
O Na Inin in-i n ni Iiih ni i rua Cl loja do miudeiss do Huirle n. 1.
V i>a loja pernambucana, rua W '.. Vendem-se sintos para montar a ca-
vallo, feilos de borracha, a 480 rs. : na lo-
ja de miudozas, da rua do Cabug do Duur-
aiogo de vispora
Na loja do miudezas da rua do Cabug do
Duarte n. I, vendo-se jogo de vispora, a
1,200 rs.
Estampas.
Na loja de n iudezas, da rua do Cabug
do Duarte n. 1, vendem-se estampas de di-
ARADOS AMERICANOS.
Vendem-se arados ameri-
canos verdideiros chegados
dos Estados Unidos : na rua
O do Tiapiche n. 8.
o
do Crespo n. II. *
5 Vendo-sc ptimo merino preto J?
vj russiano, proprio para caigas, jaque- V
w tas, palitos, vestidos, saias, tunOes, O
Q etc.. pelo baralissimn prego de 400 o O
<3 500 rs., o covado. >
ooooooooooooo oooo
Vendem-se os segoinles ohjeclos ja
usados, | or prego commodo, 6 vAos de en-
jillios para alcova. ou janellas devaranda,
6 portas de amarello c I carteira de urna s
face : na rua do Crespo, loja da esquina que
vira para a Cadeia.
No.vo sortimento de cobertores, a
800 e t,a8o rs.
Na rua do Crespo, loja da esquina que vi-
ra para a Cadeia, vendem-se cobertores
brancos de algodilo, com barras, de crese
muito grandes, a f,28') rs. ; dilos oscuros de
tapate, para escravus, a 800 rs.; gangas de
quadiinbus, para roupa deescravos, a 120
rs o covado e outras muitas fazendas, por
prego commodo.
Pechincha Econmica.
ten. 1.
Leques.
Vendom-se leques linos, a 3,000 e 4,000
rs.: na loja do Duarte, na rua do Cabug
numero I.
Ven lem-se oculos de lodas as gradu-
agors, a 800 rs., com caixa : na rua do Ca-
bug, loja de miudezas do Dtiarle n. I.
Vende-se urna preta, boa quitandeira,
por prego commodo : 111 rua da Conceigilo
da lloa Vista 11 1.
Verniz de gomma copal.
Continui-se a vender esto Motlenle ver-
niz, a 2,000 rs., a garrafa : na rua do Rn-
gd 11. 61, botica quo fui do tinado Seh isli.ln
Jos de Oliveira Maccdo.
Vende-se oleo de Hnhaca em
botijas, de cxcellente qualidade ;
cimento cm barricas e em meias di-
tas, e tamben) em tinas, para com-
"e t g,do ltimamente um novo sorii- j modade de quem nao necessitar de
rr.ento je brins pardos, do linbo,escurse 'barricas ; taboas de pinho de 3
claros pello barato prego do 1600 rs. o cor-| i_ 1 __.._ m- j. _,
te; ditos de linhoe.lgodilo.padrOes mo- | palmos de largura e 40 de COm-
'- bom gosto a 1280 rs o corte : na l primento : trata -se atrs do thea-
0 11.14 loja do Jos Francisco tl.rtWpi|in
demos e de borri
rua docresp
Dias.
Deposito de salitre.
Veiiilc-se salitre refinado do melhorquo
lem viudo a este mercado, e por muilo mo-
nos do que em eulra qualquer parte : na
rua da Cadeia do llecife, loja de lerragens
n. 36, du Francisco Custodio de Sampaio.
"vais pechincha.
Chales de sedi, muito bonitos o grandes,
tro velho.
Vende-so a taverua da rua de S. The-
reza n. 1, muito afreguezada, com poucos
fundos, a diuheiro, ou a preso, com boas fir-
mas : trata-so na mesma, ou na Soledade,
vonda n. t2, defronto doquarlnl.
Vende-se ou aluga-je um silie na Pas-
sagem da Magdalena, com boa casi terrea
a sobradada, com bastantes cjiomoJos pa-
la grande familia cucheirt ealribaria ,
'quartos para esclavos e para feitores, ca-
A r* n n n aka 'UUOl VV3 lili IO Viiuiai w vui ivivniboi fc^
a 1,500. ..,000 e 6,000 1 s., cal;, um : na rua !>,,, co'n boa ,0 muilos ,|e?,cles com
do Crespo 11. 10, na loja do Tahorda. nres> arvoreUos Uo fruclos. om chitos pro-
CIIdpeOS HlliaZOliaS. prios, murado e com portfio do fono, por
N, _- m, / 1 1 progo commodo: irala-.-e com Frodenco
a rua Nova i). 44 latinea de jn,Vc-s, uo aterro i lloa Vista, sobrado nu-
chapeos chegaram pelo ultimo mero 17.
navio francez do Havre ns mais Vende-se um negro crioulo, de 24 an-
tiuvio irdncez no narre, os mais nM,bomeerrelro.com principio de pedrei-
moiernos c de melhor goslo pos- jroo carpuia Irata-se na rua do ollogio
Deposito de tecidos da labri-
B. ca de Todos os Santos, -8
na Rabia. ^
a> Vende-se em casa de Domingos Al- -Sg
gt> ves Malheus, na rua da Cruz do Re- J
>} cife n. 52, primeiro andar, algodSo J
^ transadodaquclia fabrica, muilopro- s
**" prio para saceos e roupa de escra- 2
* vos, assim como lio proprio para re- ^
2| dos de pescar e pavios pare veilas, <-j
^ por prego muito commodo. %
SMft**&ih& a* A*M* AAAAAA
Capotes de panno azul a
10,000.
Na rua do Queimado, defionte do beco do
Peixe Frito, loja n. 3. vende-so capotes de
panno azul pelo baralissimo prego de 10,000
rs. cada um.
Vende-se feijSo mulatiubo muilo no-
vo: no armazem de Dias Fcrreira a prego
commodo.
S reos de estopa.
sivel, chapeos amazonas de palha
a Italia ; ditos de feltro brancos,
pretos e pirdos ; ditos de palha
enfeitados, para meninas e meni-
nos, por preco commodo.
??**,. aj .r****.***^***
y Vendem-se pannos finos pretos a 9
.1,' un e 4,000, rs., ditos azues a 3,000,
n. 21, no pntnoiro, ou segundo an lar.
-- Vende-so urna cscrava, com urna cria
de 6 aunus, boa cuznheira, engommadeira
o lavadeira : na rua do Codorniz vonda
n. 10.
A i ao rs.
Vondem-se chitas, com muilo bons pan-
tios e liutts seguras, a 120, 140 e 160 rs. o
covado; caslor escuro mullo encorpado,
proprio para roupa deescravos, al60rs. ;
lengos bordados, para mo de senhora, a
280e320rs., cada um: na rua do Crespo
;. 4,000 e 5,000 rs.,dilos verdes a 3,500. aj u. 23.
: chitas fian ozas muito linas a 280 a) [ '.. Vondcm-so bonitos moloques,moleco-
jt; rs.ocovado.cassa chita a6IOrs. a va- 4 j les e molocOes, e catre est-s h 11:11 ptimo
C a, casimiras do cores o de boni- a) pedreim; negros mogos, de 25 anuos, o ne-
fr os padrOes a 6,000 e 5,000 rs. o corto, a) !Kros do meia ida Je, para o trabalho de si-
fe engos des;da de coies a l.OVbrs., vif lio, nerinhas, m-grotas, negras mogas e
fe palitos muito bem fetosa 5,001, len- ; uina muala, de 18 anuos, com algumas lia -
" gos encarnaoos para grvala a 2,000 ibilidades, todo pur prego mais em conta o
fe
rs., alitodosinho com pouca avaria *
a 1,600 rs. a pees, Icngos de cambria 9
de buho a -u is riscados largos a)
poprios para roupa deescravos a 120 ,aj)
rs. o covado, sarjilo proprio para 4
roupa dos niosmos a 240 e 320 rs., o '*%
que cu oulra qualquer parle : na rua das
Larangciras n 14, segundo andar.
- Vendem-tc 3 lindos moleques do 8 118
.uni-, sen lo um oplimo sapateiro ; 4 pro-
los de 25 a 30 anuos, sendo um oleiro, e
Oulro capador ; 2 pardos de 20 a 25 anuos
covado, e oulras mullas que se lor- '#'2 pardas de 16 a 20 annos, com habilidades;
Vendem-se superiures cbaruluiras duurt-
das, s 1,000 rs, cada urna; dilas mais or-
dinarias, a240rs. : na rua do Queimado,
loia de miudezas unto a de cera 11. 33.
' 1 Vendem-se 60 saceos de estopa,novos com d, as maioresque lem vindo a esto merca-
J ira Cl'iailCaS. 2varasa320 rs.: na rua larga do Itosiriofdo: a fallar eom Minool Autonio Teixeira, na
Vonleorse superiores tuucasdosfdt pro- n. 48, primero andar. rua da Cruz n. 49.
nam apreciaveis, 11B0 s pela sua boa
fe qualidade. como pelo diminuto prego: 9
na rua de Crespo n. 10, lujado Igni- #
fe ci Luiz de llrilo Taborua. fe
Um piano in<>'lez.j
Cm muito bom estado, proprio para se t-
prender a tocar o por prego commodo : na
rua das Flores, casa 11. 19 do organista
Tresso.
Attencao a pechincha.
A 210 rs., na rua do Crespo n. 14, toja de loic
l'runcitco Da,.
Vendem-se linissimas chitas francezas co-
res mullo lisas, padres lindos e de novos
desenlio-, liugindo cassa, pelo baralo prego
de 240 e 300 rs. o covado, dilas esteitas do
novos padrOes 1200 rs. o covado, brim 1 ra li-
gado de puro linbo cor de chumbo e ama-
rello a 1,600 o corte, los pretos multo gran-
des 1 2,000, riscado francez 1160 rs. o cava-
do, e coilas escuras a 160 rs. o covado,
assim como outras muitas fazendas pelo
barato prego.
Vendem-se 44 coussueiris dejicaran-
6 prelas algumas com boas habilidades, a
outras proprias para todo o servigo : na ru
do Collegio n. 3.
q Excellentcs lizendas e deli-
3 cadasaores.
6* Na rua do Oespo n. 10 luja do J. L.
& B. Taburda, valide se una fazenda J
Q nova, com bstras, deuomiuada Mulu- O
a ria, a 1,000 is., a vara ; na mesma q
X loja lem o figunno pello qual se po- Q
"* dera ver amiueira como as sonrieras X
devem fazer os Vestidos, aloin deslas O ha nutras muitas fazouaas de goslu vj
& iniidei n 1
Remedio especial para boubasc
cravosseceos.
Continua-se a vender osle especial reme-
dio : na rua do Itangel n. 64, botica que fui
do tinado SebastiSo Jus da Oliveira Slacedo
Especifico para curar caspa.
Conliuua-se a vender este oleo especifico,
para curar a caspa e limpar a cabega, a 640
rs : ns rua do liangel n. 61, botica que f "
do finido Sebastiao Jos de Olivrira Macedo.
-- Vendem-se Las e sedas, vindaa ul
mmente de Lisboa, para bordar, da me*
Ibores cores que tem vindo : na rua do ti
litiga, luja Je miudezas do Duarte n-1.
Vende-se o sitio n. 7 na
travessa do Remedio em cli50
proprio, com boa casa de viven-
da a margena do rio ecom bas.
antes arvoredos : na rua do Tra-
piche n. i5.
-- Vendem-se fallieres, proprios pira t.
rr peiie.vindos ltimamente deLonlres a
10,000ra,, cada talner : oa loja de miud'e.
zas, rua do CrbtTga do Duarte n. 1.
Na loja de miudezas, ni rut do Cihui
do Duirle n 1, vendenr-sebotOei decasa-
cs de muito bom gosto, 2,500 rs., a grosa
abotoaiiuraa amarellas, 1 1,000 rs. ; dito
brancas e amarellas, para pigem; dilospa.
ra roupa de meninos ; ditos de madreper-
la e abotoidu as pira coletes de boni
goslos.
-- Veodem-se capachos, a 320 rs.; easli-
gaes do casqulnhi, a 2,200 n., o par; vasos
de vidro; caixinhas para namoradoi, caro
.111 cu .loas ; linhas de carretel, de 800 j ib
das, unas, de 90 e70 ; caixas de clcheles
pequonas, a 60 is ; bonets de merino, 1 21
rs. e charutciras linas, a 800 rs. : na ruido
Cabug*, luja do liuarte o 1.
-Na loja de miudezas da rui do Cabuai
do liuaitun. I, veudem -ae trinas, volantu
galOes eespiguilhia, pur pregos commoJos!
Calungas:
. VenJem-se. cilungis de pino, missa oda
vidro, chegados ullimamenlo dellmibur-
go: na rua do Cabug, loja de miudezas do
Duarte n. I.
Vende-se papel dourado eprateado:
na loj de miudezas do Duirlo, ni raido
Cabug o.l.
Cheguem logo a pechincha.
Vendem-se ricos suspensorios de seda pe-
lo barato prego de 1,000 r. o par: na rui
larga do Rozado n. 26, loja de miudezas de
J o Fnucisco Miii.
A barbolista, a 10,000rs., ocorte.
Vendem-se fazendas de algodSo e seda,
as mais lindas e modernas, que tem vinJo
1 este mercado, para vestidos de meninas a
seniioras, de boui goslo : na rua do Crespo,
loja.imarclla 11. 4.
Vende-se um sitio, com3 casase udii
venda, nis Areiis do tuquia : Inti-se na rua
Uiieita, casa n. 6.
Veude-se umi parte do engenho Cailt,
na fregui-zia do Iguarass : trata se ni rua
no Crespo 11. 16, que achira com quero
tratar.
lucas abotoaduras, para colete.
Vendem-so ricas abotoaduras de vidro,
para colele, obra de muito delicido gosto:
na rua do Queimado n. 16 loja de miu-
dezas.
A 1,600 rs. o corte.
Vendem-se cortos de chita frane v..i 1
1,600 rs.; dilos de cassa pintada, do subli-
me goslo, do cores lisas, a 2,500 o 3,500 rs.;
cassas fraucezas, de cores llsaa e deseuhos
modernos, a 360 rs., o covado na rua do
Crespo, loja amarella 11. 4.
Ao barato, na rua do Crespo, loja
amarella n. .\.
Vende-se cambraia franceza, de cores li-
lis, com loque de ivaria, a 160 is., o cova-
do, e240rs. : ni rua do Crespo, loja ami-
rella n. 4.
Vende-se para fra da praca, urna mu-
ais de boa figura, perfeila engommadeira
e costureira, e tambem coznha suffrivel-
meule o diario de urna casa : na rui da Ca-
deia do Recite o. 37, segundo andar.
Boticas homeopathicas, na rua do
Crespo ,1 '(.
Vendem-se boticas homeopathicis de 30
tubos, com os seus compelemos livros, tan-
to em portuguez como om fraucoz, chega-
dos ltimamente do Rio de Janeiro, do /i .ni-
do laboratorio central, da rua de S Jos
n. 59.
Vende-so sebo em rama 1 na rui das
Cruzas n. 30, ou na Ciuco Poiitas, na cas
da balanga.
Vende-se urna casa de dous an lares o
solo, no bocu do Campello n. 4, bairro do
Recife, perteucenle aus lierdeiros do fallo-
ciJo Emygdio Jos Peroiri Guerra, assim
como um bom esenvo de Angola : trali-sa
com Jos Antonio Alves Itaslo, 11a rua di
Paz n. 42.
- .\ 1 rtni da Aurora n. 32, veudeni-se i
pipas vazias de Lisboa, e urna arquiada de
ferro para deposito de mel, latas com boli-
xiinins de araruta folla no Rio de Janeiro, a
chegadas pelo ultimo vapor a 2,400 rs, vi-
udo do porto a 500 rs., manteigi inglozaa
800, 610 rs paios novos a 28o rs., bngoigas
a 400 rs., fanbha de araruta a 160 is., do
trigo a loo rs., do Maranfio a 120 rs., leva-
da a 160 rs caf a 160 rs cha a I,son o
1.6C0 rs., vinl.o de Lisboa a 280.
-- Veodom-se bahus, lingiudo tutarug*,
a 2,000 rs. : na loja de miudezas di rua du
Cabug do buarla II. 1.
Vendem-se luvas de seda, 1 500 rs., "
par, e de algouSo, a 200 r. :-. ru do Ca-
bug, loja de miudez do Duirle n. 1.
Farinha barata.
Vendem-ae saccas com fannbt dcvSlv
1 'ti-, do boa qualidade, pur preco mais
commodo do que em oulra qualquer pirle:
no armazem 11 II, da ru.i do Vigario.
Escravos fgidos.
Uosapparcou do engenho novo do ca-
bo o preto Simo do nagilo, velho,mas forte,
com a cabega quasi toda lira- ci, calvo he
me.-tre carreiro, e muilo la lino,cujo esenvo
perlonce ao Sr. JoSo Piros Ferreira : quemo
pegar leve-oao mesmo engenho novo quo
aera bem recompensado
Uesapparoreu de bordo do brigue novo
Lobo, no da 4 do correle, um escravo cri-
oulo de nome Ignacio, do Idade 22annos,
puuco mais ou menos, lovou camisa do ris-
cado de algodSo, caiga de dito azul, e cha-
peo polka : quem o pegar leve-o a boido
do dipi hrisiie ou em casa do Olivein l'll'*
& Companhia.
Desapparecou no dii 15 do crrante,
um.muleque criou.o por ngme l'aulinlio,
do idade de 10 annos, pouco iniii ou me-
os, cor amarellada por ter vicio, nariz cha-
to, evou camisa de algodAozinho soja, e
caiga de riscidu, aem cnapo, este escravo
he do Sr. Antonio Jacinlho da Silveira do
Unna : quem u pegar leva-o ni rui da Ca-
leia do Recife 11. 51, ou ni rua di Livra-
mento n. 26 segundo inlir que ser* recom-
pensil lo.
'fftirV. waTvp i>k M-F-Pf: Faia
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EEJW19D8X_6JCE6O INGEST_TIME 2013-04-13T03:10:25Z PACKAGE AA00011611_06413
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES