Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06410


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*.
Anno XXVil
Quarta feira 6
de Agosto de 1851.
W. 175.
DIARIO RE 3P PEBIUMBIICO.
rnsfo a iuoni*vio,
Pigimshto Anurmno.
Por trimestre............
Por semestre.............
p0, ""^^^.^ti; '
po, qeI-Vlo. '
l2de JuIhoiMInM... 10 de
S. Paul. 12 de
R.deJ.. 24 de
Baha... 19 de
M.nnho f f Julho
l"ar... I') de dito,
plr.hib.. 10 medito.
Voo
S/ooo
U/000
4/500
Julhn
lilil.I.
Julho.
dllo.
DAS DA SEMINA,
4 Seg. S. Domingos
5 Terc.N.S. da.Nev
I) Quart. Transfigura-
crio de C brillo.
7 Quiiit S. 1 aciano
8 Mes!. S. Cyriaco ; S.
Emiliano.
9 Sab. N. S. Rotuno.
10 Doin. S. Lourenco
m.
AUBItlTOllS.
liii'iouV Qrphoi
1. e. i$ 10 horas.
I. turri do cii.l.
3. e6. .10 melo-dia.
Fattnda.
3. e6. ai 10 born,
2* rara do eivel.
i. e sbados ao inclo-d.
Ittlaclo.
Tercas e .ab.dos.
EFBTZMIB.1DEI.
FABT1SAI DO COBBIIU.
Crescente a 4, as 2 horas e 48 minute da man. I Collona e Parahiba, s segundas e sexta-
'"belaa 11, as 7 horas e 23 minutos da lardr. feras.
Mingoanle '19, as 10 borai e 39 minutos lardr. Rio-Crandc-do-Norle, todas as quintas-feiras
aoinrio dia.
Garanhuns e bonito, i 8 e 23.
Nova 26, as 8 horas da larde.
raimn di bou
Primelra s II borase 42 minutos da manbaa.
Segunda t2 borase 6 minutos da tarde.
Boa-Vista, e Flores, a 13 e 18.
Victoria, s quintas-feiras.
Olinda, lodos os das.
NOTICIA 1 STrlANGIinA.
Portugal.
Hespauba
Franca ...
Blgica...
Italia.. ..
Alemania.
Prussia....
Dinamarca
liusMI ...
Turqua..
l4 de
6 de
7 de
4 de
Ide
3 de
3 de
3 de
i de
1 de
Julli.
vusliia .
Julho Suiata. ...
Julho Suecla------
Julho Inglaterra
Julli...F..-1'nidoj
Julho Mxico...
Julho California
Inlli Chill.
Julho Kuenos-A.. 2 e Julho
Julho Montevideo 9 de Julho
3 de Julho
1 de Julho
2 de Julho
8 de Julho
2S de Junho
6 de Junho
15 de Abril.
C4MBIOSDB 5 DE AGOSTO.
Sobre Londres, a 28 d. p. l|0O0 rs.
a Parla, 340 por fr. nominal,
. Lisboa, a 100
METAS*.
Ouro.-pncas hrspanholas------24|flOo a 2RUIH)
llocdas de 6/400 vclhas. 16/ID0O a ltjiou
de 61400 novas. llij'OOO a 16/200
de 4/...... 9/OOU
Frata. Palacdcs brasilelro... 1*920 a 1/
Pesos columnarlos... 1/920 a 1/
Ditos mejicanos..... 1/7(0 a 1/760
PHTXOFFICIAL.
"GOVEKN DA PROYISCIA.
EXPEDIENTE DO DA II DE JULHO DE 1851.
omc| .. Ao commandant. das armas, di-
Xc. o ecr'ut.1SSZ Jo.'c.v.lc.ot.'que
Ihe fr.enMo pelo c.plto commandanle da
rea de *oa Preta, e tecommendando que
rihi do referido capillo traga ao couhect-
" Jnto dme.ma presidencia, Tn(orn,a5oe. -
crea da orden, que elle teve para proceder por
slao recruamenlo. ak
Olio Ao mesmo, dizendo que pode Tnan-
dar desligar dos corpos a que pertencein.o pri-
eto cadete Manoel BrasmoCarvalhode Mou-
rae o soldado Joo Carneiro Machado Freir,
aliin de seguirem para a corte no prlmrlro ya-
uor que vier do norte, visto haverem pedido
passgetn para uui dos balalhoes estacionados
ua provincia do Rio Grande do sul.
Dito, Ao inesino, Inttirando-o de haver
concedido trlnt dias de llcenca com sold, ao
capellao do nono batamao de Infamarla Frei
David da Nalivldade de Nossa Senbora para ir
a provincia da Parahybi, deiando em seu lu-
ar o religioso Fre alanoel de San Joaqulm
Vuiina. -- lolclllgenctou-se a pagadura mi-
litar.
Dito. A thesouraria de fasenda, commu
nicandoque concedeuolto das de llcenca sem
ordenado ao Julz municipal do termo de Sonto
Anuo bacbarel Gaspar de Menezes Vascon-
ccllos de Druinond para tratar de sua saude.
[Veste sentido ftzeram-ae as convenientes
coiiuuunlcacdes.
Dito. -- Ao director geral da instruccao pu-
blica, approvando para as escolas elementares
do segundo grao o compendio que euviou c
que tem por titulo. -- Nocfica de geograpbia e
historia para as escolas de instruccao elemen-
tar, collegidas de vario autores por um Per-
iijiubucano, e declarando que tem devolvido
i 'lilimente approvados os oulrcs compendios
que le ni sido j presentados por S. S.
Dito. Ao capllao do porto, diiendo llcar
inleirado de haver S. me. contratado coin o
inestre da barcaca Flumineme, Angelo Jos de
Sarita Anna, para transportar a Macei, por
IIIW0 rs. de frete, a cala do espolio da finada
D. Joanna Cezar de Araujo. -- ORlclou-se ues-
te sentido ao Exm. presidente das Alagoas
Dito. Ao director do arsenal de guerra,
concedendo a autorlsacao que pede para des-
pender a quantia de 26//O60 rs. com a compra
de .ncite de carrapato e de coco, velas de car-
nauba, lio de algodio e pavlo para as luzes do
palelo do goveruo, hospital, quartels, guardas
c fortalezas da provlucla cin o mea de agosto
proJmovlndouro. Comiuunlcou-se a paga-
doria militar.
Dllo. Ao director interino do lyeeu, para
que nos termos de sua lnformacio ceda ao prc*
sldente do Instituto dos advogados a sala que
elle pede para nella celebrarcm-se as sessoes
do iiicsuiu instituto.
Dito. Ao ilirector das obras publicas, re-
metiendo copla do ollicio, que dirigi o pro-
curador fiscal da (aleuda provincial, partici-
pando ter cuinprldo a ordeni, que llie fbi ex-
pedida em 8 de fevereiro ultimo, para mandar
noiilicar os foreiros dos terrenos de marinha,
que licam situados entre o arco da Conceico c
o arseoal de marinha, aura de faxerem as por-
v6es do caes projectado, correspondentes s
Hitadas, de seus terrenos.--Intelligeociou-se
ao mesino procurador (acal.
Com mando das armas.
Qaarlel do ctmmand* da trinas na cidadt do
ftclfe, em 8 oaDBH do da n. 113.
leudo com a chegarja do nono batalbao de
inlaolaria desapparecldo a eceasidade de se-
ren empregados no couselbo de guerra, In-
cumbido do julgamenlo dos desertores, oa se-
nbores oluclaes da terceira e quarla elasse do
sexercito,o coronel commandanle das armas or-
"dena que liquem porlanto dispensados des te
serricoos referidosolflciaes, e porconseguinte
desligados dos corpos a que se acham addidos.
h Vicinit Ir Amovim Arierra.
Duarfel do comaando dai armar na eidad< do -
ei/e, m II d'julho de 1851.
duiikm DO DI B. 113.
bm virtude do ouiclo do Eim. Sr. presiden-
te da provincia, mandao llliu. Sr. coronel com-
inandante das armas, passar a prompto o Sr.
segundo tenenie do quarto batalbao de arii-
Ibarla a pe, Feliciano de Souia Agular, visto
que se acba interroinptda a coramlsso em que
tstava considerado.
l.topotdinod* Silva e iirtvdo,
Prlmeiro teneute ajudaute d'ordens.
INTERIOR.
RlU l)K JANK1L.O.
AS QUSSTOES DO KIO D\ PRAT \.
I ma das maiores imposturas que Rosas e a
sua imprensa tem espalbado, e felto acreditar.
FOLIIETIM.
TRISTAO DE BEAUREGAJtD. )")
( PKLO MABQDI2 DE FOtliRAS.)
Demos a conhecer agora ai duas personagens
que acabamos de ouvlr fallar. 0 Sr, Vialard,
que desde 1809 era parodio de Rcauregard, con-
tava no momento em que comee* noasa histo-
ria seus seicnla e dous annos de Idade. I De
compleictlo Traca, de unanude semprc vacil-
11 nte ; li ola entretanto umaforca d'almae urna
iiimea de carcter, com o soccorro das quaes
poda snpporlar sem enflaquecer todas as pro-
vafOcs de seu esiado e cumprir srm reala-
ment todos os drveres delicados e laboros do
mesmo. F'ora eHe que casara o conde de Beau-
regard, que bapllsra seus dous lillios, que edu-
cara seu tilho. que iniciara sua lilha nos deve-
res e as docuras da rcligio, e que finalmen-
te cerrara os olbos de sua conipaobeira. Tan-
tos servicos prestados, tantos lacos nao o linbain
leito sabir de sua reserva habitual: os corar oes
amorosos c pledosos gosam lio vivamente das
allelcflcs que experlnu nlain que querem mul-
Ul\Tef" rxP,,r e,,a felieldade pelo silencio.
O doulor Briant nao tlnha neiibuina pare-
cencia com o homem, culo carcter acabamos
de enhocar, cdimcll serla explicara intlmldade
que exista entre elle leuao pelo mutuo dese-
jo de serem agradareis ao conde de lleaure-
gard, que pareca ama-Ios ambos igualmente.
' "!. I'0r'|ue Uriant nao tlvesse algumas des
quaiidades que o mundo, uestes das de bene-
volencia, chama virtudes; mas porque era
egoliia, matreiro e luaU hbil do que conviria
P*M agradar a um espirito simples a recto ;
alerodissoerascrpiico por naturexa, bem que
(*) Video Diario o. 174,
he essa que ella denomina Conlederaco Ar-
gentina.
As palavras t'on/Meroerto ^rjmtiaa prnde-
se naturalmente a idea da existencia de um par-
to ftdiral, de urna eoutttticto federal, que lgul-
as diversas provincias ou estados que cotnpo-
rlam essa confederacao, estabeleceodo os dlrci-
tos e osdevers de todos e de cada um.
Estudando-se porem a historia dos povos ar-
Sen tinos depara-se com a assoinbroia verda-
e, de que nao exilie e nunca estillo pacto al-
gum, ou conslilulrao federal que creasse ou
orgaoisane a Confederacao Argeirtina, pelo
que estas palavras nao representan um corpo
poltico, urna organisaco nacional.
Os povos argentinos nao eslau aluda orga-
nliadui em nacao nem federal iiem unitaria-
mrnte.
Existe entre algumas proviucias um pacto
pelo qual se obrlgam de certo modo, e lub
certas coodlcoes, a organlsar-sc cm nacao, de-
balxo da forma federal; mas einquanto essa
organisafio nao he levada a efieito, cada urna
dessas provincias forma por si um estado in-
dependente das de mals; um estado que po-
de ou nao, segundo Ibe convenha, delegar ou
exercer por si mesmo aua representafao exte-
rior, nao ba enlre ellas acto algum que ihes
coarcte o exercicio desse dlrello, e que o res-
trinja na menor escala.
Prova-so liso : I* com a historia de todas as
tentativas de organisaco felts pelos povos
argentinos ; V, pelo texto dos tratados que
ligam algumas da provincia ou edades.
IJeposto em 21 de malo de 1810 o vice-rel
Fidalgo de Cimeros, formou-se ein Huenos-
Ayres urna junta de governo, em nome de
Fernando Vil, debalxo da presidencia de .
l.oi-in-lio Saavedra. Essa junta c mvidou as
provincias para que envlassem seus depulados
a capital.
Reconhccendo-se porem alguna meses de-
poli a linpoiiibilidade de ser o poder cxeculi-
vo convenientemente exercld- por urna junta
nmeros!, Coi elclto um governo de tres
uiembros. E tomando aqnclles deputados o
nome de junta conserradora da soberana de
D. Fernando VII ( em consequencia da prisao
desse rei por Napoleo,) formaram cm 12 de
outubrodc 1811, o prlmeiro regulamento com
visos de le constitucional.
Llmltou-se esse regulamento a separar al-
giliiia aitribuicdes da inesma junta do poder
executivo e do judicial, porin nada fe para
ligar as provincia, e determinar a forma da
admlnisiracao provincial.
Como os deputados nao havlam reccbldo po-
deres contltulntes, o tre membro do gover-
no declararam attentatorio soberana nacio-
nal o carcter que assiimira a junta, rrjeita-
ram o seu regulamento, e o dissolveram.
Publicou eniao o governo para leu regi-
ment um estatuto provisional, obrlgando-se
peloart. o^a tomar todas as medidas, necessa-
rias para accelerar, logo que l'ho permillisseui
as circunstancias, a installaco do congresso
daa Provincias Unidas.
Felta a eleico, e reunidos cm Ruenos-Ayres
os deputados das Proviucias, fui insultada
em 31 de Janeiro de I8l3, a primeira assem-
bla geral e constUulole das provincias do Rio
da Prata
Essa assemblca no declarou directamente
a independencia das provincias Argentinas da
mei-opole, bem que taes actos rcveia'sem que
era essa a tendencia e o fin da revolucao.
Nada resolveu sobre a forma permanente do
governo, sobre a adininistracao peculiar das
provincias, c para unil-as por um pacto ou
vinculo constitucional.
Deipedacado por dissid ncias internas, aba-
lada pela au.irclii.i que reinara cm todo o paii,
f.,1 dissolvida em 16 de abril de ISt.'i, nao opi-
lando vestigio alguin da ua exUtencia, pelo
que dli respeito organiaco nacional.
Furmou-se eulo a chamada |unta de oh -
erva(ao, que publicou em maio de )8I5, o es-
tado provisional para a direccao c adininislra-
5S0 do estado, o qual devia reger como cons-
lituicao, at que fosse esta feila pelo novo con
gresso
Gravisslma era a qurstan da forma do go-
verno oaquelles lempos, porque sobre ella es-
lava a opioi profundamente devidida. Os au-
tores do estatuto nao se atrevrao a tocar nes-
se ponto, e o estatuto niio indicou forma algu-
ma de governo.
Grave era tambem a queslao da administra-
r;io das provincias, e por Uso declinando-o, o
estatuto limitou-sc a dispor, que a eleico de
seus cabildos e governadores fosse popular em
cada urna.
Ein 25 de marco de l8l( inslallou-se solem-
nemente na capital da provincia de Tucumau
o famoso congresso soberano das Provincias
Unidas do llio da prata.
Esse congresso declarou em U de julho da-
quelle auno de 1816 a independencia das ditas
provincias de sua metropolc.
Estabeleceu pela primelra vcx a quesillo da
forma de governo nos termos segulntes:
Que forma de governo ser mals adaptada ao
nosao estado actual, c mals conveniente para
faxer prosperar as provincias Unidas ?
Tre dias depols de declarad/ a Independen-
cia, abrio-se o debate dessa importante ques-
tio.
Mullos e mui importantes deputados opi-
narao pela forma de governo monarchlco
constitucional.
O congres,o qulx ouvlr a oplnlo do general
em ebefe do rirrcito, D. Manoel Belgrano, que 1 cidlram qne a nacao argentina adoptava a fr-
Issao I ma republicana unitaria.
acabara de deiempenhar na Europa urna m
connexa com estas questdea,
O nome d> general Belgrano he dos mais pu-
ros dentre os que brilharam as revolucdes do
Rio da Prata. He ali respeltado por todos os
partidos.
O general Belgrano narrava entao o oceorrl-
do em urna carta de 8 de outubro de 1816, nes-
tas texlueas palavras :
No dia seguinte ao da minha chegsda, o
eongresso cbamu-ine a una sesso secreta.
Exaltci-me; chorei e li' chorar a todos, con-
slderandu a slluaco infeliz do paii. Fallel-
Ihes da monarchia constitucional com a re-
prescnlaco soberana dos lucas, Todos abra-
cario a idea.
Em 25 de jinriro de 1317 cscrevla o mesmo
general Belgrano 1
Depols de baver-mos despendido tanto
teropo. estamos talvet empelor estado do que
no principio, c estamo em pelor estado por-
que, havendo resolvido declarar de palavra a
independencia, no se atrevram a dlicr-nos
debalxo de que forma de governo bavia ella
ser manlida, tendo-se perdido a opportuui-
il ule a mais feiix para cimentar aquillo que nao
ha um homem honrado que nao deseje.
Alludia monarchia constitucional, c a ni-
ca dille-renca de o piolan, accresccntava elle,
era se se darla a corOa casa de hourbon ou
dos lucas.
Era isso talvex posslvcl nesse lempo, hoje
nao.
A discussao sobre a turnia Je governo reno-
vou-sc mulls vezes em Tueiiman c cm Kue-
nos-.tyres ; para onde se Irasladou o congres-
so em I8l7.
Sobre eta base fol organlsada a conslitul-
90, definitivamente sanecionada em 24 de de-
sembr de 186 Firnnram-a 72 deputados,
18 dos quaes pertenciam provincia de liue-
nos-Ayres, e 54 s oulra.
O congreaso, logo que adoptou a base da
conititulcao, elegeu presidente da repblica
a D. Bernardlno Rlbadavla, at hoje o primel-
ro e o nico que recebeu ete titulo.
F.ssa constltulco de i82 e ten autore tlvc-
ram omeemo triste deslino do congresso eda
conslltuicao de I8I9.
A guerra civil havla coine{ado; a maior
parte das provincias repelllo a constltul9ao:
e o presidente Rlbadavia, sentindo enfraque-
cida a sua autorldade, c nao tendo a forca que
exiga a guerra com o Brasil, reounciou ao
seu posto. Segulo-se logo a dissnlucao do con-
gresso, a qual teve lugar em l3 de agosto .le
1827.
As provincias voluram ao estado de isola-
mento completo em que se achavam quando
se reuni o congresso, e a de Buenos Ayres ele-
geu para sen governador o coronel D. *lanocl
Dorrego, chefe da mlnoria federal no congres-
so que acabava de dissolver-sc.
Assim e.r.iiii de novo as provlneias sem ne-
nlnnn lito de organisaco nacional.
Tratou-se depois de reuni-las em una con-
vencao nacional na capital de Santi F.
Algumas mandaram para all seus deputa-
dos, oulras recusaram-se a isso, e decorreu
parte de um anno, sem que fosse possivel ins-
lallar-se a asse i.bla.
F*ol preciso grande esforco para que se ins-
tallasse, como se installsu, alim de aulorissr
-ffelto se acba ultimada dita obra, pedindoau- requereo Ihe mandaste a cmara pagar o or-
torisa^ao a S. Exc. para pagar-se aosemplel- denado de fiscal, por iulelro, deade o teiupo
leiros da mesma as ultimas preslace ven- queentrouem exercicio at quando nelle for
cidas. conservado, fundandorie a couimissioem que
Outro do Dr Angelo Hcnrlque da Silva, re- ja le do orcanienlo que devidio o ordenado de
pondendo nao poder conlluuar a lomar parto j fiscal dando melado ao effeclivo ( quando e-
nos trabalhos desta cmara, por julgar-se Im- tlver empedido ), e outra metade ao supplen-
A oplnlo dos deputados dividio-se; que- a ralilieaco da convenco preliminar de pai
ri.iiu uns a monarchia constitucional, oulros a com o rasil de 27 de agosto de 1828.
repblica federal: opinavao outro pela repu-I Ncssa eonvencao nacional, que se dissolveu
blica nica e Indivisivcl. | poneos mcies depois pela suecessiva retirada
Nao foi essa questo resnlvida por aquelle' de seus meinbros, nada se resolveu sobre as-
congresso, o qual, recuandu diante dessi dilli- siimptos constituclouaes, nem se estabeleceu
cuidado, adoptou em.) dedeiembro de I8l7 o vinculo algum de organisaco nacional cnlre
regulamento provisorio saneelonado pelo so- as provincias.
beraoo congresso das Provincias-Unidas e | Foi esse o ultimo corpo nacional que se
mandado observar at que se publicasse a reuni, e a ultima vei em que as provincias
constituico. i elegeram diputados para coiistitulrem-sc em
Nada se disse nelle sobre a forma de governo,' nacao.
porm as suas disposiedes cram clara e cvi-| Destc breve resumo bisforico decorre^
denteineute contrarias ao systema federal. | 1. Que neuhuma das juntas, asseinblas ou
Em 22 de abril de 1819, anno e mcli depois, congresso que represeiilarain as provincias ar-
lancclonou c promulgon o congresso a pro- geminas ate o fim do anno de 181U resolveu a
utetlida constituica> das Provincias-Unida da forma de governo pela qual se haviam de rc-
America doSul. ger ; que em ncnbum dos regulamentos, cs-
Ncnhuma forma de governo foi determina- talulos c conslitulees at aquella dala pro-
da, e nem a federal foi adoptada por esta cons- mulgados, se encentra sequer a palavra=rc-
tiluico. I publica =; que apenas se falla de estado, de
Dividi o poder legislativo cm clua* cmaras; uaco, de provincias unidas do Rio da Prata,
entregou o executivo a um director do Ksiado, ou provincias unidas da America do Sul, lican
e deu Independencia ao judicial. Nao disse do Intacta a queslao sobre a forma de governo.
porm urna si) palavra, urna so palarrasobre o 2 Qbe a forma de governo e o nome de re-
vinculo que devia unir ai provincias, nem so- publica argentina lmente fol declarada 110
liie o eu rgimen interior c modo de eleico congresso Uc i825, cuja cousliluico unitaria
das autoridades provinclaes. caducou completamente.
Essaconsilluifo nao chegou a ser executa- 3. Que em aeto algum, desde 181O at boje,
da um a da. emanado das juntas ou congresso nacionaes,
Tanto ella como o ongressoque a saoccio- se encuntra o nome de=Coufederacao Argen-
nnu desapparecram na voragem da auarchia ti n< nome cstranho a toda a hislnrla cons-
que scputoul o directorio e us poderes ephe- titulntc e parlamentar das provincias argen-
tferos que o substituiro al litis Ce 1820. linas, e que be urna mera invenco de Rosas,
Em 1821 desfex-se cm scccdc preparatoria sem base alguma legal, nem precedente his-
iini novo congresso que procurou reunir-sc torlco.
emCordova. Os deputados que a deviam com- Releva notar que, supposto desde l8l2 hou-
por nao pudcrani. accordar nem anda sobre vesse qiiem, comecando por Artigas, grilasse
os acto que deviam preceder a sua installaco. =federaco-_, nao passou esta dciioininacao
I le ento al dezemro de 1 Si I as provin- de um 1 palavra usada nu guerra civil, a que
cas permanecern no estado de Isolamento, nao se epptinha a outra=unidade=a qual so
sem nenhum vinculo de unlo. appareceu pela pilmcira vez no congresso de
Eml6ded-zembrode 1824 foi inslallado en. '* ^ P'"oa D|W*' 1uc loBO,'"
Bueno,-Ayres. ca.n deputvlo< de toda as denominado = selvagem =. nasceu c morrea
provincias, um congreso ocral cons.lluinte. P amenlarmenle, porque na, guerras elvis
Havla ento terminado a Jterra da ludepen- S lcno,cs "s"s quahlicacaes tornaram a per-
dencia em Ayacucl.o; .elnafapaz Interior va- d" "raa.uf'r0. Sen"aVC.?rP'm^--. hl.
ra, provincia, havu. adoptado instllulcoe, 1ue """ ".!" dS"Sc pofsibilitado ein riila do avilo n. 3(5 de 8 de
marco de 1847, em consequencia de ter eierci-
do o lu^ar de juti de orphos. Inleirada.
Outro do procurador, apresentando pata se-
rem recolbldas ao cufre, ez letras aceitas pe-
los arrematantes dos Impostos de ">ni rs. sobre
cabeca de gado vaceum. c do dislnio de caplm
de planta, e pedindo Ihe abona'se a cmara a
uantia de / rs que despendeu com o sello
ellas. -- Que se recolhessem ao cofre as U'tras
c se respoudessefjue licava approrjda a despe-
ta do sello.
Outro do mcsino, dlzcndo ler hesitado pag^r
o documeiiio de despea de rs. 239/, que se Ihe
aprescutou, Importancia da alcatifa, com que
se i' u i mi o assoalho da sala das sessdes, por
nao ter autorlsacao para isto. Que desse ao
documento o destino que se tem mandado dar
outros, isto he, que fosse conservado para
ser pago quando houver quota.
Outro do mesmo, participando haver recei-
do em 2l do crreme da thesouraria da faieu-
da provincial a quantia de ris 3:038/titi7, valor
de dous tercos do dlsimo do capiui arrecadado
por aquella repartlrao no anno de 18>0 a 51. e
mandados por dtsposicto da cmara pelo go-
verno da provincia, em virtude do paragrapho
15 do artigo-23 da le do orcamenlo municipal
vigente. --Intcirada,
Outro do mesmo, ponderando nao haver
uota para a obra que, a requisl^iTo do ii.nl
da Boa-Visla, Ihe deierminou a cmara fitesse
no respectivo acougue. -- Que licasse adiada a
ob Outro do mesmo, apresentando como se Ihe
exigi os autos de accao que esta cmara mo-
va contra tierculano Mves da Silva.A' quciuj
os pedio. '
Outro do liscal supplenle de Santo Antonio,
participando haver entregado uo da l5 do cor-
rente ao thesoureiro da admioistracao dos es-
tabelecimeulos de caridade a quantia de 79,130
rs,, producto liquido da administrarn de por-
cos apprcheudldos em correicb uo da I do
corrente, Inteirada.
Outro do mesmo, pedindo esclarcciinentos
sobre o modo porque deve dar execuco ao ar-
tigo 1.a, titulo 7 das posturas a respeito das
varand.is arruinadas de um sobrado da ra de
II ii ii, pertencentca Jos Rodrigues dos Pas-
sos, que csl felxado e penhorado pela fasenda
proviucial por decimas nio pagas. -- Que o
procurador procedesse como fosae conveniente
e legal, atim de que tenha lugar a execuco do
referido artigo.
Outro do mesmo, participando ter sido a un-
ir, que o substllue, nao declarou que esse
impedimento fosse por causa de molestia,
como allegou o peticionario ; e ultimo (nal-
mente da cominisso especial, incarregada
de iofurmar a pellejo de recurso de Jos da
Rocha l'.-raiili" s felta ao gorerno da pr vi.-cii,
dando a commissao o tbeor por que se devia
oflicMr a S. Re.
Achavatn-se tambem sobre a mesa dous pa-
reces da corumisso de saude, e porque nem
um dos seus meinbros eslivesic presente, nfio
entiaram ein discussao.
Oespacharain-sc as petlcei de Uento Alvr*
da Crui. Joo Joaquim R aballo, Joao Heruie-
negildo \ ivn de Salles, Jos Francisco du
Reg Karros Jnior, Justino Pereira de Parias.
Manoel Pinto dos Santos, dos moradores pro-
prietirlos da (J^punga ; e levantou-se a sessao
Ku Mauocl Kerri-ha Accloll, secretario inte-
rino, a fHcrevi. Utiveira, presidenteMame-
de Kifintui.Ciiriuio MonUiro.Figueiredo.
<:o? id ii nica do.

N dia'29 do corrente, un versarlo natali-
cio de S. M. I. a serenlsslina princesa D. Ua-
b.'i, te.r lugarno thealro de Santa Itabel, a rc-
cllacxtraoritinarlaque peloExm SrDr. Victo-
d'Oliveira, prefidente deta provincia, tul der
signada em beneficio das casas de caridade.
Ligo que o mermo Exm. Sr. te dignou compa-
recer no seu camarote acompanhado de sua
familia, dos Ktms. Srs.Honorio Pcrclra d'Atr
redo Coutinho, coininandaute das armas, bri-
gadeiro Magalhcs, detembargador chele de
polica e outras autoridados, a orchestra cm -
cutou urna pequea inlroducco, depois da
quat eperaute a l-.ili,-1- de S. M. I. a Motiva
do corpo de polica tucou o hvmno nacional,
que foi ciii<>.iil-:> pelas Sras. I.anda e Margarida
I.cilios, seguidas da compsuhia dramtica c
acompanhadas pela orchestra. Findo o nyiu-
no o Sr, detembargador chefe de polica deu
vivas que foram correspondido com eothusias-
mo, a S. M. o 1 a familia Imperial, a consti-
tuidlo do imperio e a nacao hrallelra, depois
do quehouverao as segulntes pecas de msica.
Cavatina da opera llernanl do maestro Verdi,
pelaSra. Landa; cavatiua da opera Uontechi c
Capule do maestro Hellin, pelaSra, Margari-
da Lemos; iueioda opera Aula pela Sra. Lau-
da eLarlos Rlcco, do maestro Verdi.
Em seguida a coinpanhia dramtica repre-
sentou o drama cu trez atos a Moura.O iu-
tervallos dos actos foram preenebidos com
.Iras, Duelos, c tercetos executados pelos
portancia da. multas dadas no met de junho Srs, Vasco, Carlos nicco, Landa e Margarida
ullimo de M^rs.e pedindo se manda,epa-| Len|0Ji ecom e rlcll JJ
garao Dr. Manoel Uuartc de Faria, a quantia cCUUa pcla orcilc,ira e msica do
v. itS! u'"acoTJ\dc,audV,,cf",! corpo de polica, oceupaudo esta o salla,- do
da zb do dito inri. Igualmente dava a rasao |ilca,ro
porque nao lera registrado no livro correspon- Flnlt 0 prmc|r0 ac(0 os Srj- co,,,,,,.,,,,,,,,^
dente as mullas que tem lado. ~ Quauto a ior Frandscu Jel0liP,rea"*Bttnlu
P eir parte, mandou-se pagar ao medico, c : ollie Corre(0i ,0, Jf, Ve re .
quanto a segunda adiada. Joao Pinto ,1c Lemos Jnior, e Ur. Simple,,
Outro do contador interino, participando o Aoluio >|avi mcrllbro; d-,d llimr,'
estado das quolas, de despejas consignadas na dos cstatc|eclmento, de caridade re-
ledo orcamenlo vigente, dizendo que una, c(lido) j dua, laaoccnU, e,Porlas. de me-
e.tao esgotadas c alJcacedldas, e outra. quas. ,|0r lrla,|c, VP51l(la, de uranco, Plcndo- Iia ,',
a esgotar-se, e que as., del bera.se a cmara c81]Uorda 'Ullla b0|?a de damasc verdc C01I *u
como fo.se conveniente. Que ,c conllnuassc ,ruiMC Me0i / |elr d-ouro_c.r(dad^
e na direta um bouquet de flores, dirigro se
ao camarote do Exm. presidente da privlucia,
cerriva a adopeo da forma republicana. Del- ,
las se oceupoi o congresso especialmente. '"?" Pa" ,",ar co..cl.*oe ...iporlanlrs
S3o esla. as proprlas palavras da sua com- 'lue( "-1 flos ene errara. Ilalta-nos pe.correr
ralsso do negocio, con.tltciouaes! rpidamente os l.atado, que entre s. celebra-
PERNAMBUC0
governada p
toria, se a ordera, a liberdade e a prospeildade
da Repblica serao raelhor ali meadas J>vi-
dindosc esta em tantos Kstados quantas sao as
provincias, adiados politicamente sob a forma
federal para a direccao dos negocio nacionaes .,.,. AlTlMI'lt
reservada a soberana necesaaria para a dlrcc- (jilllA'wl RlUnlulI AL..'
cao dos seus particulares, ou formando-se de SESSA< HXritAORDlMAHIA E 22 DE JULHO
lodas a provincias um Estado consolidado de 18I.
de balso de um governo central e cucarregado Preiidenela do Sr. Oliceira.
do rgimen Interior de todas. Qual destas Presente n senhores Mamedc, Carneiro
lorma ser mals proprtl para organlsar, con- Monleiro, PircsFerrelra e Figueiredo, abrio-sc
servar e fazer felli a Repblica Argentina.' a sessao, c foi llda c approvada a acta daan-
Reservando-se o dircitu de resolver esta tecedente.
queslao, qulz previamente o congresso ouvir Foi lido o scguiule cipedienle:
sobre ella o parecer de cada provincia por jjm officio do Eara. presdeme da provincia,
nielo das suas asseuiblcas. Resolveu tambem lalld,ndo a cmara Informar sobre o contru-
que a constituico serla subuicttlda a aeccita- do uo otBclo que remettta doengenheiro direc-
cao das iym i. provincias. lor das 0Dra, publicas, no qual pedio que S
SomcotFviuatro d'entre ellas se baviam pro- Enc.aulorlzasse a mesraa cmara a faier nao
nunciado explcitamente pcla rurma federal, so receblmento detinltivo da obra das duas
quando o congresso coineoii a discutir base casas aos lados do porlao do cemiterio, como
,|.i constituico. pagar aos arrematantes dellas as prestacAes
De 51 depulados presentes, 43 contra 11 de- que se lites deve.Que se iuformasse que com
se moslrasse algumas vezes renle por condes-
cendencia, ou por versatilidad,'. Clrurglo aju-
dante do regiment era que Reauregard servia
ntcs da restauraco, elle emigraran! Juntos,
e quando voltaram, Drlanl tornada rico por
nina herauca inesperada, eslabeleceu-se ao p
deaeu companhelro de Infortunio, a cuja fn-
tervenco devra a fellcidadc de fazer um bom
casamento no'lugar.
O leltor eatar lembrado que o doutor, sahin-
do da casa mortuarla, se recolhera sua : bem
que a nolteestivesse ja adlantada, aua mulhcr
o esperava.
Enlo morreu lempreoconde?
He vrrdadc..... era urna amisade de cln-
coenta annos Este golpe he rude! Dizepdo
lo o doutor enxugou sua fronte banbada de
suor, pols viera apressado, e seus olhos um
pouco hmidos de lagrimas, pols no camlnho
a lembranf a de sua longa intlmldade com o
conde se despertara mals viva ein seu coracSo,
e elle tlnha dito a si mesrao com um sentimen-
tn prolundo deperar, que nao apenarla mals
a man lealdeseu velho amigo.
Tu deverias ter fleado no cisle'.lo para o
vigiar e para ajudar com leus conselhos eses
pobres meninos desamparados, disse a Sra.
uriant cora urna secura de voz pouco cm har-
mona com os lentimentos que rspriinia.
O cura dlsse-mc que passarla a nolte juu-
te do corpo, o que pareceu-me multo mals
conveniente do que se fosse eu que l eitives-
se ; quauto ao Sr. Tristio e sua irinaa, acon-
selliel Ihes que tomassem um pouco de repou-
so, pols tem mulla necessldade dlsso.
__ Sobre ludo a pequea, Interrompeu a
Sra. Uriant; mas emn fassa o que Hier, a
pobre menina nao vivera : ella tem a saude de
sua mil.
! Que rsls tu dizendo : ella nao csl j-
mala doeote, e sua mil morreu de parto, quao-
, do ella nasceu.
Tu nao eres nunca no mal senao depols
que elle acontece ; mas-nao he disloqese tra-
ta, e Ji que ests aqu, dlgo-te que quero tirar
minha Mha do collegio. O tempo sem ella me
paiecc demasiadamente longo.
Pols bem I Ella ha de vir pelas ferias de
agosto, e entio delxa-la-hemos llcar [com-
nosco, responden o doutor que como muitos
caracteres traeos, nao gostava dos partidos de-
cisivos. '
Ella ba de estar aqui dentro de quatro
das ; pois parto manhaa para busca-la.
_ l'.inbora dlsso doutor. T'lve tenbas ra-
/ao, pola uina mooa nao est em nenbuma par-
te lao bem como junto de sua mal. Qucres que
do o dein para que amanhaa pelai olto horas a
carruagem esteja prompta ?
_ Ja lit ludo, reapondeu a Sra. Briant, que
nao, pareceu admirada de encolnrar to pouca
resistencia s sua vonlades. Agora vamos dor-
mir ; tu tens urna caa do outro mundo.
A dor cauada pela mortc de uina penoa
querida he aem contradicho a mala cruel de
todas aquellas que lacerara o coracu do ho-
mem, todava no meio mesmo de sita inalor
violencia ella tem algumas vezes instantes fu-
gitivos de dofura para as almas lernas e
crentrs.
Tal foi a iinpressao que senllo Allleltc de
Reauregard no da Immedlato ao damorte de
seu pal. Durante a noiie os curtos instantes de
repouso que tomara, nao Ihe apagaran! a lem-
branca recente de sua desgraea e ella achou-a
viva no vago mesmo de seu dcspertamenlo.
Levantou-se, com o corpo alquebrado, mas
com o coraciio forte e prompta para toda pro-
vaede de seu futuro, como para todas as
emoedes deste prlmeiro dia. Ella escreveu al-
gumas cartas para dar parte de sua desgraea a
prenles com os quaes seu nal entretinha rela-
(Bes de que ella ttnlia conhecimento e bem
assim a algumas familias da viiluhanca que el-
lea visllavain blbilualmcntc e das quaes li-
nham recebido numerosas provas de Interessc
durante a longa doenca do Sr. Reauregard.
Quando elle prlmeiro devere foram cuui-
prldos, ella sabio de seu quarto e diriglo-se
para o de seu Irmio.
Posto que a manbaa cstlvesie j adlantada,
um silencio profundo relnava anda uo castello.
Allielte evllou passar periodo quino de seu
pal, e no re Jeio que foi obrlgada a faier para
poupareslaprova inulil A sua enragem, leve
que atravessar sala dejantar onde f dos os
seus criados eslavara reunido/ Lagrima e
protestacOrs de dedlcacan acothelam-ua e en-
tre estas ultimas ella cresAuvir palavras que
Ihe li'.era ni suppr que essa honrada gente li-
nda inquirtaedes .obre seu futuro. Por Isso,
agradecciido-lbes as lagrimas que davam a seu
amo, teve cuidado de deixar cahir algumas
palavras as quaes elles poderam entrever a
esperauca de que nada seria, pelo menos,
quauto ao presente, mudado cm sui son: no-
vossolucos respondern! a este delicado teste-
iiiiiiilni de sua aollicilude, c a rapariga assim
fortalecida por urna doce emocao enlrou no
quarto de seu irmo o qual achou sentado
dlanle de sua secretaria, com a cabeca metllda
entre as mi*. Coin a bulha que fez ao entrar,
Triilao levantou-ic, velo ao encontr de sua
iruiaa, e tomandoa man queella Ihe esteuda,
levou a aos labios, Seu rosto eslava profunda-
mente alterado : mas sua expressao era trme
sem altivez. Alllcttc observou Uto coin una
salisficao secreta.
Fiz o que tu desejaste, minha irmaa, re-
pousel alguma horas,
Obrlgada, ineu bom Tristao, respondeu a
rapariga coin um aorrlso nne se extingui lo-
go as lagrimas ; mas einlim, continuou ella,
ua coragera nao rae espanta, vossri prometteu-
me l-U.
Tu s bem boa, Allielte, em chamares a
isto coragera ; be ternura para com ligo.
- Tanto mclbor, meu irinao, porque ella
ser mals duradoura.
Tristao voltou a cabeca e guardou silen-
cio.
Meu amigo, porque nao me di. voss que
(Ive raaao de ter este doce peusamento, pr-
guntou Allielte com urna voz aftectuoso c in-
quieta ? .
Porque nao eitou seguro de mira raci-
mo, murmurou Tristio com um embanco do-
loroso.
Nem seguro de amar-mc, exclanjou Al-
lielte!
a fazer as despegas ale o lim do corrente mes,
cessando de all por diaule. Isto mesmo man-
dou-se participar a contadoria.
Outro do administrador interino do cemite-
rio, pedindo que a cmara solicitasse esclare-
cimenlos da presidencia sobre a verdadeira in-
Iclligcncia do artigo 73 do rcgulamonto do ce-
miterio, visto que tcm-sc suscitado duvidas na
sua exe, o,ao Que se respndese j assim
se ter felto.
Oulro do vigario do Poca, remellen Ja o map-
pa dos baptisaos, que se li" rain naquella fre-
guezia no semestre lindo. Maudou-sc archi-
var.
Oulro do liscal da Boa-Vista, pedindo paga-
aonde loram receidos coin a innata urbani-
dade que o caracterlsa, e ncsa occaslo as rc-
freridas exportaes en sigoal de gratidao e res-
peito odereceram a S. Exc* c a aua Sra. os bou
quets que levavam. Ao retirarem-se os mein-
bros d'adinlnislraco. com as suas pupilas,
perguntou-lhes S. Exc. seandavam no recebl-
mento da esmola, e respondendo-lbe estas
pela illirin im-i, lancou S. Exc. dentro d'uma
das boleas a sua esmola depois do que pro-
ceguio a .ni.i,mi.ii i. ".o no receblmento pelos
de mals camarotes, que eram geralmenle oc-
i upa!, i. por pe. ai. grada e negociantes na-
mento da quantia de 6, r, que despender ^^^^^T.^^T^
f?~S lrfDjlh0 'If "?l" \F", plaV'"" dS c"ds referidas exposa; e -inda eSlaPce-
eatrada da Uuz de Almas. Mandou-se pagar ,, rclro.9l, .j^slVcl par. o seu
Foram approvados cinco pareceres de eom- camarote. Parece que podemo asaeverar
tnissoei, ire da de pelices, sendo ura a favor ^ ,em recelo de sennos contrariados, que nuuca
da pretencao dos empregados desta cmara que o thealro de Santa Isabel fol lao frequrnlado c
requereram a assemblca geral para terem o ca-' por pessoas to consideravei. Ali s reiuoii
rater de empregados pblicos, pensando a com- ordem, respeito c applauzos; honra pols srja
mlssao que esse carcter nao deve prrjudicar facta a piata que se toruou digna de encomios
a aeco da cmara o segundo sobre olnciar- pela polid.cz com que se conduzio.
se a presidencia para obter de S. M. Imperial O Sr. Germano Francisco d'Ollvcira artista
soluoao se o aviso de 27 di novembro de isr> c emprezario da quelletheatro, nao poupou es-
he smente relativo ao municipio da corte, forcos e l'adigas para lornarinals brllhante oes
como entende a cominissao, alim de se poder petaculo, dezempenhado, como sempre, saptis-
rcsolver a queslao do aferidor do municipio, factorlamente aquillo que Ihecoube e brm as-
que requereo pagamento da importancia da slm os de mais seus companheiros dramticos,
aferico que as estaedes publicas geracs recu- A companhia luna IhiIIh.ii mais do que nuu-
saram pagar, fundaudo.se no diado aviso, cae bem assim os msicos, tanto da orchestra
cujadesposicao parece commissao nao Ibes como do corpo de pollcia, tendo aquelles como
he extensiva, em vista dos argumentos que director o Sr. Thcodoro Ore.te, c estes o Sr.
aprescutou ; e o lerceirn em sentido opposto Pedro, como meslre, ambos ensignes em aua
prelenco de Joao Hermenegildo Xavier de prnliss.o e dignos dos lugares que oceupau.
Salles, que padiru ser prvido no lugar de Flnalmenteto dos os artistas que funcclonarn
portefro do cemiterio, allegando ter recahdo naquelle espectculo purlivo por rnijiyar a
nelle a maiorla de votos, quando se tra'ou gloria uns aos outros.
desssa nomcacao : um da coininisso de poli-, Tendo pols felto ao respeilarel publico a et-
cia, negando deferimenlo ao liscal supplenle posfeco que no proporclonarao os aponlamen-
em exercicio da freguezia dcS. Antonio, qne tos que podemos tounr acerca da recita ex-
Nem seguro de te provar isso sempre, res-
pondeu Tristao, o, culian.lo o rosto.
EntSo a desgraea tcm-o mudado inulto,
meu irmo, disse a rapariga termnente.
Ella vai tornar-me livre, Allielte, c esta
liberdade ser tao funesta para ti quanto para
mira.
Uina expressao que participara ao mesmo
tetnpo do espanto c da incredulidade passou
rpidamente pelo rosto de Alliettc. Ella to-
man a mo que seu Irinao bavia posto sobre os
olhos, conseguio, posto que com algum esfor-
co desarranja-la. e disse :
-- Tristio nao crerel nunca que um ho-
mem que foi l.io bom tilho, nao seja um bom
irmo.
Bom fllho, Allu-tte nao digas Isso eu
lii a desgraea de meu pal ; e loram os pe-
zares que Ihe causel que abrerlaram seus
dias.
A voz de Trislao era lio terrlvel e a expres-
sao de sua physionomia tao sombra, em
' quanlo pronunclava esta palavra que encer-
I ravam to grave aecusacao contra elle proprio,
[que a pobre Allielte sentlo-e sbitamente
[aterrada; todava ella teve a forca de res-
ponder :
Vosse he bem cruel, meu irinao, em zom-
bar assim de minha credulidad,- em seinrlbaii-
te momento.
Tristao ia talvez responder, c tlnha j lo-
mado a inao de sua inna, como para lodlcar-
Ihc que devli dar toda a atlencflo s suas pa-
lavra, quando a senhora Hcray, a vrlba cria-
dado conde de Beaurrgard, entrou no quarto
paraauppllcar a seus joveus amos que loiseiu
tomar algu,ma refelcao. Ella annunciou tani-
bcui que o julzde paz c o notarlo tlnhaiu che-
8ado de Autun e desejavain fallar ao Sr. conde,
s dous orphius sahlrain.
Quando Allielte Bcoua, tornoii a passar pe-
la mente a conversacSas que Uvera cora seu Ir-
mo. Ella sabia bem que Trlslo era sombro,
extravagante, violento algumas veze; mas
sabia tambem que era generoso, altivo c sen-
' slvel. Ella reuni lodaa as suas leinbrancas a
' partir da poca em que seu Irmio sahira da
Infancia, c nao achou nellas nada que juatili-
casse as conlissoe, inquietadoras que elle li-
era. Que se tlnha pols passado de myslerlosu
c de terrlvel que llie tlvesse escapado em urna
intimidade de todos o. instantes r Evidente-
mente havla em ludo Isso alguma cousa de
triste que ella iguorava e tomando ein con.l-
deiMcao a exageraco do carcter de Tristao,
reconheceo com desespero a eilstencia de um
desgraea da qual nem mesmo tlnha o presseu-
llmciito.
Mandarain-ua chamar multas vezes duran-
te a maulla i, mas como vine sempre seu ir-
mo em presenta do notario, rila nio pode
pedlr-lbe ncnbum esclareclmento. Em lodos
os preliminares dos arraujamenlos que se de-
viam fazer mals larde, Trl.lo moslrou-se de
urna nobreza, c de um deiinteresse superiores
mesmo ao que aua Irmaa delle esperava, e nao
hottve entre elles outros debatea seno os que.
resultaram de uina mutua nrcessiJade de de-
licada gcnerosldade. Este prlmeiro dia ia adi-
anta,lo ; todos os cuidados dolorosos necesta-
nos depoi da morte de um ebefe de familia
noli un sido tomado ou regulado, e pelo lim
da manha Allielte e Tristio ticaram em liber-
dade para deixar coi, ei em suas lagrimas.
O corpo do Sr. de Heauregard, deposto em
um calxo linha sido levado para a capella do
castello onde devia liear cxposlo al ao dia se-
guinte. Esta capella era situada no mel d
ni.uta de castaohelros de que temos (aliado ,-
foi para l que Allletle ic dirigi, depols que
seu irmio Ihe prometleu ir ler con. ella em
poucos insumes. Havla apenasalguns minu-
tos que ella eatava prostrada junto do calxao
de seu pal, quando acreditou ouvlr uina bu-
Iba ligira ua porU da capella. Couvencida
de que era seu Irmo noe vinha ter com ella,
ou algum de seu criarlos que um peusamen-
to piedoso tralla ao .eu lado, ella nao voltou
a cabeca para Ciar sua fugitiva Incerteza' a
e.te re.pelto ; mas bem depressa admirada do
vagar oeste muvimento que se aproximara
detla, quiz saber com quem ia achar-se em
commuulio de oraco e de dor, Sua sorpreza
fot to grande quanto sua emocao fol prufun-
II FflVFI
MUTILADO
L



Iraordinarla, cujo producto foi appllcado as
casai de catldade deila provincia, nao he Judo
i|ue deixeinos de dlzer algn couza sobre a
qucllci que concorrcro para to juno fin.
Assim pola nos nos congratulamos com o Exui.
Sr. I ir. Vctor d'CXIrelra, digno presidente des-
u provincia, pela feliz kmbranca que leve de
concillar a solemnidadc do annlversarlo nata-
licio da erenlulma prlnceta Imperial coin os
inlercsseados citabelecltnentoi de caridade :
louvawos a admiuistracao geral dos mesmos
cstabclcclmentoa, pelo zello a acliridadc que
dcscnvotvro para o bom resultado dessa im-
presa: elogiamos aos artistas, taoto por lia-
verem preencbldo satisfactoriamente a sua
mtsso, como por se tercm prestado gratuito
c espontneamente paia uin acto de caridade,
c dirigimos rotos aosccoi por aqurlles que
estenderam macis carldosas aos inleli7.es que
le azilo nos estabeleciinentos de caridade.
Itecife 31 de Jullio de 1851. ^^^^^^^
Reparlir;o da Polica.
PAflTE IK) DA 30 DE JULHO.
I ii.uii presos : ordem do subdelegado da
Ircguczla de Santo Antonio, o pardo Matcoli-
no, escravo, por tersido cncontrido com una
i u de pona ; c do subdclcgadodo da Tre-
gula da Boa-Vista, Joaquim Jos" de Saiil'An
na, para averiguaco>a poli-dacs.____________
quim Jos Leite, Lucio di Cunha.Augus- REAL COMPANHIA DOS PAQUETES INGLE
to Jos Soares. i ZES A VAPOR.
Paral na--hiato brasilelro Nona Senhora "lT. 0 vapor rt>o, commandan-
dai'Nevu, mostr Jo3o Francuco Martina, .v^SJM^to Itivcll, espera-sede volts
car-, fazondas o maia generes. HHBMBl do portus do sul no da 20 do
curente mez, e cguir no da
Thealro de .-Isabel.
Tendo o administrador apretarlo de co-
3
EDITA ES.
O II1 ni. Sr. Inspector da thesouraria da lnecar as represcnlacdea drauaticas neste cor-
faienda provincial, ein cumprimento da or- reDic mez de agosto, tema honra de annuncar
dein do Exm. Sr. presdeme da provincia de a0 icsprltavrl publico que ic acham abenas ai
30 de Julbo prximo findo, manda fazer pu- assfgnaturas tanto de .camarotes como de ca-
blico, que perante o tribunal administrativo delrassdb as condices'segulntes :
da iiiesma thesouraria se ha de arrematar nos a assignalura por 50 recitas ter o abatimen-
dlas 5,6 e 7 do corren(e. a quem por menos li- l0 uc 20 por cento. Por 25, 12 por ccnlo,--
zer, as imprcssdci dos|trabadlos das diversas por rl, 8 por ceuto,
rcparliccs provlnciaes no auno linauceiro cor- Prrfoi iliilieleci'oi.
rente, avalladas ein 2:616,u00 rs. Camarote primeira ordem, por cada re-
As pessoas que se propozerem a esta arre- ela BJOOO
ni i: i ii. compaiecam na sala das sessfles do Hilo segunda dita dito dito lu/OO
sobi edito tribunal uos dias cima indicados pe- |)i|0 terecira ordem dito dito 8/000
lo un i.-ii, i, onde acharo patentes as con- oito quarla ordem dem dem 4*000
dicdci da arrcmalacao. Cadeira 2^000
E para constar se mandou allixar o presente Galeria vijiiil
e publicar pilo Diario. Platea geral I/1!0"
Secretaria da thesouraria da fazenda proviu- Varanda OO
COMMERCIO.
ALKANDEtA.
Hendimentododia 5......19:038,195
Descarrega hoje 6 de afolla.
Polaca sarda Giutlitla familia do Irigo.
Iui|i:iilin an.
Escuna biasilcira Emilia, vinda do Para,
consignada a Joiio C'rlos Augusto da Silva,
manifestou o seguinte :
I caixa miudezas, 2 sacras c2 barricas
casianhas, 154 volumes salsa parrilha ; a
Francisco (audencio da Costa.
3caixas ferrageus e mi i taz 15, I dita tc-
cidns diversos o il i tos ; a Augusto Tape-
beck cv C impauhia.
I ciiibrullio colotes de seda ealgodflo, 2
raizles sapalos de borracha o 1 redo; a Pla-
cido Caetaiio llorgcs.
10 laceas arroz 40 barricas tapioca, i
caixolc | ,\ :i;n ; a Jos Joaquim Ramos
Vilar
158 volumes salsa parrilha ; a Justino Jo-
s Rimos.
20 ditos dita ; a Flix Jos Pereira Ser-
sedolo.
13 ditos Jila a M.imi Jos Anluncs.
291 ditos ilil i ; a Antonio Rodrigues da
Costa Jnior.
40 ditos dila ; a Lucio de Kouza Michado.
188 Jilos dita ; a Ccraldo Antonio Airen
l'illio.
1 caixoio redes de algndao; a Antonio Di-"
onizio Pereira Carvalho.
I dito passaros empalbaJos ; a AnIonio
Silvcira Maciel Jnior.
1,000 uceas farinha ; a II. EHery.
i dila caf ; a Jos Smiih V'aacoucelios.
1 alambique de cobro; a Francisco Cocino
da l'unseca.
Briguo un.oricano ll'm. Priee, viudo de
Pbiladelphia consignado a II Forsler &
Companhia, manif isloo o seguinl-.-
cial de l'ernainliuco, I de agosto de 1851
O secretarlo,
Antonio Ferrero d'nnonciacoo.
Declara (des.
~ 11-mi i S Esc. o Sr. prosidonle da pro-
vincia rcmcttiJo a esta directora geral ox-
emplares do rcgulamonto da ioalrueoSo pu-'
blica da 12 de roaio p. p, para screm distri- peitavel publico desta capital, a quem se coo-
No sri.ni contadas recitas de asslgnaturas
as representacocs citraordinarias c os bcucli-
cios, tendo com ludo os senhores assignantes
a preferencia eni seus camarotes c cadeiras.
As recitas da companhia lyrlca lero inclui-
das ein o numero das da assigualura icm que
baja altcracao alguuia paraos Icnhores assig-
n.mil s de ambas as coinpanliias.
As assignatuias scriio semprc pagas adian-
tadai.
O administrador empresario espera do res-
buidos pelos S'S. professores pblicos de reasasobre inaneira grato pelo modo bondoso
ambos os sexos; de orlem do lllm. Sr. di- P"l ,ra,ou ,oJo lan"u !'':5U' >"-
rector gera. da ,,lruCSao publica faco sa- ~*5^ttSrS&Z&
ber, aqueaiconyierquoosililos exompla- oi ,eue .forjoa para corresponder a capela-
res acham so no lyctl, aonde os |iodaram ir
ou man lar recebor.
Directora a;oral, 28 de julho de 1851.
Candida BMttaquio Cesar de Helio, amanuon-
se aichivista
De ordem do lllm. Sr. director geral da ins-
trucco publica faco saber aos Srs. pro- applauilido drama
ca publica, dando llic os iiielliorca icetacu-
los que a aclualidade pcrmillir.
Tliealro de Apollo.
Seronda recita dtt aiatKatatnra
Hoje, >.' de agosto, subir a secna o muilo
tea d i aa, a este porto, precedonto dos dea- Na ra do Livramento n. 15 preciza-se
quelles ; regressar* para os mesmos com a do olliriacs de sapateiro.
costumada, inconteslavel brevidade, tendo Quem precisar de um rapas de 14a 16
jia maior parte da carga prompta : para o'annos para caixeiro de padaria ou de venda
restantee passageiros, para os quaes offo- ou de armezetnde carne secce, dirija-so a
rece ptimas ocommodicoes, trala-se com j ra dos burgos n. 7.
Jos Baptista da Fonseca Jnior, na ra do Na ra da concordia primeira casa ter-
Vigariu n. 23, segundo andar. rea do lado do nacente, cozem-ae e fazem-se
Para o Rio de Janeiro segu viagein
com brevidade o brigue brasileiro Hnimn,
fessores o professoras da ustrucc;iTo ele-
mentar, que os livros q-ie sa acham ap-
provados pelo Exm. Sr. presidente da pro-
vincia para so darom as oselas, silo os
seguintes :
IN>s do primciio graopara Icitura, similo
do nantua ; o os evangelhos traduzidos pe >
padre Antonio Pereira de Figuciredo : para
as cuntas a arithmctici pratica por F. N.
Colado: para doulriua chrisla o orthogra-
phia o opsculo intitulado collecoau de j0|cjaj
LICAO PARA MARIDOS.
Personaijtnt c aclorei.
Coronel Helmont, o Sr. Costa.
Condessa de Aspcra-tcrra, a senhora D. Leo-
poldina.
I). Alfonso, o Sr. Miranda.
D. Eufemia, a senhora Carolina.
1). Aurelio, o Sr. Jorge.
O marque! Ripa-verde, o Sr. Tellei
D. Placcncio, o Sr. Mello.
(orina, criada da condessa, a senhora D.
compendios para uso das aulas de prnnei-
ras letras, lorccira edirfiio : para grammati-
ca nacional as titflu da grammalica port'i-
gueza dcslinaJas ao uso dos alumnos de
mhv* os *9xcr aw Jos llernardino de Se-
na. as do segn lopnm loitura, princi-
pios geracs de cconomia ; .;.-.- ,. indus-
trial em forma de conversac;o por I', li
Estcvao criado da dila, o Sr. Nevea.
Volpino. o Sr. Flgueiredo.
Mais djus criados.
Depois do drama segnir-se-ha a bella larca
UANOELMENDES.
Flnallsar o especloculo com o jocoso ducto
O UESTRE DR MSICA
V 01 o
^i''U' pirii &em rain ilc tniner.
capitSo Domingos Antonio de AzeveJo:
quem no mesmo quizr carrogar, ir de paa-
sagem ou embarcar escravos, pode enten-
der-se comocapitSo ou com Luiz Jos de
S A ni ojo, na ra dn Cruz n. 33.
Para o Aracsty segu viagem com mul-
ta brevidade o hiate ara/aco, oieslre An-
tonio M iiioel Alfonso: quem no mesmo qui-
zr carrogar, ou ir de passag'em, pteeu-
lendor-se cora o mostr, no trapiche do al-
godHo, ou com S- Araujo, na ra da Cruz.
Para Loanda e mais portes d'Africa o
brigue portuguez Triumplianle capitSo An-
tonio Domingos do Carvalho pretende si-
ti ir at 8 de agosto, recebe passageiros :
quem pretender dirija-se ao referido capil5o
ou a Olivoira Irmuos & Companhia, na ra
da Cruz n. 9.
-- Para a Baha soguo Da presento semana
por 1er a maior.psrlo de sou carregamento,
o hiato I.igeiro fo'raJo e pregado de cobre,
para o resto e passagoiros : dirijun-se ra
do Vigario n. 5.
Leilo.
-O corretor M. i: 11 n mi n far leilo no dia
quinta-feira 7 do corronte as 10 horas da
mantia no seu armazem na ra do Trapi-
chen. 40 de diversos trastes novo*, o usa-
dos vidros, lour;a candieiros lanternas o ou-
irus muitos objectos qun soiio vendidos
por qualquer precio : assim como ao meio
dia ein ponto tura em leil5o urna porcSo do
caixas com charutos da llahia de divercas
qualidades, e muilo bom.
C. J. Aslley v C. fari leilSo por inter-
vengo do corretor Miguel Carneiro, no dia
quarla-feira (i do corrente ao meio dia de
85 caixas com bolachinha lina americana,
19 barricas com bolacha grande da mesma
qualidade, o algumas barricas com dita
entrelinas no seu armazem, na ra do Tra-
piche n. 3.
Cals c Irmss farSo leilJo por intor-
vcn(3o do corredor Miguel Canioiro, peran-
te o chancoller do consulado francez o por
conta de quem pertencar do 5 caixas com
chap is do seda para homom, e 3 caixas al-
unles, ludo aviriado, vindo pelo navio
l'rancez Julcs, Se*la fcira, 8 do corrente,
IIII horas no seu armazem, na ra da Cruz
n. 19.
LEILO de farinha de
vest Jos de todos os moldes e fazendas, as
sim como capotilhos, u manteletes a palitos
de qualquer fasenda, chapos e toucas para
crmicas por menor pre^o do que em ou-
tra qualquer parte, em contonto do fro-
gtrez.
Pelo prsenlo se faz publico que a firma
social Fellipe Foidel & Companhia tem
mudado a mesma para Foidel Pinto & Com-
panhia, continuando d'ora em diante a gi-
rar a casa coinmercial dos cima declara-
dos com a referida mudanca de firma, e o
Sr. Lino Furreira Pinto, como procurador
que d'antos ora.
-Soverino Alexindrc Villarim morador
na villa do luuoeiro, onde he proprictario,
e acha-sc Advogando, olTeroce-so a quem
convier para incumbir-so de quaosquer
quostoes licitas no Toro daquella comarca ;
e bem assim scienlilica, que nflo s se en-
carregara do cobrancas como que negocia-
r as dividas quando os devedores as pos-
sflo conhccidamenle paga-; tfi in?a igual-
mente garantir o sati.-fazer polos meios
convenientes quaesquer contratos a juste
que tenha de celebrar.
Prccisa-se alugar urna ama socca que
j tenha alguma idado, o seja de buns cos-
tumes, para o servico interno de urna cisa
depouca familia. Paga-se muito b^m, agra-
dando o servico. Dirigir-so ra das Trin-
chcirasn. 19, sobrado.
ao:ooode gratificarlo.
Desapparocou no da 26 de julho o escra-
vo Jos, crioulo, ilaie 18 a 20 annos, baixo,
magro, cabello curto e ralbado, nenhuma
barba, rosto comprido as macans muito
proeminentes, tem o dedo pollegar de urna
das mos mais grosso do que o da outra ;
foi vestido com calca preta, duas camisis
sondo urna branca c outra de riscadinho
azul porcina e chapeo preto i tem sido vis-
to vagando por esta cidado e em Olinda. Pro-
cedor-se-ha com todo o rigor da lei contra
quem o liyer acollado, e quem o levara
J. Japi-Ass ao Aterro da Boa-Vista n. 3
segundo aiidar, recebar vinto mil res.
BONITA CA^ADA
O abaixo asignado roga ao en-
grasado que em 4 do correte
Ihe fe a honra, de tirar 7 me^
bilhetes da decimj terceira lotera
da Santa Casa da Mizericordia tj
cima da mesa de sua loja de cam-
ino, na na da Gadeia do Recita n
24, assegurando ao abaixo assig!
nsdo, declarar seu nome pelos jor.
naes dcsta provincia, a fim de que
o publico possa avahar suas raras
qualidades; portanto, tenha a bon-
dade de se apressar na entregados
ditos bilhetes, o que poder fazer,
lancando-os por baixo da referida
loja, ou envalos ao annuncianle
em carta fechada, por quem lhc
approuver. Francisco Amonio
Vieira Silva.
Preciaa-se de um caixeiro, quo tenhi
pratica de venda, ed fiador a sua conduc-
ta, em fora de portas, paleo do Pillar n. j|,

BOWMAN ce HC. CALI.UM, engenhei-
ros machinistas e fundidores de ferro muj
respeitosamente annunciam aos Senhore
proprietanos de engenhos, fazendeiros, mi-
neiros, negociantes, fabricantes e ao re,.
peitavel publico, quo o seu estabclociinealo
de ferro movido por machina de vapor con-
tina em effectivo exercicio, e se acha com-
pletamente montado com apparelhosdapri-
me ira qualidade para a perfella confeccJo
das maiores pecas de machinismo.
Habilitados para emprehender quaesquer
obras da sua arte, Bowman & Me. Callum
desejam mais particularmente chamar a
Ztt22UJ2L*!i2&S&* s U"S construidas na su fabrica podo*
74 volumes leclilos diversos, :j 111 is cai- numeos mleiros, quebrados, e declinaos,
xas cha, 900 barricas bolaehi .has, I9J8 di- 6 explicacSo do syslema nacional de pesos
tas farinha de trigo, 150barriz breu, i caixa o me lilas o mesmo conipcndiu do Colaco :
caix.lo do chumbe, 1 volumes sera amarclla; Pri g'Ographia o opsculo iiUituladono-
Suzanne Iraduzidas om vulgar : a synopse MnUa0 p7a7crMa'D."Mana Leopoldina c o
da historia do brasil pelo general Abreu C Sr, Guiniaiars em carcter de caricato.
Lima: para doutrina chrisUla o mesmo Principiar as oito horas,
eompendio do primoiro grao: para resumo
da elhica especialos devores dos homens TIlCUITO tic .^flll- L'Y-IIICISCO
por bilvio Pelico : para >;raminalica a mes-
ma do primeiro gio : para a arithinclica em
COSMOIIAMA.
rodea o dial itttf 'i 1/2 ule9 1/2 /ion da i'oile
Hoje Bcguoda-felra, lercelra inudaoca com M
vislaa iuleirauenlc novas.
Primeira. O interior de urna mina em !Ioc-
aos consignatarios.
CONSULADO GERAL.
I'i'ii.limeiile do da 1 a 4.....
i i ni do da 5........ .
DIVERSAS PROVINCIAS.
Itnndinii.iiio do dia I a 4 ,
Idcm do da i .
Segunda. Ilainbiirgo visto da lorie da igreja
toes de geograpbia histrica para as escolas
!de instruc^no clemoular, coligidosde vaiios dcOicuscn ein Aliona
(i;390 0it autores [i ir un pernami.ucauo. Terceira. A aurora lloreal do Polo Arlico.
Directora geral, primeiro de agosto de Quarla. interior da cmara dos depuladoi
185l.-Oamanuonsearchivista, narevolufla de 'Jl deieverelro de i8d em
Candido IMmjUio Ceidr ........ -- Adiando se vagas as cadeiras de ms- k.sxnrl0 c,s novo
trucco eleoiciilar do primeiro grao do lo- ScMa, A linda c amiga cidade de Jcrusalem.
S0.06S gazeira, Sorra talluda epassagemdo Joazei- Stima. O grande ciicaiiamcnto dasagoasli-
ii'i "i ro, de ordem do lllm. Sr. director goral da Tres em Lisboa
008,307
T:29S,;iJ3!
_________ inslrucco publica, far;o saber aquomcoa-
173,787 vier, quo estao postas a concurso com o
._______ praso do COdias da data desle.
RIXEBEDORIA DE RENDAS CERAKS Directora geral, \ do agosto de 1851.-
IMI.NAS. Candida hutlaquio tesar de Mella, auianu-
Itendimento do dia S......371,812 enso archivista.
CONSULADO PROVINCIAL.
dem do da 5.......1:419,098
Movimento doporlo.
seguinte para os da Europa. As po.'SDas que
ptotenJcrcni passagem devoro dingir-se a
respectiva aguucia : rui do Trapiche novo
n. 42.
Perante o consclno da adminislracilo
Na\al rom de cjinprar-se para foinecimonto
dos Nav.os
Oilava, >apolcao as moutanhas de San Go-
lliarl.
.Nona A bella cidade de Vhiim, visto do gran-
de ccmlterio uaSuiasa
Dcima. A bella vista de Dublin na Irlanda.
t indeciiua. A billa visita da raiuha Victoria
coi Guilla ua Allemanlia.
Avisos martimos.
A veleira
Arma los c hospital do Marinlia *c$ue i"1!"
Para a Bahia.
escuna nacional Ailclaide,
'iTivelincnte para a Itahia no
favlo ctra i ara el.eara--do ultimo porto l7dlM.es- gnedida vclli.. polo que convida-so aquem 7 receher alguma carga miuda : quem tiver
cuna brasileira Emilia, de 111 lom-lladas, ",.,",,'
capitJo Ant.nlo Silvira H.ciel Jnior! ^
equipagcm 10, cirga, farinha do mandil- c
ca c mais gneros ; a J >io Carlos Augusto
da dedil genero a compare- o qur/er carrogar, queira diriglr-se a ra
ai mi.a i do da 8 do crame (1" '-adeia do Recifo n 5fi, loja do Sr \ i-
. lado suissessOis, muui lo de amostras Mi.-A milla deste navio fechar-se-ha
e proposlas, com UeclaracSo uo ultimo pre- Corrcin, sexla-l 'ira 8 do crrente
jo. 6'alla das sessOes do consellio da admi-
instrac.'io Naval A de Agosto deisl.
ChrlilotlSo SanV-laij) de Uliiciru.
Secretario do couscitio.
O arsenal de guerra compra um oceu-
lo de ver ao longu que soja boo>, quem o
da Silva. Passageiros, Joaquim Comes
da Silva c 1 escravo a entregar.
I'hiladelphia -- li dias hrigua americano
II //i. Prlct, de 35 tonelladas, capito Da-
niel Qulg, o)uipugcm II, carga, farinha
de trigo c mais gneros ; a llenry Torsler
o Compathia.
llahia4 das hiate hrasileiro Amalia, do
G3 tonelladas, mostr Jiaquim Jos d i Sil-
veira, equipagem G, carga, vaiios gene ,
ros; aNovacs, Companhia. P.s.agei- do guc ral de Agobio do 18,1
ro, o alferes do qu.rto batalhdo de Baca- ""<>' V.^rtfMwtKui 6-
dores do primeira linha ilanoel Teixe'ia U juiz de Uireuo da primeira
da Silva e A-sveJo. vara do civel, Custodio Manocl .ia
Liverpool34 das galera ingleza l.ocor/l o-i / :_ j
/Via, de 343 tonelladas, capitao Richard &llva ^'"maraes, mudou asna re-
creen, cqnipagem 2, carga, faz ndas c sidencia pira a na da Concordia,
Calmont & Com,..- Q prjmer0 S3|jradc, de um andar.
Hiate .Nuvii Olinda.
Vai ser arrematado perante o ju:: dos or-
ph.los, o hu i Soco Olmda, bom conhocido
p :1a sua coustrucilo, acha se tpsrelhtdo de
tuJo quanlo he necessario para poder nave-
ar, leudo do sobrecelento I corrento nova
meSiOO tiver e quizer vender comparece no com 30 bracas, ni v.la b jarrona tamb^m
da 6 do correule uiez, Irazendo sua prpos-
tio oceulo para .ser examinado. Ais nal
O escuplu-
rarlo, Seraphlcodthitls Carvalh),
a Me
ulna. Passageiros, Auguslo Eduardo da
Casta, Ceorgc Ogliterson, I II. M llch-
necke.
Nato saludo no mesmo dia.
Aracaly hial brasil'iro Duvidoso. m'-'ie
O vapor hrasileiro l'araente,
commandaute o cipito do
fragata Costa Pcrcra, deve
chegar do norte al o da 15 de
Joo llenrique do A'mel.ia, carga, fazen- agosto corrcn'.c, o seguir pira .Macii, Ui-
das e miis gneros. Passageiros, Joa- hu o Itio de Janeiro, no dia seguinte.
rrrrr-
da, quando, vollando-sc vio em p sobre o li- para entende-la, era preciso ve-la. Coma o
miar da capclla una mulher velha paralvlloa braco direito linha conservado um pouco de
que, ha innlim anuos, nao sabia mais do asilo inovimeulo, ella poi sua tmio lecca e trmula
rpie devia caridade docondede hejuregard. sobre o hombro de Allieltc, como para dicer-
Apolada de um lado iobre urna moleta uros- lhc : Exculc-mc.
seira c do outro sohr, um bordan, a velha con- Esto pobre iniilher ira a viuva de mudos
tcmplava ilolorosaniente o calxJfo e a rapari- rendeiros do fallecido conde Depois da moilc
ira ajoelhaila. Seus olhos grandes a/ucs cita- de seu marido, ella foi rccollnda ao castello
vaiu conslernados, porcm seecoj, suas faces onde se Ihe conliou o cuidado das aves. Ala-
inirradas calavam ooberlaada pallldea do lol- cadaainda inoja de paral)sia, linhafnadi com-
h inienlo moral, seus labios que mo podiaui plelamenlc incapaz de prcsier neniiu-ii lervl-
inais formar uenliuin soui, agilavau-sc pe- co, c durante muitos nieaes sua vida correr
uiveliiiente para formular una oiaf.io muda, perigo. A habilidaJc do dontor Briaul, ajuda-
Allielle erguen-se, lomou urna cadeira c le- da pelos cuidados intelligeuics de Allictic, ain-
vou-a para junio da paralyica, qual pedio da menina ncsla poca, salvou mal Leelerc da
em voz bai que se lentane Rila refuaoupor inoric, pormnao pode resiUuir-liie a palavra
um signal de cabeca ncgalivu ; depois fcx c o uio\iiiicnlo. Todava como.ain la rcslava
entender, mostrando allermiivamenie a cal- al;uuia esperanca de cura, o Sr. de Beaurc-
i,ada da capclla e leus membroi Inlerlcadoa, gard fea um ajuslc por auno com o daulor
que nao podendo ajnelhar-sc, quera liear em Kriint, c a paralyica foi posla cm casa desle.
p. Alliellc ajoelhou de novo ao lado delta c o qual por este meio poda trala-la, e lalvel cu-
durante alguns instantes oraram ambas jun- ra-la sem sahir de casa.
tas. No li ni de um quarlo de bota, pouco mus Mi Leelerc iluha cincoenta aonoa ; era alta,
ou menos, a velha locourcspcilosaiiicnle com e andava direita, porque a paralysii a linha
a ponta de leu boidao cm Allletlc c indicando- atacado estando de p. Seu rosto era dcicora-
Ihe a porta com um gesto, pareccu convida-la do c triste, mas doce cm iua tristcia, cagrada-
a lalilr da capclla. vcl ainda nao obstante iua dcitrui(ao. Seus
olhos grandes de um azul claro, nos quaes a
A presenca desla mulher condemnada, ha doenca linha csgotido a fontc das lagrimas,
annos, lininobilidade, era nina cousa Uo ex- cram semprc Inielligenlcs c lornavain-se ler-
traordinaia que Allieltc uo hesito em se- nol, quando aeu olhar paravam sobre pessoas
gui-la ; at otlcreceu-lhe o seu braco para que llie cram charas, cllea erain (juasi radian
i i ia Ja-la a ganhar o jardim. A paralyica re- tes quando contcinplavam Allieltc.
lusou este soccorro bem como linha refusa- As duas mulheres cstavao sus, como disse-
do a cadeira ; e Allieltc com urna aorpreza neis; o silencio reinava cm lorno dellas;
iodiiirel vio-a eicorregar ao seu lado como viva claridad* illiiminava o tono Inlelligenle e
lima sombra que um poder sobrenatural ti- consternado da parelytica, a qual levantando
veisc feito mover. Bem depressa ellas se aclia- seu bordiio, moslrou a Alliettc com um geito
ram ambas sobre um pequeo terraro que ter- que a expressao de aeu olnar toruava doloroso,
ininava a escada da capclla. o lugar onde o caixao ciposto na capclla.
ii.ii ai nu, via-sc de urna parte o caxo no qual
rpousara o corpo do Sr.dc lii j.,,.iJ, da Ah lie verdade, diisc a rapariga solucan-
outra o eaitello cm que sua vida se tinha es- do, noi nao o tornaremos a ver mais, poriu
coado. A paialytica vollou-se de iiiim na que estoja trauquilla iniuha boa m.ii luciere, ac-
os ltimos ralos do sol que se punha, esclaie- crescentou ella: inrn irrn.io e cu conllnuire-
cessem seu rollo. Ella quera fallar, eoao ti- mos o que meu pai fazia por voase....
Jiha outra vos que a expressao de seu olhar i Cm sciiliuiciito tao doloroso se pinlou ua
nova ; aclia-so fundoa lo junio ao trapiche
do algodao, aonle pode ser examinado ; as
pessoas que quiZTcm algum csclarecinion-
to, i i lom dirigir-so a l.uiz Antonio Peral-
la, ua roa do i.i r ini.i lo
Para Lisboa sguo com brevida le, por
ter a ni liprparle da carga promnla, o brigue
poilugucz/..lo, bom construid i, fina loe
encavillia lo do cobre, c de que he capillo
M inocl Jos Anlunes: para ooslo da carga
e passageiros, para o que tem os melborcs e
mais aeealos comino los, trala-se cornos
seus consignatarios, francisco Severianolta-
b illoet l'ilho.
Cear c Alaranliao.
0 muilo co.iheci lo c conceiluado brigue
escuna biasilciro Laura deve chegar nes-
a da paralyi
ual.jirase.
ica que Allieltc mo ou-
phj sionoinia
sou acabar su ..
- Ku a cunifir'cTMndo, apreasurou-sc ella a di-
ter, vosse qui/. xwr^rar com nosco, e Dos
deu-lhe Ibrca para o fazer. Oala que elle fos-
sc agoraserydi de po-la bna .
(roslo da paralyica ferdeu um pouco de
sua expreso dalorosa ; mas conservou a de
una viva anxiedade.
Sus trenlos umaperda inmensa, irrepa-
ravcl, disse a rapariga. Vosse bem o sabe, nao
he assim
nmiKlioca.
Hoje 6 do corronte pelas 10 horas da ma-
nilas, defrouto das escadinhas do caos da
alfandega, llavera leiLKo de farinha do man-
dioca detcmba cada na mesma occasiSo, e
os lotes ser.l i a contento dos pretendemos.
U-llJil
Pablicac&o Iliteraria.
iiuiA-i Vacas.
Com este titulo sahir ate o lim o sgos-
to, um volume, conlendo varias prodcenos
poticas do acadmico Olindense, o Sr. Joa-
quim da Costa Ribeiro, j bem couhccido
por suas doces poesias, publicadas on di-
versos joruaes de algumas provincias do im-
perio, e principalmente pola poezia ; Ah
Corlo*, As tu s meus amores, que por
ah corre. Recebom-se assigneturas, na
livrana da esquina do Collegio, e em Olin-
da, na casa do Sr. L. Rizerra Monlciro. Pre-
yu 3,000 rs.
Avisos diversos.
5;-. talador.Sou forca lo a quebrar o
proposito quo a mim mes no me havia im-
poslo de i ;.o"occupar a Jttenc.o do publico
com polmicas do jomaos, mas julgo de
miaba rigorosa obrigacao, fazer algumas
observacoes rol* va nenie a um artigo I i Jo
em sou concoituosa) jornal de n. 173 em quo
principia la val liomba Se directa, ou
indiiccUmente procuraesso individuo cbiu-
calhar-me por meiodeuma folha publica, de-
clarando a nilo existencia do que v, en-
volv-em lodo o seu ri liculo o mesquinho
arauzcl o abnxo assignado, Uirei a
esso homcm quo se julga capaz de ludo,
quo be preciso mais bul le e lealdadc, o que
muito Ihe aconsollu anda mesmo seo sou
lim tem mysterios incgnitos, queno tome
por priocipjo a chincaliiar-nie, quo issu so
lio pioprio'dc loucos, idilio cm minha cous-
ciencia hepoteticamente conliecimenlo do
individuo, todava peco-lho quo sa lema
dizer mais alguma cousa so ussigue cm pu-
blico, do contrario licar con'ieeiilo por um
calumniador, e mentiroso, Itecife 4 de agos-
to de 18*1.
lUnnocl Carneiro Leal,
I rqencla.
Prccisa-se do um orneiro, que dosompe-
nho bem as suas obrigaces, pagase-lhe
bom ordenado, para a cidado do llio For-
mse, a tratar na ra do Amorim n. 33.
-- (Juem quizer alugar um molcque, di-
nji-se ao 1 irgo do Livramento, sobrado
da esquina, n. I, primeiro andar
-- Precisa-so do urna ama de lew; que so-
ja de boa conduela i na ra larga do Itosa-
rion^Jf, segundo andar pot cuna da loja
do lodtja.
J. Soum vai fazer urna viagem a fu-
ropa.
urna casa, sem vicio, e nom achaques, ap-
pareja ua ra Augusta u. 1, no primeiro
andar.
O abaixo assignado declara aojaapci-
tavol publico, que o annuoao "pTiClicado I
licutom ueste jornal pelo gr. bernardo de
Corquoira Castro Mouteiio em que declara
doixarde ser seu caixeiro nao he viridico,
pois quo o dito Montoiro era socio com o
baixo assignado de urna terga parto dos
lucros ou prejuizos ein seu estabelecimen-
lo, e como se lizesse muilo necessario reco-
uhecer o bom ou mo oslado do negocio,
recorrendo a balango legal, foi quando o
socio Montoiro julgou de seu llover abjurar
sua dignidade para nao proceder ao exame
Jas coiitas, (de quo era oncarregado) poli a
compheacao quo ucllas existe he tal, que s
seu raro tlenlo ua cscripturacilo !.. podara
dar remedio, e julgo que nflo poder* uogar
a cumprir o seu dever.
Andr fiuuzcr.
Uejamim Pinto Nogncira, comprou pa-
ra Josc Pinto Coelbo da ciJade do Ico, um
meio bilheleden. iiljo'ua dcima torceira
lotera a beneficio do hospital da casi do
caridade do luo do Janeiro, o qual lica em
meu poder.
- Pela subdelegacia de S. Josc desta ci-
dade, aunuiicia-so a aprebencilo de urna es-
crava do nomo Mara, de nacao beuguela,
queseachava oceulta om u
de Sania Hita, doi
acadeia, para sou ie
dominio, o ser-lhe enlflo cnlroguo.
-- .Na ra da Cadeia do Itecife n. 46, loja
do miudezas,veuderam-so os nmeros 2001,
ein que saluu os 4:000,000 rs., c mais o nu-
mero 5979 em que sabio 1:000,000 rs., e pa-
ga-se na ra do Trapiche n. 3(1, segundo an-
dar, eoi casa do cautelista o Sr. Salusliano
deAquino leireira.
-- Precisa-se alugar um sito portodcsta
cidade, quo nflo seja grande, e mesmo com
casa pequea : annuncie, ou dirija-se a esta
lypograplua.
poden
competir com as fabricadas em paiz es-
trangeiro, tanto em prego como em qui-
lidado da materias primas e inflo d'ohra
a saber: '
Machinas de vapor da melhorconslruccSo.
Moendas de canna para engenhos do lo-
dos os i a manhos, movidas a vapor por agoi
ou animaes.
Rodas d'agoa, moinhos de vento e serraas
Manejos indepondentes para cavados.
Rodas dentadas. '
AguilhOes, bronzes ecbumaceiras.
CavilhOes e pararusos de todos os tama-
itos.
Taixas.pares.crivose boceas defornalha.
Moinbos do mandioca, movidos a inflo ou
por animaes, c prensas para a dila.
Chapas de fogflo e frnos de farinha.
Canos do ferro, torneiras (Je ferro o de
bronze.
Bombas para cacimba e do ropucho, mo-
vidas a mflo, por animaes ou vento.
Cuindastes, guinchos e macacos.
Pronsas hydraulicas e de parafuso.
Kerragens para navios, carros e obras pu-
blicas.
Columnas, verandas, grades eportocs.
Prensas de copiar cartas e sellar.
Camas, carros do mflo e arados de ferros,
etc etc.
Alm da suporioridado das suas obras, j
no oT rWlMU e. "nonle conhec.d.7 Bowman &"ll:
i leaitlmo ^h^;..'S,ll0m,r,Btoin a mais exacta conformi-
nhor provar o uadc com os moldes o dezenhos reniottidos
pelos senhores que se dignaren! de fazero
Ibes cncommendas, aproveitandoa occasifle
para agradeccrom aos seus numerosos ami-
gos e freguezes a preferencia com qua tcem
sido por elles honrados, e Ssegiiram-llifcs
que nflo pouparflo esforcos e diligcocia
para continuarem a merecer sua conlianc".
Aos (lentes.
J. A. S. Jane, dentista, tem a honra do a-
visar ao respeitavol publico, que se acha
--"Nord4do corrente mez desappare-l "s'Jindo na .ru> nov. primeiro andar, n.
I'i onde estira sempro prompto a qualquer
ceu urna osera va de nome Mara, de riaeflo
Conga, do idado pouco mais ou menos de
30 a 38 anuos, e lom os signacs soguintes :
ua orellia osquerda dous lomhinhos, e na
orclha dircita uui.o altura regular : quem a
pegar levea-a a seu saulior, na ra do S.
Cunalo n. IB, que sera generosamente gra-
lihcauo do seu trabalho.
" A n,C;ia regedora da irmandade do Sr.
u. jess das Dores, erecta na igreja de S.
concalo, convida a lodos os irmflos para a
eleicSo da Nova mesa, a qual se ha de pro-
ceder no da sexta reir, a do corrente.
Aioda so precisa alugar urna preta es-
erava, que saiba tratar do urna crianca c
cuidar da roupa della, pagando-ss I0.00J rs
por mez quem a liver, dirija-se ao por-
loiro da airaodoga desla cidado, na mes-
ma repartirlo, ou annuncio para ser pro-
curado. '
O abaixo assignado Taz scionto ao res-
peilavcl publico que doixou de ser seu cai-
xeiro Pedro Claudino Duarle. desdo 30 de
julho do tiit.-Manocl Tcueirade \ndrade
Precisa-so de una ama quo engomme
bem : ni ra do Hospicio u. 32.
hlo de sua bocea: a pobre mulher linha cm-' Mai Leelerc! exclamou Tristao com urna
pregado todas as facilidades que Dos llie li- > voz que exprima ao mesmo lempo a lorprcta
uha dcixado para exprimir os temores que pa- c a inquietacao misturadas com un dcscon-
reclainatormenta-la. tcntamentn mal dissimulado. Mal Leelerc'
Vosse me assusta, minha boa amiga, dis- Lntao ella j pode andar ?
sc-lhc Alliclte, estorcando-se por sorrir, O 1
apeno da paralyliui, de violento c convulsivo j Foi seu coraeo que a troiixc alean ni ros-
que era, loroou-sc subtaineiile doce e volun- pondeu Allieltc dolarosanicnlc espanlada Ah '
tario: elle nao exprimia mais que a atl'eicao c jcllacslaquasl ainda no inesmo estado
una lerna sollicilude. -- Vou chamar um criado para leva-la oulra
Ksculc-mc, minha chara Leelerc, dlsse vez para a casa do doutor, disse Trlslo como
, Alllctte, se nao me lenho engaado, vosse quer f c nao livcise entendido a locaiilc expl'icaco
O olhar que respondeu a eslas palavras foi fazer-me euteuder que alguma desgrata gran-' de sua irmaa ; c recomincudarci a llriant que
tao expressivo que parecen diicr: Lonlicco Jc ">e esla 'servada; parceeu-iiie lambcm,! a lassa guardar vista,
uielliordo que a sculiora toda a cstcnio de eonlinuou ella aballando a voz, que_ vosse le- j
sua desgrana.
Cm insiinclo secreto, do qual Alliettc naa se
apercebeu por entilo, detenninou-a a fallar de
Tristao, e por isso accrescentou :
Meu pobre iriii.oesta dssesperado!
- A paralyica levanlou os olhos para o eo
chamado das 9 horas da manhflal as Id
tarde ; o annoticiante encherta de um a to-
dos os denles, que para isso tem um com
pleto sortimento de dentes artificiaes do
porcelana, sendo esta romposieao incorri-
givel mui delicados o do ultimo gosto, o to-
dos os mais sccessorios tundentes a sui
proussflo : o annunciante assevera a todas
as pessoas que se quizerem utilisir do seu
presumo, quo nflo exige paga alguma nao
Picando os dentes bem postos; quo nao se
possam diferencar dos proprios denles na-
turacs, e podendo-se nusllgir com os mes-
mos toda o qualquer comida, sem sentir
a menor dr, sem ter receio de os quebrar.
Tambem chumba os dentes naturaes fun-
dos da carie, com ouro ou prata, prevenindo
assim a cooliiiuacalo da caiie e duros, a
mesmo evitando por essa forma de passar
a carie dos denles Turados para osoulros
sflos : I mili /ni lira pedra ou carie dos den-
les em geral, que lanto damnifica ecoope-
ra para o mau hlito da bocea, nflo sendo
tirado : o annuncianto ha 12 annos que
exerce a sua profisflo nesta praca, e osse
longo lempo o deve garantir.
meoiiear cu morando com meu iranio... Crcio
que nao he delle que lenho nada que temer.
Um signal de cabeca cllirmaiivo respondeu a
esta quesillo indirecta. Allieltc dirigi seus
albos para ocaliio de seu pai: implorar esta
prolecco em um lemelhanle momento era
com arde eontUrnacio, como para fter com- confinar que se senta cm perigo, sem com-
prehenderque o joven lieauregard linha mui- ; prchender ainda o que a anieacava. por quan-
ta raso de estar incumolavel pela morlc de il0 em seu pensamento ella pedia ao mesmo
seu pai. I lempo soinnra de seu protector csclareci-
--finalmente, comunin a ilcito, elle c eu menios e inipiraces.
ii i nos separemos iimica : isso ser pelo me- | A rapariga observou que a paralyica parcela
nos uina consolaco para ambos. [cscutar com alinean algum brudo vago ou
Mi Luciere dcixuu cahlr o seu bordo. c as- longiuquo, e poz-se tamucn a escuiar al-
sentou sua mo valida, posta cm liberdade,, gucui vlnha com eeilo por balso da mala en-
sobre o braco de Allieltc, o qual aperlou com volt, j as sombras do crepsculo. Alllelc
um vigor i vti uidin ii i ,. Alliettc icntio-se reconheceu logo as pisadas de seu Irmo, e cn-
eslreuiccer desde acbela alaos ps. As pa- j lao apauhando inachinalinentc o bordo da
lavras assustadoras de seu irino lli
A paralyica bateo com a ponta de icu bor-
uao na calcada retumbante rto terrado, c de-
pois pl-ae cm movimento. c com quanto Trii-
lao Ucssc alguns passos para trai, ella chegoii
logo ao seu lado. Apciar da obscuridade, Al-
licite observou que o rosto de seu Irmo se co-
bru de urna palidez mortal.
Que queres coinmigo, exclamou elle con
altlve e auiicridade. Ters acaso tambem
recobrado a palavra
'. paralyica cslendeuo braco .na dlrec(ao do
caixo e depois de le-lo conservado duraiitc al-
guna Instantes ncita posico, recolheo-o do
lado de Alliclte como se quiesse abencoa-la
ou proteje-la; dcpels desceu a escada com uin
vagar solemne, que fez desesperar a Tristao, vi
rain Allielli e Tristao j de pee reunidos. To-
dos os moradores dos campos Vjzlnfioi, todos
os seus conbecldos da cidade, pessoas, cujos
noinei ellei nao lablam, mas qne conheelim
as virtudes de seu pal, os moradoreida aldeia,
desde os vclhos at aoi meninoi, cslavaui l.i
rcunidoi. Esta icena foi dilacerante, mas Ce
Ihes bem, porquanto os douiorphosachaiaui
niil.i urna nova prova da legitlmidade de sua
dor.
Finalmente vieram dlier que ludo eitava
prompto.... Tristao oflercccu o braco ua ir-
iii.ia, e toda agente dirigio-sc para acapella
Desolto padres, cuja frente eslava o cura Via-
lard, cercavam o caixo. Quando os orplios
appareceram, os caticos couiccarain ; quatro
campouezes vestidos de d levantaram oai-
xo e o acompanhamenlo encamlnhou-sc len-
tamente para a Igreja da aldeia. O eo estiva
radioso, a aimosphera doce e perfainada. A
procisso mortuaria desenrolava-ie por eolre
mallos lloridos em lorno dos quaes sumbiaiu
bullanles iniectol, e doi quaes escapavaia-se
passaros de mu vo rpido como o pensaiueu-
to, c de uin canto alegre como a esperauca.
Aid onde a vista poda estender-ie nao se divi*
* i. i no campo urna s pessoa, nSo se va ne-
uliiiiu caiu levantar o pu dos cainlnhos, naosc
ouvia uein o balido doscordeiroi, neino berro
dai ovelhai. porque loda a popula(o linha Ida
acompanhar o despojo mortal de um hoinem
de bem. A ceremonia foi longa e solemne cm
ilvehnente angustiado por esta sceoa. Allict- j sua simplicidade rustica. Quando ella foi ter*
e vlcrain ; mi Leelerc, Ib'o deu, aliin de que ella podes- le correu a proslar-ic na capclla ella tlnha I minada, todos se cncaininharam para o ccinilc-
uemoria e parcceu-lbeque ene aperlo couvul-1 ,e relirai-sc, seno qulzesic cncootrar-se coin muila neccisldadc de orar, eu Irino ajoe- rio que ticava junto da igreja. Os ltimos cao-
sivo Ihe diila que crease uella, I Trisito; mas mal Lcclere licou Iminovclcm Ibou-ie ao aeu lado, e ella o ouvio logo orar tos recoaram primeira patada de trra q'
Porque raso me apena vosse assim o bra-'seu lugar: cm vez de temer urna entrevista,' com fervor esoluc ir com desespero. O abys- cabio sobre o caixo; o padre pronunciou de-
(0? perguntou ella, fazendo uin appello a lo-1 pareca espera-la e descja-la. lino de suas duvldas tornava se cada vez mais puis com una voz alquebrada o rcgiiiiwaf i"
das as forcas de sua alma para parecer inail' O joven conde lubio a eicada c disse: f profundo. pact: tudo eslava consumado. ,
tranquilla. Nao he naiuraKjue dous pobres I Tardel muilo minha inna, mas crc-ine Tristao cabio desmatado sobre a bordada
orplios uo queiram separar-sc.' Quem os a- que nao foi por minha vonlade. Porcm l uo A noitc passou-sc trille c pacifica. padre : sepultura; varias pessoas corrern) enlo pa-
utara comn elles le amaro .' I estas s, Alliettc f quem he que eit ah com Vialard linha vindo chorar com ellei. INodia ra ioccorre-lo, e no movimeato que a multe
A face da paralyica tornou-ic vcrmelha, I ligo i seguinte, logo ao auianhcccr, o sino da igreja dao fe parase aproximar delle, vlo-ic mi Le*
eus olhos laucaraui relmpagos, sua mo ice- Mi Leelerc, meu irino: esla excellcule de lieauregard lembrou aos moradores da al- elcre iminovel c de p do ouiro lado da niesuia.
caegelada agarroii-sc forteinenle no braco mulher quiz vir orar juuto do caixo de meu dea que linhain perdido um protector c um *
de Alliettc, bnalmcute um grito rouco c aullo- pai; agradccamo-lbc esta prova de allcieao c amigo. Seus lgubres dobres, no nielo doi j, (6'onlinmir-st-Afl.)
cado, como o estertor de um moribundo, sa>. de rccouheciinento. I quaes parcela geincr a voz dos pobres,
I.blV \1V* 1.
~1



_. O cautelisla Salustiano de A-
auno Fcrreira, fazscienle a quera
L possuidor do meio bilhere n.
818 da decima sexta lotera de o.
Pedro de Alcntara do Rio de Ja-
neiro, em que sahio os ao:ooo,ooo
Je rs., paga na ra do Trapiche r.
3C segundo andar, logo que rece-
ber a lista geral pelo vapor que
Jcvcaqui chegar no da ao do cor-
rente mez, o qual foi vendido na
ruadaCadeian. 46, loja de miu-
d"a!aqnim nibeiro Pontes avia ao res-
. ..i.,-ihliro aue o Sr. Jos Gonsalves
Sffiara
9? itn 3m em; n. as. o
Gratis para os pobres.
g Na ausencia do facultativo J. B. Ca-
nova, o professor homoiopitlia V
O osset llimont continuar com os V
a trabalhosdo mesmo consultorio, on- W
Q de poder ser procurado a qualquer W
.. yucni precisar de una senhora portu-
cuoza, i do idade, para ama deumicasa
de homem solteiro, dirija-so ra da Ca-
detl d Santo Antonio n. 18.
Ariciuls-.se un sitio na ponte de Ucha
contiguo ao do Sr. Francisco Antonio de
O'iveira, com os commodos precisos para
uml grande familia, visto como tem duas
grandes sallas e 1! quartos, cozinha espigo -
v, ,1-snii como estribara, urna grande ca-
rimba, bastantes arvoredos, etc., etc., etc.:
iim ni pretender, dirija-se ra da Priia n.
55, sobrado, tercoiro andar.
precisa-se de urna ama de loile, que o
tenha bom, forra, ou escrava : na rui do
Amorim n. 25.
Prcciaa-ae de um porluguet que seja peri-
to cm planlacoea de illio, paca o faaer em
um no lugar do Remedio quem eatlver nealas
lircuuislanclas, dirlja-sc m alfandrga dcsta ci-
dade a acu porlelro.
OsSrs. Custodio Alves da Cunta, e Jo-
s Alves de Souza, aquelle que morou na ra
dos Cuararapes, e este na ru do Pilar,
queiram dirijjir-so a livraria n. 6 e 8 da pra-
ca da Independencia.
Na ra da Agoas-Verdes, Sobrado de
um andar n. U, dSo-se bolos do vendagem,
pagando-so qualro vinlens por cada pitaes:
tambera se recibe qualqer encommenda, o
sesrmao bandejas de muilo gosto, te do to-
do o prego.
-- Na ra das Cruzes n. 40, venda de Do-
mingos da Silva Campos, ba superioros bi-
clias do llamburgo para vender o alugar,
tanto em porgflu como a retalho.
Nova tinturara,
I\a ra Velha, casa D. 74, linge-sn de todas
as cores,lira-se nodoas, e prepara-sc casacas
que lonhamalgumas nodoas ou defeito.
~ No pateo da Ribeira, loja. do sobrado
u. 15, engommase e lava-se tola a quali-
dade de roupa, por prego maiscommodo
do quo em nutra qualquer parle.
O.Sr. Francisco Antonio da Silva, da
la do llangel, queira mandar pagar a as-
signatura desle Diario, e cm quanlo ii3o o
llzer ver o seu nome publicado em letra
redonda.
O abaixo assignado fax publico que i --JoSo de Viveiros faz sciente ao Publico
nunca vendeuenem vende espritus de pro-f que de hojeemvante assigna-se por Joilo
'Jacinto de Olivcira por haver nome igual.
3
ducc&o brasileira : na sua venda da ra da '
Cadeia do Reclfe n 25.
Hanoel Jos do Naicimenlo Silva.
Precisa-se de 400,000 rs. dando-so 2
por cont ao mz, e por fiador um negoci-
ante multo acreditado : quem quizer dar,
annuncie a sua morada por este jornal.
O Sr. Jos Joaquitn do Faria, tem urna
carta viuda de Portugal: na ra do Quei-
mado 0.17.
Precisa-se de urna ama, que saiba co-
zinliar e engommar, para casi de homem
solteiro : na ra larga do Rozario n. 44.
" Sebastiilo Antonio Fernandos, subdito
portuguoz, retira-se para o Rio Grande do
Sul.
-- Do sitio de Antonio Jos Comes do Cor-
roio, na cidade nova em Santo Amaro, no
dia pninriio de agosto, fugiram quatro car-
neiros : quem os tiver echado, querendo
entrega-Ios, podem o fazer no mesmo si-
tio, ou aviso para mandar recebe-los.
Jos Goncalves Villaverde, tendo an-
nunciado por osla folha, de havor mudado
o nome de Villaverde para Santos, declara
pelo presente, queeui cousequencia de ap-
parecer outros de igual nome, licar som
vigor o dito annuncio, pois que nunca so
assignou por Santos.
Da casada sccretarh da inspoccSo do
Arsenal de Marinlia, no mesmo arsenal des
aparecorflo trez ovelhas e um carneiro, no
dia J do correte: quem os adiar, ou delles
liver noticia diriga-so a dita caza que so re-
compensar
K: COSSDLTOaiO CIMTIAI IIOHU.'OrTHICO 4
Tirocinio harmnico.
lano Gnignoux, dentista
m fYniicez, offcrccc scu prestl-
9 mono publico para lodoso
* inlslerc de -un proflgs&o :
*
Do dia 5 do agosto emdianto estar 4
exposto^venda e para so distribuir #'
pelos assignantes o primeiro numero *
do uiteressante perioco musical o :*
liricinio harmnico constan lo de una
excellenie modinlia com acompanha- J
ment para piano o urna valsa la.n-
bem pai a piano, composicOes do nos- W
aocollaboradore insigne artista per- t
nambucano o Sr. Pedro Nolafco Uap- (
tist. Este peridico, queja desde o *#
M auno p- p. foi annunciado e nSo teve i
cxccugSo por certos inconvenientes,
& tem de continuar agora saliindoa luz
um numero em cada mez emquauto.
fornios animados pelos amantes da
divina arto, os quaes cortamente nao
deixarao de coadjuvai-nos medianto
suas assignaluras, ouerecondo-lhcs
nos pequeas eomposiges originaos CJ
o do bom gusto para seu onlretcnV '
*% manto. Osassiguahles pagarSo p
cada numero 1.0Q0 rs. : vende-so
vulso por 1,280: no Recite, ruad
llrum, casa,contigua as quo estilo re- 4
liradas do aliuhamonto, e na ra da y
J. Cruz, loja de livros n. 56 : era Santo v9
h Antonio na ra Nova n. 8e 11. Nesses
m, lugares se recobcm as assigualuras. W
S OEdictor. (
Precisa-se do um criado na puulo vcllia
u. 14.
Quomquiscr consultar ou tratar-se de
molestias agudas ou clironicas, podo diri-
gir-so a ra larga do Rozario n. 30, onde
est residindo bernardo Preira do (armo
Snior, quo esta prompto a exercer sua ra-
culdadc om qualquer hora do dia ou da noi-
te. Para com as pessoas pobres se prestara
g.'atis.
-- O cirurgio Joaquim Joe Alves do Al*
huquerque cncarregado do hospital de ma-
rinha, tem mudado a sua residencia para o
largo do Collegio, casa n. o, segundo andar,
onde morava o Sr. r. Fonscca, e ondo pudo
serprocuradu a qualquor hora.
^ DE FERIUMBUC*. )
Derigiao pelo Dr. Sabino Olegario I.ud- 4
f>) yero Pinho. )
? Ra do Trapiche Novo n. 15. a,
< Todos os dias uteis se darSo consultas ^
4 o remedios de grar, 1 aos pobres,desle 4
' pela manhS, at as duas horas da lar- ^
{- de. As correspondencias e imforma- ,$
* efles p p.i.'iao ser dirigidas verbal- ^
40 mente, ou por escripto, devendo o ^
doente indicar primeiro: o nome, a m
i- idade, estado, prolisso, c constitu- 4
I? Qo ; segundo : as molestias, qyc li-rn
i. tido, e os remedios tomados; (reai- Q
tf ''" : a poca do apparecimenlo da mo- *,
tj lostia actual, e descripr;3o minuciosa, ,
(. dos signaes ou symptomas quesolTic. ^
"*, a*" > ** ^* Di. Epitanio Astudilho e Dustan, me-
dico formado pela faculdade do medicina e
cirurjiia de M.i.in 1, o reconhecida a sua car-
ta pela escola do Rio de Iim iro, tendo de
retirar-se desti provincia o faz publico pelo
presente.
Arrendameiito.
Precisa-se arrondar um sitio na Soledade,
ou om oulro ligar igualmente prximo da
cidade, o qual tenha boa casa o bstanlo sr-
voredos do fructu : quem tiver'annuncie,
ou dirija-se, para tratar, a ra Nova n.4l,
primeiro andar.
BSTEBENET cutileiro o armeiro Kan-
ecz !om a honra do prevenir o respcilavel
publico que tem abarlo urna tema na ra
larga do Rozario, anligamcnto dos Quarteis,
ao p do quaitel da policia, e as pessoas quo
qnizerem honra-lo com sua Treguoza a-
charno sempre prompto a salisUze-los com
pronlido, c boa execui;o das obras e com
modidade nos prcQos. Elle se encarre-
ga de qualquer concert pertencenle a sua
arto. Elle Tiz as ainollac/3es stergas, quin-
tas feiras o sabbados.
Companliia geral da agricultura
das vinhas do Alto Domo.
O abaixo assignaJo agonte desta coni-
I anlua nesta praca do Pernamhuco, acaba
de receber pela barca Sania Crin, urna rc-
messa de vuilios daquella companhia, de-
pois quo ella foi rehabilitada pela legislatura
de Puilugal, e dotada com fundos pblicos
pela h'i ile 91 do abril de 1843, para levar a
todos os mercados os padross o balizas do
vinho genuino e puro do Alto Douro, gerul-
mentc ennhecido pulo nome de vinliodo
Porto, alim do servirom de guia ao com inr-
elo. Eila remi'ssa, luda de vindis da mais
escolliida qualidade, devo olterccer aos Srs.
Compradores. OSOSOS certeza da sua pure-
za, mas lainbem o lyoo vcrdadcir.i dosex-
collentcs vinhos do Porto. Espera pois o
abaixoassignado que os Srs. compradores
e dirigirlo ao arniazem n. 19 na Iravessi
di Madre de Daos, a tallar com o Sr. Jo
iosquim Dias l'e.nandes, para trataren! do
ajuste do qualquer toreno que desejirem
ou com o abaixo assignado, na na di Ca-
deia doll-cife, no primeiro andar do so-
brado n 8.Antonio Francisco de Moracs.
;< iscravo desapparecido. %
%; Paga-se bem n quem dar noticiado
{ cscravo crioulo, do nome Francisco, (
(g quo desapparoccu no dia 30 do p. p>, 9
) levan lo camisa .0 calQa do algoililo
^} brinco, muito suj, o urna lina a ca- }
i liega, o escravo !ih bem prelo, baixo, i
f,' oriforcado, manqueijn de una perna J
Sd e tem debaixo do braco dircito urna SJ
^ granle marca do queimadura, lioli- }
II10 de Pajeil, donde ha pouco velo, ^
Bilheles do liio de Janeiro.
Aos 2o:uoo,ooo de rs.
Na loja de.miudezas da praca da Indepen-
dencia n. 4) vendem-so bilhetea inteirns,
meios, quartos, oilavos o vigsimos da do-
cima terceira lotera do hospital da Sania
Casa de Misericordia, quo corre no dia 5 do
corrente.
Vendem-se loncos do soda de cores, pa-
ra grvala', a 480 rs. : na ra do Crespo
n. 23.
-- Vende-se um par do venosisnss em bom
estado, po' proQo commodo: na ra da Cruz
do Recife n. 31.
Vende-se um pianno muito bom, quasi
novo, por ter lido muito pouco uso, com ex-
cellcntes vozes, c uma rica mnnlaria de ser
nlior.i, com jaqu do velludo, por preco
multo em emit : na ra do Cabug, lujado
liuarto, so dir quom vendo.
Pom e barato.
Vendo-si un novo surlimenlo do loucas
da fil, com plumas c som ollas, para [pli-
sado de enancas, assiui cuino um rico coei-
ro do casimira bordado, por proco muito om
conla : na loja do Duarlo, ra do Cabug.
Carne do sertfio.
Ven le-se carna do sertao, a mellior que
lem apparecido no mrcado : na ra du
(Jueimado n. 14, de Jos Rodrigues Fcrreira.
-- Vcnde-so um vestido do seda, muilo
muilo cm cunta : na ra do Cabug, loja do
Duarlo so dia quem vendo.
Vende-se a casa torrea, sita na ra dos
Maris tos n. 20, o motivo porquo so vende
lio porque o propiiclario tem de so retirar
a tratar de sua saudo : trata-se na 1 ua Au-
gusta n. 21.
Na ra Augusta, venda por baixo do
sobrado, que. lu do Juso Slaria, vciidoin-s.'
quoijosilo serlio, bons c muilo frselos, a
280 rs a libra.
Vende-se uma mulata moca, do boni-
la Oguri, cum bstanles habilidades, cut I
lillio de 3 annos de idade : 111 ra da Cadeia
do Recife 11. 13.
l'arinha SSSF.
Noarma/emdeGouvciii Dias, defronto
daescadinha da Alfindega, ven Ic-so fari-
uha de Ingo da marca SSSF, a mais nova e
mellior quo ha no morcado.
No armazcm do A Nicolle, rus do Tra-
piche, defronte do hotel lranci.se 1 ha ex-
cellenle queijo francez, muito fresco, a pro-
co do OGd rs,, a libra.
Lotera de N. S. do Livratnento.
Nu aterro da lloa Vista, loja de calsado 11
58 veudou-so aleiii do oulros premios o
mcio biiliclii 11, 313, om quo saino 1:500,000
rs., da lotera do N. s. do Lvramenlo, c
na mesina luja estro a venia bilheles ,
meins, quartos, quintos, decimos c vig si-
mosda niosina lotera, a nuil corre uodla
:] j do agosto crrente.
llhetcs lO.uou
Meios 3.000
Vendo-so bolacha de milho, a 80 rs., 1
libra: nu deposito dama estrella doli-
zaiio, na travessa do Quoiurulo 11. 39 \.
Vendem-se luvas do pellica, para ho-
mem, do cores, a 1,000 rs., o par : na ra
do fjueiuiado 11. 17.
Vende-so una boa escrava, moga o som
[vicio algum : na ra Rolla 11 10.
Vende-so u u 1 escrava do nacfio, do 30
anuos do idade, cozinha bem c faz doce, do
bunita figura, o motivo da venda se dir. 11a
ra Direila 11. 81.
Loteria do Rio de Janeiro.
Aos 20:000,000, 10:000.000, 4:000,000,
2:000,000 o 1:000,000 de rs.
Na loja do ca obio da Viuva Vieira & Pi-
lilos, na ruada Cadeia do Recife n. 21, re-
cen irsm pelo vapor Impsr.idor, ontrado om
3 du corrente, a lista da decima quarta lote-
ra a beneficio do theatro de Nicibcoy, c o
Jornal do Commerclo com a oxlr.iccno da dci-
ma sexta lotera do theatro do S. 1'cJro de
Alcntara, e polo mesmo vieram o achar-
se 1 venda os mu alurluuadus bilhelos e
cautelas da dcima leroeira luteria a boni-
lla > do hospital da Santa Casa de .Misericor-
dia, os quaes trocam-se por bilhetea pre-
miados de tudas as loteras, linio do Rio
de. Janeiru, como desta provincia.
A i(u rs.
Aos 13:000^000 de rs.
Lotera de N. S. do l.ivramento.
O ciutelista Salustiano de Aquino Ferrei-
ra. faz soienlo ao respeilivel publico, quo
is rodia di lucarna loteria, andam infalli-
vel no dil 30 de agosto vindouro, e as suas
mu afortunadas cautelas eslfio expostas a
venda, na prac,* da Independencia n. 4, loja
de miudezas ; na ra da Cideii do Recite
n ifi, Inj de miniln7n; no aterro da Pi
Vista 11. 58, loja de calcado, e na ra Un eila
n 124, loja eourivcs.
Premios corresponden-
tes a sorte de 3:000/
rico, com os competentes enfeites de enllo-
ca, nrooro para qualquer iioiva, por proco, .en le-so rucad 1 Iriucsz, de muilo supe-
.. riorqualulade, alfid rs., o covado :
do Crespo n. 23.
G,a;icoa IVancczes para homein,
Dos ltimos que vieram de l'ariz por nrem
dehoin goslo : loja n. 9 atnz da matriz.
Vendoin-sc pellos de como do lustro
francez muito superior a :),00li rs. : na luja
da ra Nova atraz da malri/..
Dinheiro :'t vistabotina liomeo-
pathicos,
Vendem-se bolins de casimiras de cores
gaspeados de couro do lustro praprios para
a estl{So do veiilo por seren muilo frescos:
11a ra Nova loj 1 11. 2, que so vende a di-
nheiro a vista.
lua chapeo pir 6,000.
Vendem-se chapeo." d>' monillo prelo cam
molla por 6,000 rs. ; ra Nova, laja 0.9,
atraz da matriz.
-- Veudom-ae O eseravos, son lo um bom
carreiro, e > do todo o servico ; :i moleqnes
de Idade 19 a 211 anuos; i negrotasdd eli-
do lo annos, sendo urna r cothida, quo en-
goinina, cos o cozinha o diario do urna ca-
sa ; 9 bonitas oscravas do lodo o sefvico: na
ra Direila, defroate do beceo do S. Po-
dro n. 3.
Na loja n. 2. da ra Nova, vendem-se
I dinheiro S vista lucos hrancos apretse
100, 80, o 0(1 rs. a vera,
Uaavataa de molla.
Vondcm-ae boas grvalas de molla com bo-
uilas corea de leda : m rui Mi>vi loja n. 1.
-- Vendem-se ciuibralii de linlu muito li-
na propriii p.ua aberturas de cimisii e len-
coi para lenli n 1 a 1/ ri. a vara : atraz da Ma-
triz luj 1 11. 2.
\ ondeui'ie .
Lencoa dAiasa para gravita
l.en.isd,' casaa para aleibulra 500
Filo dito dito i#00
Ditos de cambrali de iiuJio para liu-
iiiem 1/000
II r 11 de seda ',
Dilu dito para sauhora U''"
Hitos de seda para Bravata do homeiu l#no"
Komelraa de lii de Itabo 2/ouo
Lencos de fil de llano de tres nonlai '' 00
Veos de dilu 3f00
Procos das cautelas.
(Juaitis 2,600
Quintos 2,100
Decimos 1,100
Vigsimos 00
1:150,000
020,000
460,000
230,000
AGENCIA DENEGOC1OSENTRE0 BRASIL Kl fe he pouco'pralico as ras dcsta cida- 4
PORTUGAL. 4) urna vez sabio, o por isso se julga te- *
fe nlia sido por algiicm pegado, o como
Ha Inlcressc cm saber se nesta provincia re-
side Francisco Antonio de Faria, que velo de
9 qiier horn Clll sua casa, 11 n 'Portugal cinpiloto de navio, e cscreviaasua
9 I-lia larga do Rozai'lO, ll. 3G, tB m, lUriaana Kcrnarda, d'Evora, ciii i de
ft segundo andar.
*
Na loja do funileiro n. 38, da ra Nova,
precisa-se de ofliciaes de latoeiro.
-- O Sr. Francisco los de Figueiredo ,
hoje morador na villa do Limoeiro, queira
vir, ou mandar pagar, na venda da ra da
Cadeia de S, Antonio n. 2, a letra que, da
quintil de 50,000 rs., passou ao Sr. Jos
Lina do Vasconcellos, pelo cavallo que Ihe ,u"a- N"lc u"'mo .caso a"uc"a a'"1 "C *
actembro de 1841, a sua ultima carta. Ncssa
carta diiia elle Icr sido piloto do briguc V. An-
M: parece que o dono do navio, (jTcIl1! a Bi-
ll tempocuminandava, era um negociante dcs-
ta praca.
Dcicja-sc saber igualmente se he conbecida
a sua residencia, em alguina oulra parte, a 11:10
ser nesta provincia, ou ac morreu c dcixoj for-
comprou, na villa do Pilar, em 9 do feverc- berdeira, e dcaeja ceder-uos os scua di-
ro de 1844, pois que nao ha mais papel para rcitos.
escrever-se-lhe cartas, sem quo se obtenlia Ser-nos-liia mu satisfactoria a exacta not-
eireito, pelo que, em quanto n5o pagar te- ca a esie rcspclto,
ia de ver publicado osle annuncio, cm quau- Tainbcm ha inicrcuc cm saber ac aqu oste
lo nSo so lecorre aos meios competentes. i). Thcre/a Pcrcira Rcbcllo, natural dcsta pro-
Prersa-se do um caixeiro, de 16 annos vlncla, que tem casas e um engcoho de assu-
ilo idade, pouco mais ou menos : a fallar na car D Luint Rebello Hiil lie sua niha, foi
botica de Uirlholome Francisco doSouzi, aqui Iiascl,ia, c he beideiracom outroa: aclia-
l2h2 IiV,.n; 2 U..I d lai Be'ardo, do lugar de Pc-
-Na ra das Agoas Verde, n. 14, lava-se, Rcal> cm ,osnMu,es' "a *"ob'b'"nd"^
e engomma-se toda qualidide de roupa, por de navcr fallcc'Jo D- T"crMa' ",a,8 am'la ncslc
prreo mais commodo o quo em oulra caso- sc fal precisa urna exacta solucao, c pre-
quilquer parte. ende aaber-sc onde para a hrranca por ella
-Aluga-so por barato proco, uma casa no dedada, c a quaulo monUra esaa heranca.
poco da Panella, a margem do rio Capiba-] D. iuza Rebello, constituida herdeira de
ribe, 1 qual tooj bom terrasso, quintil mu- sua iu, lambcm nos fazcessao de scuadirei-
rado o estribara : quem a pertonder. diri- toa, cha conllado inspec9ao deste catabclcci-
Ja-so 1 ra docrrspoao podo irco, loja n. 3. mentoa nvcsligaciio c aolueo desle negocio.
l'enleu-.-o 01 noite de 28 de julho ultl- Tanibrm te des-ja nahrr nnde pira a nerin-
ino, uniroupinhodesedt.cordorosa, com'tadei.ada porJoi Pires, filhode Domlngoi
palmas brancas: quem o achou e ">
resli,uir,.,eve.o S ^VCto n. Si/i"" sua -" ^"f %tZ
gundo.ndir, que sera gratilcado. cdos, todos de lugar de Mlla beeci. firegue.
SK|BW ideNossa Senhora da Assiinipcn, distnclo de
7,~VVT~~T7T "?"??**???''?, Villa Real. Velo para esta cidade, c d'aqui pa-
irimetras letras, costura, bordadora aiiarraGrandc.
e flores.
1 un senlioja honesta e quo se ada con-
venientemente habilitada, se offerece a en-
sinar meninas por mdico preco : quem de
seu presumo se quizer ulilisar, dirija-se a
ra do Arigo u. 12, segundo indar, que
achara com quem tratar.
k IA A* A A 5> A '".'' '' ^. A A 4
Alluga-so um excellenie negro, mestre
refinador de assucar, cosinha o diario de
uma casa, e proprio para lodo o mais servi-
'." por ser muilo fiel e geitoso: quem o pre-
tender dirija-se loateiro da Roa-Vista, loja
n. 54 que la se Jira quem o lem.
-- Desappareceu no da primeiro do agos-
lo do corrente anno, uma negra por nome
laria; he baixa e fula, e lem algumas faltas
do cabellos: roga-se a todas is autoridades
pohciies c capitaes decampo, queaapre-
iienam o levem-i na praca da Independen-J
-a, loja n. 40, que se gratificar.
Jos Luiz Pereira, prelendendo acbar
ate o hm do corrento anno com a sua I ja de
lerragens di rui Nov n. 16, ofisrece 1
quooiaquciri comprar, o piiucipia desde
ja 1 vender qualquer poreflo de ferragens
011miudezas pelo quo Ihecustaram; apro-
voiw a occasiao para rogara seus devedores
n. m 8allsf,2er aeus dbitos no priso
i,nr r p,ra uflo constrsnger 1 chimar
corem SPUb"C"Bquelle8 .u* se eS(>UB-
niVu'law!de Coul Viein.que trabalban
uiXiV,Cr,,IM.f Pblieo que se ach
,eh,i 1 "" rua d0 Bangern. 36, onde
"harfloosseus freguezeswmpre prom-
ilc7mr.rl,o,V80dl> u,n, oscr". Pa" se'vir
n. ama a urna so pessoa, sabendo cozinhar,
z.HnS e"om,'n,r n rui estreiU do Ro-
erlo n, 17, primeiro andar.
A lnula noticia ou pelo menos, algum cscla-
recimento lalvcz possa lar ministrado por pes-
soa que tenha conheciniento dcstes negocios,
d'aquclles individuos a quem tocam: pede-
ae por Isao que a resposta, qualquer que ella
seja, appareea neste Diario, a que se recorre,
para proporcionar uma investigarlo inaisiiii-
nucioaa.
A delegacao da agencia nesta provincia tem
vivo intereate na praqulza deatea negocios, que
conlia ao dominio do publico, certa de que ac-
ra este o un 10 mais conveniente e prompto pa-
ra chegar a un termo aaliafactorio.
1 nn:ii ni ac deseja saber onde mora nesta
provincia Jos Antunes Guimariies, para quein
existe urna carta, viuda ltimamente de Liiboa,
por iclcrvencao da agencia directora daquelle
ponto,
Escriplorlo proviucial cm Pernambnco.aoi
i de agoato de I81, rua calrelta do Rosario n.
ll, icgundo andar.
O delegado da agencia,
Antonio Kani/d de Torres Bandeira.
Aluga-se um sitio na campia da Casa
Forte com boa casa de vlvenda, muitos ar"
vorediis do fructo, boa agoa de beber,-cs-
tri bar a para dous cavallos com toda a frenl0
e paite dos lados murado, portDo do ferro :
a tntir na rui di Cadeia do Santo Antonio
11. 15.
Pordeu-seum anel de diamante com o
aro fino aberto com um diamante manir no
centro,e os outros menores om circulo, o
qualseperdeu na desarmacSo do Sautuario
no festojo de Nossa Sanhora do Carino, no
primeiro andir da cisi nova do piteo do
Calino que fiz quina pin I rua do Hurtos n.
3 : quem achir o dte mei poderi entregar
a professora na mesma casa, e recbela
6,000 rs, do gratificarlo.
t
9
i>j) por isso so faz ver que pcrWico ao
;. lllm.Sr. coronel Coyeia, morador na ^j
fe nao saiba dizofquem' lio seu^enlior
irWii
Capunga,sitio da Sra ll. Florinda on- fk
- de podo sor cnt'cgue, *u na rua do ,^
Quemado, sobrado n. 27 prim,eiro>
* andar. / *>
}+**>+** **? a*' -a*-J
Prcciie-sc uo urna ama forra ou cati-
va para e iziiiliiir o diario do nina casa ti!
poura familia.
Aoj habtenla da billa Capunga.
Na venda nova da l'apnnpa de Man oi d
Souza Pereira lunior existe um deposito do
farinha do mandioca dn S Calila'111a, de
superior qualidadc. tanto em saceos, como
a retalho, n prego favoravel ; espera porlan-
to o dono desto ostlbeleclflionto o protecc.lo
dos bons compradores, poupando o traba-
1I10 da conducilo do Recife para esto lugar,
mais e despozas decarretos.
IIUIUI. IIII1 M 111 n^m
Compras,
Compra-so urna pequea prensa dea-
parar livros : quem livor, annuncio.
Compra-se o livro intitulado Portugal
Restaurado, em qualquer oslado : na pra-
ca da ludependencia 11. 12.
Coinpram-so papel impresso Diarios),
que nao ten'iaO sido etica Jernados, 19,560,
a arroba, o a 80 rs., a libra : na praca da S.
Cruz, padaria 11. 106.
Compra-so um solim usado : 111 rua
larga do Rozario n. 26, loja do miudezas.
Compra-so um aderezo de ouro, para
senhora, que nSu seja mullo lora do uso,
moderno, dando-se aln do ouro, algum
feitio: quem tiver, annuncie por esta folha.
^*.**( ^ Comprani-so o vendem-se escra- g
.< vos e recebem-se de commiss3o fe
4 tanto para dentro, como para lora da fe
i provincia, o se adianla dinheiro so- f
4 bre os de commisso sem levar-se ju- +;
ii ros, e os que foren comprados nesta fe
# casa, os donos desguatando e entre- t-
gando os eseravos da mesma forma (,
) quo os compraram, rccebero o scu t-
19 importe, fazendo um pe |uono des- fes
4 cont : na rua das Larangeiras 11. 11, (
) segundo andar. fe
-- Vende-se urna frasqueira com tii fras-
cos, em muito bom uso, por preco coiumo- Na rua Nuva, lojc u. i, airar, da Mitrii
do : na rua larga do Rozaiiu n. 25.
S Flix.
Chegaram os verdaderos charutos de s.
Flix, e so vcnilem na loja da rua du Que-
mado u. 9, por 3,000 rs.
Cera de ctrnauba.
No aleiro da Roa Vista n. 73, anda existe
um pequeo resto decora do carnauba, de
primeira sorte, a qual so vende por baixo
prego, para fecbar cuntas.
A 3 jo rs.
Vendem-so longos do cassa e soda, para
grvala do homem, por 320 rs., cada um: na
rua do Crespo 11. 23,
Aos 0:000,000.
Casa feliz.
Hala Ramos & Companhia, na rua Nova
n. 6. roe beran polo vapor Imperador,
us mu afortunados bilhetos, meios, quar-
tos, oilavos c vigsimos da dcima terceira
luleria da Santa Gasa do Misericordia do Rio
de Janeiro, cuja lista devo chegar pelo pri-
Vende-se um molequo creoulo, de 10
annos, viudo do Aracaty, proprio pan qual-
quer ollicij: na rua larga do Rozario, lo-
ja 11. 35.
-- Vende-se um terreno que tem alguns
arvoredus, o 180 palmos de frento"na nova
ruados Pues quo faz os^uina para a nova
rua do Hospicio, pelo prego de 550,000 rs. .
no aterro da Roa-Fista n. 14.
Vende-so l'uinha paraanimies : na rua
do nngel i). 27.
?> Clie^uemao borne barato
ft) Vendem-so pannos finos pretos a $JJ)
fe' 3,i 00 e 4,000, rs., ditos azues a 3,000, )
fe 4,000 c 5,000 rs.,ditos verdes a 3,500. 4
e chitas frincszss muilo finas a 280 J
ti rs.ocovado.cassa chita a 610 rs. a va- ')
fe ra, casimiras de cores o de bom- 4
fe tos padres a 6,000 c 5,000 rs. o curte, <;>
fe longos de seda de cores a 1,000 is., >
fe palitos milito bem foilos a 5,00), len- >
fe Cos encarnados para gravili a 2,000 Ti
fe rs., nlaodaosinho com pouca avaria }
fe a 1,600TS. a pega, lengos de cambria 4
fe de I111I10 a 480 rs., riscados largos )
i', poprios para roupa do eseravos a 120 *
fe rs. o covado, sarjlo proprio para 4
:,) ronpa dos mosmus 1 240 e 320 rs.,o >
fe covado, e outras multas que se tor- ?
fe nam apreciareis, nSo s pela sua boa ?
fe quahdade. como pelo diminuto prego: tj
fe na rua do Crespo 11. 10, loja de Igna- 9
9 eio Luiz de BritO Taborda. 'O
Ao madamisme do bo.-n gosto.
tkoaba '<- chegar para loja da J. Joaoni"i
il,reir i. Compuuliia nu roa A'oro n. 8.
Ricos turbantes de lilot ou retroz do mu
lindas cores o do muito boa quelidade, he
la gosto, o conforme os ultinios li-
gurinos, be n se ve que lio um dos mais bel-
los adornos com quo o amivel sexo de-
ve enl itar seus penteadoii grinaldas deilor
1 laranjoira, ronieiras de lil de linho,
goliobas iora sonhora do muilo bom goslo,
luvas de pelica guarnecidas de tringas o
burlas prnprias para noivas, meias de seda
de poso brancas e pretas, lencinhos deseda
pequeos a 720 rs., lengos de soda sem fran-
ja, padroes novos o proprios para hombro
de senhora, sapalos do selim brancobem
alvo, ditos de oouro de lustro, luvas do seda
oelo las 11 qualidades, assim como urnas
do Dogal viudas de lisboa quo so vendeni
por 1,000 rs. o par, 11 ros brancas para on-
leil >S da vestidos, ditas para chpeos e ou-
lias 111 us I iz. ndas do gusto oqualidade quo
na mesara loja se vndenlo pur prego com-
modo.
Chapeos amazonas.
Na rua Nova 11. 44 i fabrica de
l chapeos chegaram pelo ultimo
rancez do Havre, os mais
Agoa para os tientes.
Vende-so agoa para alimpar os denles por t
1,000 rs. um frasco : rua .\ va luja 11. 2. j navio
Vendem-se ririnha SSSF verdadeira mo iernos c de mellior goslo pos-
r.%oHaddefl SaSSrSr noTni:l v.l, chapeos omazoaas de palhu
zemdoJuaquim da Silva l.iues, a portada daltalia ; ditos de fcltro brancos,
pardos
alfandga n. 20.
Como de lustro.
Ni rua da Cideia do Recife n.56 loja, ven-
de-se couro de lustro do supenoi qualida-
de por mais barato prego de que om o itri
qualquer parle : .;uem quizor desengaar-
se, dirija-se ao lugar Indic ido.
-- Ni rua da Aurora n. 32, vendem-se i
pipas vazias do l.isboi, e uma arquiada de
ferro pira deposito de mol, latas com bula-
Xinhas do ararula l'ita no Rio de Janeiro, e
cliegadas pelo ultimo vapor a 2,400 rs, vi-
nho do porto a 500 rs., maoteiga inglezaa
soo, 610 rs paios novos a ano rs., Iingoicas
a400rs., fo/iblia de araruta a 160 is.,de
triga a tnors., doUirinhSo a 120 rs., leva-
di a Hii I., cafe a 100 rs cha a I,soo o
vapor; na mesma casa moslram-so 1,600 rs., vinho de Lisboa a 280.
meiro
as listas das quo ja cniroram, e recebem-so
bilheles premiados do outras loteras do ira
perio.
Aira/ da matriz da rua Nova
loja n. 1.
Yon lem-so boas finid
murga; bous eandieiros para sala, linternas
do li de viilro.dilas de p de bronze, loques
linos du papel baraliulios, oscovasp.ir 1 ca-
bello, ditas para roupa, ditas pra chapis,
dilas para deoloa, peles de couro de lustro
francez muito superior a 3200 r*, longos do
cimbnii de linho bordados, Unos a 8,000
rs ,ditos a 5,000 rs lisos a 1,800 rs. a du/11,
lencos pequeos para meninas a 200 rs., di-
tos a 400 rs., ditos de seda a 3,900, chapeos
de merino prelo a 6,000 rs ditos brincos
a 6,011 J rs., espingardas linas do espoleta,
I iiqos de cassi par grvala a 600 rs ditus
le lio de seda-a 1,000 rs., .chapeos de palha Chinelas do inirroquim pirihouicni,
oara senhora a.OOOrs ditos para menina Ditos de ISadilodlto
a 1,000 rs., ditos para homein a 4,000 rs., Sapiios de luilro pan
castigaos Jo vidro, ditos de broue, chicotes
inglezes com martello a 2,000 vm, mantas de
arga preta, clial-s de seda baratos, luvas
Vende-se ou permuta-se por casas ou
sitios nesta prega o engolillo Pao-San,'ue,
sito na comarca du Rio l'onuoso, moentc e
crrante, do muito boi producgSo, com um
quarto de legoi do frente, e uiei.i do lun 1",
com proporgooi pura moer cor agoa vauti-
s forradas de ci- josimente, por ncar i margem do rio Serl
nhaein : lem uptuno cercaJo quasl louo iti-
to de vallados, o multo bom sitio pira
lavradores; quem o pretender dirija-sel
rua Direita, no segundo aniar do sobrado
n.88,disfias8boraa da mantilla, o das
as 6 da tardo.
A. Colottibiez, com loja atrada
3iit iz na rua Nova 11. 3
lem receuido um grande torinenio do oal(
diis, quevendea dinheiro visti,
Sapaloea de como de lustro franccica
pin honieni
Pollas de eisiuiir.is (,-aspeadoa.
senhora
Ditos dil 1 dilu
Ditoi dito de marroqulin fnncez
liiiu dlloi ibotiuidos de novo goslo
Dito dito de tapete para acnbora
Compra-se uma escrava de bonita ligu-
rs, e que seja boa cozinlieira, engoinmadei-
1:1 ecosturoira, para fra da provincia : na
rua do Passeio, loja n. 21.
Vendas.
DfiVfillES DOS HO.UENS,
a 5oo rs.
Vende-seeste compendio aprovado para
as aulas, em meia encadernagao, a 500 rs ,
cada um : na livraria 11, 6 e8, di pnga da
Independencia.
Simio tic Nantua, a 6'|o rs.
Na livraria da praga da Independencia n.
6e8, venJe-se esto compendioapprovado
para as aulas, pelo prego de 640 rs.
Principios geraes de economa pu-
blica e industrial.
Vendo-se este compendio, approvido pin
as aulas de primeiras letras, a 480 rs. : ni
praca da Independoncia, livraria n, 6 e8.
Espelhos dejacarandi.
Vendem-so lidos espelhos de Jacaranda,
com columnas e do muito bom cspelbo, pe<
8/11011
i/no
I 140
1/440
14)10
1/000
2/iOO
IflIOll
M0
liu para llicnnios
Sipatos de marroqulin para menina.
AVISOS AMliiWCAM'S.
-"C i'"''1 <-" "= i->"f pito dito de tapete pira sennora
do seda, mei'sdc soda prola para senhora, chlnellaidemarroqnliu paraaenbora
jarro com hacia de porcelana branca pro- gosto grego
pria para lavatorio a 4,000, apearelhos do Bouna de luarroqalin gaipeidoi pan
porcelana para cll a 20,000 rs., chavanas do senliorcs
porgolana para caf, veos do linho prelo Sapalos de duraque preto dito dito
bordados do soja, veos blancos para senho- Dltoi1 de Ktiin brinco dito
ra a 5,000 rs ditis a 4,000, longos de lil do SapUiohoi de corea con. pona de
* i*i lin 01 111 111 1111 -
linhu n 6,000 rs., mantas de lito prelo e
4,000 rs., molas para grvala a 320 rs. ven-
de a dinhciio i vista.
1,000 rs. um frasco.
Vendcm-se frascos de vinagro aromtico
que ten a virtude de nmaciar a pello, tirar
as sardas, amaciar o cabello (experiencia
proprii), tin doios de cabega : rua Nova
n. 2
- Vondom-se quatro bonitos pardos do
dado de 8, 12, 16 e 20 annos, som vicios ,
ptimos para pageos; dois dos quaes silo
bous copeiros, e um pe feito remador e csli-
vador, lodos sem vicise bem sadios ; 2 lin-
das mulatinhas do 10 e 18 annos, untadas
quaes est grvida do 5 mezes, cozo muilO metna do F.uclides, panoramas encadorna
bem, emgomma e faz todo o servigo da ; dos a 3,o00rs., Virgilios, honcios. tito livios
casa ,- 11 oa dita bem corpulonta, do 30 j0 S3||Ustios, dous breviarios truncados, dic-
annos que cozinha bem, lava e cmgomma |Ciouarios de Conslaucio, novos.a 10,000 rs.,
soilnvel; :t piolas do bonitas liguras, que obras do direito o de moJicina om francez,

Veudem-se arados amen- :
canos verdadeiros chegados J
g dos Estados Unidos : na rua ^
5 do Trapiche n. 8. *
*,*.*.-.****?*?**?>'*'#-J
-- Vendem-se na livraria da rua do Cres-
po n. 11 as seguintes obras: diccionario
trancozdc Hoiste, novo; maguum lexicn,
usado4,000 rs algebras de l.acroix, goo-
on gommSo cozinhflo e lav.to roupa ; urna
dita sem ahuilado ; 3 pretas do meia i lado,
uma das quaes cozinha c vendo na rua ; um
molecote de 20 annos, muito bom official de
alfaiate ; -2 pretos bons para todo o servico ;
2 ditos de meia idade, bem corpulentos e
salios: na rua da cadeia do recife n. 51, 1.
andar.
Venda-se um escravo, som vicios, pro-
lo diminuto prego do 2,500 rs. : na ruidofprto pan todo sorvigo : na destiligo de-
(lueimido n. 16, loja do miudezas. fronte di ribeira do peixo, casa n. 17.
poesas o novel las, de vanos oulures: ludu
por pregos muilo cummudus.
Vende-se um cscravo do 22 anuos de
idade, bonita figura, o qual sabe remar: om
Fra de Portas, na do Pilar u. 101.
Uiu piano iuglcz.
Em muito bom estado, proprio para se a-
preuder tocar o por prego commodo : na
rua das Flores, casa n. 10, do organista
Trosso.
pretos e pirdos ; ditos de palha
enleilados, para meninas c meni-
nos, por preco commodo.
Para as escolas primarias
da provincia.
Vendem-se oa seguinics livros adoptados
como compendio :
Si rollo de Nantua 2,00o
Sinopsis do general Ahrau o L:ma 3,20i>
Devores du homem por Silvio Pellico 600
Nogi'S de geographia o historia 1,000
Os evaiigelhos tradnzidos pelo P. Pa-
ren a 1,600
.\o pateo do Collegio, casa do livro azul.
.Sanios Andrade & Com-
paulii i.
Tem para vender, na sua loja do seleiro na
rua Nova n. act, o seguinte :
SELINS finos, tanto feitos em Inglatona,
como cu sua oiliciua.
ESTRIBOS linos, do metal principe; ditos
de ico e Jilos de lal.io.
ESPORAS finia, duigo c de lati.
MAMAS paia cavallo, do casimira, edi-
tas tu laa do orello.
TODOS os arrcios para cavallo, lano fei-
tos em Inglaterra, cuino em sua oflicina.
Todos estes ubjoctos se voudem, por mo-
nos quo em oulra paito.
'vais pechincha.
Chales do sedi, muito bonitos o grandes,
a 4,500 5,000 o 6,000 rs., cada um : na rua
do Crespo n. 10, na loja do Taborda.
-- Vende-se um aliineto de ouro, para
lenhora 3 pares do Ir i neos, i rnoeda guar-
necida, colares, curdes, anelOes, I meda-
ilia, 2 relogios patentes ingle/es, 1 du/.ia do
eolliores deprala, paia sopa n I dita para
cha I na ruaoatreita do Itozario n. 28, se-
gundo andar.
Vi rua eslrcila do Itozario n. 2S, se-
gundo andar, ven lcm-se duas partos do so-
brado da roa do Livratnento n. 8, e da rua
da Senzalla Velha n. 126.
Vende-so para lora desta provincia, ou
da praga, tuna ni dala de 25 annos do idade,
que sabe engom.iiar, cuzinhar o coser : tra-
ll-ss no aterro da Boa Vista, sobrado u. 8,
segundo andar.
Vende-se uma casa-nequona de podra
ocal, com grande quintal bem plantado, VI-
veiro e bom banlio, to.n tido uogocio, podo
ter 4 a 6 vaccas do leite pastando as estra-
das, por tor lugar para curral o so von Jer a
maior parto do leite na porta : trata-seno
Mauguinho n. 35.
--Vende-se um molequo, de 15 annos de
idade, bonita ligura, proprio para qualquer
ollicio,' ou para pagem : no beceo da JLiii-
gocta n.' 8.
-- Vende-so una casa terrea, na rua deS.
Francisco n. 0 : trata-se na mdsma.
- Vendem-se colleecoes com
mais de seis lindas vistas, repre-
sentando a ponte do Hecife com a
aliandega, a ponte da Uoa-Vista,
a cidade de OIinda,a ponte do Ga-
chang, Poco-da-Panclla, e a rua
da Cruz coui o arco do liom-J esus;
bem como duas grandes vistas de
l'ernambuco: na rua da Cruz, u.
i o. casa 1 lialkmanasirmao.
MI ITII ADO
.i


I
Novo Hovtlmento de fu/.curta*, na
loja 1 COK rto Crespo n. 6.
Corle de ci6ia chita fracez, do cores (i-
xas, por 2,000, 2,400 e 2,800 rs. ; ditos de
r.ambraiaa de salpico, a 3,600 rs. ; corles
de chita de bom goalo, a 1,920 rs., com 2
covados ; cassas riequadros pira bahndos,
com 8 1)2, a 2,400 ra., a peca ; olparka de
cordita mulo lina, 800 ra., o covado, e
muilis outras hiendas por barato proco.
Bombas de ierro.
Vendcm-se bombas de rrpuxo,
pndulas c picota para cacimba :
nu ra do Brum ns. 6, 8 e io,
lundicao de'lerro.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de diversos
modelos, assim 'como americanos
com comba o de sicupira e bracos
de Ierro : na fnndiro da ra do
Brum ns. 6, 8 e io.
-- Vcrftem-so amarras de ferro : na ra
da Scnzalla nova o. 42.
'i'ecido de algodao trancado na fa-
brica de Todos os Santos.
Na ruadaCadeia n. 5a,
vendem-se por atacado duas qualidades
propriaa para saceos de assucar e roupa de
iscravos.
Moinhos de vento
eoiu bombas de repudio para regar hortas
d baxas ducapim : vendoro-sona fundico
de Bowroan & Me. Callum, na ra do Brum
ns. 6, 8 e 10.
Tnlxa pina cnge-nliu.
Na fundico de ferro da ra do Brum,
acaba-so de receber um completo sortiroen-
to de luisas de 3 a 8 palmos de bocea, as
quaas acliam-se a venda por preco com-
modo, e com promplidfio embarcam-se, oo
rarregam-so cm carros sem despezas ao
comprador,
AGENCIA
da fundico Lo\v-Moor.
IIL'A DA SF.NZALLA NOVA N. 42.
Neste estabeleeimeuto conti-
na a iiaver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, c tahas de ferro batido e
ruado, de todos os tamanhos, pa-
ra dito.
Eni cusa de .1. Keller S Com-
panhia, na ruada Cruz n. 65, acha-sa a ven-
da o Rxcellenloe superior vinho lie Bu-
celias, um barra de 5.', be muito recom-
inendavel as casas estrangeiras, como ex-
cellenle vinho para pasto.
Vende-se superior cognac velho, em
barras de 12 a 2t caadas : na ra da Cruz
n. 55, casa de J. Keller & Companhia.
~ Vende-se gesso em barricas, vindo no
ullimo navio chegado de Franca, lendo ca-
da bairica 20 arrobas pouco mais ou me-
nos : na ra da Cruz n. 55, casa de J. Kel-
ier & Companhia.
modo. Na mesma caa ha chapeos de sol,
de marcamaior, de panno e de soda, pro-
prios para feitores de engenho, por lerom
o oais fortes que- se podem fabricar.
Pannos finos de odas as qua-
lidades.
Na roa do Crespo, loja da esquina, que
volta para a Cadea, vendem-ae panno tino
preto, a 3,000, 3,500, 4,000, 4,500 e 5,000
rs.; dito azul, a 8,000,4,000 rs., e muito su-
perior, a 5,000 rs.; dito verde, 2,800 rs.;
dito muito claro, a 4,000 rs. ; dito cor do
rap, a 3,000 e 3,500 rs.; cortos de casimi-
ra prela, a 5,000, 6,000 e8,000 rs.; dilosde
cor, a 6,400 rs., e outras fazendas o maia
barato possivel.
Nova peeblneha.
Corta di casia chita, a 2.000 n.) Mol tM0f-
tainUirot com 12 covados, a 1,600, 1,800e
2,000 f.
Na loja da esquina da ra do Crespo, que
volta para a Cadoia, vendera-re corles de
cassas chila.a 9,000 rs.; ditos de chita, a
1,600. 1,800 e 2,000 rs.; ditos de cambraia
branca com lislras decOres, a 3,000 rs.; di-
tos de salpico, a 3,000 rs.; corles de colele
de fustao do ultimo gosto.a 1,600 rs., e ou-
tras umitas fazendas por preco commodo.
Deposito de cal e potassa.
No armazem da ra da Cadeia do Pecife n.
12, ha muito superior cal de Liaboa em pedra,
assim -como potassa chegada ltimamente a
preco uiuiln rasoaveis.
Chapeos de sol.
Vendem-s capeos de sol de panno com ai-
tea de baleia pelo preco de i"J20 r., ditos de
junco a 1/180. Na mesma casa tem um sorll-
uiento dos inesinos objectos, lanto para ho-
inem e senhoras, como para meninos e meni-
nas de escola: na ra do Passeo n. 5.
(lera de carnauba.
O mais superior que ha neste genero, ven-
de-se em porcao e a rcialho : na ra da Cadeia
do Recife, loja n. 50 de Cunha & Amonio.
Vrllas de slcaiina.
Vendem-se cstaj vcllas da mclhor qualidade
possivel a lis r. cada caiiinha de 25 libras,
trala-se com A.C. de Abreu, na ra da Cadeia
do Heclfe o.4l.
I'otas.sa da Russin.
Vende-se potasas da Itussia, recenlamcn-
te chegada, o de muito superior qualidado ,
na ra do Trapiche n. 17.
*****<*:* *.*>:***#*
.Vitorino para saceos. V
Vende-se muito bom algodSo para ?;
f saceos de assucar, por prcQocommo- #
do : em casa de Ricardo Royle, na >
1 ra da Cadeia n. 37. *
Q9'&&9:G9t& 999--9999GG&
Vendcm-se relogios de ou-
ro eprata, patente inglcz : na rual
da Senzalla Nova n. 4a*
Moendas superiores.
Na fundicHo em S.-Amaro, acham-se venda moendas
de canna, todas de Ierro, de um modelo e
coDStrucco mnilo superior
Arados de ferro.
Na fundicta da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Antigo deposito da cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, lia
muito superior ca nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa
na barca Ligeira.
Deposito da fabrica do Todos os
Sanios na Uahia.
Vende-se, em casa de. N. O. UiobcrtC. ,
na rua da Cruz n. 4, algodSo Inusado da-
quella fabrica, muito proprio para saceos de
sssucar c roupa de escravos, por prcc,o enm-
mojo,
Vendem-se relogics de ouro,
de sabonetc, patente ingle*, e di-
tos para senhora : em casa de C.
enwoitliy &c Companhia, na rua
(11 Cruz n. 2.
4
1 ara curar da phtysici em todos os seus
diferentes graos, 011 motivada por consli-
pacoes, losse, asthma, pleuriz, escaos de
singue, dOr de cosas e pcitos', palpitacita
nu cor nao, coqueluche, bronchilcs dr
de garganta c todas as molestias dus or-
gSos pulmonares.
Do todas as molestias que por lieraucn fi-
1 ,1111 id coi 1 i, humano nenhuma ha que
mais destruitiva lonha sido, ou quo lenha
zombsdo dos osforcos dos honicns mais
eminentes em medicina do que aquella
quo he gcralmente conbecida por moles-
lia 110 bofe. Km varias pocas do se-
cuta plisado, tendo-sc olTerecido ao publi-
co difiereules remedios com attestados das
extraordinarias cu/as que elle tem feito ;
l'orrn quasi que em todos os casos 1 Musita
tem sido apenas passageiru c o doente
torna 1 recibir cm peor estado do que se
achara antes do applicar o remedio lita re-
commendado oulro tanto nao acontece
com es te extraordinario
Xarope de nosque.
Novias Compaubia, os nicos agentes
nesta cidade provincia, e nomcados pelos
'ni -. R. C. Yates & Companhia agentes
geraes 110 lio-de-Janeiro mudan ni o de-
posito deslti xarope para a botica do Snr.
Jos Mara C. Ramos, na rua dos Quarleis,
11. 12, junio ao quartel de polica, onde
sempro acharan o nico, c verdadeiro, a
5,500 rs. agarrafa, 01 3,000 rs. meiis gar-
rafas.
liini 1 c ha rato.
Veiidem-se rarteirinhasconi agulhas fran-
cezas, propriaa para toda a qualldade de
costura, a :I00 rs. ; ditas em caiiinhas fa-
zenda muito superior, a 300 rs. ; linhas de
peso, muito Tinas, a 60 rs., a miada : ditas
em csrreteis de 200 jirdis, 1 60 rs., cidi
carretel; guias cantla?, 1160 rs o pa-
pel, com lOOagulliis; pautes de hileii, pa-
ra alisar, o mais lino que se lde cncont'ar,
.: o,l e 320 rs. ; agollieiros linos, a 200 rs. ;
tesuurinhas inglezas, o mais lino que tem
npparccidoe da varios tammlios, 1 400, 600
800 rs. : ni rua doQueimido, loja de miu-
dezas junio 1 do cera n 33.
Vende-se
Arroz de casca,
I 'mello novo,
Cha prcto,
Chumbo de municiio,
Cimento,
vende-se ludo por precos commodos : no
armazem de J. J. Tisso Jnior, na rua do
Amorim n. 35.
j^ Chapeos de sol.
3Nv Rua doPasseio, a 5.
.V'sla fabrica ha presentemente um rico
sortioiento desle objectos de todas n co-
ros c qualidades, lanto de aedi como de
pinninbo,porprecoscommodos; ditos pa-
ra seohora, de bom gosto: estes chapeos 1
saotitos pela ultima moda ; leda adamas-
cada com ricos franjas de relroz. Na msmae
rasa se acha igual sortimenlo de sedas e
paoninbo imitando ledas, para cobrir ar-
macOes lervidas : todas estas fazendavoe a-
aem^se em porcao e a retslho : timbem le Vende-se sera de carnauba, penis do
eoncerta qualquer cbapeo de sol, tanto detena eti|olo de limpar metaes, por preco
basteas de ferro como do baleia, assim como' commodo : ni rua da Cruz n. 33, arinazetn
.umbelas do igrejis: ludo or preco com- de Sa Arauju.
ACIDAM0EPARW.
40-^,
liiiu do C(ille::io 11. 1.
Novo sorlimento de chapeos de sol, para
homem e senliora, a sabor : chapeos de
sol de seda, irmac.no de bsleii, de 4,500 rs.
pan cim; ditos ditos pira senhora, de 4,000
rs. pan cima ; dilos do panno lino, do r-
melo de baleia ede ferro, de 1,600 a 3,2U0
ra. ; ditos ditos de srmaco de junco, de
1,200 1 1,800 rs., todoslimpos : gnnde sor-
limento de sedas e panno-, em pecis psri
cobrir os mesmos, baleias pin vestidos e
espirtilhos de senhoras. Concertam-se to-
dn rs qualidades do chapeos deso, ludo
com perfei?5o e por menos preco do qu,o cm
oulra qualqoer paite.
Aindamis pccliinclia.
Cortes de cssimlri prela, lina, por 5,000
rs. ; dilosde cores, a 6,400 rs. ; brim brin-
co tringido delinho, 11,800 rs., o corte de
calca; dito escuro, a 1,000 rs.; dito do lis-
tras, a 2,000 rs. : na rua do Crespo n. 6.
Superiores eapachos.
Vendem-se superiores capachos brancos e
pintados, do varios tamaitos, aonde us com-
pradores plem escolher ascugosto, polo
diminuto pre^o de 800, 1,000,1,400 e 1,600
rs. : na rua do Queimado, loja de miudezas
junto a de cera n. 33.
Casa de comroissSo de escravos.
Vendem-se escravos e recebem-
se de commissao, tanto para a pro
vincia como para fra dlla, para
o que ae ott'erece muilas garanta
a seus donos : na rua da Cadeia do
Recife n. 51, primeiro andar.
Cera de eariuYUba-.
No armazem de Domingos Rodrigues de
Andrado Companhia, ni rua dosTinoci-
roan. 5, vende-ie superior ceri de cirnau-
hi, ltimamente vindis do Aricity, em
porcSo e 1 retalho, por menos preco que
em oulra qualquor parte, assim cono sol e
couros miudns.
--No arniazi'iii da rua da Mocda n. 7, con
llnua-se 1 vender sacca com superior colla
das fabricas do Rio Grande do iul, e opreco
em conta.
Agencia de Kdwin Maw.
Na rua de Apollo n. 6, irinazein de Me. Cal-
1110111& Companhia, acha-ae coultaulemeolc
bons sorliiiienlos de laixa de ferro coado e
balido, tanto rasa como fundas, moendas in-
eira todas de ferro para aninaes, agoa, cto ,
ditas para aunar cui niadeira de todoa o ta-
manhos e uiodcllos o mais moderno, machina
horlsontat para vapor, com forca de i caval-
los, coucos, passadeiras de ferro eitanhado
para casa de pulgar, por menos preco que ox
de cobre, escovens para navios, ferro ingles
tanto eiu barras como em arcos folhas, c ludo
por barato preco.
ISOV1DADE.
A riles emquanto nao se acahm.
Superiores corles do eimhni prateada.
Estes cortes silo pella primrira vez chega-
dosa oslo meieii lo.e portantodevem ser vis-
tos o comprados pelas senhoras de bom gos-
to. sendo seu diminuto custo de 4,009 ; na
loja da rua do Crespo n. 6.
jj Na loja pernambucana, rua
do Crespo n. 11.
M Vendem-so ricos eneersdos, de bo- jj&
u nitas estampas, com 8 palmos de lar- jg;
G gura. !*
,U,..^;..., m. ; ...;U5 5..^ ,-,,-i,Ssfe
Vendem-se couros para co-
berlas de carros os melhores
que tem vindo ao mercado : em
casa de 11. Kenworthy & Compa-
nhia, na rua da Cruz n. 2.
Luvas de toreal e de peli-
ea, para senhora.
Vendem-se superioros luv.is prelss de 1ro-
cal, a 1,000 e 1,280 rs., o psr; ditss sem de-
dos, a 240 rs., fazenda superior; ditas de
pelica brancas e amarcllas, a 1,000 rs. ua
rua do Queimido, loja de miudezas junto a
de cera n. 33.
Vende-se cola do ilio Gran-
de, em barricas e por preco com-
modo : na rua do Yigario n. 19,
segundo andar, escriptorio de Ma-
chado & Finheiro.
Vendem-se vasos de lou?a lina pan
jardim, azulejo da mesma louca de bonitos
gustos proprio para forrsr frentes de casas
jardins, &c.; coeiros do algodao, azeitona
nova, fumo, vinho do porto em pipas o bar-
ril, litios e rolhis em canastras, lio porre-
le, luios de algodo, penetras de rame,
linha deroris, por precos commodos: na
rua do Vigario 11. lino armazom e Io andar.
Vendcm-se sclius inglczes e-
laslicos e ditos coni borranhas: em
casa de G. Kenworthy & Compa-
nhia, ua rua daCiuz n. 2.
Na loja pernambucana, rut
do Crespo n.n.
Vendcm-so superiores cobertasde
rua do Queimado, loja de miudezas junto a
de cera o 33.
(ravatas de mola.
Vendem-se superiores grvalas pretas de
mola, pelo diminuto preco da2,000 rs, : n
rua do Queimado, loja de mludezM junto 1
de cera n. 33.
Aviso ao publico.
Na botica di rua do Collegio. n. 18, de
Peixoto & Pinto, ha onde se vendem as ver-
dideiru pilulas para bobas, cravos seceos,
dores veneren, e gonon heis chronica, cu-
jos bons efTeitos oonfessSo todos que tem
feito uso dellis; composico do Fharmaceu-
tico SebastiSo Jos de Olveira Micedo.
Cartas linas, para vol-
tarete.
Vendem-se superiores earlaa francezas,
para vollarote, a 640 ra., o baralho : na roa
do Queimado, loja de miudezas junto a de
cera 11. 33.
Bengalinhas finas.
Vendem-se superiores bengaliohas, a 500
e 1,000 rs., cadi urna: ni rua do Queimado,
loja de miudezas junio de cera 11. 33.
AiiOOrs.
Vende-se cha hyison, de muito boa qua-
lidide, pelo diminuto preco de 500 ri., 1 li-
bra : di rua do Crespo n. 23.
Trancas de seda e requi-
ifes para vestidos.
Vendem-se muito boniln trinis de seda
e requilifes, proprin pin enfeitar vestidos,
por precos muito commodos, dim-se amos-
trai ioi compradores: na rua do Queimado,
loja de miudezas junto de cera o. 33.
Cainisiis de meia.
Vendem-se liiiissimis camisas de meia, a
ical de forca de 4oo,ooo libras; lo comiea competente fogio parai,,
, ,; ntodeinho, eprorr o para firnr ,i! .Pl'
randes caldeira moMattta, pa- ciuc deeaf, em meooa de 5 d?i V *
2,00o rs. ; ditas a 1,280 rs.; ditas decOres, commoJo.
vertical
3 gran
ra o fabrico do sabSo ; 4 ditas pa-
ra derreter sebo ; todos os perten-
ces necessanos para o fabrico do
itearina e aabao ; 9 escravos en-
lendedores do ser vico geral da fa-
brica; 1 terreno annexo afabrci,
com 7 bracas de frente e i5 de fun-
do ; 1 dito fronteiro a mesma fa-
brica, com 18 bracas de frente e 38
de fundo .- as pessoas que preten-
deren! comprar, pdeui nesta pra-
9a dirigireme 1 J. Keller & Com-
panhia.
Capotes de panno azul a
10,000.
Na rua do Queimado, defronte do beco do
Peixe Frito, luja n. 3, vende-se capotes de
panno azol pelo baralissimo preco de 10,000
rs. cada um.
Calcado, a a,5oo e 3,000 rs.
No aterro da Boa Vist->, defronte
da boneca,
fhegou novo sorlimento de sapalOes de
couro de lustro, para homem, dos melhores
3ue tem vindo do Aracaty, 2,500 rs.; ditos
1 Babia, a 3,0Q0 rs. ; ditos de couro bran-
co, a 800 e 1,000 rs., e de orelha, a 1,120 rs.;
assim como um completo sortimenlo de cal-
culo francoz de toda as qualidades, lano
pin homem, como pin senhora e meninos,
0 que tudo se vende mu lo ha rato, a lm de
se apurar dinheiro. 9
1 Vende-se feijlo mulalnho muito no-
vo : no irma/eiii de Diis Ferrein i preco
padroes muito bonitos, a 1,000 rs. : na rua
do Queimado, loja de miudezas junto 1 de
cera n.33.
Kicas fitas lavradas.
Vendem-se litas lavradas de dilTerentes
Secos de estopa.
Vendem-se 60 saceos de estop,novoi con
2 varas a 320 rs.: m rua larga do Rosario
n. 48, primeiro andar.
Coutinui-se a vender farinlu da Ierra
larguras egostos o mais fino que pode ha- muiloboa, Unto em quartaa, como em al-
ver em litas : ns rua do Queimido, loja de queiro: na rua larg do Hos.no n. 52,
miudezas junto a de cera n. 33.
Vende-se a taverna n. 8, d rua do
Rangel, com poneos fundos, ou s com os
venda.
Oh t '. allincSo ao barato.
Na rua do IIruin 0.28 B, armazem de An-
aseos, i vontade do pretndeme, ou mes-110"10 Mailuis Carvalho, vende-se cal de
mo estes separada mente, assim como a re- (Liiboa, di mais nova que ha 110 mereado, o
Ulho, prilos, il.OOOrs.idozii : tigelis, a 1 por menos do que em qualqucr parle.
f'iiO rs dita ; bu'es pintados, 1 480 rs. ; |m^iSJ^UVmmmwWWWmWI^K^Wt^m
assucareinsemanlegueirus, a 320 rs. ; su- 'UantOlS railhetck Companhia.g
periorvinbo do Porto, hi muito engirrafa- Conlinui-se a vender no deposito
do, s 500 re., a garrafa; dito linio, 1 180 rs.; i| geral da rui da Cruz u. 52, oexcel-P
vinagre puro de Lisboa, a 1,000 rs., icmi-( Hulee bem conceiluido np irei

casimira cirmezim burdidas de
<-
^ preto, pan pininos, mesas de meio 2
^ do sala e de jantar
-- Vende-se superior panno de
ilgodao, para saceos : em ca a de
G. Kenworthy ck Companhia, na
rua da Cruz n. 2.
Sfeiasde laia, para padres.
Ven lem-so superiores meiil de laia, para
padres, pelo diminuto preco do 2,000 rs., o
par : na rua do Queimado, loja de miudezas
junto a de cera n. 33.
Charuteiras douradas,
itnas.
Vendcm-se superiores charuteiras doura-
'l.i-, a 1,000 rs., cada una ; ditas mais or-
dinarias, a 2(0 rs. : ni rua do Queimado,
loja do miudezas junto a do cera u. 33.
Para crianca'S.
Vendem-se superiores toncas de seda pre-
t, para crimen, pelo diminuto preco do
320 rs., maracas muito bonitos, que tocan,
d.e tres maneiras, a 210 e 120 rs. : ni rua do
Queimado, loja da miudezas junto a de cera
n.33.
Lindas caixinhas de
di ; 1/eite doce de Lisbos, 1 500 rs., a gar-
rafa; serveja, a 320 rs, a dita, e outros
muitos artigos, por precos commodoi, para
liquidar.
I "a ri 11 lia,
de mandioca, chegada de Sania Catharina,
no brigue Minerva, ancorado em frente do
caes dolamos: vende-se bordo do mes-
mo nivio, ou na rua do Trapiche, escripto-
rio o. "1, a proco menor do que em parto
alguma.
Vendem-se sapsles do couro de lus-
tro, obra da trra, muito bem feila, a 3,600
rs.; ditos do Aracaty, a 2,500 rs., brincos de
orelha, 1,200 rs ; dilos do orelhs, para me-
nino: na rua da Cideia do flecife, loja n. 90
Vendem-se us seguintes gneros de su-
perior qualidade muito em conta, queijos
londrinos frescaas ditos de pialo prizun-
tos pin liairlii-,1, ditos haniburguezes, di-
tos portuguezes melgiso pira pinella. lilas
com bolacha de Lisboa, ditas com chocolate
de camilla de\Lisboa, frascos com conservas
inglezas,hcela e caxinhis mulo ssieiidis
Com iiiiih> linas pin sopi. grrulas de vi-
nho muscalel,de situbsl, ditas com dito fei-
turia do porto, ditas com dito de carcivcl-
liis bnncrudilis com dito de colares: ns ius
da Cruz 11J.. ero 46 defronte doSr. I)r. Cos-
me de Si Perein.
lic(Ksial nica (hiles.
Vendem-se lindos toucidore de jicarin-"
d, com colutnnas\e muito bom espelho,
pelo diminuto preco Je 2,500 rs. : na roa do
Queimado, loja de miudezas junto a de ce-
ra n. 33.
Carapucas de seda, preta.
Vendem-se carapucas de soda preta, fa-
zenda muito-superior e som defeito ilgum,
pelo diminuto preco de 500 rs., vende-so
por este preco ; or haver grsnde porcSo e
ter-se comprado muito incalo : na rua do
Queimado, luja de miudozas junio 1 de ce-
ra n. 33
Bom e barato.
Vendem-se ciixinhis com tintas finas, pa-
puda di fabrici de Cintoii Piilbetet
Companhia da Babia, em grandes e $
pequeln porcOes pelo prego estibe- 3
lecido. &
wwmmmwwwimwmiwmmmm
Lxcellentes fazendas e delicadas
cores.
Ni rua do Crespo n. 10, loja de 1.1.. B. Ta-
borda, vende-se urna fazenda nov, com lia-
tris, denominada melir/.iui, a 1,000 rs.. a
vara; na mesma loja tem o tigurino pelo
qual so poder ver a maoeira, como aa se-
nhoras deven) fazer os vestidos : alin des-
tas, ha outras muilas fazendas de gosto mo-
derno.
No aterro da Boa Vista, loja
. 11. 18.
Vendem-se casinetas mescladas, o lim
pira palitos, pelo baralissimo preco de 640
rs., o covado, e anda restam alguns cortos
de casimira, a 3,000 rs., cada um.
Fazenda moderna.
Na loja de I. L. B. Tabordi, na rua du
Crespo 11. 10, vendom-se vestidos prateados,
pelo diminuto preco de 4,000 rs.
Pelo mdico preco de 13,000 rs*., ven-
dem-se alguns tomos do repertorio da le-
gislicflo pui tugueza da segunda ediccilo.
orgmiiido pelo jurisconsulto Manoel Fer-
nandos I luiinaz: na rua do Crespo, livraria
de Antonio Domingues Ferreira.
- Vendem-se ssccas com quatro quartas.
do superior farinhi, por preco commodo: 01
rua hireita, venda n. 72.
-- Vende-ie umi eicnvi do genlio de An-
gola, de idade de 30 annos, bonita llgura,
cozinha o diario do urna easa eengomma :
ni rui do Vigirio n 14, sjgundo indar.
Bom e barato.
lina do Pisseio publico, loja n 9 de Albi-
no Jos Leite, vendem se neos cortes de
meia cas mira,pndrOes modemosa 1,400 rs.,
riscidos do linho azul e do cores 300 rs.
o novado, ditos frmcezes a 200 rs dilos
monstro 200 rs., chitas para colxsal&0
is ditas para vestidos a 120, I60e200rs.,
ra dezenho, a 3,001 e 4,000 rs.; fivelinhas chapeos de sol de peninho do ullimo gosto,
douradas para calsas e colotes, a 200 rtVj fa- com barra 1 2,500 rs., cortes de coleles de
us, de bolineo, a 6,000 rs., a ifustao a 800 rs, ditos de 10a e seda a 1,000
rs., lencos de seda a 1,000, dilos do b:co a
320 rs., ditos pintados para meninos a 140
VI-
Para
os joveiis
lados.
llaino-
Vendem-sc caixinhas com amondoss con-
feitdss, o mais delicado que se pode en-
contrar, proprias pan sedira uaniuradas :
na rua do Queimadu, lofa de miudezas jun-
to a de cera n. 33
Vendo-se um grande sitio no lugar do
dro para guardar joias.
Vendem-se lindas ciixinhis de vidro com
espelho proprias para gusrdir joias, pelo
diminuto preco de 800 rs. : ni ruadoQuei-
nudo, luja db miudezas junto a de cera nu-
mero 33. V ^i
-- VcndeVse ou) trfcca-se por urna pratea-
da, uma espada conrgmtinicOes douradas,
propria para aiferes do estado maior : na
11 jci da Independencia n. 17,
Vende-se um molecote per-
feito oflicial de alfaiate, sem vicio
e sadio : na rua da Cadeia do He-
cilc n 5i| primeiro andar.
I.uvas para lioincin.
\ei.ilem-s superiores luvas do pelica ,
Manguind, que fica defronte dos sitios dos ponto inglez, a 1,900 rs.; ditas de seda prc-
srs. Carneiros, com grande cisa de viven- tas, sem defeito algum e fazenda muito su-
da, do quitro igois, grande senzilla, co-
cheire, estriharia, biixa de cipim que sus-
tenta 3 t 4 cavallos, grande cacimba, com
bomba e tanque coberto para hiinhu bas-
ta otes irvoredos de fruclo: na rua da Con-
cordia,primeiro sobrado novo de um indir.
Ricas franjas para cor-
tinados.
Ven lem-se franjes blancas, proprias para
porior, a 600 rs.; ditas decores, a 600 rs. ;
ditas de algodao brancas o de cores, pro-
piias para montara por serem muito en-
corpadas, a 320 rs.: ni rua do Queimado,
loja de miudezis junto 1 da cera n, 33.
Cor rao depressa pechin-
cli de 4,000
Ni nu do Queimido, loja n. 17, vendem-
se cortee de casemiras do coica escuras a 4/
dii/.ia; bicos largos e linos, proprios pin
tilnos de vestido, muito barato, e outras
muilas cousas, que se vendem mais barato
do que em oulra qualquer paite : na rua do
Queimido, loja de miudezas junto a de ce-
ra n 33.
NOV1DADE.
A elles antes que se acabem.
S5o chegados pela primeira vez a esta
provincia os muito afamados curtes de ves-
sahindo por um tubo o "dito cafrcoa,!^'
prompto, aara se tomn quera qqiz,r
ocompr.r.^H b.r.lo preVo,^
rido apparelhO, dlnja-aea rua lare, do n I
zirio.Joj demiodexis u. 38, do Cardial
Batatas, a 5oors., o gig0,
Vendem-se bstltis, chegadas ultiuiam..,
te, a 600 rs o gigo : no armizem de 1,,,
Ferrein, no ces di Alfandega, defronte,
guindaste. *
Erva mate.
. Ni rui Nova n. 6. loja de Maia RimoiA
Companhia, vende-se eiva mata, chegia,
pelo ultimo vapor do sul,a 240 rs, a libra
6,003 r a arroba, lio bebida mui frcCi,
diorelica. .
Cambraias linas de cores.
Vendem-se lindas cambraiis linas dnM.
re, par precos commodos : na rua Nov N'
23, que faz esquina para a Cniibjs do Cir.
mo, leja de Antonio Gomes Villar.
Manteletes, palitos espotinhos.
Vende-se um gran le sosflmento de nun.
teleles deiedi, pretos e de odres, de muitoj
feitioi modarnos^chegadoi pelo ultimo nu-
vio vindo deFnnct: na rua Nova n.ij.
que faz esquina para 1 Camboa do Cirino'
loja de Antonio Gomes Villar.
bitas linas francezas.
Vendem-se chita finas francezas, cursi
fizas, de muito lindo gosto e mais barit,
que em parte alguma : ni rua NeTa n
que faz eiquin pin 1 Cambo* do CirnV
loja de Antonio Comes Villar. '
Corles de brins de Iistras, para cal.
sas, a 1,44o ?5oo e 1,80o rs.
Vendem-se cortea debiim da listnsdt
cores, a 1,440 rs.; dilos debrimamirello
1,500 rs. ; ditos brancos de puro linho, prp.
prio para militares, a 1,800 rs.; eaguiOuja,
algodo com 10 112 varas, a 2,50t) rs., iM.
ca ; chiles de 19a de bonitos padrdes, pro,
Prios para an Jar em casa, a 3,800 o 3,600 rs
na rua do Crespo, loja da esquina que vi,',
para a Cideia.
O Na loja pernambucana, rua 0
do Crespn. ||. 0
^ Vende-se ptimo merino preto, 0
jj russiino, proprio pira calcas, jiqua- 0
O tas, palitos, vestidos, alias, limita., f
O etc., pelo baratissimn preco de loo e Q
O 500 rs., O COVido. a
Vehdem-se os seguintes objctoi ii
usados, ar-i>a*r,d_cor.mdt-,--6 vaosdem-
zilhos pin alcova, ou jinellas do varanili,
6 portal de imareHo e I carteira de umi sii
foca: na rua do Crespo, loja da esqu ni quj
vira para a Cadeia.
A 4,000 rs.
Vendem-se chapona do Chile, pequenos
muito finos, por4,000 rs., cala um : na rui
do Crespo n. 33.
Novo sorlimento de cobertores, a
800 e x,i8o rs.
Na rua do Crespo, loja da esquina que vi-
ra para a Cadeia vendem-ie/ cobertores
brancos de algodSo, com birra, de corase
muito grandes, a 1,280 rs.; ditos oscuros de
tap'tc, para escravos, a 800 rs.; gan;is de
quadrinhos, pin roupa deeaenvos, 1120
rs ,0 covido e outns muitas fazendas, por
preco commodo.
Pechincha Eco-omici.
He chegido ltimamente um nov sorli-
mento de brins pirdos, do linho, escurse
ciatos pello barato preco da 1600 rs. o car-
ie ; ditos de linho e ilgodfio padrdes mu-
demos e de bom gosto a 1389 ra o corle : na
rua do crespo 11.14 loja de Jas Friocisco
(lias.
Deposito de s Veodo-se salitre retinado do uielhorque
tem vindo a este mercado, e por muito me-
nos do que em eutra qualquer parte: 111
iui di Cadeia do Itecifo, JjJ* irla *"**r***
n. 56, de Francisco Custodio deSimpiio.
Escravos fgidos.
rs., gravitas de setim a" 1,500 rs chales de
chita a 640 rs., cimbnia da india a 400 rs.
a vara ; e oulras muilas fazendas que nio
innunciim-se por nooccupirtempo.
-- Ni rua daa Cruzes n. 22, segundo in-
dar, vendem-sa duas esenvas crioulu de 20
a 25 annos, engommadeiras, cozem chSo,
iMsioff m e levam de sabio, e uma linda ne-
grinha crioula, de 15 anuos, recolhida.prin-
tidos prateido para quem liver bom goito, .cipudi em habilidades, e uai bom esenvo
pelo diminuto preco de 4,003 rs.: na rui icominheiro, de nacHo llussambique, do 25
do Crespo, loja da esquina que vira pina 1 annos, e um pardo moc de boa conlucti,
nata. ptimo pin se'rvico tanto di prici como de
Kicas aberturas nara coipo,e urna optmi escrava da costa qui-
. 1 tandeira.
CaUllSaB //* barato.
Vende so feijao mulatinbo novo a 280
rs. a cula : nos quatro cantos da Uoi-Vista,
1 1 > .i 11 1.1 I ..... ___*_ a. 1
cortinados, as mais lindas que tem appare- rs., pecas do ciscados de cores de padrdes os
Vendem-so aberturas do cambriii lisa,
muito lina, com pregas muito miudiiihas, e
pelo commodo preco de 610 rs esda urna :
ni rui doQueimido, loj de miudezis jun-
to a de cera n. 33.
ivleias pretas de algodao ,
para padre.
Vendem-se muito linas meia, pretas de
algodSo, para padres, a 700 rs., o par : na
rua do Queimado, loja do miudezas junto s
de cera n. 33.
Veude-se una morada do casa Uire,
de pedra e cal, na rua das Agoas Verdes, jun-
to aos fundos de S. Pedro o rua da ViracSo :
trata-se na rua Direita n. 40, segundo andar.
Presuntos.
Vende-se os mais superiores .presuntos
americanos que tem viudo a esto mercado,
por precu commodo : no caes da alfandega,
armazem da esquina confronte 1 irvore.
rndese no Maranho, a fabrica
de bugias stiarinas e sabio.
Os administradores da liquida -
ni vend di quii debaixu do sobrado n. t.
Na mesma se precisa de um menino para se
applicar ao balcilo, porin de boa coudncla
seudu porluguezou brasileiro,
cido o por preco que ninguem vende: na rui maia delicado! pomveis a 5,000 rs., pecas 9" "e I ueoiloio (jliavanes, ven-
do Queimado, loja de miudezas junio a de de chitas escuras de cores fxas e bonitos
ceia n.33. padrOes a 5,500 rs., cassas francezas linas
Vendcm-se ricos apparelbos, de cores muito delicadas a 560 rs. a vara : e
d. ______ir '____ outras fazendis por barato proco: aellas
c metal parach: em casa de|aDtesque 8eaCabem. '
C. Kenwortby & Companbia, na pCntes de tartaruga, pa-
rna da Crua n. 3. fa ,narrafa_
dem a fabrica denominada Alara-
nlicnsc, na rua do l'iopoulao, des-
ta cidade (porio dos remedios ) ,
a saber: casa em que est mon-
tada a fabrica, com 2o bracas de
frente e i5 de fundo; a prensas
hidrulicas, orisontaes de forca de
ga, pura man i, puiu uai usaiuju pi eco r "
do 800 rs, preco que causa admiradlo: ua'Ooo,oco libras, cada una ; 1 dita
Vendem-se superiores pentes do tartaru-
ga, para marraras, polo baratsimo pceo
MUTILADO
g Grande sorlimento de cortes I
aa de chita com 12 covados.
r.' Vende-se corles de cinta, superior g|
#- pumo, cor lisi, e lindos deseohoa 9
, cjin 12 covados a 1,800 e 2,000 ra. ajj
H cada curio,ditos padrOes escuros, cor a)
t> xa o com os mesmos covados a 1,600 j
4$ rs., ditos de chita rocha,escura e azul aj
+ llor ainarclla cora os muimos covados .a)
if.;. 15,00, ditos do chita prela de mui- aa)
tft lo boa qualidade com os mesmos co- aj
aja) vados 1 1,440, dilos do chita larg |
t, cornil covaJos a 2,000: na loja do i.)
ijl sobrado amarello nos quatro cantos )
> da rua do Queimuo o. 29. aa
" Vende-se um preto, de idade
de 4 annos, cozinheiro e ompra-
dor : na rua do Vigario u. 19, se-
gundo andar. INa mesma casa cojn-
pra-i>c urna preta 11109a e boa coii-
nheira.
- VenJe-se umi mesi rodondi dejica-
randa, propria pin le tomir cbi: 111 rua de
S. Amaro n. 16.
Grande invencSo.
Nio lio o aparelho de Derosne, ne'm a ma-
china vilenla, quo ae vai huje iiinunciar ao
publico, mas sim um encllenle alambique-
Desappareceua 19 de junho deitein-
no, umi preta Antonia, que representa ler
3(1 anuos, de naeSo Angola, bem latanlos
pachol, ctieia do corpo, altura regular, fci-
(des regulares, tern urna aicalris de relbo
om um hombro, e ji antigo que parece sg-
nal, levou vellido de chita ja deshotido, a
panno di costa, e fui com um ferro ao|&-
coco, fechado com um cadiado, (em porcos-
lume embriagar-se, de oulraa vezes que
tem fgido 11111 Sidu pegada pelos arrcbsl-
des desta praca, desconfia-se que osti prets
esteja oceulta, e se Ihe lenha lirado o ferro,
sendo isso verdade e e.-sas pessoas queren-
dodenu:ieiar-see trazendo a ditapioli.se
nao usar com o meios quo 1 Ioi permits,
e do contrario se usar com todo o rigor etc.
Itoga-si is auloii lados policiaes, cipitJu
de campo, ou qualquor pesio, 1 ptendim
ou facam prender, o levar ao seu senhor,
Antonio Miia Coates: ni rui ds l.trsnjei-
rasn.14, qno serilogencrofiaiente recom-
pensados.
Desappuceen 110 dia 1." do
correntc, um molequinbo de 9 a
to annos, com os seguintes sig-
naes : -- feicdes grosseiras, labios
grossos e cahidos, ollios papudos,
nariz chato, cabeca grande e os ca-
bellos bem rentes com o casco, fal-
la mal, por ter quasi a Impua pe-
gada, becca grande, chami-se E-
loy, levou calsa de brim sinzeuto
quasi branco, camisa de algodo
azul, atado com suspensorios pela
.intura: quem do mesino ti ver no-
ticia, queira aprchende-lo c lva-
lo na rua deS. francisco n. 8, so-
brado de um an Jar, delron c do
hecco do paleo do Paraso, ou em
casa de Thom Pereira Lagos, nos
A le-gados, que ser bem recom-
pensado.
- Desappareceu no dia 15 do corrente,
um muleque criuu.u por nomo PsuliuhO.
de idade de 10 annos, pouco mais ou me-
nos, cur amarelliJi por ter vicio, nariz elis-
io, levou camisa de algodaozinho suja,
calca de riscido, sem cnapo, Me escravo
be du Sr. Antonio JacinUio da Silvera de
Cuna : quem o pegar leve-o aa rua di Ci-
deii do llecife n. 51, ou ni rua de l.ivra-
nienlu n. 26 segundo andar que ser recom-
pensado.
- Acha-se fgida, leudo sido presi por *
vezds, urna escrava de noma Antonia, criou-
la, fulla, bem fallante, bebe agui-irdeute,"
inculca-se por forra, o lie capaz de illudir
a qualquer passa com as sual lamurm
tem umi gnnde ferid lobre o hombro es-
querdo; pigi-se com generosldido 1 quem
a pegir, e levar a rua imperial n. 87.
Pr.nv ka'V, [m:ia


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQ8086LJ7_86D0V8 INGEST_TIME 2013-04-13T02:14:49Z PACKAGE AA00011611_06410
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES