Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06402


This item is only available as the following downloads:


Full Text

-

de Julho V 167.
PER\4MBUC0.
rtxitfO a* iCBoaipglo.
FhmMTD Aaiiaiaoo.
Por trlineilre............
por lemeilre ..........
Por anao J l"> ........
Ptao deo BOTtwuni.
Poi quartel.......'
iro-ricras DO impeiiio.
Para....i 28 ale Junho|Mlnai .. 20 de
Maranho 1 de Jdlho ;S.Paulo. 12 de
Cear.. de dllo. ,R. deJ.. 15 de
l'irahibu. 7 Ce dito. Baha... Me
4/d00
8^000
15/D00
4/300
Malo
Jundo.
Julho.
dito.
DI4S DA SEMANA.
ABBItSfCliS.
28 Scg. S. lnnoceucio.
29 Tere. S. lavo i-el.
30 Qoart.S. Rufino a.;
S. Dunatilla v.
Jaitode Orpkos
>.. e.'i. as 10 hora.
I. turado lirrl.
3. i (i. ao melo-dia.
fasendm.
3. t6.it 10 hora.
vincula. 2' tara do civil.
2 S.iI). N. S. dos Anjus. I. c libados ao uieto-d.
3 Doui. Inveacio de /((filo.
S. F.sti vio. |Tercas e sabidos.
31 Quii S. Ignacio.
I fiexl S. Pedro
nd
ErBZMIKIDES.
Crcicenle i 4. a 2 horai e 48 miaule da man.
Chela a 11, as 7 horas e 23 minutos da Urde.
Ilngoanle 19, as 10 horas e 39 minutos tarde.
Nova 20, as 8 horas da larde.
FUI AI* AB DZ BOJE
Primeira as 4 horas e 30 mlnulns da tarde.
Segunda s 4 horas e 54 minutos da manbiia.
AIXTIDAS DOS COBBEIOS.
Goiasjnt e Parahlba as segundas c sextas-
lMI.1..
Rlo-Crandc-doO'ortr, todas as quintas-feira
ao patio da.
Garaabun c lionio, 8 c 23.
no-Vista, c Flres,l3e28.
Victoria, s qulutas-felras.
Olais, lodos os dias.
NOTICIAS TSTBANOEIBAI.
Portugal. 15 deJunlu.
Ilcspanha 11 de Junhr'
Franca... 7 de Junho
Blgica,
Italia.. ..
Aleraahlia.
PrsjMii.
i)uamrc
3 deJunho
I deJuoh
4 deJunlu
4 de Junho
30 de Maio.
Russia... lOde Maio.
Turqua. 4 de Junho
lustria.. 4 de Junho
Sulsaa .. 10 de Main.
Suecla.... 28 de Malo.
Inglaterra 7 da Junho
K.-Unldos. 24 di Malo.
Mxico... 3 de Maio.
California 15 de Abril.
Chin.
ucnos-Ayrei.
Monlevldco29de Junho
CAMBIOS DE 2S DE JOXHO.
Sobre Londres, a 2S p. 1|000 r.
Pars, 340 por fr. nominal.
Lisboa, a 100
MITA ti.
Ouro.tincas heipinholai....28"00 a
Moedas de (#100 veihas. HUMO a
> de 61400 novas. HipiMO a
de4/000...... 9/000 a
rrata.Patacoei brasllelro... 1/920 a
Pesos coluinoarios.. J/920 a
Ditos meilcanoi..... 1/7(0 a
28/600
lrJ#MKI
16/200
9/100
1/9
l/MO
1/7B0
SB
PARTE OFFICIAL,
i:nvfipi nA l-lVUVL.NU.
Illm. Sr.^-V vUH do que rcpreenta V. S
,ni mu 0W6 di Moje, conveohoei que aeja
, mimado dos cargas de subdelegado de Agtns-
11,'llas e de prtmrir asipplenle de delegado- de
i, iranhuui o cidadao Apolliuario Florentino de
Albuqu*rqueM|rauh*q, e dode primelro sup;
iilrnte da mesmo lubdrlegadu o ddaJao Jse
Airo de Albuquerquc Marmbo, c do subdele-
gado do Bnique o cldadio Jos Cavalcantl dc
Ubuquerqoe: e visto estar lervindo de juiz
de dlrello daqoella obitiarca, como sarmiente
do juta munlctpaJ o delegado Amonio de Tel-
adla do Macedo, couvenho ein dJisensa-lo
desle alliuM. cara, *'*,,Sf* *
Hachare! lUsaetjrrio Jos Vello da silvelra
iiinior. O que uidoeominualco i V. S. para
seu conhecmenlo e execuco.
Dos guarde i V.S. Palacio do governo de
Pcrnaubuco, en 26 de julho de 1851.-- helor
di OJIwr*. Sr. deseinbargador chefe de po-
lica.
Conviodo ao servlco publico, que leja re-
torcido deide ja com mais deipracaso desta-
camento da torca policial ctateme na comarca
de lffiT'"'"' flue v* couMuauoa o inestuo
lesasMMBCBIo ora officlalda inaior connauca ;
d V.USfc. asa erdens para que siga para all
ts.Ma.sla din o dito ofticial com as relendas
deaBfSjfaa acouipanhando o bacbarcl Heniele-
r io W Velloso da Silvelra que parte para a
inesHia caaimarca na qualidade de delegado
de polica ; deveudo rceolhcr-se ao corpo o
nlliclalqne estiva oaquella commissao,. e-apre-
sentar-ie-me logo que chegue esta cidade.
Dos guarde a V. me. Palacio do governo de
lVraamoaco, 26 de julho de 1851.--rielar *
O.'iHira. Sr. comuiandante do corpo de po-
lica.
Piao leado V. me. regressado para a comarca
de Garanhuns dde o dia 5 de malo passado,
nnquesc iudaram os trabalhos daasscmblea
legislativa provincial, c nao eonstaudo, que
esteta no gosc de liceuca alguina couvein que
me d este rcspello os precisos csclareclmen-
lo> i sendo urgente, eni todo ocaso, que par-
ta quanto antes para a dita comarca, e eulre
nocaerciriodeseu einprvgo.
Dos guarde V. me. Palacio do governo de
Prroaiubuco, em 26 de julho de 1851 Ficrur
,/f Ulietira. Sr. Dr. juis de direil da comarca
de Garanhuns.
enlistando este governo que un carrega-
inento de Alrlcanns desembarcara ultliuamen-
tc na provincia das Alagoas, e que parle del-
les lera cooduzido para essa comarca, espa-
Ihando-se setenta, segundo se di/., pelas fre-
guraiasde \guas-llellat c Buiquc, sena dar is-
io o menor abalo a respectivas autoridades
policlaes, cumpre que V. me. me do quanto
autes as mais precisas e circunstanciadas in-
l'nrina(des obre ludo o que a este rcspello
houver occorrldo, declarando-iuc que provi-
dencias que requerido, qur para apprehencao
de laes Africanos, ijucr para a captura dos cri-
minlos i e quaes os resultados que se tein co-
lindo das diversas diligenciante deve neces-
sarianienter ter V. inc. promovido para a re-
prsalo.da semclhaole erime.
ponte da naisageui da Magdalena.devtndo.po-
rui, opporluarincnle prestar contas dal des-'
peas que se Userem com eases trabalhos. .
latelllgcuciou^e a Uietouranada fatenda pro-j
vlnclal. I
Dito. A Irnsaadadc de Nossa Senhora dot
Livrauenlo, repsettendo uina copla do plano,
que approvo|rraeitraccao da quarta par-I
te da quarta lotera ceocedida a favor das.obras t
daqaella igreja. .
Commaado das armas, j
Qturtet rfo tomnunid (fas sn-etsu a cittade do
Heclfif 30 ti* ptnhoie 1851.
niuiM i>) Oli H (05.
Iletersjilna o Illm. Sr. eureajeleomnsandan- i
tedas armas, que os corpos de primeira linl.a
eiistrnies iiesta guarnitao, passem amanha
em revista de inostra nos seus respectivos,
quarteis pola mam-ira que se segu : o dcimo
h n illi iu de iulantarla as seis e meia horas da (
nianliH, a compaiilila de cavallarla as sete c
niela, o nono batslhao de infamarla as olio, os
recrutasera deposito no Hrum as nove, a cnm-l
pauhla de arlilices as dea, e o quarto balalbao
de ariilharla as der. e niela.
Leopoldinoda Silva c Anuida,
Primeira tenenle ajudante d'ordcns.
(Juarlt i do commando dai armai na cidadi do Re-
cife, im 3 rf< ;('io di i&ji.
OnDESI D) DIA n. 107.
O coronel coininandaiite das armas, em pre-
senca do odelo que em data de hontcm Ihe en-
deressou o Knm. Sr. presidente desla provin-
cia, fai certo a guarnlao para que tenha o
dcvldo ellcilo, que S. M. o Imperador por sua
Imniediala c Imperial rcsolucfio de 31 de malo
ultimo, tomada sobre consulta do conselbo su-
premo militar, houve por bein reformar no
posto e tenentc ooro o respectivo sold pela
tabella actual, ao Sr. alfcresdo cstado-malor
de segunda classe do exercjto, Francisco Jos
Gomes, ajudante da fortaleza de Itainaracar, na
i -un' ir milla.I,- das dlsposlcacs do alvar de Ib
de deiembro de 1790, segundo ful declarado
em oficlodo ministerio da guerra de 10 de Ju-
nho prxima futuro.
Jui Kieni di Amurim Bittrta.
Appcllante, o juiso ; eppellado, Jos da Mota
Vlclra:
Appellanle, o julio ; appellado.Theolonlo Joa-
iiiin de Albuqtierque e outro.
assaraui do Sr. desembargador Santiago ao
Sr, desembargador Villares as segulntcr ap-
pellacoes em que sao:
Appellanle, a justica; appellado, Jaclntho Jos
Calii.il daCunha.
Appcllantes. Joo Francisco Reges Cocllio ea
irmandade doSanlissitiio Sacramento da lioa-
Viat.i, appcllados, Joaquim Galdiuo Alvcsda
Sil>-a e sua inullber.
Pedio nova dlstrlbulcao por ser impedido na
seguate appcllaf ao em que sao:
Appellantc, o promoior publico do Rio Formo-
so i appellado, JoSo Ricardo de Santa Anna,
c loi distribuida a..- Sr. deseasrbargsrdor Vil-
lares. *'i ....." **
niSTRinoljOis.
Ao Sr. desciubaigaiior Uastos a srguinle ap-
I" I: i. ii em que sao:
Appcllante, Luiz Jos de Hrilo ; appellados,
Juaquim da Silva .llouro.
Ao Sr. desembargador Peiclra Monteiro a
seguinte revista em que sao :
Recrreme, Jos Marloho de Andrade Vinhas
coutros; recorrente, Joao Mariiibo Viubas
de Andrade.
Levautou-se a sessiio depois de nielo dia.
sao condecidos,icn-ss.-i nao t aos credores; mas at a justica
publica, cujaaccao della depende (cdigo com-
nercial artigo 820 regiilamentu i sti Em
vista do exposto, j V. Slc. lera recunhecldo
INTERIOR.
I'if sao.n fcmcinioii: triu.c.
DeM HuaniPV. me. Palaci> do ^ovrnode
Pa.rniilwrm. 9H A* .iili.it iir 1S,")1. VictOT de
l/lt/Bj tUltlVt "* a ,11.11 in sju- u^
eriiambuco, 26 de Julbo de 1851. Ficior de
OlivHra. Sr. promotor publico da comarca de
Garanhuns.
EXPEDIENTE DO DIA 19 DE JULHO DE 1851.
Olhelo. Ao cotnmando das anuas, remet-
iendo copla do parecer do juli relator da jun-
t, de Jositoa acerca da duvida, que occorre. de
dever ou nao ser sollo o ex-alferes Manoel Eloy
Mendes, que "ful condemnado pela junta de
mtica a perda do posto ca lndemnlsa(ao da
juantla extraviada, attm de que rique certo
ios unitivos, porque nao pode ser sollo o dito
cx-alferes, emquauto uaocumprir a seutenca
na parle em qoe o condemna a iudemuisacao
da mencionada quanlia, c preveniado-o de
que nctla dala expede ordem ao juta inuuici-
pjl da primeira vara, para proceder na forma
indicada no uieiino parecer. Offlclou-si nes-
Ic sentido ao referido juls.
Dito. Ao inesmo, approvando a proposta
que fes do inajor Joao epomoceno da Silva
l'ortella para servir nacommissao de exames
dos Inferiores e cadetes, em subslituicao ao tc-
ncnie-coronel graduada Manoel Ilolcmbcrg de
Almelda, que por incommodo de sauale, pedio
dispensa da referida counnisso.
Dito. A pagadoria militar, dizendo que
vista das contas que remelle, pode maudar pa-
gar aos vcjidedorea dos gneros iiltlinaiuente
comprados para o presidio da tilia de Fernando
a quanlia de 370/000 rs era que diz importa-
ren! a> asesinas contal, e ordenando que por
ora nio pageos cai ln os por depender esse pa-
gamento dos esclareciineulos exigidos do com-
laaadaate do mesmo presidio.
uuo. -- A iiii-stn.i, devolvendo as conlas da
f4siaxWeoulros gneros que se coinprarain pi-
ta o presidio de Fernando, alim de que mande
pagara Manoel Jos de Souzi Carneiro a quan-
lia de 1:960/rs. e a LIz Manoel Rodrigues Va-
ii-nca a de 214/545, importancia das referidas
contas.
Dito. A mesuia, intelrando-a de haver .in-
tensado ao coronel coinraandaotc das armas a
mandar abrir asseniauento de praca a Jos
Amonio de Soma, que nos termos do decreto
c dispoolcoca que reglalo p ngajaiuenta, con-
Iraloupara icrvfr iiovaineole no exercilu por
mo anuos, mediante a grallrlcafo dc280/rs.,
que Ihe ser paga com 50/rs. a vlsla e o resto
cmpresueOes mcniaei de 16/rs ficando, po-
rm, o contratante obrigado a apreieatar a sua
escusa nos termos legaes para comecar a rece-
beras mencionadas prestacOea. -- Nestescnll-
du olhciou-se ao refeiIdo coronel.
Dito. -- Ao desembargador chele depollcia
interino, recomiiieudando a expedlcao.de suas
ordena no sentido de sereui entregues an direc-
tor do arsenal'de guerra o Afrlcaoosjbocacs,
que se achaui a sua ordein recolbidus ao quar-
tel do corpo ale polica. Inlclllgenclou-se ao
mencionado director. -
Dllo. Ao mesmo, dliende que por ora nao
pude ler logar a coucessao da sjedenanca >|uc
pedio o delegado do primelro dlsiricto desle
i,aino para ficar as suasordens, podendo toda-
va o inesmo delegado requl'ltar ao couiniau-
danle do corpo policial um soldado para lodo o
aervico extraordinario que occorrer, o qual
una vez tcruiiu ida a diligencia dever reco-
iher-se ao respectivo quarlcl. OIRclou-ie
ueste sentido ao referido cominandante.
Dito. Ao capitn do porto, dlzcndo ficar
int reme a bola, que se achara collocada na pona
dosuldoiaixo do Ingles, bein como de estar
providenciando, aftm de a faxer vir para o ar-
senal de mai inda, e prcvenlndo-o de que deve
examinar se por culpa de alguem be que ae
de prenden a referida boia da sua ainarracao.
Dito, A thesouraria da fazenda provincial,
dizendo que emquauto o lorneeedor dot presos
pobres da cadela dcsta cidade nao mostrar li-
quida clora deduvidas a quanlia. cojo paga-
mente fol impugnado por aquella reparlicao,
nada pode resolver acerca dos papis, que dc-
volvc. relativos ao fornecimento do mez de
il'ill UllllllU.
Dllo. -- Ao engenheiro director das obras
publicas approvando a deliberaco que tomou
de mandar fazer os pequeo-, reparos, de que
prcclsavam algumas das bombos e ponles da
curada da Victoria, bein como substituir por
outras as 14 estivas que existan arruinadas na
TRIBUNAL DA RELACAO'
SESSA DF. 2(1 DE JULHO DE l5l.
Pniidinci* da Exm. Sr. eonulhiiro Anvido.
As 10 horas da manhaa, estando presentes os
senhdres dcsciubargadorcs Villares, llastos,
Leo, Souzi, Rebcllo, Luna Freir. Pereira
Miiiite.ni, \ ille e Santiago, o Sr. presidente de-
clara aliena asessao
JUI.C.AMtVT.H.
Apptllacoei crmii.
Appellanle, o julio: Appellado, Nicolao dos
Santos. Mandara a novo jury.
Appellanle, o julio appellado, Manoel 10o-
qiinn do Nascimei > Mandarsm a novo
Appellanle. njAui r ,,aijrni.w **! *r
pcllados, Friociseo de Paula Soarcs da C-
mara e outias. -- dem. #
Appellanle, Antonia Mara do Espirito Sanio:
appellada, a juslica. Julgiran improce-
dente aappcllacao
Appellanle, ojuizo: appellado,Jnse Francisco
Jnior. Julgarain iinproccdenlc a appcl-
lacao.
\fpcllaciocinel.
Appellantc, Miguel Jos d.i Silva; appellado,
Jos Gomes Morcira. -- Coulirniarain a icn-
tenca.
ossic>it;i)es.
Appcilanlc.Mathcus de Araujo Caldas Clieclio;
appelladas, Helena Das c Mara Llaudina.
Appellanle, Anna Elisabcth Adclle Poirson ;
appellado, Alfonso 3. Martin.
Appcllanies, Silva i Grillo; appellado, Bernar-
do Mendes da Costa.
Apppellanle, Manoel Romualdo de Lira; ap-
pellado, Es le van Jos Paes nrrelo.
bivisOeS.
Pasiartmi do Sr. desembargador Villares ao
Sr. dcscmb.rgador Uaslos as segulntes appel-
lacei em que sao :
Ajipellantc, Vicente Fcrrcira de Souza; appel-
lado, Miguel Mariano de Souza.
Appellanles, Joaquina Amonio de linorlin e
oulros: appellodos, Claudio Pereira da Cos-
ta c sua mulhcr.
Appellaulc, Francisco Vas da Silva; appellado,
Jos Joaquim Correa da Luz.
Passaram do Sr. desembargador Oaslos ao
Sr. desembargador Leo as segulntes appella-
edes em que sao :
Appellantes.Miguel Goncalvcs Rodrigues tran-
ca e oulros, appcllados, Jos Romao Gonval-
ves Munlz c oulros.
Appellanle. Mara Francisca ; appellada, Com-
lanlliia Jaciulha da Molla.
Appellanles, Jorge Kuworlh t..; appellado,
Jos Dias da Silva.
Passaram do Sr. desembargador Leao ao Sr.
desembargador Souza as seguintes appcllacocs
em que siso : ,
Appellanle. a justica; appellado, LulzJosedc
Lima.
Appcllante, Pedro Soares de Mella Jnior ; ap-
pellado, Jos Martina Torres.
Do mesmo Sr. ao r. desembargador Ra-
lielln as seguinles appellacoes em que sao :
Appellanle, a fazenda: appellada, a ordein
lercelra de San Francisco desla cidade.
Apnellante, a fazenda ; appellado, Joaquim de
Wlivcira Maia Jnior.
Appellanle, a fazenda; appcllados, Jos Pinto
de Novacs & C.
Appellantc, a fazenda ; appellado, Manoel Coc-
ido Moreira hC
Passou do Sr. dcsembargadoi', Souza ao r.S:
' desembargador.Rebollo o seguale recurso cni
que sao .,
IIcrui i cute, loao Itiln-irii Monteiro; recorrido,
Manoef Joaqulio Bcrnardes.
Passaram do Sr. desembargador Rebello ao
Sr. desembargador Luna Freir as seguintes
aiipellacdes em que sao :
Appellanle, o juizo ; appellado, Joaquim Danlas
de Oliveira.
Appcllanle, Antonio PiresFerreira c oulros;
appellado, Luis Pires Ferreira.
l'asiaram do Sr. desembargador, Luna Frel-
ao Sr. desembargador Pereira Monteiro as se-
guintes appllacos em que sao :
Appellantc, o julso; appellado. Miguel Allon-
AppelUate, Joiio Daniel Wolphpp 4 C; ap-
pcllados, a viuva de Jos Francisco de Borja
e Antonio Tciielra Pinto.________
A ppellanle, Doaslagoi r ranclsco Cavalcanllc ;
appellada, gnea Marta das Nevese oulros.
Appcllanle, Manoel Antonio-da Silva Molla c
seus lillios; appellado.Josc Goncalve Torrei.
Appellaue, a mesa regedora da ordein lercel-
ra de San Francisco delta cidade; appellado,
Manoel Francisco Golmbra.
Passaram do Sr. desembirgador Pereira Mon-
teiro ao Sr. desembargador Valle as seguiutcs
cppellaces em que sao :
Apncllautes, Florencio Jos i.arneiro Montei-
ro; appellado. Manoel Caclaoo Soares Car-
neiro Monleiro. ,
Appellanle, a fazenda; appellada, a adininii-
iracao do bospiUI de caridade.
Passaram do Sr. desembargador Valle ao Sr.
desembargador Santiago as seguintes appclla-
{Oei era que lo !
COIIIIESPOMDE.NCIAS I)U DlAlllO HE l'lill-
NAMBUCO.
Par 13 efe julho di l85l.
Ter-nie-Wa anda deita vez conservado em
ilencio se nao se allerassem as nossas cousai
que lam lio fcil, e felizmente marchando ;
vou pois noliciar-lhes o que pode merecer
lugar entre as novas de uina provincia para
Bllira,
llapouco perdeu se urna barca ingleza as
lallinas falsas, por engann do pello della, que
em falta do caplto, fallecido em viagem, lo-
mara a direceo daquelle navio. He para lasli-
inai -se que por 2 ou 3:000/ se nao ultime a obra
do pharl das Salliuas, cuja Importancia fez
reconheccr-se por mais um naufragio. A tri.
pulaco salvou-se.
.No dia 6 dcslc incz, noitc, occorreu um fic-
to que nao deixou de causar algum auno as
nossas familias: o commandamc das armas pe-
las 9 lluras leudo mandado municlai a tropa e
conserva-la nos quarteis, verbalmcnlc expoz
ao chefe de polica Dr. Arlhur ter apparecido
no dia antecedente as H boras.da noute na
guarda do quartel, onde elle inora, um hoineui
individuo dcsconhecido, que conlra o arma-
inento, c pcrguula'ra a|senlinclla onde eslava a
chave dessa porta, ( que era a do calabouco ) e
que subir e nao mais sahira do quartel. O Dr.
Artbui- deu suas providencias, e como era nou-
te de iheairo, e corresse o boato na plaii-a,
causn Isto alguma desconlianca entre os es-
pectadores dos quaes uns sadiram por curio-
sos, c oulros por timoratos, esc aprescnlaraiu
no quartel, onde o commandaute das armas os
aniiti, sem a miniis coiiibliTacao com o pre-
liilcutc e ebefe de pollcia.
Mas esse induviduo, suubc-sc s II horas da
lioiledinil i li lal,l mu Mproln ,1. ,,..l-
queprocurava um seu camaradade nomc 1-lu-
uiiiiense, desorle que desvaneceu-se todo o re-
celo, c tudo restabeleceu-sc, licando em per-
feita li-anquilliitadc. Houve precipitacao nao
pouca do coininaiidanlc das armas, isto fui que
causn algum susto, mas diiem que S. S, faz
juz a u.'io seique... Entretanto corre com cer-
teza qucS. S. que conservoua gente armada
ale de maiihaa, e inesuio no dia seguinte, otli-
i mu .i.i i ln le de polica no dii 7 de manlia,
quena vespera as li horas da noute tivera a
explicacao do faci que causou-lhc dcscou-
fianca.
Temos ainda toda a conlianta no Exm. Sr.
Fausto c Dr. chefe de polica.
A bexiga lein lavrado com forca, ral accrei-
centar as pedas que a febre amarclla c osa-
rampo nos causaran!. Na capital o presidente
prestou do tliesouro um quamitalivo para suc-
corro da pobresa, e o Exm. prelado por seu
lado mandn correr utuasubscripciio |pur tres
ecclesiaslicos respeitaveis.
O coinmercio esl lnguido, a farinha lein
encarecido com o apparecimento da bexiga,
que he temida pelos habitantes do interior.
adoilaislrMlor ainda nao
q'ieiram eerlos Srs., que le inculcan! de orgin
da opluiao publica, arrof.fai'-sc o direito de
estigloscllzal-o. Feliimenle porcm para os
liomCns de bom senso, esle inesmo alian de
tudo censurar ; que mosira a opposifo he o
que man a deiconccitua.
Adiase ella capital mullo accomettlda de
febrss : os medical porcm questiooain. se i
vista, do carcter benigno, que as meiaus
aprciemam, san ellas ou no as taes amarasTi,
que fizeram Untos estragos as provincias do deixou de mencionar as moratorias, e pelo
Sul e no Para; de entre 01 inultos accomcttldoi contrario, fazeodo remissao ao cdigo coin-
a penas cunlam-se por ora uns qualro casos mercial, ella os artlgos 842 a S92, e V. Me.
fa|aes, os quaes ic verllicaram sobre crlanas, lera visto que das moratorias trataiu os artlgos
parecendopor este modo que teem ellas al- 898 c seguintes; nem poderla o regulainenlo
euia-respeiio aos adultos, com que eslou al- oulra cousa dispor, em vi.la dos artlgos JO c
gusa lano mais animado. 909 do cdigo. He alem disto prinotpio cor-
A deas al oulta vez. reme que as moraiorlai constiiuem um favor,
dem 22 d* ulho e a proieccao que o cdigo liberaMiaAoeem-
Pelo vapor paua'd"prepare!-me para Ihe mercio nao aprovella aoi que le nao ic.n uia-
in.ndar a minha correspondencia do costume, trlculado em algum dos Ir.bunacs do coinmer.
porm leudo do mal infoimsdo sobre a dora co. como he expres.o no artigo 4." do n.e.iao
Jlo : En nSo Sr.
Juls : Saba por jue frs preso ?
/leo : N3u sei, nSo Sr.
ult : Conhccoao Agoslioho Maris r-mlioco, nSo Sr.
bo em que rus elle tuorsva ?
regulamenlo, pois euuiurando elle al dlspo- litio :- Mo Sr.
sienes do cdigo coinmercial, que iSo appll-l luiz : N'unc fn conviJido por Jote da
cavis aos cominercisotcs nao nniricnladoi,, Silva lerreii para ir s cass dessa Agosti-
" nho?
leo : NSo Sr;
resseda novldade. Ilojc porm para que mi er consiuersoo os rcqueriinenloi pa
acomeea o mesmo voti con, antecedencia es- apresentado, como declaraeao de iiuolvencia.e
crever o meu aranzel. que cont ri infallivcl- ^."e f" Proceue,r de couformidade con, o r-
menle pelo vapor flsfteiM, que aqu cl.egou ^"S^'fS^V stf'" 'SSSj.^n^l^
houiem a larde'dos portos do norte. ,. ?," ^.'' ?? i*? ""JflS? *&
t'mi.i, S i/. ;i,/.'i i de 1851.
Pouco leuli" a dizer-lbe desta ves, mas aca-
bando de liavcr urna iiiudanca de adiiiislraf.io
na provincia, seria diguo de repiro, que eu
que un- leulio proposto a uollciar-lhc as prin-
cipaes uccorrcucias do Cear, deisasse passar
em silencio adeiuissao do Exm. Sr. Dr. Iguacio
Francisco Silvelra da Malta, que tantos benefi-
cios fez aos pacficos Ceareuscs, perseguindo
de rijo os criminosos, c garaiiliud > os dlicitos
dos desvalidos, tantas vcies espesenhadus pelo
prepotente ; dcxasse, digo cu -de llie dar esta
noticia, c de Ihe significar as mullas saudades.
queS. Etc. dcixa no nielo da pupulaco a qual
pelos mullos actos de incrgla do Sr. Mulla
contra os seus oppressores, Jase la habilitan-
do a cnchergarncllc um constante protector dos
desvalidos ; masdieeudo-llie isto, que he a ver-
dadcia expresso dos scnllmenios do povo de
mluha provincia; nao devo oceultar que estas
saudade! que quazi todo! senlcn su sao mc-
ligadas pela esperanca em que eslao os bous
Ccarcnses, de que o successor do Sr. Slvcira
da Molla, o Exm. Sr. Dr. Joaquim Marcos de
Almelda neg, ser o continuador dos mesmoi
beneficios rcccbldos da precdeme adininls-
tracoie o autor de uvailus oulroi, que o Sr.
Molla no curio espaco de 8 ni ve. nao leve
lempo de fazer.
Sun, o amigos do Sr. Slvcira da Molla sa-
bem que S. Exc. pedio por retes a la demia-
sao. que allnal Ihe fol concedida, porque o go-
veriiu reclu hece niln que o Sr. Molla como ma-
gslrado, tinha de solli er Inlerrupco em la
antiguldide, ic continuasss n, preiidenca,
julgou atlcndlvel cita raso por elle apresen-
i ul i, c nao quis exigir um sacrificio, a qne S.
Exc. por mais lempo se nao quiz prestar : os
amigos da administraban do Sr. Molla, pois nao
pdem levar a mal que o governo .atend --e
aosdesejos de quemlantoolem servido; ecomo
todos veem que-o governo leudo approvada
e elogiado as cmaras a marcha seguida pelo
Dr. Molla, deve neccssarlamcnlc ler escolhi-
do, para subslilui-lo, a um cidadao que faca ao
Cear os beneficloi, de que seus habitantes
in iis carecem, justo he que do novo adminis-
trador fajamos o julzo favoravcl, que cima
emilli.
Chegou s 4 do corrente a esta cidade o Sr.
Dr. Almelda Reg, 6 tomou posse da Presi-
dencia, recebendo de seu antecessor as honras
devidas a sua elevada cathegorla, e que boje
foram retribuidas pelo Sr. Rcgoiao Sr. Molla no
embarque desle, o qual leve lugar no meiu
de um acompanhameuto mui numeroso de
penoai de lodos os partidos, que neite mollen-
to em queja nao falla a lizonja, qulzeran dar
a S. Es. esta ultima prova da connderacao,
que lempregoiou entre seos governados.
Sein nada ler s dizer-lbe ainda da nova ad-
iniuisliac i do Dr. Reg, a penas Ihe notare!
que o ceaiensc e juiz do povo, mesmo aotei de
s. Ex. chegarao Cear comecaraui a fazcr-lde
opposijao, anlrcipando auahus dcsagvadcveis
Julzoi sobre sua admiulsiracao, e traocrocu-
do o primelro um Insultlo artigo de um pe-
ridico da curte Intitulado (rilo .Vnei-nu. La-
ineiiti-i que o espirito de partido ebegue a um
tal puni, que inesmo quando os aclos de um
hontcm a larde dos p
Bein triste he a impresslo debslxo da qual
Ibe eslou escrevendo : a febre amarclla, que
tantas cs'.rags fez n auno passado lias provin-
cias do sul c no Para, c que pareccu respcilar
?. aun ni! ule de nosso clima, acba-scafinal en-
tre us, c os votos de graca, que os Cearenses
ate ha pouco dirigiam ao Todo Poderoso por
nos ter preservado do lligello, que celfou lau-
tas vidas em outras provincias, boje se conver-
lem em lamenlavels supplieas c fervoroso!
rogos, para que de ni afasle um tan pemicio-
lo hoipede. Ao principio appireceram a fe-
brea com carcter mui benigno, e os mdicos
disputaran! entre si, se era, ou nao a eiii-
demia, que tem reinado em quasi lodo litoral
do Brasil, denomlnando-as cnlo por gstricos
aquelles Esculapios, que susleulavain nao se-
ren as a mi relias ; depois porm que o mal foi-
segeneralisando, cen muitns accommeltidos
foi-sc observando o vomito negro, c oulros
symplomas da febre auiarella, a duvida dcsap-
Coulinlto fllaloioCmara. Sr. juiz municipal
da segunda vara da corle.
n Conforme Jolino do Natcimenlo Silva.
a Est conforme. Aiaziiruaito Francisco
filiarle, ollicial-maior interine.
JURY DU RliCIFE.
S.'SESSsO ORDINARIA. EM %i DE JLLIIO
t DE 1851.
Pmidincia do Sr. Dr. JVeiwi.
Promotor iiileeino, o Sr, Souza Garca.
Escrivo, o Sr. Aprigio.
Advogado da dtfcta o Sr. F. C. Brando.
A'sil horas da mauha feila a chamada,
achain-se presente! 40 Sn. jurado!.
O Sr. Pruidenli: Abre a icuo, mudando
aoi senhores que deixaram de comparecer sen,
escusa legal.
Procedc-scao sorleio do conselbo que tem
psreceu, e com o numera de victimas, que se dc julgar sos roi Jos da Silva Ferreira,
val augmentando, val tambera deiapparecen- por,UgUcl e Jos da Casta Guimarei, hes-
do certajnliepldcze anluiosidade, com que a panhol, aecusado pelo erluie de roudo ; laheiu
populacao incarava esle iuiuiigo vcihaco, que ortcados os seguinles senhores; AolouioGon-
em principio se appiesentou com appareucias ,, ue MoBae, a Joaquim Horges de
pouco aterradoras, como que para colher des- cauro, Jos Goncslves Torre? Jnior, Jos da
.pcrcebldo um maior numero de victimas. CruI StM o>0 Auguno Henrlqucs da Sil
l\ao eslou osito no numero dos que leen, va, !o ,-ucl,co Marinho, Joio ds Costa
succumbido ; elle poreni nao he pequeo e Ulna nl Lan Golne, Ferreira, Manoel
para que Vine, faca una niela aproximada do AnUro dc Sou Rclji Ma|10e, Jo; it Siin
mal que estamos sollicnilo, Ihe direi. que re- ,Orillo, iguacio Jos da Silva c Dr. Manoel Jo-
gulando a morlalidadc de i i capilal a um por
dia pouco mais, ou menos uos lempos ordina-
rios ; acnntcccu que ha ilous dias morrersilt
emunisdia oitodoentes da febre auiarella, e
erein que a iiiarlalldade continua quasi na
mesilla escala, du que Ihe nao dou una mili-
cia mullo exacta, porque confessn-llie que lujo
de ler relaces com o sachrisiaa do cemiiorio
pelo recelo que lenho deque ellcme nillic d.e-
.....*, Uc .ni ni^awl. nevu porein nolar-Tne
que por ora { excepcao dc ,-ilguns meninas,
taires por nao guardarem dlea) anda nio
liouvc nem um caso fatal entre a gente de pri-
ni ii i classe, leudo alias sido mui crescido o
numero dos accuinmetlidos, d'onde iuliro qtic
o maior numero dc victimas lie dcvldo mais ao
litio trato e falla dc recursos dos desvalidos,
s Pereira de Mello
Prestado o Juramento do eslylo,
O Sr. Prtiidenle: Faz ao piluiciro reo o se
guate
INTERROGATORIO.
Juis : Como se chaina ?
Reo : Jos da Silva Ferreira.
Juis : Sabe porque s* nchs processado ?
-* .... ..,,,.,., ,.*a. 4ue igudiu, .'-n"' u*.
que vou saber.
Juis :--Sabe o motivo porque fura preso.1
Ignoro, senbor.
-- '.'u un i fui preso ?
Saber V, S. que foi n'uma icxla-
A
Rio
Juiz
leo
fcira.
Jnf|
/i-i
: De que mez?
Do mes de Janeiro.
aj Juiz: Quaudo foi preso, mo o Icvaram
do que mcsinn a gravidade da molestia.
hoinri'opathia c a allopalbia durante o pro -1 J' :-uanoo o preso, na
grenso do llagcllo teem eslado em renhlda lula Prsenes do lubdclcgado .'
Reo : Sabera V. S. que lu.
Jtii: :-- Nao llie disseratn abi o motivo por-
nas pessoas dos Drs. Carrelra e Jos Lnurcnco,
cilrcnuos defensores, este da vclba medicina,
aquello da dos glbulos infinitsimos ; cu 1"c,, Prenaiain.
..orin como uestas material son grego, nao es :--O moliro porque fui preio, oi
Ihedirei quera tem raigo, e aqu vou terini- causa de uina bnga que cu ve con, un,
narcita icm que hoje me tenda oceupado dc patricio, qne velo coiuinigo de Portugal
ouira cousa senao das icnhorai febres, mesmo a1"<- daqui para o Rio de Janeiro e lorn
porque desejo ver, se com este acatamcnlo que \ vollar psrssqul e como elle va que nao poda ros.
Jui; : Soube se essa Agostinlio fufa ':
roubsdup
llo : Nao Sr. no ei.
Juiz : Nunca trslou de indagar do mo-
tivo do sua prista ?
Jle" : ilo live quem m'rfpiocurssse,
pjr isso no in laguei.
luii :- Qusndo foi preso, dSo foi a pre-
senta do sob lelegsdo .'
llo : Fui sim Sr.
Juiz i.a nilo Ihe disseriin porque o
prendan, ?
Reo : a mim nSo, Sr.
Jai; : NJ0 llielirararji ossipatos quao-
lo o Sr. U chegou f
Reo : -- l i ni,.-ni no) Sr.
luiz : -- Nsolhe achsrsm nessa ocessiam
dais ticas cm ouro ?
iSoo : -- ,\ mim no Sr.
Jin'i : A quem cju perlencenlo um
gili.iu do bacta que (ora de Agostinho ?
Reo : Nao sei. nSo Sr.
JsjJ : Couhec s Jos da Silva Fer-
reirs ?
Reo : Conhcco sim Sr.
Ju: : -.- (intlicando o eulro.ro) sera esse
quo esl shi ?
Reo : lio elle mesmo.
Juis : Nones q convidou para ir a csss
desse Agoslitillo?
o : Nao, sonlior.
Jai a : Aon le se acliava na noile de 30 do
Janeiro ?
Reo : Nao sei, en. que da fui preso,
n5o sei.
Juis: Perguoto-llie anule estiva ttt
Dolte de 30 de Janeiro desle atino T
Reo : Nao me lembro.
Juiz : Nilo fui para debaixo do Trapi-
cha com Jos da Silva I Vi reir nessa uoite ?
Reo : No, senbor.
Juis: Que porta hnvia na cisi ilesse
Agostinho '
Reo : liu n3o sei da casi como heida
saber da porli.
J*/j : -- N.iii foi o Fcrrcira quem abri
urna grade dessa cisa '
Reo NSo sei, nao senhnr.
Juiz: Con que ferro foi iberia essi
caixa ? #
Reo -- En nilo sei.
Jui; -. NSo diiso na cisa do subdelega-
do', i-.ir ln va stdoe.orB Drettn* oran le- '
rico :-lie tima calumnia que me levan-
ta Jui; : -- Sabe ler.
Reo : NSo sonhor.
Fin lo o ioterrogalorio, sSo lidss as pcqis
do processo don le cousla que ni uoite do
du 30 de Janeiro do auno crranle, os reos
so entro luziram na casa dn Agoslinbo Ma- .
ria da ConcuicSo, do onde liraram urna
caixa contendo al^tuin diulieiro e roupa>.
Cresos os Heos e levados a preseuca do sub-
delegado declarsram ter sido ellos mesmos
os roubadores, achn lo-se-lhc nesia occa-
siSo algum dinliuiro cm ouro do que hivis
sido roubado.
Felas as allegaras pro c conlra os
con, a minha vida, fol-se qucixar ao Sr. sub-
Nao parecendo materia exlranha ,is febres, o 'delegado, depois inandou-ine prender, des-
di/.er-lhe que o Exm. Sr. Dr. Reg ten, sido, fcltcou-me o Sr. lubdelegado, fez o que
incausavel em dar providencia! em favor doi I"'1-. ,
desvalidos accomineltidos, v mais esle trecho 'ul: : "S"5' nolne dcsic leu patricio .'
para os leus lypos, mesmo para explicar-lhe ro : Chama-se Agostinho
que o mo lralo.de que cima fallci-lhc rea- J"'::"?le "lcsln0 Agoslinho Mana da
'ivaincnie aos desvalido!, nao he porque te- Concclfao r
ll.lli, nlloc .I.!,. Irui.liii, iiln^ lt.l.4 ^ln .'unir i. I HC, Ot
nliaui elles sido abandonados, pois pelo contra-
rio nSo llies Iceiu jamis fallado medico e
Jui:
m, senhor.
Sr Presidale : Faz o rolalorio da causa e
entrega ao conselbo o seguinte,
QLISITOS.
Primciro reo.
1. 0 roo Jos da Cusa GuimsrSes prali-
cou o facto do que he aecusa Jo de haver ti-
, a, 'radoVurs si contra vontade do seu dono.
Sabe en. que ra morava esse indt- JM^ S-rfa Ui OtmUpO, as pacas do
oulros recursos a cusa dos cofres da provio- ]vldu"? moravamos ambos na ra do 'ouro,"'ropiicslinheiro em nolis do"que rt-
ela, ...a, sin, porque esla classe por causa das *> morbamos ambo! na ra P
pcssiiiias casas, em que muram, c por talla de i "f" ... ,, r..:i,^un..,i n. nnirni-iinln a
outras commodidadei, que o eila-lo nao pode Ju-.-:--Moravam ambos na meima casa ? | O.^ltoroMrott fUt *"*'
jamis (oruecer de proiiipio, he Maura mais *" :-Nao, senbor, elle urna casa c eu yontadn de seu dono, as pecas de ouro, rou-
infeliz do que a classe abastada a pesar dos J ?' .........a_ ,_._,__,_ ... pa odinlioiro em olas do que trali o libel-
esforcos do governo uo mcio das grandes cala-
midades.
PERNAMBUC3
Tribunal do coinmercio.
luiz :-- Para que Um inlrodnzio-seo se- |o" sTfoYrias 6 ?
nhor na cssa della na noile do 30 de Janeiro? j_ n referido rea par* conseguir o Hu
llo : SaberA V. S. que isso n;1o foi pss- anua in cado, fez violencia i pessoa ?
.-nlti pur in ni. 'i 4 y refetUo reo para conseguir u lili
luiz : NSo fra V. e um sen comptnhei- acuna Indicado faz violencia cousa ?
i ro, que liraram dessi casa umt caixa con- 5. o reo pralicou noilo o laclo de que
tendoroupa odinheiro? heaccusido'
De ordein do tribunal do enumrelo desta "'" : Sfbor V" 8' 9U0..eu f' ,so"hor. 6. O reo entrou na cas do olfondido com
provincia, publicam-se os seguintes avisos, ex- n8n> nunca live essas iiiclmacoos ce rs/.er intento da commetter o crime /
pedidos pela secretaria dc estado dos negocios essas causis. ^ 7. Prece leu ajuste entra oreo e ouii tien-
da juiti^a.
Secretariado tribunal do coinmercio, 2 dc
julho dc 1851.
O secretario interino,
Joo Piafo de l.em-jt
1.' leceo. Minliterio doi negocio! A.x Jas-
tifa. Rio de Janeiro, era 8 dc julho de 1-651.
Jui: -- Sibe quem tirara essi caixa '.' dividuo para o un do co nmeljter-seocrime?
Reo -- Saber V. S. que nSo, porque isto 8. Kjistem clrcumslauciii altenusntcs a
foi couza, quo me impularam, misseassim favor do roi'
fosse ou tinha tido lempo do metterosps y jury raspn leu ao primeiro quislto sin,
no mundo o ir-me ambara, e estar longo 30 p,)r umnimldide; ao segundo um, por II
ou 40 graos. votos; 10 terceiro nao, por unauimidade ;
n. ,\n, ; j iiiiciiu, i:ij, o uc junio ue i?oi. ,, .,- ,-,_ -------' ------- ,,- -
- R'emcito a Vmc. para condceliucnto do \ >ul\ So sabe o que continha Css o quarto sim, por t Ovlo*; ao quinto do,
tribunal do coinmercio dessa capital a copia CatXa : por 7 votos; ao S-xto nSo, por 9 votos ; So
Inclusa do aviso que nesta dala fol expedido ao | _/(o : Sabara V. S. q'io nilo" sei do nada gelimo sim, por 10 volos ; ao oitayo Jim, por
juiz municipal da segunda vara dcsta corte cm disso.
6 votos ; existe a favor do reo a circurrfiiUn-
jconsequeucia da representatao fcita pelo tri- luiz : Nao foram achadas no poder do ch alXonuanta de nSo ter havido no delin-
bunal do commcrcio da capital du imperio, de senhor qualro oncas emouroe urna moodi nuenle ulono conhecimonlo do miledirec-
domina .T5o l^^X^oYoZ^^^., v s pmmjff ., ",80 do o pralicar ;o Jo por igu.l
bunaei do coinmercio, dejando de proceder r .o:-Sabara V. S. que, commigo nS) numero de votos, nSo oxiste, ele.
iinmcdiatainentea abertura de fallcncia daca- fui isso passado. | Segundo reo.
sa coinmercial nao matriculada dc Uobkcik Juis---Nunca foi convidado por alguom I. O reo Jos da Silva Ferrein, prtlicju
Wcctcrinan & C, nao obstante ter lido o mes- para tirar essa caixa 1' o facto de que he aecusado, de haver lirado
mo juiz cnnhcciiiicmo de haver cllacessado os lUo; Sabara V. S. quo nlo, 11 sai nunca para si contra vontade de ssu dono Agosti-
scus pagamentos. me importai com 1 vid 1 dcada um. nho Mara di ConceicSo, as pecas de ouro,
feauah C a,y"'c- c"6'" d',AQTT ,uii : Conhece a Jos da Costa Cuima- roupa e ilinheiro em olas de que trata o
coulmio Mitn Cmara. Sr. presidente do P.- ... _7. ^
...,.. a----------------,_ ,. n-------'. 1 raes. Itbcllo:'
tribunal do comincrclo dc Pernainbitco.
Ksl conforme. IIiiuni iim Francisco
Utiarle, iin 11(11,111,1 interina.
a Ministerio dos negocio! d juilica, Rio dc
Janeiro, cm 8 de julho dc 18/31.
* Tcnbo presente o ofticlo que V. me. dirigi
em data dc 2G do passado, a esla secretaria de
eslado, e no qual, fundando-sc no artigo 18",
do regulamenlo n. 738 de 25 de novembro do
auno passado, d como motivo de nao haver
procedido i abertura da fallencia da casa com-
mercial nao matriculada llobkeik Wectmau Se
C, o nao haver rila apresenlado declaraeao de
iillimi-iito cm fnna, nem apparecido, para
. esse lira requerlmenlo algum de credor, en-
Heo : -- Jos da Costa Guimares i1 He um a. o reo lirou pira outro contra a vontade
que eu conheci quando vim do Rio do Janei- desoudono Agoslinho Msrla da ConceicSo,
ro, havia cousa de 15 dias, eu linha vindo as pass de ouro, roupa e dmhoiro em notas
para 1 rra curar o braco, que tinha cortado de que trata o libello .'
* bordo. 3. O referido reo para conseguir o lim
Juia : Na noite cm que foi furtadi cssa cima indicado fez violencia pessoa?
caixi, nSoesteve com esso Jos da Cosa 4. O referico reo pira conseguir o lim aci-
GuimarSns ? ma indicado, faz violencias cousa .*
Weo : Saber V. S. que eu eslava dur-
111111< na minha casa.
Juiz : Quem se (icou com a roupa quo
continha a caixa ?
Reo : Eu nada disso sei ; nada disso
eiantoque Me. reconhece havercm reque- ; ,oi plssado commlgO.
ndoaesie julio uina moratoria fundida em 1 ,'. c,h i,,,,)
cessavio de pagamentos ; mas un, Ul requer- .'' -''', e *, r .
nclito consume una declaraeao do eslado dc ; "*> :--Siben V. S, que nao 801.
Insolvencia pela inancira mais formal, que le ui; :-- Diga-me, sabe com quo instru-
poderia exigir, e deveria V. Me. ler-sc d, lli mcnlns loi alurla a cnxa ,'
servido para proceder s deligencias que llie Rio : Cu uo senhor.
incumben! os artigo! ihVc lH do citado regu- n0 jntroduzido pira ser interrogido o midide; ao quinto sim, por 10 rotos ; ao
lamento, c aduiiiiir ao depois o proees.n ,u ,egundo reo a quem o Sr. Presidente : faz quinto *.*, por 7 voto; ao sexto nSo, por
l^,1i L c.",r"10 dc ""'"> l"c ^"'"J0 as seguinles perguntas : 9 volos; ao stimo por 7 votos ; e ao
o artigo S18 do cdigo com.uercial. e lis, do __ ,.< .. 3 u 6 ydloi exslB circums-
5. O reo pritlcou noito .0 facto de que
he acensado?
6 O reo enlrou em cisa do offendido com
intento de commetter o crime ?
7. Precedeu ijuste entre o ro e outro
para o Um de commetterem o crime?
8. Existem clrcumstaucias attenuinle a
favor do reo.?
O jury responden quanto 10 primeiro qui-
slto ii'm, por nnaoimidade; ao segundo sim.
portl rulos; ao terceiro 4o, por unani-
LADO
regulamenlo nao poderiam ter tido lugar, sem
que tlveisc lido previamente pralicadas essas
diligencias, c a insiruccao da fallencia que in-
n"a
Juiz : Como sa chama ?
Reo : Jos da Costi Guimaraos; tancia allonuante de nOo ler havido no ato
Juiz :-- Sabe porque se ach processadoi1 pleno conbecimento do mal e directa sien-



gao de o |.ratiar b mo por igual numero de
votos, nSo existe, etc.
A'vslada decisflo Jojiiry, oSr. prnden-
le oondemna o reos a qualro annos e meto
de sals cads um e ao pagamento do 12 e
mcio por contodo valor roubado.
I evaot-sc a^rss3o a 6 horas da tarto.
le, que publicamos em nutro lugar.
n.i l'arahvba nada vemos cm suaa gaictas
que increceaac ser mencionado.
DIARIO E PBRillBUCV.
CCirE, 27 JDLHO DS 18J1.
O vapor Bahna, que hoje enlrou dos porlot
rio porte, troue-nos gazetas do Par com dalas
al 12, doMaranho al 17, doCcai al 19 c
da l'arahyua al 20 do corrente ni.'/.
Alelaste que conimunica o nosso .un is
pundentedtPar cin.ua carta, quevai i.npres-
>a em oulra parle, icinos de noticiar inais -
. .i..', deasa provincia o segulnce;
Foram olios a viuva e os escravos do Aado
Pina Macedo, assiin como o scu hospede Do-
mingos Antonio da Silva, em conscqucucii de
seren julgados improcedentes os processos
.n.....ii il. s intentados pela autoridade publica,
resultando do drpoitnCMo das tealemunhas,
que nos meamos juraraui, nao ter sido o crime
esa queataouutra cousa mais do que um suici-
dio, a que fura arraslado aquclle infeliz por
aenacao mental.
O gpverno da provincia contralou com Jos
da Potile eSouta a illumlnaco por gaznad-
dsde de Helm, O contrato durar dez annos,
lupa so lera principio a lluiniuoco um anno
depois deapprovado elle pelar aa.einbla pro-
vincial, acudo o preco de cada candieiropor
noi)2S0 rs., alm dcoulras mais condiedea.
I.7-se no Tres de Maio de 5 do corrente i
Sabbado passado urna commlssao de facul-
tativos e pharinsccutlcos procedi na casa da
cmara municipal desla capital, requcriiuen-
to da raesiua, a diversas analj-sea e observacors
chfealCM sobre urna porco de macos de p-
pele, qne diz-se ser dos documentos das coli-
na lo linado procurador da dita cmara, Ma-
iheus Vleme do Coulo, desde 1840 a 1818,
n quaes se achavam humedecidos, empasta-
dos, em grande parle illcgivris, e dcllndo-sc
ao mais llgciro toque. Consta-nos que a con.
inisiu declarara, depoli de ter einpregado
diversos resgentcs, que os estragos encontra-
dos n'aquelles papis erara produzidos por
rll'eilo do.ucido nitroso, lgnora-se como tl-
vera lugar esta occurrencla ; no enlamo pa-
rece que aemelhanlc catrago lora fei.o tora
do lugar aonde os ditos papis estavain archi-
vados, porquanlo eram amcnlc estes os do-
cumentos arruinados, e uo muitos outros.
que juntamente com elles alli mesmo cstavam
arrumados desde .781, lamban perlenccnlcs
a diversos procuradores que anteiioimeule
linl.au se. ido. A cmara entrou ueste dcscu-
briiiii'iiio por occasi.io de ter solicitado a viu-
va do dito procurador a quitaco das comas
do .i ii fallecido marido.
No tlaranhao continuara todos a entreler
boas esperanzas acerca da adiuiuistiaco do
Sr. Olyupib Machado. S. Esc. suspendeo a
Correspondencias.
Srs. Redactores.Lando hoje* no seo. con-
publicafo dalei que lixa a receila c despera redacgio mesmo me lizcnlo a honra de con
das cmaras inunicipaes, por envolver cllas|far (srrei nesso protesto o Tacto tal qual
que se l em as cartas do nosso corresponden- rahece tos mpropriis.e inadequalas ao
Exm. Sr. Dr. Zaehariae Qualilica-do mou
collega de Inviano portar levado aun cinto
da assemblr geral um facto, que Ihe fui
co-timunicelo mas quem ulo v qlnj na-
nlmma lovi indade revela O proceojmento
qaquelle, que porinfo'macedeumtoneo
(i qnciii ordinariamente prest-i os am;>l>
ceituado jornal a rertiflcagao, qiie ao seu con(4nQa uojulgamos cons^quontmcnli-
proco Jimento, em urna suliatin i, faz o meu ncaisz e enganar-nos) so aprsenla a con-
collega, e amigo o Sr. Jeronymo Macario Fi- tr ,,,,,,1 qUer Tacto? O Exm. Sr. Dr.Zieha-
gucira do Mello, nSo posso furtar-me ao de- rtl r0Z) 0 qlle vemos praticar todos i.s da*
vor lis avouturar algumas linhas afim de at- p0JS0a8 sensatas, a quem em nada fco S.
tenuar, mesmo destruir a Torca das exprs- gMi interior,--firroou-se ni authoridido
soesumpouco arperas dirigidas ao Exm. do um scu amigo, o pelo que Ihe ToriTor-
Sr. Dr. Zacharias; exnressOos estas sem ma.lo ecuzou a um aesdomico', qu, s*n lo
iluvi.la nascidas da effervescencia do mo- verii,(ier0 nafllrmado, merecera porcerlo
ment. acres censuras--dissamos, quo enea-im-
Palsai inTormagCes cerca do occorrrlo pro;ir,s, e inadequadas algumas eires-
nessasiibliBtn.,opoucoconhecimonto,quooof,9 >JeqUe 9e servio o nosso amigo.para
Exm. Sr. Dr. Zicharias tenlo Cnractr.e ma- com 0 Ejm, sr. >jr. achinas, e por; ola
neirns sempVi! urbanas do meu cslimevelcol- vez fajemos justign ao nosso estimavet'ami-
legn, e, dema'n, o nohro deaejo, que nutr-, ROj r]e su'ppol-o absolutamente incapaz du
como legislador, empresentante da m( i, usar d'ellas, menos que sojaenvume oc-
do concorrer para o molhoramenlo dos nos- c,sjamf em qUfl Teja Terida a su> bemehten-
sos estalielecimonlos dciostruegao publica jjj, susc.piib Miado, epelo que a sima
o levaram a apresentar a assombla geral V-se quas sempra subordinada a outro.im
esse Tacto, tilo desnaturado como o vemos pU|S0 majs vehemonti'. Nos porn de molo
no lurnal do Commercio. A pocha de /evi- a|gum podamosdelxar passar desapero d'i-
ottoMapoil nSo pode pairar por sobre as ex- do aquillo mesm", que em brove lempo
pressoes do Exm. Sr. Dr. Zacharias, porcoi taj* deser reprovado pelo notio colloga--
sim, e nicamente sobre aquelle, que tiO nWpodemos por tanto suppflr, s'nllo, que
estranha, e insolitsmente abusou da su a o Exm. Sr. Dr./achariasToi muito prulM-
lioa Te. Direi mesmo que a calumnia Toi o t, por lrilcr em analoga aquillo de que
incentivo, que dominouesse falso infor- S' oceupava, um facto, quo doveria Julfar
mante, masque, como sempre, ja dopzo revestido do carcter de verdadeiro, por Ihe
seu negro manto perantc a sol)'rana luz da ,or minjstrado um seu imi-o; e nem so
verdado. Itestabelecidos os Tactos nao s podeaupporalgam ~ nrrierepens- v:s-
liela grande autoridade do documonto pres- (j como nenlmm precodente existe entre o
lado pelo lllm. Sr. Dr. Autran, nossoeru- Ex n. Sr. Dr. Zicharias, e o nomo estinavcl
ditoerespeitavel lente, como tamhom pelo collcga; osenenhum prcce.lODtoexiste, di
protesto da maioria do quinto anno, parece qe estou iiilimamcnto convencido, como
que o meu collega oSr. Macario se devoria qu..r 0 n0SJ0 amigo supprque o Exm. Sr.
consilerar plenamente satisTeito, por miior Dr. Zacharias tivp em vista formular urna
queseja a sua susceplibilidade, por maior accusacflo earrojal-a sobro elle? Nao trv-
que seja o zelo, que consagre sua repul- romos aqui as eminontesquali Jadas do Exm.
co. Apresso-me em declarar que so o jr- |,r ^icliariis, porquo nilo nos homo
amor juslica, c a considerac,ao, e estima, proposlo lento, com tido nao nos eximi-
quedevoaol^m. Sr. Dr. Zacharias me le- m0s do dizer, que S. Ex. acha-se 13o alta-
vSo procurar a iniprcnsa, para por melO mente collocado, quo silo lilo honrosos os
dclla fazer desapparecer a-sensafilo, que precedenlf, que o ciclo, qua bem longo
por ventura houvesscm causad as palavras, jc litas serapplieavel qualjuer recrimiua-
e assertoes do meu estimavel colleg8. A- ej0( mereco a geral llomenagem do lodos
presso-me em declarar que nSo he urna mes- q,.,,,,,/.,, 0 apreciam, o admiran! o seu t'ilon-
quinha contradicr,ao, quo me arrasla a are- lo,e illuslraco. I.imitomo-nos a lata, pres-
na jornalislica, principalmente quando o cimlindo de ludo quanto tivoi urn carcter
meu collega poder atteslar quanto me in- cstrauhoao nosso lim. que s Toi arreJar do
dignouomolo porque Toi o tacto adultera- Exm Sr_ [)r. Zacharias a pecha de leviauo.
do; polea altestar quanto me indignou o
dozar, com que o quizeram cubrir; dezar
este, que de alguma maneira resulla sobre
nos todos aodemicos. Aisim prompts e
immeJialamentc preslei miiih i assignalura
ao protesto dos meus condiscpulos, cuja
2
Judo das llcis di Souza Uantai
passar livre e segurwne. o Sr. Maajwl |g-
molo di Silva, c.sado, Miociaoto, l'Jfg.
de *1 annos .lo ida.ln subdt*..br||lairo )
que vi pr pernamhuco (imperio da Brasil;
somquelhe seja posto embaraeo oHnipe-
dimnnto algum no seu transito e ra ge m ;
antes para bm i hierlhe dnlodo o au
xilio e fsvor dquo necsitr.
Dado no palacio da prefeitura no porto
aos 8 do Marco de 1834. O PreTeito. Yanc-i
Goncahei de Miranda. Por or Jem de sus
Exc, Antonio Lvie de Abren, secretario ge-
ral. Bolilla 9. tenente. Registado a
Tullas 2H v. do livro dns passiporte. pa-
gon 480 t'. A. i. do TlateHmenlo.
Bairro de Sanio Ovidio.
Legitimou-se nosta repartlco Manorl Ig-
nacio da Silva, brasileiro, natural do Bar-
qun), vindo de Fonte-Boa com passaporle,
o qual vcni para embarcar.... Abonado por
bilheto d seguridde...^ K declara ir habi-
tar para a llandrinha N.
E para que poss rel r nesla cidade pelo
lempo de quinze dias, lindo o qual devera
Divamente apresentarse, mandei passar o
presente, sellado com o sello das reaes ar-
ma, e que vai por miro assigna,do.
Porto, 5 de marco do l83t.--Joie de Sotca
Bandeira, escrivSo.
fleo. I. 1
a fol.3 *
Francitco Narqitei S. Oliveira.
Keparlico da Polica.
PARTE DO DA 23 DE JIXIIO.
Foram presos- a orden! do delegad* do
primelro distrito deste termo, Jos Itodrigues
da Silva. Bento Francisco das Chagas, Rycardo
Jos. Ferrelra, Nicolao A Ivs do Nasciinooto,
Vicente Ferrelra da Silva Jnior, Olegario das
Chagase bernardo t leraentinodc Arago, para
recrutas: a ordem do subdelegado da fregu-
zia de Santo Antonio, Francisco Botelho de
Mcndonca, sem deelaraco do motiro, e Jos
Luis, por desordena ; e a do subdelegado da
freguezla de San Jos, o preto Joaquira, eacra-
v.i de Raymundo Jos Pereira Bello, por assiin
o haver requisitado o depositario geral-
yOM^E?ICIOs
materia ollensiva das leis geraes c dns traa- i
se .ora,
lilms. Srs. Kedaclorei.Como tenha lia -
vi.lo, e ainda ha quem csteja en iluvi
da a respeito da minha nacooalidadc, (mos-
mo autoridades em partes officiaes) no-
., eeuj rencilla Je lestilicao os mui- neiido.iiie porliigaez, quando eu jamis
dos existentes com as incoes irangciras, | J Diriei. po"s0 ser l"ll'ul''i> como tal, e nem go-
ordenando era circular as mesillas cmaras,,los nomcsqui so junuraai t miu. "''S1. zar das prerogslivas quo pertcncem ao es-
que e regulassen. na cobranca c applica(o como orgSu de meus collegas, ao Sr. Maca- -W b i,80 ro-o a V o especial
de suaa rendas pela lei amerior, craquai.io no as expressOes, quo se encontraoi nosso J"ir" Jff 'TS*" \'P SSaWWu
nao for oca.S decidido pelo governo imperial, protesto, porm dir.gi-as nao por urna bal- SHJ* V2? 0 ^ 1 rcTidncia e
a cujo conheciineoto Ja foi subinettido. xa deferencia, maa unicamenlc porque n'^'\nlrl .' "tul dn nsidencu, c
OvaporCax.Vns.iinhareg.essadodesuapri- ellas Ihe daval dirello o scu mrito, equa- E,"?*P0,tflf ,do110??"0 Portuguez, e do
metra viagcm a Caiias, conduzindo varios c, i- lidtdl,s por sj0 q,ie, entendendo que o vceconsul do Brasil ni cidade do P
ere ier levado Mo longe no. "B0 d,0 aua ,meJs M"
ter-lhcs
que m suppoc ir a pe.or pela cessacao ulvez o supponha) jamis lerao i.n- '"l,"."?',' *"' 'JU Cld'J d lleCre
Osa.sassino, persstem all en. aSo dar ir- perio sobre mim, pois que, por ellas, nilo P^Jnl';'a0 Wz rt P" l,firce'r0 Ul?"
guas i egaranf individual. No lugar deno- curvo a minha olelligeiicu a "- lrloto d* ''"zia de S. te. Podro Goncil-
mii ni i rrexelras, districto da Trcsldclla, foi -
ass
los
Porto,
lo de
ininusos. Em sua marcha enconlrou muilos nr'ouno nlu devo m
cinb.iracos, nao podendo mesmo ebegar ale f J / | n.lrtri .IhaiiQ enlenlo eida(13u do imperio do Brasil jsesabo
aquel., cidade, pe,a falu d^no rio, mal ^^g^f^SjSXSS^ *>< le^S W~** documento,,, e
Na capital, original no di.n 7 do crrente r0so, que elle suslenUv, o especilicar os r,om." h,"r>f0. titulo o prerogstiva de ci-
dous armadores de casas de dentudos, dentro |actos c os nomes alim de que os Sr de- "* lil0 ll-,sll''lrn- Nse> na i rovinei do
pulados, seus adversarios na tribuna, (ha "'"lio, li.spado dei Braga, no anno de 1790;
po.lessem com vanlagcm responler: tanto ",BU,0. l'crnambuco em agosio de.1805 ;
maisquanJoessa.oii5ariedaiicdcparcnt.-s- 'ssonici praca de miliciano em 1808; abr
o nao he tilo Uta, lao genrica, quo fa?a Plna com hcenca da cmara, em 1814;
corar de vergonha a qualqu.r mnn.bro de {>!'"fr** d casado, no mesmo anno;
urna familia pela razo de que se livesso J"rnl independencia do Brasil, assignando
oxpruhrado a um prenle sen, um fado, que ? meu nomo nolivro da cmara em 1822;
no ceiniterlo il.i Sania Cita da Misericordia,
rosulUiid de sua ciicarnicada luta, ticar a-
Suelle lugar de cluno repouso indcrdiclo pclu
errainMiiH'uto de sangue que huiive.
Ho Progrtito de 5 du corrente deparamos
com o icgultuc l'.i-i'i extrahido do Echo Liberal corar de vergonha
do Pi..uhy.
Vm tao-'COio extraordinario.
i u-' a constituiQilu do
Brasil
ijiiaiio alg
regados, c um em oulro quarlu.
,. Eslava, lar- charlas i as suas a .minislracocs, o UOO.|rJUMPNtalimenor duride, a quo eu
de serena, c divisava-se ao longe signal de lo lugar, que oceupa ontre os seus collcgas 80ie u,''s _______ __..............___ *-._*., t "* ^. .*. f nif> lilil I'nrl nnf ( Imilnt n ,( fui I nn i 's.- .
s nem troves l\i cmara, a lureoll de illustr5ao, que lao, ,"
ondo de um for- devidanicnlc Ihe coroa a frouto 6o ttulos Ueciaa',a
grossa chuva sem relmpagos
mas inslanUiieaiuenic ao estro
$TSSZ&&.ttg&fc ?'', ""^nles, efallam mais alio do
que srgurava os guiei.os do salo ou avara,,- que eu o poJeria fazer. (.orno pois Taz-llie
dado cm que se achavam. O estelo ficou qua- Perder o equilibrio um pequeuo debate so-
si todo espedacadn grande porcao de paredes bre reTorma de estatutos? ..
abaleit-sr, dos clavlnotes do qnarto contiguo A sua reputaco inlellectUil est sobeja-
disparara.nsc 3, e un achou-se quebiado, moulc consolidada para que fcilmente pos-
bel como o queestava en. oulro quailo : o s. perder o equilibrio; d80 he um colosso
nlso
ii*ei
iiieniuo, e o niolfnuc do quarto dos clavlnoles Pnm n.,. ILiii. '
tambera perder., o, se alado. ; inmensas de- ?, J ar!lla- I o menor l.npu
dras.barrue pedacosde lelhas cahira... aobre b"> taztahir po: Ierra. NSu insisll
a mesa esmagando toda a louca, as.lraco.no ",,i pois que faco um apello para tan
em lodo o saln, e mesmo sobre .. rede do pe- mojos ora existenles na academia, OU dis-
queno doenlc. OSr. I'crraz escapou de mor- seminados por todo o territorio brasileiro,
rer esraagado por pedacos de paredes por ter aos quaes o Exm. Sr. Dr. Z.charins lom
cahido em baixo da mesa : o pequeo que com aberto as douradas portas da sciencia.
elle eslava foi adiado de brucos ao longo da oimd, 2* do iulhodo 1831.
paredecoma cabe(a encostada mi p do esieio "#<"
Joilo Joi de Oliveira lunqueira Jnior.
espedacado ; junto ao Sr. Livio, com o inlcr-
vallo efe un. pal.no smenle, acltou-sc urna
fraude lasca do Mielo capaz de o ...alar se o
llveasc apaubado. Kuifim ape/ar de tanto des-
troc, apezardOJ.iiinr.ite perigo que currcraui
essas nove pes.oas, fui Otos servido que mo
morresse nem lima, o que parece um milagre
Srs. Redactores. A gran le, e immonsa
consideraclo, quo prestamos ao Exm. Sr.
Dr. Zacharias de (oes e Vascnnccllos, no
cnotercoinplctaiiieiiicabaiidooi.-iiodo sa- s polo seu reconhecido morito, orno pela
bo pela falla do ratrio que o sustentara, por- boa T d; que elle capaz, nos impieori-
'^e^atTp^eK'iVTi datada de 3. {t-o- dever do ompunh,,'a peni'ia com o
que temo, visla, qne todos iicaram cu. esta- m Somonte do mostrar ao nosso amigo, e
do de ser conduildos em bracos para oulro lu- ^ollega o r. Jernimo Macario Figu-Mra de
gar, 4-0I-. mili mi ..: peinas eos bracos nitor- Mello, de que elle foi injusto quando na sua
pecido ; mas que bebendo vinagre, aguar- corro; ponlciicia inser la no Diario da hon-
dele, e agua, c faerndo frieces dus mcsiuos t^m, defendondo-so de um Tacto, que Talsa-
liquidos seniiram-.e raclhorados sendo que mente Ihe allribuinTo, poroccasiam de tor
elle .ente ainda doer-lhc o braco e.querdo, as e||e sariiJoem urna sabatina, quo alguem
junto, do. pe. e as coxa. ; o Sr. I-.v.ojco pe- enc,rregou e paitcparao Exm Sr! Dr.
queno doenlc liveram cada unr urna eve con- .!...:,,._ i Y, ..
m,,., o outro pequeo leve parte do cabello Rebanas, segundo elle mesmo deelarou na
quelmado, c queiaa-se de algumas dore, pelo sala dos reurcsentantcs da naco, ao narrar
corpo ; um dos boincn. que cstavam i mesa o Tactodiz, que o Exm Sr. Dr. Zacharias
ficou saprcado, e o outro lol o nico quemis tove uin procedimento leviano por lliver
aelt'reu por ter-lhc dado una lasca |do e.teio por urna simples iiiTormaco formulsdo
obre a barriga e costellas- O n-oinuiodo do urna gravissinu accuzaQo, c arrojado-a so-
sr. coronel i.ivlo lo. de lao paquea) monta bre um esl'idanle, quem S. Ex. devia dar
''"STrtiTaS !t"'ai1"' g'" "plo Je reOexao, e pru lenca ?! --
ceguudo emos o 06.r.ad.,rde 13 t.atava- Corro-nos a obrigacSo do prolestarem abo-
se o'aqiiclla provincia (Plauby) de realisar a no di verdade contra a mexactlJao de se-
ii mi .un da capital para a nova villa do Puty, melhaultf facti, e louvamos ao nosso enllo-
que j foi Inspeccionada ocularmente pelo pre- ga -.- amigo por tirar de sobre si aquillo, que
.denle, e que, segundo se dii, oll'erecc todas alguem, talvcz, instigado por um sautimen-
as vamagen. para o lim que e ten, em visla. to Miiisir ,, e ao mesmo t.smpo nifi.iin Ihe
Tambera e iratava all da orga.ii.aco da quizesse irrogar, sim comgratulamo-nos
"a 1*'',m.S,T,L?,,,D< ". .'rf" l"ad'' com o nosso collega por haver dado um Or-
jornal ulnci.il da provincia, flevia comnor-se *'*',*' .. .
do..enbore.; Dr. Souza Marlius, tenemes-co- *>* (^u"t', solemne desmentidos quem
rooela Amonio de Souza Mendcj, c francisco querqueso encarrogou de fazer-lho urna
da Cunha Castello llranco. imputacSo Talsa em todas as suas parles, a
Con.uva m.. que as vliiohanca. da cap- qual dove de er neiihuma ora faco do que
tal tinbin-.c co.nracltido uliimanieotc algn, foi tloslado, nao so pelo nosso illuslrado
liorrlveis asaassinalos, de que o dudo Obierva- lento O lllm. Sr. Dr. Aullan, como por um
rfor prometi dar conla, sendo poqfiu referidos -nos abaiXO--de muitos BStudantes do quin
de B. loria Alvea da Cooccie.To, mulher do ri- igjign.lura, por atiesta! a Verdade, e porque
copropi.rtana, capltao Ajilolo Mareo.il'crci- ,, CUII1CC0 nossa multo profunda, .loque
ra,- udoalfere.Mai.oen.ccnledal.o.lac,da- ,i,,\Pn, i
dfr honesto e abaslado; eo de uin vaquelro1!.nao u"ems negar em casos i Jen ticos -<
cjlamadu Manoel, leudo sido o alferes ..s,..-! 1 "ios pois ato aqui/estido concordes com
nado de emboscada por un. vaquelro, que de.-o nosso collega, O amigo, nao acconleccndo
pedio, e ovaquelroHanocl as.asslnadopor u.n PO'm assiin, quan lu vimos, que da sus
anidado ion, quera irarou risa. deTeza escaparam p.hvras lilbas natural-
Do Cear nada teinc-i que acrecentar ao I mente da occasiim, mas que todos i.i co-
l'ortaulo tonho o direilo ao loro
brasileiro, sem que jamis me
possa competir o de portuguez fe ponU
guom portuguez, o \c.marinliciro infame '.'.'.);
sem quo jamis possa gozar dos p ivilegios
do oslrangeiro, logo que alhcri conjuncla-
menle com os brasil.-iros natos; o logo que
estos deixirnm de ser portuguozes, ou per-
teucer-lhes esse nome.o mesmo me soccorre
a mim. lia quarenta o seis anuos rom-po-
quena interrupti, que eslou om l'ernam-
buco, e a trinta e seto annos tonho casa
aberla ; tem-so feito o a cada passa se fazem
immensosarrolamentos; suppunh cuque
soria mais coiihecido, o m?smo que so nao
i .un om duvida a mirria nacionali lade,
(o que tom acontecido al em partes nlli-
caos!;. Pat evitar duvidas, e para qun so
di o scu a scu dono, he que fago esta expo-
M.'ii, c scainda nilo Tdr bastante, dosli-
vros, archivos e registros, melhor ronslara,
se ainda mais fr preciso. i\ilo me jacto, e
noni me inculco do ter nascido no Bresil;
son simplesmento cila ISo brasileiro adop-
tivo, o cuino 1,1 milito amanto do Brasil e
dos brasileiros honrados: desejo muitu s
lu- -.; i'n la Ii- do U'asil, e a ToliciiladaMos
brasileiros, sem o que jamis desejaria a
Telicidade dos meus lil m. ; desculpo-me
V. o o publico, a ma;ada quo acabo de
dar-lhes sem proveito publico, e s em in-
teresse desto quo so preza ser de V. leitor
mullo obrgado,
Manoel Ignacio da Silva Teixtira.
Iice consulado do imperiodo Brasil na cidade
do Porto.
PedroTeixeira de Mello, vice-cousul do
I nperio do brasil nesta cidade & Fago sa-
ber aos que este passoporte virem quo des-
la cidado segu viagom para Pernambuco,
Manuel Ignacio da Silva, cazado, negocian-
te, e subdito brasileiro natural do Arcobis-
pado Draga; de idade i anuos, estatura
regular, cabellos piulados, sobrancelh iscas-
imbas, olhos pirdos, nariz regular, boca re-
gular, barba bstanle, rosio comprido, peco
a todas, as authoridades ci/is o militaros a
quom este for apr snelado, que niloe npoclo
a sua viagom, o anles para bem Tazo-li, Ii
dem lodo o anxlio de que necassitar. Em fr
do qus o mu ni- do present pissiportc po
mi n sssignid, e sellado como o sello das
impenies armas deste vio i-c nsula !> no
Porto aos 8 de Ma-co de I8U.
Pedro Teixeira de Millo.
Prefeitura da provincia do Douro.
Manoel Concalves de Miran la, do conselho
de S. M F., ministro o secretario de estado
honorario, cornmondador na ordem da tor-
re e espada do valor, Lealdade, e morito,
prufi'iio da provincia do Douro. E^i nomo
de sua ougestade imperiil o duque do bi ,-
ganga, regonle em nomo da ranilla, pedi-
mos a l-dos os Vice-ltcis, govcrnadoies e
i.lli i i.'s militares e civis, tanta nacionaos
como eslrangeiros, a quem perteucero co-
nheclmente deste passsporte, que deixeio
ALFANDECA.
Rendimentododi26 ... 7:662,772
Detoorregam A Hi iguo americano Brandy-Wine Tarinha
e bolachinha.
arca Trancoza -- Julz mcrcadorias.
Barca austraca Pcrsagno -- o resto,
lirigue portuguez -- Pensamenlo dem,
ririguo portuguez Laia mcrcadorias.
B.igue brasileiro Animo fumo.
Hiale brasileiro Ligeiro o resto.
I ni pnrin .':>>.
Brigue brasileiro *nria Libinin, vindo do
Rio Grande doSul, consignado a Jos Pe-
reira da OiiiIib, maniTcstou o seguinle :
10,027 arrobas carne de charque, 326 l|2
ditas sebo, 49 ditas gracha e 40couros ; os
consignalaiios.
Patacho brasileiro Bou Sorle, vindo do Rio
de Janeiro, consignado a Amorim Irmos,
manifestou o seguinle:
5,000 alqueires farinha ; aos consigna-
tarios.
CONSULADO GERAL.
hondimento do dial a 24 .30:015,652
Idea dodia 26........8.058,000
32:073,652
DIVERSAS PROVINCIAS,
Rendimeuto do,dia 1 a 24 1.932,770
dem dodia 26........ 6,256
.oo,oae
N.S da
Julo Fran-
tros
[Vista,'
kii,
Par.hiba-- S i'm> ni*i
Neve, deifttoflell.d
cisco Marljns, q-Ji
demangae; aJusti
Navio sahUii
LonJres pjt.Psr*--
capitSoiJ.Jl. Norbo
Marceille -
B. I. Fra
New-Vork
capillo I. Shorman, carga, assucar.
Observaras.
A lancha hrisilain Victoria, que tinha
sabido em 25 do crrente, para Alcobag
entrou hoje S, por causa do ino tempo.
anal, *"
1. e MBKldi
i cornal.
rob^SaeS"'* CiPUa? rago'lrerffm.'W S^f.^rK^^
E.n .eguida a cor*nhr dr*in,i|C4 renre
niara o drama em 3 actot.
A Monr.
EDITAL.
ODoulorJos Raimundo da Crista Menezs,
juiz municipal suplente daseeupda vara,
1 e do commercio; nesta Idade do recife
do Pernambuco por S. M. J a G, que Dos
guardo ote.
Fago sabor sos que o presente edital vi-
rem, que da data d'elle vinte dias, se hito
dearrematlar por.venda om a i raga publi-
ca i quem mais der os leas siguintes
urna casa terrea sita na ra da. paz numero
2 a, qudo existe coxeira, com 51 palma* de
fionti-, e 75 de fuii los, quatro janallas, dona
po- toes largos de pedra ; .Idus qutrtos mais
de moradia perteneentcs mesma casa, so-
tan com trapeirai com urna salla, o dous
qliarlos, cilios foreirns, n'v.il'aila em'- res
S.000#003 nutra cisa torre! sita ni rdi
imponal nuinuro 171, com 30 pemos de
Tiente, o 85 de fundos; o nitr.o do norte
dobrado, o o do sul sihgello, havendo duas
sallas* om qoerto indepondonle.i, lom tros
portas na frente s una no oitlo, quatro.
qliarlos; iimsnl.1oco.il duas sallas, o um
quarto, comprchomlendo alm^lds fundos
a r.i-inii i .' tres quarto?, com 6 palmos de
frenlo: o primeiro quintal morado com 35
palmos do fundos, porlito interior, e cacim-
ba ; e alm d'estc oulro quintal murado
com 248 palmos do fundos, 95 do largura,
chaos l iri'rns avaliad. emi reis 2:000/0JO
"cujos bens so ichSo penhorados a
Grabiel Antonio, por cxecugo da viuva e li-
nios de Agostinho llonriquas da Silva. E
para que cligue a noiicia de todos mandei
passar o prsenle, que sera aflxado nos lu-
g i res determinados no artigo 538 do decrec-
i numero 737, de 25 de novembro de 1850,
e publicado pela imprensa. lia lo nesta ci-
dade do Recife em 24 de jullio de 1851. Po-
dio Tcituliano da Cunha escrivu subscrovi,
Jos1 Raymundo da Coila Menez/i.
Declaragoes.
I-'. \|ii-(:ir:i O arsenal de guerra lem de comprar
quatrocentos capotes para soldados; sendo
de panno azul e Torrados do baeta, isio he,
Torradas as mangas e at cobrir bem os
hombros, o iguaes na qualidade da Tazenda:
quem os mesmos se propozer a fornecer
comparoga no dia 28 do correte, (razondo
sua proposta com deelaraglo do ultimo pre-
go e o prazo em quo deve.n flear proinplos,
e ns competentes amostras para serem ar-
chivadas.
O vapor Bahiana para os por-
los du Sul parte hoje (28 J as 4
horas da tarde, as conespon-
denciisdeverilo vrate ao meio
dia, e dessa hora al entrega das malas pa-
garlo o porte duplo. Os jornacs dovero
sor entregues 4 horas ant -s.
REALCOMPANIIIA DOS PAQUETES INGLE-
ZES A fpoR.
O bem cluhecido o veloz va-
por TeviKl i' miman lauto Rc-
i li. drfo aqui chegar dos
i- ,-i..,. d.. Curopa no da 0> d
corronca mez, c depois de urna demora aqui
de 12 horas do dia claro, seguir para os du
DepoipjU
alca. A.
Cavatina da efetraKisaaido tnae.tro Ver Ii
pela Sra. tanJaT-**'
8. U, I-as Sra. La*
aeguldn pelo, artlit,."
carnario o '
a clon al-
ulniea peca, de Inu.
No intervalo do primeiro ao segundo aclo o
Sr. Tasco eiecular a aria da opera II Brex do
maestro Meroadante,
M'n nter vallo do segundo ao terrelro a Sra
l.sndn e Vasco cantaro o duetto da opera
Celumille msica do maestro Feiravanle.
Terminar o espectculo com o grandioso
tarse da opara Henmi maestra Verdi
pela Sra. Linda, Ricco e Vaaco.
Espera-.c do re.pcUajrl publis, ^le ui.li .,
protewjlo a etSaireella, atteadeadotejulto fin.
para que be appMcado .eu preduetto.
m'ir,}\\'
Avisds maritiiTjO*,
'r-------------- i......m,, I Ii
Pan o Rio de Janeiro segoe risgi-m
com brevidaJd o- brigue brisiloiro Animo,
capitSo Domingos Antonio de AzBvedo:
quem no mesmo quizar carregar, ir de p-,.,.
sa geni ou emb'arear escravos, pode enten-
der-so com o.capillo ou com Luiz Jos de
S Araujo, na nu da Cruz n, 33.
Para Baha segu em poucos dias por
ter a maior parte da carga prompts, o hiale
nacional ligeiru; para o resto da carga, pas-
sigeirus tnia-se na rda do Vibrio n. s
-. Para o Rio de Janeiro segu em-poucos
dias o patacho Valente, para Otrga, piss.i.
geiros e escravos afrete : trata-se com o ca-
pillo na prags, ou com os consignatarios,
Novaos & Gompanhia.
Leiloes.

Marsellia, brigue fiancez Paulina, de200 f0|. ar|Ucl|,s pesso,s qufl qui
","' .C.0?-iU?'-0..?...SC.g.U.'.nf.e.:.."A8J? Passage'm para 'os ditos portos; devemapro-
veitar-sodesle vapor, n3o s pela regulari-
dade do sna marcha, como principalmente
pola seguranga o bom aranjo do mesmo ;
sssim como elle Tundeara o mais perto que
fr possivel; as pessoas que preien lerem
passagem, deveram tratar antecipadamente
em casa da respectiva agencia: ra do Tra-
picho n. 42.
ii'jfa das cartas do Sul, pelo vapor paraense,
tingles, ullimos.
Antonio Alfonso GuimarSes, Antonio Bas-
I los Pinto, Antonio Cassemiro Souza M., An-
Ionio Francisco Paes Brrelo, Antonio Jos
Oliveira II., Antonio Silva Ladia, Antonio
Vicente, Arsenio Santos LoilSo.
Bento Joaquim Cordeiro L., Braa Antonio
Cunha A.
ChristovSo Mendonga Costa Christov3o
Souza Ar.iuj i.
Dionisio Eleuterio t; Dionisio Jos Pe-
reira Costa,
Eliseo Oliveira Bflrgcs.
Fernando Antonio Rosendo. Francisco
tone
saceos com 14,350 arrobas de assucar, 1 dito
com dinheiro.
New Yorck, barca nmoricana Hanj Ullene,
de 284 tonelladas, conduzio o seguinlo :
300 barricas e 3,380 saceos assucar.
RECEBEDOHIA DE ItE.NDAS GERAES
INTERNAS.
Rondimenlo do dia 26......467,331
CONSULADO PROVINCIAL.
I lem do da 24........959,514
I lo u do dia 26.......793,091
PR\gA DO RECIFE, 26 DE JULHO DE
1831, AS 3 HORAS DA TARDE.
Ilcvisla semanal.
Cambios Fueram-se Iransaccfle. regula-
re, a 28 d. por i/rs.
Algodao Apenas cnlrarxii 122.laceas,
que Turara vendidas de5 a 5/200
rs. por arroba do de priu.eira
sorle, e de -l/oOO a 4$00 r.. o
de segunda.
Assucar- O deposito est cxlncto e mu
pequeas eutradas letn havido
Rosas, Braga companhia, taodo de
transferir o seu escriptorio no mez prximo,
TarSoleilSo, por intervene&p do eorricior
Oliveira, do Soi ti ment ii'Tazeddas.-fcii*-
tentes no seu armazem, teUJa' relra,.'9 do
correle as 10 horas : na praga do conimor-
cio n'. 17.
- i.i-iiiin de urna porgSo de tatas de bola-
xiiiha de ara ruta torga feira, 29 do trrenlo
pelas 10 horas da manhS defronte da ranipi
daalTandcga.
Cals innilos faro taillo por interven-
go do corrector Miguel Carn-iro, ede or-
dem do Sr ge.ente do consulado ds rep-
blica lraiici'2a'P|c ,m nssistonci* .de um dele-
gado do ni'-.-nio, de 1800 gigos.com btalas
aval u las, .l.-.-einuai cad ,s.-do OSVO (ranr.'i
Juies, entrado em 20 de iulho corrente, pro-
cednnte do Havre e por conla de quem per-
tencer, terga feira 28 do corrente ao meiu
dia, no caes da alfandega.
JoSo Mirtina de Barros, far leilSodo
60 caixas com queijos Trame* is de superior
qualJade, por serem os ltimos chegadn
do Havre na barca Jales : hoje Is 10 horas d.
manhS no eaes da alfandega, di-Tronto do
armazdm doSr. Antonio Aunes.
X. S. Corbett, tendo de reti-
rarse para Inglaterra, nestes dias,
l'ii o sen leilao (j anatinciailo )
por intervencSa do corre tor Miguel
Carneiro, nos dias 3t do corren-
te, e i." de agosto, as g horas da
manila a, -de toda a sua mobilia ,
carros, cavallos, etc.,reTf*., na ca-
sa de sua residencia, na ra do
Hospicio junto ao quartcl.
-- lussill Mellors & Gompa-
nhia far3o lejl5o, por intervenrao
do corretor Oliveira, do grande
surtimento das melhores Faientlas
inglezas e as mais propria do mer-
cado: hoje, 28 do corrate, as 10
horas da manhSa em jionto, no
seu armizem, ra do Trapiche.
Avisos diversos.
m
Iiac.1ll1.10-- -Onosso porto fulvitltado por j Costa, Francisco Domingos Silva Araujo ''
ol
pello, Francisco
-- ESTEBENET culileiro e armeiro fran-
cez lem a honra de prevenir o respoitavcl
publico que tom abarlo umi tends na ra
larga do Hozario, antigamente dos Quarteis,
ao p do quarlel da polica, ess pessoas que
qnizorem hopra-lo com sua fregueiia a-
charfio sempre prompto a sitisfaze-4aa com
pronlidSo, e boa execugSo das obrss e com
modidide nos pregos. Elle se encarre-
dous carregamenios. dosqu'ac.| Francisco DuaVto "coe'hT>rtncisc"o7^ B\de JJ,ul<,ue'' c?Sc,?rl pertenoenteasua
quim Clemente S., Francisco7oao Flor.', L*1 Vjbb.of ? *' ^'
Francisco Jos Costa Campello. Francisco ta3rel"se sD.bados.
Jos M.gllbfiei B Francisco Jos"zJu- \, Alnlnoa Francuca Itone*. tiuvs
nior, Francisco Paula Queiroz F.Francisco f" !eBn'08rd,u"do de pr.meir.liaba An-
Thome Meirellos. lomo Joaquim de Souzi,. haveads) perdido o
r.ratii s1-'r.___-. r .... eonhecimento n. 132, passado pela thesou-
Simoes G uaenna lcchrnti r,..H,S ""' d' fa"nd'- de'in.cripgaS diWtia
n aCrqu,U'soPUP7ea, Cu Z' ''sih 1Z *0^ "" "W PUb,S' F^HT"
liaba] Joaquina .S Anna te de sidos quedeixAri seu linido^sMdo:
Joanna Augusta C.bral, Joaquim Albu- r0g' PMT T8 1' 'c"-u '*"'"" *alrC'
um segulo para o sul e o oulro
acha-sc fundeado no Lameirffo.
As vendas a rctalho conlinua-
ram a ser rll'ectuadas de 7/a
8/rs. por barrica, licando cin
ser cerca de d,300 barricas.
Carne secca- Vendeu-.c de 2/a 2/-I00 ra. por
arroba, c ficaram em.dcpo.ilo
48,000 arroba., inclusive um
carrega.nento entrado do Rio
Grande do sul.
Ccrveja- Vendeu-.c a 3/u'OOr.. a dusla
de garrafas.
Far. de trigo O deposito hoje anda por 8,500
barricas, inclusive um carrega-
inenlo de 847 barricas eutrado
nesla semana. Os preces con-
tinuaran! de 11/ a l.Viilu rs
por barrica, conforme a quali-
dade, 1,1,1,11 lo a de Trieste SSSK
o ultimo preco.
Ficaram ancoraJas 4l embarcaedes, sendo I
americana, 4 austracas, 23 brasilelras, 1 dina-
marquesa, 4 francesas, 2 inglesas, 3 portugue-
*as, I norueguense, I sueca c 1 .arda.
Movimento do porto.
favio entrado no dia 26
Christianson I i mezes, brigue Koruegez
i4nfeJop:,|dc930 tonelladas, capitito I.Swa
ne, equipagem II, carga bacalho ; a .
O. Bieber & Companhia. Como nSo Irou-
xe caria de saude, iicou 2 dias de qua-
rentcna.
Navioi enlradoi nodia 27.
Para o porlos intermo lios 13 ,iss o 10 ho-
ras, vapor brasileiro Bahiana, cohiman-
dante o primeiro tenente Jos Segundino
C'im'iisnro. Passag-iros, para es'a pro-
vincia, Francisco Antonio de Oliveira,
Jeronymo Figueira du Mello e 1 escravo,
Antonio Jos Siqueira e 1 escravo, Porfiro
Theophilo Alvas Kibeira e 1 escravo, Jos
Alvosda Silva Reg, Manoel Divino Tei-
xeira Disto., Ricardo Jos Francisco,
Jos Antonio Pereira GuimarSes, Jos Ja-
Cintho, do Reg, Muss Chavane oom sua
rainlia, Frederico Temem, 1 particular
o I escravo a.entregar ; para os portos do
sul, o esrrivao da armada Jos Teuoco
Josopha M.ria" EVp7r'to""s'arito,"'Jos "d7a- S'-PRm,?,""."
;:,K.ri:.,::",:s eens s sSPf^&m
Luiz Congalves Rodrigues F.. Luiz Loa ZZ'.lll ""'tt1" que ests sujeita
Toixeir. M., Luiz Moreir. Csrv.ll.o P 'ZZomi^^ 1!S? d,n Mur,beca-
Mara <:oncegao Corris L, Mari, Fio- u,u hK^ST?. g 5 "V".0 P
enca N Mara Car.ilho Cost ,Mirii For- n,rH]r,J'^t"** comPr" referida pro-
nandes Mello. Mara Jos Congalves, Mari, FZlfh V^1 S r8ndl,',,entos do seu pa-
joso Pereira Mello, Mara Marques Fern.. WWj^ "I" iMtilaicao, oaaim 01
des, Maris Ribeiro Barbosa, Mara Ribeiro ,HSt.qUe-l,e? d ,eM pii8 : *"}?
Pinto Jnior, Muii Thomaz Sahtos. "ndp que os quinhOes de seus manos estilo
Hit! Cassia Veira C,. RomSo & C. Ri- suiel'osos especiheados rendimentos.
dactor Artista B, Redactor Nacional, Re- .T. ,"g a rbe",com '">'' 8
duglo Novembro. "> ne urna criada de nome Rita vSo para Lvcr-
Silverio Antonio Silva.,, po ^
TarcinoAu,trinoCTatino Francisco T eraeu-so ni occasio da Tests de S.
Vicenci, M.ri. Conc^. Vicente Fer- "nr' H*J*WJ* de.Deo ou d ru'
reir Lima. ^., do Collegio at a masms igreja, unscora-
Zacaras Santa Izabel, /eOrino Justino "8"""^* engrasados com varios eij-
feltes de obro : quem os achou querendo
restituir, dirija-se ra do Queimado, loja
mi ," de ferragom n. 37 A que sor* bem recom-
Ihealro de S.-Izabel. pensado.
7;g."dTVmmd"i3l'prVg.s7'o7xeV- "celta extMOHUnMto cujo pro. cV.w'M'^otn0 fl?. fa.'onTn00
IJIA UL U ALL. legr de umi das mos msis grosso do que
FtUt aimiwias.il. natalicio de S. \. J. a sirmii- ? dt nutra, osla vestido coas Caiga prcta,
sima princesa O. Isabel. duas camisas, urna branca eOu'.ra de risca-
Silva M.
Acarac --21 dias, hiato brasileiro ,1,/um
Braiileira, de 53 tonelladas, capil3o Fran-
cisco Jos da Silva Rales equipagem 5,
carga couros e mais goneros ; a Manoel
.' doJSouz,.'i.roS0' Ife^aVos8. ^'"'^ ''^''Sunt, da provinei.,,e- d'"! ul por cTaia"."" QuemV^.T-T'L.
le nasco do Souza unto o 11 esoravosa digne comparecer na tribuna, a orchestra exe- Jspiassit no aterro da Boa-vista n. 3 segun-
entregar. cutara urna pequea introducco, depoi. da- do andar, sera recompensado.
~"~-M
MI ITII





Abin dos desamparados.
Avisa-* aiSr. ewiWlocomniandanteJoSo
Dias da Bilve Coitinho e Araujo Pereira, cu-
ja patele Ihe foi dada pefos Preais de Mo-
coz, qoe tem alulhado de feittt em" rfrito
os cartorios do foro de Goianna para cobrar
urna divida do ctsal do finado Jos Corris
de Amorim, on]a divida nffo tem forga de
letr%e jmenla de 800,000 ra. a uro cont
e tanto; que sssim como sonbe aonde esta-
vam os escritos Josefa e Rila, melhor sabe-
r aonde est os herdalros do casal. Que se
deixe de engaar a quem conhece oSr. ca-
pitHo, quo foi fazer embargos na comarca de
Nazareth, som deprecado.llludindo os ofllci-
aes ser de comarca de Coiaona para alli ir fa-
zero deposito,tirando do poder dos aeussat-
brinbos legtimos orphdos desamparados os
nicos escravinhos quo Ihes servia de arrl-
Avisa-se aoa genitores que
ainda se acham deyendo contas na
loja, que foi do fallecido Jos Pin-
to da Fonseca e Silva, na na No-
va n. n, que .o praso marcado ,
para pagarem suas contas, C9t a
acabar no dia 3i de julho ; por-
tanto novamente rogam os liqui-
dalarios, aos mesmos senhores que
mandem saldar suas contas, pa-
ra nSo scrcm cxecutados judicial-
mente.
No pateo da Ribeira, loja do sobrado
u. 15, engomma-se e lava-se toda a quali-
dade do roupa, por prego mais commodo
Aos de 11 tes.
3
mo; alagando terem sido apartados para seu jUo am oulr, qu,iquer parle.
pagamento em um inventario, que a relagSo j Emgoma-se toda a qualidade de roupa
annullou, citando por cartas de ditos al com pfesao e por cmoda preco ; na ra
herJeiros dentro da comarca de Coianna. O DrclI n 78- '
St. capitBo deve saber, que a divide dos ca- __ 0 sr, ex ajudante do corpo de polica
saes so justificadas na factura dos Inventa- (. y ,., 0 favor apparecer na Olario
__.___. ..li ..>_ a r.-an,. <\Hn la i n ln '
rioa, osle que esta por se fszer, nSo se pode
arrematar baos Seo Sr. capitfio conseguio
esses 'atores antes do Sr. Josquim Raphael
de Mello, j nSo os obten), po'icm o Sr. Ra-
phael conqpcer mais as causas de demandas
de Coiaona do que o annunciante ao Sr.
,oB)idj O Cuitadlo.
dos Coelhos.
O.Sr. Francisco
Antonio da.Silva, da
Hoga-se ao dlgnissimo Sr. arrematan-
te da illiiminacfio dosta eldade, que por hu-
J. A. S. Jane, dentista, tem a honra de a- manidade linca is suas copiosas vistas so-
visir ao rrspeltavol publico, que se scha bre os laupeOes das ras das Flores e da
residindo na ra nove, primeiro andar, o. pSZl po8 que s so accendcm as 7 horas da
19 onde estira sempre prompto qualquer noito,oasH horas ji se acham apagado,
chamado das 9 horas da manhilatc as 4 da ao passo quo as pessoa* encarregada* por
tarde ; o annunclante encheita de um to- s. S. para esse servido, dormem somno
dos os dentes, que para isso tem um com sollo dodesmazolo, nao cumprem os seus
pleto sortlmcnto de dentes artificiales de dovercs, e nem so menos fazem por onde
porcelana, sendo esta composicfio incorri- elH scj3o cumpridos; e estou bou persua-
givel mui delicados e do ultimo gosto, e to- didn, quo S. S. en lo to zeloso como he,
dos os mais aceasorios teodcotes a sua nflo dcixar passar desapercibida esta ad-
profissflo : o snnunciante assovera a todas verlcncia da Curuja.
ss pessoas quo se quizerem utilisar do seu .. Mo dia 30 do crrante se hadearre-
S re-tuno, que nfio exige paga alguma nSo matar cm hasta publica do I)r. juiz docivel
cando os denlos bem poslos ; que na"o se da segunda vara, urna casa torroa, lovada
possam diferencar dos proprios dentes na- prrri por cxccugo de llenriquo Forster &
turnes, o podendo-se mastlgar com os mes- compinhia.
mos, toda equalquer comida, som sentir
a menor dr, sem ter receio de os quebrar.
Tambern chumba os denles naturaes Tura-
dos da carie, com ouro ou prala, prevenindo
assim a conlinuaflio da caiie e doros, e
mesmo evitando por essa forma do passar
a cario dos denles furados para osoutros
saos : lambom tira pedra ou carie dos den- (
tes em geral, que tanto damnifica e coope-,
ra para o man balito da boco, nao sendo ROWJIAN & MC. CALI.UM, e
rxi *5
BOWMAN ce MC. CALI.UM,
ra do'llange, queira mandar pagar a as-1 i"r, d"0'T q "jnunc'iate ha 13 'annos que'ros machinistas e fundidores de JBDM
signatura desle Diario, e em quanto nfio o exerce s glla pronso nesla praca, e esse respeitosamente annunciam aosJ*0"
fizar ver o seu nome publicado em letra |ongo lempo o dove garantir. proprielanos de engenhos, uzendeiM, mi-
re--pnreca.-.e de um porlugue. que aeja perl-1 qQ QQQ9QQ9QQQQQQQQO m!UtI JSCqM o seu e'beledmcnto
,to em planlafea de sitio, para o faier em, ~ Una Ins Un/.cs n. H. O de ferro movido por machina de vapor con-
jura no lugar do Remedio : quem ealiver neatas g Consultorio homaopathico do facultan <> tnuaein e(Tectivo excrcicio, e se acha com-
9 voJ.B.Caianova. 3 moira qualidade para a perfeita confec(fio
de machinismo.
emprehender quaesquer
Bowman & Me. Callum
-esejam mais particularmento chamar a
attento publica para a sseguintes, por!
; circuinslanciu, dirija-ae
dade a aeu porteiro.
t alfandega deata ci
S Paulo alirnoiix, dentista.
fiaiir./.. otTciTce aeu prcutl-
mo ao nultlieo P-a todos os
aaiistoi. s de Ma pi'oflsso :
pile aer procurado a^ qual-
<|UCr IlO-Til Clll "'* 'ol i njiiwtna tjuon t,uu>|>ia* y .r ^-- ^j liaUdlll9UU llicauu tuuauuviiui uu- *
m ra Urga do Rozarlo, u. *, ,ja ^ellder qualquer porQfio de ferragens ou q de podera ser procurado qualquer '>
# srgnndo andar
Arrendi-se, ou vende-se urna casa do
pedra e cal, sita no Monteiro, com terreno
para plantar e com arvoredos He rrncto, por
procoffommodo -. trata-se na ra dasTnn-
cheirasn.48, primeiro andar.
Atrverte-se ao'Sr. EstevSO de Albuquer-
quo Mello, aprondis de fldalgo, que deve
ler multo em considerao, qne ser dalgo
he urna cousa, e que nfio pagar dinheiro a
quem sedeve he outra, que mande de ool-
snna'pagawsua Kra vencida, e que os es-
forMvfrbs dd'Cunhau, e Villa Flor, nfio he a
California para onde se diflicull a viagem.
-- Roga-sesoSr. Msnoel de Mello eAlbu-
querque, fillio de outro, morador noTimoa-
t. cima, de Pedras de Fogo legoa e meia,
provincia da Parahyba, queso vivode tram-
nolinaa, va ou mande a Coianna, amul nao
ignora, pagar o quo deve, edo conUario,
lera de ver se,nome por lodo este mundo,
s tido e fcavido por calloteiro : apezar de
que o Sr, delegado do pilar do muito devia
ter livrado parte de Coianna e Parahyba do
um tal milafre que em tfio pouca idade tem
feitmaiadoqueMercurio.eseracapai para
o futuro *assur ainda alem do lago estigio
nos cavallos de Jos Florencio.
Oabaixo assigna4ot,fazsciente ao pu-
blico que omprou a.loJe,de couros e caiga-
dos n. 30, na ra Oireita, ao Sr. Joaqun.
Jos de Ol1'"'11 Jnior no dia 19 dejulho,
o nfio se rcsponsabisa por qualquer divida
que tpareca da data da compra, visto ter
pago a dinheiro Avista: e para nfio haver
duvida faz o presente.
Siajifliio da Silva Barbosa.
O Sr. JoeQuim dos Santos Azevedp,
sgro do Sr. Viegas morador no sitio do
Itozarinhoqueira ir quanto antes pagaros
17/000 r*. que deve na olaria dos Coelhos,
em quanto nfio o Bzer, ter de ver seu nome
nesla folba. .
O Sr. Francisco Jos de Azevedo, que
trabalba r> fundicSo de S. Amaro, ,quen,a
ir pagar 27^000 rs. que deve na olaria des
Coelhos. .
Aluga-se o primeiro andar da casa da
ra do Caes n. 5, pertencente a Francisco
Alves da Cunha.com muito aceio elimpe-
za, com commodos suflicientes para grande
familia, terrarji e excellente vista : a tratar
na ra do Vigario n. 11, primeiro andar.
Offereee-se urna mulher de meia idade
para administrar qualquer csa a qual en-
leod de cosinhar, ma?as, doces e quem a
pretender dirlja-sa a rd da guia loja de
marcineiro n. **. ,
Da-te qualquer quantia ale oOPfOOO
a juros de 2 por cont ao mez sobre pi-
nhores de ouro, ou prala ou qualquer ob-
jecto de valor u ra do Cabug loja de
iniudesas n. 1. se dir quem da.
fferef e-se urna anima do excelente con-
duta, sugeitando-se .a lodo o servico de
portas adentro, praferindo casa de homem
solteir quem a pretander dirija-se a ra
da Rangel casa terrea n. 3*. ou anuncie
oara ser procuradq.
Preciza-so soltar 2 bois mansos e 3
quartaus em algum cercado de bom pasto,
quem o tiver e quizer receber estes animaos
para refaser pagando-se o que se ajustar
pode derigir-se A ra larga do Hozario n. IB
pertodoquartel de polica que achu com
quom tratar.
l'rcciza-se de urna mulher branca, pre-
l'erindo-se eslrangelra, para ama de casa de
lioBiemspIleiro, e que seja idosa, na ra
ua Sanzafla velha d. 109. -.
miaozas, pelo que Iho custaram j PW"'" Q hora. O terem "delas grande sorlimenlo'j prompta,
t. ao occasiao para ^ntumiit^re, qqqqqqqqqqqqqqqqQQ' s construidas na sua fabrica pdem
queirfio salisfazor seus dbitos no praz .,.,_---------(. ; _. .k.j.. m ._
n. ar,rd.a3. rara.: ^^ttss
ium^o na certeza de que os quo nfio lizerem buquerque queira.ter a boqdade deannun-
{eraode ver seus oqme, p'nblic.dbs, e se ciar SO. morad, ou <% *>
proceder nos termos da lei. Rosa.rlot \f n' 38'2l auuar' *)u9 so ",e
CoMUllorlo homeopalhico, ra do Colle- .deseja fallar.
gio n. 25.
- No dia i do correnle, dosappareceu do
Elementos de homopathla
Por lodo o mez de lulho, sahlr a lu a #
9 I.* parle d'esla ol)r%oinpoata pelo pro- <)
9 feaaor hoiiieopalha Goaaet fimoul; di- f
m vidida emires pules. Ella primelra com- ,j
m, prebende, o discurao preliminar, a in- ^
! iroducjio, o exame do diente,a eacolha ^
do remedio, o empreed doa remedios, ^
o rgimen e os conaclhoa clnicos, com
a explicaclo dos nohies gregos e anato- 9
9 micos einpregados eA roedicipa. e a fif
iudlcacio dos medlcameolos apropria- ?
m doa para cada caso de-enrcrmldade. hs- 4
m la obra he ulil, tanto para s mdicos ^
m. que ae dedicareui a eaperimenlar a no-
va mcdiciua, como para todas as pea-
aoas de boa voniade que ac quierem
convencer por experiencias da verdade
d'esta douirlna, por ser ella mullo clara
eainlelligencladi
#
RF.TRAT03 DE I.F.CTROTYPO.
Ettabelcclmento de Carlos D. Fredricks &.
Wteki. No aterro da Boa-Villa n. 4.
Tendo chegadu os profeuoras Carlos I).
Fredricks 01. Weeks doa.*Udos-Unidos
com deslino 10 Rio de Janeiro para Onde
snguirfio em pouco lempo, avisfio os habi-
tantes d'esta cidado quo o seu eitabel ci-
mento oslar* abertodehojeemdiantedas9da
manhfia. al as 4 da tarde. O respeitavel
publico he convidado a visitar a galena.
Os retratos lirados por este systema sfio
muito mais apreciados do.que os anligos de
Iiaguerreolypo, e a rapidoz com que se ti-
rfio he tal quo. a peisoa nflo poda doixar de
conservar a espreeflo natural, lato lambem
ho urna vantigem para aspssois que qui-
zerem mandar tirar os retratos de enancas.
Tambem se tirad copias do oulros retratos,
seja de pintura, ou aguerreotypo. Traba-
llia-ie coma piesma perfeicfio noa das nu-
blados, cono dos de sol claro. Os das
mais proprios para as familias sfio os da se-
mana, para evitara concurrencia dos dias
de fesla ; e par* o miir cominodo das se-
ODr.LoboMoscoso d consultas gratui- engonho matupiruma, um negro do gento
tas aos pobre todos os dias uteis, desdo 9 de Angola, de nomohaMbO, cor fu a o
horas da man fia. at ao mcio dia, depois qual he conhecido pe lo alcunho do -I'ul*--
ue". hora visitar emau. casa os doentes. eslatura o corpo regular pernas Gn.S, 0*1
que llverom precisfio, e em casos extraor- ecanellas voltadas para fora, a quechamam
3lD. I a qualquer hora dodia, ou nouto; ap.lhelados, pouco barbado e quinde anda
recebe doeotespara tratar, ou f.zer qual- ginga como marojo : qu.n 05egar eve-o
quer oporoefio em urna casa p.ra isso des- a mu senlior Ihon.az Rodrigues Perera, la-
linada, fra da cidade, sendo o preo ,de vrador do mesmo engonho.
1,000 a 2,000rs. diarios para os*oscravos,' U or. luanoel ue Azevedo uo
conforme as condic,es que se estipularen), N8SCmento, tenha 0 hondade an-
c 2,500 rs. para homens livres : as possoas .
que au podaren comparecer no consulto- ntinciar sua residencia, para ne-
no pdem enviar suas informaQes por es- oc0 Je seu jnteresse.
cripta ou voclmenu, declarando o nome, o precisar alugar urna preta, quo
idade, temperamento, *********T he cnsinhar, lavar e ODgommar: dlr'lj.-.e
dencia, m^^SS'SlSSSS^ a ra da Mangueira f da Boa Vista
dosquosoffre e as molestias que .ntonor-
mente tem tido.
Primeiras lelti-as.
casa n.
5, que achara com quem tratar.
-'- Para feitorde um cugenho, na provin-
cia das Alagoas, necossila-se do um portu-
Oabaixoassignado, utorisaJo nos ter- gu*z, quo entenda do semeo docampo : os
os do regulafnento provincial de 12 de pretenden es oncontrarfio com quem tratar,
to prximo lindo, por portarla do Bwn. ra das Ago.s Verdes n. 100, segundo
mos
m.iO prOXlUlU IIIUU, pl puna..a v u*.u. 1
Sr. presdanle da provincia de2 do corren-,an
le iullio. faz publico que a sua aula de pri-
meiras eltras continua no aterro da Boa turna, so ha do arrematar um sobrado de
Vista em o sobra fin. 5, onde recebe smen- um andar esolfio, silo na ra de norias nu-
Polo juizo de orphfios e no lugar do cos-
te alumnos exti os. As materias do ensi-
llo sfio: -- leilur. rescripta, arthmelica pra-
tica, grammaticofa lingo, nacional e dou-
irina, sendo as li{cs do escripia, arillimc-
lica e granimatica acomp.nhadas dos res-
pectivos exerccros, os quaes comprehen-
dem ortnographia, applicifio dasdifferen-
tes operares de arithmelica e analyso
crammatical pelos melhores classicos.
Jos Xavier Faustino Hamos.
Precisa-se do urna ama de leite: na ra
do Amorimo. 25.
-se.a cocheira da ra do Tambia,
mero 52, avaliado em 2 500,000 rs., a re-
querimento do testamenteiro e invenlari-
anlo dos l>ens do casal do finado Jos Mau-
ricio de Oliveira Maciel, para pagamento
dos credores do mesmo casal, sendo a ulti-
ma pra?a em que deve ser arrematado, se-
gunda feira, 28 do corrento mez do julho.
-- O abaixo assignado, j cansado com as
estrategias do Sr. Jos Rodrigues do Olivei-
ra Urna, morador na Boa Viagem, roga a es-
te Sr.% ou"de vir pagar a quaona do 600 e
tantos mil rs., que be devedor, por dinheiro
de emprestimo, que lomou a mulher do a-
quVfiar;unor:oh"^^
doAragfiocom boas commodidades, e por
barato preco 1 a tralar no mesmo sobrado,
primeiro andar.
S Ignacio Firmo Xavier, l>r. W
li em medicina, (ixou sua residencia, na
a ra Nova, casan 67, primeiro andar, m
H eahi pode ser procurado para'o exer- |2
H cicio de sua Prohssfio, a qualquer ho- g
3$ ra dodia, ouda noule. .^*
mm&^::::-:;r &' :;-;" ""-'"*
-- Aluga-se urna casa de dous andares
nos bairros deS. Antonio, ou Boa Vista, ou
entfiodoum andar esotfio, que sejam de-
centes e lennam sullicientes commodos pa-
ra numerosa familia : quem tiver, annun-
cie, ou dirija-se a Soledade, sitio dos Q-a-
tro I.cfles. _. ..
Um moco brasileiro de boa familia queja
tem algum. pr.lica no coinmercio deseja eiii-
pregar-ae em una casa exlrangcira ou nacio-
nal no detempenho do armazein ouda co-
branca; cm quinto a sua conducta pode apie-
aenlar as melhores recoinmendacees; quem ac
seu presumo se quiser ulilii.r dirija-se em
caria fechada sob letra M. acsU lypoijrapliia.
Aluga-se um sobrado de 2 andares as
ruasseguintes : ra Oireita, ra do I.ivra-
mento.rpaleo do mesmo, roa do Queirnado,
ra do Crespo : quem tiver e quizer alugar
dirija-se a ra da Praia n. 55.
llom negocio para se ganliar.
Nfio convindoao abaixo assignado Conlis
nuarcom a fabrica de cordoaria, pelos seu-
afazeres, o obrigaces a qua esta encarrega-
do, tem resolvldo vonder lodos os utencilios
da mesma fabrica, fornecendo ao compra-
dor, a arte com todos os esclarecimenlqs
precisos para qualquer pessoa poder dingi-
la, nfios no fabrico do cano, como tam-
bem no linho, couro, e ootras qualidadcs de
cordagens; tambeui vende hum terreno de
trras propriss e enchuto coin capacidsde, e
extenefio precisa para se montara fabrica.
O abaixo assignado aanca hum lucro certo
a quem quiser empregarnfio mnilo capital
nesto negocio : As pessoas que quizerem
montar a dit fabrica no enligo estado em
que estove deverfio entender-so com o abaixo
assignado na caza do Silio Arac* em Santo A-
marinho nos dias uteis ath as 8 horas da
manhfi o nos dias de guarda a qualquer hora
dodia. ....
Manoel Luis da Vaga.
-.Va ra dus Agoas Verde, n. 14, laa-se,
e engomma-se toda qualidade de roupa, por
preco mais commodo Jo quo em outra
qualquer parte.
Precisa-se para alugar urna preta os-
crava, que salba tratar do criansa, e fazer
o servreo interno de urna casa de pouca
fomilia : quem a tiver dirija-se ao porteiro
d'Alfandega desla cidade, na mesma ro-
partiefio.
_ precisa-so de um moco para caixeiro
de loja de miudezai, que tenha pralica, na
ra larga do Rosario, 3n 5, loja se dir.
- Roga-so* Sra. D. Mara Januana das
Nevos Teixeira o favor de mandar pagar a
sualeltra vencida 16 deoulubro de 1847
Osprecossfiojdaqu.ntia de 1008 reiste juros que tero
1 decorrido pois livrar-se-M de termos mais
. e para o
inoras ha urna sala suprada
tres and
Rairro dd"
umadodoua nu in uo a. "-|"r,'7;
oio : a quem onvier nnuncie I pendencia n. o e.
eciz-se alugar hum* casa de dous ,dou. andaras nobairrodeS. Anlo- ?* Amaral: na l.vrarj. d. pr.ca da inda
do de sua ignorancia, ou do apparecer,
li.n de receber a cilacfio para continuaefio
da acefio conpetenlo, que se 1 re ha procos-
te, da qual o Sr. l.ima tem-se oceultado, o
abaixo assignado, marca o praso de adas,
para o Sr. Lima cumprir urna das duas con-
dices, lindo os quaes prooiette usar com
forca de lodos os meios quo. a le Ihe facul-
ta, a (lm de tirar das garras do Sr l.ima es-
so dinheiro, que se considera perdido a vis-
ta do'proccdimentoreprovado, quooSr. Li-
ma nesto caso tem desenvolvido, os quaos
vfio ser publicados. Sabino os Crrela.
Esl-se em negocio com urna posso de
urna casa em Olinda, na ra de Mathias Fer-
rcira n. 28: so alguma pessoa so julgar com
direilo a mesma posse, annuncie por esta
folha, no praso de 8 das, a contar da data
desle, ou dirija-se a ra do Mundo Novo nu-
mero 30.
lia dous annos pouco mais ou menos,
appareceu as capoeiras do engenho Norue-
ga, freguezia da Escada, urna egoa casla-
nha, e tendo o propnetaro do dito enge-
nho espalhado noticia, anda nfio tem appa-
recdo dono. Por isso toda a pessoa que
julgar Ihe perlenccr, dando os signaos, e
forro que combine com os que tem, Ihe sora
entregue, ilingindo-so ao proprielario do
engenho o commandaato superior Manoel
Thom de Jozus.
OlTereco-so um moco de boa conduca,
para caixeiro do cobranca, tanto para casa
estranseira, como para qualquer loja ou ou-
Ira qualquer casa do negocio, o qual da tia-
dor a sua conducta : quera precisar dirja-
se ra larga do Rozario, n. 26, loja de
miudezas, quedir-se-ha quem he.
Precisa-se alugar urna preta, ainda quo
nfio seja mora, porm' hoa quitandeira ;
paga-se 10,090 rs. mensars : quem a tiver
dlrija-sa.a ra da Assumpcfio n. 16._
Receberam-se,e leem-se os jornacs
de Lisboa e Porto.
Uua da Senzalla velha 11. 14o.
De dia das 9 as 3 horas, noile das 6 s 9.
Da-se pfio do vendagem a pretas c mo-
leques com garanta de seus senhores na
ra larga do n/asio padaria n. 48.
Pede-so o Sr. Cermano Francisco de 0-
liveira, digno emprezario do Theatro Nacio-
nal de S. Izabel, que para satisfazer o dezo-
jo do muitos e c-impanhi. dramtica a senhora D. E. M. de
Valenca, visto tr osla senhora, pelo seu ar
agradavel,pcla liom desempenlio em parles
dillceis, grangeado as sympsthias da maior
parlo do publico Jcsta cida le tambem de-
svariamos quo o Sr. J. A Monleiro fosae em-
pregado no senario do theatro pOrsabcrmos
que ero todo o anno pp trabalhou mais do
que Ihe era premelido, s pelo gosto e aaii-
z ule que consagrava a aeu digno meitre, es-
peramos que salisfaca o nosso deaejo.
Um dos Amadores.
No dia 29 do correnle parante o Sr. Dr.
juiz do civel desti cidade se ha de arrema-
tar urna parlo de urna cata de sobrado no
beco da Cambo* do C*rmo pertencente aos
herdeiros de Bento Antonio Domingues, e
penhorada por axecuf fio do padre Paschoal
Corbi.
O senhor que protendeu comprar urna
escrava na Pona velha n. 14, querendo con-
cluir o negocio, teaba a bondade de *pp-
recer.
competir com as fabricadas em paz es-
trangeiro, tanto em preco como em_ qua-
lidade da materias primas e mfio d'obra,
a saber:
Machinas de vapor da melhorconstructfio.
Moondas de canna para engenhos de lo-
dos os lmannos, movidas a>vapor por agoa
OU Huillines.
Rodas d'agoa, moinhos de vento o serraas.
Manejos independentes para cavallos.
Rodas dentadas.
AguilhOes, bronzsechumaceras.
Cavilhes e parafusos de todos os tama-
itos.
Taixas.pares.crivos e boceas de fornalha.
Moinhos do mandioca, movidos a mfio ou
por auimaes, e prensas para a dita.
Chapas de fogfio e frnos de farinha.
Canos do ferro, torueiras de ferro o de
bronze.
Bombas para cacimba e de repucho, mo-
vidas a mfio, por animaos ou vento.
Cuindastes, guinchos o macacos.
I'ronsas hydraulicas e do parafuso.
Ferragens para navios, carros o obras pu-
blicas.
Columnas, varandas, grades e portes.
Prensas de copiar cartas e sellar.
Camas, carros do mfio e arados de ferros,
ele ele.
Alm da superioridade das suas obras, Ja
geralmente reconhecida, Bowman & Me.
Callum garanten) a mais exacta conformi-
dade com os moldes e dezenhos remetlidos
pelos senhores que se dignarem de fazero
Ihes encommendas, aproveitandoa occasifie'
para agradecerem aos seus numerosos ami-
gos e freguezes a preferencia com que teem
sido por elles honrados, o asseguram-lhes
que nfio pouparfio esforcos o diligencia
para coutinuarom a merocer a sua conh-
' lNSTIlCCAOlMtlMAUlS.
O abaixo assignado, lendo recebido do
respeitavel publico benvolo ac linimento,
visto como ja muitos pacs do faraila Ihe
tem conliado seus lilhos, convencidos da
n.unen .1 conscienciosa por que o annun-
ciante tem dosempenhado as obrigaces a
que se comprometiera na direccSo de sua |
aula particular na ra do Mindcgo n. 44,'
rendo'por este meio um publico agradec-1
monto quclles quo nelle tem depositado,
sua con llanca em asssumpto tfio delicado
como seja a primeira o.luc.icSo do seus li-j
'tos. O annuncanle julga deter anda so-i
licuar a confian?) das pessoas moradoras
fr. da praca, para quem foi especialmon-1
'e creado o seu eslabclecimcnlo. li em
verdado, he geralmonle reconhecdo, que
muitos paes moradores fra da praca dei-
xam de dar a o.lncacfio precisa a seus li-
lhos, ou a fazem com grandes sacrificios e
diliculdades, cm razfio do faltarcm aulas ou
collegio, onde possam colloca-los, portal
moJo dirigidos que descansem inteiramen-
te, nfios a respeito do Ir.tamenlo e dis-
vellos, como a respeito do desenvolvimen-
to .inlellectual e moral; era portanto da
palpitante necessidade a reselo do um es-
Ubelecimento que remisse todas aquellas
coodices e foi com essas vistas que o an-
nuncanle estabeleceu a su. escolla no lu-
gar indicado. Os pensionistas, que Ihe fo-
rein confiados, acharfio estabelecimenlo do
annuncanle tolos os elementos necessa-
ros ao bom desenvolvimenlo phisico, in-
teliectual e moral. IlabilacSo sadia, com
as accommodaefies necessarias, e todos os
cuidados que um pao pule dispensar seus
fillius. Meslres oscolh los de grammatica
latina, francez, msica vocal e instrumen-
tal ; se encarregaram de aperfeicoar a in-
lelligencia dos alumnos' em quanto p.re-
nunciante dirigir especialmente as prnr|ci-
ras lellras, nflo poupando esfor?os para a-
di.nlar os seus discpulos; em Gm a mo-
ral e a rcligiflo sorflo cultivadas, como con-
,qiieiii sobre tudo quer formar bons
olios. A unic. rocoinmendacfio pleu-|
slvcl este respeito he um examo ocular, o
para esto fim o annuncanle convidaba to-
dos os paes de familia que d'antemfio qui-
zaron) certlicar-se da realisaco das pro-
mo.s-is do annunciante, para que se diri-
jam a sua aula o ah examinom por si mes-
mos a ordom o regularidade dos trahalhos.
e as mais condicOes que Hcam enumeradas,
O annunciante espora continuar mere-
cer o favor e confianca do puplico.
Francisco dt Sales d'Mbuquerqiie.
Os Srs. Custodio Alves da Cunlia, e Jo-
s Alves de Souza, aquelle que morouna ra
dos Cuararapes, e esto na ru. do Pilar,
quelram dirigir-se a livrana n. 6 e 8 da pra-
ca da independencia.
O abaixo assignado doixou do ser cai-
xeiro do Sr. R. Royle desde esta data.
Olimpio F. da Silva.
- Oabaixo assignado faz scinnte ao res-
peitavel publico, que Antonio Jos de Aze-
vedo, doixou da ser seu caixeiro desde o
dia 25 do correnta.
os dias da Silva Cardeal.
Quem precisar de um forneiro, dirija-
se i ra larga do Rozario, venda n. 46.
-- Ricardo Royle participa que o Sr. Olim-
pio Farreira da Silva deixou do ser seu cai-
xeiro desde esta data.
Precisa-se alugar um moleque ou um
prelo : na tenda do culileiro ao p do quar-
lel da polica.
-- Compra-se o romance histrico, inti-
tulado Cinq-Mara, ou urna conjuricfio no
ronado;de LuiiXIH, obem asiim urna pe-
dra de'cevar ou man: na ra da Aurora
n. 36.
Compra-se urna mesa dejantar ja fr-
vida e que tenha gavetas, por mdico pre-
go : mrai larga do Rozario, padaria n. 48.
Compra-se urna porefio de padra de
cantara, para calcada : na ra do Mondego
n- UT- m a
Compr.m-se cscravos com oflicios de
ferreiro, c.rpinteiro e pedrero, assm como
moiecotes o molecss de 14 a 20 annos e nio-
aoib.s com habilidades : na ra do Colle-
gio 11. 25, primeiro enlar.
Compram-so e vendem-se cscravos, e
recebem-so de commissfio,tanto paradenlro,
como para lora desta provincia, ose adian-
ta dinheiros sobro os de commissfio, sem so
levar juros, sondo de bonitas figuras: na ra
das Larangciras n. 14, segundo andar.
Vendas.
Bilheles do Ro de Janeiro.
Aos 2o:ooo,ooo de rs.
Na loja de miudezas da praga da Indepen-
dencia n. 4, venJem-so bilheles inteiros,
meios, quartos, oitavos e vigsimos da de-
cima sexta lotera a beneficio do theatro da
S. Pedro do Alcntara, quo corre no dia 26
dejulho, e lambom se vendo um resto de
buhles interos do theatro de Nictheroy:
na mesma loj* recebe-se bilhetes premiados
da lotera de N. S. do Livramenlo, em troca
dos que tem venda.
Anda mal pcclilncha.
Cortes de casimira preta, lina, por 5,000
rs. ; ditos de coros, a 6,400 rs. ; brim bran-
co trancado de linho, a 1,800 rs., o corte de
calca; dito escuro, a 1,600 rs.; dito de lis-
tras, a 2,000 rs. : na ra do Crespo n. 6.
Presuntos.
Vende-so os mais superiores presuntos
americanos quo tem viudo a este mercado,
por prego commodo : no caes da alfandega,
arm.zcm da esquina confronte a arvore.
-- Vende-se sement de coentro* muito
nova, aUansa-se a qualidade, a 200 rs,, a gar-
rafa : no aterro da Boa Vista, loja n. 14.
Vende-se um molatinho, do idade de
12 anuos, na ra Augusta n. 49 : trata-se na
mesma casa das 6 s 9 horas da manhfia, ou
das 3 da tarde em diante.
Vende-se urna carroca com caixfio e pi-
pa, para vender agoa, ou outro qualquer ne-
gocio, .sem boi : na ra da Alegra n. 42.
Vende-so cera do carnaub, por prego
commodo, sendo em porcSo grande se fara
todo negocio : na ra da Praia n. 32.
lliein que temospc-
cIllK'll : para os cavalheiros de bom gosto, no Pas-
seio Publico, loja n. II, de l'irmiano Jos
Rodrigues Eerreira, vendem-se linJos cor-
tos de coleles de fusto fino, bordados ase-
da,, ao barato preco do 3,200 rs., o corte ;
ditos amarines decores tambem bordados a
seda, a 2,400 rs., cala um ; pannos finos de
todas as cores, casimiras, satina, sarjas,
chapeos do massa francozes, longos de se-
tim, superior e oulras mullas fazendas, por
preco commodo..
Lotera do Uio de Janeiro.
Aos ao:ooo,ooo de r.
Xa ra do Queirnado, loja de ferragens n.
37 A vendem-se os muito afortunados moios
bilheles, quartos, o vigessimos da 16 Lo-
tera do Tnealro de S. Pedro de Alcntara,
cuja lista deve cheg.r pelo primeiro vapor
do sul, e troefio-se pelos bilheles premiados
do ci'.i .t.|ii- 1 outra lolaria'
Vende-so um escravo, proprio para en-
genho, o por prego commodo : na ra do Li-
vramenlo n. 38.
Vende-so um prelo de bonita figura e
do excnllento couducta : na ru* do Crespo
n. 10.
A 10,000 rs. 2
Compras.
Compra-se um negro mogo, de bonit
figura, a que seja bom coziobeiro, para f-
ra da provincia, paga-sc bem : na ru. da.
Auroran. 24.
T7 ii/, niiiiiiiiii: us uiiiiiiiw 1... 1......1 _i
V acham-se a venda, na loja do chapeos
< de seis portas na praga da lude-
0 pendencia. O
Lotera do io de Janeiro.
aos 20:000,000 de rs.
Na ru. larga do Rozario, loja de miude-
zas n. 44, junto a botica, vende-so um
resto do bilhetes, meios e quartos, da deci-
ma quarta lotera de Nictheroy, pelos pre-
go abaixo mencionados, cuja lista chega
1 ni'.illivelmenie at o dia 28, e se troc.m por
bilhetes promiados de qualquer lotera.
Preo*) pagos sem descont.
Bilhetes 22,000
Meios 11,000
Quartos 5,600
Vendem-se na livraria da ra do Cres-
po n. 11 as seguintes obras: o excellente
altas geograpliico de Andriveau-Coujou, em
grande formalo,dito de Bilbi o dito de Caul-
lier, guia do viajante nos E>tadoa Unidos,
com um mappa. Planta da cidade de Nova
Vork,dconario de geographia por Penchet,
5 volumes em quarto, historia do cnsul.do
edo imperio, por Thiers, com estampas,
novas oraces de Cicero, guia da conversa-
gflo em portuguez e francez,por llamonire,
Luiza e Julia, romance histrico, em carias,
manual do cosinheiro, em porluguez, lo-
les prximas do cdigo eommercial, pelo
bacharel Gaspar Peroir. da Silva, panora-
ma, 1 volume ercadernado, 3,000 rs., re-
creagesdo homom sonsivol, por Armanl,
traduzidas por Antonio da Moraos 5 volumes
novos, 5,000; Virgilios novos 4,000 rs., di-
tos a 3,000 rs., selectas encadernadasa 640
ra., eloquencia nacional, por Lopes Cama,
a 4,000 e a 3,000 rs., compendios de geogra-
phia, por Vellez, novos, a 1,600, dilos em
brochura a 1,440, o oulras umitas obras por
prego commodo.
Um da Crus do Recifc, n. 11, loja.
Ha para von ler calgado de toda a quali-
dade feito no pai7, para homem, senhora e
meninos, assim como superior hezerro
francez, marroquim de tudas as cores, ca-
murga branca, couros preparados, livelas e
franjas para gapalos, e os mais aviainanlos
porlencentes a gapateiro, tudo por progos
commodos, sendo dinheiro a vista : na mes-
ma loja faz-se obras do encommenda, e re-
cebe-se olciaes o aprendizes.
Aos iO:0P,OOO.
Casa feliz.
Na ra Nova n. 6., loja de )1uj Ramos companhia, roo beiam-so polo vapor in-
gle;, os mui afortunados bilhetes, meios,
quartos, oitavos o vigsimos da decima sex-
ta lotera de S. Pedro do Rio de Janeiro,
cuja lista deve cnegar a 15 de agosto : na
mesma casa so moslram as listas das quo ja
correram. o recebem-se bilheles premiados
de todas as lolori.s do imperio.
Capules tic panno azul a
10,000.
Na ra do Queirnado, defronta do beco do
Pexe Frito, loja n. 3, vende-se capotes de
panno azul pelo baralissiao prego de 10,OJO
rs. cada um.
Aos 80:000^000 de res.
. Lotera do Rio de Janeiro.
Ra praca da Independencia n.
13 e 15, loja de calcado do Aran-
tes, e na ra da Cadeia do Recife
n. 46, loja de miudea, yendem-
se bilhetes, meios e cautelas da de-
cima quarta lotera do theatro de
Nictheroy, e pelo vapor da com-
panhia brasileira, que deve aqu
chegar no dia 3o do corrente mez,
esperase a lisia da mesma lotera,
e igualmente estam ex posto 5 ren-
da os mui afortunados bilhetes da
decima sexta lotera do theatro de
S. l'edro de Alcntara, e sao pa-
gos quaesquer premios que nelles
sahirem, sem ganancia alguma.
Bilhetes aa.oo
Meios 11,000
Quartos 5,5oo
Oitavos 2,800
Vigsimos i,3oo
O Casimiras modernas.
O Na loja do sobrado amarello, nos O
O Qualro Cantos da ra do Queirnado Q
rt n. 29, vendein-so as mais modernas .
5j casimiras de cores quo existero no j
O mercado e pelo prego de 6,000 rs.,
O cada corte, sendo de padrdes inteira- w
C mente novos. w
Vendem-se 4 gangos, muito bonitos,
sendo 3 femias o 1 macho, ptimo* par. cn-
ar-se em um sitio: no pateo do Pilar em
Kra de Portas n. 14, so dir quem vende.
Ricas aberturas para
camisas
Vendem-se aberturas de cambraia lisa,
muito fina, com pregas muito miudlnbas, e
pelo commodo prego do 640 rs., cada urna :
na ra do Queirnado, loja de miudezas jun-
to a de cera o. 33.
Vendc-se urna escrava cri-
oula, de meia idade, a qual lie-pro-
pria, tanto para o servico de casa,
como para o de ra, por isso que
be boa quitandeira, lava bem de
sabao, cozinha o diario de urna ca-
sa, engomma e laz renda : aa ra
Dircita n. toa.
Rom e barato.
Vendem-se caixinhaa com tintas finas, pa-
ra dezenlio, a 3,003 e 4,000 rs.; fivelinhas
douradas para calsas e coleles, a 200 rs.; fa-
cas muito finas, de balango, a 6,000 rs., a
duzia; bicos largos i linos, proprios p.ra
tainos de vestido, muito barato, e outras
multas cousas, quo so vendem m.is b.r.to
do quo cm outra qualquer parto : na ra do
Queirnado, loja de miudezas junio a de ce-
ra n. 33.
Meias pretas do alg-od&o ,
para padre.
Vendcm-so muito finas meias pretas da
algoJSo, para padres, a 700 rs., o par : na
ra do Queirnado, loja do miudezas junto a
de cera n. 33.
Vende-se urna molata alva, do idado
20 annos, bem prendada, faz lavarinto, co-
se chSo, marca, cozinha o diario de urna ca-
sa e mo tem lacha alguma, ao comprador
se dir o motivo da venda : na ra da Cruz
n.86, segundo andar.
Vende-se um relogio da ouro com cor-
rente, por 70,000 rs. : na ra larga do Ro-
zurio n. 17, junio ao quartel.
*> Continua-sc a vender cortes de vos- #
t> tido de chita, de cores fixas, a 1,600 1
rs., o corle, lavando novosortimento
0 para escolher: na loja do sobrado a- #
*> marello nos Quatro Cantos Ja ra do 9
>> Queirnado n 29. 0
Vos 0:000,000 de rs.
Na ru. do Queim.do, loja n. 18, vendem-
se bilhetes da lotera do Rio da Janeiro, a
favor do theatro de Nictheroy, cuj lista cha-
ga hoja at amanhSa.
Cartas.
Na ra do f.abug* n. 12, loja de F. A. Si-
mOes, vendem-se c.rUs francozas linas, p-
ra o voltarete.
Alninnak potico.
{ontend o a b c do frade, o padre nosso
p.ra as mogas solteiras, declm.s doestu-
dante, qu.dra glozada do soldado, dito do
muzico. estraidas de varios manuscritos, pi-
ra intretimento das horas vagas, venem-so
a 320 rs. : na livraria do pateo do Collegio
n. 6, de Jo3o da Costa Dourado.
Ann
I.olera 1I0 Rio de Janeiro.
Aos 20:000,000, 10:000,000, 4:000,000,
2:000,000 e 1 amo.nuil de rs.
Na cas. daViuva Vieira & tainos, na ra
da Cadeia do Recife n. 24, chegaram pelo
vapor inglaz Sewern, e achara-so a venda os
mui afortunados bilheles, meios, quartos,
oitavos e vigsimos di decima aexla loteria
do theatro de S. Pedro de Alcntara os
quaus u.ieiii-se por bilheles premia dos do
todas as loteras.
.- Vende-se urna escravaem vicio, mui-
to robusta e propria para o servico do cam-
So, da que lera muito uso : trata-se na ru
o Vigario, casa n. 29, primeiro andar.
~ Vendo-se urna escrava parda, moga,
sem vicio algum a nem acjiaque o motivo
da venda se dir sinceramente ao compra-
dor : na Ponto Velha n. 44, a qualquer hora.
-- Vende-se urna eacrava ainda muito mo-
ga, propria para o servigo decampo, muito
em c ma : na ra do Collegio o. 25, pri-
meiro andar.
Vendem-se sapttOas de couro de lus-
tro, obra da Ierra, muito bem feita, a S.6J0
rs.: ditoa.do Aracaly, a 2,500 rs., branco da
orellia, 'l^OO rs.; ditos de oreina, para me-
nino: na ra da Cadeia do Recife, loja n. 9.
. Vende-se urna morada de casa terrea,
8 pedra e cal, na ra das Agoas Verdes, jun-
io aos fundos da S. Pedro e ra da V'iragao :
trat*-S3 na ra Diroita n. 40, seguado andar.
Ven Je-so oartotaeni n. 6, da ra da
Guia, assim camo a casa n. 11, da mesma
ra : trata-so no trro da Boa Vista, vend*
n. 78.
--w


I
Novo -<>rfimriito de fuzcndas, na
lojn ilii i-iiii do Crespo u. G.
Corles de cesas chita fraceza, de core ri-
is, |ior ,000,8,400 e 2,800r. ; dito d
nambraias de salpico*, a 3,800 rs. ; cortes
lo chita debom gosto, a 1,020 rs., n m 12
envides ; cassas dequadros pera bailados,
con 8 119, s2,400 rs., a fice* ; alparki de
cordo muito lina, a Oi,* covado, e
militas outras fazeniias por barato pre^o.
< liain'os de sol.
Vcndein-ifl capeos de sol de panno com as-
teas de lu'-11 pelo preco de lf)20 rs., ditos de
junco a 1/280. Na incsnia casa te um sortl-
uiento dos mesmos objectos, tanto para ho-
iiirm c senhoras, como para meninos c meni-
nas de escola: na rua do Passeiu n. 5.
Cera de carnauba.
O ni.ii. superior que lia neste genero, ven-
de-at em porfo e a retalho : na rua da Cadeia
do Recife, luja I. 50 de Cunha StAtnorlm.
Na loja iie .lo-i .Iii.i'imni Alorel-
ra & Coiupauliia, na rua Nova
i. 8.
Vendem-se camisinhas de esmbraia, com
suasgolinhas, ludo muito bem bordado, e
do mclbor gosto lossivol, pelo baratissimo
proco de 2,000 rs., smente, cada una.
\'ellas de slearifM.
Vendem-se csta vcllis da melhor qualidade
.possivel a Un' ra. cada calaiulia de 25 libras,
raia-sc com A.C. de Abrcu, na rua da Cadeia
Uo llccife u. 4i.
Potassn da ItusMla.
Vende-se potassa da llussia, recentomen-
tc ebegada, edo muilo superior qualidade ,
ua rua do Trapiche n. 17.
Fnriiilin fontana.
Vendc-so farinha fontana em barricas ,
muito nova e de superior qualidade a tra-
tar com Manoel da Silva Santos, no arma-
zn) do Annes, no Caes da Alfandcga.
*4
ATINGA
da fundi^fo Low-Moor.
IlUA. DA SKNAI.I.A NOVA N. 42.
Neste estabeleci ment conli-
Casa de commiasSo de cscravrs.',
Vendem-se eteravos c recebem-
se de conimiaso, lauto para a pro-'
vincia como para lora della, para
oque se offerece muilas garantas a* a lia ver in completo sorti-
a sens donos na rua da (a.aciu do men' de moendas o meias moen
Recife n. 51, primeiro andar.
Vende-se
Arroz de casca,
Farello novo,
Gli preto,
Chumbo de munir.o,
Cimento,
^o**DO*e
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido c
coado, de todos os tamaitos, pa
ira dito.
-- Em casa de J. Kcller .V Com-
*!? panbia, na. ruada Cruz n. 55, cha-se a ven-
da o axcelleoto e superior rhilio rtr Bu
'.cetina,om barris de 5.', he muito recom-
mendavel as casas estrangeiras, como cx-
vende-se ludo por precos commodos : no ccllpntn vinho para pasto,
armazem de J. J. Tasso Jnior, na rua do t^YAaliVWWW WVVfWf'Wf
Amonm n. u^ Arados americanos.
Chapeos de sol. rS&'S Vcndem-aearados americanos ver- %
^ Rua do Passeio, n 5. Jv* K, dadeiros, chegados dos Estado-
Nesta fabrica ha presentemente um ric ^. Unidos : na rua do Trapiche n. 8.
sorlimenlo dcsles objectos de todas as c- Mt AMMMMA4A
res qualidades, tanto de seda como dej
Vende-se superior cognac velho, em
pannindo, por precos commodos; d.los pa- uamg e ,9iS4 aI|1(jM .-, r|u d| Cruj
ra seniora, de bora gosto: estes chapeos n. 55, casa de;. Ke||cr & Companhia
silo fe.toi pela ultima moda; seda adamas- Ven,lc-se gesso em barricas, vindo no
cada com ricas franjas deretroz. Na mesma u|tllIl naVio cneI(lo de PranC8 ,oml c,.
casase acba igual sorlimenlo de sedas e !d, |)jfrica 20 ,*,, pollco ma'js ou mc.
tara curar da phlysica em linios os scus
difieren tes graos ou motivada por consli-
pac[6es, tosse, asllinm, plctiriz, escarros de
sangue, dr de costas e peitot", palpitadlo
nocoracb, coqueluche, lironchites dr
de gargantee lodasas molestias dos or-
go* pulmonares.
Do todas as molestias que por heranca fi-
raniaocorpo humano nenhuma lia que
mais deslruitiva tenha sido, ou que tenha
/onibailii dos esforcos dos homens mais
eminentes em medicina do que aquella
que he geralmente conhecida por moles-
lia no bofe. Em Varias pocas do se-
culo passado, tendo-sc offerecido ao publi-
co difTerentes remedios com attestados das
extraordinarias curas quo elle lem feito ,
l.....-ni quasi que em todos os casos a ilusA
lem sido apenas passageira c o doenle
torna a recalur em peor estado do que se
achava antes de applicar o remedio tilo re-
(ommendado, oulro tanto nao aconlcco
com us le extraordinario
Xarope de bosque.
Novaes & Companhia, os nicos agentes
nesta cidade provincia, o normados pelos
Snrs. R. C. Vales & Compnnhia agentes
geraes no Rio-do-Janoiro mudaram o de-
posito deste xarope para a botica do Sur.
Jos liarla G. Ramoa, na rua dos Ouartcis,
n. 12, junto ao quarlel de policia, onde
sempre edarao o nico, c verdadeiro, a
5,590. rs. agrrala, o a 3,000 rs. meis gar-
rafas.
-- Vende-se farinha de mandi-
oca, de superior qualidade, recen-
temente ebegada de Santa Catba-
rina, a menor preco do que em
outra qnalquer paite : traU-se.a
liordo do brigiu Novo l.obo
defronte do
casa se acha igua
paniiinho imitando sedas, para cobrir ar-
macOes servidas : todas eslas fazondavne s-
dem-se em porcSo e a retalho lambem se
concerta qualquer chapeo de sol, tanto de
basteas de ferro como de baleia, assim como
umbelas de igrejas: ludo por preco coni-
modo. Na mosma casa ha chapeos do sol,
de ruaafea inaiur, de panno o de seda, pro-
prios para feitores de engenbo, por serem
os mais fortes quo se podem fabricar.
Pannos linos de todas nsijiiu-
lidadcs.
Na rua do Crespo,
volt para a Cadeia, vendem-se panno lino
preto, a 3,000, 3.50O, 4,000, 4,500 e 5,000
rs.; dito azul, a 3,000, 4,000 rs., o muito su-
perior, a 5,100 rs.; dito verde, a 2,800 rs. ;
dito muito claro, a 4,000 rs. ; dito cor de
rap, a 3,000 e 3,500 rs.; corles de casimi-
ra pret, a 5,000, 6,000 e 8,000 rs.; ditos de
cor, a 6,100 rs., o outras l'azoudas o mais
barato possivel.
Nova iiechiiicli.
Corte de c.tsin rhila, a 2,000 rs.; di/o de chi-
ta inlciros com iicovados, a 1,600, 1,800e
2,000 r.
Na loj'i da esquina da rua do C'ospo, que
volta para a Cadeia, vendem-se cortos de
cassas chita, a 2,000 rs ; ditos do chita, a
1,600, l,800e 2,000 rs. ; ditos de eambraia
branca com Iislras de cores, a 3,000 rs.; di-
tos de salpico, a 3,000 rs.; cortes de coleto
de fuslSo do ultimo gosto, a t,G00 rs e ou-
tras multa! fazcudas por preco coininudo.
Ven 'em-se as seguales se-
menles:
de atios, ditas de ditas inglezas, ditas de r.i-
bauos encamadas, ditas brancas, ditas de ce-
bolas de Setubal, ditas de altacc allnala,
ditas repolliudas, ditas de cve trinchada,"di-
las He 8cnoura aniarellas, ditas de chicoria, di-
tas de cocutro de tocera, ditas de salsa, ditas
de tomates Brandes, ditas de repolbo, ditas de
espinaf're, ditas de pipinella, ditas de aipo,
feijao, carrapato de tres qualidades, crvilhas
lorias e dirritcis, rabaneles encarnados c bran-
cos: na rua da Cruz n. 40, deti-onlc do I)r.
Cosme. Naiiiesma casa vendcin-se queijos in-
glezea inulto freioaea.
Deposito de cal epolassa.
Noaiiiiazcm da rua da Cadeia do Recife n.
12, ha muilo superior cal de Lisboa em pedra,
assim como polassa ebegada ltimamente a
preco muito rasoaveis.
Cambrains de scita, a u.ooo rs ,
o corte.
Na lojn Je Cuiniares cv llenriques, rua do
Crespo n. 5, que volta para o Collesio. ven-
dem-se neos corles de cambraias de seda,
1 co barato prego de 6,000 rs o coi le, esta
fiizcnda he de goslos inl"iraniintc nnvus.
nos : na rua da Cruz n. 55, casa de J. Kel-
ler o Companhia.
Cera de carnauba.
No armazem de Domingos Rodrigues de
Andradc 6; Compaiihia, na rua dosTanoei-
ros n. 5, vende-so supcrlur cera de carnau-
ba, ltimamente viudas do Aracaly, em
poicilo e a retalho, por menos pro^o que
em oulra qualquer parte, assim como sola e
cnuros miudos.
IVo ariiiazem da rua da Moeda n. 7, con
linua-sc a vender saccas com superior colla
loja da esquina, que daj f,brca5 do nio Crallde do su', c oprC(
"'einconla.
Agencia de Kdwin Jlaw.
Na rua de Apollo n. ti, armazem de Mc. Cal-
mont& Coinpanliia, acha-se conslantementc
bous sortiinentos de talla de ferro coado e
batido, tanto rasa como fundas, moendas in-
dias todas de Ierro para animaes, agoa, ele ,
ditas para armar em madeira de lodos os (a-
manhos e modellos o mais inudcruo, machina
horisoutal para vapor, com for(a de 4 caval-
los, coucos, passadeiras de ferro cstannado
para casa de pulgar, por menos preco que oz
de cobre, escovens para navios, l.vro ingles
tanto em barras como cm arcos folhas, c ludo
por barato preco.
~ Vende-se'dm grande sitio no lugar do
Manguind, que liea defronte dos sitios dos
en. Carneiros, com glande casa de viven-
da, de qualro agoas, grando setizalla, co-
clicirn, estriban.i, baixa de capim que sus-
tenta 3 a 4 cavallos, grande cacimba, com
bomba e lanque cuberto para banlio bs-
tanles arvoredos do fruclo: na rua da Con-
cordia,primeiro sobrado novo de um andar.
Grande sortiinento de fazendas
omitas ua rua do Crespo n I t
loja de Jos rriineisco Illas
A 1000 rs. o corle de briiu inlrancado uran-
co muilo incorpado, dito de riscado de lindo
muito largo a 200 rs. oeuvado, cassa chita de
todas as cores 240 rs. o covado, chita Ir.-m-
Cflxa de lisias padres cacuros a 240 rs. o cu-
vado, chitas muito lixas a I0 rs. o covado,
sargelim lavrado a 200 rs. o covado, ricos cor-
tes de chita larga franceza de barra a 3,200 rs.
incrins pretos de duas larguras muito supe-
rior a 1,803 2,6110 3,000 rs.o covado, uifios cni-
as de superior qualidade a 320 rs. o par, su-
prior piccote muilo incorpado lazenda pro-
pria para rscravos a 200 ra. o covado, algodo
azul com mal de vara de largura a 200 rs. o
covade, bertanha de 4 palmos de largura nim-
io lina a 400 rs. a vara, suppriores challes pre-
tos de la e seda a i.OOO rs. brhn iranfado a-
marello muilo cncorpado com listas miudas
scudu e lliilio a 2.000 rs. o corle, e outrW
mullas i i i ii !..-. por barato preco.
Karinlia de S. Mutleos.
e superior qualidade, vende-se a bordo
da sumaca S. .into/ro. Tundeada etn frente
do Collegio, ou ao lado do Corpa Santo, lo-
ja de maasimes n. 25.
-- Vendem-se vasos de lou;a fina para
jardim, azulejo da mesma louca de bonitos
goslos proprio para forrar frentes de casas
indiiis, &c.,- coeiros de algodao, azeitooa
nova, fumo, vinho do porto em pipa e br-
riz, albos n rolda ero eanastras, lio porre-
te, brins de algodo, penetras de rame.
luida ii mi is, por precoa commodos : na
rua doVigarion. II no armazem e Io andar
Vende-se una morada de casa, na ru
Augusta, com n.lutos commodos para fa-
milia, e duas ditas n rua Imperial com os
mesmos commodos, asseverando-seao com-
prador es'arcm livres de qualquer litigio :
a tratar na rua da Cadeia de S. Antonio n.!).
Vende-se no Maranho, a fabrica
de ligias sturinas e sabUo.
Os administradores da liquida-
co de Tbeodoro Cbavaoes, ven-
dem a fabrica denominada Mara-
nhense, na rua do Fioponto, es-
ta cidade (poro dos remedios ) ,
a saber: casa em que est mon-
tada a fabrica, com 2o bracas de
ndo
oficial
toa do
1 "de saeetei-
duas par-
"le, Beis
c ootros
a do col-
tro r,rclorde 25 a 30 an
de carpios, o eulro ole
24 a 30 aanua, aauf u
ro e lambem trahsWl
das de'16 a 20 aun
pretos alguna a
proprios para todo1
legio n. 3.
Vende-se um pardo de 18 a
ao annos, de elegante figura, pe-
rito ulli i-il de pedreiro e oplimo
para pagem : na rua da Cadeia do
Hecife n. 5l, primeiro Bndar.
Ivuvas para homeui.
Ver.dem-s i superiores luvas de pelica ,
ponto inglez, a 1,900 r.; ditas de seda pro-
tas, sem defeilo algum e fazandi mu to su-
perior, a G00 rs ; ditas d cores, a 600 rs. ;
ililas dealgaiato brancas o de cores, pro-
prias para niontafii, por acrem muito en -
corpadas, a 9iUR na rua do Queimado,
loja de miudezsjunlo a d cora n. 33.
loiii e barato.
Vcnlem-serarleirlnhascom agutdas fran-
cezas, proprias para toda a qualidade de
costura, a 300 rs.; ditas cm caiiinhas fa-
zonda muilo superior, a 300 rs.; linha de
peso, muilo fina, a 60 rs., a miada : ditas
em carreteis de 200 jardas, a 60 rs., cada
mezas
ailar.
Vende-se
rua do Bangrl n. 46 segundo
frente e i5 de fundo: 2 prensas c"relel I ,aiul1" "Mofa, a leo n o pi-
... ,. '. I pel, com 100ulhas; ponlesde baleia, p-
lildraulicas, onsontaes de torga de ra alisar, o mais lino que e i.de encont-ar,
600,oco libras, cada urna 5 1 dita 1 *0e320 rs i agnlheiros finos, a200rs.;
____,__1 1. 1__. 1 -. i tesourinhas inglezas, o mait lino aue tem
vertical de torca de 4oo,ooo libras; apparecid e de varios timan'ios, a ioo, 600
3 grandes caldeiras montadas, na- c 80 rs- : na ru* d Queimado, loja de miu-
ra o fabrico do sabao 4 ditas pa- I o'l'10* ',a. cer"
raderrelerseboi todos os perten- P<^,tes de ^rtlirug, a-
ees necessarios para o fabrico do '* Illa I'rafa
stearina e sabao ; n escravos en- Ven lem-se suporiores penies det.rtaru-
, 1 '.-' ;ga, para marrafas, pelo lur.ii's-iino pieeo
tendedores doservico geral da fa- de 800r., preco que causa dmiraQo : ua
brica; t terreno annexo a fabricj, rua do Queimado, loja de miudeus junio a
com 7 bracas de frente e-i5 de fun- eccr?,n ___.
do 5 dito fro,teiro a mesma fa- ^^VataS (le mola.
i,- o 1 t Vendem-so superiores grvalas pretasde
linca, com 18 bracas de frente e 28 mol, pelo diminuto preco de 2,000 rs. : na
de fundo: as pessoas que prelen- rua do Queimado, loja de mludezas junto a
dercm comprar, pdem nesta pra-1**6
ca dirgirem->e a J. Kcller 8c Com-1
panbia.
caes do (amos, ou
com Oliveira Paira ck Companhia,
na rua do Trapiche escriptorio
n. 5.
Para palitos, a 1,000 rs.
Na loja d.i rua do Queimado n. 17, ven-
dem-se casemiras de ccVps mescladas, pro-
prias para palitos e sobrecasacos, pelo di-
minuto prego de 1,000 rs cada covado, o
.ilpaivs mescladas, a 800 r., o corado.
Una do Collesio h. I.
Novo sorlimenlo de chapeos de sol, para
homem e senhora, a sabor : chapeos do
sol do seda, armacfln de b Icia, de 4,5<0rs.
para cima; ditos ditos para wnhora, de 4,000
rs. para cuna ; ditos de panno IfBo, do ar- ,
roerjao do dulca e de ferro, de 1,600 a 3,200 na rl,a do Liiiinns. 8 e 10,
M 1;il;:n para saceos. fe>
fc Vende-86 muito bom algodilo para ?_.
$. saceos de assucar, por preco comino- jf
vj du : em Ma do Iticardo lloyle, na C
9 rua da Cadeia n. 37. <-
M9tM!M9 :
Vendem-se relogios de ou-
rocprala, patente inglez: na rua
da Senzalla Nova n. 42.
Aloendas superiores.
Na fundido de C. Starr & Companhia,
em S.-Amaro, acham-se venda moendas
de ranna, lodas de ferro, de um modelo e
conslruc(So muito superior
Arados de ferro.
Na fundic.no da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
ntigo deposito de cal
virgen).
Na rua do Trapiche, n. t-;, lia
muito superior cal nova cm pedra,
ebegada ltimamente de Lisboa
na barca Ligeira.
Deposito da fabrica de Todos os
- Santos na Italiia.
Vciid-e, em casa do Ka O. liiober & C.
na rua da Cruz n. algodSo transado di
quel.la fabrica, muito proprio para saccoa de
assucar c roupa de escravos, por proco com-
nioJo.
bombas de Ierro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
rs. ; ditos dilos de ecjJMCao de junco, de
1,200 a 1,800 rs.,lolosllnlpos : grande sor-
lunenlo de sedas e pabnos, em per;as par
cobrir os mesmos, baleias pura vestidos e
rspartilhos de nhnras. Concerlam-ss lo-
das is qualid des de chapeos do sol, todo
com perfeigo e por menos piejo do quo wi
nutra qualquer paite.
Cal de Lisboa
Vende-sc a melhor cal de l.i boa muito
nova, ebegada ba poneos dias na liaren Li-
geira, e por preco muito em conla : na rua
lo Vigario armazem n. 7.
-- Vende-se ac fe>milo verdadoiro, om
grande ou pequcjias poic.0cs: em casa de
Mc. Caltnont&C, rrS do commercio n.
ll,ounoseu armazem de maeqinismo'na
. rua de Apollo n. 6.
Vende-se cobre, e metal ama-
relio e pregos para forro de navios; por pre{o
iiomniodo, em casa-de A. V da Silva barroca
rua da Cadeia do Recife n. 42.
Superiores capachos.
Vendem-se superiores capachos brancos e
pintados, de ranos tamanhos.aon le os com-
pradores pJem escolder a sen gosto, pelo
diminuto proco de 800, 1,000,1,400 o ,600
is.: na rua du Queimado, loja do miudrzas
junto de cera n. 33.
lutiilirao de Ierro.
Arados de ferro.
Vcndem-se arados de diversos
modelos, assim como americano-
com cambo de sicupira e bracos
de ferro ; na fundicao da rua do
Bru ns. G, 8 e 10. i
Vendem-so amarras de ferro: na,rua
da Senzalla nova n. 42. 9
Tecido de algodo trancado na fu-
brica de Todos os Santos.
Na rua da Cadeia n 5a,
vendem-se por atacado duas qualidade*
proprias para saceos de assucar e roupa de
scravos.
loinlios de venlo
nom bombas de reptebo para regar borlas
I dai\as de riipuii : vendem-se na foudlcSo
de l'.iiwiniin e. Mc. Callurn, na rua do lirum
ns. 6, 8 o 10
Taixas para eiitrcnlio.
Na fuii'lie:"o> do ferro da rua do Brum,
acaba-se de recebor um completo sorlimen-
lo de taixas do 3 a 8 palmos de bocea, as
quaas aaiaiti-se a venda por proco com-
iiunlo, e com promplidilo embareatn-se, ou (
carregam-se m carros sem despezas mi
comprador
No Pasado Publico, loja
ii. II, ile Firmiao Jo-
s Rodrigues l'crreir.
Acba-sc mu i limpelo sorlimen-
lo de cassas chitas, mui ricos pa-
dres c linas cores, ao barato pre-
co de 2,400 rs., cada co.te ; brim
de puro iinho, (raneados, loan.
eos e de cores, fizenda realmente
superior, a 1,000 rs., a vara;gur-
guroes encorpades, a i,4oors.,o
corle; ricos vcsli .'os de seda e la,
de cores, a 18,000 rs. ; ditos cm
corles, a i(5,ooo rs., c de seda lis-
Irados, a ooo rs. ; pannos finos
de todas a rores, e por precos
commodos'; chitas francezas, lar-
gas e de gosto, a 3ao rs o cova-
do ; riscadoa fraacezea; sarj ts hes-
panbolas; setins; um completo sor-
limenlo de chitas de gostos, c ina-
iiapolocs,de preco, a 5,200, 5,ooo,
4,8oo, \ ,200, 4)Ooo, 3,Goo, 3,200,
'.ce 1 e 2,400 rs c outras muilas
fazendas, que se ven lem a prefos,
que muito agraddin aos senhores
compradores.
5 Deposito de tecidos da fabri-
ca de Todos os Santos,
l na Babia.
Aviso ao publico.
Na botica da rua do Collegio. n. 18, de
IPeixoto & Pinto, heonio so vendem as ver-
dadeiras piljlas para bobas, cravos seceos,
cas, cu-
que tem
pauns, pelo diminuto preco de 2,000 rs., o feito uso dellis; composicuo do Kharmaceu-
ar: ua rua do Queimado, loja do miudezas tico Sabltlifo Jjs de lveira Maeedo'.
,u"lo"iocoran a ICorrao depreca pecliin-
cha de 4,000
Na rua do Queimado, loja n. 17, vendim-
se cortes de casemiras de coic escaras a
rs., pecas de riscados de cores de padres os
Hf pitia rio lata namnniluia Idadeiras pillas para bobas, cravos
lUCIlIHUe Idltl, pan) patll es. dores venere., e gonorrheasclironic
\i 11 lem-se superiores mcias do laia, para jos bons cfTiitos confessilo todos qi
padns, pelo diminuto preco de 2,000 rs., o feito uso dellis; composicSo do Khar
Cliariiteiras domadas ,
finas.
Vend'm-so superiores charuteiras doura>
das, a 1,000 rs., cada urna; ditas mais or-
dinarias, a StOr. : na rua do Queimado, mais delicados possiveis a 5,000 rs., pecas
loja do miudezas junto a decoran. 33. de chitas escuras de coros lizas e bonitos
Papo ,,,.;.......... IpadrOesa 5,500 rs., cassas francesas linas
a nra vi luiiyttef, decores muito delicadas a 560 rs. a vara : e
Vendem-se superiores toucas de seda pre- outras fazends por barato prec,o : aellas
pelo diminuto preco do antes que so acabem
Para se acabar.
Vendem-se casemira preta setlm, pelo ba-
rato preco de 9,500, sarja preta superior a
'2,000,2,200, 2,400e2,500 o corado, panno
fino preto a 4,000, 6,000 e 8,000 muito .su-
perior, azul a 3,500 e 5,000, chitas francezas
280, e outras muilas fa/ondas por preco
muito barato : na loja daB-strolla, rua do
Queimado n 7, cm fronte! i hoco do l'eixe
frito. W
Toiicitilio a ">50
libra.
t, para enancas,
320rs., maracas muito bonitos, que tocan,
de tresmaneiras, a 2i0e 120 rs : na rua do
Queimado, loja de miudezas junto a do cera
n. 33
4 Vendem-se saccas com Iremo^os, 4j de alqueire cada urna sacca, por eom- *-
modo pre? >: na la da Cruz n. 21.
Lindas caixinhas de vi-
tlro pura guardar jolas.
Vendem se-lindas caixinhas d vldrocom
espelho proprias para guardar joias, pelo
diminuto preco de 800 rs.: na rua do Quei-
mado, loja do miiiiiezas junto a do cera nu-
mero 33.
Cacado, a 800 re.,.
no aterro da Boa Vista, defronte
da boneca,
so chegados os bonsconhecidos gapalfiu do
Aracaly, Unto para homem, como para me-
ninos, a 800 rs. ; assim como imcoriploto
sorlimenlo de calcado, francez, de lodas
as qualidades, lano para homem, como pa-
ra senhora e menina, o quo ludo se vendo
muito barato, alim da se apurar dinheiro.
Venderse fa rinda em saccas de alquei-
re : na rua do Collegio n 25, pelo diminu-
to prer;o de 3,500 rs,
Ao barato
MadapolOcs a 2,200, 3,000, 3,500, 4,000
1,500, e 5,000 rs., editas a 6,000, 6,500, e I
7,000 rs., riscadindos do Iinho muito finos
a 320 e 360 rs algodSo transido com toque
a 2,210; limpo, a 3,700; o outras muitas
fazondas como cassas dequidrosa 2,400 is ,
cambraia. com salpico, superiores/a 5,500 S 3n.o5EMBta
rs., grvalas do seda a moda do principa da Cunha Magalhflcs.
Alberto ltimamente chegadas, a 1,800,'cada Lola.
UTia : rua do Queimado, loja da estrella, n.
7, cm fronte do beco do Peixe F, ilo.
rs. si
Vende-so em libras p^r este prego para so
acabar : na rua larga do Itozario n. 46,
venda.
Cartas linas, para vol-
ta rete.
Vendom-sc superiores caatas francezas,
para voltarcle, a 640 rs., o baralbo : na rua
do Queimado, loja de miudezas junto a de
cera n. 33.
Bengalinbas finas.
Vcnilem-se superioies bengaliohas, a 500
1,000 rs., cada urna : na rua do Queimado,
loja de miudezas junto a de cera n. 33.
A'i;500 rs. odales.
Vendcm-se chales do 1S o sed, gran ios e
do muito lin tos padio a 2,500 rs. eada
um, chitas do cores do bonitos padrOes a 110
rs. o covado : m rua do Queimado n. 8,
1,440 rs.
Rap Paulo Cordeiro,
o mais novo que ha no mercado : na rua
da Cadeia do Hecife, loja de fazendas n 51,
<:
I'ara os jovens im mo-
rados.
Vendem-se caixinhas com nmendoascon-
leii.id.is, o mais delicado que so pdeen-j
contrar, proprias pera se dar a nanioradas :'
ni iui do Queimado, loja do miudeza jun-, 58, junto ao seleiro, vtndom-so
lo a de cera n. 33. lustro, a 2,500 rs., y par.
Vende-se em casa de Domingos
;* ves Matheus, na rua da Cruz do p.e-
> cife n. 52, primeiro andar, algodo ^*
* transado daquella fabrica, muilo pro- J
^| prio para Sbccos e roupa de escra- ^
T vos, assim como fio proprio para re- 2
? des de pescar e pavios pare vellas, y por prego muito comino lo. ^
aAA4 Ricas franjas^ \>&ra cor-
t i nfldos.
Ven lem-se franjas brancaf, proprias par
conloado?, as mais lindas que tem appcre-
cido e per preco que ningum vende: na rua
do Queimado,,loja de miudezas junto a de
ceia n. 33.
i,n vas de tor<;al e de peli-
ca, para senhora.
Vrndem-so superiores luvas pretas de-tro-
cal, a 1,000 e 1,28) rs o par; ditas sem de-
dos, a 240 rs., fazenda superior; ditas de
pelica brancas e amarellas, a 1,000 rs. : na
rua do Queimado, loja de miudezas juntos
de cera n. 33.
Jo#odc vispora.
. J fazendas muilo em conla.
No arinazein da ruatbi
Cia n. 24
A t te n cao
Na loja nova da estrella, rua do Queimado
cm frente ao boco do Peixe Frito n. 7, ven-
de-se maiidapolflo com qualro palmos de
largura a 3,200 rs.. I'ranquilim prclo pelo
diminuto piej de 400 rs. o covado, chitas
fiasa 160, 180, e2)0rs. ocovado, duraque
azul escuro, e claro, a 720, princeza preta
lina a 800 c 1,000 rs., chapeos de sol de seda
furia-cores a 6,500, corles de casimira de
cores n 5,500, e 6,000,ditos do mcia casemi-
ra a 1,000 2,00i), o 3,000, e ouiraa muitas
Vende-so a dinheiro, capalinhos para me-
oinas, em porcSo a 600 rs. ; sipalOes de
couro de lustro, cm porciio a 2,M>< c 2,000
rs.; penas de Erna ; saccas com gomla; di-
ta com firinha de ararula, a'2,500 rs a ar-
roba ; courinhos miudos, a 26,000 e 28,000
Vende-se a melhor cola, que al aqu tem
apparecido, por preQo commoJo, a retalho,
ou cm porgan : ni rui Nova n. 42, defronte
da ConceicSo.
Penas de Erna.
Vendem-se penas de Erna, por pre<;o com-
modo : na rua Nova n. 20, loja de for-
ragens.
Hacia.
Veode-se urna hacia de latio, propria pa-
ra bariho, por ser muito grande e bem fal-
l, por preco commodo : na rua Nova n. 20.
Trancas, e requifes
Vendem-se Iranias de seda, de aaui lin-
dos padiOes, a 410 rs a vara ; rcqoillfes, a
240 rs. ; i imni; de 19a, a 60 rs., a peca : na
ua do Queimado o. 16, loja de miudezas.
AtfOOrs.
Vende-sc cha hysson, de muilo la qua-
II lade, pelo diminuto preco de 590 n., a li-
bra : na rua do Crespo n. 23.
--Vendem-sa 6 escravos, sen lo um bom
jajn terreno con
i54 plenos de fwido cq6 de fren-
te, o qual deila para o largo des-
tinado para a nova praca, na rua
do Brum, a roltar na travesea do
Vieira : assim como tres caixSes
de casas, no fundo do mencionado
terreno, com frente para a mesma
travessa : trati-se na rua da Ca-
deia do Hecife, loja n. 7, onde os
pretendente-, de^ois de baverem
examinado, pod 1 fio dirigirse.
flato colorida;
de vaporee, navios devela, cldadesdaou-
ropa e bosque: no'pateo do Collegio, casi
do livro azul.
ltenlo.
Chegou loja do Arantes, pelo ultimo n 1-
vio, vinio de Franca, brozeguins do Nin-
tos para homem, aipttOes de couro de lus-
tro, dilos de be7erro, brozeguins para, se-
nhora, sapatos de couro de lustro, ditos do
setim, dilos de raarroquim e cordavo, chi-
quitos para menino, e ootro* ttiuiloa cil-
iados por preco commodo.
-- Ainda existe na rua da Cadeia do Iti-
cife n. 54. a venderse por lodo prego, duas
parelhas da embonos de cedro, urna lancha,
um bote, urna correte grosss da ferro para
navio, urna amarra grosta de cabo e linhn
que serve para deafaier para estopa, o ai
porcjlo de forros, o cavilhaj que fu de
navio.
Cabos de linio a 28,000, o quintal
Na rua da Cruz no Recife, armazen n. 13,
vende-se cabos de Iinho de todas as gro.
auras a 28,00) o quintal, emporeft-sa von-
lade dos compradores.
Umabilieira por 60,000
No mesmo armazem vende-se por 60,000
rs um d'li'ira con todos os pertences.
Vende-se ainda um rosto do saias bran-
cas de cassa para senhora, e pela grande ex-
IraccSoqqe lem lo. suppoem-se quo em
po jcos das se acabarlo. Ni mesma loj 1 se
ven lo outras mulls fazenda palo prego
queem pnmeira m.lo so poderla eoaaprar :
no rua da Cadeia do Kecife n. 54.
Calcado barato.
Sipates de bezerro fino a 2,000. ditos
de couro do lustro a 2,000, 3,000, 4,000,
5,000, 6,000 e7.000 rs., sapalOes do Araca-
ly a 1,000- rs., ditos a 646 rs.. Jilos para
menino* a 800 rs., brozeguins para se-iho-
ra a 2,500, dilos a 4,00), sapatos de lustro
para senhora a 1,600. ditoa 1,600 e 2,000,
ditos de marroquim fino a l.Ooo e 1,400
rs., dilos de duraque lino a 1,400 ra., dilos
do Lisboa a i,00) e 800 rs., sapatos pa>a
menina a400 ra., ditos de 18 para cilinei
a 320 rs., ricos crtei de sapatos a 1,000 o
800 e 610 rs chapeos de massa finos para,
homem a 6,00), ditos de sol da piano a
2,800, peles de couro do lustro a 3 50O, di-
tos de marroquim preto a 1,400 rs., dito de
cores sorliJo a 1,910: na praca da Indepen-
dencia, loja do Arantes.
-- Vendd-se muito superior eouro da lus-
tro, ii.'ll"S eran les, pilo diminuto prego do
3,000 rs., oda urna; rrarroquim dilua
as coi o<, p ir muilacommoQo ,nec >; ca ja-
to di couro de lustro dj Aracaly, a 2,400
rs., o p ir; franja preta o de todas a core,
para espito*, pelo diminuto proco de 200 r.
a vira : no aterro da lloi Vista, o|a a. 78.
\ en iu-se a taverna n. 8, da rua do
Rangel, com poucos fundos, ou s com os
cascos, vonlade do pretendent'!, ou mes-
no este separadamente, aaatrlii auWPariP
laido, pralos, a t,000 rs do/i : lgalas, a
960 rs, a dita ; bules pintlos, a 480 ra. ;
assucareiras e mantegueiros, a 320 r.; su-
perior vinho dol'orlo, ha milito engarrara'
do. a 500 rs., a garrafi; dito tinto, a 180 rs j
vinagre puro de Lisboa, a 1,000 rs., a caa-
da ; azeite doce de Lisboa, a 500 rs., a gar-
rafa ; serteja, a 320 rs, a dita, e oulros
muilos artigoi, por presos conmoJos, para
liquidar.
"ara inlimes.
Vende-se urna porc.lo de bolaxa propria
para animaes por muiti louco dinheiro:
na rua larga do Itozario n. 48 .
Farinha,
do irandioei, chegada de Santa Catharina,
no brigue Minero,t, ancorado en frente do
ces do Ramos: vende-se a bordo do wei-
mo navio, ou na rua do Trapicho, escriplo-
iio n. 5, a preco menor do que em parte
alguma.
Cera,
branca em velas, em caixas, com sortimen -
tos a vonlo lo do comprador, e a prejo com-
modo, assim como chapeos do Chile : na
rua do Trapiche, escriptorio n. 5.
Ricos toncadores.
Vendem-se lindos loucadorns de Jacaran-
da, com columna* e muito* bom espelho,
pelo diminuto proco de 2,500 r. : n ruado
Queimado, loja de miudezas junto a de ce-
ra n: 33.
Carpucas de seda, preta,
Vt ndom-se carpucas de sed preta, fi-
zenda muilo su | erio sem deleito atgum,
pelo dimioulo preco de 500 r., vende-se
por esle preco or hver grande porcao o
ter-se comprado muito barato : na roa do
Queimado, loja de miudezas junto a de ce-
ra ti 33.
Escravos fgidos.
-- Vende-se um hoi manso de
carroca na rua do Pires n. 28
A 0,000 rs., o quintal.
No deposito de AnJrade Si Lial, na rua
Nova ti. 33, vande-se, pelo diminuto preco
de 6,000 rs, ,o gmnlal d> ferio inglez,
sonido.
Novos cobertores'de tapete.
Vendcm-se cobertores de tapte, para es-
cravos, a 890 rs., cada um : na rua do Cres-
po, loja da esquina que vira para a Cadeia.
-- Vende-se farinha muilo lina, em sac-
cas, advertiodo-so aos fregueze que he de
oulra e nflo da primeira: na venda que foi
no paloo
No aterro da lloa Vista, loja de calsado n., do Sr. Nicolao Rodrigues Cunh
58,/ondem-fe jogo de vispora, a 1,000 rs., [ do Hospital,
esl no resto. ..... '. v*nle-si urna escrava cabra, moja,
-- Vende-se cola i'.O lo Gran-'muilosadiae sem defuilo, nSo tem grandes
\dm pm liiriiiis e or nrceo r ,, inblllJjB*.>'r,i) razbemtodooarranjode
A 2 OI i-a o u. ""> c Pr Prc?o c "i-UBWCMli omolo da venJ, SincaMinen,e
x m,*ju\r 1 v !'< modo : na rua do Vigario n. 19, sedir ao comprador na 1'onU v.dha n.
No aterro da Roa Vista, loja decalcado n. spiruniin andar, psrrintnrin <\n Un. '*> ''"s :l doras da lardo em diantc.
le calcado 11. SPrrUndo andar, escriptorio de Ma- V" 3bV" da1lar'1"
capatOt-sdol l i o ii- 1 Tros llnJos moloqua
chauo liilieiro. sendo um ptimo oficial
rs., o cento; carnauba de primeira so te, Icarreiro, e 5 do todo o servico ; 3 moleques
em saccas, a 6,000 rs., a arroba; sola muilo de dado 12 a 20 annos ; 2 negrotas do idaJe
supe r,01; chapeos de pal ha, a I0.0J0 rs., em IGsnnos, sendo n mi recilhida, engoma, co-
centos. ze, e cozinha o diario, 3 ditas de to lo o aer-
V50 :na rua direila, delronte do beco do S.
Pedro n. 3.
Trancas de seda e requi-
fifes para ves1 dos.
Vendem-se muito bonitas Irmcis de seJa
e requififes, proprias para enfeittr vestidos,
por presos muilo commodos, dmse amos-
tras aos compradores: na rua do Queimado,
loja do miudezas junio a de cera n. 33.
Camisas de ineia.
Vendem-so fi lissimas camisas do mcia, a
2,00j rs. ; ditas a t,280 rs ; ditas decores,
padres muilo bonitos, a 1,000 rs. : na rua
do Queimado, loja de miudezas juoto a de
cora 11.33.
Ricas fitas lavradas.
Vendem-se fitas lavradas do diltercntes
larguras e gostos o mai fino que pode ha-
ver em litis : na rua do Queimado, loja de
miudezas junto a decoran. 33.
-- Vendem-se 2 negras, sendo urna cri-
oula deis a 16 annos, puuco mais ou me-
tas de 8 a 18 annos
No da 18 do correlo, ausentou-se da
olaria dos Remedios, um preto esnosiro, de
nome Joaquim, naco Cacange, da estatura
regular, representa ler 35 annos de idade,
cr redonda e cor um pouco fula, nariz
chalo e todo reuucha lo om ro la, que paro-
ce ler sido queimado, porm be defeilo do
bexigas, das qoaes ainda tem alguna signaos
pelo rosto, tem pouca barba e he quebrado
das duas verilh.s, levou camisa ecalsa de
algodao de fra e chapeo do palha : roga-
se portento a todas es autoridades policiaes
e capiles de campo, o rvor de o manda-
rom capturar e entregar na rua larga do Ito-
zario, pidaria n. 18, que se gratificar com
generotidade.
- Desappireceu no da 15 docorrente,
um muleque cnou.o por nome Paulinho,
ue idade de 10 annos, pouco mais ou me-
nos, cor amarellada por lor vicio, nariz cha-
lo, levou camisa de algodaozinho aoja, e
calcada nsoado, sem cnapo, este escravo
he do Sr. Antonio Jacintbo da Silreira de
Unna : quem o pegar leve-o na rua da Ca-
deia do Recife n. 51, 00 na rua de Livra-
menlo n. 26 segundo an lr quo ser recom-
pensAdo.
Desappareeeu m dia 22 do crranle
um mullique crilo natural de Paje de Flo-
re*, de nome Jos, de idade 14 annos pouco
mi ou menos sem nenhum defeilo, levan-
do vestido calta e camisa di algodSo da
Ierra roga-se pois aa autoridades e capitana
de campo que o faco prender, e levaren
seu scnhhor na rua da Cruz do Ricife n.
37, ao abano assignado que o meamo pa-
gare toda despeza, Maniel ioi da fonceen.
da sipateiro, qua-loos, e oulra da Costa, com urna cria de 1
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWNMVQX6N_HEVTS1 INGEST_TIME 2013-04-13T02:29:04Z PACKAGE AA00011611_06402
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES