Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06400


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVjj
i i i
-..
Quinta feira 24
r, .-
DE
de Julliode i 85 I.
V lg5.
PEM4MBIC0.
PKZ90 a iraoaiivvlo.
PUIHIIO ABUHTtBO.
Por trimestre..........
Por semestre .........'
Por nao.............j.
' PlOO DHT0 DOTBINUTSB.
P01 quartcl _. '
oncm do iMvraio.
4/500
Par..... M de Junho
Msranbo
(.'cari
Par*
....Mimi .. 211 de Malo
Ida Julho S. Paulo. 13 de Juulio.
II. de J.. 15 de Julho.
Baha... 19 de dita.
a.... bif iilo.
hlba. 7 de dito.
DAS DA OMlnTA.
Si Seg. S. Prxedes.
2 Tere. 8. arla Mag
23 Qoart.S. Apollnario
b. ni.
24 Qiiinl S. Christlna
2j Sext. ** S. Tiago
P
A0BIIMOIAJ.
JuisoriV Orphiioi
i. eS.it 10 huras.
I. rara do eitcl.
3. e 6. ao inelo-dla.
Faxenda.
3. e.it lo hora.
2* raro do cu el.
20 Sab. S. Synfronlo. 4. c sbados ao inclu-d.
27 Doiu. S. Aua MSI JMarae.
da Hai de Deoa. |Tercai e sab.do.
innriBU.
resecnte i 5, a 8 horai e 48 minuto da larde.
Chela a 13, as 4 horas e 54 minutos da nianhaa.
ingoanle 2i, ai 8 horai e 20 minutos da di.
Nora 28, aos 2l minutos da larde.
rarimn di uoje
Primelra a I hora e 18 mininos da tarde.
Segunda 1 hora e 41 minutos da inauba.
VABTIDAS B(M COBBBIOa.
e^Maklba segunda e
estas-
Golana
felras.
Rio-Crandc-do-Norle, toda as quinlas-feiras
ao mcio dia.
Garanhuns e Bonito, i 8 c 23.
Boa-Vista, c Flores, I3e28.
Victoria, as quintas-reirs.
01 Inda, todos os dlat.
NOTICIA! rSTItANGIinA*.
Portugal. 15 de Junhi
llespaoha II de Junhu
Franca ... 7 de Junho
Blgica... 3de Junho
flalTa.. .. 1 de Junho
Aleni.nl a. 4 ileJunhi,
Prussia... 4de Junho
Dinamarca 30 de Malo.
IRuasla... 10de Malo.
Turqua. 4 de Junho,
Austria.. 4de Junho
Suiasa .. 10 de Malo.
Suecla.....28 de Halo.
Inglaterra 7 de Junho
E.-Unidos. 24 de Malo.
Mlico... 3 dellalo.
California 15 de Abril.
Chlll.
Kuenos-Ayre.
Montevideo 29 de Junho
CAMBtOaDB 23 DB JBXMO.
Sobre Londres, a 27 Via 28 d. p. lfOOO rs.
Pars, 340 por fr. norafnal.
Lisboa, a 100
Ouro.-Oncashspanholas....S8i0O0 a 28/&00
Uoedas de GfiW velua. IfljTlOO a 16/200
de B|400 novas. 16/000 a 16/200
dr 4/000....... 8/000 a 9/100
Prata PaUcdes braallelro... 1/820 a 1/920
Pesos coliimnarlos... 1/920 a 1/920
luios mexicanos-----. 1/7(10 a 1/700
PARTE OFFICIAL.
tendel dirigi ao re durante a ceremonia da
Inauguraco, agora porm Ihe envo esse dla-
. curso todo lnleiro:~
^, ti Svaawr, oute annos sao ja passados acpou
C-OminandO daS artnaS. que nesie lugar ful laucada a primelra pedia
. .. j. .. de uid monumento cm memoria de rrederlco
Quartel do commando das trmas na MMW do n Pouco, a|ai depols que o rei Frederico
* t t -__1__________ ________^ AasSa n w% tn_
Ver/ir, 24 da juaAo de 1831.
0>DEx do Da i. (04.
Gei i Inerme III ordenou a ereccao deste monu-
mruto, seus licis vassallos tiveram que deplo-
rar a perda de lio po e bravo soberauo, o qual
O coronel comnjandaole das """"'Ira-: lluha participado fielmente com elles do pra-
blicar para que t*a o seu devldo <*'" lcr e 'dador. DA periodo de progresso paci-
avisoqise se segu, pedido pelo mlolster o f ,ulo.$e en lio para a naci at
da guerra na .data de \ d 'o I'10.'Il'uecben,0u obre a Europa esse anno de dls-
p-ar copla loe fol leansmillido pelo bsuv or. otdu e j|f|oes, esse anno que levou tam-
presidente da provincia oeni j borda de ahysino a minarchia fundada
Rio de Janelro.-MlnUerlo dos negocios da ,oder do, Hoheuiollernes, augmentada
guerra, em 3t de malo de 1851. ...... por aua sabedorla,e que toraou-M grande e
. lllm. e E.m. Sr. decreto de 2 de de- 'tmt ^aummia .enlimenlo lo de
cmnro de 1839, que eonBmWu a proposu do T. j_______,,.... A. .,,,,
corpo deartllharla acatado, promoveu a se-
cundo tenenu daquelle corpo o cadete Sebas-
tin Jos do Reg Barros, e o decreto de 22 de
lovcinbro de 1842 passou para a tencelra clas-
se o mesmo oflicial. Nao podendo, pois, Se-
bastiao Jos do Reg Brrelo aprescuur pa-
tente, nem consuodo que tenha procurado
nrovar identidade de pessoa, determina S.M.
o Imperador que V. Etc. Me mande suspender
o sold ate que seja liquidado este negocio.
. Dos guarde a V. xe. MtHotl Ftlitirie d>
Soasa < Millo. Sr. preaido sfce da provincia de
pernambuco.s
Jos Kira fr Amonas f ierra.
TRIBURTl'D t.ELAyJU?'
SESSA DE DE JULHO DE I85i
Preiidneim do *>. Sr. eonnlhelro A-vedo.
As 10 horas da tuanhaa, eslaudo preaenlcs os
srnborcs desembargadores Villares, bajos,
Leo, Souii. Rcbelo, Luna Freir, Pcrdira
Monlclro e Valle, faltoado com causa o Sr. dcs-
embargador Saptlago, o Sr. presidente declara
abcrla a sesslaf
JULOMt"T08. ,,,
Aograeo.
Aucravanle, Jos Antonio Bastos; aggravado.
Lula Jos Poudr Deram provtinento ao
sggravo.
Htbeei-eorpmi.
De Francisco Cavalcanli de Muquerqoe Llqs.
Foi denegado, atienta a.comlrcao do pa-
ciente,
Ktcurto crimt.
llicorrcntc, o julio; recorrido, Joaquin Tlreo-
doro de Vasconcellos Aragao.Jtlgaraiii Im-
procedente o recurso.
fftUeedet cieeU
Appellantc, Joaqulm Fcrreira; appellado, Joa-
qisisu Din Kernandes. -- Reformaran a sen-
teulenca, Jsatgando nao provados os embar-
goa de terceiru.
Appellantc, Joao Vleira da Cunha ; appellado,
FraucUco Jos da Costa. Julgarain nullo o
processo de II. 195 em diaule.
Appcltantet, o Eun. barao. de Suasiuns rua
mulher; appellado, Manuel Pires Ferr'ra
c outros. Coiilii niaram a scten(a.
Appcllaate, Tberea Goncalvcsde Jess *ievc-
do ; appellados, Joau Pedro Adour v C.
dem.
como pela Adalldade e perseveranca de um po-
ro bravo e industrioso ; norin se nosso rei e
soberano nicsmo nessa poca fatal lembrou-
do dever de gratidao que herdaram para
com seu grande aulepassado, se a dextra mao
do velho esculptor trabalhou na figura do
grande rei e na dos que fielmente o serviram,
auna nos das bons como nos maos, tambein
o velhn espirito prussiano, o espirito de Fre-
derico uo descanepu nos annos de calamida-
da em quanlo nao llvrou o pail dos. perigos
que corra. ralbo espirito prussiano he o
entntenlo com que Frederico II insplrou os
seus vassallos, comqueelcvou o reino a urna
existencia poltica indeaendente ntreos gran*
des calados da Europa ; o velho espirito prus-
iano he o scntiinanto de dedicacao, de inaba-
larel Hdrlidade do novo i sua easa veal heredi-
taria,; he,o praiercom que lodos os ioteresses s
fatem subordinados ao da aar.au ; he a coi.vic-
cao profunda de que a prosperidade e leilcr-
dade de seus cldadaos s podein llorescer
quando, como no lempo de Frederico II, prin-
cipe e o aovo inarcbareui cordtalfneota uni-
dos, orgulhosos de obedecer s lels, quando
avaue.irem com ordem, perseverante Industria,
c sabia frugalidade.
Este velhu espirito prussiano, o qualacha
sua mais vcrdadelra c mais vital expressao no
eiercilo, llvrou a nar.iu Ai oppressao de um
conquistador eslrangeiro, levou-a por estv-
eos nunca igualados a novo esplendor e (ama.
Contra este voibsa*ri4 militar tem-se que-
brado o escuro podartd* corrupcio, do egos-
mo c da trahicao. ,
Eiiiquaniu a bajaselra preta e branca tre-
niulaa'nos ares, a taciosa lembranca do rei
que por suas acqultifoea na guerra eporsuas
obras de \ em lodos os coracdeei e esle dia ser lolcntni-
sado na Prussia. coas uin dia de regoxi|o pu-
blico < de festa nacional.
Todas as partea do reino, todas ss elatses
da populacoi a ciria.de e o campo, a arte e a
scicncia, os ofiiclos e o commrrcio, todos cn-
viaram representantes a esta bella e magesto-
sa ceremonia, porque todos sabein o que a
Prussia, o que alies proprios devem ao -grande
ral. 0 ezcrcift est aqu representado em lo-
dosos seus gratos; o exercilo, cuja fidelidade
c obediencia ei'n u tempo de quasl univer-
sal oonfuso n' unca-aclllou 'im s momento
I appellado.
e eiu
velho
o euro
jooe,r"tf.'
Appcllaulc, Joo Antonio Soares da Abren ; ap-
pellado, Manuel Coocalves Valeulc. Julga-
i.iiii nullo todo'o processo.
Appellantc, Saluslianno Augusto Plmenta de
Souu Peres; appellado.Manucl Joaquin Ra-
mos e Silva. Foram recebidos os embargos.
Dia de appareoer em que sao:
Appellado, Joaquim da Silva alonrao ; appel-
lantc, Luis Jos de Brlto. Julgarainaap-
pcllaeo diteru c nao seguida.
Appcllada, Hara Catbarina de Sena; appcl-
lante, Joaqulm Jaclntbo Leal. dem.
DILIOEBCI1S.
Appellantc, Antonio Surges Leal e outros; ap-
pellado, liento Jos da Silva Hagalhaet.
Biloque, Icimlado brilhanlesprovas de
i som n4?va o- aniaa^So o velho espirito
,-..io gloridWrevV general nao est Inor-
lo; porm vivo e podiroso. Com orgulbosa sa-
tisfa[o os bonrados veteranos de rredcrleo
Magno vceincsle exercilo em roda da estatua
de seu temprc tiicinoravel e illoslrc principe c
coinmandanie.
Scahor, o monumento corerplclo do anle-
passadoreal de vossa mageslade ser um mc-
inodalvislvcl, gratidao do pov prussiano,
do mnn iieh.i que por um desempenho lele
loxansavcl dess real messao lornou-se um
exemplo para todas as idades. Este """'-
ment ser um advertencia nara lodos nos oe
como a Prussia lornou-se grande e de como
sua grandeza deve ser sustentada. Por tanto
peco humildemente vossa magestade digne-
peuaoo, nenio aose oa onva nbks111"'- r-v- -.- *--ri .~---
Mandaran com vista ao curador geftl. |aede ncrmillir que o v seja dMHM J
Appcllante, o julso ; appellada, Anna Maria servido entregar esta cstawa as gerajocs prc
Munli. Mandaran com visu ao Sr. des- sanes enturas. c,,,,,
embargador procurador da cura. | Quando o veo foi removido, o M( Ifallou a-
Appcllante, Jos Fraucisco Collares ; appella- quelles que o cercavam de perto com grnele
da, a faxenda. foram recebidos os a/ligos vivacidade de gestos e de expressao, porem
de babelitacao, oHkrecIdos pelo Sr. desem- as salvas da artilhana e. as voxes da mu id.io
bargador procurador da coroa
sull'ocarain suas palavrs, c mesmo as pessoas
que mais prximas Ihe Rearas M Imperfeila-
nuiaaa'Mu que mais prximas me ncaiam au nn|.ii.~-
t Jo.d.Si.va; .ppellado, SkffVBATBXVUTt
Appellante
appellad.
Appcllante.
Jos Gomes Moreira.
mvisOes.
Passou do Sr. desembargador Villares ao Sr.
ipalid
guinlc -.'-
Do intimo Ao meu coracao congratulo-me
.._, os representantes da cidade de tlerlnn pe-
la addkaodcstc novo e bello o menlo a ca-
eiii,|uc.au. ,_..*. nital Nesta occaslao occorre-mc o coslumc
Appcllante, Doiniclano Irancisco Jos ; appel- i nh,m 0, anl|gos de distinguir por algn
lado, ojuijo. ?igal ou inonuineolo todo o lugar no qual
Passaran do Sr. desembargador fouia ao Sr. *ecla,lllenle proiperavam. Esta estatua sera
dcscmnajgador Rebello as segulules apiiella- 'a 0 futuro u, ,|gnal desU naturexa ; po-
rm senhores, seja ella tambera, alguna cousa
desembargador Bulos a'seguinte appcllacao cl
cm que sao :
coca en que sao:
Ajipcllanie, ojuizo ; appcllada; Joaqun Dantas
de Ollveira.
Appellanles, Antonio Pires Fcrreira c outros;
appellados,Luis Pires Fcrreira.
Appcllante, Jos da Fonscca Barbosa; ippcl-
lados, Joa Gregorio da Silva e outros.
Appellanles, Amaro Goncalves dos Santos c
outro; appellados, Marcelllno Antonio Pa-
ris e outro.
tais (levantando a voi). bupplica ardentc-
incnle a Dos qu*ella possa tornar-se um em-
blema de reconclao para todos, e de con-
verso para multas
A' esta falla o bargomeslre, o Sr. Kransnick,
rcspoodcu da mancira srgulnle :
. Em o nomc da cidade de Pcrlim agradee
rctpeitosamenlc vossa mageslade pelo novo
ornamento eme se dlgnou conceder-lhe con a
Appellantc,Geialdo Amarante dos Santos; ap- e o dc[e monumeno. (luso assegurara
pellado, Domingos Alfonso Hery rcrrelra, lliae5Udc ,.ue geracao presente acha-
niior do orphao iilbu do finado lenlo Jos rj. nc|u ^uina n0^ i,?(gacao para ajudar a
Alves. honrare amar esse nome que uossos grandes
Passaram do mcsaio Sr. ao Sr. desembarga- 0 eni COInearam a estabeleccr, ha 400 an-
ir Villares a segulnlc appcllacao cm que sao: nQf rim Unlbem asseguro ao mesmo teiu-
[pcllante, os herdeiros de Joaqulm Antonio J0jsa mB(,csUC ,,ueo amor casa real
Appeiianie, os neroeiros uc -" 7"'""" po vossa mageslade q
de Amorim e outros; appellados, Claudio ^Soh(, ,ncnor presentemente do que no lempo
Pereira da Cusa s aua mulher. e||| (ul |a(l.,d fundamento da gloria
Appcllante, Francisco Vas da Silva; appellado, da tfruue, e posso tambein assegurar que es-
Jus Joaquin Correa da Lu. u amor ao rei e ao paii ir sempre crci-
Pasuram do Sr. desembargador Rebello ao ce(jdo m
Sr. desembargador Luna Freir as srguinles f Q re
appellaces em que sao : milla
Appcllante, o julio; appellado, Joao Francisco
Breja Grande.
toridade legal e normal da igreja c deve ser se-
guida de rxi'iiniuiiho.
9 Aboiicao dos ttulos do Clero dados pelo
esudo.
10. Os bispos devero ter a confirmado de
(odas as nomea(des dos mestres de rcligiao no
K) ininsiu e as universidades,
11. Aboiicao do assenumenlo do estado a
publicacio das bullas papes, lellras e allocu-
9es pastoraes eplscopaes dirigidas ao clero.
i i. Dlreito dos bispos darein licenca para se
l'a/.ci em mlssdes populares e cxcrclcios reli-
giosas pela parte do clero.
i3. Pcrmisso de formar associacoes esplri-
tuaes de homens e mulheres para oracao, con-
(eniplacan e obediencia cega.
14. Reslilulc.lo aos bispos do poder de punir
membros da Igreja que desprenin seus regu-
lamentos.
15. I.lvrc comiiiunicarao dos bispos com
Roma. .
16. Aboiicao do dircilo do poder temporal
inlervlr as nomeefdes para os lugares vagos
nos captulos cathedraes.
17. Independencia do clero na direceao da
propriedade de (oda a igrejt calhoiica e das
reodas de dol.
O memorial he asslgnado pelo aroebispo de
Fruburgo, pelo !ispo 3c Fulda, pelo blspo de
Roticmburgo, pel blspo de tlmburgoc pelo
bispode Moguncia.
________ (Idtm. )
PERMAWBUCO
JUAY DO RECIPE.
2.'SEsSaO ORDINARIA, EM 22 DE JULHO
DE 1851.
Pniidtncie. do Sr. Dr. Neivai.
Promotor iiiien'HO, o Sr. Souta Garca,
i'serirtlo, o Sr. Aprlglo.
, Adwijtul, o Sr. l)r. Xavier Lopes.
A'sll horas da maullas feila a chamada,
acham-se presentes 40 Srs. jurados.
0 Sr. /'rssiiiYiiie: -- Abre a aessao, multando
aos senhores que deixaram de comparecer sem
escusa legal.
Procede-se ao sorleio do conselho que tem
de julgar ao reo Manocl los, acensado pelo
eriiuc de ferimenlos ; sahindo sorteados os se-
Sllores: Coriolano Silverio do Ainaral, Antonio
iP. Fernaudes Eiras, Jos Egidlo Ferreira, M.
Jos Pereira de Mello, Jos Francisco Mariuho,
Joio Augusto llenrlques da Silva, Autouio
Francisco Xavier, Antonio Egidio di Silva,
Antonio Goncalves de Moraes,Tbeodoro de Al-
enla Cosa, Joao Antonio da Silva riCllu
Jos Francisco do llego barros
Prestado o juramculu do esivlu,
O .Sr. /'rriii/mle : fu ao ra>o seguate
INTERROGATORIO.
lbil -- Como se chaina r- ,
Rio : Manoel /os,
Juis : Sabe porque foi prucessado ?
Rio ; -- Foi por causa de uina balsa que teve
conmigo um marinheiro.
/tfiz : Como se chatuava esse boiuc.m ?
Reo ; "Chamava-se Anloni.
Juis : -- Antonio de que .'
. Rio : >t Nao sal -li/.er, nlc* il^sUi comumigo
do Rio de Janeiro.
Juis : O senhur porque o ferio ?
Reo : Eu nao o feri, senhor.
Juis: E sabe se elle fui ferido por algucm?
Reo ; Naoscnbor, nos ia-mos para bordo
elle me deu uina bofetada, e eu cahi mas nao
o feri. ,
J ni i : Entilo nao sabe quem o ferio /
leo : Nao, senhor.
Jai: ; O Sr. vio esse lioincm depois do ba-
rulho que teve con elle ?
Rio : Elle fol que leve o barulho conmi-
go, senhor*
Juis : Sabe escrever ?
Reo : Nio, senhor.
I.eeui-.sc as pecas ilu prOCCSSO, ilonile Je v
que oreo hlndo em um bolo para bordo do na-
vio onde leili illi iv i. com um seu ooinpauhci-
ro de notue Antonio, da Costa, Iravava-sc de
raides com cllc.c'di este que o reo Ihe correr
urna-estocada comapropria faca do Irabalbo,
apresentando pepois uina-desistcncla da aefao
c perdoando ao oHensor por nao se jolgar fe-
rido.
' \ i alai s alIcgacOcs pro c contra, o reo
0 Sr. Presidente i Faso rclatorlo da causa
e entrega ao conselho os segulules
m QUESITOS.
i. Oreo Man .el Jos, pralicou o ^facto de
que he aecusado, de haverfelto oll'encas phy-
sicas na pessoa de Amonio da CoaU ?
2. O reo praticou a noile o facto de que he
aecusado ? '
3. Uouvc da parte do reo supcriorldadc cm
armas, de maneira qne o olFenaido naopudcs-
se defender-se com prababllidadc de repcllir a
Ollein, I ?
4. O jury reconhece que orco pralicon esse
facto em defesa da propria pessoa !
5.-Houve ccrlcia do mal, que o reo se propoi
eviUr t
G. Ilouve falta-absoila de outro nielo menos
prejudicial ?
7. Nao houvc da parle doreoprovocacaoque
uccasionasse o tontucio ?
8. Nao houve da parte do reo delicio que oc-
casionasse o conflicto?
9. Exlslem circunstancia allenuantcs a la-
vor do reo ?
O jury respondeu: ao prliuclro quesito ti,
por votse ni, por ti votos ; os segundo c
lercelro no, por unanimidaile ; ao quarto nao,
por 8 volse ao quiuto nn'o por II votos; ao
sexto no'o, por 8 votos : aos stimo, oilavo no-
no nao, por unaninidade.
0 Sr. Pi elide me : -- Conformando-se com a
deciso do jury, absolve o reo.
ma-se *orie que sob este Ululo"corretn. esses gneros de dlfamacoes em que sao fer- teria, de cahir em um eterno esqurcisnenlo,
ue nos lamo mala, quanto so reconhece que I tillssimos os afocs, o Eccaos, a> lmprenets, to se o Sr. Dr. Zacaras, do alto da tribuoa, nao
esse inflii peridico desde ahora uiinguada, I oVmoquc os invcnlou Recife 16 de julho de liiesse retumbar c nesta academia um Ma-
m que o inferno o vomitara, tem servido 1851. loa-jaia Pialo d Caasaor. pontador alerU,= procurare! contar oque
apenas de nalibulo .iRroutoso das mais solidas P. S. No numero seguinle da Unllo serao coiao se passou.
Kpulacdcs. sean o mnimo decoro ao mrito publicados o parecer da congregacao do lyceu, O incu arguente e mullo particular amigo,
mais conspicuo, e a vlrtude menos suspeita o odelo do respectivo director a presidencia, lanocl de Atbuquerque Machado, fez suas
Enaverdade anda um s dia nao ralou cm bem como a cerlidao do numero de alumnos oujeefocs a doutrina lo compendio sobre a
que o fel da callunmla mais airot dcixassede nue oanno passado teve a aula de lilosoplna dlviao do tiabalho, objecto da sabbalina, e
ciroular as paginas desse papel, que, na frase do mesmo lyceu. => Piulo de Uaasaai, (ae(dnleiml allirmnu que a humanidade
apottoli Sant-Ago, se tem convertido em DOCUMENTOS. | muito havia ganho com a Invencao das macbl-
thronoda Iniquldade, em assenlo da mentira, N. I. = Em cuinpriinento ao despachou do naa, que vinuain resolver urna grande parte
coa mais funesta tiooriui de todas as calaini- lllm. eEtn. Sr. presidente da provincia, cer- das dltnculdades com que iuUva. locan-
a (lo-nie enlao a palavra para respondcr-lhe,
procurci moificar a forea de sua arguinen-
11, al, e taasbem pOr sneieV-ala disse-lbc que
me reserrava para, en occasio opporluoa,
expender minhas ideias sobre a questlo das
7mm disiricot'i'te poden "ciaanarar, na visos'prestados a causa da legalldae a da or- machinas; aveasaraodo, com tudo, esta pro-
ncuaeein do nrufeta rei, esses inouldes de dem pelo padre Joaquim Piuio.de Campos, posicao s uacblnas coma actual organisafao
sao um pliautasma Industrial >. Convencido,
porm, que o Sr. Dr. Zacaras lera a bondae
de deixar-me as minhas ideias por mais ab-
surdas que sejam;' proseguirci na narraco do
occorridu. Ao depois de baver eu acabado
de fallar, dignou-sc o lllm. Sr. Dr. Autran,
lente da cadeira, dlrigir-me patarras de be-,
ncvolcncia, dando ao mesmo lempo questao
da sabbatiua esse brillianie desenvolvimeuto
capaza lingua do calumolador ? Oh 1 ,mais em sua pellelo, do Iheor seguinle.
aguda1 do que a espada de Damocles, mais Tenho prsenle o olllclo que Vine, dlrgio-
aliada do que o o dente do reptil que inorde me com dala de 4 do crreme, e em respusla
na* trevas, e sementantes ancuas nllamadas, =uloP^0""}ej,lier"ln'j.,11,^1^fo,m*0JI,.*ff"
os
linguage...
cadveres iinuiolidos. durante a noulc, polo ; que se oilereceo gcoerosainenle para acom-
ferro cxtermluador do anJaBM balallias '. panhar as forcas sob seu colimando, c dando
Sen cadtetra marluortlm fiwV'dliTcrenca, o devido apreco, nao deixarcl de os aicr chc-
porn, de que all pereca a .ida de uia cor- gar opporlunamente ao conheclmento do go-
po fragil.c mlseravel; e aqui ( as columnas da t verno imperial, esperando enlretanlo, que o
Impreiua papel) perecea honra, islo he, a mesmo padre, continu no louvavel c patrio-
iii.is bella porcao da exUlencla do homcn, llco emaenho, que ha tomado, de contribuir
ajsia uiaispreciosaquc hrilha no grande ancl para apacihcacao dcsia parle da provincia
ltou durante a revolla que felizmente acaba de coberlo essa miseravel calumnia
das einboscaJas, donde inc dardejam as |er suttecada. V. Rvin. para restituir a paz a
respondeu : Auim Dos o per-
( Correspondencia do Times.)
Appellante, a mesa regedora da orden tereci-
ra de San Francisco;appellado, Manoel Fran-
cisco Cuimbra.
Francfort lobre o Jfmo, J4 de mni'o efe 1851.
Os bispos das provincias calhollcas do Alio
Appcllante, Roinao de Souza Lisboa; appella- Ogos" d t d coocessOes felUs de-
do, o curador da heranc. de Josc Antonio Abone, a ^^ .
de Mor.es, o curador ger.le o Sr. desem- pode a 9 coluo 0 conir.lo cl-
b.rgador procurador da co.a. t" do ,ntrimonio, etc.
Diiraiaoicou. JLIvre ejercicio do poder dos bispos em
Ao Sr. desembrgdor Luna Freir ose- ,ua, re,pecilvas dioceses para conceder benc-
ilnte recurso em nue sao: fieios esniriluaes.
eccorrente, Jos Soarcs de Oliveira Culma- 3 |_ln'ata0 do dirclto do padroado nos be-
gulute
Rcccorrente, .
raes; recorrido, Jos Amonio Vleira.
ao Sr apsenbargador Valle a seguinle ap-
pellacAo em que sao :
Appdlsnte, Jos Manoel Pereira de Mcndanba ;
4. Pcrmisso ao bispos para examiuarem c
luinieiii canenicamcnic seus subordinados.
5 Aboiicao do exame pelo raudo dos candi
appellado, Joaquim Ferreira. ___dalos ao aacerdoclo. .
Levantou-ie a sessao as duas horas e niela g Abolicaoui assenlimento do estado a no-
^^i"1. -------meciaparaos beneficios vsgos.
'BasBssJimsBWBV^^ 7.'Aboiicao do actual dircito de appcllacao
das sentenjas do tribunal ecclesiaslico em ca-
aos crlmioaes pra o governoclvel ; essas sen-
Jlmo dos premios maiorrs i* loto i* de Nona
Senhor do Lioramento, lrahida cm 23 do eor-
rmte mes.
N. 282.........
513
1596
84l
939
1493
181
278
. 501
500
857
1560
83
687
937
9j5
n-'ii
1067
1113
1572
3:000/000
1.500/000
;">00|000
200/UOO
2(10/ li'O
100JWO
IOO#000
100/000
100/DoO
100/000
100/OiK)
100/000
50/000
50/000
50/000
50/1)00
50/000
50/000
50/000
50/000
da cad4i dos entes
E ser por ventura o amor da justiea, e o
respeito para cmn amoral publica, que agi-
tam, emovem a penna dos meua calumniado-
re a divulgar defeitos verdadeiros,' ou supos-
tos ? Nao o ressenlimento mal negro, a vin-
ganea mais vil, eo mais depravado gosto de
maldizcr, taes sao os motivos por sen duvida
ignolaeis que produzem esse furor hydrofobico
com que tenho sido scuipre invectivado por
esses homens que,.a saberciu avallar a Im-
portancia moral das successlvaa'derrotas'que
Ibes lui dado, ja nas disemines da linprcnsa,
e j nas lucias por elles provocadas contra a
Inviolabilidade do noaso pacto social, c polti-
co, i' 1 i un milito nc delxado de mo! Mas
que o iminlgo lraii;oeiro no se d nunca por
vencido ; porque a seus recursos sao os do
rabe do deserto, 11 da sc'pente que fere, c
mette-se no enredado das hervas !
To mu deste lidar insano, ou deste com-
bate desigual, urna so couza rila-iura pacien-
cia, e be que esses artfices du embuste, sahin-
do das eml
sellas, se nao aprescnlem sem rebuco perante
os tribunaes, para me convenceren! desses
cTlmes, do que cruelmente me mu-1 > e
dcsfarlc prescindlrem da manlra desleal, e
indecorosa, porque lein procedido, atirando o
meu nomc no lucio das multldocs ladeado de
epinicios, e de tabeo lo infamantes que, mal
dabendo quema* invena, nao quadrSo ja-
mis quem se arle dirigcm ; c a prova he
que apenas chano rcspomabidade os seus
autores, eil-os que desapparecem no Iolrica-
do dos bastidores, entregando, como refens,
ao rigor da jusliea algum ou outro desgravado,
que seria desdouro para inini acreditar a un -
nha Turca na sua impotencia, c fraquezal
Toda esta cidade anda se records com hor-
ror do nodo inaudito, eslrondoso porque cm
das do anno passado fui aecusado por lodos
esses prraofroi da desorden! de haver manda*
do'ussassinar um Cordeiro, e lodas os Cordctts
de liorna. O qual fui o doledlo deasa vergo-
nosa crusada.' Foi reconhecer-se geialen-
le que tudo isso nao passou do trama mais
borrvei, c mais eminentemente escandaloso
Sucse tem urdido nas officlnas da immorali-
ade I.... Sempre me recordarci derlas pala-
vrs que nessa poclia me diriga o ex presi-
dente : SraAor Campoi, toffra com reiignacio,
7e o te triumphe ur complclo.t ituvitaocl o dci-
credito de seus oiulinidos aj/reno .
Ora, como he que a vista de precedentes
taes os ciriidorci. da Imprima ( papel ) anda,
provocan discuitde couiigo, eu, que os tenho,
deixado sempre involtos no ludibrio, e no vi-
lipendio ? 1 He a. coragein do gigante que,
ferido de sella pelo dbil pastor nos vales de
Tbcrlbusto, innania-se em ciforcos luuteis pa-
ra devoral-o I Iinaginarao -esses Camarads
que eu snccumbirei sob a uuvcm de declma-
teles sesquipedacs, de que vieran) pejadas as
columnas damtv/amafm^rensadc lldocorrenlc?
Pois lie ire aniquilado aulc o bom senso do
meu paiz Oh que os rapazes mellcraui lan-
ja no solo d'frica Estou perdido os io6-
l ra/gu nr6ilros da soeledade decidirn! do alio
Me seu lUrono de eawirus que cu nem sel rhe-
torica, c nem tenho moralldade pelo fado de
1 nao ter discpulos I E esta .' Achain bom islo ?
Ora, vlnde ca, rapases: = vos sabis rheiorl-
ca ? Nao; porque quema sabe nao diz, c
nem escreve o que vos dlzcit, e escreveis nos
vossos cotiaeos. Tendes uiorahdadc ? Tam-
bein nao 1 porque quem a tem nao blasfema,
como vos, dos evangelhos de paz, consagrado
pela religlo christaa. c nem prega a desobe-
diencia um principe magnnimo que, sendo
o principal ofiendido por vos, he o prlmciu a
exercercomvosco o seu uialsnobrc latlributo,
oda clelnencia, esse de que voso preleodcis
despojar Em que consiste pois a vossa ino-
ralidade .' Em cubrir de Injurias, de calumnias,
e de qualificacoes grosseiras os vossos seme-
ntantes ? Em dismuralisar a authoridade pu-
blica; tornando-a odiosa ao povo, por mcio de
falsas explcateles da actos os mais justos ? Oh '
cssa inoralidadc he a de Mafuma, uu dos que
scguem a sua crensa de ferro, c logo !
Dizcl-mc mais, homem dos mcus p'cccados:
que culpa tiveeuuc qne ninguciii precisasse
de rbelorica este anno ? Nao esteve a berta
a matricula do lyceo, c nao se achava regendo
a cadeira o respectivo substituto ? (}uc culpa
leve o professor de ftlosoplila do mesmo lyceu,
vusso destnelo aleado, de que a auno passaJo
someote se matriculassc um indieidilo em sua
aula .' Que dilierenc.a vai de um a nemhum r
Sciia taubcm por ignorancia, e iiniiiorallda-
de ? Efs a qui a concluso que espero que
chegucis, ou euuio que confesseis que fostes
manlfesiamenle injustos cm arguir-mc de fal-
las, em que tainbcm incorreo em vosso amigo,
a quem alias nao farei cargo deltas : portamo
eiijo da vossa honra ou que retiris as vossas
cipresses proferidas em meu desabono, o
que declaris que o professor de fllosophia so
teve um discpulo, porque a moral das fami-
lias o repelle, por sua ignorancia, c por maos
coslume.
No cntanlo conlentar-me-hei por boje de
slibinetter aojuizo publico sensato os docu-
mentos que se segucm; de uns se conhecerao
as causas mais 011 meuos provaveis da falta de
concorrencla dealumnos de rbetorlca; e de ou-
tros se conhecerao lamben quaes os motivos,
porque sou acusado de immoratidade, liiiiuora-
lidade,que je traduz pela minha sincera dedi-
cacao causa do meu paiz, epela parte que lo-
meicoiii ogovernu na czlirpac.io da guerra ci-
vil, en cujos hrridos conflictos nunca me cs-
queclde que era padre, e de que era homem,
cm cujaalma esiaoarralgadosos sentlmentos da
divindade, sentimenlo, que inuius vezes fo-
cxercldos cm favor de mullos infelizes
usando dos uicios proprios do seu minisleriOt
para esclarecer e chamar coaicordia os illu- ) que, com sua illuilracao lio justamente aprc-
didos, que actualmente servein causa Ja re- goada, sabe dar a tocias as materias que cx-
volta. O que Vine. Ihe i'ar. constar, trans- plica. Vindo ento o bedel dar parle de Iia-
miltindo-lhe igualmente, em meu nomc, os ver locado a hora, levaotou-se o filustre lente,
louvores, de que se faz digno por taes servieos. c com elle todos os estudsules do anno, e
Dos Guarde V. Me. Palacio do governo de cspcoladores na inelbor ordem ; e ao sabir
Pernambuco, 9 de dezcinbro de 1818.-3 /sreu* ( d'aula anda leve o mesmo Sr. Dr. a gencrosi-
iano Ferreira Peana. | dade de dizer a u versos esludautes que havia
Sr. inajor Ignacio de Siquelra Lcao Mira goitado da sabbalina, ciraaautaocia que su
Cruz, cumuiau Jan le das forf as do Rio Fur- lenbro para, fazer bem saBsivel a moderaco
nozo. erctpeitosa alteoco que soube guardar na
Nada mais se coulinlia em dito ofiieio, o qual discusso.
vai fielmente copiado, e para que assim ocons-' Nao me limito, porm, minha simples al-
ie, passe a presente cerinli 1, n'esta secretaria linnac.il, seria exagerada prclencio, seria si-
do governo da provincia de Pernambuco, aos dlcula velleldade: abaixo vero os leitorc-,
30 das do mes de abril do anno de 1851, trl- una caria do Sr. Dr. Autran em resposla a
cesiino da independencia e do imperio. O of- outra minha, de 18 do correle, em que por
acial archivista. loio Vtllenlim Piura. | amor jusliea restabelece a verdade deslc
Preceden rcqneriincnto e despacho. I facto lo despcjadaiuente alterado, e um pro-
N. 2. flgm. Sr^- Cumpre-me agradecer a testo da maioria doquinto anno que aompro-
V. Rvm. os inuilose valiosos servieos que pres- ( va a veracidade do que expend, pondo a des-
a per*
mter
Saiba, pois, quem me ciluuiniou que
sua prorincia nao poupou esforcos; nao re-. versidade e a mentira podein ter seu
cuou diante dos perigos a' que se achou ex- regno porm cedo ou larde essas malignas
posto. Com 'a palavra c com a sua propria j potencias agouisanlcs em seu leito mortuarin
pessoa trabalhou allincadamenie para defen-iiero de ceder indeclinavel ouiolpotcncia
der a causa da ordem e da mortaxchia cuusli- da jusliea c da verdade. Agora que esmaguei
luciooal e_ leve a fortuna de ver coroados do ra hydra que algum amavel amigo arremessou
inelhor resultado todos estes actos de dedica- J obre minha repulacao, um ducidm comobc-
co. I nclico intento de proporciqnar-me sensacr.es
Haja por Vt Rvm. de acceda* os louvores novas c fortes, pcrmilla-mc oSr, Dr. Zacaras
que mcrcccu, eosagradecimentos quclheao una pergunfa. .. como he que S. Exc.
elevados por lo digno comportamenlo.
Dos guarde a \ Rvm. palacio do governo
de Pernambuco H> de maiudc 1849.Manoel
ritirt Tosa.
de Campos.
tendo outros dados, alcm de urna carta, for-
mula uina gravissima aecusaco, e arroja-a
aobre um estudadtc, a quem 8. Exc. devia
dar o exemplo da rellcxo e prudencia? I Nao
lie islo uina Icviandadc impropria de um lio
llvin. Sr. padre Joaqun Pinto N. 3 Acceiundo o oficrcciincnlo que Vin. men cininenle, de uin rcpresenlantc do paiz ?
me fez de prestar seus servieos na comarca do gero convir que S Etc. lizesse uso dessa
Brejo, aflu de concorrer ali, como lem feilo
cm outros lugares para o rcstabeleclincuio da
ordem, c da tranquilidade, e subinisso de al-
guna disertos que a leu alterado | tenho nu-
incado a V111. delegado da referida comarca, c
Ihe ordeno que reunindo-sc a columna que
mandei organisar na comarca do Bonito, pelo
comiiuiidantc das armas, a fin de marchar
para a dita comarca do llrcjo, siga para ella;
cali trate de sua pacificaco, seja lancavido
in.10 da dita forca, e fazendo-a operar contra
os rebelde seguudo exigirem as circumsian-
cias, eja emprc^andu a persuaso ; diveudo
em todo caso fazer prender os criminosos,
principalmente os reos de assassinatos e mu -
bos, e os principaes futores da roubo de ar-
mas e soltura de presos praticados na dita co-
marca do Krej contra a escolla de policia que
vlnha da comarca de Flores para esta capital
Outro sin', dever Viu. fa/.er proceder a rc-
crutaiiiento como mcio de policia, nao deven-
do com ludo nina ir os homens casados, nem
mesmo os solteiros que forcm laboriosos, e
pacficos. Dever Vm. Igualinciile informar
sobre, as autoridades policiacs de toda a co-
marca, deelaraudo aquellas que bem cum-
prcm os seus deveres, e aquellas que sao ne-
gligentes, c apontar pessoas idneas que as
devam subslituir.
Como Vm nao tem da permanecer na co-
marca, e s he chamado a un servico extraor-
dinario (iill i cunprir que lugo que julguc
a mesma comarca pacificada, c que a sua pre-
senta se possa-despensar.* que me enforme de
pessoa iduneas queposso servir satisfacto-
riamente o emprego de delegado, e de quem
se deva esperar um procediinento regular e
adequado a manulenco da ordem, da paz, e
iranquilidade da mesipa comarca.
Dos guarde a Vm. palacio do governo de
Pernambuco, cm 27 de feverero de 1850.Ho-
norio Uermeto Carnsiro Leo.
Senhor padre Joaqulm Pinto de Campos.
O. 4. lllm. e Rvm. Sr. Joaauim Pinlo de
Campos, sa A preciando os servieos, que 'V. S.
lem prestado nessa comarca, a bem da Ira.
.quilidade e ordem publica, cjulgando conve-
niente a coniinuaco dos mesmus por mais al-
gum tempo, lomci a deliberaco de conceder-
lhe lees mezes de licenca com o respectivo or-
danado para que possa V, S. abi rezidir sem
quebra dos seus inlcrcsscs, c espero que V. S.
de boa vontade amina islo, com o que pres-
tar um servico ao paiz, e inini particular
favor.
Sou con toda considerarlo de V S. ltenlo
venerador e arlado, Jos tldefmu de Sema
Ramos.
Rccifc28 deinaiodc 18SI
Srr. Reiaclres. -Leudo no uppleiuciilo do
Jornal do Commercio n. I7l o discurso que,
por occasio da reforma dos estatutos das aca-
demias de dreito, pronunclou na cmara dos
Srs. deputados, na sessao de 2o de junho des-
te anno, o Sr. Dr. Zacaras de Gocs e Vascon-
cellos,. en resposla ao Sr. Dr. Bandeira de Mel-
lo, depare com este trecho E nao ba mullo
live uuia carta de uin amigo cm que me diz
que'um estudame ( parece rae que patricio
e prente do nobre depulado] sahindo el: le-
denle em uina sabbalina, porque o arguente
Ihe lisessc nerguntas sobre machinas, respon-
deo-llie nu ne falle cm machinas, esse pliau-
tasma da humanldade^ficou o arguente estu-
pefacto com tan estranha resposta; e toman-
do o lente a palavra como vlesse, no decurso
de seus racciocinios, a locar em machinas,
disse o defendente j que V. S. insiste em
fallar em machinas rellro-ine; e lomou o seu
chapeo e retirau-se, sem que al a dita carta
bouresse providencias a respeito. E como
seja eu o nico esludaote do quinto anno,
prenle do Sr. Bandeira de Mello, nao pude
EXTERIOR
! '" lene! serao Inmediatamente postas ein exc-
A1NDA A INAUGURACO DA ESTATUA Dfc CU-0, de|ls da simple, piova dada do crine .
FREDKRli.0 SJAGrtO. quando MtJB'itarem prlvacio de um benen-,
Ihe m curato do ilwurso que o Sr. de Maa- deve er oansiue.au
II FfilVEL
Cor respond: lirias.
Conscienlia ncrcitaria itl tib,
fama prximo tuo.
(S. Anosnano.)
Se eu nao livease sempre dianle dos ollms
esta sublime mxima do inmortal bispo de
lllpoua ; se nao reconheccssc com esse
grave doulor da igreja que duas cousas sao
necessarias ,10 homem para ser lella acona-
ciencia, e a boa faina, por cerlo nao volta-
ria face ao rumor descnfrelado, e estpido
que, de quando em quando, alevanla contra
mliu eise folicolario, que por nlhlfrtse cha-
laill eicriauui i ni mu iiiiin.'j mhmhi j..v w w.. .-.>> m^ ,,,. ,,.., ..,,.. ,.,...-
que, apandados vivos no campo da balalha, | deixar de tomar, como relia a inim, esta Im-
cran por inin abracados, e livres das eren-. pulaeao de Insubordimeo, que o Sr. Dr 7.a-
tualidadc Inherentes taes circunstancias, 'carias cilou para syinbolisar a relaxaco da
c se jnc provocarcm cu os indigilarcl..., eclles ] academia dcOlinda: enlendendo ser do meu
me nao desminliro! dever dar soleinue desmentido a esse despre-
O publico pois que avalle tac documentos, sivcl calumniador, e informante do Sr. Dr.
e os mcus adversarios que leidm bem o ultimo Zacaras, quem quer que seijja, aqun a mo
- r c,i.e.au
nao treineu ao escrever
alosa ment*
desse documentos, sel lado pelo punbo de pe
oa uo auspetla, e que antes de me conhecer ra, a quem nenhum sentlinedlo geucroso fez
noeipa-me que conlinuasse na delegencia do recusr ante o sacrificio da ranutacao de um
reioupa-me que, conlinuasse na deleg
termo do Orejo, onde a cootinuaco dos meus
tt servieos era reclamada pelo bem do paiz,
c considerada como particular favor quem
in'o pedia 1
Venhain em resposla ludo islo as descoin-
re-putac
mancebo de 21 annos, que da ceno oenliun
nal Ibc fex!... Dando, pois, trato me-
moria para recordar o occorrido na nica sab-
balina de ecconomla poltica, para que fui
sorteado, o que leve lugar em 12 de abril, e
posturas, as Injurias, os Improperios, e todo que como todo os aconteciinentos ordinarias
MUTILADO
4>itminondica nolicla ; mas nao exigiran. re-
gras da dclicadcia c cavalheirisino que pou-
|>assc ao Sr. Bandeira de M.-u arergonha de
er ftprucutado ao \< w. como prenle de um
estudame lusubordinado? O Sr. Dr. Zaca-
ras quera, porm fiuclmar maii urna escorva
nessa lula, em que uina cmara solidariamen-
te indignada cooCra as lujuriosas rerelafc*
de S. bxc. a respeiio dos seuai collegas da
academia, o lem leito perder o equilibrio ...
Sim: S. Exc. que tem levado a bigorna, pau-
sado ao ccpHho os proprios collegas. ao ver
sumirem-se-iTic as Torcas nessa obra de sua
cIcvj(,jj .i cusa do rcslo dos hoiacns. nao
poda deixar de abarcar cm suas exploses
vt-suvian&s um pobre esludanle. he ao
menos mais urna victmale*..
..iniini, respeilo no Sr. Dr. <.acarias suas
Jualidades de representante da tiafo, e lente
esta academia que elle tanto tem deprecia-
do i nao quero, pois, aventurar mais nada
sobre seu procedmeuto. O artefacto da ca-
lumnia dcsabou ao choque da verdade mi-
nha reputacao de estndanlc e bomcn mesmo
desconbccido resiste nos baluartes da Justina
ao vendaval que Ibc soprou uin miseravel ca-
lumniador. 11 o que me basta. Quanto a
S. Exc o paix ojulgar.....
un, inin, Srs, Redactores, inserir em seu
jorual estas lindas c documentos de
Seu assfgnante.
Jeronymi' Macario t'igutirtt de Mello.
Ni ahaiinassignados, estudantcs do quinto
anno da academia de Olinda, tendo lido no J.-.
nal do Commercio de 23 de junho proiimo pas-
sado, ciiiuui discurso do Kxiii. Sr. Dr. /adia-
rlas esse trechoE nao ha multo lempo tive
carta de um amigo dzcodo-me quemn.cslu-
danle f creio que lie patricio e prente do no<
bre deputado) sahindo derendeute cm urna
sabatina, porque oargueute Ihe (esse alguma
prrgunta sobre machinaa, rcspondeu-lhc Nao
me falle ness; iragcllo da humanldadc. |r'i-
cou o arguente estupefacto com tao estranha
resposta, c, tomando o lente a pal%ra, como
vlesse no decurso de seus racciocinios a locar
cm machinas, disse o defendente : a J que V.
S. Insiste em fallar dr '-->......- relfro-me. <
E toinou o seu chapeo, e rclirou-se sem que
at adata da carta tivi'sae havido providencia
alguma, o qual claramente se refere ao nos-
so collega, e condiscpulo Jeronymo Macario
Figucira de Mello, enfeudemos dever protes-
tar contra o contedo ncJIe, levando ao conhe-
cimento do rcspcii.i vcl publico todo o occorri-
do na nica sabbalina de Economa Poltica
para que ful sorteado o Sr. Macario.
Tratava-se da diviso dn trabalbo, e o' Sr.
Macario eipcndcu sobre esse objecto suas ideas
como grande talento c facilldadc de expressao,
que todos llic rcconheccmos e applaudiinos.
l'ioseguiodo em sua argiimentacao dtise, em
resposta a um argumento ineideute do arguen-
te, nosso digno collega Manocl de Albuquerquc
MachadoPeco ao meu nobre amigo que nao
anticipe a questao das machinas; ella vira por
son vete entSo veremos em que se deve as-
sentar a respeito desse agente da riqueza hu-
mana : certo porm de que as machinas, como
existen, actualmente, so um phanlasma in-
dustrial ; e reatou sua arguiuentacao sobre a
diviso do trabalbo.
O nosso illustrc lente o Sr. Dr. Aufr.io, lo-
mando ento a palavra, e depois de ter dirigi-
do ao Sr. Macario expresares em que se nioalra-
va satisfeito do desenvolvlmento dado ques-
tao, fez breves refleies sobre a materia,
nas quacs, mais ama vez, altestou cssa grande
illustraco, que Untas geraedet de hachareis
tem reconhecido ; e levanlou-sc conjunta-
mente com toda a aula, c na melbor ordem,
Eor haver annunclado o bedel que soara a
ora.
Els o que le deu nessa sabbalina que alin-
de o infrmame|do Exm. Sr. Dr. Zacharfas, c
o que estamos promptos a Jurar, se* preciso
fdr.
llcstabcleccndo por amor justiea, e defe-
rencia ao nosso multo estimado collega. a ver-
dade de um facto tao atrozmente adulterado,
nao podemos deixar de deplorar a decepcao cm
que esse vil calumniador fes cahir o nosso mu
digno lente o Ksin.tr. Dr. Zacharlas ; e con-
fesaamo-nos intelramentc convencidos da boa
le" deS. Ese. na narraco desta facto.
CUnda, 18 de Julho de i85l.
Joao Josc de Oliveira Junqueira Jnior.
Leandro hibeiro de3iqueirHciel.
felippe de Barros c Vasconcellos.
Joio LadislauJapi-aVcrudeFigueiredoe Helio.
Wenceslao Antonio PiresGiquitlnhonha..
->


!___
I
Joi Marlii Faateu,
Cutlberintno Marqnv de Souu.
Francisco de ferias sanos. '*
Leandro Rilistoe de Wueiia Sobral.
I.un Rodrigo** Villares.
Sebaslio Crdeno.
Scvcrlno Al ves de Carvalbe Jaalor.
Sel yio thli de Moma Millo.
Jote tyidio de Olivelra alendes.
Manoel Morcira Guerra.
Mauoel de Albuquerque Machado,
Maooel Piola de Souu Dantas.
Leandro Bernardo lontelro.
Flix da Coso MoraciFilho.
Jos dos Sanios Nunes de Ullveira Jnior.
Augusto Cezar de Medelrot.
Juveucio Juvlno do llego Rangel.
. verdade assim o dltscram outhorgaras, pe- dado. A alcen
di rato e acoflurOtn, c lis esle insimnenlo contrario a'ala
em fue se asilg oarau,, aeod > rreseuU por contri 0' mil de]___
tc.tcmunhae Alejandre Lopes Ribelro. Prau- Oe||eenvelhece na al
= 2 .
de* ser continua do|jdsto, loda esta eloi(uencif intrpida, imi'-
IV preciso lutar tuos, decisiva e clara,
lae, pois sein is- Cono c.-t; u Mi. I.aoordaii afeo o no corpo Lulai no humero dos oradores |Ua aa faz
'' pois.'fflauceboslAnnibapaiyanebeK^:; 8au pensamonto sempf claro e
cisco'de ------_---
Aleiaudre Ferajata, tabeillio das bf'pothccas,
escrevl.-|lano*Lui. da Veiga, Joto Auiouio saisaanos dianlede Roma ; loma como- cotwlantemento oir^ unMf-frariaU el
da Velga, Miguel Arcbanjo remandes Van- > o em quanto Annibal acoBballe por urna Algmas vezos elle aibeexonciHV a
na, Mauoel. Luiz da Vciga Jnior. Mari da porta, ella faz sabir pela oulra ScipiSo dade do uulpitucom o eprigamma, -
c.onceicao Velga, Angela Mara Velga da Coi- que corre a Carlhago. Rima lorna-sc'i?- os sarcasmos contra os adversario*
ta, Domingos da Silva Ferrelra, JoAo Narciso nhnra do mundo! Elle termina asaim: Hada- io. Em prega como molla todas as paixoos
da Fonceca, Alejandre Lopes Illbelro, Pran- me j0 SUe| uiss0 A g|ona n0 tjgMpoquo- 1 generosos, Em Caso d
t"? ?,e 2:UI*iffielS?;r: E..S,*aJn,,* *> diri\>renca entre o cu o a tetra ; para o sabe por o esoirto o
P^do'^ro l^gf^^oq^re $&.to humilde. respeito humano de ,ui psrt;, Em qu.nto
Recife, da era ut retro: subscrcvi e assig- Quarta conferencia. A consciencla o a mim, sainado da igreja de Nutre Dame
nel. i-.in tcstemunho de verdade, o ubclllao. Deus eslo snmpre presantes ni liumj'iid- icommovido, arrebatado, impressionsdo a
Miguel Arcanjo Monleiro de ~Andradc Jnior. da> hjpothccas, Jo., A'exandre hirtire. Re-' de, be a consciencia humana que vigi ao pe e uno esmagado debalxo desta eloqueucia,
Luli d.- Hollando i .-..i...inii de Albuquer.inr. rnohecu ser vcrdadelra a asslgnatura tupra do lliroaj dos Njros, dos Tiberios, dos Do- com o peasamento e o corscSo SBlisfeitos,
Maooel HenrlquesCardlm. do tabelliao das hypolhecas, Jos Aleandie niicianos, na pessoa de Tcito, o desacreji- disse : Eu vi, ouvi, encontrei o sublime pe-
Antonio Joaqulm Rodrigues. Ferreira, de que dou f. Recife,_ 2_2 de julho lador dostos Carrascos. D:us falla ao pri-,la primoira vea
DIOR
Rendlmento do
que- dem do da. 83
ler.
necessidade elle.dem do da 93.
bom gosto, e
RECEIlEOORIA DE RBNDAJaVGERAES
INTER1AS.
Rodlmento Vo da 23. 654,016
CONSULADO PROVINCIAL.
. t 1:568,455
Joao dos Rel de Souia Dantas.
Joao Mendeide Almelda.
Ileujamiiu F. l'orreao de barros.
de 1817. En testeiiiunho de verdade.... etc- meiro hometn, a Noaos patriarchas, a M'oy-
FuSo .ora'rr ^uque^n^rlf."" ^ Este povo est.belecVse em um pal,
Marco. Correa da Cmara Tamarindo. ~. 47. Apreaentada e annolada a f. 7 do pro- qae est n ponto de juncao de Irez COnti-
Joaquiui Francisco de Mello Cavalcaull Juulor. toclo do registro geral das hrpotiiecas da uentes, no entro do toJos os mires. Sua
Joaqulin de Paula Pessoa de Lacerda. comarca do Recite em 22 de julbo de 1847. le he iraduzida om todas as linguas ; ella
Manoel Thoinai Barbota Freir. o tabelliao, Fulgencio lnfidie de Albuquer- se derrama por loda a parte coma dispercl)
Joaqulin Francisco Duarte Jnior. que Mello. N. V/i Pica registrada a f. 65 do dos judeus por Deus. Hoje osle povo sub-
Sebaatiao Antonio Accioli Lim. 1.1 do registro geral das hypothecas anlerio- sjste era todos OS lugares, conservador do
Sr. Jerotm Macario Figueira ie Mello.- Z%^V!t^L%l',^L^Lff hf monumento, quo he asua gloria, oa sua
En, abo* da verdade ; e appelo par. lo- *BSt &9STS%M^%ldaSS- ,
do o quinto anno, sem reeeio de que lium |aineut0. A cada progressodo mal na humanrfado,
a estudanle me contrario ) o faci que o _______ [o bem da um passo e o afasia.- Deus envia
Sr. Dr, Zacariis Ihe impula ( visto ser o Sr. novas forjas. A divisa ChrisUa he: Ineedil
o nico estudanle do quinto anno, prenle Srt. redactores. Na qualidade do aini- crxix, dum volvilur arbit, a cruz marcha corh
do meu nobre e mui presado migo o Sr. go intimo do lllm. Sr. Dezembargador Fir ot'ilVerso. Um dia Deus sacrilici sou
Bandeija de Mello) nSu existi. Oque bou- guoira >lc Mello, cumpro declarar ao roJac- lillio, como havia sido annunciado em todos
ve (o eu o altalo sob a miaba, palavra do lor do Echo Pmambucano que falso, he que os lempos. .Ofilhodo lUut toma hossa,cir
bonra) foi que sahindo oSr. defendeute em he mentira, e aleivozia o que sfllrm em nc, o uiojro. por nos. O mal boj.) saguc
urna sabLalina,e v.rsando esta sobre divisSo scu peridico de ler dado oSr. dczembarga-'uaiu nova'marcha. Avancemos lambein.
de Irabalho, forSo Uo acertadas as suas nl>- dor ordetn para aqui se veader sua inobiln Sede austeros. O soculo desoll foi ven -
aerva(Oes acerca das vantageus dessa divt- com vistas de nBo tornar a esta provincia; ciJo, mais o secuto desinove nos oppOe o
sDo, que eu que'bflo me posso contar quan- Dssta forma pode dcar certo o calumniador | materialismo e o alhoismo, precisamos por
do so traa de dar desenvolvimenl'o ao que e invectivador que mediante a protecgSo di-1 tanto de fortesfirtudos. Temei as lices da
eotendo ser verdadeiro, pu oe combster o vinaoSr. Dezembargador Figueira de Mello providencia, se recusardes adjuinr eslas
que julgoerro, logo que o sr. aeabou de fal- om breve ser abracado por sua familia o virludes. O pro^resso c se n limites. Nos
lar, quiz desenvolver as suas judiciosss oh- numeroses amigos. E anida mesmo cunee- partimos da Deus pira chegar a Dmi-, isto
seivai'Oes, o que liz. Logo que conclu o dida a hypolhezo de serverdadoo fado in- he ao infinito cin perfei^lo Infuniindoo
meu discurso, pergunlou-lhe o arguento se ventado, posso tambem asseverar qae o re-!sou saagun na humanidade, ellecammuoi-
o Sr. leconhocia lambern asvantageus das dactor do Echo Pernambucano he a pessoa jcou-lhe urna forca inexjotivol.
machinas, ao que [espondeo que estasna ac- mais incompetente para saber dos negocios | Quinta conferencia, Expllcaclo' das pa-
tual orgaoisarjao do Irabalho nSo produzem particulares do meu amigo o Sr. Figueira de :lavras do Evairgolbo sobre o nu-noro dos
os beus que duviao produzr, e mal havia Mello; por quanto esse redactor nio merece escolhidos pelas circunisl^iicias as quaos
proferido eslas palavras, quaudo tocuu a bu- do Sr. Dezembargador son jo o mais roeros- ellas sao produzi Jas. A inaior parle da hu-
ra da aahida da auls, e lodos nos nos lomos cente desprezo. yueirSo pois Srs. redac-
lovantando. Nada oais tenlio a dizer-lhe, lo.'os mandar publicar em sou jornal esta
senao que pode fazerdeata minhi resposta pequona declaraso que por parle do Sr.
o uso (Ge Ihe pyouver. Seu Mestre,
PfdVo Axilran.
SmAoirs rruVlmri. 1 indo pelo seu Diario,
I ti lo publicar sununciot sobre o pagamento do
que por ttulos iegaes me he derido, appa ece-
ram pelo uicsino em o nuineroi 15 e iliO, os
senhores Manoel Luis da Veiga e scu nm.i
.loan, iiiipugoando e protestando contra os
uieus anuuocios inai sendo estes fundados
cus tuuloa aulhenlicos e claro dircilo, ncuhu-
na iujuslica lii a estes senhores, usando do
meu direiiu, pricipalmenic nao leudo, como
nao tive, em vistas molestar a nlngueui: eco-
nao fosse contrariado, me cabe coutraproteslar,
c desfater os engaos em que laboiatn os se-
nhores Veigas
juntos, l.u.mdo oncraaos, cora liyf
aujeitos ao meu pagamento, os loros do sitio
do Arac, nao destioc esse onus, nem sobre o
debito, o tacto pralicado pelos berdeiros, os
ni un lado he chimada salvacao eterna.
Ni autiguidado as primeiras. garan
conservalrm as verda les nelaraes; quand
a fdolatna se esloudeu, un povo as guardou
iutaclas. Nos nao conhecemoi senSo a his-
toria das classos ricas: orno as miis cor-
rompidas. Os pobres permanecio slos.
Quintos phil jgophos, quantos sabios cu.ilie-
ceraiii eslas verdades naluraes...... A-
. idade clristS vio o coiosso ptrido do impe-
'rio romano destruido pelos barbaros que
Dtdicadoa conoci de S. III. I offereado ao accorreram voz de Djd. A Itumanidadi
lllm. Sr. Pedro loi Carioso caoalleiro da [ol ru,nofiJdj e nurilijaJa pelo singuo de
ordtm de Chtiito, e da Basa, tondecorado jB2s Clirtsto.
Alovimeiilo do porto.
Navios enlradoi no dio 23.
Lisboa 37 dias, brlguc pqrluguez Laya, de
270 toneladas, capitno Manuel Jos Antunes,
equipagein 19, caiga vlnho c uials gneros;
a Francisco Sevcriauo RabeJIo, Fassagelro
Joo Cbrisostoino da Silva.
Terra Nova 31 dias, brlgue ingles Htrali, de
302 toneladas, capila I. Wajrco, cargajia-
calho; a M. Calmont V-C.
Londres 4i das, barca Inglea /sajen de
J04 tonelada!, capltao N. W. Page, equlpa-
| gein 15, em lastro ; a James Crabtree Si C.
PARTP nn nii ti nr iruin "i Pbiladelpbla38 dias, brlgue americano Jirn-
liSSHwiaSHF"-
Joao, cravo de Jos Hap.lst. da Fon.ec Ju- s^C.tJa.ri h *
(/mil io Jay)
{(Pm$e)
Kepartigo da Poli
icia.
iu.i -- 19 das, brigne brasHeiro
AJinerva, de l85 lonelada, caplo LCtlz Mar-
tins da fioita, carga far.aba de mandioca ;.a
Olireira Paiva&t..
EDITAL.
nlor, arequisifan de seu senhor.
W do Ha 18.
Forana presos: a ordena dojuii dos fritos
da fazenda, Francisco de .Salles Alve Crrela,
sem declaraeao do inilivo; a ordem do subde-
legada da Iregueila de Santo Antonio, Uartho-
l inieo Antonio de Assii c Luiz de Franca, por I ., ------------------ ,
briga e a preta Antonia, eicrava de Monoel Pela inspectora da alian lega se faz
(oncalves de Albuquerque e Silva, por andar publico, que nBo se leo io verificado uu.dia
fgido i e a do subdelegado da freguezla do -ue fo; deagn,do pe|0 ediU| de ,., Je,te
a_r___^__T t'i,cl,ueal,, *em dc' mez a arTomatacSo de diversas mercadoria,
ci.ra9ao do motivo. abandeoadas pelos direitospor Lua Bru-
Forampreoi: a 0rdem do delegado do pri- uir? J'.g da [* ""vamenle praca no
eiro districto deste terrao,.o portuguez Anto- da 26 do.torrente ; sendo a arrematacao
livre aadtreitos to errematante; a saber:
nio Fcrnandea Gorreia, por crime de furto, e a
do subdelegado da freguezla de San Jos, An-
tonio Pedro, por briga, Joao Ferrelra de Mello,
por ter sido encontrado fura de horas, e o pre-
lo Luiz, eac-avo deJoao Leite Torres Gallindo.
sem declaraeao do motivo.
/asm do da 21. ,
Foram presos: a ordem do chefa do polica
Interioo, JoaojPaulo, por ler sido encontrado
com um oanivete de mola ; a ordem do dele-
gado do priineiro dlalricto tale tormo Manoel
da Fonscoa, iem declaracordo motivo ; a or-
33 paros de meias de seda curtas, a 16,000
rs. a duzia, total 44,00) rs. ; 14 pare* de
ditak.cotnprtdas para senliora, a ls.OJO t$,
a duzia, total 21,000 rs.: 1 duzia de luvas
de s' la curtas por 7,000, 12 dazias de luvas
sem dedos, compTidas, e de se la, a 14,000
rs. a du/.ii,'lo'.itl 168,000; 8 duzias de
meias de seda cufias a 16,000 rs. a duzia,
lotjl 128.000 rs. .
Alfaudoga, 23 de jullio de I85J.O ins-.
Figueira de Mello faz. m amigo.-
Publicaro a pedidu.
, ilem do subdelegado da ftegueiia de San Fre p -olor inle.-ino, llenh Jone ernandes Burros.
I 'edro Goncalvea, o portugus Joaqutm Soares **mmmtm^mmammimmma^^mmmm^mmmmmmmm
da Rocha, por Infraccao de posturasjiunlclpal; 1.4*1* m a* A AS
SONETO.
por distinecto cum a medalha da campan/ia
da inie/icnincia.
Km vio n brame o m.ni.iiu da anarchia,
Km vio se torsa, vomitaaido horrores,
apresentar os documentos ')c ""' ?"'0' ""."l1" '"'.' fur?re!
.erados, com livpottaecaa c A ducordi., a trahlcao, a urannia.
a orden, do subdelegado da freguezla de danto
Aotonlo, o prcto arlholomeo, escravo do con-
vento de San Franoisco, poj insultos ; c a.do
subdelegado da l'reguezla da ooa Vista, Denlo
Jos Rapozo, para av'crigoacoei pollciaes, e o
escravo Joao, por audar fgido.
COMMERCIO.
.ALFANDEGA.
Ileadimento do dia 23.....>6:062,o8
Descaivegam hoje 24 da julho.
A cruel e fatal desharmonla
Dardeje contra nos os seus rigores
enhorca Vcigas, no inventario a que posterior- ?"e'ra e'l" v'0 c01" ,eus l,laou',' lbidorea,
mente procedern!; porque Dio figurando cu, Ao """' suPla"lar a monarchia.
por mudo alrun neste inventario, nem sendo ', o < "
uulle pane, como prova o documento n. i, a- I11"0 hnlbara Pedro SegunJo,
Jaaixo iranicrlpio, he acto da terceiro, que nem ,-InroD0/ ." "bordada e a naoao,
empece, nem prrjudlca a mi.n, que no inven- ,Como '"5 1UC fulSc em "o jucuudo. .
tano, nao imervim, nem fui parle nesse pro-
c conscquenleinciilc subsiste em lodo o
cesso
acu vigor, a hypotheca, constante do docu-
mento n. 2, mlia iucerta, visto como nem pelo
pagamento do debito, nem por novo contrato
loi destella; c so o's senho.es Vetas querciu
dcionerar os furos, devem pagar todo o debito
cm dlnbcir correte, Kxistiudo por pagar oi-
ros vencidos, le claro que os scohores Vcigas
laboraiu em engao, c subsiste a hypotbeea,
ua qual esprsasainente se eslipulou que vigo-
rara, at eUecliva solucao de iodo o debito; c
nem posso por juslus motivos, c nem devo ac-
ceitar, o que ao Invenlariinle d i un para sol-
ver os empenbos da ncranca; c 'se o inventa-
rame lea em il valor lufficicnte para esse mis
ler, pague ao abaiao assiguadu, c licar termi-
nada a queslo. Declarando que smenle quiz
prevenir duvidas,-evitar queslOea, c nuuca uf-
1'tDdcr aos seubores Veigas, c publicando os
documentos juntos, crelo ter habilitado ao pu-
blico, para com juslica lurmar o scujuilo im-
parcial.
iiueiain, lenhores redactores, dar publlcl-
dade a estas liabas de seu constante lelture
asaignante.
Joao" Nurciio da Potutca.
Recite, -'-'i di i ol..' de iSl.
.DOCiJUfcATOS.
Diz Joo'Xarcio da Fouseca.que para bem
de acu dlreito precisa que o rsenvao Uaptisla,
revendo os autos dc Inventarlo dos bens que fi-
carara por fallccimeuto dc Manoel Luis da Vei-
ga de que foi testamenteiro o iiiventariautc st u
lltio Oo mesmo uoine, certifique se o suppli-
cante figurou nos ditos autos, ou foi para elles
citado, e requer a V. S, que mande passara ccr-
lidao P. a V. S. lllin.Sr. r. juiz docivel da
prlmeira vara, defcriiucnto. I K. Me.
Certitique. rlecife, 18 dejnlhodc 1851. -.
Silva '|iii*."''*'i
> il.inoel Joaquhn Haptiita cscrivao interino
do clvel, nesta cidade do Recife de Peruam-
buco, ele.
n Lcrtlco vista dos autos dc nvcotarin
dol bens do naJo Manoel Luiz da Veiga, refe-
rido na pcUco retro, que o supplicamc Joao
Narciso daTonscca nao llgurou no dito Inven-
tario e nem foi para ejle citado, tendoapenas
sido descripto pelo Invenlariante Manoel Luiz
da Veiga como credor da quaulia de 5:0101 rs.:
o refeijdo he verdade c aos ditos autos me re-
porto, kecife, 18 dc julbo de 1851, escrevie
asslgnel, em f de verdade. Manoel loaquim
Hapti'la:
Fl. 2__Kacriptura dc debito, obrigicao e by-
potbeca que fazein Manoel Luiz da Vciga,
e seus filuos Manoel Luiz da Veiga Juuior,
Joo Antonio da Vciga, Mara da Couceico
Velga, Anglica Maria da Veiga Costa; e
como administrador de sua mutuer, Do
mneos da Silva Ferrelra, e Mignrl Arcban-
jo remandes Vianna, Joao Narciso da
Komi ..i.
Em nome dc Dos, amen. Saibam quantos
este publico instrumento deesenptura dcdebi-
10, obrlgaco c hypotheca, vircm, que no anuo
do nascluient.1 de N. Senhor Jess Cbristo dc
1844, aoi 24 Je outubro, em meu esciiptorio
vieram presentes, como devedores hypoilic-
cantes, Manoel Luiz da Vciga, Manuel Luiz
da Veiga Jnior, Joao Antonio da Vciga, Ma-
ra da Ciuei i.,.i i Velga, c Anglica alaria da
Veiga Costa, Domingos da Silva Ferreira e
Miguel Arcbanjo Fcrnandea Vianna ; e como
credor hypolhccarlo Joao Narciso da Fouccca,
moradores todos ni-sti cidade, c de mira ta-
belliao reconhccldos pcloi proprlos dc que
l.ui le e pelos dcvedore hypolhecaotes foi
ellio, prrante as teslciuuuhai aballo Hornea-
das e asslgnadas, que tendo elles outnorgan-
lea felto eicrlptura de composifo no cartorlo
do tabelliao Costa Monleiro, cm outubro do
torrente anno, Ihe tein asslgnado dez letras,
o primeiio hypoibecanle da quaotla dc rii
544/)00, que prefazcm a quantia de :41uf 000
rl, e que para garanta deslc debito Ibe fa
iem especial hypotheca dos foros annuaei do
seu sitio do Araiii, correspondente ao anuo
que cada urna d'aquellas letras se vencer, va-
lor desta hypotheca ; e por conseguinle pelas
letras que ae forera pagando se ir diminuin-
do no valor da bypotbeca, considerando esta
de todo rxiiutt.i dcpols do pagamento da ul-
tima letra; cuja bypo.beca fazem para garan-
ta de aeu debito, e proinplo pagamento ; e
assim como hypolhecas, prometan e se obri-
gaiu nao vender, nem -llenar c nem traspas-
sar sem que soja pago o tefe.ido credor, de
loda a quasitU de aeu debito; o credor by-
potbecana dlsse elle aeceitava a prenote es-
critura com as condlrOes estipuladas; verba
do sello o 69. Pagou tfOW ris de sello.
Rccetiedorla, 26 de outubro de 1844. Ai-
avlo.=c-'arfa/A). Em f e teitanuiiho de
Mas p'ra ler de laes bens a duraeo,
K calcar a cerviz do Drago iminuodo,
Cumpre haver, brasilciros, uuio.
Brigue portuguez
. dorias.
Brigue portuguez Loia -- dem.
Uanocl fodrigmu do i'ai'O
VARIEDADES.
zqs
Hoje os o cuinos, as mulheres, que creen
[e amSo o pobre, quasi loJos osto salvos;
[cu nSo confundo a miseria coma pobreza.
Sim, a pobreza he urna grac* de D mis ; siin,
jo pobre he snelo. Aqui o orador estevu
sublime de exultacau goneroza. Voltau-
do-sc para divoraos lados, exclamou
Sim eu direi ao Oriente, eu direi ao Occi-
dente. Sim, beatiptuptres ; sim, o pobra ha
grande E quando Deus tivesse perdido
lodo o resto, suponho qu tenha pordido
500,000 almas em 34 milhoos de almas, o
qnu seria isto ? Mas nilo lie assim, Deuj
quiz .vencer o que ello havia anu licuado ;
elle iiii'iico.u o rico com o resto da huma-
nidade ; lie por isso que apalavra do Evan-
gellio n0o ser nunca urna palavra de pros-
cripto .
S'xti conferencia Mr. LacorJsire ao
qu.y so havia exprobrado um epillioto uji' nliia, maniftou.o aoguinltTi
pouco vivo a respeito do rico, responde, pe-'
diodo quo I lio pormilflo as figuras de rhotu-
rica esoUVao a linguagem evanglica. Elle
c ti Bossuete llou'lalotin; tracta ao doiois
da stcniiJade das penis. Ella foi admirada
em loda a anliguidade pagua. Quanto me-
Ihem psicoso, olla se produz na existencia.
Ainfincia lio urna primoira vida, i juventule
1 e a velbice urna tir- oinlio ; a Michado & I'inheir'o,
ceira, e urna quarta. Em cada urna dostss
eclaragoes.
llrigueameriqano--i?/-aarfy-lKm5:-farintH ~^ P T!,Tn X
ai h-iarhinha "Wlcorrente mez, edepois.de urna c
Brigue portww PeLmenlo mer.1 *1i^*dl.eto*Jj
O Vapor brasiiheiro llahian
commaodarate o I. Tenenle
Segn lino, deve cltegar dos
poilos do Norte alelo dia 28
do corrento, eseguir para'o.Sul no diase-
cuinie nao haven|p ordem efn contrario.
IlEAL COMPANHIA DOS PAQUaTES IN.GLE-
ZE> VAWiB. ,
O bem conhecido e veloz va-
por Teviolt conimau lano He-
vell, deve; qan chegar dos
pollos dklfcroipa \io dia 31 do
^1 demora aqui
ra pura oa do
sul; aquoilss pcssois q'uo qui/.ireiri'j'r. do
passsgem psra.os dilos paitosj^devem prf-

Apollo.
J-lhOilc IN5I.
ria Leopoldina Ribtiro
fm.
iros da orcheata hsve-
ouvertura da escollia
<*W_tB-_flc',ll* 8Ubir*,Pel primeira.fez
scefl, rpompOso, e beillsslmo dfima em 3
actos e um quodro
Mara Tudor.
Finaliaar o espectculo om o jdcaso
i ii' 111
1 mu liiiii) de unifica,'
ou
Bravo, meo, boin, c,ii do^rcmer.
Cantado pela beneficiada, eoSr. Guim.i.
res cm carcter caricato. > *
E'este o espectculo quo IJetjj)ficida ol-
ferece ao Ilustrado e Benvolo publico
d'Mta cfdade,' dequotrj espera Indulgencia,
e prolecco.
Os bulbeies de camiroles, cadeira, e gal -
loria, achilo-so desposiciij do reapeilavel
publicjo, na casa da rezi,de,opia da beneficia-
da, ra do Apollo." '" -"
principiar ag 8 borai. -j.
Avisos martimos.
Pira o Rio de Janeiro segu viagem
cojibrevidado o brigne braaileiro Animo.
capitSo Domingos Antonio I de Azocado;
quem no mesmo quizar carrogar, ir de pas-
ssgem ou embarcar escravos, pode enten-
der-se oom o capitSo ou com Luiz Jos de
S, Araujo, na rus da, Cruz n. 33.
-l'jia o Aracili sabe cun toda a brevida-
de o lliate Duvidjs; por ter a maior parta da
carga proanpt, quem nelle quizar carregar
ou bir da passagem, dinja-se ao lado do
Corpo Santo; lojade Caibros Caetino da Cos-
ta Morena.
~ Para Baha segu em pouc dias por
lar a miior parte da carga Pfonipta, o biale
nacional J.oai-ro; para res lo da carga, pas-
sagei.-os Irata-sa na ra do Vigario n. 5.
'iles.
S! adtrs.,-;o, ffKSVr_SW_S!
CO.NFEUE.NCnS 1)0 R. P. I.VCORDAIIIE
_ EM JIOTRE DAME.
(Quaresma aaisl. )
Nilo Tcnho comprometler a opitSo da
esse ; peco uuicameiiti um lugar (que
firei por ser o mais pequeo possivel 1 aiim
de dar o seus leilores fiis exposico das ,,
pr.ticasdoP. ijicord.ire, terminadas do- SSSftS.?!?|^?Jl!l^'W,,w.""
mingo breo sor para o chamar asi c salva-lo. Aos
O catholicos amSo cm Mr Mcordiire o que .creem uue, 8linV Pasar stravz do
theologo eminente, a aTm profunl melo ^J^^L?S*. ella P"*'""*
inspirada pelo Evanglho a 011 Je eiU o tormo, so Deus respeili sem-
Todos admirao o genio do orador o do r? Ilurdaae? t'" consistir, o mrito
pensador, e os seus ''i -"".,,. *'" Uomera. se dopo.s deannos, cojo nuiruro
sympathislocom a arJ
seu coraco
Quandu o Evsngelho apparcceu no mun- *"' "'osmoscumprohendemos qoe ha um
do romano,/oi considralo como um inim- momento em que a pina lia irreinissiwi,
go social. Ello i.npliciva a conJemnsco UuanJo manos alguetn comicsoios por
Je urna socielade funda la sobre a explora- eiulio-lo de obsequios; se isto nao proJuz
co humana. Como formula do govorno, eli'uuo ompreganus asupplicajem lim se
elle veio dizor._ Aquelle que qaiser ser opn- tolo I13 inulil, resta u 11 ultimo meio, o de
meiro devjaser-se oleteo dos servas. Como "lo l'izor mais na la. Sa dujois dj algom
lypo de perfeicao Individual, e social, elle l-mpo, quanJo tornamos a usiiira sup-
enainou a igualdada peU humildade, a par- I'-1 ', achanns a mos na i'isjiisibilidale,
ticipa<;ao do lodos as ri juezas pola pobre- entilo tos lembramos quo somos 'liomeos:
zi voluntaria de cada um em urna palav a, tonuinos nossa alma o vamo-uos embo a
o amor universal. Como lei das rolagOas Dous'faz o uies.no coai hosco. jpois de
civis, diclou este preceilo: Faze aos outros tortela lo todos,os muios al ao abaoJonj
o quo queririas quo le lisessom. < muinontaueo, so quando volti penninece-
Deslomodo o Evangelbo, sem oceupar-se ">os surdos a sua voz, retira-so. Nilo he
la sucieiade temporal todava entretanto ello que uos c nilo.niia, he a le ele
evi Jeotemeate para aniquilar a ordem social juslica qua fure nossa uigrati lao. S
pagan para subsliliii-l 1 pela regra dajuti- dino podir mais a um Deus que morreo
aedacaridade^ezosClirislotiiihiannuiiil?'" "J* salvar. Selima conferencia.
10 esto resultado nesta parbola Procura l.acordai.e, vollin lo ao pasaadn duso qn
primetramenle o reinp do (idus, eo mi' deJioo da em uue. h vial) a settn >n
lesera dado por accesclsmo.
mpwsWmBm
manifestouosogulnlo : piche p.4. s .
sig3naur,orc,rV^couros;aosc^^^ Theatro deS-Izibe>. -
Patacho b'rasileiro '.ienfe, vinlo do Rio] Germano Franciscod-lVVijra, empreza
do Janeiro, consignado a Nova es 61 Cumpa-' rio do theatro de S.-|ul i^m a honra d
iftou.o aoguinl* s r I annunciar que, em virif^g do< aea contrac
* caixas fazendas; a J j'j K-:llcr & Com- '> pelo qual era obrig uo a reorganisara
Panhia. Icompatnhia dramtica ci modo a sitlsfszer
150 barris breu, alOsaccas farinha, 60 di-'melhor o publico, foi Babia e ao Rio de
tas feijao, 100 caixas sabao;.a Manoel Al-'aueiro, autorizado pelo artigo 12do'mes-
ves Guerra Juuior. ..I mo contracto, a lim de preeneber as vistas
10 barris salitre, 1 surrSo epicacuanha ; a da presidonci, e as condi(0os estipuladas,
1. Soum. ; epodo felizmente conlractar os seguintes
, r.,0t Ror'8u Pereira transerio o se"
leiMpiajeicerca p\a 30Q barricaa de Farinha
de Trigo, o lera por isso lugar quinla-fei-
ra, 8* do coriente, s tO horas da manhua,
no caes ou scadinha na AVandega.
A. 8.' Corbett,'tfpnsfere o seu
leilao ior intervencao do corretor
Miguel Garneirpj'prii/ o dia 3o do
crrenle, asi horas da manhaa,
de toda a sua' mobilia, na cusa de
sua residencia na ra do Hospicio
junto ao quartel.
'.*, Avisos diversos.
A direccSa da associac3o commercisl
doslogistfs. em nrtude do artigo 13, U
dos estaUrts, convocs aos Srs. socios da
oiesma associacSo para sess3o em assem-
blca geral, no dia 25 do Crrante pelas lo
horas jta manliS.
Soeitdaie prattmina
-- 0 primeiro secretario avizaa lodos os
Srs. socios da mesrna, ijue boje 84 as 7 horas
da lardo ha sessao extraordinaria para Irac-
tr-se de vital iotoress social
0 abaixo assjgna lo Taz sciente ao pu-
blico que comprou a loja de douros e calca-
dos u. 30, na ra nireita, ao Sr. Joaquim
. iosd'/Dliveira Jnior no dia 19 dejulho,
I-*5o id responsablisa por qualquer divida
"a-u*appareca d data da mmbu, visto ter
';*i a dinheiro vista'i e para* nao haver
35 volumos barricas vasiss, 1S barris lou- artistas : na Rio de Janeiro os Srs. Luiz.An-
uma Segunda,a madura e a velbice urna tir- oinlio -----'-
. 10J saccas caf ; a Aiiorim Irmaos.
20 ditas farinha, caixas cer'i em velas;
aJ. J de Carvalho Moraes.
6 sacos faiiuha, 2 barricas dita ; a Vicea-
teJos de linio.
2J0 saccas farinha ; a Uanoel 11. Cuedes.
150 ditas dita ; n F. J. Gomes.
161 rolos fumo, 43 saccas caf : aos con-
signatarios. '
2 caixas rap; a R Jos Mirlios Bastos.
108 sapeas caf; a Jo3o da Silva Regadas.
4ditas dito ; a C. A. SoUrc di .Mota
200 caixas sabao
tonio Monleiro, e sua mulher, artistas bem
condecidos polo seu merecimnto: a Srt.
Jesoins Moni mi, seupaioSr. Luiz Morta-
ni, o seu irmao Augusto Montani : n Ba-
bia os Srs. Joiquim Jos Bezerra, Antonio
Jos Alves, Jeron; uiy da Silva Res, Jos
Martina dos Santos /lias, e o arechinisia
Joaquim Maria Masearenhas. 1
Dos artistas da companhia do anno p. p.
lora o 11 inli 'in conlractados a Sra. Joan n:,
Jaouaria, o os Srs. Jos da Silva Res, Silves-
tre Francisco Mira, Antonio Jos Duarte
, Coimbra, Raymundo-Jos de Araujo, e Joa-
a.Oliveira Irmaos &;'quim Jos l'ereny, ficaodo dosl'arloa com-
(.oinii.uiliia. j panhia dramtica orgaoisada cooipletamen-
15 barris louciho ; a Uanoel da SBva'la de modo que est o administrador empre-
sa 11 tos, j/ario corlo de que agradara ao respeilavel
2 meias barricas farinha ; a JosJ>reiraPUDfic(' dasta bella e alastrada capital.
Vanos. Igualmente convencionou fi administrk-
Brigue americano Brandtj-Wint, vindo de &or omprezario do theatro de S. Izatel cun
Philndelphia, consignado a J. Malheus Aus-'0rtista Florn lo Joaquina da Silva, direc-
tin & companhia, manifeslou o seguinte :'lur emprezario do theatro de S. Francisco
100 fardos tecidos de algodio, 300 barri'"<> l de Janeiro, urna troca ou permuta
cas bolaxinha 867 ditas1 farinha de trigo,' das companhiaa dramticas des referidos
300 barris brou, 1 caixa chapos ; aos con- tbealros.^ou parlo dellas como se costuma
signatarios. ifazer na Europa, reveaindo os artistas de
rni di .BriiuePortuguezLii, vinio dc Lisboa, cm- 'um e outro theatro para que o publico'pos-
i.ria i i. i?'6naao a Francisco Severiauo R'abello & Fl- sa melhor apreciar os caradores dos dilTo-
-^'^S25S^*_' a. v rentes artistas,.eescolher pela sua appro-
ccilo.i de Druiuind "** Vascon- vac.au aquolles que me. ecem os seus sutfra-
19 ditos
gios.
primeramente o reinp do Deus, eo mais deJJoo da emiiue, h vinlie selle ailas''a''i,cl'stP'nl>eiroC''' 10S c*fDCS "'S^das Por esta occasiSo o emprezario deS. Iza-
juslhc rcslilmoa luz religiosa, leve pre-' 175 ditos vinho ; a Thomaz'dc Aquino Fon- 8rdcce o Sr. Florn Jo Joaquim da
Silva o acolhmenlo e benevolencia, com
Coila que se prestou a todas estas mutuas con-
ven;os, o rcehum ao sou anlig compa-
.inoei nlieuo da sceaa, danJo-lha provas de urna
sincera amizade, e cordial coadjuvac3o.
Frao- J- -* ----<--
a ili-
Sinlo daigrcin de ffora Dame prohinio-o Uueler, qu) llu conluu o Ihe minlevd ape- j Spipaa vlnho, 10 dius vioaerc 25 barril
le ir procurar o mondo em que se agitSo zar dos ataques, a Cideirade ISoila Dimi. vinho; a Olivcira Irmaos & C.
asfaccOes. Siria precizoque esta parabo- Mr. Lacjrdaire Irarjuu um plauo ; ello pro- 20 diloi dito, 12 caixai cera eiu-vela
la fosse inerte, e vasia, que n3o ro:saev.in- cedou pelo caniinio auialylicj, e expon- .chado 41 Pinhciro.
gelic, para esperar que nao altero aopprcs- mental, e creo que, co.no om todas as scien-
s3o, e a i-'"
quer que s
SjiiJo o administrador emprezario do
lli airo de Santa l/.aliel, obrigado a apre-
sentar urna companhia lynca por t-os mc/.os
seguidos deulro do anno do seu contracto,
tratou de haver a melhor que viesse para o
32 pipas vlnho, 170 barris dito, 30 pipas vi- theatro de S. Pedro de Alcntara; eaue/.ar
igre, 500 cauastras batatas, 403 malbos cebo- da somma enorme de dezoito conlos d ris
injuslica eu suas formas quaes c'iS. comeca potos pliuuomunos para che- "Bm o.c"*lra,,atatai, 403 molhos cebo- da somma enorme de dezoito conlos d
lejao. gar as causas ; 1a coaiprenender ophaao- <%!__!_%? Sl_ tH?* meui:ioal"' tres beneficios, e passagem de ilaei
le a caso a luz o seu curso porquo mano diviuoem sui enviudo, o em sua rioa_ao_iia__-i P"a Pjlos tros mezes, sa feria elocluado o
Suspendes caso a luz o seu curso porque mano diviuoem sui activilado, o em si
deve descobrir, cpr patenten Iniquidade ? Presenji
rolla,
con-
seiisivil. Cm saas
coufereiieis, io netas pipas vlnho', 2pipas vinho, .9 bar- Lf,"1!' 8 a companhia livessa chegado ao
il^rHli a .... irle iiiin. 1 iiim v,,,,.. i. ..i., .>'.. ai.. Rio de Janeiio: eillictanlo oulra coinoa-
.N3o. Ella prossegoo a sja mirciia no ceu. ello eximiupu prime.ramnit) a Igreja A ca- Iris dito, 1 dito vinagre, lu meias pipas dito, J}' de J"alro enlucanlo oulra coinpa
Os intoressosque atacSoa Mr. Lacordai- Japoutuem que lucava ; disia cuino o mi- ',il barris carnea salgadas, I caixotinho tecidos mina se espera a cida momeiilo as provin-
renSo tendem a nada monos que declarar nciiuquo explora asnquezis occullis uas !de "Qho a Antonio Joaquim de Souaa Jli- cas do norte, o quer urna e quer oulra, se-
o Evangelbo em parte perigozo, e a por eiitraiinas da Ierra: DdUd ecoa Dju ibciro. ,ra infallivelmente contractada em lempo
osla parto debaixo do alquiere. A palavra iml,!. u ,niv ,. u.l'rh.ui. barril cal, 10 ditos vinho: a Luiz Jos da opportuno.
s& gf-*jtoK! tnSswSSSSSpe^ esa. _- "w* h-ftK
O assumpto ao qual o leva o curso de .ImI destes dous pout/s; entro, uas I dita dita, e miqde... ; o Ordem. ur "" e n'oz- co,no obrigado, mas
suas praticas lie 13o grande como interessan- profundidades do invslurio ahidu dostn B caixas c 1 frasqueira rap; a Joao Jos de dministrador emprezario espera sorpre-
le. Elle tractou do governo divino na hu- MmtTa^tlumifJatMa o su, liSdl k'rvaiho Moraes. hfl"der o rospeitavel publico, nao so com o
manidado. Em primeiro lugar das condi- E,le tenniuri assim um. o cm s, 1 ,'' 24 barris carnes salgadas; a Jo3o Licio possoal da nova companhia dramtica, Como
cOSdo governo. Para dirigir, he precizo immaX^a\xtutS! h. i11*."1^"; < ., com um repertorio mu.lo escolhi Jo do dra-
do ostracismo, o gealo domina e govorna Zl o __5Zfi,i Wi 1 f. 400 molboi cebolai; a Antalo Pareare de gralidao, e sincero reconhecimeuto.
" Souia. Alem do quo I16 obrigado por contracto,
Scaliai ridroi; a Joao Rapllsta Fragoso. o administrador emprozario nSo poupara
laucolia de urna 0.1ra acabada, e da qual he
Oi o I uos cucheta n-so
Asegunda conferencia versou sobre a crea- lar.s>:
gr.v. dos povo. poJem S presen pelo ffi __^__^!fS "P"^"'*-
ua memoria das niOes, nunca na da car.- "JoS'1 ? ,nuc,JaJ'5 "daulo.que ellesub-
Ula-e- """" |uga, alraue, o suspendo.
Na terceira conferencia Mr. l.acorJaire Devere fallar do orador J Quam DSo cd-
rallou do governo das almas, da desigualda- nhece o brilho desta palavra, o>ti physiono-
de interior destas; toda ordem implici ma urnas vezas nihre, equasi. overa ou-
jerarenia, tola joiarcliia implica desigual- tras ardenlo eviva ; esio gesio ex(iresilvao
I dita broxaipara pintar, 3 barril eipecici exfurcoalgum para slisfazeru exikuuci'as.
medie uaea ; Aotonlo Podro das Heves. al0 0 mais-roinimo dosejo, dos apreciadores
clio Goincs^c Oheir" "*"" '' *'"' J' C8n' *M "au ~ C"mprePcom o seu
i barricas drogas, 3ditas mosiarda cm'grao; dever> cono satisfaz urna divida de honra
a Augelo Francisca Garneiro. com que esta para com o reapeitavet publi-
CONSULADO GERAI co' 1ueni 'am a ll0nra do aonun'ciar, que
Rendimento do'di.la22 .". 25:944,825 tod"'r,m.l.\agl v\ _"ro e J1""
1 1 0.1 rin !. 91 '9171 7i te, oslara abarla a assigoatura para os ca-
ldeo do da 23..........2_31'_ mirles e cadeiras do mesmo ttWalro na
28:316,651 rm. das condir0eranlorior_.
......'___ Hermano Franciie* 4e Olieeira.
mi itii Ann
ppareca da data da camn/a, visto ler
_ a dinheiro vista'1 o naraTna*
duvfdafaz o prsenle.
Simplicio da Silva Barbosa.
O Sr. Joarjoam dos Santos Azevodp,
sogro do Sr. Viegas morador no sitio do
Rozarinho queira ir quanto antes pagar os
17/000 Ti. que deve.na olera dos Coelhos,
em quanto nio o fizer, ter de ver sen nome
nnia folha.
O Sr. Francisco Josa de Azevedo, quo
(rabslha na fundicSo de S. Amaro, queira
ir pagar 27/000 rs. que devo ni ola na des
Coelhos.
-1 O Sr.,J. G. dos S. guarda da alfin-
dega queira ir pagar 8/000 ra. que deve na
olaria dos Coelhos muito lempo.
O Sr, ex sjudante do corpo de polica
J. B. V. fara o favor apparecer na Olaro
dos Coelhos.
OlTerece-se uma miinier de meia idade
para administrar qualqorcasa a qusl an-
teado de cosiuhar, magas, doces e quem a
pretender dirijavaa' a ra da guia loja de
marcineiro n. 44.
Da-ae qualquer quantia al 500/000
a juros de 2 por conlo ao mez sobre pi-
nlioios de ouro, ou prata ou qualquer ob-
jecto de valor na ra do Cabug loja do
miudesas n. I. se dir quem di.
-- Oflerece-ge una amma de excelente con-
duta, sugeitando-se a todo o sarvifo de
portas adentro, praferindo casa de houieni
soltairo quem a pretinder dirija-ae a ra
da Rangel casa terrea n. 34. ou anuncio
oara ser procurado. -
O abaixo assignado faz siente ao Srs.
colectores' de impostos de casa aberta, que
desde o-l.* de julho de 1851 fexou O seu ar-
inazeln de sal sito na ra Imperial o. 22,
para livrar-so de, duvidas faz.o presente an-
nucio. 11-
Preciza-se soltsr 2 bos mancos e 3
quartaus em algum cercado de bom pasto,
quem o lvere quizer receber estesanimaes
para refaser pagando-se o que se justar
poJe derigir-se ra larga do Rozar io n. 18
parto do quartel de polica qje acbaa com
quem tratar.
Emgoma-se loda a qualidade de roupa
com perfeicao e por cmodo preco ; na ra
Direita n. 78.
Preciza-se de uma mulher branca, pre-
ferindo-se estrangeira, para ama db casa do
homin solterro, e que soja i Josa, na roa
daSanzalla vellu n. 109.
Dezeja-se fallar ao Sr. Manoel Ferreira
Costa, as cinco Ponas n- 38 ou annunce
por esta folha.
. -- Preciza-sa de uma ama de leite na ra
nova n. 19. .
-- Precizi de 200/000 apremio, quem
tiver quera annuncsr.
-- Desappareceu no dia 22 do crranle
um molequeicriolo natural de Paje de Flo-
res, de nome Jos, de idade 14 anuos pouco
mais ou monos sem oerihum defeito, levan-
do vestido caifa e camisa de algodlo da
ierra rogt-se pois as autoridades eoapitans
de campo que o fag.lo prender e levarom
a seu senhhor na ra da Cruz do Recife o.
37, ao abaixo assignado que o mesmo pa-
gar toda despezs. Manoel os da Fonceca.
YejSo.'. i.
O annunciante das bixis de Hamburgo,
deparando com o aniiuucio qu :scu autor
tuandou redigir, e que appsreceo incerto no
uiuri'o do hoiilem aob a epigraphe, bixas
da Hamburgo tem a dicer-lhe que como
conheoe muito de p*rt- aqueie -a queo
directamente" lotjao os factos erguidos no
anuuiieio da ainiuuoiauCe dar segunda o
terca foira por isso deixa de Ihe dsradevda
resjesla; porque ae Iba dessa seria- botar
pordos a porcos, assim como protesta
desde j nSo responder a qualquer outro
que poss3o apparecer. no mesmo aentidu,
por saber quo aihlrflo Sa< aoesma fabrica,
e debaixo dos auspicios1 de tal uulididc,
_.
!



-Quintoiro Si. IrmSo, na ra nova N.63, -
cabSo de receber ,de seo Correspondente
Heaton A Rensburg, jithogrspho di casa Im-
perial, ricas esUmpas de N. 8. do Carmo a
Santa Anua, e outras muitu dilTerentes es-
tampas pToprias para quadros a tiata da sus
riqueza assim como os mesmos Incumbi-
rem-se de mandar vir no espaco de 20 dios
toda qualquer encommenda que se Ibes li-
zer comojbem conlas para lojas carios pa-
ra smenlos, do ultimo gosto, bilhetes pa-
ra visitan rotuloa.dourados para agua de co-
lonia ditos para licores ditos paragraia e tin-
ta de screver tarjas para botos com o no-
me deseas competentesdouos etudo mais
que Ibes enoommendem tendentes a lilho-
grapbia,* gravura assegurudu-so-lhes que
seos precos so muito raioaveis.
RETRATOS DE EI.ECTHOTYPO.
Eslabelecimenlo de Carloi D. Fredricks &.
Weeks. No aterro ia Boa-Villa n. 4.
Tendb cliegsdo os profosaoros Carlos D.
Fredricks Weeks do's Estados-Unidos
com destino ao Rio de Janeiro para ondo
snguirSo em pouco lempo, avisSo aos habi-
tantes d'eala Mad que o seu estabel ci-
mento ojiara oerlo dehojo em diante das 9da
tnannaa at' as 4 da tarde. O'rcspeitavel
publico'he convidado a visitar a galera.
Os retratos lirados por este syslema sSo
muito mais apreciados do que os anligos de
n.guerreotypo, e a rapidez com qte.se ti-
rio he tal que a pessoa n9o pode deixar de
conservar a esprecHo natural; Ist lambem
lis urna valigem ipara as pessoas que qui-
zorem mandar lirar os retratos de enancas.
Tambem se tirio cop'ias d outrds retratos,
soja de pintura, on Daguerreotypo. Traba-
lha-se eom a mesrna perfelcSo nos dias nu-
blados, otfoo nos de sol claro. Os dias
mais proprios para as familias SSo os da se-
mana, para' evitara' concurrencia dos. das
de Testa; e para o mair commodd das se-
nlioral ba urna sala seprada. Os precos silo
do ftOO para cima.
O abaixo (signado avi/. aorespeitavel
publico que nnguem oegocei ou laca ir.n-
sac;8o alguma com urnas letras patsadas
polo mesmo abaixo assignado, i favor Jos
Concalo da Silva, sobriubo de Mdtbias Go-
mes de Souza, ede JoSo Gomes de Souza,
moradores na cidade de Goianna, por qua os
supraditos anda nSo eumprirfo certas
ubrigacOes, a que se sugeil.rSo para obter
ditas letras. E para que nao baja iguurau-
ca a este respeilo se faz o presente avizo.
ioti Carreta. d'OUveira Andrede
Avisa-se aos genitores que
inda se acharo devendo contas na
loja, que foi do fallecido Jos Pin-
to d ronseca e Silva, na ra No-
va n," ii, que o praso marcado ,
para pagarem suas contas, est a
acabar no da 3i de julho ; por-
tento novamente rogam os liqui-
datarios, aos mesmos senhores que
mandein saldar suas contas, pa-
ra nao serem ejecutados judicial-
mente.
D3o-se 3O0SO0a premio de 2 por can-
to, quem precisa*'nnuncie
Paulo! Galgnoux, dentista
m franccz.offercee "eu ircstl.
mo no publico para todos os J
msteles de sua proflseao : *j
' pileser procurado a qiini-
que-i- hora eni sua casa, ua
mu larga do Rozarlo, n. <*i>
segilndo andar.
No dia 84 do correte julho, tem de se-
rem arrematados em praca publica doSr.
I)r. juizdeorflhSos, os sobrados de um an-
dar, na ra Augusta ns. 7, 78"e 80 A, a re-
No pateo da Ribeira, loja do sobrado
u. 15, engomma-se e lava-se loda a qu.li-
dade de roupa, por prego mais commodo
do que em outra qualquer-parle.
#
# medicina, mudou ana residencia m
Sp'ara o aterro da Boa-Vista, casa n. 8,
2 andar, onde pode ser procurado, e
tg d consultas gratis aos pobres".
"I # #
Pelojuizode orphSos tem de ser arre-
matado por arreodamento em hasta publica,
no dia quinta feira 21 do corrente, o sitio
de matas que pertence aos menores Dlhos
do finado Manoel Rsph.i-I de Souza G.IvSs,
com urna iegua do fundo e 180 bragas de
largara; no lugar da lago, do canto e
Areaes, freguozi. de JaboatSo. Os pretn-
danles podern, comparecer as 4 horas da tar-
de do dito da, aporta do juiz de oi'phlos.
Aluga-se uina casa de dous andares
nos bairros de S. Anlonio, ou Boa Vista, ou
on til.i deum andar esotSo, que sejam de-
conles o tenbam suflicientcs commodos pa-
ra numerosa familia : quem livor, annun-
cie, ou dirija-se a Soledade, sitio dos Qua-
tro I.oes.
-- Dosejs-so saber se nesta cidade, ou em
outra qualquer parte existe alguma pessoa
pertencente a Antonio Joa da Silva casado
a primoua vez nesta provincia com Kilippa
eros, tando esta fallecida deixando duas
filhas, urna soltelra de nomo Francisco, o
3
taaaat un w < o -r a. l IIIIlJO| UUia r>mn;ii n UB aiwiiiu a lajatuia *j
quorimento- do lutor dos menores, tunos ae oaUa de nomo Ange|a< casada com Joaquim
Jos Mirla de Jess Muniz he a ultima Lope, i/reires: o mesmo Antonio Jos da Sil
praca. ivapassou a segunda nupcias na provincia
-- C\Sr. Francisco Antonio da Silva, da do cearS com Paula Jozeplia Mandes, o qual
ra do Raogel, queira mandar pagar a as-j fa||eceu em fjg^ ueixando duas filhas me-
slgnatura deale Diario, e em quanto nao ojnoreJi Francisca com dada de 9 annos e
lizerver o seu nome publioado em letra |za|,e| de 8/8 jepoia a viuva mudou-se para
redonda. la riboirade Jaguaribecom asmesaiasfilbas,
Preciaa-se de um portuguei_?u* '*e"'e l residiram at 1791, e para negocio ile
em nlanlacdea de aillo, para o laier em
do Rcmadlo.: quem esltver neilaa SD
interesse roga-se a qualquer pessoa
- JoHo Nvciso 'da Fonceca possuidor de ra do Qucimado loja de ferragem n. 1* para
letras vencraVB'e a vencer, com hypotheca saber o que ba a respeilo.
legal oos foros do silio Arad, segundo a os- q QQQOOQOOQ99Q09Q9
criitura publicada nesle diaria n. 1*9 do v* llua las Criiws a* 28. O
criitura p__.
8 de Julho do 18*7, e registrada a f. 05 o
livrol.do registrogeraldashyoethecasan- K>
O
o
o
Consultorio homaopalhico do facullali {&
voJ.li. Catanova. Q
Gratis para os pobres. 0
Na ausencia do facultativo J, B. Ca- ,
sanov.a, o professor bomcoopatha 9
Gosset ii'inoiit esntinuar com os 9
trabalhosdo mesmo cousultorio, on- \>
Aos de rites.
J. A. S. Jane, dentis'.a, tem honra de a-
visar ao respaitavol publico, que se acha
reaidindo na ra nova, prlmeiro andar, n.
19 onde estira, sempre prompto qualquer
chamado das 9 horas da manliS at as*da
tarde ; o aiiiiurclantc enclioita de um to-
dos os denles, que para isso lem um com
pleto sorlimcnto de dentes artificiis de
poroi'Uaaj. sondo esta composicSo incorri-
giviM mui3elioados o do ultimo gosto, e to-
dos os mais eccessorios tendentes a sua
rrofissSo : o annuncianto asaevera a todas
as pessoas que se quizaren) utilisar do seu
presumo, que no oxige paga alguma n3o
licaiidii os denles bem postos ; que n3o se
|ms-,i;n Oiforongar dos proprios denlos na-
turios, o podondo-se masligar com os mes-
mos loda equalquor comida, son sentir
menor dr, sem ter recoio de os quebrar.
Tambem chumba os denles naluraes fura-
dos da carie, com ouro ou prata, prevenindo
assim a conlinuacBo da carie e doros, e
mesmo evitando por essa forma do passar
a carie dos dentes furados para os outros
saos ; tambom tira pedra ou carie dos den-
les em geral, que tanto damnifica o coope-
ra para o mau balito da bocci, 080 sendo
tirado : o annuociante ha \-i annos que
exerce a sua proGsSo ne-ta pra;a, o osse
longo lempo o deve garantir.
SJ9 COKSULTORIO CNTAt HOa'0P*TIIICO
4 DS i'iaiv vmiii ov
a)< criyiaopelo Dr. Sabino Olegario I.ud-
$ yero rinho.
# Ra do trapiche Novo n. 15.
a) Todos os dias uteis se dario consultas
$ e remedios de graga aos pobres.desde 4
a> pela munli.1, al as duas horas da tar- 4
a> de. As correspondencias o iniforma-
a> ori.'s puderao ser dirigidas verbal-
h mente, oa por escripto, Revendo o
% doente indicar primeiro : o nome, a
; idade, estado, prolissSo, e constitui-
tt (,'au ; segundo : as molestias, que tem
ti tido, a os remedios tomados; rercei-
ro : a poca do apparecimenlo da mo-
dos signaos ousymptomas que soCTro.
^&++m+&&++ i*^>i-aaaa
instrccaphimAkia.
Oabaixo assignado, lendo recebido do
respeitavel publico benvolo acofhimento,
visto como ja muitos paes de faroila Ihe
tem confiado se'js filhos, convencidos da
maneira con cianto lem dosem|icnha'do as obrigagde^ a
que se comprometiera na direcgSo de sua
aula particular na ra do Mjndego n. i.
rende por este meio um publico agradeci-
mento aquellos que nelle tem depositado
sua confianga em asssumpto 13o delicado
terioies: rosa aos Seuhores. de annos do .
foros vencidos, e aos mais em ral quan- g
do se vencerem, se siryirSo mandar-Ilie pa- O
gar no armaze'm de assucar da casa n. 15, <3
jo,. uOTra rtmmi .u,.uc .no- largo do Gorpo santo; apresentando- a-se pi de vendagem a pretas o mo-'*rio o ultimo recibo que pg : para o Mino- q de p0dera ser procurado a qualquer v
leaues com garanta do aeus aenbores ni tar: revoga o.annuncio queJez no diario j |,ora- Q
ra larga do Itdzasio padaria n. *8. cima rttadoy e doclara que da data do hojo Q^JOOOOOOOOOOOOOOOO
Precisa-io de urna a roa forra, de bous emdiante, em quanto existir a rereriua ny- u,nmoto bra,ieiro de boa familia que J4
coslumes para urna casa de pouca familia, potiieoa, sSo nullos os recibos que nao um ,|gUma praiica no commcrcl deaeja enr-
no uateo do Paraso no 1. andar da casa n.! estivorem assignados pelo annuncianto. pregar-se em una caa eilraogcira ou nacio-
q las,,i,al, .lo Santos tondo de acabarlatc o li^i) do corrento anno, com a sua loja branca; em quaolo a sua conduca pode apre- como seja a pnmeira o.lucacSo de sous li-
-t"oTm 4o"tate S com o soi osla-* da ferra^m da ra. Nova n. 16. offerec, a .en.a'r iameThore. recommeodatoe.; que,., de hos. O .nnunciante ,ulg. dever_.ind._so-
nto de confeitaria-na ru. estrella qnom a queira comprar, e principa desda .cu pitaJJjo
ion. 43. por motivo da relirar.se ja a vender qualquer porcao de erragensou car_u.a
...j da previuci. por isso qu.lquer, ^CA^Lei.?lei^f.US^.TL!:Ki-'ea.ar aetr.
pessoa que pretenda dito eslabelecimenlo,
dinja-ae meama casa, que adiara com
quem tratar.
-- Preciza-se alugar huma casa de dous o
IWtWtoS^ Szotm^sjoro. ; e se poV por faUU-
Quom precisar mandar lavar e engomar
do Rozario
r a nrinciiia desda seu prcsilftio ae qulaer uilliiar dlrija-ae era licitar a rmilianoi das pessoas moradoras
belecimenlo de confeitana,na ra eatreiU qnom a queira compra_r,_eprincHu_uesua _;_^ ^^ iob\Ui H aC!I, .ypograpbia. fra da praca, pir quern oi specialmcn-
ota-seaoSr, T. G. o favor de mandar ie creado o sou eslabelcciincnto. E om
pagar a letra do 712/212 r|. sacada |MM JSrd.de" he ralmek rccoXcido. que
muitos paes moradores fra da praca dei-
xni de dar a educacao precisa a seus II-
Ihos, ou a fazem com grandes sacrificios e
diliculdades, em razao de faltarcm' aulas ou
collegin, onde possam colloca-los( por tal
modo dirigidos qudesc.nsem inteiramea-
te, nSos a respailo do tratamento e dis
vellos, como a respeilo do desenvolvimos
lo intellectual e moral; era portanto dj
es-
las
rop7dir^VVtr.TdVMalhz"de S.7uVniO julho, na certot. de que os que no lizerem "osle diario.
Casan. 16 primeiro and.r. jleraodever seus nomes publicados
Os .baixos assignados amigavelmente
dessolverfio- a sociedade que tintillo no ar-
uiazcni de carne na ra da Praia desde o
primeiro do Comento o do coot da socio- O Dr. Lobo Hoscoso d consultas gr*,tui-
ade. nada se lleve. Mmoetdo lego Lina, tas aos pobres, to s os oas utes, dfcsde 9
- Peiro Josjla Costa. ,. I Loras da manhSa, t .o meio dia, depois
lUtlliiSDK IIAMBURO.' desea hora visit>r#em sua casa os doehtes,
Pede-se so ar. annunciante das Bichas re- que liverem precisSo, e em casos extraor-
cenlemenle chegadasde hamburgo, que de- dinarios a qualquer hora do dia, ou ooute;
clare em que navio chegarao, e se hamburgo recebe doentes para tratar, ou fazor qual-
se mudoupara oeatreito, com penna depas- quer operaeflo em urna casa para isso des-
sar por calumniador por assim querer illu- tinada, fra da cidade, sondo o proco de
dir o publico, e apelillar aos mais com o e-jl,D0i) a 2,00 rs. diarios 'para os oscravos,
piloto da exorbitantes. conforme as condicOes que se estipularem,
' m~~-^nmifffBirmurtr^^a e 2,500 rs. para homens livres : as pessoas
XTi."T? iTnJrlffo?.?! Z q nao'poderem Comparecer no consulto-
Mementos de homeopatliln. } dem Bnviar suas jform,caos pores-
Portodoo mei de julho, fallir a lua W1 eripta 0u vocalmente, declarando o nome,
idade, temperamento, consliluigao, resi-
seus debilos at o fin, do" corrente mczdo ^0110^01.^6^0^ nome por extenso
--erern nosie aiario. ... *w m^mHuai o uiuiai, p i^umi"
e se| Aluga-se um sobrado de 2 andares as palpitante necessidade a creacSo d um
ruasseguintes: ra Direil, rua'do l.jvra- t.belecimento quo remisse tod.s aque
proceuera nos termos aa le. mento/pateo do mesmo, ra do Queimado, coodicflese foi com essas vistas que o an-
Conmtlorlo homenpalAtco, ra do eone- rua, do_Crespo : quem tiver e quiaer alugar nuncunto estabaleceu a sua escolla no lu-
tfon.SS. dirija-se a rua da Praia n. 55. garindicado. Os pensionistas, que llie-fo-
IIom, negocio para se ganlinr. |rem confiados, charSO eslanelecimento do
NSo 'convindo ao abnix assignado conlis annunciante todos os elementos nocossu-
nuar i'iu fabrica do cordonria, ptlo eu- rlu ao' bom dd.snrolvimenlu phisico, ill-
afazeres.o obrigaces a qus esta encarrega- tlleclual e moral. HabitatSo sadia, com
do, tem resolvido vonder todos os utencilios a accommod.ces necessarias, e todo, os
da mesma fabrica, fornecendo ao compra- cuidados que um paa p le dispensar seus
dor, arto com todos os csclarecimcntos (ihos. Mostrea escolhl-los da gramm.tica
precisos para qualquer pessoa poder dirig- latina, franceza, msica vocal e instrumen-
ta, ntlos no fabrico do carro, como tan*]ta|i se enc.rreg.r.m do aperfei^oar alo-
bom'.no linho, couro, a outras qualidadosdo lotligencia dos alumnos em quanto o an-
cordagens ; lambeui vende hum terreno de nuncianle dirigir especialmente as primoi-
terras proprias e enchuto com capacidade, o
cxlenco precisa para so montara fabrica.
I.' parle d'eala obra coinpoUa pelo pro-
m
indlcacao dos medcamenos tpropila-
doapara cada cato de enferraidade.' Ra-
r 1.1 obra he mil, lano para oa mdicos
m. que ae dedicarein a eiperiinentar a uo-
S va medicina, como para todas ai pes-
J aoaa de boa vonlade que se quicreiq
convencer por experiencias da verdade
W d'eala doulrina, por ser ella multo clara
ealnlelllgencia de' todos. .
piebeWdf, o di.curio preliminar, *a in- f, dosquesolTre e as molwlias que entenor-
iroduccao, o exaiue do doentc.a cscolha m. mente tem tido.
do remedio, o emprego dos remedios, Si = Arrendarse, para qualquer estabeleci-
orgimen eos conaclhoa clnicos, cora ?! ment, a prepriedade da rua da Florentina
aeipllcaclo dos nomes gregoi e anato- W n. |6e 18, a qua'l contem grande fundo eom
mico empregados em medicina, l;lf p0rlo da ambarque pelos fundos, e nesla ly-
pographia se dir com quem deve tratar.
-- Aluga-se um grande sitio, com milito
boa es. de vivend., para grande familia,
bastantes rvoredo's de fructo, grande bai-
xa paracapim, na estrada dos Aflictos de-
fronte da igreja ; um sobradinho na estra-
da da Ponle do Ucha, a margem dorio: a
trata,- na roa da* Aurora^ sobrado n. 26.
m
- Adverto-seaoSr. Estevao de Albuquer-1 PrllieraS Iettra8.
quo Mello, aprondis de lldalgo, que deve I o abaixo assignado, autorisaio nos tor-
tor muito om considerarn, qna sor lldalgo'mus do regulamento provine!.1 de 12 de
he urna cousa, e que nSo pagar dinhelro a | m.io prximo lindo, por port.ria do Exm.
quem se deve he outra, que mande* de Coi- sr presidente d. proviocia de 2 do corren
auna pagar sua li-tra vencida, e que oses-'(o julho, faz publico quo a sua aula de pri-
condrijos de Cunhau, o Villa Flor, nflo/ie a rneiras lettras, Continua, no aterro da Boa
California para onde se diOiculta vfggem. Vista em o sobrado o. 5, onde recebo sumen-
-- Roga-se so Sr. Manoel do MellojAibu- to alumnos externos. As materias do ensi-
pla, aritlimctica pra-
querque, llho de oulro, morador noTamoa- no sBo: leltura, oscr
t, cima de Pedas'de Fogo legoa c meia, tcai grammlica di I11
nigua
nacional e dou-
nrillim-
provinciada Parabybs, queso vivo de tram- trn8i sendo li^Oes de> escripti.
polinas, vi ou mande a Coianna, aonde no nca e grammlica acompanhadas dos res
ignora, pagar o que deve, o do conlJariu, pcilivns exercicius, os quaes cumproli li-
tera de ver sau nome por todo este mundo, 'dem orthographia, applicaQo d.gdiu*ercn-
s tido e bavido por calloleiro : apezar de te8 operacOes de iithmelica o analyse
que o Sr. delegado do pilar de muito devia grammatical pelos melnores classico.
para so
abaixo assignado .fi.oca hum lucro certo
aquemquiser empreg.rnao muitocapilal
neste negocio-: As'%pessoas que quizerem
morttar drta fahrira no antigo estado em
que esteve dever3o entender-so com o abaixo
assignado na caz. do Sitio Araca em Santo A-
msrinho nos dias uteis slb.sS horas" d.
maulla e nos dias de guarda qslquer hora
do dia. '
"- Hanocl luis da Veiga.
Q Consultorio do Instituto lio- 0
,': niuuopntliico do llrasll. :;,
X GRATUITO PA|IA OS POBRES.
a Rua do aterro da Boa-vista n. 47. 2
'i, Fundado pelo cirurgiSo J3o Vicente ,,
2: Martins. primeiro secretario perpetuo g
j!{ do instituto homceopalliico do Brasil, &
^ em 18 de detembro de 1860, dirigido O
W pelo cirurgiBo Francisco Jos Rodri- O
0 gues. Este consultorio est aberto to- Q
Q-dososdias uleis das 9 horas da ma-
nb3 at ao meio dia, nelle. os pobres Q
receberSo consultas e remedios de q
gr.c. ; os que n3o poderem comp.- ^
recer por cus. do suas molestias q
gerSo visitados em seus domicilios.
O
ter livrado parle de Coianna e Parahvba de
um tal milafro queem 13o pouca idade tem
feito mais do que Mercurio,o ser capax para
o futuro passar anda alem do lago esligio
nos cavallos de Jos Florencio.
Jost Xavier Faustino Ramos.
imMmmmmmmmmmmxmm*
Ignacio Firmo Xavier, Dr, B
I em medicina, Dxou su. renuencia, na
I ru. Nova, casa n 67, primeiro andar,
I e ahi pode ser procurado para o exer-
cicio da sua Prolisso, a qualquer bu-
I ra do dia, ouda noute.
iwmmwmmmmmmmmwwmwm
Precisa-se de urna ama para todo o ser
A bem dos desamparados.
Avisa-se aoSr^c.pitaocomm.ndanteJoSo
Dias d. Silva Coilinho e Araujo Pereira, ou-)
ja pateute Ihe foi dada polos Preais de Mo-|
coz, quo tem atulhado de feitos sem effeilo ;
os cartorios do foro de Goianna,para cobrar vico de urna casa, menos engommar, e que
urna divida do casal do finado Jo. Correia ;cosmhe bem, para casa de pouca famili
de Amorim, cuja divida nSo lem Torca de na rua Nova o. 5.
letra, e j monla de 300,000 rs. a um cont -- Offerece-se orna mulher de idata me-
etanto; que assim como soube aonde esta- dia, para cosinar as primeir.s lettras, ou
vam os escravos Josefa e-Rila, melrior sabe-1 mesmo p.r. ama de alguma cas. de pouca
r aonde etl os lierdeiros do casal. Que se familia : n. rua da Guia n. **.
deixe de engaar a quem coohece o Sr. ca-1 -- Precisa-se de urna ama do lerte: na ru
pitfio, quo foi faicr embargos na comarca de. do Amorim n. 25
Nazaretb, som deprecado.illudindo os ofllci- A pessoa quo tiver um cosinheiro ca-
aes ser docomarca de Coianna para alli ir fa- ptivo, que enlenda um pouco do cosinha
er o depo.ito.tlr.ndo do poder dos seus so- fr.ncezs, dando-se 15,000 20,000 rs., con-
brinhoa legilimo orplios deaamparadoa os forme alubilid.de, dirija-se a esta typo-
unicos eacrevinhos que Ibes servia de arri-
mo; alegando terem sido apartados para seu
pagamento em um inventario, que a relacSo
aniiullou, citando por cartas de ditos at
lierdeiros dentro da comarca de Goianna. O
Sr. capillo deve saber, que a divida dos ca-
saos silo justificadas na factura dos inventa-
1 ios, este que esta por as luzer, nao se puje
arrematar lieos Sa o Sr. capilBo conseguio
esses favores anteado Sr. Jo.quim lt.ph.el
de Millo, j nfio os oblar, poiem o Sr. Ita-
pbael cunbecer mais asoanaas de demandas
iic Goiaooa do que e annunciante ao Sr..
oBiidij O Custodio.
Arrendarse, ou vendo-se una casa de
pedra e cal, sita no Montoiro, com terreno
para plantar e com arvoredosda frnclo, por
preco cummodo : trala-so na rua dasTnu-
cheiras ii.*8, primeiro andar.
graphi.
- A. Nicolli, yai fazer uma viagem ao
Rio de Janeiro, oduranlo ua ausencia deir
xa encarregado de seus negocios os S'rs.
Crocco & C.
Oabaixo assignado avisa ao respeita-
vel publico que se chamava JAs Moreira da
Silva, e como haja outro de Igual nome, de
hoja cm vantoso chamar Jos Moreira da
Siljra Jnior. -
Aluga-se a cocheira da rua do Tambi,
que Cea no fundo do sobrado n. 12 d rua
doAragSocom boas comniodidades, >e por
barato preco : a tratar no mesmo sobrado,-
primeiro andar.
-- Arraoda-se um sitio em P.rnameinm,
com esa na estrada dojtonteiro. com mui-
tos commodot 1 na trafjajba do Veras n. 15;
casa do Sr. Tr.vassus,
toda e qualquer hora do dia, partici- q
pando no consultorio, ou na cas. ~
amarella n. 88 defronle da matriz, v
Q tereeira anlar, na mesma. O
B>oOOOOQO00 OOOOO
Na rua ds Agoas Verde, n. 11, lava-se,
e engomma-ss loda qualidade de roupa, por
preco mais commodo do que em Outra
qualquer parte.
No dia 18 do corrento, ausontou-so da
olaria dos Remedios, um preto canoeiro, da
nomo Joaquim, nscfto C.cange, de estatura
regular, representa ter 25 annos de idade,
cara redonda o cor um pouco fuls, nariz
chato e todo repudalo om roda, que pare-
ce lar sido queimado, porm he defeitodo
bexig.s, d.s quaes anda tem alguns signaos
peo rosto, tem pouca barba o he quebrado
d.s duas vorilhts, levou camisa e calsa de
algodao de fra e chapeo de palha : roga-
se portanto a todas as autoridades policiaes
e capitaes de campo, o favor de o manda-
ren) capturar e entregar n. ru. larga do Ro-
zario, padaria n. 18, que se gratificar cota
generosidade.
- Precisa-se para alugar uma preta es-
crava, que salba tratar de crianca, a fazer
o someo interno de urna casa de pouca
[omita : quem a livor dirija-se ao porteiro
d'Alfandega dest.1 cid.de, na mesma re-
partido.
'- Chegou ha dias da B.hia um ptimo
bolieiro para ser empregado nesta provio-
cia : quem precisar do seu presumo poda-
r annunciar por esta folha para ser pro-,
curado. -
- O Sr. Domingos AITonco de Mello Al-
buquerquequeira lera bondade de annun-
ciar a sua morada ou dirigir-so avrua do
Rosario Larga, n. 38,2. andar, qua se'llio
def}a fallar.
Precisa-ae de um mogo .para caixeiro
de loja de miudezas, que teoba pratica, na
rua larg. do Rosarlo, 311 5, loja se dir.
Rog.-w Sra. D. Mari. J.nuaria das
Neves Teixeira o favor de mandar pagar a
ua leitra vencida- l deoutubro de 1817
da quantia da 100(j ris, e juros que tem
decorrido pois livrar-se-ha de termos mais
tr.bilhos couio he costume istooestes oito
dias, na rua da Solidade, n. 52
ras lettras, n3o poupindo esforcos para a-
diantar os seus discpulos; em fim a mo-
ral e a religiSo sorSo cultivadas, como con-
vem quem sobre tudo quer formar bons
cid.d3os. A nica rccommondac3o plau-
sivel este respeito he um exame ocular, o
para esto fim o annuncianto convida a to-
dos os paes de familia que d'antem3o qur-
zerom certificar-se da realisac3o das pro-
meis.s do annunciante, para que so diri-
ja m sua aula o ahi examincm por si incs-
mos a ni .lem e regularidade dos trahalhos.
a as mais condicOes quo licam enumeradas,
O.annunciante espera continuar mere-
cer o favore conlianca do puplico.
Francisco de Sales d Albuguerque.
Receberam-se,eleem-se osjornaes
de Lisboa e Porto.
KuadaScitzalla ve lia 11. 14o.
De dia des Jas-3 horas, e de noile das
til*,
Oabaixo assignado faz publico, quo
em 7 do corrente mez Ihe foi recolhido em
sua estribara d. ru. do Apollo n. 25, um
ovillo com c.ugalh., por um hornero do
mato, e como n3o tonha apparecido para
tirar dito c.vallo, preciso foi o presente an-
nuncio para quem Ihe perlencer, ir busca-lo
pagando as despezas, isto no prazo de 30
dias.angun) da Costa fieira.
Companhia d'Accionistas do Tliea-
tro de Apollo
A comissSo administrativa convida aos Srs.
accionislas a rounreru-se domingo 27 do
corrente pelos 10 horas da manliflo no.sa-
13odo mesmo thealro, conformes delibe-
roslo tomada na ultima sessSo d'assemblea
goral da companhia, par. sorem rovistos e
.iineiiilados alguns artigosdos estatutos quo
a r iv 111.
-- Preciaa-se do alugar um sitio, para se
passar a fasta, ou por aono, anda quo saja
pequeo, a bira do rio Capibarbe, no lugar
d. Capunga, ponte do Uchoa, at o'Mon-
teiro, e que seja lugar fresco, a tratar na
rua da Cadeia do Recife n. 51.
Compras.
- Aindamis |ieelilnelia.
Cortes da casimir, preta, fina, por 5,000
rs. ; ditos de cores, a 6,400 rs. ; brim bran-
co trancado de llnho, a 1,800 rs., o corte de
calca; alto escuro, a 1,600 rs.; dito de lis-
tras, a 2,000 rs. : na rua do Crespo n. 6.
Vemlom-se por cmodo preco 8 duzi.s de
taboas de assoalho, de lauro ja promptas ; 6
taboas de custadinho de amarello, 6 ditas
do assualho reforcado ; 13 ditas regular, 16
ditas de refugo : 5 pedras de Lisboa, para
solo i 1 as; alguns caixilios j prpmptos ; por-
ta.las de Lisboa, e outros muitos objectos,
que s com a vista se doderSo apreciar : a
vor-se n. rua do Rangpl, no terreno junto
. Botica.
Tres lindos molequis de 8 a 18 annos
sendo um ptimo oficial de sapatero,.qua-
tro pretos do 23 a 30 annos tendo.um oficial
de o.11,1:11:1, c outro oleiro, dois pardos de
20 a 30 annos, sendo um oficial de sapatei-
ro e tambem trabalba -lo carpina, duas par-
das ilo't a 20 annos com habilidades, e seis
pretos alguns com habilidades, e outros
proprios para todo o servico: na rua do eol-
io,: w n. 3.
Vendem-ss G escravos, s.endo um bom
carreiro, e 5 de todo o servido ; 3 moloques
de idade 12 a 20 annos; 2 negrotas de idade
16 anuos, sendo uma reculliida, engoma, co-
ze, e cozinha o diario, 3 ditas de todo o ser-
vido :na rua direita, defronto do beco do S.
Pedro n. 3.
Trancas de seda e requi-
fifes para vestidos.
Vendem-se muito bonilas trancas de seda
o requintos, proprias para enfeitar vestidos,
por precos mujlo commodos, dam-se amos-
tras aos compradores: n. rua do Queimado,
loja de miudezas junto a de cera n. 33.
, Vendo-se uma batanea ingleza grande,
quasi nova, com conchas o corrcnles : na
rua do Vigario n. 25.
Camisas de meio. <
Vendom-so linissimas camisas de meia, .
2,00o rs, ; lilas a 1,280 rs.; ditas decores,
p.dres muito bonitos, a t.obors.: na rua
do Queimado, loja do miudezas junto a de
cora n.33.
Ricas litas lavradas.
Vendem-se fitas lavradas* de dilTerentes
larguras o gostos o mais fino qua pode ha-
ver om filis : n. rua do Queimado, loja de
miudezas junio a de cera p. 33.
Ven lem-s 2 negras, sendo uma cri-
p-ila do 15 a 16 annos, pouco mais ou me-
nos, o outra da Costa, com uma cria de 10
mezas : na rua do Raogel n. 46 segundo
andar.
Ricos toiicadores.
Vendem-so lindos toucadoros de Jacaran-
da, com oolumnas o muito bom ospelhn,
pelo diminuto preco de,2,500 rs. : na rua do
Queimado, loja de miudezas junto a do ce-
ra n. 33.
Carapucas de seda, preta,
Jendem-se carapucas de seda preta, fa-
da muito superior e sem deleito algum,
pelo diminuto preco de 500 rs-, vende-so
por esto preco ror haver grande porc3o e
ier-so eomprado muito barato : na rua do
Queimado, loja de miudezas junio it de co-
ra n. 31.
Presuntos.
Vende-se os mais superiores presuntos
americanos que tem vindo a esto mercado,
por preco commodo : no caes da alfandega,
armazem da esquina confronte a arvore.
Vende-sa una porcSo de cera do car-
nauba, balsamo e resioa da angico por proco
commodo 1 na rua do Livramenlo o. \%
Na rua das cruzas n. 22,segundo andar,
vendem-se duas escrovas engommadoiras,
cu/0111 cl>3, cosinbam o lavam, c um escravo
pardo, proprio par. todo o sorvico, o um
escravo de n.cSo ptimo canoeiro, e de boa
conducta, quo representa ter 25 annos.
A 8 e a 20,000 rs.
No deposito de caldeiraria
De Andrade e Leal, na rua Nova n. 33, rece
beu-se ultimamentn um completo sortimen-
to de folha de (landres de primeira qualida
do, o vende-se a caixa pelo muito mdico
preco de 20.000 rs., assim mais caix.s com
vidros de todas os dismoosaes a 8,000 rs, a
caixa.
Negocio
Q
vantajoso para
Compra-so um. mesa do jantarj ser-
vida e que ten lia gavetas, por mdico pre-
co : n. rua l.rga do Rozario, padaria n. 48.
Compra-se uma porcSo de pedra de
c.otaria, para calcada: na rua do Mondego
n. 147.
Compra-re o methodo goral para a vio-
fraoceza, por Manoel Nunes Aguedo,
com principios de msica, escalas, arpe-
jos, etc.: na rua do Vigario, casa n. 7.
Compram-se oscravos com oilicios de
ferreiro, carpinleiro e podre ro, assim como
molecotes o molecas de 14 a 20 annos e mo-
cambas com habilidades : na rua do Colle-
gio n. 25, primeiro anlar,
Compram-se e vendem-se escravos, e
rocebem-so de commiss5o,tanto para dentro,
como para lora dosta provincia, o sa adian-
ta dinheiros sobre os de commissSo, sem se
levar juros, sendo de bonitas figuras'na rua
das Larngei ras n. 14, segundo andar.
Vend
as.
-- Vende-se um escravo crloulo, de boni-
ta figura, de idade de 20 annos : na rua da
Cadeia do Recife, casa do coree tur Uliveira.
ucm comprar.
Vende-se uma grande parto de um silio
do coqueiroi, com excellente casa de mora-
da, r i-.-h l.i a parta no valor de um cont e
novecentos o trintos milreis, vende-se por
um cont de ris sendo quiobentos vist
e quinhentos seis ou oilo mezes : tambem
se troca por uma casa terrea inda mesmo
em caixSo, sendo nas'ruas Augusta, Marty
ros, ll utas, oie. : quem ouizer dirija-se ao
liateo do Toreo, casa n. 33'
Atteiifo
Na loja nova da estrella, rua do Queimado
em frente ao beco do Peixo Frito n. 7, ven-
de-se mandapol.lo com quatro palmos de
largura a 3,200 rs., franquilim preto pelo
diminuto preco de 400 rs. o covado, chitas
filas a 160, 180, e200 rs. o covado, duraque
azul escuro, e claro, a 720, princeza preta
fiua a 800 e 1,000 rs., chapeos de sol de seda
furia-cores a 6,500, cortes do casimir, de
cores a 5,500, e 6,000,ditos do meia c'.semi-
ra a 1,000, 2,003, e 3,000, e outras militas
fazeii las multo em cunta.
A el I es.
Na ru. do Queimado n. 16, estSo venda
doua lindos cordeirinhos artiliciaes pelo m-
dico pro?o dj 5, a 7,000 : selles antes que
fuj3o.
Para animaos.
Vende-se uma porc3o de bolaxa propria
para anim.es por muito pouco dinhelro :
na rua larga do Rozario n. 48;
Ao barato
Madapoles a 2,200, 3,000, 3,500, 4,000
4,500, o 5,000 rs., chitas a 6,000, 6,500, e
7,000 rs., riscadinbos de linho muito finos
a 320 e 360 rs., algodSo trancado com toque
a 2,210 ; limpo, a 3,700 ; e outras muitas
fazendas corno cassas de quadros a 2,400 rs.,
cambraias com salpico, superiores, 5,500
rs., grvalas de seda a moda do principe
Alberto ltimamente chegadas, a 1,800 cada
uma : rua do Queimado, loja da estrella, n
7, em frente do beco do Poixe Frito.
He barato.
Vende-se um lindo cav.llinho artificial,
sellado e enfreado, prompto a seguir viagem
immedi.nte, a diminuta quanlia do 12,000,
nada mais barato : na rua do Queimado
o. 16.
Vondem-se oito bois mancos e um car-
ro, com todo o aparelbo : trata-sa noeoge-
nbo do Brum, com o Sr. Baracho lavrador
do mesmo.
Vende-se farinha muito fina, om sac-
cas, advertindo-se aosfreguezes que he de
outra e nSo d. primeira : ua venda quo fui
do Sr. Nicolao Rodrigues Cunba, no pateo
do Hospital.
Vende-se uma escrava cabra, moca ,
muito sadia o som defeito, nao tem grandes
habilidades.portn faz bem todo o arranjo de
uma casa, o motivo da venda sinceramente
se dir ao comprador : na Ponte Volba u.
14, das 3 horas da tarde em diante.
Cera,
branca em velas, em caixa a, com sortlmen-
tos vonlade do comprador, e a proco com-
modo, assim como chapeoi do Cbile: ns
rua do Trapiche, escriplorio n. 5.
Vende-aa samante de ooentro, muito
nova, aflansa-se a qualidade, a 300 rs., a gar-
rafa : no aterro da Boa Vista, loja o. 14.
-- Vende-ae a laverna n. 8. da rua do
Rangel, com pooro* fundos, ou s com os
cascos, vonlade do pretendiente, ou mes-
mo estes separadamente, assim como a ro-
talho, pratos, a 1,000 rs., a duzla : tigelas, a
960rs., a dita; bules pintados, a 480rs. ;
assucarciras e mantegueiros, a 320 rs.; su-
perior vinho do Porto, ba muito engarrafa-
do, ooo rs., garrafa; dito tinto, a iars.;
vinagre puro de Lisboa, a 1,000 rs., a caa-
da ; azeite doce de Lisboa, a 500 rs., a gar-
rafa ; serveja, a 320 rs., a dita, a outros
muitos artigos, por precos commodos, para
liquidar.
Vende-se cevadinha era garrafes mu
bem conservada, a 2,000 ra. a arroba; oa
rua da Cruz, armazam n. 48,
Farinlia,
de mandioca, chegada de Santa Catli.iriua,
no brigue Uineroa, ancorado em frente do
caes do Ramos: vonde-se a bordo do mes-
mo navio, ou na rua do Trapiche, esoripto-
rlo n. 5, a preco menor do que em parte
alguma.
1,440 rs.
Rap Paulo Cordeiro,
o mais novo que ha no mercado: na rua
da Cadeia do Recife, loja de fazendas n 51,
de Julio da Cunha MagalhScs.
Cola.
Vendo-se a mellior cola, que at aqui tem
apparecido, por proco commodo, a retalho,
ou em poi cao : na rua Nova n. 42, defronte
da Cunoeicau.
Penas de Erna.
Vendom-se penas de Kmo, por preco cora-
modo : na rua Nova n. 20, loja de fer-
ragens.
Bacia.
Vende-se urna bacia de l.it.lo, propria pa-
ra banlio, por ser muito grande a bem fei-
Ia, por preco commodo: na rua Nova o. 20.
Trancas e Kquifes.
Vendom-se trancas de seda, de mu lin-
dos p.dros, 41o rs., a vara ; reqeiflfos, a
240 rs.; trancas de 13a, a 60 rs., a poca : na
rua do Queimado n. 16, loja de niudezas.
ASOOrs.'
Vendc-so cha byssoo, de muito boa qua-
lidade, pelo diminuto prego de 500 rs., a li-
bra : u a-i ua do Crespo n. 23.
Vende-se, ou d-se p.ra criar, pagan-
do-se, "um molalinho de 8 mezes, ej ha
muito desmamado : n. rua d.Sonz.11. Ve-
Uia n. 138, primeiro andar.
Calcado, a 800 rs.,
no aterro da Boa Vtsta, .defronte
da boneca,
s3o chegadps os bensconhecidos (apatdss do
Araca!;, tanto para homem, como para me-
ninos, a 800 rs. ; assim como um completo
sortlmento de. calcado, tranco/., do todas
as qu.lidades, tanto para homem, como pa-
ra senliora e menina, o que ludo se vendo
muito barato, afim de se apurar dinbeiro.
Vi'sfai coloridas,
de vapores, navios devela, cidades da ou-
ropa e bosque: no pateo do Collegio, cm
do livro azul.
~ Vende-se um terreno com
ij palmos de fundo e gr> de fren-
te, o qual deita para o largo des-
tinado para a nova praca, na rua
do Brum, a voltar na travessa do
Vieira : assim como tres caixoes
de casas, no fundo do mencionado
terreno, com frente para a mesma
travessa : traU-se na rua da Ca-
deia do Kecife, loja i. 7, onde os
pretendente-, depois de haverem
examinado, poderao dirigr-se.
Vende-se farinha omsaccas dealquei-
re : na rua do Collegio n 25, palo diminu-
to preco de 3,500 rs.
Vende-so uma grammlica franceza.
por Emilio Sevene, com pouco uso, por .
4,000 rs ; um livro por frei Bernardo de Bri-
10, para aualisar a lingoa nacidoal, por 800
rs. : na rua do Collegio, armazom o. 21.
Vonde-se azeite de c.rrapato, a 1,600
rs., a caada ; um rologiode ouro, patenta
suico: no armazem n. 4, do caes do Ramos.
Vende-se muito superior couro de lus-
tro, palles grandes, palo diminuto preco ds
3,000 rs., cada uma; rrarroquira da todas
as cures, por nuiilo commodo proco; capa-
tos da couro de lustro do Aracaty, a 2,400
rs., o par; franja preta e de todas aa cores,
par. cpalos, pelo diminuto preco de 200 rs.
a vara: no aterro da Boa Vista, loja o. 78.
Calcado barato.
Sapates de bezerro fino a 2,000. ditos
de couro do lustro a 2,000, 3,000, 4,000,
5,000, 6,000 o 7,000 rs., sapatOes do Araci-
ty a 1,000 rs., ditos a 640 rs., ditos, para
meninos a 800 rs., brozeguins para aanho-
ra a 2,500, ditos a 4,009, sapatos de lustro
para sanhor a 1,000. ditos a 1,600 o 2,000,
ditos de marroquim fino a I.OoO e 1,400
rs., ditos de duraque fino a 1,400 rs., ditos
de Lisboa a 1,003 e 800 rs., sapatos para
menina a 400 rs., ditos de 13 para crianca
a 320 rs., ricos cortes de sapatos a 1,000 e
800 e 640 rs chapos do massa finos para
homem a 6,003, ditos da sol do panno a
2,800, peles de couro do lustro a 3.500, di-
tos de marroquim preto a 1,400 rs., ditos de
cores sortido a 1,920 : na prac,. da Indepen-
dencia, loja do Ar.ntes.
AttencSo.
Chegou loja do Arantes, pelo ultimo na-
vio, vindo de Franca, brozeguins de N.n-
les para homem, sapatOes da couro de lus-
tro, ditos de bezerro, brozeguins para se-
niiora, sapatos de couro de lustro, ditos do
selim, ditos de marroquim ecordavSo, chi-
quitos para meninos, e outros muitos eti-
cados por preco commodo.
~ Ainda existe na rua da Cadeia do lt-
oife n. 54, a vender-se por lodo proco, duas
p.relh.s da embonos de cedro, um. lancha,
um bote, uma correte gross. de ferro para
navio, uma amarra grossa de cabo de linho
que serve para desfaier para estopa, e uma
porcSo de forros, o cavilhas que foi da
navio.
Cabos de linho a a8,ooo, o quintal
Na rua da Cruz no Recife, armazem o. 13,
vende-se cabos de linho da todas as gros-
suras a 28,000 o quintal, em porcOes von-
lade dos compradores.
Lnu Inlieira por 60,000
No mesmo armazem vende-sa por 60,000
rs., uma bahora com todos os porleoces.
Vauda-se ainda um leslo da saias bran-
cas do casaa para senliora, e pela grande es-
lracc,3o que lem tilo, auppoeni-se queem
poucos dias se ac.barSo. Na mesma loja se
vende outras muitas fazendas palo proco
que am primeira m3o se poderia comprar ;
no rua da Cadeia do Kecife n. 54.
II CiOIV/FI


t'm'
*.
Chapeos t* sol.
Vendciu-t* capeos de ul de panno coa as-
leu de balde pelo preco de Iftliu n., din de
junco a I/-280. Ka vciuii tan leau uiu soiti-
nculo dos nicteos olija^ioi. tanto para ho-
uieni c lnhora, como para ejeninns e mini-
nas de cacla: na ra do l'aneiu n. 5.
fiero de carnauba.
O inais superior que lia neste genero, ven-
de-ae em norcao e a rctalbo : na ra da Cadcia
do Rcclfc, luja o. 50 de Cunha Si Atnorim.
Novo suriimciiiii le fnzcnilas, nu
loja fin na do Crespo n. 6.
Cortes de cassa chita fraceza, de edres fi-
xas, por 3,000,2,400 e 2,800 rs. ; ditos Je
cmbralas de salpicos, a 3,600 rs. ; cortes
de chita de bom (justo, a 1,920 rs., com 12
coYtdcs ; cassasdequadros para babados,
com. 8 1|2, a 2,400 rs., a perja ; alparka de
coro muito fina, a 800 rs., o corado, o
militas oulras fazendas por barato preco.
Nn luja tic .1 (-! .lonqulm Moni
ia &l (onijiaiiliia, na rua Nova
i. 8.
Veadom-se camisinhis de cambraia, com
suas golinhas, ludo muito bem bordado, e
do.niclhor gosto tossivel, pelo baratissimo
prerjo de 2,000 rs.,smentes ca la un i.
Vellns de stenrliin..
Vendcm-ae estas vellas da inellior qualidade
possivel a lG> rs. cada caiiinha de 25 libras,
uala-se com A. C. de Abreu, na rua da Cadeia
lio llcutl II. l. .
Vendas.
Veode-se vinbo Chat la Roze, Cognac, em
raizas de urna duzia de garrafas, cobre em
luiras, zinco em ditas, serveja de llavieria,
tuJo barato : no arrr.azera de ('. I. Asllcy &
Couipauliiii, na tua do Trapiche n. 3.
Polassa da Itussia.
Vende-se polassa du Ruiaia. recontamcu-
to chegada, o de muito superior qualidade ,
na rua do Trapiche n. 17.
Farinlia fontana,
Vende-se farinha fontana em barricas ,
muito nova e de superior qualidado : a tra-
tar com Mauocl da Silva Santos, no arma-
zn! do Anncs, do caes da Alfandega.
iP^Oft
para curar da phtysica em todos os seus
ililTerenlcs graos ou motivada por constir
]>.ic;m,;s, tosse, asthma, plcuriz, escarros de
sanguo, dr de costas e pcitos', palpitacSo
nocoracJo, coquelucho, bronchitcs dr
le garganta e todas as molestias dos o -
gilos pulmonares.
De todas as molestias que por heranca fi-
ran ao corpo bumano nenliunia lia que
mais destruitiva tonlia sido, ou que tcnlia
zombado dos esforcos dos homens mais
uminentrs cm medicina, do que aquella
quo he gcralmentc conhocida por moles-
tia no bofe. Km varias pocas do se-
cuto psssado, tendo-sc oITcrccido ao publi-
co dillereutes remedios com allcstados das
extraordinarias curas que elle tom falto j
porm quasi que cm lodos os casos a ilosSO
Icin sido apenas passageira c o docnlc
torna a recsliir cm peor estado do que se
acliava antes de applicar o remedio to rc-
lommendado outro tanto nao acontece
rom os te extraordinario
Xarope de bosque.
Novaos & Companhia, os nicos agentes
tiesta cidade provincia, e normados pelos
Snrs. i;. C. Yates & Companhia, agentes
geraes no ltio-de-Janeiro mudsram o de
psito deste xarope para a botica do Snr.
Jos Mara C. Ramos, na rua dos Quarleis,
n. 12, junto ao quartcl de polica, onde
scnipre ichufio o nico, c verdaduiro, a
5,500 rs. a garrafa, e a 3,000 rs. meias gar
rafas.
Vend-sefarinha de mandi-
oca, de superior qualidade, recen-
tcmcule clicgada de Santa Catlia-
iina, a menor preco do que em
outra qualquer jiarlc : irati-sc a
bordo do brigus [iovo Lobo
tlelroiitc do caes do llamos, ou
com Qlivcira l'aiva & Companhia,
na rua do Trapiche escriptorio
l'ara palito*, a 1,000 ra.
Na luja da rua doQueimado n. 17, ven-
dom-se casemiras de cores mosclaJas, pro-
prias |iara palitos e sobrecasacos, pelo di-
minuto preco tje 1,000 rs caJu covado, o
alpacas mcscladas, a 800 rs., o covado.
bOU E BARATO.
Venden) se sapalos de meninos, de orc-
Ihas; coturnos de couro de lustro, para ho-
mom; pelles de cabra; esleirs de pjlha do
carnauba regulares, c
primento, bem feitas ; chucos de p
ll.ou no seu armazeiu de niachinismo na
rua de Apollo o. 6.
Vende-se cobre, e metal ama
relio e pregos para forro de navios; por preco
conunodo, em casa de A. V da Silva barroca
rua da Cadeia do Recite n. 42.
Casa de commissao de esciuvi s.
Vcndem-se escravos e recebem-
se de commissao, tanto para a pro-
vincia como para lora della, para
o que se olTerece mu i las garantas
a seus uonos : na rua da Cadeia do
Ivecifen. 51, primeiro andar.
Vende-se
Arroz de casca,
Farjello novo,
Cb preto,
Chumbo de niunico,
Cimento,
vendo-se ludo por presos commodos : no
armazem de J. J. Tasso Jnior, di rua do
Amorim n. 35.
Chapeos de sol.
Rua do Passeio,n 5.
Nesta fabrica ha presenleiienle un rio"
sortimento destes objeclos de lodas as c
res c qualidades, tanto de soda como de
panninho, por presos commodos; ditos pa-
ra senhura, de bom goslo: estes chapeos
sSo feitos pela ultima moda ; seda adamas-
cada com ricas franjas de rctroz. Na mesma
casa se acha igual sortimento de sedas o
panninho imitando sedas, para cubrir ar-
macOos servidas : todas estas fazendavne s
dem-se em porcSo e a retalho : tambem se
concerta qualquer chapeo de sol, tanto de
hasteas de ferro como de baloia, assim como
umbelas de igrejas: ludo por preso com-
modo. Na mesma casa ha chapeos do sol,
de marca maior, de panno o de seda, pro-
prios para fcitores do engenho, por seren
os mais lories que so podem fabricar.
la >i n o- lino- le lodas as fina-
lidades.
Na rua du Crespo, lojt da esquina, quo
volla para a Cadeia, vcndem-se panno Uno
preto, a 3,000, 3,500, 4,000, 4,500 o 5,000
rs.; dito azul, a 3, perior, a5,C00rs.; dito verde, a 2,800 rs.;
ililo muilo 'claro, a 4,000 rs. ; dito cor de
rap, a 3,000 e 3,500 rs.; corles de casimi
ra preta.a 5,000, 6,000 e 8,000 rs.; dilosde
cor, a 6,109 rs., o oulras fazendas o mais
Imi.iIu pussivei.
Vova i>i rtiiinlia.
Corlrs de casia chita, a 2,000 ".; ditos de chi-
ta inlciros com 12 colados, 01,600, 1,800 c
2,000 rs.
Na loja da esquina da rua do C'Cspo, que
volta para a Cadeia, vnidem-so cortes de
cassas chita, a 2,000 rs ; ditos do chita, a
1,600, 1,800 o 2,000 rs. ; ditos du Cambra I
branca com lislras do cores, a 3,000 rs.; di-
tos de salpico, a 3,000 rs.; corles ilc culrlo
de fuslo do ultimo gostu, a 1,600 rs., o ou-
lras muitas fazoudas por preco commodu.
Ven !tn-se as seguintes se-
menles:
de alios, dilas de dilas inglesas, ditas de r-
banos encarnadas, dilas brancas, ditas de ce-
bolas de Selubal, ditas de alfacc allainaa,
dilas repolliiulas, ditas de cote trinchada, di-
tas He senoura auiarellas. ditas de chicoria, di-
las de coeutro de toceira, ditas de salsa, ditas
de tomates grandes, dilas de repolho, ditas de
rspinafre, ditas de pipinella, ditas de aipo,
leijao, carrapalo de tres qualidades, crvilhas
tortas c direitta, rahanclcs encarnados c bran-
cos : na rua da Cruz n. 48, defionte do I)r.
Cosme. Na mesma casa vendetn-sc queijos in-
gle^cs muilo (rescacs.
Deposito de cal e polassa.
No arin i/riu da rua da Cadeia do Ileclfc n.
12, ha limito superior cal de Lisboa cin pedra,
assim como polassa chocada ltimamente a
preco inuilo rasoaveis.
C a ni nulas i| e Berta, a G.ooo rs ,
o corle.
Na loja do GuimarSes 6 llcnriques, rua do
Crespo n. 5, que volla para o Collegio, ven-
dom-se ricos cortes de cambiaias de seda,
pelo barato preco de 6,000 rs o corle, esta
fazenda he de gustos inteirameote nuvos.
t< Algodao para -arco-. f>
f> Vende-se muito bom algodo para >
> saceos de assiicar, por prc^o oommo-
) do: em casa de Ricardo Royle, na #
1 rua da Cadeia n. 37. +
vos, peniias de em, e cera de carnauba : na
rua da Cadeia do Recife n 19, primeiro
indar.

Vendcm-se relogios de ou-
ro e prata, patente inglcz : na rua
da Scnzalla Nova n. ]>.
Mo ma- superiores.
Na fiiii'li;."u de C. Starr ii Companhia,
pm S.-Amaro, acham-so venda moendas
le canna, todas de ferro, de u ni modelo
coostrucc.80 muilo superior
Arados de ferro.
Na fundico da Aurora, em S. Amaro,
vondem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Anligo tleposiio de cal
virgem.
Na rua do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal nova cm pedia,
c*wiM",C0T I chegada ltimamente de Lisboa
:lmoos de pallia al- P .
acaba-so de rerobor um completo sortimen-
to de taixas do 3 o 8 palmo* de bocea, as
quaus acliain-s a venda por precu com-
uiodo, e com pnmptidSo enibarcam-se, ou
carregain-M ea cairos sem despezas ao
comprador..
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
RUA DA SENZAI.LA NOVA N. 49,
Neste eslabeleeimento conli-
ua a ha ver um complet sorti-
mento de inocinlas o meias inocn
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamaitos, pa
ra dito.
Km cnsa de J. Kcller 8l 1:0111-
paobit, na; ruada Cruz n. 55, acba-se a ven-
da oexcelleotoe superior rtulio celia*, em barris de 5.*, he muito recom-
mcndavcl as casas rslrangriras, como ex-
cellent vinho para pasto.
**V! V V v Arados americanos. *
'^ Vendcm-se arados americanos ver- 2
!>. dadeiros, chegados dos Estados- <
^ Unidos : na rua do Trapiche n. 8. <;
MAAAAAA AAAAAAAAAllA
Vende-se superior cognac volho, em
barril de 12 a 24 caadas : na rua da Cruz
n. 55, casa de J. Keller & Companhia
-- Vende-se gesso em barricas, vindo no
ultimo navio chegado de Franca, tendo ca-
da bairica 20 arrobas pouco mais ou me-
nos : na rua do Cruz n. 55, casa de J. Kel-
lor& Companhia.
Cera de carnauba.
No armazem de Domingos Rodrigues de
Andrade& Companhia, ua rua dosTanooi-
ros n. 5, vende-so suporiur cera de carnau-
ba, ullimamcnto viudas do Aracaly, em
porrjiio e a retalho, por menos preco que
em outra qualquer parte, assim como sola e
couros miudos.
-.Nu ariiiazrm da rua da Mocda n. 7, con
tinua-se a vender saccas com superior colla
das fabricas do llio Graude* do tul, e opreco
eui conta.
Agencia de Edwin 31.iw.
Na rua de Apollo n. 6, arina/cm de Me. Cal-
iiniiii.'. Companhia, acha-sc conslaulenientc
bous sortimentos de talla de ferro coado e
balido, tanto rasa como fundas, moendas lu-
cirs todas de ferro para ananaes, agoa, ele
dilas para armar cm madeira de lodos os la-
man!.u c modellos o mais moderno, machina
horisouta! para vapor, cun forca de 4 caval-
los, coucos, passadeiras de ferro cstanhado
para casa de pulgar, por menos preco qucoz
de cobre, escovens para navios, ferro ingles
tanto cm barras como em arcos foihas, e ludo
por barato preco.
Vende-se.'um grande sitio no lugar do
Manguinho, quo lira defrontc dos sitios dos
si'.-. Carneiros, com grande casa de viven-
da, de quatro.agoas, grando scnzalla, co-
cheira, eslribaria, baixa de capim que sus-
tenta 3 a 4 cavallos, grande cacimba, com
bomba e tanque coberlo para banho bs-
tanles ai nimios de fructo: na rua da Con-
cordia,primeiro sobrado uovo de um andar,
'.'raniii- sortiiiicnlo de fazendas
limitas ua rua do Crespo n. 14
loja de Jos l'rancisco Das
A IODO rs. o corlc.de liiim intrancado bran-
co muilo incorpado, dito de riscado de linho
muilo largo a 200 rs. o covado, cassa chita de
lodas as cores 240 rs. o covado, chita fran-
ecza de listas padrdes cscuros a 240 rs. o cu-
vado, chitas muilo lixas a I0 rs. o covado,
aargeliui lavrado a 200 rs. p covado, ricos cor-
les de chita taiga l'rancrza de barra a 3,200 rs.
merinos nretos de duas larguras muilo supe-
rior a 1,803 2,1)00 3,000 rs. o covado, lucios cru-
as de superior qualidade a 320 19. o par. su-
prior piccole muilo incorpado fazcuda pro-
pria para escravos a ^00 rs. o covado, algodao
a/.ulcom mais de vara dr largura a 200 rs. c
covade, berlanha de 4 palmos de largura iinn-
to bna a 400 rs. a vara, suppriorcs challes prc
tos de la c seda a 6,000 rs. brliu trancado a-
marello muilo encorpado com lisias miudas
sendu de linho a 2,000 rs. o corle, c oulras
mullas I../.lilis por barato preco.
Vende-se superior papel de machina,
tanto azul, como branco,proprio para car-
torios, ou escriplorios,.a 3,000 rs., a resma:
ua rua du Qucimado, loja de ferragensou-
inoru 37 A.
V lilil fio.
Veode-so a 9,000 rs., cada urna, ptimas
espingardas do cspolclas, iuglczas, di um s
cano e de boas mollas, as quacs lio finas e
compridas, e pessoas quo tem comprado,
tecm allirmado quo alcnean bastante, e
que sSo muito certeiras de chumbo : na rua
do Qucimado, luja de ferragens o. 37 A.
JVo Passaio Publico, loja
n. II, de Firmiano Jo-
b'eri'cira.
4
Aos ten'iorcs uarcliielroa.
Vcndcm-e carros doorados, parips de
mcsai de jamar: na rua Nova D. 16.
JPJM Venden-se os mais moiici -
^H^nos c de superior qualida-
de, chapeos de castor braneo, che
gados reccntemcntc pela galer
ingleza Linda: na rua Nova n. 4'i >
fabrica de chapeos.
Vendem-se gi^os com i ar-
roba de batatas, cada um, pelo ba-
ratissimo preco de 4<>o rs. ; este
g-enero he recommendnvcl para o
consumo das familias, nSo s pela
boa qualidade, como pelo preco: a
tratar no armazem de Antonio An
nes, caes da Alfandega n. 5.
l'uriniiu de S. Malheiis.
De superior qualidade, vende-se a bordo
da sumaca S. Antonio, Tundeada em frente
do Collegio, ou ao lado do Corpo Santo, lo-
ja de massimos n. 35.
Vendem-se vasos de louca lina para
jardim, azulejo da mesma louca de bonitos
gostos proprio para forrar frentes de casas
jsrdins, Ac.; coeiros de algodao, azeitona
nova, fumo, vinho de porto em pipas bar-
nafSo, bom trabaIbadur: a tratar ni roa do
llrum, arinatem deissuear de Silva Barro-
ca, ou na ra da Cadeia do Recife n. 42, pri-
meiro andar.
A 2,i$00rs, o par.
No aterro da Boa Vista, luja de calcado n.
58, Junto ao seleiro, vendem-se capates de
lustro, a 2,500 r., o par.
Joffode vispora.
No aterro da Roa Vista, loja de calsado n.
58, vendem-se jogo de vispora, a 1,000 rs.,
esl no resto.
Vende-se cola do iVio Gran-
de, em barricas e por preco com-
modo : na rua do Vigario n. 19,
segundo andar, escriptorio de Ma-
chado & Pinheiro.
Unta vacca, boa de leic.
Ven le-se urna vacca, muito mansa, boa de
leite : na rua larga do Rozar iu 11.4s, pri-
meiro andar.
Qt l'ai a pagel!*. >'
# Vendem-se destes chapeos, de su- a>>
9 perior qualidade por baratissimo %
? preco: na praja da InJeprndeocia, S
4 loja de chapeos de seis portas. $
Vende-se urna morada de casa, na rua nos, completo olliclal de podrelro, de fazer
Augusta, com muitos commodos para fa- toda e qualquer obra com peifaico: na
miha, e duas ditas na rua 11111 erial com os rua doMondego n. 99.
mesmos commodos, asseverando-se ao com- sf'nn! el
prador estarem livres de qualquer litigio : I v/UIHISUSOC llieift.
a tratar na rua da Cadeia de S. Antonio n. 9. [ Vcndem-se camisas de cela, de superior
Xa loja n. 18, do aterro da Itoa i qualidade, tanto brancas, como decoros, a
Vista. 1,160 rs.; ditas maito linas, a 2,000 rs. : na
Vendo-se panno fino cur de rap e verde ru" do Queimado n. 16.
escuro, a 2,500 rs., o covado 1
Meias de laia, par padre
Veodem se meias delata, para padre, a
2,000 rs., o par, alianca-se a ba qutlidada;
dilas de algodao, a 600 rs.: na rua do Quei-
mado n. 16.
Capadlos brdocos a
800 rs..
Vendem-so capachos trancos, com 5 pal-
mos, polo barato preco de 800 rs. : na rua'
do Queimado 11.16.
A' peckinclia antes que se
acalle. 4
V Cortos de casimira de lindos pa- af
tr drOes, pelo diminuto preco de 5,000: .4
i na rua do Crespo n. 10, loja delgua- &
CO l.uiz de linio Tahr In. +
I#9#Atffl0ftSttddSId#
Fende-se rio Maranho, a fabrica
de btigias stiarinas e sabo.
s administradores da liquiJa .<3O0O0OO>QOJQO39O
cSo de Theodoro Cha,vanes, ven- % ^ depo'o de Siqueira & O
dem a fabrica denominada Mar- Q Companhia,m ruado Vi- g
nhense, na rua do PiopontSo, des- O Sar, n- 27,,a Para ven~ O
ta cidade (porto dos remedios ) % der assucar.cafc esevada. O
a saber: casa em que est mon- Vendem-se assucar rci- g
tada a fabiice, com 2o bracas de O nado> "" sevadl mo,da e O
frente e i5.de fundo; 2 prensas !g assucar candi, tudo por me- 0
hidrulicas, orisontaes de forca de % n09' 1ue em oulra qua'quer g
6oo,oco libras, cada una ; iditajO P.ar,e' v,sto as boas 9ua" O
vertical de forca de 400,000 libras; \9 ''(la(es. 0
3 grandes caldeiras montadas, pa- ^OO9SO95OOOO0 ra o fabrico do sab3o ; 4 ditas pa-
ra derreler sebo ; todos os perten-
ces necessanos para o fabrico do
li un do Collegio 11. 1.
Novo gortinHfoto t!: chnrjoos de sol, para
boniem e lenbora, asador :-chapeos de
sol de sel, aruiaco de b lea, do 4,5t0 rs.
para cima; ditos ditos para si nhora, de 4,000
rs. para cima ; ditos do panno lino, do ar-
inar.l" do Inicia e de ferro, de 1,600 a 3,200
rs. ; ditos ditos de armagJo do junco, de
1,200 a 1,800 rs., to.'os Jimpos : grande sor-
timento de sedas e pannos, cm pecas para
cobrir os mesmos, halcias para vestidos e
caparlilhos desenhoras. Concortam-so to-
das ,is qualidsdcs do chapeos deso, tudo
com perfeicSo e por menos p?e$o do quo cm
oulra qualquer parte.
Senipre ha muito bons escravos para
se vondercm, por preco mais cm cunta do
que em outra qualquer parle, e nSo su nc-
culllu as molestias, vicios c achaques dos
mesmos, sabendo se dellcs : na rua das La-
rangeiras n. 14, segundo andar.
Cal de Lisboa.
Vendo-sea mellior cal de I.i bna muito
nova, chegada ha poucosdias na llana Li-
i/eira,e por preco muilo em conla : na rua
do Vigario armazem n. 7.
Vcnde-se ac de milo ver.ladeiro, em
6rendes ou pequeas po'cocs : em casa de
c. Ci'lmoul r\ c fra^a do lommercio n.
na barca Ligeira.
Deposito ila fabrica de Todos os
Sanios na llalila.
Vcnde-se, em casa dcN. O. Rieber&C.
na rua da Cruz n. 4, algodo transado da-
quella fabrica, muilo proprio para saceos de
assucar e roupa de escravos, por prec,ocom-
mojo.
Bombas de ierro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas c picota para cacimba :
na rua do firtim ns. 6, 8 e 10,
fundicao de Ierro.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
com cambo de sicupira e bracos
de. ferro i na fundicao da rua do
Brum ns. 6, 8 e 10.
Vendem-so amarras de ferro: na rua
da Scnzalla nova n. 42.
Tccido de algod3o trancado na fa-
brica de Todos os Santos.
Na rua da Cadeia n. 5s,
vcndem-se por atacado duas qualidades
proprifi para saceos de assucar o roupa de
SCI'ilVI s.
Moinhos de vento
eom bombas do repucho rara rogar hortas
d baixas de capim : vendem-se na fundicao
de Bowman ti Me. Callum, na rua do Brum
ns. 6, 8 o 10.
-- Vendo se rap de l.isbo, em frascos,
vindo pela barca l.igtira, os s nhures fro- I
guezes queestam acostumado a lomara
s Rodrigues
Acha-se um completo sortimen-
to de cassas chitas, mu ricos pa-
droes e finas cores, ao barato pre-
co de 2,400 rs., cada co.tc ; briin
de puro linho, trancados, orti-
cos c de cores, fazenda realmente
superior, a 1,000 rs., a vara;gur-
gurOcs encorpadjs, a i,4oo rs., o
corte; ricos vest ios de sida e laa,
de cores, a 18,000 rs. ; dilos cm
corles, a 16,000 rs e de seda lis-
Irados, a 13,ooo rs. ; pannos finos
de todas as cores, e por precos
commodos ; chitas francezas, lar-
gas e de gosto, a 320 is,, o cova-
do ; riscados fraucezes; sarjis des-
patilllas; setins; um completo sor-
timento de chitas de gostos, c ma-
dapolea, de preco, a 5,oj, 5,000,
4,800,4,200,4jOOO,3,G00,3,200,
3,ooo e 2,400 rs c outras tnuilas
fazendas, que se ven lem a precos,
que muito agradam aos senhores
compradores.
Na rua Nova n. 10,
tem para vender um sortimento compla-
to de instrumentos do todas as qualidadoso
dos melhores autores encorados linos de
todas as larguras, para pianos e mes is; cor-
das novas, qualidado superior, para rabee-
cas, violoes e rabecOes ; methudos dos au-
tores mais estimados, para piano, rahecca e
violiio, tudo muito barato.
Superiores capachos.
Vcndem-se suporioros capachos brancos e
pintados, do varios lamanhoi, aoude os com-
pradores pJcn oscolher a seu gosto, pulo
diminuto prc? Yie 800, 1,000,1,100 e 1,600
rs.: na rua do Queimado, loja do iniudi-zas
jupio a a cera n. 33.
Para
atearina e sabo ; g esc.avos en-
tendedores do servia geral da fa-
brica; I terreno annexo afabiici,
com 7 bracas de frente e i5 de fun-
do ; -i dito fronteiro a mesma fa-
brica, com 18 brafas de frente e 28
de fundo as pessoas que preten-
deren! comprar, pdetn nesta pra-
ca dirigirem-se a J. Keller & Com-
panhia.
-- Vende-se orna molata quo rende muilo
ua rua,- e cosinHa o diario de urna casa, por
prer;o com modo : na rua Nova n. 63.
Vende-se urna linda molalioha muilo
alva, de 10 annos, que cose spIT ivol c trata
do meninos; 1 dita de 18 annos, grvida de
5 mezes, quo engomma, coso muilo bem e
de boa conducta ; 3 pretas que engomam,
cosinham e s3o bas quilanJeiras; I dila
perfeita lavadeira c quitandeira, muilo mo-
fa ; 2 dilas de me'n idade, boas para I0J0 o
servico; I bonito mulato de 18 a 20annos,
perfeita olllcial de pedreiro, de eloganlo li-
gura, 0,11 no psrapagem; 1 bom preto de
mcia idade o qual eotendade litio; 3 ditos
muito mucus e bous para todo o s rvicn: na
rua da Cadeia do Recife numeroit, p imei-
ro andar.
my f y -i} y ^v"'*yVV v^f f f f f f
Deposito de lecidos da fabri- ^
ca de ^odos os Santos,
na Babia.
Vende-se em casa de' Domingos Al-
ves Matlieus, na rua da Cruz do Re-
^> cife n. 52, primeiro andar, algodao
f transado daquella fabrica, muilopro-
* prio para saceos e roupa de cscra-
vos, assim como lio proprio para re-
? des de pescar e pavios para vellas, <^
E por preco muito com010 Jo. Ricas franjas para cor-
tinados.
No aterro da Boa Vista
loja 11.18.
Vendem-so cassas oscampinadas de 10 jar-
idas, cada urna poca, fazendi ptima para
curlinados e polo baratissimo prero de seis
patacas, cada um 1 pogaX'
Octilos paraJtodas as
iilitd. n 1
Vondem-se oculos para todas as i.lulos,
de superior qualidade, pelo barato preco
de 800 rs o p\r : na rua larga do Rozarlo
n. 26, loii de miudezss deJoflo Francisco
Hala,
Vcnde-se urna novilha tourina: na tra-
vessa do Veras n. 7.
-- Vente-se uma escrara moca, bonita fi-
gura, boa engommadeira 1 na travesa do
Veras n. 15.
os jovciis Humo-
rados.
Vendem-se calimbas con amendoascon-
boa pitada, nilo ilaiiarSo demandar bus- feitadas, ornis delicado que se pJeen-
car: 110 largo da Assemblc n. 4. conlrar, proprias para se dar a namoradas : Qu timado, loja d^ miudezas junto a de cera
Taixa para engrnlio. [na run do Queimado, loja de miudezas jun- n. 33
Venlem-se franjas brancas, proprias para
cortinados, as mais lindas que lem appsre-
cido e por preco que ninguem venial na rua
doQueimado, luja de miudezas junto a de
ceta n. 33.
aivas de torcal e de pelu-
ca, para senliora.
Vcndem-so superiores I uvas pretas de tro-
Sal, a 1,000 e 1,280 rs., o par; dilas sem d-
os, a 240 rs fazenda superior; dilas de
pelica brancas e amarellas, a 1,000 rs. 1 ua
rua do Queimado, loja de miudezas junio a
de cera n. 33.
Na rua Nova n. 10,
vondom-se cassa e chita franerzas de
bom gosto o muito linas; um sortimento
lindo do suda froxa e laa, para bordar, e ta-
lagarga di lodas as qualidades.
Meias de laia, para padres.
Veniem-so superiores meias de laia, para
padres, pelo diminuto preco de 2,000 rs., o
par : na rua do Queimado, loja de miudeae
junto a de cera n. 33.
Cliaruteiras douradas ,
finas.
Vend 'iii-s superiores charutoiras doura-
das, a 1,000 rs., cada urna; dilas mais or-
dinarias, a2t0rs. : ni rua doQueimado,
loja do miudezas junto a decora o. 3.3. %
l'ara enancas.
Ven Jem-so superiores tuncas do so Ja pro-
s, para cianeas, pelo diminulo proco de
320rs, maracas muito bonitos, quetocam
de tres maneiras, a 2t0 e 120 rs. na rua do
mmmMmmmm*mmmB.mmmim
l'ara pagrens. (fe
i Chapeos enveraisados para pageos, ji
M de forma moderna, a de superior qui- ,i
iI lidade : veudem-se no pateo da ma- IR)
S* triz, loja de sirgueiro n. % flj
..i^zm*m mmmwmmmmm
\ pe chin cha antes que se
acabe.
Vende-se couro de lustro francez, pelo
barato proco de 2,000 rs., a pello : na rua
largo do Hozario n. 26, loja do miudezas de
Julio Francisco Haia.
-- Vendo-so uma Inverna muilo atrege-
zada, lauto para o ui- to, como para a Ierra:
trata-so no Forte doM n. 10, com Jos Mandes da Silva GuimaiSes.
Ciie<>'ueiii a pechiuclit.
Vendom-So superiores suspensorios de
sida, polo baralo preco de 1.0C0 rs., o par :
na rua larga do Rozario n. 26, loja de miu-
dezas de Joo Francisco Mala.
- Vende-se um armazem do sal e uns
licerses deumacasa: na rua Imperial ou-
moro 63.
J Ven lem se saccas com Iremogos, A
de alqueire cada uma saco, por cOm-
9 modo prcf j : na tua da Cruz n. 21.
zenda mallo superior, a 300 rs.; linhas do
peso, multo finas, a 60 rs., a miada : ditas
em carreleis de 200 jardas, a 60 rs., cada
carretel; agunies canlofaa, a 160 rs o p>-
pel, con 100 agulha*; pontea de baloia, pi-
re alisar, o mais lino que se pdeencont ar,
a400e320rs ; agulheiros linos, a209rs.;
tesourinhas inglezas, O mais lin que tem
apparecido e de varios timanhps, a 400, Bou
e 800 rs. : na rua do Queimado, loja de miu-
dezas junto a de cera n. 33.
Peutes de tartaruga, pa-
ra mar rafa
Vendem-se superiores pentes do tartaru-
ga, para marraras, pelo haralis-imo proco
le 800 rs., preco que caula adoiiracu : ua
rua do Queimado, lojt de miudezas junto i
de cera n 33.
Gravatas de mola.
Vendem-se superiores gravatas pretas Jo
mola, pelo diminuto preco de 2,000 rs. sin
rua do Queimado, loja de miulezae junto a
de cera n. 33.
Aviso ao publico.
Na botica da rua do Collegio, n. 18, de
Peizoto & Pinto, he oodn so voodem as ver-
dadeiras pilulas para bobas, eraros seceos,
dores venreas, e gonorrheas chronicas, cu-
jos bous eiTaitos coofessfiu todos que lem
felouso dellis; composicSo do Kh.irm.icou-
tico SebastiSo Jos de Ulvoira Macado.
Retratos
De Costa Cabral, duque de Saldinha, Ku-
geneSue, Alexandro Dnmas, Vctor Consi-
deran!, Proudhom, Ceorge SanJ.Ledru-llul-
lin, Kossuth, e l.ouis Itlanc chegados di
Europa ltimamente pelo vapor inglez:
venJem-se do pateo do Collegio, casado li-
vro azul, a 1,000 rs. caJa um.
Corractffeprcssa pechin-
lia de 4,000
Na rua doQueimado, loja n. 17, venden).
se cortes de casemiras de cores escuras a 4/
rs., liegas de riscados de cores de padrees os
mais delicados possiveis a 5,030 rs., pecas
do chitas oscuras de cores Usas e bonitos
padrflesa 5,500 rs., cassas franceas linas
de cores muilo delicadas a 560 rs. a vara : e
outras fazoudis por baralo prego ; a ollas
antes quo soacabem.
Para se acabar.
Vendem-se casemira preta setlm, palo ba-
ralo preco de 9,500, sarja preta superior a
2,000,2,200, 2,400 e 2,50'J o corado, pannn
fino prolo a 4,000, 6,000 e 8,000 muilo su-
perior, azul a 3,500 o 5,000, chitas francezas
280f e outras muitas fazendas por proco
muito barato: na loja da estrella, rua do
Queimado n 7, en frente do beco do l'eixo
Frito. *
Toiuiiho a 140 rs.a
libra.
Vende-se em libras por cale preco para si
acabar ; na rua larga do Rozario n. 46,
venda.
Cartas linas, para vol
trete.
Vendom-so superiores eartas fraocozas,
Sara voliarote, a 640 rs., o baralho : na rua
o Queimado, loja de miudezas junto a do
cora n. 33.
Bciigaliiihas linas.
Vendem-se superiores bengaliohas, a 500
e 1,000 rs., cada orna : na rua do Queimado,
loja de miudezas junto a decera n. 33
A ,500 rs. o cales.
Veudem-se Chalos de 13 e seda, gran les e
de muito linios padroos a 8,500 rs. nada
um, chitas do cores do bonitos padrOes a 140
rs. o covado : ni rua do Queimado n. 8,
Escravos futidos.
!
Na fundieo de ferro da rua do Rrum, i lo a de cera n. 33.
-- Ven le-so um ptimo oscriro, proto.de I costura, a 300 rs. fUln em caiiiuhas f-
Vende-se urh pardo de 18 a
20 annos, de elegante figura, pe-
rito illi :i.il de pedreiro c ptimo
para pagem : ni rua da Cadeia do
Kccife n. 5l, primeiro andar.
Lindas eaixinltas de vi-
dro para guardar joias.
Vendem-se lindas caixinhas de vidro com
ospelho proprias para guardar joias, pelo
diminulo p"e;o do 800 rs.: na rja do Quei-
mado, loja do miuJczas junto a de cera nu-
mero 33.
lanas para homein.
Veudem-se superiores luvas de pelica ,
ponto inglez, a 1,900 rs.; ditas de seda pre-
tas, sem dofeilo algum e fazenda mu to su-
perior, a 600 ra; ditas da cores, a600rs. ;
ditas dealgodlo brancas o de cores, pro-
prias para monis na por seren muilo en-
corpadas, a 320 rs.: na rua do Queimado,
loja de miudezas junto a do cera u. 33.
Na rua Nova n. 10,
recobou-se do Pariz, pelo ultimo navio ,
manteletes e capotinhos. furia edrei o pro-
ios; nobreza e gros do naples, furia cores,
muilo linios, para vosliJos o capotinhos;
tranfts e franjas; tilo de malino Inane i,
preto e cor de rosa lavrado e liso, para ves-
tidos e capotinhos; bico do blondo, de ma-
lino u de valencionnn braneo e preto ; ca-
p los, meias, luvas, flores e fitas de lodas as
qualidades, capellas de flores de laranja, pa-
ra mira e baile, tudo de qualidado supe-
rior proco commodo.
Bom e barato
Vendem-secarteirinhascom agulbas frin-
para^o.l.i a qualidade de
s fWla
cezas, proprias
Desapareceu no dia 12 do corrento uma
negra de nomo Renedicta crinla, com os
signaos seguate! ; altura regular, choia do
corpo, cara redonda, com falta de denles na
frente, no queixo de cima levou vestido de
chita com listras encarnadas e nin arental
de chita rozo, a dita preta consta ter andado
pelo furte da cinco pontos o do brum e pe-
lo Hospicio, roga-se a quilqucr pessoa que
a pegar loval-a nos quatros cantos da rua
da queimado n. 20 quesert generosamente
recompensado.
Desappareceo hontem 18 do corrcnle
n escravo Ralihazar, cabra preto de idade
35 para 40 annos estatura baizo, grosso,
cara larga, bem barbado, e de presente a
barba esla pequona assim como os cabellos
do cabera purter cortado tudo a 8 das, e
tem um boUlocinho no beico de cima,
proveniente de uma mordedura, de ca-
xorro, pomas arquiadas, falla groaaa levou
camisa e cal?) do algodao da trra, chapeo
de couro velho, e maxucado; esle preto foi
comprado ao capilao Jos de Souza de vire-
ros Cimello Pessoa di fazenda da bonita,
no Rri'ji da Madre de Deose de onde veio
para o, Recife e oceupara-se pela rua veu-
dendo azeito e do prosente ganhsndo pela
alfandega e ora as cinco ponas em arma-
zem do couros, de onde desappareceo quem
o pegar Icve-o n prarja da Roa-Vista sobra-
do n. 12 que sera recompesado.
1008000 rs.
Do engenho Agoas Claras de L'ruci da fro-
gii'zia deS. Aullo, rugi no dia 17 do cor-
rente mez de j'ilho, o escravocrioulo de no-
nio Venancio, com os signaesseguintes : al-
tura regular, choio do corpo, cor fula, tem
falta de dentea na frente, do lado superior,
rosto redondo, olhos grandes, e fuudos um
pouco, cara redon la, foi escravo Jo.Sr. Cor-
ileiro Jo Rrejo da Madre de lieos, conhecido
por Abhade, osso escraro roubuu roupa de
seus parroiros, quasi lo las de algodiloda
Ierra, lerendo um chapeo de couro : quera
o ap.irehcnder levar ao dilo engenho, oa
na rua Direita n. 14, quo recebar 100,000
rs. de gratificai-:lo.
Desappareceu no dia 15 do correte,
um mulequo crioule por nomo l'aulinho,
de idade de 10 anuos, pouco mais ou me-
nos, cor amanillada por ter ricio, nariz cha- '
to, levou camisa de algodaozinho suja, e
calca de riscado, sem cnapeo, eate escraro
he do Sr. Antonio Jacintho da Silreira de
loma : quem o pegar lere-o na rus da Ca-
deia do Reciten. 51, ou na rua de Livra-
mento n. 36 segundo an Jar que sera recom-
pensa lo.
Nodia 2 do correnle mez de julho de-
sappareceu o escravo Antonio, crioulo, ca-
bra, de idade de 18 annos pouco mais ou
meaos, baizo, birrigu lo, grosso do corpo,
cara redonda com muitos pannos miudos,
olhos pequeos, e com duas aicatrizos na
testa perto do cabello, tem a falla lina o
muilo mansa, he ulna do Sobral onde diz ter
irm9o. surrado ; o por isso tem as nadogaa muilo
sicatrisidas; deaconOa-se fosse pira o Ceara
(don lo veioj ,.elo eaminho de Padres de fu-
go : quem o pegar lere-o na rua das Trin-
zciras sobrado n. 46, e no Coira ao Sr. An-
tonio deOlireira Rorges, e em Sobralao Sr.
Francisco Rodrigues dos Sanios, que aera
generosamente recomp -niado.
rV.iiN. naTv. m: M.r'.Dr Tari a-
MUTIU


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUHTI45M8_M2GYFE INGEST_TIME 2013-04-13T01:03:19Z PACKAGE AA00011611_06400
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES