Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06394


This item is only available as the following downloads:


Full Text
S5SS5SP
Quinta fflflra 17
m
N. 159.
1 P.ohro AtairtMe.
Por trimestre ........''' a
Por sameatre............
Por no ..............
Paoo asumo miiumi.
Poi quirtel ,l6 i' ....... .
Pira.....8,
MrnhIo 1
Ceir.-..
I'.ir.iliilla
I
4/K
S/000
li/UOO
4#500
Minas .. iO.de Mala
S.Plulp. 12 de Junlio.
R. deJ.. 20&e Junho.
Il.,hi... 2(1 de dito.
DlilOA IU1N1. AUDIEKCIAI.
14 Srg. Boarenlura
i.ri Tere. 5. Gamillo.
16 Quirt. l'rlumpha da
Santa (.'rus.
17 Quine S. alrlio.
18 r-eil. S. Mariana r
ni.; S. Rutila b.
19 Sab. S. JoioG. ,|
20 Dom. O Aujo CoM -. RtlafSo
alio do ImsKriq.,, Tercas e sab. Juinrf.; Oranioa
2. .5. s i0 botas.
I. vara io eltel.
3. e 6. o melo-dU.
FaieMa.
3. e 6. ai 1* har.s.
. i* rara do rtvrl.
4 e abados ao iiieto-d.
"r.i.lBO.
Creicente 5, f 8 hora e 48 minute da Urde.
'.'hela a 1.1, a 4 horas r M'mininos da ananhaa.
illngoante li, ai 8 horas e 20 minutos da m.
Nova 28, ana 21 nuiu^oi da larde. ',''
rolMll BE BOU
Primeira a 7 horas e 42 minutos da manh.a.
Segunda os 8 horas e 8 minutos da tarde.
-laVilU BOI OOBBVElOa.
;.
Goiann e Parahlba, s segundas e seitas-
feiras.
Rio-Crando-do-Noslr, todaa fas qaiutas-teiras
a* inflo da.
Garaohunse Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista, c Flores, a 13 e 8.'
Victoria, s quintas-letras.
Olinda, lodos os das.
NOTICIAS ISTBAKCEinA.
Portugal, i.'i (If Junln
llrspauha II de Junli
Franca... 7 e Junho
Blgica.
Italia.. ..
Alcmanha.
Piussia...
Di nai
B
lUrquIa.
til he ( i ) eis-aqui o titulo desse llvro. Kllr
abunda em infotmacoea curiosas, ca/acteris-
licos,,bebidas as melhores fontes. Nao conhe*
co gula mala ulit para quein desrja ser Ins-
truido sobre a 0rgs1.ls.a9a0 intima daquelle
par. <
Entremos esa materia, sem inais prem-
bulo.
O io/o,a populacio,o isa.oio
O solo do Relno-nido, n.o coroprchenden-
do a possessdes coloniaes ; tem uma superti-
cte.de 77,306.431 geiras. Ser toda esta riten-
sao'cultivada? Nao. A. cultura nao tem Inva-
dido oais de 46 milhes e malo de griras Lila
poderla aioda conquistar cerca de 15 milhdci
de gelras, poimnSo miii, pnniue urna caten-
3 deJunho
1 de Juoho
4 .IcJunlm
4 de Jiuilio
rea 311 de Malo
.ni de Malo.
4 de Junho,
asasaat
tuatria.. 4 de Junho
Sulsaa .. 10 de Main.
Suecia.... M*c Main.
Inglaterra 7 de Junho
K.-I iii.l.,. 24de Malo.
Mxico... 3 de Malo.
California 15 de Abril.
Uhili.
Huenos-Ayree.
Montevideo 9 de Junho
caasBiosDE 16 djolho.
Sobre Londres, a 27 /, a 47, V* d. D-4|J r*.
a Pars, 340 por Ir. uouiloal
Lisboa, a lOO
META.
Ouro.-Oneashesrianholas....28<4M0 a SS/a
Muidas de r . de 81400 novas. lu>000 a. 18/400
a 3c IfDCO...... 3/000 a 9/100
Piala. Patacdra brasileiro. .. 14940 a 1/9*
Pesos columnarlos... 1/V40ia -1/941
Ditos mexicanos..... 1/790 a a/70
aasasasasaasaasaa-a^ mi lia..... Il
PARTE OFFICUL.
TRlW)f*AL -4JA fcl.At,At)'
SUbAO DE MIJE'JO MI DE 1851.
/VrrMssjrft do Exm. Sr. oMBt'Aeiro Azmio.
As 10 kdras da inanhaa. estando presentes os
.robare deaembargadorea Villares, Lelo,
Souri.-Rebello, Luna Freir, Pereira Montelro,
Valla a ataHilaan. faltaado com causa o Sr. dea-
. marga*sr asios, o Sr. presloealc declara
al/crta a MaSJaM.
I ioU>nsanoi.
Aegravarite, j0a he cooslde-
rVoi.M vr.tf'saM.lmrnt a acatravo. uculos ao irabalho humano.
^t*WTaty," sle asi carneo, abert. i acilvldade agrl-
- cola, di^ouuaJtueulc, uin 9ducLsob|re va-
loa do asaai os autor A aloe si Pablo-Pcbrer fi%a-o termo medio, em246
inllhdes esterlliuos ( 4920 milhes de cruta-
do*) ; Mr. Spa. k.ii.m eleva o uin pouco mais
alto, elle o avalla em SiO milhes de libras ;
M'Cullock, em228 mllhfles. EmBm, Mr. Por-
tee, autor Ibuilas veiea, e justamente citado
pelo Prooreiio Ja A'ufflo, n!o leine eslabelece-lo
ein 800 milhca de libras esterllinas, ou (000
mllhdes de cruiados Ainda tomando o alga-
rismo menor, o de M'Cullock, tem-se um re-
sultado magnieo. A senda, tirada deata pro-
dcelo fui, em urna discussao memoravel d.>
auno passado, avallada, por Mr. Dlsraeli em 80
ni 11 lu;' esterillos (130') milhOes de cruza-
dos), e por certo, Mr. Dlsraeli, que advogava
.man a causa da agricultura, nao tinha Inlcres-
se em exagerar os scus lucros.
Lucros maravllbosoa, seuao houvesse o im-
iase
AptKltoaMe.'oJOiao ; appcllado, Bernardo lo-
se da SU*a, Braga. Mandaran! a novo jury.
ApRelaoif, Joaquini Lopes da Silva, appella-
m.'BjlkLtntoiia Pcrcira. Despresarau os
cmbaFi.
C AtftUacttocivtl.
Aiipellante, Joaquina Mara do Espirito Santo !
asapeilaao, Manuel Claudio de Quelros.
CoaMalaaaram a sen le oca
' DILIGENCItS.
ApiielUale, o julio aptrellados, Mauoel Car-
nclro Leal oatros. Mandaram com vista
ao Sr. deaeuiBargador procurador da coros.
Appellante, Jos Francisco Goncalves; appel-
lado, Frauciaco de Miranda Leal Seve.Man-
daram com vala ao cufador geral.
DK9iaHA(0B9.
Appelrante, o Julio; appellado, Pedro Curcl-
uo ierreira.
Appellante, julio; artipellados, Amonio Ro-
que Vleira.
Appellante, o juito; appellado. Pe tro mi lo Vl-
eira doNasciinento.
AppMlMi.es. Jorge Knworth 6! C; appellado,
Jos Das da Silva.
AppeUjote, Joaquim TeixeUa Peixoto ; appel-
lada,XyLbeI Francisca de Ollveira.
AppellasjK D. Auua Joaqulua do Sacramento
Ayres) appellado, Alcxandrc Ferreirn dos
Santos Caniioha.
Appellanle, Joaquim Antonio do Forno; appcl-
lada, Coostaniina Jacinlha da Motta.
AppellantaB, aosiifacio Jos Carneiro e outros;
appellado, Manoel Rodrigues da Costa, co-
iiioacurador.
msOu.
Paisarain 'do Sr. desembargador Leo ao Sr.
desembargador 6our.a as seguintcs appcllsccs
.ni que sao:
Ola de apparecer em que sao:
Appellado, Joaquim da Silva Momio ; appel-
lautc, LsrlaJos dellrito.
Apasjlsida, Mara Citharina de Sena; appcl-
4Hs> Joo Jacinto Leal.
A paulan te, Antonio Jos PimenU da Concei
cao; appellado, Joaquim Martuilio da Crui
Crrela. .
Do mesmo Sr. ao Sr. desembargador Ra-
billo as aegnlntes appcllacdes em que sao :
Appellante, o julio ; appellada, a cmara mu-
nicipal Vi stdade da Forlalea.
Apprllame, a iasenda publica; appellado, Ma-
noel Duraas Lopes Vianna.
Apprllaute, Jai* Daniel Wolphpp li C ; ap-
pelladot, a viuva de Jos Francisco de Rorja
c outro.
Pasaou do Sr. desembargado. Soma ao Sr.
desembargador Rebello a segulnlc appclla(o
cin que sao
Appellante, ojuio; appellado, Antonio Ve-
uaqaio c outro.
Passou do Sr. desembargador Rebello ao Sr.
deaembargador Luna Freir a seguinie appcl-
lacao ern que sao :
Appellante, o juizo ; appellado, Joo de Sousa
Carvalho Juuior-
l'assarain do Sr. desesabargadnr Luna Frei-
r ao Sr. desembargador Pereira.Monteiro as
segaJnteaappellacocsesHqtw sao:
Ajqiellame, o Julio i appellado, Nicolao dos
Santos.
Appeljaole, o julio; appellado, Auna Mara
Muuli.
AppellaoU, o juio, apellados, os administra-
dores dos busoHsjirsdecaridade desta cidade.
Appellante, Jos tiaiuista Ribeir da Faria ; ap
pelladas, Francisco Alltelro de lrico e sua
niulssaa, ,,'
PaasaaBaadaSr. desembargador Pcrcir Mon
teir* ao Sr. dea>rrbarg*dor Valle as seguintci
a iqiellacoe ean qe lio :
Appellanl*, Joaquina Ferratra; appellado, Joa
quisa nas Fernandcs.
Appellante, o julio; appellado. Candido Jos
de Moracs.
Appellante, o julio; appellado, Jos Francisco
Jnior.
Paason do taeliBo Sr. ao Sr. desembargador
Villaras a teniiotc appeHacao em que sao :
Appeliaaria, Jaeg Kenworth St C; appellado,
Jos Blas da Mira.
Passou. ido St. desembargador Valle ao Sr
desembargador Saaliago a seguate appcllacao
rmqucaao.
Appellante, a Julio; appellado, Jaclntho Jos
Cabral da Canha.
Ao Sr. stasesabargador Souza a seguinie ap-
pellacao al que sao i
Appellaata, aataata de Albuqucrque Gandra
appallaUi,Aaoaio Francisco de.Ulivclra e
outros.
Ao Sr. delebar;ador Rabello a leguiute
appellacio em que sao :
Appeirant*! Manoel Francisco Anastaclo ; ap-
pellados, Flllppe Dias dos Santos.
tMa faraas ialinUrr os deas ais feitos com dia
asslgoado, pclalalti cima mencionada
Lavaatao-se a sessio depols do mel dia
EXTERIOR
posto para os diminuir, ealgumas veica.anuuii.
la-os / Mas veremos brevemente a que ellcs
se redu/....... debalxo da acfo de todas as la-
xas que opprimem a rlqucia produtida pelo
irabalho.
A populacao, em todos o tres reinos, ele-
va-se em numero inici.u a, 27 milhes de ha-
bitantes, segundo o censo de i84l. Como, de-
poii do principio do seculo, o excedente dos
iiasclmeulos sobre as mortes tem sido de l a
17 por canto por cada periodo decenaL pde-
se aluda levando em contaa dlspopulacao que
o excesso da miseria tem sem duvida produ-
zldo na Irlanda, lixar hoje em 30 milhes o nu-
mero de habitantes.
Um facto significativo, que se deve notar, be
(lie a importancia numrica daclasse agrco-
la val ilnii.nuil 11 de anno em anno. Ja em
l8ll ella nao representava senao 35 por eenlo
da populacao total, entretanto que a classe
comincrclame clevava-sc a 44 por cento. Dei
annosdepois, em 1821, ella nao repreaeniava
uais que 33 por cento. No Um de outros dci
a'noos, em 1831, nao era senao 28 por cento
Finalmente em l84l, poca do ultimo ceuso,
haviadescido 22 por cento. Ninguem duvida
que este movimentode decadedcla nao tenha
sido acelerado depols- A abrogarlo das leis ce
reaes, que tinha sido combioada para desen-
volver arliliclalmcute a agricultura fe aban-
donar inuito ni ais presia ainda do que no
passado, uma earre a que a Icglslacao nao
protegia mais.
Estas simples elf dSo a chave das gran-
des iniiii.l un-1 ecoi.amicas, feitas recente-
mente ualugiatrra A classe que vlvetlo com-
inereio ais transaccoes. das trocas, vio sua
ascendencia, c sua preponderancia polilica
crescerem medida que ia crescendo sua Im-
portancia numrica. Depols de Ihe ter sido
por inuito lempo inferior, ella acabou por
desthrooar a influencia agrcola, e entao
espirito da legislacao iniidou. Sir Roberto Peel
folum dos primeiros quecomprehenderam o
alcance desta mudauca social, e deslocou-ie
como a sociedade meaino, seguindo a impulao
em vei le a dar, deixando as torys, que se obs-
linavm como cegos om seus amigos erros, to-
nnma a iniciativa de medidas, que em outros
lempos, dominado por consideracOesdeposi-
cao, ou de partido, havia comballido cc-in
mais energa que ninguem. O grande mrito
de Sir Roberto Peel Coi coinprebendcr bein os
tactos consumados. Elle nao leus jamis re-
vendicado outro, e este lie inais que sulclenie
para sua gloria:
Esta grandedesIgualJadedecrescimento en-
tre as duas InOuencias rivaes, resulla de lodos
os documentos officlaes: por exemplo, vede
coma no curto esnaco de vinte annos, o equi-
librio fol profuodaBjeiitc alterado entre as po-
pulacdes urbauas, e as populacdes ruraes.
Eis-aqui o quadro comparativo do que eram
urnas e outras em I82i,etan 1841 :
faltar; que estes campal, atravci das revolu-
ces sociaes, vfjlarao sua desolacao prlniitti-
va. Os bosques reconquistar i seu^utigo do-
muiio ; as feras tornarn a afiliar,,, Hl(I oovia-
portanto tempo perdidos. Ento, alguna- po-
bres pescadores faro envugar as las redes-
nal ruinas de Plyuoulh: o castor edificar a
sua casa dcbaixo das arcadas da ponte de Wa-
t."rloo,.as torres de York ostentaro os resto,
de sua sombra magnificencia no ineio de uma
velha floresta, c os gamos, voltados sua selva-
gein independencia, briocaro entre os frag-
mentos das columnas atlicas, que unic|slem-
braro a inetropole da Escocia. (3) a
Els-ahl mullos prngnoslicos trfstei, que qua-
dr un malcoin essa actividade, com essa exiiu-
beraucia de forcr e de vida, com que sSo. cer-
lamente Hiiprcssionados todoaaquslles que vi-
sitara neste momento a luglaterra. O autor
deita oracio desolada jigu do seu pa pelo
que va no seu partido. Giup dlsse Lalfirawiat
Cwtimapratrta /lanf, q*tt-cnmq*c mentar
-tu/U Ifl.........
Nao he por ter appllcado com especialidade
sua iuteltigencia sobre o commercio que a
Inglaterra perecer, se he que ella deve pere-
cer um dia; ser por outras cau cipalmente pela cxigerjcn das encargos p-
blicos, fontc permanente de levolucde* e de
miserias, as quaes perpetuanda-sr-, perdem in-
l'alliv. luiente os imperios. Importa que a In-
glaterra tenha mu i urda bem poderosa para
que anda nao leuha curvado sdb o peso que
carrega sobre ella. Contal uin pouco com-
nosco.
Em primeiro lugar ella tem a sua divida,
monslruosidade linauceira, que brotoucm me-
nos de dous sceulos. Na poca da revoluco
que etevou um principe hnllandei ao throoo
da i'.i.i i-llretioli.i. em iliSa. a divida nao exce-
da de6G4,283 libras esterlinas de principal,
Jue nao exiga de juros senao a fraca somma
o 39,855 libras (meaos de 800 mil cruzados.)
Guilheruie d'Orauge, durante o *eu reinado
que I i. de 13 anuos, elevou-a a 16,391,702 libras
esterlinas, c os juros coiisdmiaiu j animal-
mente perto de 25inithoes de cruzados. Veio
ao depois a raiuha Anna que, segundo a mar-
cha principiada, augmeutou a divida de ... .
37.750,6'jl libras, e elevou-a assim a 54.145,36
libras esterlinas (mais de 1,082 mllbOes de cru-
sados.)
Tal era a divida da Inglaterra qnandu Jorge
I subi in Himno, isto lie, em i7i4. Jorge
nao Ihe fe nennuma addico. Pelo contrario
(liini nuii-a de perto de 50 milhdes de cruza-
dos; p ii i'ni cutre a elevaco do seu successor,
Jorge]II, e a pal de Paris, em 176'J, a divida fui
elevada a 138,865,430 libras esterlinas (quasl
2,778 inilhes de cruzados.)
De 1763 a 1775 chegou-sc a rcduzl-la de cer-
ca de 340 milhes de crusados. Foi um gran-
de esforco. Veio ao depois a guerra da Ame-
rica, a .nal dupllcou quasi a sua somma. Coui-
elleito, no principio da guerra, em 1775, o lo-
lalda dividaerade 128,583,G35libras esterlinas
.No ii o da guerra, em :TSfi, esta eslava augmen-
tada de 121,267,993 libras esterlinas, isto he,
eslava elevada somma de 249,851,628 libras
esterlinas, ou perto de 4,997 milhes de cru-
zados (mueda brasileira )
Us sele annos de pal que seguiram se at
793 pe iniiui un diminuir desla somma .. .
5, i 11,42i libras esterlinas. De sorlc que na po-
ca em que comccou a louga lula com a Franca,
a divida inglesa era de punen nuil ou menos,
6,000 inillies de crutados
l'.in ni i |ni he que se v ella tomar propor-
^cs gigaulcscas. Esta guerra com a Franca,
qtienusleuainbe.il muito mal, cii.tou In-
glaterra, em 'I mili-11 o despendido, 603,842,171
libras esterlinas, ou mais de 12.076 milhes de
cruzados!
Depois do restabclcciinento da pai, fieram-
sc novos esforcos para altenuar-lhe o peso es-
magador ; mas nao obstante isso, ellaeteva-se
anda hoje a um capital tal, que stncnlcnte
os Jucos, segundo o orcamento de 1850, absor-
vein annualmcnlt uma somma de 28,111,505 li-
bras esterlinas, uns de 560 milhes de cru-
zados.
Estes 560 milhes que he preciso pagar
todos os annos aos credores da divida inglcia
ra. baviam concarrido pira o brilhintisina evia tir IdRtr a ciqvooicto. O Sr. Carrallto
olTareceo entilo uma emenda para que toa-
se chamido a tomar assenlo o Sr. Calvet,
i quem competa e depois do haverem to-
mado parte no debate alguns deputados, fal-
lou o sr. M leiel M i .te.ro a favor da emenda
a elle foi approvado por grande nniorU.
S. M. o I. coulintli llar e\u en ules pro-
vas do sua imperial clemoncia ios rebeldes
ilessa provincia. O Bicharol Flix Peixolo
de ilnto* e Mello pedio amustia e acaba
de oble-la por decreto de 26 de junho-
lie necessirio scn duvitla que sajlo olvi-
dados os crimei dcues qu^ com taui pro-
uso derramarSo o generoso sangue por-
n.iiii'.ii mu, que procurarSu reduxir a cin-
za a opolenta e pitoresc culada do Itecife.
A clemencia hu a maisboUa osilutir perro-
soteanntdade do acto
Aos har.noniosos acordes .la msica lize-
ria-se entao as ultimas despedidas d*aquelles
qaa con o afastaincnto dos amigos viain urna
aova poca aborta para o cugraudecimento
de patria.
Nlo tenho expressfliM para descrever o ellel-
rodessa seeua, ao mesmo tempo saudosa c
enlhnsiattica. as
- Nao deve ser por ahi desconhccldo um
noiae argentino, que pelas estreitas relaces
que o 1 ;: i i a Rosas e pela activa parle que
tem ltimamente tomado em nossos negocios,
bf eonsiderado agente do daspota Fallo de
9, Culos Guido, tilho di general Guillo- A
aaeessidade desde a inulto rcclainava nina,
lase.lnla forte contra esse moco, que entre o;
uracurava angariar prosclylosa causa do
anno de sua patria. A oponan publica
C'l..id.i
Londres
Manchester
Liverpool
Glascorv
Dublln
Blrminghan
Edimburgo
lilist.il
I .re lis
Duudee
- t 'om'.i/i"
Popal, i* 1821
1,225,604 hab.
154,807
131,801
M7.04U
185,881
106,722
138,295
87.779
83,796
30,575
sai cS 1
1,873,676
296,183 [il
288.48J
274,5:13
238,5.31
182,190
188,182
122.296
152,054
6t,794
rie
Dunirstas
A -MM-AIERBA TAL QLL ELLA 118.
Parit. 9 di mcio 'Ir "851.
De todos oa pontos do mundo faz-se neste
momento ama grande crusada de curiosldade
para Magia Ierra. O globo Inlelro por todas
as suai vial oaturier, e artificiara pelas es-
tradas, pelos r|oa, prlos camlnhos de ferro, pe
las frotas pacificas de barcos de vapor, derra
mi rnaKidaes ruidosas as antigs solides de
llvde-Paik. Todos os estrangeiros querem ver
.imonMadas no palacio de vidro, as maravl-
Ihaa di irle, e da Industria. Multai ta.nbem se
pronoem examinar altcntamente, ao ladodes-
taa riquezas cosmopolitas, a stuaco prospera
daqurl.e naii, "que, lornando-ae por alguna
nt^Bj^^sxjxaaB|a-arcarswaa9ara da humanidade,
iiaala mrrde de sua physionomla particular, e
ollerece coosuntementeao observador um ob-
jrrln liaslllllr- lotereasanies.
Leilprii, quireis sem encomrnodsr-vos, sem
mislurar-vos no ruido, as agilaces desta
grande peregrinacao, sem sahir da poltrona
em que lodes cada mauhaovosso diario, que-
reis saber,' sobre a luglaterra, sobre o seu es-
tado social, poltico e industrial, mil vezes
mala, e mil vrzes melbor do que aquellcs, que
passaram O taar da mancha para Irein visitar,
. oirendo, auas ptinclpaei cidades ? Abr r.oin-
nigo uin llvro que acaba do apparecer em
Londres, e que reproduz como em um dagner-
i.otyno Bel lodos os tracas; salientes desla po-
tencia Inexpllcavel, Uo cheia de grandeta, e
de miseria, to solida e lio firmemente asseu-
tada no nielo de Uotos elementos depertur-
baco.e de instabilidade. A aflatun tal qual
97,316 '7.371
70,878 72,830
Perih.hire 139,05o Ig.JJ
Devon 439,040 M3.J
Weslmorcland 51,359
Northumbcrland 198.964 gjg
Salop 206.152 239,048
Bucklnghn 134.008 JSJ.9
llereford 103.243 J .87
Wllcs 2J2.157 258.7JJ
Estes nmeros fallain por si inesmos. tm-
quanlo as cidades em que se exercem a in-
dustria, c o commercio, a populacao toniava
em viole annos um deienvolvimento maravi-
Ihosu, ella permaneca .estacionarla, ou decli-
mva nos condados. Os inais favorecidos, co-
mo o condado de Devon, e o de Northumber-
land nao experimentavain senao uin augmento
sem importancia serla. Como be que urna tal
tendencia, aggravada ainda pela, legislacao
destes ltimos lempos, a qual confirma e.lor-
tiflea a preponderancia dos interesses indus-
tries, c conimerciaes, nao chegana prompla-
inentc a una iraosformaco social, c poltica
da Inglaterra .
O partido deposto senle tanto que o seu rcl-
uado es. acabado, que euvolvenlo a sorte
futura da patria em seus proprios destinos
canta j o bymno supremo da decadencia-
. Quem, diz uin dos seus escrlplorcs mais
brilhanics, quem laucar uma vista d'olhos so-
bre a queda de todos os grandes Imperios da
anlMUidadc, c notar at que ponto os vicios e
as paixes, que nos agitam, se assemel.bao aos
vicios c as palses pelas quaes elles se dlslin-
cuiram na poca de sua decadencia, chegara
lufallivcluiemeaesla triste conclusao: que to-
can.os, se nao lemas altingldo ja o extremo li-
mite de nossa gnndesa, e que uma langa hu-
inilhaco preceder queda do imperio bri-
tannlco. Durante este periodo, nossa popula-
cao car estacionarla ou diminuir, nossa co-
ranein se curraqueccr talvez, nossa prosperl-
dade decrescer cerumente, nossa ascendencia
dcsapparecer, c por ultimo a rainha das on-
das cahir em um somuo cierno, sem que a
historia, todava possa csquece-la. lie mal
que provavel que estas libas conservarlo cer-
tosseies humauos para os quaes o alimento
(11 'Ena-land si II la, polllical, social and in-
dustrial. In ihe mlddl* of mlnetecnlh cenlury-
W, Johnston, barrisler al law.
1) A populacao de Londres cicede hoje de
'
H),000 babiuiilei.
A imprensa recorren! todos a'|Uelles que se
veein l'eridospelo raio, que justo e previdente
Ihe tira todos os mcios de acola. Nao pensu
com Mr. ilmuien no seu Seeplre Rouge, nao
digo que a imprensa he a molestia e o caubjao,
o remedio, n;io, mas recoubeeo que he uin
f;rande mal. um concro que nos c irroe, essa
lleuiitada liberdide, oa, antes essa liceuca que
faz com que todo o inundo quera tornar-sejor-
nalista.
illas vallando ao que dizia : o lal argentino
Julguu in Ii_im de um -ubn i de Rosas sub-
meter-sc paciente a uina ordem, (11 I. nica-
mente porque assim o havii clie ijuerido. A-
caba de estampar as columnas de uui dos
jornaes da corte urna correspondencia, no qual
estigmatisaudo o procedimeuto do governo
impeiial para coinsigo appcllida-o de arbi-
trario.
O Sr. lente coronel Olivcira, depulado
pela provincia do Uailo-Grosso. aprcsenlou
um projeclo auguicnlado os SHldoi dos oIR-
ciaes, inferiores c maispracas do cxerciio.
Sem duvida que he este projeclo uin nl-
rioso padro para o illustre rcpresedlante, Nu
ha uma a pessoa que descouheca a miseria
da pagado nosso soldado. Aquclles.cujc hon-
rosa iiiissan he a defeza na socie.lade, a cuja
fiel guarda eslo confiadas as ralas do impe-
rio recebem u.n inesqulntio alilo como gra-
(M'n i. ni de seus iufatigaveis desvelos pela
conservacno da ordem, ao lempo que qualquer
empregado uublicn he muito mais bem aqni-
nboadu. Um ainaiioense da.alfandega tem a
ordenado correspondente ao sold de um ca-
plto coi servico; eutretando aquello val a rc-
[i ii ii, 11 eiim un pallild <|n il |.i a- nao reprc-
aenla, nao le.n de apparecer, ao passo que es-
te uecossita de fardas, fardos, dragonas e etc.
lato nao pode continuar assim. Nao se pense
que quero exorbitantes sidos, taes que os mi-
niares com ellcs se lorncm capitalistas, nao,
ate niesuio porque o. ouro degrada o homein,
lorn-ao egosta, o que quero he oque todos de-
vcui desejar, isto lie, sidos taes que com el-
les posso os defensores das leis viver deecu
teniente sem vcxaines
= Fol approvado na cmara los depulados
em terceira discussao com as emendas da com-
ini --.id o projeclo que fixa as forcas de Ierra.
t^ontioaia *a discussao do orcaniento do Im-
perio.' Nao I i/.eni ideia da larga < minuciosa
discussao que a do orcaoieme leiu ventilado
sobre os negocios da habla.
- Mesolve-sc iiue os paquetes da compa-
nhia Hraaileira locasscni por escala no porto
da Victoria, capital do Espirito Sanio.
Foi publicado o contracto da illuminaco
poi-gai, celebrado entre o ministro da justica
c .. liene,i Evangelista de Souza.
-- Fol o mi. ala director da fabrica da pl-
vora o Sr'. Cousclheijo Jeroiiima Francisco
Coalla o,
No dia 22 s quatro horas da tarde perpe-
trou-se nesta corte uinbarbarn assassinato, na
casj da ra Conceico n. 19. ilernardino Jos
de li -u/, limni ni de depravados costumes,
acbava-se meza com sua mulher Luia Ma-
ra de Jesui e nessa occasio apunhalou-a.
. Avlcllina conseguio ainda depois de ferida,
como he que sao adquiridos? Pelo imposto. O coi rer de seu assassino, maso golpe era mor
lyrann i de
iHeisaue nols" era toaW os diai aguardada sralivi do raoqarrms, aasqtieeimento o inais
a ordem da polica mandando o sahir do ter- obre caraterintico das grando almas
rltoriodo Imperio, o que acaba de acontecer., permUU Jaos q,jecomi.reh9nila ) o ann:s
imposto lein. alm dlsio, de fazer lace a lodas
as outras despezas publicas, nao l aquellas
que sao feitas pelo governo central, como -
qucllas cuja adminiltracno he deirada maisou
menos completamente as municipalidades. A
laxa dos pobres figura entre estes ltimos.
Vejamos logo o lutal das despezas, para o pa-
gamento dos quaes, o Imposto he obrigado, ca*
da anuo, a fornecer recursos:
J uros da divida (moeda brasileira) 560 milhes.
Outras despeas do governo 412
Despezas ntuuicipaes 34i
Total 2,313 milhei.
Eis-aqui o enorme diilmo que se tira lodos
os anuos da propriedade, Irabalho do consumo.
Eis-ahl a deipeza que he preciso salisfaier,
antes de cuidar-se em qualquer despeza a mais; Ihes, nosso cnsul ein llucntis- tyres, oblcve
legitima, mais uecessaila/ A populacao In-; finalmente o seu passaporte e embarco no
gleza he perto de uin quinto menos numerosa'da 7 na corveta Ealerpe com destinos Mou-
do que a nolis ;. os lieus da trra e da fortuna video.
sao muito meuos divididos entre ella. Pde-se, O Sr. Moura Magalhcs foi a Palenno despe-
pois, iazer urna ideia dos so'rimentos pinino- dir-se do general Rosas c de sua familia,
dos, que deve delxarapos si este coliector ineio- Consta que o dictador maullara sua carrua-
ravel que cmquanto dura o auno, val esqua- gem para conduzil-o ao ponto do embarque
drlnhando lodas as algibeiraa, at que tenha D. Manoelila setnpre delicada e amavel acotn-
rcunido estas vas e mclos dos diversos orea- panhou a senhora do cnsul brasileiro.
memos. Diiem que no acto do embarque do digno
Fechemos por hoje o llvro. Nos o tornare-,cnsul salvou a forlalc/ado mar, sendo a salva
nos a abrir logo para cstndar de mais perto ai correspondida pela crvela Eulerpi.
tal, ella nao poda resistir e foi exilie n ultimo
suspiro daln a fllgum passos na porta de una
venda prxima.
O malvado nao satlifeito com Um horrivel
crime ferio levemente com um tiro de pistola
a Antooio Jos Rodrigues, que com elle con-
viva lio momento de seo primeiro alternado.
O reo fol i ininedi u mu me preso, c o cadver
da desventurada mulher conduzido ao hospi-
tal de Santa Casa da Misericordia.
Entrou no (1 a i\ ile junho de Buenos Ayres
o patacho inveneive c pur elle tivemos noticias
'I i'piell i ctdapc at 10 do mesmo. A diviso
que se rene em Sania Fe nao lem sido eugros-
sado, presum.--.se mesmo que ella nao se eleva-
r a mais de 4,500 homeiis.
Deo i;, iiias O deslindo Sr. Moura Maga-
Inglaierra tal qual ella he.
(Pnue.)
INTERIOR.
Rio de jutho de 1851.
Anuaciei-lhe na mlnha ultima carta
1110.1; i do conde de Cailis para o cinman-
do em chet'c do exercito do Sul, e dice que 5.
Ex. partirla oa tarde do dia 2o do pasudo ef-
rcctivaincnte assim aconteceu.
Grande fui o enihusrasino pronunciado nos
bravos do nots exercllo. Alultos ofticiaes ic
apreseutaram espontancamcnlc para ao lado
do prestigioso general esporcm-sc dos pen-
gas da patritica guerra. A a'honroza obedien*
ca miliar juolavain elles a eninusiastlca ale-
gra que s uma causa uaclonal pode inspirar.
\ quelles que por dever se veein privados de
partilhara glora e os perigos que sem duvi-
da caberam em jorte a seus dignos coinpa-
nbeiros de armas sentem-se vexados<
Os preparativos do emba'rquc excitaratu vi-
vamente a curiosldade de grande numero de
pessoas, que concorrerain de diversos pon*
(os da cidade para presVocia-lo. <\ mais hon-
rosa despedida tlveram o genrate i oflida-
lldade que o acompanhou. Ai.- a altura de
Villegainhon conservou-sc o bjrd> do Impc-
p*ratlz, uma banda de msica militar; inul-
tos ciil.i'los no numero dos quaes se conta-
vam alguns ministros e eonielhelrns de es-
tado se acharan a bordo dos vapores de guerra.
Este* largaran) ao inesmo lempo, e ao pa*sa-
rem em frente aumdos navios em que Velo
de Haniburgo a tropa allcmaa, Toram victoria-
dos com bonras que com Indescrcsslvel .un -
macao rcpellram todos os engajados Em Vil-
legainqon porm prescnclou-ie a mais tocante
e esperanzosa despedida que jamis sevlu*
All se devlam sepirar aquelles que por a-
perlados laco de parentesao, deamisade, por
nobre patriotismo, por essa unio lomorre-
redora que tanto caracterlsa o hornera de guer-
'
(3j Alison Principies o( populacin.
Temos ornacs de Valparlso ate 20de malo.
As tristes impressSes que no Chile deinaraa
sublevacao militar haviam desapparocido, a o
palz recubrav. ieu antigo socego.
Uentreos27 militares condennados pena
capital pelo coosclho de guerra, '(i obvcram
com mu tcito de pena em prUau. S um fui
no. executado por tr juntado ao crime militar o
de um assassinato.
O general Crus, candidato da opposiciio, c
que commandava as fronteiras dus Indios
dcsmeiilio o destiouroso conceito que a sen
respelto forraavain, Obedcccndos ordeus do
governo, ogenefal apresentou-sc em Sintiag,
onde inanlfcata aentimentos contrarios aoat-
tentado, que com boiu xito, teria destruido as
iit5titul(es chilenas.
Menos felU do qiieoCbilen repblica do
Equador parece caminhar precipitadamente
para sua ruina.* As animosidades dos partidos
c reoovam, seo catado iimnce.ro he o mais
lamcntavel. Entretanto o Equador ve-sc obri-
gado i fazer extraordinarias de.8pozas por
quo tome urna invaso da parte do Nort
(.ranada, o entilo nflo ha remedio so nfo
ImQtr mao dos quasi que exaustus recur-
sos que Ihe resta para repelila.
Em Lima tmara poss t da presidencia da
repblica o general Kclierique. Esse acto
di/.em ter sido saudadocom leaos maaifesla-
QOes de regosijo.
A ultima data do Relivia alcinc.1 a 7 de
huid O presidente Belru' havia abdicado a
dictadura, garantido ao palz cortos diroitos
o convocando urna assombla nacienal.
Foi apprevado na cmara dosdeputa-
don o ornamento do imperio em todos os pa-
rvgraphos exceptuando as orneadas da com-
missflo e um fjaragrapho.
0 Sr. pjis de Carvalho apresotitou uma
indicado para que fosso chamado o aup-
plonto pelo Rio-firande doul. Foi a in Ji-
c c,lo a commissflo de poderes a ella apre-
sentou o seu parece? concluindo que fio di-
tiados o grandioso bonefirio que se Ihe faz,
quo se ennpenetrom de seos devoro* -lo ct-
dsdSos e quenSo procurem reabrir as san
grootas fondas do snus pralic<04. Arropon-
>l3o-so que valiosos sorvicos podmn anda
prestara patria. S sempre necossitamos-
Ja uni.To para prosperannos hoj<) he ella
mais do qu nnnra precisa.
Tomos mlis recentes dit-s do Rio da
l'rata. o hiral Oribe cjnservir-so en
i: i- o, o continuava a tlizsr-se | -o brovo
portera para a campinha Movimento ilgOin
importante so havia operado ein suas tropas
Nada do interesa; btvll occorrido na praga
de Montivido, Dein como ontre-Rios, ale 6
do passado.
Sr. Moura Mig.Itrios eslava en Mjntivi-
d-J onde I. i:n!> in si: i Iuv.i O coihimu lau
to em chefo da esquadra braziloira, cjio a
malor parto do s-ris navios.
I) z-so que um dos chores do goooral Gar-
rn, o comman Jante Urdlnarraim. passra
o Uiuguay e entrara no Sollo. As chave.s da
prac,a Uto forilo immediatamento entregues
pi'lo major ortbieti Oomi'ngues. Dizcm
tsmbem que uin alfares oribista-che^ado de
Taquaromb aquella cidado, assegurava
que as Torcas argentinas estacionadas no
estado oriensal dccldravilo quo fariilo causa
commum com Uquira.
Do Rio Gran lo alguns grupos armados se
liu i un reunido para passar ao estado or
ental. Diz o Mercantil do Itio Grande que as
ri'ii ni) .-, tem simplosmeule o carcter de
combinaQOes indi'jiduacs para alguns-pro^no
tarios retiraron] sous gados daquclle esta lo.
Koi apresontalo ao senado um p ojelo
mandado punir com a pona de mort> os ce-
puaes, mestres o olfciaes dos nivios quo
\'t -il ii ''ii a pirataria, &c.
Termiuou hoje. 2, na cmara tempora-
ria a discus&.io do ornamento da ju'ii ;a. Fo-
ram approvados todos os parjgraphos da
proposta coin algutnas emenias. disqnaes
a mais importante he a quo aulorisa o go-
verno. desde j. a despender al a qnamia
do20.000,OOD com a croaQilo de novas ca-
deiras do ensino nos seminarios episco-
paes.
Passou no dia 3, son discussSo o cot.
geral surproza. na cunara dos deputsdos, o
ornamento do ministerio dos negocios es-
trangeiros Yuncid. a volacao. deu o Sr.
Souza Franco o segninle parto: cHoum
protesto silencioso da opposic..0 contra o
que se estil fazoudo no paiz. Esto aparto
foi vivamente apoiado pelos membi'us da
OpOOflcSo.
Q.tom pode crer na sincorid-ido do protes-
to oposicionista P O dever daqnelle quo
combate uma admiiiistracilo. que tem tdOas
oppostas as dos govornantes nilo permitte
um proioslo silencioso, obriga-u a c.npti-
nhar as armas da lgica, do raciocinio o a
patenle.tr aopaiz a incuria do scus adversa-
rios. i,i!" n assim nao procede lom pouca
conscioncij xla causa qno defende. No pro-
testo do Sr. Franco s ve o paiz urna oppo-
sicSosystematica, desvairada pelo revez do
sua fraqueza om presenga da prestigios i
poltica que lauto i ni elevado o Uras.il
Sr. Clemente Pereira olV roceu ao si-
tiado um projeclo lixaodo ein 400:000,000
o doto de S. A. a piinceza U. Maria Amelia
0 sonado adoptou om terceira discussAo a
resolugao que autorisa o governo a dar car-
ta de natura lisa C.O ao chefo da esquaJra
Jolo Poylor e xaudo as forjas de tena.
Passou latnbem cm terceira discussHo o
projeclo creando um curso do ini.u.1.11 i.t o
cavallaria no Uio Crande do Sul.
Ja foi volido na cmara dos deputadoso
orcameuto da marinhs. A opposic..0 con-
servou-so silom-iosa ua discusslo.
SSo os cambios do dia 4 os seguidles :
Londres. 29 dinhoirosestorlinos por 1/
Paris. 32U a U30 is. por Tranco.
Lisboa. : e 90 por cenlo do premio.
Ilamburgo. G\-2 ra. a. 90 dias por marco
bauco.
Rio dt Janeiro.
Hila he a terceira met bom Llborio. que te-
nlioo prazer c Ronra de dirigli-tc. Na segun-
da dei algumas cincadas sobre a immoraudadf
das loteras que com efteito havi.am rhegado a
um excesso inconsebivel e inacredilavcl, seo
nao vissemos c appalpasseinos Mo rcl.lorio
do ministro dos negocios do imperio di/.cm-me
que-se faz j men.au de mis de 200 !! A cima
raeste anno tem concedido uma profusa j
inconsistente com a scrledade de uma incor-
poracao Uo rcspeUavel nao sabe ella como
dizer nao--aquem pi*de. O sen ido porcm
acaba de rejeitar ou de fazer gorar a primeira
nlnhada, que para la foi este anno. Dos o
conserve nessa rme dtsposico, porque tam-
bem de l tem sido iniciadas algumas. Eu po-
rcm nao acredito muito nisso, ucm que a c-
mara temporaria com este cheque emate do se-
nado arreplc carreira. Quando na discussao de
alguma le um deputadu ponderar que he estar
lomando o tempo precioso com matarlas que o
senado est rejeltando, algumas dessa* almas
benditas responder -- o senado eal nuseu di-
i ciVi, e in'). no nosso ; faca elle o seu dever, nos
faremoso que entenderinos e comesta mais
que multo concreneiosa raiao i rao continuando
sem latermitfso essas Irrelllctidas cousessdes.
No dia 20, como te annunciel, sahio com cf-
feito o conde de Casias com a forca que disse
e no dia 31 entrou oulra tmbarcaco de llam
burgo com quatroceutos e lautos, que iro se-
guindo para o sul. O conde vio manobrar na
Praii Vermelha csses que levou, c diz que h
boa gente.
Chegou a 23 o vapor Son StbaHiao la dessas
partes, e veio nelle o marechal Josd Joquim
Joelho, e no mesmo dia lomou aasenlona ca-
invra como suppleute pelo conselbeiri Sebas-
tio do llego: s falta para completar a depu-
tacao de Peiuambuco o Sr. Jone liento da Cu-
nta Flgdeiredo, que parece haver achado um
gostosuperlatiro nos sers de l*mt*m. Tam-
be m cu gosto dos taes, mas uunca aacriflearia
como Ksau um morgado como he a deputac.io
por um prato de sen, aluda que foasem do>
cape has. comquanto nos regalavamos: hclm
Bem te dlzia eu, mcu charo Liberto, cm
uma das minbas anteriores, que mais vale as
veces ser douato do que padre provincia!, e
nao te desconsoles, parque la im ooro iKi,-
'do-se as vezes syllabadas honlvels. ^Je e-
lava cu na casa conseblda. quando enarou um
senhor, que he deputado, beniendo-se#mll,
sem dar boa noite fol disendo : tenho anda
arrepiados estes cabellos, e nem pude jaetar.
Knto porque? perguniouo dono dacasa. Ora
porque ? ;>e V. Esc. rtiivr-.se hoje na cmara,
havia de seaiir o mesmo: bem; mas nouto
nao estive, v oos'contando. 'Ilava o Wan-
dcrlcy, e entre o Aprlgio e o arbozioha (roea-
i ..m-M- apartes de um sentido!.. .: e Coi epa-
tando o caso como o caso fol. Fioatnos todo*.
ciubasb Cummtrcin amanhaa, disseram todos: nao aci
cancem, porque o Jornal nu IrarA csses apar-
tes, os amigos eos dous mesmoa nvi nisso: ora, tatnbm eu nao te- quero dizer.-t
n iinre/,i dos apartes; s le di o que.mais vale
ser donato talvez que se esses senheret o fus-.
sem, n.i i dessem tamaitas syllabad-is. K o
IH'M lilil', prrgnntnrs, nao chamou a bolos
os Ues sylhbistns ? Se nao furas donata sahu-
r-is (pie hoje nos colegios nao se chamajiiu-
guein a bslos. cada qual l o lalim cmo ecm
Ihe parece. Dcmais. j presidente da cmara
lie o pi'imus nter (t? a. tanto fas fallar, como
nao. E o rrgimento? Qual regiment? Oi/em
que est lao riscado, tao chcio de borrdes. que
uiuguem o entende. Hoje ndo hu regin\yi *m
nada, dizia minha boa av. .
Juuho 2fi.Com elleitn o Jornal de hoje pu-
bkou os apartes, e sao os seguiolcs :--O 5>r.
Aprigiov-Quera aferrara. O Sr. Harboia de
AluieidaS o Sr. a caita economiea. O Sr.
Api'tgio& o Sr a palritirchal dt MtW. l5*a*
hislorias da caixi ccououiiija e da patriarchal
de Lisboa, sao unas historias muito reas, piin-
cipalmentea ultima ; c digo que seo Jor-atdn
Commercio fosse redigido por douator, n3o
traoscreverla semelhantes apartes, porm di-
zia minha av--.Wii fitho o hoatenr tanta leen
que treleem.
Hoje 30, ouvi eslarem fazendo mil elogios ao
discurso do ministro da justica, pronunciado
na cmara dos deputadus em resposla 'ao Sr*
Dias de Carvalho, discurso de duas horas e
ineia, todo sustancial, e rico de materia e for-
ma. Tres comas sobresairam principalmente:
a manetra pollda, feorlez. chela de cumi'rl-
meutos.com que tratou ao tal Dias de Carvalho,
que com eltcito lem cabido inuitoem graca atu-
ta a inaiorin, c diiem que est mullo mal col-
locado no lume da iiiontanha. A seguuda te*
a cvplicaeoque deu da amnyistla concedida
pelo presidente Souza Ramos aos bandidos da
Scrra Negra : a terceira foi a respotta dada ao*
tpico do discurso do Di.is de Cirvalho, em'
que eite instava pelaarnny^tia ; nem uma es-
peranca parecen aulorisar e mesmo censuroa
aquelles que. nu fallando senao infaUMUdadc
d clemencia imperial, como que Jav.nu por
cena a amnyslia. como se nao lionvetseuS rtr-
cumstancias em quea clemencia fosse inaks um
mal do que um bem ; porque he preciso fascr
sentir que os Crimea conlra a sociedede he um
grande crhnc, c nao se deve estabelecer como
regra, as revolucdea sejo sempre seguidas de
urna amnystUgcral.
Julho i .Chegou hoje o vapor do norte, tra-
zcudo o Sr. Sonta Ramos 0 oSr. Jos Hento :
Mti pota c 'iiiialeta a depulac de farnaulusco.
Porm eslou admirado de vrr-lc tambeamct-
tidoa i t!n- |ni '. i !
Ou tu, ou alguns desses choristas.travesos,
a qnrm mostraste a minha primeira carta, fol
dar cumella ua lypographa do Diario, que lo-
go sem mais ceremonia a fez publicar, sem .se
quer auprir alguns erros de arthographla e fal-
tas de lettras, lalvez para dar a-ver, (|ue era
mesmo escripia por un dnalo ; linha raxao ;
porm -I r'fl/f-mrrrO"hedellc, porqufrbem mu
lembroque cscrcvi--Sa/meiro.
Como sou fnro c abclhudo, ful logo ver o
ir. Souza Runo,, o qual me asseguiou que a
provincia lieou ein perfeita paz c tranquilida-
de. I o cninprlmcniei-opor lsso,porque ua ver-
dade sou-lhc all'eicoado, c devo algumas cou-
sitleractJcj.
Julho 2.Hontem fe o deputado Heuriquc
de Re/.eude um discurso pedindo a camac*
remedio para a illustracao e inoralisacodo
clerb, visto como em il ai. docuotealos pe-
bllcos, a falla do thiouo c rotatorio do-minltro
era elle apresentadoao mundo como igovia^ilc
e Immoral : dizcm que ellvenuncira muifas
verdndet porm o clero deve segundo pt n>,
resinat se a s espera quo o goveruo, nem as camajas lo-
incni por elle mitro hiteresse alguin dessrsaf-
l'ectados e hprobii<>sosdesrji>3.
Hoje '.., ouve na cantara temporaria uma
novidade, que snrprehendeu a lodos, causou
um granito desapontamento s galcriaa. que
es!.iv.mi apinbadaa. ,
Tinha sido dado para ordem do dia o orca-
meuto da reparlicao dos negocios cMrangci-
ros, que as circumstancias actuaos supuiiha-
se que darla occasio a um longo c renhid
debele : diiem que tanto o ministro como al-
guns membros da maioria estavara prepara-
dos para utna lula desesperada. Chegada aho-
ra, c oceupando o Sr. Paulino o banco de dores
deelarou o presidenta que eslava em discuato
o orcamento dos estrangeiros esperava como
de costume que dos maltos da iiionlanliapar-
ii se corrido algum desses (amandus baadei
ras, que lano que fuer dao aos eaca4s)re* :.
esperou se, esperouse tomariiia en^atiUiada,
e nada de tamandu : cslavam todos (pie nem
resolravam, at o presidente braduu i*4# tto
vendo quem ftee-a a polavra. vnu jj)r u ootoi --Aau-
da se esperou, e oSr. Paulino t-sfndeu par* o
lado da opposico um nariz, que dizeui (que
qede mecas ao do Fernando Anto de Minas,
como quem procuiava farejar ancioso o la-
tiiandu. Alinal, os senhores que ajaovam,
disse o presidente, o art. 4. da orcaNseoio,
queirain levantir-se, levauUram-se iodos, e
Hcou sem se queimar uma escorva, approva-
do o artigo edepois os scus paragraphos/ :
Agora era para ver, mcu Ltborlo, o ruye-
rugr prlos corredores, pelas ras,, por tada.
Sarle; o que seria isto, pergunlavam una?
ol uma desTelta, que a opoalca quii fazer
ao iiimi-irn "N i- diziam outros, foi uma
deferencia para com a r:conheclda liabilidAdc
c patriotismo do Paulino -nao ; diciam oiur/is,
foi urna vlnganca, roub>ndo*lhe a ocoasio
de brilhar e de machacar alada mais a Jalao
conculcada opposico. Porm na casa u que
lano tenho fallado exputeram ,os concurren-,
tes a verdadeira rasa >, e he a seguinie:
Tinha tomado assento pelo Sr. Pedro Cha-
ves um lal Calvete, do Rio Grande, que o ti-,
nado Aedrada Alachado comeara o Ricial da
secreiaria do Imperio, c que he hoje seu offi-
clal-maior, e esta Calvete logo tomou assento
namoniaalia ; esperavam pois os comparsas,
ou mesmo, como se acredita, tinhao conv.ee-
cionado que elle lomara a palavra CfCoa
eaue fazendo logo algumas dessas .Xi
ccs dos segredos da secreteria, ou exn
alguma carta blfada no correio, e por ah I
tiuuasse abrludo profundas frridas'noi
lerlo ; mas o magano faltou-lbes como um
negro, e os outroi que st uro tinlto p-vido
nem se quer de um tatnaiiduaslnh, Mca-
ram enlatados e delxaraia votar o ercasricnto
Quereado porm aju^tar ronlas com o lal ve-
Iiiaqaete, dcsculpaa-ae diaendo: que teadajo
Correio da Tarde dcscoberto que Calvete que
ducr Lspcto de |.iu tni que se eoflavaai |>ip
anus os condeiunados morlr = llnha dadtfo,
alarmare posto o mi ai* tro e uisloria da iuft
aviso* e que nao podendo espetar sena* sorpresa e trafeo. Julfou prudente nlo se
(xpor elle e ser cuitada na irauca da aecre-
MUTILADO
s


tarta, sobre o que j tralla urna pulga alrai
da orelha, apMr da prorerbUI lolcraucla do
Sr Monte Alegre. Ora ftdeo, tie o Mello
Franco, rnlSo va para a maloria : < hem
disse ao Sr. Dial de Ca valho que se nU u-
tiste para vot entrar, que tinguen) te dove
liar i-in eipetoa tirpio, porque nos 11S0 esia-
anoa cm eaa de flrtteire. A' outra coma
Sabei que me appareceo aqu uin xar ? He
fre Andr das Arabias, frafl dttodos oiqtra-
trocollados; he carmelita e conreotual aqu
e neile vapor ral para o convento do Para:
be umlente jubilado cm toda ai Iheologlai:
grande poeta em prosr. e em verso; es-pro -
vlnciil, examinador lyoodal, pregador da Im
perial capella, e tudo o mala que se segu.
Dfiem que houve suas duvldaa entre o pad: e
provincial e oSr. qiipo conde, para o livrar de
ser chamado ao exime de confessor pelo Sr.
Bspo do Para; porque oa taei ttulos, como os
de outros mullos, niopanano de -racu-raca-
\=doi maracas. E dizc l agora que o Para
tem aldo eVquecido e abandonad* : o Para val a
goraapnarecer e fater uin readoso papel no
mundo cvilisado. Tenreiro Artnha, presidente
instalador da provincia do Rio-Negro, nave-
frDffto vapor no Amazonas, c I re i Andr das
Arabias restaurador da ordem carmelitana
no Grao Har, he o facto mais glorioso do
rento XIX, Mas olha, nao te engaes : esse
fre Andr, qoe abl val no sou cu pobre
irnnio Andr, mi aotlgo c fiel amigo c com-
penheiro.
NHo le onde Iremos parar com esta Invaso
dos tusos eda civllisacao.' lie urna verdadel-
ra epidemia de que inulta gente ba de mor-
rer. O que (lirias tu, se Indo como cu pela
ra do Ouvldot s dez hars da manba te
einbarafustasses com duas mocas mu claras
e mol airas, bonitas e bein vestidas e trajadas
com chapeosinhos bem postos, levando urna
dellas s costas urna cousa asslni a modo de
caisRo chato coberto, levando dentro uin ins-
trumento, asslin como audSo csses amolado-
re* de facas e navalhas, promptas a tocar e
cantar a quem as convidasse para Isso / Apos
to que darlai mil voltas cm busca do capuz
Hcm o ai dar. (ututo a mina declaro que se
ni nosso tempo passassem ellas l pela pur-
rarla do convento, mal que pesaste ao padre
guardiao, nao irio adianic sem darem mostra-
rte si, tocando c cantando, c certo padre
mestre couhccl eu ah, que nao perderla a
vasa, de habito arregajado daria voltas t vira-
voii-is como uin louco, ca epidemia pegarla
Isid ra por aqu um brinco, c ha tanta pai
xo por tocar, cantar edaoearque multo re-
celo que as nossas elegantes slgam esta moda
das duas. Adeos, meu bom Liborlo: sou
como sempre o teu Innio
Andr.
PERNAMBUCO
JUHYDO RECIPE.
2/SESSAO, EM I5DEJUUIODEI85I.
Pniidtncta do Sr. Dr. Neivit.
A*a ll horas da manha, feila a chamada
ai ham-se presentes 38 Srs. jurados.'.
O Sr. Presidente : Abre a sessao, multando
aos senhores que dciiaram do comparecer sem
escusa legal.
O Sr. Dr. iuiz municipal (insta Menezes, fas
rntreca de ri procesaos, sendo M de reos pi e-
sos,23 de afianzados e de ausentes.
Sao apregoado* os reos e testeimiiihas.
OSr. ftesidente -- Le< lara if-se proceder
ao sorteio do conselho que tem de julgar o
re*upresente, aecusado pelo criinc de dtlensas
bpysicas.
baliem sorteados os segniutes Srs, : Manuel
Jos Perelra de Mello, Manoel Antonio Muiocs
to i tiKii.il, a nlo.ii .) de Souza Leo, Luiz Jos
itodrigues de S>u i. Jos Francisco Marinlio,
Antonio Francisco' Pereira, Josa Maitins Pi-
uhcir, Caetano Aurellano de Carvalho Couto,
Jos Goncalvcsda Porcluncula, Joaquim 1-van-1
^elisia da Costa c Silva, Jos Jcronytiio Mou-
teiro c Manorl da Fonsrca c Silva.
Prestado Juramento do cstjlo.
O Sr, Presidtnte : Faz a reo o seguinte
INTERROGATORIO.
-- (lomo se chama ?
Manoel Francisco do llego.
-- Sabe poii[iie eslproceasado
LN.ii>, senhor.
-- Sabe porque fui preso ?
-- .Y-io. senhor.
-- Sabe ponjue vem a este tribunal
Nao, senhor.
-- Conhece a Luiz Pedro Goncalves
-- No, senhor.
--Sabesccssc individuo oralerido?
-- Nao, senhor.
Teve com elle alguma desorden, ou
passado cm prlmelra dlscusiao a resolucao,
que amorfa ogoverno a pagar a sorama em
que fot oudcinnada a faienda nacional, pelo
apreMinento da snmaca /Vom C to por lord Cochrane na guerra da indepen-
dencia.
Na irsalo de 4 do corrate regcltou o arti-
go! primeara e segundo das emendas do sena-
do ao projecto, que aulorlsa o governo re-
formar o etlatutot dos cursos jurdicos e es-
colas de medicina, ficai.do adiada a dlscusso
o artigo tercelro.
Na sessao de 28 do pastado apresentou o Sr
deputado Antao um projecto sobre sesinarias
e posses, o qual fol a Imprimir.
O Sr. Jos Ildefonso de Souz Runos, fora
pleito por fi rotos v.ce-presidente da referida
cmara para o mez andante, obtendo o Sr.
Antonio Peregrino Macicl Monteiro 23 votos na
mcsina occasiio.
No senado entrou cm prlmeira discussao
ii<> mi i do corren te um projecto, que im
pde pena de morle aos autores do crime de
pir tana, fcando adiada pela hora.
No da 2 approvou a mesma cmara, com
emenda, a rcdaccSo do projecto que cria iu-
tutos de advogados ; aasim coumi o parecer
indeferindo o requerimento de William Bovv-
man c Arehibald Mac i'allum, pedindo iseocao
dos dircitos de importacao para as mate-
rias primas einpregadas na sua fabrica n'csta
cidade.
No da primeiro entrou em primeira dis-
cussao utn projecto qie especltica quaes os
individuos sujeitos ao Julgamento dos conse-
Ihos de guerra nos casos em que o governo de-
clarar em vigor a lei militar.
O tribunal do vice-almirantado de Santa
Melena mandnu restituir por sentciifa de 5de
junho pretrito o brigueTnasileiro Magano,
apresado pelo vapor inglc Qeyer, mas sem in-
demnisifo de damnos e despezn*.
Fulleceu no dia 9 do supra-dito mez, na Pa-
raupeba, cm Minas Ceraes, o Dr. Doinlngoa
Marinho de Azevedo Americano, lente de obs-
tetricia de escola de medicina da corte.
Km a noite de S. Joo houve uin incendio
no quintal de umacasa de marcineria da ra
da A mi i, causado pelas lagrimas de urna pis-
tola, o qual nao poude progredir por ser acu-
dido em lempo c de prompto suffocado.
O Jornal do V.ommerrio de 22 do passadu Irnn-
creve o seguinte artigo do Comi da Vic-
toria :
Aoamanhccer o dia'iG houve tentativa de
roubo na ihesouraria geral, chegando sem-
pre os aggressores, por uina janella do lado do
pateo do palacio, boje cm cunceito, a introdu-
iircm-se ao corredor prximo d casa, ou lugar
do thesoureiro, c com um gancho pucbaiam
um sacco de cobre que all eslava, donde safa-
rain apenas )5,000 rs. ; nenhuma descoberta
se ba felto at hoje ; nao houve arromhamento,
porquanto a introducto dos malfeitores se i-
zera levantando a janella de que cima falla-
mos, por onde necesariamente *e rvadiram,
visto nada poderem conseguir da empresa a
que se dirigiram ; procedeu-.se a corpo de de-
licio, e o Sr. Dr. chefe de polica interino pro-
cura saber quaes os criminosos, e todas asin-
dagaces para o descobriinento de lo habili-
dosos eidadaos.o
Le-se na Revista Commereial de Santos de 23
do passado:
o Tendo expirado no dia i7docorrcnte opra-
zo que foi concedido ao subdito portuguez Va-
lencio Augusto Teixeira Lomil, para sahir do
com evidencia lncontraditavel : primeiro, que
dltojulz, declarando a mlnha falencia, ferio,
calcou violentamente toda a legl^lafo supra-
ollada : calcou aclntosamente o 3 do art. 179
da conitiiufcfo do Imperio, quando tenten
2
lamento! fecundo ser un dos fcicos mili no
tare), d oosso seculo.
Honra a vo, principa, que haveU once-
bldo esta grande idea. AJradelnienlo vos
dama,. = Ac.iliou a r'ooM^ das |aeirl anli-
. dealinada par* ai machina, que Um 936 ps de
I femprido pof 48 d* lltfO.
A altura da galera qua fprina o corpo prln-
cipal de e
venal'de
A rea
dlflol
de60 nis c da Balera trans-
I ms c daoai
clon, tomou conhecimeiKo dessa causa com gas ; novo campo de baUlha se abriu para as A rea dsTpalacio da IdiulrU tem 962,831
manireita rtroaclsj : calcou d'ajni niodo lnau-i meflei. Substituirte* ai, terrlvetf laclas da ps, e a totafldade do terfeno^ajae forma um
rbarfdadt pela dk olvllliicu c grande compo da geirail. -
dito e escandaloso o art. 806 docodigo do cotn- destrulcao e ba
merclo, quando-=retrotrahlo_ como fizera
1843, o ctvso da falencia, quando alias sse ci-
tado artigo estatu expressa e claramente que
o tribunal ouojuls, dever declararla falen-
cia por casos acontecidos dentro dos40 das
entretanto que o objecto ou o motivo de ml-
nha falenciadatava de 1843, olio annos an-
teriores .'! =Que* calcou intii de proposito o
art. 741 do regulamento n 737 de 25 de no-
vembro de 1850, quando ouaou tomar contae-
cimento pela Icgiilacao novlsslma do cdigo
de commerclo, que se estavam e esUo Jul-
gandopela legislacao anterior ao cdigo; e o
mais he, que elle era o juz na causa civel da
execucio!!! Que calcou escandalosamente
o aii. 742 do j dito rcgulauento,. quando
recebeu, dlrlo e sentenclou a pedida deca-
racao da falencia, em vlrtude deate mesmo
artigo, quando allls da letra e do espirito do
ciladoaitigo se v que he s restrictamente
appllcavel acedes novas, nao intentadas, o
que se nao poda dar no caso em quesio,
visto como a execucao de que o dito juiz era
=o competente no civel.=& havia levado aosr
termos de serem arrematados bens de rai '
'.Me calcou anda d'um modo Inaudito e escan
: que le poder
'cubitos. O
progresso, na dual veucedoreo e vencidos se As rapacidades iutrriore de q
aproveitaram If^WTmenttf da victoria A ex-f dlspor ftirmam SS rnlfrifles de"^pt*s
poslcio universal accuiar al necisidadci e.nluguel de edificio, preco de conservaeo e
recursos de cada estado, cimentando a uolito prejulios est calculado em 81 mllhici de fran
cmasofc, 3 oaixfJe* chpeos, 14barricas
gervejaff volornogdiversasioercadorjis- A
ordem.
COIS
riendimgnto do d,
dem do dia \$.
dos povoi para a mutua latlsfacao de seus in-
teresses.
a Principe, modelo dos que asslrn ac deno-
cos, ou 1 sois prximamente por cada p cubi-
co. O valor total do monumento, urna vez
que le reolva eonierva-lo icr de 15:000,000
minam, o commissarioi da industria quite- trancos, ou pouco mais de dous sous por p
ram manifestar a V. A. B. a sua profunda cubico
gratidao, c dar-vos unta prova d sua comple-
ta adheio obra a que o vosso nome Mear
para sempre assoclado.
O principe Alberto respondeu em francez,
agradecendo aos commlssariosd terein-se-lhe
apresentado, e manifestando a luagratldo pe-
la preitexa com que os pases estraogeiros
acudlram ao chamamento de Inglaterra.
O Lloyd, segundo o exemplo da socledade ras
artes, resolveu franquear as luai salas, desde
as seis da tnanhaa at as seis da noite, aos es-
trangelrot recommendados pelos ministros,
embalxadores, e cnsules. Encontraram ah
aquelles, entre oiitras vantagens, a de pode-
rem ler diariamente os peridicos Inglezes, e
os prlnclpaes dos palzes estrangelros.
i Diz se tambein alguns lords traclara de facl-
dalosooart. ni do regulamento das quebras,' thar aos seus rendeiros e administradores a
quando me declaro em estado de fillcncia, ida a londres para verem a eipoaicao. Citam-
sein que se houvesse em nada absolutamente Ue, entre outros, lord Wlllougbly, de Ereib,
preenchldo o diaposio no dito artigo, Jsto he, qUe alugou em Sloaue Street urna grande casa
sem ter havldo a juslificacao e a citacao irre- para onde convldou os seos rendeiros a pas-
missivclmcnte civglda no dito artigo, difiri- sarem urna semana, vlvendo all como na sua
do peiico que apenas fra instruida com proprla casa, e dispondo dos crladps que nella
cndaloinaudito, com documentos retroac-i acharem como seui.
(Iros, extrahides dos autos do compromliso Os attractivos e estmulos lembrados pelos
e dos d^ execucao, c cujas causas estavam iuglezes para tornarem mais agradavel a reil-
allins seguiudo o scu curso ate 12 de malo; |dencia cm Londres; e o grande xito que rao
tudo lato, sem que-eu fosse commerclante,; obrendir tem felto ver aos franceiei que de-
nem exercesse cssa poslfo desde 1843, e con- vem tambem fazer com que Pars se nEo resin-
sequentcmentc nao me sendo applicavel a le-' u da falta dos estraogeiros da exposcao de
gislacao do cdigo!! < Londres, visto terem que resignar-se a ver que
(Sao crea o meu contendor que as ameacas. esta ultima capital soube alcancar a gloria,e
de prisao c pronuncia a que cstou votado me os grandissimos lucros daquella solemnidade
ntemidam : oh que nao! Dessa prlsn, don-' industrial. Eis oque a ilmllhante respeito
de a protervia e a injustica me possa levar, j diz um peridico frefncez, eo que os outros
d'alli mesmo dcfendcrel os meui direltos con-j tem delle transcripto, adherlndo s mestnas
culcados, espesinhados ; e exclarecerei ao pu-' ideas
Imperio, consta-nos que o mesmo embarcou na
escuna hannverlana AViutifus, que sahio no dia
Jnir
Hf :
Juiz
Reo
Ui:
Mes
i ais
Reo
Juiz
Reo
Juiz
Reo
Juiz
briga?
Reo : Nao, senhor nao u conheco, nein
nunca o t.
Juiz : N;to ouvio dizer se elle fora feridn
por alguem ?
Reo ; Nao, senhor.
Jnis: Rccordi-sc ter estado na noite de
27 de feverciro no armazem de sal na Uoa-
Visla f
Reo : Sim, senhor, testava bebendo um bo-
cado de vinho.
ywj : INessa occasiito nao se acliava pre-
sente CSse I.ui' Pedro Goncalves.'
Ho : Se en nio o conhero.
Jirii: Lcmbra-se se catava presente al-
i:i m outro ?
Reo : Nao, senhor.
Juis : F, nunca Ih'odisseram o motivo por-
que o Sr. fora proceasado '
Reo : Disaerani-me que cu cstava protes-
tado, mas nao sei porque.
Jmir : -- Wunca tratou de informar-sc do
motivo parque havia sido processado ?
Jiro : Vio, senhor.
Juiz : Sabe cacrever ?
Reo : Muito mal,
J'i: : -- He quanto basta.
I-indo o interrogatorio, sao (idas as prcas do
processo dai^quacs consta, que na noite do dia
^7 de feveireiro do corrente anno, ifiiando o
calxeiro da taberna da ra da Conceico se pre
parava para fechar a porla da venda, ohegira o
pardo Luis Pedro Goncalves conduzindo urna
escada que o mencionado calxeiro Ihc havia
emprestado, e dirigindo-se o mesmo pardo
para o interior da renda para ahi depositara
escada, recebeu um frrlmenio na roa drrita,
e chamando ento o caixeiro. veio este com luz
c acompanhado de algumas pessoas, que sao
tcstenranha no processo encontraram o re'o
escondido por tras de unas pipas, confessando
este na mesma occaso ter sido autor do dr le-
lo, mas nao o ter pralicado, em virtude de dc-
yavenca alguma anterior,
Ktndas as allegaces pro c contra o ru, sen-
do ad*ogado da defesa o Sr. bacbarel lemete -
rio Velloso da Mlveira.
0 Sr. Presidente : Fax o relatoiio da causa
c entrega ao conselho os seguinles
QUfSITOS.
1 .* O reo Manoel .ancisco do Reg praticnu
o facto de que be ceusadu de haver feito of-
fencas physicas napesaoa do Pardo Luiz Pedro
Goncalves.
2.* U ropraticou o mencionado facto com
acircumitaocla aggravante da noite ?
3.a O ropraticou o mencionado faci com a
clrcnmstancia aggravante de surpreza ?
4.* Existen, circunstancias attenuantcs a fa-
vor do reo ?
O jury demorando-sepor espaeodc meiahora
na sala das conferencias, rolta pouco depoia,
rerpondendo : quanto ao pritnelro sim por 0
votos ; qunto ao segundo sim, por 0 votos .
quanlo ao tercelro n, por 0 votos; quanto ao
18 com destino para llamburgo
Da Baha nada hade interessante. Toda
a provincia goia de soccego.
lo J/rrc(in(dc 3 do corrente copiamos o ar-
tigo que segu:
n O vigsimo oitavo anniversario da entrada
do exercito pacificador nesta capital no fausto-
so dia 2dc julhn de i8?3, aps a retirada das
(ropas poruiguczas, foi este anno coinmemo-
radu com o eutliusiasmo c a pompa d>) coslu-
me, reinando em toda a parte tranquillidadc.
Os festejos contiuuam al o dia 5, no qual de-
ver ter lugar na |m .i.; i do leiTciro un bri-
Ihanlefogo de vistas.>,
O Correio Mercantil de 10 do dito mez d a
seguate noiicia.
Hojc sahlrain do recolhimcnlo da santa casa
da misericordia setc orpbaaus que Imineitiata-
mente seguiram viagem para Yalcnea, afim de
serem einpregadas na fabrica de tecdos da-
Suella cidade. A decencia com que aui vest-
as faz honra ao respeitavel eslabeleclincnto
em que foram creadas e educadas; o Mu para
que ellas se dirigen, a Valcnca he una prova
do amor que todas lem ao trabalho; coassen-
timenio c coadjuvacio dos mesarlos' que pro-
curan! dar-lhes um nielo de vida tornando-as
industriosas.hcuma prova muito segura do in-
teresse e protecc.1o que csses senhores mos-
tram pela prosperidade do nosso palx, e da-
quella santa casa, cuja adiniuistraco Ihe foi
confiada. Kntrc estes destinguem-.se cm se-
inelhantc acto os seohores provedor Francisco
Jos Godiuho. mordomo Jos Pereira Rios e
thesoureiro Manoel Jos de Figueiredo Lcitc.
*A fabrica de tecldoscm Valenca no he me-
nos digna de elogios por proporcionar casa
vantagem mocidade brasilcira destituida de
runos, mortnentc quando um homem t;ojm-
iicciro o probo como o Sr. engenhciroGarson
he oseu director.
blico imparciaJ de todos os actos violentos c
Injurdicos deque haja sido victima; e espe-
ranpO-me, leona mesmo f robuata, qu) um
dia as justicas do paiz se compenetrarao, tr-
iharo a vereda das Iris : que os mcus males
terao-uin termo, e al dos prevaricadores, dos
conculcadores das leis do paiz.
Piomettn, outrosim, ao publico Imparcal
historar-lhe tudo quauto for correado;
aguardo ora o desprezo ou o recebimento dos
embargos com que me oppuz sentcnca da
ii.-c] ii Jilo da falencia, e com que fui fulmi-
nado iniquamente.
Sano Mdra de Sei.tat
Com municado.
OSr. iir. J. tii- Aquino Tonseca. illudio
completamente a supplica que Ihe Ozonos
no diario do \ do corrento, pedin lo qne
deelnrassi quaes as pessoas por seus nome,
a quem se referia no seu primeiro communi-
cadOf e islo para evitar allRdefij hoje po-
rem responde-nos, que assignem os rticos
do Recreativo, e se saber quem silo. Roa
duvida, mas islo niin he a qucslflo : o Sr.
Srs. redactores : Hum facto bem importante
o que poderia ler trasido mu graves e serias
censequencias succedeo no dia 3d de junho,
perto da povoaco de Aplpucos, porm do ou-
tro lado do rio Capibaribe, no lugar em que
devide a proprledade, que foi do liando Joio
Ignacio Ribeiro Roma, com um sitio que a
pnuco comprou o Sr. Jos retarlo de" Mello, o
lilho mais vclho do Sr. Cczario de Apipucns :
eis o caso tal qual foi por mim presenciado, e
porque emendo, que o publico o deve conhe-
cer nao duvido referllo. O Sr. Pedro d'AI-
cantra Paria Abrco c Lima ; casadu com a
viuva do referido Roma, tendo feito arrancar
urna parte da cerca, que havia felto o Sr. Jos
Cetario para dividir a sua propriedade do ter-
mino do seu sitio, como quer que o Sr. Jos
Ceurlo achasse a sua cerca arrancada, deri-
gio-sc ao Si*. Faria, c depoia de haver com elle
trocado expresscs, que nao pude perceber
pela distancia, porm com gestieulacau de
parle a parte multo animado, rctirou-sc o Sr.
los .'czario, voltaudo coi breve ao lugar com
oito homens armados de claviuotes ou baca-
martes, dos quaes individuos dus me pare-
cern, desertores do sexto batalho, hojc per-
Icrccni ao segundo de cacadores, pois record-
me deja usier visto por a quclles lugares.
Avista desta forca teve oSr. Farias dJ-fir^T-
se, mas chegando ao lugar o Sr. subdelegado
lio Puco, c loiio apjs o Sr. Francisco ,\ ivier
Marinho, cm defesa do Sr. Farh, tornou este
ao lugar da cnnlcnda, e crcio que ali peante
a autoridade discutiram os seus dircilis verbal-
mente a vista dos respectivos ttulos, pois que
tendo sido trasidos e lidoi huns papis passa-
ram-sc a tincar algumaa estacas, que auppus
devereni servir de balisas para a nova divisao
ouccrca. Nao pudendo mais demorar-me por
causa dos mcus afaaeres relrei-mc maravi-
llado da policia da minha trra, c dando itn-
niensas grabas providencia por ter com o seu
omnipntcnte bravo removido tantas desgracas,
que me pareciain eminentes.
Sou senhores redactores scu" venerador e
criado.
O morador do Vnro.
Variedades:
EXPOSig.\*0 UNIVERSAL EM LONDRES
O ministerio prusslano em Londres i- mim I mais extensivo
niciativa n'um acto que ser sem duvida al
guma imitado pelos commlssarios das dcuiais
nacd?s. Todos os industriacs allcmiies, natu-
racs dos estados que formam a liga das alfau-
degasdo/.ollveuin, c que forem a Londres,
receberamjuntamente como passapoite, um
bitlu te, mediante o qual sero admiitidos, acm
ada pagarcm, na maior parte do edilicios,
monumentos c lugares pblicos dignos de ser
visitados. Mr. de liunsen fez para este fm um
A exposleio universal de Londres ser,
em todo o vera, um motivo de viagem para
grande numero de curiosos vindos de todas
a parte do mundo. Intil fura hoje sentir
o nao ie ter feito era Pars essa exposcao,
proposta por Mr. Tourret, ministro de agri-
cultura e commercio, no tempo da repblica.
O genio rotineiro dos homens empregados
na nossa industria, deu causa a que se nao
levasse por diante semclhante projecto, que
os nossos vlslnhos d'alm mar, mas habis
do que nos, realisaram. Sero para elle a
gloria e os beneficios; porm nos deveramos,
quando menos, tratar de colher as vantagens
indiretas que podoriamos tirar. He de crcr
que a maior parte dos visitadores que das di-
versas nacOes bao de Ir a Londres, quererao
ver ao mesmo tempo a Franca, e sobre tudo
Pars. Ha inultas familias ioglezas gue, ten-
do saludo das suas trras, nao voltarao a ellas
sem terera completado a viagem. Este inovi-
mento de viajantes deve servir nossa indus-
tria de mu grande consolaco.
(i Para que os viajantes possam ir aParis
he preciss que o governo e a administraco
da cldede, por urna parte, c o commerclo por
nutra, facain grandes esforfos para dar Incen-
tivos visita doi estrangelros. O governo
deve mandar abrir as galeras do Louvrc que
csto fechadas Os inuseus de artlhcria, his-
toria naturol, marinha e medalhas, as biblio
thecas publicas, os jardlns e palacios da na-
cao devem conservar-se abertos todos os das
para os estrangeiros, a quem cumprc facili-
tar por todos os tunos possivcls a visita dos
monumentos pblicos.
" Ogoverno da cidade e commercio, deve-
rlan combinar-sc para fazerem a exposcao
dos objectos de arte e de gosto, nos quaes
nao tem rival a industria franecza.A expos-
cao Je Londres ser dotavel pela rcuniao de
lodos os prodigios das grandes Industrias.
Em Pars podemos expor, sem recelo, vista
de todos, a assombrosa' novidade dos artigos
de modas, luxo, marcineria, tapetes, cris-
tacs, etc,
Pena he que se acabasse no dia l3 da
abril a exposcao de pinturas: poda, no cn-
tanlo abrir-se outra, em que iigurassein n5o
s os novos quadros, mas tambem os bons,
produzdos pela escola franceza moderna. Ao
mesmo tempo todos os nossos the.itros c es*
pectaculos organisaria distraeces que se uao
encontrassem em alguma outra capital da
Europa; eslabeleccr-se-hiam viagens de re-
creio a Versalhcs, Fonlainebleau c Ratnbo-
nilet, etc. -
A exposico de Londres, d margem, como
se v", a novos projectos em toda a parle.
Els-aqui alguns outros de que acharaos no-
ticia n'um peridico inglez:
* Trata-se de organisar juntas especiaes
para cstudar os meios de appllcar algumas
das grandes providencias, corolarios naturacs
do principio da uniduft da gcraco humana,
lo opnuriunamentc iuvocada pelo principe
Alberto.Urna commissao de escriptores, pu-
blicistas e jurisconsultos trata agora de tornar
principio da propriedade
Aquino to allusrtes a pessoas certas, e disse j contrato cuinos eneres de rate e quairo esta-
que as conhecia, loga, sabe seus nomes, o bbclcclmcntos, palacios c monumenios.Pode-
isto foi oque Ihe pedimos qao dls*psse. [riu alcm disso, osdonos dos bilhctcs assisilr
Agora precisaremos a pergunt, c he que,. s sesscs das duas cmaras, visitar o palacio
leudo o Recreativo duas pocas, urna om que da ralnha, oa diques, musios, etc.
se Irptou da quesUo dramstico, o outr da v coiiimiwao do mesmo Zollvcrciu alleino,
^ posso",. podo-so ,o ST. Aquino te- tl^^^'t^'^Ti cl^l
nlLurjonJdodedizeraq..! des9 d.i.s 1u lppnwi,n-.i( para dimlnllir as 4,
pocas se refere, sea primeira, aealegun- dosexponcnicsprusilanos.-Couscguio elle de
da, sea ambos; poVque no caso do sera (oda, asadmini>ira(es do, caminhos de ferru
referencia feila primeira pocn, o Sr. Aqu- allemaes, uina diminulco da dnpea por
no 11S0 licar sem resposla, c t3o dura e lorma que as duu prnnciras classes das la-
Iremenda. que Ihe Jicara gravada na me- rlf'is licaram rcduildas ao proco da ler-
moria. Km quanlo a primeira poca pode-
mos asseverar o Sr. Aquino qu-, se hou-
ve quem pedisso trepoas, ou lizcsse sub-
missSo, esse pedido parlio do seu lai'o Pa-
dimos'ie Sr. Aquino, se he cavallelio, uma
resposla terminante, sim, on n.lo
l'm dos ailuilklos.
Correspondencia.
reir.
Parece que os caminhos de ferro 'francezes c
belgas accordarain tambem cm fazer cs(as rc-
ducedes para qnc os exponentcs allemaes pos
san Iransllar, com pouca despeza, al Dunker-
que, Calaise steude.
1.1.1 Londres lambein se adnptaram alguns
meios para se eiercer dignamente a hospitali-
dade com os que houvercm de" concorrrr coro
uin ou outro titulo exposico. A socledade
real das artes nomcou membios honorarios e
correspondentes a todos os commissarios es-
Sn. Itticlori-s. Viellina votada ao sacri- traogeiros, pondo ,i sua dlsposlco a grande
ficio por meu inlmigo fgadal c rancoroso, sala da socledade para que abi eelebrem aa
jSr. Jos Jernimo Monteiro, desde W8 sem suas rcunifies semanaes. A junta de conimissa-
interrupcao, venho expor ao publico impar- rios respondeu agradecendo, aceitando os ti-
dal a incurialidadc com que o mesmo eonse- tulos, declarando que os seus Miembros hao de
guio do lllin. Sr. juiz municipal da segunda concorrer s scssOcs geraea da socledade.
vara, c commerclo Jos Ravmundo da Cos- Nao accitnu, porm a ollera da sala para aa
ta Menezes, que conculcou d'um modo espan- suas reunios semanaes por haver resolvido
toso, inaudito a constituico do imperio no continuar a celebra-las no local oceupado
seu $ 3 art. 179; o art. 800 do cdigo com- pela commiiso franceza, convenientemente
mcrcial: os art. 741 e 742 do regulamento preparado para este liin, pelo governodaquel-
n. 2J7 de 2. de novembro de 1850: o art. lli la afio,
miarlo fa, por 9 votos'; o reopralco'u o facto 'do outro rcgulamcnlo, n. 738 da mesma data; Por proposta de Mr. de Sallandrose, com-
Jom clrcumstanciai altenuante,. e finalmente todas as disposlcfles c leij do mlssario geral do I-ranea, resolveu a junta de
O Sr. PrMfVie.--Con!ormando-sc com a' nosso pal/, c das nacfles mais clvlllsadas da commissarios que se acba em Londres, apre-
deelsaodojurv, condemna o reo a 30 dias de Europa, deelarando-mc em estado de falencia, seotar-se omclalmcote ao principe Alberto,
nriso simples", rao mlolmo do artigo em que a datar de 12 de malo do corrente anno, Isto protector do pensamento da exposcao, para
'por forca da legislaco novissima commer- Ihc tributar as suas homeoagens. O principe
cial!! a recebeu no dia I i de abril no palacio de Bu-
lle, porm, publico c notorio nesta cidade, chingam" e Mr. Sallandrose pronunciou em
que convoquei os meus credores em 1843, nomc de seus compauciros o seguinte dis-
que obllvc delles urna moratoria de cinco an- curso.
nos, que essa moratoria ac oppoiera meu Principe Os commissarios estrangelros
(contendor, como procurador d'uma casa In- reunidos cm Londres, vem tributar a V. A. R.
glcza de Loudres, e que cssa causa sendo af- a hoincnagem do aeu profundo respeito, e
I fecta ao supremo tribunal de iastrea, em grao agradccer-lhc a iniciativa que tomou, rcunin-
Entrou hoje do sul o vapor Parata,, traten- de revista interpnsta em 26 ele novembro de do n'uma exposi(o universal os productos de
do-nos gaietas do Rlo.de Janeiro qaealcancam 1S50, all existe para aer decidida. Ilealm lodo o globo.
a .'. dooirrenie, e da Babia a 12. A hora adan- disso de publica notoriedade, que o dito meu A Idea de reunir todos os productos do
tada em que as recebemos nos nSo permltte
ser minucioso no extracto dos trabalbos das
duas cmaras legislativas, alguns dos quaes
das obras nao materiaes da arte c setnela,
estabelecendo os meios de evitar a sua alsi-
ficacao.
Outra commissao se est tambem orga-
nisando para estudar o mcio mais cicaz de
lixar a unidaJe de pesos c medidas. Confla-
mos em que este genero de unidade, que so-
bro modo favorece o cnnciecimento das de-
ntis, obtenha cm I85i o que al aqui tem
fallado para a sua rcalisacio.
.' frailo.. )
( Diario do Uoverno de Lisboa.)
otate acliava incurso.
Levanu-se a sessao s 4 horas da tarde.
BIARIO DE PERNAiijm
cirr, 1G a julho dz 1851.
Inlmigo "me acciona desdo 1843; c que essa traballio humano u'um vasto recinto, em que
execucao (com longas inlerrupces. .havidas cada naeo cuncerve o seu carcter c genio
.. por forja de julgados da Inferior in'jtancla, particular, he altamente phllosophica, c reve-
vesn mencionados na carta do nosso corres- tribunal da relaco e supremo tribunal de jus- la grande amor huniauiladc. Na ordem po-
pondente, transcripta em outro lugar ; sendo tica) exista um grao de appella;ao, i poni HUea est destinado para execer a mal benc-
que mesmo a respeltodas noticias de outra na- de se alixarem editacs para arremata^a de fica influencia as relafes dos povos entre si.
lama mal poaco temo que adlantar-lhe. aens de rali ofnclentes seu pagamento ; c Na ordem econmica prepara a soluco da.
^OTI (AS IHVERSAR.
O Gnvernn pontificio acaba de publicar a se-
guinte oslatistica do clero calholico apostlico
romano.
Dos 70 ttulos de cardeacs que coinpdc o Sa-
cro Collegio, ha tras vagos, todos na ordem dos
diconos, que actualmente conta ll membros
em lugar de 14; a ordem dos bispos c aquella
dos clrigos cstao completas ; a primeira tem
5o membros e a inur.yii. O decano dos cardeae
clrigos he o arcebispo de Holonha, mon-
senhor Oppizoni ; o mais moderno o princi-
pe arcebispo de llrealau < Prussia '. nigr. de
Diepenhrock. Onic cardeaes nao receberam
ainda as insignias docardealado.acbau'Se por
conseguinte lem titulo na igreja romana.
O numero dos arcebispos na Europa monta
a 104, dos quaes 40 excrcem as suas funcees
na Italia 15, cm Franca, 13na Alcmanha 8na lies-
panha, 4 na Hungria c I) ilma.-i 1, 4 na Irlanda .,
4 na Turqua, 3 em Portugal, 3 na Russla, 1 na i mullo a quem do pensamento. .
Grecia, 1 na Blgica, 1 na Inglaterra (West--tal defelto be necessario muito trabalho c me-
mister ), e 1 as Hitas Jnicas. Estes 104 arce-1 thodo, acm o que o syslema do doutor Warren
Mspo, tem 009 bispos sufragneos, a saber: nao produiir os bons eflciio que, n Uto l.m-
407 na Europa c 202 sobre a costado norte da ,pore, produilram as pedras de que se erviu
as colonias francezas c cm diversas Ueiuosthcnes para perder o mau habito que
A superficie dos crystaea qae se empregaram
he da 900:000.000 p pelando mai de 400 to-
nelada. Ha 3,300 columnaa da ferro fundi-
do, variando deade 1* pea e seis pollegada,
at 20 ps de altura ; 9,924 arco, tambem de
ferro fundido e 1,128 traveaianhoa intermedios
iara usier oe-teclos. a telha pecas, doa
eubertos reunidos, formam uina extenso de
12 legoas ; os bastidores e mareos da eiposi-
{.ao formam 70 legoas de etenso e a dos apa-
radores he de 3 legoas. N'esle ultimo calcu-
lo no'entram as galeras onde ba um espaco
dispouivel de 102,525 ps.
I'n Icr.ti recorrer coinmodainente, e ainda a
um mesmo tempo, as diversas dependencias do
edificio 80 pessoas c auppondo que urnas e nu-
tras empreguetn cinco hora em visitar o pa-
lacio de crvsta!, aborto durante 10 horas no dia
por termo medio, em cada um civiles podero
vlslta-lo nio individuos. Este numero multi-
plicado pelos cinco roezes que se supflem es-
tar aborta ao publico aquella irca de allian-
9a d 10 inilhes de almas que 'podero no di-
to periodo de tempo admirar as ,uas mara-
vilbas.
EXPOSigXo DE PlNTrtAS
Os vlajautes a Londres Vao gosar, segundo
se diz, d'um novo espectculo maisalein da
espolelo. djj[,)adus|r.lat trata-ie c)e um ex"
psl(o de pemurai a qual le espera que
concorrerao o pintores de lodos os palies, pa-
ra o que ogoverno facllltou uin espacoao lo-
cal no cdiiTclo do amigo club do exercito e
marinha, situado na ra de Saints James.
OS ESPONSAES NOS ESTADOS UNIDOS.
O Juiz Delts, do tribunal ordinario de New-
\ mi., declarou terminantemente n'uma daa
ultimas sessSes d'aquellc tribunal, que as mu-
Iheres nao podiam ser presase processadas sA
pelo facto de fallaren! palavra de calamento;
mas que os homens que tal promessa zcssem
seri.m obrigados a cumpri-la, ou suflreriain
o castigo com todo o rigor das leis. A resolu-
cao do juli B'etls, altamente satisfactoria para
o gremio feminluo, foi tomada em consequen-
cia da sentenca proferida por aquclle iribunal-
na seguinte causa;
Um tabernelro d'quclla cjdade chamadoSel-
fkc, aecusou em julso Diana Taffy, costurcl-
ra por Ihe haver faltado palavra que Ihe li-
nha dado de casar com elle, resUllando d'iuo
o ser victima o autor, seguudo a sua propria
declaraco, de umi agona mortal que le du-
rou toda a semana, impediudo o de trabalhar
ou de peosar em outra cousa que nao fosse no
golpe que acabou de receber; caisando-
Ibc multo dainno nos interesses particulares,
por nao ter tidocabeca para sortlr q seu csta-
belccimento a aprasiinento dos seus Treguezes
O bom de Seilkc. acodiu ao tribunal para que
passasse ordem de prisao concra Diana Tary
obrigando-a, por mel da forca, a reparar o
mal que ihe fizera. O juiz Aclis, mu dado a
galaotcios, c sem prever consequencias, absol-
viii a r de toda a culpa c pena. Pobres na-
morados de New-Yoik, depois da declaraco
do juiz Belts! Deus os tenha cm sua guarda
PNDULO
Mr. Nimicr, professor de physica do colegio
de Salnl-Bricnue, deparlamento do Norte, re-
pello com o exilo o mais completo a nova ex-
periencia do pndulo feito em Pars por Mr.
Foulcault no Panlheon. Esta experiencias tem
por objecto o demonstrar d'um modo iudubi-
tavel a rota, .o da Ierra ao redor do sol, e he
mais terminante prova do systema copennico.
A experiencia vciificou-sc no theatro. A uin
lio metlico fixo no tect 3 que chogava at
porto do solo, se prend um peso de forma
cylindrica, terminado i parte inferior por
urna agulha. Este pe lo pollo em movi-
inrnio oscila durante '- 0? tempo, marcando
sobre uns pequeos traeos, feitoa na rea mui
linas cortaduras que se augmentama cada os-
cil.iv.io. A desviaco do movimento ofleetua-
se sempre de E a O E, isto he, no sentido inver-
so do movhnonio da torra.
REMEDIO PARA OS TARTAMUDOS.
N'uma das ultimas sesgues da socledade de
historia natural de Boston, o doutor Warreu,
nombro d'aquella socledade expoz que havia
um nielo simples, e ao meimo tempo effieaz,
de curar os tartamudos. Seguudo a opinio
d'quclle doutor, o defelto que se nota na pro-
nuncia do tartamudos provena de um habito
mental, e nao de urna imperfeico physica,
como se tem suppoilo.Panindo d'este princi-
pio o methodo que elle reconunenda, produ-
zlr o resultado apetecido urna vez que ae cha-
me a altcn;o,do tartamudo para um objecto
que estoja m constante movimento.
Eii aqui o como : o tartamudo lei particu-
lar cuidado om dar um pequea pancada com
o dedo iudex a cada tillaba dai palavrai que
empregar na con\ersaco. A isto se reduz
tudo. As pessoas que adoptarem este metho-
do, por vclho o inveterado que n'ellai arj.i o
coslume de tartamudear, o iro insenaivel-
monlc perdendo, e no cabo de alguuj lempo
de incessante pralica ae ver que podom pro-
nunciar t io ilisiiiiLLjno'iite as palavras como
qualquer possoa que nunca ra sua vida baja
tartamudeado, expressando-te no fun de tudo
com a desojada facilidado.
O doutor Warren explica cate phonomenode
dous modos: pela repotlco da accao sympa-
tbica dos ervos, que communicain o movi-
mento voluntario aos dedos e lingoa, ou fazen-
do com que a pessoa delxe de iinprotar-.e
com quem falla dingindo s a alten;So para o
movimento dos dedos, por cujo meioos ervos
que oiloii im a artlculaco ficam pcrfoitamcnle
livres. He assim que a pessoa mui tartamudas
se tem otrvido recitar trechos de discursos qae
aprenderam de memoria, sem repelirem uina
syllaba, ao passo que na conversacam ordina-
rio nao podem dcxar de repetir as syllabas
com grande profuso.
Outra prova de que o defelto he puramente
mental he que os tartamudos caotain corrente-
mente, e que, quando discorrem Com socego
a respeito de assumpto, que a fuudo conhoccm
raras vezes n'ellc cacni. Dcui noi livre de
um tartamudo irado ou colrico, porque s o
dlabo o iutender. Este dofeilo be natural
n'nmas pessoas, c habitual n'outras. No ul-
timo caso he inui simples a cura limitndole a
nao se cstudar o que se pertendo dizer, e a
fallar pausadamenlt. Os tartamudos ponsam.
em geral com multa veiocidade, do que nascc
que ao expresaarem as idea Ibes fica a lingoa
Para emendar
GERAt..
15 U:955,825
. 9:491,915
fm -- 17:447,7ti|
DI VlillSAS PRO\l\CU.
Randimento do di* 1 a U.....I:l4o,osr,
dem ihi da 16........ 84)245
Kxpoitncao.
Liverpool, barco IngJeii Hootr Fannie,
de 398 tonelladas, condnz o seguinte : SOo
sccoi e 13 caixis com S,!36 arrobas e 161|.
braa de assucar. *
. RECEBJiDORIA DE RENDAS GERAEb'
INTERNAS.
Rendimento do di* 16. ,,.., 3,30:1
OW80LADO PRWIN01AI..
Idej^lnjluijtl^ ..... ,l:39B,3Qf,
Movimento do
porto.
Navloi entrados no dia 16. ,
C*mraglbe -13 hor*, hiale br*ileiro Ca-
prichoio, do 35 lonetUdag, mettreHypoliio
Jos da Silva, equipageni 6, carga assn-
car; a Lino Jos do Castro Aranjo. Pus
sageiros, Augusto Aciolea de Barro,, Gas-
par Jos de C*rtlho, Jlo Jos B*rboz,
Manoel Antonio da Silva e Joaquim Jos
do Nancimento. ''
Rio de Janeiro, pelos potlos intermedios -
1Diliaso2l horas, do ultimo perrto 18 hu-
ras, vapijr brasileiro Pararme, coinaiiii-
ilsnleocapiUo d,e-frag,la QoMt Pereir..
I'asssgairos,- Francisco Xavier Lio, Jolo
Ctptstrtno Bandeir* <1< MaJIo Jnior, Jos.
quim Francisco de Paula Estevee, alaria
Candida .In Mgslh3*s el criida, nor-
mano Francisco de Oliveln, Minol An-
tonio Teixeir*. J. Chardon, R*re II010-
za, Joaquim Mari, Mascarenhu, Silves-
tre Francisco Meirs, Luiz* M tu Roa e 1
lilho menor, o 2 criados, 1 soldado do :>."
bat.ilhflo do iufantaria, 1 desertor, 3 ex-
toldadoa e I recruta para o exercito, Jo-
s Vieira de Aranjo Peixoto, Bernardina
Mana da Silva, J0S0 Joaqoim Alves, Fran-
cisco Jos Rodrigues Bastos, Manoel Sa-
turnino da Cunha, J0S0 Cassimiro da Sil-
va Machado 9 I oscravo, TIiodmz da Costa
llamos e 1 escravo a entregar, Thonuz
Augusto Pereira, o dispenseiro daarm- '
da Iiliciano Jos Ramo* 1 es-aoldado
com sua mulher, 1 soldado com su* fami-
lia e 4 es-soldados.
Decl
aragoes.
libas hesnanholas e portuguesas. Independen-
temente d'estoa 607 bispos ha 78 que silo inime-
di.it luiente subordinados Santa Sede a saber
05 na Italia, 4 na Alemanha, 4 na Sulssa 2 na
llespanha ; os de Len Oviedo ), 1 na Volhy-
nla (Russia), 1 em Malla, e I na Bulgaria
(Turqua).
Os vicariatos apostlico, c as perfeituras a
postolicas, que pela maior parte se achain col-
locados sob a direeco da congregaco da Pro-
paganda sao 47, dos quaes 38 exlstem em pal-
zea de barbaros.
Na America, ha 19 arccblsposcom 00 salTra-
ganeos ; na Occeania conlam-se 2 arcebispos,
11 bispos e 9 vigarlos apostlicos.
lia 23 patriarchai, c lmente S na Europa,
que sao o de Lisboa ede Veneza.
O numero total de bispos monta a899-
Em quanto aos arcebispos c bispos inpaaiiour,
o seu numero excede a 46l, de lorie que exis-
ten! ao todo 1,360 ttulos epitcopaes calim-
ites.
PALACIO DE CRYTAL.
L-se>no Heraldo :
Anda que j dissemos alguns pormenores
sobre esta maravilha da arte, e que tinhamos
indicado uina parle da capacidade de to so-
berbo edificio, vamos novamente tratar d'este
objecto prvidos de mais minuciosos e fiis
dados
contradir.
ALKANDEGA.
Rendimento do dia 16.....19:508,248
Descarregam hoje 17 de julho.
Barca ingleza Linda -oresto.
Brigue americano Persagno farinha.
Barca franceza Jostphina-- vinho e a/.eite.
Barca americana Jolm Farnum farinha e
bolacha.
Polaca sarda Vieenso farinha e massis.
Brigue portuguez Pensamento vinlio ,
cal e batatas.
lmiiiiilm.ui.
Sumaca brasil ira S. Antonio, viuda doS.
M ithiMis, consignada a Caetano Gervasio da
Costa Moreira manifeatou o seguinte:
2,610 alqueires de farinha de mandioca ; a
ordem
O vapor Paratnie para os Por-
to' do norte prte file (17) as
5 oras da larde, ai corres-
pondencias deverlo Trate as*
2 horas, dessa at a entrega das malas
pagariio o porte duplo. Os joroaas deveru
ser entregues 4 horas antea.
-- As carias abaixo declaradas, aetiadas
no correio geral da administracSo no dia 11
do corrento, deixaram de ser remettidas
seus destinos por nSo se adiaren) selladas.
Andr Augusto de Pandora Fleury, S. Paulo;
Antonio Pereira Ramos, Macej ; Antonio
Rodrigues deOliveira, Rio do Janeiro ; Ber-
nardo Pereira do Carao Jnior, Htaio:
Caudillo Custodio de l-rimoa, Rio da]ajpk1rti;
Jos do Miranda Ribeir, Mo de Janeiro '
Manoel Gomes Pereira, Rio do Jsnoiro : Fre-
tas Pi dos Sanios, Rio de Janeiro ; Tcente
Jos Bornes do Caslro, Rio Grande do Norte
lisia Geral das cartas em $er do auno de 1850
' a 851 que vo a ser ecilrmla.
Manoel Carvalho Pedrosa, Manoel Carvalho
Paos de Andrado, Manoel Campa, Leite, Ma-
noel Carvalho Albuquerqua I.., Manoel Car-
nelro Lins Albuquerque, Manoel Carlos Tei-
xeira, Manoel Costa Lima, Manoel Dlaa Oll-
veira, Manoel Emilio lledeirot, Manoel Kstr-
ves Rocha, Manoel Esteve Souza, Manoel Per-
nandes Lima, Manoel Teles Ferrelra Coala,
Manoel Francisco Oliveira, Manoel Francisco
Paula, Manoel Francisco Silva, Manoal Gon-
calves Belchior, Manoel Gomes, Manoel Go-
mes Ferrelra l.ial, Manoel Gomes OMveira M.,
Manoel Godloho Costa N., Manoel H. Reg
Valenca, Manoel Jaelntho Nogueir, Manoel
Ignacio Asevodo Carvalho, Manoel Ignacio Fa-
ria, Manoel Joaquim Alvo Pereira, Manoel
Joaquim Corra Silva, Manoel Joaqaflm Fer-
nandes, Manoel Joaquim Pinto Sonta, Manoel
Joaquim Ribeiro Jnior, Hanoel Joaquim Soa-
roa P., Manoel Joaquim Souxa, Mauoel Joa-
?uira, Manoel Joo Baptlita Carnelro,.Manoel
os Alves, Manoel Jos Araujo Franeo. Ma-
noel Jos Cruz, Manoel Jos Gunba, Manoel
Jos Cardoso, Manoel Jet Costa Arauja, Ma-
noel Joi Coaita Braga, Manoal Joa Fernandos
Asevedo. Manoel Joa Lope Braga, Manoel
Jos Magalhaes l.ial, Msnocl Jos Martins Vil-
lela, Manoel Jos Pereira Pactana, Manoel
Jos Ribeiro. Manoel Joe Ribeiro Alnseida,
Manoel Josc Silva Araujo, Manoel Joa Vlrgem
Manoel Maria Loba Hottlho, Maaael L. Alen-
Gar, Manoel Lope Maciel, Manoel Lofaea Ran-
gel, Manoel Lopes Silva, Manoel Luca Arau-
jo I'., Manoel Luis da Silva S. II., Manoel Mo-
reira Fernando Silva, Manoel Mara M.cedo,
Manoel Martina Ayre, Manoel Mariano Perei-
ra, Manoel Medinos, Manoel Martina, Manoel
Nascimento Silva, Manoel MasdmeaM Prado,
Manoel Nascimento, Manoel Maacaageoto Casi-
L., Manoel Porfirio Aranha, Manto*! P. Gomes
Oliveira, Manoel Pedro Alcntara, Manoel
Pedro Alves Moren-*, Maaael Raysnaado Car-
doso, Manoel Raymundo Prazeae*. Manoel
Rodrigues Pimenlol Cunha, Maaoei Rodaigats
Albuquerque, Manoel Sanliago AMaanpcao,
Manoel Santoa Azevedo, Manoel Santo Pinto,
Manoel Soare Q. Montetro, Manoel Souza
Leo, Manoel bilva, Manoel Teixeira naala,
Manoel Vicente toares, Manoel Vieira Sauio>
Braga.
Nazario Pereira Din Santos, Hioolao Harlry.
Olinda Campillo.
' <.clinar-ie-*a.
Avisos martimos.
B
PARA A l'ARAlllA aahe em poucos
dias, o veleiro Hiate F quiser car.-og.ir, ou ir de paasigem, dirja-
se a. ra da Cadeia do Rocife n. M.' tratar
com Antonio da Cosa Ferretra Eatrela, ou
com o ini;slrc|\ ictorino Jos Pereira, no Tra-
piche do AlgodSo.
i reln-sn ptre qualquer parte da Euro-
pa a barca franceza Jesrphfna de lote de 187
toneladas em casa de Schafheiblin & Tobler.
Para o Rio de Janeiro, seguepor estes
dias o briguo escuna nacional Olinft, s po-
de recebor alguma carga .miud, oMravus o
passageiroa : trata-se com Machad & l'i-
nheiro na ra do Visara, ou om o capi-
tilo Manoel Marciano Ferretra, na praca do
Commercio.
Leilo.
W

Adamson Houvr & Companhla aTO lei-
I lao i,o dia quin ta-feira 17 do crtenle no ar-
mazem do corrector Miguel Carnelro, de urna
Brcao de vldroa li no, como rapo, garrafa
.dadas, calles e mulla, otrtra qualidadn
; para meta.
,' **g*M!ainsnaap.nxwinniBanaTni
Avisos diversos.
Brigue brasiloiro Animo, vindo do Rio de i Jos Mara Uartins, morador na ra dos
laueiro, consignado a Luiz Js de S Arau- Ouarteis n. 83 faz sciente a peMoaa quo
jo, manifestou o seguinte : t,40t saecaa e tem penhoreg em aeu podar oa ventilo tira'
As dlmen0ei do palacio de cryul sao de20 barricas farinha de mandioca, 3ir, diUs no prazo de 8 dias contados da dala desle
848 ps de comprhnenio por 408 de largura, caf, 900^cmas aab9o,J00 >ccoa^feijUo, a do contrario os vender* por seu real em-
A cmara quatrienal apprevou no dia 20 do dcsla verdica e succinta ctposicuo resulla mais graves qnettocs. A execucao dcste pen- N'cstc numero nao vac comprchendldo a sala | canas e 2 oaisotos rape, -ai rolos lunio, 20 DOlfO
ii cr^iv/FI L


I '
3

.. Un moco brasllelfo de boa (imlll. que J I Deca rae a<.
irm elsume praliea no eommercio deieja m- Quando o Dr. Mure so relirou para a eu-
rrcear^ie em uiua cata' estriogeira ou nado- rop( niuito expreisameote publicou no Jor-
naloo deseinpenho do maiern ou da co- nal do Commereta, a respeito do bsixo as-
braiifa; eft qnto a iua conduela pode apre- sjgnid0( 0 seguiote : Elle (JoSo Vicen-
icntar ai melhores recommcndacoei; quem ae (fl H,rlnj i flci unjc0 p0MUdor de todo os
trapresilmo ie qul.er utllltar "J-' "" mcuC8nleni0Si Que ru mesmo preparei e-
"'"^^UTeVo- XrS" c7uHos.mentVcon. as minh.s mno....s-
Alup-w p lerceiro aouaru. .. .:./. d. .od,s,. machinas e mais.ms-
lirgo da aisembla n. 8: fallir com loa
quim Fmnelsco da Allem no F orle do Mallo
lUiruiVilIllillllv ----------------- -
im como de todas as machinas a mus ins-
trumentos necesarios 4 pliarmacia dyns-
mie : elle flea igualmente o nico possui-
dor dos relatorios feltos acerc das experi-
encias puras sobre os medicamentos brasi-
leiros, paraos publicar, ou servir-se delles
como convier molhor a homeopslbis. ( as-
signado Dr.Mure.) Mis certos especulado-
res, j bem conhecidus, intuloaram-ie ros-
suideres desles medicimenlos, por serem
os mais screditados e os que melhores etTei-
tos produzem sempre e assim pretende-
ram engaar o publico, Inculcmdo-lhe por
mais baratos outros remedios, sem se i'i -
portarem com o grave damno quo poderla
resultar aos doenles que tomsisem taes re-
medios ; por isso, o abiixo assignado Te-
solveu nao deixir snhir dt botica cenlral-
rua de S. Jos n. 59 Hio do Janeiro ue-
nhuuia botica, ou carteira de tubos com re-
medios homeopalhicos, sem que vi scom-
pinbada desta decliracSo aisignida de seu
proprio puuho. loto Vicente Martini.
Assim como a nica casa que vende boli- (
cas e livros, de primeira a quarta edicSo da |
liomeopathia, da botici central, ra de S.
Jos n. 59, do Rio de Janano e na ra do
Crespo, loja amareHa n. 4, pesia cidade.
Elementos de lioniopllila. fj
9 Por todo o mm de julho, satrlra a lu a
al' Tenor bomeopalha Goiiet Blmont; di-
m vidldaemms)>irei. Fita primeira com-
w prensad*, o licurso preliminar, a n-
8lto4ac*tm. o eiaue do doente.a elcolha
to ren*dlo,-o emprego doa remedios,
o rgimen oa conselnoa clnico, com
a caplicacao doi ifbmei gregos e anato- g
mico einpregadoi em medicina, e a W
Sindlcacao dos niedlcamenlos apropiia- *J
doinara cada cso de enfcrmldade. Ks-
m ta okri he mil, lano para o medico! m
que ie dedicarem a eiperlmenlar a no- m.
2 v me4tclna, como para lodaa as pe- _
iu dr boa voniade que se qulierem
S convencer por perlcnclaa da verdade W
d'eiu doutrlna, por aer ella mu no clara
m eainielllgenciade lodos. *
#*
Joflo Msrciso da Foricec possuidor de
letras vencidas e t vencer, com hviotbec.
legal no fpros do sitio Ar.cS, segundo a es-
criitur. publicada neste diaria n. 14 do
8 deJu.ll dj 1847, e registrada a f. 65 do
livro 1. do registro geral das hyuelnecas an-
teriores ; roga sos Seubores de annos de
foro vencidos,e aos mais em geral quan-
do e vepcerem, se sirvirBo mandar-llie pa-
gar no rmszan de sssucar da caas n. 15,
no lirgo do Oorpo santo; presentando-
Ihe o ultimo recibo que pg : para o anno-
tsr : revoga o annuncio que fez no diario
iCa. citado, a declara que da dala de hoio
cmdianle. em quanto existir a rerenda hy-
pothecs, sSo nullos os recibos quo nao
estiverem assiguados pelo snnuncianle.
Jos L'uiz Pereirs, prelendendo acabar
alofim docorreote auno, com s sus loja
de ferrsgem ds rus Nova n. 16. ollerece a
qnem a queirs comprar, e princii la desde
ja s vender qualquer porcSo de (eiragensou
miudez... pelo que Ibe custiram ; aprove-
ts so occssiUo psra rogar s seus devedores,
queirSosstisfazer seus dbitos no prazo de
30 dias, para nSo conslranger a chamar por
foltias publicssaqiiallesquesecsqnecerem.
Kovsmente se roga a todas as pessoas
em geral que eslfio devendo conlas antigs
Da vendad ra ds Csdeis do Recit n. 25,
defronte do lleco Largo que veiibam pagar
seus dbitos stofim do corrente mozde
juldo. n's certezs de que os que n3o Iizerem
lerodever seus nomes pnblicsdos, e se
proceder nos termos ds le.
JoseValenlimdsSilvs, bem conhecido
lor ensinar latim lia mais de 15 annos, lem-
jra s quem convier, que elle, aulonsado
Selo presidente da provincia, (oExm.br.
ouza Ramos) por despsedo de 14 de unho,
coDtii.a s ter abeila a escola de grammall-
ca latina, na ra da Alegria (na Boa-visla)
n. 38, onde recebe alumnos externos, pen-
sionistas, e melos pensionistas, dando a
estes ptimo Iractamete. Tambero eusi-
na em horas reservadas aos quo Dan pode-
rem rrequentsr as doras da aula. Lerobra
mais, que elle conserva booi rgimen em
sus aula, o que j foi visto pe inspectoi
do circulo lilleraria, o Si. Dr. Loureiro. roelt0 a _
Fieclia-ic de una pessoa que seja perl- esla pess0B pleno conhecimento de quasi
la cm planlacea de aillo, para o laier- eui lod>s (S pessoa9 do f()ra> Trala-se na casa
um no lugar do Remedio: quem llvcrueilaa icima da8 6 as 9 e-,es horss da manh3, e
E
circumslanciai, dirlja-se a airandega desla ci-
dade a leu porlelro.
Na ra dts Agoss Verde, n. 14, lava-se,
c cngomsna,-se toda qualidade de roups, por
preco SU commodo co que em 'oulra
qualquer parte.
Aluga-sc, por pree,o commodo, oar-
mazem do sobrado da ra do Apollo n. 9: a
Cratis para os pobres. Q
O Na ausencia do racultalivo J, B. Ca- ^
O sanova, o proressor homcoopatha 9
O Cossel II:iliont esntinuara com os trabalhos do mesmo cousultorio, on-
O de podera ser procurado a qualquer '
O hora. O
Casa le mollas francesas, ile I tur-.
aril Alllhocliou.
-- Pelo ultimo navio, cbegsrim ss verda-
deras modas de Paris: em chapeos e loca-
dos de senhora, mantelleles, cabecOes de
sedi e de linho, romeiras, canezOes, mangas
dibico bordado, aventaos ricos, cambrala
de lindo muilo lina e transparente, lencos
duretroz, chipos do pilha para monlaria
de senhora, veos para os ditos, filas, galoes,
transas, bicos, veludos, luvas do pellica, e
de retroz, flores finas e plumss, Juntamente
os preparos para casamentos ricos, como
sej3o, corles de fil do blonda e de bico,
veos, ores, luvas, lencos e meias de seda,
lin'dos chapos redondos do abas largas para
meninos. EfTectivimnle raz-se chapeos,
toncados e vestidos do verdadeira moda, o
preco commodo.
Agencia.
Na ra do Alccrim D. 6 existe urna pessoa
com liabilitaccs, para se empregar em
qualquer commiss3o; bem como tirar pas-
sapoites para dentro, e lora do imperio ;
ttulos de residencia de quaiquer Datureza,
folhs corridas, dospachar oscravos, tirar
certidOes pelas repaiticOes comelentes, e
finalmentuencarrogar-so de agenciar e dar
bom andamento a qualquer negocio licito
dentro desta praca : em ludo isto so pro-
mello a maior brevidade possivel, por ter
Dosejs-se saber se nesta cidado, ou em
outra qualquer paite existo alguma, pessos
perlencente a Antonio Jos da Silva casido
a primeira vez nesta provincia com Filipps
Ncres, tendo esta fallecida deixando dua
lilhas.ume soltolrs de nome Francisco, es
oulra de nomo Angela, casada com Joiquiro
Lopes Freires: o mesmo Antonio Josc da Sil-
va passou a segunda nupcias na provincia
do CearS com Paula Jozepha Mendes, o qual
falloceu em 1786, deixando duas ilhas e-
nores, Krsncisea com a idade de 9 annos e
Izabel de 8, e depoia a viuva niudou-se para
a ribeira de Jaguaribe com as mesmas (Ibas,
e la residiram sl 1791, e para negocio de
seu inleresse rogs-se a quahjuer pessoa
que a esta familia peitenca, ou outra quel-
qner que della tenha oolicia, dirijSo-se a
ra doQueimado loja de ferragem n. 14 pira
saber o que ha a respeito.
= A luga-ic un armaiem pequeo em bom
lugar atralar na ra da Prala o, 18.
Pedo-se as pessoas que se achSo a de-
ver conlas do calcado do snno p. p. loja
de calcado da rua da Csdeia do Recire n. 9,
o favor de mandar satisfazer.
KoiiiancesUcaliignel por E. Suc
A. Dimias-e (iiiii-o--ri-o uln-
srsjel ailinntado.
A soberba 4 volumes por E. Sue 1,500
A irs 1 volume por E. Sue 800
A impureza 2 volumes por E Sue 1,000
Salamandra 3 volumes por E. Sue 1,500
Os mistnos do povo 10 vols. por
E. Suo 3,000
Jorge ou capitao dos piratas 4 vols.
por A. Duinas 2,000
- Precisa- do urna ama do leite : na.quealevou ; e no caso dd a nSo trtzer, II-
do Colteftio, cass n. I ou so pedo sroo pir o assignante com s obra como com-
, 3 prada pelo prego do penhor ou garanta,
na
loj
Quem snnunclou querer 200.000 com
penhor de nm preto, dirljs-'e A rns do Co
tovello n. 29.
Bom negocio para se gniihar.
NSo convindo ao abaiio assignado contia
miar cum a fabrica de cordoaria, pelos seu-
afazeres, o ohngacfics a quo est encarrega-
do, ti'in resolvido vonder todos os utencilios
da mesma fabiica, fornecendo ao compra-
dor, a arto com todos os esclarerimontos
precisos psra qualquor pessoa poder dirigi-
la, pSosO no tabrico do cario, como tam-
bem|no linho, couro, e oulras qualidades de
cordagens ; tambeui vende hum terreno do
Ierras proprias e enchuto com capacidade, c
extencjlo precisa para se montara fabrica.
O abaixo assignado alian? hum lucro cerlo
a quem quiser empregar nao muito capital
neslo negocio : As pessoas que quizerem
montar a dita fabrica no antigo estado em
que estove deverao enteudor-sc com oabaixo
assignsdo na caza do Sitio Araca em Santo A-
marinho nos dias uteis athe as 8 hons da
manlia e nos dias do guard a qualquer hora
doia.
Manocl Luis da Veiga.
-Precisa-so alugar urna prcta qui saiba
peiTcitamento engommar : a tratar na rua
do Trapichen. 3.
Km a>ldiiamenlo ao annuncio quo fez
o Sr. JoSo Narciso da Fonseca noste diario
n 155, f. 3, colunina 3 pergunta-se,
salvo renovando"a asignatura. A signa-
tura por 3 mezes ser de 12.000 rs por 6
mezes 18,000 rs. e por um anno 94,000 rs.,
por ests mdica qusntia pode ler quetn qui-
zer todos os romances publicados al huje,
scnn livor outra cousa, que fizer, ou qui-
zer perder o seu tempo innocentemente sem
risco do pens ou do dor, por andsr msl en-
aminhado nSo ha divcrlimonto msis in-
nocento que a leilurs, nem mais bsrato,
quando se scham por 24,000 rs., por anno,
livros que cusliriam conlos de rs., eejueiu
rosseobrigado a comprar urna bibliolhcca
inleira. Na mesma casa icbar-se-hsm os
estatutos, pelos quaes se devem regero pro-
prii tirio o os assignantes, assim como ss
condiges sob ns quaes os livros pdem sa-
bir do gabineto por um lempo marcado. Ca-
da assignante levar um cxcmplar dos esta-
tutos para seu govrrno. Tambem achar-
se-ha o calhslogo dos romances com os pro-
cos correspondentes, no qual poderam es-
colhcr os asignsntes aquelles que mais lhes
agradarem.
PR ESTOL SALSAPARRII.ll.V AMERICANA
Melhor e mais extraordinaria do mundo.
Proservaliva infallivcl contra as febres.
A salsa parrilha original egenuia de Rres-
tol possue todas as virtudes pnra curar to-
das S enfermidades que provin de um es-
tado do impureza dosangue das secrecqOe-
'morvidas do ligado e estomago, e em tos
II li, I. a, ('l.ni..Mi o I'' quiln .i ---------------- .------ "^,^ rxnm
quem quizer responder ; se as letras a ven-1 dos O casos quo necessilnm remedios para
der, oto tendo sido pa
)Oi*oi s as vencidas, es- purificar o robustecer o sistema, i.m io-
o cod. commcr-ldosos casos de escrophulas, erisipelas, li-
Cisl P Mas n3o se quer resposU annima. | nha erupcOes cutneas, manchas, bilis, eno
- Desapporeceu no dia 12 deste mez do.flamacao o deb.lidade nosollios, incha?:
Leonel ou cerco de Boston 4 volumes 1,000 tonociso do art. 805
Chrislin de Stiinville 2 volumes 500
Os misterios da polica e das prisOes I
2 volumes 1,000
Aluga-se pelo proco cima, na liviana do
paleo do Collegio n. 6 de Jo3o da_Qosta l)ou-
rado. \
1 anual dnsamlc ou nJcilicinn e
Pharmacia loiuesticu\por F. N.
Itnsnall. '
Vende-se na livnria do pateo do Colle
gio n. 6 de JoSo da Costa Honrado.
A vinva do finado Mathias Carlos Ma
ciel abaixo assignada, avisa ao rcspeitsvel 6"^\ Rb d sobrado' mercurio. Esla salsa psrrilha so emprega
publico que tea ne.ta dacta constituido I > pateo da nibwn loja uo sou auo iodos os sobredilos casos
procurador de todo9 os seus negocios a JoSo u. 15, engomma lava-so .....t,j.-------------ihr
alala.
obsliucilo dos bronchios em pessoas escro-
proenradorde todos os seus negocios a JoSo f^S^STtwSSmuSia "" reconhecid como a melhor medicina
da Silvsirs Borget T.vor. com quem se en -, *JlZ% ^KarT leom mais de quatro tamanlios dos de sal-
'sade Sands entretanto quo os de Bristol
Uf^^m*^^}J^[^^- d ,U0 8m UlnZlc]encta"le' ; leVm m^Vde'quaiomanl.os dos desal-
res, como tambem os que Ibe iicaram a de- ,
ver pois que est o dito sou procurador su- i 'so Pereira (.ezar, pede ao Sr. logista
torsado para liquidar os poucos bens que quo nodia 3de junho
scimadss6as9e meia horas da manh3, e
das 2 as 6 da taru.
Faz-so Cixas 5 guardar joias por di-
minuto preco : ni la das Flores n. 19.
OSr Hermi..- c Lomos Amanl.queif
ra annunciar sua morada, para se lhe fallar.
Na rua Nova n. lo.
Recebeu-se do Paiiz um sortimento com-
Ki SSS'osiRodngS. d. ou- pl o ieln.irum.nto. do. me.hore. autores
^\T,XtoW& I* no^e" 01.1.CU1.1A. trompoes, trompa-,
cornetas com chaves, dilascom bombas,
plstcs, pratos, clarlnetas, flau-
tas, flaiilins, rabecas finas, c or-
'iuarias, vloldes de todas as qualida-
ro u. 37 A.
Carlos Claudio Tressc, rita las
ment que appareca, tambem faz obras no-
..._ ,- .?_. __ .....|A. .n.l.ln. a %\m t\roHi
vas, e lem para vender realejos e um orgac
de boas voies e bom tamaubo, em conta.
recebe ero troco Instrumentos ussdos: ni
mesma cass sflna-se pianos em cssss par
llC-UNdi. 10 corrente mez de Julho, ror.rao SoW^tom M
. Jas que conlm s'lojas rrancezas.vendendo
i- ludo muilo mais barato do que em oulra
parte qualquer.
Na rua Nora n. lo.
. Recebeu-se pelo nivio Cesar, e despa-
-. chou-se hontem, 4im lindo sortimenlo de
rszendss francezas, milito proprias para se-
como sej, ricos
dol.aodar da sobrado da rua do Range
n. 10 um relogio com correte de ouro, sen
1 manlolletes e capotinhos do seda furts-co-
res e pretps, nobreza e gros de iples fur-
s;tt==wrs= ErSSsSyar*
caixas lizas pezando 14 oilavas de ouro um
tanto termelho, sendo on.36 mil e tsn-
tes, qoem delle der noticls pode dingir-se
roa da Praia n. 29 que ser bem recom-
pensado pelo abaixo assignado.
iot C'jpriano de Uoraes Lima.
poga-se ao Sr. T. C. o favor de mandar
pagar letra de 712^212 rs., sacada aos 31
de marco de 1818, epsgavel aos 31 de de-
/i'tnbro do dilo anno, no eogenho Macanga-
no cuja letra veio acoropsnhsds de urna
carta que dizis, se eu nflo psgar no dito
tempo nlo linda mais conteroplacao, nem
no prazo nem nos juros ; e se por por fatali-
dade de nSo cumpnr a sua promessa dentro
deeilodiss, ver o seu nome por extenso
neste diario. .,
- Aluga-se um 'sobrado de 2 andares as
ruasaeguintes :' rnVDireita, rua do Livra-
menlo,tpsteo do mismo, rua do-Queimado,
rua do Crespo :' quem tiver o quizer alugar
dirija-se a rua da Praia n. 55.
##'
Paulo Galgnouar, dentista
rranecis, olTerecc sen prest-
auoao publico pat lodosos #
niktcres de sua prollssao : f pdeaer procurado a qual-
qHer hora etn na easa, na V
rua larga do Rozarlo, n. b, m
9 segundo andar. *
- Aluga-se om esersvo, ofllcial de pedre
so: quem o quizer snuuncie por'este diane
Conwllorio homeopathico, rua do Colte-
ffion.25.
0 Dr. Lobo Hoscoso d consultas gratui-
tss aos pobres, todos os diss uteis, desdi 9
horas da mandila, at ao meio dia, depois
desea nors visitar* em sua casa os doentes,
3ue liverem precisSo, e em casos extraor-
inarlos s qualquer hois dodis, ou no,nto;
recebe doenles para tratar, ou tV/.cr qual-
quer opersefio em urna casa para isso des-
tlnada, rra de cidade, sendo o preco de
1,000 a *,oO0 rs. diarios psra os osera vos,
conforme aa condicOes que se estipularen),
1*-IUI .3j puio IVJVI-"" --r-------
tima moda em Pariz, como tambem rranjas
[l e traecas sortidas. para onfeites dos ditos
vestidos, bico de blondo, dilo do maline,
dito de vslemieme, todos muito alvoz, e
padrees de bom goslo, bicos pretos de todas
as qualidades, fil de maline branco, preto
e cor de rosa lavrtdo e liso, para vestidos e
capotinhos, meias de soda brancas e piolas,
luvas de pelica e de seda muito lindas, cha-
fos de seda e de palha aberta e fechada
para senhora, filas e flores para enfoilosde
vestidos, chapos do cabecs, capailas de llo-
res de laranji para noiva o baile, chales e
mantas de seda, damasco de todss ss cOrcs
para as igrcjis e enfrilos de casa.
~ llenry Rehm, subdito france/, rclira-se
para fra da provincia.
-- Troca-se por um cavallo dsela, que
seja bom esem debito algum, um relogio
de ouro, p. lente inglez : no llecife, rua da
Cruz n. 56, primeiro andar.
Precisa-se do um caixeiro do 12 a 14
annos : na rua do Rozrio da Boa Vista nu-
meio 53.
O abaixo assignado fechou o seu esta-
belecimento do fabrica de charutos, no For-
te do Mallo, rua do Codorniz n. 3, efizsci-
ente as repartieras dos novos impostos e di-
reltos, paiaque nao venha apagar oque
nao deve, pois a dita fibrica acha-se fecha-
da 2 mezes.
ttanoel Domingos Pereira Ramos.
Roga-se ao Sr. Jos Rodrigues do fss-
so, o favor de sppaiecer, na i ua Nova n. 50.
GOG<3O*J0OO OQ&Qp&
Coiisultorlo le instituto lio-
g, niuuopatlilco lo Brasil. O
% CIUTUITO PARA OS POBRES. ~
if Rua do aterro da Boa-vista n. 47. _
2 Fundsdo pilo cirurgiBo Jilo Vicente JSJ
w ilailins. primeiro secretario perpetuo V
O do ioslituto homtoopathico do Brasil, v
O em 18 de dezembrode 1850, dirigido W
A pelo cirurgtSo Francisco Jos Rodn- 9
A ruis. Este consultorio esU abeitolo- 9
n dos os diis uteis das 9 hoias ds ms- 0
S nh3 at ao meio dia, nelle os pobres q
S receberSo consultas e remedios de 0
. (uoiuiiro hvi~ i------------ f/, inreeira snuar, na innm.
mente lem tido. XqoooOQOOOOOOOO^
- 0?r. Francisco Antn o l.jSiU, U GOVO^w Fr,ociscft AugUsto da
riia do ftaogel, metra mandar pagar a as p(?^m,raes o favor de mandsr pagar
signatura teste Diario, .^lJ'r n raleado que seu Bldo foi buscar, em seu
lizervera o seu nom. publicado em lUra| o 'JrJ,uda aielt 9, lembrando se
te. ma das Flore, n. 19. I buco.
p.p., mando'u buscar sovendom por5,000rs. eos do Sa.ids por
ii.-n-n. ,........-i....... v f----- ------ i-- _-_..... i, mi ni>p ftnalvndSnaTiif tran. 3,1)00 Ti. Deposito central no Itio de lanc-
n mencionado por su. morte delxou em seu fJ&BJ?JW.^f2g Jg"; ro, casa de Vital Lapupe, e cm Pern.nibuco
poder.
Thereza de Sant'Anna
Precisa-se de urna ama
A mu i 'ii n. 25.
cado americano, que tenh
riiiiu iiillLi n a mi, ii ni- icuiui ii uuuuauouou- -i-----:--------. (. ._ I.. ., i.,,,, ,^
deArauioMaciel cus.r-so, pois a pessoa quoontregou a dita oa botica do Jos Mana Goe^elfM Ramos
.IciteTa ruado peca ao caixeiro. na pc?suaS3o de que lhe na ruadosQuarte.s pegado ao quartel de
i veris logo o resultado, n.lo porguntou psra polica.
1 a casa de quem Itia. i Dessppareccu no
15 do corrente,
-Q
sa de cam
muito b
estribara para 6 cavallos, e com.'""-"-' Preciu-M do 20o,o'r's"; "sobre hypo- fUP riscido.sem cnapo, esto escravo
J lhMBmnmnrndin- nnnmniivprrlir n. he do Sr. Antonio JiCintllU da bllvcira Ue
urna cocheira para um grande car- lliec' om um predio. quem quizer dar, an- { Ja c
ro : rata-no uo ajuste da mesma, f* ^''"^ traV0S3S doV,g,r, i.".VoKe^ tt, ou ru. da i.ivra-
na Ponte rUcha, Ora Francisco | -- Alogweo primeiro snd.r da esa da gato.. unJo eni.r que sera recom-
Antonio de Oliveira Jnior. \Za%SAtt^SS2^ASt *&&Stt tAVgf&
- Antonio Joaquim Fernandes da Luz, na rua do Collegio 21, segundo andar, ou v|u"J uu fa !^ldo, ** ''fJ'0' ?
por havor outro de'igual nome, do boje em n0 larg0 do collegio n. 3. ArauJ- 1ue S8U "ll,;c'Jo m"r"lu ,le,xo'' e,D
patliico le l'crnaiubuco
Dirigido pelo Dr. S. O. L. Pinito, *
Itua do Trapiche Novo n. 15. )
Todos os dias uteis sodarSn con-
dias contados di data deste. ma,n
Jos.Vanoet de.franjo WCft,,. mo.eque
- A p.-ssoa quo annuiiciou precisar fallar dacosu da Mina par nome Domingoi o qual
. com Alfonso Jos de Mondones: pudo pro- andava vendeudo l'aicndas, e levuu alguma
% sullas o remedios de graca aos po-fj cura-lona rua das Agoas Verdes n. 100. ; ropa de icu mu, r. icm 'du emconirauo cm
* bres desde pe. manliSa al as duas % Quem precisir de um forneiro dln-.dlvereas partes vejiido de subre casaeo de
t horas -la larde. t* i-s a rua larga do Rozarlo, venda r.. "<. | brlm, lenco de eda ao pescocu c snalos, e
t A. correspondencias e informacOes 4 OUerece-se um sifdoto, para ser ca- duendo queheforro>e lea. migoaeiegmn-
8 podero sePr dirigidas verb.lmente ppliao, fir. da praca..e timban, ensinar ^5 ucom nd ^ab^a'^mn^ncio^'idl'o
h ou por escripto, devondo o doente l| alguna mininos, pnmeiras lolras e (reneex : ,,SaXiilbe dua. oabecas, e tem urnas
#J indicar : primeiro, o nome, a idade, -9 quem quizor utilisar-se do seu presumo, {ttiaa CIllrc 0, deJos dos mos, anda multo
0J estado, proflHfiO e consliluicao; le- & diriji-sea cidado deOlinda, ruado Carino, :aprci,allne uc jogador, c talla muito cspli-
ftt gundn, as molestias, que tem tido, o 9 casa torrea, quo faz esquina para o beco do cajq a|,csSoa que opeear dlrlja-ie a rua do
m os remedios tomados tereciro, a epo- # convento de S. Francisco, que achara com .Ameno sobrado de 2 auiarc Uj varanda eo-
-, cadoapparecimanloda molestia ac- .j quem tratar. |carnada ii. 2 que sea eeuerosaiuente im-
tual, o descripc3o minuciosa dos sig- A Aluga-so urna preta, que tem toilas as-hcado. mmin
% n.es'ousymAom.s que so!)>.__ qn.lid.Je.,.Propri. p.r._rvir em um._ca-h ?W' %' ^EFSm.
uacao Angola Idade pouco mal ou inanes de
0 Dr. Sabino Olegario l.udgero Pinho. 01 ta de familia, sabondo enj(Omaiar, Uvirde
mmQ999'l-- Olerece-se um homem derreis idade, j-si ao pateo do Hospital, sobrado do dous
semfilhos, para fcitor do algum sitio, do indares n. 12, no primeiro so dir quem
quo tem pratica : quem quizer dirija-se a aluga.
fU!. 0 abaixo a'ssig'nado faz sciente so res- V. da Silva Barroca, era Bemica: a Iratir
peitsvel publico, quo n3o fies negocio al- no mesmo lugar em frente do v.vc.ro.ou
gum com Jos Francisco do Reg Rangel, na ruada C.de.a do Rec.fo n. 42, primeiro
sobre o sobradinho a margem do rio, em andar.
torras do Monteiro, sem entender-se pri- A pessoa que annunciou que-
roeiramente com o abaixo Mign.do, potao tornprar um dicionatio de com-
dito sobradinho so acha hypothecado .o *" I .
mesmo abaixo assignado, como constada postcao latino, usado : sendo que
queira um novo c barato, dirij t-
se a loja de livros, no pateo do
Collegio n. 6.
O abaixo assignado declara ao Sr. JoSo
Narciso da Fonseca, que os bens para seu
pagamento e de outros credores da cass de
seu fallec lo pai, se separaram na occasi3o
em quo so procadeu as partildis.polo Sr. Iir.
juizda primeira vara civol escnvDo Baplis-
la, cujas partilhns furSo julgudas por senton-
?a em 19 do abril de 1851, passada em jolga-
do, e ditos bens Iicaram entregues ao inven-
tariante do mesmo casal Manuel l.uiz da
Veiga, para pagamento do Sr. Joo Narciso
da Fonseca, e de todas as dividas do casal :
por isso o ahsixo assignado e mai. herdci-
ros, nfto estilo responsiveis a lal divid.', e s
o inventarame por ter dellos tomado conta,
" i o que he bem sabido pelo dito Sr. Fonsoca,
um olliclal perno na arte, e1'Prhfl'B' nn que o mesmo convelo pois quo nida re-
ntregara os relojos com tola a brevi- |.,__;____....... j j,,r.,.,.i in.a
dade: l se acha tambem um sortimenlo de
60 anuos, Icvandouiu volido de cliila deasseu-
lo brauco de lislras roxas.lallando mullo alra-
vcisado sem querer dcr inuiidu anda fgido
qnem be seu Sr. tem os ligases legttlntesi em
-'-' Procisa-se de um fitor, no sitio do A. unidos bracos lem dous ullios j.i irados ro-
ga-sc as autoridadjs policiacs c os capilaes
de campo nuc a prguem e alcveui a rua do
Colegio n. .> venda, que scriio eralillcados.
escriptura para isso.
Domingos Ftrreira Jorge.
Cassimir nrnicr coni loja le rc-
lojoelro, mil Nova ll. 22.
Acaba de receber pelo navio trancez Ce-
iar,um sortimento de beijoutarias do ultimo
gosto.dito aderezo para senhorss, pulceiras,
brincos, alfineles, cissoletas, relojinhos do
ouro com seus competentes preparos pra
senhora, relojos de ouro patente suisso, dilo
patente inglez, dilo do prala dourado, o fo-
Ihsdos dourado patente suisso, inglez, e ori-
sonlaes de prata, relojos de banca o do pa-
rede, muito bons reguladores, correnlcs e
transelins, oculosdover so longe, ditos de
tima tro, e um sortimento de oculos para vis-
ta robusta e myope: vender tudo por
um preco muilo razoavol.
o Sr. Garnier bao podendo vencer com
os concert, de celojos, 'ece.heu jo "nc 10 qu8 lio bem sabido pelo dilo Sr. Fonsoca,
um olliclal perno na arte, e daqu. por idial h q mesmo conveio | Ja re.
leso entragaraos relojos com^loia^brcw-| cUmHu nog autos do dil0 illvel,iario lugar
cddinhas do
(Jo I
11 pi
'as.
instrumentos para ourives o
todos os tamaitos.
Precisa-se fallar aoSr. Alfonso Jos de
Mendonca, que foi, ou he estudame de Olio-
da : queira annunciar a sua morada.
Oabaixo assignado profassor jubilado
na cadoira do gebgraphia e historia do lyceu
desta cidade, cumpetontemente auturisa lo
om que deveria te-lo feilo, se raz3o tvesse
para tanto, e nfio no diario, tendo s em vis-
ta obstar qualquor IransaccOes que o abaixo
assignado o mais herdeiros lenlasse fazer
sobre os terrenos sforados que lhes tociram
em partllhs. O mesmo abiixo assignado
e msis herdoiros, proteslSo contrs o proce-
dimeulo do Sr. JoSo Narciso di Fonseca quo
ficara responsavel pelos prejuizos que hou-
t^*t^fSShSS2S?CS^i'l*' d8 "usionar pelos MU.snnuoclos.
a ler aberta sua escola parlicu||r deprimu-1 ^ AnlgnJo rfa yej/a
ras letras, latim, o fraocez. Ospaisdefa-
milia, qne, de seu presumo, se quizerem
utilissr, confiando-lbe a educarlo de seus
lilhos, pudem dirigir-se casa de sus resi-
dencie na rua do Fagundes sobrado novo de-
fronte da Ribeira.
Alfonso ot de Oliveira.
OSr. Jos Rulino das Neves, dono de
um terreno ns rus do Quiabo dos Afgados,
querendo negociar o dito chBo, falle com o
viziohodo dito.
No engenho Agoas Claras, a quem de
S. AntSo tres legoas, precisa-ae de um mes-
tre para leccionar litlm, franoez, a um me-
nino: portanto quem se julgar habilitado
com estes preparatorios, querendo- ser ad-
tniltido, podera dirigir-so ao piteo da Po-
nhnpcasa do Sr. JoSo Pinto Regio de Souza,
que encontrar a pessoa que tem de tratar.
Luiz Francisco Colares retira-se para
MaranhSo.
-- lloga-.e aoSr. F. A. L. devir ou man-
dar pagar ua rua da cadeia do Recire o seu
vale de 51,000 rs.,e O nSo razando tora de
ver o seu nomo por eftenso neste diario.
-- Ou*er-ce-se para cobranza dentro da
cidade, um moco com bstanle actividade
do que d fiador a sus conducta : quem pre-
cisar dlrija-se pra(a da Boa-vist n. 3i que
se dir quem he.
Frsncisco Machado Brindeiro, sublito
portuguez, vindo da villa do Brejo, onde es-
teve mullos annos como csixeiro, relira-se
psra o Rio de Janeiro.
GABINETE DE LE1TORA.
Acaba de chegar a casa do livro azul, pa-
teo do Collegio n. 2, um completo sorti-
mento dos melhores romances, o de auto-
res de grande nomeada, como A. Dumas,
e Sue outros do nao menos valia, tradu-
zidos na lingoa portugueza, em bollissimas
edicOes para quem gosla de ler e de apre-
ciar a forma e a materia. E porm como
nem todas ss pessoas estilo habilitadas pa-
ra ter urna bibliolheca romntica, e oulras
apenas se contentsm com lr, som neces-
sidade de empregar um capital em livros,
que s sorvem para recreio, assentou o pro-
prietario que seria mais conveniente lonnai
um gabineto de leilura delodus esses ro-
mances, e expo-los sssim ao sorvico do pu-
blico, sendo o prec,o de cada assigualura
monsal de 5,000 rs., psgos adiantados. To-
davis, pars facilitar a leiturais pessoas de
ambos os sexos, he permillido levar cada
assignante psra sua csss o romance que
preferir, deixando como garanta o valor da
obra que levar, e devendo-a trazer no lim
do mezdassigniturs uo mesmo estsdo em
-- CoirtDram-sc dous bois meneos o gor-
dos, j feitos no pasto : na rua Augusta, ca-
sa terrea, junto a urna por acabar, com so-
tilo, ou nnnuncie.
Compra-sc um violfio, j usado : ns
rua do l.ivramenlo n. 38.
Compra-se ums cscrava, que saiba bem
engommar e cosinhar, e nSo lenha vicios,
nem achaques : na rua do Amorini n. 25.
_.. Compra-so o diclnnirio de composicSo
latino, usado : quem tiver, annuncie.
Compra-se urna carteira osad, para
cscriptorio, que tenha 4 a palmos de com-
primento: na rua do Qucimaio, loja do miu-
deias junto a de cera n, 33.
Compra-se um bolflo psra abertura de
camisa, com hrilhantc, al o preco do 60,000
rs. : na ma larga do Rozario. loja n. 28, ou
annuncie.
Compram-so e vendem-se escravos, o
rerobem-sede commissSo,tanto psradentro,
como para lora desta provincia, e so adian-
ta dinheiros sobre os de commissSn, sem se
levar juros, sendo do bonitas figuras: na rua
das l.arangeiras n. 14, segundo andar.
Compra-se umaescrava, perleits en-
gommadeira ecostureira, para urna oncom-
menda, e urna molilinha, ou negnnha de
bonita figura, com 10 a 12 annos, s^m vicios,
nem achaques: na rua larga do lio/ario, se-
gundo andar n. 28.
*- Compran-se escravos de 18 s 25 sn-
nos, psra engenho i no pateo da Penda, ca-
sa do Sr. JoSo Pinto Regia do Souzs, seda-
r o comprador que s estar nesta cidide
por es^es 4 dias.
Comprsm-se 40 a 50 ps da coqueiros,
pira mudir: no hecco Largo, venda de Uer-
nardino Rodrigues Gramozo Costa, na es-
quina que volta para a rua da Senzalla Vo-
Ida, ou annucie.
Cojnpra-se um cordSo de bom ouro,
tendo 3 ou 4 voltas, pouco usado : quem ti-
ver, snnuncie. .
Comprsm-se esersvos com ollicios de
ferro,ro, carpinleiro e pedre'ro, assim como
momeles o molecas do 14 a 20 annos e mo-
cambas com dabilidades : na rua do Colle-
gio n. 25, primeiro rular.
Vendas.
A Colomniereom lojan. 2 na rua
Nova atraz la matriz, tem re-ee-
tolrto mu sortimento de eaicaoo
que rende adluticlro vista.
C.palocs de couro de lustro frsncez
psrs homem 7,000
Botins do casimir* gaepiado par*
homom f,"
Chinelosdemirroquim psra homem 1,440
Ditos de 13 *.*?
Cipatos de lustro psrs senhors *^S
Ditos J1*"
Ditos de marroqnim francez 1,440
lutos abutinsados a gosto novo 3,00
Ditos de tipete 1,440
Chinlos de msrroquim psra se-
nhora de gosto a grega 3,e00
Botins do duraque para senhora S,800
Cpalos de duraque preto 9,000
Ditos de setim branco 2,800
i.: patinlos de cores com ponta do
lustro para meninos. 1,000
Uotins de coi es gaspisdos para meni-
nas 2,000
Cpalos de duraque de cores psra
meninas 500
.ramio -orlinicnto de fazeiidn*
liria I as na na do Crespo n. I 4
loja ile JosC l'runclsco Olas
A 1000 rs. o corte de briio intrancido bran-
co muito iucorpado, dito de rlscado de linho
mullo largo a 200 ri. o i-ovado, cusa chita de
ludas ascores 210 rs. o covado, chita fian-
cca de listas padrci eicuroa a 24i) ri. a co-
vado, chitas muito fxai a O rs. o cavado,
sargcliiu lavrado a 200 rj. o covado, ricos cor-
tes de cbila larga franceza de barra a 3,200 rs.
merinos pretos de duas larguras inulto supe-
rior a i ,803 -l.it iii 3,000 rs. o covado, nieioi cru-
as de superior qualidade a 320 rs. o par, la-
prior piccote inulto incorpado l'azenda pro-
pna para eicravos a 200 rs. o covado, algodo
,.-,.. i .un mais de vara de largura a 200 ra. o
covade. berlanba de 1 palmos de largura mu
lo lin i a 100 rs. a vara, suppriores challes pre-
tos de l e seda a 6,000 rs. brlm trancado a-
marrllo muito encorpado cpm listas mludas
sendo de linho a 2.000 r*. o corte, c outras
muitas 11/, ii las por barato preco.
= Vendem se urna muan de bonita fi-
gura de dado de 22 annoi com um tj I to de 3
annos muito bonito proprio para se cri.-fr para
pagein, a mtala sabe cozinhar, cingommar,
c lavar mullo bem aos compradores ie dir o
motivo porque se vende, por ser vista oa rua
i|, -.mi i Rila, n. 88 e para.ie ajuslar na rua
do Collegio venda n. 5.
-- Vendo-so vinugre aromtico para enla-
ciar a pello, tirar as sardas, bom para quem
padece de dores da canec, 1,000 um frasco;
loja n. 2. da rua nova.
-- Ventleni-sc ricas caixinhas
pata o jogo de vollarete, com ten-
tos de tu a I i ni: no pateo do Col-
legio, cnido livro azul.
Vendc-se superior papel do machina,
tanto azul, como branco, proprio para en-
tonos, ou escriplorios, a 3,000 rs., a resma:
ua rua do Qucimado, loja de lerrigens nu-
moro 37 A.
Attenco.
Vendc-se a 9,000 rs., cada urna, ptimas
espingardas de espoletas, inglezas.deum s
cano e de boas mollas, as quaes suo fins e
compridas, e pessoas que tem comprado,
teem alliruiido que alcancam tiaslanto, o
que sSo muito cerloiras de chumbo : na rua
do Qucimado, loj. do rerragens n. 37 A.
Vcndciii-sc gigos com i ar-
roba de batatas, cada um, pelo ba-
ralissimo preco de 4<>0 j este
genero he recotnmcnd ivel para o
consumo das familias, nao s pela
boa qualidade, como pelo preco: a
tratar no uimiicm de Antonio A-
iles, caes da Alandega n. 5.
Vende-so um preto, sem vicios e de
muilo boa ostatura : no Aterro da Ros Vis-
ta, vends n. 54. Advcrte-se que s estera
a venda por estes 6 dias.
Que pcchinclia.
I.ciam bem com muila aliene,.lo,
Na ruada Aurora barato leijSo;
Vcnham os freguezes para ello chegan lo,
Que tal pechincha esla se acabando.
Itua ds Aurora, venda n 48, com dinheiro o
apenas por 400 n cada urna cuia.
-- Vende-se um molatinho o urna molaii-
nlia do ti annos de ilade, sondo a raolati-
nha de muilo bonita figura: na rua do Quei-
mado, loja do sobrado amarello n. 29.
VenJe-so una escrava boa cosioheira,
lava bem do sfelo o varrela, e de boa con-
duta ; urna negrinha de 12 annos, de Imdi
figura, com principio de costura e engom-
msdo : na rus do i'ogo n. 23.
A ii i n li r i i o a vista.
Veiiilein-sc chapeos envernisados, a 2,000
rs., para a rapazada acompanbar a muzca
le polica nouto : loja n. 2, da rua Nova,
atrs da matriz.
Livros |n i|iiiini..
Para amostra de bico, lila, requires, ele ,
vendc-se por 200 rs., esto livrinho _ho mul-
lo proprio para amostra : na Iivraria do pa-
teo do Collegio u. 6, de JoSo d. Costa Dou-
rado.
Farinlia le S. iMnliieng.
lio superior qualidade, vende-se a borda
da sumaca S. .intonio,. Tundeada em Trono
do Collegio, ou ao la lo do CorpoSinto, lo-
ja do mussiinos n. 25,
Vendc-se um lindo moleque de 20 an-
nos, proprio para tolo servico, e urna bo-
nita escrava de ui.ul de 22 annos, de cxcel-
lento conducta : na rua da Praia n. 43.
VenJe-sa o sitio o. 7, ns travessa do
llomedio, em chilo proprio, com boa casa
do vivends, a margem do rio ecoin basta-
te arvoredo : na rua do Trapiche n. 15.
-- Vende-se vinagre aromtico para lim-
par os denles, conservar as gengivas um
frasco por 1,000: rua nova luja n. 2.
iV<> Passeio Publico, loja
ti. II, de F ir miao Jo-
s Rodrigues Ferreira.
Acha-se um completo sortimen-
to de cassas chitas, mu i ricos pa-
dres e finas cores, ao barato pre-
co de >.,'|oo rs., cada corte ; brim
de puro linho, trancados, bran-
cos e de cores, fazenda realmente
superior, a t,ooo rs., a vara;gur-
gures encorpados, a i,4oo ra., o
corte; ricos vestiJos desedaelSa,
de cores, a 18,000 rs. ; ditos em
cortes, a 16,000 rs., e desedalis-
trados, a i3,ooo ns.; pannos finos
de todas as cores, e por precos
comtnodos ; chitas francetas, lar-
gas e de gosto, a 3ao rs., o cova-
do ; riscados irancezes; sarjas hes-
panholas'; setins; um completo sor-
timento de chitas de gostos, e ma-
Cliarutos le S. i-Cli v,
Chcgaram, os melhores charutos Jo S. Fe- ...
lis, e vendem-se Da rua do Queimado n. 9.1 ri i- j nrpro a K ta. 5.00o.
-- Nopatoo do Hospital n. 30, vonde-seiudP0,oe!,> ae Pre9i a 3,aw, J.wu,
manteiga ingleza a 400 rs. a libra, dilaaOO 4>oO0, 4,300, 4,000, 3,000, 0,300,
a 600,azeite de carrapalo a 240 a garrala, i 0O0 e a%00 rs e outras muitas
queijos do reino a 1,400, cha isson a 2,240 a '^ ___-_.
libra viudo da liguoira a 280 a garrafa, toi-. fazendas, que se vendem a presos,
Oluhode Lisboa a 280 a libra, vellas de. car- (.ue rniiito aeradam OOS SCnhorCl
naubi a 300 a libra, ditas de ospe Jim-oto a,
700, e muitos mais generes muilo em conta. compradores.
MUTILADO


m*vmv. fa*smam*
( ambralns ilc seda, a 0,000 rs ,
o corte.
Na loja Crespo n. 5, que volla para o Col lee 10, ven-
dem-se ricos cortes de cambalas de seda,
pelo barato preco de 6,000 rs o corte, esta
fazenda lie de gostos inteirameuto novos.
A rados de Trro.
Na fundicSo da Aurora, etn S. Amaro,
vendem-se arados de Forro de diversos mo-
delos.
iloc mtns superiores.
Na fundirlo de C. Starr & Companliia,
(Mii S.-Amaro, achani-se venda moendas
do canna, todas de ferro, de um modelo e
construccSo mintu superior
Ven Jcm-sc as seguintes se-
. mentes:
de alioi, ditas de dilas inginas, dilas dor-
banos encarnadas, dilas brancas, dilas de ce-
blas de Srlubal, dilas de alfacc allaniaa,
dilas rcpolhudas, dilas de core trinchada, dl-
i.is iie aenoura auiarellas, dilas de chicoria, di-
tas de coentro de tocrira, ditas de salsa, dita*
de tomates grandes, ditas de repolho, ditas de
cipinafre, ditas de pipinella, ditas de aipo,
teijao, carrapato de tres qualidades, crvilhas
tortas c direilas, rabauelcs encarnados e bran-
cas: na ra da Cruzn. 4t>, del'ronle do r.
Cosme. Na mesiiia casa vcndcui-sc queijosiu-
glezcs inulto frescaes.
epositode cal e potassa.
No arniazcm da ra da Cadeia do Recite n.
12, ha inuito superior cal de Lisboa ein pedra,
assim como potassa chegada ltimamente a
preco inuilo rasoaveis.
Alumino para -iii'nis. V
Vendc-sc mullo boni algodSo psra -
*- saceos de assucar, por prccucpoiu-o- a>
;% do : era cssa do liicardo Royle, na .
jl ra da Cadeia n. 37. t
ntigo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, lia
milito superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa
na tarca Ligeira.
Di psito ila fabrica de Todos os
Sanios na Ballla.
Vendc-se, cm caso de N. O. Bieber A; C. ,
na ra da Gru n. t, algodn transado da-
incita rabricn, niuito proprio para saceos de
assucar o roupa de escravos, por preco com-
niodn.
vffrwm t^mwtf
Arados americanos.
\> Vendein-sc arados americanos ver- .5
> > dadeiriis, chegados dos Estados- ..'.
.> Cuidos : na rua do Trapicho 11. H. <..
A* ***:* "" **.A* ': AA V' v-.
\ende-u superior cognac velbo, etn
barra de 13 a 24 caadas ; na ni da Cruz
n. 55, casi de J. Keller & Cooipaobis
-- Veode-SO rcsso em barricas, viudo no
ultimo navio cbi gado de Franca, leudo ca-
da bairico 20 arrobas pinico mais ou me-
nos : na ra da Cruz u. 65, casa de J. Kel-
ler >\ Compaa.
jCcra ile carnauba.
No armazem de Domingos Rodrigues do
Ar.dradc 6; Coirpanbia, na na dosTanoci-
ros n. 5, veede-sc superior cera de carnau-
ba, ltimamente viudas do Araraly, cm
porco o a retalho, por menos preco que
nm outra qualquer part", assim como sola c
couros miudos.
Vendo-so a laverna n. 8, da na do
Itangel, muilo afreguozada para Ierra c pa-
ra o mito, e muilo vantajosa, nilo so pela
i-leganriada armicSo, tomo por esta per-
tencer a casa c ser commodo o aluguel: tra-
la-se no mesmo eslal declnenlo.
Vendc-se ou arremla -se, urna casa de
pedra e cal, sita no-Monleiro, com terreno
para plantar c com arvoredos de Irnclo, por
preco commodo liata-se na ra dasTrin-
cbeiris n 48, prlmeiro andar.
lomlms de Ierro.
Vendcm-se bombas de rcpuxo,
pndulas c picota pora cacimba :
na rua do Brum ns. 6, 8 e 10,
fundicao de Ierre.
Arados de ferr-.
Vehtlcm-sc arados de diversos
modelo?, assim como americano-
com canibSo de sicupira e bracos
de ferro : na fundicao da rua do
Brom ns f, 8 c 10.
Vendcm-se relogios de 011-
10 c piala, p.ilcnte inele : na rua
da Senzalln Nova n. !\i.
Vcndem-so amarras de ferro: na rua
da Seoialla nova n. (2.
Moinlios de vento
com bonibss de repucho para rogar borlas
d baixas de rapan : vcndem-se n.i tundizno
do Bowman <* Me. Calluin, na rua do brum
tl.s. 6, 8 o 10.
Tecido de algodao trancado na fa-
brica de Todos os Sanios.
Na rua da Cadeia o 5a,
vendem-sc por atacado duas qualidades
proprias para saceos de asiuear-e roupa de
1 aeraros.
Talxas para engeiiIiOi
Na fiindiciio de ferro da rua do brum,
ara cinar da pblysica em lodos os seos
differeiilos graos, 011 motivada por consli-
pncOos, losse, esthtna, pleuri/, escarros de
sengue, ddrde costas e poitns', palptacfio
no cometo, coqucliiclic bronchitcs dor
de garganta e Indas as molestias dos or-
gfioa pulmonares.
De todas as molestias que por heranca li-
camaocorpo humano, nenbuma baque
mais deslriiilivn tcnlia sido, ou que ten lia
zombado dos aforeos dos honiens mais
eminentes em medicina do que aquella
que lie ^oralmente condecida por moles-
lia' no lile. Km varias pocas do sc-
eulo passado, lendo-se offercciilo ao publi-
co diOerenles remedios com alteslados das
extraordinarias curas que elle tem feito ;
porm quasi que em lodos os casos a iluslo
teni sido apenas passngcira c o doente
torna a receir em peor estado do que se
acbava antes de applicar o remedio tilo re-
commendado oulro tanto nao acontece
com este extraordinario
Xarope He bosque.
Novaos & Companhia, os nicos agentes
pesia cidade provincia, o nomeados pelos
Snrs. I!. C Vales & Companhia agentes
aeraos no llio-de-Janciro mudaram o de-
posito deste xarope para a botica do Snr.
Jos Mara C. Remos, ns rua dos Quarleis,
n. 12, junio ao quiirtel de poliria, onde
sempra acharBo o nico, o verdadeiro, a
5,500 rs. a garrafa, ea 3,000 rs. mcias gar-
rafas.
Chapeos de sol. <
Itua do l'assoio, n 5. >R
NestS fabrica ha presentemente um ric")
sorlimento dcsles objectos de lodas as c
res qualidades, lauto de seda como de
panninbo, por procos commodos ; ditos pa-
ra senbora, do bom goslo: estes chapeos
silo feitos pela ultima moda ; seda adamas-
cada com ricas franjas de rotroz. Na mesma
casa se aeha igual sorlimento de sedas e
panninho imitando sedas, para cobrir ar-
maQoes servidas : lodas eslas fazendavne s-
deni-se cm porco e a retalho : lambem se
concerta qualquer chapeo de sol, tanto de
basteas de ferro como de baleia, assim como
umbelas de igrejas: ludo por preco com-
modo. Na mosms casa ha chapeos do sol,
de marca-maior, do panno o de seda, pro-
priospara feitoresdo engonho, por scrom
os mais lories que se podem fabiicar.
VenJtj-sc dianlciga ingleza nova, a lito
rs., a libra; dita franceza a 500 rs., o libra;
cafe em grSO, 160 rs., a libra; cha, a 1,020
rs.,a libra ; dito, a S.too rs.; -evada, a 100
rs., a libr>; farinha do llaranbilo, s 100 rs.
a libra; eli B de carnauba de C e 9 em libra,
a300rs.; loucinbo, a 210 rs., a libra; quei-
aceba-se do'rceeher um completo sortimon-1 j"S novos, a 1,500 rs.; bolacliiiina ingleza
to de laisas de S a H palmos do bocea, as nova, a 200 rs.. a libra ; vinho do l'oilo en-
quaas acham-se a venda por preco com- Igarrarado, a B10 rs., a garrafa ; dito em ca-
lodo/ecom promptidSo cmbana.n-se, ou nadas, a 2,560 rs, c oulros mais gtnoros :
carregam-so em carros sem desperas ao na rua ,1,, l'.aia defronlc dan.
comprador.
AGENCIA
. da fundicao Low-Moor.
da, d&quatro agoas, grande scnzalla, co-'preta mo;a,que coze, engomuna, lava, cozi-
ebeira, estribara, baixa de capim que sus- nha.e faz mais arranjos de casa,o urna parda
lenta 3 a 4 cavados, grando cacimba, rom tan beui mofa, com as meslas habilidades,
bomba e tanque cohollo para bauho ha.-.- Uto para llquiJacfio, por isso em corita ; na
rua Lar-ga do Rosario, loja n. 35.
X
tants arvoredos de Inicio: na rua da Con-
cordia, primeiro sobrado novo de um andar.
Sara radical.
lie crysipcla e 1 heumatismo, com rncha-
(o, ou'sem ella, seja anligo, ou moderno.
\ 49500 rs., apera.
Na loja n. 5, da esquina que volla para a
rua do Collegio, veudem-se riscadinhos de
cores lias, pelo barato preco de 4,500 rs., a
preservativo conlra rotuias e quebiaduras, Pca, assim como casimiras do algoJflo, a
o modo de fazer seu uso, cura radical dos i 1,800 rs., o corte.
teslicolos, sem 'sofrer operac.no, nem dor
alguaia, cura radical dus escrotos, sejam
carnosidades, erysipelas, ou hydroceles ( u-
goas), os remedios para todas estas moles-
tias : vonde-se smente no llio de Janeiro,
na rua do Sah.lo n. 27, e cm Peinambuco,
na rua do Collegio n. 18, botica de l'eixolo
r. Pinto, ocompaha os dilos icmcdius u ma-
neira du fazer seu uso e dielas que devem
ter as pussoas que dcllcs lizerem uso.
Vende-se
Arroz de casca,
Karello novo,
Cha picto,
Chumbo de munico,
Cimento,
vende-se ludo por precos commodos : no
armazem de J. J. Tasso Jnior, na rua do
Amorim n. 35.
Vende-se cobre, e metal ama-
relio c pregos para forro de navios ; por prefo
conimodo, ciucasadcA. V da Silva barroca
rua da Cadeia do Uecil'e u. 4.
Casa de commissao de escraves.
Vendem-sc escravos e recebem-
se de commissao, tanlo para a pro-
vincii como para fra dclla, para
O que se olerece multas garantas
a Scus donos : na rua da Cadeia do
llecifen. 51, primeiro andar-
ROA HA SKMZAI.LA NOVA N. 42.
N*ste estabeleeimeolo conti-
na a ha ver um completo sorti-
tncnlo de moendas o mcias niocn-
ilas |iara engenhu, machinas de
vapor, c laixas de ferro batido c
coado, de todos os tamanhos, pa-
ra dito.
Km easa ile .1. Keller & Com-
panbia, na, ruada Cruz 11. 55, srlia-.se a ven-
da obsedenlo c superior finito tic Hit
cilla, cm barris de 5.*, ha muito recoin-
mendavcl as casas eslrangeiras, como ex-
cellenti) vinho para pasto.
No ariiiazein da rua da Moeda n. 7, con
XO n. 1.
Pannos Unos le todas as qna>
lid mies.
Na rua do Crespo, loja da esquina, que
volti para a Cadeia, vendem-se panno lino
prelo, a 3,000, 3,500, 4,000, 4,500 a 5,000
rs.; dito azul, a 3,tu0, 4,000 rs., o muilo su-
perior, a 5,100 rs.; dilo verde, a 2,800 rs.;
dito muilo claro, a 4,000 rs. ; dilo cor de
rape, a 3,000 e 3,500 rs.; corles de casimi-
ra preta, a 5,000, 6,000 e 8,000 rs.; ditos de
cor, a 6,10(1 is., o' oulms fazondaa o mais
barato possive.
Nova ircliiui'lia.
Corlrs ile JMfl cAi'ia, n 2,0ii0 r.'.; dilnt de chi-
ta inteiros com {eOvado$, a 1,600, 1,S00
2,000 n.
Na loja da esquina da rua do C'ospo, que
volla para a Cadeia, vendem-se corles de
cassas cinta, a 2,000 rs ; ditos do Chita, a
1,600, 1,800c 2,000 rs. ; ditos de caiiibraia
branca com listras de crtres, a 3,000 rs.; di-
tlnua-se a vender saccas com superior colla (o, Je 8al,,ico, a 3,000 rs.; corles de c-del.
das fabricas do ltio Grande do sul, c opreco ,|C Tustllo do ultimo go-ln, a 1,600 rs o ou-
""""l"' [i. ., tras muitas fazeudas por preco comelo
Agencia de Ldwm Maw. ,;l?.
Ka rua Ic. (al- i;nr,ini l'ailtii'lrV ( 1,11111 alia .
luonlSt Companhia, acha-sc con.lanlemenle j.U*n,0,S "ailllttCS. UOmpaOll a.SJ
liona sortlmenlns de Uixa de ferro coado c | Conlinua-sn a vender no deposito *
Jiaiidn tanto rasa como fundas, moendas in- :-L. geral da rua da Cruz n. 52, o cxci.'l- B
iras lodas de Ierro para ananaes, agoa, ele ,' Imito o be ni conceilualo rap areia I
linas pira armar em madeira de lodos os ta-' fj preta-da fabrica de Canlois l'ailhet IX 'i'i
maullos cm.idcllos o mais moderno, niachina {& ijompaiibia da Uabia, em erandes o
borlaontal para vapor con, forfa de 4 caval- pc,|uela!, pors0cs pelo preco eslabe- S
los, coucoi- passadelras de Trro cslanhado ,-l \ in
para caa de pulgar, por menos preco que 07. .J.?.--------- -aaMKa*^
c cobre, caco veris para navios, ferro ingles 9W*MKn*93
uuloein barras como em arcos l'olhas, e nido Vendc-se un) escra'-o do servico de rua,
por barato preco. lid e sem vicios, o motivo da venda so dir
Vende-stf'um grande sitio no bigardo fo comprador : no Aterro da Boa Vista n.
llauguinho, que lica defroute dossitiosdos 45, primeiro andar.
Srs. Carneiros, com grande casa de vivrn- -- Ven Icrn-S" duas escravas, sendo urna'
Xa loja ilns sils portas, < 111 frente
do l.ivraniciito.
Vrndem-se chapeos para seuhoras pacea-
remacavallo; chapeos de palbinba finos,
bordados, a 4,000 rs e lisos, a 1,600 rs. ;
chapeos de massa franeezes, da ultima mo-
da, a 6,000 rs., dilos de merino, com molas,
a 5,000 rs.; corles de casimira de cores, a
5,000 rs., e um completo sorumento de fa-
zendas, mais barato do que em outra qual-
quer loja.
Na loja das seis portas, eni frente
iio Ltvrament.
Contina, a vender birato, cassis pinta-
di s de bonitos padroes, a 21o rs., o covado ;
cassa 1 re, a 120 rs o covado ; chitas, a
120, 110, ICO, 180o 200; dilas para coberta,
a 160, 200 e 210 rs. ; corles do chita para
vestido.*, a 1,600 rs., eloJrs as maisfazen-
das, por presos muilo em cunta, a retalho e
em porcos.
-- Vcndcin-sijlonas largas a imitacSo das
da Itussia, muitos fortes, por seren de li-
nlio, proprias para encerados o camas do
vento, pelo mdico pieco de 23,000 rs., cs-
da un,a prca : naiui do Trapicho novo, n.
18, segundo andar.
Xa loja ile .lose* .loaiiuiii Morei-
ra & Conipanliia, lia rua Nova
11. K.
Vendem-se camisinhns de eambrai, com
suas golinbas, ludo muilo hem bordado, c
do inolhor goslo jossivel, pulo baralissimo
preco du 2,000 rs., smente, caJa una.
Chapeos de sol.
Vendem-se capeos de sol de pauno com as-
leas de baleia pelo preco de I00 rs-, ditos de
junco a 1^280. Na mesma casa tem um sorli-
uienlo dos mesmus objectos, tanto para bo-
llicio e seuhoras, como para meninos c meni-
nas de escola: na rua do Passeiu n. 5.
Vendem-sc nielas de linho, muilo finas
eps grandes: na rua estreita do llozono,
pidaria que foi de francisco Alves da Cu-
nta, e na rua da Cadeia de Recite, loja de
fazeudas do Narciso Slaria Carnciro, por pre-
co commodo.
A 4,000 rs.
Vendem-so casemiras de cores, de excel-
letflrs gustos, pelo baralissimo preco de
4,000 rs., o corlo : 110 aterro da oa Vista,
loja 11. 18
Na loja di rua Nova n. 23, da Antonio
Comes Villar, acha-SO a disposicHo do mul-
to respeilavel pnldico, um grande o variado
sorlimento do fazandas inglezas c franc-
zas, como sejam casemiras superiores de
todas as qualidades, sedas ditas, pannos fi-
nos can braias ditas dos mais modernos
gostos, riscados e chitas de tolas as quali-
dades, algo oes c panos do linho, chpeos
de palha paia seuhoras, dilos de soda para
homeni, luvas do seda e Bielas ditas, lequcs
muilo ricos, veos, setins e veludos da pri-
muira qualidadc, prineczas linas, grvalas
de soda e do ultimo goslo, coi t-.s de vestido
de cambraia lina e de tullios, c militas nu-
tras fazeudas, proprias para o serlSo.
Aos Srs. metlre e o/pciats de alfaiale.
Vendcu-se sargelim de todas as cores, a-
damascado de duas larguras, pelo barato
preco do 200 rs., 11 covado : nn ma do Cres-
po 11. ti, loja do Jos Francisco Das.
Cera de carnauba.
O mais superior que ha ncslc genero, ven-
de-se em por;ao e a retalho : na na da Cadeia
do Uccife, loja n. 50 de Cunha ai Amonio
Canln!iesj)arj bolas.
Vendem-se bnerros brancoi e amarellos pa-
ra canhdes de bolas de criados, chegados ulti-
mamenlc de Franca, por preco muilo commo-
do: na fabrica dcscllins, na rua Kova 11. 5.
Sao baratsimos.
Vcndem-se sapates de carneira mu 10 pro-
prins para o enverno, por nao siijareui as cal-
cas como acontece com os de graxa, pelo bara-
to preco de I^Si'rs.; na rua da Cadeia do Re-
cite n 9, loja
Vellas ile stearina.
Vendem-seestai vellas da mrlhor nualtdade
possivel a itic rs. cada calslnha deS5 libras,
lrala-se com l.C. de Abreu, na rua da Cadeia
do llecifc ii. 4i.
I'or falla de.fus escovas se estra-
aiu muitos pentcs.
Escovas para limpar pentes, a loo rs., ca-
da urna; penis de ac finissimas, a 610, 800,
960, 1,120 e 1,280 rs., .1 prosa ; franja para
manteletes, prela e lr dita pela para capolinbo', a 240 rs. ; luvas
prclas ile trocal, a 900 rs., o par; floiSSimsS
gargintilhas, proles o linas, mod : do l'ariz,
a 1,280 rs., cada urna ; agulhas cantlas, e
rap Paulo Cordero : na rua larga do Ho-
rario, loja de miudezas ao p'do lampeSo
n.44.
Sovtllas recem-chegadas.
2 \"oltimes, eiicnilernaaoa a soo
reta por volmue.
Itotdao amoroso, O dote de Suianlnha, vida
de Pcdriiho, aventuras c astucias de Lazarl
nbo de Tormes, Chrislina de Slainvillc, Ade-
lina e Mauricio, a marqueta de Ganges, .Mc-
lina Cerean, Mcillndc 011 a diK|ue/.a de Ar-
nau, Rarbarlakl, Gusmfto de Alfarach, Nuina
l'onipilho; na livraria do pateo du Collegio,
o. (i, de Joao da Costa Dourado.
4'einla-'.
Vende-se vinho Chai la llozc, Cognac, cm
caixas do urna duzia de garrafas, cobre em
filhas, ziOCO cm ditas.-seiveja de Bsvrria,
ludo barato '. no am.azcm de C. I. Aslley &
Companhia, na rua do Trapiche n. 3.
Lotera il<> Rio de Janeiro.
Ao* vinle sontos iIi ris.
Na prac,a da Independencia, loja de miu-
dezas n. 3, que volla para a rua do Queima-
do o Crespo, vendom-se billietes, mcios,
qusrtos, oitavos evigesiros da lotera 9.'a
indemnisafSo do thesouro publico, e na
mema loja moslram-se as lisias das que j
correr ni.
*<>.*?;< "**'?'* ***..
? Vi loja del. I.. II. Taborda', rua do I
fl5 Crespo n. lOvendem-se riscados azuis pi
? de quatro palmos de largura a 120 *
? rs. o covado, o sarjilo, fazenda no- S
? va para prclos a 220 rs. o covado, o $
? mais largo do 4 e meio palmos a t
$ 320 icis, assim como palitots de
) brim a 5,0.0, rc^as dealgodflo a varia *J!
% do a 1600 o 2,000, lambem ainda res- #
? tilo alguus chales de se la de 4,5'0, %
? 5,000, c 6,000 rs. ; fazenda boi assim ?
como cutas muitas fazeudas baratas
S e proprias rara a presente eslago. *
a>*?^*^e|*.^C-f. TOp?^ ,;f>
CHA Bka.MLE.IKO.
Clin brasileiro, em latas do urna libra, a
2,r.00 rs., caila urna. Quoai, considerando
que o cha da Indis he preparado com o anil,
o seco il'ii'n de vasilhas do cobre, e por
consequoneia impregna lo do materias ve-
nenosas, que 111'ctani a saudo, mo prefe-
rir do cerlo o cha brasileiro, que he pre-
paridiA de um modo muilo simples, o seco
sobre laminas de ferro, loruaudo-so por is-
so mesmo muilo saudavel? Ven Je-so no
paleo do Collegio, casa do livro azul.
-- Vende-se urna armaco e mais perten-
ece da laverna do beco do Monleiro o. 6, faz-
SBlodo o negoci.): a tratar na rua do Viga-
rio n. 14.
Novillas recem-chegadas.
O volunte eiiriiili'i'iiailii a 800 res.
Cyprln.i, 1 voltiine; Constancia, I v ; a
cabana da India, 1 v.; o llcnegado, 3 va. ; I).
Raymundo de Aguiar, ir.; ai venturas de
Robln, 6 vs.; o Pa-nal, I v. ; Anbre'Ve-
niiiiano 1 v. U. Joao da Falpera I. v. ;
(iustavo ou boa peca, 3 v.; Leonel ou o cerco
de Boston, i vs.; vida de licloise, 1 V. ; via-
geai de Antcnor \ vi.; Eitevloho Gon(alves
2 v. ; na livraria do pateo do Collegio, o. 6,
dwJoo da Costa Domado,
dn-se por diminuto pirro o seguinte : I
lancha, 1 bote em bom estado, 1 corrente
de ferro para navio, 1 amarra gror;a de ca-
bo do linho, I porcSo de ferro ocavilhas,
que foi de navio, urna porc3o de taboas do
un.11-lio, proprias para marcineiro, por es-
tarem bstanles secas, 2psrelhas de embo-
nos de re lio, para barcaca euma porcode
caicas de folhas de II1 mires vasics.
-- Vende-se urna caletra da Baha, o urna
secretaria com gavotas, em muilo bom es-
tado : a tratar no silio do Arac com Ma-
uoel Lu/ da Veige, ou na rua da Guia do
Iteeifo, armazem n. 7
t Na loja pcriiaiiilJicana da 4
rua lio Crespo 11. 1 I.
r Vende-se mciinpreto para palitos, 4
t> calcas, jaquelas, saias, timo -s e ou- <#
j. Iros misleros, em perfeito estado, pe- 4
# lo baralissimo proco, de 400 e 500 rs. 99
i' o covado. #
Vendem-se um piano novo com muilo
beas vozes, urna cama de Jacaranda, um bas-
tidor de bordar, e um vestido de sonbora
andar 11 cavallo com jaqu de velludo, tudo
isso com muilo pouco uso, e por prec,o mui-
to commodo : na rua larga do Itozario n. 28
armazem de louca, se dir quein vende.
Mala Hamos Si C, na Nova n. 6.
Vendem-se ricos capolinhos de selim ma-
co betn guarnecidos de tranca e franja, di-
tos de chamelote de listras, dilos de tafola
ede lil prelo, o prec,o faz conta ao com-
prador,
Polassa ila IIUNsia.
Vende-se potassa da Itussia, recentamen-
le chegada, o de muilo superior qualidado',
na rua do Trapiche n. 17.
,-,-, ^-,-,.,-, itfiMMi' wn.^-a
Aj| Ma loja de 1.1.. U. Taborda, rua do ^
M Crespo n. 10, vendem-se petas de ma- {&
S dapolSo, a 2,240 rs., da marca bor- aj
a boleta.
toSmXMMHMMMl:: 3 Hi^lMRMl'
Na rua da Aurora n. 3J ven>ie:li-se su-
perior qneijo prato a 610, latas com 4 libras
lo liolaxinlll de ararut 1 feila no llio, e viu-
ClU'Biicill a pexlueha a|K>o rs. o
covailo.
Vrndcin-ae chita de aceoto escuro e or de
caf de bonitaa padrfles e cores fuas a mlhor
faienda para vestido de caa a 16O r. o co-
vado, dno-se as amoilrai 00111 penbor: na rua
do Quciuiado n. 8 loja defronte da bolica.
Vende-ie um molecole, de Angola Jade
25anuos bein ladiuo, coiinha bro, e bum
para q'nalquer ifrvlco, rua Dlrella n. 89
Vendem um bonito pardo de elegante
ligura perlllmu offlclal de pedrelro, e ptimo
para um pagem e de boa condncia na ma da
Cadeia do Hecife n. 5i primeiro andar.
1 :\eeilriiii cortes
de gambriOes para calcal a 1,200 r. no Pai-
feio Publico lojan. 13 A.
= Vende-se fajlnha de boa qualidade por
pveco muilo roiiuniiilo em fra de Porta n.
101 encasa de Joii! Joaquina Alve da Silva e
na rua do Amorim n. 38.
Vendein-e um bol manco e urna carroca
porpreto commodo: na rua do Pires no i
lio da Maoocl Joaqulin Carneiro Mal.
Na rua Nova 11. G, loja le Mala
Hamo S C. aealiao (le cliegar
de Lisboa na barca ligeira as
seguales obras, que s veinte-
rao a dinhri 1 o vista, por me-
nos do que cm outra qualquer
parte.
Os mile um phantasmas por A. Damas 4
volumes, Jorge ou o ea.it"m dos piratas 2
voluntes, Itevolucflo franceza por Lamartine
do auno de 1848 4 volumes, Arce de S. An-
ua por Almeida Carret 2 volumes, a impu-
reza, a soberba, a inveja, a ira, por C. Sue,
Dos o quer pelo visconde de Alencourt 1
volume, fbulas de La Fontaine I volume,
manual da saudc de 1850 por Raspaile 1 vo-
lume, ensaios de critica 1 volume, o sepljo
1 volume, o menino perdido 1 volume, a
rola da fortuna 1 volume, aplioriso.os a
pensamenlos moiaes, religiosos polticos
e philosoplncos, portugual pitoresco com
estampas pelo Fernando Diniz 4 volumes,
histolias das inquisices 2 volumes, a vir-
gem da polonia pelo conselheiro Itistos 1
volume, me iiur/>"s ou discursos religiosos
pelo conselheiro bastos 1 voliime, llsphaol
pagem da juventude 2 volumes, salamandra
3 volumes, o cav-lleiio da casa vermelb
por A. I).imas6 volumes, cavalloiro de llar-
mental por A. Humas % volumes, secretsrio
porluguez I volume, bealriz ou o aventurei-
ro 2 volumes, o bom menino porCesar Can-
tur 1 volume, os mysterios da policia e das
prisOes 2 vulumes, poesas do Alejandra
llcrculano 1 volume, os tres mosquileiros
4 volumes,vinleaiinosdcpoi_s6vls., isanhoe,
drama por A. Ilogan, o americano em Lon-
dres 1 volume, carias de olinda a Alzira 1
i|> 1 "i, Aiii.i.1 (iv 11 1 1 1 "i >> s m un mu mi" --- ,
da pelo ultimo vapor, 2,400, familia de trio volume, obras poctics do I) Leonor de Al-
go superior para pflo-de-l, 100, gomma d- meida Portugual l.oun
aramia, 160, tapioca, 120, sevadinlia, 160.
Novo Hortuiento de fazeudas, mi
Dique n. 94, lambem se faz a ventagem do
tirar todos oe effeitoa, licando s o compra-
dor rom oque llia convier, e tem mais a
grsnde vantagem da armaco ser perteuce-
le a casa.
Vende-so um prelo, proprio para lodo
o serv cu : ni rua da Prai.i n. 33.
-- Vende-se, por preco commodo, um so-
brado de um indar, com muitos commo-
dos, ns rua Minuta n. 121: a tratar na rua
da Cadeia, di fronte do tbealro do S. fran-
cisco, loja doourlves.
Vendewae urna casa terrea, com chitos
proprlos, i vre e dosembar'acada, na rua Di-
reita dos .Mingados, por preco muilo com-
modo : a tratar naa Cinco Ponas n. 84.
Sempre lia muilo buns escravos para
so vunilerem, por preco mais em conta do
que em outra qualquer parte, 0I0 se n.
cultSo as molestias, yirins achaques dos
mismos, aabendo sedellos: na ruadas La-
nngeiras n. 14, segundo andar.
Vendem-so, por commodo precj, al-
queiris de tremossos de muilo boa qualida-
do : na rua da Cruz n. 21.
Vende-se um piano pequeo, bonito,
em bom uso, proprio para ae apronder, o
muilo em conta : no paleo do Terco n. 139.
Vende-se urna prela moca, reeottlida,
houila ligura e possaimj,.* quai faz lavariu-
lo, cose, engoinma, eeeialia e mais irranjos
de casa, isto com loJa a perfeico possivel,
cuja conduela o habilidades se allanco : na
rua larga do Roza rio, loja He nuuduzs nu-
mero 35.
luja da rila do Crespo 11. O.
Corles de cassa chita fraceza, de ciVcs li-
sas, por 2,000,2,100 e 2,800 rs.; dilos de
cambraias desalpicos, a 3,600 rs. ; curtes
ie chita de hom goslo, a 1,920 rs., com 12
eovados cassas oequadros para bailados,
com 8 t|2, a 2,400 rs., a peca ; alparka de
curdao muilo lina, a 800 rs., o covado, e
muitas oulras fazeudas por barato preco.
Anda ma i- pecliineba.
Corles de casimira prela, lina, por 5,000
rs. ; ditos de cores, a 6,400 rs. ; brim hran-
eo trancado de linho, a 1,800 rs., o corte de
-ilea; dilo escuro, a 1,600 rs.; dito 1I0 lis-
Iras, a 2,000 rs. : na rua do Crespo 11. 6.
Carlnlia fontana.
Vendc*so faiinba fontana em barricas,
muilo nova o de superior qualidade : a Ira-
lar com Man,i--I da Silva Sanios, no arma-
zem doAnues, no caes da Alfandega.
-- Vendc-se urna casa terrea com quinlal
o cacimba: na rua da Guia n. 23; a tratar
na rua da Aurora u. 32.
Vonde-se urna vacca parida de pouco,
boa leiteira e iicostimada ao pasto, e ove
Ibas paridas de punco : na SoleJade sitio do
Sr. II 'rciilaiiO.
- Vende-se 0 novo Atlas geographieo,
fr ireiiiiii-iia antes que s
acabe. 4
> Cortes de casimira de lindos pa- 4
0 drOes, pelo diminuto preco de 5,000: $
k_. na rua do Crespo n. 10, loja delgna- 4
SJr ci Lo\i. de Rrilo Taborda. m
mw m* #99ta9
l'ivelas douradaSf a 160 r.
Vcndem-se livelas, tinte duuradas,1roiii
pratoadas, para caifas e coleles : na rua du
i.iiii-iiii.hI II 16.
Multas para grvalas.
Veiileni-se mollas para grvalas, a 600
rs.; Iiuliis de carrilel de200jardas, a 60 rs ,
o carrinho : na rua do Queimado-u. 16.
Clicgucm pecliiuclia.
I-' ij.i 1 niulalinbo uovo 440 rs. a cuia,
caf a 160 a in-nl 1 111,a/oite do Lisboa 1500 rs.
a garra Ta, queijo novos a 1,250, viuho do
porto a 240 a garrafa,inanloiga nova a 520 a
libra : nao se pde duvida dar as amostras
dos etleilos mencionados: na esquina da
rua de S. Jos, venda de 4 portas n. 2.
Cal de Lisboa.
Vende-so a melhor cal de Lisboa muilo
nova, chegada ha poucos das na Barca Li-
queza da Loma, condeta de Assomar, e jci'ra, e por pnco muilo em conla : na rua
D'oeynliausen, o lavrador perfeilo, ou novo oJigario armazeui 11. 7L
lala do do lavo ira 1 volume ; e ouuas mui-
tas obras que serilo patentes na occasiSo da
compra, das quo fico cima mencionadas,
c que nlo ilesgostarlo polos seus aulores.
%, eiicle-se erva mate ,
chegada pelo uliimo vapor
do sul: na rua Nova, loja n.
6, em libras, a 240 rs., e em
arrobas, a 6,*? rs., he bebida
mu fresca e dioretica.
Vende-se urna lucir nova e muito
bem feila : na Ponte Velha n. 1*.
HO.M T. BARAJO.
Vendert sbv_-\,;os de meninos, de ore-
Illas; if'.unios d- ca'i.-" de luslio, para ho-
ncn; Viles t**"2a: ...iras de palha de
carnal.V rotS ff < <' 2 varas docom-
primenlJ, bem "^' apeos do palha al-
vos, peniKas de de carnauba : n
roa da Cadeia uo 11>- i< n 49, primeiro
an lar.
-- Vende seirn bonito"molcque de 18n
nos, sabcnlocozinhar o diario de urna ca-
-- lUllllt-jn *. 111,11, .iii.,, .IVfal.muvu,
porM. Bru.com 60 e tantas carias, vida de sa- ngommi, faz todo o rnaas servieo que
a. i il and i .. i lu- m ni n i\ 111 mi n I n unit'i
Je-ii- i.'.nst", vida dd S. Vicente ovarios
compendios para as aulas, por menos do
que em outra qualquer parle : na rua-tlu
Crespo n.II.
; .'ara pag:eils. .._
) Clnpos envernisados para pagens, ;>
ijj de forma mo loan, o de superior qua- ^
f lidado : youdem-so no palco da ma- -;s
I tnz, loja de sir^uciro n. 2. ^
se ofloreca, por ser muito diligente, activo
e de fcil comprehenco, muilo i e sem
vicios : no aterro do Boa Vista, loja n. 54.
Vende-seno iUaranliao, a fabrica
de lumia- stiarlnas esabio.
Os administradores da liquidacSodeTheo-
doro Chavan 's, ven lem a fabrica denomi-
nada Marsnhcnse, na rua do PioponlSo,des-
la cidade ( porto dos remedios,), a saber :.--
casa em que est montada a fabrica, com 20
i ,, -1 .- .-L miiiiiiu ui, iiiuuui-1 '"v"- *-" ..- ------ i ,-------------
superior qualidade, rccen-! hidrulicas, orisontaos de torca do 600,000
l i i c ,. ii ,i libras, cada urna ; 1 dita vertical de torca
e chegada de Santa Utha- do qu'a[ro cen[a; mil libras 8 grtnlJs
Vende-se farinia de inandi- bracas de frente e 15 de funjo ; 2 prousas
oca, de
tcinenle
ria, a menor preco do que eriV caldeiras montadas, para o fabiieo do sa-
outra qualquer parte : traU-sc'a' bao; 4 ditas para derreter sebo ; lodosos
bordo do brigu.: Novo Lobo__: pe'tcncesnecessarios.para ofabrico do-stea-
delrontc do caes do Hamos, ou' rina.c sua; ^r.vo entendedores do
.... ... 1 ', serviQogcral da fabrica, 1 Ierren) annexo
com livcira L aira & Companhia,] fabrica, con-. 7 bracas do frente e 15 de fun-
na rua do Trapiche escriplorio
n. 5.
-- Ycndom-se esleirs muilo boas, nos
pola boa qualidule, por screin dobladas,
do ; i'dilo fronteiro a misma fabrica, com
18 bracas de frente e 28 de fundo : as pes-
soss que prelcnderom comprar, pdem nes-
ta prasa dirigirem-se a J. Keller & Com-
como pelo seu tamanho, ptimas parase panhia.
ter em urna sala : na rua do Livramcnto, lo-' Vende-se um cavallo, que sorvo para
ja n 11. I cocheira, por j ter sido da mesma, oqual
Venden.-se lindas molalinhas, sendo carrega baixo: a tratar na rua do Codorniz,
1 do 18 anuos, que coze muito bnm e en-! laVeina n. 1.
gomma, est grvida do 4 mezes ; I dita del Vendem-se 6 escravos! sendo 1 carrei-
10 annos muito alvinba oque rozo muilo1 roo 5 de todo servico ; 3 moloques de ida-
bem; 3 prelas que engommam e cozinliam; de 12 a 20 annos ; 2 negrotas de idade 16
2Jditas hoBS quitan deiras; 2 ditas de meia'anuos, sendo urna rccolhi Ja, engomms, co-
idade; 2 ditos de meia Hade, bons ganhado- ze, cozinha o diario de tima casa; 3 ditas de
res ; 1 dilo de elegante ligura, bom para1 lodo servico : na rua Oireitn n. 3, dofronta
radeiriiiha e bom ganhadr ; l^to de30 do boceo de S. Podro,
annos, quo so vende muito em (a
defeilo : na rua da Cadeia do Iteeifo n. 51, brados, para bomein : na Lingoeta, venda
primeiro andar. do Duarte n. 1.
Para palitos, a t.ooo rs. Vende-se um bonito escravo, pardo.de
Na loja da rua do Queimado n. 17, ven- elegante ligura, de idade de 24 a 25 annos,
dem-so casomiras de cores mesclades, pro-' complclo ulllcial de pedreiro, de fazer loda
piias para palitos e sobrecasacus, pelo di- equalquer obra, com perfei;ao : na rua do
minuto prtco de 1,000 rs cada cov.-alo, e Mondego n.09.
alpacas mesefadas, a 800 is.. o covado.
cm\i>EDE PARS.
l i! i do ('illi'.'.'io n. 1.
^ovo sorlimento do chapeos de sol, para
homem c senbora, a sabor :-chapeos do
sol de sola, armacHo de bilei, de 4,500 rs.
para cimn; di'osditos para senhora, de4,000
rs. para cima ; ditos du panno fino, -le ,-n-
m.-elo de baloia o de ferro, de 1,600 o 3,SnO
rs. ; ditos ditos de armac.lo do juneof rio
1,200 a 1,800 rs., toloslimpos : grande sor-
iiiir-nl-i de sedas o pannos, cm pecas para
col) ir os mesmus, baleias para vestidos e
espaitilbos de seuhoras. Concortam-se to-
das is qualidades do chapeos deso, tudo
com perfeito e por menos p-eco do que cm
outra qualquer parte.*
Ven lo-su a bem acreditada (are/nano
Forte do Mallo, rua do Cordoniz n. 7, bom
afreguezada, tanto para o mato, como para
a Ierra, o motivo porque se vende lio por
\a rua da Ctdeia do liocifo n,, 51, vori- seu dono relirar-se para tralar do sua siule.
Aos 2o:(i(io*iHio de rs.
N'a rua Nova n. 6, loja de Maia Ramos &
Companhia vondem-so bilbelns mcios ,
qusrtos, oitivos e vigsimos, da 9.' lotera
a beneficio do thesouro publico e do thca-
tro do S. Francisco, cuja lista chega pelo va-
por inglez, no dia 22 do crrente; tambem
recelioin-se em troca bilbetes premiados de
oulras quaesquer loteras.
Vende-so urna fazenda, com quasi 3
legoasd i fundo, e meia do testada, no lu-
gar de.Mosol, distante de l'otqueira ti le-
guas, a qual tem eicellento mata c um olbo
dagoa, que nlio seccou mesmo ns gran le
secca de 1845, casa de vivenda o curral :
ffala-sc com Antonio Jos do Oliveira, que
est incumbido de fazer eslo negocio, na rua
do Collegio, cisa n. 20, segundo andar.
g#ii>t>asiit*i,a,*^*^** j,
|t Na loja du sobrado amar, lio, nos $
m Cuatro Canlos da rua do Q uiniado o
Vou jeiu-se o veidaeno cbaropede <
s} pontos do embaiba cumposlo e prepa- 4
Sf radopolu pharniaceulico Jos da Cruz
ap Sanios : na praca de itoa-visla botica 4
fr 32. l-.sie cliarope he ellicaz contra 4
*r os Citanos pul Donares, agudos e .?
(9, chronicos, lysicoS, coqueluse e mo- ?
(f lestias de curacto; na mesma lam- >
tf bom so vende remedio contra os em-
> nn.ig i los,o qnal jaloi. Jipen mentado <>
f o sen evidente eircitu de tirar com- 4
ag plelfmouteo vicios que ni ni tos estilo
ag sujeilos. {
*V#4B>90ri$S###
\ i iiite-se a(0 de unlau verdadeiro, em
grandes oO'pequeas poiques : em casa de
Me. Calmonlet C, pra^a do commorcio n.
ll.iiii no seu aimazeui de machinisniu iu
rua de Apollo n. 6.
Vende-se os mais modernos e de supe-
rior qualidade, chapos de castor brauco
che gado receiitouieul'.i pela galera ingleta
l.iiul* : na rua NoYa u. 41, lai"- de c''
pos.
A 5'ooo rs. o corte. i;tao se aca-
bando.
Ricos corles de fina casimira : vondem-so
na ru do Queimado u. 9. *
Vondem-se 200 formas de G, 8, S 24
em livra, para fazer velas de carnauba : ua
rua da Cruz do Itecife, venda o. 32.
Escravos fgidos.
Desappareceu do engenho Urua, 10
p de 1 .minina, nm cscravocreonlo, de no-
mo IzequiH, que.representa 35 annos de
idade, edr fula, bem barbado, boa altura,
rosto redoii :o, corpo, pos e pernas grocas:
a pessoa que o pegar, leie-o ao dito en-
genho que ser generosamente recom-
pensado.
Desappareceu do engenho t.'rua, sito
10 1 e de i.oianna," um escravo creuulo, do
nome Luiz, representar S0 annos do idade,
popca.baiba, altura e corpo'regular, cor
prela e bem airoso: a pessoa que. o pegar
leve-o ao dito engenho, que sor generosa-
mente 1 eron,pi-nsado.
No dia II do correle desappareceu do
pateo de S. Pedro, casa n. 10, segundo an-
dar, uiaa mulata de nome Luiza, Idade 25
annos, baixa, denles da frente do lado su-
perior quebrados, levando sais e mani re-
lo, e levon um liilio de idade 2 annos, besa,
alvo, olhos agatados, tendo fondas de sar-
nas na ealieen, algumas pelo corpo : qurin
s pegar leve a dita casa que sera bem re-
compensado. "
. Dessppareceu hontem r/ecravo criou-
lo de nome Lucas, du idade de 25 annos, re-
forjado e muito barbado,,as peinas um tan-
to tortas embaixo : quem o apreheodor le-
ve-o a rua do Collegio, segundo andar u.
21, onde s'-r reeompotisado'de seu trabalbo
~ No dia 2 do crreme mez de julho de-
sappareceu o escravo Antonio, crioulo, ca-
bra, de idade de 18 annos pouco mais ou
menos, bsixo, birrigu !o, grosso do corpo,
cara redonda com muitos panno* miudos,
0II10 pequono; e CKm ilusa sicatruesna
losta pe lo do cabello, tem a falla Una e
muito manas, helllha do Sobral onde diz lar
1 muios e seus si tigos aenhnres, e sonde foi
surredo ; o por isso tem ts nadegas multo
sicatrisadas; deseunlia-sc losse para o Ce.ir-i
(domlu veioj ,elo caminho de Pedras de fo-
go: quem o.pegar leve-o na rua disTiiu-
xeiras sobrado n. 46, e no Cear ao Sr. An-
tonio de Oliveira Uorges, e em Sobral ao Sr.
Francisco Rodrigues das Santos, que sera
generosa mente recomp nido.
w- Desappareceu do lugar denominado
Calangro, em torras do engenho Guerra, um
muleque ciioulo de nome Miguel de Hade
20 annos pouco mais ou menos, baixo, bo-
nita ligura, lom urna sicaliz no queixo do
lado-esquerdo, levou vestido caiga de risea-
do de lista azul, ejaqueta de riscado ama-
rellojadesbotida, eleva ennasigo um saco
com Igii ma roupa ; esteva aqu no Itecife o
consta que so diiigira para Podras de fogo,
ou llabaiana : roga-se lorlauto asanlori-
uades policiaes e capitfles de campo, se o
pegarem du leva-lo a rua do Vgario n. 7 ou
no lugar do Cabngio, a Virgino Antonio
i.aapollo quo st ra recompensado.
- Dcstppareceu hontem, 14 du corronlc,
o muleque brancisco, nacao robollo, idade
t anuos pouco mais 011 mono-, levou calca
de brim dcquadios do meio camisa de
algodo grosso, chapea de couro, atraz do
hombro eaqncrdo lem um C. ainda pouco
v. 10 da regida, consta que audou pelos en-
gunbos Moa f la, e oulios : quem o pegar
leve-o ao u.l.o do Hospital do r.r.iio, ven-
do n 30qu# sera recompensado generosa-
0 tem para vender, um completo sorti- ;-
) ment do modernos enfeltes para so- c>
4 nliora, conscstindo cm romciras, ca- *)
4 mizlnhss, golas, punhos o mangul-
* los de cambraia dealgadlo lina ede 6
4 linho, c0m*iicos bordados eporpre- ft
4 co muito om conla. 5
- Vende-se um piano ngloz, em bom es-
tado, proprio para quom quzer aprender,
muito om c^nta : na rua de S. Goncalo, ci-
- Vndete a Uvorna, illa na travessi do' rinEW^flftfigfl^^
MIITII


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYM8IPWAF_ZYMYNL INGEST_TIME 2013-04-13T02:15:25Z PACKAGE AA00011611_06394
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES