Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06378


This item is only available as the following downloads:


Full Text



Anno XXVII
Sabbndo 28
PARTIDAS DOS CORB.EI01.
Ooianna e Parahibs, segundas e sextas feiras.
llio-Grandc-do-Norlc, todas as quintas feiras ao
mclo-dia,
Garanhuns e Bonito, a 8 e 2.5.
Boa-Vista e Flores, a I.e 28.
Victoria, as quinta feiras.
Olinda, todos os dia.
,^i.4ocaasasnR*i
pBEMinUrs
rNova, a 30, as G h. e27 m. d t.
d .T... -. .. Cresc. a as 4 h. e 8 m. da t.
P-usts di wa. j,.heia- a l3i 4 h. c 24 m. da t.
(Ming. a 2l,as3h. cs2m. da t.
raUMAH de noj:
Primeira s 3 horas f I! rainutosda Urde.
Segunda s 4 horas v li minutos da manhaa.
de JunIiodcl851
N. 143
f -
PREpO DA SOBSCDIPpO.
Por tres inezes(adiantados) /000
Por seis mezes VllOO
Por un anno. 15/000
DIAS DA SEMANA.
211 Seg. S. Agripnia. And. do J. d'orf. c DI. 1. V.
24 Tere, je* Nasciinculo de S. Joo Daptista.
25 QtUrtS. Guilhcruie. Aud. do J. da 2. vara.
2(i Ou'nt. S. Virgilio. Aud. do J. de orf. e do J.
111. da primeira vara.
I 27 Sext. *< O SS. Coracao de Jess.
.'8 Sab. S. Lco Aud. da Cli. e do J. da 2. vara
do civel.
?9 Uom. S. Padro cS. Paulo.
CAMBIO DE 27 DE JDVHO
SobN Londres, a 27 '/, d. p. t/000 rs.
., Pars, 340 por Ir. iioiiiinal.
Lisboa, a 95
Omo, One as hcspanholas....
Mocdas de 6/400 velhas
> de 6/400 novas
dc4J000......
Prata.Patacocs brasileiros...
Pesos columuarlos.
Ditos mexicanos.......
.xmamt ar.: jttt
28/000 a 2M500
HtfOOO a 16J20O
16/000 a 16*200
1/000 a 9/101
1/940 a 1/950
1/.i:i0 a l/!i4l
1/700 a 1/760
..- .
.. .tu?, kcciuj: -,^jatsafj
PABTE OFFlCia. '
MINISTERIO DA JUSTICA.
Ministerio dos negocios da justica. Rio de
Janeiro, em 7 de junho de l85l.
Recebl o oflicio que Vine, me dirigi ein 13
de malo panado, coinmunicando-me a insta-
larlo nesta cidade do instituto dos advogados
brasileiros, filial do da corte ; c approvando a
patritica dellberacao que tomaram, aguarda a
rrnicsia dos estatutos que devero subnieltrr
approvacao do governo.
Dos guarde a Vmc.SnwMa it Qutiroi Cou-
tinh Malloio Cmara.Sr.-Jos Bernardo Gal-
vao Alcanforado, presidente do instituto dos
advogados brasileiros no Recife.
GOVEHNO DA PROVINCIA-
EXPEDIENTE DO DA 14 DE JUNHO DE 1851.
{Continuacto do a \\-2.)
Portara. Mandando que fique sem efleito
a portarla de 7 de marco ultimo, pela qual fo-
1 .mi Horneados o coronel Jos Pedro Velloso da
S I ve Ira e Domingos Martina Pereira Hoateiro,
aquelle prlmeirp e esto terceiro supplentes do
delrgado do termo de Santo Anto, devendo o
chefe de polica presentar nova proposta para
os ditos lugares que ficam vagos.
DEM DO DA 11.
Officio.Ao coinmando das armas, intei-
randoo do dlsposto no aviso da repartico
da guerra, de 23 de maio ultimo, ne qual
se communica que se concedeo passagem para
opiiinero batalho de infantaria ao cabo do
dcimo da inesroa arma, Jos Ignacio; e re-
cominendando a expedir/o de suas ordens no
sentido de seguir o agraciado para a corte na
primeira opporlunldade, conforme determina
o citado aviso.
Dito.Ao mesmo, para que faja extralir
c remeta, alim de ser enviada repartico
da guerra, em cumpriinento ao aviso de 30
de maio ultimo, a f de oflicio de Hermcs
Krncsto da Fonseca, que de segundo tenente
do quarto batalho de arlilbaria a p, passou
para o terceiro da mesina arma no posto de
de primeiro tenente, por decreto de 27 de
agosto de 1849.
Dito.Ao mesmo, communicando que, por
decreto de 31 de maio ultimo, segundo cons-
tou d aviso da repartico da guerra, de 5 do
mesmo inez, mandou-se passar para a stima
companhia do nono batalho de infamara o
c-apit/io do corpo da guarnicao fixa de Goyaz,
Joo Antonio Lardoso, que se acha na corte.
Seientilii ou-se pagadoria militar.
Dito. Ao mesmo, dizendo que, para dar
cuuiprlmenlo ao aviso do ministerio da guer-
ra, de 30 de maio ultimo, faz-se necessario
que lufbrme sobre o lempo de prata e mais
assentaineolos do cabo de esquadra do segun-
do batalho de arlilharia a p, Joao bernardo
da -Iva Soares, que oulr'ora pertenceo ao
quarto da mesilla arma.
Dito.__Ao mesmo, interando-o do disposto
no viso da repartido da guerra, de 27 de
maio ultimo, communicando que se concedeo
passagem para o primeiro regiment de ca-
vall.ii 1.1 ligeira ao segundo cadete do quarto
batalho de arlilharia a p, Antonio Casimiro
de Souza Moni.1
Dlo. Ao mesmo, scientlficando-o de que
segundo conslou de avilo da repartico da
guerra, de 23 de maio ultimo, se expidi
urdem para regressar esta provincia, por
le sido julgado incapaz do servico do exerci-
to, o toldado do segundo batalho de arlilha-
ila a pe, Anselmo Fraucisco de S Tiago, alim
de ser addido a um dos corpos de primeira
linlia, at que diluivSniente se resolva sobre
o ulterior deslino que deve ter esta praca.
Dito.Ao mesmo, recoinmendando a expe-
dlco de suas ordens para que no dia 19 do cor
rente, s 9 horas da manlia, seja postada
em frente da Igreja matriz da.freguezia de
Santo Antonio, urna guarda de honra, alim
de assistir a festa do oiago da mesma, devendo
a referida guarda permanecer all at que se
linalise o f Deum, salvando hora do coslu-
me. Omclou-se ao director do arsenal de
guerra para fornecer respectiva irmandade
mediante a competente indemnisaco, o car-
tuxame de mosqueuria sem bala que por ella
Ibe for requisitado.
DitoAo mesmo, Iransmillindo copia do
aviso da repartico daguena, de 31 de maio
ultimo, communicando haver-se expedid or-
dem ao Exm. presidente do Cear, para fazer
vlr para esta provincia os cadetes e olhciaes
inferiores, que lem de ser examinados nos
termos do aviso circular de 28 de fevereiro
desle anno, .
Dito. Ao mesmo, para que amanhaa, as
duas horas da larde, seja poslado no caes
do Collegio um dos corpos de linha, alim de
assistir ao embarque do Exm. Sr. conselheiro
Jos Ildefonso de Souza Ramos, providencian-
do ao mesmo lempo para que a fortaleza do
Bruiu di a salva do eslylo hora em que o
Husmo vapor demandar a barra.
Dito.Ao mesmo, inteirando-o de haver-se
determinado, ciu aviso da repartico da guer-
ra, de 30 de malo ultimo, que as pracas do
segundo baialho de arlilharia a p, em des-
tacamento na ilha de Fernsndo, se abone
pelo arsenal de guerra desta provincia, em
lempo opportuno, o fardamenlo que vence-
rem.-Neste sentido fizeram-se as convenien-
tes communicaces.
Dito.Ao mesmo, remetiendo capia do aviso
circular do ministerio da guerra, de 31 de
maio ultimo, no qual se prohibe expressa-
menie as contribuirc.es voluntarias das pracas
de prel para as msicas dos corpos.
Dito.A' thcsourarla de fasenda, inteiran-
do-a do disposto no aviso do ministerio da
justica, de 5 do correnie, no qual se commu-
nica que por decreto de 2 do mesmo tuez fra
Humeado o bacbarel Jos Rodrigues do Passo,
juiz municipal e d'orpbos dos termos reuni-
dos do Brejo e Cimbres.hxpedirara-se neste
sentido as necessarias comniuhicaces.
Dito.Ao mesmo, remetiendo copia do aviso
do ministerio da justica, de 4 do correnie, no
qual se declara que mullo beu procedeo
aquella thesourada quaudo se oppoz ao paga-
mento reclamado pelo juiz municipal e d or-
phos do termo do Llmoelro, Joo Francisco
Coelho liltaucuurt, da gralilicacao marcada
aos julies de diiello por ler Inleriuamente ser-
vido o lugar de jury de juiz de direilo do civel
da mesma commarca.
Dito.A' mesma, iransmillindo os avisos de
duas letras na Importancia de 2:J8o|3o4 rea,
sacada pela ibesouraria de fazenda do Rio
Rarroca 81 Pinheiro c de Francisco Paulino de
Lastro Barroca.Participou-se ao mesmo pre-
sidente d'aquella provincia.
Dito__Ao director geral interino da instruc-
co publica, dizendo que visto nao haver cr-
relos para os lugares onde residem alguna ins-
pectores dos circuios Iliterarios, deve remet-
ter secretaria da presidencia a sn.i corres-
pondencia oRicial einii taes inspectores, afim
de ser encaminbada opporlunamente.
Dito.Ao juiz relator da junta de justica,
Iransmillindo, para screin relatadas eiu sesso
da mesma junla, os processos verbacs feilos
aos toldados do terceiro batalbo de arlilharia
a p, Manoel de Barros. Manoel Francisco da
Silva, Jos Tlburcio llarbosa, Firmino Vieir
do Nascimento e Domingos Jos Antonio; do
primeiro de infantaria, Joaquim Jos de Lo-
mos Magalhaes, do corpo fxo do Cear. Jos
Francisco Amora e da companhia l'u.i da Pa-
rahyba Goncalo Pereira do Roiario.Fizeram-
se neste sentida as convenientes cotnmunica-
cOes.
HitoAo inspelor do arsenal de marinha,
para fazer examinar por peritos o mastro que
por aquelle arsenal foi enviado para a forta-
leza do llrum, visto participar o commandan-
tc da referida fortaleza ser elle peior do que
o velho, mandando-o firmar 110 lugar compe-
tente, se porventura estiver em bom estado.
Intelligenciou- se ao commandn das armas.
Dito.Ao mesmo, para que mande apresen-
lar em frente do caes do Collegio amanhaa,
s duas horas da tarde, a galeota afim de
transportar o Exm. Sr. conselheiro Jos Ilde-
fonso de Souza Ramos para bordo do vapor
Partiente.
Dito.Ao dlreetor do arsenal de guerra, di-
zendo que para dar cumprimento ao aviso do
ministerio da justica, de tres do crreme,
faz-re preciso que remeta eom a brevidade
possivel um mappa exacto do armamento e
corrame, pertencenle aquella repartir-', que
tem sido distribuido pela guarda nacional des-
ta provincia.
DitoAo juiz de direilo da comarca do
Brejo, enviando, para ser entregue a F.lias
Francisco Rastos as notas da importancia dos
direilo, sello e emolumentos que elle tem de
pagar para obtencao do seu titulo de serven-
tuario vitalicio do officio de segundo tabelin
publico do judicial e notas ; do escrivo pri-
vativo do jury e cxccucocs criuiinaes d'aquelle
termo, e do de tabcliSo do registro geral das
hvpothecas da mesma comxrca.
Dito.Ao juiz de dircito da comorca de San-
to Anto, inteirando-o de qnc por decreto de
2 do correnie, segundo conslou de aviso da
ivpai tu .10 da justica, de 5 do mesmo mes,
fez-tc incrc a Jos Xavier Lins de Albuqticr-
que da serventa vitalicia do officio de tabel-
lio de notas e escrlvao do judicial d'equrlla
enmarca, e noiueou-se terventuario da oflicio
de.tabelliao do registro geral das hypolhecas
esle sentido lizeram-se as convenientes
communicaces.
Dito.Ao juiz dedireito do civel desta ci-
dade, communicando que por decreto de 30
de maio ultimo, segundo foi declarado em
aviso da repartico da justica, da mesma da-
ta fez-se merc a Manoel Jos da Molla da
serventa vitalicia do officio de escrivo do
civel desta cidade, ltimamente creado. Fl-
seram-se neste sentido as convenientes com-
iiiuiiicaroes.
|)to Ao juiz municipal e d'orphaos do ter-
mo de Olinda, seientificando-o de que, segun-
do conslou de aviso da reparlieo da justica,
de 2 do correnie, foi aceita a desistencia que
fez Manoel Jos da Molla, do ollicio de escri-
vo d'orphos d'aquelle termo.
Dito__Ao inspector d'alfandega desta cidade
para que lata desembarcar de bordo da barca
Liqtira, afim de ser lemeltida opporlunamen-
te ao EllD. presidente das Alagoas, conforme
requisita o cnsul geral do Brasil em Portu-
gal, a caixa de que trata o coiihrcimcnlo que
remelle, na qual se contm o expolio da fal-
lecida brasileira D. Joanna Cezar d'Araujo.
Dito__Ao administrador do crrelo, commu-
nicando que por decreto de 16 de maio ultimo,
segundo conslou de aviso do ministerio do
imperio, de 19 do mesmo inez, foi deiniltido
Antonio de Faria Rrando Cordeiro do lugar
de fiel d'aquella administrarlo.
IIH-.M DO 1)1 A 18
OflicioAo Exm. presidente do Rio Grande
doSiil.accusandorecebido o mappa que re-
melteu das distaucias pelo caniinbo inals cur-
io entre as cabecas das comarcas daquella pro-
vlncialc entre ellas e as de suas confuanles uas
outras provincias. ,
Dito.A tbesourarla de fazenda transmit! n-
do o aviso de urna leltra de 200/ sacada pela
thesouraria do Rio Grande do Norte sobre a
desta e a favor de Joaquim Romo-Seabra de
Mello.Participou-se ao Exm. presidente da-
quella provincia,
D110.--A director interino do lyceu desta
cidade, para designar dous professores do mes-
mo lyceu para examiuareiu no collegio das ar-
les no dia 21 do corrente s 9 horas da manhaa
em as disciplinas do inglez, e francez.-Inlel-
llgenciou-se ao director do curso jurdico de
Olinda.
Dito.Ao commando das armas, recommen-
dando a expedijao de suas ordens no sentido
de seren aquarleladas convenientemente as 4
pracas do corpo fixodo Cear, mencionadas na
guia que remelle, as quaes devem regressar
para aquella provincia no vapor que se espera
do sul.Neste sentido officiou-se ao agente
da companhia das barcas de vapor.
Dito___A pagadoria multar, inleirando-a de
haver asscnlado praca no nono batalho de in-
fantaria o paisano Tertuliano Mendca Bezerra
que conlratou para servir no exercito por 8
anuos medanle a gratificaco de 200/ que
Ihe dever ser paga pela forma j estableci-
da. Scientlflcou-se ao coinmando das ar-
Dito A thesouraria da fazenda provincial,
auloiisando-a visla da sua tnformacao, a
mandar pagar ao arrematante da obra do seti-
mollanco da estrada do sul .a quanlia de rs.
270/400 em que foi oreada pela directora das
obras publicas a^lespeza da extracao de urna
pedra encontrada na direc{ao da obra do re-
ferido laoco.Coinmuuicou-se ao respectivo
director.
Dito.Ao conego Placido Antonio da Silva
Sautos, Iransmillindo a nota das despezas a
fazer para obter.co da sua carta de apresenta-
eonacadeira de arcedi&go da calhedral de
Olinda, alim de que recolha a Importancia de
taes despezas na recebedorla de rendas dcs-
n. 673 de 15 de junho do anuo prximo pas-
Portaria.-Ao agente da companhia das bar-
cas de vapor, para mandar por a disposico
do priinelrp substituto do juiz municipal da
primeira vara desta cidade o sentenciado Fran-
cisco Pereira da Silva vindo do Cear no vapor
Paraense, e bem assim desembarcar as pracas
do corpo fixo daquella provincia, que escolla-
rain o referido sentenciado.
TRIBUNAL DA RJLACAO'
SESSAO DF. 51 DE JUNHO DE l85i.
Presidencia do i-'.cm. Sr. conielhtiro Aavido.
As 16 horas da manhaa, estando presentes os
senhores desembargadores Bastos, I,eao. Sou-
zi, Rehollo, Luna Freir, PereiraMonleiro e
Valle, faltando com causa o Sr. de.'embargador
Villares, o Sr. presidente declara abarla a
sesso.
JULCAMESTOS.
Habeaienrpus.
De Jos Francisco da Silva Glquiri. Conce-
dern! soltura.
Ricurtoi crimei.
Recrreme, o juizo; recorrido, Francisco Xa-
vier Pereira. Jiilgaram procedente o re-
curso no artigo 139 do cdigo criminal.
Recrreme, o juizo; recorrido, Antonio de
Souza Falco. Julgaram improcedente o
recurso.-
AppellacSes arimei.
Appellantc, Antonio Manoel do Nascimento c
outro; appellado, o juizo. Nao tomaram
contiecimento por ser apresenlada fra de
lempo.
Appellantc, o juizo appellado, Jos Joaquim
de Sant'Anna. Julgaram improcedente a
appelheao
Appellanle, o juizo; appellado, Joaquim Fran-
cisco da Lu,ha. Mandaran! a novo jury.
Appellantc, Ignacio Jos Ramos; appellado, o
juizo. Julgaram improcedente aappella-
(HO.
Appellanle, Jos Rrando de Sobral; appella-
do, o juio. -- Julgaram improcedente a ap-
pellaco.
Revilla civel.
ftecorrentes, o solicitador da fazenda provin-
cial Manoel Teizeira da Silva Aievedo; re-
corrido, Jos Martins de Souza da Silva Lai-
das, tutor do menor Nicolao.Julgaram nul-
lo t ido oprocessn.
DRSIGMAClieS.
Appellantc, llerculano Alves da Silva e sua
mulhcr; appcllada, a cmara municipal des-
la cidade.
Appellantc, Jos Paes Laudiin ; appellado, Joa-
quim Pereira I.ima.
Appellanle, D. Mara Felismina do Reg Go-
mes ; appellado, Joaquim Aurelia Pereira
de Carvalho e sua inulher
Appellanle, o procurador fiscal da thesoura-
ria geral; appellado, Kruchcmberg Denys,
Appellanle, Jos Dias da Silva ; appellado, Joa-
quim da Silva Moirao.
RIVISfiES.
Passaram do Sr. desembargador I.eo ao Sr.
desembargador Souza as srguinles appellaces
em que sao:
Appellanle, Ellas Coelho Cintra; appellado,
Custodio Collaco Dias.
Appellanle, D. lirites Sebastiana de Moraes;
appellado, Antonio Jos Pereira.
Do mesmo Sr. ao Sr. desembargador Re-
bello as seguintes appella{oes cmqiie sao
Appellantc, o julio ; appellada, acamara mu-
nicipal da cidade da Fortaleza.
Passou do Sr. descinuargador Itebello ao Sr.
desembargador Luna Freir a scguinle appel-
laco em que sao ;
Appellanle, Joaiiuim Antonio do F'orno ; appel-
lada, Conslantina Jacintha da Motta.
Passou do Sr. desembargador Luna Freir ao
Sr. desembargador Pereira Monleiro o seguin-
te recurso em que sao:
Appelianles, Joo Francisco Regis Coelho e a
irmandade do Santissimo Sacramento da Roa-
Vista; appell idos, Joaquim Caldillo da Silva
e sua mullo 1.
Passaram doSr. desembargador Pereira Mon-
leiro ao Sr. desembargador Valle as seguintes
appellacoes ean que sao :
Appellanle, o juizo ; appellada, a cmara mu-
nicipal da cidade da Fortaleza.
Appellanle, o juizo; appellados, Anselmo Lo-
pes e Cezarlo Jos Pereira.
Passaram do Sr. desembargador Valle ao Sr.
desembargador Bastos as seguintes appeliacdcs
em que sao!
Appellanle, o juizo; appellados, Joo da Cosa
o sen tilho.
Appellanle, a justica ; appellados, Domiugos
Lopes de Sena e oulros.
Appell inte; Joaquim Tei\eira Peixoto ; appcl-
lada, Isabel Fraucisca de Oliveira.
Appellanle, D. Anua Joaquina do Sacramento
Ayres; appellado, Alexandre Ferreira dos
Sautos Camiuha.
Appellanle, o juizo; appellada, a cmara mu-
nicipal da cidade da Fortaleza.
Appellanle, a mesa regedora da ordem tercei-
ra de San Francisco; appellado
Francisco Coimbra.
niviHinuI/ii -..
Ao Sr. desembargador Leo o scguinle re-
curso em que sao:
Recurrente, ojui/.o; reconido, Marcos Anto-
nio Rodrigues de Medeiros.
Appellanle, o juizo; appellado, Cerilo Celisli-
110 Ribeiro e oulro.
Appellante, Jos da Fonseca Barbosa; appel-
lados, Jos Gregorio da Silva e oulro.
Ao Sr. desembargador Souza as seguintes
causas etn que sao :
Recrreme, o juizo; recorrido, Justioanno
Ferreira da Silva.
Appellanle, a juslica ; appellado, Manoel Mar-
tins de Souza.
Appellante, Anna Elisabelh Adelle Poirson;
ppellado, Aft'onso S. Martin
Recrreme, Jos Ribeiro Montciro; recorrido,
Manoel foaquim Bemardes.
Appellanle, o juio; appellado, Domingos Lo-
pes de Sena.
Ao Sr. desembargador Kabello as seguintes
causas eui qui 10 ;
Recrreme, o juizo; recorrido, Clemente Bar-
bosa de Moraes.
Appellante, o juizo ; appellado, Bernardo Ma-
noel da Silva Braga.
AoSr. desembargador Pereira Montciro
seguinte appi'llacdes em que sao :
Appellente, o juizo ; appellado, Jos Francisco
AoSr. desembargador Valle as seguintes ap-
pellacoes em que sao:
Appellanle, o juizo; appellado, Manoel Joa-
quim do Nascimento.
Aggrivanle, D. Candida Agostinha de Rarros ;
aggravado, Jos Candido de Carvalho Medei-
ros. .
Ao Sr. desembargador Bastos a seguinte ap-
pcllacao em que sao:
Appellante. o juizo appellado, Joao de Sou/.i
Carvalho Jiiniur, .
Nao foiaiii julgados os demals fetos com da
asslgnado, pela falla do Sr. desembargador Vil
lares.
Levantou-se a sesso as duas horas da tarde.
i'
f'BSeSA^BUuO
dezembargador chefe de polica, rngando-sc-
Ihe fnesse chegar ao conhecitnento dos en-
carregados da polica das freguezias d'esta ci-
dade semeiliantes oceurrescias, afun de que,
quando se Ibes pedisse altestacOes, de emli-
gencias, averguassem nao s a respeilo de
naeioualidade do individuo morto, como se es-
t na caso de pagar a laxa a municipalidade,
sendo nacional.
Oulro do mesmo. remetiendo a folha dos
ordenados dos empreg.idos, vencidos no inez.
.|>> maio ultimo ; mandou-se pagar.
Outro do mesmo, communicando haver
suspendido ao porteiro em consequencla de
Inver este o desaHendido perante os outrn*
euipreg.iilos em nao querer cumprir o que el-
le edmioisirador Ihe determinara a respeito da
Inscripcao de certas notas na folha dosorde-
nados : que fosse remettidos eommitsao de
pellede* juntamente com o requeriniento do
mesmo porteiro, tratando do mesmo objectn,
mas em sentido diverso,
Outro de Patricio Jos Cavalcante ; de 2."
le malo ultimo, remetiendo a quanlia de
36,840 rs-, importancia do imposto de 500 rs.
que arrecadara nai freguezias de Muribeca e?
Jaboatam desde O 1 de abril at a quella dala
.1 cima, descontados 6,<>00 rs. de sua porcenla-
gem, e pedlndo dispensa de semelhanle encar-
go : mandou-se entregar o dinheiro ao procu-
rador c deti-se a despensa pedida. O Sr. ve-
reador Souza. fez o seguinte reqiieriuiento
que foi approvado. vatando contra os Sr. L'ar-
neiro Monleiro, Mamede.e Vianna, por em-
teiidereui que a cmara nao (tevia expedir o
deploras sem ter telenda ofhelal do I ni pedi-
mento do conselheiro, Sebastian! do llego
farros.llcquelro que se mande paisardeplo-
ras de depurado -i asseuihlea geral ao.Kvin.
Marechal Jos Joaquim Loelho. por ser o sup-
plenle mas volado pela vaga d.i proprietario :
o Exm onsellieiro SeblStlain do Reg Rarros.
que se acha em coiiunisso lirado imperio.
Cmara 11111nicip.1l do Recife 3 de junho de
1851. = Souza.
Foi approvado um parecer da coramissain
de petlcoes sobre a consulta feiti pelo procu-
rador a respeito de eslareni 011 nao 09 religio-
zos do convento de S Francisco d'esla cidade-
ralo do governo imperial o requenraento 'comprehendidos no disposto no 2" art. 25 do
em que esta cmara supplica a concessao de regnlamento do ceirilerio, sendo a coiiiuiiss
40 Africanos livres, dos appieheudid s, para je oplnlio, que pelo fado de seren elles men-
CAMAKV MUNICIPAL DO RECIFE.
SESSA E\THAnBHIHARI DE 3 DI lOMIO
DE 1851.
Pretidencia do Sr. Barros.
Presentes os Sis. Mamcdc, Carneiro Monlei-
ro, Moraes, Vianna, Souzi, Pires l'errira, e
FigucireJo, abrio-se a sesso e foi Iida e ap-
prnvada a acia.da antecedente.
Foi lidoo scguinle expediente.
Um olficio do Ksm. presidente da provincia,
declaran lo que, altendendo ao que allegou o
primeiro supplenle do delegado do segundo
disvrictodo Recire, Francisco Antonio Pereira
da SHva, resolver absnlve-lo das inultas que
Ihe forana impostas pelo juiz de direilo da se-
gunda vara criinc desla comarca, em 11 de Ja-
neiro e 18 de fevereiro desle anno, por nao ler
enviado aquelle juizo a relaco de que trata
o arligo 225 do ivgiilainento u. 120 de 31 do Ja-
neiro de 1812.luteirada.
Oulro, do mesmo, iransmillindo um exem-
plardafdli com que SM. o Impera lor abri
a terceira sesso da oilavo legislatura da as-
sembla geral legislativa luteirada.
Outro. declarando que la levar ao conheei-
uiperial o requerimento
serem eniprcgados no servico muuiolpal.
luteirada.
Outro, do desembargador chefe depoltcia in-
terino, coniiniinicando ter dado as_ providen-
cias seu alcance, alim de que sejatn postas
dicantes, em consequencla do voto que fazein
de pobreza, devem, com ell'eito, estar com-
prehendidos ein dilo, mas que todava en-
tenda que se devia sobmetter esta questo ar
conlieciinento de S. Exo. para dccidi-Ia ; pe-
praticaas medidas por esta cmara lera- dindo-se-llie que. no caso de afirmativa, de
las em oliicio de 28 de abril prximo findo, claraste quaes os carros de conduciio, e sepul-
luras, que devem ser prestados aos menclo-
Ihe pareca tain-
Manoel
em
brad.-
tendentes a evitar iufracces de posturas.lu-
teirada.
Oulro do procurador, apresentando o halan-
(o da receitae despeza do eeinlterlo, perteu-
cenle ao trimestre decorrido do i." demarco ao
ultimo de maio prximo lindo, e bem as,im o
mappa das nhiimacoos al feitas no referido
inez de malo.Que fosse publicado, e aquello
remeltido cominisso de polica.
Outro, do mesmo, apresentando o balanco da
recelta e despeza municipal do mol de maio
ultimo.A coiiunisso de Polica.
Outro do mesmo, dizendo que do dinheiro
tirado do cofre ltimamente para a abra do
eeinlterlo. restava :)9,}G56. visto como o saldo
de 279/656 rs. que figura no respectivo balan-
co, estar sujelo tira quarlel de ordenado
do mestrrdaobra, vencido no ultimo de maio.
One se lirasse do cofre, e eulregasse ao pro-
cur,adorl:000/.
Outro do mesmo, pedindo se inandasse re-
colher ao cofre a Importancia de 2:100(1 de um
deposito nesta dala feito por A mir Nauser,
conforme a guia que aprcsentoii Mandou-se
recolher ellectivainenle, assim se ez.
Outro do fiscal de Sanio Antonio, partici-
pando que por ordem do governo ia exercer
temporal iameiilc o lugar de aldante stereo-
melra da alfandega desla cidade, floando assim
impedido de exercer as funceOes de fiscal.
Ouese expedsse ordem ao supplenle para en-
trar em tercelo, e ao fiscal impedido para
aprescnlar o aviso .do governo, que o nian-
dou servirdito lugar, c entregar a chave do
cofre ao seu supplenle.
Oulro, do fiscal de S Jos, remetiendo o
nappa do gado morto para consumo no ina-
tadouro das Ciuco-Pontas, de 12 de maio ao
Io do corrri.ie : que se archivaste.
Outro do fiscal do Poco, partecipando ter
arrecadado na mesma freg'uezia de 3 a 30 de
maio ultimo, a quintil de 96,000 rs do impos-
to de .') 'i' sobre cibera de gado vaciim, da
qual didtisira a porceulageiii de 10 por cetilo
e entregar ao procuradora de 86,400 rs, : que
se partecipasse a coutadoiia.
Outro do mesmo, dizendo ler suspendido
os trah iil o. do atierro da baixa frotilcira ao
sitio do fallecido Pita, era consequencia de,
cora o invern, ler encarecido mullo a condu-
ciio de trrra para o messmo aterro, limitndo-
le, por ora, a fazer someute urna paite do at-
ierro com a Ierra queja se havia condusido,
sobre a qual mandoii laucar uina grossa carna-
da d'arria, para facilitar o transiio, oque foi
baslaule para desaparecer o encoiiveiiUulc da
accuinulaco d'agoas nesse lugur : a cmara
e nie.,1 liui na suspenso dos liabalhos.
Oulro do administrador do eeinlterlo, re-
quisitaudo certos objeclos, como mezas, cadei-
ras, regoas, caivetes, papel, tinta, t. para o
expediente do mesmo cslabeleciinento : que
o procurador fornecesse.
Oulro do mesmo, dizendo que do dia 10 do
crreme em diantc se razia preciso augmentar
mais um coveiro, pois que esto accumulan-
iln este servico e o de servente, e a eslaco in-
vernosa assinr exige, licando assim completo
o numero de seis, que ao principio toi mar-
cado, que se respondesse, dette a raso por
que se faz actualmente necessario esse covei-
ro, urna vez que nao ha mullo que o alirinou
poder-se com 5 fazer um e oulro Irabalho,
sem dar-se falla em qalquer delles.
Outro do mesmo, ponderando, que tcm-sc
dado abuzo da parte dos que, obendo licen-
ca gratis da cmara, para inhuuiafdes no ce-
raiteria, em vista de atlestados de indigencia,
que alcaiiCHO das aullioridades policiaes, aprc-
senlo a conducao dos cadavresera carros lu-
ago os dircltos parochiaes,
sacadas pela thesouraria de lazenoa ao nio taes p '"'"'"V;- ", dodecielo
Ciaude doNorie sobre a desta e a favor de I provincia, conforme dtspdc o art. ldodecieto
ic
tal
lo I
liebres de luxo e .
sendo d'esla arte illudida a inunicipalidadc,
assim eomo, que. scteni sepultado cadavres
Appellante, a fazenda publica ; appellado, Ma-J jc estrangeiros, como pobies, era virltide de
noel Duartc Ferreira Ferro. I taes attestS(cs, qhe parece, devio ser sepul-
Ao Sr. desembargador Luna Freirc a seguin-| iaaos a expensas dos respectivos cnsules,
le appcllaco cm que sao I una vi/ que nao cstavam comprehendidos
Appellanle, ojuizo; appellado, Candido Josc\no$t do ail.25 do tegulamemo do cemiterio,
de Moraes.
nados religiosos, visto como,.
bem que o sen funeral e inhiiuncs devem
ser feitas c-oni a quella decencia possivel e
COmpatlVfl com o seu estado sacerdotal, se
bem que a cmara su pode fornecer gratuita-
menle a s pobres caros de 3* ordem e sepul-
turas couimutis. Sendo lida una petico de
Jos Douiingues Cudeceira arrematante do
caes era contnnar;odo do llamos, feilo ao go-
verno da provincia, c por este remeltida aca-
mara a informar, pedindo providencias, a liui
de nao subircui e desceren) inadeiras pela
rampa frita era dito caes, e oulros objectos
que por sua naturea I dannlflcSo, e bem as-
sim contra n abuzo de se fazerem despejos de
lixos e iiniiiundices na qualla ra, e at mes-
ura sobre o caes, a qualqitol hora rio dia, re-
zolveoa cmara se informaste a V. Kxc. I'azen-
do mencao das providencias que lera ella a
respeilo lomado, e se renovassem as ordens
ueste sentido expedidas ao fiscal de S. Amo-
nio.
OSr. vercador Moraes apresentoii o modelo
dos raappai que se devia adoptar para asseu-
tainenlo dos ahitos das pessoas sepultadas no
cemiterio, e licoii addiido requerimento do
vercador Carneiro Moutelro, que tambera re-
|iiereu, c fot approvado se desse execuco ao
lisposlo no art. 70 do regnlamento do cemi-
terio, e ril'eclivament foraiu Humeados, para
meinbros da commlssSo de que falla o citado
art. os Srs. Manoel Coelho tiulra, Antonio
Jos Gomes do Crrelo, c Joao Jos Inuocen-
clo Pogge Jnior, aos quacs se maiiduu olli-
ciar.
Mandou-se expedir ordem aos fiscaes, para
aprcseiitarciu urna relacao das earrocas, c car-
ros, de carregar fazenJas, qur puchados a
uio, qur por niinaes existentes era suas fre-
guezias, c dos cstabelcciracutos de coranier-
clo, industria, ou arle, com declararn das
ras em que eslo situados, Humeros das ca-
sas, e ii.......- dos seus proprittarios.
Mandou-se por cni praca nos dias II, 14, e
17, o mposto de 500 rs. sobre cabeca de gado,
por lempo de l.'i inczes, contados do L'deju-
llio prximo futuro a o ultimo de setembro de
1852 o dishno de capim de planta pelo mes-
mo lempo ; e a dcinolicao da casa da la Nova
n. 25.
Os Srs. Carneiro Monleiro, e Vianna acarara.
un, mullidos de tratar do arrenilanieiito da ca-
sa que foi oceupada pela suciedadc Apolnea,
para servir de paco municipal, no caso de ter
ella as coininodidades precitas para casa do
Ju,v- -je
Mandou-se remetiera coiiunisso de efica-
{o os rcqueriiuentos, solicitando litulos de
terrenos de maiuiha, de Joaquina Larlota de
Miranda, Francisco da silva Marques Leal, e
Antonio Jos Ribeiro de Moraes, e a coinrais-
so de pciicoes a do actual arrematante da
allerico,pedindo indeuinisafo da importancia
desle imposto que deixaram de pagar a alfan-
dega c coiisulados geral e provincial^ as duas
priiueiras ; fundando-se no aviso de 27 de no-
vembro de 1845, e a 3" ein nao ler quota paia
cssa despezn.
Dcspacharain-se as petices de Antonio Va-
leutiin dos Sanios, Anastacio Xavier de < unto.
Amonio Goncalves de Moraes, Antonio Doinin-
ges d'Alineida, Antonio Jos Gomes Jnior,
Llaudiuo de Sousa Miranda Couto, Chnslovo
d Santiago do Nasciuienlo, Estcvo Casado
Lima, Firmino Jos d'Oliveira Jos Apolinario
da Cunha, Joo Pires Ferreira, Joo Fraucis-
co Regis Coelho, Joo Francisco d'Oliveira,
Mauocl H. do Sacramento, Manoel Jos Mau-
ricio de Sena, Manoel Amonio Goncalves, Se-
nhorinhaLuiza da Coucco, Xisto Vieira Co-
elho ; e levautou-se a sesso
liu Manoel Ferreira Accioli secretario inte-
rino a escrevi. = Mamede = Figueircdo Fer-
reira. Ur. Moraes.Carneiro Monleiro.
Vianna.
Em solucio ao officio de tres do crreme em
1 no i l do ai t. 25 do tegulamemo do cemiterio, fcni solucao ao omcio ae irrsuowo-
Iquesc levassc o expusto ao conhecimeuto do| que a cmara umutcipal desla cidade, para.


Pt?*lKV-iEHIMm*KI "J*V:1L1S?

-*
responder una consulla do seu procurador,
pede que csla presidencia Ihc declare, se os
rrMgios.es do convenio de S. Anloiflo dcsla c-
1 iilr i -i.m,. como siippoc a mesma cmara,
romprehendidos nn disposicao do art, 25, pa-
r.igraplio 2 do rcgolanicnto do crmitfiio pu-
Jjlico cin nulo de serrn mendicantes; se
oiiio lacsdevcm goiar do favor concedido pe-
Jo eiUdo paragrapho indrpendentemente de
allrslacucs do paradlo on autoridade policial
da freguezia, urna vez que. a sua indigencia
rslc improvada pelo (arlo de fa/ciem vol
dcpojrrsa; e linalnicnle no caso de allirma-
tiva, i|iiaes os carros de eonduccao c sepultu-
ras, quedevem ser prestados aos menciona-
dos religiosos, visto que, parerc conveniente
que os seus fnnerars e inhuniaccs srjo fei-
toj rom a'.dcccncia possivel, anelo o seu ca-
rcter sacerdotal, entretanto que so pode a
inunicipalidadc dispor para sciuelhanle liin
de carros de terceira ordem, c sepulturas com-
luuns: trnlio h declarar a sobredita cmara,
que posto a especie, de que se trata, nao estrja
prevista na le e regulamcnto respectivo sio
coin ludo mullo procedentes as raiOes indica-
das pela mesma cmara, para que se do aos
religiosos do convento de Samo Antonio se-
pulturas reservadas gralis.
> Drixo de resolver duvida proposta eni se-
gundo lugar, acerca dos carros que deverao
ser nrestados, por suppor que us religiosos
qnelram ames conducir hio os seus con-
ludes, caso em que se nSo verifica a hypo-
tlicse figurada. Palacio do governo de Per
ii ni i lu' ii .'i drjunb de iS.'il. I'jriur de tlli-
finaa cunara municipal d'esla cidade. Con-
form o secretario Interino..
Manoel Ferrtira Acciidi,
ti -J.B!ZrZl-_ -----aiuii.,...i.;. .-. ri>
Communicados.
Felizmente a insigne cantora, a Sra. Marin
Lauda, anda urna vei nos quiz dar o iuexpli-
cavel prazer de gozmios da sua argentina r
melodiosa voz ; anula urna ve/, nos quil con-
vencer da sublimidade do seu talento arlislico
al hoje nunca visto em Pernambuco.
No dia l leve lugar no lliealro de Apollo o
seu beneficio. Grande numero de espectado-
res abiillianloii e entre ellcs inultas pessoas
disticlas da provincia.
A estcnsio da sua VOS, a destreza coin que
a dirige c as diuiculJadcs que cxecula, como
senhora do canto e da msica, a tornain me-
recedora dos furos de primeira caulora abso-
luu al boje existente no Brasil.
Nao queremos por modo algiim offender a
susceptibilidade de algiima, ou de algumas
i una. cantoras, nao, oda urna dellas brilha e
encanta no sen genero ; mas a Sra. Lauda, a-
lm de ter un perfeito coiiliccimeiito das re-
, gras do canto, excede suberanameiile a quan-
tas cantoras tennis ouvido, niio s por 1er una
voz propiamente llieatral, como tambein pelo
eslylo, melhodo e destreza som que hbil e
quasi diviiiaincnle exceula todas as dilliculda
des por maiores que ellas sejam.
Nunca fomos a llespauha, e por isso nao ou-
. nn s os rouxinoesque ia raiitam ; seos i-
vessemos ouvido roniparariainos a ara. I.anda
a un rouxinol hespauhol, mas parece-nos que
Ma leinor de errar a podemos romparar ase-
gundo as ideas religiosas que temos) a um
verdadeiro Seraphim que entre nos existe des-
cantando soiis meldicos.
Km todo o lempo que durou o espectculo
os assislentes empregaiaiii a niais rigorosa a(-
ii ia. o'. A represenia9o dramalica foi salia-
farlOriamrnle desempenhada ludo einlim
concorreu para tornar magnifico o beneficio da
Sra. I.anda. 8r. Guimaraes no quinto acto
<: c loa-1 iniiiii.ii. O Sr. Coimbra estere adiui-
ravel, a execucao que deu parte que Ihe COU-
bc, esi a cima de lodo o louvor. A respeilo
porui da Sra, I). Mara Leopoldina nada dire-
mos, pulque I illa-nos mesmo expressoes para
tecermos o sen panegrico, basta la i lmente
pronunciar o sen nome para laier-sc-lhe o seu
uns pomposo elogio. O Sr. Vasco, airan de tcivj
uma figura esbelta e sympatlca, be um ver-
dadeiro bartono, cantou excelentemente e
nada deixou a desejar.
Una clrcumsl uicia oecorrcu no beneficio da
Sra. I anda, e foi o mi ter ella e o Sr. Vasco,
passado iienliuui dos bilheles ; desse traballin
riicarrrgaram-se pessoas de mrito, que is-
poiitaneainente se ullcrccerain para este fina.
Entre vivas e applaus s a Sra. Luida e ao
Sr. Vasco, findou o espectculo.
Ilcassimque o publico desta provincia cos-
tuma victoriar c acollier os artistas de verda-
deiro mrito,Como osiio a Sra. Lauda e o seu
illuslre consorte o Sr. Vasco.
Queiram os cos que, riles nunca se aparten)
de mis, e que coolinuein a dar-nos noiics iio
S;radaveis como a de (i, para completa lalis-
cao dos seus admiradores, e particular con-
ten la me n lo doJ us (cetro.
Na noitede 2S do crrente tcm de apreseu-
tar o Sr. Antonio Jos Duarte Loiiubia no
tliealro de S. Francisco um brillianlc especl-
culo em seu beneficio. A encolba do drama fui
exi lenle, nao s por ser um famoso drama,
como i ni 1..... por fazer a parte de Luizu a in-
signe e encantadora actriz a Sra. 1). Mara Leo-
poldina ; a de I arollna a Sra. I). Emilia, c a de
(astro o beneficiado o Sr. Coimbra. a Sra. l>.
Maria Leopoldina sempre solicita em coadju-
var os seus collegas artistas, nao pode resistir
aos rogos do beneficiado hontaudo-o coin a
sua presenca c subido ralluienlo. lie assim
quecosluinao fazer as pessoas de mereciinento
i- tlenlo como be a Sra. 1). Maria Leopoldina.
A Sr. Emilia estamos que deseinpenbari sa-
tisfactoriamente, como di'scmpeiiliou por selle
ou oilo vezes no lliealro de S. Izabel a parle de
Maria. Jovrm Aldraa no drama a Graca de
lieos. A Sra. Emilia a par da Sra. I). Maria Leo-
poldina abrilhaularo mais a cia de gloria
do Sr, Coimlira. f.onsla-nos que as Sras. 1), U.
Linda, Gandiani, IMoreaux, e o Sr. Vasco com-
pletarlo a magnificencia do beneficiado.
OSr. Coimbra a muilo que nos merece mul-
ta alientan pelos esforcos que sempre empiega
na exrrucao completa dos papris que Ihe vao
desiribuidos. Nao cunhecemos o Sr. Coimbra
mas do que presencialmente, nunca encontra-
mos as nossas palavras com as delle ; mas inul-
to folgainos que ojustojuizo que fazemos do
seu talento arlislico va de acord com a Opl-
do rrgiilro do titulo de pharmacis daqullc, c
sua validade,, e com cflcilo faz rir o modo por
que o Sr. Paranhos, depois de ter dito que se
acliava coberlo pelo direito, Jioje sedefende
prcvaleccndo-se, j nao desse direito, mas de
um abuso.
Desden priocipio diz o Sr. Moura qucoSr.
: i ni lio. nao tem carta de pharmacia, c este
nao sustenta que a lena ; mas pretende que um
alicatado de came fcilo peante a cmara mu-
nicipal de Jaguaribc he valioso, lano quaulo
urna carta, poique o governo imperial por mu
despacho assim considerou ; entretanto, se se
presta algunia attencao ao que allega, ve-sc
que elle s faz fngir da queslao principal, a
qual apresentada com clareza, lira toda a du-
vida que possa haver- O Sr. I'aranbos he um
desses aprendizes de pharmacia, que approvri-
tan lo-ee das disposicoc.i da carta de lei de .'10
de agosto de 1828, que extingui o proln mtilicii-
lo, se apresentaram a exame perante as cma-
ras ninnicipaes, e coui'efleito foi elle examina-
do perante a de Jaguai ibe, na Oahia ; mas pelo
que parece n;lo lirou carta dentro dos seisme-
zes prcscrlplos para isso. ilaixando porin a
lei de 3 de oululiro de lS.12 que organisou as
escolas de medicina do imperio c acabou coin
as fucilidadei das cmaras muuicipaes, oSr. Pa-
ranhos, sem duvida perseguido pelos ejecu-
tores dcssalei, pedio cmara de Jaguaribe a
carta de pharniacia por ter feito exame ante-
riorinente : mas ess'a cmara ; vista da citada
lei de 3 de outubro de i8-')2ia no poda pal-
lar cartas de exame, 'c por isso o Sr. Paranhos
leve de reccorrer ao governo imperial alini de
blcr a carta, o nual declarnu, naoque o cer-
lifieado de exame era lo valioso quanto acar-
ta, c sim que amara municipal de Jaguaribe
era que competa passar essa carta; o que
ia ella niio poda fazer vista da lei de 3 de ou-
tubro de l8'12, que passara essa allribuicao pa-
ra as escolas de medicina.
Nao podendo o Sr. Paranhos obler a carta ,
sem duvida porque niio a tiuha tirado dentro
do praso para isso estabelccido, e achando-se
munido do despacho dado pelo ininislro, co-
ni mi a sustentar que esse despacho equiva-
la carta de pharmacia, eilludiudo cen css.i
. nnii'iiiati as cmaras muuicipaes, que de
ordinario uao sao composlas das pessoas mais
illnslradas r versadas em malcras de* direito,
abriu botica na ra estrella do Rosario;mal
querendo a cmara municipal de Mi acabar
com taes abusos, eslabcleceu rui o art. I. do
titulo 2. de su.13 posturas, competentemente
approvadas, e sanecionadas -- que minguem jiu-
ilir abrir bviicti ou cata dirntriiyat um ler rarln
de pltarmaciti obtida de cunformidade com ai (til
r.Tislmlcs ; e vsla deste artigo das posturas, c
d,. I." do iiii-ino titulo, o Sr. Paranhos,que
nao tem carta de pharmacia, nao pode conti-
nuar a manipular, nem vender medicamentos
e drogas, porquanto a cmara nao deve mau-
llar registrar um certificado, qucnaohc cirt.i,
exigndo as sua posturas caria, e nao certifi-
cado. Vendo-se o Sr. Paranhos barrado por
este lado, e prevendo que por fin a cmara
municipal Ihe farS pplicaco das ilesposices
de suas posturas, que lia nao pode deixar de
execnlar, salvo se quer ser aecusada, procura
prcvalrcer-sc de disposicOes antigs, di/.endo
que as actuaes nao podem ler elleito relroac-
livo ; mas o Sr. Paranhos niio se lembrou que
isso nao se enlcndc com disposices muuici-
paes, pois que as cmaras podem confeccionar
posturas em que seja prohibida tal ou tal coli-
sa, rnlrrtinlo que antes as permitlia; lano
mais que isto que as posturas cxigeui no art
I, do tic. 2, mi he senao aquillo que a cmara
exiga em suas posturas anteriores, tendo-sc
lmente servido de termos explcitos para e-
vltar que fosse illudd.i, como at eolio liavia
sido, e ainda quer fazc lo o Sr. Paranhos prc-
valecendo-sc da mesma evasiva de que ou-
tr'ora servia-se. A cmara municipal exign-
do que o Sr. Paranhos registre o seu titulo uo
fas mal do que ciiiuprir suas posturas, e em
quinto u Sr. Paranhos nao se suunielter ao
que ellas prescrevem, nSo podera ter botica,
nem vender medicamentos e diogas; porquan-
to as posturas muuicipaes, de harmona com a
lei de 3 de oulubro de 1832, exigem o registro
da earin re pfcarmaria, e u Sr, Paranhos nao iciu
carta, nem a cmara municipal de Jaguaribe
Ih ,i pode dar vislo que j se passaraiu seis
niexes prescriplos para isso. Km una de suas
correspondencia! diz o Sr. Moura, que esse
mesmo alte>l'ido de exame, de que se serve o
Sr. Paranhos em guisa decela, nao se acha
registrado na cmara municipal, o que elle
prora com certida>aulhenticas;masuSr. Para-
nhos, em rcsposla uo faz mais du que appellar
para o teslemiinho particular de pessoas, que
oiitr'ora sei viaui de veriadores, como se isto
folie bstanle para firmar o seu direito. As
actas das cmaras muuicipaes ineiicionaiii os
seus trabadlos e todas as oceurreucias, sem
nem mesmo delxsreni de inenolonar os reque-
niiu nios que sao aireseutados cin sesso ; de
sorte que sao ellas a historia dessas cmaras.
Ora, se assim he. nao podendo deixar de pre-
ceder ao registro de qualqucr caria una peti-
cao, e nao podendo a cmara maiidar proceder I
ao registro sem que se proceda a certas forma-1
lidades, e sem que pioceda deliberaco sua lo- I
mada por volaco, o que s he pcrmellido!
em sesso, como pois nao existe acta, que!
mencione essas circunstancias ? Quero ad-i
inltir por nin momento que houve esqueci-
nenio da parle do secretario cm uien'.'iouar
essas oceurreucias ; mas sendo as actas lidase|
approvadas na sesso seguinte, he evidente i
que os vereadores, vendo que uessa acta eraui'
omlitldas tantas circumstanclas importantes,
nao poderiam deixar de fazer reclazziaces, ci
nem mesmo isto consta? Quero aindaadinit-
lir que os vereadores nao preslaram altenco
a leilura dessa acia, em que devla ser mencio-
nada sua deliberaco, pela qual liaba de ser
i : ..n.olo o titulo do Sr. Paranhos, e assigna-
raiu-na ; mas nao se deveudo cousiderar re-
gistrado qualqucr Ululo jraiio dcpoiide delibera.-
gao da imnii iii'nrioii'ida em arla, lindo feloo
registro em litro complenle, c nao se adiando
revestida de lodas estas formalidades o titulo
do Sr. Parauhos, he ainda evidente que leu
direito se acha prejudicado, cqueo Sr Para-
nhos est obligado a conformar-se s disposi-
ces muuicipaes, que exigen! que elle registre
sua carta, nico Ululo que pode a cmara, admittir,
i nao allcslado que nada lie, lauto mais que as
lecinado imperio, como fe o Sr. Jos Maria. K.scuna inglezt Raohatl dem.
Roncalves Ramos, aqual a vista de: suas habi-1 Hiato brasileiro -- Flor di Cururlpt- gene-
In H-iii's legaes o adminir a exame. ros do psiz.
Emllm, oSr. Paranhos, j nao tendo o quc| CONSULADO GERAL.
24:812,745
2:411,138
27:223,883
DIVERSAS PROVINCIAS.
Remlimenlo do dial a 25 1:544,221
Mein iln da 26........ 522,855
2:067,079
allegar, porque nao se pode sonhlsmar ao ln-| nondmentO do dia 1 a 25
(mito, pretende que a conitituicao permitle ofi
todo o genero de trabalho, assim como a li-
vre concurrencia; e d'ahl dcdui que tem o di
relio de exercer a pharinaoia. que sem duvida
elle concidera como uma espeeulacao ou in-
dustria ; mal o Sr. Paranhos nao se lembrou
que eitaqucitao j.i foi agitada, c se acha ex-
plicada pelo governo imperial cm avilo de 9 de
dezembro de 184-1.
A villa poii do que se ha dito e fiea demos
Irado: 1. que o Sr. Paranhos nao tem carta
de i' o iii-i. m, porque em tempo a nao pedio
cmara municipal de Jaguaribe; 2._quc leu
atleslado. rom quanto verdadeiro, nao equi-
vale a carta, poii que, le assim folie, Intil se-
ria exigir-se carta: 3 o que o governo impe-
rial, diiendo que a cmara municipal de Ja-
guaribe era competente para paliar a carta,
nem reconheceu a equivalencia do altestado
de exeme carta, nem ordenou a esta cmara
que paisasse caria; vino que jento exiltia
a lei de 3 de outubro de J832, que dava esta
allribuicao i eicolai de medecina, e o praso
concedido s cmaras niunicipaes para passar
laei cartai lioha expirado : 4. que nao exii-
tindo acta que prove que a cmara munici-
pal do Itecife mandara registrar o titulo do Sr.
Paranhos, e at nem haveudo registro em livro
compeleute, nao se deve julgar legalmente
registrado esse tilulo, s porque nellc nem
lancao uma referencia a um registro, que se-
gundo os documentos apresentados pelo Sr.
Moura parece imaginario, nao sendo permit-
lido ad ni i II i r cm taes casos o- testcmunho par-
ticular de pessoas que j nao etercem func-
cci municipars ; Si* que. se houve omisiao
em ini-iii i'in n -se na acta a resoluco da c-
mara, nao pode luprir essa lacuna o leste-
iiiuuho de pessoas que j no pertcncem c-
mara ; oque, se fosse admltlido, constituira
inclain oroso abuso, que cm muitas crcuius-
ncias p odia ser aproveitado, c equivaleria a
ina deli beracao da cmara, que s pode ser
ornada em sesso j 0. que eslabclccendo ai
posturai muuicipaes |que uingucn possa abrir
botica ou casa de drogas, nem manipular re-
medios sem licenca da cmara c sem que te-
nha carta de pharmacia registrada competen-
temente (poit. art l do tit. I."), nem vender
medicamentos ou drogas dequalquer naturesa
sem que Icnlia carta de pharniacia e se acbe
competentemente habilitado (poit art. lOido
.o. -M til.), o Sr. Parauhos, que nao tem car-
ia, nao pode coulinuar a ter botica, manipu-
lar remedios nem vender medicamento! c dro-
gas sem que aprsente o registro do titulo va-
lioso, que nao pode ser seno a carta de phar-
macia ; 7." que exigindo as posturas a carta de
pharmacia, e mi reconhecendo a lei de 3 de
outubro de 1832 habilitados senao aquellei que
tem carias, a cmara municipal uo pode
mandar registrar alienados de exame; e 8.*
finalmente, que tendo a cmara noticiai dei-
sas o currencias deve exigir o registro da car-
ta, e f da rarli, pois que a lei supracilada e
suas posturas nao reconheccn outro titulo.
Espera pois qualqucr deliberaco a respeilo.
L'm pharmacenl ico
relo, 2i de maio de lH.rn. 0 directorgeral in-
terino, Jos Mara Lopes da,Coila. lllm. Sr.
administrador do correiode Pernambuco.
EtRKTO N. 787 DE 16 DE MAIO DE 1851.
Regula o modo porque as administracei e
agencia! do corrcio le deve proceder quei-
ma das cartai atrazada para evitar, a perda
dos valores e documentoi que ellas encer-
rem.
Podendo acontecer que entre ai cartai retar-
dada! as administra toes c agencias docorreio
a cuja queima tenha de proceder-se na confor-
mid.ide do disposto no artigo 138 do regula-
uenton. 399 de 21 de dezembro de ISI4. algu-
mas bajara que contenham valores ou docu-
mentos que inleresiem nao s s pesioas por
quem ou a quem forem ai meimas cartai diri-
gidas, mas ainda a lerceiros ou a seus berdei-
roi; econvlndo obviar a perda de taes valores
e documentos: hei por bem que d'ora em dian-
te em todas as administraces e agencias do
c'orreio se observe no proceiio da queima das
oartas atrazadas o regulamento que com este
baia asiignado pelo visconde de Mont'Alcgre,
couselhciro de estado, presidente do conselho
dfe ininlitroi, minlitro e secretario de estado
dos negocios do imperio, que assim o tenha
entendido e faca execnlar.
Palacio do Rio de Janeiro em 15 de malo de
1851, trigsimo da independencia edo imperio.
Coin a rubrica de S. M. o Imperador. Fi-
condl de Monl'Aleqre.
Conforme. Jos de Paivi Hagnlkis Calve!.
Conformen Mo impedimento do ofQcial-
inaior, Antonio Joaquim Utitot.
MBOVmWMfo a qu se Ttffc o decreto desta.'
data, sobre o modo porque nos adminhtra-
fo'e e agencias do comi is deve proceder
queima das cartas atrazadas. para evitar
a perda dos valores i documentos que ellas
encerrem
Art. I. As cartai que tem de ser que imadas
em virtude da disposicao do artigo i38 do re-
gulamento de 21 de dezembro de 1844 sero
antes abertal para o fin uniso de ie verificar,
le dentro dellas existem valores, ttulos ou do-
cumentos quaesquer que a alguem possam in-
teressar.
Art. 2. Os ttulos ou documantos adiados se-
ro recolhidos em lugar conveniente, depois
de laucados e descriplos em livro para ene
liin destinado, com declaracao de sua nature-
sa, nome da pessoa que ai enviava, e a quem,
lugar d'onde vlnham, e para onde iam. A car-
ta que os acompanhar, depois de sabido e es-
crlpto no lobicripto o nome da pessoa que a
aislgnou, sera (inmediatamente fechada com
obrea e lacre, e guardada com os documentos
respectivos.
Art. 3 Os valore sero igualmente deicrip-
llin rrand'n ftul -- hriizue hrasileirn Fe- tose lanzados em receita, e entraro no cofre
ll,??^f,lfU.L,M^rio A mlu do corwto- A =" ->ue. os acompanhar, de-
Despachos martimos do dia 25.
Rio Gran ie do Sul, patacho nacional Fn-
te e nove de Sttembro ( antesAttifo ) i de 125
tnnelladas, conduz o seguinte : 14caixas
e 6 fardos fa7endas, 7f5 barricas com 5,088
arrobas e 22 libras de assucsr, 1 races com 4
arrobas e 4 libras dealgodSo, 100 molbos
com 1,000 peles de cabra, 3 pranxes de a-
marello.
dem do dia 26.
Ruceo, barca portugueza mozonas, de
216 toiiellailns, conduz o seguinte: 185
barricas e 50 barriquinlias cum 635 arrobas
e 8 libras deassucar.
Santa Catbarina, patacho brasileiro Vova
Luz, de 131 tonelladis, conduz o seguinte:--
s, gigos com 90 duzias de casies de cliicira
brancas, 157 Juzias de cucos de beber agoa,
18 csixotes com 126 libras de doce de gola-
bs, 10 caixascom 10 arrobis de velas de
carnauba, 550 barricas,r100 meias ditas, 20
barriquinhas e 20 latas cora 4,791 arrobas e
27 librss de assucar.
Buenos Ayres, barca portugueza Amazo-
nas, de 216 tnnelladas, conduz o seguinte:-
925 barricas e 251 barriquinhas com 8,476
arrobas e 9 libras de assucar.
Canil, brlgue inglez Elisa Bain, de 373
tonelladas, conduz o seguinte : --5,250 sac-
ras com 26,250 arrobas de assucar.
RECEBEliORIA DE RENDAS l.KHAKS
INTERNAS.
Itendimento do dia 29.....1:089,585
CONSULADO PROVINCIAL.
Ilem do da 26.......3:999,207
Movimento do porto.
Por inultos afazere nao tem lido publicado
ha mais lempo esta correspondencia, que a
milito existe em nono puder
Ojffl
i
nio das pessoas entendidas edo publico nn posturas, explcitas ueste ponto, failam posili-
geral.quco applande lodas as vezes que ell
aparece em scena coin as demonslraces mais
Kignicalivas de estima e apreco. Se o Sr. Co-
imbra uo he urna sutnidade na arte dramtica
mas bem se Ihe pode dar o nome de bou
va me n le de carta de pharmacia, que o Sr. Pa-
rauhos uo tem, nem pode ter sem subiuellcr-
se a etame peante algumadas escolas de me-
dicina do imperio.
O Sr. Parauhos, ainda sopbismando, diz que
actor, e parles ha em {que elle he mesmo ine- Alvai de 22 de Janeiro de 1810 em seu 20
mltavel. Haja visla, alm de outras, aparte declara que o atleslado de exame he tilulo le-
gal c disso laz una applicaco ao caso, a iju
essa disposlcfio ucnhuiiia applicacuo tem, de-
pois que uuiras disposices legislativas foraui
postas em vigor. A cmara municipal do ite-
cile uo pode permillir o exercicio de phar-
inacia senao quelles que apresenlarem ao
registro suas carias : as posturas niunicipaes
nao lallo cm atleslados, ueui podiam nelles
tallar, porque deveudo estar em liarmuniacoui
a lei de 3 de outubro de 1M32, e uo dando es-
la lei a laculdade de exercer a phaniacia se-
no quelles que icui carta, uo deviam ad-
inittir atleslados.
.Nao duvido que o Sr. Paranhos tenha feilo
exame perante a cmara de Jaguaribe, e poda
i ter lido una carta, por quanto neisa poca
i cartas foiao comedidas a todoi que se apre-
leutaram a exame; mas nao iirandu-a dentro
I dos seis metes prelinos, c gao podendo esia
[ cmara dar-lhc agora seno com aniedala, u
______. que he dellicil avista de um docuuieulo que
Truho lido com todo o cuidado a polmica [existe, he evidente que o direilo do Sr. Para-
que tem bavido entre o Sr. Jos da Rocha Pa-julios se acha prejudicado, e so Ihe resta lugei-
laiihoieo Sr. Manuel tliai de Moura, acerca lar-sc a exainc perante urna das escolas de ine-
de Joo Golbier as memorias do diabo, que
elle a desempenha perfeilamcule. I\cssa dilli-
ciillosissima parte, he forcoso confessar, o Sr.
Coimbra uo encontra rival que se abalance
a compelir-lhea primasia.
Mnguein nos laxe de hyperbolieos, ou de
rxcrssivos, nao, porque se nao houvesse um
fundo de verdade no que diseiuos a respeilo do
Sr. Coimbra, por certo que nao o deriamos
para nao los expor no risco de serillos con-
trariados. O que a este icspeilo julgamos e
seu i unos can:lniii o -en|c, e ojulga o publico
que o applaude.
Posio estas toscas liuhas alcancar do pu-
blico a sua poderosa proteco em favor do Sr.
Coimbra.
* ?
CoricspondeiK.ia.
Publcaos o a pedido.
Dtm Pedro, por graca de Dos e unamime accla~
macao dos poras. Imperador constitucional e de-
fensor perpetuo do Itrasil:
Paco saber aos que esta minha caria vlrein,
un n leudo ao que Me represenlou Arsenio
Fortnalo da Silva, pediudo previlegio por
vi ule anuos para iutroduzir guindastes e car-
ros, segundo os modelos que aprsenla; os
quaes em parte inventara, e em parte aper-
feicora; c para fazer por meio doi meamoi,
a desea i a.i dos gneros para a alfandega de
Pernambuco, e luaconduco paraos armazeni
do! particulares: Motive por bem, coi forman
do-me com o parecer da teceo dos negocio!
do imperio do concelho de estado, conceder,
por decreto numero 788 de 15 do corrente inez,
ao dito Arsenio Fortnalo da Silva, o previ-
legio exclusivo pelo lempo que requer; to
smente na parte relativa ao fabrico e uzo
d'aquelles carros e guindastes, afim de que s
elle os possa fabricar c uzar, ficandn por isso
no goso das garantas; em couformidade da
earta de le de 2S de agosto de 1830. E por
firmeza de ludo Ihe mandei passar a presente,
por mi tu asslgnada, c |sellada com o sello das
armas imperiaes. Pagou 200,000 sr. de direi-
los de x-mi ell o ia como consta do respectivo
conheciiuenlo em forma.
Dada no palacio do Rio de Janeiro em 21 de
maio de 1851, trigsimo da independencia
do imperio. Cum a rubrica de S. M. I. Vis-
conde de Mont'alegre cumpra-se c rcgislre-se.
Palacio do governo de Pernambuco 2'ideju
nho de 1851. Y. Oliveira.
Em couformidade da caria de Privilegio ei-
i Misiva, parlicipa o previlegiado, que ter
principio o dilo previlegio, no I." Je julho do
correte anuo, para acabar em 1872, cdeiejan-
do facilitar as condueces n'esla cidade tanto
quanto for possivel participa que nao s ven-
do com aluga carros, para o diloeffeilo, para o
que dar licenca todos que o tiverem pre-
cedeudo a matricula, e nuineraco, emenden-
do-ie com o mesmo na arcada d'alfaodega
onde se achara todos os dias, nao podendo
girar algum dos ditos carros na cidade sem a
sua liri'm i licando sugeilo a multa imposta
pelo governo todo o que se encontrar sem
a dita la ni, i, e numeracao eitabelecida.
Heparligo da Polica.
Navio saliido no dia 26.
Je do Sul brigue brasi
toa, capitn JoseMonteiro deAlmeida,
carga assucar.
Navio sahido no dia 27.
Baha Hiatc brasileiro Amelia, mestre Joa-
quim Joi da Silveira, carga azeile de carra-
pato c mais gneros.
Canal Krigu'e inglez Alisa i'iain, capitao Ar-
elie Steel, carga assucar
liuenos-Ayres Barca portugueza Amaiunai,
capitn N. Repett, carga assucar.
New-York Raica inglesa Creamore, capitao
T. Kempe, carga guano e couros.
EDITAL.
l'ARIi: 1)0 DIA 18 l)E JU.NHO.
Foram prenos : a ordem do subdelegado da
fregueiia de San Frei Pedro Goncalvcs do Rc-
cife, o manijo inglez Guilherme Cook. por em-
briaguez e o escravo Antonio, por ci une de
ferimento! : a ordem do subdelegado da Ire-
guezia de San Jos, o prelo Anaslacio, para
averigoacoi's policiaca ; c a do subdelegado da
freguesia da Boa Visla, Maria Francisca, por
desobediencia.
dem do dia 20.
Foram presos: a ordem do chefe de polica
interino, a prela forra Coima, por intuitos ; a
ordem do delegado do primeiro dislriclo deste
lermo, Mamo i Fulgencio, o escravo Luiz, pa-
ra averiguaces policiaes e o creouio Manoel
Andr, por criine de ferimentos graves feiloi
em dous individuos no lugar da Capunga;
ordem do lubdclegado -da fregueza de San
Frei Pedro f.oncalves do Recife, a preta Uuibe-
lina, sem declaracao do motivo, e o Francs Pe-
dro Alaim, paia averiguaces policiaes; a or-
dem do|subdelrgado da freguezia de Santo An-
tonio, o escravo Eleuterio, sem declaracao do
motivo; e a do subdelegado da freguezia da
Varzea, Joo Gomes c Luizde Souza, para ave-
riguaces policiaes.

lEIICK
aLIAMIEA.
Bendimentu.lo dia 26.....18:241,036
Descarregam hoje 2S de junho.
Barca portuguoza -- Ligeira mercaduras.
Barca portugueza 5. Crus idem.
iiri(uo fraucez Cezar idem.
Lisia dos cidados qualificados pela junta re-
visora, para seren jurado! ueile correte
anno.
Uenio Joi Fcrnandei Barros, Belarmino
dos Santos Bolco, Barlboloineu Francisco de
Souza, llraz Florentino Henriqucs de Sonza,
Kernardioo de Sena e Souza, Bernardo (,'ar.lo-
zo Aires, bernardo Fernanites Vianna. der-
nardo Jos Lopes, Bernardo da Cunha Teixel-
ra, Bernardo Antonio de Miranda, Bruno An-
tonio de Serpa Brando, Haro de Capibaribe,
pois do processo do artigo antecedente, ser
recothlda e guardada convenientemente.
Art. 4. Os valores, ttulos e documentos se-
ro entregues com as cartas respectivas s pes-
soas que mostraren! ser as inennai que os di-
rigirn! ou a quem foram dirigido!, ou quem
legalmente as represente.
Arl. 5. Quando houverem de ser restituidos
valores, os administradores dos crrelos tira-
rao da caisa e laucarao em despesa a quantia
necessaria.
Art 6. Para obterera o levantamento de taes
objectos requererao asparles aoi administra-
dores, os quaes porin, se pelo regulamento e
documentos se nao julgarein habilitados para
deferir, poderao mandar as partea que proce-
dain s necenariai justlficacdes no (ulzo dos
feitos da fazenda com audiencia do procurador
dos feilos dell.i.
Art. 7. Ojuizo dos feitos da fazendr proce-
der em taei justlficacdes como em todas as
mais em que a lazenda he interessada.
Art. 8. A abertura ser felfa na corte em pre-
seoca do administrador e thesouretro, e um
empregado da contadorla, que far a escriptu-
raco necessaria, e as provincias em preien-
on.oue oi-rpa Draiiuao, '^ dos administradores e seus ajudantes, que
llernvdino Jos Monteiro, nernardo Jos Mar- f,r5ll .rninrr-io
lins Pereira, benlo Jo. da Co.ta. coronel lien- f*AVt 9?T.Pcortc9 o .dmlnl.lrrfor do crrelo
to JoieI.ame.iho I.in. Bernardo jjy da Ca- alicil)aco convidar por eseripto a com-
niara, Ben# dos Santos Ramos, liento tfan-
deira de Mello, Bernardo Damio Franco, Ga-
etauo Pinto de Veras, Claudino do Reg Lima,
Cctano de Souia Pereira de Brito, Carlos Au-
guito d'Araujo, Dr. Cipriano Fenilon Guedes
Alcanforado, Dr. Candido Autram da Malta e
Alb uquerqur, Claudino Benicio alachado, Dr
Caelano Maria Lopes Gama, (aciano Clriaco
da Coila Moreira, Caetano da Coila Morelra
Candido Thomaz Pereira Dutra, Candido Jos
Lisboa, Dr. Coime de S Pereira, Custodio J-
le Alees, Christovo Santiago d'Oliveira, Cons-
tancio da Silva Neves, Coime dai Treva Te-
xelra, Coriolano Silveira do Ainaral, Dr. Chris-
tovo Xavier Lopes, Cuitodio Manoel Gonsal-
ves, i aciano Auielino de Carvallio Couto,
Clorindo Ferreira Clao, CandMo Joi de Sa-
les, Dr. i 'anana Xavier Pereira de Brito, Dr.
Candido Casado Lima, Carlos Marlini de Al-
enla, Dr. Clementino Jote Ferreira da Coila,
Carlos Jos Gomei d'Oliveira, Chriitovo d'Oli-
veira Cavalcante, Caetano Comea de S, Car-
io! Joao de Souza Correia, CbristovSo Guilher-
me Brechenfald, Domingos Jos Soares, Do-
mingos Jos Marques, Domingos Allonso Mery
Ferreira, Domingos da Silva Guimares, Do-
mingos llcnriqus M.iiV.i, Domingos Antonio
de Siqueira, Domingos d'Aiercdo Coullnho,
Domingos dos Passos Miranda, Domingos Jo-
s da Costa, Domingos das Neves Teixeira Bas-
tos, Domingos Malaquias d'Aguiar Pires Fer-
reira, Delfino Gonsalves Pereira Lima, Dr. Do-
mingos de Souza Leo, Eduardo da Costa Oli-
veira, Emilio Xavier Sobreira de Mello, Dr.
Eg idio lien riques da Silva. Elias Ignacio d'Oli-
veira, Eduardo Fumino da Silva, Euzebio de
Paula Pinto, Francisco Manoel da Cruz Couto.
Francisco de Paula e Silva, capilam Francico
Camello Penoa de Lcenla, Franciieo Alexan-
drino de Vasconcelas Callara, Francisco da
Silva MunizLeal, Franciieo Martini de Lcmoi,
Franciieo Joi Raposo, Franciieo Pereira
Vianna,Faustino Jos dos Sanios, coronel Fran-
cisco Jacinto Pereira, Franciieo Manoel lle-
ranger, Franciieo Jos doi Sanios, Franciieo
de Paula alachado, coronel F'ranciico Joaquim
Pereira Lobo, Franciieo Rodrignes da Crui,
Francisco Jos d'Uliveira, Francisco Ignacio
de Torres Bandeira, Francisco Antonio Cous-
leiro e Silva, Dr. Franciieo Carlos brando,
Francisco Ludgerio da Paz, Flix Venancio de
Canlalice, Francisco Antonio Alvcs Mascare-
nhai, Franciieo de Miranda Leal Seve, Fran-
cisco Joaquim Cardezo, Dr. Franciieo Pereira
Freir, Felippe Menua Callado da Fomeca, Br.
Florencio da Silveira l avacante d'Albuquer-
que, Flix Francisco de Souza Magalhei.
( 6'onlinuur-te-ha.)
com anticipaco convidara por escripti
misso da praca do commerclo para nomear
um ou dousdoi leui meinbroi que aiiiitam a
abertura das cartas. as provincias o admi-
nistrador amuin ciar pelo! jornaei com ante-
cedeacla o dia em que deve proceder a ene ac-
to, e convidar doui dos negociantes mais con-
ceituados para asiiitirem.
Art. 10. A abertura ter lugar em urna das
alas do crrelo, e ser fcita pelos empregados
que OS adniinistr lililes desii;n irein.
Art. 11. Far-ie-hao repetidos annunclos de-
clarando a naturesa dos documentse os valo-
res achadoi, e os nomes das pessoas que os di-
rigirain c a quem foram dirigidos.
Art 12. Nao comparecendo os intereisados
um anno depois da abertura as cartas serio
queimadas, eoi tituloi e documento! recolhi-
dos no archivo publico. O valores rao para
o theiouro nacional.
Art. 13. Estas disposicoei comprehendem ai
cartai que forem abertal em virtude do artigo
147 do regulamento de 27 de setembro de 1849,
e passarem clane de atraiada conforme o ar-
tigo 148 do mesmo regulamento.
Palacio do Rio de Janeiro, em 15 de maio de
1851. Visconile de Mont'Alcgre.
Conforme. JW di faino Maqalhac Cahtt.
I. mlii me. No impedimento do offickal-
ni a lu-, Antonio oaauim Ueitor.
Real companhia dos paquetes ingleses a rapar.
Um doi vapores pode rozos des-
ta companbia deve aqu ebegar
no dial at2dejulbt> proxl-
_ mo da la viagem de Inglater-
ra para o portoi do Sul, oiSn. que pretende-
rem panagem para qualquer doi portos em
que o mesmo tenha de tocar, deverao tractar
antecipadamente em casa da respectiva agen-
cia ra do Trapixe n. 42. Adverte-se que pa-
ra coinmodo doi panageiros o cominandaute
deite vapor tem ordens para fundiar bem
perto. __________
Declarajoes.
Pela administrado do correio desta cidade
se faz publico para conhecimenlo de quem
convicr o regulaineuto abaixo tramcripto.
Correio de Pernambuco, 16 de junho de
185i.
O administrador,
Antonio los Gomes do Correio,
CIRCULAR.
Inclua! remello a V. S. a copla do decreto
n, 787 de 15 do corrente, e a do regulamento a
elle annexo da mesma data, que determina o
modo porque as administraces e agencias do
correio ie deve proceder queima dai cartai
atrazadas, para evitar a perda dos valores e
documentos que ellas encerrem; as quaes me
foram remettidas com aviso de 19 do mesmo
Theatro de San-Francisco.
HOJE, 28 DE JU.NHO DE 1851.
Crande espectculo lyrico, dramtico e
ilaii, a beneficio do actor
Antonio Jos Duarte Coimbra.
Consagrado ao Ilustre publico desta he-
roica provincia.
Uepois de executada uma excellenle ou-
vertura da esculla do insigne professor Sr.
Orestes, director da orchestra, representar-
se-ha o famoso-drama em dous actos, que
tem pur tilulo
A Engaitada.
l'ersonagens.
Castro, Antonio Jos Duarte Coimbra.
Commendador, o Sr. Raymundo Jos de
Araujo.
Ernesto, o Sr. JoSo Tedies.
I). Luiza, a Sra. D. Maria Leopoldina ( por
especial favor.)
Carolina, a Sra. i). Emilia Valonea ( por es-
pecial favor.)
Um criado.
Criados.
Findo o primeiro acto a Sra. D. Augusta
Can liani, em obsequio ao beneOciado cn-
tala a mimosa aria do Barbeiro de Sevilha
do maestro Roccini.
A pedido de muitas pessoas Maria Landi,
mez, afim de V. S. dar-lhe cumplimento na em luBar de cautar o duelo del Collumel,
parte que Ihe pertence. cantan as muito applaudidas wiacesdel
eo guarde a V.S. Directora geral do cor- maestro Selvira.


!
'
.nr.sar--
A Sra. Morcan, por favor ao beneficiado
ejecutar um IfnJo passo.
Km seguimento a Sra. D. Augusta Candi-
nicantir adulsissima aria, que tem por
titulo
A leninrnncn lo piimetro amor,
do maestro Verito.
Seguir-se-ha a jocosa comedia em um
acto,
JUDAS EM SADBADO DE ALLELUIA.
Fazendo a parte de cabo Jos Pimenta, o
actor o Sr. Rsymundo Jos de Araujo, qoe
no lim, a pedido de muitas nessoas e por a-
inisad especial ao beneficiado cantar a
jnuito applaudida eengracada polka.
A pedido de muitas pessoas e em obse-
quio ao beneficiado a Sra. Candiani cantara
modinha hrasi'cira
ADOREIUMA ALMA IMPURA.
Com este espectculo espera o beneficia-
do entreter saltatoriamente o publico em
peral, a quem respeitosa e particularmente
dedica o seu beneficio, e conta receber del-
)e a proleccHo de que tanto necessita, aug-
mentando mais a aua firme es pe ranea por
ser esta a vez primeira, que o beneficiado a
implora.
O beneficiado solemnemente tributa um
voto de gratidSo as Sras. DD.Candiani, Lan-
da, Moreau, Maria Leopoldina, Emilia Va-
lenca, aoSr. Vasco e a todos osseuscom-
panheiroa do scena a promptidSo e benevo-
lencia com que aepresiaram em coadjuva-
lo, e Ibes assegura um eterno recooheci-
mento.
Os bilbetes acham-se a venda, na ra dos
Quarteis n. 9, confronte ao quartel de po-
lica.
Principiar achegada do Exm.-Sr. presi-
dente da provincia. ____
Avisos martimos.
- Vende-se urna lancha nova, que pe-
ga de trinta a quarenta barricas, a aqual
se acha em perfeitissimo estado, bem co-
mo tres boles novo, ludo por pre^o com-
modo : na ra do Vigario, n. II, primeiro
andar.
Para o Rio Grande do Sut seguir muito
breve a sumaca Firmeza, nova e de boa mar-
cha recebe carga a frete e passageiros i trata-
se cora oa consignatarios na ra da Cadeia do
Becife armasen n. 12.
= Para o Rio de Janeiro sahe em pnucos
dias a bem .conheclda escuna Maria Firmina,
forrada e pregada .de cobre, capito Joo ber-
nardo da Rosa, por ter a inaior parte do aeu
carregamento prompto : quem na mesma an-
da quizer carregar ou Ir de passagem, bem
como embarcar eacravos, entenda-se com o
inesmo capitao, ou com o consignatario Luiz
Jos de S Araujo, ra da Cruz n. 33
Para Lisboa pertende sahlr impreteri-
velmente do dia 2 dejulho o brigue portu-
gus .Yin-' Vmctdor por ter a inaior parte da
carga prompta quem no meamo quiser carre-
gar ou ir de passagem para o que Acrece oa
liielhorea commodos trata-se com oa consig-
natarios T. d'Aquino gonseca & filho na ra do
Vigario n. 19, primeiro andar ou com o capi-
tao na praca do Commcrcio.
A barca portugueza Sania Ou:, sabe pa-
ra o Porto at 10 dejulho prximo, por ter
prompta grande parte de seu carregamento,
ainda recebe alguma carga a frele e passagei-
ros, para o que tem asseados c grandes com-
modos : a tratar com Francisco Alves da Cu-
aba Companhia, na ra do Vigario n. II
primeiro andar, ou com o capitao da mesma
una Manoel Francisco Nogueira.
Para o tracaly sahe einpreterivelinente
no dia l2 de julho o hiate Flor deCuruript por
ter quasi a carga prompta quem n'elie quiser
carregar ou ir de passagem dirija-se a ra da
Cadeia do Recife n. 48\
Para o Aracati sahe no dia 10 de julho
a soinaca Carila da qual he ineslre e pratico
Antonio Jos Vianna por ter amaior parte da
carga prompta; para o resto da carga e passa-
geiros trata-se com o meatre pixe do algodo, e com o consignatario da
mesma Luiz Jos de S Araujo ua ra da Cruz
du Recife n. 33.
' ii l i i-'i i II ii i II II
Le loes.
-- JoSo Keller & Compahbia farSo leilSo,
por" inlerveucflo do corretor Oliveira, de
grande vsriedadede fazendas, para ultimar
cuntas : segunda feira 30 do corrente, as
10horas da mauhSs, no seu irma/em, ra
da Cruz.
Augusto G. de Abreu far
leilSo, ror'intervencSo do coi-reto
Oliveira, de grande variedode de
fazendas inglezas, todas de le :
lioje, 28 do corrente, as 10 horas
da manhaa, no seu armazem, ra
da Cadeia. ,
Avisos diversos.
Esta typographia necessita da Presse,
jornal frunce/, de 13 ao lim dedezembro
de 1850, por compra, ou porqualquer mo-
do, quem a tiver far muilo favor de a ceder.
Ao publico.
Do l."de julho ao ultimo de agosto prxi-
mo sero as carnea verdes vendidas a 2,400 a
arroba noa asouguea estabelecidos, ra da
Guia do Recite, pateo do Paraizo, Rlbeira de
S, Joa, Cinco Pontaa, ribeira da Boa-Vista,
Caa Forte, Crua d'Almas, e ra Direita do
Afogado.
Hotel coi unir icio
Ba da Cadeia di S. Antonio n. 13.
Veste eatabelecimento se acha um ptimo
cosinheiro, e por lito est habilitado a bem
servir oa fregueses; as pessoas que qulzerem
comedorias por assigaatura mensal, serao bem
aervidos tanto em preco como em limpesa, su-
jeilando-ae conforme o ajuste a mandar-se
por preto da casa : lambem ae preparara pre-
suntos para Hambre, e toda e qualquer enco-
tnenda propria d'estes eatabeleciraenlos.
Seguoda-felra 3o do corrente a 10 horas
da manba aera arrematada judicialmente a
taberna da ra Direita n. 36 que girava aob
a firma Francisco do Prado & C. a requerl-
mento de Vicente Ferrelra da (.osla, e oulroa
credores da meama firma, pelojuito da 2.' vara
do commercioeacrivo Kaptista. A locali-
dade he muito boa, nao tem alcaides, o preco
do aluguer he barato, cora cmodos para rao-
rada*nos fundos da mesma, cacimba com boa
agua, e se acha avahada por um cont e tamos
nil ria sendo a arremalacao imprelerivelmen-
te feita no dia annuneiado pelo maior pceo
que ae achar e no lugar da meama taberna.
Aluga-se um preto 01050, liel, esperto
e liabel, para todo o servico : na ra Direi-
ta n. 34, segundo andar.
O bacharel Pedro Gaudianno de Rales
e Silva, pioboe-se a advogar, e tem lecido aeu escriptorio, na ra Direita, se-
gundo andar do sobrado 11. 88, onde o de-
ven) procurar das 7 as 9 horas e das 3 o meia
as 6 da Urde.
D. Joanna Francisca de Menezes, quo-
rendo comprar urna casa torrea na ra de S.
Francisco n. 9, do berdeiro do fallecido pa-
dre Joaquim Jos Barrete, Antonio Pereira
ila Silva Santiago; por isso faz ver ao pu-
blico, ou a quem convier, que tenha alguma
transacco, ou bypotheca, dirija-se a ra do
Vigario n. 14, no praso de 3 dias, contados
da data desto.
Preci/.a-se de um hornera solteiro que
esteja as circunstancias de ser feitor de um
ngenho na comarca de Goianna ; a quem con-
vier entenda-sc com S Araujo ra da Cruz
n.33.
No dia 24 do corrente fugio do sitio n.
18 em Rem-Fica ou Magdalena o preto Igna-
cio crioulo. idade 30 anuos, cambado das per-
nas, mos foveiras, diz ser filho da Laga, dcs-
trlcto da Parahiba do Norte pede-se a qual-
quer capitao de campo que o prenda e leve
no Husmo sitio, ou ao lado do Corpo Santo n.
25 no Recife.
Na ra se deseja saber se he vivo, onde mora um
rapazinho de nomo Damio, filho de Ange-
la de tal, e neto do velho Antonio Lopes
Mangaba, da cidade do Natal, o qual rapa-
zinho ainda ha poneos annos aprendia o of-
ficio de marcineiro, em urna oulcina desta
cidade.
^ Wftr^lBWP('JHJ SPWStf f'fi*":^i?:c'":
ss Percisa-se alugar para una casa estran-
gelra de pouca familia, uina prcta engomma-
deira, e que emenda peifeilamcnte do seu
oilicio, prefere-se captiva, e precisa-se com
urgencia a tractar ua ra do Trapixe n. 3.
as No dia 28 do coVrente mez pelo juizo mu-
nicipal na 2,1 vara ter lugar a ultima praca,
para ser arrematado depois d'audlencia em
acta publica um sitio de trras para plantar,
com casa de sobrado, estribarla para 4 caval-
los, uina grande olaria com forno e barro pa-
ra fazer telba e lijlo, casa para trabalhadores,
islo com alguma ruina, 2 viveiros de criar pei-
xe, centoe tanto ps de coqueiroa: no lugar
dos Afogados denominado curtume, por exc-
cuco de Luiza Thexcira de Lima, contra Joa-
quim Crrela d'Araujo(escrivao Molla.)
Furlaram de bordo da barca Coneii(/o de
Maria que eslava fundiada ao p do caes da
Ribeira, todo massame, 5 encerados, vela
grande, outra pequea, urna bocha de cobre,
um aparclho com cabo de liuho e mais dous
cabos da escola, e do servico da mesma bar-
caca ; quem de lal robo tiver noticia participe
a Josi : lygino de Miranda que gratificar ge-
nerosamente,
= Arreuda-se ura grande sitio com muilo
boa casa de vlvenda com 11 quartos duas gran-
des sallas, cozlnha, banho tnuito perlo, pdco
d'agoa de beber, bom lugal por ser perto da
praca, ao p de Sr. Francisco d'Oliveira : a 1 rie-
lar na ruada Praia sobrado n. 55.
Madamt- D'alairac, retira-so para fora do
imperio.
Quem precisar de nina ama, para casa
deboinem solteiro, ou de pouca familia, diri-
ga-se a ra de lionas n. 72.
Imposto de 5oo rs.
Por cabeca de gado, que for consumido no
municipio do Recife, o arrematante vende as
freguezias de Jaboalo, Muribeca, Varzia, e S.
Lourenco, juntos, ou devidios os preten-
dentes dirijao-se cora as habilitares neces-
sarias, ra de Santa Rila, sobrado u. 85.
Os Srs. que ficaram de fiadores da Sra,
Perpetua Thoraazia Felic'dade, e Maria Joa-
quina da Conceic*.o hajao de ir pagar ao
procurador os alugueis da casa que ficaram
devendo da ordem tercelra de N. S. do Carino
alias sei ao chamado a juizo. .
= O Sr. Francisco Antonio da Silva da ra
do Rangel, queira mandar pagar a asignatu-
ra desle biario, e einqoanto nao o fizer ver o
eu nome publicado em letlra redonda.
-- Aluga-se o filio do fallecido Jolo liar-
los Pereira Hurgo?, no Arraial: quem o pre-
tender, dirija-se a ra Direita n. 14.
Precisa-se de um pequeo, para cai-
xciro, de 8 a l2aunost prefere-se sendo Jo
mato, ou zario 11. 35, toja se dir.
Quem perdeu 1 par de bolOes deouro
de punbo de camisa 1 dirija-se a loja de fer-
ragens de Antonio Jnaquim Vidal, na ra da
Cadeia n. 56 A, que dando os signaes certos
llic ser entregue.
Roga-se ao Sr. Dr. Honorio Fiel de
Sigmaringa de Vascurado, que se acha bo-
je advogando eir Goianna, quo mande pa-
gar a sua lettra que se acba vencida a au-
no e rucio, o qual nilo ignora aonde :
em quanto o nilo fizer ha de ser lembrado.
Jornaestlc l.ianon c porto.
Como o annnncio nos Dinrint na. 122 123 124.
Cada vapor d'esde julh < traz I SO jornaes.
Le-em-se por 3,000 5.000 1,000 rs. inensaes.
tila la Sen/.nllu Velha 11. 14o
Quem quizer pode j aasle.nar as ras, da Ca-
deia do Recife n. 46 ra Nova 11. 42 e do Cole-
gio n. 9.
g; O Dr. J. S. Santos Ja- 5> nior, medico liomeopallia E mudoti-se para o hotel Fran- <5
& cisco no Uecife, rna do Tra-
; piclie n. 9, onde pode ser
procurado cmquanlo se nao ( retira. <
04lt!fcfciAAi:A:AAAAAAA(Si!fcO
JoSo Antonio Pereira da Rocha, em-
barca o seu escravo cabra, por nome Laute-
ro, para o Rio Grande de Sul.
Koga-se ao Sr. Jos Fer-
i'n 11I0 (-mu noii\. dentista
lia n<(/,. olTereee sen prest- w
ino ao publico para todos os *
A misteres de mu proflssao : #
? pode ser procurado a qual- <>
* quer hora em sua casa, na <*v
# rna larga do Rozarlo, n. 36, $
1$ segundo andar.
Preclsa-se de urna pessoa que seja peri-
ta em plantacOcs de sitio, para o laier em
um no lugar do Remedio : quem estiver nestas
circunstancias, dirija-se a alfaudega desta ci-
dade a seu porlciro.
Precisa-se de urna ama, para casa de
pouca familia, que saiba cozinhar o diario
de urna casa : na travessa da ra do Viga-
rio, loja de barbeiro n. 1.
Io dia aa do corrente, fur-
taram um bracelete de 011ro liso,
todo de una Krgnra, com o peso
de 8 a 9 oitavas : a pessoa a quem
fr offerecido. queia ter a bonda-
de de o levar ao Atierro dos Afo-
gadoj numero 7, que ser recom-
pensado.
Aluga-se o terceiro andar da casa do
Queimado n. 9 : trala-se na loja.
Cotitulorio homeopathico, ra do Colle-
gio n. 25.
0 Dr. Lobo Moscoso d consultas gratui-
tas aos pobres, todos os dias uteis, desde 9
horas da manh9a, at ao meio dia, depois
desea hora visitar em sua casa os doenles,
que liverem precisSo, e em casos extraor-
dinaria a qualquer boia do dia, ou noulo;
recebe doentes para tratar, ou fazer qual-
quer operacSo em urna casa para isso des-
tinada, fr a da cidade, sendo o preco de
1,000 a a,000 rs. diarios para os escravos,
conforme as condicOesque se estipularem,
e 2,500 rs. para liomens livres : as pessoas
que no poder em comparecer no consulto-
rio pdem enviar suas iuformacoes por es-
cripta ou vocalmente, declarando o nome,
idade, temperamento, consliluicSo, resi-
dencia, e especificando todos os incommo-
dos que soflVe e as molestias que anterior-
mente tem tido.
Pede-se ao Sr. Joo Francisco Saraiva de
Menezes, fiscal da freguesia Sao Lourenco da
Malta morador em Caiar que quanto antea
baja de hir ultimar o negocio que aua merc
nao ignora ua casa daa ahriedes.
reir de .Mallos, que mande entre-
gar as "X cadeirfl- de balanco que
tem em set poder a um anno, cer-
to de que, em quanto o nao fizer,
ter de ver sen nome por esta
folha, visto se ter agolado todos
os meios amigaveis.
-- Na ra Nova n. 33, compra-se metal ve-
lho, cobre, bronze e latSo.
No dia 2l do corrente, desappareceu um
] caxorro de raja ingleza, pegador de ralos, he
brenco, cauda cortada, he feio, chama-se Ncl-
son ; quem o achar leve-o a ra da Cadeia do
Recife, loja n. 21, de Luiz Antonio de Sequcira,
que ser recompensapo.
Roga-se aos abaiio assignados queiraiu
vir pagar o que, ha muilo, eslo a dever na
ra da Cadeia do Recife, loja de miudesas 11.
7, sendo : o Sr. Joao Manoel Coiitinho, Anto-
nio Manoel F.stevao, Verlssimo Xavier de Bar-
ros, morador na cidade de Goianna, na ra
do Rio; Alcxandre Augusto Pereira; Juo
Paulo de S. Ann>, morador algum lempo em
S, Anlao; Joaquim Francisco Delgado Jnior,
morador algum lempo em Limoeiru ; Manoel
Jos de Faria; Manoel Comea Leile, morador
em Fra' de Portas; bernardo da Silva Gul-
maraes, morador na cidade de Olinda : Joo
Domingues Pereira Condim, morador na ci-
dade de Goianna.
-- Olerece-se um ra;az brasileiro para
caixeiro de.qualqucr cslalieleciineiito : ua
ra da Cruz, venda n. 32
Procisa-se do 800,000 rs. apremio, c
p:ra garanta so <'a mui boa firma quem
os quizer dar, annuncie pur esta folha.
No dia is de jnulio, dsappai'ccnu um
molato acabocolado.Jde nomo Pedro, bai-
xo, grosso, cara bcxigosu, cabello preto e
crespo, e he ollicial du sapaleiro, levou cha-
peo preln de massa, calca preta, camisa de
m:'ii polao e um surrSo decouro : quum o
legar leve-o ao fngenho Agoa-fria, na co-
marca de Pao d'Alho, quo sera generosa-
mente recompensado.
Jos EstevSo de Oliveira, tendo rece-
bido urna carta viuda do Cear, a qual a-
companha urna caixinha, e como ainda no
recebau dita caixa, roga a pessoa que a
condu?io de annunciar sua morada para ser
procurada, ou mandar entregar em Fra de
Portas, ra do Pilar n. 109.
_ Jos Joaquim da Silva Maia, ignorando as
moradas dos Srs. abaixo declarados.roga-lheso
favor de sederigir a ra do Crespo n. 10, para
se tratar de eerlo negocio, a saber :Os Srs.
Manoel Gomes de Moura Coutinho, do enge-
nho Aurora ; Severianno de Moura, Jos Lo-
pes de Oliveira Jnior, Vicente Ferreira de Je-
ss da Mola, HernardinoMe Sena Ribeiro,
Ignacio do Reg Medeiros, eiigeulio Figuei-
ras, Manoel Lopes Guimares, Francisco de
Aimeida Ferreira, Francisco Jos Gomes, Jos
Antonio Rilancourt, Antonio Claudino Pessoa,
Joo da Fonseca Lima, Joo Pereira Chaves,
Francisco Verissiino Rodrigues F.sleves, Ben-
lo llotelho Pinto de Mesquita, Marcos Manco
Goncalves Guerra, engenbo Aurora, Jos da
Silva San Thiago, Jernimo labral Raposo
da Cmara, Leocadio Cabral Rapozj da C-
mara, Jos Pereira da Mota, Galdino Lopes
de Oliveira, Domingos Martins dos Santos,
Claudino de Souza Miranda Coulinho.
- Urna pessoa com' as precisas habilita-
cVios, se offerece para cobrar dividas pelo
interior desla provincia : quem precisar,
aninjurie, parase trata''.
Quem tiver achado um alfineite de pei-
to, que no dia 24 do corrente, perdeu-se da
ra Nova at o Ateiro da Boa Vista, e o qui-
zer restituir, dirija-se a ra da Aurora n.
4, segundo andar, que sera recompensado.
O procurador dos estabelecimentos de
caridade, tendo procurado em vaof pela ren-
da das casas do patrimonio do mesnio es-
ta belecimento, de alguns senhores; por isso
declara aos que istSo por pagar, quo ode-
vem mandar fzer por si, ou seus fiadores,
e nSo o fazendo publicara os seusnomes, e
entregar os recibos 1 ara serem executados.
-- Aluga-se pela forma que mais convier
ao alugador, um pequeo silio, com casa
de vivenda no lugar da Estrada Nova, do
sitio de llerculano Alves da Silva, na Sole-
dade, perlencente a Antonia Joaquina de
MagalhSes: trata-se com Itodolphu JoSo ba-
rata de Aimeida.
-- O Dr. Sabino Olegario l.udugero Pi-
uho, embarca para o Rio de Janeiro, o seu
escravo Anlomo.
Precisa-se du um prclo, ou moleque,
para o servico externo de una casa do pou-
ca lamilla : quem o tiver para alugar, di-
rija-se a ra dos Quaileis 11. 24, que te di-
r quem precisa.
Ha para alugar um escravo, proptio
para qualquer servico de casa: oa ra do
Vigario n. 7.
-Apparecero no sitio denominado Fazen-
da, junto a Boa-Viagem, 2 vaccas du leite,
em crias : quem se achar com direilo a el-
las, dando os sigraes certos, e querendo
pagar as despezas e detlrocos, que as mes-
mas vaccas tem feitu, dirija-se ao mesoio
sitio, ou nesla praca a ra das Larangeiras
n. 13, primeiro andar, que ah ubterdo as
mforniarOes piensas; islo at o lim do cor-
rente mez dejunho, pois dahi por diante
nao se responue pelas ditas vaccas.
A pessoa que se julgar habilitado para
trabalhar como meslre, em urna fabrica de
charutos, m < lade da Victoria : dirija-se a
ra Velha 11. 45, a tratar das 8 as 9 lioias
do da.
Koga-se ao Sr. Jos Maria Barboza, o
favor de ir, ou mandar a ra do Queimado
n. 46, receber duas caitas vindas do Porto.
Desappareceu no da 24 de |unho, o
negro Jos, nac.80 S. 1 home, alto, rehusa-
do do corpo, levou vestido 2 calsas, 1 de
azuldo da fabrica e outra de riscado tam-
ben! azul, tem urna leuda 110 dodo polcgar
do p esquerdo, por isso no andar camba da
dita perna, levou cimisa deriscado encar-
nado : quem o pegar leve-o a padana dos
Affogados.
Domingos Rodrigues de Andrade, com-
prou por conla e ordem do Sr. Joo de Aze-
vedo Villnrouca, do Ico, o meio bilhelo n.
5098 da ll.a lotera do Santissimo Sacra-
mento da corte do Rio de Janeiro, o qual Ti-
ca cm poder do aununciante.
Quem precisar do urna mulher casada,
pura ama de leite, mais criando em sua ca-
sa : na ra dos Rurgos n. 7.
-- Manoel Joaquim do Rogo Brrelo, mo-
rador no cngcnlio Jardim, da comarca do
Cabo, faz sciento ao rcspeitavel publico, e
inesmo para tirar do engao, em quo o-tilo
algumas possoas, quenada tem com oan-
nuncio doSr. Brito Taborda, oqualdirije-
se a Manoel Joaquim Paus Brrelo.
i Perante o consclho da administraco
do 10. batalho do infantera, se ha de ar-
rematar, para fornecimento do hospital re-
gimental do mesmo balalhSo, em o trimes-
tre dol." de julho ao ultimo de setembro
do corrento anno. os gneros precisos para
o referido fornecimento : as pessoas, que a
isto sequzerem propor, comparecam mu-
nidos de suas piopostas, na secretaria do
referido baUlho, no Hospicio, em o dia 30
docorrenle, das 10 horas ao meio da.
A recita da sociedado Thealraj Nova
Thslia, annunciada para li.ijo, uo pilo lor
lugar por Inconveniente.
..impas.
COMPRA-SE.
Col)"o velho, latSo, bronze, etc. na ra
Nova n. 33.
Compra-se urna negra que saiba cozinhar
bem o diario de urna casa, e engommar, paga-
se bem : na ra Nova 11. l4, segundo andar,
Compra-se urna carroca para ser puxada
por um cavalln, com os seus pertenec, nova
ou em bom estallo, une seja'liem construida e
leve : na ra da Cadeia do Recife, luja n. 21,
de Luiz Antonio de Sequcira.
-- Cumpa so u'racfrroQa e un boi pa-
ra a < loja Compra-se um selim usados na rna
Larga do Rozario ". 26, loja demiudezas.
-- Coupram-se 3, ou 4 scenlas boa, de topadnos, rada nina, cA da trra
sen lo a pudra de boa qualidale : na ra do
Cabug, botica n II
-- Compra-so um sobrado da um andar
comsolo, ou casa terrea com bous com-
modos e quintal: na. ra das Larangoiras 11.
12, primeiro andar.
-- Compram-so 6 libras desementes de
.11.:) ."ni : na ra dos Quattcis 11. 21, se dir
qtem precisa.
.-- Compia-se um pao do tipoia, c im a
competente eupa : na ra da Praia do S. Ri-
ta Nova, sobrado 11. I. No mesmo vende-se
urna varanda de ferro com 17 l|9 palmos de
co m primen to.
-- Compra-se urna folhinha paroohial
na tu du Cabltg, Lija de mldeZQS, de
Francisco Joaquim Una te.
Vendas.
LITRO DE SURTES.
Depola da um almalo Irabalho de ni 11 i I os
aeculOS, e por ocrasiSo dada A JUNA FATAL
OJS
Destinos /imiirinos
OU
SORTEPARA OS DIVERT1MENT0S-
n s
Dlns le S. Antonio, S. .loa c S.
Pedro.
Este importante livro sabio a luz pela pri-
meira vez no anno lindo, em um vol. de 286
paginas, e com 704 versos, rjue ahrangein
os desojos dos vvenlas, principalmente das
senhnras que tanto ambicinalo saber qual
sen destino no anno quo'tein de vir : o que
elle contem he de uva verdad tal que
quem o .consultar deve ficar persuadido que
infallivelmente llie succeder o ijiiu a sortc
I he tiver prognosticado. Vende-se a 1,000
rs na livraria ns. 60 8, da Praca da Inde-
pendencia.
Sortes.
Na livraria da pra^a da Independencia ns.
608, vendem-se folbas de papel com sorles
a 80 rs. cada urna, e o seguinte livro:
Acasos da fortuna, 011 livros de sortes di-
vertidos, (te a 640 rs.
AOs 2o:ooo$000 le 1*8,
Na ra Nova n. 6, loja de Maia liamos &
Companhia, routiiiuam-se a vender os afor-
tunado! bilbetes <-'a ll.a lotera do S. Sacra-
mento do Rio de Janeiro, que deve ser ex-
trahida uaquella corle em 25 dejunho, e
em pagamento recebem-se hilhetes premia-
dos Jo onlras quaesquer loteras do im-
perio.
l.otci-iii lo Rio de Jnnciio.
Aos 20:000,000, 10:000,000, 4:000,000,
2:000,000 o 1:000,000 de rs.
No cambio da Viuva Vicira & Filhos, na
ra da Cadeia do Recife, n. 24, chegaram
no vapor inglez Tay, os mui afortunados bi-
Iheles, meios, quai tos, oilavos e vigsimos
da 11.a loleiia do Santissimo Sacramento
da Corte, os quaes trocam-se por bilbetes
premiados da loteria da Matiiz da Boa vista.
Uillii ii do Rio dc.lnnciro.
aos 30:000,000 rs.
Na ra eslreita do Rozario, travessa do
Queimado, loja de miudezas n. 2 A. de Joa-
quim Francisco dos Santos Maia, vendem-so
os muilo afortunados belheies, meios, quar-
tos, oitavos e vigsimos Santissimo Sacramento, recehem-se em pa-
gamento bhetes premiados de outras
quaesquer loteras do imperio, alm dos
muitos premios, qne esta casa lem vendido
que o proprie.lario tem dcixado de annun-
ciar, vendeu ltimamente das casas da ca-
ndado o meio bilhelf n. 4,685 com 1,000/
llillictcs do Rio de Janeiro.
aos 20:000,000 db aa.
"ia loja dcmiudeas da praca da ludepen-
cia n. 4 vende-se bilbetes inteiroa. meios.
buarlos, oitavos c vigsimos a beneficio da 11.
lotera do Santissimo Sacramento do-Kio de Ja-
neiro que hade ser cxirahiria a23 docorrenle:
na meama loja rccebeiu-se bilbetes premiados
da loteria da Matriz da Boa \ isla cm troca dos
que tem venda.
Lotera do Rio de Janeiro.
aos 20:000,000 de rs.
Na cata feliz.
Dos qualro cantos da ra do Queimado,
loja de fazendas n 20, vendem-so os muito
afortunados bilbetes, meios, quartos, oita-
vos e vigsimos da decima primeira lotera
do Santissimo Sacramento, cuja lista se es-
pera al o dia 28, na mesma loja se mostra
a lisia da lotoria da Roa Vista e trocara-so
os blhetos premiados pelos os do Rio.
IOiixiuIhs.
Vende-se enxadas de ferro calcadas de ac
j bem condecidas pela sua dura(ao, na ra,
da Cadeia n. 44 loja de Tbomaa Kcrnandes da
Cuaba.
Tliesonras e nnvnllias.
Vende-se thesourase navalhas de fino ac,
fabricadas em Lisboa pelo processo das aguas
de Guimaracs. Kstas thesouras e navalhas tor-
na'o-se recommendavels pela fina tempera e
superior qualidade: na ra da Cadeia 11. 44 loja
de Tlioma/. Feriiandes da Cunlia.
Vcndc-se farinha de mandioca a bordo da
garopeira S. Anna d<> Sacramento [undiada de-
l'ronle do caes do Ramos ainellior qnalidade
<|uc lem no mercado quem a pertender dirija-
se abordo da mesilla que acharao.com quem
tractar.
Vendc-sc,
avara, a fitO rs.
Cambraiasfrancezas de mimosos goslos,
a 610 rs., a vara ; fil lavrado de cores com
4 paLnos do largura, a800rs ,a vara;man-
teletes de gros de Naple, pretos o de cores,
al 5,000 e 20,000 rs. ; cortes de alexandri-
na, com listras di seda, a 8,000 rs., o ou-
Iras muilas fazendas de linho o soda, do me-
Ihor gosto que lia no mercado : na ra do
Crespo, loj.i amarelh n. 4.
Vende-so um negro, da nacSo Costa,
pelo Iriratn preco de 400,000 rs.: na esqui-
na da Penha, venda por baixo do sobrado do
Sa* brigadeiro Joaquim Bernardo.
Vende-se.
Corte, a 1,800 rs.
Coi tes do clntis l'raneezas, de cores fixas,
a 1,800 rs. ; ditos de cassa francdz de lin-
dos gustos, a 3,500 rs.; ditos de cassas pin-
tados, a 2,500 rs.: na ra do Crespo, loja a-
marella n. 4.
-- Vendpm-ae, por nreciso, 2 moradas
de casas terreas, de p'edra o cal, feilas a
moderna e em bom estado, eujs casas sito
muilo proprias para se estaholecer cm com-
mercio, a vista da Incalida le das mesmas :
trala-se na casa das afericOes,.. ra do muio
ila I'.nlia 11. 4.
Vende-m.
Corte, a 1,280 r:
Cortes do calsas de mea casimira, a 1,280
rs. ; ditos de casimira de pura 13a, de gosto
parisiense, afi.OOOrs.: na ra do Crespo,
loja amarell 1, Lado do norte n. 4.
l\o deposito de espiritos, na
travessa da ftlodan.5, acham-se
a ven a nova porcao de garraffies
de ver adeira aguldenle de ca-
na : quem se quizer prover desta
lioa pinga, ica-o quanto antes ,
quo a safra se est lindando.
Vendeui-se ricos manteletes.
Na rna il 1 Cadeia do Recife n. 51, lujado
fazendas,
O dcimo volunte do Miste-
rio do Poto.
Vendcm-se por 9,000 rs., todos
10 folhetos : na livraria do patio
do (jollegio n 6, de Joao da Cos-
ta Dourado.
-- Vende-se um palanquim, em muito
bom estado, por preco commodo : na ra
do I.ivramcnto n. 1, segundo andar.
Verdadeira eenebra de Hollanda.
(Jliegou resentemente uma pe-
quea porcao de genebra, de su-
perior qualidade vende-.'e por
preco commodo : na ra do Tra-
piche Novo n. 16.
Vcnde-se uma linda escrava, de idade
20 annos, cxcellentc quilandeira, ou para
qualquer servico : ua ra de S. Rita 11.14.
A 495001*8.
Vendem-se finissimos chapeos, de seda
portugueza, a 4,500 rs.; ditos fraacezes, a
6,000 rs.: 11a ra do Crespo, loja ainarel-
lan.4.
Vendc-se o melhor caf moido e sim-
ples : na padaria por baixo do sobrado ti.
106, na Praca da Sinta Cruz.
Vendem-se, por preco commodo, tijot-
los inteiros e quebrados, portas ejanellas,
telhas, ripas, travs, etc., ludo preveniente
da casa em demoIic3'i da ra Nova : trala-
se com \ Cadault. O mesmo se encarrega
le to :a e qualquer obra, como seja edificar,
011 reedificar casa terrea, ou sobrado, pois
que nsso lem bastante pratica.
Vende-se um piano de boas vozes : na
ra da Cadeia de S. Antonio 11. 14, 110 se-
gundo andar do sobrado da esquina.
- Vende-se um negro moQO, de bonita
figura, sapaleiro, por proco commodo, para
fra da Ierra, ou para o malo : ua ra do
Padre Florianno n. 3, esquina do becco da
Carvalha.
Vendem-se erva mato e garrafas com
purgantes de le ro de diversos graos, fran-
cez : na ra da Cruz do Recife 11. 40, pri-
meiro andar.
Vemiem-so um casal de escravos, bons
para o servido decampo, que para issoj
esl3o acoslumados e em servico de enge-
nbo : na ra do Livramento n. 7, segundo
andar.
Loteria do Rio de Janeiro.
aos 20:000,000 de as.
Na Praca da lodependencia, loja de miu-
dezas n. 3, que volta para a ra do Queima-
do e Crespo vendem-se bilbetes, meios,
quartos, oitavos e vigsimos, da loteria de-
cima primeira a beneficio do Santissimo Sa-
cramento, e na mesma loja mostram-soas
listas das que j correrara.
Vende se cobre metal ama-
rello e pregos para forro de navios : por preco
commodo, em casa de A. V. da' Silva Barroca ,
e dous oitavos de us. 1,852 com 400# cada 1-' ra da Cadeia uo JAecife a, t.


IWMmWlMWH'
A 2,ooors. n perinlin.
Na loja da rol do Queimado n. 3, defron-
tc do boceo do Peixo Frito, vendem-se pc-
cinhas de caspa chita do muito lindos pa-
drOes, pelo baralissimo preco do 0,000 rs. n
pccinlia, dar-c-hPo amostras com o com-
petente penhor.
Novas enmbralna nava vestido*.
Na ra do Crespo, loja da esquina, que
vira para a Cadeia, vendem-se corte* de
camhraias, com listras de cores, a 3,600 rs..
oo covado,a 320 rs. ; ditas dosalpicos de
cor a 3,000 rs., e o covado, a 300 rs. ; pecas
o cassas abortas para mosqueteiros.a 3,000
rs.; chitas de cores fixas o bonitos padrees,
a 5,000 e 5,500 rs., a pe?a ; ditas de mada-
pollo largos para forro, a ,400 rs. o eulrss
fa/endas. por precos commodos.
Deposito la fabrica le Todos os
Santos na Radia.
Vende-se, em casa de N. O. Ilieber&C. ,
na na da Cruz n. 4, algodflo transado da-
quella fabrica, nimio propno para saceos de
assucar e roupa de escravos, por preco cora-
modo.
Cera de carnauba.
O mais superior que lia ueste genero, ven-
de-se cin porcao.e a rclalho : na ra da Cadcia
VfAfVVVfff f PVVf
Arados americanos.
*> Vendem-se arados americanos ver- ^
.> dadeirns, chepados dos Estados- .**
> Unidos : na ni do Trapiche n. 8. k*<***h A4A 44AAAAAA
Cera le carnauba.
No armazem de Domingos Hodrigues de
An'drade & Companhia, na ra dosTanoei-
ros n. 5, vende-se superior cera de carnau-
ba, ltimamente viudas do Aracaty, cm
poreflo e a relalho, por menos pre?o que
em ontra qualqucr parte, assim como sola e
couros miu dos,
Corte ile casimira le cor e prt-ln.
f^* Cortes de casimira preta, muito li-
nos, a 5,000 rs., o corte; ditos de cores de
mnilo lioin gosto, a 6,100 rs. ; cortes de
cmbralas de listras de cores, muito linas,
a 3,600 rs.; ditas com salpicos tmbemele
cures, a 3,000 rs. ; carapulca ile algodio de
tima bonita escrava engom-
mailcirn.
Vende-se urna bonita escrava engomma-
deira, eozinha c t"m boa conducta, o qtin
so afianca debauo do palavra : na ra larga
do Hozado, venda n. 39.
A 2$.'>oo rs., o par.
SapatOes de lustro, a 2,500 rs., o pir.: no
fierro da Boa Vista, loja de calsado n. 58,
junto ao seleiro.
i'
T M
0 u. ._
-l b 3
= ? E
<*> 3 a
_- E '-o 2
o Bo
s8
| 3- ol
-o 2 .= ="-
eI
2
_ o e
TI OS
O. a~
c-;
re
91
re
'
S ya m O
9
j m^
_ 'J-o
(O
3f*s
te
tas9
*
<* Sgc .:
* &a
av o o-
H 0> _
fc- o
,; a O.TJ
1(1 U
i
:*
i
Vrnlo-se.a taverna n. 8, da ra do
Rangcl, muito afreguezada para Ierra e pa-
ra o mato, e muito vantajose, nSo s pela
elegancia da armaco, como por osla per-
toncer a casa e ser eomlBdo o aluguel: tra-
ta-se no mfsmo cslaliolWmento.
= Vende-sc urna crloul de idade delG an-
nos, sadia, aeni vicios nem achaques, a qual
sabe bem coser, engoiumar, coiiuhar, e lavar
um palanquim em bom uso, una carlelra de
amarello de urna face e manelra, urna rotula
em bom uto.c um molnho de pedra para moer
mllho, ludo por proco cmodo : no atierro da
Roa Vista sobrado n. l7, das 6 a 9 horas da
manota, e de tardo das 3 horas cm vanle.
.-Vende-se chapeos de sol de panno, ar-
inacodc balea a i,.i00rs. ditos de seda 5,500
ts. ; chitas france/as o covado a 1,280 rs. dita
estreitas 200 ; esteias para sala a 2,400 : acha-
sc um grande sortimento de lateadas porpre-
co commodo : na sna do Queiinado n. 1!.
CER.A r.n VELAS.
Vendem-se caixas com cera em
velas da mais superior que ha no
Io"
a
.,_, t IS
aSia."
c c -i
3-. S'"
u -
"S 2"34aI#'8 1 9-s# velas ua mais superior que na i
ifi'S =2^Sii2.s2 sita mercado, fabricado em Lisboa

cores, a 240 rs., caJa una e oulr.is inuitas
inP
,'0 : na ra do Crespo n. 6.
f izendas de bom goslo, por diminuto p
Ganga ineselada a 2So r.. o
covado.
Defronle do beccodo Peine frilo n. 3, vende-
te ganga mesclada de qualro palmos refurca-
.los de largura pelo baratissimo proco de qua-
tor/e vinles o covado, osla fazonda be rooum-
inendavel nao s para jaquelas e calcas, como
lambeni para palitos e casacos.
Xovoh ertes de chita t 1,76o, 2e
i.'.'on rs. e inailnpolao limpo a
2.200 rs. a peca.
Na tuadoCiesio, loja da esquina que
volta para a Cadeia, vende-se cortes de chi-
ta com 12covmlos inteuosa 1,760, 2f 2,200
rs., lindos coi tes de casimira de boa quali-
dade a 6,400 rs., e os Inuijo acreditados co-
ber toros de tpele a 720 rs. e outrasmui-
tasfx'/ciala.s por | re?o com: o lo
Vcndc-se o engonlio Prejubi, na fre-
guezia de guarasv, nioente o frrenle,
com safra rrimla, lem boas madiiiras c por-
to de embarque i quem o pretender cnton-
da-secon Francisco Cavalcanli JaimeGil-
vao, ,.ro|iiiotarin c morador no iiiesmo.
I.ma- Ir pellica a I.Ooo r>. o par.
Na ra do Queimado, defronle do becco
do Peixe Fritu, vende-se kvas 'le pellicu
ponto inglez paia buniem ihuito linas, pelo
baralissin o i rc^o de cinco patacas o pjr.
Xa loja las seis portas eni rente
do Llvramento.
Continua : vender por presos que fa?. conla
coiuprar. \omlo povas (ralgodaozinbo a sois
patacas, corlea d'casemlra de cores bonliai a
5.000 rs., chapeos francezes da ultima moda
a 6,000 ra., dltloa de mola a.OlOrs. chapeo
deso de pannho com aspas de hlala a tin-
co palacas, e do junco a quatro patacas c lo-
dos os mais objectos por prreos rascavois.
Loja tas seis portas em trente do
Llvr.uucnto.
Conlinua vender barato: cassa prela n
120 is., cassas decmrs piuladas abordadas
a -M) r-:., o covado, chitas a 120 M0 lo iSll '200
ra. linas, loncos do calla para mfiu de senho-
ras a 24o rs. loncos do cassa grandes para ca-
Lcca a 320 rs c bordados a 400 rs., cortes de
chila com 12 covados em pedacos a 2,' 00 rs.
Juvas pelas de seda e de Irojal por procos ba-
ratos, riscadinhos francezes e alpacas de co-
( s. proprias para capntiuhos, e um completo
sortimento de fazeudas mais baratas que em
i.iilia qualqucr loja : lano a relalho como em
pnrciios.
Vende-se o armazem de sal da ra Impe-
rial n. 53 com mais alguns gneros da Ierra
assim como lambem afgumas iniudczas a ira-
tai na mesilla ra n: i*.
Alarmelada.
De ptima qualidadp, em latas grandes e
pequenas, em i orc,fio ea relalho, sendo i
32o rs. a libra da primeira sorte, e por me-
nos as quididades inferiores : na ra do
Crespo n. II.
Vende-se ou arrenda -se, urna casa de
pedra c cal, sita no Monteiro, com terreno
para plantar e com arvoredos de frncto, por
preco commodo : liala-so na roa dasTrin-
cheiras n 48, primeiro andar.
-- Vendem-se 2 doutiinas das acc,oes, por
pret;o commodo: no Aterro da Iloa \ista
n. 62, luja de fiinileiro que 7. Psquuia pu-
ra a ra da Anrora.
o antlfo barateirodo Paraelo i'u-
lilieo, loja n. II, Jos Kodrlffnes Fcrrelra.
Toni superiores corles >i* vestidos desar-
jelinasde seda, fazenda de muito goslo, as-
sim como cuites da n.esina I'. / n :i listra-
lidades e cores, si tms lavrados, sarjas pre-
is, merinos, ehitas francesas largas, brioi
transado de linbo poro, fa/en.la de gosto,
casimiras pretas, cortos >le ditas decores,
chapeos de msssa Irancezn, chales deludas
as Anualidades o gostos, vestidos de scIb,
riscados fraucezas, coitos de casimira de
algodSo, id barato protjo de 1,400 rs., len-
<.i de chitas francezes, imitando a seda,
Milito lindos, a 400 rs., madapolu's do to-
das us qualidades, dulas linas e de lodosos
prcc,os, seliin proto maceo, cnites de chi-
tas cassas, a 2,000, 2,800 e 3,000 rs., es-
fcinoi's iie linlio, Ir. liiili.is, linhos d.i qua-
dros, tapetes, corles de coleles do cores,
muito baratos, fuslOcs superiores a 800 rs!
o corte, mcias linas superiores, para se-
nli. r. s, luvas decores, le,cus de man, lu-
cos, lencos de sedas enutr,-.s multas ra?cn -
das, qu^ se venderaO a pr. ^os que afcradd-
iao aos compra.iuies.
Vende-se um bonitj moleque, de ida-
de do 16 a 18 anuos : no Aten o da boa Vis-
tan. 4, priiiiuiroandar.
Vende-so urna boa escrava, ensigne en-
gommadeira e costureira, borda e faz doces,
boliultos de todas as qualidades, ^o se ven-
de para fra da provincia ; 2 ditas que en-
gommam e enzinham bem ; 3 ditas muito
boas sjuitandeiras ; 3 moloques de. 20 an-
nos, bous (ara lodo oservico: na ra da
! Cadeia do Hecife n. 51, primeiro andar.
= Vndese una negra, a illia denominada
' S Joao Kaplisla, ao p dos Afogados com cento
e tamos ps de coqueiros com duas giandes ca-
ltas de pedra c cal, dous grandes vivoiros, e
: com bstanle Icrieno para plantacoea mor-
monlc capim, que d cun abundancia, um
silio ctu llein Fica ao pe da eslrada nova com
grande casa de viveuda, lodo murado, com
dous porloes de ferros e cocheira para caval-
los, c carrinho, com grande poco d'agua de
beber, e bastante arvoredo d'fiuto principal-
mente larangeitas, duas parelhas de embono
de sedro para barcada, duas lanxas c um bote
velho, urna concille grossa de ferro para na-
vio, una amarra de cabo de linho, urna bolea
para navio, e 3 travs j preparadas ludo por
proeo enmmodo: na ra da Cadeia do Recife
n. 54, vende-se mas una porcao de cobre ve-
lho de navio, e urna porcao de couro de cabra
corlido.
riirgiirin ao barato.
Na ra da Cadeia do Recife n. 51 vcndc-se
pelo diminuto proco de 500 rs cada una, saias
brancas de cafa de cordozinho para senhora,
c '.orno-se nimio agradaveis, nao s pelo pro-
co como porque as senhoras inglczas c fran-
ceza, aprecian mullo, na nieaina se vende
picle trancado para saias, e carnizas decscra-
vas a 180 rs. o covado, assim como oulras niui-
las fazemlas por diininuto preco.
Vendem-se s.lins inglezes elsticos
ditos com borranhas, chegados agora : em
rasa deCeo Kenwoilby fi Coinpanhia, na
ua da Cruz n 2.
CllOCOlatC ana i'i'.n.
De musgo Islndico, ou ihesouro do peilo,
prepararlo por Mr. J. O. C. As adecenes do
peilo ollerecem todas um symptoina geral,
conslanle. A tosse, esta doenca taui coinmuui
ipiando descuidada, tam graves sao suns eon-
sequoncias quanto parece ligoira cm seu prin-
cipio, lan matadora |>or si s como toda
oulras doenc.a* |ue consoinein a especie hu-
mana, n.to tiuha para combtela e doslruil-a
um medicamento especale nico. Todas as
paslilhase charopes que lem apparecido at bo-
je irm sido Impotentes. Naotein a conlecldo
ist" com o chocolate de musgo preparado por
J. G. C. O principio que forma a sua base prin-
cipal oH'erece propriedades incouteslaveis, c
reconliecidas depois de mullo lempo, e nin-
guoni ignora os folizes resultados da sua appli-
cacaoem toda as phleugmaalai agudaa, ou
ebronieas, do pulmao. all'ei-cdesdo peilo, pht-
sica defluxos, toces, S:. para dar lom ao es-
tomago, abrir a Tontada de comer, conservar
as (engiras, e o bom alito, malar as lombrigas,
principalmente as enancas, vende-se na
ra do i.iuc; ni ulii n. 0.
Vende-so unta escrava de nlade e de
na(flo, boa lavadeira e co/inheira : na ru.
Imperial n 7. .
-- Vende-fe ra[ a relalho e as libras, de
Lisboa, preia preta. .Menron & Coinpanl'ia,
gasse lino, meio grosso cgiosso: na la
das Cruces n. 40.
-- Vende-se urna rica radoirnlia de re-
bufo : na na ("o Collcgio n. 5.
-- Viiideni-se 2 pedias de filtrar agn,
por commodo prego : no Alerro da Boa Vis-
ta, sobra lo n. 10.
-- Vende-se ou aloga-sc um grande si-
lio, com urna grand" casa para morare bem
plantado, bata para capim e lugar para
formar 2 ou 3 vivoiros, junio a ponte da es-
lrada que val de S. Amaro para Beln): 1ra-
la-se no mesmo sitio, ou em S. Amaro, na
venda ao p do Sr. Cardoxo.
Para meninas de tseula.
Vendem-se chapeos de sol de seda, pelo
barato prc,n de 2,400 e 3,000 rs. : na ra do
Crespo, loja I). 19, de Jos da Silva Campos
i\ Coinpanhia.
Vende-se urna escrava de bonita figu-
ra, ebegad do Cear no vapor Imperador,
propria para o seivic,o to campo e lambem
engoinma : na ra to Crespo, loja da esqui-
na que volla para a Cadeia, se dii quem
vemie
-- Vendem-so 4 rr.olrcotes, de idade de
16 a 20 anuos, bon tas figuras, sendo al-
guns de servido de campo; 1 dito do n.ru
idade ptimo para qualqucr silio, | or preco
commodo ; 1 lindo molalinbo de excellen-
te conducta, dn idadede ICannos, ojlimo
para pagotn ; 2 negrotas rreoulns, do idade
16 unios ; 3 isscruvas moc,as de todo servi-
do de casa : na rila Direita n. 3.
Vende-so una pipa aiqueada de ferro,
com 95 canallas de azeile de carrapato, a
I,6v0 rs., cada una caada e da-se gratis a
pipa ao comprador : na Praga da Boa Vista
n. 12.
9
Vemlem-se pegas ile madapohlo
com algnm defeilo, causado por cu- tr
pim, a 1,600, 2,000 e 2,400 rs. : na lo- C-
ja do sobrado amarello, nos Quatro V
Cantos, da ra do Queimado n. 29. %
Lotera a benelicio dv \. a. do i i-
vranient.
Aos 5:000,000 de rs.
>a loja de iniudczas da Praga da Indepen-
dencia u. 4, vendem-se billietcs inteiros, a
10,000 rs. ; meios, a 5,000 is. ; quarlos, a
2,600 rs ; d cimos, a 1,100 rs., e vigsimos,
a Oou la., corro no oa 12dt-JulliO.
(ni jos de pial".
Fresquissimos a muito inucios queijos de
pralo, vendem-se por prego commodo : na
i ua da Caduia du liedlo u. 1.
no Rio de Janeiio, sorlimentos ao
gosto do comprador e por preco
mflis baratodo que em ontra qual-
quer paite : trata-so na ra do
Vigario n. ig, segundo andar, com
iMachado S i'inheiro.
Vende-sc a taverna n. 6 da ra do lian
gel, mnilo afregueza para ierra, e para o ma-
to, e he degrande vaolagem nao s pela ele-
gancia da aruia(o, como por esta pertencer a
casa, e ser eoniinodo o aluguel: quem 'preten-
der procure no mesmo estabelecimenlo que
achara com quem tratar.
Vende-se um guarda livros moderno:
no praca da independencia n. 12.
Vendem-se vaccas parridas, boas de leite
a 35,000 rs. : na Eslrada Nova, silio do Lucas.
-- VenJe-sc una casa torrea, com basti-
les commodos, sita na ra do Alecrim n. 8 :
Irata-se no sobrado da inesma ra n. 2.
4 Veinle-sc na teavessa tu Ma- ?

de sii|ieii)i-qiialiilado,c tam- fi
li i ni ilo a faina lio pona lira n cae)
l.sl.i < 11 ilid ule do da osla sendo ge-
raliueule preferida ao cha verde, ou pe- ^
lo menos fazendo-se uso delles mistura- a.
dos e isto eni vii tu.Ir nao smenle do -
seu agradavel aroma e sabor, com por- J
. que he boje incouleslavelinenle reco- 1
* nliecido, que o cha preto nao ataca o J
W systema neivoso, ao mesmo lempo, que W
i possue todas as qualidades henelicas do >
4 cha verde, >
JlUfliHHtMMItli
Vende-se um palanquim, quasi novo e
com muito pouco uso, muito bem construi-
do e pe prego muito commodo na ra das
Flores loja do marcineiro, na esquina que
volta para o Cirmo.
, Vendem-se gigos com bata-
tas, para liquidar, u 1,000 rs.: no
Caes da Alandega a, 5.
-- Vende-se um ca dieiro francoz, pe-
queo, para meio desala, por prego com-
modo e em bom uso : na ra do Queimado,
leja n. 37 A.
Attenefio.
No bairo do Recife ra da Cadeia loja n. 53,
continua-sc a vender, lano em caixas como
libra, as melhores e mais acreditadas vcllas
de cera vegetal de carnauba ; nao s pela es-
colente luz que deltas resulta, como pela apu-
rada porfeicao com que sao feitas, no Aracali,
pelo melhor fabricante da quella cidade,
Attencao.
Venden-se pessas de chitas superiores que
nao desboiam, a :n n rs., 6,500 rs. c 7,000 rs .
em covados, a ICO, 180, e 200 rs. ; chila larga
IVancoza muito lina, a 280 rs. o covado ; pes-
sas do madapoln lino, a 3.500, 3,800, 4,000.
4,500 is e muito lino, a S,000 rs. ; pecas de
de cassa para babados de 10 jardas, a 2,400 rs. ,
corles di ra mili aia do ullimo gosto, de salpico,
a 5,600 c ti.OOO. ; bretanha di linho a 500 e
i iis .a vara; superior cortes de casimira
prela sel mi. pelo demlnuto preco, de 9,500 rs..!
ditas de cores, muito nas, a 0,000, e 6,500 rs
corles de ganhreons, fazenda de muila dura,
pelo diminuto preco, de 1,600 c 2,000 rs., cada
corle de calsa ; riscado de linho inulto lino, a
320, e 360 rs, o covado ; frankliin preto pelo
desgranado preco de 400 rs.,o"covado ; meri-
no preto, a 2.000, 3,500, e 4,000 rs. ; je oulras
muias faiendas por preco baralisrimo, e para
crdito: na loja da estrella na ra do Queimado
n. 7, comfronle ao beco do pcixo frite.
l'eeu de cliita, a isomi rs.
Na loja o. 5, que volta para a ra do Col-
legio, vendein-sd chitas da cores, pelo ba-
rato prego de 4,000 rs. a pega ; pao fino
preto, a 3,200 rs. o covado ; chapeos de sol
de seda, a 5,000 is. e.outras multas fazen-
das de bom gosto e multo baratas.
< amina a- de -na, a 0,000 rs.,
o corte.
Na loja de Cuimares & Ilenriques, ra do
Crespo n. 5, que volta para o Collegio, ven-
dem-se ricos coites de cambraias de seda,
: do barato prego de 6,000 rs o coi te, esla
f.i/eiiil.i be de gostos inteiramente novos.
Vende-se una escrava de 22 annos, de
bonita figura boa engommadeira coze
cbilo, coziutia o diario de urr.a casa e faz
doce ; um escravo bom serrador ; 2 ban-
quinhas dei j caranda, urna de meio do sa-
la, de muito bom gosto e novas, 4 mangas
de vidro : na ra do Livrameato n. 4.
Calcado.
No Aterro da Boa Vista, defronle daboneca.
lio chegado resseulemente um novo e
completo soi Int.i uto de caiga Jos francezes,
de todas as qualidades c para lodos os l-
mannos, que se vendem muito baratos, a
liiii ilo se apurar di u lu i o.
No Alerro da Boa Fisto, de fronte da boneca.
He chegado os bem conliecidos sapatoes
de Mants, muito proprios para a esta(3o
presente ; ditos do Aracaty, tanto para ho-
rnero, como para meuinos, a 800 rs.; ditos
de couro de lustro, felos na Baha, a 3,000
r*.; ditos do Aracaty, a 2,500 rs tudo a tro-
co de scdulas. *
Vende-so cera do ibelha, da melhor
que ha no mercado: na ra do Encanta-
mento, armazem de couros n. II.
Vende-se urna parda moga, que cozi-
nba, lava desabito e ongoinma : uo Atorro
da Boa Vista n.'4l.
Vende-se um relogio e correlo de ou-
ro : na ra Larga do liozario n. 17, junto ao
quartel.
. Vende-se uoia c-duira da
Baha, em muito bom estado : no
armazem de acucar da ra do Vi-
gario n. a5.
\ii>i ma-- superiores!.
Ni fuud:gju de C. starr tu Companiia,
em S.-Amaro, acham-se i venda moendas
de canna, tod* de ferro do um modelo e
construccSo muito superior
Arados.de ferro.
Na fundigo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados do ferro de diversos m-
telos. .
GBAXA ECONMICA F.M MASSA.
Do insigne fabricante americano, James Ma-
sn. A sua compoa!'5o he feila de proposito
para lustrar com agua e conservar o lustro,
tanto de invern como de verao; a grande
vanlagem que ha nesta graxa he a couservacSo
do calcado, c lustrarem-so os sapatos ou bo-
tlns ainda mesmo niolhados, e urna pequea
latta aturar mais de que tres bornes c custar
menos do que um. Vendc-se cm barricas,
ou porcao de duzias, no armazem de Vicente
Ferreira da Costa, na rua_ da Madrc-dc-I)eos.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa
na barca Ligeira.
Vendem-se as seguintes se-
inpiites:
de abos, ditas de ditas ingleas, ditas de r-
banos encarnadas, ditas brancas, lila de ce-
blas de Setubal, ditas de alface allamaa,
ditas repolhudas, ditas de cove trinchada, di-
ta* de senoura amarellas, (Utas de chicoria, di-
tas de coentro de toceira, ditas de aalsa, ditas
de tomates grandes, ditaa de repolho, ditas de
eapinafre, ditas de pipinella, ditas de aipo,
feijao, carrapato de tres qualidades, ervilhas
tortas e direitas, rabanetes eucarnadosebran-
cos: na ra da Cruz n. 4(i, defronle do Dr.
Cosme. Namcsma casa vendem-se queijos in-
glezes muito frescaes.
I 'a/.eiida por a nictade de sen va-
lor, na na do Crespn.6.
Cortes de chita finas, com 12 covados, a
1,920 rs-; dito de cassa chit, a 2,400 e 2,800
rs.; chapeos de maca pretos. a 800 e 1,000
rs.; cortea de brim lislrado de linbo puro.
a 2,000 rs.; alparka de cord5o proprias para
casacas e sobrecasacas, a 800 rs., o covado
e muitas oulras fazeudas baratas I na loja
cima referida.
asGant.ois raihet& Companiia.jj*
S Conlinua-se a vender no deposito |
* geral da ra da Cruz n. 52, o excel- 1
fente e bem conceituado rap areia
preta da fabrica de Gantois l'ailhet & 5
S Campanilla da Babia, em grandes e i|
j: pequelas porcoes pelo preco cstabe- jg?
i: lecido. i
wwmmmmmmmmwmmwwm
- Vendem-se queijos londriuos, presuntos,
caiiinhas de sedelites porgativo, conservas de
lodas as qualidades, cementes ou passas liu-
das para podins, carne salgada para uso de fa-
milias em barril de 50 libras e iniudos da ines-
ma forma preparados, ludo ltimamente che-
gado : na ra da Cruz, armazem n. 0. de Da-
vis & C,
Vende-se superior cognac velho, em
barris de 12 a 24 canadas : na ra da Cruz
11. 55, casa de J. Keller & Companhia.
Vende-se gesso em barricas, viudo no
ullimo navio chegado deFranga, leudo ca-
da bairica 20 arrobas pouco mais ou me-
nos : na ra da Cruz n. 55, casa do J. Kel-
ler & Companhia
RT
tos escuro a l.OOO rs. o corte, riscados de li-
nho a 220 c 320 rs. o covado, riscado de algo-
dao trancado multo cncorpado proprio para
escravo a 180 e aOO rs. o covado, picote a 180
rs. o covado, zuartc axul de 6 palmos de lar-
gura a 240 rs. o covado, dito de cor a 200 ra. o
covado, riscado francez muito linos a 240 rs. o
covado, chita para cobertas decores fixas a200
rs. o covado, ditas para vestidos a 160 e 180 re.,
caisa chita cores fixas a 440 rs. a vara, casto-
res proprio para palitos a 280 rs. o covado,
pecas de cassa de quadros para babadoa e cor-
tinados de cama com 8 varas c meia a '-\inii
ra., chapeos de massa para escravos a 480 rs.
cada um : na ra do Crespo n. G.
Leterlo afavor da igreja de N. S>
d l.i v ra me 111 o.
No atierro da Boa-Vista loja de calcado ti. 58,
vende-se os mullos afortunados bilhctes, melos
e cautellas, da loteria a favor da igreja de N.
S. do Livrainento cujas rodas correm no dia l
de julho do correte anuo iufalivelmente ; e
na niesina casa venderao-se da lotera da
Matriz d Coa- V is 1 a os seguintes premios viges-
almos n. 4480-5:000; rs. bilheles inteitos n.
3794-2:000| rs. n. 3032200,000 ra. melos bi-
lheles de n. 2860-1 000/ra, n. 650-200,000 rs.
2828100,000 rs. e muilos na, com ospremios
de 50,000 rs. 20,000 rs. 10,000 rs. ,
l.i I beles 11,000
Helos; 5.>00
Quartos 2,600
Quintos 2,100
Decimos 1,100
Vigessimos 600
l'oI assa da Rnssla.
Vende-se pnlassa da Bussia, recenlomen-
te chegada, e de muito superior qualidade ,
na ra do Trapiche n. 17.
Vendem-se relogios de ou-
ro eprata, patente inglez : na ra
da Senzalla Nova n. !\i.
Tecido de algodSo trancado na fa-
' lrica de Todos os Santos.
Na ra da Cadeia n. 5n,
vendem-se por atacado duas qualidades
proprias para saceos de assucar e e roupa
1 scravos.
Talxas para engenlio.
Na fundido de ferro da ra do Brum,
acaba-se de receber um completo sortimen-
to de taisas de 3 a 8 palmos de bocea, as
quaas acham-se a venda por precio com-
modo, e com promptidao embarcam-se, ou
carregam-se em carros sem despezas ao
comprador
Monillos de vento
eom bombas de repucho para regar hortas
d baixas de capim : vendem-se na fundicao
de Bowman & Me. Calium, na ra do Bi um
ns. 6, 8 e 10.
Vendem-se amarras de ferro: na ra
da Senzalla nova n. 42.
Escravos fgidos.
&#**
para curar da phtysica em todos os seus
differentes gros ou motivada por conali*-
pacoes, tosse, asthma, pleuriz, escarros de
sangue, ddr de costas e pcitos~, palpitarlo
110 eiiraefio, coqueluche bronchites ddr
de garganta' e lodas as molestias dos or-
gos pulmonares.
De todas as molestias que por heranca fi-
camaocorpo humano nenhuma ha que
mais deslruitiva tenha sido, ou que ten ha
zombado dos esforcos dos homens mais
eminentes em medicina do que aquella
que he geralmente conhecida por moles-
lia no bofe. F.m varias pocas do se-
clo passado, tendo-se offerecido ao publi-
co difTerentes remedios com attestados das
extraordinarias curas que elle tem feito
porm quasi que em todos os casos a ilus.to
tem sido apenas passageira e o doente
torna a recaiiir em peor estada do que'se
achava antes de applicar o remedio tSo re-
commeodado outro tanto nSo acontece
com esle extraordinario
Xarope de bosque.
Novaos & Companhia, os nicos agentes
nesta cidade provincia, e nomeados pelos
Snrs. It. C. Yates & Companhia agentes
geraes no Itio-de-Janciro mudaram o de-
posito desle xarope para a botica do Snr.
Jos MariaG. llamos, na ra dos Quarleis,
11. 12, junto ao quartel de polica, onde
empre acharSo o nico, c verdadeiro, a
S5500 rs. a garrafa, o a 3,000 rs. meias gar-
rafas.
Bombas de ierro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Brum ns. 6, 8 e 10,
fundicao de Ierro.
Arados de ferro*
Vendem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
com cambao de sicupira e bracos
de ferro : na fundicao da ra do
Brum ns. 6, 8 e 10.
lazend i mais barata do que em.
outra parte.
Coberlorea de algodo eacuro para quem
tetn fri a 720 rs. cada um, cortea de briin
branco trancado de Hubo puro a 1,800 ra., di-
_ De 8 para 0 do 11107. de abril, pelas 8 ho-
ras da nolte, desappareceii o escravo de nome
Paulo, de nacao BenguclTa, representando ier
de25a 30 annos pouco mais ou menos; tem os
seguintes signaea: estatura regular, cor pre-
ta, cabello grande, tendo urna falta na cora
da cabrea que inda corlando ae conbece, a qual
(alia be proveniente de carregar peso, rosto
um tanto largo, sem barba, nariz chalo, boc-
ea grande, e beicos grossos, falla um tanto fi-
na, e descantada, conserrando um pouco os
beicos abertos c os dentea fechados, e em cer-
tas perguntas usa da resposta senhor siui, uu
seiiiinr i uau] tem lodos os denles, sendo dous
furados na frente, um em cima, e outrogem
baixo, que ve/i vol un -ule se v: no peilo tem a
marca "f querendo parecer urna modal lia k c
alein desla em um dos lados tem unta marca
mais preta do que a cor do corpo, proveniente
de 11 ni caustico; cm um dos bracos a marca
A e, em sima de una das sobranselhas urna
costura de um pequeo taino, que tevejquan-
do anda ginga um pouco com o corpo e d um
tal geilo que empina nm tanto a barriga para
.liante, trocando os joelhos para dentro tem
o vicio de tomar tabaco. Este escravo foi de
Antonio Joaquim morador em Fora de Portas
com lenda de sapateiro na ra da Cacimba ;
tendo o dilo escravo principio do mesmo of-
ficio. Iloga-se, pnanlo, as autoridades po-
liciaca o obseguio de quadjuvarem na cautn a
do referido escravo e qualquer pessoa que o
pegur ser generosamente recompensad pelo
seu Irabalho e despeas, podendo entrgalo
na ruada Cruz do Recife, 11, 63 no 2.* andar
011 airas do theatro, armazem de taboas de pi-
nd ; na Parahbal4jp Si. Jos Ribeiro Gulma.
raes, 011 aos Srs. JodArLuiz Pereira Lima & C, ;
em Pedras de Fogo. ao Sr. Marianna Ramos de
Mendouc.'i; noBrejo de'Areia ao Sr. Jos into-
nio (ion9a!vos Lima; e em Goianna ao Sr. Joo
Francisco Fernandcs. O abaixo assignado est
em deligencia do aeduclor que Ihe roubou o
seu escravo e protesta usar de todo o rigor das
leis contra aquella pesaoaque o tiver. lied-
le, ao de abril de l8il.
Joaquim Lopes de AlmeidaJ
as Desappareceu de bordo do brigue Flor
do Sul, no dia 17 de maio paaaado, o escravo
marinheiro de nome Marcellino, nacao Cablu-
da, idade 30 annoa pouco mais ou menos, al-
tura regular, magro, levou camisa e calca
azul, chapeo aIcatroado, o qual he de proprie-
dade do coiriinendador Joo Baptlsia da Silva
Pereira, de Porto-Alegre. Roga-se por tanto
a todas as autoridades policiaca e capites de
campo a sua apprehenso, e leva-lo a bordo do
dito brigue, ou a ra da Cadeia do Recife n.
39, casa de Amorim limaos, que receber rs.
50,000 do giatilicaco ou mala, conforme a lon-
gilude em que for pegado.
Desapareceu 110 dia 22 a noute urna pre-
la crioula de nome Michaclla, repreaenta 20 a
12 annoa de idade, estatura regular chela do
corpo c tem uma coslura na maraa do braco
eaquerdo e um cravo decco em um doa ps,
levou veatido de chita a roiiada aaia e panno
preto foi comprada a Joaquim Jos Lodi e
cria de bernardo Antonio do Miranda, quem
aprehender ou der noticia serta na ra do Apol-
lo n. 1A ser bem recompensado.
Fugio no dia 4 de abiil do correte anno
a preta Therezade idade de 10 para 50 annos,
estatura alta, seca do corpo, falla um tanto
atravessada. por ser de nacao Congo, e quasi
sempre anda com a cabrea amarrada com um
lenco, o uza andar com sala azul panno da
costa: esta preta Veio do aertao do Brejo da
Madre de Dos acerca de 4 mezes e supfiein-se
andar adui na praca ua liba do Nogueira, ou
no Rio Formozo e protesta-se uzar com todo
rigor de iei contra quem a tiver acollada; ro-
ga-se as autboridades, civia e capito de cam-
pos a captura, e a faca leva-la na praca da Hoa-
Viaia sobrado n. i2 que ser generosamente
recompensado.
Ueaapareceu em fevereiro du correnle
anno um escravo de nome Antonio, de naci :
de 10 a 15 anuos, bastante barbado, porm
j pintado, alto bstanle, cor bem preta, tem
falta de 2 denles na frente, com o p eaquerdo
mais grosso que o direlto : este eacravo veio do
sertodo Ico onde foi catiro de Manoel Fran-
cisco Leopoldo Chavea, vendido aqui pelo
mesmo Sr. em 1818 : quem o aprehender e le-
var a cidade de linda ruada Boa Ora n. 22
ser generosviuenle recompensado.
raw. ma.Tvi'.dk M-r'-ru: Takia-
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIR98RXAP_FODUGW INGEST_TIME 2013-04-12T23:13:35Z PACKAGE AA00011611_06378
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES