Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06376


This item is only available as the following downloads:


Full Text


Anno XXVII
Qurtfi-feira 2-3
PABTIDi DOS COBBEIO.V
Golanna e Parahiba, s segundas e sextas feiras.
Ro-Grande-do-Norte, todas as quintas fciras ao
nicio-dia.
Garanbuns e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e F s. a -13 e 28.
Victoria, s quintas feiras.
Olinda, todos os da.
.KM
PrtlSCS DA LOA,
PHEMmlDES
Nova, a 30, as 0 h. e27 m. d t.
Crcsc. a 0, as 4 h. e 8 m. da t.
Chela, a l3, as 4 h. e 24 m. da t.
Ming. a 21, as 3 h. e i2 m. da t.
FHEAMAH DE BOJE
Prlmera I hora e 18 minutosda tarde.
Segunda 1 hora e 42 minutos da manhaa.
de Junliodcl851.
N. m
rnr.qo da suBsCRipgo.
Por tres mezesfadlantados) 4/000
Por seis me7.es SfooO
Por um anno. 15/UUO
das da semana.
83 Seg. S. Agripina. Aud. do J. d'o 24 Tere. >jfoi< Vasclincnto de S. Joo Haplista.
25 (Juart S. Guilhermr. Aud. do J. da 2. vara.
2 O"'"!. S. Virgilio. Aud. do J. de orf. e do J.
m. da primeira vara.
I 27 Scxt- *i< O SS. Coracao de Jess.
28 Sab. S. Le o Aud. da Ch. c do J. da 2. vara
do civel.
30 Dom. S. PadrocS.Paulo.
CAMBIO DE 23 DE JONHO
Sobre Londres, a 27 '/, d- P- 'Z000 "
Pars, 340 por f'r. nominal.
Lisboa,
a 95
28/000 a 28/500
Ouro.-Oncashcspanhola...... W HWg
MoedasdcMOO vclhas. lb/OOO a MODO
de 6/400 novas .
de4?000.......
Prata.Pataches brasilciros....
Pesos columnarios.....
Ditos mexicanos........
16/000 a
9/noo a
1/140 a
1/930 a
1/700 a
161200
0/10O
I/B50
\/m
I/70
atrt:'--"' V'v
>.... nMOKt.int...,;
paste orncgftL.
MINISTERIO DA JUSTICA.
RELATOR 10
apremiado aticmbliu grral legiilalira na terctira
.tengo da o/faca Injislalurn pelo ministro t tc-
crttario di rilad doi negocio da juilirn f'uxe-
bio de Queiroi Coutittho Maltoio C'atr.ara,
(Concluso )
Caa di correcao
F.stam concluidas as obras do ralo em cons-
trueco das officlnas respectivas do lado do
nascente, que por alguns annos anda seram
mais que sufflcientes, visto que erain destina-
das para cen presos, e por ora scu numero
or?a por sessenta.
Mjndaiam se conseguinleftientc reduzlr as
obras a fechar a muralha exterior, o que fez
descer as ferias de 1:000f a menos de 300/ por
semana, e esta reduccao ns habilita a pensar
na construccao|dc una cada, que be urna das
principacs necessidades judlciarias desta capi-
tal.
A commlssao Inspectora tem desempenha-
do suas importantes obHgacOes coi o malor
zrlo.aaildiildade, Illuslraco, e razo temos pa-
ra esperar que o syslema^penitenciario se acli-
mate em nosso paii. A experiencia j val
mostrando a necessidade de alterarles impor-
tantes nos ralos que tivermos de construir:
bom he delxar qne o tempo nos habilite a pro-
ceder sein precipltacao nao su a este respeito,
como e principalmente da preferencia entre
o systema de AuWurn adoptado, eo da Pcn-
sjlvania que tem por si tantas opinides theo-
ricas c praticas de outro paizes.
O administrador da casa de correccao.pela
sua probldade, intcjligeucla e aclividade, me-
rec especial mencao.
O machinismo para a lavagein da rcupa
como ndjiitorio do vapor.de que vos del cun-
ta em Janeiro do auno lindo, alm de fazer o
servico do eslabelecimento, rendeu desde cn-
tao at Janeiro doacorrente anno a quantla de
3:403,696 rs. que serviram em parte para en-
contrar com as despezas, e em parte para esta-
belrcer a officina d'encadernadores da peni-
tenciaria ele (juradlanir fallarei.
O camlnho de ferro de que vos dei conta
no penltimo relatorlo custou 6:000,000 rs.
approxlmadatnente, e asvantagens que oll'ere-
ecu aconselharam a emprehender segundo o
parecer do finado engenheiro Haldi, um outro
Lineado sobre ponte, que atravrssando a ra
sein embaracar o transito publico, offere
cesse um declive conveniente. Este camlnho,
que custou 18:000,000 rs. inclulndo despeza
com os carros, esl concluido, e tem de ex-
tensa 380 bracas, a maior parte das quaes he
percorrida peloi carros arrastados pelo proprio
peso sem esforso de homem ou outro motor.
Diariamente descem por elle de 100 a 120
carros, que representam mais de 260 a 300
carrocas de trra laucan sobre os alagadizos
daCIdade Nova, para formar o prolongamen-
to da ra do Salan, que dentro de poucos nie-
les deve offerecer ao publico nova cominuni-
cacaoentre o Roclo Pequeo ca estrada de S.
Cbristovo.
O priineiro camlnho serve para a volta dos
carros.
Ao mesmo tempo vai-se aterrando tambem
a pouco pouco o alagadico que a III. cmara
promelteu a forar ou pagar casa de corree-
cao. Dentro em pouco tempo tases atierros
deven) de ser urna fonle de nao pequea re-
celta para a casa.
Emendo que serla conveniente autorisasseis
c einpregar cm apollces da divida publica inali-
cnaveis a reccita dos estabeleclinentosacces-
sorios da casa de correcco. Ellas formariam
um patrimonio que, passados alguns annos,
libertaria o tbesouro das despejas com esse
eslabelecimento
Alm do aterro e da lavagem da roupa, e de
ofliclaes de alfalates, ferreiros, etc., existe
uina pedreira que aotualmente est franquea-
da s obras publicas, e que pode produzir
grande renda.
Aproveilando a missao do conselheiro Sebas-
tiao do Reg Barros Europa, o encarreguci
de examinar se poderiam ser entre nos apro-
veiladas as machinas de faccar pedras movidas
por vapor, em uso nos paizes a que elle se
diriga, e abri Immediatamente o crdito ne-
cessario para realisar sua compra c remessa.
As infonnaces obtldas por aquelle conse-
lhiro dam em resultado que essas machinas sao
vantajosamenteempregadas menino no granito
da Escossia : mas a prudencia pede que inves-
tiguemos se igual vantagem poder obter-se
applicando-as ao duio granito do Rio de Ja-
neiro,
J fli cortar, e seguem multo breve para In-
glaterra, varias'amostras da pedreira da casa
de correceo, e se conseguirmos bom resulta-
rlo, a casa poder fornecer pedra ubica para
o calcamento das ras por mdico preco, com
Imincnsa vantagem do publico, e accressiuio
de renda para a casa. Em todo caso, a appli-
cacao deltas machinas he provavel que possa
ter lugar, se nao aqu, em algum outro ponto
do Brazll.
A penitenciaria propriamente dita tem ac-
tualmente em excrcicio qualro oflicinas a sa-
ber : de carpinteiros, e marcineiros, de sapa-
teiros, de alfalates, e encadernadores. Ha
tambem alguns presos oceupados em faser
chapeos de palha, e um que trabalha como ta-
noeiro.
A officina de encadernadores trabalha des-
de o da 14 de outubro de 1850, e j conta um
sentenciado mullo idlanlado, e dous que dao
esperanca. Preparam-seali obras muitu bem
eieculadas.
I lluminaeo publica.
Este ramo de servico publico val receber os
nielhoramentos que exiga a capital do impe-
rio, e espero que dentro de pouco tempo es-
tejain as ras principacs illumlnadas por meio
do gaz bydrogenlo carbonado.
Ha multo se senlia a necessidade de aban-
donar o actual systema da illuminaco por
aselte; mas so appsrcciaiu propostas para o
gaz liquido, semelhante ao que se emprega
cm Nitherohy e S. Paulo : esta substituido
nao pareceu aceilavel pelas mesinas rasOes
por que o nao tem sido as grandes capitaes
europeas. Sd ento foram seucessivamente
appareceodo as propostas de Sodr, Ureyfus,
A. Milllet e C, tharollais Lenolr, e Ireneo
Evangelista de Souza.
As propostas de Sodr e Dreyfus nao eram
aceitaveis : pedlam ( feita a reduccao ao par
de 27 ) o priineiro 62 2|3 rs. por urna luz (bico)
einumahora ; c o segundo 61 Ii2 ts. A pro-
posta de A. Millict era muito mais rasoavel: pe-
dia 30 rs he verdade que com a condicao de
pagar o governo os tubos de desviacSo, e os
lamprdes e candelabros, asslin como a sua col-
locacao.
(invida a respeito desta proposta a seccao do
consclho de estado a que pertencem os nego-
cios da justira, e depois de haver procedido a
mi mu i usa investigaciio sobre este objeclo, que
jlllguei en n veniente sil lillletti r ao VOSSO CO
nhecimenio, transcrevendo no fim dessa parte
da consulta, conclulo ella que o preco de 29 rs.
c mesino o de 30 nao era desarrosoado. Fm-
quanto porm se discutlam as outrascondiedes,
appareceu a proposta Charollals Lenoir, e pou-
co depois dessa a de Ireneo Evangelista de
Sniin, o que deu lugar a modificar Millict a sna
primeira proposta, e a ofl'erecer tres series de
luz, sendo a primeira por 26 112 rs. e a segunda
e terecira por 24 e20 rs.
Charollals adinittia tambem tres serles, e pe-
dia pela primeira 18 rs., e 15 c mesmo l2pela
segunda e terceira ; assim como o prcvileglo
por 45, 30, e mesmo por l5 anuos.
Era de receiar que essa proposta nao fosse
realisavel : pois, em verdade, nao seria fcil
que aqu, onde officlnas, cncanamentos, lam-
peoes ludo estava por comecar, onde os juros
e os salarlos san tao elevados, e onde, final-
mente, os residuos das materias empregadas
para a produccao de gaz nao poderiam fcil-
mente obter o mesmo consumo que as gran-
des capilaes europeas, pudessemos conseguir
Iluminadlo mais barata doquecm Londres e
Paris.
Nao poda pois, esta proposta competir com
a de Mllllet.
O mesmo nao aconteca com a de Ireneo, que
pedia 27, rs. por una hora de luz, isto he, mel
real mais do que Millict na primrlra serie de
na segunda proposta, e3 rs, menos do que na
primeira, sendo para noiar que Ireneo toma
sobre si a despeza com o preco e collocac.io
dos lampeoes c at dos candelabros em varias
piacas ; estende o permetro da illuminacfio,
ampliando-o desde a Lapa at praiadoRo-
tafogo, circunstancia muito importante, e que
nao pode delxar de influir sobre o augmento
de preco
O contracto por este modo pareceu digno de
preferencia ; eu o submetto por extenso ao
vosso conhecimenlo, e veris que nao sepoupa-
rain garantas para a sua leal execucao, apezar
da confianca que Inspira a rcconbcciira probi-
dade do empresaiio.
Segundo infnrinacao do chefe de polica, a
illuminaco actualmente accende-sa 1,934 ho-
ras por anno. O numero de lampeoes tem cres-
cldo ehe boje de 1,9l I Ainda o orcamentode
1850 a 1851 dava como existentes 1,883 ; admit-
amos porm que fosarin' KOOO desde 1847, o
que he cortamente exagerado, eteremos l,9rtj
lampeoes accendendo-se anoualmcnte 1,934
lioras. Vejamos agora a despeza.
Em 18471848 gastou-se com a illuminaco
mais de 113:000/; em 1848 1849 mais de
112:000/ ; c em 1849-1850 mais de l l3lOOOJf
Demos Il3:"00/ divididos por 1.900. e teremos
cada luz custando annualmenle59,473rs. oque
dividido por 1,934 horas, d nerto de 3i rs. de
despeza por lainpeo cm urna hora.
Vi-se pois que, executado o contracto, o Rio
de Janeiro.trocar os seus lampeoes acluaes
por una luz superior de Londres, mais bara-
ta 4 rs. cada hora.
Emquanto porm nao podemos gosar deste
beneficio, era urgente melhorar o estado ac-
tual, e nesse sentido o chefe de polica subsli-
tuio ao administrador gcralquatro administra-
res prciaes; a emulacao entre os administra-
dores deve de produiir bons resultados c faci-
litar a fiscalisacao. A experiencia mostrara
at que ponto influir esta alteracao no inelho-
ramento da illuminaco.
l"e/gra|i/io.
.4 cha-se concluida a obrado telegiapho de
Villegalgnon, que j est em exeiciiio, mellio-
rando conslderavelmente este ramo de servico
publico. ,
Tenho o prazer de annunciar-vosque dentro
de pouco tempo se acharao em exercio os lele-
graphos elelrlcos, e ainda que sobre Imhas de
pequea exlenso, considero de grande impor-
tancia este priineiro cnsaio de tao prodigiosa
descoberta.
A comniunlcacao dos pensamentos, das or-
dens, das noticias, j nao cnconlra demora na
distancia. .
A primeira linha, para a qual estao quasi
promptos os trabalhos, ser entre o Caitello o
quartel de permanentes; e j devem de cslai
na Europa as encommendas para oulra entre o
palacio imperial de San Christovao e aquelle
MU lili I .
O inlerrsse do pas pede que se de a esla es-
pecie de telegraphos o maior desenvolviinenlo
pnssivel.
Negoeioi eccleiiailicoi.
Por decreto de 5 do correte foi elelto o vl-
gario da Encrutilhada, Feliciano Jos Rodri-
gues Prates, priineiro bispo da nova diocese
do Rio Grande do sul e para os bispados va-
gos de Maranhain e San Paulo o monsenhor
llanoel Joaqiiim da Sllveira e padre Antonio
Joaqun) de Mello. O estado do nosso clero re-
clama serias medidas | elle se recente especial-
mente da falla de Inslruccio. Salvas mu pou-
cas excepedes, compoe-sc em grande parte de
homens que abracan) o estado ecclesiaslico sem
a menor vocaco e apenas como meio de vida.
Alguns tiveram, he verdade, bous principios,
educam-se m seminarios, e, qtianu; permute
a fragilldade humana, se nao sao lumiiiares, ao
menos nao se deslustran! nein escandalisam |
mas uina boa parte nao recebeu nein a educa-
cao e nein a inslruccao conveniente, saudou a,
ciencias ecclesiasticis do luinlar, aprendendo
um pouco de lalim e nada mais.
Entretanto tem uina poslao na sociedaJe, e
cquiparam-se aosque tem as habilitacdes ne-
cessarias, e com elles se confunden) > e infeliz-
mente seu numero he diariamente accressen-
taJo com os egressos modernos.
E considera-se o clero como o termmetro
da moralidadede um povo!
Se todos estivessem bem compenetrados da
santidade do seu ministerio, da altura da sua
inisso e do grave dever que llies impoem os
cnones de se instruir! para poder bem des-
empenbar os difflceis empregos de mcslre e
juizea da consciencia dos povos, os sentimen-
tos religiosos se achariam mullo mais arraiga-
dos, c o povo mais moralisado.
Estabeleca-se como regra que nenhutn na-
cional ou estrangeiro receba as ordena sem ter
felto um curso completo no seminario, com ap-
provaedes plenas em todos os annos : ueguem-
se as lcenca aos que nao apreseniaretu ellas
hahililacaes em forma ; habllilem-se os blspos
onde nao ha seminarios para os erigir, e aquel-
le* que j os tem incompletos para os comple-
tar ; nao se cousinta que eccleslasllco nenhum
de oulras dloceses exercite actos de ordem,
sem previo came c sem apresentar demissnrlas
de seu prelado em que se declare o motivo da
sua retirada, a sua vida, os seus rostumes e a
sua inslruccao ; rcslabeteca-sca pratica de exa-
minar os clrigos a insudo, e ainda mesmo aos
parachos collados, se ao bispos constar que
elles tem perdido a sciencia. como dispie as
constituiedes do arcebispado da Kahia adopta-
das as ceniais dioceses do Brasil, c ter-sc-ha
fcito muito.
Entretanto para o rcalisar he priineiro que
ludo necessario fa/.er alguns sacrificios pecu-
niarios aiim de se estabelecerem ou melhora-
rein os seminarios, assim como retribuir o pi-
rochos, c em gera! as funeces ccelesiaslieas
de modo a chamar para o clero homens de ver-
dadeiro mejito. e a estabeleeer urna concur-
rencia que habilite os bispos a ser exigentes e
severos na escolha dos ordenados.
He necessario tambem augmentar o poder
temporario dos bispos c do foro eccleilastlco
sobre o clero; nao bastan) as penas espiituaes.
A parl do clero, para queni a represso he
mais necessaria, he exactamente aquella que
zomba dessa prnalidade.
^.^o posso concluir estas observaces sem
lembrar-vos a urgente necessidade de estabe-
leeer cim privilegio de foro para es bispos.
Um principe da igreja est sujelto i jurisdl-
;ao dos mais subalternos enipiegaclos. S aos
scntimenlos religiosos de nossa popuaco, ao
grave proceder de nOMOl prelados, devenios o
nao termos ainda sentido as fataes conseqiicn-
cias de tao absurda disposijao.
O seminario episcopal de San Jos conta 111
annos de existencia. O seu material foi todo
de prximo reformado, e com o fruto de econo-
mas de oito anuos se lhe est coiiclmndo mu
novo dormitoiio com capacidade para comer
mais 42 alumnos.
O seu patrimonio tem tido nolavel mellinra-
iiicni i. e a sua renda orea por 25:000/annuacs,
nrluindo as peiisdes.
Nos l3 annos da administraco do actual rei-
tor, e monsenhor ilanoel Joaquim da Sllveira,
obleve um augmento de S:0(0f anntiaes
O ensino, que se llmitnva s cadeiras de
graminaliea das Lingoas latina e franceza, phi-
losophia, theologia dogmtica e moral, canto-
chao e lllburgia, acha-se aclualmente augmen-
tado com as cadeiras, que successivaniente se
tem creado, de rhelorica, potica, historia gc-
ral, arithmelica, algebra, gcometria cgeogra-
phia, historia sagrada c ecclesiaslica, e Institu-
ces cannicas fallando-lhc a|ienas duas ca-
deiras da lingoa grega c de escnplura sagrada
para ser urna academia completa de scicncias
ccelesiaslieas.
O seminario de Pernambuco, segundo n(or-
macoes que tenho, j nao est no p em que
foi creado, tem retrogradado. Oda Baha, pelo
contrario, melhora, a despeilo da falta de
ineius, mas sollre una lacuua mu sensivel,
nao tem um curso de preparatorios. O de Mi-
nas tem passado modernamente por afumas
reformas que lhe fez o actual prelado ; ms ape-
lar de todas ellas o seminario ainda est longe
do que deve ser. Do do Maranho nada posso
dizer por falta de Informaccs; mas o do Para,
que he amigo, chegou a um estado tao pouco
satisfactorio que o actual prelado se vio ubi i-
gado a ir lecionar por falta de mestres.
O clero regular recenle-sc dos mesmos de-
feitos do secular : os mesmos remedios, pois,
aproveitaro a um e outro. O espirito de insu-
lioi-Jinae.au que atormenta o seculo tem lam-
liem invadido o claustro: o governo, porm
tem empregado as medidas necessarias para
auxiliar os superiores das differentes ordens
monsticas, e cieio que nao pouco se tem con-
seguido COI!) O ciiiiliec inientii Jes-a- disposi-
,-nes do governo, O certo he que as lulas in-
testinas tem diminuido consideiavelmente.
Os religiosos franciscanos, que residem no
convento sobre o morro de Santo Antonio, i-
chain-sc reduzidos indigencia pela sessaco
das sepulturas, que constituan) sua renda
piinclpal, Talvez fosse conveniente estabele-
eer pensoes vitalicias a esses regulares, medi-
ante a ccsso do convento e terreno adjaecnte
(precedendo os necessarios accordos), e tanto
mais quanlo, na opinio de pessoas entendidas,
a demolico desse convento, para se arraiar o
morro em que se acha edificado, he urna ne-
cessidade hygienica, c o meio de facilitar o ni-
velainento da enlacie. Em todo o caso aquelle
convento, encorporado aosproprios nacionaes,
poderia ser de grande vantagem.
Capilla imperial'
O estado de indecencia a que havia chegado
aeapella imperial era aass notorio para que
possam dispensar-mede o desciever.
Desde o anno de 1823, em queselimpoun
dourado, c se branque aram as paredes, nunca
mais se lhe fez o menor beneficio no interior.
Nos das de grande solciiinidadc e de lesla na-
cional era preciso abafa-la coi estofos de la e
seda, faltando assim ao bom gosto e sobrecar-
regando com enormes despezas os cofres pbli-
cos.
Apcsar de reduzidas aosdias de fesla nacio-
nal, as armaces cuslaram, nos ltimos 10 an-
nos, pe to de 40:000/, que por nico vestigio
deixaram o estrago o a destruico as obrasde
lalha, onde o primor da execufo nao as pode
garantir contra os golpes qne recebiam todas
as vezes que se armava a igreja. O reparo des-
tas disii uieues calcula-se ter custado mais de
10:000/.
Era, pois, indispensavel restituir ao templo
seu amigo explendor ; o que parcela necessa-
rio eslava oreado em 18:000/, c cm 20 de abril
do anno passado se ihe mandn dar comcc.u.
A obra, porm, proporcao que piogredia
rcvcbu a a necessidade de novos reparos.
Da ciiualha para baixo o estrago era conside-
ravel, a talba e a esculptura de mu delicado
gosto esta.un airiiinadissiinas, saltares car-
bonlsados, e forca foi reslabelecer esses primo-
res d'arle, depois do que veio a necessidade ue
dourar ludo de novo, de sortc que" do antigo
dourado s se pode aproveitar, por bem con-
servado, o do i' eto dacapclla-mr.
Um dos pedestaes do arco cruzajro da capel
la de San Pedro de Alcntara eslava completa-
mente podre; os bellos ornatos da bocea do
ihrono da capella-mr eslavam eiu multas par-
tes an mundos, e at arrancados ; nao menos
eslavam os ornatos inferiores, c o mesmo aliar.
As i apellas do Sanlissimo Sacramento de S.
Pedro de Alcntara eslavam muito deteriora-
Todos os quadros da igreja foram reslan.a- da vinda de mais 5 religiosos. As despezas
os, e entre elles oda bocea do throno. obra com os que vieran), e oulros que anda se
esperan), segundo as ordens expedidas pelo
governo, foram feltas coi a quantiaque ainda
exista dlsposicao da legaco Imperial em
original do antlgo artista brasllclro Jos Lean-
dro de Carvalho, e foram fellos todos os conve-
nientes c necessarios concertos as escadas,
tribunas e mais accessorios da igreja.
Odourado foi feito deouro puro e sem mis-
tura de t (nimia rom para encubrir defeitos, co-
mo linha o antigo dourado.
Coi tantas e lao importantes obras se des-
pendo) a quantla de 52:328/332. Parte dclla,
ido he, 16.6j3/052 sahirao da somma votuda no
mi;.....ni > passado, pois que a obra comrcoii
anda dentro desse excrcicio ; loda a mais foi
feita com a somma votada no orcamciito pr-
senle, lendo sido preciso augmenta la com o
cr de 12 de abril deste anno.
Esl, pois, concluida to importante obra
cuja administraco, sendo confiada ao digno
inspector da capella o monsenhor Manuel Joa-
quim da Sllveira,nao pudia delxar de ser, como
foi, presidida pela mais severa economa, sem
sacrificio da boa execuciio
A despeza feita ser em pouco lempo com-
pensada com a economia das armaeoes que
noje se dispensa), E a elevacao das rendas
da fabrica le potipado ao thesnuro nao pe-
queas despezas que anteriormente se faziain
\o relatorlo apresentado cm Janeiro do auno
passado dei-vos conta dos terrenos e predios
que a capella possuia, e de providencias que se
liaviam da lo para faier elevar os rendimentos
da fabrica al entio mui desfalcados.
Hijo possuc o cabido lOapolices compradas
com o producto de 29 bracas e G|ialios de Ier-
ra vendidas por )3:l05|)r. e 2:7II#670 de ouro
que se mandn aiuoedar por nao ter uso al-
gum na capella.
Possuc ainda o cabido 1,319 bracas e 4 pal-
mos de testada em San Christoyao, engenho
Velho e IIio Cumplido.
Todos estes lenos arrendados a praio de
cinco annos produtiam a recata animal de
389920.
Hojc estao aforadas 374 bracas c 3 palmos, e
s o canon produz animalmente l:06i/200,
alm dos 1 unleu,i .-
Reata ainda aforar 915 bracas e 1 palmo, cujn
cano deve, segundo as avaliacoes feitas, pro-
duzir auiiii ,hlenle 3:8Mf 100.
Assim os mesmos terrenos que se alugavam
por 389/526, aforados produzein s em foro
mais de t2 vezes aquella quantia. Se a este
acerescimo retuiiruios o que ho de | rodu/u
os ladennos, que devem ser muito avoltados
c frequenles, atienta a mulliplicidade dos fo-
reiros, e o grande valor das diversas chcaras
que consliiuem este requissimo patrimonio,
nao llavera exageraeo eni esperar que dentro
de pouen lempo a renda do cabido ser u-
perior s necessidades da fabrica Entretan-
to ainda em i849 o tbesouro pagara al as
hostias!
Alm dos terrenos o cabido possuc tres
predios que rendan 1:592/000, pod ndo ren-
der mais do duplo sean cstivesseni ligado a
arrendamenlos fcilos por grande eapaco de
lempo, e com manifesta leso de seus nte-
resses. Felizmente v.io chegando ao scu ter-
mo, c esta renda brevemente crescer.
Usando da autorisajo que concedestes no
art. II, I da lei do orcamento. o governo
publicou o decreto de 10 de setembro de 1850
lob n, 697, que sem augmentar as despezas,
c siijij.i-inundo s.uneiite as dispeiisavcis, cou-
seguio elevar um pouco os tenues vencimen-
tos dos meinbros do cabido e dos emprega-
dos da capella,
Oxal o mesmo se pudesse faier as outras
calhedraes; infelizmente, porm, nenhuina
reforma ulil nellas se poder levar a effeito
sem augmento de despeza, como consta das
infonr.acocs dos respectivos prelados, que vos
sero presentes.
KnsVetanto he necessario cuidar disso. As
despezas feltas com o culto su da maior
iitilidade.
Opiic/iinnoj.
Exilien] actualmente 55 misslonarios, divi-
didos pela mancha segiiinte:
Chegadus reccnlciiieute, e em preparos de
Viagem.............O
Hospicio da corle........, 3
Rio de Janeiro...........3
Espirito Santo...........2
\l n inli.o.............i
Piauliy. .
S. Paulo............. 5
Minas Geraes........... 6
Goyaz.............. 4
Mato-Giosso............ 2
Babia............... '
Scrgi|ie.............2
Peftianibuco...........4
Para............... 4
existia a disposicao oa legaja
Roma para mandar novos missionarios.
A dl'erenea no nrjmero dcstes religiosos
prove da morle de alguns deller, e de se
havercm oulros retirado para Italia.
Anda exislem disponlveis na nossa legaco
de liorna 2;'81l escudos c 32 l|2baioeos, que
se mandaram einpregar as despezas com o
transporte de novos iissionarios.
Secrelitrii de Etlada.
Nao se lendo podido ell'ecluar a minian, i
da sccrclcria de estado dos negocios cstragei-
ros, que havicis autoriado, contina a secre-
taria da juslica na inesma casa, destituida
das necessarias proporcoes. Apezar desla dif-
ficuldade, tem melhorado seu archivo; con-
tinuando o trabaihos comecados para o i-
venlai io "de classificacao dos papis qji| esca-
paran! aos amigos e frequenles extravias.
Lua lei que couverlesse os emolumentos
das secretarias de estado em renda para
tbesouro seria de grande vantagem para o
servico, e evitarla aos empregados e aos pre-
tndeme! nao pequeos desgostos.
Para que isio, porm, e rralisaise com
111.11..-1, seria necessario elevar os ordenados
raioarelmenle e estabeleeer gratilicaes de
excrcicio, que para os actuaes deveriao ser
nunca inferiores ao termo medio dos emo-
lumentos nos ultimol Iro annos, embora para
os que eutrarem de novo se possa estabele-
eer nina gratificaco menor. Desta maneira
serlo respeilados todos os dlreilos adijuirl-
dos, e o servico publico, assim como a_dig-
nidade dos empregadus, milito ganhario.
talttnco provisorio de 1849 =.1850.
O espirito de economa, que produzio no
excrcicio de I.84S-I849 a avullada sobra dd
que vos dei Conta no ultimo relatorio, cou-
tinuou no de 1849-1850 a produzir o mesmo
bol le-uil I I .
Dos 2,220:273/781 votados, apenas se des-
penderam 1,845:079/792, viudo assim a apre-
seutar a sobra de 375:193/989, como veris
do balanco provisorio que mandei juntar a
este relatorio para ser subinellido ao vosso
cnihecimemo. Em todas as verbas houve
saldos, em nenhuma foi necessario crear cr-
dito supplemcnlar.
Coi quanlo seja este balance provisorio, a
nalurea das despezas que se fiiem por este
ministerio assegura que nao pode estar louge
da verdade.
Igual observajo havia eu feito no ultimo
relatorio, c a experiencia conlirmou esse ra-
ciocinio.
lloje, que esta definitivamente conhecida a
despeza de todo o excrcicio, v-ae que a sobra
que cnlo vos foi indicada no balanco provi-
sorio sollreu apenas a dillerenea de 12:007/944
para menos.
Termino repetir.do-vos que prestare! com
s ui-i i .",., quaesquer esclarecimenios que vos
sejaiu precisos acerca dos negocios que cor-
ra por esla reparlicao.
Rio de Janeiro, i3 de maio de |85I.
Kulebio ile Queiroz Coutinho Alattoso Cmara.
55
A' excepeo do que exislem na curte e no
hospital da Kahia, lodos os oulros acham-sc
oceupados na calcchese dos indgenas.
Nao he possivel delxar de rcconheccr os
importantes servicos que estes padres tem
prestado e continan! a prestar. Trocando
os gozos de uina vida eommoda por outra de
se,lli miento e privaco, elles se propdeni coi
fervor evanglico a trazer ao gremio da civl-
lisaeo homens perdidos para ella e para a
religlo.
Palpavel como he-a necessidade de aprovei-
tar na agricultura os esforcos de homens va-
lidos e robustos, quaes os indgenas, e dcinous
irado que a religio smente he capaz de o
conseguir, fazendo-os deixar a vida nmada
e errante para estabeleeeiei povoaedes csla-
veis e civilisadas, basta lembiar-vos a con-
veniencia, importancia e necessidade de aug-
mentar as inisses.
S na provincia de Malo-Grosso, segundo
linca memoria escripta pelo llevd. bispo dessa
diocese, ha68 tribu condecidas de indios sel
vageus qne vivein errantes pelos vastos ser-
loes dessa provincia; multas oulras ainda ha
e talvez em maior numero, que nao se co-
nhecem pur habitare! muito no centro, in-
ternadas em grandes malas que .nuda nao
foram exploradas.
.Sein. lleullemente ueennc o liiesiun em ou-
tras provincias, e por isso, proporcao que
torc chegando da Italia os miasionarios que
o governo tem mandado vir, sero distribui-
dos pela maneira mais conveniente a ajudar
os respectivos diocesanos no desempenho de
scu ministerio pastoral na parte relativa
calcchese.
No relalorio passado vos dei conta da exis-
das, e preciso foi, alm de todos os concertos, I tencia de 57 capncliiuhos as nossas missOcs ;
fazer-se obra nova de talha. I esse numero acha-se reduzido 00, apezar
OICIFE, M BE JONHO DE 1851.
Ante-hontem chegou dos portos do norte o
vapor Imperador tratendo-ns jornaes do Para
al 7 do coi rente, do Maranhao al 14, do Cea-
l al 17 e da Parahyba al 16, os quaes s
honlcn recebemos, por ter elle entrado quasl
noi'e.
No Para muito tem sofl'rido a populacao do
saratnpo e bexigas, que all, bem como entre
nos, succederam febre atnarclla. A morta-
lidadc em sua capital foi de 77 pessoas em lodo
o niei de malo prximamente lindo, no que
houve um augmento de 50 por cento compara-
da ella com a do niez anterior aquelle. Os ani-
maes domsticos tambem teem sido, depois
do flagello, atacados de epizootias, eparticu-
larmenle os caes foram acoiiimcttidos de uut
mal, com que em poucos dias decidiam. En-
tre os silvestres foram do mesmo modo devas-
tadas algumas racas, bem como a dos veadoa e
capibaras, que eram encontrados morios pelos
matos, notando-se hoje grande falta dclles.
No dia 4 do crreme sahiram de tfelni para
Macap.'i dous pequeos vasos de guerra, um
dos quaes devia estacionar no porto daquella
villa, e outro cruzar pela cosa, com o fim de
impedir a erasn dos escravos, que d'.illi tem
fgido ltimamente em crescido numero. As
duas embarca..nes levara! a bordo 10colonos
militares coi suas familias para a colonia Pe-
dro II, situada no rio Areguary, o capello no-
meado para a inesma, c alguns pedreiros c ca-
rapinas engaj idos para as obras que de novo se
/So fazer.
No Maranhao lomo o Exm. Sr. Dr- Olimpio
Machado coilla da presidencia da provincia
no (lia t> do correnle, e de sua .administraco
esperai lodos grandes beneficios. Amisso
geral de S. Exc. he, conlorme os jornaes, es-
labeleanr o imperio da lei, da tolerancia c da
ni.>i iliJcle. e promover depois a prosperida-
rle material da provincia ; a especial porm he
livrar Caixias do punhal c do bacamarte dos
assassinos.
No mesmo dia 5 houve um assassinato na
cadeia da capital, c segundo se detia, concor-
rra para ello o famoso reo Antonio d'Olivei-
ra, intrigando o assassino coi a victima, por
ter sido esla quem denuncioii outrora o pro-
jectode luga do iiiesmo Oliveira. O assassino
ero reo de elimo de inorte.
A lelue .cnai i ha valen decliiiaco na ca-
pital, dando-a o nisrri'arfor por enmela ou
quazi extiucta, em razo de nao chegar a dar
o numero dos que recebe) diariamente re-
medios e ddas por coma dos cofres pblicos,
quando no mez passado exceda de 20iL
Foi iioincado chefe de polica uterino o juiz
de direito da caminan a da Chapada, Di Pu-
lycarpo Lopes de Leo, o qual ficava a par-
tir pata tamas eom ni destacamento de tunta
pracas, o novo cominandante militar, o Sr. Ma-
nocl Ignacio Bricio, um capilo de polica e
mais Jiiii.- niln i es.
O Telgrafo de Caixles de 28 de maio publica
a seguidle noticia:
O l." supplenle do subedelegado do 1, dls-
triclo em exercicio, Anbal Cezar Marques, a-
caba de fazer capturar o malvado Antonio A-
lir.ii, um dos assassinos do nosso amigo Joo
Facundo de Castro Meuetes! A Divina Pruvi-
II FGIVFI


Su*..-
U& -*. V
I

55
flencla nao poda consentir qnc ficasse cmpu-
aie por inais lempo, o aulhor de to horroroso
Mime. Confiados na rctldo o justica do Sr.
TJr. Fernandos Viclra, esperamos <|iie o reo
silga o inais lircve possivei para a capital do
Gear eflai de receher o premio de suas inal-
vadeses. Farcinos volns para que um scinc-
Ihante monslro nao illuda a vigilancia da es-
colla que o acompanhar, como acontecen com
> lamlgcrado /aearias Fernandos dos Ueis.
Ouantoas elcieoos assini se exprime o ob-
servador de 14 do ccrrcnle:
J nao resta a mnima dnvida de que alista
triplico se conipor dos Sr. Mariani, Anjclo
MoniXi c Joaquim Mariano. O quarto votado
ser o Sr. Honorato Alves de Sou/a, que levo
110 llrojo 45, votos e que dizeta ter taiubeni vo-
tos em Pastos-Bous. O quinto ser o Sr. Consc-
Ihoiro Joaquin Vicira, ludo Uto >c nao houxcr
reforma das actas..
DoCear nada lia de interesse. ConiUva
a redaco do Cetrcnse acliar-se intorinaiiionle
oncarregado da policia o Sr. I)r. Jaguaribe,
iui: do dircito de inhaiiium. I'edio c obtevo
lemisso de cominandanlc do corpo do po-
licia o capito Joaqiiiiu Cezar de Mello Padi-
Ih.i, sendo nomeado para o substituir o l-
enle do mesmo corpo Antonio Gomes Fer-
reira.
Ua Parahiba nada vemos que podesse ser
mencionado.
Correspondencia.
mandante o lllm. Sr. tenertte coronel Antonio
Mara de Sou/.a o meu dedicado reconheci-
incntii pela elevada virlude, rccldo cjtiilica,
o extremada ooragem, (|iie o tornfioo cicdor
dos mciores elogios : Illmi. Srs. capitaes,len-
les calferes do balallio. Ilaslante lio o meu
orgullio (piando me b-mbrando do lempo em
que combata a vosso lado, admirci com sutn-
iiio praier o esforf adn animo, que vos tornava
supporiorcs aos pergos, que lam cminenlo-
nicule vos amcacavam a amiadc, que cin
vos todos sempi'o encontrei, me contesso ver-
dadclramentc agradecido. Acccital meos
sorvicos o saudades. Todos vos, pracas de
pret, sois valientes e liis soldados, que de-
baixo das ordens de lam inigno commandan-
te c peritos .ofViciacs praticaslos em todos os
combates prodigios de valor. Recebei igual-
mente o adeos de despedida, que com o cor-
ceo corlado de amargas saudades vos dergo
o vmso capilain. Francisco Antonio de Snusa
Camizn.
IUh Grande do Su I 19 de linio de l85l.
Keeebcmos do Sr. Francisco de Salles Gui-
uiares e Cunha. director do theatro de Apol-
lo a quantia de 500/ livres da despea do be-
neficio que o inesmo Sr. deu a companhia
Berteaux. I'ernainbuco, 18 de jiinlio de 1851.
BirtcattX, llcnry Maurin.
CO&ISE?
-
Vingunn re/irova nnt oulrnt
O que niio reprova em si.
Y7o ponsei que a Imprima da opposicao to-
masso em grosso a miuha correspondencia, o
as dos meiis amigos do centro, insertas no scu
ii. de ll do correte nao so porque nessasma-
nifeslacoes prevmtiva nao ba nada que orl'en-
da a moral de nossas leis, a menos que a m
f nojresida ao seu exaine; como porque,
a ser isro crime, inultos crimes comnielterain
os amigos redactores du Diario floto, ni, a-, pa-
ginas estao prenhes de protestos e inais pro-
testos de reaccao contra os membros do par-
tido da ordem, no caso de qualquer oft'cnsa ou
provocaco aos do partido praieiro. Ora,se vos
adoptastis csse nietliodo, como boje o censu-
ris?
De inais; o que cu disse, e di safras os meus
amigos foi que, mediante a inlervenco das
leis, nao fcaria impune qualquer airocidade
que (osse praticada contra iniui, e o coronel
tjamboim; e iiein outro poda ser o sentid*
intimo, e verdadeiro das nossas expressoes.
Por seguinte vos deveis chamar a atlen(o do
governo he sobre a maneira audaz, porque
esses vossos aleados do Brejo amearo a ini-
nha existencia, em qualquer parte que se a-
chiio, como me sei a fcil provar com o tesle-
munho de pessoas do vosso lado ; e nao sobre
aquelles que apenas (li/ein=se pratcardes o
crime, mis vos chaniaromos as barras dos tri-
bunars-: onde est pois o inaudito desta pro-
I < -i: So Nao ser iiulhor provenir do que pu-
nir? Se os anlhorcs desses grandes crimes,
que espantan a naturosa, coiilassom previa-
mente com um castigo correspondente, scriam
lo misados em pratica-los?
Por (auto os vossos reparos peceo por ocio-
sos; ellos nasccm do prurido de envenenar o
acto ni.ii. iunocento dos membros do audo
constitucional, ou do telo farisaico pela moral
publica, cuja vus nao pode duinar os inslinctos
daquelles, que cobriram de lucio, e do sangue
esla heroica provincia.'! '
Ksses ofliciaes da guarda nacional, que pjo-
trsiam submetter aeco da justica os que me
oHenderem, sao liomens pacficos, e nao ave-
sados ao crime : o s se bao foiio nolavois por
sua auheso, e fidclidade do albrono impeiial,
m pro de cujas prrrogalivas tem sacrificado
suas vidas, o fortunas com o inais puro civis-
mo; outra pois nao poderia ser a couducla do
governo, se nao apreciar amigos lo sinceros
e dovolados; amigos que o mi abandoiiaram
nos momentos supremos, em que a nossa pa-
tria se debata as anguslias da inorte com
os furores da liberdade em delirio I...
i .ni mili ao epilhelo de cilibie que me con
feris, dir-vos-hei, que a miuha celobridade
consiste ti" nao ter deixado em p neuhuina
das aecusaces calumniosas, que me havoi
fello: consiste em detestar a anarchia, por-
que lie ella o desiucmbramciilo da sociedade
civlisada--consiste finalmente em aborrecer
a demagogia, porque ella he a vergonha du
povo, e o escndalo da libordade etc., ludo
inais sao brincos de vossa imaginaco, cujos pt
ribmpos se dissipao n'aliuosfora do bom sonso,
em cujos dictamos smente me louvo. llecife
21 deJuuho de 1851.
Joaquim Pinto di Campos.
ALFANDEGA.
i'.tfti.limBn'o do da 23.....8:321,323
Pesarregam boje 21 de junht.
F.scuna hallan lez i Alberto~ quoijos e
Rendir.
F.sruna ingleza Rachael merculorias.
lirigue francoz Cezar idem.
liare i portin;iieza Ligeira -- i lem.
Ilriguo sueeo l'elix -- (.velo o botijas.
CONSULADO GERAL,
llendiinciito do dia 1 a 21
Klein do da 23......
17:OI5,1t9
4:417,481
21:432,630
DIVERSAS PROVINCIAS.
ItMiiIiment do din i a 21 .
Iiem lo da 23......
Publ
cagues a pedido.
PKSIA
Jlirilaia no theatro de Apollo em a nuite de 14 de
junhn, dedicada ao artista dramtico Francisco
de Salles (luimaraes e Cunha, pr occasio di
ve lo representar a difcil parte de Luii de Ca-
mois, no i/r (111*1 do mesmo nomi.
> iiirm me dra de Elmano a doce lyra,
De Ilubens o pincel, de Tasso o genio
1 1 1 ousado cantar leus dons sublimes
Po palco singulares !... Queui me dra
J-Tigir-tc padroes, onde a memoria
De leu minie passasse alm dos tcculos,
Causando emulado, causando espauto,
Ja no doce ferir da branda lyra,
Gomo na urna, onde s tu s grande,
Onde tu primas, com valor subido...
Quaudo o vicio nos pinta hediondo
Para dille fugirmos ; quando ensillas
A seguir da virlude o tiilho ameno,
.Seinprc ovante zombando das paixes,
Ignobeis paixes, que nos avilum
Quando uioslras o ofl'eilo desastroso
Da funesta ambico, torpe vingan(a ?...
Oh !.. quein pode igualar-te !.. yuem se atreve
No palco a despular a gloria e o noi..e
Nao he smenle em scona onde biilhas ;
K's 1 iml'i ni na poesa admirado :
,'uaiii.-c vi/es me leus do torno poito
Arrancado suspiros ; quantas ve/os
I.endo teus versos, transportado tico
Do inais grato prazer, doce ternura !
Tu csum novo atro de haimonia
<.lue lisouho fulgura, assoma e brilha,
Quando lernas calices, brandas, sonoras,
Do poilo sola.
Arollie.Gumares, grato benigno,
Fsles versos inesquinlios, fraia ol renda
l>e um amigo, que somprese compraz
De le niivir loda a voz, que como hoje,
1 ni serna te aprsenlas conquistando
Os vivas, os applausos deslc povo.
Que 1 ni i,i ni como ou, aqu te admira.
tlanoel l'omecade tVideiros.
1:380,710
101,183
1:481,893
nEC.EHKDOrtlA DE HENDAS CEUAES
INTERNAS.
Itendimonto do din 23..... 449,970
'ONSIll.ADO PROVINCIA!.
Ilr-m do da 23.......3:131.835
Movimenlo do porto.
Despedida.
Tendo sido pordecrelo de l de abril do cor-
rente anno removido do T batalliao de caca-
doies para o depozilo de rrcrutas na corte, nao
posso deixar de nnliiivii aos lucos bravos
Ciiipaiiheirns de armas o adeos de despedida,
e ccusagrar-lhes desde j as saudades, que mi
a 11 11 1 a ni..iiain por ser desligado de um bata-
lilao, que duiante 13 annos
Navio snhido nodiai.
Parahiba hiatfl brasileiro l'arahibano ,
mostr Ni ohio Francisco da Cosa, carga
rinm secca c bacalhao. Passagciro, Joa-
quim Marques de Santa Auna, Brasileiro.
Savias enliailos 110 dia 22.
Rio de Janeiro 19 Tentadora, de 60 tonelladas, capitJo E-
migiiio Jos de Olivoirn, pquipsgetn 55,
pin lastro ; a Manoel Jinqtiiai Ramos e
Silva. Vcio rocclier ordena o segu para o
Porlo, levando a seu bordo 31 passagoiros.
Aracnly e Ass--20 das do ullimo porlo,
biate brasileiro Flor de Cnruripe, di 9"
lonelladas, mestre Antonio Jos Viaiina>
pq'iipugein 8, carga sal, couros e mus g-
neros ; a Tiburoio Valeriano Rapttsta
Traz 2 escravos a entrojar.
Para pelos )iortos interme us 11 das o 18
lioras, vapor brasileiro Imperador, coman-
dante o 1. teuenle Ignacio Eugenio Ta-
vares. Trnz n seo bordo, para esta pro-
vincia, oExm. Honorio Pereira deAzeie-
do Coulin'.o, com sunSia. o 4 escravos,
I)-. Jos Jiisem do Ppqo Morcira da Roza,
Antonio de Alhuqnctque (;andra, Fran-
cisco de Sotiza Marques, Antonio dos San
tos Coelho, Feliberio Jeronymo Torres, 1
soldado e 4 escravos a entregar : para o
Rio d Janeiro, o segundo lenlo d
armada Joaquim l.eal Forre ira, Francisco
l.uiz Simpaio, Manoel Jos deAlbnqner-
que, Anlonio Manoel Estetlo e Manoel
Ferreira, 20 remitas, e varios escravos.
Navio sahido no mesmo dia.
Rabia lniguo escuna brasileiro de girerra
Canopo, comuiBiidanleol."lente Clnis-
la d'Ouro.
Navio entrado no dia 23.
Marei 21 lioras, brigue inglez Titania, de
220 tonoll das, capitio W. Williams, c-
quipagum 13, carga ttssucar e nlgod3o
l'assageiro, fre llcnrique do C-stello de
S. Pedro. Veio receher ordens e segu
para Liverpool.
Navio sahido no mesmo dia.
Canal escuna ingleza Martha, capitSoCle-
nient Day, carg assucar.
Observar/les.
O Inste brasileiro Amelia, quo tinha salii-
tlo pira a Rabia, no dia 18 do correte, en-
trou no dia 22 arribado, por no poder ven-
cor as correles e os ventos contrarios.
Deca Til yoes.
Real companhia dos paqvetcs inglezes a vapot.
Um dos vapores poderozos des-
ta companhia deve aqu chegar
no dial at2dcjultio prxi-
mo da sua viagem de Inglater-
ra pelos porlos do Sul, os Srs. que preleude-
rem passagoin para qualquer dos portos em
que o mesmo lonha de tocar, devero traclar
antrcipailamente em casa da respectiva agen-
cia ra do Trapixe 11. Ai. Advorte-sc que pa-
ra enmmodo dos passageiros o comiiiandante
ili-.ii vapor tem ordens para fuudiar bem
pono.
Tondo o arsenal de marinba de fchal-
as suas cotilas do exercicio que linda no ul-
limo do crrenlo niez, convida por lauto o
respectivo inspector a todas as pessoas quo
se julgarem caedoras do mesmo arsenal a-
presentar as suas comas legalisadas al o dia
20 do crreme, o inais lardar, a fim de seren
pi "ll 1 1 ni. 1 nii satisfeitus. Inspoccao do ar-
senal de marinha de periiambuco, 'J'i de juuho
de 1851.Hodrigo Theodoro de I'reitai.
Inspector.
-- Precisa-se engajar dous pedrcslres para
o servico do correio, quoui se adiar nossas
circuiuslancias dirija-se ao administrador pa-
ra tractar do ajuste.
Deoidem do lllm. Sr. director geral da
inslruec.io publica faco saber aos Sis. inspec-
tores dos circuios lillcrarios, nao s do muni-
cipio do Recito, como dos de toda a provincia,
que para boa ordem e proinplido do expedi-
ente, ha.1111 de remoller pata o lyceu loda a
sua correspondencia cllicial com esta direc-
tora geral os dacidide directamente ; os de
fra por nielo do correio geral.
Outro siin que lodo o negocio umeial dos se-
nhnres professi.res quer pubiieos, quer part
que 11'olle sertj,
fi.i n-ti munli.i do sua drsciplina e harmona, cularos'com a directora geral ser por nter-
Fallaria por corlo aos devores da gralido, >e medio dos ditos Srs. inspectores.
(Jcixasse de tubular ao scu diguissiino .com- Direcloiia geral, 18 de juuho de 1851,Can- I
'lulo Eustaquio Cesar de Mtllo, amanuense ar-
chivista.
Pela recebedi-ra de rendas internas ge-
raes, se faz publico que, em vlrtudc do art.
9 do regulamento de 11 de abril de 1842, he
u correle inez de junho o em que os donos
e administradores dos escravos sujeitos i laxa
deverao fazer as dcclaraces, que serao asslg-
nadas e Justificadas, assm dos que adquiri-
rem de inais por nascimento ou outro mco,
como dos que dolxarom de possuir por alfor-
ria, allenacao ou morlc. Gcrldcs de bap-
tiinio ou bito; oscriptos de liberdade, com-
pra, venda, dnacao, ec. devem ser apresen-
lados como documentos justificativos de taes
declarares. Outro sim, que findo o dito
mez se dar principio cobranca executiva
contra os devedorrs da laxa de escravos, do
anuo de 1849 a 1850, da decima de inaremorta
do primeiro semestre de 1850 a 1461, dos
imposlos ile luja. barcos do Interior e seges.
Keccbedoria de pornambuco, 5 de junhn
dcl85i.O administrador, Manoel Carntiro de
Souia Laceria.
PuKft De ordem do F.xm. Sr. presidente da pro-
vincia, manda aiinuiicisr o lllm. Sr. coronel
inspector, que apagadoria tem de comprar pa-
ra o presidio da ilba de Fernando os objectos
que ennstam da relacao, que abaiio se segu.
As pessoas aquem convier apresentaro as
suas propostas em carta fechada nos das 23,
25 e 26 deste mez, das ll horas ao ineiq-dia,
advertindo-se, que os objectos, ou os gneros
seriio da melhor qualidade dos que houver no
mercado, para cujo fnn apresentaro tam-
bem as amostras daquelles que for possivei
dar, amostras, que a condueco para bordo
do patacho Virapama ser custa dos vendedo-
res, e bem assim, que da farinha de mandioca
smente se coinpram por ora trezentos alquei-
res, que serao med los pelo alqueire velho
110 armazcm, ou navio peante a pessoa, que a
pagadoria designar, devendo ser ensacada em
ta/enil i'ciii.i-ieiitc, e eiufin que custa dos
llelai, .ni dos gneros e objectos, que se faz pre-
ciso para fornecimeuto do armazem do al-
moxarifado da illia de Fernando de No-
ronlia.
Assucar branco 20 arrobas, bolaia 25 ditas,
gomina aramia, l dita, tapioca do Maranho
I dita, carne do tirar 25 ditas, arroz 2 saccas,
cha 2 caixase 13 Ib., farinha de mandioca 800
a.'queires, plvora 10 arrobas,tellias20/, lijollos
de ladrilbo para construcc.io de nina ce.terna
2o:000, caibros de 35 palmos 300, frexaes de
35a 40 palmos 30, cnxainois de 25 dilos, 50, li-
nhas de 40 ditos 10, pranebdes de secopira, ou
de pao d'arco para bombas de carro 4, ditos
de dito, dito de dito pata 2 eixos do carro 2,
prensa grande para fazer farinha, com 22 pal-
mos de cuniprimcntoe 22 polegadas de largu-
ra na caixa de aportar 1. rodas para moer mam
dioea 2, ps de ferro 24, n^o de molla verga
chala c nao quadrada l libras, brins para
loneoes e camisollas para o hospital 3n5 varas,
riscado de linlio para colxes 1 covados.
No impedimento do cscrivo, o official,
joaquim Pereira Bastos
Perante o conselho de administrarlo na-
val tem de cniiii.ii.il--M- por arremataco o for-
uecinionlo dos gneros seguintes para os na-
vios armados c hospitnl de maiinha por tempo
de 3 mezes a contar do primeiro do mez de
julho viudouro, azeitc doce de Lisboa, assucar
branco, arroz pillado do Maranho, bacalho,
caf muido, carne secca, carne verde, toufi-
lllm de Santos, vinagre de Lisboa, esperinace-
le em relias americanas e \ellas de carnauba :
pelo que sao convidados os que se propozerem
a fazer dito fornecimenlo a compareccrem as
12 horas da manha do dia 25 do crreme mu-
nidos de proposlas em que declaran o ullimo
preco, e quein o fiadores.
Saladas sesses do conselho de administra-
cao naval, 2i de junho de 1851.
O secretarlo,
ChristofSo Santiago de Oliveira.
Tlieairo de San-Francisco
QUINTA FE1RA, 26 DEJUMIO DE 1851.
Grande espectculo variado de canlo e
'Ir,.111 .1 um, em favor da Cantora
siiigusta Candiani
Depoisque a orcliestra, dirigida pelo Sr.
Oresti s, tiver ejecutado urna excelleute ou-
veiluru, seguir-sc-ha a nova aria do maes-
tro Vento, uxecutada pela Sra. Candiani.
A I('iniu'itni.'it lo primeiro amor,
Pela companhia nacional, em obsequio a
Sra.Candiani, o muilo applaudido drama,
Vaudeville em 2 actos
.litliur ti Personagens.
Lord M-lvio, almiranto da mar-nha ingleza,
o Sr. Maxitniano da Costa.
Maria, a lllma. Sra. I). Maria Leopoldina.
SirArlhur, Coimbra.
1 un) mu 11 illlii, eslrangeiro de tabaco em
l'anz, o Sr. Telles
Jobson, o Sr. Santa Roza.
Camarina, mulher de Jobson, a lllma Sra.
D Antonia Ferreira de Santa Roza.
Jornaleiros, marujoj, mulberes, etc.
No intervalo do primeiro acto a Sra. Can-
diani caiilar o muito applaudido rond da
opera
II. PIIUTA.
No 1 i 111 do drama, a mesma Sra. cantar a
pediJo du muitas pessoas, a modinba bra-
sileiro
ADREI UMA ALMA IMPURA.
Suguinlo-se pela companhia nacional, a
muito interossante capplaudula comedia
O duello no terceiro andar.
Personagens.
Mr. Mouilet, o Sr. CuimarSes.
I ilotnt'lo, oSr. Jorge.
Coco, o Sr. Noves.
Juliao, o Sr. Telles.
Mademe Moufii t, a Sra. D. I.uiza.
Carolina, a Sra. Ii Maria LeopolJina.
Fin -lisura o espectculo com o terceto em
pin logue/, muzica do maestro Ciannini, e
poesa do Sr. Hermano oxecutado pela
Sra. Candiani, e os Srs. Maximiano da Cos-
ta eSinla Hoza.
Augusta CanJiani muito confa na gene-
rosidade do brioso publico desla cidade, do
qual espera loda a indulgencia c protec;3o.
Os h 1 Hieles nSu lem prc^n, eacham-sea
li-i.sii.ru> do rospeilavel publico, na ra
da l'raia da Cadeia, primeiro andar por ci-
ma do 1 nioijiiiin do Sr. Paiva.
A cantora A. Candiani grata sos immen-
sos favores que tem rececibo dos Srs. artis-
tas da companhia nacional, nao pode dei-
xar de patentear ao ruspeitavel publico des-
la cidade, a maneira silenciosa porquo to-
dos os Sfl. arlislas cima declarados, s>
preslaiam a coadjuvala oeste espectculo e
de conlirmar aos mesmos Srs. sua eterna
gralidSo. ,
SARBADO, -8 DE .11 Mo DE 1851.
Crande espectculo lyrico, dramtico e
dativa, lienefcio do actor
Antonio Jiim' Uuaite Coimbra.
Consagrado ao illuslre publico desla he-
roica provincia.
iiepms de executada urna excellenle 011-
vvrlura da oscollia do insigue professor Sr.
Orestes, director da orchestra, representar-
so-ha o famoso drama om dous actos, quo
tem por titulo
A Euffcltada.
Personagens.
Castro, Antonio Jos Duarto Coimbra.
Commondador, o Sr. Ilaymundo Jos do
Ara ujo.
Ernesto, oSr. Antonio Maxitniano da Costa.
I). Lulza, a Sra. D;Maria Leopoldina ( por
especial fnvor.1
Carolina, n Sra. D. Emilia ValenQa ( por cs-
pocial favor.)
Um criado.
Criados.
Findo o primeiro acto a Sra. I). Augusta
Candiani, em obsequio ao beneficiado can-
tar a mimosa aria do Uarbeiro de Sevilha
do maestro Roccini.
No fim do segundo a Sra. D. Maria Landa
eoseu Ilustre consorte ( se a inda estive-
rem em Pernambucano ) cantarlo o precio-
so dueto da Collumela.
A Sra. Moreau por favor ao benoficiado
executar um lin lo passo.
Em seguiment > a Sra. I). Augusta Candi-
ani cantar adulsissitna aria, que tem por
titulo
A lembraiKja lo primeiro amor,
do maestro Verito.
Seguir-se-lta a jocosa comedia em um
acto,
JUDAS EM SABBADO DE ALLELUIA.
Fazendo a parte de cabo Jos Pimenta, o
actor o Sr. Ilaymundo Jos deAraujq, que
no fim, a pedido de muitas pessoas e por a-
misade especial ao beneficiado cantar a
muito applaudida e engranada polka.
Com este espectculo espera o beneficia-
do entreter satisfatoriamento o publico em
geral, a quetn respeitosa e particularmente
dedica o seu beneficio, e conta receber del-
le a protncQo de que tanto necessita, aug-
mentando mais a sua firme esperance por
ser esta a voz primeira, que o beneficiado a
implora.
O beneficiado solemnemente tributa um
voto de grati'lilo as Sras. UD.Candiani,Lan-
da, Moreau, Maria Leopoldina, Emilia Va-
lencia, aoSr. Vasco e a lodos osseuscom-
pMiheiros de seetia a promplidilo e benevo-
lencia com que se prestara 111 em eoadjuva-
lo, e Ins assegura um eterno recooheci-
mento.
Os bilheles acham-se a venda, na ra dos
1)11:111 1. n. 9, coufronte ao quartel de po
licia.'
Principiar a chegada do Esm. Sr. presi-
dente da provincia.____ .^______
Avisos manlimos.
Para Santa Catharim, segu no dia 98
impreterivelmente, o patacho Dous Irmios:
quem no mesmo quizer ir de passagem, pa-
ra que tem excellentes coinmodos, assim
como recebe alguma carga, a fallar com An-
tonio Paulo Fernandos Eyras, no armazem
da escadinba, ou com o capitSo Francisco
de Assis Goncalves Peres, na loja de cambio
da Viuva Vieira & Filho.
Sabe para Lisboa com toda a hrevidade a
barca portuqueza Ligeira, de que he capito
Antonio Joaquim Dodrigues. quein quizer car-
regar ou ir de passagem, para o que tem excel-
lentes coinmodos: os pretendentes dlrljam-se
aocapitaoou aosseus cousignatarios Francisco
Sevenno llabello & Filho.
Vende-se uma lancha nova, que pe-
ga de trinta a quarenta barricas, a a qual
se acha em perfeitissimo eslado, bem co-
mo tres boles novos, ludo por prego coto-
modo : na ra do Vigario, n. 11, primeiro
andar.
Para o Rio Grande do Sul seguir muito
breve a sumaca Firmeza, nova e de boa mar-
cha recebe carga a frele e passageiros 1 trata-
se com os consignatarios na ra da (,'adeia do
llecife arinasem n. 12.
Para o Rio de Janeiro sabe em poucos
dias a bem coohecida escuna A/aria Firmina,
forrada e pregada de cobre, capito Joo Ber-
nardo da Rosa, por ter a manir parte do aeu
carregomento prompto : quem na mesma an-
da quizer e.11 rogar ou ir de passagem, bem
como embarcar escravos, entenda-se com o
mesmo capito, ou com o consignatario Luiz
Jos de S Araujo, ra da Cruz n. 33.
Para Lisboa pertende sahlr iinpreteri-
velmente no dia 2 de julho o brigue poi tu-
gue/. .Vot'o Vencedor por ler a inaior parte da
carga prompta quem no mesmo qulser carre-
gar ou ir de passagem para o que ott'erece os
melbores coinmodos trata-se com os consig-
natarios T. d'Aquino Fonseca & filho na ra do
Vigario n. 19, primeiro andar ou com o capi-
to na pra;a do Commcrcio.
A barca portuguesa Sonlo Ottl, sahe pa-
ra o Porto at 10 de julho prximo, por ter
prompta grande parte de seu carregamento,
anda recebe alguma carga a frete e passagei-
ros, para o que tem asseiadoi c grandes coin-
modos : a tratar com Francisco Alves da Cu-
nha 8t.Companhia, na ra do Vigario n. II
primeiro andar, ou com o capito da mesma
barca Manoel Francisco Nogueira.
Leiloes.
Jos Rodrigues Pereira faz lello de 40
caxinhas de i2 quoijos cada Ulna, no dia 2ti do
correnle s 10 horas da manha no caes d'al-
fandega.
C. J. A stley I C. faro leilo por Inter-
vencao do corretor Miguel Carnelrode 10 ca-
xas com copos e garrafas, 70 duzias de cbani-
panha, 1 caixa com couros de lustro pegados,
2 barricas com faccas para sapaleiro, agulhas,
carnizas feitas e outras mullas couzas: tudo
se vender por qualquer prec.o: quinta feira
2Gdc junho s 10 horas da manha na ra da
Cruz armazem n, 17.
= O corrector Miguel Carneiro far leilo no
dia quarta-feira 25 do correte, as 10 horas
da manha no seu armazem na ra do Trapiche
n. 40, de diversos trastes novos e usados, lou-
ca, vidros, candieiros, quadros, espingardas,
pistollas, relogios e oulros inultos objectos que
serao vendidos por qualquer proco que fr ni-
ferecido.
- O Dr. J. de S. Santos Jnior, tendo de
retirar-so para o llio de Janeiro, far leilSo,
por inlorvenc,3o do corretor Oliveira da
mobilia da sua casa, consistindo em cadei-
ras, -ola/, mesa redonda edejogo, pu-
dores, guarda livros, lavatorios, commodas,
guarda lou;a, mesa do janlar, quadros do
anathomia, candieiros de cima de mesa,
lampeOes, lanternas 1 c de bronze, loucs de
mesa, aparelbo para cha, garrafas e copos
para dito, ditos para agoa, Irem do cozinha
e ou'ras muitas cousas, assim como um
pianno, um rico faqueiro de prata, casti-
gas de dito, etc. : sexta feira, 27 do corren-
le, as 10 horas, no primeiro andar da casa
n. 58, na ra Nova.
-- O corrftor Oliveira far leilo, requo-
rinieutode Vicente Ferreira da Costa e ou-
lros credores. da firma social de Francisco
do Prado et Companbia, e por ordem do jui-
zo da segunda vara do commercio, escrivSo
Baptisla, deuma Uverna, com todos seus
gneros, pertonces earmacfio (como do res-
pectivo bataneo em poder do dito escrivao )
sito na ra Direila, bairro de S. Antonio:
quinta feira, 26 do crtente, as 10 horas da
manha, ns casa da referida tavarna.
Avisos diversos.
Ao publico.
Do 1. de julho ao ultimo de agosto prxi-
mo serao as carnes verdes vendidas a 2,400 9
arroba nos asougues estabelecidbs, ra da
Guia do Reclfe, pateo do Paraizo, Ribeira de
S. Jos, Cinco Pontas, ribeira da oa-Vista,
Casa Forte, Crin d'Almas, e ra Direita do
Afogado-
Socieilailc tclmtral nova thalia.
Os bilboios para a recita do dia 28 do cor-
rente, destribuem-se em casa do tbesoureiro
na rur Nova n. 18. do dia 27 em dlantc, No
recebimento dos bilbetea tem os Srs. socios
de pagar as suas mencalidades,
Srs. redactores:Lendo eu o Jornal de Pernam-
buco de 16 deste mez, vi um annunclo que pe-
dia ao Sr. J. F. de M. que fosse concluir um,
negocio na ra da Cadeia do Recife casa n, 5i
2. andar, e que quando nao fosse por-ie-his
scu nome por estenso, e como haja uma coin-
cidencia destas eniciaes serrn as do mea no-
me, compete-me fazer publico que isto se nao
pode entender commigo, porque neita praca
nao tenho negocios com pessoa alguma, nanea
devi, nein devo, e nem pretendo dever al-
guein nesta provincia.
Joo Ferreira de Moura.
Pede-se ao Sr. Joo Francisco Saraiva de
Menezes, fiscal d> freguetia Sao Lourenco da
Malta morador em Calar que quanto antes
baja de hir ultimar o negocio que sua merc
nuo ignora na casa das aflrlcries,
Jornaes de Lisboa e Porto.
Como o annunclo nos Diarios ns. 122 123
134. Cada vapor d'esde julho traz 18o jornaes.
Le-cni-se por 3,000 2,000 1,000 rs. inonsaes, na
ra na Senzalla Vclha n. 14o,
Quein quizer pode j assignar as ras, da Ca-
deia do Recife n. 46 ra Nova n. 42 e do Cole-
gio n. 9. .
Perdeo-se no da 22 anoite ao tirar da
bandeira da Sra. do Frontespicio do Carino o
p do turibo de prata isto no mesmo palio
do Carino: roga-se apessoa que acbar entre
gue ao reverendo provincial que ser recom-
pensado fazendo com isio um servico a Sra. do
r. .i i-un. 1
Ha mais de um mez furtaram do Bonito
um poltro, fazendo a ultima muda, a lazo,
grande, ferrado em ambos os quartos, sendo
um dos ferros um O, de frente aborta, slgnal
encuberto, mSo direita, e p esquerdo bran-
co, sabugo enriado, pouco principiado encar-
regos; c o ladro o vendeo nesta praca : a pes-
soa que dellc sber dirija-se a casa de cam-
bio do Sr. Vieira, que ahi achara quem o gra-
tifcala.
^wfJ5*j?:ej^fsij ajjjjeji.-SB^aj^aj^ipajjsj^aj^aji.
t Consultorio central bomceo- 1
: patliico de l'crnainbuco, t>,
tj* Dirigido pelo Dr. S. O. L. Pinto, *
j) IIua do Trapiche Novo n. 15. .
(0 Todos os dias uteis sedarSn con- 4)
ti sullas e remedios de graca aos po- ,>
// bres, desde pela manhSa at as duas 4)
fc horas da tarde. 9
a>;i As correspondencias e informacOos >.4l
t poderSo ser dirigidas verbalmente, 4>
# ou por escriplo, devondo o doente <4)
49 indicar : primeiro, o nome, a idade, #
estado, profisso e constituiefio ; se-
Q> gundo, asmoleslias, quelemtido,
S': os remedios tomados ; terceiro, a po- 4
4> ca do apparecimentoda molestia ac- 4>
6; tual, edescripc3o minuciosa dossig- 4
tei naes ou symptomas que solTre. 4>
>! Dr. Sabino Olegario Ludgero Pinho. m
Pergiiuta-se a pessOa que annunciou para
vender vaccas de leite na ra da Senzalla No-
va, onde reside actualmente, e si ainda tem al-
guma das ditas vaccas venda; pola sendo
procurado no lugar annunciado nao foi adia-
do.
O abaixo assigdado, nao tendo tem-
po para se despedir de todos os dieus amigos,
por afoal acelerar-ae sua viagem para a co-
marca de Flores, pede-lhes desculpa essa fal-
ta, e por meio do presente de todos se despe-
de ; elleroL-endo o seu diminuto presumo, e
como consta nao ter ioiinigos geralmente a
todos diz um soudozo a dos.
Hacamfci'ra.
Felisberto Jeronymo Torres annuncla'
que hoje perdo n ocasio do selo o qual
se chegou afecluar, urna letra, aceita pelo Sr.
Antonio d'Albuquerque Candi a ; da Parahiba >
de 1:1.'13,440 rs. com dacia de 23 do correte,
roga ao mesmo Sr. Gandra que negocio algum
faca com oulrem, assim como o inesmo Felis-
berto declara quelite furtaram abordo do va-
por Imperador um bilhete da loteria da matriz
da Koa-Vista n. 3(38 premiado em 100,000 rs.
e porque chegue ao conhecimento do publico
iaz o presente annuncio-
Joias modernas.
N1n1.au Los & Norat partielpam ao respelta-
vel publico, que receberam ltimamente um
novo e completo sortimento das obras teguln-
tes: ricos aderecoi de brilhantes com perou-
las linas e completos, brincos, pulceiras, ditos
de brilhante, corre'ntes de relogios, e aderecoa
brincos e allinetes de ouro tudo do milhor gos-
to, vende-se tudo inulto em couta, e arlanca-se
a qualidade, troca-se ecompra-se ouro e prata
vclha e podras : na ru'a do Trapiche 11. 9 hotel
Francisco.
Urna pessoa capaz, que sabe bem ler,
escrever, e contar, offerece-ie para encumbir-
se de qualquer escripturacao mercantil, tanto
simples, como dobrada, tendo a precisa pra-
tica, e boa letra, quem de leu presumo ae
Juiser utillsar dirija-se a ra do Queiinado u.
9.
AVISO AO PUBLICO.
Na botica da ra do Collegio, de Peixolo *
Pinto, he onde se veodem to lmente as
verdadeiras e bem conceituadas pululas para
bobas, cravos seceos e dores, por mais anti-
gs que sejain, cujos boas elieitos conlcssam
lodos que tem felto uso deltas; oomnosicao
do fharmaceutico Sebaslio Jos de Oliveira
Macedo, e por elle ainda rubricadas; e para
conhecimento do inesmo publico, principal-
mente de algumas pessoas que nao estejam
ao alcance o conhecimento das verdadeiras;
se faz publicar por mais algumas vetes para
nao seren Iludidos por outros avisos, e que
de seu uso nao tiverem ell'eito algum.
Casa de commisso de escravos,
INa ra Direita, sobrado de 3
andares, defronte da travessa de
S. Pedro n. 3, recebem-se escla-
vos de ambos os sexos, para se veu-
derem de commisso, nao se le-
vando por este trabuibo, mais do
que a por cento, e sem se levar
cou^a alguma de comedorias, ol-
iereten !o-se para isto toda a se-
guranza precisa para oj ditos es-
cruvos.


IF -.
r'^r:-
T.rrRe
7^?
Convida-se a todos os Srs.
negociantes cstrangeiros, que ven-
den) (azendas em grosso, para se
rcunirem na sala da Associacao
Commercial, rjnarta feira, a5 do
correntc, ao meiodin.
Dam-se 300,000 rs. a juros, sobro pe-
nliores do prat o ouro: na ra da ViracSo
n. 27.
O 6r. A. C. L. queira mandar pagar a
subscrigSo desto Diario. ,
Anlonio Joaquitn Congalvcs Cuima-
r.les, relira-se para fura da provincia.
-- Roga-se aos Srs. ourives, ou mesmn
mitra qualqaer pessoa, de nao comprar os
objectos abaixo demonstrados, no caso de
llio serem ofTerecidos, um transeliro para
relogio com passador, obra franceza, com o
pezode 5 oitavas, ponco mais ou menos, 4
flgas de coral encastoadas em ouro, t habi-
to de christo pequeo, tendo no meio urna
pedra roxa, auppOem-se que os ditos objec-
tos, foram deiencaminhados, e quem dos
niesmos souher e quizer avisar: dirija-se na
casa da ra da Soledade, defronte da pada-
ri.-i, a penltima ao voltar para a ra do
Manguind, quesera recompensado.
O abaixo assignado faz publico, que
em seu poder se cha o escravo JoSo, do
gento de Angola, que pertence ao espolio
da Tallecida I). Mara Jos da ConcoicSo, fal-
lecida acerca de dous annos, no termo de
Serinhem, e porque o annunciante be um
dos herdeiros da mesma fallecida, esabe
rerfeitamento que morreo abintestada, e
que nSo ge tem feito inventario dos bens,
que por seu fallecimento flearam, sabendo
tumbeen que existem outros bens, e que nSo
Ihe pode caber menos do valor do referido
escravo, julga-se com direilo a consrva-
lo em seu poder, t que se faga a partilha, e
para que aqoelles que se achavam na posse
do mismo escravo fiquem disso certo, faz o
presente e os convida a que procedam ao in-
ventario e partilhas, mesmo porque tem de
er pago o sello da fazenda nacional. Sebas-
tio dos Denlos A reo-Verde Pernambuco Ca-
v aleante.
-- O abaixo assignado faz sciente ao res-
peitavel publico, que do dia 20 para 21 do
correle mez, foi roubado de sua (averna,
na travessa da ra das Cruzes, urca porcSo
de ouro e prata, ero diferentes pecas, bam
como brincos, botos, melos, um relogio
faltando o ponteiro dos minutos, com letras
esmaltadas, fivcllas do prata o mais petas,
que ain ia senflo poderam dar pela falta, as-
sim como 9,000 rs. em sedulas e urna por-
cSo de cobre da gaveta : por isso, pede-se
as autoridades policiaes, e mesmo a algumas
pessoas, caso Ins sejam ofTerecidos algum
dos objectos, queiram aprehender e dar
parte ao mesmo.--Francisco Maciel re Souza.
Troca se urna imagem deNossa S. da
ConceicSo, com as qustro parles do mun-
do, ludo ile pedra, em urna piannha, com
manga de vidro : na ra Direita n. 95.
Aos genitores fazendeiros on cria
dores de gado do certo.
Nao fot em grande hesitarlo que os abai-
xo assignados contralaratn o fornecimento
das carnes verdes aos habitantes destacidade,
que o F.xm. Sr. presidente- da provincia dese-
jou fosaeni suppridos com este genero de
primeira necessidade, por preco mais mdi-
camente rasoavel que o pago ha cerca de
dous annos a esta parte; porque apezar dos
bons desejos do esclarecido Eini. presidente
e da boa inlencao dos abaixo assignados
luvla no meio da execuco deste contrato
interesara de pessoas avetadas ao commcrcio
delle as estradas e feiras, conhecidos pelo
nome de=ali aiesadores= a quem na verda-
de se presume que essea interesses soffreram ;
he, pols, das pessoas empregadas neste com-
ineicio de alravesaamento dos gados que tem
partido a caresta das carnes, esperam eliea
que farao quanto puderem para tornar odiosa
a prudente e salutar medida do eximio admi-
nistrador, que sein ferir os Interesses do cria-
dor c fazendeiro, abasteca o povo da cidade
dogenero mais urguente s necessidades da
. vida por preco rasoavel.
Nao fere os interesses dos fazendeiros e cria
dores o contrato ; porque estes tem um pirco
fixo, sobre o qual podein contar com certeza
' seguranza, c podem vender seus gados ans
contratantes, ou talba-lho pelo preco esti-
pulado, mediante a sabida despeza de 3/000
por caneca: fcil Ihe he calcular oque mais
lhe convero, se vender ou talhar a carne pa-
gando aquel le nniis : pelo que respe la
venda, o criador be garantido da maneira a
mais satisfactoria pela seguranca que se Ihes
ullei/sse na obrgaco solidaria dos consta-
tantes ; fcilmente se concebe que o criador
oblem por aeu gado, e obter sempre o
mesmo preco por que o venda anjerionnenle rapa2lmo de nomo namiSo, fllho de Ange-
lle llioramcntos as inoendas e
tachos usados no fabrico de as-
so. car.
Os abaixo assignados tendo se ocupado por
mais de 10 annos quaii exclusivamente em
melhorar o maquinismo nos engenhos, c ero
acertar a forma das maquinas mais apropia-
das ao paiz, c avallando as grandes vantagens
aos senhores d'cngcnho pela introdcelo de
maquinismo d'um novo modelloc d'uma qua-
lidade superior ; tem mandado construir em
urna das mais acreditadas fabricas em Ingla-
terra una pequea parean de tachas e moen-
das que a respeito da qualidade do ferro sao
igual aos melhores que se exportam d'Ingla-
terra para as colonias. Observando durante
a sua looga pratica os defeitos que existem
uas maquinas hoje em geral uso, o grande
prejuito que estes defeitos cauzam, a neces-
sidade que existe de cuidar no perfeisoamen-
to do maquenismo dos engenhos, e conven-
cido das grandes vantagena que hain de resul-
tar do emprego de seu novo maquinismo, c
tainbem confiado no espirito de progresso que
se observa disenvolvendo agora entre um
grande numero de proprietarios d'engenho,
os abaixo assignadoi tem se animado a entrar
n'esta empreza ; e assigurando, o emprego d
primeira qualidade de ferro, e importando
sempre as maquinas dos modellos maisappro-
vados, esperam" merecer toda a confianca dos
senhores seus amigos e o publico. Logo que
estejam avizados do primeiro carrrgamento
que esperam no mez prximo vindouro, an-
uunclarSo com todos os mais detalhos.
Alfredo e Eduardo de Momay.
O inspector do primeiro circulo litterario
da provincia pede aos Srs. professorea de es-
colas particulares do dito circulo, queiram vir
declarar aua inorada e apresentar as licencas
que obtiveraiu para ensinar na forma do regula-
ment remienda do inesino inspector, ra um no lugar do Remedio : quem estiver nenias
Casa de modaifrncczai, llursuinl 'lillochou, ra
do Atierro da "i 1.
Receben pelo ultimo navio i'e l'r.inca, cha-
paos de palha de moda nova p n i montarla de
senhora, chapeos de seda e toncado, mante-
Ihetcsc capotinhos; eabecOssde bico ; romei-
ros, pescocinhos e camisas de fil e de cain-
braia bordadas ; fitas e bico9 de todas as lar-
guras ; tranjado c franjas ; bicos de blontle
sedas furlacores para manteletes ; grvalas de
veludo com flvelas para aenhoras capell-is
de laranjeiras ; nielas de seda branca lisa c bor-
dadas ; veos de blonde para noivas ; luvas
compridas para as ditas mantas de bico pre-
to para cabeca ; tarlatanas brancas c de cores ;
cambraia linas ; iencinhos de seda ; flores fi-
nas de todas as qualidades ; filos de linho c de
sede branco e prcto, e mais enfeiles para se-
nhora. Faz-sc sempre com verdadeiro gosto
franco, chapeos, toncados, vestidos e todos os
de toalhete das s nimias.
Koga-se ao Sr. Dr. Honorio Fiel de
Sigmaringa de Vascurado, que se scha ho-
je advogando etr Goianna, que mande pa-
gar a sua ledra que se ocha vencida a au-
no e nielo, o qual nSo ignora sondo :
em quanto o nSo fizer ha de ser lembrado.
? ?"*'i <>*> ^^as.*.vv
9 Paulo fJaijrnoiix, dentista S
& francez, offerece sen prest- *
9 mu id publico para todos O
* misteres de. sna proflssao : f
A pode ser procurado a qual- 9
9 qner hora ein sua casa, na 3.
4$ rila larga rtn Rozarlo, n- 30, ^
* s rundo ailar. $
*<*>?*>;***/,jaj^S)*)*?; %<#$
Precisa-se de una pessoa que seja peri-
ta em plantacOes de sitio, para o (aier epi
aos atraressadorea, porque nao
dores que o vinham talhar na cidade a ii, i-f,
16 e 20 patacas a arroba: tambero nao ero
oa primeiros atravesadores, mas por urna
serie succesaiva* de compras e vendas, afiml
chegavam na feira oa gados j caros, e all
eran suppridos os compradores da praca por
precos aubidos, e finalmente recahia sobre o
povo o peto de toda esta serie de travessias,
aero proreilo algum do criador ou fazendeiro.
Se bein que todo o hornero atlinja a gauhar
ain seus negocios, com ludo pessoaa ha que
ilesejain lucrar, porm de forma que nao pre-
judicaudo laeus proprioa Interesses, nao offen-
da e deteriore os alheios; he com estes sen-
timentos que os contratantes ulllmaram e fi-
xaraiu este negocio, e sendo, como he publi-
co, o preco da arrematacao, bein pdeni os
criadores e faiendeiros calcularein os precos
por que devein fazer as auas vendas diretas
ao contrato; o desojo dos contratantes he
abastecer o povo dogenero de que ha tanto
tempo sao suppridos a precos caros, pelo
pirco contratado de 2/400 no invern, e 3/200
no verao; e (carao satisfeitoa se obtiverem
este resultado mediante urna mdica indeinni
sacan de seus trabalboa e capitaes empregados
para facilitar as transaeces coro os criadores
e fazendeiros tero esubelecido agentes em di-
versos pontos, com ampios poderes e auto-
r isa cao para contrataren! por couta da asso-
ciacao e sob responsabilidade della, e rogaro
aos Senborea fazendeiros e criadorea de se
dirigirem a ellea, que acharao toda a lisura
c honradez que se faz miater ero negocios,
ilui da seguranca e garanta que oa aecu-
bertede qualquer sinistro; podendo dirigir-se
Km Santa Clara, Carirys-Velbos, ao Sr. Alar-
tiuho Gomes da Silveira.
Km o Ico, ao Sr. Francisco Manoel Das.
Em Pedras-de-Fogo, ao Sr. Mariano Ray-
mundo Mendonca ; e as estradas ou fazendaa
aos Senborea que estivereui autorisados pelos
contratantes.
Nesta praca, aos contratantes, na ra das
Cruaea n. 30.
Itecil'e, 18 de juobo de 1851 Os contratan-
tesJustino Hereira di t'ariai ilan,.el Soaguim
do Htgo Albuquerque. Miiquiia i Ouarte.
loi Joaquim Buttlko.
= O Sr. Francisco Antonio da Silva da ra
do lUngel, queira mandar pagar a as>ignatu-
ra deste liiri", e eroqoanto nao o fizer ver o
seu uouie publicado eiu Ultra redouda.
Nova n. 44
Joa Kellcr S Coinpanhia,
liquidatarios da loja que foi do
fallecido Jos IMnto da Fonseca e
Silva, c antigamente de t>'uerra,
Silva St Companhia na ra Nova
n. 21, ii v-ani aos devedores da
mesma loja que venliaui satisfn-
zer seus dbitos noprazo de 30
das contados da lata deste an-
nuncio, a casados annunciantes
na ra da Cruz n. 55, pois do con
trario scrao ajuizados.
Aluga-sc um sobrado de 2 andares as
ras segulntes : i ireita, I.ivramento, pateo do
mesmo, Queimado e Crespo : quero tlver e
quizer alugar, dirija-se a ra da Praia n. 55,
typograpbia Iinparcial.
-- Precisa-se alugar urna prela ou um mo-
leque para vender fructas e verduras na ra
sendo de boa conducta e fiel, pga-se bero, e
d.i-se-ilie o sustento : quero os tiver e queira*
alugar, annuncic por este Diario.
Aluga-se o primeiro andar do sobrad o n.
13 da ra do Vigaro: na ruado Aroorini n. 15.
NA UUA DA t:ADEIA DO RECIPE N. 19 LOJA
DE FERREIH x PASTOS-
He o nico deposito do verdadeiro rape
Paulo Cordeiro du Hio de Janeiro, tanto do
viajado ao Para como do vlndo directamente
para esta provincia. Este rap que por sua
excellentee salutar qualidade se lia introdu-
zido neste mercado, e podemos assegurar, ser
o nico que revallsa com o de Lisboa, e que
nao fere o nariz do tomante erobora nao acos-
tuinado, se torna por si mesmo recommenda-
vel aos amantes da boa pitada, que poderao
prover-se da quantidade que necessitarem:
na loja assiro mencionada, que o recebe por
todos os vapores.
Recommendaiiios as pessoas que vo a
Europa nos vapores o Sr. Carlos Figueiredo,
portugus estabelecido em Soutbainpton co-
mo agente, no qual encontrarn, alm da van-
tagem de fallar a mesma lingoa, toda a probi-
dade, intelligencia e actividade.
CARLOS C. I M.l I ll;i:iH).
AGENTE DA AXFANDEGA E DE NAVIOS,
12. Orehard i'iacc
SOUTHAMPTON.
Recebe e expede com presteza c economa
mercaduras, bagagem e i Untos de qualquer
naturezae ordem.
Esclarece os viajantes sobre a chegada dos
paquetes e suas partidas, dirigindo-os no mais
deque hajaro inystcr. Obliga-se a tomar cou-
ta da bagagem, cll'citos, etc. de passageiros.
Recebe fatendas commissao.
Na travesss do Corpo Santo n. 29, se-
gundo andar, acha-se iberia urna escola de
meninos, dirigida por Honorato Augusto de
Miranda-
= Aluga-se um sitio no Poco da Panoli i, na
inargem do rio, tem commodos paia grande
familia, quintal murado e plantado de llores,
ete cacimba com rouito boa agoa de beber c
tanque, estribara para qualro cavallos. e tero
portan que deita para o largo da igrega; a tra-
tar na ra do brum casa grande do i.unlia, se-
gundo andar.
Na ra do Arago, n. 12, segundo ailar,
se deseja saberse he vivo, ondo mora um
circumstancias, drija-se a allatidega desta ci-
dade a seu porteiro.
Mana Emilia da l'cnlia Gomes, retira-
se para fra do Imperio, levan lo em sua
companhia um molcquc creoulo, forro, dr
nome Francisco.
JoSo Xavier Faustimo l\a-
mos, nao podendo pela presteza re
sua saluda, despedr-se pcssoal-
iii en te de seus amigos, o faz pelo
presente meio offereceiida-lhes
as provincias de S. f'edro do Sol
e do Rio de Janeiro, ou em qiiil-
quer outro lugar a que o destino o
leve, os seus Iracos, porm dedi-
cados servi$os; e llies toga que ac-
ceilcm suas saudosas despedidas.
Um moco brasileo i Herece-se para cai-
xelro de cobrancas de casa cstrangeira ou
un sino para qualquer casa de negocio a rtta-
lliu o i|ual d fiador a sua conducta quem o
quizer dirija-se na ra larga do Kuzario n. 2G
que dir-se-ba quero he.
P. I1 ii 11 le retira-se d'sta provincia.
C'ontrata-se a condufao diaria das car-
nes verdes para os acougues as frequezias
do Recfe, Santo Antonio, S. Jos, Coa-Vista
Mugados, e Poco da Panelia ; assiin como o
- alg iineniu de couros, a tractar oa ra das Cru-
zes n 30.
Precisa-se alugar para urna
casa cstrangeira na Casa Forte,
urna preta engommadeira c que
entenda perfeitamene de seu olli-
cio : d-se a preferencia a capti
va, e precisa-se com urgencia, im
mediatamente.
Na estrada de Helero sitio da Torre, appa-
receu uro boi fgido nos flus do mez de abril :
quemfor seu dono o pude ir buscar, quedan-
do os signacs certos Ihe ser entregue, pagan-
do toda a despeza, outro siro, o annunciante
niio se responsabilisa por qualquer falta deste
animal.
Precisa-se de uina pessoa que endeuden
do se queira encarregar de extinguir as forml-
gas que eslao destruindoarvores, plantadas no
largo do palacio do governo : a pessoa que dis-
so ae queira encarregar, en(endendo-se com o
fiscal da respectiva freguezia : na ra do Ran-
gel n. 9.
Precisa-se de um hornero porluguez para
feilordeum engenho distante desla praca ffi
legoas, preterindo-se a estes recenlemente
chegados, sendo porm casado : quem estiver
nestas circumstancias, dirija-se a ra atrs da
matriz da Boa Vista b. 26.
Precisa-se de uina ama forra para una
casa de familia, que saiba bem rngoiuinai*com
toda perfeico, a taubcm deseja que tcnba
boas qualidades : quem estiver nestas circuios
i.un ias, dirija-se a ra do Hruiu, sobrado de
qualro andares no segundo andar, se dir quem
precisa
la de tal, e neto do velho Antonio Lopes
Mangaba, da cidade do Natal, o qual rapa-
zin-ho ainda ha poucos annos aprenda o of-
ficio de marcineiro, em urna oflicina desta
cidade.
.^-' me Yih* i i' '*''' *" va' .*.*.* 'i- -.. ti r v faat 'i' MM *--'- **-- MI -
tlRBtlWin mi m m MW
Quem quizer consultar o fadodivertin-
do-se com gra^a e aceio, as bellas noiles
de Santo Antonio, San Juo e San Pedro;
nSo o poder fazer sem ir as casas annun-
ciadas, onde encontrarSo as mais modernas
e engranadas quadrss intituladas Sorte
do Venus custando apenas 40 rs. cada
urna ; na ra da ConceicSo na itoa Vista n.
20, e no Passeio Publico n. 13
O Sr. Ventura Joaquim da Roza, cai-
xeiro do Sr. Francisco Jos GalvSo, no lar-
go da Ribeira, hajade ir a ra da Praia n.
29, pagar a quantia que nSo ignora.
-- Aluga-se o sitio do fallecido Juo Car-
los Peieira Burgos, no Arraiahquem o pre-
tender, dirija-se a ra Direita n. H.
Precisa-se de umjardineiro, que saiba
lambem tratar de arvores de frutos, para
um sitio perto da praca : na ra da Cruz n.
l, primeiro andar.
A pessoa que em junho ou julho do anno
'pastado annunciou querer fallar ae Sr. Rodri-
go de Freitas Prea Guimares : dirija-se a ra
do Crespn. 10, que achar com quero tratara
respeito.
Aluga-se o segando andar da casa n.
8, da ra do Crespo, propria para pouca fa-
milia ou escriptorio.
Precisa-se de um pequeo, para cai-
xeiro, de 8 a lannos, prefere-se sendo do
mato, ou esirangini : na ra Larga do Ro-
zario n. 35, loja se dir.
O fiscal do contrato das carnes verdes,
avisa aos Srs. agentes du mesmo contrato,
que do dia 30 do correte, pelas 11 boras do
da, comparecam na casa da batanea, as
Cien Puntas, a bem do seivico.
Quem perdeu 1 par de botOes dn ouro
de punbo de camisa : dinja-se a loja de fer-
rageos de Antonio Joaquim Vidal, na ra da
Cadea n. 56 A, que dando os signaos certos
Ibe ser entregue.
i iriui iiId- de iHiniroiiutiiiii. *
Por todo o mez de julho, sahir a luz a 9
I,' parle d'esta obra composta pelo pro-
J fessor honieopalha Gosset llimont; di- *
a vididaem tres partea. Esta primeira com- J
m, prebende, o discurso preliminar, a in- ,_
_ irodue.-ao, o exaroe do doente.a cscolha
g do remedio, o emprego dos remedios,
9 o rgimen e os conselhos clnicos, com
a explicaco dos nomes gregos e anato-
? micos empregados em medicina, e a 4
? iudicacao dos medicamentos apropria- W)
m dos para cada caso de enferroidade. Es- ~
S ta obra he til, tanto para oa mdicos
S que ae dedicarein a experimentar a no-
- va medicina, como para todas as pea-
V soas de boa vonlade que se quizerein
9 convencer por experiencias da verdade
i*> d'esta doutrina, por ser ella ni u i lo clara
ea intelligencia de todos
II
luao Kellcr t Companhia remellen! para
o Rio Grande do sul o seu escravo cabra de no-
me Joo.
Precisa-se de urna ama, para casa de
pouca familia, que saiba cozinhar o diario
de urna casa: na travessa da ra do Viga-
ro,'loja de barbeiro n. 1.
o dia aa do corrente, fur-
taram um bracelete de ouro liso,
todo de urna l-rgnra, com o peso
de 8 a g oitavas : a pessoa a quem
lr oiTerecido. queira Icr a bonda-
de de o levar ao Atterro dos A fu-
gado j numero 7, que ser recom-
pensado.
Desaparece 11 no dia22a noute urna prc-
crioula de iiv.nc Michaella, representa20 a
22 annos de idade, estatura regular cheia do
corpo e tem urna costura ua macla do bra;o
eaquerdo e uro cravo decco ero um doa pea,
leVOU vestido de cinta a rimada saia c panno
preto foi comprada a Joaquim Jos Lodz e
cria de Bernardo Antonio do Miranda, quem
aprehender ou der noticia serta ua ra do Apol-
lo n. 1A ser bem recompensado.
Pede-se a quem tirou 011 achou no dia
"docrrenle ua occazio do The-Uem.de N.S.
m wrr 1
do CarUlQ, 011 no acto dofogo, una earteira
rouxa bastante uzada e esta contendo 3, 4, ou
5,000 rs em dlnheiro, c outros mala papis de
mais 011 menos sirennstancia, os quacs s ser-
vein ao aeu proprio dono, o favor dea entre-
gar 110 Io andar do sobrado 11. (> da rila do quei-
mado, 011 na loja do mesmo. licando com o
dinhero para sua gratilicacao.
WVVVVV7r,V-VWV999V99.
1 O Dr. J. S. Santos Jo- J
^> nior, medico honieopallta 2
E tniidou-se pira o hotel Pran *
cisco no lecife, rua do Tra- 1 piche n. <), onde pode ser ^
C procurado cm quanto s, nao *
Jt retira. *
>fe^A'hftifcA%!i:A:A'ftft*.Afli^i:)
Avisa-se de;ioionna ao rx-sargenlo do
polica, loaquim Machado do Alliuquerque
Lins, que ha pouco chegou do Fernando,
por motivo do assassino do creoulo Manoel
M 11 luis, e que depois disto s se tem oceu-
padoem furtar cavallos pelas comarcas do
Coianna e Nazaret, que cuide quai t > antes
em entregar os tres animaes que fuilou eni
(ioianna da rua da Praia, ao amrn'n cor d >
dia tnrea-feira 8 de abril p. p., e n -sie mes-
mo dia foi preso junto de Canavi'-ir por Ju -
Lopes Dias, j conluzindo II animaes,
entre os qusci iam os tres do IDnuncianti*,
que silomuito conheoi los, um c 1 valin cas-
lanho escuro, grando, capado, com urna
muda por fazer, estrella na tst. ps e mil o
brancas, mostrando o ferro A. b. bem 0'n-
haixo da perna ; um 1 oltro ruzilho de cjs-
tanho sem mu'a com cinco signaos conten-
do o incobertn, sendo o ferro 11 m p de gal-
linba com tres dedos para bailo e um C.
para oima : urna poldra caslanha meia car-
cunda, com um pequeo signa! branco jun-
to ao redemuinho da testa, com a primeira
muda, pernas e canellas finas, cascos de
quenga, com tres ferros, sendo dous iguaos
imitando dous--II junios. O ex-sargcnlo
sendo preso na comarca de Nazareth foi en-
tregue SO inspector de Terra Dura, o qual
Ihe deu esrnpula entregando-llie os animaos
e d'alii indo por Canuvieira,furlnu urna pgoa
parida de quatro dias, deinando a cria, e
deseen por Po-d'Alho, esteve em Campia
Cranda da Camaragiba, descansando mais
um que dizia ser tio, de boa idade, e o par-
do acabocolado de cOr embatada o com um
braco cortado, d'onde entrou para Apipucus
n na sext'-felra immediata do dia 8 de abril
p. p. foram vistos as Ciuco-Ponlas ven-
dendo os anuimaes, c n3o vndenlo os do
annuucianle maiiilou-os para Apipucos, de-
clarando que uira Sra. I). Maria osrecebas-
se. Ainda ha pessoas em seguimento dos
nnnimacs, sabe-se o lugar, e quem os tem;
como tambsm o escravo do annuncianln de
nome l.ourrnco, de ^\ annos de idade, com
uina cicatriz noqueixo direitue ps gros-
sos, furtado em 2* de fevereiro p. p., que a
est seguro por urna autoridade para saber
11:1*111 foi quo o furlou, do queja foi oan-
nunoianle avisado de Pao-j'AHio. Portanto
resta o ex-sargento mandar entregar os tres
.mullaos na pra^a da Roa-Vista n. 6, ao
padre Manoel Pedro da Silva Brandilo,59,00')
rs. de despozas com os espiOes e portadores,
e 1,000 rs. por dia desle c dia 8 de abril al
odia da entrega, pelo que se | rol esta ; e
deg ois niio so qiieixn o ex-sargento por
serem muitosos furtos de cavallos que tem
feito, e se cohiba de invocar nonios de pro-
prictiriosrrspeilaveis quanlo se vem lan-
ces aperlados,nprcsi nlando ca tas de Cuma-
ragihc, Uooot, Dous Irmos, ltr,im, Poeta,
(!ordeiro coulras vezes dizem que be com-
prador do cavallarla por otdem da polica,
nioslrnndo guias, passapoites, quando as
pessoas que declaran) ao ex-sargento nSo o
quererem por escravo de ultima ordem.
Em aditamento ao annuncio del. Luiz
de Rrito "aborda a respeito dos seus deve-
dores, mais os seguintes mili '- -A I'., .la Sil-
va Cavalcanti, JoSo Adelo dos Sanios,
liento Rorges Leal, Anastacio Jos Pinto de
Sooza, Jos Vence>lo Affonso Rigueira,
Thereza dos Prozeres, Filippa Romanados
l'ra/eres, Ignacio Joaquim Kerreira, Manoel
Joaqqim Paes Brrelo, Jos Maria Coraldes,
Joaquim Manoeldo Castro, Antonio Jos
Marlins, Anastacio Jos do Azevedo, Joa-
quim Rodrigues dos Santos,Manoel Joaquim
de Uliveira, Fr. Tbomaz ex-Yra.le do Car-
mo, Amonio Ignacio do Uliveira, Francisco
de II, llslin Accinli Wanderley, Mano'I Ro-
drigues Campello, Leopoldo de C. SI. t;ua-
rema, Jos Pereira Arantes, Fr. Lourenco d
Conceicilo,Francisco Antonio I', reir doiS
Manoel Patricio do Sacramento, Fustaqiio
Jos Nudos Muniz, Antonio Cordeiro aKze-
quiel Ferreira Baduam. O annunciante
proseguir na publica^ilo dos nomos dos
mais des seus devoJores que nao vierem
immeliatamente pagar-lhe, e para rom a-
qui'llos, cujas circumstancias niio Ibes per-
mitalo pagar-lne j, declara qucao menos
se Ihe apresenlem, para ajuste do cotilas,
o assgnacHo do prazo em que devein solver
osles seus antigui-simos dbitos.
Consultorio homeopalhico, rua do Colle-
(jio n. 25.
O Dr. Lobo Mosroso d consultas gratui-
tas aos pobres, todos os dias uteis, desde 9
horas da nianliSa, at ao meio dia, depois
desta hora visiUr em sua casa os doonles,
que tiverem precisSo, e em casos extraor-
dinarios a qualquer hora do dia, ou noute;
recebo lioenies para tratar, ou fazer qual-
quer operacilo em urna casa para isso des-
tinada, fra da cidade, sendo o prego de
1,000 a 2,000 rs. diarios para os escravos,
conforme as condic,o>s que se estipularen!,
c 2,300 rs. para liomens livres : as pessoas
que nlo poderem comparecer no consulto-
rio pdom enviar suas informaedos poros-
cripta ou vocalmente, declarando o nome,
idade, temperamento, consliluic.flo, resi-
dencia, e especificando todos osincommo-
dos que solfre e as molestias que anterior-
mente tem tido.
t'nra radical.
De erysipela e theumalismo, com encha-
qo, ou sem ella, se|a antigo, ou moderno,
preservativo contra roturas n quebraduras,
e modo do fazer seu uso, cura radical dos
teslicolos, sem sol'rer operafo, nem dor
alguma, cura radical dos escrotos, sejam
ernosidados, erysipelas, ou hydroceles ( a-
goas), os remedios para todas eslas moles-
tias : vemle-se smenle no Rio de Janeiro,
na rua do Sabio n.2", e em Pernambuco,
na rua 00 Collegio n. 18, botica de Peixolo
& Pinto, acompanha os dilos remedios a ma-
neira
ter as pessoas q
- Na rua Nova n. 33, compra-sa mtal va -
Iho, cobre, broozae lato
.. Joflo Anloni) Ferreira da Rocha, em-
barca o son escravo cabra, por nome Lime-
ro, para o Rio Grando do Sul. .
-- Quem precisar do una tnulher casn M
>ara ama do Icite, mala crian lo em sua ca-
sa : dinia-soa na dos Burgos n. 7.
-- Aluga-so o tercoiro andar da casa do
Oueimadn n. 9 1 trata-so na loja.
Compras.
COMPRA-SE.
Cob'o velho, latao, bronze, etc. na rua
Nova n. 33.
a>; Typojraiiliia.
f Compram-se 100 011150 libras de
c lypo, 9 ou 10 o que esteja em bom- #
i- uso : na rua do Trapiche n. 38, biirro #
f do Recife. *
**in.****s.'y.!.*** Compra-se um banco de marcineiro,
que tenha duas imprensas, clcheles, etc.,
o que mo seja absolutamente velho : n
rua do Rozario Eslreila 11.8. _______
11.. mtmmmmtamm^mfmmwt^
Vendas.
Vendem-se aelins inlezes elsticos
dito* com borranhas, chogados agora : em
casa deGeo.-Konworthy & Companhia, di
rua di Cruz n. 2.
Chocolate amarffo.
De musgo islndico, ou tbesouro do peilo,
preparado por Mr. J. G. C. As affeccoes di
pcito ollerecein todas um syniptoma geral, c
constante. A tosse, esta doenca tam coniiiiiun.
quando descuidada, tam gravea sao auas con-
seiiucncas quanto parec ligelra em sea prin-
cipio, tam matadora por li s como todas as
outraa docnca que consomem a especie hu-
mana, nao linli 1 pui 1 initutel a e desti uil-o.
um medicamento especial e nico. Todas as
pastilhase charopes que tem apparecido at ho-
je tem sido impotentes. Naotein a contecido
isto com o chocolate de musgo preparado por
J. G. C. O principio que forma a sua base prin-
cipal offerece propredades incoutestaveis, e
reconhecidas depois de muilo tempo, e nn-
guem ignora os RtlZM resultados da sua appli-
cacao em todas as phleuginasias agudas, ou.
clironicis, do pululan, allcccdesdo peito, phti-
sca, defluxos, toces, &. para dar tom ao es-
tomago, abrir vonlade de comer, conservar
as gengivas, e o bom alito, matar as lombrigas,
principalmente nas crancas. venJe-se na
rua do Queimado n. 9.
Venda-so um ravallo russo Iwn car-
regador baixo : na rua Nova n. 19.
-- Ven le-.se urna casa na rua de S. The-
reza n. 17 : trata-so na rua Direita n. 8.
-- Vende-se una escrava de idade o do
naciln, boa la'va leira e cozinbeira : na rua
Imperial n 7.
-- Vende-se rap retalho e as libras, de
Lisboa, areia prela, Menron & Companhia,
Rassa fino, meio grosso e grosso : na rua
das Cruzes n. 0.
-- Vende-se uina rica cadoirinha de re-
buto : na ma do Collegio 11. 5.
Vendom-se 2 pedrs de filtrar agoa .
por commO'lo prego : no Aterro da Boa Vis-
ta, sobrado n. 10.
. Ven le-se 011 aluga-se um grande si-
tio, com urna grande casa para morar e bem
plantado, baixa para eapim e lugar para
formar 2 ou 3 viveiros, junto a ponto da es-
trada qtia vai de S. Amaro para Helem.-.tra-
ta-sa no mesmo sitio, ou e:n S. Amaro, na
venda ao do Sr. Carduzo.
Para meninas de escola.
Vendem-se chapeos de sul de seda, pelo
barato prego do 2,400 c 3,000 rs. : na rua do
Crespo, loja 11. 12, Je Jos da Silva Campos
& Companhia.
Vndese a propriedade da ConcoicSo,
sila na freguezia de Mmibecs, que limita
com o engenho Novo o S. Andi, com casas
de vivenda e de farinba, sanzala e estriba-
ra, regada pelo rio Jaboatao e algumas ar-
vores de finio : trata-se com o vigario do
Bonito, na casa de cambio do Sr. Vieira, no
Recife.
Vende-se urna escrava de bonila ligu-
, chegada do Cear no vapor Imperador,
propria para o servido do campo e tambem
engomma : na rua do Crespo, luja da esqui-
na que volla para a Cadeia, se dir quem,
vendo
-- Vendem-se 4 molecotes, do idade de
IG a J 1 anuos, bonitas figuras, sendo al-
guns do servido do campo; 1 dito de meia
idade ptimo para qualqu-'r sitio, por prego
cnmmnJn ; 1 lindo molatinlio de excelien-
C'iiducta, de idade de 16 annos, ptimo
pira pagos ; 2 negrotas ereoulas. de idade
lo" nnos; 3escravas mogas de todo servi-
go de casa : na rua Direita n. 3.
Vende-se urna pipa arqueada do ferro,
com 95 caadas de azeile de carrapalo, a
1,600 rs., r na urna caada o da-se gratis a
pipa ao comprador: na Praga da Boa Vista
n. 12.
'4 Vendem-se pegas do madspollo >>
a) com algum de feito, causado por cu
4 pim, a 1,600,2,000 O 2,400 rs. : ua lo-
i ja do sobrado amarello, nos Quatro V
4 Cantos, da rua do Queimado n. 29. fc
\n-20:0011 -mili de rs.
N 1 rua Nova n. ti, loja de Mala Ramos &
Companhia. continuam-se a vender os afor-
tunados In I heles da 11 lotera do S. Sacra-
mento Do Rio de Janeiro, quedeve ser ex-
trahida uaquella corte em 25 de junho, a
en pagamento recebem-se lurteles premia-
dos .le nuiiaa quaesquer loteras do im-
perio.
Lotera a beneflcio vrnuieiilo.
Aos 5:000,000 ds rs.
Na loja de miudezasda Praga da indepen-
dencia 11. 4, vendem-se bilheles inleiros, a
10,000 rs. ; molos, a 5,000 rs. ; quarlos, a
2,600 is.; decimos, a 1,100 rs., e vigsimos,
600 rs., corre no dia 12xle> Julho.
(Im i jo- de [ii 1I0
Fresquissimose muilo macios queijos de
prato, vendem-se por prego commodo : na
rua da Cadeia do Recife n. 1.
Uaratissimo.
Ah do Crespo n. 14.
M iilapoloes muito Finos e largos, com um
pequeo toque de avaria, pelo barato prego
de 3,000 rs., a pega ; chitas largas france-
sas muito finas, a 260 rs. o covado ; sarge-
I1111 lavrado de muitas cores, a 200 rs. o co-
vado ; linis-imus merinos pretos de 2,0GO
a 3,000 rs.
Vende-se um armazn) de sal, com lo-
o, aciimpaiiiia os unos reinemos a ma- imiuo un.....um uo ni, com to-
do fazer seu uso e dietas que devemidos seus perlences e urna porg3o de sal: na
pessoas que dcllcs fizerem uso. I rua Imperial p. 87,
f?!l


mm
REDES DE MARCA.
Vende-te lindas redes de marca, por coinntn-
do pirco, na rna di Carteia do Reclfc n- 23.
A 2.000 Vs. n i>i-i lilla.
Na loja da rua do Queimado n. 3, defron-
te do becco do Peixe Frito, vendem-sepc-
cinhas de cassa chita de milito lindos pa-
drOes, polo baratissimo preco de 2,000 rs. a
paoinba, dar-sc-ho amostras com o com-
petente penhor.
Novas rninlirains par vestidos.
Na rua do Crespo, loja da esquina, que
vira para a Cadeia, vendem-sc corle? de
eamhraias, com listras de cores, a 3,600 rs.,
o o covado, a 320 rs. ; ditas de slticos de
cor a 3,000 rs., e o covado, a 300 rs. ; pegas
deeisaaa abortas para mosqueteiros.a 3,000
rs.; chitos de coros fixas o bonitos padrOes,
5,000 6 5,500 rs., a pega ; ditas do mada-
poln largos para forro, a 2,400 rs. e outrns
fazendas, por pregos enmatados.
Deposito il fabrica de Todos os
Santos na Rnhla.
Vende-se, em casa deN. 0. liieber&C. ,
na rua da Cruz n. 4, algodSo transado da-
quella lrica, muito propno para saceos de
assucar e roupa de cscravos, por prego eom-
moo.
Cera de caroauba.
O inals superior que lia neste genero, ven-
de-se em porcao e a rclalho : na rua da Cadeia
Arados americanes. j
{^ Vendem-sc arados americanos ver- ^
v dadeiros, ebegados dos Estados- X
> Unidos : na rua do Trajiiclie 11. H. *
Cera de C!iriiaiil>a.
No armazom de Domingos Itodrigues de
Andrade& Companhia, na rua dosTanoei-
ros n. 5, vende-se superior cera de carnau-
ba, ltimamente viudas do Araealy, em
porgio o a retalho, por menos prego que
em outra qualqucr parte, assim como sola c
cnuros miudos.
Corte rte casimira de cor e pri-la.
2?" Cortes d; casimira nrela, muito fi-
nos. a5,000rs., o corte ; ditos decores de
niuilo bom gosto, a 6,400 rs. ; cortPS d,i
cambraias de listras de cores, muito finas,
a 3,600 rs.; ditas com salpicos tambem de
cores, a 3,000 rs. ; csrapuga do algodiin de
cores, a 240 rs., cala una e outras muitas
fazendas de bom gosto, por diminuto pre-
go : na rua do Crespo n. C.
Ventle-se a terca parte da
'.'zonda denominada Mara de Mel-
lo, situada na llieira do Kio da
Parahiba, distan'e de Pedras de
rogo 7 legoas, cuja fizenria tem 2
legoas de comprido e meia de lar-
go, com Ierras de plan 18(3o de ale
godao c ctinrSo de gado, boa casa
de vivenila rom oiicina de fazer
aiete, machina de descarocar >l
godao e prensa de enlardar, po-
dendo o eorr piador escoliier a par-
te que mais Ibc convier : trata-se
( Pedras de logo com o Sr. An-
tonio Dantas Oorreia Jonior, e no
liccic, com I.uiz Antonio l'erei-
ra, na rua do QncimaJo, loja
n. 10.
Q| Vendem-se cortea de vestido dechl- '*) la, de ptdrOfS muito bonitos e cores %
<4 lixas, 1,600 rs cada corle ; ditos V
4 do cassa du cores lamben) lisas, a fe
4 1,760 rs. ; al, ac de algudn msela- fe
r) da, propria para casacas c palitos, a ?
1$ 280 rs., o covado j cortes de calsade o
.-r< meia Casimira, [adies tale qual de )
s) casimira, a 3,000 rs., o corle, e outras d
fe; iruilas lazcudas baratas: na loja do &
sobrado smsrello, nos (|iiairo cantos ()
*S da rua do Queiniado n. 29. -5
Charutos.
Vcndem-so os verdadeiros charutos da
il.v na, de superior qualidade : na ruada
Cruz n. 4.
Gansjamesclada a 28o rs. [o
covado.
Defronle co berro do l'cixe frito n. 3, vnde-
se ganga tncsclada dos le largura pelo baratissimo preco de qua-
tor/.c vinles o covado, esla fazenda lie recem-
Jiiendavel nao j para {aquetas e caifas, como
lamben) para palitos e casacos.
Vinho di Porto,
Vende-se vinho do Porto, de superior
qnaliilade, uigarrafadoe em barriz; na rua
da Cruz 11 4.
Deposito le salUl'C,
Vende-se salitre refinado em grandes e
pequeas porges, por mais barato prego
do que em outra qualqucr parte; na loja
de ferragens de Francisco Custodio de San-
paio, na rua da Cadeia do Itecife 11. 56.
Vendem-se 2 escravas, una preta mo-
ga e bnniti, que coziuha, lav.i de sab.ln e
varrcla, o faz os mais trranjns de casa, una
niolata moga.q'ic coze, coziuha, engimma
e faz o mais servig 1 de casa, com perfeigSo :
11.1 rua Larga do Kozario, loja n. 35.
\otos corles de chita a 1,76o, 2 e
2,2oo rs. e nntdapolao lii^po a
2.2oo rs. apega. 1
Na rua do C'espo, loja da esquina que
volta para a Cadeia, vende-fe cortes de chi-
ta com IScovados inteirosa 1,760,2 e 2,200
ts., lindas ri tes de casimira de boa quali-
dade a 6,400 rs., e os muito acreditados co-
bertores de topete a 720 rs. o outras inui-
la-f:i/ondas por prego coim.odo
Vcnde-se sal do Ass a bordo da escu-
na nacional Mara Firmtna,tanea la na vol-
ta iioj-'oi 11 do Matto, trata-se com o cap-
13o a bordo ou com o consignatario da mes-
mi Luis Jos de Sa Araujo, rua da Cruz
n. 33.
Vcnde-se o engenho l'rejuhi, na (Ye-
guezia de guarass, moento o correte,
com safra criada, lem boas rnadeirasc por-
to de embarque : quem o pretender enlen-
da-se com Francisco Cavalcanli Jaime Cal-
van, proprietario c morador no mesmo.
-- Vendem-se hrag>s de balang* proprios
para balcao do autor RomO penetras
grandes de aramn e perfuma 'ores de latan:
na loja de lerrageos n 56 a, de Antonio Jja-
quim Vidal, na lu-ida Cadeia do Itecife.
Venderse
manleiga ingleza 560, Ola o 720 rs. a libra,
dita frtuiceza a 500 c 560 rs., vinho verde
snperiora 200 rs. a garrafa, caf primein
sort a 160 rs. n libra o em porcito mais em
conta crvilhas a 160 rs., linguigas do I\io a
100 rs., itas da trra a 320 rs. a libra, pa-
pe! azul prelina a 2,800 rs. a resma e lodos
os mais gneros a proporgfio: as ruadas
Crasos primeira venda pintada de azul,
Vende-se rap de Lishoa em frascos,
chogado na barca I.igtira, os Srs. freguezes
que estri acoslumados a tomara boa pits-
dd, nilo deixarfto de mandar buscar ao lar-
go da Assemhla n. 4.
Lavas de pellica a l.too rs. o par.
Na rua do Queimado, defronle do beceo
do PailO Frito, vende-so luvas de pellica
ponto inglez para hc-on muito finas, pelo
baratissimo prego de cinco patacas o por.
Vende-se urna parda escura, boa consi-
nl'Cira, ciigomma, lava bem de sabiio, mullo
moca e sadia, uina prela de nacao de meia
iilade, ouzlnba, fai todo o mais servico de
orna casa, e boa qultandelra na rua do Rangcl
11. 38 segundo andar.
Alteneo.
Ao bom c vralo.
Contlnua-se a vender como antea a qui cm
o atierro da Boa-Vista n. 04 venda ao p da
loja do Sr, F.ntlma. e cm a rua Nova n. 71
venda ao p da ponte, manteiga pelos mea-
mos precos, como antes e Igualmente 01 mea-
mos gneros como consta dos annnncios ja
nulilicados, pois a manteiga he pcxineha para
os bollos de S, .'ofio, e S. Pedro.
^.tv'hio VS.
Vende-se cnino de lustro de milito boa qua-
lidade a 2,000rs, a pelle em grandes e peque-
as porces na roa da ('adela n. fkiloja de Fran-
cisco Custodio de Sampaio.
"* j
a 5
(U-3
t: a
i S 1
_ O a 3
9 33
O.53
,. ^
re i
> *
o
.t

re
ai
S .o So
o
l; o-
i'" o
as/ i, .
-ak S.
lili
lVSa.
'i. *-
.-*, > S.-g
u s '"

'-J ~ c_ .1 -z
- 3 o 3 &''* r O
\a toja das seis portas cmlrrnte
do Llvranieiito.
Continua a vender por precos que fa* conta
comprar. Vende pecas d'algodaozinho a seis
patacas, cortes d'casemira de cores bonitas a
5,(100 rs.. chapeos francezes da] ultima muda
a ti,OOO rs ditlos de mola a.OUOrs. chapeos
deso de paninho com aspas de balda a alo-
co patacas, e de junco a quatro patacas e to-
dos os mais objeelos por piceos rascaveis
Loja las seis piulas em frente lo
l.ivr tinento.
Continua vender barato: cassa preta a
120 rs., cassas de cores pintadas e bordadas
a Mi) rs., o covado, chitas a i2(l O 100 18O 200
rs. linas, lencos de cassa para lllfio de senho-
ras a 24" rs. lencos de cassa grandes para ca-
beca a 320 rs., e bordados a 400 rs., cortes de
chita com r2covados mu i".11 ns a 2,"00 rs.
luvas pelas de seda c de trocal por precos ba-
ratos, riscadinlioa franceies e alpacas de co-
res, proprii.s para capntiulius, e uin completo
aorlimeuto de fatendas mais baratas (|uc em
oulra qualqucr loja ; tanto a retalho como em
poredes.
Sopa (tenas.
C.hegada ltimamente de Lisboa: na rua
do Trapiche n. 9, armazom de assucar, por
baiso Jo Hotel Francisco.
Ytrdadeiro vinho miiscalel tic Stlubal.
Em caixasde 12 garrafas : na la do Tra-
piche n. 9.
Vende-se urna preta, deidade de20
anuos, de I onila figura, lina quitandeia,
coy.inha o liaiio de urna cusa: na rua do
Pilar n. 145.
Maia liamos & ('... na rna Nova 11. 6.
Atiaba da receber do Itio de Jmeiro os
rotuanses, a Moreninha, com estampas, e a
muzica da ['alada n 1 roche lo, o Mogo l.oi-
roSvolumes, por Joaquitn Monoel de Ma-
cedo.
I'erhhidia para os sapaleiros.
Na loja de miodezas da rua Larga do !io-
larlon. 26, vendersecouro delustio,'pelo
barato prego lie 2,000 rs a pelle,
Ao bello sexo Pernaoibueo.
Na loja de Dtludeaa da rua do Queimado
n. Iti existe a venda nina pepiena ipianlidade
de lindssimas lalas de estalo, feitas de papel
ricamente pintados, e conienda cada una dual
orles e tima amendua confeilada, para de-
vei liinenlos das bellas pernambucanas, as
vespoias dos milagrosos S. Joiio c S. Pedro: a
ellas antes que se acabem.
Vende-se oarmazrm de sal da rua linpe-
ri.t o: 53 com mais algn* gneros da trra
assim como tambem algiuiias miudezas a ira-
(ai na mesma rua 11; 37.
Blllietes da lotera de N.S. lo
Livraiiifuto. enjas rodas eorrein
i 111,11 i i 11 1111M !! 110 lia I 2 de ju-
llio : 110 paleo do Collegio, casado
l.ivro Azul.
31armelada.
lie ptima quali lade, cm latas grandes e
pequeas, em porgilo ea retalho, sendo a
320 rs. a libra da | rimeira soile, e por me-
nos as qualidadcs infeiiores : na rua do
Crespo n. ti,
Vende-se ou srronds-Se, urna casa de
pedraeeal, sita nu Munleiro, cmn t rrenu
para plantar e com arvoredos ,1c frncto, poi
prego comtnodo : tiata-se na la disTrin-
cheiras n 48, primeiro andar.
-- Vendem-se 2douliinasilasarges, po-
prego commodo : no Aterro da lloa Vista
n. 62, loja de funileiro que f y. esquina pi-
ra a la da Aniora.
CARTA".
Na ma da Cabugs, loja de miud zas de
Francisco Antonio SimOes, vendem-se car-
las fraiiccza's lina", proarias pira voitarele.
o antlgo baratelrodo t'asselo Pu-
blleo. loja 11. i I, do l'iriiiiano
Jos*'; Itodrigues Ferreira.
Tem superiores curtes de vestidos dcsar-
jlinasde sed i, fazenda do muito gosto, as-
sim con,o coitos da mesilla Lizenda listrs-
dos do cores, pannos linos du ludas as qua-
lidade c cores, setins Isvrados, sarjas pro-
ts, merinos, chitas francesas largas, brim
transada de linho puro, 1 / ia de gosto,
c simiras pelas, cort's de ditas decores,
el) 'pcosdo wassa franeexa, diales de todas
as qualidade! gostos, vestidos de seta,
riscados francizas, co'tes de casimira de
algod o, iio haralu picgo de 1,400 rs lon-
gos de chias francezea, imitando aseda,
u 11 liudu-., a loj rs., ma lapuldas d 1 to-
das ,is qualida.ies, cintas linas e de todos os
pregos, sel 1111 preto macao, curies do chi-
tas cassy. a ?,000, 2,800 c 3,000 rs., 0*-
EttiOes do linho, bretanhas, linlios dequa-
dros, tapetes, corles de coletas de cores,
muito baratos, fustOes superiores a 800 rs.
o corte, meias finas suporiores, para se-
nheras, luvas decores, lencos de mSo, bi-
cos, longos de sedas o outras muitas fazen
das, que se vcnderaO a prrgos que agrada-
rlo a os compradores.
Vende-se um bom negro mestro reh
nadar do assucar. coziuha o diario de urna
casa, propno para o campo por tr algunia
pratica, milito fiel esem vicios : na rua da
ConceigSo da Boa Vista n. 9.
Vendo-se urna escrava creoula, de 16
annos, sabe cozer chSo, lavarinto o eogom-
mar, sadia e sem deeilo I na Iloa Vista, rua
da S. Cruz, casa n. 74.
~ Vende-se um bonito molequo. do Ida-
de de 10 a 18 annos : no Aterro da Boa Vis-
la n. 4, primeiro andar.
Iiina bonita escrava engom-
mn'leia.
Vende-se urna bonita escrava engomma-
deira, cozinhaet-m boa conducta, oque
se afianga debati de palavra : na rua larga
do Bozario, venda n. 39.
A 2S.'ioo rs., o par.
Sapaloes de lustro, a 2,500 rs., o par: no
Aterro da Boa Vista, loja de caisado n. 58
junio no seleiro.
jMtencao.
Na loja que Toi do tallecido Jos Pinina
Fonseca e Silva, na rua Nova n. 21, vendem-
se pelo cusi, para lqttidscgo, as mellio-
res fazendas vndas da ouropa o proprias
doste mercado, a saber: lucos de varias
qualidades, luvas, litas, sedas para vestU
dos, perfumarias, lil., ricos aparelhosdo
porcelana para cha, cristaes, diferentes ins-
trumentos do muzira, proprios nflo sopara
orchestras, romo tambem para bandas mi-
litares, e uniros muitos objeelos, que sc-
rSo patentes nos amadores do bom e barato.
__Vndese utna boa escrava, ensigne en-
gnmmadeira e coslureira, borda c faz doces,
bolinhos d* todas as qualidades, s se ven-
de para fura da provincia ; 2 ditas que en-
goinmam e cozinham bem ; 3 ditas muito
boas quitan iciras ; 3 moloques de. 20 an-
uos, bous (ara lodo oservigo: na rua da
Cadeia do Itecife n. 51, primeiro andar:
= Vende se uina negra, a ilha denominada
S. Joo Haplista, ao p dos Afogadoa com cento
c tantos ps de coqueirns com duas grandes ca-
sas de pedra e cal, dous grandes viveiros, e
com bastante terreno para plantajes mor-
monie capini, quechi Com abundancia, uin
sitio eiu llena Fica ao p da estrada nova com
grande casa de vivenda, todo murado, com
dous porteles de ferros c cocheira para caval-
los. e carrinho, com grande poco d'agua de
beber, e bastante arvoredo d'fiuto principal-
mente larangeiraa, duas partlba de embono
de sedro para barca(a, duas lamas c um bote
velho, urna crreme grossa de ferro pan na-
vio, urna amarra de cabo de linho, urna bolea
para navio, e 3 travs j preparadas ludo por
preco cnminodo: na rua da Cadeia do Recite
n. 54, vende-se mas uina porcao de cobre ve-
lho de navio, c una porcao de couro de cabra
corlido,
Clicsnciii ao barato.
Na rua da Cadeia do Recite 11. ftl vende-se
pelo diminuto rreco de 500 rs cada uina, saias
brancas de caca de cordoiinho para senhora,
e 101 uao.se muito agradaveis, nao s pelo pre-
fo como porque as senhoras inglesas e fran-
cezas, apreciam muito, na mesma se vende
picote trancado para saias, c carnizas de escra-
vas a 180 rs. o covado, assim como outras mui-
tas fazendas por diminuto preco.
Mocadas superiores.
Na fundigiio de C. Starr & Companhia,
em S.-Amaro, acham-so venda moendas
de canna, todas le ferro, de um modelo e
conslrucgSo niuilo superior
Arados de ferro.
Na fundigo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
No armazrm da rua da Mocda n. 7, con-
mu.i-v a vender saccas con superior colla
das fabricas do Rio Grande dosul, e opreco
1 ni conta.
GBAXA ECONMICA F.M HASSA.
Do insigne fabricante americano, James Ma-
sn. A sua composicao he feita de proposito
para lustrar com agua e conservar o lustro,
tanto de invern como de vero; a grande
vantagein que ha ncsla graxa he a cooservaco
do calcado, e luslrarrm-se os sapatos ou bo
lins .mu 1 mesnio motilados, c uina pequea
taita aturar mais de que tres boies e cuslar
menos do que um. Veude-se em barricas,
111 porcio de dudas, no armazem de Vicente
Ferreira da Costa, na rua da Madre-de-Deos.
tiligo deposito de cal
virgem.
Na rua do Trapiche, n. 17, lia
muito superior cal nova em pedra,
cliegada ltimamente de Lisboa
itiaos acham-so a venda por prego com-
rodo, c com promptidao embarcam-se, ou
carregam-se em carros sem comprador.
Vendem-se na travessa da Madre
Dos n. 5.
Erva matte.
Fumo em follia.
Farinha de mandioca.
Gigos de garrafas pelas e
brancas.
l\olhas para ditos.
Ancoras de peroba.
--Vondem-se amarras de forro: na rua
da Senzalla nova n. 42.
Contlnua-se a vender agoa de fazer ao
cabellos e suissas preta's : na rua do Queltndo.
leja de ferragens n. 31.
Moinlios de vento
eom bombas de repucho para regar borlas
d baixas de capim : vendem-se na fundigo
de Bowman & Me. Callum, na rua do Brum
ns. 6,8e10.
Uombas de ferro.
Vendem-se bombas de repuxo
pndulos c picota para cacimba :
na rua do Brum ns. 6, 8 e 10,
fondtc3o de ierro.
Arados de ferro.
Vcndem-sc arados de diversos
modelos, assim como americanos
com c'unlio de sicupira e bracos
de ferro : na fundicao da rua do
Brum ns. 6, 8 e lo.
Vendc-se
Arroz de casca,
Farello novo,
Cha preto,
Chumbo de munic5o,
Cimento,
vende-se ludo por pregos commodos : no
armazem de J. i. Tasso Jnior, na rua do
Anioii ni n. 35.
i:na do Crespo u. 10.
Loja de /naci luiz de frito Taborda,
Vendom-se: .
Manteletes de nobreza preta 16,000
Cortes de cambraiaseda para vestidos 8,000
Mimos do CO, o covado
Cambraia de quadros de cores
Ditos de ditos com toque de mofo
Itiscado monstro
Murgulina prela para vestidos
Chita escura para coherla, padrcs
modernos
Dita franceza dito dito, de dito
Atoalhado de linho cru
Setim da china, proprios para cole-
tos, gndolas e palitos 4,000
Lengos braneos e pintados 240
Ditos de 13a eseda 1,50o
Ditos de seda de cores 1.600
Ditos de dita dita superiores 2.000
Ditos do dita braneos 2,24o
Luvas de seda de cores, para homem 800
Corles de fusl.lo para ecletes 800
Dilos de dito francez dito 2,000
Ditos de casimira franceza, para calsas 6,000
**- >
c!cautellas, da lotera a favor da igreja de N.
s! do l.ivramento cujas rodas correm no dia i.'.
"'"""*""'~J ""Le julho do correte anno infalivclniente e
sem dospozas 8o naJ|negma caia venderao-se da loicria da
Matriz d Boa-Visl a os aegulntca premios viges-
siinos n. 44805:000# rs. bllhctes Inleitos n.
:t70t-2:000# rs. n. 3032200,000 rs. mcios bi-
,etea de n. 2860-1080/ rl, n. 650-200,010 rs.
'828100,000 rs. c muitos ns. com ospremtos
de 50,000 rs. 20,000 ra. lO.oOO r.
Hilhetes M.OOO
Relos 5,500
Quartos 2,000
Quintos 2,100
Decimos 1,100
Vlgessimos 800
lliliictcH do Rio de Janeiro.
A0S 20:000,000 de as.
Na loja de miudezas da praca da Indepen-
da n. 4 vende-se bilhetes iuleiros, meius,
luanos, oltavos e vigsimos a benecio da 11 .*
loteria do Santissimo Sacramento do Rio deJa-
neiro que ha de ser extrahida a 23 do crreme:
?a mesma loja recebem-se bilhetes premiados
da lotera da Matriz da Boa Vista em troca dos
que tein venda.
Lotera do Rio de Janeiro.
sos 30:000,000 de rs.
Na cata felis
Dos quatro cantos da rua do Queimado,
loja de fazendas n 20, vendem-soos muito
afortunados bilhetes, meios, quartos, oita-
vos e vigsimos da decima primeira loteria
do Santissimo Sacramcntp, cuja lista saes-
pera at o dia 28, ha mesma loja se mostra
a lista da loteria da Boa Vista e irocam-so
os bilhetes premiados pelos os do Rio.
800
300
209
180
800
240
320
1,000
na barca Ligeira.
Ven !em-sc as seguintes se-
mentes:
de abos, ditas de ditaa inglczas, ditas de r-
banos encarnadas, ditas brancas, ditas de ce-
blas de Setubal, dilas de alface allamaa,
dilas repolliudas, ditas de cve trinchada, di-
tas de senoura auiarellas, ditas de chicoria, di-
tas de coentro de loceira, ditas de salsa, ditas
de tomates grandes, ditaa de repolho, ditas de
espinafrr, ditas de plpinella, ditas de aipo,
feijao, rarrapato de tres qualidades, crvilhas
tortas e direitas, rabanclcs encarnados e bran-
eos : na rua da Cruz n. 4, defronte do Dr.
Cosme. Vi un mu 1 casa vcndein-se queijos In-
gleses muito frescaes.
ra/.cndns por a inctadede -en va-
lor, na rua lo Crespn. G.
Corles de chita linas, com 12eovados, a
1,920 rs ;di(o de cassa chita, a 2,400 e 2,800
rs.; chapeos de maga pretos. a 800 e 1,000
rs.; cortes de brim Mitrado de linho puro,
a 2,000 rs.; alparka de eordSo proprias para
casacas o sobrerasacas, a 800 rs., o covado
o muitas outras fazendas baratas: na loja
cima referida.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
RUA DA SENZALLA NOVA 42.
Neste estabeleeimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
/.'por, c taixas de ferro balido e
coado, d lodos os tamanhos, pa
ra dilo.
Taixas para enirenlio.
Na funiiigao de ferio da rua do llrum,
acaba m' de rceeher un completo sortlmen-
lo de taixas do 3 a 8 palmos de bocea, as
2,500
2,000
1,600
120
Ditos de meia casimira de 13a dito
Algodlozinho avariado, pega
Dito dito, dita
Itiscado azul de quatro palmos de lar-
gura, proprio para roupa deescra-
vos, o covado
Tambem ha anda, um resto dos chales de
seda que se venem, para acabar, aos bara-
tsimos pregos de 4,500, 5,000 e 6,000 rs.
Fazenda mais barata do que em
outra parte.
Cobertores de algodo escuro para quem
tem fri a 720 rs. cada um, corles de brim
branco tranfadn de linho puro a 1,800 ra., di-
tos escuro a 1,600 rs. o corle, riscados de li-
nho a 220 e 320 rs. o covado, riscado de algo-
do trancado muito encorpado proprio para
escravo a 180 e aOO rs. o covado, picote a 180
rs o covado, zuarle aiul de 5 palmos de lar-
gura a IV) rs. o covado, dilo de cor a 200 rs. o
covado, riscado francez muito Tinosa 240 ra. o
covado, chita para cobertas decores fxas a200
rs. o covado, ditas para vcslidos a 160 e 1 su rs.,
cassa chita cores xas a 440 rs. a vara, casto-
res proprio para palitos a 280 rs. o covado,
pecas de cassa de quadros para babados e cor-
tinados de cama com 8 varas c meia a 2,400
ra., chapeos de massa para eacravos a 480 rs.
cada mu : na rua do Crespo n. 6.
Potassa da Russla.
Vende-se potassa da Itussia, recentamen-
te chegada, ede muito superior qualidade ,
na rua do Trapiche n. 17.
Tecido de algodao trancado na fa-
brica de Todos os Santos.
Na rua da Cadeia n. 5a,
vendem-se por atacado duas qualidades
proprias para saceos de assucar e e roupa
e cravos.
(.iinioi.s Pailhet & Companhia.%
Y ContinoVse a vender no deposito |
i- geral da rua da Cruz n. 52, o excel- i
l"nlee bem conceituado rap areia >
i prela da fabrica de Canlois l'ailhct& 9
i Companhia da Babia, em grandes e $
pequelas porgues pelo prego eslabe- 0
lecido. t
Vendem-se queijos londrinos, presuntos,
camuas de sedelites purgativo, conservas de
todas as qualidades, cementes ou passas mui-
das para podins, carne salgada para uso de fa-
milias em barril de 50 libras e miudos da inet-
ma forma preparados, tudo ltimamente che-
gado : na rua da Cruz, armazem n. 9. de Da-
vis Si C,
Vende-se superior cognac velho, ero
barris de 12a 24 caadas : na rua da Cruz
n. 55, casa de J. Keller & Companhia
-- Vcnde-se ge-sso em barricas, viudo no
ultimo navio chegado de Franga, tendo ca-
da harnea 20 arrobas pouco mais ou me-
nos : na rua da Cruz n. 55, casa de J. Kel-
ler & Companhia.
Em casa de J. Keller & Com-
panhia, na ruada Cruz n. 55, acha-se a ven-
da onxcelleoloe superior vinho de Bu-
celia, em barris de 5.", he muito recom-
mendavel as casas eslrangeiras, como ex-
cedente vinho para pasto.
I.eterla afavoi
Lotera lo Rio de Janeiro.
Aos 20:000,000, 10:000,000, 4:000,000,
2:000,000 e 1:000,000 de rs.
No cambio da Viuva Vieira & Filhos, na
rua da Cadeia do Itecife, n. 24, ebegaram
no vapor Inglez Tu y, os mui afortunados bi-
lhetes, meios, quartos, oitavose vigsimos
da 11.a lotera do Santissimo Sacramento
da Corte, os quaes trocam-se por bilhetes
. remiiulns da loteria da Matriz da Roa Vista,
li lete* lo Rio de Janeiro.
aos ao:ooo,ooo rs.
Na rua estreita do Rozario, travessa do
Queimado, loja de miudezas n. 2 A. de Joa-
qun' Francisco dos Santos Maia, vendem-so
os muito afortunados belhetes, meios, quar-
tos, oitavos e vigsimos da 11.'loteria do
Santissimo Sacramento, recebem-se em pa-
gamento hilhetes premiados de outras
quaesquer loteras do imperio, alm do
muitos premios, qne esta casa tem vendido
que o proprietario tem deixado de annun-
ciar, vendeu ltimamente das casas da ca-
ridade o meio bilhete n. 4,685 com 1;000#
e dous oitavos de ns. 1,852 com 400 cada
um.
Loteria do Rio le Janeiro.
aos 20:000,000 de as.
Na Praga da Independencia, loja de miu-
dezas n. 3, quo volta para a rua do Queima-
do e Crespo, vendem-se bilhetes, meios,
quartos, oitavose vigsimos, da loteria de-
cima primeira a beneficio do Santissimo Sa-
cramento, e na mesma loja mostram-seas
listas das que j correram.
Escravos fgidos.
De 8 para 0 do niez de abril, pelas 8 ho-
ras da noite, desappareceu o escravo de nome
Paulo, de nacao, Beuguclla, representando ler
de25a 30 annos pouco mais ou menos; tem os
segulntea signaes: estatura regular, cor pre-
la, cabello grande, tendo uina falta na corda
da rabeca que inda cortando ae conhece, a qual
falta he proveniente de carregar peio, rosto
um lano largo, aem barba, nariz chato, boc-
ea grande, e beicos grossos, falla um tanto fi-
na, e descaocada, conservando um pouco os
beicos abertos e os den les fechados, e em cer-
tas perguntas usa da resposla senhor slm, ou
senhor ; nao| lem todos os dentes sendo dous
Turados na frente, um em cima, e outro em
baixo, que vczivelmentc ae v : no peito tem a
marca querendo parecer uina medalha, c
alem desta em um dos lados tem urna marca
mais preta do que a cor do corpo, proveniente
de um caustico; em uin dos bracos a marca
\ ; e em sima de urna das sobranseihas urna
costura de mu pequeo talho, que leve;quan-
do anda ginga um pouco com o corpo e d uin
tal geito que empina nin tanto,a barriga para
diante, trocando os joelhos para dentro tem
o vicio de tomar tabaco. Este eacravo foi de
Aotonio Joaquina morador cm Fora de Portas
com tenda de sapateiro na rua da Cacimba ;
tendo o dilo escravo principio do meirao of-
lidn. Roga-se.-portanto, as autoridades po-
liciaea o obseguio de quadjuvarem na cantura
do referido escravo e qualqucr pessoa que o
pegar ser generosamente recompensada pelo
seu nali.illi i e despeas, podendo entrega-lo
na rua da Cruz do Recife, n, 63 no 2. andar
ou atrs do thcatro, armazem de taboas dr pi-
nho ; na Parahiba, ao Sr. Jos Ribeiro Cumia.
raes, ou aos Srs. Jos Luiz Pereira Lima & C. ;
em Pedras de Fogo. ao Sr. Marlanna Ramos de
Mendonca ; no Unjo de Areia ao Sr. Jos i nto-
nio Cunta I ves Mina; e cin Goianna ao Sr. Joo
Francisco Fernandes. O abaixo asslgnado est
em deligencia do seductor que Ihe roubou o
seu escravo e protesta usar de lodo o rigor das
leis (nuil. i aquella pessoa que o liver. Reci-
fe, 2o de abril de i81l.
Joaquitn Lepes de Almeida)
= Desappareceu|,de bordo do brigue Flor
do ',Sul, no dia 27 de maio paaaado, o escravo
marinheiro de nome Marcellino, naco Cabin-
da, idade 30 annos pouco mais ou menos, al-
tura regular, magro, levou camisa e calca
azul, chapen alcatroado, o qual he de proprir-
dade do conunendador Joo llaptisla da Silva
Pereira, de Porto-A legre. Roga-se por lano
a todas as autoridades policiaca e capltrs de
campo aauaapprehensao, e leva-lo a bordo do
dito brigue, ou a rua da Cadeia do Kecife n.
39, casa de Aiuoriin limaos, que recebar ra.
o.oi i)dcgiaiilcac.io ou mais, conforme a lou-
gitude em que for pegado.
Fugio no dia 20 de abril, a prela cre-
oula, de nome Victoria, com os aignaes se-
guintes, i Jade as anuos, estatura regular,
bstanlo gorda, com os buracos das orc-
inas bastantes rasgados e uina marca de fu-
go no estomago, he muito regrlaU : quem
della liver noticia, dirija-se a rua do Viga-
da igreja de N. S.lrio n. 31, que ser recomensado.
lo I,i vni ment.
No alterro da Boa-Vista loja de calcado n. 58,
vcnde-se os muitos aforluuadosbllheies, meio
Pfi'.v. waTyp.dr M.f.nn Ta


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EB10G8GRK_1354DZ INGEST_TIME 2013-04-13T02:31:58Z PACKAGE AA00011611_06376
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES