Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06375


This item is only available as the following downloads:


Full Text
**-A
Anno XXVII
Segunda-feira 23
PAB.TIDAS DOS COBHEIOV
Goiantia e Parahiba, s segundas e sextas feras.
RIo-Grandc-do-Norte, todas as quintas fciras ao
meio-dia.
Garanbuns e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas feiras.
Olinda, todos os dia.
PlIiSIS Di LO.
rBEMialD
Nova, a 30, as 6 h. e27 m. di t.
Cresc. a (i. as i h. e 8 m. da t.
Chela, a 13, as 4 h. e S4 m. da t.
Min;;. a 21, as 3 h. e 12 m. da t.
de Junho de 1851.
N. 140
PBEAMAB DE BOJE
Priineirals I' horas e 42 minutos damanha.
Segunda s 12 horas 6 (i minutos da tarde.
raspo DA SDBIOBIVOAO.
' Por tres niezes(adaotados) 4/300
Por seis inezes 8?000
Por un anno. I.'i/imiii
DAS da semana.
38 Seg. S. Agriplna. Aud. do J. d'orf. e m. 1, y.
24 Tere. >Hf< Nascimeuto deS. Joo Raptista.
23 Quart S. Ouilhermc. Aud. do J. da 2. vara.
26" Oulnt. S. Virgilio. Aud. do J. de orf. e do J.
in. da primeira vara.
27 Sext. 8* O SS. Coraco de Jess.
28 Sab. >. Lelo Aud. da Ch. c do J. da 2. vara
do cvel.
?9 Dom. S. PadrocS.Paulo.
CAMBIO 1>X 21 Z JWHS.
Sobre Londres, a 27 '/, d. p. 1/000 rs.
Pars, 340 por fr. nominal.
i Lisboa, a 95 .
Ouro. Ohcas hespanholas....
Moedas de 6/400 vcllias
de 6/400 novas
de4f000.......
Prata. Pataccs brasilciros...
Pesos columnarios.....
Ditos mexicanos
28/000
1 u/000
16/000
9J000
1/MO
I/B30
1/700
i m mi ii Wi-?ninriM
a 28/500
a llisoo
ftoo
a 9/100
a 1/MO
a 1^9
a 1/76
saja) r
immrnii- Mal *m fri' ~i oa .. f.:- aw^* av^aais** -'lut^^s^faaeafroMamaMaaMnttsttvra
;i
PAfcTF OFFICML-
MINISTERIO DA JSTICA.
Relatorio
apremiado d atiembla gtral legislativa na lerciira
sendo da oilava legislatura pelo ministro e se-
cretarlo de estado dos negocios da jusllca Ense-
bio de Queirot Coutinho Maltosa Cmara.
.'Continua cao do n. 139.)
Jvises de direito.
A* medidas legislativas adoptadas na ultima
sessao, fatendo depender a promocao da anti-
guidade, e esta do effectvo servico na magis-
tratura ) cerera"ilo un (creo dos vencimentos
logo que este se interrompa, anda inesmo por
justo impedimento ; fazendo desejadas todas
as comarcas por ser Indispcnsavel comecar*pe-
l.-is de primeira entrela para obter depois de
quatro annos as boas, e s depois de sete as
melhores; e estabelecendo, finalmente a igual-
dad.- dos veheimeutos que, importando ein fa-
vor das menos clvlllsadas urna vantagem pecu-
niaria, lende a diminuir as desigualdades, de-
vera de concorrer poderosamente para fixar a
residencia dos julies em suas comarcas e paia
o melhoramenlo de nossa administraco de jus-
tica.
Entreunto s emjunho, ea respeilo de al-
guns scin 1853, se far sensivel o complexo
destas medidas.
Como, porm, no mesmo sentido havia an-
teriormente o governo adoptado aigumas pro-
videncias, de que vos del conta em o relatorio
de Janeiro do anno passado, desde j alguma
difieren;a se comeca a sentir.
Em 1848 a provincia do Rio de Janeiro teve
trinta sessOes, dasquaes so doze presididas por
juises de direito; em 1849 o numero das ses-
ses elevou-se a quarenta e urna, e trinta c
duas foram presididas por juizes de direito.
Km 1850 o numero das sessoes coDtinuou a
levar-se a quarenti e nove, e apezar de ler
liavido urna sessao legislativa de nove metes,
que rctirou do exercicio alguns juizes de direi-
to tiesta provincia, anda assim dessas quarenta
e nove sessdes viute e oito foram presididas
por juizes de direito.
Quando em fins de 1848 procure! examinar
a residencia dos juizes de direito, estavain cin-
cuenta e oito fura dos seus lugares agora pro-
cedendo a igual averiguarn, achei que ape-
nas trinta e cinco eslavam ausentes, iucluindo
nesse numero trese dos recenlemente despa-
chados, dos quacs d/e sel que estao em via-
gem, deveodo alguns de ler j chegado, de sor-
te que, rigorosamente (aliando, s se podem
considerar lora das comarcas vinte.
Anda tnais; entre cincoenta e oito que esta
vam fura de seus lu. ares havlam alguns de co-
marcas que de ordinario tinliam juizes norai-
naes, como entre outrasas duasde Matto-Gros-
so, as do Porto imperial e Cavalconti em Goyaz;
as de Principe Imperial e Campo Maior no l't-
auhy; as de Pastos i ons e Chapadas no Ma-
ranho.
Hiije todas estas comarcas esto oceupadas
porjuies que ah residein, ouqueestoem
viagem paradlas.
Vos calculis certamente a graude influencia
destes factos sobre a administraco da justica.
Depois do ultimo relatorio foram extinctas
as varas civeis do Cabo, Litnoeiro, Santo Anto
e Bonito.
E assim, das quinte que exisliam em setein-
lirn de iS'iS, apenas reslam seis, todas da lercel-
ra entrancia ; e as capitaes da Baha, Pemam-
buco, Itiu Grande do sul, Para e Mo de Janei-
ro, onde existem duaa das quatro que bouve-
ram.
Com as suppressdes referidas diminuio-se
na despeza publica a quantia de 9:600/.
Alguinas assemblas prnvinciaes, porm,
tem julgado conveniente a crearan de aigumas
comarcas, c depois do ultimo relatorio rece-
beu o governo comrounicaco de se haverem
creado, no Para, a comarca da llha Grande de
Joannes; na baha, Cainamt'i, Monte Sanio c
branles; em Minas, Rio da Pnmba, Para e
Tres Ponas; em Goyaz, Carolina, Paranahyba
e Maranho, e no Rio Grande do sul, Algrete
e Cacapava.
O governo enteadeu que.devia nomear jui-
zes de direito nicamente para aquellas co-
marcas cuja necessidade lhe pareceu demons-
trada.
A respelto das outras, ou aguarda Inforina-
edes que habilitem a julgar, ou espera que as
assemblas proviuciaes, melhor informadas,
revguem essas leis; e para o facilitar tem dei-
xaJo de nomear juizes de direito.
O augmento que tiveram os vencimentos
destes magistrados, inclulodo as ajudas de cus-
i, e a creaco de alguns desses lugares, nao
podiain ser previstos pela vigente le do ori-
niento, e foi por isso necessariu crear um cr-
dito suppleineutar de 116:000,000 na ruaWca
justicas da primeira instancia -- pelo decreto
n. 759 de llde fevereiro desteanno.
A demonstrado que serve de justificarlo a
esse crdito vos ser apresenlada pelo minis-
terio da fazenda na furnia da lei n. 588 de 9 de
seleuibro de 1850, art. 4.', 6.a
Depois do ultimo relatorio nomearam-se 11
juizes de direito novos, que sao os hachareis
Francisco Soares tfernardes de Gouva para
Sapucahy em Minas, Joi Filippe de Souza
Leopara Flores em Pemambuco, Silyerio Per-
nandes de Araujo Jorge para Cuyab em Mat-
to Grosso, Francisco Xavier Paes Brrelo para
Oeyras no Piauby, Benvenuto Augusto de Ma-
galhes Taques para Monte Sanio na Halna,
Joo Siindes da Silva para San Goncalo no Pi-
auli y, Hermano Dorningues do Loulo para Ma-
ranho em Goyaz, Antonio Augusto Pereira da
Cunha para Malto-Grosso na provincia.deste
iinnie, Jos Bandeira de Mello para o Principe
flupcrial no Piauhy, Jos Inuocencio de Cam-
pos para Gequetiubouba em Minas-Geraes e
Domingos Jos Nogueira Jaguaribe para Inha-
11111115 no Cear.
Juizes municipaes.
A exiguidade dos vencimentos destes magis-
trados be actualmente urna das inaiores difn-
culdades para a boa administraco da justica.
Calculando com exageracao a renda que deve-
riain produzir os emolumentos elevados ao do-
bro pela lei de 3 de deiembro de 1831, fixou-
te como o mximo de seus ordenados a quantia
de 400,000 rs. annuaes.
A experiencia tem mostrado que fura das
grandes cidade o emolumentos pouco avul-
lain, e os junes nao podem subsistir e menos
luanter-se com a decencia que exigem sua po-
siyo social e suas importantes altriuiccs.
Halii a falta de hachareis que desejem esses
lugares, e falta que val crescendo proporco
go do processo civil escolmado dos perigus que
l*acoiiipaiiham a novldadc. Basta para isso api o-
veitar as lidies da experiencia, para corrigir as
Imperfeices que Infallivelmente devem de ter
escapado, e assim amestrados dar ao procesio
commercial o inaor desenvolviniento que exi-
ge a applicacao do direito civil. .
O governo trata seriamente de organisar um
regulaincnto que realise o registro geral de
que se augmenta o numero dos habilitados pa-
ra seren juies de direito.
A nica vautagem ofi'erecida ao juiz munici-
pal he essa babilitacao, que desee de valor
proporco que a concurrencia diminue a pro-
babilidade da escolha.
O nico remedio he melhorar a posicao des-
tes magistrados, e j que as nossas clrcutnstan-
l-clas linanceiras nao permittein augmentar em
geral seus vencimentos, como era de justica,
pelo menos entendo que devereis autorisar o
governo a despender 30 ou 40:000/ para elevar
at 1:200/os vencimentos dos juizes munici-
paes daquellas villas em que essa providencia
pueca mais urgente.
Pens mesmo que se deverla dispensar a exi-
gencia do anno de pratica : he una dfilculda-
de mais, e a experiencia mostra que nao prc-
enche os fins que se tiveram em vista : essa pra-
tica he quasi sempre nominal, e entretanto faz
que um grande numero de hachareis prefira
hoje servir os lugares de promotor publico.
Depois do ultimo relatorio foi supprimida,
por decreto de 2-1 de julho, a vaia de orphaas
da Cachoelra c reunidos soba jurisdicao de um
juiz municipal os termos de Alibaia c ira -
gane i. por decreto de i'J de setembro.
Ao juiz municipal de Minas do Rio de Con lis
na Bahia elevou-se o ordenado de 2100 a 400/
por decreto de 16 de novembro.
y'imiiii.ilniciio da justica civil.
No ultimo relatorio tive a honra de annun-
ciar-vosque uina coinmissao composia de ju-
risconsultos e cominerclantes, sdb a presiden-
cia do ministro e secretarlo de estado dos ne-
gocios da jusiira. havia sido encarregado de
prepararos regulainentosque para boa eiccu-
ro do cdigo commercial se deveriam expedir
11 -j- se achain terminados esses trabnlhos que
constituem os decretos ns. 737 e 738 de 25 de
novembro de 1850, e he grato participar-vos
que com elfeito no primelro dia do anno cor-
rente coine;ou a ter execu;o o cdigo com-
mercial da inaneira a mais satisfactoria, apezar
das difficuldades inseparaveis da novidade.
Achani-se instalados e em exercicio lodos os
novos tribunaes, sendo eleitos para os compo-
rein, tanto nesta como uas outras pracas, ne- era de pederneira, e do adarme 12, cntrelaiit
gociantes que inspiran! grande conlianca pe- que o exercito he armado com o adarme i7
los seus honrosos precedentes. 'o governo, tendo ouvido a este rrspito o pa-
Alguns processos de quebras tem lido lugar recer de alguns distinctos generaes, e resol-
e j lie llsongeiro o contraste entre a ordein, jveu adoptar para a guarda nacional o mesmo
clareza e regularidade que agora se observa, e adarme do exercito, e comprar armamento ful-
a desordem, a coofuso e arbitrii que ha bem'minante, como geralmente se emprega iioje
pouco tempo senotava nesta materia. (em toda a Europa. Para proceder com maior
O novo processo commercial, adoptando do jconhccimccto de causa por pessoa de conlian-
antigo e coinmum tudo quanto sem inconve- ca se mandou examinar o preco das espingar
niente pareceu aproveitavel, prepara um codi- das fulminantes de que usa o exercito inglez, e
nambuco e Maranho com o numero de )4
desembargadores, conforme ao regulamento
de 3 de Janeiro de 1833 e a do Rio de Janeiro,
onde esse numero foi sempre julgado nsufli-
ciente, com o de 25.
Assim, o numero total he hoje de 67desem-
bargadores, Isto he, exactamente o inesmo de
que vos dei conta em Janeiro do anno passado,
Anda cstou convencido de que a medida
mais conveniente quanto s rehenes he dividir
em duas a do Rio de Janeiro, reservando para
urna o municipio neutro, para outra as dif-
ferentes provincias que formam o seu termo.
A compararn do expediente das diversas re-
laces mostra quea do Rinde Janeiro tem qua-
si o duplo do da rclac.o da llahia, e muito
mais do dobro das rclacGes de Pemambuco e
Maranho.
A respeito dos annos de 1849 e 1850 mandei
Sepapir com escriipulo as causis peitenceutes
ao municipio neutro das que perteiicem s pro-
vincias, e pela compararlo desses nmeros se
v que s as causas do municipio excedem con-
sideravelmentc as das relatora de Pemambuco
c Maranho, c formam quasi inetade do expe-
dii nte da relatan do Rio.
Considerando as appeli.icoes civeis sude per
si c separadas do resto dos processos, as ines-
inas propon/iies se cncontram, como se ve da
comparaco dos nmeros nos tres anuos de
t84S, 1849 e 1850.
Guarda nacional.
Para execuco da nova lei de 19 de setembro
de 1850 eipedio o governo as instrueces de 25
de outubro, que vo sendo executadas em ge-
ral de um modo multo satislactorio, c breve-
mente se achara detinilivainente organisada
esta iinportanlissiina parle da forra publica.
Na provincia do Rio Grande do sul a guarda
nacional, organisada segundo o decreto de 22
de fevereiro de 1850, acha-se ein um estado de
disciplina e armamento que em minio, ponlos
nao tem que invejar Hopa de linlia, e sua
forja em setembro do anuo passado ja suba a
mais de 16,000 homens, sem conlar a de alguns
municipios, cuja soinina nao era eonhecida
O armamento fornecido guarda nacional
vieram duas para amostras, distando a mais
perfeila, c igual s de que usain alguns reli-
memos inglezes, I lib. e 15 sh. enraixolada e
posta a bordo, c a de segunda qualldade, Igual
de que usam aigumas nacoes europeas i libra
esterlina,
Tem ambas o inconveniente de ser pesadas
em demazia ; porm o governo conseguio una
base segura para calcular os piceos c qualida-
h\ pollina, creado pela lei de2i de oulubio de des das dillerentcs propostas
flOi'l _.!___O ~____ ____......... i;...;._.!.. '.. fl-i/_- j_ __.
1843, artigo 33, e que por ora est limitado s
convenciunaes pelo artigo 4." do decreto de l4
de novembro de 1846.
Asdisposicesdo cdigo commercial, e espe-
cialmente as dos ttulos 4." e S. da parte ter-
ceira diininuein um pouco as difficuldades.
Felizmente a Franca oceupa-se agora de traba-
dlos Importantes sobre este objeetn. Procure-
mos aproveltar o fruto de sua experiencia nes-
ta materia, cuja importancia aconselba que
nao nos precipitemos.
Reporto-me no mais que poderla dizer-vos
ao relatorio que tive a honra de apresentar em
Janeiro do anno lindo, tanto mais quanto sobre
Polica da corte.
A perfeita srguranca de que se goza nesta
grande capital, a raridade dos criuics graves
que anda as mal bempoliciadas se repclcm
com muito maior frequencia, e o haverem des-
sesiMiito poucos escapado s investigaces da
polica, honram sobretudo a moralidade e
boa ndole da populacao, c tambem dcmons
Iran que se a polica carece de alguns me-
Ihoramentos, nao dcixa entretanto de satis-
fazer s necessidades do momento.
A cldadc p'orcm cresce a olhos vistos e j con-
ta, segundo as interessantese laboriosas inves-
tgaces do Di-, Roberto Jorge lladdo k Lobo,
.I...4 O .11 I I i I, I t -'il\ Ol.i: lllnlC .IO.. C0 .'!.'_
costas e aleadas j tomastes em consideraco juina populacao de 205,906 almas, que se cle-
alguns projectos que licaram bastante adianta- vam no municipio a 266,466
dos na ultima sessao.
Supremo tribunal dejnttica.
Por decreto de 12 de setembro de 1850 foi
aposentado com a inetade do ordenado o con-
selhero Condido Jos de Araujo Vianna, que
por fazer parte do conselho de estado nao po-
dia ser niembro daquelle tribunal, segundo o
artigo i." da lei de 18 de setembro de 1828. Ein
5 de dezembro du inesmo anuo falleceu o con-
elhelro Andr Alvaies Pereira Ribeiro Cirne.
As duas vagas foram preenchidas pelos con-
selheiros Joaquim Francisco Ponce de LeSo, e
Miguel Joaquim de Castro Mascareubas, ambos
j em exercicio.
Relacoes.
O rerdadeiro chao* em que se achava toda a
escripturacao relativa auliguidade dos juizes
de direito exigi as cautelosas providencias que
se deram no decreto n. 624 de 29 de julho de
849, e ainda assim, apezar da orgausacao das
tres listas, do direito de reclamar garantido a
lodos, das perguntas dirigidas aos juizes de di-
reito por esta secretaria de estado, e das in-
formafes que se exigram das cmaras inuni-
cipaes, o tribunal supremo de jusllca teve de
lutar com bastantes duvidas, e a lista das an-
tiguidades publicada tem suscitado nao pon-
cas reclmateles. Felizmente aquelle decreto
estabeleceu prazo* mais que rasoaveis afim de
[uc lodos os interessados possam allegar e de-
ender os seus direitos.
Era porm urgente completar a relatan de
Pemambuco ; almdos ausentes ou impedidos,
contava quatro vagas, e (requemes vezes se via
obrigada a dislralur juizes de direito de suas
comarcas para poder funecionar.
governo, que antes mesmo da lei n. 557 de
26 de junho de 1850, desejando conciliar o di-
reito da escolha cora o principio da antiguida-
de, s promover a desembargadores juites de
direito escolbidos d'entre os lamis amigos
ein exercicio efl'ectlvo (segundo as notas da se-
cretaiia, por nao poder o tribunal fomece-las),
apenas obteve uina lista de autiguidades orga-
nisada pelo tribunal, ainda que sujeita a re-
clamaciies, comtudo a mais approximada e a
que mais garantas de acert ott'erecia, procu-
rou inmediatamente eaecutar as disposices
da lei citada em tanto quanto era possivel.
Esperar a lista definitiva imporlava uina de-
mora de dous annos, que muito aggravaria a
falla j existente.
Por duas vezes se exigi a lista dos 10 mais
amigos, e d'entre clies se escolberain para des-
embargadores do Maranho o juis de direito
Joaquim Franco de S, e de Pemambuco os
junes de direito Severo Aniorim do Valle, Cae-
tao Jos da Silva Santiago, Jeronymo llarll-
niano Figueira de Mello, Joo Lopes da Silva
i.otilo e Kirmiuo Pereira Monteiro, passando
para a da Babia o desembargador de Peruam-
buco Francisco Goncalves Martlns, que era um
dos impedidos.
lloje ie achain ai tres relacoes da UaUia, Per-
JVos dezaseis inezes que decorrem de outu-
bro de 1849 a fevereiro do correte anno en-
trrara no porto desta cidade 13,773 cstran-
geiros, c sahirain 7,040, ficando um excesso de
6,733, numero certameule inferior ao (orne-
cimento de bracos livres de que carecemos,
mas que revela a tendencia a augmentar a po-
pulacao da cidade,
A repressao do trafico, l'i/eml i sentir in-
mediatamente a necessidade de bracos livres
que subsliluam a importaco de escravos, dc-
vc accelcrar esse movinienlo progressivo, e
exigir por consequencia uina polica cada vez
mais acliva e vigilante. He sobretudo multo
sensivel a falta de guardas ou destacamentos
policiaes em alguns pontos da cidade, cuja
cuentan por diversos motivos he muito su-
perior ao que a sua populacao pareca exi-
gir. As patrulhas sao em numero excesiva-
mente limitado, e maravilha que com lo pou-
cos meios de vigilancia sca lo completa a se-
ciiranta com que a qualquer hora do dia ou
da noite se transita por todas as ras da cida-
de.
Para que esta vantagera continu he neces-
ssrio que apenas as nossas circumslancias o
permiitaiu, se augmenten! os meios de poli-
ciar a cidade, ese trate de estabelecer rondas
nocturas permanentes, uiitafo do trateh-
inen inglezes, ou dos serenos, que infruct-
feramente se tentaram. estabelecer entre nos,
Os incendios, ainda que muito menos fre-
quentes e perigosos do que em outros paizes,
exigiro entretanto providencias especiaes,
que ltimamente foram adoptadas e que ten-
dera a melhorar consideravelmente este ramo
de servico publico.
Corpo municipal parmanenle.
As praci. deste corpo anda hoje percebem
o sold de 600 rs. diarios, que Ibes foi marca-
do em 183i, com o accrescimo de 40 rs. que se
lhe. addieioiiaram em 1839 como ajuda do
rancho, e deste sold lirara todas as despezas.
Qualquer servente obtem uina diaria igual,
seno superior, e nao tica sujeito ao rigor da
disciplina militar.
Alui de nao se completar o corpo, ha o in-
conveniente de seren os que se apresentam
admittidos sera a escrupulosa escolha que o
interesse geral aconselba. Qualquer capital,
cuja populacao nao fosse lo pacifica c dcil
como a do Rio de Janeiro, j teria pago bem
caro urna tal ec"noinia.
A elevaco calM sidos a 800 rs. diarios
Importara o augmento annual de 30;4I9,I(HI
que seriara certamente bem empregados, con-
seguido se com ellcs entregar a polica da
cidade agente mais escolhida.
Usando da autorisaco concedida no art. 17
da le de ii de junho do anuo passado, estil-
se preparando alyninas alteraces na organi-
sacao e economa do corpo, que apezar de lu-
do contina a prestar muito bom servico,
Seu coiniuandaute e oUkiaes sao dignos de to-
do o elogio. Seu hospital durante a ultima
epidemia deu prova irrefragavcl da Ilustrada
dirceco que recebe de seu medico e cirur-
giao.
Caicas.
A falta de cadas como as quer a constitn-
c.in he uina das inaiores difficuldades da ad-
ministraco di justica entre nos. A multipli-
cidade das villas c conselhos de jurados exige
um lo grande numero desses edificios, que o
remedio a este mal nao pude dcixar de ser mui-
to demorado.
Tal vez fosse conveniente que as assemblas
provinciaes fuessriu depender a creacao das
villas da promptilicaco previa de urna cada
limpa, segura c arejada, c com a capacidade
nccesirla para contcr um numero de presos
proporcionado sua populacao.
A inesma capital do Imperio nao tem urna
cadei tolcravel, como j tive a honra de vos
cvpur no penltimo relatorio.
Continua a ser observada escrupulosamente
a diviso dos presos de que ento vos dei con-
ta; indo os condemnados a gales para a ilha
das Cobres, os de priso com trabalho para a
casa de coicccao, e os de priso simples paia
a fortaleza da Santa Cruz, e ficando a cada re-
servada para os nao sentenciados. Seu numero
porm ainda assim regula entre 100 e 120, o
que he excessivo para o Aljube.
(.'orno entendo que as obras da casa de cor-
receo devem suspender-se pelos motivos que
exponho em lugar competente, parece-me que
poderia ser applicada urna parte da consigna
cao respectiva, e sem que seja necessario ele-
va-la, construeco de uina cadea segundo o
systema cellular. Com este pensamento euear-
reguci o oflieial de engenheiros Ricardo Jos
Gomes Jardim de levantar urna planta, e apre-
sentar um plano c orcamento para essa obra.
Logo que me seja presente o resultado de suas
observaces, cu o submelterei ao vosso conhe-
ciniento. .
A necessidade de carcereiros pagos razoa-
\i luiente muito sensivel: mas, recahindo essa
despeza sobre os cofres geracs, ella j conso-
m a quantia de 37,950/, e ainda resto inui-
los carcereiros por contemplar, e os que tem
vencimentobepela maior parte recebem menos
de 100/annuaes.
Com to diminuto estipendio, como achar
lioiucns de tanta moralidade e confianca como
devem ser os carcereiros? Elevar seus venc*
nclitos seria sobrecarregar excessivamente os
cofres pblicos.
Nao seria acertado exigir, como eondico
para dar a lima villa conselho de jurados, urna
dot ic.ni de i apoliecs, ou de uina renda equi-
valente, que servase de ordenado ao carce-
reiro, liiiiitandu-sc os cofres geraes a auxiliar
esse ordenado onde a importancia da cada o
exigisse?
Nao vos proponlio esta medida, mas chamo
sobre ella sobre, o mal e necessidade de o re-
mediar vossaIlustrada altent-an.
( Continuarse-ka.)
Correspondencia.
Srs. r movido por motivo, que a mim ptoprio nao
sei de una manrira satisfactoria explicar,
mas que a primeira vista se me aprsenla de-
bailo de forma, que nao he por certo a mais
cavalleirosa, e nobre, por ahi assoaltia, que no
ofticio enderessado, pelo juiz municipal de
Iguarass o bacharel Louren^o Bizerra Car-
nen i d i noli i ao I ah ex presidente d'esta
provincia o Sr. Jos Ildefonso de Souza Ramos
entrara eu de combnacao com o dito Sr. juiz
n'essa peva official, sou forcado bem apezar
meu, a vir declarar, que nein una parte to-
me! neni directa nein indirectamente n'essa
produeco, q*e neiiihuinas rclajoes entrete-
nlin com o seu author, com quera a muito
nein inesmo se quer tenho tido occajno de a-
vistar-me, c que assim a conta d'elle, que
nao a ininlia devem de correr todas as conse-
quencias de um facto, que presumo esclusiva-
nieiiie pertencer-lhe.
Prompto sempre a carregar com a respon-
saliiiul ule de actos que me sejo propros, e
pouco desejoso de appropriar-me do cffeto
que posso produsr produeces alheias, le-
vado por essa conciderajao, e sinente n'csse
intuito fa{0 a presente declaraco n'estas
poucas liuli.is, com cuja pullucata.> me dei-
xarain VV. MM. penhorado. Recife 21 de ju-
nho de i85l.
Francisen JoSo Carneiro da Cunha.
^MMTa y.....- tmmmtmmwm-J----------1
Publicagoes a pedido.
gundo dito, Eduardo Joaquim Pereira tastos.
0 porteiro, Tnrgno Silcerio de Soa Magallies.
Passe na forma requerida. Pagadoria mi-
litar de Pemambuco, 18 de junho de 1851.
rifo nqlez.
a Em virtude do despacho retro, certifico,
que do relatorio da reparticao dos negocios da
guerra apresentado assembla gerai legisla-
tiva na terceira sessao da oitava legislatura pe-
lo Exm. Sr. ministro e secretario de d'es-
tado Manoel Felizardo de Souza e Mello, o qual
relatorio tendo sido remettido oflicialinente
ao Illm Sr. coronel inspector da pagadoria pe-
lo lllrn. Sr. contador criefe da contadoria mili-
tar da guerrra, c tendo sido apresentado pelo
mesmo Sr. inspecior aos supplicantrs, dcllc
consta as paginas 10 e il o seguinlc no artigo.,
Pagadorias Militares. As pagadorias mili-
tares das provincias do Para, DaMa, Peruainiu-
co e Matto-Crosso, continuaro com a organ-
saco que tem actualinenle, e posto que em ai-
gumas occasies se torne sensivel o pequeo
numero de seus empregados, tem o governo
providenciado, fazendo coadjuvar oservifo por
addidos lirados d'entre offlciacs da terceira
classe, e ofliciaes infeiores do exercito, dcs-
pedindo-os logo que podem ser dispensados.
Devo todava chamar vossa altenco sobre a
mesquinhez dos vencimentos destes emprega-
dos, mesquinhez, que se torna mais sensivel
actualmente pelo augmento de ordenados, que
obtiveram os empregados das thesourarias das
me.i., i, provincias. Ora. sendo de primeira
classe as pagadorias militares das provincias
de Pemambuco, c Bahia, os vencimentos de
seus empregados sao inferiores aos das lhe*
sourarias de quinta classe D ordenado dos
inspectores destas pagadorias, he igual aos dos
segundos cscriplurarios das thesourarias das
inesmas provincias, e entretanto, tem elles pres-
tado, e ronlinuam a preslur mui faltosos serviros t
fscalisaroa da disptza militar. D.iqui resulta
que o ministerio da guerra ve-se cmbarar.ado>
quando tem de provee lugares vagos destas
reparlices, por nao encontrar para ellcs pes-
soas com as necessanns babilitacs, que se
sujeitem a tao diminutos vencimentos. Pende
le vosa deliberaco urna representacao de taes
empregados, solicitando de vossa justica o aug-
mento de seus ordenados, augmeulo quejulgo
de equidade. E .lo ultimo tpico consta final-
mente o seguinte:
Propoiiho, portanlo, no orcamento que vos
foi presente o augmento desses vencimentos,
conservaudo os ordenados, c coucedendo gra-
tiflcaces, que melliorein sua eondico ; peyo-
i'os como um acto de rigorosa jusiica, que o go-
verno seja autorisado para conceder-lhes este
un llioi amento desde j.
le o que consta do referido relatorio a res-
peilo das pagadorias militares, ao qual me re- ,
porto, ein f do que passel a presente certldao.
Pagadoria militar de Pemambuco, l7de
julho i85i. No impedimento do escrivo, o
official, loai/uim Pereira //asios.
.. Declaro em lempo que a data do relatorio
he de 14 de malo prximo passado.fastos.
Ulll tt-iblllo
  • <. I-
    1 lis tres festeiros tle Santo Auto-
    nio lo arco. ? pnrticulnrmciitr
    ao Illm. Sr. *, cm troca le
    una estampa lo mesmo santo.
    SOJVETO
    Os llluslrcs vares asslgnalados,
    Qu' honraran! sempre tanto a Portugal,
    Reino outr'ora llrente e principal
    Por seus grandes dominios dilatados,
    Seus heroicos prodigios decantados,
    Seu valor Invencivel, immorlal
    Pela tuba do vale divinal
    I ni meldicos sons to celebrados ;
    Devem hoje ceder a gloria Immensa,
    Que brilha e resplandece iiobremente
    >o beroequ' hoje veueru a nossa o ene i
    Vamos pois, fiis, devotamente
    Louvores ciiloar, sem mais delenca
    Ao sanio mais sublime e refulgente.
    Improvisado por um devoto.
    Illm. Sr. inspector.Diz oescrivao desta pa-
    gadoria Joo rcenlo Barboza c mais empre-
    gados dclla abaixo assignados que tendo visto
    o relatorio do Kxm Sr. ministro e secretario
    de estado dos negocios da guerra, a V. S. re-
    mettido oflicialmenle pelo contador geral, lhe
    I"nein a bem que V. S. se sirva mandar passar-
    ilie por cerlido os tpicos que dizem respeito
    a esta e s mais pagadorias, portanlo :
    Pede a V. S. se digne de assim o defirirem.-
    E. R. M. O escrivao, Jua Arcenio barbota
    Uolitci.il, loaquim Pernea bastos. U pri.ueiro
    amanuense, Ignacio Francisco Marlim. U se-
    KeparUyo da Polica.
    " PART'. DO DA 16 DE JUNHO.
    Foram presos ; ordem do subdelegado da
    freguezia de Santo Antonio, Antonio Jos Pe-
    reira, por desordem Silverio Gil d'Annu-
    ciaco, por ser desertor do segundo balalbo
    de caladores, e o escravo Domingos, por ser
    encontrado com um caivete; a ordem do
    subdelegado da Ireguezia de San Jos, lira/.
    Rodrigues da Fonseca, por infracfo de pos-
    tura municipal; Joaquina Mara, para averi-
    guacoes policiaes ; e Francisca Mara, por in-
    sultos ; ordem do subdelegado da freguezia
    da Boa-vista, Manoel Custodio de Oliveira,
    para averiguacoes policiaes.
    m
    \%K
    ALPANDEGA.
    Itendimentododa2l.....12:271,113
    Descarregam hoje 23 de junho.
    Barca inglcza Columhus mercaduras,
    llares portuguezi 5. Crus dem,
    larca porlugueza -- Ligeira dem.
    Ilrigue inglez Farye bacalho.
    Escuna boilandezi Alberto queijos e
    genebra.
    CONSLI.ADO C.EIUL.
    Rend tnenlo do dia la 20
    l.lem do dia 21......
    15:78*,562
    1:230,587
    17:015,1*9
    DIVERSAS PROVINCIAS.
    Randimenlo do dia 1 a 20 .
    dem do da 21......
    1:261,939
    118,771
    1:380,710
    Despacho martimo do dia 21.
    Canal, escuna ingleza Mara, de. 151 to-
    nulladas, conduz o seguinte: -- 1,820 sacos
    rom 9,100 arrobas de assucar.
    I.i.i.i lr.liuiUA DE RENDAS GERAES
    INTERNAS.
    ItHiidimentn do dia 21..... 453,333
    ' CONSULADO PROVINCIAL
    dem do da 21.......2:052,32
    Luu de Canicies.|
    '
    PIUCA DO RECIFE, 21 DE JUNHO DE
    1851, AS 3 MORAS DA TARDE.
    Revista semanal.
    Cambios- Fluctuou entre 27 e 28 d., porm
    hoje licou lirme a 27 1/2 d. por
    1,000 i s.
    Assucar Sustcntou os precos de 800 a 850
    rs. por arroba sobre o ferro do
    encaixado, e de ,660 a 2,200 rs.
    o einbarricado eensaccado bran-
    co, e de 1,350 a 1,400 rs. mas-
    cavado : mas foi pouco procu-
    rado.
    Algodo- Km rara ni nicamente 373 sac-
    cas, que foram vendidas a 5/200
    por arroba de primeira sorte.
    Bacalho -,- Rctalhou-se de 5,500 a 7,000 rs*
    Sor barrica : ficando ein ser de
    a (5,000 barricas.
    Carne-secca- Vendeu-se de 2,iC0 a 2,500 rs.
    por arroba: licaram em ser cer-
    ca de 55,000 arrobas.
    Far.de trigo O consumo foi diminuto, e a ex-
    istente auda por 3,500 barrica*.
    \

    .ff...... r- **-
    II FGIVFl


    . Os procos continuaran de 11 a vendedores aer tamCcm a conduceao da tc-
    tS.flflO rs por barrica. lha, tljolo c madclra, que c comprar.
    Ficaram no porto52 embarcacSes, sendo 2 1 Pagadoria militar de Pernambnco, 21 de ju-
    araericanat, 30 bratilelrae, .1 dinamarqueza. 2 nhn de l85t.-Ho impedimento du cscriviio, o

    rance/ts, hannveriana, I hespanhola', 9 in-
    glesa!, porliiguczas, c i sueca
    Igr^'U"1! M1VMk..".a
    TAiS.
    Ignacio Jom! I'inlo l'ncal da frrguezia da Tra-
    vista, cm virtudc da lei etc.
    Ka/, sabor,T>aia conliecimcnto de todos, o
    to no arl. (i do tit. das posturas muni-
    clpaei vigente!.
    n Art li Fica prohibido drntro da cidade o
    uso da rnqueiras, bombas e fogo solt : ( bus-
    eapct) os i...... serio multados em rs.
    111,000, c si Ifrerao 2 dias de prisao. A cmara
    por editaos designar os lugares, em que se
    poitam follar os buscapes, roqueiras c bom-
    bas de qtic trata este artigo.
    I', para que senSo allegue ignorancia vai pu-
    blicado pela imprensa.O fiscal, Ignacio Jos
    Piulo.
    O major Miguel Jos Taladra, subdelegado
    snpplenle om exercicin da fregue/.ia da S da
    cidade de Olinda, em vli lude da lei etc.
    Ka50 sabor a todos os luous cotnparocbianos,
    que polas posturas municipaos, he prohibido
    soltar fogo, vulgarmente chamado buscap.
    Os conliaventores, alera das penas coinmina-
    dai om ditas posturas, icain tambeni subjoi.
    tos as de desobediencia, e para que nao allo-
    i;ncm ignorancia mandei publicar o presente,
    que ser aflixado nos lugares mais pblicos
    dc-ti frceuezla,
    Subdelegada de polica da reguozia da S,
    2l de junho de lS*l Miguel Jos Tcixeira.
    Manoel Ignacio de t>livoira l.obo, liscal do
    I. lino do.s. Fre Pedro Goncalvet, em virtu-
    dc di lei 1 to.
    Fas tlente aos habitantes do mesmo bairro,
    que csi.i evprossanientc prohibido pelas pos-
    turas municipaos o uso de lugos sollos, ( vulgo
    bus-capea J como dispon o art. 6 do tit. G
    soguinte :
    n Art. i. Tica prohibido dentro da cidade,
    o uso de roqueiras, bembas c logo sollo ( bus-
    raps ) : o infractores atrio multados em ra.
    lO.nOOi eaoffrerSo 2 dias de prisao
    F. para que nao allcgucm ignorancia, pu-
    blioo dito artigo.
    Rairrodc S. Kroi Pedro Goncalvet, 21 deju-
    nho de l86l.O fiscal, Manol gnaciode Ulicei.
    ra Lobo,
    Lista dos cidadna qualilicados pola junta rc-
    visora, para seren jurados ueste correte
    .anno.
    Antonio Joaquim de Mello, Dr. Antonio Kpa-
    iiiinoiidas de Mello, Antonio IVreira de Men-
    11009a. Antonio Xavier da Silva, Antonio Luiz
    . los Santoa, Antonio Francisco Pereira, Anto-
    nio Alvos da Fonseca, Dr. Antonio da Assump-
    cao Cabral, Dr, Antonio Aunes Jacome Pires,
    Antonio Rento Froes. Antonio Jos de Olivcira,
    Antonio Ricardo do llego, Dr. Antonio Ilaugel
    lo Torres Bandeira, Antonio Annes Jacome Pi-
    re;, Antonio Joaquim de AlmeiJa, Dr. Angelo
    llonriquos da Silva, Antonio Francisco de
    Moura, Antonio do Paula Fernandos Kiras, An-
    dr Avelina do Hanos, Antonio Duaile de Oli-
    velra llego, Antonio Josa Vital, Andr Ferreira
    de Almeida, Dr. Alexahdre Pereira do Carino,
    Antonio Pedro d I Figuerdo, Antonio l'crnar-
    sandio Rodrigues doa Anjns, Antonio Crrela
    Cabral. Antonio llcnriquo Mafia Jnior, An-
    tonio la te de l'inlio, Antonio Alvos Itarbo&a,
    Antonio Simplicio de Kairos, Autouio du Silva
    Pavolide, Amonio Joaquim de Soma llibeiro,
    Antimio Lei te Pitarligucira, brigadcio An-
    tonio llndiigues de Aducida, Antonio Darlos
    Francisco d.i Silva, Antonio I oellio de Mello,
    Antonio Fernandos Vellozo, Autouio Jacome
    Pires, Antonio da Silva Gusiuao, Antonio Lula
    de Vrcilas, Anastaclo Xavier de Ooulo, Antonio
    Nobre de Aimeida Jnior, Antonio Kranriaco
    \avioi. Anselmo Josc Tinto, Anlonio Ferreira
    da Annuin iacao, Antonio Fernandos l'adilha,
    Antonio RodrlgUCI do AII>iiquori|uc, Amaro
    Benedicto de Souza, Antonio Egidio da Silva,
    Anlonio Joaquim de Olivcira Haduem, Antonio
    Jos Kandelra de Mello Jnior, Amonio Dias
    da Silva Cardial, Angelo Custodio dos Santos,
    '. ulonin ('arnelro Machado Rioa, Antonio Car -
    Jos de I'inlio Tingos Antonio Feliciano llodri-
    guet Sitio, Antonio Jos Comea do i'orrelo,
    til uato 'ailosde lomos Pacheco, Antonio
    - Uchda, Antonio Pereira Muniz, Aire-
    nlu Fortunato da Silva, Antonio de illoraes Go-
    mea Ten eir, Miaclclo Jos de Meiidouca. An-
    loliio de Souza Ilaugel, Dr. Antonio Vicente
    do giaactmenM Feitoia, Amaro de liairos Cr-
    rela, Antonio Marlins llibeiro, Antonio Mar-
    que* de Ainoriin, Antonio Carduzo de Quel-
    n / Fonteea Jnior, Antonio Pereira de Souza,
    Amonio do Albuquciqiic Maranho, Dr. An-
    fnuio de Vatconcellot Menezet do Druniond,
    ni igadeiro Aleixo Jos de Olivcira, Amonio dos
    liamos Siqueira, Antonio Luil do Ainaral o
    Silva, Antonio Goncalvet Ferreira, Antonio
    Lius caldas. Antonio Francisco da Cama, An-
    lonio Lula Goncalvet Ferreira, Antonio Pran-
    ii rniie Pafva, Antonio Jote da CostaGutiua-
    ret, Anacido Anlonio de Moraea, Anlonio
    Vallentllll da Silva barroca, Anlonio de llol-
    in la Caralcante, Antonio Duarte Pereira, An-
    lonio Goncalvet do Moraea, Anlonio Jusc Du-
    arte, Anlonio Cario! da Silva Fragoso, Anto-
    nio Franciaco l'aos de Mello Brrelo, Antonio
    de S nza Loan, tenente-coronel Antonio Pe-
    dro de S Darreto, Autouio Paet Brrelo, An-
    tonio de Carvalbo Soarcs Braudo, Antonio
    llcniquc de Miranda, Antonio de S.i e Albu-
    qurrque, Andrde S e Albuquerque, Augus-
    to (te S.i c Albuqiiorquc, Dr. Antonio Pcicira
    llarroao de Minaos. Antonio Coelho de S c
    klbuqucrque, Agosiiuho Uezerra da Silva Ca-
    valcaote.
    f Cunfinuiir-te-Jia.)
    Deca r.ic&o.
    I)e oidem dollliu. Sr. director geral da
    inatruceiq publica faco saber aos Srs. intpec-
    torea doa crculos Iliterarios, nto s do muni-
    cipio do lloeilo, como dos do toda a provincia,
    que para boa ordem o proraplidio do expedi-
    ente, liajan de remoller para o lyceu toda a
    ana correspondencia ollicial com *sta direc-
    tora geral os da cid ule direclameule ; os de
    fdra por mel do rorreio geral.
    Outro ai 111 que lodo o negocio ollicial dos se-
    nnorea profesaores quer pblicos, quer part
    colaros com a direcloiia geral ser por inler-
    medio dos ditos Srs. inspectores,
    Directora geral, 18 de junlio de /Solton-
    rfrfa Euittqmo Cesar de A/cllu, amanuense ar-
    ' Invista.
    i'a.Tti()i'n militar.
    De ordoin do F.xm. Sr. presidente da pro-
    vincia, manda annuncltr o lllm. Sr. coronel
    inspector, que a pagadoria tom de comprar pa-
    ra O presidio da liba do Fernando os objeclos
    que conttam da relacao, quoabaino se sogue.
    As-pessoas aqiiem convior apiesentaro as
    nas 1 ropos: 1 em carta lechada nos dias 23,
    25 e JO deste 1110;, das 11 horas ao incio-dia,
    .idvcrtiudo .10, que os objeclos, 011 os gneros
    -seilio da moll.oi qu.iliilade dos que liouvcr no
    mercado, para cojo lin apicscntaro lam-
    lniii aa aun tiras daquelles que for possivol
    lar, amostras, que a coiniuccao para bordo
    '.i patacho MrapatM ter .i costa dos vendedo-
    res, c brm ataiui, que da farinba de mandioca
    smenle so coinpram por ora Iretentnt alquel-
    rs, que sero med os pelo alquelre velho
    00 armaaem, ou navio peante a pessoa, que a
    pag oloi 1 1 .1. liguar, devendo ser ensacada em
    fazenda contisiente, e cmiiuique a cusa dos
    nflicial, Jonou/m Pereira fmloi.
    I!elae.-io dos gneros c objeclos, que se faz pre-
    ciao para fornecimento do arinazcm do al-
    inoxarifado da illi) de Fernando de No-
    ronha.
    Assucar branco 20 arrobas, bolaxa 2f> ditas,
    gomina araruta, 1 dita, tapioca do MaranhSo
    I dita, carne do Cear 25 ditas, arroz 2 saccas,
    1 caixasclH Ib., farinha de mandioca 800
    a.'queires, plvora 10 arrobas,telhas20/,lijollos
    de ladrilho para cor.struccSo de una ecsterna
    20:000. caibros de 35 palmos 3n0, frexaes de
    .'t5a 40 palmoa 30, cnxaincls de 25 ditos, 50, li-
    nhas de 40 ditos 10, pranchoes de secopira, ou
    de pao d'arco para bombas de carro 4, ditos
    do dito, dito de dilo para 2 cixos do carro 2,
    prensa grande para fazer farlnha, com 22 pal-
    mos de cumprlnienlo c 22 polcgadaa de largu-
    ra na caixa de aportar 1. rodas para moer man-
    dioca 2, ps de forro 24, ac de molla verga
    chata c nao quadrada tii libras, brins para
    lencocs o eamisollas para o hospital 3o5 varas,
    riscado de linlm para coludos 4C4 covados.
    So impedimento do cscrivao, o ollicial,
    Joaquim l'creirn fastoi
    __ Pcrantc o conselho de .adniin>ir.ac.in na-
    val lem de contralar-sc por arrrmatacao o for-
    necimento dos gneros seguintes para os na-
    vios armados c hospital de maiinha por lempo
    de 3 niezcs a contar do primelro do inez de
    nlho vindouro, a70ite doce de Lisboa, assucar
    branco, arroz pillado do Maranhao, bicalho,
    caf muido, carne socca, carne verde, touc.i-
    iilio de Sanio, vinugrc de Lisboa, eapermace-
    te em relias americanas c vcllas de carnauba 1
    pelo que aao convidados os que se propozercm
    a fazer dito fornecimento a couiparecercm os
    13 horas da manfiaa do dia 25 do corrente mu-
    nidos de propostas riu que declaren! o ultimo
    preco, e qticm os fiadores
    Saladas sessoes do conselho de administra-
    cao naval, 2l de junho de 18&1.
    O secretario,
    Chrislovdo Snnlinijo Theatro de ^an-Francisco
    O espectculo annuciado para quarta-feira,
    25 docorrenle, cm favor da cantora Augusta
    Candlanl, Tica traiisfcrido, a podido de mui-
    las pessoas, para qiiinta-fcita 2b' do correte ;
    asftim como nao pode ter lugar as fardas que
    se acliavain annuuciadas, por ler-sc retirado
    para fra da cidade a Sra. Joanna Januario
    substiluindo-se o espectculo annunciado polo
    diaina vaudevilc =Arthur=-sendo a parle de
    Harll dosempenhada pela insigne artista
    lli.1 ... Sra. 1). Mara Leopolcina, que lao ge-
    nerosamente preetou-se a coadjuvar Sra.
    (>andiani em seu beneficio ajudaudo-a dosta
    forma a salisfazor as obriga9oes que contrahio
    para com o respeitavei publico, ao qual*se
    derem religiosamente guardar todas as atten-
    cciea. Ksle procedimeiito da Sra. D. Maria
    Leopoldina est a par do ssu alto mcreci-
    nionto arlistico, c a beoeliciada nao pdc
    dcuar de tributar l!ie desde j os sinceros
    respeitos de sua amisnde c giatido, nao s
    pola grande consider.1900 que a incsuia Sra.
    tributa ao brioso publico dosta cidade, como
    por ter lidj mais urna occasiiiu de couliecer
    na Sra. D. Maria Leopoldina oa justos aenli-
    mcnlos de una verdadeira artista. Igual-
    mente dirige sinceros protestos do sua grali-
    do a lodos os Senliorcs artistas que com tan-
    ta geuerosidadc se prcstain a codjuva-la, c
    em particular ao lllm. Sr. Guimares a qiieni
    proicsla eterno leconheciinenln pela mancha
    a mais alinelos.1 e cavallieira por que se prca-
    tou a obsequia-la.
    A beneficiada agradece ao Sr. Joo Tclles
    o prcslar-se a fazer o papel de Jcronymo Du-
    II 11, c sendo esta parle intoiramenlc fura rio
    seu carcter, roga ao publico loda a indul-
    gencia jiara com o referido actor.
    O programma do novo espectculo ser mi-
    nuciosamente .111111111 o nlu. quarta-feira 25 do
    corrente, assim como os intervalo! de canto,
    e a comedia da qual far parle a lllm. Sra.
    I). Maiia Leopoldina c o Sr. Guimares.
    Avisos martimos.
    mobin da sua cara, eonsistindo om cadei-
    ri=, sof/., mesa redonda n 1I0 jugo, apB-
    dores, pitan! lvtos, bv.ilorins, ro-nmoJas.
    guarda Ioiiqo, mes.a de j intar, quadros do
    anatliomn, an-lioiros do cima do meta,
    lampeos, lant^nias 1 de bronrp, lou^a de
    mesa, oparelho para oh*i garrafas ocums
    onra dito, ditos para ngos, trom do co/inhn
    o ou'ras mullas eonsas, assim oomo titn
    pianno, um rico faquei'.O d nratn, cati-
    eas d" dito, etc. : sexta l>irn, 27 do corren-
    te, ns 10 horas, ni primeiro aiv'ar da casa
    n, 58, n;i ra Nova.
    --Ocorrclnr (Vivir' fara Ifiil'o, n renuo-
    rimotito do Vicente Ferreira da Coat e un-
    iros creilores, da (irmaocial do Francisco
    doPraloft Cotupan'ilt.e por ordem do Jai*
    %c\ da segtind 1 Mr do eomoiorcio, RAcrivSo
    Rnplista, deoroa t'voroa, oom todos seus
    generes, pertoneos n.irnia^So (como do res-
    pectivo b*laneo en poder dn dilo escrlvBo)
    sita na ra Direlta, burro de S Antonio :
    quinta feira, 26 do corrente, as 10 horas da
    manhna-, na casa da referida Inverna.
    Avisos diversos.
    e
    c!5
    a5 -- Para Santa f.alharim, aegoa no da 28
    impreterivelm nle, o patacho UmulrmUu
    qiie.n 110 1. i'-um quizer ir de passageni, p 1-
    ia qi.o tem oxcellcnies soinmodos, assi
    como recebe algunia carga, n fallar co'ii An-
    lonio Paulo Feroando jrras, no armazem
    da cscadinlia, ou c im u capilo Francisco
    de Assis Goncalves Peres, na loja do cambio
    da Viuva Vieirt & Kllho.
    ca Sabe para Lisboa com toda a brevldade a
    barca ; 01111 que/.a l.igeira, de (fue he cap,io
    Vntonio Joaquim Hodrigues. qiiciu quizer car-
    regar ou ir de passagom, para o que ion excel-
    leiues enmmodos: os prctondonles dirijam-so
    ao capitn ou aos seus consignatarios Francisco
    Sevcriuo llabello & F'illio.
    Pora o Holln soguc viagem com brevldade
    a sumaca yuraouaisii, recebe carga ficto;
    para o ajuste a fallar com Joo Francisco da
    Cruz, ra da Crui 11 7.
    --- Vende-Be una lancha nova, que pe-
    ga deiriota a quarenta barricas, a a qual
    se acha rnn perfeilissinio oslado, bein cu-
    ino Ires botes novis, ludo por preco cora-
    modo : na ra do Vigario, n. II, primeiro
    andar.
    Para o Rio Grande do Sul seguir multo
    breve a sumaca t'irmtta, nova e de boa niar-
    clia recebe carga a frote e passagelros: trata-
    se com os consignatarios na ra da fadoia do
    llecife armasem 11. 12.
    &= Para o Rio de Janeiro sahe em pencos
    dias a bem conhecida escuna Maria Frmina,
    forrada c pregada de cobre, capilo JeoaJier-
    nardo da Rosa, por ler a maior parte do seu
    carregameuto promplo : quem na inosma an-
    da quizer carregar ou ir de passagom, bem
    como embarcar escravos, emenda se com o
    ncsnio capilo, ou com o consignatario l.uiz
    Jos do Sa Araujo, ra da Cruz 11. 33
    Para Lisboa pertende sahlr imprcteii-
    veluiente no dia i de jnMo o brguc portu-
    gnez Savo Vtnttdor por ter a maior parte da
    carga prompla quem no mesiuii quisor carre-
    gar ou ir de passagom para o (pie oU'crece os
    melhoret coniinodos Irala-sc com os consig-
    nalaiios T. d'Aquino Fonseca i filho na ra do
    Vigario u. l, primeiro andar ou com o capi-
    lo na i>i o i do < imiiiiei mi.
    A barca porluguoia Sonta t.'rii:, sahe pa-
    ra o Porto at 10 dejulho prximo, por tor
    prompla grande parle de seu carregaiucntn,
    anda recebe alguina carga a frolc c passagel-
    ros, para o que lem asseiados e grandes com-
    uiodos : a tratar com Francisco Alvcs da Cu-
    nta tu 1 .ouip mili 1, na ra do Vigario n. II
    primeiro andar, ou com o capilo da inesuia
    barca Manuel Francisco Nogueira.
    UH*
    Le loes.
    = O corrector Miguel Caroeiro far Icilo no
    dia scguuda-feira 23 do corrente as 10 horas
    da manbla no seu armaieiu na ra do Trapiche
    11. 4l), de diversos trastes uovos e usados, lou-
    9a, vidros, candieiros, quadros, espingardas,
    plttollas, roiogios e ouiros inuilos objeclos que
    sero vendidos por qualquer prrcu que fr of-
    ferccido.
    O Dr. J. deS Santos Jnior, leudo de
    retirer-ao pura o Dio de Janeiro, far lotifica,
    por intervcueao do correlor Olivcira da.
    Cot>v4a-8Q !< todos os Sis.
    neororinntcs estrangeiros, que ven-
    (lom fazcntlas cm grosso, pira ^
    r.'iirei lili ssls -i Assoc
    Comnirrci I, qtnrta feir .
    correle, no mciodia.
    |)m- se 300,000 rs. a juros, sobre pe-
    nlmres de prntaeouro: na rui da Virolo
    n. 27
    Quart felra,85 docorrent, depokTda
    audiencia do juiz do civcl da SOgltan 'a vara
    he a praea, da casa n. 18, da ra da Guia,
    ponho-a la a Ignacio Antonio Borges, por
    exrnelo dos berdairos do Francisco da
    Silva.
    Polc-s^ao Sr. T. O. A.O., morador na
    cilalo de Olinda, que Va nagar nosQuatro
    Canlo, a qtianlia de 61,000 rs., di contra-
    rio ver sen no ne declarado por osla falla,
    0 se.'celaran a achilo que praticou. ose
    osar dos meiosj idrCtafes.
    o Sr. A. C. L. queira mandar pagar a
    ilbscig:"') loste Diario.
    n iga-se o Sr. que em selembro de 1850
    tomn para (>/' urna simarra e volt 1, e
    pola dita obra j r.-ccheo tlgtirn dioheiro,
    e co-no at o pr lente 11B0 tenhs conotoido:
    roca-so o faca no prasu d 1 5 dita, do contra-
    rio ser o bou nome publica lo poreatenso,
    a como nSO he possiv -I encontrar se o:ti ca-
    sa, por is-o se faz por osla folln.
    __Anlonio Jiaquim Concjalvcs (unna-
    rSes, retira-se para fra da nrovincia.
    ..'a quem lile faltar urna arara : dirja-
    se a rita do C-hup, loja n. 3, qu 1 d in lo os
    signaos cortos Ibaaori entogue, pigaido
    as despexas.
    __o abaiso assignado comnro'i por or-
    dem do Sr." Antonio Mor ira Vinha, da ci-
    dade do I'.', um meio liilhe' n. IlTiifi di 11 *
    lotera to Stnlissimo Sacramento da Co-
    te, oquil Ihe remelle.
    ./oda Mexandre Virira.
    Fugio en dia 20 de abril, a pr"!n ero-
    onla, de nomo Victoria, om osaignaesse-
    ulntes, idada 28annos, estatura regular,
    bastante ftordV, uoin os buracos das ore-
    Ihas bastantes rasgados cuma marca de fo-
    go no estomago, lie milito regrista : que o
    itella liver noticia, dirjase a ra do Viga-
    lo n. 31, que ser recompensado.
    -- Kga-ae aoi Srs. ourivos, ou mesmo
    otitra qualquer p s objeclos abaixo demonstrados, no caso d"
    1 lio serem olTerecidos, um transdim p ra
    relogiocom passadnr, obra franteza, com o
    pezo de S oitaTaa, pouco mais ou menosa
    ligas de coral encasloadas em ouro, i habi-
    to, de christo pequeo, Leudo no meio nina
    pcd-ii ix, snppOem-se que os ditos objec
    tos foram desencaminhados, equem dos
    meamos soub ir o quizer avisar: drija-se na
    casa da ra da S I 'dade, defronte da palla-
    ra, n penltima ao vollar para a luado
    Manpuinlo, qneser recompen^ido.
    O aliis" assignaio faz publico, que
    em seu poder se acha oeseravo Joo, do
    gento de An:;nla, qu 1 pcrl'neo ao espolio
    da fallecida I). Ueria los da ConceicSo, fal-
    lecida acerca de dona anuos, 110 termo do
    SerinhSem, o porque o annunciante be um
    d s herdairoa da mesma fallecida, eaabe
    porfeilamoiilc qu 'norreo abintestada, e
    quenflo se tem filo inven'.aiio dos hens,
    que por seu fallerimento lie iran, sabemlo
    tambem quo eliatem oulros-ba'ns, c que n3o
    Ihe pdeci.ber menos do valor do referido
    escravo, julga-sa com direito a consrva-
    lo em Sf ii pode, li i|uc se faga a pai tilha, c
    para que aquellos quu se ai havam na posse
    do mesmo escravo (i jucm sso cerlo, faz o
    presente eoscon\ ida a que procedan) ao in-
    ventarioe pattilhas, mesmo porque icm de
    ser pago o S'llo da faz 'tida nacional. Sellas-
    ti<~w dos Ueuloi Arco-Verde l'ernambuco Ca-
    valcanle.
    - O ahaixo asignado faz sciente ao res-
    peitavei publico, que do dia 20 para 21 do
    crlenle mez. fui roubado de sua tavcnu,
    na travossa da ra das CruzeSi urna poroilo
    de ouro e prala, em diferentes pefas, bam
    como brincos, hotes, anelOes, om relogia
    fallando o ponteiro dos minutos,com letras
    esmaltadas, liw-lla lio piala e mais pecaa,
    queaiu ia senfio podoram dar pela falta, i.s-
    aim co 10 9,000 rs, en se.lu is c urna por-
    cSodepribre da gSTeta : por isso, ped -ae
    as autoridades policiaca, cmesmo a algumas
    pessoas, casolheasejim oiferoeidos algum
    dos ol j 'dos, queiram aprehendor o dar
    parte ao mesmo.francisco Vaciel ile Souza.
    -- Troca se moa imsgecn deNossa S. da
    ConcefcBo, com s quttro partes do uutn-
    dO| ludo de i.edra, em urna piannha, com
    nanga devidro; na ra Dirctta n. 95.
    Aos senil ores feBeiUtolroa ou crin-
    dores Nao foi sem grande besitaco que os Bbai-
    \o assignados contrataram o tornecimento
    das carnes verdes aos habitantes dcsla cidade,
    que o Eira. Sr. presidente da provincia dese-
    jou fossem suppridos com este genero de
    primeira necessidade, por m ..1 mais mdi-
    camente rasoavel que o pago lia corea de
    dous annos a osla parto; porque apezar dos
    bons desejos do esclarecido Kxm. presiden!
    c da boa mcnc.fio dos abaino atllgnadoi
    havl.i no meio da lfCUffio desle contrato
    inleressrs de pessoas ave/adas ao comuiercio
    delle nas entradas e foiras, conhecidos pe ,
    nonio do=alraicsadoros= a quem 111 venl.i-
    de se presumo que essos inlerosscs sollreraiu ;
    he, pos, das pessoas cmprcgidas oeste coin-
    nieico de atravessaincnlo dos gados que i. ni
    partido a caresta das carnes, esperatu cllcs
    que obtlverarapara'cntlnar na forma do regula-
    ment aedcncla do meimo inspector, ra
    Nova n. 44
    Joo Kellcr &. Cotnpnnhln,
    llquldnlnrlos da loja qnc fol do
    falloldo .los Pinto da Fonseca o
    Silva, c ntlsamento de ciucrra,
    Silva S Companlla na rua Nova
    u 2 1, avisan nos devedores da
    mesma loja que venliamsatisfu-
    /,cr sens dbitos noprazo de 3(>
    tilas contados da data deste an-
    nnnrio, a casados anminciniitcs
    na i*nft ta Cvut, n. 5, pols do con-
    trario serao ajnlzados.
    __Ahiga-sc um sobrado de 2 andares nas
    ras seguintes : Hlreita, Mvramento, pateo do
    mesmo, Queimado e Crespo : quem tlver e*
    quier alugar,'drija-se aruadaPraia n. 55,
    ivpocraphla Imparcial.'
    CARLOS C. F1GUE1HEO,
    AGENTE DA AUPANDXOA E DE Navios,
    12. Orchard Place
    SOUTHAMPTON.
    Decebe c eipede com prestea e economa
    mercadoriat, bagagem e effeltot de qualquer
    nature?.a e ordem.
    Esclarece os viajantes sobre a chegada dos
    paquetes e suas partidas, dirlgindo-ot no mais
    de que bajara myster. Obriga-se a tomar con-
    ta da bagagem, effeitos, etc. de passageiros.
    Recebe faiendas coramitsao.
    Preclsa-se alugar uraa preta ou um mo-
    lerme para vender fructas e verduras na rua
    *J_ .- ^-- ---.!..-- fil r-. K.....
    Ml'l.l OC UU.% ^Wl*a*.U W ..V., p-ft^----^-., %.
    d-sc-lhe o sustento : quera os liver e queira,
    alugar, anuuncie por este Diario.
    DiNTl "J. Jane dentista bera conhecido netta pra;a,
    recantemente ebegado da Kahia, tem a honra
    de participar ao respellavel publico, que te
    acha de novo resldindo nesla cidade rua Nova
    0 primeiro andar, aonde sempre ae achara
    que faro qunto pudercra para tornar odiosa
    prudente e salular medida do eximio admi-
    nistrador, que tem ferir os Intcrcsscs do cria-
    dor o fazendeiro, abasleca o povo da cidade
    dogenero mala urguente as necessidades da
    vida por preco rasoavel.
    Nao fere os interoases dos razendeiroa e cm-
    dores o contrato; porque estes lem um prreo
    fixo, sobre o qual podera contar com certeza
    e seguranca, c podem vender seus gados ao
    contraanles, ou talha-lho pelo preeo esti-
    pulado, modianlo a sabida despeza de 3^000
    por cabrea: fcil Ihe lie calcular oque mais
    Ihe conven), se vender on lalhar a carne pa;
    cando aquello, odui: pelo que rcspeila a
    venda, o criador he garantido da inaneira a
    mal tatisfacloiia pola seguranca que se lies
    ofl-eretse na Sbrlgacao solidaria dos conslra-
    lanles: fcilmente se concebe que o criador
    nhtem por seu gado, c oblera crapre o
    mrsiiin preco por que o venda anteriormente
    aos atravestadores, porque nao erao o ra-
    dores que o vinhain talhar na cidade i, M,
    16 c 20 patacas a arroba: tambera nao erao
    os pilmelros atravessadores, niat por urna
    serie successiva de compras e vendas, ahnal
    chegavatn na foira os gados ja caros, c ah
    erao suppridos os compradores da praca por
    procos subidos, e finalmente rccahla sobre o
    povo o pc-o de toda esta serie de travessias,
    sem proveito algum do criador ou fazendeiro.
    Se bem que todo o hoinem atlinja a ganhar
    am seus negocios, com ludo pessoas ha que
    desejam lncrar, porera deforma que nao pre-
    judieando seus proprios intcrcsscs, nao oRen-
    da e deteriore os alheios; he com cales jen-
    Mnenlos que 01 contraanles iiiiimuiaiii c 11-
    laram osle negocio, e sendo, como he publi-
    co, o preco da arremalacao, bem pdein os
    criadores "e fazendeiros calculaiem 03 precos
    por que devem fazer as suas vendas dirctas
    ao contrato; o desojo dos contratantes he
    abastecer o povo do genero de que ha lano
    lempo sao suppiidos a precos caros, pelo
    proco eontratado de 2^400 no invern, e .1/2UU,
    no verao; c fleariio satisfeitos se obllverein! n 11.,.
    ?e resultado mediante urna mdica indemni- das 9 horas do d.a ale a. 4 da larde.
    sa{aode seus trabalhos c capil. s cnipregados ; Casa (le COnimiSSUO fie e$Cm7JOS.
    para facilitar at transacedea com os criadores; ,..|wmj csrravds liara SP-
    efazendeiros tcmcsi.beiecidoagci.es era di- Kecebem-se escravos para se
    vrrios pontos, c.am ampios poderes c auto- rem vendidos tanto para lora ,
    visaran pira contrataron por couta da asso- _,,;;,
    ciacSoosob responsabilidade delta, e rogara!comO para dentro da prOVlOCta ,
    aos Senbores fazendeiros e cradorea '" '=corn prestesa e seguranca ao mes-
    dirigrcm a ellei. que acharao toda a lisura t>n .
    mo :
    n G.
    , que
    honradez que se faz inister em negocios,
    alara da seguranca c garanta que os aecu-
    bertede qualquer siuislro ; podondo dirigir-te
    Em Santa Clara, Dariiys-Vclhos, ao Sr. alar-
    lin'io iomes da Silvcira.
    Km o lo, ao Sr. Francisco lanool Dias
    Rui Pedras-dc-Fogo, ao Sr. Mariano llay-
    mundo Menduiifa ; c nas estradas ou fazendat
    aos Si'iihores que cstivercm aulorisado pelos
    contratantes.
    Netta praca, aos contratantes, na rua das
    Crines 11. .10.
    Uoeife, 18 de junho de 1S51 Os conlratan-
    tes-./iisiiio l'ertira de Faritl Manuel loaquim
    ,ln lleno Mlmqaerque. Misquita \ Duarle.
    Joi Joaquim Ihlelho.
    Sri. Ilrcdorei. Sendo nic preciso recorrer
    .', ustici, aiiin de reccbei nieus ordenados, #^BJ
    de raen ex-patrlo, O9T. Antonio Joaquim dos I Oidtl'.
    Santos Andrade; vou fuer publico os 1110-, todos O
    tivos que me obligara a fazc lo: indo eu para
    oaixeiio do Sr Santos Andrade cm 1847, neslc
    anuo nao ganhei ordenado ( nao obstante que
    as despezas que fu nosse anno foram lauca-
    das cm miuha conla) cera 84S diase-me
    oditoSr. Audradc que cu ganhava 200^000;
    em 1849 ditsc-mc que ganhei IlOO/OfO; c em
    I8.')0 igualmente me diste que ganhava 400/000
    os primeos dous anuos, de IS48 c 1849, pos*|
    so asseverar ao publico que os vi laucado
    na rua da Cruz do Recife
    CIDADE DE PARS.
    o sorlnnento de chapeos deso de
    os precos, quslidades e lmannos
    tanto de seda, como de pao, para homctis
    e seuhor8s, igual sorlimeoto do sedas e pa-
    o em pecas, para cobrir armaces servidas,
    balnias para vostidos o espartilhos dese-
    nlioras, consertam-se todas a qualidades da
    chapeos de sol, ludo por monos preco do
    quo em outra qualquer parte.
    Ni rua das Cruzes n. 40, hi bichas
    ainluirgu.'/is das ultimas que vieratn ao
    nos seus proprios livros, assim como inciiidot! mrcalo, para se alugar e vender-se, tanto
    0111 dospoza na conta que lodos os anuos |ir junto, como a rctalho
    mandava a seu socio c innfio. Joo Antonio'
    dos Santoa Andrade 1 porin cm marco deste
    anno, nao me convindo continuar a estar cm
    sua casa, desped-nie, c pedi-lhc que me
    llratse a minha conla; as quaca, por militas
    diligencias que fu, as pude conseguir dcllc
    __Aluga-se o primeiro andar do aobrad o n.
    13 da rua do Vigario: na ruado Amorim n. lk
    M A 11UA DA HADKIA 1)0 KF.CIFE N. 19 LOJA
    DE FEltHEIlti IIASTOS-
    lie o nico deposito do verdadeiro rap
    Paulo Cordeiro du llio de Janeiro, tanto do
    Doran de dous inezes: mal qual foi a minha | viajado ao Para como do vindo directamente
    a Imirar.S 1; leudo tratado con,migo os orde-
    nados conforme digo cima, me aprsenla
    os ordenados segrales: em |S48, 121/860
    ('ordenado de um auno l2l/8G0!), em 1849,
    140/000, em IriSO, 200^000; relirci netta oc-
    catlo toda a eonfianca que falla no Sr. An-
    tonio Joaquim dos Santos Andrade, c nunca
    me persuad que elle (izesse esta ingratldao
    para coinmigo; pois liz teniprc o quanto es-
    lava ao meu alcance afun dos seus interesses
    couio he o dever de um caixero.
    A vista da conta que inc aprsenla, abaten-
    do as inlnhai despezas, pouco me reta ; po-
    n'in appello para os tribunaes de juslica.
    Ilccire, 23 de junho de 1851.
    Joaqnim Hiendes Freir.
    -- Uoga-sc aos abaixo assgnados queiram
    vir pagar o que, ha multo, estira a dever na
    rua da Cadcia do Rccife, loja de miudesas n
    7, sendo : o Sr. Joan Ulanool Coutiuho, Anto-
    nio tianocl F.sleviio, Vcrisslrao Xavier de l!ar-
    ros, morador na cidade de Goianna, na rua
    do Rio; Alcxandrc Augusto Pereira; Joo
    Paulo de Santa Auna, morador algum lempo
    em Santo Antto j Vorissimo Antonio da Cruz
    Soarcs; Joaquim Francisco Delgado Jnior,
    morador algum lempo era I.uuoeiro; Manuel
    Jos de Kara; Manocl Gomes Leile, morador
    cm Fra de Portas; llrrnardo da Silva flu-
    maraes, morador na cidade de Olinda ; Joao
    Donainguei Pereira Condii'u, morador na ci-
    dade de Goianna.
    Precisa-te de um pequeo de 14 a l(i
    anuos de idade, nacional cu cslrangeiro, que
    queira ser calsciro na cidade do Aracaty;
    (|uem estiver neslas circumslancias dirija-sc
    rua da Cadeia do Rccife, n. 7, loja defuaiu-
    .lesas, para tratar.
    .Ilcllioramcntos nns moemlas c
    luchos usados no fabrico de ns-
    snenv.
    O'i abaixo assgnados leudse ocupado por
    mais de 10 anuos quazi exclusivamente cm
    mclhorar o maquinltmo nos engeuhot, e era
    acertara forma das maquinas mais apropia-
    das ao pala, o avaliando as grandes vantagens
    aos seohoros d'cngenho pola InlroduefSo de
    maquiiisuio (ruin novo modolloe d'oma qua-
    |idade superior ; tom mandado construir era
    una das mais acreditadas fabricas cm Ingla-
    terra una pequea porcao do tachat o raoen-
    dat (pie a resuelto da qualidtde do ferro sao
    igual aos molhoros que se exportara d'lugla-
    lerra para as colonias. Observando durante
    a sua louga pralica os defeilos (|iie cxislera
    boje cm geral uso, o grande
    para esta provincia. Este rap que por tut
    excellcnte e talutar qualidade se ba inlrodu-
    zido ncsle mercado, e podemos asaegurar, ter
    o nico que revalita com o de Lisboa, e que
    nao ferc o nariz do tomante embora nao acos-
    tuiuado, se lorna por ti oieimo recorainenda-
    vi I .ios un mies da boa pitada, que poderao
    prover-se da quantidade que necessitarem:
    na loja assim mencionada, que o recebe por
    lodos 03 vaporet.
    RETRATOS.
    Continua-se a tirar retratos a oleo, coa
    perfeicfio, e em miniatura sobre o marfim :
    na travessa do Cirmo, ou Ssrapatel n. 1, se-
    gundo andar.
    lid omnicnd unos as pessoas que vio a
    Europa not vaporet o Sr. Carlot Figueiredo,
    porluguce estabclccido era Soutbainpton co-
    mo agente, no.qual encontrarao, alni da van-
    tageui de fallar a mesma lingoa, toda a probi-
    dade, intelligenciae aclivldade.
    ---Ignacio Luiz de Brillo Taborda, con-
    vida os sotihores, cujos nomes em segui-
    da vDo menciontdos, a viretn pagaa-lheem
    a sua loja na rua do Crespo n. 10, o que
    licaram a dever as extinctas firmas dos fi-
    nados senhores Antonio da Cunba Guima-
    r.les e Josc Joaquim de Freitas Cuiraa-
    rSes, e a viuva de Freitas Cuimarfles, de
    pois Auna Maria dos Passos GuimarSes
    Antonio Leandro da Silva Manoel los
    da Silva Leito ioiy Luiz Pena Fran-
    cisco de Alhuquerque alaranhSo Vicen
    to Ignacio Uranco ; Mauricia Feliciana dos
    l'razuros, das Giircuranas ; Antonio Janu
    arioWacs llarreto do Cabo ; Martinbo da
    Silva Costa, do Limoeiro; Jos Cardozo Ca
    valcanlo, do Caruar ; Manoel da Costa Rn-
    ga, de Inhain 111; Jos do llonevi les FalcSo,
    do Tara om Caranhuns; Patricio losTavares
    de Vasconcellos, do Itom Jardim, comarca
    doLimoeirn, e Manoel Gomes dos Santos,
    de 1.1 ..na Nova : o a un uncanlo declara quo
    ir fazendo tnensSo s-m oscep;So algunas
    dos nomes daquelles senhores, cujos dbi-
    tos forera auligos e uno vierom imedisti-
    mciile pagar-lhe.
    ,.-, Chapeos de so!.
    ^ Rua do Passeio, n 5.
    Nesta fabrica ha presentemente um ric
    sorlimenlo destes objeclos de todas as cO"

    nas iiiaquin.ts Iinjr cni cern vio, o grande i i a*
    prejulto que estes dofeitos cauzam, a neces- rcs e qualidades, tanto de seda como de
    sidade que existe de cuidar no perleisoaraen- paiminho, por precos eommodOS ; ditos P-
    tn do maquonism dos engenhos, c conven-
    cido das grandes vaiilagcns que ham do resul-
    tar do emprogo de ton novo maqumismo, e
    tambera confiado 110 espirito do progressoque
    ao observa diseuvolvendo agora entre um
    glande numero de proprietarios d'cngenho,
    os abaixo assgnados lera se animado a entrar
    n'etli empresa ; c assigurando, o emprego da
    primeira qualidade de ferro, c importando
    sempre a- maquinas dos uiodcllos mais appro-
    vados, esperara merecer toda a conlianca dot
    senhores seus amigo, o o publico. Logo que
    ettej un avisados do primeiro carrogamento
    que esperara no mez prximo vindouro, an-
    nuuciaiao cun todos us mais detalhos
    ilfrcdu e Kiluirdode llornay.
    ra senhora, de hora gosto: estes chapeos
    s3o li los pela jltima moda ; seda adamas-
    cada com ricas franjas de relroz. Na mesma
    casa se acha igual sorlimenlo de sedas e
    panninho imitando sedas, para cobrir ar-
    niar/ics servidas : todas oslas fazendavno s
    dom-se em por^So e a retalho : tambem se
    concerta qualquer chapeo de sol, tanto de
    basteas de ferro como de baleia, assim como
    umbelas de igrejas : ludo por pre?o com-
    m.nlo. Na mosma casa ha chapeos de sol,
    de marca maior, de panno e de seda, pro-
    prios para feitores de engoniio, por serem
    os mais fortes que se podem fabricar.
    Na travossa do Corpo Santo n. 29, se-
    - O inspector do primeiro circulo Iliterario ~ ** l*iU do LOrpo Santo n. M, *
    da provincia pede aos Srs. professbres de ca- gundo andar, acba-so abarla uma escola de
    colas particulares do dito circulo, queiram vir meninos, dirigida por llonoralo AugUSlOUa
    declarar sua morada c apresentar as liccncas Miranda-


    IX^
    w
    -V
    %
    --= Aluea-se un sitio no Poco da Panol la, ni
    margcni do rio, tcm commodos para grande
    familia, quintal murado e plantado de llores,
    ele., cacimba cura multo boa agoa de beber e
    tanque, estribarla para quatro cavados, e tem
    porto que delta para o largo da igrega; a tra-
    tar na ra do firum casa grande do Cunha, se-
    cundo andar.
    SJSJ,* 48tMsv^HflnS*.fsSMQsB SywW^WI^SfiWWtWfSSSisw
    Na ra do AragSo, n. 12, segundo andar,
    so desoja saber so ho vivo, ondo mora um
    rapazinho de nomo DamiSo, (litio de Ange-
    la de tal, e neto do velho Antonio Lopes
    Mangaba, da cidade do Natal, o qual rapa-
    7nho anda ha poucos annos aprenda o of-
    ficio de marcineiro, em uma oflicina desta
    cidade.
    wmwmwtwmm' wmmmmwtmm
    Quem quizer consultar o fadodivertio-
    do-ae com graga e aceio, as bellas nortes
    de Santo Antonio, San Joilo e San Pedro;
    nSo o poderi fazer sem ir as casas annun-
    ciadas, onde encontrarSo as tnas modernas
    e engranadas quadras intituladas Sorte
    do Venas custando apenas 40 r. cada
    uma ; na ra da ConceicSo na Boa Vista n.
    20, e no Passei Publico n. 13
    Caa de moda francezai, Buenard UUIochou, ra
    Ho Allrro da Boa-Tilla n. I.
    Recebeu pelo ultimo navio de Franca, cha-
    peos de palhademoda nova para montarla de
    aeAbora, chapeos de seda e toucado, inanle-
    Ibetese capotinhos ; cabecees de bico ; romei-
    ros, pescocinhos e camisas de l e de cam-
    nala bordadas ; lilas e blcos de todas as lar-
    curas traojado e franjas; blcos de blonde;
    sedas ftirlacorea para manteletes .gravis* de
    vrludo com fivelas para senhoras ; capellas
    de laranjelras melas de seda branca lisa e bor-
    dadas ; veos de blonde para noivas ; luvas
    comp'idas para as ditas ; mantas de bico pre-
    to para cabecil ; tarlatanas brancas e de cores ;
    cambraia finas ; lencinhos de seda ; flores fi-
    nas de todas as qualidades ; filos de linho e de
    aedi branco e preto, e mais enfeiles para se-
    jiliora. Faz-se sempre com verdadeiro gosto
    francs, chapeos, toucados, vestidos e todos os
    de toalhete das senhoras.
    Queih precizar de um homein brasilciro,
    o qual sabe ler, escrever e contar, e tem pra-
    tica de todo o servico de engenho : quem liver
    jirecisoes do mcsino para essa oceupacao, an-
    ji nncie para ser procurado.
    = O abaixo assignado, morador na ra Im-
    perial n. l25, avisa as pessoas que tem penho-
    res em scu padr, que os vciiham tirar no pra-
    ao de oito das contados da data deste; do con-
    trario sern vendidos para pagamento dos seus
    dbitos.=*>edreo de Sonta liomei
    = Precisa-se de um calxelro que teja capaz
    de tomar conta de uma padaria. e que d fia-
    dor a sua conducta: certo de que agradando,
    nao se duvidar dar bom ordenado : trata-se
    na padaria do Varadouro em Ollnda.
    ___Hoga-se so Sr.. I)r. Honorio Fiel de
    Sgmaringa de Vascurado, que se sella ho-
    je advogando en Coianna, que mande pa-
    gar a sua lettra que se aclis vencida a au-
    no ineo, o qual nSo ignora aonde :
    emqusnto o n9o fizer hade ser lembrado.
    Casa de commisso de escravos.
    Na ra Direita, sobrado de 3
    andares, defro'nte da travessa de
    S. Pedro n. 3, recebem-se escra
    vos de ambos os sexos, para se ven-
    derem de commisso, nao se le-
    vando por e.sle trabulbo, mais do
    que i por cenlo, e sem se levar
    coua alguma de comedorias, of-
    ferecendo-se para isto toda a se-
    guranza precisa para 03 ditos es-
    craip8<
    Paulo Galgnoiixt dentista #
    * franecz. offerecc scu prest- 8
    ino ao publico para turtos os V
    "a* uiisteres rtc sua pronssao : W
    & porte ser procurado a qual- 9
    W qner hora em sua casa, na #
    '* ra larga do Rozarlo, n. 3G, U
    * si'i'inido andar.
    OfTerece-se uma mulhor para ama de
    caga de homem aoltero, ou de pouca fami-
    lia : na ra do Hortas n. 55.
    Precisa-se de uma pessoa que seja peri-
    ta em plantarles de sitio, para o lser em
    um no lugar do Remedio : quem estlver nestas
    circunstancias, dirija-se a alfandega desta ci-
    dade a seu portelro.
    Quera tiver para vender ou alugar um
    preto bom cozinhelro : dirija-se a ra do Cres-
    po n. 3.
    = Precisa-se alugar dous pretos que sejam
    fiis: na refinacao da ra da Concordia nu-
    mero 4.
    Precisa-so de um rapaz, que tenna co-
    nhecimentos de pharmacia: na ra do Quei-
    mado, botica n. 15.
    Aluga-se um molatinho, de idade de
    16 annos, proprio para todo o servico de
    uma casa : quem o pr. tender, dirija-se a
    ra Nova n. 69, que ah achara com quem
    tratar. .. .
    Tendo fallecido no Cear, Francisco Ma-
    noel da Silva Tavaie, no dia 15 de abiil do
    corrento anno, eu abaixo assignado, pro-
    curador batUnte do nico herdeiro, test-
    dente em Lisboa, declaro que todrs as tran-
    saccoescom o procurador do linado, oSr.
    Manoel Caetano Soares Carneiro Monleiro^
    posteriores a data do fallecimenlo aSo nu-
    las, e ficam por ellas responaaveis aquclles
    que as tiverero com o dito Carneiro Monlei-
    to; por qusntocesssram seus roderes, como
    procurador do finado, desde essedia, e no
    Ceara, oude se est procedendo a invenla-
    rio, exialem o primeiro e segundo testa-
    ineteirs.-- Anlonto Augusto da Fomtca.
    (".. Augusto da Graca e Mello, faz scien-
    te ao publico, que deixou de aer caixeiro do
    S. Joaquim Francisco de Alem, desde o dia
    16 de iunho anadiante.
    -- Francisco Jos GooQalves, com fabrica
    de chapeos na Praca da Independencia, por
    baver outro Je igual nome, seassiguaia de
    hoje ero vante por Francisco Jos Goocalves
    deSiqueira.
    -- Aluga-se uma escrava, que coze. cozt-
    nha e serve bem uma casa: na Passagem
    entre as duaa pontea, na venda amarella, se
    dir quem aluga.
    -- Alugatn-se 2 pretos padeiros, um del-
    les tambem ornea : na ra do Hozario lar-
    ga n. 33 .
    _. Precisa-se de uma preta para o servico ex-
    temo de urna casa de mullo pouca familia e que
    seja niuito fiel: quem liver para alugar dirja-
    se a ra dos Quarteit n. 24, que se dir quem
    precisa. .
    Avisa-se a pessoa, que mandou uzer,
    na ra do Brum, um typo com um emble-
    ma, que j se acia promplo a mullos das,
    e por isso roga-se a bondado de o mandar
    buscar.
    0 Sr. Ventura Joaquim da Roza, cai-
    xeiro do Sr. Francisco Jos GalvSo, no lar-
    tro daftibeira, hajade ir a ra da Praia n.
    29, pagar a quantia que nSo ignora.
    c= O Sr. Francisco Antonio da Silva da ra
    do Rangel, queira mandar pagar a asignatu-
    ra deste Uion'o, e einqnanto nao o fizer ver o
    seu nome publicado em lettra redonda.
    - Aluga-se o sitio do fallecido Jolo Car-
    los Pcreira Burgos, no Arraial: quem o pre-
    tender, dira-se a ra Direita n. U.
    -- Precisa-se de um jardineiro, quosaiba
    tambem tratar de arvores de frutos, para
    uro sitio perto da praca : na ra da Cruz n.
    46, primeiro andar.
    A pessoa que em junbo ou )ulhu do anno
    pascado annunclou que cr fallar ao Sr. Rodri-
    go de Frellas Pires Guimaraes : dlrija-se a ra
    do C respo n. lO, que achara com quem tratar a
    respello.
    ooooocoo eooocoooo
    t una das Crnzes n. 28. 0
    f% Consultorio homceopathico do faculta- (J
    m tivo J. B. Caianova. q
    Gratis para os pobres. m
    lT -_____..i- J. ff....l.i:.. I D /'. Sur
    9
    Na ausencia do facultativo J. B. Ca-
    O
    ; sanova, o professor homceopatha _
    ^ Gosset Bimoot continuar com os J*
    & trabalhoa do mesmo consultorio, on- O
    O de poder ser procurado a qualquer O
    Q hon. O
    Aluga-se o segundo andar da easa n.
    8, da ra do Crespo, propria para pouca fa-
    milia OU escrintnrio
    -- Mara Emilia da Penha Gomes, retira-
    se para fra do Imperio, levando em sua
    compsnha um moloque creoulo, forro, de
    nome Francisco.
    Jo3o Xavier Faustimo Ha-
    mos, nao podendo pela presteza de
    sua sabida, despedir-se pessoal-
    mente de seus amigos, o faz pelo
    present meio offerecendo-lhes
    as provincias de S. Cedro doSl
    e do Rio de Janeiro, ou em qual-
    quer outro lugar a que o destino o
    leve, os seus traeos, porm dedi-
    cados servicos; e Ibes oga que ac-
    ceiletn suas saudosas despedidas.
    Precisa-se alugar um sobrado, ou casa
    terrea em algumas das principaes ras do
    bairro de S. Antonio, que tenha com nodo
    para familia, e que o seu aluguel n3o exco-
    da de 200 a 300,000 rs. animaos : quem ti-
    ver, annuncie.
    Desappareceu do poder do
    abaixo assigoaio, meio bilhete da
    decima quinta lotera do Ibeatro
    S. Pedro de Alcntara do fto de
    Janeiro n. 1007, no verso do qual
    se acba firmado o nome do abai-
    xo assignado e dos Srs. Manoel
    Joaquim dos Heis e Jos Alaria
    l'iiliiii'ii.i, e igualmente 3 vigsi-
    mos da loteria ns... ; roga se a
    pessoa que os tiver adiado, o fa-
    vor de os mandar entregar na ra
    do Apollo, armazem n.iB; bem
    assim previne-.e e pede-se ao dig-
    no Sr. tbesoureiro da mesma lo-
    teria, no caso de sabir premiado
    dito numero de nao pagar se
    nao a pessoa competentemente au-
    toris da pelo o abaixo assignado.
    //. J. Leal Reis.
    ILLM. SRS. AGRICULTORES.
    O desejo de tambem concorrer com as ini-
    nbas ainda debis (oreas para o augmento do
    nossopaiz, mais obrigou sahir para Europa a
    procuraros meiode inelhorainentoparaa nos-
    as agricultura como baze da mais solida a pros-
    perrdade publica, pola vos bem sabis o quan-
    to ella conlrlbue para afelicidade dos pavos
    que se entrego aos trabalhos de cultivar os
    campos bem esclarecidos, arranca de seu seio
    dos habundantesfructos com que a trra mi-
    mosea ao homem laborioso.rrSrs. eu convido-
    vos a instalaco de urna sociedade agricla
    u'esta provincia, que- sem duvida ir animar
    a nossa industria agrcola que, se acba sem
    amparo, sem prolecco pelo errado svstema de
    servirmo-nos com os bracos escravos, que ini-
    Ihes de capitaes nos tcm consumido, e um
    golpe fatal tem descarregad'o sobre o coinmer-
    cio, eas artes do imperio, e retadardo os pro-
    gressos da nossa civilisacao.Srs., a felicida-
    de do paiz depende de nos mesinos se conse-
    guir-mos com as nossas reuuics achar os
    meios ao nosso alcance para o melhoramenlo,
    e iiru.spe idade da industria Braslleira, afim
    de vvennos independen le do ealrangclro.
    Srs. segn Jo as tendencias graes que hoje se
    manlfcstain para o progesso he de suppor. que
    a nossa sociedade, seja sustentada clncasmen-
    te pela opinio publica e pelo bom senso das
    pessoas gradas: Objecto, senhores da socieda-
    de he primeiro ler d'ora avante as verdadei-
    ras relaedes commerciaes, para que os gneros
    do paiz obtenhao o valor primitivo noa mer-
    cados, e aejo os intereases-igualmente parli-
    Ihados para o agricultor e o negociante. Segun-
    do animar a nossa agricultura e envidar lodos
    os meios posslveis ao nosso alcance para pre-
    caver dos eventos, que as vezes apparecem as
    estaedes em diversos ramos da nossa agricul-
    tura, e quaai sempre arruioaiu a fortuna do
    agrlcultor.=Tercelro o aperfeicoamento e mu-
    claucas de motores c instrumentos agrcolas
    para semear, putar, prencar, ou bater etc. no-
    vos processos econmicos relativamente afa-
    bricaco do assucar da cana, da cultura do
    aigudu, do cal, do fumo etc., e a substltui-
    cuo dos bracos escravos por bracos llvres, que
    trataremos o depois de estabelecida essa so-
    ciedade. Emfitn conbecido pois o objecto da
    sociedade, e a aua Importancia, resta-me, Srs.
    offerecer-vos miulia humilde casa para as nos-
    sas reuuics, alim de tralarmos de ludo o que
    melborar pbssa a noaaa agricultura, e o esta-
    do dos qne ells se dedieo, que por ora he
    certamen te lesoagelra.Prasa os Ceos, que se-
    jo abencoados nossos esforcos. Ra do Col-
    legio n. 9. Vosso humilde patricio.
    Joaquim Joe de Carvalho Siqueira Vnrejio
    Um moco brasilciro ott'erece-se para cal-
    teiro de cobrancas de casa estrangeira ou
    mesmo para qualquer casa de negocio a reta-
    dlo o qual d fiador a sua conducta quem o
    quizer dirija-se na ra larga do Rosario n. 26
    qqe dir-ae-haquem he.
    P. Barrelet retira-ae d'sta provincia
    Conlrata-se a conduco diaria das car-
    nea verdes para os acougues as frequezias
    do Recire, Santo Antonio, S. Jos, boa-Vista
    Afogadoa, e Poco da Panilla ; assnn como o
    salgamento de cuuros, a tractar na ra das Cru-
    zea u. 30.
    r para uma
    Rita Forte,
    eir c que
    Precisa-se alngiY un mol. eote esperto
    ptra servico de caa lii!il(':l nreferindo-se co-
    zinheiro : ruada Cadcl
    ' Precisa .s'
    casa estranerln ni
    urna preta engo
    entenda perfnilame'e de sen 0I1-
    cio : d-se a preferencia a capti -
    va, e precisa-sccom urgencia, im-
    mediatamente.
    Pede-se aoSr. subdelegado do Reclfe, que
    tenha a bondade de lancar as suas piedoias
    vistas policiaes sobre o armazem de bebidas n.
    II, sito na ruada Cruz do Rccife, que com
    grandes inotins est aberto at le! horas da
    nolte, eucominodando a vlzluhanca com o
    grande numero de pessoas que ah se ajunta m
    cantando e bebendo, comoj por dille rentes
    vezes se lhe tem prevenido, ella nao se quer
    conter, por isso faz-se este.
    Um amant do deicanto.
    Na estrada de Belem sitio da Torre, appa-
    reven um bol fgido nos fins do mes de abril :
    auem for seu dono o pode ir buscar, que dan-
    o os slgnaes certos lhe ser entregue, pagan-
    do toda a despeza, outro stm, o annunciante
    nao se responsabilisa por qualquer falta deste
    animal.
    Precisa-se de urna pessoa que endenden-
    do se queira encarregar de extinguirs formi-
    nas que estao destruindo arvores, plantadas no
    largo do palacio do governo : a pessoa que dis-
    s* se queira encarregar, entendendo-se com o
    fiscal da respectiva freguezia : na ra do Ran-
    gel n. 9.
    Precisa-se de um homem portugus para
    feitordeum engenho distante desta praca ni
    leguas, prelerindo-se a estes recenteniente
    anegados, sendo porm casado : quem estiver
    nestas circunstancias, dlrlja-se a ra atrs da
    matriz da Boa Vista n. 26.
    Precisa-se de uma ama forra para urna
    casa de familia, que saiba bem engainmarconi
    toda pe leu;,,o, tambem deseja que tenha
    boas quaiidades: quem estiver nestas cu n,ins-
    tancias, dirija-se a ra do liruin, sobrado de
    quatro andares uo segundo andar, se dir quem
    precisa
    Elementos de homopatliin. ?
    Por todo o mez de julho, sahlr a luz a 9
    1." parle d'esta obra composta pelo pro- t
    tensor homeopalha Gosset Bimont; di- ^
    vidida emires partes. Esta primeira com- ,j
    prebende, o discurso preliminar, a in- ^
    irodiieean. n exame do doentc.a esco'hi _,
    do remedio, o emprego dos remedios, *
    o rgimen e os conselhos clnicos, com 1&
    a explicar jo dos noines gregos e anata-
    Vende-seou arrenda -se, uma casa de
    pedra e cal, sita no Monteiro, com terreno
    para plantar o com tWvoredos de frncto, por
    preco rom modo ; l'8ta-se na ra dasTrin-
    ch?iras n 48, primeiro andar.
    f
    micos empregados em medicina, e a 0
    m indicatao dos medicamentos apropiia-
    dos para cada caso de enfermidade. Es- >
    ta obra he til, tanto para os mdicos
    que se dedicaren! a experimentar a uo-
    _ va mediciiia, como para todas as pes- -
    soas de boa vonlade que se querrm con-
    " vencer por experiencias da verdade
    ^ d'esta doutrina, por ser ella mullo clara
    * e a inlelligencia de todas. ^
    :***i.**4>-V* .***-*A-V***
    Joao Keller t Companhia reiuetteni para
    o Rio Grande do sul o seu escravo cabra de no-
    me Joao. ___________^___
    ^Compras.
    Compre-ie um sobrado de um andar,
    ou casa torrea, com bom quintal: na ra das
    l.arangeras n. 13, primeiro andar.
    **i 'rypoKrapUlti.
    Compram-se 100 ou 150 libras de
    typo, 9 ou 10 e que esteja em bom (
    uso : na ra do Trapiche n. 38, bairro #
    i do Becife.
    Vendas.
    L1VRODESOUTES.
    Depois de um aturado trabalho demuitos
    seculos, e por occasiao de escavar-so aci-
    dado de Pompea descobrio-se
    ALUNA FATAL
    DOS
    Destinos humanos
    OU
    SORTES PARA OS OIVERTIMENTOS-
    D'lS
    Dias de S. Antonio, S. Joao e S.
    redro.
    Este importante livro sahio a luz pela pri-
    meira vez no anno lindo, em um vol. de 286
    paginas, e com 70* versos, que abrangem
    os desejos dos vvenles, principalmente das
    senhoras que tanto ambicionan! saber qual
    seu destino no anno que tem do vir : o que
    elle contem be de uma verdade tal que
    quem o consultar deve flcar persuadido que
    inCallvelmente lhe succeder o que a sorte
    lhe tiver prognosticado. Vende-se a 1,000
    rs na livrara ns-6 e 8, da Praga da Inde-
    pendencia.
    Sorfes.
    Na livrara da prar;a da Independencia ns.
    6 e 8, vendem-se folhas de papel com sortes
    a 80 rs. cada urna, e o seguinle livro:
    Acasos da forluna, ou lvros de sortes di-
    vertidos, etc a 6*0 rs.
    Leteria afavor dalgrejatle N. S.
    do Llvramenlo.
    No atierro da Boa-Vista loja de calfado n. 58,
    veode-se os mullos afortunados bilheles, meios
    e camellas, da loteria a favor da igreja de N.
    S. do I.ivramento cujas rodas correm no dia 12
    de julho do corrente anno Infalivelmenle e
    na mesma casa venderao-se da loteria da
    Matriz d Boa-Vist a os srguintes premios viges-
    simos n. 44805:000< rs. bilhetes Inteitos n.
    3794-2.000 rs. n. 3032200,000 rs. meios bi-
    lhetes de n. 2860-1-000/ rs, n. 650-200,000 rs.
    2828100,000 rs. e muitos ns. com ospremios
    de 50,000 rs 20,000 rs. i0,00O rt.
    Iiilbetes 11,000
    telos J.&00
    guarios 2,600
    Quintos 2,100
    Decimos 1.100
    Vigesslmos 600
    Hil lu-irs do Rio de Janeiro.
    aos 20:000,000 de as.
    Na loja de mludezas da praca da Indepen-
    da n. 4 vende-se bilheles Inteiros, meios,
    buartos, oitavos e vigsimos a beneficio da 11."
    lotera do Santissimo Sacramento do Rio deJa-
    neiro que ba de aer extrahida a 23 do crreme:
    na mesma loja recebem-se bilheles premiados
    da lotera da Matriz da Boa Vista em troca dol
    que tem venda.
    Jvlarmclada.
    De ptima c, .alidade, em latas grandes e
    pequeas, em porcSo e a retalho, sendo a
    320 r. a libra da primeira sorle, e por me-
    nos' as qualidades nfeiiores : na ra do
    Crespo n. 11.
    Bilhetes da lotera de N. S. do
    Livrameuto.- cuja rodas correm
    infallivcluiente no da 12dejn-
    II10: no pateo do Colleg;io, casa do
    Livro Azul.
    Loteria fio Rio de Janeiro.
    Aos 20:000,000, 10:000,000, *:000,000,
    2:000,000 e 1:000,000 de rs.
    No cambio da Viuva Vicira & Flhos, na
    ra da Cadeia do Itecife, n. 2*, chegaram
    no vapor inglez Tay, os mu afortunados bi-
    lhetes, meios, quartos, oitavos e vigsimos
    da 11.a loteria do Santissimo Sacramento
    da Corte, os quaes trocam-se por bilhetes
    , remiados da loteria da Matriz da Boa Vista.
    IllllictcN do Rio de Janeiro.
    aos 30:000,000 rs.
    Na run estreita do Itozario, travessa do
    Queimado, lja do miudezas n. 2 A. de Joa-
    quim Francisco dos Santos Mi, vendem-se
    os muitoafortunados bellietes, meios, quar-
    los, oitavos e vigsimos da II.' loteria do
    Santissimo Sacramento, recebem-se em pa-
    gamento bilhetes premiados de oulras
    quar-squer loteras do imperio, alm dos
    muitos premos.qne esta casa tem vendido
    que o propietario tem deixado de annun-
    ciar, vendeti ltimamente das casas da ca-
    ridade o meio bilhete n. *,685 com 1 000/
    e dous oitavos de ns. 1,852 com *00# cada
    um.
    -- Vendem-se 2 doutrinas das arcOes, por
    rreco commodo : no Aterro da Boa Vista
    n. 62, loja de funileiro que faz esquina pa-
    ra a ra da Anrora.
    CARTAS.
    Ni ra da Calinga, loja d miudezas de
    Francisco Antonio SimOei, vendom-se car-
    tas france'zas fina', proprias para voltarete.
    Loteria do Rio de Janeiro.
    ans 20:000,000 db s.
    Na Praca da Independencia, loja de miu-
    dezas n. 3, que foltl para a rua do Queima-
    do e Crespo, vendom-se bilhetes, meios,
    quartos, oitavos o vigsimos, da loteria de
    cima primeira a ben 'ficio do Santissimo Sa-
    cramento, enamesTia loja mostram-se as
    lisias das que j correram.
    U:i|x mo Cordetro, superior.
    Viajad) do Rio de Janeiro ao Para: na rua
    da Cruz do Recife, venia 11. 57.
    Vendu-seuma vacca de muito boa ra-
    fa : a ti atar nos Remedios sitia da enge-
    nhoc 1. ou na venda ao p da ponte" n. 6.
    Vende-se uma n?gra moqa, sem vicio,
    sabe cozinhar, engommar c vender na rua :
    no Pateo do Terr;o, cisi n. 33 .
    O antlgo banit-lrodo Pnuelo Pu-
    blico, loja n. II. de, ITIi'iniano
    .irse Rodrigues Ferrelra.
    Tem superiores cortes de vesti los de sar-
    jelinasdo seda, fnzowda de muito gosto, as-
    sim como corles da msma f.izmda listra-
    dos de cores, pannos finos de todas as qua-
    lidades e cores, setins lavrado?, sarjas pre-
    tss, marinos, chitas franczis largas, brim
    transad i do linho puro, fazenda de gosto,
    casimiras pretas, cortes de ditas de cores
    chapeos do mass t frnnceza, chales de todas
    as qualidades e gostns, vestidos de se la,
    rlseidos francezas, cortes de casimira de
    algodao, ao barato pteqn de 1,400 rs len-
    cos de chitas francezes, imitan lo aseda,
    muito lindos, a 100 rs., madapoloM d 3 to-
    las as qualidades, chitas finas e de todos os
    precos, setim preto maco, cortes de chi-
    tas cassis, a 2,000, 2,800 e 3,000 rs., es-
    guiOes de linho, bretanhas, linhos diqua-
    dros, tapetes, cortes do coletes de cores,
    muito baratos, fustOes superiores a 800 rs.
    o corle, meias finas superiores, para se-
    nhoras, luvas decores, ier.Qos de mUo, hi-
    cos, lencos de sedas eoutras muitas fazen-
    das, que se vendera a presos que agrilla-
    rlo aos compra lores.
    Vende-se um cavallinhocastanho, que
    anda baixo at meio, por preco commodo :
    na rua do Rozario Estreita n. 8.
    - Vehde-se um bom negro mestre refi.
    nadar de assucar, coiinha odi-no de um-
    casa, proprio para o campo por "'goma
    pratica, niuito fleleaem vicos : na rua da
    ConceiQo da Boa Vista n. 9.
    - Vende-se uma escrava creoula, de 16
    annos, sabe cozerch3o, Ijvarinto-engom-
    mar? aadla e sem def-ito 1 na Boa Viata, rua
    daS. Cruz, casa n. 7*.
    .. Vende-se um bonito moleque, de IjMg
    de de 16 a 18 annos : no Aterro ds Boa Vis-
    ta n. 4, primeiro andar.
    I 111:1 bonita escrava engom-
    madeira.
    Vende-so nma bonita escrava engomma-
    leira, coiinha et-im boa conducta, oque
    se afianca dobaito de palavra : na rua larga
    lo Itozario, venda n. 39.
    A 2$5oo rs., o par.
    Sapatoes de lustro, a 2,500 rs., o par: no
    Aterro da Boa Vista, loja de calsado n. 58,
    junto ao seleiro.
    Atienco.
    Na loja que foi do fallecido Jos Pinto da
    Fonseca e Silva, na rua Nova n. 21, vendem-
    se pelo cusi, para liquidado, as memo-
    res fazendas vindas da europa o proprias
    deste mercado, a saber : -- bicos de varias
    qualidades, luvas, fitas, sedas para vesti-
    dos, perfumaras, fil, ricos aparelhosde
    porcelana para cha, cristaes, diferentes ins-
    trumentos de muzica, proprios nllo sopara
    orchestras, como tambem para bandas mi-
    litares, e outros muitos objectoi, qu ,8"
    rSo patentes aos amadores do bom e naraio.
    Lotera do RSo de Janeiro.
    aos 30:000,000 de rs.
    Na cat feliz
    Dos quatro cantos da rua do Queimado,
    loja de fazendas n 20, vendem-so os muito
    afortunados bilhete?, meios, quartos, oita-
    vos e vigsimos da decima primeira lotera
    do Santissimo Sacramento, cuja lista se es-
    pera at o dia 28, na mesma loja se mostra
    alista d loteria da Boa Vista e trocara-sc
    os bilhetos premiados pelos os do Itio.
    -- Ven le so nma boa escrava, ensigne en-
    gommadeira e costureira, borda e faz doces,
    holinhos de todas es qualidades, r se ven-
    de para fra da provincia ; 2 ditas que en-
    gommam e cozinham bem; 3 ditas muito
    boas quitandeiras ; 3 moloques de. 2d an-
    nos, bons para todo o servico : na rua da
    Cad.ua do Itecife n. 51, primeiro andar.
    = Vende-se urna negra, a ilha denominada
    S Joao llaplisla, ao pedos Afogados'com cento
    e lautos ps de coqueiros com duas grandes ca-
    sas de pedra c cal, dous grandes viveiros, e
    com bastante terreno para plantacdes mor-
    monte capiui, que d com abundancia, um
    sitio etu Mein Fica ao p da eslrada nova con
    grande casa de vivenda, todo murado, com
    lous porto*! de ferros e cocheira para caval-
    los. e cairinho, com grande poco d'agua de
    beber, e bastante arvoredo d'fruto principal-
    mente larangeiras, duas parelhas de embono
    de sedro para barcaca, duas lanxas e um bote
    velho, uma crreme grossa de ferro para na-
    vio, urna amarra de cabo de linho, urna bolea
    para navio, e 3 travs j preparadas tudo por
    preco commodo: na rua da Cadeia do Recife
    n. 54, vende-se mas una porcSo de cobre ve-
    lho de navio, e urna porfo de couro de cabra
    coludo.
    ( 11 "vin-ni ao barato.
    Na mi da Cadeia do Reclfe n. 5l vende-te
    pelo diminuto preco de 500 rs. cada uma, saias
    brancas de caca de cordaotlnhopara senhora,
    e torniio.se muito agradaveis, nao s pelo pre-
    co como porque as senhoras inglesas e fran-
    cezas, apreciam muito, na mesma se vende
    picote trancado para saias, e carnizas deescra-
    vas a 180 rs. o covado, assim como outras mui-
    tas fazendas por diminuto preco.
    Compram-se e vendem-se
    escravos, e recebem-se de com-
    misso, tanto para dentro como
    para fra desta provincia, e tam-
    bem se adianta dinheiro sobre os
    de commissoes, .tendo bonitas fi-
    guras, sem se levar juros : na rua
    das Larangeiras 11. 14 segundo
    adar.
    Gasa de commss3o de escravos.
    Vendem-se escravos e recebem-
    se de commisso, tanto para a pro-
    vincia como para fra della, para
    o que se olTerece muitas garantas
    a seus donos na rua da Cadeia do
    l\ecife.n. 51, primeiro andar.
    E MAIS OFFIQINAS
    NA
    Rua Imperial n. 118c 12o, e deposito na rua Nova 11. 33.
    Rcspcitofamenteavisam ao publico, o particularmente tos Srs. de engenhos e des-
    tiladores, etc., que este eslabelecimento se acba completamente montado, com as pro-
    poreflea n cessnriss, para desempemhar qualquer machina, ou obra consernente ao mea-
    tno. O mesmos chamara a atlencar8 as seguinles obras, as quaes construidas em sua
    fabrica competem com as fabricadas na Europa, na quahdade e m3o de obra, e por me-
    nos preco, a saber : ..
    MACHINAS continuas de destilar, pelo methodo do autorjrancez ;l)erosne, ai mo-
    Itiores machinas, que para elste fim at hoje tem apparecido.
    ALAMBIQUES de cobre de todas as dimensoes.
    TODOS OS COBRES necossarios para o abrico de assucar.
    TAIXOS DE COBRE para refinacao.
    TAIXAS UITO para engenho.
    DITAS DITO movis para dito.
    BOMBAS l)E COBRE de picote, de repucho, de roda e de pndulas.
    ESCR1VAMNHAS de lalSo dos roelhores modellos.
    DITAS DITO galvanisadas.
    SINOS de todos os tamaitos.
    OS AI'BECIAVEIS fogoes de ferro econmicos.
    BURRAS de ferro as mais bem construidas.
    CARROS dito de mSo.
    PORTOES de ferro.
    VARANDAS dito.
    I CUAIHAMENTOS dito.
    TAIXAS dito.
    CALUE1RAS dito.

    ILEGIVEL


    *.
    Cera de carnauba.
    O 'mais Superior que lia neste genero, ven-
    dc-se em porco c a retalho : na ra da Cadeia
    lo Recife, loja u. 50 de Cunta & Ainorim.
    Vndese resina do angico a retalho e
    por atacado, a 320 rs., a libra : na ra da
    Cadeia do Recife, Moja de JoSo Jos de Car-
    valho Moraes.
    A 2,000 rs. n peelnha.
    Na loja da ra do Queimado n. 3, defren-
    te do becco do Peixe Frito, vendem-sc pc-
    cinhas de cassa chita de muito lindos pa-
    * IrOes, pelo baratissimo proco do 2,000 rs. a
    pecinha, dar-se-ho amostras com o com-
    petente penbor.
    IVovas rambrnins para vestidos.
    Na ra do Crespo, loja da esquina, quo
    vira para a Cadeia, vendom-sc cortes de
    catnbraias, com listras decores,a 3,fi00rs.,
    00 covado, a320rs. ; ditas desaljeos de
    cor a 3,000 rs., o o covado, a 300 rs. ; pecas
    de cassas abertas para mosqueteiros.a 3,000
    rs.; chitas de cores li xa- e bonitos padrfles,
    a 5,000 e 5,500 rs., a pega ; ditas de mada-
    poli5o largos para forro, a 2,400 rs. e outras
    fazondas, por pregos commodos.
    Deposito da fabrica de Todos os
    Santos na ISalila.
    Vende-se, em casa deN. O. Rieber&C.,
    na ra da Cruz n. 4, algodn transado ila-
    quella fabrica, muito proprio para saceos de
    assucar e roupa de escravos, por prego com-
    mqio.
    redes ni: marca.
    Vende-sc lindas redes demarca, por comino-
    do preco, na rua da Cadeia do lleclfe 11. 23.
    VVAf f f f W ff Wf Wff f V
    * Arados americanos. "2
    * *'
    j^. Vendem-se arados americanos ver- ^
    dadeiros, chegados dos Estados- 4%
    '& Unidos : na rua do Trapiche n. 8. A A V* A <> *> ft IbA A ". :*i *
    Cera de carnauba.
    No armazem de Domingos Rodrigues de
    Andrade& Companhia, na rua dosTanoci-
    ros n. 5, vende-a^ superior cera de carnau-
    ba, ltimamente vindas do Aracaty, em
    porgHo e a retalho, por menos prego que
    em outra qualquer parte, assim como sola e
    couros miudos.
    Corte de casimira de cor c prcta.
    5^ Cortes de casimira preta, muito li-
    nos, a 5,000 rs., o corte ; ditos de cores de
    muito bom gosto, a 6,400 rs. ; cortes de
    cambraias de listras de cores, muilo finas,
    a 3,600 rs. ; ditas com salpicos tambemde
    cores, a 3,000 rs. ; carapuca re algodilo de
    cores, a 240 rs., cada una e oulras muitas
    fazendas de bom gosto, por diminuto pre-
    co : na rua do Crespo 11. 6.
    Vende-se a terca parte da
    fazenda denominada Alaria de Mel-
    lo, situada na Hibeira do Hio da
    Parabila, distan'e de Pedras de
    Fogo 7 legoas, cuja inzenda tem 1
    legoas de comprido e meia de lar-
    go, com Ierras de plantadlo deal-
    godo e criacao de gado, boa casa
    de vivenda com ollicina de fazer
    azei'e, macbina de descarocar al
    godao e prensa de enfardar, po-
    dendo o comprador escolher a par-
    te que mais llie convier : trata-se
    en Pedras de logo com o Sr. An-
    tonio Dantas Correia Jnior, e no
    Recife, com Luiz Antonio l'erei-
    ra na rua do Queimado foja
    n. 10.
    Veiidem-se cortes lio vestido declli-M
    4 ta, de padro s muito bonitos i-ni.--,.w
    , lixus, a 1,600 rs T:ada corle ; ditos %
    ft) do cassa de cores tambem fixas, a &
    t. 1,760 rs. ; albaca de algodao msela- fr
    4 da, propria para casacas c palitos, a
    O 280 rs., o covado ; cortes de calsade +
    meia casimira, padies tal e qual de ?
    (4 casimira, a 3,000 rs., o coi te, eoutras 9
    i, niuitas fazendas barslas: na loja do y*
    ;$ sobrado amarillo, nos qualro cantos ? da rua do Queimado 0,89, 4
    ; Cha ni I os.
    Vendem-se os verdadeiros charutos da
    llavana, desupeiiur qualidade : na ruada
    Cruz n. 4.
    Ganen 1111 telada a 28o rs. o
    covado.
    - Defronlc do becco do Pcixe frito n. 3, vnde-
    le ganga modada de quatro palmos reforca-
    dos de largura pelo baratissimo preco de qua-
    torze vintcs o covado, esla fazenda he recoiii-
    inendavel nao t para jaquclas c calcas, como
    tambem para palitos e casacos.
    Vinl'o do porto,
    Vende-se vinho do Porto, de .superior
    qualidade, engarrafado cen barriz: na rua
    da Cruz n 4.
    Deposito de salitre.
    Vende-se salitre refinado em grandes e
    pequeas porcOcs, por mais barato preco
    do que em outra qualquer parte: na toja
    dj ferragens de Francisco Custodio de Sam-
    paio, na rua da Cadeia do Itecife n.56.
    Vendem-se chapeos linos de pello,
    francezes, a 5 c 6,000 rs. : na rua Nova, lo-
    ja n 23, de Antonio Comes Villar.
    Vende-se um cabriolel descolarlo ,
    muito elegante e do ptima conatxuccBo,
    com cvalo, ou ser elle : na rua da Cadeia
    do Recife n. t.
    Vendem-se couros garroteados bren-
    eos, viudos da Babia : na Praga do Com-
    mercio n. 2, primeiro andar.
    Vende-se um sobrado do 2 andares e
    sotflo, na rua da Cuia n. 36, com armazem
    no fundo, e com a frente para a rua do A-
    pollo n. 7 i trata-se na rua do Queimado,
    loja ii. 17.
    Vendem-se 2 escravas, urna preta mo-
    ca e bonita, que cozinha, Uva de sabSo e
    varrcla, e faz os mais arranjos de casa, urna
    mulata tnoga.q'jc cozo, cozinha, engomma
    e faz o ni iis servir;.! de rasa. com perleigSo :
    na rua Larga do Itozarin, loja n. 35.
    Vovos cortes de chita a 1,76o, 2 e
    2.2oo rs. c mailapolo liuipo a
    2.2oo rs. apee.'i.
    Na rua do Crespo, loja da esquina que
    vo'ta para a Cadeia, ven le-se corles de chi-
    ta com 12ioyados liitetrusa 1,760, 2e 2,200
    rs., lindos cites de casimira de boa quali-
    daie 6,400 rs., e os milito acreditlo* co-
    bertores de tapete a 720 rs. e outras mui-
    tas fazeudas por prego commodo.
    Vende-se sal do Assi a bordo da escu-
    na nacional Varia Frmiw.fundeada na vol-
    ta do Forte do Matto, trata-so com o capi-
    tlo a bordo ou com o crwsignatarl da mes-
    ma Luiz Jos de S Araujo, rua da Cruz
    n. 33.
    S Vendem-se pecas do chita, conten- (|
    ^ do 4, 5 e 6 redages de dilTcrentes pa- f ;>
    % drOes a 100 rs. o covado; dilasde f)
    8 superior qualidade e gosto a 120 rs., &
    % he esta a fazenla mais barata quo
    <9 tomappareoido : na loja do sobrado >
    ,SJ amarello da rua do Queimado n. 2!>. fr?
    Vende-so o engenho l'rejuhi, na fre-
    guezia de guarass, moento o correte,
    com safra criada, terp boas madsiras e por-
    to de embarque i quem o pretender cnten-
    da-secom Francisco Cavalcanti Jaime GI-
    vo, proprietario o morador no mesmo.
    Vendem-se lOescravos, sendo 2 mole-
    cotes, de idade de 16 a 20 annos, um delles
    ho odicial itepedreiro; 1 dito de meia ida-
    de ; 2 negrinhas de 16 a 18 annos, creoulis;
    4 ditas boas quitandeiras; 1 escrava de ida-
    de de 16 annos, coze, engomma e cozinha,
    de bonita Figura : na rua Direita n. 3.
    Vendem-se bragos do balanza proprios
    para balco do autor Romflo peneiras
    grandes desrame e perfuma lores de latSo:
    na loja do ferragens n. 56 A, de Antonio Joa-
    quim Vidal, na rm da Cadeia do Itecife.
    A tK ll( ao !
    isa rua da Cadeia do Recife, loja de Cu-
    nta & Amorim n. 50, vendem-se corles de
    casemiras escuras, pelo barato proco de
    ; 4,000 rs. o corte, panno msela Jo para pa-
    litos a 2,000 rs. o covado, madapolSo muito
    soflrivel a 2,500 rs. a pega e lino a 3,400 e
    4,000 rs riscadiuhos muito linos e largos,
    fazenda que nilo desbota a 200 rs. o covado,
    ditos de cassa a!60rs. o covado, chapeos
    de sol de seda a 5,000 rs. e outras multas
    fazendas por presos baralissimos como cha-
    les de 13a escuros a 1,600 rs., panno fino
    astil a 3,500 rs., c verde a 4,600 rs. o co-
    vado
    Lavas de pellica a l,Ooo rs. o par
    Na rua do Queimado, defronle do becco
    do I'eixe Frito, vende-so luvas de pellica
    ponto inglez para homem muito finas, pelo
    baratissimo prego de cinco patacas o par.
    Vende-sc
    inanteiga ingleza a 560,610 e720 rs. a libra,
    dita franceza a 500 e 560 rs., vinho verde
    superior a 200 rs. a garrafa, caf primeira
    snrte a 160 rs. a libra e em porgfio mais em
    conta ervilhas a 160 rs., Iinguicas do Rio a
    400 rs., tas da Ierra a 320 rs. a libia, pa-
    pe! azul prelina a 2,800 rs. a resma e todos
    os mais gneros a proporc3o : as rua das
    Cruzes primeira venda pintada de azul,
    Vende-se rap de Lisboa em frascos,
    chegado na barca Ligara, os Srs. freguezes
    que estilo acostumados a lomar a boa pita-
    da, nao deisarSo de mandar buscar ao lar-
    go da Assembla n. 4.
    Vendem-se boas peneiras de rame,
    proprias para refiuacVs e padarias, e bra-
    cos de bjlanga para baldo, muito superio-
    res, viudos de Lisboa pela I.igeira, ludo por
    prego commodo : na rua Direita n. 10.
    Vende se um oculo do ver ao longe,
    por prego barato : na rua do Crespo, loja
    n.2.
    -- Na Boa Vista travessa do Martin* n. 5,
    tem excellcnle Vinho secco de caj para se
    vender, assim como de ginipapo o manga,
    estes dous sOo doces.
    -- Vcnde-se urna escrava creoula, com al-
    gumas habilidades, principalmente em co-
    zinliar he perfeita : na rua do Fogo o. 23.
    -- Vende-so um aderego de ouro, com-
    pleto, ou em partes: defroute do Quartel de
    polica n. 17.
    No Caes da Alfandega, armazem do An-
    tonio Atines Jacome Pires, venJe-se tzeilc
    doce lino, em garrafes de tres caadas, ca-
    da um, por prego eomiiiodo.
    RICOS yLADROS.
    Vende-sc urna colegSo de estampas, meti-
    das em qtiadros ricos, dos amores do prin-
    cipe Pedro com I). Ignez de Castro: na
    rua do Crespo n. 1.
    % (!!fVende-se una propiiedade, com +
    A iilli.n i ii i es commodos, situada na Pas- &
    - sagem da Magdalena : trata-sc na mes-
    ? mi I'assagem, venda n. 13, ou annuncic %
    ~% para ser procurado. %
    Vende-se uina parda escura, boa consi-
    nl f ira, engomma, lava bem de sabao, muito
    moca c sadia, una preta de nacao de meia
    idade. Dallaba, faz todo o mais servico de
    nina casa, e boa quitandeira na rua do Rangel
    n. 38 segundo andar.
    Attenco.
    Ao bom e barato.
    Conlinua-se a vender como antea a qui em
    o alterro da lloa-Vista n. 54 venda ao p da
    loja do Sr, Estima, e em a rua Nova n. 71
    venda ao p da ponte, inanteiga pelos ines-
    inos precoa, como autes igualmente os mes-
    inos gneros como consta dos annnncios j
    publicados, pois a inanteiga lie pcxinctia para
    os bollos de S, Joao, e S. Pedro.
    "Carros de niao, mui bem feilos ptimos
    para sitio, ou obras, na | i n, i da Iioa-Visu
    n. (i ou por detras do tliealro velho armascm
    de taboas de plnho.
    A 2*">oo rs.
    Vende-se couro de lustro de muito boa qua-
    lidade a 2,500 rs. a pclle em grandes e peque
    as porcoes na ina da Cadeia n. 5Uloja de Fran-
    cisco Custodio de Sampaio.
    N 9 i /,
    *> 2 ^
    5 o
    . e o

    "3 = o
    s2='JgS
    te'
    5 "l.
    -5
    VI u i o >
    fc. O t- o
    2 S- ".
    i -i
    - c
    aa O m
    ^7 -
    > 5
    : m
    = to m z
    5. o- 5
    0.2^3
    s i
    3 a. a o
    o a _

    O i- .3 S -, Q O 1- C_Nw=
    ' ^ (A g
    o
    .3 V c S 5 3

    _ a -
    - Iliu *l5s
    z. = t = ;.
    Vende-se um relngio de parede, chamado
    regulador com caixa de inadeira, c inacane
    tas .un.! 11 l i.. proprlo para alguma inatris, ou
    reparticao publica quem o pretander falle ni
    r o i da Cadeia do Itecife na casa a. 59 que acha-
    ra com quem tractar.
    \a loja diis m portas cntrente
    (lo l.i\ raim uto
    Continua a vender por precos que faz conta
    comprar. Vende pecas d'algodozinho a sei>
    patacas, cortes d'casemira de cores bonitas a
    5,000 r> chapeos francezes da ultima moda
    a 6,000 rs., dlttos de mola a 5,000 r. chapeos
    de sol de pantnho com aapas de balela a un-
    co patacas, e de junco a quatro patacas e to-
    doa os mala objectos por precos rasoavels.
    Loja das seis portas em frente W
    Ltvrimcnto.
    Continua vender barato: cassa preta a
    120 rs., cassa de cores pintadas e bordadas
    a 240 rs., o covado, chitas a 120 140 160 180 200
    rs. finas, lencos de cassa para mao de aenbo-
    raa a 24o r. lencos de cassa grandes para ca-
    bera a 320 rs., e bordados a 400 rs., cortes de
    chita com l2 covados em pedacos a 2,000 rs.
    luvas preta de seda c de trocal por precos ba-
    ratos, riscadlnhos francezes c alpacas de co-
    res, propriaa para capotinho, e um completo
    sorlimento de fazendas mais baratas que em
    outra qualquer loja: tanto a retalho como em
    porcea. ,
    = Vende-ae um relogio de repetlcao d al-
    gibeira concertado de pouco ; da-se pelo con-
    cert (11,000 rs.) l'raca da Independencia n.
    14.
    Sopa de ervas.
    Chegada ltimamente de Lisboa: na ru
    do Trapichen. 9. armazem de assucar, por
    bailo do Hotel Francisco.
    Verdadeiro vinho muicatel de Silubal.
    Em caixas de 12 garrafas : na rua do Tra-
    piche n. 9.
    Vende-se urna prela, de idade de 20
    annos, de bonita figura, boa quitandeira,
    cozinha o diario de urna casa : na rua do
    Pilar n. 145. -
    Mata Ramos & C, na rua Nova n..
    Acaba de reeeber do Hio de Janeiro os
    romanses, a Moreninha, com estampas, e a
    muzica da Balada n > rochedo, o Mogo l.oi-
    ro2volumcs, por Joaquim Manuel do Ma-
    cado.
    I'echincha para os tapateiros.
    Na loja de miudezas da rua Larga do Ro-
    zarlo n. 26, vende-se couro de lustro, pelo
    barato prego de 2,000xs a pelle.
    Ao bello sexo l'ernambuco.
    Na loj de miudetas da rua do Queimado
    n. 16 existe a venda una pequea quantidade
    de lindissimas balas de estalo, feitas de papel
    ricamente pintados, e contendo cada uina duas
    sortes e uina amendoa confeitada, para de-
    vertimentos das bellas pernainbucanas, nat
    vesporat dos milagrosos s. Joo e S. Pedro: a
    ellas antes que se acabem.
    Vende-se o armazem de sal da rua Impe-
    rial n. 53 com mais alguns gneros da trra
    assim como tambem algumas miudezas a ira-
    tai na inesina rua n: 37.
    Vende-se multo barato
    um sobrado no largo do Paraizo, de dous anda-
    res, cozinba fura, com muitns commodos,
    quintal, e cacimba independ ule a pessoa
    que pretender fazer negocio, dirija-se ao Ater-
    ro da Boa Vista, a tratar com a viuvadeJos
    Ignacio do tlonte.
    Agencia de Edwin Maw.
    Na rua re Apollo n. ti, armazem de Me. Cal-
    iiinni.\ Companhia, acha-ae constantemente
    bons sortimentos de talxa de ferro coado e
    batido, tanto rasa como fundas, moendas in-
    teiras todas de ferro para animaes, agoa, etc.,
    ditas para armar em inadeira de todos os ta-
    maitos e modetlos o mais moderno, machina
    liini.sont.il para vapor, com forca de 4 caval-
    los, coucos, passadeiras de ferro estanliado
    para casa de pulgar, por menos preco que os
    de cobre, escovens para navios,, .ferro inglez
    tautocm barras como em arcos llhas, e tudo
    por barato preco.
    Moendas superiores.
    Na fundigo de C. Starr & Companhia,
    em S.-Amaro, acham-se venda moendas
    do caima, todas de ferro, de um modelo e
    construcgfio muito superior
    Arados de ferro.
    Na fundigSo da Aurora, em S. Amaro,
    vendem-se arados de ferro de diversos mo-
    delos.
    Deposito de tecidos da labri- i
    ca de Todos os Santos,
    na Baha. <
    Vende-se em casa de Domingos Al- *
    4f ves Matheus, na rua da Cruz do Re- J|
    cifen.52, primeiro andar, algodSo J
    ^ transado daquella fabrica, muito pro- s
    J prio para saceos e roupa de escra- ^
    * vos, assim como fio proprio para re-
    !~j des de pescar e pavios pare vellas, ^g
    ..y por prego muito commodo. <;
    .'>ft A *.%K.A *.*4.*. \*f,4AA.A
    BRESTOL SALSAPARUILIIA AMERICANA
    Melhor e mais extraordinaria do mundo.
    Pieservaliva infallivel contra as febres.
    A salsa parrilba original egenuia de Hres-
    lol possue todas as virtudes para curar to
    das as enfermidades que provm de um es-
    lado de impureza desangue das secrecgOe-
    morvidas do figado e estomago, e em los
    dos os casos que iiecessilam remedios para
    purificar o robustecer o sistema. Em' to-
    dos os casos de escrophulas, erisipelas, ti-
    nhaerupges cutneas, manchas, bilis, eno
    flamagoo debilidade nosolhos, inchagSs
    das }.-l.imilas, dures lombares, alfecgOes
    rheumlicas, duros nos ossos e as juntaa
    ii\ lo-pe-ia, despepsia, asthmo, dearrhee
    desenleria, tosse resfriados, enflammagSo
    do pulmes phthisica quando provm da
    obsliugodos bronchios em pessoas escru-
    pulosas, enfluenza, indigestao, ictericia
    debilidade geral do systema nervoso, febres
    agudas, calores, enormidades das molhe-
    res enfermidades beliosas, e em todas as
    afecgOes provenientes de uso moderado do
    mercurio. Esta salsa parrilba se emprega
    com efllcacia em todos os sobreditos casos,
    e be reconhecida como a melhor medicina
    que existe. Os frascos de salsa de Rristol
    teem mais de quatro tamanhos dos de sal-
    sa de Samis entretanto que os de Bristol
    sevendem por 5,000 rs. eos de Sands por
    3,000 rs. Deposito central no Rio de Janei-
    ro, casa de Vital I.apupe, e em l'ernambuco
    na botica de Jos Mara Gongalves Ramos,
    na ruadosQuarteis pegado ao quartel de
    polica.
    --No armazem da rua da Moeda n. 7, con-
    tinua-se a vender laceas com superior colla
    das fabricas do Rio Grande do sul, e opreco
    em conta,
    GPAXA ECONMICA F.M MANSA.
    Do insigne fabricante americano, James Ma-
    sn. A Ma composicao he feita de propoailo
    para lustrar com agua e conservar o lustro,
    tanto de invern como de vero a grande
    vantagein que lia nesta graxa he a coniervaco
    do calcado, e luatrarem-se os sapatoa ou bo-
    tins hihI.i mesmo molhados, e una pequea
    latta aturar mais de que tres boies e custar
    menos do que um. Vende-e em barricas,
    ou porcao de duziaa, no armazem de Vicente
    Ferreira da Costa, na rua da Madre-de nligo deposito de cal
    virgem.
    Na rua do Trapiche, n. i-, i,a
    muilo superior cal nova em pedra,
    chegada ltimamente de Lisboa
    na barca Ligeira.
    Ven lem-se as seguintes se-
    mentes:
    de abos, dita de ditas ingleas, ditas de r-
    banos encarnadas, ditas brancas, dita de ce-
    bolas de Setubal, dita do alface allamaa,
    ditas repolhuda, ditas de c6ve trinchada, d -
    tai de senoura amarellas. ditas de chicoria, di-
    ta, de coentro de toceira, ditas de aalaa. ditas
    de tomates grandes, ditas de repolbo, ditas ae
    espinafre. diU. de plpinella, ditas de, aino,
    fciiao, carrapato de tre qualidade, ervilhas
    tortas e dlreitas, rabanetes encarnados e bran-
    co: na rua da Cruz n. 46, defronte do Dr.
    Cosme. Namcsina casa vendem-se queljo ln-
    flezes muito frescae.
    'azendas por a metade de seu va-
    lor, na rua do Crespn.6.
    Cortes de chita finas, com 12 covados, a
    1 9*0 rs-; dito de cassa chita, a 2,*00 e 2,800
    rs chapeos de maga pretos. a 800 e 1,000
    rs"' corles de brim listrado de linho puro
    a 2,000 rs.; alparka de cordo proprias para
    casacas o sobrecasacas, a 800 rs., o covado
    e muitas outras fazendas baratas: na loja
    cima referida.
    Vende-so um grande sitio no lugar do
    Manguinho, que lica defronte dos sitios dos
    Srs. Carneiros, com grande casa de viven-
    da, de quatro agoas, grande senzalla, co-
    cheira, estribara, baixa de capim que sus-
    tenta 3 a 4 cavallos, grande cacimba, com
    bomba e tanque coberto para banho bas-
    tantes arvoredos de fructo: na rua da Con-
    cordia.primeiro sobrado novo de um andar
    AGEINC1A
    da fundico Low-Moor.
    RUA DA SENZALLA NOVA N. 42.
    Neste estabeleeimento conti-
    na a haver um completo 9orti-
    mento de moendas o meias moen
    das para engenho, machinas de
    vapor, e taixas de ferro batido l
    coado, de todos os tamanhos, pa
    ra dito.
    Vendem -se na travessa da Madre
    Dos n. 5.
    Erva matte.
    Fumo em folha.
    Farinha de mandioca.
    Gigos de garrafas pretas
    brancas.
    Holhas para ditas.
    Ancoras de peroba.
    Conlinua-sc a vender agoa de fazer ao
    cabellos e uUa pretas : na rua do Quelmdo.
    leja de ferragen n. 31.
    Vendem-se amarras de ferro: na
    la Senzalla nova n. 42.
    Moinhos de vento
    eom bombas de repucho para regar luirlas
    d baixas de capim : vendem-se na fundigao
    de Bowman & Me. Callum, na rua do lirum
    ns. 6, 8 etO.
    Bombas de ferro.
    Vendem-se bombas de repuxo,
    pndulas e picota para cacimba :
    na rua do Brum ns. 6, 8 e 10,
    fundico de ferro.
    Arados de ferro.
    Vendem-se arados de diversos
    modelos, assim como americanos
    com cambo de sicupira e bracos
    de ferro : na fundico da rua do
    Brum ns. 6, 8 e io.
    Taixas para engenho.
    Na fundigao de ferro da rua do Brum,
    acaba-se de reeeber um completo sortlmeo-
    to de taixas de 3 a 8 palmos de bocea, as
    quaas acham-se a venda por prego com-
    modo, e com promptidSo embarcam-se, ou
    carregam-se em carros sem dos pozas ao
    comprador.
    Vende-se
    Arroz de casca,
    Farello novo,
    Cha prelo,
    Chumbo de municSo,
    Cimento,
    vende-se tudo por pregn commodos : no
    armazem de J. J. Tasso Jnior, na rua do
    Amorim n. 35.
    kna do Crespo n. 10.
    Loja de Ignacio Luilde Drilo Taborda,
    Vendem-se:
    Manteletes denobreza pieta 16,000
    Cortes de cambraia seda para vestidos 8,000
    tem fri a 720 r. cada um, corte de- brim
    branco trancado de linho puro a 1,800 rs., di-
    tos escuro a 1,600 rs. o corte, ritcado de li-
    nho a 220 e 320 rs. o covado, rlscado de algo-
    dao trancado multo cncorpado proprio para,
    eicravo a 180 e aOO rt. o covado, picote a 180
    rs o covado, zuarte azul de 5 palmos de lar-
    gura a ?40 rs. o covado, dito de cor a 200 rs. o
    covado, rucado francez multo linos a U0 rs. o
    covado, chita para cobertas de cores fitas a 200
    r. o covado, ditas para venido a 160 e )80rs.,
    cassa chita core fixas a 440 rs. a vara, casto-
    res proprlo para palitos a 280 rs. o covado,
    pecas de cassa de quadros para babadoa e cor-
    tinado de cama com 8 varas e meia a 3,400
    rs., cbapo de massa para cscravos a 480 rs.
    cada um : na rua do Crespo n. 6.
    Potassa da Russla.
    Vende-se potassa da Russia, recentomen-
    te chegada, e de muito superior qualidade,
    na rua do Trapiche n. 17.
    Tecido de algodao trancado na fa-
    brica de Todos os Santos.
    Na rua da Cadeia n. 5a,
    vendem-ise por atacado duas 'qualidade?
    proprias para saceos de assucar o ,*e roupa
    escravos
    rua
    ** DO B0s
    para curar da phlysica em todos os seus
    diflerentcs graos, ou motivada por consti-
    pagOes, tosse, aslhma, pleuriz, escarrosde
    sangue, drde costas e peitos", palpitagSo
    nocoragSo, coqueluche, bronchites dOr
    de garganta e todas as molestias dos or-
    g3os pulmonares.
    De todas as molestias que porheranca fi-
    cam ao corpo humano, nenhuma ha que
    mais destruitiva tonha sido, ou quo tenhi
    zombado dos esforgos dos homens mais
    eminentes em medicina do que aquella
    que he geralmente gonhecida por moles-
    tia no bofe. Era varias pocas do se-
    culo passado, tendo-se offerecido ao publi-
    co differenles remedios com attestados das
    extraordinarias curas quo elle tem Jeito;
    porm quasi que em todos os casos a ilusao
    tem sido apenas passageira e o doente
    torna a recahir em peor estado do queise
    achava antes de applicar o remedio ISo re-
    commendado outro tanto 1180 acontece
    com este extraordinario
    Xarope de bosque.
    Novaos & Companhia, os nicos agentes
    nesta cidade provincia, e nomeados pelos
    Snrs. R. C. Yates & Companhia, agentes
    geraes no Rio-de-Janeiro mudaram o de-
    posito deste xarope para a botica do Snr.
    Jos MariaG. Ramos, na rua dos Quarleis,
    n. 12, junto ao quartel de polica, onde
    empre acharo o nico, e verdadeiro, a
    S5500 rs. a garrafa, e a 3,000 rs. meias gar-
    rafas.
    Vendem-se relogios d ou-
    ro eprata, patente inglez: na rua
    da Senzalla Nova n. 4a*
    Cal virgem em pedra.
    Chegada Je Lisboa pela barca Blnraaridd, ven
    de-se no armazem de Silva Barroca, rua ja
    llruiu n. 2li.
    Vende-se cobre metal ama-
    dlo e prego para forro de navio : por preco
    commodo, em casa de A. V. da Silva Barroca,
    rua da Cadeia do Recife n. 42.
    Mimos do Co, o covado
    Cambraia de quadros de cores
    Ritos do ditos com toque de mofo
    liiscado monstro
    Murgulina prela para vestidos
    Chita escura para coberta, padrOes
    modernos
    Dita franceza dito dito, de dito
    Atoalhado de linho cru
    Setim da china, proprios para cole-
    les, goudulas e palitos
    Longos branros o pintados
    Ditos de 13a e seda
    liiii s de seda de cores
    Ritos de dita dita superiores
    Ditos de dita braocos
    Luvas de seda de cores, para homem
    Cortes defustSo para coletes
    Ditos de dito francez dito
    800
    300
    200
    180
    800
    240
    320
    1,000
    4,000
    210
    1.50o
    1,600
    2,000
    2.2lo
    800
    800
    2,000
    Escravos fgidos.
    _ De 8 para 0 do inez de abril, pela 8 ho-
    ras da noile, desappareceu o escravo de nome
    Paulo, de nacao Benguclla, repreientaudo ler
    de2a 30 annos pouco mal ou menos; tem os
    seguintes signae: estatura regular, cor pre-
    ta, cabello grande, tendo urna falta na cora
    da cabeca que Inda cortando e conbece, aqual
    falta he proveniente de carregar pco, rosto
    um tanto largo, iem barba, nariz chato, boc-
    ea grande, e beico grossos, falla um tanto fi-
    na, e descancada, conservando uin pouco os
    belfos abertos c os dente fecbsejos, e em cer-
    tas perguntas usa da resposta enhor sim, ti
    lenhor ; nao| tem todo o dente, aendo dous
    furados na frente, um em cima, e outro em
    bailo, que vezivclmenle e v: no pello tem a
    marca f querendo parecer urna medalha, e
    alem desta em um dos lados tem urna marca
    mais preta do que a'cor do corpo, proveniente
    de um caustico; cm um do braco a marca
    \ ; e em sima de uina das sobranselhas uina
    costura deum pequeo talho, que leve;quan-
    do anda ginga um pouco com o corpo e da um
    tal geilo que empina nin tanto a barriga para
    dlante, trocando os joelhos para dentro- tem
    o vicio de lomar tabaco. Este escravo foi de
    Antonio Joaquim morador em Fora de Porta
    com lenda de sapateiro na rua da Cacimba;
    leudo o dito escravo priuciplo do mesmo of-
    ficlo. Roga-se, portanto, as autoridades po-
    liciacs o obseguio de quadjuvarem na captura
    do referido escravo e qualquer pessoa que o
    pegnr ser generosamente recompeniad pelo
    seu traballin e despezas, podendo entrgalo
    na rua da Cruz do Recife, u, G3 no 2.* andar
    ou airas do tbeatro, armazem de taboas de pl-
    nho ; na Parahiba, ao Sr. Joa Ribeiro Gulma.
    rae, ou aos Srs. Jo Luiz Pereira Lima & C. ;
    em Pedras de Fogo. ao Sr. Marlanna Hamos de
    Mend nnea ; no llrejn de A rea a o Sr. Jos Anto-
    nio (nnc ilvcs Mina; e cm (iiiianna ao Sr. Jono
    Francisco Fernandes. O abaiao asalgnado esta
    em dellgencia do seductor que Ihe roubou o
    eu eicravo e protesta usar de todo o rigor das
    leis contra aquella peitoa que o tlver. Reci-
    te, 2o de abril de 1841.
    Joaquim Lepe di A imeida)
    z= Desappareceu de bordo do brigue Flor
    do Sul, no dia 17 de malo panado, o escravo
    mar i nliei rn de nome Mareellino, nacao Cabic-
    da, idade 30 annos pouco mais ou menos, al-
    tura regular, magro, levou camiaa e caifa
    azul, chapeo alcatroado, o qual lie de proprie-
    dade do commeiidador Joo Baplista da Silva
    Pereira, de Porto-Alegre. Roga-e por tanto
    a toda as autoridades policlae e capllaes de
    campo asua apprchensao, e leva-lo a bordo no
    dito brigue, ou a rua da Cadeia do Recite n.
    39, casa de Amorim Irmaos, que recebera rs-
    ,. 00,000 de gratificaco ou mal, conforme a loo-
    razenua mais Dar ta do que emlgitude em que for pegado.
    outra parte.
    Cobertores de algodao escuro para quem
    Ditos de casimira franceza, para calsas 6,000
    2,500
    2,000
    1,600
    120
    Ditos de meia casimira de 19a dito
    Algodozinho avariado, pega
    Dito dito, dita
    Riscado azul de quatro palmos de lar-
    gura, proprio para roupa de escra-
    vos, o covado
    Tambem ha anda, um resto dos chales de
    seda que se vendem, para acabar, aos bara-
    lissimos pregos de 4,500, 5,000 e 6,000 rs.
    ? *?*a*:** ^aa*:*t4**4
    tu Algodao purn. saceos. t>
    jjt Vende-se muito bom algodao para tg
    fe saceos de assucar, por prego commo-
    do : em casa de Ricardo Royle, na >:
    .<) rua da Cadeia n. 37. t>
    rV,i!\-. itfATvp.nK M-F.nn Paima


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EQJV2WB42_NYV607 INGEST_TIME 2013-04-13T00:29:43Z PACKAGE AA00011611_06375
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES