Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06371


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Aiino XXVII
Ter^a-feiral7
PARTIDAS SOI COQBIIOS.
Goianna e Parahiba, s segundas e sextas feiras.
Rjo-Grande-do-Norte, todas as quintas feiras ao
mcio-dia.
Garanbuns e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas feiras.
Olinda, todos os diai.
PHEMKBIDKI
,'Nov.i, a 30, as G li. e27 m. da t.
a (i, as 4 h. e 8 m. da t.
a 13, as 4 h. e 34 m. da t.
rNova,
P""'^Cneia:
'Mi;;, a 21, as 3 h. e 42 ni. da t.
FRKABCAB SE BOJE
Primeira s.6 horas e 54 minutos damanhaa.
Segunda s 7 horas 18 minutos da tarde.
de Junhodel851.
W. 136
das da ssmava.

I 16 Stg. S. Aureliano. Aud. doJ. d'orf. e m. 1. v.
i .7 Tere. S. Raincro. Aud. da Chae. do J. da 2
I varado c. c dos feitos da fazenda.
18 i.'n.-irt S. Leoncio. Aud. do J. da 2. rara.
j 19 '.iiiini. ,',<,',. Corpo de Dos.
20 Scit. S- Silvcrio. Aud. do J. da 1. vara do ci-
*Rt0 DA SDTBCB.IpgAO. vcl, e dos feitos da fazenda.
Por tres mezes (adiantados) 4/000 21 Sab. S. Albano, Aud. da Ch. e do J. da 2. vara
Por seis mezes xnoo do civel.
Por uin anno. 15/000 22 Oom. S. Paulino.
cambio lS 16 J1WHO.
Soare Londres, a 27 d. p. 1/000 rs.
Paris, 340 por fr. nominal.
i Lisboa, a 95 nou\n
Ouro. Oncas hespanholas.....2Sr a
Mocdas de 6/400 velhas. Ib/0110 a
. de 6/4O0 novas 16/000 a
de4#000....... 9/000 a
Prata.Patacoes brasilelros.... 1/-J40 a
Pesos columnarlos..... JSK
Ditos mexicanos........ 1/700 a
28/500
16J20H
sjaoo
9/1 no
1/)5I>
l/Ht>
1/7O
MBIC0.
iar*vimmr**mt*wma.iua r..v.T
PARTE ornen l.
GOVERNO DA PROVINCIA.
HELA TORIO
Com que o Exm. 8r. consclliclro
Jos Ildefonso de .Sonzn Hamos,
. entregoii a administrn^ao tu provincia ao Exm, Sr. Dr,
Vctor de Oliveira.
lilm. e Exm. Sr.
Entregando V. Exc. a administrarlo
tiesta Provincia, como me he ordenado na
Carla Imperial de 13 do mez prximamente
lindo, eu devb|satisfazer o preceito da Cir-
cular do ti de marco de 1848.
No Rclntorio, que lia pouco apresentei
Assemblea Provincial, Uve occasiflode ex-
pr o estado dos negocios pblicos, e as
providencias de que no meu entender mais
precisava a Provincia para seu melhoramen-
t. Assim prevenido, ser bastante acres-
centar aqu breves e succintas observarles.
Felicito a provincia, por que suaadmnis-
traco est confiada V. Exc. em quem
sobejilo as habilitacOes requeridas para sa-
lisfazer as comliccOcs da acertada escolna
do Governo Imperial.
Tambem felicito V. Exc, por que a Pro-
vincia confiada sua sabia admmistracSo
be I al vez a que offereco seu Administra-
dor um campo de gloria mais vasto com
coiiilicci's mais favoraves.
A experiencia de passados infortunios,
para os quaes tanto- induirao os interesses
que por vezes tecm estado co jogo nesta
l'rovincia, imprimiu no espirito de um povo
generoso e dcil como lie o Pernnmbucano
a direccio a mais conveniente e lisongeira.
Estou persuaddojde que nlo ha necescidade
de esforco extraordinario para que umapo-
litica esclarecida, de juslica e moderac.lo,
tal como a do Governo Imperial, praticada
com sinceridade o convenientemente de-
senvolvida, como o ser por V. Exc, cha-
me em seu apoio todos os homens honestos,
lodos os bons l'ernambucanos, obtendo as-
sim o concurso de todos para o bem de
todos confundidas as cores dos partidos.
Cabe-me a satisfazlo de entregar aos cui-
dados de V. Exc. a l'rovincia, reinando a
paz, a ordem fe o socego em todos os pon-
tos delta, sem exceptuar a Comarca do Flo-
res, que ha Unto irm; o, ainda antes da rc-
volucilo do 1848, era o theHtro de tristes
acontecimentos, resultado de paixOes par-
ticulares coloridas com o espirito de parti-
do, acoln tailas com as vistas do bem pu-
blico. Apparccendo a revolucSo de 1848, a
desordem daquella comarca ella se en-
corporou ; e d'ahi setravou urna lula, que
favorecida pelas circunstancias do lugar,
ia durando por muito lempo. O Governo
poda dispr um attaque, que trouxesse o
resultado infallivel da completa submissflo
dos revoltosos ; tinlia recursos sobejos para
vence-los pela forca. Informado porem de
que elles caneados de urna lula originada
para duas colonias, urna no territorio da
provincia das Alagoas, e outra na de Per-
nambuco ; e expedindo o conveniente Me-
gulamenlo. O Engenheiro, depois de haver
reconhecido, explorado e levantado a planta
de toda a matta, escolheu logares pare am-
bas as colonias, e por economa de tempo e
melhor ordem noservico demarcou primei-
rainonic o Incal para a das Alagoas, de mo-
do que quando leve de dar 'comeco aos
Irabalhos da colonia pertencente esta pro-
vincia j se aproximava a estacfo invernosa,
pelo que foi obrigado suspende-los logo
depois. Entretanto, muito se fez em relaco
ao tempo. Est cscolhdo para fundadlo
da colenia desta provincia o logar denomi
nado Pimcntera, situado na margem es-
querda do rio Pirangy, na barra do grande
riacho Fcrrador. O local, alom de muito
proprio para a polica das mallas por ser
central, offerece, como informa n engenhei-
ro, todas as condcOes requeridas para a
vantagem do estabelecimento, salubridade,
facilidade de cuniniunieacao entre as duas
colonias e os povoados visinhos, proximi-
dade de caminhos pblicos e rio navegavel,
fertilidade de terreno, abundancia de ma-
deiras de construcco, e de boas agoas &c.
No logar do assento da futura povoacflo
derribou-se a extensilo conveniente do mal-
lo, destocou-se, c removeu-se toda a madeira
cortada, estilo alinhadas as ras e praca,
bem adiantado um quartcl de palha com
capncidade para cem pessoas, e a praca,*que
comprehende 40 bracas de laigora sobr 80
decomprimento est toda circulada.de bo-
nitas barraquinhas, onde se abrigilo presen-
temente as pracas do destacamento. A' V.
Exc. fica reservada a larefa de levar ef-
feito to til estabelecimento; relevar
porem que exponha a pretcneflo que eu
tinlia de adiar colonos uleis entre os In
dios iio l'riil a, j affeilosaos trabalhos da
malta, e bem morigerados.
De tempo imniemorial foi cotice lida
urna porco de trras para o aldeamento
de Indios na fregusia da Escada. ftfSo vi-
vendo estes Indios aldeados, mas sim des-
persos econfumliilos na massada populaciio
civilisada, estilo as Ierras da antiga aldea
no caso previsto e regulado pelo Aviso de
21 de utubro de 1850; para comprimen-
to do 'i na I forflo expedidas as ordens pre-
cisas a i h .Mimara de Fazenda, para que
Irale de providenciar convenientemente
a este respeito. Estas trras s3o muito
productivas e valiosas. Constando-me
que uliimameiite alguna iudividuos se bovi-
no inlruilusido alli para esiabellccer posse
dei providencias contra esse abuso. Este
objecto me parece digno da atlenco da
administraQiio publica para que os interes-
ses da Fazenda, e oscommodos dos amigos
moradores da aldea nio sejfio sacrificados
em proveito do outrns que por ventura
nao tenhuo o.to titulo mais que sua
ambicilo.
As obras publicas da Provincia conlinuSo
com a mesma regularidade exposta em o
meu Rclatorio Assemblea Provincial, co-
Ihendo-so a par dos mclhoramentos ma-
teriaes o beneficio de dar trabalho lanos
por animosidades pessoaes deseiavo depr ieriaes ?. '*Z,T tSSSJJTSZ
pacificamente as armas, e prestar inleira "c01s >,vrM- Na lei do Orcamento, que
to o Magnnimo Goracslo de 8. o Imperador
se magua sempre pelo derramamento de
sangue deseus subditos, julguei opportuno
c bem cabido o uso da altribuicilo conferida
esta Presidencia pelo decreto de 11 de
Janeiro de 1849. o resultado desta medida
foi depor as armas Jos Rodrigues de Mu-
raes com 56 de seus companheiros, e sub-
metterem-se todos ao Governo o s autori-
dades legaes, sendo restituidos aquella
Comarca o socego e tranquilidade, deque
gosao as outras.
ha crdito sulliciente para as obras mais
urgentes, exceptuando-se a da casa de
Dctencao, que tem de licar parausada
com risco talvez de perder-se parte da des-
pesa ja feita, e do caes do Apollo, de que
fallci minuciosamente no mencionado liela-
torio. Era inteneflo mjnha pedir ao Go-
verno Geral o crdito preciso para a obra
do caes, de que vem reconhecida vantagem
ao commcrcio, e s rendas publicas; c
neslas vistas encarreguei ao Engenheiro
Director das Obras Publicas a organisacilo
Tendo cessado as ponderosas rasOes que de huirorcamenlo mais accomodado, e que
motivario a remessa dos presos politices acaba de me ser apresentado ; por elle ve-se
sentenciados pelo Jury desta cidade para o
presidio de Fernando de Noronha, nilo era

justo nem convinha que o Governo por mais
tempo os constrang^se a residir alli: re-
niovi-os para as prisOes da capital, onde so
aclifio lodos, excepciio de Antonio Uorgcs
da Foneeca, e Leandro Cesar Paes Barretlo
que por commodo particular preferirilo resi-
dir no Presidio. Desto acto de justica e boa
poltica nflo resultou at agora inconveni-
ente algum.
Terminada a lula de sangue por que des-
gracadamente passou esta Provincia, era
para receiar-se que em quanto o tempo nao
viesse em auxilio da obra da pacificacao
moral emprehendida pela poltica do Go-
verno, se fisessem sentir os odios, que
della ficarao, por atlentados contra a se-
guranza individual; e motivos houver3o
para tristes apprehensOes. Os mezes de
julho, Agosto, Setembro, e Outubro do anno
passado foro successivamente assignalados
pelos assassinatos de quatro pessoas nota-
vois, de trma e outra parcialidade poltica,
c que por isso se potlSo prestar malignas
interpretacocs om desabono dos partidos
quo n'isso nao liverflo parle; felizmento
porem esse estado que se ia tomando as-
sustador desappareceu logo, sendo subs-
tituido por outro tam favoravel, que nao
d rasflo esta provincia para invejar o de
qualquer outra.
Iieconhccendo o Governo Imperial quan-
to seria conveniente o estabelecimento de
colonias militares, que conservassem devas-
sadas as maltas do Jacuipe e Agua-I'reta,
que tem servido de asylo malfeitores, logo
que se viu habilitado dos meios mandou
proceder as precisas diligencias para se rea-
lisar tao til idea, enviando para aqui o ca-
pit.lo do Imperial corpo do engenheiros
Christiano l'ereira do Azcredo Coulinho,
encarregado de escolher e demarcar o local
que com o mdico dispendio dos cofres
pblicos na importancia do 29:000^000 rs
pode-se levar effeilo huma das melhores
obras d'esta Cidade.
A empresa do Theatro de S. Isabel foi
de novo cedida por um anno ao artista Ger-
mano Francisco de Oliveira, com as niodi-
(icacOes, que em vista da informacao da
respectiva Directora me parecer3o vanta-
josaa; e V.Exc. ver do contracto, que se
acha no archivo da Secretaria.
O servico do Crrelo he desempenhado
com regularidade ; mas as linhas que per-
corre o Correio terrestre, e as agencias
criadas nflo s8o sulllcientes para satisfaser
as exigencias do servico publico, o as con-
veniencias da populaciio. Reprcsentei ao
Governo Imperial sobre este objeeto, diri-
gindo a proposta, que ouvido o respectivo
Administrador, me pareceo conveniento,
lie de esperar que d'elle parlSo opporlu-
namente as providencias necessarias.
A adn inistracfio dos estabelce inenlos de
Caridade est confiada cidadas reconhe-
cidamente zelosos do bem publico, e es-
ta circunstancia se devem os melhoramen-
tos obtidos com tam escasos recursos. Ou-
tro tanto acontece a respeito do estabeleci-
mento dos Orphas, accrescendo o defeito
dos actuaos estatutos, embaraco perma-
nente para quo se colha lodo o beneficio
de sua instituido.
Restando da subscripto que urna com
misslo prisdida pelo liarao do Bom liin
promoveu na Corte a favor das viuvaso or-
phas dos que morrerao nesta Provincia
combatiendo em favor da ordem, c dos quo
pelo mesmo motivo ficaram inulililados, a
quanta do n.'8:680;O00 rs. appliquei-a ao
Hospital de Caridade em conformidade s
recommendacOes da mesma Commiss3o.
Auctorisado pela Lei Provincial n." 244,
.vigorada nesla parto pela de n, 261 de 28
de Junho do anno passado, rnorganisei o
Lyceu, e toda a Instrucc3o Publica da l'ro-
vincia pormeiodo Regulamento expedido
em 12 do mez passado. As reconhecidas
luzesdeV. Exc suppririlo na execuc3o, e
pormeiode providencias accommodadas os
Imuitos defeitos, que deve terum trabalho,
3uo sobresalte apenas como manfestac3o
a boa inteneflo que tivede tirar a Instruc-
c3o Publica do estado po'jco satisfalorio a
que havia chegado.
Ha muito tempo pesava sobre os habi-
tantes desta cidado um grave mal, que
bem se podia considerar um flagello, pois
reeahia sobre a subsistencia do povo dif-
ficultando-a sobremodo, principalmente s
elasses menos abastadas, e por isso mesmo
dignas de toda attenco: custando o gado
as feiras proco commodo, era entretanto
sensivel a caresta da carne verde nesta ci-
dade. Pelos assentamentos dos c^tabeleci-
mentos da Caridade, onde so faz consu-
mo diario deste genero, relativos aos dois
annos anteriores, vc-se quo at ao presen-
te nunca a arroba de carne custou menos
de 3,300 rs., e as veses subi a 6,400 rs.,
sendo o termo medio do preco deste gene-
ro no mencionado tempo 4,137 rs. a arroba.
Ainda agora o preQo da carne verde contra-
ctida pelo conselho da Administradlo Na-
val para os navios de guerra, no trimestre
a (indar no ultimo do correnle mez, o
de 3,400 rs. por arroba. Em viitude da Lei
Provincial PT. 278 de6 do mez prximo pas-
sado, queauctorisou a Presidencia a cni-
pregar as medidas que julgasse convenientes
afimde remover as causas do encarecimen-
to desle genero, abrindo para este fin um
crdito extraordinario da quantia de
40:000,000 rs., acabo de conlractar com as
garantas sufiicientcs, e com pessoas hones-
tas e ncapazes de f:-ltar ao s"u compromi-
so, o fornecimento de carne bastant para o
consumo publico, das seis freguesias tiesta
cidade, ao preco de 2,400 rs. a arroba nos 6
meses de invern, e 3,200 rs. nos 6 meses
do ver3o, devendo comeear esle forneci-j
ment do 1." de Julho prximo ful uro. I
Para conseguir-so tam vantajoso e lisongei-
ro resultado mo ter a Provincia quo dis-
pender mais de 3:300,000 rs. com os empre-
gados o expediente da fiscalisa(3o do con-
tracto, (cando, para assim diser-se, inta
co o crdito aborto. A providencia prin-
cipalmente necessaria aos forncccdorcs
para poderem manler o contracto, a da
indemnigacflQ do prejuiso, quo hajflp de
fcoYcr p^Lt fflta 'Ia C'mfcllmll>0 d" quprir
lidade de carne que sao obrigados cx-
por venda diariamente por mdico preco;
c a salisfiz elevando em virtude da autho-
risacilo da mencionada Lei a imposj<;3'> so-
bro o mesmo genero trasido concurren-
cia com os fornecederes. Esta medida n.io
so muito legal, pois se resalv3o as dis-
posicOes relativas das Leis geraes, e est
as attribuices da administracSo provin-
cial, como ninguem contestara a sua conve-
niencia, reflectindo jjue ella s prejudica
os interesses i Ilcitos daiiuellcs que al
agora teeui especulado com a subsisten-
cia do povo. NfiO s3o somente os consu-
midores os que terSo de lucrar: os inters-
sos dos creadores Ionio consultados de um
modo muito vantajoso: subordinados at
agora aos marchantes que conluiados entre
si restringaos seu arbitrio o consumo, v3o
ter um mercado mais ampio para os seus
gneros ; e he conhecida a necessdade
em que est3o os fornecedores de con-
ciliar os seus com os interesses dos
de quem dependem para satisfaser a obr-
gac'io do fornecimento de quantidade de
gado determinada. Crcio que ninguem ha
vera que em boa f conteste o grmic bene-
ficio das providencias adoptadas. Eu sug-
geri a idea : a Assemblea Provincial a ac-
colhoo e uroporcionou os meios: ainda
fui eu quo preparci a sua execucSo : V.
Exc. porem cabo a tarefa principalreali-
sa-la. lio de apparecer emharacos postos
pelos interesses Ilcitos offendidos; mas
estou plenamente convencido de quo V.
Exc os remover com a maor prestesa.
Quando para islo baja V. Exc. do despen-
der alguns esforcos e fadigas, elles serSu
sobejamente recompensados pelo reconhe-
cimento de urna populadlo, que bem dir o
Administrador osclarescido, quo sabe pro-
mover o seu bom estar.
Em quasi todas as parochias furlcconarao
regularmente os conselhos de qualificacflo
da GuarJa Nacional. Em algnns Munici-
pios j os Conselhos de Revista conclui-
r.ioos seus trabalhos, de modo quo prxi-
ma est a definitiva organisacao desta im-
portante porc3o da for^a publica. Da esco-
llia dos oliiciacs depeadendo em grande par-
to os beneficios promettidos pela nova Lei,
bem fundadas sao as esperanzas que por
certo nutrem todos de que os votos da pro
vincia se rito plenamente salisfeitos por V.
Exc.
Omappa, que ajunto, demonstra a forca
de linha da (.uai nic,;io da Provincia, com-
prehendendo 1711 pracas distribuidas em
dnus batalhcs de lufaiitaria,um de Artilha-
ria, urna companhia de Cavallaria, o outra
de Artfices. Rest3o anda no servico do
Presidio de Fernando de Noronha 80 pra-
cas do 2. batalluio de Arlilharia : cst'm
porem expedidas as convenientes ordens
para na primeira occasino recolhcrem-se
a esta Capital afim de seguirom par a Cor-
te, onde devem reunir-se aoseu batalh3o.
A conducta da tropa de lindada Guarnic3o
he digna de todo o elogio : para isto n.io
pouco tem contribuido o poderoso incenti-
vo do excmplo quo tem no louvavel pro-
cedimento do digno commandanto das Ar-
mas, e briosa oicialidade.
O Corpo de Polica tem a torga effectva
de 594 pracas: quasi toda est distribuida
nos destacamentos indicados no outro
mappa junto, nos quaes presta bons servi-
qos. Seu commandanto, sendo official do
2. balalliio de Arlilharia que se acha na
Cdrte,scrvc aqui por commissfo. Tanto elle,
como os demais oliiciacs s3o dignos de con-
fianza.
As fortalezas do Btuin e do Huraco se
achilo em bom estado, convenienlemenie
reparadas, e tornenlas dos objectos ne-
cessarios. O mesmo nao aconteco s de
Itamarae, Pau-Amarello, Gali, o Ta-
mandar, que entretanto est3o guarnecidas
Esl3oao servico da Provincia os Brigues
c-cuna, Canpo, Lcgalidado, e o patacho Pi
rapama. Este se oceupa no transporte de
vveles e oii! ros objectos necessarios ao Pre-
sidio de Fernando do Noronlia ; aquelles
teeni sido empregados nos cruzeiros para
repressao do trafego de Africanos. Os res-
pectivos commandantes mostrao-so sempre
diligentes no servico.
No fim do anno p'ssado, o por duas
vezes desembarcarlo na Comarca do Cabo
alguns Africanos livres, viudos, como se
diz, da provincia das Alagoas. Na secreta-
ria achara V. Exc informadlo circums-
tanciada das providencias.que em seme-
ntante ocrasiao exped, e do seu resultado.
Felizmente durante este anno anda nao
se reproduzo este escndalo. Em mate-
ria tao importante, em que est empenha-
da a palavra e honra nacional, eu julgo de
nreu rigoroso dever previnir a V. Exc. de
que a maior vigilancia do Governo nao se-
ra excessva; que convir mesmo algu-
mas ve/es tomar si a iniciativa dos actos
de repressao, e nao depositar sempre in-
leira confianza seno as providencias que
delle partireni immediatamente. E' assim
que consegu o resultado, que acabei de
ex por.
O Arsenal de Guerra, que a diferentes
respeitos tanta utilidade presta a trovn-
cia, contina dcbaixo da direcc,io de um
odicial intelliffenlo e zeloso peh prospe-
ridade do estabelecimento.
O mesmo acontece a respeito do Ar-
senal do Marinha, cojo Inspector est en-
carregado da adiiiiiiistracao das obras do
melhoramonto do porto. Estao no ostal-
Iciro, e l'eiii adiantados o Itriguc Lama-
raca, e lima barca de cscavac;ao para a pro-
vincia do HaranhOo. O porto j offerece o
melhorament de um p de proftindidado no
lutltco do l'liarol.
A Thcsouraril Geral tem por chefe um
honrado e intelligentc scrvilor do Estado,
o que nao contrihue pouco para a regula-
ridade que se observa no servico desta ro-
partico, e das que, lhe sao subordinadas.
O li ilanco do mez (indo aprsenla o
saldo de Rs. 1:246:508/005 na Thesouraria
Geral, e o do 186C83/751 as caixas das
roparticOOS subordinadas.
O mesmo acontece a respeito da Thesou-
raria provincial. O balanoo do mez lindo
aprsenla o saldo do Rs. 159:905/955.
O bom estado que ebegou a Alfandega
no ultimo anno finaiiceiro, apresentando o
extraordinario rendimento do 3,526:485/625
rs. lquidos, muito superior ao de cada um
dos annos anteriores tem-se mantido no
correnle anno. Nos 11 mezes decorridos
monta o rendimento 3,4I2:407#275 rs. l-
quidos. Calculado em 300contoso rendi-
mento o do presente meciremos no lm
do anno o rendimento liquido de mais
de 3,700 contos, ou o excesso de 200 con-
tos sobre o avullado rendimento do anno
anterior. 0 Escrvflo que tem estado,
frente da repartirlo, o os mus emprega-
los que o coadjuvo sao, merecedores de
elogio,.
A ReIac3o do Districto est provida .de
numero sulliciente de Juizes. 0 digno Pre-
sidente e mais membros SfiO notaveis por
seu esclarecido zelo pela juslica, por una
probidade nunca contestada.
O Tribunal do Commerco se instalou
no 1. de Janeiro ultimo, e principia a dis-
tribuir os beneficios que promeltcesla ins-
tituico. I'uncciona em urna casa que de-
centemente mobiliada, e arrendada por-
uni anuo a custa de urna subscripcao agen-
ciada pelos prestantes cidad3os Jos Pires
Fcrreia.e Jo3o Pinto de Lemos Jnior entre
os negociantes desta praca, foi para isso
olTereeida.
As Comarcas estilo providas de Juizes
de Direito, mas nem todos so acho em ex-
ercicio.
O lugar de Juiz Municipal de Gara-
nbuns esta vago. O Juiz Municipal de Igua-
rass foi suspenso por mim por abusos com-
mettidos no emprego. O processo da res-
ponsabilidadn corre pelo Juizode Direito
da P. vara da Comarca.
Achando-so impedido o Chefe do Poli-
ca por ser depulndo Assemblea Geral,
designe para o substituir interinamente
o De>cmbargador Jos Telles de Menezcs.
Este honrado Magistrado insta pela sua
escusa em raz3o dos incommodos que
soffre em sua sade, mas nao tenho
podido annuir sua prctciiQao, com quanto
bem fundada, por entender que nao con-
vinha dispensar seus bons servicos.
O Hachare! Antonio Francisco l'ereira de
Carvalbo que t3o dignamente servio o lugar
le Secretario interino da Provincia desde a
administracao do Exm. Sr. Conselliciro
Ca neiio Leao, tendo sido nomeado Juiz de
tii ph.ios do termo desta cidade pelo Go-
verno Imperial proferto ir servir o seu lu-
gar ; nao lhe dei substituto.
O Regulamento do 12 do mez (indo creou
um lugar de Director Geral da lnstruc;ao
publica com o vcnwmento de 2:000/rs.
annuacs
A Lei Provincial N. 283 creou alguns
guardas para o Consulado Provincial com
o vencimento de 400^000 rs. cada um.
A de N. 286 creou um Thesoureiro Pa-
gador das obras publicas com o ordenado
de 1:2001000 rs ; e mais dotts engenheiros
com o ordenado de 2:400*000 a cada um.
O Thesoureiro do Consulado Provincial
fallecen lonco. Todos estes lugares ns-
13o vagos, porque na occasino em quo
me caba e convinha prove-los j constava
a minlia exoneracao do cargo que lenho
oceupado, oreceoi com urna escolha me-
nos acertada, como podia sor a feita por
mim, criar embarazos met successor,
quem desojo prospera administraz3o.
Provi nao obstante a exposta conside-
rac3o os lugares creados pelo Regulamento
de 7 do crrente, porque era urgente dar
logo todas as providencias- para sua oxc-
cucilo em desempenlio de um contracto
celebrado; enem estes empregos tem a im-
portancia dos que meucionei.
Eis quanlo me pareceo conveniente tra-
zer a Ilustrada consideraZ'io de V. Exc.
N'esta relagao ( lisongeiro me he con-
fessa-lo ) melhor sorle me eouhe, sucoeilen-
do na administrazo hum Estadista notavel
unconlrei em son rolalnrio luminosas infor-
inaciies, que me guiarSo na vereda que tri-
lliei para salisfazer as vistas do Governo
Imperial, c os votos da Provincia.
Cabendomc a fortuna de haver granje-
ado as simpalhias do todos os bous pernam-
bucanos, sem diCferenca de partidos o obtitl
do para os actos de minlia administraeSo o
generoso apoio da Provincia inleira, cu
devo huma publica esolemne maitifestaz3o
de meu cordial agradecimento, e tambem
huma explicacao.
Entend que a mesrra poltica, que t3o
il pressa conseguio acalmar os nimos
ainda irritados por urna lula de sangue, o
Irasc-los melhor accordo, sendo conve-
nientemente dcs?nvolvida leria o poder da
extinguir por urna vez cssa odiosa distin-
czao devencedores e vencidos, reuninJo
todos os homens bem intencionados, a
grande maioria da Provincia, em hum s
pensamento polilico, o demanler a ordem
c radicar a liberdade ; em utn so esforz,
o de consolidar e desenvolver' as Insti-
tuiczfies juradas pela NaQllO. Em tao patri-
tico empenho nao me faltara forza do
VOnlade, o energa de carcter ; mas estas
i|u.ili ln.ies nao tmst'io : o cnto juiguei do
nicu rigoroso dever cejor o lugar ou-
trcm,quc mais hbil, e mais feliz, viesso
aprovelar O lempo, que CU perdera por
mnlia incapacidade ped a dcniissao, quo
o Governo Imperial su dignou conceder,
torneando a V. I.'xc. para succeder-me.
Ilepoisozelo pelo bem de meu paiz:
he o amor, quo consagro aos Peina mbuca,-
nos quem delles me separa!
Os votos que fazo pelo seu bem estar O
prosperidade sHo os mais sinceros, os mais
ardenles : V. Exc. os realisar.
Cidade do Itccife, 16 de Junho do 1851.
lllin. e Exm. Sr. Dr. Vctor de Oliveira.
Jos Ildefonso de Souza llamos.
INTERIOR.
RIO DE JANEIRO.
As noticias de Entre-Ros chegadas a Monte-
video do da 9, a que se referia o capilao da
brigue Inglrz Jfuna, sao as seguintcs, segundo
o (ommercin del Plata, do dia 10 :
Hontrm s 5 da tarde chegou a ba-
lecira Paulila, procedente de Gu.ileguaichu.
com bandeira entre-riana econdu/.indo ofncioi
do governador de Entre-lUos para o governo
da repblica. Consta-nos que esses ollicioi
silo importantes e satisfactorios.
A l'.in/i i sabio de Gauleguaichu no dia 6
nolte, depois de rccebcrS. Kxc. u governador
i 11|ni/ i ofncios do governo da repblica do Pa-
raguay.
k I..-IM que nao recebessemos cartas, tiremos
folhas entre-rianas at 0, e da /legeneration de 4
transcrevemos o artigo que segu, Nossos lei-
tores venio pelo seu conledo que a obra se
vai elaborando, e que a provincia de Entre-Rios
se aprsenla j em altitudc franca. Ai do mal-
vado Rosas.'
Diz a Itegcnration
Cuuipre-nos consignar as columnas do
nosso peridico um desses acontecimentos que
se in o i .un na vida dos povos com o sello in-
delevel do enthusiasmo popular, da justica
eterna. Entregues ha oito dias a toda a casta
de festividades, a que sempre d lugar ueste
cidade a chrgada do hroe enlre-riano, e que
desta vea tinliain o duplo objecto de honrar a
presenca do coronel Virasoro.do major Bcrou e
de mais alguns bravos oluciaes correntinos ,
hospedes distinctos de S. Ele. o bales, ban-
quetes e coiridas de cavallos succederam-se
sem intcrrupyoat sexta-feira noite, emque
subitainente posta da populado em massa e precedida de
ilu.is bandas militares.
A columna formada pelo povo rompeu a
marcha na praca General ltamiret, levando no
centro, como symbolo do grande coraco de
um corpo iiiiiiKiivu, invencivel, glorioso, pre-
dcstinavcl para a obra providencial da restau-
rado dos principios sociaes e christaos das re-
pblicas do Prata, ao invicto Urquia. Era de-
ver essa phalauge tremenda que forinavam a
seu lado os Virasoros, Vclaiques, t'alavecinos.
Urdinarralns, Dasabilbasas, Aliadas, Arredon-
dos, Pasos, Veroner, Gomales, Lopes e oulros
uiuitos bravos do etercto rutre-riano e cor-
rentino, reunidos e fraternisadoi em torno da
gramlc bomem.
A serenata percorreu as ras principies,
parando ein diversos pontos e cantando o hyin-
no nacional e o entre-i lao, aos quaes fanian
coro vivas simultneos e estrondusos que sur-
giam do eiiiiiusiasiiiK, da convicfo, do ilesejo
de lodos. Foraut momentos solemnes asso-
mou aos labios, resoou nos ares, a iuimcnst


.''
; ..
I ..
:.
maldicao pronunciada pelo odio e rancor de
mu povo inleiro de homens Mires contra o
tyranno, contra 01 drgoladores, contra a espo-
liarlo, contra o cnbruleclmento e barbarla,
com todos os seu effeitos de piostitulco, de-
i .11! lijo, abjeccoo e escravido.
Ol! Aterra argentina que pisavamos nes-
se momento parecia extremecer com supremo
regosijo ao ouvr os brados de scus lillins que
victorlavam os homens c as cousas prescriptns
de direito no codlfio da litnn.inidade, sanctifi-
cadas ro sua rcvclacao evanglica c anecio
nadas pela moral e pela civllisaco do mundo.
Sini, esse gtito e esseestremecimento reperen-
liro i-iii todos os cnraces que se conservan!
liis aos principios da revelar" argentina no
immenso radio de mil leguas cm circumfcrcn-
cia.
> A niiio do lempo j est levantada para fa-
acr soar a hora celeste :
Da reapparico da ordem na liberdade ,
Do progresan com lei ;
- Da fraternidade nVgoao pleno dos dircilos
e garantas individuaes ;
Da magestade da repblica, rellectindo-se
luzente na soberana federalde todos os povos;
c Dessasoberana invadida, ultrajada, amea-
cada, calcada aos p por um systema sem no-
jne que foge da lu, treme com a discussao e
protesta contra toda a organisaco, porqu, co-
mo todas as colisas perversas e reprovadas ,
lijo pode existir seno as trevas, espanta-se
oui a vos do honiem, e nao pode prescindir
da irrcsponsabilida.leque caracterisa o despo-
tismo, do silencio que reina nos ceiniterios ,
do terror com que os barbaros governam os
cus maros.
Tudoisto, e muito mais, fui eloqueulemen-
te exprimido nos vivas seguintes, que entre
inuilos furain dados na sercuata que recorda-
mos,
Viva a Confederado argentina !
Morram os iniuugos da allianra dos povos :
u Vivam Urquiza c Virasoro!
Abaixo oinlinigodo pacto federal.'
> Os povos nao podem existir sem leis, ga-
rantas e liberdades ( )
a Viva o invicto Urquiza qui? os sustenta,
defeude e restaura!
Morra o tyramno !
Viva a alianca federal dos povos argenti-
nos!
Morra o traidor !
Viva a restaurarlo dos principios as duas
repblicas do Prata! (*)
Abaixo o tyranino que o calca aos ps,
ataca e deslre. (*;
Infinitos outros pensamentos que envol-
vem todo um futuro, que importam toda urna
aituaco, todo um programma de gloriosas es-
peranzas, foram cspontancsmeuie exprimidos.
Nao os referimos, porque para approraco do
snundo.civilisado bala o que aponamos.
As carias de Montevideo que temos a vista
accrescentaui que nos oflicios tiazidos pila
Panilla, eque sao citados no artigo cima, cx-
punb.i francamente o general Urquia ao g.i-
verno de Montevideo todo o scu peiisamcnlo
a maneira como pretenda iealisa-lo ; que as
vistas do general estavam ero ludo de accor o
com as dos governos oriental c paraguayo ; que
ni s-c sentido Ibe responder o govemo de
Montevideo com data de 12. e que at nosfins
de mai" se coutava receber parlicipar,o ollicial
do rompimeiito das hostilidades, Prrsuiuia-se
que o da 25, anniversario da revoluco da in-
dependencia, seria o escolliido pilo general
Urquiza para oseu prouunciamento.
De Uucoos-Ayrcs alcancam as dalas a 14 do
passado.
Continuavam os fuzilamcntos na quinta do
dictador, coulando-se entre as victimas dous
omciaes <1a sua propria guarda. Reinava a
inaior consternar. Os campos estavam quali
deselos com o rccrutaiuento, cas estancias no
inaior abandono e miseria. i\a cidade ludo
estar parausado. Ate o iheatro lyrico, a que
os argentinos se linliaiu entregue com phre-
nes, se resenta desse terror geral. Represen-
laudo-sena noitedeO os fuanos, parecia o
tlieatro um deserto.
Segundo as correspondencias do Comercio del
Vala, proseguiam com activiilade os prepara-
tivos bellicos, e tinham chegado da Europa ar-
mas e arlilharia. A esquarillia reciben or-
dem para eslar prompta, e ia ser augmentada
com o vapor americano W. I'oi.
No da 9 rbegou a Buenos-Ayres Yturiaga,
enviado de Oribe, e regressou no da II aoLer-
rito o vapor de guerra ingles llifleman. Di-
zia-se que tinha ido coiiiinuiiicar ao dictador
as descoi.tiancasque alguns dos cheles oiicn-
laes, enllocados ao norle do Ro Negro, inspi-
ravam aOiibe.
Urna das cartas que vimos dixqueu vapor
tiolfinho sabiria de Montevideo paia o Hio an-
tes do lint de maio,
(Jornal da ('ommerrio.)
Rio, 25 maio de de 1861.
iliu querido Liborio.
Se te lembras anda do iinio Andr, como
este se lembra de ti, quero dar-te noticias
lunillas, e do que tenho visto depois que
deixei o ineu tosco descapuzado burel, e a tua
sempre saudosa companbia. Como, porni,
lie mullo oque teria de contar-le, sccoular
quisesse tudo, devo de pnfcreiica comecar
pelo que julgo mais picaule. Tenlio vislu,
mesmo pralicado cousas iuaudilas, he ver-
t iiie, e que te fariJo cahir o quexo ; mas o
que vou dizer-te he para dcixar-ie mesmo-
cuino me dizia o teu favorito lalinorio pasma
vil oaduislo he, tolo e patela como um do-
nato.
Os gelos eternos se derreleram, e a frgida
Siberia est toda em logo !! J vs que esta
bomba potica nao he de niinha lavra, do
pobre irmo Andi: lodo mundo falla assim
por aqu, para diier que no mh.h1" o cordo
do nosso serfico padre S. Francisco ten, por
um triz escapado de passeiar liberalmenle
pelos costados uns dos outros: e bem sabes
que he um cordo de fogo mais vivo do que
a catana do patriarca Santo Elias. No meio
do crepitante incendio os homens de toga em-
punharam a espada, e os de dragonas o hjso-
pe d'agua benta. K donde veio tamaita con-
llagiaco ? Da microscpica, e bomceopaihica
provincia do Rio-Grande-do-Norte parliu esta
Lusca I llera se diz que s vezes d'uma pe-
quea sculelha se levanta um graude incen-
dio!
Dizem que o senador D. Manoel de Assis
Mascarcnbas, apresentando-se candidato se-
natoria pelo Itio-Grande-do-Norle, uo que-
ra na lista triplice coiu elle seno dous do-
natos, como, v. gr., eu e tu, porque assim
>eu amo ficaria bem ainarradiuho, e nao te-
ria remedio senao escolber : e vai seno quan-
do mete-sc na cabera de quem quer que fosar,
lembrar a candidatura do couselheiro Thomaz
Xavier Garca de Alineida, cidado prestan-
te, carregado de servaos e lilho i.o liio-Gran-
de-do-Norte mesmo. Desde logo este can-
didato se afhgurou um irmo teirivel, um
gigante horreudo imaginario escaldada do
ti. Manoel, que Ibe perdeu de lodo a tramon-
tana, e cada canto, quer de uoule, qur
de da nao va senao u ministro da jusuca,
l.u/.ebio, dando-lhe figas, e pondo-loe por
dianle o Thoiuas Xavier. Pcrguutars, como
he que, eu pobre irmo Andi sci estas cou-
aas. Ulba, eu entro asaim com ai es de lie.
tirio he valt-merru em certa casa de um alto
pcrsonageui desta corte, oude costumam coi
correr deputadoa e senadores e outros que o
nao sao. Ahi posto a um canto os ouvi Ulier,
que desde a priiueira sesso desta legislatura
fe notara cm D. Mauuel urna certa luuiioma-
( J Os vivas indicados pelo asterisco fo-
ram dados pelo general liquiza.
I
uia a respelto do ministro F.uiebio, aquem
uiostrava rancorosa aversao, e achava mao
ludo quanto parta dellc : he otnrvaferio, dizia
baixinho c como que com os seus botfjes, de mo-
do, porm, que se lhe ouva, cseni que se atti
nasse com o motivo. Tomn assento no se-
nado, apparecco a discussao da resposta a
falla do throno, e a monomana tomn o ca-
rcter de rematado desatino, e o ministro
Euzebio he sempre oseu duende, a cuja am-
bicao c sede de vinganca atlribuc elle tudo
quanto vai por esse mundo de Dos. Inclusive
os tiros que no Rio-Giande-ilo-Norte deu no
lempo da sua presidencia nm subdelegado
no infeliz Jos Ignacio d'Albuqucrque Mara-
nhao : o Euzebio he para elle como para
nos donatos o padre guardin, Dizem que o
Euzebio nenhuma parte tomou na candidatura
do Thomaz Xavier ; mas entrou isso na cabe-
ca do pobre D. Manoel, que em seus furores
tem poslo em fogo as discusses do senado,
o que nunca se vio, diz o visconde de Congo-
nlias, seno depois que pela demsso con-
cedida ao marquez do Aracaty entrou cm
sen logar o Sr. Alencar.
Desfiava o Limpo d'Abreu a meada que tc-
,.ra o D. Manoel, c este com tantos e to
descomedidos apartes perturbava a discussao
que o Carneiro Leo lhe disse nao quero
conversas nem eu, respnndeo D. Manoel;
pos ento cale-se, tomou Iba aquellcEnlo
o D. Manoel dissi-lhe iusultos a pontos que
o Carneiro o desal'iou e sabio: passados mo-
mentos >ahio o D. Manoel, c icria un ronces-
vales se o conde de Caxiar, mctlendo-se de
permeo, Ihcs nao lancasse agua na fervura.
D. Manoel tem ficado milito dcsairoso nrs-
tea trances; quando mesmo fosse ceno que
n Euzebio tivesse parle na candidatura do
Thomaz Xavier, cu mesmo sendo como sou,
o pobre irmo Andr, achn que ella lo hon-
rosa para D. Manoel. que elle ficar satisfeilo,
nimia que aquclle Ibe fosse preferido na es-
colha, quanto mais que o nao foi. E porque
he que atlribuc elle essa candidatura aos odios
e vingancas do Euzebio ? O terror, que ins-
pirou o Thomaz Xavier, fui lauanlio que
tanta desgraca s lbc poda vir, pensava elle,
de mu desejo de viuganca, fosse de quem
fosse. Mas porque do Euzebio ? Porque o
Francisco Matoso, que tatnbcm tinha sido pre-
sidente do Uio-Grande-do-Norle, prctendeu
ser deputado por essa provincia, e D. Manoel
quiz de preferencia recommendar o Moraes
Sarment. Ora o Euzebio uo consentio na
candidatura do irmo, nem elle chegou a
apresentar-se, e o D. Manoel, de cujo carcter
ninguem lar.a tal conecilo, se tem mostrado
neitl queslo nao s pequenino, mas at in-
grato para coin o Euzebio, nu dizer de mul-
los. Nao ha provas, uo ha documento*, nao
ha asseveiajo de amigos que osalisfaco : tudo
quanto fazeui, ou tem feilo uo Ro Grande o
presidentes, he vinganca do Euzebio: se este
laborioso ministro entra na sua secretaria s
8 horas da maiiha, c salir s 10 da noute,
he tudu para actos de vinganca !! Einfiui
o honiieopalhico, o microscpico Rio-Crande-
do Norte tem tomado pioporjcs agigantadas,
lena sido a raposa de Sampco, que tem der-
ramado o fogo nos campos daSiberia, e der-
retido esses gelos de cen invertios, como
dizem por aqui.
Eu, pobre irmo Andr, nao vou s galeras,
mas na cuja cesa, de que te tenho fallado,
bastante pesco para o meu saiubui, e posso
dizer-te que o senador llollanda Cavalcante
por i.ni levantou a sua aulilona no coro: be
sempre o uiesmo esdruxulo, como sempre.
Dai paz aos ilrasileros Uni os lirasileiros I :
Siui, paz e uuio, nada mais bello porui
convinha que gritasse assim tanto lempu que
esteve no ministerio com aquellcs que llgella-
\ am Pernambuco, e perseguiain seus pareu-
tes, e aquelles que couipravam assucar dos
scus engenhos; e nao couseiitisse um presi-
dente que lhe a-ia toda casta de aclntea.
Tal era, puini, o amor da paz e da unio
jue nu quera roniper com cites! Falla
nuil a o i. i i ni ni.i un. e contra o engajaiuen-
to de estrangeiros, coulra tudo.
Na cmara dus depulados se discute a elci-
fo do Rio Grande do norte, e na verdade coiu
bastante calma, a recep(o da lingoagem vi-
i uli na do Moraes Sarniento contra o partido
norlista, no qual segundo elle uo ha seno
canallia, e reos de polica. 0 L). Jos irmo do
D. Manoel tem a palavra, tem tomado mu di-
luvio de notas i mas tem-se conservado em si-
lencio respeitozo, nao d apartas, Olive com
alienco como quem se prepara para graudcs
cousas. DlMttl a entrada do Wanderli y ser
una calamidae por causadas inuias nulli
dades que ha na elciio, e uo s por isso, mas
lainbciii porque figura elle como chele de um
partido, que se dcelaia agora lima e constlu-
iule : e eu acreccnlariaporque he de una
catadura de siuistro agoiro. Ali meu charo
Liborio, no lempo das uossas travessuras do
cruzeiro este Waudcrley teria visto para quan
to presta um cordo de S. Francisco.
Consta que lase vai dar uina talva bandcia
franceza eiu dcsagravo do que ella ahi sollrera
na questio Sents, solli iuieulo, que seno deu
segundo sustenta o nosso goveruo e sealgum
houve, craiu os franceses ahi residentes, que
devcrain receber urna salva do serfico cor-
do, porque loram cllrs que andaram com essa
hai,di ii a cm holandas. Mas em lint um pobre
daado nao culeiidc dessas gerengoucaa di-
plomticas, all est o Sr. Paulino Jos Soares
de Souza, que em materias de negocios estran-
geiros dizem ser homem como tiiula, c tenho
fe, que se a cuusa uo tivesse caininhu, elle uo
a mandara fazer.
Tambern ditem que um tal Sr. Palmerston
lda Inglaterra vciioqueo lirasil searuia para
se fazer respeilar pelo pcrtendenle Oribes,
quizera por vetu a estes moviiiieulos milita-
res ; mas que sendo repelido pelo nosso go-
veruo, ollrecera os seus bous ollicios. Seria
bem engrasado esse Sr. Paiuieislon, seno los
se to insolente Quando pertendeu inler-
vir coiu a Franca uaquelles negocios, neuhuiii
caso fez do Uiasil. passou por aqui o scu en-
viado eutendeu-sc com o general Guido, e
nem o chapeo tirou, ao nosso goveruo foi
para buenos-Avies, procurou intrigar a mes-
illa Franca ; arraujou seus mollios o inclhor
que pode, e agora vem o Sr. Palmerston me-
tendo o nariz onde uiiiguein o chama. A fal-
lar a verdade, meu I.iOurio, gostodcstes ingle-
zes, mas o seu goveruo....Ub .'ineu Dos! lie
um goveruo herege.
Quaudo no ineu lempo l retoeava refeilo-
rio ( que dizem-me niohaver huju ) ouvia eu
dizer a fradaria, que corra desenliarse
i/na irimtiro anda, primeiro monja- : mas
aqui, meu charo Liborio, diz o Holanda no
.ni i" dos lugos da Siberiao primeiro que
trancar, esta perdido Ora sede l juiz com
taes mordoinus! No meio de tudo istolem-
bro meque s vezes he incllior ser douaio do
que padie provincial porque c por baixo
percassemais de boin seuso do que la pelas al-
turas do choro.
lloje ouvi dizer na dita casa, que fora
rrjeilado pela cmara dos deputados. o pare-
cer dos dous meuibros da comiuisso, que
reconhecia oWanderlry como deputado pelo
Rio Grande Je norte, e approvado o voto em
separatlo, que aunulava toa a eleico. Ago-
ra dirs tu do pobre diaho. paimavil gulu,
matiui qu ficavid olhando -- Lus diceraiu
h' o que fez n D. Manoel com as suas doudi-
ces uo seuado Oulroa E' o que quiz o
\\ andel Uy, ou alguem por elle com o seu Ja-
guarary. >ms eu ca coiu ser um pobre do-
nato, pens de ouliu modo : se acamara au-
uullou a elcicao, que ella eslava mullo vi-
ciada, c cheia de nulidades, e nao he criv^i
que por cauza de um pobre uaboclo se Uessc
condemnados, como autores, a o.to annosje ^^g^J^E&'Sf
alente com a guarda nacional: po-
,. autoridades tomaram providencias a-
ertadas, e a tranquIUdade foi promptamente
restablecida as paragens, opde tinha sido
momentneamente alterada.
Os soldados receberam ordem para nao sa-
hirem dos quartels; e o novo governador ci-
vil publicou um cdital prohibindo ajuntainen-
tos numerosos as ras e pracas, gritos e pro-
vocaedes que podessem perturbar o soccego
publico, e convidando os cidadaos pacilicos a
eoadjuva-lo na manutensoda ordem.
Os jornaes hespanhoies, buc alcancavam a i4
de malo, continuavam a oceupar-se com os
processos eleitoraes, pelos quaes se va que la
triumphando o partido moderado, c em gran-
de maiorla.
0 Heraldo da inestna data, publicou tima
carta que se dizia dirigida de Vigo pelo eonde
de 1 homar, ao duque de Saldanha; a qual tam-
bern vem transcripta nos iornaes portugueses
a leic Kevolucao di Setembro e que por inulto
extensa nao podemos inserir neile numero.
Lia-se no Heraldo. Em consequencia de
boatos sobre intentoi revolucionarios, tom,-
ram-se medidas de prevenjao; prohibio-se a
entrada de paisanos nos quarteis da tropa; e
fizeram-se algumai prlsOeSj_____
tamanho desgosto a um fidalgo como o D.
Manoel: o que vale um caboclo ? Digao os li-
bcracs o qjie qulzerem, tam bem eu aou libe-
ral, mas acho que um fidalgo da quella laia he
muito paia qualquer caboclo, e mesmo para
inutos. .... ,
Tambern niio acredito que as doudjcas do
D. Miguel no senado influirse ncstcreiultado ;
porque com quinto seja para cortar o coracao
ver um bomem de bem como'o Sr. Cunba, lam
acreditado, tam probo, tam honesto, e tam
liemquisio assim enchuvnlhado, e injustamen-
te maltratado, com tudo se a eleifao fosse
aprovcitavel, a cmara a teria aproveitado por
honra aos votos do povo. e para nao o traxer
sempre em romaria de Herodes para Hiato
com eleicoei, e rceleices, que nao dam
tam pouco encoinmodo desde que as facfdes
perderam a honeslidade, e que a policia se-
nii'tte, imd" a lei a nao chama.
Nesta discussao o D. Jos condusio-se como
um cavnlheiro, nao deo apartes, nao mostrou
exctamanto : contentou-se com um bello dis-
curso morallsando sobre a ingratidao, em que
figurou a inortc de Cesar, e o fauthaaina de
/iiuto, mas tem declarar, quem era o eo Ce-
ser, co seu /fruto. A discussao foi renhida,
porm decente, e circumspecta : ueste ponto
a cmara deu sincas ao senado ou antes ao D.
Mannel. Por occasio da discussao da respos-
ta falla do throno n"enado quiz o padre Alen-
car tirar l, e sahio tosqueado. Propoz urna
emenda, que pouco mais ou menos dira, que
o enado, e todos os brasileiros acompauha-
rain a S.'. nos desejos de unio, se elle des-
c urna annista completa : e o seo discurso foi
de tal guiza que o Holanda satou-lhe as ancas
(e desia vez nao me pareceuellc lam exdru-
xuld) disendoque niuilos respeelaveis mages-
trados, com quem tem amisade, lhe aviam
dito, que multas boas cauras crain perdidas
por cauza dos maos odvogados, e por ahi foi-
Ihe cantando o miKiere, que foi um louvar a
Dos. Ora dizer islo ao re do Norle, que tam
paternal amor mostrou no tal prembulo a
Pernambuco, he seguramente a inaior ingrati-
dao. De cerlo nao tinha o Holanda lido nimia a-
preleccodo D. Jos nacamaraquatriennal so-
bre a ingratidao, alias ofautbasma de Bruto
le-lo-hia fcito metiera vi ola no sacco. Se-
guo-se o Carneiro Leao, que tambein desan-
cou o pobre do padre. Fui o nico castigo,
que teve elle pela mulla parle, que leve nat
desgranas de Pernambuco.
Einquanto o bom do padre assim deitava
perder cauza, que tam atoleiinadamente ad-
vogava, oulros sabiam melhor o i.ome aos
bois, e dirigiain suas suplicas ao Imperador
pcdlndo o perdo de seos peccados. Dizem
que o Dr. Assis Rocha deputado pela parahiba
(ora o portador de urnas ; outros ( talvez o Ur-
bano ) a fora de outras. Sabio perdoado por
decreto de 28 do crreme Antonio Correa Pes-
soa de Mello, que pelo que soa, parece pren-
le do Urbano, c que eslava cumprindo remen-
ea ; e amnistiados o bacharel Maxlmiano Lo-
pes Machado, o padre Jos Jenuino de Holan-
da Chacn, e o lente coronel Autonio Jos
Goncalves Lima, pronunciados como cabecas
de rbelio polo chefe ac polica da Paraiba.
Dizem que uo he bom fallar neslas cousas,
que sao da especial prcrogaliva da cora ; tne-
parece que isso he la para os tribunaes, e pa-
ra os senadores, c deputado, que sao gentes
que sabem como isso he; porque ninguem
tem direito, peui forja para tapar a bocea da
historia ; e mesmo entre dnalos, gente deica-
lutada nao haver inconveniente algum. h
se o padre Alencar pode dlier ao Imperador,
que conceda amnista, porque nao pederao
oulros dizer que nao conceda ? Se uus po-
dem dizer que amnista he cuusa boa, porque
nao pederemos ui dizer, que he couza m I
.Nao hecertoqueumchefedeipolliia fuiahi bri- evadirao.
car com o padre guardo porque tinha fecha- .Consta de participares ofliciaes que dos cri-
do no carcere un. frade travesso e tu. blenlo ?, minosos que se evadirao da cada do Ico ja
E ...,,. fouc a..iiu, como andarla eu por aqui foram capturado Raimundo de tal, e o ernni-
solio e hvre? Tudo vai assim, uiau charo Ir-. uoso ile inorle Fraxcdes.
mo Liborio, e mal de nos, se assim nao fora. Chegou a esta provincia no ultimo vapor,
Iste mundo iiaseo torio, e tarde ou nunca se e acha-se no palacio do govemo a maquina de
lia-de endereitar. Sequizerem que o anzol descarotar algodao de Invencao de Augusto
rea anzol, bao de deixa-lo assim mesmo torio Mulet, a qual toi mandada pelo Exm. Sr. u.i-
oiiioo fe o anzoleiro. Dize aos presos que nitro do imperio, a requisicaode S. Exc. o ~r.
HHIUI lllllliiw., i.wmw uu.wU> -------------------
gales na liba de Fernando, c o ultimo, como pos, vtn
cmplice, % quatro annos e dous mezes da e especi.
mesma pena. Foi o primeiro acto exercldo na- rtm as
quella provincia em virlltde da lei de 2 deju-
nho do auno passado.
Do I'res di Maio trnscrevemoi o seguinte :
> No dia 24 teve lugar urna reunio de pro-
pietarios, negociantes, e outras pessoas no-
lavels no palacio do governo por convite do
Exm. Sr presidente da provincia, para o flna-
de combinarem com o mesmo F.xm. Sr. acer-
ca da postbilidade c modo mais conveniente
de se abrir urna subscrlpco nesta capital,
destinada a mclhorar as estradas do arsenal
trindaJe, das mongubeiras crux das almas
macadamizando-as, visto nao haver actual-
mente consignado votada para scmelbante
obra publica. Consta-nos, que foi bem aco-
lliida a lembrancn de S. Exc. e que fr nomea-
daumacommlsso, encarregada de promover
a dita subscrlpco, sendo membros della os
Srs. Francisco Gaudencio da Costa, Januario
Antonio da Silva, Antonio Lacerda de Cher-
mont, Dr. (astro, Dr. Leitao, Dr. Paes, Vi-
cente Rulr, IJtralstre, e Agostinho Thiago Al-
ves. Muito confiamos no patriotismo dos ha-
bitantes desta capital para esperar-mos au-
xilio, e protecflo aos bons dezejos de S. Exc.
a respelto da prosperidade material da Pro-
.Tinc,a' .
Ha dias tivemos a satisfacao de ler o pri-
meiro numero do jornal hebdomadario, Cinco
de Setemb/o, que se publica na cidade da bar-
ra do Rio-Wegro. lie a primeira vez, que a
divina arte de Gutteaberg se ostenta naquel-
las longiquas, e remolas regides. Dos pro-
teja, e fortifique aquella nova publicacao, pa-
ra que ella durando possa prestar verdadeiros
e preciosos servicos quelle povo uascente, e
digno de melhor sorte.
No Maranbo continuavam as febres a victimar
a populacao da cidade, parecendo recrudescer
o mal com o invern, longe de demnuir. Em
Alcntara tem ellas tambern lavrado com o
mesma intensidade, e em Caixias J apparece-
ram com carcter assustador.
Fallecern) emS. Luiz, victima da epidemia,
os Srs. desembargador avinundo Feiippe Lo-
bato e tenente-coronel S Vianna.
o dia 27 do passado reuniram-te os colle-
gios eleitoraes para a eleico dos dous senado-
res, sendo o resultado desta nos da capital c
Alcntara o seguinte : desembargador Jos
Mariano 155 votos, Angelo Munix 155, Jca-
quim Mariano 153, Dr. Jos da Silva Mala 4,
desembargador Joaqum Vieira da Silva e
Le-se no Pu6fieador JMiiran/iriiie de 3 deste
inez o seguinte :
'No dia-i.* do cor reme entrou de Liver-
pool o vapor 6'aa-iriu. o primeiro dos que
tem de einpregar-se na uavegaco do rio Ita-
pucur al (,'axias, segundo o contracto cele-
brado entre o governo da provincia, e urna
companhia de negociantes desta cidade. Es-
te facto assignala urna poca que ser bem
notavel na historia dos dos nossos progressos.
Do C cara nem urna uovidade impotante te-
mos a mencionar. 0 Pedro II de 7 do cor-
rente dconta do seguinte :
Por negligencia, ou conivencia do carce-
reiro e dos guardas fugiro os prezos da cadeia
do ico.
i Consta que S. Exc. o Sr. presidente orde-
nara a deinisso e responsabilidade do mesmo
ral ia 1 II u, r illli' tailibrill dimlllll a O .lilll-
mandaiite do destacamento do poslo de alie-
es do corpo de polica, visto que acbava-se
enca regado de velar na guarda e seguranca
dos mencionados presos, expedindo au mesmo
lempo as mais enrgicas providencias para a
captura dos criminosos e dos guardas que se
COMMERCfiG.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 16.....16:945,503
Deuarregam koje 17 de junho.
Bares portugueza S. Cruz m^rcactorias.
Patacho americano IFore -- farinli, bo-
lacha ebreo.
Brigue inglez Farye ~ bacalho.
Escuna tngleza --Honetta tnercadorias,
Barca ingleza Coiumaui idotn.
Patacho brasileiro -- Nova Lut itlem.
CONSULADO GERAL.
Rendimento do dia 1 a 1*
dem do dia 16.
11:823,941
362,586
12:186,530
DIVERSAS PROVINCIAS.
Rendimento do dia i a 14 1.119,290
dem do dia 16........ 8,684
- 1:127,97
RECEBEDORIA. DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Rendimento do dia 16..... 503,282
CONSULADO PROVINCIAL.
Upiti do dia 16. 1:787.01)
iVlovimento do porto.
se deixcni de presumpedes, niandeni seos re-
querimentos. e nao se liem uo Aleucar ; que
nao ha nem um herosmo em eslar prezo, se
a soltura depende de um requerimento que
nao coniproiiielta, nem falle a lealdadc a uiu-
Silveir da Molla.
Temos avista jornaes Portuguczes, de Lis-
boa e Porlo, os quaes alcancam a 2l de maio
prximo passado; e as noticias recebidas no
principio do correr.te, pelo paquete Ingle/,
. s temos por ora a acrescentar o seguinte que
o em resumo col hemos dos inesmos jornaes.
governador d'fculre Ros Urquiza com Rosas, No dia 14 ,inua 0 lelegrapho anuunciado a
se tal li,tem soado a ultima hora desse '"ons-"^^^ 0 marecbal duque de Saldanha, da
tro sanguinario, c ambicioso, eos seos mas- I uarra do porlo. e com elfeito a 15, pelas 10
horqueiros nao seraiii os ltimos a revoltar-se hots do dia, apparecram avista de Lisboa
1. ___,..._______... .........\n<< .1.. Kin .a__1____ _____ .
nem.
C"iifirma-sc a noticia do rompemento
contra elle : assim as nossas quesles do Rio
da l'rata tciaui um diseulace menos ensau-
guentado, c talvez inteiramente pacifico.
Antes de fechar esta quero dizer-te inais que
tendo o Mello Franco fallado na sesso de hon-
tem cm uns tantos uiillides de pezos.que o Go-
verno do tfrazil emprestara a praca do Mon-
tivideu, em polvara, balas, canhOes &. U Mi-
nistro dos estrangeiros na sesso de boje ( i)
os vapores que o conduziram e ai suas tropas
S.iini am do Tejo ao seu encontr tres vapores,
einbaiideirados e chelos de gente, em um
dos quaes ia o Sr. Jos Bernardo da Silva Ca-
bral. O escaler dos ministros largou do arse-
nal s 10 horas c nieia, e alracou ao vapor
Infante D. I.uiz, no qual eslava o iu.ireel.al.
Logo que este soube que S. M. a ralnha o
esperava, saltou pora o escaler, e, acompa-
de juuho negou o faci duendo que isso sa! unado do, ministros, do seu ajudante general
|."d'i 1 -i 1 ler logar, se por ventura a tranca; e aiudantes d'ordens, desetnbarcou no caes
suspender seu subsidio que costuma dar, e j Qa pampuiha.
que issos poderia ler logar se fosse apro-l Eolretanlo preparava-se o desembarque da
vadaa conveoco Le Predour, oque nao cous-1 olv,j0 das tropas; o Tejo eslava coberto de
lava anda. Toda va, sendo a conservacao Darcoi_ e a8 iUas ,
da quella prava do inaior interesse para o
brasil, se de .algum diiiheiro dependesse essa
concervayo. elle ministro deelarava fraca-
inenie, que nao recuariadiaute dessa respon-
sabilidade ; que lomarla sobre si, e depois vi-
ra dar paite a cmara sujeilando-se a todas
as consequencias; e leve nesta eccasio apoia-
dos geraes. Adeus meu charoLiborio, uo te
esqueja nunca do teu.
Irmo Aadre
(Carla parlicalai.)
mamo u nmmm.
t&lCirZ, 16 JUNHO DIH51.
lloje a urna hora da tarde tomou o F.xm. Sr.
Victur de Oliveira posse da presidencia da pro-
vincia, depois de haver prestado o competente
juraiueulo uo paco da cmara municipal. As-
litUran quelle acto os senhorescouunandanle
das armas, presidente da relajo e mais des-
euihargadorcs, chefe de polica, os cliefes das
reparllfdes, e'pessoas gradas da provincia, a-
chando-se formados nu lugar do palacio da
presideucla onde elle teve lugar, os balalhes
de linha aqui existentes,_______
Entrou boje dos porlos do norle o vapor Pa-
raenie.
Os jornaes do Para alcancam a 3l do passado,
os do Maranhao a 3 do crrenle, e os do Cea-
r a 1.
Na madrugada de lli do mci passado reben-
tou urna graude irovoada sobre a cidade de
Ueleui e seus arrcbaldes, principalmente as
eiuDucaduras dos ros Acara e Moj, em cuj >
punto cahlram muitus raios, um dos quaes
desgraiad-nu ule enconlrou urna canoa, que
navegara para o ultimo dtsles rios, levando a
seu bordo seis pessoas, e entre ellas o Sr. I.m-
mico de biqueira e Quelroi, queficou imiiie-
di.ii ni.inie moi 10, e tambern uina pretinha,
desappareceudo o piloto que couduna a dita
canoa, e cujo cadver aiuda uo liuha appare-
cido.
Piodia2i do mesmo mes foram julgadus pe-
lo juiz de diiriloda seguuda vara da capital
os nos Candido Jos de Leinos, Manoel Ro-
drigues do Nasciu.enlo, Jos Simes de Maga-
liies c Jos Luis, aecusados de falsificadores
de moeda de cobre, sendo os u es primeiros
Navios entrados ni dia 16.
Para e portos Intermedios --16 dias e 13 1,2 ho-
ras e do ultimo porto 22 horas, vapor braii-
leiro Pararnsr, commaodante o capitao de
fragata Caetano Pereira. Passagelros para
esta provincia, Amero Mauoel de Medeiroi
Furtado. Aiexandre JosAlves, ologlez Joo
W Studart, o Portuguez Venancio Gomes, o
llespanhol Antonio Jos da Rosa com 17 es-
cravos, Joao Valeolim Peixolo, um preso
de justica com urna escolta de um inferior e
tres soldados, tres escravos a entregar, U.
Antonia Deifica Pereira, 11 carpinteiros para
o arsenal de inarinha desta provincia. Para o
Hio de Janeiro, Dr. Antonio de Barros Vas-
conccllos, dous rccrulas para o exercito e 4
escravos a entregar ; para a Uahia, tr. Ma-
noel da ralnha dos Aojos. .
Guernsey 30 das, escuna Ingleza Harltia, de
99 tonelladas, capito C. Day, equipagem?,
em lastro ; a Me. Calmon tt C.
Barcellona, Malaga e Santa Cruz de Tenante
47 dias, e do ultimo porto 24, patacho hespa-
nhol Keng, de 127 toneladas, capitao A. Co-
lomer, equipagem 11, carga vinhos e mais
gneros ; a Joo Pinto de Lemos t Filho.
Naviot lahidos no meimodia.
Para e portos intermedios Vapor brasleiro
Prnam&ucrina, cominaudante Otten. Passa-
gelros desta provincia Ignacio de Albuquer-
que Maranhao e.um escravo. o Portuguei
Pedro Antonio Bernardluo, o Inglez E. Po-
wer e o Allemo Frederico Timm.
Rio Grande do sul Hrigue brasleiro Marcial,
capitao Mauoel Jos Vlonleiro Vianna. carg
assucar.
dem brigue brasleiro Biperanca, capilao
Anastaco daSlvera Mendes, carga assucsr
e sal. .
Rio de Janeiro Rarca sarda ifkMC /. capitao
Marco Carmelcch carga a mesma qui
trouxe. ,.- t
Quecnstlwn Brigue Inglez touiia, capitao 1.
Le Page, carga assucar.
ObservafaS.
Sa hio em commisso a escuna braslleira i>
doia, commandante Joaquim Aires Moreira-
EDITAL.
elle 110 Caes das Columnas. re
Formados que foram os corpos em linha,, mesmo
collocou-se o marecbal sua frente, e cntoou
vivas a S. M. a ralnha, carta reformada e
aos habitantes da capital; vivas que furaui
correspondidos com euihusiasmo. bS. MM.
e AA. estavam as janellas do palacio das
Necessidades, por cuja frente desfilaran) as
tropas com grande regosijo publico, e icco-
liiei iiii-M- quarleis.
O marecbal, os generaes e omciaes do esta-
do-maor liveram a honra de beijar as maos
a SS. MM. Depois regressou o uiarechal sua
casa, sempre acompanhado do mesmo modo
e sendo victoriado por toda a parte.
No da seguinte ( 16) |foi felicitado por urna
deputa(o da cmara municipal de Lisboa e
successivainente saudad.por outras corpora-
ces c autoridades.
Pordccretos de 12 e 13 de maio, tlnhasido
o uobre marechal reintegrado no lugar de
vogal do supremo couselho de jusilla mili-
tar ; e foram confirmadas todas as promoces
e despachos feiios por elle em nome de S. M,
a 1.mili.1, durante o moviiiiento.
Por decretos de 17 foi o mesmo marechal no
meado commaudante cm chefe do exercito
portuguez em lugar de S. M. el-rel O. Fernan-
do, e cncarregado interinamente do ministerio
da guerra, como presdeme do coucelhodc mi-
nistros. Oseu ajudante general D. Miguel XI-
meiies foi Humeado sub-chefe do estado inaior
general do coiiimandanlc cm chefe do exer-
cito, O baro de Francos foi exonerado dos
caigos de ministro da guerra, ma.inba e ul-
tramar, e n mead" commaudante general da
11 a da municipal de Lisboa de cujo cocinan-
do foi exouerado I) Carlos Mascarenhas. O
baro da Senhora da Lu fui dispensado do mi-
nisterio do Reino e eucarregado do da uiari-
uha e ultramar. O conde de Sobral foi iiomea-
do governador do dislriclo civil de Lisboa.
Por decretos de 19 foram promovidos SS. A A.
o principe real D. Pedro de Alcntara ao poslo
de brigadeiro honorario do exercilo ; o infante
I). Joao, ao poslo de alteres do regiment de
Infamarla n. l; e o infame D. Luiz, ao posto
de segundo tenente da armada.
Anda nao se liuha completado o minlstero.
Os agitadores lia.vi.uu empieg do multo
se ha de arrematar em hasta publici
perante o mesmo tribunal a quem por menes
Bzer o servlco da capatazia do algodao contor-
me dlspe o cap. 6 do reglamento provincial
de 4 de junho de 1847 pelo prego de 3:000,00)
ra. por nuo, sendo a arrematado por lempo
de 3 annos a contar do l. de jullio de 1851, a
30 de junho de 1854.
Os concorreules comparecam competente-
mente habilitados no dia cima indicado ao
mel dia. _,.
E para constar se mandou adUar o presente
e publicar pelo Diario.
Secretarla da thesouraria da fazenda provin-
cial de Pernambuco, 14de junho de i85i.
O secretario,
Aaton Firriira d'Atrnundajo
Declaragoes.
t.. As materias do ensino
scripta; contar as quatro especies
os 11. liaros; doulrina christa; le*
De ordem do Illra. Senhor director gera
da instrueco publica, fago saber a quem
convier, que est posta concurso a cadeira
de instrueco elementar do primeiro grao a
villa d'Agua-Prela, com o praio ueo PM
da data deste.
leilura e esi
em nmeros ..
memos da gramuialica da llngua nacional,
com espeoialidade a orthograpbia.
Directora geral. 10 de junho de 1851.
amanueuse archivista, Candido EmUiquio cesw
* 4RKAL COMPANHIA DOS PAQUETES
INGLEZES A VAPOR.
O vapor Tay deve aquchegan
dos porlos do sul, de volta par
os da Europa, no dia 17 do cr-
reme, e no mesma dia prosie-
a o seu destino: os Senhores que pre-
tenderen) passagem para qualquer dos portos.
era que o mesmo lenha de locar, deverjo
tratar anlecipadamenle em casa da respectiva
geucia, ra do Trapiche n. 42.
Theatro de San-Francisco.
yCARTAFEIRA, 18 DE JUNHO DE 1851.
Espectculo variado de canto, dramtico e
I I
I \ f




---------------------------------------------------------------------------------------------------, :
.. .-'
M
l.iiita, a beneficio de Pedro BaptliU de Santa
llosa.
Depois que a orchestra dirigida pelo Sr. pro-
fesor Theodoro Oresles, tiver desempenhado
limadas melhores ouverturas, abrir-sc-ha a
cena e acompanhia nacional do thratro de
Sania Izabel em obsequio ao'beneficiado, re-
presen lar o mui lindo vaudcville em 2 actos,
que lem por titulo
ARTIIUR DEPOIS DE DESASIS ANNOS
Pirionageiu.
Lord Melvil, almirante da inarinha inglesa, o
Sr. Antonio Maxitniano da Costa.
Maria, aSra D. Joanna Januaria.
Slr Arthur, oSr. Antonio J. DuarteCoimbra.
Jeronymo Dulflot, estanqueiro de tabaco em
Pars, o Sr. Raimundo Jos de Araujo.
Jobs in, o Sr. Santa llosa.
Gatbrlna, mulher de Jobson, a Sra. D. Ma-
ria Soledade.
Jornaleiros, inarujos, mulheres, etc.
O beneficiado para darmais .alimento c real-
ce ao seu espectculo, dedica a execuco do
drama aot Ilustrados acadmicos de Olinda, a
quein implora proteccao.
No fim do drama o Sr. Vasco em obsequio ao
beneficiado, cantar a cavatina DEL BRAVO
del maestro inercandante per bartono.
Fiada esta, a Sra. Lauda, tambem em obse-
quio ao mesmo. cantar a cavatina GEM.HA
UII. VKH.GGIdil maestro Donizetli.
Seguir-se-ha a representacao da comedia em
1 acto O MARIDO DA VIVA -- de M. Ale-
xandre Dumas, traduzlda livremente por J. M.
de Son za Lobo, na qual a Sra. D. Joanna Janua-
Tiadesempenbar a interessante parte de l).
Ermelinda.
Em seguida a Sra. Moreau, por obsequio,
dancara um passo intituladoA ACUAt.RU-
VIANNA.
Terminara o espectculo cora a jocasa co-
media
Os irmaos das almas.
O beneficiado querendo satis fazer aosdese-
jos de muitat pessoas. que se dignan! bonra-lo
na noite de seu beneficio, pedio a senhora Au-
gusta Candiani o obsequio de coadjuva-lo nes-
sa noite; ao que a mesma senhora de tnuito
bom grado se prestou, eiecutando n'um dos
intervallos a grande aria da opera:
NABUCO l'ON 'SOR
do maestro Verdi e a multo applaudida mo-
dinbabrasileiaf
ADOREI UMA ALMA IMPURA.
He eateo diverlimento que o beneficiado tem
escolbido para oflerecer ao illustrado publico
delta provincia, tic quera espera acolhiinentoe
proteccao.
O beneficiado aproveita o eusejo, para decla-
rar as Sras. Candiani, Landa e seu marido,seus
companbeirose.aSra. Moreau, oseu eterno re-
conbecimento de se prestaren! gratuitamente e
' com prazer.
Os bilheles acham-sa> desde j a disposicao
do publico, na ra de Santa Izabel, peni ulti-
ma casa n. 13, residencia do beneficiado, e no
dia do espectaculo.no mesmo theatro-
Principiar s 8 horas com acbegadadcSuas
F.xcs.
Avisos martimos.
Para a llahia segu viagem com brrvidade
a sumaca Paraguas*, recebe carga i (Vete ;
para o ajuste a fallar com Joao Francisco da
Cruz, ra da Cruz n. 7.
Vende-se a sumaca nacional Carila, bom
construida, forrada de niadeira e cobre de
comnosico, e pregada de cobre ainda nao
ha dous annos, prompa de ludo para navegar,
um I)oin aparelbo te ; quem pretender pode
examina-la no Forte d6 Mattos, Aindiada ao
T> do trapiche dTalfandcga, a tratar ce.m o
proprietario, Jos Goncalves Simas, ou com
Luiz Jos* de S Araujo, na ra da Cruz n 33.
Vende-se uns lancha nova, que pe-
ga de Irinta a quarenta barricas, a a qual
se cha em perfeilissimo estado, bem co-
mo tres botes novos, ludo por prer;o com-
iiuiilii : na ra do Vigario, n. 11, primeiro
andar.
Para o Rio Grande do Sul seguir milito
breve a sumaca Firmea, nova e de boa mar-
cha rtcebe carga a frete e passagelros i traa-
se com os consignatarios na ra da 'achia do
Hecife armazem n. 12.
Leildes.
= O corrector Miguel Carneiro far leilo no
dia terca-feira 17 do correte as 10 horas da
inanhaa no seu armazem na ra do Trapiche n.
40, de diversos trastes novos e usados, louca,
vid ros, candieiros.quadros, espingardas, pisto-
las, relogios e outro* inultos objectos que se-
rao vendidos por todo o pre'co: assim ctimo no
meio-dia em ponto ir n leilo urna porcao de
caixas com vinho *bordeaux.
= C. J. Asile y & C. laro leilo por interven-
cao do corrector Miguel Carpeiro de um com-
pleto sortimento de lazendas, quarla-feira 18
do crreme as 10 horas da inanhaa no seu ar
ina/ein na ra do Trapiche n. 3.
Kalkmanu lrmns faro leilan por in-
trrveucao do corretor Oliveira, de grande sor-
timento das melhores fasendas de seda, linho,
l, e d'jlgodo, e as mais proprias d'este mer-
cado: ni c i-leir.i, 17 do corrcnle, s 10 horas
da mantisa, do seu armazem, ra da O uz.
Avisos diversos.
Aluga-se um sobrado na ra Imperial n.
30, de um andar, dous sotos, commodos para
grande familia, terrario, bom quintal e ca-
cimba : quem pretender, dirija-se a ra das
Cruzc< junio a padaria n. 28, terceiro andar.
Rccominendamos as pessoas que vo a
Europa nos vapores o Sr. Carlos Figueiredo,
portugus estabelecido em Soulbampton co-
mo agente, no qual encontrarao, alm da van-
tsgein de fallar a mesma lingoa, toda a probi-
dade, intelligencia e actividade.
C.UiMIS C. F1GLKIKEDO,
AC INTE DA AiriNMOA Z BK IIAVOS,
12. Orrhartl Place
S0UTHAMPT0N.
Recebe e' expede com presteza e economa
tnercadorias, bagagem e effeilos de qualquer
nalurezae ordem.
Esclarece os viajantes sobre a ebegada dos
paquetes c suns partidas, diriginfti-oino mais
deque ha ja ni myster. Obriga-ae a tomar con-
ta da bagagem, rffeilos, etc de passagelros.
Recebe faiendas cotnniisso.
Peidou-se o mrio bilbele n. 1031, e os
quartos ditos n. )4 e 133, todos da loteria que
correu no dia'12 do conente, pertencente a
na ti k da Boa-Vista : pede-se por tanto ao Sr.
thesoureiro que os nao pague, sena o a seu pi o-
prio dono, que heCypriano Luiz da Paz.
Qualquer senbor de eogenho, que preci-
zar de mestre para ensinar fra seus fllhos prl-
meiras letras e traduzir francs, procure as
Cinco Pontas defronte da fortaleza, que ah en-
contrar qoem se ofl'crece dalos promptos no
espaco de 3 annos.
~ Preclsa-se de um fo'rneiro para urna pa-
daria nos Aplpticoi, e paga-se bem : tratar na
ra Diroita n. 69.
Koga-ae* pessoa qtieachou um tabo-
leiro.com tres (landrespequeos e um gran-
de : querendo testituir, dirija-se ao Corre-
dor do Bispo, em urna meiagoa Junto a ca-
sa nova.
Precisa-se de umn negra quintadeira,
que neja diligente, para vetdageui : na ra
doiMartyrioaQ.9.
IRMANDADE DOSENHOR BOM JESS DAS
CHACAS.
A mesa regedora faz saber ao respoitavel
publico'e aos irmSos da mesma, que, na
madrugada do dia 18 do correnle, tora lu-
gar o alevantamento da bandeira do seu
Padroeiro, e como ella se ache sem meios
sufllcientes, pedeaos mesnios, que a coad-
juve com as esmolss quo o seu devoto cora-
do Ihes diclar, e aos irmSos, que so apre-
sentem diariamente a preslarcm-se pesso-
almente ans servidos do mesmo Sr. A mes-
ma mesa muito grata sar a todos os liis
devotos.
Precisa-se de um homem para feitor de
um sitio, que seja casado : trata-se na tra-
vessa do Veras na Boa Vista, sobrado n. 15.
Aluga-se urna canoa nova, de carga de
milheiro de lijlo de al venara grossa: quem
della precisar, dirija-se a ra da Concordia,
ultimo sobrado, a Manoel Firmino Ferreira.
= Desappareceu da ra Imperial n. 7, na
noite dodialSdeste mez umaescrava de no-
mo Thereza, naco Congo, cora Idade de 50
annos pouco mais ou menos, estatura baixa,
chela do corpo, com cabellos j brancos, levou
um vestido de chita de assento branco, urna
saia de chita de assento branco j velha, com
um lenco amarrado na cintura, tem de costu-
me andar detrs do Carino Velbo lavando mil-
pa : quem a pegar, leve-a na dita casa cima
mencionada, que ser recompensado.
-- No hotcquim da ra Nova precisa-se de
um preto para todooservifo.
= Aluga-se o primelro andar da casa da ra
da Mocda h. 7 : a tratar na misma
Ueseja-se fallar com o Sr. Joo Augusto
Pessoa; na ra Nova n. 5, loja.
Desappareceu de bordo do patacho JV
Iheroy o escravo Martinho, caboclo, com os
signaos soguintcs : baixo c grosso do corpo,
denles abortos na frente, suissas debaixo do
queixo, levando vestido calca de zuarte azul,
camisa de rlscado azul e branco, jaqueta de
panno, chapeo de palha coberto de bi un olia-
do: quemo pegar, leve-o a bordo do dito pa-
tacho, ou ao escriptorio de viuva Gaudino 4
Filho, ra da Cruz n. 66, que o recompensar
generosamente.
= Os abaixo asslgnados fazem acienle ao
respoitavel publico, que amigavelmenle dissol-
veram a sociedade que tinham na taverna da
ra do Cordoniz n. 10, que girava sob a firma
de Mendes & Macieira, ficando o socio Mondes
rospnnsavel por lodo o activo e pasaivo. Reci-
te, 16 de junho de iSt-Jos Mindes da Sil-
va liuimarts. francisco losi da Silvv la-
ciara
= A pessoa que por engao tirou de junto
da sintini'll.i um chapeo de sol verde, com ca-
bo de martiin na posse do Exm. presidente, le-
nha a bondade de restitu-lo nosla typugra-
phia, que muito obrigado se Ibe ficar.
-- A pessoa que i ni juoho ou julho do anno|com multo e bom leite.
passado annunciou querer fallar ao Sr. Rodri-
go de Freilas Pires Guimares : dirija-se a ra
do C respo n. 10, que achara com quein tratar a
resprito.
= lloga-sc ao Sr. J. F. de M. que venba
concluir o nrgocio que nao ignora : na ra da
t.adcia do Recife n. 51, primeiro andar, do
contrario se publicar seu nomo por extenso.
O thesoureiro da lotera da Matriz da Koa-
Vitta faz sciente ao respeitavel publico que
principia i pagar ss blhetes premiados da
mcsiiia lotera boje l7 do crreme mez desde
s 8 horas da mauho aleas 5 huras da tarde,
e con linua apagar at o "dia 26 do crreme
mez na ra do Trapiche novo n. 36 segundo
andar.
O eaulelista Salustiano de Aqulno l-'er-
rria faz sciente ao respeitavel publico que as
cautelas da Matriz da Boa-Vista sao pagas na
l i ai, a i Independencia n. 13 e 15, loja de cal-
cado do Arante, e na loja de uiiudezai n. 4,.
e no atierro da Una-Vista n. 58, loja de cal-
cado. -A sor te de5:000f rs. sabio oin vigsi-
mos no numero 4480, assim como alguns pre-
mios de -Ji'll/rs. e 100/ rs., e um de 500/ rs.
em cautelas.
Precisa-se um homem que saiba ler para
feitor de olaria, na ra da Aurora n. 44.
__ Quein precizar de urna ama de leite di-
rija-se a ra do Calalinufo u. 30.
Aluga-se o sitio no Araial do falocido
Joo Carlos Pereira de hurg* a tratar na ra
Direlta n. 14.
O pardo Candido que era criado do a-
baixo assignado, dcixou de o ser de hoje em
dianle por diversas traficaacas que foi, e por
Uso foi despodido, ed'esia dala em vanle
ninguem pague elle coma alguma do abaixo
assignado, era fie couza alguma d'clle que
seno responsabilisa visto nao existir mas na
casa. Rocife 16 de junhode )S5l.
francisco Joi Cerello leal.
Francisco Marque Barros laz ver ao pu-
blico por osla folha que por baver oulra pes-
soa de igual nonie seassigoar de boje em di-
ante Joo Francisco Marques Braga.
A luga-se um segundo andar na ra do
Rangei defronte da botica, a falar na ra do
Gabug loja de Joaquira Jos da Costa Fojo-
zes.
&
Os arrematantes do Imposto de 2,500
rs.. por caneca do gado, q no municipio do Herir1, p'i Imnlem vender
as freguezias do Murihcca, JabttSo, Var-
zea e S. Louren^o, juntos ou separadamen-
te : osj>retendontes, comparecam al o dia
20 do corrente, na ra das Cru7cs n. 30, mu-
nidos das habilitacocs do costume.
Desappareceu dacarleira doescriplo-
rio do corretor Miguel Carneiro, uma cartei-
ra de algibeira, com feo de mola, cor ro-
x e dourada, contendo 19,000 rs. em setlu-
las, um papel de apontamentos, alguns bi-
lhetes de visita e uma chavinha : quem a
quizer restituir, ou dor noticia, ser bem
recompensado no dilo escriptorio.
A pessoa que annunciou por osle Dia-
rio, precisar de 800,000 rs., com boas fir-
mas : dirija-se a ra do Rangsl n. 36.
-- l'ret'isa-se de urna ama que tenha bom
e bastante leite, quesej, pelo menos, de 4
a 5 mozes, preferece-se sendo do mato, pa-
ga-se a contento : na ra do Collgio n. 9,
primeiro andar.
-- O abaixo assignado, roga a quem for
offerecido um anelSo, gran le, oitivado e la-
vrado, com a firma M. J. M., de o tomar e
leva-lo a seu dono, na rellni;5o da ra da
Concordia n. 4, que gratificar.
Manoel Joaqun* Milheiros.
Desappareceu do lugar dos Coelhos ,
na noute de 12 para 13 do oorrente, um ca-
vallo alazam csxito, com quatro sinaes
brancos, sendo um nalesta, outro pequono
no beico, outro no p direito e outro na
mlo esquerda, rom os ferros seguintes, na
perna dlreita d e mais 2, e na esquerda S :
quem o pegar leve-o ao mesmo lugar dos
Cuelhos.cssa n. 13, que ser* recompensado
No dia 18 do correnle, vai a praca por
venda, depois da audiencia do Sr. r. juiz
municipal da 2.' vara, na sala das audien-
cias, a casa de sobrado meiagoa de 3 anda-
res, sita na travessa do Encantamento e be
a ultima praca.
Precisa-se alugar uma preta, que eugom-
me pe lulamente, prel'eriiido-sc captiva, para
casa de pouca familia : a tratar na ra do Tra-
piche n. 3.
Precisa-se alugar um sobrado, ou casa
terrea em algumas das principaes ras do
bairro de S. Antonio, que tenha commodo
para familia, e que o seu aluguel n3o.exre-
da de 200 a 300,000 rs. annuaes : quem ti-
ver, annuncie.
OSr. LuizdeSouza Bandeirs, queira
ir, ou mandar, no Aterro da Boa Vista, so-
brado ii. 10, para receberunia caria.
Na ra de Hortas n. 124, exite urna ama
CIDAEDE PARS.
Compra-se um escravo de40 a 50 an-
nos, que n3o soja doente : na ra do Viga-
rio n. 33.
Compra-se pao de linho voltio, pro-
prio para curar feriilas : na botica da ra
do Rangei, que faz esquina para a Bineira.
Vendas.
Grando ortimento de chapeos de sol de
todos os procos, qu*li tanto de setla, como de pao, para homons
e senhnras, igual sorlitnento de sedas e pa-
o em pecus, pera cobrir armacOesServidas,
baleias para vestidos e csnaitilhos de se-
nhoras, consertam-so todas a quahdades do
chapeos de sol, ludo pur menos preco do
que em oulra qualquer parte.
Preciza-s de um preto, paga-se l2,OO0rs.
por mez, e o sustento, para o servico ordina-
rio de padaria ; e oulro que|entenda do servico
de masseira, e um fornoiro que saiba bom
fazer sua obrigseo, na praca da Sania Cruz,
na padaria debaiio do sobrado n. 106.
= U Sr. Francisco Antonio da Silva dama
do Rangol, queira mandar pagar a asignatu-
ra deste liiario, e einqoanlo nao o fizer ver o
seu nomc publicado em lettra redonda.
-- O abaixo assignado vendeu a sua ta-
vtrna, sita na ra das Cruzes n. 28. Itecil'e,
12 do junho de 1851. Jote Francisco Marinho.
-- USr. que offereceu, no dia
ia do eorr'ente, por uma negrinlia
e um molequiniio 700,000 rs., po-
de tir passar o papel : ia ra das
Larangeiros n. 14 segundo andar
- Qualquer pessoa que se quizer contra-
tar. Dtra encarregar-so de una liorta : p-
~ .11:___-^- J- ,,,., il/VlIflC-
!l O abaixo assignado roga a quera for ofe- !<&% ^SLS^
recido um anelo grande oitavado elavrado
cora firuia M. I. M, de o turnar e lvalo a eeu
dono ua refinaco da ra da Concordia n. 4
que se gratificar.
Mam! Joaqun Milheiroi.
No dia 18 do corrente mez pelo juiz mu-
nicipal da 2, vara do civel ter lugar a ultima
praca, para ser arrematada depois da audi-
encia era asta publica, um sitio de trra para
plantar, com casa de sobrado estribarla para
4 cavalloa, 2 viveiros de criar peixe, cento e
lautos ps de coqueiros : no lugar dos A Mu-
gados denominado curiumc, por execuco de
Luiza Thexelra de Lima.contra Joaquim Cr-
rela d'Araujo.
Precisa-se de um homem portuguez
uara feitor de um engeobo no sul, distante
desla praca 16 legoas, preferindo-se dos
chegados ltimamente, eagradaudo-se pa-
ga-se bem ; na ra da Cadeia do Hecife, lo-
ja n. 50 de Cutiha & Amorim.
O baixo assignado declara aos Srs. de
engeuho, com quem lem relances, que he
falso o annuncio inserido na Imprentan.
125, de 16 do corrente, em que diz que o
ennunciante se relira para Portugal, eque
tal annuncio Ibe fot botado por alguma al-
ma pequenina e ceg de ambicSo, quo a
cerca relativamente ao recebimenlo deas-
sucar, visto que esse miseravel que se cons-
tilue meu inmiigo gratuito, nao pode com-
petir com o un 11 unca ule, as cuntas de ven-
das, que presta do assucar que Ihes silo
consignados, declarando ao tal sigano, que
seus bons costumes de mim se nSo apode-
ran!, e que nSoestou acostumado como el-
le isla, a claudicar seus comitentes.
Manoel A Ivs Ferrtira.
Pede-se as autoridades policiacs, que
fagam respeitavel a le da assembla provin-
cial, que prohibo o logo sollo, que ateos ne-
gros captivos sollain, e a lei que os probibe
lie muito bum entendida, porque fogo sol-
lo causa mullos dainos.
Precisase de dous conloa de rs., com
hypolheca em um sitio : quem liver, an-
nuncie.
O Sr. Manoel Comes Baiboza de Arau-
Iju Pereira, queira ir, ou mandar, ao Aterro
da Boa Vista, sobrado n. l, ou respouda as
cartas que se.llio leu) escripto
picio, que achara com quem justar.
0 abaixo assignado, faz ver a qiem
convier, que a preta Izabel, nilo he mais sua
escrava. Manoel Ferreira da Silta llamos.
Quem tiver para alugar um preto, ou
preta, escravos, para o servico interno e ex-
terno, de uma casa de familia : queira en-
tendor-se com o caixeiro da venda da ra
las Cruzes n. 28.
Precisa-se de um minino dn 12 a 14 an-
nos, nacional 011 eslrongeiro, que tenha al-
guma pratica de venda, e que d fiador a
sua conducta : na ra Larga do llozario
11 32.
<2> Itun las Cruzes 11. 88. O
q Contullorio homceopathteo do faculta- Q
(ido J. B. Caianova. q
Gratis para os sobres. q
Na ausencia do facultativo J. B. Ca- g
9 sanova, o professor homoeopatha g
Gosset Bimont continuar com os J*
O trabalhos do mesmo consultorio,on- cj
O de poder ser procurado a qualquer Q
O hora. O
= Aluga-se um sitio no Poco da Panella, na
margena do rio, tem coinmodoa para grande
familia, quintal murado e plantado de flores,
ele., cacimba com muito boa agoa de beber e
tanque, estribarla para quatro cavallos. e tem
porlo que delta para o largo da igrega; a tra-
tar na ra do bru casa grande do 1 unba, se-
gundo andar.
Compras.
-- Compram-se temos de pezos de 1 arro-
ba a 1 libra, bracos de balanca, para balco,
ditos grandes para arrobarlo, 6 pezos de 2
arrobas, serrotes e machados de cortar car-
ne nos coligues, ludo isto usado : tratase
na ra das Cruzes n. 30.
Compram-se os nmeros completos do
jornal intitulado O Amigo los Humeas, quo
foi impresso nesta cidade em 1815 e 46 : n
ra do yuetmadu. loja de miudezas juoto a
de cera 11. 33.
- Compra-se urna veneziana: na ra
ga do Rozara u. 26, loja do miudezas
LLVRO DE SURTES.
Depois de um alu-a lo Irabalho de mtiitos
seculos, o por occasiao decsefvar-so aci-
dado do Pompea descobrio-sn
AIKNAFATAL
DOS
Sti s/hos humanos
OU
SORTES PARA OS DIVERTIMENTOS.
U 18
Din- le S. Antonio, S. Joao c S.
Pedro.
Este importante livro sahio a luz pela pri-
meira vez no anno lindo, em um vol. de 286
paginas, e com 704 versos, que abrangem
os desejos dos vvenles, principalmente das
senhoras que tanto ambicionan! saber qual
en destino no anno que tem de vir : o que
elle contem he de uma verdade tal que
quem o consultar deve Picar persuadido que
infallivelmente Ihe succedera o que a sorte
lie tiver prognosticado. Vcndo-so a 1,000
rs na livraria ns-6e 8, da Praga da Inde-
pendencia.
Sortea.
Na livraria da praga da Independencia ns.
6 e 8, vendem-so folhas de papel com sortes
a 80 rs. cada uma, e o segninte livro:
Acasos da fortuna, ou livros de s irles di-
vertidos, etc., a 640 rs.
Aos '20:000,000 de rs.
Na 1 ua Nova, loja n. 6, de Maia
Ramos & Companliia, vendem-se
pela primeira vez bilhete, meios,
quartos oitavos e vigsimos da
loteria de S. Pedro de Alcntara,
cuja lista deve chegar pelo vapor
inglez Taf) que se espera em 18
do corrente ; por isso, roga-se aos
amantes do magnifico jugo, que
se dignem experimentar a sorte,
na nova casa cima referida; rece-
bendo-se em pagamento billietes
premiados deoutras quaesquer lo-
teras do Imperio.
Loteria lo Itio le Janeiro.
Aos 20:000,0110, 10:000,000, 4:000,000,
2 000,000 e 1:000,000 de rs.
No camino da Viuva V'ieira & Filhos, ha
ra da Cadeia do Iterife, n. 21, acham-sc
a venda os muitos afortunados hilhetes ,
meios eoautellas da 15.' loteiia a beneficio
do Iheatro de S. Pedro, dos quaes ve>m a
lista no vapor inglez, e trocam-.se pur hilhe-
tes 1 remiadc.s da loteria daMattiz da Boa
Vi-ta, a ellos antes que se ecabem.
HUheles do Rio ne Janeiro.
Aos ao:oo3,coo de rs.
Na loja de miudezas da Praija
ra Independencia n. 4 vendem-
se li'ilin It's inteiros, meios, quar-
tos, oitavos e vigsimos da decima
quinta loteria, a beneficio do ihea-
tro de S. Pedro de Alcntara, na
mesma loja recebe-se bilhetes pre-
miados da loteria da matriz da Boa
Vista, em troca dos que tem a
venda.
Lotera lo Rio le Janeiro.
AOS 20:000,000 DE as,
A' caa feliz
Nos quatro cantos da ra do Queimado,
loja de fazendas n 20, vei;dem-soos muito
afortunados billiete, meios, quartos, oita-
vos e vigsimos da decima quinta loteria do
theatro de S. Pedro de Alcntara, cuja lista
ehpga at o dia 16, na mesma loja trocam-
se pelos 1 iliieie- premiados da lotera da
Boa Vista.
Loteria lo Itio le Janeiro.
Aos 20.000,000 e 10:000,000 de res.
Na luja de calsado da l'raea da ln le en-
dencia e na ra du Cadeia do llecife n. 46,
loja do miudez-is arham-se a venda os
meios bilhetes, quartos, oitavos e vigsi-
mos, das loteras, dcima tereetra da Cari-
dadee dcima quinta do Iheatro de S. Pe-
dro de Alcntara, que tem de vir as listas
pelos vapores, da carreira e inglez.
Pagos sem descont.
Meios 11,000
Quartos 5,500
0,1 a vos 2,800
Vicsimos 1,300
Lotera lo Rio le Janeiro.
aos 2U:000,000 de as.
Na Praca da Independencia, loja n. 3, que
volta para a ra do Queimado e Crespo, ven-
dem-se bilhetes, meios, quartos, oitavos e
vigsimos, da loteria decima primeira a be-
neficio do Santissimo Sacramento, e na mes-
ma loja mosUam-se as listas das que j
correr m.
i: I tu tt lo Rio de Janeiro.
aos 30:000,000 rs.
Na ra eslreita do Rozario, travessa do
Queimado, loja de miudezas 11. 2 A. de Joa-
quim francisco dos Santos Maia, vendem-se
os muito afortunados beldles, meios, quar-
tos, oitavos e vigsimos da 11.' lotera to
S|nlissimo Sacramento, recebem-se em pa-
gamento bilhetes premiados do oulras
quaesquer loteras do imperio, alm dos
muios premios,qne esta casa tem vendido
que o proprietario tem deixado de annun-
ciar, vendeu ltimamente das casas da ca-
ridade o meio tullirte 11. 4,685 com 1 000/
e dous oitavos de ns. 1,852 com 400# cada
um.
-- Ven lo-se fumo em folha a retalho, de
primeira e segunda qualidade : na All'ande-
ga, armazem pequeuo de Das Ferreira.
-- Vende-se um sobrado de um andar,
na ra de Hortas n. 104 : trata-se 00 sobra-
do da ra de S. Tbereza.
Vende-se um preto creoulo, bom para
servico decampo, de idade 35 annos, por
precisao : as uncu Ponas o. 71.

Vende-se um sobrado de 3
anda es, muito bem construido,
na ra da Cruz do Recife, eque
d de renda annnal i:-100,000 rs.:
trata-se na ra do CoMegio n. 1 j.
primeiro andar.
-- Vcnde-seum piano, de muito boas vo-
zos, por preco commodo: na ra da Cadeia
doS. Antonio, no segundo andar do sobra-
do da esquina doOuvidor n. 14.
-- Vendem-so 2 escravas, uma preta mo-
ca e bonita, que cozinha, lava de sab3o o
varrela, e faz os mais arranjos de casa, uma
molata moga, que coze, cozinha, engomma
efaz o mais servico de casa.com perleic,ao :
na la Larga do Rozario, loja n. 35.
Vende-se .urna creoula 9
que lava com perfeicao, en- ,;.,
gomma. cozinha e faz com- |j
pras, sabe fazer doces e re- ^
finar assucar : na ra Nova
n. 58, primeiro andar, o mo- ^
livo da venda he por seu #
dono se retirar. jf
Vemlf-se uma casa terrea, na ra da
Gloria n. 24 : trata-se na mesma ra n. 60.
Vende-se uma preta de nac3o, boa co-
zinheira, ensaboadeira o quilandeira, por
preco commodo : no Aterro da Roa Vista n.
20, segundo andar.
-- Vende-se um bom escravo, proprio
para o servico de casa, por ser muito in-
telligenle e hel I na ra da Matriz da Boa
Vista n. 26.
1'ccaHilc chita com pequeo toque
te a varia a 4,5oo ., litas le al-
ffoilao/.inlio a i,2So c a l,oo rs.
Na ra do Crespo, loja da esquina que
volta para a Cadeia ven ieto-s* pecas de chi-
tas cor de ganga, de superior qualidade
com um |pequeno toque de avaria a 4,500
rs.,e anda continua a pechincha do algo-
daozinho, cum toque do avaria a 1,280 e
1,500 rs. a peca.
Os mili- i-icos pie tein apparrcitlo.
Na ra Nova n. 18, loja de M. A. Caj, ha"
um sortimento de cortes de colletes de seda
borlado de muitos lindos gostos, trazenio
logo cada corte seus competentes botes
com semetria ; vetilia elles antes que se
acabem ; tambem ha completo sorlemento
le roupa feita de diferentes qnalidades,
tanto superior, como mais inferior e faz-se
vestidos de montara para senhoras : alinal,
vindo qualquer po^so desurovenida de fa-
los, sahira promplo so trouxer, sedulas,
I) ala ou miro.
Novos cortes le chita a 1,76o, 2 e
j.joo rs. c mailapolo linipo a
2.2oo rs. a pera.
Na ra do Crospo, loja da esquina que
volta para a Cadeia, vende-se cortes do chi-
ta com 12covados inteiros a 1,760, 2 e 2,200
rs., lindos cites de casimira de boa quali-
dade a 5,400 rs., e os muilo acreditados co-
bertores de tapeto a720rs. e oulras mui-
laslazeudas pur preco coinmolo
Vende-se sal do Ass a bordo da escu-
na nacional Maria Firmina.fondea la na vol-
ta do Foite do Mallo, lmla-e com o capi-
tSo a bordo ou com o consignatario da mes-
ma Luiz Jos de S Aiaujo, ra da Cruz
n. 33.
Vendem-se pecas do cima, conten- t,>
do 4, 5 e 6 redaecs de dilTerentes pa- f
dies a 100 rs. o covado; dilasde
superior qualidade e goslo a 120 rs.,
he esla a la/en la mais barata que
tem apparecido : na Inja do sobrado
: iii;ii > lio ila ra do Queimado n. 29.
Maia Ramos & C. rna Nova 11. B.
Vende por diminutos prefos para liqui-
dar, a9 obra seguintes : Historia de Napoleao
por Nrvins 4 v., historia da levolucan frail-
ee;.! por Thiers l v., pensamontos e mximas
peloconselheiro Basl09 2 v-, Omonge de C.ister
por A. II irul um 2 v,, o auticristu por Julio
de Tournefort 2 v., obrai d'Ahneida Garree
7 v Jeronymo Paturot em procura de urna
p'osi(3o ocial, por Hiplito Rolle 1 v,, Eduar-
do ou os no-le i.is do lumen-.i por I. C de
Carvalho 4 v-, a desinoralisa;ao e o aeculo por
Sehaslio Jos Itibeiro de S l v., a minba vida
e dos nii-us amigos ou os ltimos quarenta
.linios l v., o llercules Preto, romance de Au-
gusto Aragao 1 v,, 6'apliveiro da trombeta E-
collicr por Ernesto Albuquerque 2 v o> Pa-
seu9 do liialin em Lisboa l v., o Proscripto ro-
mance de J. M. da Silva Vieira l v., Maria ou
as llolandezas por I. M. Pralt. 2v., Physiolo-
gia do homem cazado por Paulo de Kock i v,.
as Matamorpbozes da Mulher ou a Conquista
de uma Agua Fortada por Saintinc 1 v Lei-
turas Populare por Alvaro 1. Azevedo l v.,a
Roda da Fortuna por Augusto Arnain 1 v.,
o .1 ar.l nuil i, ou novo modo de Cultivar os Jar-
dins I v o Cozmheiro Completo ou Nova Ar-
le de Couiinhciro e Copelro.
Vende-se boa mandioca para os bollos
de S, Joao, no sitio do Patricio da estrada de
Joo de Uarroa antes do beco do espinheiro.
Vende-se nove sacadas de pedra do Rio
Formozn na ua de S. Francisco casa a pa-
utada um l.u.ln.|ue meio por preco cbinuio-
do ua mesma taiubciii se precisa de quem
saibe tirar formigas dentro de casa e tambem
em um aitio.
Vende-te urna padaria cora todos ot seus
perlences e bastante a frequezada por ser em
bom lugi>r quer pe tendel nnuncle ou diri-
je-se ai cinco poulas u. 03 que achara con,
quem tractar.
Vende-s o engenho Prejuhi, na fre-
guezia de guarass, moento o corrente,
com safra criada, tem boas madeiras e por-
to de embarquo : quem o pretender enten-
ila-secom Francisco Cavalcanti Jaime Gal-'
vSo, proprietario o morador no mesmo.
Vendem-se 12 escravos, sendo uma
preta nu c.-i insigne engommadeira, costu-
reira, borda, e laz doce de todas as quali-
dades h bolinhos, s se vende para o mallo
ou fra da provincia; cinco pretas com algu-
mas habilidades e quitandeiras, um mulati-
iil.n de 16 annos bom para pagem e copeiro,
Ires prolos bons para todo o servicu, uma
bonita parelha de pretos perfeitos carrega-
dores de cadeirinha, muito bons remadores
e de muito boa conduela, o que se alianza:
na ra da Cadeia do Recife n. 51, primeiro
andar.
Vende-se uma linda corrente
de ouro do melhor gosto posivel,
por pre^o commodo : na ra No-
r#
)
- Vendem-se urna carrocaeum boi, por! va lna le los linmum -dm-.-ir-i
prociso: emS. Amaro.ua ra do bomGos-| ?J e Joaqun, loreira
lo, ua primeira yenda. \oC C.


IMP




!1^^
Deposito da fabrica le Todos os
Santos 11a llahia.
Vende-se, em casa de N. 0. Biebor & C. ,
na ra da Cruz n. 4, algodSo transado da-
quolla fbrica, muito proprio para saceos de
assocar e roupa de escravos, por preco com-
modo.
;> Arados americanos,
j^. Vendem-se arados americanos ver- ,
.> > dadeiros, chegsdos dos Estados- --
',> Unidos : na ra do Trapiche n. 8.
Vendem-se saceos novos de estopa
rom duas varas, a 320 rs. : na ra larga do
llozario n. 48, primeiro andar.
Cera de carnauba.
No armazem de Domingos Rodrigues d
Andrade& Companhia, na ra dosTanoei-
ros n. 5, vende-se superior cera de carnau-
ba, ltimamente vindas do Aracaly, em
porco a retalho, por menos preco que
em outra qualquer parte, assim como sola e
couros miudos.
'Corram le pressa pecbinclia.
De 4,500 5,000 rs. o corte.
Na ra do Queimado, loja n. 17, ao p da
botica, vendem-se corles de casimiras de
cores escuras, muito encorpadas, proprias
para a presente estacSo, 4,500 e 5,000 rs. ,
e muito linas, a 5,500 e 6,000 rs.; pao lino
prelo e azul, de cores Pisas, a 3,500 e 4,000
rs., o covado ; cobertores de lila muito en-
corpados, 1,fi00rs. dito moilo grandes,
do Porto, a 3,000 rs. cada um, c outras fa-
zendas, por preco mais barato do que em
outra qualquer parte.
Cera de carnauba.
O maii superior que lia nesle genero, ven-
de-ie em porfo e a retalho : na rua da Cadeia
do Becife, loja u. 50 de Cunha k Amorim.
111 ~l 1111111 111 o- le 11111 *i<-a.
Fabrica de Variz.
Na rua Nova n. 9, vendem-so clarins, cor-
leo rs.; loucinho de Lisboa, a 200 rs.; dito
de Santos, a 120 rs ; velas de carnauba, de
fi, 9, 20 e 40 em libra, a 320 rs.; sovada em
gro, a 100 rs.; arroz do maranliflo, a C0
rs.; aletria a 240 rs.; talharim e macarrSo,
a160rs. ; vinbo da Figueira, a 200 rs., a
garrafa ; azeite doce, a 560 rs.; azeitonas,
a200rs. ; milho, a 160 rs., a cuia ; arroz
pilado, a 320 rs.; dito de casca, a 120 rs. ;
feijflo molatinho, a400rs. ; milho alpista,
a880*s. ; painso, a480rs. ; serveja preta e
branca, garrafas emeias ditas; charutos de
varias qualidades, vinho engarrafado mui-
to superior; queijos, a 1,500 rs., o outros
mais gneros muito baratinhos, pois de lu-
do se dar amostras e afianQa-se quo os fre-
guezesserSo bem servidos, tanto em pre-
cos, como em qualidades.
4
# Vendem-se cortes do vestido de chi-
4 ta, de parirnos muito bonitos e cores *F
A fixas, a 1,600 rs cada corte ; ditos
4 do cassa de cores tambem fixas, a tf
A 1,760 rs. ; alpaca de algodflo msela- >
4 da, propria para casacas o palitos, a 0>
4 280 rs., o covado ; cortes de calsado t>
3 meia casimira, radroes lal e qual de o>
4 casimira, a 3,000 rs., o corle, eoutras t>
4 muitas fazendas baratas: na loja do t>
'4 sobrado amarello, nos quatro centos' >
? da rua do Queimado n. 29. 4
Slaia Ramos .V ('. 11a rua Nova
n. G. acaba le receber, vindo* de
Lisboa no ultimo navio, 6a se-
-11 i n 1 r- retratos os piaes vende-
r muito em contn:
Duque de Braganca, I). Miria II rainlia
de Portugal, el-rci D. Fernanda II, conde de
Thomar, general duque de Saldanha, gene-
ral Guedes, coronel Galamba, D. Cezarde
Vasconcellos, Falco, general Povoas, Jos
II. Costa Cabral, conde das Antas, duque da
Terceir, duquo de Plmela, bario da lli-
beira deSabroza, viscondedeS da Bandei-
nclas, pistn, trompas. IrompOes, pr.toi del Um%Ut G.rret, Bodrigoda Fonseca Ha-
constantinopla, < boes, cirmelas, requintas i gB||l!les Eduardo J. Soller, Silvestre Pinhei-
alodas as qualtcades de vmloes, rabeecas, ro Fl,rreir8i e outros muilos personagens
nautas eiiaulins. | de HeapMtat, assim como colleccoes dos
-- Vende-sc resma de ang.co a retalhoe reis je Portugal, e algumas vistas dos arre-
por atacado, 320ira., a libra : na ra1 da baldM da |n?|CU Cidade do Porto, c.llec-
Cadeii1 do Recite, loja de Jo5o Jos de Car-1 c0es dos SUCcessos de I). Ignez de Castro, e
valho aloraos nnalmente ricas estampas de Santos, con-
Bu do P..* Quilico, lof.^, de A.bino ,tendo ^fe *os PsloloS'
A 2$dOO 1". O
Jos Leite, vendc-se cortes de meia casimira
escurai, pelo diminuto prcc.o de 1,400 reis,
chapeos de sol, asteas de balea com. barras
a 2,5(0; a riles antes que se acabem. (.'hitas
sem defeito algum a 120 rs. o covado, dilns
roas finas e lisas 200 rs., cobertores inuilo
rs. o par.
Sapatca de couro de lustra a 2,500 rs. o par,
obra ba : no Atierro da lloa-Visla, loja de
calcado n. 58, junto ao seleiro.
Corte le casimira le cor e preta.
C^ Cortes de casimira preta, muito l-
emeorpados, proprios para escravos, alMrs., nos. a 5,000 rs., o corte ; ditos de cores de
cambraias. da India, bordadas, proprias para muito bom goslo, a 6,400 rs. ; cortes de
cortinados, a 400 rs. a vara, chales de chita
a 640 rs., lencos de seda, padres de multo
gosto, a 1,00o rs., ditos de cainbraia com bico
a 320 c a 480 rs., brins de linho azul e de
corrs a 320 rs. o covado, lencos de cambraia,
denominados vapor, a 200 rs. eoutras umitas
faiendas que dcixain-se de annuciar para nao
oceupar lempo.
-- Vendem se sementes de coentro, mui-
to nova, a 200 rs., agarrafa, nfianria-sea
qualidade : 110 Atierro da Boa Vista n. 14.
:*= Vendem-se relogios de ouro sabonete, pa-
tente Inglez: em casa de Geo Kenworth & \
rua da Crus|n.2.
Para se acabar.
Venlem-se cera de carnauba, primeira
soile, 1 5,500 rs.; sapalos braceos para mi-
ninos, a 500 rs.; pennas de ema, couros de
cabra e chapeos de pallia, ludo superior,
pelo preco be de graca : na rua da CaJeia
lo Becife 11 49, primeiro andar.
.4 2,000 l's. a pie i 11 lia.
Na loja da rua do Queimado n. 3, defron-
le do becco do Petxe Frito, vendem-se pe-
cinbas de cassa chita de muito lindos pa-
drees, pelo baratissimo preco de 2,000 rs. a
pecinha, dar-sc-hSo amostras com o com-
petente penhor.
U rumie peeliinebn.
Risccdos azues de quatro palmos de lar-
gura, proprios pira vestidos de escravos, a
1(i0 rs., o covado: na rua do Crespo n. 10,
loja de 1. I. de B. Taborda.
Vende-se cevadinha em garrafes a 3,200
arroba na rua da Cruz Armazeiii n. 148,
No deposito de espiraos, na
Iravessa da Molda n, 5, adia-
se ti venda, nova porcao c'e garra-
foes de verdadeira agoardenle de
eana : quem se quizer prover des-
ta boa pinga, faca-o quanto antes
que a safia se est findando.
iVovns cnmbrnias pura vestidos.
Na rua do Crespo, loja daesquina, que
vira para a Cadeia, vendem-sc corles de
cambraias, com lislras de cores, a 3,600 rs.,
e o covado, a 320 rs. ; ditas de slticos de
cor a 3,000 rs e o covado, a 300 rs. ; pegas
decassas aberlas para mosqueleiros.a 3,000
rs.; chitas de cores lisas e bonitos padrOes,
a 5,000 e 5,500 rs., a peca ; ditas de mada-
POlSo largos para forro, a 2,400 rs. e ouirss
l'azendis, por precos commodos.
4 Para noi vas e bailes soberbos. +
'') Begiose sublimes vestidos do mais ^
(<4 importante e delicado blond de 1 ama- %
(.? ge, is im como de etlraordinario e $$
% superior selim de peso, todos bran- %t
>) eos e ricamente bordados, com fins- 4j
4 simoretroz d'alvor brilbante : ven- e>
4 dem-sena loja pernambucana de An- a>
'? Ionio Luiz dos Santos, na rua do s>.
4 Crespn. II. s>
I'AIIA ACAKAB-aE
Vende-sc, na rua do I.ivraiiirnto loja n, 11,
aapatos de duraque preto, para senhora, obra
muito boa, pelo baratissimo preco de 900 rs.
o par, e de niarroquim, ptimos para cata,
a 400 ri.
REDES DE MABCA.
Vende-se lindas redes de marca, por comino-
do preco, na rua da Cadeia do Itecife n. 23.
ATTENCAO.
Jo bom e barato.
Quem quizer poupar, venha ver e com-
prar, pois o ganbo de quem vende fica as
milos dos compradores e sembr fcam lo-
grados e mal servidos seus amos eseusse-
nhores, no Aterro da Boa Vista n. 54, venda
ao p da loja do Sr. Estima, e na rua Nova
n. 71, venda da esquina ao p da ponte, ven-
dem-se oseguinte: manteiga ingleza da
melhor, a 560, 480 e 240 rs. ; dita franceza,
a 480 rs ; banha, a 320 rs.; cha do melhor,
a 2,0C0 rs. ; dito, a 1,600 rs. ; espermacete
de6e7 em libra, a 640 rs. ; chocolate de
Lisboa, a 380 rs. ; fariuha do maranho, a
80 rs. ; dita de araruta a 160 rs. ; bolachi-
iha dita, a 240rs.,e a lata inteira, a 1,440
rs. ; dita ingleza, a 240 rs. ; cantarillas pe-
adas dePoriv.".*';*80 rs.; caf em gro, a
cambraias tle lislras de cores, muito linas,
a 3,600 rs. ; ditas com salpicos tambero de
cores, a 3,000 rs. ; carapuca de algodflo de
core*, a 240 rs., ca'la urna e outras muitas
fazemlas de bom goslo, por diminuto pre-
co : na rua do Crespo n. 6.
Vende-sc o encenho Agoa Fra, na fie-
guezia de Ipojuca, distante 11 legoas dcsta
cidadp, e urna legoa do embarque cumas
obras seguinles:--casa de viven.la, grande
capi'lla com imagens, um grande armazem,
casa de r.irinha e de purgar, com andamos,
encaixamento, estufa, casa de relame, con.
asseuto e tanque, cisa de engenho p*ra
moer com agoa 011 animaes, a qual conten
moenda de ferro, casa de caldciras com to-
das as suas laxas, etc., estribara, SOOZalll
de lijlo com 20 casas, urna grande casa de
volulo, que servia de desIJllucSo. 011 qual-
quer outro mister. Adverte-se que o pro-
pritario do rngenho, que faz venda para re-
mir suas dividas, vende tambeni a safra no
campo, e entrega inmediatamente o enge-
nho, logo que for concluido este negocio,
seja qual for o mez em que elle se realice :
trata-se neta cidade com Bernardo Jos da
Cmara, na Praca da Boa Vista.
Vende-se a trra parle da
fazenda d-notninaila Maria de Mel-
lo, situada n Riheira do !'iu da
Parahba, distan e de Prdras de
Fogo 7 legoas, cuja lazenda tem a
legoas de comprido e meia de lar-
go, com trras de plantaco deal-
godao e ciiacao de gado, boa casa
de vivenda com ollicina de fazer
azeite, machina de descarocar al
godao e prensa de enfardar, po-
dendo o comprador escolher a par-
te que mais lite convier : Irata-se
em Pedras de Fogo com o Sr. An-
tonio Dantas Concia Jnior, e no
Ilecife, com Luiz Antonio l'erei-
ra na rua do Queimado loja
n. 10.
(HUfSrt: Novo livro le sortea,
O orculo, ou o lirro don tteatU
nos, o qual foi propriedade exclusiva do
Imperador Napoleflo, traduzido do Caste-
Ihano da 22 edieflo inglezas, tendo sido
antes do allcmflo de um antigo manuscriplo
egypcio, encontrado no anuo de 1801, por
M. Somnini, em urna das reaes tumbas do
atoEgypcio. Esta obra de rica inveneflo
para nos, foi propriedade exclusiva de Na-
poleo, onde elle consultou todos os psssos
de sua vida, como se vera de suas cartas es-
criptas em S. Helena, e transcripta no prin-
cipio da mesma obrr, aciba de chegar do
Ilio, onde pela pria portujiuez: vende-se por 3,000 rs., no Pa-
teo do Collegio, casa do livro azul.
Vende-se um deposito, com lOcaixOes
para 6,000 arrobas de assucar, um braco do
balanza e suas conchas, urna outra deci-
mal e 12 arrobas em pezos, ludo em bom
estado, por s servir em urna safra : na rua
da Cruz do Becife 11. 6, primeiro andar.
Vendem-se 3 escravos, sendo urna (tre-
ta creoula de 18 anuos, bonita esadia;2
pr. los de 24 e 25 anuos, sadios, fortes e bons
trabalhadores em aimazem de assucar : na
rua da Cruz do Becife n. 6, primeiro andar.
rapadlo proprios para sala.
Vendem-se superiores capachos, pintados
e brancos, e de varios tamaitos, por preco
muito commodo .' na rua do Queimado, lo-
ja de miudezas n. 16, junto a loja de cera
n. 33.
Vendem-se livros em branco
de diversos tamaitos pe.tas de
neo, cabos de manilba e de linho,
modo prego : na rua do Trapiche
n. 11.
AOS SENHOBESOURIVES.
Ferramenta completa para servido de ourivea
entre ellas pe9a de novo goslo : na loja de fer-
ragens n. 50 A da rua da Cadeia do Reclfc de
Antonio Joaqulm Vidal.
Pura acabar, sarja liespanbola,
linipa, boa, a 1,1)20rs.
Vende-se sarja limpa espanhola, muito
larga, boa fazends, a 1,920 rs. : na rua lar-
ga do Bozario n. 48, primeiro andar.
Charutos.
Vrnilom-se os verdadeiros charutos da
llavana, de superior qualidade : na rua da
Cruz n. 4. _.
BOLO DE SAN JOAO.
Kicas formas para bolos, na loja de ferragem
n. 56 A. da rua da Cadeia do Becife de Antonio
Joaquim Vidal.
C07.INHA.
Completo sortimento de pecas de ferro forra-
das de porcellana e estanto; e putras inultas
pe;as de novo gosto proprias para servlfo de
cotinba, assim como muitas outras ferragens
para servico de casa e campo; na loja de fer-
ragens n. 56 A. da rua da Cadeia do Becife de
Autonlo Joaquim Vidal.
Ganga mesclatla a 28o rs. o
covadOt
Defronle do becco do Pelxe frito n. 3, vende-
sc ganga inesclada de qualro palmos reforca-
dos de largura pelo baratistimo preco de qua-
lorie viales o covado, esta fazenda he recom-
inendavel nao s para jaquetas e calcas, como
tambem para palitos c casacos.
=Vendc-sc uina porco de palhas de coquei-
ro: quem quizer pode dirigir-se a rua do Quei-
mado, loa n.38.
= Vende-sc urna taberna muito bem afregue-
zada, com os huidos avonlade do comprador :
na rua Je Horlas n. 52,
Vinlxo ilo Porto.
Vende-se vinho do Porto, de superior
qualidade, engarrafado e em barriz: na rua
da Cruz 11. 4.
Aos amantes lo bom e barato.
Vendem-se na rua da Aurora n. 32, latas
comsupeiiorbolachinha de araruta fabri-
cada no Bio de Janeiro, a 2,240 rs. e a libra
640 rs., bolacha americana fina, marca gran-
de e pequea, a 900 rs. ; manteiga ingleza
uperior, a 800, 700 e 500 rs.; dita franceza,
a 560 rs, ; banha de porco muito alva, a
320 rs.; loucinho de Lisboa, a 200 rs. ; dito
de Santos, a 140 rs. ; lingoicas novas de
Lisboa, a 400 rs. ; paos, a 280 rs. ; farinha
de trigo SS8, a 100 rs. ; dita do araruta, a
Kiols.; goinma para engommar muito sl-
va, a 160 rs.; Tarinha de tapioca, a 120 rs. ;
SOVadinha, a 160 rs.; sevada, a 160 rs.; ale-
tria, telharim e macarrSo, a 240 rs.; sabflo
branca, a 220 rs., amarello, a 140 rs. e prelo
a 140 rs.; gracha em boSo, a 160 rs. ; dita
em latas do autor americano los Masn, a
140 rs.; garrafas de serveja branca e preta,
a 500 rs. ; neiasditas, a 280 rs. ; vinho do
Porlo engarrafado, a 500 rs.; dito muscatel
frontignan, a 480 rs.; azeile francez, a 560
rs.; vinho de Lisboa, a 280 rs.; Figueira, a
210 rs.; licor fino, a 480 rs.; azeite porlu-
guez, a 640 rs.; vinagre puro de l'iil'., a 160
rs. ; traques, a 240 rs ; assucar da lefina-
eflo franceza da rua Ja Concordia, a 120 e
100 rs; copos para luz, a 160 rs ;caf, a 160
rs ; moido puro, a 240 rs.; queijos novos,
a 1,600 e 1,440 rs.; papel branco, a40>s.
eivillias, a 100 rs.; velas de espermacete fi-
no, a 680 rs. ; dilas de carnauba a 300 rs. ;
passas novas, a 240 rs ; pratos da beira azul,
a 1,080 rs.; liglas, a 1,080 rs. e tigelinhas,
a 800 rs. ; orins brancos, a 360 rs. ; bacias
ditos, a 360 rs., sendo pintados, a 560 rs.;
bules, manteigueiras e assucareiros, tu lo
por preco commodo; arroz do maranho, a
100 rs.; genebra hollandeza em frascos, a
500 rs. e em botijas, a 300 rs. ; chicolate, a
100 rs.; cha hysson, a 1,800 rs.; dito bresi-
leiro, a 1,700 rs.: ni mcsina casa se encon-
tiura una pessoa. que'deseja ser emprega-
da na idmfnislracflo de um sitio, sugeitait-
dn-se a Irabalhar, sendo perto da praca, e
compra-se cobre vellio em obras inuleis.
Vende-se una escrava de bonita figu-
ra, ensigne engommadeira e costureira ,
borda c faz deces de ledas as qualidades e
bolinhos, s se vende para fra da provin-
cia, ou para o mato : na rua da Caeia do
Becife n. 51, primeiro andar.
Vende-se um exccllenle cvalo de sela,
com todos os andares e est muito gordo,
fez a pouco a qltima muda hetalveium
dos meillores que ha nesta pra;a : a ver na
coclieira do Pedro Allain na rua da Sen-
ula.
-- Vende-se a casa terrea n. 140, na rua
das Cinco Puntas: trota-se na rua do Cres-
po n. 17.
-- Vende-se urna loja de miudezas, mui-
to Tregupzada, tanto para a praca, como
pata ornato, a diuheiro, ou a praso, dando
gamite as letras o comprador, o motivo
porque se vende se dir : quem quizer, an-
nuncie.
Deposito de salitre.
Vendc-se salitre refinado em grandes e
pequeas porcOes, por mais barato preco
do que em outra qualquer parte : na loja
e ferragens de Francisco Custodio de Sam-
I im, 11a rua da Cadeia do Itecife 11. 56.
-- Vende-se por menos de seu valor, urna
cama de jacarauda, he nova o anda nao es-
ta acabada: no largo da Assemblca n. 8,
primeiro andar.
-- Veude-se um cvalo ruco, que foi de
carro e que serve para carga: na Iravessa
da Boa Vista, sobrado n. 15.
Vende-se um checheo muito em con-
ta : na rua lliretla n. 120.
Vende-se um molatinho de 10 a 12 an -
nos, proprio para pagem, ou aprender cili-
cio : no Aterro da Boa Vista 11. 65.
Vende-se urna preta, com 30 o tantos
annos de idade, ganhaceira de rua : na rua
do Livramento, primeiro andar do sobra-
do n.23.
Vendem-se chapeos linos de pello,
francezes, a 5 e 6,000 rs. : na rua Nova, lo-
ja 11. 23, de Antonio Gomes Villar.
-- Vende-se urna preta creoula, de idade
25 anuos, que cozinha o diario, engomma,,
lava de sal.au e varrela : na rua imperial
n. 31.
-~ Vende-se urna negra muito moca, sa-
bendo engommar, eo/cr ecozinhar o dia-
rio de urna casa, nSo tem vicios, nem acha-
ques, o que se aliinca ao comprado : na rua
da Orden) Terceira de S. Francisco, sobra-
Jo n. 6, das 9 horas do dia em vante.
Vende-se um cabriolet descoberto ,
muito elegante e de ptima coostrucgSo,
rom cvalo, ou sem elle : na rua da Cadeia
do Itecife n. I.
Vendem-se couros garroteados bran-
cos, viudos da Baha : na Praga do Com-
merco n. 2, primeiro andar.
Vende-se urna molata, de idade 25 an-
uos, que sabe coznhar, engommar, fazer
bicoe renda, tem bonita figura: na rua do
3. Bita n. 67.
Vende-se um sobrado de 2 andares e
solfio, na rua da Guia n. 36, com armazem
no fundo, e com a frente para a rua do A-
pollo n. 7 : trata-se na rua do Queimado,
loja n. 17.
Vende-se sement do coentro, afian-
ca-se a qualidade, a 160 rs. a garrafa: no
bairr da Boa'Vsta, rua da Trempe n. 5, e
oa rua Velha n. 57.
-- Vendem-se 3 portadas de pedra de en-
cllente qualidade, as quaes tem soleira,
por preco commodo : na rua de S. Bita, ao
p de urna venda n. 99.
Vende-se urna caixinha nova de litho-
grapho, ou abridor, que contem compassos
completos, raspador, tira linhas, 6 buriz,
tesouras e urna folha de ac para preparar
pennas lilhographicas : no Aterro da Boa
Vistan. 1, loja.
Na rua dasf.ruzes n. 22, segundo an
dar, vendem-se 6 escravos, sendo 4pretas
de 20 a 2S annos, bonitas figuras, que en-
gommatn bem, cozem cho, cozinham e la-
vamdesabSo, e um lindo moleque do 14
annos, que cozinha o diario de urna casa e
nlo tem vicios, nem achaques, e um pti-
mo pardo para toJo servico, e um creoulo
ptimo Ci'reiro, de lodo servico do campo
e mesmo para o servico da praca.
-- Vendem-se 2 ricos burros, dos que vie-
ram ltimamente de Buenos Ayres, muito
novos e gordos, mansos, de roda e de carre-
gar cargas, proprios para carro na rua da
Cadeia, das 10 horas as 2 da larde, pois se
vendem por precisSo, e por isso deve ser
muito em conta, a vista da hondade del les
Vende-sn urna escrava creoula, de ele-
gante figura, moca, sem molestia alguma,
de boa conducta, o que se alianca, sabendo
lavar muito bem, cozinhar e engommar,
mal, eotende alguma ebusa de costura, seu
ultimo preco he 600,000 rs., o motivo da
venda se dir ao comprador : na rua da Ma-
dre Dos n. 1, segundo andar.
CAL BRANCA DE MGUARIBE.
Na rua dos Pires n. 19, bairro da Boa Va-
la, vende-se muito boa cal branca, a 1,280
rs., o alqueire, conforme a porcSo que o
comprador houver de precisar, se far mais
ahatimento, urna carroca nova e um boi
muito manso, por prego muito em conta.
Attciico.
Na rua do Cabugi, loja de miudezas do
Iniarte, vendem-se sorles, para odia do Mi-
lagroso S. Jolo, pelo diminuto prego de 40
-- Vende-se um prelo mogo, de naco e
, bonita figura, proprio para todo o servico :
saceos com ltelo, ludo por com-| ua rua do Crespo n. 10, segundo andar.
Agencia de Edwin Maw.
Na rua de Apollo n. 6, armazem de Mr. Cal-
innn 1 .v Companhia, acha-se constantemente
bous sortimentos de taixa de ferro coado e
batido, tanto rasa como fundas, moendas io-
teiras todas de ferro para animaes, agoa, etc.,
ditas para armar em madeira de todns os ta-
maitos e modellos o mais moderno, machina
horisonlal para vapor, com torca de 4 caval-
los, coucos, passadelras de ferro estanhado
para casa de pulgar, por menos preco que os
de cobre, cscovens para navios, ferro inglez
tanto em barras como em arcos folhas, e ludo
por barato preco.
ilIWfWWfliBa:lfisr:-:"-
' Ganlois l'.tilliel \ Companhia.1
i-' Continua-se a vender no deposito W
1. geral da rua da Cruz 11. 52, o excel- &
k lente e bem conceituado rap areia &
i preta da fabrica de Gantois Paill]ct & 9
i- Companhia da Baha, em grandes e p
'}: pequelas porgOes pelo preco estabe-
lecido. g
- Vendem-se queijos londrinos, presuntos,
caiMnhas de srd. liles porgativo, conservas de
todas as qualidades, cementes ou passas iniu-
das para podins, carne salgada para uso de fa-
milias em barril de 50 libras e miudos da mes-
ma forma preparados, ludo ltimamente che-
gado : na rua da Cruz, armazem n. 9. de Da-
vis & C,
Vende-se superior cognac velho, em
harria de 12 a 24 caadas 1 na rua da Cruz
n. 55, casa de J, Keller & Companhia
Vende-se gesso em barricas, vindo no
ultimo navio chegado de Franca, tendo ca-
da barrica 20 arrobas pouco mais ou me-
nos : na rua da Cruz n. 55, casa de Kel-
ler & Companhia.
Vendc-se cobre metal ama-
relio e pregos para forro de navios : por preco
commodo, em casa de A. V. da Silva Barroca ,
rua da Cadeia do Becife n. 42.
Km casa le J. Keller Si. Com-
panhia, na rua da Cruz n. 55, acha-se a ven-
da o 'xrellenio e superior vinho de Bu-
celia, cm harris de 5.*, be muilo recom-
mendavel as casas eslrangeiras, como ex-
cedente vinho para pisto.
Vendem-se relogios de ou-
ro eprata, patente inglez : na rua
da Senzalla Nova n. .\i.
Calvirgemem pedra.
Chegada Je Lisboa pela barca ilargarida, ven-
de-se no armazem de Silva Barroca, rua do
Hrum n. 26.
Acalco, de chegar para a loja le.
Jos Joa rua Nova n. 8.
Os mais lindos manteletes e capotinhos
pretns e de furia-cores que sem exageracao
tem vindo. sobresahindo ao mesmo tempo a
variedade nos gastos porque sao quasi todos
de diferentes no. I.llos, acressentando-se mais
que em quanto do preco nada fcar a dezel-
jar ao comprador.
No armaiem da rua da Moeda n. 7, con-
tinua-se a vender saccas com superior colla
das fabricas do Bio Grande do sul, e opreco
un conta.
GBAXA ECONMICA EM MASSA.
Do insigne fabricante americano. James Ma-
sn. A sua con.posico he fcita de proposito
para lustrar cun agua c conservar o lustro,
tanto de invern como de vero; a grande
vantagem que lia nesta grana he a conservaco
do calvado, e liistrarein-.se OS sapatos OU bo-
tlns ainda mesmo molinillos, e nina pequea
lattaaturar mais deque tres boioe* ecustar
menos do que um. Vende-se em barricas,
ou porcao de dusias, no armazem de Vicenle
I'Vi 11 ira da Costa, na rua da Madre-de-Deos.
Contlnua-se a vender agoa de fazer ao
cabellos e suissas prelas : na rua do Queimdo.
leja de ferragens n. 31.
Vendem-se amarras de ferro: na rua
da Senzalla nova n. 42.
Moinhos de vento
para curar da phtystca em todos os seus
dilTerentos graos, ou motivada por consti-
pacoes, tosse, asi lima, pleuriz, escaos de
sangue, dr de costas e peitos", palpitaco
nocoracSo, coquelucho, bronchites dr
de garganta e todas as molestias dos or-
gSos pulmonares.
De todas as molestias que por ln ranea f.
catn an corpo humano nenhuma ha que
mais destruitiva tenha sido, ou quo tenha
zombado dos esforcos dos homens mais
eminentes em medicina, do que aquella
que he geralmente conhecida por moles-
tia no bofe. Em varias pocas do se-
cuto passado, tendo-se offerecido ao publi-
co differentes remedios com attestados das
extraordinarias curas que elle tem feito
porm quasi que em todos os casos a ilusSo
tem sido apenas passageira e o doenle
torna a recahir em peor estado do que.'se
achava antes de applicar o remedio tSo re-
commendado oulro tanto nao acontece
com es te extraordinario
Xarope de bosque.
Novaes & Companhia, os nicos agentes
nesta cidade provincia, e nomcados pelos
Snrs. B. C. Yates & Companhia, agentes
geraes no Bio-de-Janeiro mudaram o de.
psito deste xarope para a botica do Snr.
Jos Maria G. Ramos, na roa dos Quarteis,
n. 12, junto ao quartel de polica, onde
sempre acharSo o nico e verdadeiro, a
5,500 rs. a garrafa, e a 3,000 rs. meias gar-
rafas.
Vendem-se na rua da Cadeia do Recife.
loja de J0S0 Jos de Carvalho Moraes, penas
de ac superiores o um par de orlos de ou-
ro, feitos em Lisboa, de mullo bom gosto.
Escravo's fgidos.
Desappareccuno dia 7 do corrente, pelas
8 horas da noite, a preta Joanna, crioula, de
idade 25 annos pouco mais ou menos; foi vista
no pateo do Carino pouco tempo depols da fu-
ga, e dirlgio-se pela rua da Concordia levou
um ropao de riscado escuro e una trouxa de
roupa, he muito fallante, e quando falla esl
sempre rindo-se ; 1.11 ta-1 lie todos os denles da
frente da parte superior; he inulto conhe-
cida nesta praca, pertenceu ao Sr. Gullher-
ne da Silva Guimaraes, na rua do Crespo,
deuois ao coronel Antonio Maria de Souza, e
ltimamente ao Sr. Jos Gomes Ferreira de
Souza. Pcde-se as autoridades policiaes e ca-
pitaes de campo multa vigilancia sobre a dita
preta, por ser muito ladina, e rnga-se a pessoa
que a pegar de leva-la na rua Nova n. 17, loja
Ch Ilobert que ser g
pensada.
generosamente recom-
eom bombas de repucho para regar hurtas
d baixas de capim : vendem-se na fundicao
de Bowman & Me. Callum, ua rua do Brum
ns. 6, 8 o 10.
Deapparecco, na nonte do da 3l do pas-
sado, do engenho Santo Andr, na fregue/ia
de Una, o preto crioulo Joo Mariano, official
de sapateiro, comprado a Jos da Fonceca e
Silva, a 19 de fcverelro desle anuo, cun os
signaes seguinles : belide no olho esqnerdo,
di/ eile que proveniente d'um couce de ca-
vallo, e pelo que tem urna sicalriz na eatre-
inidade superior do nariz, do mesmo lado
esquerdo ao p do ouvido para traz da orelha
tem outra cicatriz longa e bem saliente, caja
larga e bexigosa. fornido do coipo, de altura
regular, e lera 30 annos, pouco mais ou me-
nos, levnu do mesmo engenho um quarto
em que foi montado, castanbo andrino, boni-
ta figura, grande, carnudo, castrado, p di-
reito calcado, com a marca -P- na p esquer-
da: roga-se s autoridades policiaea e.capi-
laes de campo a aprehensao, c levando-os ao
supra dito engenho ou no Atterru da Hoa-Vista
n. 3, que serao generosamente recompensa-
do. Este escravo-foi visto passar no engenho
8, Paulo, cm Serinhaein, no dia immediato,
onde he condecido de inultos, por Joo Piloto.
Desappareceu no domingo 8 do correte,
um negro de afio Mocambique nflicial de pe-
Jreiro, por noine Jos, i|iiealguns o apellidara
por Jos Cangullo e Jos inoleque, o qual foi
escravo muitos annos do Sr. Manoel Joaquim
Pereira. genro doSr. lieleio do Forte do 1 aun,
tendo falta de dentes na frente na parte su-
perior, secco do corpo, estatura regular, olhos
ivos, muilo ladino e fallador, bem cpnhecido
por todos os mestres e ohiciaes de pedreiro
dcsta cidade, levou chapeo de pello preto, ja-
queta de panno e caifa branca. Rccoinmen-
da-se e pede-se a todas ai autoridades policiaes
e capilaes de campo, tanto desta como nal
mais provincias vi/inl.as, de o capturar e leva,
loa ruada Aurora casa n. 24, 011 a rua do
Queimado n. 1 i, que ser bem recompensado-
Qualquer Sr. encarregado de polica,
ou capitilo decampo podera" aprehender
o escravo Francisco, nicSo Mocambique,
que anda fgido, com os signaes seguinles :
baixo e reforcado, barba le la, calsas de-al-
godSo da trra, comprida, o camisa do mes-
mo com mangas curtas, ceg de um olho :
tragam em casa do seu senhor, na rua da
Cruz do Recife n. 12, que gratilicar.
Desappareceu no dia 23 do p. p., do
engenho Pindobinha, um escravo creoulo,
de nome Joaquim, o qual foiomprado a..
Sr. Torquato llenriques da Silva, morador
nesta praca, o escravo he alto, seco, cor fu-
la, tem parte da barba branca, representa
ter t;, aiiing, tem a mulher nos Afogados a
qual he forra, e j foi visto nesta praca
quem o pegar, leve-o a rua do Livramento,
loja de fazendas n. 16 que sera recom-
pensado.
-- Desappareceu em o mez de fevereiro
p. p., um escravo de nome Jos, de nacSo, o
qual reprsenla 1er de 30 a 40 annos, com
os signaes seguinles : tem urna bolideem
um dos olhos, seco do corpo, altura regular
e pouca barba, levou camisa e aeroula de
algodSo da-ierra, pouco desembaracado na
falla, o qual foi comprado ao Sr. Thomaz
Antonio Maciel Monteiro : pede-se as auto-
ridades policiaes e capitSes do campo, on-
de quer que elle seja encontrado, que o
prendara, eque por esta mesma folha o an-
nuneiem para ser procurado, ou o levent a
seu senhor J0S0 Francisco do Reg Maya,
na povoacSo de A; pocos, queseram gene-
rosamente recompensados.
Pfi'rcrv. fvATvj'.r; M.F.nnFakia-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMB73VZYG_LAPAHG INGEST_TIME 2013-04-13T02:54:36Z PACKAGE AA00011611_06371
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES