Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06367


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Arnno XXVII
Quarta-feira 1
%A/
PARTIDAS DOS C0BB.EI09.
Golanna e Parahiba, l segundas e sextas feiras
Rio-Grandc-do-Norle, todas as quintas reirs ao
iiieio-clia.
Garanbuns e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flores, a 3 e 28. -
Victoria, s quintan feiras.
Olinda, todos os diae.
." -'^*.'-,'"tf--MLiaartr<
PltA.SBS Di LOk.
PHEMBalDX*
/Nova, a 30, as 6 h. e27 m. da t.
ICresc. a (i, as 4 h. e 8 m. da t.
i' .ln-i.i. a 13, as 4 h. c 34 m. da t.
\Ming. a 21,-as 3 b. c 42 ni. di t.
PBEAMAB DE HOJE
Primeira s 2 boras e 6 minutos da tarde.
Segunda s 2 boras c 30 minutos' da raanha.
de Junhodet851.
N. 132
raiyo da suBaonirgAo.
Por tres mezes(adiantados) 4/000
Por seis mezes 8Qn,n
Por um anno. 15/UU0
das da semana.
9 Seg. tffiff Primeira oitava do Espirito Santo.
10 Tere. >j(< I. dita.S. Primo. Aud. da Chae., do
J. da 2 varado c. e dos feitos da fazenda.
11 i.in.ir l S. Bernab. Aud. do J. da 2. vara.
12 Qutnt. S. nofre. Aud. orf, e do J. m. da
primeira vara.
13 Sext. *>), S. Antonio.
14 Sab. S. Uigua. Aud. da Cb. e do J. da 2. vara
do civel.
15 Dom. da SS. Trindadc.
CAMBIO VI10 BE JDVHO
Sobre landres, a 2 7, e 27 d; P; tJm "
Pars, 340 por tr. nominal.
Lisboa, a 05 aB**,
Ouro.-Oncaslicspanholas..... ggw a
Moedas de 6/400 velhas. 16/000 a
. de 6/400 novas lbOOU a
.. Prata. Pataces brasilciros.... l/*iu a
Pesos columnarios..... {#**' a
Ditos mexicanos........ l#7u a
SM6D0
10120"
1620(
9/10D
J/D50
1/940
1/760
. >*-*..
PARTE OFFICM L
GOVERNO D'PKOVIRGf.
EXPEDIENTE DO DA 4 DE JUNHO DE 1851.
OfHcio. Ao cotnniando das armas dizendo
que, visto nao havor nccrssldade do edificio da
vua da Gloria, que tein servido de quarlel, ha-
ja de o maullar entregar ao respectivo propie-
tario, podrndo mandar aquartelar no barracan
de Fora de Portas o batallio nono de infan-
t ira nu.in.ln rr'nr .ir .1 w iiiiIIk ihuIi' a-
cha eiu servico.
Dito.Ao mesmo inteirando-o de baver con-
cedido, de conformidade com a sua iiforma-
i.in. os dous inrzes de Iutih.i registrada que
pedio o lente do primeiro batalho de inlan-
tsris Carlos Cyrlllo de Castro para ir a corte.
Iuicllige ncinu-se a pagadoria militar.
Dito.A thesourarl de faienda, scientifican-
do-a de ter concedido um mez de licenca com
ordenado ao bacharel l.omcnro Francisco de
Almeida CaUnho juiz municipal e de orphoa
do termo de Caruaru para tratar de sua saude.
Ueste sentido fizeram-se as convenientes com-
inunicscdes.
Dito. A inesma communicando que, ein
vista de sua informar.o.approvou o plano apre-
sentado pela mesa rrgedora da irmandade do
Sr. Bom Jess dos Marlyrios desta cidade para
arxlracco da lotera em qualro partes conce-
dida pela le provincial n. 28i ein favor das
obras da igrrja do mesmo senbor ; bem coum
a Francisco baptista de Alenla, para thesou-
reiro da referida loleiia. Expediram-se ues-
te sentido as convenientes cummuuicaces.
- Dito.Ao commaudo superior da guarda na-
cional do municipio do fiedle, rccoinmriidau-
do a expedico de suas ordena abm de ser dis-
pensado de ludo o servico da guarda nacional
ilauoel Juvencio de Saboia guarda da quarta
compaubiado seguudu batalho deste munici-
pio, visto achar-se coailjuvando os trabalhos
de escrlpluiac'i do almoxarifado do arsenal de
uiarinba, segundo declara o respectivo inspec-
tor. Coiumunicni-se ao mencionado ins-
pector.
Dito.A pagadoria militar para mandar abo-
nar ao ca|>t<> de eugenheiros Chrislian.o Perei-
ra de Azeiedo Couliubo os veucimentos que
se llie estlver a dever ate o lltii de maio lti-
inu, passando-lbc a guia duestyllo, visto ter
elle de seguir brevemente para as Alagoas a
tomar a direecao dos trabalhos da colonia mi-
litar daquella provincia. Expediu-se ordem
aoageule >ia companhia das barcas de vapo-
res para mandar dar pasiagem ao refeiido ca-
pilo no piimeiro vapor que passar para o sul
e communicou'se ao comuiando das armas.
Dilo. Au juiz relator da junta dcjuslica
trausmitlindo para seren relatados ein >cw
da inesma juma os prucesso verbacs leilos aos
soldad.u Joaquim Antonio de Aievedo, Anto-
nioJos dos .-autos, Joao Soares da Silva Ami-j
rote, Gabriel Jos de Mesquila e Paulo de Al-
meida e Mello, este do quarto batalho de ai -
lilbaiiaa p, e aquelles do dcimo de infama-
rla. lulclligeuclou-se ao eliminando das
armas.
DitoAo capllodo porto louvando a dili-
gencia e zelo empregados por aquella capita-
na e uavios de guerra em soccorro do biale
Carolina na occasio cm que infelizmente dera
sobre o arrecife.
Dito. A tbesouraria da fazenda provincial,
para mandar adiantar ao engenbeiio director
das obras publicas, que assim requisita, a quan -
tia de 186,0110 rs. para pagamento das despezas
Incalamemo e pintura da cadeia di-la enlade.
Fizeraui-se as convenientes cummuuicaces.
Dilo. A misma para que, vista do recibo
que remelle, uiaude pagar a Florencio Domin-
gitfs- da Silva a quantia de 30,000 rs., impor-
tancia dos alugueres da casa que serve de ca-
deia e quarlel na villa do Ouricury.Scienlin
cou-se ao ebefe de polica.
Dito. A mcsina inleiraudo-a de baver ap
provado o orcauento suppleiueutar, que re-
suelle por copia, para concluso das obras, a
fazer-se uo principio do caes da i ua do Apollo,
visto ter bavido engauu no primeiro orcauen-
to do dito caes, coufonne declarou o cngeiibei-
ro director das obras publicas.Comuiunicuu-
se ao mesmo engeuheiro.
Dito. A o director do collegio dos orpbos
para mandar aduiitllr naquelle collegio, alim
le ser educado na forma dos respectivos esta-
tutos, o incline orpbo Guiiberiuino lidio de
Joaquina Mara da Conceico lulelligenciou-
se a aduiinislrac'o do patrimonio dos orpbos.
Dito.Ao director das obias publicas, scieu-
tilicaudo-o de baver approvadu o orcamcnlo
para o calcaiuento da euxuvia da cadeia desla
cidade, e recomiueudando que d puncipia
;i essa obra. Nesie sentido olhciou-se ao che-
le de polica e a tbesuuraria da fazenda pro-
vincial.
Poiiaria.Mandando por cm libeidade o re-
cluta humualdo Alves de Oiiveira por lerapre-
seulado iseuco leyal.
DEM 1)0 DA 5.
Ollieio.~A pagadoria militar, iuteiraudo-a
de baver asseutado praca no uono baialho de
infantaria o paisano Antonio Marinho Falco,
que uos termos do decreto e regulamentode iS
de noveinbro de 1848 e do aviso de 30 de outu-
bro do auuo prximo passado, conlratou para
servir iiiedaulc a graliiicaco de "200/que Ihe
dever ser paga pela uianelra j eslabelecida,
Couimuuicou-se ao cuiiimauo das armas.
biio.Ao juiz relator da junta de juslica,
IrausiniltiiiUo para seiem relatados em sesso
da moma junta, os procesaos feitos aos solda-
dos Francisco Aulouio Ferreira, Manoei Rodri-
gues dos Sautos, liras Moreirae Antonio Vieira
da Silva, os dous priinciros do quarto batalho
de arlilbariaap e osoutros do nono de infan-
taria. lulelligeuciou-se ao couiifiaudo das
armas.
Dito.Ao director do arsenal de guerra, au-
torisaudo-o a despender a quantia de 372/com
a acquisico dos objectos coustautes do pedido
que devolv- do hospital regimental desta ci-
dadeSvieuliUcou-se a pagadoria militar.
Dito.Ao inetmo, para inaudar alistar na
compaubia de aprendiies daquelle arsenal, de-
pois de lavrado o leruiude que trata o arl. 4
do regulamenlo u Il3de 3 de Janeiro de 1842,
o menor Joo Canso da Silva.Meste seulido
ulliciuu-se au juiz de orpbos deste termo.
AVftw... i un i ajfaiyjjmii ibW1*a*t iiftajuiiiiiasnii1 a sssasoai .^:-'.-l->.- aBKCEaflHssVBBlBll I
da* referidas ponte, segundo representou o
director das obras publicas, devendo contra-
tar com os arrematantes de taes obras os refe-
ridos concerlos. ~ Intelligenclou-se ao mesmo
director.
Hito.A inesma, para mandar entregar ao
secretario da directora das obras publicas Joa
quii Francisco de Mello Santos, conforme re-
quisita o respectivo director, a quantia de rs
87fft00 rs. para pagamento de tres mezes de
aluguel da casa oceupada pela inesma reparti-
cao.Coimnunicou-seao referido director.
Dito.A mrsma, scicntllicando-a de haver
concedido tres metes de licenca com ordenado
ao eartorai o daquella thesourara Manoei Heu-
Dito.A tbesouraria da fazenda provincial,
nteiraudo-a de baver approvadu os dous orca-
inenioi supplemeutares, cuntanles das coplas
que remelle, para factura dos reparos das
poutes do Anjo e de Santo Amaro de Jaboalao,
os quaes nao furam previstos nos oicainenlos,
.que civiru de base a aireuuiacao das obras
riqnes Cardlm.
Dito.A mesina, remetiendo a conta das
despezas feilas do i.* de Janeiro at o ultimo de
marco do crreme anno com osustentodos pri-
sos pobres da cadeia da cidaded'Olinda.alim de
que mande pagar ao.delegado daquelle termo
oti pessoa por elle aulorisada a quantia de
52/640 rs. em que importa a referida conta.
Scientificou-se ao chele de policia.
Portarla.Mandando dar passagem para as
Alagoas no brigue escuna legalidade ao ei-sol-
dado Jos Duira.
Dita.O presidente da provincia, em vista
da proposta do director grral Interino da ins-
trurco publica, datada de boje, resolve, de
conformidade com o artigo 73 do regulamenlo
provincial de l2 de maio ultimo, nomear ins-
pectores dos circuios Iliterarios creados por
portarla de 2 deste mez os cldados abaixo de-
clarados.
i,0 circulo bacharel Cyprlano Fenelon Gue-
des Alcanforado.
2* dito, padre Joaquim Raphael da Silva.
3.a dito, segundo lente Antonio Egido da
Silva.
4." dito, Dr. Loureoco Trigo de Loureiro.
5.* dito, Francisco Luiz Maciel Viauna.
6 dito, Jos Theodoro de Scena.
7. dito, lenle coronel Bernardo Antonio
de Miranda.
8. dito, tenentc coronel Manoei Lucas de
Araujo Pluheiiu.
9. dito, Jos Tlimna/. Pires Machado Por-
tella.
10 dito, vigario Manoei Esperidio Muniz.
11 dito, bacharel Antonio Hcrculano de bou-
za Maudeira.
i i dito, promotor publico Joo Paulo Mon-
teiro de Andrade.
13 dito, dito Luis Crrela de Quciroz Barros
14 dito. Candido Jos tapes ue Miranda.
15 di tu, promotor publico Joaquim Canuto
de Figueiredo Jnior.
16 dito, vigario Pedro Mariuho Falco.
i7 dito, ( provisoriamente ) o jult de paz do
primeiro districto da fcguezia de Cimbres.
18 dito, ( provisoriamente ) o juiz de paz do
primeiro d.stricto da freguezia de Alagoas de
Latino,
19 dito, t promotor publico Francisco Gon-
calves da Rocha.
20 dito, ( provisoriamente) juiz de paz do
primeiro districto da freguezia de L'na.
21. dito, ( provisoriamente) o juiz de paz
do primeiro districto da freguezia de Ilarieiros.
22 dito, Bacharel Francisco Jos de Mc-
deiros.
23. dilo, professor jubilado Francisco Joa-
quim de Barros Correia.
24, dito, promotor publico Manoei Rodrigues
l'lnliell ...
2i. dito, promotor publico Rodrigo Castor
de Albuqueique Maraiiho.
20 dilo, pii.motor publico Juaquim Eduardo
Pina.
27. dito, (provisoriamente) o juiz de paz do
primeiro districto da freguezia ie Tacaralu.
28. dito, (provisoriamente ) o juiz de paz dn
primeiro districto da fregueiia da fazenda
Graude.
29. dito, juiz municipal Miguel (.encalves
Lima.
30 dito, juix municipal Joo Francisco da
Silva Braga.
31 dito, promotor publico Alfonso Peres de
Albuqucrque Maranho.
32 dito, vigario Antonio Hyglno de llollanda
l.'avalcante.
33 dito, promotor publico Jernimo Salga-
do de Castro Accioli.
34 dilo, promotor publico Joaquim de Sou-
za Reis.
DEM DO Da 0
ollieio a pagadoria militar remetiendo os
papis relativos as dividas de vencimentos
perlenccnles ejercicios lindos,, de que pe-
dem pagamento Geraldo de Sousa, Mariano
Antonio, Raimundo Agostinho, Jos Manoei
d'Almeida, Francisco das Chagas, Marcellino
Amonio de Souza, Felisberto Marinho Lezar-
do, Alexandre Jos de iraujo, Evaristo Anto-
nio, Thom da Cosa, Fructuoso Alves, Joo
llaplista 2., Antonio Joaquim Mendes, Joa-
uin dos Santos, Raymundo da Silva, Luiz da
oncecaGonzaga, Severino Antonio, Jos Fran-
cisco dos Santos, Antonio snnoel de Jezus,
Romualdo Soares, e Jos Faustino Duarte, i
flu deque, estando conformes semelbanles
documentos, os mande processar nos termos
da ordem do tbesouro publico de 0 de agosto
de 1847, para sereiu pagos os referidos venci-
mentos.
Dito. A inesma para mandar pagar a 6.
Star IkC. a quantia de433,040rs., em que, ae-
guudo os ducumenlos que remetate, um por-
to 120 granadas de ferro coado e outros obje-
ctos que clles maudaram a proinptar em sua
fuudico para o arsenal de guerra. Inuligen
ciou-se ao director do mesmo arsenal,
luto dos advogados braslleirot, erecto tiesta 1 E. Manoei Ferreira_Accioli, secretarlo inte-
LBNAitt3UC0
CAMAKA MLNICll'ALOO BKC1FB.
SKSSAO EXTIIAORUINARI Ilt 1 2 UK M.VIO
DE 1851.
Presidencia do Sr. Oiiveira.
Presentes os Srs. Barros, Mamede, (.'arnelro
Miiiiiciro e-Yiauna, abrio-se a sesso e foi lida
e approvada a acia da antecedente.
Foi lido o seguinte expediente.
I'ni ollieio do Exm presidente da provincia,
aulorisando a cmara realisar o contrato de
demol cau da casa de dous andares da ra Nova
n. 25, perlencenje a Thomaz de Aquino Fouse-
ca por a quantia de 8:000,000 rs.; que fosse dilo
ollici remettido a coiumisso incumbido do
dilo contrato para ulliuia-lo procurando con-
seguir do proprietario da casa, maior dilacao
uos prasos das letras, alim de que estas fiquem
dentro dos anuos linaoceiros iiiuuiclpaes.
ulto o pa-sidcuU) c sectclarto do iuste-
cidade, a 23de abril prximo lindo, convidan-
do a ornara a assislir ao acto de sua instala-
can solemne no dia II do corrente pelas lo ho-
ras da inanha na casa d'assembla provincial.
Intelrada.
Do procurador apresentando um mappa de-
monstratlvo das nhumacoes fritas no cemite-
rlo no mez de abril prximo pastado. Que se
un l.l ie.i-.c pela imprensa, assim com o do mez
de marco.
Do mesmo. communicando terem sido bal-
dados, o esfurcos que i. ni empregado para
conservar os mendigos no telheiro existente
no lugar denominado Cortume da freguezia
de San Jos, que oulr'ora servio de bebedouro
do gado, alim de nao andarem vagando pelas
ras e pracas da cidade lem aposento, por
que dahi san expellidos pelas pracas do bata-
llian aqiiartclado no quarlel das Cinco Ponas,
que de mistura com inulheres devassas prati-
cain desordena e actos torpes, dcllceis de obs-
tar e leinbraudo haver quem queira alugar
dito telheiro, una vez que seja feichado por
um porto. Que mandasse Collocar o portan
No mesmo assumplo furam lido mu. dous
i.llieios do subdelegado e liscal da inesma fre-
guezia ; resolvendo a cmara que tanto a quel-
le como estes fessem, por copla, reinettidosao
commando dasarmas.aBiu de providenciar, pa-
ra que a medida adoptada.de se fechar o telhei-
ro nao teja enutilisada pelos referidos soldados
vindo assim a dar-se a reproducao do mal,
que te procura extinguir. Mandou-se scin-
licar se ao dilo subdelegado.
Do iresmo participando s existir a quantia
de 18,880 rs. para a coutinuaco daobbrado
1.inclnelo do pateo do Carino : Que se pe-
lisse autorisarafn ao Exm. presidente da pro-
vincia para se despender ... lis 490,000 rs., em
que provavelmenlc poder importar o restan-
te da obra fazer-se.
Do liscal de S. Jos, (informando obre os
coutedodoolucio du vigaria da-mesma fregu-
lia, a respeito da represa das auoas pluviaei
pelas ras e da eiisalubridade, proveniente
do matadouro, e dos despejoi feitos as pra
cas : Que se respondesse ao referido vig 1-
rio com a referida informaco por copia.
Domesmo, a presentado tlnusinappas do ga-
do mono para consumo, no maladuuro das
( mili Ponas, ein os mies de outubro de
1850 abril do corrente anno, e aturo de I a
II do crente: Enteirado. .
Do fiscal do poco aprcseiitaiido os mappas
do rendimento do imposto de 500,. rs. arre-
cadado na inesma fregursia desde 15 de mar-
co a 2 do cu 1 re n ie. na importancia de l29,G00rs,
descontado a sua poreentagem, da qual tendo
ledusido a de 40,885 rs. despesa que fez com
o aterro da estrada fronteira ao sitio do falle-
cido Pila, entregara' ao procurador a de
88,915 rs. com os respectivos documentos :
uteirado e que o procurador I vasse ein cotila
a despesa.
Outro de Francisco Jos da Silva Pereirn,
datado de 30 de abril ultimo, cominunicando
que, leudo sido removido da cadeira de Pao
d'Alho para a da Varzia, por deliberaco do
governo, liavia na mesma dala comecado s
exercer as lunces do seu uiagislerio : intel-
rada,
O Sr. presidente nomeou as seguintes com-
missdes.Saude, os Srs, Souia e Muraes.
PelicSe.Peres e Figueredo.
Kdilieaco, Viauna e Mamede.
Policia Cameiro Monleiro e llarros.
Sr. veriador Vianna, fez o seguinte reque-
rimentoque foi apprnvado sendo nomeados
para a commisso a que elle alinde ; o scu au
lor, e Carneiro Monteiro.
Tendo esla cmara de montar o estabeleci
nenio de carros fnebres, que condusao os
cadveres ao cimiterin publico, requeiro que
se nomei urna comlsso, am d'emitlir sua
opinio a respeito, convencin,m.lo com o
aclual Inquiliuo da coxeira eslabelecida por
baixo do paco da cmara a mclhor forma c
regra de seguardarein ali os carros e caval-
los. Salla das sesses 12 detnaiode 1851. -
l'iiinan
Foro lidos e approvados dous pareceres as-
ignados pelos Sis, Vianna e Mamede, um de-
clarando, que foro 19 os'cadveres que du-
rante o contracto celebrado com Manoei Es-
tevo do Nascimenlo Quinteiro & Irino, fo-
1 ain condolidos paia o cemilcrio, sem o dito
emprezario Mies dar transporte, pndendo ser
condusidos em carro de 8,000 rs. e outro opi-
nando, que se pagasse ans ditos Quinleiro &
Irino a quantia de 152,000 rs. em paga do prc-
juizo que solliei.iu com o i\a lerem forueci-
docondUfu para ditos cadveres, na razao de
8,000 rs. por cada transpone.
Mandou-se expedir ordem ao procurador
para pagar dita quautia dos rendimeiitos cemiterio.
Ficou adiado um parecer da commisso de
pclicdesa respcltodas propostas fcitas por Luiz
Francisco de Mello Santos e Manoei Joaquim
I-errel,1 Esleves, para fazerem a limpeza da
cidade, enleudendo a commisso que se devia
dar preferencia quelle, porque se compromel-
le a fazcr a limpeza das quatro freguezias da
cidade, e nao a este, que pretende fsser unien-
te a dafregueiia de ban Jos, posto que ache a
inesma couiuiissa excessivo o preco porque os
proponentes pretenden! fazer semelhante tra-
balho vista da quota para isto destinada;
lembrando que esse servico poderla ser felta
Com quatro canucas puchadas a burros de pro-
priedade municipal, sb adminislra^o dos lis-
caes.
Mandou-se remctler a commisso de edifica-
canas petiedes da aduiinislraco dos eslabele-
cimeutos de carldade, de Jos liegino de Mi-
randa, e de Aime Fradel, requerendo lerreuos
de marinha, e commisso de petices, a dos
boiadeiros a fazendeiros, feita ao governo da
provincia, e por este remettida a cmara a in-
formar ein que pedem a inudaoca da feira de
gados de Pedras de Fogo para a villa de Igua-
rass, e a de Antonio Pedro das Nevese Jos
Marlins do Itio, enderezados ao mesmo gover-
uo, pediudo a revogaco da ordem da cmara,
que mandn elevar as raleadas de suas casas
lis. 32 e 34 da da ra do be lio.
Acamara lixou os diasde tercas-feiras para
as suas sesses extraordinarias.
rio a escrevl0/iweiro. presidente. I'ianna
Figutirido. Ferreira.Souza. Carneiro Mon-
leiro.
i ;ssss^ssm __-----~......_j____>.
Correspondencias.
Sn. rcdaclorei. lia inuilo que eu sou avisa-
do de que os meus gratuitos inimigos do
Brejo, nutrem premeditafles sinistras contra
inim, e o mu especial amigo, o Sr. coronel
Cambohn; mas, seguros no testemunhn da
nosaa consciencia, e convencidos de que csses
homens, por mais desvairados quesejain, nao
deixariam de comprebender bem a cxlenro
di maldadc, que preincditavaiii os seus ell'ei-
los e consequencias" funestas, nenhum valur
darainos esses rumores que se agitavam:
entretanto tal e lainaulia tein sido a evidencia
que vo lomando as revelacoes que se nos
ho feilo que, sem rrcusarmos os consclhns
da prudencia, nao podemos deixar de ceder
i sua 1 .re 1, mrmentc partindo taes revela-
efles de pessoas que esto bem ao alcance
des.es mystcrios tenebrosos.
Sabemos que os lillios do finado Cordeiro,
com se aeli.iiem na idade da rreflexo, j
terio ha limito se resignado com o desastre
fortuito de seu infeliz pai, se prfidos e mal
vados c iiisrlheiros OS nao instigtssem a com-
ineiier desatinos e vingancas: pois bem;
.ju es sej un essas serpes tentadoras ns sabe-
mos ; e te imaginan labtrablr-ae reapoota-
bilidade de qualquer mal. que hoilvermos de
soifrer, enganam-se manifestamenle. O seus
uoiiies ensangiieuiados j se actiaiu inscriptos
iias paginas do nosso testamento. Nao des-
ceremos i campa, como desceran! os infelizes
Trajano, Manuel Alves e outros. .. c se a pos-
teridade 1er a historia dos nosso.* desastres,
ha de ler lambem a sentenc inesoravel que
euiihe aos nossos inplacaveis verdugos: ar-
ineiii pui 1 mi. o braco do assassino ; saciem
os seus ilesejos brulaes mas tcmaiu e iremam
liante de um Dos Irado contra os barbaros
sacrificadores de viclimas innocentes !
Rngu-lhes, Senhores Redactores, que con-
venhaiii na publicaco nao s das linhas. que
leixo escripias, como das uianifestaccs junc-
ias, as quaes. lem.por lim prevenir, e nao
iiue.ie n e nos o ei converiainos cm sua pu-
blicidade, seno julgassemos conveniente ad-
vertir aos nossos inimigos que, quaudo nos
lizerem morder o p, tratein logo de dar a
mesma surte aos individuos ah assignados,
do contrario lero de ser atormentados por
esses pesadelos.....
Recite, 7 de junho de 1851.
Joaquim Pinto de Campot.
P. S. Consta-me que ebegra houtein, e
se a. le. recolhido ao quarlel do Hospicio, o
soldado assassino do Cordeiro: quem quizer
que v ouvi-lo a respeito do faci por elle
platicado, e da maneira por que Jos C'aetano
e padre II..vi. 1 o illudiaiik
Srs. Itedaclores. He necessario que nos en-
tendamos, para que depois se uo possa alle-
gar ignorancia.
Os I irus de amisade que nos ligam aos Srs.
padie Joaquim Pinto de Campos e cqminau-
dante superior Francisco Alves Cavalcante
Cauboim, nao solIVem que sejamos iudill'e-
ren te- aos seus encommodos; e porque uos
cousta com certeza que os prenles do .1.1.1:1
lo lenenle-coronel Cordeiro macliinaiu contra
a existencia de ambos clles, sem oulro fun-
damento mais, do que a infernal suspeita de
liavereui eiles coucorrido para o assassinio do
dilo Curtii no, apezar da maneira evideulissi-
111.1 por que se tem destruido essa gratuila
impiitaco, nos lomamos o expediente de fa-
zer sentir aos mencionados prenles do morlo
que meilileiii lieui .mies de uhii, e que se
leinbretu da tenlenca do Divino Meslre, quau-
do diz : quem com ferro fere, com ferro
ser ferido..... He um consclho este que
nos parece prudente; quem o achar bom
que o lome, c nada de dar peso s sugges-
lOes de salanaz, cujos embustes perderam
Judas.....
Oulieniv, 30 de abril de 1851. Pacifico
Lope de Siqueira.A/uro JVrnrilo Hibeiro Gran-
ja.Libralo Hibeiro (iranja-Saluiliano Ribeiro
Uranja,
tero Flix de Sania Rosa, roga ao mesmo pu-
blico e particularmente as pessoas que nao
conhecem ao Sr. Santos, que suspendan o
seus juizos, pois que prometi apresenlar com
toda brevidade prova convincenle dos meios
indignos e criminosos poique foram oblidos
aquelles depolmentoj falsos, os quaes s p-
dem ter importancia na imaginaco escaldada
do Sr. Santos, e dos seus mentores.
Sou Srs, redactores, seu assignante
Joie Fernmde* Euros.
Publicaco a pedido.
Despacharam-seas petices de Joaquim Mar-
tiuianno de Parias, de Jos Apoliario da Co-
aita, de Jos Camello eniclo de bessone, de
Joo Antonio Carpinteiro, Joaquim da Silva
llego, Jos da Silva t ai..pos, Jos Marlins Hi-
beiro, D. Maria llenriquela dos Prazcres, Ma-
noei Esteves do Nasciinculo Quinteiro, 1).
Margarlda Mu 11 Mequiliiia Ferreira, D. The-
reza Uoucalves de Jess, e levauou-se a sesso.
A O PUBLICO.
Convencendo-nos finalmente, por avisos rei
teirados que temos tido, de que a familia tos
Srs. Cordeiros, do Urejo, e seus adherrotes
projeclaui com todo o albuco o assasslnato
dos nossos dous amigos, o coronel Francisco
Alves Cavalcante Camboim e o padre Joaquim
Piulo de Campos, como victimas expiatorias
do deploravel desastre sucedido na pessoa
dn inleliz Antonio Francisco Cordeiro de Car-
valho, cujos assomos de imprudencia ihe
acairelaran! a propria ruina, como he publi-
co e reconhecido por lodos os bomens que,
acoinpaubando os fados com a devida boa-f
se subordinan! aos resultados da analyse, sem
essa reluctancia brutal, que s pode partir
do mais hediondo detpeito, nos nos apressa
mos em declarar .i face de Dos e do mundo,
que uos achainos na difiuitiva resnluco de
nao deixar passar desapercibido e inclume
qualquer daino ou desacato que porventura
for feilo aos dous referidos cidados, com
cuja sorle nos identificamos desde j sob o mais
solemne protesto de lirmezi e lealdade.
Sirva, pois, a presente declararan de gover-
no a quem convler .... Villa de Flores, 15
de maio de li-.il. lia isiuva Jos de Campos
Barbosa, major do primeiro batalho.Anto-
nio Jos de Campos barbosa, lenenle-coronel
do se: nudo batalho.Pedro Pessoa de Slquei-
Campos, major de guarda nacional Speri-
dio de Siqueira Campos, major do esquadro
de cavallaria.Alexandre Jos de Campos Bar-
bosa.Lucio de Siqueira Campos, alteres de
guarda uacional Jos de Campos Bulbosa,
Antonio Lopes de Siqueira, caqilao c subde-
legado da llaixa-Verde.Marcos Ferreira C-
mara, tenente da guarda nacioual. David
Jos de Moura.Jos Caelano da Silva Cam-
pos.belannino Osorio de Campos. Miguel
Francisco de Siqueira.Joo Baptista de Alhay-
de.Francisco da Canina Arruda, Prolirio
Gomes de Campos.Manoei da Silva Campos.
(.lanudo da Silva Compos.
Srs. redactores.Tendo eu lido no Oiatio de
bou lem uina correspondencia assignada pelo
Sr. Manoei da Silva Sanios, em que o mesmo
-diluir l'undanilo-se em alguns depoimentos
que obleve por meios, que muilo breve che-
garim ao conhecimento do publico, alcunha-
me de calumniador por ter eu maudado pu-
blicar una ilciill ...... que peanle O lilil.
M. desembale,ador ebefe de policia literaSo-
Aujurfu' c di'jnisiimus Srs. representantes da
naco.
Se he louvavel cntregarino-uo amedilaco
dos meios, que possam fazer prosperar a indus-
tria do no.mi paiz milito maior deve ser o Init-
voreagloria para aquelles que, colocados em
boas posices facilitara e auxiliara esses meios
priiuiovendo ao mesmo lempo alnstrucco da
ni '. 1 :. e .1 1.1.1. he una direco moral
e identifica, logo desde os priiueiros annos.
Fui aos paizes de nossos rivaes ein industria
vi os sabios e os poderosos reunirem os seus
esforcos para prouiovereni a industria da sua
naco: vi os sabios gnvernos animando c ga-
rau lindo a propriedade. alim de fazerem ap-
parecer as reque/.as nacionaes, que sem du-
vida multo concorrem para o bem estarde to-
dos os governados.
Srs. boje sem duvida a nossa industria
agrcola se acha sem a/.illo, c sem proteceo,
e com o en ado sistema de despresar se a nossz
pe o 11 1 industria nacional tein-se dado pre-
ferencia a industria extrangeira, e da lii gran-
de miseria tem aparecido na sociedade, ent
1.1/ 1.1 de nos ler privado da competencia nos
lucros da Industria sem mu outro recurso pa-
ra subsistencia da populaco: e assim a na-
c;lo perde e perde consideraveliiienle. He
Ulna verdade, Srs. bem confirmada por expe-
rieucia, que a iudusiria de una naco, naj
pode prosperar seui ser no cimeci auxiliada.
O inglezes a dous seculos erain inferiores aos
franceses, italianos, alemes em manulactu-
ras, s conseguiram avantagar-se as oulraa
11 1. .es depois de una bem euleudida protec-
eo.
A Franca nos offerece exemplo mais instruc-
tivo pois que se eslabeleceram fabricas de le-
eidos d'algodao c outros productos d'algricul-
tura, que crescero exlraordiiiariaiiiente, ap-
pareceo iiiimeiliatameiile a industria nacio-
nal, ludo alenla aproteceo do governo, que
11 aiuii d'estabeleccr ein todas as cidades en-
sillos especiaes e sociedades agrcolas anima-
douras dos coiihecimenlos uteis ao piiz, alim
de afattar a concurrencia, uociva da indus-
tria extrangeira;
Ein Portugal cm ll estabeleecro-se fa-
bricas de lanificios, e smente prosperarao de-
pois,que em l(iS4 o cunde da lerceira prohi-
bi a importacao de todos os panos de l ex-
traugerus: bastou esla medida protetora, para
que os poiluguezes em puuco lempo adqui-
iissem tal pericia na fahrieaci) dos lanificios,
que continuando as fibrieas a prosperar, tan*
tu em Poiiugal e no Brasil, ero iuteirameiite
supridas por ellas.
s h.eie/. prucuraraiu iulroduzir as suas
sarjas de la, o governo porlugiiei prohibio-as.
Entre tanto o tralado de .Mr. alelueus fazendo
eeataraprohlbic&o dos panos ingleses, e esti-
pulando que nunca mais para o futuro se-
riara prohibidas, causou a total ruina das fa-
bricas portuguezas, e dahi seguiro-se lo
graves prejuizus que assim se exprime a este
respeito o Itrish Merchante.
Os estadus unidos em seu comeen com di-
minua populaco acho-se buje ellevados a
um grao de prosperidade que pudem compe-
tir ein Industria com qualquer pail da Euro-
pa por tereui sido dirigidos pela sabedoria,
de Frauklin. JcfTcrsoii llilmilton, e outros
que eslabeleceram a industria fabril.
Aperda proveniente da independencia fui
recarcida por impostos dos navios cxlrangei-
ros, c da hi iiasceram os piiineirus capilaes
que criaro auiaiinha mercantil, que era ne-
iihiiui-, quaudo le miuiiii agueira da inde-
pendencia, animaram agricultura, c asarles,
e dci .iiii impulsn ao commercin ele. etc.
Ein lim, Srs. com esses auxilios he que, se
pe iniue ao commercio eulrar em iivre con-
correncia com a industria extrangeira, c se-
augmeuta indifinitivamedtc a venda dos pro-
ductos nacionaes, doude resulta vantagem
para o uegocianlc e igual 011 menor vaula-
gem para o productor.
governo que couliccc os verdadeiros iu-
teresses, deve (irocuiar os meios de facilitar
a industria brasileira estabelecendo as prin-
cipas! cidades do brazil nstituices agrco-
las, pois vos bem sabis, que lia he a mais
solida, c mais preciosa das riquezas naciouaes
em todas as naecs e conjuntamente cursos
de cbinica c phisica applicadas que inuitos
sei vicos l.i/ein a inliisti 11. A geometria e a
Mecnica applicada as artes e oflic-ios (cujo
curso freqiientei por Irez anuos,) esta nova
applloaeSo das sciencias mailiemalicas hs artes
di primeira necessidade, que tanto fazem flo-
recer as uac.es, uo pode deixar de merecer
vutsa approvaco, de animar o nosso patrio-
tismo e amor as cousas uteis ao paiz que,, nao
s do subsistencia a centenares de iudividuos
como 1 w. ni prosperar a uaco iuteira,
Sis. Esta iniuha exposico, nao deve mere-
cer vossa eslranliesa; espero pois que esta-
heleeacs uni collegio normal de agricultura
as principaes proviucias do Imperio, pela
forma que vos propouho, empregando vossa
energa e patriotismo apr da iuduslria do
paiz, e fazendo vossos cxlorcos, para que pos-
samos viver iranquilamente no seio de uossas
familias; oslenlai Srs. vosso carcter heroico
fazei a massa publica fclii, melhora os meios
de subsistencia da populaco ; e n.i nielo des-
ta fel cidade, 411 nulo gozar de urna sorle mais
prospera, nos tornaremos mais charos e uteis
ao estado social. Pelo que, a Divina Providen-
cia vos abencoara e proteger, e mis agrade-
cidos levaremos vossos iioines e fama a cima
dos astros, como vos deseja. Yosso bumilde
suddito.
Joaquim los de Carvalho Siqueira Varejo.
\.xiutoi*.*.i\.
EXERi.ITO (NAPOLITANO.
O .lic'iieo ,W ilutar ( que se publica em Ma-
drid J cunlui urna breve descripcao do exer-
cilo 11 apolilano, remellida pelo coronel deca-
valleria, D. Joao Curaselo, como incmbru do
corpo vxpediciouatio Italia. Eis-aqui como
IVEL


o autbor resume o estado presente (1840 ) do
mi sino derrito,
Tendo consumido alguna dias em examinar
as colisas notaveis da cidade de aple, dos
seus lindsimos suburbios c amiguidades
d'elles, facilitou sc-nosa occasiao de ver inlu-
rl.-imenle o exerelto d'cl-rcl das duas Sicilias.
Se nos causou adinlracao o bom eslao dos ca-
niinhos de ferro e ordinarios, que t.o de a-
ples a Capua, Partici, e Castellamare ; se lou-
vamos mil vezes o grande Carlos III, que dcs-
cobrindo d'entre cinzas e lava, Pompeya c
Jlerculanum, cnrlqueceu com o ljenos do pri-
meiro secuto o museu borbnico d'esta capi-
tal, nao chamaram menos a nossa attenco as
tropas napolitanas pelo seubrilhanllssimo, or-
ganisaco e disciplina-
As guardas de corpo trouxe-nos a grata re-
cordacao da brilhanle tropa que, sob o inesmo
titulo a Ilespaoha teve, e que deu ao exercito
jovens e valentes officiaes, que nunca enrer-
gouharam a sua origein militar. O uniforne
que aquelle corpo tinha na Hespanlia em
iS.'ti, tecm boje as guardas de pessoa d'el-rei
de aples. Os militares que o compem
tambein sao jovens, bem apessoados, e de de-
licadas raaneiras. Os granadeiros e cacadores
da guarda real sao egualmente mui galhardos
milares. Os suissos, cuja estatura excede a
dos granadeiros da nossa guarda provincial,
sao tropa excellente e tantos os artilheirosde
inarinha, como os das baleras montadas que
lia na corte nos recordaram os lempos em que
aguarda real liespauhola fatia a admiraco dos
cstrangelros.
Muuo nos agradou a cavalleria, composta de
liussards, lanceiros e dragues. Os uniformes
tos nrluicirwi mu eslaiem muito carregados
de ornatos, s.o com ludo de grande brilbo .
e os do resto da cavallaria tein, em geral, pro-
priedade, reuuimJo simplicidade a conveni-
encia e bom gosto as cores dos caolines c vi-
vos.
Oscavallosso ligeiros, geralmente fallando,
e lein bem repartido o peso dos arreios.
O tren acha-se peifeitamenle organisado ;
e tanto oscavallosd'elle como os da cavalleria
e aitilhsria, estao empregados segundo a sua
altura e forca as armas competentes.
NSo menos dignos de attenco o bom esta-
do dos arsenaes e pracas. Dos primeiros vi-
mos o de Lastellainare, e o que se acha cons-
truido em frente das jaurllas dos reacs pa;os;
das segundas vimos a linda praca de Capua,
mu tanto parecida com Pamplona, e os cas-
tellos do Ovo, Carino, Novo, e o de S. Erasmo.
Capua he cidade de 8,000 almas na margen
esquerda do rio Cilore, esteudemlo-se-lhc as
muralbas pela borda do rio, tendo pequeas
esplanadas em algumas partes, e urna boa en-
trada de ponte.Nos suburbios exislem as
ruinas da anliga e celebre Capua, cidade vo-
luptuosa, capital dos Ktruscos, primeramen-
te conhecida pelo nome de Volturno, e sub-
mettlda aos Samnltas 425 annos antes da viuda
de Jess Cliristo, em cuja poca comecou a
guerra de S nimio, qne abrangeu todas as que
ii ci jin os puvos da Italia no periodo de "(i an-
nos, para defenderem a sua independencia.
O caslello do Ovo, assim chamado pela sua
figura oval, e que se de nominava 6'astrum
.urui'i'iiiiuKi r illia do Salvador foi converti-
do em pra;a no lempo de Guilhenne I, sendo
em l22l augmentada por ordem de Frederico
II. Carlos I, duque de Anjou, mandou abi
fater algumas obras c aposentos, aonde esta-
beleceu o tribunal da regia cmara ; c ltima-
mente Alfonso I do Arag.io Ihe accreserntou
algumas obras de defensa, que tem ido sem-
pre em augmento ai. os nossos dias N'esta
praca esleve preso o celebre philosopbo Tho-
maz Campanella. Entra ella pelo mar, e
domina completamente a ribeira Cbiaia.eos
dois porto*.
O castello do Carino, situado n'uma extre-
niidade ao Oeste da cidade, forma um ngulo
agudo, cujo vrtice olha para a ra da Ma-
Tinella. K' um pequeo forte comecadu em
tempo de Fernando I de Aragao, e acabado no
seeulo X\ II.
O castello novo foi tracadoeni 1473 pelo archi-
teclo Joiiu Pisana, dando-se-lhc niaior largue-
za no lempo de Alfonso I de Alagad, que diri-
giu as obras, e ornou as cinco torres, uina das
quaes, a de S. Vicente se uniu ilhota. N'es-
ta lorre foram encarctrados alguns cabreas
de rcvolta por orden de Fernando de Aragao
Est situada beira do mar entre ambus os
portos, e tem coinmunicacao com o palacio
real por meio de una ponte. No centro do
caslello levanta-se um arco triumpbal colloca-
do entre as torres, noqual se l : Aphomus tlex
liispanu Sicuiui /lii/ienl Clemei Inrirlui.
O castello de Santo F.rasmo julga-se que foi
obra dos ltimos dias de Carlos II do Anjou,
i- ni ii este in me do templo que amigamente
exista na colima em quejaz o mesmo castello.
As suas obras de hoje sSo do tempo do impera-
dor Carlos V,e feilas em 1538 pelo engenheiro
I.uii Seriva, como se ve de urna insenpeo
que jai sobre aporta.
aple*, como j dissemo*, tem dois portos
leparados por um longo niolhe ou lingueta,
em cuja exlreinididade est o pharol. N'um
d'elles fundeam as embarca;oes de guerra, e
n'outro as mercantes, tendo, alm d'isso, urna
obra mui extensa e pinttoresca; e de maravi-
llii se encontrar mais formoso painel do que
o que Hilen te este golpho, desde Sao 'felino
Capodimunle, Sorrento, ou Vesuvio. lie qual-
qucrd'estes pontos se ve a cidade com as suas
turres, suburbios e castellos ; o porto coberto
de embarcaedes, c o ceu risonho sempre, for-
man um panorama diificil e descrever.
f. d'ahi que ven o seguinte rifo :
Vedi Napoli, be poi mttori ( l>. do toverno.)
COtmEMUh
ALKANOEGA.
Itendimento do dia 10 ......13:604,278
I lesear regam hoje 11 de junho.
Brigueinglez Walter Baine bacalho.
llarca ingleza -- Creamore -- dem.
Barca dinamarquezs -- Waldemar o resto.
Jirigue portuguez Novo Vencedor mer-
cadorlti,
Brigue diuamarquez Hennett dem.
CONSULADO UERAL.
Itendimento dodla1a6. 4:372,775
Idotn do da 7.......... 916,057
xa doce soco cor,-, 1 s.rcbs. 1 dita e 12 gar-
rafas pimenta da trra c 3 pelles deonca..
RECEBEDORIA DE IWDAS CERAES
INTERNAS.
Rendinento do dia 10..... 131,400
CONSULADO PROVINCIAL.
I Ir-m do da 10...... 1-817.194
Movimento do porlo.
Minio entiado no dia 10.
Rio Crsnde do Sul 21 dias, brigue brasl-
leiro Feliz Dtslino, de 199 tonclladss, ca-
pilSo Antonio Martin Dias, equipsgem
13, carga carno secca: a Manoel Goncalves
da Silva.
Deca rtifes.
5:318,812
dem do dia 1 a 7.
dem dodia 10
5:318,812
928,830
6:247,642
DIVERSAS PROVINCIAS.
.Rendimntodo dial a6. 782,011
dem do da 7......... 126,996
dem de 1 a 7.
dem do dia 10.
909,007
909,007
3,236
912,243
Despaches Martimos do dia 7.
Liverpool, galera inglez Serafina, de 430
1|2 lonellidas, eapitiio J. Celhing, conduz o
seguinte: 2,150 ssccos e 2 caixis corn
12,750 arrobas de assucar, 942 saccas com
5,209 arrobas e 24 libras de algodSo, 1 cai-
CO lili El <>.
Expediente da administrando geral para a a-
geneia de Olinda.
Anna Joaquina Machado, 1 c*rla.
Jos-fjainlino de Castro LeSo, 1 jornal.
Vicente Ferreira Marinho, 1 carta.
Junho, 10 do 1851.
O administrador. Gomes do Correto.
= Pela segunda seccao da me*a do consula*
do provincial se annuncia, que do dia primel-
ro de junho do correte anno, *e principia a
contar os 30 dias para o pagamento a bocea do
cofre da declina dos predios urbanos dos halr-
ros desta cidade e povoacan dos Afogados, e
que todos o proprielario* que deixarem de pa-
gar no indicado 'praso incorrerao na multa de
tres por cento, eserao de nroinpto executados.
REAL COMPANHIA DOS PAQUETES
INGLEZES A" VAPOR.
O vapor Tem deve aquebegar,
dos portos do sul, de vnlta para
os da Europa, no da 17 do cor-
rente, e no mesmo dia prosse-
guir o seu destino: o* Senhores que pre.
ten lerein passagem para qualquer dos portos,
em que o mesmo tenha de tocar, devero
tratar anlecipadamenle em casa da respectiva
agencia, ra do Trapiche n. 42.
Compnnlila de Hcberlwe.
__O caixa da companliia, continua apagar
o G. dividendo todos os dias, das 9 horas em
diaute, seguindo-se a forma j eslabelecida.
_ Pela capitana do Porto se convida a to-
dos os proprietarios de canoas empregadas em
atierros e lastros de navios, maudarein as
mesmas canoas receberem na barca d' Esca-
vaco, que se acha Tundeada junto a alfandega
das fazeudas, a areiaque a mesma Barca exlra-
lur.
Capitana do porto de pernambuco 10 deju-
Rodrigo Theodoro de Freitai.
O vapor S.-Sebatliio parle ho-
je para o sul as II horas da tna-
nha : as correspondencias pa-
ra o mesmo deve ser entregue
at as 9 horas.
Seguir-sp-''i nrfentacfio da comedia em
I acto O .MARID DA VIUVA de M. Ale-
xaodre Duina, traduzlda llvremenle por J. M.
leSouza Lobo, na quala Sra. D. JoannaJai ja-
rla desempenhar a nlere**nte parte de D.
Ermelinda.
Em seguida a Sra. Moreau, por obsequio,
dancar um paiso intitulado A ACRACRO-
VIANNA.
Terminar o espectculo com a jocasa co-
media
Os rmaos das almas.
He eteo dlvertiinentoqueo beneficiado tem
teacnlhido para offerecer ao illustrado publico
deita provincia, de quem espera acolhimento e
proteccao.
O beneficiado aprovclta o eusejo. para decla-
ra! a Sra. I.iml.i, seu marido, seus compa-
nbeiro* e a Sra. Moreau, o seu eterno reconbe-
cimemo de *c prestarem gratuitamente e com
prazer.
Os bllhetes acham-se desde ja a disposlcao
do publlccna ra de Santa Izabel. peruulti-
ma casa n. 13, residencia do beneficiado, e no
dia do espectculo, no mesmo theatro-
Princlpiar as 8 horas com a chegadade Suas
Exc. ____.__________________
1 *
nho de 1851
cinco
TheatrO de Apollo.
Quinta-(tira, iS/imks) de i85t.
Subir o muito app'audido drama em
actos w
Rematar o espectculo com a mui jocosa
coinedia em un acto
diiello no 3." andar.
em que o publico poder avallar o verdadelro
contraste do Sr. Guimaraes, no papel caricato
de Mr. Monflct.
Principiar s 8 horas.
Os billieie* acham-e a Tanda no thentro.
SAIIADO, 14 DE JUNHO DE 1851.
Rccllat extraordinaria em benefi-
cio da cantora, Marieta Landa.
Espetacula variado He canto e dramtico, ditidido
em h partes:
Primeira parte.
Depois da orchestra haver deiempenhado
nina brilhante symphoula, aurir-se-lu a (cena
com a bullanle aria da
GEMV1\ DE VERGI
do maestro donizelti, pela beneficiada.
Seguir-se-ha o primeiro acto d muito ap-
plauddo drama
Ltii7. de Cainef.
Si u ii a parir.
Gri.nde scena e aria de Atlila, do maestro
Verdi, pelo Sr. Vasco.
Segundo acto do drama.
Grande dueto da
Collumella.
Do maestro Fioravanli, pela beneficiada e Sr.
Va*co.
Trrira parir.
Terceiro acto do drama.
A mui ilillieil cavatina da opera
SONMBULA
do maestro Rellini, pela bcueliciada.
(.(.mi 11 parir.
i .luirlo acto do drama.
Grandes e dilceis variares do maestro Schi-
ra pela beneficiada.
(lumia parir.
Quinto acto do drama.
He este o espetaculo que a beneficiada tem a
honra de offerecer ao illustrado publico Per-
nambucano, de quem espera indulgencia e
proteccao.
Us bilhetes acham-se venda na residencia
da beneficiada Hotel-Francisco, e no dia de es
petaculo no theatro.
Cadelras 3,000 rs., geraes 1,000 rs., gallera
1,000 r*.
Principiar 8 horas em ponto.
Avisos martimos.
Para a Hahia segu viagem com brevidaiie
a sumaca /"uraoiiasii, recebe jcarga frete ;
para o ajuste a fallar com Joao Francisco da
Crut, ra da Crus n. 7.
__Vende-se a sumaca nacional Carila, bem
construida, forrada de madeira e cobre de
eoiiiposi'ii", e pregada de cobre anda nao
ha dous annos, prompa de ludo para navegar,
um bom aparelho &xc ; quem pretender pode
examina-la no Forte do Mattos, fjindiada ao
p do trapiche d'alfandega, a tratar com o
proprietario, Jos Goncalves Simas, ou com
Lula Jos de S Araujo, na ra da Cruz n. 33
Para o Klo de Janeiro segu
viagem com brevidade o brigue nacional
liettino, recebe anda alguma carga frete,
assim como escravos, e tm bon* commodos
para passageros ; o* prelendenle* se poderao
dirigir ra da inoeda u. 7, a tratar com
Leopoldo Jos da Co*U Araujo.
Vende-se urna.lancha nova, que pe-
ga de trinla a quarent* barricas, a a qual
se acha em perfeitissimo estado, bem co-
mo tres botes novos, tudo por prego com-
modo : na ra do Vigario, n. 11, primeiro
andar.
PAR A AB.UII*.
Segu em poucos dias o patacho, nacio-
nal t'on/ia'-fa, que pode ainda receber alguma
carga e para isso t'rata-se com os consignatarios
Novars .\ C. na ra do Trapiche n. 34.
Sgue pira o Aracaty o patacho Santa
Cruz, com brevidade : para carga e passa-
i?eiros trati-seao lado do Corpo Santo, loja
de massames n. 25. ______
mm

Leiloes,
Jos JeronMiio Monteiro, far leilao, por
intervencao do corretor Oliveira, de poredes
de fazenda* inglezas, todas dos melhore* gos-
toa, e as mais vendavels ueste mercado : quar-
la-feira, II do crreme, as 10 horas da ma-
nba, no seu arinazem, ra da < i u /.
Frederick Robilliard, leudo de largar sua
casa de campo,* em consequencia de sua fa-
milia se retirar para Inglaterra, far leilao,
por iuterven(o do corretor Oliveira, de toda
a mobilia da dita casa, consistindo eincadei-
aas usuaes e de bataneo de varias qualidades,
mesas de salla de visitas e d'outras, ditas de
jamar, e para jogo, aparador, guarda vesti-
dos, coimnodaa, Icilot Af madeira e de ferro,
um ptimo piano, jogo de bagatella, relogio
de salla, colberes, gaifos e outras obras de
prala, um fogao moderno, Inglez, de subido
valor, loucas e crlstaes, e alm de muilos
outros objectos miudos, um carro de quatro
rodas para dous cavallos com os arreios com-
petentes, um dito tambein de quatro rodas
ltimamente preparado pelo manufacturero
Miguel, podendo-se considerar como novo,
um carrinho de duas. rodas para um cavallo,
e um cavallo para o mesmo ou sella &c.
sexli-fcira, 13 do correte, s 10 horas da
ni ni li .ti, na referida casa e sitio, no logar da
Cruz de Alinas, da parle dirella, quasl con-
fronte da de 1. J. Tasso Juuior.
-- Luiz Rruguiere, far leilao, por ioter-
veiicao do corretor Oliveira, de multas fazen-
das, proprias deste mercado, consistindo ein
pannos finos, casimisas pretas e de cores,
brius de algodao, merinos, lencos de seda
I'.ir., mo, sarjas e setins de diversas quali-
dades, retroz, lustrn) de seda e de algodo,
chapeos de sol de panoioho, bornes d'agalbo,
lina de seda de todas as qualidades, e inul-
tas outras faiendas, sendo todas para fechar
contas : quiola-feira, 12 do crreme, s 10
horas da inanha, no seu arraazem, ra da
Cruz.
-- Leilao de urna porcn de gigos com ba-
tatas em lote, vontade dos compradores,
no caes d'alfandega, no dia II do corrate,
pelas dez horas da,manhaa.
Avisos diversos.
O artista Pedro llaplista de Santa Roza tinha
de fazer o seu beneficio no theatro de Santa-
Izabel oeste crreme mez ; porm como o nao
possa exacula i- em virtude do inesmo theatro se
acbar em preparativos para a nova abertura no
mes futuro de julho, o vai faier em oulro thea-
tro.
Theatro de San-Francisco
DOMINGO, 15 DE JUNHO DK 1861.
Espectculo variado de canto, dramtico e
danca, a beneficio de Pedro llaplista de Santa
Rosa.
Depois que a orchestra dirigida pelo Sr. pro-
fessor Theodoro Oresles, li ver desempenhado
um das inelbores ouverturas, abrir-se-ha a
scena e acompaohia nacional do theatro de
Santa Izabel em obsequio ao beneficiado, re-
presentar o mui lindo vaudeville em 2 actos
que tem por ttulo
ARTHUH DEPOIS DE DESASIS ANNOS
Ptrsonagens.
Lord Melvl, almirante da marinba inglesa, o
Sr. Antonio Maximiano da Costa.
Mara, a Sra i). Joanna Januaria.
Sir Arlhur, oSr Antonio J. DuarteCoimbra.
leiinyuo Dulllot, estanquelro de tabaco em
Paris, o Sr. Raymundo Jos de Araujo.
Jobson, o Sr. Santa Roa.
Galharina, uiulher de Jobson, a Sra. D. Ma-
ra Soledade.
Jornaleiros, marojos, mulheres, etc.
O beneficiado para dar mais vallinento e real-
ce ao seu espectculo, dedica a execuco do
drama aos illustradns acadmicos de Olinda, a
quem implora proiecfo.
No li ni do drama o Sr. Vasco em obsequio ao
beneficiado, cantar a cavatinaDEL KRAVO
del maestro mercaudante per Karltono.
Fiada esta, a Sra Landa, lambeiu em obse-
quio ao inesmo, cantar a cavatina GEMMA
D1L VERGldil maestro Douizetti.
Ein resposta ao annuncii inserido neste
Otario n. l30 de sahbado pa ssado, o abaiso as-
signado responde, que nao tem cumprimenlo
alguiu a dar na casa n. 11 da ra da Manguei-
ra, se he pela ntcrrup(o que houve as suas
lices de piano por causa da chuva em coat-
nuaco, nao he motivo para laucar uto de um
mel to pouco usado e ingrato para com o
seu mestre que mora na Passagem da MagJa-
len i, tanto mais, que as suas lices de plano,
sao contadas por bilhetes, pelo que nao lhe
resulta prejulio neobum.
Joseph l'arliimlti.
AeTTO-ANTONIO.
Aos festeiros aviza-se, que na ra Nova n.
63, existe esta imagen, as quaes sao o mais ri-
co possivel, como bem douradas e em fu-
mo, assim como outras muitas proprias para
quadros.
Pergunta-se ao Sr. Luiz de Brito Tabor-
da.'sc as letras iadiciaes A. B. da Silva Caval-
canti.se entende com o Sr. coronel Agostlnho
liezerra da Silva Cavalcantl.
Aluga-se urna casa terrea, sita na ra das
Ti mclien js : a fallar na ra do Cabug, loja
de uiiudezas, de Joaqulm Jos da Costa l-'a-
jozes.
-- O Sr. inajoi Jos Carlos Teizeira, tenha a
bondade de mandar ao Atierro da Koa Vista
sobrad n, 10.
Na ruado Amoriui n. 36, preclsa-se de
urna ama de leite.
PublicacSo a pedido.
O aballo assignado em salitfaco aos annun-
ciosque tein feito publicar neste jornal rela-
tivo aos embargas que bavia opposto senlea-
;a que julgou as parlilbrs que ltimamente
l'ez-se dos bros deixado pelo finado Manoel
Ferreira Diais, declara sem effeito aquelles
annuucios, pois que tem nesta data disislido
ditos embargos, sendo que por tso desemba-
i acidas se acliam ditas partiihas, visto que su
o annunciante era quem Ibes fazia opposico.
Recite, 26 de in.no de 1851.
Honorato JerpA d'Olivtira Figueirtdo.
O abaixo assignado deixou de |ser procu-
rador de Francisco Mauorl da Silva 'lavares
Juuior desde 22 de uiaio ultimo. Recife 11 de
junbo de I8.il.
T. d'Aquino Fonseea Junior.
' Preclza-s de um preto, paga-se r2,000rs.
por mez, e o sustento, para o servico ordina-
rio ile parlara ; e outro que|entenda do servico
de masseira. e um fornelro que salba bem
fazer sua obrigacao, na prafa da Santa Cruz,
na padarla debati do sobrado n. 106.
__Ameza rrgedora da irmandade do SS.
Sacramento |de S. Fre PcJro Goucalves avisa
a todos os Irma.'8 da mesma, a comparecerem
no consistorio da mesma Matriz no dja 15 do
corrente aafl horas da manhaaafim de sepro-
ceder a eleicao da nova mesa.
Oferesse um rapaz porluguez para casei-
co de venda, para lomar conta por balanco,
ou sem elle, ou outro qualquer estabelecimen-
toparao que tem bastante pratica, quem de
seu prestimo ae qulser utilizar, de rija-se a
pracinha n. 10, das 10 horas as 2 da tarde.
O abaixo assignado faz scienle ai Sr. thc-
toureiro daloteric da inatris da Boa-Vista pr-
xima a correr,que perdeo o bllhete n. 2,961 i
por laso haja de nao pagar o que por sorte lhe
sahir senao ao annunciante, que he seu legi-
timo dono. JoSb Lins Cavalcantl Vchta.
O Rita das Crnzcs n. 2.
Consultorio homaopalhico do faculta- Q
tivo J. B. Caianova.
Gratis psra os pobres.
Na ausencia do facultativo J. B. Ca-
o professor bomoeopatba
9
!
jT SSnOVS, tj imuibbsui iivuiwup..i..
Gosset Bimout continuar com os J*
trabalhos do mesmo consultorio, on- O
0 de poder ser procurado a qualquer O
O hon. O
O Sr. jiiiguei Accioii YVan-
derlev, queira ir ou mandar al-
gtiem por si, entender-se a nego-
cio de seu nle^esse : no pateo do
Carmo n. 16
Eu abaixo assignado declaro, que tendo
recebido do senhor lente Andr Accioii Pi-
nlii-iro, ex-ajudamc do exmelo oitavo batalho
de cacadores, um vale da quaotia de novecen-
tos e oltenta e untos mil res, pelo resgaslc
dos seus vales, at o dia 15 de malo do corren-
te anuo, de geoeros que forneci para o rancho
rio dito batalhao no dito inez, este eu o perd,
com tudo fui pago pelo dito senhor dessa quan-
la, Incluindo em um recibo geral de manir
quantia assignado por miin, proveniente de
gneros comprados no referido mez, c por is-
so pago e salisfeto, ficando de nenhum effeito
o dito vale se por ventura houver de apparecer.'
Jniii/ui'in finio Meiteltci.
Torna-se mala esta vez a avizar aos se-
nhores solicitador da fazenda, procurador fis-
eal da mesma, ( ou a quem peitcncer )que as
casas terreas boje pertencentes fazenda pro-
vincial, citas na povoafo dos Afogados ra
dos Pocos e detrs da matriz, esto todas oo-
cupadas por gente que forca se tem metido
dentro Mellas ; eque leudo o anno passado ca-
bido pelo Invern urna dellas, cabio agora 011-
tra pelo abandoao em que estao, tendo-se ron-
bado as portas, janellas e madeiras, causando
tamben muito prejuizo ao sitio, cu cujos fun-
dos estao as casas cabidas por ficar aberto por
csse lado.
Ein uina das ultimas noites do mez de
abril passado botaram por baixo da porta da
botica do abaixo firmado na ra estrella do
Rozario parte dos bilhetes premiados das lo-
teras do Rio de Janeiro, que, entre outros
objectos, Ibe forao roubados na noile de 2 desse
mez, como ento o abaixo firmado|f publicar
sendo os us. e premios dos que lhe botaram
p ir baixo da porta os seguiutes: 13.' lotera
do theatrode S. Pedro de Alcntara; ineios a
10,000 rs., ns. 4653, 4561, 2023, 4565 quarto a
5,000 rs., n. 4532: quinos a 5,000rs. ns. lOll,
4980. 1786, 3133, 1657, 5775; oilavos a 2.500
ni. 134, 5694, 3874, 4622. 3655, 1891, 235, 5543;
vigsimos a 2,oOO rs. ns. 1005, 4470; vigsimo a
1,000 rs. ns. 5605, 4966, 4H4, 4965, l74, 5472,
5628,5630, 94T, 5687,3148, 4497, 5601, 4964,
5486. 4951, 2401, 194, 3146, 950.6." loteria a
favor da cultura das amoreiraa ineios a lO.OOO
rs. ns, 2085, 5943.=8 'a beneficio dp thesouro
publicooilavo a 2,500 rs, n. 3874 Falto an-
da dos bilhetes roubados os segulntes 13
loteria do theatao de S. Pedro de Alcantara-
meioa 10,000 rs. n. 6543; vigsimo a 10,0011 rs.
n. 3147 ; vigsimo a'&.OOO rs. n. 5577; vigsi-
mos a I.OOli rs. ns,2827, 950. 6 loteria a be-
neficio di cultura das amoreiras-otavos a
2,500 rs. ns. ;3874, 4435; vigsimo a 1,000 rs.
n. 3735 alm d'estes outros, cujos ns. se nao
acbavo laucados, mas que eslo firmados uo
verso com alguma das quatro assignaturas j
annunciadas. No numero dos bilhetes, que
bularan por baixo da porta viero quatro, cu-
Jo numero tuero desapparecer por meio de
alguma preparado chimica, a qual fai empre-
gada sem duvida com o fim de extinguir a fir-
ma laucada no verso, occaslonando nao so o
desaparecimento d'esla, como o do n. do bi-
Ibe. O abaixo firmado faz a presente decla-
raco para iateira scieucia dos Srs. thesourei-
ros, e caulellstas do Rio de Janeiro, e ficarem
na intelligenca de nao pagarem aquelles ni
que anda existen no poder dos rbubadores.
Jos da Hucha Paranhos,
t:*vT*^:^^ ^';^V'^^^S*1*^1'
Consultorio central lionioso- 4
# pa tilico de l'eritaiulHico, $>
Dirigido pelo Dr. S. O. L Pinho,
0 ilua do Trapiche Novo n. 15.
# sullas o remedios do graca aos po- {
% bres, desde pela manliSa at as duas 3
t>> horas da larde. *%
0 As correspondencias e informacOes f>
tfi poderQo ser dirigidas verbalmente, 4
?; ou por escriplo, devondo odoente 9
(H indicar : primeiro, o nome, a idade, '$
t estado, proQssnu e consliluic&o; se- H
iD gundo, as moleslias, quetemtido, e %
# os remedios tomados ; terceiro, a po- 9
|jf ca do apparecimentoda molestia ac- 4
% tual, e descrip^Bo minuciosa dos sig- *
nses ou symptoms's que sofTre.
H Dr. Sabino Olegario l.udgero Pinho.
Nao tendo o abaixo assignado oblldo de
sua li' D. Joanna FranciscaMaciel Monteiro ne-
nhum esel.iri-ciiin-iitn acerca da procuraco bas
tanle que diz existir em seu poder, deua ma-
lln D. Mara da <.miceic;i'> da Silveira Uaciel
Monteiro, revogando uina outra que o abaixo
assignado tem, e nem inesmo mandou iransere-
ver-lhe por este jornal, como se lhe pedio,
para tirar-se cenas duvidas, e vista do silen-
cio pela dita sua ta apreseotado, esl o abaixo
assignado convencido de que tal procuraco
nao existe, e que se por acaso ella por aqu
existi, teve de voltar oulraxez para a cidade
de Lisboa, visto que dita sua la uo se quiz
della incumbir; porm o aballo assignado
esl convencido de que esse annjincio anre-
sentado pela mesma sua tia, nao he um laclo
que fosse propriamente della dirivado, mas
sim de uina mo maligna e iraicoeira, que aou
be por bastante tempo locupletar-se por certas
artiinanbas, de algumas transacedes do abaixo
assignado, e que nao contente com isto, anda
procura entrigar-ine para com mlnha tia, alim
della romper em annuucios taes, que revellam
de mais a vida particular de una familia ; de-
ve porm saber a mesma iniuha lia, que esse
instrumento de que se valra para me derru-
bar, be iuteiramente millo, e s delle se serve
aquelles que teem o desejo de uina vingan;a
mui pequeuina e que emquanto ao lacio da
dlstitufcao de relos de sua mnlher em Lisboa!
pode o abaixo assigna-J .virar, que por di-
versas cartas que entregara a esse maligno
hornera de quem se cotiflava, deterralnava siu
vlnda para esta cidade, e pedlo-lhe que qual-
quer quantia que ppcisasse para seu suppri-
incnto lhe houvesse de fazer saques, pagavels
pnr esta praca, mas que o abaixo assignado
1.. o sabe, se esse hornera prfido taniuem lhe
dcsencmlnliaria as suas cartas, e ellas delxa-
riau de chegar as inoS de sua mulher, qc
nunca a deixou soffrer privaces, como hoje
se lhe pretende imputar ; ficando a dila sua lia
certa, que emquanto nao fuer publicar essas
ordens e procurao, que diz ter de sua 11111.
Iher, nao ser acreditada, visto que dependen-
do ella de certo exame convm que o publico
salba do que ella conten para ento ficar diiI-
llficada a que tem o abaixo assignado, quando
nao esta continuar em tode^seu vigor como
al hoje. Recife, 4 de junUo de ittl.
Joao Otorie de Castro Maciel Monteiro.
Em aditamento ao anuuncio del. Luiz
de Rrito aborda a respeito dos seus deve-
ilores, msiso va Cavalcanti, J080 Anacleto dos Santos,
Rento Borges Leal, Anastacio Jos Pinto de
Souza, Jos Venceslao Aflbnso Rigueira,
Thereza dos Prazeres, Filippa Romsna dos
Prazeres, Ignacio Joaquim Ferreira, Manoel
Joaquim Paes Brrelo, Jos Mara Gcraldes,
Joaquim Manoel de Castro, Antonio Jos
Martins, Anastacio Jos de Azevedo, Jjs-
i|ni 10 Rodrigues dos Ssnti>s,Manoel Josquim
de Oliveira, Fr. Thomaz ex-frade do Car-
mo, Antonio Ignacio de Oliveira, Francisco
deM. Itaiin Accioii Wanderley, Mano-i Ro-
drigues Campello, Leopoldo de C. M. Gua-
rema, Jos Pereira Arantes, Fr. Lourenco da
Conceic3o,Francisco Antonio Pereira dosS.
Manoel Patricio do Sacramonto, Eustaquio
Jos Nunes Muniz, Antonio Cordeiro e Eze-
quiel Ferreira lia limm. O annunciante
proseguir na publicado dos mimes dos
msis dos seus devedores que nao vieren
immediatamente pagar-lhe, e para com a-
quelles, cujas circumstancias n3o Ibes per-
mitan) pagar-lne j, declara queao menos
se lhe apresentem, para ajuste decontaa,
e sssignaqSo do prazo em que devem solver
estes seus antiguiasmos dbitos.
O estalle lechn-uto de Inncos, bem dirigidos,
tem-se geralmente considerado de v>niagem
sinnina; pois que, tomando activa e produc-
tiva urna grande parte de capltaes desempre-
gados e inactivos, augmenta a industria, offe-
rece deslnvolvimento ao trabalho e facilita
movimento do commercio e operaedes de cam-
bio. To profundamente, tem sido recouhe-
cida, a necessidade de nrganisacn de bancos
10 Rrasil, que umitas provincias os ten podi-
do estabelecer.
No Rio de Janeiro fundou-se ltimamente
o banco do Brasil, para deposito e descont,
devendo ser o seu capital de dez mil contos
de ris, divididos em viute mil acedes de qui-
ndenios mil ris cada uina, com duraco de
viute annos, cootados da approvaco dos es-
tatutos pelo goveruo e pelo tea plano e direc-
cao ; offerece toda a garanta e utilidade que
se dev esperar de tao grandioso estabeleci-
ment. O conselho de dlrecco do dito banco
tendo en vista eslender a Influencia e benefi-
cios a esta provincia, resolveo substar all,
em aceitar mais assignaturas, com a inienca.i
de aqui liaver quem queira subscrever at
mil aeces; e desta maneira haverem mais
interessados, e estes poderem auxiliar para o
bem conimum c geral.
En c, nlu miilaile do que, e Ha <1< libcracao
do conselho de direcfo do dito banco, toma-
da sobre ideias apreseutadas por dous nego-
ciantes do seio da mesma dlreccio, o presi-
dente, o Sr. baro de Ipancma, c o secretarlo
Sr. Ireneo Evangelista de Souza, fizeram a
subida honra de autorisar os abaixo asslgnados
para aununciarem a venda nesta provincia das
ditas mil acedes, para oque marcan) o praso
de quinte dias, que a primeira vista parecen-
do pequeo eremos ser mais que sutficienle,
quando nao ser oecessario entrar desde logo
com o capital que se subscrever; e sim em
prestaces como ordenan os estatutos, que
sero apresentados, e foram publicados no
Jornal do Commercio, n. 98, de 9 de abril de
1851. Tal resolufo tem em vistas interessar
os habitantes desta provincia, e proteger tan-
to quanto for possivel seu commercio epros-
peridade, inrmente devendo acreditar-seL
que ha na praca do Rio le Janeiro multas
pessoas que nao poderam obter assignaturas
para accionistas, e por consegulnle fcilmen-
te all sero vendidas as que aqu o nao fo-
rera.
As vantagens da instituieao, a circunstan-
cia de os directores do banco do Brasil, fun-
dado no Rio de Janeiro, movidos pelo bein
publico, mostraren.) o apreco e interesse que
tomara pela prosperidad da provincia de
Pernambuco sao, alm de outras rafies, mal
que suficieotcs para confiar-se que os habi-
tantes della mostraran quanto desejam o Incre-
mento do commercio e industria e a prospe-
ridade publica. Todas as pessoas nacionass
ou estrangeiras, rjue pretenderen ser accio-
nistas, e queiram aqui subscrever, sao roga-
das a dirigir-se ao escriplorlo dos abano
asslgnados, na ra da Cetela do Recife, n.
39, lodos os dias uleis. Recife, 30 de malo
de 1851. Amorat 8t Irmaos.
Casa de commissao de escravos.
l rem vendidos tanto para !ora ,
como para dentro da provincia ,
com prcste&a e seguranca aos mes-
inos: na ra da Cruz do Hecife
D G.
OOOGOOOfirj OOOt&CO.OOO
fj No dia 8 para 9 do passado s 8 Q
r horas ds noite, desappareceu o pelo 0
;\ paulo, lie inicuo Benguela.de 30 mi- *.
pt nos pouco mais ou meuos, estatura ^
2T regular, rosto um tanto largo, beigos g
^ grossos, boecs grande, nariz chato, *J
cabellos grandes, com falla na co- <3
O roa da cabera proveniente de carre- W
O garpeso, falla um tanto fina e des- Q
O caneada, o em certas perguntas usa Q
0 da resposta senhor sim, ou senhor Q
n3o,noendsr ginga um tanto com Q
t% as pernas trocando-as para umcou- 0
~ lio lado, bebegsrapa eago'ardente; fj
'' I...mu aoIpq fiA i'it-\ nir:i 7 II I- t iTMLO .t
9
levou ralea de casimira azul-ferrete q
com listras ao comprido e alrsvessa- >,
- das formando quadros, camisa de ma- ^
O dapolo e chapeo de pello preto no- j*
O vo. Este escravo foi de Antonio Jos- jy
quim, morador em Fra de Portas, e v
com lenda de sspateiro ns ruada Ca- Q
.j cimba, tendo o escravo priucipios Q
r\ do mesmo ofllcio : roga-se a quem o Q
pegar de olevar a seu senhor, abano q
S assignado, que pagar todas as des- j
^ pezas generosamente, na ra da Cruz q
2 do Recife n. 63, on atrs do tbestro q
velho, armazem que se vende taboss J
de pinho, no qual servico sempre es- *
lava o mesmo escravo oceupsdo. W
Joaquim Lopes de Almeida. Q
9
MELHOR EXEMPL>Q



Lotera da matriz da Boa Vista.
No dia 12 do corrente, vespcra
do gloriosoS. Antonio, as 8 horas
da manhufl, andam impreterivel-
mcnte as rodas desta lotera, sfja
qual lor o numero de bilhetes que
existir, e o restante dos mesmos
ncham-sc a venda nos lugares j
annunci dos : -a elles antes que se
acabem. O theourejro,
Salustiano de si quino Ferreira.
O Sr. Jos Fachinet, hija de compare-
cer, na ra da Mangueira bairroda Boa Vis-
ta, casa n. 11, a (hn de dar comprimento ao
negocio que nSo ignora.
Deeja-se saber de" Jos Crrela de A ir ve-
do Guimaraes, natural da freguesia de ffinia
Maria de Vermoim em Portugal, que fol caixei-
ro de uma venda as Cinco Pomas no anno de
iS3l, onde quer que esteja, queira annunciar
sua inorada para ser procurado ou apparecre
na travrssa do aVsenal de guerra, armazenin. 1.
<= Oabalxoas signado Taz cente ao respei-
tavel publico que niguem negocei ou efectu
qualquer negocio com D. Therea Maria do
Espirito Santo Viuva do falecido Domingos Ro-
cha morador na povoafan do Abreu com
uma letra da quantia de 500,000 rs. Urinaria
por Francisco Jos Tavares de Lima senhor do
cngenho Buenos Ayres por estar legalmente
pinhorada a dita quantia e o dito senbor Lira
a signou o deposito .
Antonio Francisco Aires de Miranda.
Precisa-se de m feitor para o servico
dn campo, -noengenho S. Pau'.o, freguezia
dos AlTogados : quem estiver nestas cir-
comslancias, dirija-se ao mesmo engenlio.
m O Sr. JoSo Joaquim Rabello, queira por
favor annunciar a sua morada, ou iralraz
do theatro n. Ifi e 18.
Precisa-se de urna pcssoa que entendt, se
queira encarrcgar de extinguir as formigas que
estilo destruindo urnas arvores : a tratar na
ua do Itangel, obrado n. 9.
Roga-se aos Srs. tiscaes, para que lan-
cera suas vistss sobre os que andam ven-
dendo pelas ras lquidos e> seceos, com
medidas falsificadas, pois que, muitos ao
depois de ferirem raandam rcbaixar as
mesroas, assim pede. O Hreiudicado.
-- Aluga-seum grende sitio com boa ra-
sa do vivenda, bastantes arvnredos e baixa
para capim, na estrada dos Afllictos, defron-
te da Igreja ; um sobradinlio na Ponte d'U-
choa, a niargem dorio Capibaiibe: a tra-
tar na ra da Aurora n. 26
Pede-se a certo Sr., morador de um
sobrado no Collegio, o obsequio de se apre-
sentar com mais decencia, quando houver
de chegar a soa janelr ; por quanlo a ma-
neira indecente e escandalosa, com que S.
S.'ahi se presenta he, nao s offensiva a
moral publica, como insultante ao decoro
e hoifeslidade das familias, que o rodeam,
e que com bulante razSo o admirara. O es-
tidode qutsi completa nudez, em que S. S
tem sido visto, por varias vezes na sua va-
randa, era para eslranhar, no homem da
mais baixa educacSo e acanhada esfera;
quanlo mais em S. S.*, quo alm de ser do-
Udo de int"lllgencia nilo vulgar, oceupa
elevad posiffto na soeiedade. Ksperamos,
que S. S.', com a picsenl admoestacSo so-
ja dcil a corregir-so no que far paiticulsr
favor a um seu vizinlio. O. S. L.
O abaixo assignado com venda na
Praca Ca Roa Vista, roga encarecidamente
aos seus credores, que Ibe apresenlem suas
cotilas crrenles, no praso de 8 das,, para
seren conferidas. Recite, 10 de junlio de
185t. Jos Joaquim Vertir.
-- Precs-se de um leilor para tomar
cotila de umsilio, no lugar do Remedio,
quo saiba trabalhar deenxada, plantar ar-
\oredos de esputos, (lores, verduras, en
xertare follar forminas fquando as liouver
preferece portuguez lilho daslllias : quem
estiver nestas circumslincias, dando iiador
a sua conducta, entenda-se com o porleiro
da alfamlega desla cidade.
j Paulo Gaignoiix, dentista #
** frnnccz, offerecc seu prest- uto no publico pata todos os
misteres de sua profissao i W
f* pode ser procurado a qual- 9
W quer hora em sua- casa, na i
tf run larga do Rozarlo, u. 36,
segundo nadar.
Precisa-se do um minino portuyuez de
12 a IV annos, que queira stigeiUr-s-a en-
tregar pilo com um.rrelo, a una freguezia:
na padaria do pat-'O da S. Cruz n. 6.
-- l'rrciaa-sg de urna ama para
familia : na ra rio Hospicio n.
Rogamos encarecidamente
!' que, por bonade sua
casa
de
13.
o lili. Sr.
nao deixe de
continuar honrar coin.su presene "sa
que era de costme faze-lo, poi ja uno puem
rc>islir os effcltos da graude faud.de aquel-
los que tiuham o prazer de oiivi-lo conver-
sar; esperamos pois que oSr. Pe une bello,
come he, atienda aos nossos rogos.
Oiarnigoi dnt oiiotro ves* oito
Aiiviiila-M-, e lanibcm pe muta se por
uma casa de sobrado de dous andares, nos
bairros do Recife, com sufllcientea comino-
dos para grande I.un.lia, un sitio inuito perlo
da praca, por ser logo ao sabir da Soledade
para o Manguinbo, com nao poucoa arvoredos
de fiucto, chaos propiios, com grande e de-
cente casa de sobrado e sotao, toda envidra-
cada, contendo quize quarlos, um algrete
ua freute, que he toda murada c engradada,
com dous portdes de ferro e qualro columnas
com magiiiflcoi leOes, e no fundo outro por-
to, duas grandes estribarlas para 7 cavallos
c duas coxeiras, casa para pelos e cozlnha,
grande' poco de agoa de beber e lauque para
banho: a quem convicr este negocio ou ar-
rendamento, dirija-se ao mesmo sitio qual-
quer hora do dia a tratar com o aeu pro-
pietario, que ueste cato vender um carro
de 4 rodas c urna boa parelha de cavallos.
-- Aluga-se urna casa terrea com aotao,
na ra Imperial n. 171, com coinmodos para
grande familia, um grande qulttlal com urna
boa planta de capim: para traiar no pateo do
Carino n. 17', e para ver a chave esta na casa
paredee meto. .. ... .
Roga-se ao Sr. Dr. Honorio Fiel de
Sigmaringa de Vascurado, que se acha ho-
je advogando etr Coianna, quo maude pa-
gar a sua leltra que se acha vencida a au-
no e meio, o qual nSo ignora onde :
em quanlo o nao lizer ha de ser lembrado.
Na ru das Cruzes n. 40, ha bicha*
amburgui'Zis das ultimas que vieram ao
mercado, par se alugar e vender-se, tanto
por junto, como a retalho.
Na travessa do Corpo Santo n. 29, se-
gundo andar, acha-se aberla uma escola de
meninos, dirigida por Hunoralo Augusto de
Miranda.
D-se dinheiro a premio em peque-
as porgos, com pettbAM u ouro : na ra
do Cabug n. 3.
Precisa-sede, um homem queenlenda
do plantacSo, para trabalhar ern um sitio
requeno : quem estiver neslss circunstan-
cias, dirija-so a roa do Rozario Larga n. 46.
Quem precisar de um bom coznheiro
portuguez : dirija-se a rtin da Madro de
Dos, leja de fazenda n. 36, ou annuncie
por esta folha.
MHKtRva^em mmmmmmmm
Na ra do Aragfto, n. 12, segundo andar,
se deseja suber so hn vivo, ondo mora um
rapazinho de nomo DamiSo, filho de Ange-
la de tal, e neto do velho Antonio Lopes
Mangaba, da cidade do Natal, o qual rapa-
zinho anda ha poucos annos aprenda o of-
fcio de marcJneiro, em uma ofllcina desta
cidade.
lijiiiWwwuMi wmwww-'fw-
Precisa-se de um forneiro : as Cinco
Ponas n. 38.
Roga-se ao Sr. Manoel Francisco Duar-
le, que baja de se n3o retirar para a Barra
de SerinhSem, sem ir ou mandar, as Cin-
co Pontas n. 38, a negocio que Ihe di/
respeito.
-- Precisa-se de uma pessoa, para macei-
ra, que esteja habilitado no fabrico de p3o,
lolachi o bolachinba : trata se com Joa-
quim Francisco de Alem, no Forte do Malo
n. 2
Preclsa-se de 800^000 juros ; e para
garanta annuncie por este jornal.
Desappareceu domingo 8 do corrente o preto
Jos, de idadede 18 a V0 annos, de uvao An-
gola, o qual tem oa signae9 seguales : baixo,
grosso, cara rcdoDda, e tem um dos bracos
inais curto que o'outro ; levou camisa de i isi..-
do encarnado e calcas branesvde brim, e he
conhecido na ra por Jos Pedro : quem o >p-
prehender leve-oa ra Augusta n. 3, quese-
ra generosamente recompensado.
JoaoJos Innocencio Poggi, I ir. em medi-
cina, mudou sua residencia da casa n. 3, do At-
ierro da Roa-Vista para o primeiro andar do
obrado n. 9 do mesmo Atierro.
Madama Teard modista franceza,
na rna Novan. 3a
rrcebeu pelo uliiino navio de Franca um rico
sortiinento de chapeos de sedas, de palhas e de
manteletes muito modernos e ricos um gran-
de sortiinento de trancas, franjas, blondes c
bicos de seda, ricas lilas de scllru, tafetal e sar-
ja, nfeiles de llores ede tranfas para vestidos
ricos, capellas c enf. iles de cabec.a para bailes
e casamentos, boas luvas de pellica e de seda,
e militas outros enfeiles para senhoras eme-
ninas. Faz sempre com inulta perfeicao, ves-
tidos, chapeos c enfeites de todas qualidades
para senlioras.
-- O Sr. Manoel de Carval'io Fructuoso, ou
Furtado, queira dirigir se livraria, n. 6 e 8,
da piaca da Independencia.
= Precisa-se de urna ama para todo o ser-
viyo iulcrnu e alterno de iini. casa, paga-se
bem : Da ra do Alrciim n..
O Sr. Manoel Jos Serpa, senhor do en-
genho Caianna, queira no prazo de 15 das,
contados de hoje, mandar resgalar o seu re-
loglo que, como peuhor. existe em poder do
abaixo assignado; senao ser vendido para
ainortisacao da sua divida; assim como, quei-
ra mandar a conta corrente que recebeu para
assignar, e que maliciosamente o nao tem fel-
to, do contrario vera repetidas vetea o seu
nonie neste jornal at procerterse Judicial-
mente como merece. Jos da Coila Braniao
Cordeiro.
Manoel Antonio, declara que, de hoje
em diante, se assigna porManoel Antonio
da Cuuliapor liaver outro de igual noine.
Os rbaixo assignados fezem scienle ao
resteila\el publico,queamig&velmente-dis-
sulvei'.Mii a sociedailo que tinham na taver-
na, danta da Cruz n. 28, que girsva sobre
a Arma de Ponles 6t AeveJo, iicaiido o so-
cio Azevelo responsavel por todo o activo e
passivu. Recife, 4 de junho de 1851 --Jos
Ribeiro Ponles.- Manoel Goncalves de Asevedo
Manoel Juvencio deSaboia,
mudou sua residencia, para o pri-
meiro andar.do sobrado n. 4g, na
ra Direita.
Precisa-so de uma ama de leile : no
Aterro da Boa Vista, no segundo sudar, em
casa de Gregorio Antunea de Oliveira.
O Sr. Manoel de Almeida Lima, dirija-
se a ra Nova, no segundo an lar da cata n.
52, para negocio que lhe diz respeito, vitto
que no se lhe tem achado em sua casa, as
vezi s que se lhe tem procurado.
eclaraco em lempo.
A nova missa, ensaiad pelo Sr. Theodo-
roOrestes, par a festa do Espirito Santo,
no cunveoto de S. Antonio, e qual se re-
fere o autor do communicado, inserto no
Diario de l'ernbtnbnco, de sabbdo, 7 do cor-
reme, be composicSo original do Sr. Pedro
Alvares Ca:cia, professor de piano ultima-
iiiente chegado a e-i i ridaJe.
Sr. Thoiiinz da Cpba Cantuario, tem
urna caria, ua ra Nova n. 16
Roga-se ao Sr. M. F. L. T morador em
Pulo Calvo, haj de pagar quantia que
n3o ignora a J. A. S., do contrario vera o seu
n'Jtno por extenso tiesta folha.
__(jncni quiz -r consultar o fado diverlin-
du-se lOin graca eaceio, n|S bellas noites
de Santo Antonio, San Ju3o e San Pedro;
nlo puilera fazer sem ir as casas annuii-
cia las, onde encontrarBtti mais modernas
a engracadas quadras intituladas Sorte
do Venus custand apenas 40 r?. cada
uma ; na ra Ja Cunceicfiu na Boa Vista n.
20, e no Passeio Publico n. 1J
FRONTISPICIO DO CARMO.
Os encrregados esle anno de festejar a
Senhora do Carmo do Frontispicio fazem
.ublico lodosos Jevatos da mesma Senho-
ra, que por justos motivos nio pode ter lu-
gar a feslividaile no da 10 do corrente (co-
no j foi annunciada)oque sera improteri-
velmento no di 22 do corrente, sendo a
bandeira na madiugaia do dia 21, emeon-
sequencia de nflo haver novena. Esperam
i un i-e ni que os devotos d mesma Senbur
continuem a coadjuva-los com suasesmo-
las, as quaes poderJo entregar aos enhores
procuradores Manoel JosC de Oliveir, Mel-
quades Francisco da Costa, Francisco de
Salles de Andrade Luna e Manoel Francisco
de Sales, quese acham utorisados para es-
se liin.
-- Avisase deGoiinna ao ex-sargento de
polica, Joaquim Machado de Alhuqueique
l.ins, que ha pouco chegou de Fernando,
uor motivo do assassino do creoulo Manoel
Mai lins, e qoe depois disto s se lera oceu-
pado im furtar cavallos pelas comarcas do
Goianna e Nazaret, que cuide quanto antes
em entregar os tres animaes que furtou em
lioianna da ra da Praia, ao manhecer do
Jia lerca-feira 8 de abril p. p., e nesse mes-
mo di foipreso unto d Gihavioir por Jo-
s Lopes Dia, ja can'astnt!? 11 animaos,
entre os quaes iam os Ire^ >)r> mmunciante,
que silo muito conheci los, um civallo cas-
tanho escuro, grande, capado, com uma
rauda porfazer, esrrella na testa, pese mlo
brancas, mostrando o ferro A b bem em-
baixo da nerna ; um pollro rozilho de cs-
tanho sem mua com cinco signaes conten-
do o incoberto, sondo o ferro un p de gal-
linb com tres dedos para baixo e um C
para cima : uma poldra castanha meia cr-
cunda, com um pequeo signal branco jun-
to ao redemuinho da test, com a primeira
muds, pernaj e canellas finas, casco* dA
quenga, com (res ferros, sendo dous iguaes
imilando dous II junios. O ex-sargenlo
sendo preso na comarca de Nazareth foi en-
tregue ao inspector de Terra Dura, o qual
lhe deu escpula enlregandolhe os animaos
e d'ahi indo por Canavieira,furtou uma egos
parida de quatro dias, deixando a cria, e
desceupor Po-d'Alho, esteveem Csmpina
Grande de Camragibe, descancando mais
um que dizia ser lio, de boa blade, e o par-
do acabocolado de cor embacaua e com um
braco cortado, d'ondeentrou para Apipucos
e na sexU-feira immediata do dia 8 deabril
p. p. foram vislos as Cinco-Ponas ven-
dendo osannimaes, e n3o vndenlo os do
annuncianle mandou-os para Apipucos, de-
clarando quo urna Sr. I). Maria osrecebes-
se. Ainda ha pessoas em seguimento dos
annimaes, sabe-se o lugar, e quem os tem,
como i n o bem o e-era vi) do annuncianle do
nome l.ouren?o, de 44 annos de idailo, com
uma cicatriz noqueixo direito e pawgros-
sos, furtaderem 24 de fevereiro p. p., que
est seguro por urna autoridide para saber
quem foi que o furtou, do queja foi o an-
nuncianle avisado de Pao- i'Alho Portento
resta o ex-sargento mandar entregar os tres
nnimaes na praga da llos-Vista n. 6, ao
padre Manoel Pedro da Silva Brando,59,00)
rs. de iies|n'/.is com os espiOes e portadores,
e 1,000 rs. por dia desie c dia 8 de abril ale
o di da entreg, pelo que se \ rolesta ; ^
depois n3o se queixe o ex-sargento por
terem muitos os furtos de cavallos que tem
feito, e se cohib de invocar nomes de pro-
[iiielaiiosrcspeilaveis quan lo se v em lan-
ces a perlados, |,resrnlando carias de Cama-
ragiho, Mocot, Dous Iro ilos, Brunr, Pool,
Cofdeiro eoulras vezes dizem que lio com-
piador de cavallaria pnroidemda polica,
mostrando guias, passapoiles, quanlo as
pessoas que declarara ao ex-sargento no o
quererem por cscravo da ultima on'om.
-- lloga-soao Sr. Antonio Jos Rodrigues
Sena, quanlo antes mande Goiaima pagar
6:940,030 rs. da propriedade Poco da Prdra;
eoseutio, ou quer que valhaopalre Jos
Manoel Teixeira, 292,810 rs. da propriedade
dcMiradon, resto domaor quantia, eem-
quanlo n3u o lizerem serSo lembrados e ti-
rios por infames caloteiros, e .. | or ler ven-
dido dito Sena a propricdide Poc-o da Pedra,
e ltimamente auzentuu-se para a provincia
do Cear, sera tirar suas lettras vencidas, e
oque nSo pole conduzir da mesma, man-
douocomprdor Jos Joaquim PereiaCam-
pus, passou b Itra1 ao iixtante mor o padre
Jos Manoel Teixeira, como assim couduzio!
o lal padre duas ordena de recibos, que em I
boa t reci bju paro entregar outros separa-
dos, qua eslavain em milo do seu sobrinho.
Os Ce.renses leuhaui cautella com essa no-
va casa de Modela, que v;ii-se asilar la para
San Caetauo. Ess padro (se por tal se de -
ve Irttir) e o bello do eniprovisa.lo sobri-
nhu lambeta caluteitSo, Jos Concia de Oli-
veira Ainlri.il.i, a quem tinllim vondido a
Ierra de Jussara, e chaman.lo o padre para
assistira uemaicaao, por faltar Ierra para
completar a quanliJade de liragis quo ven-
dern!, e mircaudo o padre Teixeira odia
ISdernaio p. p no da 14 do mesmo mez
|o/.-.s de fuga para oCeara, e sendo sub-
preso na fuga ingorolou uma ordom ou pro-
curaQo por lal liraia, que afinal ficou rou-
baao 0 hourado Correia na lrma do coslu-
m e,
Acssosda fortuna, ou livros do sortes di- .
vertidos, ete a 640 rs.
Devoto OhrtfllftO.
Vende-se o livrinho Denoto Christao,
o qual contem a Dontrina ChnstSa, molo de
ajudar missa, novena das almas, voto para
re.mir as mesmas do Purgatorio, exercicio
para alcancarde Nossa Senhora o quese lhe
pedir, oraclo de S. Bernardo, novenas da
Asscncfrt, da Concoicao, do Natal, trocna e
novena de S Antonio o responsorio do mes-
mo Santo, oragoes para de manhiia e nou-
tc, ditas para conllss5o, communho e mis-
sa, modo de rezar a estaciio, nxercicio oara
cada di, signaes de N. S. Jezus Christo e
senienc dn mesmo Senhor dada por Pla-
los, modo de rezar o rozario e oxcellencia
do mesmo, misterios dolorosos, gososos e
gloriosos, ladainh* de N, Senhora e oulras
muitas oraches. Este livrinho organisado
por um boi,i christao e a seus rogos impres-
so vonde-se pelo diminuto prtico de duas
patacs, na livraria n. 6 e8, da Praga da In-
dependencia.
Vendem-se sotos de Jacaranda ,
consollos cadeiras, bancas de
meio de sala, obras do muito bom
gosto e bem taitas, camas de ama-
- relio, ditas de angico, sotos de di-
to dito de leo, cadeiras de dito, bancas de
meio de sala de dito, ditas de angico, litas
amarelln, consollos de sngicu co:n Mp< lllOS
gramlHS o outras muilas obras, ludo por
procos muito commodos : na na da l.atn-
boadoCam.o n. 8.
Vendcm-su 4 moloques do 18on-
no, sendo um ptimo sapal"iro; um dito
do 8 nno ; 0 pretos de 25 a 30 inoo, sen-
do um ptimo oleiro ; i pardos de 2a a 30
anno, S"ndo un sapaleiro e que tambera
iraballia de carplna; 2 pardas de la a 20 an-
uos, con habilidades, sendo uma propria
para ama de, casa ; 3 pretas com parKitag
habilidades, de cozor, marear.bord.ro ra-
ier lvar:nto o toda o mais servico de casa,
n mais 3 c prias para todooservieo : na ra doColle-
'aV** S -v ** *
Lotera to Rio de Janeiro.
AOS 20:000,000 de as.
Na loia de .nludezasjd Praea da Indepen-
dencia n. 4, vcndem.se bllhetea inte ros, meios,
Jart." oliavo. e vigsimos da decinia-qulnta
lotera a beneficio do theatro de S. Pedro ae
Al.C!nNaa",TrempeI casa 70. se vende um
bom duclal do alfaiate, de norru- Salomao;
nlttm vicios, o que se afianca dmhe.ro a
vistak ou com respiro, conforme c conven-
ciodar.
ATTENC-0.
Ao bom e barato.
Quem quizer no par, vanlia ver e com-
prar, pois o gjnho de quem vende he ns
mflos dos compradores e sompre fleam lo-
grados e mal servidos seus amo* eseusse-
nhores, no Aterro da Bo* Vista n. 54, venda
ao'p daloja do Sr Estima, e n ra Nova
n. 71, venda da esquina ao p da ponte, ve
Vendem-se cuites de vestido deehi-
ta, de padrfl s muito bonitos e cores
(ixas, a 1,000 rs, cada corte ; ditos
do cassa do cores lambem lixas, a
1,760 rs. ; al ac do algolSo inescla-
d'a, propiia para casacas o palitos, a
- do calsa de
a 280rs.,ocovado; cortes do calsa de
i meia casimira, oaliOes tal o qual de
> casimir, a 3,000 rs., o corle, ooutras
4 muilas fazendas baratas: 111 lija do Q,
,% sobrado sroarello, nos qnairo cntos f>
> da ruadoueimado 11. 29. f-
Vendem-so vi Iros para vidracas : em
casa de SctsflieiUin 6r Tobler, 111 ra da
Cruz n. 38.
Lotera lo llo dc.IancUo.
aos 211:000,OC0 de as.
Na Praca da Hdeaendencia, luja n. 3, quo
vnlla para a ra do Queimado e Crespo, veu-
dem-se bilUetes, hielos, quarlos, oilavos e
vigsimos, da decima qu'nta do theatro do
S. Pedro de Alcntara.
VenJem-se um relogio de mesa, mui-
to bonito; Iros mangas de vidro e um par
de jarros par fl nes, do muito liom gosto B
cm conla : na ra de Hurlas n. 110, nch ir
com q.ieiu tratar das 8 horas as 4 da tarde.
-- Cun'in la-se a vander Talas de cer
carnauba, confeccin utas e bcrh alvis.de 6,
9 e 10 era libra, proprias pa'a lumintQSo de
lampiOas, viadas da provincia do Cear^, pe-
lo preco de 300 rs. a libra, em caixas de 1
anoha e do menos : na luja de fazeadis n.
46, da ra do o n iui.nl 1.
Vende-se uma mulata, com habilidades
esem vicios : ua ra da ConceicBo da B a
Vista 11 54.
PARA ACAAR-bF.
Vende-sc, na roa do I.ivr.iineiitn loja n, II,
aapalos de duraque preto, pira senhora, obra
muito boa, pelo baratissiino pre^o de 800 rs,
o par, e de niarioquim, ptimos para casa,
a 400 rs.
REDES Dli MARCA.
Vende-se lindas redes de marca, por comino-
do preco, na ra da Cadeia do Uccil'e n. 3.
I Vende-se inaiileiga ingleza multo supc-
lior a 400 c a 480, 5(50 e a 640 rs.; vinho do
eumClaniopm, grammatie.1 franceza : 'o( "ear'ull a Mo rs.; dita de Maranho a loo is.
pateo do Collegio, casa doliv o azul. IchYson a 2,240 a libra; vellaa de sprnnace-
--Compra-se um sobrado de um andar (e a 72o a Mbra; arroz, pilado a 00 e a8irs. a
com sollfo e quintal, OU mesmo casa trroa,, |hra azeite doce a 500 e a 6-10 rs. a garrafa;
ou um sitio pequeo, pe;lu da prar;a, com toucinlio de Santos a i(io e 200 rs. a libra:
boa casa 0 qua estoja em bom estado, at no|patro do Hoipltal n. 30.
4:500,000 rs., poucu mais ou menos : a tra-
tar com o Sr. Joaquim dn Alhuqueique e
Mello, na ra do Collegio n. 7.
Coinpra-se o dicionario da Fbula en
bom uso, e iroci-so uma imagem de S. Jos
de um palmo, pouco ma s ou menos : ni
praea do Corpo Santo, luja de funileiro 11. 2.
Compra-se um relogio de mes dos a-
mericanos, que teuha cordi para 8 dias, ou
lioca-se por um de algib ira de re Oiigo,
bom regulador, o qu.l lambem vende-sa ;
quem quuer, annuncie.
__Compra-se um ocjo do alcance, gran-
de ou pequeo : quem tivjr, annuncie.
__Compra-se uui oscravo de 40 a 50 an-
nos, que nao scji docniu : na ra do Viga-
rio 11. 33.
Compras.
Louipraiii-se duaa pedras de filtrar agoa
na ra do Ainorim o. 15.
lem-se osesuinte: -- mant-Mg ingleza da
raelhor, a 560, 480 e 240 rs. ; dita rrancez,
a 480 rs ; banln, a 320 rs.; cha do nmllior,
a 2,000 rs. ; dito, a 1,600 rs.; espermaceio
de 607 em libra, a 640 rs. ; chocolate ae
Lisboa, a30rs. ; familia do marannao,
80 rs. ; dita do araruta a 160 rs. ; !)1Jcn|-
nlia dita, a 210 rs., e a lata inteira, a l,v
rs. ; dita ingleza. a 240 rs. ; castanhas pe-
ladas de Portugal, a 80 rs.; cuf em grao, a.
160 rs ; toucinho de Lisboa, a 200 rs.; dito
de Santos. 199 rs ; velas daciniaulu do
6, 9, 20 e 40 em libra, a 320 rs.; sovada em
grflo, a 100 rs. ; rroz do inaraillilo, a 60
rs.; aletria a 240 rs. ; lalhanm e maearrao,
.1 ICOs. ; vinho da Pigoeirs, s 200 rs., a _
garrafa: a/.'it-doce, a 5G0 rs.; szeitons.8,
a 200. ; milho, a ICO rs., a ouls i tm*
pila lo, a 320 rs.; d ti de'cisca, laors. ;
Feijomolalinho,-a400rs.! >nilh> slpistt,
a8S0rs ; painso, a480rs. ; servej p--eii e
branca, garrafas a ttieiasdius, charJios do
varias q lalida les, vinho e.igarrsf >" "iui-
tosuperio"; quiljos. a 1,500 rs., 9 outros
mais gneros muito biratmhoi polsdetia-
I11 se lara amo.tras e aliatica-se que os fro-
juezessarao bem servidos, tanto em pre-
cos, como om quali lados.
Mara Ramos & C, na rna Nova
11. (i, neabade rcccbcr, viudos de
Lisboa 110 ultimo navio, os se-
fnintea retratos1 os quaeavenao*
ra ualto eat eontai .
Duque de P,raganc.a, I). Msrn II rainna
de Portugal, el-ici I) Farnaml 1 II, conde do
Thomar, general duque de Saldinha, gene-
ral Cued-s, coronel Gsltmba, D. Cezardi
Vascnc llns, FalcSo, general Potoss, Jos
II Costa Cabral, condedss AnUs. duque da
Tercelra, duque de Plmela, bario da lli-
beir de Sabroza, visconda de Si da Ran lei-
', Al r.ei la GarreL Rolrigo da Fonseca Ma-
"alhles, E luardo J. Solter. Silvestre Pinhei-
ro Ferr i a, e outros muitos personagens
Je llespanha, assim cotio collecQOs dos
rei do Portugal, e algunas vis'as dos arre-
baldes da Invicta cidade do Porto, collec-
(oesdos successos 1c 1). Ignez de Castro, e
linalmcnte ricis estumpas de Santos, con-
t indo a ColleceSo dos apostlos.
Lotera da matriz da Boa Vista.
Aos 10:000,000 r/ rs.
Bilhetes inloiros da lotera da matriz da
Ro Vista, a qual corre impretenvelmenta,
no dia 12 di crreme mez, a I2,0)0 rs. no
Aterro da Roa Vista, loja di mluddSll n.
ls; sfio poneos.
Lotera do P.lo Ae. Janeiro.
Aos 20.001,00) e 10:000,03:) de ris.
Na loia do calsalo di Praca di Indepen-
dencia o na ra da Cadeia do llecife 11. 46,
loja do miud.'zis, acluM-se a renda os
meios bilhetes, qnartos. oilavos e vigsi-
mos, das loteras, dcima teneira da Cari-
dades dcima quiote do theatro da S. Pe-
dro'de Al.-antara, quotim davir as listas
pelos vapores, da car reir e in^lez.
l'ayos sem descont.
Meios 11,000
ijuartos 5.500
Oilavos 2,800
Vigsimos 1.300
Lotera do Rio de Janeiro.
Aos 20:000,000 rs.
Na ra ealrcita do Rozario travessa doQuei-
inado loja de miudezas n. 2 A, de J. F. dos
Santos Mala, vendem-se os muito afortunados
bilhetes, meios, qnartos, oilavos e vigsimo
da decima-lercf ira lotera das casas da carida
de. Na metra loa esl pateulc a lista 27. da
lotera du Monte Pi,
Vende-se um adere,-o completo, ou em
parle.? : na ra larga do Rozario n. 17, jun-
io ao quailel de policia.
asm
Vendas.
L1VH DE SURTES.
epoisde um aturado trabalho de muitos
seculos, e por occasio de escavar-so aci-
dada de Pomp descobrio-se
AHINA FATAL
DOS
DenUnos humanos
OU
SORTES PARA 03 DIVERTIMENTOS-"
Dll
Dia- de S. Antonio, s. Joo c S.
l'edro.
Este impoitante livro sanio a luz pela pri-
meira vez no anno findo. em um vol. de 286
paginas, e com 704 versos, que abrangem
os desejos dos vvenles, principalmente das
senhoras que tanto ambicionara saber qu!
seu destino no anno que teni de vir : o que
elle contem he de urna verdad tal que
quem o consultar deve tirar persuadido que
mfalli velmonto lhe succeder o que a sorte
lhe tiver prognosticado. Vemle-se a 1,000
rs., ua livraria ns-6e 8, da l'iaea da Inde-
pendencia.
Sorte.
Na livraria da praea da Independencia ns.
6 e 8, vendem-se Ibllias de papel com sortes I
a 80 rs. cada uma, e o seguiule livro: 1
k
^m^mo
E
tiladores,
MAIS OFtiliNAS
NA
Una Imperial n. 118 e 12o, e deposito na rna Nova n. 33.
Rcsrcilosamenteavissm ao publico, o particularmente aos Sis. do engonhos e des-
...Jores, etc., que esle eslnbelecimento se acha complc tamenle mnntido, comaspro-
norcoes n cessri mo. O. mesmos chamara a altencSo par as s-guintes obras, as quaes construidas em sua
fabrica competem comas fabricadas na Europa, naqualidade ernodeobra, e por me-
nos preco, a saber :
MACHINAS continuas do destilar, pelo methodo do autor francez Derosne, ai me-
ntores machina9, que par pst'' lim at hoje (em anparecido.
ALAMBIQUES de cobre de todas as dimensios.
TODOS OS i Oltlll.s necessaiios pira o fabrico do assucar.
TAIXOS DE COBRE para reliitaQao.
TAIXAS DITO para engenho.
DITAS DITO movis para dito.
BOMRAS OE COBRE de picote, de repucho, de roda e de pndulas.
ESCR1VANINIIAS de lio dos melhores moJellos.
DITAS DITO galvanisadas.
SINOS de todos os tamanhos.
OS APREC1AVEIS fogoes de ferro econmicos.
BURRAS de ferro as mais bem construidas.
CARROS dito do rn3o.
l'ORTOES de ferro.
VARANDASdito.
CRADIAMENTOS dito.
TAIXAS dito.
CALUK1RAS dito.
AR ENCONTRADO


Si
-- Vendem-se suecos novos {de estopa ,
coi duts vares, a 330 rs. : na ra larga do
Jlozario n. 48, primeiro andar.
Cortes de chita do melhor gosto a 1,920
e 2,3*0 rs.
Ni ra do Crespo, loja da esquina que
volta para a Cadeia, acaba de chegar uin
completo sortimento de cortes de chita,
cnni f 2covados a 1,920 rs., e inteiio, a
a 2,2*0 rs. ; pegas de madapolSo lino rom
pequeo toque de avaria, a 3,000 rs.; ditas
de algodflozinho, 1,600, 1,800 e2,000;
chales de 15a e seda, a i,ooo rs., e cortes de
casimiras do ultimo gosto, a 6,100 rs. o ou-
tras murtas Calendas de bom gosto.
Cera de carnauba.
No armazem de Domingos Rodrigues de
Andrade& Companhia, na ra dosTanoei-
ros n. 5, vende-Sii superior cera do carnau-
ba, ltimamente vindas do Aracaty, en
porc.'o e a retalbo, por menos prego que
em nutra qualquer parte, assim como sola e
cnuros miudos.
Oh qne pichincha para a presen-
te estaeo.
Vendem-se gasimretas de excellentes co-
res proprias para palitos e pelo prego
baratissimo de 500 rs., o covado : no Ater-
ro da Boa Vista, loja n. 18.
Corram de presea A pccliinclia.
De 4,500 e 5,000 rt. o corle.
Na ra do Queimado. loja n. 17, ao p di
botica, vendem-se corles de casimiras de
cores escuras, rauito encorpsdas, proprias
pira a presente estacSo, a 4,500 e 5,000 rs. ,
e minio linas, a 5,500 e 6,000 rs. ; pao fino
preto e azul, de cores usas, a 3,500 e 4,ooo
rs., o covado ; cobertores de 13a muito en-
corpados, a 1,600 rs. ditos muito grandes,
do Porto, a 3,000 rs. cada um, eoutrasfa-
zendas, por prego maisrbaralo do que en
outra qualquer parte.
Cent de carnauba.
O mais superior que lia oeste genero, ven-
de-se em porcao e a retalho : na ra da Cadeia
do Recife, loja n. 50 de Cunha &t A moriui.
m Rap l'eilro 11.
S Vende-se no deposito geral, ra dos t
Quarteis n 24, loja de Jos Dias Simes ff
m o milico superior rap Arela Preta Pedro ;
II em pequeas e grandes porces, pelo
2 preco ja eslabelecido, garantindo o de- 9
9 positai io a seus freguezes a faculdade V
de tornar-lhes a receber no caso de se W
9 adiar em mo estado.
mmmmmmmmmm ,-**<**--i & *
Deposito da fabrica de Todos os
Santos na liahia.
Vende-se, em casa de N. O. Uieber&C. ,
tlns ainda meimo molhados, e urna pequea relia n. 892.* andar, e no Manguinho taberna
alta aturar mais deque tres lioies edistar
menos do que um. Vende-ie em barricas,
ni porcao de duiias, no armazem de Vicente
Perrelra da Costa, na ra daMadre-de-Deoa.
Vende-8e uina preta com habilidades e
boa conducta, o que tudo se alianca : na ra
larga do B otario, n. 35.
r< Para nolvns e bailes soberbos. C
% Itegiosn sublimes vestidos do mais 4B
% importante e delicado blond de rama- 49
% ge, assim como de extraordinario e fr'
I superior setim de peso, todos hran- 4V
Ql eos e ricamente bordados, com fins- fr
4 slmoretroz d'alvor brilhante : veu- >
i% dem-se na loja pernambucana de An- t1'
9 Ionio Luiz dos Santos, na ra do 4
'? Crespo n. 11. 4V
NA LOJA DE MAIA RAMOS & C. NA RA
NOVA, N. 6
Vende-se ricos capotinhos de letlin maco, ri-
camente guarnecidos de bonitas trancas e fran-
jas ; ditos de cbamalotc e de fil de linho
prelo, e sarja de cordozlnho ; adverte-se que
he o milhor que ha neste genero; o preco
anima o comprador.
Nos Qna 11 o Cantos |da Boa Vista
esqiiinn de S. Goncalon 1.
Vendem-se superior manteiga lnsleza,por
commodo prego; aletria nova, a 9*0 rs., a
libra ; macarro, a 2*0 rs., a libra : telhe-
rim, a 2*0 rs.;ch hysson, a2,2*0 rs.,a libra;
dito superior de S.Paulo, a 2,000 rs., a li-
bra; holachinha inglesa, a -240 rs e outros
mais gneros, por rasoavel prego e da su-
perior qualida lo.
Ao bom c barato, no Aterro da
lloa Vista n. 75.
Venda junto a loja do sera, vendem-se, la-
rinha de araruta, 160rs., libra; dita do
liaranhlo, a80rs?; toucinho de Lisboa, a
200 rs. ; dito dos santos, a 160 rs.; msntei-
e* ingleza muito boa, a 560, 4*0, e 400 rs.;
banha, a 320 rs.; arroz do Maranh&o, a 80
rs. ; presunto, a 480 rs. ; chourigas, a 480
rs,; paios, a 320 rs ; salames, a 400 rs.; ale-
tria, a 2(0 rs. ; macarrSo, a 160 rs.; choco-
late de Lisboa, a *00 rs.; queijos muito no-
vos, a 1,600 rs.; sabfio do Ilio, a 1*0 rs. ;
dito preto, a 120 rs. ; dito branco. a 220 rs.;
cha brasileiro, a 1,000 rs.; dito hysson mui-
to supe-rior, a 2,000 rs.; dito preto a 2,000
rs., e in bom lem em embrulhos chinezes,
a 700 rs., cada um ; azeite doce de Lisboa,
a 560 rs., a garrafa; dito de couco, a 360 rs :
finito branco, a 320 rs.; dito moscatel, a
*00 rs.; dito do porto engarrafado, a *00 rs ;
dito de feitoria engarrafado, a 500 rs.; dito
de Lisboa em pipa, a 2*0 rs.; dito da Fi-
eucira, a 200 rs ; vinagre, a 80 rs. ; serve-
do Sr. Cordelro rael da I." aorte a 4o cm gar-
rafa, e 280 em cauadas: sement de eoentro
nova aSOOn.; no mesmo lugar faz-ae todo o
negocio com urna lettra do Sr. Antonio Ferrei-
ra de Mello senhor de engenbo.
Vende-se ccvadinha em garrafdes a 3,200
arroba na ra da Cruz Armazem n. l48,
Vende-se aalitre de muito boa qualidade
por menos de que em outra qualquer paite:
na ra das Larangairas p. 18.
Batatas, a 2,000 rs.
O gigo de 38 a 4o libras de ba-
tatas novas : no armazem do Caes
na ra da Cruz n. *, algodSo transado da- ja branca, a *00 rs. ; dita pret, a 480 rs.;
quella fabrica, muito propno para saceos de
assucar e roupa de escravos, por prego com-
modo.
A nielhor pechincha.
Vendem-se chales de seda de lindos o mo-
dernos gostos, a prego rs. : na ra do Crespo, loja n. 10.
Wmvwv v* fff ftff fffj
A tailos Hiiiriciiii s. *
^ Vendem-se arados americanos ver- ^
> dadeirtis, chegados dos Estados- *
g> Unidos : na ra do Trapiche n. 8. 4g
': A A A "! A. A t .A 1 *i A % i i
l'ara acabar, sarja iLcspunbola,
linipn, boa, a l,!)2(li>.
Vende-se sarja limpa espantiola, muito
larga, boa Tazenda, a 1,920 rs : na ra lar-
ga do Mu/ni in ii. 48, primeiro andar-
- Vende-se um sitio na Solidade, na es-
trada quualravessa polo fundo do i-ilio do
Cad, rom casa nova e muito asseiada, eorn
tres salas forradas de bonito papel, qualro
quintos, cozinha fra, casa para feitor e pa-
ra prelos, cocheira rara carro eeslribaiia
para tres cavallos, l o ir, muilas e muito boas
larangeiras, boas mangueiras, jaquea as e
cajueiros, muilos pos de saputlifiros pr-
ximos a darem fruclo; (iualaientetein todas
sa proporges para una familia morar com
decencia e recreio lamn m lem urna fa-
mosa cacimba com boa agua de beber : Ira-
ta-se na luaNuv, armazem le trastes do
Pinto, defronte da rua-deS. Amaro.
I'na bonita preta cng:oiniiiaiIcira.
Vende-se una bonita preta, moga, cor-
polenta, engommadeira e cozinheira, nSo
lem vicios, nem achaques, o que ludo se
alianga : na ra larga do llozario n, 48, pri-
meiro andar.
I ri';riia le S. Antonio.
Nova trezt-na de S. Antonio, cuntendo a
ladainha, sut plica eosvirsos, inulto bem
iiiva j i :.i, pelo diminuto preco de 320 rs. :
na livraria do palio do Cullegio n. 6, de JoSo
da Costa Domado.
I'creimtas e respostas.
Com este titulo, urna collecgSo de muilos
engragados versos, feilo porum pirnambu-
cano, para as noutes de S. Antonio, S. JoSo
e S. Pedro, e lambem serve para traqueado
estajos, vende-se a folha, por 80 rs.: na li-
vraria do patio do Collegio n. 6, de JoSo da
Costa Honrado.
As jovens periiambncanaN.
Um pequeno folhelo, com muitss bonitas
sortea, para as noutes de S. JoSo, S. Antonio
oS. Pedro, vende-se por 160 rs. : na livra-
rii do patio do Collegio n. 6, de JoSo da
C isla I).ni i., ilo.
1 n-ii unirnin. de msica.
/.trico de Varis.
Na ra Nova n. 9, vendem-se oanos, cor-
netas, pistea, trompas, trompOes, prstos de
Consiantinopla, oboes, clarinelas, requintas
e lo las as qualidades de violOes, rabeccas,
flautas e flaulius.
Vndese tesina de angico a retalhoe!
por atacado, a 320 rs., a libra : na ra da
Cadeia do Recife, loja de JoSo Jos de Car-
viiII.o Muaos.
AO BOM K BARATO.
Ra do Passeio-Publico, loja n. 9, de Albino
Jos Leite, vende-se corles de ineU casimira
escuras, pelo diminuto prefo de 1,400 re
chapeos de sol, asteas de balea com barras
a 2,500 ; a elies antes que se acabeiu. Chitas
n ni defeilo algum a 120 rs. o covado, dita
rozas linas e fias 20o rs., cobertores inulto
eiucorpados, proprios para escravos, .i lili i rs.,
cainbraias, da India, bordadas, proprias para
cortiuados, a 400 rs. a vara, chales de chita
a liili rs., lenfos de seda, padres de muito
costo, a 1,00o rs., ditos de cambraia com bico
* 320 c a 480 rs., bi mi de linho azul e de
cores a 320 rs. o covado, lencos de cambraia,
denominados vapor, a 200 rs. e oulras muilas
fazendas que dcixam-se de annuciar para nao
oceupar lempo.
CBAXA ECONMICA EM MANSA.
Bo insigne fabiicanli- auiericauo, James Ma-
sn. A aua couiposicao he lelta defaroposito
para lustrar com agua e conservar o lustro,
i ai. tu de Invern como de venn; a grande
vauugein que ha ucata grata he a couservacao
do calcado, e luirareui-se os tpalos ou bu-
cenebra de hollanda, a 300 rs., a botija; ca
f moido, a 200 rs a libra; dito de carogo,
a 160 rs. ; caitas de traques, a 220 rs. ; bo-
lachinba americana, a 240 rs.; passas novas,
a 240 rs. ; velas de espermacele de tie 7m
libra, a 640 rs.; ditas de carnauba de 6 e7
em libra, a 280 rs. ; azeite doce franeez en-
garrafado a 640 rs. ; pratos e l'jollas, a
1,080 rs., a duzia ; tijellas pequeas, a 800
rs., a duzia; espirito d vioho de 37 graos, a
160 rs., a garra, o em caadas, a 1,000 rs.;
azeite do reino, a 700 rs.; agoardente de
uni/, a fOO rs. ; genebra, a 6*0 rs., a caa-
da ; latas de sanlinlias muito novas, a 1,000
rs.; azeitonas, a 240 rs., a garrafa ; farinha
le trigo, a 100 rs a libra, e outros muitos
gneros; assim como, apareltios para cha,
blancos por muilo diminuto prego: na
n os ma ca-a veniietn-se 2 rotulas com poucu
uso, por commodo prego.
Vendem se .'cuentos de eoentro. mui-
to nova, a 200 rs., agarrafa, sfianria-sea
i|u. lulailo : no Atierro da Roa Vista n. 1*.
No Attenoda lloa-V'lstn, defron-
teda boneca.
lie chegado os bem conhecidos sapatOes
de Nantes, muito propnos para a rstagSo
presente; dios do Aracaly, tanto para ho-
rnem, romo para n minos, a 800 rs.; ditos
de rourodc lustro, feilos na Itahia, a 3,000
rs.; ditos do Arac.ty, a 2,500 rs.; tudo a
troco de dinheiio.
No Atterroda llon-V'ista, tlcfron-
te da boneca.
He chegado ressenteroente um novo e
completo sortimento decalsados l'rancezes,
de todas as qualidades, que se vendotn mui-
lo baratos, lim de se apurar dinhefro.
I'ernsdc nljnnlnd-ziiihocoui ava-
ria a 18, 128, i i lo iv
Na ra do tirespo loja da esquina que
vi.lia para a Cadeia vende-se pecas de algu-
dn-zinho com a varia a 1,000 1,280 l,440 rs.
e anda continua v vender-se os muitos a-
crrdados cobertores de tapete a 720, e ou-
tras fazendas por preco commodo.
Vemteni-se na ra da Cadeia do Recife.
loj de Jo3o Jos de Carvalho Muraos, penas
do ago superiores c um par de nonios de ou-
ro, feitos em Lisboa, de n.uito bom osto.
-- Vendem-se tres escravos de bonitas fi-
guras, Sendo um creoulo, de idade de 17 an-
uos ; um molalo de 22 annos e um cabri-
nha de 15 anuos, proprios para qualquer
ttabalho : na ra da Cadeia do Recite n. 49.
Vendem-so 2 molequea, de 16|a 18 an-
nos, creoulos, multo boas figuras, bons pa-
ra todo servigo, tanto da praga, como de
campu; um preto de 30 annos, I un para
lodo o servigo; urna cabra de 30 annos, en-
gomma, faz renda, coze o cozinha : na ra
do Collegio n. 21, primeiro andar.
= Vendem-se reloglo* de ouro sabonete, pa-
tente ingle?.: em caga de GeoKenworlh & <:.,
ra da Crus|u. 2.
Para te acabar.
Venlem-se cera de carnauba, primeira
sorle, a 5,500 rs.; sapatos brancas para mi-
ninos, a 500 rs.; pennas de orna, couros de
cabra e chapeos de palha, ludo superior,
pelo prego lie de graga : na ra da Cadeia
du lenlo n 49, primeiro andar.
Vende-se por prego muito em conta,
a parle da casa du tres sudares, na ra do
Collegio, que rende tola ella l:800,000rs.
por anuo, chitos propnos : a fallar com o
corretor Miguel Carneiro.
A 2,ooo in. u pecinhn.
Na loja da ra do Queimado n. 3, defron
to do becco do Pene Frito, vendem-se pe-
cinbas de cassa chita de muito lindos pa-
drees, pelo baratissimo prego de 2,000 rs. a
pecinha, dar-he-bao an ostras com o com-
petente penhor.
.iunto pechincha.
Itiscados azues de qualro palmos de lar-
gura, propnos pera vestidos de escravos, a
160 rs., o covado : na ra do Crespo n. 10,
loja de 1. L de li Taborda.
Vende-se sein uso um rico vestido de se-
da lavrada, e mais pe tences por muito bara-
lo preco propilo para casamento, balizado, etc.
e una negra de 24 anuos scui vicios neiu acha-
gucspor250,U00 (por uecetsidade:) ua ra O-
da Alfandega n. 5.
__Vende-sc una preta de nariio, que en-
gomma alguma cousa e cozinha ; um prelo
tambem de nafo, proprio para ganhar na
ra, ou para engenho: na ra do Ranbel n.
38, segundo andar.
Vende multo superior cera de carnauba,
em porcao e a relamo; e aapatOes de couro
de lustro a obra mais bem lelta que dar se
pode, e tudo por preco commodo : no Becco-
Largo do Recife n. i, segundo andar, de ma-
cha al aa 9 boras. e das dual da Urde
em diante.
Vende-se una parle em um sitio dlt-
tanie desta praca meia legua, quem quiser
annuncle.
Vende-se uma porgSo de beijoim, tan-
to em pequeas porgOe, como em maiores:
na venda da ra do Rozario Larga n. 40.
Vendes* urna negra, de nago Ango-
la, cozinha elava roupa, por prego commo-
do: na ra da Praia n.20.
- Vende-se um grande sitio, muito bem
plantado, com uma grande casa para mo-
rada, bma para cipira e lugarjiara formar
dousou tres viveiros, junto da ponte da tra-
vessa que vem do Uelem, para S. Amaro : a
tratar no mesmo sitio, ouem S. Amare, na
venda ao pe do Sr. Cardozo.
Vendem-se um lindo molatinhode 14
annos, bom copeiro e monta bemacaval-
lo, ptimo para pagem, dous pretos bons
pira todooseivigo, duas pretas boas qui-
tandeiras : na ra da Cadeia do Recife, n.
51, primeiro andar.
Litro mu i t o baratos.
O Panorama, o gaiato romanse em 4 volu-
men, Universo Pillotesco, jornal com ricas
estampas Mrquez de Pombal, romance,
uma collccg3o de jornaes todos de bello re-
creio, a L'niSo de 1850, encadernala, Abel-
lino Saltea lor de Venez, drama em 5ac-
tos, a falla do throno de 1850. poesas de
Manoel Fonseca de Medciros: na ra do Li-
vramento, loja n. 27.
Vende-se utna escrava moga, bonita fi-
gura osada, se for para fra da provincia
melhor : na ra da Guia n. 55, ou Senzalla
Nova n. 4.
Vendem-se batatas novas e grandes, a
2,000 rs., o gigo de 38 a 40 libras : no arma-
zem do Caes da Alfandega n. 5.
t.antois |'ailhet& Companhia.P
Conlinua-se a vender no deposito :j
v geral da ra da Cruz n. 52, o excel- *>
tontee bem conceituado rap areia }
preta da fabrica de Canlois Pailhct &
f Companhia da Baha; em grandes e j
pequetas porgues pelo prego eslabe- f}
lecido. i
Ufmwmmmn mmm mu
Agencia de Edwin Maw.
Na ra de Apollo n. ti, armazem de Me. Cal-
mont & Companhia, acha-se conslanlemenle
bons sol timemos de taisa de ferro coado e
balido, tanto rasa como fundas, moendas in-
teiras todas de ferro para animaes, agoa, etc.,
dilas para armar em madeira de todos os ta-
maitos e madellos o mais moderno, machina
horisoistal para vapor, com forca de 4 caval-
los, i nucos, passaderas de ferro estanhado
para casa de pulgar, por menos preco que os
de cobre, escovens para navios, ferro inglez
tanto em barras como cm arcos folbas, e tudo
por barato pioro.
razenila mais barata do que em
outra parte.
Cobertores de algodao escuro para quem
lem fri a 720 rs. cada um, corles de brim
Lian,o trancado de Indio puro a 1,800 rs., di-
tos escuro a 1,600 rs. o corte, riscados de li-
nho a 220 e 320 rs. o covado, riscado de algo-
dao trancado minio encorpado proprio para
escravo a 180 c qOO n. o covado, picote a 180
rs o covado, zuarte atul de 5 palmos de lar-
gura a 'Mu rs. o covado, dito de cor a 200 rs. o
covado, riscado franeez muito tinosa 240 rs. o
covado, chita para .bertas decores fizas a200
rs. o covado, ditas paia vestidos a 160 e iSOrs.,
cassa chita cores lixas a 440 rs. a vara, casto-
res proprio para palitos a 280 ra. o covado,
pegas de cassa de quadros para babados e cor-
tiuados de cama com 8 varas e ineia a 2,400
rs., chapeos de massa para escravos a 480 rs.
cada um : na ra do Crespo n. 6.
Tai\;i para engenho.
Na l'i.ndigao de ferro da ra do Itruin,
acaha-se de receber uin completo sortimen-
to de laixas: de 3 a 8 palmos de bocea, as
quaas acham-se a venda por prego com-
modo, e com promptidiio embarcani-se, ou
carregani-se em carros seni despezas ao
comprador.
No deposito de espiritos, na
travesea da Moda n, 5, adia-
se i venda, nova porcao Ibes de verdadeira agoardente de
eana : quem se quizer prover des-
ta boa pinga, faca-o quanto antes
que a sala se est nadando.
Sempre ha muitos boos es-
cravos para se venderem, muito
mais bardo do que em outra qual-
quer parle, como sejam :
Negros mogos, un dito bom cozinheiro,
moloques moleqiiinhos negras mogas ,
molecas e liegrnllflS, e outros escravos : na
ra das Larangeiras n. 14, segundo andar.
Vcndem-se saceos grandes h pequeuos
com Trelo, por muilo commodo prego : na
ruB do Trapiche n II.
Novas enmbraias para vestidos.
Na ra do Ciespo, loja da esquina, que
vira para a Cadeia, vendem-so cortes de
o. in In i. las, ouii. lislras de cores, a 3,600 rs.,
e o covado, a 320 rs. ; ditas de salpicos de
cor a 3,000 rs., e o covado, a 300 rs. ; pegas
decassas abenas para mosqueteiros.a 3,000
rs.; chitas de cores lixas o bonitos padres,
a 5,000 e 5,500 rs., a pega ; ditas de mada-
polo largos para forro, a 2,400 rs. e oulras
lazeudas, por pregos comuiodos.
Vende-se um muito bonito moleque,
creoulo, de 9 annos, de urna pessoa que se
retira : na ra larga do llozario n. 35, loja.
Volido-so um muito lindo moleque du
20 anuos, proprio para qualquer .servigo,
niJo sendo para o campo ; dir-se-Jia o moti-
vo na ra de S.Rita n. 14.
Vende-se uma escrava, sem defeitos,
de idade 26 aonos, por precisSo : na ra de
s. Rita n. 14.
-- Na ra das Cruzas n.22, segundo an-
dar, vendem-se 5 escravos, sendo 3 pretas
bonitas figuras, que engommam bem, co-
zem chao, cozinham o diario de uma cas e
lavam desabSo ; um lindo moleque, de 14
annos, que cozinha o diario de urna casa, o
um pardo de 22 annos, proprio para todo o
servigo e tem boa conducta.
Vendem-se 12 escravos, sendo 2 mo-
lecotes de 16 a 20 annos, um driles ofiicial
de pedrero ; um dito de meia idade ; 2 ne
grinbas de idade de 16 s 18 annos, creou-
las ; 4 ditas boas qultandeiras; uma liada
molata de idade 22 annos, engoinma bem,
cozinha ptimamente e he ptima para mu-
camos, por ser recolbida : na ra Direi-
la n. 3.
Vende-se um negro robusto, bom ca-
noeiro, de idade 22 annos, ecompra-seou
troca-se por eale, uma negra que seja boa
para o servigo interno de uma casa : oa ra
da Aurora n. 48.
Vende-ae a taveroa da esquina da tra-
vessa do Dique n. 24, com os fundos a voli-
tado do comprador, a qual olerece uma
grande vantagem, por ser a armagSo da
mesma pertencente ao dono da casa e o a-
luguel 10,000rs. : trata-sena mesma.
Vende-se uma famosa negra, multo boa
quitandelra, cozinha o diario de urna casa
e lava, propria para todo o servigo, por ser
muilo humilde e no ter vicios algunas na
ra do Tambi da Boa Vista, casa n. 7.
Vendem-se queijos londrlnos, presuntos,
caiilnhas de sedelites purgativo, conservas de
todas as qualidades, cementes ou passas miu-
daa para podinr. carne salgada para uso de fa-
milias em barril de 50 libras e mindos da mes-
ma turnia preparados, ludo ulliinamrute che-
gado : na ra da Cruz, armazem o. 9. de Da-
vis S c,
Vende-se superior cognac velho, em
barris de 12a 24 caadas : na ra' da Cruz
n. 55, casa de J. Keller & Companhia.
Vende-se gesao em barricas, vindo no
ultimo navio chegado de Frang, tendo ca-
da bairica 20 arrobas pouco mais ou me-
nos : na ra da Cruz o. 55, casa de J. Kel-
ler & Companhia.
Vende-se cobre metal ama-
rello e pregos para forro de navios : por preco
commodo, em caa de A. V. da Silva barroca ,
ra da Cadeia do Recife n. 42.
Em casa de J. Keller & Com
[lanlna, na ra da Cruz n. j, acha-se a ven-
da o sediento e superior vinho tte ttu-
cellns, em birrisdeS.', he muito recom-
mendavel as casas estrangeiras, como es-
colente vinho para pasto.
Vendem-se relogios de ou -
roe piala, patente inglez: na ra
da Senzalla Nova n. !\i.
Copos para vinho c para agoa
de qualidade muito superior : vendem-se em
casa de Kalkmann limaos, ra da Crui o. 10,
aonde tambem ha grande sortimento de appa-
relhoa de vidro fino para sobremesa, para agoa,
para ponche, cestos e vasos para llores e para
frutas.
Y inh.is finos
de llordeaux, vinhodc Heres, vinho do Rhei-
no, vinho de Bordeaux branco de idade de loo
annos : vendem-se em casa de Kalkmann Ir-
inos, ra da Crut n. 10.
Charutos de Ua vana
de superiores qualidades : vendem-se em ca-
a de Kalkmann Irmos, ra da Cruz n. 10.
Instrumentos de msica
chegou nvame ule um completo sortimento
de instrumentos para msica militar, recom-
menda-se principalmente os pistos, pratos
verdadeiros da 1 urquia, flauios, llautas, bat-
ios, cornetas de chave, ciaras lisos e de cha-
ves, violos riquissimos de Jacaranda, clari-
nelas, trombones, trompas, calas de guerra,
zabumbas e arcoa de campainhaa : vendem-se
em casa de Kalkiuann Irmos, ra da Cruz
n. 10.
Tintas em oleo
branca e verde vendem-ie em caa de Kaik-
niaiiu Irmos, ra da Cruz n. 10.
Livros em branco
grande sortimento proprio para escriplorlo e
qualquer oulro estabelecimento : vendem-se
em casa de Kalkmann Irmos, ra da Crui
n. 10.
Cadeiras e sofaes
para meninos: vendem-se em caa de Kalk-
mann Irmos, ra da Cruz o. 10.
Vinho de Champagne
de superiores qualidades : vende-se em casa
de Kalkmann Irmos, ra da Cruz n. 10.
(Miras de ouro
chegou um novo e completo sortimento de to-
das ai qualidades, como sejam, correntei pa-
ra relogim, anneis, pulceiras, alliuele, ade-
remos, brincos, voltas, etc. : vendem-se em
casa de Kalkmann Irmos, ra da Cruz nu-
mero 10.
Conlinua-se a vender agoa de fazer ao
cabellos e suissas pretas : ua ra do (Jurando.
leja de ferrageus n. 31.
Cal virgemem pedra.
Chegada Je Lisboa pela barca Margando, ven
de-se no armazciu de Silva Barroca, ra do
liriini a. 2b'.
Antliati de (licuar pura a loja de
.lo-i Joaqullll Moit ira t C. lia
na Nova n. 8.
O mais lindo* manteletes e capotinhos
prelos e de furta-cores que sein exagerafo
lem vindo. sobresal indo ao mesmo lempo a
variedade nos gastos porque sao quasi todos
de diferente! modelloi, acressenlando-se mais
qiieem quanto do preco nada ficar a dezei-
Jar ao comprador.
Ho armazem da ra da ftloeda n. 7, con-
tinua-se a vender saccas com superior colla
das fabricas do Rio Grande do sul, e opreco
em conta.
Vendem-se na travessa da Madre
Dos n. 5.
Kiva malte.
Fumo em iolha.
Furinha de mandioca.
Gigos de garrafas
brancas.
HBMriHHBWWMNfl' -V-HMfH U- XT1*** *>,
Vende-se
Arroz de casca,
Farello novo,
Cha preto,
Chumbo de munic3o,
Cimento,
vende-se tudo por precos commodos : no
armazem de J. '. Tasso Jnior, na ra do
Amorim n. 35.
Monillos de vento
eorn bombas de repuebo para regar hurtas
d baxas de capim : vendem-se na fondicSo
de Bowman & Me. Callum, na roa do Bru
ns. 6,8 e 10.
ntigo deposito de cal
virgerh.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa
na barca Ligeira.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
HUA DA SENZALLA NOVA S. 42.
Neste estabeieeimenlo conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, etaixas de ferro batido e
coado, de todos os lmannos, pa-
ra dito.
Tecido de algodSo trancado na fa-
brica de Todos os Santos.
Na ra da Cadeia n. 5a,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucare roupa de
escravos.
Vendem-se amarras de ferro na rus
da Senzalla nova n. 42.
Escravos fgidos.
Desappareceu no dia 7 do corrente, pelas
8 horas da noite, a preta Joanna, motila, de
idade 25annos pouco mais ou menos; foi vista
no pateo do Carino pouco tempo depola da fu-
ga, e dirfg|o-se pela ra da Concordia : levou
um ropo de riscado eacuro e uma trouia de
roupa, he muito fallante, e quando falla est
sempre rindo-se ; (alla-llie_ todos os dentei da
frente da parte superior' ; he muito conhe-
clda nesta praca, perfenceu ao Sr. Guilher-
nie da Silva Guimares, na ra do Crespo,
d pols ao coronel Antonio Mara de Souza, e
ltimamente ao Sr. Jos Gomes Perreira de
Souza. Pede-ie as autoridades pollciaes e ca-
pitei de campo multa vigilancia sobre a dita
preta, por ser muito ladina, e roga-se a pessoa
ue a popar de leva-la ua ra Nova D. II, loja
b. Knbrrt que ser generosamente recom-
pensada.
Desappareceu no dia 3 do corrent
me/, oescravo Jo3o, do nago Renguella,
que representa ter a idade 4e 50 annos, cor
preta, com cabellos brancos na cali oa e
barba, tem falta de alguna denles na bocea,
oslo comprido, altura um pouco mais que
regular, secco do corpo, lem sicalrizes da
zicote as costas e nadegas, com as pernas
um pouco arqueadas, tendo os dedos do p
direito virados para dentro, levou vestido
camisa de riscado azul escuro, com camisa
de hacta encarnada por sima e calsa do al-
godSo : quem o aprehender o podar levar
a rim do Collegio u. 4, primeiro andar, que
ser recompensado
-- Desapparrceo de bordo do brigue Espi-
rando, na noiiie de 27 de malo corrente, a
escravo, marinheiro, de nome liento, naco
M'\aiiirii|iie, idade 25 annoa, p.ouco m>is ou
neuos, lia i in, cheio do corpo: roga-sC a cap-
tura do mesmo ; e quem o levar bordo do
dito brigue, ou ra da Cadeia n. 39, escrip-
torio de Amorim ti Irmos receber boa gra-
tifleacio.
Desappareceu no dia 4 do corrente.
um escrava de nome Joaquina, parda, do
idade de 18annos, muito baixa. decores-
Ai
pretas e
Hulbas para ditas.
Ancoras de peroba.
V Algodao para suecos.
# Vende-se muito bom algodSo para 4}
; saceos de assucar, por preco comino-
9 do: em casa de Iticardo iloyle, na *>
4 ra da Cadeia n. 37. 4
cura, anda va na ra vern'.enilo cocos eoi
taboleiro, levou um vesiido de chita encar-
nada e um pao da cosa azul : quem a pe-
gar, leve-a a ra do llozario Larga, bolo-
qiiim n. 27, que ser recompensado gene-
ros, mente.
No dia I do corrente, noute, desap-
pareceo o prelo Antonio, de naco Cabinda,
de estatura regular, cor fula, cuelo do corpo
e muilo cabelludo nos peitos; he ollicial de
ealdelreiro e costuma andar pela' praca da
boa-Vista, Corredor do blipo e Soledade, e
appareee uestes logares de inanha sedo ou
de tarde > roga-se a quem o pegar leve na
fundiro da ra do bruiu, 11. 28, que ser
recompensado. .
No da 4 desle mez, desappareceo o preto
Filippe, de naco, pertencente ao casal de
Jos Mara de Jess aluuiz, he de estatura
regular, cheio do corpo, costuma a embria-
gar-se e andar pela loa-Vista: roga-se a
quem o pegar leve fundiro da ra do Uruin
n. 28.
Boa graliflcacSo.
No dia 13 de marco do corrente anno des-
appareceu da Passagem da Magdalena, do
sitio em que mora o Sr. I)r. Malet, o mole-
que Marcal, o qual be bem conhecdo e tem
os sega hites signaes : representa ter 20 an-
nos, baizo, cheio do corpo e carcunda, cor
fula e sem barba ; lem falla de um dente ua
frente do queixo inferior ehelilho do ser-
tSo de Paje, por isso julga se para l ter
do : recommenda-se, paranlo, aos capi-
Ues de campo a captura do dito moleque,
que serSo bem gralilicados.
Deappareceo, na nonle do da 3l do pas-
sado, do engenho Santo Andr, na freguezia
de Una, o preto crioulo Joo Mariano, ofliciat
de sapateiro, comprado a Jos da Fonceca e
Silva, a 19 de feverciro deste auno, com os
signaes seguiutei: belide no olho esquerdo,
di elle que proveniente d'um couce de ca-
vallo, e pelo que tem urna licalriz na ealie-
midade superior do nariz, do mesmo lado
esquerdo ao p do ouvido para traz da orellia
lem outra cicatriz longa e bem saliente, cara
larga e bexigosa, fornido do corpo, de altara
regular, c ter 30 anuos, pouco mais 011 me-
nos, levou do meimo cngeubo um quartao
em que foi montado, caslaubo andrino, boni-
ta figura, grande, carnudo, castrado, p di
relio calcado, com 1 marca -P- na p eiquer-
da: roga-se s autoridades policiaes e oa pi-
taos de campo a aprebensao, e levando-01 10
supra dito engenbo ou no Atierro da lloa-Visia
n. 30, que sero generosamente recompensa-
do. Esteesc.avo foi visto passar no engenho
S. Paulo, em Serlnhaem, no dia immediato,
onde he condecido de muitos, por Joo Piloto.
Pr-.ftrj. naTvi.w: M.F.nK Fama-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8QRSL7OX_VU1Y7C INGEST_TIME 2013-04-12T21:50:58Z PACKAGE AA00011611_06367
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES