Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06363


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVll
Quinta-feira 5
VAB.TIDAS DOS OOBBEIOS.
Goianna e Parahlba, s segundas e sextas feiras.
Rio-Grande-do-Norte, todas as quimas reiras ao
melo-dla.
Garanhuns e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas feiras.
Olinda, todos os dia.
VHEMIBIOII
Nova, a 30, as G h. e27 m. d t.
Crcsc. a as 4 h. e 8 m. da t.
Chela, a 13. as 4 h. e a< m. da t.
Ming. a 21, as 3 h. es2m. da t.
FBKAMAB DE BOJE
Primeira s 9 horas e 18 minutos da manha.
Segunda s 9 horas e 42 minutos da tarde.
de Junhodel851.
N. 128
VBEfO DA sncaoBippio
Por tres mezes (adiantados) 4/000
Por se9 mezes &!_'
Por ucu anno.
! DA SEKAVA.
2 Seg. S. Krastno. Aud. doJ. d'orf. e ni. 1. v.
3 Tere. 8. Ovidio. Aud. da Chae., do J. da 2
vara do c. e dos feitos da fazenda.
4 Quart S. Querino. Aud. do J. da 2. vara.
5 Qulnt. S. Mariano. Aud. orf. e do J. m. da
primeira vara.
6 Sext. S. Norberto. Aud. do J. da 1. vara do
eivcl, e dos feitos da fa enda.
7 Sab. S. Roberto. Aud. da Ch. e do J. da 2. v.
do civel.
8 Dom. Paschoa do Erpirilo Sanio.
CAMBIO DE 4 C JDNHO.
Sobre Londres, a 28 d. p. IjfflOO'.
Pars, 340 por fr. nominal.
i. Lisboa, a 95 no*nt\a
Ouro.-Oncashespanholas..... 28/000 a
Moedas de 6/400 velhas. 16/900 a
, de 6/100 novas. 10/000 a
de4000....... VW0
Prata.-Patacde brasileiros.... J* *
Pesos columnarios..... V
Ditos mexicanos........ i#/uu a
28/500
16,1200
16W00
9/1 no
1/950
1/940
17760
*V
PARTE OfFICUL.
GOVERiNODA PROVINCIA.
LE N. 286.
Jos Idelfonso de Sousa Ramos, presidente
da provincia de Pernambuco. Faco saber a lo-
dos os seus habitantes que a asscmbla legis-
lativa provincial decrctou, e eu sanccioncl a
reolucao seguinte.:
HRfilIiAIHENTO.
TITULO I.
Da directora das ibrai e trubalhoi publicoi
vrovinciaei.
CAPITULO I.
OrganitafAo da directora.
Artigo 1. A dlreccSo, inspeccao e conserva-
cao das obras publica* da provincia de Per-
nambuco. se far pelo intermedio de uina ad-
ministracSo que se denominarDirectora
das obras publicas.
Art. 2. A directora ter os scgulntcs em-
preados.
', 1. lu director equatro engenheiros cada
um com o ordenado annual de 2:400,000 rs.
2. Os ajudants de engenheiros que forem
necessarios cada um com o ordenado annual
de 1:200.000 rs.
3. Um secretario, com o ordenado de rs.
1:0'00.000
4. Um escripturario, com o ordenado de
600,000 rs. e um amanuense com 500,000 rs.
C 5. Um parteiro com o ordenado de 500,000
rs., e um continuo com 400,000 rs.
6. Um guardados armazens c instrumentos
com o ordenado de 400,000 rs
7. Os administradores, inspectores, dese-
nhistas, mestres, apontadores. feilores, conser-
vadores, c guardas de conservaco que forem
necessarios, segundo o numero de obras que
fizerem por dniinislraco, e o estado do ser-
vico.
Os venclmentos destes empregados, casuaes
ou temporarios, sero determinados pelo pre-
sidente da provincia, ouvida a directora con-
forme sua aptido e naturesa do irabalho que
lhe for incumbido.
Art. 3. Os empregados de que tratain os
1, 2, 3, 4, 5, e 6, do art. precedente sero no"
meados, e demittidos livremenle pelo presiden-
te da provincia.
A nomeacao dos mencionados no 7. aera
precedida de proposta do director ; exceptua-
dos porm, os mestres, feilores, e guardas de
conservaco cuja admisso ou despedida ein
qualquer obra competir ao engenheiro in-
cumbido da obra com a approvacao do di-
rector.
Art. 4. A directora ter o seu assento na
capital, e ser collocada em edificio que ofle-
reca proporedes para ter urna sala para sessoes
do conseibo, archivo da reparlicao, secretaria
do director, gabinete topographico, e arma-
zens para guarda dos materiaes e utensis.
CAPITULO II.
Funeclo da directora em conielho.
Art 5. Compele a direcioria do conselbo.
I. Discutir e approvar os planos, condlc-
ede e orcamento para todas as obras e ira-
balho pblicos da provincia, ousejam de exe-
cucao nova, ou de reparacao, ou de entreleni-
roenlo e conservaco.
2. Depois de approvados os planos das o-
br'ai, propor ao presidente da provincia quaes
as que devem ser feilas por administraco,
quaes as que podem ser feilas por arremata-
cao preferindo este nielo sempre que for pos-
sivel, e devendo propor as condieces e clau-
sulas com que devem ser feilas.
J 3. Exercer inspeccao geral sobre todo o ser
vico das obras publicas em qualquer ponto da
provincia, ou seja execulada por administra-
cao ou por arremataco, ou por empresa, vi-
giando e promovendo o fiel cumprimento dos
planos, condiedes, e or a memos respectivos.
4. Dar conta circunstanciada ao presiden-
te da provincia dos desvos, erros ou abusos
que descubrir na execucao, reparacao ou con-
servaco das obra, propondo logo todas as
providencias que julgar necessarias para regu-
larldade e perfeicao dos trabalhos.
5. Prestar ao governo todas as informaedes
e esclarecimentos que exigir sobre qualquer
objecto relativo a esse ramo.de servico publico.
6. Declarar depois dos exames e estudos
convenientes quaes as obras novas que devam
ser propostas ao governo pelo director no re-
latorio que devem apresenlardousjmezes antes,
do da da abertura d'assembla provincial, co-
mo os inais uteis e urgentemente requeridas
pelo melhoramento material da provincia ; as-
sim cpmo quaes d'enlre as concluidas que re-
clamem trabalhos de conservaco permanente.
7. Organlsar e propor os regulamentos,
quer geraes quer especiaes, que forem neces-
sarios para marcar as funcefies, e incumben-
cias dos empregados as obras publicas aiim
de regularisar o seu servico da maneira inais
- conveniente ao desempenho de suas obrigaedes,
ao aproveitainento dos trabalhos, e a fiscallsa-
ca dos dlnhciros pblicos.
8. Organisar a carta corographica da pro-
vincia fazendo determinar astronmicamente
os lugares notaveis.
9. Organlsar a estatistica das communica-
edes da provincia, fazendo mappas que mar-
quem o ruino e a direco das estradas, e luga-
res onde seja indispensavel a construeco de
ponles, e indiquen! o melhorauento de tians-
por agoa, ou de navegaco Interior. Esscs
mappas sero aCompanhados de plantas e des-
cripees parciaes das obras indicadas, e desig-
naro e marcaro os ponlos mais proprios pa-
ra estabelecimentos de barreiras.
Art. 6. Fazem parte da directora em conse-
llio, como membros deliberantes, o director,
os engenheiros e os ajudaotes que se acbarem
as capitaes,
Art. 7. Haver sesso da dreccao em con-
selbo o menos duas vtzespor mez.e sempre
que o director por si ou por ordein do presi-
dente da provincia o determinar. O director
e mais dous engenheiros ouajudanles, basta-
rao psra formar o conselbo.
Art. 8. Toda a correspondencia do presidente
da provincia com a direcioria ser feila por in-
termedio do director; nao fleando, porm, o
presidente inhibido de se dirigir a qualquer
mimbro da reparlicao que se achar ausente da
capital, encarregado de alguma commisso ou
trabalho.
Art. 9. Toda a coadjuvaco que a directora
possa precisar de qualquer autoridade da pro-
vincia, ser requesitada a presidencia ; assim
como nenhuma autoridade far requisicao
direcioria, senuo pelo niesiuo intermedio.
CAPITULO III-
)o director.
Art. 10. O director he o chefe da reparlicao
das obras'publicas, c como tal competem-lhe
as attribuicdes seguinte :
t Presidir e regular as sessdes da directo-
ra em conselho, e convocar as extraordinarias
3ue julgar necessarias. ou em cumprimento
as ordens da presidencia da provincia.
2. Expedir toda a correspondencia da direc-
tora com o presidente da provincia, e com o*
empregados ou pessoas que dependerem da
repartico. como arrematantes foruecedorea
etc.
'-. 3. Proceder aos trabalhos graphicos, e es-
tudos preparatorios de qualquer obra que lhe
for especialmente commettida pelo presidente
da provincia.
4. Inapecctionar, advertir e dar instruc-
efles peculiares a todos os empregados fixos ou
temporarios da reparlicao, e bem assim aos
arrematantes, e empreitelros, ministrando aos
empregados modelos para os pontos, ferias,
follias c contas. Estes modelos devero ser
impressos as snas partes con9tituinles.
5. Examinar pessoalmente, e com a maior
frequencia que lhe for possivel, as obras em
andamento para o lim de reconhecer o estado
e regularidade das construcedes, e aboaordem
fiscal e econmica do servico.
6. Propor ao presidente da provincia a no-
meacao, remocao e gratificado dos adminis-
tradores, inspetores, 'desenhistas e apontado-
res, quaiido seja necessario, e conrmar a
nomeacao, demissao e venciinento dos mestres,
feilores, guardas de conservaco e conserva-
dores.
7. Providenciar a prompta satlsfacn dos
pedidos e requisicc justificadas dos enge-
nheiros, administradores ou Inspectores
', 8. Exigir de todos os empregados relatorios
meusaes, e annuaes, primelro contendo a dis-
cripeo exacta da quanlidade e qualidade do
trabalho executado no mez ou anno ; segundo
a conta documentada da despeza feita duran-
te o referido tempo ; terceiro, ai observaedes
pondencias, actas e todas as ordens do gover-
no a directora.
4. Archivar, por ordem cnronologica e
conveniente clasaificacSo, todos os ofAclos
enderecados ao director por todos os em-
pregados ou pessoas dependentes da repar-
licao.
5. Ajudar os trabalhos Internos para que
esteja habilitado.
Art. 15. Ao escripturario e amanuense, in-
cumbe l coadjuvav em todo o servi?o ao secre-
tarlo, debaixo de cuja inspeccao inmediata se-
rio considerados.
CAPITULO VL
Do porleiro continuo.
Art. 16. O porteiro ter as obrigacoes se-
guintes: .
*j I. Abrir c fechar a casa da reparlicao, as
horas competentes.
2. Cuidar do arranjo e acelo da casa, seus
movis e utensis, sendo responsavei por todos
os objectos ahi existentes, dos quaes dever ter
um inventario assignado pelo director.
Scrcoadjuvado neste trabalho pelo conti-
nuo, e ambos podero ser incumbidos dos re-
gistros da repartifo, se para Isso liverem ap-
tidao.
CAPITULO VIL
fo guarda doi armtzeai.
Art. 17. Ao guarda dos arinazens compete.
i. Conservar 'e guardar todos os objectos
existentes nos armazens, dos quaes dever ter
um inventario assignado pelo direetor.
2. Auxiliar e substituir ao porteiro e
continuo, quando seja preciso.
TITULO II.
CAPITULO I.
Trabalhoe preparatoria!.
Art. 18. Autorisada pelo presidente da pro-
vincia qualquer obra de execucao ou repara-
cao, o director procedendo por si, ou por al-
gum dos engenheiros a todos os txames e es-
tudos graphicos, sendo necessario, far orga-
nisar o plano e orcamento. quando o nao lbs-
sem'xntes da autorisaco da mesma obra, e
em todo o caso formular as condiedes e ins-
que parecerem conveniente sobre qualquer ra- Iruccas que devero guardar-se no seu des-
*T"~" a i -. _____-~ Al^inioirie-iA arriiiiialann >
no do servico relatado
9. Apresentar ao presidente da provincia
trimestralmente um relatorlo recopilatlvo so-
bre o servico geral, Unto no esludo e prepara-
torios graphicos das obras ainda nao autoriso-
das, ou principiadas, como na administraco
ou inspeccao das comecadas, c na conserva-
co das concluidas, ajuntando o balanco par-
cial e geral da despeza feita, e offerecendo em
ultimo lugar as observaedes que jnlgar de uti-
lidade sujeilar ao conliecimento e dellberaco
do governo no interesse e melliorainento do
servico. Orelatorioque tem de apresentar dous
mezes antes da abertura da assemblca provin-
cial na forma do 6, do art. 5, deve ser a-
companhado ; priinetro, de propusta josliflca-
da sobre as obras novas, que a julzo da direc-
tora em conselho mais uleise urgenlespare-
cam segundo, do orcamento dos landos pre-
cisos'para o anno vindouro, j com os seivlcos
e necessldades materiaes da repartifo, j com
o proseguimento das obaas comecadas, paga-
mento das armnatacoes, j finalmente com o
preparo e execucao das autoridades, e das pro-
postas pela directora : terceiro, de nina in-
formaco circunstanciada sobre cada um dos
empregados da reparlicao, aobie o estado della
e-providencias que reclamein, quer da presi-
dencia, quer da assembla provincial.
S 10. Regular e dirigir toda a escrlpturacao,
e economa da reparlicao, e bem assim o arran-
jo do gabinete topographico de modo que este-
lan! em boin recato os instrumentos. Iivros,
memorias, plautas e mais objectos abi depo-
sitados. ...
Art. H. O director quando impedido ou au
zenteein commisso fra da capital por inais
de 15dias, ser substituido pelo engenheiro
que for designado pelo presidente da provin-
cia.
CAPITULO IV.
Uo# enjen/iiroi.
Art. 12. Aos engenheiros e ajudanles, como
membros da directora coinpetein as altribui-
edes e deverea seguinte :
1. Discutir e deliberar as ressdes da direc-
tora em conselho, sempre que se achera na
capital. ..
2. Proceder todos os trabamos grapnicos e
scienlificos que Ihes forem determinados, ou
para reconhecimento e Jusllficaeo de alguma
obra nova que deva ser propoila, ou para pre-
paro das que j se achem competentemente
autorisadas.
3 Dirigir e fiscalisar as obras que lhes fo-
rem cominettidas na conformidade dos respec-
tivos planos e instrueces ; inspeccionar as ar-
rematadas ou iinpreltadas, vigiando que sejain
exactamente cumpridas as condiedes estipula-
das, e exercer as funees de conservador das
obras concluidas, sempre que for possivel.
4. Plomear e dlmiltir os mesties das obras,
feilores e guardas de conservaco, com appro-
vacao do director.
5. Autorisar com a sua rubrica todos os do-
cumentos de despeza relativa as obras ou tra-
balhos seu cargo, de execucao cu conserva-
cao, a saber : folhas, ferias, recibos e contas
os fornecedorea.
6. Organisar e apresentar ao director no
principio de cada mez e anno financeiro, um
relatorlo circunstanciado dos trabalhos exe-
cutados em cada urna das obras de que tiver
sido encarregado durante o mez ou anno pr-
ximo findo, com a conta das despezas.
7. Prestar ao director, a tambem, sendo a-
dujanle ao engenheiro aob cuja dlrecco ser-
vir, todas as informaedes e esclarecimientos
que lhes forem exigidos acerca das obras de
que sejsin execulores, inspectores ou conser-
vadores.
8. Requlsitar ao director ludo quanto seja
inister a bem do servico, perfeifo das obras
e economa da fezenda provincial.
Art. 13. Toda a conimunlcaco dos ajudan-
ts com o director ser feita por Intermedio do
engenheiro sob cujas ordens servlrem e por
quem em regra Ibes sero transmittldas as
ordens e insirucedes do director, sendo per-
mltlido, com ludo, este quando o julgue con-
veniente, dirigir-se inmediatamente a qual-
quer engenheiro sjudanle, e autorisa-lo a res-
ponder uinbeiu directamente.
.CAPITULO V.
Do ttecrelario', euripturariot i amarnente!.
Art. 14. Ao secretario compete:
l. Auxiliar o expediente e corresponden-
cia do director,
2. Lavrar as acta das sessde da directo-
ra em conselho.
3. Iteglsuar em llvroi proprio a corre-
. inpenlio por administraco, arrematado,
empresa ; e, logo que se ache concluido este
primeiro trabalho, o subjeilar a dlscusso e
approvacao da directora ein conselho, que
o poder corrigir ou resolver a verificacaode
suis partes.
Approvado que seja esse nfimo Irabalho pe-
la directora em conselho, emittir ella a sua
oplniao sobre a conveniencia de ser feita a
obra por administraco, arremataco ou em-
presa, ser ento apreseutado ao presidente
da provincia, para sua definitivadelberaco.
Art. 19. Os planos e orcamenlos sero todos
redigidos sob a mesma forma quando o per-
mitlira differenca das obras, devendo comer,
comoprincipaes, as dlvisoei **>iiir>trs t
1. Descripco crcumslaneiada da nature-
za e qualidade da obra em todas as suas par-
tes, com declaraco do modo desua execucao.
2. Medida exanta das dleremes partes das
obras,
3. As condiedes e clausulas especiaes pa-
ra o caso de ser a obra einprelicndida por arre-
mataco ou empresa.
4. Valor provavel de capacidade, ou volu-
me de cada una deslas mesillas partes, e o
prec.0 dasperlcncas acessorias, como nos edi-
ficios, ferragem, pintura, etc.
5. Recapituladlo geral, que demonstre o
orcamento completo de toda a obra.
Art. 20. Preparada assim a obra com pla-
no, orcamento, instrucedes explicativas e con-
diedes definitivamente approvadas pela pre-
sidencia, ser por esla autorisada a sua exe-
cucao por administraco, arremataco, ou em-
presa, como mais conveniente for.
( Continuar-se-ha.)
TRIBUNAL DA MELAGAO'
SESSAO DE 24 DE MAIO DE 1851.
Preiidencia do xm. Sr. comelliciro Azevedo.
As 10 horas da manha, estando presentes os
senboies dcseinbargadores Villares, bastos,
Leo, Souzi, Rebcllo, Luna Freir, e Pereira
Monteiro, o Sr. presidente declara aluna a
sesso.
JULOAMBNTOS.
Appellacei crimei.
Appellante, o juizo; appellado, Manoel The-
moteo do Nascmento. Julgaram improce-
dente aappellaco.
Appellante, o julzo; appellado, Joaquim Nu-
nes de Farias. -- Mandaran! novo jury.
ifm'.'i cirel.
Appellante, Leopoldina Emilia de Moraes Cls-
nciros ; appellados, Manoel Pires Ferreira e
outros. Confirmaram a seutenca.
niLIEKCliS.
Appellantes, Joaquim Antonio de \innriin e
oulro : appellados, Claudio Pereira da Cos-
ta e sua mulber. -- Mandaran! ouvlr o cu-
rador geral.
Appellante, ojuizo; appellada, a ordem ter-
celra do convento de San Francisco desta ci-
dade. -- Mandaram ouvirao 8r. desenibarga-
dor procurador da corda.
Appellante, Romo de Sousa Lisboa; appella-
dos, o curador da he ranea de Jos Antonio
de Moraes e o curador geral.
DESIGUiCES.
Appellante, Antonio Fabio deMendoncae sua
miilher; appellados, Estevo Jos Paes
llarreto e su.i iniilher.
Appellante, Jos* Thomaz de S Barrete; ap-
pellado, Antonio Francisco de Paula nrrelo
Appellante, Antonio Jos Gurjo; appellado,
Joaquim de Albuquerque e outros.
Appellante, Francisco Accioll Goveia Lins ; ap-
pellado. Joaquim Jos de Suuza.
Appellante, Antonio Ferreira do Vadee outros:
appellados, Eugenio Jos de Santa Rita e ou-
tros.
Appellante, Jos Velloso. Soare; appellado,
Lui Gomes Ferreira..
Appellante, Patricio Jos de Sant'Anua ; appel-
lada, Uaudina Mara da Conceicu.
Appellante, Joaquim Alves Camello de Araujo
Pereira; appellado, Flix da Cunha Navarro
Lins,
s ivisObs.
Passaram do Sr. desembatgkdor Bastos ao
Sr. deseinbargador Lefio as segnintes appella-
edes em que sao :
Appellanic, Jos llaptista Ribeifo de Fara; ap-
pellado, Francisco Ribciro de Brito.
Appellante, Jos Joaquim Novaes ; appellados,
a viuva Vieira & Filhos.
Appellantf, Vicente Ferreirav-da Fooscca; ap-
pellado, Pedro Soares de Araujo.
Appellante, JXachcl Caclaua Alejandrina de
Mello ; appellado, Joaquim Pedro do Reg.
Appellante, llairo V Macedo ; appellada, Jo-
sefa Mara de Jess Coutinho.
Appellante, los Paes Laudim appellado, Joa-
quim Pereira Lima.
Appellante, o juizo; appellado, Vicente Fer-
reira da Costa,
Passou do mes.no Sr.soSr. desembargador
Souza a seguinte appellacao em que sao :
Appellante, Francisco de Paula Pires Ramos ;
appellado, Jos Maria da Costa CarvaUo.
Passaram do Sr. dcsenibargador Lefio ao Sr.
descinbargador Souza as segnintes appellacOes
em que sao:
Appellante, Joao Vieira da Cunha ; appellado,
Francisco Jos da Costa.
Appellante, I). Maria Francisca de Souza Ra-
mos; appellado, Jos Mara Goncalvcs Ri-
inos.
Appellante, Antonio dos Santos Siqueira Ca-
valcanti; appellado, Estevo Jos l'aes Bar-
reto.
Do mesmo Sr. ao Sr._desembarg.idoi- Ra-
bello a seguinte appellacao emqiie sao :
Appellante, N. O. Rieber C. appellada, a
administraco do patrimonio dos orphos
desta cidade.
Passou do Sr. desembargado!- Souza ao Sr.
desembargador Rebcllo a seguinte appellacao
em que sao -
Appellante, o juio ; appellado, Andr Ferrei-
ra Lima.
Passaram do Sr. desembargador Rebcllo ao
Sr. desembargador Luna Freir as seguintes
appellaces ein que sao :
Appellante, Alfredo Lcopoldino De Carvalho;
appellado, o juio.
Appellante, o juizo; appellado, Manoel do Nas-
cmento.
Appellanles, Joo Francisco Regs Coelho e a
irmandade do Sanlssimo Sacramento da Boa-
Vista; appellados, Joaquim Galdiuo da Silva
esua mulher.
Passou do Sr. desembargador Luna Freir ao
Sr. desembargador Pereira Monteiro o seguin-
te recurso em que sao :
llecorrente. o solicitador da fazenda provincial
Manoel Teixelra da Silva Szevedn recorr
do, Jos Martins da Silva (Jaldas, tutor do
menor Nicolao.
Passou do Sr. desembargador Pereira Mon-
teiro ao Sr. desembargador Villares a seguinte
appellacao em que sao :
Appellante, D. Urtes Sebastiana de Moraes ;
appellado, Antonio Jos Pereira.
DISTHIBUIQS.
Ao Sr. desembargador Villares as seguintes
appellrdes em que sao:
Appellante, ojuizo; appellados, Antonio Ro-
que Vieira c Marcellino escravo de Agoslinlio
Jos Gil.
Appellante. a fazenda publica; appellados, Jo-
sPln'to de Ifnvaes & C.
Ao Sr. desembargador llastos as seguintes
appellacao em que sao :
Appellante, ojuizo; appellado, Antonio Ma-
noel do Nascimento c outros
Appellante, a fazenda publica; appellado, Ma-
noel Durans Lopes Vianna.
Ao Sr. desembargador Leo as seguintes ap-
pellacfiesemqueso:
Appellante, Ignacio Jos Ramos; appellado, o
julzo.
Appellante, a fazenda i appallado, Joaqun! da
osla S.
Ao Sr. desembargador Souza as seguintes
appellacdes em que sao :
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Joaquim
de Sant'Anna.
Appellante. Joaquim Ferreira ; appellado, Je-
ronymo Joaquim Fiuza de Ollveira.
Ao Sr. desembargador Rabello as seguin-
tes appellacdcs em que sao:
Appellante, ojuizo; appellado, Miguel Alfon-
so Ferreira.
Denuncia do bacharel Antonio de Carvalho Ra-
poso, promotor publico da Atalaia, contra o
chefe de polica das Alagoas, Francisco Joa-
qun! Gomes lliheiro.
Appellante, lernardino LuizFerreira; appella-
do, Paulino Manoel ThoniCaboato.
Appellante, a fazenda publica ; appellado, Jo-
s Goncalvcs dos Passo.
Ao Sr." desembargado!- Luna Freir as se-
guintes appellacdcs em que sao:
Appellante, a fazenda publica; appellados,
Antonio Francisco Itibeiro Guinares, por si
e por outros.
Appellante, 1). Anua Joaquina do Sacramento
/>yres; appellado, Alexandre Ferreira dos
Santos Caiuilio.
Ao Sr. desembargador Pereira Monteiro o
seguinte recurso ein que sao :
Recorrcnle, o juuo ; recorrida, Joaquina Ma-
ria da Conceco.
Lcvantou-se a sesso as duas horas da tarde.
BS
EXTERIOR.
PORTUGAL.
ACTOS OFFICIAES.
Os i-sfudanlei da uniteriiJaile de Coimhra ao ma-
rechnl duque de Sardanha.
Senlior. O brado espontaneo e unisono, que
entusisticamente tem echoado desde nina a
mili a exlii-miilade da na. .10, nao poda deixar
de ser repetido por coracOes jovens, em que as
nobres ideias de liberdade palpitara.
A reforma, tamas vezes proclamada e nutras
tamas qo realisada, tem sido sempre a subli-
me aspfVaco desta academia.
11 i.i.nei lial duque de Saldanha, consttuin-
do-se o interprete das necessdades de um po-
vo livre, contina triuinpliante a gloriosa em-
presa porque auaco tem constantemente an-
helado,
A academia julga pois do seu dever exprimir
por nielo de seus orgos a sua dedicado,
respelto e euthusiasmo, pelo cidado benem-
rito, que a despeito de todos os perigos, fez ve i -
gar debaixo de sua espada victoriosa a prepo-
tencia, e o despotismo frreo d'um governo,
que pretender agrilboar um povo livre, ani-
qua ido-ihe o que para elle ha d: mais caro
a independencia e a liberdade.
A academia tem as mais bem fundadas espe-
ran cas de que o nobre marechal levar a ert'ei-
to as promessas de reforma, alcaucando por is-
to os titulos de um eterno recouhecimento da
parte de todos os homens livres, que aluiejam
pela felicidade da sua chara patria.
S. Exc. animado de um verdadeiro enthusi-
asmo respoudeu resumidamente nos seguintes
termos: Que sempre fra liberal; que de-
pois de ter empregado todos os meios legaes,
para derribar um governo reconhecido de in-
moral c corrupto, vendo que estes mel ti-
iiham sido inelicazes, desembainhra por isao
a sua espada, acoinpanhado de algn bravos,
e confiado na lealdade, apolo e_cooperacao de
todos os homens liberaes da nacao portugueza,
Que esla esperanca fra completamente rea-
lisada, c que nina das partes do povo, que mais
tiuha contribuido para sto, c a quem tinha
mais a agradecer, era b iosa niocdade aca-
dmica, a quem tributava os maiores sgnaes
de reconhecimento egratidao,
Aeerescentou alud o nobre mareclial quei
a primeira parte deste drama poltico ja. tiuha
sido concluida, e esperara que segunda fossn
pacifica, entretanto, que nao desista dama
empresa eiiv|tnnto nao visse consolidado o
principio por elle proclamado no Porto..
F.m seguida o nnbre duque folios ido pela
commisso para apparecer a urna das janellas
para latlslaxef academia, que reunida o dc-
sejava vicloriar. Apcuas appareceu, rom-
pern! com o maior cnthusiasnio estrepitosos
vivas.
As reformas da carta.
A' liberdade.
Ao mareclial duque de Saldanha.
Sua Exc. correspondeu com os seguinta
vivas :
A mocJade estudiosa.
Aos briosos acadmicos, futuras esperanca
das liberdades patrias.
Ao despedir-se da commisso dignou-se S.
pxc. abracar o acadmico Jos Joaquim Vieira-
A couinisso presidida po Exm. marques
de Vallada encarregada de receber o nobre ma-
reclial duque de Saldanha no sen regresso a
esta capital previne a todas as senhoras e cava-
Iheiros qu estn convidados para essa recep-
fo, que devem achar-ses 10 horas da manhSa
do da 14 do crreme, na ponte denominada
dos Vapores para euifiarcarein no vapor Certo
riui, nao leudo al essa hora recebido aviso em
contrario.
> ff. 1.Quartcl general no porto em 30 de
abril de iSjl.Ordem do exercito. Atten-
drndo ao bem do servico, e s circumstanciaa
extraordinarias em que se acha o paiz; deter-
mino ein noine de S. M, a raiuha, que se or-
gauise provisoriamente um cstado-inaior ge-
neral para o exercito regenerador, segundo o
que dispde o decreto de 3 de maio de 1846, pu-
blicado na ordem do exercito n. 20 do mesma
anno ; devendo, porin, o numero de olciaes
minares, olliciaes de secretara, amanuense
e mais empregados ser reduzido ao strctamen-
le necessario para o servico de cainpanha.
Quartel general do Porto 28 de abril de 185i.
buque de Saldanha.
i Aitendendo ao bem do servido, e s cr
cumstancias extraordinarias em que se acha o
paiz: determino, em noine de S M. a rainha
que os olliciaes empregados em diiTereiites!
exercicos do eorpo do exercito regenerador,
leuli.iui, durante o serv90 de campanha, o
venciiueiilos designados na tabella que faz
parle do decreto de 20 de dezembro de 1846,
publicado na ordein du exercito numero doia
de 25 do dito mez c anuo Quartel general no
Porto 28 de abril de |851.Duqus dt Salda-
nha. a
S. Ex. o mareclial do exercito duque de
Saldanha manda publicar o seguinte;
Art. I. O estado-inaior general he formado
alm dos ajudanles d'ordens e de campo, da
repaitcdes do sjudanle general e quartel uies-
tre general.
Art. 2. O pessoal do eslado-maior general
ser composlo alm dos ajudanles de ordens
como se segu;
Pnrportaria de 28 deabril de 1851.
Ajudentc general o tcnenle coronel do eor-
po do estado maior do exercito, D. Miguel Xi-
inenes.
Quartel meslre genfral o capito do dllo
corpo, Placido Antonio da Cunha Abren,
Adjuntos reparlicao do ajudante general
os capitaes de artilheria, Antonio Freir d'An-
drade Parreiras; e de cavallaria, Guilherme
Francisco d'Alnielda e Silva.
Adddos mesma repxrlico os tenentes do
estado maior do exercito, Jos de Vasconcello
Noronha e Menezes: e de infantera, H, I.uiz
da Cmara Leme, e o alferes de caladores n.
8. Carlos Hom de Souza.
Adjuntos repartido do quartel general,
os capitaes do corpo do estado maior do exer-
cito, Jos Mara de Serpa Pinto, e do estado
maior de artilheria, Luiz de Souza Folquc.
Adddos inesina reparlicao o lente de
estado maior, Jos Guedes de Castro e Car-
valho, e os alferes de iufamaria Jos Cyrillo
Machado, c Diocleclauuo Viclor d'Araujo Al-
meida Rodado-
Secrciario de estado maior general, Autonio
Manoel Ferreira de Menezes.
Ajudanles de campo de S. Exc. o marechal
do exercito duque de Saldanhao capilo de
infantera, Antonio deSeipa Pintoo capito
de cavallaria, Antonio Nicolau d'Almeida e
Llz o lente de cavallaria, Luiz Paulino
d'Oliveira Pinto de Franca o lente de in-
fanleria, D. Francisco d'Almeida o alferes,
conde de Rezendao alfares de cavallaria,
Jos de Helio Lemos e Alvellos o alferes de
infantera Vasco Guedes de Carvalho de Mene-
zeso alferes de cavallaria, Antonio Barro
de Saldanha o alferes de cavallaria, D. Ko-
drigo d'Almeida.
Secretario militar, o tenente coronel de in-
fantera, D. Antonio Jos de Mello.
Coinmandanle geral da 3.' e 4 divisdes mi-
litares, o brigadeiro graduado Francisco Xa-
vier Ferreira, tic.indo as suas ordens a guar-
da municipal do Porto, o batalho 13 de tufan-
leria e o regiment n. 8 da mesma arma.
Sua excedencia u marechal do exercito du-
que de Saldanha ordena que se organse a pri-
meira divso do exercito regenerador da ma-
neira seguate:
Os corpos que se acham nesta dlviso mi-
litar sero divididos em 4 brigadas, que t ir
Diario a primeira diviso de operaces, debai-
xo do eoinin uni do mareclial de campo ba-
ro de Mesquita.
A primeira brigada ser cnminandada pelo
coronel Joaquim tiento Pereira, e ser coin-
posla do balalho decacadores n. I e do re-
giment de granadeiros da rainha-
A segunda brigada ser commandanda pelo
coronel Cabreirae cnmposla do batalho de
cacadores 5 e do regiment de infantera n. 1.
A terceira, ser coiuinandada pelo coronel
de infantera Manoel Alexandre Travassos e
composta do batalho de cacadores n. 7 e do
regiment de infantera n. 3.



^r
"\V. <
*. -^.-i *
- ...^a.
I
e
A quarta ser coimnandada pelo coronel de
infantera Jos Maria da l'onseca Monlz e
coinpoita do batalho de cacadores n. 9 e dos
regimentos deinfenlerla n. 2 e 6.
Chefe da reparlicao de saude o cirurgio-mr
de infantera n. 2 Jos' ftaptista dos Santos.
O coininandanlcs das brigadas proporo os
ofliciaes para exercerem as Hncenos de aju-
dantes de brigada e de ajudantes de ordens.
Declara-se que o esquadro de cavallaria n.
6, o destacamento de cavallaria n. i, c os dois
esquadres de lanceiros formaran urna briga-
la de cavallaria commandada pelo icnenic
coronel (irillihz.
***/
Ilcgimrnto provisorio da i'orlo.
Estado inaior.
Major Jorge Vidigal e Silva.
Ajudantes o tenente Lula Carlos d'Almeicla
Botelho e o alferes Francisco do Amaral.
Quartel meatre Cypriano Andr de Carva-
,ho. Capilaes.
I. Goinpanbia, o capito Joaquim Lzaro
Franco.
2. Dita, o capillo Joaquim Pinto Itibeiro.
3. Dita, Fortunato Hara l'ercira.
4. Dita, Francisco Machado Helio.
5. Dita, Joao Piulo da Costa.
ti. Hita, Arnaldo d'Azevedo llrando.
7. Dita, Joao Casimiro da Veiga.
8. Dita, Joo Jos Goncalves Coutinho.
9. Dita, Francisco Jos Silverio.
10. Dita, Joao Pinto de Souza Montenegro,
Tenrntrs, Antonio Joaquim de Alireu, An-
tonio Jos de Lima, Mauoel Goncalves Pinto
Jnior, Jos Antonio Guimares, Antonio Ma-
ria Couto /.agallo, Antonio llarroso Dastos,
francisco Jos d'Aur.-u, Joo ca Cunda i'into
Jnior, Guilliermc Frederico da Cunha.
Alferes, lli'nrique loque!, Joao Maplisla da
Silva, Scbastiao Antonio Pereira Godinho, Au-
tinio Frederico Ferreira de Seabra, Antonio
J'ercira l'i'i i.1/ Jnior.
Ionio de Araujo Veiga c Manocl Joaquim dos que all servia lllegalmente o cargo de admi-
K. 2.
QUARTEL GF.NF.R MAIODBI85I.
OrJem du da.
Publica-so ao ejercito o seguinte:
Major de infantera o capito ajudante de
ordrns de S. Exc. o inarrchal dui|ue de Sal-
danlia Francisco Damazio Rousad Gorjo.
Major graduado, o capilo ajudante de or-
dens Antonio da Serp i Pinto.
Capilaes, o tenenlrs ajudantes de ordens
Luiz Paulino de Uliveira I'into da Franca e
D. Francisco de Almeida.
Tenente, o alferes de Infantera Vasco Gue
des de Carvalho e Menezes. Tenente de ca-
cadores, o alferes addido reparlicao do aju
dante general do exercito regenerador Car-
os Bon de Sousa.
Capitao, o tenente ajudante de brigada Jos
Maria de Almeida,
Capito graduado, o tenente ajudante de
ordens de S. Exc o general commandente da
i." divisan do exercito regenerador, Miguel
Corra de Mesquila.
Alferes de infantera do exercito oalferesdo
ultramar Jos Varia Crivas.
Ajudantes de ordens do commandailc da
3." e 4.' din..m militar, o tenente de un,inic-
ua n. 8 D. Luiz d'Azevedo de S Coutinho, e
os alferes de infantera Anlero Frederico Fer-
reira de Seabra c Jos Maria Crivas.
3 Brigada de infantera.
Ajudante d'ordens do coinmaudante da re-
ferida brigada o capitao de infantaria Joao
Pita de Castro.
Ajudante de brigada o alferes ajudante de
infantera u. 3 Manoel Luis de Almeida.
4." brigada de infantera.
Ajudante d'ordens do coinmaudante da refe-
i ni brigadada o tenente de infauleria n. G
Ayres Ajigusto d'Olivrira.
Ajudante de brigada o alferes do inesmo
corpo Francisco 'te Paula Urandeiro.
Archivista da 3." diviso militar Augusto
Ernesto i .ni.....
Para servir no estado-maior de S. Exc. o
marechal do exercito duque de Saldanha o
major de alilharia Antonio Icrnandes Cama-
dio, eo major de cavalaria Jos de Vascon-
cellos Correa.
Addido repartitao do quartel tueste gene-
ral o tenente de infantaria Juo da t unha Pin-
to e o tenente de engenharia Antonio Ferreira
da Rocha Gandra.
De orden de S. Exc. o marechal do exercilo
duque de Saldanha, pela reparlicao do quattcl
inestre general se previne a todos os Srs. coni-
mandantes de brigadas, de corpos, e chefes
de reparlices civis ; l. Que levero rrincl-
ter a esta reparlicao urna rrlaco de ell'ectivi-
dade de todos os ofliciaes, e inais empreados,
coiii todos os esclaiecimeiitos precisos. 2"
enviar relceles em tiiplicado repartidlo lis-
cal, devrndo a doptar-se para cis suidos o mo-
delo junto, c para os prets as retacos pm
quinzenas, conforme se pratiei u cm l i'i e 47
na divisao de npeaces. 3 Que as racVs
d'etapes e vemimentos sao abonados a todos
os corpos c mais individuos pcrtencenles ao
exercito regenerador, e que teuham a ellas di-
reito a contar do I." do trrenle mezdc inaio
1 m diante.
(Assignado/O ajudante general D. Miguel
A menee.
nistrador.
Do Observador, de Colmbra. de 10 de meio.
diario m PRiumco.
BTOir*, 4 DB JUNHO DE 1851.
Ilojc aosahir para a liahia o hiale nacional
Carolina, na occasiao em que bordejava no La-
meiro, por causa do temporal que tazia, ap-
proxhnou-se multo do 41 recife em um dos bor-
dos que deu, e sendo abrigado a fundear abl
para evitar o perigo, succedeu desgracadamen-
te faltar-lhe a amarra, e arrojado com violen-
cia pelas ondas despedacou-se contra o mes-
no. Apenas porm deu fundo ohiate, a capi-
tana do porto e os navios de guerra acudlrain
tao promptainenle com ossoccorros necessa-
rlos, que consegulram salvar toda a tripolaco
e passageiros. Inclusive enanca-, de pelto, par-
te da carga e da bagagem d'aquelles, aentindo-
se nicamente a penla da Francesa Bei teaux,
directora da companhia, que ha pouco traba-
lliou nos Ihcatros de Apollo e San-Francisco
desta cidade ; a qual escapando em o anno pas-
sado da febre amarella, que vlctiinou urna
grande parte damesma companhia, veiofnal-
mentc, como por uin destino lnexoravel, a pe-
recer em um naufragio, qu.indo della sabia pe-
la segunda Tea.
O corpo da nfelii foi transportado para a
enfermarla de marinha, onde os doutores S
Pereira, Muller e Vital de Oliveira flzeram ap-
plieacao da machina galvnica, c as competen-
tes insulacocs, sem que podessem conseguir
resultado alguui.
Hilado maior general.
Altcadendo aos valiosos, relevantes e im-
portantes servicos que, causa da naco, do
throno e da liberdade, prestaran) o batalho
de cacadures n. 9, os regimentos de infantaria
lis. i e (i. que faziam a guarnico desla cidade,
assiin como a sua guarda municipal, na noite
do da 24 do correnle ; e aos que igualmente
praticaram o batalho de cacadores n. 7 e in-
fantaria n. 8 ; parle do regiu.ento de lanceiros
da rainha, c infantaria n l(i, concorrendo to-
Santoi,
Os porta-bandeiras do regiment de Infan-
taria 2, Joao Augusto Guedes Qulnhoncs c Ma-
noel Ferreira de Carvalho ; os sargentos aju-
dantes Antonio Jos Cardozo, Manocl Joaquim
Cardozo e Manoel Joaquim Correa de Lacr-
ela ; o primeiro sargento quartel mostr, An-
tonio Villas-Moas Salgado ; os primeiros sar-
gentos, Antonio Augusto Pereira de Azevedo,
Jos Manoel de llarros, os porta-bandeiras do
regiment de infantaria n.b, Francisco de Pau-
la Rrandeiro e Joao Cabral de UriloSoares de
Albergara ; os primeiros sargentos ajudantes,
Jos Maria Gaspar c Jos Joaquim Xavier de
Souza Guimares ; o sargento quartel-mestre,
Jos Miguel, e os primeiros sargentos Antonio
Filippe Chaves, Carlos Augusto Correa de La-
cerda, Antonio Leile Mendese Jos Mara Fer-
reira de S, Henrique Rorges Povoa, Jos An-
tonio de Nobrega. e Gaspar Lelte Ribelro.
Declara-seque fie im em disponibllidade os
capilaes de infantera n. 2, Rento Jos da Cu-
nha Vianna, e Jeronymn Alvos Guedes.O aju-
dante-general, Miguel Almenes.
Estado motor general.
Tendo em consideracao as informaedes ha-
vidas do commandante do batalho de caca-
dores n. 9 em rolaco difl'crcntcs pracas de
prel do ni is in i > batalho que se acham presas
das quaes uuias por crimes leves e muras que
estao cumprindo sentenca de priso tempo-
raria, c est quasi a terminar ; em nome da
rainha determino que as mesmas pracas de
pretque constam ua relacaojunta sejam in-
dultadas, e como taes possam entrar de
prompto no servico. O que communico ao
conselhoiro D. Miguel Ximencs, ajudonte ge-
neral para que de conformidade expeca as or-
dens convenienles. Quartel general no Porto,
em o l. de ni.uo de 1851.Duque de Saldanha.
Em nome de S. M. a rainha determino que o
governador civil de Itragn, na quilidadc de
Clavicularlo do cofre central do districto d
(inmediato cumprimenlo na parle que Ihe
rmpele a todas as ordens sobre fundos que
forera expodidas sobre aquelle cofre. Quartel
general no Porto, cm i do maio de i '-."n -Hin/iir
de Saldonha.
Idntico para o thesoureiro pagador de
Braga.
Idntico para o governador civil e thesourei-
ro pagador de Vianna.
Est conforine.--t'ar/j| da Silva Maya, secre-
tario civil.
O Comineado do Porto e o duque de Saldanha.
Kolire duque de Saldanha. A dircecu da as-
sociaco t'iimmercial do Porto tem a honra
de patentiar na presenca de V. Exc. seus pu-
ros e leaos senliuientos de verdadeiro jubilo
vendo dentro dos muros da cidade leal o mais
antigo, o mais slrenuo e constants defensor do
cdigo sagrado que nos outorgou o malar
dos Reis que tem empunhado o sceptro de
Aflboso Ilenriques ; o baluarte inexpugnavel
contra o qual se tcem qu< brado quantas ten-
tativas o despotismo tem feito para derrubar
um Ihrono que vos tendes mais de urna voz
reconquistado para a excelsa lilhade D. Pedro
IV. A nossa virtuosa rainha,
Se a diroeco da associaco conminercial do
Porto tivesse seguido somonte os inpulsos do i
coraco teHasido a primeira corporafo que jSdeo,*Dlllo assignadoa.severar, que por di-
se .houvene congratulado comvosco polo xito M cartas ?ntrfg,a a esse maligno ho-
fehzdonobreopairiolicopcnsamentoqucvos :.";"% ..', ra,.S... 4.i.mlM.. .
imprlliu a deseinbainhar mais urna voz essa
vleme espada, terror dos despotas, e Egide
segura do throno constitucional. Se outro
motivo nao tivesse movel-a-hia a gralido:
equipigem 13, cirg bicalho ; a James
Crabtree & Companhia,
Obterva(Be.
Obrigue brasileiro Algrele, capililo Ma-
nocl Pereira Janlim, tendo sabido no dia 2
docorrentP, para o Rio Grande do Sul, en-
trou desarvorado.
hiate braaileiro Amelia, tenrjo sabido
hoje para a Babia, arribou com avaria feila
fra da barra.
O hiale brasileiro Carolina mestre Ma-
noel Antonio Leilflo, tendo sabido com des
tino Babia, deu a costa sobre o arrecife,
poucas horas depois da sabida, salviindo-se
a IripulacSo e pass>geiros, menos a fran-
caza Uertaux, direrlora da companhia gi-
nastica do mesmo nome.
IL'JJII-A'll
ConespondfMicia.
5r. redactores. Nao tendo o aballo asslg-
nado oblido de sua lia D. Joanna Francisca Ma-
ciel Montciro orhhiuu esclarecimento acerca
d procuraco bastante que diz existir emscu
poder, de sua mulher D. Maria da Conceico
Maeiel Monteiro, revogando uina outra que o
abaixo assignado tem, e nem inesmo mandn-
ti-.-ins 11 vi i Mu- por este jornal, como se*Ihe
pedio, para tirar-se certas duvidas, e vista
do silencio pela dita sua lia apresentado, est o
abaixo assignado convencido de que tal procu-
rarlo nao existe, e que se rior acaso ella por
aqu existi, teve de voltar outra vez para a ci-
dade de Lisboa, visto que dita sua tia nao se
quiz della incumbir; porm o abaixo assigna-
do est convencido de que esse annuncio apre-
sentado pela ni na sua tia, nao he um Tacto
que fosse propiamente della dirivado, mas
-un de nina mo maligna e traicoeira, que sou-
be por bastante lempo locuplelar-ae por certas
ai iiiiianli i-, de algumas ir.m- ucoi-s do abaixo
assignado, c que nao conlcnde com isto, anula
procura entrigar-ine para com mlnha tia, afim
della romper em annuncios taes, que revellam
de mais a vida particular de urna familia ; de-
ve porm saber a mesma minha lia, que esse
instrumento de que se valra para me derru-
bar, he inteiramente nullo, e s delle se aerve
aquelle que leem o desejo de uina viuganca
mu pequenina e que emquanto ao facto da
distituico de meios de sua mulber em Lisboa;
EDITAL.
O Illm. Sr. inspector da tbeaouraria da
faienda provincial, em cumprlmento da or-
dein do Exm. Sr. preaidente da provincia de
ludo corrente manda fazer pnbllco, que nos
dias 3, 4 e 5 de junho do corrente anno Ir
a praca pcranle o tribunal administrativo da
mesma thesouraria para ser arrematado a
qucn por menos fizer a obra dos reparos a fa-
icr-se no Atierro dos Afogados ou ra Im-
perial, avallados em 3:520,000 rs. e sob as clau-
sulas especiaos abaixo declaradas.
As pessoas que se propozerem a esta arre-
mataco comparecam na sala das sessdes do
mesmo tribunal nos dias cima mencionados
pelo melo-dia competentemente habilitados
na formado artigo 24do regulameoto de 7 de
malo de 1850.
E para conatar se mandn afflxar o presen-
te e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da faienda pro-
vincial de Pernainbuco, l3 de maio de 1851.
O secreta rio,
Antonio Ferreira d''Annuneiaeo.
Clausulas eipeeiaei da arrematado.
1.' Os reparos a faier-se no Alterrodos Afo-
sados, sero feitos do modo indicado no orca-
.....mu apresentado nesta dala a approvaco
do Exm Sr. presidente da provincia pelo pre-
co de 3:520,000
2.* As obras principia rao no prazo de um
mez, e concluir-se-ho no de quatro inezes,
ambos contados de conformidade com oa ar-
tigos 30 e 3i do rcgulamento de 7 de maio
de 1850.
3.' O pagamento aera feito em duas presta-
ces iguaes, a primeira quando tiver feito
melado da obra, e asegunda depois de con-
cluida.
4." Para tudo mais que nao est determina-
do as presentes clausulas, seguir-se-ba intei-
ramente o que dispoc o regulamcnto de 7 de
malo de is.'iu.
Reparlicao das obras publicas, 10 de abril
de 1851 director, Jiu/' Mawede Alvet Ferrei-
ra. Floriano Desere Portier. M. L. Mallos,
ajudante de engenheiros. Approvo. Palacio
do governo de Pernambuco, 10 de maio de
185l.--5oux mento do official-inaior.--O offlcial, Domingos
Jote Soare.Conforme.- O secretario,
_________ Antonio Ferreira d'Annuneiaca'o.
niriii de quem se conhava, determinava sua
vinda para esta cidade, e pedlo-lhcque qual-
quer quanlia que precisaste para seu supprl-
nicnlo Ihe houvesse de fazer saques, pagaveis
por esla praca, mas que o abaixo assignado
nao sabe, se esse hoinem prfido tambeni Ihe
desencaminharia as suaa cartas, e ellas dcixa-
r la ni de chegar as mos de sua mulher, que
nunca a deixou solt'rer privacrles, como hoje
se Ihe pretende imputar ; fcando a dita sua lia
certa, que emquanto nao riier publicar essas
ordens e procuraco, que diz ter de sua mu-
lher, nao ser acreditada, visto que dependen-
do ella de corto exame convm que o publico
saiba do que ella cuiitiu para onto lie.ir nul-
liicada a que tem o abaixo assignado, quando
nao esta continuar om lodo o seu vigor como
at hoje. Recife, 4 do junho de i8.li.
Joao Oxori'o de Catiro Maeiel Monteiro,
'______________i
pois que s quando vs tondes dirigido o le-
me do estado que o corpo do coinuiercio tem
acbado quem 0119a seus quexumese acuda
solllcltoa preslar-lhc apoio a seus constantes
sforcos pelo desinvolvimenlo da publica
prosporidade,
Os nossos estatutos que nos vedam a discus-
*o poltica nos Impedan) que na apparencia
fossenios os primeiros ; mas se cm corporaco
s agora o filemos, individualmente ja cada
um de nos leve a ventura de se congratular
oomvosco.
Nobrea Ilustre duque de Saldanha : Multo
tendos j. feito na longa carrelra de vossos ser-
vicos patria, porem muilissimo mais denles
inda a faser, e queira a Divina Providencia
concoder-vos forca, c ella vos illuinine para
que salvis esta generosa nacao, que cm vos
leposita hoje toda a sua esperaoca,do ahysuio a
que a tem acarrotado a amliico infrene de li-
llios ingratos, e o odio concitado enlre Iruios
pelo desordenado espirito de exclusivismo que
tem sido quasi sempie a norma governaliva.
E quando. o nobre duque do Saldanha, tiver.
dos i 10. ido as bases para a publica folicidade
c consolidado aquellas sobre que deve assen-
tar o throno da rainha dos postuguezrs, c que
vnssas nnbrrs fadlgai vol-o permita, lembrai-
vos de que o 01 minercio c alvoura do vinho I.....m 1 para ler nesla cidade casa de cousig
sao a prlinelra fonle da nossa prosporidade nacao para compra e venda de escravns. Se-
agricola e cominercial, masque gome oppres- erelaria da polica de Pernambuco, 3 deju-
sa por um inaudito systema de roslricoes que. nho do lSb\.=*Jet-Teltei de Meneiei.
nao sc'i lolhe seu desenvnlvimento
Para o Rio de Janeiro segu viagem
com brevidade o patacho nacional Curioto,
capilSo Jos da Cunha Jnior, por ter parte
da carga engajada : quem no mesmo quizer
carregar ou ir de passagem, pule enten-
iler-se com o capilfio ira Prar;ar ou com o
consignatario Luiz Jos de Si Araujo, na
ra da Cruzn. 33.
Para o Ro le Janeiro m-mu-
viagem com brevidade o brigue nacional
Destino, recebe anda algunta carga fretc,
assiin como escravos, e tem bons coiumodos
para passageiros ; oa pretendentes se podero
dirigir ra da rnoeda n. 7, a tratar com
Leopoldo Jos da Costa Araujo.
__Vende-se urna lancha nova que pn-
ga de trinta a quarenla barricas, a a qual
se acha om perfeitissimo estado, bem co-
mo tres boles novos, tudo por prerjo com-
modo : na ra do Vigario, n. II, primeiro
andar. _
Vende-se o brigue denominado Yuto-
ra, de construcc3o brasileira, de lote de
187 toneladas, forrado de cobre e prompto
para navegar, com todos os seus perlones,
inclusives maioria dos escravos marinhei-
ros : quem o pretender, pode mandar exa-
mina-lo, fundiado noancoradouro da des-
carga da carne secca, e para se ajustar, na
ra da Cadeia do Recife n. 39."
.. Vende-se urna balieira, com seas per-
tences, inclusive tolda : na ra da Cruz no
Recife, arma/cm 11.13.
Segu em poucos dias o patacho nacio-
nal Cun/ui a, que pode anda receber alguma
carga e para laso trata-ae com oa consignatarios
Novaos a 0. na ra do Trapiche n. 34._______
Leiloes,
-- corretor Miguel Carneiro, far lellao
no dia quinta-felra, 5 de junho, a 10 horas
da manha no seu arinazcm, de diversos tras-
tes novos o com pouco uso; louca, vidros,
candielros, lntcrnaa, quadroa, espingardas,
pistolas de um e doua canos, relogios f outros
objectos que aero vendidos multo em conta.
Fox Brolhers faram lailflo, porinter-
vencSo do corretor Oliveira, de um perfeito
sortimento do fazendas inglezas as mais
proprias do mercado: sexta-feira, 6 do cor-
rente, as 10 horas da manhSa em ponto, no
seu armazem, na ra da Cadeia.__________
ajsj
Avisos diversos.
Declaratjdes.
Publicagoes a pedido.
A cmara municipal desta cidade contra-
ta, com quem mala dr, a deinolico da
casa de dous andares da ra Nova, n.
25, sob o lempo e condlco que forem
convenientes, ficandn o arremtame com
direito aos materiaes velbos. Os interessados
podem comparecer no paco da mesma cmara
nos dias II, l4 e l7 do correnle.
Perante a cmara municipal desta cidade
se ba de arrematar, quem mais dr, nos
dias ji, 14 e 17 do corrente, o imposto de
500 ris sobre cabeca de gado vaceum que
for morto neste municipio para consummo,
publico, calculado em 14:0O/0O0 ris; assim
como o dizimo de capim de planta' por tempo
de 15 mezes contados do 1 de julho prximo
futuro ao ultimo de seiembro do anno de
1852. Oa interessados podem comparecer no
I paco da mesma cmara nos dias indicados,
munidos de fiadores habilitados na fnua da
. lei, para serem admitiidos laucar. E para
' constar* ae mandou publicar o presente.
j Paco da cmara muniaipal do Recife, em
seu d.....vi iviini oio mas at
ameaca anniquilal-a. Muilas oulras necessi-
dades snflre o comineicio, c sobre ellas loni
esta associaco, que representamos, suppli-
cado dobalde ao governo de sua magostado,
haveinos do ver codo dirigindo os conselhos
Repartico da Polica.
dos da maneira inais positiva para salvar a na "''" Preslun"
tria oppressa.e aviltada sob o jugo do um ,m- "'""".pondeu aasegurandoque todo
Historio Inmoral ; e queren idar-lhe. Uin 2.**" d',Tel. ,",,rear,a cl" J<"cara con-
es.emunho aulrn ico d'o aproco que merece !*.?"' ?."*..nt$i,}*!"!St30. Cl>""""-
PARTE DO DIA 26.
Foram presos: a ordom do subdelegado da
de sua magostado o nosso protector e amigo, freguezia de Santo Antonio, a prela Dellina,
e tem o corpo do coinmercio a mais viva espe- escrava de D. Manan na de tal, por andar fugi-
ranca do sor atten.'.ido vendo raiar una era da; c a do subdelegado da freguezia da Una-
de prosporidade e de venturas. Vista, o pardo Antonio Machado, escravo de
Accoilae nobre duque ilc Saldanha os volos Miguel Archanjo Fernandes Vianna, por uso
que faz a direceo da associa;o comiueroial de faca de ponta, e o prcto Victorino, escravo
do Porto para que o Ceo ves oncha do folici- de Domingos Caldas Pires Ferreira, por crime
dade e vos conceda levar ao cabo os patriticos de ofl'ensas phjsieas.
projeelos que fazem palpitar esse nobre e leal I dem do da 27.
coracio sempre chelo do mais puro amor da] Foram presos: a orden do subdelegado da
'"W,a." j > a .or. .. I f'eguezla de San Frci Pedro Goncalves do Re-
Porto 2 de maio de 18.11. Horno de Maesa- cife, o Ingle* David, por lor sido encontrado
relias, presidnte.
apreco que merecem
os heroicos servicos por elles prestados : e
nonio de sua magestade a rainha, promovo im-
posto de alferes, as suas respectivas armas
oa portas bandeiras, sargentos-ajiidantes, sar-
gentos quarteis meslres e primeiros sargentos,
cujos nomes se seguem, devendo continuar a
servir, nos seus respectivos corpos al nova
collocacao. Quartel general no Porto, 30 de
abril de 1851 --Duque de Saldanha.
O sargento ajudande do regiment de in-
famara u. 8, Jeruiivino Pires Uoreira e 'os
primeiros sargentos, Luiz Antonio da Costa,
Jos Joaquim Ferreira, e Jos Teixeira de Mol
raea.
O primeiro sargento do regiment de infau-
laria n. 16, Francisco Ribeiro da Silva.
O sargento quartel mestre da guarda muni-
cipal, Antonio los Ferreira da Gama.
Por portara de 30 do correnle.
Tenente, o alferes da guarda municipal, An-
tonio Jos Ferreira.
For parlara da mesma data.
Alferes. de cavallaria do exercilo, continu-
ando na commisso cm que se acha o lente
da guarda municipal do Pono, Manoel Maria
Eloy da Cruz Sobral.
J?or parlara da mesma dala.
Separado da guarda municipal do Porto o
tenente da mesma, Antonio Jacii.iho Dias.
Par portara da mesma dala.
Alferes o primeiro sargento ajudante de ca-
vallaria n. 2, lanceiros da rainha, Antonio Au-
gusto Affonso, e o primeiro sargento do mesmo
regiment, Joaquim Dias da Silva.
Os primeiros sargentos de cacadores n 9
Joaquim Lopes Gulniaraca, Jos Rodrigues de
C'arraibo, Juaquiui Joae i'erraz, Manoel Ait-
cial, e-as siinpathias de que linha recebido
taro evidentes montraedes.
Foram demlttidos por ordens emanadas do
duque Saldanha no dia de hoje os seguinles
individuos :
llernardo Antonio da Silva Andrade do car-
go do secretario do governo civil de Coimbra :
Caelano Jos Pereira de Abren e Sousa, do de
1." ollkial Florencio Jcs da Silva Jnior e
Antonio Augusto MoraeseSonsa, e os amanu-
enses Jos 11 iin 1/ de Coinpos Malo e Jos
d'Alineida Molla.
Foram nomeados para os seguinles ctrgos :
Joaquim de Rocha Pinlo, bacharel formado
em direilo, e bacharel em malhemaiica, para
o cargo de secretario gcral do governo civil de
Coimbra.
Joao Amonio Marques do Amaral Cuerra
para segundo official do mesmo governo civil-
Foram demiltidos os escrives da adminis-
traco do conselho de Coimbra Joao Ferreira
Rodrigues Pinho, c Adriano Mximo Vaz.
Fol demillido o administrador da Villa da
FiguriradaFozde Mondogo Joao Pedro Fernan-
des Thomaz. e nomeado para o substituir Joao
\ 11-1 lio o d 1 Silva Soares e Meuezes.
Foi deinitiido de administrador do conselho
de Monte-inoro Velho Francisco Antonio Mel-
ro, e nomeado para o substituir o bacharel
Francisco Maria de tirito Caldas.
Foi nomeado para Interinamente exercer
o lugar d'administrador do conselho da Loui
durante o impedimento do actual, Aulonio
Jos Carvalho Montenegro.
Foi mandado entrar em exereicio o snbstslu-
lo do administrador do conselho de Pena Cova,
O dczenibargador Jos Telles de Menozes'
cavalhoiro da ordom de Christo, e chefe
de polica Interino, por S. M. Imperial, sessao de 3 de junho de"ti*.-^os Camello do
que Dos guarde &c. fl, ., pro presidente.ManorX Ferreira Accio-
Altondoiido ao requerimento de Jos Vieira ', secretario interino.
de Figueiredo, ao ter elle api escotado a fianca Monsieur le giran! du consulat deFrance
exigida pelo art. 2 do regulamento n. 151 de e fait un devoir de temoigner hautemenl
ti de abril de 1842, mandado observar m-si.i ., reconnaissauce aux personnes qui avec un
e provincia polo art. 35 $ 10 da lei provincial, louable empressemenl ont souacrit pour la
-!n. LO de 2 de maio le IM4, concedo-lhe malhereuse faimlle Rerteaux, et il a l'honneur
de prevenir celles qui n'ont pas pul souscrire
et qui desireraienl le faire, que demain el
les jours suivants une liste de souscripllon
acra placee dans le local de l'associalion
commerciale ou elles pourront aller se taire
inserir. Pernambouc, le 4 juln 1851. Le
gerant du cousulat de ?rauce=Falqet.
De ordem do Illm. Sr. inspector da the-
souraria de la/rnda, se faz publico que a
ultima praca d'arrematacao do sorvico da ca-
pa la/ia d'alfandega, ter logar no dia II do
correnle. Secretaria da Iheaourarla de fazen-
da de Pernambuco, 4 de Junho de tibt.Igna-
cio dos Sanios da Foneeea.
COKKKIO.
Expediente da administracSo geral para a-
gencia de Olinda.
Um ollieio Un ebefe interino de polica, ao
delegado.
Junho, 4 de 1851.
Pela segunda seceo da mesa do consula-
do provincial se annuncia, que do dia primei-
ro de junho do corrente anno, ae principia a
contar oa3o dias para o pagamento a bocea do
cofre da decima dos predios urbanos dos hair-
ros desla cidade e povoaco dos Afogados, e
que todos os propietarios que deixarem de pa-
gar no indicado praso incorrerao na mulla de
tres por cento, e sero de prompto execulados.
~ A quem convier o encarregar-se da
d 'iiHilie.ao o compra dos materiaes do so-
brado de dous andares da ra Nova n. 25,
que tem de ser demolido, se poder* dirigir
aos vercadores Jos Pires Ferreira e Manoel
Caetano Soares' Carneiro Monteiro, alim de
tratar o proco e prazo dentro do qual deve-
la ser feita tal nemolieSo.
Perante o conselho da administracSo naval,
tem de conlratar-se a compra de 50 alqueires
de larmlia de mandioca de primeira qualidade
para fornecimento dos navios armados e hos-
pital ; por isso convida-se aos que interessarem
eiu dita venda,comparecam na salladas scsses
do inesmo conselho as 12 horaa da manha do
dia 7 do correnle com suas proposlas declaran-
do o ultimo pieco, e as amostras ; nao se ad-
mittindo as proposlas cujos cencorreoles nao
se achem preseules.
Sala das aessdes do conselho da administra-
io naval, 3 de junho de 185l.~ Chriilovdo S-
Jago de Uliveira, secretario do conselho,
com una pistola carregaeja ; e a do subdelega-
do da freguezia da lloa-Visla, Jeaquin Fausti-
no da Franca, por dosobdiencia.e Luiz Gonza-
ga, seiu deelaraco do motivo.
COSvIWERCIO,
AI.FAINDKGA.
Ilendimento do da*......17:725,818
Descarregam hoje 5 de junho.
Rrigui dinamarquez Hennelt merca-
dorias.
Rarca dinamarqueza Waldemar idem.
Sumaca liisiWira ~ Carlota o rotlo.
CONSULADO 1.1:1; W..
Ilendimento do dia I a3. 2:942,657
Ideui do dia 4.......... 207,433
DIVERSAS PROVINCIAS.
Rendimento du dia t 3 .
dem do dia 4 .*......
3:150,092
485,275
65,691
550,966
RrXEUF.DORIA DE RENDAS GERAKS
INTERNAS.
Rendimento do dia 4..... 271,306
CONSULADO PROVINCIAL.
dem do da 4. ."'.....1:369,095
Moviineiito do pono.
iVaiiio enliado no dia 4.
o bacharel Rodrigo Antonio d Carvalho, em Terra Nova 39 dias, barca ingleza Crmor,
logar do bacharel Accurcio dos Santos Viegas, j de 208 toaelladas, capitao Tilomas Kemp,
Avisos martimos.
Pitra a lialila.
Segu com brevidade a escuna nacional
tdelaide, de primeira marcha, forrada e
encavilhsda de cobre, por ter parle do car-
regamento : quem o restante quizer carre-
garouir de passagem, queira dirigir-se a
ra da Cadeia do Recife n. 56, loja do Sr.
vital.
S3o convidados os Srs- logistas de fa-
zendas, instaladores da AssociacSo Com-
mercial desta classe, para se reunirem, em
o dia sexta-feira, 6 do corrente, as 3 e meias
horas da tarde, no primeiro andar da casa
n. 13, na ra da Cadeia de S. Antonio, pa-
ra ah lhes serem apreseolados os estatutos
quehSo dereger e dita AssociacSo. Reci-
e, 3 de junho de 1851. Manoel Floreneio
Alvet de Moraes, presidente. Antonio Luiz
dos Sanios, Io secretario.-- Jos Moreira Lo-
pes, 2." secretario:
I>rocis*ao do Divino Espirito
Santo.
A mesa regedora da irmandade do Divino
Espirito Santo, tencionando expdr vista dos
fiis, no dia 9 do corrente, o emblema do
seu Divino padroeiro na accao de descer
sobre a virgem Santlsaima e oa Santos apost-
los, val rogar aos moradores das ras abaixo
mencionadas hajam de mandar limpa-las;
cerlos de que a proclssao nao tranaitar por
aquellas que nao esliverem devidamente Um-
pas e aceiadas. Ra da Cadeia de Santo An-
tonio, em direceo .do Recife, tomando o
becco da Cacimba e o principio da ra do
Encantamento, a aabir na ra do Vigario,
largo do Corpo Santo, ras do Trapiche, I.in-
goeta, Cruz, Cadeia do Recife, Crespo, Ca-
liug.i, Nova, Flores, Camboa, largos do Car-
ino e de S. Pedro, ras Direita, Livramento,
Queimado, Cruies, a rccolherpela de S. Fran-
cisco, Outro siin ; a mesa adverle que os me-
nino* que lein de vestir-so para figuras de-
vem acbar-se no convenio de S. Francisco,
s 9 boras da manha d'aquelle dia, e os
irmos que tcem de dar anjos devein compa-
recer com elles s 2 e l|2 da tarde, visto que
a proclssao tem de sahlr s 3 iupreterivel
mente.
AVISO AO PUBLICO.
Na botica da ra do Collrgio, de Pelioto Jt
Pinto, he onde se veodem tao smente as
verdadeiras e bem conceituadaa pululas para
bobas, cravos seceos e dores, por mala anti-
gs que sejam, cujos bons efleitos conlessam
todos que tem feito uso dolas; composico
do fhannaceutico Scbastiao Jos de Uliveira
Macedo, o por elle ainda rubricadas; e para
couhecimento do mesmo publico, principal-
mente de algumas pessoas que nao estejaiu
ao alcance o conhecimento das verdadelraa;
se faz publicar por mais algumas vetes para
nao serem illudidos por oulros avisos, e que
de seu uso nao tiverein effelto algum.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado
n. 13 da ra do Vigario : na ra do Amorim
n. 15.
Do dia 2 para 3 do correnle, ausenlou-se
da Ponte-d'Uchoa, para onde linha ido com
urna canoa de lijlo, um pelo canoelro de
nome Joaquim, na$o Cacange, de catalura
regular, representa ter 25 annos de idade,
cara redonda e cor um pouco fulla, nariz cha-
to mas lodo repudiado em roda que parece
ler aido queimado, porm be defelto de bexi-
gas, das.qoaes inda tem bastantes slgnaes em
todo o rosto, (em pouca barba, e he quebra-
do das duas verilhas; levou calca e camisa
de algodo de fra e chapeo de palha: roga-
se ponan lo a todas as autorldade pollclaes e
capilaes de campo o favor de o mandarem
capturar e entregar na ra do Rozarlo larga,
padaria n. 18, que se gratificar generosamen-
te a quem o trouxer.
- Aluga-se una cata terrea com soto,
na ra Imperial n. 171, com coininodos para
grande familia, uin grande quintal com uina
boa planta de capim: para tratar no pateo do
Carino n. 17, e para ver a chave cata na casa
parede e meio.
D-se tretentos mil ris, premio, sobre
penhorea; na travesa do Veraa n. 24.
Deappareceo, na nonte do da 3l do pas-
ladn, do engenho Samo Andr, na freguezia
de Una, o preto crioulo Joao Mariano, de sapateiro, comprado a Jos da Fonceca e
Silva, a 19 de feverelra detle anno, com os
signaes seguinles : tiendo no olho eaquerdo,
diz elle que proveniente d'um couce de ca-
vado, e pelo que tem uina sicatriz ua extre-
midade superior do nariz, do mesmo lado
esquerdo ao p do ouvido para traz da orelba
tem outra cicatriz longa e bem saliente, cara
larga e bexigosa, fornido do corpo, de altura
regular, e ter 30 annos, pouco mait ou me-
nos, levou do inesmo engeuho um quarto
em que foi montado, caalanbo andrino, boni-
ta figura, grande, carnudo, castrado, p di-
reilo calcado, com 1 marca -P- na pi esquer-
da: roga-se s autoridades policiaes e capi-
laes de campo a aprehensao, e levando-os ao
supra dito engeuho ou no Atierro da Hua-Visia
n. 36, que sero generosamente recompensa-
do. Este escravo foi visto passar no engenho
S. Paulo, em Serinhaem, no dia inmediato.
onde he condecido de mu tos, por Joo Piloto,
Precisa-se de urna ama para o servico
de una casa de pouca familia: na travessa
do Corpo Santo n. 27, sogundo andar.


*w
'm1!1.1..
Lotera da matriz da Boa Vista
As rodas desta lotera deliaram de ter hon-
1rm andamento, romo ae havia annonclado,
por exlatlr mala de doze conloa de ria em
bilhetes por vender. Em consequencia.dea-
te motivo mu justificativo, Col novamente
designado o da l2 do corrente mz para o
referido andamento, aeja qual for o numero
de bllhetes que anda restar. O respectivo
tlieaourelro eapera que os amadorra deste jogo
concorram a comprar ease resto de bilhetes,
que novamente sao ctpostos ,i venda nos lo-
gares do rosttime, tendo attencao a que o
novo da designado he o da vrspera do mi-
lagroso Santo Antonio, em que ae pdem rea-
lisar aorlea mu felizes, e por corisegulni
grandes venturas.
Precita- se alugal 'urna negra para todo
o servlco de urna casa de pouca ramilla, na ra
Ja Cadeia do Recife n. 36, loja.
= Desapparecen no dia l de junbo corren-
te de bordo do brlgue Flor do Sul o preto mi-
Tnhelrode nome Caetano, nacao Angola, ida-
Je 24 annoa pouco mais ou menoa, estatura
ji.iix.-i, corpo regular, levou vestido carniza e
calca de aigodao azul: rogase a captura do
ineamo, e leva-lo a bordo do dito brlgue, ou a
ra da radcla n. 39 eacriptorio de Amoritn Ir-
xnaos que ser generosamente recompensado.
Quem precizar de um caixelro para co-
branza, ou para tomar conta de urna venda
por bataneo; do que tem bastante pratica dl-
rija-aea ra de S. Francisco n. 33.
Roga-se ao Sr. Joaquim Florido Fer-
nandes Lima, que declare sua morada para
ser procurado.
Na Praca da Independencia, livraria n
oes, precisa-se fallar o Sr. Jos Corris
de Mondonga.
O Sr. academi o Claudino dosSantoi
I.al, queira apparecer na ra da Cadeia Ve-
llm n. 33, que se Iho desej fallar, rom
urgencia.
Preclsa-ae de um moleq te crioulo, por
compra ou alugado, que aaiba alguma. couaa
de cozinha e que aeja liento dos seguintes
vicios: fujo, ladra o, bebado e jogador; quem
tiver um sem estes achaques e com aquellas
habilidades, dirija-ae ra do Rozario larga,
n. 18, que achara com quem tratar.
- Roga-se ao Sr. I)r. Honorio Fiel de
Sigmaringa de Vascurado, que se acha ho-
je advogando etr Goianna, que mande pa-
gar a sua lettra que se acba vencida a mi-
no e mel, o qual nfio ignora aonde :
em quanto o nlo fizer ha de ser lembrado.
= O Sr. Francisco Antonio da Silva da ra
do Rangel, queira mandar pagar a asignatu-
ra deste Uiario, e emqnanto nao o zer ver o
aeu nome publicado em lettra redonda.
tmmm&mm a mmmmm.mmmm
Na ra do Arago, n. 12, segundo andar,
sedeseja ai bar se he vivo, onde mora um
rapazinho de nome DamSo, filho de Ange-
la de tal, e nelo do velho Antonio Lupes
Mangaba, da cidade do Natal, o qual rapa-
zinho anda ha poneos annos aprenda o of-
iicio d marcineiio, em urna oflicina desta
cidade.
WMW*W|MW WmmmFWmm
Anda ae precisa alugar urna preta
cscrava, para fazer o servlco nter, o de urna
casa de pouca familia: quem a tiver dirija-ae
ao porteiro d'alfandrga desta cidade.
All slico.
0 abaixo assignadj, morador as Cinco
Portas n. 4, faz publico a lodus as pessoas,
que tiverem penhores em sua rasa, os res-
gate at o lim do corrente, do contrario
serSo vendidos para seu pagamento e faz o
(rusente para sua rossalva.
Vanoel Joaquim Pinto Machado Cuimardes.
ATTENCAO'.
Madame D'alairac roga pe-
la ultima vez aos scus devedo-
uiuma vez
res, de terem a bondade de Ihe
pagaren*! suas coalas, no seu cx-
botequim da ra Nova, poisalm
di muita contemplacSo que tem
tirio, linda espera at ao dia 7 do
presente mez, devendo no dia 9,
sem mais contemplado alguma
apparecercm neste Diario os no-
mes de todos os Sis., que lhes nao
quizerem satisfizer.
0 abaixo assignado, participa a quero
convier, e particularmente aos seus fregue-
zos, que tnudou a sua loja de miudezas, da
ra do Queimado, para arua dosQuarteis
n. 24, onde os seus freguezas acharam cons-
tantemente, um completo e variado sorti-
inenio de miudezas, de todas as qualidades
e das melhores que pode liaver neste gene-
ro, e por presos rasoaveis; assim como faz
vur, que o Sr. Jo.lo Chrisostomo de l.ima
Jnior, doixou de ser seu caixeiro, desde o
dia 31 de maio p. p. Jos Din* Simes.
&OQOOQQQQ OOOOOOOOO
O
O
o
o
o
o
Rita las Cruzes 11. 28. Q
Consultorio homaopathieo do faculta- 0
livo J. B. Catanova. g
Gratis para os pobres.
Na ausencia do facultativo J. B. Ca- |?
aauova, o professor bomoeopatha p;
Gosset Biroont continuar com os O
O trabalhos do roesmo consultorio, on- O
O de poderi ser procurado a qualquer O
O hora. O
OOGOOOOOOOOOOOOOOO
Precisa-se de um caixeiro, que tenba
bastante pratica de venda, na ra Direita n.
53, venda de Manoel llotelho Cordeiro.
Aluga-se um pequeo aitio, com boa
caaa e agua de beber, e baatantea arvorea de
frucio, e parreira de uvaa ; no principio da
eatrada doa A111 icios ao p do Manguinho:
os pretendentes fallem no largo da Trempe,
sobrado ni, que tem venda por baixo.
Manoel Antonio Teixeira, vai a Uahia
--Os Su. Itothe & Bidoulac fazem scien-
te. que oiudaram o seu escriptorio, da ra
ilo Vigario n. 4, para a do Trapiche n. 14.
Na ra das Cruzes n. 40, lia bichas
amburguezas das ultimas que vieram ao
mercado, para se alugar e vender-se, lano
por junto, como a retalho.
O abaixo assignado vendo no Diario de
28 de maio prximo passado, na parte da po-
lica, outro de igual nome, prezo pelo ir.
subdelegado da Boa-Vista, declara ao publico
que se nao emende com sigo; e pede ao inea-
mo Sr. para que mude o seu nome, vislo que
o abaixo assignado nSo o pode fazer, em razo
de catar ligado a transacedes antigs.
Joaquim Vertir de tlcndonrn-
Casa de comtniss&o de escravos.
Hecebem-se escravos para se-
rem vendidos tanto para fra ,
como para dentro da provincia ,
com prestesa e seguranza aos mes-
mos : na ra da Cruz do Hecie
Da 6.
Precisa-ae de um caixeiro para venda,
de idade de 12 a 14 annoa, na ra Direita
n. 95.
Na l'ra" di Independencia n. 17, exis-
te urna carta vind'a do Rio (raudo do Sul,
para o Sr. Manoel Ferreira Kscov.
O Dr. Prasedcs Gomes do Souza P-
tanga, encarregado do hospital regimental
a cargo do 1 batallifio de infanlaria, ron-
vida a quem fe julgar habilitado romo bar*
ln irii, para se contratar para o servido do
mesmo hospital, hem como a quem queira
contratar a applicac.lo de saoguexugas pa-a
o mesmo estabelecimento devendo ah
comparecer at o da 10 do corrente.
Precisa si arrendar om sitio rerto
desta praca, que tenha boa casa para fami-
lia, baixa para capim, nSo se pina duvida
em se dar adiantado um anno de aluguel :
quem tiver, annuncie, para ser procurado.
No dia 7 do corrente, fin !:i a audien-
cia do lllm. Sr. Dr. juiz municipal da se-
gunda vara, se ha de arrematar, um sobra-
dinhn de um andar, sito no becco Tapado,
avaliado em 800,000 rs por execucao de
Avrial Irmilos, contra Manoel Ferreira Ra-
mos, he a ultima praca.
O abaixo assignado participa ao respei-
tavel publico desta cidade que, no dia 22 de
abril do corrente anno, comprou, ao Sr. Grc
gorlo Franciaco daaChagas, a loja de funilci-
ro que o mesmo tinha na ra Direita n. 23,**
livre a desembaracada de toda e qualquer di-
vida contrallla pelo dito Chagaa; e por aso
faz publico para que pessoa alguma se iluda
visto constar ao sbaixo assignado que u dito
Sr. Gregorio tem lito que a loja ainda Ibe
pertence, pols o mesmo por aua livre e espon-
tanea vontade ficou trabalbando na dita loja
como ollici.il. Jo Dominguet Pereira.
\i>\ iilaili .
Vicente Jos de Brito, uolco agente em
Pcrnambuco de. A. B. Y. D. Sands, chlinico
A'neiicauo, faz'publico que tem chegado a
esta praca Ulna grande porcao de frascos de
salsa parrllha de Sands, que sao verdad, ira
mente falsllicados e preparados no Rio de Ja-
neiro ; pelo que se devem acaulelar os con-
sumidores de to precioso talismn de cahir
neste engao, tcmendo as funestas consequen
cas que sempre costumam trazer oa medica-
mentos falsificados e elaborados pela mao d'a-
quelles que antepoem seus interesses aos ma-
les da buinanldade. Portanto, para que o
publico se possa livrar desta frande, e distin-
K a verdadeira salsa parrillia de Sands da
falsificada e recenteinenle aqui chegada, o
annunciante faz ver que a verdadeira se vende
nicamente em aua botica, na ra da Con-
ceico do Recife n. 61, e, a bem do receitua-
rlo que acompanha a cada frasco, ter em bai-
xo da primeira pagina su nome impresso,
se achara sua firma em manuscripto sobre o
i ovo I lo rio impresso do mesmo frasco.
SORVETK.
Todos os dias, de 6 horas da tarde em dian-
te, na ra do Passeio, n. 19, menos as min-
ies envernosas, e as em que bouver espect-
culo no Apollo.
Paulo Galgnoux, dentista *
** francez, offerece sen prest- 9
9 nio no pulillco para todos os *
* misteres de. sua pronssfto : *
<# pode ser procurado a qual- 9
quer liora em sua casa, na
* na larga do Rozarlo, n. 3(i, (
? segundo andar. ?
O estabelecimento de bancos, bem dirigidos,
tem-se geralmenle considerado de vanlagem
sumina ; pois que, tomando activa e produc-
tiva una grande parle de capilaes deaempre-
gados e inactivos, augmenta a Industria, offe-
rece drsinvolviuiento ao trabalho e facilita o
movimenlo do coinmercio c nperaces de cam-
bio. To profundamente, tem aido recoDhe-
cida, a neceslidade de organisacao de bancos
no Brasil, que mullas provincias us lem podi-
do estabelecir.
No Rio de Janeiro fundou-se ltimamente
o banco do Brasil, para deposito e descont,
devendo ser o seu capital de dei mil conlos
de ris, divididos em vinte mil acedes de qui-
nhentos mil ris cada urna, com duracao de
vlnte annos, contados da approvacao dos es-
tatutos pelo governo e pelo seu plano e direc-
cao ; oft'erece toda a garanta e utilidade que
se deve esperar de lao grandioso estabeleci-
mento. O conselho de direccao do dito banco
tendo em vista estender a influencia e benefi-
cios a esla provincia, resolveo substar allj,
em aceitar mais asslgnaturas, com a intenco
de aqui liaver quem queira subscrever al
mil acciJea; e deala manelra haverrm mais
nteressados, e estea poderem auxiliar para o.
bem commum e geral.
Em cunformidade do que. e da deliberacao
do conselho de direccao do dito banco, toma-
da sobre ideias apresentadas por dous nego-
ciantes do selo da inesma direccao, o presi-
dente, o Sr. barao de Ipanema, e o secretario
Sr. Irenco Evangelista de Souza, fzeram a
subida honra de autonsar oa abaixo assignadoa
para annunciarem a venda nesta provincia das
ditas mil accfles, para o que inarcam o praso
de quinte dias, que a primeira vista parecen-
do pequeo eremos ser maia que aufliciente,
quando nao ser necessario,entrar desde logo
com o capital que se subscrever; e sim em
prestaedes como ordenam os estatutos, que
sern apresenlados, e foram puhircados no
Jornal do Commtrcio, n. 98, de 9 de abril de
1851. Tal retoluc.io tem em vistas inleressar
os habitantea desta provincia, e proteger tan-
to quanlo for possivel aeu coinmercio epros-
peridade, mrmente devendo acredilar-ae,
que ha na praca do Ro de Janeiro moitas
peasoas que nao poderain ol>ler asslgnaturas
para accioniatas, e por conaegulnle fcilmen-
te all serao vendidas as que aqu o nao fo-
rfin.
As vantagens da instltulcao, a circunstan-
cia de os directores do banco do Brasil, fun-
dado no Rio de Janeiro, movidos pelo bem
publico, mostrarem o apreco e interesse que
tomam pela prosprridade da provincia de
l'ernambuco sao, alin de outras raes, mais
que sufficienles para confiar-ae que os habi-
tantes della mostrarao quanto desejam o incre-
mento do coinmercio e lnduatrla e a prospe-
rldade publica. Todas aa pesaoas nacionaes
ou estrangeiras, que pielenderem ser accio-
nistas, e queiram aqui subscrever, sao roga-
das a diriglr-se ao escriptorio dos abaixo
asslgnados, na ra da Cadeia do Recife, n.
39, todos os dias uteis. Recife, 30 de malo
de 1851. .Amorta & Irmaoi.
caso de escapsicm pagar-a* 1 lio o que se
convencionHr antes. Vilo ice. |>n por preco
algum doente, que n."n-(ff r- ca probabili-
dad de curar-s. Con!-* lan.Jiem escra-
vos doentes e rmaveis, sendo por preco
commodo Logo que Vniimero dos doen-
tes seja sudic.iente para cotirir as despezas,
se fara uma dninnico nos precoa diarios.
~ Alnga-so o primero andar dn cusa ta
ra do Caes ti 5, pcricncent a Francisco
Alvos da Cotilia, o qual tem excellent-s e
aceiados commodos paia gramlo familia e
com muito boa vista : a tratar na na do
Vigario, escriptorio do Francisco Alvos da
i.oiiiia n. II.
Em aditamento ao annuncin de 1.1.ti i 7.
de Itrito 1 aborda a re*pcito dos seus deve-
dores, mais os seguintes nomes:-A.R. da Sil-
va Cavalcanti, JoSo Anacido dos Sanios,
Rento Borges Leal, Anastacio Jos Pinto de
Souza, Jos Venceslao Affonso Rigueira,
Thereza dosPrazeres, Filippa Romanados
Prazerea, Ignacio Joaquim Ferreira, Manoel
Joaquim Paes Brrelo, Jos Mara Ceraldes,
Joaquim Manoel de Castro, Antonio Jos
Marlins, Anastacio Jos de Azovcdo, J >a-
quim Rodrigues dos Santos,Manocl Joaquim
deliveira, Fr. Thomaz ex-frade do Car-
olo, Antonio Ignacio de Oliveira, Francisco
de al. It.ilin Aecioli Wanderley, Aioei Ro-
drigues Campello, Leopoldo dn (T. M. Cua-
renta, Jos Pereira Arantes, Fr. Lourenco da
ConcecSo,Francisco Antonio Pereira dosS.
Manoel Patricio do Sacramento, Eustaquio
Jos Nunes Muniz, Antonio ,Cordeiro c i./.-
quiel Ferreira Baduem. annunciante
proseguir na publicarlo dos noroes dos
roais dos seus devodores que nao vierem
immediatamente pagar-lhe, o para com a-
qtii'lli's, cujas circumstancias niio lhes per-
mittam pagar-lnej, declara qucao menos
se lhe apresentem, para ajuste de contas,
e assignaQo do prazo em que devem solver
estes scus antiguissimos dbitos.
~ No dia 28 do prximo paasado mez de
maio. leve fuga o escravo Paulo, de uaco,
pertencente ao abaixo assignado, morador no
engenho Burralho, fregucua de S. Lourenco
da Malta; eujo tem os seguintes signaes: re-
prsenla ter 50 annos de idade, levou vestido
calca e camisa de azulo, he baixo ds corpo,
pouca barba, tem ambas as pernas tortas para
os lados, os peis apalbotados e os dedos tam-
ben! .torios, sicatrizes uas pernas provenien-
tes do feridas que leve, de manelra que he
conbecido, anda de longe, o andar, por cau-
sa do defeito das pernas. Suppe-se elle an-
dar alii no Recife, incllldo a ganhador. Quem
o prender pode o levar em casa no dito abaixo
assignado, ou na ra Helia riu casa do coro-
nel Francisco Jacinlbo Pereira, que sera ge-
nerosamente recompensado.
Joie Ferrt Dallro.
STEREOMETIIIA.
I.iciio de sterso-areomelrla, theorica e pra-
tica, segundo o systeina adoptado as alian
degas do imperio, explicacao euso das esca-
las empregadas as mediques e da regoa de
i niln. .us das uteis, das 4 da tarde s 7
da noute, nos domingos c feriados a qualquer
hora do dia! aendo o preco de cada una l-
elo he 2,000.: os pretendentes dirijam-se
ra Nova, caaa do Sr, Charles Gilain, afim de
deixarem seus nomos c moradas.
Deseja-se saber onde inorain os Srs. An-
tonio Luna Gomes dos Santos, Rayniuiido Sil-
va Maia e Francisco Antonio Duartc e Manoel
Esteves deAbreu.
Quem annuncinu no --Diario-- de 3 do
corrente, precisar de um sillo peno desta
praca, com boa baixa decapim, queira diri-
gir-se ra da Aurora n. 20.
E MAIS OFFICINAS
NA ,,
lina Imperial n.IISc 12o, e deposito na ra Nova n. 89.
Respetosamenteavisam ao publico, e particularmente n,8"- J^Sm ." Tol
tladores, etc., que este estabelecimnnto so acha eMf^*^a^^J?lE^
porcoes n cessarhs. par. desempenhar qualquer machina, M obre >*< "2
mo. O mesmos chamam a attenclo para as s-gumtes obrM, > qa conrtr ^.da em SU
fabrica compelemcom as fjbrcad na Etirop., na qual.dale e raao de obra, e por me
008 MnilNASbconinuas de destilar, polo methodo do autor francez Uerosne, i me-
lhores machinas, que para esto (im at boje tem apparecido.
ALAMBIQUES de cobre de todas as dimensOos.
TODOS OS COBRES necossarios pira o fabrico de assucar.
TAIXOS DE COBRE para refinaQSo.
TAIXAS DITO para engenho.
DITAS DITO movis para dito.
BOMBAS DE COBRE de picote, de repucho, de roda e de pndulas.
BSCBIVANINHA8 de lalSo dos melhores molellos. 9
DITAS DITOgalvauisadas.
SINOS de todos os lamanhos.
OS APRF.CIAVEIS fogOes de ferro econmicos.
BURRAS de ferro as mais bem construida*.
CARRn.S dito de mflo.
PORTES de ferro.
VARANDAS dito.
GRADIAMENTOS dito.
TAIXAS dito.
CALDEIRAS dito.
-- Acaba de chegar do Ro, e vendem-sc
muto barato, as seguintes
itlusicuH modernas para pianno
Arias, a 1,5001*8.
Do final da opera la Sonmanbula : do fe-,
guillo arto dn Nabucolonosor : da opera so de 19 3,t oilav s de miro, obra iIj goato,
rus da Penlia, venda
Venile-sc uma bonita esrrava, ptima
quitanJoira, de idade 2S anuos, s.-m vicio
neni acli ques, e o motivo se di' no acto
da venda : na ra de S. Rita n. 14.
Vende-ae um car do atacas, rom o rc-
Compras.
Commoilidaile para curativo dos
escravos.
0 Dr. Pedro de Atbayde Lobo Moscoso
recebe escravos, para tratar, em uma casa
Da Soledade, que tem para isso destinado.
Os precossSo os seguintes : 2,000 rs. din-
ros por os que padecerem de molestias in-
ternas, e 1,500 rs. por os de molestias vul-
garmente chamadas externas. Os doentes
serao fornecidos de todos os objectos ne-
cessanoa para seu curativo. O annunciante
se obriga a curar quaesquer ulceras por
roais inveteradas que sejam, n8o havendo
grande perda de substancia, subjeitando-se
ao onus de s receber a leica parte do esti-
pendio no caso de que nSo se consiga o cu-
rativo. Tambero subjeita-se aconuicDo de
nada receber se os escravos morterem, e no
Compra-sc um sobiadu de um andar
esotSo, com quintal, que esteja em bom
estado, situado no bairro de S. Antonio, ou
Boa Vista, at 3:000,000 rs., pouco roais ou
menos : no patio do Carmo d. 17, a fallar
com Gabriel Antonio.
-- Coropram-se uma negrinha que tenha
de idade 9 a 10 annos, o um nioleque de 12
15 annos, sendo bonitas figuras: na ra
da Cruz do Recife II, 37, primeiro andar.
Compra-se etn segunda mao
lim volta de adereco de ouro ,
com pulceira : quem tiver, an-
nuneie.
Compram-se duas pedras de filtrar agoa :
na ra do Amorim n. 15.
a Compram-se dous carros em bom estado,
modelln moderno, nao sendo americano, e com
os competentes arrcios : na ra da Cadeia do
Recife n. l2.
Compra-se para uma emeommenda es-
cravos de ambos os sexos de
na ra de S. Ritan. 14.
Compram-se 2 ou 3 saccadas de boa
podra, de 9 a 10 palmos de comprimento e
4 de largura : na ra doCabug, botica de
Moreira \ Fragozo.
Compra-se a Vniao dos tnezes de maio
ejunho doar.no passado: nesta typographia.
Vendas.
Vendem-se um candieiro redondo de
iiicio da sala, um dito de metal coro v dios,
um par delanternas rom i es debronze, um
par de man.'as de vidro com casticaes, ten-
do as mangas um pequeno defpito, uma
banca redonda, de oleo e moderna, tudo
proprio para qualquer caas) de negucio : no
becco do Azeite de Pmxe, sobrado n. 11.
Vende-se uma creoula de idade de 21 a 22
annos, que sabe cozinliar sofl'rivelinenle o dia-
rio de uma casa, coze cba e engomma alguma
colisa, c he inulto fiel: os pretendentes diri-
jam-se ao pateo do Terco, venda u. 7l,que alii
ai -liaran com quem tratar.
\o Alie no ila Bou-Vista, defton-
ie da bonecn.
II' ebegado os bem cunliecidos sspatOes
de iNmies, muito pioprios para a istac.lo
prvente ; ditos do Aracaly, tanto para ho-
ii.em, romo para mininos, a 800 rs.; ditos
de courqde lustro, leitos na Babia, a 3,000
rs. ; ditos do Aracaty, a U,500 rs.; tudu a
troco dedinheiro.
No Atterro da lloa- Vista, defron-
te da boneca.
He chegado lesseniemente um novo e
completo (ortioienlo decalsados francezes,
de todas as qualidades, que ae vendem mui-
to baratos, afim de so apurar dinheir.
Vendem-se 5 aneis de ouro, uma por-
ceira, um adereco, utn allmeile e uro par de
brincos, lodos estes objectos de ouro do lei:
na Pracinha do Livrameuto, loja de miude-
zas n. 59.
-- Vendem se sementcs de coentro, mui-
to nova, a 200 rs., agarrafa, afiancia-sea
qualidade : no Atierro da Boa Vista n. 14.
-- Vendem-se os nu loores e mais frescaes
queijos do serWio doSendii : na lim ilo l.i-
vramento, loja n. 39.
Marino FaHiero : da opera la Straniera
2. arto da opera llreslrico di Tonda
opera Etnbiixatriz : da opera C'ipuleti
Aullados Lombardos, etc.
Cavatinas, a I,loo rs.
Da opera o Pirata : do Ernani: da Son-
manbula : de Beatrici de Tend : do chi du-
ra vince : de Matliilde d Chabran : i!e\a-
hucodonosor, etc
Duetos. i .ooo rs.
Da opera de Belisaiio: da opera de Muelle
do Portici: da opera de I.anneinotir, t".
Varlaccs, al,5oors.
"Sobre um motivo da Sonmanbula : de E-
dimhourg : do domino noir : do romance
de J.K'oinl Polka, etc.
Valsas c qnadrillias.
"0 Cruseiro do Sul ; o pflo do assucar : o
defejo : a sympalhia : o Tivoli : a l.nsho
iienaa : la Slacion del Plata : agrados d
Siiih : California rom ricas e.-lampas: a
engaa lora : a grapa de I) os : a marmota
Lucias de Cannenmour. etc., etc.
E outras umitas iniisicas, como rentos,
qinirtelos dos melhores compositores, por
preco.-: roinn odos : no pateo do Cdllegio,
casa do livro azul.
-- Vi ndem-si; uma n-gra do Irese an-
nos com habilidades e ds linda figura ,
propria para mccimlia do casa, un a dita
boa eotinheira < d lio l e Pogo n. 3, si* dir quem as vende.
## 44 I *****
. ^ ao becco Largo n. 27, v. n lem-S'Selins fe
% legitimamnite inglezeg, com lores, fe
I silbas, rfbichos e bous estribos de fe
4 aqo, prlo harat'ssinio preco de 30,000 fe
% rs.,cada um; advertmdo que oii-r- fe
J) reioi cnnunciailos, sao justamente os fe
mesmos quo os selins troxeram. fe
@##^*- 9*&&*r99* 9**99+
Acalmo de eliegnr para a loja de
Jos .loaqnim Moreira & C. na
rna Nova n. 8.
Os mais lindos manteletes e capotinhos
pretos e de furta-cores que sem exageraco
tem vindo. sobresaliindo ao mesmo lempo a
i0a40 annos: variedade nos gastos porque sao quasi todos
de diferentes moilellos, acressentaudo-se mais
que em quanto do preco nada licari a detei-
jar ao comprador.
I'ecns de alg;ndao-7.1nlio com ava-
lla a I*, 1280, 1 14o rs.
Na ra do Crespo loja da esquina que
volta para a Cadeia vende-se pecas de algu-
dao-zlnho com a varia a 1,000 1,280 1,440 rs.
e ainila continua o vender-se os muilos a-
creditados cobertores de tapete a 720, e ou-
tras 11/endas por prefo commodo.
Como de lustro.
Na ra da Cadeia do Recife loja de farra
gens u i vende-se couro de lustro pelo di-
minuto preco de 2,500 a pelle.
Depozilo de salitre.
-- Venda-se salitre refinado em grandes e
pequeas porces e por mais barato preco do
que em outra qualquer parte na loja de fer-
ragens de Francisco t uslodlo de Sampaio ra
da t'adeia do Recife n. 50.
-- Na ra dos Pires "n. 19, vende-se um
negro muito fiel e babel, para qualquer si-
tio, por ser aeii-.itimado no campo; assiin
como uma pin can de alqueires do cal bran-
ca, muito lina, de Jaguanba.
- Vindem-se na ra da Cadeia do Recife
loja de Joo Jo-e de Carvalho Moraes, penas
de a en superiores o uro par de tirulos d' ou-
ro, feitos em Lisboa, de n uito bom gusto.
Vi n lero-se Ires escravos de bonitas fi-
guras, serdo um creoulo, de idade de 17 an-
uos ; um roolalo de 22 annos o um cabri-
tilla de 15 anuos, proprios para qualquer
trabalho : na ra da Cadeia do Recife n. 49.
Vende-se um escravo, ptimo coziuhei-
roe de elegante figura: na ra do Hospi-
cio n. 9.
Vendem-se 2 molequc.f, de 16 a 18 an-
nos, creoulos, muilo boas figuras, bons Fa-
ra todo sci vico, tanto da prac,a, como de
campo; um preto de 30 annos, bou para
lodo o siTvioo ; urna cabra de 30 anuos, en-
goinim), faz renda, coze o cozinha : na ra
do Collegio n. 21, primeiro andar.
Para %c acabar.
Vendem-se cera de carnauba, primeira
sorlo, a 5,500 rs,; sapstos braceos para mi-
ninos, a 5U0 rs.; pennas de eina, couros de
cabra e chapeos de palha, ludo superior,
pelo pieeo he de grata : na ra da Cadeia
do Recife n. 49, primeiro andar.
do i por 7n,ouo rs. :
dato. 3S.
do
ni
-- Vende-su uma rica montara inleira,
para sen'iora, rom rico j?que do vellido
prelo. bon t o selim. todo sem uso algum :
na loja de Francisco Joaquim Duarte, na
run doCnbue, se dir quem vende.
.. Ven le-se una negra de bonita fisura,
sabe iquito bem engommar, cozinliar, lavar
e faier tolo o arranjo de urna casa : na ru
do Rozario larga, por cima do armazem do
lougs, segundo andar.
Lotera do Rio de Janeiro.
Aos 20:000,000 e 10:000,060 de ris.
Na loja do calsado da Praca da Indepen-
dencia cnaiua da Cadeia do Recife n. 46,
loja de riiiudezas achatn se a venda os
meios hilhetes. quartos. oitavos e vigsi-
mos, 'das loteras, dueima lereeira da Car-
dade e deriuia quinta do Iheatro de S. Pe-
dro de Alcntara, queteol devir asustas
pelos vapores, da car reir a inglez.
PagOi em descont.
Meios 11,000
Quaitos 5,500
OtUviS 2,800
Vigsimos 1,300
Uilheles do I\io tle Janeiro.
Aos 20:000,000 rs.
Na loja de miudezas da Praca da Indepen-
dencia 11. 4. vendem-se bllhetes nichos, meios,
quartos, oitavos e vigsimos da decima-tercet
ra lotera das Casas da Caridade.
Lotera do '-m de Janeiro.
Aos 20:000,000 rs.
Na na Mtreita do Rozario travessa do Quei-
1 oado loja de miudezas 11. 2 A, de J. F. dos
Santos Maia, vendem-se os milito afortunados
billittes, meios, quartos, oitavos e vigsimos
da decima-terceira loleria das- casas da carida
de. Na inesma loa est patente a lista 27. da
lotera do Monte Pi,
Lotera do Kio de Janeiro.
aos 20:000,000 de rs.
Na na do Queimado n. 18, vendem-se
bilhetes, meios, quartos, oitavos e vigsi-
mos, da 13." lotera das casas da Caridade,
ruja lista chega infalivelmente pelo primei-
ro nav'o que vicr da corte. Tambem se tro-
rain pelos premiados da matriz da Roa Vis-
ta : na mesina loja esistem as lisias das a-
trazadas ; a elle* para tirar os 20 contos.
Lotera do Rio de Janeiro.
Aos 20:000,000 na as,
A'a caso feliz.
Dos quairo cantos da ra do Queimado,
loja dofazendas n 20, vei.dem-soos muito
afortunados bilhetes, meios, quarlos, oita-
vos e vigsimos da dcima quinta lotera do
Iheatro de S. Pedro de Alcntara, bem como
um resto de caulcllas da lotera das Casas
da Caridade, cujas listas se esperam al o
dia 13.
Aos 20.000,000 rs.
No cambio da Viuva Vioira & Filhos, na
ra da Cadeia do Recife, n. 24, receberam
a lisia da 27. lotera do Monte Po, eosmui
afortunados bilhetes, meios ecautellasda
15. loleria a beneficio do Iheatro de S. Pe-
dro de Alcntara, da qual vero a lista no va-
loriuglez.
Casa de commissao de escravos.
Vendem-se e&cravos e recebem-
se de cotnmissao, tanto para a pro-
vincia como para fra della, para
o que se offerece umitas garantas
a seus donos : na ra da Cadeia do
Recife n. 51, primeiro andar.
II FftIVFI


4

Deposito da fabrica le Todos os
Santos na llanta.
Vende-se, em casa de N. 0. Rieber & C. ,
na na da Cruz n. 4, algodSo transado da-
quella rtibriea, muito proprio para saceos de
assucar e roupa de escravos, por prego com-
modo.
A u llioi pe chincha.
Vendem-se chales de seda de lindos e mo-
dernos gostos, a preco de 4,500 at 6,000
rs. : na ra do Crespo, loja n. 10.
Ff ftff f fff V f W^V W'
Arados americanos.
:J. Vendem-se arados americanos ver- <-
v dadeiros, chegados dos Estados- r
;* Unidos : na rua do Trapiche n. 8.
Para acabar, sarja ht-spnnholn,
liuipii, boa, a l,02Ors.
Vende-se sarja limpa espanhola, muito
larga, boa fazenda, a 1,920 rs : na rua lar-
ga do Rozario n. 48, primeiro andar-
Cera de carnauba.
O'mais superior que lia neste genero, ven-
de-se em porco e a rctalho : na rua da Cadeia
do Recite, Inja n. 50 de Cunta 81 Amorim.
>? itnii? Pedro II. i;
ft VenJe-se no deposito geral, rua dos f|
%* Quartcis n. 24, loja de .'os Pias SiuiSes R
jh o muito supeior rap AreiaPrcta Pedro **;
II em pequeas c grandes porches, pelo gj
ir-, preco j estabelecido, garantindo o de- i\
J. posltarlo a seus fregueses a faouldade
l-> de tornar-llies a receber 110 caso de se W
R adiar em nio estado.
,a<*,,.^ .:. :^^mm-
Vende-se uo,a tayerna com poneos fun-
dos, sendo a armsgSo nova e muito barata,
a qual se acha fechada, na rua Direita n. 36 .
trata-se com Jo3o Martins de Barros, que
fuz todo negocio.
Cera le carnauba.
No armazem de Domingos Rodrigues de
Andrade & Cotrpanhi, na rua dosTanoei-
ifOBli. 5, vende-S superior cera de carnau-
l>a, ultimanienle viadas do Aracaly, em
poreflo e a retalho, por menos prego que
em outra qualquer parte, assim como sola e
couros miudos.
Vende-se um sitio na Selidade, na es-
trada quualravessa pelo fundo do sitio do
Cad, rom casa nova e muito asseiada, com
tres salas forradas de bonito pipe), quatro
quartos, cozinha fra, casa para feitor e pa-
ra pretos, cocheira) para carro e estribara
para tres cavallos, tent militas e muito boas
Israngeiras, boas mangoeiras, jsqueiras e
cajueiros, muitos pea de saputizi iros pr-
ximos a darem Tracto; finalmente tem todas
as proporgOes para urna familia morir com
decencia e recrcio tambem tem urna fa-
mosa cacimba com boa agoa de beber : tra
ta-se na rua Nova, armazem do trastes do
Pinto, defronte da rua deS. Amaro.
Una bonita prcta engominadeirn.
Vende-ae urna bonita preta, moga, cor-
polenta, engommadeira e cozinheira, nSo
lera vicios, nem achaques, o que tudo se
afianga : na rua larga do Rozario n. 48, pri-
meiro andar.
Trecena le S. Antonio.
Nova trezena do S. Antonio, contendo a
ladainha, supplica eos versos, muito bem
arranjada, pelo diminuto prego de 320 rs. :
na livraria do patio do Collegio n. 6, de J0S0
da Costa Dourado.
Perguntas c respostas.
Com este titulo, urna colIecgSo de muitos
engragados versos, feito porum pernambu-
cano, para as noutesdeS. Antonio, S. J0S0
e S. Pedro, e tambem serve para traques de
eslalos, vende-se a folha, por 80 rs.: na li-
vrsris do patio do Collegio n. 6, do J0S0 do
Costa Dourado.
As joven* 11 111a iiiliiua 11:1-.
Vm pequeo folheto, com muitas bonitas
sortes, para as noutes de S. JoSo.S. Antonio
eS. Pedro, vende-se por 160 rs. : na livra-
ria do palio do Collegio n. 6, de J0S0 da
Costa Dourado.
Instrumentos le mnslea.
Fabrica de Pars. .
Na rua Nova n. 9, vendem-se clarins, cor-
netas, pistes, trompas, trompes, pratos de
Constantinopla,oboes, clarinetas, requintas
a toilas as qualidades de violOes, rabeccas,
flautas e flautins.
Vende-se urna casa nova, muito bara-
ta, com 3 portas na frente, 3 quartos, 2 sa-
Vendem-se um bonito pagem de 16; las. cozinha fra, quintal grande e murado,
annos, hom bolieiro e linda ligura, calsadu I e cacimba, no principio da rua Imperial :
e fardado de panno fino, sabe bem tratar I trata-se na mesma rua n,87.
de cavallos e agrada a qualquer uro senhor Vende-su um molatiuho de bonita fi-
que o quizer comprar, por ser muito activo' gura, sem vicio, oque se afianga ; na rua
e diligente no cumprimenlo de seus deve-i da Cadeia de S. Antonio, segundo an lar do
res, 4 molecotes bons trabajadores de en-. sobrado da esquina n. 14.
sada, de 14 a 18annos, lindas figuras, um Vonde-se, por prego commodo, urna
bonito moleque de 16 anuos, proprio para casa terrea, com muitos commodos eboa,
pagem por estar tambem a isso acostumado, nofim da rua de S. Ititi, ou principio da
um molatinlio de 11 annos, muito lindo e dos Pescadores: na rua Direita n. 32, se-
esperto, urna negra boa vendrdelra de rua,
moga e linda, duas ditas com principio de
engommar e rozitihar, urna negra de 30 an-
uos, perfeila cozinbeia, doceira e engom-
madeira : 11 rua do Rozario larga n. 22,
segundo andar.
Vendem-se saceos novos de estofa ,
com duas varas, a 320 rs. : na rua larga do
Rozario 11. 48, primeiro andar.
(iicm leixur le comprar.
Cortes de chita do mellior gosto a 1,920
e 2,240 rs.
Na rua do Crespo, loja da esquina que
volta rara a Cadeia, acaba de cliegar um
completo s. rlimento do cuites de chita,
eom 12 cova los a 1,920 rs., e intiiios, a
a 2,240 rs. ; pegas di: madapolio lino eom
pequeo loque de averia, a 3,000 rs. ; ditas
de tlgodfioztnbo, a 1,600, 1,800 e 2,000;
chales de Ifls e seda, a 4 0c0 rs., e corles de
casimiras do ultimo gosto, a 6,400 rs. e ou-
tras muitas fazendas de hom gosto.
\ inlem-se pegas le chitas, lim-
itas, a 4,ooo rs.
Vendem-se pegas de chitas, limpas, boas
para esciavos, a 4,000 rs. e a 120 rs., a co-
vado : na rua larga do Rozario 11. 48, pri-
meiro andar.
Milagre (VOurique.
Ta casa n. C, dclronte do Tra-
piche Novo, vendem-se os diver-
sos opsculos contendo loda a
qatstloa ceica do milagre d'Ou-
rique, e.-tre os distinclos Ilitera-
tos, Alexandre lierculi.no, padre
Kccreio, Magessi e otilros.
He milito barato,
Superior tinta vernielha, ptima para es-
crever, riscar livros em branco e papis, e
mesmo propria para outros misteres, tnui
conveniente para todas reparticoes publi-
cas e qualquer casa de commercio, nSos
pela sua qualidade, como por ser muito em
conta, em meias garrafas, a 560 rs., cada
urna : na la da Cadiia Velha, loja de miu-
dezas n. 31.
Oh pie pichincha para a presen-
te 'staefm.
Vendem-se gaaimiretai de excellentes cia-
res proprins para palitos, e [ co pn go
baratsimo de 500 rs., o eovado : no Ater-
ro da Roa Vista, loja 11. 18.
fltlt9:Ct NNffl
v> AlfOdiO parii saceos. (
(r Vende-se rouito hom algodSo para f,
>. saceos de assucar, por prego coir.mo- j
<*> do : em casa de Ricardo Roy le, na fc
>1 rua da Cadeia n. 37.
Corram le pressa pecliinclia.
De. 4,500 e 5,000 rs. a corte.
Na rua do (jueimado, loja n. 17, ao pe da
botica, vendem-se cortes de casimiras de
cores escuras, muito encorpsdas, proprjas
para a presente rslagSo. a 4,500 e 5,000 rs.
e muito fina, 5,500 e 6,000 rs. ; pao lino
preto eazul, de cores (xas, h 3,5(io e 4,000
rs., o eovado; eoherloies de \; niuito en-
cornados, a 1,600 rs. ditos muito grandes,
do Porto, a 3,000 rs. cada um, e mitras fa-
zendas, por prego DaIs burato-do que em
utra qualquer parte.
-- Vende-se por commodo prego, ou tro-
ca-se por alguma propriedade nesta fraga,
dando-sea volta que merecer, a Iba deno-
minada S. JnSo Rapi isla, ao pedos Affoga
dos, com bastante terreno para 1 lantagoes,
a qual d bastante capim, dous grandes vi-
veiros e cnlo o tantos fes de coqueiros ;
assim como um sitio em Remfica, junio a
estrada Nova, 80 | do silio do Sr. ciegas,
todo murado, eom dous portoes de ferro, o
3ual tem exoeilente casa cocheira para
ous cavallose caninlio, tim grande pogo
com excellenle agua arvoredosde fruclu ; n illia tem duas gran-
des casas de pedia e cal : a tratar na rua da
Cadeia do Recife n 54, tudo muito barato,
ti por todo prego.
gundo andar.
Vetide-sc resina de angico a relalhoe
por atacado, a 320 rs., a libra : na rua da
Cadeia do Recife, loja deJoSo Jos de Car-
vallo Mornes.
-- V nde-se urna preta de nagSo, moga,
que cozinha, lava de sabSoeengomma liso,
boa quitandeira, por ter andado com taho-
leiro de miudezas, d-se muito em ronla,
porprecifffo; tres pares de mangas de vi-
dro lisas, com castigas : na rua do Rangel
n. 38, segundo andar.
Vende-se me I de assucar, a 200 rs., a
caada de oito garrafas: na rua da Concor-
dia, refinago franceza.
Vende-se um negro do 25 annos, pou-
romais ou menos, bouita figura e sem vi-
cio?, por precisSo : na rua da Praia n. 34
Vende-se um negro hbil para lodo o
servigo, sendo ptimo ganhador de rua,
sem achaque de qualidade algum : na rua
do Quciinado n.28.
Vimem-se 13 escravos, sendo 2 mn-
leques creoulos, bons officiaes de pedreiro,
de idade de20 a 22 annos, urna bonita mo-
lati recolluda, ptima mucamba, cose, en-
gomma heme cozinha ptimamente, 2cre-
oulas de idade 18 annos, com algumas ha-
bilidades, um moleque de idade 18 annos,
ofhcial dealfaiatc, bonita figura, 4 escravos
de todo o servigo, um dito carreiro, 2 ditos
de servigo de campo e com bonitas figuras :
1 a rua Direila n. 3.
4 Para noiraa e bailes suherhos. f
4 Regios e sublimes vestid< s ilo mais i>
(4) imporUnteedelicadoblond de rama- (
4 ge, assim como de extraordinario e k
4 superior selim de prso, todos bran- o
4 eos e ricamente bordados, com linis- %
4 simoretioz 'alvor hrilhante : ven- > detn-se na loja pernamhucana do An- +
<> Ionio 1.1,17 dos Santos, na rua do .
# Crespo n. 11.
Vende ;e o engciiho Cananduba, sito
na freguezia dcS. Amaro de JaboatSo, 4 le-
goas distante da praga, me eom animaes e
tem proporgOes vanlajosss para moer eom
agoa, e rzcr dous mil pues por safra, he
de grande rendimenlo e de muilo hom as-
sucar, boas tenas o malas com tnadeiras
de bos quididades : trata-se na rua Augus-
ta casa do Pacheco.
Vende-se a melhor pilada do rap Pau-
lo Cordeuo : no deposito da rua da Cadeia
n. 19.
Vende-se a mellior figura que em ne-
gro tem apparecido, idade de 20 a 22 annos,
enlende de padaria o de calafate, proprio
para engenho, por ser bastante alto e for-
goso, por prego commodo : na rua do Cres-
po n. 13.
-- Vendem-se urna preta creoula, moga,
cose, cozinha, vende na rua, lava e faz o
maisarratijo de casa; urna molatinha pro-
1 ria para scabar de aperfeigoar-se, por ser
viuda do mato, e um sapaleiro creoulo, qu-
da 610 rs. oiarios, por 700,000 rs. : na rua
larga do Rozario, loja 11. 35.
4
I
Kslam-se arabamlo. i>.
Chapeos de sol francezes, de mui-
?
to boa qualidade, lano na seda, como
na armagSo, por serem grandes e |
muito fortes, pelo barato prego de i
6,000 ra.: na rua do Crespo, ao p >
do arco, loja n. 2. /
Vende-se una escrava creoula, n.oga
e de elegante figura, lava, cozinha muito
hem, faz lodo o servigo de urna casa, tanto
externo como interno, sen ultimo prego he
61 0,(1(111 rs., o motivo da venda se dir ao
comprador: na rua do Qticimado, loja n. 53
Vendem-se um escravo mogo, bom ca-
noeiro, cozinha o diario de urna casa e p-
timo para todo tervigo ; um mol-tu o; tuno
sapaleiro e com boa conduela : na rua da
Mangueira do lian 10 oa Roa Vista, caaa cor
de cinta 11. 11,
Oes de aberturas, alflnetea de neito, gar-
gantea, anelOos, cordfies, etc.; bem como
outra porgBo de prata em comeres de cha ,
sopa e fivelas; por precisflo, um escravo ro-
busto e sem vicios : na fu Direila n. 89.
AO BOM F. BARATO.
Rua do Passeio-Publico, loja n. 9, de Albino
Jos Lelte, vende-se corte de inela casimira
escuraa, pelo diminuto preco de 1,400 reii,
chapoi de sol, asteas de balea com barras
a 2,500 ; a elle antes que se acabem. Chitas
sem defelto algum a 120 rs. o eovado, dlisi
roxai finatefhas 200 ra., cobertores muito
emeorpados, proprio para escravos, a640 rs.,
eamhraias, da India, bordadas, propria para
cortinado, a 400 rs. a vara,'chale de chita
a 610 rs., lencos de eda, padraes de mullo
goato, a 1,000 r., dito de cambraia com bico
a 320 c a 480 rs., brln de linho azul e de
core a 320 r. o eovado, lencos de cambraia
denominado vapor, a 200 r. e outra multas
fazendas que deixain-ae de annuciar para au
oceupar lempo.
GBAXA ECONMICA EM MASSA.
Do insigue fabricante americano, Jame Ma-
sn. A ana composlcao he felta de proposito
para lustrar com agua e conservar o lustro,
tanto de invern como de verao; a grande
vantagem que ha nesta graxa he a conaervaco
do calcado, e lutrarem-se o sapatos ou bo-
tn anda meamo ominados, e urna pequea
lata aturar mal de que Ir boifle e cuatar
menos do que um. Vende-e em barricas,
-ni porcalle duiia, 110 armazem de Vrenle
Ferreira di Costa, na rua da Madre-de-Deos.
Vende-ie os seguiote livros em tegun-
da inao, c em bom estado, por preco commo-
do : LegisUfo portugueza de i750 a 1841, eiu
12 vol.; repertorio da uiesma, em 2 vol.; dito
das Icis extravagante, cm 2 vol., dito das
ordenacoes do reino, em 4 vol.; Lobao, nota
de uso pratico, 4 vol.; direito civil, por llor-
ges Carneiro, 4 vol.; assentos da casa da sup-
Elicaco, vol.; tratado das obrigacoea, por
otbier, 2 vol.; Mello Freir, instituiede de
dlreiio civil, 7 vol.; Pereira de i.arvalho,
proceiso orphanologlco, 1 vol. j Correia Tel-
le, doutrlna das acees, 1 vol.; Ferreira llor-
get, inedecioa legal, 1 vol.; digesto portu-
gus, 1 vol.; ordenaccie do reino, 3 vol.;
Voltalre, poesa, 1 vol.; Watel. direito da-
gente, 1 vol.; Mathus, principio de econo-
ma poltica, 3 vol.; o Federalista, por Ha-
inillon, I vol.; ineinoire de Constant, 6 vol.;
Thoinaz Paine, obre politica e legUlaco, I
vol. ; 6 volumes da legiilacao brasilina, o
manual do cidadao, por S. Pinheiro, era 3
vol. em brochura: na rua do Rangel n. 60,
de urna hora ita tarde s sel.
Vende-se urna preta com habilidadea e
boa conducta, o que tudo se afianca : na rua
larca do Rozario, n. 35,
NA LOJA DE MAIA RAMOS & C. NA RUA
NOVA, N. 16
Vende-se ricos capotinhos de etim maco, ri
camente guarnecidos de bonitas trancas e fran-
jas ditos de cbamalotc e de tilo de linho
preto, e sarja de cordozinho ; adverte-se que
he o inillior que ba ueste genero; o preco
anima o comprador.
Na rua das Cruxea n. 22, tegundo andar,
vende-se unta crioula de 22 anuus, bonita li-
gura, engonima bem, coze bem chao, cozi-
nha e lava de labao ; e urna dita de naco
com as mesma habilidades, e um lido mo-
leque de 1:, annos, que cozinha odiarlo de
una casa, c una crioula de 26 annos, com
todas as habilidad, para engenho ou fura
da provibeia.
Vendem-se dous cap*dos, ptimos pa-
ra a presente Pascoa 1 na rua da Praia deS.
Rita n. 31, se dir quem vende.
Vendem-se 2 pretasquitandeiras, urna
por 400,000 rs., e outra por 300,000 rs ; urna
mulata com habilidades e muito boa cozi-
11I1 ira de Torno e fugSo no pateo da matriz
de S. Antonio, sobrado 11. 4, se da quem
vende.
Vi'iul -se urna propriedade, com mui-
tos commodos, situada na Passagem da Mag-
dalena : trata-se na mesma Passagem, ven-
da n. 13, ;m annuncie para ser procurado.
- Vende-se para fra da praga, um ne-
gro creoulo, muilo mogo: na rua de S.
Francisco, no segundo andar do sobrado
n. 16.
Nos Quatro Cantos da Boa Vista
i Minina le S Colgalo II. 1.
Vendem-se superior manteiga lngleza.por
commodo prego; aletna nova, a 210 rs., a
libra; macarrflo, a 240 rs., a libra : telbe-
rim, a 240 rs ;ch hysson,a2,240 rs.,a libra;
i.'ii" Miienor de S. Paulo, a 2,000 rs., 'a li-
bra; bolachinha inglesa, aSIOrs., e outros
niais genero*, por rasoavel prego e de su-
perior qualidade.
Vende-se mercurio, por prega commo-
do: na rua de Apollo n. 18.
A o I111111 e barato, no Aterro da
Boa Vista n. 75.
Vend3 junto a luja de sera, vendem-se, fa-
rinha de arar lita, a 160 rs., a libra; dita do
Maranho, a80rs.; loucinho de Lisboa, a
200 rs. ; dito dos santos, a 160 rs.; mantei-
t ingleza muito boa, a 560, 480,' e 400 rs.;
batida, a 320 rs.; arroz do Marn,hilo, a 80
rs.; presunto, a 480 rs. ; chourigas, a 480
rs,; paios, a 320 rs ; salames, a 400 rs.; ale-
tria, a 210 rs. ; macarrSo, a 160 rs-; choco
late de Lisboa, a 400 rs.; queijos muito no-
vos, a 1,600 rs.; sal u do Rio, a 140 rs
dilo prelo, a 120 rs. ; dito branco. a 220 rs.;
cha hrasileiro, a 1,000 rs.; dito hysson mui-
lo supe-rior, a 2,000 rs.; dito preto a 2,000
rs., e lat hmii teni em embrulhos chinezes,
a 700 rs., cada um ; azeile doce de Lisboa,
a 560 rs., a garrafa; dito de couco, a 360 rs :
vinho branco, a 320 rs.; dito muscatel, a
400 rs.; dilo do porlo engarrafado, a 400 rs ;
dito de feiloria engarrafado, a 500 rs.; dilo
de Lisboa em pipa, a 240 rs.; dito da Fi-
gueira, a 200 rs ; vinagre, a 80 rs. ; serve-
ja branca, a 400 rs. ; dita preta, a 480 rs.;
genebra de hollanda, a 300 rs., a botija; ca-
f moido, a 200 ri libra; dito de carogo,
a 160 rs. ; cartas de traquee, a 220 rs. ; bo-
lachinha atmricana, a 240 ra.; passas novas,
a 240 rs. ; velas de espermacele de 6 e 7 em
libra, a 640 rs.; ditas de carnauba de 6 e 7
'n, libra, a 280 rs.; azeile doce franeez en-
garrafado a 640 rs.; pratos o tijellas, a
1,080 rs., a duzia; tijellas pequeas, a 800
rs., a duzia; espirito de vinho de 37 graos, a
160 rs a garral>,eem caadas, a 1,000 rs.;
azeite do reino, 700 rs.; agoardente de
aniz, a 1 un rs.; genebra, a 610 rs., a caa-
da ; latas de sardiohas muito novas, a 1,000
rs.; azeitonas, a 140 rs., a garrafa ; familia
de trigo, a 100 rs a libra, e outros muitos
gneros; assim'como, aparelhos para cha,
brancos por muilo diminuto prego : na
mesma casa vendem-se 2 rotulas com pouco
uso, por con,modo prego.
Para quem quizer {raiihar dl-
nlieiro.
Vende-se um cosmorama corhposto de
muitas vistas, das mais bellas e importantes
parles do mundo, e lodos oa seus pertences,
como vidros e candieiroa, etc. ; qualquer
essoii que queira fazer fui tu 11, j viajan-
r de colhermuttos lucros,attendendo prin-
cipalmente, que nos lugares do interior,
pouco ou nada he conhecido esse passa-
tempo e genero de recreio, com o -qual
muilo aproveitarSo os habitantes do cen-
tro, rendo bellas e curiosas vistas origi-
naos, o que poder produiir grande con-
currencia de admiradores, e dest'arte em
poucos mezes, ter-se-ha feito boa fortuna :
trata-se na rua do Sol n. 15.
[''aterida mais barata do que em
outra parte.
Cobertores de algodao cacuro para quem
tem fri a 720 rs. cada um, corle de briirt
branco trancado de linho puro a 1,800 ra., di-
tos escuro a 1,600 r. o corte, rlscadoa de 11-
nbo a 220 e 320 r. o eovado, riscado de algo-
dao trancado muito encorpado proprio para
escravo a 180 e a00 rs. o eovado, picote a 180
r. o eovado, zuarte aiul de 5 palmos de lar-
gura a z40 rs. o eovado, dito de cor a 200 r. o
eovado, riscado franeez multo noa a 240 ra. o
eovado, chita para cobertas decores fixas a200
rs. o eovado, dita para veatido a 160 e 18O rs.,
cassa chita core fixas a 440 ra. a vara, casto-
res proprio para palitos a 280 r. o eovado,
peca de cassa de quadro para babadot e cor-
tinados de cama com 8 vara e meia a 2,400
r., chapeos de inassa para escravos a 480 ra.
cada un: oa rua do Crespo n. 6.
-- Veiideiu-se queljo londrinos, presuntos,
caixiniias de edeliles porgalivo, conservas de
toda as qualidades, cementes ou passas rnlu-
da para podins, carne talgada para uso de fa-
milias em barril de 50 libra e miudos da mes-
ma forma preparados, tudo ltimamente che-
gado : na rua da Cruz, armazem n. 9. de Da-
vis & C,
-- Vende-se superior cognac velho, em
barris de 12 a 24 caadas : na rua da Cruz
n. 55, casa de J. Keller & Compaohia.
Vende-se gesso em barricas, vindo no
ultimo navio chegado de Frange, tendo ca-
da bairica 20 arrobas poucq mais ou me-
nos : na rua da Cruz o. 55, casa de J. Kel-
ler & Companhia.
Vende-se cobre metal ama-
rello e prego para forro de navios : por preco
commodo, em cata de A. V. da Silva Barroca ,
rua da Cadeia do Recife o. 42.
-- Em casa de J. Keller 8l Com-
panhia, na rua da Cruz n. 55, acba-se a ven-
da o excellento e superior rinho tte itu-
celias, cm barris de 5.', he muilo recom-
mendavel as casss estraogeiras, como ex-
cedente vinho para pasto.
Vendem-se relogios de ou-
10 e prata, patente nglez : na rua
da Senzalla Nova n. \i.
Deposito de tecidos da fabri- n
'% ca de Todos os Santos,
^ na Babia.
a> Vende-se em casa de Domingos Al-
* ves Matheus, na rua da Cruz do Re-
s* cife n. 52, primeiro andar, algodSo J
f> transado daquella fabrica, muito pro- J
^ prio par saceos e roup de escra- ^
S vos, assim como lio proprio para re-
%. des de pescar e pavios para vellas, ^
a> por prego muito commodo. .
--Vendem-se urna porgo de ouro em j do pelas capitaes das provincias, como pe-
obras, como sejam, brincos, pulceiras, bo-1 las cidades e villas do interior, nao duixa-
Copos para vinlio e para agoa
de qualidade muito superior : vendem-se em
caa de Kalkinann Irmaos, rua da Cruz n. 10,
aonde tambem ha grande aorlimento de appa-
relhosde vidro fino para sobremesa, para agoa,
Sir.-i ponche, cestos e vasos para llore e para
utas.
Vinlios finos
de Hordeaux, vinhodc lleres, vinho do Rbel-
no, vinho de Bordeaux branco de?idade de 100
annos : vendem-se em caa de Kalkmann Ir-
maos, rua da Cruz n. 10.
Charutos de Havana
de superiore qualidade : vendem-se em ca-
a de Kalkmann Irmos, rua da Cruz n. 10.
Instrumentos de msica
chegou iiovainciiie um completo aorlimento
de instrumento para msica militar, recoin-
menda-se principalmente os pisles, praloa
verdadeiro da Turqua, flauins, llantas, bal-
sos, cornetas de chave, clarins liaos e de cha-
ve, violde rlquissiinos de Jacaranda, clarl-
neta, trombones, trompas, caixas de guerra,
zabumba e arco de cainpainhas : vendem-se
em cata de Kalkmann Irmaos, rua da Cruz
n. 10.
Tintas em oleo
branca e verde 1 vendem-se em caaa de Kaik-
111:11111 Irmaos, rua da Cruz n. 10.
Livros em branco
grande sor tmenlo proprio para escrlptorio e
qualquer oulro eslabelecimenlo : vendem-se
cm caaa de Kalkmann Irmaos, rua da Cruz
n. 10.
Cadeiras e sofaes
para meninos : vendem-se em casa de Kalk-
mann Irmaos, rua da Cruz n. 10.
Vinho de Champagne
de superiores qualidades : vende-se em casa
de.Kalkuiann Irmaos, rua da Cruz n, 10.
Obras de ouro
chegou um novo e completo aorlimento de to-
da a qualidades, como tejain, correntes pa-
ra relogios, aunis, pulceiras, alflnete, ade-
recos, brinco, volta, etc. : vendem-se em
casa de Kalkmann Irmaos, rua da Cruz nu-
mero 10.
Bombas de ierro.
Vendem-se bombas de reputo,
pndulas e picota para cacimba :
na rua do Brum ns. 6, 8 e 10,
fundicSo de Ierro.
Arados de ferro.
__ Vendem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
com cambao de sicupira e bracos
de ferro : na fundicSo da rua do
Brum ns. 6, 8 e 10.
Potassa ila Rnssia.
Vende-se potassa da Russia, recentamen-
te chegada, e de muito superior qualidade ,
na rua do Trapiche n. 17. *
Moendaa superiores.
Na fundigSo de C. Starr & Companhia,
em S.-Amaro, acbam-se venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construcgfio muito superior
Arados de ferro.
Na fundigSo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
I elos.
??**>
tassa de boa qaalidade, por menos prego do
queem outra qualquer parte.
Kap Paulo Cordeiro do Rio de
Janeiro
em latas e frascos, chegado recentemente
vende-se na rua da Cadeia do Recife, loja
n. 50, deCunha & Amorim.
Taixas para engenho.
Na fundigSo de ferro da rua do Brum,
acaba-se de receber um completo sortlmen-
to de taixas de 3.a 8 palmos de bocea, as
quaas acham-se a venda por prego com-
modo, e com promptidSo embarcam-se, ou
carregam-se em carros sem despezas so
comprador.
Moinhos de vento
eom bombas de repucho para regar borlas
d baixas de capim : vendem-se na fundigSo
de Bowman &Mc. Callum, na rua do Brum
ns. 6,8 e 10.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na rua do Trapiche, n. I7, ha
muito superior cal nova em pedia,
chegada ltimamente de Lisboa
na barca Ligeira.
Fil bordado a 1,200 rs. a vara.
Na rua do Quciinado defronle do becco do
Peixe frito, loja a. 3, vende-se fil bordado
branco e de core pelo baratiiilmo pn ro do
tres patacas e doze vintn a vara, esta fazenda
pelo eus lindse diflerentes deaenbo Ior-
aa-se multo recommendavel nao so para ves-
tido de aenhora, como tambem para man-
teletes : dar-se-nao amostra com o competen-
te penhor.
AGENCIA
da fundico Low-Moor.
RUA DA SENZALLA NQVA N. 42.
Reste estabeleeimento conti-
na a haver um completo sortU
ment de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, pa-
ra dito.
Tecido de algodSo trancado na fa-
brica de Todos os Santos.
Na rua da Cadeia n. 5a,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucsre roupa do
escravos.
Escravos fgidos.
Deposito de cal virgem e potassa
Cunha & Amorim, na ruada Cadeia do
Recife n. 50, vendem cal virgem em pedra,
chegado pelo ultimo navio de Lisboa, e po-
Desappareceu um escravo, de nomo
Joaquim, magro, alto e fula, de 30 annos de
idade, com 4 dedos em urna mSo, ha duas
semanas, que foi visto cm diversas pertes,
na Roa Vista e Passagem, he canoairo: quem
odescobrir, queira leva-lo na rua da Praia
de S. Rita n. 33, ou 43, que ser generosi-
mente recompensado.
No dia 22 de maio p. p., desappareceo
o escravo Veriato, pardo de idade do 22
annos, alto, secco, tendo do lado direito do
pescogo urna sicatriz proveniente de um tu-
mor, levou camisa de madapolam e- calsa
de riscado, he escravo do l)r. J0S0 da Ro-
cha de Hollanda Cavalcante, senhor do en-
genho ConceigSo Nov, da freguezia da Es-
cada, suppoe-se andar polos Mingados, on-
de desappareceo, por ter neste lugar a mSi
e um tio, protesta-se usar de todo o rigor
da le contra quemo livor acoitado : qual-
quer pessoa que o pegar, pode leva-lo, na
rua Direila o. 31; em linda, rua de S. Ren-
to, onde se acha morando seu senhor, ou
no engenho ConceigSo Nova, na Escade, que
em qualquer destes lugares ser recom-
pensado.
Desappareceo do engenho Jardlm, da fre-
guezia do Cabo, no dia 20 de maio do corren-
te anno, um moleque por uoine Koaventura,
que representa ter 15 annos; he espigado corpo, bonito, bem fallante, tem os p lar-
gos. Roga-ie s autoridades policiaes, cani-
panhas, ou qualquer pessoa, o prendam ou
Cacao prender e levar ao seu senhor, Joaquim
Francisco Paea Barreto, no dito engenho ou
nesta praca, na rua daa Cruzes n. 40, a Do-
mingos da Silva Campos, que ero generosa-
mente recompensados.
Desappareceu, no dia 18 do passado, o
escravo de nagSo Cagange, de noroe Jos,
representa ter 25 annos, baixo, grosso do
corpo, sem barba, rosto abocetado e ps pe-
queos ; levou caiga de algodSo transado
com listras azues e carniza de algodSozi-
nho j rola : quem o pegar, leve-o a rua do
Vigarion. 22, primeiro andar, ou na rua
da Cadeia do Recife n. 51, que se recom-
pensar.
No dia 14 do correnle desappareceo ao
abaixo assignado, do seu silio em Agoa-Fria
de Santo Amaro, um prelo de 1*..... Joao,
que o apelidavain o parceiros por Joao mo-
leque ou pequeo, representa 18 a 20 annos
sem ponta de barba, baixo, secco do corpo,
mas bem proporcionado, olbos pequeos, he
bastante ladino, fallas muilo maviosas: roga-
se por mullo obsequio a lodas s autorlda-
des policiaes e capitaes de campo, de o apre-
benderein e enlrega-lo no Recife, rua do ira-
picha n. |7, ou na rua da Cruz n. 8, ler-
ceiro andar, ou do meamo sitio que, alm
da desperas, ae gratificar generosamente.
Jos francisco Ribeiro di Sonsa.
Desappareceo de bordo do brigue Espt-
rasca, na noule de 27 de maio correle, o
escravo, marinbeiro, de Dome Benio, nacao
Mocamcique, idade 25 annos, pouco m*is ou
meuos, baixo, ebeio do corpo: roga-se a cap-
tura do meamo ; e quem o levar bordo do
dito brigue, ou rua da Cadeia n. 39, eicrip-
torio de Amorim <\ Irmaos receber boa gra-
tificarlo.
Oetappareceo de bordo do brigue Flor
ilo Snl, no dia 27 do corrente mes de maio,
o eicravo, marlnheiro, de nome Marcellloo,
t..-imbuida, idade 30 annos, pouco mais ou
menos, estatura regular, magro; levou cami-
sa e calca azul, cbopo alcatroado : roga-x
a captura do mesmo ; equein o levar bordo
do dilo brigue; ou rua da Cadeia n. 39,
escrlptorio de Amorim & Irmeoa, receber
boa graiiiicaco.
Desappareceo, pela lerceira ve, na nou-
le de 25 de maio, de bordo do brigue Argos,
o_ escravo, marlnheiro, de Dome Candido, n>-
cao Angola, que representa trinta e lanos
anno, rosto comprido, nariz chato, alio, sec-
co do corpo, e barba cerrada. Cosluiua andar
nos arredores da cidade, pelas vendas: roga-
se a sua captura -, e a pessoa que o fizer levan-
do-o bordo do dito brigue, ou rua da Ca-
deia n. 39, casa d'Amorim & Irmo, recebe-
r boa gralificaco.
Pniiv. maTyi'.w; M.F.df: Fakja-
MELHOR EXEMPL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETKVISXLL_2PKP97 INGEST_TIME 2013-04-13T03:20:51Z PACKAGE AA00011611_06363
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES