Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06361


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Aimo XXVT1
Terca-eira 3
1BTID AS DOS OOBnEIOS.
doianna e Parahlba, s segundas e sextas feiras.
Hio-Grande-do-Nortc, todas as quintas feiras ao
meio-dla.
Oaranhuns e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista _e Flores, a 13 c 28.
Victoria, s quintas feiras.
Olinda, todos os das,
PHIMinlDM
eNova, a 30, as 6 h. e27 m. da t.
I Creso, a (i, as 4 h. e 8 m. da t.
Pams Di lo*. chei(| a l3> 4 h. c 24 ra. da t.
\Mlng. a 21, as 3 h. e 42 m. da t.
HIAM1B DE HO JE
Primeira s 8 horas e 30 minutos da manhaa.
Segunda s 8 horas i 54 minutos da tarde.
de Junlio de! 851.
N. 126
ri\r.qo da subschipcao.
Por tres mezesfadlantados) 4/000
Por seis mzes 8*000
Por uin anno. 1.>AI00
neg
i^uiiu-aa.u-i.-io mumi ias '
DIA8 da semana.
,. S. Krasmo. Aud. doJ. d'orf. e m. 1. v
3 Tere. S. Ovidio. Aud. da Chae., do J. da 2
varado c. e dos feitos da fazenda.
4 Quart S. Querino. Aud. do J. da 2. vara.
5 Quint. S. Mariano. Aud. orf. e do J. m. da
Srimeira vara. .... i
sxt. S. Norberto. Aud. do J. da 1. vara do
elvcl, e dos feitos da fa enda.
7 Sab. S. Roberto. Aud. da Ch. c do J. da l. v.
do clvel.
8 Dora. Paschoa doEipirilo Santo-
oaaaMJssuii'ii i wii'Ti
CAMBIO lt 2 DE JOMHO.
Sobre Londres, a 98 d. p. 1/000".
Pars, 340 por fr. nominal.
. Lisboa, a 95
Ouro. Oncas hespanholas
Mocdas d6/400 velhas
. de 6/400 novas
de4J000......
Prat'a.Patacfles braslleiros...
Pesos columnarios....
Ditos mexicanos.......
28/000 a
10/000 a
16/000 a
9/000 a
1/940 a
l/o.'(0 a
1/700 a
28/500
lt>20l>
l6?20d
9/10U
1/950
1/940
1/70
/-jj_aLLi n'Twawiisi tmor-T-nrrTiiii ----------...^-.-~. i i
EXTERIOR.
COKRESPONDENCU.DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
Pars, 20 de abril de 1851.
O presidente da repblica conseguio emfm,
constituir seu ministerio. Na ultima que lhe
cserevl dei parte a Vine, do que Mr. Odilon
llirrot haviasido mal succedido ncisa empresa
entretanto depoi dlsso este estadista tentou
inda una novo esforco, que todava no teve
melhor resultado que os precedentes, c Lula
Ronaparte foi obrlgado a recorrer a outra com-
blnacao, que sempre tinha em reserva, como a
nica que pode satisfazer as necessidades da
sua poltica. Cbainou para junto de si os tres
principaes membros do gabinete, que a assem-
bladerribou pelo seu voto do inc de Janeiro
passado, e com elles mais um certo numero de
representantes da maioria, que constante-
mente se tem conservado fra das intrigas par-
lamentares.
O ministerio que entrou a funccionar a 10
deste mex, he composto do modo seguinte :
Negocios estrangeiros, Mr. Barroche ; juslica,
Mr. Roucher ; faienda, Mr. Fauld; interior,
Mr.' Len Faucher; initruceo publica, Mr.
de Crouzeilles ; agricultura e commercio, Mr.
Buffet; obras publicas, Mr. Maigne ; guerra,
o general Randon ; marinba, Mr; Prosper de
tbasseloup-Lambat
Os tres membros do gabinete derribado em
Janeiro sao ; Mr. Barroche, Mr. Rouher c Mr.
Achule Fould. O presidente chamou-os para
Junto de si como os fiis depositarios do seu
pensamento : aln disto sao homens minio
honrados, e que teem dado provas de sua capa-
cidade. Depois destes, os homens mais impor-
tantes do gabinete, he Mr. Len Faucher, que
j Ibl ministro do Interior na elevaco de pre-
sidente, e que lutou nesU epoca com urna ener-
ga extrema, contra a in vontade da assembla
constituinte. Mr. Buffet foi igualmente minis-
tro, no inrsino lempo que Mr. Faucher. Mr.
de Crouseilles. e Mr. de Chasseloup-Lombat
gosam de grande considerarlo no recinto da
assembla, e exerciam ambos altas l'uncces
na monarchi*, um como conselheiro da cosir
d catsation, o outro como conselheiro de esta-
do. Finalmente, Mr. Magne e Mr. Randon fa-
ziam ambos parte do ministerio interino, e
se distinguirn) como homensespeciaes.
Como Vine, v a composico do ministerio
era boa, porm a difliculdade consistia em fa-
zer que fosse acceito pela assembla, a qual
devia ver com mos olhos a entrada no poder
dos principaes chefes de urna administrarn
que ella tinha declarado indigna da sua con-
llanca. Feliimente as paixcs parlamentares,
tinbain tido lempo de arrefecer, e como todos
os partidos linham sido successivamente con-
vidados para fornecer o seu contingente para
acompoiicao do novo gabinete, e a luto se ha-
viam recusado, no parecera bem que arguis-
srm o presidente por ter escolhidoosseus mi-
nistros dentrr seu* amigos. Entretanto ha no
Silo da assembla um certo numero de espiri-
to! telniosot e turbulentos, que nao podiam
deixarescapar esta occasio de dar escndalo.
Um destes homens, Mr. de Satnt-Keuvc, o
mesmo que no mes de Janeiro bavia apresen-
lado a ordein dodia que inflingir urna cen-
sura a Mr. Haroche, a Mr. Bouher, e Mr.
Fauld, se encarregou ainda esta ves de fazer
reviver a questo do gabinete, e de tornar a
pedir a expulsao dos amigos ministros, romo
indignos da confianca da assembla. Ella for-
inulou pois urna nova ordem do dia em ludo
conforme de )8 de Janeiro ; porm desta
vez lhe laltou a maioria : depois de ter ouvido
e novo ministro do interior Mr. F'aucher, que
fez sentir quanto era odioso e absurdo con-
demnar um gabinc.le antes de ter pralicado
algum acto, a assembla rejeitnu a ordem do
dia de Mr. Saint-Heuve por 327 votos, contra
275. Nenhum dos chefes dos partidos paila
mentares consentiu apoiar a ordem do dia,
e aqucllrs que nestes ltimos lempos se tem
mostrado mais indispostos contra o presiden-
te, quero dizer : Mr. Thier, Mr. Ilerryer, ti-
veram o bom seuso de abslerem de votar.
A. difliculdade parlamentar feliimente foi
assiin vencida: quanto ao paiz, elle acolhe
com favor os novos ministros, porque os co-
nhece como homens de energia, e sabe que
Mr Len Faucher piincipslinrnlc esl milito
era estado de dar administraco interior
um impulso vigoroso. O que faltou precisa-
mente nos ltimos tempos foi a mais de um
ministro asss forte para se fazer obedecer.
Os demagogos erguiam as caberas de todos os
lados e varios dos nossos departamentos fo-
ram o theatro de multas perturbares graves,
que a forja militar, por toda parte compri-
mi. Mr. Faucher pora cobro em todas s
veileidades anarchicas,_ e eston certo que,
ce, na sua admjtjistraco os Inimigos da or-
dem tentarem ainda acabar com a autoridade,
elle os tratar de sor te que nao lero mais
vontade de renovar a mesma scena.
A assembla nada tem feito de importancia
nesla quinzcua; ella se tem reunido poucas
vetes, porque pela festa de Pascboa, teve
dez das de ferias, as quaes principiaran!
quarta-feira passada. porm no momento era
que escrevo, guiamos de urna perfeita calma,
a qual se eslenderla certamente se os senho-
res representantes podessem esquecer que lulo
de voltar para os seus baucoj segunda-feira
vindoura.
Em falta de acontecimentos parlamentsres
vou diier-lhe alguinas palavras sobre urna
brechura que tem sido um vrrdadeiro acon-
leclmento Iliterario e poltico. Ella tem por
titulo tneetre rouos,. e por autor Mr. Romleu,
amigo prefeito de Ijuiz Phillppe, e que goza
da reputacao de ser um dos homens mais
espirituosos da Franja. O fundo desta obra
he multo serlo. O escriptor esta convencido
de que a Franca est aineacada de una ter-
rlvel revolucio, emprehendida por esta innn-
ineravel mullidao que" nada possuc contra
lodos os que possuem alguma cousa. hile
recorda a guerra dos paisanos que rebenlou
entre nos no t4 seculo, e qual deu-ie o
iiome de JoeflUri. Esta guerra, que durou
mullos annos, foi urna serie nao inleirouipi-
da de incendios, mortfi e violacBes, e nao
terminou senao por urna carnificina geral dos
paisanos rcvollados, que morreramem nume-
ro de vlnte mil era um so dia. Mr. Romieu
nos prophetisa desastres ainda maiores, se
a demagogia vencer. Para esrapar a estas
atrocidades, que a perversidade crcscenie das
classes Inferiores, torna cada vez mais iinmi-
nentes, Mr. Romleu nao conhece outro meio
senao a fi.rca. Elle quer que o canhao faca
juslica s conjuracfiei criminosas dos prole-
tarios, e acrescenta que o vingador da socie-
dade ha de apparecer, anda que deva vir
da Bussla.
Este escrlptr produtio viva sensacao na clas-
se abastada, que dorine voluntariamente no
meio da calma engaadora do presente, e que
se tem espantado com estas terrlvels rc7cla-
efles. Com effeito em um anno, ou antes, ludo
em Franca ser posto outra vez em questan,
porque s poderes do presidente expirarao
nntr lempo, e griflfls machinares dos par-
tidos que nao (fuerera estar por nenhuma so-
lucao, estaremos s mos com o tcrrivel incg-
nito de stiltragioliniversal.
Ha multa verdade, ao meu ver, nestes som-
bros prognostlcos de Mr.._Romeu. Conheco o
plano dos demagogos, e nao duvido que se el-
les se tornarem srnhores da Franca, facam
urna hecatombe de todos os cidadaos, para de-
pois se 'dilacerarcm uns aos outros. Acho s-
mente um ponto em que, pens que elle se
engaa. A classe popular nSo est toda ataca-
da da mal das revolucfiea, ha grande numero
de pessoas honradas entre os paisanos e ope-
rarios. He esta um forca muilo consideravel
sobre a qual os homens da ordem poderao por
muilo tempo spniar-se, c que Ihes d grandes
probabilidades de successo uo'anno vindouro,
e os partidos que se guerream neste momen-
to, ebegarem a conciliarem-se. A accao ben-
fica da ii'li;:;io he que nos tem conquistado,
e nos guarda estes uteis auxiliares que sao tai-
vez uina minora no povo, mas que reunidos
aos cidadaos deverno fazer pender a balanca,
e conjurar as espoleaces, e as matancas com
que nos amcaca o communismo. Em verdade
quandn deserevo estas perspectivas de lulas
sanguinolentas, erevoluces monstruosas, in-
vejo para o meu pais, esta felicidade calma e
pacifica, esta certeza do futuro, de que Vine,
goza, gracas estas inslituiedes monarchicas
que a Fianca deixou to loucamenle arrebala-
rem-lbe. h ella lin bem merecido os males
que a opprimem, em quanto que os brasileiros
por sua sabedoria se tem mostrado dignos dos
hens que o reo Ihes tesn concedido e que elles
tm sabido guardar 1 C
Inglaterra --As cmaras Ingleas esto de fe-
rias como a notsa assembla, e ellas se pro-
longaram at 28 deste mes. Entretanto algu-
mas decisdes iinpi ames foram lomadas pela
cmara dos communs nos primeiros dias da
quinzena, e a situaco dos partidos se tem cada
ves mais delineado.
O chanceller do Echequier, Sir Citarlos Wood
apresenlou um novo orcameuto, o qual pou-
co modifica o antigo, e nao satisfez mais que
este a opposicao lory, nem mesmo os radicaes
O ministro propoeiu sempre lempregar o ex-
cedente das receitas, que se eleva a 5( milhoes
e francos suppressao do imposto sobre as
portas c janellas, o qual se eleva smente a 22
inilhOes.
Os 18 milhoes restantes seram guardados no
tbetouro para fazer face s despeas extra-
ordinarias.
Este n5o he o calculo dos torys, que preten-
den!, nao sem rato. que os excedentes destas
depezas devein ser einpregados na diminuidlo
nrnmr tax que nao foi criado senao para faier
faceao dficit, e como recurso essemcialmen-
te temporario. O linanceiro dos torys, Mr.
llerries apresenlou por isso urna emenda
com o fim de obler uina diminuicao sobrero
imcome lax, porm os torys sobre tal queslo
ficao reduiidos s suas sVoprias forcas, isto he,
liiMorrn minoria. A emenda de Mr. llerries
foi rejellada por urna maioria de 48 volos.
Outra prova mais inportante foi provocada
por Mr. D'lrarli, que he o chefe poltico do
partido tory. Vmc. sabe que a tctica dos
torys conciste em reunir em torno de sua
bandeira os interesses agrcolas representados
pelos proprietarios tefritoriaes pelos rende-
ros e simples cultivadores. Elles se tem es-
forcado par provar aos operarlos do campo
que as lels do Fre Trade os tinhao j-edusldn
i miseria, entretanto que nao devo ter ou-
ter effeito, senao o de reduzir o valor exage-
rado, que as leis prohibitivas tinhao dudo as
ierras. Porm convem aos torys entreter a
illuso para terem cada vez mais afl"eicoado9
a si os seus liis eleitores dos condados. Mr.
D'lrali propoz tainbem que se dirigisse urna
liuinlide iiiensagein rainha pedindo-lhc que
lanjasse suas vistas sobre as miserias dnsoam-
ponrzs, e que se solicilasscm mcilidas que
un lio.i.'ni as condices dos mesmos. Esta
inocuo foi vivamente .combatida por Lord
John llusscl, e pelos Fre Tradttei, a excep;o
do filho de Sir Roberl Peel, que se apartou
nesta occasio das tradices de seu glorioso
pae. O resultado da votaco provou ainda o
progresso que fazem os torys na cmara dos
communs, e talve/, que tambera no paiz. A
inoco de Mr. D'lsraeli, foi rrjeitada por 263
votos contra 250. F.'uma simples maioria de
13 votos, certamente muilo pequenoa para
que um ministerio possa governar, sessao es-
tiveste tcitamente convencionado que Lord
John Hussel deve acabar a sessao.
.Ni nliiini outro faci grave teve lugar na
Inglaterra, onde todos se oceupao da prxima
exposicao.que tem para o povo inglez a du-
pla vantagem de ser ao mesmo lempo um ne-
gocio de (loria, e de dinheiro.
lcmavih*. He hoje certo para todo o mun-
do, que as conferencias de Dresdenada pro-
diziram, e que se voltar antlga dieta de
Francfort A Prussia que at neslcs Itlmos
lempos, se tinhaopposto a Ata soluco reros-
pecliva, esl boje perfectamente de accordo
sobre este ponto com a Austria: ella acaba
de nomear o plenipotenciario que a deve re-
presentar na dieta. Sempre disse a Vm. que
tudas as negociaces e conferencias nao po-
dio ter scoo este resultado. A sorle da Al-
Irinanha foi soberanamente regulada as en-
trevistas secretas d Varsovia, em presenca,
e debaixo da inlluenela do imperador Nico-
lao. Tcntou-se destruir os liberaes com o
apparalo de conferencias, que annunciavo
a prctencao de ludo revolver, porm nada se
fes, nem se far, fura do programina estable-
cido pelos tres soberanos, e este programa be
siiiiplcsiiicntc a volta ao auligo estado de
cousas.
Quanto entrada da Austria com todos os
seus estados, na confederacao, he niui prova-
velqueaqueslo leuha sido afflrinallvainen-
te decidida em Varsovia, porem he quasi Im-
possivel que a medida seja realisada, antes que
sejo des.ladas as diflculdades diplomticas
por ella suscitadas. He certo que a tranca,
e a Inglaterra protestaran), formando-sc so-
bre os tracwdo de Vianna que nao permitiera
que se mude naia as convencoes que cons-
limrm o equilebrlo europeo, sem o concurso
das potencias signatarias, destes tratarlos. Creio
poisque o negocio se conservar em reserva,
at. que a solucao diplomtica tenha sido ob-
Disse a Vmc. que o re dos Gregos tinham
vindo naviera ver OTei sen pal, porm o fim
de sua viagem foi procurar entre os principes
da casa real mn herdeirn a queinpodesse trans-
mittir'a cora helleniea, por que casado ha
muitos annos, com una lio la princeza di
Warlemberg o re Olhon nao tem fillios. Sua
esculla recahio sobre o lilho mais velho do
principe Leopoldo de Ravira porm um obs-
tculo religioso acaba de transtornar esta coni-
binacao. os termos do paragrapho40 da cons-
lituicao grega, o rei deve pofessar a rcligiao
dos Mllenos. O joven principe, e sua mullier,
dominados por escrpulos de conscjtrncia, re-
cusara submetter-se i esta obrigacio, e o rei
Othon dever procurar outro herdclro. para a
sua corda.
//eipanha. Graves aconteolmentos se tem
passado na.Ilcspanha depois da mi o lia ultima
carta. O negocio Importante di cmara dos
deputados era, como ja disse a Vmc, a Ici so-
bre o regulamento da divida. O projecto mi-
nisterial nao bavia encontrado oppes cues se-
rias no seio da commlsso. Si mente um dos
nembros, o Sr. Alomo, exprimi a opinio
mui sensata de que antes de regular a divida,
era preciso conhecer os recurso! de que a Hos-
panha poda dispor, c queconvinha por conse-
quencia que a cmara se ncciipaase em primei-
ra lugar doorcamentos. Quando o projecto de
le r nir<>ii coi dscusso na aisemblca, o Sr.
Alomo apresenlou urna proposla que suscllou
os mais calorosos debates. Os chefes mais no-
taveis do partido conservador os Srs. Mnn .
Pidal, e Sestorius apoiavam vivamente a pro-
posta que o ministerio combata com todas as
suas Torcas Eiiilim, na sess de 5 no maij
forte da lula, o Sr. Bravo Murillo, presidente
do conselho, insisti para que a assembla
votasse antes de rctirar-se : os seus adversarios
pelo contrario pcdlrain o nddiamento para o
dia seguinte ; neste conflicto um dos nieuibros
do gabinete, o Sr. Feruandes Negrctc, leparou-
se inanifestamentede seus colltgas, e pronun-
ciou-se pelo adiamento. Este incidente cau-
sou profunda sensacao, os ministros iinmrdia-
mente se retiraran) e a sessao fui levantad i ;
porm no outro dia, srgunda-ftira, o Sr. Bra-
vo Murilo, subi tribuna na abcitura da sel-
lo, e leo um decreto da rainha dissolvendo as
cortes.
Kis-aqui urna assembla composta quasi to-
da inteira de iiberaes conservadores, que v
aniquilada a sua existencia, no lira de tros nie-
les Os amigos sinceros da llespanha estn pro-
fundamente allliclos por este aconteciinento, c
lamentan) mais quomunca qun- a mao rigorosa
do maicili.il Narvaez l iiko esteja para dirigir
os destinos deste bello e desgranado paiz. Des-
le que o ilustre tnarechal se parti, os con-
servailores que se reuniam ein derredor delle,
se dividiram c as el. ices a que se val proceder
os verao entrar em lula uns contra os outros !
Dos queira que estas divisocs naoapproveilein
abs anarchistas !
Portugal. Vmc. por suas rclaces directas
com Lisboa j deve saber de una noticia mili
grave que acabamos agora de receber, todava
julgo dever transmilll-la posto que era resu-
mo. O niarechal Saldauha acaba de revollar
se aberlaraenl contra a rainha debaixo do
pretexto de exigir a deraisso do conde Tbo-
niar. O marecbal deixou Lisboa para ir ter
conialguns regimentos que lhe aloaffeicoadss.
e procura atrahir asioexercito sobre o qual
os seus amigos servicos lhe dao mui grande
influencia. Faltara-nos aqui os delallios sobre
esta revolla que lhe l'arei melhor conhecer na
ininha prxima carta, porm desde j lhe don
a conhecer a mao de lord Palinerslon e dos
seus agentes nesla conspiraco. Lord Pal-
inerston nao perdoa a Costa < abral os esCorcos
que faz para lirar Portugal do seu servilismo
secular, poltica commerclal da Gra-I'rre-
lanha, e por certo as scducccs, e promessas
dos sen agentes era Lisboa lein devido influ
grandemente na resolucao de Saldauha.
debaixo do nome de Comit centra, ile rmilance,
cj ha alguns mries, haviam publicado um
certo numero de bulletim, que concitavam de
um modo vago o povo para a insurreicao. as
vesperas do anniversarlo de 4 de maio, as suas
provocares lornaram-se mais violentas. Lm
bolletim fo dcimo) publicado debaixo doi no-
rae da commissao, e profusamente efpalhado
nos departamentos, nao deixava mais duvida
alguma sobre a inteneo que. tinham di obrar
promplamente, e sobre o fim de espoliacao e
inatanca geraesque se propunham
F.is como se exprima este terrtel bolletim:
n Cidadaos, he chegado o momento de exter-
minar de urna a outra exlrcmidade da Franca
os infames aristcratas que o dia 24 de feveiei-
ro poupou generosamente, eque na > tem ces-
ado de opprimi-vos, e de procurar arruiuar-
vos.
A insurreicao he um dlreito que pertence
ao povo, he um direito que vos restituir ludo
quanto se vos tem lirado; he o nico direito
que vos resta, como bem o sabis, cada um
pois que se prepare.
ii Ao primeiro toque de alarma contar com o
concurso enrgico dos vossos inuaos de Paris,
assim como elles contam com o vosso, se as
circiimstancias ihes fiterem tomara iniciativa;
sejamos todos solidarios, e primeira como-
cao todos se levanten)
Mas esperando ahora prxima da justica
popular, ouvi um coiisellio, e seguio, porque
he bom.
(i O povo em 1830 e 1848 concedeu perdao a
todos os realistas, e estes cobardes sustentcu-
los do despotismo, nao respondern) a esta ge-
nerosldade senao por criincs mais alroies.
Hoje nenhum perd'u) maii he possivel, nrit/ium
conten Hen/ium dert haver.
Tal deve ser o nosso santo, o nosso grito
de reuniao, se qutennos que a revolucao que
preparamos seja a ultima, c nos traga einfini -
prosperidade, a abundancia, a rique/.a. o drei-
lo de goiar em una palavra do nosso trabalho.
Feri sera piedade, poli os traidores nao
nereccm nenhuma misericordia, todos os que
combatcroin a repblica sao traidores, c os
que se esquivaren) no momento do combate,
seus infames cmplices.
llespodti a retinencia com halla, com ferro,
com fugo I!
. Para que vossa emancipacao seje completa,
e vossa felicidade duradoura. he preciso que
vossos inimigos sejam anlquillados e desappa-
rcco da ierra,
Otilemos em torno de no), e reconhecere-
raos os Inimigos a que deveraos fazer juslica
implacavel ; contemolas, e no grande da
caiain anniquilados.
Irmans, he em nome da salvacao de todos
que vos dirigimos este conselho, reBecll que,
marchando conquista dallberdade, nao de
veis deisar em vossos municipios esta raga in-
fame, poique elles vosferiria por detrax, c ini-
mnlai i i vossas iniilheres, c vossos lillios_.
Cidadaos, se em frvereiro a correccao ti-
vesse sido completa, se a reaccao se nao U-
vesse aproveitado da inagnaminedadc do povo
para oiganisar a traico, vos nos seriis obri-
gadosa lomar hoje as armas, para reconquis-
tar os vossos direitos, e a vossa liberdade, c
desde entao a prosperidade reinara
da repblica dcmoeitica e social
Sejamos Inergicosencha IWil
deixada em 1703, que tudo sera foto.
Saude c fiatcrniclade ( asignada) a com-
missao central de resistencia.
Esta horrivelpcca foidliigida aos departa-
mentos, e voltnu a Paris por algutis peridi-
cos das provincias que a publicaran!. A opl-
niao publica agitoiise muilo, e a polica que,
ha muito tempo, vigiava as aboniinaveis ma-
chinaces da Comete de resistence, compre-
liendeuque era preciso varejaro tovil, emque
se fibricaram estas sanguinarias provocaes.
Emfim quarta-feira passada conseguio o que
quera. Agentes de polica penelraram repen-
tinamente em tima casa do faubourg Mont-
marlre, onde se inipriiniaiii claiidetinaincnli-
estes bolletins, e alii prendeiam qualro indi-
viduos, lia muilo tempo conbecidos pelos seus
crimes ; appreliendcrain mais um grande nu-
mero de exemplares do dcimo bulletim, c as
formas de imprcsso do utndreimo do qual
a lacuna
qUcstSo que interessa a Vmc. inulto mais,
foi submettido a assembla pelo ministro do*
.."gocios estrangeiros. que pedio a ractltica-
c dos dous tratados concluidos pelo contra
almirante Le Predour com Rosas e Oribe. A
discussao deste negocio nao lera principio
antes de uina quinzena de dlai; porm pen-
s poder annunciar d'ante mao quy sera inuilo-
calurosa, e que a raclificaclo dolralado en-
contrar una formidavcl opposicao. INa rai-
nha prxima carta estarc mais completamen-
te Informado da. disposices da assembla,
e pouerei dar-lhe Infcrrotyes mais precisas.
Italia eHaVol<..- Morreo o prfucipe de Sa- forma, de .mpreasao ao unvucc,,., u., .,
ruio. tiodo rei de aples. A ceremonia alguns exemplares ja tinha raaid rados a es
Acabamos de celebrar em toda a Franca o
aniversario do dia cni que a repblica foi pro-
clamada. Esta festa se celebroii em Paris no
meio de torrentes de chuva, porm na naior
calina. Tinham-sc pteparado nos campos tif-
eos, sobre o Sena, na praca da Concordia, etc,
divertiinentos, espectculos, juslas, illumina-
efles e um fogo de artificio. A chuva innun-
dou tudo isto; porm o povo de Pars que ton
uina especie de palxo louca por esta sorle de
divertiinentos, passeou gravemente todou dia
c toda a noite, no meio dos preparativos da fes-
ta, recebendo sera nisso pensar a copiosa chu-
va que cahla, e depois de ter eutrevisto a tra-
vez de tuna floresta, de chapeos deso algum
lampeo fumoso, resto da illuminacao, ou al-
gum foguetc amortecido, amostra do fogo de
artificio, voltaram todos, cada ura para a sua
casa, inolhados at os ossos, enlmenlos al
os olhos, porm perfeitamcntesallsfeilos.
Taes sao oscpslumes da nossa popularn ;
quando lhe annunciam una festa publica, ella
sejulga previamente feliz e nao ha obstculo
que possam jinpedi-ia de lomar o prazer que
lhe foi proiueltido. Com tudo foi precisamen-
te o momento desta fesla que os demagogo! li-
nham escolhido para concitar o povo de Paris
a nina insurreicao. Pelas dtsposicoesquc vou
assignajar-lhe comprehender Vmc. que as ten.
talivai>l fautores de desorden) nao podiam
deisar de ter em'resultado a sua completa cou-
fusao. O povo que nao tem grandes desejos de
faier motim, devia neste dia, mas que em ne-
nhum outro, permanecer perfeitamenle tran-
quillo. Foi isto o que teve lugar era Paris, e
tambera nos departamentos.
Eis-aqui, cm poucas palavras, a conspiraco
que tinha sido preparada. Temos em Pars so-
ciedades secretas s quaes perteneca todos cs-
ses homens de saccoe corda.ladides, velhacos,
assasslnos, falsarios, reos de policia que bro-
tara as espitaes. A' tests destas sociedades,
e como seus chefes se achara individuos ja
comprometnlos as conspiraces, eque occul-
taudo cora cuidado seus noines e suas pessoas
Ido o sanio a estes bandos ignobeis. 1
cu < eocial. ( A lei de 3l de maio he a que ra-
gularisa o millragio universal, esupprirae o
terco dos amigos eleitores, exigindo ura domi-
cilio de tres annos. )
Esta descoberta da polica revelou ao! ho-
mens honrados o plano destes miseravels, e
ao mesmo lempo desraascarou-os. O negocio
est entregue justica, a qual ordeuou novas
prisoes. Se houvermos de dar crdito ao ru-
mor espalhado, a policia, se tivesse penetrado
no covil aloins minutos antes, teria agarrado
dous monlanhezes da issembla, que l ti-
nham hido paracorrigir as provas. Este boato
lera Sido tan espalhado que a inonlanha jnl-
gou dever pelir na tribuna esplicacdes omi-
oistro do interior. Mr Len Faucher liiiiilou-
se a iii/.er que nao podia empedir que as gaze-
las publicasseiu tal, ou lal boato, mas que np
tinha onlnilo alguma que expender sobre o
essencial do negocio, porque a justica eslava
iiiui i mili conheciinento delle. O que ha de cu-
rioso he que os dous iiiontanhezes aecusados
pelas gaielas, Mr. Mite Mr. Groppo, nao lera
dado da sua parte nenhuma explicaco, e uc-
iihuin dcsu.enlido. Elles sao ou verdade mul-
to capaies de terem fcilo o que se ibes im-
puta.
Nao houve nesta quinzena nenhum debate
poltico importante na nosia assembla. A
munianh.) tentn fazer algazarra por causa
de um crdito pedido para a installoco e tra-
lamentu de dous novos cardeaes. Ella osleu-
tbu, sobreest asiurapto, opiniesas mais irre-
ligiosas, porm suas dcclamaces nao literam
fortuna, e o crdito foi votado por uina gran-
de maioria. Em oulra occasio o ministerio
soflreu uina derrota. Apresenlou um projec-
to de lei que tinha por lini mandar pagar ao
lio do presidente, o ex-rei Jernimo liona-
parte, hoje inane h 11 de Franja e governador
dos invlidos, o seu sold de general de divi-
so desde l8ll. A reclamaco monlava a
245 rail francos, e foi recebida com ura des-
favor geral no seu da assembla, como nao
sendo por neuhuin modo justificada. Entilo
o goveruo para evitar urna derrota ul'allivel
7.i9. entreten) senao com a exposicao universal que
acaba de abrir-se coin grande ponina. lie
um grande povo o povo ingle/, elle faz bem
e depressa o que emprendido, .ora subs-
crlpcdel particulares executoit urna obra ver-
dadeiramrnte gigantesca, e esta obra foi ter-
minada no mesmo dia que tinha sido marcado
um anno antes. Vine, sabe que foi nomeada
tuna commissao para realisar esle grande pen-
samento de urna exposicao geral de lodos os
productos Induslraes do globo. O governo
tinha aulorisado esta commissao, a qual no-
meou para seu presdeme o principe Alberto.
A primeira queslao foi saber como se cons-
truirla um monumento colossal para receber
toda, estas riquezas. A commissao convidoit
todos os architectos da Europa, e ollereccu
ura premio consideravel ao autor do melhor
plano. Neste concurso aberto todas as es-
pecialidades, sabe Vmc. quera a cancou o
premio? um iardineiro do duque de Devons-
bire, Mr. Paxton, o qual. a for?a de contem-
plar os esludos magnficos de que tinha a
discelo, foi Iluminado por um raio de ge-
nio, e eoraprehendeu que o palacio di expo-
sicao devia ser construido como una estufa,
Isto he, com ferro e sidra. Este_ plano, lu
unnimemente approvado, e a ideia era t.io
simples c lo bella que nenhum dos concur-
rentes reclamou. Eis-aqu como veio ao-
inundo o palacio de cristal.
loi aberto este palacio no primeiro do mez,
e a rainha mesmo qui consagrar coma sua
presenca esta, magestosa ceremonia. Eramll
horas e trez quarlos, e faiia un) tempo magni-
fico, quando ella parlio do palacio de lluckin-
gliaui no meio das acclaniacdes do povo ein
um carro puxado por 6 cavallos, trajando
vestido de seda cor de rosa e leudo a cabeca
cinglda de urna corda de diamantes, elevavx
o cordo da ordem da Jarreteira em aspa.
as portas do palacio de cristal ella foi rece-
bida pela commissao real, que a aconipanhou
al ao lugar onde eslava preparado o seu thro-
no. Ahi o principe Alberto, era nome dos
COmmlsariOl ll>e dirigi um longo discurso
contoido n expolelo dos trahalhos da com-
uiissao. A rainha lhe respundeu nestes ter-
mos : Recebo como raaior prazer a inen-
sagem que me apreienlaes por occasio da
abertura desta exposifo. Tenho seguido
com inleresse bera vivo, sempre crescenie, a
marclia dos vossos trabadlos para o conipri-
mento dos deveres que vos foram confiados
pela commissao real c he com saplsfacao bou
sincera que sou lestemunha do felt resultado
dos vossos esforcos jttdiciozo. e incinsantes
pelo espectculo magnifico de que rae vejo
boje cercado. Uno-rae cordlalniente a vs
para pedir a Dos que a bemcoe cita erapre-
za, a tira de que ella aproveite a prosperida-
de do meu povo, e aos interesses communs
do genero humano, animando as arles da pac
c da industria, apenando os lacos da unio
entre as nacoes da tetra, e excitando una no-
bre, e fraternal emulacao no exercicio til da*
l.icul laile-, cun que foram grateficadas pelos
beneficios da providencia, para a feiicidada
da humanidad.'. >
Depois deste discurso a rainha pozse a paj-
sear pelas sallas da exposicao, dando a maca
direita ao principe Alberto e a esquerda ao>
principe de Galles, seu lilho, do idade de Iff
annos. O principe Alberto dava a mao prin-
cesa real Alice, menina encantadora de idade
ds 8 annos. Sfguia-se a duqiieta de Kent,
o principe, c a princesa de Cambridge, o prin-
cipe, c a princeza Fiedcrico Giiilberme da
Prussia, o principe Henrique dos l'aizes-bauos,
e todos os nfliciaes da casa real. Entre os-
grandes srnhores que furmavain o cortejo da
rainha, nolava-sc na primeira linlia o duque
de Wellington o qual dav) o braco ao mar-
quei D'.Vnglesea, c lodos os ministros. Po-
rem a personagem mas curioso, era ura inan-
larin chines, e chamado llering, o qual vcio
expressaniente a Londres para aexposico, no
junco chines o K-ying, A rainha o tinha
observado entre os principaes espectadores, e
o fez vir para junto de si cora giande alegra
dos dous meninos que nlo podiam lirar OS
olhos deste rollo amaiello.e deste estravagan-
(e trage, e de pois de ter recebido suas sauda-
ces, a rainha o convidou para seguir o sen
cortejo, o que o mandarlo! fez cora gostocol-
loeando-se ao lado do arcebispo de Cantuaria.
Durante o passelo da rainha, os orgos da
exposicao, tocados-^petos primeiros artistas,
execularam as mais bullanles pecas, De-
pois a rainha voltou para o lugar onde es-
lava o thronn, e declarou aberta a exposicao.
IIni concerlo de cornetas auuuuciou o fim da
ceremonia. .
Tal he, em resumo, a narraco da abertura
da exposicao, que neste momento aiuda for-
nece as gazelas inglezas inmensos artigos.
Verdade lie que ninguein se oceupa se nao
disto era Londres, e apenas se falla de un fac-
i parlamentar que tem todava grande im-
portancia O gabinete ,Whig acaba de sof-
frer uina nova, e grave derrota, a respeito do
i'iii-.iihi Tax. Um radical Mr. Hume, reque-
rco que este Imposto nao fosse vutado senao
por um anno, e que a cmara nomeasse urna
couiuiisso oicairrgada de coriigir as suas
ImperteicOes, e vicios. Esta inoco foi apoia-
du com ardor pelos torys que sao os adver-
sarios sistemticos do ncome Tax, e gracaa
ao apuiu que elles receberam de una quaren-
leua de radicaes, poderara faser passar a mo-
can por 240 votos contra 232. Nao se sabe
ainda o que far Lord John Hussel, porem era
lempos ordinarios, uina derrota seinelhaute
uccasiuii.u i i a deraisso do gabinete.
Iua.i u si mu a ce, ......-.. ^,........-. --------o- ------------ -- t\ .
chefes do partido anarchico se cunsljiuiraiul decidio-se a retirar o seu projecto. Outra
.l. m.nili'i. As conferencias do resda serio
enserradas a 15 deste mez, e no mesura lempo
adieta de Francfort estar completa, e tornar
a lomar as suas fuucces. o conde de Tbuui
ful nunieado pela Austria para a presidir.
Annuncia-se tainbon para 10 de maio o en-
cei i auieiilu das c unan prussiains. Na Aus-
tria o imperador acaba de nomear era con-
selho do imperio, que turnar lugar depois do
conselho dos uiiiiuiros, seus membros esco


"
'
"
"
WJ-
'2<
Um
lbidoi pelo imperadorserao aisemelhados aos voltassc. Elles, porm que tinhain oulro pen-
governadorcs de provincia.
Hitpanha. Adissolucao da cmara dos impu-
tados deslocou o partido conservador, c as
onsequeuclas dcsta medida se farcm j sen-
tir. Os progressiilas que tinhb (ido balidos
ompletanienle as ultimas elciedes, animo-
sle, e sel preparnm para entrar na arena com
probabilidades de successo. Ilouve ltimamen-
te emmeeting progressista em Madrid, na salla
do cro,.io qual assistiram tres mil pesseas.
Os Srs. Alonzo, Mendizabal, e alguns oulros
liel'cs pronunciaran) discursos minio vilen-
los, os quaes foram muito applaudidos. Foi
Horneada urna commissao para se oceupar das
elcicrs, c o duque da Victoria, Espartero, lm
nomeado presidente honorario.
Oque be mais grave ainda, he que ao lado
do partido progressista, que se diz sempre
anonarebicose forma neste momento, em Hes-
panba, um partido democrtico, e republi-
cano. Este partido" tambem constituio a sua
commissao, c fez o seu manifest. Creio que
o perigo ainda esl longe para a llcspanha,
porin he serio, porque a demagogia que fal-
la aos instinctos brutaes, e vidos, acaba sem-
pre por penetar as matsas.
Portugal Recebemos agora noticias multo
importantes de Lisboa. Tinha-se dito nos l-
timos dias que o marechal Sardanha havia f-
gido, c que buscara refugio na llespanha. As
cousas mudar%m de face. Depois de urna luta
de algumas horas com o governador, e as tro-
pas que permanecern) liis, a guarnicao do
Porto se pronunciou a favor de Saldanha, e
cidade seguio o seu exempln. O marechal
tornou-se assim senhnr do ponto o mais im-
portante de Portugal, l.ogo que ebegou a Lis-
boa a noticia deste accoiitecimento, o conde
de Thoinar deu a sua demissao rainha, que
accelou-a, declarando que nao podia deixar
de congratulai-se pelos servicos do seu mi-
nistro, "i[ii 11 em barcou-sc logo para a lesna
sha, rcrebeudo-se depois a noticia de sua
chegada Vigo. A rainha cliamou o duque
da Terceira, e o encarregou de compor um
gabinete. Parece que o rei na expedico que
acaba de fazer frente do ejercito real rc-
conheceu que a populacao eslava geralmcnte
indisposla contra o primeiro ministro, e foi
pelos conselhos do seu esposo, que a rainha se
dicidio a privar-se das luzes do conde de Tho-
lliar.
Em quanto a mim ludo islo prova una ni-
ca cousa, he que os inglezes exercem sobre o
povo portuguez um imperio, c urna influen-
cia inesisliveis.
smenlo, vendo chegar um mudo que ahi
trabalhava, e que trazia comsigo urna faca de
pnnta, puiando por um pedsco de fumo, pe-
dirani-lhe que Ihes dsse a faca para o corlar,
B com ella mesma o assassinaram ; depois a-
. ni -i 11 i a dona da casa, deram-lhe tambem
varias Tacadas para obriga-la a confessar onde
seu marido tinha ncculto o dlnhciro que jul-
gavatu possuir Um menino, que isso pre-
senciou, correndopcla porta de detras, foi cha-
mar os viziuhos, e estes felizmente consegui-
rn) prender tres desses desalmados, os
quaes j se acham recolhidos cadeia dcsta
cidade, morrendo afogado o quarto que se lan-
V"'! no rio. Diz-se que alem da senhora da
casa mais um menino licra ferido.
Tendo-sc hoje de tirar da radeia desta cida-
de para embarcar para o sul, um escravo que
dahi viera fgido, este procurando cobrar a|-
gum dinheiro que Ihe deviam outroi presos,
deu lugar a que estes se levantassetu contra
elle, c como oulros se apresentassem para de-
fcude-lo, os dous grupos armados de facas fi-
zeram-sc reciprocamente varios feriinentos,
posto que leves. Logo que dis&o fui tnforma-
o Sr. desembargador chefe de policia correu
cadeia, e faiendo penetrar na prisao um des-
tacamento de policia, conseguiu restabelcccr a
ordem, sendo apprehendida nina porco con-
sideravel de facas de ponta.
PORTUGAL.
Temos a satlsfaco de annunciar que pelo
vapor Porto, que acaba de fundear no Tejo,
conduiindo o conselbeiro Deis e Vaseonccllns,
i recebeu Sua Mageatade rainha urna carta do
nobre marechal duque de Saldanha, em res-
posta que a mesma Au.usta Senhora ihe ha-
via dirigido pelo sobredito conselbeiro.
O nobre duque expressa da maneira a mais
respeiiosa e submissa, o seu profundo reco-
nhecimento pelas honrosas cxprcsscs que
Sua ( testos de sua obediencia e acatameutu i mes-
ina senhora, pmicipando-lhe que brevemen-
te se dirigir capital e como tenciona cou-
duzir alguma tropa, pede Ihe sejam enviados
barcos de vapor pira a sua conduccao.
Declara que dedicar todo o seu presumo
para consolidar e maulero ihrono e a caita
reformada pelos mcius legaes, assim como os
direitos inalienaveis da augusta pessoa de Sua
Magestade a raiuha, c pede mesma augusta
senhora se digne confirmar algumas gracas
por elle concedidas em seu augusto nome ; e
agradecendo respeitosamente a nomeaco pa-
ra a presidencia do concellio de ministros,
comtudo julga que a nao deve aceitar, seni
que por isso deixe de se conformar com os de-
sejos da soberana, indicando-lhe as pessoas
que julgar mais aptas para a formaco defini-
tiva do ministerio, a cujo trabalho se dedicar
logo que cliegue capital.
Appensa extensa carta do nobre duque,
de que apenas damos um mu diminuto re-
sumo, se aclia a circular que vai na sua in-
tegra.
Teudo sido por mimalevantado o grito na-
cional, que vai sendo lo geralmcuic repelido
em todos os ngulos do paiz, c cumprindo que
a nacao conhrca os principios que dirigiram c
dirigein o litis proceder, em nomc de Sua Ma-
gestade a rainha, determino a V. que fa{a in-
mediatamente conhecer aos povos desse dis-
triclo, por nem das autoridades snas subalter-
nas, que o meu Bul, todo leal, francoe patri-
tico, he consolidar o tbrono de Sua Magestade
Fidelissimo a rainha a senhora l). Mara II, e
as liberdades consignadas ni carta cunstilu.
cioiul da monarchia, com ai reformas que a
experiencia tem demonstrado necessarias,
ai i ni de que as mesinas liberdades nao possam
er sofysmadas como at agora sombra da
mesma carta.
Para isso o primeiro passo he seni duvida a
queda do ministerio do conde de Thnmar, des-
Iriiiudo inteirainentc a inlluencia poltica que
elle exerceu, ou pude exercer por meio dos
membros das maiorias das duas cmaras, que
:iji narain cegamente o seu ministerio.
Da moralldade do governo depende sem du-
vida a moralidade dos povos, he pois iudlspcn-
savel que ella se patntele desde o ministerio
responsavel al Ultima das autoridades, e
que cesse de urna vrz para sempre esse funesto
systcma de patronato e corrupto, que at ago-
ra tem sido praticado em toda a escala da ca-
deia governativa.
lie preciso que tambem cesse o systcma de
exclusivismo, c qne uo seja urna illuso o
principio coasignado na caria constitucional
da inoiiarclii.i que todos san habis para exer-
cer os empregos pblicos si ni oulra disiinc-
..III que nao seja a do seu merecinenloe
que todos os ciados porluguezes sao iguaes
perante a le. A denomiiiaco de cor poltica
deve ser desconl ecida ao governo do paiz
os homens indignos de qualqucr partido de-
veni aer despresados ou p'uuidos, ae assim o
inerecerem os honestos atiendidos-e reapel-
lados. O governo he da nacao, he de todos os
porluguezes, e os differentei partidos devein
aer govemados ou attendldos com jusiica e
igualdade, e iienhuin delies governar exclusi-
vamente o paiz.
Garantir a liberdade eleitoral, iiin de que
a expresso do voto nacional seja urna i calida-
de, he da mais urgente uecessidade, e conse-
guido isto, do corpo legislativo partir sem
duvida a moralidade, a jusiica e as medidas
que devem conduzr este paiz aos inclhora-
nientos maleriaesdeque tanto precisa, e que
tanto merece.
Liberdade com ordem, jusiica e moralidade,
taes sao as nrcessidades publicas ; e be para
obler este resultado que eu cunto com o au-
xilio de todos os porluguezes honestos. Dos
guarde a V. Ciuartel general no Porto, em 29
leabril da l85l.Duque de Saldanha.
( Vo Diario do (ivierno.)
uiariu ue peiMuIjci).
axcirz, 2 si jdmioduusi.
Segundo somos informados, um cime hor-
rendo foi hontcii) comiiii'iiido no lugar dos
Remedios. Tendo rinda a esta cidade um in-
dividuo ali morador; para o Hu de vender (ci-
te como cosluiuava, quatro faccinorosns diri-
giram-se sua casa e ollrecendo-se sua se-
nhora para trabalbarem, esta Ihes dsse que
penuKn um pouco al que seu mando
A comarca Je Flores, que desde muito lem-
po, ainda no dominio da politica decidida, se
achava em desorden! acaba de ser restituida
ao estado das outras da provincia, paz, e
perfeita (ranquillidade.
Jos Rodrigues de Moraes, c mais 56 homens
que o acoinpanharam depondo as armas, apre-
sentaram-se no dia 8 do mez lindo aojui/. de
direito da comarca, e prestaran) obediencia ao
governo. Amnistiados em nome de S. M. o Im-
perador pelo Exin. Sr. Presidente da provincia,
por portara de 28 de marro do correntc auno,
c em vrtude da autorisacao do ilcerel o de 11
de Janeiro de 1849, elles nao se limitaram ao
acto de submisso e obediencia, agradecidos
Hilo bcmfazeja, que Ibes restitua o socego
elles romperam em euthiiiiaslicos vivas S M.
o Imperador, e seu delegado nesla provin-
cia.
A nao ser este meio essa uta que ja tanto
singue e dinheiro tem custido, so terminara
com mais sangue agora reina ali a paz, ese
sao verdadeiras, como devenios acreditar, que
sao, as previses do honrado juiz de direito, e
I i lenenie coronel Leal, expostas em cartas,
que temos .vista, a tranquillidade esl ali s-
lidamente restabelecida, o governo com a
poltica at agora seguida achara nclles em
vez de iiiiniigi's, recoiiliecidos sustentadores
da ordem.
Applaudimos cordalmenlc este successo,
que nao poder deixar de iiio modo por todos os homens honestos, como
o tem sido no lugar onde elle se passou, a-
chando-se contentes e salisfeitos os homens
beni intencionados de um c oulro partido,
que unilormes protestan! o esqueciinento de
antigos odios, nicos que haviaui entretido
una luta de sangue.
A's uoticias quchonlein publicamos, accres-
centaremos boje smente poucas palavras, por
quanto as duas carias do nosso correspondente
de Pars que deixamos estampadas em oulro
lugar desta folha quasi nada nos deixam que
contar.
As dcsavencasentre a Turqua e o F.gypto a-
chau'Se felizmente terminadas. Os dous pal-
ies portanto podero continuar a prngredir na
carreira dos melhoraincnlos uteis pelos quaes
se tem tornado ltimamente dignos da estima
gcral.
O mi i.ni trata de casar sua filba primognita,
a qual tem 12 annos de idade, com Mcheinete-
Alli-lley, lilho mais moco de Mehemelc-AII
porin Abbas-Pacha oppde-se a Uso, porque
leme ser dimittido pela Porta ollomaiia em
pioveilo do genro do grao senhor-
Eis-aqui como um correspondente da Pretie
d corita dos progressos feitos nestes ullimos
pelo Egyplo debaixo da administra, ao de Ab-
bas-Pacli.
Os viajantes que atravessam o Egyplo em
lodos os sentidos, admiram os progres-
sos que este paiz tem feito em todas as sortea
de cultura, principalmente as plaotaccs da
e urna de assucar, cujo rendimento pelo meio
dis offlcinas c bombas de vapor inlroduzidas
por Abbas-Pach no territorio egypcio, dobra-
ra dentro de dous anuos. A csporlactio deste
producto formar un novo ramo no commer-
cio exterior do paiz; e Trieste, Genova e o
litoral da Italia o cobicain j para suas refina-
(es e seu consumo.
Abbas-Pach oceupa-se igualmente em fa-
zer cobrir de arvores una parte do seu ter-
ritorio. Elle mandou vir bombas de vapor
ej deu principio a plantaran de una flores-
la de Ji.-ni 2,(500 geiras de eslensao na villa
de l'.en-l'.i, que Tica algumas leguas distante
do Cairo, sobre a margcn oriental do Nilo.
Elle mandou tainbfiu construir do Cairo para
esta villa nina estrada capas de ser tran-
sitada por carros, com arvores dos lados para
dar sombra as centenas de mi I ha res de pere -
grinos que, duas vezes por auno, vao da Nu-
bla e de lodo o Egypto, para a feira de Tanta,
onde se esl construindo urna .mesquita con-
sagrada Sidi-lledevi, cuja tmulo os Egyp-
clos venerain.
O deserto fixa tambem a altenjo do vice-
rci; alin das plantacdrs j consummadas,
tentativas de plantaces de florestas serao fei-
tas no deserto de Suez, onde chove alguma
vezes.
Os irali llios de utilidade publica, para o
aformoscamento esauidade das cidades mar-
eliaui com grande rapidez. Por toda a parte as
ras se alargain, casas novas se levantan) sy-
iiietricaueute, segundo um plano organisado
pela reparlico das obras publicas, o qual he
rigorosamente exrculado.
A cultura tem ganho muito sobre o deser-
to, grandes plantajes de bosques tem sidoexe-
en l.idas,una estiad i bordada de arvores e llia-
adamisada conduz a Abbazia, cidade nova
que se esl construindo, e at a primeira pos-
la do e iiniilni de Suez. No lim deste anno,
maisdametade do caininho do Cairo a Suez
estar macadainisada c os trabalhos continua-
ro al Suez. Enlo as viagens e os transpor-
tes de merendonas airgmeniiran em propor-
edes facis de prever. Os Inglezes vm nalu-
r .Imente com prazer os esforcos do vice-rei
para tornar mais segura e inaiscommoda a pas-
sagem das Indias. Emliin depois da elevaran
de Abas Pacha, o movimenlo dos viajantes Ue
todos os paizes teui-se tomado mais do duplo.
Este auxilenlo se explica pela aclividade dada
ao servico dos barcos de vapor entre o Cairo e
Alexandria, e bem assim pela quantidade de
botis que tem sido estabelecidos tiestas duas
cidades.
O vice-rei quer fazer um caminho de ferro
de Alexandria para o Cairo com ramos as pro-
vincias do Haixo Egypto. Este caminho serv'
r para o transporte dos producto* do solo, pa-
ra o das mercadorias das Indias para a Europa,
c para os dos viajantes. Abbas Pacha quer fa-
te-lo construir com os luudos do thesouro, e
espera smente para comee.ir os trabalhos que
os orcaineutos Ihe sejam submeltidos.
i n Bem v, pois, Vine, quao grande he o erro,
se he que he erro, dos peridicos que tem a-
preseniado como deploravel a situaeo dos ha-
bitantes do Egypto. A verdade he que os Egyp-
cios minea i.irain menos cu regados de iinpos-
tos, e que elles gozaui de ulna abundancia e de
um br ni estar que nunca coiilieceraiu at ao
presente. Quanto aos que, por occasio das
Tauzimata se poieraiu a fazer discripcoes tao se coin um augmento progrersivo ue furor.
f ilsas do estado do paiz, sua intenco era s-
mente suscitar embarazos ao governo Iludir
a opinlao da Europa. Felismeote o sultn tem
se minien tos de jusiica e equidade que sao a me-
Ibor garanta contra as intrigas urdidas em
Constantinopla. Abbas Pacha que Ihe he raui
dedicado e mu fiel, nao tem cessado de dlzer
publicamente que elle o livrra completamen-
te das queitas que cria ter contra os ministros
aos quaes dirigi una exposicao dos motivos
pro e contra os Tauimatii. Elle transmit io-
Ihes ao mesmo tempo todos os regulamenlo
ha lempos em vigor, e aos quaes o Egypto de-
ve o di-sRiivolvimeiiui de sua grandeza e de sua
prosperidade. Elle pedin-lhe que os exatni-
nasse com cuidado e indicasse os artigos que
deviam ser reformados. Se depois desta re-
mesa, aatlitude do vice-rei inspirou algumas
inquietaedes, he porque o Divn pareceu que-
rer considerar todos os antigos regulamentos
em massa como urna letlra mora, o que aos
olhos de Ahbas-PacU.i era um ataque sua du-
pla responsabilidade para com o sultio, seu
soberano, e para com as potencias s quaes el-
le deve da rconta de todos os interesses geraes
do paiz.
Em lim neftas circunstancias as autori-
dades, os cstraogeiros e o corpo consular tem
dado ao vice-rei estroudosos testemunhos de
suas sympathlas. Mr. Walne cnsul ingles no
Cairo, parti para conslantfnopola afim de
fazer com que oembaixador iugle apreciasse
todos os beneficios da administrado d'Abbas,
Pacha, que eslabelcendo por meio de urna
boa policia, a maior seguranca em todo o ter-
ritorio dobrou as facilidades a barateza e ce-
leridade das cominunicacdes entre aa Indias
c o continente, e ra versa. Nao duvtdo que
as auctoridades francezas no Egypto em Cons-
tanlinopola, c em Franca obraro no mesmo
sentipo. Este concurso dos dous governos,
desejado aqu por todo o mundo produsir
os melhores resultados.
O vice rei foi feira de Tanta, alim de
unpi imir mais aclividade s trausacocs, para
orar sobr o tu mulo de Llde-Bedevi.
A sua volla ter lugar prximamente, por
que Mookhlan-Ury, encarregado de urna inis-
s.in da sublime porta, ah se acba, a alguns
dias. Rile habita Kilenich na cidade.
Os habitantes salisfeitos com a marcha
dos negocios, se preocupo menos do que a
estrangeiros ds misso deste persnnagem,
cuja esculla lu una prova das disposices
conciatorios do goreruo que o einprega.
Eudifftnitiva, a questao com que fas tanto
inolim, est longe de ter a importancia que
se Ihe tem querido dar, os (amimaies nao sen-
do, em substaacia, urna inovocao para um
paiz que preceden em seus regulamentos,
hatlischerit de Gulhan.
A nica difftculdade consiste no modo de
applica-los, e niaguem be mais apto do que
Abbas-Pacha para a escolha dos ineios pro-
prios a poupar so paiz una comuioco, que
offenderia igualmente os interesses geraes e
individuacs. N.io duvido que a porta tomar
urna resoluco de conformidade cum as cii -
cumstancias. U imperio ollamano preciza de
pas, e iranguilidade para que as novas ins-
tituiedes inlrndusidos sobre o patronato do
sulto Abdul-.Mciijid, se cousolidem e se dc-
senvolvatn.
O estado sanitario do paiz be perfeito e
sua tranquilidade completa,
O i ei i ni iininio que leve lugar, nao se
fez como outr'ora. O vice rei tinba expressa-
mente prohibido que se regislrassem como
con-ci iius os iillios nicos. Os soldados fo-
ram lirados das familias que tinho dous ou
mais filbos vares.
Una carta de Dresde, datada de I de maio
prximo pastado, transcripta pela Preste de 7
do mesmo mez, refere a seguinte desgraca que
leve lugar na baviera :
n lima das mais ricas e industriosas cidades
icuamente devorada por um incendio. Quar-
ta-feira passada, pela meia-noile, manifeslou-
se o fogo em urna fabrica de cerveja, e favore-
cido por ii ni vento forte que soprava do norte,
propagou-se com tal presteza, que no lim de
duas horas toda a cidade nao era mais que um
montan de rumas e cinta.
Peno de 2,800 pessoas, isto he, todos os'
Ii ib lames ecbam-se sem abrigo, c perdern!
tudo quanto possuiam.
Onze individuos idosos, que se refugiaram
na igreja de Santa Calbarina morrerain as
chamas, ou caram sepultados debaixo das
ruinas do edificio, qne desabou, depois de ar-
der por alguin tempo.
O rei, logo que foi tnformado deste desgra-
nado accontecituenlo, parti para Traunstein
que est smala a 48 legoas de Munich, e pro-
digalisou aos Incendiados consolares esoccor-
ros de toda a especie.
Oininistro da guerra enviou a Traunstein
objectos de acampamentos. A municipalidade
de Munich remetteu vestidos para pessoas de
todas as idades, e sexos, e lodos os dias man-
da grande quantidade de vveres, principal-
mente de pao e vinho.
Para cumulo de desgraca, o incendio ma-
nifestou-se durante a feira annual, isto he, no
momento em que Traunstein eslava cheia de
mere iilnsi.is de toda a Allemanha, o que aug-
menta coiiMdeiaveliiiente a perda material.
> Kraunslein era muito bem edificada, e con-
linlia monumentos notaveis: era celebre por
suas agoas iniocraes.
O governo austraco exigi do governo turco
que un. i commissao fosse nomeada para exa-
minar as pretenedes dos Laliuos no que respe!-
taa nota pela qual o general austraco, exigi
que o santo scpulchro fosse restituido aos ca-
tholicos. A Porta conecntio nesla propusico,
mas a Kussia faz ludos os esforcos que pude,
para mauter os gregos na posse dos lugares
santos.
A gazeta de Boemia publica una carta de
Vienna com data de 22 de abril, na qual se le a
seguinte passagein :
A cmbaixada russa recebeu despachos re-
lativos ao negocio dos ducados, eos quaes o
gabinete de &an Pelersburgo insisto sobre urna
prompia soluco. Parece que a questao da
successo ao Un uno de Dinamarca no que res-
peitaa Oldemburgo, nao se acha ainda resol-
vida, pin quanto ueuhun) ramo da dynaslia di-
namarqueza nao quer aceitar a cora, sem que
a integridade da monarchia seja primeramen-
te garantida. O gabinete de San Pelersburgo
persiste em propor um coogresso europeu, no
qual todas as questes sejam reguladas, inclu-
sive a da Allemanha | mas o principe de Sch-
wartiemberg repelle esta proposla, visto que
a Allemanha pode terminar por s mesma aa
dliculdadesque a dividen) sem tr necessidade
do concurso da iussi, da Franca e da Ingla-
terra para garantir a soberana dos estados
Eu neuhum caso a Austria nao lomar parte
em lista tal coogresso. -
A municipalidade de Londres recebeu un
requei i mcnio no qual se Ihe pedia que se em-
penliasse com lord Palmcrslon, ministro dos
negocios estrangeiros, para que esteeinpre-
gasse a su i inlluencia junto do governo turco,
alim de conseguir a soltura de Kossulh e seus
companbeiros de iulbriunio que ainda se a-
cbamprrsos.
Corria que a rainha de Hespanba se achava
grvida.
Ua China sabemos que a insurreicao conti-
nua anda as provincias de Kwang-Si e Can-
tan, mas nao podemos dlzer certaincnle com
que successo, porin quanto o Friend vf China e
o China-llail sao oppostos as noticias que pu-
blcala a seu respetiii.
O primeiro diz o seguinte :
A Insureico esl longe de chegar ao seu
lim: pelo contraro, ella continua a extender-
0> insurgentes se reunlram 01 grande nume-
ro na distancia pouco mais ou menos de ces-
senta milhas, e altamente proclamiio, o projec-
to de derribarem a dynaslia reinante. A sua
determinar;ao ebegou ao extremo de abolirem
em todo o paiz que oceupam o costume trta-
ro de rapar a roda da cabeca ordenando que
se tragara cabellos comprldos como sob a dy-
naslia dos Ming. Estas noticias nos vem de
una fonte perfeltamente anthentlca, e ao nos-
so veras rebellias tem tomado um carcter tal,
que consideramos como mu incerta a conser-
vacao do throno imperial pela dynaslia actual.
O segundo porm dit o seguinte :
. Arebeliao continua a arrostar-se lenta-
mente sera apreseular nenbum carcter do
posto destes commentadores de noticias que
nada entendendo dos negocios chloezes, icein
attrlbuido a este movimenlo importancia, do
progresso, e concequeucias que, naquelles lu-
gares, o individuo o mais vido de noticias
nao admettiiiiao,
Desde o principio, temos visto nestes pre-
tendidos rebeldes um bando de ladrdes que
procurara desfarcar o seu lim debaixo da bao-
'deira do patriotismo ; porm o seu des farce
tem sido tomado ao longe, pela realldade, e
temos sido regulados pelas gazelas da India,
e da Europa com dissertaedes solemnes sobre a
guerra civil ni China, e sobre a queda pro\
ma do dynastia reinante.
u Um tal engao provena principalmente
da profnuda ignorancia que ha na Europa so-
bre ludo o que se passa no impereo chinez.
Tem-se felto destes bandidos um exercito tam
numeroso como o do duque de Wellington, e
sabemos hejo pelo testemuobo nao suspelto do
presioneire Tchouei Apou, que-na provnola
de t.anio, a penas elles sobem ao numero de
3,000, emquanto que na provincia do Re-
vang-si que se diz oceupada por elles com-
pletamente, o seu numero nao chega a
111,11111. Os combates, que lera sustentado
contra os mandarino, nao tem sido nem serios,
ueni sanguinolentos. A sua forja, se elles a
tem, nao consiste nem no numero, era na
disciplina, nem no patriotismo, mas somente
na natureza moulanhosa do pait, onde Ihes
he muito fcil oceultarem-se s pesquizas da
auctoridde. Esta rebelliam nao acabar pro-
va velmente nem pela destruicao,dos rebeldes,
nem pela queda da dynastia, mas por negocia-
edes amigaveis entre os mndanos, e os che-
fes, que se encaregaram de despenar os seus
companheiros de salteadores.
Tivemos tambem noticias da America do
norte. Nada de extraordinario tinha occorrido
nos Estados-Unidos, todavia parece que uiua
nova expedico se preparava all contra Cuba.
A iraprensa conlinuava a oceupar-se com a
prxima eleico presidencial.
O Mxico licra em paz. Na America central
porm conlinuava a guerra entre os habitan-
tes eos Indios, tendo estes alcancado consde-
raveis vantagens sobre us primeiros.
Publicagoes a pedido.
SONETO
Dedicado ao Film, e Extn. Sr.
Jos Ildefonso de Soma Hamos,
conielheiro de estado e presiden-
te desta provincia.
Teus feilos de jusiica e gratidSo,
Teu alio proceder, tua bondade,
Teus diluvios de constante amenidade,
Demonstram teu mimoso coraejio.
Teus actos lili ios da pura razo,
O teu sabio governo d'igualdade,
De todos com lid sinceridade,
Sempre olhudo sera com gratidfto.
Queira o Arbitro do munJo poderoso 1 !
I.evar-te caro ISffiOQ sobranceiro,
Aos tumultos do mar tempestuoso.
O bello Pernanrbuco todo inleiro,
De tPU se lembrar sempre saudoso,
l'erdcndo de seu seio o H7STI$ei&o.
Jooquim Jos Ra/mundo de Mendonca.
O desembarga dor Jos Telles de
Menezes, cavalleiro da ordem
de Christo, chefe de policia
desta provincia por S. M. 1.,
que Dos guarde, etc.
Altendendo ao requerimenlc de Jos da
Fonseca e Silva.ao ter elle apresentado a ban-
ca exigida pelo art. 29, do regulamenlo n.
.'ii, de 11 de abril de '842 mandado ob.tervar
nesla provincia pelo art. 35, % 10 da lei provin-
cial n. 130 de 2 de maio de 1844 : concedo-lhe
Ii cenca para ter nesla cidade casa de consigna-
cao para vender e comprar escravos.
Secretaria da policia de Pernambuco, 20 de
maio de 1851. Joie Tilles de Menexei
COMERCIO.
ALFANDECsV.
Ilendimento do dia2......9:844,745
Descarregam hoje 3 de junhi.
Origue inglez Uspray bacalho.
liarca dinamarqueza Waldemar -- mer-
cadorias.
Rrigue dinamarquez Htnrxelt dem.
Sumaca brasileira Carlota charutos e
fumo.
CONSULADO GERAL.
Rendimento do dia 2...... 387,311
DIVERSAS PROVINCIAS.
Rendimento do dia2...... 137,507
HECEHEDOKIA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
UiMiilimiMiiii dq dit 2..... 599,354
zer-se no Atierro dos Afosados ou ra Im-
perial, avallados em 3:520,000 rs. c sob as clau-
sulas especiaes abalxo declaradas.
As pessoas que se propozerem a esta arre-
matatao roinparecaiii na sala das sesscs do
mesmo tribunal nos das cima mencionados
pelo meio-dia competentemente habilitados
na formado artigo 24do regulamenlo de 7 de
maio de l850.
E para constar se mandou aflixar o presen,
te e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fasenda pro-
vincial de Pernambuco, i'lde maio dei85i.
O secretario,
enlomo Ferreira d'Annunciarao.
Claumlai eipeeiaei da arremataeo.
1'.' Os reparos a fazer-se no Atierro dos Afo-
sados, serao feilos do modo indicado no or;a-
tuento apresentado nesta data a approvaco
do Eira. Sr. presidente da provincia pelo pre-
co de 3:520,000
2.* As obras principiaiao noprazo de um
mez, e concluir-se-ho no de quatro mezes,
ambos contados de conformidade com os ar-
tigos 30 e 3i do regulamenlo de 7 de maio
de 1850.
3.a O pagamento ser felto em duas presta-
res iguaes, a primeira quando tiver feito
netade da obra, e asegunda depois de con-
cluida.
4.a Para tudo mais que nao est determina-
do as presentes clausulas, seguir-se-ha intei-
raraente o que dispc o regulamenlo de 7 de
malo de 1850.
Reparlico das obras publicas, 10 de abril
de 18510 director, ioii Mimtdi Altee Ferrei-
ra. Floriano Detere Portier. U. L. Mallo,
ajudante de engenheiros.Approvo. Palacio
do governo de Pernambuco, iO de maio de
1851..Soasa Hamo.--Conforme.--No impedi-
mento do ollici.il-niaior.--0 offlclal, Dnmingoi
ioi Soaree.Conforme.O secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciaca'o.
O Illm.Sr. inspector da thesouraria da fa-
zenda provincial, em cumprimento da resolu-
cao do tribunal administrativo de 28 do cor-
rente manda fazer publico que nos dias 10, ll
e 12 de junho prximo vlndouro, perante o
mesmo tribunal, se ba de arrematar a quent
por menea iizer o fornecimenio dos medica-
mentos e utensis para a enfermarla da cadeia
dcsta cidade, pelo tempo de um anno a contar
do I ."de julho de i851 a 30 de junho de 1852.
As pessoas que se propuzerein a esta arrema-
tadlo comparecam na sala das sessdes do mes-
mo tribuual, os dias cima declarados, pelo
meio dia, compelentimenle habilitadas, que
abi acharo o formulario e condicea da arre-
matacao.
E para constar se mandou alixar o presente,
e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda provin-
cial de Pernambuco, 30 de maio de 1852.
0 secrtalo,
Antonio Ferreira d'Annunciarao.
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria da fa-
zenda provincial, em cumprimento da resolu-
(o do tribunal administrativo de 28 do cor-
rente, manda fuer publico, que nos dias 10, 11
12 de junho prximo vindouro se ha de arre-
matar em hasta publica perante o mesmo tri-
bunal, a quera por menos tizer o servico da ca-
patazia do algodo, conforme dispde o cap. 6
do regulamenlo provincial de 4 de junho de
1847, sendo a ai reinalaco por tempo de 3 annos
a contar de 1." de julho de 1851 a 3o de julho
de 1854.
Os concorreutes comparecam competente-
mente habilitados nos dias indicados ao meio
dia.
E para constar se mandou a Hitar o presente
e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda provin-
cial de Pernambuco, 30 de maio de i8jji.
O secretarlo,
Antonio Ferreira d'Annunciaco.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, em vrtude da resoluco do tribunal
administrativo, manda faier publico, que pe-
rante u mesmo tribuual, vai novainente apraca
para ser arrematado a quem mais der no dia
2 de junho prximo vindouro o imposto de
20 por cen) n'agoardente que for consumida
nos municipios abaxo declarados.
Recife avallado animalmente por 12:501,000
Ollnda, dito, dito 810,000
Pau-d'Albo.dilo, dito G2.000
.auto Anto, dito, dito 202,000
Limoeiro, dito, dito 90,009
Brejo. dito, dito 30,000
Cimbres, dito, dito 30,000
As arrematares serao feilas por tempo de 3
annos a contar do i." de julho de 1851 a 30 de
junho de 1854.
As pessoas que se propozera a estas arrema-
fdes comparecam na sala das sessdes do mes-
mo tribuual nos dias cima indicados pelo meio
dia, competentemente habilitados.
E para constar se mandou alfixar o presente,
e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda provin-
cial de Pernambuco, 30 de maio de 185l.
O secretario,
Antonio Ferreira d'Annunciacilo.
eclaracdes.
iVovuneiUo do poiiu.
Navios tiihiilos no dia 9
Rio CranJo do Sul'--brigue nacional Al-
grele, tnestre Mauoel Pereira Jardn), car-
ga assucar.
Rio da Janeiro -- escuna nacional Gallante
Mara, mostr Jos Mendes do Souzs, car-
ga assucar e sola. Passagelros, II. Me-
ciid e Luzia Abbertina Francezes, e 4
escravos a entregar.
RioGraudedo Sulpatacho nacional Novo
Temerario, mestre Jos Antonio Candido
de Souza. carga assucar e sal. Passagei-
ro, Jtio Antonio da Silva, Urasileiro.

tlilTAES.
eOKRBlO.
Expediente da adininistracdo geral par a-
geneia de Olinda.
i. DEIURHO DE 1851.
Nada.
2 DE JUNHO.
Um olTtcio do administrador iaterino do
correio ao gente, con 14,000 rs., para pa-
gamento docorreiodo mz finjo.
Urna carta para Paulino dos Santos Ca-
valcante.
= Pela segunda aeccao da mesa do consular
do provincial se annuncia, que do dia primei-
ro de junho do corrente ann%, se principia a
contar os 3o dias para o pagamento a bocea do
cofre da decima dos predios urbanos dos bair-
ros desta cidade e povoacin dos Afogados, e
que lodos os proprietarios que deixarem de pa-
gar no indicado praso incorrerao na mulla de
tres por cento, e serao de promplo executados.
A quem convier o cncarregar-se da
demoli;Soe compra dos materiaes do so-
brado de dous andares da ra Nova n. 25,
que tem de ser demolido, se podera dirigir
aos vareadores- Jos Pires Ferreira e Mauoel
Caetano Soares Carneiro Monteiro, afitn de
tratar o preco e prazo dentro do qual deve-
la ser feita tal jcmolicSo.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria da
fasenda provincial, em cumprimento da or-
dem do Exui. Sr. presdeme da provincia de
10 do corrente manda fazer publico, que nos
dias 3, 4 e 5 de junho do corrente anno ira
a praca perante o tribunal administrativo da
mesma thesouraria para ser arrematado a
quem por utenos fuer a obra dos reparos a l'a-
Thentro de Apollo.
Qnarta-feira, 4 jnnho de 1851.
Depois de una cscolbida overlura acompa-
nhla dramtica sdb a dlreccaa do actor Fran-
cisco de Sales Guinarese Cimba, representa-
r o beliissimo drama em tres actos, intitulado
EMPREsTA-ME DOUS PINTOS?
/'(i-soiiriuiiii. AelprJ.
Os senbores.
Raymundo.capito riloiniado. Coimbra.
Eduardo da Silveira. Joao Telles.
Roberto, amigo do dito. Jorge.
Paulo, sargento. Guinaraes.
Urn medico. Conrado.
Gervazio Neves.
Um criado.
Um meirinho. Francisco.
Um marinheiro.
As senhoras.
Madalena. Leopoldina.
Luzia, sua amiga. Felismiua.
Depois do drama seguir-se-ha a mullissiino
jocosa comedia em um acto :


i
-
-r^re
HSJ
ODUELLOJK) TEBCEIROANDAB.
nn que o Sr. GuimarSes far o Interessantlssi-
iiio papel de Monflet no carcter de vellio cari-
cato.
Ptriontgenr.
Mr. Maulle!.
Filomelli.
Jullao,
Cuco.
Aetnr
Ossenhores.
Guimaraes,
Jorge.
Tellei.
Nevcs.
Ai senhorai.
Leopoldina
I.I171.
Carolina,
Madama Manllet.
Gente da vlslnhanca, etc.
Eis pois o diverlimentn que o director'cin-
presarlo lein a honra de ofterecer ao Ilustrado
publico pernambucano, de quera espera aco-
himento e proteccio.
Os blllietes de camarote e platea eslao desde
lio.ie venda no ibeatro,
Principiar as 8 horas.
Avisos martimos.
1'araa Itnhia.
Segu com brevidade a escuna nacional
Jtrielai fie, de pritneira marcha, forrada e
encivilhada de cobre, por ter parte do car-
regatnento : quem o restante quizer carre-
garou ir depsssagem, queira dirigir-so a
ra da Cadeia do Recife n. 56, luja do Sr.
Vita!.
Para o Rio de Janeiro segu viagem
coro brevidade o patacho nacional Curioso,
capitSo Jos da Cunha Jnior, por ter parte
da carga engajada : quem no mesmo quizer
carregsr ou ir de passagem, pode enten-
der-se com ocapitSo na Praca, ou com o
consignatario l.uiz Jos de Si Araujo, na
ra da Cruz n. 33.
Tara o Kio de Janeiro segu
viagem com brevldade o brigue nacional
Veitino, recebe anda alguma carga freto,
assim como escravos, e teni bons coinmodos
para passageiros ; os pretendenles se poderao
dirigir ra da moeda n. 7, ti tratar com
Leopoldo Jos da Costa Araujo.
Vende-se urna lancha nova, que pe-
ga delrinta a quarenta barricas, a a qual
se acha em perfeitissimo estado, bem co-
mo tres botes novos, tudo por preco com-
modo : na ra do Vigario, n. 11, primeiro
andar.
mm Vende-se o brigue denominado Victo-
ria, de construcgSo brasileira, de lote de
187toneladas, forrado decobre e promplo
para navegar, com todos os seus pertences,
inclusive a maioria dos escravos marinhd-
rog : quem o pretender, pode mandar exa-
mina-lo, fundiado noancoradouro da des-
carga da carnesecca, e para scajustar, na
ra daCadoia do Recife n. 39.
Leilo
eiioes,
Adamson Howie (V C, faro leilao, por In-
tervencao do corretor Ollveira, d'um comple-
to sortimento de fazendas todas proprias do
mercado: quarta-feira 4 do corren/e, s 10
horas, no seu armazein, ra do Trapiche
JfoAo.
Ricardo Royle far lril.lo, em o seu
armazem, na ra da Cadeia do Recife, H JI-
JE, 3 de junho, deumgrando e variado
sortimento de fazenJas de le e todas pro-
prias para o mercado, e por todo prcQO as
10 horas em ponto, para acabar no mes-
mo dia.
O corretor Miguel Carneiro, far leilao
no dia quinta-feira, o de junho, s 10 horas
da mantisa no seu armazein, de diversos tras-
tes novos c com pouco uso; louca, vidros,
candielros, lantern.is, quadros, espingardas,
pistolas de um e dous canos, reloglos e outrns
objectos que serio vendidos multo em conlo.
Avisos diversos.
Lotera da matriz da Boa Vista.
As rodas desta lotera deliaram de ter hon-
tem andamento, como se havla annunciado,
por existir mais de doze contos de rls em
Lideles por vender. Em consequencla dea-
te motivo inui justificativo, fui novamente
designado o dia 12 do corrente inez para o
referido andamento, srji qual for o numero
de bilhetes que anda restar O respectivo
thesoureiro espera que os amadores deste jogo
concorram a comprar esse resto de bilhetes,
que novamente sao eipos'.os venda nos lo
gares do costume, tendo attenco a que o
novo dia designado he o da vespera do mi-
lagroso Santo Antonio, em que se pdem rea-
lisar sortes mui felizes, e por consegulnle
grandes| venturas.
Precisa-se de um moleq le crioulo, por
compra ou alugado, que salba alguma cousa
de cozinha e que seja liento dos seguinics
vicios: fujo, ladrao, bebado e jogador; quem
tlver um sein estes achaque; e com aquellas
habilidades, dirlja-se ra do Rozarlo larga,
n. 18, que achara com quem tratar.
-- l'recisa-se alugar urna eriada porlu-
guez, que seja bem conduzida, para o ser-
vico interno de urna casa eslrangeira de
pouca familia: quem estivernestas circuns-
tancias, dirija-.se a ra do Vigario n. 3,
Roga-se so Sr. Dr. Honorio Fiel de
Sigmaringa de Vascurado, que se acha bo-
je advogando etr Goianna, que mande pa-
gar a sua leltra que se acha vencida a an-
uo e mel, o qual n&o ignora amule :
em qusnto o nSo fizer ha de ser lembrado.
= OSr. Francisco Antonio da silva da ra
do Rangel, queira' mandar popar a assignatu-
ra'deste Viario, e einqnanto nao o zer ver o
aeu nome publicado em lettra redonda.
m tmmmmmmm mmmmmmmmm
Na ra do Amplio, n. 12, segundo andar,
se deseja stber se he vivo, onde mora um
rapazinho de nome DamiSo, filho de Ange-
la de tal, e neto do velho Antonio Lopes
Mangaba, da cidade do Natal, o qual rapa-
zinho anda ha poucos anuos aprenda o of-
ficio de marcineiro, em urna ofcina desta
^wVwWiiilMIW WPWWWPa
Ainda se precisa alugar urna preta
escrnva, para fazer o servico interno de urna
casa de pouca familia : quem a tlver dirija-se
ao portelro d'alfandega desta cidade.
Attenco.
O abaixo assignado. morador as Cinco
Pontas n. *, faz publico a todas as pessoas,
que tiverem penbores em sua rasa, os ros-
gate at o iim do corrente, do contrario
serSo vendidos para seu pagamento e fzo>
presente para soa res.'al va.
Uanoel Juaquim Pinto Machado Culmaret.
s. Antonio.
os sentares fosteiros; avisa-si. que na
ra Nora n. 63, existem reglaros de S. An-
tonio, os mais ricos possiveis, dourados e
em fumo os quaes chegaram no ultimo
vapor, assim como outras mullas ricas es-
tampas, rropiias para quadros.
Na Praca da Indeprndencia n 17, d<*-
seja-se fallar com os Srs. francisco Caldas
Lint, que morou na tua do Rozario larga
n.30, e Francisco Xavier Carneiro Lins, mo-
rador no Cachang.
Na Prai;a da Independencia n. 17, exis-
te urna carta vinda do Rio Grande doSul,
para oSr. Manool Ferreira Escov.
O Dr. Prxedes Gomes do Souza Pi-
tanga, enearregado do hospilal regimenlal
a cargo do 1." balalhflo" de infanlaria, con-
vida a quem se julgar habilitado como bar-
beiro, para se contratar para o servico do
mesmo hospital, bem como a quom queira
contratar a applicacio de saoguexugas para
o mesmo eslabelecimenlo devendo ahi
comparecer at o dia 10 do corrente.
Precisa-se de urna ama psra casa de
um homem solteiro : no patio de S. Pedro,
casa n. 1, secundo andsr.
Na ra das Cruzes n. 40, ha bichas
amburguezss das ultimas que vieram ao
mercado, para se alugar e vender-se, tanto
por junto, como a retalho.
Deseja-se fallir com o Sr. Pedro Raplis-
ta de Santa Roza, a negocio : na travessa de
S. Jos n. 6.
Precisase arrendar um sitio, porto
desta praca, que tenha boa casa para fami-
lia, baixa para capim, nSo se pora duvida
em se dar adianto lo um anno de alugur-1 :
qoem tiver, annuncie, para ser procurado.
Precisa-se de urna ama para o servico
de urna casa de pouca familia: na travessa
do Corpo Santo n. 27, segundo andar.
Quem annunciou no Diario de 86 do
corrente, urna taverna com poucos fundos :
dirija-se a ra de Hortas n. 39.
~ Dam-se 300,000 rs. a juros, de 2 por
cento ao mez, sobre penhores de prata ou
ouro: no Aterro da Roa Vista, padaria fran-
ceza n. 50.
No dia 7 do corrente, finia a audien-
cia do lllin. Sr. Dr juiz municipal da se-
gunda vara, se ha de arrematar, um sobra-
limbo de um andar, sito no becco Tapado,
a\alianlo em 800,000 rs., por execucSo de
Avrial Irmlos, contra Manoel Ferreira Ra-
mos, he a ultima praca.
A pessoa que annunciou no Diario de
31 do passado, ter-se-lhe desencaminhado
um chapeo de sol, da nio de urna preta, na
porta do thcatro de S. Izabel, na noute de
29 do passado : dirija-se a ra do I.i vramen -
to n. 26, que dando os signaes certos Ihe
sera entregue ; assim como restituir o do
annunciante que he de panno, porcm em
botn estado e pagara o annuncio.
No dia 22 de maio p. p., desappareceo
o escravo Veriato, pardo de idade do 22
annos, alto, secco, tendo do lado dreito do
pescoco urna sicatriz proveniente de um tu-
mor, levou camisa de madapolam e calsa
de riscado, ho escravo do Dr. JoSo da Ro-
cha de Dolan la Cavalcante, senhor doen-
genho ConceicSo Nova, da fi cpiuvia da F.s-
cada, suppe-seandar pelos Affogados, on-
de desappareceo, pdr ter oeste lugar a mSi
e um lio, protesta-se sr de todo o ligor
da lei contra quemo tiaer acoitado : qual
quer pessoa que o pegar, pJe leva-lo, na
ra Direita n. 31: em Olinla, ra de S. Ren-
to, onde ge acha morando seu senhor, ou
no engenho ConceicSo Nova, na Kscada, que
em qualquer destes lugares ser recom-
pensado.
Desappareceo na noute do I," do cor-
rente, de bordo do patacho A'oro Temerario,
um pido marinheiro, de nome Antonio,
creoulo, idade 30 anuos, pouco mais ou me-
nos, estatura baixa, reforjado, labios mui
grossos e com pouca barba, cor retinta, le-
vou vestido calsa c camisa de brim riscado e
bontt, oquil foi escravo do Sr. Del fino Gon-
caIvs Percira l.iua : roga-se a captura do
mesmo e leva-lo a ra da Cadeia n. 39, es-
cripturio de Ainorim Ir.nSos, que ser ge-
nerosamente recompensado.
Antonio Luiz Ferreira, subdito Portu-
guez, relira-se para o Rio de Janeiro.
OSr. Rernardo de Alhuquerque Fer-
nandesGama, queira dirgir-se a Praga da
.T
Oeitabeleclmento de bancos, bem dirigidos,
icm-se geralraente considerado de vantapem
Simona ; pols que, tomando activa c produc-
tiva Ulna grande parte de capliaes desempre-
poilos e inactivos, augmenta a Industria, ofle-
rece desinvolviniento ao trabalho c facilita tf
movimento do commerclo c operardes de cam-
bio. Tao profundamente, tem sjdo reconhe-
clda, a necessidade de organisacoa de bancos
no Krasil, que multas provincias us lem podi-
do estabelecir.
No Rio de Janeiro fundou-se ltimamente
0 banco do Brasil, para deposito e descont,
devendo ser o seu capital de dci mil contos
de ris, divididos em vlnte mil aeces de qni-
nhentos mil ris cada urna, com duracao de
vinte annos, contados da approvacao dos es-
tatutos pelo governo e pelo seu plano e direc-
cao; ofl'erecc toda a garanta c utilidade que
se deve esperar de tao grandioso estabeleci-
mento. O conselho de dlreccao do dito banco
tendo em vista estender a influencia e benefi-
cios a esta provincia, resolveo substar allj,
em aceitar mais assignaturas, com a intcnco
de aqui haver quem, queira subscrever at
mil acedes; e desta inaneira baverem mais
interessados, e estes poderem auiiliar para o
bem cominum e geral.
F.m conformidade do que, e da deliberacao
do conselho de direcsao do dito banco, toma-
da sobre ideias apresentadas por dous nego-
ciantes do selo da inesma direcjo, o presi-
dente, o Sr. baro de Ipanema, e o secretario
Sr. Ireneo Evangelista de Souza, fizeram a
subida honra deautorisar os abaixo assignado*
para annunciarem a venda nesta provincia das
ditas mil acortes, para oque inarcam o praso
de qulnae dias, que a priiueiro vista parecen-
do pequeo eremos ser mais que sulticiente,
quan'do niio ser necessario entrar desde logo
com o capital que se subscrever; e sim em
prestaces como ordenam os estalaitos, que
sero apresentados, e forain publioados no
Jornal rfo Comm IS.'h. Tal retolucao tem em vistas interessar
os habitantes desta provincia, e proteger tan-
to quanlo for possivel seu comincrcio epros-
peridade, marnente devendo acrcdltar-se,
que lia na praca dn Rio de Janeiro multas
pessoas que nao poderam obter assignaturas
para accionistas, e por consegulnle fcilmen-
te all serao vendidas as que aqui o nao fo-
rera.
As vantagens da instituico, a circunstan-
cia de os directores do banco do Brasil, fun-
dado no Rio de Janeiro, movidos pelo bem
publico, mostrarem o apreco e iiitercsse que
toniam pela prosperidade da provincia de
1 vrn.unlun sao, alm de outras rades, mala
que sumeientes para confiar-se que os hab.
lomes della moslrarao quanto desejain o incre-
mento do coinmercio e industria c a prospe-
ridade publica. Todas as pessoas naiiouaes
ou cstrangeiras, que pietenderein ser accio-
nistas, e queiram aqui subscrever, sao roga-
das a dirigir-se ao cscriplorio do abaixo
assignados, na ra da Carda do Recife, n.
39, todos os dias ulcis. Recife, 3u de malo
de 1851. ah..i mi & Irmam.
Novo manual lo faxeutlclro
Ou tratado completo de medicina c cerurgia
domestico, adaptado Intelllgencia de ludas
as classes do povo ; seguido de mu formularia
de medicina e de um diccionario noslcnmis
scientificos, por lionjean, doutor em inrdeci-
na, inembro titular da acodcinia imperial de
raedecina no Rio de Janeiro : 2 vols. acompa-
nhados de 04 estampas, por 12,00(1: vende-se
no paleo doCollegio, caso do livro azul.
Desde o dia 2 de maio 41
w do corrente, o Sr. Antonio |
^ Pedro Rodrigues Guima- ;j
M raes, deixou de ser met cai-
f xciro, e najesteu mais res- j
g poDsavel por conla alguma .;{
*? por elle contra!irf:i em nome Si
Sil- i > i
S do abaixo assignidoa vista jj
, do sal o de conlas que me j
Joilo Ozono de *-
pnssou.
Castro Maciel Monteiru.
Independencia, livraria n. 6 e 8, a negocio, j ^m^m^mMI^M^i^Mm^&im1^
O Sr. Carlos Mal lilis de Almeida, lem ) '-- Ollerece-se um rapaz porluguez, de ida-
urna carta, na livraria n. 6 e 8 da l'rafa da de de 22 a 2 Independencia. | u armazens dos luesmos, ou para ra, "de
-Ns abaixo assignadospartecipamosao pu- qualquer urna dcstas cousas tem alguma pra-
blico, que no dia 25 de malo amigavcl- tica, c alguma de escripia, o i|iiai afianca a
mente dessolveraos a sociedade que girava sua conducta : a pessoa que se quizer utilisar
com a firma de Costa S Gomes, e que o socio do seu prestiuio dirija-se a ra Dircua, n. 14,
Comes fica emearregado da llquidaco das que se lbe dir quem he.
tansaccoes que se achajem pendentes rece-I Huada baniala relhan.li.
bendo ou pagando. Jeie da Coila Gomes. -- He o local em que se franqueiarao os jomaes
Joi Vial da Coila. I de Lisboa e Pnrlnjpara lar, quem all ou as ca-
O abaixo assignado participa ao respei-
tavel publico desta cidade que, no dia 22 de
abril do corrento anno, comprou, ao Sr. Grc
gorio Francisca dasCliagas, a loja de funilei-
ro que o inesmo tinha na ra Uireila n. 23,
livre a desembaracada de toda c qualquer di-
vida contrahida pelo dito Chagas; c por isso
faz publico para que pessoa alguma se iluda
visto constar ao abaixo assignado que o dito
Sr. Gregorio tem dito que a loja ainda Ihe
pertence, pois o mesmo ribr sua livre e espon-
tanea vontade ficou Irabalhando na dita loja
como oIRcial. Jo /tomingun Vertir.
Na loja do miudezss do Aterro da Roa
Vista n. 7%, deseja-se fallar ao Sr. alferes i'o
corpo de polica, Manoel Ferreira Kscovar,
ou a seu procurador, a negocio que Ihe diz
respeito.
Quem tiver e quizer vender o oilavo
volunte do romaneo -Mathilde por F.uge-
ne Sue, aununcie, para ser procurado.
Precisa-se de um forneiro : na Praca
da S. Cruz, padaria por beixo Mo sobrado
n. 106.
Precisa-se de una ama forra ou captiva,
para casa de pouca familia, era casa do Sr.
I'roiliiiis, culileiro, na ra Nova n 36, defron.
le da igreja da Conceicao dos militares.
No dia i do corrente mez ae ha de arre-
matar em hasta publica, do Sr. Dr. juiz mu-
nicipal da segunda vaca, linda a audiencii
do inesmo, urna casa terrea sita na ra do
Rangel n. I, por execuyao contra D, Igncz
Mara ila Trindade, he a ultima praca,
Dedicado no coinuierclo.
O vapor do sul trouxe a seguiote obraNovo
tratado de arilhinetica comwercial ou desen-
volvimenlo simplificado de todas asregrasda
arilhinetica relativas ao commerciu, acoiiipa-
nhadas de um grande numero de exemplos e
exercicios, os quaes facilitara o oietbodo de
resolver qualquer calculo que tenba relaeto
cora o trafico mercantil seguido de uraa ta-
bella das limlos dos prlncipaes paizes c sua
reduccao a de Portugal e do Brasil por Peres-
trello da Cmara, l vol. grosio 6,000: no pa-
llo do Collrgio, casa do livro azul.
.. OUcrece-se um rapas porluguez para
caixeiro de qualquer.eslabelecimenlo, excelo
venda, o qual d fiador sua conducta: quem
precisar annuncie por esta folha.
Perdeo-se no da 30 de maio prximo
issado, desde a bica de S. Pedro at a ra
do Coxo, em Olinda, un al fine le de ouro
com o formato de uro quadro circulado de
uina ramaceni niiuda e no ineio urna especie
de folhagem com um diamante no centro ; a
pessoa que o adiar pode leva lo au Recife,
nos qualru cantos da ra do Quelraado, n. 20,
ou em Olinda, loja de Domingos Jos Alvet
da Silva, que sera bem recompensado.
' sas j designadas assignar, como se amiunciuu.
= Precisa-se de una ama paro o servico in-
terno de una casa de pouca familia : no paleo
de San Pedro n. 18.
C mi itioiH ta tic para curativo rio*
eneraron.
O Dr. Pedro de Alhayde Lobo HOSCOSO
recebe escravos, para tratar, em urna casa
InaSoledade, qne tem para isso destinado.
Os presos silo osseguintes : 2,000 rs. dia-
rios por os que psdecerem do molestias in-
ternas, e 1,500 rs. por os de molestias vul-
garmente chamadas externas. Os (lenles
seio fornecdos de lodos os objectos ne-
cessanos para seu curativo. O annunciante
se obriga a curar quaesquer ulceras por
mais inveteradas que sejam, tifio havendo
grande perda de substancia, subjeitando-se
ao onus de s receber a teica parte do esti-
pendio no caso de queiio se consiga o cu-
rativo. Tambeui suhjeita-se a condi(So de
nada receber se os escravos roorrciem, e no
caso de escaparein pagar-se-lhc o que se
convencionar antes. No recebe por preco
algum doente, que n3o otTeregs probabili-
dade de curar-se. Compra tambem escra-
vos doentes e curaveis, sendo por preco
com modo. Lego que o numero dos doen-
tes seja suflicicnte para cubrir as despezar,
se far urna diminuicAo nos prefos diarios.
wm
-
clpio em 1829 ido constantemente augmen-
tando, lem hoje chegado a um estado de
perfeico tal, que njo ho inferior aos me-
Ihores queexistem em todo o imperio, tan-
to pelo que diz respeito a capacidade do
edificio, como pela exccl'encia dos mate-
riaes a pericia dos seus ompregados; o que
os habilita a ofTerccer-se com confianca pa-
ra a pontual exccuco de toda a especie de
machinas de vapor, de qualquer tamanlio
ou descripQ.lo que sejam, fixas, para na-
vios, ou locomotivas. Igualmente csldei-
ras para vapor do todas as dimensOes, enge-
nhos para canoas movidos por vapor, por
agoa, ou por animaes, cos todas as varie-
dades de moderna invenefto. Tachas de to-
dos os lmannos, alambiques do ferro de
todas as capacidades, instrumentos do agri-
cultura, rodas d'agoa e moinhos de vento
de todas as qualidades. Alvarengas e em-
barcares de ferro de qualquer porto ou for-
ma que se desejem. Puntes de ferro de to-
dos as dimensfies, gradaras, varandas, por-
tees, columnas, sinos hydraulicos, boias de
ferro, e n'uma palavra todas as obras de
ferro e bronze, de que o paiz possa precisar'
Grabas a energa do governo, existe ja urna
excellente estrada feita em linlia recta da
ponte da Roa Vista para o estabelucimento
em Santo Amaro, o que offerece a maior
commodidade s pessoas que o quizerem
visitar.
C lina das Crnzes n. 28. f
,-:> Consultorio homatopalhico do faculta- 0
q tivo J. II. Caianova. q
p. Gratis para os pobres. q
r, No ausencia do facultativo J. R. Ca- J?
? sanova, o professor homceopalha 9
Gosset Rimont continuar com os 9
9 trabalhos do mesmo consultorio, on- O
0 de poder ser procurado a qualquer O
O hora. O
Aluga-se o primeiro andar da casa da
ra do Cars n. 5, periqueen te a Francisco
Alvos ila Cunha, o qual lem excellentes e
aceiados commodos para grande familia e
com muito boa vista : a tratar na ra do
Vigario, escriptorio de Francisco Alves da
Cunha n. 11
Ro aditamento ao annuncio del. Luiz
de liiito Taborda a -ospeilo dos seus deve-
dorra, mais o* rguintea nomeai-A.B. da Sil-
va Cav>lci t', Jnflo Alndelo dos Sanios,
Henlo Borpos l.eai, Anaat'Cio Jos Pinto de
Kooza, los Vence., lao Afonso Rigueira,
Thereza ''os P, izeres, Pilippi Romanados
Prszuret, I.-nac o lotquim Ferreira, Manoel
loaquim Pues Brrelo, Jos Mara Gpraldes,
loaquirn Manoel da Castro, Antonio Jos
M riins, Atestado Jos do Azevedo, J.ia-
quim Rodrigues dos Hantos,Manoel Joaquim
leOliveira, Fr. Thomaz ex-frade do Car-
no, An'onio Mnaci'.' deOliveira, Francisco
leH. Itrfin i\i-ci di VVanderley, Manoel llo-
Irigoes (.amiiello, Leopoldo de C. M. Gua-
e na, Js Per ira Arantes, Fr. l.oureiiQo da
Conceicllii Fr-ncisco Antonio Pereira dosS.
Manp| i'nincio do Sacramento, Eustaquio
Jos Nun's Munz, Antonio Cordeiro eKze-
quiel Ferreira Baduem. U annunciante
prosegu' na publicaQ.lo .dos nomes dos
mais dos seos devodores que niio vierem
iinme.Ralamente pagar-llie, o paraemna-
quplles, cujas circunistancias niio Ibes per-
in i Ha ni pagar-lnej, declara quoao menos
so Ihe aprsenles, para ajuste, de contos,
e assiL'o :i;."io do pra/o em que devetn solver
stes seus intiguissimos debilos.
:-; C h a 11 eos d e sol. ^fe
^^ Roa do Passeio, n 5. 3^
Nesta fabrica ha presentemente um rico
sortimento destes objectos de todas as co-
res e qualidades, tanto de seda romo da
panninbo, por preQos commodos ; ditos pa-
ra spnlmra, de bom gosto: estes chai eos
silo feitos pela ultima moda ; seda adamas-
cada com ricas franjas de retroz. Na mesma
casa se acha igual sortimento de sedas
panninbo imitando sedas, par cubrir ar-
macties servidas : lodas estas fazendavne s
dem-se em porcHo e a retalho : tambem se
concerla qualquer chapeo de sol, tanto de
basteas de ferro como de baleia, assim como
umbelas de grojas: tudo por prec,o com-
nio.iii. Na mesma casa ha chapeos de sol,
de marca maior, de panno e de seda, pro-
prios para fetores de engenho, por serom
os mais fortes aue se pmlom fabricar.
...-^...- ^- '
Compras.
# Paulo (aig;noiiXt dentista
ft francez, offerece sen prest- 9
% inoao publico para todos os >
# misteres de sita protissao <>
19 pode ser procurado a qnal- jr
9 quer hora em sua casa, na ,
O rpa largo do Rozarlo, u. 30, ^
# sesrando andar. (a>
m9*999$*&&*$*999me +
Casa de commissao de escravos
Hecebem-se escravos para sc-
rem vendidos tanto para lora ,
como para dentro da provincia ,
com prestesa e seguranca aos mes-
mos : na ra da Cruz do ftecife
n. 6.
Fundicao d'Anrora.
C. Starr & Companhia, rcspeitosamenlo
annunciam ao publico, que o seu eslabele-
cimeiilopara manufactura de loda a espe-
cie de machinismo tendo desde oSeupnu-
Comptam-se urna negrinha que tenha
do idade 9 a 10 annos, e um moleque de 12
a 15 anuos, sendo bonitas figuras: na ra
da Cruz do Recife u. 37, primeiro andar.
Comprase urna vacca boa leiteira, fe
for toiinii ser preferida : no Mondego em
casa de l.uiz Gomes Ferreira.
Compra-so umsobrado de um andar
e sotfio, com quintal, que estoja em bom
estado, situado no bairro de S. Antonio, ou
Boa Vista, at 3:000,000 rs., -pouco maL} ou
menos : no patio do Carmo u. 17, a fallar
com Gabriel Antonio._______
Vendas.
liilhetes do Hio de Janeiro.
Aos 20:000,000 r9.
Na loja de miudezas da iraca da Indepen-
dencia n. 4, vendem-se bilhetes inteiros, indos,
quartos, oilavos e vigsimos da decima-tcrccl-
ra lotera das Casas da Caridade.
Oevoto t lirislao.
V'-noV-se o livi inl o Oetolo Chrinto,
o qual conten a lioutrina ChnslSa, modo de
ajudar niissa, noven das almas, vol para
rpmir as resmas do Purgatorio, exercicio
para lrancar de Nosmi Senhora o que se Ihe
pedir, uiacilo de S. Re nardo, novenas da
Assoncflo, ''a ConceicUo, do Natal, trezena e
ru.vona de S Aiiionu v responsorio do mes-
mo Sanio, 01 te, diips paia roiilisso, communho e mis-
sa, modo de rezar a eslacSo, exercicio para
cada da, signaes de N. S. Jc/ns Christo e
s.-ntenQa do mesmo Senhor dada por fla-
los, modo do rezar o rozario eexcellencia
do mesmo, aislerioa dolorosos, gososos e
gloriosos, Udainha de N, Senhora e outras
n uitas oraces. F.ste livriulio organisado
por um lini.i christ&o e a seus rogos impres-
so cnde-se pelo diminuto prec,o de duas
patacas, na livraria n. 6 e8, da Praca da In-
dependencia.
-- Vende-se urna casa nova, muito bara-
ta, com 3 portas no fronte, 3 qi arlos, 2 sa-
las, cozinha loro, quintal gnnde e murado,
e cacimba, no principio da ra Imperial i
liata-se ua misma ra n,87.
Vende-so nm molatitiho debonita.fi-
cura, sem vicio, o que se allenc n ra
da Cadeia de S. Antonio, segundo anlar do
sobrado da ofquini n 1.-
Vendo-so. por 1 reco commodo, urna
rasa tarrea, com moilos commodos 0 boa,
nofim da ra do S RiU, ou principio ila
dos Pescadores I na ra Direita n. 3-, se-
gundo andar. ,
_- Vende-se una crioula de idade de l\ a /-
annoa, que sabe cozinhar sottrivelraentc odia-
rlo de una casa, coze chao < engoman algu-
ma cousa, c he milito fiel; d-se para experi-
mentar lodos os quesitos que cima licain Ol-
ios: os pretendenles dirijam-sc ao pateo do
Terco, venda n. 71, que ah acharao comquem
tratar. ..
-- Vende-sc resina de angico a relainoe
por atacado, a 320 rs., a libra : na ra da
Cadeia do Recife, loja de JoSo Jos det.ar-
valhoMoraes.
Vende-se urna preta denscSo, moca,
que cozinha, lava de saboepngomma liso,
boa quilandeira, por ter andado com tabo-
leiro de miudezas, d-se muito em eonta,
por precisSo ; tres pares de mangas de yi-
dro lisas, com castigas : na ra do Rangel
n. 38, segundo andar.
Vende-se mel de assucar, a 200 rs., a
caada de oito garrafas: na ra da Concor-
dia, refinaqSo franceza.
Vende-se um negro de 25 annos, pou-
co mais ou menos, bonita figura e sem vi-
cios, por precisSo : na ra da Praia n. 34.
VmJem-se 13 escravos, sendo 2 mo-
leques creoulos, bons ofcaes do pedreiro,
deidade de 20 a 22 annos, urna bonita mo-
lata recollnda. ptima mucamba, cose, en-
gomma bem e cozinha ptimamente, 2cre-
oulas de idade 18 annos, cot algumas ha-
bilidades, um moleque do idade 18 annos,
ofllcial dealfaiate, bonita figura, 4escravos
de todo o servico, um dito carreiro, 2 ditos
de servico de campo e com bonitas figuras :
1 a ra Direita n. 3.
Compram-se e vendem-se
escravos, e recebem-se de com-
misso, tonto para dentro como
para Idra desta provincia, e tam-
bem se adianta dinbeiro sobre os
de comiissSes, tendo bonitas fi-
guras, sem se levarjir:. : na rua
das Larangeiras n. i4 segundo
andar.
Vende-sc urna escrava por 250 000 rs.,
por precisSo, a anal vende na rua e lava
roupa : no becco do Padre, sobradinho do
um andar, do lado do sul.
Vndese um negro hbil pata todo o
servico, sendo ptimo ganhador de rua,
sem achaque de qualidade algn: na rua
do Queimado n.
t Para nolvnse ballea loDerbos. t>-i
a Regise sublimes vestidos do mais a>'
** importante e delicado blon i de rama- #
4 ge, asimeomo de etlraordinario e a
4 superior selim de poso, lodos bran- -
r* eos o ricamente bordados, com linis- >>
^ simo retroz o'alvor brilhante : von- a>>
dem-son* loja pernambucana do An- >
> Ionio. I./iz dos Sontos, na rua do -)
) Crespo n. II. Qt-
Na rua Direila, sobrado de um andar
n. 33, no p da botica, vcidem-se doces sec-
eos,decada em barrilnhos, dito deliinSo,
le mangaba, depitanga c de outras quali-
dades, fazem-se bolos detoJas as qualida-
des, enfeilam-se bandejas ij ditos com ga-
lanlarlas, llores, ramos o finras, pastis d
cante a feitio de nariz, ditos de nata, po-
dns, pastelees, empadas, doces seceos da
immensas qualidades e jeleas de sustancias.
Vendo :e o engenho Cananduba, sito
na freguozia de S. Amaro de JaboatSo, 4 le-
goas distante da prar,a, n'e com anitnaes e
tem proporcOes ventajosas para moer com
agoa, e fazer dous mil piles por safra, he
de grande tendimento e de muito bom as-
sucar, boas torras e malas com undenas
de bo'is qualidades : trata-se na rua Augus-
ta casa do Pacheco.
Vemle-sea melhor pitada do rap Pau-
lo Cordeiro : no deposito da rua da Cadeia
n.19.
Vende-se a melhor figura que em ne-
gro tem apparecido, dado de 20 a 22 annos,
enlende de padaria e de calafate, proprio
para engenho, por ser bastante alto e for-
coso, por prec,o commodo : ua rua do Cres-
po n. 13.
Lotera do Rio de Janeiro,
Aos 20:000,000 rs.
Na rua estrella do Rozario travessa do Quei-
mado loja de miudezas n. 2 A, de J. F. dos
Santos Maio, vendem-se os muito afortunados .'
liillu tes, meios, quartos, oilavos e vigsimo!
da deciuia-tcrceira loteria das casas da calida
de. Na mesma loa esl patente a lista 27. da
loteria do Monte Pi.
Lotera do Itio de Janeiro.
aos 20:000,000 de as.
Na rua do Queimado n. 18, vendem-se
bilhetes, meios, quartos, oilavos e vigsi-
mos, da 13.' loteria das casas da Caridade,
coja lista chega infalivelmente pelo primei-
ro nav'o que vicr da corto. Tambero se tro-
cara pelos premiados da matriz da Roa Vis-
ta : na mesma loja existem as listas das a-
Irazadas ; a olios para tirar os 20 contos.
Casa de commissao de escravos.
Vendem-se escravos e recebem-
se de commissao, tinto para a pro-
vincia como para fra della, para
o que se offerece muitas garantas
a seus donos : na rua da (Jadeia do
Hecifen. 51, primeiro andar.
Falcada mais barata do que em
outra parte.
Cobertores de algodo escuro para quem
lem fri a 720 rs. cada um, cortes de briin
branco trancado de linho puro a 1,800 rs., di-
tos escuro a l.OOrs.o corle, rlscados de li-
bo a 220 e 320 rs. o covado, riscado de algo-
do trancado muito encorpado proprio para
escravo a 180 e aOO rs. o cuvado, picle a 180
rs. o covado, zuarte asul de & palmos de lar-
gura a 140 rs. o covado, dito de cor a 200 rs. o
covado, riscado francrz multo linos a 240 rs. o
covado, chita para cobertas decores fixas a200
rs, o covado, ditas para vestidos a 160 e 180 rs.,
cassa chita cores fixas a 440 rs. a vara, casto-
res proprio para palitos a 280 rs. o covado,
liceos de cassa de quadros para babados c cor-
tinados de cama com 8 varas e indo a 9,400
rs., chapeos de massa pura escravos a 480 rs,
cada um : na ruado Crespo 11. 0.
KJ ts-f


''r.-rm'
Cera de carnauba.
O Tmaii superior que ha ueste genero, ven-
de-se cm porco e a rclalho : na rua da Cadcia
lo Recife, loj n. 50 de Cunha & Amorim.
m I.':i>r Pedro 11.
f1! Vende-se no deposito geral, rua dos S
Sj Quarteis n. 24, loja de JosDiasSimes ff
* o omito superior rap Arela Prela Pedro ||
5 II cm pequeas c grandes porefics, pelo A
preco i;i rstabelecido, garantindo o de- 1
' positario a sem freguezes a faculdade ^
9 de tornar-lhrs a receber no caso dse ,
pl achar cm ino estado.
*:..... .,b._;.;._^^ mmmi&z are
Vendem-se chapeos de pa-
Iha do Chile de diversas quali-
dades c a precos rasoaveis : na rua
do Trapiche n. 5, c-criptorio.
Rap nreia pretn Pedro II,
Vende-e este superior rap arela prcta Pe-
dro 11. pelo preco j eitabelecido na rua da
Cadeia do Recite, loja do Sr. Joo Jos de Car-
valho Moraes, e Jos Diasda Silva, e no bairro
de S. Antonio as lujas dos Srs. Francisco Du-
arte Leinos, Manoel Rodrigues da Silva, Joo
Carlos de Lentos, Joaquim Ferrcira de Araujo
Guimaraes, Joao Paulo da Silva, Joaquim
Monteiro da Cruz, rua do Quelniado, Victo-
rino 8i Guimaraes, rua dos Quarteis. Manoel
Das 1 Vi mudes, Hilario Pereira da Silva, Jos
Diasda Silva Cardlal, Moraes Si Soares, Manoel
Jos Lopes, rua do Roiario Larga.
De superior [qualidade.
Cimento novo, chegado ltimamente de
llamburgo : ven'le-se no armazem de V-
rente Ferrelra da Costa.
Deposito da fabrica de Todos os
Santos na Huilla.
Vende-se, em casa de N. Bieber & C.,
na rua da Cruz n. *, algodSo transado da-
qualla ra lrica, muito propno para saceos de
assucar e roupa de escravos, por prego com-
ino to.
Farinlia barata
Vende-se, na rua da Cruz do Recite, ar-
mazem n. 13, familia de mandioca em sac-
eos, a preco baratsimo.
A mellior pecliincliii.
mira|de cores.'gaspeados, de couro de lus-
tro, com sola batid, prova d'agoa, proprios
para a estacSo do iuverno, a dinheiro a vis-
ta : na roa Nova, loja n, 2, straz da matriz.
~ Vendem-se lencos de cambraia de li-
nho, muito finos, com liico em volta : na
rua Nova, loja n. 2
Bons de cabello superiores.
Vendem-se bons de cabello, para ho-
mem. superior fazenda : na rua Nova, lo-
ja n. 2.
m chapeo por 6,000 rs.
Vendem-se chapeos de mirin preto, com
molas, por 6.000 rs. : na rua Nova, loja n.
2, atraz da matriz.
Vendem-se sacos novos de estopa ,
com duas varas, a 320 rs. : na rua larga do
Rozarion. 48, primeiro andar.
Cortes de chita do melhor gosto a 1,920
e 2,240 rs.
Na rua do Crespo, loja da esquina que
volta para a Cadeia, acaba de chegar um
completo sortimento do cortes de chita,
com !2cova1os, a 1,920 rs., e inteiros, a
a 2,240 rs.; pegas de msdapollo (lno com
pequeo toque de avaria, a 3,000 rs.; ditas
de algodflozioho, a 1,600, 1,800 e 2,000;
chales de 13a eseda, a 4,000 rs., e cortes de
casimiras do ultimo gosto, a 6,400 rs. e ou-
trs muitas fazendas de liom gosto.
Vendem-se pecas de chitas, luli-
pas, a 4,ooo rs.
Vendem-se pecas de chitas, limpas, boas
para escravos, a 4,000 rs. e a 120 rs., a c.i-
vatlo : na rua larga do Roza rio n. 48, pri-
meiro andar.
Xa loja de Jos Joaquim Morelra
& Coiiipiinliia, na rua Nova 11.8.
Vende-se um resto de couro de lustro, de
superior qualidade, pelles grandes, uiais
um pouO defeituosas, em razSo dehaver
pegado um pouco o papel, pelo baratissimo
preco de 2,500 rs., a pelle.
Ilha de S. Miguel.
Dam-SB tres alqueires de muito boa vi-
nha, nos Feoaes de N.Sra.da Luz, na Ilha de
S.Miguel, livres e desembarazados, por mui-
4'
Vendem-se chales de seda de lindos e mo- t0 barato preco : as Cinco Ponasid. 62
demos gostos, a preco de 4,500 at 6,000! ^ndem-se urna parte d
rs. : na rua do Crespo, loja n. 10.
Arados americanos.
>jy Vendem-se arados americanos ver- .^
j> dadeiros, chegados dos Estados- ^
_> Unidos : na rua do Trapiche n. 8. 4g
Rrejo, sito na propriedade Cruruaanas; urna
parte no sitio Jabol, sito no Cotinge; um
sitio do Cocalzinho, sito no Curralinho ,
com fructeiras, Casa de moradia e de fazer
farinha, e com tviamentos para o fabrico
a niesma ; ludo livree desembarazado, na
povoagSo de S. lenlo, villa do Bonito, ter-
t\ %?, t """I -\ &&& 'l M iAA "!0 de Caruar; tambem se vende qualque
l'ara acabar, sarja liespanliola,
limpa, boa, a 1,920 rs.
Vende-se sarja limpa espanhola, muito
larga, boa fazenda, a 1,920 rs. : na rua lar-
ga do Rozarlo ti. 48, primeiro andar-
Farinlia de S. Matlicus.
A bordo do patachos. Cruz, fumteado em
frente do Collegio, entrado no dia 24 do
corrente : vende-se a bordo, ou ao lado do
Corpo Santo, loja dcCaelano da Costa Mo-
reir.
Vende-se um .lio na estrada dos Afilie-
tos, com casa grande de sobrado, do pedra
cal, com exccllenles arvoredos de fruto,
coxeira e estribarla, boa cacimba d'agoa de
lier, com tanque, oqualparlc pelo fundo
com o sitio do Sr. Joo Caroll ; outro dito
junto ao cima, com casa le reaj solio e
arvoredos plantado de novo, cacimba que
adimito ora : tratr-se com Joaquim de 01 i -
veiraeSouza, no Aterro da Boa Vista n. 8.
-- Vende-se urna casa de sobrado de dous
andares, no Aterro da Boa-Vista : trata-se
na mesma propriedade n. 8.
Vende-se urca (averna com poneos fun-
dos, sendo a armsgo neva e muito barata,
a qual se acha fechada, na rua Direits n. 36 .
ttata-so com Joo Marlins de Barros, que
faz todo negocio.
Vende-se cera de carnauba de pri-
meira sortp. em porgao e a rctalho, con-
denas do Porto, esleirs da Ilha do Princi-
pe edoAracaly, solase courinhos de ca-
bra, ludo por menos preco que emoutia
qualquer parte : na rua da Cruz n. 36, de-
fronle da I.ingoeta, (averna de Mendes V
Braga.
(.'era de cnrnaitba.
No armazem de Domingos Rodrigues do
Andradc & Con panlna, na rua dos Tanoci-
ros n. 5, vendc-S'i superior cera de carnau-
ba, ltimamente viudas do Aracaly, em
jim(;. em oulra qualquer palle, assiin como sola e
couros miudos.
Vendem-se um bonito pagem de 16
annos, bom bolieiroc linda figura, calsado
< fardado de panno fino, sabe I em tratar
le cavalls e agrada a qualquer um senhor
que o quizer comprar, por ser mullo activo
c diligente no comprimento de seus devo-
res, 4 molrcotes bons trabulbadores do cn-
xada, de 14 a 18 annos, lindas figuras, um
bonito moleque de 16 annos, proprio para
pagem por estar tambem a isso acostumado,
um molalinlio de II annos, muito lindo e
esperto, urna negra boa vendedeira de rua,
11105a e linda, duas ditas com principio de
engommar o eoziuhir, una negra de 30 an-
uos, permita coziuheira, doceira e engom-
madeira : na rua do Rozario larga n. 22,
segundo andar.
-- Vcndcm-se camisas homeopticas de
llanela. muito finas, proprias para a esta-
clo do invern, privativo de constipares .-
na rua Nova, loja n. 2.
Vendem-se a 1,000 rs., dinheiro avis-
ta, lencos do seda, para hombros desenlio-
ras : na rua Nova n. 2, atraz da matriz.
A. Colombier, com loja n. 2, na rua
Nova atraz da matriz, recebeo chapeos li-
nos, da ultima moda de Cariz, vcndein -se a
dinheiro a vista, nada de fiado.
Vendein-se 500 a 600 canadas deazei-
te de cairapalado, por alteado, a razao de
1,520 rs, a caada ; 6 pipas arqueadas de
ferro, que servem de deposito do mesmo
azeilo, a 8,000 rs., cada urna : na Praga a
Roa Vista, sobrado n. 12.
Vemieni-se fundas forradas decamur-
sa, para o lado direilo e esquerdo, epara
dous lados eniuuia s pega, com armagSo
deago : atraz da matriz da rua Nova, loja
i). 2.
- Vendem-se a dinheiro avista, na rua
Nova, loja n. 2, sapalos de duraque de co-
res, para minina e senhoras, a 5UU rs.o par.
Vendem-se no Aterro da Boa Vista, na
loja de midezas n. 54, as seguintes obras,
em bom uso, o piloto instruido (tercetra e-
di$0), Taboa requisita por Nore eTaboa-
dinha pelo mesmo. tratado completo do na-
vegado, Bezout, Manobras, um oitantc,
un (tiappa e utria escala ingleza.
llroteguini liomcopalhicot.
Ti'iidui-so tiiozeguins iugkzis de casi-
um destes sitios em separado e faz-se com
elles todo negocio : as Cinco Pontis n. 62.
4 Na rua do Vigario 11. 23, segundo (
andar, ha para vender pelles degau- >
4 razes (pennas encarnadas^ o melhor %
% que ha ueste genero, por commodo fr
% preto. >)
He muito barato.
Superior tinta vermelha, ptima para es-
crever, riscar livros em branco e papis, e
mesmo propria para outros misteres, mu
conveniente para todas reparticOes publi-
case qualquer casa de commercio, n.1o s
pela sua qualidade, como por ser muito em
conta, em meias garrafas, a 560 rs, cada
urna : na la da Cadeia Velha, loja d mi-
dezas n. 31.
Milagre d'Ourique.
Na casa n. 6, defronte do Tra-
piche Novo, vendem-se os diver-
sos opsculos contendo toda a
questao a cerca do milagre d'Ou-
rique, e-tre os distinctos Ilitera-
tos, Alexandre llerculano, padre
liecreio, Magessi e outros.
JKstam-se acabando.
Chapeos de sol francezes, de muito boa
qualiJadc, tanto na seda, como na armado,
por screm grandes e muito fortes, pelo ba-
rato preco de 6,000 rs.: na rua do Crespo,
ao p do arco, loja n. 2.
Oh que pichincha para a presen-
te r-liti ;io.
Vendem-se gasimiretas de encllenles co-
res pioprias para palitos, e pelo puco
baratissimo de 500 rs., o covado : no Ater-
ro da Boa Vista, loja 11. 18.
Vcndc-se et va mate muito nova: na rua
Augusta n 94.
Vendem-se manteiga ingleza boa, a
640 e 480 rs.; qucijos nuvos, a 1,600 rs.; cha,
a 1,600 rs. ; caf em grao, a 160 rs.; touci-
nho do Santos, a 1-20 rs. ; familia demara-
nhSo, a 80 rs.; quaitinbas a 120 rs., e to-
dos os mais gneros muito cm cunta : na
rua Angusta n.94.
Q) Algodo para suecos. (
io Vende-se muito bom algodo para V
saceos de assucar, por prego comino-
M do : em casa de Ricardo Royl.e, na ir
(C<| rua da Cadeia n. 37. fr
:# :
Para qiicm quizer ganhar di-
nheiro.
Vende-se um cusmorama composto de
muitas vistas, das mais bellas e importantes
parles do mundo, e todos os seus pertences,
como vidros e candieiros, etc. ; qualquer
pessoa que queira fazer fortuna, j viajan-
do pelas capttaes das provincias, como po-
las cidades o villas do interior, nfio deisa-
ia de cnlher minios lucros, atlendendo pr 1 ri-
el a I id 011 te, que nos lugares do interior,
pouco ou nada he conhecido esse passa-
leinpo e genero de recreio com o qual
muito aproveitarSo os liabitantts do cen-
tro, vendo bellas e curiosas vistas origi-
nara, o que poder produzr grande con-
currencia de admiradores, e desl'arte em
poucos mezes, ter-se-ha feilo boa fortuna :
trata-se na rua do Sol n. 15.
c 1.ra 111 de pressa pechincha.
Ve 4,500 e 5,000 rs. o corle.
Na rua do uu< m'ail.i, loja 11.17, ao'p d'
botica, vendem-se corles do casimiras de
cores escuras, muito encorpadas, proprias
para a presente estacSo, a 4,500 e 5,000 rs. ,
e milito linas, a 5,500 e 6,000 rs.; pao lino
preto o azul, de cures (xas, a 3,500 e 4,000
rs., o covado ; cobertores do lila muito en-
corpados, a 1,600 rs. ditos muito grandes,
do Porto, a 3.000 rs. cada um, e outras fa-
zendas, por j'ieco iii.ns barato do que em
outra qualquer parle.
Vendem-se na loja do anligo baraleiro,
na rua do Crespo 11. 11, as seguintes obras :
Horacio, em formato grande ; compendio
lemacos. Salustlos, Cornellos, Virgilios, o
cdigo deleis de LuizPhelippe em francez,
um tratado de physiologia pathologica ,
tambem em francez ; grammalicas franco-
zas, inglezas, latinas e toda a sorte de li-
vros classicos, tudo por muito commodo
preco que nao poder* deixar de encher as
vistas dos compradores 1 na mesma loja
continua-se a trocar e comprar.
Novos Hvros de direlto civil.
Apontamentos sobre as formalidades
do processo civil brasileiro. pelo dezembar-
gador Pimenta Bueno, 1 vol. 1850, 3,000
Apontamentos pelo jury, sobre o pro-
cesso criminal, pelo dezembargador Pimen-
ta Rueo, 1 vol. 3,000 rs.: vendem-se no
pateo do Collegio, casa do livro azul.
-- Vende-se por commodo preco, ou tro-
ca-se por ilguma propriedade nosta prac,a,
dando-sea volta que merecer, a ilha deno-
minada S.JoBb Baptista, ao p dos Affoga-
dos, com bastante terreno para plantacOas,
a qual d bastante capim, dous grandes vi-
veiros e cento e tantos ps de coqueiros ;
assim como um sitio em BemfJca, juolo a
estrada Nova, ao p do sitio do Sr. Viegas,
todo murado, com dous portees de ferro, o
3nal tem excellente casa cocheira para
ous cavalls ecarrinho, um grande poco
com excellente agoa de beber e bastantes
arvoredos de fruclo ; a ilha tem duas gran-
des casas de pedra e cal: a tratar na rua da
Cadeia do Recife n. 54, tudo muito barato,
ou por todo prego.
VendB-seum sitio na Solidade, na es-
trada que atravessa pelo fundo do sitio do
Cad, com casa nova e muito asseiada, com
tres salas forradas de bonito papel, quatro
quartos, cozinha fra, casa para feitor e pa-
ra pretos, cocheira para carro e estribara
para tres cavalls, tem muitas e muito boas
larangeiras, boas mangueiras, jaqueiras e
cajueiros, muitos ps de saputizeiros pr-
ximos a darcm frocto; finalmente tem todas
as proporees para urna familia morar com
decencia e recreio tambem tem urna fa-
mosa cacimba com boa agoa de beber : tra-
ta-se na rua Nova, armazem de trastes do
Pinto, defronte da rua deS. Amaro.
Attencao.
Na rua do Cabug, loja de midezas 0.4,
vende-se meias de lila de carneiro, proprias
para quem padecer friesa nos ps, ditas dos
ditos muito finas, para senhoras, pelo ba-
ratissimo preco de 1,880 rs., o par.
Vende-se o milheiro de lijlo a 5,000
rs.: na rua do Amorim em certa venda,
desde as 6 horas da manlia at as 6 da tar-
de : a tratar com o caixeiro da mesma ven-
da e proprielarioda olaria; aproveitem an-
tes que se acabe a pichincha, que he bara-
tissimo, de boa qualidade, s o que tem he
ser mal cosido.
Piano.
Vende-se um piano, por preco commodo:
no patio do Paraizon. 20.
Urna bonita'preta engoinmadeira.
Vende-se urna bonita preta, moca, cor-
polenta, engommadeira e cozinheira, nSo
tem vicios, nem achaques, oque ludo se
afianza : na rua larga do Rozario n. 48, pri-
meiro andar.
1 resea de s. Antonio.
Nova trezena de S. Antonio, contendo a
ladainha, supplica e os versos, muito bem
mojada, pelo diminuto prec.o de 320 rs.:
na livraria do palio do Collegio n. 6, de JoSo
da Costa Dourado.
Perguntas c respostas.
Com este titulo, urna collecQo de muitos
engranados versos, feito porum pernambu-
cano, para s nou(esde S. Antonio, S. JoSo
e S, Pedro, e tamliem serve para traqueado
estaios, vende-se a folha, por 80 rs.: na li-
vi; 1 la do patio do Collegio n. 6, de Jo&o da
Costa Dourado.
As jovens pcriiambiicanns.
Um pequeo folheto, com muitas bonitas
sones, para as uoutes de S. JoSo, S. Antonio
eS. Pedro, vende-se por 160 rs. : ni livra-
ria. do patio do Collegio 11. 6, de JoSo da
Costa Dourado.
Rua do Crespo 11. Iti.
Loja que volta par a rua das Cruzes, ha
excelentes certes de meias casimiras de lila
fazenda muito superior e cneorpada, pelo
diminuto preco de 1,280 rs. o corto, assim
como lindas cassas francezas a 600 rs. a va-
ra, superiores chapeos francezes de gomma
elstica, riquissimos manteletes parisien-
ses, fazenda aqui anda nSo vista, por se-
rem de gosto inteiramente novo e muito
excellente qualidade, e que se vendem pelo
birato 1 r cu de 16,000 rs. cada um, bem
como chitas francezas largas para cobertas
a ao rs. o covado, e muitas outras fazendas
muito baratas.
Vendem-se ananazese abacaxises,plan-
tados cada um em sua vasilha, muito pro-
prios para emharqce e mimos : na rua das
Cruzes 11. 40, aoude se acha um para a
mostra.
Instrumentos de msica.
Fabrica de ffirs.
Na tua Nova n. 9, vendom-se clarins, cor-
netas, pistOes, trompas, irotnpOes, pratos de
l.i lisia 111 limpia, nln es, clai 1111 tas, requintas
elodas as qualidadesde violOes, rabeccas,
flautas e flautins.
Vendcm-se relogios de ou-
ro eprata, patente inglez : na rua
da Senzalla Nova n. %-x.
Tecido de algodo trancado na fa-
brica de Todos os Santos.
Na rua da Cadeia u. 5a,
vendem-se por atacado duas qualidades,
poprias jara saceos de assucare roupa do
escravos.
$ V v WVff f V V f f f f *f f f f
* Deposito de tecidos da abri-
ca de Todos os Santos,
% na Ualiia.
tf" Vende.se em casa de Domingos Al-
-> ves Malheus, na rua da Cruz do He-
los, couco, paftadelrat de ferro eitanhado
para ca de pulgar, por inenoa preco que os
de cobre, cacovens para navios, ferr inglez
tanto em barras como em arcos forbas, e tuda
por barato preco.
Vende-se
Farinha fontana,
Arroz de casca,
Farello novo,
Cha preto,
Chumbo de municJo,
Cimento,
Bichas de Hamburgo,
vende-se ludo por precos commodos : no
armazem de J. J. Tasso Jnior, os rua do
Amorim o. 35.
Bom e barato-
Vende-se cera de carnauba de primeira
sorte, 6,000 rs., sapatos brancos para ho-
rneo) e meninos; ditos de couro de lustro;
couros de cabra ; chapeos de palha ; peo.
as de orna : na rua da Cadeia do Recife n-
49, primeiro andar,
Vendem-se urna preta creoola, moca,
coso, cozinha, vende na rua, lava e faz o
maisarranjo de casa; urna molalinna pro-
pria para acabar de aperfeicoar-se, por ser
viuda do mato, e um sapateiro creoulo, que
d 610 rs. diarios, por 700,000 rs.! na rua
larga do Rozario, loja n. 35.
potassa da Rnssia*
Vende-se potassa da Russia, recentoroen-
te chegada, e de muito superior qualidade ,
na rua do Trapiche n. 17.
Meendas superiores.
Na fuodicSo de C. Starr & Companhla,
em S.-Amaro, acham-sei venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construccSo muito superior
Arados de ferro.
Na fundicSo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
pelos.
Deposito de cal virgem e potassa
Cunha & Amorim, na rua da Cadeia do
Recife n. 50, vendem cal virgem em pedra,
chegado pelo ultimo navio de Lisboa, e po-
tassa de boa qualidade, por menos prego do
que em oulra qualquer parte.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
RUA DA SENZALLA NOVA N. 42.
Neste estableeimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de lodos os tamanhos, pa-
ra dito.
Hap Paulo Cordeiro do Rio de
Janeiro
em latas e frascos, chegado recentemente:
vende-se na roa da Cadeia do Recife, loja
n. 50, de Cunha & Amorim.
Taixas para engenho.
Na fundiciio de ferro da rua do Rrum,
acaba-se de receber um completo sortimen-
to de taixas de 3 8 8 palmos de bocea, as
quaos acham-se a venda por preco com-
modo, e com promptidao embarcam-se, ou
carregam-se em carros sem despezas ao
comprador.
Moinhos de vento
eom bombas de repuebo para regar hortas
d baixas de capim : vendem-se na fundicao
de Bowman & Me. Callum, na rua do Hrutu
ns. 6,8e 10.
Copos para vinho c para agoa
de qualidade multo superior .* vendem-se em
caa de Kalkiuann Irinaoa, rua da Crui n. 10,
aonde tambem ha grande orlimento de appa-
relhos de vidro fino para sobremesa, para agoa,
para ponche, ceatos e vasos para flores e para
trillas.
Y nlios finos
de ordeaux, vinhodc Heres, vinbo do Rhel-
00, vinbo de Bordeaux branco de idade de 100
annos : vendem-se em casa de Kalkinann lr-
iikius, rua da Crut n. 10.
Charutos de Havana
de tuperiore qualidades : vendem-se em ca-
sa de Kalkmann Irinoi, rua da Cruz n. 10.
Instrumentos de msica
Cal virgem em pedra.
Chegada Je Lisboa pela barca Margarta, ven-
de-se no armazem de Silva Barroca, rua do
llrum n. 26)
Deposito de calepotassa.
No armazem da rua da Cadeia do Beclfe n.
t2, ba muito superior cal de Lisboa em pedra,
asiirn como potassa chegada ltimamente a
preco muito rasoaveis,
Vende-se cobre metal ama-
relio e pregos para forro de navios : por pref o
commodo, em casa de A. V. da Silva Barroca,
rua da Cadeia do Recife n. 42.
.Em casa de J, Keller S Com.
panhia, na rua da Cruz o. 55, acha-so a ven-
da o excellento e superior vinho de En-
cella, em barris de 5.*, he muito recom-
mendavel as casas cstrangeiras, como ex-
cellente vinbo para paito.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na rua do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa
na barca Ligeira.
Fil bordado a i,aoo rs. a vara.
Na rua do Quelniado defronte do becco do
Peixe Kriio, loja n. 3, vende-se fil bordado
branco e de cores pelo baratissimo preco de
tres patacas e doze vintens a vara, esta fazenda
pelos aeua lindos e dillerentes desenboa tor-
na-.e multo recotnmendavel nao s para ves-
tidos de aenhoras, como tambem para man-
teletes : dar-se-hao amostras com o competen-
te penhor.
Bombas de ierro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na rua do Brum ns. 6, 8 e 10,
fundiciio de Ierro.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
com cambo de sicupira e bracos
de ferro 1 na fundicao da rua do
Brum ns. 6, 8 e 10.
- -No ariiiatrm da rua da Moeda n. 7, con-
tinua-se a vender sacca com superior eolia
das fabricas do Rio Grande do sul, e o prefo
em conta.
Escravos fgidos.
<-

M
^ dio n. 52, piimeiro andar, algodSo *
^ transadodaquella fabrica, muito pro- 2
t prio para saceos e roupa de escra- ^
S vos, assim como lio proprio para re- ^
^ des de pescar e pavios para vellas, ^
i^. por prego muito commodo. Agencia de Edwin Maw.
Na rua de Apollo n. 6, armazem de He. Cal-
mont & Companhla, acha-se conttantemenle
bons >orlimentos de taita de ferro coado e
balido, tanto rasa como fundas, moendas in-
telras todas de ferro para animar*, agoa, etc.,
ditas para armar em madeira de todos os ta-
manhos e iii.hUIIos o mais moderno, machina
de geou.eltia, por Laciotx elOuclidus, Te-| horisontal para vapor, com forca de 4 caval-
chegou novameute um completo sortimento
de Instrumentos para msica militar, recout-
menda-sc principalmente ns pistes, pratos
verdadelros da Turquia, flautios, flautas, bal-
sos, cornetas de chave, ciarlos lisoa e de cha-
ves, violes riquissimos de Jacaranda, clari-
netas, trombones, trompas, caixas de guerra,
zabuinbas e arcos de campainhaa : vendem-ae
cm casa de Kalkiuann Irinaes, rua da Cruz
n. 10.
Tintas em oleo
branca e verde i vendem-se em casa de Kaik-
iiiaiin limaos, rua da Cruz n. 10.
Livros em branco
grande sortimento proprio para eteriptorio e
qualquer outro estabclecimento : vendem-se
em casa de Kalkmann lrmos, rua da Crux
o. 10.
Cadeiras e sofaes
para meninos: vendem-se em cusa de Kalk-
mann limaos, rua da Cruz n. 10.
Vinho de Champagne
de superiores qualidades : vende-se em casa
de,Kalkmann lrmos, rua da Cruz n. 10.
Obras -de ouro
chegou um novo e completo sortimento de to-
das as qualidades, como sejam, correntes pa-
ra relogios, anneis, pulceiras, alfinetes, ade-
reces, brincos, vollas, etc. : vendem-se em
casa de Kalkmanu lrmos, rua da Cruz nu-
mero 10.
Velas de espermneetc,
de muito boa qualidade e de seis em libra,
vendem-se pelo diminuto prego do 600 rs.,
a libra : em casa de Kalkmann Irmlos, na
rua da Cruz n. 10.
.- Vendem-se queijos londrinos, presublos,
caliinlias de sedelltes porgativo, conservas de
todas as qualidades, cementes ou passas iniu-
das para podins, carne salgada para uso de fa-
milias em barril de 50 libras e miudos da mes-
ma forma preparados, ludo ultlmauenle che-
gado : na rua da Cruz, armazem n. 9. de Da-
vls tt C,
Vende-se superior cognac velho, em
barris de 12 a 34 cauadas : na rua da Cruz
n. 55, casa de J. Keller & Companhia.
Vende-se gesso cm bsrricas, vindo no
ultimo navio chegado de Franca, tendo ca-
da barrica 20 arrobas pouco mais ou n.e-
iios : na rua da Cruz n. 55, casa de J. Kel-
ler & Companhia.
No dia 14 do corrente desappareceo ao
abaixo assignado, do seu sitio em Agoa-Fria
de Santo Amaro, um prelo de .nome Joao,
que o apelidavam os parceiros por Joao mo-
leque ou pequeo, representa 18 a 20 annos
ni ponta de barba, balso, secco do corpo,
mas bem proporcionado, olhos pequeos, he
bastante ladino, fallas mullo maviosas: roga-
se por muito obsequio a todas s autorida-
des policiaes e capilesde campo, de o apre-
hender) e entrega-lo no Recite, rua do Tra-
piche n. i?, ou na rea da Crua n. 8, ler-
ceiro andar, ou no mesmo sitio que, alm
das despeas, se gratificar generosamente.
Jos Francisco Ribriro di Smu.
Desappareceo, pela terceira ves, na non-
te de 25 de maio, de bordo do brigue Argos,
o escravo, marinheiro, de nome Candido, ns-
cao Angola, que reprsenla trlnta e tantos
annos, rosto comprido, naris chalo, alto, sec-
co do corpo, e barba cerrada. Cosluma andar
nos arredores da cldade, pelas vendas t roga-
se a sua captura e a pessoa que o fizer levan-
deia n. 39, casa d'Amorim & lrmos, recebe-
r boa gratificayo.
boa gratificagSo.
No dia 13 de marco do corrente anuo des-
appareceo da Passagem da Magdalena, do
sitio em que mora o Sr. I)r. Male!, o mole-
que .Margal, o qual he bem conhecido e tem
os seguintes signaos : representa ter 20 an-
nos, baixo, cheio do corpo ecarcundo, cor
fula e sem barba ; lem falta de um dente na
frente do queixo inferior ehefilho do ser-
tSodePaje, por isso julga se para l ler
ido: recommenda-se, porlanto, aos capi-
tSes de campo a captura do dito moleque,
que sero bem gralilicados.
Desappareceo de bordo do brigue Espt-
ranea, na nome de 27 de malo corrente, o
escravo, marinheiro, de nome liento, naco
Mocamcique, idade 25 annos, pouco inis ou
menos, balso, ebeio do corpo: roga-se a cap-
tura dn mesmo ; c quem o levar bordo do
dito brigue, ou rua da Cadeia n. 39, escrip-
torio de Amorim ti lrmos receber boa gra-
tificaco.
Desappareceo de bordo do brigue Flor
do Sul, no dia 27 do corrente mes de maio,
escravo, marinheiro, de nome Marcelllno,
Cambinda, idade -30 annos, pouco mais ou
menos, estatura regular, magro ; levou cami-
sa e calca azul, cbopo alcatroado : roga-se
a captura do mesmo; equem o levar bordo
do dito brigue, ou rua da Cadeia n. 39,
escriptorto de Amorim & Irroaeos, receber
boa gratificayo.
-iDesappareceo do engenho Jardim, da fre-
euezia do Cabo, no dia 20 de maio do corren-
te anno, um moleque por nome Boaventura,
que representa ter 15 annos; he espigado do
corpo, bonito, bem fallante, tem os ps lar-
gos. Roga-se s autoridades policiaes, cam-
panhai, ou qualquer pessoa, o prendan) ou
faeao prender e levar ao seu senhor, Joaquim
Froncisco Paes brrelo, no dito eugeoho ou
nesta praca, ua rua das Cruzes n. 40, a Do-
mingos da Silva Campos, que serio generosa-
mente recompensados.
= Desappareccu do engenho Calende, urna
crioula de idade de 18 aunos, de noiiir llay-
uiiinda.a qual velo da villa de Flores, quem a
pegar leve-a na rua do Queimadoa. 55, que se-
r recompensado ; levando um panno novo da
Casia, e saia de azulao nova.
Desappareceo da rua das Cruzes, o. 11.
Margarida, cscrava do padie Mein, de cor
fula, e de estatura regular; levou vestido de
cbila roa, clara e panno da Costa: quem a
aptehender e entregar ao seu seohor ser
recompensado.
-- Desappareccu no dia 27 de maio corrente
de i8,')i urna prela com os signaes seguintes,
chama-se Mara he de naci t'ss, multo gen-
til e bonita, bstanle goida, idade 2C annos
poco mais ou menos, levou vestido branco com
listas muito estrellas atues, brincos as ore-
Ihaa, pao da costa aiul, lenfo branco aroda
da cabeca, tem urna costura na munbeca da
inao esquerda e um sigoal que ficou de una
nassida que leve no p do tornoselo direilo;
assim como levou um tabolriro coht que an-
da va vendendo frutas e oiialise o qual he de
amarello j usado com una traveasa ao meio
no fundo onde bota a cabeca. Roga-se a todas
as pessoas de polica e inspectores de quarlej-
ro, capiles de campos, que virem, o pren-
dan) e levem a rua da C'a n-ia do Recife n. 25
que se recompensar seu trabalho com ge-
nerosidade.
Pr.m- naTyi'-DK M.F.nF.Fahia-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPZPMO7XS_95BFM1 INGEST_TIME 2013-04-13T03:38:05Z PACKAGE AA00011611_06361
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES