Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06360


This item is only available as the following downloads:


Full Text
N. 125
Goianna e Parahiba, l segundas e scxtai fciras.
Ro-Grande-do-Norte, todas a* quintas feiras ao
meio-dia.
Garaabuns e Bonito, a 8 e 23.
Roa-Vista e Florea, a 13 e 38.
Victoria, a quimas feiras. ,
Olinda, todos os diat.
IPrimelra a 6 horas- e 54 minutos da manhaa.
Segunda s 7 horas i 18 minutos da tarde.
aspo da sMcmi-qio
Por tres inczes(adiantados)
Por seis inezes K<000
Por uin anno. 15/JUO
2 Seg. S. Brasmo. Aud. do J. d'orf. e m. 1. v.
3 Tere. S. Ovidio. Aud. da Chae., do J. da 2
vara do c. e dos feltot da fazenda.
4 Quart.S. Querino. Aud. do X. da 2. vara.
5 Ouiat. S. Mariano. Aud. orf. c do /, m. da
Seluieira vara,
eit. S. Norberto. Aud. do J. da 1. vara do
eivcl, e dos (Vitos da la enda.
7 Sab. S. Huberto. Aud. da Cli. c do J. Ja 2. v.
do civel.
8 Dom. Pascboa do Ejpirilo Sonto.
CAMBIO VZ 31 DE I* Al O.
Sobre Londres, a 28 d. p. 1/000 r.
a Paria, 340por fr. nominal.
Lisboa, a 95 no*nn
Ouro. -Oncas hespanholas.... i 28/000 28/500
Moedas de 6/400 velhai. 16/OO a
. de 6/400 novas 16/000 a
. de4f000...;... 9/000 a
Prata.Patacdcs brasllelros.... 1/940 a
Pesos columnarios..... Vni
Ditos mexicanoi........ W0
16*200
16|20(>
9/10O
1/teO
1/941
1/760
DIARIO
AVISO.
Oproprietorio leste IHariojnl-
Kn eonveiilente advertir aos Srs.
asignantes, que qnando manda-
rein os sen avisos, devem remet-
ter Igualmente a Importancia del-
les, visto que se tem tornado mul-
to trabalhoso o lanrainento e ><>-
branca de t&o pequeas qnnnl i a- :
uno sendo mus publicado* do I."
le finilio crrente, em (liaule os
aue nao forem pagos na occasla
a entrega. Outro slm, ndverte
que nao pode ser reputado como
de a-si naiiie o aviso, que nao In-
dicar sim inorada, ou que directa
e evidentemente lhe nad perten-
cer. _
P*RTEflFFICilL.
LE N.284.
Jos Idelfonso de Sousa Ramos, presidente
da provincia de Pernambuco. Faco saber a lo-
dos os seua habitantes que a asscmbla legis-
lativa provincial decretou, alel aeguinte :
CAPITULO I.
Despetai municlpaei.
Arllgo I. A deapeza das cmaras municipaes
da provincia, para o anuo linaneciro munici-
pal, que tem de decorrer do primelro de outu-
liro de 1851,ao ultimo de aetembro de 1851 he
filada na quantia de ra. 70:331.835.
Art. 2. A cmara municipal da cldade do Re-
cife heautoriaada a despender coin os objectos
designados nos seguales paragraphos a quan-
tia de 46:770,000 ra.
i. Coni o aluguel do paco da c-
mara 500,000
2. Com o ordenado do secretario 1:000,000
3. Com o do contador 700,000
4. Com o do portelro, que exerce-
r conjuntamente asfuncedea de of-
ficlalde secretaria, sendo 600,COO rs.
de ordenado, e 200,000 rs. de gratau-
caco 800,000
5. Cora os quatro ajudantes do
portelro exercendo conjuntamente
as fuccao de amanuenses, tendo o
que serve no jury 550,000 rs. e os ou-
tros 500,000 ra. 2:050,000
6. Com a porecntagem do procu-
rador em todas as rendas "da cma-
ra, Inclusive as do cemiterio, regula-
da de maneira que nao teja annual-
inente inferior l :500,000 rs, nem
superior a 1:800,000 rs., licando ao
merino a obrigaco de pagar
cusa uin solicitador que em scu hn-
pediuiento tenba de fazer suas vezes
quando houver de requerer judi-
cialmente 1:800,000
7. Com os qualro liscaes da clda-
de, sendo de ordenado 350,000 rs. e
:<50,000 ra. desjralilicacao.que perce-
bcro os aupplentes que estiverem
em exercicio 2:800,000
8. Com o ordenado de doua repc-
zadorea para os acougues pblicos
da Boa Vista e Cinco Puntas a 200,000
rs. cada un 400,000
.9. Coin os dos liscaes do Poco da
Panella e Afogadoa a 400,000 rs. ca-
da un. 800,000
10. Com o ordenado do engenbei-
ro cordeador. 1:000,000
11. Coin o advogado da cmara 400,000
12 Com o do cirurgio de partido 600,000
13. Com o expediente inclusive as
iinpressdef 300,000
4. Com o tribunal do jury e elei-
edes 2:000,000
5. Com as custas doa procesaos
criminaea e infracedes de posturas,
inclusive a segunda preauco das
dividas mencionadas no 15 do arti-
go i."da iei iunicipal n. 270 2:000.000
16 Com luios para a cadeia 300,000
17. Com a limpeza e calcamento
das ras 4:000,(ido
18. Com o concert doa predios 700.000
19. Com negocios forences. 150,000
20. Com despezas eveuluaes. 1:000,000
SI. Com o.ordcnado de um serven-
te, que icvira de crrelo. 240,000
22. Com o ordenado de 4 guardas
municipaes para as quatros fregu-
sias da cldade 200/000 cada uin '" 800,000
Deepexai extraordinaria!.
23. Saldo lliesourai la de faienda
provincial pago pela mesuia forma
da lei n. 270 de 5 de julho de 1850
art 2. 26 4:000,000
24. Para desapropriacSes 1:000,000
25. Pagamento d'uma ietlra da
companhia de Beberibe
26. Com o comee o da obra d'tnn
novo iuatadoui'0 publico
II, Coin a conslruccaod'umapon-
te aobre o Rio Doce no lugar deno-
minado Passagein contraliindo a c-
mara empreilimo com os cofres pro-
vinciaes. WK
~4-i,e03
Art. 4." A cmara municipal da villa de
Iguarasa he autorisada a despender com oa
objectos deaignadoa no eguintes paragra-
phaa a quantia de 1:245,000 rs. a saber :
1. Coin os^mpregados. sendo o
ordenado do secretario 250,000 rs..
do portelro SO,uro ra., do ajudante
do portelro 50,000 rs., do procu-
rador 6 por cenio na forma da lei
calculado em 60,000 rs., e dos lis-
caes das freguezias a porcentagem
de vlnte por cento calculada em
20.000 rs. 460,000
2. Com o expediente e despezas
muidas. 60,000
3. l.om o tribunal do jury, eelel-
edea. 100,000
4. Cora aa custas doa procesaos
criminaea, e contravenedes de pos-
turas. 200,000
5. Con* azeite e agua para a cadeia 25,000
6. Com o calcamento ellmpeza
daaruas 350,000
7. Com despezas evenluaes 50,000
1:245,000
Art. 5. A cmara municipal da cldade de
Goianna, he autorlsada deapender com os
objectos designados nos segninles paragra-
pbos a quantia de 1:710,000 rs. a saber:
1. Com os rmpregados. sendo o
ordenado do secretario 400/ rs. do
porteiro 100/ rs. do ajudante do por-
telro 60f rs. do procurador 6 por ten-
t na forma da lei calculados em
250,000 rs. do fiscal da cidade 120
rs. e aos inais a porceniageni de 20
por cento calculada em 20,000 rs. 950.000
2. Com o ordenado do advogado 300,000
3. Coin o expediente e despezas
miudas 25,000
.4. Com os foros dos terrenos oc-
cupados pela cmara 25,000
5. Com o tribunal do jury e elei-
edes 50,000
6. Com as cusas dos processos
criminaos o contravenedes de pos-
turas 80,000
7. Com os reparos dos predios,
fontes, e limpezas deruas 100,000
8. Com ateite e agua para a ca-
deia 80,000
9. Com dctnfiM vantaaes lOO.oo
ordenado da mesma quantia que lbc
paga durante o anno vigente
200.000
1:864,000
Art. 9. A cmara municipal da villa do Li-
moeiro he autorlsada a despender com os ob-
jectos d quantia de rs. 1:209,467 a saber:
1. Com os empregados, sendo o
ordenado do secretario 250.000 rs.,
do portelro 50,000 rs., do ajudante
do portelro 40,000 rs., do procurador
os seis por cento na forma da lei,
calculados em 44,000 rs. e inais a
gratificacao de 30,000 rs. e aos liscaes
das freguezias a porcentagem de 20
por cento, calculada em 10,000 ra. 424,000
2. Com o ordenado do advogado 80,000
3. Com o expediente e despesas
miudas 20,000
4. Com o tribunal do jury e elei-
coes 50,000
5. Coin as costas dos procesaos cri-
minaos e contravenedes de posturas lO.000
6: Com as obras, reparos e limpe-
za das ras 300,000
7. Com azeite e agoa para a cadeia 50,000
8. Com a divida passiva dos anuos
anteriorea
9. < om a divida passiva do anno
de 1849 a 1850
10. Com despezas evenluaes, in-
clusive a asslgnatura do Diario
" i. Com o tribunal do jury, e elei-
edes
5. Com as cusas dos processos
criminaea e contravenedes de pos-
turas
. 6. Com reparos e limpezas das
ras
7. Com azeite c agua para a ca-
deia
8. Cora os reparos da casa da c-
mara e jurados
9. Coa despetas evenluaes Inclu-
sive a asslgnatura do Diario
40,000
50,000
50,000
25,000
tfi.OOo
33,000
689,00o
143,909
139,558
62.000
1:269,467
1:710,000
430,000
17.000,000
46:770,000
Art. 3. A Cmara municipal de .Olinda
autorlsada i despender com os objectos dstig-
nadoa nos seguales paragraphoa a quantia de
4:101,603 rs. saber :
1. Com os empregados, sendo o
ordenado do secretario 600,000 rs.do
porteiro 300,000 rs., do ajudante do
oitelro 120,000 rs., dot-rocurador
por cento na forma da lei calcula-
dos em 171,603 rs., ficando a aman
obrlgada a dar inais ao inesmo pro-
curador a gratiticaco annual de
200,000 rs., e aos liscaes das fregue-
zias a porcentagem de 20 por cento
percebendo a quantia de 100,000 rs.
cada uin dos liscaes das unas fre-
guezias da cidade 1:591.603
2. Com o ordenado do advogado 150,000
3. Com o expe'dlenle e despesas
miudas 60,000
4 Coin o tribunal do jury e eleicao 250,000
5. Com as custas dos processos
criminaos, e conlravences de
posturas 300,000
6. Com o aselte e agua para a ca-
, dea 50,000
7. Com o calcamento das ras e
I concertosdas pontes 700,000
i 8. Para pagamento da divida dos
|herdeiros de Manoel Lula da Velga 400,000
9. Para concert da casa arruina-
da do Varadouro 500,000
10, Despesa eventuaes lOO.oOO
Arl. 0. A cmara municipal da villa 3o Cabo
he autorisada a despender com os objectos
designados nos seguintes paragrapgos a quan-
tia de 585,000 rs. i saber.
1. Com os empregados sendo o or-
denado do secretario 120,000 rs. do
porteiro 25,000 rs, do procurador 6
por cento na forma da lei calcula-
dos em 25,000 rs. e aos liscaes das
freguezias a porcentagem de 20 por
cento calculada em 20,000 rs. 190,000
2. Com o expediente, e despezas
miudas 10,000
3. Com as cusas dos processos cri-
minaos e contravenedes de posturas 60,000
4. Com o tribunal do jury e el-
leicdes 50,000
5 Coin azeite, e agua para a cadeia 25,000
6, Com despezas eventuaes 50,010
7. Dividas passiva dos annos an-
teriores. 200,000
585,000
Art. 7. A cmara municipal da vlllla de Pau
d'Alho he autorlsada despender com os ob-
jectos desuados uos seguintes paragraphoa a
quaulla de 956,3i0 rs. a saben
1. Coin os empregados, sendo o
ordenado do secretario 200,000 rs.
do porteiro 80.000 rs. do ajudante
do portelro i 0,000 rs. do procura-
doa 6 por cento na forma da lei
calculados em 50,000 rs. e aos lis-
caes das freguezias a porcentagem
de 20 po'r ceuto calculada em 201
rs. 390,000
2. Com o expediente e despezas
miudas 20,000
3. Com o encarregado das batan-
eas do acougue 20,000
4. Com os foros dos terrenos oc-
cupadns pela cmara 3,61o
5. Com o tribunal do jury e elei-
edes 80,000
6. Com as cusas dos processos cri-
minaos e contravenedes de posturas 100,000
7. Com azeite e agoa para a ca-
deia 40,000
8. Com obras, concerlos e limpe-
zas das ritas 200,000
9. Com despezas evenluaes 100,000
956,310
Art. 8. A cmara municipal da cidade de Na
zarelh, he autorisada a despender coin os ob-
jectos deaignados nos seguintes paragraphos a
quantia de 1:864.000 rs., a saber:
1. Com os empregados, sendo o or-
denado do secretarlo 350,000 rs., o
do porteiro 60,000 rs., com o do con-
tinuo ajudante do porteiro 50,000 rs.
com o procurador seis por cento na
forma da lei, calculados em 60,000
rs., e aos fiscaes das freguezias a por-
centagem de 20 por cento calculada
em 50,000 rs ** 670,000
2. Com o expediente e despezas
miudas 30,000
3. Com o aluguel da casa das ses-
sdes 84,000
4. Com o tribunal do jury e elei-
(fies 80,000
5. Com as cusas dos processos cri-
minaos e contravenedes de posturas 400,000
6. Coin as obras, coucerlos ellm-
peza das ras 300,000
7. Coin a mobllia necessaria para
a casa das sessdes 200,000
8. Com as despezas eventuaes, in-
clusive 150,000 rs. para o ordenado
do advogado, ficando approvado o
Ait. 10, A cmara municipal da cidade da
Victoria, he autorisada a despender com os
objectos designados nos seguintes paragra-
phoa a quantia de 4:138,575 rs., a saber :
1. Com os empregados, sendo o
ordenado do secretario 400,000 rs.,
do porteiro 80,000 rs., do ajudante
do porteiro 70,000 rs., do procura-
dor 6 por cenlo ni forma da lei cal-
culados em 190,000 rs., do fiscal da
cidade 109,000 rs., e dos oulros fis-
caes das freguezias a porcentagem
de 20 por cento calculada em
20,000 rs. 860,000
2. Coin o ordenado do advogado 200, i; 00
3. Com o expediente e despezas
miudas 30,000
4. Com o tribunal do jury, eelel-
edes 170,000
5. Com o guarda dos pezos e ba-
lanzas do acougue 96,000
6. Com o que se deve ao inesmo
de 1849 a 1850 7,500
7. Com as cusas doa processos
criminaos, e contravenedes de pos-
turas 350,000
8. Divida dos ditos de l848 1850 203,075
9. Com aselte, e agua para a ca-
deia
10. Com foros dos terrenos do
curral e acougue
11. Divida dos ditos de 1849 a 1850
12. Obras, reparos, calcamento e
limpeza de ras, inclusive a quantia
de 1:500,000 rs., para conlinuaco
da construccao d'uma casa de mer-
cado ao lado da (Vira actual
13. Assignatura do Diario
14 Despesas evenluaes
Art. 14. A cmara municipal da villa do
lirejo, he autorlsada a despender com os ob-
jectos designados nos seguintes paragrapbos
a quantia de 394,880 rs., saber :
1. Com os empregados, sendo o
ordenado do secretario 120/ rs. do
porteiro 40,000 rs. do procurador
seis por cont na forma da lei calcu-
lados em 25,000 rs. e aos fiscaes das
frehuezias a porcentagem de 20 por
eento calculada em 20,000 rs. 205,000
2. Com o expediente e despezas
miudas 10,000
3. Com os foros dos terrenos oceu-
pados pela cmara 3.8S0
4. Com o tribunal do Jury e eleicoes 40,000
5. Com a9 cusas dos processos
criminaes e contravenedes de postu-
ras. 60,000
6. Com azeite e agoa para a cadeia 16,000
7. Com despezas evenluaes, inclii
sive a assignatura do Diario.
60,000
394,880
Arl. i5 A cmara municipal da
villa de Cimbres, lio autorisada a
despender com os objectos designa-
dos nos seguintes paragraphos a
quantia de 403,000 rs. saber :
1. Com os empregados, sendo o
ordenado do secretario (50,000 rs, do
porteiro 25,000 rs,. do procurador
6 por cenlo na forma da (el, calcu-
lados em 41.000 rs, e aos liscaes das
fregueiias a porcentagem de 20 por
cento calculada em 12,000 rs.
2. Com o expediente c despezas
miudas
3. Com o tribunal do jury e clci-
cdps.
4. Com as cusas dos processos
criminaos e contravenedes de postu-
ras
5. Com despezas eveuluaes e repa-
ros.
228,000
15,090
3o,000
50,000
80,000
403,oOO
das fretmezias a porcentagem de 20
por cenio calculada em 20,00 rs. 272.000
2. Com o expediente e despezas
miudas. lO.OOO
3. Com o ordenado do advogado 150,000
4. Com tribunal do jury e elei-
odos SO-
5. Com o aluguel Ja casa que ser-
ve de archivo 12.0PO
6. Com as cusas dos processos
criminaes c conlrav^Bjdcs de pos-
turas. 80,000
7. Com azeite c agoa para a ca-
deia. '0.000
8. Com obras e limpeza das ras. 100.0CO
9. Com despezas eventuaes 50,000
744,000
Arl. 20. A cmara municipal da villa de Ou-
ricury he autorisada a despender com os ob-
jectos designados nos seguintes paragraphos a
quantia de 524,000 rs. a saber !
1. Com os empregados, sendo n
ordenado do secretarlo 2n0# rs., do
porteiro 25,000 rs., do procurador
os 6 por ceios na forma da le, cl-
culadosein25,000 rs .caos tiscaesdas
freguezias a porcentagem de 20 por
cont calculada em 20.000 rs.
2. Com o expediente e despezas
miudas
3. Com o tribunal do jury e elei-
fdes
4. Com o aluguel da casa das ses-
5. Com as custas dos processos cri-
minaes e contravenedes de posturas
6. Com azeite e agoa pira a ca-
deia
8. Com a compra de urna mobi-
li.i nova para a casa da cmara
7. Com despezas eventuaes, inclu-
sive a assignatura do D/arf
270,000
10,000
30,000
(2,000
50/01)
20,000
100,000
32,000
524,000
Art. ll. A cmara municipal de Serinhaem,
he autorisada despender com os objectos de-
signados nos seguintes paragraphos a quanlU
de 330,000, a saber :
1. Com os empregados, sendo o
ordenado do secretaiio 120,(>00 rs.,
do porteiro 25,000 rs., do procura-
dor, os 6 por cento na forma da lei,
calculados em 25,000 rs., e os fiscaes
das freguezias a porcentagem de 20
por cento calculada em 20,000 rs., (90,000
2. Com o expediente, e despezas
miudas 10,000
3. Com o Tribunal do jury e elei-
edes 30,009
4. Com as cusas dos processos,
criminaes contravenedes de posturas 50,000
6. Coin despezas e vntuaes 50,000
Arl. 16. A cmara municipal da villa de
' Garanhiins he autorisada a despender com os
objetos designados nos seguintes paragraphos
a quantia de 562 000 rs saber :
1. Com os empregados, sendo o
ordenado do secretario 200,000 rs. do
porteiro, 40,000 rs. do procurador 6
por cenlo na forma da le, calculados
em 50,000 rs, e aos liscaes das fre-
guezias a porcentagem de 20 por
cenlo calculada em 20,000 rs. 3(0,000
2. Com o expediente e despesas
miudas 10,000
3. Com o tribunal dojuryeelel-
edes 60,000
4. Com as custas dos processos cri-
minaes e contravenedes de posturas 80,000
5. Com azeile e agoa para a cadeia 40,000
6. Com despezas evenluaes, inclu-
sive a assignatura do Diario
26,000
(0,000
2:000,000
16,000
100,000
4:138,575
Art. 21. A cmara municipal da villa de Agoa
Preta he autorisada a despender com os ob-
jectos designados nos seguintes paragraphos a
quantia de 387,0o0 rs. a saber
1. Com os empregados, sendo o
ordenado do secretario 100,000 ra.,
do porteiro SO.OOO rs., do procura-
dor os 6 por cento na forma da lei,
calculados em rs. 25,000 e aos fiscaes
das freguezias a porcentagem de 20
por cento calculada em 20,000 rs. 195,000
2. Com o expediente e despezas
miudas '0,000
3. Com o tribuual do jury e elei-
edes 30,000
4. Com o aluguel da casa das ses-
sdes 50,000
5. Com as custas dos processos
criminaos e coutrjvcucdes de pos-
turas 50,000
6. Com azeile c agoa para a c.
dcia
7. Com despezas eventuaes, ii
clusive a assignatura do UiaiiJ
20,000
32,000
387,000
330,000
Art. 12. A cama municipal da cidade do
Rio Formos, he autorlsada dispender com
os objectos designados nos seguiutes paragra-
pbos a quantia de (:694,00o rs. a saber:
1. Coin os empregados, sendo o
ordenado do secretario 200/ rs. do
porteiro 50,000 rs. do procurador
6 por cento na forma da lei, calcula-
dos em 60,000 rs. e inais a grallfi-
cacao de 50,000 rs. tendo o fiscal da
cldade a gralificacao de 50f rs. e aos
fiscaes das outraa fregueiias a por-
centagem de 20 por cenlo calculada
em 20,000 rs. 430,000
2. Com o ordenado do advogado 100,000
3. Com o expediente e despezas
miudas. 30,000
4. Com o tribunal do jury e elei-
coes 60,000
5. Com as custas dos processos
criminaes e contravenedes de pos-
turas 200,000
6. Com obras, reparos e limpeza
das ras 600,000
7. Com aluguel da casa das sessdes 144,000
8. Com azeite e agua para a ca-
deia
9. Com despezas evenluaes inclu-
sive assignatura do Diario
62,000
562,000
Art. (7. A cmara municipal da villa de Flo-
res be autorisada a despender, com os objectos
designados nos seguintes paragraphos, a quan-
tia de 899(000 rs. saber :
1. (.mu os empregados, seudo o
ordenado do secretario 300,000 rs. do
poiteiro 40,000 rs. do procurador 6
pii ionio na forma da lei, calcula-
dos em 5.1,000 rs. e aos fiscaes das
freguezias a porcentagem de 20 por
cento calculada em 20,000 rs.
2. Com o expedien'e e despezas
miudas
3. Com o tribunal do jury eelti-
yuc,
4. Com as custas dos 'processos
criminaes, e contravenedes de pos-
turas
5. Com azeite eagoa para a cadeia
6. Com obras,coucerlos e limpeza
das ras
7. Com despezas eventuaes, iu-
cluslvea assignatura do Diario
410.000
(0.000
10,000
100,000
40,009
100,000
62,000
822,000
40,000
00,0o
i-694,U0
Art. 13. A cmara municipal da villa do
Bonito, he autorlsadt dispender com os ob-
jectos designadoa nos seguintes paragraphos a
quantia de 689,000 rs. i saber:
1. Com os empregados, sendo o
ordenado do secretario 200,000 rs. do
porteiro 50,000 rs. do procurador
(i por cento na forma da lei calcu-
lados em 40,000 rs. e mais a grall-
ficacao de 50,000 rs. e aos fiscal da
villa a porcentagem de 20 por cenlo
calculada em 2o,O0O rs 360,000
2. Com o ordensdo do advogado 25,000
3. Com o expediente e despezas
miudas, j 0,000
Art. (8. A cmara municipal da villa de Ta-
tarata lu- autorisada a despender com os ob-
jectos designados nos seguintes paragraphos a
quantia da 492,000 rs. a saber :
1. Com os empregados sendo o
ordenado do secretario 100,000 rs.do
porteiro 32,000 ra. do procurador 6
por cento ua forma da loi. calcula-
dos em 40,000 rs. e aos fiscaes das
freguezias a porcentagem de 20 por
cenlo calculada em 20,000 rs. 192,000
2. Com o expediente e despezai
miudas 10,000
3. Com o tribunal do jury c elci-
edes 80,000
4. Com as custas dos procesos
criminaes e contravenedes de pos-
turas 80.000
a, Coin urna casa para acougue lOO.Oii)
6, Com despeas evenluaes 30,000
492,00o
Art. 19. A cmara municipal da villa da Boa
Vista, he autoridada despender com os ob-
jectos designados nos seguintes paragraphos a
quaulia de 744,000 rs.
I. Com os empregados, sendo o
ordenado do secretario 150,000 rs.,
do porteiro 40,00o rs., do ajudante
do portelro 20,(00 rs., do procura-
dor seis por cenlo na forma da lei,
calculados ew 42,000 rs., e aos caes
Art. 22. A cmara municipal de Caruar he
autorisada a despender com os objeclos de-
signados nos seguintes paragraphos a quaulia
de 65o,0(> rs. a saber :
1. Com os empregados, sendo o
ordenado do secretario 2u0,000 rs.,
do porteiro 50,000 rs., do procura-
dor 6 por cenlo na forma da loi, cal-
culadas em 20,000 rs e com o fiscal
a porceiilagem de 20 por ceuto cal-
culada em 20,o00 rs. 290,000
2. Com o expedienle c despetas
miudas 20,000
3. Com o tribunal do jury c elei-
coes 80,000
4. Com as cusas dos processos
criminaes e conlraveocdes de pos-
turas
5. Com azeite e agoa para a ca-
deia
6. Com reparos e limpeza das
ras
7. Com as despezas eventuaes, In-
clusive a assignatura "do Diario
100,000
50,000
50,000
60,000
650,000*
CAPITULO II.
Iliciit i municipal.
Art. 23. As cmaras municipaes da provin-
cia ficam aulorlsadas a arrecadar dentro de
scus municipios durante o anno linanceiro
ilo,n lei, nao s as rendas designadas nos pa-
ragraphos i at '.' do art. 23 da lei municipal n.
270 d< 5 de julho de (850, como as seguintes:
1. *,000 rs. porcada licenca para soltar fogo
de artificio, ficando desde j prohibido o uso
do fogo sollo e do fogo do ar, que nao for feito
pelo systema de Mor. 1, para o que a cmara
municipal dar o competente regulainento.
2. Dous por cento pelos depsitos na forma
do art 105 do cdigo do processo. -
3. 6,()00 rs. por cada licenca annual por cada
car roca e carro de carregar faiendas, qur se-
jam puchados a mo, qur por animaes.
4.2,000 rs. sendo para nacional, e 4,000 rs. sen-
dopara eslrange.ro, por cada licenca annual or-
denada pelo ar ligo l8 do regulamntode 15 de
j ii 11 li o de t844, para a cobranza do Imposto ge-
ral decretado no artigo 69 da lei do orf amen-
to de iSi.'ia 1844, sobre lujas, casas de cora-
mcrcio e oulras de diversas denoininacdes,
especificadas no citado regulamento de 15 de
junho de (844, e no artigo 48 do regulamento
de (0 de julho de (850.
CAPITULO III.
Diipoiittt aeran.
Art. 24. Se por ventura cessarem as itnposl-
coos geraes sobre carros e mais vehculos de
condueco, passaram para as cmaras muni-
cipaes taes quaes existem.
Arl. 25. rica era vigor a disposicao do ar-
tigo 24 da lei municipal n. 270 de 5 de julho
de 1850.
Art. 26. Fica a cmara municipal do Po-
d'-Aiho autorisada a applicar nao s o pro-
ducto de 500 rs. por taboca de gado que
for morto para consumo, como as obras de to-
das as suas rendas para conliuuacaodareedifi-
cacao do acougue da villa.
Art 27. As cmaras municipaes ficam aulo-
rlsadas a applicar para limpeza das ras, cal-
cadas, desapropriaedes, concertos de seus pre-
dios e oulros melnotaiuenios uiauriacs nao




tgg Ow'....
^^^
^^
^^^T^^P
<2>
m
* as sobras das sommas fizadas para os di-
versos artigo! de suas dcspctai, como as de
suas rendas.
Art. 28. Kica a cmara municipal do Rccife
autorfaada a appcar o produelo liquido do
rdito do cemilcrio, abaladas as despetas fei-
ns com os ordenados dos respectivos empre-
ados, para conclusao da obra do mesmo ce-
uiiterio.
Art. 29. Ficam autorisadas as cmaras mu-
nicipaes de Flores e Garanhuns a appcar ei-
dusivamenle o producto do imposto de 501 r.
sobre gado vaceum que for mono, e as sobras
le todas as suas rendas, a primeira para con-
clusao do acude da Kaixa-Ycrde e a segunda
para conclusao de um novo arouguc.
Art. 30 Fica approvada o abate de 99,426
ts., concedido pela cmara de Pao-d'-Alho
Antonio Barbosa da Silva Coulinlio, arrema-
tante dos cepos e repezos daquelle municipio,
c a mesma cmara obligada a restituir ao dito
arrematante esta quantia caso elle j tenha
entrado com ella para os corres municipacs.
Art. 31. Flcam em vigoras disposiedci do
art. 20 da lei municipal n. MI de 19 de maio
de i845, cdo art. 24 da lei municipal ii. 25i de
22dejunhode 1849.
Art. 32. Flcam revogadas as icis e disposi-
eoea em contrario.
Mando portanto todas as autoridades a
iii ni o coohecimento e esecucao da referida
lei pertencer, que a cumpram c l'acain cuin-
1-i ii- tao inteiramentc como mili se conten.
(I secretario interino da provincia a laca impri-
mir, publicar c correr, Cidadc do liedle de
Pernambuco, 9 de maio de 185l, trigsimo da
ndependeucia c do imperio.
L.S.
Jos Idelfonso de Souza fiamos.
Carla de lei pela qual V. Esc. ha por Um man-
dar exeeular o decreto da assemlilia legislaliva pro-
rincial. que fixa a despesa tas cmaras municipaes
da prji incia. c marea a rcceila para o anno mu-
nicipal que ha de correr do l." de vutubro de l85l
co ultimo de (demoro de l8.">2, no forma cima dt-
clorada.
Para V. Exc. ver.
Maiim I Jos Uartins Ribeiro, a fe.
Sellada e publicada nesta secretaria da pro-
vincia de Pcrnambuco, 9 de maio de 1851.
Antonio francisco l'ereira de Carvalho.
Francisco Lucio de Castro, a fez.
Rcgistada as follias... do livrosegundo de leis
provinciacs. Secretaria da provincia de Per-
nambuco, 9 de maio de 1S5I.
_________Joo Polycarpo dos Sanios Campos.
EXTERIOR.
PEIl-
COBRESPOKDENCIA DO MARIO DE
NAHDUCO.
Lisboa, 30 de abril de 1851.
O duque de Saldauha nao chegou a dar
ni ni ii iu liro, mas o conde de Tliomar leve
de emigrar outra ve/, para allespanha!
("liando na minlia cana de 14 do passado,
diiia a V. que tiulia chegado o muinculu de
.air o conde de lliomar pela foica das armas
inal suppuuha que teria de mearrrpcndcr da
seguran;.! cun que liavia proferido csia pro-
posicao, avista dos successos posteriores, to-
dos adversos s esperanzas e promessas com
que o duque de ?*aldanha sahira de Lisboa,
lloje porm posso lisoiijear-me de ter previs-
to o xito pacifico desta revoluco, apezar
de quasi lodos o tercia posto cm duvida, c
al perdido, para a causa do mareclial Salda-
uha, principalmente quamlo viram que el-rei
marchava a testa do exercito contra o duque.
Entretanto queni reflcclisse na aiiiinadvcrsao
que em todas as classes, e em lodo o reino
liavia contra o conde de Tliomar, e do oulro
lado a alleiciio que em todo o pau lem o du-
que de Saldanlia, nao hesitara em concluir
que logo honvesse rjualijuei levantamento con-
tra o conde, todos o iiaviaiu de seguir acti-
vamente, como j o desejavam inleiranicn-
te. O ministerio sabia isto lao ao certo, que
nao obslanti' o mareclial nao ter tiJo tropa
ncnhuina s suas ordens ( porque os dous ni-
cos regiiuentos sublevados ale ao dia 25 do
crreme, nunca clicgaiain a manobrar com
o mareclial, e quasi sempre es(iveiaui distan-
tes din, api/H de elle andar correado a
lieira e Minti s com o seu pequeo eslado-
ii. mu, poz em campo coulia elle todas as
i i', i- i|uaulas liavia nal provincial cuacapi
tal. Mas ludo fui em vo.
As memorias desta oiierra de deznilo dias
( contando do dia 7 em que o mareclial saliiu
le Lisboa al 25 em que a guarnirn do Porto IJq'"" i')c
se declainou por elle { dar un lolheto cu-
rioso, a quem o quizer ledigir com todos os
rpisodius que a acompaiiliarcm, c que anda
nao mi I" ni couhecidos. < onheen quem eil
tentado a f.ize-lo, se fur avante llie farci re-
messa delle. Agora apenas faco a resenlia
do que se passou de mais nolavcl ate a queda
do ministerio,
Como j llic noticie! na antecedente, o ma-
rcchal sabio d'aqui para Cintra, levando ape-
is com sigo o ii ni nte-i un. mi 1). Aligue!
Ximenes e o capiliio Daaiazio Gurjo, que
M. esta peticao.a El-rei replieou: ,0 que
contm? Se V. M. se dignar l-la.... El-
rei instando: (i Diga-me o que ella eontm?
I ornou-lhe ento o presidente : He urna pe-
licao dirigida a V. M. para que interceda com
a nossa rainha, a fin de que ella despeca dai
seus conselhos o conde de Tliomar, para as-
sin por um termo guerra civil El-rei, res-
pondeu: il.mir i ni chefe do exerjito, c por Isso incom-
petente paraacceitar a peticao. Esta resposta
do rei, posto desagradasse malla gente, acho
que foi mu curial e discreta, na siluacao e car-
go em que 8. M. ic achava.
Por este tempo correu em Lisboa, que o du-
que da terceira tinha mandado rainha una
carta que llie escrevera o duque de Saldauba.
Efl'ectivamente quando chegaram clandestina-
mente a esta capital alguns nmeros do 06r-
uartor oi n il de Coimbra, traiia impressa a dita
carta, que se segu, que lem a importancia de
ser o primeiro documento do punho do mare-
chal depois de se haver posto a testa da re-
volta.
Um. I un Sr. Uma mbleracao geral lia
muito se acha preparada em todo o reino con-
tra as prevaricares, roubos c continuas in-
fraccoes da conslituicao, commctlidas pelo
conde de Thoiuar. Por mais de nina vez Ihe
tenho podido obstar, lazendo ver a possibi-
dade da sahida do minilterio daquelle bomem
fatal pelos mcios legaes. Oproccdlmenlo das
maiorias cm ambas as cmaras levou o des-
engao a todas asconviccoei. O nico nielo
que me restava para evitar uma tal subleva-
cao era o acceltar o convite de muitos dos
nossos bravos companheiros de armas, que
horroiisados com o futuro que nos prepara a
presenca do conde de Tliomar no ministerio
instavain para que me pozesse sua frente, e
e por urna demonslracao militar oblermol o
lini que a nacao quer, necessila, e obtera in-
fallivclmente. Al este momento todos os
chefe populares se concervam tranquillos, mas
pode V. Exc. ter a certeza de que no mesmo
instante em que se convenci de que a de-
monstrarlo militar, de que resolv por-me
frente nao be bastante para derrubar o con-
cesionario, que opprime a naco, o movi-
inento se manifestar em todas as provincial,
e qual he aperspicacia humana q'iic pode des-
de j ni ii rii -Un' os limites ? Afirmam-me
neste momento ter V. Exc. sabido de Lisboa
frente de alguma tropa para sustentar o mi-
uiitro coucussionario, o homein que rene em
si toda a prevaricacao e todo o odio nacional.
Tenho a doce conviccao de que nem um si
dos militares, que acoiiipanhaiii a V. Exc. dei-
xa de partilhar as uiinhas ideias, e os meus
desejos de linar a naco do jugo que a opri-
me. Scnhor duque da Terceira, leV. Exc. se
esquece de que ha depois de nos um trubu-
nal inexoravel, a historia, e de que as paginas
gloriosas, a que V. Exc. all (cm iucomeata-
vel direito scram completamente neulralisa-
das pelas que cunipctirem ao campean do ho-
iiicm corrupto, do coucussionario infame, do
prevaricador reconbecido, leinbre-sc ao me-
nos V. EvCi de que pela sua conducta pe em
perigo imminente nao s o throno de S, M.
a rainha, mas faz lambeiii correr osmaiorea
riscos sua dynaslia. Se V. Exc. prosegue, a
iiniii a li ni i de ter feito, durante 1 i me-
tes, tudo o que humanamente era possivcl pa-
ra evitar os males de unta nvoluco, a V. Exc.
i ih .,. i i. i ili- ahaver tornado necesiaria, in-
dispeusavcl. I.embreino-nos de que se no
eco lia a justiy'a de Dos, tambeiu as leis da
moral nao prescrevem na trra. A insurreico
nao ser uma lucta de partidos, os interesses
desles ir rao estranhos a ella, o seu fim ser
mais grave, ser pruvar Europa, que a na-
cao portugus! nao concenle, que um sysle-
ma de conuplo, de coneussoi'S e de Incons-
iiiiiiiihi.i1iJ.h1i'. se eleve altura de meio de
goveino, de duulriua poltica. U moviineii-
lo iUvc representar pura c simplesinente a
esistencia da na(ao, milite moral, que lhe
I i, I ii,u.un depois de dilatada agonia. O
palz no meio da iudillerenca com que o go-
vi'ino lem olliado para as suas necessidades
maierlaei mais urgentes, e no grito de angus-
tia, que sulla ueste momento, limia-se a pe-
dir justica e ni.naliila.il'. Sr, duque, de V
Exc. depende o evitar os males que nos
.iun i .ini : salve V. Exc. o pais dos horrorei.
que V. Exc. lhe prepara, lazendo com que
>. M. a rainha, domina iiiunedialaiiieiite esse
lioiueiii fatal a tantos respeitos, e chame ao
ministerio pessoas que mcrecam a confanca
nacional. Nunca sobre V. Exc. pesou tam
grave responsabilidade como neste momen-
guarde a V. Exc- Leiria li d<
ficando nomeado presidente do conselho o
duque da Tercelro, para organizar novo mi-
nisterio. Apenas se cspalhou a noticia da
demisso do conde, comecaram a subir ao ar
mulus'gy randoias de foguets, lendo de es-
tranbar sil as queforam mandadas deltar pelo
huan do ex-mioiitro, o cons. Silva Cabral.
Houve tambem luaagllacao pelai ruai, mas
nenbuma especie de manifeilacoe, nem pro-
nunciamento, inurmurava-se e porm, geral-
mente da rainha ter declarado no decreto da
deinissanque o conde de Thomar tinha ser-
vido muito a u cotiifii'J. No dia 29(hontem)
partiu elle no paquete inglez, declarando a
lei que ia realituido no seu lugar de ministro
portuguez ain Madrid.
Espera-se de Ciimbra o duque da Terceira,
para formar o novo ministerio, e tudo est na
eiprctativa do que elle lira, e do que nos vira
do Porto.
Acabou pois eita tcnacisslma guerra ao con-
de de Thomar, e acabou sendo necessario re-
correr ao triste eipcdlente de fazer urna re-
volucao militar, e com todas as consequenciai
que tratem eitas perigoiai IntervencSe da
forca rmida, e a relacbacao das disciplinas.
Costa Cabral torna pois a emigrar, porque o
cargo de einbaixador necessariamcnle Ih'o
tirio, e agora escuia de contar com segunda
rebabilitacao visto que nao soube approvei-
tar-se da primeira.
Idtm. l de maio V18D1.
Homo se dizia, as forca que estavain com
el-rei em Colmbra acclamaram o marecbal
S.ldanha, e abalaran! quasi todas pela estrada
do Porto, licando so com el-rei os rfgimentol
2 de caeadores, 16 de infantariaealgnnicaval-
los. Nao ha cxemplo de succedrr um caso as-
sim a pessoa real Todos viram que isto havia
de acontecer, se a causa do marecbal come-
goisse triumphar.
He geralmente sentido este deiar que loffreu
el-rei, porque elle tein multas affelcdei entre
nos, e merece-as. Aaslm que isto le passou.
S. M. vcio para Lisboa, onde chegou quasi in-
cgnito, Indo desembarcar no caes quasi de-
fronte do palacio, onde S. M. a Rainha, e seui
filhos, o vieram esperar a p.
duque da terceira, tinha chegado antei,
formando logo um minilterio interino, com-
posto su de tres ministros; baro ,1a Luz, rei-
no, baro..., guerra, e Franiini dafazenda, o
quaes por ora nao fizeram maii que urna pro-
rl.nn.-ii .i", e deinilliraui o conde de Thomar de
ministro em Madrid. Elle por ora, eit em
Vigo, ilucute em casa do cnsul portuguez,
Ortiga.
Aqui reina socego, todoi a espera do mare-
clial que cliega do Porto manha 15, com to-
da a tropa qne l lera, para o que foram to-
dos o vapores busca-Ios. Aqui fazem-ie
preparativo! estrondoios para quando elle
chegar.
llouve domingo, um pequeo alvoroco com
a guarda municipal que quera dispersar o
povo por dar vivas ao Saldanba, mas nao hou-
ve consequencias serial.
A imprensa progresista pede a abdicacao da
rainha, mas o marecbal desapprova.
Como elle cliega amanbaa, veremos a sltua-
cio definida.
Eita he feta no crrelo ondeesperava dizer-
Ihc se com elleilo o duque ebega boje, como
agora le diz.
INTERIOR.
abril de l85i. Illm. e Kxm. 8r. duque da
Terccirl. AssignadoUuoue de Snldanha.
Regressou a Coimbra a brigada que de San-
tai em tinha sido desticada em persrguicao
dos caeadores 5, commaudaJoi pelo coronel
Joaquiui bento, que tendo forcejado em vfio
por passarcui para o norte do Tejo, e jumar-
se ao mareclial. s no dia l4 o podera conse-
guir, depois de 7 dias de grandes marchas e
contra marchas, que tornaran) este batalhao
celebre ncsla pendencia, porque leve arte d
Almenes e o cap.no ^maz.o gurjao, que focas inimtoai. e ci-
tinbam sido seus ajudantes d ordens na bala-1 [D v 'f'1 c
l.i de Torre! Vcdras ; dous ofllciaes do esta- P. ," ._ c.i i .
O duque de Saldanha estava em Viseu, man-
dando emissarins para difTerentes pontos, mas
i iiitiiinuu, iiiiiim-jr iiuiiiiuuii r, p
,o capi.ao Damazio que nao sabia '*CUiS1"P,P.'r."% K.,q?Jr' de5farfai10 as, Pr-
aaogoerno. Parece que os ol- 222f*J Por,1 a*M^um^tfHm ,,eu',f
l.nham concordado rm faicr iu- f0!''"." ae dentro da cidadc. e para l
do-maior, fillios do visconde de Fonte-Nova;
tlous alferf! seus sobrinhos, c o depulado II.
Pedro da ('osla de Macedo, tambem sobriulio,
e mais larde se lhe foi unir I'. Antonio di-
Mello, coronel de cavaflaria. Por um destes
oificiaei mandou elle dizer aocommandantc
do destacamento que eslava em Cintra, que o
ccompaiiliasse. 0 coiiniiaiidante mi s nao
annuio, mas mandou logo parte disto ao sen
regiment, o stimo de infamara, aquarte-
!:< em Mafra, de sortc que quando l che-
gou igual couvite ro mareclial, o couiinan-
lilil estava prevenido, fecliou-sc no quartel,
e declarou a
da obedienci
liciaes que
Llevar o corpo, nao se achavam u aquello da
cm Mafia, porque a n Im,,,u do mareclial
anle ipuo- -e, com recelo de que o prendes-
si-in rm Lisboa. O certo he que o duque,
vendo que lhe ralbara esta primeira tentativa,
conlinuou a sua marcha dirigindo-se para
Leiria, onde eslava o balaiho de caeadores
quinto, j pela sua parle. Chegado Leiria
o marecbal, pouco se demorou all, conti-
nuando para Coimbra, em cuja cidade enirou
no dia 12, smenle com os seus j ditos aju-
dantes de ordens, e l2soldados de cavallaria.
As autoridades e a pouca tropa que all lia
via leliraiain-se, mas todo o povo o victoreou
e os i-6ludautes vieram espera-lo aponte, mas
nao bouve vivas nem deinonstraco alguma.
Dous dia
KIODE JA.NEIKO.
Sr, redarlor. = Na sessaode hnntein, quando
se discuta o parecer da commissao de constl-
tuifao e podere sobre a licenca pedida pelo
governo para que os senhores dcpuladosOlym-
po Machado e Vctor de Olveira pudessem ir
exeicer a coininissao para que foram Hornea-
dos, alguns deputadus da opposico disserain
que a ,l, |,ii i i aii de Pcrnambuco, a que pertcn-
90 exigir a demissao do Sr. Souza Itamoi, dan-
do como principal causa desse passo a transfe-
rencia doi presos polticos da ilha de Fernando
para a cidade do llccife : e porque me nao fos-
se pcrmitlido entrar 110 debate que ento sus-
citou-se, em consequeucia de encerrar-se a
discussao quando deva caber-me apalavraque
eu tinha pedido, recorro .1 imprensa para de-
clarar que, se houve cssa exigencia da parte de
algum ou alguns deputados de Pernambuco (o
que nao me consta), nao parti ella de inim,
que sempreapoici a adinnistiaco do Sr, Sou-
za Ramos. Rio de Janeiro, 17 de maio de 1851.
r. ioapuim Vitlela de Castro Tavarcs.
(Jornal do Commercio.)
arcirr, 1 di JUBTHO Sal tiii.
Pelo vapor inglez Tay chegado hoje de Son
thaiiiptou, va Lisboa, Madcra, Tenerife e San
Vicente, recebemos ai duas cartas do nono
correspondente de Lisboa, que ficam eslampa-
das em oulro lugar desta folha, e bem assim
varias gazelas iiglezas e francesas que alcau-
(am a 8 de maio prximo passado e mais duas
cartas do nosso correspondente de Paria, ai
quaes publicaremos uo seguinte numero, visto
que a hora adantada em que noi foram entre-
gues nao nos pcriuitte publica-las uo presente.
.Mein dodesfexe dos acconlecimentoi extra-
ordinarios que liveram lugar cm Portugal,
alui dadissoluco das ediles heipanholas, da
orgauisac de um minsteiio'dclintivo cm
Franca edo restabelccuieoto da dieta de Fran-
cfort na Alleinanha, de que j em outra occa-
si.m intelramosos leitores, nenbuma outra no-
ticia poltica uii|.ni lauto nos trouxe o vapor,
que eutrra boje o nosso porto.
Em toda a Franca, porm principalmente em
Pars, cclebrou-se ltimamente com grande
pompa o aimiviTsano da provlamaco da re-
publica. Nos campos Elyseos c na praca da
Concordia prepararam-se varios dvertliuen-
tos,espectculos, justas, illuininaces, fogo de
ani mi.), ele,, mas a chuva que nesse da cabio
a i mi ir..-., u'iij perineiiio que a populaco se
entregasse livremenle a esses innocentes pas-
iiiempos.
A policia, em vlrtude de denuncia que leve
de que una iusurreico rebeutaria naquellc
dia, varejou urna caa iuipeita, e com effeito
nell.i aprehend u varios exeuiplarea de urna
|iroclama(o incendiaria pela qual le conci-
tava o povo s .11 mas, e se lhe recoramendava
que na 1 deise ueuliuiu quartel aoi realista!.
Algumas .prisoes tambem tveram lugar en-
tretanto ueiibuuiB agiiaeo se obiervou as
ras, e o dia se passou tranquilamente.
Em Inglateira o gabiuelc Whig loll'reo ul-
li mmenle um novo leve/, por oooasiao da V0-
laco sobre a inceme-tax: 24Q repreienlan-
les volarain coutra o governo e 232 a favor
Em o 1. de maio prximo passado, bem co-
mo liuha sido aununclado, abrio-sc em
Loudre o palacio da expoiico universal,
dignando-se a rauha de consagrar pela iua
presenca esta mageslosa ceremonia. As ga-
'.1 las iuglezas tem |iublicado estirados arti-
gos sobre este respelto.
Em l'arii o> 5 por cento licaram a 90 fran-
cos c 5 cent., e os 3porcenlo, a 55 francos c
55 cent.
111 londres os consolidado! licaram, de 1N3
7/8 a 97; os fundos brasileiros, de 89 a 88 e.
meio e os qualro por cenlo portuguezei a 32.
ui.-----irsv, ,y Minina1 f awir
COMERCIO.
ALFANDEGA.
me do ItaJiitautis de Coimbra apreieular aV. .decrctoa tm uppicuicuio au Umio du uienic, |llcadiuieuto (lo da 31 (lo p.p. 18:923,852
as tropas com quanto o nao hostiliaisein, re
lirando-se das ierras onde elle entreva, nao se
atreviam a unirem-se-lhe. Resolveuenliio cs-
crever ao conde de Casal, que se diiia no se-
gredo da revolla, mas tute respoudeu-ihe que
licaria obediente ao invern. Doiii esta ultima
falla, e ento de forjas 1S0 importantes como
as da cidade do Paito, julgar.-im todos a causa
do mareclial perdida, porque tendo percorri-
do lo grande pirtc do reino, s dous regi-
nicnlos o hav un seguido. E elle mesmo de-
iuiioliw.n- dous dos seus ajudantes de ordens,
D. Miguel Ximenes e Salvador da Franca, indo
elle esperar o xito das suas tentativa!, para
urna povoaco de Galliza, recelando que o
procuravam para o mataren!, sabendo-se que
eslava incgnito to perto do Porto.
Foi Salvador de Franca quem conseguio re-
volucionar os catadores 9, sahindo com elle!
do quartel na noiic de 24 do correte dando
vivas ranilla carta, e ao marechal Salda-
nba. Todos 01 corpos que estavain aquarlella-
dos no campo de Santo Ouvidio, se lhe uniram
logo, lado direitos cadeia da relaco soltar o
uiajur Sobral, comuiaiidanle da guarda muni-
cipal, preso por suspeiio de estar connivente
com o marecbal. Sollo este, a guarda munici-
pal adherlo tambem. O conde do Casal, gene-
ral da diviso, san 1 com o seu estado ntaior.

Deiearregam koj 2 dt juttha.
Brca ingleza Serafina 1 nercadorin.
liriCiio inglex Ospray fclacalho.
Barca dinamarqaeza Wialdemar mer-
cadorus.
Brigue dinamarquez Hennelt fardos e
batatas.
Sumaca brasileira Carlota charutos e
fumo.
RENMMENTO NO MEZ DE MAltO DE 1851.
Rendlmento total 347:388,062
Reilitultoei 153,431
Res 347:235,231
Direitos de consumo
Dito de 1 por. cento de reexporta-
(0 para os portos eitrangeiros
Dito dito para 01 portos do imperio
Expediente de 5 por cento doi g-
neros com carta de guia
Hilo de 1/2por cento doi genero!
do palz
Dito de 1 1,2 por cento dos gene-
ros llvre
Armazenagem de 1 por cento dai
inercadorlas
Dita da plvora ?
Premio de Ij2 p. c. dos assignadoi
Multas calculadas noi despachos
Dilai divena!
Patente! doi despachantes geraes
Ditas ditas especiaos
Emolumentos de oertidoes
349:880,306
1,000
145,210
451,771
450,394
768
J:258.730
63,000
4:339.611
180,980
286,721
J n.Olli,
12,500
14,240
I CONSULADO PROVINCIAL.
dem do da 31 do p. p.....1-009,887
REN0IMENTO NO MEZ DE MA40 DE 1851.
Dlreitoi de 3 por cento do asiucar 11:018,789
Direitos de 5 porcento 4:351,415
Capatasla 610,240
Decima urbana 4:547,105
Meiailta 1:043,651
Novoi e velhoi direitos 243,4US
Selo de berancase legados 321,360
Imposto de 3 por cento 2:649,550
Cinco mil n. por escravosdeipachadoa 30,000
Emolumentos de pauaporte de policia 4,800
Matriculas do lyceu e seminario c dai
aulos de latim 4O.C0O
20 p. c. do consumo d'ago'ardcnto 128,080
Multas 42,08?
Juroi 1639
Ma. 347:235.231
Nat seguirte* etpeeie*.
Dlnheiro ,25:"'5-'5
Assignados 221:320,113
lleceila extraordinaria.
Novo! e velboi direitos
recebidos doi empre-
gados 2,000
Producto da arremata-
cao da barca de viga
n.2
Deposito*.
Em balanco no ultimo
de abril
Entradoi no conrente
mez
Sabidos no corrate mez
74,000
" 76,000
4:260,736
504,039
Existentes Rel
as teguintcs eipecies.
Dinheiro 1:547,844
Lcllras 2:593,610
4:764,775
623,321
4:141,454
"Air.imlf.il de Pernambuco. 31 de malo de
1851. Oescrvao interino, Fratuitco de Paula
llun alcs da Silva.
CONSULADO CERAL.
Rendimento do dia 1 a 30 do p. p. 33:862,444
dem do dia 31........1:452,787
35:315,231
DIVERSAS PROVINCIAS. I
Rendimenlodo dia l a 30 do p. p. 1:718,800
Rii. 25054,109
Mesa do consulado provincial, 31 de maio de
185i. OeicrlvSo da primeira seceo, Joo
lanado do Reg.
PRACA DO RECIFE, 31 DE MAIO DE
1851, AS 3 HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios-- Oaaaquei da semana foram el-
fectuidoi a 27 12. 27 3,4, e 28
d. poi 1,000 rs., felxando-se a
eita colar.So.
Auucar--------Pequcnai enfadas, e 01 precoi
foram os meiraos da lemana an-
tecedente.
Algodc- Entraram 436 lacca, queforam
vendida! a 5,80o ri. por arroba
de primeira norte.
Bacalbo Ti vemos dous carregamentos;
um leguio para o su), e o oulro
com 2,163 barrica, foi vendido
i preco oceulto : retalhou-ie de
10 a 10.500 n., e ttcou em ler
4.200 barrica.
c'arne-secca Vendeu-se de 2,100 a 2,500 ri.
por arroba, e licaram em ler 70
mil arrobat, inclusivo doui car-
regauentos entrados nesta se-
mana.
Far. de trigo Vendeu-se de 11 a 18,000 rs. por
barrica, e licaram em ler 8,000
barrica.
Flcaram no porto 48 embarcacei, lendo 1
americana. 36 braiilelrai, 2 dinamarquesas. 3
franeez*s,4 ingleai, 1 portugueza. e I meca.
Movimento do porto.
I Jo, 111 do dia 31
217,972
1:966,772
RENDIMENTO DO MEZ DE MAIO DE 1851.
Coniulado de 7 por cento 25:902,296
Ancorageui para forado
Impeli 6:330,600
Dita para dentro do dito 232,940
Direiloi de l5 por cenlo 274,950
Ditos de 5 por cenlo 622,500
Expediente das capatazas 863,050
Mullas IM.OOO
Selo! 968.375
Emolumentos de certidOei 9,520
Diversas provincias.
Dizimo do algodo do
Rio Grande do norle 9,636
Dito dito da Parahiba 338,996
Dito do asiucar da Para-
hyba 199,831
Dito dito das Alagoas 1:418,309
9:412,935
35:315,231
Depsitos sabidos
Dito! existenle
113.500
I!3l2,070
1:966,772
37:282,003
apenas se demorn o duque em
Coimbra, partiudo a 14 para Viseu, deixandoi
os caeadores quinto que em seguida avanca-i \"as sc"d _foUdecidU_ por toda a tropa, levo
rain para aquella cidade, levando j alguma llt se uder nena noitc, retirando 00 tia
forca de cavallaria que se lhe aggiegou 1 s'gu.nte para lluga. Toiiiou logo o coinman-
El-rei ea forca do seu commando, que tinha1 d."e"' ""Kir o coronel Mun.z, fez unja pre-
citado aolbar para este mowuiciilo estaco-1 tla".'afil. em que ao se pedia a de.n ssao do
nada em Sanlar.o, quando soube que o mare-1 ?L- n il SL- v,.clorlava mareclial Salda-
chai tinha entrado en, Coimbra, maichounaral"1'4-.0 Pvo nao tomou parte nisto, correa-
la, chegando porm s no dia 20. Foi esperado ''"i 01 viva!, na paradado dia 25, e hcou
pela univeriidade e autoridades, < i.ml A^d" <'. ceg. Houve pore.n tres marica
inuito povo por curiosidade
com frieza. Us estudantes l, .
cbonoirem esperar a el-rei, e apenas cinco! ,,a"d,, cu,,u. 01"lujdo "' P'slola, matan-
,m naP ponte. Fez-.e Immediata- ?"?"* 8""reU U,na "' U.n-
idra p lai.ih.iii ,,,<,l, el" ,ocego. llouve porem tres mortes
..'. re^i.f,\r\' U tu,oufl du2 ue '"fanlaria sendo instado pa-
Vau^cca.ril,ad" anillira' Ul> reslo, resisti dispa-
^vaiaui uc capri- d contra 01 mldadni nina nliinli ....,..
bem o iiialuu.
Assim que estes succcnsos se luuberaut em
appareceram
mente uma peticao el-rei, encheu-se com
inuilas aisignaluras dos habitantes de Coln-!
acuSabilual agrado a co,umi,so,edepo,'per Tco^^^Ml.T^Z^^^
nheceram ento que nao havia forcas para re-
(lucui sao os senhoresl Rcspondcu-lhe sistir mais, e pediram logo a demissao. No
o preiidenle da commissao: Vluiosein no- domiugo 27 publlcaram-se os respectivos
Mesa do consulado de Pernambuco, 31 de
maio de 1851. O escrlvo, Jiirome Gerardo
Maria Lumachi dt Mello.
Despachos martimos da dia 30 do p. p.
Ilavro com escala pelo Aracaly barca
Cranceza Comle Royer, de 317 lonelladas ,
conduz o seguinte : 1,550 saceos com
7,750 arrobas de assucar, 738 saccas com
4,073 arrobase 10 libs. dealgodSo, 800 cou-
ros, com 22,903 libras, 5 ciixOes com 610
libras oleo de cupaiba, 36 arrobas de cobre
velho, 2,700 cbarutos, 2 redes do MaraobSo,
1 caizole com 17 libras doce e 157 varas de
renda, e ouliodito com borbolelas.
dem do dia 31.
RioCrande do Sul, brigue brasileiro AU-
grete, de 131 tooelladas, conduz o seguin-
te : 630 barricas rom 4,647 arrobas 0 1 li-
bra de usucir, 1 dita com quarliohaa.
Gibraltar, brigue escuna inglez Fauny. de
145 tonelladis, conduz o seguinte : 100
barricas e 620 saceos com 3,921 arrobas de
assucar.
Marseille, barca francoza Jeune Raymond.
de 318 tan liadas, conduz o seguinte:
3,200 saceos cum 16,000 arrobas de assucar,
60 saceos com 252 arrobas e 13 libras de
algodflo.
KECEIiF.liOltlA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Rendimento do dia 31 do p.p 591,473
RENDIMENTO DO MEZ DE MAIO.
Foros de terreno! de marmita 78f8li3
Laudemioi......... 525^50
Sisa doi bens- de raz.....3:607/401
Dcima addiclooal dai corporacdei
de 111.10 murta....... 451/350
Direitoi novos e vollios, e de chan-
cellara ......... 4'H.Vlo
Disima da dita....... 270/578
Matriculas do curio jurdico e car-
tai de hachareis...... 632/400
Legltimacoei........ 12/800
Sello fixo, e proporcional 4.02D/750
Premio doa deposito! publico 87|960
Emolumento de ceiliiles 6/240
Imposto sobre lojas, e casas de dcs-
conlos ......... 2:900/000
Dilo sobre legei......562/400
Dito sobro barcoi do iuterior 571/200
Taxa de escravoi ...... 876/000
Multa sobre nfraccdei do regula-
memo........... 30/928
Imposto sobre caas de movis,
roupai e fabricado! em paizes
eitrangeirai........
Navio* entradoi no da 31 do p. p.
Terra Nova 36 dias, brigue inglez Spray,
de 274 tonelladis, capito A. Steel, erqui-
pagem 12, carga 2,063 barricas com ba-
calbo ; a ordem.
Parahiba 12 dias, hiate nacional Concti-
cao Flor das Virtude*. de 26 lonellidas,
mostr Elias do Rozario, equipagem 5,
carga assucar ; a Paulo Jos Raptisia.
dem 12 diis, hiate nacional .S. Crus No-
t'ii, de 28 lonelladas, mestre llenrique de
Souza Mafra, carga loros de mangue ; a
Joaqun Jos da Silvoira. Passageiros,
Silverio Jos Madeira.
AViiiio r.nliadono din 1."
Souiliafnptoii, Lisboa, Madoira e S. Vicen-
te -22dias, vaporinalczTay, comman-
danto Cbtpman. Passageiros, para esla
provincia, os Fraocezes, Colombier Ju-
ntor e Bcllenout. Scguiopara os portos
rio sul, levando a seu bordo, Grmano
Francisco do Oliv'eira e sua eompanliia
lyrica.
Navio* sahidoi no mesmo dia.
Parahiba blata nacional Tres Irmaos, mes-
tro Jos Du irle 1I0 Souza, carga carne sec-
ca. Passageiros. Cabnrl da Costa Mon-
teiro e J0.I0 Correia da Silva, Grasileiros,
e Venancio Gomes, Portuguez.
Gibraltar brigue escuna iogleza Fannij,
capitSo A. l.oinlmril, carga asiucar e caf.
Marsellia -- barca franceza J. Raymond, ca-
pitSo Deyreu SemDo, carga assucar.
Havre pelo Aracaly -- barca franceza Crale
Iloger, capitflo Evers, carga assucar eal-.
godSo: Passageiro, Ernesto daCnvulho
l'aesde A drade, Brasileiro.____________
Declarar-a.
= Pela aegunda lecco da meia do consula-
do provincial le annuncla; que do dia primei-
ro de junho do correte anno, ie principia I
contar 0130 dias para o pagamento a bocea do
cofre da decima dos predios urbanos doi luir-
ros delta cidade e povoaco dos Afogados, e
<|ue todos 01 proprletarloi que deixarem de pa-
gar no indicado praso lucorrerao na mulla de
Irea por cenlo, e serio de prompto executados.
t*
Avisos martimos.
."" Para a llaliia.
Segu com brevidade a escuna oacionsl
./r/ encavilliada de cobre, por ter parte do car-
regameuto : quem o restante quizer carre-
garou ir de passagetn, queira dirigir-se 1
ra da Cadeia do Recife n. 56, loja do Sr.
Vital.
Para Rio de Janeiro segu viagem
com brevidade o patacho nacional Curloto,
capitSo Jos da Cunha Jnior, por ter parte
da carga engajada : quem no mesmo quizer
carregir ou ir de paasagem, pJe enlen-
der-se com o capullo na Praca, ou com o
consignatario Luiz Jos de S Araujo, ni
ra da Cruzn. 33.
Para o Klo de Janeiro segur
viagem com brevidade o brigue nacional
Destino, recebe ainda alguma carga frete,
assim como escravoi, e tem bom coinmodus
para passageiroi; 01 pretendenle le poderao
dirigir i ra da moeda 11. 7, tratar com
Leopoldo Jos da Costa Araujo.
Leiloes.
640.000
15:8640890
Recebedora, 3i de malo de 1851.
O cicrivao,
ilawcl Antonio invti do moral.
ti rorrotor livoira fara leilo ( duas
vezes transferido por causa da chuva) de
grande variedade do fazendas inglezas, fran-
cezas esuissas, queforam da extlncla loja
de Fernandos da Luz & Irmo: segunda-
feira, 2 de junho prximo, as 10 horas da
manh.ta em ponto ( prlncipiar-se-ha com
qualquer numero de pessoas a iodicada ho-
ra), no seu arm7om, ra da Cadeia.
O correlor Miguel Carneiro, far leil.10
no dia tcica-leira 3 de junho ia 10 borai
da uianbaa no leu armazem, de diversos tras-
tes novo! e com pouco uso; louca, vidros,
candielros, lanteruai, quadroi, espingardas,
pistolas de um e doui canos, reloglos e uutros
objeclos que serao vendidos muito em conia.
Avisos diversos.
Curso prog;i'CMsivo de desenlio
OH'erecendo em 32 estampa!, urna linda c
variada collecaode esludos e paisagem, objec-
los do reino animal e vegetal, do corpo huma-
no, ttc.; dedicado aos amantes do desenlio
de ambos os sexos, a 5,00J cada obra: Papa-
leo do Collegio, caa, do livro azul.



^^
~~w
Em reaposta ao annuncio de Mara da
MuUtniiadi a Invencao da Sania fru, inserto
r-m o numero 110 d'este Diario, pede Mara
Manoellade Jezut aoj Srs. editore a publica-
Sio das senlencas, proferidas pelos (ribunaes
o paii sobre os bens que >e refere o mes-
m annuncio ; vista das quaes e da !ei di-
gan) os entendedores, se Mara da Maternida-
de pode pretender ainda algum direito a esse
bens na qualidade que inculca, mormentc
havendo-se conformado com aquellas senlen-
cas, que se acham em exeeucao. Outrosim
previne Mara Manuela ao publico de que a
casa dama da Calcada alta n. 14 que em par-
tiiba coube a Maria da Maternidade como
herdeira de seu fllho, se acha penhorada pelo
juizo da 1.* vara doiivel escrivao Baptlsta
jpara pagamento de cusas e rendimentos dos
referidos bens revendicados em que fui ella
condennada, e que seacham em liquidarlo
a fim de que ninguem possa allegar ignoran-
no caso de fazer qualquer transaeces sobre a
mencionada casa.
Antonio Joaquim Ftrreira de Carvalho, escrivio
de nppellnfrs e agravoi do superior tribuna! da
relaeio de Pernambuco por sua ti. I. e C. o Sr.
D. Pedro II. que Dos guarde etc.
Certifico que dos autos mencionados na pe-
tirio retro entre partes a supplicanle Maria
Manoela de Jess e Maria da Maternidade da
Invenci da Santa Cruz, consta ser o theordas
tentencas e accordaos pedidos por certido na
pelicao retro, o seguinte:
Sentetca.
Vistos eites autos, libe lio a fls. 8 etc. Pe-
de a autora a rettituicao da escrava Genoveva,
e d'uma casa sita entrada do caminho deno-
minado Corredor do Cachang com todos os
seus acessores e rendimentos, allegando que
estas cousas forain dadas r por Domingos
Bernardo da Silva, casado com a autora, sendo
ella r sua concubina teuda e manleutla, e
que fallecendo Domingos em novembro de
1847 est ella autora em lempo de revogar es-
tas adoaedes: a r defende-se com a materia
de sua contrariedade Us. 15. allegando que
possue a casa demandada por hav-l cons-
truido, leudo aforado o terreno, em que a e-
dillcsra, e que adoacao da escrava fura em tes-
tamento; e porisso vigorosa; oque ludo visto
e o tnais que dos autos consta, provas, docu-
mentos, raides ele, considerando que est
provado o facto principal da questao, que be
ter sido a r concubina do finado Domingos,
casado com a autora, e que o documento a (ls.
56 prora que adoacao da escrava Genoveva fni
inler-vivos, e que no testamento nao houve
mais do que declaracao do facto anteriormen-
te risirnie ; que a casa em queslo nunca es-
leve no casal da autora, d'onde passasse para
r, e que nao esl provado completamente
Ibsie ella feiu com dinheiro do casal da au-
tora e que o documento a fls, 58 mostra que
oaforamento fol feito a r, julgo procedente
o libello qnanlo a escrava Genoveva mencio-
nada ua doacao a fls. 60 c condemno a r
entregar dita escrava e fillios, quanto ao mais
porm julgo improcedente accao e paguem as
custas em proporco. Rccife 3 de outubro de
1848 tervaxio Goncalves da Silva.
Considerando que se acha plenamente pro-
vado o concubinato do marido da embargante
com a embargada, que era por elle teuda e
nanleuda, consideraik! foi i. la pelo marido da embargante com seus
escravos e bois na permanencia do concubi-
nato, prova esta, que nao foi destruida ; con-
siderando fioalmcnte que o papel de venda a
fls. 95 nao d direito embargada na presen-
ta da ordenaran livro quarlo titulo (i!i para
reputar sua a casa em questao, sendo esse
inesino papel o que melhor prova far a favor
da embargante, pois com elle se patentca a
estrategia, de que usan o seu marido de con-
cordia com a embargada para Iludir a lei, e
encobriro seu reprovado piocedmento, sup-
pondo que por aquelie meio segurava o bene-
ficio, que queria fazer sua concubina com
nllensa da ordenacao citada julgo provados
os embargos fls. 76 verso e recebidos a lis. 75
pelos quaes reformo a sentcnca lis. 63 verso,
na parte smente relativa casa em questao,
julgando nao provados os embargos lis- 65
verso pelos fundamentos cspcmlidos, julgo
competir embargante viuva a accao intenta-
da, oondemnando, como condemno a embar-
gada a restituir a casa, na forma pedida no
libello lis., sendo os rendimentos liquidados
na exeeucao da sentenca, e nas custas. Recifc
9 de julho de iSr.l. Custodio ilanoel da Silva
uimare*.
Accordo em relacao fie. Que bem julgado
foi pelo juiz que cin sua sentenca fls. 5 c i3,
de que se appellara lis., sustentando a de
lis. 63 verso, e reformando tambem em parte,
julgada provada a accao intentada pela ap-
pellada, pois que decidiu em conforinidade
tos autos dos quaes se acha provado o concu-
binato da appeilante, a adoacao dos objectos
pedidos e reclamados, Portanto confirman o
julgado, e condemno a appeilante nas custas.
Rccife vO de julho de 1850. Atevedo, presi-
dente.Soma, llamos. Iltbill..-Luna Freir.--
lcllis.=
Accordo em relacao etc. Que sem embar-
gos dos embargos IU. 132, que por sua mate-
ria, vistos os autos, nao recebein, porque nao
destruetn os fundamentos do accordo embar-
gado; este subsista e se cumpra fazendo livre
transito pela chancellarla, sendo que os pa-
pes fls. 57 c fls. 58 nada provo, achaudo-se
sem sello, coudemuo a embargante nas cus-
tas. Recifc Hde Janeiro de i8.'n. -- Azevido,
presidente. Sonsa, Villares.Rebello,tuna
Frtire. Telles.
Nada mais se contlnha em ditas sentencas
e accordaos pedidos por ccrlidao, e aqu fiel-
mente transcriptos, e aos referidos autos me
reporto. Esl esta cerlido sem cousa, iiue d l-
vida faca, conferida e consertada e por mim
dito escrivao subscripta c assigna nesta cidade
do Recife aos 20 dias do mez de maio do auno
do nascimento de Nosso Sr. Jezus Christo de
1851, vigsimo nono da independencia e do
imperio do Brazil subscrevi e assignei. Em f
de verdade.
Kf Ionio Juaquim Ferreira di Carvalho,
I'recisa-se alugar urna criada portu-
gueza, que seja bem conduzida, para o ser-
vico interno de. uma casa eslrangeira de
pouca familia: quem esliver nestas crcums-
tincias, dirija-se a ra do Vigsrio n. 3,
Roga-se o Sr. Dr. Honorio Fiel de
Sigmaringa de Vascurado, que se acha bo-
je advogando err Goianns, que mande pa-
gar a sua leltra que so acha vencida a au-
no e meio, o qual nflo ignora aonde :
em quanto o nflo fizer ha de ser lembrado.
= O Sr. Francisco Antonio da Silva da ra
do Rangel, quelra mandar pagar a assignatu-
rajdeste Diario, e emqnanto nao o fizer vera o
seu nouie publicado em leltra redonda.
Traspasse-se urna loja defHzendasem
boa localidade, simplesmente com a arma-
cSo : quem a pretender, dirija-se a ra do
Quemado n. 7.
mmmm******** mmmmmnmm
Na ra do AragSo, n. 12, segundo andar,
sedeseja Sbborse he vivo, onde mora un
rapaziuho de nomo Humillo, lho de Ange-
la de tal, e neto do velho Antonio Lopes
Mingaba, da cidade do Natal, o qual rapa-
zinho ainda ha poucos annos aprenda o of-
ficio de marcineito, em uma oflicna desta
cidade.
wwmsmwwmt m mmmmwmmtn
Ainda se precisa alugar uma prela
escrava, para fazer o servico Inler.iO de urna
casa de pouca familia: quem a liver Uinja-se
aopoiteiio d'alfandega desta cade.
Lotera da matriz da Boa Vista,
O thesoureiro da lotera da ma-
triz da Boa Vista, faz sciente ao
publico que, hoje corre impreteri-
velmcnte a lotera, e que o restan-
te dos bilhetes, meios, quartos ,
quintos, decimos e vigsimos, es-
tarao expostos a venda, nti loja de
miudezas da Praca da Indepen-
dencia n. 4, at principiar acor-
rer a lotera.
Manonl Elias deMour, remole para o
Rio de Janeiro, a escrava Florinda, creoula,
do idade de 12 annos, pertencenle ao Sr.
Bellarmino de Arruda Cama-a.
aos 10:000,000 rs.
Boj8 corre a lotera da matriz
da Boa Vista, e quem quizer-se
habilitar aos lo:ooo,ooo ders.,v
ao Aterro da Boa Vista, loja de
calsado n. 58, que achara um res-
to de cautellas e bilhetes.
Antonio Luiz Ferreira, subdito Portu-
guez, retira-so para o Rio de Janeiro.
OSr. Bernardo de Albuquerque Fer-
nandos Gama, queira dirigir-so a Praga da
Independencia, liviana n. 6 e 8, a negocio.
Na travessa do Corpo Santo n. 29, se-
gundo andar, acha-se sherla uma escola de
meninos, dirigida por Honorato Augusto de
Miranda-
O Sr. Carlos Maitins de Almeida, tem
uma carta, na liviana u. 6e8 da Praga da
lldepi'11 Iciicia.
48b9& &&li&&4& wWtWt'W*&>**s^w
^Consultorio lioinruopathlco nn*
# Pernnnibiico ff
g Ba Mova ... 58
(tt DIRIGIDO PELO #
m Dr. J. S. SANTOS JNIOR. ?
# Consullas e remedios de graea aos pe- >?
t- brei lodos os dias uleis desde s 8 horas {>
3>. da man/ida a uma da tarde, e dessa ho- *.
ra em diante, serdo visitados os (lenles ^
M em seus domicilios. \
uva vvtfffif* **
-Nos abaixo assignadospartecipamosao pu-
blico, que no da 25 de malo amigavel-
menle dessolvemos a sociedade que girava
com a firma de Costa & Gomes, e que o socio
Gomes iica emearregado da liqudacao das
tansaccoes que se aciiareni pendentes rece-
bendo ou pagando. Jes da Cosa Gomes.
Jos Dias da Costa.
O Sr. que na noite de 29, no theatro de
Sania Iiabcl entregou um chapeo de sol de
paninhu, a nina preta de taboleiro com bolos,
( e que talvcz poringano) recebo da mesina
mu (uiiin de seda ;querendo ter a bondade de
destroca-lo, queira apparecer ua ra d'Apollo
n. 12,
-- O abaixo] assignado declara que a eie-
cucao que deu logar ao annuncio no Diario
de 30 de maio, provm das soldadas, que
o sen ex-caxeiro, Jos da Costa Guimares,
exigi judicialmente, bem que dellas houves-
se sido pago; mas que, por nao ter d, He
exigido recibos, fui por sentenca obrigado a
repetir o pagamento; cuja exeeucao o mesmo
Culi maraes frz traspalada a Conslantiua Ja-
cintha da Molla, sogra de seu dWigenlisu'mo
procurador, para nao ser compensada com
a quantia que de mais pagou o abaixo asslg-
n id.., como fiador que foi, do dilo seu ex-
caixeiro : o abaixo assignado julga convenien-
te fazer essa declaracao, nao s para al.i.t.u
de sobre si qualquer juizo desfavoravel rela-
tivo seu estado de commercio, senao tam-
bem par prevenir a homens estabelecidos
no coinmercio, deque nao incorram no des-
cuido de nao exigirem recibo de pagamentos
fcitos a seus caxeiros por conta das soldadas.
J o/o mi Antonio do Pono,
ASra. Josefa Maria deOliveira que morou
em i i-i.", ua ra bella n. 37, queira procurar,
ou mandar saber, na praca da Independencia
loja n. 6 e 8, de negocio de seu inleresse.
O abaixo assignado participa ao respei-
tavel publico desla cidade que, no da 22 de
abril do crreme auno, coiuprou, ao Sr. Grc
gorio Francisco dasChagas, a loja de funilei-
ro que o mesmo tiuha na ra Direita n. 23,
livre a desembarazada de toda c qualquer di-
vida contrahida pelo dilo Chagas; e por isso
fai publico para que pessoa alguma se iluda
visto constar ao abaixo assignado que o dito
Sr. Gregorio tem dito que a loja ainda Ibe
pertence. pois o uicsino por sua livre e espon-
tanea vontade ficou trabalhando na dita loja
como ofiicial. Jos Domingufs Vereira.
Na loja de miudezas do Aluno da Uoa
Vista n. 72, deseja-se fallar ao Sr. alferes do
corpo de policin, Manuel Ferreira Escovar,
ou a seu procurador, a negocio quelite diz
respeilo.
Quem liver e quizer vender o oitavo
volunte do romarfco-Mathilde por Euge-
ne Sur, annuncie, para ser procurado.
- No dia 31 do corrcnle, se ha de arre-
mi.t ir em hasta pubjica do Hr. juiz mu ni -
cipal da .' vara, um escravo padeiro, pe-
iiiiniiidi) a Joaquim Antonio do Foi no, por
i!xecutio de H. Constantina Jacinlha da
Mota.
Dam-se 100,000 rs. a juros, com pe-
nhores deouio, ou prata : no patio do Pa-
raso, relinacSo.
Jo9o Antonio Villa Secca embarca pa-
ra lora da provincia, o seu escravo croou-
o, de nome Antonio.
Na ra de Apollo n. 20, prepara-se 4
comidas para fra, com lodooasseio i>
(Jv e promptiduo: a tratar na mesma 4
# casa. _____________________
O abaixo assignado lendo du fazer uma
viagem no sertlo, onde se demorar por
dousa tres mezos, previne as pessoas, que
por ventura tenbaiu de o procurar para
qnalquer negocio, que so dirijam tiesta pra-
ca ao Sr. Luiz Jos Pereira SimOes, e fra, a
seu sogro o Sr. Jos e Araujo Pinheiro, em
seu engenho Covas.
lanoel Lucas de Araujo Pinheiro.
Na ra estreita do Rozario u. 28, se-
gundo andar, se dir quem da dinheiro a
premio.
Precisa-se alugar uma preta, captiva
oo forra, que d fiador a sua conducta, pa-
ra tratar de uma enanca : na ra do Viga-
rio n. 3. T
Aluga-se o primeiro andar o o tercero
da ra do Vigario n-13 : a tratar na ra do
A (non ni n. 18.
Precisa-se de um fbrneiro : na Praca
da S. Cruz, padaria por baxo do sobrado
n. 106.
Hoje as 4 horas da tarde, tem de ser
arrematados em praca publica, a porta do
a 7---------
Precisa-se de urna ama turra ou captiva,
para casa de pouca faniio. <... t do Sr.
Pradines, cutileiro, na ra Nova n ,'IC, defron-
te da igreja da Conceic') dos militares.
Um amigo do lllin. Sr. Dr. Jaciniho Paes
de Mcndonca est aulorisado .-, responder ao
annuncio do amigo velho do Ulan. Sr. coro-
nel Jaciniho Paes de Mendonca, que se he
com elle que se entende dito annuncio que
o pode procurar no hotel Francisco
No dia 4 do correte me/, se ha de arre-
malar cm hasta pnbllca, do Sr. Dr. juli mu-
nicipal da segunda vara, linda a audiencia
do mesmo, urna casa terrea sita na na do
Rangel n. I, por exeeucao contra 1). Igncz
Maria da Trindade, he a ultima praca,
-- Aluga-sc uma boa crioula para servico
interno, a qual coiinha o diario, compra e
lava milito bem, he fiel e esperta: quem a
pretender venba ra Direita n. 24, segundo
andar.
Dcsapareceo da cidade de Goianna, no
.lia 29 do mez lindo, o escravo Cerlaco, pardo
escuro, com idade de 38 annos, bastante bar-
bado, com falta de denles na (rente, c lendo
um bastante crescido, alto, secco do corpo,
fumista, c he ofiicial de marcinciro; levou
calca c aqueta de' linho aiul com listras
mais alguma roupa entroxada e chapeo do
Chili; quem o aprehender, ou o conduzlr
cadeia ser recompensado pelo seu senhor.
ie*|i -diiln.
A abaixo assignada tendo linalisado o seu
contrato no theatro de Santa Isabel, regressa
corte; pelo que lanca mao dcste meio para
din.ii as suas despedidas aos hospitalciros
e genesosos habitautes desla formosa cidade,
cujas sympathias, apphusos, obsequios e pro-
tecca'o a abaixo assignada confessa, aprecia
e agradece chcia de reconhccimenlo e pro-
funda gratidao. Sensivel a tantos e lao signi-
ficativos signaes de estima e honroso apreco,
a abaixo assignada protesta aos Srs. Pcrnam-
bucanos, que he com verdadeira saudade,
que deixa esta heroica provincia, e que volta-
r, logo que Ihe for possivel, para d'esl'arte
provar quanto he grata aos Srs. Pernambuca-
ii-i, na Icmbranca jamis se extinguir de
sua memoria. Recife, 1 de junho de 1851.
Augusta Candiani.
Perante o Sr. Dr. juia do civel, ama-
nliaa 3 do crreme, se ho de arrematar al-
guns movis novos, penhorados viuva e her-
deiros de Joo Uaplista Herbsler, por exeeu-
cao que Ibes inove pelo cartorio do escrivao
f mili,i, Miguel Carneiro: os licitantes podem
comparecer por ser a ultima praca.
Dedicado no coiiiiiiercio.
O vapor do sul Irouxe a seguinte obraNovo
tratado de arithmetica commercial ou desen-
volviinento simplificado de todas asregrasda
arithmetica relativas ao commercio, acompa-
nhadas de um grande numero de exemplos e
excrcicios, os quaes facilitan! o methodo de
resolver qualquer calculo que tenha relacao
com o trafico mercantil seguido de uma la-
bella das moedas dos principaes paizes e sua
reduccao a de Portugal e do Brasil por Peres-
trello da Cmara, I vol. grosso 6,000.
Desappareceo da ra das Cruzes, n. II,
Margarida, escrava do padie Meira. de edr
fula, e de estatura regular; levou vestido de
chita rxa, clara e panno da Costa: quem a
apiehender e entregar ao seu senhor ser
recompensado.
Oltcrcce-se um rapas portugus para
caixeiro de qualquer estabelecimcnlo, exceto
venda, o qual d fiador sua conducta: quem
precisar annuncie por esta folha.
-- Oll'erece-sc um rapaz porluguez, de ida-
de de 22 a 24 annos, para caixeir de Trapiche
ou armazens dos mesnios, ou para un, de
qualquer urna deslas colisas tem alguma pra-
tica, c alguma de escripia, o qual afianca a
sua conducta : a pessoa que se quizer ulilisnr
do seu preslimo dirija-se ra Direita, n. l4,
que se Ihe dir quem he.
Perdeo-se no dia 3:1 de maio prximo
passado, desde a bica de S. Pedro al a ra
do Coxo, em Olinda, um allinele de ouro
com o I .imito de um quadro circulado de
urna r un.i^. ni miiida e no meio urna especie
de folhagem com um diamante no centro; a
pessoa que o adiar pode leva lo ao Recife,
nos quatru cantos da ra do (Jueimado, n, 20,
ou em Olinda, luja de Domingos Jos Alvea
da Silva, que ser bem recompensado.
Precisa-se alugar uma preta stijeita para
mandados de ra: na ra da Madre de Dos
n.7.
R ua da Santala Vclha n. 14.
He o local em que se franquciarao os jornaes
de Lisboa e Portopara lr, quem all ou nas ca-
sas j designadas assignar, como se annunciou.
= Precisa-se de uma ama para o servico in-
terno de uma casa de pouca familia: uo palco
de San Pedro n. 18.
= A pessoa que precisar de caixes para en-
terros no ermiterio, dirija-se ao pateo do Hos-
pital do Panizo casa de armador, ou na traves-
sa do Rozario luja de sera, sendo a 3,000 rs. o
caixo grande.

IiOWMA.N & MC. CALI.UM, engenhei"
ros machinislas e fundidores de ferro mu"
respeitosamente" annunciam aos Senhores
proprielarios do engenhos, fazenileiros, mi-
neiros, negociantes, fabricantes e ao res-
peilav'el publico, quooseu estabelecimento
de ferro movido por machina de vapor con-
tina em effeclvo ejercicio, e se acha com-
pletamente montado com apparelhos da pri-
meira qualidade para a perfeita confecc3o
das maiores pecas de machinismo.
Habilitados para emprehender quaesquer
Obras da sua arte, Bowman & Me. C.allum
desejam mais particularmente chamar a
attencSo publica para a sseguintes, por
terem dellas grande sortimentoj prompta,
as quaes construidas na sua fabrica pdem
competir com as fabricadas em paiz es-
trangeiro, tanto em preco como em qua-
lidade da materias primas e mfio d'obra,
a saber:
Machinas de vapor da melhor construcQSo
Moendas de canna para engenhos de lo-
dos os tamanhos, movidas a vapor por agoa
ou animaes.
Rodas d'agoa, mohnos de vento eserra-
S.
Manejos independentes pira cavallos.
Rodas dentadas.
AguilhOes, bronzes e chumaceiras.
CavilhOes e parafusos de todos os tama-
nhos.
Taixas,pares,crivos e boceas defornalha.
Moinhos de mandioca, movidos a mSo ou
por animaes, e prensas para a dita.
Chapas de fogo e Tornos de farnha.
Canos de ferro, torneiras de ferro e de
bronze.
Bombas para cacimba e de repucho, mo-
vidas a mSo, por animaes ou vento.
Guindastes, guinchos e macaco.
Prensas hydraulicas e do parafuso.
Ferragens para navios, carroso obras pu-
Prensas de copiar cartas e sellar.
Camas, carros de mSo e arados de ferros,
etc etc.
Alm da superioridade das suas obras, j
geralmenlo reconhecida, Bowman & Me.
Callumgarantem a mais oxacta conformi-
dade com os moldes e dezenhos remol idos
pelos senhores que se dignarcm de fazero
Ihcseucommemlas, aproveitandoa occasiile
para agradocerem aos seus numerosos ami-
gos e lieguezes a preferencia com que teem
sido por elles honrados, e Ssseguram-lhes
que nao pouparo esforcos e. diligencia
para continuaren! a merecer asuaconli-
aneg.
Ignacio Luiz de Brillo Taborda, con-
vida os senhores, cujos nomes em segui-
da v3o mencionados, a virem pagaa-lha em
a sua loja na ra do Crespo n. 10, o qu>
ficaram dever s extinctas firmas dos fi-
nados senhores Antonio da Cunha Guima-
rSes e Jos Joaquim de Freitas Guima-
res, e a viuva de Freitas GuimarSes, de
pois Annn Maria dos Passos Guimares ,
Antonio Leandro da Silva Manoel Jus
da Silva l.eito Joio Luiz Pena, Fran-
cisco do Albuquerque Maranho Vicen-
te Ignaojo llranco ; Mauricia Feliciana dos
Prazeres, das Curcuranas ; Antonio Janu-
ario Paes Brrelo, do Cabo; Marliuho da
Silva Costa, do Limoeiro ; Jos Cardozo Ca-
valcanle, de Garuar ; Manoel da Costa Bra-
ga, de Inhuman; Jos do Benevides Falcilo,
do Tara em Garanliuns; Patricio los lavares
de Vasconcellos, do r.umJardini, comalia
do Lunueiro, e Manoel Gomes dos Santos,
de Lagoa Nova : o aununciante declara que
ir lazendo menso a mu exccp;3o alguma
dos nomes daquelles senhores, cujos dehi-
los f.'ivm anligos e 11S0 viereai imediata-
menle pagar-lhe.
'$> Chapeos deso.
^^ Ra do Passeio, n 5.
Nesta fabrica ha presentemente um ric
sortimenlo dostes objectos do todas as co-
res e qualidades, lauto do seda como da
panninho, por preQOS commudos ; ditos pa-
ra senhora, de bom gosto: estes chapeos
s,"o feitos pela ultima moda ; seda adamas-
cada com ricas franjas de retroz. Na mesma
casa se acha igual sortimenlo de seJas e
panninho imitan lo sedas, para cobrir ar-
maede* servidas : todas estas razendavne s-
dem-se cm porc3o e a retalho : tambem se
concerta qualquer chapeo de sol, lanto de
basteas de ferro como do baleia, assim como
umbelas de igrejas: ludo por preco com-
iiioilo. Na mesma casa ha chapeos de sol,
de marca maior, de panno e ,de seda, pro-
prios para feilorcs du engenho, por serem
os mais fortes que se podem fabricar.
"^ Paulo .'aisnoux, Icntistn **>
I franco/., offerece "t'i prest-*
mono publico para tollosos .
< muterea !<* prollssao: .v
^ pOtleser procnratlo a qual- ?
qner hora cm sna casa, na $
rna larra do Rozarlo, n. 3G, ,w
si'u'iiii.'lo i miar. #
tt*dMr*4Ms*4MRQAA4IWfMaA4>
Compras.
Compra so uma vac.ca boa leltelra, .'e
for lorina sra prefeiiila : no Monlego em
casa da Luiz Gomes Ferreira.
Conip'a-so um sobrado de um andar
i'soiao, com quintal, que e-l-'ja em bom
estado, situado no bairr.l de S. Antonio, ou
Boa Visla, t 3:000,000 rs., pouco mais ou
menos: no palio do Garmo 0, 17, a fallar
com Cubri! Antonio.
Vendas.
blicas.
juiz de orphos, os dous escravos ja aiinun- i >^aa-
ciados sguada-fvir passad. 1 Columnas, verandas, grades e porloes,
Bilhetes do Bio de Janeiro.
Aos 20:000,000 rs.
Na loja de miudezas da Prapa da Indepen-
dencia 11. 4, vcndenvse bilhetes intelros, meios,
quartos, oitavos e viResimos da dccinia-tei'CCi-
ra lotera das Casas da Caridade.
Devoto l'hristo.
Vende-ie o livrinbo Devoto Chrislao,
o qual contem a Doulrina ChristSa, modo Je
ajudsr missa, novena das limas, voto par
remiras mesmas do Purgatorio, exercicio
para alcanQar de Nossa Senhora o que so Ihe
pedir, oracito de S. Bernardo, novenas da
Assoncflo, da Conceicilo, do Natal, trezena e
novena de S. Antonio e responsorio do mes-
mo Santo, oraefles pars de maiihita c a nou-
le, ditas para confissao, communliilo e mis-
sa, modo de rezar a estucan, exercicio oara
cada dia, signaos do N. S.'Jezus Christo e
sentenca do mesmo Senhor dada por Pila-
tos, moo de rezar o rozario e excellencia
do mesmo, misterios dolorosos, gososos e
gloriosos, ladainh de N, Senhora e oulras
muitasoracOes. Este livrinbo organsado
por um I10..1 christiloe a seus rogos iinpres-
so vonde-se pelo diminuto prec,o de duas
patacas, na livraria n. 6 e8, da Praca da In-
dependencia.
Loleria do Rio de Janeiro.
Aos 30:000,000 rs.
Na ra estrella do Rozario travessa do Quci-
uiailo loja de miudezas n. 2 A, de J. F. dos
Santos \i.111, vendem-se os inulto afortunados
bilhetes, meios, quaitos, oilavns c vigesiinus
.la il.-eina-iii-eeira lotera das casas da carilla
de. Na mesma loia esl patente a lisia 27. da
loleria do Monte Pi.
P.u lo Crespo 11. 10.
Loja que volta para a ra das Qruzes, ha
(xcflllentes cortes de meias casimiras de 13a
fazenda omito superior e encorpsda, pelo
diminuto preco do 1,280 rs o corlo, assim
cerno lu.las rassas l'oincezas a 600 rs. a va-
ra, superiores chapeos francezes de gomma
elstica, riquissimos manteletes parisien-
ses, fazenda tqui ainda u3o vista, por se-
rem de gosto inteiran.ente novo e muito
oiceilente qualida.ic, eque se vendem pelo
bVato prego de 16,000 rs. cada um, bem
como chitas fianeezas largas para cuberas
a 320 rs. o covado, e umitas oulras fazendas
muito baratas.
Vendem-se ananazese i>bacaxises,plan
lados cada um em sua vasilha, muito pro-
prios para ombarqt.e e mimos : na ra das
Cruzes n. 40, aonde so acha um para a
mostra.
Instrumentos de msica.
Fabrica ie Variz.
Na ra Nova 11. 9, vendem-soclarins, cor-
notas, .-toes, tiompas, IrompOas, pratos de
Consiantinopla, oboes, clarineUs, requintas
eludas as qualidades de violes, rabeccas,
Hu las e (lautins.
I-- Vndese superior manloiga ingleza,a
480 rs., a libra : na ra Direita 11,14.
Lotera lo Rio d Janeiro.
nu 20:000,000 de bs.
Na ra do Queimndo n. 18, vendem-so
bi helo", meios, quartos, oitnvose vini-
mos d.i 13." loler a das casas da Cari lafli,
SMi. Chegl infalivelmontc *-
?oJoio que vicr da corte. Tambem *o tro-
cam pelos premiados da matn d an, *w-
la na mesma loja axulem as lisias ua t<
trazadas ; a ellos para tirar o 20 cont.
Para quem quizer ganltar rtl-
nlieiro.
Vende-se um costnorama composto de
muitas vistas, das mais bellas o importantes
parles do mundo, e todos os seus pert"nces,
como vidros e candieros, etc. ; quaiqucr
pessoa quo queira fazor fortuna, ja viajan-
do pelas capitaes das provincias, como pe-
[.scidades e villas do interior, no deixa-
r de colher muitas luzes, attendendo prio-
cipalmonte, que nos lugares do interior,
pouco ou nada he conhecido esse passa-
tempo e genero de recreio, com o qual
muito aproeitrSo os habitantes do cen-
tro vendo bellas ecuriosis vistas orim-
naes o que po lera produzir grande con-
currencia de admiradores, e descarte em
poucos mezes, ter-se-ha feito boa fortuna :
trata-se na rua do Sol n.15,
Corram de prewa u pechlnclia.
De 4,500 e 5,000 rs. o corle.
Na rua do Queimado, loja n. 17, ao p di
ntica, vendem-se cortes do casimiras do
cores escuras, muito eticorpadas, pronrias
para a prsenle estacSo, a 1,500 e 5,000 rs. ,
e muito linas, a 5,500 e 6,000 rs. ; pao lino
preto e azul, de cores lisas, a 3,500 e 4,000
rs ocovado; cobertores do lila muito en-
cor'pados, a 1,600 rs. ditos muito graodra
do Porto, a 3.000 rs. cada um, o outras fa-
zendas, por proco miis barato do que etn
outra qualquer parte.
Novos livros de direito civil.
.Ipontainentos sobre as formalidades
do processo civil brasileiro, pelo dezembar-
gador Pimenta Bueno, I vol. 1850, 3,000
Apontanientos pelo jury, sobreo pro-
cesso criminal, pelo dezembargalnr Pimen-
ta Bueno, 1 vol. 3,000 rs.: vendem-se no
paleo do Colligio, casa do livro azul.
Vendem-se na loja doanligo barateiro.
na rus do Crespo n. II, as seguidles obras :
Horacio, em formato grande; compendio*
de geometra, por l.acroix e Euclidu, Te-
lemacos. Salnstios, Gornelios, Virgilios, o
cdigo di Icis de Luiz Plieliape erft francez,
um tratad) do physiologia palhologica /
tambem em franc-'z ; grammalicas france-
zas, inglezas, latinas e toda a sorte de li-
vros classicos, ludo por muito commodo
preco que nao 10 lera deixa' do encheras
vistas dos compradores na mesma loja
continua-se a trocir e comprar.
Vende-se |>or commodo preco, ou tro-
ca-sa por alguma pro^rielade nesta pracs,
dando-sea volta que merecer, a illia deno-
minada S.J080 Bapiisla, ao pedos Affoga-
los, com bastante te reno para plantaQOss,
a qual d bastante c-pim, doill grandos vi-
veiros e cjnlo o lautos ps da enqueiros ;
assim como um sitio ou Bemlica, junto a
estrada Nova, ao p do sitio do Sr. Viegas,
todo murado, com dous portos de ferro, o
qual tem excellente casa cocheira pira
dous cavallos e car. inho, um grande poco
com excelente, agoa de beber o basttilles
arvoredos d.s fructo ; a ilha tem d las gran-
des casas de pe Ira e cal: a tratar ua rua da
Cadeia do Recife n. 51, ludo muito barato,
ou por todo pre$o.
Vende-se um sitio na Suida.le, na es-
trada que alravessa p do fundo do sitio do
Gad, rom casi nova o muito asseiada, com
tres salas forradas de bonito papel, qnatro
quartos, cozmha fra, casa para feitor e pa-
ra pretos, cocheira para carro e estribara
para tres cavallos, tem muitas c milito boas
larangeiras, boas mangueicas, j-iqueiras a
cajnciros, muilos ps de saputizi iros pr-
ximos a daicm fructo; fualmenlolein luds
as proporcties para urna fnnilia morir com
decencia e recreio tambem lem urna fa-
mosa Cicimba com boa agoa de beber : tra-
ta-se na rua Nov?, armazem de trastes do
Pinto, defronte da rua deS. Amaro.
Attencao.
Na rua do Cabug, Inja de miudezas n. 4,
vends-se meias de 13a de cirneiro, proprias
para quem padecer friesa nos ps, ditas dos
ditos muito linas, para s.-nhoras, polo ba-
ratsimo prego de 1,280 rs., o par.
Vende-se o milbeiro de lijlo a 5,000
rs.: na rua do Amorim em corla venda,
desde as 6 horas d 1 manliSa at as 6 da tar-
de : a tratar com o caixeiro da mesma ven-
da e proprietario da otaria; aproveitom an-
tes que se acabe a pichincha, que In bara-
tsimo, de boa qualida le, s o que tem ha
ser mal cosidj.
Piano.
Vende-se um piano, por prego commodo:
no patio do Paraizo n. 20.
Uma bonita pretacngomniatlcira.
Vende-se uma bonita preta, moga, cor-
polenla, engommadeira e cozinheira, n3o
tem vicios, nem achaques, oque lulo se
aliaiie.i na na larga do Itozario 11. 48, pri-
meiro andar.
'J 1 c/.cna de S. Antonio.
Nova trezena de S. Antonio, contendo a
ladainha, supplica e os versos, muito bem
arranj ida, pelo diminuto preco di 320 rs.:
na livraria do patio do Collogio n. 6, de Jo3o
da Costa Dourado.
1 ( reunas c resposta*.
Com esle titulo, uma collecclo de muitos
engranados versos, feito por um pernambu-
Caoo, pra as noutesde S. Antonio, S. JoSo
e S. Pddro, e tambem servo para traques da
est ios, vende-se a folha, por 8J rs.: na |i-
vraria do patio do Collegio n. 6, de Joio da
Costa Dourado.
As joven..' pernambucanas.
Um pequeo folhelo, com muitas bonitas
sortes, paia as noutes do S. Jo3o,S. Antonio
e S. Pedro, vende-su por 160 rs. : na livra-
rii do patio do Collegio n. 6, de Jo3o da
Costa Dourado.
Casa de commissao de escravos.
Vendem-se escravos e recebem-
se de commissao, tanto para a pro-
vincia como para fra delta, para
o que se o le rece mullas garantas
a seus donos : na rua da Cadeia do
llecifen. 51, primeiro andar.
Velas de eapermnecte,
de muito boa qualidado o de seis em libra,
vendem-se pelo diminuto preco do600rs.,
a libra : em casa deKalkmann limaos, na
rua da Crui n. 10,


m-se ricos appare-!com sitio do Sr. JoSo Cantil; outrodito
.. f i junto ao cima, cce casa Ierre, sotflo e
al para cha : em casa am,rP]os plantado de novo, cacimba que
Vende
llios de metal _
de Geo Kenworlhy& Gompauhia, 'adimiteora :trate-secom Joaquim deli-
, J veira eSouza, no Aterro da Boa Vistan. 8.
ruada Cruz n. 2.
Lotera da matriz da Boa Vista.
\i- loe 5:ooo,ooo rs.
Na loja de calcado do Arantes na praca da
Independencia na. i3c 15, vendem-sc os inul-
to afortunados hilhetes e meios ditos desta lo-
tera, que corre iufallivelmente no dia2 de
iunlm vindouro:a elles antes que se acahcin.
' Bilhctes 10,400
Meios ^ 5,200
(jera de carnauba.
O mais superior que lia neste genero, ven-
de-se cm poican e a retalho : na ra da Cadcia
do KiLilc, loja n. 50 de Cunha St Amorim.
Vellas de carnauba.
Vendem-se vcllas de carnauba, pelo bara-
tlssiuio puco de 1,500 rs. o cento : na ra
da Cadeia do i'.< iir loja n. 50 de Cuaba &
Amorim.
$ Rap l'eilioll.
JH Vende-se no deposito geral, ra dos fj
SS Quartels n. 24, loja de Jos Das Simes |
a o multo superior rape" Areia Prcta Pedro rt
W 11 era pequeas c grandes porees, pelo t
%, preco j eslabelecido, garantindo o de- S
r pnsilaiio a leus freguezei a faculdade g.
de tornar-lhcs a receber no caso de se *
ifi achar em mo estado.
Vende-se superior panno
ddalgodaopara siccos deassucar :
emeasa de Gco Kcnwortby & C.,
na da Cruz n. i.
Rap Paulo Oordelro.
Na ra da Cruz n. 49, vende-sc o bein co-
nhecido rap Paulo Cordeiio, cm libras e ri-
laras.
Vendem-se chapeos de pa-
llia do Gbile de diversas quali-
dadesc a precos rasoaveis : na na
do Trapiche n. 5, e-criptorio.
Rap arela prcta Pedro ll.
Vende-sa este superior rap areia preta Pe-
dro 11 peto preco j estabelecido na ra da
Cadeia do liedle, loja do Sr. Ino Jos de Car-
valho Moraes, c Jos Das da Silva, e no balrro
de S. Antonio as lojas dos Srs. Francisco Ru-
arte Lrinos, Manoel Rodrigues da Silva, Joo
Carlos de Lentos, Joaquim Ferreira de Araujo
Gulinares, Jo.io Paulo da Silva, Joa<|Uiiu
" Monlelro da Cruz, ra do Guciniado, Victo-
rino & Ominaran, ra dos (Jiarlcis, Manoel
liias Fernandcs, Hilario Pereira da Silva, Jos
Dias da Silva Cardial. Muraes 4 Soares, Manoel
Jos Lopes, ra do Roiario Larga,
lie superior [qualidade.
Cimento novo, chegaiio ltimamente de
llamhurgo ven le-se no armazem de Vi-
cente Ferreira da Costa.
Deposito da rubrica ile Todos os
Santos na Huilla.
Vende-se, em casa de O. llieber & C. ,
na ra da Cruz n. 4, algodSo transado da-
quella rabrica, muilo proprio para saceos de
sssucar e roupa de escravos, por preco coni-
mojo.
I mi i ii ha barata
Vende-se, na ra da Cruz do liecf>, ar-
mazem n. 13, i,ii ii,bu de mandiuca em sac-
cas, a 11 cu baratissimo.
A nellior lut-liinclia.
Venem-se diales de seda de lindos e mo-
dernos gostos, a | t; rs. : na la do Crespo, loja n. 10.
Lotera da matriz da Una Vista.
Aos 10:000.000 c 5:ooo.ooo rs.
lio Atierro da lloa Vista, loja de fazendas n.
3(5, vendem-se os afortunados billiclese meios
da inesiua lotera, que corre iiiiprctcrivelmcii-
te no da 2 de junlio vindouro, ou antes se se
venderem os billietcs.
lillMir. inteiros 10,000
Meios ."1,111111
* Arados americanos. *
^ Vendem-se arados americanos ver- ^
::> dadeiros, ebegados dos Estados- ^
> Unidas : na roa do Trapiche n. 8. 4r,
M ? AA A A A A A A* MA A A&
Fura acubur. sarja hespunliolu,
limpu, bon, a l.ttSOn.
Vende-se saija limpa espanbola, muito
larga, boa fazenda, a 1,920 rs. : na ra tai-
ga do II '/ai ni 11. 48, primeiro andar-
1.ol ria ta nuil ri/. A us 10:000,000 de rs.
Bilheles ecaulellas da lotera da matriz
da lioa Vista, a qual corre imprcterivelmen-
te, (lo da 2 de junlio vindouro, a elles que
eslSo-se alabando : no Aterro da Ba Vista,
loja de ctlsado n 58.
Vendem-se telina nglezes
elsticos, e ditos com borranhans
chegados agora : cm casa de Geo
Kenwoi th y Se Gompanhia, ra da
Cruz n. 2.
Vendem-se cobertores de 13a pura, pe-
lo baralissimo |>i. co de 1,500 rs., cada um,
sendo em poican 1,300 rs.; cassa de cores
com listas de seda, a 400 rs. o covado; leu -
vos brancos de cassa, a 200 rs rada um ;
casimiras de superior qualidade e bonito
padrOes, a G,00 rs., o corte ; madapolSo
com toque de avana, a 2,400 rs., a peca, e
oulras muitas fazendas, por piejos baratis-
simos : nos Qualro Cantos da ra do (juei-
inado, loja ii- 20.
1 iii-inliii A bordo do patacho 5. Cruz, Tundeado em
frente do Collegio, entrado no dia 24 do
correte: vende-se a boido, ou ao lado do
Corpo Santo, loja duCaclauo da Coala Mo-
reira.
-- Acaba de chegar dolo, as seguinlcs
obras poticas : -- obras completas de Con-
nives Dias, primeiros, segundos, lerceiros
e ltimos cantos, 3 bellos voluuivs por 5,000
rs. : veudem se uo pateo do Collegio, casa
do vro azul.
Vendem-se cadeados de la-
13o de leltras minio suj criores:
em cata de Geo Kenworthy & C.,
panliia, ra da Cruz n. a.
-- Chcgaratn do Rio, pelo vapor passado
os ltimos cantos poesas do In. Coucal-
veaDias, 1 bello volume 1851, por 3,000
rs. : vendem-se 110 paleo do Collegio, casa
do livro azul.
Vende-e um sitio na estrada dos Afile-
lo, coui casa grande de sobrado, de pedra
e cal. com excelletilee arvoredoa de fruto,
11I10, muito litios, i- ni bico em
ra Nova, loja n. 2.
lions le cabello superiores.
Vendem-se bons de cabello, para ho-
rneo! superior fazenda: na ra Nova, lo-
ja n. 2.
Um chapeo por 6,000 rs.
Vendem-se ebapeos de mirin pul, com
molas, por ti.non rs. : na ra Nova, loja 11
2, aii'.i/. da matriz.
Vendem-so saceos novos de estopa ,
com duas varas, a 320 rs. : na ra larga do
Rozarlo n. 48, primeiro andar.
Cortes de cbita do mclhor gosto a 1,920
e 2,240 rs.
Na ra do Crespo, loja da esquina que
coxeira estribara, boa cacimba d'agoa de volta para a Cadeia, acaba de ciiegar um
htr, com tanque, oqaal parlo pelo fundo I completo sortioieato do corlea de chita,
Vende-se urna casa de sobrado de dous
andares, 110 Aterro da Boa-Vista : trata-so
na mesma propriedado n. 8.
Para acabar-sc.
Vende-te, para senhoras, sapatos de du-
raque preto francez, obra muito boa, e pelo
baratissiino preco de 900 ris o par: na ra
do Livramento'' loja n. 11.
Lotera, da matriz da Boa Vista'
Aos 10 e 5:ooo,ooo rs.
Ka praca da Independencia loja de miudezas
n. 4, na ra da Cadeia n 46, loja de miudezas
e no Atierro da Boa Vista, loja de calcado n.
58, e na ra Direita, Ibja deouvlresn. 124,
vendem-se os muito atorlunados bilhetcs,
meios, quarlos, quintos, decimos e vigsimos
da mesma lotera, que corre lnfalllveluiente
no dia 2 de junlio vindouro.
Hilheles 10,000
Meios .'.,(inii
Quartos 2,000
(.luimos 2,100
Decimos 1,100
Vigsimo! OO
-- Vende-se urna laverna com poneos fun-
dos, sendo a armscSo nova e muito barata,
a qual se acha fechada, na ra Direita n. 36 :
1-aU-se com Joito Martins de Barros, que
faz todo negocio.
Vende-se cera de carnauba de pri-
meira sort, em por^ilo e a retalhn, con-
denas do Porto, esteiras da liba do Princi-
pe edoAracaty, solase courinhos de ca-
bra, ludo por menos preco que em outra
qualquer parte : na ra da Cruz n. 36, de-
Tronto da Lingoeta, laverna de Mdudes &
Braga.
Cera de carnauba.
No armazem de Domingos Rodrigues de
Aii'liu Ir cv din [i 1 nliin, na ra dosTanoei-
rosn. 5, vende-s suporior cera de carnau-
ba, ltimamente viudas do Aracaty, em
l'uirju e a retalho, por menos preco que
em outra qualquer par, assim como sola e
couros miudos.
Vendem-se um bonito pagem de 16
annos, bom bolieiro o linda (igura, calsado
e fardado de panno fino, sabe bem IrBtar
de cavallos e agrada a qualquer um aenhor
que o quizer comprar, por ser muilo activo
e diligente no com primelo de ses deve-
res, 4 molecoles bonstrabalhadores de en-
cada, de 14 a 18 annos, lindas liguras, um
bonito moleque do 16 annos, proprio para
pagem por estar 1,1 mi., m a isso acoslumado,
um molatinho de 11 annos, muilo lindo e
esperto, una negra boa vendedeira de ra,
un r;i r lindi, duas ditas com principio de
cngomniar e cozinhar, urna negra de 30 an-
nos, perTeita cozinheira, doceira e engom-
iiiiul"iia : na ra do ltozario larga n. 22,
segundo andar.
Lazenda mais barata do que em
outra parte.
Cobertores de algodo escuro para quem
o i" fri a 720 rs. cada un, corles de brim
branco trancado de liuho puro a 1,800 rs., di-
tos escuro a I ,lj(i(i 1 s. o corte, rlscados de II-
nbo a 220 e 320 rs. o covado, riscado de algo-
do ti ,-1111 .ido muito cncorpado proprio para
escravo a 180 e aOO rs. o covado, picote a 180
rs. o covado, zuarlc azul de 5 palmos de lar-
guia a '. in rs. o covado, dito de cor a 20U rs. o
covado, riscado l'raucez muilo tinosa 240 rs. n
covado, 1I111,1 para cobertas decores Iixasa200
i.*, o covado, ditas paia vestidos a ltin e iSOrs.,
cassa chita corea lixas a 440 rs. a vara, casto-
res proprio para palitos a 280 rs. o covado,
prcas de cassa de quadros para babados e cor-
tinados de cama com 8 varas e meia a 2,400
rs., chapeos de massa para escravos a 480 ra.
cada um : na ra do Crespo n. ti.
Vendem-se reloj ios de ouro
para stnliora, patente inglez : em
casa de Geo Ktnworlhy & Gom-
|ianliia, 1 na da Cruz n. a.
Vtndem-se camisas homeopticas de
II niela, muilo linas, proprias para a isla-
v"n> do invern, privativo de conslipa^oes :
na ra Nova, loja n. 2.
~ Vendem-se a 1,000 rs., dinheiro avis-
ta, lencos de seda, para hombros desenho-
ras : 11a ra Nova 11. 2, alraz da matriz.
A. Colombier, com loja n. 2, na ra
Nova alraz da matriz, recebeo chapeos fi-
nos, da ultima moda de l'aiiz, vendem-se a
dinheiro a vista, nada de fiado.
Vendem-se 500 a 600 canadas de azei-
te decarrapatado, por alteado, a razao de
1,520 is., a caada ; 6 pipas arqueadas de
ferro, que servem de deposito do niesino
azeilo, a 8,000 rs., cada urna : na l'iaea da
Boa Vista, sobrado 11. 12.
Venein-se fundas torradas decamur-
sa, para o lado direito e esquerdo, e para
dous lados em urna s peca, com aruiacSo
do ac : aira/, da uialnz da ra Nova, loja
n. 2.
- Vendem-se a dinheiro avista, na ra
Nova, loja 11. 2, sapatos de duraque deco-
res, para miniuas o senhoras, a 500 rs.o par.
Vendem-se no Aterro da Boa Vista, na
luja de miudezas n. 5i, as seguinlcs obras,
uta bom uso, o piloto instruido (terceira e-
iliV'"' Taboa requisita por Note e Taboa-
diuha pelo mesuio. tratado Cmplelo de na-
vegado, Bezout, Manobras, um olanle,
um tnappa e urna escala iuglca.
Vende-se uuia boiula mulata de ida-
de de 22 a 24 anuos, com una cria de 2 an-
uos, o motivo porque se vende se dir au
comprador : ttala-se na ra do Crespo, lo-
ja n. 12.
Brouguint homeopathicot.
* Vendem-se brozeguins ingleZea de casi-
iiiim de cores, gaseados, de couro de lus-
tro, ("in sola batida, pi ova d'agoa, proprios
para a estacao do invern, a dinheiro a fia-
coml2cova.los, a 1,920 rs., e inteiros, a
a 2,240 rs.; pe^as dcmadapollto fino com
pequeo toque de avaria, a 3,000 rs.; ditas
de algodflozinho, a 1,600, 1,800 e 2.000 ;
chales de lia eseda, a 4,000 rs., e cortes de
casimiras do ultimo gosto, a6,400 rs. e ou-
tras muitas fazendas de bom Rosto.
-Vendem-se pecas de chitas, llin-
pas, a 4,ooo rs.
Vendem-se pecas do chitas, limpas, boas
para escravos, a 4.000 rs. o a 120 rs., a co-
vado : na ra larga do ltozario n. 48, pri-
meiro andar.
Na loja de Jos Joaquim Morcira
&. Coinpanlilit, na ra Nova n.8.
Vende-se um resto de couro de lustro, de
superior qualidade, pelles grandes, mais
um pouoo defeiluosas, em razSo de haver
pegado um pouco o papel, pelo baratissimo
pri'vo de 2,500 rs., a pelle.
- Em casa de J/Keller S Com-
panhia, na ra da Cruz n. 55, acha-se a ven-
da o excellento e superior rhilio de Bu-
celia*, em barris de 5.*, be muito recom-
mendavel as casas eslrangeiras, como ex-
cedente vinho para pasto.
Sement- de lioilaliee.
Vendem-se sementes de hortalice de to-
das as qualidades.i chegada prximamente
do Porto, por pre^o muilo commodo : na
ra Direita venda n. 76, na esquina da
travessa dos Perca los Morlaes.
II Ma de S. Miguel.
Dam-se tres alqueires de muito boa vi-
nha, nos Fenaes do N.Sra. da Luz, na liba de
S.Miguel, livres e desumbara^ados, por mui-
to barato preco : as Cinco Pontas n. 62.
Vendem-se urna paite de trras no
Brejo, sito na propriedode Cruruannas; urna
parte no sitio labola, sito no Cotinge; um
sitio do Cocalzioho, sito no Curralinho ,
com fructeira?, casa de moradia e de fazer
farinha, e com afmenlos para o fabrico
a mesma; tudolivreedesembarazado, na
povoaco de S. lenlo, villa do Bonito, ter-
mo de Cartiai 11; lanihem se vende qualquer
um destes sitios em separado e faz-se com
elles todo negocio : as Cinco Pont s n. 62.
4 As Floristas. >
4 Na ra do Vigario n. 23, segundo f>
4 andar, ha para vender pelles de gau- #
4 razes (pennas encarnadas^ o melhor #>>
4 que ha neste genero, por commodo a
4 preco.
lie inulto barato.
Superior liuta vermelha, opima para es-
crever, riscar livros em branco e napets, e
mesmo propria para oulros misleres, mui
conveniente para todas repartigOes publi-
cas e qualquer casa de commercio, n3o s
pela sua qualidade, como por ser muilo em
conta, em meias garrafas, a 560 rs., cada
urna : na ra da Cadeia Velha, loja de miu-
dezas n. 31.
Mi logre tf O urique.
Na casa n. 6, delronte do Tra-
piche Novo, vendetn-se os diver-
sos opsculos contendo toda a
tiuestao a cerca do milagre d'u-
rirjue, entre os distinctos littera-
tos, Alexandre Uerculano, padre
llecreio, Magessi c outros.
iMain( ucabando.
Chapeos de sol francezes, de muito boa
qualidade, lano ua seda, como na armaflo,
por serem grandes e muito fortes, pelo ba-
rato pi eco de 6,000 rs.: na ra do Crespo,
ao | do arco, loja n. 2.
Uh! que niclilncliu para a presen-
te estacao.
Vendem-se gasimiretasdeexcellentes co-
res, pioprias para palitos, e pelo preco
sorte, a 6.000 ra., sapatos brancos para ho-
nem e meninos; ditos de couro de lustro;
couros de cabra; chapeos de pallia ; pen.
as de ema : na ra da Cadeia do liecife n-
49, primeiro andar.
Lotera da matriz da Boa Vista.
Aos lo:ooo$ioooc 5:ooo!ooo.
Na ra da Cadeia n. 24, loja de cambio da
Viuva Vieira & Filhos, vendem-se os mui
afortunados bilhetcse meios ditos da mes-
ma lotera, que corre impreterivelmente no
dia 2 de junho prximo vindouro.
Bilbetes inteiros 10,000
Meios 5.000
g Vende-se na ra da Concordia, junto do
armazem de mad'eiras muilo bom carvSo a
retalho, o em saccas a 500 rs.
-- Vendem-se 2 escravas de 20 annos, com
bonitas figuras, proprias para todo servi-
do na ra do Livramento n, 26, das 7 ho-
ras da manlia as 9, das 2 as 5 da Urde.
Vendem-se una preta creoula, moca,
cose, cozinba, vende na ra, lava e faz o
maisarranjo de casa; urna molatinha pro-
pria para acabar de aperfeigoar-se, por ser
viuda do mato, e um sapateiro creoulo, que
d 640 rs. diarios, por 700,000 rs.: na ra
larga do ltozario, loja n. 35.
Madama Rosa llardy, modista
brasileira, ra Nova n. 34-
Annuncia ao publico, que acaba de receber
de Franca um lindo soi liuicnio de capotlnhos
pretos edr ..oes delicados muito eufeitados,
gros de napl. e cliamalules, ditos de fil de
i mili, pirio para scnhora.gros de naples de se-
da furia cores para vesttdoa e capotiohos, ditos
de cor de rosa e gorgurao de roaa para vesti-
dos e proprioa para chapeos, gros de uaples e
chamalotes preto para capolinboa, bolotas pre-
tina para capolinboa. franjas e lran;aa pretas e
de cores para capoliuhos, trau;as de seda
branca, axul, cor de rosa, roxa, azul para eu-
feitar vestidos, luvas de sedae pellica para ae-
nhora e meninos, meias de seda para enancas
de 1 a 4 annos, capellas de flores para bailes e
calamentos, ricos chapeos de seda franzida
para senhora, ditos de palha para senhoias e
meninas, chapozinhos de seda para crancas
de 1 a i annos, lindas tocas para scoboras viu-
das de Franja, romeiras, cambiabas com gol-
la e sem golla, com o peilo bordado e guar-
necido de leuda c bico de linho, peitilbos de
cunto .na bordado com bico de Imho, mangui-
tos de fil de liuho, can.braias de linho borda-
das, enfeiles de llores de cabrea para bailea e
theatros, ejparlilbos para senhora, o que ha
de melhor, armaco e capas para fazer cha-
peos, filas, penachos, flores, perfumarlas,que
se vende pelo cusi, querendu acabar pelo I.'
de jolln, lindas toucas para baplisar meninos
viudas de Franca c lenas aqu. Na mesma loja
se faz vrstidinkos de menina e de casameplo,
capoliuhos de cucommenda por preco cun-
modo.
Contiiiua-sc a veuder agoa de fazer ao
cabellos e sulssas pretal ; na ra do Queiuio
loja de ferragens u. 31.
XGantois Pailhet& Companhia.^
Conlinua-se a vender no deposito |
geral da ra da Cruz n. 52, o excel- 1
(intee bem conceituado rap areia ^
preta da fabrica de Ganlois l'ailhet & i
Companhia da Uahia, em grandes e p
pequetas por(0es pelo preso cstabe- g
re.lo. if
wmmffimmww:wmmmm UllKSTOl. SALSAPAItllILHA. AMERICANA
Melhor e mais extraordinaria do mundo.
'reservativa infallivel contra as febres.
A salsa parrilha original egenuia de Bres-
tol possue todas as virtudes para curar to-
das as enfermidades que provea de um es
tado de impureza desangue das secrecc,6e-
iiioi velas do ligado e estomago, e em tos
dos os casos que necessitam 'emedins para
purificar o robustecer o sistema. Km to-
dos os casos de escrophulas, erisipelas, II-
nlia rin' cines cutneas, manchas, bilis, eno
llamara.) r ilelnli la.lu lilis olluis, incha^Ss
s**a>^M*aaMMMBaaiiiip x,
Xarope de bosque.
Novaes & Companhia, os nicos agentes
nesta cidade provincia, e nomeados pelos
Snrs. ll. C. Yates & Companhia, agentes
geraea no Rio-de-Janeiro mudaram o de-
posito deste xarope para a botica do Snr.
Jos Mara G. Ramos, na Jrua dos Quarteis,
n. 12; junio ao quartel de polica, onde
sempre acharSo o nico e verdadeiro, a
Vendem-se 2 negros babeis para lodo
servico, sendo um ptimo para ganbadordo
ra, no que muito se desoja empregar: ni
ra da Cadeia do Recife, a fallar com Jos
Gomos Leal.
Bombas de ferro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Brum ns. 6, 8 e 10,
fundico de ierro.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
com cambSo ,de sicupira e bracos
de ferro : na fundc3o da ra do
Brum ns. 6, 8 e io.
Vendem-se amarras de ferro: na ra
da Srnzalla nova n. 42.
No armazem da ra da Moeda n. 7, con-
linua-se a vender saccas coiu superior colla
das fabricas do Rio Grande do aul, e o preco
em conla.
Escravos fgidos.
baratissimo de'500 rs., o covado: no AH- d1a8 gndolas, drea lombares, alTeceOes
(rheumatteas, dores nos ossos e as juntan
ro da lloa Vista, loja n. 18.
Vende -se el va malo mu i lo nova: na ra
Augusta n. 94.
-- Vendem-se manteiga ingleza boa, a
640 c 480 rs.; queijos novos, a 1,600 rs.; cha,
a 1,600 rs. ; caf em grSo, a 160 rs.; touci-
nho de Santos, a 120 rs. ; farinha demara-
nlo, a 80 rs.; quailinhas. a 120rs., e to-
llos os mais gneros muito em conta : na
ra Augusta n. 94.
Vende-se urna armaran toda envidra-
Qada, por prcc,o commodo : na ra Nova
n. 52.
fe Algodo para suecos. ft
% Vende-se muilo bom algodSo para %
f> saceos de assucar, por preco comino- fe
* do: em casa de Ricardo Hoy le, na ?
'4 ra da Cadeia n. 37. fc
$^ft:" #:Sfe9
ntigo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, lia
muito superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa
na barca Ligeira.
I''il bordado a 1,300 rs. a vara.
Na ra do Quelmado defronte do becco do
Peixe frito, loja u. 3, vende-se fil bordado
branco e de cures pelo baratissimo preco de
tres patacas e duze vnicos a vara, esta fatenda
pelos seus lindos e dill'creiiles desenbos tor-
na-se muito recounnciidavel nao s para ves-
tidos de seulioras, como tanibem para man-
teletes : dar-se-ho amostras com o competen-
te pculior.
Vende-se um grande sitio no lugar do
Manguind, que lira defronte dos sitios dos
Srs. Carneiros, com grande casa de viven-
da, de quatro agoas, grande scnzalla, co-
clieira, estribara, baixa de capim que sus-
la : na ra .Nova, loja u. 2, alraz da matriz. ,
- Vendem-se lencos de cambra!, del,- nU 3 a 4 cavallos, grande caen.ba, com
a vulla na Don,ua e t8nque coberto para banbo bai-
lantes arvoredos de fructo: na ra da Con-
cordia,primeiro sobrado novo de um andar.
Vendem-se as seguintfse-
mentes:
de aboi, ditas de ditas inglesas, ditas de r-
banos encarnadas, ditas brancas, ditas de ce-
blas de Selubal, dilas de alface allamaa,
ditas irpollin.l.is, ditas de cve trinchada, di-
tas de senoura amarellas. dilas de chicoria, di-
tas de coeulro de toceira, ditas de salsa, ditas
de tomates grandes, dilas de repolho, ditas de
esplnafre, ditas de pipinella, ditas de aipo,
feijo, carrapato de iret qualidades, ervilhas
tortas e direitas, rabanetea encamados e brau-
cos: na ra da Cruz n. 46, defronte do 1 ir.
Cosme. Na mesma casa vendem-se queijos in-
glezes mullo frescaes.
Bom e liaralo,
Vende-se cera de carnauba do primeira
hydorpesia, despepsia, aslhmo, dearrhee
desenteria, tosse resfriados, enflamma(So
do pulmes phthisica quaolo provm da
odsii nciio dos bronebios em pessoas escru-
pulosas, enllueuza, IndigeslSo, ictericia
debilidade geral do syslema nervoso, febres
agudas, calores, enfermidades dasmolhe-
res enfermidades beliosas, e em todas as
afeccOes provenientes de uso moderado do
iiiercui in, i.sta salsa parrilha se emprega
com eflicacia em todos os sobredilos casos,
e he reconhecida como a melhor medicina
que existe. Os frascos de salsa de Bristol
tecm mais de qualro tamanhos dos de sal-
sa de Sands entretanto que os de Uristol
sovendem por5,000rs. eos de Sands por
3,000 rs. Deposito central no ltio de Janei-
ro, casa de Vital l.apupe, e em Pernambuco
na botica de Jos Mara Concalves llamos,
na ra dos Quarteis pegado ao quartel de
polica.
para curar da phlysica em todos os seus
differentos graos ,'ou motivada por consti-
parles, tosse, astliniii, pleuriz, escarrosde
sangue, drde cosas e-potos', palpitacSo
no cor aran, coquelucho bronclites ili'.r
de garganta e todas as molestias dos 01-
(,'iles pulmonares.
De todas as molestias que por heraii(a i-
camao corpo humano nenhuma baque
mais destruitiva tenha sido, ou que leuda
zombado dos'esforcos dos homens mais
eminentes em medicina do que aquella
que be geralmente conhecida por moles-
la no bofe. Em* varias pocas do se-
cuto passado, tendo-se olTerecido ao publi-
co diflerentes remedios com altestados das
extraordinarias curas que elle tem feito ;
pormquasiqueem todos os casos a ilusSo
.- No dia 14 do corrente desapparecco ao
abaixo assignado, do seu sitio em Agoa-Pria
de Santo Amaro, um preto de nome Joao,
que o apelldavam oa parceiros por Joao mo-
leque ou pequeo, representa 18 a 20 annos
sem pona de barba, balxo, secco do corpo,
mas bem proporcionado, nidos pequeos, be
bastante ladino, fallas multo mavlosas: roga-
se por inulto obsequio a todas s autorida-
des policiaea e capilaet de campo, de o api 1 -
hendereiu e enlrcga-lo no Recife, ra do Tra-
piche n. 1?, ou na ra da Crux n. 8, Ur-
ce i ro andar, ou no mesmo sillo que, alera
daa despeas, ae gratificar generosamente.
Jos francisco Kibtiro di Soasa.
Desappareceo, pela lerceira ver, na nou-
te de 25 de malo, de bordo do brigue Argos,
o escravo, marinhclro, de nome Candido, nu-
ca o Angola, que representa Irinta e lautos
annos, rosto comprido, naris chalo, alto, sec-
co do corpo, e barba cerrada. Cosluma andar
uos arredores da cidade, pelas vendas; roga-
se a sua captura e a pessoa que o fizer levau-
do-o bordo do dito brigue, ou ra da Ca-
deia n. 39, casa d'Aiuorim & Iruiaos, recebe-
r boa gralilicacao.
Dcsappareceram do engenho Brejo,
freguezia de S. Amaro de JaLoalSo osse-
guintes escravos : Alexandre, cabra escu-
ro, idade pooco mais ou menos viole a
vi uto cinco annos, marcado com uro bexi-
ga, em urna das faces, estatura regular,
pouco barbado, tem alguna pannos pelos
no hombro direito ; consta andar por Igua-
rass, onde tem parentes ; esti fgido ha
quinze dias : Filippe, preto crioulo, idade
pouco mais ou menos Irinta e cinco a qua-
renta, annos lem alguns cabollos brancos ;
este est fgido ha um auno. Crallica-se-ha
generosamente a quem pegar qualquer des-
tes escravos, e o levar ao dito engenho,
ou nesla praca a A. I. llego Medeiros, na
ra do Trapiche n. 7.
boa gratificado.
No dia 13 de marco do correute anno des-
appireceu da Passagem da Magdalena, do
sitio em que mora o Sr. Dr. Malet, o mole-
que Mercal, o qual he bem condecido e lem
os seguintes signaes : representa ter 20 an-
nos, baixo, cheo do corpo e carcund, car
fula e sem barba ; tem falta de um dente na
frente do queixo inferior e he lilho do ser-
Uo ilu l'ajei, por isso julga'SO para l ler
ido : recommenda-se, portado, aos capi-
teles de campo a captura do dito moleque,
que serSo bem gratilicados.
Desappareceo de bordo do brigue Eipe-
ranc,a, na noule de 27 de maio corrente, o
escravo, marinheiro, de nome tiento, uacao
Mocaincique, idade 25 annos, pouco inis ou
menos, balso, chelo do_corpo: roga-se a cap-
tura do mesmo ; e que'in o levar bordo do
dito brigue, ou a ra da Cadeia n. 39, eacrip-
torlo de Amorim t lrmiios receber boa gra-
tificado.
Desappareceo de bordo do brigue Flor
do Su/, no dia 27 do corrente ines de malo,
o escravo, marinheiro, de nome Marcellino,
Cambinda, Idade 30 annos, pouco mais ou
menos, estatura regular, magro ; levou cami-
sa e calca azul, chopeo alcatroado : roga-se
a captura do mesmo; equem o levar bordo
do dito brigue, ou ra da Cadeia n. 39,
rscriptori de Amorim & Irmaeos, receber
boa gratificacao.
-'Desappareceo do engenho Jardim, da fre*
i.'uc/1 a do Cabo, no dia 20 de maio do corren-
te anno, um moleque por nome Boavenlura,
que representa ter 15 annot; he espigado do
corpo, bonito, bem fallante, tem os ps lar-
gos. Roga-se s autoridades policiaes, cam-
panbas, ou qualquer pessoa, o prendam ou
faco prender e levar ao seu senbor, Joaquim
Fronclaco Paea Brrelo, no dito engenho ou
nesta praca, na ra das Cruics n. 40, a Do-
mingos da Silva Campos, qie scro generosa-
mente recompensados.
' Dcsappan ecu do eugenlio Catcnde, una
crinul.i de idade de lt annos, de noineRay-
iiiiiiiiI.i.i qual velo da villa de Flores, quem a
pegar leve-a na ra do Queimado n. 55, que se-
r recompensado ; levando um panno novo da
Costa, e sala de aiulo nova.
Deaappareceu no dia 27 de maio corrente
de iS.'n urna preta com os signaes seguintes,
chaina-se Mara he de naci Uss, muito gen-
til e bonita, bastante goida, idade 28 aunos
poco mais ou menos, levou vestido branco com
listas multo estrellas atues, brincos nas ore-
Ihas, pauo da cosa azul, lenco branco aroda
da cabera, tem una costura na munheca da
mao esquerda e 11111 tlgnal que ficou de una
uassida que leve no p do turnse lo direito;
assim como levou um tabolciro com que an-
dava vendendo frutas e 01 talise o qual he de
amarello j usado coiii urna travessa ao meio
no fundo onde bola a cabeca. Roga-se a todas
as pessoas de polica e inspectores de quartei-
ro, capiles Je campos, que vlrem, o pren-
dam e levem a ra da Cadeia do Recife n. 25
que se recompensar aeu trabalho com ge-
neroaidade.
Deaappareceu, no dja 18 do passado, o
escravo de nario Cscange, de nome Jos,
representa ler 25 annos, baixo, grosso do
corpo, sem barba, rosto abocetado e ps pe-
queos ; lovou calca de algodSo transado
com lislras azues e carniza de algodSozi-
nlio j rota : quom o pegar, leve-o a ra do
tem sido apenas passageira eo doentej Vigario n. 22, piimeiro andar, ou na ra
torna a recahir em peor estado do que'seda Cadeia do llccife n. 51, que se recom-
achava antes do applicar o remedio t3o re-lpensar.
commendado outro tanto nSo aconleco
cun os teexlraordiuario
Pf:rnv maTvi'. m M. r. df; Par a


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ET5RUXCWH_GYD8BD INGEST_TIME 2013-04-13T02:44:11Z PACKAGE AA00011611_06360
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES