Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06348


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVII
0/mBM^safSBaMPfltai
Segunda-feira 17
PAUTIDAS DOS COBBEIOS.
Golaona c. Parahiba, s segundas c sextas fciras.
IUo-Grandc-do-Norle, todas as quintas fciras ao
incio-dia.
Oaranhuns c Uonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flore, a 13 c 28.
Victoria, di quintas lenas.
Olinda, lodos os dias.
. noaii ssssatssseaaseiw
F.PHEMER1DES.
'Nova, a 2, as 10 b. e 65 m. da t.
Phaies d. lo Cresc- a l0' as 7h-e da1'
nUH D io*.fCheU> ai7,asl0h.e 59 m. da tn.
Ufiug. a 24, as 11 h. e (i m. da ni.
piieamar BE ROJX.
Primeira a's 4 horas e 30 minutos da Urde,
Segunda 4 horas e 54 minutos da manhaa.
de Marco de 1851.
N. 63.
das da semana.
17 Seg.S. Patricio. Aud. do J. d'ocf. ein. da 1.
18 Tere. S. Gabriel. Aud. da Chae. do J. da se-
gunda varado o. e dos feitos da fazenda.
19 C-uart. *>I< S. Jos. Aud. do J. da 2. vara.
20 Qulnt. .-. Hartlnho. Aud. do J. dos orf. edo m.
CAMBIO DE 15 BE MA1ICO.
Sobre Londres, a 30 d. p. 1^000 rs. 0 dias.
1 FBEOO DA SDBSCBIP9O.
Por tres meses /adiantados) 4/000
Por seis metes Si/000
Por (lia auno .-. 1
Pars, '0 por Ir.
.1 Lisboa, 8 a 90
Ouro.Oncas hespanholas..... 28000 a
MocdasdcG400vclhas. ItSfOOO a
da primeira vara. de 6/400 novas 113*000 a
21 Sext. S. liento. Aud.do J. da 1. vara do eivcl.j de4JOO0....... StfnOO a
e dos fritos da fazenda. Prata.Patacdes brasileros.... 1^20 a
22 Sab. S. F.migldio. Aud. da Ch. e do J. da 2. Pesos columuanos..... J/930 a
varado civel. Ditos mexicanos........ I/00O a
23 Dom. 3 da Quaresma. SJfoll*.
281500
16200
161200
1/100
I/T40
]#H0
1/T00
C 'JkfctfV7. C L-::Mt#r. "lt&?>\'i~. -
PARTE OFFICI^L.
GVEKlNO DA PhVlNGlA.
EXPEDIENTE DO DIA 10 DE MARCO
DE 1851.
OITlclo. A thesourarla da fuzenda, intelran-
do-a de haver o juiz municipal e de orphos
do termo de Garanhus Joo Francisco Duarte,
participado que no primelro do corrente en-
trara no gozo da liernca de dous mezes, que
fra concedida pela presidencia.
Dito. A' lliesouraiia da fazendaprovlnci.il.
diiendo que para poder satisfaier a exigencia
da asscmbla legislativa provincial fat-se pre-
ciso que forueca os esclareciiiientos seguinles :
1. desde quando se acha em efleclivo exercicio
' a segunda seceo de emitas d'aquella Ihcsoura-
ria: 2 *,quaes os traballios que Ihe leeni sido
encarrilados 3. lina luiente, qual o estado
desses traballios.
Dito. A mcsnia. para que vista da conta
que remelle mande pagar ao carcetriro di c-
llela de Ijjci 11.1--11 Wanoel Can n iu Cocliw da
Silva ; nu a pessoa por elle aulorisada, a qunn-
lia de 42,200 rs., que se eespendeu com o sus-
tento dos presos pobres da mencionada cadeia
durante os liiczcs de Janeiro c feverelro deste
anno. Couinuinicou-se ao cliefede polica.
Dito. A inesina. para mandar pagar a Ma-
iumI Ceir linios a quanta de 104,040 rs.
3ue, segundo a conla que reinelte, se despen-
cu com o sustento dos presos pobres da cadeia
da villa do Limoeiro desde o primelro de se-
iimino do anno prximo passado at o llin de
fevereiro nlliioo. --Intclligenciou-se ao chele
80 eliel'e de pnlicia.
, Dito. Aojuiz de direito Interino da pri-
meira vara crime, dizendo que para poder sa-
n-i izer a exigencia da asscinbla legislativa
provincial, faz-se preciso que remella com ur-
gencia Ullia eerlnlao allllienln a da m Meio i
proferida pelo juiz de direito da segunda vara
crime no processo criuic de responsabilidade
ex-ofiicio intentado contra o doulor Joo Flo-
ripes Dias brrelo.
Dito. .lo 11 o.ni unanle Interino da forta-
leza do Brum, ordenando que, I go que entra-
" rcm Hernias para aquelle deposito, enlenda-se
como coronel coinmandautc das armas, afim
deste designar da para seren inspecclonadus.
e prevciilndo-o deque nao devero ser embar-
cados os reei utas que nao livereui passado por
una iuspcc9o esido vaccinados Como recom-
ni iiil.iin as urd os em vigor.Neste sentido
i-llii ion se ao commando das armas.
Dito. Ao empresario do llisalro de Santa
Isabel, para que remella cmn urgencia afluida
<#er enviada a asseinbla legislativa provincial,
'aque a requisita, una nota do rendimeiilo li-
qnhlu que tem produzdo o tlieatro de Santa
Isabel depois do cngajameiilo da compasla l-
rica, doclaiando se for possivel o mximo do
rcndliiiento que pode dar o niesmo Iheatro, a
1111)101 i.ii, i i especificada da dcti cza que actu-
almente se fas com o pessoal, e quauto se gasta
com o material em cada recita.
Portara. laudando por em liberdade o
recruta Francisco Antonio de Paula por ler a-
prcsenladu Isencao legal.
BISI'ADO D'i'liKiNAMBUCO.
>4)utn lodo*da l'urifeacdo Marques l'trdigilo,
coneyo regranle de Santo Agoslinho, por
firma de l'e e da Sania Se Apostlica,
Hispo de I'crnambuco, do conscllio de S. M.
l.eC ,oSr. i'edrn II. ct,
A lodos os nussiis il i ni es nn s s.uule, paz e
lnnc;ai em Jess Christo
'I i mo us recebdn prximamente, por in-
termedio do K.xin. e Ilvni, delegado da Santa
S, na corte do imperio, a carta eucyclica pela
qual Sua Santidaile palenteoii coni apostlica
liberalidade os iliesoin os da Santa Igreja, con*
liados .-ii distribuico, em favor de setis
filhos espirlluaes, aliui de mais elicazinente os
excitar a piedade, por meio da reeepcio dos
Sacraincnios da Penitencia, e Eucharislia,
instituidos por Jess Christo para reparacao
-ib innocencia perdida pela culpa : pa.ssamos a
recular ou regular actualmente approvado
pelo respectivo ordinario, o qual confessor os
poder absolver, por esta vez, da excommu-
nhao, suspensa, c nutras sentencas ecclesias-
ticas, e censuras a;'ure ou ab homine, por qual-
qner causa decretadas ou comiiiinadas, c Igual-
mente de lodosos peccados, excessos, criines
e delictos por mais graves c enormes que pos-
sam spr. anda que sejain reservados aos ordi-
narios dos lugares, ou aos superiores das or-
dens religiosas, ou a Sna Santidade, e espe-
cialmente S Apostlica, e cuja absolviciio
se nao entende estar compreheudida em outr.i
qu.ilquer. concessao. por mais ampia que seja :
exceptuam-se siimenie os esos em que se
trata daquelles que prla S Apostlica, ou por
alen ni Prelado, oujllil eccleslastico estiv.'iem
>i<> ni i ii alente exeommungailos, suspensos,
interdictos, ou decl.iradanienlc n......os em
outras sentencas e censuras. A faculdade de
escolher confessor estende-se s recnlhidas,
com tanto que aquelle que elegerem seja do
numero dos especialmente apprnvados para
ouvirein a suas jconlisscs. Concede tambein
Sua Santidade aos emiessores eleitos pelos
penitentes a facilidad* de commiitirem em
ontraiobras piase sululares quaesquer votos
felina partriilarinenle, r.inda que sej un jura-
dos e reservados S Apostlica ; iuipondo
todava aos penitentes em Indos os sobrpiliins
casos penitencias, e n mais que por direito Ihei de-
rem Impor, F.xcetuain-se porm os votos de
caslidaile, religiiio, e ohrigac;lo que tiver sido
acceila por terceiro, ou em que se tratar de
prejulso de terceiro ( una vez que esses votos
sejaiu perfeitos c absolutos), e tambem os
votos penaes, denominados preservativos dos
peccados, os quaes votos nao podem ser com-
Mllltadoi pelos confessores. A estes concede
mais o Santis- iiiiu Padre a faculdade de dis-
I ensareni na irregularidade proveniente da
vlolaco de censuras, nina vez que esta irre-
gularidade nao tenlia sido deduzida, ou fcil-
mente e pnssi deduzir, ao foro externo.
Concede emliin aos mesinos confessores a fi-
eiild.ide exiuiirem os penitentes da obrigaco
de denunciar, excepto nos casos em ipip se
(rata de denunciar os que ensinan falsas dou-
trinas religiosas, eos cnniprehendidns na cons-
tituir') do siiinnio Puntillee liento XIV, que
Comees : Saeramendim l'ivnitrncim.a qual <;ual-
niente se deve observar no que pertenee
inlialiilidadc de absolver o eiiniplice. Declara
porm Sua Santidade que as mencionadas
absolvieses, coiiimulacoes e dispensas s po-
dem valer no foro da censeiencia ; e que nao
he da sua intencao dispensar pelas presentes
lettras em outra qiialquer iiieguliri lade ale ni
da referida, nem conceder entras facilidades
Acerca dos inenoloaadoa ohjectns, seuo as
que lleain expressamente deelaraosd,
Para que, pois, os nossos amados diocesa-
nos possam gozar de lao copiosas gracas, te-
mos dclerniinado, que os trinta dias do Jubi-
len se comeeeni a contar, nesta cldade do Ke-
cife e na de Olinda, no illa 19 do corrente
inclusive, cumprindo dentro deste espiro, cmn
iiii iu. ao de lucraron o Jubilen, as pias obras
que passainos a ileclaiar, e purificando assuas
conscienclas com a fructuosa reei pean dos
Sacramentos da Penitencia, e Kucliai istia.
I." Cada mu dos liis que- quizer lucrar o
presente .lubileu recitara por cinco ve/es o
terco do rosario, que consta de cinco mysteiios
cada un dos quaes se compoem de mu padre
uosso, ile/ lalldacOei anglicas, e m (iliirin
l'alri etc. ein rencracao das cinco principies
Cliagas de Jess Chiistn, aecri-seentando no
fim de cado mysierio esta deprecarlo: Senhor.
perdoai-mcot meui prreados, e os d.uutllcs que os
commetleram por minhn causa.
2. Recitar igualenle por sele vetes a
eoroi de Nossa Senhora, que conlni tete mys-
terios, cada mn dos |iiaes consta de mu Padre
Nosso, sele Siudacoi ? Anglicas, e un Gloria
Pntri, etc. em memoria das sete Dores de
Maria S.intissima, corredemptora do genero
humano, dirigindo-lhc no liin de cada myste-
i iu a sei;uinte suplica : Virgem duhroia, ouri
tutus clnmores, alcanfni-me a luz itu groen pelas
vnsstts llores. No lim de cada cora recitar
parochlanes tenham noticia do jubilen com
lempo snfticiente para o poderem lucrar.
F.m todas estas freguezlas devem os fiis
ciimprir aaobras pias que temos determinado
explicando-lhes os reverendos parochos com
toda a clareza. Quanto porm visita das i-
grejas, os mesmos reverendos parochos desig-
narn a matriz, nu outra qualquer igreja ou
capella filial, altendendo eominodidade dos
pirochiaiios, de sorte que possam fazeras tres
visitas em umas igreja, iiiascn tres dill'cren-
tes dias.
Taes sao, amados filhos de Jess Christo, ta-
es sao as copiosas grafaa que fcilmente po-
leis lucrar mediante os pos exerciclos que vos
temos propoalo. Acceitai pois, aeccitai com
santa avidez o generoso convite que to amo-
rosamente vos fat o Supremo Chefe da Cbrla-
tandade. O negocio de que se trata he o ma-
is importante que temos sobre a Ierra, he o
negocio da Silvaca F. quein sabe se para
minio de vos ser esta a ultima vez que a
paciencia c loilganiniidade do Senhor vos con- id
vide a penitencia? Ouvl finalmente a vi do
mnimo dos Castores doj Kebanho de Jess
Christo, a vos do vosso pastor, que, seni fuer
accepende pessoas, a lodos igualmente vos
nuil, igualmente se cmpenlia na salvaco de
todos, e a todos vis diz com o Apostlo : fc'n
nijui o lempo ncceiluvel ; eit 0(i ot ilia i/.t ia-
vufSn Clieqamc-nos mis com humiUe confisncn
no Th>onodatiraeii afim di-a/euiifiir MiMrfeor-
rf/n eoVaeaar grupa pura rolo snecorridos em
lempo oppurtunu. (II Ad t-or. c. v. 2. Ad He
br. c. 4, V. 16. )
Esta ser lilla pelos reverendos Parochos
Bstacio da Missa parochial, c registada no li-
vro competenie.
Palacio da Suledade 15 de Marco de 1851.
Joo, hispo Dioceseno.
Commando das armas.
Quarlel do commando das armas na cidade do
Uecife, m 13 de. marco de 1851.
OKDEH DO DA N. 58.
O lilni. Sr. coronel coinmandante das ar-
mas, manda declarar para conheeiinento da
guarnico e lins convenientes, que no dia 1.
lo corrente iiomeou o coiispIIio de guerra pe-
rinte o qual tem de responder o Sr. alferesdo
segundo hitilho de oacadorea Mano-I Eloy
tiendes pelo crime previsto no artigo 28 dos
de guerra, cujo couselho se compo/ da nia-
neira segninle ; presidente, o Se. inajor gra-
duado SebastISo Lopes Guimaraes ; audictor.
Sr. an lictor Mannel Jos da Silva Neivi
casa de negocio de groiso trato, gneros do
pait.
\ II. Jos Pires Ferreira, cidado brasslleiro,
domiciliado nesta praca com sua casa de ne-
gocio de grosso trato, gneros do paiz.
Km ttllia del" ile fevereiro o< senharet,
VIII. Ilenry Gibson, cidado Ingles, domi-
ciliado nesta praca com sua casa de negocio de
grosso trato de fazeodas.
Km -i mrsmi IMIOO a firma social los Srs.
IX. Jones Patn 6: 0. firma social ingleza,
domiciliada nesta pra^a, com sin casa de ne-
gocio de gO890 trato de fazeudas.
lim ionio V 6 ile mareo ot jenliorei.^
X. Vicente Ferreira da Costa, cidado por-
tuguez, doinii iliado nesla praca, com sua ca-
sa de negoclode grosso trato, gneros de estiva.
XI. Joaqiiiiii da Silva Castro, cidado portu-
guei, domiciliado neata praa, com sua casa
de negocio de grosso trato de fazeudas.
XII loaqiiiin da Silva Lopes, cidado brasl-
lelro, domicill ado neata praca, com sua casa
negocio de grosso trato, gneros de estiva
Mil. Jos llodrigues l'ereia, cidado brasi-
leo, domiciliado nesta praca, com casa de
negocio de grosso trato, gener js de estiva.
Em sr-si'ia ile 10 ile mareo o seuhorei.
XIV. Antonio Valenlim da Silva barroca, el
iladiio brasllelro, domiciliado nesta pra^a
com sua casa de negocio de grosso trato, geue-
ros do pala c ferragens.
XV. I.ouis Brugulere, cldadSo francez, do-
miciliado nesta praca, c.....sua casa de neg
co de grosso irato de tazeiidas.
Secretaria do habitual do commcrcio de Per-
uaiubuco, |4 de marco de I8l.
Jos Jerngalo Monlciro,
Secretario.
diario m PsvHBi'rn.
BCCirE, 16 DE MABfJO DE 1851.
A aitemhla conclulobonlem a discussao do
prnjecto n. I, que liva a forca policial da pro-
vincia, Picando adiada a VOtacdo por dever
aiud. ler lugar a discussao das emendas ulli-
in nnenti- olleieeid is
Tambenifoi adiada a discussao do prn|eeto,
que regula aa aposentadoras dos emprcgado<
proviiieiirs.nl qual tomarainparte os Sis. Jo-
.o Pedro, Quedes do Mella, Dr. Uapllsta e
Francisco Joo.
A ordem do dia para a sesso segninle he a
discussao das
o sr. anoicior niaiint'i joae aa ativa .setvi : ,......,n .i,.,.,
vog.es. os Srs. capitn Francisco Carlos bueno 'onlinuaeao la j*****' ^
Deschamps i primelro lente, Srverlano Mar. "end lins da Fonseca ; dito Angelo Seinlao da Silva
segundo lente, Jos Nunes Maiques,- alfe-
rea J'ii Joaqulm Coelho Jnior. \s>lgnado,
Jos Vicente de Amorlsn Bczcrra, Coniorme,
ttopnldlno da Si va e .Izcvedo,
Primcim t'nenio ajuilanle i'iinfpns.
WTiu.Otf.
I'EII-
COlUtEsPONDKNCU lili DlAlllO DE
N4MBUC0.
Pard 2rff atarea ni I8.V1.
Gozamos de perfelto socego neala provincia,
tendo apenas que lamentar a InvaaSo da epi
F.uir ni liontem dos portos do norte o vapor
8. SibaUMo, e por elle recebemos folhas do fx
r. que alcanc mi a do corrente, da Uarauhao
a 6i e do tlear a 8.
A febre ainarella, que parece ler-sc aeaate*
lado ni piiuieira deseas provincias, contina
a Invadi alguna pontos do interior, e a nian-
n l'esi.ir-se inesmoni capital, mas revestida de
oarectertporadiCO, eseni inal'gnidaile. A carta
que d'alll nos esereve o uosso corresponde, e
que val transcripta em oiilro lugar, dispnsa-
nos de aecrescenlar-moa mais alguma consa
quanto .i particularldade da metma provincial
onde ali.is nada lia de nntavel.
No Maranbao queUa-se o l'roqresso da conti-
nua' i do homvel e lastimoso expediente d"
ib ni ia por alguns lugares to interior, a caris-
lia da laiinlii, a Irregularidade da estatua que'assasslnito, que tem posto a seguranca pessoa
de cluivas abundantes passou dias de solidos Maranhanse em um estado demasiada-
abrasador, e nlinal a poma experiencia doamente precario. O contemporneo referindo-
perindiqieiios, que longe de terein um carc-
ter poltico, vo se tornando oteireiro das des-
composturas.
Na capital tem hnvido rarissillins casos da
febre ainarella, c nesses misinos ella tem sido
benigna.
O cooiinercio continii a.iniinailo, tem conser-
vado bom preco os nossos gneros, sendo que
o tem malor procura he a goinuia elstica : em
Tublicar o Jubileu que o Saiitissimo Padre '
ollc.ece a lodos os seus amados lilhos. aujei-{"mbem a '*l dl ""'s,'1 senhora
3. Visitar tres di fie re ules lgre|as, das que
aballo designaremos, cada una dellas por
tos plenilude do poder que por Jess Chris-
to Ihe ful conferido para o bom rgimen da
Igreja Universal, cuja administrado lbc fui
confiada, cuja presidencia Ihe compete por
divina disposi(o.
E que teinpu mais proprio, que o quares-
nial para anuiriiios aos justos designios do
Pai comiiium dos liis, seinprc solicito cm pro-
mover a rel-atacao dos excessos que coosll-
Mueiu criminosas na presenca de Dos as crea-
turas csi|iiecidas dos scus deveres para com o
rcador ?
Convencidos pois de que nao pode haver
motivo alguui para os nossos diucesanos se
subtrahlieui ao benigno intento do Cbcfe da
Igreja all..he.i, vicegerente de Jess Christo
sobre a Ierra, de bom grado, e na esperanza
de prospero resultado, ciuupriuios o dever que
nos foi imposto, c ia- ni lo a enumerar as gra-
cas concedidas por Sua Saulidade, e a desig-
nar o lempu e forma porque os nossos aina-
dos diocesanos policio lucrar o presente Ju-
bileu, fonle iucxhauivel dos mais preciosos
bens.
F.m virtude delle concede o Santissimo Pa-
dre pleiiissiiua Indulgencia de todos os pecca-
dos, por mais gravea que sejain, a todos os
liis de .nube os sexos que, durante o pretxo
e improrjDgavel termo de ir i uta dias, exerce-
rein as obras pias presa aptas pelos respectivos
Prelados Diocesanos, mencionando em pri-
inciro lugar os Sacramentos da Penitencia e
Fucharitiia, por mel de cuja digna recepcSo
se santifiquen! para bem praticarem os exer-
ciclos que Ihes foreni prescriplos, para obte-
rem o fim a que se prupucm ; c por isso nos
arecc que convem dar principio a lucrar o
ubileu pela recepeo destes dois Sacramen-
tos, segundo a opiuiao mais segura dos auto-
restque tialam desta materia,
Concede igualmente Sua Santidade aos Pre-
lados Diocesanos a faculdade de publicaren!
sucia vano me em cada urna das cidades e luga-
res das suas Dioceses o referido Jubileu por
espayo de n mi i Das.
Concede mais, que cada um dos licls, que se
propuzeralucraropresenlcJubdeu, lucre alm
delle, cen anno d indulgencia por cada una
das vezes que cuinprir as obaas que para o
poder lucrar Ihe forcm prescriptas.
Concede alm disto a todos e cada um dos
liis, as,mi seculares como regulares, de qual-
quer ordem e instituto, a faculdade de podc-
sem clcger para confessor qualquer presbylero
nina so vp7, e rezir em ca-a nina dellat
las nina CStacaO ( Isto he, seis vezes o l'adn
Nossn, Ave Hara, e /orla l'alri, ele.) ao Sin
tissimo Sacramento, dando gracas a Dos pelo
regresso do SantiSlInM Padre, e rogando a
iiiesmn Senhor pela conserva^o e augmento
da F catholica, pela paz c tranqullldade da
Igreja e do estado, pelo chefe c por todo9 os
prelados do orbe ciilioleo.
As Igrejas que se devem visitar sao as se-
guinles : na fregnezia da Roa-Vista a igreja
matriz, a do recolhimento de Nossa Senhora
ra Gloria, e a da 'anta Cruz. Na fregnezia
de Santo Antonio a igreja niilrii, a do conven-
to do carino, e a de S Pedro :- Na fregueila
de S. Jos a Igreja matriz, a de Nossa Senhora
da l'enlii, e de Santa Rila. Na fregnezia
S. Pedro Gonsalves a igreja malriz, e a
Madre t\c Dos, visitando ein terceiro lugar os
parochianos desta freguetla a igreja do con-
vento de S. Francisco. He porm livre aos
parochianos destas quatro freguezias visitaren)
das igrejas cima designadas as tres que a sua
devoco Ihes pedir. Na cidade de Olinda a
igreja calliedral, a matriz de S. Pedro, e a do
convento Se S. Francisco, ou a do recolhunen-
to de Nossa Senhora da Conceico.
4. Finalmente aquelle cujas pussibilidadeSl
o pcrmilCrem iliro algumas esuiolas aos po-
bres, lembrando-se que convin acoinpauhar
a oraco com a esmoia, e que esta apaga os
neectxilos, e f'is aehar a misericordia, e a vida
eterna. ( Tob. cap. 12, v. 8 e9.)
Os reverendos regulares e as recolhidas, al'un
de lucrarein o preseutcJ ubileu, devem siliifazer
at)pias obras que temos determinado; pudendo
porm cm lugar de visitaiem diversas igrejas,
visitar smente as suas proprias igrejas por
Ires vezes em diD'erentcs das.
Os enfermos, e encarcerados tambem po-
den) lucrar o presente jubileu, cumprindo as
oracoes, e pias obras que os reverendos paro-
chos ou confessores Ihes determinaran, atiento
o sen estado, c circunstancias.
Quanto s demais frcgueiia9 de toda esta di-
ocese, ordenamos que os reverendissimos vi-
sitadores publiquen! o prsenle jubileu logo
que receberem ela Pastoral, determinando o
da em que c ho de com car a contar os
irinli dias que deve durar o jubileu, leudo
consideraco as longitudes e s circ.umslanci-
as peculiares das freguezias, aliin de que os
se ao Echo Liberal e o Ttlegrapha le Cusas,
publcaos seguintes ass.isin.uos : de Joaquim
Ferreia de t aivalho. perpetrado ein lilis de ou-
tubro do anno passado. na fasenda ClifeOttMaiia,
termo de S. Goncaln,leudo sido presos como in-
digiladospil i voz publica o Sngro cun en oh ido
doassassinado:de Marcos FranciscodeOlivelra,
meirinho pai di......ncrosa I imilla com.....llidu
em lins de deieiiiliro por Feliciano Percha Fur-
refens lenios pago mais cara as fazeudas es-I lado, que consegu evadir-st : de Silvestre de
trangeiras, iSoilia Viintia. a-sassinado em sua propria casi
O uosso presidente tem tomado todas asprc- no lugar Croata distante de Casias nove leguas
eaucOca para impedir os prugressos quea epl-i sendo presos um individuo que mn.ni com
demii parece querer f.izer. ja victima e Urna sua eaorava, apuntados como
As obras publicas adiantam-se consldpravel-j execntores ou mandantes do crime : de Jos
mente e com economa, as rendas publicas tem Francisco Pacheco, que leudo ido a a una ca-
ereseido, e por certo que o Dr. Fausto nuiiiol el.la em companhii de um lal Manuel panelU-
tem concorrldo para a boa liscalisacao com o' da foi cor este atraicoadoe inorto ; senda In-
culcado e zelo que elle emprega cm bem des-,digitados eomo mandantes a vluva do infeliz,
einpeuhar sua missao. Vive extranho il inlii- sua iruiia e un cunhido O execiitor deste hr-
gas, examina, medita c decide por si, aempre rlvel atsasslnlo euiregoii-sc logo a prisao, mas
co! urliinid.ide e justica tcmganho a lym-
p.ilbii dos Paraenses,
O collectorda cidade de Santarem deixou-se
rouba'2:0(i( e tintos pertencentes alsenles,
elle chaina-te Joo de Ollvelra Caz : nao sei aa
provl lelas que se podem dar para nao sacri-
ficar o juiz dos alientes, que he homein de
reconheclda probldade, e que nao deconliando
do colleclor espern que Ihe requisitasse a
rula para entrar com o dinheiro na thesou-
rarla.
Fnrain de novo presos dous prelos ficinoro-
sos, mu condemnado gales perpetuas, e nu-
tro drtidn por crime de mnrte. que se hiviaiu
evadido, feriudo ocarecreiro e alguns guardas
da cadeia.
J foraui sentenciados os dous moedeiros de
cobre falso hemos c Magalhes.
an>"
esse brilhante Inestimavel; e nao tenho meio
lao seguro, to cerlo, to pfficaz, como a ana-
lyse lgica das suas produroei. Ex fruelibus
eorum cognoscetis eos: eusinou-nos o Divino
Mestre.
O Chikapoulf das Arabias quasi analfabeto,
c consumado rapadocio nao cessa de sustentar
que a honiieopalhia nao he um sysiema de
nedicina ; e a rasa desta s ndice he; porque
10 trato familiar militas vetes o vocabulo iVim he tomado ama parte, como sjmnimo
de conjecluia, de sonlio da iinagiu i(ao, de
era utopia ; e d'aqui a sua birra contra lodo
e qualquer system, de m ineira que a theo-
rla astronmica de Copernlco, a da emlsso
da lu, e a Iheoria do mundo de Isaac Newton
boje umversalmente adoptadas, devem pros-
crevpr-sp ; porque sao systemas I
Fallando dos de Biuwn, c BrouSSSls, diz
tlrown conjecluroii, que ludo rrain atonas,
Rroussais conjecturou, que ludo erim fleg-
niisiis : e IIalineiiianii o que fui, que conjec-
turou ? Nada. O que fez? Observuii a ui-
lurczi, e segnio-lhe os pissos, sem aberrar
docainlnbo di pura obserraf.i, nem preoc-
eupar-se com ennjecturas. Tudo isto he nina
ciraininliola. Qur o uiedho Inglez, ipir o
frauce/. ambos observaran! a nalurezi; nem
lie possivel cstabelecer uina doiilriua sobre
qualquer materia pralica, como he medicina
sem a obaervaffio de fictos : o erro a este ics-
prito est ni inexacta observaco dos mesmos
felo: K foi justamente oque aconteceo ao
dr. Ilahnennnn. Observando, quealgumas
substancias produziram no homein sao symp-
toinas semellimies aos de certas enfeiuiida-
des, eslibeleeeo como principio absoluto, e
exclusivo n similii limilibut mrunlur, e sobre
estbase inexacta fiiiidm toda a sua donti-
ua. Alm disto poz como igualmente abso-
luto o principio de que toda, e qualquer mo-
lestia nao he seuo um aggregido de symp-
tomas, e com o inesiho rigor applicacio das
loses iiiliiiilesimaes: e a isto he, que todo o
inundo, que nao he Jan liixenie. climii mu
sy-tema. Mais respeitador da bonMBopathla
son eu. que Ihe nao neg os foro, do sr,tem.
Svstema sim sui>jeciiv vi'i'd.uieiro; mas objectivn, c realmente falso,
absurdo em algumas de suas parles. O
brstalhao Jan Bsente he que Ihe fai o mais
fiiuebie elogio, dan lo-lhe o predicamento de
-ego inipirisiuo. Se lialineinaii se liinitasse
i observar os fados e dar conta ao mundo
lmente des-c numero *de factoS, bem: mas
He ii.o. parou ni-s.i. De um limitado nume-
o de experiencias anlogas sacou una pro-
liosirao absoluta, e dco-a por base do toda a
lerapeuthica,
Neste mesmo lugar o (harlito chama de
ibsur.los a todos os systenias de medicinar,
lenos a hoiiiti'opailiia 1 He iuc uuportavel
iiidacia. lim dos mais lories arguuieiitus em
lesfivor desaa nova especulaban medical he a
usadla, a intolerancia, o desabriinento coir
qSjPoSSeUS Cultores Iratam a medicina la. i...
il, aos mais sabios e acreditados facultativos
geralineiite a qiiautos profcrein o menor
chasco, a mnima censura boiuosopaihia,
I o. t lie, il i is nao cessam de denominar nina
verdade pura. Se esses liomeus tivessem esta
eniivieco, se elles iiiesmos ni fossem os pa-
menos a. desconfiar dessi sua especulacao;
seguros ni posse da verdade elles seriam mo-
lestos, iniciantes, e despresadores de toda e
qualquer opposlco Ja se vio um so niaihe-
uiaiica Insultar a ninguem por moiivo da sua
ciencia? O profundo Cableo convencido do
yslema de Copernici, preso pelos inquisidu-
es, porque di/.iain que tal tbeora tra Con-
irria biblia, em vez de iri ilar-se, c de rom-
per em bnprecacfiea, humllhou-se, conien-
tindu-se de dizer aos seus juizesmas a ierra
gira E pin' ir inoue !
Neste luii.ir Jan llixcnte segu risca a dou-
trina do llahnemanu, dlteudo que toda e qual-
q icr molestia nao he seuo um aggregado,
nni c implexo de indicios, ou sympioiuas: c
como se tal principio f->sse um axioma, fosse
nina verdade inab.ilavcl, increpa os mdicos
raciunaes da sua ignorancia a ele respeito;
e pela mais irrisoria das contradiques accres-
centa que 01 liomaopalhis mas que os altopathait
in.tngnm as causas prooaveis, ou evidentes d ** rn-
fermttlailes, proposlcao que deslrue cm suas
ba-es todo o systema h iloOBOpathico Vreja
uios o que diz o fundador da doiitrina, o pro*
prio Haliuemanii no seu Organou traduzido e
anulado por Mr. Jousdau, edicao de Cariz de
1834 pag 115.O aggregado dos symptnfnas,
essa iiiagem refleclida para fra da esseucla
interior da molestia, deve ser a principal, ou
achava-sc oceulta
Rste estado de harharisinn he sobre tildo no-
'"''' ..... CMjM- presdeme da provincia ol-|a cousa Ullica, ,!., lla| 0 real d a co'nhecer
leiniloem Id do passado ao promotor publ- Q lliedil.ail.nlo, de que precisa, a nica que
cu d aquella comarca renielteii-lhe una rea- u(,l(.rillinc a esculla do remedio uns apro-
co dos crimes nella coniineilidos desde n de
-F.RNAMBU:
O
Tribunal do commercio.
Poram admillidos a matricula im itisiio deiO de
lerereiro as firmas so'iaes ihs senhores.
I. Fox llrothei's, liruia social in^lcza domi-
ciliada nesta praca com sua casa de negocio de
grosso trato de fazeudas.
II. .lam s t.i abuce U C, firma social ingleza
domiciliada nesta prava com sua casa de ne-
gocio de grosso trato de fazendas.
III. Kalkinau Ai Irmos, liinia social al-
h-na ni, domiciliada nesta praca com sua casa
de negocio de grosso trato de fazeudas e gne-
ros do paiz,
IV. Jos Jeronyino Monteiro, cidado brasi-
lero domiciliado nesta pi <\i com sua casa
de negocio de grosso trato de coiumisscs de
fazeudas, e gneros de estiva.
V. Jos Joaquim Dias Fcrnandes, cidado
brasileiro, domiciliado nesta praca com sua
casa de negocio de grosso trato de gneros de
estiva,
Em sissiio ilc 24 de fevereiro os senhores.
VI. Joo Ignacio de Mcdciros llego, cidado
brasileiro, domiciliado nesta praca com sua
deiemDTO de 49 al Janeiro do corrente anno,
na qual se contam 38 assaaslnatos, a lora os es-
piiicameiitns e teiiinentus graves.
ti Ciar continua latislelto com a adniinis-
traefiodo Exm. sr. Silveira da Mota, a qual
icui todos os visos de Imparclal e lusticei
ra, sendo que nimios dos seus actos sao regis-
tradas com louvor as gazetas da opposlcio
t)s negociantes da quclla praca querciid.
por termo a oscilaco do valor da prata assen-
t iiaiii por convenci em receber opalacoa
1,960 rs.
O Cearense, referindo-se a urna carta parti-
cular, publica o si giiinteaissassiuato aconteci-
do na comarca de sobral :
i. Um sequit de Joaquim Bibeiro matn de
Dadlo um miscravcl na lazeuda do Retiro deste
termo, so por t.-ra victima pegil > em u ni a
ma do assasslno que eslava rncostada parede,
nem una diligencia se leni fello para a captu-
ra desse malvado assasslno, que a mullos leiu
provocado coni sede de matar, contando sem
duvl.la com a pr0tec5.ii) do amo.
D > Itio Grande do norte c Paralilba nada sa-
bemos.
itlISCKLLAHH 1.
(J .lili! lM'llll'.
CGNTIIA 0 CliAllLATAMSMO MEDICAL.
Sabendn o froco fio pavo
U 1/ ni/111110 charlutao
/'nuil. 11 O 111 11,1 ia/li ovo.
//(.enre a rtliijiiio.
I Anida o n. 12-do hledieo Oo foro. )
Que Importa, que o hroe Jan llixcnte se
partisse ( deixaudo-nos t.m saudosos do seu
l'e 1 na 10bu 1 o para o leu IIio de Janeiro ; se mis
eus i'iiinoi f 1" esciiptos licou-nos por e lao
guapa, e belmente retratado .' Ku pretendo'
fater, que todo o inuudo conhc?a essa jola,
piiadu. I'ni una palavra a lolalidade dos syin-
tuinas he a principal, ou a uiiicu coiim, de que
o medico deve oceupar-sc em qualquer caso
mrbido individual, a uniea que elle tem de com-
b.tter pelo poder de su'arlc, alim de curar
a molestia e transforma-la ent saude.a quem
acreditaremos sobre adoutriua homo>opail)ica,
a llabnemann seu autor, ou ao charlaio Jan
I lente? J ouve na casa dos orates um su-
jeito, cuja inania era riscar as paredes ciu
um carvo, duendo que eslava emendando
os niiiiio. crios da geometiia de F.uclides.
Custiacrer, como no presente seculo um
medico propnnhi seriaueute o exercer a sua
arte sem lazercaso alguui da estructura ejogo
dos orgaas, cujas funcedes pervertidas alias
presume restabelecer. A doiitrina homefo-
pathica uo >6 rejelta a anatoma c a pliisiolo-
gia ( e em cerlos casos cmn ctl'eito comimos,
que eslas pouca luzes preslam oiediciua
pralica j; como tanibeni a uiCama palholugia
considerada como scicncia do diagnostico e
io proguuslico he proscripta uoO.gaiiou, onde
as inoleatias sao reduzidas a seu syup tomas
apparemes sem uoco alguma da sua sede,
da sin iiaturrza E tal reduejao de 10 la e
qualquer enfermidade su a seus syinptouias
apparentes he tanto mais viciosa c lususteuta*
vel, ipia 1110 a experiencia mostra lodos os dias
que os mesmos syinplomas podem resultar de
estados inorbidus orgnicos mui dill. rentes,
e l de naturrza opposli. Tal he, por exem-
plo, o estado convulso d'um animal esgotado
de singue, ou morto por venenos etlmiu-
lantes.
Que homein ein seu juzo peifeito poder
entender o que dit Hahu mano 4 respeito de
iliieucis semelhantrs, e dessenirllianles, ou
contrarias? Sobre que base estapelecem os
senhores hoinojop.ithas a seuiellianfa ou des-
seim Ib un .1 dasdoeu(as? Subie as suas cau-
sas nao ; porque disso nao cogita o seu sysie-
ma ; e he iiucomprebcnsivcl, como da aualo
!PI AR FNirONTRAHO


>2

noprlmeiro dia depois do remedio torna-seo
doente sombro; no segundo ve ludo cor de
rosa : se : se o mal consiste fin o enfermo ter
a inania de suppor-e liei, ou Imperador, e a
iodos os mais nullidades polticas : le c ce
aperlado em uin espacoso quarto ; o remedio
rflicnz de todas essas queixas he um so (a pla-
tina) Hasta, J'arecein cousas proferidas na ca-
sa dos orates ; entre lantn lie urna amostrada
therapeulica homteopathica. Iluin hoineni,
que como fes llahncmaiin, tendo mais dcoi-
lenta nonos de idadc casou ein pariz com u-
1111 menina de quinzeannos, nao poda dci.xar
de ser uin doudo varrido.
Refere o mencionado Uigel, que indo uin su
jeito consultar com certo discpulo de Ilahne-
mann, queixou-sedeque lodo o seu mal con-
sista nicamente em um quasi constante dc-
sejo do homicidio : que ] liavia procurado a
um famoso frenolgico, e esle, tacteando-lbe
o crneo llie achara bem saliente a bosta da
destruic.io. Rio-se o circumspeclo doclor ho-
meeopatha, e allancou, cura-lo radicalmente ;
para o que deo-lhe um viilrinlio de glbulos de
arnioa,lprescrereo-lhea dieta Stc, dizcndolhe,
que aquella ubslancia inedieaiiieiitosa tluha
a propriedade de suscitar os desejos do assas-
sinio em qualquer pessoa sao aiuda que alias
fosse por genio mansa, como as ovclhas, e t-
mida, como as pombas. Relirou-se o doenie,
que nao d<-ixou de tomar as doses d'arnica ;
porque limilia similia curnntur. Depois de
ez dias fui odnutur velosua casa. O ho-
inein tinha enlouquecido de todo ; e cor-rendo
ao medico com um pual, assassiuoii-o .' I
Se exisle una verdade em medicina, he es-
(1 cerlaniente que assim como causas de na-
liirea eonlraria produzem em certas circums-
taucas rffeitos idnticos, tambein o iiienuo
estado mrbido pode curar-se por ineios di-
versos, cal opposlos no seu modo ordinario
,le operar. Km urna palavra se lodos os agen-
es, que causao a una pessoa sao iuflaiuafo
dus orgaos internos, ou externos, sao proprios
para curar as iullama9es, e se as causas or-
dinarias das febres esli no uiesino caso, en-
tilo bastario para curar essas uumcrosssiiiias
doencas os alimentos ordiuarios, o alcohol, e
a agoa de diversas temperaturas. Quando se
consideran! os diversssimos elleitos deste llui-
o em dille-rentes teinperaluras, no estado de
gelo, de nev, mas ou menos queute, ou em
vapor, nao se pode negar, que elle produz di-
versos, e al oppo>tus elliiios, conforme as
circumslancias, e a maneira, porque se admi-
nslra. Agora he inica, excitante, sedativa :
lie emtica, laxante, pergunle : he causa de
febres, c intrnduzida as velas eui mui tenue
i|iiautid.idc he eapai de produzir mais imme-
diala c completaiiiente que substancia algu-
ina Condecida, um accesso de febre com os
Irez periodos, que caracterisam una sesao
variedade.
Tractamenlos homaopathicos,
fes nuil vetba.
Seos espertallirs da especula filo homeco-
l-.ii! .1 iccorrcm aos peridicos para publi-
carem, como bem Ihes parece, e a seu geilo,
as curas iniraeulos.is, que lixcraiu ; tambem
pu quero ir dando ao espeitavcl publico o
cathalogo liel das ligr'fGes huino'opalhicas. A
carilla le chrisl.i, no dizer uo Apo>lolo, he mo-
desta, he liumilde, he silenciosa a ponto de
na einiola ordenar o Divino Me.stre, <|uc a ino
esquerda ignore o que deii. a direita, A cari-
laile homieupatliica he vdidosa, insolente, c
gabadora militas \czes mentirosa de seus actos.
II. a caridade dus Fariseos. 1'rosigauios com
o calhalogo.
O lilho do Sr. Senador Lacerda, quando es-
-ludaule do curso jurdico de Ol lula sollreu d'
um Ioncele-, e repugnando recorrer a opera-
eaOi f.'i ter com certo hoinccopatha, que Ihe
assevcrou curallo pela hoinojopalhia. Gastuu
o moco para mais de cem mil rciseiii tendeas
homreopatliicas ; o espertalho sempre ani-
inandu-o, c dizendo-lhe, qucespeiava do Rio
certo remedio liouto-opatliico, que era mila-
gruso para tais qiuixas nunca chegou o tal
lemeiiio ; e o moco desengaado tevede recor-
rer a um facultativo, que Ihe extrahio a agoa.
Que tal a esperlesa liuina'npathica !
Urna senhora que resida no seu sitio dos
Aflictos, foi accouiinetliila de una iulcrmil-
tenle. formis de 15 dias fui nal ida por cer-
to honireupaia. Vi ) cada ves prior : o ciiran-
ileirn desalman ceu-lhc ; e se Ihe nao acode o
tt^^nui& S3& Eusla"uio Go,nese,ttru "oje
O Sr. Jos de Souza Peres morador na ra
do I.ivrainento cas 33 levou ao impostor Jau-
Uliente um leu preto docute de frialdade.
ca dos symptomas se possa deduzlr inaior
paridade enire as doencas que ITahnemann
chuma seieelhantes, do que despartdade entre
a> dessemilhantes. Tao verdade he lito que
os exanthcnias sao incluidos em nina niesnia
pivisao por muitos dos nosologistas que ten
taram classificar ns doencas segundo ccrtoi
caracteres exteriores; c todava llahneinann
reputa o sarampo e a escarlatina doencas des-
semelhantes .' A inclino lempo considera a
febre cansada pela vaecina doen;a semcllmnte
s f-'bres Intcrintenies: mas pode afoiitamen-
tc affirinar-sc que entre as iloenfas febriz ha
maiores diferenjas, que entre os exanhtemas,
ou entre as diversas doencas que elle inclue
il. 1. iixii dos nomes rt- 'ynhilit e de prora. F.
se do raciocinio pasiannos aos factos observa-
dos, notaremos que se una inflamaco que
sobrevem a outra, s vezes a cura tambem
frequeotemente o nio consegue; porque sub-
hi-ii-in ambas mas ou menos dlstinctas; o
que depende principalmente do systcma em
que cada urna dellas tein o seu asiento, e dis
connexdes e associar.i3cs que ligam as duas
parles inflamadas, e nao menos do estado cons-
titucional do doente.
Independenteuiente da sua falsidade os prin-
cipios da honireopalhia reduzeui ao nada a ex-
periencia, a observacao e al o estudo. Para
que me nao chameiii exagerado, llmitar-ine
liei a citar as proprias palavrasdellahneuianu.
Ililncil he atlender supplica, que varias
pessoas me tein dirigido, de por sol) os olhos
do publico alguns exemplos de curas hoinoeo-
palhicas; pois quando eu o fzesse, disso nao
vii ia grande ulili.lacle ao letor : sendo cada ca-
sarte mnltili't na miasmtica individual e especial,
o que o distingue de outro qualquer caso Un lie
igualmente proprio nao peTtence, senao a elle, nem
pude servir de modela ao trutamentoque sedeva se-
guir em outra qualquer caso (pagina I S
l'eni se v, que desl'arle milito se abreviam
ns cstudos medicars ; e por isso na i he para
admirar o rnchurro de homceopathas. que sur
geni a cada canto, e de odas as partes. E na
verdade em vez de recolher escrupulosamente
ao pedos enfermos uin grande numero de ob-
rrvafdes ciicumstanciadas sobre cada doenfa,
i ni vez deas comparar entre si, c com aquel-
Lis de que cstao cheios os autores, em vez de
consuinir-sr a gente em estudos seuipre lon-
gos e fastidiosos, nao he por ventura muilo
mais comuiodo limitai-se a notar os symplo-
nias ott'erecidos em cada casu particular, e de-
pois procurar no calhalogo dos medicamentos
os que dao lugar a phenomenos semelhantes ':
i'na saber le, para possuir ta.ta seteucia, co
xno o mais abalisado pratico do mundo, bisa
raso porque Jan Uixeute nao cessa de dizer,
que qualquer individuo da especie humana he
idneo para exercera lioiutenpathia (com lauto
que Ihe compreiii as carleirir.bas e as cader-
netas.)
Mnguein desconhece que nao ha umas mo-
leslia, cuja phlslonomia particular nao receba
.-lignina influencia da idadr, do sexo, da cousti-
tuicao. dos habilos.etc. do doente, da citen:, io.
da anliguidade do mal, dof remedios j:i loma-
dos, etc.; e ist he o que torna to dilliiil o
exercicio da medicina. Alas t> bom praticoal-
lendeudo sempre sobre ludo as analogas que ligam entre si as
diversas molestia, e segue-as cuino guias mais
proprios para o esclaiecerem na escolha dos
ineios que coiivm oppor-lbes. Nada disto, po-
ri mi he preciso an huiureopallia ; porque seja
qual for ocasn que se Ihe ollereca, elle nunca
o vio, nem o vera jiqais ; elle experimenta os
seus medicaiueiilos em cada caso individual,
sem proveilo alguna para sua propria instrue-
Vjta-uein para a saude Iniui.i do_^seu doenie,
nem p*ara 1 uSUUl'Mt's^qu succdereuiesltr"
Todavia H.ihneinaiiu pur Compraxer a ami-
gos, refere no seu rganon dous cseles de cu-
ra hoiiiecopaihic; desle para diTerliinento
dos letiires so referiremos um. F.... inulher
mliiist i. idade de quarenia e lautos anuos, la-
vadeira de profisso, liavia j tres semauas que
nao ganiiava o seu pao, quaudu veio consultar*
ni.- 1.* A cada inovimeulu, e uiuriiicnle qr do nisava eni falso, senta auciedades na bocea
do estomago. i, Ella achava-sc bem quando
estiva deitada ; porque eulo nao senta dor al-
cuma, ii' i" de banda, iiciu na bocea do esto-
mago. 3. BIU mi poda dormir seno ule as
oildharasda manhaa. i.' hila Cumia com mili-
to prazer ; mas logo que tomava qualquer ali-
ALFANnEGA.
Ilenilimnntr. do dia 15 1*:O0G.O60
Deienrregam Ao/e 17 di marco-
Itrigue -- Emma meresdorias.
Rriguo Euri/rlice biclho.
llrigue-- Conceicdode Mano-- mercsUoriss.
Rrigua Leio idom.
Patacho Valente barricas vasias e sabSo.
CONSULADO GERAL.
itondimonto do dia 15..t. .
Diversas provincias. .. .
*:684.35
S.312
4:892,627
EXPOUTACAO.
Despachos martimos no da 13.
Lisboa, barca portugiieza Ligira : con-
uz o scguinle : 2,570 barricas com 12,883
.rrobas e 3 libras de assncsr, 70 pipas agoa-
ardente, 96s8Ccascom 569 arrobas e 13 li-
bras de algodlo, 14 laboss de vinliatico, 2
prancliOesdeamarello, 16caixss rape e 27
barricas com ararula.
Rio C'anile do Sul, brigue nacional Uao,
de 170 toneladas : conduz o seguinle : 1,030
barricas com 7:073 arrobas e 5 libras ie as-
sucar, e 1,000 cocos com essea.
KECEUEDRIA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Itendimentododia 15. % .1:955,054
CONSULADO PROVINCIAL
llendlmento dmlia 15.....8:774,793
PRVCADO IIIXII'E. 15 DE MARC'J DE
1851, AS 3 HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios As transaegesda semana monta-
rain de 30 a 40,000 libras es-
terlinas ao cambio de 30 d.
por 1,000 rs.
Assucar As entradas foram moderadas,
e os precos nao sofi'reram altera-
rn, tendo-se vendido de 1,(150
2,200 rs. por arroba do.branca
eusaccado e embarricado, e de
i ,M>0 a 1,500 rs. o mascavado.
Algodao- O mercado foi suprido com 1,094
saccas, com as quaes ha para
vender cerca de3,"OOsaccas: foi
pouco procurado, e as pequeas
vendascllecluadas regularan!de
5,b0 a i,800 rs. por arroba de
primeira soitc
Dacalho- Retalhou-se de 6 a 9,000 rs. por
barrica; Picando em deposito
7,509 barrica*.
Cirne-sccca- Vcndeu-sc de 2.200 a 2,700 rs.
por arroba ; c o deposito monta
a2,000 arrobas, inclusive o car-
regamento do patacho Novo Te-
merario, entrado esta semana.
Far. de trigo- O deposito boje he de 14,000 bar-
ricas tendo-se retalhado de Ida
17,000 rs. por barrica.
Flcarain no porto 50 embarcafocs : sendo 2
americanas, 21 brasileiras, 1 dnaniarqueza, 0
francezas, 12 inglesas, 7 porluguezas, i sarda
e I sueca.________________^
labios, ." Toda vez que aeabava de comer,
senlia por varas vezes sobresaltos, mas sem
resultado. 7." Esta uiullier be de carcter vio-
lento, e encimado colera. (Juando r.xperi-
mentava dores lories cobria-se de copioso
suor. Quiuze dias antes hava sido igualmen-
te regrada. Todas as mais circunstancias
(rain nnrmaes. (Pag. 420 )
Traduzi lexlualineiiic esta guapa observado
do grande inestre, para que Vejaill os ineiis il-
luslres leilores de que maneira o bomu!opalha
iiur< chega ao coiiheciineulo, nao da molestia,
siin dos syniploinas que deve combater. Elle
informa-.se do doenie e das pessoas que o ro-
deiain, sem se importar de ligar essas desor-
dens fiinccionaes causa que as produz, seudo-
Ihe bastante achar nos seus callialogos o me-
dicameulo, que faz apparecer symptouias sc-
nellianles no homcm sao.
No caso referido era indicada a bryonia ; por-
que secundo a thrrapeiitica hoiiiuopalliica ao
mesiiio lempo que a drl/ailona, a pulsalilla, o
ftrro, o mercurio, etc. lein a faculdade de pro-
duzir un ou outro dos supra-eilados syinpto-
fnas, smenle a bryonia goza conjuuclaiueule
das seguintes propiedades. Ella causa fer-
voadas na bocea do estomago, quando se pisa
em falso, e quando se levanta o braco : deixa
que seaquieleiu as dores, quando agente esta
deitada: uo constnle dormir, seno at as ol-
la horas da manlia : sb a sua inllueucia lea-
se praier na comida ; mas logo depois vem a
dor na bocea do est mago, agoa a bocea, eap-
pareeeni os sobresaltos; linaluiente (cousa pas-
mosa!) abryouia loma a gente de humor vio-
nascivel. (Pag. 420 e 421.J Eslahea
Apalpou-o, observon-o o famoso Chik ipouff;
e fizendo retirar o doeule, disse mui callrego-
rico ao sculior, que excusava mediealo i por-
que o seu escravo o que linha, era una heuno-
rysma j mullo adiantada, e que poneos das
leria de vida. Sabio descontente o Sr. Peres
mas resolvendo-se a levar o preto au Sr. doutor
Gomes esle leceitou-lhc unas plulas de
preparaciio de ferro ; e o pelo reslabileciu-
se da lieunoriima ; e esta sao, como uin pero,
He ser inuito charlalo !
Publicatyao pedido.
Oh I queolhos. que olhos fulgentes,
Sao os olhos castanhos, que eu vi '.
Siio lo lindos, tao temos, tan lueigosl
Amor ( nial os vi ) eu sent ....
Eu vi estes olhos, ardeutes e bellos,
F. porelles iniih'alma senil delirar!
Miii peilo, ferid por duro farpo,
Meus olhos de sangue seuti injeclar !
E os olhos. brilhanlcs, nitenles, qne eu vi,
D'ainnr a ventura me quiz oulorgar,
Pois vendo esles olhos, para inim dirigidos,
Ao Ente Supremo me quiz igualar .
E esles olhos formofos.q' os d'anjoasseuielhaiii,
Emilu, s tu nao tens que iuvejar :
Pintando esles olhos, sii fui mcu intento
Allende, Emilia, niulhcr, que eu adoro,
\leus vesrosardenics aquivo lindar I
Oh l.,.Dai-iuc por premio porpaga d'aiimr.
Ver eu a leus olhos, e a ti contemplar I!!
Pgr *??**
Ueparlico da Polica.
lento e
dnuiriii. Iioinoeopailiica : esle he o mpra sum-
mum do absurdo e do ridiculo.
Algum espirito mais remisso admirar-se-ha us leus lindos olhos, Emilia, piular .
talvez de que os mesinos renn dios conserveiu
prrpeluaii ente a faculda le de curar lioinrco- pintando leus olhos, cu quiz te exaltar
i..iilin iiii.-i.i.' molestias sempre novas; por- j A- cma de um anjo ao nivel de Dos l
quaiilo se unas mudaiii sm sessar, contras Mas son inao pintor, meu Iraco pincel
do lugar invariaveluicnle aosinesmos syinplo-, yot fragil, nao pode piular minios leus!
mas, como pode persist' essa corresponden-
cia >las i eleva nunca perder de visla a lacul-
dade que HJineniaiiu altribue a esses medica-
mriitos, deanuiquilareiii syiiiploina poisymp-
toma toda e qualquer moleslia; o que so por
si deve de dissipar todo o temor de que um da
.uin ii i-, un molestias ou atleccdes que sobre-
pugem os rerursusda hoiua-opalhia : e demais
a variedade dosell'rilos produzidos pelos i eme-
dios ii un preparado h- lal, ijue he quisi im-
possivel, luuiaiido-se ao acuaso qualquer re-
medio, uo deparar com o que coiivm.
biget, no seu exame da houia-opathia tras
entre inlinitos os seguinles symploma.e os se-
us respectivos medicamentos. Repudios no
msculo bceps dores agudas no dedo medio
da man esquerda sensacao de feridas na ti-
bia dimi.i ueiMtu de tnanganete ) crtela da
visla tres dias depois de ter lomado o remedio
-- tumor verinelho na testa, que basta o ticlo
para se tornar doloroso-- genglva destacada
dos incisivos inferiores palpllaco muscular
na parte superior das cochas humor aborri-
do, desgostn da vida( enruiio vegetal) dores de
dislucacao uas arucul .{Je eiicommodo nu
penostiude lodus os ossos-sonhos lbricos
facllidade CUI sentir, eem prodigalisar injuri-
as ai/nca nwntanuj-- estridor us ouvidos, co-
juu o das sili > cm ras c.^lsad^s ; e a alma ------
el contenie, eo corposolre, ouvicrvtrM.- scutbiodo auuo pioaiiuo passado
.
PARTE DO DIA 11 DE MARCO DE 1851.
Foram presos : a ordem do subdelegado da
freguezU da Boa-Vista um Africano bocal que
fora encontrado fra de horas na estrada dos
Allletos, e que he o mesmo que fora roubado
donrsenal de guerra em 22 de fevereiro ulti-
mo.
O delegado do termo de Flores participen
em olucio de 2 do correte que no dia 14 do
mez prximo passado, uo districto de colonia,
fra assassinado Leonardo Jos Gomes, e que
ja se .u Ii iv un pronuueiados, e presos como
autores desse crime, Jos Antonio Cirillo, Jo-
s dos .santos e Antonia Mara da Cunceicao mu-
llli-r do liuailo j e b. ni assim i|uc liuliam sidn
presos David loares, vislo ter assabiinado un
distiietu da lazenda grande do termo deTaca-
I.UU .i Auatlclo de tal i islo uo ultimo de de-
guezes Jos Antonio Corris Jnior, Jos
Joaquina Vieira com sua familia, JoSo Pe-
dro Ferreira da Costa. D. Mara Angelina
Augusta da Cosa, Domingos Alves ds
Costa e Narciso Jos da Costa com sua fa-
milia.
Acar*c--l'aticho nacional Emulac&o, ca-
pito Antonio Gomes Pereirs, carga va-
rios genoros. Passagoiros, os Brasileiros
Prederico Rodrigues Pimnntel, Manoel
Francisco do Monte. Jos Carlos Figtieira
de Saboia, Antonio Francisco Alves, Pm-
chedes ri Costa Carneiro e Fermino Gon-
galves Freir.
Observarla.
Sabio em commissBo o brigtie-escuna na-
cional de guerra Canopo, commandsnie n
primeira lente Jos da Mello Christa de
- Ouro.
Declaratjoes.
iMoviiiieiilo do porto.
Navios entrados no dia ib.
Para e potlos inlermeJios-- 12 dase 12 ho-
ras, e do ultimo porto 10 horas, vapor S.
Sebasliao, de 300 toneladas, com mandan-
le o pi iini'iio teneiile Antonio Xavier de
Norouha TorrezSo, equipageiu 30. Pas-
sageiros : para esta provincia, os Urasi-
leiros, deputado Dr. Francisco Xavier
PM Brrelo com 2 escravos, o depula-
do e eiiiiMiieinl.i iur Joaquim Manoel Car-
neito da C.unha, Francisco Higyno Jan-
sen Vieira do Mello, Francisco Domingues
da SIvm Jnior, Francisco Conexivos Mar-
lin< Vieira e Souza, 4 presos de justiQa, I
desertor e sua mullier : para o sul, o do-
pulaJo Dr. Candido Mondes de Almeula
con. sua familia, o depulado coronel A11 -
ionio Janseo do Parjo com sua familia, o
cidete Leopoldo di Cmara Lima, Anto-
nio David d Vasconcellos, Joo Pedro
Xavier, Jos Conrado da Silva, 39 pracas
de pi ei, 3 engajados, 3 mulhores, 1 me-
nor e 2 escravos a entregar.
Rio de Janeiro 28 dias, patacho brasilei-
ro Valent, de. 130 toneladas, capitio
Fructuoso Jos l'eieira Dulra, equipagem
II, carga pipas, barris vasios e mais g-
neros ; a Novaos & Coinpanhia. Passagei-
ns, o Brasiloiro, Mantel Francisco do
Res u o Porluguez Manoel Maxiiniano
Guedes.
Rio Grande do Sul 31 dias, patacho na-
cional A'oi'o Temerario, de 140 toneladas,
eapitSo Jos Antonio Candido de Souza,
equipagem II, carga carne; a Amorim
Irm.los.
Sidney 65 dias, barca ingleza Phwnician,
de 478 toneladss, capitiio lLigle Sproat,
equipagem 20, carga lila e sebo ; ao ca-
pitao Veio refrescar e segu para Lon-
dres com 13 passageiros que. Irouxe.
Dundee 40 dias, brigue inglez Hope, de
203 toneladas, Capllo James Sinilh, equi-
pagem 9. carga carvu de pedra ; a Cal-
moni & Companhia.
Mar Pacifico 48 m-es, bares americana
Pionoer, do 231 toneladas, capitlo A. \V.
Htrtrey, equipagem 21, carga azeite de
peixe; ao capito.
Santa Calharina 46 dias, barca brasiloira
Amelia, de 234 toneladas, c>pililo Antonio
Pereira da Costa, equipagem 13, carga fa-
ri lili i de mandioca e lastro ; a Novaes &
Companhia. Passageiro.o Rrasileiro Fran-
cisco Joaqoiin de Souza.
Dundee 60 dias, brigue inglez Ellen-
gowen, de 207 toneladas, capi'ilo John
Will, equipagem 10. carga carvSo de pe-
dra ; ao capitlo.
Navios salados no mesmo dia.
Porlos do norte--Vapor Imperatriz, com
mandante o piimeiro lente Joaquim Sa-
lom Ramos de Azevedo. Alm dos P s
sageiros que trouxe dos portus do sul pa
raosdonoric leva a seu bordo: o sol-
dado Manuel M 11 luis de Mallos, o sargen-
to Joao Francisco de Oliveira, Ricardo J.i-
s Ferreira, Jos Urasilino da Silva, o es-
soldado JoSo Martins, Juflo Robeito, a se-
nhora do dito, Alexandre Roberto, Anto-
nio hu. gn, Nicolao Rreson, urna menor
de 10 anuos e Francisco Jos Ferreira
Rio Grande do Sul Brigue nacional San
Manoel Augusto, capitlo Joao Gullherme
dos Reis, carga assucar e mais gneros.
Camaragibe lliate nacional Novo Destino,
iinsii o LstevSo Ribeiro, carga bacalhio.
Passageiros, os Brasileiros, Jos Ramos,
Marcellino Jos de Mello, Jos Joaquim de
Oliveira e um escravo.
Navios sahidos no dia 16.
Lisboa Barca portuguez Lig'ira, capi-
15o Antonio Joaquim Reis, carga assucar
e mais gneros. Passageiros, os Portu-
U conselho da administricfio naval ,
tem de contraetsr porarremataQBo no dia
17 docorrente, o fornecimento dos seguin-
tes gneros para os navios armados e hospi-
tal de marinha no trimestre de abril a ju-
ilio vindouro azeite doce de Lisboa, arroz
brsnco do Maranhfio. assucar branco, bo-
laxa hacalho, caf mnido, carne verde,
carne secca.spermacete americano.e carnau-
ba em velas, loucinho de Santos, vinagre
de Lisbos, e pilo ; portento, convida-se a
quem possa intpressar, para dito forneci-
menlo a comparecer as 12 horas da ma-
ntilla do indicado dia, com suas propostas
assignadas e com declarafjao dos ltimos
precos e dos nomes dos fiadores: noad-
mittiindo-se as propostas feitas em meias
folhas'de papel, e cujosconcurrentes no se
acharen presentes no acto da arrematarlo
Salla das spssdes do conselho d'adminis-
trc5o naval, 13 de marc de 1851. O se-
cretario do conselho, CristovUo San Tiago dt
Oliveira.
Pela subdelegacia de Santo Antonio
fra apprehendida a um preto, em a noite
do dia 14 docorrente, urna barrca de ba-
calhio : quem se julgar com direito S mes-
ma, comprela em osa do subdelegado.
CORHKIO.
As malas que tem de conduzir o
vapor S.-Sroastiii. pSra os por-
tos do sul, sero felchadas hoje
( 17 ) ao nielo dia, e s se recebe-
rao as correspondencias com o porte dobrado,
at as duas horas ; devendo achar-sc na ad-
ininistraco os jnrnaes 4 horas antes dofeicha-
uento das uicsmas malas.
Carlas seguras vindas do Norte, para os
Srs : Lonreneo Jos de Figuelredo e Manoel
Goncalvcs da Silva.
THEATRO DE APOLLO.
TERCA-FEIRA; 18 DE MARCO DE 1851.
CIIMI'AMIIA 1IHM:i:',
Dirigida pela viuva Perteaux.
Grnntle representncaS extraor-
linnrin em beneflcio le na-
lumcsclla Cieniiy Bertcnux.
Primeira acto.
Dansa de corda, executada pela familia.
Madamesella Genny execular a jardinei-
ra florista sem maroma seguida da danca
com duas handeiras brasileiras, por mada-
mescll Seraphina.
Um passo a dous, por madamesellas Sera-
phina o Genny.
Segundo acto.
Os cinco Chnete*, oxecutado por Mr.
Rerteaux, Mr. Charles, Mr. Rrmond, Mr.
Maurin e madamesella Genny.
Terceiro acto.
Dansa anlipndal. por Mr. Berteaux.
O voo do Zephiro com deslocacflo, por
Mr. Charles e o joven Brmond.
Quarto acto.
Lescordages francais por Mr. Berteaux,
Mr Rrmond e madamesellas Genny, Or-
ense e Seraphina.
Comec'r pela visgem aos antpodas,
por Mr. Berteaus.
Quinto acto.
Grande gyro a cavallo, por toda a fa-
milia.
Sexto aelo.
Os quadros vivos, executados por toda a
companhia.
Primeiro quadro.
O anjo de amor.
Segundo quadro.
Um Romano protegendo sua familia.
Terceiro quadro.
0 juramento dos tres Horacios.
Quarto quadro.
Os dous lutadorng.
Quinto quadro.
0 juizo de Pars.
Sexto quadro.
O diluvio Universal.
Pitreos IIOS RILIIBTRS.
Camarotes da primeira galera de frente
8,000 rs., de lado 6.000 rs. ditos da segun-
da galera de frente 10,000 rs. dilos de la-
do 8,000 rs.; dilos da Icrceira 5,000 rs., pla-
tea 1,000 rs., galera 610 rs.
N. B. Os hilheles acham-se venda no
mesmo Ihealro. ______
Thealro de Santa-Isabel.
48 RECITA DA ASSIGNATURA.
QUlKTA-FElRA, 19 OE MARQO DK 1851.
Espttce.tlo variado de eanto dramtico, e dan
ca dividido em tres parles.
PRIMEIRA PARTE.
1. Grande ouverlurt da operaSeniramiiti
pela orchreslra.
2.* O bello duelo da operaBelisariodo
maestro Donielli, executado pela senhora
Candan! e o Sr. Capurrl.
3." A grande aria da operaRoberto Wrre-
rsux do maestro Donizetti, pelo Sr. Tatl.
4." O lindo dancadoOs Jardineirospelas
senhoras l'.aderna e Moreaus.
5.* O apreciavel duelo da opera Cenru-
luiudo maestro Rossini, pela senhora '.'..::
dianl e oSr. Tati.
. A engracada Caxusadan;ada pela se-
nhora liaderua.
SEGUNDA PARTE.
1. Grande ouvcrlura pela orchestra.
2 A coinpanhia nacional representar o
bello drama em 2 actos, ornado de msica :
vitiim ou depois le 16 anuos.
TERCE1RA PARTE.
1. O excclleiite duelo da operaEtexr de
amor-do maestro Douietti, pelos senhores
T.iti e Capurri.
2. O lindo dancadoDe/e arpepelas se-
nhoras Kaderna e Moreaua.
3.a li;ai/imrn(0"pela senhora Candiaoi e Erker-
lin ; uo qual a mesilla senhora e apresenta-
r vesda desoda lo fraucez, e executar cu-
das as manobras militares,
4." O gracioso passo Uo marinheiro daoca
do pela seuUora Moreaux.
Terminar o espetaeulo com o muilo pa-
plaudldo duelo daspislolfoiexecutado pe-
los senhores Capurrl c Erederico Tati.
Co mocar s 8 horas.
Os billietcs acham-se venda no lugar do
costume.
Avisos martimos.
Agencia da companhia de vapo-
res inglezes.
0 vapor 7'.w deve aqui chegar
dos portos do sul no dia 20 do
crrente, e no mesmo dia se-
guir para a Inglaterra com
escala pelos porlos j annunclados de S.-Vi-
cente, Tenerife, Madeira e Lisboa: as pes-
soas que pretenderen! passagens para qual-
quer dos diversos portos, queiram dirlgir-se
com a necessarla antecedencia So escriplorio
da respectiva agencia na ra do Trapiche n.
42 para tratar do ajuste e receber o competen-
te recibo, o qual sendo passado por ordein
numrica terain preferencia aos lugares de ca-
marotes conforme a ordem da sua numeracio
O brigua nacional Leo preUnde sahir
para Baha at o lim do crranle, o msis
tardar ato cinco de abril, por ter parte de
seu carrogamento : quem no mesmo quizar
carregar ou ir de passagem, dirJa-se ao
seu proprietaro Joaquim Ribeiro Pontea,
ou a bordo a fallar com o capilSo no Furle
do Msttos, ra da Cadeio, loja n. 34.
Para o Porto salte com brevidade a bem
condecida eeleira barca Espirito Sunlo, de
primeira marcha, forrada e encavili;ada de
cobre : quem na mesma qulzer c ir de passagem, para o que tem excellenles
commodos: dirija-se ao seu consignatario
Francisco Alves da Cunha, na ra do Viga-
rio.n. 11, primeiro andar.
Para o Porto sahe com a maior brevi-
dade possive!, porjatera maior parte do
seu carregamenlo promplo a barca portu-
gueza fracharense, de primeira marcha,
tem excellenles commodos para passagei-
ros: quem na mesma quzer carregar, ou
ir de passagem, entenda-se com o capitn
Rodrigo Joaquim Correa na prarja do Com-
merco, ou com Novaes & Coinpanhia, na
ra do Trapiche o. 34.
Vende-se t lancha Unio-Nova de primei-
ra viagein, prompla de um ludo para qual-
quer viagem fibricada nabarradoJiquia.de
lote de 19 toneladas : quem a pretender pode
manda-la examinar a bordo fundeada prximo
ao caes do (.ollegio, aonde lambein se ajusta,
dando-se toda a garanta a venda.
Por ordem do consulado francez, d6
data de 14 docorrente mez, est autorisa-
do o capilo Grosjean, do brigue francez
Garde National, ancorado neste porto, com
deslino para Marseillo, a contratar, a risco
martimo, sobre o casco e frele do dito !>n-
gue, a quantia do onze mil francos, pouco
mais ou menos, para concert e mais repa-
ros do dito brigue : as pessoas a qoem o
negocio convier, queiram dirigir suas of-
ferias em cartas fechadas at o dia 19 do
correnle, s 10 horas da manhaa, na chan-
cellara do consulado francez, ra do Tra-
piche._________________________________________
I
Leiles.
F. II. Lutlkens far lellao, por Interven-
cao do corretor Oliveira, de uin sorlimento df
l'i/finl is inglezas, allenies e sulssas, todas
proprias do mercado : segunda-feira 17 do
correte, as 10 horas, no seu armar.ein, ruado
Trapiche Novo n. 14.
LEILAO' JUDICIAL.
Segunda-feira, 17 do crreme, s deis ho-
ras da manhaa, sero arrematadas em leilao
pela segunda vara municipal desla cidade,
ki sacos com assucar, embargados requeri-
niento do arrematante: no trapiche da Coin-
panhia.
Rothe & Ridoulac fardo leilSo, por in-
tervengo do corretor Miguel Carnoiro, de
um sortmenlo de pannos pretos* e de cr>
res de boa qnalidade, que poucas vezes se
en!' inir.im, vestidos bordados e de csssa
muilo lindos, colletes emuitos outros ob-
jeclos que se darflo muilo em conU : terga
feira, 18 do correnle, no seu armazem, tua
do Vgario n. 4, junto ao consulado geral.
s 10 horas em ponto.
O corretor Oliveira, far leilao de grande
variedade de fazendas inglezas e francezas, de
urna extincl loja, e que Infallivelmente se
entregarn pelos maiores landos offerecidos :
ter^a-feira, 18 do correnle, asilis horas, no
seu escrlptorlo, ra da ("adeia.
--Miguel Carneiro far leilo, no seu ar-
mazem, na quinta-feira, 20 do co-renle, as
10 horas em ponto, de um sorlimento de U-
zciidas sem limites, consistndo em chales
bordados mult linos, vestidos de filos de
urna fazendaque he propria pira o inver-
n, assim tambem d'umas chitas ordini-
riase algodSoznho avarisdo : lulo se ven-
der por prerjos que os compradores desli-
narem.
Croccoc Companhia farao leilao, por
interfeiM}8 doSr. Ilenry Ghristo^her, vice-consul iii S.
M. Britannica e ger nte do consulado da re-
pblica franceza, em piesenga do chancel-
lor do mesmo consulado, de 3 ciitas cot
chapeos avarados d'a^oa salgada a bordo
da barca franeexa Jules, capitlo Tamborel,
na sui recente viagem do Hivre para esle
porto: quinta-feira, 20 docorrente, s 10
horas da manhaa em poni, no seu arma-
zn, ra da Cruz ; o logo aps venda da
dilos chapeos, continuar-se-h a de muilis
outras fazendas Je bom gusto, a pr-r ^^
Avisos diversos.-
Lendo o Diario uuiuerolil, vi uina adver-
tencia a miin, assignada nelo Vigilante, cm
que me chamava Oallo di Campia di ra do
Huspicio, e mais di/.i.i que o einpretarlo dus
carros e a cmara municipal nao he doses
hoinceopathicas que coslumo tomar pelos
olhos ao qne vou responder : ,
Quaudu trate! sobre a postura da cmara
municipal e empresario dos carros, persua-
di-me que nao faiia asneira em fazer a adver-
tencia que lis tanto ao emprezario, como aos
Srs. fiscaes, sobre a postura da cmara inuu -
cipal; e entendo que s deixaria de achar rasao
no que disse, uin estpido, couio me parece
ser o Sr. Vigilante, pessoa a quem mullo co-
nheco, imi-ciii nunca pensei que fosse ao
estpido e charlatau, como agora o Ju,<,,>
Oii.iui.i, porem, s doses hoiiiceopalhlcas que
dis, costumo a tomar, tenlio a dizer-llie :j|u
se a. tomo, nao lenho que dar sallsfacno
niuguein. e muilo menos ao estpido do ai.
Vigilante. Prometi ser esta a rlI
ultima vez que hei de responder ao sr. v.gi
lante.
- Quem annunciou a compra de um ber-
c.o, querenlo um de Jacaranda em bom uso
e por muilo diminuto preco, procuro-o n
loj i de trastes, na ra Nova, defroole da ru
do Stulo Amaro.
i
MFI HOR FXF


O nrimelro cadete do segundo ba alhaode
dores Joao Ferrelra de Vasconcelos, er.a
STnao Pagaria;um tribulo.se escurriese
nn"foi tratado6con! grande elo. drante o
umDtbtWa "-ve eocarregado do hospital
desla efiade o III., Sr. Dr. Perora do (.ar.no.
<|u hoiiverato alguna progje.sos naquelle
tempe. Nesta poca exista en allectado de um
rtnma.ino, snllrcndo doresem todoeorpo. e
..fricases forain todos os remedios no decurso
de oito meies : entretanto passnu a encarrega-
toridades policiaes eapitSes do campo que
o apprehendendo levem-no a ra da Cru-
zo., venda do Manocl Antonio da Silva, que
sero gratificados.
-- Precisa-se, para tima casa de pequea
familia, de urna creada nacional ou estran-
geira para o servido exclusivo do cozinha,
q >er-se queseja pessoa de confianca para
ter dominio em outros escravos que ha na
casa, e zelY na ausencia de seus dooos,
ote.: rara tratar, na ra da Cadeia do Iteci-
fe n. l,ou no hotel Commercio.
Pasas por tes.
A sntiaa agencia da ra do Rangel, so-
hrado n. 9, continua a tirar passaportes
para dentro o fra do Imperio, o despa-
chaescravos. tido por preco commodo e
muilalbrevidado.
-- Aluga -se u'n escravo pardo, ptimo co-
zinheiro, muito fiel e diligente: quem o
pretender, dirija-seao pateo do Terco, ven-
da n. 7.
Perdeu-se, na noite do da 15 do cor-
rento, um relngio patente suisso, Meado
de ouro, em urna das seguinles ras : Au-
trusts, travessa do Marisco, Agoas Verdes,
largo de S. Pedro, ra do Pogo, estrella do
Kozario. largo do Carme-, Camboa do Car-
ino, ra das Flores, ponte da lloa Vista,
\terro, na do Araglo, largo da Santa Cruz,
ra doSeho, Colovello, MondrgO, ao entrar
pira a Capunga : a pessoa que o achou,
querendo restituir, dirija-se ra Direita
d. 1-20. primeiro andar, quoscr generosa-
'.-. '-^^Parenci^de^nalignida- mente ^JJ^^,,,,,|b(li|ode g. M.
,edo dito rstabflrrimento'.olllin. Sr.Dr. Mosco-
c as ininhas esperaness rena-cerao, e na ver-
daiie com algiimas doses horenpathieas, acho-
ine perfeit.imcnle bom, o que asss me penho-
-a leva-mea dirigiros iiieus|sentmentos de
,'ratido ao Itlm. Sr. Dr. Hoscoso, pela acertada
cura, e aoa mais senhores, pelo honroso tra-
jnenlo coro quesempre me brindaran,.
_. .loaquim Gonsalves Haslos, lendo o Diario
de 13 do crreme rncz|viooaniiunciodeJos'Pe-
reirade Goes sottka leltra que lem em sen po-
der do fallecido TOt mano Francisco Goncalves
Pastos, espera para inoslrar|em juiso conten-
cioso o dlreito que llieassiste.
O escrivao dos protestos respondendo a
pergunta do Sr. prejudicado do Diario n. 62 de
ifldo correnle, declara que na margem de ca-
da protesto /ai Uncida as cusas do mesmo, e
se o Sr. prejudicado deseja milito saber espe
cilicadainente as divisesdessa quanlia, eaio
requeira por crrlidao, ou eulenda-se pessoal-
inente com o nfimo escrivao, que jamis se
.regir ireclareciinentos tae. A nAu estar o
Sr. prejudicado possuirto inalado desejo de de-
primir ou de por em din-ida una reputacu
do que desersimplesinente esclarecido, seria
Iinelhor que trllhasse outro camiuho, que nao
fosse o do Muri, por isso que as perguntas

Francisco de Sotiza Migalhies,
morador no palco do Carmo nu-
mero 1G.
-Quem precisar de um caixeiro de 18 a
zor, poder fallar com Manool Luizda Vei-
ga, do meio-dia a urna hora da tarde, na lo-
ja da ra do Cullegio n. 8, ou era Sanio
Amarinho, em sua casa, poisser bem gra-
tilicado.
Precisa-se alugar urna uma, que saina
20 annos Dar arma/en de ferrage.is, mo- i reciaa-ae lugar uma urna quo a.
hado ou qualquer.rrumacio. excepto fa- coz.nh.r. engomm.r con, perletcao o pen-
ienda-We P?ocura-loi.e loja do Sr. **|ff ^^^JS? SSe' *-'
tes, no Itccife, quo dar fiador sua con-
Jucta.
Precisa-se de uma ama de lene, po-
rm que nao tenha lilho ; paga-se bem : a
tratar na praca da Independencia n. 10, ou
de do me de boas iatcnedes, acressendo que i
e'sa pergu.iln caberla melhor se fosse frita por 'f. relira-se para a ilha de San Miguel.
quena lem de pagar a leltra, e nao por quem
protesta, por Isso que quando recebera leltra,
recebe Igualmente as cusas do protesto, e cu-
que nenhum prejulzo restar ao Sr.
tn crei
prejudicado,
AttencSo.
O abalso assignado. tutor da ,'orphaa I.uclna
Mara eniz filha do finado Manuel Jos Mar-
ques, com dade de trese annos; roga a todas
as autoridades da provincia, que nao conce-
dam passaporle c menos despacho algn* para
se retirar desta provincia a Jos .Mara de Sam-
i. iio. porluguez, morador com padarla no lu-
gar do Manguind, por estar sendo processa-
iio pela subdelegada da lloa-Vista, por criine
de estupro ouinmctlldo na pessoa da orplia
cima declarada ; que, por cujo crime se aeda
o mesiiio occulio, c tratando dse evadir da
provincia para fra, e para cujo Hu ja annun-
ciou pelas folhai publicas a vendada padaria,
que por tal procediinento, ojannunciante faz
sientc ao publico, que pessoa apunta compre
licns do mesmo, contraa transaccOes e dividas
7 desta dala em diante; pois os bens do dito
1 Sampaio, se acham subjeitos ao pedido no
1 processo pelo damno causado ; e por isso o
annunciante protesta, alinal ir llaveros ditos
bens do poder em que se adiar e para que
pessoa alg'uuia se chame a ignorancia, fas pu-
blico pelo presente annuncio.
Thtodoro de Almeida Coila.
O proprietario da bolica da ra estreita do
Rosario, por ora leinita-sea lembrarao F. '' de
A. M. morador na cidade da Victoria, o cuiu-
priinenlo de seus deveres da dala desta publi-
caeo a 8 dias.
Hoje deve ser arrematido duas casas ter-
reas, na ponte do Manguiiho, n. 30e32, pelas
4 horas da tarde, porta do Dr. juit dos or-
phaos, na ra de lionas, asquaes devem ser
arrematadas a requeriinenlo do tutor dos ine-
rjires, filhos do fallecido Joao Antonio de Si-
qvJelra : quem as pretender compareca a
hora Indicada.
__Domingos Gomes Fcrnandes. subdito por-
tugue, relira-se para a ilta de S .Miguel, le-
vando em sua conipanhla sua senhora ftosa Go-
mes da Silva c dous filhos menores Candido e
Adolpho e seu cunhado ineuor Mauoel Simao
da Silva, lodos brasileros.
0 abaixo atsignado retira-se para F.uropa
a tratar de sua saude, e tiii Ihe lendo sido pos-
sivel despedir-se pessoaliuente de todas as pes-
soas a quem pordever c amisade hera obliga*
do o fu pelo presente pediudo-lhcs ilesculpa
desta falta Involuntaria, c a todos oll'f rece sen
. Aiitado pi estimo em qualquer parte da Europa
onde se adiar, dos quaes siudnsameute se
aparta aconscldado pelos professores.
.lo.>c .iiIi.mii Con i tu Jnior.
Precisa-se de um foroelro para cortar
massase ajudar um preto a fornar na padana
d pateo da SanU'ruz n. 6.
abaixo assignado, subdito porluguez,
relira-se para fora do imperio, a tratar de sua
saude e deixa por seu bastante procurador, a
(.'abrid Antonio de Castro Quinlaes.
Antonio lenlo de Araiy'o.
Felippe Feidel & Companliia nvisam
que, na ausencia ,1o socio gerente Felippe
Feidel, tem pasaado procuraQlo bastante
para gyrar a dMbii casa, com todos us po-
deres, a Lino Fe'teira Pinto.
Richard Itoyle, na sus ausencia desla
b/ac, deixa como seus procuradores, os
Srs. G RayinunJ Jnior e George Cha*
dulck.
Joflo da Cunha Neves embarca para o
Rio do Janeiro o seu escravo A lulplio, de
nac3u Uc,
0L)r. Sarment, lendo de ira Pars,
roga as pessoas, a quem possa ser devedor,
qui'irain apresenlar suts reclamaQes at o
dia 25 do crrente niez, e pede as pessoas
que Ihe devum, queiram satisfaZcr seus d-
bitos al o mesmo dia.
--O abaixo assignado relira-se para fra
do imperio a tratar de sua saude, e deixa
por seu bastante procurador em todos os
seus negocios a Gabriel Antonio de Castro
QuinlSes. '
Antonio fenlo de Arauja e Cunha.
Julio l.uiz Ferreira Ilibetio vai faZer
uma viagem a Europa, e leva cm sua com-
panhia sua senhora.
A pessoa que no Diario de Pernambuco
dequarta-feita, 12 do correnle, pretende
alugar um sitio enm espado para pecupar 3
escravos, dirija-so ra do Amorim n. 13.
-- Precisa-se do olliciaes desapaleiro : na
travessa do Corpo Santo, luja de calcado n.
29, confronte lado do passo, que lica de-
l'ronlo da ra da Ca !eia Velha, pagaiiJo-se
bem as obras conforme a perfeigao dellas ;
lambem sd dlo obras a fazer fr, dndo-
se pessoa de coiiMan^a. Na aiesma lojacom-
I ratn-sa obras feitai de todas as qiialidades.
0 Sr. Francisco Xavier Carneiro da Cu-
nha Catnpello dirija-se esquina da ra do
abDg, luja n. II, a negocio que nao il
ora. ,
Precisa-se para o hospital dos lazaros:
de uma soieira de pedja, CJin 15 palmos de
m
3
^j^jff i(?f ^^^^vUC^f f ^vVvWO
g No da 13 de marco do correnle anuo, ---
i^ fugio do sitio da i'assageni da Magdale- (i
5-> na, o escravo de nome Marcal, com os ^g
^, seguinles signaes : baixo, cheio do cor- 4g
J> po, lem um denle ta frente da parte |
i> superior de meiioi, levou vestido cal^a ^
^ e camisa de algodao de lislr.is e chapeo
s. de palha, he lilho do sertao de Pajai' lf de Flores, c tem prenles he pro- ^g
>-> vavel elle ter seguido para Pajau' :
J> pede-se encarccidaiiiente as autorirades .-'i
{> poliches e aos capilae de campo, on-
, de quer que elle seja encontrado que
jr> o pprehendam e leve-o na Passagcm
> no sitio onde mora o Sr. Milet, ou nt
j. Alterro da Boa-Vista, ir 35.
Km dias do mez passadn, fugio do sitio
Cavalheiro do engenho Sania Auna, um es-
cravo perlenccnle viuva do fallecido capi- \
tao Joao Correia Gomcs.com os signaes seguin-
les : chama-se Antonio, de nacao Angola, idade
representa 50 anuos, magio, falto de deniei,
cabrea comprido, ps grandes com cravos, que
.iii.t.1 andar ; levou camisa de algodaosinho e
smolas, chapeo novo de palha : quem o ap-
prehender leve-o ao dito sitio, que sera re-
compensado.
Bichas de Hamburgo.
Alugam-se bichas do II mburgo por pre-
ro de 80 e 320 rs.: no pateo do Carrao n.
7, luja de barbeiro. Na mesma precisa-se
de um tillin.il
Roga-ge aoSr. Francisco de Paula Ma-
chado de apparecer na ra Nova n. 50, a ne-
gocio que Ihe diz respeilo.
A pessoa que annunciou querer com-
prar um b.Tc,i), dtrtja-se a rja de Santa Ri-
ta n. 87
Mauoel JoscGoncilves lira-
gi, com autoiisacao do Sr. Uicar-
do Jos de Freitis Utbeiro, convi-
da os Sis. credoresdeste para ii-
zerem o favor de comparecer no
dia 18 do correnle mez pelo meio
dia, na luja do seu devedor, na ra
do Crespo n. 5 A, para tomar-se
a respeilo do seu pagamento o ac-
etado que for conveniente.
Da-se diuliejro a premio em pequeas
porces com penhures de ouro : na ra jlo
Csbuga n. 3.
Desappareceu, desde odia 10 do cor-
rente, um preto de nome JoSo, baixo, ma-
gro, com pouca baiba, falla alguma cousa
airuvessado e lie rendido; levou calca de
caseunra javelha, j gigo pequeo, coui alhos, pomada equei-
annunciesua morada.
Carrosas de alugoel.
Alueam-secarrogas combots para qual-
auerconducSo para dentro da cidade, ou
irrabaldes.coiiduzidaspor escravos intel-
ligentese de conlianca, pelo que responsa-
bilisa-se : na ra da Cadea do Recife n. 1,
se indicar. ,,
-- Um moco brasileiro, que falla o escre-
veperfeitamentea lingoa ranceza, e adia-
se presentemente arrumado, porcm des-
contente por motivos que dir a quoi.i
pretender, deseja adiar alguma outra arru-
maco. principalmente em casa estrangei-
ra.d fiador a sua conduela, e ate mesmo
seu proprio patro : quem o pretender, an-
nuncio.
Precisa-se de um homem para reitonar
escravos de um engenho, preferindo-se por-
tUgUexet, a iratir na ra Direita, venda n. J.i.
Osenhor que annunciou ollerecer van-
tagens com urna nova invencao de planlafao
de caf, se ainda se nao occupoU queira appa
recer na ra Direita, venda n. 93
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia, que saiba bem engoiiiuiar, e ajudar
ou Ira pessoa a cozinhar, dirjate a ra do
Queimado esquina que vai para o lloano,
tereciro andar.
Desaparrceo do pescoeo de urna menina,
no dia teici-feira, I do correnle mez, um
cordo de ouro, |iequeno, com o pezo de cin-
co lavas ; igualmente traiia ao pescoeo urna
lguinlia de unicornio cncasloada em ouro, c
outro seinelhanle castor de otiua liga queja
liona cabido. Kog-se s pessoas consateii-
ciosas, a <|uem pussao os ditos objec.us ser
ullerrcidos, o favor de aprehender e dar parle
no paleo doParaizo. sobrado n. 1, a seu dono
Antonio Brochado Soarcs Guimaraes.
A abaixo assiguada faz publico, que sen-
do casada com Jos Fclicianno Portella, por
escriplura de arrhas, passou a seu marido
urna procuracao, a c|ual lem ncsla dala reti-
rado, visto que dito seu marido, na gerencia
da adminislracao de seus bens. lem felo tran-
sacoes dolosas em prejui/o da aiiiiuiiciiiile,
dando isso lugar a que outros procur.....occa
sionar dainnoi : por isso, e ueste termos pro-
testa ella pelo presente contra todas as liaos*
crs que forein feilas por forja daquclla pro-
curacao e para que chegue aocoiihecimenlo
b
de ni ii. _
Um rapaz hraMleiro, muito deiigeule
o activo, seolferace para caixeiro de qual-
quer estabek'Ctmento. menos venda, o -jiial
la fiadores a si a conducta : quem precisar,
queira aiinunciar para ser procura lo, ou
piocnre-o na ra do Rozario I rga n. 32
Na ra da Ma Ir de Dos n. 36, pnmei-
ro andar, precisa-so de una ama que aQa
compras e cozinbe.
q Itmi las Cruz'* il. 2S. Q
q Consultorio homaopathico do faculta- y
^ tivo J. f. Cutunova. Q
J? Gratis para os pobres. q
5 Na ausencia do facultativo J B. Ca- ^
5 sanova, o professorde Itoniceopathia ^
Gosset Bimnl continuar com os g
6 irabalhos do mesmo consultorio, on-
O do poder ser procurado a qualquer &
O hor*.
No dia II lo correnle, tendn um caho-
clo mogo de 18 a 20 auno hi lo vender urna
cirgademel em um cavallo ruco-pombu.
cujo ferro se nao lem presente, mas que
blico n. II, ou atmuncie.
Aluga-se.
Precisa-se alugar um primeiroou segun-
do andar de casa, que tenha commodos pa-
ra familia, em uma das ras pnncipaes du
bairro de Santo Antonio : quem livor, an-
nuncie para ser procurado.
i'aiilo Galgnomr, dentista
?* franceZtOiTerece cu prest-
um ni publico para lodosos *
* nilstcres de sua proflssfto: #
piiilcser procurado a qual- 9
qner hora cm sua casa, na %
s ra larga lo iiu/.u-io. 11. 3G, t#
* SPgundo andar.
--III urgencia de in lagsr-se se existem
nesta provincia os Srs. Domingos Jos da
Cunha e Antonio Domingues Moreira, os
quaes, ou quem dos mesmos Srs. souber,
lar.'iu favor dando noticia no Recita, ra da
Cideia n. 39, para satislazer peJidos de
seus prenles.
Ao publico.
Aleo dia 20 lo crrente deve sabir luz
a importante obra
InatltnlcdcR de Olrclto Civil lira-
silciro
formulada irgundno systema do insignejuris-
COUaulto Mello Freir, do qual se colllglo lu-
do que nos he appllcavH de confurmi lade
UOin o nosso governo, addicionando-se todas
as disnoiieoes das leis brasileiras publicadas
al iSutl, peloDr. I.ourenc Trigo de l.nureiro,
sdvogado muito ronhecido nesla cidade. O
.Mello l'ieire de ha muito que entre nos esl
sem tililidade por lian que a nossa orgauisa-
^ao judlclarla he mu diversa da (pie em Por-
tugal existi.i no lempo em pie rsli excellenle
obra M publcala. A obrh queoUerecemosau
publico, he de uma necessldade Inoonlealavrt,
guia clara segura c infallivil na seieneia do
diieiio. Kio liaver de certo legislador, nu-
glslrado, nem advogado que possa dispensar
lio ni.I obra, eiiiquanlo ella he iiidlspensavcl,
e de immensn recuiiso e soeconer lambem a
negociantes, procuradores, agentes, eintiin, a
lodos que tem que Hilar no furo: asslgna-se
por 5,000 rs. cada obra pag.ir-se na occaslao
da inlrega : no paleo do Collegiu, casa dolivro
Azul. Depci de publicada CUSUr .lOoU M.
Aluga se por preco com,nudo u arma-
zem deassuoar || 8 da ra de Apollo, com
todos os catsfles e ulensis : a tratar na mes-
ma ma, casa n. 20.
Compram-se
escravos bonitos e robustos pira dentro e
fra da provincia : na ra larga do Rozario
n. 48,primeiro andar.
Compra-se urna escrava, que siib b^m
engommar, cozinhar e entend de costura,
sendo moca e de boa conducta : na praca
da Roa Vistan. 28.
Compra-sc um berco para menino, que
esteja alada em bom estado quem l.ver au-
nuncie para ser procurado. ________
Vendas.
e nueiu o prsenle possa inleressar, se pu- ma rila, casa II. sv.
hca pelosjornaes desla cidade. Casa Fonc, 12 Piecisa-S'? alugar um preto lillelligen-
c marco de 1851./tima t'lorenriu de Sii/ueira. |e e sen virios, para o servico externo de
nal do peiloral, siippostoquo encabellado,
todava lie visivel pela sombra do prctos
omprido: quem tiver e quizer vender, di-: toni)o g,j0 ,j0 c.irfo tem pelos peitos o sig-
rija-se ao escrivSo do estabelecimenlo de
caridad.', Antonio Jos Comes do Correio,
para tralar do ajuste.
__precisa-se para o hospital dos lazaros
de uma porc.lo de panno do linho yelho pa-
ra se tirar tos : quem liver e quizer ven-
der, ou dar de esmola, dirija-se ao esett-
vilo doeslabelecimetito de caridado Anto-
nio JoseCumes do Correio.
Roga-se ao Sr. Norberto Jos
Vianna o favor deentiegar oca-
vallo que alugou no Domingo de
Enttudo, 2 do correnle mez, no
engenho Sebir do Cavalcanie, a
Cezario Claudiano Cavalcante, no sobrado
la ra do Hospicio, onde mora o Dr. Alva-
ro, ou na ra Augusta, em casa do Sr. Joa-
quim Jos Ramos, islo o prazo de 3 dnis ;
duoonlraiiq usare) dos meios que me la-.
culta a lei. Nicolao VtiradaSilva.
-*:? #*;**?f
0 Consultorio lionioeopalico ca 4
t) l'c iiiauiiiiiii y
U __ Ba Nova n. 58 S#
M lilltlt.llio PELO #
fe D' J. S. SANIOS .11 A|t tu. &
*> Consullas gratuitas aos pobres todos ift
> os dias uleis desde 4 u/ida a uma da larae. #
Furtaram ta vetada n. 4, da l^amhOa Jo
Carmo, das 7 at s 8 horas da noite do dia
12 do correnle, um rollo de fumo, o
signal be 56 libras por fra( marcadas na
palha ) :roga-.'c as autoridades policiaes a
apprehensao do dito fumo, ou mes no a
qualquer pessoa a quem elle for olerecido,
o obzoquio do o tomar, e mandar levar na
dita venda, que tiSo s se pagar as despe-
zas, como se dar uma grsliucaQao.
- Precisa-se de um rapaz porliiijuez pa-
ra caixeiro de uma tavewi, na provincia
da "ranina, preferludo-se dos cliegados
ltimamente : na toja de Mauoel l.uiz Con-
calves, rna da Cade.ia do Itecife-
- Precisa-se de uma ama do leite : na rus
Augusta ii. 17.
Ariendamenlo.
urna casa de pouca f.'triiiia, e paga -so bem.
Dirigir-se ra da Trincheiras n. 19, so-
brado
-- Joilo Correia de Carvalno. aifahte, mu-
don a sua residencia da ru da Cadeia Ve-
Iha n. 41, para a ra da Madre de Heos nu-
mero 36.
Aluga-se o sobrado da ra do Vigarii
n, 13, tres andares, sotlo corr lo, dotis
grandes mirantes, que pur sua posicSo ele-
vada domina o mar de norte a su, e cotD
s niais exfolenles icciimmoiacOes; singa-
se lambem separados os dilos andares, as
Chavea existem no armazem do mesmo
sobrado.
Engomma-se e lava-so toda a qualnla-
de tle roupa com lodo aiseio e muita promp-
tidio, por preco miiscominoJo do queem
outra qualquer parlo : na rus de Agoas-Ver-
des, n. 26.
s
I

Ignacio Firmo Xavier, Dr. em medi-
ciriH, ?si>te no primeiro andar do
so'ira lo n. 27 da ra estreita do Ro-
zario, e oereee sen prealimo aquom
i; delle 89 quizer ulili>ar, das" huras
i; da manhfis, as c da tarde.
%?.....- ^fsttmw wnv'r wat'*? "-:!mww
ovadas as milos, carrega baixo e aUuma.j Nos abaixo assignadus declaramos, que
vezes se ara, matadura fresca da parte di- amigavelmenla dissolvemos a SOCiedaile
reila ; suppO'-se ler ilito eaboelo de nomelque tiohamos na venda,sita na ra da Ao-
jse da Silva fgido com dilo cavallo, en-1rora em Santo Amaro, quegyraya debalxo
hado, com um par tle ancoras; In da Urina le Jos de Souza Teixeira & Cou)-
panhia, litando do hoje em liante o son
Teixeira cuna gerencia da dila casa, as-
siin como obrigado pela lealisagilo do pas-
6,b (.<..|u. no, .uoi amos, pomaua quii-i ji,..|n|
jos, que audava vendeodo : pede-se as au-'ao SCU procurdor uastaiive,
D. Catharina Francisca do Es-
pirito Santo avisa ao respeitavel
publico, que ella se ada na posse
to Trapiche Companhia, como
consla da escriptuta de destrato
do arrendamenlo quehavia fetlo,
por cuja rasao est resolvida a ar-
Ua-lo novamentei e para este
quem o pretender, dirija-se
... ^^..railarhastante. ielix
i
lll
canga.
mutlo natural ter seguido para us parles do
sul : roga se as autoridades e a qualquer
pessoa que disto possa ler conheciment",
o apprehenda, e avise na freguezis dos Afo-
gados ao juiz de paz, que agradecer.
O abaixo assignado faz publico, que
tem iraspassado a posse da taverna da ra
do Horario estreita n. 38. ao seu ex-socio o
8r. Antonio Pedro Mirtina, Picando o mes-
mo Sr. obrigado a exonerar o debito con-
tradijo pira a mesma taverna desde 5 de
nov.-mbro de 1850 at a prsenle data, por
cojo debito o abaixo assignado so respou-
sabilisa at o real nmholco. Recife, 12 de
marco de 1851. -- Josa I.eite de S.
Precisa-se do um pequeo quo tenha
alauma pralica de venda : na praca da Roa
Vista n. 18.
O abaixo assignado proessor particu-
lar de primeiras leltras, disciplinado em
preparatorios nolyceu desla cidade, parti-
cipa ao respeilavel publico e aos pas de
seus alumnos, que desde 13 de Janeiro ties-
to auno abri sua aula, e debaixo .lessa
mesma disciplina ensilla por principios
a grammatica portugueza, latina e franec-
za ; adinillindo nessn recinto porcionistas e
me'io porcionistas. Os pais de familia que
qu:zerem applicar seus lilhos a al.u na des-
sas disciplinas, plem dirigtr-se a ra lar-
ga do Rosario n. 48, segundo andar.
Jof marta alachado de ligueiredo.
--Precisa-se alugar um sitio perlo da pra
ca, o qual tenha pasto para del vaccas,
planta de capim, alg'ins (.rvoredus e Casa
de vivenda para pequea familia, dando-.>e
logo 200,000 rs ao lomar posse do mesmo :
quem tiver, annuncie por esta lollia para
ser procurado.
Qualquer senhor de engenho quo pre-
cisar de uma senhora capaz, o bastite ha-
bilitada para bem onsinar primeiras latirs,
por ser ha mullos anuos essa a sua prolis-
sfiu, ensillando com todo o esmero a ler, cs-
crever, contar, doulrina chrislla e coser,
podera procura-la na ra do l.ivrameulo, no
primeiro andar do sobrado n. 23.
--Precisa-se alugar urna pnia para ven-
der na ra : paga-se bem : na ra do No-
gueira n. 29.
Deseja-se contratar com alguma pes-
soa que tenha servido em algum dos cornos
de primeira linha.e que tenha as habilita
eoes irec.s.s pa. acabar o lempo de pra-
ca d um soldado do segundo balalno de
atttbaria : quemaste negocio pretender fa-
sivo. Recife, 25 de fevereiro de 1851. Jmt
da Sonza Teixeira. Jos achilo de Cnr-
volho.
Precisa -se de um eahiiolelcom o com-
peten!-'cavado earreios, servindo 4 horas
por dia, das 10 horas da manha s2da lar
de, e durante os mezes de abril a setembru-
quem livor innnncie, ou procuro na ra do
Collegiu n. 9, ou no pateo do Collegio n. 31,
segundo andar.
Knga-se ao Sr escrivao dos protestos de
letras que haja de declarar por esta f.dha qtian-
tn Ihe marca o seu regiment paia cobrar das
panes por un protesto e bemassiin para caua
nina clUCO que faz por carta aos respunsaveis
na letra, sua rcaposta inulto precisa se fai pa-
ra todos que prolcslam letras,
7;n prejudicado.
Desappareceo do engenho Rovo, do Cabo,
uma patda de nome Anglica, bastante baixa.
magra, com os beicus inulto Salientes i quem
a pegar leve au Hirsuto engenho, ou a Joa-
quim Malaquias Pacheco, na ra de Sania The-
reza, u. 31.
-- O encarregado das mrdicOes e demarca-
cues tlus terreno) de mariaha, convida ao Sr.
ituaclrto Jus de lendonca, para que compa-
rec na casa de sua residencia, na ra Direita
n. 78 ; aliru de dar-Ule alguna eclareclincnt
a respeilo do seu terreno no cnrlutiie dos Coc-
idos, para poder Informar o seu requeriinento.
(onlinuase a ter saceos com bom mllho
por 3,000 rs. : no Hecco Largo do Recife, venda
que volta para Sanzalla-iSova,
iNa loja pernambucana, (le Anto-
nio Luiz dos Santos, rita do
Crespn 11,
vende-sc sarjas prctas hcspanholas, ptimos
selins pretus c chamalotes de pesos para ves-
tidos de senhoras do bouitum.
Na ra das Cruzes n. 18, tereciro andar,
vetidciu se duas pretas de llia 20 annos, que
engominam, cosein cho, cosinhatn e lavairt
de sabao, urna dila da Costa de elegante figu-
ra, n||ii das figuras com todas as habilidades para lora
da provincia, e dous escravos de naco, um
delles he de elegant,, figura, ptimo canoeiro,
e oulro he ganhadur de ra.
I u.mikI i barata.
Casia-Chita a 320 rs. a vara, liscado largo c
encorpado a 200 rs. o eovado, chitas de bons
pmno, c linla seguras a I0 e 200 rs., lencos
de muito boa seda e bonitos pa u-s proprius
para mo de liuinein e pescoeo de senhora a
1,(100 rs., ditos de linho para mao a (540 rs.,
dilos de cassa minio finos a 3>o ri ditos gran-
des a 410 rs cortes de vestido de seda branca
a 32,000 rs., ditos d sedi prrta livrida ada-
mascada e achanialolada a 2ti e 35,00 rs., dl-
lus da uielhor e mais encorpada nobleza a
3,500 rs. n eovado, ditos de cassa c seda a 10,
12 e 14 000 r., chapeos de sol de seda para me-
nina a 2,210 rs.. seliui cor de rusa a 4"l)r'i., e
alcui destas f,nodal lem um coinpleto sorll-
nieiitu de. muilas oulras como sejam, filt la-
vrados de todas cores, maiiteleies p,et.,s, sc-
lim macu, sarja pela, ulitis de liulio tranca-
dos e lisos de quadros lislrados e mesclado,
lencos para grvala, maulas de seda de cores,
luvasde seda preta, ditas de inalha, chpeos
le sol de seda e de pao, redes de lio, dila
do Itio-Grande omito bonitas, ditas de palha
feitas no Para, que ludo se ven le por preco
muito coininodo : ua roa da Cadeia du Recife
n. 48, luja de Narciso Maria Carneiro.
Altento.
Hoje s.ihua a Iu/ a importante obra
Elementos l>ireiio dividido em tres parles ; a primeira traland,o
dos direilos absoluto dos estados ; a segun-
da dos direilos rundecionaes dos estadas ein
suas relacoes pacificas e terecirus parle linal-
inenle dos direilos dos oslados em suas rea
cues hoslis pelo Dr. Pedro Aulranda Malta
Albuquerquc. h,scusaiuus entrar na anaiis
desle i-.mi i,,-mliii. e inulta menos na sua apre-
ciarn, porque o aulor he bem couhecido
por suas luses, i jtperiencia nu ensino destas
materias, e sobre tildo pela inaueira lucida
e clara cum pie esi concebida a redaceo.
Vende-se nicamente na iivraria do ediclor
proprietario uacharcl Abreu e Lima : no pa-
lco do Collegio, casa do Livro Azul a 8,000 rs.
cada obra.
liua di) Wozarin larga n aa, se-
gundo andar.
Vendem-se 5 e-cravos mocos para traba-
Iho do campo; 1 nardo bom bolieiro e de
boa conducta ; 1 dito bom caneiro; 1 mu-
latiuho de 13annoS multo in lo, proprii
paa#pagem 2 moleques de 18 anuos ; 3
pretas mocas, com habilida es; I preto do
idade, proprio para sitio, por estar a isso
acostumado,
__No becco do Goncalves, ar-
mazem do Ara ojo, e na ra da
lrui, armffzem d: S Araujo n.
33, vende-se .superior farinba em
sacMS, cliegada ltimamente, por
preco coiiimodo : a tratar us mes-
nos,
Vendem-se chapeos deso de seda, pe-
lo diminuto preco de e 5,000 rs i na ra
Nova numero6, loja de Hall Ramoso: Coaj-
panhis
Ven lem-se duas moradas da casas em
chatis propnos, sendo urna de um andar e
sotflo, e ouira terrea, a primeira rende rs.
26,000 mensaes, o a sagunda 8.0,10 rs. : a
tralar no hotel Commercio, na ra da Ca-
deia de Santo Antonio n. 13, onde se ada
0 proprietario das mesmas.
V'endo-se cera de carnauba, couros miu-
dos, sapatosde rooro de lustro gaspeados,
obra mullo bem feila e por pre;o commo-
do, pois he para fechar conlas : no Becco
Largo do Recife n. I, segundo andar, a
qualquer hora.
Ven lem-se cinco aegoes da companhia
de !'' '!': na pra^a da Boa Vista, bolica
doSr. Gameiro.
Vendem-se sipalOes decouro de lus-
tro pelo baratisslmo prego de 3.000 rs.; di-
los superiores, a 4,000 rs.; dilos de couro
hranco para homem e menino : na ra da
Cadeia do Recife n. 9, loja.
Na loja pernambucana, de Anto-
nio Luil dos Santos, ra do
Crespo n. II,
vendem-se cortes de sedas braucase de cores
para todos os precus
Novo sorliincnto para
Compras.
~ Couipra.se um gua da-louca moderno e
com pouco iisu : na ra da l'raia. ai iihcui ii
18 ou inniincie para ser proeurauo.
Compra-se um gamo ero bom uso na
ra do yueimadoii.37 A. loja de ferrigciii.
Comira-se elleClivamenie pepel dia-
riof, 3,200 rs. a arroba : na roa larga do
Rozario n 15.
Compram-se tres ou quatro
ps de coqueiros pequeos : na ra
Nova n. 35.
Na ra da Senzalla Nova, casa n. 42,
segundo andar, quor-se comprar um laixo
de cobre, sendo grande e estando em bom
uso : quem o quizer vender, dirija-se ao lu-
gar cima dito ; assim como alguu.as caixas
vasias, que fossotn de assucar.
Compra-so oletceiru lomo do Mello
freir em Porluguez: no Atorro da Boa
Vista n,78.
que
fa-
as senhoras
icm doce.
Vende-sc panelas c lig> las grandes vidradas,
chegadas ltimamente da Uahia, prnprlas
para doce e bater pao-dc-lo. arcarolas de ca-
bo, papeirus, fregideiras, alguidares le todo
os tamiuhos, balatus pa.a us meninos apen-
d.rcui a audar, dilos para cosluras e compras,
jarros c qnarliiihas, garrafas brancas para res-
triar agua, ttidu obras de gusto : na ra da Ca-
deia du Itecifc n. 8.
. iaiMi" tli' cal e p itassa.
No armazem da rna da Cadeia do l-ecife n.
12, ha mullo superior cal de Lisboa em p, da,
assim como pulassa chegada ltimamente a
precus inulto rasuaveis.
L limo do 11-u) de patele.
Vendem-se dous rolos de fumo de tabaco,
da inelbor qnalidade, e pur preco mdico :
na ra da Cadeia do Recife D. 44, toja de fer-
ragens.
>a loja pernambucana, de Anto-
nio Luiz dos Santos, rut do
Crespo ii. ii,
Vendem-se superiores pannos linos, chama-
dos siiini de loa, sendo prcios, verdes, cor de
, azul, etc.
:fmplar encontrado


.
I
1

!
'
Para se acabar. .
Vende-se cera de carnauba, penis de
emi, sapalos brancos, ditos de bezerro de
lustro, couros de cabra e superiores charu-
tos recentemente chegados da Babia: na
ra da Cadeia do Recito n. 49, primeiro
aodar.
Vendem-se meredianos do sol (relo-
gios) muilo proprio para quem anda em
viaffeis. e para quem mora no matto: na ra
da Cadeia do Rcctfe, loja de miudezas do
Sr. Mello.
Cimento.
Vendem-so barricas com cimento] pro-
prio para qualquer obra que possa rece-
ber agoa, assitn como para aljeroz e Ira-
peiras, prosima mente chegado de llam-
burgo, tambem se vendem as meias barri-
cas por preco commodo : airas do tbeatro,
armazem de taboai depinho, a fallar com
Joaquim Lopes de Almeida, caixeiro do Sr.
Jo3o Matlieus.
Pecas de chitas roxas para luto.
Vendem-se pegas de chitas limpas, ordi-
narias, para luto aleviado, a 4,500 e a 120
r. ocovado; c Cortes de cambraias para
vestidos, bonitos padrOes, a 2,600 rs..: na
ra larga do Rozario o. 48, primeiro andar.
Vendem-se superiores livros em bran-
co, de diversos lmannos: em casa de Kalk-
mann IrmSos, na ra da Cruz n. 10.
Vende-se cha hysson de superior qui-
lidade, o melhor que lem vindo a este mer-
cado ; vellasde espermaccte americanas ; e
meias barricas de familia gallega : em ca-
sa Je Maiiu'us Ausim & Companhia.
Vendeaaa-se barricas com baeallio de ei-
cama at>,500ts. a barrica: no armazem que
foi do Bacellar defroulc d> cscadiutia uo caes
da alfandega.
Lotera da matriz da Hoa-Vista.
Vos lOe 5:ooo,ooo rs.
Na loja de miudcaas da praca da Indepeu-
drncla n. 4, vendem-se bilheles inteiros, ineios,
quartoa, <|ulnloa, decimos e vigsimos, que
corre impreterivelinenl<> no diai de juoho ou
antea se se vender os bilheles.
Ililhelet iutelros 10,000
Me i os 5,000
Quartot 2,000
Quintos 9,100
Decimos J.iOO
Vigsimos 600
Loja de seis portas em lente do
Livramento.
Vende-se sarja preta llespanbolt larga a (i
patacas o covado, sarja com liseras preta pro-
pria para manteletes, a 3 patacas, cliamalute a
5 patacas, cortea de vestido de nobreza prelos
por 12,000 rs., fil bordado de cores a A pata-
cas a vara, para vestidos e capolinhos, cassa
pintada Iranceza a 2 patacas, riscados e alpa-
cas de algodo, e outras qualidades de fazendas
por preco barato.
Leja de seis portas em frente do
Livramento.
Vendem-se corles de vestidos com barra de
cores a 7,000 rs. por ter un pouco de mu .
cassa pintada a 200 rs o covado, cassa preta a
120 rs. o covado, chitas a 120, M0, Mi. 180, 20"
t 240 rs fiua a 320, 40n, 480 e 40 rs. a vara,
lencos de cassa para ino de aenhora a 2-iO rs.,
e com bicoa 400 rs., lencos brancos de cassa
para cabeca e para boinb'os a '/O, 400 e 480
rs., meias paral arnhura a 240. 320 e 480 rs., e
outras inultas fazendas a relalho c em pur por precos batatos.
Vendem-se multo superiores chapeos de
sol de seda pela, inglczes, com cabos de osso
a 5.500 rs., ditos de paniuho de cores trnce-
les, armaco de ferio a 7,000 is. : na ra do
Crespo luja o, 10.
Ildin e barato.
Na ra do Passeio Publico, loja n. 9 de Albi-
no Jos I.ene, .n.i.i coutiniia-se a vender as
bem condecidas pecas de chita a 4,500 rs. e o
covado a l'i rs., ditas paracoberla a 0,000 rs.
a paca, e o covado a :liI rs.,cassas para baba-
dos a 240 a vaia, brius de llnliu azul e de cu-
res a 300 ra. o covado, cobertores de algodo
grosso para escravos a 640 rs., riscados moiis-
tros a 200 rs. o covado, chapeos de sol de pai-
iilin a 2,000 rs lencos de cainbraia finos, ro-
deados de bicos a 480 rs., ditos de seda de co-
rea a 1,500 18., gmvataa desellan a 1.500 rs., e
outras inultas fazendas, as quaes deixaan-sede
aunuuciar para nao oceupar lempo.
Allencao.
Na ra da Concordia n. 6, enfeitam-se ri-
quissiinas bandejas de bollinhos francezes
com aaaeo e proinptidao, aonde tcui couti-
nuadamente para se vender.
--N.i loj de cambio da vluva Vieira Si Fi-
lli.ii ra da ('adela do Recife aa. 24, veudem-se
l.ilheies,-i 10,000 rs. e lucios a ,000 rs. da lote-
ra a lieneiieiu da matriz da Boa Vista.
-- Vende-se um sobrado de 2 andares, sito
na ra do Paraizo : a ir.ii.ir no Aterro da lloa
V iiia, loja de ouiives n. (I.
lina niatte.
Vende-se eslecxcrllcnle cha, que tao recom-
mendavel se tein tornado, tanto pelo seu bou
goato, como por ser nuil saudavel e diurtico,
exiate pequea quantidade : na ra da Santa-
Cruz venda n. 5, junto a ribeira.
Komanccs modernos
Memorias d'um medico por Alexandre Hu-
mas : segunda edieco, traduzida cin poriu-
guez em 15 lomos eucaderuados 20,000
O con le de Monie-Ghrislo por Alexandre
Dumas eucadernado 13,000
A Moreniuha : lerceira ediccao, ornada com
lindas estampas e a msica para piano e can-
to da bailada cantada pela Moreniuha no n-
cbado : I vol. nitidameute impresso 4,000
O Monaaticou por A. Ucrculano 5,000
O Aute-Clirialo : 2 vol isVi (i.nilO
O Sitio da Rochclla ou o infortunio e a cons-
ciencia, 2 vol. 5,000
A Familia Klliot ou a inclinaco amiga 2 vol.
1847 encad. 5,000
A l-unte de Saoti-Catherina, 4 vol. 8,000
A Gorgonhe : traduzido pelo senador Vascon-
celos, 4 vol. 3,000
Os Misterios do Povo por Eugenue Sue : 6
rol. 5,000
Vendem-se no pateo do Collegio, casa do I.i-
vro Azul.
Vende-se una preta moca, que engoni-
ma, cose, cosiuha, ludo com perfeicao, e um
bonito mulei|ue de 14 aunos, que cozinha, e
tein principios de sapateiro : na ra larga do
Rotarlo o. 35, loja.
-- Vendem-se 2 ca rocas em bom estado e
propras para servico da alfaudega, ou enge-
iiho, por preco commodo : nos Alegados ra
ilo Caluc venda ae Joo lleapauliol.
Bom e barato.
Ka ra do Passeio Publico, loja n. 9, de
Albino Jos Leite, vendem-se cortes de cal-
Sss, de fazendas escuras, encorpadas, pa-
roes rmiando casemira, pelo deminulo
prego de 1,500 rs.: a elles, nieus amigos do
bom e barato, ames que se acabem.
Vende-se urna pedra de mar-
more branco, com 8 palmos de
comprida, 3 de iarguia e meio de
grossura : quem precisar, dirja-
se ra da Praian. 55, na typo-
grapbia imparcial. '
Veadem-se caixas com cera
em velas do Rio de Janeiro, com
sortimento a vontade do compra-
dor, e fumo em olha do melhor
que ha no mercado: na ra do
Trapiche n. 5, escriptorio.
Vendem-se superiores azei-
tonasde Alarselha, recentemente
rllegadas: no armazem de Dias
Ferreira, no caes da Allandega.
Vende-se no armazem do Dias Ferreira,
no caes da allandega saceos de inillio novo e
barato.
Farinha fontana,
Arroz de casca,
Farello novo,
Cha preto,
Chumbo de municio,
Cimento,
Bichas de Uamburgo,
vende-se ludo por presos commodos : no
armazem deJ. J. Tssso Jnior, na ra do
Amorim n. 35.
Ouro em p
para se deitar sobre a escripia em
vez de areia neta, por mil ris
cada frasco : no pateo do Collegio,
Casa do Livro Azul.
Sarja Ilcspanhola para vestidos.
Vende-se sarja pela mullo larga e muito
encorpada limpa a 2,080 rs.: na ra larga do
Rozario u. 48, primeiro audar.
Lotera da matriz di Boa-Vista
A os 1 o c 5tooo,ooo rs.
Na loja de miudezas da ra da Cadeia do Re-
cife n. 40, vendem-se os mui afortunados bi-
Inetos, un ios, quarloi, decimos e vigsimos
da mesina loteria, que cora* impretcrivel-
niente ein 2 de junho viuJumo, ou antes se se
vendei em OS Inllicle j.
Ililhetes 10,000
Helos 5,000
Quartos 2,000
Decimos 1,100
Vigsimos 6l)0
Loja pernambucana.
sjn De Antonio Luiz dos Santos, na ra
po Crespo n. II: veudem-se ricos
r"^ chapeos de castor brancoa c prelos
da ultima moda parisiense.
Pun a juaresma.
Panno prelo analto boa i|iialidade e novo a
3,200, 4,100 e 5,00, rs. o covado, casimira preta
de dillerenles qualidades, sarja preta, setim
de maco, e outras muitas faiendas por ba-
ratos prejos : na ra do Crespo ao pa do arco
n. 2.
Livros em branco baratissimos.
I.ivros em branco de 400 folhas grandes e
largos por 6,000
Ditos, dito de 200 dilas, dito, ditos -1,11111
Hilos, dilo de IDO dilas, dito, ditos 3.000
Ditos, dito de 100 dilas pequeos ditos 2,000
!\o pateo do Collegio, casa do Livro Azul.
Vende-se um sobrado de duus andares
Alieno da boa Vista 11. 82: a tratar 00
-4
d'oleo, um lavatorio e uina mesa de jantar de
amarello para doze pessoas, tudo em inulto
bom uso: no pateo do Collegio segundo andar
da casa amarella.
- Vende-se um casal de escravos de Angola
de meia idade, por diminuto preco : na ra do
Livramento u. 38.
Lo:eria do Rio de Janeiro.'
Aos 30:000,000 rs.
N ra do Crespo o. al, loja
de fazendas, e na ra da Cadeia do
Recife n. 46, loja de miudezas,
vendem-se mejus bilheles, quar-
tos, oitavos e vigsimos da oitava
loteria a beneficio do tbesouro
publico, e paga-se qualquer pre-
mio qua nellessahir sem ganancia
alguma.
Meios bilhetes 11,000
Quartos 5,5oo
Oitavos 2,8oo
Vigsimos i,3oo
Vendem-se uvas brancas mui
boas : na ra da Senzalla Nova
numero i3.
Admira, mas he verdade.
Manteletes e capolinhos de cambrais,
guarnecidos de bico de linho, a unitsgSo de
blmd, pelo diminuto prego de 6,000 rs., s'
o bico e o feilio val mais; a elles antes qu
no
ine.ino.
Vende-se um bom cavallo : na paderia
nova do Manguind ao virar para a Uaixa-
Vcrdc.
Vende-se um rico guarda-roupa de ama-
relio, ultra mullo bem acabada c novo : na tra-
vessa da Madre-de-Deos 11. 5, ariuazem.
Veudem-se porloes, portas e sacadas de
pedra com soleiras de granito : na ra da Cruz
n 51, primeiro andar, ou 110 Alieno da lloa
Vista n. 3, segundo andar.
Vende-se una preta d > Centio, robusta,
propriapara eugentiu, he ipjitaudcira : a tra-
tar na ruadas Larangeiras n. 20.
- Vende-se nina cuna de augicn, uina me-
sa de ineio de sala, una coniuioda, um tou-
oador: a tratar na ra das Lirangeiras nu-
mero 29.
Vende-sc nina preta ciioula de 16 annos
de idade, que COSlltha e eiigomma sufivel-
mente, cose e lava d sabio, e he muito robus-
ta : quem a pretender procure na ra Impe-
rial 11. 31.
Vcndr-se una parda de 30 a 35 annos de
idade, milito sadia, cozinha e lava bem, pti-
ma para o servico de casa : na ra larga do Ro-
zario 11.4(3. segundo andar.
Vendc-se una parda moca, com urna cria
de 2 annos, sadia c de l.onila figura, que sabe
ngominar, coser e cozinbar o diario de nina
casa ; os pretendenles dirijam-se a ra da
(iuia segundo andar do sobrado n. 5.
Veudem-se charutos sollos de muilo boa
qtialidade. clirgados ltimamente, em porcao
ou a relalho, por muito eomiiiodo preco; na
111a da Cadeia 11. 34, primeiro audar,
.Maya liamos x Companhia, nu
Nova numero 6.
Vende-se sarja lisa e lavrada, sedas pre-
las lavradas, luvas de torzal para aenbora,
veos prelos gran les e pequenos, meias de
seda preta para liumeui e aenhora. mante-
letes e capolinhos prdos chegaJus uliima-
uiente de Kianr;a, sapalos de iusiro de Lis-
boa a 1,600 rs dilo.s flanee/es muito no-
vosa 2,210 rs. borzeguins para scuhora a
i,500 rs e outras muitas fazendas, que fa-
rBo conta ao comprador por seus mdicos
precos.
Venlem-se 25 alqueires de arroz de
casca a 2.5C0 rs. oalqueire pela meliua ve-
llia caculada : na ra do AragSo 11. 14.
"Vendcm-so 9 caixilhos de jancllas, 4
viilra^as de alcova envidradlas, um espe-
Iho grsnde em meio uso, urna escrava do
genlio, moca, sem vicios nem achaques : o
motivo da venda se dir ao comprador: na
ra do Padre Florianuo u. 22.
Maia Ramos & Companhia, ra
Nova numero 6,
arabam de receber um rico sortimento de
jarres de porcellana dourados, < ricas gt-
lantsrias douradas para cima de mesa, ser-
pentinas de 3 luzes, lustres de 6, 8 e 18 lu-
zes, liiiiiei-tiiis com pe de vidro, casquinha e
bronze, compoleiras e manlegueiras de vi-
dio lapidado de muilo bom gosto, um sor-
liinenlo de fruleiras de varias cores e gar-
rafas douradas graudes .pequeas, e ou-
tras muilas fazendas, que se vcnderSo mui-
to em cunta para lquidc.So. Na mesma lo-
ja cima vende-se um porlalicor com 3 gar-
rafas e 12 clices de vidro de cores, pelu di-
minuto pre^o de 16,000 rs.
Vende-se urna pretinba deonze annos
que fai lavarlnto e coae chao ; e uina preta
ei nula que cozinlia, engoiiima alguma couaa e
cose chao : na ra do Rangel 11. 38, segundo
audar,
- Vende-se uina duzia de cadelru de pao

o
ue
so acabem : na ra Nova b. 6, loja de Maia
llamos & Companhia.
Vende-se urna montarla de merino e
um bonete para senhora, assim como um
silhSo, tudo em bom estado e por preco
commodo : quem pretender, dirlja-se ra
de Fra de Portas n. 95.
Vende-sc a colleccao de caricaturas do D.
Quixole liouio-'opathlco, de volta i California;
chegados nesie ultimo vapor do Rio de Janeiro'
cada colleccao, do 11. 1 a 0, por 1,000; na
ra da Unio, junto casa n. l, das seis s
nove horas da manhaa.
Vende-se um moleque cozinheiro de 10
annos, de boa conducta : na ra do Fogo n.
23, se dir quem vcude.
Ma ra Nova n. 25, que fas quina para a
1'anilina do Carino, existe para vender um re-
logio e corre me de ouro, tudo por preco com-
modo : quem pretender dirija-je a mesma loja
aonde achara quem negocie.
Aos 20:000,000 ris.
Na ru larga'dJjPfiozario botica n. 42, rece-
beu-se a lisia theairo de S. PedtO de Alcntara e alii forana
vendidos os seguales nmeros que sahiram
premiados, a saber :86* 200,000 rs. mein;3i47
>00.000 rs. : 5734 JOO.OOM rs. meio ; 5577 rs.
100,000 ; 594 4u,000 rs. quarto ; 4170 4i,000 rs. ;
I45 40,000 rs., bem como bilheles da oitava
lotera para indemaisa9o do tbesouro pu-
blico, chegados utlluiaiiieule pelo vapor /m-
perairji, os quaes se vendem pelos precos se-
giaintes : Inteiros 23,000 rs., ineios 11,500 rs ,
quartos a 5,900 rs., oitavos a 2,900 rs. e vig-
simos a 1,400 rs.
Lotera d) Kio de Janeiro.
Aos 30:000,000 rs.
Na ra estrella do Rozarlo, travesa doQuei;
nado loja de miudezas 11. 2 A, de J. F. dos
Santos Maia. vendem-se os muito afortunados
bilheles, iif is, quacips. oitavos e vigsimos
da oitava loteria do ihcsouro jiulilicn; na mes-
ma loja est patente a lista da declma-terceira
do theatro de S. Pedro de Alcntara.
-- Vende-se em casa de J. H. Lasserre &
Companhia na ra do Trapiche ti. II, o se-
nim.ie por presos cominodos*
Farinha barn, pi nueira qualidade,
Vinho de Um de,un, superior, em quartolas,
Vellas stearinas, em caixas de arroba,
Saceos com farelo, novo,
Livros em branco de todos os tamanhos,
l'euiias de ac,
Cabos de liulio, de Indas as polegadas,
Cabos de manilha de todas as polegadas,
Verdete, primeira sorle,
Chumbo em leucnl,
Chumbo em barra.
Papel de peso superior,
Cimento, francez,
Barricas com oca,
Barricas cout almagre.
Vendem-se escravos mocos e de
bonitas figuras.
3 negrotas de 14, 15 e 18 annos com habili-
dades, que cosein e engommain.
1 preta de 20 annos com uina cria de me-
zes, que cose e engoinmi.
4 escravos de 22 annos com algumas habi-
lidades.
2 dilas de 30 annos, que engointnam, cozl-
uli un e lavaiii de sabo.
1 mulatinba de 15 annos, que cose bem.
1 preto sapateiro de 21 aunos, que corla e faz
toda obra.
2 dilos ptimos cnzluheiros, sendo um de 18
annos, e nutro de 25.
1 dito bom marinheiro de 25 annos.
2 i* 11 d- s bonitos, e bona para pagem.
uegroa de 22 anuos, bous para todo e qual-
quer servico.
Na ra das Larangeias n. 14, segundo
audar.
Aos Srs. n rail t 111 i eos.
Na loja de livros di ra do Crespo n. II do
bem conliccido e amigo barateo o Antonio H
Ferreira. vendem-se os acguinles livros por
preco mui commodo : compendio de Direito
[Satura! pelo Dr. Autran ; compendio de Direi-
to l'ublico pelo Dr. Autran ; compro Jio de Di-
reito Eccleaiastico por Gmenio cm portugnez ;
Silvestre P. Ferreira Manual do Cidado 3 v. ;
Rossi economia poltica ; Vatel Direitu das
Gentes ; Resumo da Historia Universal Impres-
so em S Paulo ; Forjaz economia polilica ;
lnstituices de Direito Civil Lusitano por Pas-
choal Jos de Mello em portuguez ; Tisaot
principios do direito em francez 2 v. ; Felice
direito da Nalurea em francez v. ; Diccio-
narios portuguezes por Constancio 1 Dicciona-
rios francezes por Constancio; Diccionarios
inglezcs novos por Vieira ; Novellas e roman-
ces de todas as qualidades, novos, francesas e
porluguezas. Na luesaua loja se continua a
trocar obras de todas as qualidades.
Loteria do Kio de Janeiro.
Aos 20:000,000 rs.
Na loja de miudtzas da praca da Indepen-
dencia o. 4, veudem-se bilpetes inleiros, meaos,
quartos, oitavos. e vigsimos da nit.va loteria
para indeinnisafo do tbesouro publico, que
se espera a lisia no dia 20 pelo vapor ingles,
Olinia.
De sahbado em diante haver cafe todas as
tardes 110 \ araduuro, bons chai u.os, serveja,
licor, ludo lino, tambeui se dau uluiocos c jn-
tales, avisando antes.
Loteria do Rio de Janeiro.
Aos 20*00,000 rs.
Na praca da independencia loja n. 3, que
volta para a'rua do Queianado e Crespo, ven-
deaai-se os muito afortunados bilbetcs, melos
e cautelas da oitava lotera do tbesouro pu-
blico. Na mesma loja est patente a lista da
declma-tarceira do theatro de S. Pedro de Al-
cntara. (,.
Tornou ao pre?^ antigo
manteiga nova Inglesa e franceza a 400 rs. a
libra : no pateo do Carmo venda nova a. 2.
Sarjas de seda usase lavradas e
panno preto.
Na ra do Livramento n. 14, vendem-se su-
periores sarjas, cbaraalote lavrado e de lista,
setim maco de superior qualldade, panno
multo superior preto para casaca, casemira
preta, lencos de setlin para gravata, e outras
muitas fazendas finas para o lempo presente
da quaresma. e por precos que obrigam a
comprar quean nao tem preciso.
Vende-se uaaa prelo meso e refinador de
assucar e intelligente para o campo, por ter
bastante pratica, cozinha o diario de una ca-
sa ; uan famosa preta, que cozinha e lava de
salan, e he milito boa quitandeira : quem a
pretender, dlrija-se a ra da Conceico da oa
Vista n. 9.
Calcado.
No Atierro da Boa Vista defronte
da bonecra.
He chegado pelo ultimo navio fr.ncez um
novo e completo sortimento de calcados de
todas as qualidades, tanto para hotaaeaaa cuino
para aenhora e meninos, assim coaaao sapates
de lustro para hornean de 3,000, a6,000 rs., di-
tos de becerro, borseguins a 3,500 rs., sapalos
de lustro para senboTa os melbores que ha ,
2,000 rs., ditos de marroquina e cordavao ;
borseguins para senhora, sapalrjes do Aracaty
tanto para hotuean coaaio para rapaz a 800 rs.,
ditos de luatro para hornean feitos na bahia a
3,000 ra., pclles deanarroquin de todas as co-
res, ditos de lustro e bezerro francs, va-
sos para oraaar mesas, e condecas de todos
os tamanhos, e ludo se troca por pouco di-
nbeiro.
Bom e barate.
Vende-se gamma can saccas anui nova, cha-
peos de palha, sapalos brancos para hoanean e
meninos, e cera de caraaaba primeira sorte a
(1,000 rs. a arroba, cernemente chegada do
Aracaty: na ra da Cadeia do Recife u. 49
primeiro andar.
Vendem-se as verdadeiras enxadas cal-
cadas de ac, ditas do Porto grandes, proprias
paia engenbo, bem como taanbean teut una
completo sortimento de folhas de (landres de
superior qualidade, tudo por auodico preco :
na ra Nova loja de ferragens n. 25, que faz
quilla paraa Camboa do Caraaao.
A a,4oo ris.
Vendem-se pegas de cassa de quadros e
listraspara babados com 8 1|2 varas cada
urna : na ra do Crespo, loja n. 6, ao p do
lampeo.
Hap Paulo Cordeiro do Rio de
Janeiro
em Islas e frascos, chegsdo recentemente :
vende-se na ra da Cadeia do Recife, loja
n. 50, de Cunha & Amorim.
Na ra eslreita do Rozario, travessa do
Queimado, loja de miudezas n. 2 A. de J.
F. dos Santos Maya, veodem-sa cordas de
trips e"bord0es para violSo eiabeca, e pa-
pel paulado para msica, tudo da melhor
qualidade possivel.
Potussn Vende-se polsssa da Russia, recentemen-
te chegada, flde muilo superior qualidade :
na ra do Trapiche n. 17.
Tnixns para cngeiilio.
Na fuii lieo de ferro da ra do Rrum,
acaba-se de receber um completo sortimen-
to de luisas de 4 a 8 palmos de bocea, as
quaas acham-se a venda por prego com-
modo, e com promptidSo embarcam-se, ou
carregam-se em carros sem despezas ao
comprador.
AGEtfCIA
da fundicao Low-Moor.
RA DA SKZALLA NOVA N. 42.
Neste estabeleeimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro balido e
coado, de todos os tamanhos,Jpa-
ra dito.
Vendem-se amarras de ferro: na ra
da Senzalla nova n. 42.
Vendem-se arado) america-
nos dos modelos maisapprovados;
na ra do Trapiche n. 8.
Moendas superiores.
Na fundicSo de C. Starr & Companhia,
em S.-Amaro, acham-se venda moendas,
de canna, todas de ferro, de um manido e
construcgSo muilo superior.
Vendem-se candieiros para
meio de sala, milito ricos, com os
competentes globos, canudos e tor-
cidas, dando a luz mais brilhante
possivel : na ra do Trapiche n. 8.
Anligo deposito de cal
- ai
roe prata, patente inglez : na ra
tij- SeTizala Nown. 4*-
Kom e barato
Na ra ido PasseioJublico, loja n. 9, de
Albino Jos Leite, verdem-so ricos cortos de
meias casemiras, pelo diminuto prego de
1,600 rs. A elles, rapasiada do bom goslo,
antes que se acabem.
Madeira de Jacaranda.
Vende-se ptimo Jacaranda emporgHoou
a relalho, a vontade do comprador : na ra
da Cadeia de Santo Antonio n. 18.
mmmmmwmm*--mmmmm*wi$M
iSGantois Pailhet & Companhia.h
Continua-se a vender no deposito |
sera! da ra da Cruz n. 52, o excel- **
l'iiiii'o bem coneeituado rap areia ii?
prela da fabrica de Gantois Pailhet & S
Companhia da Bahia, em grandes e |f
pequetas porgoes pelo prego estabe- tt
lecido. B
4
1
-rr
Fuglo
sera vos futidos.
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muito superior ca nova em pedra,
chegada ltimamente, de Lisboa
na barca Ligeira.
Guarda nacional.
Vende-se o peculio do guarda nacional,
contendo a lei, rcgulsmenlo e lodos os mo-
delos que dellesdepcndem, a 1,000 rs. cada
exemplar completo : na praga da lodepen-
dencia, livraria ns. 6 e 8.
Deposito de charutos da Bahia,
ra da Cruz numero 27.
Armazem de Croccu & Companhia.
SSo chegados a este novo deposito os ver-
daderos charutos soberanos de llavana,
senadores, deputados, regala, cegadores,
venus e quem fumar saber. Todos estes
charutos em canillitas decem, que muito
convro aos amadores, pois que sua quali-
dade he muilo superior, e prego o maia mo-
lerado possivel, para acabar e fszer-se no-
va remessa.
-- Vende-se mel de furo, em
caadas e garrafas, por preco
commodo: no Manguinho, pas-
sando a ponte, primeiro sitio do
lado esquerilo.
Vendem-se relogios de ou-
no dia 24dopssssdo do enge-
nho Tapera, silo na freguezia de Jaboatao,
o escravo de nome Jos, de nagSo Nag,
cujo sinaes caractersticos so os seguintes:
corpo e altura regulares, olhos salientes e
vivos, sem barba, com falta de denles, ros-
to talhado, jis grossos, representa ter de
idade 30 anuos, ho muito ladino; avista
do exposto recommenda-se aos capitfles de
campo a captura do dito escravo, pelo que
serflo generosamente gralilicados.
Desappareceu na noite do dia 6 do
passado urna escrava psrda denom Lu?,
idade pouco mais ou menos 30 annos, ro-
bellos corredissos, porm corlados, rosto
redondo, barriguda que parece estar peja-
da, inios bastantes leas e algumas unhas
muito negras que parecen) ter sido pisadas,
os ps muilo esparralhados o feios e algu-
ma rousa irregular, levou alm da roupa
vestida, um sseco ou trouxa, dous fios du
contas brancas ao pescogo, assim como um
rozario tambem branco, chales de chita
asul j desbotada, usa de camisa de es ba-
cilo quem a aprehender e leva-la na
ra do Queimado, loja o. 9, sera recom-
pensado generosamente.
Desapareceo no dia 11 do correte, o
escravo Fernando, crioulo que reprsenla ler
a idade de vinte annos, cauoeiro, com ossig-
unes seguinles ; altura regular, secco do cor-
po, cor preta, roato couaprido, sena barba,
sem una dente na frente, tein alguioas ciealri-
zes de cMcote pelas costas e nadegas ; levou
vestido camisa de algodo asul e caifa do anci-
ano : quem o aprehender o pode levar ra
do Collegio, n., 1 loja do aaaesmo sobrado, que
ser recoanpenfado.
Desappareceu, no dia 2 do crrante,
um preto, <)e nome Paulo, de nagSo, haixo,
cOr fule, com paainrw nu canto da bucea,
denles lima Jos, com principio de bugo de
barba e grosso do corpo ; levou urna caiga
de casemira, urna camisa de meia e chaio
de palha. V. '.< prelo foi c^ravo em 1 mu de
Portas, he remador e canoeiro, e consla
andar pelo Monloiro e Cssa Forte : roga-se
portanto as aulor idadi s policiaes e capililes
de campo, que oapprehendam e levem-no
ra do Rangel n. 44, casa de Jos Leonar-
do, que seru recompensados.
Ainda est fugija a prrta llana Joa-
quina, de idade 30 a 40 aunos, ntgo Con-
go, baixa, gorda, cor retis, bixigosa,
olhos vivos, batanle ardilosa, o sagaz;
lalve/ ando sua fuga encoheita com o nego-
cio de miudezas, pois he no que so emprc-
gava antes da sua fuga, nao sendo esta a
primeira vez que (oge, e que se encobre
com tal negocio; tambem ja loi escrava de
engenltu, e andava veodenilo miudezas pelo
matto, com urna crioula de quem era es-
crava : quem a ppgar levea na praga da In-
dependencia n. 17, quesera recompensado
do seu tralisliio.
--Fuglo no dia 9 do correnle (marco) 11111 aun-
leque de naco, de nome Joaquim, idade 18
a 2o annos, com os signaea arguinlea: cor ful-
la, denles limados, beicos grossos, betn fri-
to de corpo, altura regular, com marca de fo-
go em um braco perto do pulso, ps peque-
os c inos he bem ladino, linda sido casti-
gado n'es.c anesaaao dia, por ter roubado em
dlnhelro 2/4000 rs. e mais outras comas que
se tena dado por falla d'ellas, levou caiga de
cazeanir.t de llura, e camisa d'algodo, e mais
urna (mina de r upa : roga-se s autoridades
policiaes, e capitea de campo a captura do
mesmo.e de leva-loa seu seuhor Franrlsco Go-
mes de Carvalbo na ra das Cruzes n. 9. que
serao recoanpenaadns, assim como se protesta
com o rigor da lei haver todo o roubo dequeua
o oceultar, ou Ihe der pruleccao.
_i Desappareceu em o mea de fevereiro p. p.
um escravo de nome Jos, de narao, o qu.il
representa ler de idade imita e quatro annos,
com os signaes seguintes : tem uan belide
11'uni nlli \ sitio do corpo, altura regular,
pouca barba ; levou vellido camisa e ceroula
de lgqdao da trra, pouco desembaracado
na falla ; cujo escravo foi comprado ao Sr.
Tlioma/. Antonio Maciel Monteiro : pede-se s
autoridades policiaes e aos capitea de campo,
onde qiu-r que elle seja encontrado, que o
prcndain, e por esta mesma folha o annuocie
para ser procurado, ou o couduzaiia ao seu
senhor, Joo Francisco do Reg Maia, na p -
viiae.1.1 de Apipucos, que ser generosamente
recoiaipensado.
Drsappareceo no dia 12 de fevereiro, a
parda Victoria, balsa, cabellos crespos, roslo
picado de bexigas, deules da frente podres,
ps pequenos e grossos, olhos pequenos e
aluin.ie.iili.s, e tem de idade Irinti amos, po-
co in.ns ou menos; levou vestido de chita c
panno da Costa asul novo ; quem a pegar leve
ra das Agoas-Veades, n. 23, que ser
bem recompensado.
Desapareceo no dia 7 do correnle, o es-
cravo de naco c&cange, de nome Jos, que
representa ler vinte e cinco amaos, baiso,
grosso do corpo, sem barba, olhos grandes e
ps pequenos ; levou camisa e calca de algo-
do de rlscado americano j sujas: quem o pe-
gar leve ra do Vigario n. 22, ou ra
da Cadeia do liedle, n. 51, que ser recom-
pencado.
50,000 rs. de gratiticugo.
Ao amanhecer do dia 12 do correnle, fu-
giram do deposito geral dosta cidade, 2
mulatos mogas, de nome Jos e Agoslinho,
escravs de Antonio Norberto de Souza l.o-
aldade, sendo um mais alto, bem barbado,
eoulro mais haixo, sem barba, e evaram
vestidos camisas e caigas brancas, e sup-
pe-saque foram seduzidos ; cujoseacra-
VOS adiaran -se mi dito deposito, em con-
sequencia do arreslo que nelles flzera o Sr.
Heanlo Antonio de Miranda. O mesmo
depositario geral d 50,ouo rs, de grlilica-
gilo a quem os apprchender, e leva-losa
sua casa ra de II Mas 11. 140.
PrP.V. f\A.TYR DFT M. F. DH FaI? I A.',


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJFIR0PFZ_AGYDHF INGEST_TIME 2013-04-12T22:23:53Z PACKAGE AA00011611_06348
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES