Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06325


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVII
Terga-feira 18
PARTIDAS DOS C0BB.EI03.
Golanna e Parahibn, as segundas e sextas feiras.
Rio-Grandc-do-Norle, todas as quimas feiras ao
roeio-dia.
Garanbuns e Bonito, .1 S e 2:;.
Boa-Vista e Flort-s. a 18 e 28.
Victo 1a, s un....1. tenas.
Olinda, todos os da.
EPHEIMBnlDES.
'Nova, a
PlIASES D LD.'CrM5- "
l,as3 h. e42m. da fh.
9, as'b" h. c 36 111. da m,
Chcia. a 16, asi h. c 9 m. da ni.
Mlng. a 22, s 7 h. e 19 ro. da t.
PRKAMAR SI OOTE.
Primeira s 6 horas e 54 miamos da inanhaa.
Segunda s 7 horas e 18 minutos da larde.
de Fevereirode 1851.
N. 40.
* MMMHMMHi
DA da semana.
17 Seg. S.Silvio. Aud. du J. dos o-T. c m. da v.
18 Tere. S. Sheotonio. Aud. da Chano. do J. da
segunda varado c. e dos feitoi da fazenda.
19 Quart. S. Conrado. Aud. do J. da 2. vara.
J 20 Quint. S. Eleuterio. Aud. do J. dos or. c do in.
**a primeiri vara.
PREpODASUiSCB'.P^Io. 21 S.it. S Mixnnimo A.u-1. do J. da 1. v. do clvel,
Por tres meses ^adlantado) 4/000 e dos feilos da l'atendi.
Por seis metes 8/11011 22 Sab. 8. Margarida c Jovita. AuJ. da Ch. c do J.
Por um anno > 15/000 da 2. varadu clvel.
.. 23 Dotu. da Sexagsima.^ Lzaro.
CAMBIO DE 17 DE PETEREtRO.
Sobre Londres, a 30 d. p. 1/000 rs. 60 das.
Pars, 320 pur fr.
lisboa, 85 a 90 ___
Ouro.-Oncashespanholas.....28/000 a 28/500
Moedas de 6/400 velhas. 16/000 a lbj2i)
. de 6/400 novas 1*000 > "200
de4000....... V-'OO l/IM
Prata.Pataces brasilciros.... f/"20 a !/]';<
Pesos columnarios..... 1/920-a l/40
Ditos mexicanos........ 1/680 a 1/701
PARTF FFICHL.
GOVEItNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 14 DE FEVEREIRO
I) I 1854.
OfBcio. A pagadoria militar, InteiranHo-a
de htverem os paisanos Filippe Nery de Bar-
cellos, Jos Caninana, Juvencio da <'unl>a Sou-
to Maior e Joo Carlos Augusto de Figueiredo
contratado nos termos do derreto e regula-
tnento de ISrtenovembro de 1848 e do aviso de
30 de outubro do anno 'i>mi"i....."imi.
servir como voluntarlos no exrrcito, mediante
as graliflcacdes de 180,000 rs. para o primeiro,
de 150,000 rs. para o segundo e de 200,000 rs.
para cada m dos dous ltimos e ordenando
que mande pagar aos referidos paisanos as
mencionadas gi-atificacrjes, sendo 50.000 rs.
vista e o resln rm prcsiacoes mensaes de 10,000
1 s Intelligenclou-sc ao commando das ar-
mas.
Dito. A in^sina, selentieando-a de ter o
cabo de esquadra do segundo batalho de arti-
lharia a p Sebastio da Mlva Barbosa, depois
de concluido o s do nos termos do decreto e regulainemo de 18
de uovembro de 1848 e do aviso de 30 de outu-
bro do anno prximo passado, para continuar
no menino servico, mediante a gratificar;. de
280,1 00 rs., e ordenando que Ibe mande pagar
a referida gratifcalo pela forma jestahcle-
cida. Cotnmunicou-se ao couuuando das ar-
mas.
Dito. A thesouraria da fazenda provincial,
par que mande adiantar dous metes de sold
ao capitn do corpo de polica Firmino Theolo-
nio da Cmara Santiago, e bein assim pagar-
lhe a gratificarlo meusal de 10.000 rs. que elle
vi'iii'i 11 em desembro e Janeiro ltimos como
conimandante do deitacamento da comarca do
Cabo. Interou-se ao coiiimandanle do refe-
rido corpo.
Dito. Aoconselho de qualificacao da fre-
gueziada Hoa-Vista, ditendo em solucao ao seu
iiltii m datado de hontem, que se os libertos de
que fax inenco em o seu utticio nao estocom-
prehendidos as excepcOes do arlign 10 da lei
novisalma e 17 das instrucedes de 25 de outu-
bro do auno prximo passado, he fra de toda
a duvida que devem bcr qualificados guardas
nacionars, urna vei que lenhaiu a renda e mais
requisitos marcados na mesina lei.
Commando das armas.
Quarlil do commando das armas na cidade do
Itecife, em 8 de ferereiro de 1851.
OltDEM 110 DA N. 41.
O coronel conimandante das mus, t^n
do em conslder*cSo que o Sr. lente Jos
da Silva Leile, quese chava empiegado na
f. 1 ri11 c/;i do brum, seguio em diligencia do
servico par a comarca de l'aje de Fl res,
e que o servico da guariigflo dessa fortale-
za rpssenie-sede su falle, determina que o
Sr. tenetitfl d* lereeira clsse dos nllici.es
do exercito Jos Xavier Pereira de Britn,
seja empregado na dita fortaleza durante a
ausencia daquellu Sr. oflicial, sendo subs-
tituido no comrellio de guerra permanente
pelo Sr.lente da quaita classe Francisco
de Paula Meira Lima", que icar addido ao
segundo batalhflo de caradores.
O coronel couimandanle das armas de-
clara que as guardas da pessoa do Exm.
Sr. presidente da provincia, principal, ou
da thesourati, alfandega, e cdeia, conti-
nueni a ser commandadas porofliciaes; e que
a do brum seja da man lia em diante com-
mandada por um inferior, a qul durante
as 24 horas de servico fe inteiramente su-
jeila ao Sr. lente Brito que executar to-
das as ordena que no inlcresse da discipli-
na, seguranza do forte e regulartdade do
servido, Ibe transmitlir o Sr. comman-
dante.
O Sr. ajudanle que assstir a parada, ron-
dar de visita as guardas da guarneflo,
dispensando-se por esta forma o subalter-
no que era detalhado exclusivamente para
este seivQO.
Heixam de fazer o servico de oflicial, os
Srs. cadetes e os inferiores que actualmen-
te nesta capital sSo como taes conside-
rados.
Finalmente o commandante das armas,
perniilte que os Srs. cadetes ( primeiros e
segundos ; poss.am usar do uniforme de so-
brecasaca, traiendo as suas estrellas como
signal indicativo de sus jerarchia.
Joj fcenle de Amorim llezerra.
INTERIOR.
COHItES.'O.NDENClAS DO DIAIUO DE PER-
NAIIBUCO.
Itio. 20 de Janeiro de 1851.
Em List, vinos olllciaes da terceira
seceflo snheodo que o hr. conselheiro Se-
bastian do llego Barros linba sido encarre-
gsdodo contrato de eslrsngeiros para ser-
virem no Brasil, moslravam-se desejosOs
de que aquelle Sr. fose a Portugal. Muito
conveniente, me pa ece, seria para nos o
engioieiilo de subditos portuguezes. no
que nflo eslou de accunio com o.- patriotas
visionarios qu-sioda cieem nos purlugue-
zes prelensoes de recnionisr o Brasil e s
a cha ni as grandes vantagens do mesmo
idioma, da mesu a religiSo o quasi dus mes-
moa habilos, utu motivo de receio tanto
mais fundado.
He pena que a opiniSo popultr do Brasil
se tenha pionunciadu lao desfavoiavelmen-
te pela coluniasao porlugue/a. Sei que
nao vem a proposito de engajmenlo do tro-
pa etrngeifa esta quesiSo de colonisagSo ;
mas ninguem i^nuia tambem, que engaja-
dos poiluguezesserism mal acollndosaqui ;
e sao.me sugere algumas reQeXOes que pe-
to liceiis para aventura-las.
Disse quea OjiniSo popular, de ilgum
modo, a oplniao geral repellia os portugut-
zes 1 essa generalidade em nada juslitica
urna opiniSo errnea. O poyo pensa a cor-
tos respetos o qoe n sua ignorancia nSo v,
o que satisfaga suas paixns, oti o que vo-
Ihas crenfas nSo Ibe permitte mudar. Jus-
tamente a antipathia aos portuguezes se
deriva das duas primelrss causas, e oumpre
que a ellas se nSo addicione a terceira.
Para isso lie necessario esclarecer o povo
arranca-lo do um erro supino, mo-tran ln-
Ihe a inconveniencia de ideias absurdas e
de praticas ridiculas. Nflo ha-la lamentar a
eeguelra, que del fcilmente Iludir, he
preciso isgH o v|o que oocu'la a o botn
sonso pirhrrtJVa frca da rasaoeo predoml-
mi da intelligencia. Aos homens Ilustra-
dos dessa provincia, eu deixo a preciosa ta-
refa de convencer ao povo pernamhucano
to scioso de suas supe'StiQfles ; animan-
do-iiir apenas a indicar-lhes um bello exem-
plo da grande, sabia e generosa uago da
America.
Agrandiosa obra de Washington selou-
se com 8 reconsilia(9o que se Ih seguio,
entre os opprimidos, entSo livres o oppres-
sori's, ja sem fi'i'Cs. Porque a nossa inde-
pendencia nSo imitou a independencia nor-
te-americana ?
.Vio nos costn ella mais caro, n.to exi-
gi mais sangue; e comtudo parece que
ainda luamos, e que s a repeticilo de sce-
nas escandalosas e ferozes, co^io as de fe-
vereiro, poder domar a reluctancia dos ini
rr.igos, que j foram da nossa liberdade,
mas que hoje s desejam a nos-a amiznde
como innaiisQ10 me nflo condemnem
ns patriotas do dia, por essa minha opi-
niSo.
-- J deve saber que o 1 presidenle da
Franca nSo deve ter aceitado o trata lo l.e
Prelour. Na mensagem que dirigi a as-
sembla nacional, disse : a Logo depois de
ter a assemhlu nacional votado o subsidio
de Montevideo, o governo entabulou nnva-
menie em Buenos-Ayres as negociaces
pendentes. Tr-tava-se da conseguir para
os tratados celebrados em 1849 as modifica
(oes qu se julgaram necessu'ias para ga-
rantir tifiezn ente a independencia da ie-
publica oriental, proteger os interesses
francezes no Uruguay, e conservar Ilesa a
honra nacional. Esperamos terminar til e
honrosamente as complicarles lamentaveis
que ha tanlo lempo tem inlerrompido as
boas relafes entre a Franca e as repblicas
do Prala. 1.
A' esse tempo, ja o presidente sabia o re-
sollado da missflu Le Predour ; o exprimin-
lo-se assim, mostra claramenle que ne-
nhunia alteiiQSo Ihe mereceu e que, menos,
presentar a assembli esss pepa defej-
luosa que nada concluo da inlervensflo fran-
i'.'/a e que, antes, compromeile a lumra
lesta nacau. Pra Montevideo foi urna fe-
licitiade.pois mais vale permanecer no mes-
mo estado de espectQo e reserva do que
ver em um momento frustradas todas as
suas esperanzas, e a necessidade de com-
baiers a oppressflo de Rosas. A morle de
oribe, ou qualqoer oulro arontecimenlo
fortuito Ihe 1 mi ria cortar todas as diflicol-
dades da actoalidade, emquaoto a conclu-
sflo Le Predou', acarrotaria urna guerra in-
fallivel e desesperada etnquelalvez pere-
cesse. Mas, (i/, mal em nflo associar oulro
cunpean a cidade que pors aoiiiis tem re-
sistido aamhir;3oda tyraunia republicana
lo Prala. O Brasil, que alm do dirello se
nflo obrga(3o de defender Montevideo, tem
te ving^r-se das injuriosas offensas do bar
baro dictador. Se este deixar mallograr esta
occasiflo, da mesma sorte que tem perdido
lanas outras, vira lalvcz alguma cousa
mais do que a estpida arreaca dedistruir
a monarchia que nos rege, para o que ja Ro-
sas tem empregado a influencia malvola
que o egosmo dos" partidos torna um lauto
pengosi. Nflo he invensSo ; Rosas mesmo
lisse que, quando nflo baslasse a desuniflo
las provincias, por consequencia oenfra-
quecimenlo do imperio, a morle moral, e
mais tardo a morte pbysica do systema do
nosso governo, elle no trepidara em sa-
crificar a parte sfla e civilisada do Bra-
sil aos melhores auxiliares de sua feroci-
dade! .
Eis urna bella poltica, digna do homem
que se inculca o pai da civilisssflo sul-ame-
ricana !...
Passemosa outra cousa.
-- O Constitutuinntl folha franceza, diz ;
a O governo do Brasil acaba do tomar con-
tra o trafico de negros urna medida que ser
decisiva se fr executada.
A lei, cujas disposices principaes pu-
blicamos, be urna satisacflo dada ao sen-
timentode repulsSo que deve inspirar es-
te trafico, e que de algum tempo a esta
parte tem feito progressos sensiveis entre
as classes eleva Jas da populacflo bras-
leira.
Alm disso, principis-se a comprehen-
der eoi um paz de escravatura o perlgo de
augmentar, por meio de novas impuria-
ces, o numero dos africanos que ameagau
perpetuamente barhansar os estados onde
slo recebidos. He por esla rasflo que o go
vernode Cuba renunciou absolutamente ao
trafico. O Brasil segu este exemplo, e faz
bem. Nello achara, de mais a mais a van-
tagem de tirar a loglateira o pretexto de
que se teem servido os cruzadores britn-
oicos para exercer urna busca vexatona
contra a navegado mercante do imperio
brasileiro.ii
He sem duvida urna justa apreciaeflo que
se faz, dos nossos sentimentos, com a pe-
quena falla de que anda nflo he totalmen-
te exacta. O Brasil nflo principia a compre-
hender de agora o eminente perigo da sua
escravatura, esobre ludo de novas itnpor-
taces de africanos ; esse mal he de h mui-
to conbecido : entretanto difliculdades in-
supperaveis obstavam a que as nedJdjtai
nievenfivas fossem completamente elfica*
3S. Para certot actos deumanacjlo exis-
tem os mesroos impossiveis que para a rea-
lisacfifc. d certas vontades de um particu-
lar : o tenlpo e a occasiflo sSo elementos
nue se nflo pdadeixar de dar toda a alten
cao"; e era nJfes^Brio obrar com pru-
dencia, -ji
Xlm do jugfsjj elogio que pela imrrens
se faz aos nos'so sentimentos, o Sr. Mar-
ques Lisboa .conljB. qte odjjira a lord Pal-
merston gaBara activiaadn'que empregava
o nosso governo para a prompta repressflo
do trafico : nem outra cousa poderia elle
dizer. Mas sendo assimoquo pretende
apartando cada vez mais o bloqueio dos
nossos porlos ? Nflo seria melhor ajuilar o
no-so governo, por outros meios e com mo-
leraQflo do que desafiar j nossa sensibih-
dade, os nossos brios, mandando por sua
esquadra fazer a polica, uflnj em nossos
mares, em nt'ssos portos? Quedireilos se
arroga para isso, o que pretende de nos .' .
Quasi sem enco'rer-se na pecha de lemera-
110. pde-se achar motivos oceultos nesse
praceilmento da parl>-de urna nai,So, que
se apoderou de fiilbraltrar, pela iraigflo,
que na China conqu-tou pelo incendio e
pelo venevu um mercado submisso e
vasto.
Esse pretexto para (mimi vexatoria contra
a nona navegado mercante j hoje na Euro-
pa he bem manifesla. Desgragadamente,
i'orm, no nosso paz ainda ha brasileiro-
que odesconheQBn, ou linjam deseonhece
lo : tal he a cegueira dos partidos polticos !
Porque se nflo ha de ilestinguir as noss-s
Iotas internas, as nossas brigas de familia,
lo que he queslSo exterior, o ide va i a hon-
ra e a dignidade da nossa nacflu 1 Nisso o
partido, que se chama liberal, afasla-se in-
ieiramentedo umdosscus homens mais il-
luslres, urna de suas primeiras capacida
les, oSr. Paula eSouza, que quer uue la-
vemos ossa roupa soj em cas. M*s he
1110 a lipidian do cerli.s homons s ac ila, e
citado quando conven), no caso contrario
fica Diargem.
O*
Baha, 11 de ftvereiro.
Nflo ha por aqu novidades importantes.
A tranquillidaae publica nflo tem tido I-
lerar;flo ; os ventos que s mflog cheias tem
semeado e val semeando a npvusiQSo, nfl
hfloj)roJu.ziJp as lempcslailis, queem ou-
trascr'cu rist'actas pnleriam ler pro luz-
do. Todava nflo he menos parlamentar,
que por espinto de iulcresses pessoaes se
esteja a ennegiecer o horisnnte do paiz ,
principalmente no que toct t queslflo nie-
lindnsa dos escravos. Vmc. lis de ver no
Secuto, reproducida urna representarlo do
nosso eximio patricio Jos Bonifacio do A11
drada, a qual no tempo em que fui 1 presen-
tad! em um folli lo, nflo tnih" nada senflo
de apri'ciav. I, masque hoje publicad em
um escripto peridico, propalla dems que
s podiam ser emitlidas em sessesou reu-
iiii-s secretS das nossas assemblas legis-
lativas, ou de alguma assnciacflo pliilanlio-
pica. Em um paiz, onde exi.-to a escravi-
ilflo, agitar a queslflo do direito quese-
gunilo a jnstiQ" natural podem ter os senho-
res sobre os escravos he nflo smente mo-
do impoltico, lie querer revolver toda a si>-
ciedade, he querer implantar a InsurreiCaflo
individual, digo, a revoltu permanente e
desobediencia no animo dos individuos do
urna rlasse numerosa e ressentiil, que s-
sanhada desejana approveitar-se de quaes-
quTensejos para vingar-se dos outros ; he
finalmente e>tabelecer o direito d- insur-
reigflo. Sera o amor da numanidade, o que
dirige as i minas de taes escriptnres que nao
duvidam s -c ilicar a tranqnilli lade de seu
paiz so bem Ilusorio ou venladeiro dos
I1.1rl1.no- quoliabitam os paires d'Africa ?
Foi preso no Bomflm no inez prximo
passsaiio, um individuo quo diz cbamar-se
Ricardo Thomaz da Aquino (mas que sup-
pde-so ter trocado o uome; pois lem-se re-
conhecido ser prenlo c amigo de Antonio
Baplisia de Lima, condemnado e evadido
con o Jos Mara Caridad Ribeiro J; fui
proso digo, como introductor de notas fal-
sas. Acharam-se Ihes 15 notas de 5/rs. II-
natural da provincia do Ceara, da cidade du
Ico. Achou-se-lhe tambem um papel com
endereco incompleto da morada da multier
do Jos Mara.
A thesouraria examinou as ditas notas, e
achou que 14 san falsas, e reconhecidas
manfestamente falsas, por sor a gravu'a
grosseira, o | apcl do m qualidade o as fir-
mas muilo dissimilhantes.
Os cruzeiros nglczes, depois das preten-
Q0M que Ihe notieiei, lem-sa conservaun
sem outra novidade, o que Dos permita
nflo sja temporario, pois, como ja Ihe ex-
puz, receio muilo desses conflictos que
alm de penosos ao nos-o pundonor nacio-
nal, podem ter consequencias funestas, em
que muita gente pode ser victima do furor
popular. .
A imprensa nesta provincia tem-se tor-
nado um verdadeiro lamacal, e os peridi-
cos da opposiQo nflo podem deixar de car-
regar com as hunrai de a ter levado a esse
estado. Dir oSecu/o, que ne isso mentira
minha. Mas s quem n9o tem o menor co-
nhecimenlodoquesflo os partidos poltico
desconhecor esla verd. de. Pois d* que
parle naluralmenle pode provir, e proveo,
ordinariamente as aggresses, e as procui a-
Ces ? da parte dos homens que eslflo no po-
,ier, edos que delemlcui o goverlio ou du
parte dos que se acham resentidos e apaixu-
n.iilns por eslarem lora dello, e que o dese-
jana escalar .'
ltimamente, o Ar">i Guaeiw e tam-
bem o mesmo Secuto, lem atacado da ma-
ne ira mais virulenta o presidente da pro-
vincia, e como honve quem Ihes dsse urna
resposla (mais directamente ao Argos ) a-
nresentnu este um artigo 'o mais offensivo, e
mais desmoralisador, que podi sabir dos
relos, tratando ao Marlins de prevnirador,
tndrSn, bebwlo, eque devia ser lirado pelas o
relhat da cadeira da presidencia.
He verda le, que o artigo da Jualra de
que fsllei he muiln nlTensivo Mas nflo en-
trando n^r compararlo e appreciacflo rela-
tiva de um o nutro, nenhiim direito tiuria o
redactor do Argos para injuriar por aquella
naneirn ao presidente da provincia, altri-
liiindo-lha gratuitamentn a autora, e 1
responsabiliilade do que se escreve e^n um
peridico quo nem 80 menos hooolcial.
Valha-nus Dcos!
Disseram-ma que o Gonsalves Marlins ,
ou quer 011 quiz chamar a responsabilidad--
(arito o Arijos como o Cuaicur. A collisflo
lio trenenda. O desprezo em tal casme
parece o melhor ; porquanto o tribunal do
jury nSil d as garanlfS neeessarias hon-
ra e aos il i re 1 tus ollenililos ; demais a op-
msieflo 0 que sobre ludo deseja, para por
>'m em 11;.ni 8S ma--a -, he a I u'n ma / slal*vl 1,
que excite um inlcresse e paixSo dos parti-
do. Assim, a ordem publica, no meu en-
tender, exige que o liumem publico sacri-
liq 10 seus mais justos rescentiinentos, e
deixe a exigencia do desaggravo da sua
iionra ofTeudida, para qoan lu nflo oecupir o
cargo que ooecupa. Entretanto, ja fi/.eram
ns amigns do presidente a deles, que era
necessaria a conservaQflo do seu CuliCeito,
i|i:e- -n'an lu ao |iuhlicu a falsnlade das im-
nitacoes dos aggressores : o que fui mera
satisacflo, pois quo toda a provincia co-
iliece ao Marlins e seus adversarios.
A presidencia comprOU por conts do esta
do os hiates lana at ver, e Constante, ti o*
manlou armar pa-a Crmeirot, com os no-
oiesde Brasil e Haitiano. Esle acto foi unn
..-lira de e-co l.iin para a opposiQln, qil"
-erviu-se |iara excitar 0 o lio dos inarinliel-
ios in^lezes que cruzam neste porto ; por
que eqoelles baroofl haviam Sido indigiU-
dos e o piimeiro al nrocessado, porem
pronunciado e definitivamente desprotiun-
Cado pilo delicio do contrabando do 98-
cavos.
0 banco commereial npresentou spii re-
laturio .M ilo mez prximo passado. Del
se v que o DinvimontO de fundn no ulli-
ui saujesLrd elevoii-se a 19:173,979,437 rs
-enin por entrada 9,562 034,949 rs. e por
sbila 9 613:914.888 M, Sus lucros liqui-
los partiveis fio mesmo semestre, nionta-
ram em rs. 114.200 OoO ; porque veio a ser
o respectivo divi leu la de 5,71,100. conso-
guilltementede 1I,42|I00 ou 11,420 por 00
ao armo, e o interesse do cada iccflo 0,315
rs. para o semestre, e Qonseguintemnnto
|-J,69|I00 por 0|0 ao auno, contando com
12:706,000 o lautos rs. com que so aogmeo-
lou o fundo de reserva, que he do 110 883,*
lauto rs. actualmente Em raix cuita
se 305.721,000 o tantos rs. ; em letras e o
brigaeoCM a receher 236:390,000 e tanlo-
rs. Em letras juizadas eonta-ae apenas 1
diminuta quanlia de 10:92'.000 rs. e
131;789,000 e tantos rs em pculiores (i).
Nflo pote haver maior prudencia do que
a que palenteia semelhantn resn'l-no, pelo
que nSo se pode senflo louvar a admiiiislra
(jilo daquelle esUhelecimento. Ello pres-
ta sem duvida grandes beneficios ao com-
mercio, a lavooia e industria d provincia,
porui esta ne:'essilava >le um banco quo pU-
desse dar maior amplilme as Iransacces
que requeren! as necessid idesda provincia
Poucas ve/eso banco pode emprestar com
a facol.lade da olucfio por amortisaQflo ;
peque nunca, digo, raras vezes tem fundos
disponveis equivalentes transacces que
he um mal cunsideravel : porquanto os llo-
vedores nflo podem contar com a possihli-
dado de substituir! novos enipeiiliosaos
anteriores para reunirem nos respectivos
prasos suas obriga;0es.
Por esla rssflo no meu fraco juizo, a cai-
xa commereial, longe do fazer um bem a
l.i vi ni 1.1 e industria da provincia, foi muilo
temporfl e fazendo um mal ao banco o fez
anda maior ao desenvolvimento das frcas
produclivas, das tontes da riqueza provin-
cial, distrahinlo do banco os fundos qu.
poderiam para al afluir, e que Ihe teriam
lado a possibilidade de enillir com a mes-
ma prudencia maior soinaia de bilhetes e
ampliar seus descontos.
A caixa econmica tambem no ultimo se-
mestre, api ssr da paralisaeflo, quepor me-
zes snlTremem suasoperaces, deu um di-
videmln superior a 5 por 0,0, tlvez de
5 701100, que vem a ser mais de 11 por 0m
ao anno. Pelo que este esiabeleciinenlu,
que nu opimflo do um celebre economista,
he um dus mais verdadeiramente plulan-
Iropicos, tem lestatieleci 10 o crdito, que
s-' bvia abalado pe frouxidao, e impru-
dencia talvez, da administrafjflo anterior,
lisie estabelucment como Vmc SBbera
empresta subre lirmas a 1 por0|0 bo n ez,
com a faculdade de amortisar o capital
rasflo de 10 por 0|0 no piaso de seis mezes,
de sorte que o devedor, pagando os premios
alianlados de seis em seis mezes.va pagan-
do pouco seiisiveluiente o capital, e nu lim
de cinco o tam inteiramente solvido. Esta
faculdade faz com que, spesir de ser os pre-
mios que exigen banco rasflo do 8 nor0|0
aoanno tambem pagos ndiantados, nflo del-
ta a caixa econmica de ser um recurso
mili gran le,a todos os respeitos para as ur-
genclas mesmo do nommercio, da bvoura e
In lustria, o de todos rinantos s veem em-
baraijados em setis negocios, o tem ou pe-
iihores, ou algum croJlosinho por pequeo
Une seja.
Todava os beneficios que ambos estes esta-
beleclmentos e mestno a cala entninerclal (au-
xiliando mal o banco) prestain i provinciasao
inulto iiisuiricieutes, e o serSo emquanto nao
livermos outros eslabeleciinentos anlogos que
empresten sobre hypothecas. Parece lainbem
que nao os leremos emquanlo se nao rel'orma-
11-111 as leis das hypoihecas, abollado a adjudi-
cacio furcada, e permiltindo diversas e sucecs-
llva avaliacoef, emi|U.into n-i hajam laucado-
res que arrematen! a propriedade pelo valor
que Ihe he dado ; porque assim o devedor te-
na aempic iuteiesse de achar e procurar lanca-
dores.
Tmloquanlo aqu expui desses eslabeleci-
inentos, lem por lioi mosir^r-llic, que o gover-
no conserva seinpre a inesina conlianca ape-
ar dos esfor9 is da oppusciio ; bem que ella
l>retend 1 que a coufiinc do publico esli depo-
liaila nella ; que ella he que he a manled .ra
.la ordeio, e o governo quem deseja e provoca
a desurden!: o que he sem duvida um 6Wfi>
aeliaila.
Xjuie agora Vine, quinto maiores nao fo-
ain os progressos eo desenvolvinienlo de nos-
sos meios de proiperida-le geral, se o espirito
de partido nao cega-.e a certos bonicos, ou pa-
ra luelbor ilier. se nossas leis no fii.seio lao
Iracas,e InsulBdentei para a repressi de lan-
os especuladores que faxein guerra ao poder
soii-nle para o einpol^areiu, pretextando o
bem ser du pin c iii-iniianilo principios sub-
versivos c desorganlsadore ? Km vea de pro-
movereui os interesses materiaes da sociedade,
e apreseniarcoi ideias uleis, para o uielliora-
oi.'iiio da inslruccao publica e da edunacia da
niociil.ide, pregan! o drsrespciln saiiloridi-
des e as leis, desacreditara a constltulfio que
elles mesmos invocaui em eu favor pira a der-
rubareiu) bem entendido, fallo do partidistas
das ri-fiiiiias idifl da cunililuiat, e do r-pu-
bliraaismo, que fcliiiuente mo lem sequilo al-
gum nolavel.
N.id sei, porm, se feliz ou infeliiinentea op-
posico nio segu geialoiciilc Of inesni ,s prin-
cipios. Una oppuslol olitas Vralam delodiapor
O iiorle contia o Bill, e as provincias contra a
coi le ou conlia o Uto de Janeiro | outros sao
repiiOliiiueiios e pregaoi a necessiilade de cons-
tituidle i uniros nao ipiarein senau a uui-tanca
ila admloiitracao actual, preteitando a oecessi-
il.nl, Ue poltica divn no- clamaiii contra o
governo, que elles disem proteger os contra-
i.io Iisi.i- de escravos aficaoos ; .....in (os da
oppuSlcSo iiiineira) clamaiii conlr.i o governo
porque privn o Brasil d 'S bracos eioravaa, por
ni-j da lei, que reto acabar de una vc com u
conlrabando 011 cooi o trafico de Africanos.
Sera un beinei-sa lalca desordenada e incohe-
rente ? Ser um mal ? o lempo o nio-lr.ira. Pa-
rece um bem prsenle e mu mal de futuro pe-
los inultos elementos de eoinoustio, que se vao
semeando lieos se leuibie de ns.
Nao posso d.-isar de acirescenl ir que a sorte
desia provincia se me anlolha a inai trille pos-
sivel a nao haver algum incidente proporcio-
nado pela Providencia. A dliuinuicao >uccrs-
siva de bracos escravos que se val seguir pela
jessaciio de Africanos, que val sendo nolavel, e
|uc be acompuihala e nao podia deiiar de ser
Je nimio- individuos iia.cid.ii 110 Brasil, deve
le causar em a lavoura c em tmlos os ramos de
Industria, un obstculo invensivel ao seu dej-
euvolviineiito. c nina verdadeira paralisaco de
odas as fonies da prospendade publica, quan-
do nao acarrete una deca lencia scinivel, cou-
nderabilissima e muilo rpida lempo e una
talvez bem penosa experiencia he, que o mos-
iraio a quem viver ainda daqui a 10 anuos.
Ku desejo muito que meiis juitos a esle respei-
10 sejain errneos c completamente contrarios
so. le que nos esl reservada.
J que toquei na emigracao dos Africanos ti-
berios, julgo dever dizcr-lhe que esla emigra-
cio, depois dos clamores da opposicao, j Con-
tra o trafico, j contra a polica que era lachada
de (alia de elo e aclividade no euiiiprinieulo
das leis iiiiquasque prohibem aos Vl'iicanos li-
bertos a acquisico Ue beus de raiz, e in.in l-im
que selain reexportados aqnellesque se fue-
rein suspeitos, etc., quasi diariamente os pe-
ridicos annunciaiii a proxiiva retirada de al-
gum Africanos tanto de um como de oulro se-
xo para as cosas d'Atrica, muitos Oos quaes
condmem comsigo, mulher, filhos c agrega-
dos naturae do brasil.
ra, he manifest que nos ncaino assim pri-
vados de varios brafos c de alguma Industria
(os quaes sao capitaes apreciavelsy. alm mes-
mo de alguns capilaes materiaes; pois que al-
eiiiudesses Aficaoos queemigrain,dira mes-
1110, varios possuem bens de que oispein, para
com o producto respectivo treta esubelecer-se
nos logares para onde se retirara. Esl o Bra-
sil nas circiimslaucias de Ihe seren iudilTeren-
tes essas perdas?
A provincia da Baha possue presentemente
alcm de um sem numero de fabcicas de cha-
peos eavultado numero de fabricantes de cha-
peos de sol, que eiiipregam as materias primas
(I) Me parece todava que o banco podera ti-
ra ainda maiores lucros de seu capilal.se desse
n.iioi-cxicn.sao s suas opera9es, e talve se-
i.-io se houvessem retirado lao depressa, prln-
cipalinenle us ltimos meies do semestre que
.ii.ilioii, as enormes quaulias qui-saliiram dos
capilaes nelle depusiiados. Pois v se do rela-
loiio que no dito seme.irc enlria em deposito
para o banco a quantia de rs 2.41-2:964,00') c
tantos, c sabio a de n. 2,254:570,000 e untos.
ni. loes ollerecc o coiiimerclo externo, urna
fabrica de vinagre, que proinetle-nos progres-
sos satisfactorios, e tres fabricas de lecldos de
algodo que ltimamente lem apreseulado 110
mercado louas e riscados, urna especie de ten
do sene>'haiite ai) picote, e outros mais lecidoa
pri-leriveis s (alendas aualogas de Hubo que
,ao importadas da turopa.
1 inli.-iion- licni fundadas esperanzas de que
estas fabricas, as de sabao e 011 iras que o cirs-
ciineiilo oos capitaes e o espirito de associaco
quedeveiia uascer das novas circumsiaucias
que naluralmenle vlrlam com a execucao do
coiiigo commereial, cm poucos anuos duuinui-
riam inuUo cuusidrraveluieoie o tributo que
pagamos industriados palies da i.ump.i c la-
lam o nosso paii mais rico c mais felu. Mal
a soberba Inglaterra, e a sessaco completa da
iutroducco de escravos africauos, e sobre Isao
atada os temores do futuro, que lacutein os
partidos vier.iin i|in I11.11 pese mos a uossa 111-
.101111 e lavoura ou pelo iiieuos curiar-thea as
azas iiiiii que em breve poderiam elevar nosso
paii sobre lodosos outros da America meridio-
nal. Dos se cotupadeca do Brasil j ue esla a
ILEGIVEL


_
2'

upplica diaria que devenios faier ao Enle que
tem ein suas nios a sorte das uaces e o futu-
ro dos cegos e miseros mortaes.
Brrvc se concluir a apuracao da elcico pa-
ra senador. Eis-aqul o resudado das apura-
coe particulares de 27 collegios.
Oa scnbores Monteiuma 1,51!
Innocencio Marques (S. E.) 926
Parca 847
Pinhciro S27
llritto 68
A' requisifao da presidencia da provincia,
rcinetteu a cmara municipal de Minas do Rio
de ( oiiia., (in data de 16 de Janeiro dente anuo,
.( mesina presideucia urna rclacan que inencio
na o seguinte:
1." Uiiijeinbrulho, couleodo urna resina ou
especie de belumc que se encuntra debaixo da
trra Pin dlQ'erentei par|. i do dito municipio,
eque nao -alna a cmara se he produccao mi-
neral ou vegetal. He tirada aquella resina, de
que velo a amostra, do dislriclo da villa Yelha
do Rio de Contaa. mas se enconlra na fregue-
zia do Morro do Fugo, eem ouiras partes.
2 lima amostra de urna pedra da Serra do
Capeba, dislriclo da iiiesma villa Velbaquese
reclua pd c lunde-.se, e produ/. um metal dei-
oonheeido.
3 Urna amostra de pedias, que so suppoe
ser de ferro, e que abuuJaui no predito inuui-
cipio.
4. Amostra de pedras de cal que abundam
* ni diversas parles da freguezia do boiu-Jesus,
no Hrejo de l.ui/a de llrilto e Parnahyba
qual lugar fornece cal para a dita villa e ludo o
seu municipio ou termo, na distancia de l(i le-
guas da villa ao Hrejo. Do mestiio lugar (P
rahyba ou Hrejo) se a entrabe com abundancia,
al-un, i pedra hiiini.
Diz mal- a dita cmara que o municipio res-
pectivo i (iiiciii anda ricas MtiOM de ouro, cuja
explorarlo, por se liaver tornado algiim tanto
dimcil, tora despresada gradualmente, pro-
pio .am que (orara appareeendo as lavras dia-
mantinas do novo municipio de Sania Isabel :
que mi diversas erras se encontrara lindos
cristaes, e as da Tromba e do Gagau, na Ire-
guezia do Hora Jess, tainbein se tem tirado
algura diamante muido e era pequea quauli-
dade que era diversos lugares inoutaiibosos do
municipio existe una especie de grsso ouaules
tabilinga branca e mesnio de diversas corea de
que all se servem para calar e pintar casas; e
finalmente que as lavraa do dislriclo do Mallo
Grosso se enconlra tira metal, que se.upoe ser
cobre, do qual proraette remeiler amustias ao
goveruoda provincia, logo que as obtenba.
At nutra vei, que creio ser a l4 do curren-
te, dia era que se annunciou dever elar aqiii
em icgresso o vapor Teviol. Seu compadre,
etc.
.finido.
P. S. Esta eitava feila ha dias, por esperar-
se o vapor (que ha pnuco chegou) desde o da 8,
e tinha deixado para pr-lbcj a data quandoa
reinettesse para o crrelo.
Depois de escripia esta foi publicado unioffi-
< mi (I.i caioiaii liinoceiiciu Velusu Pederneira,
engenheiro, ern que declara presidencia que
mu pouca importancia tem us olijeclos das
amostras referidas enviadas pela cmara do
Rio de Jomas, asqnaeselle classicou com de-
notninaces da scieucia.
LlAiilU UK PKttlMllJLU
ICin, 17 II FEVEBEinO OB 151.
Pelo vapor nglez Teviot, entrado hoje do
sul recebamos jomaes do Rio de Jaueiru,
que alcangam a 11 do eorrenle.
De Buenos-Ayres e Hio-Giande do sul nc-
iil una noticia lia de inleresi,e.
0 Sr. manchal Antonio Correa Sfin ti
iih i part lo no uliimo de jamuro pinado
necompanhado de todo seu estado-maior
rom destino ao Rio-Par lo, a S Gabriel e o li-
tros pontos ia campanlia. O 'tarto do lUu-
Gtande do mes no da ia a seguidle noti-
cia, a Consta que fallecer em Porto-Alegn-
o l'aii :n> Jone Baietto em consequencia dos
atrozes fenmentos, de que foi victima poi
causa do theiuuro incanluda, que alguus fa-
cinorosos queriam, que elle descubrale
Somos Infurt ados de que o grupo, que o
victimara, coa>punba-se de un Italiano, um
Argentino, que servir na mashorca de Ro-
sas, e lim lira ileirn.
O VapO" Paquete do Sul ficava a partir no
dia 11 do corn ntc para O Rio-G'ande cor
o tiiii deconduzr tropa para a inesma pro-
Yincia.
Succedeu no dia 8 do eorrenle na Babia
do Rio de Janeiro urna desgrana das miis
alllictivas e consternadoras: o Jornal do
Coii.m'ercio de 9 a refere da mancha se-
guinle:
Das duas para as tres horas da tarde sub-
jnergio-se no [aucoradouro defronte da for-
talea de Villegaignoii, a galera frauceza Elua,
que ha poucos diaschegra do Havre, com des-
tino para San Francisco da California. Dcvia
seguir vagem por estes tres ou r|uatro das,
cnnduziiido 240 passageiros que Irouxeia d
Franca.
A Elita tinha a bordo 80 kilogrammas de pl-
vora n'uiii palo Ida pra, prximo do qual lia-
via nao sabemos que quaniidade de carvo de
perlra. Parti dese lugar una horrivel ex-
ploao que fez voar iiiimediatainente una par-
te das cuberas e da roda da proa.
- A tripoli(o composla de uus 30 inarinliei-
roi e mocis, dirigida pelo immedialo du navio,
oceupava se em tirar du poro alguos voluraes
que deviaui desembarcar. Pude safarse toda
pela escotilha e coirer para o lambadilho. Ah
se amunloarain tambera inultos pa>sag~eiros.
Erara cenlo c taulos os que eslavara eulo a
bordo.
A galera afoclnhou iinniediatamenle, e co-
mecou a submergir. Seguio-sea confusiio pro-
pria de taes occasies. Uos atiraraiu-se ao mar,
outros descerara como poderam para os boles
do uavio queestavam burda; e grande parte
tratou de ganhr as euxarcias, receaudo que o
mar o-sorprrheii'lcsse sbitamente'
A barca l'etrapulei, da comp.iuhia Inhoiiie-
riin, os escaleres da barca de vigia, das cuidar-
caedrs queseacliavaiu mats prximas da Etia,
da fragata franceza Con ne, c das uulras em-
barcacrs de guerra sui las nu purlo deram l ni
a esta >cena de desolar,o, acudindo u mais
promplamente que foi possivel.c condu/iiido
para bordo dos respectivos uavius tuda a gente
que appareceu cu lonibadllho ou qui^prucuia-
va Salvai-se a nado. Era teinpo, poique dahi
a pnuco sappareciara os maslrus da Elisa fu-
ra d'agoa.
a Suppdr.se que morreram urnas 10 pessoas,
equehouve vinle e tantusfeudos, alguus dos
quees mu gravemente.
("liando se dru o slnistro, voltava de Nithe-
roby para a corte a barca Cunitancia, untadas
que se einpregam nessa carreira; uenhuina
outra embarcac-o podia acodir raais a lempo
aos infrlizes que seachavam a bordo da Elisa,
porque bem perlo passava della; mas, custa a
cre-lo I apeiar das reiteradas instancias dos
passagrirus, o indigno im-slre recusou cora Id*
qual iliian I dureza pratlcar um aciu a que era
obrigado em viilude da sua inesma pr<,fi>su,
e mais do que ludo como liumein, sera preci-
sar que para iso o estiiiiulaaseiu. .\,n, licuu,
porin, seui alguma punicao to brbaro proce-
iiueoto este individuo foi despedido do ser-
vico da companhia apenas se apresentou na
ponle ao respectivo gerente.
i. I'rnmovem-se subscripedes para soccorrer
a tripolacao e os passageiros da Elita que nada
salvaran do que tinhaiu a bordo.
Aprsar de todos os desastres e ds med-
las fortes e decisivas ultimam"nle empre-
adas contra os tinlicantes de esoravos hp
eerto que o trauco anida nflo declina, e que
os armadores o> navios para a eos a d'Afri' a
> mais outros atliwlo$ anda nSo descubri-
r m melhor emprego para os seus capitaes.
que obstinadamente saenfieam a tantos re
voses pela insBCavel Mde de ouro que os
devora, l'm novo desembarque do africa-
nos ler-.e-li efTectuado no Rio, so a cor-
veta brasileira Bertioga o n.1o tivesse frus-
trado dando rara no navio, qu os condu
lia i o qual v "tido-se perseguido encalhou
na ilha da Marambaia, onde forara ap'esa-
ios pela tripulacflo da Bertioga uns70pr--
tos bucees, sendo encontrados alguns ja
morios e outros moribundos, afora os qjie
se dispersaram.
Ueste modo emquanto o governo m luir
a snh vigilancia c os crusadores inglezes a
sua insolente actividade os contrabandistas
lulo esquecem e tu'lo afroniam, e guiados
s pharol do mais torpe e criminoso inte-
reaie formigilo de todos os lailos.
Concloira-se no dia 7 do eorrenle o exa-
me a que se estava proceden do na alian le-
ga i|h corte ; e o resultado delle foi, quo os
Srs. Zignago Irmflos e Francisco Antonio de
Sampaio Guimar3cs entraran) pare o cofre
da meama alfandega coiu a quaiHia de rs.
8:451,259, importancia dos direitos defrau-
dados pelo despachante Domingos Theoto-
nio, dequem eram fiadores.
Ilavia no Rio a importante noticia da ce-
leb'aQSo de um tratado de allianca, entre o
B'a-il e o l'araeu y
tssaais--t>'B>asBi*-sBwai
Uep trligo da Polica.
PARTE DO DIA 13 DE FEVEftEIRO DE 1851
Foram presos : a or lem do chefe de uo
lea, i.n'i leii ni Teixeira I.ima, por criine
de lOuho : ordem do juiz municipal da
primeira vara desle termo, Manuel Valen-
lim Francisco, para cump'ir sentnca :
ordem do subdelegado da fregueiia de S.
Frei Pedro Goncalves do R-cife, o prelo An-
lonio, escravo de Jos Daniel da Silva, a re-
quisiQio de Francisco Gomes de Oliveira
a do sublelega(lo do Jo, Gandido
Francisco Marques do Espirito Santo, para
averiguar;0i's policiaes._________________
c**
-,x


ALFANDEGA.
Ilendimenlo do.lia 17.....14:732.460
nescarregam hoje 18 de ferere>ro._
Brigue francei Ernetlo ruercadoriis.
Itarca portuguesa Ligeira-- iden.
Itrigue austraco Peras! f-ninha.
Rrigue inglez Anbetla Tarbet hacalho
Escuna dinamarquesa Henry merca-
dorias.
Barca ameicana Douglas bacalhoe fa-
rinha.
brigue francez -- Yolof vnho.
CONSLAIi'HKKAL.
Kendimento do dia 17. 4:227.234
Diversas provincias...... 15,589
4:242,823
EXPORTACAO.
Despachos Mmvritimot no dia 17
Lisboa, tingue porluguez Veloz; de 299
tooela.las: culi luz o s-guinle : 9 eai.as.
2 453 SCCO e 150 birncaS com 13,927 ar-
robas e 27 libras de. assucar, 35 pipil agua
ardeiif.e, 93 barris e8 quartolas niel, 4 pe-
Iras d'i amolar. 10 niollius couros de catira,
1 caixa com 20 libras de < era de carnauba e
I dita com 20 libras de doce.
Trieste, tingue inglez hlu, de 226 tone-
ladas : oondui o seguidle : 3,130 saceos com
15,650 arrobas de assucar.
1 lem, biigue inglez 7"A*as Mellar, de
389 toneladas : conduz o seguidle : 4,900
sarcos com 24 500 arrobas do R'suoar.
Golhenhurgo, brigue sueco tiuslaf Mel'n,
de 360 toneladas con luz o seguinte : 3,271
saceos com 16.370 arrobas de a-snnar, 5n0
Courus salgados, 150 saccas com 718 arro-
bas e II libras de algodfio e 30 pipas agos
rdante,
REGEBEDORIA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Rendimento dodia 17......313,509
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento dodia 17.....1:711,8IS
RIO-DE-JANEIRO.
CAMSIOS NO DIA 10 1)E II \| 1(1 I un.
Londres, 2'J 3/4 a 30 d. esleil,. por )^rs.
Paris. 321 rs. por franco.
Lisboa 88 a 90 por cuto de premio.
Ilaiiiburgo (iOO rs. por mareo banco.
MKTAEa E rUMKJS PUuLICOS.
Metaes. Uncas liespauhlas .
. da patria 28^800
i. Pecas de /ioo. vclhas. lli/000
Uncas de i,-uiiii. uyiinii
a Pesos hespauhes. IsS.mi
a >, da patria i/S2n a l('Mu
Patacries .... 1/U20
Apolices de 6 por cento 80 e 86' 1/4
proviuciaes ... 85
iurnd do Cominercio.)

Trieste Tendo seguido do Lameirlo, bar-
ca ngleta Thomai Mellors, capito P. Mur-
phy, cargn assucar.______
tiiJ! B Afc9.
--Olllm. Sr. inspector da thesouraria da
fzenda provincial, em ctimprimenlo da or
Jem do Exm. Sr. presidente da provincia de
28 do correte, manda fazer publico que
nos das 18, 19 o 20 de feverciro prximo
vindouro ir a prnes perante o tribunal ad-
ministrativo da inesma thesouraria, por ser
arrematado a quem por menos (izer um
Unco de atierro da obra da casa de deten-
c.lo, avahada em 4:610,000 rs. esobas clau-
sulas especiaos ibaiZO declaradas.
As pessoas que se propozerem a esta arre-
manso coinparccan na sala das sesses do incl-
ino tribunal nos dias cima mencionados, pelo
meio-dia, corapeteuieiiienle habilitadas na for-
ma do artigo 24 do rrgulamenlo de 7 de raaio
do prximo passado auno.
E para constar se mandou amxar o presente
e publicar pelo Mario.
Secretaria da tliesuuraria da fazenda provin-
cial de Pernarabuco, 29 d Janeiro de 1851.
OsecretariOj
Antonio Femira d"Annunclacdo.
(i Clausulo* epteiaei da arrtmalaco:
l. O arrematante ser obrigado alterar
ludo o espaco lo terreno, comprebendido
entre o raio do sul e o do centro da casa do
d etenc-lo, mas o espaco em frente a extre-
.....la ie do raio do sul, e o caixo do raiu
lo centro, formando ao todo urna superficie
te 922 bracas qua Iradas, pelo preco de rs.
da Silva Campos, Joso Javier Faustino horas em ponto, no seu irmazem, ruaa
Ramos, Leopoldo Jos da Costa Araujo, Luiz Cadeia.
Gomes Ferreira, Maria da Fonseca Costa,
Padre Pedro Jos Nunes, Salusliano d'Aqui-
no Ferreira, Viuva Vieira & Futios._____
Thealro de Sanla-Isabel.
RECITA EXTRAORDINARIA
EM BENEFICIO OO ACTOR
Silvestre Francisco Meira.
Hjr, 18 de fevereiro de 1851
Depois quo a or.eheslra tiver executado
urna das melhores ouverturas, a companhia
nacional representar o excellente drama
em dous actos
A INIMIGA DE SEU SEXO,
oo
O Ceg de chorar.
No flm do drama as Sras. Baderna e Mo-
reau, em obsequio ao beneficiado danfarao
o passo a dous do
Lago das Fadas.
Em seguida o Sr Theodoro Orestes execu-
tar na sua rabees a grande aria final da
opera Lucia de Lamermoor, acompanhala a
mano pelo maestro cavalleiro Josquim
Geauini.
Terminar o espectculo com o excellen-
to dram8 sentimental em dous actos, orna-
do de msica
AI.T11UR
ou
DEPOIS DE D.BZESEIS ANNOS.
Aparta de ARTIiLiR aera" desempenhada
pelo beneficiado, que envidar todos os
4610,000, na raso de 5,000 rs. a braga |3^us esfrf;o! p;a satisfazer a espectacSo
iiiadia la
2.' Este alterro ser elevado ao nivnl 7
nalmos cima do esteio existente no cen-
tro to edilieio, no ponto em que se cruzara
oseiso < 3.* Nilo poder o arrematante abrir cam-
ba alguma em distancia menor de eem
palmos ilos alicerces, e ser obligado a al-
te rar primeiramente aquelles lugares (den-
do publioo, de quem espera proteccoe in-
tulgencia.
Comecar s 8 horas.
Os bilhetes achsm-se desde j venda
ui casa do ben liria lo na ra Bella n. 22.
Avisos martimos.
A escuna Emilia, de que he capit3op
tro do espaco do contrata,, ",-^ SK, Ug*Z
o enaenheIra encarregado da obra. _. __. .. j;. 4 -'Este atierro lera principio no espaco ^SJ^lT^Sra^lSSA
de 15 diaS e ser concluido no de 6 mezes,
a contar da data da arrematago.
5.* O importe desta arrematacSo ser pa-
go em quntro preslagOes iguaes; a primei-
ra aliando o engenheiro leconhecer estar
feila a quera parte do alterro ; a segunda
|uao lu esliver futa a metade ; a terceira
iua ii lo estiver feito os tres quartos do at-
ierro e quaila quando estiver inleiramenie
concluidii.
6." Para ludo mais que nlo estiver de-
clarado as presentes clausulas seguir-se-
na oquedispOe o regulamenlo das obras
pulili'a- ile 7 de mam de 1850
Feitaa e approvadas as presentes clausu-
las nela directora em conselho em sessao
de 27 ("e Janeiro de 1851. O director Uf
Mamede AI va Ferreira. H. A. Millel.
Jodo Luiz ficlor l.ieuthier, Approvo. Pa-
lacio du guv-rno de Pernambuco, 28 de Ja-
neiro de 1851 Sonta llamoi. Conforme.
O ollicial-maior, oaquitn l'iret Machado for-
tellu. Conforme. O secretario, ftn'om'o
Ferreira da Annunciac/lo.
O Illru. Sr. ins actor da thesouraria da
fazenla desta provincia, em consequencia
do nflico do Exm Sr. presidente da pro-
vincia da 10 do crrenle, o.anda convidar
as pessoas que eslSo de posse d" terrenos de
maniita, entr-i o arco da (onceicSo e o ar-
senal de mariniia, que an la nflu liraram os
respectivos ttulos, para que o faca no pra-
zo de sessenta das, sb pena de perderem
o ilireilo-ans niesmos terrenos, (para serem
ell?s eoncedidos a qum os pedir.
Secretaria da thesouraria da la/cu la de
Pernambuco, 11 de fe'ereiro de 1851.--0 of-
licial uiHior. guaci dot Santos da Ponceca.
Acamara municipal da cidade de Olinda e
seu termo, em virtudp da lei.
Faz saber a quem conver, que us dias
18, 20 o 22 do eorrenle mez vam a praga
por arrematag3u, purespasso de um auno,
as casinhas da nbeira, avahadas em 120.000
rs. ; o imposto de 200 rs. por cabega de
gadosuinn. avalia io em 20,000 rs. ; e 100
rs. de ovelhum, avahada em 12,000 rs. ;
seddn este impnsio cobra lo, segundo as
entradas dos mesmus gados. As pessoas
que quizerem a rrematar algum dos referi-
dos impostos, cumparegam nos menciona-
dos dias,a casa dassessO-'S da mesma cma-
ra,as 10 horas do dia, competentemente ha-
biitadoS Pago da cmara n iinifii al, aos 8
de fevereiro de 1851. Eu, Francisco Anto-
nio das Chigas, secretario interino o escre-
vi. oaquitn Cuvalcanti de Albuquerque,
presidente.
Pela inspectora da alfandega se faz
publico, que no dia 18 do crrenle se hSo
de anematar em hasta publica, na porta
d i mesma, depois do meio da, 175 alquei-
res de sal que se arham a bordo do brigu"
ksplito San'o,no Valor segundo a tarifa 53
rs. o alqieiie, tidal 93,265 rs; aprehen 'iuos
per acr ssniu 80 uuiiilVslO do mismo bri-
gue, su uia arrciiiaUg3o livre de direilos
80 ai l lll I mi.'.
A'fan lega de Pernambuco. 17 de feve-
reiro de 1851. U inspector interino,
/finio Jos Fernanda Bartoi
JJeiMarugo.
Moviinento Naviol entrados no dia 17.
Rio Grande do Sul39 dias, escuna nacio-
nal Santa Cru*, de 115 i n la i..-, Capitn
Mi noel Joaqun) Lobato, equi.agem 13,
carga carne secca ; a Juno Francisco da
Cruz.
Rio de Janeiro 6 dias e da Babia 1 3|4,
vapor Inglez Teviot, de 1,500 toneladas ca-
pitn llivetl, equipagera 91. I'assngeirus,
os brasileirus Iranc-lino Adolfo Pereira
..uiiiiaific-, S11i111.no l'ciciia da Multa, o
l>H ne Antonio da Rucha Viauna, Fran-
cisco Leiteda Costa, Maria Francisca com
sua familia e o Francez J. M Este vapoi
seguio para a Europadepuis das 4 lioias
da tarde.
batios tahidos no metnto dia.
Stockholm Barca sueca Elizubelh espi-
tan J. II. Knoll, carga assucar e couros.
Gollienburgo bngue sueco Oustul Sielin,
capitiu C II. Scbale, carga assucar e al-
^udiio
Falmouih -- Brigue nglez Pauline, capilSo
W. Calidades, Carga assucar. PaSsageiru,
o Inglez T. Calhdg.
Lisboa Brigue poiluguez Velos, capitn o I Bastos, Jo- Antonio Cunda t 111110,1-,, Jos
segundo tunele da uiarnha portugueza | Bernardo GalvAo Ale : llorado, Jos Joaquim
Jos ThompsoD. carpa assucar.
- O lllm. Sr. director do lyceu manda fa-
zer publico quo esta aherla a matrcula da
aula de lachigraphia conformo o ultimo re-
gulamenlo, que liiixuu da presidencia.
Secretaria do lyceu, 17 de feveeiro de
1851. J. A. S. R Caneca,
professor de d,zenho e secretario.
Pela subdelegada da freguezia da Boa
Vista, foi aprehendido um qoaiUo de cor
Cardio, queiu tur seu dohu dando os sig-
naea Ihe ser enliegue, pagando as des-
eras.
As malas que tem de condu-
zirovapor S. Sebastio. para
os por tos do norte, feixam-se
hojef 18 ) a 1 hora da larde,
as correspondencias que vierein depois des-
la hora pagarlo o porle duplo al as duas
huras
Carlas seguras existentes na adminis-
t' ico lio coricio para os seuhures : Antonio
d'aguiar lo Barros, Antonio Vicente Nasci-
metilo Feiloza, Bailar & Oliveira, Bernardo
Jos Lopes, Franklim Pereira Dourado,
Francisco Carlos llrando, Francisco de
Paula Silva Lins, Guilderme Frederico Sou-
zaCaivalou, JoioJum' Ferreira 'Aguia.,
Juo Piulo do |.orno.- Jnior, Jos Antonio
eorrenle, e smenle recebe passageiros 1
quem na n esma quizer ir de passagem en-
tenda-secom Joflo Carlos Augusto da Silva,
ou com ocapitSo, na ra da Cruz, armazem
n. 13.
A galiota 5S. Trindade sahe para o As-
s por estes 5 dias, recebe carga a frete e
uassageiros: a tratar com o consignatario
Francisco Alves da Cunha, na ra do Viga-
ro n. 11 j primeiroandar.
Para o Maranhao tocando no
Cear sahe em poucos dias o ve-
leiro brigue-escuna Laura : para
o resto da carga e passageiros tra-
ta-se com o capitao na praca do
Commercio, ou com Novaes &c C.,
na ra do Trapiche n. 34
Para o Rio de J>neiro segu vagem
nestes mas o brigue brasileiro Soares : an-
da recebe alguma carga, passageiros e es-
eravos : os pretendentes, dirijam-se ra
do Trapiche n. 5, escriptorio.
Para o P0111 sane nesles 8 dias o bri-
gue portnguaz Maria Feliz, capiiilo Miguel
Fernaudes do Cuino, por se amar quasi
luum, lo, faltando somonte cousa de du-
zontas barricas : quem no mesmo quizer
carregar ou ir de passagem, para o que
lem bous com modos, dirija-se ao consig-
natario Antonio Joaquim de Souza Ribeiro,
ou ao capillo na praga.
Para o Porto sal 1 com brevidade a bem
condecida e veleira barca Ftpirito Santo, de
primeira marcha, Turrada e encavil'.ada de
cobre : quem na mesma quizer c r de passagem, para o que tem excellenles
comraodos : dirija-se ao seu Consignatario
Francisco Alves da Cunha, na ra do Viga-
rio 11. 11, primeiro an lar.
I'ara o Porto s'.he com a
maior brevidade possivel, por ter
parte do seu carregamento promp-
t;i, alinda e veleira baiCa portu-
gueza Bracharense, da qual he ca-
pitao hodrigo Joaquim Correa ,
tem excedentes cmmodos para
passageiros quem na mesma q\.i-
d
O corretor Oliveira far leilllo de urna
porcilo do salsa parrilha, reoentemente
rbegada do Para pela escuna Emilia : quin-
ta fera, 19 do correte, as 10 horas, no seu
escriptorio, rua da C-ideia do Recife._____
Avisos diversos.
ATTENCAO.
Vai hojea scena notbeatro de Snta Iza-
bel o drama em dous ados-- Arthur coin-
posto porM. M. Dupeuty, Fontan, e Oavrig.
ny, e Iraduzido pelo Dr. Caotano Lopes do
Moura ; o nomo dos autores, e o do traduc-
tor bastan para fazer o elogio do referido
drama, e justificar a escolha do digno be-
neficiado o Sr. Silvestre Francisco Meira.
Bellas e excellentes ligOesde mural ali so
encontram : vem-se no Arthur ( dra-
ma,) os perigos da seduciilo, o orgulho dos
dos nobres para com o pleiteos ; o amor ma-
te* nal a ternura deum illbo por sua mili,
que nao rondn', e emflm a reparagflo da
oflensa. Tudo he grande, sublime e senti-
mental nesse drama, que o Sr. Silvestre es-
colbeo para seu heneflcio. N9o historia-
mos o drama, nSo s para nSo fazer minio
extenso este convite, como para 0S0 lirar-
uio;. a illuslo que elle pode causar ao pu-
blico. Nos, pois, convidamos a todos os ,1-
madores do theatro dramalicti a concor-
rerem hoje ao nosso Iheatro, que, dirigido
por um hbil arlista dramtico, que te-
mos visto, tanto tem satisTeilo, e prehenchi-
do a nou expeclacSo. Mil louvores damos
ao beneficiado pela mu acertada escolhi
que fez, e ainda mais se far digno da
tiossa itlcnrfii, se a parte de Mara,for
desempenhada pela Sra. Joanna, aolrz quo
nunca te' igual nesses papis, em quo uo
preciso excitar paixOes sentimeniaps
C.M.
25.000 rs. de gratflcagSn a quem pren-
der o prelo croulo de nome Paulo, altura
menos que regular, grosso e espa luado,
bem prelo, o at dos beigos, bous denles,
bastante barba, com urna marca fulla em
urna das mogas do rosto, ps largos e apa-
Ihetados, em urna das pomas tem tres ta-
llin- ; consta que mu lou o nome para Joo,
lem andado aqui pelo Recife trabalh de sei vente de pedreiro, e pelo Manguinho,
Ponte de Ucha e Tamarineira, anda cons-
tantemente a fumar, e he muito regrista ;
esta fgido desde 4 do eorrenle, e amia
conserva a roupa com que sabio, qu foi
caiga azul de algodSo iranga lo, ca nisa
branca, e bonete ; quem o aprehender con-
lii/a-u tua da I ni ni, quarla casa do lado
do nascente; ou a rua da Aurora n. 62, luja
do marcineiro.
--Precisa-se de odiciaes de sapateiro, ni
(rsvessa do Carpo Santo, luja de calgado n.
29, confronte ao lado do passo que lica em
frente da rua da cadeia velha, pagando-sa
bem as obras, conforme a perfeigSo deltas,
tambem se da obras a fazer lora, dan lo pes-
soa de sua fiaiiga; na mesma loja se com-
pram obras felas de todas as qua li la le.
Aluga-se dous pretos robustos para tra-
balhar dous ou Iresmezes, em um sitio per-
to da praga : na roa da Cruz n. 26.
Precisa-se alugar urna pi ca que seja
fiel, e smlia vender na rua : na Iravessa Corpo Sauto n. 29, ou anouncie sua murada
para vr procurada la,
Joflo Martins Gongalves rctlra-se para
fura do imperio, deixando por seu b'Slanto
procurador o Sr. Manoel Francisco Mariius
& Ini'flos.
Oabiixo assignado declara que Ihe fo-
ram dedadas or baixo d porla cinco let-
Iras das que I lie furam extraviadas de sua
Casa, sendo quntro de um cont de ris ca-
da urna, e a ultima de 163.61J rs e todas
aceit s por Jos Maria de Vascoucellus Hour-
bon, sen lo estas as un 'as que foram ex-
traviadas da referida lirma, e vindo todas
limpas, c .-'ni alteragflo alguma, o que avi-
sa para coiihccimenlo do pubico, esperan-
do que as p ssoa- mi pessoa, ern cujo po-
der esta o restante das le tiras, as restiiui,
pois que nflo Itie servem para cousa alguma
alterna as providencias que tomou. Reci-
fe, 17 de .fevereiro de 1851Por Gabriel
Antonio, Slanoel Ferreira de Souza Barbosa.
-- Precisa-se de um boin feiior para um
sitio perlo da praga : na rua de Smto Ama-
ro, venda que taz esquina da praga do Ca.
pim.
A direccao do baile de mas-
zer carregar ou ir de passagem, di-
rija-se ao capilao na PraCi do caras no thealro de Apollo, convi-
(Jommercio, ou a Novaes & Com- da aos Srs. socios a mondarem uas
,ianli a, na rua do Trapiche nu-
mero 34-
.Para o Rio Grande do sul sahe em pou-
cos das por ter o rarregamenlo promptu o
cataxo nacional Euttrpe, podo receber al-
gumas miudezas, passageiros e escravos a tivos railfies no
frele : trala-su na rua do Apnllo, armAzem
n. 14, ou com o consignatario do mesmo
Luiz Jo da S Araujo, na rua da Cruz nu-
mero 33.
Espera-se da ilha de San Miguel al fins
propostas para convidados al. o
dia ai, em casa dj thesoureiro, na
rua da Cadeia do rtecife n. 5o,
onde poderao procurar os respec-
dia 34 do cor-
rente.
O abaxo assignado faz scienle aos ere-
dores do Sr. Manoel Pacheco do Resen le,
que nflo lendo-lhe sido possivel al o pra-
do corronte o patacho portuguez Espadar- sent fazer o dividendo em rasflo de nflo ter
le, e segu para a mesma ilha com a maior receido o importe das lettras, por ter M-
brovidade possivel, por ter a maior parte da lecido los Ferreira da Silva Lete, a quem
Carga prompla : paa o resto e passageiros abaxo assignado vendeu-a taverna dn re-
trata-secom os consignatarios Oliveira |r. j ferido Ryende ; e por nflo se ter fechado
infios & Cumpa nina, na rua da Cruz n. 9.
------r -1------------------------r i------,
Leiles.
anda o invenfario do dito fallecido, e como
tcnia o abaixo assignado de fazer urna via-
gem lora da provincia, djixa o seo procu-
rador o Sr. Joaquim Francisco de Azevelo,
deaecrdocom o Sr. Luiz Jus da Costa
- O corretor Miguel Carneiro, far lei- Amoro, encarregados de realisarem esse
Iflo nodia terga feita 18 do crrente no seu >B"C'C, logo que lenham recebido o im-
armazem na rua do Trapiche n. 40, do di- j Korle (Ihs lBllrs Jo leslamenteiro do falle-
versos trastes e out-os muito objeetns ; as-;cldo '-Mlte' "" !Vt'rc"o Jos da osla
sim como ao meiu dia em ponto ir a lei- Aluga-se urna preta de meia idade, que
Iflo por ordem de seu legitimo dono, a pro-!Mlba l)e,n ven lerna rua : quem tiver, au-
onedade denomina la ilha de S.-luflo-ltap- i """C|e P"r al ''ha.
lista junio aos Afogados, sendo chflos pro-' "U8i* assignado roga a aquellas
lirios, e livre de decima, contendo duas pessnas quo leem penhores em seu poder,
excellentes casas de pedra e cal em bom hajam dos tirar no prazo de oiio dias, con-
estaJo, dous grandes viveiros, cento e tan- lados da data desle; do contrario serffo
los ps de coqueiros, bastante terreno que
produz capim, ou outra qualquer planlag9o,
a.in para gado, mangue que da bastante
Icnlii a qual oflerece grande vantagem por
vendidos para seu pagamento. Recife, 17 de
feverairo de 1851.
Bernardino de Alnteida />bo.
--O Sr. J. J. A. .A. apparega na rua da'
ser perlo da praga que pode bem servir pa- I,>rai" *6- negocio que Ihe interessa.
ra assenlar-se qualquer fabrica ; e vender- I --Precisa-se de um leiior para, um sitio
se muito em sonta: os pretendentes p- Perl da praga ede trabalhadores de enxa-
dem dirijir-se a mesma ilha para examna-
la e conhecer lodas as suas porporgOes, an-
tes uo da du leilflo.
xada : a tratar na rua do Collegio n. 13.
-- O rapaz que se oiTereceu no Diario de
sexta-feira, 14 do correle, para ser criado
Richard Rnyle far leilflo por inter- ; ou bulieiru, queira appar vengflo uo corrotur Oliveira, de gran le e Jadeia da s, em casa do Sr. Dr. Jos Lou-
ojtiii.o Kortiinento de fazendas inglezas, rengo Meira de Vasconcellos, que adiar ,
. algutnas variadas, por cotila de quem per-1 com quem contratadle infalivelmenle fazer
Hezerra Cavalcantedo Albuquorque, Josltencer: Icrgafeira, 18 do eorrenle, s 10'negocio.


^' '<
Targino G'>mes Pereira resi-
e na ra do Alecrim n. 6.
f No domingo s 7 horns da noile, no ca-
minhodc Santo Amaro, un preto arrancn
da orelha ili> urna mulhpr um bnnco, o qual
se denomina Carangnpijo : a quem fr of-
ferecido apprphpnd o levo-o ruada Con-
cordia ii 4, que spr hern recom ensado
No di 6 do marco prximo futuro ir
4 prac, perante o Sr. Dr. juiz de orphos,
por venda, um moleque orioulo, de 12 an-
uos, a rpQiierimenln do lutor dos orph.tos,
filhos do fallec lo Faustino Vidal de Ne-
greiros, avahado om 300,000 rs.
--Preciss-se de um corinheiro forro ou
captivo : na rua larga do Itozario, botiquim
defronte da botica do Sr. Manoel Filippc.
I>*sppnrecau, no di 16 do corrente, o
pardo Raymonrio, remanido pelo Sr. Jna-
quioi Jos Rarboza ( do Cear ) no ultimo
vanor, com os signaes SPguintes : baixo, ca-
bello bastante grande a corrido ; levou cal-
ta do lila, camisa de algod.fo branco, cha-
peo de palha e uma porg3o de roupa em-
brulbaila em um lenco encarnado ; he mil*
to de suppor que n3o seguase anda o ca-
minho do sertSo por dello ter pouco conhe-
cimento, e mesmo s se se encontrou com
alguna cantaradas-: mga-se, pnrtanto, as
autoxidadps policiaes a captura do mesmo,
bem comopessoas do povo o capitSes de
campo a quem se gratificar generosamen-
te, na rua da Cruz n 33.
Avis-se ao Sr. Caelano Francisco da
Silva Carvalho, residente na provincia da
prahiba do norte, morador na praia do Ca-
bo U'aoco, que ro u se por engao urna Cir.ta, a qual decla-
ra aer su, remellida por sua senhora An-
na Francisca Ribero, moradora na fregue-
zia de Santa Otilia do Sanguedo, comar-
ca da Feir, biapado do Porto ; se quizer ser
entrpgue da dita carta, annuncie por esta
folha.
-- Desapparpceu o preto Antonio Race,
por alcunha Caxanga, baixo e de cor preta:
quem di lie liver noticias, ou agarra-lo, le-
ve-o a seu senhor, na estrada dos Afililos,
junto capella do mesmo nome, que sera
recompensado.
TVn lo cliegado a psla cidade o llespa -
nhol Prdro Alvares Garca, professor de pia-
no e canto, se propOe a dar liges di sua
arte, podendo para esse (im ser procurad
I qualquer hora, na rua do Trapiche n. 15
J.i;"i Companhia rogam aos seus credores de Ins
apresentarem suas conlas crranles at ao
da 15 de fevpreiro do presento, is o no pra-
zo de 3 dial Recife, 17 de fevereirn de 1851.
Desappareceu, na noito do da 16, um
(avallo rudado vermelho, grande, magro,
com as dinas aparados, urna bexig as
costas, com uma marca de fenda na sar-
neia, novo e com curio passo : quem o ap-
I irehender, ,.inicia enlrega-lo na rua da Au-
rora, sobrado n. 60, lerceiro andar, que se-
r recompensado.
Quem anniincioo a compra das obras de
I). Jo,to de Castro e Cames, procure-as na
rua do Mundo Novo n. 30,
Em um engenho distante desta cidade
3 legoas necessita se de um bomem que te-
lilla boa moral, c que seja casado, para ser-
vir de mestre ce ltiro e frmicez a um me-
nino, dando-se, alm do ordeuailo que ver-
halmi'iite houver de tratar-se, casa para mo-
rar e roupa lavada : quem, pois, quizer em-
pregar-.se em semelhaute orcupagilo, an-
nuncie sua morada pura ser procurado, e
tratar-se a semelliante respeito.
Desappareceu, no da iQde
novembro prximo passado do en-
genho Cala, na cidade de Goian-
na, o preto crioulo Luiz, de 28 an-
ios, bastante ladino, estatura re-
gular, bem preto, milito baibado,
Cabelludo pelus pellos, cheio do
corp ', o branco dos olhos bastan-
te alvo, bons. dentes, feicOes re-
gulares; he oflicial de pedreiro e
carreiro; julga-seestnr nesta pra-
ca, porternella bastante conheci-
niento, ou para as p irtes de Agoa
Preta, onde havia pouco tinlia an-
dado como pagem em companbia
de seu senhor Miguel da Cimba
Ar aiijo Pinheiro : roga-se, pois,
a qualquer autoridade ou capitao
de campo que o apprehender, o
laca cliegar ao dito engenho Cat,
que ser recompensado.
Tendo o abaixo assignado escapado de
aer victima do punhal assasashio em imite
de 7 do Corrente, pelas 9 horas pouco Dala
ou manos, depois que voltra da casa de
seu visinlio o Sr. JoSo Jos de Amorim na
Passageni da Magdalena, aunJe eslivera de-
verlindo at aquella hora ; e havendo oc-
CorriJo a grave circunstancia de teroas-
sassino se approveitado da occasiSo em que
O mesmo abaixo assignado se achava ceian
do.e se introduzido no gabinete de sua casa,
entrando pela porta pi inri pal qfll se achava
aberta, sendo ali encontrado por uma es-
crava que a mandudo de sua senhora fora
ao uilo gabinete buscar objectos do servio
de casa ; o que deu lugar a (car toda sua
familia em sustos, e aos seus gritos acudir
a visinhanga, conseguindo todava escapar-
se orefeildo assassmo, apesar das diligen-
cias que fez o alnixo assignado para pren-
d-lo, na supposigilo de queain.ia o poiieria
encontrar 110 gabinete, ou em algu-ma par-
te do sitio ; roga o mesmo abaixo assigna-
do a to ios os seus visinhos de um e oulro
ladu do no Capibaribe que. tenham a hon-
dada de mandar correr os seus sitios, alea
hora de agasalliarem-se para evilar que o
mesmo malvado, ou outro de igual calibre
seintrodu/a pelos referidos simios, 1; con-
siga reali.-ar seu plano infernal ; ecom i-t<>
paustarDo um imprtame sorvigo ao abai-
xo assignado, que alm de ser pai de fa-
milia, lio amante do socego e obediente a
lei. Jos Fernanda Eiras.
-- Precisa-se ue um fetor que entenda de
jirdim e arvoredos de espinhos, bem cooio
encherlar e podar no pateo de S -Pedro,
n 4, pu em Pariumeinm, sitio do cirur-
giSo Leal.
nesta prac, dirija-se ao Atierro da Boa
Vista n. 21, que se dir quem nrecisa.
Chapeos de sol.
Rua do Passeio, n 5. 2*
NOsta fabrica ha presentemente um rico
sorti ment destes objectos de todas as co-
ros e qualidades, tanto de seda como de
panninho, por pregos commodos ; ditos pa-
ra senhora, de bnm gosto: estes chapeos
s3o feitoj pela ultima moda ; soda adamas
cada com ricas franjas de retroz. Na mesoia
casa se acha igual sortimento de sedas e
panninho imitando sedas, para-cobrir ar-
maefles servidas : todas pstas fazendas ven-
dem-se em porgSo e a retalho : tambam se
concerta qualquer chapeo de sol, tanto dp
hasteas de ferro como de baleia, assim como
umbelas de igrejas: tudo por prego com-
modo. Na mesma casa ha chapeos de sol.
de marca maior, de panno e de seda, pro-
prios para feilores de engenho, por serem
dos mais fortes que se pdem fabricar.
Prlmelras lettras.
O abaixo assignado, avisa ao espeitavel
publico que, desde o dia 7 do corrente, a-
cha-se aberta a sua aula de primeifas loltras
na rua do Mondego n. l O annunciante
contina receber pensionistas, meios pen-
sionistas e externos. Por mais de uma vez
tem elle patenleado ao publico as vantagens
que offerece a sua aula pela rasilo da loca-
lidade, e pelas accommodaces que a ca-
sa apresenta. N!to poupar cortamente es-
forgos 0 innunciaiUo para conseguir que
ng mis de familias que Ihe confiaren seus
filhos, flquem imeiramente satlsfeitos;
nos pelo que respeita ao tralamentof
c im 1 un progresso intellectual e moral dos
meninos. Outro sim, para evitar que os
meninos frequentem outns aulas fora da
casa, perdendo assim lempo com prejuizo
doscostumes, o abaixo assignado tnm es-
colhido mestre de msica vocal e instru-
mental, e bem assim professor de lingua
latina raconhecidampnto perito nessas
materias, para darem licfles aos alumnos
que se quizerem applicar ellas. O abaixo
assignado espera do publico, n egpeciamen-
te dos pais de familias moradores fura d
praQa, que apreciem os esforgos do annun-
ciante, animando o seu nascente mais tHu
til estabeleumenlo.
t'ranciico de Saltes di Albuqnergve.
* l'nnlo Gulffnoux, dentista ?
I fi-aucez. o (Tere ce seu presti- 9
* mono publico para todos os
* misil to de sua proflssao : a
* ptle ser procurado a qual- *
9) quer hora em sua casa, na %
, rua larga do Kozario, 11. 3C, %
* segundo andar. m
A peasoa que aonunciou dar um cont
de risa premio sobre hypoteca em casas
O Sr. Ventura Joaquim da Roza, cai-
SPiro do Sr. Francisco Jos GalvSo, baja de
fazer ou de ir pagar o que est aerando a
mais de dous anuos, e 11S0 o fazendosur
sempre lembrado.
Para rollegio de meninas.
Uma senhora que possue as hahilitacPS
npcessarias por ja ter sido empregada sete
annos em om collcgio da corte, oirorecn-se
para entinar lingoa franceza, bordar, p
lodos os trabalhos de agullla : quem pre-
cisar annuncie.
Antonio Gomes da Silva subdito brasi-
leiro vai ao Itio de Janeiro.
Nova fabrica de latoeiro, rua Im-
perial n. I8(.
O abaixo Bssignado avisa a todos os seus
fregiiezes tanto do luja de ferrageos como
silleiros, que na f'biica se acha prompto
um Completo sortimento de estribos de to-
dos os lamanlios e de moble francez, lisos e
de corixas grandes e pequeas ; esporas do
correas, ditas de tarraxa, ditas de molla ;
esrrevaninhas com campanhias e sem ellas,-
almofarizes de lo los os tamanhos ,- tornei-
ras para alambiques e tanques d'agoa ; bs-
sim como avisa-se os senhores de engenho
que precis'arem de alguma obra de concert
em seus alambiques, tanto simples Como
maquinas de Drosne, nolem mais do que
mandar em su casa um portador com dou>
cavados para conduzir a ferramenta o of-
licial que vai preparar a obra, ficando cer-
tos que scr3o bem servidos e por prego ra-
soavel Antonio h'ernandes Braga.
I'assaportes
A anliga e bem condecida agencia da ru
do Ruigpl, sobrado 11 9, continua a ira-
pasMportea para dentro e fr do imperio,
despachar escravos e correr folbas, tudo
por prego multo commolo, eactividade
A pessoa que aonunciou por este Dia-
rio querer comprar um sitio parto da praga,
e ca az para ter 8 vacs de leite, e arvore-
dos, quereudo um com todas estas propor-
ces, pode dirigir-se a rua do Quaimado,
luja n. 10.
V a quem toca.
-Antonio Joaquim Vidal, com
loja de ferragens na rua da Ca-
dtia do Hecife, pede aos seus de-
vedores, quesejulg-m com tem-
po bastante de apera, que Ibes
vao pagar seus dbitos o rnais bre-
ve que poderem, antes que seja
Toreado a procurar ser pago pelos
n.eiosjudioiies, para o que ja deu
poderes bastantes a um procura-
dor parii este fim.
Urna pessoa de boa conducta que sabe
bem !er, escrever, contar, grammatica por-
lugU'za, e escripturar por partidas dobra-
tas, oTrece-ae para qualquer escriptura-
ejo quem de seu presumo se quizer tili-
sar annuncie.
Aluga-se o sobrado da rua do Vigario
n. 13, tres andares, sotao corrido, uous
grandes mirantes, que por sua posigAo ele-
vada domina o mar de norte a sol, o co 1.
s maiscXcellenlesBccomroodagues; aluga-
se lambem separados oa ditos andares, as
chaves existem no armazem do mesmo
sobrado.
Precisa-se de um caixeiro que teoha
bastante pralica de ferragens e miudezas :
na rua Nova n. 2t), se dir quem precisa.
Vende-so urna nret do ng1o de boni-
ta (gura, de 25 anuos oouco mais olh me-
nos, a qual COlintlI muito bnm, PniornTia,
I iva do sabo varella, n no tnm vicios de
(iiinlidnde iileuma, oque sa alianga : no si-
tio da Sra. Viuva Cunha, ao p do Sr. r-
cenlo, no Hospicio.
Veodc-se uma pardinha escura do 10
annos, milito bonitinha, ja coze ch3o, he
muito sadia : na rua do Itangel n. 38, se-
gundo n -- Vende-so por haver cliegado fra de
tempo um rico cortinado de|fil5 de linho.
lavrado coro muito gosto, proprio para ca-
ma de noivos : na rua do Crespo n. 12.
*.? -- -------
derna. que p le i '' "aocor-
po do commercio e ao loro : ven-
de-se nicamente no pateo do Gol
legio, casa do Livro Azul, por
8,000 rs. o exemplar.
-OSr. J.J. C. mande pagar acame que
tomou na rua da rraia em fevereiro -!e 1850
Traspassa-se o arrendameito do enge-
nho Queluz, sito na freguezia da Ipojoea,
vendendo-so a safra no campo, o pngentio
he copeiro o bom, e tem bons cercados : a
tratar com Miguel Augusto de Olivelra, na
su residencia no engenho Camassari, na
freguezia de S. Amaro Jaboalo, ou com
Theotonio da Silva Vieira no engenho Ca-
\oeira da freguezia de Ipojuca.
Acaba de sabir do prcloa
seguinte e inleressante obra
Guia do Guarda Nacional,
contendo lei n. 602 de Igdese-
tembro de 185o, que d noa 01-
ganisacao a guarda nacional, o de-
creto n. 71a com as instrucres
para execucio da mesma lei, a cu-
jo decreto e instruccoes acompa-
ham oiizc mappas ou modelos,
nao s relativos ao processo da
' na lili cacao, do recurso ds revis-
ta, etc. como da economa dos
corpos, organisacao por munici-
pios, por batalbdes, comp^nliias,
etc. e fiialmente as instruccoes
le infantina para uso das guardas
nacionaes. Um vulume bem im-
presso em typos novos, por 2,000
rs. o exemplar : vende -se no pa-
teo do Collegio, casa do Livro
Azul.
Urna senhora branca, solteira, con 40
e tantos annos de idade, teodo uma lunga
pratica deensioar meninas, se offerece pa-
ra exercertal prolissilo em algum engenho
oerlo desta praga : quem, pois, deseo pres-
umo se qni/er otilisar, pn lea procura-la
na rua do Livramenlo, no primeiro andar
do sobra lo 11. 23.
-- Joo Ferreua dos Santos vai Portu-
gal tratar de sua sa Ip, e previne a quem
com elle mola negocios a tratar, procure-o
na rua do Amorim n. 37. do meio-dia as 4
oras da tarde dos oas uteis.
Aluga-se uma casa terrea
para pequea familia, nos bairros
Je S. Antonio : paga-se bem :
quem liver, annuncie.
Precisase de um bom cozinheiro pra
uma Cisi de fa nilia eslrangeira : a tiatar
na rua do Trapixe n. 3
Precisa-se alugar um sobndinho ou
uma casa terrea, prxima a rua Nova, que (
11S0 exceda a 10.000 is., propio para fami-il!oa V|SU .
lia: a fallar na rua Nova, ven ia 11. 5. tailiihl l'ontana.
3>OOOOeO>0 C3JOOOft! Vende-ae farinrn daquella aerediiida
5 Itua das Cn17.es 11. 2S. jj ; marca, sendo a ultima rhogada a este mer-
-ji Consultorio homwopatluco do faculta- 0 cado : a Halar com J. J. Tasso Jnior, rua do
t\ tino J. Ii. Caianova. ~i Ainori
Aos 20:000,00.i iis.
lua daCuileia do U-cife 11 24, loja de
cambio da Viuva Vieira & Filhos.
Receberam-ae as liataa na 12.' lotera do
theatro -le S. Pedro c 16.' da casa de corrre-
Cio, e igualmente os afortunados bilhetes
da sexti lotera a beneficio da cultura das
amoreirasecreag.li) do bicho da seda, da
qual vira a lista no primeiro vapor.
-- No armazem de S Araujo, 01 rua da
Cruz 11 33, vande-sa superior farioha de
mandioca a dousn.il ris a sacc, bnm co-
mo sola, coui'os miudos, peonas de ama,
tijollos para (impar metaes, 01c.
Lotetia do Lio de Janeiro.
Aos 20:000,000 rs.
Na rua cstreita do Itozario, travessa do
Quemailo. loja de miudezas o. 2 A. de Joa-
quim Francisco do-Santos Maya, vendem-
se os mui afortunados bilhetes, meios, qunr-
tos, oitavos e vigsimos da sexta lo'erii,
concedida a hennfloio da empre/a da cultu-
ra de amorairaa, ceagilo dos bichos da seda
e preparo della. Na mesma loja esla pateo-
tente a lisia da 16." da casa de correegilo.
Bom e li.r.iio.
Na roa do Passeio Publico, loja n. 9, de
Albino los l.eile, venleni-se ricos corles de
meias casemiras, pelo diminuto prego de
1,600 ra. A elles, rapasiada do bom gosto,
antes quo se icabem.
Vende s: cera' para lima de
cheiro, a !,<- do Rangel. sobrado n. 5l.
.- Venilem-se duas famosas rodas de scu-
piradamocr maodioca, um bom quartao
nniilo oovo, assim como una excedente
preta muito boa quilaniieir, que lava de
sal o aeuzinha o diario de uma casa : quem
preten ler, dirija-so a la da Conceigo da
Gratis para os pobres. !?
Na ausencia do facultativo J B. Ca- J?
*: sanova, o professor de bomceopathia "*
^ Gnsset Rimout continuar com os *r
'v trabalhos do mesmo consultorio, on- O
0 de poder ser procurado a qualquer &
3 hor-. O
m 11. 35.
~ Vende-so um preta da meia idade, a
qual sabe cozinhar, fazer todo ornis ser-
vido de urna casa e lia ontima para amada
meama : no paleo da Carino, no primeiro
andar do sobra lo novo,
-- Vciide-se una negrinba da 12 para 13
annos, piopna para ser educada, por ter
Sabio luz a importante 0-
bra Manual do Negociante ou
coilecoda legislacao fiscal e ad-
ministrativa do imperio do Brasil,
contendo toda a legislacao mo-
'3?OOO^0>O5>'^O3R53O!bOl, co'i'ucia : na travessa da rua bella nu
mero 6.
Attencao.
Vendem-se, nauta do Crespo,
loja n. 1, e na rua do Collegio,
loja d Estrella n. 1, casticaes pla-
tead is, de gosto o mais moderno,
viudos ltimamente de Lis 01; a
elles antes que se acabem, ou que
se remettam para a Babia. Vas
mcsmis loias tambem vendem-se
nietbodns pura violao.
Ven le-se ui;ia nova lavcrm rom os fun-
dos de 300,000 rs. na rua do Pilar, em F-
ra de Po. tas, n. 88 : a fallar com o dono na
mesma.
A l,Coo e a i,800 rs. a vara.
Ven le-se panno de lioho pan lenges,
de muito boa qualidade, com a deheadesa
de varas meiadarum elegante lengol sem
cosi a, muito conimodo para nfio niagoar
o c.n po : na rua do Crespo n. 12.
Pichincha a 1,100 rs.
Na roa Nova, loja de ferragens n. 23, de
.Ion 1 I ci naiiilcs Prente Vianna, chegou
novo sortimento de ma*roquios, e conli-
nua-se a vender pelo dioiinulo prego de
1,400 rs. a pelle, a elle freguezes antes que
se acabe.
Vende-se urna escrava moca
com unta cria de 7 mezes, cuj
Acha-se fgido desde o dia 6 de ja-
ooiro do correte anno, o eseravn Gabriel,
de nagflo liengualla, de i lade 30 anims,
pouco rnais ou monos, estatura regular,
preto, cabega axatada, olhos vermelhos por
-licito da caxassa, pois he bebado, bastan-
te ladino, denotando muila viveza, e he
muito contador do petas, e por isso se co-
nhece fcilmente fallando-so com elle, he
cozinheiro, barbeiroe pedreiro, fui escravo
do eapilSo lente Francisco Xavier de Al-
cantara (commandanle da ruverta anua-
ria), n vendido pelo capilSo tenenln Anto-
nio Carlos de Figueira Figueiredo (com-
mandanle do Caliopt), ao major Antonio da
Silva Gu8mflo, hoja seu legitimo senhor
uuem o pegar leve-o ao referido major
GuamSo, no Atierro dos Afogados, qua pa-
gar generosamente, e mesmo a quem der
icile noticia.
Compras.
Compram-se seis cadeiras de amarel-
lo ou de pao d'oleo, em tneiu uso e por pre-
go commodo ; e bem assim urna marque-
za : quem liver, annuncie.
Compram-se as OrdenagOes do Reino
em algum uso : na rua do Apollo n. 15, ou
oa rua do Qoeimado n. 17.
Compra-se uma commoda de amarelio
ou angico, que esteja em bom uso : a fal-
lar na rua do Rozario larga, loja de louga,
ou annuncie.
Vendas.
Ilaile de mascaras.
Para admirar !
As mui desejadas, procuradas e
excellemes uscaras de cera, com
mol is, cousa nova neste genero
entre n representando diversos
caracteres, todas circuladas de bar-
bas, big de*, etc, que di.pcnsam
at cabelleira, por muito commo-
do pceo : na rua da Cadeia do
Hecife n. 34, primeiro andar, a
tratar cem Jos francisco S
Leito.
Vendem-se travs de louro, de 36 a 40
palmos de cumprimento ; o 12 pas para
iiltral agoa : na rua da Praia, serrarla de
Cardeal.
Vende-se um terreno sito na rua da
Praia, com 40 palmos de frente, e perlo de
300 de fundo, po ti as para caes, porto de
embarque a toda ora, e de duas Trentes : na
rua da Praia, serrara de Cardeal.
ricas clx< para no, a2,WM; cixnhs
co 06 papnida guilla fr.inc* litas com bi inquedo p*r* m nios, a 480;
tpsourinhas muito linas, a 400 ; suueriores
escovinhas para dentes, 160 rs ; linhas
do paso, muito boas, a 60ea100rs. a
maiada ; agulhas cantofas, a 60 rs. o pa-
pel; pontes da baleia para alisur, o mis
lino qua sa pode encontrar, a 400 ; ditos pa-
ra segurar cahnllos, tanto abertos como fe-
chados, a 360 ; heogalinha de junco, a 200 ;
lin los maracas para changas, 240 e 120
SUlheiroa de vidro, do mui bonitos pa-
driies, a 200 ; barretes pintados pra ho-
3 ous e meninos, a feto ; babadoa de linnn,
abarlos, a 120 o a 140 rs. (i vara; cirpu,gas
da seda pret, o al unas par quem for clvo,
a dio ; toucis do seda pr-ta para changas,
a 500 ; liolias de carretel de 200 jardas, at
11 150, a 80 o 100 ; caixinlias proprias pr
guardar jolas, de 330 480 ; lindos touca-
dores, ontioios para as senboras sa pontea-
rem, a 3,000 ; e nutras muitas cousas bara-
tas : na rua do Quaimado, loja de miudezas,
junto a de cera n. 33,
Vendem sa cords de tripa e bordos
para rabpca e TiolSo, papel pau'ado para
msica, tuto de superior qualidade, che-
gado prximamente: na prag da la le-
pendeuci 1, loja de miudezas n. 3.
Vende-ae rap de Lisboa em frascos,
cliegado agora pala barca Ligeira : no largo
da assemblua n. 4.
Metas de lait para padres.
Vendem-se superiores maias de laia para
padres, polo diminuto prego de 2,000 : na
rua doQueimado, loja de miudezas, junto a
de cera, n. 33.
feotes de tartaruga para marraas.
Vcnd'in-se superiores peutes de tartaru-
ga pura marr-ifas, a 800 o oar : m ru do
Quei-nado, loja do miudezis, junto a de ct>-
a 11. 33.
Luvas de pellica para senhoras.
Vendem-se snperiores luvas de pellica
para senhora e para homan, a 1,000 rs. O
t> -i : na rua do (Ju'imado, loja de miude-
zas, junto de ce>a n. 33.
-Venlem-sa meios bilhetes da lotera de
N. S. do Livramento, a 5,5U0 na rua do
Calinga, loja do miudezas n. 9, junto a de
ourives.
a,001 rs. para a pobreza.
Vende sa excelleole farioha de mandioca,
recentemente ohegada de Santa Cdbarina,
em boas sacias novas da bom algo lilnzi-
nbO : na nraga da boa Vista, venda de Joa-
quina de Paola i.opes o. 18 : approveilen a
occasiao antes quo apparega o especulador
para a usura.
Ni rua do Livramento n. 10,
ven lem-se superiores cambrai* da lu lia de
Cres, proprias para vestidos de senhoras,
pelo diminuto prego da 320 rs. o covado ;
assim como chitas de riquissimos padrO'S,
a 210, 280 e 300 rs o Covado, sent essas
quaal urna seda ; casemiras do ultimo gos-
to pro iras para a rapaziad ir a fasta de
S. PantaleSo no Mouteiro, a qual s com es-
tas Casemiras podara se tornar mais bri-
Ihaiite I'iigos do sada pira grvalas, a
2,000 rs. ; p ou'ras muitas fazendas, que sa-
rao anuuiicia las hu presengu dos fraguo-
yes, pois do contrario sus pregos c.usa-
liain admiracao ao publico.
Luvas pretns Ce torgal.
Vendem-se sunenoras luvas pratas de
trogal, tanto para seoh ir como para me-
ninas, pelo ba'aiissiiiio prego do 1,o00 rs.
o par: na rua do Quemado loja do miude-
zas junto a decaa 11 33,
Grvatela de mola.
Vendem-se superiores grvalas d mola
pelo diminuto prego de 2,000 rs. e 1,600 rs.:
na rua dotjueiinado loja de miudezas Junto
a de Cera n. 33.
OOOi^OO:0OO:OOGO
& Vende-se, na rua Nova n. O
8, loja deJo- Joaqun Mo- ^r
reir & Companhia, muilo '
boas e fi escs cordas de tri-
pas para rabeca e vilelo,
loo ris rada uma.
99090:909:09 )9:99990
Vendem-se duas canoas em bom es-
ta lo, que carrega cada urna mil tijollos do
alveoana grossa : na rua das Larangeiras,
venda n. 16.
- Vende-se um par de mangas de vidro
lapdalas, inglazas j um bahi de couro ;
nmcaixode Qaadres, forrado de madei-
ra, proprio para ve oler fa/endas ; um ca-
nap da Jacaranda, usado ; urna banca de
rondn : tudo por barato creen : na rua do
Itozario larga n 22, segundo anlar.
Ol.)retos para mesa.
Vendem-sc ricos jarros de poro daa doa-
ra los, em ponto pequeo, a 1,600 rs. o par:
o nutras calungasde dilTerenles gustos lam-
bem nimio baratas : na rua do QueinaJo
loja de miudezas junto a de cera n. 33." *
Cartas Trancczaspara vollarcta.
Veii'lem-se (nissimas carias francezis
para vollareta : na'ru do Quaimado loja de
miudezas junt a de cera o. 33.
-- Veo le-se um carro de quatro rodas,
muito leva, eque da commodos para qua-
tro pessoaa, e por isso mui proprio para
quatro Srs. e*luJantes, que queiram ir a
O
9
9

9
9
9
escrava coziaba, lava e engomma onnda todos os dia : na cocheira do Fran-
o diario de uma casi ; tambem
se vende um e.scravo moco, pro-
prio para qualquer servico, por
ser possante : na rua da l'.aia
11. 3a.
Na rua das Cruzas n. 18, terceiro an-
dar, vcndein-se, uma ptima escrava parda
di 26 anno quecugomina bom, cose chao,
co/.ioba e lava d" satio ; uma preta de 30
anuos, que coznha, lava e venda na ru ;
um eleg ote escravo de Anguila da 22 an-
uos, ptimo cauoeiro ; um dilo de nag3o
de 30 anuos, ptimo ganhador de rua e
mesmo para canipo.
Vendo-sP por precisSo uma parda de
boa ligera de idade, de 25 a 30 annos, boa
lavadeia de salino o 0e varrella, reliua as
sucar, faz toda a qualidade de doce, cozi-
nha o diario de urna casa, ptima paran
servigo do campo, pois disso tem grande
pratica : quem a preleuder dirija-se ao Afo-
gauo, na la do Molocolomb.
Isto he que he bom e barato,
Vendem-se ricos chicolinbos, proprios
para senhora, a 800 rs. ; ditos para homeui,
a 800 e a 600; charuteiras Unas, a 1,800;
gois, boceo do Capi-n.
A 2,5oo ris.
Vendem-se a dous mil e quinhentos ris
lindos chapeos braucossem pello, para ho-
oiens e meninos, mu prophos para pas-
-,-ois : na praga da Independencia ns. 24,
26, 28 e 30.
Attencao.
Na rua do Queimado, loja n. 17, sSo che-
gado. os mais modernos manteletes, capo-
I mine e palitos de nobreza do sada prela e
de cores, rala um em seu uarlo, por pre-
go tan barato que faz admirar a quem tem
vuniade, de comprar.
Ao resto da pichincha.
Na rua doQueimado, loja n. 17, vende-
se um n-sln .le cambalas .le 1:1a aberlas, m-
1 nol.olas /Linaria-i.i, de padiOes mui deli-
cados, a 360 rs ocovaJo; e oulras fazen-
das por diminuto prego.
Ven.iem-s caitas com charutos de 50
a 100, os meltiores de S. Flix: na rua da
Cadeia do Hecife n. 15.
Fil de linho preto.
Na rua do Queimado, loja n. 17, vende-se
Ri preto lavrado para manteletes, a 2, 3 e
4,000rs. a vara.
1
. i
ILEGIVEL


A
*
Moendns supeviores.
Na fundigJo do C. Starr & Companhia,
ti S.-Amaro, nchm-se venda moendas,
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construcgSo muito superior.
(rande aortinicnto de charutos
da fabrica de S. Flix, no ar-
ina/.cm de Crocco S Conipanhia,
vnadn Cruz n. 21'.
silo chegados a este arma/ero os verda-
deros charutos regalos, regala, cacadorps,
deputados, venus, senadoras e soberanos
de llavana, em caixas de cem e 250, por pre-
sos rasoavejs.
A pobreza.
Vendem-se cebollas americanas pelo ba-
rato prego de 80 a 160 rs. a restea, e a 320
r. o cont das soltas : nos armazons do bpc-
codo Concalves, junto a casa da Sra. Viuva
I.asserre
Vendem-se arados america-
nos dos modelos mais approvados:
na ra do Trapiche n. 8.
Deposito de cal virgem.
Na ra do Torres n. 12, ha muito supe-
rior cal nova em pedra, chegada ultima-
mente de Lisboa no hriguc Tnrvjo-Terceiro.
Potassa da Itussla.
Vende-se potassa da Ilnssia. recentamen-
te chegada, ede muito superior qualidade :
na ra do Trapiche n. 17.
Talxas para ciigcnlio.
Na fundigfto de ferro da ra do Rrum,
acaba-so do rocohor um completo sortlmen-
to de taixas de a 8 palmos de bocea, as
quaag acliam-se a venda por prego com-
nioilo, e com promptidSo embarcam-se, ou
carregam-se em carros sem despezas so
comprador.
AGENCIA
da fundicSo Low-Moor.
RPA DA SENZALLA NOVA N. 42.
Weste estabeleeimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamaitos, pa-
ra dito.
Chumbo de munico.
Vende-se no armazem de J.J. Tasso J-
nior, ra do Amorim n. 35.
~ Vendem-se amarras de ferro : na ra
da Senzalla nova n. 42.
Arados de ferro.
Na fundigo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Deposito da fabrica de Todosjos
Santos na llaiiia.
Vende-se, em casa de N. O. Uiebpr & C. ,
na ra da Cruz n. 4, algodfto transado da
qnella fabrica, muito propno para saceos dr
assucar e roupa de escravos, por prego com-
mojo.
ntigo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa
no brigue 7aruo 111.
Cal vigem ae Lisboa,
da melhor que ha no mercao'o, e
chegada ha dias pelo brigue Em-
preza : trata-se com A. C. de
Abreu, na ra da Cadea do Re*
cife n. 37.
Na ra estreita do Rozario, travessa do
Queimado, loja de miudezas n. 2 A, do J
F. dos Santos Maya, vendem-se cordas de
tripa e bordOeg para violo e tabeca, e pa-
pel pautado para msica, ludo da melhoi
qualidade possivel.
lio para sapateiro c para saceos.
Vende-se um restante do ptimo fio pr.
sapateiro em novellos, edito em meiada.-
para saceos, por prego commodo para li-
quidar facturas : em casa de Adamson llowie
& Companhia, ra do Trapiche n. 42.
Lotera de V. S. do Livrainento.
A os 5:ooo!$ooo rs.
Na loja de miudezas da praga da Inde-
pendencia n. 4. vendem-se bilhetes, meios,
quartos, quintos, decimos vigsimos, qu>-
corre impreterivelmente no dia 28 do cor-
rente.
Rilhetes inteirog 11,000
Meios 5 500
Quartos 2,600
Unilos 2,100
Decimos 1,100
Vigsimos 600
Cera em velas.
Vendem-se caixas com cura em velas, fa-
bricaba no Rio de Janeiro, surtidas a vonta-
de do comprador, e por prego mais barato
do quo em outra qualquer parte. Trata-se
com Machado & Pinlieiro : na ra do viga-
rio n. 19, segundo andar.
~ Vendem-se pegas de chitas pardas, co-
res fixas, a 4,500 rs. e a relalho a 1-20 rs. ;
cortes de cambraia, mui bonitos, cores fi-
las, a 2,600 rs. ; c 100 saceos de estopa no-
tos, com duaa varas cada um, a 320 rs.: na
ra larga do Rozario n. 48, primen o andar.
Tecido de algodo trancado na fa-
brica de Todos os Santos.
Na ra da Cadeia n. 52,
vendem-se por atacado duas qualidades,
propriaa para saceos de assucar e roupa dv
escravos.
Deposito de e-pelhos das ma-
nafactuiasde rranea: na ra do
Passeio n. lo.
Tinta para escrever.
Vende-se excedente tinta para escrever,
em frascos de mais de garrafa, a 480 rs. ca-
da um fra-c i : na livraria ns. 6 e8 da pra-
ca da Independencia.
Vende-se urna escrava cozinheira, sa-
da e sem vicios, o que se a flanea, assim co-
mo quatro vidragas para loja de miudezas
ou de sapateiro: tudu em coala : na ra lar-
ga do Rozario, loja u 35.
Vendem-se queijos londri
nos, touci.iho em mantas, ervi-l
i/ja verdes, conservas de todas asJ
qualidas, cha preto, pos para p3o
sem fermento, baldes para com-
pras e mais gneros; tudo ultima-
mente chegado de Londres : na
rua da Cruz n. 7, armazem de Da-
vis & Companhia.
Loteria de N. S do Livramento.
Aos 5 000,000 rs.
Na rua da Cadoia n 46, loja de miudezas,
vendeu-se o bilhete inteiro n. 951, em que
sahioasorte de 1:500,000 rs., o estilo c\-
postos vnda os bilhetes o cautelas da
mesma loteiia, que corre imprctcrivelmen-
lo no dia 28 do corrento.
Rilhetes 11,000
Meios 5,500
Quartos 2,600
Decimos 1,100
Vigsimos 600
Vende-so na rua da Senzalla Velha,
padaria n. 100, ao entrar pelo Recen Largo,
superior tartana de mandioca, vinda lti-
mamente de S 1 uta Calharina ; por cada sac-
ca pagar o portador a pequea quantia de
2,000 rs. leva urna sacca nova de bom al-
godflozinho, equerendo,desconta-se-lbe 260
rs. passando para outra sacra que leve.
Iloin e barato.
hua do Passeio Publico, loja n. 9, de Al-
bino Jos Leite, vendem-se riscados mons-
Iros, a 200 rs. o covado ; cassa para baba-
dos, a 210 a vara ; madapolo, a 2,000 a pe-
ca e a 120 a vara ; chitas, a 4,500 a pega e a
120 o cova lo ; chapeos de sol,-tanto de ar-
111:11; to d'ago como de baleia, a 2,000 ; len-
cos do seda de cores, a 1,500 ; tuina de l-
nho azul ede cores, a 300 o covado ; cha-
les de chita, a 500 e 640 chita para coher-
ta, a 160 o covado ; o oulras muilas l'azen-
das, que se deixam de annunciar para nu
oceupar lempo.
fc Alg:odao pai-a saceos. f
% Vende-se muito bom algo ISo para <-
i saceos de assucar, por prego commo-
* do : em casa de Ricardo Royle, na t
1^ ruada Cadeia n. 37. $
#:. >f :###
Lei da guarda nacional.
Vende-se o peculio do guarda nacional,
contendo a lei, regulamento e o mais preci -
so para a mesma, a 1,000 rs. cada exem-
tilar: na praga da Independencia, livraria
ns. 6 e 8.
Na rua das Cruzes, venda de Domingos
da Silva Campos, vendem-se e alugani-se
as melhores bixas ilc llamburgo, tanto em
porg3o como a relalho, por prego commodo
Vendem-se candieiros para
meio de sil.1, muito ricos, com os
competentes globos, canudos e lor
cidas, dando a luz mais bnlhinte
possivel : na rua do Trapichi n. 8.
Arados de Ierro.
Vendem-se arados de diversos
modelos, essim como americanos
com cambao de sicupira e bracos
de ferro : na fundico da rua do
l 1 uni ns. G, 8 e 10,
Cimento.
Vendem-se barricas com cimento, pro-
prio para qualquer obra quo possa rece-
her agoa, assim como para aljeroz e Ira
lieiras, prximamente chegado de llam-
l>urgo, lamheni se vendem as meias barri-
cas por (11 t-i- 1 iiirno 11 'u : airas dn Iheatro,
armazem do laboas de inho, a fallar enm
Joaqun Lopes de Almeida, caixeiro do Sr.
I0S0 Matheua.
Na rua do Collegio n. 16, taverna de
\nlonio Joaquim Kerreira da Silva, vende-
se superior fannha de mandioca em boas
saccus, a 1,920 cada urna, advertindo-sn que
esto prego ne para quem se quizer a pro-
reliar, porque esla pechincha no pode
durar,
-- Vendem-se manlelletes de fil borda-
dos a dez mil ris, e de nohreza lisa a
guise mil ris : na loja de seis portas em
frente do I mmenlo.
Roga.se aos Srs. (Vcsin/.c- do ba-
rato que leinin o scg/iiiiitc
nnnnncio.
Vende-se brim de quadros de linho, a
320 rs. o covado ; riscado de linho, a 220 rs.
0 covado ; dito de algodlo, a 180 rs. o co-
vado ; 1 ecote muito encorpado, proprio pa-
ra escravos, a 180 rs o covado; castores
muito encorpados, a 280 rs. o covado ;
brim transado branco de linho, a 1,920 rs.
orite;dito escuro, a 1,600 rs. o dito ;
esguiOo d6 algodflo de 12 jardas, a 2,400 rs.
a pega corlesde fustflo, a560rs. ; colier-
lores escuros de vlgod3o, grandes, a 720
rs. ; cassa preta, a 120 rs. o covado ; chita
de cores (xas, a 160 e 180 rs. o covado : na
rua do Crespo n. 6, ao p do lampeSo.
Cheguem a pechincha que se est
acabando.
Vendem-se relogios americanos, proprios
para cima de meza, muito bons regulado-
res, e por preco muito commodo, para ebe-
garem aos pob es : na rua do Trapixo n.
8, e na rua das Agoasverdes 11. 62.
Atlencao.
-- Vende-se na loja nova na rua do Cres-
po de J. L. d" R. Taborda gollas com pes-
cocinho, por menos prego de que em ou-
tra qualquer parte, e'para desengao dos
compradores venliarn ver chitas fraucezas
a 300 e 320 rs. o covado.
-- Vende-se cobre em folha para forro,
em casa de James Crabtree & C na rua da
Cruz.
Vende-se a verdadeira graixa n. 97 em
casa tle James Crabtree & C. na rua da
Cruz.
Lotera de N. S. do Livramento.
Na botica da rua do Rosario Larga n.
42, vende-se billietes iuleiros, e meios, cu-
jas rodas andSo no da 28 de fevereiro.
Loteria de L. S. do Livramento.
Na botica da rua do Rosario Estreita n.
10, vendem-se bilhetes iuleiros, e meios,
mais baratos que em outra qualquer par-
le, cujas rodas andSo no da 28 de feve-
reiro.
Lotera de N. S. do Livramento.
Na loja de fazendas debaixo do arco
la Conceigo n. 6, vendem-se bilhetes iu-
leiros, e meios, cuj -s rodas andSo no dia
28 de fevereiro.
Vende-se muito nova fari-
nha de Santa Catharina : a bordo
lo brigue Sagitario, fundeado
defronte do trem, por preco mui-
to commodo.
Rap Paulo Cordeiro do Rio de
Janeiro
em latas e frascos, chegado recentemente :
vende-se na rua da.Cade^ do Recife, loja
n. 50, doCunha & Amorim.
Vendem-se bilhetes da lote-
ria do Livramento; as Cinco
Pontas n. J39.
Litros baratos.
No Atterro da Roa-vista, loja n. 54; na
rua Estreita do Rosario, loja n. 15; ede
fronte do trapicho novo, casa n. 6, ha
venda as seguintes publicagOes :
Memorias de um Doido por Lopes de Mon-
donga ; Leilura Repentina, por Castilho ;
Contos ao SerSo, por Ribeiro de Sa; o Preso
pelo dito ; Curso A' InilrucgSo da Historia
Natural; Poesas de I). Luiz Riverao;. Re-
vista Militar contendo os conhecimentos
necessarios a esla nobre clasae ; Elefnen-
tos de arithmetica; Jornal das bellas ar-
tes; Almanaks populares; Vista do Cerco
do Porto; Cartas da India e China ; Duas
Dianas, romance de A. Du.nas ; Panorama
de Lisboa ; A Seman, jornal scienlifico : o
Thenue, dito; Revista Universal Lisbonen-
se, d'lo; Universo Pitoreseo, dito; Vistas
de magnficos edilicios ; Retratos de pes-
soas celebres. ,
N. !>ommatean, cutilciro c ar-
metro, Aterro da loa Vista
numero 1G,
lem a honra de participar aos seus fregue-
zes, quo recebeu pelo ultimo* navio chega-
do de Franga, um lindo sortimento dos ar-
tigo* seguintes : eatojos para senhoras em
forma de piano, ditos em forma de moi-
nhos de vento, cestas para senhoras, eato-
jos para guardar fumo e charutos em forma
de carro a vapor, cortadores de relogio, ca-
begadas de lita (seda vegetal), bonets de
dita, esporas d'ago com correia, (lilas folea-
das de prala, charuteras, carleras grandes
e pequeas, esporas de mola, desalo e de
tarracha, e muitos outros objectos. Todos
estes artignssflo de ultimo gusto e de su-
perior qualidade, por isso qu o annuncian-
to, assislindo mesmo em Pars, leve uc-
casilode velar sobre a boa execugSo dos
objectos com que vai sorlindo o seu esta-
beleeimento nesta praga, e que por isso se
tonam mui recommen lavis pelos prego,
que 3o os mais baratos que at eutSo.
Deposito de cal virgem e potassa
Cunha & Amorim, na rua da Cadeia do
Recife n.50, vendem cal virgem em pe Ira,
chegado pelo ultimo navio de Lisboa, e po-
tassa de bo qualiiade, por menos prego do
queem oulra qualquer parte.
Vendem-se escravos bara
tos como seja 3 negrotas de i4 an
nos; 6 pretas mocas de bonitas h
sures e com tisanas habilidades t
2 pretas ptimas quitandeiras, ur
3oannos; I dita que cozinha mui-
to bem, por preco muito em con-
ta ; 5 pelos mocos, ptimos para
qualquer servico ; 1 mulatinho de
i5 anuos j 1 preto que enlcnde de
lazersabao, por j ter trabalhado
em urna'grande fabrica no Mara-
nlifia : na rua das Larangeiras n.
l4, segundo andar.
Pechincha.
Na loja nova da rua do Crespo n. 10, de
J. L. de B. Taborda, vende-se alpaca preta
de tolas as qualidades. a 640, 710, 800.
1,000 e 1,200 rs. o covado; cortes de b'im
escuro de linho puro de 2 l|4 varas, a 1,000
reis. -
Vendem-se 10 escravos, sendo 1 pti-
mo oflicial de peoreiro, e que sabe Iraba-
Ibarem assenlamciitode engenho ; i dito
bom carpina ,- urna mulalinha de 12 a 14 an-
nos.de bonita figura, que eng irama, cose,
faz lavarinlo e marca de linha ; urna escra-
va de ih anuos, que cose, faz lavarinlo,
maica de linha, co/inha e faz doces ; duas
ditas de lodo o servigo ; e 4 escravos do
.-cvico decampo : na rua Direita n. 3.
Chapeos de mola a 5,5oo rs.
Na loja de seis portas, em frente do Li-
vramento, ven tem-sa chapeos de mola, a
5,500 rs de boa qualidade.
Fil bordado a 1,600 rs. a vara
Vende-so fil de cores bordado, proprio
para manteletes e vestidos, pelo mdico
prego de 1,600 rs a vara : na loja de seis
portas, em frente do Livramento.
Aos 5:ooo,ooo ris.
Vendetn-sea 5 500 rs. meios bilhetes da
lotera do Livramenio, cujas rodas andam
inlalivelmctite no da 28 do crrente: na
praga da Rua Vista, botica n. 32.
Aos 5:ooo,ooo ris.
Vendem-se meios bilhetes da loteria a fi
vor das obras da igreja de N. S. do Livra-
mento, que corre, a 5,500 rs. no Aterru
da lloa Vista, loja de calgado n. 58.
Vendem-se, por preci com-
modo, no armazem de Dias Fer-
reira, no caes da Alfandega, os se-
guintes gneros : potassa em. bar-
riqninhas muito nova, fumo em
folha t ara capa e milo de ihiru-
t ;s, chocolate de Lisboa e fari
nl.ii de mandioca muito superior,
chegada a poucos dias do Bio de
Janeiro : trata-se no mesmo ar-
mazem, ou com Novae;. & Com-
p iiil-i.'i, na rua do Trapiche n. 34-
Vende-se urna prcla de nagflo, do bo-
nita figura, de 18 a Oannos, que cozinha,
gngomma ecuse, por prego commodo : as
Cuco Puntas, subrado de um andar n. 36.
-- Vi ni.- I.--C s|ii. tos i'e ro:,r<) de lustro
para senhora, a 1,600 rs. o par: na praga
da Independencia, luja do Araules nmeros
13e15.
Nao ha cousa mais barata.
Vende-se, no Aterro da Roa Vista, venda
n. 80, junto ao deposito da padaria do Sr.
Durfles, cera em p3o para limas a 1,000 rs.
1 lihra : os amadores de tal mero niio se
lescudem, cois se esta acabando.
##S S^:ft^ ft :J)J8S&
> A 240 rs. o covado.
9 Vendem-se chitas francezas finas, *j
* do padres miudinhos e cores fixaa, 1f
< p lo barato prego de 210 rs. o cova- }
O do: na rua do Crespo, loja de qua-
1ro portas n. 12. 9
Charutos de llavana.
Vendem-se charutos de Havana, por pre-
a commodo : no escriptorio do Rothe &
loulac, ruado Vigario n. 4.
Franjas pretas para manteletes.
Vendem-se franjas pretas para mantele-
tes, pelo barato prego de 640 rs. a vara : na
rua larga do Rozario n. 26, loja de miude-
zas de J0S0 Francisco Maia.
Uasdes de appellacSo
interposta pelo Dr. Filippe Lopes Netto da
deciso do jury para a relag5o do dstric-
lo, com observagdas sobre o accordSo, que
confirmou a decis3o appellada pelo Dr. Ma
noel Mendes da Cunlra Azevedo, 1 vol. por
1,000 : no pateo do Collegio, casa do Livro
Azul.
Vende-se urna escrava de nagSo, mo-
ga e boa qutandeira, que lava e cozinha
alguma cousa: na rua d'Apollo n. 27, se-
gundo andar.
O. 1. Asllev & Companhia teem para
vender, em seu armazem, na rua do Trapi-
che n. 3, zincoem folha, proprio para forro
de navios ecobertas de casas, tendo tanta
consistencia como a folha de cobre, e pela
terga parle do prego ; assim como folhasdo
mesmo metal turadas, as quaes teem appli-
cagSo pa -- Vendem-se dous sellins inglezes novos
sem uso algum e com tolos os pertences,
sendo um para montara de senhora, obra
multo rica, e outro para homem na rua da
Cadeia de Sanio Antonio n. 25.
Vendem-se diccionarios da lingoa por-
togueza por Constancio, por prego rasoa-
vel : ua rua do Sul o. 1.
fmmmmmmmm m&mmmmmmm
Gantois l'iiilliel iV Companhia.P
p Continua-se a vender no deposilo |
M geral da rua da Cruz 11. 52, o excel- >
^ tutee bem conceituado rap area ^.
^ preta da fabrica de Gantois l'ailhel & f
S Companhia di Baha, em grandes e jj
| pequelas porgOes pelo prego cstabe-
|jj l.cido. 8
.., ^^^^wwmtfmm
Snlsn-pariillia para remover e curar radicalmente todas as
enfermi lades que proceder da impureza
do sangue, ou habito do systema.
Esta medicina est opraudo constante-
mente curas quasi incriveis, de molestias
liie procedem da impureza do sangue. A
infeliz victima de molestias hereditarias
com glndulas indiadas, ervos enculhi
los, e os ossos meios arruinados, ficou res-
tabelecda com toda sua sa le e torgas. O
lente escrofuloso, coberlo de chagas, cau-
sando nojo a si mesmo, e a quem o servia,
ficou peifoito. Ceutjnares de pessoas que
u lia01 soflrido ( por anuos, a ponto de
desesperarem da sua sorlo ) molestias cu-
tneas, glndulas, iheumatismo chronicu
e minias outras enfermidades procedentes
do desarranjodos orgos de secrego e da
circulagSo, teem-se erguido quasi milagro-
samente do leito da morle, e boje, com
constituigOes regeneradas, com prazer at-
iesta m a efllcacia desla ineslimavel prepa-
rgSo.
Comquanto tenham apparecido grandes
curas at aqui produzidas pelo uso desta
eslimavel medicina, comludo a experiencia
diaria aprsenla resultados mais notaveis.
New-York, 22 de abril de 1848
Srs. A. R. e D. Sands. Julgando ser
um dever para com vosco c para com o pu-
blico em geral, rcmetto-vos este certificado
das grandes virtudes da vossa salsa-parri-
Iha, para que oulrus que hoje estSu sof-
frendo estabelegam melhor a sua confianga
e Inca ni sem demora uso da vossa medi-
cina.
Vi-me perseguido com urna grande fo-
nda no toruozelo, que seestendia pela ca-
nda cima al o joelho, langava grande
pui can de nojenla materia, com comiches
que me privavam muitas nuiles domen des-
canso, e cram muilo penosas de suppor-
tar. a
a OSr. Diogo M. Connel, que bavia sido
curado com a vossa salsa-parrilha, recom-
mendou-nie que eu lizesse uso della, e de-
pois de haver lomado cinco garrafas fiquei
perfeilamente curado.
Tenho demorado um anno mandar-vos
um coi tilica.lo, para reeonhecer com cer-
teza se a cuia era permanente, e tendo ago-
ra a maior salisfagfloem declarar que nSo
tenho visto, nem sentido cousa alguma du-
rante todo esle lempo, e acho-nie perfeita-
mente restabelecido. Sou vossa, etc.
a Saralt M. 1/itire.
240, rua Delancefrl
Nesta provincia o nico agente deste ma-
ravilhoso ren cilio he Vici.nte Jos do Unto,
com botica na rua da Cadeia du Recife.
Vende-se um rico e excellenle piano
de Jacaranda por prego muilo rasoavel : a
enlender-se com o corre lor Miguel Car-
neiro.
Vendem-se 5 lindos moloques de 8 a
18 nnoa; 8 pretos de 20 a 25annos, sendo
irn ptimo sapateiro, outro oloiro eumea-
noeiro ; qualro pardos, sen lo dous ptimos
marinheiros e um com principios de carpi-
na ; duas pardas de 16 a 20 annos, com al-
gumas habilidados ; 8 cretas de 15 a 25 an-
nos, algum il s. e as oulras
pruprias para ludo o servigo : na rua do
Collegio n, 3.
Vende-se urna grande quantidade do
bolijOes, muito barato, que servem para de-
positar azeite de coco, ou outra qualidade
de azeite ou oleo: no Aterro da Roa Vista,ar-
mazem n. 24.
Vasos.
Vendem-se vasos de vidro de cores, de
diversos tamaitos, a 2,000 o a 5,000 rs. o
par: no Aterro da Roa Vista, defronte da
benecra, n. 14.
Sapat5es de lustro.
Vendem-se sapatOes de bezerro de lustro
a 4,000 e a 3,500 rg., inulto bem feitos : no
Aterro da Boa Vista, loja de calgado n. 58,
junto ao selleiro.
Lscravos rugidos.
Desappareceu no dia 6 do correnta una
pardinha de nome'C.ollocta, da le 12 a 13
nnns, magra, bons denles, porin um
quebrado na l'rent, faltas de cabellos na
rnliega do sarnas quo leve, signal de um
golpe em um dos pulsos, lovou vest lo de
algodo trangapo asul de liktras, e Da nno
da Costa usado: as autoridades policies,
ecapitaesde Campo, roga-ge a sua captura,
o entrega 110 caes da alfandega, armazem
numero 5.

li
O mulatinho Agostinho
fgido.
Na noite de 11 para ndo |
1 passado atisentou-se o es- |
H cravo Agostinho, pardo a- {
9 caboclado, cabellos pretos e U
5 lisos, ps gr&ndcs com os de-
^ dos grandes grossos e camba- J
I dos paradentre ; he filho do ^
serlo, muito iallador e fio-
S ta: roga-se as autoridades S
j| policies, capitSes de eam- $
f* no, essim como a toda e
w ':
^ qnalquer pes.soa qne o en- |
fc contrar, de nrende-lo e con-
u duzi-lo a seu senhor lien- m
9 to Jos Taveira, na rua da ^
^ Cruz n. 20, que nao s paga- ;
;g r todas as despezas, como f
offerece urna generosa re-
B
CIDAD DE PARS.
4BW* ledq1' ^s
lina do Collegio n. 4-
Neste cst-.lieleciiiiciito se encontrar seml
pro o mesmo sorlimenlo de chapeos do so-
ja annunciados, assim como sedas e pannos
em pega para as armagO'g servidas, haleias
para vestidos e espartilhos de senhoras.
Concerta-se toda a qualidade de chapeos de
-ol, tudo por menos prego do que em outra
qualquer parte.
Vendem-se relogios de ou-
roeprata, patente inglez : na rua
da Senzalla Nova n. !y>..
compensa a quem o trouxer. -
Fugio no dia 24 do correte do enge-
nho Tapera, sito na freguezia de Jaboato,
o escravo de nome Jos, de nagSo Nag,
rujo sinaes caractersticos silo os seguintes:
corpo e altura regulares, olhos salientes e
vivos, sem barba, com falla de denles, ros-
to talhado, ps grossos, representa ter de
i liiiic 30 annos, ho muito ladino; a vista
do exposto recommenda-se aos capi(3es de
campo a captura dn dito escravo, pelo que
serio generosamente gratificados.
~ Desappareceu no dia 7 do corronte um
escravo por nome Paulino, de idade de 26
annos, altura baixa, suissas por baixo do
queixo, falta de alguna cabellos nog cantos,
o cabello da cahega um tanto gran te, meia
irrigada a gafurina, official de sapateiro,
levou tres caminas, urna de xila preta, urna
de riscado encarnado, e urna branca ; levou
5 caigas, urna de xila prea, urna dita de
lila prcla, urna dla de brim irangado .par-
do, e urna lita branc; levando um bonete
de panno azul de palla, com urna tira de
coro de lustro por sima : quera o pegar
leve-o ao Alterro da Boa Vista n. 59, que
ser recompensado.
Thomaz.
No dia 13 do mez passado ausentou-se da
casa doSr. W. Rayonond, no Recife, o es-
cravo de nome Thomaz, que alli eslava alu-
gado ; e como at agora n.to tenha aopare-
cido, roga-se s autoridades policies ha-
jumdeo mandar peear e entregar a seus
similores, na rua do Aragdo n. 12, segundo
andar. O escravo tem ossignaes seguintes :
estatura ordinaria, bem preto, olhos fuma-
centos, cahega compridapara tras, pernas
zambias e ps chatos, equando anda pisa
quasi sobre os tornozellos ; ha poneos dias
foi encontrado no chafariz do pateo do
Carino.
Ausentou-se no dia 12 do correnta
mez da casa de seu senhor o escravo de
nome Jos, cnoulo, que representa mais
de 30 annos, o qul he bem conhecido por
ter no rosto do I ido diroiio urna fistola al-
guma cousa funda, anda materiando, tem
uma daa orelhas Turada, naris chalo, olhos
vermelhos, dentes limados, costumava an-
dar com (kt bonete de panno j usado cum
sua competente palla, coslumava a traba-
Ibar na praga do assucar, onde be conheci-
cido. por isso recommenda-se tanto as au-
toridades policas, cumo aos cpitaes de
campo, que tomem em vistas tul escravo, o
aprehendi e levem-no a rua Augusta n. 1,
que se recompensar.
A 14 de Janeiro do correte anno, se
evadi do engenho Canha, proprodadede
Domingos da Cosa e Silva, o escravo JuSo,
le nagao Anguila, idade 30 a 40 annos, bai-
xo, cor vermelha, bem barbado, olhos
gandes, lem um dos lados do roglo mais
rOxo, proveniente de um cobreio que teve,
lem em uma das coxas pelo lado de fura
urna marca de uma chaga que leve, em uma
das m .rms ahaixn do dedo minino lem um
arociolio, i rnvini ntc do c'le do um dedo
dennos que llie sabio, e os ps bastadle ,
apalbetados : quem aprehender dito escra-
vo, e o levur ao dito engenho Canha, aonde
reside o seu sen ho r, ger mui bem remune-
rado, cujo escravo na occsiSo da fuga f if-
lou do ines'iio engenho um quarto rugo,
cauda torada e bem passeiro ; e neala praga
lem leva-lo au Sr. Antonio Joaqun) de
.Mello, no oilSo do Livramento,
PfHM. rvATvj'.DE M-F-OF! FaII A-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6GS7I97K_4DGAV4 INGEST_TIME 2013-04-13T01:20:58Z PACKAGE AA00011611_06325
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES