Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06322


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVII
Sexta-feira 14
PARTIDAS DOS cominos.
Golaona e Parabiba, as segundas e sextas feiras.
Rio-Grande-do-Norte, todas as quintas feiras ao
rarlo-dia. a
araohuns c Bonito, a 8 e -'I.
Boa-Vista, e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas feiras. 4
Olinda, todos os dia*.
PhSIS Di LUX.
EPHKMialDES.
'Nova, a 1, as 3 b. e42 m. da in.
Cresc. a 9, as'li b. e36 id. dam,
Cheia. a 10, as 1 h. c 9 m. dam.
Ming. a 22, s 7 h. e 19 ni. da t.
PBEAMAH BE HOJE.
Prlineira s 3 boras e 42 minutos da tarde.
Segunda a 4 boras e (i minutos daroanhaa.
de Fevereirode 1851.
N. 37.
das da semana.
Wftl
11 Tere: S. Lzaro. Aud. da Chano, do, J. da
gunda vara do c. e dos fcitos da fazenda.
12 11.111 S. Eulalia. Aud. do J. da 2. vara.
13 (.mui 9, freogorio. Aud. do J. dos or', cdo ni.
da primeira vara.
PBEqoDA soasen ipoo. | ii Sexl. S. Valentim. Aud. do J. da 1. v. docivel,
Por tres meses fadlantados) 4/000 e dos feitos da faienda.
Por seis meies 8|000 15 Sab. S. Faustino e Jovita. Aud. da Ch. e do J.
l'orumanno 15/000| da 2. varado civel.
116 Dom. da Septuagsima. S. Porfirio.
OAMBIO DE 13 DE rxVBBKiaO.
Sobre Londres, a JO d.p. 1/000 rs. 60 das,
a Pars, 320 por fr.
Lisboa, 85 a 90
Ouro. Un^as hcspanholas.....
Mocdas deStMOO veihaa.
> de 6/1011 novas .
de4UO0.......
Prata.Pataces brasileiros.-..
Pesos coluiiinarioi.....
Ditos mexicanos........
28/000 a 28/Oii
16/000 a 169200
ltOOO a I6S200
1/uOO a 9/100
1/U20 a
1/920 a
1/680 a
I/MO
l/MO
1/706
nnninirair.-
-._ ;-gu jriMM *flcaeaft
PARTE CJFFICUL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Pira cumprimento do aviso que me foi
expedido pela reparticin do imperio em 13
do frrenle, recommendo Vmc. que pro-
ponha os meio* convenientes evitar sqni
a int'odnecflo da epidemia da fehre amarel-
ls, de cuja tnanifestacSo ha recejos no Hio
de Janeiro.
Dos guarde Vmc. Palacio do enverno
de Pernarnhuco. 27 de Janeiro de 1851.Jo-
s Ildefonso de Souza Ramos.sr. presiden-
te do conselho geral de saluhridade.
Do mesmo teor ao provedor da samle.
Mlm. e Ezm. Sr. -- Em cumprimento da
ordem que V. Exc. dirigio-me rom data de
97 do correnle aflm de eu propr os meios
convenientes a evitar aqui a introdcelo
da epidemia da Obre amarella, de cuja' ma-
nifestacilo ha receios no 11 i o de Janeiro,
passo declarar que a primeira medida que
se me antolha, he impedir-se a entrada de
qualquer navio para dentro do mosqueiro
vindo do Rio de Janeiro, nSo s mercan!,
como de guerra, tanto nacional como es-
trangeiro, nSo excluindo os vapores, pois
estes pJem flear no LameirSo as horas que
tem de eatsrem dentro do porto. Pde-se
receber fra as malas, e proeeder-se as
mesmas as fumigaccs desinfectantes, e
vuelo a I gu m passageiro sem dislinccAo de
qualittade ser obrigado a ir para a ilha do
INugueira, ou para onde V. Exc. houver
marcado, para que alli facam urna quaren-
leoa pelo menos de seisdiss, nQo permit-
tindo-se, que nenbum individuo da tripu-
UcSo al mesmo o commandante possa vir
para a ierra ; e os que tverem de soflYer
quarenlena serem transportados para o lu-
gar destinado. O navio que soflrer a qua-
renlena de seis ou oito das no LameirSo,
nSo havemlo indicios de molestia, o farei
entrar para o poc,o, allm do conselho de ss-
lubridade mandar proceder por algum dos
seus membros as fumigarles desinfectan-
tes, e 9e succeder ir alguma pessoa para a
ilha do Nogueira, nSo podera d'alli sahir
emquanto o cunselho de salubridade nSo
declarar, que ella est no caso de vir para
trra.
Mo excluo os vapores das medidas, a
que licam sujeiios os demais navios, pois
que nSo escapa a perspicscia de V. Exc que
aquelles p tem, como esles accarrelar o
contagio. Eis o que por asora se me ofTere-
ce levar a presenta de V. Exc. e aguardo
as suas ordens, que promptamente execu-
larei.
Devo tan bem parlicipar i V. Exc. que
logo que se propslou a nova erupcSo da fe
liio amarella no Par, eu determine!, que se
pozessem em ohservacSoos navios mercan-
tes, que daquelle porto aqui chegassem,
nSo londo-nie eslendido aos de guerra e
vapores por dependerem de ordem especial
de V. Exc.
Dos guarde a Y. Exc. ReparticSo da .mu-
de, 28de j.neiro de 18S1.Illm. e Exm. Sr.
Dr. Jos Ildefonso de Souza Ramos, presi-
dente desta provincia .--Dr. Luis de Franca
Munis Tarar, provedor da saude.
Illm. eEXn. Sr.Nada parece mais fcil
ao conselho geral de salubridade publica do
quo indicar as providencias que cumpre dar
para que se evite.se he possivel, a intro-
dcelo ou reaparecimenlo da epidemia da
febre amarella, cojo de?envolvtmento va>
causando serios receios corte do imperio ;
e elle est convencido de que V. Exc. em
pregar todos os estarlos para que se che-
gue ao lim desejado; mas a triste experien-
cia do passado o desanima, e Ihe faz crer
que os louvaveis desrjos de V. Exc. nSo se
r.1o inteiramele cornados de feliz resul-
tado. O conselho mullo deseja que sob a ad
miuistrac,ilo de V. Exc. possa ver cessarem
todos os abusos que deplora, e a cada passo
e lodos os das se do ; e be levado por esse
desejo uniente, e para cuniprir as ordena
de V. Exc. que se apressa em remetler V.
Exeas bases sobre quedevem ser dirig
das as providencias ; no que elle ump n lia-
ra os seus esfurcos, como tem feito em to-
das as occasies, allm de que a vontade" de
V. Exc. seja cumprida com mala facili
nde.
Dos guarde V. Exc. Sala do conselho,
31 de Janeiro de 1851. -Illm. o Exm Sr.
comoieudador Jos Ildefonso de Suuza Ra-
mos, presid-nte~ da provincia. Dr. Joa-
t/uim de Aquino Fonseca, presidente do con-
selho.
Medidas que convem adoptar sfm de que
se evite, se he possiv-1 a introdcelo ou
reapparecimento da febre amarella nesta
provincia, e aquellas que devem ser postas
em eifcucSo no caso que a epidemia veulia
a manifestar-se. /
\,% Ordenar ao provedor da saude do
porto quo seja nimiamente cui ladreo na vi-
sita, que lizer nos navios procedentes de
pollos, em que se declarar a febre amarel-
la ; pondo os infectados em quarenlena f-
ra da barra; lim de que senSo repitam os
facloa que se deram quando na Babia des-
envolvera-se a epidemia, e fra importada
esta provincia pelo navio francez Alojan ;
devendo elle examinar duas ou tres vezes
por semana os navios ancorados. Ao pro-
vedor em caso de necessidade ajudar un
facultativo que o substituir em seus im-
pedimentos.
2." Fazer sahir para o LameirSo aquelles
navios em que vier a declarnr-.su a febre
i a'li t conservando al que a bordo nSo ha-
s ja mais d'oente algum, e o navio aeja deaiu-
feclado por mel de fumigaeOes dirigidas
pelo mesmo provedor.
3,' Eslabelecer um lazareto ou hospital
provisorio em logar solado, que offereca
todas as vantagens hygienicas, para que a
"lie seja recolhido todo o indigente, que
fr accommettido pela epidemia, ou qual-
quer manijo por ella lacado.
4.' Exigir que a cmara municipal remo-
va sem demora todos os focos de infec^So,
qu existem na cidade, e Ihe tem sido in-
iicadns por varias vates pelo conselho de
salubridad, e cuide da inteira limpez* do
municipio, dirigiodo particularmente sua
tteocSo sobre certas ras, praias, mata-
lomos, mercados e acalugues, e fazendo
Irrigar duasou tres vezes por dia as ras,
pravas etc. etn que existem liabitaces con-
tiguas.
5." Prohibir expressamente que sob qual-
quer pretexto se abran as sepulturas exis-
tentes, pondo nellas sellos ou signaes que
o<> possam ser destruidos ; determinar
queso se facam enterramentos no cemilerio
publico.
6." Ordenar que neohum enterro tenh
lugar desde as 5 horas da tarde atlas 5 da
inaniiia, nSo permiltindo que levem arom-
panhamentos, nem que os ollicios de corpo
presente se prolonguen), allm de evilar-se
a corrupcSo dos cadveres.
7.* Determinar que nenhum cadver pos-
sa ser sepultado senfio em calillo pregado,
sendo antes envolto em pannos embebidos
de agoa de l.abarraque.
8 Mandar fazer fumigaeOes em certos
eslabelecimentos, como hospitaes, prises,
llieat'ros, quarteis, igrejai etc.
9." Evitar as grandes reunios nos bos-
pitaes, quarteis e prises, fazendo dividir
os doentes soldados e presos, cuidando do
asseio desses estabelecimelos
10. Fazer visitar todos os quintaos das
Casas da cidt.de, mandando remover Inda a
sorle de immundice. que nelles existir, e
at mesmo penetrar em casas de certas ras
e beccos, em que nSo ha a necessaria e pos-
sivel limpeza.
11. Eslabelecer em cada bairroum lugar,
que sirva para mercado dt comestiveis, on-
de esses gneros s possam ser admilti-
dax at 8 horas do dia, u&o sendo permiti-
da a sua venda pelas ras, allm de que es-
ses mercados possam ser examinados por
facultativos dissu encarrega Jos pela camaia
municipil.
12. Kazercumque acompanhiada Bebi-
ribe di-ixe correr as agoas dos chafarizes
por ospaco de duas horas, antes que pela
manhSa principie a fornece-la aos compra-
dores : po deudo com easa agoa te re ni irri-
gadas as ras.
13 Kazer cessar, logo que venba a decla-
rar -*e a epidemia, todo o loque de sino pa-
ra convocacSo dos deis e sabida do Sacra-
mento, Sania-UucSo, oflicio de agona, d.i-
funtos, aojos ; deveudo os sacerdotes, que
liverem de ministrar os Sacramentos, sahir
sem apparato exlenor, sendo conduzidos
em carros ou cadeira.
1*. Prohibir as representaces theatraes,
e toda a sorle de ajuntamoulos nnmerosos,
mesmo com fins religiosos.
15. Eslabelecer mdicos, que cuidem da
pobreza, sendolhe fornecilo gratuita mente
os medicamentos de que precisar ; estando
esses facultativos sob a immediata inspec-
{So do conselho de salubridade
16. Empregar todos os meios alim de evi-
tar-se que alguns individuos levados pelo
srdido inleresse, se ponham a especular
com a venda de remedios, como surcedeu
com notorio escndalo,durante a ultima ep -
demia.
17. Fazer com que as autoridades proce-
dam de conformidade com o imperial aviso
le 26 de agosto de 1846, para que os ex-
ploradores da homcBopstnia se tifio Uncen)
no campo das especularles, e veodam por
prego enorme dses que neuhum valor, tem
eslabelecendo, se he possivel, um deposito
pharmaceutico provisorio onde segundo a
preacripcBo de mdicos tiomceopalhas le-
galmenle habilitados, essas dses possam
ser preparadas e foroecidas por preco rasoa-
vel aquelles que nessa doulrina therapeuli-
ca aiuda acredilarem, alim de que cesse es-
se monopolio, que nfio s compromelte a
saude do povo, que por plirases estuda-
las se deixa seduzir, mas Ibe cusa altas
sommas.
18. Ubrigar a cmara municipal a tornar
.Iludvas toJas as suas posturas ndativas
saude publica. Sala do conselho, 31 de Ja-
neiro de 1861 Dr. ioaquitn de Aquino Fon-
seca, presidente do conselho.
Illm. e Exm. Sr.Tendo verificado o con-
selho geral de salubridade publica, que suc-
curabiram febre amarella um estrangei-
ro e sua mulher residentes no Atierro da
Ba-Viala, euma pardioha, que mora va na
ra do Hospicio, apresso-mede couimuni-
car a V. Exc. essa oceurrenci, alim de que
V. Exc. se digne de dar as piovidencias, que
julgar convenientes Estes lrs casos, com
quanto pussaiu anda ser consiJersdos es-
pordicos, devem lodavla dispe.tar a at-
tencao, e prudente seria adoptareu-se as
meuidas propostas pelo conselho em seu of-
licio dirigido a V. Exc.
Dos guarde a V. Exc. Sala do conseibo,
6 de fevereiro de 1851. Illm. e Exm. Sr.
cooselheiro Jos Ildefonso de Souza Ramos,
presidente da provincia.--Dr. Joaquim de
aqwno Fonseca, presidente do conselho.
ItiCebio seu oflicio de 28 do mez prxi-
mo passado, em que Vmc, em resposla ao
desla presidencia com dala do da antece-
dente, propoe urna priuif ira medida neces-
saria pai a evilar-se a introdcelo da febre
amarella nesta cidade, impedir-se a entra-
da de qualquer navio procedente do Rio de
Janeiro para dentro do mosqueiro, nao so
mercante, como de guerra, tanto nacional,
como eslrangeiro, nfio excluindo os vapo-
res, e pondo-se-os em quarenlena pelo me-
nos de seis das.
Em 8oluclto tenho a declarar-lhe, que
por em qoanto nfio julgo admissivel a adop-
cilu das medidas lembradas, entre oiitras
rases, porque nSo consta anda a existen-
cia da epidemia no Rio de Janeiro, e todo
quanto-ba redoz-se por ora a simples receios
lo seu reappareciment alli.
Dos guarde a Vmc. Palacio do governo
le Pe'nambuco, 13 de /gereiro de 1851.--
Joie Ildefonso de Souza Ramot Sr. provedo
da saude.
Com seu oflicio de 31 domez ndn recebi o
parecer do conselho geral de salubridade pu-
blica, em que r indlcam as medidas que con-
vui adoptar aflu de cortar-se a iutrnduccao
ou reapparecimento da febre amarella, nesta
provincia, e aquellas que itrveni ser pos as em
execuro quando a epidemia venha manifes-
tar-se. Tamben! recebi o oulro ofncio com a
data de 6 do correte, em que Vmc. cpe que
leudo o mestno conselho verificado j tres ca-
sos de febre amarella, couiquanto possam ani-
da ser considerados comi sporadicos, devem
com tudo despertar a atlen^-o, e prudente se-
ria adoptareui-se as medidas anteriormente
propostas.
Como se deprrhende do parecer do conselho
geral de salubridade publica.dous sao os meios
pelos quaes a lebre amarella pode vir de novo
llagellar esta provincia: 1., a importaban do
principio morbfico, pois parece experimental-
nente provado, que este foi seu modo de traus-
uiis-.au: i.", sen desenvolv ment espontaneo
por vlrtude de urna incubacao especiAca.
Quanto ao primelro ponto Hesito em admit-
tir desde j medidas de inaior severidade : I,,
porque aluda se nao demunstrou .1 esistencia
da epidiinia em pouto algum. d'onde possa ser
importada : 2.. perqu todas as medidas, que
enlrain no systema geral das quarenlena*, per-
turban! sempre, mais ou menos, o nioviinento
regular do cominercio, e oflendem de face os
Iniereises useaea por modos varios: 3.a, por-
que .onda quando se admita a inteira efficacla
preservativa, da quarenlena (ponto alias con-
trovertido) ; a existencia do mal nesta cidade,
como acabuu de veriear o conselho geral de
salubridade publica, aonullaria eiu grande par-
te a utilidadc de tal recurso : 4.* eiufini, por-
|ue diz acompanhada de oulras medidas sani-
tarias, que aa circunstancias por ora nao auto-
risani sufncienlemente, como por exemplo, a
criaco de um lazareto, a quarenlena mu ai
mesun lurnar-se-lna deshumana e inlolleravel.
Pelo que toca ao seguudo ponto, verificada,
como est, pelo couselhu geral de salubridade
publica a existencia da febre nesta cidade, he
manifest que toda a solieltude. e disvello do
governo se devem applicar pa.a a rigorosa ob
servaucia de certas regras da hygiene publica,
oas vistas de salvar-se o comprometimiento da
saude publica. Alas, se por um lado as neces-
sidades publicas ueste melindroso objecto re-
claman! do patriotismo do governo ludo quan
lo be conducente par evitar o mal ou embar
gar-lhe a progresso ; por oulro lado o criterio
publico e a prudencia do mesmo governo uo
cousenleui que na execuco das medidas pre-
ventivas e na applicaco dos meios bygienicos
se trausceda a rbita do necessario, para cabir
no supertluo ou ocioso.
Debaixo dealas consideracoes, podendo ser
divididas em duas calbegoriasas medidas acon-
selbadas: 1.*, a dos uieius tendentes i preve-
nir o mal, ou obstar sua progresso 2.*, a dos
meios calculados para no caso de invaso geral
iliiiiinuir os estragos, aliviar os son'riiuenios
das victimas e succorrer a indigencia enferma,
euteno que tooasas providencias empregadaa
por agora devem llmitar-se s medidas de po-
lica, medidas comidas na primeira cathegoria,
visto que os casos obse vados nesta cidade co
mo refere o couselbo geral de salubridade sao
poneos e revestidos do carcter sporadico.
Assiiu be urgente remover todas as causas de
iulcccao que por ventura podem viciar o ar atli-
luospi-erico e dispo-lo para receber o principio
epidmico ; e seudo cerlo que para isso ofl'ere-
ceui toda a vaulageui as medidas aconaelhadas
pelo conseibo geral de salubridade publica nos
paragrapbos 4, 5, 8, 9, e 18 do parecer j refe-
rido, leullo resolvldo recomuieudar sua vigo-
rosa execuco, e para isso u'esia data se expe-
dem as pruvldcucias necessarias, Ae, porm,
iul'elizineuie ainpliar-se o numero dos afecta-
dos, seuao se realisar a esperanca que todos
nutreiu de que o Todo Poderoso arredar a re-
pelicaodas calamidades do anuo passado, ogo-
veruo diligentemente adoptar outras medidas
que a necessidade aconsellie, para oque deve
estar constantemente bein iuformado da mar-
cha, gravidade, propagaco e mais pbenoine-
nos de tau leriivel llagellu, assim como das me-
didas que a diversas pbasea, que a epidemia
perpaasar, indicar como necessarias.
Para recolher, observar, classificar e escla-
recer oa tactos e fazer as convenientes indica-
c0es em que devem ser baseadas as dehbera-
ciies do governo, uruito competente he, sem
duvtda, o conselho geral de salubridade publi-
ca credor'de luda a confianza, mas como em
preseuca da quadra de una calamidade acon-
selba a prudeucia que uo se dispense o auxi-
lio que sem ott'erecer incouveniente prouieltc
grande vantageiu pareceu-iue, que mua junta
uiaia numeroaa, coinposta, como o conselho ge-
ral de salubridade publica, de mdicos habis
e versados no estudu da hygiene publica, e da
policia medica, dispondo dus iiiimensos recur-
sos que Ibe podem ministrar a clnica peasoal
dos seus membros, e a observaco e experien-
cia collecliva da pralica em uiu vasto theatro
deestudo, conuorref proveilusa e eflicaimeli-
te para a cousccucao dos lias, que semelhau-
le re>peito ae tem em vistas; poi isao resolv a
crlacao da dila junta, contauo que os mdi-
cos lembrados para compo-la se preslaro de
bum grado este servico.
Dos guarde Vmc. Palacio do governo de
Peruambuco, em 13 de fevereiro de 1851. Sr.
presidente do conselho geral de salubridade
publica.
tonio Peregrino Maciel Monteiro, como presi-
dente, e dos doutores Joaquim de Aquino Fon-
seca, Jos Eustaquio Gomes, Simplicio Antonio
Mavignier, Joao Ferreira da Silva. Alexandre
de Souza Pereira do armo, Jos Joaquim de
Mnraes Sarment, Cosme de Sa Pereira, e Ar-
buk, contando com a philantropia dosmesmos
para a preataciio deste sprvico gratuito
Palacio do governo de Pernambiico, 13 de fe-
vereiro de 1851. Jo$ Ildefonso s Souza Ra-
mot.
Illm. Sr. -Remateni V. S por copia os para-
grapbos 4, 5. 8. 9 e 18 do parecer do conselho
de salubridade publica, acerca das medidas
queconvm adoptar, alim de que seevite.se
he possivel, a introducan ou reapparecimen-
to da febre amarella nesta provincia, e muito
recominendo a V. S. que de sua parte ponlia a
inaior diligencia e actividade para que as me-
didas indicadas sejam rigorosamente executa-
das, representando a esla presidencia ns emba*
rafos que encontrar, nao cabendo em suas at-
tribuif oes os meios de os remover.
Dos guarde a V. S. Palacio do governo de
PerNambuco, 13 de fevereiro de 1851. Jur
Ildefonso de Souza Ramos. Sr. desembargador
chrfe de policia.
Do mesmo teor a cmara municipal do Re-
cife.
Illm. Sr. Remello a V. S., por copia os pa-
ragrapbos 8 e 9 do parecer do conselho, ger-l
de salubridade publica acerca das medidas que
convin adoptar, afim deque se evite a Intro-
dcelo ou reapparecimento da febre amarella
nesta cidade, recommendando V.S. aexpe-
dicao desuas ordens, liara que, noque Ihe per-
lence, sejam as medidas indicadas rigorosa-
mente executadas
Dos guarde a V. S. Pa'acio do governo de
l'ei o iiiilim o, 13 de fevereiro de 1851. Sr. co-
ronel commandante das armas.
Do mesmo teor ao commandante do corpo
de policia e a adminislraco dos eslabeleci-
mentos de caridade.
conselho geral i'B salubridade pu-
HLItA.
Illm, e Exm. Sr. 0 conselbo geral de
salubridade publica vem CUAlorlr com o que
Ihe ordena a lei de sua criarlo, fazendo co-
iiheri.iii de V. Exc o resumo do I ralis I lio
que leve durante o segundo trimestre do
tercotro anno de sus criaefifio.
As scssOes que o conselho h* obrigado de
fazer as quinlas-fetras, fram follas, oslan-
do reunido todos os seus membros ; nella
sempre a ordem roinou, e entre ellesno
houve otiii-sao do zelo, qti he precis em-
pregar a i em do servido publico de que se
ach iin incumbidos.
Cada um deu em lempo conla do seu tra-
badlo ; apresentou as ideias de melhora-
mento sanitario queeot3i> julgava uiais con-
veniente empregar nesta criado ; e, ludas
as vezes quo se discuta qoalqner ponto da-
quelles que nella pareca exigir maior cui-
da lo moslrou-se inleressado.
Entre as quesles enlo em suas sesss
suscitadas, e agora um tanto discutidas, foi
sempre preferida, por sua grande impor-
tancia, a que foi proposta a este conselho
pela Ilustre commissAo cncarregada da re-
vaccinailos, vislo que ella occasiona a per-
da ile muito pus vaccinieo que podia ser u-
tilmonie approveitado ; e, sobre n qne j pe-
to providencias a V. Exc. : todo isto mo**
Ir qn esta imonrLsntn inslituQo que faz.
parte do conselho caminha bem : nitro tan-
to s nSo pode dizer ilas q'ie seaeham sna-
hadas pelo interior da provincia sobre as
quaes coulinoa a oporess.lo das esnsas
que em outrns relatnos foram anontadas.
No in'e'vallo desses das de tfahalhn fss-
sSo do conselho e vaceina ) o conselho leve
de ocrupar-ae de varias commisses e exa-
'iies.sniitarios, e, ali'm do trah.0 j dito so-
bre : pauta das alfandegas, visitn o gran le
hnspit.l do Cirlaile, ondn encontrn cin-
coenla.o selle iloentes, inclusive qtiatro doli-
dos equatro dolidas a sala cinqueelles
exisliam, seus lilos. o os panos destes, es-
tavam limpos ; bem fornecida d'< hons e no-
vos ro edios era a botica que esto edificio
conten: gneros de boa qualidade llaviam
na disaeosa, e bem preparada era a 8Q>pi la:
disSO ROSavatlI ns i i cli/- -s qu nao li-ivi.q n
perdido sua raso : mas os outros, arru-
mados, qualro em cada pequeo quarloque
mal chisgaria para dous, mal vestidos, mal
dormidos acco nmeltenlo um ao oulro a
necessariameutn succumbimlo nesta lula o
mais fraco ; oausavam rooipaixio : entre
elles un existi, lodo Contuso, fao e corno
nreso a um tronco, ora sentado, bom lici-
tado sobre a cania que Ihe otlereria o d ts-
carnado lijlo, eia o que mais soffna os
maos tratos dos oulros que sollos com elles
estavatn.
Do interior desses cubculos se axhalava
um chairo ftido ; n urna voseria atordoava
a visinhaiiQfl, o porlanlo e i maior grao a
aquelles queeslavam no pavimento desses
ouarlos.
0 memliro encarregado desla commi-'sSo
possuido de seus deveres ja como medico o
ja como parto ,1o coiisellio nfio dexou pas-
tar sem reflexSo tilo impropria caridade, e
disse que era meltior nfio fa/-la do que
fa la assi e ii |-'--:a lo di'SSH AdlICIO tjiie o acompanliou
fez-lhe ver que com esle Iratamento fcil
era converter quast lodo o mundo em alie-
nados, assim como qoo desla maneira ja-
mis se alcanzara a cura de algum desses
infelizes e coucluio pe.lindo por amor da
humanidad que para com elles se houves-
se a mais aturada paciencia, ea mais pro-
diga condescencia rasoavel ; e que se Ibes
Uzease gozar dos matare* commoios da vi-
da appropridda a i'iiciiilislalicia ili: i'a.l.i in-
dividuo.
Fez-sea visita desse estabelecimento a
cuja directora icnde o conselho louvores
pelo seu desinteresse a bem da humanidatlo
soffredora e desvalida a 19 de novembro
pioxitno paitado-
O hospicio dos lazsros tambem foi visita-
do neste trimesire a II do passado ; havia
nellevinle seis doentes ue ambos os se-
forma da paula das alfandegas, que est s-ixos ; a lulos se most-avam satisfeitos lan-
O presidente da provincia considerando quo
necessario be cuuhecer-sr com exactido a mar
cha, gravidade, propagatao e in,-.is pbeuome-
ii.is da febre amarella, que consta baver icap-
parecido nesta cidade, assim com as medidas
versas pliases que a epidemia perpassar; con-
siderando ouiru sioi quo proveltoso e efficaz
ser pa a ebegar a tal lim ampliar os humos de
exatue e averiguaco distes pontos, retolve no-
mear para desempenho desta incumbencia uuia
junta de mdicos, composta do cooselkeiro Aa-
tabelecda' na corlo do Imperio: esta por
Intermedio do Dr. Angelo Munit da silva
Ferraz perguntou ao cunselhoquaes as re-
gras de polica, e oulras, relativas aos pro-
ductos chimicos e medicamentosos impor-
tados, que devem ser estxbalecidas as al-
fandegas do Imperio : e quaes as resinero*
e mesmo as prohbii 'S que devem ser cum-
minadas a aquelles desses producios, que
por ventura pussatu otTenJcr a saude pu-
blica.
O co-'selho nomeou um de seus mem-
bros para formular a resposla que deve ser
adates a j fot presentalla pelo Dr. Cosme
to do iratamento que Ins davs o regente-
como daquelle quo Ibes prescrevia o med,
co .ue os visita ordinaria mente todas as
quinlas-feir is.
Foi lainiiem nessa occsiilo visitada sua
dispenca, e se ach iva f >rta do hons vveres.
Para esses infelizes quo npn nima ospe-
ranca iiuIi'.mii tu cu ni -se nHi cessa o c m
seibo de procurar-Ibes to la a cummodidade
possivel, e de andar acata de qualquer re-
medio que se propaga como cap ra-lus : porm infelizmente nada conseguio
at h"je dos que lem experimentado.
U conselho tem recebi lo co nmunicsces
de S l'ereua o dada approVscfio plocon-|de seos delegados; estas nSo silo como o
sellio, S'ia ella entregues seu destino. conselho deseja, i os com ellas anda no
O cunselho seule que Lio tarde fssej po le fazer seu juizo si.bre s causas de iu-
lembrado para interessar-se em um tama-I salubridade publica q le porventura so p. s-
tilio trabalho, e que nais tarde ainda Ihe] sam encotiirar pelo interior desta provincia
vi esse as nios o oflicio que nesse sentido e susceptiveisdo destrufo. N3o tem dei-
Ihe foi dirigido: pois foi a 15deoutubro xadu o conselho de lemhrar-lhes se.opre o
prximo passado que o receben, sendo o
mesmo datado do mez de agosto.
Aqui, no relatorio, nSo lie lugar compe-
tente, para conimnnica' a V. Exc. a tot.l-
dade desse trabalno ; seu resumo pouco a-
iJianlatlu ; e pur isso o conselho s lembra-
o por ser paite do que fez no liimestrede
que agora da relaQfio a V. Exc.
('lulo o trabalho mais importante de ca-
ds sessSo ; o quando reslava Ihe lempo, o
conselho seinformava para completa-lo do
eslado sanitario da quadra actual, no que
empregou muilo cuidado, e exigi de seus
membros muito zelo ; e soube, que no tri-
mestre decorrido rarissimos fram os ca-
sos de febre amarella que anda nparece-
ram ; e que as molestias que lomaram o
carcter de epidemias, como a bronchites ,
o sara|So ea bexiga, fram ludas de lrma
b.-.nigua.
Observou anda que o invern durou at
oulubro; e na parle desss observacs
senliu o vacuo que deixa a falta do progres-
so da instruccln ; e por isso nSo ple acom-
pattba e descrever as mulanas athmos-
pbericas que se succederam no Iritnestre
passado: trabalho este que hoje oceupa
muitos mdicos sabios, que se esforam por
acbar nos agentes dessas mudanzas a cau-
sa de muilas molestias que permanecen!
ignoradas. Em os das marcados para a vac-
eina a casa dessa repartirlo esleve aberta,
e foi a ni vaccioados todos quanlos ahi ap-
pareram.
Continua esta reparlicSo a distribuir pus
vaccinieo quer uucuUudo, quer remelteii-
du Uimnas e tubos, nSo s aos dessa pro-
vincia como aos de fta dulla.
Neste trimestre fram vaccinadas trezeu-
tas e setenta pessuas como demonstra u
mappa junio : e aqu convin anda diz. i
que esta reparticSu seute-se da falla de com-
psrecimenlo no primeiro dia dos recrulas
que de molliur apparece favoravel a s publica, e do solicitar Ule todo o cuidado
e zelo no dse npenh de suas l'uiic<;s.
ti* actuali lade o conselno se uilojolga
suiricienietneule servido; pore n anida as-
sim cuiitenia-se por acreditar que deste.
mulo se est.ili lecein as bases de urna me-
Ihor orgaaisaejlo para o futuro.
Alguns de seus delegadui sSo ponluaes
em enviar seus mappas e mesmo os relalo-
iios que o couselhu oxige, purtn oulros le-
va tn u,mo lempo em faze-lo o mesmo se
excusa ni desse servido.
O conselho nao sabe como se tenba inter-
rompido para alguos delles sua communi-
cacilo, pois nem elles e nem o cunselho lem
duixado de faz-la ; enlrelaiilo ambos se
queixam dessa falta ; por tssu pretende o
cunselho lomar muilu activo cuidado nesta
porc3o de seus Irabalbus.
Infructferas tem sido as representaces
do cunselho sobre o charlatanismo meuico;
a enterprelacSu genuiua na lei como V.
i-ai', bem o sabe he posla em duvida ; na
le existem nimios vacuos onde sabe acoti-
tar-se o charlaIflo, que ludo enbrulha e lu-
do coufunde : e quando no lim de seis mezes
vence a municipalidade que o persegua li-
ma quesiiio, tem o esperto charlatSo de pa-
gar trila mil rs. se tanto e maisalgumas
cusas ; e a elle isso que importa se j se
lem locupletado, e ludibriado da autoridade
que o cliamava a ordem ? e he assim que a
le per ue to.io o respeito, e que jamis con-
seguir u seu vcr.iaiieiiu Bul : esta falta de
bum xito nao fraqueja o conselho que anda
n.i'.siiio que nada lucre na luta para sua au-
toiidade, cousegue cumtudo mostrar ao pu-
blico o lilulu dos iupsulures que tanto abu-
s i ni de sua credulidade, e lli. s fara sempre
desgoslu, au menos sustos conliuuos, de-
clarando-lhes que nem todo- sSo ignoran-
tes n que mullos os couhecem a fundo.
.L


Varios foram os cornos da delicio feito
ueste trimestre ; eslc trabalho, quando ex-
ofllcio, hn tioje quasi nicamente feito pe-
los membros do consplho ; assim como al-
guns exmos de Moldado.
na esta a sumira do que fez o OODielho
no trimestre decorrido, o que ludo leva a o
conhecmpnto de Exc. ."orno Ihe ordena n
art. 7 da lei provincial n. 143 que o estabe-
leceu.
Dpos guardo a V. Esc. S 1i das sessoes do
conselho peral de salubridade publica, 20
de Janeiro de 1851.-- Illm. e Exm Sr.com-
mcndaitor Jos Ildefonso de Souza Ra-nos,
presidentn da provincia. -- Dr. Joaquim d>
Ai/uino Fonseea, presidente do consellio .--
Dr. Cosme de S Pereira, secretario do con-
sellio.
Relatan eitattitica das peanas vaccinadas no mu-
nicipio do Rtcif'durante o trimeitre de oulubro
a dezembro de 1850.
Meiei.
mmam aafaaasaMwui*wA- wasMoaai
TRIBUNAL DA RF.HCW.
Outubro ir
Novembro 142
Dezembro 91
370
Sexot.
Masculino 531
1 i-111 ii.i iid Idadei, 139
M.'mih de um .mili) ion
De um a sete auno, 84
De aete era alante Vitados. 18
Sol (e ros 368
Casados Qualidadei. 2
Brancos 111
Pardos ia->
Prrtos 90
Indios Condites, 4
Livres ?49
F.scravos 191
;.v.ic.iii/i /,i.(,-..
Recife 213, Or., 28, Bonim 12, Paje de Fl <-
res lI.Garanhuns II, Rahia 8, Santo Antao 10,
Cabo 6, Parahjba 6, Rio Grande do norte ti,
Alagoas 6. Rlo-Forinoso 5. flrejo 5, Limoeiro 5
Maranh<> 5, Olinda 4, Una 4, Pii-d'Alho 3,
Iguarass 3, Panellas 2, l'i nih> 2, Goianaa 1,
Kio-de-Janeiro i, Naiareth 1, Africanos 7.
OnKrrnffle.
Foram vaccinadas neste trin?estre 267 pes-
soas pela primeira vez, destas 167 tiverain boas
postulas vaccinieas, ?i piuco desenvolvidas,
Vi mili olit-vi-rain. 114 nao comparecer.un e
111 f.iram despensadas do coinparei-imento.
Foram vaccinadas pella segunla veitipes-
soasdas quies 2< tiveram boa vaccina, II pou-
co desenvolvida, 2i nada obtiveram, 10 nao
comparecerain editas foram dispensadas.
Foram vaccinadas pela terceira vez 13 pes-
soas, das quaes s tres liveram vaccina regular,
1 pouco disenvolvida, tres nada conseguiraui,
seis coinpareceraiu.
Foram vaccinadas tres pessoas, dous compa-
recern! c una foi despensada do coniparcci-
mento.
Das H4pessoas que nao compareceram na
rimeira vaccin 8l |0ram perlcncentcs ao dc-
ositoda fortaleza do Hrum.
[EXPEDIENTE DO OA 8 DE FEVEREIRO
DE 1851.
OfllcioAo coromando das armas dizen-
do que po le nomear o primeiro lenle
l.nopoMino da Silva Azevedo, para o lugar
a|o lai.i de ordens daquelle comman lo
fazendo recolher ao seu lo lalliio o oapitBo
Antonio Mura Rbello, que serve intinna-
mente o referido lugar.
Dilo -A thesouraria de fa?en la.para man-
dar indenniaar a pagadura militar pl
rubrica thelegrapho -- da quantia de rcis
192.000, em que segnn metle, mportSo quBtrocenlose oilenla co-
vados de flele, comprados pelo arsenal .le
guerra para a factura de 11 ba-ndeiras de
signaes para a fortaleza do brum.-lulelli-
genciou-sa a paaadoria militar
Dito.Ao dezemba gador chefe de poli-
ca, inleirsndo-o de baver o inspector do
arsenal de roaria contratado com Manoel
Joaquim Correia da Silva e Jlo Luiz da
Silv, pra eslarem a bordo do patacho
Hermina, tratando do mesmo, o i rimero
pe. sol lada de 18,000 rs mensaes e urna
rac.3o diaria de 240 rs ; e o segundo pela de
14,000 rs. com igual rar;So, ludo a contar
do da 20 de Janeiro ullimo.e ordenandoque
llies man ie lagar taes vencimentos vista
de documento rubricado pelo mencionado
inspector --Fez-se a respeilo a conveiiieute
nommunicacao.
Dito.--A pBgadoria militar, para mandar
pagar ao alferes do segundo batalMo da
guarda nacional do muncipio do Biejo An-
tonio Francisco Machado Mello, a quantia
de 39,333 rs., em que segundo a sua Infor-
mado, importao os vencimentos que elle
tem direito, por conimandar as pracas da
mesma guarda nacional, que escollaram os
remitas \ indos daquella comarca.
Dito-Ao director do arsenal de guerra,
aulorisando-o a despender a quantia de ris
1:140,690, com a promplificac'J das paoaa
de far.iBOiento, de que precisa a companhin
de artfices, como se vO do pedido que de-
volve.Scienlificou-sea pagadoria militar.
Dito A lliesouraiia da fazenda provin-
SKSSA'O DE 8 DE FEVEREIRO DE I8M4
PHBSIOEMCIA DO EXM. 8ENH0R CONSELHEInO
AZEVHDO.
A's 10 horas da manla, achando-se presen-
tes o senhores deseinhargadores Villares,Has-
tos,|Leao,Sou7.a,llabelIo, l.una Freir, e Telles,
oSr. presidente declara aberta a sessao.
JULGaMENTOS.
Appcllacdeiciveti.
\ppellante. Salustiano Angosto Pimenta de
Souza Peres; appellado, Manoel Joaquim
Ramos e Silva. Rrformaram a sentenca.
Appellaules, I) Amalia Josephina de Mello Ac-
cloll; appellados, Manoel Mar<|ues da Costa
hoares e outra. Reformaran a sentenca.
Appellante, Jos Rodrigues Ferreira ; appel-
lado, ojuizo. Foram recebidos os embar-
gos.
Recurm erime.
Rccorrente, Jos Cnnegundes da.Silveira e Sil-
va ; recorrido, o juizo. Reformaran! o des-
pacho de pronuncia.
dkign'c0bs. ,
Hrl-fln Civel.
Recrreme, Antonio Moreira da Costa Culma-
raes ; recorrida, a fazenda publica.
FP.VISfiES.
Passaram do Sr. deseinbargador Villares ao
Sr. desemb-rgador Hastos as seguintes appel-
laces em que sao :
Apiiellante, Francisco Acciole de Govea Lina ;
appellado, Joaquini Jns de Souta.
Appellante, os herdeirosde Joo Haptista Alves
Montelro \ appellado. Domingos t.arneiro de
Lima.
Appellante, o procurador fiscal; appellados,
Joaquim Ribeiro Pontes e outros.
Passaram do Sr desembargador Bastos ao
Sr. desembargador Leo as seguintes appclla-
ces em que sao :
Appellante, o julzo c o promotor; appellado,
Antonio Caelano de ADreu.
Appellante, Diogo Jos Pinio Cabra] ; appel-
lados, Joaquim I.uiz dos Santos C C.
Passaram do Sr. desembargador Leao ao Sr.
desembargador Souza as seguintes appellac-fles
ion que sao:
Appellaote, Domingos Pires Ferreira; appella-
do, Augusto Ficher.
Appellantes, llerculano Alves da Silva c sua
mulher ; appellado, Vicente Jos de Unto.
Do iesmo Sr. ao Sr. desembargador Rabel-
la a seguale appell .{o em que sao:
Appellantes, a saota casa da misericordia de
Lisboa e Amono Alves Viaona ; appellada,
a fazenda publica.
Passaram do Sr. desembargador Rabelloao
Sr. desembargador Luna Freir as seguintes
appella(esem.que siio:
Appellante. F. Pouvier; appellado, Poumateau.
Appellaote, Joaquim Antonio do Forno ; appel-
lada, 1.011,1.1111111.1 I 01111I11 da Mota.
Appellante, Harlholomeo Kraiicisco de Souza
ai>pellado. Gabriel \11lonio.
Passou do ines.no Sr aoSr. deseinLaigador
Villares a seguinte ;|.|>f 11.1. .10 em qu^ sao :
Appellante, Luir, do Reg Monleiro; appellado,
Manuel tJardoso do i\ascimcnlo.
Passaram do Sr. desembargador Luna Freir
ao Sr. desembargador Telles as seguintes ap-
pellaces em que sao :
Appellante, Francisco Jos de Albuquerque
Pinto; appellado, Luiz d~-Albuquerqne
barros.
Appellantes, os Indios de Arronches; appella-
dos a viuva e herdeiros de Juao daCo.ta Al-
bano.
Dia de apparecer em que sao:
Appellante, a irmaodade de INossa Senhora do
Livramento desla cidade ; appellados, os her-
de Filippc Anselmo de Faria.
Passaram do Sr. desembargador Telles ao Sr.
desembargador Villares as seguintes appella-
coes em que sao :
Appellame, Antonio Jos Pereira ; appellado,
Luiz Rodrigues ;>aiiiico.
Appellante, Francico Geraldo Moreira Tempo-
ral; como tutor ; appellado, Joaquim Anto-
nio da Silveira
Appellantes, Alfonso Jos de Albuquerque e
outros; appellados, os Indios de Arroiicb.es.
Appellante, Jos Thomaz de M Harreto; ap-
pellado, Antonio Francisco de Paula Uarreto
iiistbibuicOes.
Ao Sr. desembargador Villares a seguinte
appellacao em que sao :
Appellante, o juizo; appellados, Malalda de
Castro Figueiras e outros.
Ao Sr. desembargador Bastos a seguinte ap-
pellacao em que sao:
Appellante, Patricio Jos de Sant'Anna ap-
( < II ..l.i. 1.1 niili n 1 Marta da Concrico.
Ao Sr. desembargador Leo a seguinte ap-
pellac iciii que sao :
Appeilante, ojuizo; appellado, Manoel Xavier
Correa Lima.
Ao Sr. desembargador Souza a seguinte ap-
pellacao em que sao :
Appellante, George Kncworth & C.; appella-
do, Jos Dias da Silva.
Levaotou-se a sessao a una hora da tarde.
_______2
Nunca seriamos t3o descortezes que ne-
gussemns ao Illm Sr padre Lopes Gama os
litlos que por direito Ihe competem ; e he
or essa 'asilo queche rogamos dft publi-
cilado a estas linhas, com quem mais pe-
nhorar a ^v
. O Aprendiz de Carapucat.
13 de f-vereiro de 18M._________________
PuUca^aO pedido.
A' INSIGNE ARTISTA
,f Illm.' Sr.' lirtela Badertm.
Teu rosto tilo lindo, I3o puro, 13o meigo,
Respira mil g'aQas virtude e candura,
Tu s oh Raderna oh rara Beldade, .
Primor delicado da sabia natura.
Tcu porto donoso de mil atractivos,
llequal niveo jnsmi neom a brisa em halla do,
II qual aste lin 1 do terno junquilho,
Me ludo o que existe de mais delicado.
Todo essecompnsto na Ierra nSo nasce,
Da morada Ethera s sopro divino,
Mais fresca que tu a rosa no he,
Es qual o orvalho que cahe matutino.
Tolos que veem pro ligio lamanho,
Etta ticos ficam a contemplar,
l'flo linda bidieza que h torra baixou,
E que entre nos vivo a perigrinar.
Acceita neo canto amavel Riderna,
Sao carmes mesquinhos d'um fraco cantor,
As fallas supram desU poesa,
0 intenso fogo do mais vivo amor.
S. /.
Keptrligo da Policia.
PARTE DO DIA 10 DE FEVEREIRO DE 1851
Foram presos : a or 1 -111 do ch-fe de po-
lica, o Portuguel Manoel Jos de Magalhes
Batlus,por ser indiciado no prime de intro-
duziT Africanos no imperio ; e Jos Bernar-
do de Carvallui, para averiguagoj poli-
ciaes : ordem do sublelegado da fregue-
zia de S. Frei Pedro Goncalves do Recife,
J.is Antonio do Nascimenlo, para o mesmo
Um ; Mi'11 Francisca da Gonc-tico ) Halla
Francisca de Almeila, por crimo de oiren-
sas physicas : e do sublelegado da fre-
guezia do S Jos, Elisio Ferr.dra do Esui-
r lo Santo e I naci Jos Gomes, pelo mes-
mo crime ; Jos de JeiiM, Manoel da PaxSo
Renos, PantaleBu Candido Jos Maxado,
M ni o-l Joaquim deSants Anna, Joto l>am<-
>i0, Joaquim de tal e Joilo da Cruz Estanis-
lao, para averig'iacJS policiaes.
0 delega lo Jo t-rmo de Guanhuns, com-
municou ao chef-t de polica em oflicio de
31 de Janeiro ultimo, que na freguezla de
l'apacac, Serafitn do tal, assassinara com
um liro a um ln lio, cujo nome nSo deca--
roo, mais sim que o assassino se baria eva-
dido ; assim como que liiniam sido presos e
se acliavam recomidos a cadeia daquella
villa Theolono Moulero da Silva e J0S0
de Barros por aulhonomazia (Periquito,
por crime de furto ; Antonio Vicente e Ma-
noel Gamboa, por furto de escravos ; Luiz
Wilunio Ca e Joaquina Americana de
Paula, por crine de otTensas physicas; e
Jos Corris, por uso de armas de dtfuza,
sendo que todos esles individuos j esta-
vam processados por aquelladcgacia.__
i V'Hli
ALFANDEGA.
EDITAES.
o Dr. Angelo Henriques da Silva, aupplentc
em exerciclo do juizo de- orphSos e au-
zentes nesta cidade do Recife e seu termo,
por S M 1. e (. que Dos guarde etc.
I'aro saber sos que o presente etital vi-
l'razeres, subdito Brasileiro, naiural desta
orovincia, conlramestro do brigue portu-
gnez l.'.Sn, no dia 2 de dezembro de 1849,
em viajem de Qullimane para Mocambiqu>-,
e sido remellido para esta provincia pelo
cnsul geral do Brasil em Lisboa, o espolio
daquelle finado, que foi posto a minha dls-
i'osic/ui por olllcjo do Exm. presidente da
provincia de 3 do correle mez, sdo por o
oresente chamados lodos aquelles que di-
reito tiverem ao referido espolio, para vi-
rom habilitar-se na forma da lei, no praso
de 60 das, contados da dala desle ; avisan-
do-sea lodosos prenles, amigos, e conde-
cidos dos interessados, para que Ihes parti-
cipe do conteudo no presento elital.que ser
publicado pela imprensa, e aflixado no lu-
gar mais publico deata cidade. Dado e pas-
sado nesta cidade do ft'Cife de Pernamim-
en, em 4 deFevereiro de 1851. Ea, Galdi-
no Temistocles Cabra I de Vaoconcellns, es-
rio vi. Angelo Henriquet da Silva.
Pela inspectora da alfandega se faz pu-
blico que, no dia 14 do crreme, se ha de
arrematar em hasta publica, na porta da
mesma, duas grosas de mascaras, abaodo-
adaspelos direitos pela viuva Lasserre
ompanhia, no despacho n. 381 do mez d
se'embro do anno passado.
Alfandega de Pernarobuco. 11 de feverei-
ro de 1851.--6 inspector interino, Bento
Jos Fernandei Barros. ____________
Declarado 46.
tu, a lind e veleira barca portu-
gneza Bracharense, da qual he ca-
litao Rodrigo Joaquim Correa ;
tem excellentes ci.mmodos para
passageiros : quem oa mesma q>i-
ter carregarou ir de passagem, di-
rija-se no capitao na Prac do
ummercio, ou a Novaes & Com-
,)anh,a,oa ra do Trapiche nu-
mero 34-
-.A escuna nacional Emi/a,deque he ca-
pitflo e pratico Antonio Silveira Macol Ju-
nior.deve seguir para 6 Para por estes dias,
ara cujo porto ainda pode recaber alguma
carga e passageros : os pretenden tos diri-
lam-se a ra da Cruz n. 13,a Miar com Jo3o
Carlos Augusto da Silva, ou com o referido
capito.
--Para o Porto sane com brevulade a bem
conhecida e veleira barca Etplrito Sanio, de
primeira marcha, forrada e encaviltala de
cobre : quem na mesma qulzer cirreg*roii
ir de passagem, para o que tem excellentes
commodos: dirjt-se ao seu consignatario
Francisco Alves da Cunta, na ra do Viga-
rio n. 11, primeiro an lar.
--Para o RtoGraodjdo sul sabem oou-
cos dias por ter o carregamento prompto o
vataxo nacional Eultrpe, pode receber al-
Hutnas mud8zas, passageiros e escravos :
frete : trata-se na ra do Apollo, armazem
n. 14, ou com o consignatario do mesmo
Lu Jos de S Araujo, na ra da Cruz nu-
mero 33.
Para o Ass e Guamare, segu no Sab-
bado 15 do corrente.o brigue nacional ero,
quem nelle quizer carregar ou ir de passa-
gem : di'ija-se a ra da Moeda n. 7._______
Rondimenlo do dia 13
Correspondencia.
Sri. edielores do D'ario de Pernambueo.--
Nao se offendam, se ante Vmcs. venho apre-
sentar um protoslo contra "S Seos compo-
sitores.
Em o meo acanhado artigo publicado ho-
j ob sua conceituada fulha, apparocem fal -
11:699,156
Detcarreqam hoje 14 de fevereire.
Rrigue U. Ridley bacalliao.
Escuna Braron dem.
Brigue. Abdel Kader carvSo.
CONSULADO GERAL.
itctnliracito do dia 13.. 4:206,011
Diversas provincias...... 530,216
4:736,227
RECEBED0RIA DE RENDAS GEiUJCB
INTERNAS.
Rendimentododia 13...... 376,882
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendlmentn dodia 13.....8:304 601
Movimeiitodo porlo.
Navio entrados no dia 13.
New-Yoik e Bern.uda 48 dias e do ulti-
mo porto 19. vapor americano Sea-Berd,
de 430 toneladas, capitao B. B. William,
t quipagem 25, em lastro; ao cnsul ame-
ricano. Esle vapor entrou tiontem de-
pois do sol posto.
O Idm. Sr director do I y cao manda
fazer publico, que do da 17emdianle: a-
cham-se abortas as aulas deste lyceu os
alumnos que quizeram frequnntar as ditas
aulas, devem apresentar seus requerimen-
tos, jontando a elles certidao de vaccina.
Secretaria do lyceu, 12 de fevereiro de
1851. Januario Alexandrino da Silva Ra-
bello Caneca, professor de desenlio e secre-
tario.
-- Perante o conselho de administrarlo
naval tem de comprar-se alguns alqueires
de farinha de mandioca do primeira quali-
lade, medida antiga ; pelo que convida-s
a quem possa convir semelnanie venl a, a
comparecers 12 horas da mantilla do dia
15 do corrente, munidos de propostas e as
amoslras.
-1- Todos os individuos matriculados nes-
ta capitana e moradores na fre Frei Pedro Goncalves, s3o chamados a esta
c lias, si'i'.i pena de desobdiencia.
Ca itania do porto do Pernambueo, 13 dp
fevereiro de 1851 .Rodrigo Theodoro de
Freitas, capitgo do porto. ___
Theatro de Sanla-lsabel.
44.' RECITA DE SIGNATURA.
SABDaDO, 15 DE rEVRRKIRO DE 1851.
Espectculo variado.
Dramtico, canto e danra.
Denois da MCMOCSo de urna agradayol
ouvertura, a companhia lyrica cantar o
terceiro acto da opera
ANNA BOLENA,
do maestro Donizetti.
Seguir-se-ha pela companhia nacional a
rppresentacSo da iuteressante comedia eai
um acto
O Diletante.
Fnda a qual as Sras. Baderna e Mourou,
laucarn o lindo passo a dous
Oh jardineiros.
Em seguida a Sra.iCandiani eo Sr. Tati,
Cantarlo o excellente duelo da opera
Marescialla d'Ancre, do maestro Nini ;
os Srs. Capurri e Eckrlin, execntarao o
helio duelo da operaCenerentola, do im-
niorlil Rossini
UM SEGRHDO DE IMPORTANCIA.
Terminara o espectculo com a graciosa
fr? ...
O Recrutamento n Aldea,
na qual o Sr. Raymundo, e as Sras. Bader-
na e Moureao. dancaro em terceto
O I.UNDUN D'AMARROA'.
Comeeart as 8 horas.
Os bilhptes acham-se venda no lugar
do costme____________________
Leiles.
cial.Vnteir.ndo adebaver por portara de 'Icaria o nosso reverendo Diestra com me-
7 do corrente concedido um\ ez"de lioenc.1 '"^ duelo de d.,er como diz por al.,, que
com ordenado para tratar desuasaudeao sowos-um mtseravel estvpido. Se em mui-
i, que anda quando ja nn tivessp- Pl,;,Mba 24'horas, hiale nacional Exala-
cao, de 37 toneladas, mestre Antonio Ma-
noel Alfonso, equipagem 4, carga couros
e loros ; a Jos da Silva Mendonca Vian-
na. Passageiio, o Brasileiro Claudino An-
di Ferreira
mus declarado em outra occasiilo, que a
nossa ignorancia era nvencivel, pela falla
do complemento de urna obra prima em seu
genero, para cuja assigualura concnemos ;
uosso reverendo nestre
continuo da secretaria do governo Manee
Baptisla de Souza.
Dito.A mesma, para que avista da coti-
la que remelle, mande pagar a Gregorio da
Costa Monleiro a quantia de 12,000 rs im-
portancia das despezas feitas com o susti n-
lo de cinco Africanos livres, que esliveram
rerolhidos ao quarlel do corpo de polica
-Intplligenciou-se ao delega lo do primeiro
dislriclo do lermodesla cidade.
DitoAopiocorador fiscal da Ihesoura-
ria da fazenda provincial, inteirando-o de
haver api rovado a planta do caes projecla-
do entre o arco da CouceicBo e o ursenal de
maiinha, alim de que mande notificar as
pessoas a quem foram concedidos lenos
de marinha daquelle lado, com a condic.3o
de (azerem a parle do mesmo caes corres-
pondente aos seus terrenos, para que cum-
pram com brevdade semelhaote condiSo.
- Neste sentido o(Iiciou-se ao director das
obras publicas.
Dito.Ao commandante interino da for-
taleza do brum.coninjutiicatidoquemandou
por emliberdadeorecruta Joaquim Carlos
por ter apreseniado ieii(3o legal.
Dilo.A cmara municipal do Recife,
para que a vista d., atestado do director as
obras publicas, mande pagar a Domingo.-
Jus de Santa Anua, a quanlia de 780,000
re., em que iniprla o augmento por elle
leio na obra do cemileno publico.
tas ialavr-s ha leltras de mais, n'out'as
ha lettras de menos; e substituidas por ou-
Iras, que lornaai aquellas iuinlelligives :
o lalinorio de que nos servimos sabio t3o es -
tiopiado, que he imposslvel haver quem o
iraduza !
Seria massar os pos leilores fazer urna
nota de lodosos erros lypographicos ; po>
isso nao Ihe enviaremos a com peten teE-
BATA-; e ao deniais elles j devem estar a-
CiSiumados a taes faltas, porque mesmo
na modesta e linda imprenta da-se a mesma
cousa ; e lano que o paore mestre o deca-
rou na devida forma, n.oslraudo-se mulo
zangado por havernios tomado poni erros
seus os que eram smenle dos lypographo
He que la e c ms la las ha !
NSo podemos porm deixar passar sem
urna eorrecc;3o a suprec,3o dos ttulos do
Illm. Sr. padre Lopes Gama, feito epigrapbe
do nosso referido artigo. Essa epigraphe
ho a seguinte, e nSo como foVpublicada :
O Apreudiz de Carapui;as e o Illm.
Itvtlm. Sr. padre Miguel do Sacramento Lupes
Gama, conego honorario da capellu imperial,
commendador da ordem de Vhristo, tente jubi-
lado de rhetonca, diiector do lyctu da provin
da, ex-defittado ussrmbleo gerul em diffi-
rentcs legislaturas, etc etc., ele
h tanto se acna isso uootiginal que logo
no coineco do artigo, e em lodo o correr
ilriie iiiila--e esla.s palavras : .....ailluetre
pessoa {olllm.Sr. padre Jipes Gama)cujo
nome e titules detxumos mencionados no alto
deste, em signalae respeilo... etc.
Ballimore 45 dias, barca americana Du-
glas. de248lonelaias, ca it3o I. Farrell,
equiagem 10. carga farinha, bolacha
bacalhao ; a Deane Youle & Companhia.
Rio de Jaoeiro-18 dias, brigue nacional
Carolina, de 226 toneladas, Capitao Fran-
cisco Antonio de Simas, equipagem 15,
era lastro ; a Viuva Gaudino & Flho. Paa-
sageiros, o Brasileiro Ulysses Brasileiro
da Silva i.mmanes e o Porluguez Jos
Cariado CoelllO.
dem-32 das, brigue nacional Vero, de
193 toneladas, capitao Manoel Jds Ribei-
ro, equipagem 14, em lastro. Arribou
a este pono por precisar de concert, e
segu para o As-.
Marselha 42 das, brigue francez brnes,
de 189 toneladas, capitao Crunmelty, e-
quipagem 10, carga fazendas ; a Asiley &
Companhia. Passageiro, o Francisco Gil-
lel J. Baplista.
Mar-Pacitico 49 mezes, galera americana
Canfina, de 362 toneladas, capitao Edu-
ard Harding, equipagem 23, carga azeile;
ao capiao. Veio refrescar, e segu pa-
ra New-Bedford.
dem 39 mezes, galera americana Luvant,
de 382 toneladas, capilflo Willimn Lou-
vem, equipagem 20, caiga azeite ; ao ca-
pitao. Velo refrescar, e segu para Sag-
tlaber.
Observado.
Sabio em commissSo a escuna nacional
Lindoia, commandante Joaquim Alves Mo
'/eir.
Avisos martimos.
Agencia da companhia dos vapo-
res Ingleses.
O vapor Teviot, capitSo Ri-
vett, deve aqu estar de volt
para a Inglaterra no dia 17
do corrente pelas 4 horas da
mnh3a, e partir as 10 horas do mesmo
.lia fazendo escala pelos porlos j annun
ciados de S. Vicente, Tenetife, Madeira
Lisboa : as pessoas que prelenderem passa-
gens ou carregar para qualquer dos indi-
cados porlos queiram tratar com a necessa-
ria antecedencia no escriptorio da respec
tiva agencia ra do Trapiche n. 42. Adver-
le-so que as cartas deverSo ser postas no
correio, e n3o na agencia, aonde se as n3o
recebem.
__Para o Maranho com escala
pelo Cear labe em poucos dias o
bem conhecido brigue-escuna na-
cional Laura : para o resto da car-
ga e passageiros trata-se com o ca-
pitao na praca do C'ommercio, oo
com Novaes 6c Companhia, na ra
do Trapiche n. :i'|-
Para o Rio de Janeiro segu viagem
nestes dias o brigue brasileiro Soares : ain-
da recebe alguma carga, passageiros e es-
crsvos : os pretndanles, dirijam-se ra
do Trapiche n. 5, escriptorio.
-- Pars a Parahiba sabe impreterivelmen-
leo hiate nacional Espadarle no dia 13 do
corrente: para o resto da carga, trata-se
com-Antonio da C. Ferrerra Es-trella, na ra
la Cadeia'do Recife n. 23, ou com e o meslr
do trapicne doalgodSo.
Para 0 Porto sahe com
maior brevulade possivel, por ter
parte do seu carregamento promp-
C. J. Astley & Companhia ftjrlO leilSo,
oor inlervenc3o do corretor Oliveira, de
grande e variado sorliment de fazendaj,
todas proprias do mercado : sexta-faira, 14
do corrente, s 10 horas da manhS* em pon-
to, no seu armazem. ra do Trapicha.
O corretor Miguel Carnairo, fir lei-
18o no dia terc.a-feiia 18 do corrente no seu
armazem na ra do Trapiche n. 40, de di-
versos trastes e out'os muilos objectos ; as-
sim como ao maiodia em ponto Ir a lei-
lSo por ordem de seu legitimo dono, a pro-
onedade denomnala ilha de S.-loao-ltap
lista junto aos Afogados, sent chaos pro-
prios, e livre de decima, contendo duas
excellentes casas de pedra e cal em bom
estado, dous grandes vtveros, canto e tan-
tos ps da coqueiros, bastante terreno que
produz capim, ou outra qualquer plantacSo,
asto para gado, mangue que da bastante
lenha a qual offerece grande vanlagein por
ser perto da Dratja que pode hem servir pa-
ra assenlar-se qualquer fabrica ; e ven ter-
se niuilo em conla i os prelendentes p-
dem dirijir-sea mesma ilha psra examuu-
e conhecer todas as suas porporgoes, an-
tes do dia do leilSo._______________
Avisos diversos.
Hotel-Torres.
Acha-se abarracado no bello sitio de San-
to Amaro; portanto convida aos seus ami-
gos freguezeso co nparecimenio ao mesno
hotel, no qual encontrarSo o meliior aga-
zalho e aceio possivel.
Auzentou-se na tarde de 9 do corrente
o pardinho Braz, natural do sertSo, ida-
de 16 annos, estatura regular, cabellos
um tanlo crespos, olhos pretos, levou ves-
tido caiga de rscado de quadros miudos,
camisa de madapolSo, e bonete de riscado :
roga-se a todas as autoridades policiaes, ca-
pitaes de campo e mais pessoas particula-
res o aprenso lam e conduzam-no a ra do
Cotuvellon. 135, que se gratificar.
Pessoa alguma contrate negocio como
sobrado de um andar na ra estreil do Ro-
tariu D. 35, sem que paiticipe a abaixo as-
signada, porque elle se acha com alguma
responsabilidade.
Francisca Mara Claudina.
A pessoa que diz querer singar urna es-
crava para o servico interno de essa, din-
ja-se ao Atierro da Boa Vista n. 47, primei-
ro andar, que achara com quem tratar.
Hn hojea ultima praca por venda, da
casa da Soledade, ao meio dia, na asa das
audiencias do Sr. Dr. juiz do civel ds !.,
v.ra, pela quantia di-1:200,000 rs, por exe-
cucSo do Sr. Antonio ds Silva GusmSo,
coilra a viuva e herdeiros do fallecido Joa-
quim Xavier da Maia.
Jo3o Xavier Ribeiro de Andrade, leva
em sua companhia para o Rio de Janeiro a
sua escrava Joanna, do gento de Angola.1
Faz certo Bento Alves, mora lor em
Olinda, que elle nSo vende mais capim de
planta.
Dessppareceu de bordo do brigue Ada-
tnastor, o escravo preto, de nome Ped'Oi
nacOo Mozambique, idade 30 anuos pouco
mais ou menos, rosto cumplido, ceg do
olho esquerdo, levou vestido calca e cami-
sa de algodS.i azul e chapeo de palha:
quem o aprehender pode leva-lo a bordo do
dito navio, ou a casa dos consignatarios
Machado & Pioheiro, na ra do Vigario n.
19, segundo aodar.
Roga-se ao Sr. Gaudino Lopes de Oli-
veira, oe apparecer na ra Nova n. 50.
Precisa se de um bom cozinheiro para
urna casa de familia eslrangeira : a tratar
ua ra doTrapixe n. 3
OfJferece-se um rapaz estrangeiro para
criado ou bolieiro de qualquer casa parti-
cular : quem precisar aonuncie para ser
procurado.
Precisa-se de um amassador que eo-j
tenda de masseira, para urna padaria nos
arrabaldes, quem estiver nestas circums-j
tancias dirja-se a Santo Amaro, na venda
que fica por baixo do sobrado, passando a
lundigSo, que acbar com quem tratar.
-- Precisa-se alugar um sobradioho ou
urna casa terrea, prxima a ra Nova, que
n3o exceda a 10,000 js., propio para fami-
lia -. a fallar na ra Nova, veuda u. 5.
-O Sr. C. E. I. L. lenha a bondade da
mandar o importe do aderec-o que levou a
uioalra da ra do C.bug loja de ourtves ,
,io contrario se publicara o seu npoiepof
este Diario.
O Sr. M. J. F. S. B. haja de assignir
leltra que Ihe foi apreseutada ; do contra-
rio ter de vor tudo publicado a tal tw
peito.


m
a
Opa'reThomaz deSanta Marianm da
Jess MagalhSes tem abertn aula oara ensi-
llar primeiras lettras o latm, segundo o
3*yst*ma ado tadoms aulas publicas desto
imperio, na casa de sua residencia, na ra
do Rozario da fio Vista n. 48, o recebe
alumnos, nBo s externos como meio pen-
sionistas, o tamhem pensionistas, o se obri-
ga a dar bom tratamentn ; acusando porm
de mencionar procos e qualidade do trata-
manto, porque com os pas, tutores, ou cu-
radores se entender : o que, porem, pro-
mette he o adiantamento dosseus alumnos
e a boa edncae.ln.
200,000 rs.
Desappareceu no dia 2 do marco de 49, o
escravo Braz de idade 32 annos alto, grosso,
un tanto fulo com os dentes da frente a- r
bertos, com dons talhos na testa que mal se efTeito da caxissa, pois he bebido, bastan-
divulgam, e algumns sicatrizes as nadigas te ladino, denotando mulla viveza, e he
de chicote ; desconfia-se que se acha em um | milito contador do petas, e por isso se co-
ta ao abaixo assignado de gene-
ros que lites supprio de sua venda
no mczde dezembro prximo pas-
sado, tratem de pagar ao encarre-
gado desta cobranca ; docontr-
rio tero o dissabor de ver seus
nomes e contas por extenso oeste
Diario. Antonio Pinheiro da
I'onseca Jnior.
-- Acha-se fgido desde o dia 6 de Ja-
neiro do crranle mino, o esortvn Gabriel,
de nacSo Benguella, de i lade 30 annos,
pouco miis ou menos, estatura regulai,
preto, cabepa axatada, olhos vermelhos por
engenho desta provincia : quem o pegar e
levar a seu senhnr Antonio Casado da C i-
nha Mima no engenho Mataran na villa d'A-
talaia provincia de Alagis, ser gratificado
com 200.000 rs.
Pncisfl-se de dousofflciaes de chiru-
teiro : na jui Direili n. 85 piga-se a 180
por cento.
Pergunta-se: primeiro se he licito
um juiz inferior dar vista pan embargos
um ccordSo da relacSo ; segundo se rde
o me*mn juiz negar a interpnsicSn de urna
pnellaro por se dizer na pelicSo.que assim
se fifia da sua injusta sentenca ; terceiro se
linda pode negar despachos por nao se Ihu,
dir o tmtamentosenhnria, quandosllie
compete um curto Vme. Com a respusta se
prometi revelar certis gentilesas desse
nosso cnndillac. O Dr. Cah.
Desappaeecau a 2 para 3 mezes do em-
barque ni ra Nova, saturnio para Apipucos,
urna mala que continhi fronhts, lualhas,
siiis brincis, calcas, siroulas panniuhos
de livirinto, 1 pir de sipitos de mirro-
quim roxo, n uns parafusos de cama, 7 ca-
misas de homem bordadas, camisinhis de
menino : quem achou innuncie quesera re-
compensado.
Roga-se 10 autor do anuuocio Um
da ra do 1.mmenlo quo seria melhur
que se imi orlassn com a sua vida ( que nSo
o honra nada } do que.com a vida alheia ,
ilevi-ndo-se lembrar, que s vezes por urna
fatalidade, pode ir parar oesta cidado em
urna casa, igual a que residi na cidade da
Parahibi, di quil he desertor; e timhem se-
ria u llmr queapplicasse seu lempo em cu-
rir-se de Srus pincOes, evitando de ir pa-
rir na contra-coala, porque seria peior do
quepan Barqueiros ou Mossamedes.
O lenenle-agente do batalhao oitivo de
caradores tem de destribuir por pesio-s par-
ticulares, fardamento para se madufaciurar
ronsi I lilo em j*qclas,calcas,boneles, sen-
do de panno verde, e polainas pretas, para
o que a qualquer hora do da estara no
quartel do mesmo batalhSo no Hospicio ,
sonde dir por quintse paga pelo fetio
de cidi umi peca.
--Desippirecenm no dia 12 do correle
mez de fevereiro, pelas 9 horas da noite, da
ciss de Antonio Joaquim deAlmeida, um
mulato de nome Jos de idade 40 mnos
pouco miis ou menos, e um cibrinhi de
nome Rufino de idade 10 12 anuos, vin-
dns do cup1 nlio Vellio pertencente aoSr.
Florisno da Gusta Delgado Perdigfo da pro-
vincia de Alagoas : e por isso roga-se poli-
ca ou a qualquer pessoa que os pegue do os
levar na ra Nova n. 37.
--Precisa-.se de orna ama para comprar e
cosinhar: na ra da CunceicSo da Boa-Vista
I). 11.
A 14 de Janeiro do correte anno, se
evadi do engenho Canha, propriedade de
Domingos da Costa e Silva, o cscravo JoSo,
de nseflo Anguila, idade 30 i 40 annos, bai-
xo, cor vermelha, bem barbado, clhos
grandes, tem um dos lados do rosto mai.t
rxo, proveniente de um cobreio que teve.
tem em urna das coxs pelo lado de fura
urna marca de urna chaga que teve, em urna
das mSos abaixo do dedo mnimo tem um
nheee fcilmente fallando-se com elle, he
cozinheiro, barbeiro e pedreiro, foi escravo
do capilo tenente Francisco Xavier de Al
cantara (commandanle da cuverta anua-
ria), vendido pelo capilSo lenle Anto-
nio Carlos de Figueira Figueiredo (com-
mandante do Caliope), ao major Antonio da
Silva Gusmao, hoje seu legitimo senhnr :
quem o pegar leve-o ao referido major
GusmSo, no Alterro dos Afogados, que pa-
gar generosamente, e mesmo a quem der
delle noticia.
Casfa decommissio de escravos.
Compram-se e vendem-se es-
cravos, e recebem-se de commis-
so, tant; para a provinria como
para lora deba ; epara os mesmo-
m' offerecem muilas garantas aos
seus donos : na ra das Larangei-
ras n. i4, segundo andar.
Precisa-se de um pequeoo que tenha
pratica de vend : a tratar na ra Velha n.
102, de mantilla at s 8 horas do dia.
Precisa-se de um feilor quo entenda
de jardim : na ra da Cadeia do Recite nu-
mero 37.
Aluga-se pelo lempo que se conven-
C'onar um sitio com suflicientes trvoredos.e
slgum cipim, na Pissagem di Magdalena
junto ao lllm. Sr. Joflo Pinto de Lemos,
ieoilo a casa duas salas alm da 3 quartos,
cozinha, estribara para 2 ate 3 cavallos,
tarimba oin pretos : quem pretender di-
lija-se a fallar cum Manuel Jos dos Santos,
em casa de Russell Mellors & C, na ra
doTrapixe, esquina da Lingoeta n. 32.
Precisa-se alugar um molsque que sai-
ba cozinhar para casa de homom soiteiro i
na ra do Crespo n. 16.
A pessoa que souher Dem escrever e
com boa letra, se incumbir de
una pequea escr ipturaccilo : apparer* na
ra da Ciuz do Recite, botica de Luiz Pe-
dro das Neves, quo achara com quem con-
tratar.
O abaixo issigmdo tendo com o iux
lio de um socio montado em melhor p
padarii di Omhoa do Carmo, que outr'ora
pertencia a sua Tinada sogra Mana l.ouren-
Ca da Conceicito, annuncia a antiga fregue-
zla, que continuar a fornecer-lhe bom pSo
da (nelii.it farinha do mercado. Julga oulro-
sini opporluno declarar aos credo< es de sua
fallecida sogra, que a nova padaria nto
se servir dos utencilios da antiga, que se
achavam em completo deteriori.nente, co-
mo poder-se-ha verilicar.
Jos de Carvalho Raposo.
Desapareceu na noite de 31 de Janeiro,
do Barro at S. Amaro, um quarto com
cangalha, dous pares de saceos e dous cou-
ros, tem os signaos seguinles : ruco tallu-
do, com algumas pintas de pedrez, de 8
para 9 annos pouco miis ou menos, em
grao, tem do pescoco pira a sarnelha urna
baixa, tem as pontis dos quadris rolladas
develho, com o ferro AFa margem, junto
do quadril direilo, julga-se teridoemal-
gum romboio para algum engenho : roga-
se a quem tenha adiado dito quarto ou
-
zer seus dbitos, na rni Nov ti, 50, pois
ahi se acha pessoa habilitada ;, teciher, isto
no prazo de 8 dias a contar i'i dala desta, e
nSo b fazendo terfo de ver eos nomes de-
clarados neata folha, eserflri ex. culadas na
forma da lei.
Aluga-se urna casa terrea ni ra da So-
Icdade, com seis quartos, duas salas, com
cozinha fora, quintal morado e cacimba :
quem a pretender dirija-se ao Atierro da
Roa Vista, padaria do Sr. Barrilier.
Alugam-se duas casas terreas na ra
atrs da matriz da Boa Vista, cada urna com
seis quartos, dual salas, corredor ao lulo,
cacimba : quem as pretender dirija-sc ao
Alterro da Boa Visti, na padaria doSr. Bar-
rilier.
-- Aluga-se urna casi de sobrado de dous
indares na ra do Rangel, lando commodos
para urna grande familia : quem pretender
dirija-so a masma rui do Rangel, venda de
Domingos Ferreira Lima.
Aluga-se o armazem da casa n. 7, na
na da Cadeia de S Antonio, o qual tem ex-
pelientes commodos pira urna coeneira, o
nutro na ra di Prall n. 36 : a tratar ni
ra do Crespo n. 10, com Ignacio Luiz de
Brito Taborda.
Festa de S. Amaro.
O propietario da confeitarja da ra do
Rozario eslreiti n. 43, faz ver io respeila-
vel publico, que i pedido de muilas pes-
soas, alugou urna casa do Sr. Rapozo, afirn
ile nella ter um sortimento completo de
um ludo, tendente a festividtde do mesmo
S, Amaro, sorvete todas as imites na occi-
siio da novena, e no "lia da f.-sti as 11 ho-
ras do dia e a noite, ludo com a maior lint-
pezi e promptidSo possivel, e juntamenta
urna sala independente para assenhoras to-
uiarem sorvetes.
-- Di-se pSo de vendagem a pretas c, mo-
loques : paga-se bem : na padaria defronto
di fortileza das Cinco Puntas n. 154.
Mobilia de aluguel.
-'-Alugam-se mohilias a vontade do a-
lugador, etambem saalugo cadeiras om
grande porcSo para bailes, ou officios na
ra Nova armazem de trastes do Piulo de-
fronte da na de S. Amiro.
O Consultorio hoinoeopa tilico,
O ra doCollegio, n. 25, O
O Do hr. P.de A. abo Voscoto. O
$ ODr. Moscosod consultas lodos os
i dias. Osdoenles pobres s3o tratados "
? de graca. S serSo visitados em suas ~y
W casas aquelles que no poderem vir O
';{ ao consultorio, ou que suas moles- O
O tiss iian possam dispensar a presen- Q
O ea do medico, Q
gommar, cortar o fazer carniza do homem,
vestido de senhora, seja do boa conducta o
escolhida : m casa do Joo Vslentim Ville-
la, no Montniro.
Compra-se, para urna encommetida.
orna prnta moca, boa cozinheira eengom-
madi.ra : na roa da Cadeia do Itecife, loja
n. 50.'de Cunta & Amonm.
--Compra-so um sellim inglcz grande,
com algum uso, em hom estado : na tuh di
Cadeia do llecifo, loja n. 50.
Comaram-sc ossoS de hoi : na ra da
Concordia n. 8.
mmmmKmm
Vendas.

cirocinho, provinente do corle de um dedo I saibi onde elle exista, queira leva-loaoen-
demus que Ihe saino, e os |s bislinlelgenho Jaboatao ni freguezii de S Amaro,
apallietadns : quem aprehender dito escra-
vo, e o le v.. r o dito engenho Canha, aonde
reside o seu senhor, sera mui bem remune-
rado, cujo escravo na occasiSo da fuga I' tou do oiesmo engenho um quarto ruco,
cauda torada e bem passeiio ; e nesta prigi
pddem leva-lo ao Sr. Antonio Joaquim de
Mello, no oitfio do Livrameuto.
-- Piensa-se de urna mnlher, que saibi
cozinhar bem e eiigntnmir, sujeitando-sea
fazer is compras precisas : a fallar na boti-
ca de Bartliolumcu, la largado Rozario,
numero 36.
Precisa-sede um menino de boi con-
duela, de lo a 12 anuos pan venda, anda
mesmo que pouco ou nada en leuda : na
ra do Codorniz, Forte do Mallos, n. 70, .-o
dii quem quer.
Precisa-se de urna ama de leite sem
cria : ni rut Nova n. 41, primeiro andar.
Novaeg & Companhia remettem para
os portosdo su I i escrav Fortuosi, per
teoeente o Si. llernaM un Antonio do A-
miril eAvevedo, i entregar a ordem de
Manuel Prreira dos Santos Silva.
* Deseja-se fallar ao Sr. Alexandre Al-
ves de Albuquerque i negocio deseo inte-
rnase i na ra da liman, em casa de L. da C.
Porto cineiro.
Quem tiver para alugar una escriva,
que suba co2inhir, engommir e fizer todo
o miis servteo interno e externo de urna
casa, annuncie para ser piocurado, ou diri-
ja-se ra Nova, loja do Sr. Tinoco, que
achara com quem tratar.
A aula j annunriada por este Diario,
dirigida por una senhora solteira, que vive
em companhia de seos pas com a hooesti-
dade e acatamento propno de seu sexo e
condicAo, continua na ra Direita n. 43.
Esta senhora torna-se digna da protocolo
de lodos os piis de familia que a quizeiem
honrar, conflando-lhe l primaria educicSo
de suas lhis, j por ter, desde a primave-
ra de seus annos, adquerido una pulida
educicSo, sem duvida nenhuma devida ao
es ti ero com que seus pas cuidavam de sua
infancia, e ja por ter as habililacOes preci-
sas pira desempeuhar o lugai a que se pro-
p- ; espera, pois, a annuuciinle que o seu
oili-n iTitienio ser lii'iii acolbido do publi-
co desla cidade.
As pracas do segundo bata-
lliao de artilharia a p, que fica-
ram devendo na villa d'Agoa Pre-
que ser recompensado, ou na ra do Vi-
gario ii. 12.
Jos de Souza e S relira-so para fon
di provincii.
Da-so 1:000,000 rs. i premio com hy-
poteca cu predios nesta praQa, ou firmas a
contente, quem precisar annuncie.
PreCiBi-so de umi pela escrava j ido-
zi, para tritr de urna enanca e fazer o
servico inleruo que fur mister em una casa
de pouca familia : na ra do Crespo n. 14,
terceiro andar.
--O abaixo assignado perdeu um meio
bilbete da lotera do liiu de Janeiro, favor
dis obras da casa de coi leccSo da corle, de
n. 5455, este biihete fui perdido no quariel
do corp de polica. Jos Rabelo Vuixlha.
Precisa-se de um preto escravo que
entenda de planlacOes, e que seja liel (e nSo
se embriague) para trabalhar em um sitio :
quem o tiver e quizer ilugar dirija-se ao
porleiro da alfandega desla cidade.
Aluga-se ou traspassa-se o arrenda-
mento o terceiro indar do sobrado na ra
da Cruz n. 34, com grande sotan, muilo
fresco, e com commodos para familia : 1ra-
ta-se na praca do Corpo Santo u. 2, primeiro
andar.
Precisa-se de um rapaz que tenha bas-
tante pratica de leja de miudezas: a tratar
na ra do Calinga, toja n 9, ou no Atierro
da Boa Vista, loja nova n. 3.
Eogommi-se e lava-se lodi i quilidi-
de de roupi com lodo isseio e muiti pronip-
tdSo, por preco miis commoJo do queem
nutra qualquer parle : na ra de Agots-Ver-
des, n. 26.
--Precisa-sede urna ama secca para cui-
dar de urna menina, preferindo-se portu-
gueza : a tratar no Monleiro, casa do Dr. Jo-
s Bento, ou na casa defronle do Sr. Juo
Ignacio do Reg.
Precisa-se de um feilor capaz para o
servio seguidle : lomar conla de um si-
lio pequeo na Magdalena, e trabalhar l ef-
ectivamente duas semauas ou o lempo que
fr preciso para por o sitio em ordem, e
depois eolito vir s urna vez por semana.
Quem quizer procure no mesmo sitio do
br, Manoel Alves Guerra.
Ni ra da Cadeia Velba u. 41, primeiro
andar, precisi-se de umi ama, que coz-
niii: e faga compras, para uuia casi de pou-
ca familia.
pede-se aos devedores de Jos Gon-
cilves Maii de Azevedo e Joaquim Gon-
cilves Maia de Azevedo, de virem sitisfi-
Baile de mns^aras.
Existe na ra do Queimado, lo-
ja n. lo, a niais I i iid i fazenda pra-
teada, propria para vn-.lnano de
ma cas bordadas de seda de cores,
proprias para domin.
Vende-se na loja oova na ra do Crespo
n. 10 de J. L. de B.Taborda superiores cortes
lo cas tinca france/.a ile lu los oa.lras pe-
lo barato preco de 7.000 e 7.500 rs., ditos
de meia dita a 3,5itO a 4.000 rs., riscidoa
franezes a 280 rs. o cvalo, lencos de s/S-
da c>m li'ii| i, para senhora, bonitos pa-
ilr<3es e. auperlorefl qiialiilades a4,0'iOrs..
chapeos de sol de seda pira senhora a 4,00 i
rs., ditos rara homam, pretos e do cores a
6.800, e lencos de pura seda a 1,700, 1,800
2,000, e 2.240 D).; superiores mantas d-
seda do ultimo gosto a 13,000 o a tt OOi)
rs chales de cadaco a 1,300 o 1,400 rs. ;
corte de camhraia de seda lambam do ul-
timo gOSIO a 10 000 11,000 o 12 00) rs e
ontras muilas fazmidas d.i superiores qua-
lidades, (uescvcnJem por diminuios pro-
cos.
Couro de lustro.
Vende se couro de lustro de primeira
qualilad', por preco com modo a tratar
com Rollie& Iti loulac, ra Plios|ili .ros.
Vendem-se phosphoros, por preco com-
modo : no escriplorio de Rolhe c llidoulac,
ra do Vigario n. 4.
Por 30,000 rs. he dado.
Vende-se utn ber<;o de verdadeiro jaca-
raoda, micic, com rmacSo, nevo e mui-
lo foi te, por 30,o00 rs., por no poder con-
duztr-se embarcado : na ra de Hurtas nu-
mero 20.
Pechinchi.
Na loja nova da ra do Crespo n. 10, de
OOQGOOOO&OOOl&GOaO J Taborda vende-se alpaca preU
--Traspassa-se o arrendamento do enge-!',e t0,as s qualilades. a 640, 710, 800,
nho Quelu7, sito na freguezia de Ipojuca,! 1.000 e 1,200 rs. o covado ; co tes de b'lm
vendendo-se a safra no campo, o engenho Iescur0 de l,nn0 Puro de 2 I* varS' a 00
he copeiro e bom, e tem bons cercados : a
tratar coto Miguel Augusto de Olivefra, na
sua residencia no engenho Camassari, na
freguezia de S. Amaro JaboatSo, ou com
Theotonio da Silva Vieira no engenho Ca-
xoeira da freguezia de Ipojuca.
C2S" Mudanca. j^>
Joaquim Antonio dos Santos Andrade o
Manoel Carneiro Leal participam a seus fre-
guezes, e especialmente ao corpo do com-
mercio, que, em virlude das posturas da
cmara niunicioal desta cida le ter mnda-
lo retirar su>s fabricas de caldeireiro, sitas
res.
Sapatoes de lustro.
Vonlem-s sapatOes de bezerro de lustro
a 4,000 e a 3,500 rs. muito ben feitos : no
Aterro da lina Vista, loja de calcado n. 58,
junto ao selleiro.
Garrafas vasias.
Vendem-se gigos com garrafas vasias: a
tratar com Rothe & Bidoulac, na ra do Vi-
gario n. 4.
fifias, brinzbes, lonas e ti.ilas.
Vendem-se hrins, brinzOes, lonas da Rus
na ra Nova ns. 27 e 33, para os arraballes '?.l.a.0 ," '"Ssortidas a tratar com Rothe cv
da niesma, reuniram as duas faliricas a urna
s, que se acha montada em grande escalla
com todas as oflicinas pertenceutes a mes-
ma, como seja, caldeireiro, Moeiro, fun-
dicilo de metaos, serralheiro, funileiro, etc.,
etc. i qual gyra sb a firma do Andrade &
Leal. O socio Leal reside elTectivamente na
H loulac, roa do Vigario n. *.
Casa le coiiig;iiacao de escravos,
na rna do Rozarin larg:a U. 22,
-cmiiiiio anda i*.
Vendem-se 8 escravos mogos, bons tra-
bajadores de enxada ; 2 lindos melecotes,
sendo um bum carreiro e de boa conducta
nova rabrtca, na ra Imperial n. 120, e o so-, u",a nl"'t'"ha de 14 annos. com prendas
ci Andrade nos depsitos da mesma, na docosor eengoin nar ; duas negrotas de 16
ra Nova os. 27 e 33 : em qualquer dest-s a,nno* p de ll,llas fiK"ras ; "' "eg'inha
.ugiresospretendenles sempro osacharao,de Pannos com principios do costura ;
promptospara acetir suis encommendas,! llma Pre,a "a quilandei-a ; duas ditas de
queserSocumpridasaseus desejos, e com meia "la'le- a"" sat"'m cozinhar e vender
a devidi presteza. na ''"' i "'" lir|,| da Costs, de meia i.laJe,
OOOOOOOO CQO&OO&OO Prl,ri" Para trabalhar em sitio por esla, a
3 lina das Crii7.es n. 28. $
0 Comullorio hommopatbco do faculta- $
pv livo J. B. Catanova. A
A Gratis para os pobres. p.
' Na ausencia do facullaiivoJ I!. Ca- \f
X sanova, o professorde liomoeopithia **
9 Gosset Bimont continuar com os
O irabalhos do mesmo consultorio, on- &
& de poder ser procurado a qualquer O
O or. 0
O Sr. Ventura Joaquim da Roza, cai-j
isso acostumado.
-- Vende-se um baldo e cinco caixilhos
com vidios, mu prop'iOl para armac-lo <1<^
loja de calcado ou uiiu.lezas : todo por pre-
cocomoindu : no Aterro da Boa Vista, Inji
de miudezas u. 72.
Vasos.
Vendem-se vasos devidro decores, de
diversas liminhos, s 2,000 va 5,000 rs. o
par: no Aterro da Boa Vista, defronlo da
lionee a, 11. 14.
chen. 3, zincoem folha, proprio par forro
do navios ecohertas 10 casas, lento Una
consistencia como a folha .le cobro e pela
terca parto do preco ; assim como rolhasdo
mesmo metal fura las, as quaes teem applt-
caco pa'a dilTerentes objectos.
Vendem-se, por prec 1 com-
modo, no armazem de ias Fer-
reira, no caes da Alfandega, os se-
guintes gneros : potassa em bar-
riqninbas muito nov.i, fumo em
folb.1 ara capa a milo de b iru-
t 8, cbocolate de Lisboa e fari-
nha de mandioca muito superior,
chegada a poneos dins do Rio de
Janeiro : tra -se no mesmo ar-
mazem, ou com Novaet. ck Com-
p.nbia, na na do Trapiche n. 3\.
Vende-se urna nre.ta do inca> "1" u"
nita ligura.dn 18 a 20a e. :; minia e cose, por preco comunlo : as
Cinco Pootas, s di-a.ln de um an lar n 36.
Ven le 11-se sit>tos de couro le lustro
para senhora, a 1,600 rs. o par: na praca
da In Inpendencii, loj do Arantes numeros
13e15.
INao ha cotisa mais barata.
Ven le-so, no Aterro 1. 81), ju'iln ao ilajosii.) ia pablara do Sr.
Buriles, Cefl em pilo para l as .1 1,000 r^
t I i lira : os I oa.lores de til ganaru u.l.i se
lescu len, pois sa esla acalundo.
f)f -Tf> "#:* i) *9
A i\o rs. o Covado.
Vendem-se chitas francizas fins,
? de pa lrOni miodidhos e cores lix | p lo barato preco .lo 210 rs. o cova-
H do: na ra do Crespo, luja de qua-
e$ tro portas n. 12.
*
4
-- Vendem-se 5 lindos moleques de 8 a
xeiro doSr. Francisco JuscGalvfio, haj de 118 annos 8 pretos de 20 a 25 annos, sendo
fazer ou de ir pagar o que esi devendo a ;u.n opluuosapaleiro, oulro oleiro e um ca-
niais de dous anuos, e 11S0 o fazendo ser noeiro ; quatro pardos, sen lo dous ptimos
sempre iembrado. Iinsriiiheirus e um com pnnci.nos decarpi-
Preeisi-se de urna senhora, que queira na ; duas pardas de 16 a 20 annos, com al-
ir para um engenho distante desta cidade 9 jgumas habilidades ; 8 pretas del5a25an-
legoas, e que tenha as habililacOes neces-
sarias pan ensinar ilgumas meninis, llltas
do senhor de eogenho, a tocar piano, ler,
escrever, contare grammatica porlugueza,
so.ier, bordar, etc. : quem pretender este
arranjo, ple dirigir-se prifa do Con-
mercio n. 6, escriplorio de Manoel Ignacio
deOliveira
O abaixo assignado professor particu-
lar de primeiras lettras, disciplinado em
preparatorios no lyceu desti cidade, paiti-
cipi 10 respeilavel publico e aos pus de
seus alumnos, que desde 13 de Janeiro dos-
te anno abri sua aula, e debaixo dessa
tnesma disciplina ensilla por principios
a gramil.anca porlugueza, latina e france-
zi; idmiltindo uesse recinto porcionistas e
meio porcionistas. Os pail de familia que
qufzerem applicir seus liliios 1 ilguma des-
s.is disciplinas, ptein dirigir-se 1 ra lar-
ga do Rosario n 48, segn tu andar.
Joc Vuria Machado de Figueiredo.

Compras.
Compra-se toda a qualidade de tras-
tes usados, e ttmbem se lrca na ra Nova armazem de trastes do Pin-
to defronle da ra de S. Amaro.
Compri-se um escravo que seja olli-
cial de cirpini ou pedreiro : paga-se bem,
cumtantu que nao tenha vicios ciein acha-
ques : 111 ra da Cideia, em Santo Antonio,
n. 19, serraria.
Compn-se um ca vallo de sella, que se-
ja bom e novo : na praca da Independencia
numero 26.
Compra-se urna escrava parda [ou cri-
ouli, que seja moc, sadia, saibi bem en-
nos, algum-s com habilidades, e as oulras
pruprias para ludo o servico na ra do
Cullegion 3.
ibdlno luz a importante o-
bra Manua/ do Negociante ou
odleco da legitiaco fiscal e ad-
ministrativa (tu imperio do Brasil,
conlendo toda a legislcicao mo-
derna, que pode interessar ao cor-
po do commercio e ao foro : ven-
de-se nicamente no puteo doCol-
legio, casa do Livro Azul, por
8,000 rs. o exemplar.
Vendem-se um preto crioulo, ainda
moco, com principios debolieiro, canoeiru
e que sabe tratar ue animaes por ter estado
em engenho : na ra do Sol n. 1.
Vondom-se diccionarios da lingoa por-
lugueza por Constancio, por preco wisu.i-
vel : na ra do Sul n. 1.
Cemento.
Vendem-se barricas com cemento roma-
no : a tratar com Rotbe & Bidoulac, rui do
Vigario n. 4.
Cobre para forro de navios
Vende-se cobre para forro de navios, bem
sonido : a tratar co ji Rothe & Bidoulac, rus
do Vigario n. 4.
Cabos da Kussia.
Vendem-se cabos da Russia de boa qua-
lidade : a miar com Role & Bidoulac, ra
do Vigario n. 4.
-C. J. Aslley & Companhia teem para
vender, em seu armazem, na ra do Trapi-
-- Vende-so umi bonita prela de nicSn
Costa, le s0 anuos, que cozinha o diario te
una casa, engomen* liso o lie muito dili-
gente : airas dos Harlyrios, ra do Caldei-
reiro n. 46, das dnas huras da tarda em (li-
ante.
Charutos de Uavana.
Vendem-se charutos de Uavana, por pre-
50 comino.In : no escriptorio de Rolhe a
llnioulac, ruado Vigario n. 4.
Franjas pretas pira m nileles.
Vendem-se franjas p'etas para mantele-
tes, pelo barato preco de 6K) rs. a vara : na
roa larga do Rozario ti. 26, loja de iniude
/.as de Jofu Francisco Maii.
Uasps de appellnco
interpps'a pelo Dr.Fil'ppe Copes Netto da
lecisSu di j 11 y para a 1 el ica 1 do dislric-
to, com observae 's s >bte o acc .otilir hiiu a deCilBo a (i,.el I a la pelo l)r. Mi
noel Mendes da Cunha Azevedo, 1 vol. por
1,000 : no paleo du Collegio, casa do Livro
Azul.
-- Vende-te urna taverna, sita no pateo do
Parai/o n. 30, assim como urna casa terrea
a ra da l'raia ; queai pretender, dirija-sc.
a mesoia venda cima.
-- Vende-se urna escrava de nacfio, mo-
Ca e boa qnitandeira, que lava e cozinha
alguma cousa i na ra d'Apollo n. 27, se-
gundo andar.
Cbegtiem a pechincha que se est
acabando.
Vendem-se pecas de chita franceza com i
palmos de larguia, do bonitos padrOes, a
2110 rs o covado e a 6,100 rs. a peca ; ad-
verte-se que so limP'S e sem avaria algu-
ma : na ra do Passeio, loja ti. 21.
A 1,00 ris.
Vendem-se chalos lisos, pequeos, para
homeiis e meninos, a 1,0 > rs. da ulli na
mods : na piaca da Independencia us. 24,
26, 28 e 30.
A
a,ooo res.
Vendem-se mui superiores o modernos
chapus de mola, a 5,000 rs. ; grande sorti-
mento de chapeos de todas as cures, sem
pello, para homens e meninos, de copa alta
e baixa, por muito barato preco; linissi-
mos chapeos hrancossem pello, da ultima
moda, I ../.Tula a mais supm lor queteai viu-
do ao mercado; mu linos chapeos de Ita-
lia, da nioda, para homens, seniio'as e me-
ninos, com apparelho e sem elle; sorli-
miTito.lt> Ixinets de todos os modrlos, pa-
ra horneas, senhoras e meninos ; chapeos
fraocezes, muilo elegantes o n formas e
l'i.il.l 1 les ; superiores chapeos a amazo-
na para senhora, de diversas cores ; olea-
do iota.lo, de ricos padrOes, proprio para
mesas de jogo, h,. ticas e comino las ; dito
ureto : tu-io por barato preco : na praca da
Indepen lenna ns. 24, 26,28 e 30.
lenlos p^ra lod Vendem-se oculos para todas as idades
pelo barato proco de 800 rs o i>ar: na ra
larga do Rozarlo n. 26, loja de JoSo Fran-
cisco M Vi.
(iii.iritis de mola a 5,5oo rs.
N luja de seis portas, em frente do Li-
vrainentu, ven lem-sa cha.Oos de mola, a
5,500 rs de boa qualidade.
Fil brdalo a 1,600 rs. a vara.
Vende-so fil de cores bordado, proprio
para manteletes e vestidos, pelo mdico
pre^o de 1,600 rs. a vara : na loja de seis
portas, em frente do l.ivramento.
Aos 5:ooo,ooo ris.
Vendcm-sea5 500 r.s. meios In I heles da
lotera do Livramenio, cujas rodas andam
inlalivelmento no da 28 do correte: na
praca da Boa Visia, botica n. 32.
-- Vendem-se 10 esenvos, sendo 1 pti-
mo oflicitl de pedreiro, e que sabe traba-
Aos 5:000,000 ris.
Vendem-se meios bilhetes da lotera a fi
vor das obras da igreja de N. S. du Livn-
menio, que corre, a 5,500 rs. no Aterro
da Boa Vista, loja de calcado n. 58.
I lia 1 mu a.vsenta metilo de engenlio ; 1 dito
bom carpina ; urna mulalinha de 12 14 an-
nos, de bonita (lgura, que engommi, cose,
faz livtrinto e mirc de linlia ; urna escra-
va de 18 annos, que cose, faz lavarnto,
marca de linha, co/.iiiha e fiz doces ; duis
.Illas de lodo o servico ; e 4 escravos do
servio de cimpo : 11a ra Direita n. 3.
Venham ver superiores cor-
tes de casemira de 3 lp covados,
a 5,ooo rs. : na loja nova, ao p
do arco de Santo Antonio n. 3.


Deposito de cal vlrgem.
Na ra do Torres n. 12, ha muito supe-
rior cal iiova em pedra, chegada ultima-
mente de Lisboa no brigue Tarujo-Tarctiro.
SSSF.
. Farinha "nova da marca SSSF, chegada
ltimamente: na ra do Amorim n. 35, ar-
mazem de I. J. Tasso Jnior.
Potassn da Russia.
Vende-se potasas da Russia, recentemen-
te chegada, ede muito superior qualidade :
na ra do Trapiche n. 17.
Taixas para engenho.
Na fundigSo de Trro da ra do Brum,
acaba-se de receber um completo sortimen-
to de taixas de 4 a 8 palmos de bocea, as
quaas acham-se a venda por prego com-
u>odo, e coro promptidSo enfbarcam-se, ou
carregam-se em carros sem despezas ao
comprador.
Moendas superiores.
Na fundigSo de C. Starr & Companhia,-
eni S.-Amaro, acham-se 4 venda moendas,
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construyan muito superior.
Grande sortimento de cliamtos
da fabrica de S. Flix, no ar-
inazem de Crocco S corapanliia,
i-ii da Cruz n. 21.
SSo chegados a este armazem os verda-
deiros charutos regalos, regala, cagadores,
deputados, venus, senadoras e soberanos
de ll,ivana, em caixasde cem e 250, por pre-
sos rasoaveis.
A pobreza.
Vendem-se cebollas americanas pelo b-
talo prego de 80 a 160 rs. a resten, e a 320
rs. o cento das solas : nos armazens Jo bec-
codo Gongalves, junto a esa da Sra. Viuva
Lasserre
Vendem-se arados america-
nos dos modelos mais approvados:
na na do Trapiche n. 8.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
RA DA SF.NZALLA NOVA N. 42.
Mate estabeleeimento conti-
na a ha ver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro balido e
coado, de todos os tamanhos, pa-
ra dito.
Chumbo de muidlo.
Vende-se no armazem de J. J. Tasso Ju -
uior, ra do Amorim n. 35.
Vendem-se amarras de ferro : na ra
da Senzalla nova n. 42.
Arados de ferro.
Na fundigSo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados ue ferro do diversos mo-
delos.
Deposito da fabrica de Todos;os
Santos na Babia.
Vende-se, em casa deN. O. Bieber&C. ,
na ra da Cruz n. 4, algodSo transado da
quella fabrica, muito propno para saceos dr
assucar e roupa de escravos, por prego com-
mojo.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17,
muito superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa
no brigue 7aruo 111.
Cal vi 1 geni ce i/isl o;,
da melhor que ha no mercado, e
chegada ha dias pelo brigue Ern-
preza : trata-se com A. C. dr
Abreu, na ra da Cadea do Re-
cife n. 37.
Na ra estreita do Rozario, travessa do
Queimado, loja de miudezas n. 2 A, de JJ
K. dos Santos Maya, vendem-se curdas de
tripa e bordes para violSo eiabeca, e pa-
pel pautado para msica, tudo da mellioi
i|i/alid*de possivel.
. 'io para sapnteiro c para saceos.
Vende-se um restante de ptimo fin par-
sapateiro em novellos, e dito em meiadas
para saceos, por preco commodo para li-
quidar facturas : em casa de Adamson liown
& Companhia, ra do Trapiche n. \
uoteria de N. S. do Liviamnito.
A os j;.....iSiupii rs.
Na loja de miudezas da praga da Inde-
pendencia n. 4. vendem-se bilbetes, meios,
quartos, quintos, decimos vigsimos, qu
corre impreterivelmente nodia28 do cor-
renle.
Bilhetes ioteiros
Me i os
i
ha
Quarlos
Quintos
Decimos
Vigsimos
11.000
5 500
2,600
2,100
1,100
600
Cera em velos.
Vendem-se caixas com cera em velas, fa-
bricada no Rio iie Janeiro, anrtidas a vonta-
de do comprador, e por preco mais barato
do que em oulra qualquer parte. Trata-se
com Machado & Pinheiro : na ra do viga-
rio n. 19, segundo andar.
-- Vendem-se pecas de chitas pardas, co-
res fixas, a 4,500 rs e a retalho a 120 rs. ;
cortes de cambraia, mui bonitos, cores fi-
xas, a 2,600 rs. ; e 100 saecus de estopa 110-
vos, com iluas varas cada um, a 320 rs.: na
ra larga do l.o/.r 10 n. 48, rimeiro andar.
Tecido de algodo trancado na fa-
brica de Todos os Santos.
Na ra da Gadeia n 5a,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
Deposito de e-pelhos das ma-
nafacturas de Franca : na ra do
Passeio n. lo.
Tinta para escrever.
Vende-se excellente tinta para escrever.
em frascos de mais de garrafa, a 480 rs. ca-
da um frase : na livraria ns. 6 e 8 da pra-
ca da Independencia.
Vende-se urna escrava cozinheira, sa
da esem vicios, o que se aflanga, assim ro-
mo quatro vidraeas para loja de miudezas
ou de sapateiro; tudoamconta : na ra lar
gt do Rozario, loja n. 35,
Vendem-se cortes de chitas linas com
12 covados, pelo barato prego de 2,600 rs ;
trancas pretis para capotinhos; bonetes
para crianzas, e turbantes muito lindos pa-
ra bapt7ados ra da Cadeia velha, casa
n. 24, primoiro andar.
tt Algodaopara saceos. tp
Vende-se muito bom algodSo para
saceos de assucar, por prego cnitimo-
** do : em casa de Ricardo lloyle, na f
3| ra da Cadeia n. 37. ".-'
l'anno verde invlsivel.
Vende-se panno verde invisivel, muito ti-
ro e baratissimo, n.1o se menciona aqu o
preco porque eauzaria isso urna admiragSo
aos pnii'ii ii'iiti's, a ponto de n9o fazerem
cont.8, e dizerem, sem virem ver a grande
pechincha, ora isso nao pode ser panno
bom ; lie este o motivo por que s se dir a
vista dos compradores e do dito panno
tambem restara algumns pegas de ganga
cor de cinza eamarella, propria para pali-
tos de meninos, que para acabar com bre-
vidade so yenderSo a 6,000 rs. a pega, e
meia pataca o covado no Aterro da Boa
Vista n. 18
Lei da euanln nacional.
Vende-se o peculio do guarda nacional,
contendo a lei, regulamento e o mais preci
sopara a mesma, a 1,000 rs. rada exem-
plar: na praga da Independencia, livraria
ns. 6 e 8.
V'cndem-se queijos iondri
nos, toiicinho em mantas, e vi-
lliii.s verdes, conservas de ioilas as
qualidas, tb preto, pos ai ,t pao
sem fermento, baldes para com-
pras e mais gneros.- tudo ultima
mente chegado de Londres : nti
ra da Cruz n. 7, armazem de Da-
vis & Gompanhia.
Vende-se urna prela de bonita (gura,
que faz todo o servico de campo : na praci-
nha do Livramento, venda n. 50.
Lotera deN. S do Livrame.ito.
Aos 5 000,000 rs.
Na ra da Cadeia n 46, loja de miudezas,
vendeu-se o bilhete inteiro n. 951, em que
sabio a sorte de 1:500,000 rs., e esto ex-
poslos vnda os bilhetes o cautela da
mesina lotera, que corre impreterivelmen-
te no dia 28 do correte.
Bilhetes 11.000
Meios 5,500
Quaitos 2,600
Decimos 1,100
Vigsimos 600
Tinta superior.
Veode-se muito superior tinta para es-
crever em frascos maiores do que garrafas,
em porcaoe a retalho, por menos do que
em oulra qualquer part-i: na ra da Ca-
lleja do Recife 11. 34, pruneiro andar.
Casa dr modas frunct.-7.ns, Aterro
da l:on Vista 11 I.
Madame Kuessard Millochau tem a honra
de participaras suas fregnezias, que polos
ltimos navios viudos do Havre, Ibe chega
ram modas novas de Paris, como sejam :
ricos vestidos para noivscom os cabegoes
e veos, vestidos para bailes e thealros, Cha-
peos, mantelletes, capotinhos, enfeites le
OabeCa, flores linas, um sorlimento muito
grunde de lit camizinhase colarmhos bordados, chapeos
de palha para senhorss e meninas, transas
e franjas, espaitlllios, luvas de pellica cum-
plidas para casamentos e baplisados, lengos
de camhraia de linho, bicos de blunde lar-
kos eeslreitos, veos o mantllhas deblonJe
verdaileiro, bicos de linho verdadeiro, cam-
braias bordadas, lilas lisas e bordadas, lu-
vs, etc. ele : tudo por preco cramelo.
Effectivameute faz-se chapeos, vestidos, e
em geral lodos ns adornos de senlioias.
Cobertores bespanhOes
de cores, muito fortes e de todos os tama-
nhos i vende-sena ra du Crespo 11. 11.
Vende-se na roa da Se>,zalla Velha,
padaria n. 100, ao entrar pi lo Recen l.aigo,
supeiior faiinlia de mandioca, viuda lti-
mamente de S.nta Catlianos ; por cada sac-
ca pagara o portador a pequea quantia de
2,000 rs. leva urna sacca nova de bom l-
god.lozinho, e querendo,desconta-se-llie 260
rs. passandopara outra sacca que leve.
Bom < barato.
hu do Passeio Publico, loja n 9, de Al-
bino Jo> l.eitc, vendem-se riscados mons-
tros, a 200 rs. o covado ; rama para liba-
los, a 240 a vara ; maiiapnlilo, a 2,000 a pe-
ca e a 120 a vara ; chilas, a 4,b00 h pega e a
120 o cova lo ; chapeos de sol, tanto de ar-
niac.So d'acocomo de baleiB, a 2,d00 ; len-
cos de seda de cores, a 1,500 ; luios de li-
nho azul ede cores, a 300 o covado; cha-
les de chita, a 500 e 640 chita para Cuber-
a, a 160 o covado ; o outras multas fazen-
das, que se deixam de annunciar para nSo
oceupar tempo.
--Na ra das Cruzes, venda de Domingos
da Silva Campos, veiidem-?e e alugam-se
as melhores bixas de llamburgo, tanto em
porreo como a retalho, por prego commodo.
Vendem-se candiciros para
meio de sala, muito ricos, com os
competentes globus, canudos e lor
cidas, dando a luz mais bullante
possivel : na ra do Trapicha 11. 8.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de diversos
modelos, assim romo americano-
com cambo de sicupira e Livro-
d ferro : na fundicao da ra do
Brum
-/
saccas, a 1,920 cada urna, advertindo-se que
este preco he para quera se quizer apro-
veitar, porque esta pechincha nfto p le
durar.
A bordo do brigue nacional Sagi-
tario, fundado em frente do Trem, Ven-
de-se imiio boa e nova farinha de man-
lioca, chegada prximamente de Santa Ca-
marina, por prego muito commodo.
Ghapos de tn -si sem pello.
Na loja de seis portas, em frente do Li-
vramento, vendem-se chapeos pretose par-
dos a dousmil ris, assim como chapeos de
palha da Dalia por precos rasoaveis, e de
outras qualidades.
emxmmmmm swmmmtmmm*
f Bonita flsnra. ;[
Vende-ae urna prela moga, de boni-
* ta hgura. que lava e he quitandeira -. "*
na ra do Vigario n. 12, terceiro an-
3 dar.
Attenrao t>o barato.
Vendem-se novas ceblas pelo barat pre-
co de 320 rs. o cento e a 3 000 rs. o milhei-
ro, eem restas escolhilas a 80 rs. cada
urna : no armazem que foi do finado Bra-
guez, junto ao arco da ConceiQSo, e em um
armazem, ao entrar na ra da Senzalla
Velha.
ns.
6, 8 e io,
Cimento.
Vendem-se barricas com cimento, pro-
prio para qualquer obra que possa rece-
ber agoa, assim como para aljeroz e im-
pelas, prximamente chegado de llam-
burgo, tambem se vendem as meias barri-
cas por preco commodo : atns do Iheatro,
tni'Hzeiti de tahuas de inno, a fallar tom
Joaquim Lopes de Almeida, caixeiro do Sr.
I0S0 Matlieqs.
-- Na ra Augusta, venda de Victorino Jo-
s Coneia de Sa, ha para vender-se carne
lo aerlflo, mull superior, a 280 rs. a libra,
e lingoifas a 320 rs. a dita.
Na ra de Collegio n. 16, laverna de
Antonio Joaqunu Ierreirn da Silva, vende-
se superior farinha de mandioca em boas
Vendem-se bilhetes inieirns, meios e cau-
telas da 16.a lotera a beneficio das obras da
casa de correcHo da coi te, que rorreo a 4 do
correle, e cuja lisia espera-se pelo vapor
inglez, que aqui deve chegar a 18 do mes-
mu : na loja de cambio di ra da Cadeia do
1:1-111 n. 21, da Viuva Vieira & Filhos.
Rngn-sf aos Sr. freguezes do ba-
rato que lelam o scg;uinte
a nn unci.
Veinle-s lirun de quadros de linho, a
320 rs. o covado ; riscado de linho, a 2-20 rs.
o covado ; dito de algodflo, a 180 rs. o co-
vado ; 1 ecote muito encorpado, proprio pa-
ra escravos, a 180 rs. o covado; castores
muito encorpados, a 280 rs. o covado;
brim transaio branco de linho, a 1,920 rs.
o ei'nie ; .no escuro, 8 1,600 Tt. o dito ;
esguiflo de algo 13o de 12 jardas, a 2,400 rs.
a pega ; cortes de fusiflo, a 560 rs. ; cober-
tores escuros de algodao, grandes, a 720
rs ; cassa prela, a 120 rs. o covado; Chita
de cores fixas, a 160 e 180 rs. o covado : na
ra do Ciespo n. 6, ao p do lampeSo.
Gheguem a pechincha que se est
acabando.
Vendem-se relogios americanos, proprios
para cima de meza, muito bons regulado-
res, e por preco muito commodo, para che-
garem aos poli es : na ra do Trapixe n.
8, e na ra das Agoasverdes n. 62.
Attencao.
Vende-se na loja nova na ra do Cres-
po de J. L. di B. Taborda gilas com pes-
cocinho, por menos prego de que em ou-
tra qualquer parte, o para desengao dos
compradores venliain ver chitas francezas
a 300 e 320 rs. o covado.
-- Vende-se cobio em folha para forro,
em casa de James Crabtree & C na ra da
Cruz*
Vende-se a verdadeira graisa n. 97 em
casa de James Crabtree & C. na ra da
Cruz.
Lotera de N. S. do Livramento.
~ Na botica da ra do Rosario Larga n.
42, vende-se bilhetes htenos, e meios, ca-
jas rodas andSo no da 28 de fevereiro.
Lotera de I. S. do Livramento.
Sa botica da ra do Rosario Rstreita n.
10, vondem-sn bilhetes inteiros, e meios,
mais baratos que em outra qualquer par-
le, cujas rodas and3o no dia 28 de feve-
reiro.
Lotera de N. S. do Livramento.
--Na loja de fazendas debaixo do arco
da Conceigo n. 6, vendem-se bilhetes in-
teiros, e meios, cujs rodas andfio no dia
28 de fevereiro.
Vende-se urna rica lualha de lavarinto
na ra do Cabuga loja, n. 9.
Vende-se junco o mais su-
peiior que aqui tem vindo, poi
preco commodo c tambem tem
mais inferior a >' o rs. a libra : na
tu i Nova, armazem de traste* do
l'mio defiontc da ra de Santo
Amaro.
--Vendem-se mantelletes de fil borda-
dos a dez rnil r.fiij,,e de pobreza lisa a
quinze mil res : na loja de seis portas em
frente do l.ivrameulo.
larras Unas.
Vendem-se jarras, moringuos, quarli-
nhas, resfriaderas, garrafas brancas para
esiriar agoa, louga vidrada,como seja al-
guidares, panellas, cagarolas com cabos,
hlalos para ensillar meninos a andar, ditos
para costura e diloa com lampa para com-
pras : na ra da Cadeia do Recife n 8.
Na loja nova, na ra do Crespo n. 10, de
J. L. de B. Taborda,
vendem-se gilas com pescociuhos, por me-
nos prego duque em oulra qualquer parle,
e para desengauo dos compradores vendara
ver ; assim como chitas francezas, a 300 e
320 rs. o covado.
Vendem-se bilhetes da lote-
ra do Livram nto; as Cinco
Pontds n. ,39.
Vende-se panno para bilhar,
de superior qualidade : na ra du
Passeio i'ublico n. 19.
-- Veude-se no armazem da ra da l'raia
becco do Ca loca de Antonio Pinto Soares
o. 9, bom arroz pilado, ede casca, assia>
1.-0111O saccas e farinha de Sania Calhari-
n.-i tnuio superior adousmilrs.
Vende-so no segundo andar n. 18 nal
sof, um jogo de bancas, tudo de jacaran-
l ; 12 cadeiras de olio, uma cmoda de
araarello, tudo com pouco uso, e moder-
do; ura lavatorio de amartillo, uma mesa
le jantar tambem de amarello ; um mui-
iho e torrador de caf de 24 libras, tudo
ne barato por estar a retirar-se o vende-
dor.
Liros baratos.
No Atierro Ai Boa-vista, loja n. 54; na
ra Estreita do Rosario, loja n. 15 ; edo
fronte do trapicha novo, casa n. 6, ha a
venda as seguintes publicagOes :
Memorias de um Doido por Lopes de Men-
donga ; Leitura Repentina, por Casiano ;
Conloa ao SerSo, por Ribeiro de Sa ; o Preso
pulo dito ; Curso A' InstrucgSo da Historia
Natural; Poesas del). I.uiz Itiverac ; Re-
vista Militar contendo os conhecimenlos
necessarios a esta nobre classe ; Elemen-
tos de arilhmetica; Jornal das bellas ar-
les; Almanaks populares; Vista do Cerco
do Porto; Cartas da India eChina ; Unas
Dianas, romance de A. Humas; Panorama
de Lisboa ; A Semana, jornal scientificn : o
Thenue, dito ; Revista Universal Lisbonen-
se, dito; Uoiverso Pitoresco, dito; Vistas
de magnficos edificios ; Retratos de pes-
soas celebres.
Vende-se um preto de 18 anuos de ida
de, bonita figura, que sabe cozinhar o dia-
rio de uma casa, engoinma perfeitamente,
sem vicio algum : no becco dos Martirios
contiguo a casa n. 3; mas soso vende pa-
ra o mato.
Rap Paulo Gordeirodo Rio de
Janeiro
em talas e frascos, chegado recenlemente :
vende-se na ra da Cadeia do Recife, loja
11.50, de Cunta <\ Amorim.
Vende-se muito nova fari-
nha de Santa Gatharina : a bordo
do brigue Sagitario, fundado
defronte do trem, por preco mu
to commodo.
Continu-se a vender manteiga nova
franceza, a 400 rs. ; dita ingleza, a 480 rs. ;
assim como gomma fina de engommar, a
60 rs. a libra : no paleo do Carino, venda
nova n. 2.
Deposito de lucidos da fabri-
ca de Todos os Santos,
na Baha.
Vende-se em casa de Domingos Al-
ves Maliieus, na ra da Cruz do Re-
cife n. 52, primi'iro andar, algndSo
a
0-
0-
<:


transado daquella fabrica, muito pro-
de escra-
J_ prio para saceos e roupa ao *- ^
r. vos, assim como lio proprio para re- <:
^> des de pescar e pavios pare veilas, <.,
:> por prego muito comino lo. 4
?Aifci AfiABiaiM AnJtJtA ABii-e
M.uiania Rosa Hardy, modista
brasileira, na Nova n. 34.
Annuncia ao publico e particularmente
aos seus freguezes que tem para vender um
completo sortmiento de giosdenaple de
furia cor e preto muito superior, assim co-
mo sarja e chamalote preto de primeira
qualidade; finos cortes de grosdenaple de
furia cor adamascado tanto para mantele-
tes como para capotinhos; ricas franjas e
requife de seda de furta cor, proprio para
inleiles dos mesmos, a qual se vender
comprando alguma porgo da fazenda ci-
ma dita ; um rico sortimenlo de mantele-
tes, capotinhos e palito de grosdenaple de
fui la cOr e divchamalulo preto, tudo de
muita consistencia e feuos em Fiangs ; ca-
potinhos de fil de linho preto ; dilos para
meninas de 4 a 8 anuos ; um variavel sorti-
menlo de bonitos chapeos de seda de todas
as cores ; ditos de tina palha de Italia para
enhora e menina, elegantes chaposinhos
de seda com lindos infeites proprios para
baptisados; dilos de-oplima palhinha para
menina e menino ; os melhores e mais uom-
modos esparlilhosque tem chegado a esta
praga ; novas e riquissimas capellas muito
proprias para c .sanenlos e bailes ; neos
cenos de flores para iul'eiai chapeos de se-
uliora ; luvas de pellica com infeites de su-
perior qualidade para senbora ; diUs de di-
ta curtas para homem e senbora ; um gran-
de sortimenlo de bonitas litas e ue difieren-
te* cores; chapeos deso para sen h ora ;
perfumaras linas ; armagOes pelas e bran-
cas para chapeos de senhora; gorgurSo de
cores proprio para chapeos de dita ; spa-
los de setim branco ; camisinhas e romeiras
para senhora : e outras multas fazendas de
gosto moderno.
tMm*amaNft mmmmmm&mm
ti Na loja de Morelra &Compa-
niiia. na Nova 11. 8,
vendem-se mu boas luvas de pellica
pretas e brancas para homem ; ditas
cor de canna curtas, com enfeites.
para senhora ; chaposzinhos de se-
g da para crianrinhas de ura atdoze
^ me/es ; sapatus de marroquim preto, ij;
I a 1,120 o par; luvas de verdadeiro
H castor, brancas n amarellas, tanto m
m para homem como para senhora, a ;g
I 1,600 o par; palmatorias de casqui- jg
.' nho linissimo, proprias para quarlos 5
S de rapazes soiteiros ; lanterninhas k
com psde vidro pura piano, o que
m tem apparecido de mais elegante p de
I melhor gosto neste genero; ditas
i grandes tambem de vidro, para or-
| nar salas ; espelhos de parede, a rs.
S 2,000 ; necessarios de couro com to-
dos os preparns. para barba ; grava-
S tas de molla, pelo baratissimos prego Z
de 2,000 rs. cada uma; chaposzi- W
,J nhos deso d--sda para senhora, de 1
I 3,500 al 6,000, tanto uns como ou- j;
tros sSo eliegados de prximo e de 1
S gosto; luvas do verdadeiro torgal pa-
I tmenlo completo de bicos estreitos 9
I de blonde, e de seda largos; riquis- V
m simas loucas de fil para senhora, e 9
tambem para baptisados de criangas; ''&
touquinhasde 19a Trocadas pela bei-
i ra,a 1,000 rs. ; finalmente um lusi- %
i do e coniiileto soi tunenlo desapatos '$
i; de couro de lustro para senbora, que
i se venderSo o menos por 2,210 rs. o S
m^mm-msmmmm wmmmmmwwm
Na ruado Grespon. 16, lo-
ja que volta para a ra d .s Gru
-J
Pranca, sendo preto-s e de cores,
e mais baratos do que em oulra
qualquer parte.
Vende-so uma parda escura, de me i i
idade, bem propria para ama de casa de ho-
rnera solteiro, por saber engommar, cuser
cozinhar, lava e tor mu boa conducta, o
que tudo se alanga : na ra .larga do Roza-
rio, loja n. 35.
5,000 ris.
Vendem-se chapeos do Chile, pequeos e
muito finos, a 5,000 rs.: na ra da Cadeia
Velha, loja n. 40.
-- Vendem-se chapeos do Chile, peque-
nos e finos, a 5,000 rs. cada um : na ra do
Crespo n. 23.
-- Vende-se um rico e excellente piano
de Jacaranda por prego muito rasoavel : a
entender-se com o corre tur Miguel Car-
neiro.
Escravos fgidos.
Desapparecen no dia 6 do corrate uma
pardinha de nome Collecta, idade 12 113
annos, magra, bons denles, porm um
quebrado na frente, faltas de cabellos na
cabega de sarnas que leve, signal de ura
golpe era um dos pulsos, levou vestido de
algodSo trangapo asul de listras, e panno
da Costa usado : as autoridades policiaes,
e capitaes de campo, roga-se a sua captura,
e entrega no caes da alfandega, armazem
11 11 mero 5.
-- liesappareceu, no dia 11 do corrate, a
escrava Josefa, crioula, de 20 annos pouco
mais ou menos, alta, grossura mediana, la-
bios grossos, n dous dedos pollegares nudas, pes a propor-
cao do corpo, cabello crescido e ore|has
limpas; levou vestido de riscado monstro
de quadros grandes azul, ji usado, panno
da Cusa velho e camisa de algodSo da Ier-
ra : roga-se a polica e aos captaes de cam-
po que a apprehen taro e leveoi-a a ra das
Cinco Pontas n. 82.
-- No dia 9 do crrenle desappareceu o
escravo Saturnino, 24annos de idade, ca-
noeiro, altura regular, cor prela, denles
podres na frente e costas sicalrizes que diz ler sido dequeima-
duras, nagSo A u gol la, porm parece criu-
lo, levou roupa de diversas cores, suppOe-
se andar pelo Afogado ou Boa Viagem ; ro-
ga-se as autoridade policiaes, capitSea de
campo ou outra qualquer pessoa que o pe-
gar, couduzam-iio a ra das Klo'cs, sobrado
da quina, que se> recompensado.
Desappareceu no dia 9 do corrente um
escravo do nome Paulino, de idade de 26
annos pouco mais ou menos, ofllcial de sa-
pateiro, levando um bonete de palla de
panno asul cora uma lira de coro de lustro
por sima, jaquela de xila preta usada, cal-
gas levou 4, de xita preta, branca e de ISa
preta, altura baixa, pes um tanto grossos,
suissa por baixo do queito, nos cantos tem
falla de cabellos, tem o cabello da cabega
um tanto gran le, camisas levou 3, prela de
xita, encarnada e branca : quero o pegar
leve-o ao Atierro da Boa Vista n. 59.
Desappareceu na noite do dia 6 do
correte uma escrava par la de nome I.uiz ,
idade pouco raaisou menos 30 annos, ro-
belln corredissos, porm cortados, rosto
redondo, barriguda que parece estar peja-
da, mos bstanles feias e algumas unhas
muito negras que parecem ter sido pisadas,
os | es muito esparralliados o feioi e algu-
ma cousa irregular, levou alm da roupa
vestida, um sacco ou trouxa, dous flus de
contas brancas ao pescogo, assim como um
rozario tambem branco, chales de chita
asul j desbotada, usa de camisa de cabe-
gSo : quem a aprehender e leva-la na
ra do Queimado, loja n. 9, sera recom-
pensado generosamente.
No dia 27 de Janeiro fugiram do enge-
nho baixa Verde, Fortunato e Ignacia, casa-
dos, escravos de Antonio Lourengo Tavares
de Albuquerque, lavrador do mesmo enge-
nho ; o escravo tem 22 annos de idade, sec-
co do corpo, beigos grandes, canallas com-
prda; tem duas fstulas no queixo infe-
lior, sendo uma de cada lado ; e a oscrava
he alta, secca do corpo, ps e nulos grandes,
ossuda, nariz muito chato e bastante feia
de cara ; tem as costas marcas de chicote
ja um tanto velhas; hede supprque esto-
jan) ne.-ta piuca dilos escravos, por isso
que o escravo ja ahi esteve fgido oito me-
zes : roga-se as autoridades policiaes e ca-
pitiles de campo os apprehendam e levem-
os ra do Livramento n. 14, a Francisco
Cavalcanle de Albuquerque, ou ao mencio-
nado engenho Baixa Verde, ao proprio do-
no, que sarSo recompensadas.
0 ninUttiulao Agostinbo
fgido.
Na noite de n para ta do
passado ausentou-se o es-
cravo' Agostinho, pardo a-
caboclado, cabellos pretos e
lisos, ps grandes com os de-
dos grandes grossos e camba-
dos para dentre ; he ilbo do
sertao, muito lallador e u-
ta: roga-se as autoridades
policiaes, capitSes de eam-
po, assim como .a toda e
qnalquer pessoa qnc o en-
contrar, de prende-lo e con-
duzi-lo a seu senbor Ben-
to Jos Taveira, na ra da
Cruz n. ao, que nSo s paga-
r todas as despezas, como
offerece uma generosa re-
compensa a quem o trouxer.
Fugio no dia 24 do corrente do enge-
nho Tapera, siln na freguezia de Jabosto,
o escravo de nome Jos, de nagSo Naa,
cojo sinaes caractersticos so os seguintes:
corpo e altura regulares, olhos salientes e
vivos, sem barba, cora falta de denles, ros-
to tal ha lo, i es g>osos, rep-esenta ter de
ilade 30 anuos, he muito ladino; avista
do exposto recommenda-se aos capitSes de
campos captura do dito-esoravo, pelo que
zes, vendem se riquissimos man- se-3o generosa mente grat jileados.
ra das Cruzes o seguinto : 12 cadeiras, um' letetes, viudos de encoiiiiiicnd.i de
Pf.p.m. m\Tvikiw. M.Y.nr. Pahi^-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E78BHTW6M_4KSKZI INGEST_TIME 2013-04-12T23:44:57Z PACKAGE AA00011611_06322
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES