Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06319


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVII
ir$a-feira 11
FARTIDAS DOS comimos.
Golanna e Parahlba, s segundas e sextas feiras.
Riu-Grande-do-Norle, todas as quintas feiras ao
nielo-da.
Garanhuns e Ronito, a 8 e 23.
Iloa-Vlsta e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas feiras.
Dunda, lodos os das.
IPaiMIRlDES.
'Nora, a 1, as 3 h. i4a m. da m.
d...... .. (Cresc. a 9, as 6 h. e 36 in.dain,
Paisas d loa, Chea a h. e 9 m. da m.
Uling. a 22, s 7 h. e 19 m. da t.
Primeira
Segunda
FREAMAR PE HOII.
1 horas e 18 minutos da tarde.
1 horas e 42 minutos damauha.
de Fevereirode 1851.
N. 34.
PRCqO DA StTBSOsUVC/la.
Por tres meses radianlados) 4/000
i Por seis meses 8*1100
Porumanno 15//000
DI AI DA UNIR,
10 Seg. S.Escolstica Aud. do J. dos o<-f. era. da 1
11 Tere. S. Laiaro. Aud, da Chae, do, J. da se-
gunda varado c. e dos feitos da fizenda.
it guart. S. Eulalia. Aud. do da 2. vara.
13 guiii. t>. Greogurio. Aud. do J. dos orf. edo m.
da primeira vara.
14 Sest. S. Valentn. Aud. do J. da 1. v. do civel,
e dos feitos da fatenda.
15 .'mu S. Faustino c Juvita. Aud. da Ch. e do J.
da 2. varad civel.
16 Udiii. da Septuagsima. S. Porfirio
cambio db 10 rzvznEtao.
Sobre Londres, a JO d. p. 1/000 rs.60 dias.
Pars, 320 por fr.
Lisboa, 85 a 90 aa-nn
Ouro.-Oncashespanholas------28/000 a 28/50(1
Uoeoasdee/fOOvelhis. itt|D(W a IbrtOO
. de tt/WI novas 16/000 a 1UNi
. de 4*000....... SW J#'
Prata.-PatacOes brasileiro..... gJ a MMU
Pesos columuarioi..... l/"92() a MIMO
Ditos mexicanos........ 1/WO a 1/701
PABTE OFFCIBL.
MINISTERIO D\ JUSTIGA.
decreto N. "37 na 25 de kovpmbbo de 1850.
Determinad orUem do juizo no processo com-
meriial.
K ( Vide n Diario n. 33. )
CAPITULO V.
Daarremaloc&o.
Art. SIS. A arremalagRn ser frita no da
e lugar snnuncadng publica nenie ; pre-
sentes o juiz, escrivfio e porteiro ;o expos-
tos os objectos que oevem ser arrematados
OU as amostras sendo possivel.
Art. 549 He dmiltido a langar loloa-
quelle qne esl na vte admimstrago de
seos bens, eiceptuam-se :
1. Ojn7, escrivSo, depositario, avalla-
do res e ofllciaes do juizo.
2. O tutor, curador eteslamenteiro.
$ 3 A pessoa desconhecida sem Ranea
idnea, cu procuragSo da pessoa por quem
compa-ece.
4 Ocredor, salvo rom licenrja do juiz
Art. 550. A arremauefio s pode ser
feita :
1. A qnem offerecer roaior lanco, coro
tanto que cubra o prego da avalisgfio.
2 Comdinheiroavista, ou rom flanea
por 3 di>s.
Art. 551. Se o arrematante fr o mesmo
credor exequentn, ser obrigadn a depositar
o prego da arremalago tmenle ros casos
em que nao | de levanta lo. (Art. 557).
Art. 552. Quan'io o arrematante fr o
credor exequente, he dispensado de deposi-
tar o prego da arrematagao.prestando flanea
nos casos em que >em presla-le no pode
I levantar o mesmo prego, f Art 556).
Art. 553. NSo hivendu quem cubra o pre-
go da avaliagSo, mas tmenle o da adjudica-
eiio (ait. 560 ), a arreoiaogfio sera feila por
esse prego.
Art. 554. A srremitagSo solemnemente
feita uto te retracta, anda havendo quem
oflerega maior lango.
Ar. 555. Seo arrematante ou o seu fia-
dor nto pagar o prego da arremagfio nos 3
dias segu in tes ao aclu da arremalago (arl.
550 2 j ; ser preso o arrematante al que
o pague! e contra o fiador se proceder exe-
cutivamenle. ( Til. V. parle I.
Art. 556. O prego da arrematagSo nSo po-
de ser levantado sem (langa :
$ 1. Peadendo embargus, ou eppelagfio,
salvo os casos expressos nesle regulamenlo
(art 297).
5 2. Pendendo a aegao de nullidade no
ruso do ai t- 255.
3 Quando do registro do navio arre-
matado conste que elle esl obriga'io por
algum crdito privilegiado. (Art. 477 cu-
digo ).
Ar. 557. O prego da arrematrgo nao po-
de ser levantado havendo embargo ou pro-
testo de preferencia e rateio por parte de
oulro credor.
Ait. 558. Pifio he de mister para o levan-
taoiento do prego da arremalagflo a cilagau
de rredores certos ou incerlos.
Art. 559. Os efl'aios da arremalagao so-
lemne e valida, e as questes relativas ao
fructos da cou.si arrematada, serfio decidi-
rlas conforme o direiio civil.
CAPITULO VI.
Da adjudicaco.
Arl. 560. Nao havendo Ungador que cu-
bra o prego da avaliacfio ( art. 550 ), ou da
adjudicagfio ( art. 553 ) serfio oa bens adju-
dicados ao credor com os segu o les aba l-
menlos.
1. Decima parle se os bens sBo movis
eleni valor intrnseco.
2 Quarta parle se sfio movis, mas no
(em valur inliiuseco.
3- Quinta parte se sfio de rail ou im-
muveis.
Art. 561. Se o valor dos bens adjudica-
dos excede importancia da divida, deve o
credor consignar oexcesso no deposito pu-
hlico ou geral.
Art. 562. A adjudicagfio se farsem aba-
timento.
$ 1. Se o devedor nSo tem otis bens, ou
nSo tem bastantes sara o pagamento das di-
vidas.
$ 2. Se os bens penhorados chegam pela
sua avaliagSo para pagamento da divida.
Ait. 5C3 Para adjudicagfio nao he de mis-
ter que aejam citados mi ouvi Jos os demais
credores, aos quaes lica salvo o direito de
disputaren) a prefeiencia ou por arligosse
acudirem juizo autes de assigoada a caita
de adjudicado, ou por aegao ordinaria se
comparecerem ao depois.
Arl. 564 Se os bens sao indivisos e o seu
valor excede o dobro da divida, nflo se ar-
remata ou adjudica a propriedade delles,
mas djudicsui-se ao credor sem abalimen-
to alguui os seu* reudimantus por lanos
anuos, quantos baslem para o pagaineuto
da divida, excepto.
1. Se o execulado tem outras dividas
accumuladas, as quaes exceder a melade
do valor do bem penhorado.
2. Se o execuiadu nomeou a penhora
esses bens,leudo outros de menor valur.
3. Se o bem penborado nflo produz
rendimento algum
Art. 565. Ao credor apjudicatano se im-
putan os rcndimenlos, que por negligen-
cia deixsr de cobrar.
Arl. 566. SerSo levadas em conta ao cre-
dor adjudicatario as despezas uecessarias ,
q .o elle lizer e oa uuus leaes que pagar.
Art. 567. A adjudicagSo dos rendimentos
nflo impede a arremaUgfio da propriedade
por virtude de execuges supervenientes,
mas o adjudicatario sera conservado duran-
te o lempo da sua adjudicado.
Art. 568. He licito ao credor exequente
requerer o seu pagamento pelos rendimen-
tos dos bens no cao mesmo em que elles
p'lem ser arrematados.
Art. 569 A' adjudicaciSo deve preceder :
i. Contada imponencia da execugfin.
comprehendidos os juros, despezas e onus
renes do predio.
2 Calculo dos anno* que sSo necessa-
rios para pagamento da divida.
$ 3. A avaliagSo do rendimentos, aalvo
se o predio esliver elugadoou arrendado,
porque nesto caso a adjudicagao 8" calcu-
lada pelo aluguel on renda que f-em de-
clarados pelo inquilino, ou constsrem dos
recibos do propnetario e laucamenlo da de-
cima.
Ar. 570. Todava pode o credor, alle-
gando fraude ou conluio entre o inquilino
e o ex'cutaio, requerer a avaliagSo dns
rendimentos e neste caso nSo ser o inqui-
lino conseivado.
TITULO IV.
Das scnleneas sobre occio real, ou rousa certa
ou em especie
Art. 571. Quanlo o reo fr condemnado
por senienga a entregar cousa certa, ser
citado para ero 10 dias fszer a entrega dola
Art. 572. Se o reo dentro m lOdiasnSo
entregar a cousa por ter sido aliensda de-
pois de litigiosa (arl. 494), a sen tenga sera
executada contra o terceiro,de ejo poder se
tirar a cousa. sem que seja ouvido antes de
ser ella depositada.
Art. 573. P le tamben o ex<*quente, em
vez de executar a sentenga contra o lercei-
ro, executar o condemnado pelo valor del] i.
sej so achar estimado na sentenga, ou re-
querer o juramento in liten, quesera pres-
tado e regulado coulormeos arts. 172,173
e!74.
Art. 574. Se o vencido nSo liver com que
pague a eslimsgSo da consa que alienou em
fraude da execugSo, ser preso at pagar ,
ou al um anno se antes nflo pagar.
TITULO V.
Um embargos.
CAPITULO I.
Do$ embargo do executtdo.
Art. 575. Nenhuns embargos sero oppostos
na execucao, seoao nos termos seguinles:
1." Drpoia de feita a penhora dentro dos
seis dias seguintea:
2. Depois do acto da arrematacio, mas an-
tes da assignatura da carta de arreioata;o ou
adjidicacao.
art. 576 as execuefles das acedes reaes, os
embargos smente tem lugar dentro dos 10dias
assignados para a entrega da cousa, mas segu-
ro o juizo com dinbeiro, ouro, prata, pedras
preciosas ou ttulos e ppela de crdito equiva-
lentes.
Art. 577. Sao admissivels na execucao, com
sutpenso della, e prnpostos conjuntamente
nos seis das seguintes penhora os embargos:
C 1. De nullidade do processo e sentenca
com prova constante dosautos.ou cuereada em
continente:
2. De nullidade e excesso da execucao at
a penhora;
3. De moratoria (rtlgo 903 cdigo);
$ 4. De concordata (ailigo 85? cdigo);
5. De compeusacao (artigo 439 e 440 c-
digo);
6. De declaracao de quebra (artigo 830 co-
dito) ;
S7. De pagamento, novacao, transaccao e
nrescrlpcao supervenientes depois da sentenca
ou nao allegados e dicididos na causa priuci-
"8, (nfrlngentes do julgado com prova in
continente do prrjuUo, seudo oppoatoa :
N. I. Pelo menor e pessoas semelbantes, aa
juaes compete restltuico;
i. Pelo revel;
N. 3. Pelo executado ollereccndo documen-
tos oblidns depois da sentenca.
Art. 578. Sao por igual admissivels na exe-
cucao, com suspensio della e propostos con-
juntamente depois do acto da arremataco e
antes de assignada a carta de arremataco ou
adiudlcafo, os seguimes embargos;
1. De nullidade, desordem ou excesso da
execucao depois da penhora at a assignatura
das cartas de arremataco ou adjudicacao;
2. De pagameuto. novacao, trausaccao,
compeusacao, prescripcao, moratoria, concor-
data, declaracao' de quebra, supervenientes
depois da penhora;
*; :i De restituico.
Art. 579. Sao admissivels na execucao das
acedes reaea os seguintes embargos :
l. Nullidade do processo e execucao com
prova constante dos aulosouproduxid&sin con-
tinente;
2. De nullidade e exceaso da execucao ;
3. Derelenco de bemfeitorias ;
4. 1 nlringentes do Julgado com prova pro-
ducida In continente sendo oppostos:
N. I. Pelo menor ou pessoas semelbantes, as
quaes compete restituico;
N.2. Pelo chamado a autora;
N.3. Pelo executado com documentos havi-
dos depois da sentenca.
Art. 580. A nullidade du processo smente
pode ser allegada por embargos na execucao,
se (or preterida alguma formula o termo subs-
tancial do processo comiuercial. (Artigo 674.)
Art. 581. A nullidade da sentenca Smente
pode ser allegada por embargos na execucao :
I. Se ella he milla conforme o artigo 680 ;
S 2. Se ella nao foi proferida em grao de re-
retencao o compractor ejue tlverfelto berr.feito
ras na cousa vendida que augmenten] o seu
valor ao trmpo da evlofo, se esta se vencer.
(Art. 216cdigo )
Art 586. Ofterecddo os embargos dentro dos
seis dias da penhora, sern conclusos ao juiz
que os receber ou rejeltar In tintine
Art. 587. Se forem recebldos se asslgnar o
termo de cinco das para a contestara.>, fiado
os qunes ter lugar a dilecto das prova*, e ao
depois arrazoando successivainente o miliar-
I' inte e.embargado no prao de cineo diai cada
uin.aerao os embargos Julgadr aflnal.
Art. 588. Da sentenca que julgar provado os
embargos haver appellacao em ambos os rf-
feitoa; e da sentenc* que julgar n3o provados
a appelIscosersO'neotenoeffeUo devolutivo.
(Artigo 65.)
Ait. 58'J. Independentemente de embargos
pode qualquer das partes requerer aojuix da
execuio a emeoda do erro de conta ou das
qnantias exequendas ou das iuanlias liquidas,
ou das cusas, e o juiz desde ;.igo poder* a vis-
ta da petico junta aos autos, com informaco
do contador e ouvlda a parte, deferir como jui-
gar conveniente.
Art. 590. Mas se o juls entender que deve
haver mals ampia discusss, poder mandar
que a parte forme os seus embargos no termo
de tres dias, e delles se dar vista oulra parte
para a cooteslacao que ssr apresentada em
termo igual, lindo o qual o Juiz profirlra a seu
tenca final,
Art. 591. O beneficio de ordeni pode ser al
legado pelo fiador ou socio nos termos dos ar
tigos 407. 498 e 49.
Arl. 59i. O beneficio de divisao pode ser al-
legado pelo devedor socio ou herdeiro, (artigo
431 cdigo; por mel dos embargos do artigo
577 2. ...
Art. 593. He licito a mulher nao commer-
ciante presjalecer-se do Senatus-Consullo Vel-
leaoo.
Art. 594. Nao tem lugar o beneficio da resti-
tuico dos menores:
$1. -as li.mi.inertes de sociedades commcr-
ciaes (artigo 353 cdigo);
2. Nos casos de quebra. (A.rt. 911 cdigo,)
Art. 595. Da sentenca do artigo 590 s cabe
aggravo de peticao. (Artigo U69 9.)
(Continiiar-st-ha. )
.!
vista.
Art. 582. Ouaesquer outros embargos que
nao forem os dos artigos 577, 578,579,580 e 581,
coocorrero eiu apartado sem prejuizo da exe-
CUArt. 583. Se a sentenca for da relacao do di*
tricto, oa embargos ou Infringentes uu de nul-
lidade, depois das allegaces finaes, sero re-
inetlidosrelaco. **. ,,
Art. &S4. Sao smente attendiveis as bemfei-
torias' permanentes, que augmenta o valor
do predio. ,
tsiimam-se as beinei lorias nao pelo que cus-
taraui, mas pelo augmento do valor que causa,
e no esiado em que se acbaiu.
Art. 585. No caso de eviccao, se o comprador
auferir provello da depreciaco por ella causa-
da, oveudedor tem direito para reter a parle
do prec que 'or eslimada por arbllradores.
(Artigo 215 cdigo.) Tambem tem direo de
GOVEHNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 7 DE FEVEH.EIRO
IIF. 1851.
OiTlcio."AoTcommando das armas, di-
zendo que pode conceder s baixa que pede
no requerimento que devolve, ao soldado
da com panina fixa de ravallaria, visto ter *
pessoa que otTereceemseu lugar a precia
idnneidade.
lino.A thesouraria de fizenda, commu-
nicaudo uliiii de que faga constar ao admi-
ni-trador da mesa do consulado, que u
Exm. presidente da Parahiha, participou
haver demillido no di 31 de Janeiro ulti-
mo,a Jos Joaquim de Lima doempregoqu"
exercia nesla provincia, de agente fiscal
daquella, e bem assim nomeado para o subs-
tituir Jos Vellozo Soares.
Dito.A mesme, Iransmittindo os visos
de duas lettrss na importancia do 1:796,135
'S., secadas pela thesouraria do Riu Grandr
do norte, subre a desta, e a favor de Jos
Gomes da Silva.Parlicipou-se ao Exm.
nre-.nle.nte daquella provincia.
Dito A cmara municipal do Pao d'Alho.
dizendo que posto seja jusio quanto repre-
senta acerca da neerssidade que ha dees-
ubelucer-se naquella villa urna agencia de
curieio, todava dependendo esta medida
de aclo do governo in)erial, oppoiluna-
menlese providenciar sobre este oljecto
Dito.--A cmara do Recife.-Como presen
ciui se esl arrancando acslgads da ra do
Alieno da boa Vista,feita segundo o svstema
de Mac-Adam,esubsliluindo-sepor oulra du
syatenia aiiligo.quealni de menos Curomo-
ju e conveniente, trara mainies despezas
de construcgSo e conservag3o, sendo que
simples repaios na actual caigaJa pelo mes-
mo syslema, porque fui feila, alm de oais
econmico couservaro a maiur bellesada
ra, e commodidade do transito ; assim re-
cunmendo cmara municipal da cidadt-
do Itecife que faga suspender a dita obra,
,l que seja examinado pelo eugenheiro di-
rector das oiir s publicas, a quem nesla
data oflicio para prestai-se a mesma re-
quisigao, uiiin d' indicar o que Tur mais
conveniente.--Olliciou-se ao directur das
obras publicas, quem remelteu-se copia
do ollicio scima.
mlico aos estados reunidos uro projectn
ie reforma da constitoicSo. Esla proiosta
prodnzin o desejado efleito de conciliar
npinies que estavam em conflicto, ella foi
bem recehida pelos representadles do no-
vo; mas de cnnforrridade com a lei fun-
damental, a qual requer que toda a pronos-
ta para mudangss na consliluigAn fiqup
adiada par a segallo Sguinte. a quesillo fi-
cou para ser lomada em consideragSo p. la
dieta qun agora se acha reunida.
Dorante as ferias S. M. mandou fazer um
relatorio, o qtia! foi cuidadosamente ela-
borado, dos resulla los da lei el toral, con-
M la nesse | rojecto rara que fossedestri-
buido pelo reino, a (i ni de que o povo fcas-
se ti ImIiIihIo a formar por si propriouma
opini.lo correcta e decidida sobie o mrito
da mesma.
S. M em a falla que fez na abertura da
sesso, recommendou aos estados reunidos
que,tomando esta impoitante questn na
(evida consideraglo, a decidissem confor-
me o seu proprio juizo.
Fiel a sua invanavel poltica de nunca
tentar influir em as detern>iriges dos es-
tados, S M sustentou sua posigSo Cnnsti-
tucional, deixando assim aos represenlan-
tesdo povo a mais plena librela le de ac-
eito, econ quanlo a prnposta tenha sido re-
jetada pela dieta, neuhuma accusagDo s-
nd fazer ao governo por sua conducta re-
lativamente a esle negocio.
A experiencia paiece i rnvar que as ideas
novas, que em um periodo assumiram tan-
ta ascendencia no< espirilos do povo em
militas parles da Europa, nSo lem encon-
trado muila sympslhia naSuecia, e parece
i| ii .mi amor da pobreza, do clero, e dos cam-
poneze.s sua antiga forma constitucional
le governo he sincero, e que elles n3o que-
rm bandons-I para langarem-se nasdif-
ficuldadese en.baragos de um syslema in-
leiratnente nuvo.
O partido radical no he numeroso na
Suecia, e o numero dos represenlantes na
presente dieta que entn tem opiniOes exal-
tadas he mni inslgnilicanle. Ellos proyavel-
mente darSo seus volos contra o projeclo,
por qup, ao seu ver, nSo faz concesses suf-
licieniemenle extensss.
( Correspondencia do Times.)
POI.ONU.
No 1. de Janeiro ( estylo enligo) os em-
pregados das alfandegas da Polonia rtissa,
que forem indigeua* serfio dnmillidus e
submeilidos por individuos russos. Estas
serfio em numero du;lo dos amigos empre-
gados e icr.io urna perfeita organisagao mi-
litar.
Outras medidas para russianizar as pro-
vincias polacas cslo sendo adopta las com
vigor. Alm da aboligfio das alfandegas da
que e;se triste espettculo fez verter lsg'i-
mas a muitos Turcos. Ornar Pacha tencio-
nsva seguir para Ilerzegowina. Mahmud
Pacha tinha-snescapado para Vinkovze na
Slavonia, poim, nfltl se sabe porque, vol-
lou a Tii7l e voluntariamente enlregou-se
o Seraskier, o qual o tratou como cima
tica dito, e pagon os nidos ai razados do
soas tropas c-m os 18,000 duesdoa que a-
chou na possedo despota decahidu.
(dem.)
CHINA.
Ascartasda China chegaram a Corobsim
a 21 de novemhrn. A revolla na visinlian-
ga da China no tinha ti lo nenhum ipsuI-
lado serio, porm n navio c'e guerra ing|i>z
Phlegiion e o dos Estados-Unidos Manon ti-
nliain anchorailu perto das l'eilorias para
protege-las em caso dfl necessidade.
As nnliciasa este respeito 3o mni con-
tradictorias ; nada sesabo anda de certo
sohre o adoso projectus dos > bel les, ex-
epto srrenta que elles cohram urna laxa
dos navios que carregan cha e outros pro-
ductos do inlenor. As*egura-s entretanto
e cr-se geialmente que o con.tni-sa lo seu
procurara reslabelecer a paz. des'ribuin.lo
Ins 100,000 dollars, e que 3,000 Immeiisde
tropas enviados pelo mesmo contra os in-
surgentes fraOrnisaram com elles. NSo se
lem inda neuhuma noticia de Iteetonj-e-
t'owasjne, supi'e-s que depois de ter sido
lesamparado pelos venios, ralnra ns mflos
dos piral s. Esta opinio fumla-se em te-
rem estes ven lido nllo-.amente 1.500 cai-
tas de opoo no noite. Dizem que esses la-
dres silo assaz numerosos na embocadura
do Mu, e nos arrabaldcs de Tramsa.
( Motiileur. )
INDIAS OrtIEYfAES.
O correio bimestre do mar Verrnelho aca-
ba da trazer-nos noliciss de Itombaim al
3 de dezembro. As gran les In lias conti-
nan a gozar de uina pe feita tranquillida-
de : no proprio Pan.ljaha submissflo pare-
ce b istante geral e sincera, pois que a jun-
ta dos directores creio poder, sem o me-
nor perigo, abrir ps Metras da exercito in-
dio a todas as classes do Pandj lincgS de Siqnes e de Moliumanos, de j.i-
deos edcllin.ts Por tanto para o futuro
todos os regiment* estacionados no paiz
dos cinco nos serfio recrutados enire os in-
dlgenas, e considera-se geralmento esta
medida como dieta por urna poltica sabia o
prudente.
Sobre lo la a fro:iteira monlanliosa do la-
do do Aflghamslan, as tribus nfio submei-
ii las eniretem anda a inquietagfio, e os
passos continuam a ser mu porigosos para
os viajantes, mesmo para as tropel que ne|-
les se nietlf in e serva-se todava que depois que se eslabe-
fronteira entre a Polonia ea Russia, o ban-'lcceu um posto militar entre Koliat o as
EXTERIOR.
SUECIA.
As noticias da Simia, as quaes sSo im-
portantes, alcangam a 17 de dezembro. O
projeclo de reforma do syslema represen-
tativo que ha minio lempo, excita grande
e geral mleresse naquella paiz Toi ultima-
mente rejetudo pelo clero, e a questo po-
de agora ser considera la como definitiva-
mente resolvida, por quanto, segundo os
termos da consiiluigo da Suecia, luda a
proposta relativa a mudangas na lei funda-
mental requer para ser adoptada a sancgfio
de cada unidos qualro estados quo a die-
ta comprebende, a saber, os nobres, o cle-
ro, os burguezes, e os catnpouezes.
Os nobres e os campunezea cise que
tambem rejeilarfio-se o projeclo,mas suppe
que os burguezes o adoptarlo.
A conduela do rei a respailo desle im-
poitante objecto tem sido muito admirada
por todos os partidos, por causa de sua fir-
me adheafio aos termos da coosUluigfio ;
pois corji quanlo o projeclo oiigiuariameii-
te euianassu do governo, S. M. nunca nter
veiu para influir na decisfio do seus subdi-
tos. Foi durante as sessues da ultima die-
ta em 1848, e quando o excilamoulo causa-
do pelos serios acoulecimenlos que liveatn
lugar nesse periodo em lautas parles da Eu-
ropa eslava eu seu auge, que S. M, sub-
co de Varuvil ser suprimido. Qcredit-ve-
rem pol'Co recebera em 1852 novos estatu-
ios, os juizes ruraes serfio abolidos e subs-
liluidos por Prislawes russos. O proprieta-
rio ou nubre residente era geralineute|iia
Polonia o magistrado dodislticlo; porm
agora o syslema estieito .e f olicia vai ser
intu iii/nio como Prstate's "O clero das
provincias polacas dever a ceder ao estado
s suas propriedades l> riilonaes, e paia o
fuluio recebar uin salario do governo,
para o qual os municipios deverfio contri-
buir segundo suas populngOes e riquezas.
Por esla medida a igreja sera reduzda a
inteira dependencia do estado, e com quan
lo o clero catholico na Polonia nfio seja
governado pelo synodo deS Petersburgo,
Sdmpre perder a sombra de independencia
le que at aqu lem gozado. A nobreza
lem si'o pnula pela parle que lomou na
insurreicgao de 1830 por 19 anuos de servi-
go militar obrgatorio; agora paia collnca-
la sobre um p de igualdade Com a da rtus
sia, ella he desnoeada dessa carga quecar-
regava em commum "din os plebeus rus-
sos. O monopolio do sal sera abolido, e o
cultivo do labaco livre de reslncges. Es-
tas medidas pdem nfio ser ludas postas
da urna vez em execugfio, porm ellas exis-
tan em coolemplagao. A aboligfio das al-
tan legas da frouleira entre a llussia ea
Polonia j foi levada a elfelo. A frou-
leira masa aciia-.se presentemente Iraii-ii-
rida pra o oeste, e forma o limite da Alle-
manha.
Os judeos polacos, que se tiverem torna-
do invlidos no exeicito iusso, ou tiverem
compleado oseutempo de servigo goza-
rlo para o futuro de todos os previlegios
concedidos aos suldados ciuistfius. Elles
terfiuo direito de eslabelecer-seein Varso-
via e lias outras cidades, e aquelles que fo-
rem agnculiores aeifio iseutos da laxa ex-
cesivamente judaicaa Koichenteuer. El-
les poderfio lanibem ser Horneados pata
qualquer aos poslos no servigo do estado
inferiores aquellas que ufio aos que os exer-
cem o oais baixo lugar na ufiluoi olli-
cial. ,
A peste enire o gado, a qual anda lavra
violentamente lias provincias polacas, cal-
cula-seque tem uesiiuido mais de 200,ouu
ca bocas.
( Times. )
BOSNA.
No da 17 de dezembro Ornar Pacha fez
sua entrada triumphal em buana Serai.
Mahmeid, o pacha rebelde de Tuzla, ia mon-
tado em um cavallo muito magro perlen-
cenle a um camponez e em una sella luda
desmandada. TraZ delle lam os outrua
pnsioneiros, seudo cada cavallo pre/.o a
sella do que lhe licava adame, ijualro in-
dividuos, grotiescamente vosiidoa", uiarciia-
vaoi a.liante da proClSsSo executando to-
das as sol tes de fargas. L'epoia de conclui-
do esle pnmeiro acto, Musiaplia Pacha ba-
ble foi coaduzido a t pelas ras, e dizem
minas de sal exploradas pelos ajenies da
compauhia, as escuises dos AlTrides sfio
muito menos frequentes e menos terri-
veis.
As duas linhas de esminho de ferro co-
megadas, urna em Borhaim, a oulra em
Bengala vfio faznJo progressos sali-facto-
rios o presentemente que os capitalistas
indios se tem entregue a esle genero de es-
.leculagSo, novos iiirerecmeutns s5o feito^
para augmentar de 80 militas a linha de
Calculta.
Os negocios de Nizan vfl.i-.sf agravamlo
cada vez mais. Chens-ul-Uniraii persisleem
ni'jus.ir o ministerio, porm in lica a seu
sol r.m.i mullas medidas, cuja execngfio
bastara para fazer desaparecer todas as dif-
fculdades. .Segundo esse estadista, Nizan
uevera em primeira lugar Impr urna con-
1 i'iiiuirfl 1 fotgada a to las as pessoas que se
lem enrequecido em o seu servigo, a em
segundo lugar ven ler suas proarias guias.
Pela prupeira destas medidas elleoblena
li. 111 o.ais de dez milbes de francos e pela
segunda, urna somma anda maior, o qua
p-lo-|li> em estado de pagar o que deve
coiiipMiiliia das ludias, e os sidos alrazados
de suas li n as, licaodo-lhe anida assim urna
somma consideravel para fazer faoe a ne-
cessidades imprevistas; porm Nizan nfio
tem energa para pralicar urna acgfio deci-
siva, Mein lie iiuiin 111 para fazer sacrificios
pessoaes. Elle continua por tanto a de-
batter-se na rede inextricavel que o envolve
e nfio se decidir talvez a obrar seufio quan-
do ja ufio lr mais lempo.
(Preue.)
ESTADOS-UNIDOS.
O paquete de vapor /lniachegou ssbbado
a Liverpool com noticias dos fcstados Uni-
dos al 18 de dezembro.
O congresso, liel a Iradigfio, nada far an-
tes do novo anuo. As ses'sOes se leu pas-
sado al aqu em formalidades regulatneu-
tares e couversages seai iinporlancia.
PJe-se entretanto assegurar, pela atti-
tudu tomada pelos liotn ns de to los os par-
tidos, que a quesillo da escravidfio ufio se-
ra discutida debaixo de tieobuma form'du-
rante a se.ssfio actual. Elles estao resulvi-
i.i.s a apaar toda a causa de nova agila-
i,'flo, e se alguna encendanos procurarem
^espertar as paixes adormecidas, suas vo-
zes nca rflo sem ecno.
A calma, sem ser anda completa, vai-se
eslendendo cada vez mais. Noticias pacifi-
cas chegam de todas as cidades gran es, da
lodos os estados, e a Indiana e o Marylau'd
entre outros se tem allamenlrypronuucis-
do pela nianultuisSo do comprouiisso.
Na sessao da cmara dos representantes de
16, Mr. beuton apreaenlou o projeclo de lei
.iiiiiniu 1,1.1.1, ba mu. lo lempo, para a cunsiruc-
, ,1,, de urna eslradM gigantesca, que vai das
bordas do tlississipt ualna e San-, raucisvo.
A exleuso dessa va de uoinuiunica(o ser de
mil e aeiscenlas uillbas, sem contar um braco
de 300 milbas que val terminar cui Santa Fe, e




iitru de 500 que se prolanga no interior do
Orfen,
Mr. Henton prnpe que se concedam 100 mi-
lhas de Ierra a longo deta vasta estrada a t.
desaquelles que a emprehen Irrem, eqnean
mesmn lempo se toinein medidas psra a com-
pra de todos os ttulos de prnpriedade das tri-
bu indgenas e para a constrnecao de tortea
destinados a protrger os vijanlea.
Hniive em H-lifaz. no dia 11, um incendio
que devorou 100 casas.
O ministro da fazenda cnirimunicnti o seu
i-ei iinrin ancongresso na sessodn dia 16. F.i-
aqui o resumo dasoprraedes commerc>aes dos
F.Htadns Unidos durante o anno que acaboua
30 de junlio pissado.
As sonunas reunidas das importares e ea-
pnrticne, duran!* rsse periodo ; aprsenla um
tolsl de SI'.H6.204 dollars, dos quaes .. .
1fi7.3'R.S74 pertencen as importares e ...
15l.8!8.7'0s esportaedes.
Ein 1848 a I849n tolal do movimento nao tor
seno de 293.6l3.3i9 dollars, dos qiaes
1*9 857.439 pertoncaram importadlo e
145.755 920 exportaco.
Il'iuvp uortanlo um augmento yril de
45,502.935 dollars, s*n lo 39.360,135 sobre
aimportacilo e 6,142,800 somonte sobre a
exportadlo.
Cnnseguinteraente o commercio america-
no recbeu este anno do commercio estran-
geiro35,318.354 dollars de mais do que
iiiuiia que i ..........ra ao mesmo ; entretan-
to queem 1848 a 1819 no tivera contra si
su5o U'ti Mido quasi insigaikante de
2,101,519 dollars.
O movimento de reexportarlo fez um
progresso de pertn de dous milnfles : elle
elevou-sede 13.089,865 a 14 951,808 ilollars.
O Caf, o che, os assucires e a nioeda met-
lica .-Vi as pnneipaes mercaduras que con-
trihuem para esta somma.
Entre os producios indgenas exporta-
dos, a agricultura forneceu 108.482,797 dol-
lars, isto he, perto dos quat o quintos da
somma total ; e smeote o algudo figura
por 71,984 616 dollars, ou mais de metade.
Depois desle genero essencial, o tabaco fi-
gura ptr 9 951,023 ; os productos das ma-
ts (madeiras de ludas as especies, polassas
e i elle, por 7,442,503 ; os aninaes, a tnan-
teige, o queijci, a carne de porco, etc. por
um pouco aiais de 12 millioes; os grSos,
por pei bricados comegam tambern a figurar: sua
sxportscSo elevou-se a 4,734,424 dollars.
Comparativamente com o exercicio de
1818 a 1849, huuve um augmento de cinco
- milliOes sobre o algodo, e de quairo aii-
IIO'S sobre o lbaro ; mal liouve em com -
pcnsiieu urna diminuido de quasi sete un-
Ihes sobre os gros.
Ni i npciiuciio as mu las metlicas li.-u-
ram por 13 milnes e m-io ; as las, por
perto do 16 milno-s; as fazenlas dealgo-
dau, por 19 milhuase mais; as sedas, por
porto de 18 mullos; os ferros e acos. pur
23 a 24 uiillioes ; o Caf, por 11,215,076 ; o
gneros experimenta
augmento tnaisou menos conaideravel.
Us Eslados Unidos continuaratr portanto
a maichar em 1849 a 1850 na via de ac.ivi-
dado cresceiite, que os leo gradualmente
cooduzido a sua piosHeridade actual.
'dem.)
ma antorldade ; de tentativa de mnrle, por ter
Idoacompnnhado de paisanos de sua conlianca
e alguns ofllciaes do julio, por Ihe faltar a for-
ra publica, eefl'eltuar a prlsao do reo, c reco-
Ihe lo a i- ni i i.
SSo estes, Sr. redactor, nsdous crimes impu-
tados i men filho pel-i correspondente di piel
la mesina folha e do Diario de Pernamhuea: cu-
jos processns jmais anparecerain nos cartorlos
porque lendo sido elle reintegrado no exerci-
cln de anas funrea de luis miiniclpal e de or-
phos, pelo actu il presidente o F.sm. Dr Jos
-loaquim da Cunha, e de que outr'or.i havia si-
do suspenso por o v ice-presidente Joo Carlos
Wanderley. a est exercendo legtimamente
aem que isto se tenhain opposto as aiitonda-
desprocessantes. Posso com certeta dizo-lo,
Sr. ledactor, no entretanto que seja publicada
una correspondencia do mesmo meu fil'io, a
qnal ae iido-me enviada pura se-lo na f/aiilo,
nao lendo esta escrlplo, acha-se em meu poder
ha quasi dous meses. Ajuise agora o respeita-
rel piiDlic > dos faclos e da conducta de meu
filho ua qualidade de juii iiinnicipsl da cidade
da Imperatriz comarca da Maioridsde, e ajuj-
e laiubein Vine, a quem rogo a publicaco
da presente, pelo que Ihe ficar obngado este
!ue he de Vine, attencioso veoerador e servo
os Joaquim Arierra CatMieanfi de Albuquerque
Publicarlo pedido.
.f o lllm. Slr. Germano Francisco
tte Olsteim.
Oh lu hroe da scena brasileira
Sublime artista nunca assas Inuvado
leu nono.sera inda respeitalo
Sa- cultas nacos da europa intuir.
Minha expresso nSo julgues lisonaeire,
lleolouvor que mu bem tens alcanzado,
lie o dom da naturesa tSo presado,
Que so distingue em ti sobremanera.
Pernambuco teslemunho ja lem sido,
Do leu talento quasi sem rival,
Teu meiito todos teem applaudido.
E i Taima te proclaman j igual,
Continua pois, da patria sers querido
E tua gloria ficar sendo immoital.
ttepurco da Policio.
PAKIEUOMA 6 DE l'E\EltEIIil DE 1851
I .iran presos -' a nrJein do elide de o-
,licia, Joo Jos de Farias, como inliciado
em crime de introduzir Africanos livres no
imperio, ordem do delega lo, JooHibeiro
de Brito, paia averiguacis policiaes; e
nem assim Alexandre Jos Poreira e Anto-
nio Francisco de Azevedo, que foram re-
meitidos ao mesmo delegado pelo sub-
ci.. por 4,588.373 ; osajsucres p..r 7 mi- ?'"?""# """"'" ,,"i lhOes; finalmente os objectos de hnho "*>*,* "R""" &tX'
cann.mo, por um uouco nais de 8 m.lhOes. -*-* t^X^H^T^
Tolos estes gneros experimentaran! uiu 1 "... .. i..;. v ...!.:... ... bi
Con espun Jencid.
Senhor rednetpr : Confiado ns iinparcialida-
de que deve caractcilsir qualquer esenptur.
rogo-lhc a iinpnssao do teguiuie artigo que
su tende a defeuder a diguidade com que se lia
portado o respectivo juii municipal e d'ur-
pliaos da cidade da Iuipcratrlt, Uieu mullo
presado filho Amaro Carneiro bezerra Caval-
canti, dignop'.r ccrlodaconsldera(ode Vine ,
por sua uioralldadee firmes.! de carcter. Ten-
do o dito meu filho <>idu aggredido pela Impren-
ta nos us. 64, 65 e 67, e no Diario de fernuinou-
co pelo correspuudente daquella provincia (K i o
Grande do norte) iuvertendo seus actos de jus-
lica. alcuuhaudo-o de bota-fogo, e com requlu-
tada falsidade, aecusando-o de criminoso por
sedico e teutativa de uiurte, e tudo isto -
ineuie como liui de o tornar odioso peraute o
rcspeilavel publico venho, ar, redactor, apre-
sentar ao mesmo publico a preseute delesa,
quesera uiui breve, e precisa a innocente vic-
tima.
Por occasiao da morte do Dr. Jos Perelra de
AraujoNevcs, presidente daqurlla provincia,
CDtrou no excrcicio da respectivas fuucces o
Sr. vice-preaidente Joo i arlos Wanderley, o
qual votando odio mortal ao menino meu lidio,
fui logo seu primeiro cuidado destitui-lo du
cargo de delegado de polici., e noiuear para o
substituir Jciao Fernandesde nminx primri
ro auppleote do juir. municipal e a Juaquun da
Costa e Olivelra suppleute de ambo os cargos,
instrumento, ambj de sua parcialidade. lis-
tes ludo prestar juramento e tomar posse do-
ditos cargos, coiidusiraui logo publicamente u
criminoso Bernardo Kugenio Peixoto, que se
achava e creio que ainda se acha pronunciado
por aquelle ineaiuo juio por crime de lalsili-
cacao, e tentativa de reduzr a escravidu pes-
soas livres. E collocando-se com o criminoso
Da casadeste, emquanto furam caiuara mu-
nicipal prestar juramento e tou/ar possede
suptenles de iuu municipal, Bcaia o crin- e 737 barricas com 4,842 arrobas e 2 libras
nosocomo accessor e secretario daqurllas u- deasSUCar, e 1 mal Com roupa feila.
toridades, lavrando ofiicios e purlana por aual Liverpool pelo Aracaty, galrra ingleza
propiia lema, exigindo, talvet para con.umir, /,,^0t ,)e 554 i0neladas : conduz oseguin-
o processo de seus crimes, cujas pecas foram, ,oQ bllCCus c0(n 7.000 arrobas de as-
li.goassignadas prlapiiineira uaqueUaaauori-l ^*
de 253 toneladas, espitSo W. Pays, equi-
pagem 14, carga guano ; ao capililo.
Navios lakidos no meim dia.
Ba'iia Sumaca nacional Carlota, mestre
Jos Gonrjalves Simas, carga bicalhao e
ferro. Passageirns, os Rrasileiros Cypria-
no Pedro da Farias. Antonio Francisco A-
naslacio e Jos Manoel, e os P.irtngue-
7.es Chrislina Peres Vedal com sua fami-
lia e Jos Joaquim Gaspar.
Porto Alegre pelo Rio Oran le do Sul llri-
gue nacional IHarianna, capilo Jos Dias
Pereira da Silva, csrga assucar. Passa-
geiros, D. Mana-1 Francisca dos Prazeres
Cavaleante con) sna familia e o Portu-
guez JoSo Baptista de Ohveira.
dem, i leo Escuna nacional Rereniei, ca-
piUo Manoel Ignacio Ferreira, carga as-
sucar.
Parahiha -- lliate nacional Nova Sania Cruz,
mostr Henrique de Souza llsf-e, carga
bacalho. )>assageiros, os Brasilniros Luiz
Antonio Gonzaga, Sabino Luic Conzaga,
Severian da Costa e Silva e Pedro Antu
nio Coelho, '
EDITA ES.
Eiiase JoSo.escravos de Luiz Ferreira da Sil-
va Santos, e o pardo Domingos, escravo da
viuva Crespo, por eslarem briganJo: e
a du subdelegado da freguezia de S Anto-
nio, Francisco de Paula de Alcntara Aco-
la, para avetiguaefies policiaes; e o e=cra-
vo Lino, por furto e anJar fuitiJo.
0 delegado do termodoLimoeiro.com-
municou ao chele de polica por oflicio de 3
do curente, que Jos Joaquim Mimloia de-
ra u,ii tiro em Joaquim Jo- de hania Auna,
que aciiava-se ra perigo de vida^ e
que n3o lendo sido preso o leo, se fiaviam
dado as uecessarias piovidtucias para es-
te 1.111.
DEM DO 1 ti V 7.
Foram presos : ordem do subdelegado
da freguezia de S. Antonio, Francisco de
Paula Keal, para averiguacOes policiaes ; e
Jo3o Pedro da ltoxa, por ebrio e desordei-
ro : ordem do subdelegado da freguezia
da Boa Vista, Francisca Mana da Conceicao,
por briga j e Maria Antonia da Cunceicflu,
sem declararlo do motivo: e do subde-
legado da freguezia de S. Jos, Josefa Maria
Joaquina, por olTensas phisicas. ___
AI.FANDF.CA.
Ren.limenlododialO.....12:388.732
Dtscarregam hojt \\ de fevereiro.
Itarca Esp&ito Santo meicadonas.
Brigue -- M. Hidley bacalho.
CONSULADO 6BRAL.
Kentlimento do dia 10. 9:969,325
Diversas provincias...... 182,442
10:151,767
EXPORTACAO.
Despachos martimos no dia 10
Porto Alegre com escala para os porlos
do sul. escuna nacional Berenice.de 120 to-
neladas : conduz o seguinte : 41 voluntes
fazendas, 1,900 cocos para comer, 25 latas
O lllm. Sr. inspector da thesourarla de fa-
zenda provincial, em cumprlinento da ordem
do Exin. Sr. presidente da provincia del du
crreme manda fazer publico, que nos diat II,
li e i3 de fevereiro prmlino vlndouro val a
praca perante o tribunal administrativo da
mesuia ihetuurari-, para ser arrematado a
quem por menos fuer so concertos da ponte do
Anjosodre o Rio Serihaein-avaliada em 939,400
rs. e sli as clausulas especiaes abalxo deca
radas.
As pessoas que se propuzerem a esta ar-
remataQao. comparefam na sala das ses-
-i.'i-'s do mesmo tribunal nos das cima
mencionados palo meio dia, competente-
mente habilita los Da forma do art. 24 uo
logulamento de 7 de maio do prximo pas-
sado anno.
E para constar se mandou alliiar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Rernanbuco, 31 de Janeiro de
1851. O secretario,
Antonio Ferreira da Annunciac&o.
Clausulas especiaes da arreinatacSo.''.
1.' As obras do peden 1 s desla arremata-
cSo, serSo feitas de conformidade com o
ornamento apresentado nesta data ao Kxm
Sr. presidnte desla provincia pelo preeo
de 939,400 rs.
2." 0 arrematante comocar as obras no
praso de um mez contlo da data da parli-
cipacSo que Ihe fr feila da approvacSo da
ai reuiBiacau pelo governo ; e as concluir
no de quairo tnezes, ambos contados da
mesma parlicipaQSo.
3.' A importancia d'arrematacao ser pa-
ga em duas preslacSes iguaes ; a pria.eira
depois de ter f iiu metade da obra, e a se-
gunda depois de lavrado o termo do recebi-
(if uto defininivo.
4.' Para tudo o mais que nao est determi-
nado nas presentes clauaulaa aeguir-ae-ha in-
teiraiueote o que dispdeo regulaiucnto das ar-
matagO.'s de7 de malo de 1850.
Ponte dos Carvalhos, 28 de setembro de
1850.
O engenheiro chefe da4." da se.-cao,
FLriano D'tzir Portier.
Approvado pela directora em conselho no
dia 14 de nutubro d 1850 O director J. M
Alvrs Ferrreira. J. / Vctor lievtier J.
A. Milet. Ftoriano ftestri Portier. Appro-
vo. ~ Palsci'i do governo de Pernambuco,
15 de outnbro de 1850. Souza llamos
Conforme O oflichl-maior, Uanoet Cle-
menlino Carntlro da Cunha.
O Dr. Angelo llonriques da Silva, suppleute
em exerciclo do juizo de nrphos e au-
zentes nesta cidade do Recife e seu termo,
por S M. I. e C que Dos guarde ele.
Fbqo saber aos que o presante elilal vi-
ri'in, que t'i lo fallecido J.ifio Antonio dos
Piazeres, sub lilo Brasileiro, natural desla
provincia, conlramestre do biigue porlu-
guez Ledo, no dia 2 de dezembro de 1849,
em vi. .1 i-in deOuillimane para Mocambiqu -,
e sido lemeii'il 1 para esta provincia pelo
cnsul geral do Brasil em Lisboa, o espolio
daii 1.elle finad", que fui posto 11 mirilla tlls-
posieflo por nlli 'ni do Exm. presidente da
provincia de 3 do ro>rente mez, sSo por o
presente chamados lodos aquelles que di-
reiio tiverem ao referido espolio, para vi-
rem habiliiar-se na forma da le, do praso
de 60 dias, contados da dala deste ; avisan-
do-sea lodosos prenles, amigos, e conhe-
cidus dos interessados, para que Ibes parli-
ci pe do conleudo no presente edital.que ser
publicado pela impreosa, e aflixado no lu-
gar nuis publico desla cidade. Dado e pas-
sado nesla cidade do Recife de Pernambu-
co, em 4 de Fevereiro de 1851. Eu. Caldi-
no Temislocles Cibral de Vasconcellos, es-
crevi. Angrlo Henriques da Silva.
i
dades, 110 qualidade de delegado de pulida, e
na de primeiro aupplenie do juta municipal,
estando este exerceudosuas legitima fuacfes!
Acrrescendo ser aquelle acto aobretnauelra
millo, porquanto ao juiz de direilo e nio a c-
mara municipal, beque compela dar aquella
posse, segundo a disposicu do viso de 10 de
dezembro de 1848.
A' vista, pnis, de .semelliante escndalo prali
cado rom afronta da'legiiiina autoridade e es-
carneo das Iris, mandou meu filho immediaia-
Jiirute prender o criminoso, o qual zombaudo
da ordem rio juiz, c manifestando desejoa de
resistir ella, obrlgou-o a ir em pessoa |>ararf-
felluar a diligencia. Tenlou o delegado uppor-
ae a prlsao do crlniinnso, maudando preparar
o destacamento cumposto de 16 piucas de liulia,
e declarando ao juiz que urna Turca se rebatira
com outra.embora fosse o juii autoridade le-
gitima, ealivease exercendo um acto legal de
suasattiibuices! Entretanto qual deverra ser
areaolucao do meu filbo? Repellir, como re-
fieliio enrgicamente o arrojo do delegado, rea-
liando a priso do reo, erecolhendo-o ca-
dela. O delegado collocou-ae logo depoia na
eadeia com o criminoso, forcou o carcereiro,
aliciou a guarda e soltou o reo! D'ahi prepa-
rou-e para prender o juta, afini de viugar co-
mo blaaoiion. a afronta lefia aru amigo reo I
Urveila o Juta deisar-se prender no assasaiuar-
e < i'irtpxto de resistencia pelo Irioz e 1,1 ut.n
delegado / >an por culo, .trinou se para de-
feuder a vida, e suateniar >ua Irginma autori-
dade violrutamente amrafadas no centrlo
aerto. D'abl vem a aecusaco de sedicaoe
tentativa de inorte : de sedico por se haver ar
KECEBEDORIA DE RENDAS CERAES
INTERNAS.
Rendimentododia 10......746,993
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendlmento dodia 10. .; .4:464,754
Movimento do porto.
Navios entrados no dia 10.
Parahiha 3 das, blata nacional F.tpndar-
te, de 27 1|2 toneladas, mestre Vicloiino
Jos Pereira, eqoipagem 5, carga loS de
mangue. Passgeiro, Luiz Anlonio Gon-
zaga, Rrasileiro.
Terra Nova 38 dias, brigu inglez Marga-
ra Bidly, de 184 toneladas, capitn J
Browm,, equipageot 12,carga bacalho;
a Me. Calmont &Companhia.
lllm lie Santa Helena--12 dias, barca in-
gleza ^ercetierance, de 237 toneladas, ca-
intaii F. Thompson, equipagem 9, em
Instio : ao capilSo.
BahaII dias, brigue-esruna de guerra
' nacional (anapo, comnmri lante o pri-
n turo leme Jos de Mullo Cbrista de
Ouro.
Rio de Janeiro 27 dias, polaca sarda Cere-
re, de 340 toneladas, capilao Pinto Nico-
13, em lastro ; a ti.
lao equipagem 13, em
lliebvr Companbia.
lido para conservar ille.a a aua vida clegui-IPatagonia-33 das, barca ingleza Queen,
Deca ra; o>s.
Cnivida-se a todos os inlividuos li-
vres que se queiram empregar como ser-
ventes nas obras do melhoramenlo do pin to.
a se enienderem com o inspector do arse-
nal de marinlia, o qml na conformidade
das ordens do Exm. presidente da provin
cia, llies garante a sencSo do recruta-
menlo. Tanheni ae admitlem escravos em
falla do serventes livres, em taes obras, ;n-
gando-se a estes, como aquelles o jornal de
640 ris diarios.
InspercSo do arsenal de marinba de Per-
nambuco, 8 de fevereiro de 185l.--Aodrioo
Theodoro de Frutas, inspector.
K-ta aberta a matricula de Inglez e
Fraocez do collegio das arles em Olinda,
sobrado do Dr. Meira, onde assiste o
respectivo professor._____________________
Thealro de Sanla-Isabel.
RECITA EXTRAORDINARIA LIVRE DA AS-
hlGN ATURA.
QUARTt FEIOA, 12 DE rBVEBBlaO DE 1851.
Grande e variado espectculo.
Depois de urna das melbores opyerturas,
a companhia nacional representar o mul-
lo conceituadu drama em 5 actos, ornad j
de msica :
. CE/. Mi DE BAZAN.
No primeiro acto as Sras. Baderna e Mo-
reau, seguidas de grupos de povu, execula-
1 .iu um lindo
BAILADO.
No terceiro acto, durante o festejo no pa-
lacio do riianiuezde Montiliore, o Sr. Tali
cantara a exeellenle cavatina da opera
LombarUi uiia prima crociala,iio maestro
Verdi. Em seguida, pelas Sras. Baderna e
Moureau, haver* odancadoespannol
A ALDEANA.
No flm do terceiro acto a Sra. C mdmii e
o Sr. Capurri, cantarffn o b-lio duelo do
ELKXIR DE AMOR.
No flm do quarto, os Srs. Frederico Tati,
Capurri Eckirlin. cantarSo o terceto da
ooeraCiara de Rozembero,~ do,maestro
Ricci.
Terminar o espectculo com o ultimo
acto do drama.
1 aimi'ciri as 8 horas.
Os bilhetes acham-se venda no lugar
lo costme.
Os Srs. asslgnantes que quizerem ficar
com os seus camarotes e cadeiras para esta
recita, lerdo a brindado de man lar por ellos
ao escriptoro do Ihealro al a manbSa ao
meio dia. O empresario previne que depois
dessa hora dispor.daquelles,fque nSo tive-
rem mandado buscar.
dia, no oscriptorio do dito corrotor, rinda
Cadeia.
Publicaco Iliteraria,
Tero de sabir luz embrave lempo a
Acidalia Pernambucana, romance por F. Jan-
sen de C. A. Jnior, em um volunte. Quem
para a impressSoda ditacomposicSoquizer
assignar, 1 de dar o seu nomo na loja de
livros ns. 6 e 8 da praca da Independencia,
declarando o lugar de sua residencia para
facilidade da entrega ; sen lo o prego da as-
signatura 3.000 rs. pagos ao receber-se um
tSont piaij________________________________
~~T~ 1 i_. :==a=.
Avisos marilimos.
Para o Porto sahe com a
maior brevidade possivel, por ter
parte do seu carregamenlo promp.
ta, a lind 1 e velcira barca portu-
gueza Bracliarense, da qual he ca-
pito Itodrigo Joaquim Correa ;
tem excelleotes ommodoa para
passageiros : quem na mesma qui-
zer carregar ou ir de passagem, di-
rija-sc ao capitao na Praca do
Commercio, ou a JNovaes & Com-
panhia, na ra do Trapiche nu-
mero 34-
Agencia da companhia dos vapo-
res inglezes.
O vapor Teviol. capito Ri-
vett, deve aqui estar de volt"
para a Inglaterra no dia 17
do correte pelas 4 horas da
mantisa, e partir as 10 horas do mesmo
lia fazendo escala pelos porlos j* annun-
ciadns de S. Vicente, Tenerife, Madeira e
l.jsbdi: as pessoas que prelenderem passa-
gens ou carregar para qualquer dos indi-
cados porlos quniram tratar com a necessa-
ria antecedencia no escriptoro da respec-
tiva agencia ra do Trapiche n. 42. Adver-
te-so que as cartas deverSo ser postas no
correio, endo na agencia, aonJo se as d3o
recebem.
Para o Rio de Janeiro
segu com brevidade o brigue-escuna Olin-
da : para o resto da carga, escravos e pas-
sageiros, trata-so com os consignatarios,
Machado & l'inheiro, na ra do Vigario n.
19, segundo andar, ou com o capilSo Ma-
nuel Marciano Ferreira, na praca.
A escuna nacional Gmi7ia,de que he ca-
pitSo e pratico Antonio Silveira Maciel J-
nior-,'leve seguir para Para pnr estes dias,
para cujo porto ainda pode receber alguma
carga e pasageiros : os pretendentes diri-
lam-sea ra da Cruz n. 13,a fallar com Joilo
Carlos Augusto da Silva, ou cora o referido
capito.
Para o Porto sah com brevidade a bem
conherida e veleira barca F.ipirito Santo, de
primeira marcha, forrada e encavilhada de
cobre : quem na mesma quizer ctrregar ou
ir de passagem, para o que tem excellentes
commodos 1 dirija-se ao seu Consignatario
Francisco Alvos da Cunha, na ra do Viga-
rio n. 11, primeiro andar.
Para o As- segu em poucos dias a
ba'caca Conceicao de Guamar, quem quizer
carregar ou ir de passagem, dinja-sc ao
mestre Antonio Jos Geraldo Gomes a bor-
do da mesma haronea, no Forle do Matos.
~ 0 brigue brasileiro Scares segu im-
prelerivelmente para o Rio de Janeiro no
dia 15 do corrente : pode aioda receber al-
guma carga, escravos e passageiros : quem
pretender, dinja-se ra do Trapiche n, 5,
escriptoro.
Para o Rio tirando do sul sabe em pou-
cos dias por ter o carregamenlo prompto o
pataxo nacional Eultrpe, pode receber al-
gumas miudezas, passageiros e escravos a
frele : trata-so na ra do Apollo, armazeot
n. 14, ou com o consignatario do mesmo
Luiz Jos de S Araujo, na ra da Cruz nu-
mero 33.
Seguir para o Rio Crsnde do sul bre-
ve o brigue denominado Social, por ter
parle de sua carga prumpta : quem no mes-
mo quizer carregar, eotbircar escravos, ou
ir de passagem, para o que lem bons com-
modos, pode entander-se com os-consigna-
tarios rnorim 1< milos, ra da Cadeia n. 39
Leiies.
Adamson llowie & C farBo leilSo por
intervoocao do correlor Oliveira, de varia-
do sortimento de fazendas inglezaa, todas
proprias do mercado: terca feira, II do
corrente as 10 horas, no seu armazem ra
do Trapixe Novo.
O correlor Miguel Carneiro, far le -
lo teixa-feira 11 do corrente no seu ar-
mazem na ra do Trapiche n. 40 de diver-
sos trast s, um rico altar com seus perten-
ces, um jogochinez, quadros com ricas es-
lampas, relogios de cima de mesa, ditos pa-
ra algibeira de ouro e de prata, patentes
inglezes, espingardas, pistolas e outros
muilos objectos que se entregar a qnout
mais laucar.
O correlor Oliveira far leilfio, por or-
dem de T. Carling, capito da barca ingle-
za Filen Bnjson, em presenca do Sr. vice-
cons il de S. M. Britannica, e por conla e
risco de quem pertencer, do duas pipas de
vinno xerez era quartos eoitavos de pipa,
salvados da dita barca, naufragada nos ro-
chedos denominados Ponta do Touro, na
sua recente viagem procedente de Cdiz
com desuno Babia, e para satisfazer as
despezas a que o dito capito foi obrigado a
fazer : quaria-feira, 12 do correte, ao meio

Avisos diversos.
Avisa-so ao publico, que no da II das-
le mez Inven fanihngos, 110 dia 13 talhei-
ras, e no di 116 cahocliuh ts, un It imediit,
sempre acoropanhado os divrtirneiilus
com banda de msica marcial, etilvez so
tenham de repetir as cavalhajas, sea isto
annuir o director, que de to hom grado
se prestou. Um do lugar.
Acha-se fgido desde o dia 6 de Ja-
neiro do corrente anno, o escravo Gabriel,
de naco BenRuella, de i_iado 30 anuos,
pouco mais ou menos, estatura regulai,
preto, caliera axatada, olfios vermellios por
effoilo da caxassa, pois he bebado, bastan-
te ladino, denotando muila viveza, e he
mu lo contador de petas, e por isso se co-
nfiere fcilmente fallando-se com elle, he
cozinheiro, barbeiro e pe Ireirn, foi escravo
do capiio lente Francisco Xavier de Al-
cantara (commandante da cuverta Janua-
n'a;, e ven ilo pelo capilSo lente Anto-
nio Carlos de Figueira Figueiredo (cont-
mandanledo Caliope), ao major Antonio da
Silva Gusmo, hoja seu legitimo senbor
quem o pegar leve-o ao referido major
CusmSo, no Atierro dos Afogados, que pa-
gar generosamente, e mesmo a quem der
doli noticia.
Miguel Carneiro, embarca para o Rio
de Janeiro no brigue nacional Damaitor, o
seu escravo Titto.
Roga-se ao Sr. Antonio Matado da
Costa de vir ra Nova n. 50, a negocio
que Ihe diz respeito.
Os abaixo assignados faznm scinnto ao
oublico que o Sr. Antonio Jos Ferreira
GuimarSes est desonoralo do paasivo da
casa em que foi admistrador, porque esta
s devia aos abaixo assignados. ealgum
visioho (contas pequeas que no montSo a
ceoto esincoenta mil ri.-J porm esta au-
jeito ao aeti o, assim como a entrega do
iinheiro existeote em caixa, recibos da
casa e mais papis que existen em seu
poder. Recife, 5 de feverei'o de 1951.
Araujo & l'enua.
Avrial Irmos emharcam para o Riu de
Janeiro o seu escravo Marlins.
Constando ao abaixo assignado que
seu fiador, c socio na arremataefio do im-
posto dos 20 por cont sobre o consumo da
aeoardenle.o Sr.Lniz Jos Marques se julgou
offendido pelo annuncio que fiz publicar
pelo Diario de 3 dn crranle, o repetir no de
4 e 5 do mesmo mez, ou suppoz que a sua
boa f era ali posta em duvida; devo declarar
em obsequio a verdade, que nunca foi mi-
nha intenso tal fazer; porquanto, o dito
meu socio e fiador me deu sempre contas
exactas e minuciosas dos dmheiroa que re-
cebeu, tanlo assim que ellas foram fizadas
por urna conla crranle em 31 de dezembro
do anno prximo passado, a qual foi por
mim assignada, equivalendo essa assig-
natura ( na minha upinio) approvaclo
dessas contas i sendo pois, esse documento
nasiante para tranquilisa-lo, e elle reco-
niiecer que tal no foi o motivo do meu di-
to annuncio : outro poU, houve, que me
fez obrar daquella maneira.talvez menosre-
flecli lameole, mas ao menos fui franco, e
para que se no fique em duviJa.devo deca-
ra-lo, e foi elle o ciume por um direilo que
julguei, julgo ainda e me parece julgarei
4empre me pertence, qul o de assignar
nicamenle os recibos dos Srs. Colleclados,
,jire lo que so pretende por em duvida de
ouv'do ein ouvido. Po lia provar com o ter-
,no do contracto, cora a no existencia de
locuntento algum em que eu alienasse tal
direilo, e sobre tudo com documentos es-
criplos pelo dito meu socio e fiador, e por
fados por elle pralicados, que eu o imho e
i'iiuiuno a ter, em quanlo por minha livre
volitado del le nao desistir Cedendu porni,
s instancias do meu amigo o Sr. Manoel
Figueirt de Faria, resolv-me a fazer urna
convenco escripia com o dilo Sr. Mirques,
autorisando-o para poder recober dos Srs.
collectados com o meu recibo, e firmando
ello esta margem, o qual e|le apresenlr
cada um dos mesmos senhores com exclu-
so daquelles recibos, que pnssam ser ne-
cessarioi em juizo, e nos lugares do mato
onde sempre se recebeu com recibo se-
ment por mim assignado. Contesta declt-
rco tem terminado esta queslSo j bas-
tante desagradavel e que bem sent livesse
lugar, ficando os Srs. collectados puisscien-
tes do que d ixo expend lo, e deqjefica
le nenhum elTeito aquelle meu dilo annun-
cio que se considerar como no existente,
e as cousas cono anteriormente se pratica-
ram, isto pelas raaOes que cima expuz.
Advirtindo, porm, que ludo quanlo esl
praticado, n3o preccita de conrmaco al-
guma. Recife, 10 de fevereiro de 1851.
lu Antonio Mesquita Falcao. i
Ensiua-se no pateo de S. Pedro n. 13,
prmeiras letras, e em casas particulares
por um prei;o comotodissiroo.
Precisa-se de urna ntulher idosa, qua
cosinhe e engomme perfeiumanie, para
caaa de homem solleiro : na ra do Colle-
gio vend n. 12.
Offerece-se urna mullanlo ntea idade
para casa de urna mulher viuva : na ra do
Fugo n. 47.
- Francisco Albano Chabaribere de ni-
Co Franceza retira-se para fora da pro-
vincia .
Quem precisar de urna portugueza pira
o sorvigo de urna casa qualquer: dirija-st
a ra Formosa n. 2.
-Precisa-se de um bom feitor para uto
sitio pequeoo, muito perlo delta praca :
fallar na venda da ra de S. Amaro, que
faz quina na praca do Cspim.
Um moco solleiro propOe-se a ensinar
em qualquer engenho pouco distante desi
praca, prmeiras lettras, e as lingoas naci i-
oal e latina, com perfeicoe adiantamento,
para o que tem as lialiiliiaces necessarias:
quom de seu presumo se quizer utilisr>
dirija-se a ra do Bom Jezus das crioulas,
n. 29.
-- Precisa-se de urna ama secca para cui-
dar de urna menina, preferinJo-se portu-
gueza : a tratar no Monleiro, casa do r. Jo-
s lioulo, ou na casa defronle do Sr. Juao
Ignacio do llego.
Agencia de passaportes e ttulos de
residencia.
0 abaixo assignado lira passaporfes paf
ileutro e fra do imperio, e lamoein titulo
de residencia por comino 11 preco e preste-
a: na ra de Sauti Rila n. 14, sobrado.
Ctaudino do Reg Lima.



m* '
:\
~Procia*-se de um feilor cpz par o
gerviijo segninta : tomar eonla iln um si-
tio pequeo na Magdalena, e trabalhar l ef-
fpctivamente duas semanas ou o lempo que
forp'cdsn para por o sitio em ordem, e
depois mirto vir s una vez por semana.
Quem quizpr procure no mesmo silio do
Sr. Manoel Alves Guerra.
--Precisa-so alugar urna preta ou mula-
qiin oara o sprvirn de urna casa de pouca
famli: nadistilacSo da travessa da Con-
cordia.
~ Precisa-se de urna ama que tenha bom
leiie. para criar urna menina de 40 dial de
nascida : na ra da Assump(3o n. :!, se-
gundo andar.
Aos senhores logistas.
Urna ppssoa, com as hahiliiarOcs preci-
sas, se olTerpce para organisar e fazer qual-
quer cscripturacSo de casas de negocio,
qur por partidas dnbradas, qur por par-
tidas simples, examinar e verificar contas e
transacces commerciaes, acompanhando-
asde relatnos quando for nprossario ; lu-
do isto por mol icas gratilcacties A mes-
ma pessoa tambem se prestar a fazer co-
branzas nesta praea, amigavelmenlp, ou
por Justina, mediante rasoaveis porcenta-
gens ou graliPicacOes : quem de seu presu-
mo se quizer utilsar, dirija-se i ra larg
do Rozario n. 40, segundo andar, que ah
se dir quein he.
-- Perdeu-se sabbado, 8 do corrente, urna
argola d'acncom nove chaves pequeas, da
Lingoela at a estribara de Fra de Portas,
de la em seguimenlo a Capunga, e depois a
I'Hsstgem da Magdalena : qualquer pessoa
que a tiver adiado, qoerendo-a restituir,
puis que do nada servir senSo a quem per-
tence, flcar-se-ha muito obrigado e se Ihe
agradecer, na esquina da Lingoela, casa de
Russell Mellors & tompanhia n. 32.
- Desappareceu, no dia 7 do rorrele,
urna preta de nnme Delfina, de nacSo Cos-
ta, alta secca, nariz chato, cor fula e talhos
no rosto ; levou vestido preto e argolas de
ouro cobertos de relroz pretn. Esta eacrava
fo do Sr. Antonio Moni/. Ferreira : quem a
pegar, leve-a ao Aterro da Hoa Vista n 10,
que sera recompensado de seu trabalho.
Jos Gomes de Souza, presidente da
mesa regedora da irmandade do Senhor
Bom Jezus dos Marlyios desta cidade do
Iteeiie, em viitude do annuncio publicado
no Diario de Pernambuco, segunda feira 23
do setembro do auno prximo passado n.
214, onde participa ao respeitavel publico o
mo estado da cobeita do consis orio, e
desaplumo das paredes da igreja do S. B
J. dos .Mailyiiiis ; obtiveram licenca da res-
peitavel cmara, para demulirem e reedifi-
car conforme o plano apresentado, a mesa
segunda vez convida aos devotos do S. B
J que nao podem fazer dito reparo sema
coadjuvacSo dos liis, rogamos encarecida-
mente aos mencionados devotos que atien-
da m o estado em que ^e acha o temp'o do
Senhor, ja demolido, e q u continuem a
darassuasesmolas aos innaosem commis-
s8o, afim de quanto antes andarmoscom o
mencionado reparo ; o mesmo Senhor re-
munerara aos seus devotos com endientes
da sua griicii, e i.s licaremusleternamente
agradecido '
Desappareceu, na manhla do dia 10 do
corrente, um preto cozinheiro, de nome Ju-
lio, de n*cao Congo, de 30 annos pouco
mais oj menos, o qual veio d Bahia em ju
Dho do anno passado e pe'tenceu ao Sr.
SlauoelJo.s deAlmeida. Este tscravo foi
comprado nesta praca aos Srs. Lima & C ',
e temos signaesseguintes : rosto compri-
do, olh.is pretos cavermelhados, naiiz cha-
to, pouca barba, e he un pouco gago; le-
vou olea branca, chapeo do Chile, camisa
de riscado azul, emaisalguma roupa lam-
l)om de riscado : rnga-se aos capitSes de
campo e mais pessoas de o pegareme o le-
var a ra da Cruz n. 10, no Itecile, que se
recompensar
Viva o Tabareo.
No pscriptoi i das obras de Santa Engra-
cia^ sito nos andares ao norte do arco da
Conceietio, vende-so cera amis bem pre-
parada que ao mercado pode vir, por isso
que o-esrriptorio nSo lem poupado dospe-
zas rom os operarios, repeliendo aos sabba-
dos suas ferias ; publico he, que ha mais de
seis mezps, smente devidos a assiduidade
de seus trahalhado es, que anda nao ten-
do o frmalo do cnico, ja o escriptorio
faz ciTtietH.i do cera aos quintana. Keci'e.
eia para o formato do romeo |n para 1855.
Oeaixa, Liborio tlt S. Engruda Andante.
-- Um rapaz de 19annos seoTarece para
caixeno deloja, ou para andar mascatean-
do pelo mato, o qual da fiador sua con-
ducta : quem o pretender, dinja-se a ra de
Aguas Verdes,venda de cinco portas numero
48, das 6 horas at s 8 do dia.
-- O pa >re Thomaz de Santa Marianna de
Jess Maga I hiles tem aberto aula para ensi-
nar primeiras leltras e lalim, segundo o
systema adoptado as aulas publicas deste
imperio, na casa de sua residencia, na ra
do Itozario da Boa Vista n. 48, e recebe
aln.mis, nos cxlernos como meio pen-
sioniatas, e tambem pensionistas, e se tilin-
ga a dar bom tratamento ; escusando porm
de mencionar prrcose qualidade do trata-
ment, porque com os pais, tutores, ou cu-
radores se entender oque, porem, pro-
melte he o adianlamento dos seus alumnos
O a|liO ediiracfio.
> #=##
tt^ Atteneo. ^J
Thomaz Pereira de Mallos
Eslima ,
declara poselivamente a seus dev 'do-
res, que no prazo de 15 das infali-
v lii.enie, cootados da dala deste,
venham ou niandem pagar seus d-
bitos. Este prazo s se deve enlen- f
der com as possoas da praca, e pa- ;a|
ra as do matto se Ihes conceder ..a)
um mez, lindo o qual, se usara dos a)
meios uiais positivos, bem como se-tj)
4> r3o publicados por esta folha os no- 4
4; mesdaquellesque a mais de 6 anuos, 4)
#j cootiairam seus dbitos, e at o pie- )
#j sent anda nSo pagaran), nemqui- 4
% zerain mais saber de sua luja, onde 4
aj com prava m vatios objectos, ene de %
% suppr que nem mais se lembrem do 4
ai Esli a, em viilude do que, para lem- ;
fe biMica, se faz o prsenle annuiicio. aa,
fljl Itecile, 6 de it vert-11 u de 1851. SJ
#<>*# #*#:##,*
Faz aciente Ralbina Custodia de Oli-
vera Ueniz, que no da 6 do corrente, des-
appareceu da casa de seu georo Jos Fran-
ciaco de Azevedo, a cabra de nome Helena,
que la estay serviudo ; j ulga-se estar em al-
m
m
m
i
m
te
O
cuma casa escon la : q'iero a livor, ple
lva-la casa da tlita D -n'z, as Cinco Pon-
tas n 67, que snr gratificado.
-- Tem-se contratado a co-npra de un
terreno no lugar do L'icca j mto a Magda-
lena, perteiu'.'iiie a M tonel Francisco; quem
sobre elle tiver algum direito por hypoteca
nutro titulo, queira dirigir ra Nova n.
20, nestes tros das, depois de rujo prazo se
-'i'a o negocio, julgando-s* nullo qualquer
titulo sobro a dita piopriedade, que sejul-
gara lio 1 para compra.
0 abaixo assignado tendo concedido
aos seus devodores da praca 8 das, e aos
lo mato 1 mez, aflrn de liqui larom os seus
lebitos, succede que alguns se tem deixa-
do no olvido e nao comparecnram, e por
isso novamente Ihes d mais 4 das aos da
praca, eaos do mato outro mez, (Indo os
quaes, nSo s proceder contra elles com
todo o rigor da le, como tambem far pu-
blicar os seus iioin.'b por extenso neste jor-
nal. Rpcife, 6 de fevereiro de 1851.
O cirurgiSo, Francisco lote HoUriguei.
Na ra estreita do Itozario n. 28, se-
gundo andar, se dir quem compra uoici-
vallo para arro.
-- Anula so iloga a casa n. 6 da ra da
Palma : a fallar na ra deS. Francisco, ou -
tt'ora Mundo Novo, n. 30.
Precisa-se de urna ama de leite : na bo-
tica da ra do Cahug n. 11.
O abaixo assignado, J0S0 Alves de S011-
'ii. 111111 ailoi na ruada Snzalla Velii.i ns.
68 e91, roga ao Sr. J0S0 Alves de Souza,
que pelo Diario de Pernambuco n. 31 de 7
do corrente agora se declara existir, o ob-
sequio do declarar sua morada, afim'deser
procurado para convir na alterar.no de seu
nome ; e despjan xo assignado, entender-so particularmente
rom o autor desse annuncio, Ihe roga de
declarar sua residencia para o procurar.
J0S0 Alvet de Souza.
- Na ra da Cadeia Velha 11. 41, pritneiro
andar, precisa-.se de urna ama, que Coll-
ona 4 faca compras, para urna casa de pou-
ca familia.
Avsa-se a quem convier que acha-se
abarta a matricula de geometra do colle-
gio das artes de Olinds, no sobrado ao p
da la leira da S.
Terca-feira, 11 do corrente, he a ulti-
ma praca dos objectos pentioradus por ac-
5S0 executiva, e para pagamento dosalu-
ueis do armazem que pertence a Jos Joa-
tjuim Alves, na ra do Apollo, que he pr-
tencente ao crodor Norberto Joaquim Jos
Guedes, tendo lugar a arrematarlo na sala
das audiencias : quem quizer ver os referi-
dos objectos, entenda-se com o depositario
particular Antonio de Souza Pavallide.
A pessoa que ha poucos das annun-
ciou querer comprar um cavallo bom de
sella, dirija-se ra do Collegio n. 23, pri-
meiro andar, onde achara cotn quem tra-
tar, nSo si a compra de um como al de
dous.
Offerece-se urna molher para casa de
homem solteiro, a qual cozinha e engom-
niii Intu, aliaiica-sp sua conducta : na ra
da Guia 11. 9.
--Precjsa-se de um caixeiro, que tenha
bstanle prtica de venda, para tomar con-
la de urna por halanco, dando fiador sua
conducta : a tratar na ra da Senzalla Ve-
lha n. 46.
Passnportes.
Tiram-se passaporles para dentro e fra
do imperio, correm-se folhas, despacham-
e escravos e liram-se ttulos de residencia :
para esle fim procura-se na ra do Queima-
tlo n. 25, luja de miudezas do Sr. Joaquim
Mouteiro da Cruz.
Lava-se e cngomma-se com perfei^So
por pr co commodo : na ra das Cruzes nu-
mero 8.
No dia 12 do corrente mez fevereiro, se
ha de arrematar em praca publica do Sr.
I>r juiz municipal da segunda vara, duaa
tercas pal les de um sitio no lugar do Poro
da Hanella, amargem do rio, com sobrado e
urna casi terrea, coxeira, estribara, quarlo
para prelos, etc., avaliado por 4:000,000 rs ,
por axecucSO de Jos Francisco U. lem, con-
tra Fiancisco de Paula Lopes Iteis; he a ul-
tima iliaca.
Pede-se aos devcdores de Jos Gon-
Qalves Maia de Azevedo e Joaquim Gon-
galves Maia de Azevedo, de virem satisfa-
zerseus dbitos, na rna Nova n. 50, pois
ah se acha pesaoa habilitada a receher, isto
uo prazo de 8 dias a contar da dala desta, e
nflu o fazendoteio de veraeus nomes de-
clarados nesta folha, e serSo executadas na
1'oima da le.
-- Previne-se ao vendedores de blhetes
que no recebam om pagamento o meio b-
Inete n. 23 da ultima lotera de N. S. do Li-
vi menlo, sem se Miteiider com o thesou-
relro para ser publicado.
.- Precisa-se de um menino de 14 annos,
para caixeiro de urna loja, o qual tenha
pralica, e d Dador: no Atierro da Boa
Vista, loja n. 48.
~ Aluga-se urna casa terrea na ra da So-
ledade, com seis quartos, duas sslas, com
cozinha fora, quintal murado e cacimba :
quem a pretender dirjase ao Atierro da
Boa Vista, paitara do Sr. Barnlier.
Alugam-se duas casas terreas na ra
altas da matriz da Boa Vala, cada urna com
seis quartos, duaa salas, corredor ao lado,
cacimba : quem as pretender dirija-se ao
AUeiro da Boa Vista, na padariadoSr. Bar-
ril ier. ,
Aluga-se urna casa de sobrado de dous
andares na ra do Rangel, tendo commodos
para urna grande familia : quem pretender
dirija-se a mesma ra do Itangel, venda de
Domingos Ferreira Lima.
Precisa-se alugar por algum tempo
urna canoa de seiscentos a mil tijollos :
quem a tiver dirja-se a ra do Queimado,
loja n. 38.
11 m rapaz brasileiro que se acha desar-
rancado a poucos dias, deseja muilo a ir u-
tnar-se em qualquer eslabelecimento, ex-
cepto venia, loja de fazeniaa e miudezas
outro sim, tambero se oll'ertce para copiar
papis de escriptorio, ou mesmo para ir en-
sillar primeiras leltras em algum engenho
distante ou perto da prasa, visto saber bem
ler e escrever, e contar ptimamente; o
dito rapaz d por seus fiadores pessoas mui-
to acreditadas no commerco, e de muita
codsiderac.80 : quem se quizer utilisar do
seu prestalo aimuucie para ser procurado,
ou dirii-saa ptaga da Independencia n. 6
* 8, em caita fechada com as niiciaea V. D.
M. D., onde tambem se podara dar infor-
macOes acerca de quem anauncia.
5
callentes commodns para urrn cocheira, p
outro na ra da Praia n. 3fi : a fatar na
rua do Cresio n. 10, core Ijfoacio Luiz do
Brito Taborda.
AO PUBLICO.
DilTiculdadeu, com que n3o con-
tivamos, retardaram a impressSo
de algumas pecas do Manu.I do
Negociante, apezar de as haver-
rrvjs deslribuido por duas typogra
pitias, alm deonlros inconvenien-
tes que vieram interpor-se entre
os nossos de.sejos e a nossa pala-
vra ; ssim he que o manual s
poder ser distribuido no dia 13
do corrente, eal* entSo ainda se
conserva aberta a subscripcSo na
casa do Lirro Azul, pateo do Col-
legio.
-- Desappareceu na noite do da 6 do
corrente naia escrava par la de nome Luiz,
dade pouco maisou monos 30 annos. ca-
bellos correlissos, porm cortados, roslo
redondo, barriguda que parece estar pja-
da, oaos bstanles leas e algumas unhas
muito negras que parecen ter sido pisadas,
05 fes muito esparralhado* e feoi e algu-
ma rousa irregular, levou alm da roupa
vestida, um sacco ou trouxa, dous fios de
contas brancas ao peacoco, assim como um
rozario tambem branco, chales de chita
asulj desbotada, usa de camisa de cabe-
cSo : quem a aprehender e leva-la na
rua do Queimado, loja a. 9, ser recom-
pensado generosamente.
Osannuncios inser los nos Diarios ns.
6 e 7 de 9 e 10 de Janeiro deste auno, fu-
ra m feitos smente para se saber noticias
do Sr. Antonio Lucio de Mallos, a pedido
do sen amigo Antonio Garda Fialho, da ilha
do Faial.
Festa de S. Amaro.
O propriotario da confeitaria da rua do
Rozario eslreit n. 43, faz ver ao respeita-
vel publico, que a pedido de muilas pes-
soas, alugou urna casa do Sr. Rspozo, afim
de nella ter um sorlimento completo de
um ludo, tendente a feslividade do mesmo
S. Amaro, sorvete todas as imites na occa-
sifo da novena, eno dia da festa as II ho-
ras do dia e a noite, ludo com a maor lim-
peza e promptido possivel, e juntamento
urna sala independente para as senhoras lo-
uiarem sorveles.
A 13 de Janeiro prximo passato mez,
desappareceu do enganho Santo Amarinho
frpguezia da Varzea, um mulequnho de
nome Benedicto, com ossignaeaspguintes:
representa 13 a 14 annos, bem preto, se-
quinho do corpo, lem 3 risquinhos em ca la
canto da bocea, tem lodos os denles, mui-
to alegre, e pernas linas : quem o pegar le-
ve so mesmo engenho que ser muito bom
pago do seu trabalho; suppOe-se ter sido
furtado.
Primeiras le 11 rus.
O abaixo assignado, avisa ao espeitavel
publico que, desde o dia 7 do corrente, a-
cha-se abeita a sua aula de primeiras lottras
na rua do Mondego n. .4.4 O anouocianle
contina rereber pensionistas, meios pen-
sionistas e externos. Cor mais de urna vez
tem elle patenteado ao publico as vantagens
que nfferece a sua aula pela rasilo da loca-
lidade, e pelas accommodacvs que a ca-
sa aprsenla. NSo poupar cortamente es-
forens o annunciaoto para consoguir que
os pais de familias que Ihe confiarem seus
filhos, flquem iaieiramente satisfeitos;
uno m. pelo que reape'ita ao tralamento ,
como ao progresso intellectual e moral dos
meninos. Outro sim, para evitar que os
meninos frequentem outras aulas fra da
casa, perdendo assim lempo com prpjuizo
los costumps, o abaixo assignado tem es-
colhido niestre de msica vocal e instru-
mental, e bem assim professor de lingua
latina reconhecidamenie peritos nessas
materias para darem lires aos alumnos
que se quizerem applicar ellas. O abaixo
assignado espera do publico, e especiamen-
te dos pais de familias moradores fra da
praga, que aprecien) osesforcos do annun-
cianle, animando o seu nascente mais 13o
til estabelecmpnto.
Francisco de Salles d> Albugnerque.
Mobilia de aluguel.
Alugam-se mobilias a vontade do a-
lugador, e tambem analogo cadeiras em
grande por^So para bailes, ou cilicios na
rua Nova armazem de trastes do Piulo de-
fronte da rua de S. Amaro.
Precisa-se de urna pessoa pa-
ra cozinhar em urna casa estran-
geira de pouca familia, assim co-
mo de um criado para o servicoda
mesma : os pretmdentes dirijam-
se ao escriptorio de Husseli Mel-
lors & Companliij, na rua do Tra-
piche, esquina da Lingoeta n. 3a.
D-se pilo de viulagem pretas e mo-
leques : paga-se bem : na padaria defronlo
da fo'laleza das Cinco Puntas n. 154.
O bacharel Viceote Ferreira Gomes ad-
voga no foro civil e criminal, e lem o seu
escriptorio na rua Dirella n. 32.
-- Precisa-se de um escravo bom cozi-
nheiro, que nlo tenha vicios, para homem
solteiro : na rua do Queimado, leja n. 17.
Quer-se alugar urna morada de casa
terrea na rua da Senzalla Nova, sendo do
primeiio quartpirSo do bequ nho at o
Becco Largo ; isto he, tendo quintal d-se
aluguel superior ao por que eslver aluga-
da; tambem troca-se por urnas lujas, ni
rua do Bangel n. 20 ; e sendo que algum
morador se queira mudar, da-se-lhe urnas
luvas proporcionaos: na rua da Senzalla
Velha, padaria n. 100, se dir com quem se
deve tratar.
QOQOOGOOOOSOCrfiOOO
& Consultorio hotnceopathico, O
O rua do Collegio, n. 25, O
O Do Dr, P.de A. Ixtbo Hoscoso. O
t> O Dr. Moscoso d consultas lodos os >
dias. Osdoontes pobres aSo tratados
nho Qnelu7, sito n fregoezi de Ipojuca.
vendendo-se a safra no campo, o ngenho
lio copeiro e bom, e tem bons cercados : a
tratar com Miguel Augusto dea(ilivelra, na
sua residencia no engenho Camassari, na
froguezia de S. Amaro Jaboallo, ou com
Theotonio da Silva Vioira no engenho Ca-
soeira da freguezla de Ipojuca.
Cana rlecommissao de escravos.
Na rua larga do Itozario n. 4S, primairo
andar, recebara-se escravos para serem ven-
didos por ennta de seus donns, assim com 1
se compran e vendern-se os mesmos, lodos
os dias uteisa qualquer hora.
Na ru dos Triimheiras n.26, se dir
quem da dinheirns a juros sb p^nhores,
iiynotheca em casas terreas e leltras de boas
firmas.
.Msicas para quem uadsnbe m-
sica.
Vai mprimir-se o indicador geral dos
amonios para violo, e para que se faca
ideia da sua utiliila.tr, vamos dardella a
seguinte noticia Foi organisado o indica-
dor dos accordos de proposito para quem
no sabe a msica, aprsenla reun los os
accordos pertencentes a um cadencia,
com a qual se acompanha o canto ou a ou-
tros inslrumeitos ; os tocadores de ouvi In
(vulgarmente chamados) podero verifi-
car se os que ja tocam estS ou nSo em regra
e aprender o que Ins fallar e as pessoas
que no sabara msica e n>m tocara do ou-
vido pii mu [ mediante algumas iicOes para
aprenderem o estallo de acompanharj sem
mestra aprender em poneos tempos o que
por msica Ihes levara anuos. Assigna-se
na liviana da rua do Collegio n. 9. e no pa-
teo do TerQo n. 22, rua do Livramento n. 27,
na Boa-Vista loja do Sr Estima, a 2,000 rs.
por exfliriplar, depois iletle.it'ili.u la aos Sis.
assignautes custar avulso 4,000 rs.
Precisa-se alugar ura sobrado de dous
andares, que tenha quintal o s. j 1 fresco, no
bairro de Santo Antonio : quem tiver an-
nuncie.
O
9
0
i
O
Hila las Cruzes 11. 28. g)
Consultorio homaopathico do faculta- q
tivo J. U. Catanova. q
Gratis para os pobres.
Na ausencia do facultativo J B. Ca- ?
sanova, o professor de homceopathia J
Gosset Bimoat continuar com os O
Irabalhos do mesmo consultoriu, on- O
de poder ser procurado a qualquer O
O hor-. O
0OOOOO0OGO&OOCJ3G
OSr. Ventura Joaquim da Boza, cu-
xeiro do Sr. Francisco Jo* Galvflo, baja de
fazer ou de ir pagar o que esi deven lo a
mais de dous anuos, e nSo o fazendosera
sempre lembrado.
-- Preeisa-se de urna senhora, que queira
ir para um eogenho distante tiesta cidade 9
legoas, e que tenha as habilla(0-s neces-
sarias para ensinar algumas meninas, filhas
do senhor de engenho, a tocar piano, ler,
escrever, contare grammalica portugueza.
sojrr, bordar, etc. : quem pretender este
arranjo, ple dirigir-se a praca do i!o n-
mercio n. 6, escriptorio de Manoel Ignacio
de (II1 vt ira
~ O abaixo assignado professor particu-
lar de piimeiras letiras, disciplinado em
preparatorios no lyceu desta cidade, paili-
cipa ao respeitavel publico e aos pas de
seus alun nos, que desde 13 de Janeiro des-
te anno abri sua aula, e debaixo dessa
mesma disciplina ensiua por principios
agrammalica portugueza, latina e trance-
za ; admiltindo uesse recinto porciomstas e
tiirio porciomstas. Os pais de familia que
qu.'zerem applicar seus lllnus a algutna des-
sas disciplinas, 1 -lem dirigir-se a rua lar-
ga do Ko-ario n 48, segundo andar.
loi Marn Hachado de ligneiredo.
sinada para curo 1 para ver e tratar, no Ho-
tel Commerco, cam o Sr. Antonio Augus-
m Na loja de Moreira AtCompa-
nula, rua Nova n. S,
*$ vendem-se mu boas luvas de pellica I
protas o brancas para ho-nem ; ditas I
cor de canna curtas, com enfurtes,
g rara senhora ; chaposzinhos do so- |
4 da para ciancinhas deum aldoze 'fr
Smo7es;sapatosdemarroquim preto, jf
a 1,120 o par ; luvas de verdadeiro aj
j. castor, brancas n amartillas, tanto *
..i; para hornera como para senhora, a ijk>
1 1,600 o par; palmatorias do casqui- {*
nho finissimo, proprias para quartos
% de rapa/es solteiros; lanlorniirias |i
com psde vidro para piano, o que aj
j; tem apparecido ti mis elegante e do *
5 melhor gosio neste genero; ditas "^
2 grandes tambera de vi.lro, para or- jp.
nar salas ; espelhos do parede,* a rs.
i 2,000 ; necessarios da couro com to- ;^
5 dos os prepares, para barba; grava-
| tas de molla, pelo baratsimos prego
1 de 2,000 rs. cada urna; chauoszi-
I nhos deso d ?soda para sanhora, de
Com
pras.
9
de graca. S serflo visitados era suas
O
Aluga-se o armazem da cas n. 7, na
sua da Cadeia de S. Antonio, o qual lem ex-1
O casas aquel'ps que nflo poderem vir *
& ao consultorio, ou que suas moles- O
& tas uflo possam dispensar a presen- O
9 (a do medico. fj
4 Traspassa-se o arreudamento do eoge-
Cotnpra-se toda a qualidade de tras-
tes usados, e tambem se trocao por novos
na rua Nova araiazem de Irastes do Pin-
to defronte da rua de S. Amaro.
Compra-se una estante para livros,
prefere-se com vidros e pequea ; quem ti-
ver annuncie.
-- Compra-se umaascrava que entenda
bem de cozinha, costura, o seja perita
engommadeira : na rua da Cruz n. 18, se-
gundo andar.
-- Compra-se um escravo que seja ofli-
cial de ra pina ou pedrciru : paga-so bem,
comanlo que u3u tenha vicios aem acha-
ques : na rua da Cadeia, em Santo Antouio,
11. 19, serrara.
- Compra-so urna mesa de jantar, que
esleja em bom estado : na rua das Cinco
l'oulas u. 82, ou annuncie.
Coaipra-se un sellim em bom estado,
qua tenha lodus os perleuces : no Aterro da
lloa Vista n. 44.
- Compram-se, para urna cncommenJa,
escravos de ambos os sexos, de 10 a 40 an-
nos de itia.de : em Santa Bita n. 14, so-
brado./ ^^
Compra-aje urna escrava parda ou cri-
011I.1, i|ue si ja mot,'o. sadia, saiba bem en-
gommar, cortar e lazer ca.niza de lio nem,
vestido de senhora, seja de boa conducta
escolli.la em casa ue JoSo Valentn Ville-
la, no Mouteiro.
Vendas.
Vende-se junco o mais su-
perior que aqui tem viudo, por
preco commodo e tambem tem
mais inferior a 360 rs. a libra : na
1U1 Nova, armazem de traste do
Pinto defronle di rua de Santo
Amaro.
mmm*wtmmm mmmmmmmmm^
i
Especifico para febres in- ^
termitentes, ou sezdes: na
rua Nova n. 58, primeiro s
andar.
l'VaV {a^^^^-auja^a^ |o^k|4ajaa> tUA'dKaaaMUMt>tt)l^il
Vendem-se mantelleles de lil borda-
dos a dez mil ris, e do nobreza lisa a
quinze mil ria : na loja de seis portas em
fente do Livramento.
Mulla branca.
Vende-so urna mulla, nica desta cor, sin-
gular, que. veio com outras ltimamente de
Minas, a qual be muito mansa e j est en-
. 3,500 at 6.000, tanto uns como ou-
* tros silo cuegados de prximo e de
' go>lo ; livas do verdadeiro tortjal pa-
rasenliora, a 1,000 rs. o par ; nm sor- a
* tmenlo conplelo de biCOI estreitos |
$ de blondo, n do oda largos ; riq US- $
1 simas loucas de fil para senhora, e 4;
1i tambem para baptisados de criancas; fe .
I touquinhasde 13a frocadas pela bei- %
i ra,a 1,000 rs.; finalmente ura lusi- ^
% do e comoleto sorlimento desapatos f
f: de couro de lustro para senhora, que ;j^.
; se venderSo o menos por 2,210 rs. o \t
^viwwwwwmi wmwmwntm1*
Vendem-se grvalas tle seda de difTrf-
renles padrOes, de mu bom gosto, pelo
prepo do 1,00J rs. cada urna : na rua larga
do Itozario, loja de miudezas n. 22, do Vic-
torino & Guiniarilps.
Vende-se urna porQo de ferramenta o
prensas para encadernar,3o,a qual esta inul-
to propna para alguma pessoa que quei a
botar este negocio, por ler lo la a ferramon-
ie precisa para o dilo odldo : a tratar ns
rua estreita do Rosario, travessi do tfuei-
uado, loja do niudezas n,*.
- Vende-se um lindo escravo ptimo co-
zinheiro : na rua de Sania Bita, sobrado n
14, s oir quem vende.
~ Vendem-se saccas Ciim feijlo molati-
nho e rajado, cora principio de fura lo, pelo
diminuto preco de 2,560 rs. cada saca, oiio
patacas nfid ha cousa mais barata : na rua
fa Santa Cruz esquina que \ olla para a rua
da Alegria n 75.
~ Vende-se, no Aferr da Boa Vista, lo-
ja n. 54, um rico seslaule.
\eudem-so chapeos de palhinha finos
na loja do Francisco Garca Chaves, na rua
do Cabug.
Ltvroi baratos.
Yiagens a Italia, cunten io a histo-
ria e s ancdotas mais singulares da
Italia, seus usos.cosluraes, governos,
commerco. litteraturt, etc. t vol. 2,000
Uliasciimpletasde Fonlenelle,i vol.
grosaos 2.000
Obras de nenian, 7 vol 1,600
Arnaull, llieatre, 1 vol. "mu
Licroix, algphra 500
iccionario Infernal, sobre os sores,
ppisuiiagens, livros u fados do mun-
do e do inferno, 4 vol. 2,00o
Historias de Rafael, 1 vol. 1,000
Bolletini das scieucias techrolog-
cas, 3 vol. 2,000
Novo diccionario francez, que se-
gu a ortograuhia u'academa 1,000
0:iras completas de Tilo I mu la-
tinJ,6vol. 2,000
Obras completas de Palissol, 4 vol. l.onO
Bevoluc.lo do 'Porto 1,000
Principios de philosophia, 2 vol. 500
(Un u de Valnei 300
Eipiruo da Igreja, ou considera-
dora philosophicas e polticas sobre
os concilios e os papas, 8 vol. 1,000
Vendem-se no pateo do Collegio, casa do
l.iM'o Azul.
Jarrns flnas.
Vendem-se jarras, moringues, quarti-
nh.'i'., resfriadeiras, garrafas brancas para
ieslriai- agua, louca vidrada, como SPJa al-
guidares, panellas, cacnolas com cabos,
balaios para ensinar meninos a andar, ditos
para costura e ditos cora lampa para com-
pras : na rua da Ca lea do Recife n. 8.
Vende-se panno para bilhar,
de superior qualidade : na rua do
Fasseio l'ttblico n. iq.
Vende-se um bonito sitio bem planta-
do, com bonita casa toda en vid nica la e con
um jardim de pedra e cal em frente da mes-
ma : quem o pretender, dinja-se ao mesmo
filio, na estrada nova da Soledade para o
Manguind, chamada Estrada Real, que l
achara com quem tratar.
.Na luja nova, na rua do Crespo n. 10, de
i. L. de B. Taborda,
vendem-se gollas com pescocinhos, por me-
nos pre e para desengao dos compradores venham
ver; assim como chilas fraucezas, a 300 o
320 rs o covado.
Vendem-se bilhetes da lote-
ra do Livramento.- as Cinco
Pontis n. i3g.
Vende-se urna escrava cozinheira, sa-
lia e sem vicios, o que se flanea, assim co-
mo quatro vidragas para loja de miudezas
ou de -apileno : tu lo em cunta : na rua lar-
ga do Rozario, loja n. 35.
Vende-te na loja nova na rua do Crespo
n. 10 do J. L de B.TaboMa superiores corle
le casomra franco/ de lindos nadrOis pe-
lo barato prer;o de 7,000 a 7.500 rs., ditos
le meia dita a 3,500 e 4.0JOrs., nacidos
l'ranc-'zes a 280 rs. o cavado, lencos de se-
da com franja, para senhora, bonitos pa-
drOes e superiores qualidades a 4000 rs..
chapeos de sol de seda para senhora a 4,000
rs., ditos para homem, pretos e de cores a
6,800, e lencos de pura seda a 1,700, 1,800
2,000, e 2.240 rs ; superiores mantas de
seda do ultimo gusto a 13,000 e a 14 000
rs., chales de cadaco a 1,300 e 1,400 rs. ;
corle de cambraia de seda tambem do ul-
timo goslo a 10 000 11,000 e 12.000 rs e
outras muitas fazeudas de superiores qua-
lidades, que se vendara por diminuios pre-
co s.



I
A 400ri8.
Vendem-se as mais superiores chitas lar-
gas, francez*s, de toi1s s cores, gostns n-
teimmento novns. imitando seda, a 400 rs.
o covado : na ra do Crespo n. 1*, loja de
Jos Francisco Das.
Vendem se arados america-
nos dos modelos mais approvados;
na ra do Trapiche n. 8.
AGEtSCIA.
da fundicao Low-Moor.
RA DA SENZALLA NOVA -N. 42.
Neste estabeleeimento conti-
na a liaver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engeoho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, pa-
ra dito.
Chumbo de municSo.
Vende-se no armazem de J. J. Tasso Ju
nior, ra do Amorim n. 35.
~ Vendem-se amarras de ferro: na ra
da Senzall nova n. 42.
Deposito de cal virgem.
Na ra do Torres n. 12, ha muito supe-
rior cal nova era pedra, chegada ultima-
mente de Lisboa no hrisuc Tanjo-Terceiro.
SSSF.
Farinha "nova da marca SSSF, chegada
ltimamente: na ra do Amorim n. 35, ar-
mazem de I. J. Tasso Jnior.
Potassa da Russia.
Vende-se polassa da Russia, recentemen-
te chegada, ede muito superior qualidade :
na ra do Trapiche n. 17.
Taixas para engenho.
Na fundigfto de ferro da ra do Rrum,
acsba-se de receher um completo sortlmen-
to de taixas de 4 a 8 palmos de buce, as
quaas acham-sea venda por prego com-
o.iiild, e c(Kii promptidSo embarcam-se, ou
carrpgam-se em carros sera despezas ao
comprador.
Moendas superiores.
Na fuodigio de C. Starr & Companhla,
em S.-Amaro, acham-se a venda moendas,
de canna, todas de ferro, de um modelo e
const'ucgo muito superior.
Grande sortimento de charutos
da fabrica de S. Flix, no ar-
mazem de Troceo & coiupanliia,
ruada Cruz n. 21.
Sfio chegados a este armazem os verda-
deros charutos regalos, regala, cagadores,
deputades, venus, senadoras e soberanos
de llavana, em caixas de cem e 250, por pre-
sos rasoaveis.
A pobreza.
Vendem-se cebollas americanas pelo ba-
rato prego de 80 a 160 rs. a restes, e a 320
rs. o ceiiio das sullas: nos armazens do bec-
co do Goncalves, junto a c*sa da Sra. Viuva
Lasserre.
Deposito de cal e potassa.
Cunta & Amorim, na ra da
Cadeia do Recife n. 5o, recebe-
ram pelos ltimos navios de Lis-
boa 2Voto Pencedor, Carlota e
lmelia Larris com cal virgen), i
vendem, tanto a cal como a po-
.issa, por menos preco do que em
onlra i]ualquer parte.
Arados de ferro.
Na fundig.lo da Aurora, em S. Amaro,
vendern-se aradus ae ferro de diversos mo-
delos.
Deposito da fabrica de Todos os
Santos na Babia.
Vende-se, r-ni casa de N. O. Bieber&C. ,
na ra da Cruz n. 4, algodSo transado da-
quella fabrica, muito proprio para suecos dr
assucar o roupa de esclavos, por prego com-
mojo.
Anigo deposilo de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa
no brigue 7orujo I 11.
Cal vitgem de List da,
da melhor que ha no mercado, e
chegada ha das pelo brigue Em-
pieza : trata-se com A. C. de
Abreu, na ra da Cadeia do He-
cife n. 37.
Na ra estreita do Rozario, travessa do
Queimado, loja de miuilezas n. 2 A, de J
F. dos Santos Maya, vendem-se cordas de
tripa e bonitos para violSo e rabeca, e pa-
pel pautado para msica, tudo da melhoi
qualidade possivel.
Fio para sapateiro e para saceos.
Vende-se uai resiante dcoplimo fio para
sapateiro ero novellos, e di lo em meiadas
para saceos, por prego commodo para li-
quidar facturas : em casa de Adamson llowii
& Companhia, ra do Trapiche n. 42.
1.olera de N. S. do Livrameiito.
A os ~>:oim>.n nuil rs.
Na loja de miudezas da praga da Inde-
pendencia n. 4. vendem-se bilhetes, meios,
quartos, quintos, decimos e vigsimos, qu>
corre impreterivelmente no dia 28 do cr-
reme.
(tilhetei intuiros
Meios
Quartos
Quintos
Decimos
Vigsimos
11,000
5 500
2,600
2.100
1,100
600
canos de um e dous cavalles, tu-
do recentemente chegado de In-
glaterra e de superior qualidade:
em casa de Hidgway Jamiesson &
Companhia, ra do Trapiche No-
vo n. la.
TecirJo de algodao trancado na fa-
brica de Todos os Santos.
Na ra da Cadeia n. 5a,
vendnm-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
Deposito de e-pelhos das ma-
nal'acluias de Franca : na ra do
Passeio n. Q.
Tinta para escrever.
Vende-se excellente tinta para escrever,
em frascos de mais de garrafa, a 480 rs. ca-
da um frasco : na livraria os. 6 e 8 da pra-
ga da Independencia
Peehincha.
Vendem-se ricas cassas francezas, de lin-
dos padtOes e de cores zoes, rxas, ama-
relias, cor de roz*, etc. Estas cassas silo
de listrase com delicados desenhos, e tor-
na-se muito recommendavel, tanto pela
qualidade, como pelo demiuuto preco de
480 rs. a vara : na ra do Crespo n. 14, loja
de Jos Francisco Dias.
Vendem-se cortes de chitas finas com
12 covados, pelo barato prego de* 2,800 rs ;
trancas preUs (ara capotinhos; bonetes
para crianzas, e turbantes muito lindos pa-
ra baptizados : ra da Cadeia velha, casa
n. 24, primeiro andar.
a%ttaMffiiM W'MW ttffiiSS'ia^aS^jBS^
%> Algodao para suecos. a>
+ Vende-se muito bom algoJSo para tu
4. saceos de assucar, por preco coromo- #>
> do : em casa de Ricardo Itoyle, na fr
4 ra da Cadeia n. 37. a>
mm-mmm ### #
A I $600.
Vendem-se peilos de carniza bordados
em cambraia, para senhoras, a Cinco pata-
cas cada um : na loja de seis portas, defron-
te do Linimento. '
A 4o ris,
Na loja de seis portas, em frente do Li-
vramenlo, vende-se princeza preta a duas
1 atacas o covado, propria para luto ou
qualquer fado preto.
ramio verde invislvel.
Vende-se panno verde nvi-ivel, muito Ti-
ro e haratissinio, n3o se menciona aqu o
preco porque cauzaria isso urna admiragSo
aos pielendenles, a ponto de nSo fazerem
corita, e dizercrn, sem virem ver a grande
idlmiclia, ora SSO nao (ole ser panno
hom ; lie este o motivo por que so se dir a
vista dos compradores e do dito panno ;
tambem restara algumas pegas de ganga
cor de cinza o amarilla, propria para pali-
tos de meninos, que para acabar com bre-
vidade s- yeiiderSo a 6,000 is. a pega, e a
meia pataca o covado: no Aterro da Boa
Vista 11. 18.
I. Vende-se o peculio do guarda nacional,
'4
contemioa lei, reglamelo e o mais preci- com cambao de sicupira e bracos
. .. tt. ,. .nMaM A AAA > uJb _n,..^ \ f el'- I
Cera em velas.
Vendem-se caixas com cera em velas, fa-
bricada no Rio de Janeiro, sortidas a vonta-
de do comprador, e por preco mais barato
com Machado & Pinheiro : na ra do viga-
rio n. 19, segundo andar.
-- Vernlem-S" perjas de chitas pardas, co
res fixas, a 4,30o rs. e a rwalho a 120 rs.
c'(es d* cambraia, mui bolillos, cores fi
xas, a 2,600 rs. ; e loo saceos de estopa no-
vos, com duas varas cada um, a 30 is.: u.
ra larga do Kozario o. 48, ^nu.eiro andar. I
Vendem-s? selltns ingleze!
ala I \ > n 1 > 1% t% t- n > >___ I
o para a misma, a 1,000 rs. cada exem-
olar: na praga da Independencia, livraria
os. 6 e 8.
l'nia escrava parda, moca, co-
zi n lie ira.
Vende-se una bonita parda.de 21 annos,
hoa cozmheira Je tuno c engomniadeira,
no tem virios neui achaques e he minio
del, o que ludo se alianza ao comprador
na ra larga do Kozario 11. 48, primeiro an-
dar : a escrava tem una filliiiiha de quatro
metes.
Vendem-se queijos londri-
nos, toucii.ho em mantas, e< vi-
lli.is verdes, consrvasele fodas as
quadas, cha preto, pos rara pao
em fermento, baldes para com-
pras e mais gneros.- tudo ultima-
mente chrgxdo de Londres: na
roa da Cruz n. 7, armazem de Da-
vis & Companhia.
Clieguem ao barato.
Vende-se chita franceza, com quatro pal-
mos de lar pura, cores fixas, com a'gum to-
que de molo, a 160 rs. o covado e a 5,000
rs a pe^a ; e limpa, a 220 rs o covado e a
7,000 rs. a | e<* : no l'asseio, lija n. 21.
Vndese urna pela de bonita ligura,
que faz todo o servico decampo : na praci-
ntia do Livramento, venda n. 50.
Lotera de N. S. do Livramento.
Aos 5 000,000 rs.
Na ra da Cadeia n 46, loja de miudezas,
vendeu-se o bilhete inleiro n. 951, em que
sabio a sorle de 1:500,000 rs., e eslo ex-
poslos v-'nda os tullirles e cautela da
rnesaia lotera, que corre impreterivelmen-
te no dia 28 do correte.
Bilhetes 11.000
Meios 5,500
Quaitos 2,600
Decimos 1,100
Vigsimos 600 1
Quem quizer poupar venha ver e com-
prar, pois o ganho de quem vende (lea em
m5o dos compradores, e sempre ficam lo-
grados seus amos ou seos senhores. Na ra
Nova, venda o p da ponte n. 71, e no Ater-
ro da boa Vista, venda n. 54. ao peda loja
do Sr. Eslima, vende-se manteiga ingleza,
a 640. 560 e 480; cha, a 1920; espernacete,
a 72o e 61U ; ve I las de carnauba, a :uo ; le-
iria n uito nova, a 240 ; macarrSo e lalha-
rula, a --'no ; caf em grflo, a 160 ; loociuho,
a 160; bolachinha ingleza, a 280; a/rilo-
nas novas, a 300 rs. a garrafa e a 1,400 a an-
coretademais de urna caada; milho al-
psima 960 a cuia ; painso, a 640; azeite
doce, a 640 a garrafa ; arroz, a 70 rs. a li-
bra ; e outros muitos gneros, que se dar
o preco a vista do comprador.
Tinta superior.
Vende-se muito superior tinta para es-
crever em frascos tnaiores do que garrafas,
em porr;flo e a retalliu, por menos do quo
em outra qualquer parte: na ra da Ca-
deia do llecife 11. 34, 1 nmeiro andar.
Casa de modas francezas, Aterro
(la I toa Vista n. I.
Madame Ituessaid Millochau tem a honra
de participar as suas freguezias, que pelos
ram modaa novas de Taris, como sejam :
ricos vestidos para noivascom os cabec,0e>
b voa, vestidos para bailes e theatros, coa-
poa, mantelleles, capotinhos, enfeites de
cabec, flores finas, um snrtimento muito
grande de litis e bicos, cabeQs de bico,
camiznhase colarinhos bordados, chapeos
de palha para senhoras e meninas, transas
e franjas, espartilhos, luvas de pellica coro-
pridaspara casamentse baptisados, lencos
de cambraia de lindo, bicos de blonde lar-
gos eeslreitos, veos o manlllhas de blonde
verdadeiro, bicoa delinho verdadeiro, cam-
braiasboVdadas, fitas lisas e bordadas, lu-
vas, ele. ele : tudo por prerjo commodo.
Eff-ctivamente faz-se chapeos, vestidos, e
em geral lo los us adornos de senhoras.
Cobertores liespanhes
de cores, muito fortes e de todos os tama-
nhos : vende-sena ra do Crespo n. II.
Vende-se na ra da Seozalla Velha,
padaria n. 100, ao entrar pelo Becco Largo,
superior farinha de mandioca, viuda lti-
mamente de Sinta Catharina ; por cada sac-
es pagar o portador a pequea quantia de
2,000 rs. leva urna sacca nova de bom al-
godSozinho, equerendo,descoota-e-lhe 260
rs. passando para outra sacca que leve.
Veode-se um bonito mulalinho de 10
a 1-.'anuos; una preta de 18 annos, en-
gommadeira ecozinheira ; um lindo escra-
vo de elegante figura : na ra das Cruzes n.
20, venda : estes escravos ven Jem-so para
liqlldacfio.
Oom e barato.
hua do Passeio Publico, loja n 9, de Al-
bino Jos Letc, vandem-se riscados mons-
tros, a 2"0 rs. o covado ; cassas para baba-
dos, a 240 a vara ; madapulo, a 2,000 a pe-
ca e a 120 a vara ; chitas, a 4,500 a peca e a
120 o cova lo ; chpeos de sol, tanto de ar-
macSo d'aQo como de baleia, a 2,000 ; len
Cos de seda de cores, a 1,500 ; bjins de li-
nho azul e de cores, a 300 o covado ; cha-
les de chita, a 500 e 640, chita para cober-
ta, a 160 o covado ; e outras militas fazen-
diis, que se deixam de annuuciar para no
oceupartempo.
-.- Na ra das Cruzes, venda de Domingos
da Silva Campos, vendem-se e alugam-se
as melhores bixas de Hamburgo, tanto em
porcSo como a retalho, por preco commodo.
Vendem-se candieiros para
meio de sala, muito ricos, com os
competentes globos, canudos e tor-
cidas, dando a luz mais brilhante
possivel : na ra do Trapiche n. 8.
Vende-se farello em saccas
muito superior, a a,ooo rs. : no
armazem de Joaqun, l'inlieiro J-
ronte, travessa da Madre de Dos
numero 9.
Vende-se um bonito escravo moco, ro-
busto, proprio para euxada e machado, ou
armazem de assucar, por ter muila forga :
na ra larga do Itozario n. 48,1. andar.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de diversos
modelos, assim como americanos
ile ferro : na fundicao da ra
Brum ns. 6, 8 e 10.
do
., 1 1 ;j I ue participaras suas ireguezias, que petos
muito nona, brides, arreos paral uiumosuavios viudos do Havre, ihechega-
Vendem-se bilhetes inleirns, meios e ceu-
telas da 16.* lotera a beneficio das obras da
casa de correco da edite, qoe correu a 4 do-
crrente, e cuja lista espera-se pelo vapoi
inglez, que aqui deve chegar a 18 do mes-
riii 1 : na loja de cambio ra da Cadeia do
liecia n. 24, da Vjuva Vieira & Filhos.
Cimento.
Vendem-se barricas com cimento, pro-
i'iiu para qualquer obra que possa rece-
her agoa, assim como para aljeroz e Ira-
peiras, prximamente chegado de Ham-
burgo, tambem se vendem as meias barri-
cas por pieco commodo : airas do thestro,
armazem de taboas depinbo, a fallar enm
Joaquim Lopes de AlmeiJa, caixeiro do Sr.
loSoMatlibus.
Vende-se um bom cavallo
castanho muito fotte, nicamen-
te por estar acabada a festa, por
preco commodo : na coxeira do
major SebastiSo, ra da Floren-
tina.
Por 1:000,000 rs.
Vende-se a posse de 53 palmos de terre-
no, com a frentn para ra da Aurora e os
fuaos para a ra do Hospicio : trata-se ua
liraca da Independencia 11 17.
raso, de consignaco de escravos,
na ra do Kozario larga n. 22,
segundo andar.
Vendem-se uito escravos mocos, bons tra-
bajadores de euxada ; 2 lio los molecotes,
sendo om bom carreiro e de boa conducta ;
urna rnulatirilia de li anuos, com prendas
le eos -r e engommar ; duas negrotas de 16
annos e de lindas figuras; urna negrinha
de -12 annos, com principios de costura
una preta boa quitandeia; duas ditas de
aieia idade, que saben) coiiuhar e vender
na ra ; um preto da Costa, de meia idade,
proprio para trabalhar em sitio, por estar a
isso acoslumado.
- Vendem-se superiores ervilbas muito
novas para os amantes dos bons petiscos,
e tambera servera para plantar-se, tanto
em libras como em gsrrafoes, por prego
muito commodo : na ra do Itozario larga,
venda o. 25.
Devoto Christo.
Vende-seo livrinho que tem por titulo
Devoto Mnisiiio a 640 rs. cada exemplar-
na (iraca da Independencia, livraria nme-
ros 6 e 8.
Na ra do Collegio n. 16, taverna del
Antonio Joaquim Ferreira da Silva, vende-
sacoas, a 1,930 cada urna, advortin.lo-so que
sto prego ne para quem aa quizer apro-
veitar, porque esta peehincha n.u pJe
Jurar.
A bordo do brigue nacional Sagi-
tario, fondeado em freata do Trem, v.ri-
de-se muito boa e nova farinha de man-
lioca, chegada prximamente de Sauta Ca-
tharina, por preco muito commodo.
Vendem-se dous barris vasios, que fo-
ram de azeite doce e vinbo : na ra das Cin-
co Puntas n. 82.
Chapeos de missa sem pello.
Na loja de seis portas, em frente do Li-
vramento, vendem-se chapeos pretose par-
dos a dous mil ris, assim como chapeos de
palha da Italia por pregos rasoaveis, e de
Outras qualidades.
( Honlta flgnra. y
Vende-se urna preta moga, de boni-
* ta figura, que lava e he quitaodeira : ?
na ruado Vigario n. 12, terceiroan-
< dar. 8
wtmiwi wn
AttencSo bo barato.
Vendem-se novas ceblas pelo barato pre-
go de 320 rs. o canto e a 3 000 rs. o milhei-
ro, e em rest'aa escolbi las a 80 rs. cada
orna : no armazem que foi do finado Bra-
guez, junto ao arco da ConceigSo, e em um
armazem, ao entrar na ra da Seozalla
Velha.
Roga-se aos Sr. freguezes do ba-
rato que leiam o segulnte
aiiniiiicio.
Vende-se brim de quadros de linho, a
320 rs. o covado ; riscado de linho, a 220 rs.
o covado; dito de algodSo, a 180 rs. o co-
vado ; pecte muito encorpado, proprio pa-
ra escravos, a 180 rs. o covado; castores
muito encorpados, a 280 rs. o covado;
brim transado branco de linho, a 1,920 rs.
o corte dito escoro, a 1,600 rs. o dito ;
esguio dd algodSo de 12 jardas, a 2,400 rs.
a pega ; cortes de fustSo, a 560 rs.; cober-
tores escuros de algodSo, grandes, a 720
rs. ; cassa preta, a 120 rs. o covado; chita
de cores fixas, a 160 e 180 rs. o covado : na
ra do Crespo n. 6, ao p do lamneSo.
BIIF.STOL SALSA PAHHII.HA AMERICANA.
Mel/wr e mais extraordinaria do mundo.
I'iesurvaiiva infallivel contra as febres.
A salsa parnlba original egenuia de Bres-
tol possue todas as virtudes para curar to-
das as enfermidades que proven) de um es-
lado de impurea desangue das secreciOes
morvidas do figado e estomago, e em lo-
dosos casos que iieif-sitain remedios para
purificar o ruPostecer o sistema. Em to-
dos os casos di escrophulas, erisipelas, ti-
nha erupgOes cutneas, manchas, bilis, en-
flamacSo e debililade nosolhos, inchaeflo
das glandolas, dores lombares, affercOes
iheiiiiiiilicas, dores nos ossos e as juntas
nydoriesia, despepsia, aslhmo, deanhea,
deseo tena, tosse resfriados, en lia 111 maguo
do pulmOS phthisica quaodo provm da
ol'sti u gil o dos bronebios em pessoas escru-
pulosas, eiifluenza, IndigestUo, ictericia
debilidade geral do syslema nervoso, febres
agudas, calores, enfermidades das molhe-
res enfermidades beliosas, e em todas as
afeegoes provenientes de uso moderado do
mercurio. Esta salsa parnlha se emprega
com raleada em lodos os sobrediloa casos,
e he recouhecida como a mellior mdicina
que existe. Us frascos de salsa de Bnsiol
tecm mais de qualro tamanhos dos de sal-
sa de S mJs eulrelanto que os de Bnsiol
se vende n por 5,000 rs. eos de San Is por
3,000 rs. Deposito central no Rio de Janei-
ro, casa de Viial l.apupe, e em Pernambuco
na botica de Jos Mara Gongalves Ramos,
na nimios (juaiteis pegado ao quartel de
polica.
Valha-me Dos!
Gritava um pobre homem na ra um des-
tes dias, esfregando com frga urna canelia,
por causa de um soffiivel trambulho que
dera pelo terrivel esquecimenloque leve do
trazerosoculos. He inconlestavel a utili-
lade delles, porque n9o s aproximan) os
objectos, evitara a poeira nos olhos, senSo
tambera dSo certo ar de importancia ; os
mogos passam por estudiosos, os velhos
oar sabios; uo ha mesmo exemplo ou no-
ticia, que um homem de oculos fixos fazen-
do-sc annunciarem qualqner parte o man-
dassem esperar no patamar da eseada, ou
oa porta da ra, e so sim na sala de espera,
assentado, ele., etc ; ordinariamente o me-
nor iratamento que recebe he o do senho-
ria, em suma sSo os oculos o antidoto das
quedas, trambolhoes, toupadas, canelladas
o outras caiaslroplies a que o genero huma-
00 esta su ij ilo ; he por isso que so avisa a
quem oa quizer, qur. de vista curta, qur
cangada, os va comprar na ra larga do Ro-
zario n. 35, loja.
mmmmmmmm mmmmmmm\
Ganlois l'ailliet & Companhia.]
Coulinua-se a vender no deposito }
geral da ra da Cruz n. 52, o excel- 9
'Mile e hem conceiluado rap areia a
preta da fabrica de Caoiois l'ailliet & |
Companhia di Bahia, em grandes e J
pequetaa porgues pelo prego ostabe- 1
i li'CIdo.
tfmmmmmmwm wwrwp-m
ACIDADEDEPARIS.
lina do Co.lcgio n. 4-
Neste estabeleeimento se encontrar seml
pre o mesmo sorlimento de chapeos de so-
ja annunciados, assim como sedas e pannos
em pega para as armagO- s servidas, baleia
para vestidos e espartilhos de senhoras.
Concerta-se toda a qualidade de chapeos de
sol, tudo por menos prego do que em outra
qnalquer parte.
Vendcmrse relogios de ou-
roeprala, patente inglez: na ra
da Senzalla Nova n. ^1.
Cheguem a peehincha que se est
acabando.
Vendem-se relogios americanos, pro prioa
res, e por preco muito commodo, para che-
garem aos pob es : na ra do Trapixe n.
8, e na rui das Agoasvmles n. 61.
Vende-se urna pretinh* de deis annos,
muito bonitinha, ja cose alguma cousa, por
isso he propria para algnma dadiva ; o mo-
tivo da venda he grande precisBo. quem
pretender dirija-se ra do Rangcl n. 38
segundo andar.
Vende-se urna crioula de 20 a 22 annos
de idade, engoma, cosinha, lava, e cose,
sem vicios e nem achaques, por prejo com-
msdo ; o motivo de veo ler-se dlr-se-ha ao
comprador : na ra Nova sobrado de om
andar n.51 junto igreja da ConcsgSo.
Vende-se um relogio aaboneta doura-
do, bom regulador, por 30:000 rs., na ra
de S. Francisco ou Mundo Novo n. 30.
Alten cao.
Vende-se na loja nova na ra do Cres-
po de J. L. de B. Taborda golias com pes-
cocinho, por menos prego de que em ou-
tra qualquer parte, e para desengao dos
compradores venham ver chitas francezas
a 300 e 320 rs. o covado.
Vende-se cobre em folha para forro,
em casa de Jamea Crabtree & C na ra da
Cruz.
Vende-ae a verdadeira graixa n. 97 em
casa de James Crabtree & C. na ra da
GrM*
Lotera de N. S. do Livramento.
Na botica da rus do Rosario Larga n.
4-2, vende-se bilhetes iuteiros, e meios, cu-
jas rodas and9o no da 28 de fevereiro.
Lotera de L. 8. do Livramento.
Na botica da ra do Rosario Estreita n.
10, vendem-se bilhetes inteiros, e meios,
mais baratos que em outra qualquer par-
te, cujas rodas andSo no da 28 de feve-
reiro.
Lotera de N. S. do Livramento.
Na loja de fazendas debaixo do arco
da ConceigSo n. 6, vendem-se bilhetes in-
teiros, e meios, cujas rodas andSo no dia
28 de fevereiro.
- Vende-se urna rica tualba de lavarinto
na ra do Cabuga loja n. 9._____ ______
"MWaa-aiJ^aaaaaa^aiaaaaaaaagBB
Escravos futidos.
No dia 27 de Janeiro fugiran, do enge-
nho Baixa Verde, Fortunato elgnacia, casa-
dos, escravos de Anlonio Lourengo tavares
de Albuquerque, lavrador do mesmo enge-
oho ; o escravo tem 22 annos de idade, sec-
co do corpo, beigos grandes, canellaa com-
pridas; lem duas lisilas no queixo infe-
ior, sendo urna de cada lado ; e a escrava
he alta, secca do corpo, ps e mfioa grandes,
ossuda, nariz muito chato e bastante feia
de cara ; lem as costas marcas de chicote
ja um tanto velhas; hade supirque este-
jam tiesta praga ditos escravos, por isso
que o escravo ja ah esteve fgido oilo me-
zes : roga-se as autoridades policiaes e ca-
pules de campo os apprehendam e levem-
os ra do Livramento n. 14, a Francisco
Cavalcante de Albuquerque, ou ao mencio-
nado engeiihollaixa Verde, ao proprio do-
no, que sar:"io recompensadas.
No dia 30 do prximo passado, pelas 7
e meia horas da noite, desappareceu urna
escrava crioula, de nomo Benedicta, baixa,
cheia do corpo e denles da frente podres ;
levou vestido de chita branca ja usado e
leogo encarnado no pescogo: roga-se a
qualquer pessoa que a pegar, leve-a a seu
seohor Joo Caelano t.oelho, na ra do
Amorim, sobrado n. 19, que ser hem re-
compensado.
Desappareceu, no dia 30 de Janeiro
prximo passado, urna preta da Cusa, de
nome Auna Rila, queandava vendendo do-
ce de cabla em chicaras e piles dentro de
um caixSo ; he moga, baixa, cor fula ; levou
panno da Costa de lislras e saia de chita
com babado ja usada ; lem calumbos pe-
las costas, signaos de sua trra : quem a pe-
gar, conduza-a a ra da Cruz do Recife n.
37, que sera gratificado.
wmmwm* vm mmww*wtwwm U mulatinho Agostinho
fgido.
Na noite de 11 para 11 do
ausentou-se
se superior farinha de mandioca em boas'para cima de meza, muito bons regulado-
13
S: passado ausentou-se o es-
cravo Agostinho, pardo a-
caboclado, cabellos pelos e
I lisos, ps grandes" com os de-
" dos grandes grossos e camba-
Sdos paradentre ; he filho do
serto, muito lallador e flo-
ta: roga-se as autoridades
polciaes, capitSes de eam-
po, assim como a toda e
qnalquer pessoa qne o en-
contrar, de prende-lo e con-
duzi-lo a seu senhor lien-
to Jos Taveira, na ra da
I Cruz n. ao, que n3o s<5 paga-
p r todas as despezas, como
g offerece urna generosa re-
S compensa a quem o trouxer.
'wm*wwmmmt-.wmm Fogio no da 22 do passado mez de de-
zembro, o prelo Antonio, de nagSo Cabio-
da, representa ter 45 annos de idade, altura
regular, chelo do corpo, rosto abocetado,
muito cabelludo nos peilos ; levou caiga e
jaqueta dn ganga azul, he ollicial de caldei-
reiroda fabricada ra do Brom n. 28; ten
sido encontrado em diversas ruasdesta ci-
dade, em Santo Antonio, Boa Vista, Affoga-
doa e Corredor do P.ispo, ora em urna, ora
em outra parle, e ltimamente leve-se in-
formagfio queseguio para as parles de San-
io A11IS0 : roga-se, pois, a quem o appre-
nhender, leve-o aos senhores do mesmo es-
cravo. Mosquita & Dutra, na dita fabrica,
quesera generosamente recompensado.
Fugio no dia 24 do correte do enge-
nho Tapera, sito na freguezia de Jaboato,
o escravo de nome Jos, de nagSo Nag,
cojo sinaes caractersticos sSo os seguintes:
corpo e altura regulares, olhos salientes e
vivos, sem barba, com falta de denles, ros-
to talhado, ps giossos, representa ler de
idade 30 anuos, lio muito ladino; a vista
doexposlo recommenda-se aos capitSes de
campo a captura do dito escravo, pelo que
serflo generosamente gratificados.
!'....v ...T,i- ,.,. M.}'.,. Fai.,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQSK6GLBP_FUUDSB INGEST_TIME 2013-04-13T00:17:22Z PACKAGE AA00011611_06319
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES