Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06312


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVII
Segimda-feira 3
PARTIDAS DOS CORRirOS.
Golanna e ParahiUa, s segundas e sextas feiras.
Rio-Grande-do-Norle, todas as quintas feiras ao
melo-dia.
Garanbuns e Ronito, a 8 e 23.
Iloa-VlMae Flores, a 13 e 2U.
Victoria, s quilina feiras.
Ollnda, todos os dia.
i.ix./arrwna
ransnralB.
PIIA SE I Di L01.
Nova, a 1, as 3 h. e42 m. da in.
Cresc. a 0. as ti h. e 36 ni. da in,
Chela, a 16, as I h. e 9 m, da m.
Uling. a 22, s7 b. e!9m. da t.
MrABAn DE HOJZ.
Prhnelra s 6 horas r. 51 minutos da manbua.
Segunda s 7 horas e 18 minutos da tarde.
de Fevereirode 1851.
N. 27.
FHeqo DA SBCaiPC AO.
Por tres meses fadlantados) 4/DOO
Por seis meses 84OOO
l'orumaiiuo l/Otl
das da semana,
3 fleg. S. Oras. Aud. do J. dos of. e m. da 1. v.
4 Tere, S. AnJrc. Aud. da Chano, di, J. da se-
gunda vara do c. e dos feitos da fizenda.
5 <,iu ir 1 S.* \.;in 'I 1. Aud. do J. da 2. vara.
(i Q'ilnt. >. Diirotiiea. Aud. do J. dos orf. c do m.
da primrira vara.
7 Set. S. Ikiiiii iiilu. Aud.do J. da 1. v. do tivel,
e dos feitos da fatenda.
8 Sab. S. Joo da Malta. Aud. da Ch. e do J. da
2. vara do civrl.
9 fJom. S. Apollonia.
cambio us 1 se rsvzn nao.
Sobre Londres, a 3n <|. p. pOO rs.60 dias.
4 Paria, 320 por fr.
Lisboa, 85 a 90
Ouro.-(Jucas licspanhotas..... 29/000 a 29/500
Moedasdc00velhas. Hi.-i...... IojuO
de t lu.i novas l/000 a IbiOO
de4f00l)....... 9/WW a 9/100
Prata.Patacdes brasileiro..... 1/W20 a I/H40
Pesos columnaras..... 1/920 a ltfMO
Ditos mexicanos........ 1/680 a 1/7U0
EXTERIOR.
/
Manifest, ia camms'io democrtica eurapia cen-
trml ant huliit.mlri da Allemnnha.
Allcnirs, prla vossa insiirreico de 1848 pro-
vasles que sainis sentir enchslasmn pelos
grandes principios de llberdade que illumina-
ram o mundo. Vos o provastes pelo sanguc de
vossos martyres, o qual fol derramado entre
todos ni povos, e desaceite lempo o coracao
da '. I Irma n lia nao tem irais cessado de bter
coiii as inesMias pulsacfles que os eoraces da
Polonia, da Hungra, da Italia e da Franca. Vos
ostes vencidos entio porque nao comprehen-
drstes suflici-iiiemcnii- que s a queda de vos-
sos numerosos despotas poda produzir a un -
dade nacional; que so urna democracia, urna i
indivisvel poda dar-vos a llberdade e Indepen-
dencia; que a nacao germnica nao poda oh -
ter existencia cusa das outras naroes, i|iie
ella nao poda ser legtimamente constituida
seuo pela uniau europea das nutras naces,
todas igualmente -independentes e livres. A
lico he cruel sem duviri, porquanto esses
dspotas, os quaes deiastes ein seus lugares
venderam-vos i Russia. Siui, vossas di,seo.
toes, a destrulco de vossa liberdade, a ruma
de vossa Independencia, tudo quaulo vos op-
prime e revolla, vtis o devela a essea despolas
cnnvciliiln linje em vassallos do czar- Oque
sjo os pequeos exeriilos de vossos principes
senao outras lanas divisdes do grande exercito
russo, o qual se est preparando para luvadlr-
vos? O que so esses Austraco*, Bavaro* e
Prussianos que eslo concentrando suas forras,
seuo nutros tantos Itussos drbalxo de uuil'nr.
mis e I. uiileii a diHerentes? E nao he de San-
Pelersburgo que Ihcavem a palavra de ardeui?
Se nao esliverdes promptos para tentar untes*
/orco supremo, piule se dizi r que altussia ven-
cen a -i I lema 11 ha e que a hu opa est cossaca
desde o \ oiga ate o Uliciin, desde o Danubio
al as praias do bltico.
N3n vos iliudaes, a questao de Schletwig na
qual lauto sanguegeneroso se tem derramado,
a queslao da Hesae na qual se deuo inemora-
vel exemplo de uui esercito iuimul ando-se i
lei, ludo isso he de uiu inleresse serio e exci-
tador para as naces, poiua para as aristocra-
cias ligadas he smenle un jogo sanguinolento,
um pretexto vSo que assignala outr s projec-
tos eque aulorisa a convocar o Ban e o arriire
h'm de suas forras para melbor eimagar-vos.
Olhal para esse re da Prussia, u qual se levan-
la contra sua vontade ao grito de um povo in-
teiro, como que para defender a honra de orna
nacao e os reslos de um constitucionalismo
desgranado. Sabis o que elle medita.' Nego-
ciar, arraigar para si um retiro, parecer ceder
drbaixo da ameaca do numero as torcas irreal.
liveia da Austria, llavicra e Kussla, e se arros-
trado pela correte elle for obrieado a mar-
char, sabis para onde marchar? Para urna
derrota preparada, arraigada. Dentro de pun-
co lempo ouvlreis o grito de traico. Guilher-
me da Prussia ressuscitara Carlos Alberto de
Saboia. Oque t lie procura nao he a victoria,
a qual dara lugar a Ulna revoluco, mas um
revs, que Ihe preservar um tliiouo. Assim
j nao lia duvlda que sao o absolutismo e a ll-
berdade, a tf ramilla e a democracia que eslo
boje ein presenca urna da oulra. Ser russo, ou
demcrata, tal he a alternativa ; ludo o mais
he Monele um prelextu. biti tal perigo, Alie-
ues, o que devereisfazer? Livrai-vos de vos-
sos l) raninos, os quaes sao servos da llussia;
livrar-se da Russia. Qucrem Tazer-vos escra-
vos do estraiigrro; pois bem, abeucoai u-dia
que em um le va iii.uoe n lo sublime e formida-
vi I ios pri'niillir conquistar de urna vez a vos-
sa independencia como nuco e vossos dlreitos
de entallaos. Pata serdes livres, Allemaes, bas-
ta lembrar-vot, de que fostes os Francos. Vos-
sos pas, segundo Tcito, foram invenciveis por
causa de sua unan, seudo lodos os seus baia-
llioes formados de Miembros da mesuia familia.
Pulule, como eiles, flu a todas as divises
Teude urna su lamilla, a democracia; um s
lime, a lepublica germnica. De boje por
COrtRESPO.NDENCUS DO DIARIO DEPER-
NAMBUCO.
Parta, 19 de dtitmbro de 1850.
As rpidas communicnedes que o vapor
vaestsbelecer entre a Europa e America
Meridional, me permitlrflo de dar minh
correspon Jenc i urna regularidade que at
o presente nSo tem (ido por causa da in-
certeza da navegacSo i vela. Conformandn-
ne can o que Vmc. me mandnu propnr em
uma sua caria, a qual res non \n parlieillar-
mpute >/ii Havre, remetterei bofe de por
liante juntas pelo vapor de Snuthampton
as ditas que costumo escrever-lhe todos os
mezes, e comecarei a faze-lo j por esta a
qual poslo que va datada de hoje, todava
h a enviarei au 7 do prximo Muro Janeiro
com a oulra que hei de esefever nesse dia.
O rnrnpjmento que acaba de ler lugar en-
Ire o Brasil e Rosas oceupa minio aqu pre-
8'nti>mente os espiritos. Em qualquer oc-
Ofajflfl um couplicago tSo grave teria cer-
tamente provociido os vivos interesaos da
Franca, a qual tem com o Brasil relaefles
oommerciaos que se vSo tornando di dia
em da mais consHeraveis, porm no mo-
mento presente sobre tudo nnssss sympa-
tttias sSo muito mais Vivamente excitadas,
porquanto a situaciio que tomamos no Itio
u* l'rla foi que ani nou singilrmente a
Roas na louca e ajbsunla questo por elle
proporta (o goVerno brasilero. Ha doze
unos que a Franpa tem queslfles com llo-
sas e he no proprio momento em que essas
queslfles estavam a ser terminadas, no pro-
prio momento em que um tratado novo
Concluido pelo almirante l.epreduur ia fa-
zer retirar nossa esquadnlha das agoasdu
Prat, que Rosas rompe com o Brasil.
ra empreliendida pelo governo frtincez con-
tra o argentino, porquanto ao nieu ver, a
r'ranca nSu devia intervir as queslfles pu-
ramente americanas, que devidiam Buenos-
Ajres, e MonlHvideu. De mais, achava que
os interesses franceses no Prata nfloeram
Mu graves que lurn>ssem necessario reo
correr-seao custoso expediente de uma in-
lervencio armada, porm, hnje tenho com-
pletamente modificado minha opiniSo. A
injustics clamorosa das reelamaeflas de llo-
sas contra o Brasil, nilo me deixa mais du-
vidas ubre a louca e criminosa a -niiicn do
lictador oqual soapresenta como mimign
jurado da civilaflo, atacando a primeir*
ilas potencias da America Meridional. Es-
tou firmemente convencido que Franca n3o
pflJe dar a mflo a esse jogo grusseiro do
dictador, o qual se se accumniuda com el-
la, he smente para guenear sem rasflo
contra uma potencia, cuja amisade ella de-
ve conservar, cusle o que custar. He um
papel qne uiln pode convir nossa dignida-
d'-, e a menor cuu-a que o nusso governo
dave fazer, he conservar sua espada sus-
pensa sobre a cabera do tyraiiiiele de Bue-
ni'S-Ayrcs adiando a ractilica^ao do trata
do l.epredour.
Um grande numero de nossss gazetss sin
desta o iuifio, para a qual mullos represen-
tantes lambem se inclinan), guanin au
governo, este hesita, no temor doexpflr-se
a tim revez parlamentar.
101 terei o cuidado de informar flelmenl
a Vmc. de todas as liase, deste negocio,
o qual tem um inleresse lodo brasileiro.
PJo dia 10 deste mez um grande banque-
te fui oflerecido pela ciliado de Pars ao
presidente da repblica, no intuito de cele-
brar o anniversario de sua nomeac^o. Cu-
dente se chsrSo em minora. Com eff'ito,
compondo-se a assembl' de750 tnnmbros,
os quaesse reduzem a 700 por causa dos
ausentes e dnentes, a montsnha por si s
corita 200 votos, pnuoo msis ou menos,
ornmptos a prestarem-se a todas ag enmbi-
nacfles para o fim de desacre litar ou di>rri-
nar o presi'lentn, os leRitimistas conUm
140, e o fiers part, o qual ota g^mpre con -
Ira todo O ministerio em qn-i sUS ohr-'es
nin leu assento, conta (Jnso/0- Ora se i]in
tarmos todos estes votos, tereraos a .oppo-
siCSo em grande maioria. Esta liga. desde muito tenho rrophetisado, se forma-
ra mui brevemente, e nos trar as crises as
mais graves, entretanto presentemente a-
chamo-nos om perf.iU calma, nenhum so-
oro de vento perturba as agoas parlamen-
tares.
No paiz tudo marcha bnm, as transacefles
commTciaes st5n em plena actividadi, e
uma sfl preocupaQo agita os espiritos, he a
haixa do ouro. Em conseqinncia da res i-
luQo tomada pelo governo hollsndez de ti-
rar o valor aosguilherme* de ouro ( mo-
da ) daquelle paiz, e bnm assim das sotn-
mas desge metal viudas da CaliTurnia, as
no las de ouro tem sido poueo a pouco de-
preciadas, e na nossos luizes f ancezes, pe-
los quaes tifio ha muitosdias si pagiva um
grande premio. nSo correm hnje senSo ao
par com a prata. O guineo inglez tem sof-
frido a mesilla deprecis^So, em vez de ler
um premio, elle n3o cmra entre nos senllo
com lou5 sidos de descont. Ha certa-
menle mulla cxagerafio no terror pnico
que se tem apo lerado dos pogsuidores de
ouro, mas como tudo oque diz respeito a
mnila he de um inleresse gravee univer-
Vmc. sabe que eu nunca approvei a guer-|sal, o governo nomeou uma commissSo,
qual encarrngou de exsminar quaes as me
lilas que devem s-r lomadas.
Allemanha. Ao tenuinar a minha ulti-
ma carta, dissea Vmc. que a crise pela qusl
a Allemsnha se achava ameaca la acahava
de ser conjurada emOlmutz entren inino-
pe de SchWartZrtmberge o Sr.de Manteuf-
i'nl. Era uma soluqilo diplomaiica, mas res-
tiva ainla conseguir-saque fosse approva
la pelo proprio re da Prussia, por seu con-
selho de ministros e pelas cmaras. O re
eslava empenbado, pois linha dado seus
tilenns poderes ao Sr. de ManleulV I, mas
sendo otirigado a conlnmporisar com a npi-
iBo publica, a qual linha imprudentemen-
te agitado, pareceu hesitar alguns ins-
tantes.
Por oulra parte, no proprio conselho de
ministros havia partidarios declarados da
guerra, os quaes gostavam mui pouco das
dades, a retirada das tropas paratraz do 'I ler
e a reduccao do esercito a um terco do effeeti-
vn actual, aineacando-a com uini execuco
commilm em caso de recusa. Por nutra parte
os dous governos convidaran o gabinete dlna-
marquez a nao entreter no ducado de Sleswig
seno o numero de tropas nrcessarias para a
maniilenso da traiiqitifjfdaile
4. As conferencias ministeriacs.se abrirn
on in!! o miente em h,.-.,.le O convite ser
Mo pela A-Ustila e Prussia juntamente e de
o ni. ii i que as conferencias possaut ahrir-se
ara o ineadnde dezembro. Olmiitz. 49 de no-
vembro de 1851. (Assignados.) Tchicirtitm-1
iirro, feld uiareclial Tenante lanlruffrt i
Rsta convencao esisendo lielmente executa-
da, A dieta de r'rancfurt tem lomado as medidas
ueressariss para far.er entrar oulra vez no ever
as pnpul ues da llesse, e as tropas prussianas
nao pije,o iieiihuinobstculo execuco dessas
medidas. CoMiliiisSarioa foram notiieados para
chamar rasilo os revoltosos do llolsieiu c J o
general Williseu. subdito |.m>......., o qual
comuiaiidava os llolsteinenses, fol obrgado a
dar sua dcinissai. As eonlerenei.is de Dresde
vo abrir se a 23 Do outro lado, o que he
mais grave anu i, a Austria e a l'russia j upe
raram desarmameutos consideraveis. Uma
parle do laudxver prussianu est j licenciada,
e o resto ser brevemente mandado para suas
casas.
Ileipanhit. O ministro da fazenda, o Sr.
Bravo lmillo, deua sua deiuisso e foi provi-
soriamente substituido pelo Sr Sejas. (Jr-sc
que a pasta ser ollerecida ao Sr Mnn, o qual
passa pelo mais hbil liuauceiro da llespantia
dem, 7 jane o de 1851.
Onnvo auno, o qual des--jj que seja mili-
to feliz para Vine, epira ot tneus leitorea
lO brasil, Irouxe-nos em Franca novas tri-
bu larfl-s e novas miserias. E o o auno pas-
sa lo por essn l-Mtipo a Ierra eslava cubera
de neve, e o inv -1110 era rigornsissimo. Es-
te auno nSo s3o as intemperies da estacSo
que nos auiiMoaiii, s io as m I va le/a s dos
hoineiis. A iHuiperalura lii doce, porm n
horizonte poltico lom-se tornado negro e
amearjalor. RebeillOU I i 1 : 1 n.-nle o co:ill:c-
tu entre o presidente da repblica a a as-
samhli: achamu-nos em peifeda crise mi
niiterial.
Todos os ministros deram a sua domis-
s3o e tiesto momento o priwidenla nsforfa
se por cotnimr um novo gabiuatn. II esla
una obra dflli'il 0111 lo losaos re^lpo, po-
vai julg ir pin Si nes no a VISU da n.irur.i .
dos acontecmeotoi da quiuz'na.
NSo foi por causa de urna s derrota que
o gabinete resulveu retirar-sa do podar;
ni tres qticslo s diirerentas o tolas tres
mui graves a maioria votou coitra o govnr-
110. hsses Ires revezas alaciram o presiden-
ta minio mais do que os ministros, porcu
concessfles faitas pelo seu cnllega, eem-jesfs ven do-sa sem polar pura cob irosa..
quantoore nSo se pronunciou. bouve re-|ciH.fa, julgaram que sua honra exiga que
ceiosdequeoprocedimento do Sr de Man- resignassam as pastas.
dante ouCa-se em todos os valles edeoiteiro co a seis mil pessoas assisliram ao baile
em iiiii'iiu um s catico, o da independencia
nacional, o enligo bardil gerinantco, e vence-
ris Umbein.
0bitiV[tt litai pilo Pautan ao manifest
cima eeiampa'io.
Se este manifest nao lotscimpressona fvix
du froitrit, peridico grave, iioderiainos con-
sidra-lo como um gracejo, tanto mais que
presentemente o veoto soprs na dlrecco doa
moiejos sino polticos, mas nao 1 Ksses inata-
inotiro-, estes laiilarresquc aiuda nao destro-
naraiti o soplo da Prui, s sao caracteres em
urna comeda todava suas mascaras por mais
grotescas que sejam, occullam facbos e pu
nbaes. (Juc importa que os iudividuos que as
signaran! essas esiravagaucias sejaui lurlosus
malvados ou simples idiotas? Mr. Ledru Rol-
lin nao deixa por isso de ter feito as exped
toes de Ituqitoui-Toul I l'kambery ; e o Sr. Mar-
mo nao drixa de ter estabclecido per fas enefal
a repblica romana. Ksies homens coininan-
lain o exercito do mal na Al'cmanlia, r rauca,
Italia e Polonia 1 elles lecui dinlieiro para tun-
dir bailas e para comprar granadeiras luglezas,
Nao dcspi eenios inulto sua impudencia e suas
bravatas. Ja dlssiiiios, e eremos que o pi ova-
mos, que se a paz europea for perturbada prla
ambicao ou inur tilica cao das pote mi as ge una-
nicas, a demagogia tumefar outra vez contra
a sociedade a campaiiha de 1848. Onde pau-
la um conflicto urna vez couiecado 1 bst a
Austria mu segura que os batalboes do czar
serio sufflcientr pura salva-la ? (Juaotu ao re
da Piussa, sua conduca es. pe le lamen te
tracada, e elle ruto pude engauar-se relativa-
mente i sorie que os demcratas, seus liis
vassallos lUe reservan!. .Nao he sem designio
que elles llic lembram Carlos Iberio. Se elle
vencer, a repblica germnica Ibe gritara.
Abaixo com o lyramuu I Viva a democracia
trlumpbaiu:!' Se for vencido ella Ihe gritar.
Abaixo com o traidor! e os mosquetes aban
donados pelos patriotas fugitivos sobre o cam-
po da balallia, sero acbaUos oas ras de sua
capital as maos de uiiscraveis assassmos. Nao
foi depois de ler sullrido lugo dos demagogos
de M1I.10 que Carlos Alberto arrltcou e perueu
sua cora na batalba de Novarra? Cuidem,
pois, a Austria e a Prussia na paz, que uo esta-
do em que presentemente se acliaiu as cousas,
julgawus fcil de obl4-IA. O que ser uecessa-
rio depols be orgausar o mecanismo guverua-
inental que dever dirigir a Alleuiaiiba. Sem
negai mus asgraudes dillkculdades de urna tal
questao, asseveramos que em neubum coso a
guerra a resolver. j
que se aeguio a este banquete, e que fui da-
do nos suuipiuusos .salos do holel de Vtllc,
poitn o incidente notavel desla fe>la, he
um novo discurso de Luiz Bonapsrte,o qual
produzido um ptoJigioso ell'ciio, epottsso
julgo que Ihe devo dar a couher.
Reapondeudo ao brintle que I to dirigir
0 prefeito do Sena, o principe se exprimi
nos seguinte termos : (*)
Este discurso he singularmente hbil,
elle enlloca o presideuleute sobra o terreno
da revulueao, sem eulretauto faza-lo ab m-
dnnaracausa da ordem, a qual 13o glorio-
samente tem defendido. Ha com o direilo
que a revoluoo creou, que elle pretetide
acamar o espirito revolucionario. Ha com
edeilo assim que os povos proceder : em
IBOeem 1804 a sanguinolenta ievuluc3u
que pesava ha dez atinus sobre a Francia,
nao lu domada sen3o pelo prop io que essa
revoI no,fn> nuiselevara.Buuaparle, primeuo
oun-ul e imperadur.
Luiz Mapoleflo, bem como seu glorioso
leulfel nii i fosse approvtdo, ni s ludo isso
1180 passva da urna comedia representada
para o publico. O rei Frederico Ctiilherme
poz-lhe proinplamenie termo, ap rovando
udo quanto ttnha sido leilo em Olmuln, p
('citando a deillisslo do niiiis helllCoSO ,lc
s-iis ministros, o conde de l.a.lemlii r_-, pre-
sidente interino do conselho omaisdilli-
cil era vencer a opposiQo da comara elec-
tiva, a qual se mostrava tanto mais bellico-
s< quanto o gabinete era mais pseilico. O
rei da l'russia, nSo podendo desalar o n,
curtou-o. Ello recrreu aos grandes recur-
sos constitucional s. Por um decreto dala -
do de 3 deste mez adiou as cmaras para 3
Janeiro, resetvando-se curtamente para dis-
solve-las, se ellas conlinuassem a ser Ihe
hostis. A opiniSo publica na l'russia nSo foi
ahulada mili pouco tietn DIUltO por esta
medida.
Recebemos aqui o texto complctoda con-
vencao conclu la em Olmul/ ; be um do
cumento importante, o qual servir de da-
ta a urna era nova para odiieilo publico al-
liiiifio, 0 vou reproduzi-la aqu por causa
da influencia consideravel que ella devora
exercar sobre a siluaQSo da l.uropa.
1.a Os governos da Austria e da Prucsia
declaram que tencionavam regular defini-
tivamente a quest3o da Hessc-Eleitoral e do
llolsteim pela decisSo commum de lodos os
governos allemaes;
2." Para tornar possivel a cooperacSo
dos governos representativos em Francfort,
e ilaquelles que uo o silo, os membros d
(Mu.'derac'iii, o bem assim a Prussia e seus
ia ios, nomearam cada un, um commis-
sario para deliberar sobre ag medidas que
devcraii ser tomadas em commum ;
3.v Mas como he do inleresse geral que
na llesse e lambetn nollulslein se testaba
lio, sah.o do proprio principio que a revo- leca uma ordem de cuu-as legal, que corres
lucilo cuusagruu a cleicau popular. Esla
lia a sua luca, e essa forrea que elle pfle au
servico da sucieJaile aineacaua, be a nica
que podoia salvar. Os legiumisias, us
quaes irsballiain uiuilu para fazcrtnuui-
pnar o seu piiocipio, udo cunsegulrtam se-
nao precipitar-nos em novas e ten l veis re-
volu^fles.
A assembla coolina em tuas segsoes,
as quaes, mesmo para nos, nfio tim senfiu
um inleresse meoiucio. A hosttlidade de
urna parle da maiuria contra Luiz Buna-
parle aiuda nSo leve uccasiSo du manifes-
tar-se, mas es leja Vine, cario que lugo que
nuuvcr um pretexto, essa hustilidada re-
bcular. Os lgltiuilslas cslfiu decididos a
eulrar em guerra coulra o presidente, par
oque iccebcisui ltimamente as ordena as
mais precisas da ptqueua ct le de Guei llz
elles urgauisaram urna couuuussilo dos mais
tiabeis du pulido, aos quaes inctiuibiraiu a
preparado do at.que. ura uSo he duviau-
so para uiuguem que desie o da em que el-
tes tirare* a uiaseara, us amigos do presi-
($) Vtde Diario de ternambuca u. 7.
0$ RR.
pulida as leis fundatneniaes da confedera
cao, e tornen) posaivel o cumpriment des
deveres federis, e como alin disso, a Aus-
tria Unto em seu nume como no dos esta-
dos satis alliadus lein concedido es garan
ti -.s que a l'russia linha solicitado para u.-
seus mleresses relalivus occupac,3o ds
llesse-tleiloral, os dous goveruus, a Aus
tria e Prussia, couvem noque se pague
para a prxima discussao da quesillo, istu
sem prejuizo da decisSo futura.
i A. Na Hesse hlcitoral, a l'russia nao oppo-
r neubum obstculo ac(o das tropas cha-
madas pelo licuor, e irausoiiliir para este lim
as ordena necesiarias aos geiieraea cuuimau-
d.iiites para que permittaiii a passageui pelas
estradas de elape oceupadas pela Piussia. Os
dous governos da Austria e da Prussia convi-
daran! de accprdo.com seus adiados S. A 11. a
consentir em qoe'uui balallitio de tropas pedi-
das pelo seu goveruo e um bataillio prussiaoo
liquem em CaSsel para a iiiauuieue.au da ordem
c irauquiliidade.'
II. A Austria e a Prusiia depols de se te-
reiu eiileiididii com seus alliados enviaran ao
Uolsieiii, o mais breve que for posslvel, com-
inissaiios, os quaes em nuinc da confederacao
exigirn da tenencia a susvenso kdas ostili-
esigtiassein as p
A primeira que-i o foi uma consquenria
degsa Cunsp racilo fabricada pelo agente de
nolici i Aliis. Em a minha c irla do lim i|h
noveiulirn, refeii a Vine esta ridiculo e
uiyslertoso negocio, o qual foi aqu d no-
mina lo a Conspiroslo dos es.iecieiros. Ve.
invia na ia de ver la la na invetiQlo de Al-
iis a i) i 1 Ihe fflra inspirada pelo seu che-
fe i tu i hato, O co nmiss un da polica
Yon. Ajuslica apoi longas e minuciosas
investigeos, descobrio a menlira da Al-
iis, o qual foi aecusado peranteos irihu-
naes, como io de denuncia calumniosa. O
proc ;sso foi julgado a -2 do mez passa lo, e
Aliis, declarado criminoso pela jusliga,
I'>i con l, urna.lo a dous anuos de priado
Nos debales o cutnniissario de polica Yon
foi ouvtdo, e sem embarguda evilencia,
persisti em insinuar quo a denuncia da Al-
iis era ver l.lena. Sua lingoagetn des-
espeitosa para com o presidenta da iv u-
lilici allraluo-lha as severas adtnoeslacflHS
do tribunal, mas outia salislaf.lo eta pre-
cisa a verdade ultraja la e o ministro do in-
terior nao hestlou em requerer a mesa da
asseiiinlea a demisso de .Mr. Yon, o qual
servindu junto do poder legislativo, OSO po-
da ser uciiiillido senSo por sau Consent*
manto. Esta requerimenlodo uiioislro fui
suli.iiiti.io pelo presdante llupiti a vola-
cao da mesa, e coosa iucrivel ella decidi
por oito votos contra seis que Mr. Yon fos-
se Conservado. Era uma declaradlo de
guerra contra o presideute, o qual Mr. Yon
ti tilia p i.-suahlenle ulTeudido.
Eis-aqui agora a segunda queslo. Um re-
presentante, do qual oulr'ora muito se la I-
I iva por c n.sa do seu talento oratorio, e
que velho e desacreditado hoja nao he mais
lamoso sanan por SUag dividM, Mr. Man
gum, fia preso a requisico de um t
seus numerosos credores. hile luvocou u
seu privilegio de representante, mas o tri-
bunal de Pars, ao qual a quaslSo foi sub
nellida, decidi que a immuiiidada oulor
gada pela Cun-til .icu s .-8 p.dicava aos
,ir,ieessiis ci iiniiaes, e au aos que ten lu-
^ar por dividas civis e cummeretaes. tile
siisleoiiiii, purlanlo, a pnsao do Mr. Mau-
giiiu. I'm 'i-presentante, Mr. de La Hucha
jaquelain levou logo a queslSo para a tri-
buna, e sem embargo da upposicu do mi-
nistro da juslica, o qual iuvucara os direi-
los sagrados dos tribuuaes e o respeito de-
vtdoa suas deetsfles, a assembla resolveu
ordenar que Mr. Manguiu fosse itntnediala-
tneule posto em llberdade. Mote Vmc. que
a assembla era perfettameuld livre da fa-
zer uma le de urgencia sobre a materia, e
le esperar rexulaimeiile o seu lim, potcm
ella pri ferio fazer um acto de omnipoten-
cia, confundindo tolos us poderes e tas-
mo com suas nios a setiiuuca de um ti i-
l'Uml. hste priinetru enssio de usurpacu
era mullo audacioso, porquanto lena au
mes no lempo a juslica e o presidente, o
qual linha defeudido os direitos dus tribu-
uaes, pelo org9o de seu ministro.
Finalmente uma terceira qsestffo deci-
di a crise. No decurso da discussao exci-
tada na imprensa pela resoluto da assem-
bla relativamente!a Mr. M'nguin, om pe-
ridico aflirmara que se o director da pri-
s.lo poi ilivi las hve-s- recusado obadecer
a ordem extra-legal que lli-tiVa signifca-
la, a forca puhlici loria racussdo cnadju-
var o quesiorenc r-egsdo da esec-ic-lo des-
sa nrdi'iii. Klle citou esl" respailo uma
ios.ru,; io dada pelo genaral Changarnier a
io los os comman lantns de corpos do exer-
cito de Pars, insiruecao mui sevort, e que
or lena a lo los os olliciaes que nao ohede-
cain a ordens que nao Ihes foram trans-
meltiJas por seus chef.-s imme hato-.
A respeito desla nstrucco, um represen-
tante, primo do presidente, porm que Ihe lie
mu hostil, pedin para iulerpellar o ministro
da gera. O ministro pedio a assembla que
adia-se o debate para o dia seguiute para que
elle podesse mandar examinar em seu escrip-
toiio, se essa insiruecao existia ou nao. Con-
tra todos os seus usos, e contra todas as conve-
nidle! is parlamentares, a maioria recusnucuo*
ceder essa dilaco. Ella tinha suas rases pa-
ra isso ; ella quera deixar todas as honras da
ex pin aco ao general Chau^aruier, e propor-
cionar-liie a occasio de contrahir um einpe-
nho solemne para com a assembla. Com ef-
leiio, o general depos de ler resntulamente af-
li i Miado que a iii.i rucea.i nao exista (o que he
falso, p.irquinto u-u peifodco ac iba de publi-
car o seu texto) deu-se pressa em declarar que
a forca publica e seu general emchefeestavain
s oreos da assembla. Ksle incidente he
mui grave, porque a possibilidade de una lula
entre os dous poderes entra presentemente no
1" ii-a,ii, ni i de lodo o mundo, e a declaraco
do general Ohangarnier lie por sua uatureza
propria para excitar in I mis o ardor dos
partidos que despejan! una colliso.
Ksti al......(|uesto fol imiiiedialamente se-
guida da de,onsio collectiva dos ministros.
Sua poslcio nao era mais sustentavel, e elles
n>io pulieran! resolver-se a continuar urna lula
que u i faaia seno aggravar os perigos pbli-
cos, o, i,, conseguir o presideute da rep-
blica cumplir mu novo gabinete ? tus o que to-
das as pessoas honradas pcrgtiotain uma a ou-
tra cun a uns viva anxiedade. Na hora que
escrevo nada est anda decidido: o que tenho
pur ceilo he que o presidente nu recuar.
O na de auno bom raiou antes da retirada
do ministerio, pirm quinda ^ mi voninleda
maioria j era llagraute. Por oecasian desla
soleniuidade, o presidente fui visitado par Mr.
Dupiu, presidente da asseuibii, acouipaoha-
do nos vice presidentes, dos secretarios e dos
queslorcs : una conversaco se Iravoii enlo
entre estes dous altos fooccionarioi, a qual
iiussos peridicos tem publcalo ; ella he mui-
to curiosa, por isso vou referi-la aqu. Ei-la :
Mr. upin: Sr. presideute. trago-vos os
votos Sinceros da mesa da assembla.
presidente da repblica: Se. presidente,
recebo os votos queme Irazeis e nao duvido
que sejam sinceros. Importa que a boa har-
mona dos poderes nao eja perturbada nos
teuipus dilllceis que temos que alravessar.
.1/r. uptn : -- I,,los os .. tos da assembla,
lodosos da mesa sao inspirados por uma pro-
funda allico vossa pessoa, e pelo mais vivo
ilesejo de conservar o aecrdo cutre os poderes
du estado.
O /insolente da repblica : Tenho prazer en
cr-l', Sr. presidente, pois que vos dignaes de
uto di'cr. Vos e eu, cada un nos limites de
n'ussas allriincoes, devenios appliear-nos a
fazer respeilar as leis do paiz e a autoridade
que nos le dada pela coiisliluicoseui usurpa-
can de um poder sobre o outro. Nao aprecio
ilillItO a proi'ogacao de meus poderes, oque
aprecio he, qii nido liver de entregar io povo
o poder que delle recebi, poder eutrega-lo la*
laclo' c respritado. Kstoii convencido que a
li aoi, i ,|.ni a paz e a ordem, eque ella coo-
deiiiuar aquelle dus dous poderes que atacar
o oulru.
Mr. Uufin: ~ Assim semprc tem acontecido
em nusso paiz. Podis contar. Sr presidente,
com os scntiuieuios que acabo de expressar-
vos.
ti presidente da repblica: Fin fim he urna
felicidad! haver pocas que separem, por as-
sim dizer, o passado do luturo. Fas uma po-
ca que acaba..,. Uma oulra comeca.... Espe-
remos !*
Aesperaiifa, como Vmc. ve, uo. durou mui-
to lempo. Tres dias depnis destea cumpriinen-
tos, o presidente da repblica era novaiucntc
atacado pela assembla e a guerra eslava de-
clarada.
No meio de todas estas qtiestes de partido,
a assembla nao tem podido applicar-se a ue-
iihuiu ir.ih ilho serio, por Isso nada ha que me-
reca ser refer.o em sua obra da quinzena.
Entretanto, o governo nao obstante as preo-
cupaces do publico, comeguio negociar com
vaulagem os dous milhcs de rendas de 5 e 15
por ei,io i|ue eslava autorisado a vender. Urna
pruiieira arremataco nao tinha tido resulta-
do alguui, mas a '.I do mez passadu, da mar-
cado para urna uova arremala(o, tres compa-
uin.is se apreseularain e urna dellas elevou
seus oll'errciuieiiios tala de U1 fraleos c 66
cntimos paia os ciuco porceuto ede&tfr. e
lio c. para os 3 por ceulo. As reudas foram
entregues pul este preco o qual he muito iie-
Vado. Os i i l ciualaii les li. era mi multo m.o ne-
gocio, porquanto os fuudos pblicos depols da
crise miiiisicrial uso tem cessado de abanar.
Antes de passar as noticias do resto da
Europa, devo [aliar a Vmc. < um negocio,
o qual oceupa aqui mullo os espritus, a
tnleressa ao Brasil de urna niauetra toda
particular, foiivcni a saber, o tratado Le-
predour. Quaudo o governo do Brasil es-
tar ein plena paz com Hozas, dezejei viva-
men que a Flanea abnsse mBo de suas
i-atnpaulias nu liiu da Prala, e as Carlas qua
tscrevi a Vui. em o anno proi mo passado,
expiemiam mui claramente esla opiuiSo.
Moje nao pens mais do uiesinu moJO, e a
raso disso he simples, he porque as cir-
cumslancias mudaram completamente. Os
inleressos da Frauda na America Meridio-
nal tem sobre ludo sua sede no Brasil, a
icpuisd incoucebivel romp metilo de Ho-
zas cun u goveruo brasileiro, ealou con-
vencido que he do dever da Fianza repellir
um tratado oneroso, e empregar em cata
Ue necessidade a forca par* roduzir o dio


1
*di
or argentino. He npste sentido que tenho
fallado e escripto, depois que as rilas do
generl Guido e do Sr. Paulino de Souza
chegaram ao'meu conhecimenlo.
Finalmente a imprensa franeeza quase
toda inleirn pronuncio-se C"m ext'ema vi-
vaoidade contra Ro7a, o qual nao tem en.
PaMs senfln um so peridico que o apoia. 0
governo, qual deseja fa?cr raclifcr o sen
tratado par livrar-sn de uma quesillo que
Iba pesa, n.lo sabe como so hajs, porque a
assenhl est muito nial disposta para a
rsrl'uracfl. Os representantes os mis
en nenies Mr. Thiers. Odilon llurrot, Mr.
DnTsnre, sSo contrarios o tratailo, e he
mui rrovavel que a maiora ser de sua
opinio.
lia aqui um hnmem, que tem singnla-
mente conlrihuidopar fazer convi radas en-
tre os antiRos parlidarios di llosas, lie o
general nionlevideano Pacheco, o qual a-
cha-se encrrpga-!n em Paria de um mis-
san extraordinaria, e |pm sido acolhido
com muito favor em nosaos salees. Su vl-
vacidde, sua lealdade, a franqueza desuas
maneiras, n ennvireflo patritica que o ani-
ma, ludo nelle tem Mduiido os homens
eminentps com os quaes tem tido relacd>s.
Ello tm mu habilmpnte ligado a queslflo
do Brasil com a de Montevideo, de niauei-
ra qn<> tem augmentado s sympalhias que
quera desppitar. Montevideo Ihe devera
muito o o Brasil Ihe devora aiguma rousa.
Jllemnnha. Dppois que pserevi a Vmc.
minha ullims crl, urna so nuvem n.lo se
levsntou aind entre a Prussia e a Austria,
por isso a Silurio ilas queslVs da AHema-
iilm lein feito grandes progressos O elei-
tor da llesse regressou j para sis capital,
apniado pelas forQas in conTederacflo ees-
corla lo por don* comissarios.umprussiauo,
e nutro austraco os qutjet prescrevem em
nonia da ilieta gprmaiiica as medidas que
devem restabelecnr a orden*,. Eliessfloo-
be lecidos de m vontade, porm sflo obe-
decidos. No llolstein, ha mais lenlidfio na
execueflo das medidas adoptadas em cora-
mum pela Austria e l'russia, mas nflo pode
tardar muito que se nflo obre ali com mais
energa. Dous commisssrios foram envia-
dos para junto da tenencia ( o governo crea-
do pelos revoltosos) sao o general de Thu-
men por parle da l'russia e o conde de
Mensdorft--Pouillos por parle da Austria.
Elles devem significar a tenencia que ella
dever proceder imineJiatamenle ao desar-
mamento das tropas, e que em caso da re-
cusa, o llnlslein ser invadido por 5o mi1
ustricos e Prussisnos, e a queslflo sera
promptamente decidida pela va das armas.
() Si'iIioits de ManleiiTfel e Srbwartzem-
berg rhegaram a Dresde a 22 de dezembro.
Vi da seguidle, 23, as Conferencias se a-
briram, mas nflu Turam constituidas defi-
nitivamente senflo a 27. Tres discursos fo-
ram pronunciados pelos ministros da Aus-
tria, Prusia e Baviera. Depois do-te Irepli-
ce programnia, a assembla divnlio-se em
cinco commisses, as quaes duveni prepa-
rar o trabalho sobre as queslOes que hilo de
Srresolvidas.
O principe de Schwarlzemberg parti de
iire-ilo a 27 para llerlim, onde leva una
long conferencia com o re da Prussia. O
principe jantou no castalio redi de Char-
lotleniburgo e vollou ei-tremamente sals-
feilo com o acolliimento que receb a.
As conferencias da Dresde durarfiO pro-
va ve I me rito mullos mez>s. Creio que
Pru*sia e a Austria continiiarilo de boa in-
telligencia e que os estallos secundarios
pagaram as cusas da arcomrnodacflo.
As cmaras prnssianas, as quaes linham
sido'diadas para 3'le Janeiro, aabam de
reunir-se. Sua atlitude he sernpre hostil.
A cmara electiva iiumeu para seu pre-
sidente e vice-presi lente dous disputa-
dos da oppus'cflo, os Srs. Schwenu e Sim-
son, por > nao obstante isso os Tundus
priis-Nin.'S tem alteado.
O enverno austraco acaba de fazer im-
primir os documentos diplomticos relati-
vos reparaeflo que elle exigir do gabi-
nele inglcz p- lo sanguinolento ult'ag que
a ponulac de Londres lizera ao general
II MI.IN. Ilesulia dc;ss pecs que lord
Palmerston e o Sell agente em Vienua se de
clsram impotentes para descubrir pumi
os culpados.
O principe de Schwirtzemberg, deDoi
de ter reci bi lo estas declarares, absteve-
se de reclamar urna satisfacQo impossivel,
mas de sua parleell a ivorlm ao governo
britannico que sealgumdia um igual ul
trace ;< : feto a um subdito inglez no
estados de S. M I. poderia acontecer qui
a Austria fosse tambem impotente para
descobnr e punir os autores desses crimi-
nosos alentados, e quo nesse Caso o gabi-
nete britannico seabsteria de sua parle de
exigir reparaeflo. He urna irona do bou
gosto n urna justa vinganca que punia
pelo menos o orgulbo de loril Palmerston
A vina. As intrigas revolucionarias tem
tomado na Suissa urna nova actividade, e a
boa vontade do conselho federal he impo-
tente para vencer as mas disposices de al
guns governos ranlonaes, os quaes se tem
constituido protectores e curnplices do
refugiados demagogos. O tainoso Mazzini
acba-se presentemente nos caules de Ge-
nebrs e Lousanna, os mais infestados de ra-
dicalismo, e esforca-se por enlreler o ardor
ilns anarrliist.is. Greio que sera indispen-
savel que a Europa fac ouvir rudemenle a
sua voz a Nuissa para acabar cun cssa de
testavel agitaeflo. A Austria e a Prussia
preoecuparn-se mui vivamente desse nego-
cio, ea Franca devera cuidar tambem rus-
so, se quizer ter urna trauqujllidade dura-
doura.
Inglaterra. O parlamento inglez reu-
nio-sea 17 de rtez mbro nicamente para
ouvir a leitura d um decreto real, o qual o
dia para 4 de fevereiro. A divisflo intro-
duz-se no campo dus prolestanies a respei-
t da bulla que conslitue urna hierarchia
calbolica. Um prelado anglicano, o bispo
deNurwich, acaba de publicar nina brocliu-
ra, a qual tem produznlu urna senscflo vi-
va ; ella tem por hm defender o dtreito dus
Inglezes catholicos, e conseguinteaenle a
bulla do papa.
Bollelim da Bolfa. No mez de dezem-
bro huuveram umvi'i.pnios asss pronun-
ciados na bolsa de lar is e de Londres.
Os cinco por cento francezes depois de
terem subido de 93 fr. *0 c. a 95 fr. 90 c. ,
Iiimiii a 94 fr. 65 c.
Os tres por cenlo depois de terem subido
de 65 fr. 25 c. a 67 ti, 90 c., licam a 56 fr.
Oc. j
Os consolidados Inglezes flcati de 96 B|P
OH \\ CORHESPO.NDENr.lT"nn DIARIO DE PER-
NAMUIJCO.
Lisboa, 15 dej'ineiro de 1850.
O anno coiiec-iu com mos ansuiclos pa-
ra o ministerio. Silva Cidral, depois di
vencer a eleipSo mcnnic. suplantando 0
candidato do cundo de Thomar, q;ie era
lente <\> cmara dos diputados. redo*>ron
s hostilida Ipsqnenoseu jornal, O Estal-
larte tem f-to ao ministerio e ameaca d
crear urna opoosic.lo forte na cmara de
que elle spr cheTe.
Alm dsso, accresce om facto de que
a opposiQO lenta t'rar parliJo. A rai
nSa arrandnu por 99 annos, ao conde de
Thomar, o palacio e quinta do Alfoite. Diz
e que e>te contrato al n de sr nullo, por
rlefraudar o apanagio da cora.iovolve lesflo
enorme. Disto le-n j fallado os jornaes,
incluinilo o proprio Eitandnrlt, e deste ac-
to se assoalha que ella aecusario conde,
por se aproveitar da situaeflo.
Oenne de Lavradio. ja fez urna inter-
pellacflo ao conde de Thomir, pedindo-lne
a esenptora do arren*amento, a qual o con-
de immediatamente offereceu e vai tractar-
se desta singular queslflo, em breves dias,
na cmara dos pares.
Todos ili/.om que isto vi tomsr tanto
corno como a historia do caleche.
Nflo houve discurso da coro, sagacidade
ministerial para nlJo dar as aos desaTogos
da opposicflo. O deputado Pontos de Mello.
proi'O que para substituir o discurso da
cora, hoivesse um in juerito sobre a poli-
rict do goerno,durante o iiiiervalto d i ss-
silo, mas Toi regislada. Aqui se vio que o
partido parUmentir de Silv i Cabral nflo li
iflo foria como ellesuppunha.
O que po-m he importante ho a supposi-
i;"u publica de que o duque de Sal lanha vii
ipoiar clan li'sliiuini'iil i Silva Gabral! Se
isio se venllnar, do que j eoiOaea a ap-
narecer indicios, a o^posigflo p le mitin
tornar-se sena para o conde d.i Thomar,
ms lo I is os carlistas moderados exlra-
nhar este escanlaloso passo do duque
Por ora nflo aventuremos juizos precipi-
tados.
No mio de tildo isto, o conde de Thomr.
est tranquillissimo, e traa de conceder a
le eleitoral, e lalvez recimjor o ministe-
rio no sentido moderador, e em algjem do
partido do ih-ti.
Em breve o veremos.
0 resto da povoacflo est enthusiasmada
enm a voz de mad. Slliz, que hora faz as
leticias los diluante de S Garlos.
mimo iir pikwibi'Cii
stcirr, 2 de nviriEino de issi.
Pela barca Linda chegad hontem de Li-
verpool recebemos o Tunes de 17 a 23 de de-
zpmbro do anno prximo linio, e pelo va-
por Tevtot, chega lo boje de Southampton
recobemos gazelas inglesas e francezas, a
ques alcancam a 8 de Janeiro prximo pas-
sadoe juntamente a caita do nosso corres-
pondenle de Lisbt e as duas do de Pars
que os leitores acharflo estampadas em o i-
tro lugar. Por falla de tempo nflo damos
Hja o extraoto das noticias conli las as
g iue mu Londres os consolida los licaram de
96 1/2 a 96 5/8 ; OS fundo* Iir i-ileir >s a 89
1/2; os qualro por cenlo portuguucs a 31
3/4; eos qualro 0 meio por ceiuo russos,
la 95 5/8 a 98.
CDMMEHCIO.
mas, carga assuosr.- Fez-se de Telia das
Laminhas.
Parahiba Hiato nacional Exa\acSo, mos-
tr Antonio Marmol Alfonso, carga plvo-
ra e carne. Passageiros, Joflo Francisen
Qnaresmii, Jos Francisco Madeira e Ma-
no'el OncadeCarvalho. Rasileiros; Cus-
todio Domingos dos Sntos, Porluguez.
Navio entrados no dia 2._
Sonthampion.Lisb, llha da Mideir, Ca-
narias e San-Vicente 23 dias, vapor in-
glez 7>t'ol, com-nandnte Rivet Passa-
geiros, o tu Iiv o- J, la, U.oii e W. Hug-
hes, e o Allernfio A. D iperman.
Rio de Janeiro 30 di nal Sania Cruz, de 101 toneladas, mostr
Jos Joaquim Freir, equipago n 9, carga
farinha e fumo; a t'.aelanu da Costa Mo-
reira.
Navios iahidns no mismo da.
Marselha -- Barca francea /* Edouari,
capiian Jos Gariel, carga assucar.
Fredrickhan --Brigue sueco Stlma, capito
L. II. Wenterberg, carga, assucar.
Passo de Camaragibe lliat*' nacional No-
vo Destino, mestre EstevSo Ribeiro, carga
carnee fazendas. Passagairo, Florencio
Jos da Silva.
Can pilflo Burln Verril, carga assucar. Fez-
ze do vella do Lamairflo.
Observacao.
Ton lo Tundeado Tora da barra o vapor in-
glez Teoiot, cim nan lauto llivett, is 7 ho-
ras da minlila, largou-se ao meio-dia para
os portos do sul d'Sla provincia.
PRACA DO RECIPE-, 1." UE FKVRREIRO DE
1851, AS 8 HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios- Transicce* regulares a 30 e 30
1)1 d. |,r 1,111 li I rs.
Assucar as duradas l'.iram abundante! e
o drpoiko cresceu; aa vendas re-
gularam de 1,750 a 2,100 rs. por
arroba do braoco ordinario ni-
i.iccado e embarricado, e o fino
de 2,500 a 2.70o r., e o masca-
vado de 1,580 a 1,700 ri. por ar-
roba.
A Igodo- Vieram ao mercado 432 aaccas
que fura ni vendidas de 7,300 a
7,500 rs. por arroba de'prlinera
aorie, e de 6,900 a 7, tOO r a de
segunda.
Couros Veuderain-e a 127 \1 rs. por li-
bra dos salgados, sondo que a
ene preco Torain menos procu-
radoa.
Bacalho Retalhou-sede9a 11,000 rs. por
barrica, e lioirain em aer 4,000
barricas.
Beierros- Venderam-se de 25 a 31,000 rs.
a dutia.
Carne-Jecca- Venden-se de 1,800 a 3,000 rs.
por arrobada do Rio-Graiidf, e
de 1,200 a 3,300 rs. a de Hueima-
Avres ; nao ha da do Rio-Gran-
de em pr uncir ino: e a exis-
tente de ambas as panes apenas
mulla a 15,000 arrobas.
Dita salgada- dem a 27,000 ra. por barril da
de vacca.
Carv. de ped dem a 7 500 r. por tonelada.
Chumbo- dem a Itj.OOj ra. por quintal do
de in il n i van.
Far. de trigo- O mercado fol suprido com
1850 barricas de Trieste marca
S*SF a qual j eslava vendida
acerca de i7,0o0 rs. aulra de che-
gar; a existente monta a 9,000
n o i o ji inclusive 584 viadas do
Maraiihao, e as vendas regula-
ra ni de 12 a 17.500 rs. por barri-
ca confunve a qualldade.
Manteiga dem de 270 a 28o rs. por libra
da de poren.
Vela,. dem de 520 a 600 rs. por libra
das de cuni|.i>sicao.
Flcararn no porto 53 embarcares: sendo 1
austraca, I americana, 22 brasilriras, 4 dina-
marquen, 3 franeexar, I hespaahola, I Ii.iih-
verian, 10 ingleias,3 portuguexas.l prussiaua,
5 siim, e 1 sarda.
ALFANDEGA.
en,lmenlo ,|o da I".....8:870,500
Df.searregam hoje 3 de fereiro.
(tarca Linda mercadonas.
ttrigue -- Ith'n ferro.
Escuna Orneo -- mercadorias.
KaOiina Liura -- farinha.
tliate Curamur mercadorias.
CONSULAD" GEIIAL.
iiendmento do dia 1.....5:093,788
Diversas provincias...... 84,276
5:178,061
EXPORTACAO.
Despachos martimos no dia 1
Canal, galera ingleza llauescon Chilln,
le 617 toneladas,: coniu* o seguidle:
7,000 saceos com 35,000 arrobas de assucar.
Trieste, barca ingleza hsther .Inn, de 314
toneladas oondm o seguate i 4,600 sac-
eos com 23,000 arrobas de assucar
Canal, barca ingleza Energy, de 323 to-
neladas : con luz. o seguidle : 4,160 saceos
com 20.800 arrobas de assucar.
Hrselha, barca franeeza Jeme Edouard.
le 372 toneladas : conduz o seguinle : 4,200
saceos com 21,000 arrobas de assucar.
I iem,brigue francez. I'aulme, ladas : coriduzo seguinle : 2,850 saceos com
14,250 arrobas de a-sucar.
Facdrickohall, brigue sueco Selma, de
469 toneladas : con luz o seguinle: 4,700
saceos com 23,500 arrobas de assucar.
Kl.i.l-.ni'.inmiA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Keudimento do dia 1......601,031
CONSULADO PROVINCIAL.
Itendlmento dodia !. 1.986,624
EOlTAtS.
Movimenlo do porto.
Navio entrado no dia I .*
Liverpool 38 da-, galera ingleza linda,
de 315 toneladas, Capilflo Creen, equipa-
gem 17, carga lzendas; a Dean Youle ct
Con,panliia Passageiro, o cormul ilina-
marquez E. Iledoulac com sua familio.
Navios saludas no mesmu dia.
Liverpool por Macei Calera ingleza Co-
Iwnlius, capilflo Ricard Cotila, carga as-
sucar. Passageiros, o Inglez II. George
Dumiss e o Purluguez Rento Joaquim de
aledeiros.
Babia Barca belga Fanmy, capilflo Ocket
P. Joseph, carga parle da que trouxe.
Canal tingue inglez t'ather Uatluws, ca
pitan George Le Marquand, carga as-
sucar.
dem pela Parahiba -- Brigue inglez lado
Falkland, capilflo Galuchan, em lastro.
dem -- llai ca inglez* Energy, capilflo J.
M.Nab, carga assucar.
dem Brigue inglez Louise, eapitflo Tho
.- Faco saber a quem convier que os dias
asignados para os exames preparatorios
ser.i.oda maneira seguidle :
. ns segundasLatm.
as lercs--Rhelnrica.
as quarias- Lgica e Geometra.
N-sSextasFrancez e Inglez.
(Vos ssbbadosllistoria e C'ogrsphia.
Faltando algum, substitun com o seguin-
te, o no caso de feriado, seja substituido pe-
I ,'i|iiint feira. Secretaria da academia de
Olinda, 31 de Janeiro de 1851.
Visconde dt Goianna.
O commissario vaccinador provincial,
manda fazer publico os dous artigos abaixn
transcriptos, do decreto n. 461 de 17 de
agosto de 1846 :
Ai i. 35. Ninguem poder ser admitilo,
matriculado, ou inscripto em qualquer es-
tahelecimento olcal ou luterano, publi-
co ou particular, sem que mostr primera-
mente que leve vaccina regular, ou bexi-
gas naluraes, ou que ful vaccinado infruc-
cuosamente pelo menos tres ve/es; nom
tontinuar nos ditos estabelecimentos, se
tres annos depois da primeira, nflo liver fei-
lo nova lenlalia seguida de Teliz xito, ou
igualmente repelida nos termos deste re-
guNmento.
a Art. 36. Tdodos os individuos que en-
trarom para o sorvico do exercilo, ou arma-
da, ou os que forem admiltidns a estabele-
cimentos de oilucucio, ou oflicinas que es-
tpjam a cargo do governo, seiflo primeirn
que ludo vaccinados, a menos que mostrem
estar preservados desla enfermidade, ou
que j lentaram a vacclnacflo nos termos
presrriptos ueste regulamenlo.
Sala da vaccina, 30 de Janeiro de 1851.
Dr. Jtiaquim de Aquino Foncica.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
xenda provincial, em cuinprlinenlo da onlriii
do Kxni Sr. presidente da provincia de 30 do
correajae manda fazer publico, que nos dias II,
12 e i3 de frvereiro prximo vindouro vai a
pr.ua peranle o tribunal administrativo da
inesma theaurarl<, pra ser arrematado a
quem poriuenns lizcr ao concrrlos daronle do
Arijo sodre o Rio Seribaein avallada em 939,100
rs. e sOb aa clausulas especiaos abaixo decla-
radas.
As possoas que se propuzerem a esta ar-
romalacflo, comparecam na sala das ses-
sOes do mismo tribunal nos das cima
mencionados pelo meio dia, competente-
mente habilita los na forma do art. 24 uo
regulamenlo de 7 do maio do prximo pas-
s ido anno.
E para constar se mandou afiliar o pre-
sente e publicar pelu Diario.
Secretaria da meso ir.na da fazenda pro-
vincial de Rernsoibuco, 31 de jaoeiro de
1851. O secretario,
Antonio Ferreira da AnnunciacSo.
aml
a Clausulas espeeiaes da arrematacSo. :
1.' As obras depelent'S desta arremata-
ran, serSo feitss da eonformidade com o
orcamento, apresenlado n-sta dala ao E*m.
Sr. presidnte desta provincia pelo preco
de 939,400 rs.
2.a O arrematante comecar as obras no
praso de um mez contado da datadaparli-
cpacflo que Ihe for feita da approvacflo da
arromalacflo pelo governo ; e as concluir
no de qualro mezes, ambos contados da
mesms parlicipaeflo.
3.' A importancia d'arremalacflo ser pa-
ga em duas prestcfles iguaes ; a pru eir
depois de ter f-ilo metade da obra, e a se-
gunda depois de lavrado o termo do recebi-
iii"nto delininivo.
4.' Para ido o mais que nlo eal determi-
nado as prsenles clausula! srgulr-se-ha in-
teirariiente o que dlspdeo regulamenlo das ar-
inatatdea de 7 de malo de 1850.
Ponte dos Carvalhos, 28 de setembro de
1850.
O engenlieiro chefe da4.a da ser^ao,
Flor ano Di ir Portier.
Approvado pela directora em conselho no
dia 14 re notubro d 1850 -o director /. M.
Aloes Fermira. J. L. Vietor Lievtier. H.
A. Milet. Floriano Desiri Portier. Appro-
vo. Palacio do governo de Peroambuco,
15 de oulnbro de 1850.-- Souza Ramos
Con Tormo. O ollicil-maiur, Manoet CU-
menta Carnelro da Cunha.
WmWi
l)ccl.'ir;u;oes.
modos, pode entnnder-se com o constgn-
tarios Amorim Irmflos, rus da Cadnl n. 39.
Vende-se o palhshole Caranirjr, Torra-
do e encavilhapo de cobro, de primeira
marcha, por preco commodo quem o pre-
tender dirija-so a ra da Cruz n. 7, pri-
meirn andar.
Freta-se a barcas 2.a Feli* Ventura,
Dar os portos do sul: a tratar no caes do
Ramos, com o mestre llenrquns Luiz dos
Passos, ou com o Carde-I, ra d i Praia.
Para o Itlo de Janeiro.
Segu em ponen dias o brigue nacional
idamnslor, para o resto da carga, es ravos
passageiros trata-se com os consignatarios
Machado & Pinheiro na ra do Vigario n.
19, ou com o com o capilflo Felippe Nery de
Ovejr n prc dn c.nntm<|ralo.______
Leiles.
= O cidado Francisco Bapliaia de Almeida,
juix de paz do teiceiro anno da freguezia de
San-Jos do llecifo, participa a quem convier,
que seacha einexercicio da inesma vara, e que
d audiencia em casa de sua residencia as se-
gundas e ,|n iiii.is-lrir.is as qualro horas da tar-
de, e bein assim que se aclia em exercicio da
subdelegada da inesma freguezia.
Pela subdelegada de Sm-Jos do Recife,
foi appreheadido um quarlao rusto pedrez,
que vagava pelas ras da freguezia sem des ti -
no: sen legitimo dono comprela na inesma
subdelegada, que provaudo Ibe aera entregue.
Aula da obstetricia.
A matricula estar aborta desde o primei-
ro al o ultimo de fuvoreiro, e no dia 15
principiaran as lices.
Theatro de Santa-Isabel.
42.* RECITA DA ASSIGNATURA.
QUiRTA FEIRA, 5 OK rSVRKIRO DE 1851.
Espectculo variado.
Dramtico, canto e llanca.
Depois de urna bella ouvertura, a compa-
nbia nacional representar o expeliente
drama em 5 actos, composicflo do hbil es-
criptor o Sr. L A Rurgain,
i.ui/. de camdes.
No inlervallo do primeiro ao segundo
acto a Sra. Marieta Rtderna, dan;ara ves-
tida de hnmem o pasan a solo do
l'ACEM DO DU0UE DE VENDME.
No inlervallo do segundo ao terceiro, a
Sra. Candiani e o Sr. Capurri, cantarfio o
bello duelo doElexir de amor,do maes-
tro Donizetti.
Do terceiro ao quarlo o Sr. Felipe Tati,
executar a grande aria de
Huberto l)evereiix,
msica do maestro Donizetti.
Do quarto ao quinto, asSras. Baderoa e
Muroau, dancarflo o iuleressante passo a
doUS
Os jai'dinelros.
Terminar o espectculo com o ultimo
acto do drama.
enruecara as 8 horas.
Os lnltir-tes actiam-se venda no lugar
lo costil rito
O administrador empresario previne ao
respeilavel publico que esl preparando
magnifica decoraeflo para os bailes de mas-
caras, pressedidos de grande academia de
msica, que tenciona dar pelo carnaval, os
quaes serflu convenientemente annun-
ciados.
THEATHU E APOLLO
O espectculo annunciado para segunda
feira 3 do correnle, lica transferido para
sexta Tejra 7._____________________________
Avisos martimos.
Para o Maranhflo sahe com a maior bre-
vidade possivel o brigue escuna Laura, tem
excellentes commodos para passageiros,
quem no mesmo quizer carregar ou ir de
passagem, enlenda-se com o eapitflo a bor-
do, ou com Novaes & C, na ra do Trapi-
cho n. 31.
Para o Rio Grande do sul sabe em pou-
cos diss por ter o rarregamento prompto o
pataxo nacional Euterpe, podo receber al-
gumas miudezas, passageiros e escravos a
lilo: trala-se na ruado Apollo, armazem
n. 11, ou com o consignatario do mesmo
Luiz Jos de S Araujo, na ra da Cruz nu-
mero 33.
Para Lisboa sahe com brevidadeo bri-
gue poituguez \eloz, capilflo Jos Thomp-
son, quem no mesmo quizei carregar ou ir
de passagem para o que tem excellentes
commodos, dirija-se ao referido capilflo,
ou aos consignatarios Oliveira Irmflos & C ,
na ra da Cruz n. 9.
Vende-se urna barcassa nova bem
construida, de lote de Imita e duascaixas
em arrumcelo, por preco commodo, e a
bordo da mesma se acha urna purcAo de fa-
rinha e arroz com casca de muito boa qua-
lidade, para se vender, por preco que agra-
dar aos compradores: quem pretender
urna contra cousa dirija-se a ra do Cu-
0 correlor Oliveira f.r leilflo, por or-
den de T. Cailing, eapitflo da barc ingleza
F.lltn Bryson, em presenca do Sr. vice-con-
sul deS. M. Rritannica, e por conta e riseo
de quem pertencer, dos salvados da dita
barca, naufragada nos roebedos denomina-
dos Ponta do Touro, na sua recente viagam
procedente de Cdiz com destino Bahi,
consislindo em todo o panno, inclusive urna
andains quas nova, mastaros vergas, paos
em bruto, sncoras grandes e pequeas,
correles grossas, ditas miiidas, Taltuzas,
auolrias de marear, mantimentos, ferra-
gens e muitos outros artigos, bem como
um ptimo chronometro, o qual, nflo che-
gando a prego rasoavel, ser reexportado;
mas emquanto aos reTeri los salvados, sa-
nio infalivelmenle vendidos sem limites:
segunda-feira, S de fevereiro, principiando
s 10 horas da manhaa impreterivelmeme,
no trapiche do Angelo.
Terc-feira, ? do fevereiro no armazern
de ('.ampollo filho, haver leilflo de c*rca de
280 ssccas com farinha de mandioca, a me-
Ihor quo ha no meresdo, e em perfeito es-
tado, em lotes de 5 e 10 ssccas, ou a vonta-
de dos compradores; sendo sta venda rf-
Tectuada para liqui laoflo de contas A
qualidade pode ser com antecedencia exa-
minada no referido armazem.
. George Kenwoilhy & C. firSo leilflo
por inlervenefli do correlor Oliveira de
granle variolado de fazendas tnglezas,
para fexar contas : lar; feira, de feverei-
ro. as 10 horas da manhfla, no seu arma-
zem, roa da Crnz.
O correlor Miguel Csrn-irn, far leilflo
no dia terceira feira 4 do crrente as 10 ho-
ras da manhfla, no seu armazem na ra do
Trapito o. *0, d* urna porgan de ceva lnlu,
sallo de diversas qualidades, lints em oleo,
azeite doce fino, agurdenles e vinhos de
differentes qualidades, lulo muito em con-
ta se vender, tanto a prazo comoavist.
Avisos diversos.
O padre .Manuel Thomaz da Silva, pro-
fessor publico da Boa Vista, abri a sua
aula, (hoje 3 de fevereiro ) atrs da matriz,
casa n. 34.
Na ra estreita do Rozario n. 28, se-
gundo sndar, se dir quem d dinheiro a
premio ; na mesma cass, vondom-so 9 pa-
res de brincos. 2 trancelins, 3 curto >s, 1
vernica, 9 anelAes, argolas, cruzes, dous
relogtos patentes de ouro e corrente, 1
apparelho de prats para cha, 1 faqueiro, 1
salva, 1 par de castcal, t patena, e outras
obras.
Jos Pedro das Noves retira-se pira a
Dahil a tralsrdos seus eslulos.
Lotera de N. S. do laivramento.
Na praca da Independencia n. *, luja de
miudezas, foram vend los os decimoc n.
875 em que saina a sorle grande de 5:0 H>nO0
rs. e nos vigsimos n. 61-2 em que sabio a
sorte de 710,000 rs. e tambe n tu ventilo
na mesma loja o inteiro n. 951, em que sa-
bio a sorle de 1:500,000 rs.
Para solver suspeilas, julgo conveni-
ente fazer a seguinle exi-lieacSo : Joflo
Lourenco Seixas Jnior foi chamado ra
du Crespo n. 13, para receber urna carta de
um sou lio, viuda das Alagas.
Precisa-fe alugar urna escrava para en-
zinha, engummar e fazer torio o mais servi-
do de urna cass de pouca familia : na ra
Dtreita, primeiro andar do sobrado n. 39.
A pessoa que ti ver pratca de tratar da
iloenies, e mesmo que seiba aplicar reme-
dios, quereudo ir para um engenho porto
desta praca: pode entender-se a.respeito
ns ra Nova n. 19, primeiro andar j.prefe-
re-se homem de idade, solletro, ou con
pouca familia, paga-se generosamente, se-
gundos capacidade que desenvolver.
O offlcial de sauie abaixo assignado, a
vista do anuuncio do Sr. L. Pgil inserido
no Diario de hoje, tem de Ihe responder
que emquanto a sua conla d lalhola j iem
esttdo em seu poder por' trer> vezes. e quo
por isso deve o mesmo senhor saber que
dtvedor nflo he ao Sr. Pugit.
O (ifftcial de saude, Casanova.
N.B.Para evitar qualquer duvida, ah
vai a conla, a visla daqual o publico poder
ajuizar da puresa das ioteocees do Sr.
Pugit.
Desde 1848 at 1851 deve o Sr. Pugit, por
visitas, conferencias e operifOes 238,000
Mais urna mesa de angico
Somma
Tenho recebido em em trastes
conforme aos sjustes|que tizamos
Resta a meu favor
18,000
256,000
171,000
85,000
A quem liver desapptrecido duas maca-
dorniz n. 10, venda do Mendes & Madera, npUJ e mel,l, procure-ss na ra Direila,
a iratarcomosmesmos.ou no caes do Ra- d rei0;,,elro que dlir|j0 oi sjK,es
cortos Ibes serflo entregues, as quaes Toram
lomadas a um prelo, quo as olTerecia para
comprar. .
Na ra do Rozario larga n. 18, aluga-se
mos, onde se acha Tundeada a mesma bar-
cassa.
A escuna nacional Emilia, de que be
eapitflo o pralico Antn in Silveira Maciel J-
nior, deve seguir para o Pai por estes dias
para cujo porto anda pode receber algu-
ma carga e passageiros, al o dia 31 do
corrente : os pretndanles dirijam-se a ra
da Cruz n. 13, a faltar com Joflo Carlos Au-
gusto da Silva, ou com o referido capilflo.
Para a Babia sahe com nanita brevida-
do por ler mais ue metade do carregament
a bordo, a sumaca nacional Carlota, mestre
Jo.- encalves Simas: para o restante da
carga e passageiros trala-se com o consig-
natario da mesma Luiz Jos de Sa Araujo
na ra da Cruz n. 33.
urna grande sala e dousquartos do primei-
ro andar, muito excelleule para um carto-
[ rio: quem a pretender pode dirigir-se
ao segundo andar do mesmo sobrado que
achara com quem tratar.
Compram-se e vendem-se escravos, e
recebem-se de commissAo, tanto para fura
como para dentro da provincia, com p este-
za e segurenca aos meamos : n ra das
Larangoiras n 14, segundo andar.
precisa-se saber do Sr. Joflo Borges
Alvos Cabral, natural das libas, que nego-
-- Seguir para u Rio Grande do sul bre- ciava com fazendas un Nazarrlh, e por ah
ve o brigue denominado Social, por ler casou, allm dse Ihe fallar sobre urna de-
parte de sua carga prumpta : quem no mes- ranea, ou mesmo aluem por elle : queira
ino quizer carregar, embarcar escravos, ou anuunciar, ou ir ao Atierro da Roa Vista n.
irde passagem, para o que tem bons com- i o, sobrado.


/

Ao Ilustre corpo de commercw.
jO Manual dos Negociantes an-
nunciado por .^signaturas no pa-
iro do Collegio, .casa do Li rro
Azul, nlni das materias de queja
Belez menc3o nos annuncios ante-
cedentes, contera mais;
A tabella dos emolumentos que
devem ser cobrados pelas secre-
taiias dos tribunaes do comrner-
rio cuja tabella baixouem 3i de
dezembro, e veio do Hio pelo ul-
(jmo vapor. Esta tabella he de
uma necessidade momenlosa para
as pessoas do commercio.
O Manual sabir luz imprete-
rivelmente no dia 8 do corrente.
No dia 7 fecbar-se-ba a assigna-
tura ; de pois de fecbada custar
cada ejemplar 8,000 rs.
~Aluga-se urna loja no piteo do Terco,
cus n. 1, minio proiria para negocio, por
flear pm esquina : a tallar na ra Direita,
casa n. 6.
O abuso escandaloso, e ja por demais
insoflVivel, que oa moradores de certa casa
na ra do Cabug, fatem di paciencia
do aeus visinhoj, levou um destes a recor-
rer a este Dia rio, pira 1 he rogar encareci-
damente, que abandone o brbaro e abo-
mina vel custumu de lngara ra todas, ou
quasi todas as hoites, agoas e at excre-
mentos em ta I estado de corrupeflo, que
muilo encommodam ditos visinhos, a pon-
to deseverem obligados a feixar suas ja-
nells, jazen lo alm disso, a roa naquelle
Jugar, constantemente enlameado de um
lado ptrido, que exala miasmas muito
perniciosos a ssde publico.
lioubo.
Na noite de 31 de Janeiro para o prirneiro
do corrente fui o abuzo assignado roubiido
em su luja da ra Nova n, 42, levndoos
Iadr0es26 pegas de ch.ta lina, treza cortes
de casemira ordinaria, 21 pegas de tengo*
de seda ordinarios, alguna cortes de ca.ssa
de vestido, algunas p.-gas de camhraia, 33
lencos de seda fin, alguna lengos de gr-
vala de setirn de quadros, 6 cortes de bare-
ge de akjtodflo, 1 per; de panno de linrio,
um retalho de briol pardo, urna duza
de lencos de cassa bordados alguna cha-
peos de sol de seda, algumas meias de
a'iiliora e corles de fustflo, 9 6 corles de
vestidos brancus bordados : a quem des-
cubrir eslerouho, ou der info'ma<,es, pe-
las quaes se venha ao conhecimento, e se
chegue a haver a mflo os objsctos rouba-
dos, so dar 100,000 ris, promettendo-se
legrado.
Francisco Ignacio Tinoco de Souza.
Joflo Leite Pita Orligueira, como tutor
dos orphflos do tallecido Antonio Rodrigues
Lima, na prags doSr. I)r. juiz de orphflos
supplentes desla cidade, no dia 6 de l'eve-
ri u o do corrente anuo, so hilo de arrema-
tar os escravos pertencenles aos ditos or-
phflos, sendo os seguidles: Alexandre,
pardo, curioso de pedreiro ; Francisco, rri-
oulo, ganhador de ra ; Jos, Anguila'
idem ; Antonio, ombardigo; Manuel, cabri-
uba ; Jos, pardinho.
Na praga do Sr. Dr. juiz de orphflos
supplenle desta cidade, no dia 10 do cor-
lento inez de fevereiro, pe rm t o tutor dos
orphflos do fallecido Antonio Rodrigues de
Lima, Joflo Pilla Orligueira. so hflo de a'rre-
lemalar de renda, as casas abaixo notadas,
periouceiite aos orphaos do dilo tallecido
Lima, os pretndanles se a presentarlo com
os seus fiadores : casa terrea na ra Impe-
rial n. 58, dem n. 54, sobrado da ra do
Apollo 11. 11, casa terroa na ra da (iuia n.
SO, idem em dita ra sobrado n. 55, casa
terrea ra da Senzalla velha n. 13, sobrado
na travessa da Madre de Heos n. 8, sobrado
na ra da Moda n. 13, dilo na travessa d
Madre de Dos n 7, casa terrea no largo do
rilar n. 11, quatro Casas terreas na'Soledade
aeui nmeros, duas ditas na Magdalena ns.
25 e 27, sobrado na ra da Cadea du Reci-
te 11. 32, dito na ra da Cruz n. 31.
Carolina Syriaca l'ereira dos Santos,
substitua das cadeiras de primeiras leltras
desla cidade. se prope a ensinar particu-
larmente pnoulraa leltras, lodaaaorlede
costura e msica vocal : as pessoas que se
quizerem ulilisar deseu presumo dirijam-
se casa de sua residencida na ra do Ara-
gflo n. 27.
Um rapaz slteiro e com as habilita-
cGes precisas, propOe-se a ensinar em qual-
quer lugar fura da praca : na praca da Boa
Vala, sobrado n. 6, dir-se-ba quem pre-
tende.
O abaixo essignado, arrematante do
imposto dos SO por cento sobre o consumo
da agurdenle no municipio do Recite, mo-
rador na ra do Rangel n. 59, segundo an-
dar, taz acienteaoa Sis. colectados naquel-
le imposto, que da dala desle em diante
paguen) a elle pessoalmente.ou por meio de
recibos impreasos e nicamente com a sua
assignatura ; e bem assim que pessoa algu-
ma se acha autonsada para decidir cousa
que diga respailo a semelhanle negocio. O
auuuuciaiito taza prsenle declaradlo para
prevenir, emquanlo nao passa a intimar os
meamos Sis. conectados pelos meios legaes,
pudendo ber procurado de manhSa al 9
horas, de larde das 2 as 4. Recite, 1 de fe-
vereiro de 1851.
Lun Antonio M esquisto Faledo.
Eu, abuzo assiguado, declaro que dei-
xei de ser socio da reliuacfio e deposito da
ra da Cruz n. 52, que gyrava debaixo da
firma de Cuucalves Pires, licando o socio
Jos Joaquiui Cougales obrigsdo pelo ac
livo opaasivo. Recite, 17 de Janeiro de 1851.
Joo Slanuel l'ires.
Piecisa-se alugar um andar de casa,
que tenha commodus para urna familia, em
urna ra perlo da do Vigario : a tralar na
ra do Vigario 11. 25.
--JoaJoaquim Gaspar pretende ir a Ba-
bia.
Deseja-se tallar com a Sra. D. Leopol-
dina Coroeiro da Sileira, como se igno-
ra sua morada, pede-se-ibe aauuncie por
esta foltia.
tu, abaixo assignado, taco aciente ao
publico, que desde o dia 24 du correle me/
deixei de ser administrador e socio noa lu-
cros da loja de selleiro da ra da Cadeia do
Reciten. 36, que gyrava com afirma de
Araujo, Penna & Companhia, licando eu;
abaixo assignado desodorado d todo o ac-
tivo e passivo da mencionada loja, que pas-
sa a gyrar com a firma de Araujo Penna.
Recife, 31 de Janeiro de 1851.
Antonio Jote Ferretra Guimarde:
~ Aluga-so o prirneiro h segnndo andares
da casa n. 28 do Aterro da Boa Vista, e o
prirneiro andar da den. 3s da ra do Itin-
gel : a tratar na ra d'Alegria n. II.
Os abaixo assignados fazem sciente ao
publico, que o Sr. Antonio Jos Ferreira
Cu i manes deixrnideser administrador de
sua loja de selleiro, sita na ra da Cadeia
do Recife n. tv, desde o di 21 do passado.
Araujo & l'enna.
A pessoa que annunciou querer com-
prar um sellim inglez usado, querendo um
quasi novo, e um silbflo lambem no mes-
mo estado, pode ir ver na ra Augusta n.
I, prirneiro andar.
Precisa-sede um feilor portugus para
engenho : na ra da Florentina, esquina de-
fronte do thealro novo.
Precisa-se alugar um preto fiel e intel-
ligente : na deslilsgflo da travessa da Con-
cordia.
No dia 39 de Janeiro, desappareceu de
urna porta da ra Direita, um cavallo en-
cangalhado, nm pooco sellado, bem feilo
pela frente, e malfeito por delraz, tem o
quarlo esquerdn mais baixo que o direito,
c>pado, bastante magro, cOr russo pedrez,
rarrega liauo e he pouco ardigo de chicote :
quem o tiver apelillado leve a ra de San-
Fiancisco n. 10, quesera recompensado.
A pessaa que hontem foi a ra da Cruz
do Recife procurar Mano I Jos de Paiva,
para lbe entregar urna carta vinda de An-
gola pelo b'igue Veloz, queira anounciar
a sja morada para ser procurado 00 man-
da-la entregar ao mesmo que se lbe faz
muilo preciso.
O abaixo assignado, morador na ra
da Cruz do Recife 11. 29, com loja de sapa-
teiro, faz sciente ao publico que de hoj>
em diante se assignara por Manoel Jos Her
nardo de Paiva, isto por haver outro de
igual nome. Manoel lote de Paiva
Precisa-se de urna ama de leile, que
n8o tenha lillio : no pateo do Terco n. 21.
Precisa-se de urna ama para cozinhar
e engommar para urna casa de pouca fami-
lia, dando responsavel a 811a confuta : na
ra do Roza rio, botica de Rartholomeu.
Umbelina da Silva Queiros declara ao
respeitavel publico para que pessoa algu-
ma nflo compre nem faca qualquer negocio
com li Maria da Penha Torres, viuva de
Josquim Jos da Costa, e mflo da declaran-
te, sobre urna morada de casa terrea n. 36,
na ra da Senzalla Nova do bairro do Recife
desla cidade, visto ser ella smente uso-
fruluraria dos ron Ion utos da dita casa : e
para que nflo acont-ga que pessoa mal in-
tencionada a 111.loza a fazer algum nego-
cio fraudulento, faz o presente annuncio.
O Consultorio boinceopatbico,
ra do Collegio, n. 25, O
O Do Dr. P.de A. /.06o Votcoto.
& O Dr. Moscoso d consultas lodosos Q
i das. Osdoenies pobres sflo tratados "
de graca. S serflo visitados em suas O
3>
r>
(le em seu poder un pinbor -I < oiiro com o
neio delt oiiavas, pert'ncente anSr. J J.
de S. I,., e porisso o abaixo asgnalo Dea
desonorado de qualquer responsali Jade que
oosse occoror em dito estahelecimento.
Recite, 29 do Janeiro de 1851.
luaquim da Cruz Lemos.
Pede-se a tod-s as pessoas
que nao teetn pago importancia de
biibetes de loteria, qur do Rio
de Janeiro, qur desti ci lade, te-
nhim a bon lade de nnn I ir ou vi-
rem pagir, na ra da Caddia do
Kccil'i: n. a'i, loja.
O padre Joflo Jos da Costa Ribeiro,
substituto das cadeiras de lalim desla ci-
tarte, abre a su'aula no dia 3 de fevereiro, e
continua a receber alumnos internos: ra
do Queimado n. 37, segundo andar.
Na Roa Vista, na Sol lade, casa n. 70,
precisa-se de um criado e do urna criada
para casa porlugueza
0 cirurgio Francisco Jos
Rodrigues, declara positi-
vamente a seus devedores
que, no prazo de oito das
9
casas aquelles que nflo poderem vir O
y ao consultorio, ou que suas moles- O
9 tias nflo possam dispensar a presen- O
9 C do medico. Q
oooooooi&cpooooooo
O padre Joflo Capistrano de MendonQa
participa aos seus alumnos, que a sua aula
articular, eslabeiecida no prirneiro andar
do sobrado n. 18 da ra das Cruzes, abre-se
no dia 3 de fevereiro. Qualquer Sr. estu-
dante que se quizer novamentn matricular
em qualquer das materias que elle ensina,
11 po lera procurar na mencionada casa, das
9 lloras da maubfla al s 2 1/2 da tarde.
Desappareceu, no dia 19 de
novembro prximo passado do cn-
genbo Cal, na cidade de Goian-
na, o preto crioulo Luiz, de 38 an-
nos, bastante ladino, estatura re-
gular, bem preto, tnuito barbado,
cabelludo pelos peitos, cheio do
corp >, o branco dos olhos bascan-
te alvo, bons denles, feicoes re-
gulares ; be olicial de pedreiro
carreiro; julga-seestar nesta pra-
ca, porter nella bastante conbeci-
mento, ou para as partes de Agoa
Preta, onde liavia pouco tinba an-
dado como pagem em companbia
de scu senlior Miguel da Cunha
Araujo Pinbeiro ; roga-se, pois,
a qualquer autoridade ou capito
de campo que o apprehender, o
laca ebegarao dito engenboCat,
que sei recompensado.
Roga-se ao Sr. J0S0 Pires Ferreira o fa-
vor de mandar entregar os 14 escravos que
seacbam hypothecadose penhorados, e de
que 8. S. he depositario, por execuefio do
abaixo assignado, alias de ser removido o
deposito para onde por lei competir, visto
queS. S. nflo lem cumpndo com os seus
deveres, subtrahindo os ditos escravos a
avahacao, e nundando-os trabalhar para a
freguezia do Cabo, e queira nflo repelr o
mesmo que fez com a execuQflo de M. A. na
qual nomeou escravos a peiibora, que ja
era 111 morios, resultan lo deludo isto que
mais das menos das baverflo mandados de
prisflo contra S. S. Antonio Gomes Villar.
Traspassa-se o arrendameulo do enge-
nho Uueluz, aun na freguezia de Ipojuca,
veudeudo-se a aafra no campo, o engenho
lie copeiro e bom, e lem bons cercados : a
tratar com Miguel Auguato de Oliveira, na
sua residencia no engenho Camassari, na
freguezia de S. Amaro Jaboalflo, ou com
I lieotonio da Silva Vieira no engeuho Ca-
xoeira da freguezia de Ipojuca.
O abaixo assignado pelo presente faz
sciente ao publico que desde o da 28 do
corrente deixou do ser caixeiro da loja de
cera do Atierro da Boa Vista n. 73, penen-
centeaoSr Augusto Uuarla de Moira, ad-
verte porisso que ao Sr. Jluura pe lencero
ludas e quaesquer dividas, lano activas
>
'3-
JS>
*

3a>
a>

*
>

a>
<-5
infalivelmente, contados da
data desl", se apersentem
em sua casa, na praca da
Boa Vista, no terceiro an-
dar, defronte da matriz, n.
88, alim de ultimirem as
suas dividas. Este prazo,
porm, s se cuten le com
as pessoas da praca, pa-
ra as do mallo se Ibes
conceder um tnez, liado o
qual se praceder contra el-
les com todo o rigor das
lis Recife, a3 dejineira
de 18 jo.
--11 a ha ix.1 assiguado leudo de retira r-se
para oulra provincia deste imperio, pede a
iodos os seus devedores que, por obsequio,
leo ha 01 a bondade ae virou mandarem pa-
gar suas cotilas no prazo. de oito das. Tam-
hem lem para vender a armar;flo da loja d
seu estabelecimento, no Aterro da Boa Vis-
la n.38. esla mnacflo he de amarelln, em
muilo bom estado, e pode servir para qual-
quer negocio. Recife, 28 de Janeiro de 1851.
J. Denis.
Do armazem de Vicente Ferreira da Cos-
ta, na ra da Madre de Dos, desappareceu,
no dia 23 do corrente, um barril com man-
leiga ingleza pertencente ao Sr. Francisco
Ferreira da Silva, com venda nos qualro
cantos do bairro da Boa Vista : roga-se en-
recidamenle a qualquer pessoa que por
engao o recebeu, o obsequio de o mau-
lar entregar no arma2emou na vendado
Sr. Silva.
-- Fugio do abaixo assiguado, no dia 26
do correle, o seu escravo' Lino, rrioulo,
de 20 annos, cor preta, baixo, grosso, fal-
to de um dente na frente da parle soperior,
e os outros bastante largos ; cosluma mu-
dar de roupa quando faz semillantes fugi-
bem como a passear pelo Manguinlio,
Passagem da Magdalena, Casa Forte, Mon-
leiro e lleberibe : quem dellesnuber ou o
pegar, dirija-se ao arsenal de marinha, por
cima da cipitania do pono, que sera gene-
rosamente recompensado.
Thom Fernandes Madeira de Castro.
-- Fugio no ou 87 do correle um paua-
gaio conlrafeito, o qual levou urna argolla
no 1 quem o levar na ra do Pillar, venda
n. 145, recebera oilo mil ris de adiado.
Precisa-se de um feilor que enlenda
de j irdiin : na ra da Cadeia do Recife nu-
mero 37.
Na padaria de Manoel Ignacio da Silva
Teixeira, na praca da Santa Cruz n. 106,
precisa-se alugar um preto ou muleque pa-
ra o servico ordinario de padaria, porm
que nflo beba muito : paga-se 12,000 rs.
por mez.
Cbegandoao conhecimento do abaixo
assignado, que no dia 25 do andante foi sel-
lado um papel com sen nome, ignorando o
seu conteudo, faz sciente em lempo, quo
sua firma nflo est ohrigada al boje em
renhuni titulo de qulqur nalurezt quo
seja. Judo Alv-s de Souza.
Roga-se ao Sr. Joflo I oiirengo Seixas
Jnior, vindo em outubro de 1850 no vapor
Imperador, haja de vir 1 ra do Crespo n.
13, a negocio deseu interesse, ou annuuciar
sua morada para ser procurado.
No Aterro da Boa Vista, loja n. 70, se
dir quem d dinbeiro a juros com bypo-
theca em casas terreas.
Relar;flodos bi I heles premiados da lo-
teria da Misericordia, vendidos na loja de
cambio da viuva Vieira & Filhos : na ra da
Cadeia do Recite n. 21.ao oa premio- se-
guintes : ns. 1659-4:000,000 rs. 2,209
1 000,000 rs. 5822 400,000 rs. 469
20.000 rs. 4510 100,000 rs. 2027-
100,000 rs. 4038 40.000 rs. 4876
40,000 rs. 2,095 40,000 rs.
Quem precisar de um moco portuguez,
slteiro, de 22 annos, para caixeirode ven-
da, do que tem bstanlo pralica ( visto o
mesmo nflo estar salisleilo na casa em que
actualmente se ach ) dirija-se ao naleo
do Carino, botica, que se dir quem he.
Precisa-se alugar um sobrado dedous
andares, que tenha quintal, as ras Nova,
Rozarlo larga, Cruzes, Cadeia, Collegio e
Queimado, do bairro de Santo Antonio :
quem tiver, annuncie
Eogomma-se e lava-se toda a qualida-
de de mupa com lodo asseio e umita promp-
lidflo, por preQo mais commodo do queem
oulra qualquer parle : na ra de Agoas-Ver-
des, n. 26.
-Na padaria de Manoel Ignacio da Silva
Teixeira, na praca da Santa Cruz n. 106,
ha sempre o nieinor caf moldo, sem ter a
menor mistura, e lambem em grflo ; ceva-
torrada, molda e em grflo ; muilo bom
ma, ou quem seja nesta cidade sen procura-
dor, pira traiar-se de um negocio que diz
respeito ao Sr. Lima.
Prlmetrava lettrn*.
O abaixo assignado, avisa ao resneitavel
publico que, desde o dia 7 do correle, a-
clia-se aberta a sua aula do primeiras lollras
na ra do Mondego n. 41 O annunoianle
contina reeeber ponsionistas, meios pen-
sionistas e externos. Por mais de orna vez
tem elle patenteado ao publico as vmtagens
que offerece a sua aula pela raido "la loca-
lidade, e pelas accommo lac-s que a ca-
sa aprsenla. iNfli poipar certa'lente es-
'org is o aiiuuui 1 Hile- para conseguir que
ns pais de Tmidas que lie conliaro n seus
filhos, flquein imeiramente latiafaitua;
nflo s pelo que respeiti ao traiamentn ,
como o prog-esso inl-dleclual e mural dos
meninos. Outro si ni, para evitar que os
meninos frequenlem nutras aulas fora da
casa, perden lo assim lempo com prejoizo
dos costumes, oahaixo assigna lo tam es-
colllo meslre de msica vocal e Instru-
mental, e bem assim prufessor de lingiia
latina reconhecidamente pentot nessas
materias, para darem lices aos alumnos
que se quizerem applicar a ellas, ((abaixo
assignado espera do publico, e especiamen-
tu dos pais de familias moradores fru da
praca, que apreciem os esforQos do aiinun-
riante, animando o seu nascenle mais tilo
ulil esl'beleimnto.
Francisco de Salles de Alhugnerque.
Manoel Ignacio da Sil a Teixeira.com
pollera na praca da S uila Cruz, por haixo
do sobrado 11. 106, continuada nenie fabri-
ca escolenle l>3o, tanto de forma anliga,
como ilo provensa, eonlro mais moile no
de ansia sevada, o qual nflo faz grande
apparencia, porm leva menos farmento, e
se torna mais agr lavel.e assimeomo toda a
qualida le de torrados, seja bolaxa turada a
uropoc.ln da que vinlia de l.ishi, de 4, 8,
16 ;i 1 a un 0111 libra, biilaiinha intitulada
eg-lia. biscoiilo e falias da m -sma massa,
ea i'.oiaxa docommiini para vendas, e para
o mato do tamanho qu>< quizerem, os pre-
(,'os saocunlu ni a qualidade, pode mandar
entregar pflo lo los os das de manhfla cado,
a quem o encoiii-n lar, prineipalmeille sen-
do na S riedade, Trempe al P^satge-n la
Magdalena,Mauginho, Cauuu los, e igualmente no Recife, ou polem
mandar seus portadores a padaria, aonde o
acharflo das 6 oras em vante escolludo,
ou para escollier, conforme cada um gostar.
* l'nulo <..iisnou\. lentista *
to fnanees< offerece en pri-ii-
1110 no publieo para tocios ns 4*
* iiii-iiTi s de. sua i>ro ;i<:
? pilr ser procurado a qual- ?
9 qner hora em sua cnsa, ua #
* na larga % segundo andar.
Casa de ninini i 00 de escravos.
Na ra larga do Rozarlo n. 48, prirneiro
andar, receben! se escravos para serem ven-
di los por conta de seus donos, assim cmn 1
se compram e vemlem-se os mesmos, todos
os das uleisa qualquer hora.
Chapeos de sol. efe
Ra do Passeio,n 5. jSJ
Nest fabrica ha preseulemente um rico
sortimento destes objectos de lodas as co-
res e quiilidades, lauto de se la como do
panninho, por precos commodos; ditos pa-
ra senil.ira, de bom gosto : estes chapeos
sflo feitos pela ultima 1110 la ; seda adamas-
cada coro ricas franjas de retroz. Na mesma
casa se acha >gual sortimento de sedas e
panninho imitan lo sedas, para cubrir ar-
niac/ios servidas : lodas estas fazen las ven-
dem-se em poreflo e a retalho : lambem se
concerta qualquer chapeo de sol, tanto de
basteas de ferro romo do baleia, assim como
umbelas de igrejas: ludo por preco com-
modo. Na mesma casa ha chapeos de sol,
do uoircNj 111.....r, de panno de seda, pro-
prios para feitores do enirenho, por surem
dos mais lories que se pdeni fabricar.
1 -------------------------------' ~"~^
Compras.
cha hyson ; assucar refinado e em turnio,
nflo vende mais barato que os mais, porm
pode asseverar ser simples e bom : quem
duvida venha ver.
corno passivas, que a casa lem al esla dala Pede-se a quem souber, o favor de de-
coutranido, pois que para laso lodos os do-jelarar por esla tulla, em que lugar he a re-
cumentose Ocam m seu poder' assim como'gideocia do Sr. Joaquim de Figueiredo Li-
Compram-se cadeiras usadas, e tam-
ben! se trocam por novas, e mais diversos
trastes : na ra da Cadeii de Santo Anto-
nio n 18.
Co npra-se um carrinho de duas ro las
para um cavallo, e quo tenha algum uso !
quem tiver, annuncie.
_- Compra-afl um eordBo de ourn, gros-
so, sem riti, com vara e meia : na ra da
Praia, serrana de Cordial.
Conipra-se um cavallo (le salla, que se-
ja bom : quem o tiver, annuncie.
Vendas.
rotera le \. s. do Llvraincnio.
Aos ."iKMMi.siiiMi rs.
Na loja de miudezas da praca da Inde-
pendencia 11. 4. vendem-se bilhetes, meios,
quartis, quintos, decimos e vigsimos, que
cune imprelerivelmente no da 28 do cor-
rente.
Rilhetes inteiros ll.Ono
Meios 5 500 '
Quarlos 2,600
Quiulus 2.100
Decimos 1,100
Vigsimos 600
Vendem-se sel ins inglezes
elsticos, ditos com borroclus,
cliegados pelo ultimo navio : em
casa de Geo Kenworthy k Com-
panhia, ra da Cruz n 2.
-- Vende se nina mohilia d'oleo, e igual-
mente urna cama frauceza, foleada do mog-
110 com tolos os seus preparos, obras es-
tas lodas novas i a tratar na ra do Cres-
qo, toja do Sr. Ferrflo.
Cera em velas.
Vendem-se caixas com cera em velas, fa-
bricada no Rio do Janeiro, surt las a volita-
do do comprador, o por prego mais barato
do qoii. em oulra i|0l pier parte. Trata-se
com Machado & Piuheiro : ua ra do viga-
no n. 19, segundo andar.
-- Vendem-se pegas de chitas pardas, co-
res fizas, a 4,i>00 rs. e a retalho a 120 rs. ;
co tes 'le Camnala, um, boniloi, Cores li-
Xas, a 2,600 rs. ; e 100 Saceos de estopa 110-
vos, com duas varas cad< u jj, a 3i0 rs.: ua
ra larga do Hozario 11. 4s, ,,nmeiro andar.
da se ilii- : assim como ama prat* de 16 na-
ra 18 annos: no escriptorin da Viuva Gao-
dio & Filbo : ra da Cruz n. 66.
Vende-se um excollente quartlo pe-
drez, novo, bastante alto e muito possan-
te: na cavallance do Sr. Res, airas do
thealro velho.
Lonas.
Vendem-se as afamadas lonas croas, ludo
linlio, de largura das da Russia, proprias
pira encerados e cimas de vento, por so-
rem de muita durscSo, por prego commo-
lo : em casa de Jos Saporiti, na ra do
Trapiche .Novo n. 18, prirneiro anJar.
I1' niiilia de mandioca
de San Malhous, superior qualidade, che-
gads ullimamente nesle porto, e por menos
prego do que em nutra qualquer parle, em
saccas ou agranel, a volitad 1 do compra-
dor : na roa da Cadeia do Recife, luja de
Joaquim Riheiro l'oil'e*.
Vciuleni.se escravos baratos, de
ambos os sexo", mocos e de
inmit.i- Asuras,
entre esles ha urna prela de 20 annns, da
bonita li .'ora, linla e de urna conducta ra-
ra em escravos, que engnmma muilo bem
e cozuiha magnilicamente, a anal Imn urna
cu de dous mezes, muilo linda, que por
ter muito e bom leite, e ser muilo limpa,
p le servir para crear alguma changa t na
ruadas Larangeiras n IV. segundo andar.
A I Sln><>-
Vendem-se peitos de caiza bordvlos
om camhraia, liara senderas, a cinco pata-
cas cadi 11 m : na loja de seis portas, defron-
te do Uvrainenlo.
A 64o rfiis.
Na loja .lo seis portas, em frente do Li-
vramenlo, v*n le-se princeza preta a duas
pai.ii'.is o covado, propria para lulo ou
qualquer faeto preto.
huncos de pullliltlia.
Ainda.reatam alguna han -os de seis ese-
te assnnlos de palhiuha, do thealro da ra
da Praia, que afl veuderflo agora por me lor
prego pa'a acbar, assim como vendem-se
bast lores, vistas, pannos, etc.: a fallar
comi".uilherme Selle, Aterro da Boa Visla
numero lo.
-- Na esquina confronte aos Marlyrios,
venderu-se huns matehaes de todas as qua-
li ladea, Unto para reparos como para edi-
licages, oor pregos commodos, o mesmo si
con iu/..mu para qualquer parlo que for a
obra.
O t'aseiniras. O
(J-Na loja do sbralo amarello, nos r
Q quatro cantos da na do Queimado Q
r\ n. 29, vendem-se corles decaiga de a
*T meia rasemira, bons padrOes, a 3,500 -.
2 rs. ; ditos de casemira de roros, gos- ''
O los minio modernos, a 7,000 ris, O
O leudo muito onde os freguezes es- O
Q colnerem. tj
00450:000:0 OO:O0OOO
Manoel Ignacio da Silva Teixeira, co o
padaria na praga da Santa Ciuz.' por baixo
do sobrado n. 106, lem para vender urna
porgflo de barricas vazlas, que l'oraiu de fa-
milia de trigo.
Ven ie-so urna preta de iiago, moga,
sadia, rozinha O diario do urna cisa.en-
gonnna aliuno Couaa, e lava bem ; como
lambem urna prelinha : na ra do Uingel
n. 38, aflgundo andis
Na ra da Cruz, armazem n. 33, deS
Araujo, vende-s-superior farinha de man-
dioca, a 2,000 rs. a sacca para acabar ; sol-
la ; couros muidos ; cunas duerna, o su-
perior cera de carnauba em saccas.
Vende-se urna carroga nova de um boi:
na ra do Itozano da Roa Vista n. 2.
Urna eserava pardn, moga, co*
7. i 11 he ira.
Vende-se una bonita parda, de 21 annos,
boa cozuiheira de forno o eugoniinadeira,
nflo lem vicios nem achaqu 'S e he muilo
lid, o que ludo se afianga ao cunprador ;
na ra larga do Hozarlo 11. 48. prirneiro an-
dar : a eserava lem urna lilhinha do quatro
mezes.
~ Vonde-se urna eserava de 30 annos pa-
ra todo o servigo, por commodo prego : na
ra de Santa hita n. 14.
Ven le-se rap Paulo Cordeiro, muilo
fresco, chegado ltimamente : na ra da
Cadeia do Recife 11. 51, luja de Joflo da Cu-
nha Magalhfles.
Na roa da Cadeia do Recife ha para
vender-so rap Paulo Cordeiro, desembar-
cado hoja : na loja n. 59 e 63, de Jos Das
da Silva.
Vendem-se queijos lomlri
nos, toucinho em maatas, e vi-
Mi h verdes, conservas de todas as
qualidas,cb preto, pos (iara pao
sem fermento, baldes para com-
pras e mais gneros: ludo ultima-
mente chegido de Londres : na
rna da Cruz n. 7, armazem de Da-
vis & Companhia.
Cobertores hcspaulics
de cores, muilo fortes e de todos os tama-
nhos : vende-se na ra do Crespo 11. II.
Vende-se urna prela cozinheira, lava-
deira, propria para qualquer servigo, de bo-
nita figura e moga : na ra do Crespo n.
16, loja da esquina.
Casa le cnsliriiacao de escravos,
na ra do Rosario larga 11. Sal,
segumlo andar.
Vende-se urna mulalinha de 14 annos,
que cose soflVivel e engomma ; urna uegri-
nna de 12 anuos, com principios de coa-
tura.
Vende-se urna eserava moga com al-
gumas Habilidades: quem a quizer com-
prar, dirija-se ao Hotel Francisco, que acha-
ta cum quem li atar.
\ 111 le-se na ra da Senzalla Velha,
padaria 11. 100, ao entrar pelo Beco Largo,
supenur farinha de mandioca, viuda ulti-
man.en e de Sulla Caibahna ; por cada sac-
ca pagara o portador a pequea quaulia de
2,ouO rs. leva urna sacca nova de bom al-
godfloziniio, equerendo,desconla-se-llie 260
is. passaudo para ootra sacca que leve.
A 3,500 rs
Vendem-se saccas com ilbo : na ra da
Madre de Heos, armazem n. 21.
Vende-se urna c rroga em bom estado
com um cavallo mellado, posasnte e baa-
laute carnudo, por prego commodo : quem
preten ler. diriji-se ao Parnanteirim, na
ven la confronte ao sitio do Sr. Leal, ou an-
--Vende-se um liar.lo de 20 anuos, bo'li -
bolieiro de bolea e corddes, sem deleito, I nuncio o lugar oude quer que a leve para
viudu do Rio de Janeiro: o motivo da ven-' ver.



Bombas de ferro.
Vendem-se bombas de repino,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Brum ns. 6, 8 e 10,
tundirn de ferro.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro
differentes modelos : na ra
Brum ns. 6, 8 e io, fabrica
do
do
de
machinas e fundicSo de ferro.
AGENCIA
da fundicao Low-IMoor.
MA DA SF.NZAI.LA NOVA N. 42.
Neste estabeleeimento conti-
na a baver um completo sorti-
mento de moendas o tneias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, pa-
ra dito.
Vende-se superior farinha
gallega, om nietas l>rncH : no escriptorio
de deane Vonleft C, mi en seu armazem
do becco i'o Congalveg.
Chumbo de municSo.
Vendo-se no armartm le J.J. Tasso J-
nior, roa ito Amorim n. 35.
Venlem-se amarras de ferro: na ra
da Scnzalla nova n. 4-2.
A l,Goo rs.
Vendem-so novos corles de brim tranca-
do escoro com dmi varas e meii cal corle
a 1,600: cassa franceza de bnm tslo,a2,600
rs.; pecas de etgulBo de algod.io com 12
varas, a -2,400 rs. a peca ; cobertores de al-
godSo de cores, a 7-20 rs.: na ra do Cres-
po n. 6. loja ao p do lampeo.
Deposito ilc cal vil'gelll.
Na ra do Torres n. 12, ha muilo supe-
rior cal nova em pedra, chegada ultima-
mente de Lisboa no brizne Tarujo-Terceiro.
caber iuIii- inglezns.
Vendem-se cahegadas inglezas rol i gas e
chatas, loros e silbas de ISa: na rna do Ira -
piohe n. 10.
SSSF.
Farinha "nova da marca SSSF, chegada
ulliinamente: na ra do \mor m n. 33, ar-
in-/no de I. J. Tasso Jnior.
Potussa Vende-se pnlaiM da llussia, recentamen-
te chegada. >de muito superior qualidade :
na ra do Trapiche n. 17.
Tai xas par rn?enlio.
Na fiinlig.1o le Trro da ra do Ilrum,
acaba-se de receher un completo soilmen-
lo de taixas de 4 a 8 palmos de bocea, as
quaas acliam-sea venda por prego com-
ii mili, e com prompliilo emharcam-se, ou
carregam-so i ni carros sem despezas so
comprador.
Moendas superiores.
Na fiiinl'iVKi de C. Starr & Companhia,
em S.-Amaro, acham-se venda moendas.
de calina, todas de Trro, de um modelo c
chegada ltimamente de Lisboa
no brigue Jarujo 111.
Cal virgem de Lisboa,
da melhor que ha no mercado, e
chegada ha dias pelo brigue Em-
preza : trata-se com A. C. de
Abreu, na ra da Cadeia do Re-
cift n. 37.
--Na ra estrella do Rozarlo, travessa do
Queimado, loja de miudezas n. 2 A. de J.
I", dos Santos Maya, vendem-se curdas de
iripa e bordOes para violo e rabeca, e pa-
pel paulado para msica, ludo da mellior
qualidade possivel.
Fio para sapnteivo e para saceos.
Vende-se um restante do ptimo no para
sapateiro em novellos, e dito em meladas
para saceos, por prego eommodo para li-
quidar facturas : em casa de Adamson llowie
& Companhia, ra do Trapiche 11. M.
\o publico.
F.m mui crescido utiinerocontavam os medi-
co! al agora molestias incuraveil, contra .15
quaes s era permiltido ao pacirnle reslgna-
co para soil'rer um mal de quej nao havia
I -i"T.inf.n de poder hliei la-lo, e ao rmdico
plnlanlrupico a dor de ver iniiitos de seus se-
mentantes victimas de eiirrrinidades, conlra as
quaes se declarava impotente, podendo apena!
lamentar a fraqueza da inielligencU humana.
Mas. grapa aos progressos da medicina, gra-
tas au /.e|i> Je linmeiis incanaavelj, que, nao
desesperando da prrfecubllidade da scirncia,
9e teto dedicado itiveagacao lie remedioa
quepossan alliviar a. Iiuuiaiiidade de alguna
nales que a alHigcm, o numero das molestias
repulidas incuraveis vai de da em da diinl-
II minio. Asslni, achardepois de loncos traba-
llni-. de profunda mrdliacao e reiteradas expe-
riencias, iiiedlc.lilli'iitns ijiie nos reslilnaiil o
uso dos dous inais importantes sentidos de que
he dotado o homeui, qtiando estes j se aclia-
v.-nn no supposto estado de iucurabilidade e
inlciramente perdidos, he por certo um dos
ni.liores serviros que se poda prestar huina-
nid.iile; eis (i ijue eslava reservado a um ho-
uiein philantropo da cidade de Hraga, em Por-
tugal, cuja sciencia, cujo amor de seus seme-
4
Tecirlo de algodSo trancado na fa-
brica de Todos os Santos.
Na ra da Cadeia n. 5a,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
WfWflfifffiWWfWH
i> No deposito da ra da Moda n. 15, 4t
& ha para vender superior cal em pe- * dra, recenteoiente chegada de Ms-
** boa1, em o brigue Conceico de Mu-
J? ra, por prego rasoavel : tambem ahi
:* su vendem pesos de duas e de urna
vj, arroba, por prego eommodo; ha
;> tambem efectivamente ro mesmo <-
> deposito barris de mel para embar- ^g
*> (fue. #?
O***-*****1*******:****
Faririha a 2,000 ris
a sacca : vende-se no armazem de Campel-
lo Fiiho, ra da Cadeia d Recite n. 84.
Vendem-se 10 saccas de superior car-
nauba ; 250 courinhos de cabra ; 13 pares
il- sapates decour de lustro, mui bem
feitos e de tlhn moderno ; una toalha de
bretanha de linlm com lavariiito, n.ullo bem
acabada e fina : ludo se vende por eommo-
do prego: na ra da Cadeia Velha n. 24,
primeiro andar, de manhSa at as 9 horas,
e a qualquer hora da tarde.
Deposito de e-pcllios das nin-
nafaclutas de Franca : na ra do
Passeio n. 19.
A 40Oris.
Vendem-se as mals superiores chitas lar-
gas, francez >s, de todas as cures, gOStos in-
leiramente novos, imitando sed, a 400 rs.
o covado : na ra do Crespo n. 14, loja de
Jos Francisco Dias.
Vendem-se arado 1
america-
nos dos modelos mais approvados .-
na ra do Trapiche n. 8.
Peehtncha.
Vendem-se ricas eassasfrancezas, de lin-
coostruegao muito superior.
Cimento.
Vendem-se barricas com superior cimen-
to, chegado mi ultimo i>aviit de llamburo
na ra do Amorim n. 35, armazem do J. J.
Tasso Jnior.
Deposito de potassa e cal.
Vende-se muilo nova o superior potassa,
assim como cal virgem e pedra, recente-
mente chegada de Lisboa, pnr prego rasoa-
vel : na la da Cadeia do Itecife 11. 12, ar-
ma /em.
(runde sortinicnto de charuto*
da fabrica de S. Flix, DO ar-
maxciii de ('.rocen Sl Companhia.
ruada Cruz 11. 2 1.
SSo chegadus a este armazem os verda-
deros charutos regalos, regala, cacadorrs,
deputados, venus,.senadoras e soberanos
de llavana, em caigas de cem e 250, por pre-
ces rasoaveis.
Chapeos.
Maia llamos & C, na ra Nova n. 6, aca-
ba de receher vinilo de Franga pelo ultimo
navio, ricos ch ipos de seda com pluma e
ti. un, 1, para n cuinos e meninas, e podeu
afiatigar que neste genero he o melhor que
tem viodo a esta cidaJe, os quaes se ven-
dem por prego eommodo.
Vende-se una boa esrrava cozinheira,
muito hel i- sem vicios, assim como urna
outra mucama, costil reir eengommadeira,
cuja conducta e molestias se alianga : na
ra larga do llo?ario, loja n. 35.
A pobreza.
Vemlem-se cebollas americanas pelo ba-
rato prego de 80 a 160 rs. a rostea, e a 32
rs. o cenlo das solas : nos armazens do hec-
co do (ongalves, junto a casa da Sra. Vtuva
l.asserre.
Deposito de cal e potassa.
Cunba & Amorim, na ra d.i
Cadeia do Kecife n. 5o, recebe-
ram pelos ltimos navios de Lis-
boa Novo Vencedor, Carlota e
Amelia barris com cal virgem, e
vendem, tanto a cal como a po-
jssa, por menos preco do que em
outra qualquer parte.
Para fechar contal.
Vende-se cera de carnauba, courinhos de
cabra, sola e una Dalanca com bragos, con-
chas, crrenles de ferro e pesos, propria pa-
ra armazem de carne, venda ou bordo de
i'iiiliarrigfii : ludo por prego eommodo : no
ra dos Tanueirus, armazem n. 5.
Arados de Ierro.
Na fiiinlico da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Deposito da fabrica de Todos os
Santos na Baha.
Vende-se, em casa deN. u. Uieber&C. ,
na ra da Cruz n. 4, algodSo transado da
quella fabrica, muilo proprio para saceos de
assuear e roupa de escravos, por prego com
mojo.
nigo deposito de cal
virgem.
Na ra do Tiapicbe, n. 17, hh
muito superior cal ora em pedra,
inantes se teem feito geraluiente conhecer. Os ,|os padroes e de cores az.le, rotas, ama-
rl' iiiimI lnk 1 111 (i ii'1 itt. i*, eeiuii.' \ 1.11KI n>i. .< i -.
relias, cor de roza, etc. Kstas cassas sSo
de listrase com delicados desenhos, e tor-
na-se muilo recommendavel, tanto pela
qualidade, como pelo deminuto prego de
480 rs. a vara : na ra do Crespo n. 14, loja
de Jos Francisco Dias.
Vendem-s corles de chitas linas com
12 covados, pelo barato prego de 2,600 rs ;
trancas pretts i ara capntnihos; bonetes
para enancas, e turbantes muito lindos pa-
ra baptizados : ra da Cadeia velha, casa
n. 24, primeiro andar.
5"Jooo.
Vendem-se chapeos do Chile pequeos,
muito linos, a 5,000 rs. cada um : na ra da
Caleia velha n.40.
Repertorio systematico do cdigo
commercal bra-ilciro.
Acaba de publicar-se no Rio
de Janeiro urna nteressante obr
contando 0 repertorio ystema-
lico do cdigo commercibl brasi-
lero por dous jurisconsultos Jo3o
Antonio de Miranda e Castilho.
He obra da maior utdidade para
a promp'a comprehens9o e con-
sulla do novo cdigo do commer-
eio. Acha-se venda no pateo do
Collegio, casa do Livro Azul.
Vendem-se duas travs de boa madeira,
com 20 palmos de comprimenlo e de palmo
em ijna iin. por prego eommodo: na ra da
Penda n. 25.
Vende-se urna escrava de 25 annos, a
qual sabe muilo bem cozinhar, engommare
eos,.l oar: em lua de l'orlas, ra do Pil-
lar n. 145.
Vendem-se, permutam-se e tambem se
alugam duas moradas de casas teneas, si-
tas em Oliuda, ra de S. Joan, em terreno
proprio, com grande quimal e cacimba : a
tratar em Oliuda, sitio defronle du Lupe.
Veudc-se urna porgo nuior ou menri
de beijoim em p : m ra larga do Itozario,
na venda de Jo3o Manuel Itudrigues Va-
lenca.
-- Vende-se urna preta de nagflo, de boni-
ta figura, de 19 a 20 anuos, que cose, eu-
gomma bem, cozuilia o diario de urna ca-
sa e faz tuilo o servigo : as Cinco Ponas,
sobrado de um andar n. 36, das 7 at as 10
horas da manhSa.
Siilsn-pari'ilha
ltimamente chegada do Para pela escuna
nacional Emilia, e desembarcada em 28 do
coiiente niez de Janeiro : vende-se no ea-
criplorio do correlor Oliveia.
Vende-se farinha de man-
dioca, vindade Santa Catharina,
a 3,100 rs. a sacca, esem a sacca
a I.900 rs. ; na ra da l'raia nu-
merosa.
Continua-s a vender manteiga iogle-
za, nuva, a 61U ; dita franceza, a 480 ; caf
em tifio, a 160 ; cevada, a 80 ; Cha, a 1.440.
1,920 e 2,400 ; cliucolate .lo l.islia, a 320 ;
vHlatvde carnauba de 6, 7 8 em liara, a
320; espermaceti de 5, 6 e 7 em libra, a
700 rs.; lelria, a 200; macarrSu, a 160;
passas, a 240 ; touciuho de l.isl in, a 280 ;
o r oz branco, a 60 ; dito vapur, a 90 ; gum-
ina, a 60; queijos novos, frescaes, a 1,600 :
no pateo do carino, venda nova n. 2.
Vendem-se duas escra vas criouUs, mo-
gas e sem vicios, urna das quaes he recolhi-
da, engomnia e cuzinha o diario, que se
vende por motivo, que se pateuteara ao
comprador ;a outra he de campo, ptima
Irabathadeira deenxaiia : na praga dallos
Vista 11. 10.
Veiidem-sccaixss de charutos de San
Flix de 50 a 100 a 2 e 4,000 rs. : na ra da
Cadeia du Itecife n. 15.
remedios que ora olferi ceios ao publico, nao
enir.ini naclasse daquelles que o vido e orna-
do charlatanismo inculca com roucos e des-
compassados brados, e que o crdulo vulgo
por ignorancia recebe na boa f e sem discer-
nimento, ach.indo-se depois Iludido; lem, po-
rein. de oceupar mui dlatlnclo biar entre ua
medicamentos quemaiores beneficios preslam
ao horuein : con-lam ellea dailissolucno aquo-
s 1 de eatrnctos de plantas meilicinaes, de vir-
tudes mui 1ee1111l1iTnl.il e verificadas O longo
uso, as continuadas e severas experiencias,
que por toda a parte teem elles sido subiuetli-
dos, si ni que nina s vez hajaiu falnadu em
seus Pons ell'eitos, c desmentido as esperanzas
<|ue sobre eltes havia fundado o scu inventor,
Ihe teem gtangeado constantes c repelidos elo-
gios dos iiihs sabios e respeitaveis inedicov..
assim da Kuropa, como da America que uniso
nos aboiiam e priiclaniam sua acc-ao sempre
ceita c benigna. Un deatcs licores lie desti-
nado a couib.iter as molestias de ollios, c tem
por principal viriude restituir aos igaos da vi-
sao suas funcfcs ; reanimar e fazer reap|iare-
eei em sua natural perfeirao a vista, quanda
esta estiver Traca ouquasi exlincta comanlo,
port.ru, que nao baja cegueira absoluta com
ilesoigauisarii das partea; nao menos til e
enrgico lie para deslazer as cataratas, destruir
as nevoas e de promplo debellar qualt|uer in-
llaininacaa ou veroiethtdao dos othos. Nao
1 ,111 -..ini ilr nem estimulo na parte.
Uuiro liquilo restitue a faculdade de ouvir
os sons ao ouvido ttiado de sin de/., anda que
invelerada urna vezqueo mal nao seja de nas-
cenca, sem causar em lempo alguiii o menor
incotiimodo ao doenle, c setu priva-lo de i ui-
dar em seus negocios.
INSTRUCCOKs l'ARA O USO DOS RF.MF.DfOS.
" i/'/v u//ios emprtga-ie do mnito teguinU
O doenle prla inanliaa, em jejuui, urna liora
pouco oais ou menos depois que crguer-se do
leito, tomar sobre a palma da mito pequea
pnieao I.Kjiii lia agoa ; e com ella molliar
bem os ollios, fazeudo que algutuas golfas
caiam sobie o globo oceular: sem os limpar,
os conservar motilados at que naturalmente
emuguem : ao deitar-sc noite pralicar o
mesmo : durante o lempo que uar do reme-
dio evitar o calor, aeco de fumaca e o vento ;
far abstinencia de comidas salgadas, aledas e
adubadas com especiarlas.
O remtdo Jos uutidos ser applicado do modo que
legue.
0 doi me pela inarilia, urna hora pouco
mais ou menos depois de erguer-se, aiuda em
jejurn, i.n .1 derramar dentro dos ouvidos qua-
1111 ou cinco goltas do liquidH, tapando-os de-
pois com algodo em rama ; noite ao deitar-
se repetir a iiiesina operacao. Durante o uso
do remedio evitar eapr, os ouvidos princi-
palmente, acfu do calor e do vento, alirn de
evitar grande transpiraco, havendo cuidado
ciii nao un.I liar os ps em agoa (na; linalineii-
te deve obster-se de comidas salgadas, azedas e
adubadas.
1 ses remedios estao venda oaboticade
Rartliolomeu Francisco de Soti'a, na ra larga
do Itosai io, n. 3(, nico deposito em Pernam-
buco, pelo preco de 2,240 rs. cada vidro.
Mubilla d'uleo nova.
Vendem-se marquezas d'uleo, urna meia
commoda de amarello, urna cama de dito e
mais diversos trastes, por prego eommodo :
na ra da Cadeia de Santo Antonio n. 18.
Na 11 1 .su,1 casa precisa se de dous aprendi-
ces para apienderem u olliciu de marcinei-
ro e de um euvernisadur.
mmmmmmmmmmmmmmmt mm.m
* Manteletes c capoiinhos.
Na loja do sobrado amarello, nos i I
quatro cantos da ra do Queimado Ift
n. 29, lia para vender-se um cumple- %
lo sortinienlo de manteletes,capoli- II
nhos e palitos para senliors, pretose 3
de cotes, os mais mudemos e de me- m
$ Ihor costo, tanto em cores como em f
(a* enfeiles dos quo aqui lem viudo. iji;
tf>r w&vt mws m *j* wmx mmmt
i,5oo, 3.000 e 4ooo rs ; na i
da Cadeia do Kecife, loja n. 9.
Vendum-se superiores charutos, sola,
couros de cabra, peonas de ema, sapatos
brancos, ditos de couro de lustro, cera de
carnauba e chapeos de palha: ludo isto
mais barato do que em outra qualquer
parte : na ra da Cadeia do Kecife n. 49,
primeiro andar.
Tinta para escrever.
Vende-se excellente tinta para escrever,
em frascos de mais de garrafa, a 480 rs. ca-
da um frasco : na livraria ns. 6 e 8 da- pra-
ga da Independencia
Ca-a. tic coiisiiiacao de escravos,
na ra do liozarin larga n. 22,
segundo andar.
Vendem-se oilo escravos mocos, boos
trabalbadores de enxada ; dous moleques
de bonitas figuras, de 18 annos, sendo um
bom carreiro ; e duas negrotas tle bonitas
Ggurascom algumas habilidades.
Graia o. 97.
Vende-se ajverdadelra grata h.97, moito
em conla : na ra da Cruz n. 42, a Miar no
armazem de fazendas.
Panno verde Invlsivel.
Vende-se panno verde invlsivel, muito fi-
ro e haraiissimo, n.lo se menciona squi o
prego porque cauzaria isso orna admiragSo
aos pretnndentes, a ponto de nSo fazerem
conla, e dizererff, sem virem ver a grande
i-echirich, ora isso nflo p le ser panno
bom ; he este o motivo por que S dir a
vista dos compradores e do dito panno ;
tambem restam algumas pegas de ganga
cor de cinza eamarella, propria para pali-
tos de meninos, que para acabar com bre-
vidade so yendero a 6,000 rs. a pega, e a
meia pataca o covado i no Aterro da Boa
Vista n. 18.
No becco do fiongalves, armazem do
Araujo, vende-se superior farinha de man-
dioca a 2,000 rs. a sacca, chegada ulliina-
mente do Cear.
Vende-se bacalho de esca-
ma, muito superior fazeoda, a
6,500 rs. cada barrica : no arma-
zem do Annes, no caes da all'n-
dega.
Vende-se urna boa escrava de 20 an-
nos, perfeita engommaJeira, ensillada de
proposito por urna casa estrsugera, cose
ctio, ensahoa bem, sabe servir a urna mesa
de juntar, lem bonita estatura e linda appa-
rencia : ven le se. pelo costume de b'lgar
com suas parceiras mais antigs : a fallar
cun Jnlo Vignes, ra larga do Rozarlo n
28, primeiro andar.
Lei da gnarda nacional.
Vende-se o peculio do guarda nacional,
contendo a lei, regula Tiento e o mais preci
su para a mesma, a 1,000 rs. cada exem-
olar 1 na praga da Independencia, livraria
ns. 6 e 8.
Vendem-se os trastes seguinles : urna
secretaria com urna estante em cima deja-
caranda, urna mesa de meio de sala de di-
to, urna carteira d'oleo, urna escadinha de
subir para cama, ludo c un uso e um par
de bancas de dito : na ra da Cadeia de
Santo Antonio n. 18.
Vende-se o estabeleeimento da casa de
pasto, na ra do So1 n. 23, com ludo quan-
to existe dentro da mesma casa, os preten-|
I

i
CIDADE DE PAR 15.
(\V)TtLC\lAl^4\L^V,
1 "^ J?E 0 I
denles dirijain-se so passeio publico, luja
11 11, que se far ludo u negocio.
Mutuiiia Komi Hardy, modista
iii um li ira, rua Nova n. 34.
Aununcia ao publico e particularmente
aos seus freguezes que tem para vender um
completo sorlimento de grosdenspl* de
furia cor e preto muito superior, assim co-
mo sarja e chamalote preto de primeia
qualidade; finos cortes de grosdenaple de
furia cor adamascado Unto para mantele-
tes como para capoiinhos; ricas franjas e
requife de seda de fui la cor, proprio para
inleites dos mesmos, a qual se vender
comprando alguma porgilu da fazenda ci-
ma dita ; um rico sorlimento de mantele-
tes, caputinhos e palilOs de grosdenaple de
fuita cor e de|chamalote preto, ludo de
muda consistencia e feitos em Fianga ; ca-
putinhos de fil de Iinlio preto ; ditos para
meninas de 4 a 8 annos ; um variavel sorti-
mento de bonitos chapeos de seda de todas
as cores ; di tus de lina palha de Italia para
enhura 0 menina, elegantes chai usinhos
de seda com lindos infeites proprios para
linplisados ; ditos de ptima palhinha para
menina e menino; os melhores e mais com-
mudus espartlitios que. tem ebegadu a esta
praga; nuvas e riqutssitnas capellas muilu
proprias para casamentse bailes; ricos
cenos de llores para afeitar chapeos de se-
uliora ; luvas de pellica com infeites de su-
perior qualidade para senhura ; ditas de di-
ta curtas para homem esenhora ; um gran-
de soi ti Menlo do botillas litas e >1 illui en-
tes c, es; chapeos deso para senhora;
perfumarlas linas ; armagoes pretas e bran-
cas para chapeos de senhora ; gurgurSo de
cores proprio para chapeos de dita ; sapa-
tos de sel i ni branco ; camisinhas e romeiras
para senhura : e nutras inultas fazendas de
gusto moderno.
aasaaaaaBaaaaaaaaaaaaaaiaMaaiaaaa^
das Cruzes n. 30, quo ser generosamente
recompensa lo.
Nodia 30 do prximo psssado, pelas 7
a meia horas da noite, desappareceu urna
escr cheia do corpa e denles da frente podres ;
levou vestido de chita branca j usado e
lenco encarnado no pescogo: roga-se a
qualquer pessoa que a pegar, leve-a a seu
similor JoSo Caelano Coelho, na rua do
Amorim, sobrado n. 19, que ser bem re-
compensado.
- Nodia 15 de Janeiro, dessapoareceu
o escravo Paulo Erancisco, foi da fabrica do
engenho do (nado desemhargador Maciel
Monteiro he preto de 40 a 50 anuos, tem al-
go ns cabellos brancos de NacSo, estatura
ordinaria, e falla apressado, ha noticias es-
tar em Mara Farinha em ierras da proprie-
dade da Sra 0. Francisca Cavalcante : quem
o capturar ser recompensado Tazando dalle
entrega a seo senhor que he Vicente An-
tonio do Espirito Santo no aterro da Boa-
Vista n. 62.
-- No dia 16 do crrante fugio do enge-
nho Sapucaia, freguezia de Jahoallo, dous
escravos pardos, um de nome Paulo, de 26
annos, haixo, grosso, bastante barbado, ca-
bellos pixaim e com urna helle pequea no
ullio esqnenio ; Vicente, quasi preto, de 25
minos, alto, de bonita figura ecom aignaes
de castigo as nadegas. Os mencionados
escravos s9o naturaes do Ico, he muito de
presumir lerem para all seguido, ou para 1
povoacSo dos Patos, em Sirid, onde tem o
Paulo prenles livres : quem os capturar te-
r de gralilicagflo a quantia de 100,000 rs.
U mulalinho Agostinlio
fgido.
Na noite de n para ndo ]
I passado ausentou-se o es- S
cravo Agoslinho, pardo a- j
caboclado, cabellos prelos e
lisos, ps grandes com os de-
dos grandes grossos e camba- ]
dos parade-ntre ; be ilho do j|
sertao, muito tallador e fo-
ta: roga-se as autoridades ^
policiaes, capities de eam-
po, assim como a toda e
qnalquer pessoa qne o en-
contrar, de prendc-lo e con-
dtizi-lo a seu senhor Ben-
to Jos Taveira, na rua da
i Cruz n. 20, que nao s paga-
1 r todas as despezas, como
g offerece urna generosa re-
as compensa a quem o trouxer.
Desappareceu, no dia 29 do corrente,
de 8 para 9 horas da noite, do lugar do Ater-
nnho de Cequia, urna escrava crioula, de
17 annos, bonita figura, de nome Maris,
bem preta, com todos os denles ; levou ves-
tido prelo de chita cum flures brancas e pan-
no da Costa : quem a pegar, lece-a ao mes-
mo lugar a Flix de Cantalicio de Barros,
que ser bem recompensado.
Fugio no da 22 do passado mez de de-
Itua do (Joilcgio n. !.
Neste estabeleeimento se encontrar sem-
pre o mesmo sortiniento de chapeos de sol
ja annunciados, assim como sedas e pannos
m pega para as armagO s servidas, haleias
liara vestidos e espartilhos re senhor*s.
CouCei la-se toda a qualidade de chapeos de
sol, ludo por menos prego do que em outra
qualquer parte.
a> Al-tiitao para saceos. s>
S> Vende-se muilu bom aloJSo para %
(t saceos de assucar, por prego comino- %
jf) du : em casa de Iticardo lluyle, ns- *
4 rua da Cadeia n. 37. $}
A elles antes que se acabem.
Vendem-se sapates de bezer-
ro francez, fonos no paiz. a 2 e a
Escravos futidos.
Na nuile de 26 a 27 do corrente mez de
Janeiro, fugio do engenho ouradoda fre-
guezia de Ituijuca, perteitcenlea Feliciano
do Reg Barros Araujo, o escravo Manuel
Jt Su, crioulo, reprsenla ler 30 annos de
idade, baixo, grosso, cor preta, cum alguns
pannos pelo rosto e peitus, mullo puuea
barba, ts grossos, tem na cabega bsten-
les marcas comu de culiladas, eum lubi-
uhu junto a orelha direila, suppem-so que
a esquerda tenba furu para arguU, he bs-
tanle bal ul lien lo, levuu chai o de palha,
camisa de madapoluo, podeudu audar de
caiga e jaquela e mudar roupa, por ter cou-
duzido tuda que liuha euvulta em una
Uiacs de cuuro de ou velha ; logo que fugio
oube*se de He at a ponte de Mulutuiumbu,
passando a la 1 junto cum urna liteira que
entra va para a praga, bede suppr que te-
ma se dirigido ao lugar du seu nascimen-
lo em Caruai ou em S. Jofio dos Punios,
por ler all sido pegado em 21 de nuvembro
do armo pruxiuio passaduque faz a primei-
ra fgida, pur ler sido comprado naquella
poca au Sr. Antonio Iticaidu do llego, inu-
zembru, o preto Antonio, de nagSo Cbiii-
la, representa ter 45 anuos de idade, altura
regular, cheio do corpo, roslo abocetado,
muito cabelludo nos peilos ; levou caiga e
jaquela de ganga azul, heollcial decaldei-
reiru da fabrica da rua du Ilrum n. 28 ; tem
sido encontrado em diversas ruasdesta ci-
dade, em Santo Antonio, Boa Vista, Alloma-
dos e Corredor do l!isi o, ora em urna, ura
em outra parte, e ltimamente teve-se in-
formago que seguio para as parles de San-
to Anto : roga-se, pois, a quem o appre-
nhenJer, leve-o aos senhores do mesmu es-
cravo, Mesqutta & Dutra, na dita fabrica,
quesera generosamente recompeusado.
Fugio nu dis 24 do crrenle du engo-
nhu Tapera, silo na freguezia de JaboalAu,
o escravo de nome Jos, de nagSo Nagd,
cujo sinas caractersticos silo os seguinles:
curpo e altura regulares, olhos salientes e
vivos, sem barba, com fall de deules, ros-
to tu I ha 1 lo, es gtossos, representa ter de
idade 30 annos, he muito ladino; vista
do exposto rerommenda-se aus capites de
campea captura do dito escravo, pelo que
seriio generosamente gratificados.
Fogiram no 'lia 15 du crrente, tres es-
cravus crioulas do engenho Mundo Novo,
pur nomes Ignacis, S linda e Feliciana,
sendo a Selinda lilba de Ignacis.cuja repie-
senla ter 14 annos ; a Ignacia 40, pouco mais
ou menos ; e Feliciana 25 a 30; estatura da
Ignacia regular, seca do corpo, queixo
calii -.o, falla de denles, ps bastantes lar-
gos, cor bem prela ; Selinda cor preta, bo-
nita ligura, beigos grossos, lem em um dos
bragos urna queimadura de fogo; Felicia-
na altura regular, cor vermelha, beigos
grossos, bastante barriguda, lem as cos-
tas urnas marcas ; levaram vestidos difle-
rentes: roga-se aus Srs. rapitSes de campo
e as autoridades policiaes de as aprehnde-
las e levadas ao dito engenho, ou na rua do
Vigario n. 13, que ser generosamente re-
compensado.
--Fugio na noite de 24 de Janeiro desle
anno do engenho Cargad da provincia da
Parahiba du norte, um escravo crioulo,
cur fulla, de nume Js, idade 25 annos,
trabitha de pedreiro ealfaite, eentendea
barheiro, bastante ladino, estatura rega-
lar, suissa por haixo do queixo, seco do
corpo, tem um sotaque quaulo falla, sendo
esta descangad, te u es denles per feitos,
urnas nianch is no peito, o que vulgarmente
chjmam panos. IU discuufiauga que segua-
se para Pernambuco, aflm dallt se evadir
para o Rio do Janeiro, aonda j esleve e
tem parentes; levou tuda a roupa, he um
tanto liuta, que bem pode iffudir em passar
por fujro ; no dia 25 ful visto na cidade da
i'aratiiha vestido de jaquela preta," caiga
branca, chapeo lino, cum uns chinellos nos
ps, tambem leva caiga do Igoiiloznho
asul e camisa de chita da mesma cor : roga-
se a todaa as autoridades eucarregidas da
polica, capitSes de campo, e tnesmu a qual-
quer unir pessoa,que aprehendan! dito es-
cravo e levem-nu a provincia da Parahiba a
seu senhor Juaqoim Comes da Silraira em
seu engenho, mu em Pernambuco ao Sr. Ala-
\
radur na praga, que u vendeu por urdem du
Sr.JuSu Kelix Nepomoceno do engenho Cal "oe| t.oncilves da Silva, que receberi ris
m u te ligue 11 eguezia de Una uu Barreirus: ro-' 200,000 de gra ti iicagau.
I ga-se a qualquer pessoa o peguero e leveui-
3,4.00 rs. } dltOS de lustro, a'uuauiiiu engsubo, uu nauta praga na rua
Pr.nv va.tVp m M v nr r


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EK1TM2EN9_QXR49M INGEST_TIME 2013-04-13T00:37:55Z PACKAGE AA00011611_06312
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES