Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06311


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVII
Sabbado 1
l
I
WnTIDiS DOS COBttEIOS. VREMIBlDCB.
Goianna e Parahiba, s segunda s e sextas feiras. 'Nova, a 1, as 3 h. e42 m. dain.
Rio-Grande-do-Norte, todas ai quietas feiras ao Pn.au 1.4 m. )^'"c- 9. as6 h. e36 m. da m, Huas D. io*.jCheia- a ,6> a, i h. e 9 m. da in.
ini'io-ilia. |
Garantaos e Honilo, a 8 e 23. IMing. a 22, s 7 b. e 19 m. da t.
Roa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas feiras. FREAMAR DE HOJE.
Dunda, todos os diai.
Primeira 15 horas e 18 minutos da manhaa.
Segunda s 5 horas e 42 minutos da larde.
de Fevereirode 1851.
N. 26.
paspo da sDBcnippo.
Por tres meses (adlantados) 4/000
Por seis metes 8<000
l'oruiuauuo 15/000
DAS da semana.
27 Seg. S. Vitaliano. Aud. do J. dos orf. e m. da 1"
28 Tere. S. Cvrlllo, Aud. da Chae, d i, 1. da se"
ganda vara do 0, e dos fellos da fizenda.
29 Unan. S. Franc. de Sales. Aud. do J. da 2. vara.
30 QoiaL 5". Mminha. Aud. do J. do orf. e do m.
da i......e 11 i vara.
31 SjxI. S. Pedro Nolasco. Aud. do i. da 1. V. do c-
vel, e dos fritos da fazenda.
1 Sab. S. Ignacio. AuJ. da Mi. e do J. da 2. vara
do civel.
2 Dom. Purificaco de N. Senhra.
CAMBIO DB 31 DE JANEIRO.
Sobre Londres, a 30 d. p. 1/000 rs. 60 das.
Pars, 320 por fr.
Oiiro.^a,U'pSh.lM..... *ffl j g
. de 4*000....... 9/00a g
Prata.-Pataces brasilciros.... I/W JOJ"
Pesos columnarios..... 1/M JfiJJ
Ditos mexicano......... 1/680 a 1/700
PASTE GFFPCUL.
MINISTERIO DA JUSTICIA.
t
DECRETO R. 737 DE 25 DE KOVEMBRO DE 1850.
Determina a ordtm do juiso no procetio com-
merical.
( Vide o Diario n. SI.)
SECCA'O II.
Do$ protestos de Ultras.
Art. 370. Os protestos dss lettrss de cam-
bio ( rl. 405 cdigo ). da trra ( art. 425 c-
digo ), de risco ( arts. 635 e 661 cdigo },
conhecimentos de frete passados a ordem e
Ondoi4idos(srt. 387 cdigo), plices de se-
guro endossadas (srt 675 cdigo) notas prn-
missorias endossadas (art.426 cdigo), serlo
regulados pelo titulo XVI capitulo I, seccSo
VI parte I. do cdigo.
Art. 371. O protesto he neresssrio.
I. No caso de nSo aceite (srt. 373c-
digo ):
S S. No caso de nSo ser encontrado, ou
estar em lugar distante, ou occultar-se o
aceitante (art. 374 cdigo.)
3. No caso de recusar o aceitsnte a en-
trega da lellra que Ihe foi apresentada para
aceitar ou pagar ( art. 412 cdigo.)
S 4. No caso de ser desconhecdo ou se
D&o puder descobrir o domicilio daquele
que dpve aceitar ou pagar a le tira (art. 411
eodlgoj.
5. No caso de aceite condicional, ou
restricto (art. 375 cdigo ).
6, No caso de nSo pagamento ( art. 376
cdigo )
S 7. No caso de quebra (art. 390 cdigo).
8. No caso de intervencSo ( arts. 397,
403 e 413 cdigo).
0. Quando o aceite da leltra, passada
a dias ou mezes de vista, nlo fr datada pe-
lo aceilante ( art. 395 cdigo,).
Art. 373. O protesto nSo he necessario :
1. as notas promissorias, conheci-
mentos de frete, apolices de seguro que nSo
tem endosto.
S. Contra o sacador se a leltra nilo foi
aceita ou se deiiou de ser paga porque
e|le, ou o terceiro, por cuja conta a sacou,
oBo (i/eratu a provisSo de futidos ao t-mpo
Uo venc ment ( arts. 366, 368 e 381 cdigo).
3. Contra o aceitante se a letlra n3o he
paga (art. 381 cdigo).
$ 4. Contra o terceiro por conta de quem
a lettra be ssccada, se elle nilo fez provisSo
de fundos ( art. 3K7 cdigo ).
5 Contra o garante do saccador ou sa-
cado nos meamos casos em que contra lies
he desnecessario o protesto ( art. 258 c-
digo).
Art. 373. Slo competentes para interpor
e tirar (i protesto :
1. 0 portador (art. 381 cdigo).
2.0 possuidor (arts. 277 o 387 cdigo1-
Art. 374. As lettras devem ser protes-
tadas.
$ 1. No domicilio do sacado, ou aceitan-
te,* ou da terceira pessoa designada na let-
tra ou no aceite ( art. 411 cdigo ).
2 No domicilio de pagamento quando
as letras foram sacadas ou aceitas para se-
ren pagas em nutro domicilio que tifio fr
o do sacado, ou aceitante, ou quando o
que dever aceitar ou pagar a lettra fr des-
conhecido, ou se puder descobrir o seu do
miedlo f art 411 cdigo).
Art. 375. lie competente para tomar o
protesto
I. 0 etcrivfio privativo dos protestos
creados por lei geral ou provincial onde o
houver ( 405 cdigo, art. 8 lei 12 de maio
1840).
2. Qualquer tabelliOo do lugar onde
nfio houver ou esliver impedido o escrivfio
dos protestos ( art. 405 cdigo ).
3. Qualquer escrivfio do civel onde nSo
houver ou sti ver impedido o ttbellfio ( art.
405 cdigoJ.
Art. 376. Se acontecer que o saccado
ou aceitsnte, tendo fcado com a lettra
em seu poder para, aceitar ou pagar, se
recuse entregi-la a lempo de poder ser
levada ao protesto, ser este tomado sobre
oulra via ou em separado, se a nfio houver
com easa declaraefio : e poder prooeder-se
prisflo do sacado al que efleclue ou entre-
gue a leltra (arl. 412 cdigo).
Art. 377. Para ordenar-se a pristi, deve-
la o portador da leltra dirigir ao juiz urna
petiefio requerendo que qur justificar que
a letra foi entregue a o sacado, e que sen-
do-lho pedida a nfio entregara.
Art. 378. O juiz proceder io continente
verbalrueiite e de plano iuquircfio daa
testemunhas, reduzindo termo os seus de-
poimetilos eas respostas do portador, e de-
ferindo o juramento supplelorio se elle li-
vor lugar ( ait. 168), maudar passarman-
dado de prisfio, ao qual nada obsta se nfio a
enliega da I tira, ou a flaoca, so a lettra
anda nfio esla oceita, iu o deposito se ja
eslava aceita ( art. 388 cdigo).
Arl. 379. A fianca ou deposito gmenle
seiuo levantados ou depois de seotenca ir-
revogavel da acefio ordinaria, que o porta-
dor propuzer cootra o sacado, ou se o por-
tador dentro de 15 dias depois de prestada
a llanca, ou deposito nfio propuzer a referi-
da aceJo.
Arl. 380. O apontamento e o acto do pro-
testo serfio lomados pela forma estaboleci-
da nosans. 406,408,409 e 410 cdigo.
Arl. 381. Toda a leltra, que houver de er
protestada, por falta Ueaceite ou pagamen-
to, deve ser levada ao escrivfio dos protes-
tos no'meimo dia em quedevia ser aceita
ou paga, autes do sol posto (art. 407 c-
digo.)
Quanto ao vencimento serSo observados
os arts. 356, 357 e 358 do cdigo (arl. *07
cdigo.
Art. 382. O protesto deve ser tirado den-
tro de tres dias uteis precisos, pena de nul-
li lade, e reaponsabilidade do eacrivBo ( arts.
107 414 codigoj.
Art. 383. Dentro dos sobreditos tres dias
uteis he o escivfio obrigado a fazer pores-
cripto as limitacOes necessarias s pessoas
a quem competir se morerem no termo,
penado nullidade e reaponsabilidade (arts.
377. 406. 3. 407, 409 e 414 cdigo.)
Art. 384. Se a pessoa de quem o portador
recebeu a leltra morar fra do lugar, ao
portador incumbe o aviso, e remessa da
certidfio do protesto pela primeira viaop-
portuna que se Ihe offerecer, pena de ficar
extincta toda acgfio que poda ter para ha-
ver o seu emholco do secador, e endos-
santes ( arts.' 371 e 377 cdigo.) A prova
da remessa pode ser o con heci ment do
seguro da carta respectiva : para esse fim a
carta ser levada aberla ao correio, onde ve-
rifleando-se a existencia do aviso, e certi-
dfio do protesto se declarar no conheci-
oento e talSo respectivo o conten lo ou ob-
jecto da carta segura.
Art. 385 Todos os endossados sfio obri-
gados a iransmiltir o protesto recebido, e
na mesma dilaefio (art. 377 cdigo), aos
seus respectivos ndossadores, pena de se-
rem responsaveis pelas perdas e damnos
que da sua omissfio resultsrein (arl. 378
cdigo).
Art. 386. Se o que dever aceitar ou pa-
gar a leltra fr desconhocido, ou se nfio pu
der descobrir o seu domicilio, a intimaefio
ser feita por denunciaefio do escrivfio afil-
iada nos lugares pblicos, e publicadas nos
jornaesf art. 411 cdigo )
Art. 387 Por igual e conformo ao artigo
antecedente se fara a inlimacfio quando o
aceitante nfio -he encontrado, ou est au-
sente ou se occulla, devendo o escrivfio
quando a parte interpozer o protesto por
algumas das referidas razdes encarregar a
inlimacfio a oficial de juslica, que proce-
dendo como esta determinado para cita-
Cfio com hora certa ( art. 46 ) passar a
competente certidfio que sera inserta no
acto do protesto, ou na denunciaefio edita I.
Art. 388. O escrivfio que por omissfio ou
prevancaefio fr causa da nullidade de al-
gum protesto (arts. 407, 408 e 4o9 coli-
go), ser obrigado a indemnisar as parles
de todas as perdas, damnos e despezas l-
gaos que desssa nullidade resullarem, e
perder o offloio por decreto do governo
vista da senteusa que o con lemnar as re-
feridas perdas, damnos e despezas leaes
(art. 414 coligo).
Art. 389. As duvidas que o escrivfio op-
puaer por serem as lettras apresentadas ou
por pessoa incompetente, ou fra de tempo,
serfio decididas pelo juiz de direilo do com-
mercio (art. 6 ), e a decisfio ser escripta
no acto do protesto.
( Coniiuor--Aa. )
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DIA 25 DE JANEIRO
DE 1851.
Officio.Ao mimando das armas, re-
commondandoaexpedicSo de suas ordem
rommandante do acampamento d'Agoa
Preta ou de Pindobas, para que fornec 10
capitfio de engenheiros Christiano Pereira
le Azcredo Coutinho, que tem de demar-
car o terreno aonde se ha de fundara oo-
lonia militar desta provincia as matas ao
sol da mesma, a ferramenla eomaisque
elle reqoisitar para o servio da referida
colonia, sendo as despezas que se houvar
de fazer satisfeitas a vista da respectiva
conta.
Dito.Ao mesmo, inteirando-o de naver
concedido um mez de licanQi na torna da
lei, ao soldado do segundo lutalhfio de ar-
tillara a p Jos Antonio Fernandes.
Dito.Ao dezembargador juiz relator da
jnnla de justica, remetiendo para ser apo-
sentado em sessfio da mesma, o processo
verbal feito ao segundo cadete do oitavo
hatalhfiodecacadores Bernardo Francisco
Soares. lnteiligenclou-se ao commando
dss armas.
Dito.A pagadoria militar, para que
com brevidade requisito nova quota para
pagamento dos vencimenlos perlencentes
ejercicios lindos, que estiverem a dever
s pracas de pret que liverem baixa do sr-
ico, visto constar de sua inrortnacfio dada
deerca de um requerimento do ex-particu
lar primeiro sargento do oitavo balalhfio
ecacadorea Antonio Demetrio Concalves
Corris, que da quota destinada para laes
>sgamentos apenas resta a quanlia de res
20.000.
Dito.A mesma, para mandar examinar
pagar a Manoel Pereira Lejos, os dom
Kietsque remelle em duplcala, na impor-
tancia de 50,670 rs., dos venciroenlos da es
colla de guardas nacioanaes, que conduiio
recrutas da comarca do Limoeiro para esla
capital -Commnnicou-se ao dezembarga-
dor ebefe de polici.
citado mez mandar por a disposiefio do
mesmo Exm. Sr. presidente o Sr. primeiro
lente do quarto hatalhfio de arlilliaria a
p Leopoldino da Silva Azevedo.
Assinado,
Antonio lnria Rabello.
Capito ajudantede ordens.
Cnmmunicarlo.
Commandu das armas.
Quartel do colmando da arman na cidade io
Reeife, em 28 de Janeiro de 1851.
HDEM IK) DIA N. 41.
O lllm. Sr. coronel commandante das ar-
mas, manda fazer publico a guarniefio, que
o Exm. Sr. presidente, desta provincia eoi
officio de hontem datado, Ihe communicou
que S. M. o Imperador fos servido por avi-
so de do correte expedido pela reparli-
Cfio da guerra, permitir que o Sr. coronel
nel graduado do estado maiof de segunda
classe do exercito Trajaoo Cezar Burlama-
que, viesse para esta provincia, alim de ser
uella empregado conforme a ulilidade do
servico publico ; e por outro aviso de 3 do
Pretenden o convertido emba Diatio de 17 do p. p., escarnecer dosconhe-
clinentos cirureicos do Sr. F. J. R., e da ho-
rnee >patha conjunctamente, pelo factn de a
haver este denominado verdadelra medicina
Mas oque ha de extraordinario nesse faci, que
einbasbacar podesse o convertido?! Permita
oSr. embasbacado que Ihe observemos que
por isso mesmo que a declara;ao do Sr. F. J.
R. tal ponto oeinbelesou.he que sua produc
cao nao pode serelfeito della, at pela deshar-
monia dos sentimentos que della resala. He
visto, pola, qu< esse producto de inteligencia
pasma, deve sua eiistencia sentimentos occul-
tos e pouco honrosos toda Idi. Sim, pouco
honrosos ; porque sentimentos que levam o ho-
cncen escarnecer, por meio de jornaes que cor-
rem o muudo inteiro, de um chefe de familia
honrada, credor de algmn respeito por legti-
mos ttulos, e sem que houvesse sido provoca-
do, ludo srro, menos honrosos, t que o Sr
embasbacado pretendeu mofar do Sr. F. J. R.,
cousa be que comprehende o simples senso ;
porque o emprego das proposiedes irnicas c
sobre modo exageradas de sua corresponden-
cia, no tocante aos conhecimentos pronisinnaes
do Sr. F. J. R., nao admitte contraria Indili-
gencia; e de tal arte foi o Sr. R. aprrseutado
ao publico como o menos habilitado dos pro-
flssionaes para emitlir juio acerca das virtu-
des da Iioiihc i j i. 11111. <. sendo asss notavel que o
Sr. embasbacado que assiin pretendeu ferir o
Sr. II. em sua reputaeo cirurgic*. nao dsse
copia dos ttulos de sua alta sabedoria, para
que do publico podesse ser acreditado, assim
respeito do Sr. It., como no que loca liomceo
pathia!! Todava nao duvidamos de que seja o
Sr. embasbacado urna cipacidade medica, e
conseguintemente auloridade na materia, co-
mo cumpre que o seja para poder ter vol nel-
li; mas uesta hipotnese, leudo convieco sin-
cera da veracidade da allopathia, e sendo io
succeptlvel de embasbacar-se, orno parece
por milagre de que santo se uo embasuacar
frca de repelidas publicaedes de curas ho-
iiiie.iji iiliins operadas aqu em Pernainbuco,
aqui mesmo no centro da cidade ? Comooniio
.mil isii.ie ir.m as asierces do Sr. Joao Vicente
M iimis no seu Medico do l'ovn, e de tamos ou-
tros campees da honirenpilhia? Como se nao
uiostrou possuido de grande pasmo pela con-
vers;o de mdicos allopathas!
Nao vio o embasbacado, por exr mplo, a de-
claracao descriptiva d' curativo houisopathi-
co, pelo Sr. Dr. Moscoso?!) K como em um
concurso ue Tactos de ordem til, nada vio de
anlogo quadratura do circulo, ao n gordio
que de prompto descortinou na declaracio do
Sr K. J. 11. ?!!.... Nem to calva Sr. eniDasba-
cado que os milos Ihe apparccaiul. .. Tanla
cegnefra fc logo uina vita to aguda ; lano ri-
gor aps tanta tolerancia, cousa be mu signi-
ficativa de sinistras intenedes..., e qu forca o
publico reconhecer no Sr. embasbacado um
pessimo defensor da allopalhia. cujas interes-
ses ha covardemente coinpromettido, procu-
rando bater-se com o inimign que menos o Ihe parece, ciincorrendo assim para que a fal-
sidade tome o carcter de facto falla de coa-
trariedade, ou um inimigo imbcil e impostor,
sedirigissea cupir sobre os conhecimentus ci-
rurgicos do Sr. F. J. R., por des.ibalo de pai-
xdes, ou por clculos de Interesse, ou urna e
Diid.i cousa ao mesmo tempo. ile isto o que
nos parece concludeote; mas quando asalto
nos expressamos, bem longe estamos de pre-
tender cortejar o Sr. F. J. R., porque s corte-
jamos verdade e a rasao. O pouco porlamo.
que parecer havermos produsido em abono
de sua pessoa, he dito em obsequio verdade
nicamente. Nada temos, pois, com o pessoal
doSr. R mas proveilando o ensejo dir-lhe-
hemos que nao tome lucio por insultos que
boje ninguem inais estianha. Come S. S. um
pao honrado, como he notorio, e tanto basia
para ser espancado pela moralidade, que s
com a immoralidade sympathisa.
Quanto homosopalla nao nos faremos car.
ga de sua defesa, pois nos reconbecemos in-
competentes para aveoturarinos qualquer jui-
zoque tendaa impugna-la oudelende-la.
Mas, porque o embasbacado a ridicularisa,
dado que seja elle urna foote de conhecimeuios
mdicos, nao he raso que a despreaeinos; bo-
mens distinctos pelo seu saber, ignoraram a
existencia de cousas que o progres>o das scien-
cas as tornou notorias. Fam.igerados medi-
coa. por exemplo, (cousa notavel) desconhece-
rain a circulaco do sangue que boje o vulgo
nao ignora.
ido mesmoengenho ; com casa de viven-
rantada por meu fallecido pai Cosme Fer-
Correspondeucia.
Srnaor"r7/aclor. Por ser mullo pouco ledor
de gazetas, velo tarde ao meu conhecimento
uina correspondencia insera em seu mu con-
ceituado /ario de 10 de Janeiro do crreme
anno, assignada por Domingos Francisco Ca-
valcanti, morador na comarca de Goianna, em
enjo foro litiga com miaba mal e manos con-
seuliorea do engeuho Borgcs do qual tainbeiu
se diz consenhor dilo Domingos Francisco Ca-
valcanti, que despeilado ou aolea lodo furia,
por ter sido demolida uina obra inuovada no
k-vantamento de urna casi de engeuho, embar-
gada judicialmente, maudou ao seu advogado
que formasae esse acervo de mentiras com o
Um talve/. de desvairando o julio publico, al-
irahir a sua coinpaixao ou desabafar seus re-
cenlimentos aem e recordar que ludo Isso po-
da ter umaresposta cabal, e queopublico
seuaato, guiado pelas principios de justica uni-
versal, nao condeinna a alguetn, sem priuieira-
ineule ouvir, mormente quando as accu*a;des
sao do porte dessai da correspoudeocia, que a
serem fundadas, deixam suppor nos culpados
um pessimo carcter, que Julgamos naoqua-
drar mesmo na pessoa do Sr. Domingos, assig.
nante da correspondencia a que nos referimos.
Com una mu curt narrafo que passamosa
fazer, demonstraremos ao publico as flagran-
tea falaldades do Sr. Domingos ou Ming, co-
mo be inais conhecldo.
Ha no engeuho Horges um sitio denominado
- Huraco que seinpre foi habitado por lavra-
dores
da levantada p .
reir de Mallos senhor unioo do ensenlio, posto
que nao o seja da totalldade das trras, em que
est fundado dito rngenho. Ncste silio, poli,
sempre habitado por forelros e lavradores do
engenho e nunca vendido a pessoa algiima.
pretendeu o Sr. Ming levantar um engeuho,
e para aso eomecou por derrabar a amiga ci-
sa .e vivenda do sitio, edificando-i em antro
lugar, a piucos pasaos de distancia da antiga
Casa derrabada, fizendo oulias obras comn
sen/alias, estribara, etc. depois do que tratou
de levantar a casa do engenho.
Nesse ponto foi que ivlnha mai e manos co-
nhecendo a lutencao usurpadora do Sr. Minga,
proposeram acc.io de embargo de ohra aova,
sendo embargada a casa do engenho, quando
apenas se tinhaai enflacada H) esleios.
Logo no terceiro da depois do embargo, re-
quereu o-Sr. Ming prestar cauco (rf oprr
tlemolicwln) sendo-lhe com tala a Justica gada. pos que inda nao eram passados os tres
mezes que marca a lei para ter lagar a cauco,
c apenas tres dias como ja dissemos.
Nao conseguindo a cauco, assrntou o Sr.
Ming, aconselhado por seu advogado, conti-
nuar no levantamento da obra embargada, e
resistir formal e escandalosamente ao preccito
judicial: edefeito conlinuou a nbra com gen-
te armada eengiierrilhada. faeudo alarde de
sua desobediencia, e todo de coaformidade
com o pirecer de sen advogado; que na pre-
Moca do !>r. juii de direilo, onde se Ifatava da
quesillo, disse ao seu constituidle Ming, le-
vante a obra por minha conta OITeiecidos os
ntigos de alternado, nao foram esles contesta-
dos a antes plenissiinaineiite provados econ-
fessados ; sendo a volca defesa do Sr, Vlng a
nullidade da eonciliaco e falla de procu-ador
emjuizo.
Ora, havendo nos autos certidao de eoncilia-
co feita pelo juiz de paz da cidade, eill raso
do impe tunalo dos <|ii ijro juizes do domici-
lio do Sr. Ming, sendo aquelle o mas vtiaho,
e havendo procuracao bastante em que minha
nii e manos coiislitiiirain ao Sr. Dr. Honori i
Fiel de Sygiuaiinga, que fui quem deu comeco
a aeco, e les a nellfu para o embargo de obra
nova, e nao sendo preciso acusar a aeco em
audiencia, porque o Sr Ming pedio logo vista,
e ncsle caso est prehencliido o fim da aecusa-
co ou proposieo da aeco, Como pensaia os
praxistas, e entre antros Vangucrvc e Borges
Carneiro Direilo civil loni. 4., e he corrale
qual devera ser a senlenca visla d i terminan-
te disposico da Ord. livro l.; titulo OS, para-
grapho i\, e livro .'1 *, mulo 78. paragra|iho 4 ?
Parece-aie eslar aliviado diter a lodo mundo
judicial demolico 1 deinollco! esoSr. Min-
g e seu advogado diserem pi' nu mas isto
litnos niaraviiha porque umbeai Dixilnsi-
ptens in tarde ena non tu Drui! Da certidao a-
baixo tranrcrlpta verao os leitores que se pro-
codeo a eonciliaco e que houve procurador
constituido em juizo, logo no comeco da BCCaTo.
Dada a senlenca de demolilo, seguio-se sua
execucu, porquaato he corrale cal direilo,
que nos interdictos possessorios a Bppellaci
nao suspende a execuco. Fes-se a demolico
coaioeri posstvel fazer-se, na mellior ordem,
altando presente o olficial do destacamento
com algumas iracas, afiai -de se previaireiu
|uaquer iiniatroi; nao houve proposito de
estragar tuda, como diz o Sr. Mingo, mas sendo
consequeacia da demolico o estrago de inulta
cousa, malta coasa licoa destruida por nao e pregareui os oiBclaea de justica os apparelboi
aecessarios para faier desccr Intactas pecas de
madeira de giaade peso; sendo falso ludo
inais que allega o Sr. Miag, que deve agora
exigir do seu advogado o valor da obra demoli-
da que elle maiidou levantar por sua couta,
vindo assiin o Sr. Ming a nada perder, por ser
o seu advogado cho e abonado
Coucliiiieiiios estas buhas asseveraado ao Sr.
Ming, que o Sr. juiz municipal pri.....iro sup-
plenle Joaqun! Rafael de Mello Jnior, nao
carece de noaaa defesa para se ressalvardas ca-
lumnias e injurias que l'oriiiigain nessa corres-
pondencia ou muxiailad.i que algueal prepa-
rou em nome do Sr Ming, porque quem co-
nhece de perlo ao Sr Rafael sabe que elle he
um Urasileiro muito boncslo e Inteiro, caja vi-
da tamo particular como publica, nao tem el
va, nem pode ser oll'cadida pelo viperino dea-
te de iiiii houieiii despeilado e lodo furia por
encontrar fortaleza e justica. Basta. Voltare-
mos ao assumplo, se oSr. Ming quizer.
Digne-se, senhor redactor, inserir em seu
conceiiuado jornal estas linhas com a mesma
11 i o.I o./ a iciin que inserto as do nosso adversa-
rio, o que muito obrigar ao seu inuilo aUci-
(oado patricio
Um dos hirdeiroi.
Dizein a vuiva D. Ignez Maria das Neves e
seus flllios cousenhores do engenho borges, si-
lo uesta comarca, que para seu direilo neces-
sitam que o escrivo Costa Leiie, a vista dos
aulas de embargo d'obra nova, que iiinvem os
supplicantes a Domingos Francisco Cavalcanti,
Ibes de por certidao se existe em dilos autos
eonciliaco expendida com o supplicado, assiin
como ceitlitiue se os supplicantes, logo que
ioniceaiaia a ;v can, coastiiuiraui procurador
eia ditos autos Tudo em modos que faca f.
P. ao lllm. Sr. juiz municipal primeiro luppieo-
le mande passai a certidao requerida. e. II. .11.
I'asse. Cidade deGuUuua, i4 de Janeiro de
1851. Millo Jnior.
., I ii rici ivo aaixo assignado, certifico que
revendo os autos de embargo daobia nova qut
move a aupplcaule D Ignes Maria das Neves e
seus lllhos major Bentu Beserra Ferreirade
Mallas, majar anloiiio MartlOi do Valle e ou-
tros, con ti a Domingos Francisco iJavalcauli, dos
incluios consta existir certidao da cuaciliacj
expendida pela supplicanie e seus lilhos lua o
supplicado Domingas Francisco Cavalcanli, as-
siin GOMO lugo que cumecavaiu dita ac^ejuii-
larain procura(ao os suppleutes cousliiuiudu
seus procura lores ao Sr. Dr. Joaquiui de Sou-
za Res e Dr. Honorio Fiel de Sigmariaga Vaz
Curado. He o que consta dos amos a visla do
pedido da |n nia.i retro, i prseme passe em
observancia ao despacho reiro ne.la cidade de
ti ,1.111 n.i aos 24 de Janeiro de 1851. Kscrevi e
assignei. km f de verdade. U escrivo, Joa-
i(iiiin Jos da Costa Liite.
W.VKSWK.
Hi'iidimnntododia 31.....19:423,052
escartegam Ao/'e 1 de fretro.
kscuna Draco mercadorias.
Brigne -- lima MatMlit farinha de trigo
llrigon WAn ferro.
RENDIMENTO NO MEZ DE JANEIRO
DE 1851.
Rendimento total 404:474.854
Dreitos de consumo 39(i:002.4>7
Dito de I por cenlo de reexporta-
co para os porlos estrangeiros 1,600
Dito dito para os parts do imperio 3,388
Expediente de 5 por cento dos g-
neros com raru de guia (147,192
Dilo de l/'Z por cenlo dos gneros
do paiz 448.805
Dito de I 1/2 por cento dos gene-
ros livre 109,224
Armazeiiagem de i por cento das
mercaduras 85S\6IR
lili da plvora 18,000
p,-.....,i de I/i p. c. dos assignados 4:774.413
Mullas calculadas nos despulios 311,805
lilas diversas 230,232
.'alales dos despachantes geraes 150,000
Keitiodus ululo, dos mesmos, dos
calxeiros despacliaales, e ajn-
dantes dos despacliautes 2,400
Fui do sello dos diio. nula-, 160
Kmolumealos de cerlidcs 18,51)0
Res. 404:471,851
as segunles etptdet.
Dinheiro 160:977 594
Assignados 243:497,260
Rrceila extraordinaria.
Novos evelhos direllos
recebidos dos emprc-
gados 39,000
Depsitos.
Km baloco no ultimo
de dezeinbro 3:785,205
Knlrados no correle
mez 782,508
Sabidos no corrente mea
4:567,713
1:165.783
Existentes Rs 3:401,9:
Nui i'guintes especies.
Dinheiro 568.320
Lauras t833.6l0
Alfandeg de Pernambuco. 31 de Janeiro de
1851. O escrivo interino, Francisco de Pau-
la tioncalves da Silva.
CONSIII.M) CERA.L.
tendimento do da 31.....3232.491
liversas provincias...... 117,lil8
3:349,011
expokt\;ao.
Despachos martimos no dia 29.
Canal, brigne ingle! Father Mntlheui, ile
367 toneladas : conduz o seguate 4,644 san-
cos com 2:1,220 arrobas de assucar.
I lem, brigue inglez Luuisa, de 245 tone-
la las : conduz o seguidle : 2,750 saceos com
13,750 arrobas .le assucar.
Liverpool por Macelo galera iugleza Co-
lumbas, de 411 1|V toneladas : c m luz o sb-
guinte : l,0JO saceos o 32 caUas com 6,770
airohas du assucar e 5 caixas com 10,000
BENDIMENIODO HEZ DE JWF.IRO DE 1851.
Consulado de 7 p. cenlo 73:825.101
Dito de 2 por cenlo 81.715
Dilo de 1/2 por cento 13,790
Ancoragcm para forado
imperio
Dita para dentro do dito
Direilos de 10 por cenlo
Expediente das capalazias
Selos
Emolumentos de cerlidcs
73:920,606
Diversas provincias.
Duiuio do algodu do
Jtio Grande do norte
Dito dilo da Parahiba
Dito du assucar da l'.ira-
hyba
Dito dilo das Alagoas
8:332,650
321.973
4.500
68(1.780
I 195.798
11,600
------------- 10:547,301
6,078
625,523
666. IN
3:536,535
Depsitos sahidos
Ditos existentes
99,780
1:192,729
4:724,339
89:192,246
Mesa do consulado de Pernambuco, 31 de Ja-
neiro de 1851. O escrivo, Jacome Heraldo
Maria Lumachi it Mello.
KBCKKGUUKIA de rendas geraes
INTERNAS.
Ileiidimnnto do dia 31...... 254,233
RENDIMENTO Di) MEZ DE JANEIRO.
Foros de lerrenos de uiariulia 24; 179
Laudemios......... 20511100
Sisa das bens de raiz..... 2:572j!lj4
Dcima addicional das corporaedes
de mo morta....... 2:428/>96
Direilos novos e velbos, e de chan-
cellara ......... a03//29S
Disaua da dita....... 18sir>\
-ello fixo, e proporcional 3:672/790
Premio dos depsitos publicas 29714
Imposto de corretor..... 200/000
Emolumento de ertides 8/uiO
luiposto sobre lojas, e casas de de-
coiitos......... 1:218/700
Dilo sobre seges...... 263/200
Dilo sobre barcos do interior 43/200
l'axa de e.cravm...... 946/OUO
Multa por iufraccoes do regulamen-
to............ 25/971
12:295^304
Rccebedoria, 31 de Janeiro de 1851
O escrivo,
Manat Antonio Simti do Amoral.
CONSULADO PROVINCIAL.
Remlimenln dodia 31......1:405,268
RENDIMENTO NO MEZ DE JANEIRO
DE 1851.
Direilos de 3 por cento 32:970,429
Direilos de 5 por ecuto 4:575,192
Capatasia de 320 rs. por sacca de
algodo 591.360
Dcima dos predios urbanos 20:062,833
Meia sita de escravos 904,800
I Novos e velbos direilos 302,2a


aja"
"
':
Selo de heranf as c legados 817,020
Cinco mil ra. por eacravo despachado 60,000
Emnluiiieutos de passaporles de pu-
lida ono
20 p. c. do cnisiiinn d'ago'ardente l.'ii .liim
Imposto deW-2,800 rs. n; mu
Dilo de 3 por cento lio.lino
Matriculas 100100
Multa 202.7119
Jato) 3,l3
neis. 60 859,771
Mesa do consulado provincial, 31 de Janei-
ro de I85i. O rscriviio da primcira secfo,
Joao Ign icio do Htgo
, Movimeato do porto.
Navios entrado* na da 31.
Parahiha 24 horas, hiate nacional Tres
Irmos, ie 31 toneladas, mestre Jos Hu-
arle de Souza, equipag.-m 5, carga toros
de mangue ; a Joaquim Duaile de Azeve-
do. Passageiros, os Brasileiros JoSo fran-
cisco Pimenlel e Antonio francisco Gua-
ta Ivs.
dem 2* horas, hiatn nacin! Nova Sania
Cruz, de 28 toneladas, ilustre Elias do
Rosario, eqnioagern 4, (carga couros; a
JV'n",r> Jos Iva.
4_i------ i_____g^^^^^^^^^ag
e.ltl'1'Alift.
Fago saber a quem convier que os dias
desigiados para os eximes preparatorios
serflo da maneira seguiuts :
(Vas segundasLalim.
as tercas--Rletiirica.
Nai quarlas- Lgica e Geometra.
N Nos sabbadosHistoria e Gxigraphia.
Fallan lo algum, subslitue com o segoin-
te, e no cas > da feriado, soja substitu lo pe-
la quinta feira. Secretaria da acidjmia de
Olinda, 31 de Janeiro d < 1851.
Visconde de Goianna.
O cnmmissario vaccina lor provineia
manda fazer publico os dous rticos abaixo
transcriptos, do decreto n. 461 de 17 de
agosto de 1846 :
a Art. 35. Ninguem po lera ser admittido,
matriculado, ou inscripto em qualquer es-
tabelecimento ollicial ou lilterario, publi-
co ou particular, sem que mostr primera-
mente que leve vaccina regular, ou bexi-
gasnaturaes, ou que fol vaccinado infruc-
cuosamenti! pelo menos tres vezes ; ncm
tontinuar nos ditos estabelecimentos, se
tres annos depois da pri'iieira, nSo tiver fei-
to nova tentativa seguida de feliz xito, ou
igualmente repetida nos termos deste re-
gola manto,
a Art. 36. Tdodos os individuos que en-
traren) para o ervico do exercito, ou arma-
da, ou os que furem admiltidos a estabele-
cimentos de edncagSo, ou ollicinas que es-
tejam a cargo do governo, seio primeiro
que ludo vaccinados, a menos que mostrem
estar preservados desta enfermidade, ou
que j tentaran) a vaccinaco nos termos
proscriptos ueste regulameuto.
Sala da vaccina, 30 de Janeiro de 1851.
_________Dr. Jnaqmm de Aquino Funrea.
k
Aria da opera Hnrbeiro di Seviha, pela
Sra. Augusta Candiani.
Duelo da mesma ojera, pela mesma so-
nliora o o Sr. Erkerlin.
O mili distinto artista Pernambucno o
Se. Pedro Nulasc) Biplista, or obsequio a
Sra. Candiani, executara na flauta aparte
le Adlgi7a no duelo da opera Norma --,
executamloa Sra. Candiani apartada or-
na, com ammpanhsmenlo de piano forte,
pelo disiinclo artista o Sr. Previg.
Aria do 4zzo, do maestro Donlzalti, exe-
cutada pelo Sr. Eckerlm.
A Sra. Candiani, cantara por comprazer a
muitas i essoas a modinha brasileira
Adore I iiiiiu almn impura.
Finalisa' o esp-etaculo com o muilo ap-
olaudido t>. t ila op i,i
FIGI.IA DEL RECCIME.NTO,
noqual aparecer a Sra. Candiani vestida
desoldado francz, "execulando em scena
lodas.is manobras militares.
Os bilhetes de Camarotes, acbam-sn det-
de j a oisposifo do respeilavel publico,
no escriplorio do mesmo thealro, bem co-
mo os de platea e galera
Augusta Candiani, pede toda a iudulgen-
cia epmtecgflo.
89
"2~-
Publicago illeraria,
ecl
aniones.
Da raen" I da guerra compra aeite de
carrap.ito o o de algodo : quem os mea-
mos ohjeclos quizer fomecer co nparega
com sua proposl no dia primeiro de fe-
veiro prximo vmdouro.
- A niatricula u'auta de philoso liia do
collegio das arles esta abena em casa do
respectivo professor, em Olinda, lodos os
dias uteis, de hoja at o ultimo demarco,
de conformidade com os estatutos do curso
jurdico.
\ lilaila obstetricia.
A matricula estar abeita desde o primei-
ro al o ultimo de fevereiro, e no dia 15
princpiarSo as lites.
CORHEIO CERAL.
Deven lo chegar a osle pot ti no dia 2 de
fevereiro prximo as 8 horas da noile o va-
por itiglez, e sen lo fahvel essa chegada, a
adminiatraeflo do correio faz publico que as
mallas que o mesmo tem de romluzr para
o Itio de Janeiro e Bahia, fechar-sa-ham 3
horas de.mis da chegada, quer seja de di
quer de noile.
U administrador,
Antonio use Gomes do Correio.
Thealro de Santa-Isabel.
41.* RECITA DA ASSICNATURA.
SABBaF.O, I DE FKVFKlinn oa 1851.
Espectculo lyrico e dramtico.
Depois que a orcheslra livr executado
urna bella ouveriura, a conipanliia lyrica
cantara o tercero acto da excellente opera
do maestro U->nizti
Auna llolcna.
Persanagent.
HenriqneVIH-OSr. Capurri.
Anua Rnlena A Sra. Candiani.
l.ord Perey OSr Felipe Tali.
Cuardasda torre de Londres.
A rompanhia nacional em seguida repre-
pr. sentara a graciosa comedia einiim aclo
OS IRMAOS DAS AIM\S.
Fndaaqual o Sr t;ayo F.rkvilin cantara
a aria de Nabucodonoior, do maestro Ver n,
seguindo-se pela Sra. Candiani e o Sr. Tali o
bello duelo do
Torqunto Tnsso.
Os Srs. Frederico T*t e Capurri, tambem
execularSooapplaudido dueto das
PISTOLAS,
do maestro Ricri.
Terminara o espectculo coma graciosa
farca o
RECRUTAMENTO NA ALDEIA.
Comecara as 8 horas.
Os bilhptes acham-so venda no lugai
do coslume.
lutsltulrouH le. Ilcito civil bra-
lleiro.
At o dia 15 de marco prximo futuro ha
le sahir luz o primeiro volme da obra
intituladaInstituicies de direilo civil b'a-
t'leiro-, dividida em d0usvolumes,e formu-
lada segundo o systema do jurisconsulto
Paschoal Jos de Mello Freir, do qual o
IAU autor colligio ludo, que nos he applica-
vel segundo a forrita do uosso governo o dis-
posicOes 'las leis fosteriores e uropriamao-
e hrasileiras, addiciouaiido-lhes as dispo-
sigfles destis applicaveis as materias expli-
cadas pelo citado distinclo professor. O
lito primeiro volume coinprelien le, alm
de todos oa ttulos do srguudo llvro do mes-
mo professor. enm exciuslo do titulo ler-
ceiroDe Patricia, Kqwbus, el l'ltbeis,
os cinco primeiros ttulos do terceiro livro,
e o segundo volume ha de comprehender,
alm dos restantes ttulos do tere -iro livro.
Com exclusAo do titulo novefe Successione
Naforatms, e do titulo dz.De Capellis,
os cinco primeiros ttulos do quarlo livro.
Siihscreve-se para o primeiro volume a
5.00J ris : na casa da residencia do Dr.
l.ourenQo Trigo do Loureiro, na ra da Sau-
dade defronle do los jcio, bairro da Boa
Vista ; o na livraria- da praca da Indepen-
dencia n. 6 e 8, at o da 15 de margo pr-
ximo futuro, e il .iii por diaute se vender a
6,400 rs., aos que nao tiverem subseriplo.
.us mesmos lugares ven le-se a 5,000 ris
o competidlo de Pra'ica do Processo.
ludir clll'OlloIogico fia le- i-la
laeao briiNeira.
Roga-se aos Srs. assig lantes dondice
chrom.logco da leginlagao biasileira~que
se sirvam mandar buscar o terceiro volume
lessa obra, na en mi da residencia do Dr.
Loureuco Trigo de l.ourero, na ra da Sau-
dade defronle do Hospicio, bairro da Boa
Vista. Ahi mesmo conlinua-se a subscre-
ver a 3t,000 rs. para essa obra, a qual ha
de compreliender em oilo at dez volumes
i parte dispositiva|e vigente de todas as leis
hrasileiras publicadas de 1822 at 184S, e
ouerecendo a mesma ulili lade, hecomtudo
minio mais commudo.que qualquer das Col -
li-pcfles exsleiites, e de menor cusi,que ca
da una dellas, na rasito de inais tres quar-
t"S parles.
Conitimncao la segando, serle lo
iuriiee cbrotioloxico.
Os Srs. que eomi raram a lagunda serie
do-lidice chronologicocomprehend ndo o
coligo diicomrnereio do iuiierio, acham-
-e a venda por 2.000 rs na casa da residen-
cia do |)r. L'iurenqoTrigo de L >ure'ro, na
ra da Siudade defronte do II ispicio, bair-
ro da II i.i Vista, a COnlinuacfio da di(a se-
gunda serie, conten lo al n de outrus actos
>IO poder ex>'Cui.o, o decroto n. 696 d^ 5
de setemliro de 1850, dan lo instmccOes
para a eleigflo dos memhros 'os trihunaes
docommerco.e o decreto n.7:17 de 25 do no-
vembo de 1850, dan lo regulamenlo pira a
ordem do juno no proc sso commereial, e
o decreto n. 738 de 25 do mesmo mez e an -
no, dando regulamenlo para os tnbunaes
do cummercio, e para o processo daqulles.
Manoel Jos de S Araujo, na ra da Cruz
do Itscife n. 24.
Para a Babia sobe com muita brevida-
de |ior ter mais de tnntade do carregamento
n bordo, a sumaca nacional Carila, mest'e
Jos .Gogalves Simas: para o restante da
carga e passageiros trata-se com o consig-
natario da mnsma .l.uiz Jos de S Araujo
na roa da Cruz n 33 .
Leiles.
O corretnr Oliveira far leilSo de es-
plendida mobilia e obras de prala, consis-
lindoomuma mesa dejantar nova elsti-
ca rara 24 pessoas, um guarda-louga gran-
de, cama de ferro para casados, duas ditas
mais pequeas, um rico altar dourado com
as competentes banquetas, um excellente
piano do* melhores autores ing-lezes, um
toticador grande de mognn, urna commoda
de Jacaranda com puchadores de prats, ca-
deiras de Jacaranda, qualro lindas serpen-
tinas de verdadeira folba de ca-quinlia, me-
sa de mngno redonda com tampo de pedra,
vasos de bronze dourados para llores, lin-
dos quadros de vistas na Italia e retratos de
afamados autores italianos, serpentina de
dous globos para cima de mesa, um rico re-
logio dourado dito, garrafas e copos de
cryslal, tigellas roxas dito para sobremesa,
e inuitns oulros ohjectos, inclusive um ca-
bra captivo, oplimo coziuheiro, al de mas-
sas : sabbado. 1. d fevereiro, is 10 horas
la miiiih.ia, na ra da Aurora u 58, primei
ro andar, casa do Sr. Ilerculauo Alves da
Silva.
O corretor Oliveira f.r leilSo, por or-
dem de T. Cailing, capitoda liare i ingleza
Ellen Brysan, em presenca do Sr. vice-con-
suldeS. M. Itrltannica, e por cotila o risco
le quem pertencer, dos salvados da dita
barca, naufragada nos rochedos denomina-
dos Ponta do Touro, na sua recente viagem
procedente de Cdiz com deslino Babia,
consislindo em todo o panno, inclusive,urna
mi una quasi nova, msslarcos vergas, paos
em bruto, ancoras grandes e pequeas,
crlenlas grussis, ditas miudas, faleixas,
agulhas de marear, manlimeiitos, ferra-
gens e muitns outros atligos, bem como
um ptimo clironometro, o qual, nao che-
gando a preco rasoavel, ser reexportado;
masemquanto aos refer los salvados, se-
rilo infalivelmente vendidos sem limites :
si'L'un la-f.-ira, 3 de fevereiro, principiando
as 10 horas da manhila impreterivelmenle,
no Irapiclio do Angelo.
-- Tergi-feira, 4 de fevereiro no armazem
de Campello lillio, llavera leilo de crea de
280 saceas cum farinha de mandioca a me-
llinr que ha no mercado, e em perfeito es-
tado, em lotes de 5 e 10 saceas, ou a vonta-
de iios compradores sendo esta venda rf-
fecluada para liquidacSo de contas. A
qualidade pode ser com antecedencia exa-
minada no referido armazem.
--G'orge Keiiwortby & C. farlo leilSo
oor interven.lo do corretor Oliveira de
gran'a vari lade de fazendas inglezas,
para fexar contas : terca feira, 4 de feverei-
ro. as 10 horas da rnanhUa, no seu arma-
zem, ra da Cruz.
--O correlorMiguel Garnatra, fara leilSo
no da terceira feira 4 do correnle as 10 ho-
ras da manteca, no seu armazem na ra do
Trapica n. 40, da una porcSo de cevadinha,
sahilo de diversas qualidades, tinta em oleo.
azi'ite doce lino, agurdenles e vinhos de
I ll'.T.'iil- s qualida les, tu lo muito em cun-
ta se vender, tanto a prazo como a vista
Avisos diversos.
Avisos martimos.
theatru dk afollo
SEGUNDA FEIRA, 3 DEFEVEBEIRO DE 1851.
Terceiro espectculo que da nesle thea-
lro a cantora Augusta Candiani, sendo este
do sen primeiro cunlrato.
Depois de urna escolhida ouveriura se-
guir-se-ba o grande rondo da opera
VESTAL,
do maestro Gianmni, expressamenle com-
posto e dedicado a Sra. Can Jiam, e por ell
ezecutad.
Aliada Cemmadi Vero', do maestro Do-
nizelti, execuiada pelo Sr. Eckerlm.
O mu distutcto artista o Sr. I'ievig, poi
obsequio a Sra. Candiani executar no pa-Itere no da 2 : os Srs. carrogadoresqueiram
o forte uiuaa variacdS.
Para o MaranhSo sabe com a maior bre-
vidade posavel 0 brigue escuna Laura, tem
excellenles commodis para passageiros,
quem no mesmo quizer carregar ou ir de
passagein, enlenda-se com o ca pililo a bor-
do, ou com Novaes & C, na ra do Trapi-
cho n. 34.
Para o Rio Crands do sul sabe em pou-
cos das por tero carregamento prometo o
laliMi nacional Eulrrpe, pode receber al-
gumas miud zas, passageiros e escravos a
frote : trata-se na ra do Apollo, armazem
o. 14, ou com o consignatario do mesmo
Luiz Jo> de S Araujo, na ra da Cruz nu-
mero 33.
-Para Lisboa sahe com hrevidadeo bri-
gue po tuguez Velos, capilSo Jos Thomp-
son, quem no mesmo quizet carregar ou ir
de passagem para o que tem excedentes
coinmodos, dirija-se ao referido capitSo,
ou aos consignatarios Oliveira Iruiosdt C ,
na ra da Cruz n. 9.
Vende-sc unta barcassa nova bem
conslruda, de lote de Imita e duas caixas
em arrumafJJo, por prego commodo, e a
bordo da mesnia se aclia urna purgan de fa-
rinha e arroz com casca de muito boa qua-
I idade, para se vender, por prego que agra-
dai aos compradoies : quem iretender
una coulra cousa dirija-sen ra do Co-
dorniz n. 10, venda de Mendea & Macieira,
a tratar coai os mesmos, ou no caes do lla-
mos, onde se acha tundeada a mesma bar-
cassa.
A escuna nacional Emilia, de quo he
capilQo o pralico Antonio Silveira Maciel J-
nior, deve seguir para o Pai por estes dias
para cujo poito anda pode receber algu-
ina carga e passageiros, al o uia 31 do
correle: oa pretndanles dirijam-sea ra
la Cr.iZ n. 13, a biliar com Jnao Carlos Au-
uslo da Silva, ou com o referido vaptAo.
O biate iVovo Olinda recebe ate o dia 31
do correte a carga que tiver de conduzr
para o MaranbSo, e at o dia 1.de leveiei-
ro a carga que liouver para o Ceara, con-
Ao publico.
Tendo eu feito puhlicar as circunstan-
cias, que acompanliaram o roubo, que sof-
fri no dia 26 para 27 de Janeiro, e a rala-
g.fo dasleltrase mais papis que loram in-
volvidos em dito rouho, apresso-me em de-
clarar que na noile de 28 do expirante me;
foi achado um lengo que cohria diversos
papis, que foram comprehendidos no re-
fer lo roubo, os quaes forain apresenlados
ao llini. Sr. delegado, que mandn lavr,u
o res i el i vii termo, do qual se ver quaes
foram as lettras, e papis restituidos pela
forma indicad* : estou na diligencia, e a
polica tem empregado todos os esforcos
para se descobrir o restante do roubo, e
quaes foram seus autores, o espero que bei-
de consegui-lo
Reitero os avisos que fiz acerca das lettras.
e papis anda nSoachados, e j requer ci-
lag-i edital dos deve lores destas lettras, a
qual sera publicada por este Diario em
ciimprimento da le, para conhecimento do
publico, e governodos interesados, que se
nSo pdem chamar a ignorancia em lam-
po algum.
Gabriel Antonio.
Termo de adiada.
4 Aos 29 das do mez de Janeiro de 1851,
nesla cidade do Recfe de Pernantbuco, en
casa de residencia do Dr. Francisco de Aa-
sis Oliveira Maciel, onda eu escrjvSo de
seu cargo me acliava ah, comparecern)
Joio llenriques da Silva, Manoel Ferreira
de Souza Uarbozs, o primeiro sngro de Ga-
briel Antonio, e o segundo caixeiro deste,
os quaes apresenlaram ao dilo delegado um
lengo encarnado, contendo urna porgSo de
lettras e recibos, os quaes papis declamo
o caixeiro ter achado as 10 horas da noile
do dia 28 do correnre na escada de seu pa-
trSo dito Gabriel Antonio, citando nessa
occasiflo presentes, e que virarn na occa-
siSo em que dito caixeiro ia feichar a porta
da casa, o mencionado lengo, Jos Domin-
gues Maya e JoSo Fiancisco Regs dos Ao-
jos, e passandoa ser exminado o mencio-
nado lengo, achou conter os seguintes pa-
pis : una leitra aceita por Francisco Gon-
galvesda Rocha da quanlia de 1.920,000 rs ,
urna dita aceita pelo mesmo de 1:760,000
rs. ; nina dita aceita pelo mesmo da quan-
lia de 2:080.000 rs. ; urna dita aceita pelu
mesmo de 2:136,500 rs. j urna dita aceita
pelo mesmo de 1:584,874 rs. ; urna dita
aceita por Jos Alves de Souza Rangel de
98,005 rs. ; oulra aceita pelo mesmo de rs.
I03,2>5; oulra aceita pelo mesmo de rs.
IOS 506; oulra aceila pelo mesmo de ra.
113.756; oulra aceita pelo mesmo ue rs.
119,006 ; urna dita aceita por Jos Mara Ce-
zar do Amaral de 50 000 rs.; urna aceita poi
Antonio Carlos Francisco da Silva de rs.
645,00o ; urna dita aceila por Manoel Mara
do Caldas UraudSo de 488.630 rs.; urna dita
aceita por Bernardino Jas Arantes de ra.
5:061,007; urna aceita por Manoel I.elimo
de Almeida de 157,788 rs.; urna dita aceita I residencia, ra do Aterro, segunJo andar
t :572.330; urna dita aceita por Manoel IIen-
'ique Wanderl'nyde 1:450,820 rs. ; urna di-
ta aceita por Francisco das Chagas Caval-
atiii de 1-135,000 rs. ; urna dita aceita por
itamingos Lopes de Sena, de 2 750 000 rs. ;
urna dita aceiti por Leonardo Bezerra de
Siqueira Cavalcanli de 13:180,436 rs ; urna
dita aceita por Jos Antonio da Rocha, de
l:6H,0>0 r*.; urna dita aceita pelo mesmo
de 4.900 000 rs. ; urna dita aceita pelo mes-
mo de 5 620,000 rs. ; urna dita aceita pelo
mesmo de 8 310.000ra. ; urna dita aceita
pelo mesmo de 7:060 000 rs.; urna dita a-
eii i por Manoel Alexandre de Souza de rs
881.000; urna aceita por Francisco Carlos
Hola de 660.000 rs ; urna dita aceita plo
mesmo de 300,tmo rs ; urna aceita por Ma-
noel llenrjque Wanderley de 1:701,410 rs ;
urna dita aceita por Innocencio Gomes Pin-
to do i:2.o,ooi) rs.; urna dita aceita pelo
mesmo, de 1:250 000 rs. ; urna dita aceila
pelo mesmo de 770,000 rs. ; urna aceila por
Jos Raphael da Silva Pao Brasil, de ra.
1:067,500; urna aceita pelo mesmo, de rs.
3:483,177 ; urna dita aceita por Manoel F-
lix del.ma Freir de 1:400,000 ra ; urna
dita aceita pelo mesmo, de 230,000 rs. ;
urna dita aceita por EstevSo Jos Paes Bar-
reto de 1:725,000 rs ; urna dita aceita por
Joaquim Coneja de Araujo de 164,691 rs.;
urna aceita por Jos Ignacio Cabral de rs.
647,660; urna dita aceita pelo mesmo de
723,120 rs.; urna dita aceita por Bernardi-
no Jos Arantes de 2:391,971 rs. ; urna cai-
ta por Manoel de Barros da Rocha Wander-
ley de 2 474,938 rs. ; uma aceita pelo mes-
mo, de 2 366,349 ra ; uma dita aceita por
Francisco das Chagas Cavalcanli, de ris
200,000 ; uma dita aceila pelo padre Joa-
I u i m Pinto de Campos, de 290,000 rs.; uma
aceita por Gabriel Antonio do Souza de ra.
260,326 ; urna dita aceiti pelo mesmo de ra.
233 no i ; uma dita aceita palo mesmo de
4t8,8.'6 rs.; uma dita aceila pelo mesnm de
155,640 rs.; uma dita aceita por Antonio
Jos Alves Ferreira de 300.000 rs. { uma
dita aceila por Francisco Cavalcanli de Al -
buquerque de 157,040 rs. ; uma aceita por
Antonio Pereira da Motta de 471,000 rs.;
uma dita aceita por Joiquim llypolito de
Vercosi, de 124,650 rs.; uma dita aceita
por Manoel Alexandre de Souza, de 1:027,580
rs.; una dita aceita por Antonio da Silva
iluto e BarnarJino Jos Arantes de ris
2:078.240 rs.; uma dita aceila por Thomaz
das Naves e Silva de 177,000 rs.; uma dita
aceita por Manoel Pereira ttarboza de ris
620.000; uma dita aceita pelo mesmo, de
100,0 i0 rs.; urna dita aceita or Congalo
Francisco Xavier Cavalcanli Ucha de rs.
1:392 65t rs ; urna dita aceita pelo mesmo,
de 1 605,089 rs ; uma dita aceita por Jos
do Reg Barros, de 3:400.000 rs ; uma dita
aceita por Antonio Jos Pereira de Menilon-
ga de 1:298,266 rs. ; uma dita aceita por
Mximo Candido Bezerra de Vasconcellos
de 114,940 rs.; uma dita aceita por Antonio
Jos Gomes de Almeida de 173,861 rs.; uma
lila aceila por Manoel Bezerra Cavalcanli de
1:100,000 rs.; uma dita aceita porSebastiSo
Cesoslres de Barros de 170,000 rs.; uma dita
aceita por Manuel dasNeves Gurj.lo de rs.
2:591,450; urna dita aceita por Jos Luiz
ie Caldas Los, de 1:484,000 rs. ; uma Un-
ir aceila por Jos Mauricio Wanderley, e
passada a Norberto Joaquim Jos Guedes
de 700.000 rs. ; oulra dita de igual quan-
lia passada ao mesmo Norberto ; uma dita
lo 200,000 rs. na conformidade cima ; uma
lellra c ita por Filippe Santiago de Sena,
de 105.000 rs. ; um recibo passado por
Agosliulio llenrique da Silva a Gabriel An-
tonio, mais dous ditos, ditos, ditos; um
recibo de Leonardo Bezerra de Siquelra Ca-
valcanli, 255 lettras aeeilas e pagas por Ga-
briel Antonio de diversasquantias; diver-
sos papis de pouca importancia, e chavi-
nba de carleira piesa em uma orla d' ago, e
.ma mais senJo encontrado houveo de-
legado este termo por lindo em o qual as-
siguou con as pessoas ja menciona las e
Julin l'oi lolia da Silva que como testemu-
uha assislio ao acto de axame. Eeu, JoSo
Saraiva de Araujo GalviioescrivSo o escrevi.
Oliveira Maciel.Jos omingues Maia.--
Joao Francisco Itegis dos Alijos. JuliSo
Portella da Silva.
Na noile de 26 a 27 do corrente mez de
Janeiro, fugio do engeoho Dourado da fre-
guezia dejpojuca, parlenoanla a Feliciano
lo Reg Barros Araujo, o escravo Manoel
Juao, crioulo, representa ter 30 annos de
i lade, baixo, grosso, cor prela, com alguos
pannos pelo rosto e peilos, nimio pouca
barba, i es grosso-, lein na cabega bastan-
tes marcas como de cutiladas, e um lobi-
ulio junto a orellia direila, suppOem-seque
a esquerda lenba furo para argola, he bas-
tante barulnenlo, levou cha.o de palha,
camisa de madapolSo, podendo andar de
caiga e jaquela e mudar roupa, por ter con-
ducido toda que linha euvolta em uma
maca de cuuro de ouvelba ; li g > qua fugio
soube-se delle al a poule de Moiocolonib,
passando ah junto com urna lileira que
entrava para a praga, heesuppOr. que te-
ma se dirigido ao lugar do seu nascimen-
to em Caruai ou em S. Jlo dos Potubos,
por ter all sido pegado em 21 de novembro
do anno prximo passado que fez a prioiei-
ra fgida, por ler sido comprado naquella
poca ao Sr. Antonio Ricardo do Reg, mo-
rador na praga, que o vendeu por ordem do
Sr.JoSo Flix Nepomoceno do eugeubo Ca-
muiengue fiegueziadeUuaou Barreiros:,ro-
ga-se a qualquer pessoa o peguem e levem-
uo ao dilo eugeuho, ou nesla praga na ra
das Cruzas n. 30, que sera generosamente
recompensado.
Eu, abaixo asignado, declaro que dei-
xei de ser socio da teliiiagSo e deposito da
roa da Croz n. 52, que gyrava debiixo da
lirma de Gougalves & Pires, (cando o socio
Jos Joaqoim Gongalves obrigado pelo ac-
tivo e passivo. Recife, 17 de Janeiro de 1851.
Jodo ilanoel Pire
--Piecisa-se alogar um andar de casa,
que lenha commodos para urna familia, em
urna ra perlo da do Vigario-: a tratar na
ra do Vigario n. 25.
Jos Joaquim Gaspar pretende ir Ba-
ha.
--Precisa-sede um caixeiro de 10a 16
annus para venda : na ra da Seuzalla Ve-
iba n. 102.
Leonor Carolina Citinho de Vascon-
celos, rofe-sora publica da cadeira de
pri nieiras lettras da freguezia do SS. Sacra-
mento do bairro da Boa Vala, avisa auas
almonas que principiara no exercicio do
seu magisterio no di* 3 de fevereiro, na sua
mandaros conbecimentos no armazem del por Manoel Joaquim de Mello e Silra de rs. I da casa n. 86.
I'esta do milagroso S. Braz na
i reja de V. S. do Terco.
Seg-inda-feira, 3 do corrente,
se festejar tomo he costume o
milagroso S. Braz, advogido das
gargantas, e ficar exposto por al-
guns dias no meto da igreja, espe-
rando a concurrencia de seus fiis
devotos.
Roga-se ao Sr. incommodado do Dia-
rio de Ptrnambuco o favor de declarar quem
oincommoda, eo queentende por lulinei-
ros. -- O ignorante.
Deseja-se fallar com a Sra. D. Leopol-
dina Cordeiro da Silveira. como se igno-
raaua morada, peJe-se-lhe annuncie pur
eata folha.
Atrs do quartel de polica n. 6, ha uma
ama para casa de pouca familia, que cose e
engomma.
A peasoa que annunciou querer com-
prar um sellim inglez Osado, querendo um
quasi novo, e um silho tambem no mes-
mo estado, pode ir er na ra Augusta n,
1, primeiro andar.
Os abaixo assignados fazetn sciente ao
publico, que o Sr. Antonio Jos Ferreira
Guimarfies deixoude ser administrador de
aua loj deselleiro, sita'na ra da Cadeia
do Recife n. 34, desde o dia 24 do passado.
Araujo & Penna.
Eu, abaixo assignado, fago sciente ao
publico, que desde o dia 24 do correte mez
deixei de ser administrador e socio nos lu-
cros da loja de sellairo da ra da Cadeia do
Recife n. 36, que gyrava com a flrm da
Araujo, Penna & Companhia, llcando eu,
abtixo asignado desonorado de tolo o ac-
tivo e psssivo da mencionada loja, que pas-
sa a gyrar com a lirma de Araujo Penna.
Recife; 31 de Janeiro de 1851.
Antonio Josi Ferreira Gulmarit:
O abaixo assignado tendo d fazer orna
viagem Franca declara quedeixa, duran-
te a sua ausencia, como seu procurador bas-
tante o Sr. Gosset Bimont para cobrar de
seus devadores e pagar aos seus credores,
podndoos interessados procurar o mesmo
Sr., na ra das Cruzes n. 28, a qualquer
hora do dia. -- Casanooa.
Aluga-se o primeiro e segnn lo andares
da casa n. 28 do Aterro da Boa Vista, e o
primeiro andar da da 38 da ra do Ran-
gel : a tratar na ra d'Alegria n. II.
O abaixo assignado declara que ainda
se cha embarazado com a fazen la publi-
ca como um dos fiadores do ex-almoxarife
das obras publicas, e por isso seus bens de
raz ainda nSo se acham livres e desemba-
gados para se ven lerem en praga. O abaixo
assignado nSo tem poupado exforgos para
se desetnbaragar desta nanea, e prometleu-
se-lhe por lodo o mez de fevereiro Picar II-
vre; eutSo vender bem bublico os seus
predios para pagamento de seus credores.
Manat F. Ramo*.
-Quem precisar de um caixeiro portu-
gnez para loja de ferragens, miudezas ou
armazem dejassucar, dirija-se praga da
Independencia n. 10.
abaixo a.ssie'aado roga ao
Sr. Casanoua, oficial de sade,
que lite aprsente aconta do que
1 lie he devednr o abaixo assigna-
do, para que, abateodo-se da
qu mti i de que he credor do Sr.
ojficialde sade Casanova, o re-
ferido abaixo assignado possa ha-
ver o saldo : sio dentro do prazo
de dous dias. llecife, 3i de Janei-
ro de 185 i. L. Pgil.
Precisa-se de um feitor portuguez para
engpnho : na ra da Florentina, esquina de-
fronte do thealro novo.
-- Precisa-se alugar um preto fiel e intel-
igente : na deslilacSo da travessa da Con-
cordia..
No dia 30 do prximo paasado, pelas 7
e meia horas da noile, desappareceu uma
escrava crioula, de nonio Benedicta, bixa,
cheia do corpo e denles da frente podres ;
levou vestido de chita branca j usado e
lengo encarnado no pescoco: roga-se a
qualquer pessoa que a pegar, leve-a a seu
senhor JoSo Caetano Coellio, na ra do
Amnrim, sobrado n. 19, que ser bem re-
compensado.
-No dia 29 de Janeiro, desappareceu de
uma porta da ra Direita, um cavalloen-
cangalhado, nm pouco sellado, bem feito
pela frente, e malfeito por* detraz, tem o
quarto esquerdo mais baixo que o direilo,
capado, bastante magro, cor russo pedrez,
carrega baiao e he pouco ardigo de chicote :
quem o tiver apandado leve a ra de San-
Francisco n. 10, quesera recompensado.
A pessaa que hontem foi a ra da Cruz
do Recife procurar Mano I Jos de Paiva,
para lhe entregar uma carta viola de An-
gola pelo b'iguo Velos, queira anounciar
a sin morada para ser procurado ou man-
da-la entregar ao mesmo que se lhe faz
muito preciso.
O abaixo assignado, morador na ra
da Cruz do Recife n. 29, com loja de sapa-
leiro, faz sciente ao publico que de noje
em diante se assignar por Manoel Jos Ber-
nardo de Paiva, isto por haver nutro de
igual nome. Manoel lote de Paiva
No dia 15 de Janeiro, dessapparecau
o escravo Paulo Erancisco, foi da fabrica do
engenho do linado desemhargador Maciel
Monleiro he preto de 40 a 50 anuos, tem I-
guns cabellos tu ancos de Naclo, estatura
ordinaria, e falla apressado, ha noticias es-
tar em Maiia Farinha em trras da propria-
dade da Sra D. Francisca Cavilcante : quem
o capturar ser recompensado fazendo delle
entrega a sou senhor que he Vicente An-
tonio do Espirito Santo no aterro da oa-
Visla n 62
A pessoa que levou dous garrafOes da
genebra do armazem da travressa da Madre
de Dos no dia 24, queira apparecer para
reilisar seu negocio.
Precisa-se de um ama de leile, que
nSo tenha linio : no paleo do Tergo n. 24.
Precisa-se de urna ama para cozinhar
e engommar para uma casa de pouca fa m-
lia, dando responsavel a sua coniuta: na
ra do Rozario, botica de Bartholomeu.
Precisa-se de um sitio peruano parto
da praga qoe esleja perto da mir : quera
tiver dirija-se ao atierro da Boa-Vista A. 86,
padaria.


mmm
!
Ilmbelina dn Silv Queiroi declara o
respeitavel publico para que pessoa algu-
ma nflo compre nem faca qualquer negocio
con 0. Maria da Penha Torrea, viuva de
Joaquim Jos da Costa, entile da declaran-
te, sobre urna morada de casa terrea n. 36,
na ra da Senzalla Nova do bairro do Recifa
dosta cidade, visto ser ella smente uso-
fruturaria dos ren lmenlos da dila casa : e
para quo nflo acont-^a qoo ppssoa ml in-
tencionada a induza a fazer algum nego-
cio fraudulento. Taz o presente annuncio.
O padre JoSo Capistrano de Mendonca
parlicipa aos seus alumnos, que a sua aula
particular, eslahelecida no primeiro andar
do sobrado n. 18 da ra das Cruzes, abre-se
no dia 3 de feverelro. Qualquer Sr. estu-
cante que ge quizer novamente matricular
em qualquer das materias que elle ensina,
o poiler procurar na mencionada casa, das
9 horas da mandila at is 2 1/2 da tarde.
Desappareceu, no dia 19 de
novembro prximo passado do cn-
genlto Cal, na cidade de Goian-
11a, o preto crioulo Luiz, de a8 ni-
os, bastante ladino, estatura re-
gular, bem preto, limito baibado,
cabelludo pelos peitos, cheio do
corp 1, o branco dos olhos bastan-
te alvo, bons denles, le ico es re-
gulares ; he olicial de pedreiro e
carreiro; julga-seestar nesta pra-
9a, porternella bastante conheci-
niento, ou para as partes de Agoa
Preta, onde havia pouco tinha an-
dado como pagem em companbia
de scu senlior Miguel da Cunha
Araujo Fiobeiro ; roga-se, pois,
a qualquer autoridade ou capitap
de campo que o apprehender, o
laca chear ao dito engenho Cat,
que sei recompensado.
Roga-se ao Sr. JoSo Pires Ferreira o fa-
vor de mandar entregar os Mesera vos que
se acham hypolhecados e penhorados, e de
que S. S. he depositario, por execueflo do
abaixo assignado, aflm de ser removido o
deposito pas onde por le competir, visto
queS.S. nio teni cumprido com os seus
deveres, subtrahindo os ditos escravos a
avaliaco, e mandando-os trabalhar para a
freguezia do Cabo, e queira uo lepelir o
mesmo que fez com a execoc3o de M. A. na
qual nooteou escravos a peuhora, que ja
eram morios, resultan Jo deludo isto que
Jims dias menos das haverflo mandados de
prisfio contra S. S. ~ Antonio Gomes Villar.
Joaquim Antonio dos Santos Audrade,
na qualida le de leslamenleiro e inventa-
rianle do casal de seu liuado sogro, Jos l'e-
retra Teixeira, tem dalo lodosos poderes
ao Sr. Jos Joaquim Lopes Pereira (.111 ma-
raes para cobrar amigavel ou judicialmen-
te as dividas do dito casal, e he com quem
de boje em diante os devedores se deverflo
entender.
Em virtule do annuhrio cima fago ver
aosdevedores do dito casal que, nflo pa-
gando aniigavelmenle, serflo chamados a
juizo stin conlemplacSo.
Jos Joaquim Lopes Percha Guimardes,
-- Traspassa-se o arrendamento do enge-
nho Queluz, silo na freguezia de Ipojuca.
vendendo-se a safra no campo, o engenho
he copeiro e bom, e tem bons cercados : a
tratar com Miguel Augusio de Olivefia, na
sua residencia no engeuhn Camassari, na
freguezia de S. Amaro Jaboalflo, ou com
Theotonio da Silva Vieira no engeiiho Ca-
XOeira da freguezia de Ipojuca.
No dia 22 do prximo passado dezem-
bro desappareceu de um matulo que eslava
comprando urnas fiizendas em urna loja, na
ra do Crespo, um quarlao rudado com urna
cangilha, o qual tem o ferro em cima d'an-
ca ; julga-se ter ido em procura de oulros
cavsllus, que tiiiham eulrado juntos o es-
ta va ni nos armazens de assucar : se alguem
o pegou e o quizer restituir, leve-o ao pa-
teo do Livramento, casa de Mximo Jos
dos Santos Audrade, que lite pagar as des-
pozas ese gratificar.
Oabaixo assignado pelo presente faz
sciente ao publico que desde o dia 28 do
correle deixou do ser caixeiro da loja de
cera do Alteiro da Boa Vista n. 73, perlen-
cente aoSr Augusto Duarla de Moura, ad-
verte porlsso que ao Sr. .Monia perlencem
todas e quaesquer dividas, tanto aciivas
como passivas, que a casa tem at esta data
conlrahido, pois que para isso lodos os do-
cumentos e lieni ni seu poder' assnn como
llc'i em seu poder um pinlior de ouro com o
peso de 11 oiiavas, perlencente ao Sr. J J.
de S. I, e porisso o abaixo assignado Pica
" de.'onerado de qualquer responsalidade que
posse occorer em dito eslabelecimenlo.
Recite, 29 de Janeiro de 1851.
Joaquim da Cruz Lentos.
O Consultorio botnceopatbico, O
O ruadoCollegio, n. 25,
O Do !>'. P. de A. Lobo Motelo. W
9 ODr. Hoscoso d consultas lodosos 0
i dias. Os doentes pobres sfio tratados -
** de graga. S serSo visitados em suas **
j casas aquelles que nflo poderem vir O
** ao consultorio, ou que suss moles- O
O lias nflo possam dispensar a presen-
O ca do medico. O
Ueve pubiicar-se al o dia ultimo do
correle a seguinle e interessante obra
Guia do Guardj Nacional.
Contendo a Ici n. 602 de 19 de setembro de
1850, que da nova organisaclo a guarda
nacional do imperio, e o decreto n. 722,
com as inslrucces para execucdJo da mes-
ma lei; a cojo decreto e instruccOes acom-
panham onze mappas ou modelos nflo s
relativos ao prnresso da qualificacflo, do
recurso de revista etc. como da economa
interna doscorpos, organisaQHo por muni-
cipios, porbatalhOes, companhia etc. Em
um volunte bem impresso com typos ho-
yos. Asslgna-se por 2,000 rs. cada exein-
plar no paleo do Collegio, casado livro
azul. Foixada asignatura custar cada
exemplar 2,500 rs.
Tendo rogado encarecidamente pelo
Diario aos aenliores de engeoho e lavrado-
res, que s3o devedores ap casal do tinado
Jos Antonio Alves da Silva, que viessem ou
nandassem pagar a mlnha qusrta parte que
mecnube em partilha no total das dividas
que de.jrem, e como at o presente nenhum
losditos Srs. me tenha procurado em mi-
nha casa n 34, da rna da Alegra da Roa
Visia, ealim de prevenir ou cobrar pelos
meios judiciaes, faco o mesmo pedido aos
Srs. devedores Simplicio Tavares do Mello,
Jos Cavalcanli de Alhuquerque, Andi de
Albuquerque Maranh.lo, llenrique Lins da
Cunta e Mello, Antonio de Albuquerque Ma-
rnnhflo Cavalcanli, Manoel de Araujo Ca-
valcanli de Albuiuerque Lins, ou seus her-
deiros, Christovflo Vieira Pessoa de Mello
& Irmo, Jos Tavares de Mello, Francisco
Cavalcanli de Vasconcellos e Mello, JoSo
Velho Brrelo, Affonso Jos de Albuquerque
Maranhfln, JoSo Tavares da Rocha, Jos Lou-
renijo da Rocha, Jos de S de Albuquerque
Gadelha e JoSo da Costa Villar. Minhamulher
lem necessi lade de receber a heranca que
seu pai Ihe deixou nestas dividas, e que ga-
nlioii com o suor de seu roslo ; 11S0 quer
empregar meios judiciaes, pois far um
grande sacrificio se para cobrar for impel-
lida, e oor raso-'.s tSo justas he que f presente annuncio. Marcellino Jos Lopes.
O abaixo assignado tendo deretirar-se
para fra do imperio, roga ao Sr. Loureuco
Pugit que lite aprsente aconta do que o
mesmo abaixo assignado Ihe he devedor,
para que, abatendo-se da quantia de que he
credor do Sr. Pugit, o referido obaixo as-
signado pbssa haver o saldo : isto dentro do
prazo de tres dias. Recife, 30 de Janeiro de
1850. Caianova.
%

a>

ta>




B>
8
S>
!8>
t>
B>
;>
*
t
U cirurgio Francisco Jos
Rodrigues, declara positi-
vamente a seus devedores
que, no prazo de oito dias
infalivelmente, contados da
data deste, se apersentem
em sua casa, na praca da
fioa Vista, no terceiro an-
dar, defrorite da matriz, n.
88, afm de ultimarem as
suas dividas. Este prazo,
portn, s se entende com
as pessoas da praca, pa-
ra as do matto se Ibes
conceder um mez, findo o
quol se proceder contra el- les com todo o rigor das *;
Lis Recife, a3 de Janeiro S
de 185o. *
abaixo assignado temi de retirar-se
para outra provincia desle imperio, pede a
todos os seus devedores que, por obsequio,
lenham a bondade de virou mandarem pa-
gar suas cuntas no prazo deoitodias. Tain-
bem lem para vender a armario da loja de
seu estabelecimenlo, no Aterro da Boa Vis-
ta n. 38. esla armacSo he de amarello, em
ni mo bom eslado, e pode servir para qual-
quer negocio. Recife, 28 de Janeiro de 1851.
J. Dente.
-- Fugio, na madrugada do dia 29 do enr-
rente, umcavallo rudado, bastante gordo,
castrado, dinas e cauda pretas, ripado de
novo, estando sellado e enfreado : quero
delle tiver noticias, ou o trouxer no sitio
junto ca pella do< AlTlictos, ser generosa-
mente recompensado.
Fede-se a tod-s as pessoas
que nao teem pago importancia de
biibetes de lotera, qur do Rio
de Janeiro, qur desta c Jade, te-
nharn a bondade de mandar ou vi-
rem pagar, na ra da Cadeia do
kecile n. s4, loja.
O professor de lalim da freguezia de S.
Jos do Recife, abaixo assignado, faz sci-
ciente ao publico, que dar cometo ao exei-
cicio desu'aula nol.' de fevereiro, e que
contiauar berta a matricula da mesma,
na ra Augusta, sobrado 11. 80 A.
Manoel Francisco Coelho.
0 padre JoSo Jos da Costa Ribeiro,
substituto das cadeiras de latim desta ci-
dade, abre a su'aula no dia 3 de fevereiro, e
continua a receber alumnos internos: ra
doQueiotadon. 37, segundo andar.
Ao publico.
No dia 2 de fevereiro partir o mnibus do
lugar do costume das 6 als 7 horas da
mantilla para o Poco, das 8s 9 voliar pa-
ra o Recil'e, e desie lomara para o Poc.o das
3 s 4 da larde, dando depois mais duas via-
gens ao llecifo, a primeira das 7 s 7 1|2, e
a segunda das 10 s 10 1|2 da noito, isto no
caso de haver n.# sufllcienle de pessoas.
-- Na Boa Vista, naSoledade, casa n. 70.
precisa-se de um criado e do urna criada
para casa portugueza.
Do rin;> je ni de Vicente Ferreira da Cos-
ta, na ra da Madre de Dos, desappareceu,
no dia 23 do correte, um barril com man-
teiga ingleza perlencente ao Sr. Francisco
Ferreira da Silva, com venda nos qualro
cantos do bairro da Boa Vista : roga-se en-
carecidamente a qualquer pessoa que por
engao o recebeu, o obsequio de o man-
dar entregar no armazem ou na venda do
Sr. Silva.
-- Fugio do abaixo assignado, no dia 26
do correle, o seu escravo Lino, crioulo,
de20 annos, cor preta, baixo, grosso, fal-
lo de um denle na frente da parle superior,
e os outros bastante largos ; costuma mu-
dar de roupa quaodo faz semdhanles fgi-
das, bem como a passear pelo Manguinlio,
Passagem da Magdalena, Casa Furto, M011-
teiio e Ueberibe : quem delle souber ou o
pegar, dirija-se ao arsrnal de marinha, por
cima da capitana do porto, que sera gene-
rosamente recompensado.
Thom t'ernandes Madeira de Catiro.
Fugio 110 dia 27 do correte um papa-
gaiocoiiirafeito, o qual levou urna argolla
no 1 quem o levar na ra do Pillar, venda
n. 145, recebera oito mil ris de adiado.
Precisa-se de um fetor qun entenda
dejardioi: na ra da Cadeia do Recie nu-
mero 37. .
Na padaria de Manoel Ignacio da Silva
Teixeira, na praca da Sania Cruz 11. 106,
precisa-se lugar um preto ou moleque pa-
ra o servico ordinario de padaria, poroin
que nflo beba mullo : paga-se 12,000 rs.
por mez.
Chegandoao conheci i enio (lo abaixo
assignado, que no dia 25 110 an lante foi sel-
lado 11 m panel com son no tic, ignorando o
seu conteudo, faz telante coi lempo, que
sua firma nSo est obriga la at hoje em
nenhum titulo de qualqu-r nalurezt que
seja. -- Jodo Alves de Soum.
Oabaixo assignado repHindo o seu
annuncio, faz lembrar o convito que Delle
fez sobre a Testa da Estancia que hale ser
00 dia 2 de Fevereiro e por isso espera que
o sonhores devotos nflo deixarflo de ap-
narecer para dar grabas a mesma Santissi-
ma Virgom.
Francisco os de Mello.
Roga-se ao Sr. JoSo l.ourenco Seixas
Jnior, vmdo em oulubro de 1850 no vapor
Imperador, haja de vir ra do Crespo n.
13, a negocio de seu nteresse, ou annuiiciar
sua morada para ser procurado.
Aluga-se o armazem da ra do Torres
n. 8, moilo proprio para socar assucar, por-J
j ter tnlo o mesmo eslabeleciineiito, e es-
tar com caixOis promptos e iu lo quanlo he
necesssrio para o dito estalecimenlo : a
tratar no mesmo armazem, ou na ra da
Cadeia do Recife, sobrado n. 1.
No Aterro da Boa Vista, loja n. 70, se
dir quem d dinheiro a juros com hypo-
llieca em casas terreas.
Salibado, 1 de fevereiro, porta do Sr.
I>r. juiz municipal da segunda vara, a hora
do costume, se hSo de arrematar, por ser a
ultima praga, as dividas pertencenles a Ma-
noel Ferreira Ramos, penhoradas por exe-
cuqSo de seus credores.
1.1 (.-o 's de traduzir, fallar e escrever
correctamente o franco/, inglez e poriu-
guez : no Recife, ra da Cadeia n. II, 1."
andar, das 8 horas at ao meio-dia, on-
leseensinar tambem geographia.
Na camba do Carmo n 14 precisa-se alu-
gar relos para tralialharem em pada-
ria, prefere-se aauolles que j tsnham pr-
tica, ou homens livres que trabalhem na
masseira e tenham alguina freguezia de
pilo ;assjm cunto de um homem que seja
verdadeiro padeiro.
No botequini de Santa Izabel haver todas
as nones de especlaculo,sorveie,lemhra-
se aos freguezes o troco dos bilheles, para
evitar-se os engaos; e assim s s o o ser-
vidos em primeiro lugar aquelles que apre-
senttrem bilhetes.
Itclaco dos bilhetes premiados da lo-
tera da Misericordia, vendidos na loja de
cambio da viuva Vieira & Filhos : na ra da
Cadeia do Recife n. 2i, sflo os premios se-
guinles: ns. 1659-4:000,n00 rs. 2,209
1 Ort.OOOrs. 5822 400,000 rs. 4649 -
20.000 rs. 4I0 100,000 rs. 2027
100,000 rs. 4u38 40.000 rs. 4876
40,000 rs. 2,095 40,000 rs.
i$ O retratista adaguerreolypo, 3?
I tendo de relirar-se com brevidade I
I desta provincia, o(Terece-se para du- J
* riile o ponen lempo que tem de re- &
* residir uesla cidade, ir tirar retratos
pelas casas das familias que os ira-
tenderen!, lamo na cidadecomoem |
qualquer sitio; as pessoas que pre- \t
C tendeiiderein dirijam-se a ra da Ca- id
ri dea do S. Antonio u. 26, segundo it
% andar.
t &
Quem quizer comprar um escravo de
nago, bstanle robusto, peritnno oflicial
de Calafate, e bom camin o, t uto de e uoa
aberta como de ca,reir : quem pretender
annuncie.
Precisa-se de urna ama de i lade para
desmamar e tratar com lodo o cuidado urna
menina, que seja pessoa capaz e d fiador
sua conducta; quem estiver nestas circuins-
tancias, dirija-se ao Monteiro, na casa de
Joflo Valenlim Villela, ou na cas> da I). Ma-
na de Cusmflo
Quem precisar de um moco portuguez,
Os Srs. Anlonio'Jos da Rosa e Veris-
simo Antonio de Mallos, o primeiro mora-
dor em alguit I........ ni Min'iii'l'r., eo
sngiin lo nesta praca, queiram se dirigir a
ra Nova n. 50, a negocio qua ll)M diz res-
peilo, ou alguem por ellas.
-- l're( isa-se de dous olflciaM de sara'.eiro
que qneiram trabalhar em una loja ne cal-
cados: na ra Dircila n. 56, difronleda loja
desell'iro do Sr. Carneiro.
tima pessoa quo relua-se para fra da
provincia, deseja comprar um escravo ofli-
cial de marcineiro : na camba do Carino n.
:t. (alienta.
$9<5<3$jQ<>0 <30QtaOO>QO
(j Kua das Orases n. "s. ft>
pv Consultorio homicopalltico do faculta- (
a tivo J. U. Cinanova. iy
-, Cralis para os pobres. X
j Na ausencia do facultativo J II. Ca- ^
*S** cQiinua i\ ni i >l ..t, i r ,(< ha...... i;illn I ^T
. sanova.o professor de lioniecitpathia
' (osset Itimont continuar com os 9
3 trabamos do mesmo consultorio, on- O
5 de po.ler ser procurado a qualquer &
3 hor>. O
S^xla feira 21 do correte desencami-
nb'iii um recibo ibjwde/. siccas de algo-
(ISo, recolliidas na prensa do Sr. Joaquim
Jos Ferreira, no da 4 de dezembro do an-
uo fin lo, com os nmeros seguintes 6257 a
6380, quatro Si; e seis, n. 62G7 a 6272, sen-
do 46 arrobas e 17 libras, que o aballo as-
signado comprou aos Sis. Carvalno & Maia,
com loja na ma du Crespo; por isso roga
a qualiiuer pessoa que tal recibo aclia-se
de entregar aoaunuticiantn em sua prensa
no Porto do Mallos, assun como previne ao
publico, que pessoa alguwa coinpie ditas
d"Z sacc Sr. Joaquim Jos Ferreita para nflo entre-
gar a [m s i .i slguma ditas saccas ou seu
produelo, por poi lencero o ao abaixo assig-
nado. Itecl jra ser o dito recibo passado ao
Sr. Antonio Fentandes de tal que as venden
aos ditos Srs. Carvialno 6i M na. KeClfij, 25
de de/e.nhro de 1850.
Manoel Ignacio de Ulivrir* Lobo.
I'ii nii-iiM- Irllr.i
'Oahaizo assignado, avisa ao espeitavel
publico que, desde o ilia 7 do rorrenle, a-
clia-se aberta a sua aula de primeiras lollras
na ra do Mondego n. 44 0 anuuncianle
continut a receber pensionistas, meios pen-
sionistas e externos. Por mais de urna vez
tem elle patenleado an publico as vmtagens
que offerece a sua aula pela rasSo da loca-
liladu, pelas accommo lac-s que a ca-
sa aprsenla, NSo poupar ceita'iteute es-
forcis o aiiuunciante para conseguir que
os pas de familias que Ine, cniliare n seus
lilbos, I i ti m inieiramente salisfeitos ;
nflos pelo que respeila ao tratamento ,
como ao pmg esso intelleolual e moral dos
meninos. Outro siin, para evitar que os
meninos frequentem oulia: aulas lora da
casa, perdendo issiffl lempo com prejui/o
(IOS COSlumes, oabaixo a-sunalo tem 68-
colhi lo meslre de msica vocal o instru-
mental, e bem assim professor do lingua
latina reconhecidauteiite peritos nessiis
(Datarias para direm llCfles aos alumnos
que se quizerem applicar a ellas. 1) abaixo
as.signalo espera do publico, e especiamen-
ta dos pais de familias moradores lru da
praQa, que aprecien! os e.sforrjos do aimuii-
ciante, animando o seu nascente mais [So
til i'-l li.de i o.....i o.
Francisco de Salles de Albuqnerque.
Em 25 do crrenle fugio do Corredor
do Sr. Hispo, sitio Campo Verde, um cavallo
de carro, mllalo, capado, estrella lo, cal-
gado da ni3o diroila e perna esquerda, e
tem sig'iaes da coleira no pescoc : quem
do mesmo souber e o levar ao mencionado
Sllio, ser recompensado.
Manuel Ignacio da Sil a Teixeira, com
potera na praca da S dita Ou/.. por haixo
do sobrado n. 106, continuadamente fabri-
ca rXCellente pSo, tanto de forma antiga,
como da provenga, e ontro mais inodc Do
de masa sevada, o qual no faz grande
nrarecozinhar: na ra da ConceicSo da
Roa Vista n. 11. _
9 ODr. J. S.Santos Jnior, O
% medico homoeopatha mora q
^ na rus Nova, n. 58, primei- O
a ro andar. O
- Aluga-se o terceiro andar, sotflo corri-
do com mu I tos quartos e grande cozinha, e
dOUS grandes miranlea, dn sobrado n. 13 da
na do Vigario : a tratar no armazem do
mesmo sobrado.
Compras.
Compram-se cadeiras usadas, e tam-
bem se trocam por novas, e mais diversos
irastes : na ra da Cadeit de Santo Anto-
nio n 18.
Comora-si um violSo : na ra Nova n.
20, loja de furrauons.
Conpra-se um carrinho de duas
para un civallo, n que tenha algum
(juein tiver, annuncio.
rolas
uso "
Vendas.
solteiro, de 22 anuos, para caixeiro de ven- apparencia, porm leva menos fennento, e
da, do que tem bastante pralica ( visto o!se torna maisagra lavel.e assimeomo toda a
ntesmo nflo estar salisfeito n casa em que jqualidade de torrados, seja holaxa furada a
actualmente seachaj: dirija-se ao paleo propoco da que viulia de Lisbi, de 4, 8,
do Carmo, botica, que se dir quem he. 116, 30 a 50 em libra, bolaxiuha intitulada
Precisa-se alugar um sobrado de dous regala, biscoulo e faiias da masma inassa,
andares, que tenha quintal, as ras Nova, |l0|HXa j,, commuin para vendas, e para
RotsriO larga, Cruzes, Cadeia, Collegio e ornato do tamaito que quizerem, 08 pre-
Queimado, do bairro de Santo Antonio: eos siloconforme a qualidade, pode mandar
quem tiver, annuncie I entregar pao todos os dias de manliSa ca lo,
Precisa-se fallar aoSr. Francisco Af- ja quem o encomendar, principalmente sen-
fonso Botelho a negocio de seu interesse : do na Soledad)-, Trempc al Passagem da
na ra da Aurora n. 52. I Magdalena,Manginho, Capunga al os,\ffiic-
Eogomma-se e lava-setoda a qualida-, los, e igualmente no Recife, ou podem
de de roupa com todo asseio e muita promp- mandar seus portadores a padaria, aonde o
tidflo, por preso mais commolo do que em acliarflo das 6 lioras em vanie escolllido,
outra qualquer parle : na ra de Aguas-Ver- ou para escollier, conforme cada um goslar.
des, n. 26. Os berdeiros de Francisco da Silva, de-
Manoel Marques Feroandes mudou o sejamlo liquidarem as conlas da casa de
seu eslabelecimenlo para a ra da Concei- seo finado pai, avisam aos devedores d
eflo n 8. I mesma, que quanlo antes bxjam.de appa-
- Na padaria de Manoel Ignacio di Silva recer para pagarem seus delntos, pois nes-
Teixeira, na piuca da Santa Cruz n. 106, ta d-i i lm clles aulorisado ao seu procu-
ha sempre o mellior caf muido, sem ter a rador, Antonio da Cosa Ribeiro e Mello,
menor mistura, e tambem em grflo ; ceva- para us>r dos meios judiciaes para cuinos
da torrada, molda e em grflo ; minio bom omissos.
cha hyson ; assucar refinado e em torrflo, prCisa-se alugar um moleque para
nSo vende uiais barato que os mais, porm Condu7r janlares a almncos para f-a : na
pode asseverar ser simples e boui : quem rua |arga do Itozario, boliquim defronte da
duvida venha ver.
O abaixo assignado, tendo
de retirar-se para a Europa, pelo
presente convida a todos os seus
devedores de vir ou mandarem pa-
gar suas contas at o lim do cor-
rente mez. Scasso.
Pede-so a quem souber, o favor de de-
clarar por esta lollia, em que lugar he a re-
sidencia do Sr. Joaquim de Figueiredo Li-
ma, ou quem seja neaia cidade seu procura-
dor, para tratar-se de uut negocio que dil
respeiluao Sr. Lima.
I'nulo Gnig-noiix, dentista *
tt francez, offerece seu prest- 9
ino no publico pura todos os #
# mlsteres de sua proflstsao : D
9 pode ser proeiirado n qual- 9
9 quer hora em sua casa, na #
*. ra larga <1o Itoztuio, n. 3, #
? segundo andar
Casa de comniisso de escravos.
Ns ra larga do Rozario n. *8, primeiro
andar, recebem se escravos para seiem ven-
didos por conta de seus donos, assim como
se comprant e vendem-se os meamos, toaos
os dias olis a qualquer hora.
bolica.
0 abaixo assignado faz sciente, que
desde o dia 28 do crrente mez deixou de
ser caixeiro da sua loja de cera, no Alerro
da Roa Vista, o Sr. Joaqim da Cruz Lima, e
por isso dessa data em diante nSo se res-
ponsabilisa por qualquer transac(,1o ou re-
cibo que o mesmo faga em seu minie.
Augusto Duarle de Moura.
Precisa-se de um f-itor : no
pateo do Collegio, casa do Livro
Azul.
O abaixo assignado, professor particu-
lar de primeiras leltras, disciplinado em
preparatorios no lyceu desta cidade, parti-
cipa ao res.eitavel publico'e aos pais d
seus alumnos, que segunda-feira, 13 do
Crrente a lirio su'aula, e debaixo dessa mes-
ma disciplina ensina por principios" a gram-
matica porluguera, latina france/a, ad-
iiii! i iidu uesse recinto pendonistas e meios
pendonistas. Os pais de familia que quize-
rem applicar seus filhos a alguuia dessas
disciplinas, nodem dirigir-se a ra larga do
Rozario o. 48, segundo andar.
Jos Mana de Fifueiredo.
Osupra assignado de luje em dianteas-
signa-se por Jo.e. Alaria Machado de Figuei-
rouo, por haver outro de igual iiome.
Precisa-se alugar urna ama para com-
Vende-se urna escrava de 30 annos pa-
ra todo o ervlco, por commolo pre?o : na
ra da Santa hita n 14.
Ven le-se rap Paulo Cordeiro, milito
fresco, cliega lo ltimamente : na ra da
Ca lela do Kecifo n. 51, luja de Joflo da Cu-
nln Magallifles.
Na na da Cadeia do Rtcife ha para
vend-r-se rap Paulo Cordeiro, desembar-
ca lo hoja na loja n. 59 e 63, da Jos Das
la Silva.
Venilem-se queijos londri-
nos, touci iho em mantas, ervi-
lli is verdes, conservas de todas as
plidas, cha preto, pos >ara pao
sem fermento, baldes para com-
pras e mais gneros ; tudo ltima-
mente cliegido de Londres : na
ra da Cruz n. 7, armazem de Da-
vis St Coupanhia.
Vende-se um canap de jacaran i, no-
vo, muito barato : na ra estreita do Roza-
no, loja de marcineiro n. 32.
Cobertores licspinhi-s
de cores, milito fortes e de lo los os lama-
nhos : ven le-se na ra du Crespo n. 11.
-- Veiide-sa urna preta cozinheira, lava-
leira, propria para qualquer servico, de bo-
nita figura emoca; a ra do CresAO n.
16. loja da esguini.
Casa de consignarn de escravos.
na ra lo ItOZflRrio larga 11. 2,
-i ^ 11 1 iio anda-.
Vende-so unta mulatiiitia de 14 annos,
que coso soffVivel e eugoinmi ; urna negri-
nha de 12 anuos, com principios de cos-
tura.
Vende-se urna escrava moc;a com al-
uumas Oibilidades: queu a quizer com-
prar, dirija-se ao llolel Francisco, que acha-
ra com quem tratar.
Ao Mustie corpo de commercio.
O lUinual djs iNegociautcs an-
nanciado por assigiaturas no pa-
iro do Collegio, casa do Li-ro
Azul, alm das materias de que j
se fez mencaO nos annuncios ante-
cedentes, contera mais .*
A tabella dos emolumentos que
devem ser cobrados pelas secre-
tabas dos tribunaes do commer-
cio, cuj tabella baixou em 3i de
dezembro, c veio do itio pelo ul-
timo vapor. Esta tabella ne de
urna necessidade momentosa para
is pessoas do c.unmercio.
U Mi.uialsaliir lut imprete-
rivelmente no dia 8 do corrente.
lNo dia 7 fechar-se-ba a assigna-
lura ; depois de fechada custar
cada exemplar 8,000 rs.
Ven le-so na roa da Senzalla Velha,
padaria n. 100, ao entrar pelo Rece 1 Largo,
superior faiinlia de mandioca, viuda u I ti
mamen e de S.nla Calba'ina ; por cada sac-
ca pagara o portador a pequea quantia da
2,000 rs. leva urna sacca nova de bom al-
go io/iniio, equereiido,(U'SCOiita-se-llio 260
rs. passaudo para outra sacca que love.
A 3,500 rs.
Vcndein-s saccas com milito : na ra da
Madre de Dos, armazem n. 21.
Vende-se urna c-rroCA em bom eslado
rom om cavado mellado, possanie e bas-
tante carnudo, por prego commod 1: quem
a pretender, dirija-se ao Partiameirim, na
venda confronte ao sitio do Sr. Leal, ou an-
nuncie o lugar onde quer que a leve para
ver.
Vende-se por preco com-
modo um preto, ptimo para todo
e qualquer servico externo e in-
terno de urna casa por entender al-
guma cousa de cozinha, tambem
serve para engenho, do que tem
muito pralica, he oleiro de fizer
formas e tellias, e carreiro: nos
quatro cantos da ra do Queima-
do, loja n. 2o, de Jos Joaquim
l'ereira de Mendonca : o motivo
da venda he porque, tendo o seu
natural senhor tomado-o em pa-
gamente, nao necessita de seus
servicos.
1 ai inlia de mandioca.
Vende-se na ra da Cruz o. 40, primeiro
andar, farinha de Santa Ctharnia em sac-
cas a 2 e a 2,200 rs., muito superior.
Na roa das Ciuzes, venda de Domingos
la Silva Campos, veo lem-se e alugam-s
as melhores bixas de Hamburgo, tanto em
por^ao como a relalbo, por preso commodo,
ILEGIVEL


gragt-v. ><"-'
-...
Bombas de ferro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Brum ns. 6, 8 e 10,
fundir fio de ferro.
Arado9 de ferro.
Vendem-se arados de ferro de
differenles modelos : na ra do
Brum ns. 6, 8 e io, fabrica
de
machinas e fundicn de ferro.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
RA DA SF.NZAI.LA NOVA N. 42.
Neste estabeleeimento conti-
ma a haver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenho, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, pa-
ra dito.
Vendc-se snpcrior fnvinlia
gallepa, em rucias barricas : no escriplorio
do Dmm Yonle & C, ou e.n seu armazem
do becco ilo Congatves.
Chumbo de municao.
Vende-se no rmazem de J.J. Tasso J-
nior, ra ilo Amorim n. 35.
Vendem-se amarras de ferro: na ra
da Senzalla nova n. 42.
A l,6oo rs.
Vendem-se novos cortes de brim tranca-
do escuro com iluas varas e meia cada corte
a 1,600; cassa francoza de bom posto,'2,fino
rs.; recas de cspuiBo de alpodao com 12
varos, a 2,400 rs. a peca ; cobertores de al-
gndio de cores, a 720 rs. : na ra do Cres-
po n. 6. Inja ao p do lampeSo.
Deposito le cal virgeni.
Na na do Torres n. 12, ha muito supe-
rior cal nova em pedra, chepada ultima-
mente de Lisboa no brigue Tarvjo-Terceiro.
Cnbecadas inglezns.
Vendem-se cahegadas inglezas rolicas e
chatas, loros e silbas de 19a: na rna do Tra-
pialie n. 10.
SSSF.
Farinha nova da marca SSSF, chegada
ltimamente: na ra do Amorim n. 35, ar-
mazem de I. J. Tasso Jnior.
Potassa da Itnssia.
Vende-se polassa da Russia, reeentamen-
te chegmla, e de muito superior qualidade :
na ra do Tr piche n. 17.
Taixas para engenho.
Na fundico de Trro da ra do llrum,
acaba-se de receber um completo sorlimen-
to de taixas de 4 a 8 palmos de bocea, as
quaas acham-se a venda por prego com-
nniln, e com promptielflo embarcam-se, ou
carregam-se em carros sem despezas ao
comprador.
Moendas superiores.
Na fundido de C. Starr & Companhla,
em S.-Amaro, acham-se a venda moendas,
de canna, todas de ferro, de um modelo e
coosUucgSo muilo superior.
Cimento.
Vendem-se barricas com superior cimen-
to, chepado no ultimo navio de Hamburgo
na ra do Amorim n. 35, armazem do J. J.
Tasso Jnior.
Deposito de polassa e cal.
Vende-se muilo nova e superior potessa,
assim como cal virpem e pedra, recente-
mente chegada de Lisboa, por prego rasoa-
vel: na ra da Cadeia do Recife n. 12, ar-
ma zem.
Grande sortlmcnto de charutos
da fabrica de S. Flix, no ar-
mazem ili ('.rorro & Coiupanliia.
rna da Cruz n. 21.
SSo rhegadus este armazem os verda-
deros charulos repalos, regala, cacadorrs.
depulados, venus, senadoras e soberanos
de llavana, ( m caixasde cen e 250, por pre-
gos rasoaveis.
Chapeos.
Maia llamos & ('.., na ra Nova n. 6, aca-
ba de receber vmdo de Franga pelo ultimo
navio, ricos chapeos de seda com pluma e
tranga, para meninos e meninas, e poden
afiangarque neste peero he o melhorque
tem vindo a esta cidaJe, os quaes se ven-
deo por prego commodo.
-- Vende-se urna boa escrava cozinheira,
muilo lele sem vicios, assim como urna
outra mucama, costureira e eopomroadeira,
cuja conduela e molestias se alianga : na
ra larga do Itozario, luja n. 35.
A pobreza.
Vendem-se cebollas americanas pelo ba-
rato prego de 80 a 160 rs. a restes, e a 320
rs. u cenio das solas : nos armazensdo bec
rodo Congalves, junto a casa da Sra. Viuva
Lasserre.
Deposito de cal e potassa
Cunlia 8 Amorim, na ra da
Cadeia do Becife n. 5o, recebe-
ram petos ltimos navios de Lis-
boa Novo Vencedor, Carlota
Amelia barris com cal virgem, f
vendem, tanto a cal como a po-
tassa, por menos preco do que em
outra qualquer parte.
Para fechar coritas.
Vende-se cera de carnauba, courinhosde
cabra, sola e urna palanca com bragos, con-
chas, correntes de ferro e pesos, propria pa-
ra armazem de carne, venda ou bordo di
emharcigSo : ludo por prego comrnodo ; na
ra dos Tanoeiros, armazem n. 5.
Arados de ferro.
Na fundigSo da Aurora, em S. Amaro,
veodem-se arados de ferro de divorsos mo-
delos.
Deposito da fabrica de Todos os
Santos na Baha.
Vende-se, em casa de N. O. Bieher&C
na ra da Cruz n. 4, algodSo transado da
quella fabrica, muilo proprio para saceos di
assucar e roupa de escravos, por prego com-
modo.
ntigo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
aaaaaaaaiaaaaaaaaai^aaia>
muito superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa
no brigue lami 111.
Roga-se nos frcKuezes que tenhain
. toda atteneno para o novo sor-
timeiito pie. existe na loja la
ra do_ Crespo n. 6, ao p do
lampead.
Vendem-se cassas pintadas de cores fixas
a 260 e 280 rs. o covado ; cortes de brim
blanco de linho puro, a 1,920 rs ; ditos de
fu si So muilo finos, a 560 o 610 rs.; cassa
preta propria para luto aliviado, a 120 rs. o
covado ; -/liarle de cor, a 200rs. ; riscado
de linho para casacas, a 2*0 rs o covado, e
outras muitas fazemias por prego commodo.
Cal virgem de Lisboa,
da mclhar que ha no mercado, e
chegada ha dias pelo brigue Ern-
preza : trata-se com A. C. de
Ahreu, na ra da Cadeia do Re-
cife n. 37.
Na ra estreita do Rozario, travessa do
Qucimado, Inja de mjudezas n. 2 A, de J.
F. dos Santos Maya.wendem-se cordas de
tripa e bordOes para violSo eiabeca, o pa-
pel pautado para msica, ludo da melhor
qualidade possivel.
Fio para sapa tclro e para saceos.
Vende-se um reslante dooplimo fio para
sapateiro em novellos, e dito em meiadas
para saceos, por prego commodo para li-
quidar facturas : em casa de Adamson llowie
ai Cun; imlia, ra do Trapiche n. 42.
Vendem-se relogios de 011-
roeprata, patente inglez : na ra
da Senzalla Nova n. t\i.
Farinha de mandioca.
Vende-se farinha de Santa Catharina, a
melhor que existe no mercado, em saccas
ou sem ellas, por prego mais cmodo do que
ero outra qualquer parte : na ra da Cruz
lo Nenie 11. 40, | rimen o andar.
O antiRO barateiro do parsselo
publico 11. 1 I, loja de Flrniiano
Jos Itodrigues Kerreira.
A111111 liria s sepuintes fazendas romo se-
jamchilas francezas linas de ricos padres,
a 310 rs. o cova lo multo larga; casimiras
superiores, a 7,000 rs. o corle ; ditas mais
ahaixo, a 5,000 rs. ; meias casimira, a 3,200
rs. o corto cortes de setim macan de co-
res, a 4,000 rs. ; panno lino preto, a 8,000
rs. o covado; chapeus de maga francez, a
7,000 rs.; selins lavraiios para vcsiidos de
senbora, casas* chitas de cores, a 1,880 rs.
o corle ; cambraias transparentes, a 2,000
a pessa de 10 varas ; gorpurOes de seda, a
1,200 rs. o cirte de colete ; cortes de cohe-
tes de 1.1 e seda, a 500 rs. ; chales de 13 e se-
da ; ditos de cambraias hiancos e decores,
lirios de linho de quadros, ditos trangados
le ancos e do cOres, lazenda mullo superior;
cutins de linho para pallilores, lila supe-
rior, princeza, lengos de camhmia de bi-
co, bicos e rendas de linho, lengos de seda
de cores, castores de cores e por todos os
pregos J madapolVs finos, a 3,200 3,500
3,600 3,800 4,000 4,800 5,000 e 5,500 ; su
petiores chitas de lolas as qualidades, e
um sorlimenlo completo e nutras imir.ensas
fazendas que se vendeao a pregos que agra-
iiarSu aos Srs. compradores.
Tecido de algodSo trancado na fa-
brica de Todos os Santos.
Na ra da Cadeia n. 5a,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
fVjrlrff 9-
w
-
8>
B>
i

-
para curar da phlysica em todos os seos
differenles graos ou motivada por consti-
pagOes, tosse, asthma, pleuriz, escarros de
sangue, dorde costase peitos, palpitagSo
no coragSo, coqueluche, bronchites dor
na parganta e todas as molestias dos orgSos
pulmonares.
De todas as molestias que por heranga f-
eamaocorpo humano, nenhuma ha que
mais deslruitiva lenha sido, ou que tenha
znmbado dos esforgos dos homens mais
eminentes em medicina, do que aquella
que he geralmente condecida por moles-
tia no bofe. Em varias pocas do se-
cuto psssado, tendo-se offerecido ao publi-
co diflerentes remedios com atlestados das
extraordinarias curas que elle tem feito ,
porm quasi que em todos os casos a Musito
tem sido apenas passageira e o doente
torna a recabir em peor estado do que se
achava antes de applicar o remedio tilo re-
rommendado oulro tanto 1180 acontece
com este extraordinario
Xarope de bosque.
Novaes& Companhia, os nicos agentes
nesta cidade e provincia, nomeados pelos
Snrs. R. C. Yates & Companhia, agentes
geraes no Rio-de-Janeiro mudaram o de-
posito deste xarope para a botica do Snr.
JosMariaG. llamos, na na dosQuarleis, n
12, junto ao i| uai le de polica, onde sernpre
acharSo o nico e verdadeiro, a 5,500 rs.
cada garrafa.
Mohilia d'oleo nova.
Vendem->e marquezas d'oleo, urna meia
commoda de amarello, urna cama de dito e
mais diversos trastes, por prego eommodo :
na ra da Cndeia de .Santo Antonio n. 18.
Na 11 e.Miia casa precisa se de dous aprendi-
ces para aprendeiem o ollicio de marcinei-
ro e de um envernisador.
mmmmmm.mmmmmmmmmm
Manteletes e capotinlios. 9
Na loja do sobrado amarello, nos S
: quatro cantos da ra do Queimado &
n. 29, ha para vender-se um cumple-
to sorlimenlo de manteletes, capul- P
3 nbos e palitos para senhora, prelos e S
$ de cores, os mais modernos e de me- |
"I; I llreoslo, tanto em cores como em
al eufeites dos que aqui tem viudo.
o deposito da ra da Moda n. 15,
ha para vender superior cal em pe- *
dra, recentemente chegada de Lis- *
bAa, em o brigue Concetcdo de Ma- *
ra, por prego rasoavel : tamben ahi S
se vendum pesos de duas e de urna
arroba, por prego commodo ; ha ^
.y tambom effeclivarnente no mesmo ^
y deposito barnsdemel para embar- 43
* que. -c
Farinha a a,000 ris
a sacca : vende-se no armazem de Campel-
lo Fiiho, ra da Cadeia do Recife n- 64.
Vendem-se 10 saccas de superior car-
nauba ; 250 courinhos de cabra ; 13 pares
ib- sapalOes dncouro de lustro, mu bem
feitns o de talho moderno ; urna loalha de
bretanha de linho com lavarinto, n.uito bem
acabada e lina : ludo se vende por commo-
do prego: ni ra da Cadeia Velha n. 24,
primeiro andar, de mandila ats 9 horas,
e a qualquer hora da tarde.
Deposito de e-pclhosdas ma-
nafaetnras de Franca : na ra do
l'a.-scio n. I9.
He baratissimo.
Vendem-se sapatdes de couro
de lustro a 1,600 e a 3,000 rs. ,
preco dos sapatos ordinarios, e
livre da massada de engraxar-se :
na ruada Cadeia do Recife, loja
numero 9.
A 400rcls.
Vendem-se as mala superiores chilas lar-
gas, francezas, de todas *s cores, gostos in-
teiramente novos, imitando seda, a 400 rs.
o covado : na ra do Crespo n. 14, loja de
Jos Francisco Dias.
Vendem-se arados america-
nos dos modelos mais approvados;
na ra do Trapiche n. 8.
Pechinclin.
Vendem-se ricas cassas francezas, de lin-
dos padres e de cores zoes, rdxas, ama-
relias, cor de roza, etc. Eslas cassis silo
de lislrase com delicados desenlio, e tor-
na-se muito recommendavel, tanto pela
qualidade, como pelo deminuto prego de
480 rs. a vara : na ra do Crespo n. 14, loja
de Jos Francisco Das.
Na nova loja de Ignacio l.ni/, de
Britto Taborda, na ra
do Crespo n. 1 o,
vendem-se fazendas moderriissimns e por
diminutos pregos, como sejam : cambraias
de quadros, superior fazenda, a 280 rs. o
covado ; lencos de seda de peso, a 1,800 rs.;
cortes de meia casemira, a 4,000 rs.; cha-
les de cadago, escuros, a 1,400 rs. ; casene-
tas de cores, a 960 e 1,200 rs. o covado; e
muitas outras ltimamente chegadas, que
se mostraro ios compradores, e se dei-
xam ir as aniostras.
..Vendem-se corles de chitas linas com
12 covados, pelo barato prego de 2,600 rs ;
trangas pretas |ara capotlnhos; bonetes
para criangas, e turbantes muito lindos pa-
ra hapti7ados : ra da Cadeia velha, casa
n. 24, primeiro andar.
58ooo.
Vendem-se chapos do Chile pequeos,
muito finos, a 5,000 rs. cada um : na ra da
Cadeia Velha 0. 40.
Heperlorio systematico do cdigo
commercial hra-ileiro.
Acaba de publicar-se no Rio
de Janeiro urna nteressante obre
mu.nulo (J repertorio >ystema
tico do cdigo commercidl brasi-
leiro por dous jurisconsultos Jo5o
Antonio de Miranda e Caslilho.
He obra da maior utilidade para
a prompta comprehensSo e con-
sulta do novo cdigo do commer-
cio. Acha-se venda no pateo do
Collegio, casa do Livro Azu
Vendem-se duas travs de boa madeira,
com 20 palmos de comprimento e de palmo
em quadro, por prego commodo : na ra da
Penha n. 25.
Vende-se urna escrava de 25 annos, a
qual sabe muilo bem cozinhar, engommar e
ensalmar em Fra de Tortas, ra do Pil
lar 11. 145.
-- Vendem-se, permutam-se e tambom se
alupam duas moradas de casas terieas, si-
tas em oanla, ra de S. J0S0, em lerreno
proprio.com grande quinial e cacimba :
lia la 1 1 111 (llin.la, sitio clelionte do Lupe.
Vendc-se urna porgflo maior ou menor
de beijoim em p : in ra larga do Rozario,
na venda de J0S0 Manuel Itodrigues Va-
lenga.
Vende-se urna preta de nagSo, de boni-
ta Figura, de 19 a 20 annos, que cose, en-
gomuia bem, cdzinha o diario de urna ca-
sa e faz lodo o servigo : as Cinco Puntas,
sobrado de um andar n. 36, das 7 at s 10
horas da manhSa.
Salsa-pnrrillia
ltimamente chegada do Par pela escuna
nacional hmilia, e desembarcada em 28 do
crrente mez de jaueiro : vende-se no
criplono do conelor Olivosa.
Vende-se farinha de man-
dioca, vinda de Santa Catharina,
a 3,100 rs. a sacca, e sem a sacca
a 1,90o rs. ; na ra da Fraia nu-
mero 3a.
Continua-se a vender manteipa inple-
za, nova, a 610 ; dita franceza, a 480; cif
em gr3o, a ICO ; cevada, a 80 ; cha, a 1.440,
1,920 e 2,400; chocolate de Lisboa, a 320 ;
villas de carnauba de 6, 7 e 8 em libra, a
320; esperroacele de 5, 6 e 7 em libra, a
700 rs.; Iclria, 1 200; macaran, a 160;
passas, a 240 ; 1 niicinliu de Lisboa, a 280 ;
arroz bf anco, a 60 ; dito vapor, a 90 ; gom-
Vendem-se duas escravas crioulas, mo-
gas e sem vicios, urna das quaes he recolhi-
la, entornilla c cozinhi o diario, que se
vende por motivo, que se patenlear ao
comprador ;a outra he de campo, ptima
trabalhade:-a deenxada : na praga da lloa
Vista n. 10.
Vendern-so caixss de charutos de San
Flix de 50a 100 a 2e4,000rs. : na ra da
Cadeia do Recife 11.15.
MiM a. j' .#' M M i&^ ji&'Sfr j^5fr@B
fr Algodao para saceos,
t Vende-se muito bom alpodflo para
>. saceos de assucar, por prego commo-
' do: em casa de Ricardo itoyle, na
A ruada Cadeia n. 37.
A elles antes que se acabem.
Vendem-se sapatSes de bezer-
ro francez, fetos no paiz. a a e
a,4oo rs. ; ditoa de lustro,
i,5oo, 3.000 e 4ooo rs ; na ra
da Cadeia do Kecife, loja n. 9.
Vendem-se superiores charutos, sola,
couros de cabra, pennas de ema, sipatos
brincos, ditos de couro de lustro, cera de
carnauba e chapeos de palha : tudo isto
mais barato do que em outra qualquer
parte : ni ra da Cadeia do Recite n. 49,
primeiro andar.
Tinta para escrever.
Vende-se excellente tinta para escrever,
em frascos de mais de garrafa, a 480 rs. ca-
da um frasco : na livraria ns. 6 e 8 da pra-
ga da Independencia
Vende-se um preto de figura, corpo-
lento, de 35 a 40 annos pouco mais ou me-
nos, proprio para qualquer servigo, e que
serve tambem para andar embarcado por
ter disto alguma pratica : qnem o preten-
der, dirija-se ra "da Cadeia Velha, loja
numero7. '> ",
Vendem-se dous terrenos, a saber : um
no Aterro dos Afogados, do lado da marc
pequea, com perto de 800 palmos de fren-
te sobre a ra Imperial, o outro em Santo
Amaro, com um lado sobre a roa da Auro-
ra e oulro sobre a estiada de Luiz do Reg
com 200 palmos de frente: qnam pretender,
dirija-se ra da Cruz do Recife n. 51 pri-
meiro andar.
Casa de coiisignngo de escravos,
na rna do Hocarn larga n. 22,
segundo andar.
Vendem-se oito escravos mogos, bons
trabilhadores de enxada ; dous moleques
de bonitas fipuras.de 18 annos, sendo um
bom carreiro; e duas negrotas Je bonitas
figuras com algumas habilidades.
Graxa n. 97.
Vende-se a'vcrdadelra graxa n. 97, muilo
em conla : na ra da Cruz n. 42, a fallar no
armazem de fazendas.
Vendem-se 15 acgfies da companhia de
Reberibe: na ra da Cruz n. 52
Vende-se urna parda de 28 annos, en-
gomma e lava com perfeigSo, cose, prepa-
ra uma sala com todo o asseio e cuidado,
he muito carinhoaa pira meninos, sem vi-
cios, o motivo da venda se dir ao compra-
dor : na ra do Hospicio, casa terrea com
solSo, defronte da casa n. 17.
Panno verde Invislvel.
Vende-se paono verde invisivel, muito fi-
ro e baratissimo, n3o se menciona aqui o
prego porque cauzaria isso urna admiragSo
aos preterulentes, a ponto de 1180 fazerem
conta, e d zerem, sem virem ver a grande
pechincha, ora isso nSo pJe ser panno
bom ; he este o motivo por que s se dir a
vista dos compradores e do dito panno ;
tambem reslam algumas pegas de ganga
cAr de cinzi eamarella, propria pan pali-
tos de meninos, que para acabar com bre-
vidade so yender.lo a 6,000 rs. a pega, e a
meia pataca o covado : no Aterro da Boa
Vista n. 18.
-- No becco do C.ongalves, armazem do
Araujo, vende-se superior farinha de man-
dioca a 2,000 rs. a sacca, chegada ltima-
mente do Cear.
Vende-se bacalho de esca-
ma, muito superior fazeada, a
6,5oo rs. cada barrica : no arma-
zem do Annes, no caes da alfin-
dega.
Vende-se uma boa escrava de 20 an-
nos, perfeita engommadeira, ensinada de
proposito por uma casa estrangeira, cose
clian, ensaboa bem, sabe servir a uma mes
le jantar, tem bonita estatura e linda appa-
rencia : vende-so pelo coslume de brigar
com suaa parceins mais antigs : a fallar
com JoSo Vignes, ra larga do Rozario n.
28, primeiro andar.
Le da guarda nacional.
Vende-se o peculio do puarda nacional,
contendo a lei, regulamento e o mais preci-
so para a mesma, a 1,000 rs. cada exem-
plar: na praga da Independencia, livraria
ns. 6 e 8
Vendem-se os trastes seguintes : uma
secretaria com uma estante em cima de ja-
caranda, uma mesa de mcio de sala de di-
to, uma carteira d'oleo, uma escidinha de
subir para cama, ludo com uso e um par
le bancas de dito : na ra da Cadeia de
Santo Antonio n. 18.
~ Vende-se o estabeleeimento da casa de
pasto, na ra do So" n. 93, com ludo quan-
to existe dentro da mesma osa, os preten-
dentei dirijam-se ao passeio publico, loja
n. 11, que se l'ara todo o negocio.
corrento mez, o cuja lista deve vir pelo pri-
meiro vapor.-
-- Vende-se um carro de duas rodas, mui
forte, pintado de novo e com lodos os ar-
reios uecessarios : a tralar na ra da Auro-
ra n. 48, segn to andar.
Escravos fgidos.
Uilhetrs do Hio de Janeiro.
Aos 20:000,000 rs
Loja de cambio da V. V. Filhos, ra da
Cadeia do Recife n. 24.
Pelo vapor Paraente, entrado dos portos
do sul no dia 26 do crrenle, recebemos os
mui afortunados bilhetes e meios da 12a lo-
..... .. ....., a uv t uiiv ........ ..., ^um- iiiiii a inri una mus umiicittb u iiicius u i* it#-
ma, a 60;queijos novos, frescaes, a 1,600 :|teria do thealro de S. Pedro de Alcntara,
do pateo do carato, veoda nova n. 2. cujas rodas devem ter andado ao dia 92 do
--So dia 16docorrente fugio do enge-
nho Sapucaia, freguezia de JaboatSo, dous
escravos pardos, um de nome Paulo, de 26
annos, hsixo, grosso, bstanla barbado, ca-
bellos pixiim e com uma belide pequea no
olhoesquerdo ; Vicente, quasi preto, de 25
annos, alto, de bonita ligura ecom signaes
de castigo as nadegas. Os mencionados
escravos s8o naturaes do Ico, he muito de
presumir terem para alh seguido, ou para a
povoagSo dos Patos, em Sirid, onde tom o
Paulo prenles livres : quera os capturar le-
ra de pralilicaco a quantia de 100,(100 rs.
No dia 26 de Janeiro de 1851 fugio do
engeoho Muasumb um escravocrioulo, de
nome Pedro Sertanejo, de 35 annos pouco
omiso1 menos, baixo, fula, cheio do cor-
po ps grossos, muilo, airada e ciliado;
levou chapeo de pilha usado, carniza de al-
godSo, tendo abaixo da abertura uma cruz
setvido de marca, lengol e sirouias cura-
pridas de SlgodSo : quem o pegar [ser bem
pago ; Bilver I imlo-sii porm, so for preso
para o sul, levem-no ao Sr. Jos Gomes Leal,
morador na praga do Recife, e se lr para o
nnrle, conduzm-no 10 dito engenho Mus-
sumb, comarca da piedade de Goianna, ao
padre Jos de Figueiredo.
vimwmm*1* rnmmmm'iimmm m
U mulatinho Agostinho
fgido.
1 Na noite de 11 para n do |
[ passado ausentou-se o es- J
m cravo Agostinho, pardo a- 2
[ caboclado, cabellos prelos e *
lisos, ps grandes com os de- 5
dos grandes grossos e camba- ];
dos para dentro ; he ilho do j
sertao, muito lallador e fo- '.
ta: roga-se as autoridades
policiaes, capitSes de eani-
po, assim como a toda e^
qnalquer pessoa qne o en- '
contrar, de prende-lo e con-
dtizi-lo a seu seuhor Hen-
il to Jos Taveira, na ra da
i Cruz 11. ao, que no s paga-
p r todas as despezas, como
S olTerece uma generosa re- .
compensa a quem o trouxer. -S
--Desappareceu, no dia 29 do correte,
de 8 para 9 horas da noite, do lugar do Aler-
rinho de Cequia, uma escrava crioula, da
17 annos, bonila ligura, de nome Maria,
bem preta, com lodosos denles ; levou ves-
tido preto de chita com flores brancase pan-
no da Costa : quem a pegar, levo-a ao mes-
mo lugar a Flix de Cinlilicio de Barros,
quo ser bem recompensado.
Fugio no da -21 do pascado mez de de-
zembro, o preto Antonio, de nagSo Cabin-
da, representa ter 45 annos de idade, altura
regular, cheio do corpo, rosto abocetado,
muito cabelludo nos peitos ; levou caiga e
jaquel de ganga azul, heolicial de caldei-
reiro da fabrica da ra do llrum n. 28 ; tem
sido encontrado em diversas ruasdesti ci-
dade, em Santo Antonio, Boa Vista, AiToga-
dose Corredor do Bispo, ora em uma, ora
em outra parte, e ltimamente teve-se in-
formagSo que seguio para as partes de San-
to AntSo : roga-se, pois, quem o appre-
nhender, leve o aos senbures do mesmo es-
cravo, Mesquila & Huir, na dila fabrica,
quesera generosamente recompensado.
Fugio no dia 24 do correle do enge-
nho Tapera, sito na freguezia de JaboaUo,
o escravo de nome Jos, de nagSo Nag,
cojo simes caraclerislicos s3o os seguintes:
corpo e altura regulares, olhos salientes e
vivos, sem barba, Com falla de denles, ros-
to talhado, ps giossos, representa ter de
idade 30 anuos, ho muilo ladino; a vista
do exposto recommenda-se aos capilSes de
campo a captura do dito escravo, pelo que
sern generosamente gratificados.
Fugiram no dia 15 do corrente, tres es-
cravas crinlas do engenho Mundo Novo,
por nomes ipnacia, S -linda e Feliciana,
sendo a Selinda fllha de Ipnacia,cuja repre-
senta ter 14 annos ; a Ignacia 10, pouco mais
ou menos ; e Feliciana 25 a 30 ; estatura da
Ignacia regular, seca do corpo, queno
cahiJo, falla de denles, ps bastantes lar-
gos, cor bem preta ; Selinda cor preta, bo-
nita ligura, beigos grossos, tem em um dos
bragos uma queimadura de fopo; Felicia-
na altura regular, cor vermelhi, beigos
grossos, bastante barriguda, tem ms cos-
tas urnas marcas ; levararo vestidos difle-
rentes: roga-se aos Srs. capitfles de campo
e as autoridades policiaes de aa aprehende-
las e levallas 10 dito engenho, ou na ra do
Vigario n. 13, que ser generosamente ra-
feo o pensado.
.Fugio na noite de 24 de Janeiro deste
anno do engenho Cargad da provincia da
Parahibi do norte, um escravo crioulo,
cor fulla, de nome Jos, idada 95 annos,
trabalha de pedreiro ealfaite, eentendea
barbeirn, bastante ladino, estatura regu-
lar, suissa por baixo do queixo, seco do
corpo, tem um soiaque quando falla, sendo
esta descangada, tem os denles peifeilos, e
urnas maiiclns no peito, oque vulgarmente
chamam panos. Il disconflanga qiiMseguis-
se para IVrnambuco, alim dalli se evadir
pin o Rio do Janeiro, amula j esleve e
tem prenles ; levou toda a roupa, he um
tanto lila, que bem pJe illudir em passar
por loj 10 ; no dia 25 foi visto na cidade da
Parahiba vestido de jnquela preta, caiga
branca, chapeo lino, com uns chinellos nos
ps, tambem leva caiga do algodSozinho
asul e camisa de chita da mesma cor : roga-
se a todas as autoridades encar'regadas da
polica, capitaes de cimpo, e mesmo a qual-
quer ontra pessoa,que aprehendam dilo es-
cravo e levem-no a provincia da Parahiba a
seu senhor Joaquim Cumes da Silveira em
seu enpcnho, ou em Pernambuco ao Sr. Ma-
nuel Gongalves da Silva, que receber ris
200,000 de pralilicagao.

II FGIVFI


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETTBBDSOS_RLJYAW INGEST_TIME 2013-04-13T00:35:00Z PACKAGE AA00011611_06311
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES