Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06310


This item is only available as the following downloads:


Full Text
tSSP"
Anno XXVII
Sexta-feira 31
partidas sos coaacios.
Goianna e Parahlba, s segundas e sextas Tetras.
Kio-Grande-do-Norte, todas as quintas feiras ao
meio-dia.
Giranhuns e Bonito, a 8 e 23.
Uoa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, < quintas Tetras.
Olinda, todos os diai.
L i. hit y i 11 i imi i m
PlUSIS DI LOi,
paiimniDis.
Nova, a 1, as 3 h e42 m. da m.
Cresc. a 9, as 0 h. e 36 in. da m,
Chela, a 16, as I h. e 9 m. da m.
Mine, a 22, s 7 b. e 19 m. da t.
de Janeiro de 1851.
N. 25.
rBUMIB DE BOJE.
Primeira s 4 boras e 30 minutos da tarde.
Segunda s 4 horas e 54 minutos damanha.
PHECO DA SDBClllPIjio.
Por tres meies fadiantados) 4/000
Por seis meies > 8,000
'Porumanno 15/000
DJAS DA SEMAlVA. CAMBIO 1> 30 DE JANEinO.
27 Seg. S. Vilallano. Aud. 28 Tere. S. Cyrllio, Aud. da Chano, di, J. da se-| Paris, 320 por fr.
gilnda vara do c. e dos feltos da fizenda. | Lisboa, 85 a 00 cin*vin
29 yuart. S. Kranc. de Sales. Aud. do J. da 2. vara. Ouro. Onvas hosp-inholas .... 20/000 a
30 0"'"t. S. Mirtinlu. Aud. do J. dos orf. c do ni. Moc.las de b>400 velhas. ItjjuUO a
da primeira vara. de (i/lOH novas 16/000 a
31 Sext. S. Pedro Nolasco. Aud. do J. da 1. v. do ci-,' de 4J000....... O/"1"'
vel, e dos feitos da laiendi. Prata.Patacdes brasilelros.... 1/M20 a
1 Sab. S. Ignacio. Aud. da Ch. c do J. da 2. vara' Pesos cnlumnarioi..... 1/920 a
do civel. Ditos mexicanos........ 1/680 a
- Doiii. l'urllicacao do N. Senhra.
20/500
lbr200
16H200
9/100
1,1*140
i/940 '
1/700
i*./^^K*uasVsMVQ!
PARTE OFFICUL.
est em erro manifest quindo pensa, que
iiKo lhe compete mais a attribicSo, que 1 lio
fui conferida pelo citado art. 56 da lei dn
1.' de outubro de 1823. porquanto a lei pro-
vincial de 1845 posterior a lei de 13 de
innio de 1840 dando ittribuicOes i empre-
ados provinciaes por ella criados; nSo pri-
vou a cmara municipal das que por lei go-
r.il lhe foram conferidas, e a intelligencia
em sentido contrario alm de forjada e ar-
bitraria he inademisaivel, porque suppoo a
inconstitucionalidide da lei provincial por
exorbitante das attribuicAes da assembla
provincial, sendo c-rto, como he, que pela
dsposicSo do artigo 10 7 da lei de 12 de
' da
a referida de 12 de maio de 1840, lhe nlo
compete alterar as altribuicoes de enipre-
gads estibelecidos por leisgeraes, em cu-
ja classo indubilavelmente se comprohen-
dem as cmaras municipoes; em visla do
que he liquido, que deve a cmara munici-
pal desta cidade cumprir o preceito do art
56 da lei do 1. de outubro de 1828, que es-
t em inteiro vigor, e escolheudo cidadSos
com as qualidades, que a mesma lei requer,
he de acreditar, que satisfacam esta incum-
bencia independenle de estimulo da sanc-
(9o penal.
Portara. Mandando dar transporte no
convez do vapor Imperatris, como pissagei-
ro/lo governo at a provincia da Baha,a Sil
vano inas d za, e at o Rio de Janeiro a Antonio Deme-
trio Goofalves Correa, que foram escusos do
servico militar
Dita.-* Mandado dar passagem para a cor-
le no vapor Imperatriz, como pissageiro
do governo ao ajudante de milicias, ail.l lo
ao 4." halilhilo de cegadores Antonio de
Souza fondin, e bem assim pira a provin-
cia da Baha, ao ex 2 cadete de primeira li-
nda Pedro de Alcanlra Madeira Varrellas, ha
pouco escuso do servico militar.
Commando das armas.
Quarltl do commamlo das armat na cidade do
Red fe, em 27 de Janeiro de 1851.
* OltDEM 1)0 DA N. *0.
Por conveniencia do servico autoriss-
c3o conferida pelo F.xm. Sr. presidente des-
la provincia em oflicio de 16 do crrente
datado, o commando dos forte de Caib e
Nazarelh, que he actualmente exercidu pelo
Sr. capitSo do eslado manir de primeira
classe Antonio Francisco de Sooza Maga
Ities, aera al ulterior deliberado, devidi-
do, liculo uo commando do deGaib o
mesmo Sr. capitn MagalhSes, e no de Na-
zarelh o Sr tenente ajudante JoSo Marinho
Paz Brrelo. Esta disposiefio lera seu de-
vi.lo efleito no dia primeiro de fevereiro-
proximo vindouri.Assignado,
Joie Vicente de Amorim Bezerra.
,
*
GOVEKiN DA PIIOVINCU.
EXPEDIENTE DO DIA 24 DE JANEIRO
DF. 1851.
OlUeio.--Ao Exm. presidente das Ala-
gnis,dizendo que para podercumpriroaviso
que remelle por copia, no qual o Exm. Sr.
ministro esecretario de estadodos;negocios
da marinha, recommenda que faca activar
a conclusBo do litigue que so est- cons-
Irulnd no arsenal de marinha desta pro-
! vinca, faz-se preciso que S. Exea, expela
i suas ordena no sentido de gerem postas no
deposito do Jaragua com a hrevidade pssi- Rosto de 1831, explicado pelo art. 2
s~ la Maii4( i .. i.i.l.. ..i., 1.1 ,4,1 i Uta I ln
vel aa madeiraa mencionadas na relecHo
que tambem remelle, asquees anda faltan
para a c'onstruccSo do dito brigue, dignan-
do-sede avisar logo- que ellas all entejam.
nliin de ir o patacho Pirapama conduzi-las
para esta capital.
Hito.Ao commando das armas, intei-
rando-o de haver resolvido em vista do que
A illegou aquelle commando e o do oitavo
" bitillio de cscadores, que o tenente do
quartn de fuzileiros Jos Joaquim da Bar-
ros, nSo siga no vapor Imptratrit que tem
de partir amanhSa para o aul.
Dito.Ao mesmo, para que no dia 36 do
corrale seja postada em frente da igreja S.
Jos urna guarda de honra, para assistir a
festa do Senhordos Afilelos, a qual dever
illl permanecer at lio lar-so o Te Deum a
ooite.
Dito.A thesonraria de fazenda, para que
em vista desua oformic3o, e sb a respon-
sabilidade da presidencia, nos termos do
decreto de 7 de maio de 1842, mande abo-
nar a pagadoria militar a quantia de ris
30:000,000, para occorrer as despejas da ru-
brica torca de lindaem o mez corrente,
por estar concluida a consignacSo destina-
da para osse llm.Intelligenciou-sea mes-
ma pagadoria.
Dito.Ao juiz relator da junta dejustica,
transmillindo para serem a presentados em
sess.1o da mesma junta os processos feitos
aos soldados do segundo batalhlo dn arti-
llara a p Cosme Jos Pereira e JoSo Jos
Ferreira.-liiteirou-se ao commando das
armas.
Dito.Ao juiz de direilu da comarca do
Bonito, dizendo (car inteirado dehaver-se
concluido no termo de Caruar, a revisan
dos jurados, que devem servir no crrente
anno, e de 1180 se ter procedido a mesma
reviSo no termo do Bonito, por nSo haver
ainda retnetlido o respectivo delegado a lis-
la da qualilioicSo como devia.
Dito.Ao delegado do termo de Caruar,
para mandar pora dsposicSo do respectivo
juiz de direilo, emquanlo durarem os tra-
balhos do jury daquella termo, urna guar-
da de polica para seguranca e garanta do
iiio tribunal, devendo Smc. prestar seme-
Idnnte guarda todas as vezes que Ide Por
requisitada pelo dito juiz, independente de
ordem da presidencia.Comniunicou-se ao
mesmo juiz.
Dito.Ao major Corolano Vellozo da
Silveira, dizendo que visto nSo estar Smc.
impossado no commando do piimeiro bila-
IhSo da guarda nacional do municipio de
Serinhaem, como allega em seu oflicio de
4f do corrente, n5o ho obrigado a eucarre-
garse da organisac&o das listas por com-
panhiis do mesmo bataldSo, para seren
a presentadas no respoclivo conselho de qua-
lilicavao, mas que, querendo ple fszer
esse trabalho.
Dito.Ao subdelegado do primeiro dis-
tricto da freguezia de S. AhtSo.-Consul-
tando-me Vmc. em seu oflicio de 14 do cor-
rente, se leudo fallecido o primeiro e ter
ceiro juizes de paz desae dislricto, e niio
temi sido approvada a eleicao do quarto,
deveri entrar o segundo em exercicio, te-
nlio responder-lhe, que n segundo deve
servir no anno que lhe competir, como pri-
meiro que flcou sendo, e que devem ser ju-
ramentados pela cmara municipal mais
tres juizes. Quanto a segunda consulta se
he cooipativel o exercicio de escrivSo das
collectoriaa com o de juiz de paz, respondo
que o exercicio do emprego de fazenda be
incompativej como oflicio dejulgar, e nao
poJem por isso ser juizes de paz os escri-
v3es das mesmai.
Dito.--A'cunara municipal do Recife.
Itecilii o oflicio que a cmara municipal des-
ta cidade dirigi 4 esta presidencia com da-
la de 13 do correte dizendo em soluc3o
do oflicio circular de a do mesmo mez, que
o preceito do art. 56 da lei de 1.* de outu-
bro de 1838 foi observado embora sem re-
sultado algum at o anno de 1815, poca
em qu foi publicada a le provincial n. 143,
de 31 de maio do dito anno, cessiudo d'en-
tflo para ca essa notneacSo por que foi ge-
raloiente entendido, que as fundces des-
si commissao haviam sido transferidas ao
conselho geral de salubridade por frca do
artigo 5.* da supracilada le provincial n
143, e que neste pensamento esteve essa
camera ate agora persuadida de que nao
poda tem excesso ingorir-se em atlribui-
c;6ea que por lei expresas haviam sido de-
volvidas a moaoulra reparticSo, equeom
todo o caso, quaudo mesmo se podesse en-
tender que cumpria a essa cmara conti-
nuar a nomear a commissao do artigo 56 da
Lei do t.*de oulobrod* 1888, nenhum re-
sultado haveria, porque as commisses no-
meadas auleriormeute quasi nunca siitisla -
ziam o'flm ui lei e deixavam deapresentai
trabalho algum ; u3o pudendo ser cosgidas
na ausencia desaocefio penal. Conclue u
cmara municipal pedmdo osclarecimenlus
a reapeito : Em resposta lenho a declarar a
Cmara municipal desta cidade, que ella
emprega-se fio cultivo do solo. Os interes-
ses do commerco, das fabricas e da nave-
gacSo, todos em grande eslensn, depen-
dem dnda agricultura, o qual ronseguin-
temente he o mais importante interesse da
iiac.lu e tem direilo aos cuidados e protec-
clo do governo, em quanto esses cuidados
e essa proteepao poderem ter lugar sem of-
fensa das disposi(0es da constituido. Co-
mo isto nSo p le er feito pelos modos or-
dinarios da legislacao, recommendo res-
peitosamente o eslabelecimen'o de urna
reparticSo da agricultura, encarregada de
lar a este principal ramo da industria ame-
ricana a aiiiin icio que elle tambem mere-
ce. A'visla dos immensos recursos mine-
raes do nosso paiz, julgo conveniente o em-
prego de om mineralogista e edimico h.i-
bil, o qual sej* encarregndo de oolligir de-
baixo da diroccoo do edefe da repnrligSo,
mnsiras dos diversos mineraes dn nosso
paiz ede verificar por meio de cuidadosas
analyses seus elemenlos e propriedades
respectivas e bem assim sua applicnc,n<> a
(lus uleis. Elle devera taoibeui ser eni-ar-
regado de examinar as quididades dos de-
ferentes solos e quaes os eslrumes mus pro-
prios para melhorar sua productibililade.
Publicando us resultados de laes experien-
cias com as explicacues convenienles, e
colligindo e distribuindo as sementes e
plaas raras com iusirucces relativamen-
te ao meldor syslema de cultura, inuito se
podera fazerpara promover este grande in-
teresse nacional.
De coiil.r mida le com oaclo do congres-
so approvado a 33 de maio de 1850, o qunl
entre outras cousas, ordena que se proceda
ao stimo canso, un superintendente foi
Horneado e foram adoptadas todas as n-
Iras medidas que se julinram necessarias
para assegurar o prontpLo e lid cumprimen-
to desse dever. Cr-se que a apropriar;Ao
j feta ser sulllcienta para occorrer a lo-
do para os dabitantes daqueltes territorios
Separados em pequeos bandos, e sempre
mntalos, os Indios perenrrem o paiz de-
vastan lo as fa/en.I is, destruimlo as lavou-
ras, rondando os gados e iiuandn podem,
matando os habitantes oii evaodo-os cau-
tivos. As est'adas que vSo para o campo
estn por elles infesta las dn S'irtn que nSo
se pode viagar por ellas sejn correr gran le
perig>, o que far com que a emigraco
esleja iiuasi parada. A fronleira mexicana,
a qual n--lo artigo ti do tratado de Guada-
lupe II 'ai.'.i, somos obrigados a proteger
contra os Indios residentes dentro de nos-
sos limites, est expnsta a estas incursOes
dn mosiuo modo que a nossa propria, A
lrrja militar estacionada naqiiella parte,
com quanto forme urna grande parte do
exercito. he representada como inleiramen-
e ina lequada para a nossa propria pro-
teCQo e para o cumprimento de nossos de-
veres para com 0 Mxico. A principal falta
I ne sentimos om cavalleria, o recominenlo
que o congresso, o mais breve que f ive|, onlenn a creacSo de uin ou mais re-
g mentes dessa arma
Maiores desenvolvimentos sobre este ol
jecto e sobro oulros ligados con nossos iu-
t*resses inlernos e a defensSo de,nossa
fronleira encontrareis nos relatnos dos
secretarios do interior e da gueira. Ite-
commendo tambem a vossa favoravel con
siderac3o a indicacao cuntida no relatorio
mencionado em ultimo Iwgar, e na carta
do general em chele, relativamente ao es-
tabelecimeiito .1- um asilo para os soldados
invlidos e destituidos. Este objecto exci-
ta 1.1o fon emente as vossas sympatliias que
seria superlliio fazer eu ..l.-uui 1 cuusa mais
do que expr-'ssar siniplesmeiilo a n.inlia
cordeal coiicrorencia em favor do mesmo.
A marinha ContiilUa a proteger o nosso
commercio e aos oulros interesase nacio-
nes as diff-rentes partea do (lobo, e com
das as despezas da ubra ; porm medidas," oxeepeno de um s vapor, o qual se acha
legislativas sao ainda necussarias a respei-
Quarlel do commando tuperior da guarda na-
cional do municipio do Itecife, 27 de Janeiro
de mi.
ORDEM 1)0 DIA.
Ten lo concedido despensa alguns dos
Srs. ofliciaes da guarda nacional nomeados
em ordem do dia deste commando superior
de 13 do corrente para f izerem parte dus
conselhos de qualilcac3u das differenles
freguezias deste municipio, nomeio em
substituidlo os seguintes Srs. ofliciaes a
saber :
Freguezia de S. Jos. Para substituir ao
major Francisco Csrneiro da Silva, que prn-
vou com altestauo do Dr. Sarment adiar-
se doepte; o capitn reformado Manoel Eleu-
leriodo llego Barros, para substituir ao te-
nente Antonio Joaquim de Oliveira Baduem,
requisitado pelo administrador do consu-
lado provincial o tenente Miguel da Fonseca
Soares e Silva.
Freguezia da Boa-Vista. Para substi-
tuir ao major reformado JoSo Pinto de he-
mos Jnior, que se acha fra da provincia,
o major Luiz Antonio Itodrigues de Almeida
e para substituir o capitSo reformado Anto-
nio Carduzo de Queiroz Fons cea Jnior,
tambem requissilndo pelo inspector da the-
souraria provincial o capitSo reformado Ma-
ximiano Francisco Duarte.
Francisco Jacinlho Pereira,
commandanle superior.
to da recompensa de alguns dos marechaes
dos territorios. Ser tambem conveniente
que ordenis por urna lei a publcatelo da
quedes extractos das ivlac.ies, cujo co-
ndec ment o interesse publico possa re-
querer.
O augmento sem precedentes que lem li-
do os nossos territorios sobre 0 Pacilico em
riqueza e populacSo, e o que em conse-
quencia desta, tem tido suas reIa(oes su-
enes e commerciaes com os estados atln-
ticos, parecem imporao governo o dever
de. empregar todo o seu poder constitucio-
nal para melhorar os meios de correspon-
dencia entre elles. A importancia de abrir
urna lintia de coinmuincacno, a melhnr e
a mais curta que a natdfeza do paiz admit-l "" aos mares rcticos em busca do comman-
tir, entre o valle do Mississipi e o Pacilicu'11"1'' uglez sir John Franklin e seus com-
foi submettida a vossa considerac.lo pelo) pandeiros, conformo o acto do eongressn
nos lagos do n irte, os navios em commis-
sao sin dislriliuidos em seis esquadiOes
dnereotes.
O relatorio do cliefe dessa reparlicilo
mostrara os servicos desles esquadres e
dos diversos navios empregadus em cada
om deiles durante o anno pastado. Causa
prazer ver quo ao pSSSO que elle tem eslalo
e. 111-ta .....11.-iili- preparados para qnalquer
emergencia hostil, por toda a parle lin eu-
oonlradu o respeitoe cortezia devidos as-
sim diguida Je cuino i disposicSu pacifica
e justus lilis da Qacio.
ts dous bergantina qui um cidadflo ge-
neroso de New-York oflerecera ao governo,
e que foram por este postos debaixo do
com nan lo de um ollicial da armada para
EXTEHIOR.
MENSACtM
DO PBESIDENTE EOS ESTA-
DOS-U.MDOS.
( Continuacao do numero precedente. )
Por nSo haver na California urna casa de
moeda, sou informado que os iodividuos
que trabalham ms minia sSo obrigados a
dispdr de seu ouru em p com um grande
descont. Isso parece-me um tributo mu
pesado e mu i injusto laucado sobreolra-
balho daquelles que seempregamem ex-
trahir esse precioso metal, e no duvidu
que estaris disposlos, senhores, a livra los
dessa imposicSo, eslabelecendo all, o mais
breve que fr pussivel, urna casa de moeda.
Enlrelaulo como j lia la um eusiiador,
submello respeitosamentea vossa conside-
ra(So a conveniencia de autoriaaro recebi-
menlo das barras de ouro que forem ensaia-
dis e marcadas no pagamento dos impos-
1 os do governo. NSo posso conceberqueu
thesouro soll'ra nenhuma perda por urna
tal disposicSo, a qual elevara inteiramenle
as barras o pare sbIvbis deste modo (se
eslou bem informado) mullos milbOes de
dollars os quaes sfio pagos em correlagem
para converter o metal precioso em fundos
uleis- Esse descunlo que elles soUreni em
seus galillos he uma laxa pesada e lodo u
esforco deve ser feito pelo governo para li-
vra-los de 12o grande carga.
Mais de tres quirtos da nossa populacSo
Men predecessor em sua mensagem an-
nual, e como as rasOes que elle apresentou
em favor desta medida ainda existem em
plena filrca, peco lic-mea para chamar a
vossa attencSo sobre ellas e tambem para
repetir recummeiidacHu purellefeita nes-
sa occasiSo.
A incerteza que existe relitivamente
validado dos ttulos de trras na Cal.furnia
he um objecto que requer vossa prompta
considerado. C'andes porgues de ierra
naquello estado sao reclamadas em virtude
de coucessOes que se diz terom s Jo feitai
por auloridade dos governos hespanhol e
mexicano. Multas dessas cuncesso s n3o
foram confirmadas, outras forum revoga-
Jasealgumas cr-se mesmo quo s3o frau-
dulentas, porm em quanto nSu tiverem si-
do judicialmente examinadas, conlinua-
r3o a embaracar a povoagSo o progressos
do paiz ; por tanto respetosamente recom-
mendo que ordenis por uma le a nomea-
c3o de commissanos encarregados de exa-
minar todos esses ttulos para se cliegar a
um ajustamento final.
Peco tambem permissAo para chamar a
vossa altencSo sobre a conveniuncia de es-
tender quanto antes o vosso syslema de
leis de ierras, com as modificacoes que fo-
rem necessnrias, ao estado da California e
aos territorios de Ulah e Novo Mxico. As
trras mineraes da California lormarSu
naturalmente uma excepgSo a todo o sys-
lema geral que possa ser adoptado. Varios
melliodos de dispr dellas tem sido sugge-
ridos. Ao principio inclinet-m em favor
do systema de arrendameuto, por quanto
elle pareceu-me proineller a maior renda
para o governo e conceder ao mesmo lem-
po a maior seguranca contia os monopo-
lios; porm reflexoes posteriores, e a ex-
periencia que adquerimos com o anvnda-
mento das minas de chumbo e com a ven-
da das ierras a crdito, levaram-me a con-
cluir que haveria grande difliculdade em
arrecadar as rendas e que a relacSo de de-
vedor e credor eulre os cidadSos u o go-
verno seriim seguidos de muilas conso-
quencias ms. Pwr lauto recommendo que
em vez de conservar as Ierras mineraes de-
baixo da inspeC(3o permanente do gover-
no, ellas seja 111 divididas em pequeas por-
cts e vendidas com aquellas reslncces,
quanto ao lempo e a quanlidade, que as-
segurarem o melhor preco, e obstarem
mais efllcazmenles cumdinagOes dos ca-
pitalistas para obter monopolio
A annexacto de Texas e a acquisicSo da
California e Novo Mxico lem dadu maiui
uiipoitaiicia s nossas relacOes cornos lu-
dios. As diversas tribus leduzdas a nossa
junsdicco por esses eiigrandecimentos de
nossos limites, av>lia-se que conleui urna
populaco de 124,000 almas.
Texas e o Novo Mexicu s3o cercados por
tribus poderosas de Indios, os quaes sSo
uma fonle de constaute terror e iuoommo-
approva lo em maio prximo passado, ti-
11I1 1111 penetrado, segundo as ultimas noti-
cias dalles recebidas em urna alta lalitude
seploiitrional, poim o surcessn dessa no-
bree lu mana empieza ainda d.i ncerto.
Chamo a vossa alonlo sobro o exa-ue de
nns(i) eslalie'eciniento e de nnss >s recursos
navaes acluaes apresenlado 110 relatorio do
secretario da marinha e lambe.n sobre as
Indicacdea nelle relias para o melhoramento
dos meamos juntamente coma polica na-
val reco imeiida l<, para a sjguraiiQa de
nossa costa no Pacifico o a proteCySo oex-
lene.io de noSSO cominercio enm a Asia ori-
ental. AS proporcoes quo temos para uma
maior participado 110 commercio do orien-
te por meios de nossos recentes estabeleci-
nientos as praiasdo Pacifico s3o t3o obvias
quo mo podem ser desconhecidas nein des-
ares idas.
As quesillos relativas primaria entre o
exercito e armada e bem assim entro os of-
ficiaes destes dous ramos do servico, aure-
sentadasao executivo por certas resoluces
la casa dos representantes na ultima ses-
sflo do congresso, foram suhniottidas a um
conselho de ofliciaes do cada um destes ra-
mos do servico e seu parecer pode ser bre-
vemente es .era lo.
R'Conimendo tambem muto a adopto
de urna lei que autorise o governo a retirar
do semen aquellos ofliciaes do exercito e
armada que se tornarein incapazes de cum-
prir seus rigorosos e activos doveres, leudo
o cuidado de conceder penses suflicienlcs
aquellos que tiverem servilo fielmente o
paiz, e de dar dstinc(s, conservando-os
em rom 'liando appropriados, aquellos que
se tiverem feito pai lieul .1 n.eut conspicuos
por sou valor bom procodimeulo. N3o
ubstante estar o paiz obrigado a maniere
honrar os individuos que com exdusSo de
oulros lins, se ile.he 11 a 111 au seu arduo ser-
vico, todava esla obngnc3o 113o deve em-
h i'i..ear a ellieiencia do pruprio servido.
Folgo de poder dizer que o 01 eainento
.lars despezas da marinlia para o anno pr-
ximo futuro, de inferior ao do presante em
mais de 1,000,000 de dolara, exceptuando a
a p 11 i cao o que pode turnar-so necessina
para a cunslruc^au de um iiiuaho na costa
do Pacilico. para o quej se esl3o tomando
em considerau3o varias propostas, sobre as
quaes espero que um relatorio especial sera
apresenlado lugo no principio de vossa pre-
sente sessSo.
Muito justa me parece a indcacao do ineimo
relatarlo, deque as applcafes para o conve-
niente servico naval devem ier separadas das
que foreiu destinadas para objeclos tilos e per-
manentes, IlO. OOOIO CHUS ti III IIIS lio lllllllll".,
ele, e para objeclus extraordinarios depaixu
do cuidado da reparlicau, os quaes posto que
iiiiportautes, todava nao sao essencialmeuie
navaes
Ui
ha meto sculo, com quanto seus defeitos te-
nh mi sido multas venes e hbilmente demons-
Iradoi ; aecressenilii que : abiilco de uma
eipecie particular de pena corporal, a qual en-
(ao tinli. lugar, sem determinaco de.outra
que a subsliluis9e, tem deUadii o servico em.
11111 estado de iuiperfi-icao que reclama promp.
to remedio; recomineiidn paranlo que iodo o
cdigo seja revisto sem demora e que um tal
systein.a de penas seja estabelecido pan a ma-
nutencao da disciplini i(ue seja ao meaino tem-
po humana e mi ..
Segundo relatorio junto do director do cor-
r<-io. o estado actu.l dessa reparlicao lie tall f
faotorlo.
Niiencerrainenlo do ultimo anuo liinnceiro
crrelos terrestres achivain-ic eslabeleeldin no
interior dos Istados-Unidos fn.io I .11 ni I do
Oregon e da California) em urna extenca de
178.072 millias, fuenilu-se com cites uma des-
neta annual de 2 724,426.
0 augmenta do transporte animal sobre o do
anuo precdanle foi de 3,997,354 uullias, e o
augmento de despen de 342,440.
O numero dos crrelo! nos Kstados-Untdos
n primeiro de julho prximo paitado era de
18,417.
A renda da reparlicao para o anno financeiro
que ac-ihou a 30 de jiinho pass.vtu iiiontou a
.fi,.r>.V,97l48 c. incluiiito a applioaeSo ..ni ii
dc-JOll.OOO para 09 papis franqueado) das re-
par licoeS, e excluindoos portes estrangeirosre-
cebi.lin e pagaveis a governo Ingles,
A deapea no inanuo periodo foi de 5 -21-2,953
--43 c, d'oude se ve i|iie houve um saldo eiu
favor da renda de 348,018 5 c.
Estimo adiar que a oondlcao fiscal da repar-
licao he tal nue jtlStilica a recommendacao (ci-
ta pelo sen chefe ite re lu/.ir-se o porte das car-
tas transportadas pelos correios terrestres a 3
o. caita uma, i|uauilo pago adiantaitainenle e a
5 c. guando 11:10. Elle reeoiiuueuda lainheiK
le a laxa paga aliaiiladaineiite soja redo/ida
a 2 c, ludas as ve/.es que as ri-nd is da repart
f u, depois da reduccao, exeedereui as despe-
taietn oais de cinco por eento por dous anuos
consecutivos; que o porte das carias reuielli-
das para a Californio e das que sao transporta-
das irlos nossos vapores a IrAVe do ocano
seja inulto reiliuidn, e que o das gaxetas, l'o-
lluios eoutras papis hupreaaoi seja lainbein
inodifleado e diminuido,
.Nao se pode din id ir que a reduccao propos-
la diminuir quanlo ao presente as rendas da
reparlicao. Lrc-je que o .delicit, depois que
as sobras j accuuiuladas foreui exliauridas,
puder ser quasi iuteir.imeute satisleilo, ou
atjiiliudo-se os privilegios exisleules de reinel-
ler livres de porte papis pelos crrelos ou pa-
gando o lliesoiiro reparlicao do correio nina
SOinilia equivalente ao p irle de que ella lie
privada por laes privilegios. O ultimo meio
siippe-se ser preferivel e cr-se que elle sup-
prir (ao proxiiuaniente o dficit, quando tio
o suppra inleiraueiiie, que tornar Lio iucou-
sidrravel qnalquer deapezaque possa ser adia-
da necessaria que iiso nao formara ueuliuiu
obstculo s redueces propoitas.
.\ ... i.nIio ii.'iiI.iiiii i iluvi i i acerca da auto-
ridade do congresso para deslinar mininas, pa-
ra os objeclus principaes nesla classe de obras
publicas, a qual compreliende o que usual-
mente se ohamain obras de mclhorainentos in-
lernos. Siippiinlio que essa autoridade se de-
riva principalmente do poder de regular o
c iiiioiorcio com as naedes eslrangeiras e entre
os estados da Uniao. bem como do de eslabele-
cerc arrecadar impustos. Onde o comuiercio
deve ser frito e imposlos devem ser arrecada-
dos, deve haver porlos c anchoradouros, como
tambem trapiches e alfindegas. Se navios car-
regados de earga valiosas se approximaiii da
praia 011 navegan! ao longo da cosli, pharoes
sao uccessarios nos pontos convenientes para
proteccao das vidas e da propriedade. Outras
co.....lodidadcs e ieguranvas para o coinmercio
e navrgafio sao apena menos importantes; e
aquellos artigas da coustiluico aos quaes inc
lenho referido tem desde a orignn recibido do
governo liberal e benfica inierpretaco
S'io mu no n 1 o pharoes, boias e bausas teein
sido estalielecidas e lucs (luctuantes conserva-
das, mili" tambem portos tem sido drsentupi-
dos e inelhorados, molhcs tem sido construidos
e at outras obras uiui despendiosas lem sido
Vitas para proteccao dos navios e para liviar
os porlos de seren cheios e lomados inulcis
pela aceito do ocano ; e esta iulerpreiraco da
OonitituicSo parece a mais rasoavel pela OOO-
sidtra?o de que se essas obras de lo evidente
impon mol 1 e iinlid 1 lo nao devesscui ser le-
tas pelo congresso, nunca serum feitas.
Adoptando a consliluico, os diversos esta-
dos voluntariamente cederanv o poder de arre-
c.lar direitos dentro de seus proprios portos,
e nao se deve esperar que elles euipreguem as
soiumas provenientes da i.ix.h.io Interna, qur
directa, quer indirecta para_ o benelicio desse
commercio, cujas rendas nao enlraiu uein 10
quer em parte em seus proprios thesouros.
Nao percebo nenhuma dilt'erenca entre o po-
der que lem o congresso de destinar somiiias
par* objeclos dcsle genero sobre o ocano e o
poder de destinar sommas para objeetos seme-
thantcs sobre os lagos e ros, onde elles sao bs-
tanle largos para sustentar em mas agoas uin
iralico estensu. O uiagnilico Mlssiisipc e seus
inbu 1.11 ios c os vastos lagos do norte e noroei-
te, jiai 000111-101' cabir dentro do exercicio des-
se poder lo juslae claranieute como o occauo
e o golfo do Mxico. He um erro comiderar as
despezas judiciosamente feitas com estes ob-
jeclos como despezas para us Incaes. A posi-
co ou situaco da obra he uecessariamente lo-
cal, porm sua ulilidade he geral. Uin canal
de menos de uma inilba de m.....ao ao redor
das cataralai de Santa Mara, com quanto lo-
cal eiiisua conslrucco seria sempre nacional
mu leu lini e seus beneficios, por isso que re-
movera o um. o uLo.1 aculo a una nxvega^o
do ni.us de 1,000 mlbas a qual iulcressa adl-
versos estados, tanto quanto suussas relaces
o .11111101 -oaos com o Canad
Assim uma obra fui construida na_embo-
cadura do Delaware tilo para o beneliciu ex-
clusivo dos eslados limitados pela baha e
pelo rio deste no-ne poim, para o de to-
da a navegaban cosleira dos Estados-Uoi-
dos, e lambein em uma ostentan cooside-
ravel para o beneficio do commercio oslran-
geiru, pois seu ni navio se per uer oa barra
a entrada de mil porto do sul pur falla de
sullicienle profundidade de agoi, de mui
provavel quo seja um navio do norte, esa
reviso do cdigo para o governo da
mariuha parece .querer a oonilderacao im- uj u.ru.. ue vapor lur iuuu.uuoui .iua.uu
mediau do coogreiso. Seu lysiema de crimei il'arte do Miwssipi por ciusa de seu canal
., ...... w nSn 1..,.. n-ian n.nKini li0rmfn. ntii tor siiln culi ven loiitaaieiiLi; desembara-
e peuat nao tem loltrido ucuhuma alteracio


^
Cado das obstrucr;>s, po lera ser um bureo
que perlenc a un dos oilo ou dea estados.
I'osso accrescentur como alguna COOlt nn-
tavel que entre todos os 31 estados, tifio li >
um f que cm maior ou menor cstencSo nio
s> ja 11inilailo i i lo occeano, ou pelo golpho
do Mxico, ou por um dos grandes lugos ou
por algum rio iiavegal.
Cumio nulo coi i'iil.nirios os nnssos devores
ccm.-ilu-.......s sobre este objeclo e pondo
em (Helio todos os oulrus poderes com
ftidos pela constitucHo, devenios consi-
derar-nos como deliberando e obrando pa-
ra u in o o mesmo aiz e devenios lar cons-
tmileinenlo eai vista que uossa atlenco c
nosso dever silo devidos, nfloa una paite
particular, porm sini ao ludo.
Itecomoiendo, porUnto, que concodaes
as somatas necessarias para o complemento
daquellas obras que ja se acham principia-
das, e para o cuweco de oulrus que o con-
gietsoetu sua sabedoria, julgar de publica
egeral importancia.
As difliculJades e demoras inseparaveis
do ajustamento das reclamacOes particula-
res pelo congretso, equivalem em mu i los
casos a urna denegecSo de Justina, lia ra-
fio para recear que muitos credores infeli-
zes do governo lem sido por essa causa
inevitavelmenle arruinados. congresso
tem lanos negocios de um carcter publi-
co, quo be impossivel que d muila alin-
elo a meras reclamaces particulares, e
sua Bccumulac ,o he presentemente 13o
grande que muitos rerlamadores devem
ler perdido as esperanzas de nunca poda-
ren obler uiiia audiencia, l'de-se bein du-
vidar se o congresso pela nalureza de sua
organisa{3o, he propriameute constituido
para decidir sobre taes casos. He impossi-
vel que todos os memhros examinen! o me-
rec ment de cada reclamarlo sobre a qual
sSo obrigadosa votar, e he absurdo exigir
de um j iiz que julgue urna quesillo, da
qual nunca tomn nenhum conhecimento.
Taes decisO'S pdem, e frequenlemenle
devem, fazer injusticia, ou au reclamante ou
ao governo, e nao descubro nenhum reme-
dio melbor para este cresceute mal, do que
oestabelecimenlo dealgum tribunal anear-
regado de julgar essas reclamacas. Peco,
porlanto, licenca para recommendar com
o maior respeiio que urna lei seja approva-
da ordenando a nomeacSo de urna commis-
sSo para olim de julgar todas as reclaina-
fOes parlicnlarej contra os Estados-Unidos,
e como urna audiencia ex-parlo deve em lo-
dos os casos contestados ser mui desaiis-
factona recoaimeudo tambem a nuniei-
(3o de um solicitador cujo dever seja re-
presentar 0 governo peranle essa commis-
sjo, e p'oleg-lo contra todas as reclama-
cOes illegaes Irauduletilas ou injustas, que
possam ser apresetiladas para seu julge-
menlo.
Este districto o qual nao tem voz nem
voto em vossas protec(3o e soccono, e recommendo todas
SIS suas necesidades a vossa favoravel con-
sideradlo cun plena conliino da que as
tratareis, n3o gmenle com justtca, aenSu
tambem con liberalidad?. Uavais lembrar
vos que Rusta cidade, consagrada pelo no-
mo de Washington, esta ColioCsdo o capi-
tolio de nossa uac, io, o embluma de nossa
uni3o e o symbulo de uossa grandeza.
Aqu tsl3o laiiibecm situados lodosos edi-
ficios pblicos nei.-ss.iius |i..,i o i,mi do
governo, e que lodos elleg s3o iseulos de
i laxaco.
lieve ser o orgulho dos Ameicanns tor-
nar esta cidade agradavel au povo de toda
a repnlilic, e conveniente o segura para o
man-jo dos negocios e a preservado dos
registros pblicos. O governo, portadlo,
deve concorrer em una p>oporc,;lo liberal
para as despezas da todos os ni llioramen-
tos necessarlos e uleis, e como nada pode
conlriliuir mais para a saude, e confiri
dos habitantes, e para a seguranza ilosedi-
licios e registros pblicos, do i|ua um sup
primento abnndanla da agoa pura, recom-
mendo respetosamente que tomis pa'a a
ronsecur,3u deste lim, aquellas medidas que
em vossa sabedoria julgardes mais couve-
nienlas.
Oacto approvado cm vossa ultima sess3o,
o qual fez certas proposlas a Texas, para o
regiilamenlo dos limites disputados entre
aquclle estado eo territorio do novo .Mxi-
co, fui inmediatamente transmitido por
um proprio do goveruador da Texas, alim
de ser por elle submetti lo consideracAo
da assemhla geral. Sua recepclo fui de-
vi lamente arcosa la, porm neuhuma in-
fermacSo oTlcial foi anida recebida aerea
do procediinenlo da assembla geral a seu
respeito ; todava como pelos termos das
propostas suhmetlidas, ellas deviam ser de-
cididas at o pnmeiro dia do correte mez,
he provavel que brevemente seiemos infor-
mados dessa deciso,
NSo era do esperar que a serie da medi-
das adoptadas em vossa ultima sesso com
0 designio de curar as differenc s ucca-
siouadas pelas questes de escravnlo a ter-
ritorio realisassa iuleiramen'.e o seu ben-
fico (im. Todas as concesses mutuas da
nalureza de um compromisso devem ne-
cessariamenla ser mal recelo las por bo-
Diens de opini6es extremas, e com quaulo
sem taes coucesfOes, nossa constituir;.lo nSo
1 o le m ler snlo foriDada,eii3op ossa mesiuo
ser permanentemente sustentada, todava
temos visto fazer-se dellas o ubjecto de a-
marga controversia em ambas as sceles
da repblica. Foram precisos muitos me-
zes de disc.ssSo e deliberadlo para assegn-
rar a coiicurrencia da maiona do congresso
em favor dsssas medidas, seiia porianto,
extraordinario que ellas tivessein sido re-
cebidas com immediala approvago pelo po-
vo e estado aesvairados e inflamados pela
coi.trovis a (talante de seus represen-
tantes.
fcslou convencido que estas medidas eram
requeridas pelas circumslaacias e condi^o do
p,o/, rstou convencido que er.nii necessarias
para applacar asperidades e animosidades que
iaui rpidamente alienando uina seccao do paiz
da oulra, deslruindo aquelles srnlimeiitos Ira-
teruaes que sao o mais lurte sustentculo da
conslilui(o. Ellas foram adopiadas com espi-
rito de couciliaco e para o lim de conciliacao.
Creio que urna grande maioria de uossos cun-
cidados syinpalisam com esse espirito e Oulli
case lim, c aprovam Inleiraineute essas medi-
das, as quaes eslao desposios a sustentar por
todos os respeitos. Kstuu conveucldo que o po-
yo americano ligado pelo saugue e por iradic-
rdes cominuits consagia um espeilu absoluto
I m.iii de seus pas, e que est prompio para
repellir qualquer tentativa que tenlia por lim
destruir sua luiegridade, perturba! o compro-
uiissos sobre os quaes ella se lumia, ou resalir
aa leia fcius debaixo de aua autoridade. I
\ serie de medida! a que tenho alludldo he
considerada por mim como um ajustamento
pin principio e substancia, nm ajiutameolo fi-
n.il das pergosas e excitadoras disputas que
ellas abracaran). A maior parte dessas que-
loes eslao crrt.iinenle fura do votto alcance,
poniuanto a legislac"'> que dltpoa dellas, ful
em sen carcter linal e irrev igavel. Ple-se
presumir da opposica que ellas todas eneon-
i o mi que nenliiiiiia deslas medidas lie iscnta
ileimperfeiccs, port'm em sua uiiilua depen-
dencia e confiesan ellas furniam um systenn
le compromisso. o mais conciliatorio e o nif-
Ihor para todo o paiz. que podia ser oblido de
inicresses eopinies oppostas.
Por esta rasiio recominenil.) vossa adhesao
no ajustamento estabeleeido por essas medidas
al que o lempo e a esperieneia deiuoiislrem a
necessiiladc de oulrus aclos legislativos contra
a 111os.ni ou o abuso.
Por esto ajustamento fonos livres da for-
te e illimitidaagilac8oque noscerciva e
.etnos um terreno firme distinclo e legal
em quo nos apoiemos, e confio que o tom-
po justificar a exhortado que fac-o aos
meos concilladnos para reunirem-se a lim
de sustentar esse terreno como o melhor,
se nSo o nico meio de restaurar a paz e
quielteSo ao paize detnanter iuviolavel a
i ni i. i i'l.i le da liroll.
N3o possq, concidadlos, terminar esta
communicacjlo sem convidar-vos a que vos
unaes comn.igo etn acc.3o de humildes o de-
volas gracas ao grande Itegedor das naQes
pelas multiplicadas boncas que graciosa-
mente nos tem autorisado. Su mSo tan-
las vezes visivel em nossa preservadlo con-
teve a pesio, livrou-nosde guerras eslran-
geiras e de perturbaeSea inlemis e de-
marrou a abundancia por luda a nossa
Ierra.
Nossas liberdadea, religiosas e civil, tem
sido mullidas, a< fontas da nstrucQ.lo lem
todas sido conservadas abeitas e meios de
felicidada tem sido eslensamenle ospalha-
dos a geralmenla goa dos maioros do que
nunca foram concedidos a nenhuma oulra
uaco ; enlrelauto profund imenie penutra
dos de gratidSo pelo passado, esperemos
que sua omniscienle proviiencia guiar de
tal surte nossosconselhos ou seus actos da-
i o satisfcelo aos nussos cotisliluiules,
asseguiando a paz do paize adicionando
nova froi ao governo unido dcb.uxo do
qual vivemos.
Uillard Fillmore.
Washington, 2 de dezembro de 1850.
m*u pseravo cabra da nome Rimoallo ( que
sompre noslas occasifles iroca o nome ) le-
vando na perna. urna pega e correnle, idade
23 annns, apenas com buco, bastante escu-
ro parecendo caboclo, baixo, bastante re-
foreado, ;com leves signaes de bexiga nn
rosto, osignalmais evidento que tem hi
ler quebrado braco esquerdoao p da mo
nhect, ten no pulso do dito brai;o urna
costura, e perguntando-se pelo signal diz
lia de queda quedara na chira de senhor,
ie nlfixto, e serve bom ao cha e mesa.
llardo de Aleqrcir. Conforme. oaquim
los Moreira Mato.
Porlanto toda e qualquer capit.Vi de cam-
po, ou qualquer oulra possoa^que capturar
o escravo i.i ItcaJii. po lera traze-lo a esta
repartido, na intelligineia de que Ihe se-
rBo pagas todas as despezas que fizer, e urna
gratificaQHo correspondente ao seu Iraba-
Iho. Secretaria da polica de l'c -namhuco.
-28 de Janeiro de 1851.Antonio+iot dt Fre-
tai, pri -oeiro amanuense._________________
IHAKJll DE KIRMNCO
aicire, 30 SE JAMEIBO DE 1851
Pelo brigue Veloz entrado hoja de Ango-
la, recebemos jornaes desta eidade al 4
do Brrente, e delies Constt n3o ter oc-
corrido novi.lade algnma naquolle |paiz.
brigue do guerra porluguez Douro, o a bar-
ca Hrachurense. haviam entra lo no porto de
l. i.iiid.i a i:i do pa-si lo ni /. de dezembro,
I- vando 4i das de viajein deste aquella por-
to. Na parte coinmercial ac iar3o os nos-
sos subscriptores os presos dos principaes
gneros de importado e> xporlac.ilj. Nota-
mos que uos hospitaes da Angola e Mussa-
medi s, s3o recolhidos 301) doentes por moz,
oque prova bstanle a insaluDridade do
clima.
Correspondencia.
Srt. rerfaclores.l'erinitam-ino quo pelo
ou bom conceit'iado jirnal eu aijrailoca a
Sr. I)--. Joo de Son/a Santos Jiinior, a uia-
eira philantropica porque fui curado pelo
lito senhor. Ks'.ando eu Irabalhan lo na
un.tic,lo de fe im da ra di Aurora, acou-
leceu que urna m me quebrasse doUI de-
dos da nio direita, a ponto de um largar
i cabptja, e ambos icarem escaroladoscum
os ossos vista,': l r. I i -1 n allonalliica-
mente, mas sem encontrar allivio algum, a
iili extrainamente indiada, asferidasja
clieia de vermes, emliin eslava vendo pal
sara uina sangre la, e ficar para sampre
laijado. Nesta estado eu me dirig aoSr.
I)r. Santos, e fazeudo-lhe ver o meu eslado,
promptamente se prestuu a curar-me gra-
luitamenlH pela horneejpathia, edaudo-me
urna agoa para lavar as fe idas, e mili a para
lomar interno, immediatanienla sent g'au-
de melhura, pois foi logo a menos a inlliin-
Miai.-.lo, ficaram as faridas limpas, e boje
em perfeilo estado de eu poder trabalhar.
I)igne-se pois o Sr. Dr. Santos Jnior, rece-
ber os meus protestos de eterna gratido
para com S. S.; assim como pego a lieos
i lie concela todas prosperidades para beni
da humaaidadc.
}o$i Tavarts de Souza.

Publicaco a pedido.
N. 2. Palicipo a V. S. para sua inlalli-
encia e eX'Ciico que por aviso da secreta-
ria da oslado dos negocios do imperio data-
do de 9 do corrrnte, e do qual Ihe remello
copia, foram exlinclas as agencias do cor-
reio do Cabo. Serinhaem e Rio Kormozo ; e
bemassima linha do crrelo terrestre en-
tre essa provincia e a das Alagns. V. S.
far arrecadar quaesquer livros, ou uten-
eihos que naquellas agencias porventura
houvesse pe'teucenlos ao correio e os sel-
los, que nollas devem existir, tomando
contas aos agentes aleo ultimo momento
Dos guarde a V. S. IlireclO'ia goral dos
orreios, 13 lo Janeiro de 1851.- Dr. Tho-
MI Jos Hnlode Srrqueira.Sr. adminis-
trador do correio de Peinambuco.
Repartco da Folicia.
Por ordem do lllm. Sr. dezambargador
fe de polica, se faz publico o seguinle
"lio: *
lllm. Sr.--P.ogo a V. S. se digne expe-
dir suas ni.Iros ;i li'-i de que no caso quo ap-
paicea em algum lugar dessa provincia, o
escravo cabra do nome Itamoaldo, quo se
acha fngido, constatile dos signacs inclu-
sos, peitencentes ao barilo de Algrele,
seja inmediatamente preso, e remanido
com a conta da despeza a esta reparti(3o,
par. -
ch
oflicio
D S.W..V- -fc..K. ^ -------------- --,_-..Y,
. 8r satisfeita a pessoa que por V. S. la
apresenlar autorisaila.
leos guarde a V. S. Secretaria da poli-
ca da polica, em 8 da Janeiro do 1851.
Ulm Sr. deze nhargador chafe do polica da
provincia de Tornambuco Francitco Diu-
go tereiru de VtueoucetloM.
Sota a i/u te refere o o/ficio supra.
c No dia 13 de outubro de 1850, fugio o
COMIflERCIO.
AI.FANI1EGA.
Uondimntododia39. .18:748,707
Denenrregam hoje 31 de Janeiro.
Rrigue Bna lllnthilde farinha de trigo.
Itrigue tth'n ferro.
Ilrigue OUnda mercadorias.
cu.nsiii. a u (ERAL.
Itendimonto do dia 30. ... 2:890,9fi0
diversas provincias...... 156,'235
3:047,195
RECEBEDORIA DE RENDAS .GEKAKS
INTERNAS.
Itendimento dodia 30.....1:558,966
CONSULADO PROVINCIAL.
Ilendlmentn dodia 30.....1:515,178
PRECOSCORRRNTES NO MERCADO OE LO-
ANOA, KM 3 DE JANEIRO DE 1851.
tlrneroi de importac^o.
Agoardenle do ilio pipa 80/000 a 85/000
Dita da Habla ~ 80*000
Algoddes peca 4/00 a 4/400
Armas lazarinas urna 5/000 abuud.
Ditas reunas -- 5/000 falla.
Arroz sacco 7/000
Assucar refinado arrob. 5/ouO a 5/500
Dito branco -~ 3/000
Dito mascavado 2/000
Aieite-doce alm. 10/000
Hartas cov. .'m abund.
Carne ensaccada arrob. 14/000 falta.
ChYsson libra l/HOO a 2/000
Chitas linas peca 5^00j abuud.
Parlaba de trigo barr. I5/0IH)
m mu -1 libra 500 a 600
Sola ou vaqueta meio 3/.VI0
Dita por atacado 2/un0
Plvora bar. de ;.l lib. barril 8/OQO 8/500
l na, dilos de 17 lib. 7/000
Dita; ditos de 10 lib. 4/000
tabaco em rolo arroba 5/000
Tab. de 30 pal. e 1 1/2 p. duza 3u/>00
Touclnho arrob. ti/000
Velas de slearina libra 800
Vioagre pipa 40/000 cmp.it.
/uarte de Beng, 2.* sorte peca 4)000
Ditos de dita i.'dita -- 5fO0J
Exportacio.
Azeite de palma pipa o/000
Ditodegmguba 80yO00 a 801000
Cera branca libra 325 por fau-
Dita ainarclla -- 300 dir.
Vaiao1
Pecas de 4 oitavas -- l|500 rs.
Patacesa-- l|400 rs.
non o. unaos mi apparecem no mercado.
.' '. i '
Alovimenlo do porto.
?
Navios entrados no dia
Loan la 22 illas, Itrigue portuguez Vellos,
do 237 toneladas, capitSo Jos 'l'h m.-
son. equiaagem 16, em lastro ; a Olivera
IrmSoa. I'assageiros, o Portugue Fran-
cisco Jos l'av.lo com sua familia.
Parahiha 20 horas, hiate nacional Para-
hibmo, de 37 toneladas, meslre Nicolao
Francisco la Costa, equipagem 4, carga
couros salgados ; ao mesmo mestro. Pas-
sageiro, o Brasileiro Jos Alvcs de r'arias.
MaranbSo pelo Cear 15 diasedo ultimo
porto 7, brigue-escuna nacional Laura,
de IC3 1|2 toneladas, cipitSo Jos de Je.
zus Cruz, equipagem 15, carga farinha
de trigo, cabos e mais gneros ; a No va es
& Companhia. Passageiros, o Brasilei-
ro Jos Mara Itibeiro com 1 escravo, o
llespanhol Pedro Alvares Garca e 3 es-
clavos a entregar.
Navios suhidos no mesmo dia.
Ilio Grande do Sul Brigue nacional Feliz
Deslino, capitSo Antonio Martins Dias,
carga assucar.
Genova Polaca sarda Vieenza, capitSo P
I.amero, carga assucar.
Havre Brigue fraucez Cezar, capitSo Ber-
ilos, carga assucar e algdSo.
Lisboa Brigue portuguez Novo Vencedor,
capilSo Antonio Pereira Uorges Pestaa,
carga assucar, algoJSo e madeira.
Observares.
Fundeou as Laminhas, por ordem do go-
verno, pira acabar de carregar, o brigue
iuglez /.ou/sa, capii.lo Tilomas Le Poge.
1 lein no I. iineii.i i, por or.lem do gover-
no, para acabar de carregar, a barca in-
gleza Uarrison Chilln, capllSo Burln
Vorill.
ISIJIT;\L,
O lllm. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda provincial, em cumprimento da or-
lom do Exm. Sr. presidente da provincia de
2s do correnle, manda fazer publico que
nos das 18, 19 e 20 de fevereiro prximo
vindouro ira a praca porania o tribunal ad-
ministrativo da mesma thesouraria, por ser
arrematado a quem por menos flzer um
lanco de atierro da obra da asa de deten-
q.Io, avahada em 4:610,000 rs. e sb as clau-
sulas especiaes abaixo declaradas.
As pessoas que ae propozerein a esta arre-
inacSo couiparecain na sala das srsse do mes-
mo tribunal nos dia cima mencioiiauo, pelo
meio-dia, coiii|>etenieinente habilitada na for-
ma do artigo 24 do regulainento de 7 de maio
do prximo passado auno.
E para constarse inandou afiliar o presente
e publicar pelu Uiario.
Secretaria da theiourarla da fazenda provin-
cial de Pernanibuco, 29 d' Janeiro de 1851.
O secretario,
Antonio Perrtira d"Annuneiotdo.
Clmalas especian da arrtmalafo:
!. O arrematante ser obngado alterar
todo o espaco do terreno, comprehendido
entre o raio do sul e o do centro da casa de
'ilrti-ncSo, mas o espseo em frente a eUre-
midaiic do raio do sul, e o caix3o do raio
do centro, formando ao todo urna superficie
de 922 brajas quadradas, pelo preco de rs.
l:0io,ooo, na rasSo de 5,000 rs. a braca
quadrada. .
2.a Este atierro ser elevado ao nivel 7
ramos cima, do esteio existente no cen-
tro do edificio, no ponto em que se cruzam
osexns dos raios dasprisOes.
3.* NSo poder o arrematante abrir cam-
b alguma em distancia menor decem
almos dos alicerces, e seii obriga lo a al-
terrar primeiramenle aquellos lugares (den-
tro do espaco do contrato) que determinar
o engenhoiro encarregado da obra.
4." Este atierro lera principio no espseo
le 15 dase ser concluido no de 6 mezas,
a contar da dala da arr "natucao.
5.' 0 importe dest arremataban ser pa-
go cm quatro prestco>s iguaes; a primei-
quando O engeiih oro recotihecer oslar
feita a quarla parle do atierro ; a segunda
quando estiver feita a metade ; a lerceira
quando estiver feito os tres quartos do at-
ierro e quarta quando estiver inteiramente
concluido.
6.a Para ludo mais que nilo estiver de-
clarado as presentes clausulas seguir-se-
da oque dispe o regulamanto das obras
publicas de 7 de maio de 1850.
Feitas e approvadas as presentes clausu-
las pela directora em conselho em sessAo
do 27 de Janeiro de 1851. 0 director los
1/lmale Alves Ferreira. H. A, Millet.
lodo Luis Vielor l.ieutkier, Approvo. Pa-
lacio do governo de Pernambuco, 88 de Ja-
neiro de 1851 Sousa Ramos. Conforme.
O ofllcial-maior, louquim Vires Machado l'or-
lella. Conforme. O secretario, Antonio
Ferreira da Annunciacdo.
Declarajoes.
um
O arsenal de guerra compra axeile de
carrapito e fio de algodo: quem os mea-
mos objectos quizer fornecer compare?
com sua propoata, no dia primeiro de fe-
veiro prximo vindouro.
- Pela segunda seceflo da mesa do con-
sulado provincial, se annuncia que do dia
27 do correnle em dianle se principia a co-
brar o imposto de tres por cento sobre os
diversos e.ia-belecimontos de conformidad!-
com oart. 34 11 da lei do orcamentodo
anuo prximo passado.
- A matricula d'aula de philosophia do
collegio das artes est abetla em casa do
respectivo urofessor, om Olinda, lodos os
dias uteis, de boje at o ultimo demarco,
de conformidade com os estatuios do curso
jurdico.
Aula da obstetricia.
A matricula estar aberta desde o primei-
ro al o ultimo de fevoreiro, e no dia 15
principiarSoas lices.
CORItElO GERAL.
Devendo chegar a osle porto no dia 2 de
fevereiro prximo as 8 horas da noile o va-
por inglez, e sendo falivol essa chegada,
administrado do correio faz publico que as
mallas que o mesmo tem de conduzir para
o Ilio de Janeiro e Babia, fechar-se-ham 3
noras desos da chegada, quer seja do da
quer de noile.
U administrador,
Antonio os Gomes do Crrelo.
Theatro de San(a>lsabel.
!. RECITA DA ASSICNATURA.
SAIIJAKO, 1 1IK rKVHHKMll) DE 1851.
Espectculo lyrico e dramtico.
I) -pois que a orcheslr tivr executado
urna bella ouverlura, a companhia lyrica
cantar o terceiro acto da excellente opera
do maestro l> -miz-ti
Auna llolena.
I'ersonagens.
llenriqueVIUO Sr. Capurri.
Anna RolenaA Sra. Candan!.
Lord Perey-OSr. Felipe Tali.
i,u iidas da torre de Londres.
A rompanhia nacional em seguida repre-
presenlar a graciosa comedia emum acto
OS IRMAOS DAS ALMVS.
Finda a qual o Sr. Cayo Ivk -rlm cantar
, aria de Nabuc-idonosor, do maestro Verli,
seguindo-se pela Sra. Can Jiani e o Sr. Tali o
bello duelo do
Toiquali) TassO.
Os Srs. Fredorico Tti e Capurri, tambem
executarSo o applaudido duelo das
PISTOLAS,
do maestro Ricri.
Terminara o espectculo coma graciosa
farca o
RECRUTAMENTO NA ALDEIA.
Comecara as 8 horas.
Os bilhetes acham-se venda no lugar
do costume.
THEATH'K APOLLO
SRGU.NIIA FEIRA. 3 DE FEVEREIRO DE 1851.
Terceiro espectculo que d nesle thea-
Iro a cantora Augusta Candiani, sendo este
do seu primeiro contrato.
Depois de urna escolhida ouvertura se-
guir-se-lia o grande rondo da opera
VESTAL,
do maestro Giannini. expressamente com-
posto e dedicado a Sra. Candiani, e por ella
executado.
Aria da Cema di Vergi, do maestro Do
nizeili, execulada pelo Sr. Kckerlin.
Cavatina e alegro da opera Beatric di
Tema, execulada pela Sra. Augusta Can-
diani.
O mui distincto artista o Sr. Previg, por
obsequio a Sra. Candiani ostentar no pia-
no forte urnas variacOas.
Aria da opera Barbeiro di Scvilha, pela
Sra. Augusta Candiani.
Duelo da mesma opera, pela mesma sc-
nhora e o Sr. Kckerlin.
O mui distinto arlista Pernamhucano o
Sr. Pedro Nolasco-Raplista, por obsequio a
Sra. Candiani, expeulara em scena diferen-
tes pecas de msica.
Aria do 4ao, do maestro Donizett, exe-
culada pelo Sr. Kckei Im.
A Sra. Candiani, cantar por comprazer a
mullas pessoas a modinha brasileira
Adore! umu alma impura.
I;inalisai a o espectculo com o muilo ap-
plaudido duelo da opera
FIGI.IA DEL RECGIMENTO,
no qual apparecer a Sra. Candiani vestid
de soldado fraucez, execulando em scena
todas :is manobras militares.
Os bilhetes de camarote*, acham-so des-
de ja a disposicSo do respeitavel publico,
no cscripturio do mesmo thealro.
Augusta Candiani, pede toda a indulgen-
cia e protectSo.
Avisos martimos.
Iteal cotnpaiihia de paquetea a
vapor entre o Brasil e a Grii
Bretaa*.
No dia 31 do correnle at o primeiro de
fevereiro, deve aqui chegar procelonlntle
Inglaterra, o vapor da companhia Twetd,
commandante Rwtt, o qual deawajemorar-
ia aqui 6 horas, para proseguir o seu desti-
no para os porto* do sul -. qualquer pessoa
que pretender pisssgem para qualquer dos
portos onleo mesmo leona de tocar, haja
ledirieir-se cot antecedencia a casa dos
respectivos agentes n>sta Praga A Unisn
llowie&C, ra do Trapiche n. 42, pira
ratr do!au guinle tabella de psgeiros :
Para a Baha 25 patacoe brasileiro ou hesp.
. Rio de l. 50 a.
Montevid.H0
Bueno A. 120
O mesmo vapor deve aqui chegar de vol-
ts para a Europa no di 17 ou 18 de fe-
veiro: as pessoas porlanto que pretenderen
ossagem no mesmo para os portos deS.
Vicente, Tenerife. Madeira, Lisboa, e In-
glaterra, poderSo logo fazer o seu engaja-
mento, para que depois nSo aconteca que
no* portos do sul ae prehencham os lu-
gares.
Para Lisboa sane com hrevidade o bri-
gue poituguez \elot, capitSo Jos Thomp-
son, quem no mesmo quizei carregar ou ir
commodos, dirija-ge ao referido capitflo,
ou aos consignatarios Oliveira Irmos & C.:
aa ra da Cruz n. 9.
Vende-se urna barcassa nova bm
conslruida, de lote de Irinta e duas caixts
em arruma^ao, por preco commodo, e a
bordo da mesma se acha urna porclio de fa-
rinha e arroz com osea de muito boa qua-
l idade, para se vender, por preco que agra-
dar aos compradores: quem pr-ten ler
urna e oulra colisa dirija-se a ra do Co-
dorniz n. 10, venda do Moraes & Macieira,
a tratar com os mesmos, ou no caes do lla-
mos, onde se acha tundeada a mesma bar-
cassa.
A escuna nacional Emilia, do que he
capitSo o pratico Antonio Silveira Maciel J-
nior, deve seguir para o Pai por estes dias
para cujo porto anda pode recebar algu-
ma carga e passageiros, al o dia SI do
correnle: os preten lentes dirija m-se a ra
da Croa n. 13, a fallar com Joo Carlos Au*
guslo da Silva, ou com o referido eapilao.
O biale Novo Olinda recebe ate o dia 31
do correnle a carga que tver de conduzir
para o MaranhSo, e at o dia l.de feverei-
ro a carga que liouver para o Cear, o con-
fere no dia 2 : os Srs. carrogadores quelram
matHar os coiibocimentos no armazem de
Manuel Jos de S Araujo, na ra da Cruz
do Recife n. 24.
Para a Baha sahe com muita brevida-
de por ler mais de melade do carregamonto
a bordo, a sumaca nacional Carlota, mest'o
Jos Gocalves Simas : para o restante da
carga e passageiros trala-se com o consig-
natario da mesma l.uz Jos de Sa Araujo
ta ra da Cruz n. 33.
Ptu o Rio de Janeiro
segu com a maior brevidade o
brigue nacional Jdamastor, por
ter a maior parte do seu carrega-
menlo engajada: para o resto,
passageiros ou escravos a frete :
trata-se com os consignatarios Ma-
chado 6c l'inheiro, na ra do Vi-
gario n. 19, segundo andar, ou
com o capilo Filippe Nery de Oli-
veira, na praca doCommecio.
-- Para o Ro de Janeiro segu com brevi-
dade a escuna nacional Galante Mara : para
carga, escravos a frete e passageiros, para o
que tem excellenles commodos: trala-se
fna ra do Vigario n. 4, com Silva & Grillo,
Para o Ilio de Janeiro sahe
com a maior brevidade possivel o
patacho nacional Nereida : para o
resto da carga e passageiros trata-
se com b capito na praca do Com-
mcrcio, ou com Novaes &C Com-
panhia, na ra do Trapiche n. 3\,
Leiles.
James Crabtree & C. farSo leilfo por
intervencSo do correlor Oliveira, de com-
pleto sortimento de fazendas inglezaa, to-
das proprias. do mercado, hoje 31 do cor-
rente, as 10 horas, no seu armazem ra da
Cruz.
Arthiot, dentista ebegado ltimamen-
te a esta c I ule. e tendo de relirar-se para
Tora da provincia, faz leilSupor inlerven-
q3o do correlor Miguel Carneiro, no dia
Sexta-feira 31 do corrente as 10 horas da
mandila em sua osa na ruada Cruz n. 43,
segundo andar, de urna completa mobilia e
tren de cozinha.
O correlor Oliveira tari leilflo de es-
plendida mobilia e obrag de prata, consis-
tndoemuma mesa dejaular nova elsti-
ca para 24 pessoas, um guarda-louca gran-
de, cama de ferro para casados, duas ditas
mais pequeas, ura rico altar dourado com
as competentes banquetas, um excellente
piano dos nii'lhores autores inglezes, um
loucsdor grande de mogno, urna comino la
de Jacaranda com puchadores de prata, ca-
deiras de Jacaranda, qualro lindas serpen-
tinas de verdadeira folha de ca-quinha, me-
sa de mogno redonda com lampo de pedra,
vasos do bronze dourados para une, lin-
dos quadros de vistas na Italia e retratos de
afamados autores italianos,.serpentina de
lous globos para cima de mesa, um rico re-
logio dourado dilo, garrafas e copos da
crystal, ligellas roas dito para sobremesa,
e muitos outros objectos, inclusive um ca-
bra captivo, ptimo cozinlieiro, at de mas-
sas : iabbado, 1. de fevereiro, s 10 horas
da mandila, na ra da Aurora n 58, primei-
ro andar, casa do Sr. Ilerculauo Alves da
Silva.
O correlor Oliveira Utk leillo, por or-
len de T. Ca ling, capitSo da bares ingleza
Elltn Brysun, em presenc do Sr. vine-cn-
sul ile S. M. Iirtaiiiica, e por cotila e risco
le quem pcitoncor, dos salvados da dita
barca, naufragada nos rochedos denomina-
dos Ponta do Touro, na sua rcenle viageu


procedente de C*fliz com destino Baha,
eonaigtindn fin todo o panno, inclusive urna
andaina quasi nova, maslaros verbas, paos
em bruto, ancoras grandas e pequea,
crranles grossas, ditas miudas, fateixas,
spulhas de marear, manlimentos, ferra-
gens e muitos outros artigos, bem como
um ptimo clironometro, o qual, nlo che-
gando agrego rasoavel. ser reexportado ;
inas croqj)anto nos refcri los salvados, se-
rSo infalivelmente vendidos gam limites :
segunda-felra, 3 de favarairo, principiando
s 10 horas da manhfla impreterivelmonle,
no trapiche do Angelo.
Terga-feira, 4 de fevereiro no armazem
de Campello fllhn, haver leililo de carca de
280 gaccag com farinha de mandioca, a me-
Ihor que ha no mercado, e em perfeito es-
tado, em lotes de 5 e 10 sarcas, ou a vonta-
de rto compradores; sendo esta venda ff-
fectuada para liquidago de contas A
qualidade pode ser com antecedencia eli-
minada no referido armazem.
Avisos diversos.
. -- Tendo rogado encarec lamente pelo
Diario aos senhores de engeoho e lavrado-
res, que sSo devedores ao casal do finado
Jos Antonio Alves da Silva, que viessem ou
tnanilassem pagara minha quarta parle que
necouhe em partilha no total das dividas
que devem, e como al o presente nenhum
os ditos Srs. melenha procurado em mi-
nha casa n 34, da ra da Alegra da lioa
Viga, eadm de prevenir eu eohrar pelos
muios judiciaes. fago o mesrao pedido aos
Srs. devedores Simplicio Tavares de Mello,
Jos Cavalcanti de Albuquerque, Andr de
Albuquerque Maraoh.lo, Uenrique l.ins da
Cunta e Mello, Antonio de Albuquerque Ma-
ranhSo Cavalcanti, Manoel de Araujo Ca-
valcanti de Albuquerque l.ins, ouseusher-
deiros, Christovflo Vieira Pessoa de Mello
& Irmflo, Jos Tavares do Mello, Francisco
Cavalcanti de Vasconcellos e Mello, JoSo
Velho Brrelo, AfTnso Jos de Albuquerque
Marnliflo, Joiln Tavares da Rocha, Jos l.ou-
renco da Rocha, Jos de S de Albuquerque
Gadelha e JoSo da Costa Villar. Miiihamulner
leu necessi lade de receber a heranca que
seu pai Ihe deixou nestas dividas, e que ga-
nhou com o suor de aeu rosto; no q>ier
empregar meiog judiciaes, pois far um
grande sacrificio se para cobrar or impal-
lida, e por rasO'S ISo justas he que fago o
presente aun unci -- Unrcellino Jos Lopes.
-- Dessppareceu, no da 29 do crrente,
de 8 para 9 oras da noite, do lugar do Ater-
rinho de Cequia, urna escrava crioula, d
17 annos, bonita figura, de nome Mara,
bem preta, com lodosos denles ; levou ves-
tido preto de chita com flores brancase pan-
no da Costa : quem a pegar, lele-a an mis-
ino lugar a Flix de Cantalicio de Marros,
quesera bem recompensado.
O abaixo assignado tendo deretirar-se
para fra do imperio, roga ao Sr. Lourengo
Pgil que lite aprsente aconta do que o
mesmo abaixo assignado llie lio devedor,
para que, abatendo-se da quantia de que he
credor do Sr. Pugit, o referido abaixo as-
signado possa ha ver o saldo : islo dentro do
prazo de tres das. Recife, 30 de Janeiro de
1850. Quanova.
Fugio, na madrugada do da 29 do cor-
rente, um cavado ruJado, bastante gordo,
castrado, dinas e cauda pretas, ripado de
novo, estando sellado e enfreado : quem
delle tiver noticias, nu olrouxer no sitio
juntocapella dos Afilelos, ser generosa-
mente recompensado.
Pede-se a tod-s as pessoas
que n3p teem pago importancia de
bilhetes de lotera, qur do 1 i.
de Janeiro, qur desta ci lade, te-
nlntT. a bondade de mandar ou vi-
ren) pagar, na ra da Cadeia do
Recife n. a4, '"j"-
O professor de lalim da fregueza de S
Jos do lenle, abaixo assignado, faz sci-
cienle ao publico, que dar cometo ao exer-
cicio de su'aula no I.* de fevereiro, e que
continuar aborta a matricula da mesma,
na ra Augusta, sobrado n. 80 A.
Manat trancisco Coelho.
O padre JoSo Jos da Costa Ribeiro,
substituto das caderas de latim desta ci-
dade, abre a su'aula no dia 3 de fevereiro, e
continua a receber alumnos internos: ra
do Queimado o. 37, segundo andar.
Ao publico.
No dia 2 de fevereiro partir o mnibus do
lugar do coslume das 6 ats 7 horas da
manhSa para o Poco, das 8 as 9 voltar pa-
ra o II che, e desle tornar' para o Pogo das
8 s 4 da larde, dando depois mais duas via-
gens ao Recfo, a primeira das 7 s 7 1|2, e
a segunda das 10 s 10 113 da noite, islo no
ca.i.o de haver n.* sufiiciente de pessoas.
Na Boa Vista, naSoledade, casan. 70,
precisa-se de um criado e do urna criada
para casa portugueza.
Do armazem de Vicente Ferreira da Cos-
ta, na ra da Madre de Dos, dessppareceu,
no dia 23 docorrenle, um barril com man-
tega ingreza perlencenle ao Sr. Francisco
Ferreira da Silva, com venda nos quatro
cantos do bairroda Boa Vista : roga-se en-
carecidamente a qualquer pessoa que por
engao o recebeu, o obsequio de o man-
dar entregar no armazem ou na venda do
Sr. Silva.
-- Fugio do abaixo assignado, no dia 26
do corrente, o seu escravo Uno, rroulo,
de 20 annos, cor preta, baixo, grusso, fal-
to de um dente na frente da parte superior,
e os outros bastante largos; costuma mu-
dar de roe i a quando faz semdhanles fgi-
das, bem como a passesr pelo Manguind,
Passagem da Magdalena, Casa Forte, Mon-
leiio e Hrheribe : quem delle souber ou o
pegar, dirija-ge ao arsenal de uiarnha, por
Cima da capitana do porto, que sera gene-
rosamente recompensado.
ThoBii Ftrnandes lUadeira de Catiro.
I'recisa-se alugar urna preta para fazer
o soi vico de urna casa, e vender miudezas
com outra : na ra estrella do Rozario n.
28, na loja, a fallar com Juaquun Ricardo
Ferreira.
Fugio no dia 27 do corrento um papa-
gaio coutrafeilo, o qual levou urna argolla
no (, quem o levar na ra do Pillar, venda
n. 145, recebara oito mil res de adiado.
Precisa-se de um Tenor que enlenda
de jardn ; na ra da Cadeia do Recife nu-
mero 37.
O abaixo essignado rep. linde o seu
annuucio, faz lewbrar o convite que nelle
fez sobre festa da Estancia que hade ser
no dia 2 de Fevereiro ; e por isso espera que
os senhores devotos no deixarSo de ap-
parecer para dargracasa mesma Santsi-
ma Virgom.
Francisco ot de Mello.
Chegandoao conhnciment -do abaixo
assignado, que no dia 25 do andante fui sel-
lado um panel com sen nome, ignoranJo o
seu conteudo, (faz sciente em lempo, que
sua firma nflo esl obrigada at boje em
nenhum titulo de qualquer nalureza. que
si'ji. Jado Alvts de Souza.
Roga-se ao Sr. JoSo Lourengo Seixas
Jnior, vindo em oulubro de 1850 no vapor
Imperador, htjn tievir ra do Crespo n.
13, a negocio de seu interesse, ou annunciar
sua morada para ser procurado.
--Uma casa dacommercuestrangeira, es-
tabeleci la em um dos porlos imrnediatns,
precisa de um caxero porluguez ou brasi-
leiro para oscriptorio e ra, porm precisa
ser muilo bem recommendado pelos nego-
ciantes, ou dar flanea sua boa conducta e
capacidade : a pess >a que prelendor essa
oceupago, dirija-se praga do Commercio,
armazem de JoSo Carroll.
Fugio no da 22 jo passado mez de de-
zembro, o prelo Antonio, de nag3o Calini-
ta, representa ter 45 annos de idade, altura
regular, cheio do corpo, rosto abocetado,
muilo cabelludo nos pellos ; levou caiga e
aqueta de ganga azul, heollicial decaldei-
reiro da fabrica da ra do llrum n. 28 ; tem
sido encontrado em diversas ras desta ci-
dade, em Santo Antonio, Boa Vista, Aboga-
dos e Corredor do Bispo, ora em urna, ora
em outra parte, e ltimamente teve-sa jo-
formaglo queseguio para as parles de San-
to AnlSo : roga-se, pois, a quem o appre-
nhender, leve-o aos senhures do mesmu es-
cravo. Mosquita & Unir, na Jila fabrica,
quesera generosa monte recompensado.
- A pessoa que levou ilous garrafOes de
genebra do armazem da Iravressa da Madre
de Dos no dia 21, queira apparecer para
realisar seu negocio.
Precisa-se de. urna ama de leite, que
nSo tenha lilho : no pateo do Terco n. 24.
Precisa-se de urna ama para cozinhar
e engommar para urna casa de pouca fami-
lia, dando responsavel a sua con lula: na
ra do Rozario, botica de Barlliulomeu.
-- Fugio no dia 24 do corrente do engo-
oho Tapera, silo na fregueza de Jaboatao,
o escravo de nome Jos, de nacSo Nag,
cujo sinaes caractersticos s3o osseguintes:
corpo e altura regulares, odos salientes e
vivus, sem barba, com l'alw de dentes, ros-
to talbado, ps grossos, reprsenla ter de
idade 30 anuos, ho muilo ladino; avista
do exposto recoinmenda-se aos capitales de
canipu a captura do dito escravo, pelo que
serao generosamente gratificados.
-- Fugiram no dia 15 do crrente, tres es-
cravas crioulas do engenho Mundo Novo,
por nomes Iguacia, Sdinda e Feliciana,
sendo a Sellada lillia de Ignacia.cuja repr-
senla ter 14 annos ; a Ignacia 40, pouco mais
ou menos ; e Feliciana 25 a 30 ; eslalura da
Ignacia regular, seca do corpo, queixo
CdhiJo, falta de delitos, pos bastantes lar-
gos, cor bem preta ; Selinda cor preta, bo-
nita iigura, beigos grossos, tem em um dos
bracos uina queimadura de fogo ; Felicia-
na altura regular, cor vermelha, beios
grossos, basiaute bairiguda, tem as cos-
tas urnas marcas ; levaram vestidos dilfd-
rentes: roga-se aos Srs. capitSes decampo
e as autoridades policiaes de as aprehnde-
las e levallas ao dito engenho, ou ua ra do
Vigario n. 13, que ser generosamente re-
compensado.
eelara-se ao Sr. J. A. S. M., que a im-
portancia da potassa que o seu amigo de
Cuiana comprou, n.to foi levada em conla,
como liiin,, i a certa pessoa, ao contrario
que o dito sou amigo lio deve lor para mais
.le um cont da ris a essa pessoa, a quem
0 Sr. M pretende beliscar. lie preciso que o
Sr. H, meta a mSo em sua consciencia,e res-
peite as pessoas que milito superiores es-
lao a sua merco, a quem nSo falta quanli-
dade infinita de precedenles, que muito o
honran. Faz bem soar camisas para se
acreditar com o seu novo amigo, visto que
oconceilo que sua merc Ihe merecia
multo pouco lempo nSo era la muito essas
cousas..... OMscmcabo.
O abaixo assignado pelo presente fa?
sciente ao publico que desda o da 28 do
corrente deixou do ser caixeiro da loja de
cera do Alteiro da Boa Vista n. 73, parten-
cenleaoSr Augusto Duarla de Moura, ad-
verle porlgso que ao Sr. Moura pertencem
todas e quaesquer dividas, tanto activas
como passivas, que a casa tem al esta dat
con ira ludo, pois que'para isso lodos os do-
cumentos e licam m seu poder' assim como
lic-i em seu poder um pinlinr de ouro com o
peso de II oiiavas, perlencente ao Sr. J J.
de S. I.., e pin isso o abaixo assignado lica
defonerado de qualquer responsalidade que
posse occoror em dito eslabelecimeulo.
Recife, 29 de Janeiro de 1851.
ioaquim da Cruz Lemas.
Fugio na noite de 24 de Janeiro desle
anno do engenho Garga da provincia da
Parahiba do norte, um escravo crioulo,
cor fulla, de nome Jos, idade 25 annos,
Irabalha de pedreiro ealfaite, e entende a
barbeiro, bastante ladino, estatura regu-
lar, suissa por baixo do queixo, seco do
corpo, lem um sotaque quando falla, gendo
esta descansada, te o os dentes perfeitos, e
urnas mancha no peito, o que vulgarmente
chainam panos. Ha disconOanca que seguis-
se para Pernambuco, afim dalli se evadir
para o Rio de Janeiro, aondj ja esteva e
tem prenles ; Jevou tuda a roupa, he um
tanto lila, que bem pJe illudir em passar
por fojro; no dia 25 fui visto na cidade da
Parahiba vestido de jaqueta prela, caifa
branca, chapeo fino, cun una chinellos nos
ps, lambem leva calca do algodSozinhu
asul e camisa de chita da mesma cor : roga-
so a todas as autoridades eucarregadas da
polica, capilSes de campo, e mesmo a qual-
quer ontra pessoa,que aprehendan) dito es-
cravo e levein-no ~ provincia da Parahiba a
seu senhor Joaquini Gomes da Silveira em
seu engeubo, ou em Pernambuco ao Sr. Ma-
noel Goncalves da Silva, que recebis ris
200,00o de gralilIcacSo.
l'iecisa-se alugar dous pre'os robustos:
paga-setem, ou mesmo dous homens for-
ros que queiram trabalhar : na ra da Con-
cordia, relinacSo franceza n.8.
Precisa-se de um feiior hbil para um
engenho perto da prega : a tratar na ra
do Cadeia vellia, botica n.61, de Vicente
Jos de Brilo.
- Aluga-se o armazem da ra do Torres
o. 8, muilo proprio para socar asaucar, por
j ter tido o mesmo eslabeleeimento, e es-
tar com caxOes promp'o; n !. quantohe
necessirio para o rllto siale'imenlo : a
tratar no mesmo armazem, nu oa ra da
Cadeia do Recife, sob'a lo n I.
No Aterro da Boa Vist loja n. 70, sn
dir quem d dinheiro a juros com hypo-
Iheca i' n casas terreas.
Na padaria do Manoel Ignacio da Silva
Teineira, na pragn da Santa Cruz n. 106,
precisa-se alugar um preto ou moleque pa-
ra o gervieo ordinario de padaria, pnrii
que nao beba muilo : paga-se 12,000 rs.
por mez.
Faz-se almoco e jantar para fra com
muito asseio e parfeigSo : na ra da Praia,
beeco do Carioca, sobrado da esquina. Na
mesma casa toma-se conla de roupa do
homem solteiro parasolivar e engommar,
e cosem-se todas as qualidades de costura.
A pessoa que preten le ps de pintl*i*
ra e outras plantas para embarcar, p le di-
rigir-se S. Jos do Manguinbo, defronle
ila estrada nova da Capunga.
Joaquim Rodrigues Tavares de Mello,
commercianle e morador na villa do Porto
Calvo, comarca de Alag*?, fa sciente a to-
das as pessoas com quem tem negocios,
que sua casa, desde o I de Janeiro curren-
te. Picara gyrando debaixo da firma Joaquiei
Rodrigues Tavares & IrmSo, nii que nesta
data tenbo dado sociedade a meu mano Ju-
b Ro Irigues Tavares de Mello.
No sitio do Mon lego casa n. 1(7, appn-
receu um carneiro j a das, quem fr seu
dono, dando os signaos otrtos ,se llie entre-
gar.
0 Sr. T Artaud e sua Senhora, cidadSo
francez, reliram-se para Franga.
A arremalagSo da loja de ferragens do
finado Caetano l.uiz Ferreira, n8o tendo si-
do feila na sala das audiencias por incon-
venientes que occorreram. lera lugar na
mesma loja, sabbado t de fevereiro, as 11
horas do dia,as ferragens ac lam se avaha-
das muilo em conia.
Sabbado, 1 de fevereiro, porta do Sr.
Dr.juiz municipal da segunda vara, ahora
do coslume, se tiSo de arrematar, por ser 8
ultima praga, as dividas pertencentes a Ma-
oo>l Ferreira Ramo', penhoradas por exe-
cugSo de seus ere lores.
LigOes de traduzir, fallar e escrevnr
correctamente o francez, inglez e porlu-
guez : no Recife, ra da Cadeia n. II, 1."
andar, das 8 horas al ao meio-dia, on-
de se entinara tamliem gengraphia.
-- Alugam-se e vendem-se bixas de llam-
burgo : na ra do AragHu n. 21. loja de bar-
beiro de Tlieofilo Ferreira deSampaio.
Vicente Tilomas dos Sanios
e francisco Joao de Barros decla-
ram,'que no dia 31 de dezembro de
185o dissolveram amigavelmente
a sociedale commercial que li-
iiliam nesta praca, sb a raso de
Santos, Barros & Companhia, (i-
cando a cargo do sorio Burro to-
da a liquid.icao da mesma socieda-
de, por que se responsabilisou,
lano no activo como no pissivo
della. itecife, 17 de Janeiro de
185;.
iCscrlptitrnciio co-minercinl.
O abaixo assignado se olereco para ir
casas particulares, mediante urna mdica
remunerag.o, ensinar a escripturagSo com
mercial por partidas dobralas, do modo
marcado pelo cdigo commercial brasilei-
ro ; e afianga que em mu pnucas ligues po-
ra o alumno apto para se encmegar dos li-
vros de qualquer casa de negocio. Pode ser
procurado todos ns das no escriptorio dos
""' C. Starr & Comeanhia, na ra da Au-
rora. Jos da Maya.
acambado Cerno n 14 precisa-se alu-
gar relos para trabalharem em pada-
ria, prefere-se aquolles quo j tendea pr-
tica, ou homens livres que traballiem na
masseira e tenham alguma fregueia de
pi ; assim como de um homem que seja
ver 11 dmro padeiro.
No botequim de Santa Izabel haver todas
as nuiles de espectculo,sorvele,lemhra-
sa aos freguezes o troco dos bilheles, para
evitar-se os engaos; e assim s serSo ser-
vidos em priineiro lugar aquelles que apre-
senturem tldeles.
-- Relagodos hilheles premiados da lo-
tera da Misericordia, vendidos na loja de
cambio da viuva Vieira & Kilhos : ua ra da
Cadeia do Recife n. 24, sSo os premios se-
pililes: ns. 16594:000,000 rs. 2,209
I 000,090 rs. 5822 400,000 rs. 4659
20:000 rs. 4510 100,000 rs. 2027-
100,000 rs. 4038 40,000 rs. 4876
40,000 rs. 2,095 40,000 rs.
Aula.
0 abaixo assignado faz publico, que no
dia I.* de fevereiro abrir em sua casa, rus
do Pilar n 40, a aula para meninos, ja an-
nunciada por este Uiario. Os pais que qui-
zerem mandar a ella seus lilhos, se pode-
rSo en tender com o mesmo abaixo assigna-
do, no escriplorio dos Srs. C. Siarr ct C,
na ra da Aurora. ioiida Maya.
Aluga-se os altos e baixos de um po
queno sobra lo com solSo, na esquina da
ra ilos Burgos n. Ifi na travessa do Loba-
to da ra de Santa Thereza n. II.
-- Precisa-se de dous olliciaes de sapateirn
que queiram trabalhar em urna loja de cal-
cados: na ra Direita n. 56, defronle da loja
de sell-iro do Sr. Carneiro.
Urna pessoa que relira-se para fra da
provincia, des. ja comprar um escravo ofli-
cial de inarcineiro : na cambija do Carino n.
3, taberna.
Precisa-se de um sitio pequeo perto
da praga que esteja perto da ow : quem
tiver dirija-se ao atierro da Boa-Vista n. 66,
padaria.
Urna senhora golteira, maior de 40 an-
nos, com bastante pratica de ensinar a le.
escrever, contar, doutrina chrUtSa e coger
liso, ge oflerece para ir ensinar em qual-
qper ougenho perto desta praga : quem de
seu presumo qnizer utilisar-se dirija-se a
ra do Livrameulo pnmeiro andar do so-
brado n. 23.
Casa de comniisso de escravos.
Na ra larga do Hozarlo n. 48, primeiro
andar, recebero-se escravog para serem ven-
didos por conla de seus donns, assim como
se compram e vendem-se os mesmos, lodos
os dias uteis a qualquer hora.
Os Srs. AnldnioJJos da Roxa e Veris-
simo Antonio de Mallos, o primeiro mora-
dor en Igum lempo do Abreu de Una, e o
n;
egnnlo nesta praga, queiram so dirigir a
ra Nova n. 50, a negocio que Ibes di/, ros-
peilo, ou alpuem por elles
Na pagsagem, entre as duas nonles, pri-
meiro sobrado do lado direito, aluga-so urna
scava, que cozinlia. ensahoa, cosa ch3o e
fat ren la.
Precisa-se alugar um mnleque para
eonduzir j miares 11 almigos para fira : na
ra I uva do Rozario, butiquiui defrontc .la
botica
O adaixo assignado faz sciento, qun
des le o dia 28 do corrente mez deixou de
ser caixeiro da sua luja de. cera, no Aterro
la llua Vista, o Sr. Joaquim da Cruz. I.iina, e
por isso dessa data em diante nlo se res-
ponsabilisi por qualqier IraQMCcfl 1 ou re-
cibo que o mesmo faga bu seu nome.
.Iuv Precisa-se de um feitor : no
|iato do Colleio, casa do Livro
Azul.
O abaixo assignado, professor particu-
lar de primaras latirs, disciplinado em
preparatorios no lyceu desta cidade, parti-
cipa ao res.eitavel publico e aos pais di
seus alumnos, que segn la-feira, 13 do
corrente a lirio su'aula, e deba i x des-a mes-
ma disciplina ensina por principios a grain-
inatica portugueza, latina h francesa, ad
iniltindo nesse recinto pendonistas e ineius
pencion'slas. Os pais de familia que quize-
rem applicar seus filhos a alguma dessag
disciplinas, oodem dirigir-se a ra larga do
llo/.ario 11. 48, gegUD lo andar.
Jos Manad; Fioueiredo.
O supra assignado de boje em diante as-
signa-se por Jos Maria Mecha lo de Figuei-
redO, por liaveroulro de igual nome.
-- l'recisa-se de um boui ainassador :
ra Imperial, padaria n. 37.
,.Q lem annunciou a venda de um es-
cravo cinoeiro e calafate, procure na ra
larga du 11"/. n 10 11. 18,pi i.neiro andar, para
aj uslar.
(.1 x.iii 1 Cyriaca Pereira dos Santos
substitua das caderas de primeiras lettras
desta cidade se propOe a ens nar primeiras
latirs, lo la a sorta de COlturi e msica vo-
cal : as pessoas que s^ quizerem ulilisar de
seu prnslimn, dirij nn-e a casa de sua re-
sidencia na ra do Aragfid n. 37.
No bairro da Boa Vista, ra da Con-
ceicfi 1 n. 44, precisa-s 1 de uina criada para
o servigo interno de UTia casa.
OSr. I" 1 ni 11 Alves da Silva queirn
dlrigir-se ra Nuva n. 35, a negocio do seu
interesse.
la-sea premio a quantia de um cont
do ris, tu lo 011 em partes, sendo sdh pe
nhores ou hypotheci em predio l vreo des-
emlnragado : 111 ron das Larangeira n. 23,
se dir con quem lleve tratar.
Precisa-se de 1111a ama forra pira o
lervicn iot-rno de um 1 casi de pono fami-
lia : na rna das l.arangeiris n. 23.
Na ra de Sania Tlier.ua n. 8, li< urna
par tn forra, que se aluga pura engommar,
Precisa-s 1 alugar urna ana para coin-
p-ar a c.i/.ininr : na ra da Concelgfio da
Boa Vista 11. II.
o 'sr. Francisco Xavier Carneiro da Cu-
nda Can .ello a Froderico C Risler ten lam
i don 11 le de dirigir-se a es 1 una da ra du
Catinga, loja 11. tt, negocio que l)8u ig-
nora m.
Ilflo-in 100.001) rs. apremio de dous
por c.'nio srtd pendores de o tro 011 prala :
110 Aterro da Boa Vista, pa.laiia n. 50.
Compras.
Coinpram-Sfl caderas usadas, e tam-
liem se tiocam por novas, amis diversos
trastes : na ra da Cadeii da Santo Anto-
nio n 18.
Comura-s um vinl.lo : na ra Nova n.
20, luj i de frraseos.
Co npri se un carrinho de duas ro las
para 11 >i cavallo, a que tenha algum usu '
Quem liver, annunci,
Vende-te ima porgilo mai ir ou meno r
.11 beijoin nm p :-ni ra lerga do Rozarlo,
na venda de JoSo Manuel ItoJriguos Va-
longa.
Vende-sa urna preta de nagSo, do boni-
ta figura, de 19 a 20 annos, que ene, en-
gomna bem, COinha .1 diario da urna ca-
si e fac ido o servigo : as Cinco Ponas,
sidra lo de u.n a .lir n. 3C, das 7 al s 10
lloras da manilla.
Salsa-pariillia
ullimamentn Rdcga la do Pira pela asnina
nacional Kmilla, e desembarca la em 28 do
corrente mez de Janeiro: v-nde-se DO es-
criptorio do conolor Olivoi'a.
Vende--se farinha de min-
iUoc-:, viada de Santa Cttliirina,
2,100 rs. a sacca, esem a sacca
a I.900 rs. : na ra da l'raia nu-
aero 3a.
('. intiniia-sa a vender manteiga ingle-
1, nova, a 6VII ; dita franceza, a 4S0 ; caf
em urio, a h; i ; e 1,920 e 3,400 chocolata de i.isbdi, a 320 ;
vellas le carnauba d 1 6, 7 e 8 om libra, a
320;espermaceie des. 6 a 7 em libra, a
700 rs. ; latra, a 2 10; macarrito, a IBi);
passBg, a 240; touciuho deLisbOi, a 280 ;
arroz brinco, a 60 ; dito vapor, a 93 ; go 11-
ina, a 60 queijos novos, frescaes, a 1,600:
no paleo d.i car 110, venda nova II 2.
.\* olio horas tloje corre infalivelmenteas rolas .la lo-
tera .le N. s. do Livramento : o rastj dos
tldeles achain-s" avena na esquina da
rua do Caliuga, junto bolici do Sr. JoSo
Moreira.
Ven le-sa una boa es 'rava de 20 an-
nos, perfeila engomma leira, ensilla la de
proposito por uiui casa estrangeira, cose
eiio, ensalma dem, sabe servir a una mesa
le janiar, lem bonita estatura o lu la ap.ia-
rencia : ven e-so pelo costumj de b-igar
cu n siias pare 'iras mais antigs : a fallar
con JoSo Vigiles, rua larga du Hozarlo 11.
28, prnnelro andar.
I.ii du rua lila micioial.
Ven la-se o peculio do guardi nacional,
conteudo a loi, regula nenio 00 mais preci-
so para a m s i,.., a 1,000 rs. cala axem-
ular: 111 praga da In lependeucia, livrarii
ns. 6 e 8
--Vende.n-se os trastes seguinles : una
secretaria com una estante em cima de ja-
ciramla, urna mesa .la meto le sala du di-
to, urna carteira d'ule.i, uina esca linda de
subir para cama, ludo Cimillo e um par
la bancas do dito : ua rua da Cadeia da
Santo Antonio n. 18.
Ven le-sa o esiahelecimento da casa de
pisto, 111 rol do So1 11. 21, com tu lo quau-
lo existe dentro de nesma casa, os oreten-
leiite dirijan-ge ao passeio publico, luja
11. 11, que se tara ti lo o negocio.
lSillutes iio liio de Janeiro.
Aos 20:000,000 rs
I.oja de cambio da V.'V. I'ilbos, rua da
Vendas.
Iloje corre impreterivelmen-
te a lolerii de N. S. do Livra-
mento, e o restante dos bilhetqs,
meios e cautelas da mesma lote-
ra est exjioslo venia at s lo
lioras do dia, na prsca da lade
pendencia n. 4, ena rua d Ca-
deia n. 46, loj-i de miudezas.
-- VYiidem-sa corles de dulas linas com
12 covados, pelo barato prego de 2,600 rs ;
trangas pretas para raputiuhos; bonetes
para enancas, e turbantes muito lindos pa-
ra bapti/adns : rua da Cadeia vdba, casa
n. 24, primeiro andar.
Tem decorrerhoje
1 I ilena da N. S. do Livramento ; o res-
to dos bilhetes estilo a venda no paleo
doCollegio, casa do livro Azul, a 5,500 rs.
SSooo.
Vendeni-se chapeos do Chile pequeos,
muito linos, a 5,000 rl. cada um : na rua da
Cadeia Velha 11. 40.
Uepertorij systematico do coligo
commercial brasileiro.
Acaba de publicar-se no Rio
denneiro nina interessmt? obra
contando O repertorio >ystema-
liro do cdigo commercibl lirasi-
leiro pordous jurisconsultos Joao
Antonio de Miranda e Gastiliio.
He obra da maior utilidade para
a prompta com prebendo e con-
sulta do novo cdigo do commer-
cio. Acba-se venda no pateo do
Collegio, casa do Livro Azul.
Vendem-se duas travs de boa madeira,
com 20 palmos de comprimento e da palmo
em quadro, por prego commodo : na rua da
I 'e nli.. n. 25.
Vndese urna escrava de 25 annoa, a
qual sabe muilo bem i'o/inhar, engommar e
ensaboar : em Fra de Porlas, rua do Pil-
lar n. 145.
Vendem-se, permutam-se e lambem se
alugan duas moradas de rasas lencas, si-
tas em Olinda, ruadoS. Joao, em terreno
proprio, com grande quintal e cacimba : a
trataren Olinda, sitio defronle do Lupe.

cambio da
Cadeia do Recife n 24.
Pelo vapor Pnraena*, entrado dos porlos
lo 8UI 00 dia 26 di Corrente, recebemos OS
mni afortunados blieOs a meios da y* lo-
leria do Miealro de S. Podro da Alcanlm,
cujas rodas devem ter anda lo nidia 22 do
corienie ino% e cuj lista d.svo vir pelo pri-
nciro vapor.
Venle-se urna prela do nagio, moga,
sadia, co/inlia o diario do umi c.sa.en-
go'iima 'al.'.ima cousa, e lava hem ; cuino
lanhen una preliuha : na rua do Ituigol
n. 38, segundo andar*
Mobilia d'oleo nova.
Vendem-se jnarqueaa d'oleo, umameia
com moda de amarello, umi cama de dito o
nms diversos trastes, por prego eo unilo :
ua rua da Cadeia da Sanio Antonio 11. 18.
Na nes.na casa precisa >e de dous apren li-
/qg) para aorendeiam o olllcio do marcinii-
ro a de om envarnisa lor.
m .mm 9 m m m jn^m.^m -^ si"?.
I" Manteletes e eapoiinhos. 33
I Na I..ja do sobra lo amarello, nos iK'
quatro cantos da rua do Queimado
E n 99, lia para vender-ge un cumple- M
i lo sorliinenlo de manteletes, Capotl- !9
^ nhos e palitos para senhora, preoso !
de cores, os oais modernos e de me- g
Ihor eosto, tanto em ores como em [J
enfeiles dos que aqui tem viudo.
-- Manoel Ignacio da Silva Teixeira, Con
padaria na praga da Sania Cruz' por baixo
do sobrado n. 106, ten para vender urna
porgSo de barricas vazlas, que forain de fa-
rinhk de trigo.
Na rua da Cruz, armazem n. 33, deS
Arauju, vende-sesuperior farinha de man-
dioca, a 2,000 rs. a sacca para acabar ; sol-
la ; couros miudos ; ennas de eina, e su-
perior cera le carnauba em saceas.
Vende-sa urna carroga nova de um boi:
na rua do Itozanoda Boa Vista n. 2.
He degraca.
Vendem-se Go volumes de di-
versas obras de direito e literatu-
ra, em bom estado e e.icaderna-
d.'S, por 5 00 rs. : no p teo do
Collegio, casa do Livro Azul.
-- Na rua das Cruzes, ven la da Oomingos
da Silva Campos, van lem-se e alugam-se
as malhores bixaiyje llamhurgn, tanto era
porgu como a reATbo, por prego commodo.
Uina escrava pardo,, moca, co-
ziiilii'int.
Vende-se una bonita parda.de 21 annos,
boa coznheira de f.irno e engoaimadeira,
nlo tem Icios nein acbaqu.-s a he muilo
llel, o que ludo so allanga ao comprador :
na rua larga do Hozarlo n. 48, primeiro an-
dar : a escrava tem urna filhinha de quatro
mezes.
-- Vende-se um carro de dus rodas, mui
forte, pintado de novo e com lodos os ar-
reos necessanos : a tratar na rua da Auro-
ra n. 48, segundo andar.
ILEGIVEL


WM
I



Bombas de ferro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Brum ns. 6, 8 e 10,
fundicao de ierro.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro de
differentes modelos : na ra do
Brum ns. 6, 8 e 10, fabrica de
macbinas e fundicSn de ferro.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
RA DA SENZALLA NOVA N. 42.
Heste estabeleeimento conti-
nua a baver um completo sorti-
mento de moendas o meias moen-
das para engenbo, machinas de
vapor, e taixas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos, pa-
ra dito.
Vende-se superior farinlin
gallega, em meias barricas : no escnptorio
de l>eine Yonle & C, ouem seu armazem
o becco ilo Comnlves.
Chumbo de municSo.
Vende-se no armazem ile J.J. Tasso J-
nior, ra Mu Amorim n. 35.
IJolicus liomojo|nitliicns, na ra
do Crespo, loja n. 4.
Vendem-se boticas de 2, 36 e 60 tu-
bos, grandes e pequeas, rom os seus com-
petentes livros, vindas ltimamente do Itio
de Janeiro, do grande estabelecmenlo cen-
tral da ra de S.Jos n. 59.
Vendem-se amarras de ferro: na ra
da Senzalla nova n. 42.
A l,6oo rs.
Vendem-so novos cortes de brim tranca-
do escuro com duas varas e tnei cada corte
a 1,600; cassa franceza de bnm goslo,a2,6no
rs.; pecas de esftuiSo de algodJo com 12
varas, a 2,400 rs. a pega ; cobertores de al-
godSo de cores, a 720 rs. : na ra do Cres-
po n. 6. loja an p do lampeflo.
Deposito re cal vliRem.
Na ra do Torres n. 12, ha muilo supe-
rior cal nova em pedra, chegada ltima-
mente de Lisboa no brigue Tarvjo-Terceiro.
Caberaras inu lezas.
Vendem-se cabezadas inglezas rolicas e
chatas, loros e silbas de ISa: na rna doTra-
iiijlie n. 10.
SSSF.
Farinha nova da marca SSSF, chegada
ltimamente: na ra do Amorim n. 35, ar-
imzem de I. J. Tasso Jnior.
Potussa ra Itnssia.
Vende-se potassa da Itussia, recentamen-
te chegada. a de muito superior qualidade :
na ra do Trapichen. 17.
Lotera re N S. ro Livi'anicnto.
Aos 5:ooo$ooo,
Na ra da Cadete n. 46, luja -4
Tecido de algodSo trancado na fa-
brica de Todos os Santos.
Na ra da Cadeia n. 5a,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
Para fechar contas.
Vende-se cera de carnauba, coorinhos de
cabra, sola e una batanea com bracos, con-
chas, correle* de ferro e pesos, propria pi-
ra armazem de carne, venda ou bordo de
i-mlir r-.i.-.'ui : (irlo por preco COmmodo : no
ra dos Tanoeiros, armazem n. 5.
Arados'de ferro.
Na fundicSo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Deposito ra fabrica re Toros os
Santos na Babia.
Vende-se, em casa deN. t). Hieber&C. ,
na ra da Cruz n. 4, algodSo transado ila-
quella fabrica, muilo propno para saceos de
assucar e roupa de escravos, por preco com-
modo.
nligo deposilo de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa
no brigue larujo 111.
Rosa-sc aos fregueses que tenham
toda nttencao part o novo sor-
tiinento que existe na loja da
rna do Crespo 11. 6, no p do
lampead.
Vendem-se cassas pintadas de cores fixas
a 260 e 280 rs. o covado ; cortes de brim
blanco de linho puro, a 1,920 rs ; ditos de
fuslilo milito finos, a 560 u 640 rs.; cassa
preta propria para luto aliviado, a 120 rs. o
covado ; zuarte de cor, a 200 rs. ; riscado
de linho para casacas, a 240 rs o covado, e
nutras muitas fazendas por preco commodo.
Cal virgem de Lisboa,
da melhor que ha no mercado, e
chegada ha das pelo brigue Ern-
preza : trata-se com A. ('. de
Abreu, na ra da Cadeia do Re-
cife n. 37.
Novapecliincbn re inoinhos j
para caf a 64o rs.
Vendem-se moinbos para caf a 640 rs. :
na ra da Cadeia, loja de ferragens de A11-
tonio Joaqun. Vidal. | caes da Alfandega, ou a tratar com
- Na ra eslreila do Rozario, travessa do Novaes & Companhia, na ra do
Queimado, loja de miudezas n. 2 A, de J. ,. .,, '
F. dos Santos Maya, vendem-se cordas de irapicbeo. ol\.
tripa e bonlOes para violao e labeca, e pa. Velas de Cera do Rio de Janeiro.
pe pautado para msica, ludo da mellior
qualidade possivel.
^f^^Vff?:fff:V9fVVVfO
o deposito da ra da Moda 11. 15, <"
ha para vender superior cal em pe- &
dra, recentemente chegada de l.is- *
hrta, em o brigue Conceicdo dt Ma- *
ria, por preco rasoavel : tambem ahi
se vendem pesos de duas e de urna
arroba, por preco commodo ; ha
tambem effectivamente no mesmo
deposilo barril de me I para embar-
que.
Farinha a 3,000 ris
a sacca : vende-se no armazem de Campel-
lo Fiiho, ra da Cadeia do Recife 11- 64.
-- Vendem-se 10 saccas de superior car-
nauba ; 250 courinhos de cabra ; 13 pares
dn sapa toes decourn de lustro, mu bem
feitos e de talho moderno ; urna toalba de
bretanha de linho com lavarinto, n.uito bem
acabada e fina : ludo se vende por commo-
do preco: na rus da Cadeia Velha n. 24,
primeiro andar, da manhSa t as 9 horas,
e a qualquer hora da tarde.
Deposito de e-pelhos das ma-
nafaetnras de. fr" ranea : na ra do
Passeio n. 19.
lie baratissimo.
Vendem-se sapitSes de couro
de lustro a 1,600 e a 3,000 rs. ,
preco dos sapatos ordinurios, e
livre da massada de engraxar-se :
sol, tudo por menos preco do que em oulra
qualquer parte.
les de cadaco, escuros, a 1,400 rs. ; casene-
las de cores, a 960 e 1,200 rs. o covado; o
muitas outras ltimamente ebegadas, quo
se mostraro aos compradores, e se dei-
xanvir as amostras.
na ra da Cadeia do Hecife, lojs
numero 9.
Vende-se superior potassa,
muito nova, chegada na escuna
Galante Marta do Rio de Janei-
ro, por preco muito commodo : no
armazem de Dias Ferreira, no
vendeu-seo meio bilhele 11 1454 da lotera
de N. S. do Livramento em que sahio a sor-
te grande de 5:000,000 rs., e estilo expos-
loa venda os afortunados bilhelus e cau-
telas da "resma loleii, que corre imprele-
rivelmenle no da 31 de Janeiro crenle.
Rilheles 11,000
Meios 5,500
Decimos 1,100
Vigsimos 600
Taixas para engcnlio.
Na fundicilo de ferro da ra do Itrum,
acaba-se de recebar um completo sortlmen-
t de taixas de 4 a 8 palmos de bucea, as
quaas acham-se a venda por preco com-
modo, e com promptido embarcam-se, oii
carrf'gam-se ero carros sem despezas so
comprador.
Mocnras superiores.
Na fundicilo de C. Starr & Companbia,
em S.-Amaro, acham-se venda moendas,
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construccSo muito superior.
Cimento.
Vendem-se barricas com superior cimen-
to, chegado no ultimo navio de llambur^o.
na roa do Amurim u. 35, armazem de J. J.
Tasso Jnior.
Deposito de potassa e cal.
Vende-se muito nova e superior potassa,
assim como cal virgem e pedra, receqte-
mente chegada de Lisboa, por preco rasoa-
vel : na la da Cadeia do Recife n. 12, ar-
mazem.
Granrc sortlincnto re cbarntos
da fabrica re S. Flix, no ar-
mazem re Crocco &. companbia.
ruara Cruz n. 21.
Sflo rhegadus a este armazem os verda-
deros charutos regalos, regala, caradores,
deputados, venus, senadoras e soberanos
de llavana, cm caixasde cem e250, por pre-
cos rasoaveis.
Chapeos.
Maia Ramos & ('.., na ra Nova n. 6, aca-
ba de receber viudo de Franca pelo ultimo
navio, ricos chapeos de seda com pluma e
tranca, para meninos e meninas, e podeo
Sanear que neste genero he o melhor que
li'in viudo a esta cida le, os quaes se ven-
dem por preco comino.lo.
Vende-se una boa escrava cozinheira,
muito liel e sem vicios, assim como urna
outra mucama, costoreira e engomo.a leira,
cuja conducta e molestias se aliauca : na
ra larga do Itozario, loja o. 35.
A pobreza.
Vendem-se cebollas americanas pelo ba-
rato preco de 80 a 160 rs. a restea, e a 320
rs. o cenlo das solas : nos armazens do boc-
eo do Concaives, junto a casa da Sra. Viuva
Lasserre.
Aos 5:ooo$ooo rs.
Vendem-se meios bilheles da lotera de
N. S. do Livramento, cujas rodas andam
no da 31 do currenlc infalivelmente : na
ra larva do Rozario, bqfjica n. 42.
Deposito de cal e pota.s.sa
Cuiilia & Amorim, na ra da
Cadeia do Hecife n. 5o, recebe-
ram pelos ltimos navios de Lis-
boa Novo Vencedor, Carlota e
Amelia barris coih cal virgem, r
vendem, tanto a cal como a po-
tassa, por menos preco do que em
outra qualquer parte.
Snlsa-parrilba de Sanrs
para remover e curar radicalmente todas as
enfermidades que procadem do sangue, oyjiabito do syslema.
Esta medicina esta operando constante-
mente curas quasi iucriveis, de molestias
que procedem da impureza do sangue. A
iufeliz victima de molestias hereditarias
com glndulas indiadas, ervos eucolhi
dos, e os ossos meios arruinados, ficou res-
tablecida com toda sua sa le e Torcas. O
doente escrofuloso, coberlo de chagas, cau-
sando nojo si mesmo, e a que.ni o servia,
ficou peifeito. Cent-Miares do pessoas que
ii luin softrido ( por anuos, a ponto de
desesperaren! da sua surte ) molestias cu-
tneas, glndulas, rhrumatismo clirouico
e muitas outras enfermidades procedentes
do desarranjodosorgilos de secrecio e da
cirrulaco, leem-se erguido quasi milagro-
samente do leito da morte, e boje, com
constiluicOes regeneradas, com prazer al-
tcslam a ellicacia desta inestimavel prepa-
laco.
Comquanto tenham apparecido grandes
curas at aqu produzidas pelo uso desta
estimavel medicina, conilu lo a experiencia
diaria aprsenla resoltados mais notaveis.
New-York, 22 de abril de 1848
Sra.A. R. e I). Sands. Julgaudo ser
um dever para com vosco c para com o pu-
blico em geral, remetto-vos este certificado
das grandes virtudes da vossa salsa-parri-
Iha, para que uniros que lu.je eslo sof-
frendo estabelecam melhor a sua cunfiancu
e fcam sem demora uso da vossa med -
cia.
o Vi-me perseguido com urna grande fe-
rida no tornozelo, que se estendia pela ca
nella cima at o joelho, lancava grande
poicf" de nojenta materia, com comiches
que me privavam muitas nuiles do meu des -
canso, e eram muito penosas de suppor-
tar.
OSr. Inogo M. Connel, que bavia sido
curado com a vossa salsa-parrilha, recom-
meudou-nie que eu fizesse uso della,o de-
pois de haver tomado cinco garrafas liquei
perfeitamente curado.
o Tenho demorado um anno mandar-vos
um certificado, para reconhecer com cer-
teza se a cura era permanente, e temi ago-
ra a maior satisfazlo em declarar que nao
tenho visto, nem sentido cousa alguma du-
rante todo este lempo, e acho-me perfeita-
mente restabelecido. Sou vossa, etc.
a Sarah M. Inlire.
a 240, ra Delancey.
Nesta provincia o nico agente (leste ma-
ravilhoso remedio he Vicente Jos de Brito,
com botica na ra da Cadeia do Itecife,
Loleiia de N. S. do Livramento.
Na praca da Independencia n. 4, loja de
miude/as, vendem-se os afortunados bilhe-
les, meios e cautelas da mesma luteria, que
corre imprelerivelmenle no da 31 do cor-
rete mez.
liil beles 11,000
Meios 5,500
Quartos 2,600
Uuinlos 2,100
Hicimos 1,100
Vigsimos COO
Vendem-se colec,0es do Medico do Povo,
do 1 a 21, na ra dp Crespo, loja n. 4.
Aos 5.000,000 rs.
Vendem-se meios bilheles da
11,i clin a favor das obras da igreja
de W. S. do Livramento, que cor-
re no da 31 do corrente mez : no
Aterro da Boa Vista, loja de cal-
cado n. 58.
Fio pnrasapntciro c para saceos.
Vende-se um restante de ptimo fio para
sapateiro em novillo, e dito em meiadas
para saceos, por preco commodo para li-
quidar facturas : em casa de Adamson llowie
& Companhia, ra do Trapiche a. 42.
Vendem-se, por preco commo-
do, velas de cera, muilo bomisor-
tmiento em caixas : no armazem
de Dias Ferreira, no caes da Al-
landega, ou a tratar com Novaes
& Companbia, na ra do Trapi-
che n. 34.
A 400 ris.
Vendem-se as mais superiores chitas lar-
gas, iiunce/ s, do todas ts cores, gostns in-
leiramenlHiiovos, imitando seda, a 400 rs.
o covado : na ra do Crespo n. 14, loja de
Jos Francisco Dias.
Vendem-se aradoJ america-
nos dos modelos maisapprovados;
na ra do Trapiche n. 8.
Vende-se fumoem fnllia pa-
ra capa e milo de charutos, por
preco muilo commodo, assim como
saccas com farinha te mandioca :
trala-se nos armazens de Gouva
& Dias e Dhs Ferreirs, no caes
da Alfandega, ou com Novaes &
Companhia, na rm do Trapiche
numero 34-
Pechineha.
Vendem-se ricas cassas francezas, de lin-
dos padiOes e de coral azues, lxas, ama-
relias, cor de roza, etc. Ksias cassas sito
de listrase com delicados desenhos, e tor-
na-so muilo recommendavel, tanto pela
qualidade, como pelo deminuto proco de
480 rs. a vara : na ra do Crespo n. 14, loja
de Jos Francisco Das.
Na nova loja re lunado l.ul/. de
Hritto Taborda, na ra
do Crespo a. lo,
vendem-se fazendas modernissim** por
diminutos precos, como sejam : cambraias
de quadrus, superior fazenla, 280 rs. o
covado; lencos de seda de peso, a 1,800 rs.;
cortes de meia casemira, a 4,000 rs.; cha-
Vende-sa um grande sino no lugar do
Manguind, que tica delimite dos sitios dos
Srs. Carneiros, com grande casa de viven-
da, de quatro agoas, grande senzalla, co-
clieii ;i, estribara, baixa de capim que sus-
tenta 3 a 4 cavados, grande cacimba, con
bomba e tanque coberlo para banho bat-
anles arvp'redos de fruclo : na ra da Con-
cordia, primeiro sobrado novo de um andar.
I-------Vendem-se colleecoes com
mais de seis lindas vistas, repre-
sentando a ponte do Recife com a
alfandega, a ponte da Boa-Vista,
a cidade de Olinda, a ponte do Ca-
chang, Poco-da-l'anella, e a ra
da Cruz como arco do Bom-Jesus;
bem como duas grandes vistas de
Pernambuco: na ra da Cruz, n.
10. casi I Kalliinaiins Irniao.
Roa do Colegio 11. 4.
Neste cshiiei,.cimento se encontrar se in-
ore 11 mesmo sorlin.enti) de chapeos de sol
\ I muan para saceos. a>
flji Vende-se muito bom algodSo para >'.
J saceos de assucar, por preco commo- (>
" do: em casa de Iticardo Itoyle, na ?
9 ruada Cadeia n. 37. >
a***:".* ?*:?#>.' '*
A elles antes que se acabem.
Vendtm-se sapatSes de bezer-
ro francez, feitos no paiz- a a e a
i,4oo rs. ; ditos de lustro, a
i,5oo, 3.000 e 4,000 rs .- na ra
da Cadeia do hecife, loja n. 9.
Lotera deN.S. do Livramento.
t Vendem-se meios bilheles des-
ta lotera, que corre impreterivel-
mente no dia 3l do corrente, a
5,5oo rs. : na ra da Cadeia do
Hecife n 9, loja de calcado.
Vendem-se superiores charutos, sola,
couros de cabra, peonas de ema, sapatos
brancos, ditos de couro de lustro, cera de
carnauba e chapeos de palha : ludo iato
mais barato do que em outra qualquer
parle : na ra da Cadeia do Hecife n. 49,
primeiro andar.
Vende-se, por commodo preco, urna
excellente rabeca, que fui da um italiano,
xilino professor desle instrumento : na ra
do Kangel, venda n. 8, defronte do becco
doTrem.
Vende-se um moleque crioulo, de 17
anuos e de bonita figura : no [atoo do Ter-
co, padaria n. 30.
Vendem-se duas escravas crioulas, mo-
cas e sem vicios, urna dasquaea he recolbi-
la, engomma e cozinha o diario, que se
vende por motivo, que se patenleara ao
comprador ; a outra he de campo, ptima
trabaIhadeira de enxada : na praga da lloa
Vista n. 10.
Vendem-se caixas de charutos de San
Flix de 50 a 100 a 2 e 4,000 rs. : na ra da
Cadeia do Recife o. 15.
Tinta para escrever.
Vende-se excellente tinta para escrever,
em frascos de mais de garrafa, a 480 rs. ca-
da um frasco : na livraria ns. 6 e 8 da pra-
Ca da Independencia
Vende-se um preto de figura, corpu-
lento, de 35 a 40 anuos pouco mais ou me-
nos,, proprio para qualquer servico, e que
serve tambem para andar embarcado por
ter disto alguma pralica : quera o preten-
der, dirija-se ra da Cadeia Velha, loja
numero 7.
Lotera do Livramento.
Venileni-se meios bilheles da lotera de
N. S. do Livramento a 5,500 rs. : na loja de
encidernacio da prar;a da Independencia]
numero 12.
Vendem-se chapeos do Chi-
le entrefinos e mais inferiores, por
preco muito eai cunta, para fe-
char contas : na ra do Trapiche
n. 34, armazem de Novaes ck C.
Vendem-se dous terrenos, a saber: um
noAteirodos Afogados, do lado da maro
pequea, com peito de 800 palmos de fren-
te sobre a ra Imperial, o outro em Santo
Amaro, com um lado sobre a roa da Auro-
ra e un 10 sobre a estiada.de Luiz do Reg
com 200 palmos de .Trente: qnm pretender,
rija-se ra da Ciuz do Recife o. 51 pri-
meiro andar.
Casa de consignneo de escravos,
na na do Itozario larg;a 11 22,
s( non (lo andar.
Vendem-se oito escravos mocos, bons
trabalbadores de enxada ; dous moleques
de bonitas figuras, de 18 anuos, sendo um
bom carreiro ; e duas negrotas de bonitas
figuras com algumas habilidades.
Vendem-se gemente! de inliames : no
Pombal. sitio que Toi do Tallecido Antonio
Jos da Costa Ribeiro.
Para vestido de senhora.
Vendem-se os mais asseiados punhos e
rranguitos de fil e cambraia bordados com
bico : niiiua do Queimado n. 9: do-se
amostras.
-- Vende-se um preto de naci Angola, do
20a24annos, bom oflical de chapeleiro e
de mu boa conducta : na praca da Inde-
pendencia n. 4, se dir quem vende.
t ra Nova, loja franceza n. 10, ba
para vender, para assenhoras de bom gus-
to, sapatos de setim preto, da ultima moda
de Paria.
Graxa o. 97.
Vende-se alverdadeira graxa n. 97, muito
em conta : na ra da Cruz n. 42, a fallar no
armazem de fazendas.
Vendem-se 15 aeces da companbia de
Beben be: na ra da Cruz n. 52
Vende-se Orna parda de 28 anuos, en-
gomma e lava com perTeicAo, cose, prepa-
ra urna sala com lodo o asseioe cuidado,
he muito carinhoaa para meninos, sera vi-
cios, o motivo da venda se dir ao compra-
dor : na ra do Hospicio, caga terrea com
slito, defronle da casa n. 17.
Panno verde litvlsivel.
Vende-se panno verde invisvel, muito fi-
no e haratissimo, nSo se-menciona aqu o
preco porque caularia isso urna admirarlo
aos pretendeirtes, a ponto de nao fazerem
conta, e dizerem, sem virem ver a grande
pechineha, ora isso nao pode ser panno
bom ; he este o motivo por que s se dir a
vista dos compradores e do dito panno ;
tambem restam algumas peca de ganga
cor de cinza e amarella, propria para pali-
tos de meninos, que para acabar com bre-
vidade se vndenlo a 6,000 rs. a peca, e a
meia pataca o covado: no Aterro da lloa
Vistan. 18
- No becco do Concalves, armazem do
Arauju, vende-se gupeiior Tarinha de man-
dioca a 2,00o rs. a sacca, chegada .ltima-
mente du Cear.
Vende-se bacalho de esca-
ma, muito superior fazenda, a
ore u inrsinu sorii'i.cii" ue ^im|..ih uo sui .. j i
ja annunciadns, assim como sedas e panno>|'J>3oO is. cada La mea : no arma-
em peca para as arraacO a servidas, baleiaslzem ao Alies, no caes da alCn- mmmmmmmilim-.mmtsmmmm*l
para vestidos o espartilhos de senhors.l .
Concerta-se toda a qualidade de chapeos de' UL&d-
Vendem-se dous sellins em meio uso,
com todos os seus accessorios quasi novog,
por 20,000 rs. ambos : as Cinco Ponas nu-
mero 62.
Lotera.
Vendem-se meios bilhetes da
lotera do Livramento, cujas ro-
das andam no dia 3i do corrente
infalivelmente : na praca da Boa-
Vista, botica n. 32.
_' 'i
Escravos fgidos.
--No da 16 do corrente fugio do enge-
nho Sapucaia, freguezia de Jaboatfio, doua
escravos pardos, um de nome Paulo, de 26
annos, haixo, grosso, bastante barbado, ca-
bellos pixaim e com urna helle pequea no
olho esquerdo; Vicente, quasi preto, de 3i
annos, alto, de bonita figura ecom signaos
de castigo as nadegas. Os mencionados
escravos ato naluraea do Ico, ha muilo de
presumir terem para all seguido, ou para t
povoac!o dos Patos, em Sirid, onde lom o
aolo prenles livres : quem os capturar le-
a de gralilicacno a quantla de 100,000 rs.
Isla Tugido, desde 16 do correnta mez,
o escravo Manuino, de nac,lo, alto, magro,
beicudo, desdentado na Trente e embigo
bastante grande, o qual coslunoa, quando
Toge, esconder-ge nos engenhos Pauliata,
Jaguaribe, Musupinho eAguiar, por neg-
tes engenhos ter morado ; por isso pede-sa
encarecidamente aos senhores dos ditos en-
genhos.que tenham a bonda le de o mandar
procurar e conduzi-lo ao Monteiro Jos
Camello do Reg Barros, quesera pago o
portador com generosidade.
No dia 29 do prximo pasaado dezem-
bro deggppareeeu de utn matuto queestava
comprando unas fazendas em ama loja, na
roa do Crespo, um quarlo rudado com urna
cangalha, o qual tem o Trro em cima d'an-
ca ; julga-ge ter ido em procura de outros
cavados, que tinham entrado juntoi e es-
tavam nos armazens de assucar : sealguem
0 pegoo e o qoizer reglitoir, leve-o ao pa
leo do Livramento, caga de Mximo Jos
dos Santos Andrade, que Ihe pagar as deg-
pezag e ae gratificar.
No dia 26 de Janeiro de 1851 fugio do
engenho Mussumb um escravo crioulo, de
nome Pedro Sertanejo, de 35 anuos pouco
mais ou menos, baixo, Tula, chelo do cor-
po, ps grossos, muito sisudo e callado;
levou chapeo de palha ugado, carniza de al-
godSo, tendo abaixo da abertura urna cruz
servido de marca, lenr;o! e slrouisg com-
pridag de llgodSo : quem o pegar {ser bem
pago ; adveriindo-se porm, ge for preso
para o sul, levem-no ao Sr. Jos Comea Leal,
morador na praca do Recife, e se fdr para a
nuie, conduzam-no ao dito engenho Mus-
sumb, comarca da piedade de Goianns, ao
padre Jos de Figueiredo.
No dia 23 do corrento ausentou-se o
preto Jos, do gento, meto baixo, cheiodo
corpo, cara bastante chera ; tem um csloin-
bo em um p, junto ao tornozelo, da parla
de dentro, de nascenca ; negge dia gahio
com um mol lio de esleirs de carnauba pa-
ra vender ; levou carniza de riscadinho en-
carnado de quadrinhoa miudos j desbola-
da e calca de p de riscadinho de llatrgg
azues miudinhos tambem j desbolada :
quem o pegar, leveo-o a sua senhora, na ra
Velha n. 92, que aera recompensado.
No dia 22 do corrente fugio do sitio da
Joo Ferreira dos Santos um escravo de na-
cao Congo, de nome Manoel, baixo, cheio
do corpo e bastante ladino: pede-so aos
Srs. ca pitaes de campo, ou algum particu-
lar, caso o peguem, levem-no ao dito sitio
em tem-rica, ou ns ra da Cadeia do Re-
cife, loja de ferragens n. 56 A, de Antonio
Joaquim Vidal, que recompensar.
Fugio, no dia 21 do corrente, do enge-
nho Mussumb, na comarca de Goianna, um
escravo de nome Pedro, sertanejo, Tula,
baixo, crioulo, ps ecorpo grossos, pouca
barba ou nenhuma, de 35 anuos pouco mais
o:i menos ; levou camisa e siroula compri-
das de algoiSo, tendo na camisa urna cruz
como marca; he de natural sesudo e Talla
pouco : quem o pegar ou souber noticias,
poda dirigir-ge a ra do Crespo n. 4, que
ser bem recompensado.
100,000 ris.
Fugio de bordo do brigue nacio-
nal Sem Par am escra o crioolo,
de nome Euzebio, representa ter
*4 annos, alto ; levou calca, carni-
za e bonet azues; consta que elle
ando- pelas immediac5es de Olin-
da, ntitula-se forro e he conbeci-
dopelo nome de Euzebio Jos He*
rena .- roga-se as autoridades po-
liciaes e capilaes de campo de o pe-
garen] e levar rus do Trapiche*
casa de Novaes & Companhia n.
3^, que gratificar*
mwm*mmmmm-.mmMmmmmmin
O mulatinho Agostinho
fgido.
Na imite de 11 para i a do
s passado ausentou-se o es-
S cravo Agostinho, pardo a-
1 caboclado, cabellos pelos e
1 lisos, ps grandes com os de-
dos grandes grossos e camba-
dos para dentro ; he ilho do
Hcrlao, muito tallador e ilo-
ta: roga-se as autoridades
policiaes, capitSes de eam-
po, assim como a toda e
qnalquer pessoa qnc o en-
contrar, de prende-lo e con-
duzi-lo a seu senhor fien-
to Jos Taveira, na ra da
Cruz 11. ao, que nSo s paga-
r todas as despezas, como
oFerece urna generosa re-
compensa a quem o trouxer.
PnTM. 'aTyi.I)f: M.F.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9RNDST0M_WS5237 INGEST_TIME 2013-04-12T22:02:23Z PACKAGE AA00011611_06310
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES