Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06295


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Anno XXVII
Terca-feira l
I
4
P4HTIDAS DOS COBBEfOS.
-, Uo-Grande-do-Norlc, todas as quintas feiras ao
ntelo-dia.
Sabo, Scrlnhaem, Rlo-Formoso, Porto-Calvo c
Macelo, nol.'.a 11 e 21 de cada mct.
-aranhuus e Honilo, a 8 e 23.
I Moa-Vista c Flores, a 13 e 28.
I Victoria, s quinta feiras.
I Olinda, todos os dia.
PHEMFftlDES.
'Nova, a 2, as 8 e 24 m. da m.
d ... ... ... iCreic. a 1", as 2 h. e 2 m. da t.
Piusas Da lo. C|l(,id a I7_ as2 b 33|n. da ,
Min;.;. a i, s 5 h. 57 m. da m.
PKEAMAIl DE HOJE.
Primeira s 2 horas e 54 minutos da tarde.
Segunda s 3 horas e 18 minutos damanha.
de Janeiro de 1851.
N. 10.
das da semana.
i 13 Scg. S. Hilario. Aud. do J. doso f. e do n>. da I.
14 Tere. S. Fclii. Aud. da Chae, do J. da se-
gunda vara do c. o dos (Vitos da blenda.
' 15 Unan. S. Amaro. Aud. do J. da 2. vara.
1(5 Quii .*-. bernardo Aud. do J. doj orf.,
CAMBIO HE 13 E JANEIBO.
Sobre Londres, 29 '|, a 30 d. p. 1O00 rs. 60 das.
PIUCO DA SUBOBIPQO.
do
Por tres meses (adianlados) 4/000
Por seis meses 80()
Porumanuo 15/000
-
Paris, 320 por fr.
o^SS&Ufcv- ffi se
Moedas de67)0 veilias. 1I000
do 6/100 novas ItyOOO a
ni. da primeira vara. V ilimn IrbOO a
17 Seil. S uit.io.Aud.do J. da 1. vara do clvel, ^?0.00.;; "" SCSg a
e dos fritos da lazonda. Pratt.-Paiacoei brasil-- ros.... V
18 Sab Ac.dcS.l'.c.nK. Aud. daCh. cdoJ. da Peso* columnarios..... g
2.v.doc. Pilos mexicanos........ 1/WW a
19 Dom.OSS. Nomc He le/us. iiifuuw.......I...... -------
I6320O
161200
9/100
1/940
1/940
1/700
paste orriciaL.
GOYEBNO DA PKOVINCIA
EXPEDIENTE 00 DA 10 DE JANEIRO
DE 1851.
Ollici". A thesouraria de Tatenda, para
que ilc conrormidade com a sua informacao, e
' t6b a responsabilidade da presidencia nos ter-
mos do decieto de 7 de malo de 1842, mande
supi"ir a repartlco de marinba com a quanlia
de 585,000 is., que requlsilou o conselho de
administrado naval para compra de camisola!,
leocoes eoulrosobjeclos de que necessila a en-
fermarla de in.il iuli.i. Fieraui se as conve-
nientes communicacoes.
Dito. Ao deseinbargador chefe de polica,
approvando a medida que toinou de mandar o
doutor Francisco Antonio Vital deOliveirac
inals outro facultativo com o remedios preci-
aos para prestaren! os soccorros possiveis aos
Irabalhadores da estrada de Santo Antao, que
tica rain molestados com o desmoronaincnto de
urna barreira da ineiiiu estrada.
Dito. Ao mesino, para que exija dos pro-
pietarios das fabricas existentes nesta cidade e
remeta com urgencia a secretaria da presiden-
cia, una Informacao circunstanciada do seu
estado, especificando se o seu trabalho se faz
com bracos livres ou cscravos, que numero de
uns edeoutros empregacada urna, equequan
tidade de productos expde aniiualineiite ao
mercado, devendo S. S accrescenlar as obser-
vaedesque sirvan) a orientar o governo as
providencias que dever dar para o progresso c
melhoramentu das mesillas.
Dito. A direceo da associacao conimcr-
cial. Sendo necessarlo que esta presidencia
conheca com a maior exactido possivel o es-
tado do cnmmercioda provincia, e esteja bem
informada das providencias que tendam a me-
lhora-lo, a desenvolver e animar o espirito de
assoclaco e empresas, dirijo-mc a Vv Ss pa-
ra que em bem do servico publico, hajaiiide o inesm
iranunittir-ine sobre este objecto os esclarec- armas, julga conveniente iiem s reiterar as
com otitras provincias, como sejatn o me-
Ihoramento das estradas existentes, a aber-
tura de novas, o desenvolvimentoda nave-
gado Alivia1, a abertura de carnes e quaes-
quer outras obras de semelhante natureza,
vindo acompanha la, a ser possivel, a pro-
posta de cada urna da respectiva planta e
orcamento.
Circular.Aos juizes de direito do cn-
meila provincia, para que com toda a ur-
gencia, remeltam afim de poder cumprir-se
o disposto no art. 37 do regulamenio n.
120 de 31 de Janeiro de 18(2, urna informa-
Co circumstanciads e fundamentada acer-
ca da mineiri porque os juizes municipaes,
de orphSos. e promotores pblicos, que
sSo bichareis rormtdos, servem os respec-
tivos lugares, conforme dispOe o art 38 do
citado regulamento, visto nao o ter feto
al o presente.
Dita.-As cmaras municipaes da provin-
cia exigindo com urgencia urna informadlo
do numero das escolas particulares de sen
municipio e dos aluinos que as fre-
qiienlam.
mnii
Commando das armas.
Quarlel do commanilo das armas na cidade do
Hccife, em iOdeJaneiro ce 1851.
ODEM DO DA N. 33.
O lllin. Sr. coronel coiniiiandante das armas,
manda recommendar aos senhores coiiimaii-
danles de corpos, que as pracas destinadas a fa-
zer as guardas daguarnico, sejam conducidas
ao lugar da parada na melhor ordem, tendo-
se o maior cuidado em revista-las antes de
marchar dos seus quarteis, para que nosuc-
ceda como se tem observado em algiiiuas, que
compare9am mal vestidas c sem o devido ac-
celo.
o lllin. Sr coronel comm.indanle das
'i
,
inentosqueestiverem ao seu alcance.
Dito. A pagadnria militar, para mandar
abonar ao paisano tlanoel Ciraco da Fouseca,
que lendo contratado nos termos do decreto e
regulamento de 18 dciiovembro de 1848, e avi-
ao de 30 de outubro do anuo prximo fmdo, pa-
ra servir no exercilo por oito anuos, foi alista-
do no segundo batalhao de arlilhariu a p,a
gratificaran de 220,000 rs. que Ihe ser paga
com 50,000 rs. a visla e o resto em preslaces
mensacs de 10,000 rs. Intelligenciou-se ao
commando das armas.
Dito. -- A mesilla, para que vista da rolaran
que remelle cni duplcala, mande udemnisar
a caixa do corpo Je polica daquanlia de 13,U80
rs., que se despendeu com o abono de renos
diarias aos presos recolhidos ao quarlel daquel-
le corpo. Scieulilicou-se ao respectivo com-
uiandaiite.
Dito. -- Ao director do arsenal de guerra, au-
lorisando-o a despender a quaalia de 218,000
rs., sendo 200,000 rs. com a compra de 500 co-
vados de hiele de di'ercnles cores para a fac-
tura de 11 bandeiras de signaos de que precisa
otelegrapho da fortalcsa do Urum, como se v
do pedido que devolve, c o resto com o paga-
mento do feiiio das inesinas bandeiras Intel-
ligcnciou-sc a pagadoiia militar.
Dito.- Ao iiiesmu, concedendo a aulnrsa-
cito que pedio para despender a quanlia de rs.
95,600, sendo 80.000 rs.com a compra de oito
quintars de ferro suico em barras paraaconti-
nuaco dos trabalhos das oinciuas de terceira
classe, eo resto com a compra de 15(5 libras de
ferro em chapa para promptificar-se bainhas
de espadas de cavallaria. lulcirou-se a paga-
doria militar..
Dito. Adcaplliio do p'rio, declarando fi-
car inteirado de haver S. me, em cunipriincn-
to a circular do tribunal do thesouro n. 10 de
22 de outubro do anuo prximo passado e aviso
do ministerio da marinha de 17 de dezembro
do mesmo anno, rccolliido a thesouraria de fa-
zenda a quanlia de 944,720 rs., saldo das mul-
tas arrecadadas nos anuos financeiros de 1846a
47 1847 a 48 1848 a 49 1849 a 50.
Dito. Ao inspector do arsenal de marinba,
approvando o coutralo que fez aflu de ser
transportado para a corle no patacho nacional
Vuiriife pelo frete de6u,OOo rs., o escrivao Fran-
cisco Coelho da Silva, que fura desembarcado
do brigue>escuna 6'anopo.
Dito. A' thesouraria da fazenda provincial,
para que visla das duas conlas que remelle,
mande pagar ao carnerciro da cadeia da villa
de Iguarass a quanlia de 119,800 ra. das dca-
pezas feitas com os presos pobres da referida
cadeia do priinciro de maioao ultimo de j un lio
e de 25de outubro ao ultimo de dezembro lu-
lo da auno prximo passado. Commuuicou-
i ao chefe de polica
Dilo. Ao procurador riscal da thesouraria
la fazenda provincial, inteirando-o de haver
ipprovado a proposta que fez do bacbarel Joa-
luim Canuto de Figueiredo Jnior, para aju-
1.. i, it- daquella procuradura na comarca do
' io-d'Albo.
Diti'.-Ao commamlante do corpo de poli-
ia para mandar por a disposiQSo do segun-
losupplento dojuiz municipal da segunda
[ara desta cidade a parda Catharina, escra-
[a de Vicente Ferreira de Paula, ebemes-
ini os quiltro filhos dola, que se acham
letidos no quarlel do corpo a seu mando,
itelligenciou-se ao mesmo supplente,
Dito. Ao presidente do conselho geral
|e salubridad dizendo que para poder sa-
sfazer opporlunamente o que Ihe foi re-
immendado pelo governo imperial, con-
'in qu na mesma occasiflo, em que Smc.
ir as inl'oi mcoi's que Ihe foram exigidas
cilicio de 4 uocorrente, sobre o estado
sade publica, emita seu juizo sobre as
mtagens, que se tenham lirado das provi-
ncias cousignadas no regulamento nume-
464 de 17 de agosto de |846, indicando
laesquer allerr;0cs, ou novas providen-
ias que a expeiicncia tenha aconselhado,
ara que este benelicio preservativo se pro-
lague e n u falte ja mais na provincia.
Dita. -- A direcloria das obras publicas,
ira que, buscando os precisos esclareci-
^ lentos, Informe, com urgencia, quaes as
ol)i"-s pblicas geraes que estilo em anda-
mento, i ru| oiido ao mesmo lempo as que
as necesidades da provincia reclamaren!,
ubri'ludo (.8 que tivcrem Lor iini facilitar
s transportes e oieios de coiumuDica^3o
ordena aiileriorniciile dadas, para que neiihii-
iii i |'i .ii, .i de pret possa sahir a ra a paisa
e dos seus quarleis sem que sejam compel
. .
amigo, o ouro, o ssngu e a honra da
Franca.
Senhores, ha 17 mezes passndoa, vos pode-
riels ter sido engaados ; o F.uropa hoje co-
nhecc que he a Franca que foi trahida ; a Fran-
ca, cuja iniciativa para o bem est ameacada
Je destruicao em Ron ." a Franca, cujos sol-
dados com as armas na mSo lomain parte as
salurnaes de um poder que est espirando, e
na coiideinnaco a20annos de prisa de man-
cebos criminosos smenle de terem illiiuiina-
do suasvarandas com fogos tricolores de Ben-
gala.
Senhores, sao vossas cre que all sao con-
demnadas; he vossa bandeira republicana que
est sendo pregada as galles. Um pensamen-
to hostil vossa liberd-dc se revela rin todo
este vergonhoso episodio ; elle dirigi vossas
armas contra Uoina, porque este foi o preco de
um contrato eleitoral: elle prepara nc*xtrrior
u ni primelrs golpeas Inslitiiicocs que conquis-
taste; em fevereiro; elle quis arrastrar os sol-
dados de Fran{a a atirarein, onde quer que Tos-
se, sobre a bandeira republicana; elle procu-
rou una segunda Algeria; por meio de llonia
elle prepara um Satorv; pela cruzada contra a
repblica italiana, elle prepara essa espcdicuo
de Itoma contra o interior, aqual um de vos-
sos oradores voi annuncioii com tanta audacia,
e que vossa maioria, senhores, eiifraquecida,
enervada pelo criine que deixastes coinuielter-
se, pode com indiffercna ovir proclaniar-se.
Menibrns de urna commissao nacional, cujo
ncleo foi elcilo por 60 membros dessa assem-
blca que vos despersasles por vossas bayoneta!,
e que foi completada pela escoiia de um gran-
de numero de patriotas italianos, todos reuni-
dos pela mesma ideia; interpretes dos votos
das populaces romanas oulra vez redutidas
por vos lei do silencio, vimos, senhores, re-
novar peranie vos e a Franca o pr. lalo de lio-
rna contra a violacao de seu territorio, contra a
destruicao fie sua'repblica, contra a piolonga-
daoceupaco de vossas tropas.
Ki protestamos em nonie do artigo S do pre-
mbulo de vossa consliluico, em nonie de vos-
sas declaraccs odiciaesde l6, 24 e 26 de abril,
em nonie do voto solemne de vossa assembla
na praca de pret ,iossa sahir a, a_paisana, ~~- ^ niaio ^ ^,^4^ deelaraede, es-
EXTERIOR.
REPRESENTACAO' DA COMMISSAO' NA-
COHAli ITALIANA A ASSEMBLA NACIO-
NAL DE FltANQ*.
.SenAorf.-No da 2 de jolho de1849, de-
pois de nina resistencia de dous mezes, vos-
sas t'0ias apossaram-se de Itoma, e o go-
verno da repblica foi destruido. Vos dis-
s-stesfinlSo, pois antesanossa liujroagem
sinha sido oulra, que ieis proteger o papa
contra o jugo da itilerveiic.ilo austraca, en-
tretanlo presentemente a Austria acha-se
acampada as legacfles, e opj rime e mata
a leu bel prazer. Ella OCCUpi Dolonba e
rortinca-siem Ancolia.
Vossas forras eniraram para restaurar a
paz aos Estados Romanos, entreunto a tos-
si pz lie urna diV0O militar do territorio
suslenLdi ror 25 ou 30 mil baionilas es-
trangeirai,
Ellas entraram para restabelecer a or-
dem publica, perturbada pelo que chamis
urna faccilo, para assegurar a populaeno
romana o bem governo e a verdaileir.i li-
li rdade. Taes foram vossas prome.-sas,
aliesiadas em vossos ltimos despachos,
repelidas na tribuna, recordadas em urna
carta dictatorial quasi aiiieacadora do pre-
sidente de Franca, entretanto a propria
sin.hrs da liberJade tem desapparecido
Itoma est entregue a um governo clerical
desptico. Pi IX tem renovado a tradigao
de(;regorioXVI
Nos vos dissemos entilo Senhores, es-
taes engauados, faceto he Itoma o toda a
sua po^ulaQSo. Urna faceto he urna mino-
ra que procura apuiar-se do poder pela in-
triga ou pf lo terror. Para apoiar-su do po-
der os republicanos do Roma, esperaran] a
quasi unnime mtliifettacBo do povo, io-
gal diente convocado e representado. A re-
pblica, proclamada por urna assembla
consliluinle foi sanecionada pela esponta-
nea e pacilica expressilo de adhesSo de to-
dos os municipios dos Estados Romanos
Examinai su -s representa^Oes, venlicai-as,
que veris que um syslenia de terror em
Roma teria sido nao meratnenle criminoso,
purea impossivel. O reinado de terror co-
mea smenle com vosco, porn elle nao
mudar o povo, e nada obter do povo.
ComefTeilo, senhores, a faccao esta ven-
cida, proscripta e presa, ha desaste me-
zes completos. O exercilo esta dusolvido.a
guarda nacional tambem. O estado est com-
pletamente reorganisado, entretanto dizel-
nos o que tendes vos ohlido do povo 7 O que
tendesoblido do papa ?
O povo est triste, sombro, irritado ; elle
aborrece e despreza-vos, e para coni-lo
sois obrigado a enviar reforgos ao vosso
exercilo ue occupac,3o.
O papa nada tem cedido. Vos dissesles
que exegineis delle o vosso cdigo civcl,
urna organisaeflo municipal e provincial
fundada na eleig3o, urna assembla delibe-
reraliva para os negocios liscaes, urna am-
nista quasi universal e a reelamacao da ad-
UinlltraoflO, mas elle nada deu. Vos decla-
rasles que nSo baveria indagagOes inquisi-
toraes no passado, mas elle vos respoudeu
com demisses e prisOes em massa. Vos
blasonastesquo nao dexaneis commetter-
se nenhuui acto de violencia em vossa pre-
seuca, entretanto seis pessoas l'^rain ulta-
mamenle exeeuladas por olleusas polticas
passadss.
V le, senhores, os r. sultados de vossa
expeuigo a Roma, expedido pela qual sa-
cnlicastes para o assassiuato de um povo
prescrept
eterna, em nonie de Dos que creoii seu pov
para a liberdade e nao para ser opprlluldfl pe-
la forra bruta. Vos podis, senhores, desatien-
de r ao nosso protesto por un lempo ; vos po-
drs refuia-lo. lia 11 ineies que vos pedimos
que resliluisseii o direilo de volar ao povd ru-
mano c que o deixasseis proclamar seus mais
ntimos desejos acerca do governo que oulra
vez Ihe impozesles, e boje repilimos o mesmo
pedido. Convocai o povo a vol.ir.que elle com-
pletar nossa victoria pelo sulliagio. llevocai
vossas tropas, que elle se levantar em nosso
favor.
Vos bem conheccis isso, e por essa rasao he
que nao queris fazer o que pedimos.
Vos entr-sles em Roma, porque nao ousastes
impedir a entrada dos Austracos as leg.icoes.
Vos permanecis em Roma, porque nao ou-
sais ouvr o poderos grito de uvlvaa repbli-
ca > que duas horas ilepois de vossa partida se-
ra levantado para declarar ciimiiiosa e lalsa a
vossa poltica.
Pcrmanecei, pois, senhores, que talvez a vos-
sa permanencia seja necess.iria para que a li-
cao seja completa lalve ella seja necessaria
para que o seiilimento nacional italiano, do
qual Roma fora o berjo e deve ser o templo,
tenlia urna explosao mais irresislivrl; talvci
ella seja necessaria para que todos vejain por
inuisalguin lempo o espectculo do papado sus-
tentado em seu reinado tmente por bayonetas
estrangeiras.
Poriu leude cuidado, senhores, que a Euro-
pa na diga un dia Franca. A nacao que
deslioe a liberdade das outras nao tem direito
ao goto da sua propria. Tende cuidado que a
historia nao vos diga. Depois de se terem
suouieitido a poltica da corrupco, riles Inau-
guraraiu a poltica de covardu. El les nao ti-
v-erain neii> a franca brulaliilade d criiuc, ueiii
a felll coragciu do arrcpendiinento.a
Londres, 21 de novenibro de 1850.
Pela coinniissao nacional Italiana. JotcMai-
lint. Jos Seitori. Aurttiu Sa/fi. Aurelio
Saliceti. Slathias Monlicchi- Cejar -luo(i-
nho, ceretario.
_______ {Sun.)
LONDRES 5 DE NOVEMRRO DE 1850.
Urna comporaQo dos recursos fiseaes d*
Prussa e da Austria feila pelo nosso corres-
pondente de Vienna moslra a cndilo em
queessas duas visinhas invejosas urna d
oulra eslSo correndo o risco do una guerra.
Como a Austria em nome da Federagilo tem
actualmente oceupado llesse, devemos con-
idera-la como nfio leudo poupado nenliu
ma provocai;3o guorra. A Prussia obran-
do smenle em seu proprio nome, poim
com quasi igual ameaga, nSo osla muilo a-
Irasada na cancira da honra. O n3o Icr re-
sultado a guerra desses mpvmeutos amea-
r-adores he smenle devido a immerecida
bondade de um po.ler superior. Digam o
que quizerem os estadistas, os armamentos
exagerados, as prelences presuinpcosas e
a troca de desalios pem a questSo d guer-
ra fra do alcanco da inspecg3o poltica e
expe-na decis3o temeraria e inomeuta
ora do acaso ou do capricho, da paiz3o ou
da loucura. Os llessianos tiveram o bum
senso de conhecer que ganhariam mu | 011-
co convidando as na(es da Europa para re-
gular suas velhas animosidades em seus
celleiros e vinlias, suas villas e cidades, po-
ro m contingencias, que he desnecessano
de.'erever aqui, lortiaram abortiva sua dis-
cripc.3o e fizeram-nos pagar caro a s-a pai-
tSo pela liberdade conslituicional. Em que
estado pois estilo as potencias que arris-
caran! do lauro de um dado urna guerra,
cuja primeira faisca se teria estendijo des
JeTilsitat Aixtico? Km que estado estil-
as potencias que causa las, posto que exas-
peradas exhaustas, posto que ineconcihw-
veis.teriam siJo cuinr.ellidss invocar as
interveuces perigosas da Russia e l'ianga
:-"
e teriam visto suas estradas atravessailas
nutra vez pelas correntcs alternadas de repu-
blicanos e cossaoos ? Seu estado he falque
suggere a ideia de que ellas talvez ronside-
rem a guerra anles como a nllima esiieran-
C.a de reparar urna condiQn desesopraila do
que como urna grave e honrosa.necessidade.
Itelativamenl) < rendas o gastos debaiSO
das comlirOes existentes, a l'russia tem al-
Ruma cousn de q'ft blasonar. Seu orc,a-
gatnentn para 1819, foi calclalo em
14.000,000 de libras esterlinas pour-o mais
ou menos, s'iiilo sTenle exigida a quan-
lia de 750,000 librai para o pagsmentn dos
juros da divida nacional, e.-timada em
18:500,000 libras, Por espaco de trinta an-
uos a divida -la l'russia tem silo successiva-
mente reduzida, e 375,ooo libras atoan-
nualmenlo approoriadas para sua amortisa-
"{Bo. Sen exercilo avalia-se que n3o Ihe
cusa mala do que 3:100,000 libras no cor
rente auno o esta iiuautla he menos de um
quarto de su renda, a somma do 4:0on,ono
delibras foi acrescentadi I ana divida em
1818 e um novo emprestimo de 3 000,000
de libras foi cunlrahido no pievnle anuo
para decirrer s eventualidades da ques-
illo germnica, O que a primeira visla pa-
rece compilar urna visfo de riqueza qua-
si fabulosa para urna inlelllgencii b'iUnica
lie a circumstancia de l* a Prussia immeu
sos dominios pcrlencentes o estado o ier-
ras da coro1, avalladla moderadamente em
55 000,009 de libas, os qua s pagamos ji-
ros o assgurm o capital d< sua divida.
Se a fazenda publica da Inglaterra estlvessc
nesta condiefio orecente e elstica, nSo
lia duvida que estariain >s em guerra co :.
Io.h as naques d i trra antes de seren pas-
sadoa i nie?es, e que cada guerra nova
seria saulada com acclamacfles n i prega do
eomuiercio, bem COTio ja COllt'Ceu nos
lias de nossa innocencia potinca, porm,
essas so amas as quaes somos obrigados a
crer sobro palavra, e iiuc un s n i nos circu-
ios melhor informados da Prussia s&u envol-
las o i um cello myslerio impenetravel,
devem ser submi tlidas a urna pequea ana-
lyse e bem assim cimparadas com as cir-
cumstancias polticas e geographioaa da-
quelle psiz
^o, 'lo 14 001,000 In libras smente
3:100,000 s8o despendida-, com a man lien
qa > do exercilo, e 1:125,000 C.......s juio-
amorlisaqno da divida, oqiehe lelo 'a
9:77>,0)) d libras rolantes ? II-' evi lente
que a nuda devo si devora la antes do che-
g.n"iio li>co. As Ierras da coirta, b-ni cono
as nossis propiias, deven cuslar lano
qiiauto ret lem, e as latas devem 8-rab-
sorvidas pelos colleciores. As liguras nfio
tdmilleai ontra hypothese, porquaiito a ad-
ministracSo civil d-i imperto, no fallando
nos recebedores de t xas, n3o pode honra-
damente dar cjila de inetade desse mys-
terioso bilanqo; porm una guerra, isso
he evidente, lana a mais cruel distruicAO
nos recursos da Prussia, por isso qup ella
he tola frutileira, toja trinchei e, iodo rio.
toda e-traja he iberia por tolos os po-
cos e ti ni infinitas brechas qui lefemler
co Ira o laque hostil o a lelapidsq.to (tier-
na, Desunida e mesmo heterognea, ella
teria que lular pa cobcsio tanto quanto
pela defenao km II oslad i .'e is coslu-
mes >o ceteiior >i i iii esuas rendas dsip-
pareco iam. Sua les'.eza s ria substancial;
eiitrelatito, que sua renda s exis o papel. Seu exercilo do 330 000 homens,
suppoiido (|ue smenle a pomelo mais moca
de landwer fosse convocida, custar-lh-'-hia
certa mente durauo o lempo em queesli-
VeSSO en s rviqo activo quanlia de
1o:0d0,000 de libras, a qu I debaiZO dn
circiiii stancias acluacs provavelmente se-
na a ImporUncia de suas rendas. Ns nSo
timos tomado oni considerafSo certas con-
liogeocias, temos supposto aituaaia estti*-
tamente neutral, e a Franca nobrementi
despida doambi^So. Nada lomos posto poi
cunta de SrUlewig-llolsiein e remota-
mente aliudiipos a repblica vermelha en
Berlim. No tenlo em vista seniio urna
guerra com a. Austria, o que he smenle
netade do perigo que annuuia o liorison-
to prussiaOO, n3o pudemos estimar a despe-
za animal dessa guerra em menos do que
toda a sua renda, porquauto, aquella lem
de augmontar e c.-ti de diminuir.
O caso da Austrria he confessado. Seus
negocios cst.lo em Ifio grande COnfusSo que
o nosso correspondente, procurando de bal-
de alcancar urna Ierra /ruta, parle de um
dividendo de 4 sollos por libra em 1811.
Para nao seguir O nosso correspondente a
travez das longas series de embaracos fis-
eaes e evases ueshontosas, be bastante ob-
servar que nos lins de 1819 a divida publi-
ca austraca montava a 103,500,01)0 libras,
fra Uina divida fluctuatite de 2,500,000
libras, que o estado deve ao banco ; e o pa-
pel DiOda em cicuIhcSo, 0 qual monta a
34,500,000 librea, sendo smenle 3,000,000
aaseguradoa por bu ras de ouro e piala e
Mean io 31,500,000 sem protecc&o.
Urna tal pruteC(8o he por lano inteira-
menl nulla ; e o papel austraco em um
anno de paz, e smenle tres anuos depois
do comeco dessas perturbad-Oes acha-se pre-
sentemente lio desapreciado como u foi o
nosso proprio papel depois de quasi urna
gerac,3o de guerra. A despez ausliiaca em
1849 foi oreada em Iti.uO.Ooo de l-ras pa-
ra nove meiOS, OU quasi 21,330,000 libras
para um anno; sendo o ezercilO iclu-
lido a despeza iicrivelmenle mdica Je
0,000 000 Je libras. Como esse exercilo
luame a guuira hungaiu fui elevado a
."i.iu.tiii 1 lioiti'iis, he evi iciile que parte de
seu cusi deve ter lio 10 lora desta ava-
llUCHO.
Os juros da divida austraca pdetu sor
conjectursdos pelo capital cima menciona-
do ; o como ss despezas necessarlas pra
a callela las laxas nao foi menor de
4,140,000 libras em 1839, ellas nflo ser:*io
cortamente muito menores agora. Todava
para occorrer a urna despeza de-21,000,000
de libras, .1 renda em 1849 nlo foi mnor de
!).330,000 libras, isso he m-nns de nvtade
do custo das despeza*. U n tal esta lo de
cousas, offerecsem duvida alguns motivos
paia a guerra Como a Austria nao pode
continuar a susL-ntar o sen ejercito perma-
nente, cun quanlo elle seja q-iem conser-
va unidos seus discorlantes dominios, he'
possivel que ella possi e:itret'-r a eap< ran-
ea de sustenta-lo costa da Allem.inha Fe-
deral, Urna presidencia activa nee negocios
la FederacJSo pode fazer resuscitar essa
uiii lade que rerentemeute receben tilo ler-
rjvela golpes assim no Danubio como no
l' A guerra evtrangeira he um especifico
con ti a aa discussOea intestinas, todava he
es-e 1101 expediente assis perigOSO.
ornis s guro rexultaJo de urna guerra
lie o s-'u custo se a Austi a se meiter ou-
1 ra vez em urna lula com sui formi lavel
rival por amor da supremaca germnica,
ser em breve r'dozida ou a OUlri bancaro-
ta, ou a adopQlo de expedientes ainda mais
leshonrosos, e ruinosos. A'face da histo-
ria nao po Icinos enlreler a es erangs d-:
que o pr.(ject-) de fallencia faca nunca a
Austria saina. Sem ltimos moviuientos
II 1 a i. urna total falta d.e r -apello as con-
sideracOes de prudencia. Avenale tola-
va deve ser condecida para beneficio de
lo ios aquelles, aos quaes possa inleressar.
v noionela le do deagracado eatado liteal
III que a Aus'ria se Cha p e dar lugar da
arte do ezloriora diHlculdadea que a fa-
catn procurar ohier o seu Um niais por con-
liios molarados -lo que por demonslra-
Cesloiinidiveis. Sui conducta actual be-n
co ni a 'o sua gran le rival, tente para a
-uii|i.'iei) da Alte iiIii, poucacompai-
\o por tanto desoeriarflo ellas, se ambas
rorem arruinadas uessa teotatlva.
( Times.)
RAfvIBUC
Tribunal do commercio.
A TV DV SESSAO DO DA 9 DE IAKKIRO
|)K ISM
Presidencia doSr. ilaflnjaaJor iVlurtiniano da
Roena Ututos.
As 10 horas di inaiiliaa, estando presentes o
deputad > secreliiiu interino e os supplentei,
senhores Ellas l'aplisla da Silva e Jos Antonio
(asios, o Sr. presidente declarou aberla a ses-
so pelo loque de campainna.
Fez-te aleitura da acta da sessao antl cedeu-
le que por oslar conforme foi approvada.
Foram apresentadoi tres reqiierinientos, de
.los Jeronyiuu Montelro, Joa Iguaclo de He-
driros llego e Antonio .Uves llarbosa, pediudo
para seren' Matriculados ueste tribunal, o
paos te deferirn com oseguinte despacho:
SatUfaca o exigido na segunda pane do ar-
tigo 15 do regulamento n. T38 de 25 de novein-
11 lie ISJD.a
Oi iiii-inbr.is prsenle., lizri un entregados
lvios numerados e rubricados, que para isso
viaui recebldo na sessao pastada eno lia-
ndo mal nada a tratar, 0 Si. presidente deu
por linda i-sl.i sessao, e inaudou lavrar a pre-
mie art que astignou.
K cu Joa Pinto de Lomos secretario interino
a lubtcrevi. Jfarlia/aiiotta Hucha Pastos, pre-
tideute. ________________ .
Corrf8j)Oiideacia.
Srs. edietorts.--Provocado mais do urna
vez pelo Diario oco e Voz da limsil trans-
formado em Imprenta o Echo l'ernumbucano,
naoposso negar-me a desmentir com a ne-
cessaria fu c-i da verdade urna impuiaciio
que me fez o n 3 da Imprtnsa deste anno e
-i 33 do lidio, asseguraaio aos seus leilores
quenodiaS do correte as 3 horas da tar-
lo. na ra da Florentina eu presenciara na
qualidade de inspector de quarleirSo um
eapaocamento platcalo em urna enanca,
e deizara evadir-seo delnqueme. Ao que
respondo : primeiro, era impossivel que, es-
lando eu na alfandega como seu emprega-
do a 2 do correte al 3 h >ras da larde,
presenciasse um facto acontecido as 3 na
roa -la Florentina : segundo, nenhumaobri-
gacSo privativa teria eu, se la esltvesse, de
perseguir o delinqueule, porquauto desdo
12 do dezembro pioximo pissado pedir, o
obtivera dispensa do cargo de Inspector de
iiuarlciriio da ra dss Flores, cuios limites
iiilo compreheiiileui a Florentina : lerceiro,
linalmenle: sendo esse fado, como diz a
Imprtnsa presenciado por laflia geule, o na-
turalmente pelos seus redactores, que delle
ditoes.se publico lesleinunlio, poda qual-
quer dos asistentes no flagrante prender o
criminoso; mais o que lizeram ? lie que
esse valenlilo era talvez algum pai da patria
daquelies que mataram muliieres e meni-
nos na celebro carnificina de Barreiros, e
como tal he um digno filho da Imprensa e
do Echo.
i.-ia he a resposla que d
iodo Athanazio liotelho.
Recife, 14 de Janeiro do185L^^^
eparliQdo ua Polica.

1 A1. 11: D DA 10 DE JANEIRO DE 1851.
Fura tu presos : a ordem do subdelegado
da Ireguezia de S. Fre Pedro tioncalves do
Itecife, Concallo Manoel deSmla Anua, por
imitativa de morle : a do subdelegado da
lieguezia de S. Jos, Joaquiui Martina dos
Santos, e o esclavo l.uiz, por infracgaode
postula municipal : e a do subdelegado da
liegueiia da boa Vista, Joaquim Jos de
bauu Auna, por desobediencia; oescravQ
<


aseada
!l
Joaquim. a requesico esrravo Je Manuel Antonio de Azevedo, por
andar fgido ; o Antonio, escravo de I", dos
Snios, porcrimede furto.
O delegado do termo de Caranliuns, por
cilicio de 3t do mez prximo passado, com-
municou ao cliefe do polica que haviam si-
do presos os criminosos, Ignacio Francisco,
que matara a sua inulher, no dislricto de
S. liento; Joaquim Dantas, criminoso de
morlo da quadrilha do Poco Comprido ;
Manoel Joaquim do Nascimcnto, quu a tres
anuos assassinra a sua mulher, no dislric-
to do lluique ; e Joaquim Jos AWes, cri-
minoso de roubo de escravos na villa da
Imperatriz da provincia das Alagoas.
DEM DO OA 11.
Foram presos : or.lem do subdelegado
da freguezia deS. Jos, o preto Jos, escra-
vo de Jos Pires Ferreira ; e Antonio do
Nascimento da lloclla, sern declaracilo do
motivo.
O delegado do termo d'Agoa Frea, por
cilicio de i i de dezembro ultimo, commu-
nicou ao che'e de polica que no lugar do
Capim, na noite do da 10 do mesmo moz,
turna sido assassinado o pardo Filippe de
tal, pronunciado por criine de mortecom-
mettido nis pessoas da dous soldados do
segundo batalhao de artilh ira a p, e que
ficava procedenilo as necessarias diligen-
cias para descubrir os autores de s"me-
Ihanle alteotado, afim Je seren punidos
na forma da let.
IblU
estrada ser.lo foitos pela forma, sobas eon-
tlicOes, o do modo indicado no orcamento,
planta e periz, apresentados nesla data h
a; provafSo do Exm. presidente pelo preco
da oito contos sciscenlos e trinta e tres mil
nove ceios o sessenta e seis muris ( ris
8:033,966. )
2.Fin todos os pontos onde a estrada
nova coincide,ou encontrar-so com o velho
carainho actual, devei ser dirigido o ser-
vico de molo tal que haja sempre um Irn-
tito fcil.
3.uAs obras principiaran no praso de
um mez, e flndtrflo no de oito mezes, am-
bos contados de conformidado como art.
30 do ri giilumcnlo de 7 de maio de 1850.
4."--Para ludo mus que Rilo esta deter-
minado pela presente clausula, seguir-so-
ba inleiramento o quo dispOO o regulamen-
lo das arrematado's de 7 de maio.
llecife. 25 de novembro do 1850.O en-
cinheiro chufe da segunda seccHo, Jodo Luiz
Vctor I.ieuthier. Approvado pela directo-
ra do conaelho no da 3 de dezembro de
1850. O director, Jos Mamede Alves Fcr
reir, --Florianno Ditir Portier.Approvo.
Palacio do governo de Pernambuco, 11 de
dezembro de 1850.Souza Hamns --Confor-
ma.-- No impedimento do ollcial maior, o
orTci'al Domingos os Soares. n
Conforme. O secretario, Antonio Ferrei-
ra a"Annunciticdo.
wmmm
Deca raides.
ALFANDECA.
Rendimentndodia 13.....7:791,288
Descarregam hoje 13 de Janeiro.
Barca Ester 4nn mercadorias.
llarea Serafina dem.
Plice-- Vieenea vinhos.
Sumaca Carlota -- charutos.
Hiale -- Aguia -- vaquetas.
uxnsuladocehai .
Rendnaaoto do da 13. .
Diversas provincias ....
5:4l5,9li
47,825
5:463,769
RECEBEDORIA DE RENDAS CEHAES
INTERNAS.
Rendimento dn da 13.....338 182
CONSULADO PIlOVINClAI..
Ren.llmanln dodin 13. 4:783,011
l --------T-rr-----_--------- :. .
Vloviniento do porlo.
Navios entradis no da |3.
Aracaly io dias, hiale nacional Dmidoto,
dc43l|2 toneladas, mestro Joo llenri-
quo de Alineida, equipagooi 7, carga sol-
la e i. ais ge tu ros ; a Jo.- Manuel Martins.
Passageiros.os Brasileiroa EstevfiodosAn-
jos da l'orciuncult, Jos ila Cunlia Itezer-
ra p 3 escravos a entiesar.
Guayaquil 68 das, patacho dinamar-
qus E/u, de 196 toneladas, capllfio Sha-
de, equipagem7, carga po-brasil e ca-
cao ; a N. O. BleberA Comraohia.-- Velo
ref escar c segu para Falmoulh.
Marselha 50 dias, barca fruneeza tune
Edauard, de 266 i|V toneladas, eipitSo
Garlel, equipagem 13, em lastro; a Le
reton Schramtn& Companhia.
Navio suhido no mesmo dia.
Va I para i/o polaca sarda Mario, eapitSO
Tliomas Mazzino, carga assuear.
KlTAliS.
O Illin. Sr. inspector da lliosouraria da fa-
zenda provincial, em cuiiipriuieiito da ordein
do Exm. Sr. presidente da provincia dc3:dr
dezeiuhro prximo passado, manda fazer publi-
co, que nos dias 21, 22 c 23 do torrente ir a
praca perante o tribunal administrativo da
mesilla thesnurari para ser arrematado a
qilm por iiipiios fuer a pintura da joule pen-
sil do Cachaog, avallada em 3Sj,(ioo rs. c sb
as clausulas especiaos aballo declaradas.
As pessoas que se propozeretn aestaarre-
inacio COmparecam na sala das sesses do nies-
iiio tribunal nos dias aina inencionaoos, pelo
nicio-dia, couipeteniemenle habilitadas na fur-
nia do artigo 21 do legulainenlo de 7 de maio
do prximo passado anuo.
E para constar se maiidou aflixar o presente
f publicar pelo /.iaro.
Secretaria da tbesouiaria da hienda provin-
cial de pernaiiibuco, 3 de Janeiro de to5l*
U secretario,
Antonio Ferreira d'Armunriafdo,
ii Clausulas especiaes da trriMtOfho',
1.a A pintura da ponte ilnCachaug ser foi-
ta pela furnia sb as condicoes e do incito in-
dicado DO oreainenlo apresenlado a approva-
ran dn Kxm. Sr. presidente, pelo pceo de is
389,900.
2.* As obras principiarlo no piaso de 15 dias,
<- lerSo concluidas no de 40, ambos principia-
dos a contar da entrega do termo da arre*
inatacu.
3.' O pagamento ellecluai se ha depois de
concluida toda a pintura, e examinada ptlo en-
genbeiro.
4.' Para ludo o mais que nao esl determi-
nado as presentes clausulas seguir-se-ha o
que dispde o regulainenlo de 7 de maio de 1850.
llecife, l de dezembro de 1850.
O engenheiro cliefe da 2." da seccao.
Joo lu: Vctor I.ituthcr.
Approvadas pela directora em conselho, do
dia 16 de dezembro de i850. O director, los
Mamede Alen Ferreira. II. A. Mitel.J. Luis
I icio Lieulher-
Approvo. Palacio do governo de Pernambu-
co, 31 de dezembro de 1850. Suma Itumni.
Conforme. O onTcial, Manotl Jos Marital
Ribtiro.
Conforme. O secretario, Antonio Ferrtira
d'Annunciaco.
O lllm. Sr. Inspector da thesourara da
fazenda provincial, em comprimento da
ordein do Exm. Sr. presidente da provincia
de 12 do correle, manda fazer publico
que nos dias 21, 22 e 23 de Janeiro prximo
vindou't) ir a prac,a peranle o tribunal a I-
miuislraclivo da mesma thesourara, para
ser arremata a qtiem por menos lizer a obra
do segundo lanqo da estrada do norte, sva-
liada em 8:633,966 ris, c sb as clausulas
especiaos abaixo declaradas.
As pessoas que se propozerem a osla ar-
rematarlo compretelo na sala das sessties
do mesmo tribunal nos dias cima mencio-
nados pelo meiu competentemente habili-
tados na forma do art. 24 do regulamenlo
do 7 de maio do correte anuo. E para
constar se man.lou alixar o presente e pu-
blicar pelo Diario.
Secretaria da thesourara da fazenda pro-
vincial de Pernainliuco, tC de dezembro de
1850. O Secreta rio, Antonio Ferreira du
.\nnunciucOo.
Clausulis especiaes da ammelafio.
I.MJs traballios e obras desto lanco de
Faco saber que no dia 17 do corren'e a
una hora da tard\ se ha de arrematar na
porta desta repartidlo, duas saceas com al-
godilo, pesando 9 arrobas e 28 libras, de
primeira sorte, a 6,700 rs.; e 11 libras com
carneo a 1 680 rs ; aprehendidas pelo ar-
quiador Joaquim Ignacio de llarro. I una,
por estar o algodilo viciado, sendoaarre-
nialacilo livre ie despezas ao arrematante.
Mesa do consulado ie Pernornhoco, 13 de
Janeiro de I8BI.0 administrador,
Judo Xavier Carneiro da Cunha.
Consulado le Portas/al*1 ci i'cr-
nnnihuco.
Faz-se publico para conhecimento dos
t>8pililos de navios,e mais pessoas que se di-
rgirem aos pollos de Portugal, as seguintes
dispOScOeS doedital do conselho do saude
publica do reino, publicado em 24 de outu-
bro prximo passado.
a i. Todo o navio, qunlquer que srja a sua
pracedemiii, que trouxer, ou livor lido a
bordo doentes, ou morios, lio sujeito nos
porlos do Reino qtiaronl na, que for nc-
nocessaria para seguranza da saude pu-
blica.
a II. O dito navio poder todava ser ad-
millil.ia livro praliea, comanlo ouo pro-
ceda i!e porto Itmpo, que o respectivo capi-
llo ou mostr aprsenle ao guarda mor, ou
fiscal da saude do porto em que entrar, as
carias ou passaportes de saude particulares
das quo ilverem embarcado ja doentese
que por eslea docnmonlos dcstrua toda a
susptita sobre a naluiesa da molestia, ou
da morlo das que se acharcm doenles, ou
liverem fallecido da molesta durante a
Yiagem.
o III. As Carlas do saude pessoaes, que
iiKo trouxerem apensaa e mhtnUeada pelo
contul purhiijuez da procedencia, a corres-
pondente alteslacSo de medico, com desi^-
naeo precisa de molestia, nao tem vali-
dade.
I'. A simples atleslacio.em devida for-
ma, passada por medico da procedencia, e
atilhentieada polo respectivo cnsul | ortu-
guez, poder servir de caria do saude pos
goal, so o espeetivo guanta mor a julgai
bastante.
n \. Na falta do cnsul po tuguez serilo
as eailas de saude pessoaes, e atleslaeO".
medicas, referendadas pelo cnsul de
llespanh.", o na falta denlo pelo consol
io qualquer oulra nacjlo, quo estiver em
relacOes do amisade o commercio i......pur-
Itlal As que ndu Irouxcrrm re/prenda con-
sular no teroo crdito uein vtilidttde.
-i VI. l\do se adniitte.iicn rale p feilo, allllarfio de medico ou cirvrgiao, que
te achia bordo, excepto so o navio fr de
guerra,
MI. No caso do du lvida o guarda mor,
oo fiscal do saode, conservara o navio em
quarontena, adoptan.o s providencias
mais ngo'tisas, que os regulamenlos pres-
creverem, o forem applicaveis.
ni j As disposiees do piesenteedilal nfio
'ierogam quaosquer nutras mais rigorosas,
actualmente em vigor par* certas e deter-
minadas procedencias sups ou susp-las.
Consulado de Poilugal em Peniatnhiico, lo
do Janeiro >le 1851 --J //. Moureira, consol.
Par-i ci iiln cimento dos interesssdos
se {publca o artigo abaixo mencinalo do
decreto de 29 de maio do auno prximo
passado acerca da flanea preslada paia o
despacho dos vinhos do Domo da segunda
qualidado impolla.los para o deste imperio.
o Art. 4 A lirtiica que so presta para o
despacho dos villllOS da seguiida qualidade
s icm lia i xa com a certidfio de descarga,
e de despacho paia coiisuiumo un porlo do
eslino, ou em OUtro fura da Europa. nan-
lo aos pollos em que ha reSlituicSo de di -
(ellos pela exportadlo do villhO n.in poder
lar-ae balsa na Hanc*, sen que se aprsen-
le igualmente certidSo por onde conse que
laes vinhos nSn f rain reexportados paia
porlos da Europa dentro do prazo de quil-
tro mezes, contados dopuis do despacho
para consumo:
nico. Estas certiddes stem valida-
de sendo passidas pela primeira auloridade
da Alfandega do paz, e ceitilicadas pelo
cnsul poituguez, e na sua falta pelo de na-
(,lo amiga ; concedendo-se o praso de 16
mezes para a sua apresenlacSo, quanloo
despacho se li/.er para a America do norte,
do 22 para a do sul, e de 28 para a Asa, fri-
ca e Oeceania.
Consulado do Portugal em 'ernamhuco,
aos 10 de Janeiro do 1851.Joaquim liuptit-
ta Mortira, cnsul.
-- Pela Capitana do porto desta provin-
cia, se declara para, conhecimento de quem
perlencer, quo todas as canoas e mais em-
harcacOes empresa las no trauco du porlo
e nos navegaveis desla cidade, rio pode-
lio, sob pt na do mulla, lindo o praso de
oito dias contados da data deste, continuar
reseos servicos sem lerem para isso licenca
da capiania, e sejam nslla andalas, se-
gundo determina os arla. 74 e76do rgu-
iment n. 447 de 19 de maio de 1816, para
(i,j<> li b he preciso que os proprielarioj a-
proseiitem documentos legaes, relativos as
quilha linipa, e cumprimento de roda a
roda.
Pela subdelegada da freguezia dos
A togados foram aprehendidos Iros cavallos,
o primero ruco-pedrez, o segundo ruco, e
o terreiro mellado: quem se julgar com di-
reitos aos referidos cavallos comparcen
na mesma sublelogacia, que dando os sig-
naos Ihe serHo entregues.
Acham-se recolhidas nesta subdelega-
cit do S. Jse do Recito, urnas chaves enria-
das em urna Brrente, a quem perlencer di-
rija-so a mesma subdelegada, quo dando
os sgnaes serilo entregues.
Tliealro de Santa-Isabel.
36.' RECITA DA ASSICNATURA.
QUARTA-FElni, 15 DE JANF.IRO DE 1851.
Depois da execuc/lo de urna das melhores
ouvertiiras, a comeanliia nacional repre-
sentar a exceliente tragedia em 5 actos :
OTHELp.
Personagens.
OllieloGermano.
I.oredanoSilvestre.
PezaroCosta.
Moncenico Dogo do Veneza Sebastilo.
OlalbortoCoimbra.
Iledolmonda D. J. Januaria
ErmaueoI). Rita.
Senadores, ofllciaes, etc.
Terminar o eapectaculo com a graciosa
farca
O jiiiz tic paz lu roca.
Comocira as 8 horas.
Os bilbetcs acham-se venda no lugar
do costme
theatro de atollo
1I0IE, 14 DE JANEIRO DE 1851.
Espetacolo variado em beneficio da can-
lora Angust Cnndiani.
Depois de exerutar-se urna escolbida ou-
vortura seguir-se-ha a cavatina e allegro
da opera.
Anua Rnlenn.
do maestro Donizetli, executada pela bene-
ficiada.
O Sr. Brunit artista mui distinco, be
pouco chegado a esta cidade, em obsequio
beneficiada executar na sua delicada
flauta iie orystal, invent;:1o de lilim, urnas
variaroes com acompanhamento de piano
pelo insigne mostr o Sr. Ilcnry Previg,
tambom ha pouco chegado ; o qual igual-
mente se piesla por obsequio benefi-
ciada
Aria da o-era Nabucodanosor do maes-
tro Verd executada pelo Sr. Ciyo Eckerlin.
Cavatina da mesma opera exteutada pela
beneficiada.
Duelo da mesma opera pela beneficiada,
e o Sr. Eckerlin.
Pelo insigne mostr o Sr. Previg, urna pe-
ca de sua cscolha executada no piano
forte.
Duelo da opera Horma fazendo a benefi-
ciada a parle do Norma ; o Sr. Brunet exe-
cutai na sua flauta a parte du Adalgua,
com acompanhamento de piano pelo Sr.
Previg.
Aria da Gemina di Vergi, executada pelo
Sr. Eckerlin.
Pinallsando o ospectaculo com a muito
applaudida aria da opera
E r ll n i.
oxeeotada pela beneficiada.
A beneficia ia pede ao rospeitavel publi-
co desta cidade loda a indulgencia o pro-
teccllo.
O restante dos bilhetes de galera,"geral.'e
cadeira vendem-se |no mesmo Iheatro.
A lionilii'iada ira receber o estipendio
nos camarotes, depois do terceiro nter-
vallo ___________________
Avisos maritimos.
Tabella das passagens.
a M
* X *
o HCfl
c a- 3 3
03 a 2
a o * ' 3 5T



ooSw
o

o o o c
H W ID
u> n
t* z: --
7 - o
~- *- 0>
~. -' c: IC -^ i" 3 B
S 19 O U - -i
a 0
e> n
c a c e-. o te K n
> p>
4* c --
O 14 OS t" O
w> m
v>
j a
o M n S 2 o
C> A- ^O 1-
OlfitnOV >
Vt e n
a n
O "
a a M j u -- oo oe w o 03 C = > s T3
o
e
a
Ul
a &
o
3
5
a.
-^
I' U O '9
c-
a a a S
m
ex
a
duueiisOcs quu tiveroiu ua bocea, poulal
llcnl coiiipniliia "f i>nn-(fs le
vapor entre o lirasil c a Grla
Itroliinlia.
Apeles nesla prai;a Adamason Howie &
C ra do Trapicho n. 42.
Esta Companhia tendo convencionado
com o governo do Sua Magostado o Impera
dor do Brasil sobren conduelo das malas,
e passagoiros entre os dous paizes, tem a
honrado participar aorespeitavel publico
dosto imperio, que tem cscolhido para este
sorvico de cnlre os seus navios de vapor
que compooni a linlia de paquetes entre a
Inglalerra e as Antilhas : os seguintes vazos
Teviot Commandanto Rivett
Seren. Vi ricen t
Dee a Alian.
Estos navios sao lodos de primeica classe,
do porlo do 1500 toneladas, e de fWca de
oOO cavallos cada um, e os comtnodos que
olTerecem aos passagoiros sao os mais com-
pletos, que le possvol, tanto pelo espacoso
(lesnas cmaras, como pelo seu appurado
aceio, bou gosto, e magnificencia : trazen
do alem disso cada um dellos a seu bordo
um ClrurgiSo hbil o oxperiente para aco-
dir a qualquer procisao qne por ventura
possa sobrevir.
Cada um desles vapores cima mencio-
nados partir por seu turno de Sonlliamp-
Ion em Inglaterra no dia 9 de cada mez,
principiando ja do corrcnle Janeiro, e fa
zendo escalla por Lisboa, ladeira, Tenerife,
e Cabo Verde, deve chegar em Pemamlmco
I no dia 1 ou 2doseguinte moz, ondesomen
te se demorara 6 horas para entregaras
mallas, desembarcar os possageiros e rece-
ber outros para o sul, continuando a sua
derrota por Dahia, lio de Janeiro, Monte Vi-
deo, e lluenos Aijrcs.
Os mesmos aores devem sahir de volta
do Rio de Janiro nodia 11 ou 12 de cada
mez, tlevendo chegar em Pernambuco em 5
dias no dia 16 ou 17) d'cnde depois de urna
demora do 6 horas seguir para Inglaterra
com escalla porS Vicente (no Cabo Verde)
Tenerife, Madoira, e Lisboa.
Estes vapores lamben) recebem carga a
froto em Sonlhamplon para os portos to
lirasil, e tiestos para S Vicente, Tenerife,
liadeirs, Lisboa, e Sontliampton; assim
corno de mis para os outros portos do Rra-
sil cm que tenham de tocar ; advertindo
porcm, que niio recebem os gneros se-
guintes: oleo, azeite, assuear, algodo,
mel, espiritos, vitriolo, plvora, e oulra
qualquer materia de nalurc/a inflamave!
Junio vilo noladas as tabellas que de-
vem regular os fieles e passagens nos mes-
mos \apoies, u para oulra qualquer in-
formacjlo os prclendentes podem dirigir-
se aos respectivos agentes
Adamason Howie & C.
Nos presos cima estilo incluidos os ob-
jectos necessarios tle cama o de roupa para
a mesma, gratficagOes aos criados, e todas
as mais despezas, exceptuando vinhos, es-
piritos, e bebidas fermentadas, que toda-
va sempre se acharo a bordo por presos
moderados.
Tabella dos Trefes.
Em mercadorias de Pernambuco para qual-
quer ontro porto do Brasil 3 10 por ca-
da 40 ps cbicos.
Em moeda de ouro ou prata para a Baha
e llio de Janeiro1/2 por cento do valor.
Em moeda de ouro ou prata para Monte-
video Buenos Agres-*/_ por cento no valor.
Em moe la papel de qualquer um porto
para outro no lirasil '/2 por cento no valor.
A importancia assim dos fretes como de
passagens dever ser paga no acto do ajus-
te no escriptorio da respectiva agencia.
-- Para o Aracaly sahealo da 20 do
corrente o hiate Anglica porterj parle
da carga prompa : quem quizer carregar,
ou ir de passagnm dirjja-searua da Cadeia:
do Recito n. 49, a tratar com Antonio Joa-
quim Seve.
-- Vende-se a harcassi S. Jos, de lote de
40caixas, quasi nova, feita a dous anuos,
milito bem construida, e de muito boas ma-
deiras : quem a pretender a pode examinar,
o traiar na ra Direita n. 69, com Antonio
Alvos dS Miranda GuimarSrs.
Para Lisboa saho com a maior brevi-
dade possivel o brigue portuguez Novo
Vencedor, por ter o seu Carregamento qua-
si completo : para o restante e passagenos,
para o que offereco bolla commodos, trata-
se com os consignatarios T. deAquino Fon-
seca & Filho, na ra do Vigario n 19, pri-
mero andar, ou com o captilo na prac,a.
Para o Rio de Janeiro sa-
lieeni poneos tlias, por ter a maior
parte do seu carregamenlo promp-
ta, o brigue nacional Ledo : quem
no mesn.o t|uuer carregar ou ir
de passagem, dirija-se a Joaquim
Uibero Ponte, na ra da Cadeia,
ou a Novaes & Companbia, na ra
do Trapicbe n 34-
Para Lisboa sane, al 19 do crranlo, a
barca portugueza Margarida, capilo Silve-
rio Manuel dos Reis : quem na mesma qui-
zer carregar ou ir de passagem, para o que
ollerocecxcellenles Commodos,dirija-se aos
consignatarios Oliveira Irmfios & Compa-1
nha, na ra da Cruz n. 9, ou ao referido
Cipitfio na praca do Commercio.
Para o Hio de Janeiro
segu viagom em poneos dias, o brigue na-
cional D. Ajfonso, por ler parle de sua carga
prompla: para o resto, escravos e passagei-
ros, trata-se com Machado & Pinheiro, na
ra do Vigario n. 19, segundo andar.
Para o Rio de Janeiro sabe at o dia 16
do corrente o litigue nacional Fmilia : pa-
ra o restante da carga ou passagoiros, 1ra-
ta-se com Lio.a Jnior & Companhia, na
ra da Cruz n. 28, ou com o capSo Joa-
quim Jos dos Reis, na praca do Com-
mercio.
.------.. ":-.-__a-ir rarraninr-,
Leilo.
O correlor Miguel Carneiro, far lei-
liln no dia 14 do correle as 10 horas da ma-
nilla, no seu armazem na ra do Trapiche
n. 40, de diversos tristes, tonga, ricos qua-
dros, esfojos malhematicos, e oulros n.ui-
tos objectos que se venderSo muito em emi-
ta ; e ao meio-dia em ponto ir a lelSo
urnas caixas de 12 garrafas cun azeite doce
o mais tiro quo tni vinlo a esto mercado,
e juntamente urna porcllo de charutos li-
n is da Rabia de diversas qualidades.
Avisos diversos.
Pernambuco 1 de Janeiro do 1851.
Preca-se de i flciaes de charuteiros :
na ra do Itangel n. 23.
I'recisa-se alugar um prr.-ieiro andar
as seguintes ras Queimado, Itozario es-
trella ou larga, e Nova.
OSr. Nanoel Jos Freir tle Andrade,
reto, senhor do engenho Campo Alegro,
lenha a bondade responder s cartas que
se Ihe teem escriplo, e que dizem respei-
to a certo negocio que data do mullos an-
uos, do contrario so far esse negocio publi-
co, e continuara a le-lo at que o dito se-
nhor Ihe d urna soluco satisfatoris.
Na ra da Cruz n. 43, casa do dentista,
segundo andar, precisa-so alngar urna pre-
I?, que lave, engomme ecozinhe, esaiba
lomar conta de urna casa, nSo se duvid
pagar o que ella merecer.
Precisa-se de dous canoeiros forros ou
cativos : quem quizer dirija-se a ra da
Praia do Santa Rita n. 25, primoiro andar.
Precis-se de um caixeiro portuguez,
para tomar conta de um deposito de pada-
ria no bairro de S.Antonio, dando-se me-
lado dos lucros, prestando um bom fiador a
sua condula: a tratar na ra do Cotuvello n.
29 e 31.
I oo,ooo rs. de gratificacaV).
Fugio a 7 de maio de 1817 urna parda da
nomo Valentina, a qual pertencia aos bens
do fallecido Jos di Silva Botelho, e boje ao
abiixo assignado, com os sgnaes seguin-
tes: bastante illa, eheia do corpo.bem feita,
bracos e mSoscompridas,cabello(o que Ihe
chamam de cabra ) cortado como de ho-
mem, e na frente lem marraras com pentes,
dentes miudos e limados, urna cicatriz de
tslho as costas da nio direita, pelas bi-
xigas (ie.arani-lho as marcas mais escuras,
isto he, no rosto, e tem o mesmo bem tira-
do, tem urnas manchas brancas em ambos
os carcanhares, beicos regulares, andar fir-
me enSo ligeiro, riliios pretos e regulares
un t-i maniio. a dita escrava he natural de
Paje de Flores, donde veio com idade de 20
a 25 annos, he lllha de urna crioula escrava,
donme Josefa, a qual acha-se nesta pra-
ra, nSn se pode uar noticia da roupa porque
levou toda quanto tinha, inclusive sapatos,
cordSo e brincos de ouro : qualquer pessoa
que a pegar e trouxer na ra das Cruzes n.
36, primero andar, receber 100,000 rs.
de graticefio.
0 abaixo assignado soube com certeza
i que dita escrava foi seduzda o vendida
para o sul da provincia,e protesta perseguir
O tal negociante so coniell'eilo realisar-so
denuncia iodo Carlos Marmho PatHarei.
O abaixo essignado Taz sciento ao res-
peitavel publico, e particularmente aos Srs.
empregados no commercio, que desde o
dia 13 do corrente, deixou de ser caixeiro
do armazem da assuear dos Srs. Lisboa &
C, e como Ihe conste que o Sr. Antonio
Francisco Lisbi socio e administrador do
dito armazem, o tenha desacreditado paran-
te algumas pessoas, s com intuito dt> Ihe
fazer mal; pede a essas mesma* pessoas do
se ii.i i maiem com os patrfJes que Um ti-
llo para saberem do seu comportamentn, o
que provar se preciso for, caso o Sr.
Lisboa continu a desacredita-lo. Pernam-
buco, 13 de Janeiro de 1851.
los Joaquim Caspar.
Casa de commisso de escravos.
Recebem-se escravos de ambos os sexos
para se venderem de commissn, tanto par -
dentro como para tora da provincia, com a
maior presteza possivel, por isso que se of-
ferece multa seguranca aos mesmos, tan-
to na boa venda como na fnga : avista do es-
cravo se far o ajuste, na ra do Rangei n.
38 segundo andar.
-- Precisa-se alugar um preto
para o servicn interno e externo de urna
casa de homem solteiro : na confeitoria da
ra do Itozario eslreita n. 43, pagando-se
bem.
Para ,i Hihia pretende seguir viegem
com hreyidade a sumaca nacional Carlota,
mestre Jos ConQalves Simas: quem na
mesma quizer carregar ou ir de passagem,
pode entonler-se com Luiz Jos de S Arau-
jo. na ra da Cruz n 33.
Hoje, 14 do correte, depois da audi-
encia do Sr. Dr. juizdo civel, se hade ar-
rematar 3 leguas de trras, propnas para
pLmtaces e crear gado : na provincia do
Rio Crande do Norte, na ribeira do CcrA-
meirim, denominado fazenda do Curur,
por cxooiie.ni de Joaquim Ribeiro Brito,
contra Antonio Rernardo Ferreira e sua mu-
lher : he a ultima piara.
0 abaixo assignado, professor particu-
lar de primeiras lettras, disciplinado em
preparatorios no lyeeu desta cidade, parti-
cipa ao res.-eitavel publico e aos pais da
seus alumnos, que segunda-feira, 13 do
corrente abri su'aula, e debaixo dessa mes-
ma disciplina ensina por principios a gram-
malica portuguez, latina o franceza, ad-
mittindo nesse recinto pendonistas e meios
pendonistas. Os pais de familia que quize-
rem applicar seus filhos a alguma dessas
disciplinas, podem dirigir-se ra larga do
Itozario n. 48, segundo andar.
Jos Mariade Figueiredo.
O supra assignado de hoje em diante as-
signa-se por Jos Mara Machado de Figuei-
redo, por liase:- oulro de igual n une.
. Precisa-se de ums ama de leite forra :
na ra da Assumpc,3o n. 24.
O engenheiro cordeador precisa de seis
serventes, qur livres, qur escravos, pelo
salario de 640 rs. : a tratar na ra atrs da
matriz da Uoa Vista, segunda casa annexa
ao (iitao da mesma.
Precisa-se alugar um preto, que saba
cozinliBr e sirva para fazer o mais sorvico
tle urna casa tle pequea familia : na ra do
Trapiche n. 6.
Precisa-se de um preto para conduzir
taboleiro do fazondas para o mallo : quem
o quizer alugar, annuncie por esta folha.
Na ra das Cruzes n. 22, aluga-sa urna
ama com muito bom leite para criar.
OslamperJes de Olimla.
Cracas asebalas,que ni madrugada de
13 do corrente houveram lamprfles acesos
na cidade de Olinda, a excepco dos da la-
deira da Uicca o Carino : espera-so que nSo
seja s ihssu dia, Srs. da illuminac,3o. .
O viga da illuminaciio.
Precisa-se de um bom cozinheiro e de
uto moleque para urna casa franceza : na
ra do Collegio, fabrica de chapeos de sol
numero 4.
Embarca para os portos do sul Fran-
cisco D. da Cusa Vidal, a sua escrava de
nomo Suzana.
:~( liplinai ao t-iiMiiiu nial.
A ab rtura da classe par escripturaco
commercial por partidas dobraJas, annun-
mora lor em Ierras de Caulista, tenha a ciada pelo abaixo assignado, por ndolorem
bondade do vir ou mandar pa^ar o que deve concorrido alguna dos alui.nos, em rasSo
' 12,880 rs ) no Atierro da Roa Vista, venda de esta rem passando a festa, tica transf-sri-
niirn ni 8(1. Idapaia odia 20 dn correle ; devendo-se
- Roga-se ao Sr. Estevao Jos Caes Bar- I advertir, que depois das?gu::da lic,3a uao
ILEGIV


s*.

*-

Ki-n
e podero admittirmais alumnos para el- intellectual amoral dos meninos. Outrosim,
]. Os das de ligo so segundas, quarlas para ovitar que os meninos Troquen tom ou-
|e sextas, das 7 s 9 doras da noite, na ra
|do Pilar n. 40.
O encarregado do reconliecimento e
[medidlo dos terrenos de mariulia, convida
I u Sr. Jos Policarpo do Freilas a compare-
[cernacasa desua residencia, na ra Rirci-
ta n. 78, para assignar o termo do medidlo
do terreno que Ihe foi concedido, afm de
ser remeltido thesouraria da fazenda com
[o seu requerimenlo para ser passado ores-
; pcctivo titulo de aforimento ; igualmente
| convida ao Sr Manoel Pestaa de Andrade
a vir dar-lde elgdns esclarecimentos sobre
o seu terreno da ra Imperial, para poJer
i informar o seu requerimenlo.
Precisa-se alucar urna preta Torra ou
[captiva, quesaiba lavare tratar ee urna cri-
[anca : na ra do Vigario o. 3.
Precisa-se de urna ama de leite sem
[cria: na ra do Queimado n. 32, segundo
[andar.
Abrem-se e imprimem-se bilhetes de
I visita en qualquer carcter, rtulos e todos
losobjectosque demandam preceitos calli-
graphicos, retratos e quaesquer desenhos,
sinetes typos emblemticos, ornamentos
f pira capas de livros, calina! todos os ob-
I jeelos da arte de grevura em alto e baixo
relevo, ecom delicadesa. As pessoas que
pretenderen) algumas destss cousas, diri-
jam-se ra do lirnm, defronte da fundi-
| vros : na ra da Cruz n. 56, na praca da In-
dependencia ns. 6 o 8, e no pateo do Colle-
gio n, 6, onde se for mister poderSo deixar
seus Humes e morada para seren procu-
radas.
*.
a I

m
m
i
0


m
*
m
4>
m
m
m
O Sr. e a Sra. Arthiot |>
dentistas chegados de Pars, g,
previnetn ao respeitavel pu-
blico que elles acaham dea- 9
brir o seu gabinete na ra s
da Cruz, no segundo andar j
^ ao pedo consulado Argent- $
no ii. 4 3 ; os ditos professo-
$> res teem um prodigiossimo !
especifico, novamente des-
' coberto para curar o mal de *
denles para sempre, nao ha- a
vendo inilammacao, e no ca- *
so de have-ia, surte o mes- *
mo efleilo depois de passar, t
temi um grande sortimento
de denles incorruptiveis ;
adverte-se que ueste gabine-
te faz-se todas as pecas ar-
tificiaos, mas cm conla que
em qualquer outra parte : e
faz-so todas as operaces ^
concernentes a esta arte : a- v
clia-se lambem no mesmo !
gabinete bons pos para lim- ^
par denles, elixir tnica, a-
i# goa de botot, etc. : os ditos ^
*| professores rao as casas *
* donde forem chamados.
o** #* ** ** w$m
O abaixo essignado pergunta ao Sr. Ma-
noel Domir.gues Pereira tamos,qual a raso
porque o dcixou depenado como Taz ver a
seus credores no Diario de l'ernamhuco ns.
5, 6e7, e hsja de responder a minha per-
gnnia.do ronlririo o chamarei a responsa-
bilidade, pois j, julgo que em 6 mezes an-
da mesmo com o pouco negocio que se fez
lucremos duzrntns e cincuenta mil e tantos
is, como consta do halnnc.0 por mim e elle
assignado, e feit*s nossas contas me pas-
sou um pertence de divides da quanlia de
trezentos e quaturze mil e tontos ris, e n.e
consta que se tem exigido cobrar aigumas
das que me pertenceram, espero n3o conti-
nuo a cobrar, e responda a.....lia pergunta.
Custodio Lovrcnco de IHacieira.
No dia 15 do correle a portado l)r.
juiz do-civel da segunda vara su lia do arre-
matar es 4.horas da larde, um sobrado na
ra de S. Francisao, n. 5; quem o preten-
der comprela que he ultima prega, na
rua da Madre Ue Dos onde mora o dito juiz.
Precisa-se de um caixeiro que lenha
ra km de venda, e que d fiador a sua co-
uda : na Linguete venia n. 1.
William Walsh,subdito bri(auico,reti-
-sa para fora da provincia.
Deseja-se f llar com o reverendo Flo-
ncio Comes de Uliveira, a negocio de seu
leressi: na ra da Cadeia do Recife, loja
J. duC. Magalh3es,|n. 51.
Aula particular.
Umbulina Wanderley Peixolo, faz scicnte
respeilavel publico que as ferias desua
la, na ra da Cadeia Ue Santo Antonio no
lindo andar do subredo da esquina do
vidor n. 14, se acubam no dia 13 do enr-
ulo n.ez, e que continua a receher alum-
s exlernas, pensionistas e meia pensio-
tas, ea entinar com zelo a ler, escrever,
itar, gramiiMlica portugueza, cozer,
rdar e marcar de todas s qualidades a
;er labirinto e lengua de retroz. A anuun-
nte cnulraclou com os insignes artistas o
Joo Rodrigues para ensinar a dance, e
r. Amaro Francisco liarboza a msica
al e piano ; compromelte-se (ambern a
uecer aquellas de suas alumnas que se
izerom applicar ao francez, desenho e a
grephia, mestre com as habnilages
cisas. A annuuciante o anno prelerito
o regosijo de suas alumnas apresenta-
um adianUmenio satisfactorio como
em altestar os Srs, peis da mesmas.
Primeiras lettras.
abaixo assignado, avisa ao respeitavel
>lico que desde o dia 7 do correte acba-
iberta a sua aula de primeiras ledras na
do Mondego, n. 44. O annunciante con-
|a reeeber pensionistas, meios pensio-
tas e externos. Por mais de urna vez tem
patenteado ao publico as vantegens que
rece a sua aula pela raso da localizado
_lls accommodegoes que a cesa presen-
ta. N3u pu upara ceitamenle esforgos o en-
nunciai.te para conseguir que os paisde f/a-
Otilias que,Ihe cuuliaiem seus lilhos, flquetn
irameute satsimos, nSo s pelo que
cita ao tratamenlo, como ao progresso
I
tras aulas fra da casa, puniendo assun
lempo com prejuizo dos costume9, o abaixo
assignado tem escolhidn mestres de mulica
vocal e instrumntale bemassim professor
de lingua latina, recnnhecidemenle peritos
nessas materias,pera derem licOes aos alum-
nos que se jjuizerem applicar aellas. O
abaixo assignado espera do publico, e es-
pecialmente dos paisdo familias moradores
fra da praca, que apreciem os esforgos
do annunciante, animando o seu nasceute
mais 13o til estabeleeimento.
'rancheo de Salle de Albuquerque.
-Guiado pelo meu milito digno cullega
e amigo o Sr. Jo5o Vicente Marlins, desde
sua chegada a esta capital puz em pratica
o systema homoeopatliico, e a vista das cu-
ras que obliv->,j as molestias agudas, j
naschronicas que'trstei, reconhego hojea
superioridade da homoeopathia, e a teiiho
como a nica, pura e verdadeira medicina
que abraco, e prometti consagrar-lhe o resto
dos meus das. Mas amiudo irei publicando
as curas obtiJas at hoje, e as que furem
apparecendo.Francisco ot Rodrigues,
Precisa-se de urna ama para comprar
e cozinhar: na ra da ConceigSo da It.la-
Vista, n. ti.
Aluga-se urna escrava, que seiba cozi-
nhar e comprar, para urna casa de urna s
pessoa i na ra da praia de Santa Rita, casa
terrea n. 31, onde tem lempeo.
-- Aluge-se um grande armazem na praia
do San Francisco, com esquina para o bec-
co, proprio para qualquer estabeleeimento :
a tratar na ra da Cadeia de Santo Antonio
n. 9, casa da viuva Cunda Guintar39S.
Faz-se al mogo ejantarpara fra com
muito asseio e perfeig3o : na ra da Praia,
becco do Carioca, sobrado da esquina.
U.iia s"iihora de boa conducta e com
bastante pratica deensinar meninas, se of-
ferece para ir ensillar fra da prac : quem
de seu preslimo se quizer ulilisar, dirija-se
a ra do Rozario larga, loja do miudezas
numero 35.
Kngomma-se roupa de hornera e de se-
ndera com milita perTeigSo quem precisar:
dirija-se a ra ilo l.ivramento n. 4.
No aterro da Roa-Vista, loja de miude-
zas n. 72, se dir quem di dinheiros a juros
com hypothcca cm cases terreas
-- Quem quijer mandar fazer qualquer
costura, por quem j teuha bastante pratica,
iis-i.n como fazer labiriutho de tudas as
qualidades, segn lo as am istras quo se ha
de mostrar dirija-se ao becco da Cacimba
n. 10.
Kurtaram da casa do abaixo assignxlo,
urna colher do sopa bastante gran le e pesa-
'a, de prata lavrada e superiormente polida,
com as iniciaes L. C. Ferreira : quem con-
correr para que ella seja apprehendida rece-
ber o valor da mesma colliere mais 3,200
rs. de filil lie,o .I n. Luiz Gomes Ferreira.
Precisa-se de um caixeiro para lomar
conta de urna pa laria por balando, as dando
fiador a sua con luct<>: atrs da matriz da
Roa-Vista n. 22.
Joaquim da Silva Salles relira-se para
Lisboa a tratar de sua sade ; as pessoas
que su j'ilgarem sus credoras podem apre-
sentar suas contas na ra da Praia ti. 24,
que inmediatamente. serSo pagas ; durant
sua ausencia deixa por seu procurador oSr.
Joaquim da Silva Castro.
-- O rapitSo G. R. Crocco, da polaca sarde
La Speranzn, vinda de Cagliari, com carga
sal, a qual foi fretada aos 4 de dezemhro de
1849, pelo Sr. G. A.Uhlich, de Trieste,roga
pessoa que tiverem ordenspara a dita polaca,
de apresentar a elles ou no consulado sardo
dentro de 24 horas da dala deste aviso.
l'ein imbuco, 12 de Janeiro de 1851.
Pede-se a quem souber, o favor de de-
clarar por esta lulha, em que lugar he a re-
sidencia du Sr. Joaquim de Figueiredo Li-
ma, ou quem seja nesla cidade seu procura-
dor, para Iralar-se de uui negocio que diz
respeito ao Sr. Lima.
-- OITerece-se una mulher de bous coi-
turnes para ama de casa de pouca familia,
pHra cuzer, engommar e fazer todo e qual-
quer servico exceptu de cozinhar: quem
precisar, annuncie.
-- Jo3o Raptista de Oliveira, subdito por-
tuguez, relira-se para fura da provincia.
-- ChrUlOVfiO Dionizio de Rarros, do en-
gunho Queimadns, roga ao Sr. quu Comprou
o escravo Andr ao Sr. capil3o Jos Mana,
morador em SerinhSem, que dirija-se ao
mencionado engeulio Queimadas, para bem
le seu inleresse.
Tiram-se passaporles para dentro e f-
ra do imperto, roldas con ides a despaclnm-
se escravos ; tul commodamente : na ra
da Guia n. 33, primeiro andar.
Precisa-se alugar urna ama para o ser-
vico de una pequea familia : na ra das
Cruzas n. 28, se gundu andar.
Carlos Chulillo Tresse, fabrican.
te de orgtioM e realejos, na ra
las Flores n. I !>,
avisa ao respeitavel publico, que concert
orgSose realcjus, e pOe marchas modernas
desle paiz, lambem concerta pianos,sarai-
nas, caixas de msicas, accordes e qual-
quer instrumento que appareca, e faz obras
novas. Na mesma casa vende-se um orgfio
propriu para capella ou allar-mr, com boas
vozes, por preco commodo.
-- No dia 15 du corre ..le mez he a ultima
praca em que t m de ser apregoada para
arremalar-se pela segunda vara do civel,
a propriedado do Alto na Boa Viagem, com
todas as suas perlencas, por execucao da
Miguel Archanjo Poslhumo do Nascimenlo,
contra os herdeiros de Alionen Jus de Al-
buquerque e Mello.
Precisa-se de um l'eitor para um sitio
perlo da prac: a fallar na ra deS. Ama-
ro, que faz qnina para a prega do capim.
Precisa-se alugar dous pretos para o
servico de armazem de assucar, durante a
safra : quem os liver, dirija-se ra du A-
pollo, armazem n. 2 B.
A pessoa que aununciou querer ven-
der uiini parda, no Pogo da Panella, trazen-
do-a a ra das Larangeiras n. 14, segundo
anJar, paga-se bem, agradando.
-- Quem aununciou um moleque de 15
anuos em (Huido, na ra do Balde n. 24,
querendo manda-lo a ra das Larangeiras
n. 14, segundu andar, compra-se e paga-se
bem, agradando a ligura.
Sealguma pesso vinda da cidade do
Porto, receheu all de Custodio Jos da Sil-
va Braga urna encommenda (caixSosinho )
para entregar a Jos Rodrigues Monteiro,
morador no Ico, ou a Joaquim Gomes de
Carvalho aqu, queira entender-se com Ma-
uoel Joaquim Guoies, quu lew ordem do
mesmo Monteiro pura reeeber o pagar as
despezas.
#>: ? O A preta Joaquina, de 21) n 25 anuos .:-)
(fc de i I ole, alta, magra e fula, escrava <%
t do Dr. Cosme de S Pereira, desap- /9
<> pareceu no dia 15 do correntn do 59
>j Monteiro, on le estava lavando roupa,
e da qual levou parte : ruga-se as au- 4
$ toridades policiaes, ou a nutras
& quaesquer pessoas, quo se a encon- S
<;: trnrem, a mandem levar na rus da -f
{' Cruz do l'.eeh n. 53, ou na Passa- fr
tgem, em casa da viuva tinto, que i
mora defronte da CapungS, onde se
^ pagar qualquer dospeza que por *4
S ventuca se lenha faito. +
#!???:?!?# (M*-9 :^f
Jos Valeniim da Silva, bem condeci-
do por ensinar latim lia 15 tonos, lembra a
quem ennvier, que su'aula ahre-se no dia
13 de Janeiro, na ra da Alegra n. 38; na
Roa Vista ), onde recebe alumnos externos
e pensionistas. Tambem ensina om huras
reservadas aos que n3o poJerem frequen-
tar nes huras da aula.
Passaporles.
Tiram-se passaporles para dentro e fra
do imperio, correm-se folhas, despacham-
se escravos e tiram-se titulus de residencia
uara seinpre : para este lim procura-so ni
iiriiea da Independencia ns. 6 a 8, e na i u
do Queimado n 25, loja d. miu lozas do Sr.
Joaquim Monteiro da Cruz.
--Aluga-se o sobrado de dOOS andares
tica da mesma casa.
irte Chapeos de sol. j^.
*K Ra do Passeio.n 5. S
NOfta fabrica ha presentemente um rico
sortimento desles objectos de ludas as c-
rese qualidades, tanto de se la como de
panninho, por pregos uommodos; ditos pa-
ra senliura, de bom gostu: estes chapeos
s3o feitos pela ultima mu la ; seda adamas
cada coui ricas franjas de retroz. .Na mesma
casa se acha igual sortimento de seJas e
panninho imitando sedas, para codnr ar-
mages servidas : todas estas fazendas ven-
lem-se em porg3o e a retalho : tamdem se
concerta qualquer cdapti de sol, tanto de
basteas de ferro como de lialeia, assim como
mullidas do igrejas: ludo por prego com-
modo. Na mesma casa da Cblpos de sol,
de marca maior, de panno e de seda, pro-
prios para feitoresde engendo, por seren
dos mais fortes que se podem fabricar.
D3o-.se boas alvigaras a quem restituir
um canind, que fugio us dias de Testa da
Cruz de Almas, no sitio de Filippe llenos,
uu na ra do Collegio n. 13, nos dias uteis
das 10 oras da manliHa s 3 da tarde: o
eaiiin ie lie nimio manso e Tallador.
Precisa-se de trabalbadores de enxa-
!a :a tratar no sitio do Sr. Filippe Henna,
ou na ra do Collegio n. 13.
-- A Viuva Amorim a Filho parlicipam ao
publico, que o seu esciptorio contina a
ser na ra da Ci u/. n. 45, na mesma casa em
qun era o de Nascimento & Amorim.
Quem precisar de um mogo poituguez,
solteiro, de 22 anuos e Je boa conducta, pa-
ra caixeiru de venda, ou mesmo para tomar
algunia por halango, do que te n milita pu-
li, dirija-se a ra da Flurunluia, venda
nnineio 30.
Precisa-se Jeum creado nacional nu
estrangeiro, que seja de bons costuines e
ladorsua conducta, para servir urna
casa de pouca familia. Dirigir-se a ruadas
Trincheiras, sobrado n. 19.
Precisa-se alugar um moleque ou ne-
gro feilo, que seja diligente e sem vieins,
para o servigo de urna casa de pouca fami-
lia : paga-se bem. Diriglr-se a ra das Trin-
cheiras, subrado n. 19.
Precisa-se de um cncheiro: no .Man-
guind, sitio de llerculano Alves da Silva.
HJDICAOdeFjW
BOW.MA.v & MC. CALI.IIM, engenhel
ros macliinislas e fundidores de ferro mu
respeitosamente annunciam aos Senlinres
proprietarios do cngenhns, fazendeiros, mi-
neiros, negociantes, fabricantes e ao res-
peilavel publico, quo o seu eslabelecimciilo
de Trro movido por machina de vapor con-
tina em effeclivo exercicio, e se acha Com-
pletamente montado com appaielhos da pri-
meira qualidade para a perfeita coiiTeego
das ni.innes pegas de machinismo.
Habilitados para emprebender quaesquer
obras da sua arto, Rowman & Me. Callum
desejam mais particularmente chamar
altene.m publica para a sseguintes, por
terem deltas grande sortimento j prompta,
as quaes construidas na sua Tabrica pdem
competir rom as Tabricadas em paiz es-
trangeiro, tanto em prego como em qua-
lidade da materias primas e nio d'obra,
a saber:
Machinas de vapor da melhor construcg3o.
Moendas de canna para engenhos de lo-
dos os tamanlios, movidas a vapor por agoo
OU animaos.
Rodas d'agoa, moinhos de vento eserra-
as.
Manejos independeotes para cavallos.
Rodas dentadas.
Aguilhes, bronzes e chumaceiras.
Cavilhes e paraTusos de todos os tama-
itos.
Taixas, pares, crivos e boceas de Torna-
a.
Moinhos de mandioca, movidos a nio ou
por amin.ies, e prensas para a dita.
Chapas de Tog3o e Tornos de Tarinha.
Cano de Trro, torueiras de Trro e de
bronze.
Bombas para cacimba c de repudio, mo-
vidas a m3o, por animaes ou vento.
Guindastes, guinchos e macacos.
Prensas hylraulicas e de paraTuso.
Ferrageus para navios, carros e obras pu-
blicas.
Columnas, varandas, grades e portes.
Prensas de copiar cartas e sellar.
Camas, carros do m3o e arados de ferros,
etc etc.
Aiin da superioridade das suas obras, ja
geralmente reconhecida, Bovvman & Me.
Callum garanten! a mais exacta conToiini-
dade com os moldes e dezenhos remetlidus
pelos seoli nes que se dignarem de Tazer-
llics eucommendas, aproveilandoa occasio
para agradecerem aos seus numerosos aiti-
gus e freguezes a preureucia com que teeui
*

sido por elles honrados, o asseguram-lhes
que nlo pouparo esfurgos e diligencia;'
para continuarem a merecer a sua conli-
anga.
O cboixo assignado, tcnrlo '
de retirar-se para a Europa, pelo
prsenle convida a lodos os seus
devedores de vir ou mnndarem pa-
gar suas contas at o (im !o cor-
rente mez. Scasso.
Perdeu-se, no dia 3 do correte, urna
loneta de onro : quem a aehnr i rodera en-
tregar no pateo de S. Pedro, casa do cuur-
gi3o Leal, quo recompensar generosa-
mente.
** ''mo Galgnoux, dentista *
d frailee/,, offereee sen presti-
/J* mo ao |tiit>Iieo para todos os
pilcser procurado a qnal
"*t qner hora em sua easa. na
%} raalardado Hozarlo, 36*
9 sf-ffuiido audar.
9J|#H>><94li*#499i*l^eA9)9kA9
Precisa-se de urna mulher quo esteja
ICOStumada a andar com negocio do fazen-
las, assim como do nina preta moga para
carregar a laboleiro las mesmas : adverte-
se que as pessoas cima referidas devem dar
fianca as suns conductas : a tratar na ra do
Trapiche Novo, armazem n. 4t
Aluaa-so o segn lo andar do sobrado
da rua l'ireita n. 20, com coinmolo para
grande familia i na rua Dlreiti n 93, pri-
meiro andar.
.> Consultorio, homecopathicu,
rua do Collegio, n. 25,
Do />. P. de A. olio Muscoso.
O llr. Moscoso da consultas lodosos
dias. Os (lenles pobres sSO tratados
degraga. 880rflO visitados em suas
. casas aqu'llesiqoe nao poderein vir -
9 so consultorio,iOU que suas moles- *y
") lias uo possam dispensar a presen- u<
O ga do medico. fj
Kngoinnia-so e lava-se toda a qualida-
de de niea Com lo lo asseio e imilla prom:i-
tido, por prego mais comino lo do queem
nutra qualquer parto : na rua de Agoas-Ver-
des, n. 2(1.
Precisa-se alugar um preto, que seja
bom oozinhniro, psrs urna casa de pouco
familia. Dirigir-se a rua das Trincheiras,
sobrado n 19.

o
ti
Q
(Joni
pras.
CompramsB elT'Cliv imenle sapa los de
todas ns qualidi les : na rua Ja Cruz do lle-
cife n. 6, primeiro indar,
Compra-se um lustre de seis on oitu
luzeg : fiesta Ty ngra dia, uu annuncie.
taiii iiiimiiiii mu '! ij i i i II'
Vendas.
Cheguem ao barato.
Na rua Nova II. 35, loja dealfaiate, de Ja-
cinlhoSoeres deMenexes, vende-se tola a
qualida la de obras tellas de panno fino,
merino, seda e brim, assim conni ricos es-
.'aitillins, (ellosso ltimo gosto de Pars,
uara senliora, e uina espingarda de di us
canos, a mais bonita, e bem feita quo se po-
lo encontrar, contendo iodos os seus per-
teoces ; lambem ln ricos cortes de casimi-
ras modernas, brins, pannos, merinos e so-
lios para colleles e nutras muit is fazendas ;
assim como recebendo-se toda e qualquer
ubra para fazer-se, promelle-se desempe-
ndar mi ultimo gosto e cn:u presteza : lud
isto he por menos do que eiu outra qual-
quer parte.
ja, tamarindo, cnpil. grotelle, o R-
menlo um deposito de filtrar agoa, por pre-
go commodo. ,
Itap prliu-eza de f.lswoa.
Na macinha do l.ivramento ni. loja (le
TazendasdeJos Rodrigues Coelho, vnde-
se superior rap de Lisboa a 40 rs a oitava,
assim como lambem vdndem-se ris-adinhos
de linlio pera caigas ojaqneta. a 320 o 00-
vado ; clnmalnto d alijodo, de pad'Oes ts-
curos, ;.roprios pare manteletes, a 200 rs. o
covado ; e outras muites fazendas, por me-
nos prego do que em oulra qualquer parte.
Venden)-se bois mansos e novos, as-
si ii) como gado do criar, sendo (leste nume-
ro novilhas e vaccas de leite : a tratar com
n prnprietario do engenho Ulinga-di-Cima
uu l'reguezia do Cabo.
Na rua da Cruz do Recite n 33, arma-
zem de Luiz Jos do S Araojo, vende-so
snpeiior Tarinha do mandioca a 2,000 rs. a
sacca, para acabar; lijollo de limper me-
laes de urna ora, Tabrica da Europa ; sola
superior ; couros de cabra ; sapatos ; peo-
nas do cma ; e superior cera de carnauba
em saccas.
Vendem-se lOaccOesda compannia de
Iteheribe com algum prejuizo : na rua lar-
ga do Rozario, loja n. 46.
Attenglo.
Vende-se, no Alerro da Roa Vista, venda
n. 80, por baixo do sobrado onde mora o es-
crivilo Cerdoso, os seguintes effeilos, que
pela sua qualidade, assim como pelo prego,
silo merece lores da concurrencia do publi-
co, cha liysson, o melhor do mercado, a
2,000 rs. ; menteiga ingleza, da melhor o a
mais nova, a 720 ; velas de espermaceti, a
720; Tarinha deararuta, a 940 j cdocolate
rerdadeiro de Lisboa, a 440 a libra ; cal
em osrocp, a 180; cevada nova, a 100 ; vi-
nlio do Porto engarrafado, vellio e proprio
para doentes, a 560 ; latas com bolarriinlias
de. ararul, novas, a 3,200 ; e oulros inultos
gneros, quo deixam de ser publicados para
uo cansar a paciencia dos compradores.
VenJe-se um piano em bom uso, pro-
prio para quern quizer apren ler a tocar, por
prego commodo : fia rua .Nova, no segundo
andar do sobradu n. 55.
Vende-se, a pregos commodos, chum-
bo de munigo, enxadas, chaleira*, panel--
lis, pregos de forro do muitas qualidades,
bacas de rame, rame de latu lino, facas
e garfos para mesa, facas para charquear,
ditas de sapatero de cabo leve, navalhas,
limas inglesase allemSeii serrles, varru-
mas, bandejas piuladas, bot-s de ma Ire-
peroln, ditos (le duraqun e d'ago e penus
d'ago: em casi de F. II. I.ultkens.
Vendem-se 16 escravos mogos, ptimos
para todo o s rvirn, leudo luir esles va-
rias tiritas com habilidades : na rua Dlrei-
ta n. 3.
Vende-se muito barato 10 laboas de cos-
tado de cedro e urna poreflo de refugo do
liiiiru e amarello, por se querer desoecupar
o lugar pera so fazer obra ondo tem sido
s rrai i.i : na rua da Praia de Santa Ritl fiu-
inero 21,
Venle-se a casa lerrca n. 12 Jo becco
de Joo FrsnciSCO, na Roa-Vista quem pie-
tender compra-la, pode dirigir-se aloja do
miudezas do Mein da Boa-Vista n. 72, que
se. dir quem v nde.
Vendem-se cnixas com cera
em vpI?- do lvio de Jineiio : ni
rua da Alfandega Velha n. 5, es-
crintoro
MI
lodos os sen-
para curar da phtVSICJ em
differeuteB graos, ou motivada por consli-
pages, tosse, asthnia, pleuriz, esciuros de
sangue, dr de cosase peiios palpitacSo
no cor:ig3o, coqueluche, broncliiles di
na garganta e todas as molestias dos orgfios
pulmonares.
De todas as molestias que por derangn II-
cam ao corpo duniaiio nenliuma da que
ninis deslruitiva lenlia sido, ou que tend
combado dos esforcos dos hoiuens mais
eminentes cm medicina, do que aquella
que be geralmente conliccida por moles-
tia no bofe. Em varias pocas do so-
culo passado, tendo-se olTerecido ao publi-
co diOerentes remedios com altestados (las
extraordinarias curas que elle tem feito
porm quasi queem lodos os casos a ilusSo
tem sido penas passageira, e o doenti
torna a recahir em peor estado do que se
chava antes de applicar o remedio Iflo re-
commendado oulro lauto n3o acontece
com este extraordinario
Xarope to bosque
Novaes & Companbia, os nicos agentes
tiesta cidade u provincia, nonieados pelos
Snrs. It. C. Vates & Companbia agentes
geraes no Rio-de-Janeiro inudaram o de-
posito deste xarope para a botica do Sur
Jos Mara G, liamos, na rua dosQuarlcis, u
12, junto ao quarlel de polica, onde sempre
aciiar.ni o nico o verdadui'o, a 5,500 rs.
cada garrafa.
vende-se urna armagllocom todos os
seus perlences, na roa da Senzalla Velha
n. 48 : quem a quizer compiar, dirija-sea
mesma rua, a Tallar com Douiirigos Jos da
siUa Alllorilll.
--Deposito de espellios das mauufaclu-
ras ue Franga : u rua do Passeio n. 19.
liefi*et)eofl poi'n a e.iiaca ealoiosa.
Na rua du Rozario estrella n- 43, cuulei- .----------
loria, veudem-so roftescos e fJur du larau-'as 3 da UrJe.
II
Vende-se milbo em saccas grandes de
alqueire, muito novo: no armazem do Dias
Ferreira, na osead.uha da alfandega, e fia
rua da Piaii n. 52, armazem du carne, por
prego comino lo.
__Vende se moho Loa farinha
de mandioca, recenteinenle chega-
da de Sfanta Catharina, em poiro
ou a tetalho, per prego commo-
f i: a hordo do brigue Soares,
Pandeado na volta do Forte do
Matlo.o, ou na ma da All'andega
Velln n. 5. escriptorio
Vi ndem-se duas meia agoas por prego
o mais cooimodu possivel, as quaes rendein
inensalinento nove mil rs. : a tratar na rua
lo Fagqndes, loja n. 29.
Vende-se u i a escrava ciioula, de 25
anuos pouco iiiis ou menos, muito bun
vendedeira de ruae sem molestias nem vi-
cios : quem a pretende', dirija-se a ruado
Collegio n 17, lereeiro andar.
IHstoire de la revolution frangaise, por
Tliiers, obra completa em 10 volumes, e ou-
lios mullos livros, por prego mais comino-
do do que em outra qualquer parle veude-
se na rua du Crespo n. 11.
Vendem-se saccas grandes com alquei-
re de mudo, niuilo novo : na rua da Praia
u. 52, armazem de carne.
--Vendo-so cimento de llamburgo, na
rua da Cadeia n. 64, e garrafas vasias i ai
glezasr00 becco do .;oogalves n. 8, a pro-
cos commodos.
Vendem-so 43 aegoes da companbia de
lieberibe i na praga da UoiSo n. 19.
Botiena lioina'opathica, na t-ua
do respo, loja n. 4.
-Vendem-se boticas de 24, 36e60 tu-
bos, grandes e pequeas, com os seus com-
pe ten les livros, viudas ltimamente do Rio
de Janeiro, do grande esli bulecimento cen-
tral da rua deS. Jos n. 59.
-- Vendem-so coleges lo Medico do 'ovo,
del a 21, na rua do Crespo, loja n. 4.
Asseio e economa, de t em libra.
Vendem-se vellas de pura carnauba, as
melhores al hoje rubricadas; urna deslas
vellas necesa e dentro de una inania de vi-
no duia II a 12 horas sem ser espevilada,
vende-se de urna libra at a porg3o quo se
exigir : na rua d* Cadeia Velha do Recite,
loja do Rorgard.
-- Vendem-se dous liteiros envidragados,
ja usados, para loja do miudezas; urna ca-
brinha bonita ecom habilidades; e urna
lita para todo o servigo de casa, menos en-
tornillar : ludo para liquidar contas de ba
tango : na rua larga do Ruzariu, luja u. 35.
I'ara quem quizer principiar.
Vende-se una armagSopara taverna, fei-
ta lia poucolempo o de muilo bom gosto,
assim como tornos de medidas du i'ulh.i e
le pao, ca teirus, urna pipa com turheira de
metal, lileiro, a ostradores, teios de pe-
sos, balnnca, etc. : ludo por menos d seu
valor : a liatar na alfaudega cum Joaquim
Francisco Franco, das 9 horas da manda.
S


.
-I
*-

*

i
Ra do Kozario larga n. aa.
Vende-se urna molatinlia de 13 annos,
muito linda edebom genio, com princi-
pios de costura, propria para educar-so ou
dar-se de mimo a urna menina ; duas pre-
tas mocas com habilidades; urna dita boa
quitandeira ; um molcquo do 16 annos, de
bonita figura de boa conducta, o que se
afianca ; e pretos bons trabajadores de
cnxada.
Vendem-se caixas com cera
em vellas, fabricadas no Kio de
Janeiro, sortidasaodesejo do com-
prador j retroz da fabrica do Si-
queira, no Porto, de todas as co-
res : trata-se com Machado & l'i-
nheiro, na ra do Vigario n. ig,
segundo andar.
Boa cozinheira e engommadeira.
Vende-se urna bonita escrava, parda, de
SO annos de idade, com urna filhinha de e
mezes, a qual cozinha e engomma bem, 1)4
inuito li"l nfin t.'in vicios, o que ludo se
alianca ; e 1 preto, moco, amito robusto,
proprio para armazem de assucar ou enge-
nho, por ter muita forca : na ra larga do
Itozario n.48, primeiro andar.
Farfulla le mandioca.
Vende-se superior feriuha de Santa Ca-
tharina, por preco commodo,a bordo do pa-
lazo nacional Nereida, Tundeado defronle
i'o caes do collegio, ou tratar com Novaes
C, ra do Trapixe n. 3*.
Bombas de ferro.
Vendem-se liombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Brum ns. 6, 8 e 10,
lundico de ierro.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro
differentes modelos : na ra
Brum ns. 0, 8 e 10, fabrica
machinas efundicaode ferro.
Roa do Hozario larga n. 2a.
Vendc-se una negrinha de 11 aunos, mili-
to linda, com principioi de costura, pro-
pria para oducar-se ou dar-se de mimo a
urna menina por ser muito es orla.
--Vende-sefarinha galega ein barricas o
meias ditas, velas de espermacetn america-
no e cli hyson de superior qualidade, en
lotes a vnntaile do comprador: no escrip-
torio de Malheu.i Austin & Companliia, ra
do Trapicho n. 36.
AGElSCIA
da fundicao L;.\v IVloor.
ItCA DA SKNZAI.LA NOVA N. 42.
Reste esta' elccimento conti-
na a ha Ver um ccm|ilelo soi t-
menlo de moendas o meias moen
apara engeoho, machinas d
J11
de
do
de
Chumbo de municSo.
Vende-seno armazem de J.J. Tasso
nlor, ra do Amorim n. 35.
3o.
Craxa n. 30, a mais superior que at ho-
ja tem vindo a osto mercado, pelo esmero
que o seu autor tcm ltimamente eroprega-
do. Ksta graxa he a mais prompta em dar o
mais brilhanle e aturado lustro, assim co-
mo n mclhor para conservar o calcado :
vende-se nos armazens de J. J. Tasso J-
nior, na ra do Amorim n. 35.
A l,6oo rs.
Vendem-so novos cortos de brim tranca-
do escuro com duas varas e meia cada corle
a 1,600; cassa franceza de bom gosto.a 2,600
rs.; pecas de rsguiSo de algodo com 12
varas, a 2,400 rs. a peca ; cobertores de al-
godiJo de cores, a 720 rs. : na ra do Cres-
po n. 6. leja ao p do lampeo.
Deposito de cnl virgem.
Na ra do TSrres n. 12, ha muito supe-
rior cal nova fim pedra, chegada ultima-
mente de Lisboa no hrigue Tarujo-Terctiro.
Cnbccntlns inglezns.
Vendem-se cahpcadaa inglezas rolicas e
chatas, loros e silbas de 10a: na rna do Tra-
piohe n. 10.
SSSF.
Farinha nova da marca SSSF, chegada
ltimamente: na ra do Amorim n. 35, ar-
mezem deJ. J. Tasso Jnior.
1'otitsNH I1 liiissi.
Vende-se potassa da Itussia, recentomen-
te Bbegada, a de muito superior qualidade :
na ra do Trapiche n. 17.
Lotera de N, s. lo Livramento.
A os 5:ooiiS(hio,
Na ra da Cadeia n. 46, luja de miudezas,
vendeu-se o meio bilhele 11 1454 da lotera
de N. S. do I.ivramenlolem que sahio a sor-
te grande de 5:000,000 rs., e esto expos-
tosa venda os afortunados bilheUs e cau-
telas d mesma lotera, que corre imprcle-
rivelmentc no dia 31 do Janeiro crente.
4
llilhelea 11,000
Meios 5,500
Decimos 1,100
Vigsimos 600
Vende-se farinha de man-
dioca a 2,000 rs o alqueire com a
apatos de selim pretos, o par 1,000
Lotins gaspiados, pretos e de
cores para senhoca 1,000
Sapatos de setim branco para 1,000
menina 1,000
Chinellas de marroquim deco-
res para homem, 1,000
Chapeos de sol de seda para se-
nhora 2,000,
Lencos de cambraia de linhq, ti-
zos, do 1,000 a 3,000
dem, bordados com hicos 4,000 a 20,000
Mem, de seda preta o de cores
para gravata 3,000
Chicotes ile junco ou cana para
carro, de 2,00o a 4,000
Mem, de baleia pra carro 3,000 a 6,000
Ilengallas Pinas de junco e
320 a 2,000
sacca, e sem ella a 1,800 rs.
11.
na
da I1
raa n,
-
vapor, e taix.is de ferio batido
coado, lie tocios os tu manilos, pa
ra dito.
Vciulr.se superior farfulla
gallega, em meias barricas : no e.-cnpiorio
de lieane Youlc & C, ou em seu trmazem
do neceo do Concalves.
A 4o rs. a caixinha.
Vende-se a mclhor qualidade possivel de
palitos para tirar Tugo, pelo barato preco de
40 rs. a caixinha de pao, e a 20 rs. a de pa-
pel: na rua do Queimadu n. 16, loja de Jote
DiasSimOa.
Na lojn le modas francesas, le
rna da 1111 Tneard, na rna
Nova 11. 3S,
ha um grande sortimeiiio de manteletes,
capoliiihi.s, visitas e palitos de senliora, de
muito bom gosto e de ricos enleje*, tanto
pretos como de cores ; chapos de senliora
de lodas as cores de seda, oro 01111, a e pe-
ina da Italia alertos e fechados, cliegadns
ha poucosdiaa j florrs e capillas para bai-
les e osamentas; guarnieres de vestidos
mui ricas, chegadas todas promptai; tran-
sas e franjas de todas as cores, as mais ri-
cas que nqui le ni ai>, uncido ; litas de lo-
das as qualidades e muito modernas ; ricos
enfeites de cabeca para bailes e saraos;
chaposzinhos de meninos e meninas, mo-
dernos e mui lindos ; e todos os mais enfei-
tes que se iisam em Para e aqu. Madamc
Theard len lira a seus freguezos, que fa?
sempre com tanta perfeicfio corro em Pa-
ria Vestido* de bailes e casamentas, mante-
letes palitos, capnlinhos, chapos, loucas,
capellase tudooquo lie enfeites desenlio-
ras e meninas, leudo pata isso l preparos necessarios e bastantes co;lurei-
ras caiazesde ajuda-la.
-- Na rua Imperial n. 35, vende-se sal de
Cadis, muito proprio pura so vender a re-
tadlo as vendas, para consumo da piaca,
por ser muito alvo e 0O0 muito grosso ; ad-
verlc-se que se mandar por em casa de
quem comprar de cincoalqueires para cima
Vendem-se chapeos do (hi-
le pequeos, muito finos, por G e
na rua do Crespo nu-
cera para
rs. a libra
imas
: na
7,000 rs.
mero a3.
Vende-sc
de cheiroa 1,000
rua do Rangei .obrado n. 5i,
Vende-se a historia criminal do gover-
no inglez, revolucflo de Pcrnamburo de
1817, aini/Hile ingleza para com l'oitugal, a
Inglaterra vista em Londres, memorias da
campanlia do l'or'o, ditas histrica* da re-
voluto do Porto em 1828, historia dcNa-
poleSo, cointemiio de geographia univer-
sal, resumo da historia do Brasil, a rainha
Margot c geographia de Gaullier : na praca
da Independencia n. 17.
Us melbores gosto*, padrdes
novos.
Vendem-se chitas escuras, muito finas,
cor de bronze, padrdes miudos e rama geni
inteiramciite nova, pelo diminuto preco de
240 rs. o covado na rua do Crespo u. 14,
loja de Jos Francisco Das.
Vende-so urna preta do iiaeo, moca,
com hubilidadi s, s mu vicios nein achaquaa
d-se em co ,1a para acudir a uma divida 1
urna dita crioula, de 10 annos : na iiii do
Jfaogel a. 38, segundo andar.
Talxaa para ruge 11 lio.
Na unhrfio de ferro da rua do Itrum,
acaba-ae de receber um completo sortimen-
tu de taixas de 4 a 8 palmos do bocea, as
quaas acham-se a venda por preco com-
modo, e com prouiptidio embarcam-se, ou
carregam-se em carros sem despezas ao
comprador.
.tlocnrins siipi rior's.
Na rund!(8o de C. Starr& Companhia,
em S.-Amaro, acham-se venda moendas,
de raima, todas de ferro, de um modelo e
const'uccilo nuiilo superior.
Ai da humanidade !
Se nffo lora Alexandro Spina, descubri-
dor dos orlos para nariz no seculo XVI, as
pPSSOaa mitipes, ou de vista caneada nfio
sahiriam de casa logo que sodresseni tal
molestia, ou rhegaaaem a certa idaie, sdb
lena de andarem dando espectculo pelas
mas, serviudo de hohos, ja pelas caricatu-
ras que mis fanam qr.ando i|iii/ess in en-
carar os ol'j"ctos, e as quedas que daran
outroa quando andassem ; como anda a-
rontede naa uacflesantipofagas, que os ve-
nios a quem feralmente accommetle la
molestia nilo sihieni do copiar de suis ca-
llanas ou residencias, e aaervem de con-
suliorios, curandeiroa ou unais bobeiaa. E
de niais, como 10 pai do rpido progretso
das sciinciasc artes se poria um miope nu
preshileio sem o auxilio de un par d'ocu-
los! Responda medicina quer moderna
quer enliga: aaimplea rafleiSo a tal re.
peitO torna melanclico ao mais jovial pen-
sador, e be por isso que se recommenda a
quem BOlTrer tal incommodosos v prucu-
lar, ohfgadinhoa ha pouco, na rua larga do
Itozario n. 35.
Grande sorttinento la fabrica le s. Flix, no ar-
mazem rua da Cruz 11. 2 I
Silo rhegadoa a este armazem os verda-
deros charutos regalos, regala, cacadores,
de|iulados, venus, senadoras e soberanos
de llavana, rm caixas de cem c 250, por pre-
(os rasoaveis.
l.i'iniliK ::<> le fa/cmliiK.
Na rua .Nova esquina nue volla para a
caiiibna do Carino, loja n. 23 de Antonio Go-
mes \ i 11 c r, estilo se vendeudo fazendas que
nesta loja ja exisliam por menos a terca
parle de uns primitivos preco*, e enlreas
militas qunlidades teeai as seguiules por
estes 1 recos.
Jarros linos de hanha 1,000
Filas de sarjas, de aetiOl o lafel
largas, vara 330
dem, de 4 dedos, vara 240
dem, de 3e 4 dedos a 120 c 160
dem, de velludo eslreita do
cores 20
liras de pellica para senliora e
para homem 500
l.eques de papel, cabo de osso
fino. 6I0
dem, deescomilha preta 400
dem, de papel finos, cabo do
marlim, do 4,000 a 20,000
Chapeos de palha finos,lizos, a-
berlose bordados, de 3,000 a 4,000
Cravatas du chitas
Mein, de seda, prelas e de cores
dem, de couro de lustro para
militar
helios de cores lizos, rovado
dem, hranco muilo boa fazenda
Sarjas de edres para veslido, co-
vado
('orles de vestido de seda blancos
para noivas.
Mantas do setim de cores mali-
sadas
dem, de saija, dita, dila
Chales de se.ia furia cores
Luvas curias do linho para se-
nliora, o par
dem, de seda alertas para se-
nliora
Meias do seda aheitas branca pa-
ra si iihora 1
Mi m, prrtas para senliora
1 leoii para homem
dem, lizas pa.a homem
I lem, branca para dito
Cartuiras linas de feixo
160
320
240
6(0
800
1,200
30,000
8,000
10,(00
4,000
160
320
1,000
1,000
1,000
1.U00
1,000
320
Chicotes finos para monta-
ra, de 1,000 a 2,000
l'in grande sortimento de llores finas sen-
do caixos, ramos, rosas para vestido, pe-
nas de muilas qualidades, -bicos de blondes
de lodas as larguias, locos de dentelle pre-
tos, estreitos o largos de muito boaquali-
dado para capotinho emanlellele.tudo mui-
lo em conta.
Vendc-se, por preco muito commodo,
a casa terrea n. 30, silanarua do Sebo do
hairro da Hoa-Visla, nova, ron miiitos bons
Com ntidos, em ch.1os proprios, com grande
quintal lodo murado, com arvores de fruto,
cirio.ha de boa agn e piulan ao lado da ca-
su rara serventa independenle : na praca
da Boa-Vista, botica n. 6.
Deposito de cal e potassa
Cunta & Amorim, na rua da
Cadeia do Hecife n. 5o, recebe-
ram pcos ltimos navios de Lis-
boa Novo Vencedor, Carlota e
Amelia harria com cal virgem, e
vendem, tanto a cal como a po-
tassa, por menos preco do que eni
outra qualqtier parte.
He baratlselmo.
Corles de cazemira a 3,200 rcis, cambraias
de se Ja a 900 ris o covado, meias de seda
preta e de cores para homem a 600 res o
par: na iua do Crespo loja n. 2, ao p do
arco.
Ven ?em-se bichas prelas de
superior qualidade, por Hielade do
preco por que os barbeirosaltigum:
ua rua di Cadeia do Hecife n. 2.
Vendem-se relojios de 011-
roepiala, patente inglez: na rua
da Senzilla [Nova n. 4a.
Para fechar entilas.
Vende-so cera de carnauba, courinhos de
caba, sola e una tialanca com bracos, con-
chas, crlenles de ferro e pesos, propria pa-
ra armazem de carne, venda ou bordo de
embarcscfio ludo por preco commodo : na
rua dos Tanociros, armazem n. 5.
I arinha de inamiioca.
Vende-se farinha de Sania Catharina, a
nielhor que existe no mercado, em saccas
ou sem ellas, por preco mais cmodo do que
em outra qualquer parle : na rua da Cruz
do Itecil'e n. 40, primeiro andar.
A 4o rs.
Vendem-se agulheiros de pao
com cem palitos de fogo a 4o rs. :
no Aterro da boa Vista, loja nu-
mero 48.
Lotera.
Vendem-se bilhetea da lotera de N. S. do
l.ivramento, cujas rodas correm iiifalivel-
mente no dia 31 du correle : no paleo do
Collegio, casa do l.ivro Azul.
--Vende-so farinha de mandioca de su-
porior qualidade de S. Mallieus, por menos
preco do que em outra qualquer parto : em
aaccaa, na loja de Joiquim liibeiro Pontos,
rua ila Cadeia do Recite, e em medida, ;
boido da harcaca de virar navios, dcfionte
do caes do llamos.
Vendem-se balances decimaes de 400 a
GOOliliras, mui pruprias para armazens de
assucar:em casa de C. J. Aslley & Compa-
nhia, rua do Trapiche n. 3.
Deposito la falrica le Totlos Os
Santos na Hnllia.
Vende-se, em casa de N. O. Itieber&C. ,
na rua da Cruz n. 4, algodSo transado da*
quella fabrica, muito proprio para saceos de
assucar e roupa de escravos, por preco com-
ino ;o.
- Vendem-se duasescravas de 20 annos
o de bonitas figuras, quo cozinbain, en-
gominam c coseo ; uma dila boa para o tra-
balho decampo ; uma parda de 20 anuos,
que cose, engomma e faz todo o servigo de
una casa ; ilous moloques pecas de 18 an-
nos, bous para lodo o irabalho; um preto
muilo bom servidor de uma cas, e que ga-
nha ni rua 640 rs. ; um casal do escravos
de meia idade, bons para Irahalharem em
um silio, por a isso estarem acostumados ;
e um nioleque de 5 anuos, muito esperto e
que j serve bem a uma casa : na rua do
Collegio 11. 21, primeiro andar.
Deposito geral do superior ra-
0 p Areia-I'reta da fabrica
0 deGuntois l'ailhct \ C. J
na Babia. U
** Domingos Alves Matheus, agente da
^fabrica de rap superior Areia-Preta da*5
'"^Haina, tcm aberlo um deposito na roaO
w.ia Cruz, no Itecife, n. 52, primeiro an-O
Odar, onde se echar sempre deste ex-t
Ocellentee mais acreditado rap: ven-Q
de-se em botes de uma e meia libra,i
Qpor preco commodo. oooo^oeooooooooeoo
-- Na rua da Cadeia vellia, primeiro a-
ilar da casa 11. 24, de Manuel Antonio da Sil-
va nimos, vende-se mu neo sorlimenlo
de chapeos de pallia da Italia, abortos para
senliora, camisetas de cambraia, coleri
nhos, 11.un 11. s, manguitos, punhos, tudn
excelleiitemenle bordado, bicos linissimos,
nras lilas, capotinhos e manteletes de fil
e de seda pretos, e ou tros ohjcetos de gos-
to ; bem corro um completo sorlimenlo iie
fazendas: ludo se vende por precos muilo
rasoaveis.
Vende-se raiprince/a deJ. Paulo Or-
deo, chegado ullimamente : na rua da Ca-
deia do Itecife, loja com fazendas, n. 51.
Vende-se farinha de trigo
lianecia de Marseilc, a melhor do
mercado, chegada ltimamente as
caeas de Lasse e da Saporiti: a
fallar como barateiro Silva Lo-
pes, na porta da all'andega.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na rua do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa
no hrigue larujo 111.
Tecido de algodao trancado na fa-
brica de Todos os Santos.
Na rua da Cadeia n. 5a.
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
Vendem-se chitas li ipas a 12o rs.
Pecas de chitas mpas, lxas, para luto
aliviado, a 4,500, e 120 rs. o covado ; cortes
de cambraias com 6 varas e meia, de boni-
tos padrOes e de cores lisas, a 3,600 ; e 100
saceos novos de estopa, cada um com 2 va-
ras, por atacado a 320 rs. : na rua larga do
Itozario 11. 48, primeiro andar
-- Vende-se uma preta crioula, moca,
que cose pouco, engomma perfeitamenle,
he ptima cozinheira e doceira, e com uma
cria cabra de 3 para 4 mezes : no pateo do
(.armo n. 14, casa terrea.
Cimento.
Vendem-se barricas com superior cimen-
to, chegado no ultimo navio de llamburgo:
na rua do Amorim n. 35, armazem de J. J.
Tasso Jnior.
Vendem-se amarras de ferro: na rua
da Senzalla nova n. 42.
Arados de ferro.
Na fundicSo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Deposito de potassa e cal.
Vende-se muito nova e superior potassa,
assim como cal virgem e pedra, recente-
mente chegada de Lisboa, por prec,o rasoa-
vel: na la da Cadeia do Itecife n. 12, ar-
mazem.
Rogarse aos i n x 111..1 > pie tenliun
toda aitriiiao para o novo sor-
timento pie existe na loja In
rua lo Crespo 11. G, no p lo
lampead.
Vendem-se cassas pintadas de cores fixas
a 260 e 280 rs. o covado ; cortes de brim
blanco de linho puro, a 1,920 rs ; ditos de
fuslflo muilo finos, a 560 e 640 rs. ; cassa
preta propria pura lulo aliviado, a 120 rs. o
covado ; zuarle de cor, a 200 rs. ; riscado
de Iinii" para casacas, a 240 rs o covado, e
mitras muilas fazemlas por preco commodo
>
:>
s*-
->
: >
o deposito da rua da Mi.edu 11. 15, *
ha para vender superior cal em pe-
dra, receiiten.enle chegada do Lis-
boa, em o hrigue Conceicdodi Ma-
ra, por proco rasoavel : tambem ah
so vendem pesos de duas e de uma
arroba, por proco commodo; ha
lambcn cffeclivamctitc 110 mesmo 3
deposito Larris de niel para embar- .43
s* que. *
O!!SA.'lsft;'i:Jl!liftillA!l!b4:J!illiAA!-
Vende-se um lindo moleque de 17 an-
nos, muito bom cozinheiro e copeiro, pro-
prio para pagem ; um cahrinha de 12 annos,
muito esperto e ptimo 1 ara aprender ofli-
ci ; e urna preta cun habilidades e de en-
cllente conducta : vendem-so estes escra-
vos pa-,-1 liquiila(.1o : na rua das Cruzes,
venda n. 20, se dir quem vende. Na mes-
ma vende-se vinhu engairafido de mais de
8 annos, da melhor qualidade que ha hoje
110 mercado.
Lotera de N. S. do Livramento.
Na 1 rara da Independencia n. 4, loja de
ni 111.Ir ns, vendem-se os afortunados btlhe-
tes, meios e cautelas da mesma lotera, que
corre impreterivelmente no dia 31 do cor-
rete moz.
Bilhetes 11,000
Meios 5,500
Hilarlos 2,600
Quintos 2,100
liecimos 1,100
Vigsimos 600
Cal vigem de Lisboa,
da melhor que ha no mercado, e
chegada ha dias pelo brigue Ern-
preza : trata-se com A. C. de
Abreu, na rua da Cadeia do He-
cife n. 37.
Bom e barato,
Na rua do Passeio-I'ublico, loja n. 9, de
Albino Jos Leile, vondem-su chitas roxas,
a 4,500 a peca o em cortes a 120,- riscados
monslros, a 200 rs. o covado ; cassas de
quadros para babados, a 240 rs. a vara ; co-
bertores dealgodSo para escravos, a 720
rs. ; Chalos de chita, a 500, 800 e 1,200 rs.;
chapeos de sol com armado de co o as-
teas de baleia, a 2,000 rs. ; e outras muilas
fazendas, que nao he possivel annunciar-
se para nilo oceupar lempo.
-Na rua das Cruzes n. 22, segundo an-
dar, vende-se urna escrava parda de 26 an-
nus com habilidades, 4 pretas mocas, que
cozinham, lavam de sabSo e s9o quitandei-
ras;1 linda negrinha de 12 annos; e dous
1 reos de narflo, de 20 a 24 anuos, aendo 1
canoeiroe ooutro ganhador de rua.
Conlinua-se a vender manteiga fran-
ceza muito nova, a 480 e 400 rs. ; farinha do
reino, a 90 rs. ; caf monio, a 180 rs. a li-
bra ;ditodecaroco, a 160; cevada decaro-
co, a 80 rs. a libra ; dita moida, a 160 ; tou-
cinho, a 280 rs. a libra ; arroz, a 90 e 60 rs
a libra ; vellas de espermacete de 6 em li-
bra, a 700 rs. ; ditas e carnauba de 6, 8, 9
e 10 em libra, a 300 rs ; bolacbinha ingle-
za em barriquiohas pequouas, a 240 rs. a
libra ; cha superior, a 2,240 rs. a libra ; vi-
nlio engarrafado de 4 annos, a 640 rs. a gar-
rafa ; biscoulose faltas, proprios para cha,
a 240 rs. a libra; superiores charutos de
viutem, tres por dous e a dez rs. : na rua de
dorias, venda que volla para a rua de San-
ta Tuereza, o. 52.
-- Vende-se uma mulatinha de 10 anuas,
muito sadia e com principios de costura :
no Aterro da boa Vista n. 14.
Cheguem a pechincha que se es-
to acabando.
Vendem-se relogios amoricanos, proprios
para cima de mesa, mui lions reguladores e
por preco muito commodo para chegarein
aos pobres : na rua do Trapiche n. 8, e na
rua de Agoas-Verdes n. 62.
A 80 rs. o covado.
Na loja de seis portas, pracinha do Livra-
mento, vende-se ganga azul para calcas,
jaquetas e vestidos do pretos a 80 rs. o cova-
do, assim como contina a veoder-se toda a
qualidade do fazendas por menos prego que
lie possivel.
Vende-se barato, por ja terem tido
uso, as seguintcs obras: historia da revulu-
1,'in franceza por Thiers, em portuguez; di-
ta em portuguez de 1848, poi E. Pelletar ; a
desmoralisacHo o o seculo, por SebastiSo
J. Ribeiro de S ; a noite do castello ; os
ciumes do bardo : e a conlissSo de Amelia,
todos tres poemas por A. Feliciano de Caa-
lilho : na rua do Collegio, loja da esquina.
Mensageiro dos amantes
ou carcas de flechas amatorias, manual
epistolar galante, contendo exemplos pra-
ticosem cartas amatorias, que podem com
vantagem conduzir a effectuar um feliz hy-
mino, composto para uso de ambos os se-
xos, por liainiAo Casamentoiro. Auxiliar oa
airantes que procuram patentear uma pas
xmi honesta, e conseguir um Mu legitimo,
fui o alvo que leve em mira o autor deste
livrinho, cujo contedo, ditado pela since-
ra lingnagem porcionado as varias situacOes, offerece mo-
delos appropriados a quaesquer, e aioda as
mais espontaneas ecrilicaa circunstancias
da vida. 1 vol. elegante e bem encaderna-
legio, casado Livro Azul.
~ Vendem-se tres rotulaa de amarello,
tendo 12 palmos de compride e seis d lar-
gura : na rua daMangueira, hairro da Boa
Vistor n. 1.
Vendem-se queijos londrinos ltima-
mente chegados de Liverpool na galera Bo-
nita, assim como conservas de carne e fruta,
e mais utros gneros ltimamente chega-
dos, por prei;o rasoavel: na rua da Cruz n.
7, armazem de l)awis& C.
Cal virgeni em pedia
chegada de Lisboa na barca Carila e Ame-
lia, vende-se a preco commodo : no arma-
zem de Silva Barroca, na rua do Brum, nu-
mero 28.
Escravos fgidos.
200,000 ris.
Fugiram de bordo do brigue
Sem-Par, vindo do Bio de Janei-
ro, dous escravos, sendo um de
nome Sabino, de cor parda, esta-
tura regular, de 20 annos pouco
mais ou menos ; levou caifas e
carniza azues, e bonete encarnado;
0 oulro de nome Kuzebio, criou-
lo, de 24 annos pouco mais ou
menos, estatura alta ; levou cal-
cas, carniza e bonete azues. Roga-
se as autoridades policiacs e cap-
tes de campo, que os apprehen-
dam c levem-nos rua do Trapi-
che n. 34, casa de Novnes & Com-
panhia, que recompensar.
Fugio no dia 10 do passado o escra-
vo crioulo, de nome Jos, de 40 annos, al-
tura regular, cheio do corpo, olhos 11111-
rellos, rosto bexigoso, psebatos egrosos;
levou eale de 13a escura : quem o pegar,
leve-o a seu sentior, no armazem de as.su-
car, largo do Pelourinho, ns. 5 e 7, de Itn-
mfio Antonio da Silva Alcntara.
Fugio no dia 7 do coi rente uma escra-
va de nuc.'io Rebollo por nome Mana, idade
18 a 20 annos estatura baixa, bem feita de
corpo, rosto redundo, muilo ladina quo pa-
rece crioula, cor bem preta, com urna mar-
ca de ferro da nacio no braco direilo, e
urnas de xicote j antigs junto ao pescosso,
levou pao da Costa j desbotado ; roga-se
quem a pegar de leva-la no Forte do Nat-
os rua do Cordoniz, na quina da Muela,
primeiro andar, que ser recbmpencado.
wmtmmmmmcmmmmmmmmm
O mulatinho Agostinho
fgido.
S Na noite de n para ti do j
| passado ausentou-se o es-
1 travo Agostinho, pardo a-
I caboclado, cabellos pretos e
I lisos, ps grandes com os de-
i dos grandes grossos e camha-
| dos para dentro ; be filho do
I sertao, muito tallador e fo-
ta: roga-se as autoridades
| poliche, capitSes de eam-
| po, assim como a toda e
qnalquer pessoa qne o en-
| conlrar, de prende-Io e con-
f dtizi-lo a seu senhor fien-
to Jos Taveira, na rua da
I Cruz ii. ao, que nao s paga-
| r todas as despezas, como
J* offerece uma generosa re-
compensa a quem o trouxer.
i? ***#<*****>***&***
2(i,ooo ris.
Fugio, no dia II do crrenlo mez, a es-
crava Luiza, crioula, de estatura baixa, de
25 annos, olhos papudos, com 1 dente que-
brado na frente : levou um caixa~o de folha
'fe Flan tres pintado de azul, vendendo du-
ce de caj, veslido e panno da Costa azues
com listras encarnadas; ella he muilo re-
grista e ple ser que iiluda a qualquer
pessoa : roga-se as autoridades poiiciaes e
capilfles decampo, que a apprehendam e
lovem-ua estrada dos Affliclos, prinieira
casa terrea pintada de azul, do lado direi-
o, que serilu recompensados com a gxali-
lcacflo acuna proinellida.
PB'RN. VA.Typ.DB M.F.DFT Faria.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ECCXKI2DJ_OG3QC9 INGEST_TIME 2013-04-13T00:17:15Z PACKAGE AA00011611_06295
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES