Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06294


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVII
Segunda~feira 13
PARTIDAS SOS COBB.EIOS.
Irohnna e Paralliba, s segundas e sextas felras.
[liu-Grande-do-Norte, todas as quintas felras ao
neio-dia.
I Cabo Serlnhaem, Rlo-Formoso, Porto-Calvo e
I Macei, nol.'.a 11 e 21 de cada uiet.
aranhuiis e bonito, a 8 e 23.
I Hoa-Visia e Florea, a J3 e 28.
I Victoria, s quintas felras.
linda, todos os dias.
.,mjjjOTrfigHtrwi^i
PHEMBBIDES.
'Nova, a 2, as 8 e 24 m. da m.
Phasei da ku|S|Ta !-' I .h' C ?.im" ^ '
it.ln-ii. a 17, a.-' I, c .1.1 ni. ii.it.
lilling. a 24, s .'i h. 57 m. da in, |
de Janeiro de 1851
PtlEAMAP. DE BOJE.
I'rimeira s2 doras e. 6 minutos da tarde.
Segunda as 2 horas e 30 minutos da maulia.
pnrqo da sBBcnip.;ao.
Por tres meses fadianlado.<) 4/000
Por seis utezes 8|000
Poruuianno 13/B00 ;
iH'iWmiiH'i 'fnB'iwii MgnuiiMiiwwai
das da semana.
13 .Keg. S. Hilario. Aud. doJ. doso.f.edo ni. da 1.
14 Tere. S. Pelti. Aud. da Chano, di, J. da se-
gunda vara do o. c dos fritos da fizcnda.
Ift guar. S. Amaro. Aud. do J. da 2. vara.
Ki Qulnt. .-. bernardo. Aud. do J. do or., c do
ni. da priinrira vara.
17 Scit. S. Uito. Aud.do J. da I. vara do civel ,
c dos fritos da fazenda.
18 Sal) A c. de S. P. era H. Aud. da Ch. c do J. da
2. v.dn c.
19 Doin. O SS. Nomc de Jezus.
CAMBIO DE 11 BE JAWEIBO.
Sobre Londres, 29 ;| a 30 d. p. 1/000 rs. 60 da.
Pars, 320 por fr.
^.ft.Cl.01.......20/uOO a 29/500
Mocdasdr/iifWOvelhai. l#0tH) a IW0
Oum.
(i/400 novas
4J000.......
Prata.Patacoea/fyrasileroi....
Pesos cifuiiiiiarios.....
Ditos mexicanos........
ltOOO a
S/u00 a
1/M20 a
1/1120 a
1/680 a
16/M0
9/100
1/940
1/1)40
1/700
fcww*^5:*
raraB3T3Xi"-rffx?^.Qa'T3i7Tr
PABTE OFFICIAL.
3
GOVERNO DA PHOVINCIA
Exptditntrdo governo que, pertencendo ao da
2 do corrent*, deixou de ser publicado.
Circular.km vgiros da provincia para
que remelUm, tempe de ser entregue na
secretaria da presidencia al o dia 15 de
fevereiro prozimo futuro impreterivelmen-
te, um mappa demonslrativo do numero
dos baptisados e bitos acontecidos na sua
freguezia ti .i decurso do anno lindo, rom
declarado do sexo e cndilo dos indivi-
duos, eoutro do numero dos casamentos,
declarando-se millo a condic^lo dos con-
tratantes.
Dita.Aos mesmos, exigindo a remessa,
lempo de ser entregue na secretaria di
presidencia al odia 15 de fevereiro prxi-
mo fuluro, de urna informc3o ci'cuins-
tancsda do estado da respectiva igreja ma-
triz, com declmelo dos melhoramentos,
de que mais urgentemente necessita e sua
importancia provavel.
Dita. Aos delegados de polica, ordenan-
do que remettam com urgencia urna infor-
mae,3o circumslanciada do estado da res-
pectiva cadei, declarndoos melhoramen-
tondeque precisa, e sua importancia pro-
vayel.
Dita.As cmaras mnicipoes, para re-
mellar com tempo de sor entregue na se-
cretaria da presidencia at odia 15 de fe-
veieiro prximo vinduro mpreterivcl-
mente urna informado circumslanciada
das necessidades de seu tnunicipio cum re-
lcelo aos melhoramentos materiaes, espe-
cificando as mais urgentes.
Dila.As mesnias, exigindo que remet-
tam lempo de ser entregue na secretaria
da presidencia al o din 15 de fevereiro po
limo futuro imprelerivelmente urna rela-
jo dos respectivos proprios munici-
paes com declararlo do seu estado e pres-
talo.
Hila.--As mesmas, determinando que re-
metan! cum urgencia urna copia do rea-
torio da commisslo, que, em sua ultima
reuniilo, fui uomeada para o objecto de que
trata o artigo Sfi lei de seu regiment.
DEM DO l.l v 8.
OfficiO. Atiiesuuraria de fazenda, intel-
rando-a de- haver o Exm. bispo diocesano
concedido tres mezesde licenca com ven-
cimenlodnsua congrua ao vigario da fre-
guezia de Santo-Antonio Venancio llennque
de Itezende.
Dito.A psgadoria militar, rara mandar
examinar, pagara Jonquim Cordeiro de
Rezende Reg, as duas cotilas que remelle
em duplica'.a, na importancia de 14,CO rs ,
das rat;es tornenlas aos recrulas vindos
do Bonito Intelligenciou-se ao delegado
supplente do mesmo termo.
Dito.Ao di eclor do arsenal de guerra,
para que mande faier os reparos h aug-
iiirnlii-, de que necessita a casa de deposi-
to de aililliaria i cargo daquelle arsenal,
de confurmidiile com n orea intuito que en-
vinu. Scienlilicou-se a pagadura mi-
litar.
Diio.--Ao commandante do vapor The-
til, dizendo que pJo l'azer desembarcar o
primeiro maiinlieiro Jos da Silva perlen-
cente a guarnido da barca a seo mando,
o grumete do litigue Calliope Jos de Paiva
Macedo, visto terem completado os seus en-
gajamentos, e nSo quererem continuar a
servir.
Portara Nometndo, de conformidade
com a proposla do desembargador ebefa
de polica, o juiz municipal e deorphos
do termo do Pao-d'-Allio o bacharel Caeta-
no Eslelllta Cavslcanli Pessoa para o lugat
de delegado do mesmo termo. Comtuuni-
cou-se ao mesmo chefe de polica.
IIH-.M DO DIA 9.
Officio A tbesouraria de fazenda, re-
cemmendando que, de conformidade com
a sua informaco, mande abonar, 6b a
responsabilidade da presidencia, nos ter-
mos do decreto de 7 de maio de 18*2, o
conselho de administrasao naval a quantia
de 208,786 rs. para pagamento doque'se esta
a deveroas despezss feilasem o mez da de
zembro ultimo com a enfermara de man
cha, vislo havetem elles excedido da con-
signacao mensal dada para esse fim.In-
telligenciou-se ao mencionado conselno.
Dito.A mesnia, para que, de conformi-
dade com a sua informacSo, mande sup-
prir, toba rcsponsabilidade da presiden-
cia no* termos do decreto de 7 de maio de
1812. o arsenal de marmita com a quantia
de 394,130 rs. para occorrer as despezas
feitas em dezembro ultimo com asrubri-
cas-Pharol-Corpo de armadae barca de
soccorro, visto ser insulliciente a quantia
desimana pBra laes despezas em o referido
mez.Fizeram-se as convenientes cominu-
DcaqO-s.
Iiili'.Ao director do arsenal de guerra,
conctd-ndoa auiorisacau que pedio par
despender a quanlia de 3.O40 rs. com a
compra de 7 cadeiras com asseulo de palln-
nha, um copo e um prnto de Iouqs para sa-
tisfazer o pedido do commandante o quar-
to b.i.ilu;: 11 de caladores Scienlilicou-se
pagadura militar.
Dito Ao mesmo, aulorisando-o a des-
pender a quanlis de 130,000 rs. cum a
promptilicafSu de urna baudeira grande de
tllele tara poder silUl'azor o pejtdo, que
devolve do commaudaiile da fortaleza do
Uium.Inleiiuu-au a pagadura militar.
Dito Ao Mesmo, uuturisando-o a man-
dar compitr as 30 arrobas de plvora groa-
sa, deque precisa a lortaleza gundo cumia do pedido qu" devolve.
l'urlana.iNumeatido, du confurmidado
com a proposta do desembargador ebefe de
polica, paf" 0 lugar de subdelegado da fre-
guezia de Muriera a Francisco Pedro Soa-
res B'andlo e para o de primeiro supplen-
te o bacharel Ignacio Joaquim de Souz*
LeSo.Communicou-se ao mesmo chefe de
polica. ^^^
Commando das armas.
Quarlel do commando das armai na cidade do
Rccifr, em 9dejnnclro Ai 1851.
ORDEM DO DIA N. 32.
Faco publico para conhecimento da guarni-
cao e ims convenientes, as duas provso-s do
conselho supremo militar abalso transcriptas
de 14 e23de setembro do anno prximo (indo,
que me foram enviadat por coplas, pelo Exm.
Sr. presidente desta provincia em ofHcio dala-
do de 7 do crreme, o primeiro declarando o
vencimentos das pracas do exercito sentencia-
das e a segunda sobre reconhecunenlo dos ca*
deles.
D. Pedro por graca de Dos e unnime c-
clatnacao do* povos, imperador constitucional
e defensor perpetuo do l'rasil: faco saber aos
que esta mmha provisao virem, que tendo su-
bido a ininh.i augusta presenca una consulta
do conselho supremo militar, datada de 23 de
agosto ultimo, a que mande! proceder sobre o
officio n. 75 de 8 de marco do corrente anno,
do presidente da provincia de Santa Calharina,
acompanhado do que Ihe dirigir tenente-co-
ronel commandante interino do sexto batilhao
de cacadores, pedindo solucan duvida em que
se .i. h.iv.i a respeito do reconliecimento dos
primeiro" cadetes. F. altendendo a que o capi-
tulo i3. f.arographo7 doregulameulo de 18 de
fevereiro de 1763, publicado com o alvar da
mesma data, dispe osegiiinle: v Devenrto o
ponto de honra animar os officiaes mais do que
oulrn .ilu.uni motivo, todo o official de palente
assignada pela real nio, ser reputado nobre.
O que me fui ponderado pelo referido consrllio
com o parecer do qual inleiraiiienle me confor-
mando: hei por bein, por miaba inmediata e
imperial resolucao de 2 do me* prximo pasta-
do mandar declarar: que todoaquelle pretn-
deme que ap'esenlar que seu pai e seus qnatio
av foram nfciaes militares da priinrira ou
segunda linha, com patente firmada pelo sobe,
rano, anda que todos os ditos tvl nao sejam
nfliciaes superiores, est perianto na letlra da
lei, com at o presente assim tein sido sem-
|ire entendida a doutrina prescripla a tal res-
peito no alvar de 16 de marco de 1757. Pelo
que mando a auloridade a quein compete, e
mais pessoas aquem oconlicciuieiilodesla per-
tencer, a cuiiipr.im c gu.irdeni lao iiitrirameiite
como devem, e nella se conten. Sua Magesta-
de o luipciaJor o ni'iidou pelos membroH do
conselho supremo militar abaixu assignadus.
Joao Mu un- de Sonza faldas a fe neb corte
e cidade do Rio de Janeiro, aos 23 de setembro
do anuo do nasciiiienlo de Nosso Senhor Jess
Chrislnde 1850. K eu o conselh'iro Alanoel da
Fonseca Lima e Silva, mareclial de campo, vo-
gal e secretario de guerra a fi< escrever e aubs-
crevi. Joao l.hrtiailomo Calado. Francisco
Jos de Souta Soare de Andreas,
Conforme. Juo Uaptila Ferrtira. Con-
forme. O oflicial-maioi, Joaium Pires Ma-
chado l'orlelfo.
. Iiimi Pedro, por gra?a de Dos, e unnime
acelamaco dos povos,imperador constitucional
e d Tensor perpetuo do brasil.Faco saber aos
que esta niiolia provisao virem, que leudo su-
bido ininlia augusia presenca una consulta
do cons. Ilio upremo militar, datada de 3 de
agosto de 1849, a que niandcl proceder sobre o
requeiiineiilo do ex-soldado do lerceiro bata-
Ibo de cavadores Joao Antonio Evangelista
que pedia o pagamento de vencimentos que
dcixra de receber antes deoblcr baixa do ser-
vico. K altendendo que o decreto de 2 de
marco de 1810 expresamente determina que
os soldados que descriaren! perdero o direilo
a todo o venclmenlo de lardainenlo antea da
dizersiio, na forma da ordeuanca de 3 de abril
de IfOJ, a qual orden que os reos de diserr.au
devem perder o tempo que aiitcriorincnlc liuu-
vercm servido; o queme foi ponderado na
mencionada consulla pelo referido conselho,
com o pai ccer do qual nteirainenle me conlor
mando, hei por be.n por mioha imniediaia e
imperial resoluto de 16 de agosto do auno pro
xlmo pa-sado mandar declarar, que o supjill
cante nei.hum dlreito le. a percepcao dos lar-
.lamemos que se Ihe deviam. ale 23 de marco
de 1844. data em que desertara; mas desde a
sua apresentacao em 11 de julhodo dito auno
de 1844 al que livera baixa do scrvico a de
setembro de 1848, se Ihe devera abonar aquel-
lea vencimentos. discuiitaudo-se a importan-
cia dos gneros que recebera a vencer.
Baan aos sidos egiauhcasoesqueo
supplica.ite nao recebeu, leudo ja direilo a es-
sea vencimentos antes da dtser5ao que com-
uietiera : que vislo nao existir no cuado decre-
to de 1810 neni en alguma oulra le igual dis-
posicSo que fica mencionada relativamente
as dividas de fardamento dos soldados, dever-
sc-ba, purtanto, pagar ao '"l'P1"-'3"1*?,"''':
, que se Ihe esllvcr deveudo dosiefeildos
sidos e gratificafes, durante lodo o lempo
que servio no cxercilo antea e depo.s da sua
d.serco. Pelo que mando a aulondade a quem
compele e mal pe.soas a quem o conhecimen-
lo desta pertencer, a cuuipram e guarden lao
inteiramcnle como deven., e nella M coutein.
toa Mageslade o Imperador o mandou pelos
me.nbios do conselho supremo in.llttr aliaIXU
ssiKuados. Joao Warlius de Souta tildas a
f Tiesta corle e cidade o Rio de Jone.ro, aos
14 das do inri de seiembro do anuo do na.cl-
nento de Nosso Seulior Jess Lhrisio de I8j0.
- Eeu o cousclbeiro Manuel da tonscca Lima
Silva, mareclial decampo, v.gal e seciela-
,iude guerra, a Bz escrever e s..bcrevi. -Jos
Joaqnim de Lima e SilPa. -Joio Chnsoslomu la-
'"^Conforme. Joio Uaplisla frrmra.-Con-
fo. u.e.-O olucial-maior, Joaquim F.r Macna-
Joi Vicente de Amorim Bezerra.
INTERIOR.
IU DK JANi.KO.
REVISA DA PAUTA DAS aLFANDEGAS DO
ItlPhHIO
Parrcer de varios negociantes desto cirte.,
|||,n. Sr. preidente da co...iniao oi. eada
para, reviso da paula das ?
Illin. Sr. Os aba.xu asignados, e... .pus
la a circular que V. i. fca>lb abonra d.r.g.r-
Ihes Individualmente com data de 25 de junho
prximo paasado, tomam a liberdade de sub-
mrtterao julio de V. S. algnmas pouo.is obser-
vafes, tanto no interesse do coinmereio como
mesmo em proveito das rendas publicas, na
certesa de que merecern alguma .menean da
parte de V. S.. porlsso qne V. S. alm do Bm
que agora se propOe.j como Inspector da al
fandega. tem mostrado de sobejo quanto zela
os interesses quelhe sao confia'los, iiiirodn/in-
do lodos os dias na reparlijo a que preside
importantes"melhorancntos.c.implif>cac5o de
ii.ih illin.
Os abaixo assignados, porin, declinando par-
te da tarefa que V. S leve a bondade de in-
cumlilr-lhes, pedindo-lhes algumas Informa-
Ces que podessem servir pira a revlso e o no-
vo rrgiilamcnto da actual pauta das alfamlegas.
porque julgam ser para isso necessaria una
discusso aprofundada e dehalida. que ao pode
ter lugar no selo de nina conunissao composla
de pessoas idnea*, acham desnecessario aprc-
senlar generalidades em que lodos concordan!
e de que V. S. j se acha milito inteirado, e
qiierem nicamente apontar o defeito < pnura
M|niil ule de algumas disposiedes particulares
do aciual legulamento, principalmente na par-
te que irtt. dos vinhos.
Pela tarifa actual, pagando o vlnho de Lisboa
em caico 240 rs por caada, e os do Mediter-
rneo e oulros nao especificados 200 rs., qiie-
rem o abaixo assignados provar que os vinhos
do Mediterrneo, islo he. do sul da Franca, da
llespaulia e da Sicilia, pagan na realidade di-
reitos mais subidos do que os de Portugal, at-
tendendo-se s qnalidades e ao preco porque
se venden. Hasta para que seja islo provado
riiniiii.il os prejos correnles dos anuos lindos
de 1848 a 1849.
Segundo o Ato Hereantileournal, publicado
pin I., vi. que os abaixo assignados remelln
jomo, v se que os precus medios daquelles
dous annos foram i
Para o anno do 1848.
Kis 1IM631 paia os vinhos de Lisboa.
a 80/000 det'alalnnha
1 n.'i/455 de Port-Vendrcs.
i 73/688 de Marsellia.
- 80/000 ii de Cene.
Para o anno de 18411
ftis I2-2846 para os vinhos ile Lisboa.
- 94/027 u deCalaliinli..
> 101/333 o deP.nl \ endres.
"i ivl de Marselha.
68/8 de Cene.
Porlantu os vinhos de Lisboa, que se vende-
rn sempre por piceos iniiitn mais altos duque
os oulios, pagando de direltol 240 rs. pagaram ,
realinente milito menos em pioporciio, du que
os vinhos de llespanha e Franca, que em rea-
co aos seus pucos nio ileveii.iu ter pago, 01
de Uespanha mais que 172 rs e os de Franca
mais que 166. em lugar de2ll0 que pag.in pela
tarifa Einquanto ana vinhos de Mi lia, pu-
dem regula, com os de i elle e Marsellm.
O resultado dessa laxa desigual foi una pro-
grrssiva 1I11M111111..1 1 na introducn c no con-
sumo neste imperio dos vinhos de Franca, Des-
patilla e Sicilia, de tal forma que esses vinhos,
qUC formaran alguna anuos atrs um Impor-
tante ramo de Importacio para o brasil, teinj
Sotlrid ni ases dons annos lindos coiim que
urna vordadeira pmblblcoo Tod isoscnri ga-
ientes daquelles vinhos que ch garam ao Rio
de Janeiro em 1848, nao se tendo podido ven-
der ueste p no, foram reexportados para o Bio
da Prata ; e no presente anno. se os vinhos de
Franca e Uespanha tiveraui mais lignina pro-
cura, depende isso nicamente da faltada co-
Ihelta que huuve en Portugal, podendo aquel-
jes vinhos s dessa luant-ira, protegido! por
tuna circuinslancia lao rara e excepcional, com-
petir con os de Lisboa.
Os abano assignados acham alias quesera
inulto mais juito e at mais rendoso para a al-
fandega, que os lquidos, tanto em cascos co-
mu em garrafas, pagassem os direitos sobre o
o seu valor. Por cssa -forma, cada qualidade
de vinho pagara S direitos na proporclo do
preco porque se vende, ese tornara muito f-
cil para a alfaudega conhecer se a declaracSo
dos imporladores he justa, por nielo dos pre-
{os correnles que se publlcam nesta corle, ou
por nieio de correctores jurados, ou mesmo
cousufiando negociantes honrados desta praca
que tivessem pralica desse coinmereio, tornan-
do-se a applicafo desse principio extensiva a
todos os generus importados uesse pai/. que se
acham en idenlic-s coudlcfs, como sejam a
cei veja c oulros lquidos, a maoteiga. ele.
I'arece aosabaix assignadus superlluo insis-
tir na importante vantagen que resultara pa-
la a agricultura do Brasil da adopeo de una
medida que, mesino quando nao losse altamen-
te reclamada por paite de naces amigas, como
equidade, anda mereca o valioso apota de V.
S. considerando que todos os navios viudos do
Mediterrneo carregados de vinho levan sem-
pre de volti caf e assucar, esses dous produc-
ios do Brasil que cuiislitueu a parte mais im-
portante da sua ilqtieza, c acham nos portns
do .Mediterrneo uina exlracco certa e que val
augmentando iodo os dias.
Essa concurrencia de navios traria infalivrl-
menteuma bHxaiensivel nos fretes, que re-
dundarla eu acnrescimo ao valor dos produc-
tos do brasil, sem fallar no augmento das ren-
das publicas e en oulros inulluS provea! que
resultan sempre para un. porto da presenca
de numerosas embarcacoes.
No caso de nao prevalecer o syitema od oh-
rem, oque seria de lamentar, lornar-ie-hia n-
dlsnensavcl a frequente reviso da paula, por-
que us precos das faxrndas e objectos labrica-
dos na Europa cosluinain pasiar, nu decurso de
poucui annos, por giandes inudancas, dtvi.lo
isso a is incessanles apeife^nameiilos que na-
cen da concurrencia, lie claro que essas mu-
dancas devem lanibem rcagir nos prros po. -
i,ue sao com radas aquellas fatendas em pal-
ies eilraugeiroi. Os abano assignados, invo-
cando um lystema que lena por fin diminuir
no brasil o cusi de mullas mercaduras e ob-
ieclos de priinrira necessidade mpuriadus da
Eu.opa, pondo-os ao alcance das classes labo-
riosas, que sao tamben as mais uuiuerosai,
nao faiem leno giilareinse pelos pilocipios
mais vulgares de huinaindade e de economa
poltica. Deve ser lambe... de alguma consi-
deraco para o governo do brasil, querendo at-
iralu'r culouos para suppnr a falla de bracos
c.cravos, qucVsses culouos possaui continuar
a fazei UJu no novo pai que virao habitar, da-
uuelles gneros de primeira necessidade con.
, ue eslo acosiuu.ados desde a inl.ncia, e que
riles nao tcem os ineios de pagar caro, aobre-
ludo a farinba de trigo c o vinho Para quem
couhece beut os hbitos das classes laboriosa
da Europa, nao he essa nina observaeao de pon-
es importancia.
O papel he nutro artigo que pela actual ta-
rifa, aeha-se militas veies exposto a pagar di-
reitos multo em drprnpnrcSo con o seu valor,
porque entre qnalidades, leudo o mesmo for-
mato, 011 denominados da mesma maneira e
pagandu gnaes direitos, algumas ha fabrica-
da! por processns novo e ruin materias pri-
mas de niei.nr preco, que ciislam muito menos
lo que nquellas, por exemplo, que servir.
de norma para os direitos. Serla para desejar,
por ser assim justo, que as qualidades que me-
nos valc.il, e nao se podem vender se::o por
precos diminuios, nao supporiassem os mes-
nos direitos dn que ainelles que ten. mais va -
lor, evitando-se assim que as primeiras pa-
gelo algumas vries at ccnlo por cento do seu
valor.
Cnnhecrndn que o systema nd valorem he pou-
co applicavel ao caso, lemhram os abaixo assig-
nados a regrs seguida na Europa, pnde o pa-
pi I he vendido .1 peso, porque em geral o peso
aeha-se na prnp rco do valor, so com excep
cao de algumas qnalidades que leudo menor
peso di que oulras nao drixan de ler malor ya
lor. Porin a excepeo aqu nao deve preju
dicar a reara, e essa mesma excepeo desappa-
reeera. divldlndo-te a differeniei qualidades
de papel em calbecorias subjeitas a dlreito
dill'erenciaes, servindo o peso de base para
tasa dos direitos.
As categoras pndiam ser as seguinles :
1." Papel de embrniho de qualqner cor.
2. Papel de Imprimir, branca ou de cor. ll-
rele, almaro, de machina blanco 011 ailado,
ile lilngraplia mataborro.
3. Papel de peso, cin folio, 4. e 8., branco,
Hiiiiado. 01. de cor.
N. It. Alm dos direitos pagarSo esses papis
mais rs. ./... por cada resma quando paulados
mi domados.
4." Papel p.va desenlio brinco nu de cor,
ra loes para blhetes de visitas de todas as cu-
es, carian Brlttol e porcelana
3. Papel hiili.ind.i, imperial branco ou de
edr,ailado, c em geral lodosos papis para
rncadernaco.
N. II. Alt'ii dosdlreilos pagarlo esses papis
tais r, ./... por rada resina quando pautados.
6. Papel rem colla para copiar cartas, de se-
da, bianco r.u de cor, papel para machinas e
papel paquete.
Os papis com pinturas, bordados, etc., 6e-
ro despachados pm- factura.
Os abaixo assignados, na mesma necasiao,
toca roo de paisagrtfl na necessidade que a
pralica tem mostrado de mna reforma na claa-
slieaco de algulliai inereadnrias que por falla
de elaiesa na redaceoda tarifa, u mesmo por
mal classlfiead.s pagan, mulus veiei direilo
em desaccordn eom o espirito mesiiiu dn regu-
lameiitii. Um exe.nplu tornar mais scnsivel o
que acaba de ser espolio.
11 n lio/, 1,11 I,ni il couiiiium, paga de direi-
tos 2,1 01) rs. por libra; o lino, densniin.iilo de
Italia, 4,010 rs Em si mesmo nada mais justo
do que essa dispusicao; poiui por causa das
paiavras denominado de Italia, que na pauta ser-
ven, para qn.ililiear o rctn.i lino, poden os
Vitorea si rem udu'ldos eill erro a respeito 1I0
reros que provm da Italia, poru. sen. ser
aquelle retios lino que a pauta leve em vista,
B que s deve pagar 4,000 rt.
Por es-c unitivo as paiavras denominado
dn Italia 1 odiam ser substituidas por estas
para biniar.
K tne-iiii falta declaris enconlra-sena
classili'a.io dos hrins, dos panmis, das ca-
simiras, dos crytaes, ele, oquedl lugai
frequ ules roclamacOes da palle dos ne-
gnClallti'S.
O actual r.'gulamenlo das taras tambem
precisa tle un a retorna radical, por dar
motivos a nuiUs exorbitancias. Estas san
lanas que a difllculdade e consiste em es-
Co'her qual del las den ser rilada cum pre-
ferencia 1 ara seivir e.e exemplo.
0 sulplisto de quinina para ser bein enn-
sei va lo cosluma vir em frascos de vi Iro
grosso que pesam nl \ l|9 micas,e n3o oon-
lin mais dn que i onfs desulpbate. En-
trelsnto, o regulamenta nllo abate n.da pa-
ra a tara. NHo be de receiar que os imi'ur-
tidoref, para nBo suffrerem diieiius tSo pe
sadus, man loin vir o siilphalo por outro
qualquee me.u que nao Mies seja lili preju-
dicial, pnrcn que venlia a ser em detri-
mento da sa le publica ti'um pais sobre
no se procede nos casos de ivsria por a-
gua salgada como nos casos de avaria por
vicio proprio? Nfio lera o prejudicado
igual direito de protestar tanto n'um caso
como n'outro, e s pela circunstancia de
pruvir a avaria de agua salga la dever elle
ser condemnado a pagar direitos inteiros
sobre urna meresdoria damnificada, que
mullasvezes tem d para paitar os direitos,
que pir isso ello vC-so na dura necessi-
'I *I'M'~ L*''l ia.lt I | I 'i i _-_-------------------
dade da abandonar perdendo assim todo
0 capital em.iregado ? Nao he islo ver ladel-
r.mente para lastimar, principalmente
quando nSo s- pdj perceber qual foi o in-
tuito do legi-lador ?
Seria timbeo! para desejar que os navios
arribados nesta Baha com avarias, e que
precisan de reparaertes, merecessem, por
Ciusa da triste siluacfio em que se acham,
mais favores da parle da alfamlega como
pequeo ollivio dos grandes prejuizos que
tem forcosamente de solTrer, eque a adnii-
,. nistra^iio de V. S. tem ja tornado um pouco
'_ menos pesdos pela mo.lilicaao inlroduz-
!i no regulamento.
Os abaixo assignados convencidos como
1 sllo de que V. S. nada mais procura do
uuo comhater a fraude e o contraban-
do, sen perder o desejo de ver, quanio
ha pnssivel, poupar ao conimercio os vnxa-
nes a mil iii-ru- quo no sao cnm;iensa-
lus pelo benelicio d 1 fisco, animam-so
insii a apuntar urna dispscflti abusiva do
regulamenta subie os s biesalentes, que
1 a. t;,.|ii,,niii iiie recouimetitlan aalteutHo
lev. s.
A ohrigaQfli quilo dito regulamento im-
poe aoa capiUes de desemhatcirem os so-
hresalenles em algn deposito da alfaude-
ga, torna-se para elles summamenle ureju-
nctal, sem pruveilo algum para a alfamlega
que lum. cum sao muito trab.lho, perden-
10 o lempo dns seus empregidos e oceu-
patidu s para csse li 11 armszens de que
poderii tirar muito melhor emu'ei'O Os
prejuizos quesolTrem os capllSes aSOOon-
snleraveis porqun alm das despena edo
trabalbo que neceuitam o desembarque e
reembarque dos sobresalenles, acontece
que nem os saceos, nem os barrisque elles
tem de em pregar para isso, podem preser-
var os manlinient s da liumidade ou dos
bichos. Tanto assim q e alguns capilSes,
cuno lie notorio quando Ibes foram entre-
gues no momento da partida os maiililien-
tos qn linham sido depositados na 1II1.1 das
Cubras, us acln ram n'um e-lado lalqueno
podiam mais usar delles sin receio de com-
prumetter a sa le da ana tripulacfio.
Seiia muito preferivel, mesmo em bene-
ficio da alfamlega, quo os capites ficassem
lepoailai 10) dos aobresaleoles. Os capines.
logo na sua entrada deveriam remeller a
.iliui K'.'a mea nota mu exacta de lodos
11b sobresalenles, para quo a alfaniega,
quando Iheconviease, mandasse verificar a
suaexaclidlo Antes desshir o nsvo e de
ter o capito feiio novos vveres para a ya-
geni, na occasiioem que elle fosse pedir o
desembarazo da alfamlega, t-ria de remet-
1 r nina nova nula dos sobresalenles res-
tando a bordo ; depois da alfanioga lerfei-
10 verificar a exaclidao daquella nota, o ca-
pullo pagara os direitos sobre a diflerentja
quehouvesaa entres sua primeira e a sua
ultima declaracSo, n3o tendo assim a al-
faudega oulro cuidado senlo de mandar ve-
iliear con toda a allenc.au se as duas no-
tas eram cxacins Porque, bem feila essa
vcnlicaeo, o que nflo he dilleil, no le a
mais o capitSo inlcresse algum em fraudar,
supposto que oquizesse, vislo ter ello do
pagar sempre a final os direitos sobre todos
us voluntes 011 objectos quo faiteasen) a
burlo, 'OSM qual fosse o consumo.
No caso em que as notas dadas pelo capi-
tn mi. se achassem exactas no aclo da ve-
riucicao, elle pagara a mulla marcada pe-
lo nuvo regulamento. ',.-
0 sello sobie os navios nSo he tambera
ment as san ie puuucs n um |iai mura seju ums medida por si mesma va o illu-
tudOODde se faz tanlouso tlaquelle reaiedio wr, que sos^rvepara ncommodar inull-
e onio sen lo ISo tieccssirj deveria custn ,e(e S capitues, e pur isso merece ser
abolida. Muitas vezes pode acontecer, co-
mo de facto aconteceu, que o sello seja
rompido por um acaso inleiramente fortui-
to, sendo alias um capilflu bem innocente,
enfio merecendo ser por i-so incommoda-
do; einquanto que alguem que quizesse
fazeru contrabando poda muilubemo ter
futo, despregau lo urna taboa, ou usando
.le qualquer outro meio n3o menos fcil,
sem eslurvo do sello que teria sido physi-
camenle respeitado. He isso tSo evidente
que ja por urna vez a mesma administrado
la alfamlega, cunlie-jendo a perfeita inulilt-
.Udedcsein.ilhanleprecaujao, deixou bss-
laiite lempo de a por em pralica, com gran-
de salisfacSo dos luvegautei.
O abaixo assignados, para no se afasla-
rem do seu proposito, que fui nicamente
tratar apenas de algumas partes do impor-
tante iiabalbo que tem de uceupar a cum-
inissilo d^ que V. S he o dignissimo pre-
sidente, quereu. concluir suas observatjoes
pedindo em ultimo lugar a V S que tome
em consideragao a im.il.. ulilidade e grkn-
del vatilagens que luveria, tanto para a ad-
tnitiialracao da alfaudega como para o com-
merco em geral, em permillir saque cer-
tis mercaduras, senflo todas, podessem
ser depositadas em armazens particulares
du depusitu, cuino se cosluma boje prati-
carna maur parte das pragas de coinmer-
eio, por meio dos Enireplsfictifs. A adop-
Cdo dessa medida, de que a experiencia vai
unios os dias mosiraiiJo as graudes vanU-
geOS, seria de suiima ulilidade. subreludo
paiao Itiu de-Jaueirn, oude a alfaudega ja
uflo tem local sufliciente para receber setn
al avaiicjment a euorme quanlidade de
geueroa eslrangeiros que nella desembar-
o meiius c^io possi acllaovse qilanlo tara, pouco mais ou
iiieiius no mesmo caso qje osulphatede
quinina.
A agua de colunia em garraf.s da qual-
quer liman'io paga 480 rs. a libra ; de ma-
neira quo lima garrafa duaguade culona
que conten pouco mais uu menos 1 libra e
l|2de essencia, e pesa por si mesmo mais
i libias, para direitos sobre 3 libras e 114 ;
isto lie, a agua da colunia, que he a merca-
loria, paga de dneitns 600 rs., e o vidro ,
que su serve para cuiiler aquella essencia ,
, aga 90 1 rs., ou em outrus termos, mais de
150 por ccnlo.
Os li.uxu assgnado consideran! Domo
nimiamente severa a parte do regularoenlo
que traa das mercaduras avariadas pin
aguido mar, uflo admitanlo da parle dn
0 ejudicado reclamacau elgima quu au
sej 1 leita denlo das 24 hon>*.
Em niuiissimos c.sus ascapa, depoisde
eilXOUS, nSo indicaiidn avaria, s pl.a-
li,.llura das caixas he quo se poderia sahei
se o seu contedu selreu nu uo snil'u 11 a
varia de agua salgada. Quamas vezes ja
uuo tem sido ateras na alfamlega caixas.
mu bem condicionadas mesmo com fer-
ro de fnllia que n.lu deixavam antes di
iberias apparecer signal de avui ia, e entre-
tanto as lazeudas pur deulro acbavam se
.la.,.Milu' ni.ir. pela a.11,1 salgada P01C111,
V. S., melhor do que iiiugiiein conhece a
1 ni I ossibilidadii mu quu se clia un. nego-
ciante de mandar abrir nu momento em que
ato dse ni ha 10,0 dus todos os voluntes que
lecebo diariamente, niesmo por causa da
demoraainherenlea ao aervioo da alfaude-
ga. l'ruvada essa impossibilidade, purque


ni
r>" ararcsEf.: nm
RR'^ai
Vi
cam diariamente, o em progressiio
crcCntc
Assim desappari cariam qualquer delnnga
iu e possa havcr no expediento da alfande-
ff 1 e na descaiga 'Jos navios, e o inapieciu-
vp prrjuizo que solfrem mulas vezes os
n -oc ntes rom a ili'inora de certas meroa-
il '"i as na alfandegl ou na esliva, as quaes,
t 'nm pala quentee hmido como este, prc-
ci nm ser lugo visitadas e tratadas. Os l-
quidos nio soll'rem menos por causa do
grande Ciilor que sempre chiste na estiva,
i dase actiim espnstos o sol, nSo haven-
. anda no Rio-de-Janciro um lugar epro-
iado que servase ao mesmo tnmro de de-
posito o de mercado p.ira os violtos, o mu*,
alm de poopar grandes prejoizos, facilia-
ria singularmente as Iransacc's. Emquan-
lo os arniazens da illn das Cobras, onde
sccosluma depositar vinhos, hem mal pro-
enchem o lim a que foram destinados, nfio
.-o por seren muto insulTcientes, como
mesmo pelo dispendioso iiicommodo do ha-
ver um braco de mar para alravcssnr, o que
no permilte aos negociantes de tomarem
de seus vinhos lodo o cuidado que seria pre-
ciso, porque he um da para o o ul r >, um
Casco, scmlo mesmo bom acondicionado,
pode ler urna vaso~eoiisideravel occasiona-
il-i pelas brocas, ou por qualqiicr outra cau-
sa imprevista
Oeatab leoimeolo de Hnirepti fieifs nSo
ple encontrar ohject,iio algtima para In-
das as mercaduras de grande voluine; os
lquidos principalmente, de que a alfande-
ga | le oum facilidade man lar verificar a
existencia nos depsitos particulares. F.m-
quauto as mercadorias manufactura las, a
sua V.' i ilie i *.- fu i pela alfamlega apresenla-
ria na verdade alguma difliculdade. .M s
tal vez a isso polesse a alfandega reme-
diar, pondo um sello em todas as ca i -as que
sahissem sem ter pago os direitos.
Os diieitos lie. i-iiiii garantidos por let-
tras assignadas pelos negoeanles c um Ma-
dor, como he cnstunni para os gneros re-
exportados ; e talvez fosse conveniente,
pera maior slmplificectio, que as lettras
fnsaem todas ao prazo do seis mezas, l)9o
sendo mais assini necessaria venicaijao al-
guma pela parte da alfandega, que arreca-
i: 11 i i i i- e ni certeza os direlos no
prazo de seis mezes, eslivesse ou n!io a
mcrcadoria vendida, salvo o caso de reex-
portadlo
Os abaixos assignados aproveitam essa
OfCaaiBo cara olTeiecera V. S. os protestos
da sua alia consideraeAo,
llio-ile-Janeiro, 30 de novembro de 1830.
A. Lehricy.Ges e Decostenl frres.--i.
l'iivat.Avrial IrmBos.F. I) ireau\o C.
I.ailibrrt e I'.lluii s-ie-e. -- Aiihi.il; i e
liry.ni. Desbordes u Haudinol llux-reo
Romaguera e C Aug. Leuba e C.B. Wsl-
leratoin e M. Mesaet.Eslienne e C.--E J.
Alberi. e C. -I'. I', de I.eroy e Fils, Dreyfus e
C, E. de SchoelTer,Guurnier e Anureae.
II. I'ain.
( Do Jornal do Commercio )
. i preta Mari, escrava de l.niz Concalves da
Luz. por andar fgida ; o a parda Joanri"
Utria da Conceirjfio. sem declara^ilo do mo-
tivo.
DEM D0DI.\ 8.
Foram presos ordem do chefe de po-
lica, Raymundc Francisco de A'norm e Sil-
vestre Jos femantes, por briiia, da qual
resullou sabir este ultimo ferldos orden.
do subdelegado da freguezia de S. AntonD,
o preto Luiz, por crime de furto : e I do
subdelegado da irguexa da Varzea, o l'or-
tuguez Jaciiilho Faustino de Aguiar, sem
ib i'l.n iie.'i i do motivo.
O comimnilanle do corno do polica, por
cilicio de bonteiii, cuminiinicou ao rito.
de polica, que na madrugada do dia 5 do
rorrete fallecer as proximidadas do res-
pectivo quirlel, una par la il i nomo Qui-
tea liarla da Concejero, que viva cuns-
lantemente ebria, pernoitando Dlas calca-
das, que s suppOem ter sido o seu faleci-
mento o resultado de estupor ; e que o seu
cadver fora entregue ao cabo d icompanhi
de artfices Antonio Francisco de Sa, que
dissera ser seu filbo.
O delegado supplenle do segundo dis-
trelo, em odelo do hoje parlicipou ao che-
fe de polica que procuran lo alguns traba
hedores da estrada deS. AntSo, a carso do
engeiro Millel, desmoronar urna barreira,
por onde passa a inesma estrada, lciram
treze dehaixo da Ierra que desaliara ; e que
sen lo desenterrados, se encontraran) seis
morios, e sete contuzos, cujos nomes cons-
tfio da isla inclusa, e que elle dera as pro-
videncias ao seu alcance, para que os pri-
neiros fossem sepultadus, e os ultimos cu-
rados ; cumprindo ao chefe de pulila so-
mente acrescentar, que honleni a tarde por
solicitacO'S do engenheiro inlicdo toma-
ra a dcliherac.no de enviar at o lugar do
desastre o |)r. Francisco Antonio Vital de
Oliveira, e mais oiitro facultativo, com os
remedios precisos, alim de prestar aos f-ri-
ins os soccorros da arte que Ibes fossem
necessario ; e espera o mesmo que V. Exc
se dignar app'ovar esta sua deliberaco,
altendeudoa urnencia d<> caso.
DEM 1)1 DU 9.
Foram presos : ordem do subdelegado
da freguezia da Boa Vista, os pretos Ade-
lo, escravo do Dr. Antonio de Vasconoellos
Menezes de Drumoud, Mara, e.-crava de
Jos Egidlo Perreira i e Domingos, escravo
de Serafn) Leita Pereira, por andarem fu-
gi los : eS orlen) do subdelegado da fra-
guada de S Jos, o preto, escavodo Hoza
Mara do Monte, por infrneeO 's de posturas
municipaes : ea do sublel.-gado da fregue-
zia da Varzea. Paulo de S. Thiago, sem de-
e|ar..co lo motivo.
Publicado pedido.
Illn), c Kxm. Sr. ~ Tenho a honra d
remeller a V. Exe. a inclusa copia do of
ficio do eng-iiheiro He. trique Angosto
Miilet eiieanegado da estrada da Victo-
ria, em o qual narra a desgranada calas-
Iriiphe ilo da 7 ;lo correle na menciona-
da estrada, cumprn-io-me declarar a V.
F.xc. que foram ministrados todos os soc-
corros nrcesssrins as inflizes victimas, e
n5o fui pessoalmente ao logar deste acn-
i cimento por motivo de molestia, que me
priva de montar acfevallo.
Dees guarde a V, Esc. Directora da o-
' rus publicas, 10 de Janeiro de tuf.i -uim.
Etm. Sr. Dr. Jos Ildefonso de Souza Re-
os, dignissimn presidente da provincia.
-- O director, Jjst Mamede Aliest'errrira.
llln>. Sr. Participo a V. S. que, un
lia 7 !o coi rente pela* 9 lloras da m lili As,
teve logar em Morenos o desabamcnlo de
urna barreira donde reaultou a norte m-
meliata de 5 trabalhadores e o ferimento
le oulros 7, dos quaes um fallecen no
mesmo dia. Tcrulo a barreira apenas 14 pal-
mos de altura, e sendo formada .le ierra
dura e resistente, no havia probabilidad!'
de semelhante successo ; tanto |oeostra-
balhadorss eostumavam quanio susien-
diam i s Irabalhos, encestar na dita barrei-
ra os carrinhos enxadas, e mss lerramen-
ti s do seiviio; e foi na occasiflo em que
iam busca-las psra pegarem no tralu-lho,
que leve luar este lanieiilavel sconteci-
mcnlo. Avisado as 5 horas da laido porof-
ico do aiiiiiinislidor do dcimo oitaro
laen Bernardino Nones de Oliveira, e n3o
so echando na p'8(;a o Etm. p esiJcnle,
cun pas a casa do Sr. desembargado! che-
fe de polica Jeronymo MarliniannoFigueira
de Mello, dar-li e (-arle do acontec, o e pe-
oir-llii' os ri'ce.-saiios soccorros, e igual-
mente fui a casa do I- mu. Cuinmaiidanle das
nrn as coionel Jos Vicente de Amorim Ite-
zena. Tanto um como outro pie-t.ram-se
com a manir franqueza e dedicagiio, pelo
que as II horas da licite do ruesmo da, pu-
de transportar-ene pea Morenos acomia-
Pbndo idos Srs. Drs. Vital e Mascaienhas, e
Cum urna ambulancia munida dos mais in-
dispensaveis medicamentos, anegados nhi
as 4 ho asila madrugada adiamos os mor.
tos j sepultados pelos cuidados do admi-
nistrador e do delegado do termo o lente
coronel Francisco Antonio Pereira da Silva;
e seis feridos aos quaes foram immedata-
nianle applicidisos soceos da meiicinae
de cujo e-tado o Sr. Dr. l-iaucisco Antonio
Vital de Oliveira, ja deu paite aoSr. desem-
liargador chefe de polica, que o incumbir
desta CommwsSu, a qual lauto elle como o
Sr. D Mi. ii'-l Joaqiiiui de (lastro Dsscare-
nhas, que pelo Exm. commaiidante das ar-
mas lia man lado no mesmo intuito, liada
pooparam para com to la a presteza soceor-
rerein os desvalidos, e CumprreJi os sagra-
dos deveres da prolissto medica.
Dos guarde a V. S. Morenos, 9 de janoi-
ro de 1851. lllm. Sr. Dr. Jos Mmele Al-
ves Feneira, eiigenheiro director das obias
publicas. (leu^tnlieirn ciiele da lerceira
secc&o, llenrique uguilu Millel. (Confor-
me. O s-cielariij, Jvaqmm Francisco de
Mello Santn.
Stlit -'^8 fe a
ALFANDEGA.
Rendimento do dia il.....6:982,854
Desrarregam ho)e 13 deinneiro.
Barca ~ Ester 4nn merca.lorias.
Rriaue ~ lrri.- familia de trigo.
Hrigue ("mi/i'.e vinhos.
Brigue Adamnstor -- mercadorias.
Miin ea Carlota dem.
CONSULADO GERAl.
Rendimento do di II.... 3:R03.nin
Diversas provincias...... 317,211
3:920,251
EXPORTACAO.
Prtnachns marilimunn din 11
Parahiba, hale nacin.*! Exnlaro, de 37
tonel.das : C."liiliiz O Si'Uililite : 20 barricas
eal virgein, 295 ditas bacalhao, 2pi|is e3
luir'is vinho, 5 CSxasditO moscatel, 1 bar-
rica g n.bra, 2 ditas familia, 1 giao louca,
I linele cum 1 sellin e mais ohjeelna, fi 'lu
zias taboas de pinho, 2 caixas f.ilha de Plan-
dns, 1 eu-.hrulliu eslanbo, 1 c.ixa rolhaa,
i barril manteiga, 1 eixo de ferro, i fardo
'IgOdflo, 3H0 arrobas cariie, 8 sac os bola-
cha, t barrica hisenuto*, 1 dita boUchinha
toce, 20 caixas ssbSo, 2 barricas com 13
airoluis e 14 libras de assucar, e 1 pipa vi-
nagre.
liahia, palhahote nacional Amelia, de 63
toneladas : Condiiz o seguinte : 24 pipas, 10
quarlnlas e 80 barris aieitn de carrap.ilo,
2\ rolos salsa, 32 caixas velas de carnujlia,
I Caixilo sapalos, 1 dito co rutos, 2 ditos doce, 1 cangalha e 20 esleirs
para dita, 3V saccas cera de carnallia, 12
nlhos esleirs, 16 ditos eoiirlnlios de ca-
bra, 1 ciixa colxele, 1 caixflo com latas e
blSCOUlO doce, 3 pipas azei e, 28 barricas
tapioca, 1 caixfio eaixus para rap, 2 coi he-
tes tesituras, Gcaixes e 1 liib olij"Clos, 1
caixiio mangas de vidro, 70 caixas vellas
stiarinas, 10 ditas cha, 36 pipas abatidas, 1
embrulho com objectos dentro de 1 caixflo,
I Caixa pelmas cI'bqo. 20 gigos champgne,
13 mullios a reos, 30 rodas dilos, 3 Caixas
copos e 100 caixas com passas.
Rio Grande do Sul, polaca nacional Ma-
rinho, oe 261 toneladas : coniiuz O seguin-
te : 750 barricas c-m 5.293 arrobas e 14 li-
bras de assucar, 20 hcelas doce si eco e 50
barris dito de Calda.
Rabia, hale nacional Flor de Cururipr.
de 97 toneladas: rondili oaeguinte: 18
e i mi- e 16 fardos Tazendas, 3 ditos zuarle,
1 caixa meiius, 6 dias Cassas, 12 calzles
en Mil le, 1,0(10 lijles de marmore, 447 bar-
ricas I.un.lia de trigo 20 pipas vasias, 1
lar.)Millo encerados e 20 harneas ocre.
California com escala por Valparaso, po-
laca sarda liona, de 2 i(l toneladas : cooduz
o seguinte : 2,5utl saceos com I4,06i l|9 ar-
robas porluguezas de assucar, 10 barricas
giimma e 1 Caixa cum 120 du/ias de punte,
aeii-iu 60 de marflin e 60 de clufre.
I\ew Yoi k, brigue inglez l'eerlts, de 216
toneladas : con.iu/. o seguinte : 2,820 sac
coscoiii 14,too arrobas de assucar.
ltl'.(.l'.il.liulUA ni-. RENDAS GERAE8
fMEISNAS.
Rendiuiento do da II.....693,140
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia II......6:297,611
do iuasc.iv.ido de 1,500 a 1,000
rt'is.
Conrea Venderam-sea127rs. e meto por
libra dos >.i!i;adoJ.
Aeitc-docc dem a 2.500 rj. o galiio do do
Medili rraneo.
'..ti-aili.nl Realhou-sc de 8,500 a 9,500 n.
por barrica, epor no ter cnlra-
do novo siippri'nrnlo s ficaiam
em ser 12.000 barricas.
Carnc-secca Ouiercado foi nupprido com cin-
co carregamenlos. A de buenos
Avies teve pituca sabida, e
obteve o precos de 2,000 a 2.500
rs. c a do Rio Grande vnden-
se de I ..">(>0 a 3,000 rs por arroba.
Plearain coi ser 55,000 arro-
bas.
Far. de trigo-Cliegou um carregninenlo de
Trieste com 1,450 barricas, que
fot vendido cerca de 17,000 rs.
por barrica ; as vendas conti-
nuaram de 13 a 17,000 rs. e fica-
r.iio cui ser l4,00n barricas
Queijos Venderam-sede 1,350 a 1,400 r
dosllamengos.
Vinhos dem a 110,000 rs. por pipa do
de Hespanha.
Frctes -___Do assucar para os portot ingle
zes d pool a 50 e Trieste a 60.
Picaran no porto 64 embarcares a saber .
3 americanas, 27 brasileiras. 1 bremense, 1
dinamarqiieza. franceza. 2 hespanliolas, 12
inglrzas, 7 porluguezis, 4 suecas, 3 sardar c 1
lubeqiiense.___________i^=^^^^^^^^a=-a
Movimento do porto.
nilo Irouxerem apensa, e authenlicada pelo
T0t.su/ portugus da procedencia, corres-
Dondeote attestaeflo de medico, com desig-
aaeflo precisa do molestia, nSo ten) val
lade.
IV. A simples attestaSo.em devida for-
ma, passa la por medico da irocedencia, e
ulhenteada polo nspectivo cnsul portu-
.ue/, peder servir de caria de saudo pea
toal, so respectivo guarda mor a julgai
liasianle.
V. Na falta do cnsul portugliez serno
as caitas de saudo |oessoaes, e atistaos
mdicas, referendadas pelo cnsul de
Hespanha, e na falta desta pelo cnsul
|.> qualquer outri naeflo, quo estiver em
relacoesde amisade'.n commercio com Por-
tucal Ai que nao Irouxerem referenda con-
sular nOo tero crdito nem validade.
VI. Adose admitte.nem tale para elle ef-
feito, atleilacSo de medico ou cirurgiio, que
se ache a bordo, excepto se o navio fr de
guerra.
Vil. No caso de dudivida o guarda mor,
ou fiscal de saude, conservar o navio em
quarentena, adoptando as providencias
mais rigorosas, que os regulamentos pres-
creverem, e forem applieaveis.
os. As disposices do presenteeditalnSo
derogan) quaesquer oulras mais rigorosas,
actualmente em vigor para certas e deter-
minadas procedencias sujss ou suspeitas.D
Consulado de Portugal em Pernambuco, 10
de Janeiro de 1851. --J. II. Moweira, cnsul.
Para conhecimenlo dos nteressados
l\av Caguar 70 das, polaca sarda Speranta, (decreto de 29 de maio do anno prximo
de 210 toneladas, capto Ji.no Budista passado acerca da flanea prestada para o
despacho dos vinhos do Douio da segunda
i] nal ida .le importados para o deste imperio.
Art, 4 A llanca que so presta para o
despacho dos vinhos da segunda qualidade
s tem baixa com a cerlidflo de descarga,
n de despacho para consummo no porto do
destino, ou em oulro fra da Europa. Quan-
lo aos p i tos em que ha resliloii;9o de di -
reilos pela exporta<;llo do vinho nflo poder
dar-se baixa na fiaiic, sem que se aprsen-
le igualmente certidfio por onde conste que
laes vinhos nflo furam reexportados para
portos da Europa dentro do prazo de qua-
tro mezes, contados depois do despacho
para consumo:
nico. Estas certidfles s tem valda-
le sendo pass.das pela primeira aotoridade
da Alfandega do paiz, e certificadas pelo
cnsul pui tugue/, e na sua falta pelo de na-
i un aun.:.i ; concedeodo-se o praso de 16
mezes para a sua apresentacSo, quan to o
despacho se fizer para a America do norte,
d" 22 i a ea a do sul, e de 28 para a Asia, fri-
ca e Occenoia.
Consulado de Portugal em Pernambuco,
aos 10 de junho de 1851.oaqulm Boptit-
ta Mureira, cnsul.
Lista gira! das curial entradas at o ultimo de
dezembro de 1850.
bernardo los da Costa, nernardo Jos Cos-
ta Vleme, bernardo Jos Silva Giiimaraes. Ker-
uardo Pires Cerquelra, lienta do Pereira Silva
Custodia i .iielim Azevedo, Cactaoa Joaquina
Frrreira, andida Mara Derutotl, Candida il.i-
ria Sanios, Candida Ksa Costa, Candida R.
MariaDennott, Calharina Rilteiro Maia, Catha-
rlna Slpna Alva.ista, CalliariitaS. itibeiro Mala,
C. de t.iliautii'ie, I .iruwier, liarle- Irlet, t,.i-
siiiiulo, Cytillo Jos Pereira Albnquerque, < y-
in i nm Amonio Pedro P,, (.andido Jos de Li-
ma, ChrlstovAu Jos Ferreira, tilirislovao Pedro
Carvaluo, Caetaini Ambroslpni, C.ielano Ale-
xan.lre Almcida, i aetauo Casoeira. t.nlui..
Jos Heniles, Carlos Antonio i iuho. i'ail.n Jo-
s Pinto, Culos Kvaristo Flix Cavalcaille, Car-
los Martins de Almeida, Carlos Mallos Mureir
Uarl'S Mara Pereira Cagos, Carlos Mara Vedi-
gal. Carlos Roberto Tone, Custodio Fernando
Lopes, Custodio Jos Carvalho uiuiaraes. Cus-
todio Jos Silva, i- ii' He lio losSouia, Custodio
I..iiii-i-in;u Silva Maceir.t, Custodio Mailinliu
Silva A.', ( ualodio Pinto Pilo.
Di luna Mara CoOCeifito, David Kop, David
Kvaos, Deltok, Daini.io MartliiH, DiogoMntnnio
laili si, Diuio Jos llCira, Domingos illun-
sn, Uoiiiiugos Alves boites, Duoiingos Anionin
V/.cveilo, Domingos A Allunso, umiiigos A.
Silva llelris. Doiniugoi A. Soiua tirito. Duniin-
ROSPlllppe Ferreira C. Domingos Feroandes
Viaona, Domingos Francisco Alves F'erreira,
liuioiiiuii- t^iini.-ilvi s, DomingosCoucalves Pe-
reira, tlnmingos Henrii|ucs Gomes, Domingos
los Amorim, Domingos Jos AraujoCarvallio,
Doinug.is Jos Cavalcante, Domingos Jos L-
vale.mu- liiiiin i ia.s. Domingos Jos Carvalho
II., Domingos Jos Rodrigues, Domingos Jos
icixeira ( avalcaitle, Domingoi Martins Perei-
ra, li unin;ii- M. Ribcro, Domingos Manoel
Pereira, Domingos Rodrigues Cavalcanli, Do-
mingos Souza Areredo.
Luir/i., (.inisi minia Silva, Emilia Epifana
i mili i, Emma Godais Carvalho, turnia Duuer-
bvrard Mackliue, Eugenio Antonio Alves
Croco, erinipagem 12, carga sal; ao mes-
mo capililo.
Marselhe -- 18 das, brigue sardo Emelielo,
de 173 toneladas, capilo Rrumengo,
equpagem II, carga vinho, sabilo e mais
gneros ; a Le Bretn Schramm & Com-
panhia.
Livrpool 52 dias, barca ingleza l/ir
Ann, de 266 toneladas, capilo Thomas
Honter, eqoipagem 15, carga l'azendas ;
a James Crahtree & Compendia. Passa-
geiros, os Inglezes Phillip,Frith NeeJ-
ham o James llunter.
AcaracA e Granja 13 das, hiato gata
Brasiteira, de 53 toneladas, mestre Fran-
- cisco Jos da silva Ralis, equpagem 5,
carga sol', couros e mais gneros. I'as-
sageiros, o lenente-coronel foto Porfirio
da Multa com sua familia, Ladislao Acre-
sio de Alenla Fortuna, Thcolilo Fenelon
de Almeida Fortuna com 1 escravo e An-
tonio Luiz Peona, Rrasileiros.
l\avioi taidos no mesmo dia.
Ro de Janeiro -- Patacho n.cional Valente,
capilo Fortooso Jos Pereira Dutra, car-
ga assucar. Psssageiroa, o esc.rivo da ar-
mada Francisco Coelho da Costa e 2 es-
cravos a entregar.
phila lelphia -- Rrigiie-escuna americano H.
/'. Loper, capilo W. F. North, carga as-
sucar.
.V'.i-;..' entrados no da 12.
Parahiba i:i no'as, vapor de guerra The-
til, comuiaudaillri o capilo te tente An-
looio Francisco Pereira. Con luz a reho-
que u p.ilu li i nucinnal termina, quo f-
ra apresionado pelas aulori lades poli-
ciaes da Parahiba com Africanos liucac-,
c truz a seu bordo presos o meslre e con-
tra-mestre do mesmo patacho, 22 Africa-
nos bucae*, sendo 6 do sexo feminino.
Cetle--40 das, polaca sarda Vinsenzo, do
156 toneladas, capilo Pedro Lanero, e-
qui^iagem 11, carga vinho e sal ; a ordem.
\avioi suhidos no mesmo dia.
Parahiba Lancha nacional Tres rmot,
meslre Jos Duarte .le Souza, carga baca
Ihaue familia. Pssssgeiro, Antonio Fran-
cisco Cortea Cerdoso, Portuguez.
dem lliale nacional Exalnc.'io, 'mes-
tre Antonio Manoel AlTuiiso, carga haca-
Itiao e carne. I'assaseiros, OS Rrasileiros
Domingos da Silva Sampaio e Joo Pires
California Ratea americana anny Major,
Capilo II. I'. Major, carga a mesma que
trnuxe.
New-Ym k Brigue ioglez Peeras, capi-
lo I). M. I.ellem, carga assucar.
Babia lliale nacional Amelia, meslre Joa-
quim Jos da Silveira, carga azeite d;
carrapato. Pas-ngeuos, os Rrasileiros An-
tonio Jos l'ercira l'arobe e Joo Baptis-
la de Mallos.
Rio Grande do Sul Polaca nacional Ma-
rinho, meslre Jezuino JoS de Souza, car-
ga assucar e sal. I'assageiros, 2 cscravos
a eulregar.
Babia -- lliale nacional l'lor de Cururipe,
meslre Jos l'ercira Das, carga familia e
fll7."llilas.
va Amorim, Francisco Jos Souza Coreixas,
Francisco Jos Lima, Francisco Luiz Gon-
calves Guimarfies.
(Coninunr--Ae)
"-- Pela capilania do porto desta provin-
eia, se declara para conhecimenlo dequem
oertencer, quo todas as canoas e mais em-
barcagOos emprega las no trafico do pono
e rios navegaveis-desta cidai", nfio po le-
rdo, sob pena de multa, (indo o praso do
oito dias contados da dala deste, continuar
nesses servicos sem terem para isso licenga
da capitana, e sejam nella areladas, se-
gundo determina os arts. 74 e76do regu-
I imi'iilu n. 447 de 19 de maio de 1816, para
cujo fim he preciso que os propietarios a-
presenlem documentos legaes, relativos as
dimensoos que liverom na bocea, pontal
quilha lirapa, e cumprimento de roda a
roda.
O arsenal de guerra compra plvora
grossa, filelle de diflerentes cores e cadei-
ras com assentos de palhinba : quem os re-
feridos gneros quizer fornecer, compre-
la com sua pinposla e amostras, no da 13
do corrente.
PW
Decln ritmes.
liep rligo da Polica.
PARTE 1)0 DIA 5 A 7 DE JAMSIIUI DIO 1851. f
Foram pieaos : a ordem do subdelegado
la freguezia de s Antonio, LouTenco Jus-'
tiniaDO dos Santos, por crinie de fuilu : o!
.-i (u .-ninieiiyauo da i'cguezia de s. Jos, j
IL EGVEL
PIUCA DO RECIPE, 11 DF.J4AEIRO DE
i8ii, as sHoras da tarde.
/i'.il.ll jillnlliil/.
Cambios Fi a27;8eod. por I.0UO is,
Algodao- apenas eiitiaraut 114 ai-cos i|iie
I.,i un vendidos de ti.OO a (i.800
rs. por arroba do re prlmelra
surte, e de-(i,200 a 6,400 rs. a de
segunda.
Assucar- Furam avultadas as entradas, e
as vendas dobi.nicii lino cnsac-
ca.lo e emita rucado rcguljrjiu
de 2,300 a S,70 rs. por arroba do I
ordinario, de J,750 2,000 rs e I
O Sr. defembargador cnefe de polica
da provincia, man le fazer publico aos es-
trsngeiros, que tiv-reo ohlido despachos
para tirarem os seus tilulos de residencia,
que devem comparecer nesta repartido
para Ibe serem dados os mesmos ttulos,
na certeza de quo s?r3o immedialameiite
aviados.
Pela subilelegacia da freguezia dos
Afogados foram aprehendidos tres cavallos,
o primeiro rueo-pedrez, o segundo ruQO, e
o terceiro mellado: quem sejulgarcom di-
reitos aos referidos cavallos comparece
na tu -na ,-uli elegaeia, que danio os sig-
naos Ibe serfln entregues.
Consulado le l'oi'tugiil ciii l'er-
n a ni i u o.
Faz-se publico para conhecimento dos
espitaos de navios,e mais pessnas que se di-
rigirem aos portoS de Portugal as seguiotes
disposices do e lital do conselho de sau le
Publica do remo, publicado etn 24 de outu-
l-i.i prximo eassado.
!. Todo o navio, qualquer que seja a sua
prottdeniia, qu trouxer, ou liver lido h
bordo doeiiles, ou morios, he sujeito nos
portos do Reino a quarentena, que Mr ne-
n (-.--aii.i para seguraiQi da saude pu-
blica.
II. O dito navio poder todava ser a I-
mntidii livre praiica, comanlo que pro-
ceda ite porto iim/io, que o respectivo capi-
lo ou meslre aprsenle ao guar la mOr, ou
(i-cal da saude do porlo em que entrar, as
Cartas ou passaportes de saude particulares
las quo tiverein embarcado ja duentes e
que por esd'S ducuuientos d -t u i lo la a
suipeita sobre a nature-a da molestia, ou
Theatro tic Sanla-Isabel.
36.' RECITA DA ASSICNATURA.
QOiTA-FIR*, 15 DR JANBiaO DE 1851.
Depois da execorjfio de urna das melhores
ouverturas, a companbia nacional repre-
sentar* a exceliente tragedia em 5actos:
OTHELO.
Vertunugens.
OtheloGermano.
Loreda no Silvestre.
PezaroCosta.
Honcenico Doge de VenezsSebsstifio.
OdalberloCoimbra.
HedelmondaD. J. Januaria.
ErmanceI). Rita.
Senadores, ofllciaes, etc.
Terminar* o espectculo com s graciosa
farsa
O julz ile paz da roca.
Comprara as 8 horas.
Os bilhetes achatn-se venda no logar
do costume.
THEATlW )K APOLLO
TERC4--FE1RA, 14 DE JANEIRO DE 1851.
Espetaculo variado em beneficio da can-
tora Augosta Candiani.
n 'iiiis de executar-se urna escolhida ou-
vertura seguir-se-ha a cavatina e allegro
la opera.
Alina I! o I en a.
do maestro Donizetti, executada pela bene-
ficiada.
O Sr. l'.riinei artista mui distinco, ha
pouco chegado a esta cidade, em obsequio
beneficiada execular na sua delicada
flauta iie crystal, invenc.lo de Bdhm, urnas
vanaioes cun ac npaobainento de piano
pelo insigne mostr o Sr. Ilenry Previg,
tamhem ha pouco chegado o qual igual-
mente se presta por obsequio benefi-
ciada
Aliadla opera Nabucodonosnr do maes-
tro Verdi execota.ia pelo Sr. Ciyo Eckerlin.
Cavatina da mesma opera executada pela
beneficiada.
Duetoda mesma opera pela beneficiada,
e oSr. Eckerlin.
Pelo insigne meslre oSr. Previg, una pe-
ca de sua esculla executada no piano
fort'.
Duelo da opera Norma fazpndo a benefi-
ciada a parle de Norma ; o Sr. Urunet exe-
cular na sua flauta a parte de Adalgiza,
etm acompaiihamenlo de piano pelo Sr.
Previg,
Aria ,\ Ccmma di Vergi, executada pelo
Sr. Eckerlin. N
Fuiaiis ni l.i o espectculo com s muito
applauJi.la aria da opera
Brnanf.
executada pela beneficiada.
A beneficia la pe leao respeitave publi-
co desta ci lade toda a indulgencia e pro-
teCQo.
O resto dos bilhetes acham-se dispos-
qo do respeitave publico na casa da bene-
ficiada ra do Atierro da li- i-Vi.-t i n. 4,
terceiro andar, no Hotel Francisco e no dia
do espectculo no mesmo theatro.
Km couseqnencia da divis.to dos camaro-
tes, Hcnu o espectculo transferido para ler-
ea-leira, 14 do crrente.
Euzcbio Jos Autunes, Elias Coelho Cintra, Eva-
risto Domingos Santos, Eduardo Soarea Alber-
gara, I n 11, .i I mi uni Guimaies.
Francisca Chagas I'., Francisca Luciana,
Francisca Mara Hapuso, Francisca Tli.un.i/i.i
Carino, Farry, Ferreira, Firmiito Alcntara
Guiotares, Firmiiiu Francisco Fleres, Frcdc-
rico Antonio Andrade, Firmo ..andido Silvei-
ra Jnior, 1 ni-iiiiu Jos Joaquim Silva A.,
Faustino Jos Santos, r ilippe Martins, Fllippe
A. Cavalcante Couceiro, Francisco Almeida
Arouca, Francisco Au-u- (o de Araujo, Francis-
co de As>is Goitcalves C, Francisco Alvaria
llooteiro Jnior, Francisco Alves Moulciro,
Fraucisco A. Puno, Francisco Antonio Arcias,
Francisco Antonio remandes Cuaba, Francis-
co Antonio Farla Pereira, Fraucisco Antonio
Lima, Francisco Anloulo Pinheiro, Francisco
Antonio Pereira, Francisco AutonioPereiraGui-
iii.ii .ir-, Francisco Antonio Pereira Souxa Gui-
iii.iia.--, Francisco Amonio .'Iva, Francisco
Aul.iiiio Tciseira, Francisco bernardo Molla,
Francisco hernardinu Silva, Francisco llezerra
Va-coi.cellos, Francisco cozinheiro de in-JJa-
ii m /, Francisco Cabral llotellio, Francisco Ca-
vaicanti ierra/, Francisco Cabos, Francisco
Costa Maciel, Francisco CarJia hilva, Fran-
cisco Correa, Francisco Correa Vieira,
Francisco Domingues All'onso.FranciscjDo
mingues da Truz, Francisco Domingues Sil-
va Araujo, Francisco Das Porte, Fiancisco
Duarte de Oliveira, Francisco Elias Reg b.,
Francisco Comes Silva, Francisco Contal-
ves da Costa, Francisco Jacinlho Pereira,
Francisco Joaquim Alves R., Francisco Joa-
quim Jos Fialno, Francisco Jos de Araujo,
Fr.iicisco Jos Alves Cuunais, Francisco
Jos do Almeida, Francisco Jos de Brito,
Francisco Jos da Costa, Francisco Jos Ca
v.ilcniii Can,ello, Fiancisco Jos Correa,
Francisco Jos Curreia Ctiim ires, Francis-
co Jos Cunta S., Francisco* Jos Ferreira
Araujo, Francisco Jos Frailas Guimares,
Franciac > Jos Gouvea, Francisco Jos Gun-
(alvos, F ancisco Jos Cour;alvs Silva,Fran-
cisco Jos Magallies, Franeis. o Jos Mi -
Avisos martimos.
da utorte das que se aciiarcm duentes, ou 'litis Cav .lcan:i, Francisco JosMacnado .S.,
liverem fallec jo dj molesta duraute a i Fraucisco JoseOiiveir, R, Francisco Jos
vlaK'Jin' Porelra Souza, Fraucisco Jos Pinto, Frau-
111. As carias de saude pessoaes, que (cisco Jos Itocna Jnior, Francisco Jos Sil-
Vende-se um hiale de 40 toneladas,
bem construido e de primeira viagem : na
praca do Corpo Santo n. 2.
-- Para o Aracaty sahealo da 20 do
correle o hiale Anglica por ter ji parte
da carga prompia : quem quizer carregar,
ou ir de passagein dirija-searua da Cadeia:
do Recifen.49, a tratar com Antonio Joa-
quim Seve.
-- Vende-se a harcassa 5. Joii, de lote de
40 caixas, qoasi nova, feita a dous aunos,
muito bem construida, e de muito boas ma-
deiras : quem a pretender pode examinar,
e tratar na ra Direita n. 69, com Antonio
Alves de Miranda Guimardes.
Para Lisboa salie com a maior brevi-
dade possivel o brigue portuguez iYoco
Vencedor, por ter o seu c.irregamento qua-
si completo : para o restante e passageiros,
para o que offerece bons commodos, trata-
se com os consignatarios T. de Aquino Fon-
seca & l-iliiu, na ra do Vigario n 19, pri-
meiroandar, ou com o capilo na praca.
l'ara o 1-io de Janeiro sa-
lte em puncos dids, por lera maior
parte do seu carregamento promp-
ta, o brigue nacional Lt-.Ho : quem
no mesn.o quizer carregar ou ir
de passagem, dirija-se a Joaquim
Hibeiro Fontes, na ra da Cadeia,
ou a Novaes ck Companhia, na ra
do Trapiche n. 34-
-- Para Lisboa saho, at 19 do corrente, a
barca portugueza ilurgarida, capilo Sllve-
i ni Manoel dos Res : quem ua mesma qui-
zer carregar o o ir de passagem, para o que
oMoreceexcellentes commodos,dinja-ae aos
consignadnos Oliveira Irmuos & Coinoa-
nina, ua rila da Cruz II. 9, OU ao lefenJo
f.ipilo na praca do 'Jomtnercio.
Abtrca portugueza Carlota & Amelia,
da qual he Capilo Caelaiio Gaspar Psima,
-un para Lisboa no .iu 19 do corrente
uiex : para o rdstantedi carga o passagei-
ros, para o que tem bons comtnoJos, tra-
ta-secora os seus consignatarios F. S. Ra-


JbeIlo& Filho, ou ao mesmo capitao a bor- olTerecc a sua aula pela rasiJo da localidarlc

-n
do, ou na praga do Commercio.
Para o Rio de Jnnciro
segu viagem em poucos das, o brigue nn-
oinnal D. Affonso, por ter parte de ana carga
prompta: para o resto, escravos o passagei-
ros, trta-se com Machado & Pinhciro, na
ra do Vigario n. 19, segundo andar.
-- Para o Rio do Janeiro'sahe al o dia 1G
do correte o hriguo nacional Fmilia : pa-
ra o restante da carga ou pissageiros, tra-
ta-ae com Lima Jnior & Companhia, na
ra da Cruz n. 28, ou com o capullo Jos-
quim Jos dos Heis, na praga do Com-
mercio.
Leil
oes.
-- llicliard Royle far leilSo, por intervcn-
eSo do corrctor oiiveira, de um completo
sortimento de fazendas, as maia proprias
do mercado : segunda-feira, 13 do corren-
te, s 10 horas da manh9a, no seu arma-
zem, ra da Cadeia.
O corretor Miguel Carneiro, far lei-
JSo no dia 1 4 do corrente as 10 horas da ma-
nhBa, no seu armazem na ra do Trapiche
n. 40, de diversos trastes, louga, ricos qua-
toa objectos que se venderSo muito em oon-
ta; e ao meio-dia em ponto Ir a leilflo
urnas caixas de 12 garrafas com azeite doce
o mas Oro que lem vindo a este mercado,
e juntamente urna porgSo de charutos li-
aos da Babia de diversas qualidades.
Avisos diversos.
Jos Soares de Azevedo, proessor de
lingoa franceza no lyceu, tem aberto em
ana casa, roa das Trincheiras n. 19, um
curso de PHILOSOPHIA e outro de LINGOA
FRANCEZA. As pessoas que desejarem estu-
dar urna ou outra deatas disciplinas, podem
dirigir-se i indicada residencia a qualquer
bera.
Aula particular.
Umbulina Wanderley Peixoto, faz sciente
sn respeilavel publico que as ferias de sua
aula, na rua da Cadeia de Santo Antonio no
segundo ailar do sobrado da esquina do
Onvidor n. 14, se acabam no dia 13 do cor-
rente mez, e que continua a receber almo-
nas exlernas, pensionistas e meia pensio-
nistas, e a ensinar com zelo a ler, escever,
contar, grammatica portuguo;a, cozer,
bordar e marcar de todas as qualidades a
faz*r labirinto e I nc..s de r-troz. A annun-
cianlecnntractou com os insignus artistas o
Sr. JoSo Rodrigues para ensinar a danga, e
o Sr. Amaro Francisco Barboza a msica
vocal e piano ; compromette-se tambem a
forme-r aquellas de suas alumnas que se
quizerem applicar ao franccz, desenho c a
geographia mestre Com as liah liitag 's
precisas. A annunciante o anuo pretrito
teve o regosijo de suas alumnas aposenta-
ren! um adiantaaiemo satisfactorio como
pdem altestar os Srs, pais da mesmas
O abaixo assignado pergunta ao Sr. Ma-
non Domir.gues Pereira llamos.qual a rasSo
porque o deixuu deponado como faz ver a
seus credores no Diario de l'ernambuco ns
5,6e7, e baja de responder a minlia per-
gunta, do contrario o chamarei a responsa-
bilida da mesmo com o pouro negocio'que se fezi"CaVilo cima prometlida.
e pels accommodagOes que a casa aprsen-
la. Ni?o pnupar cortamente esforz* o an-
nunciante para consguirque os pais de fa-
milias que,I he confinrem I6US filhos, liquen
inteiramente satisfeitos, no s pelo que
respeita no tratamento, como ao progresa
intellertual e moral dos meninos. Outro sim,
para evitar que os meninos frequcntoro ou
tras aulas fura da casa, perdendo assim
lempo com prejuizo dos costumes, o ahaix
assignado tom escolhido meslres de msica
vocal e instrumental e liem assim professo'
de lingua latina, reconhecidamonto perito*
nessas materias,nara darem liges aos alum-
nos que so quizerem applicar ellas. 0
abaixo assignado espera do publico, e es-
pecialmente dos pais da familias moradoro
fra da praga, que apreciem os esforgos
do annunciante, animando o seu nasceute
mas tSo til estabelecimento.
Franciico de Salles de Albuquerq*e
Roga-seao lllm. Dr. Francisco Alfonso
Ferreira, o obsequio de se dirigir a rua do
Crespo n. 14, a negocio de seu interesse.
-Guiado pelo meu muito digno collega
e amigo o Sr. JoSo Vicente Martina, desde
sua chegada a esta capital puz em pratica
o systema homceopalhico, e vista das cu-
ras i|iie oliliv 11 as molestias agu las, ja
naschronicas qua tratei, reconhego linj a
superioridade da homreopathia, e a tenho
como a nica, pura e verdadeira medicina
que abrago, e prometti consagrar-lhn o re-1
dos meus dias. Mas amiudo (Mi publicmdo
as curas obti las al hoje, e as que forem
appirecen \o.--Francisco os Rodrigues,
Precisa-se de urna ana para comprar
e cozinhar-. na rua da Conceig3o da Boa-
Vista, n. 11.
--Aluga-se urna escrava, que siiba cozi-
nhar e comprar, para urna casa de o mi s
pessoa : na ruada praia de Santa Hita, casa
torrea n. 31, ondelem lampeSo.
Aluga-se um grande armazem na praia
do San Francisco, com esquina para o bec-
co, proprio para qualquer estabelecimento :
a tratar na rua da Cadeia de Santo Antonio
n. 9, casa da viuva Cunta GuintarSes.
Faz-se almogo ejantarpara fra com
muito assio e perfeigSo : na rua da Praia,
becco ''o Carioca, sobrado da esquina
A carta para o Sr Justino Manuel Cor-
rea Vianna, est no escriplorio de Novaes
ct Companhia : na rua do Trapiche n 34.
U.ia senhora de boa conduela o com
bastante pratica de ensinar mninis, se of-
ferece para ir ensinar fra da praga : quem
de seu prestimo se quizar utilisar, dirija-se
rua do Rotarlo larga, loja do miudezas
numero 35
OS. Theofilo Jos de Lemos queira
dirigir-se rua do Queimado n. 22, para re-
cebar una carta viuda du Aracaty.
ao.ooo ris.
Fugio, no dia 1 t du correte mez, a es
crava Luua. crioula, de estatura liaixa, de
25 anuos, olhos papudos, com 1 dente que-
brado na frent-i: levou um caixlo de folha
ie Flan tres pintado de azul voodendo do
ce de caj, vesli to e panno da Costa azues
com li-.iias encarnadas ; ella he muilo re-
grisla e pote ser que illuda a qualquer
iressoa ; roga-se as autoridades poliriaes e
OapilSes d campo, que a apprehenda n e
levein-ua estrada dos Afilelos, primeira
casa terrea p>tada de azul, do lado direi-
lo, que serflo recomueiisados com a grali-
lucremos duzeutos e cincuenta mil e tantos
ris, como consta do bataneo por mim e elle
assignado, e feiles nossas comas me pas-
sou um perlencede divids da quantia de
trezenlos o qualurze mil e tantos ris, e me
consta que se tem exigido cobrar Bigornia
ilas que me perlencetam, espero n9u conti-
nu a cobrar, e responda a minlia pergunta.
Cvstodio Lovenco de Mudara.
--No dia 15 do correle a portado Dr.
juiz do civel da segunda vara se ta de arre-
malar as 4 horas da larde, um sobrado na
rua de S Francisoo, n. 5: quem o preten-
der comprela que he ultima praga, na
rua da Madre de Deos-onde mora odtlo juiz.
O Jan liixtiite.
Sabio o n. 6, que est excellente. Dis-
tribuirse gratis nos lugares ja anuunciados.
-- Deseja-sealugar um sobrado, que te-
nha algum commodo, prefere-se de um an-
dar, om alguraa rua melhor do biirro de
8. Antonio : na iraca da UniSo n. 14, dir-
so-haquem aluga.
Preciaa-se de um caixeiro que tenha
pratica de venda, e que d liador a sua con-
ducta : na Ltngoela venda n. 1.
William VValsh.subdilo britanico.reti-
ra-sa para fora da provincia.
Ojr Consultas e reqiedios de graga aos :*)
f> pobies, todos os dias, desdeas 8 lio- #
tt ras da manhSa al 1 da larde, no con- <
tj) sultorio hoo ccopathico do facullati- ia)
a> voJ. K. Casanova, rua das Cruzes .j|
f> numero 28. 4
[:*##? :#
-- Ueaeja-se f llar com o reverendo Flo-
rencto Gomes de Oiiveira, a negocio de seu
inleri'sse na rua da Caieia do Kecife, loja
le J. .i.i C. Magalh9es,(ii. 51
Teodoapparecido no Diario de Pernam-
tueo ns. 6, 7 e 8 um anuuucio chamando
los meus amigos os Drs Jos Candido Dias
iJoaquim Jerunymo Fernaudes da Cunha
lara irem a du Trapiche Novo o. 6, ou pe-
lindo que annnnciesseni as suas moradas;
|iiigi-meao lugar indicado para saber o
le quera com os mencionados senhores o
lu i bor do annuucio, visto que os meus ami-
tos se achSo fra desta ci-iade, um na pro-
vincia da Baha e oulro uu seu engenho Jnn-
|i Ueclarou-uie o annunciante que o li-
li lia tillo porque na verdade iguorava as
toradas dos senhores de quem trata o an-
jiicio, e que o Um que lu ia em visl a era
iberio os ditos seniiorrs queriam conli-
ir com a asignatura da obra Hisloiia de
tortuga!, por Alexandre Herculanu. I- como
esta lena, alias de o iiuilijades a ce ruis
speitos, quanjo se fnzem laes annuncios
llga-se ordinariamente ser por motivos,
je desabonan) a queni se chama, como Ul-
ulas, etc. ele por isso dou a presente res-
Dala, para desvanecer qualquer suspeita.
A. E. dt M
Pritneiras lettras.
0 ibaixo assignado, avisa ao respeilavel
iiblico que oeaue o oa 7 ito crrenle acha-
te abe>ta a sua aula de primeira* lettras na
4iua du Mondego, n,.44- O aniiunrianle enn-
Engomma-se roupa de homnm e de se-
nhora com mu 11 per l'eieao quem precisar:
dirja-sea rua do l.ivramento u. 4
-- No aterro da Boa-Vista, loja de miude-
zas n. 72, se dir quem d ilinheiros a juros
com h\ .mi hee i om casas terreas
(.ni!1 ii quirer mandar fazer qualquer
costura, por quem j tenha bastante pratica,
as-1 n como fazer labirinlho deludas as
letalidades, segn lo as amasirs quo se ha
de mostrar dlrija-se ao becco da Cacimba
n. 10.
Prccisa-se de um fcitor para um enge-
nho ou mes no para caixeiro de casa de
purgar, e que floteada de hortula : na
rua do l'asseio loja n. 21.
Fuitaram da casa do abaixo assignido,
urna collier de sepa bastante gran le e pesa-
da, de prata lavrada e superiormente pulida,
com a.s iniciaes L. G. Ferreira : quem cou-
correr para que ella seja apprehenitda rece-
bera o valor da mesma colber e mas 3,200
rs. de gralificacao
__Precisa-se de um caixeiro para lomar
conla de urna padaria por balanco, as dando
fiadora sua conlucU : atrs da matriz da
Boa-Vista n. 22.
Joaquim da Silva Salles retira-se oara
Lisboa a tratar de sua s.do ; as pessoas
quesej'jlgarem suas credoras podem apo-
sentar suas conlas na rua da Praia n. 24,
que inmediatamente serio pagas durant
sua ausencia deixi por seu procurador o Sr.
Joaquim da Silva Castro.
O capilOo G. B. Crocco, da polaca sarda
La Speranzu. vinda do Cagliari.com carga
sal, a qual foi fretada aos 4 de dezeuibro de
1849, pelo Sr. G. A.Uhlich, de Trieste.roga
pessoa que tiverem ordenspara a dita polaca,
de apresentar a ellesou no consulado sardo
dentro de 24 horas da data disto aviso.
l'ernambuco, 12 de Janeiro de 1851.
-Pede-se a quem suuber, o" favor de de-
clarar por esla folha, em que lugar he a re-
sidencia do Sr. Joaquim de Figueiredo Li-
ma, uu quem seja mista cidade seu procura-
dor, para tralar-se de um negocio que diz
respeito ao Sr. Lima.
% O Dr. J. S.Santos Jnior, S
> medico homceopatha mora >
O na rua Nova, n. 58, primei- g
; ro andar. j
Otrerece-se urna mullier de boos cos-
tumes para ama de casa de pouca familia,
para coier, engommar e fazer todo e qual-
quer servio exceptu de cozinhar: quem
precisar, annuncie.
JuaoBaptisla de Oiiveira, subdito por-
luguez, retira-se para fora da provincia.
-- UirisiuvSu ionizio de Barros, do en-
geuho Oueimadas, roga ao Sr. que cooiprou
uescravuAndraoSr. capilflo Jos Mana,
uiuradorem Sorinhaem, que dinja-se au
meiuJiOiiado engenno Queiuiadas, para bent
de seu inleresse. '.
-- Tiram-H pauaportes para dentro ei f-
Una a reeeber penaionislas, meios pens.o- ra do imperio, lolhascoriidas e espachain-
ni^as e olemos. Por maisde urna vez le.nseescrvus ; lud commodameele. na rua
ajile pateuleado ao publico as vaotegens que Ida Guia a. 33, primeito andar.
Precisa-se alujar una 'Un para o ser-
vido de urna pequea faimli- : na rua das
Cruzos n. 28, seeuu lo andar.
Carlos Claudio Tve Me, rubrican-
te le or?Aos o v.ulejo.s, na rua
,
avisa ao resoeitavel publho, quo roncera
nrgSose realojos, e pfle marchas modernas
leste pni, tambem concerta pianos, sarali-
nas, caixas de msicas, accordes o qual-
|uer instrumento que appareca, e faz obras
novas. Na mesma casa ven le-se um org8o
proprio para capella ou allar-mr. com boas
vozes, por precn commodo.
No dia 15 du corro ite mez he a ultima
pr-QB em que tmdeser apregoada para
irrematar-se pela segunda vira do civel,
a propriedade do Alio na Boa Viagem, com
todas as suas oerte iQas, poreieCUQlo da
Miguel Archanjo Posthumo do Naseimeolo,
contra os herdeiroa de AIT01190 Ji'se de Al-
bujuerque e Mello.
~ Os ere lora da massa do finado llenri-
que Gamillo Ferreira podem mandar rece-
bar o primeiro rateio, em cas? de I. D. Wol-
fhop. na rua da Crnz n 16.
Precisa-se de u u feitor para um sitio
perto da pragt : a f* 11 ir ni rua deS. Ama-
ro, que faz qnina para a pra<;a do capii.
Ainda rogo encarecid.ment aos .Srs
de engenho e lavradores que silo devo-lores
ao casal d meu fina lo togro Jos Antonio
Alves da Silva, hajam de vir ou man larem
cagar na rua da Alegra, cas n 34. a qnarta
parte quo coubiem partilha a minlia mu-
Iher.filha do dito Alves da Silva.no total das
dividas que devem ao dito casal ; poia nSo
julgo os ditos senhores em circumstancias
de pagarem pelos meios judiciaos. Pa ece
que os ditos senhores d >vem pagar a fllba
1I0 finado correspondente Aives da Silva, o
que Ihes coube em partilha, e nilo a prem
em circumalancia ganhou com o suor de seu rosto, pelos
meios judiciaes; mormentesendo os ditos
s-nhores ricos proprietario, que nSo pre-
ciailo ler em seu pudr diminuas quanlias,
que qualquer pessoa as pagara intepen-
dente dejustica. Kecife, 10 de Janeiro dr
1851. Marotllmn Jos Lopes
Precisa-se alugar dous pretos para o
servido do armazem de assucar, durante a
safra : quem os tiver, dirija-se 1 ua do A-
pollo, armazem n. 2 B.
A pessoa que annuncioii querer ven
der urna parda, no Poro da Panella, Irazen-
do-a a roa das l.arangeiras n. 14, segundo
anlar, paga-sehem, agradando.
Quem annunciou um molequo de 15
annos em Oliuda, na rua do Ralde n. 24,
querendo man la-ln a rua das Larangeiras
n. 14, segundo andar, cotnpra-se e paga-si
lu n, agr lando a figura.
Sealguma pessoa vinda da cidade do
Porto, reccheu all de Custodio Jos >1a Sil-
va Braga urna encommenda (oaizfioainho 1
para entregar a Jos Hodiigues Monleiro.
morador no leo, ou a Joaquim Gomes de
Carvalho aqu, queira enlender-so com Ha-
noel Joaqun) Comes, que tem ordem do
mesmo Monteiro para receber e pagar as
despezas.
ti A preta Joaquina, de 20 n 25 anuos %
4& de i lade, alia, magra e fula, escrava 3)
'! do Dr. Cosme de Sa Perera, desap- <
a^ oarereu no dia 15 do corrente do <
V Monteiro, onde eslava lavando roupa, |
ty e da quai levou parte : roga-se. as au-
. toridades policiaes, ou a nutras
I
quaesquer pessoas, que se a encon- %
n
*
j> trarem, a niandem-levar na ruada
i- Cruz do Recife n. 53, 011 na Passa-
~t gem, em casa da viuva Britn, que
a$ mora defronte da Capunga, onde se
i- pagar qualquer despega que por )
ty venlii'M se tenha feito. t
Jos Valentiin da Silva, bem conheci-
do pur ensillar latim ha 15 annos, lembra a
quem convier, que su'aula abre-se no ilia
13 do Janeiro, na rua da Alegra n. 38 ( na
Boa Vista ) onde recebe alumnos externos
e pensionistas. Tambem ensina em horas
reservarlas aos que n3u puJerem frequen-
lar as horas da aula.
Passa portes.
Tiram-se passaportes para dentro e fra
do imperio, correm-se folhas, despachan)-
se escravos e tiram-se ttulos de residencia
para sern>re : para este liui procura-se na
praca da Independencia ns. 6e8, e na rua
do Queimado n 25, loja de miudezas do Sr.
Joaquim Monleiro da Cruz.
--Aluga-se o sobrado do dous andares
la 1 aea da Boa-Vista n. 6 : a fallar na bo-
tica da mes na casa.
Itoga-se ao Sr. J. Ch Wolicliard queira
appareeer na rua da Cruz n. 55, que se Iba
deseja fallar.
Avisa-se ao Sr. commandan-
*e do forte Fo Amarello, Pom-
peo Romano de Carvalho, que ve-
nta pagar, na rua da Praia n. 32,
1 quantia de 'io,uoo rs.; do con-
trario se hincar mao dos meios ju-
diciaes.
Desappareceu, no dia 27 de novembro
pelas qmili o horas da madrugada, a escra-
va Isabel, de nacjio S. Tliom, de 35 a 36
anuos, baixa, corpo regular, um tanto fu-
la, nadegas empinadas, com falla de den-
les na frente, bem fallante e ps curtos ;
levou vestido de chita azul com ramagem
ja desbotsda, panno da Costa velbo sem
franjas, oulro novo com franjas e urna Inul-
ta de ruupa de seu uso. Roga-se as auto-
ridades policiaes e capitSes de campo que
a apprehendame levem-na a cidade do 0-
limia, rua do Cuuxo u. 12,ou no Kecife, rua
da Seuzalla Velha 11. 142, pnmeiro andar,
que serao bem recompensados.
D.lo-se boas alvicaras a quem restituir
um caniud, que fugio us das Je fesla d
Cruz de Alinas, no sitio de Filippe'Menna,
ou ua rua du Culiegio 11. 13, nos dias uteis
das 10 lloras da manna as 3 da larde : o
canind he muito manso e Tallador.
Precisa-se de traballudores de enxa-
la : a tratar no sitio do Sr. Filippe Menna,
ou na rua do Culiegio 11. 13.
-- Deseja -se fallar aos Sis.. Antonio Mar-
ques de Hullanda Cavaicauli, Cusludiu Fer-
naudes I opea, Francisco Jus Leite, JutJQ
Jos Gomes Pinheiro, Dr. Joaquim Jeruny-
uiu Fernandas da Cunha, Jos Candido Das,
Jos Juaquim Gun^alves Bastos, Manuel do
Nascimeulo Fouseca, Mauoel Kiboiru de Car-
valho e Manuel Koirlgues Piulo, defronte
do trapiche novo n. 6, ou annunciera >uus
moradas.
a
-- \ Viuva Amorim & Flho participan! ao
publico, quo o so o oscriptorio conlina a
sur na rua da Cruz n. 45, na mesma casa em
que era o de Nascimento & Amorim.
Quem precisar de um moro porluguez,
solteiro, do 22 annos e do boa conducta, pa-
ra caixeiro de venda, ou mesmo para tomar
algumn or balando, do que tem multa pm-
lio*, dirija-se i rua da Florentina,'venda
numero 30.
O abaixo assignado participa ao Sr.
Manoel Gamillo Pires, do engenho Guerra
lo loojuca, quo honlem pelas'8 horas da
uoito appareceo no engenho VelbO de San-
io Amaro do Jahoallo um preto que diz
chamar-se Feliciano o sor escravo do dito
Sr. cima, por isso scientifica-se ao mesmo
Sr.! para mandar quanto antes eonlozlr o
referido escravo, certo de que protesta o
mesmo abaixo assignado nfo se responsa-
Irilisar por qualquer extravio que possa
kUCeeder ao dito preto 6 de Janeiro de 1851.
Jos Francisco Vertir da Silva.
Precsa-se Jeum creado nacional ou
estrangeiro, que seja de bous costumes e
l fiador a sua conducta, para servir urna
casa de pouca familia. Dirigir-se a ruadas
Trincheiras, sobrado n. 19.
Prccisa-se alugar um moleque ou ne-
gro fe i tu, que seja diligente e sem vicios,
i>ara oaerviQO de urna casa de pouca fami-
lia : paga-se bem. Dirkir-se rua das Trin-
cheiras, sobrado n. 19.
Precisa-se de um cocheiro : no Man-
giiinho, sitio 'le llerculano Alves da Silva.
Manoel Jos de Souza Caravana, subdi-
to deS. M. F. retlra-se para fra da pro-
vincia, tratar de sua saide.
Preeisa-se de urna ama para todo o
servico de urna casa de pouca familia : na
rua da Aurora, venda n. 32, se dir quem
prerisa.
Casa de commissSo de escravos.
RecebeTi-se escravos de ambos os sexos
para se ven lercm de commisslo, tanto na-
ra dentro como para f'a da piO'incia, com
a rnaior presteza possivel, por isso que se
olTerece muia segranos aos meamos, tan-
to na fuga como na boa venda : a vista do
escravo se far o ajuste : na rua das Laran-
Keiras n 14, segn 10 andar.
yyf yf 9f ff V'^f Vf WAv Wf
k> Ilomceopalliia.
<-
Cosset Rimonl, professor de lio- ^
ga> mee ipallna pela escola boinceopa- ^
:> tinca do Rio de Janeiro, de volta de ^
i> sua viagem a Franca, onde pmticou <-"
, com os orimeiros bomcoopattias da- ^g
> quelle paiz, principalmente no con- ^
.y sultorio do instituto homceopalhico +
i> de Paris, poder ser procurado a ^
qualquer llora, em sua casa, Aterro Ji
j. da Bou Vista n. 26, segundo audar. ^
aa> Os pobres recebero eonsullas e :
;> remedios gratis.
-- Na rua da Gloria n. 88, existe para se
alegar um primeiro andar, na rua do Amo-
rim n. 14.
OfTeece-se umi mullier de bons cos-
tumes, com algunas habilida les, paia tra-
tar de todo o servico interno de casa de ho-
mem solleiro, ou pequena l'annln: na rua
las Larangeiras n. 23.
~ O engentieiro eordeador precisa de seis
srvenles, qur livres, qor escravos, polo
salario de 640 rs : a tratar na rua airas da
matriz da Boa Vista, segunda casa annexa
ao (Ulan da mesma.
O abcjixo assignado, tenrl)
re relirar-st; p ra a Kurop, pelo
presente convida a lodos os seus
devedores de vir ou mandarem pa-
%4V suas contas at o lim do cr-
lente mez. Sctisso.
Perd'ii-SJ, 110 dia 3 do correte, urna
loneta de ouro : quem a adiar a podera en-
tregar no paleo de S. Pedro, casa do cirur-
lilo Leal, que recompensar generosa-
iiento.
*ffj*a^a>ff.reaf,aJa,a<|>
* 'aulo GalgnOlIX, lrnlista #
m francez. oflTereee sen prest
I mono pnblleo para tmiosos
a] mluteres le na proflssaot
y ptleser proenrado a qual-
* qnfcl" hora 'm *ua casa, na
0 rua largado Hozario, n. 36,
9 SPgnndO andar.
J^ > fe (ij#iJj aj j)j|a)j>aj ajjjj
-- Precisa-se de una mullier que esteja
acostumada a andar com negocio do fazen-
las, assim como de urna preta moga para
arrogar o laboleiro das mesmas : advorte-
sn que as pessoas acn>a referidasdevem dar
Nanea as mas conductas a tralar na rua -lo
Trapiche Novo, armazem n. 44.
Aluga-se una sala para homem soltei-
ro, na rua do l.ivramento, n. I, primeiro
andar : nesta lypographia, se dir quem
aluga.
Aluga-se o segundo andar do sobrado
da rua Direila n. 20. com comino to para
raudo familia : na rua Direila n. 93, pri-
meiro andar.
& Consultorio hoinceopatliico, O
ti
*
rua do Collegin, n. 25,
Do Dr. P. de A. Lobo Voselo. 0
O Dr. Moscoso d consultas todos os Q
dias, Osdoeutes pobres sflo tratados
degrada. S serfio visitados em suas
l-,
casas aquelles que no poderem vir
ao consultorio, ou que suas moles-
sS* lias nlo possain dispensar a presen- Q
& c;a do medico. O
-- Kugoiiima-so e lava-se toda a qualida-
de de loupa con) lodo asseio e muita pron>p-
tidflo, por prego niais commoJo do queem
outra qualquer pnrle ua rua de Agoas-Ver-
des, n. 26.
Precisa-se de um feitor para um enge-
nho ou mesmo para caixeiro de casa de pur-
gar, e que enteuda de horielSu : ua rua do
r.s-eiu loja n. 21.
Precisa-se al;.par um prelo, que seja
bom coz i n lie ir, para urna casa Oe pouca
familia. Dirigir-se a rua das Trincheiras,
sobrado n. 19.
Compras.
Compram-se efectivamente sapatos de
todas as qualidades : na rua da Cruz do Re-
cife n. 64, primeiro andar.
- Couipram-se garrafas e meias ditas j
servidas: pag-sc a 6,000 rs. o canto : no
pateo do Carato, venda nova n. 2.
Vendas.
Bom e barato.
Na rua do Passelo-Publico, loja n. 9, do
Albino Jos Leite, vendem-so chitas roxas,
a 4,500 a peca o em cortes a 120; riscadns
mnnstros, a 200 rs. o cavado ; cassas de
quadros para babados, a 210 rs. a vara ; co-
bertores dealgodao para escravos, a 720
rs. ; chales de chita, a 500, 800 e 1.200 rs.;
chapeos de sol com armago de a$o e as-
teas de haleia, a 2,000 rs.; o outras multas
fazondas, que nSo he possivel annunciar-
se para no oceupar lempo.
Na rua das Cruzes n. 22, segundo an-
dar, ven le-se urna escrava parda de 26 an-
nos con) habilidades, 4 prelas moens, que
> 1/1 nli.un, lavam desabSo o silo quitandei-
ras;1 linda negrinha de 12 annos; e dous
pretos de nacilo, de 20 a 24 annos, sendo 1
canoeiro e o outro ganhado" do rua.
Continua-se a vender manteiga fran-
ceza muilo nova, a 480 e 400 rs. ; farinha do
reino, a 90 rs. ; caf mol lo, a 180 rs. a li-
bra ; dito decaroco, a 160 ; cavada decaro-
Qn, a 80 rs. a libra ; dita moida, a 160 ; tou-
cinho, a 280 rs. a libra ; arroz, a 90 e 60 rs.
a libra ; vellas de espermacete de 6 em li-
bra, a 700 rs ; ditas Je carnauba de 6, 8, 9
e 10 em libra, a 300 rs ; bolachinha ingle-
za em barriquinhas pequonas, a 240 rs. a
libra ; cha superior, a 2.940 rs. a libra ; vi-
udo engarrafado de 4 annos, a 640 rs. a gar-
rafa ; biscoulos e fatias, pruprio* para cha,
a 210 rs. a libra; superiores charutos de
vinteni, tres por dous e a dez rs. : na rua de
(lorias, venJa que volta para a rua de San-
la Tne'eza, n. 52.
-- Na rua Imperial n. 35, vende-se sal de
Cadis, muilo proprio para se vender a re-
lalho as vendas, para consumo da pra^a,
por ser muito alvo e nflo muito grosso ; ad-
verle-so que se mandar por em casa de
quem comprar de cinco alqueires para cima.
Vendem-se chpeos do Chi-
le pequeos, muito finos, por 6 e
7,000 rs.: na rua do Crespo nu-
(iicni i3.
Vende-se cera para limas
decheiroa 1,000 rs. a libra : na
rua do nangel sobrado o. 5i.
Ven le-se a historia universal do gover-
00 inglez, revoluclo de l'ernambuco de
1817, aumade ingle para com Portugal, a
Inglaterra vista em Londres, memorias da
cimpanbn do Por'o, ditas histricas di ro-
volucflo do Porto em 1828, historia de a-
polea, compendio do geoaraahia univer-
sal, resumo da historia do Krasil, a rainha
Margol e geographia de Gaultier : na praga
da Independencia n. 17.
Us melbores goslo?, padroes
novos.
Vendem-se chitas escuras, muito fins,
cor re brome, padroes muidos e ramagem
inteiramenle nova, pelo diminuto prego de
240 rs. o cavado na rua do Crespo n. 11,
luja de Jos Francisco Das.
Ven le-se barato, por j taren ti lo
uso, as seguidlos obras : historia da revolu-
qSo franceza por Thiers, om portuguez ; di-
la em porluguez de 1818, poi E. Pelletar ; a
lesmoralisafo e o seculo, por SebastTo
J. Ribeiro de Sa ; a noite do castello ; os
ciumes do bardo : ea ConOisSo de Amelia,
lodos tres poemas por a. Feliciano de Cas-
tilho : na rua do Collegio, loja da esquina.
Vendem-se tres rotulas de amarello,
ir n lo 12 palmos decomprido o .-os de lar-
gura : na rua da Mangueira. bairro da Uoa
villar n. 1.
-- Vende-se utna escrava crioula, de 25
annos pouco maia ou menos, muito boa
vendedeira de rua e sem molestias nom vi-
cios : quem a pretender, dirija-se a ruado
Collegio 11. 17, tercoiro andar.
Vende-se rap princeza de J. Paulo Cor-
deiro, chegado ltimamente : na rua da Ca-
deia do Recife, loja com faendas, 11. 51.
Vende-se una mulaliuba do 10 annos,
muito sadia e com principios de coslura :
uoAlerro da boa Vista n. 14.
Vende-so urna preta de nacSo, moca,
com habilidades, sem vicios nein achaques,
la-se em conla para acudir a urna divida ;
una dita crioula, de 10 annos : na rua do
llaugel n. 38, segundo andar.
Cbeguem a pechincba que se es-
tao acabando.
Vendem-se relngios americanos, proprios
para cima de mesa, mui hons reguladores e
por prego muilo commodo para chegarein
aos pubres : na rua uo Trapiche n. 8, e na
rua de Agoas-Verdes n. 62.
A 80 rs. o covado.
Na loja de seis portas, pracinha do Livra-
mento, vende-se ganga azul para caigas,
jaquetas e vestidos do pretos a 80 rs. o cova-
do, assim como contina a vender-se toda a
qualidade de fazendas por menos prego que
he possivel.
3Iensageiro dos amantes
ou carcas de flechas amatorias, manual
epistolar galante, conlendo exemplos pra-
licos em cartas amatorias, que podem com
vantagem conduzir a effectuar um feliz hy-
mino, composlo para uso de ambos osse-
xus, por Iiamino Casamentetro. Auxiliaros
ir antes que procuram patentear urna pais
xSo honesta, e conseguir um fim legitimo,
foi o alvo que teve em mira o autor desta
livrinho, cujucontedo, dilado pela since-
ra lingoagem do puro e casto amor, pro-
porcionado as varias situarOes, olTerece mo-
delos appropriados a quaesquer, e anda as
mas espontaneas e criticas circunstancias
da vida. 1 vol. elegante e beta eucaderna-
:o por 3,000 rs. : vende-se no paleo do Col-
iegiu, casado Livru Azul.
Cheguem ao barato.
Na rua Nova 11. 35, loja dealfaiate, de Ja-
ciulho Soares de Menezes, vende-se toda a
qualidade de obras teilas de panno Uno,
merino, seda e bnm, assim como ricos es-
paililhos, folios ao ultimo goslo de Paris,
para senhora, e orna espingarda de dous
canos, a mais bonita e bem feta quo se po-
de encontrar, conlendo tudos os seus per-
tences ; tambern ha neos corles de caaitni-
ras modernas, ln 1 as, pannos, merinos e se-
lins para cuteles e outras muitas fazendas;
assim como recebendo-se toda e qualquer
obra para fazer-se, promette-se deseuipe-
nliar ao ultimo gostu e com presteza : tudu
isto lio por monos do que em outra qual-
quer parte.


Msicas novas.
I!n:i larga (lo Itoyario II. 28.
Grande sorlimento de msicas, as mais
modernas que ha e dos melhores autores, a
saber : variagles para piano a dos e quatro
mfios, valsas, quadrilhas, polkas, pegas pa-
ra antora con) acompanhamento de piano,
Ifirnagrtes para piano rom raheca, ditas pa-
ra (lauta, ditas para violfio o methodos para
aprender a tocar piano; tamliem ha boas
msicas militares.
Ra do Hozao larga n. ni.
Vende-se urna mulatinha de 13 annos,
milito linda e de bom genio, com princi-
pios do costura, propria para educar-se ou
dar-SO de mimo a urna menina ; duas cre-
tas mogas com habilidades ; una dila boa
quitamleira ; um moleque de 16 annos, de
bonita figura e de boa conducta, o que ge
afianga ; e pretos bons trabalhadoresde
pnxada.
Vendem-se raixas com cera
em vellas, fabricadas no Rio de
Janeiro, soi tulas aodesejo do com-
prador ; retroz da fabrica do S-
queira, no I'orto, de (odas as co-
res : Irata-se com Machado & Pi-
nheiro, na ra do Vigario n. 19,
segv.n^o andar,
lloa cozinheira e engommadeira.
Vende-se urna bonita escrava, parda, de
20 anuos de idade, com una lilhinha de e
me/es, a qual rozinha eengomma bem, b4
milito fiel e nSo tem vicios, o que tildo se
llanca ; e 1 preto, moco, muitn robuslo,
proprio para armazem de assucar ou enge-
nho, por ter muila forga : na ra larga do
I; "..i n n. 18, primeiro andar.
Fuvinlia de uiamliocn.
Vende-se superior fariuha iie Santa Ca-
thariua, por preco commodo,a bordo do pa-
taxo nacional Nereida, fondeado defronle
do enes do cnllegio, ou tratar com Novaes
& C, ra do Trapixe n. 34.
Bombas de ferro.
Vendem-se bombas de repuso.
pndulas e picota para cacimba :
na ra do Brum ns. 6, 8 e 10,
fundicao de Ierro.
Arados de ferro.
Vendem-sc arados de ferro
lifferentes modelos : na ra
B
1 um ns
f>. 8
e 10.
fal
inca
de
do
de
m&Chnas e fundir"'" de ferro,
lina do Rosario larga n. 99.
Vende-se una iicgrinlia de II aun,m"i-
to linda, rom 1 rincipios de costura, pro-
pria para e !nrar-se ou dar-se de minio a
uma menina por ser multo - Vende-se Carmn galega em barricas e
rr eias dilas. velas de ps;>ermapete amei ica-
no% cha byson de superior qualidade, em
IoIps a voiiiade do comprador: no esrrip-
loriode.M theu. Austin & Companhia, ra
do Trapichen. 36.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor.
RCA DA SKZMI.A NOVA N. 9.
Neale estabeleeiment conti-
lia a haver uoi completo soiii
ment de moendas o meias nioen
dasprra ongenlo, machinas de
vrpor, etaixas de ferio balido <
roado, de iodos os tamanhos, pa-
ra Hilo.
Vende-se superior fiu-hilin
gallega, en. meias barricas : no ecnplorio
de imane Voulec C, ou en seu ermazem
do beceo doGoncalves.
A Ao rs a caixinba.
Ven !c-se .1 n cllior qualidade possivel de
palitos para lirai fugo, pelo barato prego de
40 rs. a calimba di- 1110, e a 20 rs. a de pa-
pel: na 111a do (Jueimado 11. 16, loja de Jo-e
DiasSimoes
Vende-se urna parda com todas as ha-
bilidades que sSo nocessarisa a urna escra-
va : ao comprador se dir o motivo : no Po-
co da I'anell, casa viziiiha ao vigario.
Na Io.la le ninilns francesas, de
undante Theaiil, na ra
Nova n. :i',
ha um grande sortirr.ento de manteletes,
capolinhos, visitas e palitos descnliora, de
muilo bom goslo e de ricos enfulle*, lano
pretos com) de cores ; chapeos de senhora
de todas as coies de seda, eacomilha e pa-
Jha da lUlia alertse ('diados, chegados
ha poucos das ; llores e capillas para bai-
les e c smenlos; guarnigoes de vestidos
mu ricas, chegadas todas promplas ; tran-
sas e franjas de ludas as cores, ns mais ri
cas que aqui tem aiijiancido ; fitas de lu-
das as qualidades e mu i tu modernas ; ricos
enlejes de calinga para bailes e saraos ;
Chaposzinhos de nenios e meninas, 1110
demos e mui liniios ; e todos os mais ental-
les que se usam em Paria e aqui. Hdame
Theard lenhra a seus fregui'Zes, que la/
sempre com tanla perfeicu como em Pa-
rs vestidos de bailes e casamenlos, mante-
letes, palitos, capotinhos, chapeos, toucas,
capellase todo o que he enfeiles desenho-
ras e meninas, tendo para isso todos o.-'
preparos necessarios e bastantes costurei-
ras capazesde ajuda-la. ____
CIDADE DE PARS.
fu do Co legio n. \.
Neste estabelecimenio se encontrar sem-
pre o mi-sino soilimniit de chapeus de sol
ja anniinciados, assim como sedas e panno.'
m pega para as arrnagiV s servidas, baleia-
rara vesiidos e esparlilhos de senhoras
Concerla-.se toda a qualidade de chapeos di
sol, ludo por nimios prego do que em oulra
qualquer parte.
Chumbo de municSo.
Vende-se no armazem de J. J. Tasso J-
nior, ra do Amorim n. 35.
3o.
Grasa n. 30, a mais superior que al ho-
]! tem vindo a o*te mercado, pelo esmero
que o seu autor tem ltimamente omprega-
do. Ksta graxa he a mais prompta em dar o
mais hiilhanle e aturado lustro, assim co-
mo a melhor para conservar o calcado :
vende-se nos armazena de J J. Tasso J-
nior, na ra do Amorim n. 35.
A I,(ion rs.
Vendem-se novos cortos de brim tranca-
do escuro com duas varas e meii cada corle
a 1,600; cassa franceza de bom goslo,a '2,600
rs.; pegas de esguiSo de algodilo com 12
varas, a 2,400 rs. a pega ; cobertores de al-
godlo de cores, a 720 rs. : na ra do Cres-
po n. 6. loja ao pedo lampeSo.
Deposito ile cal virgt-in.
Na ra do Torres 11. 12, ha muito supe-
rior cal nova em pedra, chegada ltima-
mente de Lisboa no hrigne Tarvjo-Terceiro.
Cabezudas hmli/.;'.-.
Vendem-se cabecadaa inglezas roligas e
chatas, loros e silbas de ISa: na rna do Tra-
piahe n. 10.
SSSF.
Farinha nova da marca SSSF, chegada
ltimamente: na ra do Amorim n. 35, ar-
mazem deJ. J. Tasso Jnior.
l'olassa ila lussia.
Vende-se pntassa da Itussia, recenlamen-
te chegada, 1'de muito superior qualidade :
na ra do Trapiche n. 17.
Lotera ile X. S. lo Liriament.
Aos 5:ooo$ooo,
Na ra da Cadeia n. 46. loja de miudezas,
vpiidcu-se o nieio bilhete n 1454 da lotera
de N. S. do I-i vi menlo em que sahio a sor-
tc grande de 5:000,000 rs., O.estSo eSDOS-
losavenda os afortunados bilhetas e cau-
telas da mesma loleiia, que corre imprele-
rvelmenle no dia 31 de Janeiro crente.
Ililheles
Meios
Decimos
Vigsimos
Vende-se
11,000
5,500
1,100
600
de
farinha re man-
dioca a 2,000 rs. o alqueire com a
sacca, e sem ella a 1,800 rs. : ni
ra da Praia n. 3i.
Tnlxns para 11-1 nln>.
Na fundigo de Ierro da ra do Rrum,
acaba-se de receber um coui|ileto sortimen-
lo de laixas de 4 a 8 palmos de bocea, as
quans acham-se a venda por prego com-
rodo, e com promplniSo emharcam-se, ou
carregam-se em carros sem despezas ao
comprador.
Moentlns superiores
Na rundicSo de C. Starr & Companhia,
em S.-Amaro, acham-se a venda moendas,
de caima, todas de ferro, de um modelo e
consti ucgio nmiio superior.
Ai da bumaoidada!
Se nlo fra Alexamlre Spina, descubri-
dor dos oculos para nariz no seculo XVI, as
ppsSoaa miupes, ou de vista pangada nfio
sahl'iam de casa logo que sofTres.em tal
molestia, OU ehegassim a corta idade, oh
pena de andareni dando espectculo pelas
ras, servindode bobos, ja pelas caricatu-
ras que UM fariam quando quizessem en-
carar os id j'-ros, e es quedas que darimfl
"litios quando audasheni ; c.iu o anda a-
eontejp lias nagOes anlipoiagas, que os vi-
Ihos a qnem geraln.ente accommetle tal
molestia nSo saheem do copiar de suas ca-
llanas ou residencias, n s servem de con-
-uliorios, curandeiros ou outais hoheias, 1
le mais, como ao par do rpido prograsso
las sciencias e artea se poria um miope < u
presbilero sem o auxilio do um par d'ocu-
los Ilesponda a iiiedicina quer 1110 lerna
ouer anliga : a Simples r. Ili xfio a tal re>-
peilo toma melanclico ao mais jovial pen-
sador, e he por isso que se recomiiiinda a
quem soffrer tal iucuiiiiiiodos os v procu-
rar, cliegadinhos ha pouco, na ra larga do
Rosario u. 35.
Grande aortlinento de charuios
ila faHrica le S. l'elix, no ar-
mazem ile Croeeo &. companhia,
rna la Cill/. 11. 2 1.
SBo rlipgados a este armazem os verda-
deros charutos regalos, regala, caga lorrs,
depulados, venus, senadoras e soberanos
de llavana, ( m caixas de cem e 250, por pre-
gos rasoaveis.
Liipiiilaeao de fazeiulas.
Na ra Nova esquina que volla psraa
cambna do Carmo, luja n. 23 de Antonio Co-
mes Villar, estilo se vendeudo fazemlas que
nesta loja ja existiam por menos a t^rga
fiarle de uis primitivos prego", e entre ns
militas qualidades leem as seguintes por
estes 1 regos.
Janos linos de banhn
Pitas de sarjas, de setim o lafet
largas, vara
dem, de 4 dedos, vara
dem, de 3e 4 dedos
I lem, de velludo estreila de
cores
l.uvas de pellica para senhora e
para lino.no
l.eques de papel, cabo de osso
fino.
dem, deescomilha preta
dem, do papel finos, cabo de
marfim, de 4,(100 a 20,000
Chapeos de palha finos.lizos, a-
berlose bordados, do 3,000 a .1,0.10
Sapalos de setim pretos, o par 1,000
holins gaspiados, pretos e de
cores para senhora 1,000
Sapalos de seliio branco para 1,000
mnnina 1,00(1
Gninellas de msrroqum de c6-
res para homem, 1,000
Chapeos de sol de seda para se-
nhora 2,000
l.engos decambraia delinho, 1- .
zos, de 1,000 a 3.000
dem, bordados com lieos 4,000 a 20,000
dem, de seda preta c de cores
para grvala 3,000
Chicotes do junco ou cana para
rarr, de 2,00o a 4.000
dem, de baleia para carro 3,000 a 6,000
engallas finas de junco e
cana de 320 a 2,000
Chicles finos para monta-
ra, de 1,000 a 2,000
Don grande sortimento de flores finas sen-
do caixos, ramos, rosas para vestido, pe-
nas de mullas QiialiiUiIfS, bicos de blondes
de todas as larguras, bicos de dentelle pre-
los, cslreitos e largos de muilo boa quali-
dade para capotinho e mantellele.tudo mui-
to em cotila.
-- Vende-se, por prego muito commodo,
a casa terrean. 30, sita na ra do Sebo do
bairro da Boa-Vista, nova, rom muitus bons
commodos, em chos proprios, com grande
quintal lodo murado, com arvores de fruto,
cacimba de boa agoa e portilo ao lado da ca-
sa para serventa independente : na praga
da Boa-Vista, bolica n. 6.
Deposito de cal e potassa
Cunba & Amorim, na ra da
Gadeia do Recife n. 5o, recebe-
ram petos ltimos navios de Lis-
boa Novo Vencedor, Carlota e
Amelia harria com cal virgem, e
vendem, tanto a cal como a po-
tassa, por menos preco do que em
outra qualquer parte.
I Ir lia ral i "i mu.
Cortes de cazemira a 3,200 res, cambraias
de se la a 900 ris o covado, meias de seda
preta e de cores para homem a 600 res o
par : na ra do Crespo loja n. 2, ao p do
arco.
Vendem-se bichas prelas de
superior qualidade, por melade do
preco por que os barbeirosalugam:
na rna dn Liadeia do Hecife n. 2.
Vendem-se 1 elogios de OU-
roeprata, patente ingles: na ra
da u/. Il,i Nova n. l\i.
Vendem-se quatro lindos moleques de
Sais annos ; seis pretos, s ndo um ptimo
cozuiheiro ; dous pretos sapateiros; dous
pardos de 17 a 25 annos, tendo um bons
principios de ca pina ; duas pardas de 16 a
18 annos com habilidades ; e seis prelas de
12 a 25 anuos, sendo algumas com hahili-
dadis e proprias para todo o servigo: na
ra do Colleglo n' 3.
Para techar cenias.
Vende-se cera le carnauba, cournhosde
caba, sola e una Palanca com bracos, con-
chas, crrente.* de ferro e pesos, propria p-
ra armazein de carne, venda ou bordo de
embaCigSo : ludo por prego commodo :'na
ra dos Tanoeiros, armazem 11. 5.
Coiitinna-se a vender manlega nova
franceza, a 480 ; dita ngleza, a 640, cali'
moido, a 200 ; ditoem tt'.lo, a 160 ; cevada
nova, a 80; cha, a 1,000, 1,920 e 2,400;
chocolate de Lisboa, a 320; ejpermacete d
6 e 7'Mil lilira, a 7(10 ; carnauba de 6, 7
6 9, a 320 ; boli ellinha Ingleza, a 240 ; pas-
sas, a 200 ; lelria, a 2i0 ; macariilo, a 160 ,
looeinho de LisbOi, a 280 ; arroz branco,
60 e 90 a queijos novos, a 1,401) rs. : no pa-
teo du Carino, venda nova n. 2.
1' arinliu de mandioca.
Vende-se farinha de Santa Catharina,
melhor que existe no mercado, em HCOaS
ou sem ellas, por prego mais cmodo do i,u>
em oulra qualquer parte : na ra da Cruz
do Kecifeo. 40, primeiro andar.
Ai
40 rs.
1,000
320
240
120 eieo
120
500
640
400
C-avatas de chitas
I lem, de seda, prelas e de cores
dem, de couro de lustro para
militar
felina de cores lisos, rovado
dem, branco muito boa fazenda
Sarjas de cores para veslulo, co-
vado
Corles de vestidodeseda blancos
para noivas.
Mantas do setim de cores mati-
sadas
dem, de sarja, dita, dila*
Chales de Seda furia roes
|,uv*s coilas de linbo para se-
nhora, o par
dem, de seda abortas para se-
nhora
Meias de eda abeitas branca pa-
ra sin llora
dem, prelas para senhora
I em, para homem
dem, lizas para homem
dem, branca para dito
Carteiras finas de feixe
Vendem-se agulbeiros de pao
com cem palitos de fogo a 4o rs. :
no Aterro da II 1,1 Vista, loja nu-
mero |,S.
~ Vendem-se Ires vaccas e um bezerro :
a tratar na praga da Independencia n. 17.
Lotera.
Vendem-se bilhetis da lotera de N. S. do
l.ivranienlo, cujas rodas correm infalivel-
uiente no dia 31 do correte : no pateo do
Collegio, casa do l.ivro A/ul.
--Vindc-sa farinlia de mandioca de su-
perior qualidado de S. Malhcus, por menos
prego do que em oulra qualquer parlo : em
saccas, na loja de Jtiaquini Itibero Pontes,
ra da Cadea do Iteeife, e em medida, 1
boido da baicaga e virar navios, defronle
do caes do llamos.
Vendem-se balangas decimaes do 400 a
600 titiras, mui proprias para armazens de
assucar : em casada C. J. Astley Compa-
nhia, ra do Trapiche n. 3.
Deposito da fahrica de Todos os
Santos na ifaiiia.
Vende-se, em casa deN. O. llieber&G.,
na ra da Cruz 11. 4, algodlo transado da-
quella fabrica, muito proprio para saceos de
assucar e roupa de escravos, por prego coin:
1110.10.
Vendem-se duasescravas de 20 annos
e de bonitas ligoras, qun coziuhiin, en-
gomaiam e r seai; urna dita ba para o tra-
liallio de campo ; urna parda d^ 20 annos,
que cose, engomma e faz toilo o servigo de
una casa ; dous moleques pegas de 18 an-
uos, bons para lodo o trabalho; um pn-lu
muito bom servidor de urna casa, e que ga-
nda na ra 610 rs. ; um casal du escravus
de meia idade, bons para trabalharem en
um sillo, por a isso eslaiem aeosluoiados ;
e um moleque de 5annos, muito esperto e
que | serve hem a una casa : na 111.1 do
i.ollegion 21, primeiro andar.
Vendeui-seduus lindos molequis di
15 a 20 anuos e sem vicios ; 4 pretos muito
mogos e bons para lodu o servigo ; 2 pretac
muito mogas, quu emgummam coziubam
e cozem ; urna linda mulatinha de 18 an-
uos, quecngomia muito bem, cose, la
ludo o mais ananjo de casa e he do ba
1,000conduela : na la da Cadea do hecife n.
:uui "'i, primeiro andar.
160
320
240
640
800
1,200
30,000
8,000
10,(00
4,000
160
320
1,000
1,000
1,000
1,0(10
Vende-se farinha de trigo
franceza de Marseile, a melhor do
mercado, chegida ltimamente as
casas de Lasse e d) Saporiti: a
aliar como barateiro Silva Lo-
pes, na porta da alfandega.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal nova em pedra,
chegada ltimamente de Lisboa
no brigue larujo-JU.
40,000 rs. a duzia.
Verdadeiro e legitimo champanha A Y
em casa de Avrial & IrmBos, ra da Cruz
n. 20.
Tecido de algodo trancado na fa-
brica de Todos os Santos.
Na ra da Gadeia n. 5a.
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa do
escravos.
Vendem-se chitas limpas a 12o rs.
Pegas de chitas limpas, rosas, para luto
aliviado, a 4,500, e 120 rs. o covado ; cortes
de cambraias com 6 varase meia, de boni-
tos padrOes c de cores lisas, a 2,600 ; e 100
saceos novos de estopa, cada um com 2 va-
ras, por atacado a 320 rs.: na ra larga do
Itozario n. 48, primeiro andar
Carnauba.
Vende-se muito boa carnauba, por prego
commodo : no armazem do Barcellar, junto
a escadmha.
Vende-se urna preta crioula, moga,
que cose pouco, engomma perfeitamente,
he ptima cozmheira e doceira, e com uma
cria cabra de 3 para 4 mezes : no pateo do
Carmo n. 14, casa terrea.
Cimento,
Vendem-se barricas com superior cimen-
to, chegado no ultimo navio de llamburgo:
na ra do Amorim n. 35, armazem de J. J.
Tasso Jnior.
Vendem-se amarras de ferro: na ra
da Senzalla nova n. 42.
Arados de ferro.
Na fundigSo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados e ferro de diversos mo-
delos.
Deposito de potassa e cal.
Vende-se muitoMiova e superior potassa,
assim como cal virgem e pedra, recente-
menle chegada de Lisboa, por prego rasoa-
vel: na la da Cadeia do Hecife n. 12, ar
mazem.
Itnga-sc aos frr-guezes que tcnliain
toila nttencad para o novo sor-
timento cmk existe na loja iln
ra ilo Crespo 11. G, ao p do
lampend.
Vendem-se cassas pintadas de cures fixas
a 26(1 e 280 rs. o covado ; cortes de brim
blanco de linho puro, a 1,920 rs ; ditos di
rustflo muito finos, a 5C0 e 640 rs. ; cassn
preta propiia para lulo aliviado, a 120 rs. 11
covado ; zuarte de cOr, a 200 rs. ; riscado
de linho para casacas, a 240 rs o cova lo, e
nutras militas fazendas por prego r > o depusito da ra da Moda 11. 15, *
* ha para vender superior cal em pe- 4^
-> dra, recenten ente chegada de Lis- *
* boa, em o brigue CunceicAo de Va- ra, por prego rasoavel : tambemahi 4&
sn vendem pesos de duas e de una *
arroba, por prego commodo ; ha s
lamben! eleclivau ente no mesmo ^
depositu hanis de mel para embar- ^
que. <
3^*ftMM:Mtd>M!aV>ft4iA$
Vende-se urna esciava de 20 annos, a
qual cose, engomma, coziuha, tem bonita
ligura c n.lo lem vicios 11,111 molestias : na
iravessa da ra Helia n. 6.
-- Vende-se um lindo moleque de 17 an-
nos, muito bom cozinheiro e copeiro, pro-
prio para pagem ; um cabrinha de 12 annos,
muito esperto e ptimo 1 ara aprender ofli-
cio ; o urna preta com habilidades e de ex-
cellente conducta : vendem-se estes escra-
vos para liquidagilo : na ra das Cruzes,
venda n. 20, se dir quem vende. Na nies-
ma vende-se vinho engarrafido de mais de
8 anuos, da melhor qualidado que ha boje
no mercado.
Lotera de N. S. do Livramento.
Na praga da Independencia n. 4, loja de
miudezas, \endem-se os afortunados bilhe-
tes, ni- ni.-, e caulelas da mesma lotera, que
corre iaipreterivelmcnle no dia 31 do cor-
rete inez.
Bilhetes 11,000
Meio.s 5,500
Qu artos 2,600
.> 11 11 .-. 2,100
Decimos 1,100
Vigsimos 600
Cal vi 1 geni de Lisboa,
da melhor que ha no mercado, e
chegada ha dias pelo brigue E/n-
preza : trata-se com A. C\ de
Abreu, na ra da Cadea do He-
cife n. 3^.
Vendem-se barriszinhos com 900 sar-
diuhas, muito nuvas : nu caes da alfandega,
armazem da esquina, do Sr. Francisco Dias
l'erreira.
ajaj
*JL)ep 5 Ti,dos os/Santos, na
>
s>
>
>
Balu'a.
S> Vende-se, em casa de Domingos Al-"*
*ves Jlatlieus, na la da Cruz n 52,1*''
^primeiro andar, algodilo trangadoda-*
^quella fabrica, muito pruprio para sac-|*
Jooa e roupa de escravos; bem como
. >li ) proprio para redes de pescar e pa-^
;;>vnis paia velas, porirego r,imu n.iu.*
Escravos lucidos.
aoo,ooo rcis.
Fugiram de bordo do brigue
Sem-Par, vindo do Rio de Janei-
ro, dous escravos, sendo um de
nomo Sabino, de cor parda, esta-
tura regular, de 20 annos pouco
mais ou menos ; levou calcas e
carniza ezues, e bonete encarnado;
0 outro de nome Euzebio, criou-
lo, de a!j annos pouco mais ou
menos, estatura alta ; levou cal-
cas, carniza e boneteazues. Roga-
se as autoridades policiaes e capi-
taes de campo, que os apprehen-
dam e levem-nos ra do Trapi-
che n. 34, casa de Novaes & Com-
panhia, que recompensar.
Ausentou.se, no dia 5 do corrente, da
casa de Elias Kantista da Silva, ra do Sol
n. 1, um preto nflieial de pedreiro, de nome
SebastiSo, estatura regular, secco do cor-
no, sem barba, pernas finas, representa ler
24 a 26 annos de idade ; levou calca bran-
ca e aqueto de riscadinbo azul; j foi en-
contrado no bairro do Recife: quem o pe-
gar leve-o a casa cima, que ser recom-
pensado.
Gratifica-se bem:
Fugio no dia 22 do pastado mez de dezem-
bro, o preto Antonio, de nago Cabinda, re-
presenta ter 45 annos de idade, altura re-
gular, cheio do corpo, roslo abocetado, bas-
tantes cabellos brancosna cabega, e muito
cabelludo nos peitos, levou cales e jaquela
de ganga azul, he oficial de caldeireiro da
fabrica da ra do Brum n. 28, lem sido en-
contrado em diversas ras desta cidade em
Santo-Antonio e Ita-Visla, nos Afogados e
Corredor do Hispo, ora em urna, ora em ou-
lra parte : roga-se pois, a quem o aprehen-
der leve-o aos Srs. do mesmo escravo Mos-
quita & Dutra, na dila fabrica que se re-
compensar.
Fugio no dia 10 dopassado o escra-
vo crioulo, de nome Jos, de 40 annos, al-
tura regular, cheio do corpo, olhos ama-
rellos, rosto bexigoso, ps costos egrosos;
levou caiga de ISa escura : quem o pegar,
leve-o a seu senhor, no armazem de bsu-
car, largo do Pelourinho, ns. 5 e 7, de flo-
m3o Antonio da Silva Alcntara.
-- Fugio no dia 7 do corrente uma escra-
va de nago Rebollo por nome Marta, idade
18 a 20 annos estatura baixa, bem feta de
corpo, rosto redondo, muito ladina que pa-
rece crioula, cor bem preta, com uma mar-
ca de ferro Ja nago 110 brago dinilo, e
urnas de xicotej antigs junto ao pescosso,
levou pao da Costa j desbolado ruga-so
a quem a pegar de leva-la no Forte do Mal-
tos ra do Cordoniz, na quina da Moda
primeiro andar, que ser recompengado
-- Fugio em das do mez de novomhro
do auno passado, um pardo de nome Ma-
noel, natural do Para, com os signaes se-
suintes : alto, acabildado, nariz afilado,
falla branda, e tem as costas com cicalrizes
de chicote : quem o aprehender traga-o a
ruada Concordia, vindo da pontea direila,
primeira casa, qu" s-r8 recompengado.
Km dias de dezembro prximo passa-
lo de 1850 fugio uma preta de nago Cos-
ta, de 28 annos pouco mais ou menos, hem
gentil do corpo e gorda, peitos grandes e
eahidos, lem na munheca da mo esquerda
urna costura de feri la e nlo tem lalhos no
rosto ; levou vestido de chita de ramag"tn
encarnada e panno da Costa azul; tem os
beigos pretos e falla bem chra : roga-se as
antnri lades policiaes ecapiles de campo,
e com particularidade aos do disLrklo de
Muriheca, onde ella antes do vir para esta
praga morn, facam toda a diligencia de a
apprehender e levar ra da Cadeia do He-
cife n. 25, que se pagar com generosidades
assim como protesta-se contra quem a li-
ver recolhido ou a,lomudo em sua casa
proceder com todo o rigor da lei.
No dia 24 de dezembro de 1850 fugio
do engenho Caulista um preto crioulo, de
nome Victoriano, de 22 annos, bem retinto
da cor, olhos afogueados, estatura baixa,
pes apalhntados, com as unhas dos dedos
arrancadas, tendo um dos dedos do p di_-
reilo comido de bobas, ecom bastantes M-
eati i/o de xicote pelas costas : quem o pe-
gar, leve-o ao mesmo engenho, a entregar
a seu senhor o coronel Joaquim Cavalcanli
de Alhui]iierque, ou no Recife, ra de Apol-
lo n. 20, a Jos Anlonio de Souza Machado,
que sem bem recompensado.
wwwmwmmmwmmwmw.mmmmm
U mulalinho Agostinbo
futido.
g Na noile de 11 para la do
j passado ausentou-se o cs-
cravo Agostinbo, pardo a-
caboclndo, cabellos pretos c
lisos, pes grandes com os de
!# dos grandes grossos e camba-
i dos paradentre ; be filbo do
:j| serlao, muilo tallador e fo-
W ta: roga-se as autoridades
1 policiaes, capildcs de eam-
' po, assim como a toda e
g qnal.iuer pessoa que o en-
| conlrar, de prende-lo e con-
li duzi-lo a seu senhor fien-
to Jos Taveira, na ra da
g Cruz n. ao, que nao so paga-
ig r todas as despezas, como
* ofFerece uma generosa re-
g compensa a quem o trouxer.
,-ir, ,. ~-T:laMPJHWSjB
(jiatilicd-sc bem.
Fugio, no dia 22 do passado mez de
dezembro, o prelo Antonio, de nagfio Ca-
binda, representa ter 45 annos de idade,
altura regular, cheio do corpo, rosto abo-
celado, bastantes cabellos brancos na ca-
bega, e muito cabelludo dos peitos : levou
caiga e jaquela de ganga azul. he uflicial
de Caldeireiro da fabrica da ra do Brum
n. 28. Desconfia se que lenha ido para
o mallo, por ler ja estado fgido perlo uo
um anuo em algum engenho: roga-se, pois,
a quem o apprehender, leve-o aos Srs. do
mesmo escravo, M-squita & Dutra, na dita
fabrica, que se recompensar.
Pehm. NATyf.DK M.P.nr. Tari a-
II FiClwiri


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIETLN2HV_3SWGV0 INGEST_TIME 2013-04-13T00:55:26Z PACKAGE AA00011611_06294
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES