Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06289


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVII
Terga-feira 7
PARTIDAS DOS COHREIOS.
Goianna c Parahiba, as segundas e scxUs feiras.
Rlu-Grandc-do-Norle, todas as quintas reirs ao
melo-dia.
Cabo, Scrinliiiem, Rio-Formoio, Porto-Calvo e
Macelo, uol.'.a 11 e 21 de cada mea.
arauhuus e Itonilo, a 8 c 23.
l!oa-Visla c Flores, a 13 c 28.
Victoria, > quintas feiras.
Olinda, todos os diae.
PHCntSRlDES. M
-Nova, a 2, as 8 e 24 m. da m.
, ICresc. a lt>, as 2 h. e 2 m. da t.
L0{ri..i i. Mm, ja,,
da m.
iChela, a 17, as 2 li. e 33 m.
I Mu;;, a 24, s 5 h. 57 ni.
PRIAMAIl DE HOJE
Primeira s 9 horas e 18 minutos da manhaa.
Segunda s 9 horas c 42 minutos da tarde.
de Janeiro de 1851.
N. 4.
PRECO DA SUBCBIPpO.
Por tres ineies fadiantados) 4/000
Por seis inezes SjOOO
Por um anno 15^UU
DAS DA SEMANA.
6 Seg. isHf Dia de P>cis.
7 Tere. h. Thoodoio. Aiul. da Chae., do J. da
segunda rara do o. o do fritos da Fizenda-
8 Uuart. S. Lsurenco J. And. do J. da 2. vara.
li (.iiiint. ?>. Julin. Aud. do J. dos orf. c do ni.
da primrira vara.
10 Seil, S. Paulo. Attd.do J. da I. vara do civcl ,
c dos fritos da duenda.
11 tab S.Thcodoro. Aud. da Clianc., e do J. da
2. vara do civel.
12 Dom. S. Satyro. ______
'
CAMBIO US. i -JE JAWEIRO.
Sobre Londres, a lo d. p.I/000 rs.60 dias.
Pars, 'VID por fr.
Lisboa, 8*> a !I
Ourn. ((ticas lirspinholas .... WM?
Moedas deOlOII velhas. IfAsOiin
* de li/IOn novas 11>#000
i de4,'0....... '.'/'Ou
Prata.Paliccs brasileiros.... l/j*'
Pesos coluiiiiiai'ioi.... '*","'
Ditos mexicanos........ I/BB0

V:\J
nsifflBttr.rssi'-.'-:.'-- .ur-, -v, '. .' .''-ri-rv.-rf*""* *>..- '-
a 99/500
a 10*201
a l*200
a 9/100
a arwto
a 1/!'4<
a I/?"
""
-JWXmrWU'JBBRSZ: "-'*>X-taMBKBSKSZ&'&Ziy
ERRATAS.
Do cotamunicado publicado no numero
antecedente deste Diario:
Linhas 7 convivencia la-se
conivencia. .
Linhas 1 Vntt, l-se Vniso
26 peridico, Uno la-se
peridico Unido.
I.inhas 32 de trafago, lea-se do
trafago. ,.
I.inhas 49 aa paixOea ; mas la-ie
aspaixoesms.
Linhas *8 do inleresse lea-se
do publico inlerrsse.
Linhas 49 lorlun publica part'cular
M lea-se fortuna particular.
Linhas 80 que yem a propria la-
ge-1-queveindapropria^^^^^^^^^
PAUT CiFfC-.
"DECRETO N. 740. DE 28 DE NOVEMBRO
DE 1850.
Declara oaui o dta feriados nos juroi di primei-
ra e segunda inttancia. < no upr jusiica.
Hci por bem decretar o seguinie:
Art. nico. Sao feriados noajuizo de pri-
meira e de segunda instancia, c no supremo
thibunal de Jusiica, os diaa mencionados na ta-
bella que coin este bsixa, asslgnada por Euze-
blo de QueiroiCoutinho Maltoso Cmara, mi-
nistro c aecreUrio de estado dos negocios da
jusiica, que assiin o lenha entendido, e faca
executar. Palacio do llio de Janeiro, em 28 de
Bovrmbro de l850. vigesimo-nouo da indepen-
dencia e do Imperio.
Com a rubrica de H. o Imperador. Eu-
sebia de Queiros Coulinhn Maloio Cmara.
Tabella dos diat, que, atn dos domingos e das
sanios de guarda, ido feriados nos juizos de
primeira e de fegunda instancia, e no supre-
mo tribunal de jusiica conforme o decreto
desta data
UllS FEMADOS.
h'iini\Variaveit
1 aG
Dtnominacao
das estas.
Continuado
da festado
Natal.
4. fcira
de cimac
os 2 das
aaitceed.
Festa cha-
mada docn-
trudo.
Leqislacao que
autorisa o
feriados
Ord 1.3.i.
18, e asseutos
de 22 de de-
embro d e
1639 e de 15
ile novembro
de .727.
Ord. 1.3. 1.18.
93
21
31.
Annivcrsa-
rio do jura-
mentodaC.
Le i de 13 de
setembro de
I82,ede 19 de
agosto de 1848.
Semana
santa.
Semana
da pas-
choa.
.- ni. ni. i
do Espl-
Eesta cele-
brada com
este nome.
Ord. 1.3. 1.18.
Festa cele-
brada com
este nome.
Festa cele-
brada com
rito Santoleste nome.
A n. da In-
dependencia
do Brasil,
i ni......mu
raco dos de'
fu ntos.
Ann. nata
licio de S. M
o Imperador
Festa do
natal.
Ord. I.3.t.
13 e assento de
15 de novem-
bro de 1827.
Ord. 1. 3." 1.18.
Lei de 19 de
setembro de
I826,edel9de
agosto de 1848.
Ord. 1.3. 1.18.
Le de 25 de
oulubro de 31,
ede I9deagos-
to de 1848.
Ord. 1.3. t.
18, e assentos
de 22 de de-
zemb. de i639
e de 15 de no-
vembro d e
1727.
Palacio do Rio de Janeiro. em28 de novem-
bro de 1850. Ensebio deQueiroi Coutinho Val-
ioso Cmara,
GOVERN DAPKOV1NCIA.
EXPEDIENTE DO DIA 26 DE DEZEMBRO
DE 1850. -
(inicio.Ao comnuindo das armas, par
que em cumprimento ao aviso do ministe-
rio da guerra datado de 11 de novembro ul-
timo, desembarcar a ala do quarto bata-
lliflo de catadores, que ge acha a bordo do
va| or 5. Salvador, a qual dea fu/en lo parle
da guarnicao desta provincia.Para esle
lim ezpediram-se as couvenientes ordens.
Dito.~Ao mesmo, ordeoando em cumpri-
mento ao aviso do ministerio da guerra da-
tado de 5 do correle, que faca regressar
para a provincia da Parahiba, reunir-se a
respectiva companhia lixa, o alferes Belar-
miuo Correia da Silva, que por aviso de 17
de novembro ultimo Tora mandado servir
aqui.Neslo sentido expediram-se as con-
veniente* ordens.
Dito.--Au desembargado!- chafe de poli-
ca, par fazer constar a Arehangela Maiia
da AununciacSo moradora nos Afogados,
que segundo constou de aviso do ministerio
a guerra datado de 5 du correnle, se man-
dara naquella data dar baixa do servico a
seu mando Jos Pedro Haptisla, soldado do
primeiro balalhao de fuzileirus.
Dito.Au mesmo, par que em cumpri-
mento au aviso do ministerio do imperio
datadu de 3 do correnle, faca constar ao
subdito porluguez Jos da Silva Campos,
que nao podando na furnia das leis em vi-
gor ser conced da gra(a >>u mare de qual
quer naluresa deule se mostr iseulo de culpa, cumpie
que o supplicaiile se hablilla com follia
corrida para poder obter a carta de natura-
lisc.no de riliailfio hrasileiro que solicitou.
Dito.Ao delegado do termo de Caruaru,
dizendo ficar inteirado de se haver disper-
sado o bando de facciaorosos, quesnhavia
reunido no lugar denominado Jacar, onda
commettera algumns mortas eroubos, e re-
commenlandoa instauraQ.lo do respectivo
processo, para que nSo fique impune seme-
ntante crime, eos delinquantes se n3o af-
foitem a praticir outros, do que opportu-
namente dever dar conta a presidencia.
DEM DO DIA 30.
Olicio.Ao commando das armas, remet-
tondo copia do aviso circular do ministerio
da guerra datado de 7 do correnta, em o
qual sa participa que no tem direito a
passagem por conta do governo as bsreas
da companhia de paquetes de vapor, os es-
cravos dos ofllciaes, embora estes sigam
em servicoIgualmente rm.rs-a se foz a pa-
gadoria militar.
Dito.Ao mesmo, dizendo que para dar
cumplimento ao aviso do ministerio da
guerra datado de 7 do co/renle faz-se mis-
tar que mande extrahir o remella afim du
ser enviada a respectiva secretaria de esta-
do a guia do soldado Jos Ajexan Ir Mar
tins, que segundo consta litera prafa no
extincto deposito desta provincia em 1839
Dito.--Ao rtesmo, inteirando-o de haver
o conselho supremo militar de jusiica em
sentenc de ti do correnle, conform" fui
declarado em aviso do ministerio da guerra
datado de 16 do mesmo moz, conJemnado
o reo Pedro Ivo Vallozo da Silvcira, no por-
dimenlo [do poslo e em 10 anuos de priso
em urna fortaleza ou prac de guerra, e pre-
venindo-o de qua na ultima daquellas dalas
se mandara executar a setelica --In'elli-
genciou-sa a pa(.'& l[irl'' militar.
Dito.A thoso .r.iriii da fnzenda, scienli-
lie.ind.i--a de ter concedido dous mazes de
lireiie.i mom ordenado pura tratar do sua
saude ao bacharel Jos Nicolao llegueir
Costa juiz de direiro da comarca de Gara-
nliuns.--Veste sontido izeram-se as con-
venientes coinmunicacOes.
Dito.A mesma, (ransinittindo o aviso de
una letra na imioilancia de 327 000 ris.
sacada pela thesouraria de IV/ernla do Rio
Crande do norte sobre a desta, e a favor de
Canutlo Ildefonso Emcreiiciano Parlic-
|iou-se ao Exm. Sr. presidente di luollu pro-
vincia.
DitoA mesma, inteiran lo-a de haver
sido nomeado por ilecretode 10 do corren-
le, conforme foi declarado em aviso do mi-
nisterio da Justina datado de 12 do mesmo
mez, o deseiiibiruailor Firmino Antonio de
Snuza para o lugar de procura Jor da coroi,
soberana e fazendi n icinn.il na relaeflo
desta provincia.Fizenm-se oeste senlidu
asconvenintes communiciO-'s.
Dito.Ao juiz relator da junta de jusiica,
remetiendo para ser apresentado em sessSo
du meaba junta o processo verbal feilo ao
soldado -do oitavo balallio do catadores
Antonio Joaquim Segundo.Communicou-
se ao eommaiiilo das armas.
DitoA pagadura militar, inteirando-a
de haverem as pracas do segundo balalhao
de caladores Leandro Uezerra, Theoioniu
Correia, Gemido Antonio do llarros e .Maxi-
miano da ConceigHo, depois de flndo o seu
lempo doscrvQO, contraalo deconformi-
dade com a lei e ordena em vigor, p ira con-
tinuar no mesmo servico por lempo de oito
annos, medanlo a grali(icac> de 280,000
icis para cada uina dolas, e ordenando que
mande pagaras referidas gralificacOiS, sen-
do 50,000 res a vista, e o reslo em presla-
ces tnensaei de lO.OOO ris.-lnteligenci-
ou-se ao coinmamlu das armas.
Dito.A mesma, dizendo que visto nilo
existir no arsenal de marinha armazem al-
gum de voluto.'onde possam ser guardados
osuhjectos vindos de Fernando, como se v
lo olicio que remelle por copia, julga me-
Ihor que sejam ellos recolhi Jos em arma-
zem particular.
Dito.A mesma, scientificandoa de ter
assentado pra^a no oilavo balalhao de ca$a-
doies o paisano Jos Pereira da Azevedo J-
nior, quedeconformidade coma leieor-
deus em vigor, conlralou para servir no
exercito por lempo de 8anQO, medanle
gratilicacSo de 180,000 ris que llie devera
ser paga com 50,000 ris a vista, e o resto
em prestacOes mensaes de 10,000 ris.-ln-
teirou-seaocammanJo das armas.
Dito.Ao inspector do arsonal de mari-
nha, communicando que segundo fui decla-
rado em aviso do ministerio da marinha,
se concedeu dous metes de licenca com os
respectivos vencimenlos, para tratar de sua
saude, o secretario da inspeccSo e capi-
tana do porto desta cidade Thome Fernan-
dos Madeira de Gasiro.-lntelligenciou se a
conladoria de aiarinha.
Ditu.-Ao vico director do collegto dos or-
phaos, dizendo que pode peruiiUir au ku-
fessorde msica daquelle collegio para le-
var a festa uo du prnneiro de jaueiru pr-
ximo futuro alguna dos seus discpulos,
com a conJic.30 porm de se recolherej ale
o diaseguinle.
Ponan.Mandando dar transporte para
o Maranhilo 110 vapor tahiana como passa-
geiro de convs ao praga de prel Francisco
Mariano ibeiro, que de ordem do goveruu
imperial segu para aquella pruviucia.
Dita.Mandando dar transpone para o
Para no vapor llahiam etn um dos lugares
vagos pra passageiros de estado a Jos de
Araujo Danin.
Dita.-O presidente da provincia usando
da atiribuicflo que llie coufere o art. 37 du
regulamantu que bailou cun u decreto n.
738 de 25 do mez de uuveuibru ullimo, Hu-
mea secretario du tribunal do cuinmeiciu
pesia provincia a Jus Jeionyinu Monleiru,
deputado do mesmo tribunal, o qual servir
por todo o lempo de sua elai^Ho, prestando
antes de entrar pm axercicio juramento de
bem servir o seu cargo perante o respecti-
vo presidente.
DEM DO DI* 31.
Olicio.Ao commando das armas, com-
municando que segundo constou de aviso
do ministerio da guerra ditado de 30 de
novembro ullimo, se concadeu ao segundo
cadete do primeiro batalhl'i de artilharia a
p Filippe Marques dos Santos Junior, tras
mezes de licenca de favor para vir a esta
provincia.
Dito.Ao mesmo, dizendo que para dar
cumprimento ao aviso de 11 do correnle,
expedido pela secretara da estado dos ne-
gocios da guerra, faz-se mister qua mande
exlrahir, e remella, a lm de ser enviada
aquella secretaria lie estado, urna copia au
idntica do contrato feitocom o estrangu-
lo Eduardo Wight, soldado do segundo ba-
lalhao da c Qadmes.
Dito.Ao mesmo, Inteirando-o do haver
sido commuuicalo en aviso do mini leo
da guerra datado de 30 da setembro Ultimo,
quese conceder pro'Ogagao por tres me-
zes da licenca de favor, com que se acha na
provincia do Rio Grande do sul, o capitn
do segundo balalhao de catadores Francis-
co Antonio de Souza CamisKo.--Scienlili-
cou-se a pagadoria militar.
Dito.Ao director do arsenal de guerra,
remellendo os modelos da Moripturacflo
quesedeve seguir no labaratorio de fbgOl
1 c.11111 osii.an existente nsquelle srs< nal,
os qeaes para csse lim foram reinellidus
com bvso do ministerio da guerra de 16 do
correnle.
Dito.A thesouraria di fazonda provin-
cial, remellen lo copia d) orcamenlo para a
pintura da ponte pensil do Caxang, e bem
assim das clausulas mediante as ijuaes deve
ser |nisi-i em une nal u.-'i 1 esse tralialliu.--
Cominunicou-se ao director das obras pu-
blicas.
Dito.Ao primeiro supplanto do juiz
municipal do termo do Ouricury, dizendo
que nao obstante a distancia qua existo en-
tre aquella villa e o lugar da resid ncia di
respectivo promotor publico, deve ello ser
ouvi lo em lodos os casos em que a lei ex-
prossaiiieuto o exi^e.
DitoAo juiz de direito da comarca da
lloa VlSta.Constando a esta presidencia
que na Cadeia do Ouricury existem crimi-
nosos all deudos ha alguna anuos, sein que
ateo presento teiiliain sido |ulgadOS, oslo
pela ras3o.lt> nao ter oaquolle lugar fnne
cionado o tribunal do } y desde a poca da
creag3o do dito taimo, e sendo contrario a
lei, a liain un.1,1.le o a conveniencia do ser-
vido publico, que continu somelliante
abuso, recommendo n Vmc que com toda a
urgencia ft(* convocar o jary daquelle ter-
mo, a lim de seren julgados os criminosos
existentes, daodo-me Vine, cunta da exe-
cu(3ii du que pelo presente llio recoininen-
du.- Comiiiunicuu-se ao primeiro su,.pente
Jo juiz municipal do referido termo.
MAIIIi) 4 fUWM
atCirc, 6 DE JANEIBO DI 1851.
Aballo Iranscrevomos urna declarac3o
do Sr. juiz municipal de Olin la, em que se
arge de falso oque ilrsseiiios em o Diario
n. 295 do anno passado relativamente a im-
puniJade do escravo autor do crime, que
entao noticiamos, e a petulancia, cm que
elle passeava no mesmo distncto da culpa.
Em resposta a essa declaradlo podemos as-
segurar ao publico e igualmente a S. S,,
que nem de leva faltamos a verdade, quan-
lo dissemos, que o refer lo aasaasino nao
s n3o linha sido preso, como al passeava
a noile pelas ras da freguezia da S.-Pedro
Martyr, onde cominetlera o crime ; sendo
que lioje po lemosalin d'islo avancar, que
a mu ir negligencia se deu a essa respeito
da parto das autoridades policjaes, e especi -
almente .lo sub delega Jo u'aquella fregue-
zia ; porquanto somos infunnadus deque o
assassnio ,i-"iii pan lia n lo na madrugada
seguinte uina reun 3o de lavantainento de
lian le a, que percuneu diversas ras, e
passando com ella para a freguezia da S,
ah foi preso por um inspector de quarlei-
r3o da freguezia, mas logo sollo por um tal
Cbagai inspector da freguezia deS.-Pedro,
que o rec'amou sob o falsa pretexto de nfiu
sor elle o delinquente, esim irmSo d'esle.
quando por pessoas, que bem os Cunho-
ciam e sabiam distinguir, foi dito ser o
preso o propno, que cotnmelteu o crime,
o que logo so verilicuu, purque apenas sollo
deilou a correr desatinadamente, ten lo si-
do visto anda depois d'esla uccasiSu pui
duas vezas no lugar du Varadouro.
Por aqu j podo ver o Sr. juiz qual a nos-
sa disuosicao quanto ao desalio, que nos
faz em sua declaraQ3o ; e ja que S. S. todo
cheio do zelo pelo lugar, que exerce, e fui
dado em informicOes suspeiUs daquelles,
que porcriminosos interesses.ou ropiovadas
condescendencias negligeuciara n os seus
deveres n3o hesilou em provocar-uos de
urna maneir;Uo desabrida,nos nio temos a
menor duvida em declarar-llie qu i esta-
mos prumptos para essa prava, a que nu.s
cumpelle e para mais alguina cuusj se
S. S. assim o quizer, seai relloclir, que n3u
senlo a nica auturi ale policial e criminal
lo Oliu la, poaia mu bem aconUcor, que
escapisse sua vigilancia aquillu, a que a-
outias auturidade fecharan! os oinus poi
delelSO ou connivencia. Aceitaiuus puis u
desalio coui lana maior Sjlisfa(j3u, quaulo
as provas, que temas a olTerecer, servi-
r3o para firmar o crdito do nosso jornal.
Entretanto, seo Sr. juiz municipal pre-
ferir indagar o fado de pesssoas imparciaos,
estamos coito que condecora a verdade das
nossas asserc.oes, e a fucilidade, com que
nos uggredio.
n Como Jala municipal que son, do termo de
Olinda, devo dlier.ao publicoe parllcularmen-
te a redaran do Diario de Pernnmburo, que o
escravo que fe/, o feimenlo n'iiina prt-la livre,
evadios' nao mais appareceu. e nem fcii vislo
oais nesia cidade, sendo, como be falso, ludo
qnanio avaneou amenos que nSo aeja a exls
nela do delicio K pira mal forca ao que
levo dit, e romo mu (lafacio ao logar que
exerco desafio a redacefio du ineaino Diario pa-
ra prnvarn rontr.4rlu do que aqu val escripto,
Cidade de Olinda. 2 de Janeiro de 1851.
Jos Qninttnu de Catiro e.io.
Com tunicado.
O RECRUTAMENTO.
Nal vistas C (levemos cr-lo ) dedesvai-
rar a o ini3o, de rioslilisar o governosem
esculla de meios, eslava a imprensa da op-
posiQO no h bilo de declamar lodos os das
contra a selvajaria c birhiiriiade do recru-
lament, enm que -e e.stava deapovoindo e
devastando esta provincia. Eporquaa ic-
Gu iic-nva echo em parte alguma, nem mes-
mo na consciencia ilos :i imprensa do parli lo da ordem, qu ellos
rhegariam a convencer a si proprios di sua
san ra*So, e injusliea ; mas como a poca
be daproortsso 13o alVnilus foram no ex-
plorar d'esla mina, que um dalles nfio du-
vi lou avaliar em mais do de/, em mais de
do'e mil o numero da remitas apurados
em ponco lempo nasta provincia. Km pro-
sene; i de tinta exagerarlo, e pircbendo-
se que lies escripton's nSo raz'am conta dos
leilores na provincia, o linham por fin 'les-
COnceituar o governo fura dalla, engmar
aqunllas que distantes do lugar dos aeonte-
clmelos n3o os pode'iam he n apreciar,
piblicou o Diario O mappa, que exacta e
lielmenle ilemon-lra o numero de recrutas
apurados nesti provincia, a Iminialracil i. D'ahi r aultou licar pate-
lo I ti I s as luzes a ex iireacao o iuj'i-lii,-'
las declama cries contra o recrutnmanto,
|iia nunca f i l'eito com mais nio le aqao do
iu aei i: i. el o Pens-vanios (porquees-
t vamos na boa f ) que depois disso. a nflo
si coutesiar a fidelidade-dademonstricSo,
oessaria o clamor, e o abuso da crodulida-
la dos pos loilo'as, mas rom) a peor ce-
(uelra lie a dequ-m nio quer ver, acaba-
mos de lar na Imprenta de boje, com a eiii-
g'afo deste ariigo, um 1 .inuo aranzd, un
lihdli famoso contra o irineipil algoz do
P lis, o governo. P mo da paite hs exprs-
n'fs lo colera d i tscrlptor, copiaremos aqu
Iguns trecuos mais innocentes da tremenda
accu< (So.
Por todos os vapores, que par tem pa-
ra o sul vBo cesci.las ronessas ( de re-
crutas), edo, faz estallar o coracflu ver
esses miseravois, esses pobres e infelizes
rebeldes passaren sujos, eesfarrapados,
laucando um ultimo ullnr para esta ter
a ra onde nasceram, e onde deixaraoi lo
das ks su-is alTeicfles .'. ... lioje s temos
ii horrores, a familia pobre Vai todoo dia
t pagar seu tributo de lagrimas n* partida
de ca !a vapor para o sol... E 00 einan-
ii do o enverno pinico so da com as llgn
mas da pobreza! Agora mesmo, pelos
i dias-santos ta festa du Natal, dava-se es-
o so espectculo que d ; eram uns entran-
i lo pelas rusa desta enlaje, e outros sa-
liin lo barra lora .'. .
Ale aqu ha simales nente urna mentira,
expoatacon mala, o i menos poeio; nem
lodos os vapo es levam recrutas, o para
nao irmos lunge citare nos a propria /i-
prenst de 2\ lie dozembro fio lu, u. 87, que
na sabida do v-por Pernambucana nO da a
reme-si de um so resruta. Apenas no va-
por S.-Salvador, que parti nidia 27 fo-
ram remettidos 25 recrutas, apura los nos
multo* das que dtcorrerm dapailiJa do
vapor Affonto ; e a estes o autor dn romance
nflo vio ; so os visse, nffo os descreveri su-
s e esfarrapados, porque lodos os recru-
tas r>cebem fardameoto para o embarque,
a anda uenlium s sabio d'aqui sujo e es-
farrapado. Tamhem, durante os das-santos
da fasta do Natal, nam um 10 recruta entrn
nesii cidade; eentretanto, o rotador da
Imprensa, o orgSo do grande e moralisaio
partido intitulado liberal ( tamboai .V:ipi.io
se deilomm OU Africano i vio uns camiuiian-
Jo paran embarqoe sujos e esfarrapados, e
oiiros culi iudo pelas ras da cidade, e
mo sabemus cumu nao disse, amarrodos,
maltratados, e feridus : mentir assim lio
p ir demais escandaloso E como pudiam
haver essai continuadas, agrandes romes-
sus so o numero dos recrutas apurados, co-
mo se doni"ii-.iiaiu com dados exactos, i
que anda n ". > foram contestados, ho la
diminuto? Sa o mappa publicado nO he
exacto conteslem-iiti, mis nao se osea,no-
ca por semellianlo modo do bum scuso pu-
blico.
Mais .-olanla diz a Imprensa :
* Quasi sempra l se nS partes olliciaes
> du goveruu da provincia ordens para que
a sejam sollos lautos recrulas, ora por se-
4 reui incapazes do servico, e oa por u3o
o-l,ll'.' II II ls CaSOS llU I i'i'llltaoil'iito :
ii quintos qu t o io Itiui s la empennos fortes
u tem i ai, o v;ln, e n i t'ut.i ii i oa n i.ica-
pazos du servico, e n3u osUvaui los Cisus
> do recrulaihenlu.
No litial do.ste t echo n3o ha aioplesmen*
lo mu i -ilionlira ; ha uiguma cuusa mais ;
ha urnainfamia, que outra qualilicac^aa
oSopde leracalumnia adrede inventada
.para desvirtuar urna nce3n boa. R lanzar o
odioso sobra quem a praticou rom as me-
Iboros intenQrtes, na maior boa f.
Sa bem tolos, que a actual admiiiislracSo
da provincia tem mostrado lodo o ampe-
iilin em aliviar 0 peso do recrutamento, ox-
pedindo ueste sentido oonlinu tas rerom-
mendacOes, nos respectivos agentes, e insi-
nuando mesmo que convm roupar os tira-
cos litis a industria, anda quan lo nflo
comprehendidoa na leltra das isencOes.
sabem lodos, que a actoal idminstrc3o
11 i rovincia, fiel ans principies, que dic-
taran! suas instrucijOes sos aupntes do ro-
erutimi nto, p->r sua parle tem mandado
DO> em lber lado a todos qua trovan) isen-
ees lecaes, sem inquirir se s3o ou se nSo
saorebeld s, e mesmo a muitos que n nliu-
ma piova tem dado acreditando smeles-
menta as suas allagacoes, as lacrimas
ilos pobre*, que s dizem mulheres, m8is, ou
pas doarecrutados, ou as informal i >s de
pessoas(ouasi sempre do partido praicro)
que os abonan). Saben todos, que a jusii-
ca, e as conveniencias publicas tam sido
al ayora os nicos empenlios fortes para a
actual administracSo da provincia j entre-
tanto o orgflode um, panilo, que so diz
grande e moralisado, nflo hesita em insi-
nuar, queso s3o sollos os que tem empe-
nhotfjrtes, laucando assim sobra o actual
presidente a acc iSicSo a mais violenta, que
s? polo razar a um funcclnnario publico.'
Ignorara por vnt ra a Imprensa, qu so
sua asserc3o nao rbsse, como he, manifes-
lamenle calumniosa, seria o Sr Souza Ha-
mos umprevaricador no scnlido hlteral
da lei, al n Jo relaxado e incapaz do car-
go, que exerce com a precisa honestidade
e discnpQi'o t! Nflo o ignora/a iior corlo
I Imprensa, mas na sanba da guerrear o go-
verno, nenhuma consideracSo a embaraza,
K quem so do mais das lagrimas da po-
breza ? o presidenta quesoltaa quaotos
recrutas mostram isengOes legaes, e nflo s
a eMes, mas tamhem a muitos que nflo tem
m ios de provar su s allngC>)as, n Uta sem
outra Interveneflo senfio a dos pobres ou
0 orgflo do partido intitulado liberal, que
sligmatliisa com virulencia desusa la esta
iirocodimonto, e urovoca por um molo di-
recto o presi tente a pr-se a CubtrtO da
larri ve I accusacJlo de prevarica lor, res-
tringi lo as Btil lu ras s a aquellas qua
prm-urem as isencOas eslabeleci tas na
lei ? !
Ja lindamos nuvido dizar qua corto cir-
culo de pifa da patria, de amigot da poro
muito se allli^ia, so incommodava multo
com conducta la actual edminlstriciln da
provincia, principalmente reap dio do re-
crulameoto, porque o privava de uma arma
poderosa, porque eagolave uma mina tilo
rica para sus ex.Jora;0es ; e ( na boa f J
nflo acr'ditivamos quesemelbante pervar-
sidade coubesse en cursillo humano; mas.
a que pensar hoje qua ido venus o presi-
dente da provincia violentamente censura-
do pela .*'' tubmisid nos cmpnhot fortes,
nico' moliv i das orden* que coatlauadamtn-
le se l as parles officiaes para que sejam sol-
tos lanos recrulas ? |
Por boje paramos aqu, que j vai longo
este aitigo ; voltaremos a questflo se para
isso tiveruios paciencia, a julgarmos conve-
niente, porquanto, irsenlos ii"ti Ierra CO
nlioeeinus a nenie com q-iom li lanos, o tai-
voz amanhfla entendamos meliior deixar a
Imprensa desembarazada continuar no pro-
posito de mistificar os seus leltores.
Concluiremos observan lo, que no ms-
mo numero em que vem O artigo, que lein
foto objecto dest'-, esta pela soguilla ou
lerceira vez transcripto um OUtro de um
pe i oJ ico i nli tu la Jo Radical ( SuppOffiOS quo.
esc iplo no llio -de-Janeiro ) quo da esta
provincia vezada pola (ymnniaa maior de
quo ha milicia desde que o mondo ho tim-
lo ;--<> govetno aqoi he o mais inmoral,
corrumpido, venal, perverso, e faccioso que
imaginar-se | ole, lauto assim quo capita-
nea um partido que tem por plano assassi-
uar lodos os adversarios nflo ha da em
que lio siiee mili i um lili 'la! IOS tiros do
hicamartii do governo.Ora, leva-nos a cu-
riosidade a per^unUr, teiu-se repetido a
publicaQflo deste artigo porque foi manda-
do para mod'lh> Imprensa em vistas advertir a seus leilores,
que he moda mentir ?
Ulustus.
S. (.'.. i Jo Janeiro.
P. S. Depois Je escripto este artigo, um
amigo versado no conhecimanto do esiylo
dos nossos escriptores nos a I ver te de que o
ariigo que tenias respon li lu mi i he da re-
Jactjflo da Imprensa, e s in d. um collalinra-
lOr e:lial"_a la publico, am li lia puUC)
conjeooraJo pelo governo ; nio acreJila-
inus que assim saja, mas em to.lo caso pou-
co nos imporla esta circuinstancia, n3o tra-
tamos seii.io das doulrinas, e nem tivemos
oiii vistas uil'.'ii ler a pessoa alguma, n por-
tante nflo ha quo alterar no quo esla es-
cripto.
msmtWaWtkWkWkWaWkWkWaWMKsWkWkW
V lA iri
CAUTA DE BRAZ, TI2ANA, BOflCARIO DE
LITRO \, AOUARBEIRO.
Oulubro 26.
Non clier. lia quem diz que um dos mo-
tivos que trouxeram ai Tojo o nosso minis-
tro em K i.n i li ii o Ja Venda da Cruz, fura
o uegucio to Ca macho, hispo eleilo do Cas-
talio llranc i, coja coiilirna^ao enconlra no
gatllll ilo p minien liulml > .1 li ir ie 1-. O
slixiameuto in ni ta coiisiitui(3u luscana
nao foi bem tecobi 10 pela imc3u, e ja o iui-
nisterio traa de adobar a pillula '.'. Coin-
eil'eito. urna constituic.3o que o governo p-


^


*
2
e ter em srena o retirar do labiado
quandolheapprouver nflo dcixa de ser co-
media !
1 O meu correspondente par ciliar doPIy-
mmiih me csireve o seguinte. l'm medico
desU cidade, inimign ca ital das constipa'
toes, iriventou e mandou collocar junrto
c .: I .nidia da porta urna especie do ho/ina,
que por meio de um tubo chega cabccei'a
da rama 00de o Dr. est deitado ; c desta
bozioa se serve o estimavcl e acautelado fa-
cultativo para rstabelrcer todas as noi-
tcs as conversice?, sem levantar-sc da
cama, com quem o vai consultar sobre o al-
livio dos seus padeeimentos !
Moje ha na capella das Necessidades exe-
quias pela rainlia dos Belgas, que me di-
yi ni fra muilo amiga da nossa soberana.
Assistem Suas Magestadas, os seus criados
e <> ministro di Blgica. Tcndo cessado os
tufOesde vento e inelhoramlo algun tanto
0 lempo, tem por isso continuado os banhos
que fura ni interrumpidos. Ilouve em San-
tander na Bisdia um aclo de insuhordina-
flo em alguns soldados hespanhoes, no ac-
to de embarcaren! para Cuba ; dizem que
por atraso de pret: o que licceito beque
t.ir ni fuzilados um sargento, um tambor
mor, e um cabo alguns soldados tiveram
menos castigo : o resto embarcou lodo: o
Conclu I). Jos sabio para Habana no vapor
de guerra Calcdonia.
A' o anhfla temos no tbeatro de f. Fer-
nando a balalba de Monlceau, pelas mili-
tas instancias que lizeram a direccSo do
ii m ip tneatro : a parle da Catharina Per-
sulli vai ser desempeiibada por sua irmfl Ite-
gina, para ceder as instancias dos amado-
res. A lleroina Calbanna, nonie histrico
na Russia, acaba de cliegar preza a esta ci-
dade. escoltada por quatio bravos Unceiros
da divisflo do sul. Nflo apparece o Andrade;
anda fblheando o cdigo de Milflo. Em Vicb
na Catalunba, o gelo tirilla um dedo de al-
tura ; o invern promettia ser de raspar o
nariz agente! Un barco do branles aca-
ba de virar-se em frente do cjcs das colum-
nas com urna rajada de vento uoite : o bar-
cu linha coilic,a, e esta salvou a tripuladlo,
que saltuu sobre ella at que a vieran) res-
gatar.
Annuncia-se um Bal National Estrangeiro
no largo da guia n". 0, para o primciro Do-
mingo de noven bro : as damas, isto be, o
sexo bello, entra remido, os liomens pagam
210 i or cabeca. lia orchestra, casa ile caf
e refrescos para os patoscos. O club Lisbo-
nense, presidido pelo bacilo de FOSCOS ;
Francisco Antonio de Campos, votou o pe-
zaoies a memoria do Duque do Pal mella ,
por nina carta redigida pelo Fernandes Coe-
Iho, que lu appiovada uiiauinient i: a carta
be dirigidas MU WhO o novo Duque : o re-
trato do fallecido vai ser collocado na sala
das sessOes.
No dia 23 pelas tres da tarde appareccu
no passeio publico urna corea, qoeseco-
nheceu vir fgida Ilouve grande montara
ao animal, que fui por fim COnduildo a casa
do seu dono o Jos Izidoro Guedes : foi um
divertim?nto sem ser esperado. A Imprenta
acaba de publicar um opsculo do neronia-
no em resposta ao do Magessi; intitula-se
Solemnia Yerba. Ven le-se por Iris viutens.
lainliem publleou una orla do lavrado
Tliimiileo de Capenca ao padre Itecreio,
que nos est servindo de recreio. Esta
rusta um viulem.
No dia 14 iiHiifragou na praia de 8. Ruque,
def -tinte de Lagos, o navio trance?. Amavel
Flix, capilflo Ucngeran ; lr*zia viuboea
goardcnle : parlo da carga perdeu-se, a tri-
1 ul a'"i salv.ui-se. Fugio o periquito que
eslava no hotel do llraganca, e perlencia ao
ca pililo Kobens da fragata Arrogante. No dia
6 do quo passou um ataque apopltico ar-
ri'batou desle mundo em Luira o lente
de cacadores 5 los Guilherme Per reir l)u-
rflo: linha 45 annos, e 28 de servico. Iiei-
xou mullir e 6 pequenilos : morreu pobre
ja se sabe.
o dia 10 de dezembro vai sei nicinoravel nos
fastos arreos I o ralio do aereonauta hespa-
nlinl Monlemaior, que lia miiitos metes nos
ii i' ijii'/'i suspenso com o seu lulm, vai lies-
se dia, dit elle, di' Pars a Loudies, nao por mar,
mas pelos ares, que elle ha de governar li sua
voLitade! No dia 21 vinlia una sene do Campo
Grande a destilada, contra as ordena iiumici-
paes, encoiilrou.se com um carro, huuve chu-
que, e una pobre mullier, que licou rutilada
lia pande, pagnn as f.ivas! esla purciio do bel-
lo sexo morreu! obolieiro pelo lili] pelo nao
rugi.
O poeta hespanhol Rivera, um dos redacto-
res da /irru i do Meiodia, saendio-se para Ma-
drid por i .idi v: a Reoisls liona publicado tres
Humeros. Corre boje o b'.ato de que ja nao vai
para Macan o coronel Barrciros, cujas condi-
ces nao forain adunssivciv: o honiciu quera
levar crdito. Dizeiu que fra Horneado o de-
1 utadn Francisco Antonio Curif.ilves Cardoso.
Enlrou o vapor francri Suinl-I'icrre datjoiu-
| tilia para a Martinica : a saude f-lo logo sabir,
]iois IM nuil 11 r.i a bordo o capillo, que se me
au engaito, se cliamava Lu'u Devaiiuk. A mo-
lestia nao rra contagiosa, poicm caldo dr gal-
linha r caulella nunca lueram inaln doente.
U Nuno de S Pamplona, que se aeba servin
do de eicrivao da Kara, cmara, annuneiouem
no ni > da un mii.i Exm., que duianle lodo o mez
seguinte de novembro llavera missa diaria as
novee meia da niaiihiia nos ccmilerios do alto
de San Jo.o e dos l'raieres pelas almas dos seus
habitantes. Conla-se o srguiute quipro qu que
teve lugar lia das em Franca. Um padre ac-
li i v.i de dlzer missa, e no lim. como he de cos-
tuine em Franca, entrou o liumme satunt, po-
riiiem vez de dizer wltum fue rrpulicam, en-
tona Miilrum facrigem'. o Sub-Chantre eslava
no* espatos imaginarios e o cura que o ouvio
ficou sobresaltado, e cantando como eslava dis-
te .Mesli e, ulhe que me comproinelle-
ao que o padre respondeu no seu toiu costu-
mado Desculpc, Sr. cura, que me enganei.
Entao o sacerdote disse te miisattt e
lancou benfaoaus devotos.
Temo-la travada! os liomens o Etlandarle
escreveraiu que o chele do poder he um inan-
dalaiio da naco lato esqucnlou a menina
ra alerces, que se beuzeo com a nio toda, e
mu .ii 11 lu.hIi sabio ra gritando (/turen
tena com o Estandarte que esi choleiico; o
clicfe do poder nao lie mandatario da nacao(
governa pelo direilo divino .'! auno de Ih.m !
Aqu para nos, tanto o Estandarte comua Le i
dai lercti eslo eacmuiln com os Portuguezes!
Cbrgou o Joaquiu Henlo, coiuiraudanle do
piimeiro de cacadores ; vem brijar a mo a
l-.l-Ki i uo dia -'.i. Corre o boato urque o Vei-
goiino da junta do crdito publico fra mimo-
seado com a caria de coiisclho.
Parece que lancaram o fogo caa da cma-
ra de Fernando, a cjual rtico, assim como a
casa das audiencias, amanilla lemosapenul
(una e iirtmediavel lepieseulacao do templo de.
.Saloino no tbeatro normal I o irreincdmvtl tem
l'eito seyamar os nossos ililiuuii, a eppiuiao
n..ii argida he que o irremediavet bciu iradu-
zido quer duer Ha taita de pintos. O co-
( -.1- I CilnH (V aLInlllllll 1 I 1-' i- > (I Q lllll^l
laria \. fez mudar no dia 19 do correte para
u-ii i capella o busto do uossn primciro rci I).
Alfonso Itenriqucs que em 1147 tomou Sauta-
rein aos Momos, e o collocou sobre o tmulo
do til lio com decencia o pobre busto eslava
expnsln ao villipcndlo e no despre/.o '. !!
Acaba de cliegar no Paqurlr do Sul o conde
de Canale, que traz o barrete Cardinalico para
o areebiapo de Praga: hospedou-se em casa d"
.Nuncio : o homem vem milito doente. Diz-se
|uc una das reelamaces inglezas he obre um
accordim do conselbo de estado cui uin nego-
cio de doacao insinuada ou niio insinuada do
defuncto barao de Harcellinhos aumlnglez,
que foi liguraono tempo da junta! Diz-se que
o patriarcha passa a presidencia dos pares, e
vice-presidencia o Silva C'arvalho ; que o rei-
lor da universidade Abreu be creado visconde
de San Martinho ; e que elle, o visconde de
Hnncio e o presidente da relejao desta cidade
si-i.i. creados pares do reino.
Sou em nome da uacao e da rainha scu a-
migo,
Le Cyloyen.
Saude. patacos e fraleruiiado.
Hrat Titani.
Kep.trligo da Policia.
capitilo J. Rejeau, carga vanos gneros ;
a 1,017. Bruguierc.
ll!o Crnnte do Sul 2ldias, patacho nacio-
nal thus di AgostJ, mcslre Antonio Mon-
teiro de Almeida, carga carne; a Rallar
tOlileira. Conduz 4 passageiros brasi-
leiros.
dem pela Bihia 45 .liss e do ultimo por-
to 6, brigue nacional Social, mostr Fran-
cisco Jos e Oliveira ; carga carno scc-
sa ; a Amorim & IrmSos.
Tamaudarc -8 horas, vapor de guerra na-
cional Thetis, commandanteo capilo l-
ente Antonio Francisco Pereira. Con-
duz o segundo batalliSo de artilharia a
1____________________________________
EDITA ES.
PARTE DO DIA 4 DE JANEIRO DE 1851.
Foi honlem preso : ordem do sub-
delegado da freguezia de S. Jos, o prelo
Manuel, escravo do Antonio de Moraes, co-
mo indiciado em chine de. roubo.
O delegado do segundo distrieto deste
termo participou ao chele de polica por of-
licio de hontem, que no dia 29 de dezem-
bro prximo passado no lugar denominado
Venda Grande da freguezia de Muribeca,
fra assassinado Jos Rodrigues, por An
Ionio Evaristo dos Santos, com quem bn-
gra, e a quem lirira gravemente, sendo
que este criminoso ficiva em seguranca
para ser remellido para esta cidade, logo
que o scu estado de saude o permiltisse ;
acciescentando inais que havia mandado
instaurar o processo.e que se procurara cap-
turar um oulro individuo que lambe ai li-
nha concorrido para o inesino crime.
COMMEflCIO.
ALFANDEGA.
Ilendimenlodo da .....3:725,392
Descarregam hoje 7 de Janeiro.
Polaca Lince fiulas.
Rr'igue liobiston bacalbo.
Ilrigue /'. Matltcu* idem.
I'itai'lm -- l-.chan -- I rinlli i- luila cliilllia.
Iliale Anglica gneros do'paiz.
Ilrigue tenida mercadoiias.
CONSULADO GERAI.
Reiidimeoto do dia 4.....1:873,000
Diversas provincias...... 282,690
2:155,690
EXPORTACAO.
Despacha martimos no dia 4
Cear, brigue nacional Fmpreta de 211
toneladas : conduz oseguinte: 2 barricas,
iOaixOes e l embruliio drogas, I barrril
oleo de linhaca, 52 barricas bacalho, 4 bar-
ris manteiga, 1 fardo, 2 caixes e 1 parte
I'/nd is, 1 condeca diversosobjectos, 1 cai-
xa linha de roriz, 25 aurrelas azeilonas,
16 oanaslrsi batatas, 2 ditas aillos, 100 bar-
ricas larinha de liigo e 1 embrulho canella.
Genova, polaca sarda Uathilde, de 185 lo-
neladas : condui o aeguinle: 2,270 saceos
e 9 barrilinlios com Il,39 arrobas e 12 li-
bras de assuc8r, 100 iintias, 2,50 ponas de
boi, 2 meias pipas e2 barris ago'ardenta.
i; ii ; inore, brigue americano Water Wikh
de 187 toneladas : conduz o seguinte: 200
barricas e 2,050 saceos com 11,767 arrobas
e 8 libras de assucar.
Canal, brigue ingles William Carreij, de
416 toneladas : conduz o seguinte : 4,900
saceos com 25,500 arrobas de assucar,
RKCEREDtlRI.V DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Iteiidimento do dia4......291,333
CONSULADO PROVINCIAL.
Rrinillmonlo dndia 4 2:19o,733
PRAg.\ DO RECIFE. 4 DE JANEIRO DE
1851, AS 8 HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios Fizeram-sc transaeces a 3) d.
por 1,000 i-:., e algumas de pe-
queiio valor a 29 3/4 e 29 7/8.
AlgodSo- Entradas pequeas, vendas dr
,4U0 a (i,500 rs. por arroba de
primeira surte; ede&.UUOa ti,0U0
rs. a de segunda.
Assucar-------Km coniequencia dos dias festi-
vos as entradas nao foram gran-
des.
Couros au houveram vend is.
Kacalho O mercado foi suprido com uin
careg.imento de 2,300 barricas
qne se conserva em ser. O de-
posito monta a H,000 barricas ,
tendo-se retalhado a 0,000 rs.
por barrica.
Carnc-sccca Vendeu-se de 2 a 2,500 rs. por
arroba da de llueiios-Ayres,
1,500 a 3 00" a do Rio Grande.
Ficaram em srr 10,01)0 arrobas.
Far. de trigo- Ficaram em ser 15,000 barricas,
inclusive um carregaiiienlo en-
trado uesta -.....un i Retalhou
se de 13 a 17,000 rs. por barrica.
Ficaram no porto 4'J embarcacoes a saber
3 americanas, 21 biasileiras, I bremense, 2
francezas, I bespaiihola, 9 inglezas, 8 portu-
guezns, 3 suecas, e 1 sarda.________
Movimeulo do porto.
amo entrado no dia 4,
Rio de Janeiro -- lidias, barca portugueza
Margarida, capilflo Silveriu Manoel dos
Reis, em lastro.
Navios saludos no mesmo dia.
U..-i .ii -- Brigue americano llenrg Mathtut,
capito I. N. II Trun.ni, carga assucar.
Marseile Barca franceza Htchelicu, capi-
lflo Ral Pierre, carga assucar.
Canal--Rrigus inglcz William Carrey, ca-
pilflo George Tosli, carga assucar.
UalliinoreUrigue americano Wulter Witch,
capilflo Roberl II. Kaucery, carga assucar.
Atavio entrado no dia 5.
New-York--50 das, barca americana, ca-
pilflo II. G, M.ij'ii, carga fazendas e mais
gneros.
Navios sahidos no mesmo dia.
Cear -- Brigue nacional Empresa, capilflo
Guilhermo Pinto da Silva, carga varios
gneros.
Genova Polaca sarda Matilde, capilflo Pe-
dro Nanzano, carga assucar.
Novios entrados no da 6.
As---15 das, polaca nacionul A'. .S. do
Corma, mestre Joaquim Marlius Feneir.i,
carga sai n pallia ; a Francisco Alvus da
Cuntid. Veiorefrescare receberorJeus.
joielLuii da Silva Mal donado d'Kca decavat- Marsoilo 63 dias, brigue francez Pauliat,
O iilni. Sr. inspector da theaouraria da fa
zenda provincial, em euinpriiuento da ordem
do Rxm. Sr. presidente da provincia de 3i de
dezembro prximo passado, mandafazer publi-
co, que nos dias 21, 22 e 23 do corrente ir a
praca, perante o tribunal adinioiatralvo da
un -ni i 111.-11111.111 para ser arrematado
quem por menos fuer a pintura da ponte pen-
sil do Cacbang, avahada em 385,000 rs. e sob
as clausulas especiaes abaixo declaradas.
As prssoas que se propozerem aestaarre-
iii. r.i" iiiiii |i 11 ei.-un na sala das essea do mei-
ino tribunal nos dias cima mencionado, pelo
meio-dia, competentemente habilitadas na for-
ma do artigo 24 do regulamenlo de 7 de maio
do prximo passado auno.
Epara constarte mandou afiliar o presente
c publicar pelo liiario.
Secretaria da thesouraria dafazenda provin-
cial de Pcrnambuco, 3 d Janeiro de 1H5I.
O secretario,
^ntnni'o Ferrtir-i d'Annuneiacdo.
Clausulas especiaes da arrtmalacao:
1.' A pintura da ponte dnCachang ser fei-
ta pela forma sb as condices e do medo in-
dicado no orcamento apresentado a approva-
cao do Kxm. Sr. presidente, pelo preco de ri
385,M)0. _
2." As obras principiaran no praso de Lunas,
e serio concluidas no de 40, ambos principia-
dos contar da entrega do termo da arre-
matacao.
3." O pagamento effectuar-se ha depos de
concluida toda a pintura, e examinada pelo en-
genheiro.
4.a Para ludo o mais que nao est determi-
u'iiln as presentes clausulas seguir-se-ha o
que dispdeo regulamenlo de 7 de maio de 1850.
Recife, 16 de deiembro de 1850.
O engenlieiro chefe da 2." da se.-cao,
Joo Lu\i Vctor l.ieulhiir,
Approvadas pela directora em cnnsellio, do
dia ldc dezembro de i850. O director, os
Mamede Alees Ferreira. //. A. ttilet.l. Luis
lcui ieutluVr.
Approvo. Palacio do governo de Prrnainbu-
co, 31 de dezembro de 1850. Soujo Ramos.
Conforme. O oflicial, Slanoel Jos Martins
Ribriro.
Conforme. O secretarlo, Ionio Ferreira
d'Annunc'iaco.
O li i ni. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda provincial, em cumprimento da
ordem do Kxm. Sr. presidente da provincia
de 12 do corrente, manda fazer publico
que nos dias 21, 22 e 23 da Janeiro prximo
vindouro ir a prsc,a perante o tribunal ad-
ministractivo da mesma thesonraria, para
s*r arremata a quem por menos fizer a obra
do segundo lanco da estrada do norte, ava-
hada em 8:633,966 ris, esdb as clausulas
especiaes abaixo declaradas.
As prssoas que se propozerem a esta ar-
re'nataQflo comparecen na sala das sessoes
do mesmo tribunal nos dias cima mencio-
nados pelo meio competentemente habili-
tados na forma do art. 24 do regulamenlo
de 7 de maio do corrente anno. E para
constar se mandou alixar o presente e pu-
blicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 16 de dezembro de
1850. O secretaiio, Antonio Ferreira da
AnnuncneUo.
Ctausulaes especiaes da arremalaco.
a 1.Os trahalhos e obras deste latiQO de
estrada serflo feitos pela forma, sob as con-
licOes, e do modo indicado no orcamento,
planta o perfz, apresentados nesla dala a
approvacflo do Exm. presidente pelo prego
de oito conlos seiscenlos e trinla e tres mil
nove ceios e sessenta e seis mil ris (ris
8:633,966. )
2."- Em todos os pontos onde a estrada
nova eoincide,nu encontrr-se com o velho
Caminti actual, dever ser dirigido o ser-
vico de mo lo tal quo haja sempre um tran-
zito fcil.
3.uAs obras principiarflo no praso de
um mez, e liudarflo no de oito mezes, am-
boscontado! de conforroidade como art.
30 do regulamento de 7 de maio de 1850
4.Para ludo mais que tifio est deter-
minado pela presente clausula, seguir-se-
ha inteirainenle o que dispfle o rogulamen-
to das arrematado/s de 7 de maio.
Recife. 25 de novembro do 1850.O en-
ginheiro chefe da segunda seceflo, Jodo Luiz
Vctor Lieuthier. Appruvadu pela directo-
ra do conselno no dia 3 de dezembro de
1850.O director, Jone Mamede Alves fer-
reira. l-'lorianno fsirc 'ortier.Approvo.
Palacio do governo de Pernambuco, 11 de
dezembro de 1850.Sonsa Hamos Confor-
me.No impedimento do oDicial maior, o
ollicial Domingos los Soares.
Conforme.-O secretario, Antonio Ferrei-
ra d'AnntincacSo.
OSr. inspector interino desta pagado-
tia militar de ordem do Exm Sr. presidente
do 23 do dezembro proximmo passado au-
nuncia que tem de comprar pwa ser re-
iii ilnli paia a ilha de Fernando os gneros
constantes da i lacflo seguinte: as pessoas
que laes objetos quizerem ven ler compare-
Qam cum assuas pro^oslas em caita fecha-
di nos dias 7,8 c 9 do correle tiesta pagado-
ra para ser preferido a quem p ir menos
dr.
Pagadura militar de Pernambuco, 4 de
Janeiro de 1851.No impedimento do escri-
vflo.-- O olfichil, Francisco l'eriira Bastos.
i i "i ie.ni dos objectos precisos para forueci-
manto do arinazem do almoxai il'ido il i
Ita de Fernanda.
Limas chitas de desbastar, 4dusias.
Ditas, ditas do 10 pollegudas, 4 ditas.
Ditas, triangular suriidas, 4 ditas.
Fenu da Sueci barra estreita, 4arrobas.
Ser oles grandes, 6,
Madeira de sicupira para 2 carros.
fijlos do a venina grossa, 8 mil.
Paos de jangada para a ba|c,i do servico do
porto, 12.
Cabo de cairo do 5 pollegadas de grossura
para o servico di mesma balc, 2 pecas.
lHiIntus para o anno do 1851, duas.
I'.i^ado'ia militar da Pernambuco, 4 de
ianeiro, de I8j|. No impedimento do escri-
vflo. OoOicial, Joaquim Pereira Pastos,
0
i
i
O Sr. inspector inloiuo desta pagado-
ra militar de ordem do Etm. Sr. presiden-
te de 30 do dezembro prximo passado a-
nuncia quo tem desorom ven Jilos en has-
ta publica perante esta pagadoria os objec-
tos constantes da relafjlo seguinle : viudos
da liba de Fernn lo pertencentes fazenda
nacional, por sor pro lucio da mesma ilha:
quem nos mosmos quizor lanzar comparece
nos das 7. 8 e9 do correte mez tiesta pa-
gadoria cojos gneros >e acham recolhidos
na ra da Praia armazem do Sr. Cardial on-
de poderflo servislos pelos interessados.
Pagadoria milit*r de Pornambuc, 4 de
Janeiro de 1851. No impelimento do escri
vflo. O ollicial, Joaquim Pereira Bastos.
Relacflo dos objectos viudos da liba da Fer-
nando, abaixo declarados que tem Jese-
rem arrematados; a sabor:
32 saceos com 67 arrobas de algodo do
caroco i
60 sacros com 60 alq. de milho
31 couros de boi.
150 pellos decarneiro
47 ditas de cabras.
Pagadoria militar de Pernambuco, 4 de
Janeiro de 1851. No impedimento do escri-
vflo. -- O oflicial, loaquim Pereira Bastos.
O Dr. Francisco de Assis Oliveira Maciel,
primeiro supplenle do juizo municipal da
primeira vara em exercicio, e delegado
de policia do termo da cidade do Recife
de Pernambuco, por S. M. I. e C. que
Dos guarde, etc.
Fuco saber aos habitantes do primeiro
distrieto deste termo, que por circular bai-
xada da presidencia em data de 21 de de-
zembro do anno prximo passado, se acha
esta delegacia autorisada a engajar volun-
tarios para o exercito brasileiro, premiando
aquelles que se engajarem por oito annos,
com a quautia de duzentos mil ris, e por
qualro annos com a de cem mil ris, esti-
pulndole alm dissoa concessflo de cento
ecincoenta a dnzentas braras de trra;
aquellas pessoas pois que se quizerem alis-
tar como voluntarios sob as condicOes ci-
ma indicadas, compareci em casa de mi-
cha residencia ; e para constar mandei la-
vrar o presente, que ser publicado pela
imprensa, e afixado nos lugares mais p-
blicos desta cidade.
Dado o passado nesla delegada, aos 4
do mez de Janeiro de 1851.
Eu, Juo Sara i va de Araujo GalvSo, escr-
vflo o escrevi.
' Francisco de Assis Oliveira Maciel.
0 dezembargador honorario Jeronymo Mar-
tinano Figueira de Mello, odlcial da or-
dem da Roza, commendador da de Chris-
to, deputado a assembla geral legislati-
va, e chefe de policia desta provincia por
S. M. o Imperador que Daos guarde, etc.
Fago saber, que tem-se de arrematar o
fornecimento diario dos presos pobres de
justica da cadeia desta cidade dorante o au-
no prximo vindouro; e portento as pes-
soas quo estivcrem as circumstancias de
fazer o dito fornecimento, poderflo compa-
recer nesta secretaria com as suas propos-
tas at o meiado de Janeiro prximo, cerlos
de que estas t^rflo por base as condices
que foram contratadas com o ultimo arre-
matante, e quo silo as seguinles : 1 *, que
ser dado a cada preso poralmoco uaia ti-
gella de caf e um pflo de vintem ; 2.*, que
para o jantar, que sera a uma4iora da tarde,
m dar nos domingos, segundas e quintas
feiras urna libra de carne fresca, caldo, e um
dcimo de familia, as tercas oquarlas fei-
ras, meia libra de carne seca com feijSo em
propor{flo, e o mesmo dcimo de farinha,
as sextas e sabhados, meia libra do baca-
lbo, e o mesmo dcimo de farinha, acres-
sentando nos dias de carne dez ris de lou-
cinho, e qualro ris de couve por cada pre-
so!; 3.a, que a comida ser dada pelo forne
ceior prompta, e com a necessacia limpeza
na cozinha da cadeia, o destribuida em ban-
dejas de madeira ou de estanto, a cada pre-
so, ou por turmas de dous al cinco, con-
forme isso parecer mais conveniente a re-
quosieflo dos presos ; 4 ', que se dar ao
arrematante pelo fornecimento de cada pre-
so a quautia de 160 ris diarios, que esse pa-
gamento ser mensalmente feito preceden-
do altestado do chefe de polica, em que se
declarar que cumprira as suas obriga-
(,0es, e que para obte-lo se compromettia a
cumprir igualmente a portara de 31 de ja-
ueiro dirigida ao fornecedor Jos da Costa
Albuquerque; 5.', quo elle" fornecedor se
sujeilar mus a ser despedido todas as ve-
zes que o chefe de policia conhecesse nflo
ter elle rumprido as condic.6es a que se
obrigara ; 6 ', que Ihe ser dada por esta re-
partirlo a lista dos presos pobres existentes
na cadeia a quem se ouvesse concedido ra-
c/ies diarias, a lim de por ella regularisar-sc
no cumprimento dos seos deveres, licaodo
por entendido que no fornecimento dos pre-
sos pobres nflo seriflo contemplados Os es-
cravos em rasflo de correr elle por conta do
carcereiro coaio he de le e eslyllo.
Secretara da policia de Pernambuco, 30
de dezembro de 1850.Eu Antouio Jos do
Freilas, primeiro amanuense, o subscrevi.--
O chefi) de polica, leronymo darliniano Fi-
gueira de Mello. .
m
Oeclarnyos.
Pela segunda seccSo da mesa da con-
sulado provincial se faz publico que os 30
dias uteis para a robranca, a bocea do co-
fre, da dcima dos predios urbanos desta
cidade se (indam no dia 11 do corrente mez,
e todos os que deixarem de pagar at esse
dia o primeiro semestre do corrente anno
finaneciro de 1850 a 1851, incorrem na mul-
ta de 3 por cento sobro o valor de seus d-
bitos.
-Francisco Jos Silveira acha-se em exer-
cicio do |l|is de paz do primeiro distrieto da
freguezia deS. Fr. Pedro Gonc.alves ; d au-
diencia as ti-rcas e sextis feiras de cada
semana pelas 4 horas da tarde, no primeiro
andar do sobrado n 50, silo na ra da Cruz,
e despacha nos dias competeutes, das oito
horas da manhfla s qualro da larde.
Joflo Francisco Teixera acha-se em
exercicio dejoiz de paz do segundo distrie-
to da treguezia de S. Fr. Pedro Concalves ;
d audiencia as quarta-feiras e sabbados,
as qualro lloras da tardo, na casa de sua
residencia, na ra dos Cuararapos, o despa-
cha nos das competentes.
Avisos tnarilimos.
Para o Aracaty sahe aleo dia 20 do
corrente o hiato Anglica por ter j parte
da carga prompia : quem quizer caregar.
.
ou ir de passagem drja-se a ra da Cadeia
do Recife n. 49, a tratar com Antonio Joa-
quim Seve.
Para o Rio de Janeiro
segu viagem coin muita brevida-
rte o brigue nacional D. Affonso,
novo, forrado e pregado de cobre,
le primeira murcbi : quem no
mesmo quizer carregar ou ir de
passagem, para o que offerece ex-
celientes commodos, lrata-9e na
ra do Vigario n. 19, segundo an-
dar, com Machado & Pinbeiro, ou
comocapiSo Antonio Jos Perei-
ra Parobe, na praca do Gom-
mercio.
~ Para Lisboa sahe com a maor brevi-
dade possivel o brigue portuguez JVopo
Venador, por ter o seu cirregamento qua-
si completo : para o restante e passageiros,
para o que offerece bona commodos, trata-
se com os consignatarios T. de Aquino Fon-
seca & Fllho, na ra do Vigario n 19, pri-
meiro andar, ou com o captflo na praca.
___ Para o Rio de Janeiro sahe
com a maior brevidade possivei o
patacho nacional Valenle : para o
resto da carga e pissageiros, tra-
ta-se com o capitao a bordo, u
com Novaes & Companhia, na rui
do Trapiche n. 34-
Para o Porto sahe, at 19 do corrente,
a veleira e bem conhecida barca Santa Cruz:
quem na mesma quizer carregar, ou ir de
passagem, dirija-se ao sea consignatario,
Francisco Alves da Caoba, na ra do Viga-
rio n. 11, primeiro andar.
Para o Rio de Janeiro sabe, ato o da 12
do corrente, a veleira galeota Santissima
Trindade, por ter a maior parte da carga
prompta : quem na mesma quizer carregar
ou ir de passagem, dirija-ee ao seu consig-
natario, Francisco Alves da Cunta, ra do
Vigario n. 11. t _
___ Para o Rio de Janeiro sa-
he em poucos dias, por ter a maior
parle do seu carregamento promp-
ta, o brigue nacional Ledo : quem
no mestr.o quizer carregar ou ir
de passagem, dirija-se a Joaquim
li ilcito Pontea, na ra da Cadeia,
ou a Novaes rk Companhia, na ra
do Trapiche n. 34-
Para Lisboa sahe, at 19 do corrente, a r
barca portugueza Margarida, capilflo Silve-
rio Manoel dos Res : quem na mesma qui-
zer carregar ou ir de passagem, para o que
offereceexcelleotes commodos,dinja-se aos
consignatarios Oliveira Irmos & Compa-
nhia, na ra da Cruz n.9, ou ao referido
capilflo na praca do Commercio.
Abarca portugueza Carlota & Amelia,
la qual he capilflo Caetano Gaspar Pestaa,
sahir para Lisboa no dia 19 do corrente
mez : para o restante da carga o passagei-
ros, para o que tem bons commodos, tra-
ta-se com os seus consignatarios P. S. Ita-
bello& Filho, ou ao mesmo capilflo a bor-
do, ou na pra^a do Commercio.
Leiles.
Defendini Borllo far leililo por inler-
veneflo do corretor Miguel Carneiro,dos ma-
is variados ricose modernos gostos em obras
de alabastro marmore, pedra agalha ; bem
como um sortimento de outras variadas e
elegantes obras em barro cozido e enverni-
sado representando estatuas, lerjes, glob.os, .
vasos, e oulros muilos objectos para ador-
nos de jardins, salas e palacios, tudo do
mais apurado gosto, e vindos ltimamente
da Italia, quinta feira 9 do corrente as 10
luirs da manhfla, no seu deposito no Atier-
ro da Roa Vista n. 53.
Luiz Bruguiere far* leilSo, porinter-
veneflo do corretor Oliveira, de mu boas fa- '
zendas, lo las proprias do mercado, para fe-
char coutas, no dia 10 do corrente mez, ce-
rno sejam : cortes de vestidos de seda, len-
cos de dila, setim de todas as qualidades,
panno fino, damasco, fitas de seda, luvas de
dila, meias de Ifla, chapeos de sol de seda
para homem, pellucias de diversas quali- '.
dades, as melhores que ha no mercado, a
outras inultas fazendas.
1 .- ,. '
Avisos diversos.
Jos Soares de Azevedo, professor de
ingoa franceza no lyceu, tem aborto em
sua casa, ra das Triucheiras o. 19, um
curso de GEOGRAPIIIA e HISTORIA e outro
e BIIETORICA e POTICA. As pessoas que
desejarem estudar urna ou outra destas dis-
ciplinas, podem dirigir-se i indicada resi-
dencia a qualquer hora.
Pede-se ao Sr. inspector da thesourarii
de fazeoda provincial disconle, pelo menos,
metade do valor da illuminacBo da cidade
de Olinda no mez de dezembro, porque em
lodo esse mez o arromatante nflo acendeu
as noites de escuro mais do que quatroa
seis horas os lampeOes, e as outras de duas
a tres: o furto do azeite, e deieixo da illu-
minaeflo nflo pode ser mais escandaloso ;
o nflo ha urna pessoa naquella ci ia le que
nflo sai lia delle, e ae o arrematante aprsen-
la altestados, nflo sflo ellos de autoridades
de Oliuda, ou se o he, sflo cegas.
tigia dos amptoes.
O Jan Bixente.
Sahiram os ns, 4 e 5 deste pe-
ridico, e deslribuem -se gratis nos
lugares j designados dos tres
bairros.
Quem precisar de urna ama para pe-
quena familia, a qual obriga-se a engoz-
nar, coziohar e coser, dinja-se a ra das
i arangeiras, loja n. 14.
Aluga-seurna pela ou um molequepa-
ra o servio moderado de orna casa de pou-
ca familia : na Ponte Velha n. 14.
OtTerece-se urna mullier para ama de
casadepouca familia; na ra da Cruzo.
53, leuda d barbeiro.
lessn
^i



i
!
!

i
AtlencSo.
David Alves Moto Taque avisa aos fu-
manes de bom posto, que abri uro depo-
sito de charutos da Ierra o da Babia,e de to-
das as qualidades que so procurar, como se-
ja : senadores, regala, melindre de yaya
do vintem e trps por dous e de S. Folix, etc.
Na cidade da Victoria, esquina do becco do
Capim, no correr da botica.
-No da 2 do corrente furtaram do se-
gundo andar da casa n. 3. no Aterro da Boa
Visl, quatro garios o qjatro colheres de
prnta, o um lenco de seda encarnada; os
garfos silo de molde e marca portugueza e
s colheres de moldo e marca franceza:pede-
gnaquem forofferecido de apprehender o
participar na loja franceza n. I, no Aterro
da Boa vista.
Lava-seeengomma-se com prompti-
dSoe asseio, e por prego muito commodo,
tamhem ensinam-se escravas a engommar :
as pessoas que pretendorem, podem diri-
girle a Fora de Portas, ra do Pilar m.S4.
Precisa-se de cluas pessoas
que entendam de fazer tamancos :
na praca da Boa Vista, na primei-
ra loja de sapatoe, junto a venda
da esquina que vira para atrs da
matriz.
O abaixo assignado declara ao respaila-
Te! publico, que o brinco de brilhantes, per-
dido na Capunga, eannunciado no Diario
de 4 do corrente mez eanno de 1851, foi
entregue a pessoa de confianca do seu le-
gitimo dono, inlependente da gratilicagao
prometlida de 50,000 rs.
Diogo Iota /ifelGuimariici
f ?ffffftVf tVfffffaWff f
9 Homoeopathia. <~
j Gosset Bimont, professor de lio- .*
aj maeopathia pela escola homoeopa- ^
ja> linca do Rio da Janeiro, de volta de -a
? sua viagem i Franca, onde praticou f. com os primeiros botnooopatlias da- jg
* quede paiz, principalmente no con- {;
j. sultorio do instituto homceopathico ^
g. de Pars, poder Jaer procurado a <]
. qualquer hora, em sua casa, Aterro ,
f). da Boa Vista n. 26, segundo andar. 2
j^. Os pobres receberflo consultas e ^
> remedios gratii. <-:
AwAitAflisiiiaiflsiiiiA Ails
Precisa-se de um feilor para um sitio :
no pateo do Collegio, cosa do Livro Axul.
O abaixo assignado, tendo
de retirar-se p^ra a Europa, pelo
presente convida a todos os seus
Oledores de vir ou mandaren) pa-
gar suas contas at o fim do cor-
rente mez. Scasso.
Aluga-se ama canda que carrega mil
tijollos : quem a pretender, ilirija-.se a ra
de San-Francisco, osa apalagada.
-Precisa-se Je um creado nacional ou
estrangeiro, que seja de bons costumes e
d fiadora sua conducta, para servir urna
casa de pouca familia. Dirigir-se a ra das
Trinchoiras, sobrado n. 19.
--Precisa-se alugar um moleque ou ne-
gro feito, que seja diligente e sem vicios,
para oservico de urna casa de pouca fami-
lia : paga-se bem. Dirigir-se ra das Trin-
cheiras, sobrado n. 19.
Agencia de passaportes e ttulos
de residencia.
O abaixo assignado mudou a sua resi-
dencia da rua do llangel para a de Santa
Rila, sobrado de um andar n. 14, e nella
continua com agencia de passaportes, para
dentro e fora do imperio, e titulo de resi-
dencia, tudo com presteza e commodo preco.
Claudino do Reg lima.
I
;l

O retratista adaguerreotypo, ji
tendo de retirar-se com brevidade
desta provincia, offerece-se para du-
rante o pouco tempo que tem de re- &
residir nesta cidade, ir tirar retratos iS
pelas casas das familias que os ore m
tenderen), tanto na cidade como em 9
B qualquer sitio; as pessoas que pre- B
m tendenderein dirijam-se a rua da Ca-
| deia do S. Antonio n. 26, segundo 39)
andar. :j -
i i
-- Jos Joaquim da Silva, subdito brasi-
leiro, retira-se para a Europa.
Todos os ere lores da lirma de Poncia-
no& Salgado, queiram, no prazo de oilo
dias, apresentar suas contas legalisadas pa-
ra seren immediatametite pagas, no mes-
mo estabeleciment, na rua do Rozario es-
treila n. 13. Recifo, 3 de Janeiro de 1831.
Iia-se pilo de vendagem a prelas, res-
pondendo seus seuhores : na rua do Roza-,
rioestrita n. 13.
Cao se 450,000 rs. a premio com hypo-
theca em urna casa nesta cidade : quem
pretender, annuncie.
Dp-se 500,000 rs. a premio com hy-
potheca em urna casa nesta cidade ; quem
pretender, annuncie.
V Vf W ?Vf V f f ***' f f f
j*- Consultorio lo Instituto lio- 4
* uiceopnthico do lirasll. *
W Gratuito para os pobres.
?T fu do Aterro da Boa Vista n. 47. *;
^. Fundado pelo cirurgifio Joao Vi- 2
ja> cento alartins, primeiro secretario i
& perpetuo do instituto homoeopathi- .r-
co du Brasil, em 18 de dezembro de *i
& 1850, dirigido pelo cirurgiSo Fran- <
Wjnttn Jos Rodrigues. *B
, a> Este consultorio est aborto todos *''.
$. os dias uteis das 9 horas da manbSa \
;_> at so meio-dia, nelle os pobres re- <;;
*> ceberflo consultas n remedios de m
5* graga osquonSo poderem compa- 41
* recer por causa de suas molestias se- *
? rSu visitados em saus domicilios a "*j
5j toda e qualquer hora dodia, part- Jj
10, cipando no consultorio, ou na casa 2
^ amarella, defronteda matriz, tercoi- < J
ga> ro andar, na mesma rua. 4a
AAAAA4^A4^.AA*AM4i*aU
Pede-seaquem souber o favor de de-
clarar por esta folha, em que lugar he a
residencia do Sr. Joaquim de Figueiredo
Lima, ou quem seja nesta ciJade seu pro-
curador, para se ti atar de um negocio que
diz respeito ao Sr. I,una.
Sorvetes.
De boje em diante haveri sorvete em
Olinda, narua da Riquinha, no bilhu-, das
6 horas da tarde em diante.
Roga-se ao Sr. alferes Jorge Rodrigues
Sidreira queira ter a bonJado do pagar os
30,000 rs. que pedio emprostapo, na rua da
(Jadeia de Santo Antonio.
:10,00o rs. de alvicaras
a quem achou um brinco de brilbantcs,
que se porde.u na estrada nova da Capunga,
junto ao rio : a pessoa que o achou e qui-
zor restitui-lo, dirija-se ao sitio do l)r. Ja-
cobina, ou rua Nova, loja do Amaral, q'ie
se Ihe icar agradecido.
Aluga-se pelo tempo da festa ou an
nuilmentea casa de dous andares, defron-
te de S. SebastiSo em Uliuda, cun cumaio-
dos para grande familia : a tratar na mes-
ma casa, ou na rua da Cadeia do Recife, lo-
ja n. 50.
~ Na rua de Hortas, n 54, casa terrea na
esquina do becco que volta para rua de
S -Thereza, engomma^se toda a qualidade
de roupa, por prego commodo.
Casa de comniissSo de escravos.
Recebem-se escravos de ambos os sexos
para se venderem de commisso, tanto pa-
ra dentro como para fra da provincia, com
a maior presteza possivel, por isso que se
offerece muita seguranza aos mesmos, tan-
to na fuga como na boa venda : a vista do
escravo se far o ajuste : na rua das Laran-
geiras n. 14, segn lo andar.
O lincharel Antonio de Vascoocellos Me-
nezesde Drumond, advogado da relac.iIo e
mais auditorios desta cidade, reside na rua
do lluspicio n. 9.
-- Precisa-se de um forneiro e um amas-
sador : na palera nova do Maoguinho, (ao
virar para Baixa-Verde.
--As tres horas da tarde do dia 30 do
prximo passado fugio da casa do deposita-
rio, Francisco los Arantes, o cabra don-
me Pedro, perteocente ao Sr. Dr. Pedro Be-
zerra Pereira de Araujo BeltrSo, com os se-
guintessignaes: cabellos caixiados, braco
esquerdo alejado, cicalrizes na pa e no
brafo esquerdo, e outra no estomago de
urna facada ; quando falla Unge ser gago,
muito prozista e cantador ; levou carniza
de riscado azul e raiga de algod3o transado
listrado americano : roga-se a policia e aos
capitSes de carppo se o virem de o pegar e
levar na malla da Torre, sitio do LeSo, ou
no Recife, na rua da Cadeia de Santo Anto-
nio, armaZeni de tijollos.
-- O Sr. M F. 1). lenha a hondede de
mandar pagar a quantia de 11,600 rs. pro-
veniente de calcado que deve ha dous an-
uos, na loja que S. S. n3o ignora: isto se
Ihe pede, am do evilar o troco a moda
que diz tem para pagar.
Sorvetcs bem feitos.
O proprietario da confeitoria cearense da
rua estreita do Rozario n. 43, faz scienle ao
respeitavel publico amante do que he bom,
que do dia 6 de Janeiro, das 6 horas da lar-
de '9m diante, haver na confeitoria sorve
tes, bem feitos e com asseio, a -.< o ris o
calix.
Precisa-se de urna ama para uozinhare
comprar : na rua da Conceicao da Roa Vis-
ta n. 11.
Alfonso Jos de Oliveira, professor ju-
bilado de geograpbia e historia do lyceu
desta cidade, eusina primeiras lettras e
grammatica latina : as pessoas que de seu
prestimo se quizerem utilisar, podem pro-
cura-lo na rua Untla, seguirlo andar do so-
brado n. 36. Aos seus alumnos avisa que
no dia 7 principia a leccionar.
''aillo GalgnOUX* (leutista *
fian ce 7.. offerece en presti- 9
un..... publico para tollosos -*
a ini-teri-s ^ pmlc -s-r procurado a (pial- $
ipier hora em sua cava, na
vV rila lillRa lo Kii/.aiio. n. 36, #,
tk seguiulo andar.
sSo feitos pela ultima mola ; soln adamas-
cada com ricas franjas do relmz Na mesma
casase acha igual sortimcnto de sedas e
panninho imitando sodas, para cobrir ar-
maeflej servidas : todas esUs fazondas ven-
dem-so em pon;3o e a retalln : tambem se
concerta qualquer chapeo de sol, tanto de
hasteasde ferro como do baleia, assim como
umbelas de igrejas: tudo por prego com-
modo. Na mesma casa ha chapeos do sol,
do marca maior, do panno e de seda, pro-
prios para fritoresdo engenho, por seren
dos mais fortes que se pdem fabricar.
: A preta Joaquina, de 20 a 25 annos %
$ $ do Dr. Cosme do Si Pereira, desap- .r$
> pareceu no dia 15 do corrente do d
j Monteiro, onde eslava lavando roupa, ^
>' e da qual levou parte : roga-se as au- *
a>. toridades policiaes, ou a outras *
a quaesquer pessoas, que se a encon- )
f- trarem, a niandem levar na rua da <}
V Cruz do ReciTe n. 53, ou na Passa- *
> gem, em casa da viuva.Bnto, que )
y mora defronte da Capunga, onde se *
y pagar qualquer despeza que por ^
} ventura se tentia feito. .^
BMMS##:f-## #
~ Precisa-se de urna ama de leite a fal-
lar na rua larga do Rozario n. 35, loja de
miudezas.
Serventes.
Na fiindic.nl) ingleza da rua do Brum ns.
6, 8 e 10,precisa-se de malhadores de ferrei-
ro, assim como de serventes para o servico
da mesma fabrica.
Aluga-se na rua da Unio um sobrado
com excellentes commodos e vista para a
barra : a fallar com Manuel Alves Cnnrra
Jnior, ou com o bacharel ClirislovSo Xa-
vier Lopes.
Precisa-so de una mulher que esteja
acostumada a andar rom nogocio do fazen-
das, assim como- de urna preta moga para
rarregaro taboleiro las mesmas : adverte-
se que as pessoas cima referidas devem dar
liaora as suas conductas: a tratar na rua lo
Trapiche Novo, armazem n. 41.
Aluga-se urna sala para homem soltei-
ro, na rua do Livramento, n. 1, primeiro
andar : nesta typographis, se dir quem
aluga.
Aluga-se o segundo andar do sobrado
da rua llireita n. 20, com commodo para
grande familia : narua lumia n. 93, pri-
meiro andar.
9OQQi&GSG>>Oi&a>5>
O Consultorio lioinceopatliico, O
gir-se rua da Cruz do Recife n.
q, primeiro andar, a negocio de
eu interesse.
-- Alngn-se o segundo andar do sobrado
la roa do Itangnl defronto da botica : a fal-
lar na rua do Cabug loja de Joaquim Jos
da Costa Fajo/es..
Roga-se ao Sr. que depositando certas
chaves no bairro do Recifo, leve a hondade
de se namorar de um chale deselim preto,
bordado com franji da mesma cor; qneo
baja do restituir quanto anles, e para tifio
passar pelo desgosto de ver sou nome por
extengo nesta folha, pode fazer a restilui-
gSo com todo o segredo na casa donde por
engao tirou o isto no praso de 2i horas.
Perdeu-se, no dia 3 do correntr-, urna
oneta de ourn : quem a adiar a poder en-
tregar no pateo de S. Pedro, casa do cirur-
giSo Leal, que recompensar generosa-
mente.
Dr. J. S. Santos Jnior, S?
> medico homoeopa (.lia mora q
5* na rua Nova.n. 58, primei- O
6}
-Precisa-se alugar um preto, que seja
bom cozinheiro, pura urna casa de pouca
familia. Dirigir-so a rua das Trincheiras,
sobrado n. 19.
--Precisa-sealugar urna ama para casa
de homem solteiro, que tenha todas as ha-
bilidades necessarias, bem como cozinhar,
engommar, coser, fazer doces, quo seja
capaz de tomar a seu cuidado conta da ca-
sa, pois na mesma existem escravos para o
srrvigo, prefere-se branca e do idade, pois
que a vista de sua conducta e trabalno so
far o ajuste que merecer : a tratar narua
da Cadeia do Recite n. 56.
Precisa-se de 1:500,000 rs. com hypo-
thca pelo prazo de 6 mezes : no armazem
de laboado, defronlo de San Francisco, s.
dir.
fl(;*>)ftijP:**l*a>:##>^^#^.-B
fr Consultase remedios de graga aos 9
# pobies, todos os dias, desde as 8 ho- ?
t> ras da manba al I da tarde, no con- 4
* sultorio homceopathico do facultati- >
f| vo J. B. Casanova, rua das Cruzos %
a> numero 28. P
|^*#iaj>:aj6iP#:*|>**(Bi:## Eu abaixo assignado declaro, que en-
tre os bilbetKS que me vieram do Rio de Ja-
neiro da 13.' lotera a beneficio da cidade
8 ro andar. ^ jl(0int,r0yi escon, omeio bilhetenume-
l>?>000OOtSOOOOOO>0!^ ro5656. nnqual entrei de socidade como
--Os abaixo assignados julgam nada de- Sr. Jos Manoel dos Santos Villaca, que
3
9
>
O
9
rua do Collegio, n. 25, O
Do Dr. P. de A. ImIio IUoscoso. 0
O Dr. Moscoso di consultas lodosos Q
dia Osdoentes pobres silo tratados "
de graga.' So sero visitados em suas '"''
casBS aquelles que Dfio poderem vir O
ao consultorio, ou que suas moles- O
lias nflo possam dispensar a presen- O
ga do medico. 0
Offerece-se para caixeiro de quul'iuer
estabelecimento, a exeepgo de veiidn, una
pessoa com babihtagoes, dando liador sua
conducta : quem pretender, dirija-se a rua
Nova n. 60, primeiro andar.
- Engomma-se e lava-se toda a qualida-
de de loupa com tu io asseio e muita prontp-
lidflo, por prego mais commodo do queem
nutra qualquer parle : na rua de Agoas-Ver-
des, n.26.
tu* =3V
Precisa-se de um pequeo para caixei-
ro de venda, de 10 a 1-2 annos, que tenha
alguma pratica do mesmo negocio, sendo
pieferido de fra da cidade, e que d liador
i sua conduela : na rua de llorlas n. 52.
Precisa-se de urna ama de leite forra
ou captiva : na rua larga do Rozario n. 46,
primeiro andar.
--Precisa-se fallar aosSrs. Jos Joaquim
da Silva Araujo Jnior e Joaquim Rodrigues
deAlmeila.ou a quem suas vezes lizer ;
por Isso queiram anounciar suas moradas,
ou mandarem paiticiparna rua da AlfanJe-
ga \ el lia n. 5, escriptorio.
--Aluga-se um armazem grande com em-
barque porta, na rua do Amor i m n. 5, e
pura ir v-lo, a fallar na rua da Cadeia, na
loja de Joo Jos de Carvalho Moraes, onde
se acham as chaves.
Antonio Francisco Corris Cirdoso re-
tira-se para fra da provincia, e pele a
qualquer pessoa que se julgar sua credora,
de a,resentar sua conta no prazo de 8 dias
dadatadeste. Recife, 2 de Janeiro de 1851.
Aula particular.
Umbelina Wanderley Peixoto, faz sciente
ao respeitavel publico que as ferias de sua
aula, na rua da Cadeia de Santo-Antonio no
segundo andar do sobrado da esquina do
Ouvidor n. 14, se acabam no dia 13 do cor-
rente mez, e que continua a receberalum-
nas externas, pensionistas e meia pensio-
nistas, e a ensinar com zelo a ler, escrever,
contar, grammatica portugueza, cozer,
bordar e marcar de todas as qualidades, a
fazer labirinloe lengo de retroz. A annun-
cianle contratou com os insignes artistas o
Sr. JoSo Rodrigues para ensinar a danga, e
Sr. Amaro Francisco Barboza a msica
vocal e piano; compromette-so tamben" a
fornecer aquellas de suas alumnas que se
quizerem applicarao fracez, desenlio ea
geograpbia, meslre com as babilitagrs
precisas. A annunciante o anno pretrito
leve o rignsijo de suas alumnas apiesenta-
rem um adianlameiito satisfatorio como
pdem al i e.-tar os Srs pais das mesmas-
Na fabrica de charutos da rua do Ran-
gel n. 23, precisa-se de ofllciaes de charu-
leirosque sejam peritos.
Piecisa-se de nina mulher paraoser-
vigo interno e externo de urna casa de pou-
ca familia, uflo lendo por costume embria-
garse : paga-se beui : na rua do Cano n. 36.
Chapeos de sol. ^aj*.
Rua doPasseio, n 5. "><
Nest'fabrica ha presentemente um rico
sortimento destes objectos de todas as co-
res e qualidades, lauto de seda como de
panninho, por pregos commodos ; ditos pa-
ra senhora, de bom gosto: estes chapeos
BOW.MAM & HC. CAI.I.UM, ongenbei-
ros machinislas e fundidores de ferro mui
respeitosamente annunciain aos Seuhores
proprietanos doengenhos, fazendeiros, m-
neiros, negociantes, fabricantes e ao res-
peitavel publico, quo o seu estabelecimento
de.ferro movido por machina de vapor con-
tina em effectivo exercicio, e se acha com-
pletamente montado com apparelhos da pri-
meira qualidade para a perfeita confocgSo
das maiores pegas de machinismo.
Habilitados para emprebender quaesquer
obras da sua arlo, Rowman & Me. Callum
desejam mais particularmente chamar a
atteng.lo publica para a sseguintes, por
terem deltas grande sortimento j prompta,
as quaes construidas na sua fabrica pdem
competir rom as fabricadas em paiz es-
trangeiro, tanto em prego como em qua-
lidade da materias primas e mo d'obra,
a saber:
Machinas de vapor da melhorconstrucgSo.
Moendas de canna para engenhos de lo-
dos os lama oh ns, movidas a vapor por agoa
ou animaes.
Rodas d'agoa, moinhos de vento eserra-
as.
Manejos independentes para cavados.
Rodas dentadas.
Aguilhes, bronzes e chumaceiras.
Cavilhes e parafusos de todos os tama-
itos.
Taixas, pares, crivos e boceas de forna-
lha.
Moinhos de mandioca, movidos a m9o ou
por animaes, e prensas para a dita.
Chapas de fogSo e frnos de farinha.
Canos de ferro, torneiras de ferro e de
bronze.
Bombas para cacimba e de repucho, mo-
vidas a man, por animaes ou vento.
Guindastes, guinchos o macacos.
Prensas bydrauhras e de parafso.
Ferragens para navios, earros e obras pu-
blicas.
Columnas, varandas, gradea e portes.
Prensas de copiar cartas e sellar.
Camas, carros do milo e arados de ferros,
ele etc.,
A Icio di supcrioridado das suas obras, j
geralmente reconhecida, Bowman & Me.
Callum garanten) mais exacta conformi-
dade com os moldes e dezenhos remeltidos
pelos seuhores que se dignarem de fazer-
llies eiicoinHiendas, aproveilandoa occasi.lo
para agradecurem aos seus numerosos ami-
gos e freguezes a preferencia com que tceni
sido por elles honrados, e asseguram-lhts
que nSo jioopai'.iii e.-liiicns e diligencia?
para continuarem a merecer a sua confl-
aiiea.
OSr. Manoel Silvestre Ma-
chado, ou seus herdeiros, queirn
annuaciar sua morada, ou diri-
ver a praca nem a pesso alguma do que
sn obrigaram a pagar na OCCaaiflO da com-
pra da casa, pela extincta lirma de JosFer-
nandes l'ovoas & Companliia, ese algunm
S'i julgar anida credor hja tle apresentar
suas contas no praso de oito dias, pois sup -
pem ter pago a ultima conta em 5 de ou-
lubro do auno panado, -leudes& Macieira.
Theatro de Apollo.
Augusta i.an liam roga as pessoas que ti-
veram a bnndade de eucommendar tulla-
les de camarotes, cadeiras e galeras para o
segundo espectculo, o favor de mandarem
por ellos casi de sua residencia, rua do
Aterro da Boa Vistan. 4, terceiro andar:
brevemente annuiiciar-se-ha poresta folha
o dia do espectculo, esperando-se lito se-
ment pela promplilicagSo da diviso dos
camarotes.
-- l'rerisa-se de um rapaz de idade de 14
a 16 annos, para caixeiro de venda: quem
quizer diiija-sea padaria del'ronte da forta-
leza das Cinco Ponas que se dir quem pre-
cisa.
-Precisa-se de um foitor para umenge-
ii 11 ou mesmo para caixeiro de casa de pur-
gar, e que colela do horlelo : na rua do
Pasado loja n. 21.
I
... f ^^^v
DAUROR
C. Starr & Companbia teem a honra d
avisar aos seus freguezes, e ao publico em
geral.quea sua grande fundigno em S-
Aniai'n, alm do sortimento que constan-
lemente lem rlia-so de novo provida de
muilas moenda's de canna, o de varios l-
mannos feilas no mesmo estabelecimento
pelos mais peritos ofllciaes, e com o maior
cuidado e perfeigilo ; tanto assim he, qus
os annunciantes se ufanam em garanti-las
telo primeiro anno. As moendas inteiras
todas de ferro construidas as oflicinas
dos annunciantes silo muito superiores a
quaesquer outras da mesma natureza que
al acota teem sido aqu offerecidas, pois
aquellas encerram emsi cerlose importan-
tes melliorameptos resultado de mais de
20 anuos d>i experiencia e pratica no paiz.
Sr. e a Sra. Artliiot
I dentistas chegados de l'aris, 1
i previnein ao respeitavel pu- $
1 blico que elles acabam dea- 1
v brir o seu gabinete na rua $
da Cruz, no segundo andar
ao pedo consulado Argenti- j
no n. 43 ; os ditos professo-
res teem um piodigiosissimo I
2 especifico, novamente des- \
colierlo para curar o mal de *
denles para sempre, nao ha-
vendo inilimmarao, e noca- *"
so de have-la, surte o mes-
ti 1110 eieito depois de passar,
commigo assignou no verso ; e como dito
meio bilhete se tenha dse ocaminli do, ro-
go ao publico e com parlicularidade aos
Srs. vendedores de bilhetes, ni!o o nego-
cien, no caso de Ihe ter por sorte sahido
algum premio.
Gaspar Antonio Vieira GuimarOei.
Passaportes.
A antiga agencia da ru do Rangel n. 9,
contina a tirar passaportes para dentro n
forado imperio, despacham-se escravos e
t iran-ao folhas corridas e ttulos de resi-
lencia, qnr com prazo qur sem elle: lu-
lo com presieza e rrego muito commodo.
Na rua da calgada, casa terrea defron-
e do sobrado amarello, precisa-se de urna
ama forra para todo oservico, ou de urna
preta captiva para se alugar.
Instruccao primaria.
O estabelecimento de instrccgSo prima-
ria, dirigido por Jos Xavier Faustino Ra-
mos, no Aterro da Boa Vista n. 5. junto a
ponte, comega os seus exercicios no dia 13
do corrente. Disto faz sciente o annuncian-
te aos Srs pais de seus alumnos, aos quaes
agradece a conflanga nelle deposita la. Es-
cusa-seo mesmo annunciante de formular
um estirado annuncio recbciado de promes-
sas, o se limita a declarar que no seu esta-
belecimento contina a receber alumnos
externos para primeiras lettras, latim e
francez, sendo estas OUII disciplinas leccio-
nadas por hb-ds professoreSj__________
(
ompras.
Compra-seuma escrava preta ou par-
da para fra da provincia, que seja coslu-
reira.engomniadeira e saiba fazer lavarin-
to, sendo de bunita ligura e moga o3o se
olha a prego, pois he para urna pessoa ge-
nerosa : na roa das Larangiras 11. 14, se-
gundo andar.
Compra-se um piano salo, que seja
pnr prego bem commodo : quem tiver, an-
nuncie.
Compram-se escravos de am-
bos os sexos: na rua da Cadeia do
Recife, n. 51, primeiro andar.
Vendas.
tendo um grande sortimento
de denles incorruptiveis ;
<# adverte-sc que ueste gabine-
? te faz-se todas as pecas ar- 3
t, tificiaes, mas em conta que
* em qualquer outra parle ; e w
faz-se todas as operaci3es m
concernentes a esta arte

a-
1 i m vista rua ao (.amaran ii. i.
5 cba-se tambem no mesmo X ..Na,,da cadeia do Mella n. 4%exis-
J par denles, elixir tnica, a- %
* goa de botot, ele. : os dilos %
Q professores rao as casas
S donde forem cbamados. S
*J 0*#!?#* &St%m$$M 99>
Abrem-se e impnmcm-se bilhetes de
visita em qualquer carcter, rtulos e todos
os objectos que demandan) preceitos calli-
graphicos, retratos e quaesquer desenhos,
sinetes typos emblemticos, ornamentos
pira capas de livros, e afinal todos os ob-
jectos da arte de gravura em alio e baixo
relevo, e com delicadesa. As pessoas que
pretenderem algumus dests cousas, diri-
jam-se rua do Brum, defronte da fundi-
go ingleza, ou as seguintes lojas de li-
vros : na rua da Cruz 11. 56, na traga da In-
dependencia ns. 6 e 8, e no pateo do Colle-
gio n, 6, onde se for mister poderSodeixar
seus nomes e morada para serem procu-
radas.
Precisa-sede urna ama de meia Idade
para casa de homem solteiro, que saiba co-
zinhar e engommar : eui Fra de Portas nu-
mero 86.
Deposito de cal e potassa.
Cunba & Amorim, n rua da
Cadeia do Recife n. 5o, recebe-
ram pelos ltimos navios de Lis-
boa Novo Vencedor, Carlota e
Amelia barris com cal virgem, e
vendem, .tanto a cal como a po-
lassa, por menos preco do que em
outra qualquer parte.
Vende-se a taverna de molli vio da rua
do Rangel n. 4, com poneos fundos, fazen-
d- todo o negocio a contento de ambos,
visto que tem de retirar-se o dono para fora
da provincia : quem pretender dirija-se a
mesma venda que achara com quem tratar.
Vende-se um cavallo rugo capado,
censtai i" carregador baixo, muito ardigo,
por 50 000 ris : n coxeira na travesa da
rua de S. Amaro para a rua to Sol.
He barutixsimo.
Cortes de cazemira a 3,200 ris, cambraias
de se la a 900 ris o covado, meias de seda
preta e de cores para homem a 600 ris o
par : na rua do Crespo loja n. 2, ao p do
arco.
Vendem-se bichas pretas de
superior qualidade, por metade do
preco por que os barbeiros alugam:
na rua di Cadeia do Recife n. 2.
--- Vende-so a taverna da rua da Lingoeta
n. 5, com poucos fundos: a tratar na Boa
Vista rua do ('.unanlo n. 7.
te para vender-se por prego commodo um
rico capote de setim macao, e bem assim
boas toalhas de lavarinto : quem quirer
comprar taes objectos, o deve fazer quanto
ante, do contrario os nSo achara mais.
- Na ru da Palma por detris da rua de
Santa Theroza, armazem n. 10, vendem-se
enxameis de 20 a 36 palmos, mSos traves-
as de 25 a 32, caibros de 25 a 30, e outras
madi iras, Indas do boas qualidades o pre-
ces muito commodos.
Vncca.
Vende-so urna linda vacca turiua com
cria j grande, ambas vindas de Lisboa :
paca ver e tratar no sitio do Tasso, na Cruz
das Almas das Mogas.
Vende-se farinha de trigo
franceza de Marseile, a melhor do
mercado, chegada ltimamente as
casas de Lasse e do Saporiti: a
fallar como barateiro Silva Lo-
pes, na porta da alfandega.
Listas da lotera de Noss*.Senhora do
Livramento, cujas rodas correram no dia 24
oe dezembro : no pateo do Collegio, casa do
livro azul.
-



Vende-se farinha de man-
diora de Sinta Catharina, de mili-
to boa qualidade, a dous mil ris
a sacca e a mil oilocentos ris sem
asacca: noarmazem de Jos da
Silva Campos, ra da Praia n. 3i.
--Vendem se duas ncgrinlias de 11 an-
uos, sabendo uma bem coser, marcar e fa-
z*r lavarinto,e a onlra he recnlhida ; 4
prctos mocos ; um dito ptimo podrniro ;
las pretas mocas, com algumas habilida-
des : e duas ditas de meis idade, que se
vendem muitoemeontn na ra das Lt-|
rangeirasn. 1*, segundo andar.
Bom e barato.
Vcndeni-se ricos chicntinbos. pelo bara-
tsimo preQO de 800 e 600 rs ; ricas Brava-
tas de mola pretas e de cores, a 2,000 e a
1,600 rs.; finssimas cartas francezas para
VQ|UretM, a 1,000 rs. o baralho ; finissimas
luvasde torotl pretas, a 1,000 rs.; ditas de
pellica, fazenda muito superior, para ho-
rnero e senhora.a 1,000 rs. : litas para ho-
mem >ie fio da Escocia, a 320 r. ; bengal
nhas do junco, a 200 rs.; charnteiras finas
douradas, a 1,800 rs. ; touquinlias de sola
preta para enancas, a 500 rs. ; pentes de
tartaruga para marrafas, a 800 rs. ; carapu-
Cas de seda preta para horneo), a 640 rs ;
caivetes de machini para aparar penan, a
iiOO rs. ; pent-s proprios para suissas. a 320
rs. ; caixas muito finas de massa de tarta-
ruga para rep"," 2,000 rs.; oaixlnhascom
ugulhas francezas, a 320 rs. ; lequcs finos
com plumas espelhos, a 3 500 rs. ; mara-
cas pura meninos, 1 240e 120 rs. ; e nutra
militas colisas harat'S 1 na rus do Queima-
do, loja de miuilezas n. 33, junto i de cera.
Vende-se ra todo o servico e de 20 anuos de idade, ao
comprador sedira o motivo da venda; e
urna escrava de idade media, capaz de se
Dio ontregar urna cusa, por com modo pre-
co : na ra de -anta Rila, sobrado n. 14.
Tinta de escrever.
Vende-se tinta preta de superior quali-
dade em frascos, cm porgo e a relalho, por
muito commodo preco : na ra da Cadeia
do Itecifo n. 31, primoiro andar.
Msicas novas.
Ilua larga do Itozario n. 28.
Grande snrtimento de msicas, as mais
modernas que ha e dos melhores autores, a
saber : variacOes para piano a duas e qualro
m3os, valsas, quadrilhas, polkaj, pecas pa-
ra cantura com acompanhauento de piano,
variaces para piauocom rabeca, dilas pa-
ra flauta,. 1 iL -s para violSo e melhodos para
aprender a tocar piano; lambem ha boas
msicas militares.
'Vende-so a padaria defronte da forta-
leza das Cinco l'oiilas n. 154, com lodosos
soui pcrtcnccs o com alguma freguezia :
vende-se para pagamento dos seus credo-
res : a tratar na mesma.
Ao publico.
Em mili crescidn numero conlavam o> mdi-
cos al agora molestias iicuraveis, contra as
quars s era perinillido ao pctenle resigna-
cao para sofl'rer un mal de que ja nao bavia
esperanzas de poder liberla-lo, e ao medico
phllantroplco a dor de ver muilos de seus le-
iiii'lliauli victimas de cnferinidades, contra as
(Hiaes se declar.iva Impotente, pudendo apena'
lamentar a fraque?..! ila iuleUigenci.i humana
Mas. gratas aos progressos cas an / I i .Ir lioinrus iniansaviis, que, niii
desesperando da pcrfrclibilidade da (Ciencia,
se tein dedicado iuvealigafo de remedio
>111 possam alliviar a limnaiiiilade de algiin
niales que a aluigrm, o numero das molestia
repulidas incuraveis vai de di em dia dimi-
nuiudo. Assim, achar drpois de loncos traba-
lhos, ilc profunda meditacao e reiteradas expe-
riencias, medicamentos que nos resliiiiam 1
uso dos dous mais importantes sentidos de que
he dotado o homeni, quando esles j se acha-
vam do suppnsto estad de iucurabihdade <
inteiraincule perdidos, he por certo HU dos
inaiore servicosque se poda prestar a liiiina-
nidade; eis o que eslava reservado a um ho-
nem philantropn da cidade de hraga, em Por-
tugal, cuja sciencia, cujo amor de icus seme-
ntantes ae teem felto geralmenie onhceer. O
rimedios que ora oll'riiceinos ao publico, nao
rnli'im naclassc d.iquelles que o vido e ousa-
do charlatanismo inculca com toncos e des-
compasados lirados, e que o crrdulo vulgo
por ignorancia recebe na boa fe e sem diicer-
niiiientn, ach.tndo.se denota illuoido lein.po-
rem. de occiipar mili distinelo lunar entra os
medicamento* quemaiore beneficios prestan
an honiem : con-tam elles dadissoluciio aquo-
s.i de entrados de plantas iiiedicinaes, ile vir
tudes mui reconhecidase verificadas. O longo
uso, as continuadas e severas experiencias, ;
que por toda a parle teem elles sido submi tli
dos. sem que urna l vez hajam fainada em
seus bous f lcitos, e desmentido as esperancas
que sobre elles bavia fundado o seu Inventor,
lhe leem grangeado constantes e repetidos elo-
gios dos mais sabios e respeitaveis mdicos,
assim da Europa, como da Amarle*que unso-
nos aboii3in e prorlaiiiam sua accao aempre
certa e benigna. Um dealea licores he desti-
nado a combater as molestias de olhoa, e lem
por principal virlude restituiransorgfiosda vi-
sao suas funeces ; reanimar e faior reappare-
cer em sua natural pcrfeir.no a vista, quando
esta estiver fracaou quasi exlincta ; comanlo
porm, que nao baja crgueira absoluta con
desorganisacio das parles; nao menos all (
enrgico be para desfaier as cataratas, destruir
as nevoase de prompto debellir qualquer 11-
II iiiiiiinmi ou verinelhidao dos olhos. Nao
causain dr nein estimulo na parle.
Oulro liquido reslituc a faculdade de ouvir
ossons ao ouvido tocado de surdez, anda que
inveterada uma vez que o mal nao seja de nas-
cenca. sem causar em lempo algiiiu o menor
Incoimnodo ao doenle, e seiu priva-lo de cui-
dar em arus negocios.
INSTBUCgOKSPARA O USO DOS REMEDIO?
U ilus othoi emprega-se do mor/o eeguinle I
O doenle pela manilla, em jejuin, uma hora
pouco mais ou menos depois que erguer-se do
leilo, tomar sobre a palma da niao pequea
porco daqurlla agoa ; e com ella moldar
bem os oliios, faiendo que algumas gottas
ra un sobre o globo oceular : sem os limpar,
os conservar molhados al que naturalmente
eniuuuein : ao deilar-sc noile pralicar o
liiesmo : durante o lempo que usar do reme-
dio evitar o calor, acfo de fumara e o vento ;
far abstinencia de comidas salgadas, aicdas <
adubadas com especiarlas.
O remedio doi ouviJoi ser applicado domodoqui
itgue.
O ilocnic pela ni 111I1.11, urna hora pouco
mais ou menos depois de ergner-se, anda em
jejum, far derramar dentro dos ouvidos qua-
tro ou cinco gottas do liquida, tapando-oa de-
pois com algodo em rama ; noile ao deitar-
ae repetir a mesma operaco. Durante o uso
do remedio evitar expr, os ouvidos princi-
palinenie, aCflo do calor e do vento, alini de
evitar grande traotpiraclo, havende cuidad"
em nao inolhar os ps m agoa fra; tiualinen-
te deve obster-se de comidas salgadas, azedas r
adubadas.
Estes remedios esto venda na botica de
Bartholomeu Francisco de Souia, na ra larga
do Rosario, n.36, nico deposito em Pernam-
buco, pelo prec.o de2,240 rs. cadavidro.
00 A
a****
5.000 rs.; dito azul multo fino, a 3,000 e
5,500 rs. ; casemira preta, a 5,000 rs. o cor-
te ; dita muito superior, a 10,000 rs.; cr-
tes de Cusido a 320 a 600 rs. ; ditos muito
bonitos, a 800 rs. ditos desetim de Jcres,
a 1,600 rs. ; ditos de gorgur.lo, a 1,280 rs. ;
estis de coros fixas e de bonitos padres,
a 240 e 280 rs. covado ; cortes de cass
preta, a 2,200 rs.; ditas a 140 rs. o covado ;
riscado do linho azul, a 240 rs. ; corte de
brimde linho,l-\l.600 rs. ; ditos multo
bons, a 1,800 o 2.0BO ; ditos superiores, a
1,280 e 1,600 rs. a vWa ; lencos de soda de
cores, muito bonicos, a 1,000 rs. ; ditos pa-
ra gravata, a 1,000 e 1,280 rs. ; ditos de
cassa com listras de cores, a 240 e 320 rs. ;
ditos com listras do soda, a 500 rs. ; algo-
diio azul de vara de largura, a 200 rs. o co-
vado ; dito furta-cros, a 200 rs.; picote
muito encorpado, proprio para escravos, a
I200rs. ; riscado de algodSo americano, a
1140 rs.; cortes de brim de listras, a 1,000
rs. ; chitas de cores fixas e de bonitos pa-
drOes, a 140, 160,180 e 200 rs. o covado;
riscados monstros, a 220 rs.; cambraiasde
quadros, a 2,720 rs. a peca ; cortes de case-
mira dealgodSo, a 1,600 rs. ; cassas fran-
cezas muito bonitas, a 320 rs. o covado ;
chapeos de sol, com asteas de baleia, a 1,800
rs. ; e outras muilas fazendas por preco
commodo.
Cdigos do commercio.
Vendem-se co.gcs do commer-
cio brasileiro, que devem entrar
para curar da phtysica em todos os seti-
difTerentos graos, ou motivada por constie
pacOes, tosse, asthma, pleuriz, escarros d
sangue, drde costase peitos, palpitado
no coraca. coquelucho, broticbites dr
na garganta e todas as molestias dos orgiios
pulmonares.
De todas as molestias que por heranqn fi-
camaocorpo humano, nenhuma ha que
mais deslruitiva tenha sido, ou qu" tenha
zotnbado dos esforcos dos homens mais
eminentes em medicina, do que aquella,
que he geralmcnte conhecida por moles- cm execticao em I de Janeiro ae
tia no bofe. Em varias pocas do se- Rr _. oateo do Collecio, casa
culo nassado, tendo-se olTerecido aopuhli-l I
co dilTerentes remedios com attestados das do Ltvro Azul.
extraordinarias curas que elle lem feito ; Vende-se um sitio grande, cercado de
porm quasi que em todos os casos a iltisilo spinhos, com portno de ferro, boa casa de
lem sido apenas passageira e o doente podra e cal, bom viveiro, duas baixas para
torna a recahir em peor estado do que se capim e mtiitns arvoredos de fructo : a tra-
achava antesdeapplicaro remedio lo re- ; tar no mesmo, no largo da Magdalena, ea.
coinmendado outro tanto n3o acontece fronte ao sobrado do Sr. Joaquim Viegas.
com este extraordinario |{ua do Hozario larg n. 11.
Vende-se uma mulatinha de 13 annos,
muito linda e de bom genio, com princi-
Novaes & Companhia, os nicos agentes d(, cos,urili pr0pria para educarse ou
nesta cidade e provincia, norm-ados pelos {jar-se j mmo a uma menina ; duas pre-
Snrs. R. C. Yates & Companhia agentes Us af con, habilidades; uma dita boa
geraes no Itio-de-Janeiro mudaran) O de- qUli)ni|elra ; um molequa del6annos.de
psito deste xarope para a botica do Snr. bonita figura e de boa conducta, o que se
Jos Mara G. Hamos, na ra dos0uarteis. n '
12, junto ao quartel de policia, onde sempre
aclurSo o nico o verdadeiro, a 5,500 rs.
cada garrafa.
__ Vendem-se colleeces com
Xarope do bosque
'afianza ; e 4 pretos bons trabalhadoresde
enxada.
Vendem-se caixas com cera
em vellas, fabricadas no Kio de
ais de seis lindas vistas, repre-j Janeiro, sortidasaodesejo docom
ntando a nonle do Uecie com a'prador ; retroz da fabrica do Si-
ma
se
alfandega, a ponte da Boa-Vista,
a cidade de Olinda, a ponte do Ca-
cbang, Foco-da-l'anella, e a ra
da Cruz como arco do Hom-Jesns;
bem como duas grandes vistas de
l'ernambuco: na roa da Cruz, n.
10. case 1! Kalkmanns Irmao.
__Vende-s* um grande sitio no lugar i'o
Manguinho, que lica defronle dos sitios dos
Srs. Oarneiios, com grande casa de viven-
da, de quatro aguas, grande scnzulla, co-
cheira, estriban*, baixadecapim que sus-
tenta 3 a 4 cavallos, grande cacimba, com
bomba e tanque cobeilo para banho bas-
tantes arvoredos de fructo : na ra da Con-
cordia, primeiro sobrado novo de um andar.
Cal virgini ni ptiia
ebegada de Lisboa na barca Curila e Ame-
lia, vende-se a preco commodo : no arma-
/.em de Silva liarroc, na ra do ISruin, nu-
meto 28.
Salsn-pari'IHiiv le Sands
para remover e curar radicalmente lodosas
rnfern,i lades que priic^dem da impureza
du sangue, ou habito do syclema.
Esta medicina rreiile curas quasi incriveis, "le molestias
que procedem da impureza do ssngne. A
i feliz victima rio molestias hereditarias
com glndulas indiadas, ervos encidhi-
dos, e os ossos meios arruinados, flcou res-
tabelecida com toda sua sa le e forcas. O
lente escrofuloso, coberto ib- chagas, cau-
sando nojo a si mesmo, e a quem o servia,
flcou perfeito. Centenares de peasoss que
linliam sodrido ( por anuos, a ponto de
desesperaiem da sua surte ) molestias cu-
tneas, glndulas, rhiuniatismo chronico
p. multas outras enfermidadcs procedentes
do desarranjodos orgSos de secrecio e da
circulaco, teem-se erguido quasi n.ilagro-
samenlo do leito da morte, e boje, com
constituicOes regeneradas, com prazer al-
estam a elllcaci desta ine^timavel prepa-
racBo,
Comquanto tenham appareculo grandes
curas al aqui produzidas pelo uso desta
eslimavel medicina, comtudo a experiencia
diaria aprsenla resultados mais notaveia.
New-Vork, 22 de abril de 1848..
Srs. A. B. e I). Sands. Julgando ser
um dever para com vosco e para com o pu-
blico em geral, rometto-vos este certificado
das grandes virtudes da vossa salsa-parri-
Iba, para que outros que hoje estilo sof-
frendoestabelecam melhora sua conlianca
e fagam sem demora uso da vossa medi-
cina.
Vi-me perseguido com una grande fe-
rida 110 tornozelo, que se eslendia pela ca-
nella cima at o joelho, lancava grande
porco de nojenla materia, com comiches
que mo privavam muilas noites do meu des-
canso, e eram muito penosas de suppor-
tar. a
OSr. Diogo M. Connel, que bavia sido
cura io com a vossa salsa-parrilha, recom-
mendou-meque eu fizesse uso della.o de-
pois de haver tomado cinco gsrrafas fiquei
pcrfeilamente curado.
Tenho demorado um anno mandar-vos
um ceitiiicado, para reconbecer com cer-
teza se a cura era permanente, e tendo ago-
ra a maior salisfac-locm declarar que n3o
tenho visto, neni sentidocousa alguma du-
rante todo este lempo, e acho-me perfeila-
mente reslabelecido. -- Son vossa. etc.
o Sarah M. hit i re.
240, ra Delancey.
Nesta provincia o nico agente deslc ma-
ravilhoso remedio he Vicente Jos de Itrito,
com botica na ra da Cadeia do Itecife.
iii 111 admirar vetilla vi-r o, com-
prar, na rila do CMapO, loja di
cs(|iiiiia de! u.
Panno fino preto muito bom, a 3,000 e
3,600 rs. ; dito muito superior, a 4,500 o
25
queira, no Porto, de todas as co
res : trata-se com MachadS & F-
nbeiro, na ra do Vigario n. 19,
segundo andar.
-- Vende-se para fura da provincia, um
escravo crioulo com 26 annos de idade, fi-
gura bonita, sem vicios, ptimo para irari-
nheiro por ser de bastante forca, e muito
vivo, a vista do comprador se dir o motivo
de se vender : na rua Velba n 61, as 9 ho-
ras da 11 anh.Ta < as 2 da tarde, ou na casa di
cmara miiniri; al ds 10al I da tarde.
-- Vende-se uma escrava com 20 annos
de idade, lina engnn.madeira, cnzinlieia e
COSlureira, sabe bem vistir uma senbnra e
fazer todo arranjo do tima casa com perfei-
C1o : na travessa da rua Relia 11. 6.
Vendem-se chapeos de palba
americanos, finos e de superioi
i|ti .liihuli- : na rua do Trapiche
numero 8.
Vendem-se 2 escravos, sendo uma nr-
gra crionla do boa figura, moca e sem def-
feilo e vicio alguni.eum negro lamben
mnc, crioulo, proprio de lodo o_ servico
na rua da Cadeia de Santo-Antonio n.
no segundo andar.
Aviso aos fumantes.
Abertura fjcral.
A nova fabrica da rua do Rangel n. 23, a-
cha-se aberla, conlendo um completo sorti-
mento de charutos viudos da Babia ultima-
mente, o dos mais acreditados autores da-
quella cidade : porlanto os que so amigos
da boa ii maca l poderHo encontrar ludo
quanlo he hor, levando o dinheiro na mflo,
nilose quer fiado para nSo ler livro ssig-
nado.
Boa cozinheira e engommadeira.
Vende-se uma bonita escrava, parda, de
20 anuos de idade, com uma filhinha de
nie/i-s, a qual cozinba e engomma bem, Ii4
muito fiel e nSo lem vicios, o que ludo se
alianca ; e 1 preto, moco, muit" robusto,
proprio para armazem de assucar ou eng
nho, por ter muita forca : na rua larga do
Hozario n. 48, primciro andar.
^Deposito geral do superior ra-C
a p Areia-I'rela da fabrica
deGanlois l'ailbetck C.
na fiahia.
j Domingos AlvesMatheus, agente da
fabrica de rap superior Areia-I'reta da
Babia, lem aberto um deposito na ruaw
3da Cruz, no Itecife, n. 52, primeiro an-O
dar, onde se achara sempre deste ex-
cellenlee mais acreditado rap: ven-
Mile-se em boles de uma e meia libra,
Qjor preco commodo.
OO
Vende-se a armacHo da venda da rua
do '"lo gio n. 17, por preco muito commo
do, serviudo para o mesmo estabelecimentu
ou fabrica de charutos, para o que se alian
i;a alugar-se a casa a quem pretender muito
1 r. na : na rua do Itozario larga n. 29,
venda.
l-'ai'inlia de iiiaiidiocu.
Vende-se superior farinba oe Santa Ca-
tharina, por preco commodo.a bordo do pa-
lazo nacional Nereida, fondeado defronle
do caes do cnllegio, ou tratar com Novaes
& C, rua do Trapixe u 34.
bombas de ferro.
Vendem-se bombas de repuxo.
pndulos e picota para cacimba :
na rua do lrtim ns. 6, 8 e 10,
lundicao de Ierro.
(butubo de ninniao.
Vende-se 110 armazem de J. J. Yasso J-
nior, rua do Amorim n. 35.

Arados de ferro.
Vendem-se arados tde ferro de
lifl'erentes modelos : na rua do
Brum ns. G, 8 e IO, fabrisa de
machinas efundicSode ferro.
--Vende-se uma escrava muito bonita,
sadia ecom habilidades; e uma dita pro-
oria para enxada, tendo comtudo algumas
'labilidades : na rua larga do Rozarlo, loja
n. 35.
3o.
Craxa n. 30, a mais superior que at ho-
je lem vindo a osle mercado, pelo esmero
que o seu aulor tem ltimamente emprega-
io. Esta graxa be a mais prompta em dar o
mais brilhantoe aturado lustro, assim co-
mo a molhor para conservar o calcado :
vende-senos armazensde J. J. Tasso J-
nior, na rua do Amorim n. 35.
Chapeos do Chille.
Vendem-ie por preco commo-
do, chapeos de palha do Chille,
muito alvos e finos 1 na rua do
Trapiche n. 34, a tratar com No-
vaes & Companhia.
Vende-se superior farlnlia
ega, em meias barricas : no escriptorto
ie Deane Youle & C, ou e.n seu armazem
do becco doGoncalves.
Cal e potassa.
Vende-se a mais nova e superior potassa
que ha no mercado, e cal virgen em pedra
ctiegada pelo ultimo navio de Lisboa, por
preco commodo : na rua da Cadeia do Re-
cife n. 50, a fallar com Cunha & Amorim ;
assim come um restante de barra da mes-
ma cal, que ficou da safrr passada, por ba-
rato preco.
Cobertores de tapete para
escravos.
J se vendem os acreditados cobertores
do tapete para escravos, a 720 is. cada um ;
pur isso venham a elles antes que se aca-
ben), ou passem para mais alto preco : na
rua do Crespo, loja da esquina que volta
para a cadeia.
Itap Paulo Cordeiro.
Vende-se eflectivamente este excellente
rap : na rua da Cadeia do Itecife n. 50, loja
de Cunha & Amorim.
Tumo em lolba para charutos.
Vende-se por preco muilo com-
modo fumo em folba para capa e
niioio de charutos, assim como fu-
mo regalia, desembarcado ha pou-
cos das: Irata-se no caes da al-
fandega, armazem n, 1, de Dias
Kerreira, ou com Novaes 8c Com
ia nbia, na rua do Trapichen. 3.'j.
A l,(no rs.
Vi n lem-so novos cortes de brim tranca-
do escuro com duas varase men cada corle
a 1,600; cassa francezaoc bom gusto,a 2,600
rs.; pecas do esguilo de algodflo enm 12
varfS, a 2,400 is a peca ; cobertores de al-
gudflo de cote, a 720 rs. : na rua do Cres-
po n. 6 loja ao p do lampeSn.
Deposito le cal \ irs.-ni.
Na rua do Torres 11. 12, ha muito supe-
rior cal 1 ova em ledra, chegada ultima-
menle de Lisboa no brigue Tarvjo-Terceiro.
Cnbccndns inglezas.
Vendem-se eabeeadss inglezas rolicas e
chatas, loros e silbas de lila: na rna do Tra-
piche n. 10.
SSSF.
Farinha nova da marca SSSF, chegada
ltimamente: na rua do Amorim n. 35, ar-
mezero deJ. J. Tasso Jnior.
l-nia Vende-se potassa da Russia, recentemen-
le chegada, e de muilo superior qualidade :
na rua do Trapiche n. 17.
Cortes de casemira a 3$i5oo
n I Snoo rs.
Vendem-se cortes de casemira de cores,
e 3,500 e 4,000 rs. ; advertindo aos amantes
do bom e barato que esta fazenda he dos
melhores gustos que tetn vindo ao mercado,
por isso recommenda-se que venham a ellas
antes que se cabem : na rua do Crespo,
loja da esquina que volta para a Cadeia.
C'garrilbos heepanhes.
SSo che^ados os excellentes cigarrilhos
hespaiihes ao de, osito da rua da Cruz, no
lleccilen. 49.
botella de N. S. do Livraniento.
Aos 5:ooo$'ooo,
Na rua da Cadeia n. 46, loja de miudezas,
vendeu-se o meio bilhele |n, 1454 da lotera
de N. S. do l.ivramento em que sahio a sor-
U gran le de 5:000,000 rs., e cslSo expos-
1 os venda os afortunados billiet-s e cau-
telusda mesma lotera, que corre imprele-
rivelmeme no dia 31 de jjneiro crente.
Rilhetes 11,000
Meos 5,500
Decimos 1,100
Vigsimos 600
A 3,000 rs asacca.
Vende-se farinha de mandioca,
em saccas grandes, ebegada lti-
mamente, superior fazenda: nos
armazens de Gouva & Dias, e
Dias Ferreir, no caes da alfanJe-
ga, a tratar nos mestnos.
Vendem-se queijos londrnos ltima-
mente cbegsdos de Liverpool na galera Bo-
nita, assim como conservas de carne e fruta,
mais outros gneros ultimamente chega-
dos, por preco rasoavel: na rua da Cruz n.
7, armazem de l)aw3& C.
Luvas de pellica a a4o rs. o par.
Vendem-se luvas de pellica de cor para
hoinem, a 240 rs. o par, em muito bom es-
tado : na ufa du Queimado n. 16, luja de Jo-
s Das Simes.
Tulxns para engenlio.
Na fuodiffio de Ierro da rua do Brum,
acaba-se de recebar um completo sorlimen-
lo de taixae de 4 a 8 palmos de bocea, as
quaas aclum-se a venda por preco com-
i.odo, e com promptido embarcam-se, ou
carregam-se em carros sem daspezas ao
comprador.
Aloeiidas superiores.
Na fiiud:cOo de C. Stari- & Companhia,
em S.-Amaro, acham-sea venda mocadas
gwartttinmfc. tu
le canna, todas de ferro, de um modelo e
construccSo muilo superior.
Ai da humanidade !
Se nlo-fra Alexandre S.iina, descotlrt-
dor dos oculos para nariz no secuto XVf, as
jessjas miupes, ou de vista cincada nSo-
sahiriam de casa logo que soflressetn tal
molestia, ou chegassum a corta idade, sol
jena do andarem dando espectculo pelas
ras, servndo de bobos, j pelas caricatu-
ras que uns fariam quando quizessam en-
carar os objectos, e as quedas que dariam
outros quando andassera ; como anda a-
contece as nacOes antipofagas, que os ve-
iiios a quem geraltnente accommetle tal
molestia nSo saheom do copiar de suss ca-
banas ou residencias, e s servem de con-
sultorios, curanderos ou outars bobeias. E
de mais, como ao par do rpido progresso
das sciencas e arles se pora um miope ou
presbtero som o auxilio de um par d'ocu-
los Responda a medicina quer moderna
quer antiga : a simples reflexiona tal res-
peito torna melanclico ao mais jovial pen-
sador, e he por isso que se rocommenda a
quem soffrer tal incommodos os v procu-
rar, chegadnhos ha pouco, na rua larga do
Rozario n. 35.
Grande sortiincnto de charutos
da fabrica de S. Flix, no ar-
mazem de Crocco S compannia,
rna da Cruz 11. 21.
SSo chegados a este armazem os verda-
deros charutos regalos, regala, candores,
deputados, venus, senadoras e soberanos
de llavans, em caixas de cem e 250, por pro-
cos rasnaveis.
Liqnidacao de fazendas.
Na rua Nova esquina que volta para a
camboa do Carmo, loja n. 23 de Antonio Go-
mes Villar, estno se vendendo fazendas quo
nesta loja j existan) por menos a terca
parte de uns primitivos precos, e entre as
militas qualdades teem as seguintes por
estes precos.
Jarros linos de bsnha 1.000
Fitas de sarjas, de setim e tafel
largas, vara 32o,
dem, de 4 dedos, vara 240
dem, de 3 e 4 dedos a 120 a 160
dem, de velludo estrella de
cores 120
Luvas de pellica para senhora e
para homem 500
l.eques de papel, cabo de osso
fino. 640
dem, deescomilha preta 400
dem, de papel finos, cabo de
merim, de 4,000 a 20,000
Chapeos de palha linos,lizos, a-
bertos e bordados, de 3,000 a 4,000
160
320
210
6(0
800.
1,200
30,000
s.oon
10,000
4,000
160
320
1.000
1,0(10
1,000
1,000
1,000
310
1,000
1,000
1,000
1,000
1,000
2,000
320 a 2,000
1,000 a 2,000
Grvalas de chitas
dem, de seda, pretas e de cores
dem, de couro de lustro para
militar
Selins de cores lizos, covado
dem, branco muito boa fazenda
Sarjas de cores para vestido, co-
vado
Cortes de vestido de seda brancos
para noivas.
ManUsdosetimde cores mati-
sadas
dem, de sarja, dila, dita
Chales de seda furta roes
Luvas curtas de linho para se-
nhora, o par
dem, de seda abertas para se-
nhora
Meias de seda aheitas.branca pa-
ra senhora
dem* pretas para senhora
tem, para homem
dem, lizas para homem
dem, branca para dito
Carleiras finas de feixe
Sapatos de setim pretos, o par
liolns gaspiados, pretos e de
cores para senhora
Sapatos de setim branco para
menina
Chnellas de marroquim deco-
res para homem,
Chap eos de sol de seda para se-
nhora
Lencos de catnbraia de linho, li-
zos, de 1,00o a 3.000
dem, bordados com bicos 4,000 a 20,000
I lem, de seda preta e de cores
para gravata 3,000
Chicotes de junco ou cana para
carro, de 2,00o a 4,000
dem, de baleia para carro 3,000 a 6,000
Renga lias finas de junco e
cana de
Chicles finos para monte-
ra, de
Um grande sorlimento de flores finas sen-
do caixos, ramos, rosas para vestjito, pe-
nas de muilas qualdades, bicos de blondos
de todas as larguras, bicos de dentelle pre-
tos, estreitos e largos de muito boa quali-
dade para capotinho e mantellete.tudo mui-
to em conta.
Vende-se, por preco muilo commodo,
a casa terrea n. 30, sita na rua do Sebo do
bairro da Roa-Vista, nova, com muitos bons
commodos, em chitos proprios, com grande
quintal todo murado, com arvores de fruto,
cacimba de boa agoa e portSo ao lado da ca-
sa para serventa independente : na prac1
da Boa-Vista, botica n. 6.
Novas cambralas.
Vendem-se ricos cortes de cambraia aber-
tas com 6 varas e 3|4, de listas e ramagetn
de cor, fazenda muito lina de lindos goslos,
pelo barato preco de 4,000 rs. o coVle, chi-
ta de cores muito miudinhas, paninos mui-
to finos, cores fixas, a 200 rs. otcovado;
lirios de linho amarello, cor del ganga,
lista ao lado, fazenda inulto lina, pelo lia-
ra lissimo preco de 2,000 rs. o orte: m
rua do Crespo n. 14, loja da Jos F.raiicisfo
Dias.
Ks-suiao de iilsoilno z 2$5oo a
peca de lo varas.
Vende se esguiflo de algodocom 4 pal-
mos e meio du largura, a 2,500 rs.: esta fa-
zenda be muito propria para lences, ca>
misas, etc. : na raa do Crespo, loja da es-
quina que volta para a cadeia.
A ti,ooo rs. a sacca.
Vende-se superior arroz pilado
a seis mil ris a sacca : no arma-
zem n. 1 do Dias Ferr ira, no caes
da alfandega.
Vende-se relogios americanos proprios
para cima de mesa, muito bons reguladora*
por prego muito comtiiodo : na rua do Tri-
piche 11 8.
PfiilV, NA.TYP.DfT M.F.DR FaRIA-

*anTClMfe

Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJKUPDSTY_5B63IY INGEST_TIME 2013-04-13T02:25:43Z PACKAGE AA00011611_06289
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES