Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06277


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Aiino XXV >.
.
Sabbado SO
VABTID4* DO 00BlO.
Golanna c Parahiba, segundas e sextas felra. "^
Illo-Grande-do-Notte, quinta feras ao meio-
dia.
Cabo.Serlnhiem, Rio-Formoso, Porto-Calvo
e Macelo, no I.", a 11, e 2! de cada mez.
Caranbunj e Bonito, a 8 e 23.
Koa-VUtt e Flore, a 13 e 28.
Victoria, as quinta felra.
Ulinda, todos o* das.
LXDXS.
Piiasm b.
/Ming. a 4, 1 h.e24m.dat.
Nova a 12, s 10 h. e 27 m. da m.
^wc, a 19, s 7 h. e 47 m. da m.
26, s 9h. e lin.dam.
wnxi.it
t ^K HO.
Prlmeira as t-9 hora e !>t ..
Segunda as II horas e 18 iiiimfo da manhaa.
alarde.
de Abril de 1850.
VBIQOS DA OBSCBIFIJO.
Portremezes(adianldo) 4/000
Por seis me/.es 8/000
Por uhi anno 15/000
MAS DA ataaiAirA.
15 Seg. S.Bazllissa. Aud. do I. dos orf. e m. t v.
10 Terc.S. Engracia. Aud. do chae, doJ.dal.
v. do civ. c do dos feitos da fazenda.
17 Quart. S. Aniceto. Aud. do J. da 2. v. do civel.
18 Quint. S. Galdlno. Aud. do J. dos orf. e do in.
19 Seat. S. llcrmogenes. Aud. do J. da 1. v. do
civ. e do dos feitos da fazenda.
20 Sab. S. Ignez de Monte Policiano. Aud. da Cli.
e do l.'.i 2. v. do crime.
21 Doin. S. Anselmo.
OAKBIOSEM 19 DE
Sobre Londres, 28 c 28'A < Pr
. Pars, 346.
Lisboa, 95 por cento.
Ouro. Oncas hespanhoes.........
Moedas de 6/400 vethas..
de 6/4'""' novas..
de 4/000...........
/'rala.__PatacSes brasileiros......
Pesos colurnaarios.......
Ditos mexicano.,.....
ABniL.
1/000 r. a 60 das.
29/000 a 29/500
llitiOO a Ki/800
16/100 a 16/300
9/100 a 9/300
1/1140 a 1/960
1/U40 a 1/960
U8U0 a 1/820
- airr: 'fS.
PARTE OFFICIAL.
GOVERNODA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 12 DE MARCO.
Oflicio. Ao inspector da Ihcsoiiraria de fa-
zenda, para que ein cumprimento de aviso im-
perial de 29 de Janeiro ultimo, remella com
urgencia secreiaria da presidencia uina rela-
pso dos instructores dos differentes corpos da
guarda nacional existentes ursla provincia.
Dito. Ao coinmandanle superior do muni-
cipio do Reclfe, recoinmendando a expedicao
de suas ordens para que a prime ira e segunda
legiio da guarda nacional deste municipio
marcliein reunidas frca de primeira linha, e
dos fiis, de maneira, porm, que a pleda-
de christSa mo degenere em hypocrisia e
zelo farizaico, demonstrado pela falta de
ordem e omissflo as ceremonias decreta-
das para a decencia do culto, principalmen-
te quando se verifica a real presenca de Je-
sns-ClirisIn, exposlo fiel adoracfto dos
verdaiieiros crentcs.
E pira que os nossos diocesanos mo se-
jm d'ora em ditnte Iludidos com irreli-
giosas opinies, ou persuasores daquelles
que nno estilo sciente* do rgimen a Imi-
nistrativo, pelo que respnita s festivi la-
des ecclcsiasticas, declaramos ter havb'o
considenvel irreverencia ao Sanlissimo Sa-
cramento, e escandalosa desobediencia ao
sol o seu coinmando para a frente da igreja p,Tj. parodio no acto da procissSo j men-
inalris da Boa_-Visla no dia 15 docorrente pelas 1 ciont(1s irreverencia, quando somente o
S&S^dlsftssos'que TveTrtg'a? K >** inlolerave. de gatigf.zer indiscul-
se da. Ofliciou-se neste sentido ao com na n-
<
dante da praca.
Dito Ao inspector da pagadorla militar,
para que, a vista da eonta que devolve, mande
entregar a Manuel Joaqultn Carneiro Leal s
quantla de 2:083,305 rs. em que imporlaram
' os genero por elle comprados para a ilha de
Fernando.
Dito. A cmara de Pfazarelh, declarando
que o profesior de prlinciras ledras daquella
villa Martlnbo da Silva Costa Jnior obiivera
do director do lyco drsla cldade no dia 7 de
fevereiro ultimo 15 das de licenca e depois a
prorogarao da inesuia por mais I ."> dias em ra-
sode trr sidoaccoiniiieliidu da febre reinante.
Dito. Ao Dr. Francisco Antonio Vital de
Oliveira, diiendo flear sclcnie de ter S. me. en-
trado rio exerclcio da romuiissao de que o ha-
vla encarregado. Officiou-se ao eirurgio
Andr Ferreira de Almeida, Inteirando-o de se
adiar elle dispensado de curar as pessons in-
digentes que forein accommetltdas da febre
reinante na fregueaia de Santo-Antonio por j
se adiar restabelecido o Dr. Francisco Antonio
Vital de Oliveira.
Circular. Aos juizes de direito da provin-
cia, para que proponhain pessoas habilitadas
para exercerein os eargns de supplentes dos
juizes munlcipaes em cada urna de suas co-
marcas.
Portara. Demitlindn a Joo Pacheco de
Queiroga e a Jos Mariuho Percira dos Sanios
dos lugares de inspectores de estradas da re-
parlicao das obras publicas. Fierau-se as
convenientes coninuincaces.
BISPADO DE PERNAMBUCO.
J)om Joo da Puriflcacdo Blarijuei PerdigSo,
eongo rtgranlc de S. Agostinho, por graca
de Dos e da sania s apostlica, hispo de
Pernambuco, do coneel/io de S M. I. C ,
ele., tic.
Aos habitantes desla capital sa !e, paz e
bencSo.
Posto que anda nos seja interdicto o uso
de lere escrever, em consequenca da grave
enfertnidade, quenusaccommetteu, todava
nSo nos he licita a procrastinacito da justa
censura e urgente exhoitaclo, que, na qua-
lidade de defensor do culto religioso, de-
vemos manifestar contra alguns fados, ja-
mis pralicados em algum oulro lugar, que
nSo ffeja l'ornsmbuco, onde quizeramos
nfioi'ossem reiterados, urna vez que a pra-
tica detaes abusos contradiga a religiosa
civilisQSo, de que muitos se ufanam de vi-
va voz, nSo attrntog doutrina evanglica,
gravada para nos instruir na arte do conhe-
oer os homens por meio de suas accoeg, for-
p veis exigencias, quiz cooduzir a Sagrada
Forma por algumas ras de indecente e im-
proprio transito, dermis que a prociss.lo
transitou por superfluo numero de ras,
segundo o cosluins muito mal cnlen lido,
qoando fundamentado em causas ou moti-
vos mo altemliveis, a cujo designio he mis-
ter occorrer em tpmpo proprio : hnuve
igualmente desobediencia, quan lo nenhu-
ma considerarlo e respeito se Iribulou ao
Hu. parodio, logo que este justamente
exigi a terminacho da procissSo em sua
propria igreja, devendo quaesquer fesleiros
estar convencidos da submissio devilla aos
Itvds. parochos, noqiiercspeita aoexerci-
eio do sua juris IioHii e s deliberacOes da
santa igreja, das quaes silo os guardas e
defensores, sendo impropria e llicila, qual-
quer tentativa opposla a esta nossa asser-
i;ao, ora ensinuada com o designio ti fazer
conservar na mente dos subditos a obedien-
cia legal, que estes devein a seus suporio-
res, constituidos em eminente hierarchia,
ccollocatlos na alia posr;uo de presidir ao
povo clirislSo.
Quando appare parochianos e seus respectivos parochos,
posto que nos parefam infundadas em prc-
seiiQa das leis existoutes, determinamos
que estas nos sejam apresentadas a lempo,
para com a nossa deciso hovera paz o'har-
monia, que deve reinar entre os filhos da
nossa predilecto, detestado o dusordena-
lle remcllida commiss.lo de constitui-
QIo o poderes a seguinte indicacito :
Reqneiro que sejam convidados a to-
mar assento tantos supplentes, quantos silo
os membros effectvos cujos impedimentos
j tem sido communicados, ou constam
assemblca.
Sala das sessoes, 1C de abril 1850.
Quedes de Mello.
O Sr. Horros Brrelo:-- Peco a palavra
pela ordem.
O Sr. Presidenle : Tem a palavra
O Sr. Horros Brrelo : Das medidas in-
dicadas pelo Exm. presidente da provincia
no relatorio com que so dignou abrir a
presente sess.lo, parece-mc de toda trans-
cendencia a que trata da ilesaporopriacHo
dos terrenos em que se acham edificadas al-
gumas povoacOes; c como supponho que,
sem commetennos u:n delicio contra e di-
reito de propriedade sem offer,der-se a le-
gislarlo em vigor, podemos providenciar
a respeito, organisci neste sentido uin pro-
jeclo que ora vou suhjcilar considerac.u'o
da casa, declarando logo, que nio tenho a
prosumpfdo de apresenlar um trahalho
perfeito, que sou o primeiro a reconhecer a
sua mpeiroicjiOi c que desojara que V. Exc.
o remettesse counnissilo de legills;flo,
afim de que ella o corrija.
O projecto, a que o nobre depiitado se
refere, he o seguinte :
Aassumbla legislativa provincial rc-
solve :
Art. 1. Ficam autorisadas as cmaras
municipacs para desappropriar os terrenos
necessarios ao crcsciincnto o afonnosea-
mento das cidades, villas e povoa^es que
fiem sede de paiochia.
Art. !.' A ilesappropriaQo de que tra-
ta o art. antecedente lera lugar, alem dos
casos determinados pela lei provincial n. 129
de2 de malo de i.svi, quando quab.|ncr
particular requerer cmara do municipio
uina porc.no de terreno para ser edificado
Art 3." Sendo a desapproprac,;1o feita
em favor de qualqucr particular, a inilem-
uisac,;1o ser feila por elle ao proprietario.
cupar a ^,enC50 ue v. F.xc. e da casi por logo que se aproximou a abertura desU as-
alguns miflt ^ eSperanca deque os al- sembk-a, parausar todos os feitos que ha-
tos conhecimeK^ _ue iransluzem na pes- viam no fiiro, coii o lim talvez Ue apalpa-
soa de V. Exc sdvvifj,, as minhas faltas, rem os nimos dos depuUdos, e agora, co-
Cunheco, Sr. presidontb, arduidadeda ms- moque ceitilicadosda indisposirjilo contra
leria, conlieco mesmo a o^sjjHjequegH,, semelhanto pagamento, procuram o poder
carreta ; porm, Sr. iiresi.lr*,,,^ ,,,,,., p0r juiliciario.
amor de seu partido soube niHaetuar cot Finaliso aqui, Sr. presidente.eslas miabas
0 poder, e sofi'rer urna demisso de majs reflexoes, que julguei dever apresenlar, nSo
dequHtro anuos, dada porum govrSqo es- S(' Para salvar a honrosa dignidade desta
tupido o perseguidor, mo he multo qu a cas, l,f,| linio se sujeite por amor de sua provincia, para dar o motivo porque voto contra o pa-
de sua honra e reputac.lo. roa^r.
Voto contra o parecer da commiss.lo, por- l>eQ, pois, o campo aos outros deputa-
que entendo, Sr. presidente, que a passar dos, que naishabeis do que eu, doscnvol-
nos termos em que est concebido nao s veriin meltior msteria.
defere aos peticionarios, sonrio que, previ- CSr.Joi Pedro repelle aquellas das espres-
nea rosolucflo de urna questso .lo alta im- 6U,'S.U0 precedente orador, que julga oBensi-
nortancia, qual he a competencia da assem- conui.issao: lusUoU que a casa nao coni-
1 I .',,..... Pcle o couheciincnto do neiocio, porquauto
Idea para resolver a semelhante respeito. aos irbunaes que nao a ella compete anplicar
questo que de maneira alguma podera ser as leis aos factos : mostra com diversos argu-
j tratada. memos que os pretendentes nao tecm direito
Voto ainda, Sr. presidente, contra o pa- ao que pedem ; porm declara que, nao nbs-
reccr da commisso, porque assim, demitte tantc suaconviccaoa respeito, enteude que ao
a assemblca de si um direito que lile he con- poder Judlclarlo compete o decidir essa uuei-
feri.lo pelas leis do paiz, quando a conside- ';' : ,,',u".08 areume.nos do precedente ora-
ra a principal Bsc.is.dora dosdinheiros pu ., ^S^I^N"'^^ ,enho ,
MlCOi, arcrescenlar ao que disse o nobre deputado
Voto finalmonlo contra o parecer, Sr. pre- que acaba de sentirse ; quero vir unicanien-
sidenle, porquo entendo ser elle um valioso tese irauquilliso ocspiriido Sr. deputado,fa-
documenlo, para rom mais farili lada oble- zendollieuina observaciio
rem os peticionarios, do poder juiliciario
urna decisSo fvoravel, e pergontarei agora
aos nobres Membros da commiasflo : poJer
esta assembla dcixarde consignar cota pa-
ra pagamento dos peticionarios no caso de
alcancnrem decisiio favoravcl '.. .
O Sr. Mannel Cnvalcanti:Sim ou nto.
O Sr Q. Fonseca :-- .... responJerei que
l'ergunto: se mis decidirinof aqui a queslo
desla ou daquella lorina, nao licarSo os reque-
rentes com o direito de sujeilarema questoao
coiilieciuieulo dos Iribuuacs? Creio que sim.
Kntao aonde esl.i a prevenco? Qualquer que
si'jj a nossa decisiio, tica ou nao aos pretenden-
tes o direito Fiea. Se a decisiio fosse favoiavel, cites nao
iriamaos tribuuaes; se nao fosse, recorreran!
Iflo ; porque, Sr. presi lenlc, com eslo pa- da nsa decisiio para elles.
recer decreta a assembla a scntetic de sua "emais, senhores, a questao viul, aquella
que nos lez concordar no parecer, foi o nao
condemnaeo.
O .Sr. Jos l'edro -.-Em que parle ?
O Sr. Q. Fnnseca... dizen lo que Ibe nto
compete a decisiio. Sr. presidente, eu nilo
na opponho a entrega do requerimento,
sa fQa ;
pdennos nos pesar aqui a materia devidamen-
le : he nos tribuuaes que as partes ho de al-
legar todo o seu direito a^iui. aindn que quei-
ranto* entrar na quetto, nao sei se o poderc-
ni s f cao, visto que talvez nos nao seja possivel e\a-
convenho mesmo em que ella sa rsrja ; mas
il m>i lo algum concordaroi em quo se di- "nardcvidaiuente a questao.
V Art. "?> Quando a' caiara 'julgar con- gi, que no he do dominio da assembla o' '"ira reilexao farel tambein. para vr se
veniente a disappropriaclo rj^Jreno re- UAri-> '^LSSLSt^i^^^^
querido, annunciaia por meio de editaos, ou o que be peior, que rt-co iheccntR-o o. tidIlariSi e lin,l,i1.1111n,1P 0 mesouro Iba
no decurso de um mez, q lia c hora em quer dcmiltir de si. Nao voni tal de-'
do capricho, coes.iirito do insubordina-1 que ello deve ser clluctuado, convidando o Jcisiio, Sr. presidente, servir de obstacu-
?io, quo fcilmente se iotroduz no animo proprietario que vira acoinpanhado de um lo
daquelles, que, louge de recorrerem no i re-'arbitro do sua escolha.
lado diocesano, passam a manifestar pelas) Art. 5.* Por parle da cmara a presen-
pague, poderemot negar os fundos necessarios
folhas publicas, sentimentos que a carida- tar-sc-ho o seu procurador e o engenheiro lito lio de all importancia, e nos nto |
de christSa, e a honrosa eJucac/io exprs- encarregado da mediejto. (mos decid-la lilo sofregamente. Sr.
tuto em seu impedimento, he obligado p
smente detestam.e nos acremente censura-
mos, e analhemalisamos.
Nilo nos he rstranho o intento daquelles
i|ii", dispostos aprestar esiiiolas om favor'presente'lei a assistir a desappropriacao
das procistOes, pretendem obrigar seus di- para decidir definitivamente, no caso de
rectores a que estas transilem pelas ras do! dcsaccrdo entre os arbitros,
sua residencia, ou por oulras, as quaes I Art. 7." Su a desappropriaQo bou ver
residetn pessoas que Ibes perlcncem, sem sido requerida,dever assistir lambein a ella
cuja con in,;"ni mo concorrem para a cele-'a pessoa que a requerer para dcclarar.se Ibe
bracito desle acto religioso Nos, porm, conven) o terreno pela iudomnisa^iio, deli-
esperamos que os nossos diocesanos, me-tuitivamente arbitrada
Ibor rcflectiudo sobre a irregularidade del Art. 8.' Ajustada a indeninisaQo, man-
tilo importuna exigencia, refoTinem sua. dar a cmara recolher ao cofro o valor
nio recta inlencitt), aq mesmo lempo quo della e lavrar ur.i termo em que assignar-
com a maior vehemencia recommenJamos se-hito todas as pessoas cujas preseencas'.
a rejeiffio a plena repulsa duUesesmolas, sito reclaniadas pelos artigos unleceJoutes ;
se porvonlura foreni prestadas com (So in- dopois do quo sera embolsado opropiiu-
para esse pagaincnto; procedmento esse de
que j nos deu um exetuplo o nosso parla-
l'mSr. Diputado da um aparte. | ment. E essa decisao, ou qualqucr ontra que
O Sr. Q Fonseca ....engaa se. esta cides- houvermos de tomar, fundar-se-haleuiduvida
Mitle- nns esclaieLnientos que, a respeito do nego-
nre- K'0- regnltarem das discusses que bouverein
i- lujarnos tiibuuacs.
do .aidente, quero conceder que as rcllexoes fa parcce (|1|e OJ pretendente, nao Mn ra.
ni; mas nao lites posso negar o
|ue mes assiste de procu arr-ni o direito
Art.6- p juizdopaz omexercicio
districto do lugar, ou seu legitimo substi- que acabo de fazer nilo lenliam todo peso e -,0 no que pede
pela consideraedo que Ibes don ; mss pergunta- direito que lhes
rei aos nobres membros da ommissio, que que julgam pertencer-lbes. Demais,he preciso
nrcessidade temos de fazer semelbante de-1 examinar a questao cuidadosamente; e, sem se
ClarecSo? F. note V. Exc.queos petlcio-. ouvtrem as parle, nao se pode faierjustica
nanos .i islo nilo nos forr;am. Quero mes-
mo que me digam qual a utilidad^ qued'abi
resultas \
Um outro molivo tambem, me obrigotl ai
pedir a palavra, Sr. presidente, e foi deten-!
mando destes o merecido conceilo. lix
frurtibui eorum cognoscetiseos.
"'Sendo, pois, mister que promovamos a
decencia e venerarjilo devida aos mysteros
da religio, qua adoramos, altcnUmenlu
recommeudamos a exacta observancia dos
sagrados rilos, e ceremonias prescriptas aos
funccionariosecclesiaslico, particularmen-
te aos direclurea das festividades celebra-
das no interior ou exterior das igrejas, con -
vencendo-seda que, se esta nossa recom-
mendar;lo nilo for sufllriente,
a corrigircoin penas cannicas toda equal-
qtiT inl'rrtii;"m de obediencia tributada
sagrada lilurgi, quaudu niio soja possivel
preveui-la, com o lim de evitar actos mais
occasionadores de iinsflo, qTJB de verdadei-
ra pedade.
J em outra occsaSo intentemos eslra-
nhar publicamente o canto das lirs as
matinis solemnes pelos morios, acompa-
nhadigcom o piano forle, e improvisadas
em tom de lamentsi6es de Jereaiias, como
se praticou na igreja de iNossa Sennora do
slita e extravagante candicSo-
Palacio da Solidado, 15 de abril de 1850.
Joto, bispo do Pernambuco.
PEnNAMBUCJ
ASSEMBLA PROVINCIAL-
7.* iuo ordinaria em i7d*ubril de 1850
Presi lenca lo Sr. Pedro Cavalcanti.
pausaremos J SUM/itnto. pprovaciio da acta. Expedien-
te. Parecer. Indicacao. Projecto.
/pprovacio do parecer da commisolo de
orcainenlo e faf.nda sobre o requerimento
dos poituidoret de teltrat falsificadas da Ihe-
sovraria da fazenda provincial; do projeclo
n 8, em primeira disciHtao ;do den. 2,em
segunda, com o artigo addilivo do Sr. Olivei-
ra, e do de n. 3 at o art. 3 a
A's II horas da manhaa, feita a chamada,
verifica-se estarem presentes 22 Srs. depu-
tados, fritando sem causa particinada os
Caimo dest. capital: motivos, porm, eii's-, ?" barlto do Suauuna, Soares de Macelo,
tram para que una particular pPa*ibif^o.lltoc,*>-RM>' ?.,l,w? Ralis e Silva, Ale-
nos salisflzesse.
Nt'io mencionamos outros iticonsidera los]
e irn Hedidos lacios, indicativos da irreve-1
i.incia que se iiresla ao Sanlissi ino Sacia- "'" \Tro"~7r'''~'"~'- ,
memo, poslo que por inadvertencia, como ^. i." Secretara, menciona o segutnte
aqueile, que dizem, se praticou na igreja de j l'.XI'EDIE.NTh.
Santa Cruz ( collocada na freguezia da ba-1 l'm requerimento de Joaquim Clemente
Vista ) no dia de quinla-feira-maior proxi de l.cmos Uuarle, pedindo que na lei do
ma passsda onde, depois de solemne expo-'orijainenlo se marque quota para o paga-
i\(8o de JeUi-CbrlstO mn seu mais emi-j me'iilo do que so est devendo ao petici-
nenle throno, apparecouum iistrumento nario pelo lempo que regeu a cadeir de
desconhecido, tocado por uina mulber, ej primeiras letlras da freguezia do-San-Frci-
acompanhadopor uu, rabequista, cercados' l>edro-GonalQves. A" commissito de orea-
es tes dous individuos de outros com as eos-ni en lo.
las para o luminoso throno. I He lido c approvado o seguinte parecer:
Que diremos, porem, respectivamente i] A commissito de comtnercio eagncul-
procissflo da llessurreicao, que saino da tura, 4 vlsla da deliberac-lo desta assem-
igreja de Santa Cruz no prsenle anno, prin- bla, tomada em scsso de 10 do corrente,
xandro Bcrnardino, Silvestre, Sottza liis.
O Sr. Presidente declara abena a scss.lo.
O Sr. 2. Secretario a acta da sesso
clpal objerlo desta nossa carta pastoral
Esle religioso acto, nto organisado com
aqueile espirito de religio,que esperamos,
pela qual foi mandado mesilla commissito
tomar novamento em considcrac.lo a reso-
'uclon. 1* do anno passado, julga necssa-
qiiando concedemos a necessaria licenca, j rl0 "I"0 se pe segundo dooionstrou o indecoroso proced-! a fazenda provincial coutribue com alguma
nimio de seus dirertoies, como catrnoslas quantias do que trata o $2. art. 1.da
sullicienlenicnle inslt uidos, he sem a me-, lei n. 196 ; assim como de oulras quaesquer
or iiezita(flo um poderoso incentivo para .de que trata a mesma le.
nos obrigar a exigir seria reflex.lo naquel-) Sala das conunisscs, 16 do abril de-
les quo se destinam a promover actos da f 1850. Barros Brrelo. Mantel Cavalcan-
rcligiao, que pretendem expr u crotifu ,i. -- Domingos Mal R ENCONTRADO
tai io do valor da indemnisa(3o.
Art. 9." Se, no praso de um auno, nio
se hover edificado no terreno, a cmara
manda-lo-ha arrematar em hasta publica,
licando o arrciualanlo subjcilo a edificar
em prazo igual. O producto da arrematadlo
iicar fazendo parte das rendas munici-
paes.
Art. 10. Se, no praso de um mez, con-
tado do dia da axaco dos editacs de que
trata o art. *.#rappareccrcm concurrentes,
tica garantido ao proprietario o direito de
escolheroquo mais Iho convicr entre elles,
o qual iicar tambem subjeito disposir;io
do artigo antecedente.
Art. II. Quando a cmara, sem proce-
der requerimento do particular, entender
conveniente desappropriar algum terreno
para o lim designado no art. 1.* desta reso-
luc/io a indemnisacno ser feite pelo seu
respectivo cofre, c tirado da quota que esta
assembla houvur annualmente marcado
para tal lim; licando tambom a cmara sub-
jeita a edificar no prazo de um anno, ou a
aforar o terreno desapropriado a particula-
res impondo esta condc1o.
ai i. 12. Fica autorisado o presidente
da provincia a promulgar um regulamento
para a boa execu^.lo desla lei; o nos casos
em que ella .fr omissa, recorrer-so-ha
lei n. 129 de 2'de tnao de 18**.
Art. 13 Ficam rovogadas as dspos-
ciics em contrario.
> Sala das scsscs, 17 de abril de 1850.
Francisco do fego Barros Brrelo.
Em consequenca do pedido do nobre de-
putado, he o projeclo rcmeltido commis-
sito do legislado.
lUM-usso do parecer da comissSo de fa-
zenda e ornamento, sobre o requerimento
de Manuel Joaquim Hamos eSilva o oulros,
adiado da sessuo anterior, por haver pe-
dido a palavra o Sr. Queiroz Fonseca.
O Sr. Presidente : Tem a palavra o Sr.
Queiroz Fonseca.
O Sr. Queiroz Fonseca :Depulado novo,
falto de inteligencia, e sobretodo nimia-
mente acnliadu ; eu, Sr. presidente, me le-
ubo conservado at boje silencioso, deixau-
do o campo das discusses a esses cloque-
les oradores, que me lem precedido : mas
agora, Sr. presidenle, que se trata de urna
questao 13o importante, 13o vital para a pro-
vincia, eu nto posso continuar assim, sem
Irahir os meus mais rigoroso devores fa-
zendo, pois, da fraqueza fricas, cu vou pc-
, defender a honra odignida-listo o que fez o nobre deputado; et
, que julguei comprometidas, l,u'"s" ",au ser isto '"uit0 Pro"io- dei *
inr.v. elles que alleguen) nos tiibun es ludo quanto
lhes fuera beui, e rntaoa assembla far o
que entender Justo. No emanto o parecer da-
ve er approvado, c euvolo porelle.
O Sr. Jllei/o lleijo : Sr. presidente, eu nao
pensel que um aparte que dei qu>*ndo fallava o
der a honra, e dignidade desta casa que sup- Sr. deputado que se assenta do outro lado.po-
pii/ com [ i ometli las.... I desse oflender a sua susceplibilidade e, nao
Um Sr. Deputado :Km que eompromet- 'obstante pretender volar pelo paiecer, enten-
te m a commissSo .' I dia cnlc'"10 anda, que qualquer opnio que
,." ., ., (se inauifestasse a respeilo do direito que assis-
05/-. Q. fonseca BU respeilo milito os ,e aos peticionarios, era aventarjuizos preina-
membros da commiss.lo, e bein longo eslou (luros. Se a commssao emende (no que eu con-
de fazei juizos temerarios ; talvez fosse mal curdo} que casa niio rmpete couhecer da
comprehenJido : mas dente, que Uve lambein em vista, quando
pedi a palavra
de desla casa
nSo s porque reparava eu quo esse parecer
passava sem discussao alguma; entretanto
que outros menos imprtanos e transcen-
dentes solTiiam calorosas e violentas dis-
cuss>s, t'omobem, os do factura deacti les,
trasla 'ar;3o de imagens, e concessoes do lo-
teras, &. sen3o porque, muito ge falla acer-
ca desle negocio, e mesmo mal se interpre-
tado o silencio que guardamos a icspeito
delle. E mo sera islo um verdadeiro com-
promctlimento ?....
N3o be, Sr. presidente, minba inleiif.lo
occtipar-me agora da quesMo em si...
0 Sr. JOs Pedro : Ah he que deve en-
trar.
OSr. Q. Fonseca.... n$o estou preparado
para isto, alm de quo nSo julgo opportuna
occasi3o: so eu livesse a habilidade do no-
bre depulado. nao remana discutir agora
mosmu : j v, pois, V. Exc ,que n1o con-
cordo em que se negu esse direito a assem-
blca....
UmSr. Deputudo :-E porque ?
OSr. Q. Fonsrca ....porque nilo resulta
Utiltdadea Iguma de semelbante declaradlo e
se assim n3o he, mostr- me o nobre deputa-
do o conlrno, i rove que he til submetter
esla questoao juizo definitivo dos tribu-
nal-.
Sr. presidenle, nilo se me dr compro-
melter-me a aventar esta quest3o ncsla ca-
sa.....
Vm'Sr Deputudo .-A occasi.lo he oppor-
tuna.
O Sr. Q. Fonseca....nao be opportuna, co-
mo pro-a o nobre depulado, porque para
combater o parecer da cnmin.sslo, basta
ponderar que elle envolve a icsoluc.lo im-
plcita do que deve ser largamente discu-
t.lo.
ulra rasSo ainda existe, Sr. presidente,
para mostrar o direito quo temos de resol-
ver respeito, e que os proprtos peticiona-
rios a esta assembla recorrern!, e nio me
posso persuadir, Sr. presidente, que um
corpo Uto respeitavtd, como o comtnercial
pernainbucano, nilo livesse advogados lia-
bais de quem se itlforinasse acerca do direi-
ao que a tal respeito Me assislia, e tanto he
cerlo o que acabo do referir, que, como he
publico c notorio, os peticionarios lucrain,
nao tecm direito ao que requeren!? Mas fot
eu, que
ao nobre
pensando
que era nada o utl'eiideria com isto....
O Sr. Juii l'eilro : Nao me otlendeu.
( Sr. Helio II. j-i: Como o vi alguma cousa
arrebatado, pensei que se linlia olfendido....
O Sr. Joi Pnlro : He meu modo de fallar.
O Sr. Helio Reg : Bein... He o que tinha a
diter. Voto pelo parecer.
O Sr. Q. Fonceca falla ainda oulra vez
aprsenlando novos argumentos, e certifi-
ca nilcJ ler intenc3o de ferir os nobres tnum-
bi'os da eommisso.
OSr. los Pedro observa que o Sr, deputado,
que o anleccdeu.coiitrariara ludo quanto havia
dito quando fallou pela primeira ves ; poique,
leudo antes reconhecido a competencia da ca-
sa para couhecer da materia, e at se couipro-
iiicltido a entrar iiell.i, agora disse que drclina-
va desse direito.
Contina a sustentar o parecer, desenvolven-
do ainda mais as rases que pela ves pimeira
apresentou, e ponderando que, tendo os peti-
cionarios pedido o requerimento sob o pretex-
to de se lhe nao ter dado deferiinento algum,
era preciso defender a couimisiaodessa impu-
i i. a.i de negligencia ; iuiputaco Uo mais in-
justare precipitada, i|uanlo he cerlo que os pe-
ticionarios apreseiilarain esse requerimento na
ultima sessa i do anuo passado, e o pediratn ax
segunda deste.
Julga-se a materia discutida; e, submetido
o parecer vota(o, he approvado.
O Sr. Queiroz Fonseca :Por f6rca do art.
1*9 do regiment, peco a V. Exc. manda
laucar na acta s dclsrago de que cu votei
contra o parecer.
O Sr. Presidente .O Sr. georelario far a
declararlo.
ORDEM DO DA.
Primeira discussSodo projecto n. 8, revo-
gandoalei prov'.ncal n. 172 de 20 de no-
vembro de 18*6
NSo ha vendo quem tome a palavra, he
posto voiaco, eapprovado.
Entra em segunda discusslo o projecto n.
2 que extinguo o ofiicio de tabelliSo priva-
liwdag hypolhecas.
OSr. A. F. i Oliveira :Sr. presidente,
pedi a palavra para otTerecer duas pequeas
emendas que' em nada alteram o sentido do
projeclo, o pelo contrario completam seu
pensamento.
No projeclo nto se diz qual o destino que
hito t|e teros livros quo se acham no car-


lonodashypolhecas; eporisso eu propo-
nho que passeni elles para o de um dos la-
belliSes desta cidade: esta he a primeira
parte da minlia emenda. Vamos, nois,
segunda. '
Diz o projecto que fica derogada a le de 9
de junho de 1837; mas, existindo una le
de 1838 que tem disposicOes acerca da ce-
lebrarlo de escripturas fra das comarcas
da cidade do Recite, pode entender-se que,
nBo sendo taes disposicOes relativas ao ofli-
io que se extingue, nBo (icam derogadas
por isso eu proponho que expresamente se
declare revogada essa lei lambem ; isto
para evitar demandas no foro como i
tem succedido.
Vilo A mesa, e s3o apoiadas para entrar
em discussnoas seguintes emendas
Artigo Os livros que actualmente se
acharo no cartorio do tabell3o privativo
das hypothecas, passanlo para o do tabel-
llo Salles.
tundo sem causa os enhorca Machado Rio,
Quciroi Fonieca e Soare de Macedo.
OSr. Presidente abre a icssSo.
O Sr. 2. Seerttario le a neta da leato do dia
17, a qual he approvada.
O Sr. l. Secretario menciona o seguate
EXPEDIENTE.
Um ollicio do secretario da presidencia, par-
ticipando que S. Exc. o Sr. presidente havia
marcado o dia 20 do correte para receber a
coinmissao nomeada por esta assemblca afim
de te congratular com o mesmo Exm. Sr. pela
pacilicacao dcsta provincia. Inteirada.
Outro do inclino secretario, remeneado o
ore amento da obra da talha da capella-mr da
matriz da villa do bonito, requisitada poi ata
2<
dando aconitum as febres reinantes, mas
alguns em que dses P Eu vi urna receita
de nove oncas de agoa destillada com 20
goltas ilu ii/on,'!!:; para tomar urna colher
de sopp, de hora em hora. A segunda dose
o doente tinha-so tornado furioso So n3o
suspendem o remedio, matam-no. (luiros
deit.lo quatro goltas naquella porcSo
d'a^oa, o tem tirado bons resultados...
O nosso incansavel amigo o Sr.J.V.Martlns
tem ompregado;toJos os seus esforcos alim
ile obter do corpo legislativo (oda prot ~
(Ao que merece lito bonelica sciencia__
rm tendo a eommissJ- de laudepuhji cama
posta de trea uie/cos Hopji|tjl'udo 0 seu
Declarares.
\ ,<* cousa,
reguVidada.
proteo^
cama-
;?.,incSid"" A'co"""issSode nFBOCio' cccle"f dos Srs ftWMo'uJTt^uriau envia-
Iparecer-^t-vam^^ co,|egi> nennum,
contraria se tem
Outro do mesmo secretario, participando ha-1 cmara d-
ver a presidencia communicado (hesouraria I '.aOluciTn *Voravel ou
-Artigo. Ficam revogadas todas as dis-
posicOes da le de 15 de j.inlio de 1836, e de
9deiunhode1837, relalivas celcbracilo
de escrituras de bypotheca. -A. de Uli-
reira.
O Sr Correa de frilto :-Sr. presidente, as
Hiendas em discussilo me pareccm ocio-
las, e por conseguinte desnecessarias. A
primeira dellas tem por fim passarpara o
cattnrio de um dos tabellles desta cidade
os livros queestavam a cargo do tabellio
privativo das bypothecas ; mil supon*"
que isso ho da competencia do juiz .jueti-
verde (Secular a lei que se diserte. Toila
a vez que se extingue um carioso qualquer.
o respectivo juiz I rala de providenciar so-
bre 0 destino do aichivo desse cartorio : ao
menos assim se tem praticado ; e, quanto a
mim, muilo regularmente. F. nao he s
nesta parle que pecca a primeira das emen-
das apresentadas pelo Sr. segundo secreta-
rio ; ella ae resente de oulra falta anda
mais saliente, qual a de designar o labellhlo
qne deve lomar conta desses livros, e por
ronseguinlo querem que a assembla rou-
Le ao poder judiciario urna de suas atlribui-
cOes a dcescolher otabell3oa cujo cargo
dovem ficar taes livros ; quendo ho certo
que o juiz, quo tiver de exeeular a lei que
eslanios formulando, ser o mais competen-
te para fazer semelhanle designacjlo ; visto
que, conhecendomelhor do que nos os ta-
belliSes existentes, em cousequencia de es-
lar em contacto immedialo com elles, man-
dar enlregar os livros quclle que mais ha-
bilitado estiver para os guardar, ou que
mais niiili.mca Ihe inspire.
A segunda emenda do nolire doputado
tem por fimrevogar as disposicOes de urna
le que nilo he referiJa no projecto.
F.u emendo que, havenlo dito que (cava
extinelo o lugar de tabelliao privativo de
hypothccas, e derogados todas as disposi-
cOes em contrario, tinlia declarado sem vi-
gor a lei que creou esse lugar, bem como as
que della emanaran! ; e quo, portanto, tem
providenciado ludo. Demais, derogada
a lei de 1837, as hypothccas serii > feitas
na provincia, de aecrdo com a legislacilo
geral; as bypothecas sero feitas em Per-
nambuco como silo as demais provincias
do imperio, Quetn, pois, tiver de fazor urna
hypollieca tem de ir buscar nns Icis geraes
a guia do que Ihe cumpre praticar ; porque
be por essas que a naleiia passara a ser re-
gulada, e n3o pelas provinciaes (|ue, na op-
n3o de muita gente Ilustrada, nada leein
que entenda com isto.
Cteio ter justificado o projecto, e demons-
trado a inutilidade das emendas do nobre
depuUdo,
O Sr. A. F. de Oliveira :A' vista das
observares do Sr. deputado, nilo leiihodu-
vida de retirar a primeira paite da miiiha
etrenda, visto que se eitende que ao juiz
compete o dar destino a csses livros.
Quinto, porm, segunda parte, ainda
insisto nella, porque entendo que o pro-
jecto s revoga as disposicOes relativas ao
tabelliao privativo, entretanto que a lei de
36 estabeleceu condicOes para as hypo'.he-
cas feitas nasotitras comarcas ; e portanto
pode suppor-se que esta legislaco lica em
vigor. .
OSr. Brillo :Para que, Sr. doputado?
O Sr. A. F. de Oliveira :Para que ? ..
Para o effeilo de se suppr que a bypotheca
de um bem, situaJo no Itio-Formoso,nilo
possa ser feila -em nullidade na cidade do
Recife.Para evitar duvidas revogousecx-
pressamente. lie o que proponho.
O Sr. Correa de Itrilto :Sr. presidente,
como j declarei em outra occasiSo, eu
tambero jul(jo ociosa a segunda emenda do
nobre deputado, c julgo-o pelas rasOes que
entilo expend ; mas, como cssalemenda em
nada altera o espirito do projecto, e segun-
do ni) axioma minio sabido, rjuod abunda!,
non noctt, adoplarei essa emenda e volarei
por ella.
Dcpois do brevissimas reflexes do Sr.
Francisco Jo3o,'encerra-sc a discussilo, e he
approvado o projecto em segunda discussilo
com a segunda emenda do Sr. Augusto Oli-
veira, tendo retirado previamente a primei-
ra, coro consentimento da casa.
Segunda discussSo do projecto n. 3, re-
gularisandoa administracilo das loteras, e
dando outras providencias a respeito.
O art. 1." he approvado.
Ao art. 2. vai a mesa u seguidle emenda :
Km lugar de dous escrivdes, diga-se um
eterivio relia.
Apoiada, entra em discussilo
Depois de breve discussilo, he a emenda
retirada a pedido de seu autor, e o artigo
approvada,
Ao art. 3. he mandada a seguinle e-
menda:
Em lugar de 400,000 rs., diga-se 300/
n.Horipet.
Apoiada, entra em discussilo.
Sendo a emenda impugnada pelo Sr. Jos
Pedro, encerra-so a discussao, e o artigo
ho approvado, sendo a emenda n jeitada.
O Sr. l'reiidenle designa a ordem do dia,
c levanta a scssSo. (Eram 2 horas da tarde.;
da fazenda provincial a Momearan d ajudante
doporteiro para porteiro da assemblea. '-
teirada. ._ wiva
Vui requermeato de Jos.Paiilmnalca ,,.
Montciro, professor publico de k ..
tina da eldade de Goiaona. pe J 3e lnc "an
de restituir a quantia feWW ri corres-
pondeate a cine ann^ c'n 1' elle nada per-
ebeu para pautar-** do a,u8u" *'a "sa e
utencilios d-aul7 e'" co,iequeiicia da le i.
\H de 22de 'aio de '*' c Puraque c Ihe
continu a **" aniuialmciitc a referida con-
ii ilnii ao commisaao de orcautento.
Ontrprequerimenlo da irmandade de Santa
\ ni, estabelecida na igreja da Madrc-dc-Deos,
.. iiii'si'ix.-inilu acerca do projecto da assem-
bla, que manda demolir a capella do Senlior-
liom-Jesus-das-Portas e transferir as imagens
nella existentes para a dita igreja da Madre-dc-
Deos; e pediudo que esta assembla lome em
consideracao as rasoes <|ue allega em sua pe-
tieo, pelas quaes julga injusta a ideia de se ti-
raren) as imagens existentes nos ollares da
iiicsma igreja da Madrc-de-Peos para se eolio-
careinas que vierem da referida capella. A'
coinmissao de petices.
Outro requerimento de Luiz de Oarvalho
llrando, pedindo que sejam desmembradas as
faieodas denominadas Pooia-da-Scrra, Urejo,
Bom-Jesus, Bom-Successo c Poco do Ico, per-
teucentes ao termo da ttoa-Vista, as quaes pela
antiga divisao fazem, contra aulilidade publi
ca, parte da fieguezia de Nossa Senhora da as-
sump(o de Cabrob, e pede por isso que cssas
fazendas passeui a pertencer freguezia de
Santa-Varia. A' coinmissao de cstalislica.
He ljdoe declarado adiado, por se ter assig-
nado vencido o Sr. primeiro secretario, o se-
guintc parecer:
A commissSo de polica, a que'n fOram
presentes quinze requcriinenlos solicitando
o lugar vago de ajudante de poreiro desta
asseinbla.havendo tomado em devida consi-
deracilo todasasallegacese mais attestados
de servaos com que os prcte.ndentes procu
rarain apoiar essa prelenco ; he de parecer
que o cdado Joaquim Clemente dos San
los seja prvido no referido lugar vago de
ajudanle do porteiro desta casa.
Sala das commissOes da assemblca le-
gislativa provincial, 19 de abril de 1850.
Pedro Cavalcanti.-'f tile: de Guevara (ven-
cido).'* de Oliveira.
O Sr. Mello llego manda mesa o seguin-
te requerimento :
Itequeiro a urgencia para discussilo e
volado do parecer da commissHo de poli-
ca qifc acaba de ser liJo.Mello Reg, a
Submelido a votaeflo he rejeilado, (can-
do subsistente o adiamanto do parecer.
He lido e approvado o seguinte perecer:
Para que, com conhcciiiiento de causa,
o smente guiada pelos principios de justi-
ca, possa a commissiio de inslruccSo publi-
ca emittir o seu parecer sobre o Diento de
varios compendios de grammatica porlu-
gueza, que tcem sido IrasiJos ao couheci-
menlo desta assembla, carece de ter em
vistas o parecer da commissiio de professo-
res do lyccu que examinou aquello que
compoz o cidaililo Jos Uernardino de Sena,
o ollicio do secretario da presidencia coro
oqual veioteraesta casa um exemplar do
n i'jii.n compendio, n quaesquer documen-
tos que a respeito exislam na secretaria do
governo, ou em a do mencionado lyceu : e,
como iienhum destes papis esleja na pasta
da commissiio, nem nos archivos da casa,
requer que, pelos meios coinpelenles.sejam
elles exigidos.
Sala das commissOes, 19 do abril de
1830./'. Correa de llrillo. A i. de Olivei-
ra -L. P f'avuleanti Vellez de Guevara.
Silo remellidos commissiio de constitu-
Cfioe poderes os diplomas dos Srs. barilo
deCapibaribe eJos II. Je Mello.
A commissiio sabe da sala; e, vollanJo
punen depois, manda mesa o seguidle
parecer :
A commsso de consliluiciio e poderes,
a quem foratn piesenles os diplomas dos
Srs. depulados barilo de Capibanbe e Jos
DanJeira de Mello, passou a verificar os
ditos diplomas, e achou-os conformes, coro
a apumeflo geral feita pela commissiio no-
meada por esta assembla em sessiio pre-
paratoria, sendo o primeiro deputado pro-
pietario, oo segundo, supplenteem sexto
lugar.
Sala das commissOes da assembla le-
gislativa provincial, 19 de abril de 1850.
P- J. (."oriteiro da Cun/m. Cacalcanli de Al-
buquerque.Castro Leo
Approvado, silo introduzdos na sala os
Srs. deputados de que trata o parecer e,
tendo prestado juramento, toma ni assento.
(Couar-ie-AoJ
HOIEOrATIllA PURA.
7.' SESS0 oaoiaau, em 19 de abril
di 1850.
Presidencia do Sr. Pedro Cavalcanti.
Si Minino Approvaco da tela.Expediente.
I (llura de pareetreAdmitan doSr. baro de
Capibaribt, t Dandeira di Mello. llejrifa da
urgenc a para a discutsa do parecer da commis-
sao d polica ecrca da nomeacao' para ajudnnle
rfr portfio. Approvafao' dos arligos'" < 4.*
do projecto n. 3, em segunda discussao.
A's 11 horas da inanhaa, feita a chamada, a-
cliain-se presentes 28 senhores depulados, fal-
Reccbemos cartas ejornaes do sul e do
norte, em que se nos d noticia do estado
sanitario d. s outras provincial, No Rio*
de-Janeiro a febre amarelja,depois de liaver
destruido para mais deseis mil vidas.parece
declinar algutna cousa. A horocc ipathia,
assim como aqu e na Untiia, tem salvado
um extraordinario numero de inJividuos.
Muilos tcem sido os allnpalhas, que se teem
convertido i verdadeira sciencia de curar.
F, ns que ainda seguem os antigos errns,
se leem vis'o na dura necessidade deem-
pregaro aconitu), eoutros medicamentos
homcuopathicos em tinturas, e em dses
muilo mais diminuas do que he coslume
nal receitas allopathcas.porm anda muito
afastadas das regras prescriplas por llahne-
reann. He do notar que aquellos que tem
administrado qnalro gol tas de tintura, tem
obtido melhores resultados do que os que
empregam esses medicamentos na dse de
vinte gottas. A este respeito transcrevo
aqu o trecho de una carta datada de 29 de
marco prximo pissado, escripia por pes-
soa muito respcitavel da corto :
< A horr oeopathi, apezar das curas que
tem fetooda inmensa clnica quo tea,
contina a ser atacada como he decrer)
pelos allopalhas, no enlanto estes estflo ja
W hoje tomado. Assim vai lulo em nossa
trra !
Na Bahia ainda contina a febre ni tripu-
lar lo dos navios recem-chegados, e mesmo
tem havido algumas recah Jas em trra.
as Alagas ella lem cedido de sua fu-
ria na capital, nSo aconlecendo assim em
S. Miguel, para onde o Exm. presidente en-
viara um medico com o fim de soccorreros
indigentes. Nilo pretendo oflehder nem
de leve ao meu amigo e colloga que para I
foi ; mas n3o devo deixar de dizer que se
elle nao tiver empregado os medicamentos
homecopaticos, ha de ter o desgosto de
ver-se rodeado de cadveres, feilos n3o tan-
to pela molestia, como pela violencia dos
remedios allopathicos. Attcnda-se : o ce-
lebre Slahl e seu commentador, encanecido!
na sciencia e na arte, avaliam em sete entre
dez o numero do$ doenles que suecumbem
acedo doi medicamentos (allopathicos) dalos
em lempos nopportunos, ou em muilo grande
qunnlidude. Nos estamos intimamente con-
vencidos quo a maior parte dos que tem
perecido por occasiSo das febres actuaes,
fram vietmas dessa melicina allopalhica,
chamada por escarneo, racional.
Das provincias do norte, o llin-Cranle,
Cear, e Maranhilo, nilo fram anda assal-
lados pelo assustador flagello. E permita
Dos que esses nossos iranios u3o teiihtm
occasiilo do experimentar o perigo, por que
passamos.'
Na Parahiba ainda continuava o mal, po-
rm co:n menos intensidade. OSr. Anlrc
llraz Challen, professor de homecopathis,
que la deixei na roinha passageni para o
Marantnlo, te dos, quo eram do esperar de sua pericia.
A populaQ3o do Para vai sendo estragada
pela epidemia Crescido j he o numero
dos fallecidos. Os meus amigos, Mr. Ma-
rn* Port, naturalista francez, e o Sr Jos
do O' de Almeida se tecm disvellado om
soccorrer a pobreza, empregando as doses
infinitesimaes. Muitas s3o as vidas, que
elles leem salvado; e muilo mais serate,
se os Srs. allopalhas abalen lo seu mal en-
tendido orgulho, reconhecessem o perigo
dos erros que professilo, c recommenJas-
sem a seus doenles o uso da medicina sal-
vadora ; porquinln he de observac3o que
entre dez doenles tratados alopticamente,
sete morrem dos remedios que tomuram.
Depois de nos haver aqu coadjuvado,
empregando seus conhecimentos em bem
da uuiandade, parti honteiii para o llio-
dc-Janeiro no vapor Paraense, o nosso ami-
go e collega Dr. Caitos Chidloc. Motivos
muito especiaos o cliamaram corte, onde
iem sua familia, e onde goza do um bem
merecido conceilo pelas brilhantes quali-
lades, de que he dotado. Prospera Ihe seja
a viagein, e permita Dros que v elle en-
conltar sua boa familia em pleno gozo de
sa Je, e de paz de espirito.
Dr. Sobina Olegario Ludgcro Pinho.
Recife, 18de abril de 1850.
DIAIliU DE PEBSiiBUCU.
D.ECIFE, 19 DE ABHIX, DE USO.
A assembla oceupar-se ha amanh.la de
leilura de projeclos, pareceres e indicacOes !
- conti i n ico da segunda discussilo do pro.
jecto n. 1 segunda dos de ns. *, 5 e fi ;
e conlinuac3o da ordem do dia de hoje.
COW^ERCIO.
7:933,390
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 19.....
bescarreqam hojeio.
Rriguc francez Yolof~ merendonas.
Itrigue brasileiio fortuna charutos.
Rrigue porliigucz Veloz lageJo.
Briguo inglez Adam-Smith mercadu-
ras.
CONSULADO GERAL.
Ilendimento do dia 19.....2:802,395
provincias...... 62,926
2 865,321
Diversas
EXPOIITACAO.
Despachos martimos no dia 19.
Ilusin, brigue inglez Mi;ry-Taylor, de
202 toneladas, conduz o seguinle :
3,000 saceos con> 15 000 arrobas de assu-
car, 2 tneias barricas cora 7 arrobas e 5 li-
bras de dito, 1 barrica com familia de man-
dioca.
'IIECKBEDORIA DE RENDAS GEP.AF.S
INTERNAS.
Rendimento do dia 19......264,320
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 19..... 1:709,891
Faz-se publico, pela segunda secpWTJo
consulado provincial, que se es'nto do
a cobranca do imposto de20 c onsumo das agoas-ardemestre de dezem-
brasleira, venc'* <0*assalo, e que, findo
bro do anuo,. \ e pro\eder executivamen-
o prea*1*' todos os que ctcixarem de ter pago
ti-ierido imnosto.
Oarsonal de guerra precisa de dous
fliciaes de funileiro: a tratar no mesmo ar-
jial com o ajudante do mesmo.
"V- Perante o conselho d'admnistrarjao
nava! tem de contralar-se a compra de unir
porc3o de covados de baieta asul ferrete
de primeira qualidade para fardamentos das
piaras de mirinhagem dos navios arma-
dos ; bem como tem de arrematar-so por
venda nina porgan de cabo de linho vellio ;
portanto, convida-se a quero convier tan-
to a ven Ja da baieta, como a compra do
cabo a comparecer na' sala das sessOes do
conselho, s 12 horas da mstih3a do dia 20
docorrente, ac npanhados de propostas e
amostras, quanto baita.
Sala das sessOes do conselho d'aminislra-
eflo naval, 18 do abril de 1850 O secreta-
rio, Christovlo Sanl'lago d'OUveira.
Pela subdelegada do lenle se faz pu-
blico que foiapprehendido um relogio de
nitro, que sean lava oiTerecend o por me-
nos de seu valor, pelo que julga-se ser fur-
tado: quem fr seu dono comprela na
mesma subdelegad), que, dndoos verds-
deiros signaes Ihe, ser entregue.
Publicbaos lili era ras.
Sahio i
O
luz
FILIIO NiTURAL
ou
AS PBOVAS DA VII1TU0E,
comedia om 5 actos em prosa, por Diderot,
traduzida do francez por urna senhora na-
tural desta cidade : vende-se na piara da
Independencia, livraria ns. 6 e 8, por 1,000.
O RELIO SEXO.
Este peridico collaborado por urna asso-
ciac3o de jovens acadmicos, he especial,
mente destinado dversilo daquella frac.
can do genero humano cujo nome o adorna -
A sua publicarlo ser mensal om liviar.-s
de 12 a 16 paginas em 8." portuguez, e ten-
do de sabir do prelo por todo o mez viu-
douro, assigna-se para elle na livraria da
prara da independencia, ns. 6 e 8, a 1,000
rs. por trimestre.
Vovimeiiio do "orlo.
Navios entrados no dia 19.
Avisos martimos.
Para o Rio-de-Janero sabe muito bre-
ve o patacho Sma -Trindade, forrado e enca-
vilhado de cobre, do superior marcha : re-
cebe carga a frele, passegeiros e escravos a
frele : a tratar com Francisco Alves da Cu-
nda, na ra do Vigario, n. II, primeiro
andar.
Segu para o Aracaly, ateo fim deste
mez, o hiate Flor-de-Cururipe, mnito velei-
i'o e forrado de cobre : quem no mesmo
quizer carregarou ir de passagem, entenda-
se coro Luiz Antonio de Siqueira, na ra
da Ca lea do llecfe.
Segu para a Haba, no da 28 do cor-
rele, imprelerivelmente, o hyale S.Joio,
e para o resto da carga, trala-se com o Sr.
Antonio Paula Fernandes Eiras : no arma-
zciii do Sr. Das Ferreira, no Caes da al-
fandega.
Segu viagem para MaranhSo, ornis
tardar al o fim do corrente me?, a escuna
Marn Firmina, s Ihe falta um quartoda
carga : quem quizer carregar ou ir de pas-
sagem, dirija-so a ra da Cadea do llecfe,
escriptoro de Jos Antonio Bastos.
Para o llio-de-Janero sahe impreleri-
velmente no dia 18 do corrente o patacho
nacional Curioso, por se achar com o seu
carregamento quasi completo : para o res-
tante, passageiros e escravos a frete, trata-
se com o capillo, ou com Luiz Jos de S
Araujo, na ra da Cruz, n. 33.
Para o Rio ce-Janeiro
segu imprelerivelmente, no dia 19 do cor-
rente, o patacho nacional Amtade-Cons-
tanle : para o resto da carga e passageiros
trala-se com Machado & Pinheiro, na ra
do Vigrio, n. 19, ou com o capil3o a
bordo.
Para o Itio-de-Janero salie,
com a maior hrevidade possivel,
a escuna nacional Tentatlota, com
a maior paite de seu tuga promp-
ta : para o resto, passageiros c
escravos a frete, tratase com An-
tonio Alvcs de Miranda Guima-
r3cs, ou com Novaes & Compa-
nliia, na ra do Trapiche, o. 34-
Paia o Rio-de-Janeiro segu impre-
lerivelmente, no dia 17 do corrente, o bri-
gue brasileiro Venus, por ter parte do seu
carregamento prompto : para algum resto
de carga, passageiros o escravos a frete,
queram os pretendemos dirigir-se ao es-
ciiptorio da viuva Cuadino & tillio, praci-
nha do C.orpo-Santo. II. 66.
Para a Btllii segu ero poucos das o
hiate nacional Ligeiro, de primeira marcha,
pregado e forrado do cobre: para o resto
da carga e passageiros, trala-se na ra do
Vigario, n. 5.
Para o Cear devo sabir imprelorivel-
rnenle a 24 do presente o hiate Novo-OlinJa,
meslre, Antonio Jos Vianna, esteja bu n3o
abarrotado; e s o nico obslabuoo quo
p le haver, para falhar a sahda nesso dia,
be a bem conliecida falta do manija, para
mo ter comjplelado a sua IripulaQSo (7 pes-
soas! poisque o maior numoro do ma-
rinhagero, que hojo temos na ciibotagem,
he na navegacSo barcaceira, que, com quan-
to perita n'arte, prefere antes, ganhando
ponm, cantar o coco por essas praias do
nortee sul; e isto he bastante para o bar-
co" (que no seu composto n3o sent estas
cousas) merecer indulgencia dos dignos
pdem contar com.
_ -- Para o Rio-de-Janeiro sahe,
com a maior brevidade possivel, o
brigue nacional Lilia : quem qui-
zer carregar, ou ir de passagem,
dirija-.se ao capito na praca do
Commercio, oa a Novaes & Coav
ptnihia, na ra do Trapiche,n. 34.
Vende-se o patacho ameri-
cano Romp, de lote de iaC tone-
ladas americanas, forrado de co-
be, muito veleiro e prompto para
seguir qualquer viagein : os pre-
tendentes dirijam-se ios consig-
natarios, Henry Forster & C. na
ra do Trapiche, n. 8.
-- A veleira escuna nacional Emilia, de
que he capitflo e pratico Antonio Silveira
Macel Jnior, deve chegar do Para por
estes das, para onde voltar com esca-
la pelo MaranhSo, com a maior brevi-
dade : quem na mosma pretender carre-
gar, ou ir de passagem, deveri entender-so
com JoSo Carlos Augusto da Silva, na ra
dt Cruz, no Recife, n. 13, armazem.
Para o Cear segu eom toda a bre-
vidade o brigue nacional losefina: quem
no mesmo quizer carregar ou ir de pas-
sagem, Irate com Domingos Rodrigues
de Andrade, no Trapctie-Movo, n. 4, ou
com Jos Carlos Feneira Soares Jnior, na
ra da Cadeia do Recife, ou com o capilSo
do mesmo, Marcos Jos da Silva.
PARA A CIDADE DO PORTO,
segu o brigue portuguez Bom-Paslor,reee-
be carga a frete e passageiros,pera os quaes
offerece excellentes commodos : os preten-
dentes dirijam-se b capil3o, Jos Comes da
Silva, oua Bailar & Oliveira, na ra da Ca-
deia-Velha, armazem, n. 12.
'p*
Leilo.
C. J. Astley&Companhia farSo leilflo,
por intervenrilo do correlor Oliveira, de
um completo sorlim.uto de fazendas in-
glezss, suissas e allemilas, de algodSo li-
nho, 13a e de seda : lerca-feira, 23 do cor-
rente, s 10 horas da manhSs, no seu ar-
mazem da ra do Trapiche-Novo.
Avisos diversos.
Por ctridadi:
l
Machio 20 horas, vapor de guerra nacio-
nal Thelis, cnmuiandante o capt8o-tc-
nente Anlonio Francisco Pereira. Conduz carregadores que j leni"suas cargas abor-
o segundo haialinlo de caradores do, e uniros que anda querem melter mais
Marseille 41 dias, barca sarda Unido-lla- cargas; louvoresa estes, porque nSo relro-
liana, de 387 tonelalas, capitSo Jos Chia-' ce lerain sua paavra, para canegaremno
rollo, equpagem 17, car;a diffcrenles navio, que tem de sahir depois do meiado
mercadoriis; JoSo Pinto de ;i.cmos ct, daquclle mez, em quo canta o Cuco. Por-
Filho. tanto, os senhores que quizerem ainda car-
Atienda a cmara municipal, ou mande
que o fiscal lance suas vistas para o quin-
tal da venda n, 4 da Camboa-do-Carmo,
onde constantemente se recolhem para
mais de 30 ca becas, entre porcos e cabras;
uutrosim para a casa terrea, em ruinas, na
ra do Cano ao voltar para a ra das Flores,
que actualmente aerve de despejo publico e
de lalriua. S Etc o Sr. presidente da pro-
vincia muito recommendou a respeito da
salnliridade ; ambos esles focos de epide-
mia pJem ser destruidos, a nSo se querer
que esta cidade seja acoloiada de nSo po-
liciada. Para os porcos e cabras correccSo;
e para a casa em ruina, obrigar o pro-
pietario a mura-la.
Quem queralugarum sitio com ca-
pim, querendo um que, alm de capim,
tem ludo que quizer, dirija-se a Prxedes
da Fonseca Coutinho, no consulado geral.
-Joaquim Xavirr Vieira Ligo, cidadilo
porluguez, relira-se para a Europa.
Desappareceu, om das da semana-san-
ta desta i| un resma, da sala da casa n. da
ra da Matriz da Boa-Vista, um chale gran-
de de seda preta,com franja larga; presu-
me-so ser furtado|por pretos de casa.ou ou-
liem : a pessoa a quem fOr vendido, que-
rendo-o restituir, se dar o seu cusi, e se
Ihe ficar grato.
Quem souber fazer assucsr, assenta-
mentos ile tai xas e alambiques, e tiver ca-
pacidade para se incumbir da gerencia de
um engenho no Amazonas, no Para, decla-
re sua morada para ser procurado.
Caetano Mandes da Cunha Azsvedo
encarrega-se de comprar e vender escravoi,
mediante urna commissiio rasoavel, para
o que promelte empregar toda actividade
no melhor desempenho dessa tarefa: os
pretendentes o acharSo prompto em casa do
sua residencia na ra da Alegra, n. 26, na
Boa-Vista.
A pessoaqne annunciou querer fallar
com D Joaquina Antonia Florencia Besso-
ne, diriji-se a praca da Boa-Vista, no se-
gundo andar do sobrado por cima da bo-
tica do Sr. Ignacio de Couto.
-- Quero quizer morar de grag em um
sitio, com boa casa de viveuda, fructeiras,
ptimo banho, e muitas outras commodl-
dades, e perto desta cidade, para botar sen-
tido, dirija-se ra do Collegio, n. 16, pri-
meiro andar.
Precisa-se de um padeiro quequeira ir
para o mallo : a tratar na ra do Crespo,
n. 3.
Joo Keller & C. fazem sciente qua
o Sr. Gregorio Antunes de Oliveira deixou
de ser seu caixeiro desde o dia 16 do cor-
rente.
Oabaixo assiguado pede a.,quero ss
julgar seu credor, por dbitos etr seu no-
me contrahidos, lellras assignadas ou on-
docadas, ou obrigacoea ainda por vence-
rea, de se apresentar com seus documen-
tos, no prazo de oilo das, para serem pa-
gos. Recife, 19 de Abril de 1850. ~S6as-
imo Jos Goma Penna.
Quem tiver contas particu-
lares com C. J Azltey quena
apresenta-ias no escriptoro, nes-
tes 3 dias.
Jacintiio Ignacio Martins, subdito por-
tuguez, retira se para sitia de S.-M>guel.
Jos Verissimo da Rocha relira-se para
fra do imperio, e sua mulhur, Mara da
Concec3o Pereira.
Susano Munz, do iia^o Sueco, retira-
se para fra do imperio.
-- Esla muilo breve a siir luz aLyra-
/Jri/e.iu-collecc3o de piesias de /'. A.
Ferreira Lima : as pes-n is, que quizerem
suliseieve-la, dii ijam-se a ra da Cadeia-
velha, n 31, luja do Sr. Gardozo Ayrcs ;
a ra d > collegio, luja u. 9 ; esquina do
C.ollogiJ, loja n. 2.
MELHOR EXEMPLAI


tstL.

F-NGENIIO D'ASSUCAR.
Arrenda-se por prego omito commodo o
engaito denominado Ba-Vista ua Trogue-
zia da Escada, distante do/.o legoas desta
praga, o qual engenho est moento corren-
te com animaes uresentemenlc, por se ter
arrombado o agJe, com que moia, cujo
reparo com pouco trabalho o tornar exccl-
lente moedor com agoa; para o que tem
ptimas proporgoes: tem ptimas trras
do varzeas, todas lavradias, de ptimo as-
sucar e tniiitooommodas ao engenho para
condcelo da cana : multas precisas para
o trafico do dito, casas de purgare do en-
genho pegadas efeitas de lijlo muito no-
tase do excellentes commodidades : o cer-
cado lio o melhor Je pasto que he possivel
e mais commodidades ver quem o preten-
der negociar : que podera dirijir-se ao mes-
nio engenho a tratar com o propietario,
que prometle fazer o negocio mais commo-
do possivel ao que houre* de arrendar.
fGUANDE 2
^ consultorio homoeo-
pathico,
Dirigido pelos facultativos l)r. Sabi- *!

noe l)r. Luz.
Ra do Trapiche,
Francisco.
Hotel-
<:

al
Osdoentes pobres terSo gratuita- -
& mente todos osdias cousultas e re- <;.
* medios para o tratameolo de suas <'.
? molestias. <--
' As visitas, fra deste consultorio, -<
sero felts por qualquer dos dous *
mdicos, nicamente quelles en- *j
Termos cujo estado moi bido os re- ^
clame em sua casi. 43
s>

GAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA3
--Aluga-se, em S.-Amaro, prximo a
fundigo, urna casa terrea muito decente,
com quintal ao lado e boa cacimba : a tra-
tar em Fra-de-Portas, taberna n. 145, ou
na ines:na casa que se acha com escriptos.
l'recisa-se de iim feitor pa-
ra um tifio perlo da praca .- quem
esliver tiestas circumstancias, di-
rija-se airas da matriz da Boa-Vis-
ta, sobrado n. 18, ou ra do
Trapiche, n n. 36.
Quem tiver para arrendar
um engenho com algttns escravos,
e que tenha porto de embarque
perlo, dirjase ra Nova, loja
n. 4<)i o" ao engenho Novo da
Aluriheca.
Na ra de Agoas-Verdes, sobrado de
um andar n. 14, dSo-se bolos de vendagem,
a pretas a quatro vinlens a pataca : t mbem
lava-see engomma-se roupa.
Passaportes.
Tiram-se passaportes pura dentro e f-
ra do imperio, despacham-sc cscravos e l-
ram-so ttulos de residencia para seinpre:
para esto lim procura-su na praga da Inde-
dencia, livraria n. 6 c8, e na rua doQuei
rnxlo ii 25, loja do miudeas do Sr. Joa-
quim Monteiro da Cruz.
Roga-se ao Sr. A. II. I,. S. que naja
de virn mandar pagar a quanlia de 30,220
rs. na padaria do paleo da Santa-Cruz,
n. 6. que S. me. he devedor desde 3 d<
maio de 48 al o presente, dinheiro este
que se Ihe adiantou sendo forneiro da dita,
o quo nilo satisfazendo no prazo de Ires das
vera sen niint por extenso.
Precisa-se de duas pessoas quequei-
ram applcar-se ao ollicio de marcenaiia,
para o que d-se sustento, afim de assisti-
rcro na mesma casa : na ra da Cadeia de
S.-Antonio, n 18.
Sociedadc Apoliinea.
A direcgSo convida os,Sis. socios pa-
ra comparecerem em assemhla geral da
soriedade no dia 20 do crrenle pelus 5 lio-
ros da tarde, afim de se tratar de negocios
transcendentes; por isso espera que nSo
deixem do comparecer. AJvertindo, po-
rm, que quelles socios que uo se acha -
rem quites para com (a societade ateo lim
do mez de margo, dclxaro de tomar parte
em toda e qualquer deliberadlo ; ficando
como tal considerado iluminado da mesma :
chamando attenco dos mencionados se-
nhores, a disposig.lo clara o positiva do art.
8 dos estatutos.
oiTi'iei-i'-M- um menino brasileiro, de
idade de 12 annos, para caixeiro de loja de
fazenda ou miudezas : quein precisar an-
iiuni'ie, ou dirija-so ao beccodo Azeite-de-
Peixc, n. 16, por l>aixo do sobrado.
Na ra estreita do Rozario, n. 28, se-
guuJo andar, se dir quem da dinheiro a
premio.
J se abri n loja de seis
is.
Precisa-sede um feitor para o sitio da
vitiva Araorim, em Ponte-de-Ucha.
Jte Chapeos de sol
Roa do Passeio, n. 5.
Ntsta fabrica ha presentemente um rico
sortimento destes objectos do todas as co-
res o qualidades, tanto de seda como de
panuinho, por pregos commodos; dilos pa-
ra senhora, de bom gosto : estes chapeos
sBo feitos pela ultima moda ; seda adamas-
cada com ricas franjas de retroz. Na mesma
casa so acha igual sol tmenlo de seda e pait-
ninhos imitando sedas, para cobrir ar-
mages servidas : lodas estas fazendas ven-
do'ii-se em porgo e a relalho : tamben: ae
concerta qualquer chapeo de sol, tanto de
hasleas de ferro como de baleia, assim co-
mo umbelas de igrejas: ludo por prego
commodo.
II o ubo.
Na noite de 6 para 7 do passado, foi fur-
tado a um prclo que venda fazendas, urna
grande lata e um carillo com diversas fa-
zendas linas ; pois lendo o mesmo preto,
por molivos de embriaguez, chamado um
ganhadorpara carrregar a fazenda, o mes-
mo se evadir com todas as fazendas e al-
gum dinheiro que carregava. Itoga-se, por-
tanto, a polica ou a qualquer pe.isoa que
tenha noticia do occorrido, de dirigir-se
ra da Cadeia-Velha n. 2t, casa de Manoel
Antonio da Silva Antunes, que ser gratifi-
cado com oo.iiiio rs.
-
IIOMOEOPATIIIA PURA.
Rua do Trapiche, n. 40.
Roticas e livros para otrstamen-
poiiaf
O novo administrador da loja sita em
frente da igreja do Nosra Senhora do l.i-
vramento. querendo trocar por scdulss os
miiiios jaaidcs que acbou na dila luja,
ti'in resillo vendo los por todo o preco,
e desta forma olferece vantagens aos che-
fes de familias e senhores de engenho a re-
f'7cicui-.su do vestuarios por commodo
prego, pndendo dirigir-se dita loja a exa-
minar a boa qualidade das fazendas, e esco-
Ihercm as quo melhor conta Ihe lizerem,
sean Jc-se esta loja abeila das 6 horas da
mantilla al as novo da noite, offerecando
assim commodidades a algumas senhoras,
que de passeio queiram ir pessoalmcnlo es-
colher e compiar a seu goslo evontade:a
vista, pois, >le alguns precos que aqu men-
ciona, conhecer oleilorquc he exacto o
que Ihe manifesta, como sejam chitas de
bons pannos escuras, a 140, 160, 180 o 200
rs ; chales de rede, a 320 rs. ; lencos da
mesma rede, a 160 rs. ; ditos brancos do
mo para senhora, a f40rs ; panno da Cos-
ta com 8 palmos de largura, a 320 rs. ; bre-
tanlia de rolo com 10 varas, a 1,600 rs. ;
lencos de seda para algibeira e hombros de
senhora, a 800 rs. ; cortes de cassa-chit de
bonitos padrOes, a 2.000, 2,400 e 3,000 rs. ;
e tudo o mais se vende muilo em cotila p u
se querer apurar dinheiro e surtir a loja de
fazendas novas.
<:
iC
1
<-
to dos enfermos pela homecopathia : ^j
acham-se a venda por mdicos \<
pregos. '
f)r. Luz se offerece i dar todos J
os esclarecimentos necessarios para ^
. o melhor uso dos mesmos. ^
> <>
Roubo.
Furtaram, do sitio do abaixo assignado,
em Ponte-de-Ucha, um relogio de ouro,
com vidro, patente inglez, de annisls, Li-
verpool, n. 8,705, com urna correntinha
tambein de ouro: gratifica-se com 50,000
rs. a quem der noticia onde se acha o dito
relogio ; assim como se dar a quanlia que
alguem tenha dado sobre o mesmo por pe-
nhor, ou compra ; na falta, promette-se
perseguir com todo o rigor d* Ici o pos-
suidor do mesmo relogio, logo que se sai-
b.i quem he ; assim como j se sabe do rou-
bador. -- J. A 7Y>| unior.
\ i Iahricade caldeireiio
di ra Imperial, n. 181,
(fe Jos" IHabo & Draga,
fazem-se machinas de Derosme o do outro
qualquer modelo para espirito, ferragens
amarellas, almof'arizes, candieiros de di-
versos modelos, escrivaninhas, perfumado-
res, palmatorias, esporas do salto e de cor-
reia, lorneiras para alambique, Na mesma
fabrica acham-sc ofliciaes promptos a sa-
hirpara qualquer engenho desta provincia,
paia conceitarem machinas e alambiquos:
lamli'iii ha para vender areia de fundir,
chegida ha poucos das, e da mellior qua-
lidade que tem apparecido. Kundem se
broii7.es para encenbos, parafuzos para ro-
das d'agoa e loda e qualquer obra de cobre
e bronzeque se ofierecer nesle estbeleci-
menlo, com legalidade e consciencia, ein-
quanto a qualidade de metaes, por muito
mais barato prego do que cm outra qual-
quer parte.
Atiendo.
Agencia de passaportes
A anliga.agencia da ra do llangel, so-
brado n. 9, contina a tirar passaportes
para dentro e fra do imperio, e despa-
cham-seescrsTos, por mais commodo pre-
go quo he possivel.
Carlos Claudio Tresse,
fabricante de orgos e
realejos, na na das
Flores, n. 19,
avisa ao respeilavel publico que concerta
or1os e realejos, pOe marchas modernas
deste pan, concerta pianos, seraphinas, ca-
xas de msicas, accordSus, o qualquer ins-
trumento queapparega : tambein faz obras
novas,e vende um orgSo proprio para capel-
la, ouallar-mor, com boas vozes, por prego
commodo.
Aviso aos amadores
de
Fronlispi' i do Carmo.
Tendo-se dn feslrjar a SENHORA DO
CARMO DO FRONTISPICIO, no dia 21 de
maio prximo vindouro, convida-se, por-
tento, aos Srs. procuradores da actual elei-
cSo, abaixo declarados, a comparecerom
no mesmo convento, no dia 16 do corren-
to, pelas 4 horas da tarde, afim de se tra-
tar da distribuigSo das cartas e arrecada-
cao das esmolas. Ezequiel Jos do Carva-
llio, Thomaz Ignacio Garret, Manoel Jos de!
Oliveira, Jo.lo Pereira daSilvera, Romflo
de Souia Lisboa c Antonio Vicente Rrekcn-
field.
100,000 rs.
Furtaram, na tardo de 8 de fevereiro
do passado anno, do sitio, no Remedio, fj
pertencenteao abaixo assignado, um preto i
de nome Viconle, nagSo benguella, que E
representa de 35 a 40 annos, cor prcta, al-
tura e corpo regular, pouca barba, peque-
nos signaes de bexigas roda do nariz, um
taino no meiodo queixo,que a barba enco-
bro; pisa|um pouco esbarrado eapapagaia-
do, com os deJos grandes dos ps abertos
para dentro; quasi nunca falla, pelo que
parece mudo, e quando falla lie ISo pouco,
confuso e atrapalbado, que parece bugal;
he um pouco leso ou maluco : quem u pe-
gar, ou delleder noticia, ser bem recom-
pensado; rorm quem oapresentar ao a-
baxo assignado, senhor do dito preto, re-
eeber 100,000 rs.; cutio se quer saber
quem o tra?, nem onde o pegou, basta en-
trega-lo na ra do Rangel, n. 54, fabrica
de licores, que recelier o premio.--I'cto-
rino 1'ranciico dai Santa*.
^|nsirau u^^^ VWV iff
IIOMOEOPATIIIA
I ^
$) Ituu do Trapiche, n 40. 'v
-- A pessoa que anounciou precisar do
umbomemque ntenda do fabrico de as-
sucar para se incumbir da gerencia de um
engenho no Para, dirija-so a ra Imperial,
n. 181, aue achara possoa habilitada para
esse lim, e que deseja contratar este ne-
gocio ; pois, alm das qualidades exigidas;
sibe fazer toda e qualquer obra quo fr pre-
ciso para o machinismo do mesmo enge-
nho, e dar nesta cidade informaces a res-
peito de sua capicidade.
PKIMEIROEGRANDE
consultorio homoeo-
pathico. -
Dirigido por J. B. C.
m.
|,Rna da Cadeia de S.-
Antonio, n. i l
a O Dr. Luz avisa s pessoas que Ihe
m pediram livros e boticas homuopatliicas, ^
fqueos tem recebidnpelo ultimo vapor ^
. i'eceinclier'.'ido do sul; assim cono J
JJ continua a prestar se a toJo e qual- ?
V quer esclari cimento necessario para o J
V melhor uso dos mesmos medicamen- V
V tos no tratamento das molestias. V
e
mus-
de bom
apreciadores
cas novas c
gosto.
Joo Vignes, morador na ra larga do
Rozario, n. 28, primeiro andar, acaba de
receher pelo ultimo navio viudo de Franga,
um grande sortimento de msicas, como
sejam : valsas, variagOes, polka, quadri-
Ihas, modinhas brasileiras e oulras italia-
nas ; bem como o melhor melhodo para
piano, solfejos para cantoria, tudo pelos
m'lhores autores da Europa e da mais mo-
derna escola. Na mesma casa vendem-se
os mais ricos pianos que teem vindo a Per-
nambuco, os quaes sSo feitos de proposi-
to e com novo machinismo, para que te-
nbam grande duracOu; assim como tam-
bemaehirflo na mesma casa pianos ingle-
zea, com pouco uso, vendeudo-se tudo pe-
lo mais commodo prego.
Kngciilio Qiieluz.
Fregueziade Ipojuca.
Traspassa-se o arrendameuio do dito en-
genho, o qual tem a presente safra a lirar,
e Ires a criar. A tratar na ra da Aurora,
o. 26, ou no mesmo engenho com Miguel
Augusto de Oliveira.
N B.O engenho tem excellente pasto,
he bom d'agoa, e tem bons cercados ; e,
caso haja quem queira comprar a safra'
-er-lhe-h i ella vendida, entregando-se im
mediatamente o estabelecimento.
AMMsAMA AAAAAAAAA
Urna criada branca, viuda ltimamen-
te de Portugal, para urna pessoa lora da
praga, uo querendo subjeilar-se estar no
malto, offerece-se a qualqner pessoa nes-
ta praga : a tratar no Mondego, em casa ale
l.uiz Comes Ferreira.
--Quem qulzer [dr em urna casa para
prender a coser, bordar, marcare fazer la-
varinto, alguma negrinha, ou mulatinha,
dirija-sea ruadas Cinco-Pnntas, u. 82.
Oliveira Irmilos & Companhia fazem
scienle que deixou de ser seu caixeiro Luiz
de Oliveira Mello.
Luiz de Oliveira Mello retira-se para
forado imperio : quem se julgar seu cre>
dor, de objectos para elle, ou em nome delle
comprados, dirija-se, no prazo de oito dias,
ra or Cruz, n. 9.
Afiiiac/o Afinam-se pianos por diminuto prego:
na ra dasl'loies, n 19.
Jolas.
Fazem-se caixas de guardar jo'ias, obra
li u feita, por diminuto prego: na ruadas
Flores, n. 19.
Tras;iassa-so o airendamento de um
engenho de boas Ierras de produgfin, por
prego rasoavel : lamben) se vendem os per-
tences do rendeiro, sendo animaes da ro.l.i,
muito bons e gordo*, poldros, lavouras c
safra a colher: os pretenden les, dirijam-se
la esli'oila do Rozario, n. 32, quo se di-
r quem faz este negocio e se darilo todas
as informaces.
Manoel Duarte Rodrigues, legalmenle
autorisado por Manoel Jos Francisco e
Quilcria Mara, residentes em Portugal,
pai e ii.'i. universaes berdeiros do falleci-
do Antonio Jos Francisco Veiga, para pro-
mover a arrecadiglo dos bens deixados,
convida aos crednres a apresentarem suas
conlas na ra do Trapiche, n. 26, ara se-
ren attendidos ; o roga a todos os devedores
ile mandarem pagar seus dbitos, do mais
curto csspago de tem,o, para poder dar
contas aos ditos herdeiros.
-- Na ra das Cruzes, n. 40, venda de Do-
mingos ila Silva Campos, ha bichas huni-
hurguezas para alugar e vender, tent a
relalho como em porgo : por prego com-
modo.
-- Precisa-se de um feitor que (rabalhe,
entenda de noria, arvoredos e vaccas: na
Magdalena, estrada nova, primeiro sitio de
poi tilo de ferro.
Precisa-se alugar urna
ba lavar, engommar e coser,
estrangeira : na ra do Torres, n. 34, das
11 horas da manhta s 3 da tarde. Na mes-
ma casa t.iii:hem se precisa alugar um pre-
to que entenda do servigo interno e de tra-
tar de cavados.
Furto.
No dia 6 do enrenle, as8 horas da noi-
te, um pelo ganhudor lu lo.i do porto das
canoas da ra Nova, Un) bahuzinho de fo-
Iha pintado do azul, conlendo 3 iroagens,
urna do Senhor Ciucilicado, outra de S-
Amia, e outra de S.Antonio, estando esta
ultima paramentada de ouro; bem como
um espelho de moldura dourada e algumas
\| Asdses e consullas hornee ipathi- *
"f cassoreduzidasa 5,000 rs para as P
Jj pessoas livres, e a 2,000 rs. para as 'ir
i eseravas.
Os doentes sero visitados lodosos :{jl
'? dias sem nenhuma outra pga. t
( Toda a iiessoa quo se apresentar ;{
no consultorio declarando s?r pub'e, i--:
" recelnro consultas e remedios gra- ;*
^ tuitaoicnte.sem p'ccisar de alteslado \j
i
WSWWWWMHW* 9tW'ff.WW'm tf
. -- Quem aiiiiuneinu p-ecisar de urna pes-
soa para geronte de um engenho no Para, e
que tem os quisitns que mencionou no dito
annuncio, dirija-so ra Sova, n. 49, loja.
Precisa-sede um feitor : no primeiro
sitio com porlilo de ferro, na estrada que
vai da Cisa-Forte para o Pogo.
.. Moje, 20 do corrente, as 4 horas da
tarde, rito a praga perante o Sr. juiz mu-
Dicipal da segunda vara, na rua da Madre-
de-Deos, dous escravos, por execugao de
Matheus Austin & Companhia contra Jos
Burles & Companhia, os quaes devem ser
infallivelmente arremata los, por sera ul-
tima praga.
Acha-sc cm poder de Francisco Paes
Brrelo, no engenho Velho, um escravo de
nome Venancio, que diz ser do Sr Anto-
nio Pessoa da Silva, senhor do engenho
Cotunguha, que queicndo negocia-lo, po-
de apparecer ; do contrario, o mande con-
duzir.
--Luiz Munizda Silva, Portuguez, reti-
ra-se para lilla de S -Miguel.
O Sr. Frncisco Pereira Cuimariles quei-
ra dirigir-se a tab.'.rna da esquinada rua
Augusla.n. 1, do Victorino, a negocio de
seu inl-resse.
- O senhor, que leve a animosidade de
fazer o annuncio no Diario n. 80, de 10 do
crrenle, queira esclarecer, porquo ha mais
Maras na ierra, e para livrar de tantascou-
jcclu'as, ileclaro-se cspecilicadamente, pa-
ra por este mcio livrar ao abaixo assignado
de offender o melindre de pe-soas, que Ihe
so uffetas.--Francisco iotiDiat.
Felippc Jos de Figueiredo relira-se
para fura do Imperio para tratar de sua
saude.
-- O ptofessor de tachigraphla, leudo ob-
llo 'la conunisso de polica da assemhla
legislativa provincial a Iiivu.'.i de que trata
o art. 9 do regulamento de 31 de agosto de
1849, convida os seus alumnos a compare-
cerom 6m sua casa na rua imperial, n. 165,
da manha al s horas, e detarde depois
das3, afim dos scientidear ita hora e ma-
ucira porque as ligues devero ter lugar.
-- ReUgio das carias das pessoas que
dernm suas esmolas para a procisaSo do Se-
nhor Rom-Jess dis Chagas, ao abaixo as-
signado, nesle correle auno.
Os Srs :
Jos dos Sanios Ncves 1,000
D. Theicza de Jess 1.0PO
Luiz Antonio Muscaienlia 2,000
Joilo de Brito Correia 2,000
Joaquina Tcriuata Sezana 2,000
Paula Fausta de Mello 2,000
Manoel Jos da Silva Ncves 1,000
Juo llenriques da Silva 9,000
Margalina Malfada do Espirito Santo 1,000
Florindii Nazaria 2,000
Alexandrina (moradora na Suledade) 1000
Antonio Camillo da Costa 2,000
Florinda de Souza Pontes 1,000
Dr. Manuel Jos da Silva Neivas 1,000
D. Thereza de Jess Salgado 1,000
juga, que lenha Ierras soOlcientes pira u m i
fabrica regular poder trabalhar, diodo-83
preferencia ao que seja d'agoa : quem osti-
ver as circumstancias do fazer este nego-
cio pode dirigir se ao engenho Todos o
Santos na rroguezi de Serinhaem fallar
com oSr. Jo3o Vioira da Rocha, ou nes-
ta praga com Jos Pereira da Guata.
Troca-seum relogio do prala. caberlo
e patento inglez, muito bom regulador, por
outro de ouro, coberto e da mesma fabri-
ca, vollando-se o que fr do valor : no
Aterro-da-Boa-Vista, n. 17.
Aluga-sa a casi terrea noaiorrodo Afo-
sado, n. 104, com muitos commodos epor
barato prego : a tratar na mesn rua, casa
daviuva docapilio Campcllo.
Precisa-se de um moleque para o ser-
vigo do urna casa de pouca familia : na rua
larga do Rozario, n. 14, loja.
Compras.
Compra-se urna casi terrea, quo te-
nha bastante commado para gran le fami-
lia : quem tiver annnncie.
Compra-se um escravo carpina e outro
pedreiro : a fallar com o aferldor, Antonio
Congalves de Moraes, e nos Afogados, com O
t'neale-c ironel Manoel Joa^uim.
Compra-se urna prcta, que tonha ha-
bili lade de cozer bem, que seja moga ; e
l mili -ni um preparo de official da guarda
nacional, que tenha a numcragfto (2 ; con-
len lo os objectos seguiutes : espada, ta-
lim, pista, caan i, birretina o banda, sen-
do is'0 para um ofilcial superior, c tudo
em bom estado : atrs da nutriz da Bi-Vis-
ta, n. 24
Compra-se umaescrava perila engoin-
madeira, e quo no tenha vicios nem acha-
ques : paga-se bem : defronte da ribeira do
poixe, n. 3.
Compram-seosseguinles livros'em oom
uso : Thompson ; Vicar of WakefielJ; llis-
tory ofRomo; Johnson Poets Milln; Dic-
cionario inglez para porluguez e portuguez
pira inglez por Vieira : na rua da Concei-
qio da lloi-Visl, n. 58.
--Compra-se urna estante para livros, om
bom uso : na rua do Collegio, n. 16, pri-
meiro andsr
-- Compra-se tartaruga : paga-se por mais
do que om outra qualquer parle : na rua das
Trincheiras, n. 5, loja de tartarugueiro.
Compra-se urna eslanto para livros, quo
esteja em bom estado: quem tiver an-
nuncie.
Vendas.
Total. Rs. 22,000
Victorino Francisco |dosSantos,um bran-
dlo ; Fmula Maria Carolina, dous ditos ;
Amado Jo> da Conceigo, um dito ; Miguel
preta que sai-! Moreira de Souza Maya, umdilo; Alexan-
para urna casa drino |Pedro de Souza, um dito.Vanotl
Antonio da Purificaco.--KcceUi do Sr. Ma-
noel Antonio da Puiificago a quanlia de
22,000 rs. e seis barandOes das pessoas, que
coiicnrreram com as esmolas para a | ro-
cissDo.O escrivlo, Eloy Jos Gak3.
A viuva de Antonio Joo da llesurrei-
g3o e Silva pede aos credores de seu casal
para que apresentem suas contas, nestes oi-
to dias, un Sr. Joilo Francisco Teixeira, mo-
rador na roa do Cuararapes, n. 34.
Iloga-se jautorldadcspoliciaeae quem
toulier e encontrar, pprrhrndani o arguinle :
Um costureiro com os seus perlences de
prala, 1 annelo de ouro, 1 annel de dito
camisas de homem, toalhas, etc. : quem de cun tranga de cabello, 1 dito de dito, com
tal furto souber, far o livor de aprehende- urna pedra de diamante. 1 allinelo de dito,
lo e participar na rua do Collegio, n. 16,
segundo andar, o mesmo so roga a todas as
autoridades policiaes.
JoSo Barboza Dantas, como procura-
dor de seu pai, embarca para a Bahia o seu
escravo Cyriaco.
Jos da Silva Souza, subdito portu-
guez, retira-se para fra da provincia.
~ No dia 20 do corrente, se ha de arre-
motar, por ser a ultima praga, na porta do
Dr. juiz municipal da segunda vara, na
rua da Mndre-de-Deos, pelas 4 horas da tar-
de, um sobrado de um andar e slito, de-
baxo e cobrrta, quintal e cacimba, silo
na rua da Roda, n 48, cujo sobrado vai a
praga por ordem do mesmo juiz, para pa-
gamento dos legados e dividas do finado
Antonio dos Santos Serpa,
-- Pergunla-se ao Sr. fiscal se he ou no
contra as | osturas desta cmara vender-se
garai a do mol, doce ou madura, no caso de
ailirmativa, rogase ao mesmo Sr. fiscal
que quena | r mus olbos de piedade cm
Fra-de-Portas. -Ocuriozo.
ENCONTRADO
2 ditos de dito, con. diamantes, 1 Irance-
lim de cabello encastoado; e com passador
de ouro, 2 passadores dn dito e colxete
lamhem de dito para trancclim, 1 livaila
de prala para caigas, 1 colhr de dita para
cha, 1 corrente, e 3 chaves requenasde pra-
la, 1 sedula de 5,000 rs., 2 palaces.
Que foi roubadu do I .iihIh do sobrado n.
31 da rua da Guia, na inanhaa dn dia 7, e pre-
si.....-si' tal ruiibo ler sido feilo por um escra-
vo de Manoel Cardozo da Fonseca, que foi pro-
curar o primo e caixeiro daquelle Lardoso,
.1 u.id Frcncisco ilarqiics. e peruoitou uo tues-
ino primeiro andar, em cuja occasiiio frzn rou-
bo, II.i-sc cent mil res a ijucui descobrir o
roubo.
Precisa-se alugar urna escrava, que
saiba cozinhar o diario de urna casa, engo-
mar e comprar na rua para urna familia pe-
quea : quem tiver e quizer fazer este ne-
gocio, dirija-se a rua do Livrainenlo, n
f24, primeiro anJar para tratar do ajuste
ou annuncie.
Arrenda-se um engenho,que seja situa-
do as frogue/.ias do Serinhaem oudelpo-
Spatoes do Aracaty,
feitos de encommeiida.
Acaba de chegar do Aracaty urna gran-
de porefio de sapaloes feitos a capricho, is-
to por elfeilo de novas recommendages
que para la se tem feito ; porque os que al
agoia linham vindo, notavam-se-lties im-
perfeigo, j no cosido, j em formas anti-
gs e mesmo em corle : esles sapatdes de-
f ois de tintos e acoslumadosa boa graxa,
chegam a confundir-se com os de cou-
ro de liist'o ; o seu prego hi do mil rs. o
par, dinheiro visti na rua larga do Ro-
zario, n 35, loja do miudezas.
-- Vende-se urna muala, que sabe en-
gommar, coser, lavar c cozinhar : na rua
da Cadoia de Santo-Antonio, n. 21, segun-
do andar.
-- Vendem-se um jogo de breviarios ro-
manos em minio bom uso ; Oragilo do Ci-
cero, Metarrorphoses de Ovidio, Saluslio o
a obra de Horacio com a traducen O francesa
ao bulo ; OragOes do Cicero iraduzida ao p
da I l'ra ; Ufciea de Con lillacc de l)u Mar-
sais : n rua Augusta, n. 54.
-- Na loja franceza na rua Nova alraz da
matriz, tem bonitos jarros de porcellana,
lanteinas de p do vidro, ditas de casqui-
nha inglezas, ditas fracnezas, candieiros
para sala, ditos de latiln para estudantes,
liengalas de cana, bimlejas linas, chapeos
de sol de seda de cores para homem, fundas
pnra os quebrados, chapeos franceses de bo-
nitas formas, longos de seda de 1,000 rs. al
5,000 rs. para senhora e homens, titos de
morsulini, c outras militas fazendas : si-
patos de diiraqiie de Cores para senhora a
800 rs, dilos de coro de lustro a 2.000 rs.
Assim como roga eos seus devedores que
Ihe vam pagar, para uo mandar tintas
vezes os seus caixeiros em suas casas.
Vendem-se 2 moloques de muito boas
fi-'uif s, um de 20 annos, e outro de 16, sen-
do um alfaiate e outro sapateiro, ambos de
bonitas figuras para pagens; 3 eseravas
mogfs, que enzinham, engommam e co-
sem ; urna dita que cose o faz lavarinto, e
que he ptima para urna senhora acaba-la
de educar ; urna dita com urna cria le oito
ice/., s, e que cozinba e lava minio bem;
um preto muito bom para todo o trabalho
do campo o da praga ; um mulatinho de
12 annos, ptimo para aprender ofllcio, ou
para servir a urna casa : na rua do Collegio,
ii. 21, primeiro andar, se dir quem vende.
Vende-se, para fra da provincia, ou
para algum engenho, urna negrota crioula
de 18 annos, muilo sadia, que cozinha o
diario de urna casa, engomma e tem prin-
cipios de costura : o motivo por que se ven-
de se dir ao comprador: na rua dos Mar-
lyrios, n. 36
Vende-se a meagiio do engenho Todos
os Santos, situado na freguezia de Seri-
nhaeip, moendo com agoa e de boas tr-
ras de plantaglo e oulras muitas para se
crearem novos partidos em lugares frescos,
boas maltas, extciisfo de lerreno e perlo
do embarque; vende-se esle bom engenho
por motivos que ha entre os dous socios e
uo poroutros que o possam desacredta-
lo : os pretendenles pdem dirigir-se ao
mesmo engenho a fallar com o Sr. JoSo
Vieia da Rocha, ou nesta praga, com Jos
Pereira da Cunta.
O barato comida a
comprar.
Vende-so na ruado Queimada, a. 19, lon-
gos de cambraia com lavarinto a 360 ra. ;
meias para menino a 140 rs o par ; para me-
mo, a 180 rs ; e para seohora a 240 rs.; ris-
cado d algodSo a 160 rs. ocovado ; fazenda
propria para caigas o jaquelas, e oulras
muitas fazendas muito baratas : na mesma
loja vende-se lencos de suda de cores de
muilo bom gosto puquio para pescosso da
senhora, bicos da larguia de tres dedos o
160 rs. a vara.


' IJJll
FolhadeFlandres.
Em casa de J. J. Tasso Jnior, na ra do
Aorarim, n. 35. ha un ptimo sortimento
Je folha de Flandres, de todas as marcas, c
aretalho pnr prego mais barato doqueem
outra qualquer parte.
Arroz ..e casca a 5/200
rs. a sacca
vonde-se na ra do Amorim, n- 35, arma-
zem de Tasso Jnior.
Potassa da Russia.
-
M
Vende-so superior potassa da Itussia, da
mais nova que ha no mercado, por prego
rommodo : na ruado Trapiche, n. 17.
Familia de mandioca.
".'cnde-se fannha do Cear, em saccas,
por prego commodo : na ra da Cruz, no
Hecife. n. *3.
Vende-se robre e metal amrrello para
forro de navios, por prego commodo : na
ra da Madre-de-eoa, arma/era de A. V.
da Silva Barroca.
Cal vrgero de Lisboa.
Vende-se cal vlrgem de Lisboa, por com-
modissiaio prego : na ra da Cadeia do He-
cife, n. 50, Inja de C.unha & Amorim.
Vende-se o taberna da esquina da ra
Vova, junto a ponte da Boa Vista, n. 71:
faz-se todo o negocio, urna vez que o com-
prador ilesonere ao vendedor do que deve
aos Srs. da allandega.
Lindas de 00 jardas u
carretel.
Vende-se minio superior qualidade de
linhaem carretel de 200 jardas.de ns. 16
a 136 : na ra do Queimado, n. 16, luja, de
Jos DiasSimOes.
Farinha de mandioca
Vende-se muito nova familia de mandio-
ca, em saccas grandes, por prego commodo:
na ra do Queimado, n. i*
Farelo a 5,000 rs. a
sacca,
eomelhorque tem vindo a este mercado ;
na ra da Madre-de-Deos, armazem de Vi-
* cenle Ferreira da Costa.
Chegaram novamente ra da Sen-
zal!a-.\ova, n. 42, relogios de ouro e prata
patente inglez, para homem e senhora.
Vendem-se, por prego commodo, os
seguintes objectos em bom estado, que se
pdemverno Forte-do-Mattos,prensa do Sr.
Manoel Ignacio de Oliveira Lobo, e tratar
na mesma, oti na ra do Azeite-de-l'eixe,
armazem n. 13, das 9 horas da ma:ih3a s
2 da tarde :
2 vergas de gavia ;
2 dilas de joarete ;
2 ditas de sobre ;
Pannos de cutello, carangueija, suriolla,
juba e fuzo, masterns de joanele e muso ;
2 camarotes com 4 bexos ;
1 escada de mu Juna e ferros de bronze
para porlol ;
1 signo pequeo ;
1 roda de leme com chapas de Ialo ;
1 cabrestante de patente ;
1 bolinete ;
120 bragas de corrente, juntas nu sepa-
radas,
2 ferros de mui'.o bom tatnanho ;
1 ancorle;
2 joanetes;
1 gavia;
1 bujarrona;
1 Riba ;
1 vela de rstaes ;
Cobre velho de forro ;
Cabosalcalroados para trogo, que, pelo
bom estado em que estilo, pdem anda ser-
vir;
Panno velho de velas para forro, moiloes,
caMenaes, patullas para ferro, e outios
objectos miudog.
Arados de ferro.
Na fundigSo da Aurora em S.-Amaro ,
vendem-so arados de ferro diversos mo-
delos
Novidade.
A 1,000 rs. o covado.
Na loja dos barateiros da ra do Queima-
do, n. I", vendem-se casemiretas de 13a,
pelas e de cores, proprias para caigas e
palitos para homem e meninos, a 1,000 rs.
o covado.
Vendem-se eapales do Ara-
caty, eiios a Capricho, a i,ooo rs.
u par .* na ra da Cadeia do Re-
cie, n. g.
Cheguemao barato.
Vendem-se, na ra Nova, defronte da
ConceigHo dos militares, chitas, a 140, 160
e 200 rs. o covado ; fazenda para caigas, a
200, 210, 280 e 320 rs. o covado ; dita para
jaqueta, a 160 rs. o covado; riscados fran-
cezes, a 160 rs. o covado ; chitas francezas,
a 360 rs. o covado, muito finase de boni-
tos padroes; riscados monstros de quasi
vara de largura, a 300 rs. o covado ; brim
liso (no, a 6,000 rs. a pega de 20 varas;
lengos de seda para algibeira hombros
de senhora, a 800 rs. cada um ; cortes de
cass, a 2,500 c 3,000 rs.; cambraia bor-
dada, a 560 rs. a vaiu; cascas de quadros, a
340 rs. a vara ; cortes de casimira, a 4.500 e
5,000 ra ; e outras muitis fazendas que se
vendemassim barato por ler o dunoda re-
ferida loja de rclirar-se para a Europa.
PechincSia para os bahu-
leiros.
Vendem-se chitas proprias para forros de
bahsporestarem fiacas, a 3,500, 4,000 e
5,50 rs. : na ra do Crespo, loja da esqui-
quiua qucvolta para a cadeia.
Vende-se um pequeo resto de fa.-inhi
de Philadelphia, a 8,000 rs. a barrica, para
liquidar: na ra do Vigario, n. 8, ou na
lf a vosa da Madre-de-I)eos, n. 9.
--Vendem-se tenas de vidro, prxima-
mente chegadas, em grandes e pequeas
poigOes, por prego commodo: na ra da
Cruz, o. 48, arma/eni.
,4.
9
9

o
o
o
o
o
o
c
o
&
Vende-se urna escrava deHannos, de
nag.lo Quigam, sem vicios nem defeitos,
por isso propria para todo o servlgo de urna
casa : no Aterro-da-Boa-Vista, n. 14.
Vendc-se um cabra de 20 annos pou-
co mais ou menos, proprio para todo o ser-
vigo: na ra da Cruz, n. 28, segundo an-
dar.
Vende-se, para fra da provincia, ou
para engenbo, urna parda de 23 a 24 annos,
que cozinha bem, engomma e lava de sa-
lino : tudo com perfeigSo : na ra estreita
do Rozario, n. 19-
Vende-se urna preta de 20 annos, d
bonita figura, que engomma, cozinha e la-
va ; urna dita muito boa vendedeira de um
tudo; ummolequede 20 annos, bom co-
zinheiro do diario de urna casa: na ruado
Collegio, n. 21, primeiro andar.
Na rim do Crespo, n. 14,
loja de Jos Francisco
Das,
vende-se esguiao de algodao, fa-
zenda dequatro palmo. e meio de
largura e fina, pelo barato preco
de Sao rs. a vara ; brim tonca-
do branco muito encorpado e de
listraao lado, a 1,280 rs. o corte ;
dito de puro linbo cor de ganga, a
1,600 rs. o corte ; etun completo
sortimento de fazendas por barato
preco.
Vende-se cassa-chita muito fina, de
bonitos padioes e cores lixas, a 320 rs. o
covado: do Aterro-da-Boa-Vista, n. 18,
loja,
Vende-se um prcto perito cozinheiro
de massas, forno e fogio : nSo havendo du-
vida, dar-se-ha a contento para fazer um
janlar : na ra do Collegio, n. 21, aonde
lambem se vende um oulro prelo bom re-
mador de escaler, e que he mogo.
Vendem-se pegas de madapolflo, mui-
to largo, com 20 varas e com algum toque
de mofo, a 2,500 e 2,800 rs. o a sol vin-
teus a lelallio ; assim como chitas a seis
vintcns o covado : por tras do theatro ve-
lho, n. 20, primeiro andar.
Na casa de modas francezas de Mada-
ma Bucssard Millocbau, no Aterro-da-Boa-
Vista. n. 1, ha para o escolhimento das se-
nhoras um grande sortimento de chapeos;
manteletes, capotiuhos, lengos, fitas, ca-
misinhas, cabeges, luvas e (lores, quo se
vendem por prego muito eui cotila.
Vende-se a loja de fenagens do falle-
cido Caelano Luiz Penetra, sita no Aterro-
da-Boa-Vista, por batxo do sobrado oude
mora o Sr. corone! Chaby : na praga da
Boa-Vista, n. 1, segundo andar, por cima
da botica da viuva Cunta.
-Vendem-se amarras ue urro: na ra
da Senzalla-Nova. n. 42.
Na rna do Queimado,
vindo do Itozario, segunda luja, n. 18, ven-
dem-se pegas de panno de linho com 25
varas, a 6,400 rs. a pega ; meias de seda de
core e brancas, a 640 rs o par ; luvas bran-
cas de seda | ara homem, a 400 rs.; suspen-
sorios de seda u 200 rs. o par; leugos pre-
los de seda, com algum molo, a 1,2uu rs. a
>: u/1 a ; e outras mollas fazendas por bara-
lissimo prego.
j\'a ra do Crespo, loja
da esquina que vulta
para a cadeia,
vendem-se coites de casimira preta, muito
boa, a 5,500 c 10,000 rs.; panno preto, mui-
to bom, a 3,2011, 3,800 e 5,500 rs. o covado ;
corles de colleto de fuslSo, a 640 rs. ; ditos
desetim de cores, a 2,000 rs.; ditos de gor-
gorSu, a 1,600 rs. ; esguiao de linbo, muito
lino, a 1,280 rs. a vara.
Vcndeni->e saccas com farinha de man-
dioca, viudas do Itio-de-Janeiro no brigue' fandega.
losenu, (or prego commodo : no armazem 1
de Dias Ferreira, defronte da escadinha, o. |'"ai'(*I() lio YO A 5 500 TS
a tratar com Domingos Rodrigues de An-I .,
drade, na ra do Trapiche-Novo, n. 4. Ad- Vendem-se saccas grandes com 3 a.ru-
verle-se que as saccas sao grandes. ,as,de arel' *** n0 u".lm0 n*'0
-Vende-so urna preta moga, de bonita fi- de ,l8nb1ur6 : ,ru! d0 Amorim, n. 35,
,., <.n,;i.mc,l.m>ru,L nn~ i... I casa de J. J. 1 asso Jnior.
Ovas do serian.
Vende-se este excellente petisco: na ra
do Queimado. u. 14, loja .de IVrragen.
Teeidos de algodao tran-
cado da fabrica de To-
dos-os-Sanlos.
Va ra da Cadeia, n. 59,
endem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
esc ra vos.
AGI-NC1A
la finid cito Low-Moor,
RA DA SKNZALT.A-HOVA, N. ^i.
Neste e8tabelecimento conti-
na a ha ven un completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, pira engenho; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido t
coado, de todos os tamanhos,
para dito.
Por preco muito commodo.
Tiram-se passportes para dentro e fra
do imperio, despacliam-se escravos e cor-
rem-se folhascom a maior brevidade pos-
sivel: no pateo da matriz de S,-Antonio
n. 4 sobrado.
Vende-se urna linda escrava de 14 an-
nos, com habilidades ; 2 ditas de 25 a 30
annos, boas quilandeiras : 2 moleques de
18 a 20 annos ; um prelo para todo o ser-
vigo: no pateo da matriz de S.-Antonio,
sobrado n. 4, se dir quem vende.
Vende-se urna ptima escrava moga,
propria para toJo o servigo : na travessa do
Peiioto, a tratar com Ignacio de Souza
Lco
Vendc-se urna preta moga, ptima
quiUudeira, e quo he propria para todo o
Vende-se, por preco muito) Vendcm-se os seguintes livrosi, na rna
, r. r [ estrellado Itozario, n. 8: Magnum Lexicn;
commodo, superior potassa em Diccionario de composigilo latina ; dito da
barricas pequeas, dictadas em fbula; dito potico; Selecta ; Fbulas;
, u- j i Virgilio; Horacio; Tito l.ivio; Terencio ;
10 docorrente do Kio-de-Janei- Qragoesde Cicero;Ouvidio ; Metbamorpho-
ro no brigue nacional Leo: no ,zes do Ouvidio ;Espositor de Salustio; Bur-
.vm...m J. Dios Ferreira no!rod Salustio; dito de Horacio; dito de
ra' Virgilio Tratado das partculas por J. J.
armazem de
caes da Alfantlega, ou a tratar
com Novaes & Gompanhia, da
ra do Trapiche, n. 34-
Taixas para engenho.
Na fundigSo de ferro da ra do Brum,
caba-se de receber um completo sortimen-
tode taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
quaes acham-se a venda por prego com-
modo e com promptidSo embarcam-se,
ou carregam-seem carros sem despezas ao
comprador.
Farinha nova de S.-Ma-
theus, por preco mui-
to commodo :
vende-se a bordo do patacho na-
cional Amizade- Constante, entra-
do recentemente daquelle porto,
e fundeado em frente da escadi-
nha do Collegio, ou a tratar com
Machado & Pinheiro, na ra do
Vigario, n 19, segundo andar.
Antigo deposito de cal
virgen*.
Na ruado Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muito commodo.
Cassas pretasa \AO rs. o
covado.
Vende-se cassas pretas de muito bom gos-
to a 140 rs. o covado : na ra do Crespo,
loja da esquina, que volta para a cadeia.
O O
Cera em velas do Kio-g
de-Janeiro.
o
q Vendem-se caixas com ce- q
ra em velas fabricadas em O
urna das melhores fabricas
do Hio-de-Janeiro; soiti-
mentoa vonlade do com-
^ prador, por preco mais ba-
O rato do que em outra qual-
0 quer parte : na ra do V-
^ grio,, n. 19, a tratar com
O Alachado & l'inheiro.
O
Deposito de Potassa.
Vende se muito nova potassa,
de boa qualidade, em barriszinhob
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
lempo se n3o vende : nc lceife,
ruada Cadeia, armazem n. 12.
da Costa e Sa; Horacio latino e portuguez
pelo mesmo; Resumo da Historia Sagrada;
eoutros muitos livros latinos, que para se
nSo fazer extenso o annuncio se nSo pu-
blicam.
Cheguem ao barateiro.
Na loja nova do Passeio-Publico, n. 19,
de Lemos Amura I & Companhia, vendem-
se pegas de chitas muito finase cores (xas,
denominadas D. Isabel, pelo baratissimo
prego de 8,500 rs e a 240 rs. o covado ;
ditas de madapolo de jardas muito fino e
com 25 varas, polo baratissimo prego de
4,700 rs.; e outras muitas fazendas que por
baratas nSo se annunciam. t>a*o-ss amos-
tras com penhorot.
;Vende-se um pardo de 27 annos, que
engomma perfeitamente, tanto roupa de
homem como vestidos da senhora, he bom
ofllcial de alfaiale, cozinha, faz doces, he
bom pagem e muito desembaragado: na ra
da Cadeia do Itecifo, n. 39.
Vendem-se, no aterro da Boa-Vista,
loja n. 58, sapatoes de couro de lustro ; di-
tos do Arscaly, brancos e pretos, sapatos
envern6ados para senhora a 2,000 rs. o par;
ditos de cordavilo, a 1,440 rs ; ptimo couro
de lustro,a 4,000 rs a pelle ; pelles de be-
zerro francez,a 3,500 rs. ; graxa ingleza em
[Hites,a 200 rs. ; e em lata, a 120 rs.; mar-
roquim,a 2,000 rs. a pelle ; bonetes france-
zes para meninos, a 500 rs.; ditos de meri-
por prego commodo : nacocheira do l\s-
soa.
N. 13.
t^LTnAdaCtU7' no. Recife "mszem n.
13, vendem-se cabos da Hussia patente e da
todas as grossuras ; lonas da Russia ; ditas
de Hamburgo e ingle/as condecidas por m-
periaes ; bnnsda llussia ; fille de cores j
frre Para marujos ; e outros muitos
objectos a pregos rasoaveis.

Mantas
m
W pretas de fino crep, e tambem do
# cores para senhora e meninas, pelo
f barato prego de 800 rs. : na ra do
5 Crespo, n. 11, loja de Antonio Luiz
A dos Santos & C.
*
Vollarete.
Caixinhas com lixas e lentos para jogo de
voltarete, recentemente chegadas de Fran-
ga, por prego commodo : vendem-se na ra
do Crespo, ao p do arco, loja de miudezas.
--Venda-se umsilio a margen) do rio,
no lugar dos Remedios, em trras proprias,
com mais de mil palmos de fundo, cerca
nativa de espinhos, algumas fructeiras,
como coqueiros, parreiras, larangeiras,
abacachyse hananeiras prata, minio ter-
reno para plantages, boa cass com 4 quar-
tos, despensa, 2 salas, copiar, casa para pre-
tos e dita para feitor, tudo envidragado, e
boa cacimba de pedra : o sitio, alem da
muito excedente vista, he muito proprio
para se plantar, ou para olaria, pelo pti-
mo porto e ter barro proprio : tambem se
vende urna casa terrea na ra do Cotovel-
lo, n. 6, em cliaos proprios, quintal mura-
do com boa cacimba : a tratar cun Victo-
rino francisco dos Santos : na ra do Kan-
fiel, n.54.
Corram ao barato-
Na nova loja do Passeio-Publico, n. 19,
de Lemos Amaral & Companhia, acha-se
um completo sortixento de fazendas, co-
mo sejam : pegas de chitas finas e cores fi-
xas, a 6,000 is. e a 160 rs. o covado ; ditas
muito finas, a 7,000 rs. e a 200 rs. o cova-
do ; ditas de madapolo muilo lino, a 3,800
e 4,409 rs.; corles do meias casimiras, a
1,600rs.; ditos de cassa para vestidos, a
1.280, 2,240 e 3,000 rs. ; chales de Ida, a
1,800 rs.; lengos de seda para senhora, a
1,000 rs.; e outras multas fazendas que se
mostrilo aos compradoies ; bem como cor-
les de casimira, a 5,000 rs.
Kstiio-.se acabando.
Vendem-se cortes de fina casimira preta
e de cores, pelo diminuto prego de 5,C00
- Vende-se, por prego commodo, ama
carroga nova muilo forte, para dous bois, e
juntamente um boi manso de carro, muito
bom : na estrada de lleberibe, no sitio quo
foi do Sr. Joaquim Carneiro.
Negro cozinheiro.
Vende-se um excellente negro cozinhei-
ro e canoeiro, moco e de bonita figura : na
ra do Crespo, n. 9.
Vendo-se urna preta de 16 annos, mui-
to sadia e sem vicios, eom urna cria de 8
mezos o que he rendflira, coso chao, faz
livarinto, engomma liso e lom principios
de cozinha e fazer doces: na ra de S.-
Francisco. sobrado de um andar, confron-
to ao theatro.
o
O Precos nunca vistos.
O Vendem-se cassas de cores lixas, a &
O 240 rs. o covado ; cambraia de seda, O
O a 200 rs. o covado ; chitas pretas fi- <>
O uas, a 160 rs.; chales de lila, a 1,000 G
lencos de seda, a 1,000 rs.; di- $
rs.; ditos n
meias pa- &
Q rs.
q tos com franja, a 1 000
meios chales, a 1,280 rs.;
9 ra meninas, a 120 rs. o par ; franklin ~
g preto e de cores, a 500 rs. o corado ; ?
V luvas de seda para senhora, a 320 e 2
O 500 rs. o par : ditas de pellica para ^
O homem, a 160 rs. o par ; lengos de
O seda e de setim para grvala, a 500 e O
m 640 rs. cada um ; bicos de seda e de O
X linho, largos, a 320 e 500 rs. a vara; O
2 chapeos rapsdose de castor, 1,600, Q
~f 2,000 e 3.009 rs. cada um; ditos de $\
g sol, a 2,800 e 3,000 rs. ; colletes do 1
** gorgurfio, setim e velludo, a i.eoo. 9
rs. : na ra do Queimado, n. 9.
Vende-se superior lannha del Vndese um cavalio melado-a piriaca-
rieo da marca SSSF, chegaria ul- do, proprio para um cabriolo!,, por ser uas-
, o D i me grande : na ra laiga do Itozario, n
imaniente a este mercado: a tra- c, loja de miudezas. se dir quem vendo.
guia, sem vicios nem achaques, e com ha-
bilidades : o motivo por que so vende se
dir ao comprador : na ra da Concordia,
passando a ponlezinha, esquerdu, segun-
da casa terrea se dir quem vende.
Vendc-se, ou periuuta-se por esclavos,
um sitio de terreas ao entrar da estrada do
A11.11.il, eiiin mulla largura o fundo, bas-
tantes arvoredos de luido, e boa casa de
vvenla lo pedra e cal : na ra Direita, 11.
40, segundo andar.
LIMA-
sobrado
Ra do Queimado, sobrado n. 19.
Vende uniformes militares para todas as
patentes de olliciaes do exercito e guarda
nacional, inclusive olliciaes generaes e
commandanles superiores ; temi o me-
Ihor galo de ouro para devisas do padro,
hoje em uso na corte ; espada de metal do
principe, e ludoquanlo pertence aos ditos
uniformes, qur de grande ou pequea
galla, estando habilitado para piompiifi.
car o uniforme completo para qualquer ba-
taliiSo, assim como para msicas para o
que aprosentaradifferenies figurinos. Em
suacasa sepdem veros ligurmos com as
allerages que recentemente sofTieram os
corposda guarnigilo da corle.cque teem de
ser imitados por todos os do exeicito.
Vende-se urna preta moga, quo engom-
ma, cose, cozinha o faz com perfeigio o
mais servigo de urna casa ; um bonito par-'
dinhodell anuos, pioprio paia qualquer
servigo: na ra larga do Itozario, n. 35,
loja.
Casimiras a 3,000 rs o
corte.
Na ra do Livramenlo, n. 14, vendem-se
corles de casimiras de cores e de bonitos
padres, com 3 covados e meio, pelo bara-
to prego de 3,000 rs. A ellcs que he pichin-
cha.
--- Veude-su um terreno, ptimo para se
edificar, por ser de esquina e licarperto do
lio, leudo urna casa de taipa, sito na baixa-
verde do Manguind; assim como urna pe-
quea casa icclicuda de novo, confronto
lar com Manoel da Silva S noar-, Lttvas de pellica a 500
mazcm do Annes, no caes da Al- *
i s. o par.
Anda existe na luja de fazendas da ra
da Cadeia, u. 32, um resto destas luvas; as-
sim como outras de todas as cores e pro-
prias para montar a cavallo, a 320 rs.; di-
tas pretas para humem e seuhura, a 200 rs.
o par.
Ka ra do Crespo, n 14,
loja de Jojc Francisco
Dias, vende-se
risrado francez de quadros escuios, fazen-
da muito fina e (xa, pelo barato prego de
200rs. o covado; pegas do esguiao de al-
godfio de 5 palmos de largura e com 10 va-
ras n meia, a 3,20 is. a peg, o a 320 rs.
vara.
Vende-se, por preco com-
5 modo, cera em velas fabrica- ^
ilas no Hio-de Janeiro ; fei-
? jSo mulatinho em saccas
^ grandes, muito novo; fumo #
# em folha para capas de cha- *
^ rulos ; dito mais inferior pa- c-
ramiollo; chapos do Chi-
9 le linos e entre-finos : nos 2
9 armazens de Dias Ferreira
e fallecido firrguez, no caes 9
^ da Aifandcga, ou a tratar
* com Novaes & Companhia,
J na ruado Trapiche, n. 3^.
-. --...........- ;-- 1,600, -
V 2,000 e 2,500 rs. cada corte ; e outras O
O muitas fazzeudas : na ra do Crespo, O
O n. 9, loja aman lia. J.
o o
Vende-se urna negrioha de bonita figu-
ra, que rose bem, cozinha o diario de urna
casa ; urna dila sem habilidades; um mo-
leque : na ra Nova, n. 39, segundo andar.
Vende-so un sitio i inargem do rio,
com mais de mil palmos de frente e baixa
de capim para mais de 30 feixes por dia,
com grande casa moderna, contendog salas
grandes, 2 gabinetes, 2alcovas, 3 quartos
e cozinha, lie pe tu da praga por ser antes
dechegar ao Poco da Panella, o ar he mui-
lo saudavel, pois nunca ah leve ingresso a
febre epidmica : a fallar na tua de Santo-
Amaro, n. 16.
Vendem-se cavailos, ou alugam-se pa-
ra passeio, ou por mez : na ra da Concei-
gSoda Boa-Vista, n. 60.
Vende-se um escravo crioulo, de 20
annos, de bonita figura, e qde he ptimo
oflicial de anzoleiro, por prego commodo :
na ra Velha, n. 8.
Vendem-se 2 escravos de bonitas ligo-
ras, sendo um bom carreiro e o oulro co-
zinha bem ; 2 moteques de 10 annos; 3 ne-
grotas ; escravas muito lindas: oa ra
Direita, n 3.
-- Vende-se um sitio, na Capunga, com
diversos arvoredos ; um Icrrcno na roa dos
P.azeres; um sobrado de 2 andares no pa-
teo do Paraizo ; 3 escravas que engommam,
lavaai e cozirihm ptimamente ; e urnas
poucas de gaiolas de rame: no Aterro-da-
Boa-Vista, o 81, lojadeourives.
Vende-se a casa terrea n. 64 da ra do
S.-Miguel, nos Afogados. em cliSos pro-
prios, cozinha fra, cacimba, muro s, di-
versos arvoredos de liueto, por commodo
prego, por seu dono ter de retirar-so para
o sertlo: na ra do Collegio, taberna n. 18,
sa dir quem vende.
Jcraros Fgidos
-Vendem-se pianos de exccllentes vo- ao mesmo terreno, com camboa uo fundo,
zes, e recentemente chegados ; na ra da 'porto de embarque : na ra da l'enha, n. 1, servigo de uina casa, por nflo ter molestias:
Cruz, n. 48, armazem.
I primeiro sudar.
i a tratar com Jos l,sUves Vianna.
#eceee^9#
Vende-se a mais perftita carta choro-
graphica de Alagas, Pernambuco, Parahi-
ta, Bio-Crande do ribrte e Cear, por Con-
rado & Bellegarde : na praga da Boa-Vista,
botica do Sr. Cameiro.
Vende-se um boi manso, crioulo e
acostumado a carroga um oininhocom os
seus apparclhos gara animal noer ; 4 sim-
ples feilos a moderna e arquiados: ludo
por preco commodo: as Cinco-Pontas,
n. 152, taberna defronleda fortaleza.
--Vende-se urna rede para pescar cama-
roes, propria para vivelro : na ra do Sol,
casa de Luiz Caetano Uorges.
Vcnde-se um elegante cavallo rodado,
muilo gordo, e quo ha muito bom andador,
Em a noilede 28 do |iixino ia>*tdo
fugio, da povoaeao do Monteiro, da ci sa da
residencia de Manoel Antonio da Silva An-
tones, a preta Maiia, do genlio de Angola,
moga, de estatua e corpo tegulares, cor
preta, rosto aboceilado,falla temo vulgar;
tem os |s um lano gro.'sos: quem a pe-
gar leve-a la da Cadeia-Velha, u. 24,
que ser giatificado.
Fugio, de bordo do patacho Asthrea,
no dia 13 de margo prximo passado, um
escravo marinheiro, de uome Joaquim,
crioulo, alto, com barba por baixo do quoi-
vo, bexiRnso, clieio do corpo, representa
40 annos pouco mais ou menos; he natu-
ral desla provincia ; drsconfia-se que este-
ja pela cidade de Olinda. rtoga-jajj* auto-
ridades policiaes e capitSes de ^Bpo, que
o appre lieudam e levem-no a runda Cadeia
do Hecife, n. 39, osa de Amorim limaos,
que gratificara com 100,000 rs conforme
alongitudeem que fr pegado.
Fugio, no dia 12 do passado, pelas 9
horas da noite, o preto Benedicto, crioulo,
que representa ter 24 annos, de altura re-
gular, sem barba, cara redonda, olhos car-
rancudos; tem os | es torios, e he cambado
de una peina ; levou caigas e camisa de
lisiado eesiaja iota, e bonete: quem o
pegar leve-o ra da Cadeia do Hecife, n.
51, que ser bem recompensado.
Desappareccu, da casa de Prxedes da
Fonsera Coilinho, no dia 20 do passado
mez, um pardo claro, de nome Eustaquio,
de estatura regulnr, serco do- corpo, bem
pare'cido, repiesenla Icr 24 annos ; be ofli-
cial de sapateiro ; quando anda arrebila
os dedos dos pes; traz sempro as ventas
chelas de tabaco: quem o pegar leve-o a
praga da Boa-Vista, n. 6, botica, que *er
recompensado.
PtN. : Ni iVf. DE H, t. US tktlk. 1860
MFI MOR FYFMPI i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELOADNIK2_SK5U6B INGEST_TIME 2013-04-13T01:03:28Z PACKAGE AA00011611_06277
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES