Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06270


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^~
AnnoXXV.
Sexta-feira 12
PAaTIPAS OS COMlO,
GoiannajBParahiba, segundas esestas feiras.
Itio-tlrade-do-Piorte, quinta* feiras ao melo-
da.
Cabo, Serinhaem, Rlo-Formoso, Porto-Calvo
e Macelo, no l .*, a 11, e 21 de cada mez.
C.iranhuns e Bonito, a 8 e 23.
Hoa-VUU c Flores, a 13 e 28.
Victoria, esquila* reir.
Ullnda, todos o* rilas.
U>M.
Mine, a 4, a 1 h.e24m.dat.
Nova a 12, i !0h.e27 m. dain.
Cresc.alO.ii 7h.e47m.dam.
Chela a2, s !)b.e lm.dam.
rnliMH Di HOJE.
Prlmeira as 4 horas e 30 minutos da tarde.
Segunda as 4 hars e 54 minutos da mauba.
de Abril de 1830.
N. 82.
FKFQ OSJ DA SUBICairplo.
Portre i metes (adan ludo) 4/000
Poraeis neze* HfOOO
Porum anno 15/000
DA DA SIM A. NA.
8 Scg. Os Prazcres de Nossa Scnhora. Feriado.
9 Tere.S, Demetrio. Aud. do chae., do J. da I.
v. do civ. e do dos feitos da fazenda.
10 Quart. S. Ezequiel. Aud. do J. da 2. v. do civel.
11 Quint. 8. Leo Magno. Aud. do J. dos or. e do
m. da I. v.
12 Seit. S. Vctor. Aud. do J. da 1. v. do civ. e do
dos feitos da fazenda.
13 Sab. S. Hermenegildo. Aud. da Chanc. e do i.
da 2. v. iiii crime.
14 Oom. Ss.Tibnrcioe Valeriano.
ata
CAMBIOS KM 11 DEABn.lt,
Sobre Londres, '28'/, d. por 1/000 r. a SO das.
. Paris, 316.
Lisboa, 95 por cento.
Ouro. Onca* nespanhoes......... 29/000 a 29/500
Moedas de 6/400 velhas.. 16/600 a 16/800
de 6/4(10 novas .. 16/100 a 16)300
de4/000.......... 9/100 a 9/300
Praf.Patacdes brasilelros...... i/940 a l/Wkl
Pesos columnarios....... 1/940 a l/86o
Ditos mexicanos......._. 1/800 a l/82u
2.'
..*
PE^NAMBUCO
ASSEMBLE4 PROVINCIA!..
sr-s0 oaDiHAau, em 10 d *bml
di 1850.
Presidencia Jo Sr. rtdro Calateante.
(Conclusfle.--Vide o Diarion. 81.)
ORDEM DO DA.
ContinuacBo da diseussflo adiada na ses-
silo anfrior, acerca da mocflo do Sr. Flori
pes para se Momear urna cnmmtseSo Je 5
membros aflm de, em nome da assembla,
votar agradecimenlos ao Sr. presidente da
provincia.
O Sr. Mtlh Reg (pela ordem,):Me pare-
ce que mocflo que se seda sobre a mesa,
aprsentela pelo nobre depulado o Sr. Flo-
ripes, deve ser considerada como urna indi-
caertu, e nao como um requerimento. A mo-
cilo do nobre deputado nio tem nenhum dos
caracteres polos quaes,segundo o proscripto
noart. 410 do regiment da casa, lite possa
cabera quirtificicBo de requer ment. En
deixo de ler esse artigo, norquo estnu certo
de que todos os meus nobres collegas sa-
bem perfeitamenleo que se nelleg contm ;
e, pois, peco V. Exc quo consulte a casa,
se a mocito do nobre depulado deve ser con-
siderada como requerimenlo ou como indi-
rac.lo. Entretanto, julgo que nflo ser fra
de proposito lembrar que lia precedentes a
avor de muida opiniSo.
O Sr. Prtsidente -.Ha precedentes em to-
dos os senil los. No tempo do Sr. Chichor-
ro hnuve um requerimenlo como o que se
discute, o qual fui aoprovdo ; e o anno
pass>do houve urna ii'Iichq.Io idntica, fir-
mada peloSr. Dr. Jos Bi-nto.
OSr. Mello fego: Pelo que diz o regi-
ment, um requerimenlo nunca se pode con-
siderar como in licacilo. Diz o regiment:
(t) aqu nSo esta especificado o caso de
que trata a inocuo do que ora nos oceupa-
inos. Portento, mando mesa um requeri-
menlo.
vi mesa, e he apoiado para entrar em
diseussflo. o seguidlo :
ftrqueiro que a mocflo do Sr. Floripes
seja considerada como indicacSo, e assim
rcmettida a cnmmissfio de constituidlo e
poderos Icllo llego
O Sr. Floripes ; Sr. presdante, quamlo
ouvi ler o requer ment do uohre deputado
recorr ao regiment da c>sa, eacdci quo
ocaso em quesillo seaclia sem duvid cum-
prehenilido no artigo 38 do miicioni lu re-
giment. Diz esse artigo t. ) Ora foi o
queeu iz : requer que se iiotnessse urna
comoiissSo especial; parece-me, porlanto
que a ni i ii lu diiic'io dovo ser classiflcada em
vista deste a'ligo, tanto maisquanto, recor-
i oiido ao artigo 110. de cuja disposiQIo se
previloci'ii o nobre deputado, mo vejo que
nenhirma de suas hypntdese.s posss. ser ap-
plicada a d<* que mis oceupamos.
O Sr. Vetlts de Guevara :Sr. presidente,
voto pela emenda que so aclia sobre a moga,
e me parece quo a quesiflojie muto sim-i
pies, e que essa emenda est no caso de ser
approvada. O regiment define claramen-i
le oque lie um requerimenlo, e na defin- m
que entendo que nos deveriamos tomar
immediatamente em considerado essa in-
dicacSo...
O Sr. Presidente : NSo teca lugar, por-
que lie contra o regiment.
Encerrada a diseussflo, he approvado o
requerimenlo ou emenda do Sr. Mello Re-
g, e a indicicflo enviada commiss.to de
constituicjlo e poderes.
Entra em discuss.lo a parte do parecer da
commissflo de verifleaeo de poderes, rela-
tivo cloiofio do Sr, l,ourcni;o llezrrra Car-
neiro da Cunta, adiada da 3.a sessio pre-
paratoria om 6 de abril.
O Sr Presidente : Esta parte do parc-
cer firou adiada a requrinienlo do Sr.
Francisco Jofo ; tem, pois, esse Sr. a pali-
vri.
O Sr. Francisco Joo : Sr. presidente,
lia diashavia eu pedido o adlamento da par-
Vai mesa, e he apoiado o seguinte reque-
rimento:
^ Requeiro que volte o projecto commis-
sao competente ps ,ra dar sobre elle o seu pare-
cer. Itaiii e Sllv l.
OSr. lUanoel C,\ vnlcintc F.u tenho algu-
mas lelas acerca do que he este projecto, mas
nao tenho todas, e por isso nio possu aflinnar
o que he elle n a sua totalidarle : porm, se
considero que c ste proji-cto tende a revngar
uina lei feita no tempo da vertl.;em em 1847,
entendo que s por iito deve ser approvado.
(Ililaridade )
O Sr. Ralis S Hi-a : F.m vista das observa-
{Oes que acaba ue fazer o Sr. deputado pey
permisiao para letirar o meu requerimento.
Consultada a casa difiere ao requerimento do
Sr. deputado.
O Sr. Jos P idm : Adopto o requerimento.
Apoiado, di.clara-so em diseussao, e em so-
guilla he rejrilado, sendo approvado o pro-
jecto.
Prlmeira <* te do parecer da commisso provisoria, osegulnte:
nomeada para verificacSo dos nossos dplo- a asscoabl legislativa da provincia de-
mas : o meu requerimenlo pedindo a ex- creta:
clusSo da concluso i do mesmo parecer na) Artigo 1. Ficacstlncta a aldeia dos Indios
parte que diz respeilo ao Sr. Dr. I.ourenco de "arrelToa, sita na fraguezla de l'na]da oom-
tezerra Carneiro da Cunta ; porque, a- I "l"cAa d" Rio-Forinoso.
pezar de confiar eu lodo o muit, na *rf' O presidente da provincia mandara
sinreridadA ra* eonvieelfli il i nnhra e,colnfr "< lugar propno, naserra do Uruba.
ainoeriaaoe das conviegoes ua nou'e ,la freg.lieia dc cimbres, para estabelecer all
comm:ssio a que tenho a honra do me rell- ] uma a) ,Mti para a qual se'ro lransfcrdos i,
nr, quera acompanha-la em sous traba- dos os indios existentes em Karreiros.
Ihos ; mas, infelizmente para mim.e mes-! a >.n. 3. Sero comprados iodos os predios
mopa'aesta casa, tive o dissabor de ver t beus dos Indios de Karreiros (se os tiveremj
que a esperanza, que nutria de podOr faz-r' P,ra COm seu producto construirem outros no
entrar no numero dos deputados aquelle U"b.
lemnes de nosdarquaesquer informaQOes
que Ihe fossem exigidas.
Por estas rasOns simples, mas verdadei-
ras, que foram acolhidas por parte da casa,
me animo a mandar a mesa uma emenda
este sentido.
Em seguida s3o Hilos e aprovados os se-
guinles sequerimento* :
Requeiro que este projecto seja remet-
tido cnmmissSo d estalistica para dar
sobre elle o seu parecer.
Sala das sessfies, 10 de abril de 1850.
Ralis e Silva.
llequr-iro que a respeilo do projecto
quo se acba em diseussflo seja consultado
pelos transmitios competentes o presiilen-
te da provincia.S. IIFrancisco ioao.
O Sr. Joi Pedro ola que lie incompleto o
projecto em diseussao : observa que, devendo
a assembie'a inieressar-se pela civIllaacSo dos
Inillj, deixar de cumprir esse seu dever, se
resolver que ellos passem de Barreiros para
I iiib.i. vifto que essa sorra ca inuitoapartada
do grandes povoaces, e por conseguinte toma-
r anda inais difticil seinrlhanie civilisacao :
faz algumas outrasconsideracrs.c concluc de-
clarando que, sem se oppr ao governo, emitte
sua opiniao sobre o projecto, enlendeno toda
to para a adopQilo em todas as aulas da pro-
vincia deste compendio; isto sem examc
ou comparaQo de outros compendios que
possam ser seguidos, ou confeccionados por
outros profossiires.
I' m Sr. Depulado : E quando a ha um
outro approvado por um parecer dest ca-
sa para ser adoptado as aulas de primei-
rai ledras, o qual he do Sr. Salvador.
O .Sr Francisco iodo : Esta argumenta-
dlo do nobre deputado, mo permitlir que
a laoli de viciosa ; porque, se em algum
lempo mal se fez, nao he motivo para que
se continu a proceder do mesmo molo;
restava o iiobre deputado provar que a uni-
formidado do ensino as dilToreules aulas
era uma das condicoes necessarias para o
i'iisno pulilieo.
Esta quesillo, Sr. presidente, eu a (enlio
visto na is de urna vez tratada, e sempre por
diversos modos encarada ; algumas vezes
lias aulas superiores lom-se seguido e com
l.Miin i uivoiio a uniformidade; mas, pela
maior parle das vezes, naquellas materias
que dizem respeilo s sciencias positivas
lie que tasim se pratica, e he isto o que suc-
i'u l as academias de direito, quanlo s
...-. ....lis .j.c lile cu .i... ...ii c, m|Dg III05IIIO i --- '----o-- -;----------- ---- i------
por ellas, foi que enviei mesa o requeriinen-! 'I"e es,c estylo acadmico nflo pode ler ou-
to que est em diseussao : mas crelo que o fim Ira rasan para haver sido adoptado senflo o
que live em vista nao he outro seno o mesmo nflo se ter querido por peas a inlclligen-
que leve o nobre derAiiado: porque flea sum-: ca, cujo progressso he indefinido. Ora.
cienteiuente justificado pelo requerimento ou acerca mesmo da especie que se acha sub-
nend. que aprseme., queeu uto Uve a'mu i hlOua>lo, eu presumo que as fr-
rlala inais do que obter rsclarecunentos doeo- J .; m. >... ..
remoque no. sirvan, de gula neala materia. ro? P!" oen'no d mmatica polea
que n devenios considerar como mullo ini-1 Cl"u momento receber novos aperfeicoa-
mrdiatainenie poruemeaadmiiiistracaopu- mentos. poriitie ho urna materia esta que,
tilica: nenhuma autoridade mais do que ella posto nflo seja considerada com o valor de
est no caso de nos fnrnecrr os dados de que que he credra, lie cointudo todos os dias
carecemos para decidir a queslfio; e este pen- estudada ; e nesta paite he quo desgraca-
sainento que me pertrnce, asiliii como ignal- \ Jmente vamos beni mal ; porque entre nos
monte pertence ao nobre drputadn, nao foi ,. .lo .,re5U uev,,a cos ,craeao aOS ele-
ervir seao de auxilio ao trabalho de.sa com i niesmo publicaces se tem feto nesle sen-
pua requerer alguma cousa a respeilo da ijontrrio,
verificatflD dos diplomas de alguna outro* .. Pacodaaiiemblea provincial, dejunho
deputados, cojos me parece terom si Jo er- de 1841. ftnlo inte .amenlia Lint
ra jmenle apurados pela commissai a que.; O Sr. lanoel Cavalcanle :Tal vez alguum
me retiro ; mas, como hojemeacho nome j. pense quo este projecto ''eve ser remullido
do niemliro da comissflo de constiiuicflo e I commissfio de estatistica : eu pela minliu
poleres, e cono do seio da commissflo po- parle, nflo sei nada disto; porm julgo ex-
derei com facilidade apresenlar essa indica- traonlinario fazer esta tratisplantacfl'i dos':
Qflo, para isso me reservo :e quanlo a par- Indios de Birreiros,mesmo porq locreioque ]8
te do parecer adiada pe^o a volaeflo. e>te lerrtorio quo lhes foi deixido oj doi-S i,,jsn,i ipie'oobreileptado pode sejaouvida ,'<'0- ,! l>orlu-'a' no,i vemos cxemploscon-
Encerrada a diseussflo be a parte do pa- do ho pmpriedade delles, enflo sei pof>]sobre este projecto; e tanto beaaalmque, na triios : a cada momento os jornaes estflo
recer a liada submellida volacao e appro- que motivo havemos agora muda-Ios pa'a falla delles. talvezsrjamseus trabalhos iiiconi- annunciando pulilicaqdes desla especie, ea
vada. I'rulia. E mesmo, queohrigagflo teem os Jpleto. j cada momento a ihciIo porlugueza est fa-
2.a diseussflo do projecto
pasando
0 Sr. Presidente declara *e
artigo l e seus paragraplios
os seguintes:
Artigo 1 Fica derogado o |.* do ar- Fiz estas obsnrvacOes porque cunheco que!ra o amanUmento d'a civ'ii'isaciio los IndTo's"a recer da ComtnissBo, todava, anda mais
tigo I.* da lei provincial n. 196 de ISIT.' s vezes deixa-se irom pas-ati lo em primei-'sui trasladacSo para oUrub; mas, ipiando i-.'.-p.'iimlnr se do possivcl, do progiess i da
ellos para o Urub deviam ser instrucijflii, eu nflo posso deixar de oppoi
disse siuiplcsnirme, e agora re- me a esta ideia que se acha exarada no pro-
petire de novo que o exemplo que nos ollere- jecto c,0 fel.n,,0 rjfi rrele | esse mesmo
cem as malas dc Jacuine as vizinbanr,as de
cao que d se nflo aciia comprehendida
materia da mocflo do noli e depulado o Sr.
Floripes. Diz o regiment :
Silo requetimenliis, anda que outro no- loria uo proiecto submettida exclusivamen-
me se lhes d, todas aquellas mocos de'te a con8,ieracflo da commissflo de com-
qualquer deputado, ou commissflo, que ti- m(,,cj0 allegando que a de orcamento
yerem por fim a promoeflo de algum ob- nf0 pde distrahir a sua attoneflo para ob-
jeclo de simples expediente; como pedir i-1 icto tilo importante,
Tnrii..i>i.uL \ii aki. iri.^.m.iiln.i .. .... .1,. <..... .
1 A contiibui(;flo cial, de que trata a cita la lei, no i do ar- ; rejeita-los ao depeis, o as vezes escapan! : mudados? Eu "
ligo I.*, ser por seis atino- successivos. I par*, que, pois isso nio succeda he que |,c"rel dc n"v
2." As CQ0es quo representam os aventei estas ohservaCoes. Se quizerem,' g {-"SLfL 0 aumeKaiiTto"n.'i! progr.sso, do qual julgo defensores, tanto
capilaes da caixi serflo de 5,000 rs. cada V o projecto eo nmissilo ; mas o melhor' |,,aVe vrEoni,"so^^e dgradam? para civi'*- como eu, ou aiuda mais. os autores do pro-
urna. i be rojeila-lo iminediatam.iute. sa ,. ,oralidade do pas, ameacada a cada j^'. os lu"'s infelizmente desta vez clau-
Vai mesa, e he apoiado o seguinte re-I OSr. Ralis eSilva :--Sr. presidente, eu momento por essas hordas. Nos vemos, e ha dieran).
unc imeiilo. e lleudo que a regularidade de nossos Ira-, nuil tos anuos, que o gnverno tem feito esfor-I O Sr. os Pedro drcUri quo as rasOes a-
Requeiro que volte o projecto em dis- bilhos exige quo todos esses projeclos da f0,i para se uo exierminar, ao menos chamar presentadas pelo precedente orador silo de
ciissflo a coinmisso de coiunieccio, para logislalura passa la sejam re nettidos ns a "dem essas hordas que iufi-itam esss mal- grande peso ; mas observa que ellas o nflo
que, considerando de novo a malcra em com nissoas competentes
vista da lei existente, de o seu parecer. --, emi
Jos Pedro.
Segui lamente be tambem mandado a me-i que I
Mi e apoiado oseguinte requerimento: (-sa mais convenientemente : por isso he que que eu dlssee repita; mis cun isto nao se en- nheci lo melhor.
Requeiro que volte o projecto s com-jl've a honra demandar mesa ha pouco linda que eu quero hypothecar a ininlia pala-1 Lamenta a falta de providencias a respei-
issfles reunidas de fazenda e coinmercio.. um requerimento, e mmdarei agora outro vra para taes reinofOosi nio, sendere*, trato to da nsIruceJo publica emgeral, e espe-
identico a respeilo deste projecto. /apenas da sua possibilidade, da necessidade e cialmente da primaria, e pede que a casa,
O Sr. Francisco Joo :Sr. presidente, I co.ivenieucia que iodos senlemdeser tomada I yislo que o governo nflo tem usado das U-
discordnJo um pouco dos pasamentos de, lgui.|a med, laa respouo : e nao qui.era que torisac-s que liie teem sido concedidas)
u-n dos nobres depui. tos que,me ..recode- ^^e^U ^^ra ^sTterZpcrCct ome nesta Usao urna medid, a respeilo.
ra n. a quem de algurn no lo he indiuercn- la a rs,dura ouc o cerca, foste iminediaia- F*i diversas ronsideracoes geraes acerca da
Barros Brrelo.
OSr. os Pedro sustenta a sua emenda,
j allegando o precedente de ter sido a ma-
lonn.icoos, ou esclarecimeulos ao governo;
pedir disj onsa de alguus dos trabalhos da
mesa ou das commi.ooes ; pedir sessfloex-
Iranrdinaiia, augmento, ou prorogai;ao las
horas da ordinaria ; pedir alguma providen-
cia que a occunencia das circunstancias
fizer necessaria, sobre objeclo de simples
economa do Irabalho da assembla, ou po-
lica da casa, que nflo estoja determinado no
regmen lo. >
Porgunta-se : a mocflo do nobre deputa-
do est comprehendida na lellra d'esle arti-
giP Nflo; logo, segundo o regiment, essa
mocflo nflo pde ser ronsideada como re-
querimento; mas, sim, como nJicac.3o.
Mem obsta, Sr. presidente, o argumento a-
presentado pelo nubre deputado, de que o
n-
quando dentro em
pouco tem do vr-so sobrecarregada de
immensos trabalhos. .
O Sr. Mello Reg : Sr. presidente, eu sou
de opiniao inteir.unentc opposti a do honrado
inembrn que acaba de fallar. F.u entendo que
a materia que est em diseussao, se deve re-
melter a urna coinmisso, liecertameute a de
faienda, porque a sua materia he mais anlo-
ga aos negocios de fazenda do que aos dc coin-
mercio. Quanto a rasao dos multas trabalhus
iiiuioiiss.il s, a essa nao pde a casi altrnder,
porqUc ninguein obriga a coiumissac a dar o
seu parecer dentro do corlo e limitado espac.o
de tempo : se nao poder d-lo nesta sessao, da-
lo-ln na seguinte: nao he objecto de tanta ur-
gencia, que a commissao se veja forjada a pre-
terir outro* negocios para tratar deste. Quan
te a vida ou mnrte
projecto, ou a
! materia, e conclue pedindo que o projecto
quem he indtlTaienlo pelo menos a morlel Mas cu nao sei, se o nobre deputado com- seja remellido coinmisslo de nstrucc.So
delle, euque faco votos pola sua vida sou panuda os terrores daquelles que repellem pudl
obligado de algum modo a apresenlar con- ;completamente
siilcraeoes
ev'
II
pudlica.
ideia da* transplaiilacoes. | ||e ldo e aooiado para entrar em discs-
Iderscoei que, senflo p lein servir para I Tratando de homem a hoinem, nos em mais sn0 o seguinte requerimento :
vitar-lheinteramente amorte, ao menos aeu "SfQEstoFtfttJSTEll KeqSeiru que seja ouvida de
e deem algn* dias de vida. .. ^^^at^^o'^^ ?** ^^c.o publica..
OSr. filies de Guevara : l. do ijue vale
isso?
O Sr. Francisco JoOo :--Eu nflo repillo
completamente o peusamento da Iransplait-
tacflo de povosde uns para outros lugares,
que prsam sobre a primeira da* mencionad*^ /do povos que estilo no caso destas bordas
regiment faculta a nomeaeflo de uma com- 1o i rasao da dYfliculdade do aecrdo entre as
nits-flo especial, porque esta oispogieflo ilojduas cominis.des, tambem nao poso adinit-
regimento me partee referir-me a oulrocaso la ; e o regiment que devia prevenir esse ca-
e nflo resolver a questflo, como be obvio em !. autorisa a reuniremse tantas commissSe*
facedell*. Concilio, pois, que a maturia da .I"'11"" casa julgar conveniente: e mesmo
SSK 'l"nbre dmPUlad ",30he, Um nJ&W^^$XZ
quennienlo, mas sim urna inlicagflo, eque do-o por tres,
por isso deve ser remeitida a commissao a por i0dej esta* consideraede*. voto pelo re-
que i erlencer. He esta a minha opiniao. queriinenlo do.^r. barros Brrelo, que pede se-
O Sr. os Pedro vola pela emenda em dis- jam ouvidas acerca da materia as couimisses
cussiio; torqiie, combiuanla o artigo 38 de coinmercio e de fazenda.
com o artigo ItO do regiment, enlende que I '*'r Ju, p"i'0 i,,5i,le "a ai lacia Primiti-
a mocflo de que se Data deve ter O deslTnn reforcando-a com novos argumentos; e
indicado no arligo 108 responde aos que foram produsidos ein seuti-
O Sr Presidente Jt a r.sflo do seu *^\*%*%2*Z^^ em
COe.n deixar do considerar hontem cuino 'v,.,ade "1'". da. cons.dcracde. que acaba
IlldlCdCflo a mocflo de que se trata, e sub- de fazer o honrado membro que se assentou.
jeita votacflu o requerimento doSr. Mello eu peco a V. Kxc. licencapara retirar a muida
de Indios; supponho mesmo que tem en-
trado mais de uma vez as vistas do gover-
no o faze-lo, ali m de destruir oque mais
le uma vez tambem tem servido de couto a
malfeilores. a homens que estflo alTeitos a
considerar se cima das leis, mas supponho
que esta idea por graudiosa, quinto aos
monis quo exige para asna realisaeflo em
lol.ic'ni ao fim quo so pde conseguir, he
tal queso podemos marchar com seguran-
o. a esse rosnlo ouvindo previamente a
opinin da ndniinislraQflopublica. nflo sO a-
cerca da possibilidade da realisaeflo da ideia
de Iransplaiilacflo, como dos meios sulli-
cientes para esse fim ser conseguido ; c esta
ideia que tenho a honra de apresenlar
novo a
a respei-
este exeniplo tambem obs7rvams"^als"dc '" do projecto em diseussflo, considerando
urna vez: ha mais de um facto histrico que os requerimeiUos que na casa existm a-
serre de apoio a esta medida. Com o dizer corea da a.lope.o do compendio de gram-
Isto. n.iu scsupponhaqne eu quero desde ja malica porlugueza.
faser transplanlaccs ou que nutro a ideia das Sala das sesses, 10 de abril de 1850. --
Iransplantaces russianas, ou que quero as yenet
transplanla(des de nossos ludios para lhes se-
O Sr. Francisco ioao :Sr. presidente, va-
riando um pouco dearguroentaeflo porque
rem tirados seus teres e haveres; nao, srnho-
res: quando se facain laes transplantacOes,
eu quero que elles lenham novos teres e have-1 ^ero'nesie' momento eiicetar,* "qu 'foi e'm-
re. desojo que se abran, as vas de com- i J d nohre deputado quo ac.bs de
,TCaan,rrC=do a. m.nha. ideia. que ^"l --'io ind C"fl" 0,ira
en .o sao as mosmas do nobre depulado, cu quemepropuz.
concluo pedindo a approvacao do meu reque- Primeiramente o nobre deputado fez
rmenlo.
Encerrada a diseussflo, he o requerimen-
to do Sr. Francisco Joaosuhmeltido vola-
eflo e approvado ; e bem assim o doSr. Ra-
lis e Silva.
Terceira diseussflo do seguinte projecto:
A assembla legislativa provincial de
Pernambuco resolve :
Artigo nico Fica adoptado para o en-
liego.
O Sr. Francisco Joo : Peqo a palavra
pela oriiem
OSr. Presidente :Tem a palavra.
O Sr. Francisco Joau : Sr. presidente,
entrando simplesraenie na questflo de ot- ei,e:
emenda.
Consultada a rasa, asiente ao pedido do Sr.
deputado,i- em seguida approva o requerimen-
to do Sr. at Pedro.
Terceira diseussao do projecto n. 20, que he
A assembla legislativa provincial dc Per-
dem, entendo que o requerimenlo apre-
senl.do pelo Sr. Mello llego contm duss '"'huro resolve:
parte; a i-rimeira quediz respeilo a dono-' Artigo nico rica revogada a le provin-
miiiacao que deve ter a mocflo que est em I*9, ^'J, u* T7,' f e","leno
diseussflo, e a segunda a dirercao que cun- f Sacrallieellt0 da cida.le de Goi.a c.mfir-
pre se llie d Quanto a pnnioua parle lie- ,ado poi provis.io de 19 de agosto dp 18-2S.
olio na opposicu tenho a fazer ; mas, quan- s.ila das sesses, 1 de junbo de I8l'j. si-
lo a segunda, pens de modo diverso ; por- mts a
PLAR ENCONTRADO
casa nao me pertence ; lembro-mo de ter|'?oa,^T?Al!?M"f?*."L' I".*.1UJ"iJ?!
lirio em discusses do senado opinios romo
estas muto rellectidas, exiginJo nflo s
transplantacOes destas hordas, como o es-
tah lecimento dc colonias militare* nossos
pontos, como meio entre lodos o mais asa
il para ver se cessa ile uma vez para sem
pre esse escndalo triste que aprnsenla a
nossa sociedade, de luiver uma horda que
depOc contra a civilisacflo do paiz, e que
tanto, e como que a cada momento pOe em
risco essa mesma civilisacflo. Por conse-
guidle, concluo pedindo casa um pouco
de indulgedcia j nflo digo para a fr
un do projecto, mas pelo menos para a
ideia que elle aprsenla para que pelo*
transmutes competentes seja esse projecto
enviudo adininistracflo da provincia para
cundir o seu juizo acerca delle, prestndo-
nos todos os esclaiecimeo"toa que o caso
exige; e por certo a adminisiracflo senflo
negar a isso, porquo nos faz promessas so-
uma consideraeflo, no meu entender, ten-
dente a demonstrara utilidade da unifor-
midade do ensino ; mas, Sr. presidente,
anda quereudo por momentos conceder a
necessilade da uniformidade, desojando
acompanhar em toda a sua extensSoo pen-
samento do nobre deputado, eu supporia
que est casa nflo era a corporaeflo mais
conveniente para escolher, e appreciar os
compedio* para o ensino publico. Eu creio
que o nobre deputado conviriacomigoque
a congregaeflo do lyceu he uma corporaeflo
queoltorece todas as condicoes de segura tic*
#r" Pi,ra bem preencher cat iisler;
Ua- j.v.inos deixar que esta parle da
primeiras lettras da provincia, o compendio
de grammalica porlugueza. composto por
Joaquim Antonio de Castro Nunes.
. Paco da assembla legislativa de P-r- piira ,
namhuro, 22 de na iodo 8*9--- "-jdevmos deixar que esU parle da adminis-
ciel Monleiro. oaiwm tllelo de Castro !?ii propriamenle dita do ensino publico
lavares. ose B. da C. Ugueiredo lSPja commetlida quelles que detla se
O Sr. Francisco ioio : Sr. presidente, a : aciiam eticarrega Jos,para que depois possa-
i'.ui-i leijooo que me nierecein os signata-
rios desle projecto, be motivo sulliciente
para me nflo animar a aventurar juizo al-
gum quanto a utilidade do compendio que
por elles foi approvado ; e nessa paite ne-
ntium consiiangimento sintoem mim mes-
mo em confessar que eslou pelo examo por
elles feilo ; mas ha aqu uma oulra ideia
|UU va ni c uno que com esta associada.e que
al ou iiidit'oi lamente o projccio, e vem a
sera que diz respeilo a unifurmidade no
ensino em lodas as aulas, a condioo ou
obrigaefio que tica imposla por este projec-
mos melhor, e de algum modo com maior
direilo, responsabilisa-los pelos resultados
das siias nocisOes. Todo o pergo que o
nobre deputado enxergou na facilidade de
qualquer se presentar como preceptor, e
mesmo de estabelecer collegios de educa-
eao para um e outro sexo sem previa auto-
rtsacflo dogoverno, todo esse perigo, deve
ser removido por medidas pulidles, porque
dizom respeilo i moralidad dos meninos.
Entretanto, observarci que todos esses in-
convenientes nflo sflo remediados pelo pro-
jecto. Eu nflo quero de nenhum modo


MW
wmmmmm[a
na
fozer injustice ao autor do compenso (quo
pora me lemDro conhecer, e rcconheco ser
un mojo hbil!, nem doseoneeitoaro juizo
dos meinhros signatarios do parecer ; que-
ro smente, ou desojo quo esse nogori > te-
lilla equelle andamento quo naturalmente
deve ter. Habilitemos o governo na le da
reforma da instrucclo publica, at para
premiar aquello que possa a presentar um
compendio de n.ituresa tal, que marerja as
approvaces dos iniiividiuos encarregailos
da sua rcvisUo, mas de nenliuma maneira
tomemos nos sobre uossos homliros tarefa,
nnenas propria do poder adniinislraiivo,
delegado, por Bssim dizer, a os membros
cnc.irregados do ensino publico.
Eu tenho notado mais de urna vez quo a
assembla he viila de chumar a si atlribui-
(oes que nSo sSo congenitas com as suas
funoeoes, ao mesmo tempo que tero em
poueo peso o roubo e esbullio que tem sof-
frldo, mais de una vez, do perogativas bem
important-s.
Mas esta reflexfo, quo eu aprsenlo, nlo
a Taco senao incidentemente, porque
o lim nico a que me prop'onho nlo lie
malar o compendio lieos llic d muilos
annns de vida esm'nle); mas simplesmonle
pedir que seja rcmetlidu ao governo para
que Ihe de o destino Competente, que vem
a ser remelte-lo a directora do Ij ceu para
que, so elle oapprovar, o inane adoptar
Esla adopcSo voluntariosa he em proven-
to do propietario do compendio elle na la
deve icceiar, urna vez que o inerecim< nio
da obra be recon'ieci lo. Esta approvacjlo,
repito,ser em proveitodo aolor do compen-
dio e t mil, on nossn, porqu > nSu toma us
esta parle de responsabilidad*, quo nao a
nos e lim ao poder administrativo pertence
l'ortanto, concilio aqui ; eme persuado
que com o que ilisse prove nao estar em
grande desaecrdo coiu os peusaiiientos
do nobre deputa lo.
O Sr. T'hes de Guevara :Sr. presidente,
punco tenho a dizer a respeitode quo esta
em discussao. Ped a palavra para justifi-
car o requerimentu que acabej de ler.
Musanle importante lies materia que se
disrule, c meu ver niio pule ser volada
precipitadamente. Nffo era possivel, Sr.
presi denle, que em 2t horas se podesse es-
tudar senamei-te, fazer um exime medita-
do, acerca deste projecio : em consequench
disto, e de nlo ter havido distnhuicilo por
lodosos deputados, do compel lio adopta-
do pelo projecio. entendo que deve ir o dito
projecto commissflo de inruccao publi-
ca, alrn de que ella nos aprsenlo um tia-
balho a resi cito desla materia, o tcnha as-
sim a casa tempo suficiente para a estuda-
la emquaiilo a cominissio aprsenla algum
resultado.
Accresce lamben], Sr. presidente, que me
consta existima pasta da commisafto alguna
requeiimentos de prctendentes em que pe-
dem quesejam a ioplados seus Compendios
degrammatica porlugueza ; se existe isso,
Ilo sei porque rasan os compendios desle
pcrlendentes nao hilo de ser considerados
nesla discussao ; nao sin poique rasao iia-
v^mos do votar tste projecio, sem examinar
aquellos, lie muito mellior, por ora, para
pn cedrn oscom perfeilo conheciineiito de
causa, que o projecio va a commissflo: ella
que nos de o seu parecer, temi em vista
ludo o que existir.
Ja ve, porlanto, a casa que eu nao son da
Opiniflo do nolire dopulado que pretndese
remeta o projecto directora do I y ceu :
OU enlendo, Sr presdeme, que nos uo 'le-
vemos suhlrahir-nos de um dever que nos
incumbe, e nem serenos indifferenles aoco-
nheciineuto dos compendios por onde as
aulas publicas se ensina, entregaudo-se ne-
gocio tilo in.poilaiile directora do lyceu.
Confio muito riessa directora ; mas ent>n-
do que resulta) fio maiores vantagens i ins-
trucclo publica, sendo a materia do pro-
jecio por nos considerada e volada.
OSr. Francisco lodo : Para 006111?
O Sr Fttles de Guevara :l',ir.i a instruc-
c,3o publica.. ,Po8 o nobre deputado nSo
confa ern si, e nao conlia em seus collegas,
e confia s na directora do lyceu ?....
0 Sr. Francisco ioo : -- Na directora lu-
do......
O Sr. Yellez de Guevara :Isto
me parece
extraordinario nao confiar em si, nem na
assembla, e confiar na dirtrtoria ? I'ois
'u declaro solemnemente, e com todas as
veras de minlia coiivicqSo, que cunti mui-
lo mais nesta casa do que na directoiia do
lyceu....
OSr Mello liego :Em que materia ?...
(J .Sr. Vtlltl de Guevara ;Ma inalena sub-
jeila.....
OSr. Mello Reg : Pois eu confio mais
n'um medico respelo de minha as le, do
que nos outios; isto he, confio mais nos
professionacs.
OSr. Yelles de Guevara :--Enlendo, por-
tento* que o meu reqiierimenio se acha nos
termos de ser approvado ; devenios consi-
derar tu lo quanio ha a respelo da quesillo;
e por isso voto por elle.
He lido e appoiado oseguinte requeri-
inenlo :
o Requeiro que seja o compendio, de que
traa o parecer em discuss,1o, reiueltido ao
Exm. presidente da provincia para dar-din-
o deslino queenlender conveniente S. II.-
Francisco lodo.
O Sr. Francisco Joo : Sr. presidente,
oupi-di a palavra para nicamente susten-
tar o requenmeno que apresentei, eaddi-
tar algumas reflexOes as que ja tive a hon-
ra de produzir quanto a materia; e me
supponho dispensado do maior irabalho,
porque fui do algum mudo prevenido pelo
nolue depuiadoque me precedeu, quandn,
fazen lo dille entes consnleraces, entre
uutioa Irouxe a uosso conheciiiieulo a de
que esse traballio ja foilo mereca ser estu-
dado. Isto ja he u.na feicidado pura n.ini
mas anda mais Miz fui quando o nobre
depula lo, depois dessa declaratorio, so dig-
iiiiii de fazer oulra anda mais importante,
isto he, que a parle da commissflo eslava
pojada, ou el,ca de requeriinenlos acom-
panhando diversos compendios, cujos au-
tores pediam igual privilegio ao qu 1 se
concede ao compendio do que (rala o pro-
jecio. Dirci, pois, eu agora que o tomo.-,
do considerar lo los esses diversos compen-
dios, e fazer entre eiles esames compara-
tivos, o por lim chegarmos a urna cscolna,
he una raslo domis para que se appiovo o
meu lequcrunonto. Se acaso o nobre depu-
lado nos qur constituir, nao em corpora-
roaJniinistiaiiva, de arrecadsco, flscali-
acilo, e distnbuicfio das renjas provin-
ciaes, e do outras funccOes que nos cubem,
mas em sesslo quasi que permanente para
o exame de questOcs escolares, polerei,
mudando de opinilo, acompanhar o no-
bre dcputailoem seu pensamento; mas eu
cre o que elle nesta parte,por perigoso, deve
ser rcpellido. Yernos outras cousasde que
encarregar-nos, e com proveilo igualmen-
te publico ; ileixemos, pois, que aquellas
atlrhuic.Oos de que nos podemos lispensar,
e pdem ser sufiicientemento exercidas por
outras coroorac,oes,sejam por ellas preenchi-
das. Eou com isto nlo quero sonto dar o seu
a seu dono. As corporacos .cientficas pre-
enehem realmente as atlribuicOes de seu
insliluto quando se endroga'! destes i'a-
halhos, porque eu creio que o lyceu n3o fo
creado smente para abrir nulas do ma-
iihla, ou tarde, mas, sioi, para a drecrjo
do ensiuo publico : e este ponsamento que
tenho a honra doapresenlar tem sido o pen-
samento igualmente enunciado por difTe-
icni s administra^espublicas da provincia
e ain la por administrac/Jai que outrosres-
pelos tem (ido ponsamentos contrarios
mas que, quanto a materia subjeita, estive-
ra o perfeitamente de acedrdo, p-h ra-n de
ser ella iflu correnle, que nao admilto con-
troversia, l'ortanto, concluo dizendo quo,
posto iifl'i me seja permellido tachar qual-
quor procedimento ou deliberjcao que a
assembla tome, niio cstou inhib lo de de-
clarar que, se a assembla tomar urna de-
llhcraCHu osoolhoiido tal ou tal compen-
dio, e se ingerir em funCQoes propriamon-
le di djrercfo do lyceu grande Celeuma se
podei levantar contra nos, ja de autores
de Compendios, ji fioalmenle das co'po'a-
(;oes scontilicis cu jo justo a or proprio
ciemos mol-star.
Eniliin, Sr. presidente, supponho que em
vista deslas Consderacajet as minhas ideas
mereccrao, senilo a approvacao d casa, "do
menos 0 acjlhimento de alguns de seus
meinhros.
O Sr. Guidis e Mello :Sr. presidente,
nvalo como sou para filiar em dicusos
publicas, esta bem visto que nao posan sa-
lisl'i/er por maneira alguma a claresa que
disciissilo deman'la ; mas, havenlo opi-
nides a favor do projecto o contra, apresen-
lando-so diversos argumentos por una e
oulra parlo, e l- ndo eu de emtttir um voto,
quero dar a rasilodelle.
SSo son apto para entrar em discusses
de grammaticas, emhora tenha receliido
um di doma para tomar assento nesta as-
senihlca, cinboin esleja inciso de dever
ciim|irir as ohrigacO 'S que o acto adilirio-
nal no $ -1 do art. 10 me incumb i; tenho,
porm, do dar um voto, e, como ja disse,
darei a rasdo delle.
Voto contra emenda do nobre deputa lo,
que se expi itne no senli lo da remetter-se o
compendio a direcclo do lyceu, porque en-
lendo que esta assembli he compeeote
para decidir esta questo em vista do 2,*
10 artigo ja citado, que nos impoeo dever
de legislar acerca da iustru'Qfio publica, o
n reconheQo que este projecio pertence
especialmente a comniissflo de inslrucclo
publica,...
0 Sr. Francisco Jo3o :Isio prova de mais,
porque prova que tifio devenios ensillar
lamtiem.
V Si Giiedese Mello :--.\o sei como pro-
v,i de mais; mas, repito, compete-nos,
niio s porque a lei o di/, mais porque est<
assenbla j tm legislado a respelo li-
nalinoiite pori|iie a assembla, na aessflo
ultima, cmitlio o sen parecer, e a tal res-
peilO,e he o que est junto ao projecio ; pa-
recer que nimio respeito pelos nomos que
m lie liguram.
Quanto a mandar se o negocio ao 1 o lr
administrativo, ndo concordo ; porque
nesse 10 lr se acha minio individualisada
a faculdade de escoltier; he um po lr in-
dividual, para quo assim digamos. Coli-
no muito na directora dolycen, tenho pro
fondo rospoito peloaclu-l director do lyceu,
e presumo mesmo que o governo ar sem-
pre escomas tilo dignas como as que at
-gora tem foilo ; mas creio lambn que do
dentro do recinto desla casa p Icm suhii
opiniOea ISoautorisadas como as da direc-
tora ; por consequencia, cu, quo, deva
ser o nico que demitllsse de 1111111 o exame
dcsta maleria, enlendo que ella dcvn ir
rommissflodenalrucQlo imblica pranos
dar o seu uizna respelo, para o que a re-
puto muito compel-uto ; tanto mais quan-
to 1 fio posso irrogar 10 rorpo oleiloi',1 da
provincia a injuria desuupr quo ello i'io
escolheu |iessoas capa/es de avahar urna
qnestlo co no esla que so agita. Coolio
muito na uiaioria da casa, e por isso voto
P' lo requaiintento do Sr. primeiro secreta-
rio
Encerra-se a discussffo, e submetiidoo
requer imeiilo do Sr. Eraucisco Joo a vola-
Cao, (iea esta empatada, por toiem havidu
11 votos pro e11 contra.
Na lrnia do regiment fica a discussao
adiada.
Tendo-se esgntado a orden) do da, e es-
lando prxima a hora,
O Sr. /'rndenle convida as cotiiissOrs
para apreseiilaroui trabadlos para a discus
s.to, designa a urdem do da, e levanta a
sesse.
UulHlU M PR\AJIBIU,.
BECirE, II DE ABniL DI 1850.
Ilojo iio houvesesso na assembla, por
falta de numoin.
r;';''a$;V,)|Cjf,
ALPANDRlA,
Rendimento do dia II..... 8.562,691
/Jeicurregar hoje 12.
Itrigue porluguez Fclos vinho e v-
nagic.
Ilrigue portuguez Conceirdo-de-Mara
viniiii, vinagre e cal.
Barca ingle/a II .-inmel mercadorias
Ilrigue inglez l.eten-Imss idem.
Brigue inglez -- Magncl ferro.
Ilrigue francez Pliade lastro.
IMPOHTACAO
SwotJFiuh, galera nglea, viuda de I iver-
pool, collada lio crreme iiic, consignada a
13a, 17 dil e 3 ditos dita de algorilo, 1 emliru-
llio materiaes para eicrever a Aainson Ho-
wie ii C. i
30 glgns, 70 meios ditos, 1 ceoto tonca, 44
(Milis l'-iieiidas de algodao, 43 fardos dita dito,
f> calvas lencos- de seda, 7 dlu Mnhas, 1 dita
Unta para cscrever, 1 dita papel, 1 dlla llvroi
de cuntas, 1 ditas e 3 pacntea fazendas de laa,
59 pacotcs saceos vlos, 38 tim, 3Soalxas de
cha, l einbrullio materiaes para escrever; a
Me. C.'llinullt <-. C.
5fardos lona, 127 arrobas e 24 libras de ar-
cos de ferro, S barricas cucelaria, 5 ditas fer-
ragens, I calxa agnlhas, 30 faVdos e4l calxas
faiendas de algodao, ditas dita de linho, 7
fardos lencos de algedao, 1 fardo fazendas de
laa, l barrica cevadinlia; aJoo.es Patn S C.
30brricascerveja, &7 fardos e II calaas a-
zendas de algodao, I dita ditas de laa. 1 dita
bicos. 12 ditas liolias, 3 ditas e t fardo faien-
das de linho; a II. Gibbson.
1 cala livros de contas e lettras em branco,
15 calas c 4 fardos fazendas .le algodao; a Dea-
nc Youle 4 C.
I barrica ferragem ; a E. H. Wvait.
I caia materiaes para eucrever ; a Oliveira
11 ni.i>- Si C .
1 cala brochas de lalao ; a C. Kruger.
23 fardos e 28 calas fazendas de algodao, 1
dita lencos de seda, ditas ineias de algodao,
I dila fenagens, 1 dita fazendas para collele ;
a Fox Itrnthers. ,
18 calxas c 9 fardos fazendas de algodao, 2
fardos ditas de linho, Icalias bicos, 1 dita
fazendas de algodao e de la ; an.lloyle.
3 caixas bezerros envernisat-los a J. Keller.
1 caixainagnczia; a V. Bravo 4 0.
I caixa carne, fardos fazendas de algodao,
I folha deflindresqiieijos, 3 barricas presun-
tos, fi nacotes Wieinho .- a Latham o llibbrrt.
3 barricas ferragens; a Brauder a Brandis
1 caifae 2 bahs; a G.Chaderich.
10 potes uvaspasaadac, 1 barril ago'ardente,
7 eaiasqiieijoS, 62 presuntos, ;"' pecas touci
nho, 7 barricas, 6 calas e6 barriquinbas con-
servas, .! pecas de cabos, 2 calas' iguora-se o
conloado, 108 cestos batatas, 10 barra alca-
Irao de pedra, 1 cala fundos de cobre, ditas
fulhas de cobre, 8 vergas estanbo, 34 arrobas e
O libras ferro ; ao capltao.
I cala lencos de seda, 2 ditas fa. ondas de
algodao; a llosas Braga \ C. -
5 caias e 2 fardos fazendas de algodao ; a
k.id.oi mu II.
13 fardos e 15 caixas fazendas de algodao, 1
barril pedras de fogo, t cala fazendas (le mo-
da, I dita falos, '24 gigos c 'canas tonca, 2 di-
tas faiendas de linho, a G. Keneworiny ti C.
fardo faiendas de linho, I caixa lencos de
algndo ; a Johnston Pater Jt C.
19 fardos e 4 caitas fazendas de algodao ; a
J. Ryder Si U.
1 barrica ferragens ; a S. P. Johnston S C.
2calas cha, I einbiulhp faiendas ; a N. .0
liieber 8 C.
2 barricas ferragns; a K. S Corbett.
CONSULADO GtCHAL.
Rendimento do dia II.....5:363,192
Diversas provincias...... 101,043
5:461,535
EXPORTACAX).
Des nachos martimos no dia 11.
Liverpool pela Parahilia, barca ingleza Janr-
Gnntiie : condiiz o seguinte :
Lastro de arela.
llrXI-:BEDORI\ DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Rendimento do dia II......739,720
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia II..... 2800,369
viioviiiuenio do .Porto.
Navios entrados no dia II.
II ha de Fernando 3 dias, transporte nacio-
nal l'irapama, commandante o piloto Cami-
lo de Lelis Fonseca.'.ondui tres sentencia-
dos que ai aliar.oo o lempo c mu que vai li-
nalia-lo no Para.
Da roiniulsso Vapo'r de guerra nacional
1 h, h .-, i......o.unante o capilao lente
Francisco Antonio Pereira.
{)oclarai;6es.
--S Exc. Rvm. hade sagrar os Sintns-
Oleos na igreja de S. Pedro desla citade,
domingo, 14 da correnle, devendo come-
C,aro aclo pelas 7 lloras da mandila. -- Ite-
cife, 10 de Abril do 1850. O padre Fran-
cisco los Tacares da Gama.
O e-i-i i|ii in ..iio -u mesa do consulado
provincial abatxo assig lado, encerragado
pelo seu respectivo cuele de fazer o lanija-
iinulo da dcima dos predios urbanos do
hiirrnda Boa-Vista, fsz seiento aos senho-
res propriiUrios e enqiiiliuos dos predios
do dito ba 11.1 que dar princiuio ao dito
lanamente no dia 12 do crrente mez. Me-
sa do consulado provincial, (o de abril de
1850 Luis de Asevido Sous
O solicitador da fazemla nacional ha-
hita ii i segundo andar da casa n. 16 da rus
do Cullegio.
MOaniLiuruicj
oasamisE
L('|)ai'ti(;;ii) da poci .
.Me.
'Ilm. e Exm. Sr.--Segundo as communi-
caces dirigidas a esli reparliflo, fiiram
hnnteai presos : minha ordum, o pardo
Tiiumaz da Silva, e o Porluguez Bernardo
de Oliveira, por disturbios : s ordem do
subdelegado da froguezia de S.-Frei-Pedro-
GontjalTPi do Recife, utn inglez, por ebrio ;
e Manuel Francisco de Mello, sem declara-
cao do motivo : ordem do subdelegado
da freguezia de S.-Antonio, o pardo Luiz da
Silva GmmarBeS e Mara do l.ivramento,
por CorrecfKo : e do subdelegado da fre-
guezia de S.-Jos, o preto Jos, escravo do
desombargador Ftrniiuo Antonio de Souza,
a re.mis'njfio do respectivo senbor ; e Anto-
nio, escravo de Jos dos Santos Souza, pur
p-ssar urna nula falsa.
O subdelegado da freguezia do Cabo,
parlicipou e n nilieio de 8 do correnle, que
haviatii sido upreheniidos em urna das
roas da respectiva villa, 6 Africanos bofacs,
que eram conduzidos por Manoel Pereia
das Noves e Francisco Hcmique do Nasci-
mento, os qu es Hcaram recolhidos a ca-
deia da mesma villa, sendo que em rescosta
ao mesmo ollicio ordeuei que fossem os pre-
diclos Africanos renieltidos para esla cola-
do, .i ti di de que se Ibes desse aqui o destino
legal.
l)-os guarde a V. Exc. Secretaria da
polica de Pcrnamhuco, 10 de abril de
1830.lllm. e Exm. Sr. Honorio Mrmelo
Carnelro Leo, cuncellietro de estado, pre-
lllm. e Exm Sr.--Ds participacoes fue
me foram inderesssdas, consta torem sido
presos : ordem do subdelegado da fro-
gueiis do S.-Antonio, Manoel Bernardo do
Nascimeoto, Francisco Antonio Xavier, e o
pardo Filippe Itibeiro Gezario, por correc-
q3o ordem do subdelegado da freguezia
de S -Jos, Francisco Claudio Bezerra, para
legado do primeiro dislricto da freguezia
dos Afogados, o Portuguez Manoel Jos da
Silva, por correnlo : a Ordem do subdele-
gado do segundo dislricto da mesma fre-
guezia, Flix Jus dos Santos, sem declara-
(,'ao o'o motivo : e du subioiegado do pri-
meiro districlo de Jahoatilo, o preto JoSo
Jos de Santa -Anua Carvalho, por ofletisas
pbysicas.
O delegado do termo do Limoeiro, em of-
ficio de 7 do correnle, communicou-me
que no dia 31 do mez lindo, o inspector de
quarteirflo Miguel Jeronymo de Barros,
indo prender um recruta, fura pelo pai
deste, irmSos e um cunhado de nome
Vital assassinado com duas fculas, sendo
quo se poderam evadir os autores desse
aitentado. Tambem me commuuicou o 1e-
I ':.'i lo do termo de Caranhuns, em ollicio
sb a data do primeirj deste mez, que
Claudio Jos da Silva r Jorge de Tal, ha-
ra 09 no dia 19 de marQO ultimo assassina-
do o Loonardo Ferreira, e ferido a um irmilo
deste.
Dos guardo a V. Exc. Secretaria da po-
lica de Pernamhuco. II de abril de 1850.
lllm. e Exm. Sr Honorio Hermlo Camai-
nel ro LeBo, coucelhero de estado, presir
denle desla provincia.--Jote ficolno lieguei-
ra Costa, chefe de polica interino.
alnionl i C iiiainfcsluu o seguiole
lt'O barricas ceiveja, I caia faiendas oc h_<> mi uiuniitii.-m i-.torao ni- jse tilas Corroa da Silva : n eche pequeua
uho, 3ditas cusas, i ditas e i fardofazenda de gutira (osla, chefe de polica interino. Jporcilo de caiga a felo e esclavos ; quum
Avisos man timos.
Para eMaranhilo.
O patacho nacional Josephina, com desti-
no para o Para com oscala por MaranhBo,
ain la pode receber alguma carga miuda e
p-Hssageiros : os prelendenles queiram dir-
gir-se ao cap tilo Jos Manoel Barboza, na
Praca, ou a Jos Baptista da Fons-ca Jnior,
na ra do Vigario, n. 23, segundo andar.
Para o Kio-de-Janeiro sahe,
com a maior hrevidade possivel,
a escuna nacional Tentadora, cota
a maior paite de sen carga promp-
ta : para o resto, pussageiros c
escravosa frete, trata se com An-
tonio AIvc de Miranda Guima-
racs, ou com Novaes & Compa-
nhia, na ra do Trapiche, n. 34-
Para a Babia
segu em poucos das o hiate nacional 1.1-
gelro, pregado e forrado recentemente de
cobre : quem quizer carregar, dirija-se i
ra do Vigario, n. 5.
Para o ro-de-Janeiro se-
gu, com a maior brevidade pos-
sivel, a po'aca nacional Socieda-
de- Feliz : quem na mesma qui-
zer can egar, ou ir de passsgem,
ilirija-.se aos seus consignatarios,
Oliveira lrmios& Uompanhia, na
ra da Cruz, n. 9.
-- Para o Itio-de-Janeiro segu mpre-
terivelmenle, no dia 17 do correnle, o bri-
gue brasileiro Venus, por ler parlado seu
carregament promplo : para algum rcslo
de carga, pasasgeiros e escravos a frele,
queiram os pretendeiilas dirigir-se ao es-
ciplonoda viuva Cuadino & Fillio, praci-
nha do Corpo-Santo n. 66.
Segu viagem para o Rio-de-Janeiro,
l o dia 13 do correle, a barca americana
Conrad; Icm excellenies commodos para
passagei'os : os prelen lenies diiijam-se ao
escriptoro de Malbeus Austili & Cumpa-
ulna, la da Alfandega-Vellis, 11. 36.
- A veleira escuna tiacional Emilia, de
que lio capitfio e pralico Antonio Silvfljra
Maciel Jnior, deve cliegar do Para por
esles das, para onde votiara com esca-
la pelo Maranhlu, com a maior brevi-
dade : quem na mesma pretender cane-
,:r, ou ir de passagem, devela eulendei-se
com Joo Carlos Augusto da Silva, na ra
di Cruz, no Recife, n. 13, armazem.
O hiate liovo-Olinda seguir para o
Ceara a 15 do correnle, por ler quasi promp-
to o seu carrega ment : para o resto e pas
sageiros trata-se com o mestre do mesmo,
Antonio Jos Vianna, ou na ra da Cadeia-
Velha, n. 17, segundo andar.
Para a Rahiii sahe etn poucos dias o
hiato nacional Sun-Joo, por ler parto de
sua carga prompla : para o resto trata-se na
ra da Cadeia, armazem do finado llragucz,
ou com o nieslre 110 trapiche do algodflo
Para o Rio-de-Janeiro segu cun toda
a brevidade o brigue nacional Josefina :
quem nu mesmo quizer carregar ou ir de
tiassagem, trate com Domingos RuJrigues
de An nade, no Trapiche-Novo, n. 4, ou
com Jos Carlos Ferreira Soares Jnior, na
ra da Cadeia do Itecife, ou com o capitSu
do mesmo, Marcos Jos da Silva.
Para o Rio-de-Janeiro sahe, com mili-
ta brevidade, o patacho nacional Curioso,
capitfio Domingos Antonio de Azevedo, por
se adiar com parte da carga prompla : para
o restante, passageirose escravos a fete,
trata-se com o mesmo capilao, ou com Lua
Jos de Sa Araujo, na ra da Cruz, n. 33.
Para o Uio-de-Janeiro
segu em pouflta dias o patacho
nacional Ainizade-Conslante^ por
ter parle de sua carga piompta
para o resto da carga, escravos e
passageiros, Irala-se com Macha-
do fc Pioheiro, na ra do Vigario,
n. I9, ou com o capito a bordo
do mesmo patacho
PARA A CIDADE DO PORTO,
segu o briguo portuguez Uom-/'nstor,rcee-
he carga a frete e passageiros.para os quaes
oll'eiece excedientes comino,los : os preten-
dentes dirijam-s-: ao capitfio, Jos Gomes da
Silva, nu a Bailar # Oliveira, na ra da Ca-
deia-Vi-Un, ailliazem, n. l.
Paia o Rio Grande do sul sahe com bie-
vidadeo briguo nacional Murinnna, capitfio
'us Illas Concia da Silva : rcruhe peque
prolender embarcar, entenda-se com o ca-
pitfio, ou com Manoel Ignacio do Oliveira,
na praca do Commcrcio, n. 6, primeiro
andar.
Vende-se o patacho ameri-
cano Romp, de lote de I16 tone-
ladas americanas, forrado de co-
bie, muito velen o e promptop&ra
seguir qualquer viagem : os pre-
tendentes dinjam-se aos consig-
natarios, Ilenry Forster&C. na
ra do Trapiche, n. 8.
. _..L. 1 un
Leilo.
OleilSoda mobilia do finado Sr. vice-
cnsul Coring, annuncia lo para ii do cor-
rente, Rea transferido, eter lugar em pre-
senta do lllm. Sr. cnsul de S. 11. b. no
lia scgunda-frira, 15 do correnle, s 10 ho-
ras em ponto, no respectivo consulado, ra
do Trapiche-Novo.
0 correlor Oliveira fari leilSo, por or-
dem e em presenQa do lllm. Sr juiz dos au-
sentes desla cilade, da armaefloe de lo las
as fazendas da loja do finado Gabriel Con-
nives Lomba. si'.a na esquina da ra do
Queimado, uriocinio da pracinh* dol.ivra-
menlo : sabbado, 13 do crrente, as 111 lio-
ras da maullas em ponto, na referida luja.
a.-------UX-JJ..di
Avisos diversos.
-- Manoel Germano de Oliveira, actual
thesoureiro do Sr. Rom Jess das Chsga,
respondendo aos annuncios publica ios no
Diario ns. 78 e 79, decan ao Sr. Lino
Joaquim deSanti Annt, que revendo o li-
vro de recibos da mesma irmandade, cons-
ta estarem pagas todas asdespezas, me-
nos a da armario da festa no anno em que
foi provedor o Sr. Gamboa. Quanto an
outro annuncio do irmSo anonymo, preciso
se faz que declare o seu nome, alim de so
cctihecer se he pesssoa que mereca satis-
fazer-se a sua exigencia.
~ Ridgway Jamieson & Companhia la-
zem publico que, tendo de fazer urna via-
gem a Inglaterra o seu socio Roberto Ja-
mieson para tratar de sua sade, teem cons-
tituido por seus bastantes procuradores,
durante a ausencia do mesmo, os Seuho-
res Frederick Rubilliard e James Ashton.
O Dr. Muller relira-se para fra do im-
perio.
-- A viuva do fallecido Manoel Ferreira
Deniz faz publico aquemsejulgarcredordo
mesmo tallecido que baja deonlregar suas
contas no prazu de tres dias, para assim se-
ren leva las no inventario que esl proce-
dendo.
Jos Joaquim Ramos Villar, residente
na cidade do Para, uflVrece o seu presu-
mo aludas as pessuasnacinaes eealran-
geiras, e mesmo a qualquer capilaes 011 en-
cai regados de embarcares, para Ihe se'vir
de guia em seus afazeres nesta provincia ;
bem romo para dar entrada as eslaces
competentes das embarcarjO^s, tirar passa-
purtes, lixar navios ep-los corrontes a se-
guir sua derrua ludo pur mdico eatepen-
dio, regulado em proporco de seus afa-
zeres.
Aviso aos amadores e
apreciadores de niusN
cas novas c de bom
gosto.
Joo Vignes, morador na ra larga do
Rozario, n. 28, primeiro andar, acaba de
rceber pelo ultimo navio vindo de Franca,
um grande sorlimento de msicas, como
sejaui : valsas, varac,0es, polkas, quadri-
Ihas, modinhas brasileiras e outras ilalia-
n's ; bem como o mellior meihodo para
piano, solfejos para cantoria, ludo pelos
111 .-lliores autores da Europa e da mais mo-
derna escola. Na mesma casa vendem-se
os mais ricos pianos que teem vindo a Per-
namhuco, os quaes sito feitos do propoai-
!o e com novo niacliinismu. para que te-
iiliain grande durcdlo ; assim como tam-
bem aclnro na mesma casa pianos ingle
zes, com pouco uso, vendeudo-se tudo pe-
lo maig commodo preco.
->
> v uiisuuui 111 iHJuuteu- ^
% pathico. %
5 Ra do Trapiche, Hotel- *
>>
Se
Consultorio honaneo-
pathico.
Ra do Trapiche, Hotel-
Francisco,
Dirigido peis doutores SahinoO. I,.
I'inho, J. A Luz, eC. Chidloe.

Todos os dias, desde as 7 horas da
manhSa at as 3 da tarde, pdem ser
procurados qualquer destes Snrs.
As consultas serSo recebid>s por
qualquer dos tres mdicos que se
X achar'no consultorio.
':> As pessoas neerssitadas continua- J4
;> rio a receber gratuita mente, todos *
^. ossocorros de que precisaren!, a -> qualquer hora do dia ; advertinl <5
m
m
que, serSo soccorridos com prefe- 4S
rencia, aquellesque logo no princi- *&
pi da molestia recorrerem ho- ^
"y niaenpaihia, sem baver lomado re- j
&. medio algum allopalhico. ^
Kngenho Queluz.
Freguezia de Ipojuca.
Traspassa-se o arrendamenlo do dito eri-
genho, o qual tem a presente safra a tirar,
e Ires a criar. A tratar na ra da Aurora,
n. 26, ou no mesmo engenho com Miguel
Augusto de Oliveira.
N B.Oengenno tem excellente pasto,
lie hom d'agoa, e tem bons cercados; e,
caso haja quem queira comprar a safra,
ser-lhe-ha olla vendida, 01 tregando-se im-
mediatameiite o estabelecimento.
AUcii^ao.
Agencia de passaporles.
A anliga agencia da ra do Itangel, so-
luado n. 9, contina a tirar pi.ssaporles
para dentro c Tora do imperio, e despa-
cliain se esciavos, por mais commodo pro-
co quo be possivel.


Furto.
No dia 6 do corrente. a8horai da noi-
te, um preto ganhadcr furtou do porto das
cunos darua Nova, u.a bahuzinho de to-
lha pintado do azul, conlendo 3 imagens,
urna doStnhnr Ccuciticado, oolra de S.-
Anna, e outra de S.Antonio, estando esta
ultima paramentada de ouro ; bem como
un espelho de moldura dourada e algumas
camisas de homem, toalhas, ele. : quero de
tal furtosouber, Inri o favor desprehende-
lo e participar na ra do Collegio, n. 16,
segundo andar, o inesmo so roga a todas as
autoridades policiaes.
Homceopatha.
O Dr. Luz convida ao lllm. Sr. que deseja
decidir por que Mjslema te deve tratar a com-
parecer no Hotel-Francisco, ou na caaa.n
40 da mesma ra do Trapiche, atlrn de ser
salisfeito com mais promplidflo o pedido
qu- fa? em seu aviso de hoje neate Diario;
e entilo ficar sebeado que a homoeopalhia
DIo he um systema, poicm sim a medicina
jerw,e que saquellos doentes que r-
corremaell depoi de muito estragados
pela medicina vulgar, poden no conse-
guir sm'i le, sein que tolavia por ella fulle-
ca m : dea te modo h d o mesmo Sr. poder
fat'r um iuiso ajustado da hometopatnia, e
habilitar sea Ihe prestar seus mu to bons
serviens com a publicarlo das pessoas que
em ella curado ( e que exce leal de 300 lra~
zentas cm pouco mais de um mez 1 e as sua
moradas; assim como os que Ihe tem morrido,
porque obre tu lo a resucito desles temo
muias enntas que ajuslar cum os sapien-
tisimns Sr. da allopalhia. Recife, lid.
abril de 1830, ra do Trapiche-Novo, n. 40
Fr. Juo Capistrano de Mendonca tem
aberto, na roa das Cruzes. n. 18, primeiro
andar, um curso de rhetorica e potica, e
oulro iie geographia e historia : as pessoas
quequizerem esludar qualquer destas dis-
ciplinas, o pdenlo procurar na menciona-
da casa da* 10 horas do dia em dianle.
Gralifica-se bem a quom appreliendei
um cabra de nome Athanazio, de estatura
regular, grosso do corpo, cabello estirado,
pouca barba, nariz alilado, com falta- de
denles na frente, heleos grossos, com urna
cicatriz nos peilos, faltaudo-lhe no pes-
querdo dous dedos ; levou vestido carniza
de.algodiu azul, calca pret.i de merino ja
usada, cha feo preto t-mliem ja usado, cujo
ebra des rente anuo, e julga-se elle andar pelos tra-
piches do assucar: por isso roga-se a todas
as autoridades policiaes e capilScs de cam-
po que o apprehemlam elev^m-no a casa
dossenhores Mesquila & lmira na fundicSo
da ra do Rrum, ou na ra .Nova, n. 35
' 99999 99^
Nova casa de pasto
9
m
9
No passeio publico contina a ler
todos os das boas comidas e caf, e *
nos domingos e dias santos, logo 4
cedo.mSo de vacca e cabidella. e mais #
9 petiscos; assiro como lamben d 9
9 jantares para fura, por preco comino- 9
do, e com asseio; e lia vea o boro #
9 sorvele, as horas do costume. #
9 9
####? *99> 9999 99 $9
D. W. Baynon cirurgiSo dentista, ro*
peitosamente^ informa ao publico desta ci-
dade que elle pretende brevemente retirar-
se deste imperio, e as pessoas que aluda ne-
ceasitim seus serviros durante osle tem o,
ser.loaltendidos, procurandn-o no sendo
micilio, na ra do Trapixe-Novo, n. 14.
Sabbado, 13 do correte, depois da
audiencia do Sr Dr. juiz da segunda vara
ilo cive, se ha de arrematar pela ultima
praca duas casas, sendo urna mpia-agoa,
sita na ra da Paz, n. 2, com 35 palmo:,
de frente, 47 de fundo, cozinha ao lado, en
Uipado pelos fundos, avahada por 450,000
rs. ,* urna dita terrea, sita na ra Imperial
n. 141, tendo 13 paln s de frente e 47 de
fundo, coziuha f'a e quintal em aberto,
avahada em 250,000 rs. ; penhoradas poi
execucBo d* Tiiomaz d'AquiooFonseca con-
tra o Mr. Antonio Ha,lista Gitiraana, escri-
v.lo, Molla.
Precisa-se de urna ama de leite : na ru8
da aioeda, n. 7,primcro andar.
Attcncilo!
Aluga-se urna excellente casa de 4 anda-
res com grande armazem, na ra da i ruz,
n. 40,cm que tem eseriptorio o Sr. I.dwardo
Bol i : quem a pretender, dnja-sc ra d
Cadnia do Santo-Antonio, casa junta ao es-
eriptorio da compairhia de Beboribe.
0 abaixo assignado pergunta ao Sr
Jos ra (iraca Torres quem ihe deu a auto-
riilade de entrar pelo baldo da sua venda a
dentro e correr-lhe a casa,sen que elle esil-
vesse em casa, e andar levantando lampas
das barricas, para vero que liuha dentro
deltas : espero responda o motivo desta cau
Sa. Bernardina de SoUta Pinto.
Precisa-se de um homern queentenda
de andar com carro, ou bolear: nesta ty-
pographia se di'a quem i recisa.
No beccodoSarapitel, n. 15, ha urna
pessoa forra que sabe lavar, engommar e
cozinhar, que se oflerece para urna ama de
casa.
Carlos Claudio Tressc,
fabricante de orgSos e
realejos, na ra das
Flores, n. 10,
avisa ao respeilavel publico que concerta
orgilose realejos, pOe march.s moderna,
deste pait, roncera pianos, senphinas, cai-
xas de msicas, accordSos, o qualquer iris
lmu cuto que.appareca : tambem faz obra
novas.e vende um orgSo proprio para eapel-
la, oui-.iiar-u.or, com boasvozes, por preco
com modo.
Afina cao de pianos.
Alinam se pianos por diminuto proco
na ra das Flores, n. 19.
Joios.
Fazem-se caixas de guardar joias, obra
bem leiia, por diminuto preco : na ra da.
Flores,n. 19.
Nossa Senhora da Faz.
O estado de ruina em que se acha a igre-
ja matriz de Nossa Senhora da Paz do
Afogados, e 08 pequenos remliincntos qu-
ella vossue, que otesmo nito chegain para i
consorvaru e asseio ilo templo,' obriga an
a alguna devotos a darein principia ao con I
certo, fundados na benignidade dos liis, i
a quem rogam queiram concorrercom a es-
tilla que suas postes permetir para conti-
nuadlo da obra, a qual ser entregue ao Sr.
tc'ienle-coronel Manoel Joaquim do Rogo
Alhnqiierqiie, nu ao lenle Antonio Gon-
calves de Moraes, aquello residente na re-
ferida povoacAo, e este na ra da Assump-
c.lo desta cidade, casa da af> rielo.
OSr. Teodoro de Almeida Gosta queira
apparecer na ruado Vigario, n. 19, a nego-
cio que Iho diz respeilo.
Tnomaz Jos de Sena faz sciente ao
respeilavel publico que de hoje em diante,
se assiRiiar Thomaz Tertulianno de Sena.
Lvam-se o engommam-se los e lencos
deliuho; tambem so cose costura de al-
fa i ue : na ra da Aurora, n. 42.
Achou-se, na quinta-feira-maior, na
ra do Livramento, um lenco branco bor-
dado, com firma no meio.- quem fr seu
dono, dirija-se a mesma ru, n. 38, primei-
ro andar, que, dando os signaes, Ihe ser
entregue.
Prerisa-se de urna ama de leite : na ra
da Cadeiadoltecife, n 23, primeiro andar.
A nliiixo assignada declara que a es-
crava Antonia, qua annuncmu ler fgido
em dias drf maio do anno prximo passado,
acha-se vendida, omle quer que ella se
adiar ; e faz este annuncio para securanca
de quem a comprou. lUaria There*a de
Uorac Vuyer.
OiTerece-se urna mulher para ama de
una casa estrangeira, ou de homem sol-
teiro, ou mesmo do pouca familia, a qual
he multo boa pessoa, e da Mador a sua con-
ducta : na ra Direita, n. 75, casa (errea.
--Precisa-se de um feilor para um sitio
perlo da praca : na ra de S.-A naro, n. 10
Oabaixo assignado declara pelo pre-
sente annuncio que tem contratado ,coni
Jo3o Fructuoso di Silva a compra du taber-
na, sita no lim da ra deS.-Tlieresa: quem,
pois, seacoar credor da mes na, queira no
prazo de 3 dias apparecer em dita taberna,
para so tomar em con Icricfo o ditos d-
bitos, passados os quaes, o abaixo assigna-
do por nadase responsabilisa.
Bartoltod Coila Voura.
Alfredo Rocca,subdito sardo, retira-
se para a Babia a tratar de seu negocio.
Manoel Joaquim da Silva, cida tilo Bra-
sileiro, vi ao Aracaty, levando em sua
coinp.inhia seu Mliio, Antonio Cesario da
Silva, seu sobrinho, Toriano Galisto Juca,
ambos menores, e o seu oscravo Francisco,
lenacHo Costa.
3
tences do rendeiro, sendo animaes do rodo,
muito hons e gordos, poldros, lavouras e
safra a colher: os pretenJenles, dirijam-se
ra estreita do Itozario, n. 32, que se di-
r quem faz este negocio e se darilo todas
as informaroes.
| Aluga-se o segundo andar da casa, n.
12, darua doCaldeireiro, por cima do es-
eriptorio do Dr. Ibiapina : a fallar com Joa-
qnim EsperidiSo da Silva Guimaraes no
mesmo eseriptorio.
A directora do collegio de meninas, que
morava na ra Nova, declara ao publico que
j principiou com os seus trabalhos desde
o dia 3 do crrante : quero com ella preten-
der fallar, dirija-se ao seu sitio na estrada
nova, que (lea confronte ao sitio do Sr. Mi-
guel Archanjn, ou do Sr. Antonio Domin-
gos Pinto : na ra Nova, loja de trastes, ha-
ver pessoa para ensinar o mencionado
sitio.
- Pede-se so Sr. I.. F. M. S. da guarda
nacional, que tuja de ir pagar o importe
da corita das barretinas ; do contrario, lera
de ver o seu no i.e por extenso.
Koubo.
Na noite de 6 para 7 do passado, foi fur-
tado a um preto que venda fazendas, urna
grande lata e um carillo com diversas fa-
zendas linas ; pois leudo o mesmo preto,
por motivos do embriaguez, chamado uro
gauhador para carrregar a fazenda, o mes-
mo se evadir coro todas as faz-Midas e al-
ijo ni rlinbeiro que carregava. Itoga-sn, pr-
tenlo, a polica ou a qualquer pessoa que
tenba noticia do occorrido, de drigir-se
roa da Gadeia-Velha n. 24, casa de Manoel
Antonio da Silva Anlunes, que ser gratili-
cado com 100.000 rs.
i*-
-
IIOM0F.0PATHIA PURA.
Ra do Trapiche, n. 40.
Xa I tnica de cildeireiro
darua Imperial, n. 181,
de Jos Itabo & Brag,
fazem-se machinas de Derosme e de outro
qualquer modelo para espirito, ferragens
amarellas, almofarizes, candieiros de di-
versos modelos, escrivaninhas, perfumado-
ras, palmatorias, esporas de sali e de cor-
rea, torneiras para alambique, Na mesma
fabrica acham-se ollicincs promplos a sa-
hr para qualquer eugenho desta provincia,
para concertaren) machinas e alambiques:
tambem ha para vender areia de fundir,
chegada ha poucos dias, e da melhnr qua-
lidale que tem apparecidn. Fundem se
hronzes para enqenhos, para fu; os para ro-
das d'agoa e toda e qualquer obra de cobre
6 bronzequo se oflerccer neste estahedeci-
menlo, com legalulade e consciencia, em-
quanto a qualidado de metaos, por muito
mais barato pre^o do que em nutra qual-
quer parte.
Sociedade Apollinsa
A direcdlo convida aos Srs. socios para
com pan coi em em assemblna geral da socie-
dad.-, no dia 20 do correte, pelas 5 horas
la tarde, afim de se tratar de negocios
transcedenles; por isso espera que no
ileixem de comparecer. Advertindo, porm,
qu aquellos socios que nao se acharen!
quites para com a sociedade at o lim de
maico corrente, deixarilo de tomar parte
ern toda e qualquer deliberacilo ; cando
como tal considerado iluminado da mesma;
chamando a alteiico dos mencionados se-
ohores, a ilispsir;9o clara o positiva do
ait. 6 dos estatutos.
I'recisa-se de um fcitor pa-
ra engenho, preferindo-se casa-
do, e que traga idnea nl'ortna-
codesua conducta: tambem se
precisa de ollici.-ies de carpinteiro,
para tralialhsrem (ora desta cida-
de : na praca do Corpo-Santo,
n. a.
- Troca-seuma escrava de meia idadet
por outra de 10 a 12annos, propna para se
educar: na ra do Sol, n. 9, se dir quem
faz este negocio.
I'recisa-se do um caixeiro que tenha
pratica de venda : na venda da esquina que
vira para o Hospicio, defronle da matriz.
~ Quem precisar de um caixeiro para
venda, do que tem bastante platica deste
negocio, dirija-se a ra do Cabug, loja de
4 portas.
Alu;.'am-se, ou vendem-se duas casi-
nbas, na estrada velha da Gapunga, em
chaos proprios, com bom quintal e cacim-
ba do boa agua de beber, as quaes- ficam
em frente dos fundos do sitio do Sr. Jos
Soares de Macedo, e do quintal do Sr Ono-
fre Jos da Costa, e que se acham livreg e
deserubaracadas : a tratar na Lingola, ta-
berna n. 3.
-- Francisco de Paula Pires Ramos, como
teslamenieiro do fallecido Sebastiflo Jos
de Olivoia Macedo, e iitveniariaule de seus
bens, esta procedendo ao inventario pelo
juizo da primeira vara do clvol, escrivSo
Cunta: por isso roga as pessoas que frem
credoras do fallecido, se habiltem para se-
ren atieuidas, e o annunciante Ibes podi
pagar. O mesmo annuncianto he a nica
essoa competente para recebar as dividas
do fallecido, e roga aos devedores que com-
i'arecam, alim de pagarem, para i fin pas-
sarern pelo do.goslo de seren demandados,
pelas circunstancias assitu o exigiretn,
-- Um iuuqo brasileo se olfuiece para
ser caixoiro de qualquer urna casa de nego-
cio, ou para caxeiro de ra, jreferindo as
casas de estrariKeirus, e d iiador por sua
conduela : quem do seu prestiuio so uui-
zerutilisar annucie a sua morada, ou din-
ja-seas Cinco-Pontas, n. 42, primeiro au-
iar.
Roticas e livros para o tratamen-
to dos enfermos pela homosopalhia : ^
acham-se a venda por mdicos J
precos. <^
ODr.
-- Trasnassa-se o airendaniento de um
eugenho de boas trras de produtto, por
prejo rasoavel: tambem se vendem os per-
->
^| ODr. Luz se offerece dar todos a
r> os esclarecimentos necessarios para ^|
:> o melhor uso dos mesmos. -1
-.> -O
Precisa-se de um rapaz do 12 a li
annos para caixeiro de venda : quem so
adiar nesiascircumstancias, ihrija-se a ra
da Cadeia do llerife, loja, n. 13, que achara
com quem tratar.
-- Constando ao ahaixo assignado que a
Sra I). Joaquina Ignacia Mavii;nier, viuva
d-> Sr. Jos Alexandre Ferreir, esti ven-
dendo e pretende venderos bens do casal,
e como nao convelida no ahaixo assignado,
como administrador de sua mullico I). Au-
na Candida Ferreira, ser losado, protesta
contra a referida D. Joaquina, o tolo a-
quelleqne comprar ditos bens, visto que
estio por in diviso, e por nao se terem alu-
da inventariado ejado a paitilhaa. -- Mi-
guel Affoneo herreir.
(i Sr Alfcios los Cavalcante que mora
cm um sitio fura desta praca, queira fazer
o favor quando vier ao Becife dirigir-se a
ra do Quemado n. 30, que se Ihe desoja
fallar.
-I'ci le.i-se um chicote pequeo appare-
Ihadode pralaj usado, da lloa-Visla al
Sanla-Aiina:i|iieoi o adiar o quizer restituir,
dirija-se a praga do Corpo-Santo, n. 11,que
se gratilicar.
-- OITcece-se um Portuguez para cai-
xeiro de cobranzas de ra, ou parr. lomar
cunta de urna venda, ou para qualquer es-
tabeiecimento, para o que dar fiador a sua
conducta : quem de seu preslimo se qui-
zer ulilisar, dirija-se a ra da Cadeia de S.-
Antonio, n. 2, laberm, ou annuncio.
I'recisa-se de um caixeiro de 12 a 14
annos: na ra do Livramento, loja decal-
cado ao p do nicho.
-- Aluga-se, por prego coma odo, o quar-
toandardo sobrado da ra da Alfaodega-
Velha, n. 44, proprio para homern solteiro :
a tratar no arroazem de Polycarpo Jos
Layme, na mesma ra, n. 9.
Avisa-seao Sur. Joaquim de Aragilo
l-'.lil i, procurador do Sr. Flix Manoel do
Nascimento Valoy, que a chave da casa da
travesa do Cal leireiro, em que moiou o
Sr. Joilo Itiheiio de llrilo, acha-se em po-
der do fiador do mesmo Brito, a qual uo
se entregou por so ignorar a inorada lo dito
Sr. libia, o que so faz publico, para seno
pagar mais aluguel'.
Thomaz Fcrnandes da Cunha, subdito
porluguoz, retira-se para Lisboa a bem de
sua sadi levando em sua companhia sua
senhora, Joanna Victoria de linio da Cu-
nha, e seu fillto menor, Thomaz Fernandes
da Ciiniia Jnior.
Aluga-se o segundo andar do sobrado
da ra do llangel, defronte da botica : oa
ra do 'abuga, n I C, loja de 4 portas.
-- Na ra Nova, loja n. 5S, se dir quem
daajuiosquantiasde 300, 400, 500 e 600/
rs sobre hypotheca em casas terreas.
Antonio Mariolio l'aos Brrelo embar-
ca para o Bio-do-laneiro a sua escrava par-
da, ce nome Euphrozina.
-- Furtararn, no da 8 do corrente, umi
lanlerna lisa com eastical de casquinh-i li-
na : roga-so a quem fr offerecido o favor
dea appiehender e levara ra Augusta,
n. 32, que ser recompensado.
Manoel Duarte Rodrigues, legalmente
aulonsado por Manoel Jos Francisco e
Quileria liarte, residentes em Portugal,
p.ii cual, un versaos herdeiros do falleci-
do Antonio Jos Francisco Veiga, para pro-
mover a arrecadagao dos bens deixados,
convida aos credores a apresentarem suas
cuntas na ra do Trapiche, n. 26, para so-
rem a Hendidos ; o roga a lodosos devedore.
de mandarem pagar seus dbitos, no mais
curto esspaco de lempo, para poder dar
conlas aos ditos herdeiros.
Quem quizer comprar uma prela criou-
la, muito boa cozinhcira, engommadeira,
e que cose soffrivelmente, dirija-se ra
Nova, n. 52, seguirlo andar.
Na ra das Cruzes, n. 40, venda de Do
mingos da Silva Campos, lia bichas Mam
burguezas para alugar e vender, lauto a
retalho como em porgflo : por prego com-
modo.
Magdalena, estrada nova, primeiro sitio de
por! o de ferro.
9 0
0 Alugam-se e vendem-se as verda- a
q deiras bixas de Hamburgo : na praca a
q da Independencia, n. 10, ao voltar
q para a ra das Cruzes.
o o
OOOOOOQi&dOOO >O>00
Precisa-se alugir uma preta que sai-
ba lavar, engnmmar e coser, para uma casa
eslrangeira : na ra do Torres, n. 34, das
11 horas da man lia s 3 da tarde. Na mes-
ma casa tambem se precisa alugar um pre-
to que entenda do servico interno e de tra-
tar de ca Va lina.
Precisa-sealugar um preto : na ruarla
Cadeia de Santo-A ntonio, n 13, na loja.
Compras.
Coinpra-se uma casa terrea, com prn-
ferencia em S.-Antonio : na ra de Apol-
lo, n 8, se dir quem compra
Compram-se garrafas e meias ditas,
servidas, a 6,000 rs, o cento : no pateo do
Carmo, n. 2, venda nova.
Compra-se uma cabra ( bicho ) que d
bastante leite, e quo soja mansa : quem
liver tnnuncie
Compra-so uma preta de naco, moca,
bonita figura, boa engommadeira e costu-
reira : na ra Direita. II, 82.
Vendas.
Vende-se um moleque de 18 annos,
ptimo cozinheiro do diario de uma casa, e
que he de boa conducta ; uma oegrinha de
16 annos, que cozinha e lava: na ra do
Collegio, n. 21. primeiro andar.
Vende-se um alambique de cobre, em
meio uso, com serpentina de estanho lino,
levando a caldeira 50 caadas, e elevando a
ago'ardente a 36 graos na primeira destila-
cao : acha-se montado par o comprador
ver, e d-se por proco commodo : no Ater-
ro-da-Boa-Visla, n. 17, fabrica de licores:
Na na do Crespo, loja
volta
Manijo e cozinheiro.
Vonde-se um cxcellentn escravo, boa fi-
gura, moco, sadio, hom cozinheiro, manijo
e mergulhador : na ra do Crespo, luja
n. 9.
Vendem-se lijlos para limpar facas, a
14.000 rs. a dlizia ; conservas inglezas, a
8,Oro r. a dutia : no armazem quo foi do
fallecido Braguez, perlo do arco da Gori-
eeigJJo.
-- Vendem-se amarras oe larro: ni ra
Ja Senzalla-Nova, n. 42.
Na ra da UniSo, n. 1,
vendem-se, por prego cominudo.as obras'se-
guinlesem francez: Les moralist-s fran-
cote, Pascal, l.arsche foucault, Labruyre,
Vauvenarguc; F.ssais de Montaigne ; ceu-
vres do ltue|ait; nqueiil, bistoife de
Franca; Thiers, historire d^ la revnlution
I ai-i; ,i-c ; l.ii Mu lino, Mi-I or' des tiiron-
dins; P. Corneille, a-nvres completes;
Racine, ceuvres completes ; Maltcbrum.
gcographiii universelle ; Rerzlms, traite
de chimie, ultima edicito; Chaptal, chi-
mie anpliqule aus arla ; M irehangv, la gau-
le pinHique ; Rog'Oii, les cinq codes fran-
gaisexpliques; Napolen Lindis, diclio-
nairo des dictionaires.
Vende-se urna preta de 20 annos, com
una lillia do lo ine/cs, o que tem muito e
bom leite, or isso ptima para criar uma
criinca, e tambem engomma e cozinha, j
tu lo muito bom : na ra do Collegio, n 21,,
primeiro andar.
Na ra Augusta, taberna do Victorino,
contina a baver boa carne do serillo, a
10 rs. a libra, e liogoicas, a 320 rs. ; bem
como bonaqueijos de Minas, a 320 rs
Vende-so uma prela moga, de bonita fi-
gii'ii, si'in vicios ne.ii achaques, e com ha-
bilidades : o motivo por que se vende se
dir ao comprador : na ra da Goncorlia,
da eQuma que
para a cadeia,
vendem-so cortes de casimira preta, muito
boa, a 5,500 e 10,000 rs.; panno preto, mui-
to bom, a 3,200, 3.800 e 5,500 rs. o covado ;
cortes de colleto de fusto, a 640 rs. ; ditos
de setim de cores, a 2,000 rs.; ditos de gor-
gorito, a 1,600 rs. ; osguifiode linho, muito
fino, a 1,280 rs. avara.
-- Vendem-se saccas com farinha de man-
dioca, vindas do Uio-de-Jaoeiro no brigue
ioiena, por prego commodo : no armazem
de Dias Ferreira, lefronte da escadinha, ou
a traiar com Domingos Rodrigues de An-
drade, na ra do Trapiche-Novo, n. 4. Ad-
verle-se que as saccas s5o grandes.
Vende-e uma casa de tres andares,
sita na traveseadoQueima lo, n. 1 : a tra-
tar na ra da C.adeia-Velha, n. 3.
I'echinch t para o* bahu-
leiros.
Vendem-se chitas proprias para forros de
hahs por eslarem fracas, a 3,500, 4,000 e
5,5 0 rs. : na ra do Crespo, loja da esq li-
quida que volta pura a cadeia.
Vendem-se dous sobrados de um andar
cala um, no largo das Cinco-Pontas, de-
fronte da fortaleza do mesmo nome : faz-se
lodo o negocio por ter seu dono de retirar-
se para fura da provincia : na ra da Cadeia
de Santo-Antonio, no segundo andar do so-
brado da esquina do Ouvidnr.
Venoe-se um mulalinho de 16 annos,
viudo de lora da provincia; lie do bou un
figura, e uo tem vicios nem achaques, por
isso proprio para pagem : na ra da Cadeia
do Recite, n.41, loja.
Chegnu nova mente gelo ese vende ao
mesmo prego do antigo, adverte-se quo
nao se tomam mais bilhetes, visto o vende-
dor ler perdido alguns, e nSo Ihe convem
ven ler assim, os portadores trarSo o im-
porte do celo que quizerem ; bem como
nilo se receben clulas estragadas.
Vende se pnr preco inuilo favnravel aoa
compradores,na loja de Victorino&Gu(narac.>,
ra (lo Rotarlo larga, n. 22, antigmiente rui
dus Quarleis, o yorUiuento seguinle : .
Picos do linho largos c eslreitns ; ditos pre-
los a W, 60.80 e IliO rs. a vara ; filas de seda li-
las e lavradas, aSsiui como de velludo e de 011-
tras qualidades e coros ; dilas de laa.algodao e
linho; un oalliu com ferragens para marci-
neiro; frocos de cores para vestidos de fesla ;
i-i 1II1 1 arrendadas de linho do Porto; babados
largos eestreilos; trancelins de rctroz preto
nara debrun de obras; tranca de la.i de odres;
franjas de borllas e ligas de cores e brancas ;
ludias de novellos brancas c de carriteis. de 100
,. -200 jardas, de ns. I(i a 120 ; dita de miada de
b rilar, linas e de pesa, e de nutras qnalidadea;
(titas de miadiiiha preta de lustro, assim como
carrilcis de retroz c linhras de cures de todas
aa qualidades ; dilas de Mercar ajues c encar-
nadas ; o.. 1 .lo. s para vestidos braucoa e ditos
grossos proprios para conloes de frade ; ataca-
Uurca de seda para borigiiins ; luvas de pelli-
ca e de seda c la 1 para senhoras, a 3u0 ra ca-
da par; (lilis de fil para menina a 100 rs. ;
meias de algodao aues e lirancas de linho para
passanloa ponlezinha, esquerda, segn- homem; estampas de registo de diversos no-
da casa lerrea se dir quem leudo 'e a ,0 rs'; dlaseinu^.,os cf'nT'dro' .'"
M des p nemieuns ; aeulhas linas Trancezas de ns.
- Vende-se, ou p rmu ase por escavos, V ,.,' t\ c imb Cllrtas para aIt,,ei ,,,
um sitio de terreas ao entrar da estrada do o,,,,, pentes de tarlaruga de nnrrafa; ditosde
Arraial, com mulle largura o fundo, bas-
tantes ai voredos de fruclo, e boa casa de
viveudadcpedraec.il: ni ra Direita, n.
to, segundo en lar.
-- Vende-se sal em pequeas porcrs, e
saceos de superior colla das fabricas do Rio-
Grande do sul : no armazcu 11. 7, ra da
Moede.
1111 Ion para tirar tendeas ; dilos de coco e de
alisar prelos, de corea, de baleia e olill'rr ; peo-
nas de ac c canelas final; dilas de lapes; ca-
nelas de mola 1 c cores ; camnhus de alfiuete*
p.11.1 c islur.i : bulos de inidro-nerola prelos-,
brancos e COr de leite, assim como ditos com
p para vestidos de senhora, brancos c pecios
com .lian.oI em roda ; ditos de ouro francra,
grandes c pequeos, de diilcri mes padrdel
1 r 1 indis r [.. ijii. ii'n. uc .,00 11 ,10 b ji.1.11 tu .-> ,
endp-se cassa-cbila muito fina, de aderecos de vidroe Hligrana, e brincos pretoa
bonitos padrOes e cores lixas. a 320 rs. o -para lulo ; ahumaduras de masta ; veludo ; pe-
covado : no Atorro-da-Boa-Vista, n. 18,' dras 011 luiizas c creao para cscrever ; aboloa-
loja. i duras de vidro, diiraque e seda .- inastos de al-
- Vendem-se, na ra das Cruzes, n. 99. Jo/area 11 lloa; bnies de bertura pretos e de
segundo andar, 7 escrava,, sendo duas i -^^1^227 '^^TdJiSrt
20aiinos, de bonitas bgu-as^ peritas en-1 quilll ,., ch;tvr nc mola e aem ella; chavea
para rologios ; bonetes de panno e chapeos de
Aluga-se o segundo an lar do sobrado
atrs da matriz da Boa-Vista, n. 26, muilu
fresco, e cun bastantes commodos : a tra-
tar na mesaia ra, n. 22.
Precisa-se de um feitor que trabalhe,
entenda de borla, arvoredos e vaccas ua
gonima leiras, e que cosem chao, coziuliam
elavam do Hahflo 4 prelas que coziubain,
lavan de sabflo e sao ptimas quitandeiras;
um mol-i|u-de iinco, ue IN anuos, cozi-
nhciio, e que serve bem a urna casa em to-
do o servico.
Vendem-se duas bancas de Jacaranda,
duis dilas de amurello, 6 calungas coiu re-
domas, i paneis da Senhora da Grac,a, um
oratorio com imagens, um candieiro de
latilo com tres luzes : no pateo do Paraizo,
n. 20.
Vende-se urna casa terrea com fundos
para um sitio pequno,na estrada dos Afile-
los: quem a pretender dirija-se cm Fra-de-
Portas, ra do llrum, tenda de ferreiro, n. 8
LIMA.
Ra do Queimado, tobrado n. 19.
Vende uniformes militares para todas as
patentes de ofliciaes do exercilo e guarda
nacional, inclusive ofliciaes generaes e
coinmaii lanles superiores; tendo o me-
lhor galo de ouro para devisas do padrilo,
hoje em uso oa corte ; espada de metal do
principe, e ludo quanio perlence aos ditos
uniformes, qur de grande ou pequea
galla, estando habilitado 1 ara promptifi-
car o uniforme completo para qualquer ba-
laliiao, assim como para msicas para o
que aprosenlar diflVreutes figurinos. Em
sua casa serdem veros figurinos com as
alleracOes que rerentemenle sofTreram os
corpos .la guarnico da cirte.cque teem de
ser imitados por lodos os do etercitu.
Vendo-so sola o couros nuil los, tn-
mancos, bonetes para homem e senhora ;
-a,i.-tus do todas as qualidades, tanto para
homem como para senhora, niarroquim de
todas as cores, hezerro francez, o outras
uiiiiias ennsaspor proco mais commodo do
que em oulra qualquer parle, tanto a reta-
lho como em porcSo : na ra do Livramen-
to, ao p do nicho, loja de couro e sola, ua
entrada do becco do Padre.
Vende-se sofla e couros muidos, malas
cobertas de sola e bahs, dilos di couro:
ni lo por preco mais commodo do que em
nutra qualquer parle : ua ra do Collegio,
loja de Bahs, 11. 23 \a mesma loja lambe
se fazem obras do eucoiumeuda.
castor prelos ; Irancellins de borracha prelos e
de cores ; caixas de niassa para 1 up finas e or-
dinarias; dilas do 1 o mi noli 1 ditas prelas
do bfalo c baleia ; lesouras finas para costu-
ra ; dilas para liuha e dilas mais ordinarias;
cspelhus tliun -ul.is de parede; agulhas grossas ;
chapeos, dedaes de metal c dourados finos; es-
tojos de navalhas finas e entre finas; phospho-
insde caixinhas; dito em massinhos een cala
de uiadeira ,- papel de cor para capa deiivroi,
e dito .iliu.i. o e de peso para escrever; graixa
11. 97 da verd-deira e dila em il uniros som-
bras de cures dille-rentes, lulllfio branco e ama -
relio; obieias cm caixa finas c ordinarias; cai-
xas de tartaruga franceas; oceulosdearo pre-
to para scuhoraa e de grande armacao de aro
de metal; pos linos de denles; lesouras de
aiicar luz; pavioa para candeeiros; tinreiros
de vidro a/uos com lampa ; .utos de vidro
branco ; vidos de tinta franccia para riicar ;
argolas para cortinados ; livros para aa senho-
ras marcar; escovas para denles, ourives e
roupa ; voltai de coraos amarellos e de -ores
lino-, para pescoco; boldrs grandes c-iir de leite
para sobre casaca e caifa ; fuella*de rslanbo
e pratcadas Tinas, para coz de calcas e coletea;
lacre lioo encarnado ; bou.es de metal brancos;
clcheles fraileen s pretos e brancos, dos bati-
dos ; platlas de retroz preto para offioial e sol-
dado e bulos de dido dilo ; rap princea do
Rio; gasse fino; dido meio groase e grosso.
Attencao !
Aos uciiCiiieritos
Vendem-se ricas dignalarias de ouro,
com mondas da Rosa e de Clu islo de ouro e
de prata,hbitos da rosa e de Christo, todos
de ouro ; na ra do Crespo, loja n. 10.
Uretanha monstro!
a -?,00o rs. a peca.
Na loja n. 17, da ra do (jueimado, ven-
dem-se pecas de bretanha de rolo, muito
fina, que teem quasi cinco palmos de lar-
gura e com 9 varas, a 2,000 rs., fazenda
propria para toalhas, lences o camisas de
senhora.
Estrella.
Vende-se superior bolachinha estrella, a-
guada, mui propria para doentes, por nSo
comer em si assidos e ser de boa farinha ;
na ra Direita, n. 7.


awn
_
-- Vende-se um grande guarda roupa, por
preco commodo : na na Nova, n. 67, se-
gundo andar.
-- Vendem-se amargas de ferro de mcia
pnllegada a sete oitavas ; ferro inglez sorti-
do ; arcos de fprro ; cabezadas rolicas e
rtiatas ; loros; fio de vela e de stpateiro ;
ancoras; fatesas; e mais. ferragens: na
ra do Trapiche-Novo, n. 16, casa de Jones
Patn & C-
A 5,000 rs.
J Vendem-se ptimos cha- ^
3 pos da Italia, de copa alta, ?;
*<* pelo mdico preco de 3,ooo
rs : napraca da Indppen- 2
dencia, ns. 24, iGeiS.
rs
bre, ditos portugueses pira panella, latas
com 2 o* libras de marmelada, ditas com
bolachinha de Listos, ditas de sardinha, di-
tas com hervitlias, frascos com conservas
inglezas, queijos de qualha vindos do Cea-
r, por barato preco, mantas de toucinho
inglez de fumeiro.de 7 8 libras cadauma.e
outros muitos gneros de boa qualidade :
na ra da Cruz, no Kecifc, n. 46.
Potassa da Russia)
Vende-se superior potassa da rtussia, da
mais nova que ha no mercado, por preco
commodo : na ra do Trapiche, n. 17.
Deposito de Potassa.
Vende-se muito nova potassa
de boa qualidade, em barriszinhot.
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como ja ha muito
tempo se nao vende : nc.Hecife,
ruada Cadeia, armazpm n. 12.
Vende-se superior farinha de
bino Jos l.eite, vende-se madapolflo fino, Q a marca SSSF. cheeada ul-
rom 4 palmos de largun e com pequeo lo-
que de mofo, ao har-o preco .le 2,800 rs. a j timomente a este mercado : a tra-
pee, ea realho a icors. ;cortes de cassa-.'|ar f0I11 Manoel da Silva S no ar-
rhila, pedrOcs modernos a 2,800 rs. o cor-i 1.1
te; riscadinhnde linho. a4lOrs. o enva-, mazcm do A nnes, no caes da Ai-
llo ; dito de algodio, a 200 rs.; pclledo da-' J'andcgl.
lo muito encorpada, pelo barato proco de ^ ^
:nrs. o covado ; chitas de cor seguras, a l<"ai*ClO I10VO A O.oOO TS.
ItiO. ISO. 200 e 210 o covado ; chai eos de, ._____ ... ,_ ,
sol de p.nninho,. 9.800 rs. c nutres oi-'JWM? "?! f''8" n 1. ro'
las taradas por Dreco mais commodo do a. che^" n? "' ,m0 n8VI-
que em outra qualquer toja.
Gaz.
Rom c barato.
Na ra do PaSseio, loja nova n. 9. de Al-
'4'
de llanihiirgn : na tua casa de J. J. Tasso Jnior.
Ovas do se rio.
Contna-se a vender na dcslilacfo fran- Vende-seeste excellente petisco: na ra
reza na travessa da Concordia, paz pa- do Qucimadii. n. 14, loja (le ferragens.
vios rara cundiciros de dito: tamben) se
conccrlam c linipam-sc ditos candieiros.
Mnendfts superiores.
Na fundido de C. Starr & Companhia',
em S.-Amaro, acbam-se vpiuJ uioendas
ie canna, todas de ferro, de um modelo e
construccilo muito superior,
A ellas, a ellas.
Novo sor lmenlo !e Pa-
z
fio
odas baraias, na ra
Crespo, n. 0, ao p
do lampea >.
Wndc-se cassa-chita muito fina, de bo-
nitos [adroes, cores lisas e com 4 palmos
le larcura, n 320 rs. o covado ; cortes da
Vendem-se nqniss.m. golas e pescoc,- / fj ,Q d, ,t _
nh r"r" J"*" frl '......" l-reco Mor, o rovado ; dito de algodfio, a
2,000 rs. cada um : na ra do Queimado, (,fl J, )(;0 '
n. 9.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de fciro de Afe-
rentes modelos : na fablica de n ; ichinas e
fuudicflo de ferio, na ra do Itrum ,
ns. 6,8el0.
Teeidos de al;;odSo tran-
cado da fabrica de To-
doa-Tts-^antos;
Na ruk da Cadeia, n. 39,
o rovado; cortes de brim par-
do claro, com duas varas e urna qnaila, e
1,600 rs. ; rfCado* monslrns, a 200 rs. o
rovaflo; zuaiteazul, a 200 rs. o novado;
chiles, a IfOe 180 rs. o covado ; fustflo, a
640rs. o corte; chales de tailaiana, i 500
rs. ; cobertores de algodio americano, a
610 i s eoulras militas fuyendas por bara- jelos.
Tafeas para tiftenho.
Na fundicSo de ferro da ra do Brum,
eabi-se de receber um completo aorlimen-
tode taixas de 4 a 8 palmos de bocea ,
quaes acbam-se a veuda por preco com-
modo e com promptidSo embarcam-se,
ou carregam-seem carros sem despezas ao
comprador.
Farinha nova de S.-Ma-
theus, por pre^o mu
lo com modo '
vende-se a bordo do patacho na-
cional Amizade-Constante, entra-
do recentemenle daquelle porto,
e Tundeado em frente da escadi-
nha do Collegio, ou a tratar com
Machado & l'inheiro, na rna do
Vigario, n ig, segundo andar.
O verdadeiro oleo de
Rissino,
em meias garrafas, para commo-
didade das familias, por preco
mais commodo do que em outra
qualquer parte : vende-se na ra
do Trapiche, n. 44, armazem de
Dowsley & C.
Lotera do Rio-de-
Janeiro.
Aos 140:000,000 ders.
Na praca da Independencia, n. 3, que
deila para as mas do Queimado e Crespo,
estilo a venda bilhetes, meios, quarlos, oi-
lavos e vigsimos da nona lotera a benefi-
cio do thealro de S.-I'edro daquella pru-
vinria. Na mesma loja est patente a lista
da 2.a lotera da fabrica de teeidos daquella
provincia.
Antigo deposito de cal
vireem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
ninito ftuperior cal virgem de Lis-
boa, por preco muito commodo.
Arados de ferro.
Na fundicSo da Aurora, em S.-Amaro,
vendem-se arados de ferro diversos mo-
Oh! que pecbineha!
Vendom-se lencos de seda, tanto pira
hornero como para senhora, pelo diminuto
preco de dous cruzados : no Aterro-da-Boa-
Vista, n. 18, loja.
Cassas prelas a \/O rs. o
covado.
Vende-se cassas p'etas de muito bom gos-
to a 140 rs. o covido : na fu do Crespo,
loja da esquina, que volt para a cadeia.
Vendem-se sapalocs decou-
ro de lustro, de ponto fixo, a
4.000 rs. ; ditos de dilTerentes
qtialidades para homem ; sapa-
t5es decouro de lustro e brancos
para meninos: na ra da Cadeia
do Uecife, n. 9.
Uassas de vapor.
No paleo do Terco, n 10, ha diariamente
um completo sorigento de massas finas,
proprias para cha, Ou (lenles, romo sejam:
bolachinhas de araruta, nova regala de di-
la, eoulras muitas qualidades ilo massas.
-- Vendem-se lonas e brins americanos ;
fio de algodio, proprio para redes de pes-
car, coser velas e saceos de assucar; ence-
rados alcatroados para cubrir carcas de as-
S'ticar: tudo por preQO mais commodo do
que em outra qualquer parle : na ra do
Trapiche, n. 18.
i\o paleo do Collegio, n.
perrusalguma eousa arqueaias para tras
consta ter apparecido pela Estancia, Pontel
de-L'chi, Monteiro e Capunga : quem o pe-
gar leye-o ao Aterro-da-Boa-Visle, n. 6o
padaria de Andr Nauzer, que recompen-
sar.
--Fuglo.no da 12 do passado, pelas 9
borasdanoite.opreto Benedicto, croulo
que representa ter 24 annos, de altura re-
gular, sem barba, cara redonda, olhos car-
rancudos; tem os ps torios, e he cambado
de urna perna ; levou calcas e camisa de
riscado e est j rota, e boneto : quem o
pegar leve-o ra da Cadeia do Recife, n.
51, que sera bem recompensado.
Anda fgido, ha dons mezeg, um preto
de nome Patricio, que representa 30 annos.
porcm tem pouco mais de 20 ; he olllcial d
pedreiro ; foi escravo do fallecido marque*
do Recife ; consta que anda trabalhando
nesta cidadee suburbios pelo referido olli.
co, dizendo que he foiro ; hi alto, magro,
bem parecido ; tem ciratrizes no pescoc
provenientes dealporcas que teve quem
opepar leve-o a praga da Independencia,
livrarla ns. 6 e 8, que ser recompensado
l00,000 rs.
Fugiram, no da 13 de Janeiro do corren-
te, do engeiiho.Novo de SerinhHem, os es-
cravos seguintes: Thomaz, cahra-eseuro ;
tem os olhos e palmas das mos amarella-
das, cor fula, representa ter 25 a 30 annos
com ofllcio de pedreiro pescador e de cor-
tar carne; he muito regrista : Amaro, ca-
bra claro, de 45a 50 unos, com bastantes
cabellos brancos, pernas finas, ps apalhe-
tados; he mullo preguicoso para qualquer
servico;hecanoeiro; costuma andar aem-
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saecoa de assucar e roupa del ja sva Barroca.
escravos.
Vende-se, por preco com- '
lo preco.
farinha de mandioca.
Vende-se fa'inba do CearA, em saec;is
por tueco commodo : na ra da Cruz, no
Recife, n 43.
-Vende se cobre e metal amrrello para
forro de navios, por pteco rommoilo : na
roa il 1 Madro-de-Deos, armazem de J. V.
^ modo, cera em velas fabrica- ^
M das no Rio-de-Janciro ; fe- '
.
m.
1
m
aj
i
jao mulatiiilio em saccas ^
grandes, muito inferior pa- &
em 101 ha para copas de cha-
rutos ; dito mais inferior pa-
ra iniollo ; chapeos do tilii-
le linos e entre-linos : nos
armazens de Das l'crreira
e fallecido fJi'igucz, no caes
da AlHiidega, 011 a tratar
com Novaes & Companhia,
^ na rna do Trapiche, n. 34.
v
*
p
Cal virg. m de ishoa.
Vende-se cal virgem de Lisboa,; or com-
modissiiro 1 reQO : na ra da Cadeia do lle-
cife, n. 50, luja de Cunha k: Amorim.
Zapatos do Aracaly feilos a ca-
pricho.
Ac.ibam dcrliegar do Aracaly urna gran-
de porcRo de sapa tos feitos ele encon men-
da, isto ijor ell'eilo de novas recommenda-
ces que pata la se leni feilo ; porque os
que al agora linham viudo, notavam-sff-
thes imperfei<;iio, ja no cosido, j eni lr-
mis antigs e meamo em corta estes sai a-
Uh iit pois de tinti.s e acostumadoa a boa
grasa ebegam a roiifiidiieni-se 00m os de
decouro ilc lustro; o seu pre(o s;"io de
1,200c t, -im rs. o par dinlieiro a vista):
na rna larga do luzario, 11. 35, loja de miu-
dezas.
Aos Sis. 'e cngcnlio
Na ra Nova, loja de ferragens, 11. 20. de
I080 Kernandes Prente Viaiin, vondem.se
cusidas calcadas de co ealas eozada se
torna ni recaromendaveia tela sua 1 <\ 1 qua-
lidade : a 1 lias, freguezes, pois estilo se ac-
T0doS-0S-SanlO8 na I5fthia'.b:""lu; !,tmbt' chegaram a mesma loja as
i ver-iadeiras collicres de met-1 de principe,
Vende-se en casa de N.O. Hieber & C. Unto iaiu sopa, cumu para cha, terrina e
na roa da Cruz, n. 4, alcod-lo trancado arroz.
daquella Tabrica, muito proprio para saceos I Vfi,.?e-p nnr nr de amanar, roupa de escravo efio croeiio P '
para redes de pescar, pur preco muito com- commodo, superior potassa em
"'u'0, rbarricaa pequeas, chegadas em
*'A [10 do crrente do l\i.o-de-J.nei-
nncional Leo : no
Di s Ferreir, no
caes da Alfandega, ou a tratar
com Kovacs k (Jompanhia, na
ruado Trapiche, n. 34.
vende-se umcarriithode 4rodas, mui-
to eleganle, de bous arranji-s, c Com o com-
petoDU sancios par-t duus cavallos : lu.iu
com pouco uso, e pelo prego de 600,000 is :
na 111.1 do Trapiche-Novo, n. 16.
Deposito ra fabrica de
. armazem de
tCBk RA SKNZ'.I.T A-NOVA, T<. .'p.
Neate estabelcmcalo conti-
nria havnum cotripete 3 rii-
Btettto r rnoenias t meias muen-
das, pdrt engedliOj mar!inasde
vapor, e tachas (N ferro batido e
roMdo, de todos os tmanhos,
para dito.
Vovo Rortimento de fa-
xendas baralAs.
Ilom e barato.
Na ro do Queimado, vindo do Rnzario,
segunda bja, 11 18, vendrm-se cortes de
casimira, a 4 e 5,500 rs ; ditos de meia ca-
simira, a 2,210 is. ; ditos de castor escoro
Vendem-se cortes de rnssa-chita muito e encorpaiio, a OO rs ; cortes de hrim Iran-
bonilos, a 2,0(io, 2.400 e 2.1OO rs. ; risradi-'culo |ardo Oe Imbo, a 700 rs. ; chales de
nbos do linho. a 210 is o covado; dito de Illa e seda, a 8,009 ra.; ditos de sea, a 7/
alpndo niuilo enrorpailo, prupriu para rs.; lencos de cambraia de Imbo brancos,
roupa de escravos, a 14o rs o rovado ; rr- a 5.500 rs. 11 ilnzia ; pi cas de rambraia nia-
les de linio bi a > eo de Tubo, a i.sno rs. ; matadas para cortinados, ron: SO varas, a
dito muito bon>, a 1,700 rs. ; dito ainarello,' 10,000 rs. ; e oulras niuilts faztiidas por
a 1,600 rs. ; dito com listra o lado, a 1,280' prtr;o commodo.
rs. ; rassas de cores muito bonitas, a 320
rs. o covado ; riscados moiistios com qua-
tro palmse meio de largura, a 200 rs. o
'ovado ; zuarte furla-cies, a 200 is. o ro-
vado ; pecaade cambraia lisa com 8 vras
e nieia, a 2,720 rs. ; chitas de bonitos pa-
drees, a 100 rs. o covado; ditas 11.01(0 li-
nas, a 200,220,240, 260 280 is. ; lencos
de seda para algibeira, a 1,000 e 1,280 rs. ;
ditos para gravla, 4,280rs.; eoulras mui- na ,ua do Queimado, n. 14.
tas l'azeiiilas por pie^o commoilo : na ra { l-n^liiinio
s tci. 111C1.a.
( h'liCO.
Vendem-se um bom chicheo e duas sa-
bias da malta: 10 Aterro-da-Boa-Vist,
II, 56, loja de telleiro.
Farinha ie mandioca
Vende-se niuilo nova farinha Je mandio-
ca, em saccas giandes, por prc'to commudo:
do Cresi'O, luja da esquina que vulta para]
a cadeia.
Na rna do Queimado, vindo do llozario,
Vendc-se a refinacHo da rna Direita, n.
22, bem afreguezaila, tanto para a trra co-
mo para o mallo : f z-se todo o negocio : a
Iralar na mesma lefinaciio.
Vende-se urna bonita escrava de An-
gola, de boa lisura, a qual nao foge e nem
bebe, o que sealianca ; um moleque de 20
annos, que cozinba o diario de urna casa,
por 380,000 rs. : por detris do Iheatro, n.
20, primetro andar.
Vende-se resina deangico, as librase
em porefio : na rna da Cadeia, loja de Joilo
Jos de Carvallio Moraes.
Faielo a 5,000 rs. a
sacc.i,
o o melhor que tem vindo a este mercado
na ra a Madre-de-lleos, armazem do Vi-
cente Ferreir da Costa.
A-. iso aos I maotes (|ue
dao valor ao que he bom.
Na ra Nova, II. 56, fabrica de charutos,
BCliarfio sempre os fumantes um rico e va-
nado sorlimvoto das melliores qualidades
de charutos que teem vindo a este merca-
do, contendo as seguintes qualidades:
Defensores-da-Ca tria,
Liberaos,
Palusco,
Cavalliiros-(Iu-llavaiia,
Venus-de-llavana,
Venus,
Senadores,
Heputados,
Baquaremas,
S.-Felix-Verdadeiro,
Arcbeiros,
Regalos,
Superior-Regala,
Cacadores-da-Bahfa,
Famas,
(^igairo-i-de-llavana,
Cigarros-de-Manilba,
Alama-Va,
e oulras nioilas qualidades que er2o fa-
lenls aos freguezes e se venderSo pelo
menos proco possivrl.
Fumo para charutos.
Na fabrica de clurulos da ra Nova. n.
56, vende-se fumo de primeira, segunda e
terceira qualidades, por pre^o commodo,
lano em poreflo como aretalhu.
Vende-se um engenbo sito na freguc-
zia deKerinhi'em, com mej rea de frente e oulro tanto de fundo, com
ii'Uito boas obras e excellente moenda de
t'agoa, sendo alm dissu do muito boa pro-
iIucq.Io: a tratar com o Sr Jos Pereira
Viaiimi, na ra da Guia, n. 5, ou na mi i do
Crispo, casa n. 12.
Chegaram uovamenle ra da Sen-
zalla-.Nova, n. 42, relugiosde ouro e prata
pnleute inglez, para homem e senhora.
vende-se um preto bom forneiro :| na
roa drsl.arangciras, n. 14, segundo andar.
Vende-se una preta mica, que en-
goiniua, eoacucuzinbae fz com perleiclo
o mtis servico de urna casa ; urna dita que
he muito boa cozinbeira, e que engomma
soffrivel, lava bem, e be muito propria para
ama de csa, mesmo de honum solteiro,
por ler excellente conducta, o que se alian-
ca ; um bolillo paidinbu de II annos, pro-
t, 1)11 lit ldl ";l, SCCUIldO 'preebrio: estes escravos quando fugiram
i j |roram a praia do Gamella, do io-Formoso,
anuar, VCnOC'SC j onde compraramuma jangada e seguiram
um casal de escravos, com urna cria : a pre- n" mesme para a provincia das Alagoas, de
ta engon.ma bem, coseo faz lavanto, e o onde o dito Amaro he natural, e que tem
preto he moco e robusto ; rious mulatinhos prenles para o centro : quem os pepar le
de 9 a 10 annos ; um moleque de 9 anuos ; i ve"os ',l10 engenho, ou nesta praea, ero
una preta de 15 anuos ; um preto de nagflo,! rasa de Silverio Juaquim dos Sanies, na
peQ*, proprio para campu ; urna preta mo- cmboa-do-Carmo, n. 33, que ser gratifi-
ca, por barato i reco, por ter um defeito.
Vende-se um ptimo escra-
vo de naco, moco, sem vicios
nem achat
cado com 200,000 rs.
esappareceu, dacaaa de Prxedes da
Fonseca Coilinho, no da 20 do passado
mez, um pardo claro, de nome Eustaquio,
ques : na ra da Cadeia! de matura regular, jeew do corpo, bem
1 _, .. .parecido, reprsenla ter 24 annos; be o/ll-
do riecile, n d}, loja de cambio, cial de sapateiro ; quando anda arrebita
Chapese bonetes francezes. os dedos dos ps;lraz sempro as ventas
Vendem-se supenu.es chapeos francezes. I chel" -de- ,ab-aco : <>uem "" leve-<>
chegados ltimamente de Paria, aos mdi-
cos precos de 7 e 7,500 rs bonetes france-
zes para homem e meninos, de terido do
praga da lloa-Visla, n. 6, botica, que ser
recompensado.
Na madrugada do dia 10 crrente, fu-
cabellos, de palhae de oulras' qualidades. o fj"?,TreYr,Ul0' de ".0me M,lhu
.i- i___'___" .. a..iL.j. levou uma crrente amarrada em um p,
( calcas e camisa de algudflozinhu ; he alto.
de bom goslo : na roa do Queimado, n. 38,
luja de chapeos.
Vende-e um escaler que conduz 20
pessoas, novo, hem preparado e pintado :
no Forie-.io-Mattus, rstaleiro de Manuel
Mont'iro, em l"6ra-de-Portas, ra do Hrum,
ou na ra da Cruz, n. 13, armazem do Sr.
Juilo Callos Augusta da Silva.
Vende-se um cavallo muito manso e
bastante gordo, carregador de baixo ate
meio i na ra Nova, n. 67. armazem.
-- Vende-se um sobrado de dous andares,
"-'""'i*- "-"" h-i" -.<" "'"'Mores, para onde lalvez sea
armazem para qualquer otabelec.men o : |Jve-oao .. u senhur"
quem o pretender, dlr.Ja-se ao Sr Jos An- C ua Cogl Q|j d ;
ton.oBaslos, narua da Cadeia do llec.fe, defronle dL igreia, que s
que se ael a autonsadu a fazer dita venda, !Bi,|0
corpo regular, ps e olhos grandes : tem
em urna das peinas duas pequeas feridas ;
he do sertflo ; cosluina mudar de nome :
quem o pegar leve-o a ra do Collegio, a
SebastiHo Jos Gomes Penna, que gratif-
cala.
Fugio, no dia 8 do corrente, um cscra-
vo de naclo Angola, de nome Antonio, do
36 a 40 anuos, barba alguma cousa branca,
cabellos meios ruivos, cor bem preta, alto
e magro; foi escravo de Manocl Francisco
em una das p, mcip.es ras da freguezia de Lecpoldo Chavea, mo.adur em PajahS de-
S:-Anll:l!..eU .JP^Sft.fS.Sf, ores, para onde lalvez seguase !,
Joilo Francis-
a da Boa-llora,
sea recompen-
aceilando-se o pagamento em escravos. | ii
-- Vendem-se 80 cuuros salgados, vindos Un,a ^Compensa.
doAiacaly: na la do Queimado, viudo' Acha-se fug:da, desde o piimeiro do cor-
do llozario, segunda loja; n 18. | rento anuo, a preta Mara da Cruz, de 40 e
--Vende-se uma bonita preta de 20 an- tantos annus, cara redunda e enrugida ;
nos, que engomma muito bem, cozinba o lf"n "ni denle falto na frente; he baisa e
diario de uma ca.ss e cose, sem vicios nem u,|i lano chcia do corpo, milos e ps pe-
molestias, o que se ruanca : defronte da quenus; tem asunhasdos ; s retrocidase
ribeira dopeixe, n 3. I | muitogrossas, tendu nos mismos alguns
-- Vendem-se 4 escravos, sendo um del- .era vos e urna marca de ferida am um dos
les coznhei'o ('{oulro carreiro ; dous Dio- lorno/elos; tem uma canella quaai toda
lecoles de 10 a 16 annos; 3 negrotas de 14 fuveira prvenienle de outra grande ferida
a 15 annos; 2 e>cravas de bonitas llguros ; que leve ; d muito cavaco quando Ihe fa-
uina parda de limito boa conduela : na ra /l'1" coz ; he muito cunhecida de alguns
Direit, n 3 | ofliciaes de pedreiro, por ler trabalhado de
Vende-se a taberna da esquina da ra servente em algumas ubrus, e em algum
Nova, junto a ponte da Boa-Vista, n. 71: tempo que venda agoa ; tem sido vista em
fai-se lodo o negocio, uma vez que o com- alinda e nesta ciiiade a vender agoa : quero
piador desoneieao vendedor do que deve a pegar leve-a ao Aleno-da-Boa-Visla, n.
aos Srs. da alfendega. 117, fabiica de licores, quesera generosa-
Vmdr-se. ou trora-se por uma caga mente recompensado,
terrea um sitio na e-ii.dada Varzea, cem' --Km a noiiede28do prximo paisado
muitas frucleiras. ba Paisa para capim, fugio, dai povuacSo do Monteiro, da osa da
com rio rorrele d'agca doce o fundo, com residencia e Manoel Aiiluniu da Silva An-
casa de vivenda : na ra Nova, n. 28. tunes, a pela Malia, du gento de Angela,
Vende-se um relogo patente, que tem i'"uQa, de estatura e curpo legularcs, cor
corda para 20 e tantos das, para cima de Prel. rosto aboceilado, falla beai o vulgar;
mesa, peca esta a mais rica que tero appn- le'" os I es um tanto grossus : quero a p-
nenlo no Brasil, tendo um dansBrino de gJr,eve-a ra da Cadeia-Velba, n. 24,
^orda e 4 musicos a tocarem dilTerentes inr- .ue sei gratificado.
truroentos, com tnts pecas de musir Fugio, do engenbo de Tres-Boceas, ro
quintas horas tem um dia : o dansarino Jia ,7 fevereiro passado, um pardo coro
dansa antes de repetir as horas, e tem mais 0i signaes seguintes: baixo, giusu, sem
um resisto que n (ti dansar om qualquer barba, de 20 anuos poucu mais ou menos,
tccasi.lo, e tem mais oulro resisto que o faz dbellos enrrscados, olhos grandes e aga-
t arar mesmo as horas : na ra do Cabuga,; rupadus, bem feilu de corpo, pernas pea,
luja de qualro portas, n. 1 C.
itcravos Fu-idijM
nariz chalo, beicos grossos, bocea regular e
curo lodos os dentes ; inlilula-se foiro, e
romo tal vem munido de um passapoite fui-
so com o qual illiuiio as autoridades de
llana-Grande: quem o pegar leve-o ao di-
-- Fugio, em das de mareo prosimo pas- lo engenho, ou ao Becife, em casa de Ma-
sado, do sobrado da Trempe, n .1, que tem noel Joaquim llamse Silva que em qual-
venda por baixo, uma prea de nomo Maria,' qui-r das parles sera generosamente recom-
conhecida por Maria Cajueira ; he haisa do pensado.
corpo; tem alguns cabellos brancos. cara i Fugio, no dia primeiio do corrente, um
redonda, rom uma coslura no bejeo; tem cabra quasi negro, do nome Antonio de
algumas malhas pelos bracos e pernas. ps altura mais que regular, giosso do corpo,
muito bem feitos ; tem em um dos peitos roslo redondo, falla descansada: levou ca-
umacustuia ; be meia corcovada e de 50. misa de algodlozinho liso, calcas de brim
annos pouco mais ou n enns. Pede-se a tu- trancado, levou mais una trouxa contendo
dasas autoridades policiaes, qoe a appre-, calcas de casimira, de brim, de algodfio
tindame levem-iti ao dito sitio, que se americano riscado, camisa de madapulSoo
agradecer. de algodlozinho, dous lenco, s, um de brim
-l-ugio, no dia 31 de marco, o preto e oulrude algodo, uma bala e uma par-
Filpie, de naeilo Mucanthlqua, baixo, llahiba : quem o pegai leve-o la bireit
Chelo"do corpu ; cistoma a embiiagar-se ; n. 121, uu uu eiigenhu Pintos, que sei gra-
be i e teneeiile ao caal do finado Jos Ma-. lilicaito.
rladejesns Munic : quem o pegar leve-ol Fugiram, do engenho Cuararai es fre-
aiuadoBrum, n. 22, fjodicflo de Misquita guezia da Moribic, ao amanhecer d dia
&Dutra, quesera rceompensado. 26 de maicu, lies escravos com os signara
- Fugio, no da 11 do corrente, 0 pardo seguintes : l.uiz, allo.clieio do corpo, ps
Manoel, de estatura baixa, de 18 annos pou- apalhelados, roslo bonito, de 82 anuos nwu-
^,.'.a,i'...,|,,r.l'.!"f.r..!'5,c., ;.. u.,n,d,,0_ d?.6ic"."'"i? ou nM I tpm "" P''lu-.o sig- co n.a.s uu menos, <0r pl.uco ful", denles
annos
luja.
na ra larga do luzario,
i 5a i i......I-------.......V i"'iuenu sig- tu mais uu menos, (Or pouco lula, u
n. 35, nl na bocea ; levou c lcs brancas velhaa, a herios : Paulo, alto, serco do coipo,
cainsadealgodflo de listras muidas. Ksla seceos e cum os dedos rumpridos. de It
Vendem-se bons queijos londrinos segn'u loja, n. 18, eendem-ae chapeos de]
tus iic preto muito freseaej e de superior, sol, qualidade, presunlos inglezcs para liam-i no tuque
nnuUezBS, com l.eandru : levou cuicas de riscadu de ajgo- pensado generosamente.
ditos de prato muito freseaej e de superior sol, de seda, para n<< ninas, com um peque-Jamiacaoep.oucos fundos, na ra do Cabu-ldflo, camisa de madapolflo e bonete velhol
: de mofo, pelo preco de 1,600 rs. |g, n. 7: a tratar na mesma loja. liiaciibesa; tem os dentes limados, e asi
1'bhpi. :n rre. de a. t. db mu.- 18b0
MFI HOR FYFMPI


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EI66KEH95_VWP58A INGEST_TIME 2013-04-12T21:56:06Z PACKAGE AA00011611_06270
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES