Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06269


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXVI.
Quinta-feira II
F1ATIDAI DOS DOHBI'OI,
Goianna e Parahiba, segundas esextas reirs
Hio-Grande-do-Norle, quintas feiras aomeio-
dia.
Cabo, Serlnhaem, Rlo-Formoso, Porto-Calvo
e Maoei, no I.', a II, e 21 de cada uiez.
Garanbuot e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Plores, a 13 e 28.
Victoria, aquintas feiras.
Ollnda, todos o dias.
4... *, *f;cBia' AKnaa
Piusas da uta.
Ming. a 4, I h. e24m.dat.
Nova a 12, s 10 h.e27 m. dam.
Cresc. a 19, as 7 h. e47m.dam.
Cheia a 2U, s 9 h. e 1 m. da ni.
TBilma se boje.
Primeira as 3 horas c 42 minutos da tarde,
Segunda as 4 horase (i minutos da manbaa.
y/ de Abril de 1880.
/< _____
N. 81
VBXQOS DA SUBSCRIPplo.
Por tres mezes (adianladoi) 4/000
I Por seis ruezes K/iion
Por um anno .. lOjIOOO
_14 Doro. Ss.Tibnrcioe Valeriano.
DIA DA IDUHA,
8 Seg. Os Prazcres de Nossa Scnhora. Feriado.
9 Terc.S. Demetrio. Aird. do chae., doJ. da 1.
v. do civ. e do dos i'eitos da l'j/.enda.
10 Quart. S. E/.equiel. Aud. do J. da 2. v. do civel.
11 Quint. S. Leao Magno. Aud. do 3. dos or, c do
m. da t. v.
12 Scit. S. Vctor. Aud. do J. da I. v. do civ. e do
dos I'eitos da l'azenda.
13 Sab. S. Hermenegildo. Aud. da Clianc. e do J.
da 2. v. do crime.
CAMBIOS IM 10 DE ABRIL
Sobre Londres, 28'/, d. por 1/000 rs. a 80 dias.
> Paria, 326.
Lisboa, 95 por cento.
Curo.Oncas hespanhoes......... 29/000 a 29/TiOO
Mocdas de 6*400 velhas.. l/000 a 16#80"
de 6/400 novas .. 16/100 a 16*300
. de 4/000........... 9/100 a 9/300
Prtta.Patacdes brasileiro...... 1/940 a l/.-n
Pesos coluranarios....... l/)40 a 1/960
Ditos mexicanos.......... 1/800 a 1/820
i'.MMit
PARTE OFF1CIAV.
GVERNODA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 7 DE MARCO.
OlTicio.Ao commandante da prac, de-
clarando que poda mandar alistar em um
dos corpog da guarnjc.30 desta provincia o
paisano Jos Floriannoda Cund Cavalcan-
te, que se offereceu para servir no oxercito ;
e prevenindo o de ter arbitrado ao mencio-
nado Cunta Cavalcante a gratificaeflo de oi-
tent* mil ris.--lnteirou-se o inspector da
pagadoria militar.
Dito.Ao inspector da thesouraria de fa-
zenda, transmittindoo aviso de uma letir
da quanlia de 700,000 rs. sacada pela thesou-
raria do Rio-Crande do norte sobre essa
cargo de S. S. e a favor de Theotonlo C. Cer-
queira. Partioipou-se ao presidente da re-
ferida provincia.
Hito.Ao inspector do arsenal de mari-
nha, ordenando que, em quanto senflo tlc-
rem onlrse providencias, satisfaca as requi-
sices que Ihe houver de fazer o coronel
coirmandante da piaca, afim de serem con-
duzidns para a ilha du Nogueira o~ cadve-
res dos militares queperecerem das febres
reinantes, cuja despeza ser sati-feita pela
pagadura militar i vista da conta porSmc.
apresentada.Intelligenciou-se o comman-
dante da praca.
Dito -Ao inspector da pagadoria militar,
devolvendo o requeiimento do padre Felip-
po de Araujo Pinheiro, afim de qu3 facs
processar a divida, deque elle pedo paga-
mento, nos termos da circular do thesouro
publico nacional de 6 de agosto de 1841.
Dito Ao director do lyccu, instando pela
relacflo, queja Ihe l'm exigida em 15do fe-
vereiro ultimo, das aulas publicas tanto pri-
marias como secundarias existentes nesta
provincia.
Dito Ao subdelegado da Varzea, decla-
rando que os cadveres das pessoas que
houverem de fallecer das febres reinantes
naquella freguezia devem ser sepultados
nos lugares em que se enlerravain at a-
gora.
Dito.A' cmara municipal desla cidade.
--Ten lo a lei provincial numero 91 de 7 de
marco de 1841 ordenados ct nslrucQilo de
um cemiteiio para ne lose fazerem os en-
terramenlos, lenilO contratado com os pro-
prietariosdo silio denominado Santo-Ama-
rinb"--a com ra do mesino pela quantia de
INTERIOR.
RIO-DE-JANE1RO.
CMARA DOS SRS.DEPUTADOS.
SESSO DE 6 Mtuco.
Presidencia do Sr. Gabriel Vendes dos Santos.
C0DICO PO OOUMKIU o.
( Concluido. )
OSr. Carvalha Moreira :Continuando.
Todos osles materiaes fram depois con-
fiados a novo examo de uma commissilo
mixta do senado e desla cmara, que em ses-
silo do 1843 apresentnu o sen projecto que
aqu est ( mostrando-o ), e para cuja revisflo
fui nesta mesma cmara nomeada uma
commissilo especial que em 1845 offereceu
sohre o projecto da commissilo mixta o se-
guinte perecer, que pet;o licenca cmara
para 1er, porque lanca minia luz sobre a ma-
teria, e concorrer para se fazer urna ideia
do tr.iliallio da commissilo das duascmaras.
(U):
A commissilo especial encarregada de
examinar o projecto do cdigo commercial
presentado a esta augusta cmara pela
commissilo mixla do senado e cmara dos
deputados em a sessilo de 1813, o rovio e
comparou com os codigoscommerciaes mais
condecidos, o observa que no projecto se
compilou a legislaran commercial dos pai-
zos cultos, com as modiflCaQOea que nossos
usse costumes aoonselham. Cumpreaqiii
dizer que o p'Ojecto actual, compralo
com o primeiro projecto redigidoem 1834,
esl milito melhoradncom os trabalhos da
commissilo mixla de 1835, da commissilo da
praca do commercio, e de alguns juriscon-
sultos e commercianlcs que lYiram consul-
tados ; e quede boa vonlade concorreram
para esta obra importante, e ltimamente
com a revisflo da commissilo mista de 1843 ;
c comquanto pense a commissilo quo de al-
go ma perfei<;flo lie anda susceptivel o novo
projecto, julga que pode ser adoptado sem
grave inconveniente na sua execugflo, a-
guardando da nrlict de suis diapO8(0ea os
melhoramcntos que a experiencia lomar
indispensavpis ; porquanlo cala dia se faz
mais imperiosa a neceSSidade de dar ao paiz
um systema de legislacflu commercial para
evitar a decadencia e ruina do nosso com-
mercio, que lula com u incerteza das reuns
que regetn asquestes mercantes decididas
cdigo; e nao precisam de minha deelaraeflo
para terem o elogio que merecem as dis-
russes do senado sobre o cdigo commer-
cial. (Apoiados ) Consultem-se os debates
do lempo e se reconheoer esta verdade.
{Apoiados ) Dessa discussfio resultaram es-
tas emendas, que temos de approvar ou r-
jeitar. Com esta longa historia da difOU s.lo
do cdigo commercial ten to por fim mos-
trar que dBO he um projecto de afogadilbo
laucado nesta casa para ser votado. ( Apoia-
dos. )
OSr. .Soasa Franco :-Sem discussilo, n!to
heassim ?
O Sr. Carvalnn Moreira :No: o nobre de-
putado nffo me fapa a injustica de attribuir-
me opiniocs quo niio tenho.
O Sr.- Souza Franco :--Eu as respeito.
O Sr. Carvalho Moreira i Com discussSo,
repilo : eu a quero, e o nobre deuutado di-
ga-nos sobre a materia o que as soas laica
Ihe p lem suggerir ; mas discord do no-
bre. deputailo quanto ao melhododa discus-
silo. Senhores, se he islo uma insinua<;nn,
oque dir o nobre depulado su eu Irouxer
sua memoria o que se passou em 1834 e em
845 acerca da adopc^o dos dous primeiros
projectos, que do cerio estavam muito dis-
tantes de terem passado pela elaboradlo
desle emendado pelo senado ? Apoia-
dos )
O Sr. D. Manoel :Nfi0 era mo ler as as-
signaturas do parecer de 185.
O Sr. 1. A. de Miranda : E do de 1834
tambem.
O Sr. Carvalho Moreira :Os nomes assig-
nadna neaaea pareceres silo de pessoas que
Hilo so podem considerar estranhas a mate-
ria, nein prejndicadas pelo que decidi a
cmara dos deputados em 1845. ( Apoia-
dos )
UmSr. Depulido:~L6a sempre os nomes
do parecer d^ 1834.
O Sr. Carvalho Moreira :Satisfarei ao no
bre depulado. V.) Entretanto, Sr. presi-
dente, alm do que resolveu acamara em
car-nos os defeitos desla nova legislacio ;
mas nao vamos com o dosejo de a lomar
perfeita transtornar talvez o systema, o
complexo de um trabalho que inais fcil-
mente pnderemos corrigir depois de reco-
nheeidos os seus defeitos na execucilo.
[Apoiados )
Senhores, assim motivando o meu voto,
nada msis fai;o do que enunciar quilla
mesmo que j tenho dito em algum escrip-
to acerca das coililicaQiies. Para mim be
fura de duvida qu os corpos legislalivos
n3o so os mais proprios para vantajosa-
rnento collaborarem cdigos ou grandes le-
gislarles systematicas ; Apoiados. Esta
proposico nilo t< m hoja serios enntradic-
toreS'j he una verdade atteslada pela expe-
riencia, e abracada pela elvillaacflo. (Apoia-
dos.) a historia da legislaQflo dos povos
modernos confirma esta proposico. Se eu
niio tivessea honra de fallar pernte uma
cmara tito Ilustrada, poderii mostrar que
em iotas as pocas decisivas da historia
dos povos modernos nSo tem silo as cudili-
eacOea f itas pelos corpos legislativos...
O Sr, P. Manoel :F. mesmo na anliguj-
guidade;exemploas leis romanas.
O Sr. Carvalho Moreira :,. .silo os lio-!
mens professionaes, silo os jurisconsultos
os incumbidos dessas grandes obras. Ah
esta o cdigo civil da Franca, fonle de quasi
lodosos cdigos da Europa ; e foi elabora-
do por uma commissilo nomeada pelo pri-
meiro cnsul d'ontre os memhros dos dous
concellios legislativos, e em que figuravam
os maiores jurisconsultos. Silo e*tes os lio-
O Sr. Carvalho Moreira :Devia ler visto
que na laboriosa tarephii de emendar e cor-
rigir isse projecto, j tilo examinado, o
desdo muito meditado, enipenhou-se um
auxilio mutuo, um concurso reriprocodas
capacidades professionaes daquella cmara,
c fui depois dcste trabalho seguido e i Ilus-
trado que um voto de confianea, se assim o
qtiizer chamar o nobre depulado, autorisoit
a sua .-iili>i cao daquellas emendas O apar-
te, pola, do nobre depulado nfiooonfotaa
minha propoal Hitado nflo pode d liar de lomhrar-se dessa
tlacuaaSo: ainda no seu ministerio conti-
1111 i v. i ella i'ni proveitosamente no senado ;
e ale lalve/. toniassc parle nessa discuss.lo ;
salvo se romo ininist'o dos negocios estran-
geiros deixou esta tarefa a quem mclbor
competisse. ..
OSr. Souza Franco :--\ regra entilo he
que os ministros da juitica llil talla m no.-S
materia, e por isso nilo l'allou boje o actual.
OSr. Carvalho Moreira : Seria por essa
regra que o collega do nobie ex-ininistro
dos negocios, e.sliaugeiios nao appareceu
nessa discussilo, croio porcm, e o nobre
depulado sibe, que se o actual ministro da
justica entrama materia no delegar c-
mara, como aconteceu ao senado, a exclu-
siva di-cusso destas emendas (Apoiados )
Tenho motivado o meu vol, e V. Es.
queira desculpar as minha observares
Algn Senhores -. -- Muito bem, muito
bein.
OSr Prndenle :A intelligencia do pre-
sidente esl subordinada a votaran da casa.
Jolguei que a proposito de que se trata
mens reconhecidos pelos governos civisa-
los como aquellos <|uem se devem confiar co iim uma diapoaifflo puramente faculta-
tilo importantes trabalhos. It staria citar 'Vil> islo lie, pule a cmara considerar
08 nomes Ilustres, poroxemplo, desse ee-.
labre LivingSlon, autor do cdigo penal da
Luiaiana, e de um dos co ligos adoptado pe-
la repblica do Cuati mala | bastara citar o
cada una das emendas, ou ordenar que so
discutam oaevotem englobadamente, (
que ser ,e de regra he o parecer da mesa ap-
t i-.iv.i i.) pola casa, o nilo a indicaco pura
lilo pelo governo do novo reino da Italia, em
1806, para redigir um projecto do cdigo
1845 adoptando o parecer da sua commissilo de procsso criminal ; bastara Citar os no-
especial as commissies reunidas i'.e 1834 mes dos jurisconsultos l-'ouerbace Cosnncr
coucluiam assim. {L.) a Sobre as conside-
rado s expendidas so as cninniissAes de pa-
recer que se adopte sen discussdo o projecto
do cdigo commercial, etc.
O Sr. Souza Franco :--|sso era coherente ;
mas com discussilo, que nflo he discussilo
nao.adniltto.
10:000.000 rs. para o duo fim, e remello jate ao presente pelo arbitrio dos julgadores
Vincs. um papel assignado por ellos, pelo f e mediante processos improprios e iioili a
qual entregam essa cmara o dito sitio, e:zes ; o projecto aprsenla esse systema,
se nbrigam a passara competonto escnplu- prescreve essa? regras. estabelece os tribu*
notne do famoso Bomagnoai chamado a Mi- como a apresentou o nobre deputado pelo
Itio-de-Janeiro. Adecsilp da casa beque
ha 'e servir de legra.
Algum S' nhorts -.Votos, volos.
Juiga-se a materia sull'icientcincnte dis-
cutida,e posta i votos he rejeilado o reque-
rimonto do Sr. Souza Franco.
OSr. Presidente :A decisBo da casabe
que as emendas sejam discutidas o votadas
em globo. Por tanto, estilo em discussilo
lo'as acomendas englobadamente
.\ao tiovenlo quem per,a a palavra oSr.
presidente consulta a canara se da a mate-
ria por discutida : docide-so pela affiniia-
tiva.
Sao por consegiiinte approvadas sem de-
bate as emendas, e remeltitlas commis-
investidos da misso de legisladores crimi-
naos na Raviera ; na Saxonia os dos juris-
consultos Erhard, Tiltman, Stuebel e Gcss ;
e finalmente o do celebre Mittermaier, no-
mo gralo i CivilisacfiO do grilo-ducado do
llesse e de Haden. Sim ; a civilisacflo mn-
lerna tem assim procedido, porque tem re-
a, Jogo que eslejam presentes lodos os coiu-
senhores da dita propriedade, ou que baja
pessoa comnetentemenle autoiisada para
isso pelos que se acliam ausentes; cumpie
naes e juuos commcrcues, e se na ordem
do juizo as causas de commeicio nflo apr-
senla lodo o desinvolviiiienlo que era para
desejar, da ao menos os principios geraes
pois: primeiro, que essa enmara tratn de fa- sobeos quaes, feito o regulamento do go-
zar realisar a referida compra, fazendo la-
vrar a e.-cri tura publica : segundo, que re-
que.sito a son.ina precisa para realisa^So dol-
a, bem como para s outras despezas ne-
eessarias, na certeza de que Ibo manda rei
adiantar por emprestimo dos cofres provin-
ciaea. R por quanto he na actualidade do
conveniencia para a sade publica, que a
mencionada lei seja cumprida dosde j na
parte, em que veda os enterramentos as
ig'ejas, tenho olllciado au Exm hispo dio-
cesano para que fai;a beuzer o referido ce-
milerio logo que essa cmara tciiba fcilo ar-
vorar sobre elle uma cruz o arraigado na
casa de morada um oratorio decente, do quo
dever dar sciencia ao Exm. bispu diocesa-
no. Nessa intelligencia essa cmara se da-
r pressa fazer esses arranjos, informan lo-
me de sua realisacilo para norncar o admi-
nistrador do cemiterio. e velar a continua-
c.i.i dos eiitei i menlos as igrejas na forma
da mencionada lei --.N'e.slo sentido olliciOU-
so au Exm. e Rvm. bispo diocesano
DEM DO DIA 8.
Olicio.Ao presidente do Cear.Em of
ficio de 23 de nov>mbro du anuo passado
ped a V. Exc. se diguasse infnrmar-nie -
cerca da existencia nessa provincia do uma
innfla e um til lio do fallecido lenlo do
quinto l>atali.a.u do -fuzileiros S'gisnando
Nemesio ilarreiros deS, morto no comba-
to do Cousseiro nesta provincia, e como V.
Exc. at o presento linda n5o me teuba dado
as informles pedidas, venbo novamente
lemhrar a V. Exc. visto ler de disti ibuir pe-
las viuvas, orphSos e familia dos bravos, que
pereceram combalendo pela monarcliia
consliiucional, os dinhciios da subsciip^5o
agenciada na curte.
Iiilo.Ao director interino dolycu, di-
zendo que,visto nilo ter appnrecido opposi-
lorcs a cadeira de latim de Nazarelh, deve
continuar a te-la em concuiso al que clles
apparecam ; e provenindo-ode que, se os
impedimentos do proft-ssor e substituto da
aula de lalim da oa-Vista forem prolon-
gados, approva a proposta que Smc. fez do
religioso franciscano Er. Antonio de S, C-
verno, proeneber o fim. Parece a primei-
ra vista quo a ordem do juizo n, -tas causas
nilo deve fiear a arbitrio de um regulamen
lo, e a commissilo lembrou-sn de apresen-
tar maior desinvolvimento ao cap. 2 da
administrarlo da justica em mateis com-
merciaes, adoptando grande parte das dis-
posi(es do Iiv. 3 do cod. de l'erreira Bor-
ges, que s.lo mtii apidicaveis ao Brasil, mas
desisti desse trabalho n0o s porque se
persuade que o governo, quem soda a fa-
culdade de fazer o regulamento, o consul-
tar, como porque a experiencia do nossos
eomtnercianles e jurisconsultos concorrer
para se adoplarem as mais adequadas ilispo-
sivOes que terflo de ser approvadas pelo cor-
po legislativo, depois de reconhecidos os
se..s resultados prticos.
n Quanto a maneira porque se deve dis^
cutir o projecto do cdigo commeicial, a
couiinisso examinou o que a tal respeilo li-
nda aniei lurm ule decid 'o esta augusta ca-
ntara, e uchou que as commisses teunidas
propozeraui pm 1843 que fosso discutido em
globo, approvando-.NO ou rejeitamlo-.se que
a mesa examinando esta propu-ico, foi de
parecer que o projecto do cdigo commer-
cial livesse uma s discussilo correspon len-
te lerceira, nos termos do art. l35do re-
giment, dispensando-se para esse lim a ilis-
posieflo do art. 127, c em sessilo de 30 de
agosto do dito anuo foi spprovado este pa-
recer.
a Em consequencia desta rrsolufo, en-
trando em discussilo o projeclo, na sesso
de 18 de setembrode 1843, ficou adiado al
futura sessilo.
A co .missao especial considerando que
a resolmo da cmara, tomada sobre valio-
sos motivos, deve boje ser observada na
discussilo to projecto, he de parecer que
contine a discusso do mesmo projecto
adiada na sessflo de 1843. Paco da cmara
dos deputados, 28 de junho de 1845J. An-
uo S. e Oliveira.--Paulo Barboza
Este parecer cutrou em discussilo em uma
das ses.-oes ilo mesmn annode 1845, e o Sr.
Forra/ oil'eiecou a seguinte emenda, que fui
apoisda. ( l.) Supptima-se a parte que
O Sr Carvalho Moreira :Ol! o nobre de- enndeci lo que i ai le legislativa nflo sead-
putado comprebende bellamente que o in- quire com o diploma de legislador (apoiados),
teresse da causa nilo he comprometti lo pelo o que a unidade do pensamento organisa'-
metnodo da discussflo proposto. jdor, emhnra auxiliado pela COllaboracflO
OSr. D. Manuel :--lsso comprohen O Sr. Carvalho Moreira :- Mas, senhores, ter quasi sempre para as obras complicadass3u ''o lodacero,
em 1834quena-se que. se adopta.se o pro- [e systematieas, dos corpos polilicos
jecto de entilo som disCUSsflu qualijUT ; o'beran'es (Apoiados.. Quandu digo, i
deli-
porm,
etui^u^*. *D,-t*i
em 1815 foi de facto adoptado sem discus- quo nilo sao os mais perfeiios os cdigos ela-
s;lo o pmjecio ora emendado; e nos boje horados no seio dos corpos polticos, nflo
queremos discussflo. I se entenda de modo algum que eu ponha
flh um aparte que ufli) ouvimos.) lem duvida que os representantes do meu
O Sr Carvalho Moreira :- Eu seguramente paiz sejam capazos de confeccionar um co-
desejo, nflo a quero evitar, fique certo o 'digo digno da sua civilisacflo ; alia esta o co-
obre deputado. Sim, no se diz que so nflo digo criminal que o atiesta, como um dos
iscutam as emendas, mas quo a discussflo mais pe I'eitos que se conhecem : ou que no
f lia u'n aparte que tiflo ouvimos. ) jem duvida que os representantes do meu
O Sr Carvalho Moreira :- Eu seguramente paiz sejam capazos de confeccionar um co-
a desejo, nflo a quero evitar, fi
no'
discutan as eiuoiiusa, mas que a uiacussaoi mais pennos queso conhecem : ou q .
S"ja em globo, sem atleocflu or lem das seio da representaeflo nacional nflo bajuno-
materias, ou a sua numeraciio, determi- mens capazos de tflo ardua quflo gloriosa
nati lo a VOtacSo se .as emendas silo aceitas tarefa (apoiados\ e muito menos ousirei
ou reprovadas. dizer, romo boje se disse, que esta cama-
Eis a que se reduz hoje a facutdade desta ra he menos apta do que o senado para dis-
cantara autora do projecto emendado pela cutir e votar eslas emendas; respeilo
outra. Oregimento heexpresso; diz o art. .coiistiiuiciio do estado, que deu a ambas as
143 (/V) : As emendas que vierem do se- cmaras o direito alterno do inspeceflo e de
nado a qualquer projeclo da cmara dos came das leis vola las porqualquer dos ra-
depuladus terflo smenle uma discussflo, I mos do poder legislativo apoiados,; o di-
cte, sem comludo lazer-se-lbes emendas reilo a constituieflo nos da, a capacidadeo
Sendo approvadas totas as emendas, I paiz a reconhece. Apoiados.) Assim expri-
diz o art. 144, serflo remettidas com o pro- minio urna opiniflo que tenho desde muito,
j.cto commissilo de redaceflo, ele Art. quero smenle significar oque a expcroii-
145. Se se reprovar algum a ou algumas das cia tem confirmado, que tima leisystema-
emon las, a cmara deliberara se o projecto tica, um cdigo, producto meditado das
he vantajoso para proceJer-se na forma do comhinacoes dealgnns homens, ou do pen-
art. 61 da cotislituicflo... Islo lie, requo-!simenlo de orna unida le professional, po-
rer-se a fusilo | de muito soffrer o complexo de sua organi-
Es-aqui pois, Sr. presidente, a situaeflo [sicflo, submeltidu a censura e reprovogflo
das emendas em discussflo; seal^-uma ou
PEI.NAMBUCO
ASSEMBI.EX
1.* SE SAO
. I M'll RM
de 1850.
PROVINCIAL
I PE A lili II
algumas frem reprovadas, he a fusilo o re
curso derradeiro para tprmos um cdigo
commercial; e loda o qualquer que seja a
discussflo ja nao se pdern alterar as emen-
das, po>que o nosso regitiieuto o veda
(Apoiados.)
Mas, alm daobrigaeflo que me prescreve
o regiment, alm da ennsciencia que te-
nho dos louvaveis estorbos a tantos anuos
eni: rugados para se obler um cdigo que
satisfaca as necessidades do nosso commer-
mllo para reger a^referiJa cadeira; mas, no diz respeilo a admipistraeflo da juslca, em
materias commerciaes, cap. 1.', cap. 2.' e
cap. 3.*SiVra Ferrat.
Consta mais das actas desla cmara que
(l):
Entrando em discussilo a resoluQilo offe-
caso contrario, nflo lia precalo de recorrer
esta medida.
Portara O presidente da provincia, al-
ten leudo a que o contrato, pelo qual II. A.
Milei, servia como engeuheiro da provincia
expirou no dw 28 do mez prximo passa- recida pe)a commi^o encarreBada do exa-
do, e julgando conveniente a cont.nuaCi,o me e nvuSo do C0(lj d(( commerclo 0 Sr.
dos seus servicos, resolvo prorogar por mais Ferraz com pernissao da cmara relirou a
seis mezes o pr-zo do dito conlr.to, cuja emenda por elle offerecida na sessaoante-
prorogaeflo se deve contardo da emquj ,or ea resolugSo foi approvada. adoptada
elleexpirouFizeram-se as convenientes e remeUida commisailo de r. dacrflo.
coiiiuiunicaces.
ICfflO.
lienn ttido ao senado o projecto approva-
do por esta cmara em 1845, alli oa nobres
deputados sabem.queuma vasla e esclareci-
da discussflo se abri da novo sobre, todo o
co, comquanto nilo seja a minha convicfflo
individual que este projecto, embora emen-
dado, se possa dizer perfeito, e al me per-
suada que algumas de suas disposii;flcs e
algumas das emendas nflo silo as mais con-
venientes, se nilo sflo mal applicadas
s nossas circunstancias, o que poderia
talvez mostrar, se fos>e opportuno, como
por exemplo, as disposic^es lelativas a hy-
potheca commercial ; as que desiguam a
inii i-/., das causas commerciaes, ou cumo
tai s consideradas ; e em geral algumas dis-
pusieres Jo titulo nico sobre a creacilo
dos tribunaes de commercio, sua organisa-
,'flo, etc., embora eu desejasse quo outra
fosse a formacSo do juizo commercial em
primeira instancia, devo confessar que a
parle didctica e dispositiva do cdigo,
quanto eu pusso ajuizar, me pBrece digna
de ser approvada. E, s porque imperfei-
cOes possa ter o cdigo, o algumas das
emendas me parecatn menos dignas de se-
rem adoptadas, nflo me aconselba a pru-
dencia que as rejeite com perigo lalve/..
senflo provavelmenle, de nflo ver o meu
paiz dolado de um enligo reclamado pelas
mais recoubecidas uecessiJas do commer-
cio. (Apoiados.)
Confiemos experiencia a larefa de indi-
de um corpo numeroso on le as paixes po-
lticas pdem influir, e o movmonio ora-
torio decidir uma votarlo a favor daquillo
quo a rasilo calma ou a experiencia deve re-
provar. (Apoiados.) Empregidas as diligen-
cias para a reunido dos meios de um traba-
lho semelhantc, nflo excluida a revisflo cu
rial, be muito nielhor nsiiar a execu^-flo
do que alterar.
Presidencia do Sr. Pedro Cavalcante.
(Conclusflo.Vido o Diario n. 80.)
O Sr. Floripes: Peco a palavra pela
ordem.
O .Sr. Presidente : Tem a palavra.
O Sr. Floripes Sr. presidente, como se
conrluisse agora a elcicao das commissOes
pern anentes, aclio OCCaSlflO opportuna para
pe ir a eleicflO de urna commissflo especial,
cujo liin eu explicare', e para o que tenho
de mandar um lequerimenlo a mesa ; por-
lanto, se V. Esc. me permute, direi algu-
ma cousa.
O Sr Presidente :Tem a palavra pea
orde.n.
OSr, Fltrip's:Sr. presidente, quando
0 prestaiitis-iino Sr. Tosta, ajudado pelo
extremado valor de paito do exercilo b'a-
sileiro, e pelo patriotismo nunca desmen-
tido da grande parte do nossos comprovin-
cianos, salvou isla bella provincia das vo-
rageos da anarcllia que foi mortsl'neiile
golpeada no memoravel 2 de feyereiro do
luctuosa recoidacflo, a aasembla que en-
tilo oceupava dignaiiierit-i estas cadoiras,
compenetrada do grande porte dos servi-
dos quo esse preclaro brasileiro prestou ao
paiz, nilo se demorou em expeJir do sou
geni uma commissilo de cinco de seus mom-
io os, uue fosse de sua parte significar-llie
quflo immenso era o valor que atlribuia a
Direi mais, se me permitle a cmara. S.,
um governo esclarecido, compenetrando-sel '"" servicos prestados em prol da ordem e
danecessidadodeuma lei scmeldanle aquill'anqonliJade publica: certo, Sr. presi-
viesse, dizendo: Consultei os homens da denle, que aquella assemblea, assim prali-
profissAo, empreguei todos osmeios>quea
boa vonlade e o patriotismo me inspiraram ;
aqu tendes um projeclo de cdigo civil,
por exemplo, sellado com o cundo da au-
toridade dos mais dis indos jurisconsultos
do paiz ; seeu fosse enlilo deputado, o OS
talentos e innralitladc dos autores desso pro-
jecto me garanlissem tflo melindroso empe-
ndo, declaro francamente cmara, lalvez
s'neiile perguntassequem sflo os auto-
ros? Adi Mides o meu voto. Executai.
O Sr. I). Manoel :Eu nflo digo lalvez,
digo do cerlo.
O Sr Carvalho Moreira :Nflo be islo
renunciar o direito do inspeceflo qui tenho
como deputado; nflo he islo renunciar o
direito deexame, ou abdicar o direito de
legislar ; mas he obedecer a uma vonlade
prtica, he antes evitar um erro temido e
receado pelas mufles civilisadas. *
O Sr. Souza Franco :-Ms as emendas
sflo deum corpo levislalivo.
O Sr. Carvalho Moreira :--.Se o nobre de-
putado acompanhou a discussflo do cdigo
do commercio no senado, devia ter visto do
que lonies parliam cssas emendas. .. .
O Sr. 1). Manoel e alquns Senhores ;A-
poiado.
cando, nao fez inais do que cumprir um
dever.....
O Sr. r. Manoel Cavalcante :-Nflo apoia-
do.. ..
O Sr. Floripes .--Por ceito que, se era
dos seus priucipaes e indeclinaveis deveres
promover a prosperidade da provincia,
tambem Ihe corra a rigorosa obrigaefloda
louvar, agradecer, ou galardoar nquelles
que directa ou indirectamente coucorres-
scni para ossa prosperidade, ou fosse desin-
volvendo os inleresses moraes e materiaes
do paiz, ou lusse procurando restabelecer e
consolidar sua paz, e a seguranea publica.
Sr. presidente, aquella assemblea, oluau
do ssmip, nflo fez inais do que ac jipa n bar
os scnli!::entos de todos oa povos cultos.
Para louvar e galardoar os Ciscinalos, os
Auchuros, os Pmpeos, Lacenas e oulros,
tiln,mi os Romanos o capitolio para onde
eram levados como em triumpho, e depois
cornado-; e para mais perpetuara memoria
de seus I'eitos filustres, e de grande provei-
to para repuhlica, Ihes consagravam esta-
tuas, erlgiam-lhes obeliscos e oulros mo-
numeuius.
Ora. sendo este dever constante e reli-
giosamente cumprido por todos e at por
PLAR ENCONTRADO


m
!2'
nos para com esse benemrito Je quem lir
vea honrado fallar, julgo que estaassem-
lilca nSoduvidar cumpri-lo mais uma vez
para com oulro nflo menos Ilustre edis-
tincto Urasileiro, quo, despresando os seus
intcresses e todos os commodos de urna po-
sic,3omui vsntujosa na sociedade, nflo du-
v dou eiicarregar-s da penivel tarefa de ad-
ministrar uma provincia que inda se res-
sen' ia grandemente dos violentos abalos
quo Ihe ileu o brsc.0 robusto e extermina-
dor da siiarch'a.
Sr. presidente, eu terminara o meu dis-
curso so livesse de fallar smente perante
esta as&emtiia, eso psra ella ; mas, tendo
do fallar para o paix inteiro, julgo que nfo
Di o (levo limitar a olas observares; (lOVO
passar em rcsenha alguus dos servidos
prostados lor este nobre -regedor da pro-
vincia, para que elles possam ser melhor-
menlo aquilatados.
Sr. presidente, o primeiro servido que
nos cotislitue eui divida da nflo ppqueun
gratidflo para com o ictual administrador,
foi sen duvida ter elle rosolvilo tomar so-
bre scus hombros a larefa ardua de adpiuV
nistrar uma provincia recentemente confla-
grada pela guerra civil, e que, para volver a
seu estado normal, reclamava muilos dis-
vellos, muitos esludos, e no pequeos os-
lo'sus, e quem, Sr. presidente, nflo dir,
que, deixando a vanlajosa posieflo em que
.cachava, este nobre admistrador, nflo le-
ve outio fim senfloodo prestar mais este
valioso servien ao seu paiz P Deixando tojos
os iillos cargos que OCCUptVt, to las as po-
slrfies honrosas de que gozava, quando na
da n ais tinltu a ganhar com os partidos,
esse rreclaroestadista nflo leve nem poda
ter, oulro lito seniio o de prestar a seu paiz
csse valioso servido, e bem fazer pro-
vincia.
Depois, Sr. presidente, uma outra rasflo
aeho, ou creio que ha, que constitu a todos
os Pernambucanos em divida de gratito
para com est* notire administrador ; e foi o
ter elle adoptado a coducta que a lo,dou
para com os desvarados filhi.g desia pro-
vincia, que tantos males a carretal a 31 so-
bre si, e sobre nos, desinvolvendo o no-
lir administradora seu respeito, eem im-
mensa escalla, apoltica de justica e tole-
rancia.
Aqoi me aparlo da piniflo daquelles que
nlgam que essn poltica nlo devera ser
aliuptada, porque ella nflo produzioos bons
resultados que sse administrador leve em
visla. SinijSenhores: qual deveria ser a con-
ducta de um urasileiro amigo de seus pa
tricios e que os vecarregando com uma en
cliente de males quo elles mesmos acarre-
tara m sohrn si, com snas impru leticias e
vilenlas paixoes? Qual devia ser a con-
ducta de um liiiiii-m, sahiilo de um ci'cjlo
<|i>e tem or maior timbre sustentar no po-
der as i.leias que esposou e ilell'en leu quau-
do em opposi9o ? Qual devora ser a con-
ducta de um delegado do nosso augusto m narclia, que, estando mudo a civalleiro dos
partidos e das facetos, e mullo indifiVreriie
aos seus encontrados Interesaos, nilo leu
mostrado al agora senflo o degejo de ver a
todos felizes? Qual devera ser a condiCla do
chefe de um circulo. que,vendo que e le c ir-
regava com iiccusaces graves,ain la quo in-
justas, quena em ultima evidencia mostrar
qu-i tata aecusaefles eram falsas '' Qual d,:-
viasera conlela que devia ler-se em laes
circunstancias senflo esta? Portanlo, Sr.
presidente, para mim foi um nervino im-
portante a ndopqflo dessa con lucia, dessa
poltica de justica c tolerancia, pelas rasGes
ponderadas, e pelas que passo a expilr.
Senhores, carrrgando o encolo a que per-
tence iMiobre administrador e a que tenho
muita honra de perle: cr, om e.-sas iccu-
saertes graves, posto )|ue falsas, era de ne-
cessidkde que um administrador justo ado| -
tasse para com esses que raziam laes ICCuta
c/ies, esc qiieixkvam de vexamese violen-
cias, tola a generosidailc, era necessariu
digo, que OfgotafSe iodo o cofre da jutligt.
toda a franqueza, toda a lealdado, ludo en.
fim ; porque, Sr. presidente, nssim sernos
t r i va, como se inoslrou.que tito lillios des-
vairailos da provincia, que sobre ella tan
tos males tiou\eraoi. nilo se revoltaram
sem duvida pelas rasocs allegadas, n3o se
revoltaram porque na provincia cxisliam
delega-tos cohertos decrimes, inimigo.d.
s o socego e tranquillidade, i)3o se revolta-
ram mesmo pelo temor da volta do preJo
minio exclusivo de urna familia da qual di-
ziam que Pernambuco era una leitoria i
pruvou-se, portanlo, a todas as luzes que
esse pai tido, csse circulo nao cun-tiluc um
pai lito poltico; nas, sin, urna faCcflo,
vida-rneme do poder, sem outros uiinci-
pios, srra nutra lei. I'ergunlaiei, pola, ago-
ra Bflo ohliverj.os com essa poltica u na im-
mensa vantajem i' \flo ohleve a causa da
ordem um iuimenso triunipho ? Nfloeon-
segiiimos as-iin desengaar alguns horneo-
de boa fe, ni paiz e fra delle ''
Parece-mc.Sr. presidente, que a conducta
adoptada foi a causa de estar hoja lavrado i
rendido de rondemnaeflo, emullima ins-
tancia desse partido. Portanlo, Sr. presi-
dente, honra seja feita a (lo nobre adminis-
trador, e em nomo dos meus comprovincia-
nos Ihe dn igio muitos agradecimenlos.
Sr. piesidenle, coiimi t .-sr-me fazer uma
pequea digressflu do Inu a que me dirijo.
I.o nenhuina uia vontade, c muilo menos
odio consagio a esses meus patricios des-
vairados que se deixaraai arrastrar por pai-
srs violentas, e acarris ndo sobre a pro-
vincia tilo grandes males e to pesados
sacrificios ; no. K lauto estes meus seu-
limenliis sflo verdadt in s, que fago larde
de declarar aqu, que folgarei muilo, que
ln'iii ilir. i S. M. o luipeador, se usando de
uma dasniais nobres de suas prerogativas,
quizer lanzar sobra elles anda outra vt-z o
mai;to da sur clemencia imperial. Na mi
i.ha opinlo, nunca o pcrdilo dado aoscri-
no s polticos aulorisou as revolu^Oes, ell ,s
teem oulras causas, outros elementos.
O Sr. Ilanoel Cavulcunlt :E osle tam-
ben.
O Sr. lorlpu :--Seassim fora, Sr. pre-
sidente, eulflo entre lodos esses povos, aon-
de o systema de rigor e de forte rcprtsso
esta em uso, as revuluc,cs nlo contuiua-
riam.....
O Sr. Mello Riga :~\lo o verdadu'ro sys-
tema.
O Sr. Flon'pes Mas, apezar dessa sevari-
dade, as revoluces Conliuuain, quando.
sendo como se diz, ellas deviam paiar.
Mas, para que bobear exeibplus de oulro.-.
povos, quando nos oslemos na uossa his-
toria, posto que muilo curta e de liontem,
o o exemplo me parece concludente ? Diga-
se-nequo proveito selirou do supplicio de
11 de nossos patricios na revoluQSo de 1817 ?
Qual o que se tirou dos supplicios de ou-
tros nossos patricios na revoluto de 1821 ?
O Sr. Mello Reg :--E que proveito se li-
nii das amnistas dadas aos revoltosos de
Minas Ceraes e do Rio-Grande ? ..
O Sr. Floripes :.... Nenhum proveito
se tirou desses supplicios : as revoluces
teem continuado oaindahoje nos luamos
hraCjO a liraeo com uma, que tanto nos tem
assoberbado. Creio, senhores, ou ho minha
humilde opinifio, que o verdadeiro correc-
tivo contra as revolufes lio no deixarem
os homens do estado, quo se aglomerem
cartas circunstancias, certos elementos ;
porque, aglomerando-se, chegando a tal
estado, que a explosilo ser necessaria, o
fazer revolugOes n3o est no poder de qual-
quer Catilina, de qualqner revolucionario ;
he preciso ter esses elementos, esse aggre-
gado de circtimstancias. Portanlo, de lu lo
isto concluo que no lie o perdio a causa
do mal; seellenSo lem concorrido paran
Iranquillidadc futura do imperio, tambem
nilo tem concorrido para que as revoluertes
sejam frequentes.
Toquei nesta circuinstancia de passagem
Mas, voltmdo ao objecto a que me propu-
nli, direi que, depois de'sso nobre admi-
nistrador ter esgotado os cofres de bonda-
de, de clemencia e de franqueza pararon
esses individuos desvairados, e nilo ten lo
elles se aproveitado de tanta bondade e jus-
lica, nos vimos tambem q te, se elle foi
nimiamente juaticeiro, tambem nSodeixa
de ser nimiamente forlo c enrgico para re-
primiros desvarios desses nos-os com pro-
vincianos; pois, segundo he patente, por
esses seus e-louvs, pelas medidas que
empregou, est quasi a concluir-so a picili-
caQilo da provincia; o, deveodo-lhe nos
islo, esta assemblca est no rigoroso dever
de moslrar-se (como ja fe/, com o oulro ci-
il..il,ni; agradecida a esses impO'tanlcs ser-
vidos preslados a provincia que representa-
dos muilo mais quando elle, anda que
oceupado pelos alTazeres resultantes das
oceurrencias da guerra, no 83 esqueceu
dos outros ramos doservigo, fazendo me-
Ihoramentos materiaes provincia, como
esta patente, e nos declara seu relatorio.
Portanlo, deixando de continuar por se-
ren seus servicos incontestaveis, cu con-
cluo estas breves rcflcxOes.e mando mesa
O meu requerimenlo.
Vai mesa oseguinte requerimenlo.
Itequeiro que so nomts uma cotumis-
silo especial de cinco membros, para, em
lime desta assemblca, agiadecer ao Kxm.
presidente desta provincia os mui impor-
tantes servidos prestados a mesilla.
* Sala ilas sesses, 9 de abril de 1850.
t'lorlpu ilins Brrelo.
Apoiado, declaia-se em discussSo.
Da a hora.
I'edem a palavra bs Srs. Francisco, Jlo e
Dr. Manoel.
OSr. Presidente declara a discusso adia-
da pela hora, e, designando a ordem do da
para u scssSo seguinlo, levanta a de hoje.
si:sso ORPINASM, km 10 m \i m nR 1850.
'residencia do Sr. Pedro (aruculcanle.
SUmUBIO : A/ipravneo da acta da$eu0
anterior. Expediente. Juruui'nlo do
Sr. Augusto Oliveira. Apprnvncdo do pa-
recer da coininissiio de negocias ecricsios/i-
cos sobre o compromisso da irmnndnilc de
Nona Seniora da Conetifo do llointo, e
do de coiistituico e poderes acerca da
admissiio do Sr. Castor. Adiuincnto dn
parecer da COinntllSSt de polica a respeito
d'j nmiiciici'iii pura o tugar de pirteiro.
lteieic.it) da urgencia da respectiva discus-
so. Ap/iroiuco da emenda do Si. Mello
liego pura que se considere como iwtic.iicCu,
o requerimenlo do Sr. Floripes, relativo no
vola de iigrudtcimenlo ao F.xm. presidente
da provincia e da parle do parecer da
commissJo de verieaco de poderes sobre o
Sr. I.'iurcnco llcze.rra Carueiro da Cun/ia,-
Remetiadoprojtclo n. ti do annnpassado
cominissao de commercio e artes, e do
de n. 21 no governo da provincia, pura e
initlir seu juizo a respeito. Approvacdo,
em 3.' discussdo, do projeclo n. 20. Adiu-
mento do de n. 1G, por empate na rolacAo.
As on/.e horas da mandila, feita a cha-
mada, achain-se presentes 23 Srs. depu-
tados, faltando sem causa participa la os
Srs. Malaquias e Monezes.
OSr, Presidente, bre a sesso.
OSr 2 Secretario 16a acta da sesso
antecedente, a qual he approvada.
O Sr. Presidente convida no Sr. Augusto
l'ie.leiico de Oliveira a prestar juramento ;
feitooque, loma elle assento como 2.*se-
cretario.
0 Sr. i." Secretario menciona oseguinte
I.XI'EDII'.MK.
Um ofticio do secretario da provincia, re-
metiendo um exempiar da falla com quo S.
M. o Imperador abri a primeira sessao da
oilava legislatura d'assembla geral-- Man-
dou-se archivar
Oulro do mesmo, enviando as emitas das
cmaras municipaes do Kecil'e, Santo-Au-
ti'io, Nazarclli, (.uianna, Cimbres e Gara-
iilmns, do atino de 1818 a V); bem como os
orgamontos respectivos para o cxcrcicio de
1850 i 1851 A' commssilo de contas mu-
nicipaes.
1 ni requerimenlo de Manoel Joaquim tu-
llios e itlva, Amonio de Moraes Guiiu-s Fcrrel-
ra e o'ilros, fin que pedetn pai a retirar una
i, i i < -. -111. i:,: > que o auno passado aprsenla-
rain assemblra, relativo as lettras eiiuliiilas
na circulayo pela thesourarla provincial, visto
nao se ler tomado dcliberacao algunia a res-
peito. A' commissHo de urcanieuto,
Outro de Florianuo Jos de Carvallio, Joa-
quim Clemente dos Santos, Francisco Joaquim
de Uliveira Uaduein, pediudo ser providus no
logar di1 pont-iio Ue*l asciiibl que se aclia
vago, uu em ootro que vagar. A' comiuisso
de polica.
Sao liuos e approvados os seguintcs pare-
ceres :
A commissao de negocios ecclesiastico,
lomaiidc em cousideraco o compromisso da
ii in i nd ule de N. Sra. da Conceicao da vida do
Uunilo, e do |, .i. i n o.i l-.xoi. piel.ul.i diocesa-
no eiaradu no mesiiio coiiiprouiisto, he de
opiniao que o di lo coiiiproinilio seja devulvido
a irni.-iiiii.ide respectiva, para csu o reformar
no sentido da iiilorinacao do Um. vigario, se-
gondo lie de uplniao o Kxm prelado.
difirila. (Jueiroi Fonuca. Fluripti.
A Commissao de constluilelo e pudre,
examiiiaudo o diploma doar. d. pillado Jtudri-
gu Castor de Albuqueiquc Mamullan, acliou-o
cunlorinc com a apuracao geral, leita pela com-
niUsao uou>cada pela asteiubla emsesso pre-
paratoria; julga que o dito senhor deve tomar
asseuto.
ii Sala das sessoe da assemblca legislativa
provincial de Peroambuco, 10 de abril de 1850.
Ciimeiroda 6'unha. Castro Le&o.*
I.nrn-liulilo o Sr. deputado com as formali-
dades do eslylo, presta Juramento e toma ai-
sento.
F.m seguida he lido o seguinte parecer :
u A commissao de polica a quem Iram pre-
sentes os requerlmentos de Francisco Xavier
da Silva Mendon a, Francisco da Silva Nevrs,
GeraldoCorrea Lima, Jos Joaquim de Olivei-
ra, Daduein c Christovao da Rocha '.unha Sou-
to Maior, nosquaes pedem o lugar deportelro
desla assembla, vago desde o anno passado,
por ler do n&meado terceiro oflficial da secre-
tarla o individuo que servia; tendo em conji-
deracio os documentos aprcsenlados pelos di-
tos pretendcnles, julgo que o primeiro delles,
isto he, Francisco Xavier d* Silva Mendonca,
deve ser prvido no referido lugar de porteiro,
visto que, servlndo de continuo desta casa por
nualro anuos e dolis dias fdesde 4 de marco
de 1839 al (i de marco de 1843),e por malssete
annos de ajudaute de porteiro, entrando csse
de porteiro interino (desde 6 de marco de
1843 at ao presente), com 7.elo e ndelidade,
como tudo inostra pelos seus documentos,
aprsenla por laso bons servicos que Ihe de-
vein dar preferencia a qualqucr oulro dos pre
tendentes; e atsim a commissao oprope
asscmbla para o mencionado lugar.
Sala das commissOes da assemblea provin-
cial. 10 de abril de 1850. Pedro Francisco de
Pauta C. de Jtbuqueniue.Luit Paulino C. Fil-
ie: de Huevara. Pedro Gaudiano de Rales t
Sttea.
VSr. Manoel CavaleanU : Peco a palavra.
O Sr. Presidente : Fica a discusso do pa-
recer adiada na forma do regiment..
Em seguida vai mesa o seguinte requeri-
llielllo .
Requeiro urgencia a respailo do parecer
adiado sobre os requerimenlo dos que pedem
o lugar de porteiro desta assemblca, alim de
que entre j em discusso.
i. Paco da assemblea, 10 de abril de 1850.
Vmbelino Gvedes de Mello.
Apoiado, eutra em discusso e he rrjeltado.
(Continuar-se-ha )
CMARA MUNICIPAL DORECIFE.
4." SSSAO 0BDISARI4 EM II DE MABJO
DE 1850.
Presidencia do Sr. Oliveira.
Presentes os Srs. Barros, Mamede, Car-
ncro Monteiro, Pires Kerreira e Henriques
da Silva, fallando com causa os mais se-
nhores, abrio-se a sesso, e foi lida e ap-
provada a acta da anlecedenle.
Foi lido o seguinte expedionte :
Um odicio do F.xm. presidente da provin-
cia, determinando tmuvesse a cmara de
ordenar aos (Isca.es o cuidado de fazer enter-
rar us animaes morios, que minias vezes
se enconlram em estado de pulrefacgao.e de
remover os eiitulhos e imrnundices dos
quintaes das casas, e de outres lugares.
Que assim se lizesse, ose respondesse a S.
Exc. que a camra no tem cessado de ftzer
semelhante recomcndagflo aos fiscaes.
Onlro.remetundo copia da resolugSopela
qual a idiara a sessflo uidinaiia da assem-
blea legislativa desti provincia emocorren-
to anuo para o primeiro de abril proxfmo
futuro, e que a Cmara lizesse constar isto
mesmo tos membios eleilos para a mes-
ma ssemblea, residentes neste municipio.
Que se respondesse ter sido cumplida dita
ordem.
Outro, determinando que a cmara man-
dasse desembarcar a pudra viuda de Fer-
nando no patacho Pirapama, no caso de
l recisar della.-Deu-se ordem ao procura-
dor a desembarcar dita pedra.
utro, ordenando que a cmara deler-
minasse aos fiscaes que fizessem com que
os propriotarios do alagado existente eutr.
a ra da Auora e o toireuo firme, o alerrem
dentro do przo de 2 me/es, sob pena de
oerderem os terrenos, pois quo a nflo ser
aterrado a lempo de Tediar se o caes, v r,
a ton.ar-se nocivo, nflo s a obra do mesmo
caes, como tilde publica.-Que se respon-
desse ter-se cumprido dita ordein.
O.ilm, exigindo o orgamenlo do cemite-
rio publico, se porventura exislisse no ar-
chivo desta camara.-Que so respondesse
iii-Kativamenle.
Oulro, communicando que leudo a lii
provincial n 91 de 7 de maio de 1841, or-
denado a conslrucgao de um cemilerio pu-
blico, imlia cunt alado a compra do sitio
denomina lo- Sanio Amariiilio- com os seus
proprielarios, por a quantia de IO'OuO.000
reis pura o dito li n, e dando neste sentido
diversas delerminacOes para a cmara cum-
plir, sendo uma dallas o man lar, quanlo
antes, ai v .lar em dito sitio uma cruz, e
collocar um oratorio decente na r.isi de
morada, alim de que logo que isto esteja
ananjado, e depois de feita a bengiio do co-
rnil i io, seja a citada lei iaimedilamente
execulada ni parle em que vela os enler-
ramenlos lias igrejas.Que se respondesse
a S. I'AC di/.eiiJo que a cmara fiuava en-
tendida de tudo quanlo Ihe ordena va, e que
logo que estiraste collocada a cruz e o ora-
torio iie participar.
(Julio do advogado, responJeodo eo que
se lio: coiisultou sobre o ordena Jo do se-
creaiio, e a respeito da substituirlo do
uiesino, no seu impedimento Que soet-
pedisse ordem ao procurador, para pagar
ao secretario e ao poi leiro os seus ordena-
dos poi inteiro, vencidos em novembro e
desamoro passados,u,se consultaste de novo
ao advogado se o empregado que esta fa-
zendo as vezes de secretario, le ni diieiloa
tudu o ordenado deste, ou so a quinta
parte.
bridado, notando o quanlo he pengoso a
sociedade, e contrario a disposig&o do im-
perial aviso du 26 de agosto de I84G, qu
individuos que nui.ca Inquenlaram facul-
dades de medicina exerg >ui a arte de curar,
efornegaiu remedios a dnenles. a pielexlo
de seiem lluuiosopalliieos, e ol', recen.lo
um projeclo de um arligo de posturas ve-
dando semellianle abuso.Aduiado.
Huiro do u.esiiio presidente, notando o
escndalo com que pessuas que nunca ire-
queiilaram faculdades de medicina se
apreseulum exercendo a arle de cur-r, e
o.iros com a maior publicidade estejam
veudendo remedios sem para l.nio e>t<-
rem aulorisaoos; o.pedindo que a cmara
recoinuieudasau aos linces a observancia
das posturas coulra seuielhanle aboso.
Que se recoiuiiieudaisd isto mesmo aos
UsCaes, e se respondesse o ollicio.
non o do procurador, pailicipaudo ter
recebido da thusouraria provincial, no da
22de fevereiio ulli.no, a quantia de8:00j|
rs. mandados dar por empreslimo pelo go-
verno da provincia para suppria as despe-
zs com o aqueduct dos pateos do Carmo
e San-Pedro.Que se participasse ao mes-
mo governo, e se recolliesse o dioheiro ao
cofre para dahi se ir tirando o que fr sen Jo
preciso.
Oulro do fiscal da Bda-Vists, notando o
quanto he difllcil s^lualrnente conduzira
seus deslinos os cadveres de individuos
pobres que succumhem das febres reinan-
tes, por isso quo os pretos escravos repug-
nam carrega-los, e que assim a csmtra pro-
videnciasse.Que se ojicissse ao chefe de
nolicis, transmiltindo-lhe o referido pelo
fiscal, e roeando-llie de- suas ordens aos sub-
delegados, alim de que rstes ponham a dis-
posigilo dos liseses os calcetas precisos para
conduzir taes cadveres no esquife da ca-
deia.
Outro do cidadflo Jos Fernando da Cruz,
provando com atlestado de facultativo achar
se doente, e nSopoler tomar assento na
cmara na qualidade de vereador supplen-
le Que de novo se chamasse o Dr. Nery
da Fonseca para tomar assento, visto adiar-
se nesta cidade no exercicio de juiz de paz,
estranhando-se-lhe que deixasse de res-
ponder o officio que para esto mesmo fim
j se Ihe dirigi.
Sendo lido, e entrando em discusso o
suthographo do re dorio que tem de ser
apresentadoa assemblea desta provincia, o
Sr. Carueiro Monteiro requercu efoiappro-
vado, quese supprimissea parta que trata
do restaheleciment do ordenado do conta-
dor, assim como passou, a requerimenlo
do mesmo vereador, que su pedisse o
augmento do ordenado dos fiscaes des-
ta cidade para 8UO.O00 rs. cada um, sen-
do metade desta quantia considerada
romo ordenado fixo, e outra metade
como qualiiicacflo, devondo a esta ter
ilireilo os suppleutes dos fiscaes, que por
impedimento destes, estiverem em exerci-
cio.
Mandn se remetter comm'ssflo de
sade o requerimenlo de Antonio Jos Ma-
ciel e outros Ierre 11 os, requerendo para si-
tuar suas i llirinas no espaco comprehendi-
di> entre a casa de Cusm.lo e a fabrica de
salido, na ra Imperial, assim como exi-
gir da mesma commissflo o spu parecer re-
lativamente as icflexiies adoptadas pelo
coiiceiho de salubrida te sobre as principaes
causas da insalubridadc desta cidade, e o
meio d'as remover.
O procurador declarou-se perante a c-
mara all'ectado das febres reinantes, e as
nulos do presidente cntregou a quantia de
7:116,650 rs., linliei o dado por impresli-
mo para a obra do pateo do Carmo.
O Sr. picsidcnte passou esta quantia pa-
ra as nos do Sr. vereador Pires Forrcira,
ficando este encarregado dos negoios da
procuradlo ia.
Foi Horneado o fiscal da Varzea para exer-
cer fuucroes na freguezia dos Afogados, o
desta para freguezia de San-Jos, por ter
obtiJo 4 mezes de lceuca o fiscal Moraes, e
o do Piiqo para S.-Antonio.
Manilou-se ordem ao fiscal do Recife para
mandar depositar na ra do Sol, urna por-
r;5o deseixo de Fernando.
I) spacliaram-se as peti^Ocs de Franca &
IrmfiO, do Ondi la Mara da Tnn lade, de
Conrado Antonio do Kspirito Santo de
Francisco de Frailas Camha, de Jos Fran-
cisco Pinto, de J is Pacheco de Queimga,
de I) Isabel de I .mas Cuimarfles, de Joan
Jos de Moraes, de Meno -1 lavares d'Aqui-
no, de Manoel Antonio Conga I ves, de Ma-
nuel Firiiinio Ferreira, de Manoel Domiu-
gues Januario, de Manuel Joaquim Gongal-
ves Lessa, e levanlousse a sesSflo.
Eu, Manoel Ferreira Aeeioti, secretario in-
terino, a escrevi. Oliveira, presidente. -
Carneiro Uonteiro. Mamede. Barros.
Henriques du Silva.--Ferreira.
DiitK. llB PKBNAltllCO.
BECirE, tO SI AHI11L DI 1850.
A asscmbla drlxou de pronunciar hoje o seu
juizo acerca da mocao do Sr. Floripes sobre o
voto de agiadecitnentoao Exm. Sr. concelhel-
rj de estado e presidente da provincia, em con-
sequenclade ter resolvido, a requeriuiento do
Sr. Mello Reg, que semelhanle mocao fosse
considerada uma indicaran, c como tal remet-
lida i commissao de constltuicao e poderes pa.
ra emittir seu parecer a respeito.
Em seguida apreciou a nicsina assemblea o
projectos que devia oonsiderar hoje.
A ordeiu do da para amauha be lei tura de
projectos, pareceres, indicaedes e discusso
de pareceres adiados.
.GMMeacio.
ALFANDEGA.
Iteiidimenlo do da 10.....21959,05;
bescurreaam hoje II.
Brigue porluguez Weloi vinho e vi-
nagie.
Brigue porluguez Conceicdo-de-Maria
mercadorias e cal
Brigue nglez -- iagnet dita, ferro ean-
coras.
Barca ingleza W.-Ruitel mercadorias.
CONSULADO GFJIAL.
Itendimento do dia 10.....3:230,983
Diversas provincias...... 123,194
" 2:354,177
RF.CEBEDORIA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Itendimento do dia 10......844,260
CONSULADO PROVINCIAL.
Itendimento do dia 10..... 3727,178:
ovimeiiiu o forlo.
A'ai'f'o entrado no dia 10.
Pin de-Janeiro 24 dias, brigue nalinnal Leao',
de 218 toneladas, capito Joaquim Goncalvrs
Maya, equipagciu 12, carga fumo e m-is g-
neros,- a Joaquim llibeiro l'ontes.
Navios sonidos no mesmo dia.
Genova brigue sardo Ooiti-Praltl, capitn
Joan UaptlstaGorelo, carga aisucar.
Canal Brigue sueco J'rry, capitao C, Al-
berg, carga assuccar.
Val-Paraiso Barca franceza lUnriella, capi-
tao Regnier, carga a mesma que trouse do
Havre.
EDITAES.
. Pela inspecloria da alfandeg se faz
publico que, no dia 12 do corrente, se ha de
arrematar em hasta publica, ni porta da
mesmo, depois do meio-dia, 7 nares de lu-
vas curtas do tecldo de algodlo, duzia de
pares 2,000 rs. i ,i66 rs.; 4 prcs de meiaa
de algoSo finas para senhora, duzia 7,000
rs. 4,083 rs.; a pares de meias do algo-
dflo ordinarias para senhora, duzia 2.400 rs.
400 rs. ; 1 par de meias de algodlo cur-
tas ordinarias, duzia 1,500 rs. 125 rs
1 bote em meio uso part 6 remos com a
meio palmos de comprimeato, "de largu-
ra e 3 de pontal, por 50,000 rs. : tudo ap-
prehendidn pelo guarda do consulado pro-
vincial Eneas Targino Accioli : sendo a ar-
reuialBQflo Jivre de direilos.
Alfandega de Pernambuco, 9 de abril
de 1850. O inspector, I.uiz Antonio de
Sampaio Vianna.
Pela inspectora da tlfandega se faz
publico que, nflo tendo apparecido licitan-
tes para a arremtlacSo de 108 barricas com
strilinhas abandonadas, serflo pela ultima
vez levadas a prara, e entregues a quem
mais der, no dia II do corrente, depois do
meio-dia, porta da mesma : sendo a ar-
remaiacflo livro de direilos.
Alfandega de Pernambuco, 10 de abril de
1850. O inspector, Lula Antonio dt Sam-
paio \ianna.
-K cmara municipal desla cidade faz
publico que, em rumprimenlo ao disposto
no regulamento de 28 de Janeiro de 1833,
tem ostabHecido no corrente semestre o
precode 164 rs. por cansa ie ago'anlente
de preduceflo brasileira, para servir de ba-
se a cobran? do respectivo imposto pela
repaiticfle competente.
E para constar mandn publicar o pre-
sente. Paco da cmara municipal do Reci-
fe, em sessflo de 8 de abril de 1850. Jos
Camello do Reg Barros, pro-presidente, Va-
noel Ferreira Accioli. secretario int'rio.
.- a cmara municipal desla cidade faz
publico que, attendendo ao que Ihe repre-
sentou Antonio Jos ilaciel e outros, donos
de ofiicinas de ferreiro situadas as fregue-
zias de S -Antonio e San-Jos, tem designa-
do mais a exleiiQo do terreno comprehen-
dido entro o sobra lo deCusmflo e a fabri-
hrica de sabiln, n ra Imperial, para collo-
racto de laes estalieliinenlos, alein dos lu-
gares dos no seu edital de 8 de marco do anuo
passado, que fica assim ampliado. E para
constsr manda publicar o presente. Paco
da cmara municinal do Recife, em 8dea-
bril de 1850 Jos Camello do Reg Barros,
pro-presidente, Manoel Ferreira Accioli. se-
cretario interino.
Faco saber, que achando-se vaga a ca-
dena de lingoa latina do collegio das ail-s
da academia juridica deOlinda.por falleci-
mentodo arCddiago professor Ignacio Luiz
de Mello, est posta a concurso a dita ca-
ileiri, cujo prazo ser de tres mezes, con-
tados da data deste edital.
E, para que chegue a noticia de lodos,
mandei altear fsto nos lugares do coslume
e publicar pela imprensa. Secretaria a-
cademia jones do oiind, 8 de abril de
1850. Fisconde de Goianna.
JJeulura<;dcs.
S. Exc. Rvm. hade sagrar os S nlos-
Oleos na igreja de S. Pedro desla cidade,
domingo, 14 du corrente, devendo come-
(tr o aclo pelas 7 lloras da manhSa- Re-
cife, 10 de Abril de 1850. O padre Fran-
cisco os Tavares da Gama.
Faz-se publico, pela segunda seceso do
consulado provincial, que se est fazendo
a coliranga do imposto de 20 por rento do
consumo das agoas-ardentes de prodcelo
brasileira, vencido no seo eslre de dezem-
bro du anuo prximo rassado, e que, (indo
o presente mex, se proceder eiecutivamen-
te conira todos os que deixarem de ler pago
o referido imposto.
Convida-se a todos os individuos li-
vres que so queiram empregar como ser-
ventes as obras do arsenal de marinha, e
as do melhoramenlo do porto, a se enlen-
dereiii com o respectivo inspector, o qual,
na confurmldade dasordens do Exm. Sr.
presidente da provincia, Mies garante i
isenijSo do recrutamenlo. Tambem se ad-
mita os escravos em tars obras, dando-te
tanto a estes como a aquellos individuos o
jornal de 640 rs. Insperelo do arsenal do
marinha de Pernambuco, 30 de murro de
1850 O secretario, Thomc Fcrnandcs Ma-
deira de Castro.
Pela subdelegada de San-Jos do Recife
IV,r.tu apprebcndidns, em os dias 31 de marco
prximo passado e 4 do corrente, os differcnies
objectos roubados aballo designado : quem se
achar com dlrrito a elles apresenle-se a rita
subdeirgacia para. vista daiprovs.lhe seren
entregues.
Subdelegada de San-Jos do Recife, 6 de
abril de l850.Fraiteiaco Carneiro da Silva,sub-
delegado.
Um a I tete de miro grande com um dia-
mante; 4 colliere douradas de cha ; 10 ditas
de pr-u, pequenas ; 6 ditas ditas de sopa I
dita dita de arroi i 3 facas com cabos de pmta ;
uma collier de prata de tirar asuntar; 3 cora
de piala pequenas; 4 resplandores ditos ; um
.titulo de prata de imageiu do Crucificado ; um
marac de prata ; I dito dita com cabo de mar-
ino; o ni canudo de dita ; mu didal dito ; tuna
barra de prata com 86 oilavas; urna correte
de dita pequea; urna pequea iinagem da
i.oneeieai. de prata ; urna corrente de prata
mais pequea ; tres annrldes pequeos de ou-
ii.; urna liga de |,rala dourada ; pequeos ob-
jectos de ouro com duas oltavas ; um i elogio
com tranceln! de ouro; dous amiele crin
diamantes; dous ditos pequenos ; dous pege-
nos pares de brincos ; urna imageiu da Srnho-
r. itai dos-IIomen; duas Imagen do Senhor
Crucificado, uma pequea e outra grande;
ou. Santo Antouiu eoui o menino Uros; nutro
diio pequeo sem dito ; dou pare de vellas
de prata; I porcao de registos ; urna porco de
cima .iin.ii ella ; I corte de cutete de se.iiiu j
felto; I cabaclnho com chumbo ; I guardasol
leieda nova; duas mantas, uma porcao de
Piros e rendas em rrtalhos; uma pee i de nia-
dapnlo; um resplandor de prata pequeo ,
um santo Onofre pequeo ; um menino Deot
pequeo ; um par de penies de travessa de xi-
fre; tres pentes de cabrea para senhora ; tres
pentes de pentearcabellos um alburie peque-
o com diamante.
MELHOR EXEMPL


Avisos martimos.
j^. Para Baha
geeneemoiicnsdias o hiate nacional /./-
geirn, pregado e forrado ri-centemente de
eobre:quem quizer carregar, dirija-so
ra do Viga rio, n. 5.
__Para o Rio-ne-Janeiro se-
gu, com a rrnior brevidade pos-
Siyel, a po ac nacin il OCieda-\ -- A abaixoassignada.cm vi
de-Feliz: quem m mesma qu- !0.!?^^PjSH!
zer carregar, ou ir de passagem,
dirija-se aos seus consignatarios,
Olive.ca lrm3os& Compjnhia, na
ra da Cruz, n. 9.
Pura o Rio-de-Janeiro segu impre-
terivelmente, no da 17 do corrente, o bri-
gue brssileiro Venus, por ter parte do seu
carregamento promplo : para algum resto
de carga, passageiros e escravos a frete,
qiieiram os pretndanles dirigir-se ao es-
criplorio da viuva Guadino & l'illio, praci-
nhadoCorpo-Santo. n. 66.
Segu viagem para o Rio-de-Janeiro,
at o dia 13 do corrente, a barca americana
Conrad; tcm excellentes commodos para
passageiros : os pretenden,es dirijam-se ao
acriptorio do Malheus Austin & Compa-
nhia, ra da Altandoga-Velha, n. 36.
--Aveleira escuna nacional Emilia, de
que hocapilflo e pralico Antonio Silveira
Maciel Jnior, deve chegar do Para poi
estes das, para onde vollar com esca-
la pelo MaranhSo, com a manir brevi-
dade: quem na mosma pretender carre-
gar, ou ir de passagem, dever euteiider-se
com J080 Carlos Augusto da Silva, na rus
di Cruz, no Recife, n. 13, armazem.
O hiate Novo-Olinda seguir para o
Cear a 15 do corrente, por ter quasi promp-
tooseu carregamento : para o resto e pas
sigeiros trata-se com o mestre do mesmo,
Antonio Jos Vianna, ou na ra da Cadeia-
Velha, n. 17, segundo andar.
- Para a Rahia salte em poucos das o
hiate nacional San-Joio, pur ter parte de
sua carea prompla : para o resto trata-se na
na da Cadeia, armazem 1I0 finado llraguez,
ou com o mestre no trapiche do algodiio.
-Para o Rio-de-Janeiro segu com toda
a brevidade o hrigue nacional iotefina :
quem no mesmo quizer carregar ou ir de
passigem, trate com Domingos Rodrigues
de Andrade, no Trapiche-iXovo, n. 4, ou
com Jos Carlos Ferreira Snares Jnior, na
ra da Cadeia do Recile, ou com o capitn
do mesmo, Muros Jos da Silva.
Para o Rio-de-Janeiro sahe, com min-
ia brevidade, o patacho nacional Curioso,
eapito Domingos Antonio de Azevedo, por
se achar com parle da carga prompla : para
o rstanle; paasageirose escravos a Dele,
trala-se com o mesmo capitn, ou com l.uiz
Jos deS Araujo, na ra da Cruz, n. 33.
Para o Kio-de-Janeiro
segu em poucos dias o patacho
nacional Amizade-Constanle, poi
ter parte de sua carga prompta :
para o resto da carga, escravos t
passageiros, trala-se com Macha-
do & Pinheiro, na ra do Vgario,
n. I9, ou com o capito a bordo
do mesmo patacho
PARA A CIPAIiE DO PORTO,
segu o brigue portuguez Oom-Pmlor.rece-
he carga a frele e passageiros,para os qtiaes
olTercce excedientes commodos: os pretn-
danles dirijam-se ao capnrfo, Jos Comes da
Silva, ou a Bailar & Oliven-j na ra da Ca-
deia-Velha, armazem, n. 12.
--Para o Rio Grande do sol sahe com bre-
vidade o brigue nacional Marianna, capitn
Jos Dias Corris da Silva : recebe pequen
por^So de carga a fele e escravos : quem
pretender embarcar, enlenda-se com o ca-
pitflo, ou com Manoi 1 Ignacio de Oliveira
na prc.a do Commercio, n. 6, primeiro
andar.
~ Vai sabir impreterivelmente sexta-
feira, 13 docorrenle,para o Rio-de-Janeiro,
o brigue racional San-Jote: mi recebe algu-
iinis encommendas, escravos a frele, o con
bous commodoa para passageiros : quem
pretender ir, dirija-so atrs do Corpo
Santo, n. 06, ou au eapito Jos Ramos de
Souza.
Vende-se o patacho ameri-
cano Romp, de lote de 126 tone-
ladas americanas, forrado de co-
b e, muito veleiio e prompto para
seguir qualquer viagem os pre-
tendentes dirijam-se aos consig-
natarios, Ilenry Forster & C. na
na do Trapiche, n. 8.
na cidade do Para, oflVrece o seu presu-
mo a todas as pessoas nacionaes e eslran
ge ras, e mesmo a qualquer capittes ou en-
oai regados de embareacOes, para Ihe servir,
de g lia em saus afazeres nesta provincia ;
li'-m romo para dar entrada as estarces
competentes las embareacOes, tirar pasa-
portes, (ixar navios e po-los corrontes a se-
guir sua derrota : ludo por mdico estipen-
dio, regulado em proporcSo de seus afa-
zeres.
virtude do an-
seinlii no Dia-
rio do dia 9 do abril, scientilica, por meio
dcstea qualquer pessoa a quem ejte possa
i ntiv essai-, que o seu costume tem sido sam-
pre de quando manda buscar qualquer cou-
si para amostra por seuaescravos, vfloel-
les munidos de penbores, o que mesmo nSo
podor negar o dito Sr Hardy, que se man-
dando em dias do mez prximo passado
buscar uns pares de brincos para amostra
por um escravo anligo na casa, osle foi a-
companhado de um penhor bastante valio-
so ; a vista disto ji devia o Sr. Hardy estar
exemplificado, para nao deixar que urna
preta aquem elle desronhecia-a, tanto as-
sim que fez exigir que a preta fosse ver ou-
tro escravo da casa que Ihe fosse condeci-
do, o que a preta fingi, voltando para casa
da annunciante entruu a titulo de ver se Ihe
podiam fazer urnas costuras, e volUndo foi
lera luja do Sr. Hardy,dizendo-lhe quo nao
havia portador em casa que podesse vir na-
quella occasiilo, e rom isso foi fcil em Illa-
diraoSr. Hardy, do que a annunciante nao
pode ler a culpa: em quanto querer o dito
Sr. Hardy bazear-se em que a preta Ihe ha-
via dado relaeiVs de cortos simunes da fa-
milia, pois poda a mesma estar hahilita-
daa dar a oulras pessoas que tivessem
grandeamizade com a familia da annunci-
ante, quanto maisadarao Sr llardy.com
quem nSo tem tido a annunciante nenhuma
relacRe qualquer, era muito bastante, inda
n.lo Ihe respondendo direilo a preta.Auna
Hara Muni*.
Socedadc Apollinea.
A direcc.no convida aos Srs. socios para |
romparecerem em assembla geral da socie-
dade, no dia 20 do corrente, pelas 5 horas
la tarde, afim de su tratar de negocios
transce lentes ; por isso espera que mo
deixem de comparecer. Advertimlo, porcm,
que aquelles socios que n1o se acliarem
quites para com a sociedado at o lim de
marco corrente, deixar.lo de lo-nar parte
em toda e qualquer delib-rac3o ; fie 111 lo
como tal considerado illiminado da mesma;
chaman lo a altanero dos mencionados se-
nhores, a ilispiisi(3o clara o positiva do
ait. 8 dos estatutos.
>
'5
Leiiao.
OleilSoda mnbllia do tinado Sr. vice-
cnsul Goring, annuneia tu para II do cr-
tenle, fioa transferido, etera lugar em | ro-
sones do lllm. Sr. cnsul de S. M B. no
dia segunda-leira, 15 do crreme, s 10 ho-
ras em ponto, no respectivo consulado, ra
do Trapiche-Novo.
Avisos diversos.
Ridgway Jamieson & Companhia la-
zem publico que, lendo de fazer una via-
gem h Inglaterra o seu socio Roberto Ja-
mieson para traa* je sua sade, teem cons-
tituido por seua (bastantes procuradores,
durante a ausencia do mesmo, os Scnho-
les Frederick Itobilliard e James Ashton.'
-0 Dr. Muller relira-se para fura do im-
perio.
P. de-se ao Sr. S. F. M. S. da guarda
nacional, que baja de ir pgar o importe d
cunta das barretinas; do contiano, tera
de ver o ceu nome por extenso.
Aviuva do fallecido Manoel Ferreira
Deniz faz publico a quem.se julgar credor do
nieauui fallecido que baja de entregar sua-
tontas no p'razo de tres dias, para assim se-
ren levadas no inventario que. esta proce
deudo.
Vende-se urna casa de tres andar
sita na travessa do Queimado, n 1 : a Ira
lar na ra da Cadeia-Velha, n 3.
Jos Joaqun) llamos Villar, residen!'
Precisa-se de um feitor pa-
ra engenho, preferindo-se csa-
lo, e que traga idnea informa-
cao de sua conducta; timbem se
precisa de ollici.-.es de carpinteiro,
para trabalharem fra desla cida-
de : na praca do Gorpo-Sanlo,
n. 1.
-- Para sn rodr fazer umjuizo ajustado
da hon eco atina, pode-se ansSrs que cu-
ra m por este ajbanla de dechrar as iies-
oas qu teem cura'o, eassuas moradas;
assim como os que Ibes teem morrido : la-
to precita saber UHl que deseja decidir por
liie systema se deve tratar.
Miguel Archanjo Mmitciro de Andra-
de embarra para o Rio-de-Janeiro o iseu
escavo pardo, de nome Justino.
Troca-se um escrava de meia idade,
por nutra de 10 a 12annos, propna para se
educar: na ra do Sol, n. 9, se dir quem
faz este negocio.
~ Precisase de um caixeiro que tenha
pralica de venda : na venda da esquina que
vira para u Hospicio, defronte da matriz
-- Pedf.se ao Sr. J0S0 Deodato Human o
favor de annunciar a sua morada, que se
Ihe deseja fallar.
Quem precisar de um caixeiro para
venda, do que tcm bastante pralica deste
negocio, dirija-se a ra do Cabug, loja de
4 pollas.
-- Sohafieillin iToblerembarcam para a
Rahia oseu escravo Antonio, da libelo Ca-
bunda.
- OfTereca-se urna mulher para o servi-
rlo interno de una casa de pouca familia, a
qual cozinha e engon mi : quem de seu
presumo se quizer ulilisar, dirija-se ;> ra
da Conoeicflo, n. 37.
Alugam-se, ou vendem-se duas d-si-
nhas, na estrada velna da Capunga, em
chflos proprios, com bom quintal eeacim-
b* de boa agna de beber, as quaes icam
em frente dos fundos do sitio do Sr. Jos
Snares de Macelo, e do quintal do Sr Ono-
fre Jo.- da Costa, o que se acliam livres e
desembaracadas: a tratar na Lingota, ta-
berna n. 3.
Francisco de Paula Pires Ramos, como
le.'tanenloiro do fallecido Sehastiflo Joa
de Oliveira Macedo, e inventarame de seus
hens, esta procedendo ao inventario pelu
juizo da primeira vara do civel, pscrivS
Cunha : por isso roga as pessoas que forem
oiedoras do fallecido, se habiliten! para se
rem attendidas, e o annuncianle Ihes podo>
pagar. 0 nieamo annuncianle he a nica
essoa competente para receber as dividas
do fallecido, e roga aoa devedoros que com-
parecam. afim de pagarem, para nflo pas-
sarcm pelo dosgoslo de seren demandados,
p las ciicumstanciaa assim o exi^irem.
-- Um mogo brasileiro se ofTerec para
ser caixciio de qualquer urna casa de nego-
cio, ou para caxeiro de roa, ireferindoas
Casas de eslraugeiros, e da fiador por sua
Oui'iduca qurm do seu prcatiio au qui-
zer ulilisar annucie a sua morada, ou iliri-
ja-ses Cinco Puntas, 11. 42, primeiroau-
iar.
A pessoa, que encommcndou na loja
de louca da ra dollangel, n 30, rem ca-
cos de saputy, queira ir rece be-Ios pois
J>ae acbam promplo de ha muito ; cerlu
n',UrA S0Porl0,, o resto da semana os
nflo ror buscar, aerflo vendidos a oulrem.
"a Sn' rewrndo Jollo Herculano Co-
mes do llego, morador no termo de S.-An-
tflo, queira mandar buscar um seu escra-
vo crioulo que a ppareceu no engenho Pau-
hsla a procuia de quem o comprasse, Qcau-
locortoqueopropnetano do mesmo en-
genho, nSo se responsabiliM pe|a rua
Traspassa-se o airondaineniu de um
engenho de boas Ierras de producac-, por
prego lasoavel: lamber se vendeqi os per-
lences do rendeiio, son 'o animaos do roda,
muito bons o gordo*, poldros, lavouras e
safra a colher: os preter lentes, dirijam-se
ra estreita do Itn7.11 n, n. 32, que se di-
r quem faz este negocio e se darSo todas
as informarles.
Ueseja-se saber quem he nesta praca o
procurador, ou correspondente da Sra viu-
va do fallecido Francisco Gon;alves da
Rocha, a negocio que lln diz respeito : na
ra do Crespo, fojan. 10.
J0S0 Antonio da Ponte retira-se para a
Europa a tratar de sua sade.
Aluga-seo sqgundo andar da casa, n.
12, da ra do Calieireiro, por cima do es-
criptorio do Dr. Ibiapina : a fallar com Joa-
qnim FsperdiSo da Silva CuimarSes' no
mesmo escriptorio.
Precisa-se deaum alfaiate para oceupar
o lugar de contrameslre, e que saibi des-
empenhar bem o seu lugar : nSo se duvida-
r dar boa paga : na loja de alfaiate da ra
da Cadeia-Velha, n. 16.
--Offerece-se urna pessoa para ama de
casa de homem solteiro ou viuvo, a qua
Cozinha o diario de urna casa eentendede
costura : quem pretender, dirija-se a tra-
vesea da Bomba, casa terrea, n. 1
~A directora do collegio de meninas, que
morava na ra Nova, declara ao publico que
ja principiou com os seus trabalhos desde
o dia 3 do crranlo : quem com ella preten-
der fallar, dirija-se ao seu sitio na estrada
nova, que fica confronte ao sitio do Sr. Mi-
guel Archanjo, ou do Sr. Antonio Domin-
gos Pinto : na ra Nova, luja de trastes, lla-
vera pessoa para ensinar o mencionado
sitio.
Precisa-se de um rapaz do 12 a 14
annos para caixeiro de venda : quem se
achar nestascircumslancias, dirija-se ra
d 1 Cadeia do Recife, loja, n. 43, que achara
com quem tratar.
Constando ao ahaixo assignado que a
Sra I). Joaquina Ignacia Mavignier, viuva
do Sr. Jos Alexandre Ferreira, esta ven-
dendo e pretende venderos hens do casal,
e como nao convvnba ao abaixo assignado,
como administrador de sua mulher I). An-
ua Candida Ferreira, ser lesado, protesta
contra a referida D. Joaquina e todo a-
quelleqne comprar ditos hens, visto que
est.lo por in diviso, e por nSo se terem an-
da inventariado a dado a partilhas. Ui-
guel Ajjoii-i Ferreira.
Roga-se a rmandade da m ilril de S.-
Antonio que tonlia a bondado de dar
as providencias para ter um saorislilo pes-
soa que saiba tratar as pessoas, a nlo me-
ninos que passam a maltratar as pessoas
que vito a i ..-reja a qualquer exigencia, pois
quo urna matriz dove ter urna pesssoa de con-
sideradlo para as precisos que o povo tem
ubi iac,fo de as procurar, comu agente da
igreja. U mallralado.
Iloga-se ao Sr. J. S. C. que haja de
vir tirar o relngio que se acba empenbado
na ra do Roza se passou o trato ; do contraiio,ser vendi-
do para embolen do pagamento.
Roga-se aoSr. Jos Ceraldo de Lima
que baja de apparecer na ra eslreita do Ho-
zarlo, n. 16, a tratar de negocio que nflo
ignora, pois ha minio seo manda cham
e Hilo cumpa loco.
-- Precisa-se alugar um preto para o ser-
vico de casa de um homem solteiro: quem o
liver,dirija-sii ra do Trapiche-Novo,n 18,
primeiro andar, das 9 as 5 horas da larde.
OITereee-se un;a pessoa para cobran-
za de dividas dentro da piuca, dan le lian-
c.i neressaria : quem pretender annuncie,
ou dirija-se roa Nova, n. 8.
-- 0 Sr Alfeies los Cavalcante que mora
om um sitio Tora desla praca, queira fazer
o favor quando vier ao Recife dirigir-se a
roa do Queimado n. 30, que se Ihe deseja
fallar.
--Penleu-so um chicote pequeo appare-
Ihadodc pralaj usado, da l'.a-Visla aic
Sanla-Annaiquem oachar e quizer restituir,
diiija-sea praga do Corpo-Santo, o. 11,que
se gratificar.
-- OfTciece-se um Portuguez para cai-
xeiro de cobranzas de ra, ou para turnar
conla de urna venda, ou para qualquer es-
tabeiecimenlo, para o que dar liador a sua
conducta : quem de seu presumo se qui-
zer ulilisar, dirija-se ra da Cadeia de S -
Antonio, n. 2, taberna, ouannuncie.
-- Precisa-se de um caixeiru de 12 a 14
annos: na ra do Livramento, loja decal-
cado ao p do nicho.
-- Aluga-se, porprcro comrrodo, o quar-
to andar do sobrado da ra da Alfamlega-
Vclha, n. 44, proprio para homem solteiro :
a tratar no armazem de Polycarpo Jos
l.ayme, na mesma ra, n 9.
Avisa-sa ao Sor. Joaquim de Arag.lo
Ebla, procurador do Sr. Flix Manoel do
Nascimenlo Valoy, que a chave da casa da
travessa do Cal leireiro, em que morou o
Sr. Jnflo Itibeiro de Urilo, acba-se em po-
der do fiador do mesmo Brilo, a qual nao
se eniregou por se ignorar a morada do dito
Sr. Ebla, o que se faz publico, para senSo
pagar maisaluguel.
-Thomaz Fernandos da Cunha, subdito
portuguez, retira-se para Lisboa a hom de
sua sade, levando em sua o iiiipuihi.i sua
senhora, Joanna Victoria d Brilo da Cu-
nha, e seu lilho menor, Thomaz Fernandes
da runfia Jnior.
Aluga-se o segundo andar do sobrado
da ra du Itangel, defronte da botica : na
ra do ''abug, n 1 G, loja de 4 portas.
Na ra Nova, loja n. 58, se dir quem
da a juros quaiiliasde 300, 400, 500 e 600/
rs sobre hypoiheca em casas terreas.
Prerisa-se muito saber noticia do Por-
tuguez J0S0 Minios fumares, que venda
ou vende fazendas na freguezia da EscaJa 1
na ruano Livramento, n. 34, loja
-Deseja-se arrumar de caixeiro de al-
gum bom estabelecimento um pequeo
basileiro, de ptima conducta, e quo pres
tara fianra, so o exigirem : quem o precisar,
anuncie,
Antonio Marinbo Paes Barrete embar-
ca para o Itio-de-Janeiro a sua escrava par-
da, do nome Kiphruziiia.
Fui tara m, no dia 8 do corrente, urna
Linterna lisa com castifal de casquinha li-
na : roga-se a quem r ofterecido o favor
dea appiebender e levara ra Augusla,
n. 32, que sea recompensado.
--Manoel Duarte Rodrigues, legalmenli
autorisado por Manoel Jos Francisco r
Quiteria Mara, residentes em Portugal,
pai e mili, universaes herdeims do falleci-
do Antonio Jos Francisco Veigu, para pro-
mover a arrecadaeflo dos hens drizados,
convida aos credores a apresentarem suas
cuntas 11a ra do Trapiche, 11. 26, para so-
rom allendidos; e roga a lodos os devedores
de mandarem pagar seus dbitos, unirais
curto esspaco de temro, para poder dar
contas aos ditos herdeiros.
Quem quizer comprar urna prela criou-
la, muito boa coznheira, engommadeira,
e que cose soffrivalmente, dirija-se ra
Nova, n. 52, segundo andar.
Na ra das Cruzes, n. 40, venda de Do-
mingos da Silva Campos, ha bichas ham-
hurguezas para alugar e vender, tanto a
retalho como em porfo : por prego com-
modo.
Di-seati-a quanla de 300,000 rs. a
juros sobre penbores : na ra estreita do
Itozario, n. 22.
Precisa-se de urna mulher cipaz para
ama do servico interno de urna casa de puu-
ca familia! na ra do Queimado, n 32,
loja.
Joaquina Mara da Conceic3o, Brasi-
eira, vai a ilha de S.-Miguel a tratar de
sua sade.
Precisa-se do um homem que saiba
trahalhar em um sitio perto da praca : na
ra Nova, n. 26, primeiro andar.
Ao publica.
A pessoa quo se julgar em Pernambuco
ter sido rnuhado pelo Portuguez Francisco
Jos Dias, queira declarar pur esta folha.
Precisa-se de 1:300,00o rs. a premio,
por lemto de um a.ino, dando-se casas ter-
reas nesta praca de hypoiheca : quem qui-
zer dar, annuucie por esta folha.
-- Precisa -se de um bom am issador : as
Cinco-Pontas, padaiia defronte da forta-
leza.
Precisa-se de um caixeiro quo tenha
pralica de venda : na Lingota, n. I.
Aluga-se a loja do sobrado da ra Bel-
la ; urna casa lene:, ; e a loja do sobrado
da ra de S.-Francisco, com cinco quarios:
a tratar no mesmo sobrado
Aluga-seosegundo andar do sobrado
n.86, na ra de Agoas-Verdes : a fallar na
pi-.ii.-a da Independencia, n. 26, loja.
Furto.
No dia 6 do corrente, as8 horas da noi-
te, um preto gauhador furlou do porto das
cumas da ra Nova, u..i bahuzmho de fo-
lha pintado do azul, cnulendo 3 imagens,
urna do Senhor Ciucilicado, outra de S-
Amia, e outra de S.Antonio, estando esta
ultima paramentada de ouro ; bem como
um espellio de moldura dourada e algumas
camisas de homem, loilhas, ele : quem de
tal furlosouber, l'ara o favor de aprehnde-
lo e participar na ra do Collegio, 11. 16,
segundo andar, o mesmo so rogd a todas as
autoridades policiaes.
I'i eci.sa-.se, no sitio da tra-
vssa do Remedio, n. ai, de Cae-
tuno Pinto de Veras, de ciuatro
pessoas torras ou captivas, para
trahalliarem de srvenles de pe-
de G^o rs.
quem quizer, dirijd-.se ao
mesmo sitio.
--Prcoisa-se de um leitor que saiba tra-
tar de borla, pomar e enchortar : na Mag-
dalena, estrada da Torro, n. 78.
-- Fligio, da casa da ra do Sebo,'n. 36,
um periquito: quem o pegn, querondo JrdaiVi'ni cVe"peso,"e"de ouTrs quVidades;
dreno,
diarios .-
com a
paga
quizer,
Na ra da UniSo, n. I,
vendem-se, por preco commodo.as obras.se-
guintesem francez: Les moralistas frn-
cois Pascal, l-arsche foucault, l.abruyre,
Vauvenirgue ; Essais de Montaigne ; mu-
vre de ilabelais; anquelil, histoire do
Franco; Thiers, histonra del revolilion
rVancaisc ; La Martine, iflsloire des Giron-
dns; p. Corneille, oeiivras comoletes;
Hacine, CBUvres completes; Maltnbrum.
geographie universelle; Berzlios, traite
de cliimie, ultima o lioan ; Cluptal, crii-
mie appli^uieaux arta ; Mirch ingy, la au-
la potique ; Rogron, les cinq oodes frail-
eis expliques; Napolen Lindiis. diciio-
nare des dctionaires.
Vende-se urna preta de 20 annos, com
urna filhade 10 mezes, e que tem muito c
bom leite, por isso ptima para criar umi
chanca, e tambero engomma o cozinha,
tudo muito bom : nrua do Collegio, n 21,
primeiro andar.
Al lenca O !
aos benemritos
Vendem se ricas dignaiarias do ouro,
commendas da Rosa e de Cluisto de ouro o
de prata,hbitos da roa e de Consto lodos,
de ouro : na ra do Crespo, loja n. 10.
Hretaiihri ministro!
a 2,000 rs. a peca.
Na loja n. 17, da ra do Queimado, ven-
dem-se 1 i'i'i- de Pretinilla de rolo, minio
lina, que teem quasi cinco palmos de lar-
gura o com 9 varas, a 2,000 rs., fazenda
propria pan toalhas, tences e camisas da
senhora.
Estrella.
Vende-se superior bolacbinha estrella, a-
guada, mui propria para doentes, por n.lo
conler em si assidos e ser de boa farinha :
na ra Direita, n. 79.
Agencia de Edwia HJaw.
Na ra de Apollo armazem n. 6, de M. Ca'-
miuii v c.oiupaiilna. aclia-se constantemente
um grande sortimento de ferragens inglezas
para engenhos de fabricar assucar, bem
como laixas de fero coado e balido de dif-
iranles tamanhos e modelos, moeodas
de dito, tanto para armar em madeira como
rodas de ierro para animaos e agoa, ma-
chinas de va por de Pirca de 4 oavallos, alta
pressSo, repartideras, espumaderas, etc.
de ferro eslanhado. Na mesma agencia adia-
se um sortimento de pesos para balanzas,
escovins pai a navios, ferro em barra, tanto
quadrado como redondo, saira para ferrei-
ro c urna porrino do tinta verde em latas:
ludo por barato preco
Vende se por pre^o muito favoravel aos
compradores,na loja de Victorino &Ciumares,
ra do Ilosario larga, 11. 11, amigamente ra
dos Quarlels, o soriimento seguinte :
BiCoa de lintio largos c eslreitos ; ditos pre-
to-, a 40, 60,80 e KiO rs. a vara ; lilas de seda li-
zas e lavradas, assim como de velludo e de ou-
lras qualidades e cores; ditas de laa, algodao e
liuhp; um caiao com ferragens para inarc-
ueiio; Irocos de cores para vestidos de festa;
toalhas arrendadas de llnlio do Porlo; babados
largos e eslreitos ; trancellns de rctroz preto
para debrmis de obras; tranca de laa de cores;
franjas de borllas e ligas de cores e brancas;
Hutas de novellns brancas e de carriteis, de 100
e '00 jardas, de ns. I(i a 1-20 ; dia de miada de
leva-loa 1 esma casa, sera generosamente
recompensado.
Aluga-se o segundo andar do sobrado
alias da matriz da lina-Vista, n. -26, muito
fresco, e cun bastantes commodos: a tra-
tar 11a mes lia ra, 11 9.i.
Precisa-se de um foilor que trabalbe,
entenda de hurla, arvoredos e vacoas : na
Magdalena, estrada uova,
porlode ferro.
--Precisa-se alugjr urna preta que sai-
ba lavar, eugommar e coser, paia urna casa
eslrangeira : na ra do Torres, n. 34, das
11 horas da mantilla as 3 da lano. Na mes-
ma casa la 11 bom se precisa alugar um pre-
10 que i-i:l nula do semen interno e de tra-
tar do cavallo.i.
Precisa-se alugar um preto : na ra da
Ca leia de Santo Antonio, n 13, na loja.
Compras.
Comprase urna casa terrea, com pre-
ferencia em S.-Antonio : na ra de Apol-
lo, 11 n, se dir quem compra
Compra-se a Historia natural por Milol:
na ra do Queimado, n 7.
<;..n.piaui-so gairafas e monis ditas, ja
servidas, a 6,000 rs, o cenlo : no pateo do
Carmn, 11. 2, venda nova.
Vendas.
Manijo ecozinheiro.
Vende-se um escolente escravo, boa fi-
gura, moco, sadio, bom cozinheiro, marojo
e mergulhador: na ra do Crespo, loja
n. 9.
VENDEM-SE
corles de casimira de corea, a 4,000 rs. ;
cambraia franceza, a 160 rs. o covado; co-
bertores de iil'.'nilaii.a 1:00 rs..-ditos de lila, a
1,400 rs.; piedla azul, a ISOra. ocovado ;
pecas de zuarle da India com qnalro palmos
de largura de ai covados. a 4,800 rs.; e ou-
na
dilas de miadinf preta de lustro, assim como
carriteis de relio/, e ludirs de cores de todas
as qualidades ; dilas de marcar ano. e encar-
nadas ; cordoes para vestidos brancos c ditos
grussos proprioa para corddes de frade ; ataca-
dores de soda para borzeguins ; luvas de pelli-
ca, e de seda e laa para senhoras, a 3o0 rs ca-
da par; ditas de lit para menina a llin rs. ;
meias de algodao azucs e hrancas de linho para
primeiro Sllio de ; bomeiii estampas de regislo de diversos no-
incs a 10 rs.; ditas em (|uadros com vidros gran-
des e pequeos ; agullias linas frauccias de ns.
P2, 13 e I-i, e dilas curial para alf.iiate, assuu
como prnles de tartaruga de......al 1; ditos de
marfim para tirar tendeas ; ditos de coco e de
alisar pretOS, de cores, de baleia e 1 Inl're ; pen-
as de ac e canelas finas ; ditas de lapes ; ca-
nelas de metal o cores ; caixinlias de alunlos
para costura ; botes de madre-perola prctos,
iii.inc.is e cor de leite,assim como ditos com
p para vestidos de senhora, brancos c pretos
comdouiadii emroda; ditos de ouro francs,
grandes c pequeos, de dilTerentea padides ;
aderr;os de vidro e filigrana, e briucoa prctos
para lulo ; abotoaduras de massa ; vetudo ; pe-
dral ou louzas c crco para ese-rever ; abotoa-
duras de vidro, du raque e seda ,- masaoa de al-
jofares om lina; botes de berlura pretos e de
coi es de multas qualidades; um sortimento de
rosarios, bentos o cruits ; carleiras de marro-
quim com chave, de mola e sem ella ; chaves
para relogios; bonetes de panno e chapeos de
castor prctos; trance Hus de borradla pretos e
de cores; caitas de massa para rap linas e or-
dinarias; ditas de bfalo e baleia ; tesouras linas para costu-
ra ; dilas para uuha e dilas mais ordinarias;
espedios douradus de parede ,' agulhas grossas ;
chapeos, dedaes de metal e duurados finos; es-
tojo! de navalhas finas e entre linas; phoapho-
ros de caixinlias; ditoem inassiulios eem caixs
de madeira ; papel de eflr para capa de livros,
e dito al 1n.11, ,1 e de peso para escrever ; graixa
n. 97 d< vi id don.1 e dita em n uniros, som-
bras de corea dill'erentea; millao brauco e ama-
relio ,- obreias ein caia linas c ordinarias; cal-
as de tartaruga francesas ; occulos de aro pre-
to para senhoras e de grande armarao de aro
de metal. pds finos de denles ,- tesouras de
atfcar luz; pavios para candeeiro; linteiros
de vidro azues com lampa ; itos de vidro
branro: vldrns de tinta franceza para riscar;
argolas para cortinados ; livros para as senho-
ras marcar; eacovas para domes, ourives e
roupa ; voltaa de coraes amarellos e de cures
linos, para pescoco; botdes grandes cor de leite
tras muilas fazendas por barato prego
ra do Crespo, loja jn. 10, de Viuva Frailas para sobre casaca e calca ; hveirasde estauho
e prateadas linas, para coz de calca e coletea;
lacre tino encarnado ; boiea de metal nr-ncos;
clcheles francspretos e brancos, dos bati-
dos; platias de retro/, preto para olPi.ial e sol-
dado e botes de dido dito ; rap princesa do
Rio; gasse fino; dido meio grosso e grosso.
._ Vnn.tp-.iaft um mnlpnnp da I ti .nnno
Guiarlas.
Vendcm-se lijlos para limpar facas, a
f 1.00(1 rs. a duzia ; conservas inglezas, a
n.iii o i-, a du/ia: un armazem que foi do
fallecido Braguez, perlo do arco Ja Con-
- Vendem-se bustos de gesso represen-
lando nelmeiite a ra.nha V.c ona e o prin- J d condUcta ; urna ncgrinhi da
^SL^^S^K^ -5 -d0
logiosque sao mui bem ac.bados.se lor. Collegio, ... 21. pr.meiroandar,
nam muito recommendaveia a qualquer! |'ai' ||ha il lUilll (1 OCa.
particular, e adverle-se que ha entre alies
Igunsquo andam 8 dias sem precisarem
de corda : na ra da Cruz, no Itecife, n. 55.
Vende-se um grande sitio no lugar do
Manguind, que lira defronte dos sitios dos
Srs. Carnoiros, com grande casa *de viven-
da, de quatro agoas, giande senzalla, co-
cheira, estribara, baixa de capim que sus
Vende-se farinha de S.-Catharina, muito
superior, por prero commodo : a bordo do
br>gue ConceicSo Tundeado na volta do For-
lo-do-Msttos, ou a tratar com Manoel a I ves
Guerra Jnior, ou na ra Cadeia do Reci-
te, n. 38.
Vende-se um alambique de cobre, em
lenta 3a 4 cavallos, grande cacimba com meio uso, com serpentina de estanto fino,
bomba e tanque cuberto para PanIm, bas-'. levando a caldeira 50caadas, e elevando a
tantos arvoredos de fruclo : na ra da Con- ago'ardenle a 36 graos na piimeira destila-
cordia, primeiro sobrado novo de um andar jilo: acha-se montado para o comprador
- Veudem-seamarras no tarro: na ra ver, eda-se por preco commodo: noAter-
Ja Senzalla-INota, n. 42. ro-da-Uoa-VisU, n. 17, fabrica de licores.
LAR ENCONTRADO


4

i*
Vendem-Se duas escravas mogas, am-
bas comera, e que cozlnham um tud"" e
engnmmam-: bfti como um sitio na Capun-
ga, com diversos arvoredos ; um terreno
por detrs de S.-Congalo, na ra dos Pra-
zei es -. tuilo por < ommodo prego, or haver
precisio: no A cny-ia-Boa-Vista, n. 61,
luja de ourives.
Bom c barato.
Na ra do Passeio, loja nova n. 9, le Al-
bino Jos l.eite, vende-se madapolto fino,
com palmos de larguri e com pequeo lo-
que de mofo, ao bara'o preco de 2,800 rs. a
pees, e a rctalho a 160 rs. ; cortes de cassa-
chita, padroes modernos, a 2.800 rs. o cor-
te" ; riscadinho de linho a440rs o cova-
ilo ; dito de algod.lo, a 200 rs.; pello do dia-
bo muito encorpada, pelo barato preso do
.160 rs. o covado ; chitas de cor seguras, a
160,180, 200 e 2*0 o corado ; chapeos de
sol de panninho, a 2,800 rs.; o nutras omi-
tas fazendas por prego mais commodo do
queem outra qualquerloja.
Gaz.
bre, ditosportuguezes para panella, latas
com 2o4 libras de marmelada, ditas com
bolacbinha de Lisboa, ditas de sardinha, di-
las corr hervilbas, frascos com conservas
inglezas, queijos de qualba vindos do- Cea-
r, por barato preco, mantas de toucinho
inglez de fumeiro.de 7 a 8 libras cadauma,e
cutros muitos gneros de boa qualidade :
na ra da Cruz, no Recife, n. 46.
Contina-so a vender na destilago fran-
reza na Iravessa da Concordia, gaz e pa-
vios para candiciros de dilo : tanihcm se
ronccrlam e limpam-so ditos candieiros.
Moendas superiores.
Na fundigSode C. Starr & Companhia',
emS.-Amaro, scham-se venda moendas!
docanna, todas de ferro, do um modelo ePai'glo I10VO A 5,>00 l"8.
Vendem-se sarcas grandes com 3 arro-
I lias de farelo, chegadas no uliimo navio
. de llamhuren : na ra do Amorim, n. 35,
Vendem-se riqiussimas golas c pescoc-' "", ,ST. '" j"ior
olios para scnbora, pelo diminuto preco de r
Potassa da Russia.
Vende-se superior potassa da Itussia, da
mais nova que ba no mercado, por preco
commodo : na ra do Trapiche, n. 17.
Deposito de Potassa.
Yende-se muito nova potassa
de boa qualidade, em barriszinhob
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
tempo se nao vende: nc tfecife,
ruada Cadeia,armazemn. 12.
Vende-se superior farinha de
trigo da marca SSSF, chegada l-
timamente a este mercado : a tra-
tar com Manoel da Silva S no ar-
mazem do Annes, no caes da Al-
fandega.
coii!>lrucco muito superior,
A ellas, a ellas.
:>,000 rs. cada um : na ra do Queimado,
n'. 9.
ptimo arroz rilado g
o branro, o
& vende-se por preco commodo, em
O saccas ou a rctalho : na rua da Cadeia O
O do Recife, n. 1, armazem do mo- O
-J I hados. O
Arados de ferro.
Ovas do serian.
Vende-se este exeellenle petisco: na rua
do Queimado. n. 14, loja ,de ferragens.
Novo sor timen to de fa-
zendas baratas, na rua
do Crespo, n. 0, ao p
do lampea
Vende-se cassa-chila muito fina, de bo-
nitos padrfips, cores fizas e cm 4 palmos
de largura, a 320 rs. o covado ; cortes da
dita a 2,000 rs. ; riscado d llstras de li-
nho, a 210 rs. o covado ; dito de algodfio, a
Vendem-se arados de ferro de diTe- 140 e 160 rs. o covado ; corles de bnm par-
rentes modelos : na fabiica de machinase do claro, com duas varas e una quaita, e
fundido de ferio, na rua do Brum, 1,600 rs.; riscados monstros, a 200 rs. o
i!. Rito i covado ; zuartf azul, a 200 rs. o covado;
'"'' chitas, a 160e 180 rs. o covado ; fuslio, a
TeCldOS de algOdO tran-,640rs. o corte ;cliales de tailatana, a 500
| rs. ; cobertores de algodfio americano, a
cado 'la fabrica de To-
dos-ns-San tos.
Na rua da Cadeia, n. Stt,
610 rs. ; e oulras niuitasfazendas por bara-
to preco.
Farinha de mandioca.
Vende-se farinha do Cear, em saccas,
' por proco commodo : na rua da Ciuz, no
vendem-se por atacado duas qualidades, iteciTe, n. 43.
proprias para saceos de assucsre roupa de: .. vndem-se 60 enchatreis de sedro
escravos. I proprios para eonsirucgilo de casas; ben
, bem
? $, }??*? >Jy &t^-&'**>' i* ciiiuii eavornasde sini| iia di' 14 a 16 pl
moa do comprimento : na rua do Vigario,
* n. 5.
""I Vende se cobre e melal amrrello para
forro de navios, pur prego commoilo : na
rua il i Madre-de-l)eos, armazem de J. V.
da Silva Barroca.
*
m
m
m
4*
i
*
i
Vende-se, por pceo com-
modo, cera em volas fabrica-
rlas no rlio-de-Janeiro ; fei-
jiJo imilalinlio em saccas
* grandes, milito inferior pa-
* em folhi para capas de cha-
rutos } dito mais interior pa-
ra miollo ; chapos do Chi-
le linos e entre-linos : nos
armazens de Dias Ferreira
e fallecido Bnguez, no caes
{ da Alfandcga, 011 a tratar
& com Novaes & Companhia,
2 na rua do Trapiche, n. 3:j.
*#$3SS *<* ***** p
Deposito da fabrica c
Todos-os-Santos na Rabia
Vende-se era casa deN.O. Bicber & C.
mi rua da Cruz, n. 4, aleodo trancado
daqueila fabrica, muito pioprio para saceos
de assucar, roupa de escravos e fio r roprio
para redes de pescar, por prego muito com-
modo.
da funi^ac Lo.v-Moory
BU.\ T>K 8KN7..U.T A- N*ste estabeecimento conti-
na a haver um completo sorti-
ment de moendas t meias moen-
das, pira engenho; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
toado, de todos os taannos,
para dito.
Novo sorlment de fa-
zendas baratas.
Vcndcm-s/ corles de cassa-chita muito
bonitos, a 2,000, 2.100 e 2,800 rs. ; risesdi-
nhos de linho, a 210 rs o novado; dilo de
algodfio muito enrorpado, pruprio para
roupa de escravus, a 14o rs o covado ; cor-
tes de briin Iiii co de linho, a 1,500 rs.
dito muito bom, a 1,700 rs. ; dito amarello,
a l.fillOrs. ; dilocom listrn n !gi)n> g 1,280
rs. ; cassas de cores muito bonitas, a 320
rs. o covado ; recados monsli os com qua-
tro palmse mel de largura, a 200 rs. o
covado; zuarle furla-cies, a 200 rs. o co-
vado ; pecas de cambr-ia lisa com 8 varas
e meia, a 2,720 rs.; chitas de bonitos pa-
drOes, a 160 r. o covado ; ditas minio fi-
nas, a 200,220,240, 260 e 280 rs ; lencos
de seda para algibei'a, 1,000 e 1,280 rs. ;
ditos para gruvbta, 1,280 is. ; eoutras mui-
rs fazendas por preco commodo : na rua
do Crespo, loja da esquina que volta para
a cadeia.
Vende-se. por preclsflo, urna bonita
crioulii.ha de 16 anuos: na rua do l.ivra-
meolo, n. 34, loja, se dir quem ven le.
Vendem-se bons queijos londrinos
ditos de prato muilo frescaes e de superior!
qualidade, presuntos inglezes para iam-loaba.
Cal virg^m de Lisboa.
Vende-se cal virgpm de Lisboa, por com-
modissimo pirro : na rua da Cadeia do Ite-
cife, n. 50, luja de Cunta & Amorim.
-- Na rua da Cruz, armazem n. 33, de 8a
Araujo, vende-se sola, Cooros miudos, s-
palos de mulo de luslro, cha Dos do pa-
Iba, esleirs, velas du carnauba pura do
Aracaty.
Zapatos do Araraty fcitos a ca-
pricho
Acabam de chegar do Aracaly urna gran-
de porro de spalos fcitos de eucori.nieii-
da, islo por ell'eilo de novas recommenda-
i,i'"'.i que para la se tem feilo ; porque os
que at agora tinbam viudo, notavam-se-
Ihes imperfeii,ro, a no cosido, j em for-
mas antigs e mesmo em corte: estes sapa-
tos depois de tintes e acostumados a boa
graxa cliegam a confudirem-se oom os de
de couro de lustro ; o seu prec,o sflo de
1,200 e 1,280 rs. o par ( dinbeiro a vista):
na rua larga do Hozario, o. 35, loja de miu-
deziis.
Aos Sis. decngcnbo
Mu rua Nova, loja de ferragens, n. 20, de
Joilo Fernandos Prenle Vianna, vendem-so
enxidas calcadas de?o : eslas enzadus se
lornam recommendaveis pela sua bAi qua-
lidade : a i lias, freguezes, pois eslio se aca-
bando. Tambem chegaram a mesma loja as
vi'Madeiras eolheres de metal de principe,
tantu para sopa, como para cha, leriiiiae
arroz.
Conlina-se a vender o superior algo-
dilo da Ierra, a 200 rs. a vara, em porfi, e
a retalho a 220 rs. ; bem como cobertores
de lila trai endos, pelo barato i reco de 1,600
rs. : na rua do (jueimado, n. 20, loja de J.
I. Tereira de Meudon^a.
Itom e barato.
.Vi rua do Queimado, viudo do Rozario,
segunda luja, n 18, vendem-se corles de
casimira, a 4 e 5,500 rs.; dilos de meia ca-
simira, a 2,210 is. ; ditos de castor escuro
e encorpado, a 800 rs. ; corles de brim (ran-
ado pardo de linho, a 700 rs. ; chales de
ia e seda, a 3,000rs.; ditos de seda, a 7/
rs. ; lincos de cainbraia de linho braucos,
a 5,500 rs. a duza ; p< (as de cambraia ada-
mafcadas paia cortinados, com 20 varas, a
10,000 rs. ;e outrus uiuitis fazendas por
precu commodo.
( hecbco.
Vendem-se um bom checheo e duas sa-
bias da malla : i o Alerro-da-Boa-Vista,
n. 56, loja de selli iro.
Farinha de mandioca
Vende-se mullo nova farinha de mandio-
ca, em saccas giandes, por pirro commodo:
na la do Queimado, u. 14
l'ccbiiicia.
Na rua do Queimado, viudo do Rozario,
segunda loja, n. 18. vendem-se chapeos de
sol, de sed, para meninas, Ci.m um peque-
no toquo de mofo, pelo pteco de 1,600 r..
Pa rua de lloitas, n 54, casa da esqui-
na, continuam-se a vender velas de car
Taixas para engenho.
Na fundijSo de ferro da rua do Brum,
jcaba-se de receber um completo sortimen-
tode taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
qaes acham-se a venda por prego com-
modo e com promplidSo embarcam-se,
ou carregam-seem carros sem despezas ao
comprador.
Farinha nova de S.-Ma-
theus, por pre?o mui-
to commodo im
vende-se a bordo do patacho na-
cional Jmizade-Constante, entra-
do recentemente da^uelle porto,
e fundeado em frente da escadi-
nba do Collegio, ou a tratar com
Machado & Finheiro, na rua do
Vigario, n. ig, segundo andar.
O verdadeiro oleo de
Kissino,
em meias garrafas, para conimo-
didade das familias, por preco
mais commodo do que em outra
qualquer parte : vende-se na rua
do Trapiche, h". 44, armazem de
Dowsley & Ci
Lotera do Rio-de-
Janeiro.
Aos 20:000,000 de rs.
Na praca da Independencia, n. 3, que
deita para as ras do Queimado e Crespo,
eslflo a venda bilhctes, meios, quartos, oi-
tavos e vigsimos da nona lotera a benefi-
cio do thealro de S.-Pedro daqueila pro-
vincia. Na mesma loja esl patente a lista
da 2.a lotera da fabrica de tecidos daqueila
provincia.
Antigo deposito de cal
vireera.
Pa ruado Trapiche, n. 17, ha
omito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muito commodo.
/I rados de ferro.
NafundicSo da Aurora, em S.-Amaro,
vendem-se arados de ferro diversos mo-
delos.
Vende-se a refioicSo da rua fiireila, n.
22, bemafreguezada, tanto para a trra co-
mo pura o mallo : fnz-se todo o negocio : a
tratar na mesma refinaco.
Vende-seurna bonita escrava de An-
gola, do boa lisura, a qual nSo foge e nem
bebe, o que se afianza ; um moleque de 20
anuos, que coziulta o diario de urna casa,
por 380,000 rs. : por detris do thealro, n.
0, primeiro andar.
-- Vende-se resina deangico, as librase
om porcito : na rua da Cadeia, loja de Jo&o
Jos de Carvallio Moraes.
harelo a 3,000 rs. a
sacca,
e o melhor que lem vindo a esle mercado
na rua da Madre-de-Deos, armazem de Vi-
cente Ferreira da Costa.
Aviso aos f manes que
dao valor ao que he bom.
Na rua Nova, n 56, fabrica de charutos,
acharSo sempre os ruinantes um rico e va-
riado sortimento das melhores qualidades
de charutos queteem viudo a este merca-
do, coniendo as seguidles qualidades :
Dofensores-da-I'atria,
l.ilieraes,
l'atusco,
l ::i vii 11. 11 es-de IIJ va na,
Venus-de-llavana,
Venus,
Senaderes,
Depu lados,
Saquaremas,
S.-Felix-Verdadeiro,
Arcbeiros,
Ilegales,
Superior-Regala,
Cafadores-da-Babia,
Famas,
Cigarros-de-llavana,
Cigarrot-de-Maoilha,
Alama-VOa,
e nutras muitas qualidades que serSo ta-
tenlns aos freguezes e se venderSo pelo
menos preso possivel.
Fumo para charutos.
Na fabrica do charutos da rua Nova. n.
56, vende-se fumo de primeira, segunda e
terceira qualidades, por preso commodo,
tanto em porsiio como a retalho.
Vendem-se dous pardos, um de 40 an-
nos, e o 01.1ro de 24 anuos pouco mais ou
menos, e ambos sem molestias, sendo o
primeiro bom sapateiro e bolieiro, e o se-
gundo ourives e tambem bolieiro : o moti-
vo por que se vende se dir ao comprador,
com preferencia e por menos para fura da
provincia
Oh! que pechincha!
Vendom-se lentos de seda, tanto pin
homom como para senhora, pelo diminuto
preso de dous cruzados : no Aterro-da-Boi-
Vista, n. 18, loja.
Ca ssas prelas a 140 rs. o
covado.
Vende-se casias p-etas de muito bom gos-
lo a 140 rs. o covado i na rua do Crespo,
loja da esquina, que volta para a cadeia.
Vendem-se sapatScs de cou-
ro de lustro, de ponto fixo, a
4.000 rs. ; ditos de dilTerentes
qualidades para homem ; sapa-
t5es de couro de lustro e broncos
para meninos: na rua da Cadeia
do Uecife, n. 9.
Massas de vapor.
No pateo do Terso, n. 10, ha diariamente
um completo sortimento de massas finas,
proprias para cha, ou doenles, como sejaro;
bolachinhasdeararula, nova regala de di-
ta, eoutras muitas qualidades de massas.
Vendom-se lonas e bros americanos;
fio de algodfio, pruprio para redes de pes-
car, coser velas e saceos de assucar; ence-
rados tlcatroados para cobrir carcas de as-
sucar: tudo por preso mais commodo do
que em oulra qualquer parte : ni rua do
Trapiche, n. 18.
A o pateo do Collegio, n.
I, porta larga, segundo
andar, vende-se
um casal de escravos, com urna cris : a pre-
ta engomara bem, cose o faz lavar into. e o
prelo he moco e robusto; dous mulalinhos
de 9 a 10 anuos ; um molequo de 9 annos;
urna preta de 15 annos ; um prelo de nneno,
pes*. proprio para campo ; urna prela mo-
ra, por barato preso, por ter um deleito.
Vende-se um ptimo escra-
vo de naco, moco, sem vicios
nem achaques : na rua da Cadeia
do ttecile, n 34, loja de cambio.
Chapeos e bonetes francezes.
\>ndem-se superiores chapeos francezes.
chegados ltimamente de Pars, aos mdi-
cos presos de 7 e 7,500 rs ; bonetes france-
zes para homem e meninos, de teeido de
cab lio -, de palha e do oulras qualidades, e
de bom gosto : na rua do Queimado, n. 38,
loja de chapeos.
Vende-se um escaler que conduz 20
pessoas, novo, bem preparado e pintado :
n') Forte-do-Matlos, estaleiro de Manoel
Miinii'iin, em Fra-de-Portas, rua do llrum,
ou na rua da Cruz, n. 13, armazem do Sr.
Jofio Caitos Augusto da Silva.
Vende-se um cavallo muito novo e
bstanle gordo, carregador de baixo al
meio : na rua Nova, n. 67. armazem.
Vende-se um sobrado de dous andares,
em urna das p.....ip.o s ras da freguezia de
S.-Antonio, eui ehUos proprios, com bom
armaaeni para qualquer e.>t quem o pretender, dirija-se ao Sr Jos An-
tonio Bastos, na rua da Cadeia do Itecife,
que se aci a autorisado a fazer dita venda,
aceitando-seo pagamento em escravos.
Vendem-se 80 couros silgados, vindos
do Aracaly : na rua do Oueinado, viudo
do liu/iii io, segunda loja, n 18.
Vende-se urna boiiit prela de 20 an-
nos, que engomma muilo bem, cozinha o
diario de urna c*sa e co>e, sem vicios nem
molestias, o que se nlansa : defronte da
ribeira dopeixe, n 3. 1
Vendem-se 4 escravos, sendo umdel-
les coznihei'oejoulro carreiro ; dous mo-
lecoles de 10 a 16 annos ; 3 neurotas de 14
a 15 annos ; 2 e.-cravas de bonitas ligur.s ;
urna parda de muito boa conducta : na rua
I )! 11- i t II 3.
Vende-se a taberna da esquina da rua
Nova, junto a ponte da Boa-Vista, n. 71:
faz-se lodo o negocio, urna vez que o com-
prador desoneieao vendedor do que deve
aos Srs. da alfandega.
--Vindi-.il", ou uni a-so por urna casa
terrea um sitio na estndada Varzea, com
muitas fructeiras, boa lana para cipim,
com rio correnle d'agoa doce "uo fundo, com
casa de vivenda : na rua Nova, n. 28.
\ende-se um relogio patente, que lem
corda para 20 e lanos das, para cima de
mesa, pesa eslua mais rica que tem appi-
ricido no Brasil, leudo um daasanno de
corda e 4 msicos a locarem difierentesin--
Irumentos, com Untas pesas de msica
quanlas horas lem um uia : o dansanno'
dansa antes de repetirs horas, e tem maisi
umiesistoque o fi z dansar em qualquer]
occasiSo, e lem mais oulro resisto que o faz
parar un sino mis horas : na rua do Cabug,
loja de q ua ti o portas, n. 1 C.
Vende se um loja.de miudezas, com
annasfio e i oucos fundos, na rua do Cabu-
g, n. 7: a tratar na mesma loja.
pegar leve-o rua da Cadeia do rtecife, n.
51, que ser bem recompensado.
-- Anda fgido, ha dous mezes, um preto
de no me Patricio, que representa 30 annos
porm tem pouco mais de20;. he rfficial d
pedreiro ; foi oscravo do fallecido marquez
do Recife ; consta que anda trabalhando
nesta cidadeesuburbios pelo referido offi-
co, dizendo que ho forro; he alio, magro,
bem parecido ; tem cicatrizes no pescoco
provenientes dealporcas que leve : quem
o pegar leve-o a prasa da Independencia,
livrarla ns. 6e 8. que ser recompensado.
-rug", no da 7 do correnle. o cabra
l.iandro, de estatura regular.cabellos cres-
pos, sem barba, denles limados ; tem as
pernas alguma cousa lorlis para tras ; he
natural do serillo ; lerou calasde riscado
camisa branca grossa : quem o pegar leve-o
ao Alerro-da-Boa-Visla, n. 6, que ser
gratificado.
200,000 rs.
Fugiram, no da 13 de Janeiro do corren-
te, do engenho Novo de Serinhem, os es-
cravos seguintes: Thomaz, cabra-nscuro
tem os olhos e palmas das mitos amarilla-
das, cor fula, representa ter 25 a 30 annos,
com offlcio de pedreiro, pescador e de cor-
tar carne; he muito regrista : Amaro, ca-
bra claro, de 45 a 50 annos, com bstanles
cabellos brancos, pernas finas, ps apalbe-
tados; he multo pregucoso para qualquer
serviso ; he canoero; costuma andar sem-
pre ebrio: estes escravos qu.ndo fugiram
roram a praia do Camella, do Bio-Formnso,
onde compraran) urna jangada o seguiram
pa mesma para a provincia das Alagoas, do
onde o dito Amaro he natural, e que tem
prenles para o centro : quem os pegar le-
ve-oaao dito engenho, ou nesta praca, em
cosa de Silverio Joaquim dos Sanios, na
Camboa-do-Carmo, n. 33, que ser gratifi-
cado com 200,000 rs.
Desappareceu, da casa de Prxedes da
Fonseca Coilinho, no dia 20 do pausado
inez, um pardo claro, de notne Eustaquio,
de estatura regular, seeco do corpo, bem
parecido, representa ter 94 annos ; he offl-
cial de sapateiro ; quando anda arrehila
os dedos dos ps; traz sempro as ventas
clteias de tabaco : quem o pegar leve-o a
prasa da Boa-Visla, n. 6, botica, que ser
recompensado.
Desappareceu, no dia 7 do correnle,
urna preta de naQo Mocambique, de 25 an-
nos ; he alta, bem feita de corpo; tem o
beico superior furado ; levou vestido de
cassa azul e panno preto usado ; consta an-
dar pelo bairro da Boa-Vista. Roga-se as
autoridades policines e oulras quaesquer
pessoas. que a apprehendam e levem-na a
rua da Cruz, n. 53, que stIo gratificadas.
Na madrugada do dia 10 correte, fu-
giooescravo crioulo, de norn* Malhers ;
levou u-na crrenle amarrada em om p,
calsas e camisa de algodSozinho ; he alio,
corpo regular, ps e olhos grandes; tem
em urna das pernas duas pequeas feridas ;
he do ser tilo ; costuma mu.lar de nome :
quem o pegar leve-o a rua do Collegio, a
SebaslISo Jos Gomes Penna, que gratifi-
car.
Fugio, em dias do mez de fevereiro,
una iiiiilnimliii de noa.e klarcellina, mas
talvez tenha mudado de nome, como cos-
tuma, de 13 a 14 annos pouco mais ou ma-
nos ; he secca do corpo, cabello corrido ;
tem urna quebradura no braso esqilerdo
que ficou nmilo fino, por ser mal encana-
do, lodo esfolado e com a pclle fovera na
lugar da quebradura ; levou sala de chita
branca com palmas encarnadas, e urna sua
mana de 9 anuos, de nome Antonia, vesti-
da com camisa de liscado azul : quem a
pegar leve-a rua do Jar.hm, n. 42, que
ser recompensado : assim como se pro-
testa com lodo o rigor da lei contra que 3
a tiver oceulta "
Fugiram, de bordo do fari-
gue nacional Sem-Far, vindo do
ti io-de-Janeiro, tres escravos,sen-
do : Sabino, pardo, de ao annos
pouco mais ou menos; levou cal-
cal e camisa azues, e bonete en-
carnado : dous ditos crioulos, de
nomes Euzcbio e Antonio, que re-
presenlam ter ?5 annos cada um,
de estaturas alias ; levoram calcas,
ca misase bonetes azues. tfoga-se
as autoridades policiaes c capites
de campo, que os apprehendam e
levem nos a Novaes &c Compa-
nhia, na rua do Trapiche, n. 3(.
50,000 rs.
trocaos Futrido*
Fugio, no da 2 do correnle, da cidade
de Olinda, um moleque crioulo, de 18 an-
nos, de mi bastante preta, olhos afumasa-
dos, meio cocovado quando anda, falla al-
guma cousa alrapalhado da lingoa ; levou
na rua de Juflo-Fernandes-Viei-. camisa dealgonflozinho ecalsasde algodfio
ra, aoaahir da Soledade. em um sitio que'de sarco: quemo pegar leve-o mesma
tem dous leies nos portOcs, a qualquer hora 'cidade, na Floresta, que aer n compensa-
do da. I to. Tambem so protesta haver diaadeser-
Chegaram novamente rua da Sen-[viso do moleque de quem o tiver oceulto,
zalla-Nova, n. 42, relogiosde ouro epralaou protegido na fuga,
patente inglez, para homem e senhora. I Fugio, em dias de marso prximo pas-
Vende-se um preto bom forneiro :J na sado, do sobrado da Trempo, n 1, que tem
rua dasLarangeiras, n. 14, segundo andar, venda por baixo, urna preta de nomo Maris,
Vende-se urna prela misa, que en-'conbecida por Mara Cajueira ; he baixa do
gomma, cose, cozinha e faz com perfeis<1o' corpo ; tem alguna cabellos brancos, cara
o inaisscrviso de urna casa ; urna dita que'redonda, com urna costura no beis ; lem

9,
Fugio, em dias de fevereiro, da ci-
dade de l'euedo, piovinciaa das Ala-
goas, o pardo Cosme, de 22annos, de
eslatura lana, corpo cheiO, bracos
e pernas groseas, cor aasa, rosto
compridoe carnudo, cabellos ruivos,
com dous denles da frente princi-
piando a apodrecerem, buso de bar-,
ba ; tem urna cicatriz as sobrance-
ras, oulra na testa junto ao cabello:
quemo pegare o levar nesta cidade
ao doutor Sabino Olegario Ludgero
l'ii.ho, >-' eni Marei ao doulor Jos
Sesinaodo Avellino Pinho, ou a Joflo
de Alineila Monlero, e no Penado ao
abaixo assiguado, ou a seu pai, o Sr.
Pedro Jos iiuhn, se gratificar.
Manoel I' endiano l'inho.
Si
9
m
i
m
i
m
m
be muitu boa cozinbeira, e que engomma
sofTiivel, lava bem, e he muilo propna para
ama de casa, mesmo de homem solleiro,
por ter exeellenle conduela, oque se afian-
Sa ; um bonito pardinho de 11 annos, pro-
ion para qualquer officio ; um dito de 6
annos: na rua larga do Rozario, n. 35, [agradecer.
loja. I Fugio. no dia 12 do passado, pelas 9
Vende-se urna tersa |parle do sobrado, horas da noite, o prelo Benedicto, crioulo,
de dousandaresesolSo, com bom quintal que reprsenla ter 24 anuos, de altura r-
e cacimba, no Aterro-da-Boa-Visla, n. 24, | guiar, sem barba, cara redonda, olhos car-
por preso commodo: a tratar com o seu rancudos; lem os ps torios, e be cambado
algunies malhas pelos lirac,us e pernas, ps
muito lieiii feios ; tem om um dos pellos
umii costura ; he meia corcovada e de 50
annos pouco mais ou a.enos. Pede-se a to-
das as autoridades policiaes, que a appre-
hendam e levem-na ao dito sitio, que ae
-Iproprietario, Frederico Chaves, no Aterro-de urna perna ; levou calees e camisa de
da-Boa-V'ista, fabrica de licores. triscado e est j rol, abnele; quem o
Fugiram, do engenho Cuararapes, fre-
guezia da Moribeca, ao amanhecer do dia
26 de marso, tres escravos cornos signaes
seguintes: i.uiz, alto, clieio do corpo, ps
epalhelados, rosto bonito, de 22 annos pou-
co mais ou menos, cor pouco fula, denles
fe herios : Paulo, alio, serco do corpo, ps
Seceos e com os dedos rompridos, de 18 an-
os pouco ninis 011 menos, cor preta : Job,
alto, corpo espigado e um pouco cheio,
rom falta d nm dedo em unidos res, cOr
a'gum lano fula : todos sSo da Costa, e he
deererque andem junios : quem os pegar
leve-os ao dilo engenho, que ser recom-
pensado generosamente.
fian. : m TTe. us tu a, ue raau. 18S0
MELHOR EXEMF


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVPU6S4QH_10WVIX INGEST_TIME 2013-04-13T02:09:41Z PACKAGE AA00011611_06269
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES