Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06268


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXVI.
Quarta-feira 10
MBTIDll OS COHHatlOt.
Coianna e Parahlba, legundaaeieilas felras.
Ilio-Grandedo-Norlc, quinta* feiras ao melo-
da.
Cabo, Serinhaem, Rlo-Formoto, Porto-Calvo
e Macei, do 1.a, a 11, e 21 de cada mez.
Garanhuns t Boolto, a 8 e 23.
Hoa-Vita e Florea, a 13 e 28.
Victoria, quintan fciras.
Olinda, todos oa diaa.
IPHEMERIDEa.
Ming. a 4, i 1 b. e24m. da t.
Nova al2, t 10h.e27u. dan,.
Cresc.al9.aa 7 b. e 47 m. d. m.
Cbeia a 26, t o. e 1 m. da m
VBBAMAB BI BOJI.
Primcira as 2 horas e M minutos da larde.
Segunda as 3 horas e 18 minutos da inanb ja.
de Abr! de 18150.
N. 80.
CAMBIOS EM 9 DEABI11I.
DA DA OEMABTA.
8 Seg. Os Prazcrcs de Nossa Scnhora. Feriado.
9 Tere.S. Demetrio. Aud. do chae, do J. da 1.1 Sobre Londres, 28'/ d. por 1/000 rs. a 60 dias
v. do civ. e do dos leilos da l'azenda.
10 Quart. S. Ezequlel. Aud. do J. da 2. v. do civcl.
11 Quint. S. Leiio Magno. Aud. do i. dos or. c do
ni. da 1. v.
_ 112 Seat. S. Viclor. Aud. do J. da 1. v. do civ. c do
pbe?os DA sdbscbipqao. I dos fcitos da l'azenda.
Por tres me/es (adianlado) 4/0001 13 Sab. S. Hermenegildo. Aud. da Chano, e do J.
Por seis mezes 84000 f da 2. v. do crlme.
Por um anno .. 16/000] 14 Dom. Ss.Tibnrcioe Valeriano.
Paris, 346.
- Lisboa, 95 por cento.
Ouro. Oncasbcspanhoes......... 29/000 a 29/500
Hoedas de 6/400 velhas.. 16/600 a 10800
de G/40G novas.. 16/100 a 1/:100
de 4/000......... 9/100 a
Prala.Palacrs brasileirot...... 1/940 a
Pesos columnarios....... I/1M0 a
Ditos mexicanos.......... 1/800 a
H<'
9/300
1/960
1/MiO
1/820
tuei^
PERNAMBUCO
ASSEMBLA
I.* SKSSiO
PROVINCIAL
9 l)K AIIHII
011111 VA ni KM
di 850.
Presidencia do Sr. Pidro Cavalcanle.
SUMUkaxo.Approvaco da acia da tea/lo itn-
tirior.--Expedient:Admiis* do Sr. Sil-
retire Antonio di Olivelra Mello. Kleictn
di coinmissBeS.Adiamenln, pela hora, dii
rrqvtrimtnto tm que o Sr. Dias Brralo pro-
pos a nomeardo de urna commissuo de 5 mem-
broi para agradecer, un nomt da assembla,
ao Exm eoncelkiiro de etlado, presidente
da provincia, ot mu prestante serviros que
esta l*m prestado.-'
A'i onza horas da manhSa, taita a chama-
da, verifica-se estarem presentes 22 Srs de-
putados, fallando sem causa participada n
Sr. Domingos Malaquias de Aguiar Pires Fer-
r ira.
O Sr. Presidente abre a sesso.
O Sr. 3." Secrttario faz a leitura da acta
da setsSo antecedente, a qual he appro-
vada.
OSr. Presidente convida ao Sr. burilo de
Suaaiuna a prestar juramento, visto ainda
onSolerfaiio.
OSr. bardo presta juramento.
O Sr.ifi Secretario menciona o seguinte
EXPEDIENTO.
Um oflicio do secretario interino d* c-
mara municipal desla cidade. partiripan'lo
haver espedido diplomas a seis deputados
supplentes como I lie fui ordenado porS. F.sc.
o Sr. presidente da provincia.--Inleirada.
Oulro do mesmo secretario, dando parte
de ter expedido diplomas aos Srs. Alexan-
dre-Rernardino dos Res e Silva. Francisco
de Paula Rodrigues de Almeida, Umhelino
Guedes de Mello e Augusto Frederico de Oli-
veira, para supprirem as filias de dous de-
putados elcilos que falleceram, e de dous
que sao deputados assembla gcral.--ln-
teirada.
Outro do secretario da provincia, aecu-
sando remessa de copia de um ollicio da c-
mara municipal de (Huida, no qual a mesma
cmara declara o motivo porque deixou de
enviar as conlas da receila e despeza, per-
tencentes aos anuos nnaiiceiros passados.
A' comtnisslo de cotilas e ornamentos mu-
nicipaes.
Oulro do mesmo secretario, enviando co-
pia do rclalorio que fui diiigido ao governo
pela camaia municipal de l'o-d'Alho, em
o primeito de dezembro do auno passado
acerca das necessidades do sen municipio.
A' commissuo dos negocios das cmaras
municipaes.
Outro do mesmo secretario, Iransniil'in-
do, de ordem de S. Exc, copia de um oflicio
da cmara municipal do lenle, pedindo se-
jatn marcados os limites desta cidade, .-i fin
de evitar que alguns individuos, funilados
no. art II til. 7 das posturas, edifiquen*!
casas em lugares que parecem fazer paite
da cidade da forma porque he permiltido
faz-las nos arrabaldes. A' cumiuissao de
negocios das cmaras municipaes
Oulros Ires do mesmo secretario, remet-
iendo as conlas da despeza dos annos de
1818 a 49, e ornamento para 1850 a 51 das
cmaras municipaes da Ba-Visla, Cabo e
l'o-d'Alho.A' commissSo de coutas mu-
nicipaes.
Outro do Senhor deputado eleito Joaquim
Manuel Vieira de Mello, participando que,
por molestia em pessoas de sus familia, nilo
pode comparecer s sessOes deslo mez.--In-
te i rada.
Outro do primeiro secretario da assem-
bla legislativa provincial da l'arahiba do
norte, enviando um excmplar das leis pro-
mulgadas por aquella assembla no anuu
uliniKi.i'ara o archivo.
Outi'u do priineiro secretario da assem -
bla legislativa do Dio-Grande do norle, en-
viando dous exemplares das leis promulga-
das pela mesmu assembla nos annos de
1847 e 48Para o archivo.
Otilio do punten secretario da assem-
bla legislativa provincial de Minas-Cernes,
a rom pan liando una col cenlo dos actos da-
i| iir IU iivsi nilil i na sua se .-sao do auno pr-
ximo (tundo.Para o archivo.
Oulro do secretario da provincia, partici-
pando, de ordem de S Kxc, que os Srs. Jo-
s Nicolao.liegueira Costa, Joan do Reg
Rarros Falcan e padre Joaquim Pinto de
Campos, nao pJetn lo tur assenlo na as-
semidea sem grave detrimento do servico
publico, i' pedindo dispensa dos menciona-
dos membios.--A' conimissao de conslilui-
(3o e poderes.
Oulros dos collegios eleiloraes do Ex,
Santa-Manada Ra-Vista, Garanhuns, Pa-
je -de-Flores, l.imoeiro, Serinhaem, Cabo,
faazaielti, (olaiinti, Olinda e Decife, acom-
p.. libado das respectivas acias.A' cotumis-
sao de poderes.
Oulro do secretario da provincia, partici-
pando que se remelleu as cmaras munici-
taesda provincia o parecer oa committsSo
de cuntas da assembla, acerca das mencio-
nadas cmaras.- Inteirada.
Outro do inspector da thesouraria da fa-
jeada provincial, communicando que se
acha arrematada a impre-sao dos Ira bal los
das repailicOes publicas por Manuel Figuei-
ioa de Furia.Inteirada.
Ihe disputa,A' commissSo de conlas ntu-
nicipaes.
Um requerimento de Francisco Xavier da
Silva Meinlonni, ajudante de porteiro da ca-
sa desla assembla, en que pede ser pr-
vido no dito luRar d porteiro. que se acha
vago, e que o peticionario est exercendn
interinamente desde 22 de maio do aono
passad.--A' commissSorle polica.
Oulro de Christovo da Rocha da Cunta
Souto-Maior. Jos Joaquim de Oliveira Ra-
dnem, Geraldo Crrela Lima e Francisco da
Silva Neves, em que pedem ser prvidos no
lugar de porteiro da assembla, ou em qual-
quer outro que vagar.A' cotnmissSo de po-
lica.
O Sr. Correa de Brt'o manda mesa o so-
guinte requerimento:
Requeiro que, ouvida acotnmissio de
verificac^lo do poderes, seja admillido a lo-
mar assenlo o suoplente Silvestre Antonio
de Oliveira Mello, que, segundo consta de
parlicipacSo official, existente sobre a me-
sa, lora chamado pela cmara municipal, e
se acha ns ante-sala.
a Sala das sesses, 9 de abril do 1850.--
Correa di Brillo.
Apoiadc, entra em discusso, e he etn se-
guida approvado.
A rominissao salte da sala e voltando pono
depuis, manda mesa o seu parecer, que, srn
do favoravel i admissao do Sr. deputado sup-
plrnte, he approvado
Em consequencia, o mencionado Sr. he in-
troduzido com a formalidades do eslylo, pres-
ta Juramento e loma assenlo.
ORDEM DO DA.
Eltico dt enmmiises.
Corridos os diversos escrutinios com as for-
malidades pre'Criptas no regiment, ficam as
cuminissdrsassiin compe-slas :
Commisto dt cuntlituifa i poderes.
O Srs. barao de Suassuna.com 22 votos; Fran-
cisco Inao, com 20 ; Quiuliuo de Castro Leao,
com 20.
Commisto de uzenda e orcamenlo
Os senhorrs Jos Pedro, com 20 votos ; Ma,
noel Cavalcanle, com 20; Rarros Barrelo-
ciun 20.
Commissuo de conlas e despetas.,notinciati.
Os senhorrs: Machado Dios, com21 votos;
Guedes de Mello, cum20 Soarcs de Macedo,
com 20.
Comniixiii de commereio.
Os senhores : Domingos Mala/|uias, coin 22
rotos ; baro de Suassuua, cm 21 ; barros
llairrto, coui 18.
Commissuo de redacfes de leis.
Os senhorea: Menrzes, com 19 votos; Fran-
cisco Joo, coin 19 Castro Leao, coin 16.
Commissuo de inilrucfao publica.
Os senhores: Correa de Hrltlo, com SO vo-
tos ; Oliveira, coin 18; Vellet de Guevara,
coia 15.
Commissuo de eslalislir .
Os senhores: ReiseSilva, com21 votos ; Mc-
nc'/.cs, coin 20 ; Mares de Macedo, com 20.
Commi'ido de ustica civil e criminal:
O senhores: Oas Brrelo, cora 22 votos ;
relevai que vos eudiga estas verdades
que certo vos no asdesconheccis, porm
que o vosso estudado silencio me ohriga a
patente*-las, sem quaeu tenha alias o me-
nor d^sejo de vos offender, e s porque eu
devo mover-vos desse imperduavel iudiffe-
renlismo que degrada a sciencia e desmora-
liza a vossa arle.
Vos lia veis por mu rasoaveis os prin-
cipios hastiados u i voi.ii anliga lei dos con-
trarios pr tima apnlicac.loque anpelliilais
le physiologica na racional ; vos empregais
a derirafao como mellinr mfthmlo de trala-
menlo e vos refugiaes a psmo no ab usu ,n
morbis do vosso inseparRvel empir/imo-sem-
nrequ uma molestia qualquer heobjecto
de vossos consalhos : resta smento agora
que aceitis o meu convili afim de que voi
possa eu provar que nil.i ha pela lei tos con-
trarios que ven curis'/unndoaris; que
vosso methodii revulsivo nilo passa de
verdadeirn pallialim cot que torturis os
pobres coitadosproduzndo-lhn.s novas do-
res ; e que finalmente o vosso empirismo
he a mais estupida ritlinn da medicina que
pralicais a titulo de razoavel, scientifca,
sa ; os sem altares coberlos de negro frontal.
sitas paredes ornadas de lugubres pannos. Ah .'
de qualquer lado que volv os olhos deviso l-
mente olijcctos tristes e luctuosos, que me an-
nunciam Inver descarregadn o fatal golpe, a
ni o iida inao da inorte E qual o objecto, qual
o terno. o rharo obj*rtO, cuj penla tanto nos
sensibilisa! Prnettado da mais acerba dor
pronuncio o s.mdoso notnc de tao illustt-e mor
to que se acha gravado coin os mais hule levis
caracteres em osnossns m i n i d >. eoraedet. Mor-
reo, j iiiio existe entre nos o aiui^o generoso,
o liomeni benemrito, o christao evado, o ol-
tl i da.i probo, o relii;iiiso perleilo. o prelado
honrado, c venerando esposo, a vigilante sen-
llnella, o insigne pastur, o nclito hispo, o dis-
tiucto, o lllustre, oabalisado principe da iereja
maranhense, o Rui), e Rvin. .sr. I>. Fr. Carlos
de San Jos e Soiua
A Providencia que tein marcado as suas pa-
ginas eternas os deslios dos botnens, e llie faz
percorrri' os indeleveis traeos t|ue Ihe teem de-
signado na carrrira da sua vida, delihertiu em
seus Ineicrnlaveil decretos que o Esto, prela-
do da igreja maranhense apparecesse entre nos
no da 4 de nnveinbro de 1777.
Foi nese dia que o eco concedeu ao ahencoa-
do consorcio de dous esposos virtuosos e ebria.
taos, Carlos Jos de Souia e D. Marianna Ma-
chado Freir, e em premio de suas virtudes, o
physiologica, etc.
A imorensa vos espera, pois, e a opn.lol 2,I0,2'0 r !'r:,t'?rlo f dc So,u"- "Wjf
. ... .. ,K .' "M. I to boje de prolunda dor. Foi nesse mesmo da
publica he o nbunal que nos I., de julgar ; qUe a provincia de Pernambuco despontou o
se vos assentis, como devo crer, prnmet- '
to-vos--stb mirilla palavraque nSo me re:-
liro desta cidade sem vos convencer a adop-
tar a liomii',iit lna como a medicina ver-
dadeira, ea tnica que cura com -tu vida le,
com promptidiio e mesmo com certeza : se,
porm, inda assim nfio vosiesolveisentr,
icai incrdulos-aba que o lempo com a
successo dos factos vos traga o dia do ar-
repen ii'iiento, t|un vos punir tantas injus*
ligas, e eu voltarei para a ilahia terminado
que seja o agello tas fibra principal mo-
tivo de miulia emigracode t3o penosos
ncom modos.
A hoiiiCEopalhia tem em Pernambuco tima
columna mu forte para resistir a todos os
seus adversarios, e <> nnme do ir. Sabino
he mis que suflicienle para nos garantir
lie-la provincia sua nao interrumpida pros-
peridade
F.speramos vossa decisSo.
Recife, ra do Trapiche, 9 de abril de
1850.
Dr. Jo.se Anlunes da l.u:
/milime astro que havla de illiiminar com
suas lo/es, aos habitantes d.t sua plaga. O seu
corpo alimentado com o materno icite, eo seu
espirito nutrido com o da fe, e da doutrina da
rellgiao do i rucilicado, que seus amantes e ca-
rinliosos pais lacessanleuieiile Ihe inspiravam,
tutlo Imprimi no seu temo cora(au, e se avan-
tajou tanto nelle, <|ue, logo de principio, deu
a c iiiheccr os seus raros talentos c todos aqurl-
lespreclarosaltribulos que esindtama una pu-
ra e innocente alma. Crescendo em tdatlc e
Igualmente em virtudes, e lendo j.i alguns co-
nhecimenlos Iliterarios I tti m e rhelorica} fura
coagido a aln 11 11 as armas, de cujo exercicio,
pela negafio absoluta que tinha. empetrou c.-.
reeebeu coin jubilo a competente despensa. I mu
Conhecendo as chimeras do inundo e os seus [ tula
engaosos aitrativos, quer vnluiitariamenti' se-'
gulr o estado reltgitisu para o qual senta ver-
ladcira vocacao ; e quaudo contava coin a ida-
de de 19 annos, adundo sobre manara saudo-
so> os seus carinhosos pas, corre, voa rpida-
mente as azas do sru ardente desejo, e rhega
geram nnvamentc provincial que desempe-
nliou com a maior olrciiinspecro.
Terminada a honrosa missilodo Fxm. nuncio
apostlico e ,1o provincialarto o llvm. patlre
meslic Fr. Carlos, aspirando smenle o descanco
e abrigar-se asombra de doce pan e tranquilli-
datle, nao dclxando comtudo de sersetnpre
eleito tli litiiilnr da sua orVni. una inedonha
leinpestade se levauti ; despedidos raios de
densas nuvens ehegnm a f.-i-ir o recinto da re-
lifiiio a que nertenceequandn repousva com
seus companheirm na fon te de Elias, eis que
por causas de innunieraveis tropas que aporta-
rain nesla provincia, devidas a commneoea i>o-
Ifticaa, recehem ortlens espressas etenninan-
l''S para desocupar o claustro, afon de servir
ilc qtiarlel e liosnltxl niililar. Ainda qiia o pa-
dre ntestte Fr. Carlos, Irispassido da mais a-
cerba dor por lesleiniinhar esse acto hostil e
t|uasi tlesamparatlo dos seus cnmpanhcirns por
ler una parle dtdles regressatlo para oconv -n-
(o de Olindi, e otitra para ornato, cnmludo,
elle logo que pde alcancar um pequeo quar-
to nn consistorio da igreja. inunedialamenle.
com alguns religiosos, volla para o convenio
onde se loma vigilante scntinella, e liel sus-
tenlacnlo de sua rellgio, onde, digo, nesse pe-
queo lugar, contina a licionar publicamen-
te pliilosnpha e geometra a mncitla'le vida
de Instruir-te com tao abalisado mestie. K.
eis o padre mestre Fr. Carlos plenamente en-
golfado nos seus ensillos, | occiipidocoin *is-
ses discpulos, e j chamado em I8'I2 para go-
vernarcom douidistinctos clrigos desta pro-
vincia o bispado de Pernambuco qtiandoteve
o Exin. hispo eleito de se sagrar na corte ; lu-
gar este que exerceu e deseuipenhoii con a
maior pontualidadc, illscernlmenlo e prnhida-
de, de manrira que, conhecendo o mesmo
Exut. diocesano a tua erudlcfio o oomea ea-
minador iynodal do bispado, cujas funecd<
senipre as cutnprio com assiduidade c inlei-
resa
Rnni como o hrilhanlp astro do dia, no
pode por milito lempo nceultar suas Iii7e>s,
a i ii la mesmo ao travs das nuvens res-dan-
tlet'eos seus luminosos raios. do mesmo
a rama di honradez, capacidad* e
enlos to llvm. pa Ir mestre fre Carlos,
nao podiam estar recon titos dentro do
claustro, sem que espalhados por Indi a
cidade. chogasae ao conlterimento do go-
verno tia provincia que cabalmente inleira-
lo, um lugar de gravissima importancia
I ,
LliilBIO IIK PglSAIBIlC.
RECirE, 9 DE ABRIL DE 185U
leudo rom a elei(ao das cominlssdcs esgota-
do a assembla provincial a ordem do dia de
boje, oSr. Dias Marreto passou em rcsrnha os
relerantisilmos servicos que tciu feito pro-
vincia o seu actual administrador o Exm. Sr.
ao prtico do convento do Carino de reforma Ihe va i confiar : entrega-lhe, no anno do
tle l'en, imi.ut .i, onde benignamente c com 1835, em as suas maos a directora do col-
alauso, lora aceito para inembro' legio tos orphilos da cidatle de Olinda, a
arao no da oO de novemhro derM,rcla educacnn da moc lad desval la:>
,u convento entregue lodo ao ex-) 0 conslile ,|csfarle pa (|PSS edlican-
[ un mime applauso, fora aceito para
desta corpur
I7K5; em cuj
eicicio espiritual e prtica das mais cdilicanles
virtudes, passado o anuo do seu tirocinio, pro-
idos. Poltras vezes sim, se acha em unta
lesta solemnemente o instituto da rerorm*t-;Pe*roa' lantM ''nto r-quisitos juntos.
de San Jos
didoso das
rense do grande patriaren* Elias. Ah sim, P"r u n emprego de alta rnnsi teracto ; ac-
no retiro do claustro he que o padre Fr. Garlos! vidade, iitlelligencia, zelo, circumspec-
se tci mu perreito religioso, cui-| (,'ao, amor de ordem, fise mas nbrlgacdet coueernentet ao oconomia.bom rgimen,fidelidade, vigilan-
claustro, excrcitando-sc as obras meritorias, t extremo, ludo sti coneorre no padre
asslduo no Mtudo das ciencias, pr.ucipalmcn- j m,.s[re f|.pi ,,,,,,. ,,e S,nJos. para ser ere-
le llieolouicas, em poucos lempos aiitcsrulou i -.,,-.
osmalsbrilhante.progres.o.eadlantamentot 'd0r ,le encomios e louvores do mesmo go-
Anula v;io adianle os seus bousdesejos, ain- veri*o.
da quer beber saudosas licoet de outras sclti-j rTi necessariamente justo retribuir ser-
cias ; de inanrira que obtendo de seus prela- ( vicos lilo relevantes; Um ou'ro emprego
concrllieiro de estado Honorio llerincto Car-, dos a necessaria Itcenra, se clausura uo con- vai honrar ao probo e venerando religioso,
neiro Leao ponderou o grande sacrificio vtnl" ''" Car"to de (Huida com ouirus cumpa- O governo da provincia o chama em 1841,
que se subjeitra esse benemrito cidado !'1'n'r"S' ^l*">;';"'"*. ;' "< * i iiun.iri episcopal daiiucUacidauc rece
ida le extrem*. assiduidalp, dfsinvolvendo
ttCVdUd, II.IU i ......* "*- ...*6.<%. ,......,. .. uuiiimi
(dos os iiiinin i -
IlOMUfiFATHlA.
MOVA PROPAGANOA.
VI.
NNO II.
....................an avanl I
he a marcha que segu a homceo-
palhia : como a verdadeella pode
ter lenta, porm jamis relrogada
e tieiti estacionara I.1!
Dr.L*t:ei. V. Murtins.
CONVITE RESPEITOSO
a Indos os senhnres medirs rjuere jaitam
reui no se- para |er ni) ctdnira de philosoDhia do lyceu
iiienien- pUi,|c ,_ cuj0 emprego exerria com pontua-
com esmero eaffluc aos etludot, tiovamrnic a
iiesiiou emdeixar familia e todos os comino-,ulnr|cu,aM w|a dc p,,^,,,,,,,^,, e, caj!l raqueanla confi,nCa deposilavaogoverno
dot, para vir cicalriaar as chagasque nocoia-|scienci. foi to profundo que, perantt os leu- no padre mestre frei Carlos, que, vagando
5S0 desta bella provincia abrir a rcbclliao dc, les daquelle seminario, e o Exm. llvm dioce- directora d i mesm i lyceu. por justa re-
1848; apresentou varias reflcxocs tendentes """ r,"a Mainlnado, rcccbrndo em paga de nuncia to F.xm hispo resignatario de 0|in.
anrovarem nuanto eanhou a nolillca domi : "T "1"'al",s a "Pl'rovacio plena eumlaude. Ida, imme.liatanieiile o noma para suhsii.
provarem quanto gannou a pointca uiiiiii- j Anula nao con lente, contina a eslndar o
nante com o icr conseguido que vietae presi-, curto dc geometra c depoit o de historia na-
dir-nos unidos estadistas que mclhor a coin- tmal, na qual com lano gu.-t se aperfeicoou
[que nao tluvidou ri'spoiidcr couclusoes publi-
I cas na igreja da congregaftio da Madre dc- i
Dos, dc cujo Irabalho iccehcu gl.itiosaucnte I
' a un merecida laurala. Crescid.i, poit, esta
planta do l.ai m. lio em virludc c telendas, lias '
Quciroz Fomeca, com 19; Pedro Ralis, coin 19.
Comm,s,o de negocios eeclesiauicos. fluando, nada ten.lo a g anh r com os partidos. te Instituido c aben.
Os senhores: Giiiranna, com 22 votos ; Dias I f e,.Undo em H*'a0 \aM**>"> 'levada, nao) Ah. de lodo entregue
brrelo, com 2l ; Quclrot Fonscca, com 21.
Commind" de pallara das cmaras
Ot senhores: Su Perebra, com 22 votos ; Cor-
rea de brillo,com 21; Machado Rios,com2l.
Commiuao de orcamenlo das cmaras municipaes.
Os senhores : Ca neiro da Cunha, com 21 vo-
tos; Mello llego, com 20; Augustos Frederico
de Oliveira, coin l.
Commissio de sau'de publica.
Os senhorrs: S Pcreira.com 20 votos; Jos
Pedro com 20; Oliveira Mello, coin l.'i.
iiitiiiin'ii' de petipo'es.
Ot senhores: Oliveira, com 20 votos; Giti-
t.tu i. toin 10 Pedro Ralis, com 18.
Commissuo de legislara.
Os senhores : Vellez deCuevara, com 20 vo-
tos ; Reit e Silva, com 18; Sonta Rris, com II.
Commissuo di ordenados.
Os senhores : druelro da Cuuba, com 17 vo-
tos; Manuel Carneiro, com l; Guedes e Mel-
lo, com I .
Commissuo de /.airan de [rea policial.
Os senhores: Machado Rios', com 10 votos ;
Mello Reg, coin 19; loares de Macedo,
com 18.
I Continuar-st-ha )
prebenden!, c que, descnvolvendo a fiel e leal-
ineute, a loruou bastante conhecitla de todos ;
poz termo, einfini, ao seu discurso, mandan-
do i mes i o seguinte requeriuicuto :
Requeiro que se nomee nina commissao
luir aquello lugar, nSo deixando com tudo
o insigne mestre, de lieinnar aos seus dis-
cipulot rm aquella caricia e anior.filhos do
seu benvolo coraco.
Col locado o llvm. padre mestre frei Carlos
n< gue a tlesemp-nhar com allinco as func-
quaes liuha frito lanos progressos, em bn ve C(-, ,s ,, ||,e frtm p,,|0 Rovern, encarrega-
lempo uicrrccu ser escolhido.c reeebeu a hon I |s n /.,l.,,iuli,l nunca e olvidava da
especial de cinco inembros para, em nnme. les-' rosa palenle de lente dc philotophia c da sa- UU -e ",--
ta assembla. agradecer ao Exm. presidente'grada Hieologi. uocolleglo do teti convento. ( "b,'B,f 8Hl,e "convenio, e nem W ng-
dcsta provincia ot mili importantes servicos i Oue profundos conhecimenlos naoinottruu \* "' "I"-'"''S trabamos que resullassem
pre.iadosa mesma. [opadre Fr.Carlos,queerudieio nioapresen-1aonn e prospnndade da sua religio;
Em seguida, foi etle requerimento apoiado luu au> "',"' dbjcipulos. mo s religiosos, como subjeijando-sc voluntariamente com todas
.. _.._j. j,____._ sccnlaics. que ininiensidadc de pessoas nao
por graude maioria ; e posto ein discussao, fi-
cou adiado, por lerein pedido a palavra os se-
nhores Francisco Joao e Manocl Cavalcanle,
quando ja linha dado a hora.
bebcraui delle as mximas philusophicas e gco
inettieas I
Conhecendo t ordem a que perteucia, sua
capacidade, Iliteraria c religiosa, o noma mes-
tre de tiovivos, lempo em que haviain rcligio-
adiado
Indicares ; prlmeira discussiio do projecto
n. 21;segundo do de n. 14; e tercena dos de
os. l e 20 do anno pastado.
Commiinicado.
a AomceopalMa.
(Continuado.-Vid. o Diario di Pernambuco
de 4 do crrenle n. 75.)
Ailendei para o que se passa entre vos
mesnin, meus espeitaveis collegas, e vos
contestareis que o desaecrdo de vossas opi-
nies as conferencias cum os vossos doen-
les, ea fallihilidade de vossa therapeulica
as presenpcOus da vossa pralica provaui
demius contra a vossa allopathia que nem s
[ nin conhece as molestias para cujos uomes
da
Lina ic| 11 sriilacilo da cmara municipal' appella--augmentandosobremodo a confu-
Ba-Visla, pedindo aulorisacilo para des-, silo de sus le
erhnica sem u 'nhuma utilida-
pender 200,000 r. tum um advogadu que de ao traante
su enrai rtgue da demanda que a iresma ce os medical
fulo, cumo inda menos conhe-
egue da demanda que a iresma' ce os medicamentos e a mam-ira racional
coimi.isso it-ni cum a casa da Toire acerca de os api licar. vislo como seus elT-iios pu-
das libas do lio de S.-Francisco, cuja pusse' ros tilo pur vos iiiteiramento ignorados,
a mencionada casa, ou seu representante! Sim, senhores douiorrs dai gramil dosis,
A ordem do dia para iiin.inli.it (10) he a se- sos abalisados, ao passo que padre Fr. Carlos
j,uin(,. Icotilava poucos annos de religa..; c desempe-
Continuaco da ditcu.sao do requerimento "''an.uo "' e.,te ,u6". >>';*>, e por
"" 'suasja conbrcida inleircza e capacidade, una-
- leilura de projeclos. pareceres e nimemcolc fra pela comni'inidtde eleito pro-
vincial da ordem carmelita de Pernambuco.
Constituido prelado o.air, longe de se as-
soberbar crin esla dignidade. sem abusar do.
poder de que se achava revestido, elle lala a
todos os seus religiosos com aquella t .indura e
ni han .1 .de lidia do seu terno coracao, e pro-
pt ni de um pal vigilante que linha dc gover-
i.ar lanos filhos.
Mimo auhelava o Itvui. padre inrstre pro-
vincial Fr. Carlos, depoisde terminar sua inis-
so, passar algum lempo tranquilla a sombra
' da doce paz e -....;_. dessa froudosa copada
ai \ uie que pi.i.lu/ os d.iiif ni.., pomos que fa-
. zcui a nqueza das uacOe porrin tusvitauuo
[ enl-' disposiedet entre os religiosos, e chegando ao
' co.il.ee.nicnlo do Kxiu. nuncio apostolizo, este
por breve dc 0 de iiovcnihr.j de ISO'J i.o.ncou
to Rviu. padre Fr. (.arlos visitador geral da sua
ordem, depositando nelle toda couauea, dan-
du-llie illni.nados poderes para excrcer tudo c
qualquer acto de reforma da mcsiiia ordem.
Revislido destas honras, e constituido en tao
NECROLOGA
do Jllm, Xxm. tfm, Sr. X>. Fr, Carina de Sao
Jo*.i > Souia, da ordem Carmelita d rrrurma
calcada de X*eroambuco, bi*po do Btaraubto, do
do 8. M. o Imperador,
Uiteclut Den, it hominilms ..
memoria tu btiudicliont est.
CUJUI
Foi amado de Dos e dot bonicos..
a tua memoria est ciu bencao.
Mnrebou, seccou e morreu a virosa planta,
ocheiroso lirio do jardim carmelitano! Que
tena lgubre, que luctuosos objecloi te me alia dignidade, nao usa della para extorquir
aprsenla... I Vejo o anjo exlemilnador armado direilos e occullar rases dos seus subditos ;
do alfauge corlador sobre lao enlutada eca.' nunca deixou o merecimento tem premio, e
Urna urna sepulcral, uiu atade funesto,uui lu-' lambein nunca Ihe escapou o delicio sem cas-
gubre sareopbagj, um luctuoso cenotaphio, e ligo: a i ..los benignamente recebia, a toda,
sobre todo ette elevado mautoleu descubro carinhosaiuenle admoestava e faiia entrar nos
brasiles cobrrloa de luto, cajados quebrados,' deveres inherentes aos seus cargos; desorle
mitra enhilada, siguilicalivos dot UopUaot da' que logodesappareccram as cooleudas, sepl-
tela inorte !!.. | i.ir.iin-se as intrigas c renasce a harmouia, a
Que be jato ob meu Dos: O vosso magnifico! paz e a amisade fraternal. Tanto fui o seu zelo
templo pateuteando objeclos dc dr t de Uillc*! e tohciludc que, depois de alguns annos o ele-
essas i tli:- i-, a ser me em 18il ii'.et un ingresso, in m lo os pou-
cos religiosos receberam pirlo do seu con-
vento. F. quanlo nilo foi extremoso e sol-
cito o llvm. pad-e'meslro frei Carlos com a
edniM,,;.. d.i.|i..'ll.'i novicos! Apenas aca-
bados os trabadlos litterarios, se dirigia|ao
noviciado para conhecer o atlianiamcnto
dos seus novos irmSos e discpulos;
aquelle) ra nilioso pai nu meio dossausfi-
Ihos, assim elle, a uns cordealmente ins-
trua, a oulros co n blandura e caricia ad-
moeslavu, e fazia conhecer as obrigar;0es
claustraes; finalmente a todos incessaute-
inenie diriga sau lavis conselhos.
Dcpots do largos annos. de porfiados tra-
balhos cvicos e eclesisticos ; ncommedi-
menlo do sen porte, a gravidade de sua
condeca moral e religiosa, sua vida reti-
rada e simples, sua modestia, sua pruden-
cia, os seus conhecimenlos, e iodos os mais
predicados que esmallam a urna creatura
integra, haviain grangeado allei^ese esti-
ma tle lo Jos os que liiiliain a fot tuna de o
conhecer, e be bar delle saudaveis conse-
llius e mximas. Agora sim, a Providencia,
esse dedo turullo que move o deslino do
universo, hequcm galardds os seus rele-
vantes seivicos, o seu dislincto mrito,
t-11 ti tu ji ii Jo-o para ser urna das columnas,
urna das amarras di barca de Pedro, entre-
gando logo, a sua solicilude o direcQo, um
graude rebauho para cariciosamente apas-
centar.
Aquello Dos que penetra o coraedo dos
liomens he quem move o do imperante para
nomea-lo hispo de urna dtsdioceses vagas.
Foi no dia 13 de tnaio de 1843, dia de sau-
dosii memoria, que o livn. padre mestre
fre Carlos, foi eleito hispo da deocese de
S,-Luz do MaranliSo. e confirma Jo por le-
^R ENCONTRADO


!*>
tras apostlicas Je 24 e Janeiro de 18,
com o respectivo beneplcito imperial de
1 do marco do mesmo anno.
Esse da memoravel he jubiloso e apnsi-
vcl para seus prenlos, seus provincianos,
ara seus irmflos religiosos, mxime para
o claustro carmelitano que ve sahir dos
seus recintos um filho pira bispo e pas-
tor de una parle do rebanho do crucifi-
cado. Paramentado com as sagradas vestes
episcnpaes ; pralicadas todas as cerimonias
do estylo, solemne e pomposamente foi sa-
grado na igreja do convento do formo, no
din 2 de junho de fSii, pelo Exm. c mu
digno prelado diocesano; ossistindoa este
acto, como empregados, oF.nm, bi^,>o re-
signatario de Olindn, o vin. provincial do
Carme-, e tcslemunhado pelas principies
pessoas da provincia. Aucioso este bom
pastor de tomar conta da igreja, que a Pro-
vinrlenria llie confiara ; chega o tempo de
deixnr sua provincia, seus prenles, seus
amigos, c os claustros carmelilanos ; bre-
vemente e todos sobre maneira samlosos
o viiam sabir, no dia t9 de junho daquelle
auno, sobre o nunso Capebaribe.
Eu o vejo voar repentinamente provin-
cia doNarannflo e portar as suas plagas
no dia 25 do referido mez e anno. E com
qiiesolemnidale, com qun ipparato nilohe
chi recebido o venerando paslor, o temo
esioso da igreja maranhense! Com que
magnificencia e pompa nlo tomou no dia
L'8 do mencionado mez e inno conta, para
curar o scu mui amalo reliando .' Elle
gmlo por tantos obsequios e Mtences dos
seus filhns, empicga toda a rlllcacia doseu
rdeme /co o rrol de sua diocese, promo-
vpndocom esmero eallinco a prospcridade
da sua igrija, e dos seus diocesanos, quo
como carinlioso pai e vegilantn pastor, mo
se esquena da viuva, dos or lulos.do pobre,
do mendigo e do desvalido; oquando anhe-
lan exercer frecuentemente as luncc,oes
inbeientes ao episcopado, a sua crescida
nlide, os seus continuos soffrimentos o In-
hiban) desse prazer; de sorle que, duran-
te Ires anuos que apascentou com caricia
affabilidade e decura a grey que llie lora
confiada, conliecendo o augmento e gravi-
dade que i.i lendo os seus padecimenlos
pbysicos, filra coagido a deixar saudoso a
sua esposa, o seu amado rebanho, e voliar
para sua provincia, na esperanca de conse-
guir o restabelecimento ou milhorasdo seu
fc morbo.
Ei-lo depois sobre as brancas e serenas
rrargens do Capibiribe, encarando osia-
Iros lares, studando os reos, os amenos
silios, a (Iroso plaga donde era oriundo.
A provincia que o rsperavn, eslendcu-lhe
jubilosa seus braco* para Carinhosamente o
receber no da 23 dejulho de 1847 volia
sim ao lar paterno uonde prin eiramente se
destilaran) os sorrisos, 0 se deslnvol veranj
as vises de sua juvi nliide.
Pouro tempo, porm, u-ofruio osapplnu-
sos e fesleijos que Ib.- Irihulava sua | rovin-
cia, porque fOra atacado de una ternvel
molestia que o proal rou no leito, sonde
com a maior paciencia solTria os contrastes
da sorle; e anda que depois experimentas-
se n.elhoras tenuas, comludo te via priva-
do intciranuiili! de ex< rcer a alti fenlo
do sou ministerio lendo somenie o nico
prazer de ordenar na mesma igreja onde
lora sagrado, a um dos Aldos do Carmelo, a
i|inm era alTeicoado. Acliando-se depois
com alguna lientos, agradecendo sobre mu-
lle, o d.svelo, o /co e o cuidado que sua
presada mana, cunbado eoulros tomarim
na si a cnfciinidade., elle volla para o
claustro a quein consa^rava engenua ami-
sade, honrando desi'arto esse lunar onde
tubera saudaveis lices de scicncias e vir-
tudes.
. No meio de tanto jubilo, no centro de
tanto prazer, eis novamente o nosM vene-
rando pastor assaltado, desenvo;veudo-s
oulrns padecimenlos que olancam no lei-
to: nda he proficuo para extirpar o mal,
liaoobslanle anarlc acliva, ocuiJado en-
tren o que sua familia tomara na sua enfer-
mi.lade. SolTrcndo, pois, rom a maior re-
s gnacio e paciencia todos os incominodoa
da v da, conforme com a vontade do llu-
m. ni Heos, e conliecendo o pe i jo da sua
existencia confessa-se e religiosamente
recebe o Sagrado Viatico e os mais Sacra-
mentos da santa igreja, e desde esle ins jo,
especUes amigos e os Rvms. capuxinhos
da Penha, incancaveis em preparar su i al-
mi, incessantemcnle recitavam todos aqu'l-
les psalmos e preces que a esposa de Jesus-
Christo un laes casos tem estatuido, em
cuja reritaciioS. Ex. nm com un cruci-
licio na mno, vido de BCOfflpanliar, ape-
nas a iiaturc/a Ibc facullava pronu ciar al-
Cor responde icias.
.Sr. redactor, Cada qual(diz o velho
proloquio ) conta da festa como Ihe foi nel-
li. Eue toda a minha lamilla fomos ac-
commeltidos, com maisou menos intensi-
dade, da epidemia reinante, e o mu bom
amigo o lllm. Sr. Dr. Sarment om poucos
dias salvou-nos a lodos coma applicscSo
dos sodorificos, dos mlicos o dos pur-
gantes.
.N3o he de minha inteneSo rebaixar com
Islo o alto preco da tilo rallada homreopa-
thii, nem mejulgo habilitado para entrar
em questes sobre materias tilo estranhas
a minha profissao. Oque smente preten-
do ne em primeiro lugar dar um publico
testemunho de gritidao ao meu amigo, e
em segundo fazer ver, que tambem a alio-
pathia cun. Verdide he, que a minha Tra-
ca rasflo revolta-see ropugna a crer na vir-
tudodas monadas de Descartes, dos albinos
de Epicuro, n'uma especie de feiticeiria
chamada dinamiacio, etc., etc. Mas os dis-
cpulos de Uannemaii, os apostlos da ver-
dide dizom-me, que na homoeopalhia til-
do he mysterio ; e vista disto disponho-
ine a fazer o meu acto do f, e calo-me.
Mas, umagrando dillieuldadu anda vem
inquietar-me o espirito. Se mo dizem que a
hon.ro ipathia he um systema de medicina,
creio, enenhuma prevencao lonho contra
elle, urna voz que seja applicado por lio-
mens professionaes, por homens que, ten-
dn dado anuos aos fslu los da anatomia, da
pbysiologia, da pathologia, da ilierapeuti-
ca, da pharmicil, etc etc. es!3o no caso
le, como se exprimi o Sr. Dr. Sabino, em-
prear e.-sas dses inlinitesimaes com ci-
encia e opportunidade. Porm, quamlo me
aQirmamqu iqualquer posaos, sem nenhum
conhocimento previo, he apta para curar
liomrcpatbicameiite, quando vejo que pa-
ra qualquer especulador andar por esse
mundo lazendo milagrea basta saber as pri-
meiras leltras, comprar urna caixinha de
yidrinhose um ciderninho de applicaces
ioi| orilas, confesso que entro a desconfiar
muito e mais que muito da divinal hoinoeo-
pathia, e propendo a considerar esses no-
vos doutores, como a outros tantos Dcl-
maslros vendedores do elixir d'amor.
corpo humano he una machina tilo com-
plicada, sao Untos os agentos physicos e
inoraes. que a ca Ja momento gredem a
nossa vida, que a arte de curar parece-me
a maisdillicultosi e incerla de todas as ar-
tes. Oconhecimento do infinito cathalogo
das enlerinidades polos seus muios e va-
riuveis syiiiplomas, a justa apreciacSo das
idades, uos sexos, dos hbitos edaiidioci-
noraslis, u indispensavel conhecimenlo das
virtudes das substancias medicamentosas,
CONSULADO GERA.L.
Rendi.-nento do dia 9. .
Diversas provincias......
EXPORTACAO.
Despachol iiiaritimol no dia g.
Genova, brigue sardo Dui-Fratelli: ond?. ;o
seguate!
3,700 saceos com 18,500 arrobas de assucar,
3,200 cliifres.
IlECEBEDORIA DE RENDAS CEIUES
INTERNAS.
Itendimenlo do dia 9...... 418,229
CONSULADO PROVINCIAL.
lien.lmenlo do dia 9..... 2:827,591
>l mmenlo do i*orlo.
Navio entrado no dia 9.
P.irahiba 24 horas, hiale nacional Eipadar-
tf, de 27 toneladas, capilo Victorino Jum-
Percira, rquipagem 4, c.irga loros de man-
gue: a Joaquim de Oliveira.
Navio tahido no mevno dia.
Rio-de-Janeiro Vapor de guerra nacional
l'rani.i, coinmandante o primeiro (cuente
Joao Joaquim da Silva Guiuiarcs.
EDITA ES.
~ O lllm. Sr. inspector da thesouraria
da fazenda provincial, em cumprimento da
ordem doExm. Sr. presidente di provincii
de 4 do correte, manda fazer publico que,
nos dias 30 do mesmo, 1 e 2 de maio prxi-
mo futuro, ir a prac, perante o tribunal
administrativo da mesera thesouraria, para
ser irrematado a quem por menos fizer, as
obras do Bterro e ponte dos Remedios, sb
as clausulas especiaos abaixo transcriptas,
c polo prego de 7.040,000 res
As pessoas que se propozerem a esta ar-
rematadlo comparecam na sala das s&ses
do sobredito tribunal, nos dias cima men-
cionados, pelo meio-dia, competentemente
habilitadas.
E para constarse mandou aflixir o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da tiiesouraria da fazenda pro-
vincial de Pe ra ni buco, 14 do marco de
1850. -- 0 secretario, Antonio Vertir da
Aunvnciacdo.
m*mmmmmmmm*~**mmmmmmimmmm
Subdelegada de Sau-.los do Recite, de
abril de 1850.Franeiieo Ctrneiro da Si7t>a,sub-
.1:749,41.2 delegado.
424,071 Um ilfinete de ouro gnnde com um div-
inante; 4 colheres douradas de cb ; 10 ditas
4:173,483 de prala, pequems; 6 ditas ditas de sopa ; 1
dita dilade arroi; 3 facas com ciboa de prata ;
una colber de prata de tirar assucar; 3 coros
de prala pequeas; 4 resplandores ditos ; um
titulo de prata de iinagem do Crucificado ; um
marac de prata ; 1 dito dita com cabo de inar-
i i ni; um canudo de (lila ; um didal dito ; nina
barra de prala com 86 oitavas; uma correte
de dila pequea; urna pequea iioagein da
Conceicao de prata ; uma corrente de prata
mais pequea; tresanneles pequeos de ou-
ro; uma liga de prala dourada ; pequeos ob-
jectos de ouro cam dual oitavas; um rclngio
com tranceln! de ouro; dous anuelea com
diamantes ; dous ditos pequeos ; dout pege-
nos pares de brincos ; urna imagem di Senho-
r Mal dos-Honieoi; duas hnagens do Sen lio r
Crucificado, urna pequea e outra grande;
o ni Sanio Antonio com o ineiii no Dos; oulro
dilo pequeo sem dito ; dous pares de livellas
de prala; 1 porco de registos : urna porco de
lu.i ainarclla ; 1 corle de cohete de seliin j
feito; I cabacinho com chumbo; 1 guarda sol
de seda nova; duas mantas, urna ppreo de
bicos e rendas em retalhos; uma peca de ina-
dapolo; um resplandor de prala pequeo ,
um santo Onofre pequeo ; um menino Dos
pequeo ; um par de penles de travesa de xi-
fres; Ires penles de cabeca para srnhora ; tres
penles de pernear cabellos um alfiuete peque-
no com diamante.
Existo na subdelegada da freguezia da
Boa-Vista um relogio de caixa u'ouro com
cor rente e sinete. que fora apprehendido a
um preto que o anda va offerecendo por bai-
lo pieco : quem se julgar com dircito ao
mesmo, dirija-so a mesma subdelegad!
que, dando os signaes certos e provando
ser seu, Ihe ser entregue.
O solicitador da fa/enda provincial ha-
bita no segundo andar da casa n. 16 da rui
docollegio.
licparlicao da polica.
-r
por
gumas palavias e textos da rscnplura.
I'onificado pela roligiflo, consolado
lieos ja em incias, alienada a rasSo, exhauV-
todefrcas, com dous religiosos sacerdo-
tes de sua o dem a cabcc^ira scu coul'es-
sor e capell.lo), inseparaveis compmheiios
nas suas agonas, judanio-o entregar sua
alma ao Cieador, eis i|ueonjo da destrui
.n i f.'in.a o punhal saiiguiriolento e abrin-
dois portas dosepulchro, com asdaiter-
nidade, rapi.ian 01 { descarrega sobro elle
Uto ciucl e falal gol e no dia 3 de abril de
1S.')0, v. o priva para sempre de sua pre-
ciosa vida quando contava com 73 arinos,
4 mezes e 29 dias de sua idade ; 47 annos
de religioso, cCnnnos, 10 mezes e 21 das
de hispo da diocese maranhense.
Elle rnlrcgou chn.stanmenti o seu espi-
rito nas mos do Creador; sua alma, qual
0 metoro uflammadu que vclozmciito ras-
ga o coracilo da uuvem que o fecha, esca-
pou-lhe dos labios e foi humildemente pros-
trar-se diante dojulgador dos vivos e dos
moitos. Acabou, morreu o ornamento, a
gloria, o esmalte do Carmelo; lermiuou
Si us dias o benemrito prelado, o excelso
pastor, o rarinhoso o amante esposo da
igreja miranh.-nse o Exm. e Rvm. Sr. I)
1 r. Carlos de San-Jos c Souza. Elle voa a
recbenlo pai das luzes acorta de gloria
tecida de grimldas e o premio .Jcvido a
scu mciitu.
Carpindo, pois, lodos nos do saudade, e
implorando principalmente ao supremo
juno gozo cierno de sua divina presenc*,
choremos todos, pranteiando junto ao ele-
vado e luctuoso cenolophio, a ausencia
eterna de to vigilante, de 13o solicito, de
l,0 amarle hl.-po O amigo.
Itequiem tternum dona ei Domine et
r/qutescat in pace.
Por .
ocoiuoequindo da applicacao deslas se-
ro cousas lAo insignificante* ou ndiferen-
tes, que ludo possa ser bem desempenha-
do ah por quem quer alirar-se a especu-
litao da huiiijjpatuiai' llavera nisto lam-
bem piodiio emysteiio?
Afuma estromo'sa das maravilhas, qui-
ero seu abonr assoalham esses Senhores,
uo | roduzcm em mi ai nenhuma convic-
\'o; porque se eu mo deixasse levar dessas
atoadas e louvaminhas. seria um idolatra
do boje quasi esqueciJo le ro, que por umi-
tas ve/es ( diziain as trombelas da faina;
Jjizarum rtnucHavH a momemento fetidum
l o cnaiopedo bosque, e a salsa parrilha
deSands, e aspilulas vegetaes -v___ Creio
que ludo he excoinmungado e proscripta
pela absoluta, exclusiva o intolerante dou-
li na de llanuemau. Concluirei com um pa-
dre da igreja, anda que a oulro proposito
- I trimque itupor, utrimque miraiulum.
Eu c toda a miuha numerosa familia luinos
curados suavissiinainente, Dos louvado,
com os remedios do lempo do rei velho,
toui a prosaica allopallua. Uuem quizer
,(ue recorra a potica e romntica houiceo-
pattila. Tfuhit miaqucinque voluplus.
U pudre Lopes tiama.
Sr. redactor. Como desejo fazer justica
e louvar ao mesmo templa quem tem me-
rec men tos. e lio o possa fazer por outros
meios seno pelo seu Couceituaiio Diario,
para que chegue ao conhecimenlo do pu-
blico e cte fazer a devida justica, vou ex-
piar o seguinle caso :
'feudo eu um escravo que fora atacado das
robres, que lano tem IUg<-lado esta pro-
vincia, recoiri ao Sr. Eianciscu de Paula
Rarneiro Leo! por ouvir a sua fama ), u-
lini .le o soccorrer com a homosopslbia ; e
esse Sr. depois de duas iises queappli-
eou ao dilo escravo, o salvou, licaudu o
mesmo de ludo icslabclecido.
Honra e mil louvorcs sejam dados ao Sr.
Carneiro Leu, que tanto su tem distingui-
do na cura da bou CCupitbia ; e Ihe liihuto
a n.ni!,a sincera gratldo, lauto pela cer-
teza da ipplicacflo das nses, como pela ra-
pidez com que salvou da inorie o meu es-
cravo! Iieos ova ajudando a salvar a hu-
mani lado !
Sou de Vmcs. Srs. redactores, seu etc.
Guilherme Jorge Patricio da l-'vnseca.
Publica co ti pedido.
Altesloquos aula i uhiica de pnmeiras
leltras desla villa tem estalo lechada des-
de o l. de fevereiro do correle anno at
boje, e que o piofessor francisco Jos da
Silva Pereira acha-se no Recite. Delegada
do termo de Pao-d'Alho, 4 de abril de 185o.
O delegado supplenle, t'runciho da Nvtlu
Cava/cunte.
COMMEftCIO,
ALEANDECA.
Rendimento do dia 9.....16:028,716
beicurrequm hoje 10.
Brigue inglez Alugnel-- ierro.
Barca ameiicana Conrad firinha.
Barca inglesa --Sword-l'ich mercadoriss.
Brigue portuguez =- Conceirdo-de-lUaria
dem.
Iliale brasileiro Ligciro pipas c barri-
cas vazias.
Barca ingleza -- Janes-Gondie -- bacalho.
Patacho nacional Jose/Minu-meicadoriis
Brigue portuguez -- fetos ceblas e
vi mes
Clausulas especiad da arrematando.
1.* As obras para o aterro e ponte dos
Remedios seiflo feilas de conformidade
Com os riscos e ornamentos nesta dala api i -
sentados a ipprovSo do Exm. Sr. presidente,
pelo preco de 7:040,000 rs.
2.' As obras piincipiaro no prazo
de um mez e sero concluidas no de quatro
mezes, ambos contados em conformidade
do artigo 10 do regulameuto das arrema-
la (Oes.
3.* Todos os materiaes scro examina-
dos pelo engenbeiro, e lavrar-sc-ha um
termo.
4.a O pagamento do importe das obras
realisar-se-ha conforme o artigo 15. do re -
gulimerilo de 11 dejulhode 1843.
5.* Para ludo o mais que uo est de-
terminado nas presente, clausulas, seguir-
se-ha o que dispon o precitado regulameu-
to de II dejulhode!843.
Recife, 21 de marco de 1850. O enge-
nbeiro, J. /.. I'ie'er Lieulhier.
Pela inspectora da alfandegt se faz
iuIiIico que, no da II do correle, depois
de meio-Jia, e na porta da mesma, se ha de
arrematar em bast publica 72 dusias do
sapalos ile carneira, para senhora, uma
duzia 4,000 rs., total 288,000 rs. ; impug-
nadas pelo amanuense Concalo Josda Costa
e Sa, no dei aciio por factura sb n. 79 de 6
do correte: sendo dita arrematado sub-
jelta ao | againeulo dos direilos.
Alfandega de Peruambuco, 9 de abiil
de 1850. -- O inspector, Luiz Antonio dt
Sampaio Viaiina.
Pela inspectora da alfandega se faz
publico que, a arremataeo das 80 barricas
di marca DA wm ditas da marc i CMC com
sardinhas, vn.Jas de Lisboa, no patacho
Abreu-I, e no brigue Empresa, abandonadas
por Oliveira Irmos e Luiz Jos da Costa
Amor un, v'io uovauiMite a piara no dia 10
do corrente, para seren arrematadas pelo
maior pnco que se offerecer ; sendo a arre-
matadlo livre de diieilos.
Alfandega de Pein mbuco, 9 de abril de
1850. O inspector, Lua Antonio di Sum-
paio Xianna.
Faco saber, que acbando-se vaga a ca-
deira de lingoa latina do collegio das ai tes
da academia jurdica deOliuda.por r.illen-
mento o arcadiago professor Ignacio Luiz
de Mello, est posta a concurso a dita ca-
deira, cuju prazo ser de lies metes, con-
tados da data deste edital.
E, pin que chegue a noticia de todos,
ni iinli'i a'lixar slo nos lugares do coslume
e publicar pela imprensa. Secretaria da a-
cademia jurici de (Minia, 8 de abril de
1850. f'iscunde de Guiunna.
Ilecii
aru;oes.
Faz-se publico, pel segunda secfo do
consulado piovincial, que se esta lazendo
a cobranza do imposto de20 por rento do
consumo das igoas-ardentes de pioducco
11 ia,i le ira, vencido no seu estre de dezeni-
bro do anuo prximo passado, e que, lindo
o presente mez, se piocedcr execulivamen-
le contra lodos os que dcixapein de ler pago
o referido imposto.^
Convida-se a todos os individuos li-
vres que se queiram empregar como ser-
ventes nas ulnas do arsenal de mariuha, c
nas do meilioi amento do porto, se enleu-
derein com o respectivo inspector, o qual,
na conformidade dasoideus do Exm. Sr.
presdeme da provincia, Ibes garanto a
isenco do recrutaucnlo. Tambem se ad-
miti os escravosem laes obras, dando-se
lauto a estes como a aquelles individuos o
joiii.il ue640rs. Inspeecao do arsenal de
o ariuha do Peruambuco, 30 de muro de
1850. -- o secretario, Thoin fernandei Ma-
dliru detaitro.
Pela subdelegada de San-Jos do Recife
foram apprelicndidos, rm os dias 31 de marco
prximo paitado e 4 do crreme, us dillerenirs
objectus rouliados abaixo designados i quem se
aiiiai com direito
lllm. e Exm Sr.--las pules bteme bo-
je por miin recebidas, consts tere presos : i minha ordem, a parda Quiteria
Mara da ConceicSo, por corrccrilo : a or-
dem do delegado de segundo dislricto deste
termo, o soldado do corpo de polica, Fran-
cisco Theodoro da Luz, por se ter passado
para o grupo rebelde, que no lugar Santa-
Mara, districto do Brejo, loriara os presos
que do termo de Flores viubain remetii los
para rstacidade : a orde da freguezia do S.-Fre-Pedro-Goncalvesilo
Recife, o marujo americano Thoniaz Tump-
son, por assim o hiver requisitado o res-
pectivo cnsul; Jos Joaquim do Santa-
Anua, por olTensas physics ; os pardos
Ji aquim e l.un, por estarem armados de
facas ; c Manuel Antonio de Miranda, sem
declaracflo do motivo i ordem do subde-
legado da freguezia de S -Antonio, o lles-
panhol Francisco Jos Dias da Molla, para
averigua^Oes policiaes : u do subdelegado
da freguezia da lia-Vista, Mara Thereza de
Jess, para o mesmo lim ; assim como que
no lugar do Escalva din ho, perlencenti ao
termo de Nazareth, fura morto a facadas, o
pieto Cactauo Jacintho, cujo assassino se
p le evadir.
Dos guarde a V. Exc. Secretiria d
pulira de Permmbuco, 8 de abril de
1850.lllm. e Exm. Sr. Honorio llermto
Carneiro Leo, concelheiro de estado, pre-
sidente desla provincia.- Jos Nicolao Re-
gtierra Coila, cliefe de polica interino.
lllm. e Exm. Sr.- Foram honlem presos :
minha ordem, o capilSodi lurc portu-
gueza Uracharense.Ro trigo Joaquim Crrela,
por suspeilo de inlroduzir notas falsas na
circulaco : ordem do subdelegado da
freguezia de S.-F.ei-Pedio-Goncalves do
Iteoifa, o r noeii o .Manuel Francisco de
Mello, por Iniga, que tivera com oulro ca-
uoeiro, de que esultira sabir gravemente
retido; Jos Marei, por embriguez; e
Jos Joiquim de Saula-Anna, por destur-
bios : e a do subdelegado da ficguezia de
S.-Antonio, Jos Olegario da Silva, para
averiguacOes poliriies.
Dos guarde a V. Exc. Secietaiia da po-
lica de IVrnainliiiro, 9 de abril de 1850.
lllm. e Exm. Sr Honorio llermto foruei-
nciro LeSo, concelheiro de estido. presi-
dente desla provincia.--Joi Nicol o Heguei-
ra Costa, chefe de polica interino.
Avisos Uihritiukos.
Segu viagem pan o Rio-de-Janeiro,
at o dia 13 do corrente, i buci americana
Contad; tem exrellenles commodos para
passageiros : os preten lenies dirijam-se io
escriplorio de Malheus Austin & Compa-
nlna, ra da Alfandega-Velha, n. 36.
- A veleira escuna nacional Emilia, de
que be CapilSo e pratico Antonio Mlvena
Maciel Jnior, deve chegar do Para por
estes das, para onde voltara com esca-
la pelo Marauho, com a maior hievi-
dade : quem na mesma pretender cane-
gir, ou ir de passagem, deveri entender-se
com JoSo Carlos Augusto da Silva, na ra
dt Cruz, no Recife, n. 13, irmazem.
O Mal* Noro-Olinda seguir pan o
<>ai a a 15 do crrente, por ter quasi promp-
to o seu carregamento : para o resto e pas
s>geiros trata-se como mestre do mesmo,
Antonio Jos Vianna, ou na ra da Cadeia-
Velha, n. 17, segundo andar.
Para a Baha sabe em poucos das o
liiate nacional San-Jodo, por ter partu de
sua carga prompta : para o reslo trata-se na
ra da Cadeia, armazem do finado Briguoz,
ou com o mestre no trapiche do ilgodflo
-- Para o llio-de-Janeiro sabe coin maior
hrevidade possivel, por ter metade de seu
carregameulo engajado, a escum nacional
Tentadora : para rarra, assagairos e escra-
vos a flete, dirijt-sea Antonio Aives de Mi-
randi CuimarSesou a ovies& C, na ra
do Trapiche, n. 34.
Para o llio-de-Janeiro segu com toda
a brevi lade o tnigue nacional los-fina :
quem no mesmo quizer carregar oh ir de
passagem, trato com Domingos Rodrigues
de Audra-te, no Tripiche-.Novo, n. 4, ou
com Jos Carlos Ferieira Soares Jnior, na
ruada Cidria do Recife, ou Com o capilo
do mesmo, Marcos Jos da Silva.
Para o llio-de-Janeiro sabe, com mui-
ti brevidade, o patacho nacional Curioso,
cipilo Domingos Antonio de Azevedo, por
se echar com parlo da carga proiupie i para
o restante, passageirose escravos a fele,
Para o Kio-de-Janeiro
segu em poucos dias o patacho
nacional Atnizade-Consante, por
ter parte de sua carga prompta :
para o resto da carga, escravos e
passageiros, trata-se com Melu-
do & l'inheiro, na ra do Vigario,
n. 19, ou com o capitSo a borJo
do mesmo patacho
Vende-se o patacho ameri-
cano Romp, de lote do laG tone-
ladas americanas, forrado de co-
be, muito veleiro e prompto para
seguir qualquer viagem : os pre-
tendentes dirijam-se aos consig-
natarios, Ilenry Forster ck C. na
ra do Trapiche, n. 8.
Para o Rio-de-Janeiro sshe, por estes
dias, a barc portugueza Brocharen!*: con-
duz pissageiros, para o que tem escolen-
les commodos : a tratar na ra do Crespo,
n. II.
PARA A CIDADE DO PORTO,
segu o brigue portuguez Bom-Paslor,rece-
be carg a frete e passageiros,pan os quaes
oflerece excellentes commodos : os preten-
dentes dirijam-se ao capilflo, Jos Comes da
Silva, ou a Rallar & Oliveira, na ruada Ca-
dea-Vtllia, armazem, n. 13.
Pira i Babia
sabe o hiale I.igetra, forrado e pregado de
cohre, n de primeira marcha : para carga e
passageiros, trala-se na ra do Vigario,
n.5.
Para o Rio-Grande do sul sshe com hre-
vidade o brigue nicional Moriunna, capilo
Jos Dias Corroa di Silva : recebe pequea
porco de carga a freto e escravos : quem
pretender embarrar, entenda-se com o ca-
pitn, ou com Manoel Ignacio de Oliveira,
na praf* do Commercio, n. 6, primeiro
audar.
Vai sahir impretcrivelmente sexta-
fein, ti do rorrele,para o llio-de-Janeiro,
o brigue nacional San-Joi:6 recebe algu-
mas encommendas, escravos a frete, e com
bous commodos pira passageiros : quem
pretender ir, diriji-so tras do Corpo
Santo, n. 66, ou ao capillo Jos Ramos de
Souza.
A pessoa martima que estoja habilita-
da, e que queira commau lar una galera ;n-
gbza, para seguir viagem para Europa, di-
ja-se ra do Trapiche, u. 12, cass de
Itidgwav Jamieson & C
jLeiloes.
O lelSo dos salvados do brigue Soeie-
dade, naufragado no districto de Caicaia,
tica transferido, por causa da chuva, para
quarta-feiri, iodo crreme, as 10 liona da
manhn.i, na prenca doSr. M. I. de O. Lobo,
Porte-do-Mattos.
Ocorretor Oliveira far leilo, por or-
dem eem presenca do Sr. Cnsul dd S. M.
Rrilannica, da mobiliado finado vice-con-
sul Coring, consistin lo em marqueza, se-
cretara com estante para lvros, ginrda-
ro'ipa, commoda, cadenas do Jacaranda e
d'oleo, mesas rehuidas o de oscriutorio,
cartuira, aparador, leito, quadrOS, Collec-
ces de 11 vi os nos idiomas inglez e Ciancc/,
e outros objeclos necesarios : quinta fe i -
ra, II do crrenle, as 10 horas da manlia,
no respectivo c. nsulado, na ra do Trapi-
che-Novo.
Avisos diversos.
a elle* apresenle-e a esta
subdelegada para.a vista daiprovaa,lbej| aereui I trata-se com o mesmo capitSo, ou com Luiz
entregue. J jse de S Araujo, oa ra da Cruz, n. 33.
Precisa-so de um feiior para um sitio
pe toda pr ca : na rui de S. -Amaro, n. 10.
Antonio Jos Vieirs de Souza niudou-
se da ra Nova pan o pateo do Collegio,
n. 1, segundo andar, anide contina a re-
ceber escravos por commissSo pira serem
vendidos por conta de seus senhores.
O VM s do ser to
He chegido ilgnns pares deste exc-
tenle petisco : na ra do Queimado, luja de
ferregens, n. 1*.
jte Clmpos de sol.
Ri a do Passcio, n. 5.
Nesta fabrica ha presentemente um rico
sortimento destes objectos de todas as co-
res c qualidades, lano de seda como de
panniilio, por precos commodos; ditos pa-
ra senbora, de bom gusto : estes chapeos
s.lofeilos pela ultima moda ; seda adamas-
cada com ricas franjas de rctioz. Ni mesma
cass se aclis igual soi lmenlo de seda e pan-
uinhos imitando sedas, para cubrir ai -
na ri-s servidas : todas estis fizendas ven-
de i.-se em porfo e relilho : timben-se
roncera qualquer chapeo de sol, lauto de
basteas de ferro como de balis, assim co-
mo umbelas de igrejas: ludo por preco
comino lo.
**iMmmmm-mmm*mtm*
:
I Consultorio homceo- I
palhico.
fltUA DACADEIA DES -ANTONIO, N.22 |
Este cuusullorio estar abeitu to- 2
":' dos os dias, desde as 7 horas da ma- W
9 nhila le as 3 dn tirde. 9t
fM Os pobres serao tratados gntuita- ||
af mente. Q
u
%
OSr. reverendo Joilo llereulano Co-
mes do Reg, morador no termo do S.-An-
tonio, queira mandar buscar u n seu escra-
vo crioulo que appareceu no engenho Pau-
lista a procura de quem o enm.irasse, flcan-
do certo que o propneiario do mesmo en-
^i'nlio, nn sa responsabllisi pela fuga.
--1 raspas-a-se o ai renda ment de um
engenho de boas trras de producto, por
preco rayoavel : lambcm se veudeni os per-
leuces do rendeiro, sendo auimaes do roda,
muito bons o gordos poldros, lavouras e
safras colber: os pretenJenles, dirijam-se
ra estrella do Roznio, o. 32, quo se di-
r quem faz esle negocio e se darilo tudas
as inlnniiar.il \s.
Kranciscu Marlins Ccsleira, Portuguez,
retira-se para Portugal a tratar do sua
| sfate.
MFI HOR FVFMPI


--|>cseja-se saber que ti he nesta nrag n
procurador, ou correspondente d Srsi. viu-
va do fallado Francisco i Qonoalves da
llocha, a negocio que lh* da respeto : na
ra do Crespo, loja ",0\ ,.
-jobo Antonio da Ponte rolira-se para a
Europa a tratar de sua san J*.
--Aluga-se o secundo andar da casa, n.
12 daruadoCaldeireiro, por cima do es-
criplorio do IK. Uiianina : a Miar com Joa-
qnim Esoeiidiao' da Silva Guirxarfles no
mesmo escriptorio.
. Predsa-sodeum alfatatepara oceupar
oliMsrdecnntremestre, e quo gaihi des-
emrenharbemoseu lugar inflse duvida-
r dar boa paga : na loja de alfaiate da ra
da Cdea-Velha, n. 16.
Dominaos Rodrigues de Cirvalho dei-
xou voluntariamente do ser caixei'o do Sr.
Jo- de Souza Garcia, desde o dia 8 do cor-
rento. ,
--Offerece-se urna pessoa para amane
casa de homem solteiro ou viuvo, a qual
coiinha o diario de ume casa e entenda de
costura : quem pretender, dirija-se a tra-
vessa da Bomba, casa terrea, n. I
--A directora do colegio de meninas, que
morava na ra Nova, declara ao publico que
j princiniou com os seus traballios desde
o dia 3 do correnta quero com ella preten-
der fallar, dirj-se o seu sitio na estra la
nova, que tica confronte ao sitio do Sr. Mi-
guel Arehanjo, oudoSr. Antonio Domin-
gos Pinto : na ra Nova, loja de trastes, ha
ver pessoa para ensinar o mencionado
sitio. ,
Pede-seaum Sr. Mello, que tom loja
de fazendas, e que foi incumbido do Rio
Formoso para receber aqu un sellim, o fa-
vor de declarar a sua loja para so Ibe fal-
lar : pede-se esle favor por se ignorar o lu-
gar da residencia, e por causa de certa du-
vida que agora apparece.
Precisa-se de uid rapaz do 12 a 14
minos para caixeiro de venda : quem se
acbar nestascircumslancias. dirija-se ra
da Cadeia do Recie, loja. n. 43, que achara
com quem tratar.
Constando ao abaixo assignado que a
Sra I). Joaquina Ignacia Mavignier, viuva
do Sr. Jos Alexandre Ferreira, esta ven-
dendo e pretende vender os bens do casal,
e como nflo convenha ao abaixo assignado,
como adminisiradorde sua niulher I). An-
na Candida Ferreira, ter lovado, protesta
contrae referida I). Joaquina, e tolo a-
quelleqoe comprar ditos bens, visto que
estSo por in diviso, e por uflo se lereni an-
da inventariado edado a parlilhas. -- Mi-
guel Affonti Ftrrtira.
OSr. Martinho da Silva Costa queira
ter a bondade de vir ou mandar pagar urna
lettra, vencida eni feverebo de 1848, da
quantia de rs. 204,032 : na ra do Ciespo,
lojsn. 10.
Roga-se a irmandade da m Antonio que lonba a bondad de dar
as providencias para ter um sacrista* pes-
soa quo saiba tratar as pessoas, < u lo me-
ninos que passam a maltratar as pessoas
que vflo a (reja a qualquer exigencia, puis
que uma matriz deve ter uma pesssoa decon-
sideraeflo para as precisOes que o povo tem
ohrlgagflo deas procurar, como agente da
igrejl, -- U maltratado.
- Roga-se ao Sr. J. S. C. quo haja d>
vir tirar o relngio que s<-acha em peni al.
na ra do Roza< lo, u. 16 ; pois ja ha milito
se passnu o trato ; do cuntraiiu,ser vendi-
do para emholco do pagamento.
Roga-se aoSr. Jos Geraldo de Lima
que baja de apparecer na ra eslreita do Ro-
zarlo, n. 16, a tratar de negocio que nflo
ignora, pois ha n.uito se o manda chamal
e nSn comparece.
Precisa-se singar um i ti to para o ser-
vido de casa de um homem solteiro: quemo
li'er,dirija-se 4 ra do Trapiche-Novo,n 18,
primeiro andar, das 9 s 5 horas- da Urde
-- Offerece-se urna pessoa para cobran
ca de divi.ias dentro da praga, dande llan-
ca neressaria : quem pretender annuncie,
ou dirija-so rila Nova, n. 8.
O Sr Aleies los Cavalcante que mora
mi um sitio fura desla praca, queira fa/er
o favor quando Vier ao Recife dirigir-se
ra do Queimado n. 30, quo se Ibe des-ja
fallar.
Roga-se ao Sr. L. C dosS. que baja de
ir pagar os 2 n.ezesdo Mugue! do sobrade
sito as Cinco-Ponas, onde conservou por
esto tempo sua concubina; du contrario,
ver seu nome por extenso nesta fu! ha.
O Sr. Francisco Martins Cesteira vc-
nha pagar oque ileve lia ra do Queimado,
n. 30, antes de se retir .r; do contrario sol-
frer embargo mesmo a bordo.
--Perdeu-so um chicote pequeo appare-
lliado do prata j usado, da Ha-Vista al
Santa-Auna quem oachar e quizer restituir,
dirija-se a praga do Corpo-Santo, o. II,que
se gratifcala.
-- Offerece-se um Porluguez para cai-
xeiro de cobranga* de ra, ou para tomar
cunta de urna venda, ou para qualquer es-
labelccimenlo, para o que dar fiador a sua
c< mnela : quem do seu preslimo se qui-
7i r utihsar, dirija-se a ra da Cadeia du S -
Antonio, n. 2, tabein, ou annuncie.
I'reci.-a-se de um caixeiru de 12 a 11
annes : na ra do Livramenlo, loja decal-
cado ao p do nicho.
-- Alu gk-se, i or prego como odo, o quar-
to andar do sobrado da ra da Alfaodega-
Vclha, n. 44, proprio para homem solteiro i
a tratar no armazem de Polyearpo TOs
l.ayme, na mesma ra, n. 9.
Avisa-se ao Sur. Joaquim de Aragflo
Kbla, piocurador do Sr. Flix .Manuel do
Nascimento Valoy, que a chave da casa da
truv. ss no CbI Jcneiro, em que morou o
Sr. Joo llilieiru de liiilo, acha-se em po-
der do liador do mesino Brito, a qual nflo
se euiregou por ae ignorar a morada do dito
Sr 11: l.i, o q e se faz publico, para sena.
pagar mais aluguel.
Tbomaz Fcrnandes da Cunts, subdito
porluguez, reiira-se para Lisboa a bom il.
sua sadi, levando em sua comp nina Sua
senhuia, Joailua Vicluria de Brito da Cu
nlia, e seu lilho menor, Thumaz Fernandas
da Cunda Jnior.
*- Aluga-se o segundoandar do sobrado
da ra ito Rangel, dcfronl) da botica : na
ra Uo i'abuga, n. 1 C, loja de 4 portas.
-- Na ra Nova, loja n. .">s, se dir que i
da a juiosquantias Uu 300, 400, 500 e G00/<
rs sobre hypotheca ero casas terrea*.
~ Precisa-se mu!to saber noticia do Por-
luguez Joo Minios l'umari's, i|ue venda
ou ven le fazendas na freguezia u.i F.*Ca 'a .
na ra ao Livramento, n. 31, loja
"Keseja-so arrumar de caixeiro de al-
gum bom estibelec.imento um pequeo
b'asileiro, de ptima conduela, e que pres-
tar llenc, so o exigirem : quem o precisar,
annuncie.
--Antonio Marinho Paes Brrelo embir-
ca para o Rio-do-Janeiro a sua escrava par-
da, de nome Eupbrozina.
Furtaram, no dia 8 do correnle, umi
lanterna lisa com castical de casiuinha fi-
n; roga-so a quem r offerecido o favor
dea spprehender e levara ra Auguita,
n. 32, que ser recompensado.
Xa lubrica de ca.ldcire.ro
il i ra Imperial, n. 181,
de Jos .\aj)) & Braga,
fazem-se machinas de Derosmee de outro
qualquer modelo para espirito, ferragens
amarellas, almofarizes, candieiros do di-
versos modelos, escrivaninhas, perfumado-
res, palmatorias, esporas de sallo o de cor-
reia, torneiras para alambique, Na mesma
fabrica acham-so ofllciaes promptos a M-
nir i ara qualquer engenho desta provincia,
para concertaren! machinas e alambiquos:
lanih mu ha'para vender areia de funJir,
chegada ln poucos dias, e da melhor qua-
lida le que tem apparecido. Fundem se
bronzes para en^enhos, parafuzos para ro-
das d'agoa e loda e qualquer obra de cobre
e bronzequo se offerocer nesle estibelec;-
mento, com legalidade e cinsciencia, ein-
quantoaqualidade de metaes, por muito
mais barato prego do que em outra qual-
quer parte.
Aviso aos amadores e
apreciadores de msi-
cas novas c de bom
goslo.
Joflo Vignes, morador na ra larga do
Rozario, n. 28, primeiro andar, acaba de
receber pelo ultimo navio vindo de Franca,
um grande sortimento de msicas, cuino
sejam : valsas, variaces, polkas, quadri-
Ihas, modinhasbrasileiras e nutras italia-
nas ; hem como o melhor metbolo para
piano, solfejos para canloria, ludo pelos
melhores autores da Europa e da mais mo-
derna escola. Na mesma casa vendem-se
os mais ricos pianos que leen) viudo a Per-
nambuco, osquaes sflo feitos de |>*>posi-
to e com novo macliinismo. para que te-
nliam grande duracilo; assim como tau-
liem actiarflo na mesma casa pianos ingie-
res, com pouco uso, vendeudo-se ludo pe-
lo mais commodo prego.
Amassador.
Precisa-se de um hom amassador: na ra
da Senzalla-Velha, n. 84, padaria.
Lotera da matriz da Boa-
Vista.
O respectivo thesoureiro, M.inoel Goncal-
ves da Si'va, pretende nflo illudir a exrec-
tacflo do publico com annuncios imporlu-
nos do aroramenio das rolas desta lotera;
esforgar-se-ha quanto couberem suas fr-
cas para com a possivel presteza annunciar
0 ilia, alem do qual nflo devera passar a cs-
."cranca ros compradores ; porque entende
queaessa illusflo em que alguns teem por
^ezes deixado o respeilavel publico, se de-
ve essa especie de descrdito, quo tanto
tem demorado o andamento das nonti lo-
teras ; por isso limita-.se por ora a annun-
ciar a venda dos hilhetes, e a extrabi-los
com lodo o empenho, afim do poder asse-
-'.n ar aos compradores o dia em que deve.
raella impreterivelmenle correr.
A vanlagem do plano j publicadu e o litu
religioso para que fui esta lotera concedi-
da, convi la e seduz os tentadores da surte
a concorrerem seru demora para a compra
dosnumiros que Ibes preparim a suave
if'liiisirfin de lieos na fortuna, seni risco
de grande capital, e com o importe smen-
te da diminuta quantia du 5 ou 10,000 rs.
por poucos dias.
Desde j achar-se-hSo os bilhetes : no
Recife, lujas do thesoureiro e do Vieira
cambista ; em S.-Antonio, botica de Joflo
More ira Marques, no pateo da Main/, e de
Francisco Antonio das Chagas, na ra du
1 \ i aioento ; loja de Bernardiuo Jos Mon-
ten o, i-i .( inlia do Livramento, n. 44 ; no
Aterro-di-Boa-Vista, lujas do Cuimares,
n. 44. e de Duaite Borgcs da Silva, n. 18.
Q C
q Alugam-se e vendert-se as verda- gj
vj deiras btxas de llamburgo : na praga v
/* da Independencia, n. 10, ao voltar n
n para a ra das Cruzas. /*
o o
--Manuel lui.ite Rodiigues, legalmenle
autorisado por Manoel Jos Francisco e
Quiteria Mari, residentes em Portugal,
pai e mfli. universaes herdeiros do falleci-
do Antonio Jos Francisco Veiga, para pro-
mover a ariecadafflo dos bens deixados,
convida aos eredores a apresentarem suas
cuntas na ra do Trapiche, n. 26, para se-
'Cm allendiilos ; e loga a lodosos devedores
de mandaiem pagar seus dbitos, no mais
curto esspaco Je lempo, para puder dar
cuntas aos uilos herdeiros.
Atlcu^o.
Agencia de passaportes
A an'iga agencia da ra do Rangel, so-
brado n. 9, ciiiiliiii a tirar passapO'lcs
palailenlio C lora do i ni fu r i (, o despa-
cham fccscravos, por mais commodo pre-
go quo he possivel.
-- Antonio l'iaucisco Maya vaj a Europa,
por isso quem se julgar seu eredor, apr-
sente sua coula para ser aatisfeila.
Delfinu dos Anjos Tcixeira vai a Por-
tugal : quem tiver contas com o mesmo,
queira aprescuta-la at odia 20 do curren-
te, para seren pagas.
Auna Joaquina de Faria relira-se para
Poilugal.
-- Precisa-se de um bom fornciro, para
trahalharcm una padaria, distante desta
praga uma legoa : as Cinco-Ponas, a fal-
lar com l.uiz Gomes Silverio.
Quem quizer comprar uma preta ciiou-
la, muito ba cozinheira, engommadeim,
o que cuse soffnvelmcnle, dirija-se ra
Nova, n. 52, segundo andar.
Joflo Vieira Bolelho, Portoguez, vai u
Europa.
--No dia 4 do crrente aiisenlou-sa da
casa de Jos Pedro do Reg um Africano li-
vre, de nomo M.n iel, iu 1t annos pouco I lar de borla, pomir o cnc'iorlar : ni Mig-
maisou monos; levou eamisa di algodflo 'daloni, estrada da Torro, n 78.
trancado con listras zues, aiu la nova, e
calca j usada decisiiiira escura de algo-
dflo elfla, falla muito esplica lo que parece
crioulo ; tem olhoj grandes e abutoa ra fura o um tanto cmbalo ios ps ; cos-
tuma trocar o nome pelo de Joflo o tom um
signal no paito direito que parece do alga-
risnio 2 : quem o apprehendoi*, leve-o a roa
do Apollo, n. 16, primeiro andar, ou na ra ABS1ISK
do Trapiche, armazom de assucar, n. 13. : ^
Na ra das Cruzes, n. 40, ven Ja de Do-
mingos la Silva Campos, ha bichas ham-
burguezas pira alugar e vender, tanto a
rotalho como em porgilo : por prego com-
molo.
Fugio, da casa da ra do Sebo, n. 36,
um periquito: quem o pegou, querendo
lova-lo a mesma casa, ser generosamente
recompensado.
--Aluga-se o segundo andar do sobrado
atrada matriz da Boa-Vista, n. 26, muito
fresco, c com bastantes commodos: a tra-
tar na mesma ra, n. 22.
Roubo.
Ilontem, pouco mais do meio-dia, veio
loja do abaixo assignado, uma prela baixa,! g>
grvida ao monos de 7 mezes, com vestido i a>
brancoe avental preto que indica ser cozi-j
liheira, e pedio para amostra 4 pares de'
f: Consultorio homoeo-
i-
pathico.
Run to Trapiche, llotel-
I'rancisco,
Dirigido pelos doutores Sabino O. I.
Pinho, J. A Luz, eC. Chidloe.
Todos os dias, desde as 7 horas da
'y O
<


>'
al
<\
<~\
<'
<-'
r> uianhfla at as 3 da tarde, pdem ser brincos, sendo 2 esmaltados e 2 do aventu- procurados qualquer .lestes Snrs.
ria, os quaes se Ule der.m por dizer ella As cnsul as scrao recebid.s por
' ... A r. 7 nuit niinr il.io trae n....... .. miu ca
qual'iuer dos tres mdicos que se
achar no consultorio.
que era para casa da lllm." Sr.' D. Anna ( gj,
Muniz, viznlia do abaixo assignado, dando a,
signaes certos das pessoas da casa.com o que ;.
conseiuio levar as ditas joas, quo agora sei^-
sabe que nflo fram mandadas buscar p|a I os s .ccorros de qua precisarom, a
mesma senhora. nem por pessoa du sua fa-1 -> qualquer hora do da ; adverlin lo
AS pessoas nee. Silladas continua- ^J
rflo a receber gratuitamente, to los ^
mesma senhora, nem por pessoa
miliapor isso qun dolosamente fram sub-
trahidas ao abaixo assignado, que gratifica-
r a quem descobrir dita preta, ou snuber
onde se acbam os ditos brincos : na ru i No-
va, n. 3i. Carloi ll/trdy.
No Chora-Menino, sitio pequeo, jun-
io a casa que foi theatro, appareceram dous
carneiros mansos: quem fr seu dono,
dando os signaes, Ihe serflo entregues, pois
nflo seresponsabilisa pela fuga.
D-seata quantia de 300,000 rs. a
juros sobre peuhores : na ra eslreita du
Rozario, n. 22.
Precisa-sede uma mulher capaz para
que, serflo soccorridos com prefe- rancla, aquelles que logo no prinoi- ^
pin da molestia recurrerem a lio- *
mosipatliia, sem haver lomado re-
medio .'.l.;ii'n allupathico.
<
Precisa-se de um feitor que trabalhc,
entenda le horta, arvoredos e vccas : na
Magdalena, estrada nova, primeiro sitio de
porlflo de ferro.
Precisa-se alugir uma preta que sai-
ha lavar, engommar e coser, para uma casa
estrangeira : na ra do Torres, n. 34, da
ama do servigo interno de urna casa de pou-| 1.1 horas da maulifla s 3 da lardo. Na nies-
ca familia: na ra do Queimado, u 3, i mscasa tambem se precisa alugar um pre-
loja. I to que entenda do servigo interno e de tra-
--Joaquina Hsiil da Conceigflo. Brasi-j i>r de cavados,
leira, vai a ilha do S.-Miguel a tratar de
HU sau le.
Precisa-se de um homem que saiba
trahalhar en um sitio perto da praga: na
ra Nova, n. 26, primeiro andar.
Precisa-se de um ca ixeiro para baleflo,
coii pratica ou sem ella, comanlo que seja
hbil e de-e ll ha li ead i, jlllltanloa sio
suas boas qualidades, e que sua ida le nflo
exceda de 25 aunos : na ra Nova, n. 25, se
dir quem precisi.
Precisa-se alugar um preto : na ra da
Ca leia de Sanio Antonio, n 13, na loja.
Eiigcnho Qiiclnz.
Freguezia de Ipojuca.
Traspassa-se o arrendamento do dito en-
| genho, n qual tem a presente safra a tirar,
i e Ires a criar. A tratar na ra da Aurora,
i n. 26, ou no mesmo engenho com Miguel
' AuKUSto de lili ve; ra.
Na ra ilas Larangeiras, n 15, engnm-l N B.O engenho tem excellento pasto,
ina-SM toda a qualiJade de roupa, com bre- he hom d'agoa, e tem bons cercados ; e,
vi lado, e por prego commodo. caso baja quem queira comprar a safra,
Ai iiiiIiIwmi ser-lhe-ba ella vendida, entregando-se im-
" l'UUlitii. I mediatamente o cstabelecimenlo.
A pessoa quo se julgar em Pernambiirol _
ler sillo rnubado pelo Purtuguez Francisco I\Olll>().
Jos Dias, queira declarar por esta folba. N. noi,e _|(. (|o foi fur-
-l'rec.sa-se de 1-.3ODO0. rs a prcnio,; u,,0 mpllto que venda fazendas, uma
por lempo de um a.ino, damlo-se CSMS ler- ]c ^ umHCilrino com dlV(.rsi,s ra.
reas nesta praca de hypotheca : quem qui-l"
zer dar, annuncie por esta folba.
-- Precisa -se de um hom amassador : as
Gnc0-POJlta>, padaria defronte da forti-
leza.
Precisa-sede um caixeiro que tenba
pratica de venda : na Litigela, n. I.
Aluga-se a loja do sobrado da ra Bel-
la ; uma casa terrea ; e a loja do Sobrado
da ra de S.-Francisco, com cinco quartos :
a tratar no mesmo sohrjdo
Aluga-se o segundo andar do sobrado
n.86, na ra de Aguas-Verdes : a fallar na
praga da Iu lepni lencia, n. 2C, loja.
Precisa-se, no sitio da tim
vrssa do l.niiH'ilio, n. ai, de Cie-
Itno Piolo de Veas, de qualro
pessoas lunas- ou captivas, para
trabalbarem de srvenles de pe
dreiro, com a paga de ('jo rs.
diarios.- quem quizer, dirij-se ao
mesmo sitio.
Joflo DeodntO Human leudo o annun-
cio do SenborJos Baplisla Braga inse
rio no Diario numero 67 de 22 de mareo
prximo passado, sobre as letlrasque acei-
tou aoSr. Mane I Antonio Alvares de Brito,
que Ihe foran penlioradas por parle dosSrs.
M. Calmonl & ti., declara que duas deslas
letlras a vencerem em 26 de julho a 26 du]
novembio do correte anuo, so acham em
en i nde i" r iransacgflo fdita em 15 de
dezeiiibro prximo passatlo : por isso pre-
vine ao Sr. Braga, que como aceitante esla
obrigado a paga-las ao anuunciante.
Furto.
No dia 6 do concille, as8 horas da noi-
le, i,ni pelo Silbador furlou do porto das
canoas da ra Nova, u..i bahuzinho de Tu-
lla pintado de azul, conlendo 3 imagens,
uma do Senhor Ciucilicado, oulra de S-
Anna, e outra de S.Antonio, estando esta
ultima paramentada ile ouro ; bem como
um espellio de moldora dourada e algumas
camisas de homem, lo i Illas, etc : quem de
lal loilu.-oulier, fara o favor de aprehnde-
lo ejparlicipar na la do Collegio, n. 16,
segundo andar, o mesmo se ruga a todas as
autoridades policiaes.
d^y^t/VW i|r'fV,vJVfW9'0
IIOMWOPAIIIIA I ll'. A.
zen las linas; pois lendo o mesmo prelo,
por motivos de embriaguez, chamado um
ganhsdorpara carrregar a fazenls, o mes-
mo se evadir com todas as fazendas e al-
gum dinheiro que carregava. Itoga-se, pnr-
lanto, a rolicia ou qualquer pessoa que
telilla noticia do occorrido, de dirigir-se
rua ta Cadeia-Vclha n. 21, casa de Manoel
Antonio la Silva Anlunes, que sei gratifi-
cado com ioo.oo rs.
Compras.
Cnmpra-se urna taberna que seja em
bnm lugar do haino da Boa-Vista, ou 8.-
Antonio : na praga da Boa-Vista, taberna
n. 13, s tlra quem compra.
Compra S'i una casa terrea, com pre-
ferencia em S.-Antonio : na rua de Apol-
lo, n. 8, se dir quem compra
Cnmpra-se urna casa terrea, sendo bs-
tanle grande, ou sobrado de um andar : pa-
ga-se bem, sendo as roas das Trincheiras,
Larangeiras, ou por detrs da matriz de S.-
Anloino, ou pateo do l'arai/o quem qui-
zer vender ou trocar por oulra, annuncie:
lamhem se compra uma purgflode lagedo,
anda que seja servido.
(jimpra-se una mulatinba que lenha
bonita figura, i roprii para mucama, de 12
a 20 annos ; um mulalinlio ou moleqne, de
bonita figura, proprio para pagem, de 12a
18 anuos ; urna prela que seja boa cozinhei-
ra e engommadera na rua Nova, n. 25, se
ilir quem compra.
Compra-sea Historia natural por Milot:
na rua doOueimado, n 7.
Venda;
s.
Manijo ecoziiiheiro.
Vende-se um exeell ule escravo, boa fi-
gura, mogo, solio, bom cozinheiro, manijo
e mergulhador : na rua do Crespo, loja
n. 9.
VENDEM-SE
corts de casimira de cores, a 4,0n0 rs.;
cambraia frauceza,a 160 rs. o cotado; co-
bertores de algodflo.a 600 rs.,-ditos de Ifla, a
1,400 rs.; picote azul, a 120rs. ocovado ;
pecas de zuarte da ludia con quatro palmos
^. | iras minia- fazendas por barato prego : na
* rua do Crespo, loja |n. 10, de Viuva Freitas
"3 Cuimares
C j -- Vendem-se lijlos para limpar facas, a
4fi 8,0(0rs. a duiia : no armazem que foi do
- pregos. _^ fallecido Braguez, perlo do arco da Con-
ST O Dr. Luz SBofferece dar todos jj
Rua do Trapiclii, n. 40.
Boticas e livros para o tratan.cu-
lo os enfermos pola homecopalhia :
acham-se a venda por mdicos
j. i s esela 11 i iu.culos neii s.-ai los para
> o melhor uso dos mesmos.
<
<;
QAkA&ibQ
Quem liver escravos ou esclavas que
saihaiu vender hurlalice o Trueles, e quizer
aluga-los, tlinja-su ao largo da Trempe, so-
brado n. 1, que tem venda por baixo. No
mesmo sobrado anda tem pan vender bo-
nitos (s de piena musca lid de cheiio,
ditos desapoiy edeoutros arvoredos deli-
cados.
Aluga-se
um bom cozinheiio forro ou captivo : a tia-
ceigflo
Vende-se cassa-chila muito lina, de
bonitos padrFS e cores lixas, a 320 rs. o
covado : no Aterro-da-Boa-Visla, n. 18,
loja.
Vendem-se, na la das Cruzes, n. 22.
segundo andar, 7 escravas, sendo duas de
20annos, de bonitas ligmas, peritas en-
gominadeiras, e que cosem chflo, cozinham
e lavam do sanflo ; 4 pretas que cozinham,
lavam de sabflo e sflo ptimas quitandeiras;
ummolequede nacflo, de 18 annos, cozi-
nheiro, e que serve bem a urna casa em to-
do o servigo.
Vendem-se duas bancas de Jacaranda,
duas ditas de an.arello, 6 calungas coro re-
tar na rua da Aurora, n. 26, ou na ponle c 'domas, 4 paneis da Senhora da Graga, um
Olia, cip casa de Francisco Antonio de oratorio com imagens, um candieiro de
Uliveira Jnior. lalflo com tres luzes : no pateo doParaizo,
-- Precisa-se de um leitor que saiba tra-'ii. 20.
-- Vende-se urna casa terrea com fjniloS
para um sitio pequeno.na estrada dos Anhe-
los :quem a protender dirija-se cm Fra-de-
Portas, rua do Brum, ten la de ferreiro, n. 8.
-. Vondo-se.por percisflo.uma preta boce-
teira e lavada^ e 9ais habilUlndes que
vista so dir. Nessa mesma casa tambem s
vonile ped as para soleiras o algu is milhei-
ros de lijlos de alvenaria: que lu lo se dar
por prego commodo: na rua do Boda, n. U
Tambem te,n umaporgflo de litlos que-
brados para ilicerce.
LIMA-
Rua do Queimaih, obrado n. 19.
Vende uniformes militares para todas as
patontes de olllciaes do exercito e guarda
nacional, .oclusivo ofllciaes gen^raes e
commanda'.tes superiores; tend' o me-
lhor galflo ue ouro para devisas do padrflo,
boj em uso na corto ; esp ida de metal do
principe, e ludo quanto portence aos ditos
uniforoies, quer de grande ou pequea
galla, estando habilitado para promplili-
car o uniforme completo para qualquer 01-
IbIIiSo, a.-sim como para msicas para o
que apresentaifl ilifferentos figurinos. En
sua casa se pdem vir os figurines com as
alleragOes que recentcmente soffroram os
corposda guarnigflo da crte.c que teem du
ser imitados por todos os do eiercito.
Vende-se sola e couros miudos, ta-
manco-", bonetes para homem e senhora ;
sap*los de todas as qualidades, tanto para
homem como para senhora, mirroquim do
todas as cores, bezerro francez, o outras
muitas cousas por preoo mais coinmolo do
que em oulra qualquer paite, lano a reta-
llio com > em porgflo : na rua do Livramen-
to, ao p do nicho, loja de couro e sola, na
entrada do becco do Padre.
Vende-se sola o emires miudos, inajis
coberlas de sola e babs, ditos de couro:
ludo por prego mais commodo do que em
outra qualquer parle : na rua do Collegio,
loja de Bnlls, n. -- Na mesma loja tamben
se fazem obras de encommenda.
Xa r o pe do bosque
para cura da plilliisica cm todos os seus dille-
rente groa, qur motivada pur conatipa-
fea, toase, astria, pleuriz, escarrosdeaan-
gue, dr de collado e peito, palpitaciio no
Corceo, coqueluche, broncllite, dr na gar-
gunta e toda as molestias dos orgiios pulmo-
nares.
ACENTES GERAES NO BRASIL,
ntO-DF.-JANEIBO, RUA UO HOSPICIO, S. 40.
Sub-agintii:
lialii i, ot Srs, Lima Irmaos.
Pernaml.uco. os Srs. Novaos h C.
Cear, o Sr. Ilenriquc I-I le i y.
Maccio, o .Sr. Dingo lliirnctt.
Maiinliao, osSis. Jos Domingos Castro & ('.
l'ai.oSr. Alfredc Hieloir.
Rio-Grande do lu, o r. Antonio Teixeii a
Palliarcs.
Campos, o Sr. Eugenio Bricolens.
Porlo-Ategre, o Sr. A. Cornete!.
S.-Paulo, o Sr. Ilenriquc Fox.
Paranagu, o Sr. Joao Croslon.
Porto-daa-Caliai, os Srs. Neves & Tinoco.
Lidade de Paracal (provincia de Minas}, o
Sr. JoSo Jos de Siuta-Aiiiia.
Porto-da-Estrclla, o Sr. Francisco Alves Ma-
chado.
Santos, o Sr. Sabino de S;i Vasconcclloi.
Desterro Sinla-' atliariua), o Sr. Jos Gon-
calves dos Santos Silva Jnior.
Porto, o Sr. Charlea Jobo kuuliarat, rua de
S.-Miguel, n. M.
Liabda, o Sr. Jos Mara liarral, rua do Ouro,
ni. idO e 231.
Lembrar-ie-ba o publico que cada garrafa
lein dous papis com a propria assignatura dos
agentes 11. C. Vales A; C., um na gariafa coin
nina perfil la dlrecco sobre o modo de usar
delle, e oulro no papel invollo.
Pode ser mandado com toda a seguidade
para i|iiali|urr parle do imperio. A' rdeos
execuum-se tonina 1111 en te.
Vende-se na rua dos Quinis, n. 12.
Chegou novamenlt gelo e se vende ao
mesmo pr< go do antigo, adverle-se quo
nao se tomam mais hilhetes, visto o vende-
dor ler perdido alguns, e nflo Ihe convem
vender assim, os portadores Irarflo o im-
porledo gelo que quizerem ; bem como
nflo se reecbtrn cdulas estragadas.
Pee hincha para os buhu-
leiros.
Vendem-se chitas proprias para forros de
hahs pnreslarem Hacas, a 3,00, 4,000 e
5..">. 0 rs. : na rua do Crespo, loja da esqu-
quina que volla para a cadeia.
-- Vendcm-sc dous sobrados de um andar
cala um, no larfto das Cinco-Pontas, de-
fronte da fortaleza do mesmo nome : faz-se
lodo o negocio por ter seu dono de retirar-
se para fura da provincia : na rua da Cadeia
de Santo-Antonio, 110 segundo andar do so-
brado da esquina do Ouvidor.
Vende-se um mulalinho de 16 annos,
viudo de lora da provincia; he de bonita
figura, e nao tem vicios nem achaques, por
isso proprio para pagem : na rua da Cadeia
do Recife, n. 41, loja
Vendem-se 3 -el luis usados, por prego
commodo : no pateo do Tergo, n. 7, taberna.
Na rua do Crespo, loja
da crquina que volla
para a cadeia,
vendem-se cortes de casimira preta, muito
boa, a 5,500 o 10,000 rs ; panno preto, mui-
to hom, a 3,200, 3.8CO o 5,500 rs. o covado ;
cortes de colletc de fustn, a 640 rs. ; ditos
de setim de cores, a 2,000 rs. ; ditos de gor-
gorito, a 1.600 rs. esguio do lindo, muito
fino, a 1,280 rs. a vara.
V>va relinag.oi.
Na rua da Concordia, n. 4, refinngflo de
Manoel Joaquim Malheiros, vende-se supe-
rior assucar refinado de primeira e segun-
da soites, dito mascavado. dito de carogo
du todas as qualidades, o caf muido : lu-
do por prego mais commodo do que em ou-
tra qualquer parte, tanto em porgflo como a
rclalho.
Oleo de mamona.
Vende-se oleo de mamona ,
a 1,280 rs. a gariafa, eem porco
a 1,120 rs. : na rua das Mores,
n. 21.
-Vendem-se amarras ae ierro: na rua
Ja Senzalla-Nova, n. 42.
-- Vendem-se saccas com farinha de man-
dioca, vindas do Rio-de-Janeiro no brigue
ioseftna, 1 or prego commodo : no armazem
de Das Ferreira, defronte da escadinha, ou
a tratar com Domingos Rodrigues Ue An-
drude, na rua do Trapiche-Novo, n. 4. Ad-
verte-so que as saccas sflo grandes.
AR FNCONTRADO


--Vendem-se duas escravas mogas, am-
bas com cria, e que cozinham um ludo e
engommam : bem como um sitio na Capun-
ga, com diversos arvoredos; um terreno
por detrs de 8.-Concalo, na ra dos Pra-
zeres: tudo por commodo preee, por haver
precisSo: no Alerro-Ja-lioa-Vista, n. 61,
loja de ourives.
Bom c barato.
Na ra do Passeio, loja nova n. 9, de Al-
bino Jos Leite, vende-se madapolflo fino,
com 4 palmos de larguri e com pequeo to-
que de mofo, ao bara'o prego de 2,800 rs. a
pepa,ea rclaiho a 160rs. cortes de cassa-
rliita, padres modernos, 3,800 rs. o cor-
te ; riscadinho de linho, a440rs. o cova-
do ; dito de algodSo, a 20o rs.; pelle do dia-
ho milito encorpada, pelo barato precio de
.100 rs. o covado ; chitas de cor seguras, a
IliO,180, 200 e 240 o covado ; chapos de
sol de panninho, a 2,800 rs.; e outras mui-
tas fazendas por prego mais commodo do
queem outra qualquer loja.
Gaz.
Contina-so a vender na destilado fran-
reza na travessa da Concordia, gaz epa-
vios para candieiros de dito: tambem se
i onec laui e limpam-se ditos candieiros.
Moendas superiores.
NafundigSode C. Starr & Companhiaf,
emS.-Am8ro, acham-se venda moendas
de canna, todas de ferro, de uro modelo e
construyo muito 'superior.
A ellas, a ellas.
Vendeni-sc riquissimis golas o pescoci-
jibos para senhora, | elo dimiuuto prego de
2,000 rs. cada um : na ra do Queimado,
n. 9.
bre, ditos porluguezes para panella, latas
com 2e4 libras de niarnielnda, ditas com
bolacbioha de Lisboa, ditas de strdinha, di-
tas com hervilhu, frascos com conservas
mglezas, quejosdequalha vindos do Cea-
r, por barato preco, mantas de toucinho
inglez de fumeiro.de 7 a 8 libras cadauma.e
outros muitos gneros de boa qualidade :
na ra da Cruz, no Recito, n. 46.
Potassa da Russia.
Vende-se superior potassa da Itussia, da
mais nova que ha no mercado, por prego
commodo : na ra do Trapiche, n. 17.
Deposito de Potassa.
Vende-se muito nova potassa,
de boa qualidade, em barriszinhos
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
tempo se nao vende : nc flecife,
ra da Cadeia, armazem n. la,
Vende-se superior farinha de
trigo da marca SSSF, chegada l-
timamente a este mercado : a Ira-
lar com Manoel da Silva S no ur-
mazem do Aunes, no caes da Al-
fandega.
Farelo novo a 5,500 rs.
Vendem-se saccas grandes com 3 ai ro-
bas de farelo, ebegadas no ultimo navio
de llamhurgo : na ra do Amonto, n. 35,
rasa de J. J. Tasso Jnior.
Ovas do serlo.
=4
KBkU
gyiqg**-
Tai xas para engenho. jWi! que pecbincba!
Na fundicSo de ferro da ra do Brum.j Vendom-se lerteos de seds, tanto Mn
cab-se de recebor um completo sorlimen-I homem como para senhora, pelo diminuto
todo taixas de 4 a 8 palmos de bocea, as
~.m<-i~~~~n~r. .. .. I Vende-se este exrellente petisco: na ra
OOOOOO^QOOOOOOOOO^Ido Queimado..,. 14. loja de ferragens.
ptimo arroz i ilado g
o branco, o
O vende-se ror prego commodo, em O
O suecas ou a rclaiho : na ra da Cadeia O
O doRecife, n. I, armazem de mo- O
O Ihados. O
ooooooooooooooo
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro de d It-
renles modelos : na fabiica de machinas e
funicflo de ferio, na ra do Brum ,
ns. 6, 8e lo.
Tecidos de algodo tran-
cado da fabrica de To-
dos-os-Santos.
Na ra da Cadeia, n. 52,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
m
m
m
*
m
m
m
m
m
?
Vende-se, por preco com- J[jn. 5.
modo, cera em velas fabrica-
das no Rio-de-Janciro ; fei-
jao inulalinlio em saccas
grandes, muilo novo ; fumo
em folln para capas de cha-
rutos ; dilo mais inferior pa-
ra miollo ; chapeos do Chi-
le linos e entre-finos : nos
armazens de l)ias Ferreira
e fallecido Bregue/, no caes
Novo sortimenlo de fa-
zendas baratas, na ra
do Crespo, n. 6, ao p
do lampea .
Vende-se cassa-chita muito fina, de bo-
nitos padroes, cores fijas e com 4 pairos
Je laigura, a 320 rs. o covado; cortes da
dita a 2,000 rs.; riscado a listras de li-
nho, a 240rs. o covado ; dito de algodSo, a
140 e 11.0 rs. o covado ; curies de brim par-
do claro, com duas varas e una quaita, e
1,600 rs.; riscailos monstros, a 200 rs. o
covado; zuarte azul, a 200 rs. o covado;
chitas, a 160 e 180 rs. o covado ; fustfio, a
640 rs. o corte ; chales de tailatana. a 500
ra. ; cobertores de algodSo americano, a
610 rs.; e outras nimias fazendas'por bara-
to prego.
Farinha de mandioca.
Vende-se farinha do Cear, em saccas,
por prego commodo : na ra da Ciuz, no
llecil'e, n. 43.
-- Vendem-se f,0 enchameis de sedro,
proprios para construcgSo de casas ; bem
como cavernas de sicupira de 14 a 16 pal-
mos de comprimento : na ra doVigario,
da Alfandega, ou a tratar
com Novaes &c Companhia,
na ra do Trapiche, n. 3'j.
,. com ixovaes oc i^ompanhia,
f
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na Baha
Vende-se em casa deN.O. Reher & C.
a ra da Cruz, n. 4, aleod.lo trancado
daquella fabrica, muito proprio para saceos
de assucar, roupa de escravos e fio proprio
para redes de pescar, por prego muito com-
modo.
AGENCIA
da fundic$o Low-lloor
RIJA DA SKNZAI.T.A-OVA, K. l\1.
Neste estahelecimento conti-
na a haverum completo sorti-
menlo de moendas t meias moen-
das, para engenho; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido
co?.do, de todos os tamanhos,
para dito.
Novo sorlimento de fa
zendas baratas.
Vcndem-se corles de cassa-chita muilo
bonitos, a 2,000, 2.400 e 2,800 rs. ; riscadi-
nhos de linho, a '.o rs o covado ; dito de
algodSo muito eneorpado, proprio para
roupa de escravos, a 140 rs o co>ado ; cor-
tes de brim biai.co de linho, a 1,500 rs. ;
dilo muilo bom, a 1,700 rs. ; dilo amarello,
a 1,600 rs. ; dito com listra ao lado, a 1,280
rs. ; eassas de cores muito bonitas, a 30
rs. o covado ; riscados monstios com qua-
tro palmse meio de largura, 260 rs. o
covado ; zuarte furla-cres, a 200 rs. o co-
vado ; pegas de cambraia lisa com 8 varas
e meia, a 2,720 rs.; chitas de bonitos pa-
drOes, a 160 rs. o covado ; ditas muilo fi-
nas, a 200, 220, 240, 260 e 280 rs. ; lengos
de seda para algibeira, a 1,000 e 1,280 rs. ;
ditos para grvala, 1,280 rs. ; e outras mili-
tas fazendas por prego commodo : na ra
do Crespo, loja da esquina que volta para
a cadeia.
Vende-se, por preclaflo, urna bonita
eiiouliiiha de 16 annos : na ra do l.ivra-
menlo, n. 34, loja, se dir quero ven le.
-- Vendem-se bona queijos
Vende se cobre c metal amrrello para
forro de navios, por piego commodo: na
roa da Madie-de-Deos, armazem de J. V.
da Silva Barroca.
Cal virgfid de Lisboa.
Vende-se cal irgem de Lisboa, por com-
modissimo prego na ra da Cadeia do Ite-
cife, n. 50, loja de Cunha & Amorim.
Na ra da Cruz, armazem n. 33, de Sa
Araujo, vende-se sola, couros miudos, sa-
patos de couro de lustro, chapeos de pa-
llia, esleirs, velas de carnauba pura do
Araeaty.
Sapalos do Araeaty feitos a ca-
pricho
Acabam de chegar do Araeaty urna gran-
de poigio de sapalos feilos de eiiconmen-
quaes achsm-se a venda por prego com-
modo e com promptidSo embarcam-se,
ou carregam-seem carrossem despezas ao
comprador.
Farinha nova de S.-Ha-
tbeus, por pre^o mu
lo commodo:
vende-se a bordo do patacho na-
cional Amizade-Constante, entra-
do recentemenle daquelle porto,
efundeadoem frente da escadi-
nlia do Collegio, ou a tratar com
Machado & l'inheiro, na ra do
Vigario, n. 19, segundo andar.
O verdadeiro oleo de
Hissino,
em meias garrafas, para commo-
didade das familias, por preco
mais commodo do que em outra
qualquer parte : vende-se na ra
do Trapiche, n. 44, armazem de
Dowsley & C.
Lotera do Ro-de-
Janeiro.
Aos 20:000,000 deis.
Na praga da Independencia, 11. 3, que
deita para as ras do Queimado e Crespo,
estSo a venda bilhetes, mtios, quarlos, oi-
tavos e vigsimos da nona lotera a benefi-
cio do thealro de S.-Pedro daquella pro-
vincia. Na oiesoia loja esl patente a lista
da 2.* lotera da fabrica de tecidos daquella
provincia.
Antigo deposito de cal
vireem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muilo superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muito commodo.
Arados de ferro.
Na fundigSo da Aurora em S.-Amaro ,
vendem-se arados de ferro diversos mo-
delos.
Vende-se a rtfinago da ra Direita, n.
22, bem afreguezada, tanto para a trra co-
mo pura o mallo : faz-se todo o negocio : a
tratar na mesma refinagno.
Vende-se urna bonita escrava de An-
gola, de boa figura, a qual nflo foge e nem
bebe, o que se alianga ; um tnoleque de 20
annos, que coziuha o diario de urna casa,
por 380,000 rs. : por detrs do theatro, 11.
20, primeiro andar.
Vende-se resina deangico, as librase
em 1 01V"1 1 oa ra da Cadeia, loja de JoSo
Jos de Carvalho Moraes.
Vendem-se lelhas de vidro (de supe-
rior qualidade, em grandes e pequeas por-
gues, por prego commodo: na ra da Cruz,
n.48, armazem.
L"arelo (l 5,000 rs. a
saccf,
o o melhor que lem vindo a este mercado
na ra da Madre-de-Deos, armazem de Vi-
cente Ferreira da Costa.
Aviso aos f manes que
dao valor an |ue tic bom.
Na ra Nova, 11. 56, fabrica de charutos,
'pregode douscruzados : no terro-da-Boa-
la, isl por effeilo de novas recommenda- achaiSo sempre os fumantes um rico e va-
gues que para l se tem felo ; porque o' r,adu sorlimento das n.elhores qualidades
que at agora tinham vindo, notavam-se-,!lllJ charutos que teem viudo a este merca-
Ihes imperfeigfio, ja no cosido, j em for-
mas antigs e niesroo em corte : estes sapa-
los depois de tintes e acostumados a boa
gima cliegam a confudirero-se oom os de
de couro de lustro; o seu prego so de
1,200 e 1,280 rs. o par ( dinheiro a vista):
na ra larga do Itozario, n. 35, loja de miu-
dezas.
Aos Srs. de engenho
Na ra Nova, loja de ferragens, n. 20, de
Joflo Fernandca Prenle Viauna, vcndcm>se
enxidas Calgadas de ago : estas enxadas se
lornam reeoromendaveis pela sua 11"> qua-
liilaile : a ellas, freguezes, pois estSo se aca-
bando. Tambem rhegaram a mesma loja as
ver.iadeiras colheres de metal de principe,
tanto para sopa, como pura cha, terrina e
arroz.
Contina-se a vender o superior algo-
dSo da (erra, a 200 rs. a vara, em pnrgo, e
a retalho a 220 rs.; bem como cobertores
de 15a irang oos, pelo bartlo prego de 1,600
rs. : na ra do Queimado, n. 20, luja de J.
J. Pereira de Meudooga.
liom e barato.
Na ra do Queimado, \indo do Itozario,
segunda loja, 11. 18, vendem-se cortes de
casimira, a 4 e 5,500 rs. ; ditos de meia ca-
simia, a 2,210 is.; ditos de castor escuro
e eneorpado, a 800 is. ; corles de brim tran-
gado pardo do linho, a TOO rs. ; chales de
lila e seda, a 3,000 rs. ; ditos de se.la, a 7/
rs. ; lengos de cambraia do linho braucus,
a 5,500 rs. a duzia ; pegas de cambraia ada-
mascadas paia cortinados, com 20 varas, a
10,000 rs. ;e outras omitas fazendas por
prego commodo.
Checheo.
Vendem-se un bom checheo e duas sa-
bias da malta : no Aterro-da-Boa-Vist,
n. 50, loja de selleiro.
I a rinha de mandioca.
Vende-se muito nova f'innha de mandio-
ca, em saccas giandes, por prego commodo:
na la do Queimado, 11. 14.
"rehincha
Na ra do Queimado, vindo do Rozarlo,
do, contend) as seguidles qualidades :
Defensores-da-Patria,
Liberaos,
Patuco,
Cavalleiros-de- llavana,
Venus-di-lia vana,
Venus,
Senadores,
Depulaov
S o] lian -mas,
S.-Felix-Verdadoiro,
Arclieiros,
llgalos,
Superior-Regala,
Cagad ures-da-Kahia,
Famas,
Cigarroi-de-llavana,
tigarros-de-Ma mili a,
AUma-VOa,
e outras mullas qualidades que serSo | a-
leo 's aos freguezes e so vendero pelo
menos prego possivel.
Fumo para charutos.
Na fabrica de charutos da ra Nova. n.
56, vende-se fumo de primeira, segn Ja e
terceira qualidades, por prego commodo,
tanto ero porgilo como a retalho.
-- Vendem-se dous pardos, um de 40 an-
nos, e o 01,1 ro de 24 anuos pouro mais ou
menos, e ambos sem molestias, sendo o
primeiro bom su pal i ro e bolieiro, e o se-
gundo um ives e tambem boliciio : o moti-
vo por que se vende se ilii ao comprador,
com piefeiencia e por menos para Tora da
provincia : na ra de Jo1o-Fernandes-Viei-
ra, ao sabir da Soledade. em um sitio que
tem dous lees nos portts, a qualquer hora
do dia.
Chegaram novamenle a ra da Sen-
zalla-Nova, n. 42, relogiosde ouro e prata
patente inglez, para homem e senhora.
-- Vende-se a taberna do pateo de S.-Pe-
dro, n. 1, com poucos fundos: vende-ae
por seu dono querer tratar da sade de sua
familia : a tratar na mesma taberna.
Vende-se urna preta moga, que en-
gomma, cose, cozinha e faz coro peifeig3o
o mais servigo de urna casa ; una dita que
he muito boa cozinheira, e que engomroa
solfrivel, lava bem, e be muito propria para
Vista, n. 18, loj
Cassas prelas a 140 rs. o
covado.
Vende-se cassas p'etas de ranilo bom gos
toa 140 ra. o covado: na ra do Crespo,
loja da esquina, que volta para a cadeia.
Vendem-se sapat5cs de cou-
ro de lustro, de ponto fixo, a
4.000 rs. 5 ditos de differentes
qualidades para homem ; sapa-
toes de couro de lustro e brancos
para meninos: na ra da Cadeia
do Hiti fe, n. 9.
Massas de vapor
No pateo do Tergo, n 10, ha diariamente
um completo sorlimento de massas finas,
proprias para cha, ou doenles, como sejam:
bolachinhas de araruta, nova regala de di-
ta, e outras muitas qualidades de massas.
Livros de ireto.
Vendem-s os seguintes livros, por pre-
go commodo, na livraria da ra do Collegio,
n. 9: l.iz Teixeira, ou comentario a P. J. de
Mello ; Bentham, legislagao civil o penal;
tratado das provas judiciaiias: obras estas
da maior importancia para os terceiro
qusrto annos da academia.
Vende-se urna parda anda moga, hem
parecida, bea cozinheira, e que cose muito
bem, boa para tratar de urna casa, por ser
muito rain/iosa para criangas : o motivo
ror que se vende se dir ao comprador: no
Manguinho, n. 51.
Vende-so, na ra do Crespo, n 11, Mag-
nnm l.exiciin, por 5,500 rs ; Horacio, por
2,000e 2,500 rs. ; Tito bivio, encadernado
de novo, por 2 000 rs.; Virgilio, novos, por
4,000 rs. ; Selecta, por 640 e 800 rs. ; Salus-
lio, por800e 1,200 rs.; Chsrm, novo, por
4.000 e 4,500 rs.; Historia Sagrada, nova,
por 3,000 rs.; Crammalica franceza e in-
gleza ; Geometra ; Ceographia ; Dicciona-
rio de Veira, por 4,0:0 rs.; dito de Roque*
te, potingue'/ e francrz, por 3,000 rs.; dilo
brasilero, novo, com spu mappa, por 7,000
rs.; Cousin, por 6.000 rs ; Atlas de Simen-
courtP, por 9,000 rs.; Telemaco, por varios
pregos ; Fbulas de l.a Fontaine ; um mis-
sal, por 8,000 rs.; Memorias de Pernambu-
co, novas, 4 v. por 6,400rs j Cdigo com-
mercial porluguez, por 6.000 rs. ; Synoni-
mos, por 5,000 rs. ; N. S. do Cuararapes,
novo, por 2,000 rs.; Historia do Brasil, por
3,000 rs.; Euclides, por 4,000 rs. ; a Mytio-
logia da mondado por 3,000 rs. ; e ou-
tros muitos livros por prego mais barato
possivel.
Vende-se um prelo bom forneiro : na
ra das l.arangeiras, 11. 14, segundo andar.
Venle-se um bom cavallo andador de
baixoa meio, muito novo e sem achaque
algum : na ra do Queimado, n 10, loja.
Vendem-se dous relogios saboneles de
ratete, sendo um de ouroe o nutro de pra-
ta dourada: na ra do Queimado, n. 10,
loja.
Vndese uro escravo bom carreiro
um moleque de 10 anuos; nma ptima par-
da moga ; 6 escravas de bonitas figuras,
entre as quaes algum. s com habilidades:
na ra Direita, n. 3.
Vendem-se, de urna pessoa que se re-
tira para fura da provincia, duas pretas
mogas, bem parecidas e de boa conducta :
na ra Nova, n. 39, segundo andar.
Vendem-se lonas e briiis americanos ;
fio de algodo, proprio para redes de pes-
car, coser velase saceos de assucar; ence-
rados alcalroados para cubrir carcas de as-
sucar : tudo por prego mais commodo do
queem outra qualquer parle : na ra do
Trapiche, n. 18.
A o pateo do Collegio, D.
I, porta larga, segundo
andar, vende-sR
um casal de escravos, com urna cria a pre-
ta engon.roa hem, cose o faz lavarinlo, e o
prelo he mogo e robusto ; dous mulatinhos
de 9 a 10 annos ; um roolequo de 9 annos;
una preta de 15 annos; um prelo de nago,
pega, proprio para campo ; urna preta mo-
ga, por barato prego, por ter um defeito.
Ko Aterro-da-Boa-Visla,
taberna n. 78, de
Antomio l'ereira da Costa Cama,
vende-se marfleiga ingleza, a 400 e 560 rs., f *
com oflicio de pedreiro pescador e de cor
tar carne jb6 muilo regrisU : Am8ro ca_
hra claro, de 45 a 50 annos, com bastantes
cabellos brancos, pernas finas, ps apalhe
lados ; he multo preguigoso para qualquer
servico; he canoeiro; costuma andar tem-
pre ebrio : estes escravos quando fuciram
foram a praia do Gamella, do Hlo-Formoso
onde compraran) una jangada e seguiram
na mesma para a provincia das Alagoas do
onde o dito Amaro he natural, e que'tem
prenles para o centro : quem os pegar le-
ve-osao dito engenho, ou tiesta praga, em
casa de Silveriu Joaquim dos Santos, na
Camba-do-Carmo, n. 33, que ser gratifi-
cado com 300,000 rs.
1''ugio, de bordo do brigue
nacional Sem-Par, no dia 26 do
passado, o prelo da Costa, de no-
me Antonio, de 35 annos pouco
mais ou menos, de altura regular,
levou calcase camisa de algodo
azul, chapeo de plha na caliera :
quem o pegar leve-o a casa de No-
vaes & Companhia, na ra do Tra-
piche, n. 34, que ser recompen-
sado.
Em a imite de 28 do prrximo ra sai'o
fugio, da povoagSo do Monteiro, da casa da
residencia de Manoel Antonio da Silva An-
tones, a preta Mu ia, do gento de Angela,
moga, de estatua e corpo reglales, cor
preta, rosto aboceitado, falla bem o \ulgar;
tem os ps um tanto glosaos: quem a pe-
gar leve-a ra da Cadeia-Velha, n. 24,
que ser gratificado.
Fugio, do engenho de Tres-Boceas, no
dia 17 de fevereiro passado, um pardo com
os Biguaes seguintes: baixo, grosso, aem
barba, de 20 annos pouco mais ou menos,
cabellos enroscados, olhns grandes e aga-
ropados, bem feito de corpo, pernas e ps,
nariz chalo, beigos grossos, bocea regular e
com todos os denles ; intitula-so forro, e
como tal vem mondo de um passaporte fal-
so com o qual illudio as autoridades de
ISarra-Crande : quem o pegar leve-o ao di-
to engenho, ou ao Recife, em casa de Ma-
noel Joaquim llamos e Silva, que em qual-
quer das parles sera generosamente recom-
pensado.
Fu gira 111, da cidade do Ho-de-Jarei-
ro, na no i lo de 24 para 25 de feveieiro pio-
ximo passado, da casa da ra de Catum-
hy, n. 2, cinco escravos pardos, a saber :
l.ui/a Francisca, de 30 ani.os, cabello liso
acaboclado, com malbas na cara; levou
urna trouxa do roupa com 3 vestidos, um
de chita de xadrez branco, rouxo e encar-
nado, nutro cor de rosa, e ou tro de riscado
azul americano, estes dous cortados a por
lazer : Manoel, alio, physionomia csrrega-
da, de 30 annos, com urna ferida no dedo da
ni no direita ; levou chapeo preto de se-
da ou de palha, caigas brancas ou de risca-
do azul e blanco: Ezequiel, de cabello cor-
rido, olhos grandes e espantados, veslin-
do riscado americano, de 20 a 21 annos;
tem o li do pescogo saliente, descarnado
do rosto, alto e com principio de barba :
Francisco, pardo-escuro, de 20 annos, alto,
sem baiba, vestuario de riscado americano;
tem o dedo graude do pe radiado de golpe :
Andr, alto, ebeo da cara, cabello crespo ;
lem um dedo de um p cortado que nao 1.111
onda, Uvou caigas e camisa de riscado
azul americano ; usa de um cinto de lila de
tapete : suspeila-se lerem-se transportado
a titulo de forros para qualquer provincia
do norte, principalmente do Ceara, d'onde
tinham ido para aquella mesma cidade do
Itio-de-Janeiio. Itoga-se as autoridades po-
liciaes e outras quaesquer pessoas, toda a
vigilancia sobre a captura dos menciona-
dos escravos, gratificando se generosamen-
te a quem os meamos escravos descolo u e
condutira esta cidade, na ra Cadeia de
S -Antonio, n. 25, e nsquella corla do Rio-
de-Janeiro, na chcara do Calumby, na in-
dicada casa cima, ou na ra da Alfandega,
n. 39,10 Sr. commeudadur JoSo Ventura
Rodrigues.
Fugio, no dia primeiro do correrte, um
cabra quasi negro, de nome Ai ionio, de
altura mais que regular, giosso do corpo,
rosto redondo, falla descansada; levou ca-
misa de algodflozinho liso, caigas de brim
trangado, levou mais uina trouxa contendo
caigas de casimira, de brim, de algodSo
amei cano riscado, camisa de madapolSoo
de algod.lozinho, dous lengcs, um de briol
e outrodealgidrio, urna bala e urna par-
nahiba : quem o pegar leve-o i ra Direita,
n. 121, ou ao engenho Pintos, que ser gra-
tificado.
muito boa ; paios, a 280 rs. ; chourigos, a
400 rs assuca de carogo, muito alvo e
secco, a 80 e 90 rs. e su ohmio a 70 rs. rha
muito superior, a 2 e 2,400 rs Na mesma
taberna vendem-se ou alugam-so bichas de
llamburgo, muilo baratas, isto he, vendidas
a 800 rs. e singadas a 400 rs.: tudo isto
he com os eolitos a vista para quem preci-
sar.
Vende-se urna terga parte do sobrado
de dous andares e soto, com hom quintal
e cacimba, no Aterro-da-Hoa-Visla, n. 94,
por prego commodo: a tratar rom o seu
proprielaiio, Frederico Chaves, no Alerro-
da-lloa-VisU, fabrica de licores.

Ut era vos Futido
.-cguii :a loja, n 18. vendem-se chapeos de'ama de casa, inesmo de homem solteiro,
sol, de seda para meninas, omi um peque- por ter exfolenle conducta, o que se alian -
no loque dcavana, pelo prego de 1,000 r.*, ga ; um bunito pardinho de II annos, pro-
londrinos! .Na ra de llotlas, n. 54, casa da esqui-f puri para qualquer oflicio ; um dito de 6
unos : na ra larga do Itozario, n. 35,
ditos de prato muito frescaes e de superior; na, conliuuam-se a vender velas de car- anni
luahdade, presuntos inglezes para fiam<(naba. i|oJa

Fugio urna fscrava de nagflo Costa,
que representa ter 50 annos; quando anda
arasta os ps ; lem o bego inferior um lan-
o cabido ; levou vestido de chita rouxa;
chama-s Anglica, e fugio no dia primeiro
de margo prximo passado : quem a pegar
leve-a ra do Rangel, n. 21, que ser re-
compensado.
-- Fugio, no dia 7 do corrcnle, o cabra
Liandro, de rstalura regular,cabellos cres-
pos, sem barba, denles lunados ; tem as
peinas alguma cousa tortas para irs; he
natural do serillo ; levou caigas de riscado
camisa branca grossa : quem o pegar leve-o
ao Aterro-da-Boa-Visia, n. 66, que ser
gratificado.
*00,(IO() rs.
Fugiram, no dia 13 de Janeiro do corren-
te, do engenho Novo de SeriuliAem, os es-
cravos seguintes: Thomaz, cabra-escuro;
tem os olhos e palmas das nios amarella-
das, cor fula, representa ter 25 30 annos,

30,4)00 rs.
Fugio, em das de fevereiro, da ci- aja
dade de Penedo, provincias das Ala- rf)
aj gas, o pardo Cosme, de 22 annos, de aj)
$, estatura baia, corpo cheio, bracos aaj
^ e pernas grossas, cor assa, roste f
9 compridoe carnudo, cabellos ruivos, fa
t com dous denles da frente princi- ay
m piando a apodrecerem, bugo de bar-, ?
m, llus, outra na lesla junto ao cabello: b
*, quem o pegar e o levar neala cidade a*
% aoRloulor Sabino Olegario l.udgero ^
Z l'inho, uem klaccio ao douiur Jos ,
5 Sesiuaudo Avelluo l'inho, 00 a Joo <>
Z de Alinela Monteiro, e no Penado ao A
S abaixo assignado, ou a seu pai, o Sr. L
Z l'edru Jos l'inho, se gratificar.
>:; Manoel l'tridiano l'inho, Sk
Fugiram, do engenho Cuararapes, fre-
guezia da Morihrca, ao amanhecer do r'ia
2C de margo, tres escravos com os signaos
seguintes : l.uiz, alio, cheio do corpo,* ps
apa llieta los, rusto bonito, de 2-2 annos pou-
co mais ou menos, cor pouco fula, denles
ahertos : Paulo, alto, secco do corpo, pea
sercos e com os dedos rompridos, de 18 an-
uos pouco oais ou menos, cor preta : Job,
alto, cotpo espigado e um ponco cheio,
com falta de um dedo em um dos 1 s, cor
algum tanto fula : todos s1 o da Cosa, e be
de crer que andom juntos : quem os pegar
leve-os ao dito engenho, que ser recom-
pensado generosamente.
Pava.': H 'ir*1, ut. 1, MFLHOR EXEMF


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7XAZDCRI_EALK9F INGEST_TIME 2013-04-12T23:51:47Z PACKAGE AA00011611_06268
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES