Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06265


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXV!.
m
Sa libado C
PARTIDAS DOI COBHIIOI.
GoiannacParahiba, egundaeextasferas.
Rio-Grande-do-Norle, quinta feiras ao meio-
dla.
Cabo, Serlnhaem, Rlo-Formoso, Parto-Calvo
e Macelo, no l., a II, e 21 de cada inez.
Garanhuns e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Florea, a Id e 28.
Victoria, squinlas feiras.
Olinda, lodos o da.
Ming. a 4, i I h. e24 m. da t.
Nova a 12, i 10 h.e27 m. dam.
C.e.c.aI9,. 7h.e47m.dam.
Cheia a 26, s 9 h. e lin.da ni.
IBIUUA DE HOJ.
Prlmeira a 11 hora e 42 minutos da inanhaa.
Segunda a 12 hora cC minutos da tarde.
de Abril de 1850.

N. 77.
PBEOO DA SDBSCD.IPOAO.
Por tres uic/csadianfadot) 4/000 I
Por seis mezci SfOO I
Por uin anuo 15/0001
DA. DA MAA CAMIO. Ol 5 DE ABRIL.
I Sobre Londres. 28'/, d. por 1/XX) r. a 60 das.
1 Scg. ijjii Prlmeira oitava. S.Macario. Paris, 316.
2Terc.S6 Segunda ollava.S. Francisco de Paula. I Lisboa, 95 por cento.
3 Quart. S. Ricardo. Feriado para i negocios fo- Ouro.Oncas hespanhoes......... ^{J00 r0
rensc pelo resto da emana. Moeda de 6/400 velha.. 16/600 a 16/800
4 Quint. S. Ildoro. de 6/400 oras.. Ib/100 a IM300
5 Sext. S. Vicente Fcrrcr. de 4/000........... 9/100 a MMM)
6 Sab. S. Marccllino. Prala.Patacdes brasileiros...... 1/940 a 1/SW
7 Doro, da Pascoclla. S. Eplfanlo. Pesos coluranarios....... 1/940 a i/jjWi
Ditos mexicaoos.......... 1/800 a IJHW
>MH UBICO.
t-.---'
PABT OFFICIAt.
(OVERNO DA PROVINCIA.
Illm. e xm. Sr. Os relevantsimos
servicos, que V. Exc. tem proslado, e con-
lini a prestar a esta malfsdi fazendo apagar e extinguir o facho da guer-
ra civil, que indiscreta e illegalmente se
nteouem diversos pontos da mesma, sioes-
limulos mais que ulTicientes, para que nos,
como orgflo dos habitantes desta villa, e
compenetrados da devida gratido, renda-
mos a V, Exc. as bem justas e merecidas fe-
licilacOes, e suppliqiemos ao Ente Supre-
mo a conservado dos preciosos dias de V.
Exc. que em 13o melindrosa crise invidou
lodos os estorbos para completo iriumpli >
da Itgalidade.
A simples rerordaco deste feito t8o he-
roico, como glorioso, e que deve ser trans-
cripto as paginas da historia hrasileira be
mu padrfio eterno, que recommendar a
posterldade o sempre memoravel e sau loso
nome deV. Exc, que, deixando proviso
ra mente a altissima posicta de senador do
imperio, aceilou a presidencia desla desdi-
tosa provincia para a salvar deuma gera
intestina devastadora. Mil aeces de gre-
cas sejam dadas a V. Exc. por tilo especia-
I issimo favor, que de juslica deve permane-
cer na tremona dos habiantes do Pernsm-
buco, e com especialidade nos desta villa,
oiii!e, aperar deum ou de nutro pequeo
eclipse, sempre foi a sua divisa o amor
orden) publica, e uma firme adhesilo ao au-
gusto monarcha que felizmente nos rege.
A frQa para aqui dirigida com o intuito
de guerrear qualquer grupo do hmeos ar-
mados, que se lemhrassem de faz-r alguma
rcsistenea, n5o enconlrou o menor emba-
r,co em sua entrada, que foi mui pacifica
dora, evaiiindo-.se este ou aquelle mais exal-
tado, como melhormenle informarilo a V.
Exc., quero reverendsimo delegado, qur
o ebefe da mesma forca, divisando-ses en
tre orne outro pensamentns, palavras, ideias
de pacificc3n, e n3o de terror e susto, co-
mo lem acontecido em idnticas circuns-
tancias. A boa ordem, a paz e o socego pu-
blico reinam nesta villa, e hi de esperar
que crespam e vigoren) sob os auspicios das
autoridades, que, alero de o saherem pre-
venir, cordealmenle osdesejam.
Prevaleccmo-nos honrosa opporluni'lade para reeiterarmus
a V. Exc. os nossos votos de respailo e su-
bordinaqo, assim como os do bom povo
desta villa do Urejo.
lieos guarde a preciosa vida de V. Exc,
como ha mister esla provincia.
Papo da cmara da villa do Urejo em ses-
silo ordinaria, 21 de marfodo 1850. Illm.
e Exm. Sr. concelheiro Honorio II Tele
Carreiro l.eilo, presidenle desta provincia
Padre Joi Theiiioro Cordeiro, presidente.
Antonio Jouquim de Mulo. -- Josi Antonio
l'ereira. Pedro Cavalcantt de Albuquerque.
Flix Cavalcantt de Atbuqucrque.
EXPEDIENTE DT) DA t DE M VRgO.
(Illicio. Ao presidente de S.-Calharina,
aecusando o rccehimerilo de um exemplar
do relatorio queS. Exc. apresen ton o Dr.
Severo Amonio do Valle no acto de I he en-
tregar a administracao daquella presi-
dencia.
Dito.--Ao rnesmo, dizendo ficar sciente
do llover S Exc. lomado conta da adminis-
tradlo da referida provincia no dia 24 de
Janeiro prximo finio, e declarando que
sempre o achara prompto a cumerir suas
ordens a hem do ser viro publico e do parti-
cular de V. Exc
II. to .--Ao com mananle das armas, exi-
gindo.aflm de serein cunadaso presiden!-
de s.-Caharina, que as requisita, as guias
do m.ijor .Manuel l.o jes Pecegueiro, o do ca
pililo l'homaz de Villa Nova, que, por decre-
tos do 2-2 de junhii do auno lindo, liv-rar)i
pnssgem do oilavo batalhilo de Caladores
para o sexto da mesma arma.
Dito.Ao inspector interino da thesoura-
ria defazenda, autorisaudo-o a mandar adi-
anlar a pagadoria militar, visla do pedid..
que devolve, aqu-nDa de 52:746,178 ris,
par as dnspezas militares do crrenle ntez.
lito.Ao mesnm, rommunicando que,
segundo constou de aviso do ministerio do
im.erio de 6 de fevereiro ulliinn, S. M. o
IniDerador houvepor bem approvar a deli-
beradlo que lomou de mandar abonar, co-
mo judu de custo, ao coronel lose Vicente
de Amiirim Bozerra, presidente nomeado
para a l'arahiha, a quanlia de 1:000,000 ris.
Dilo.Ao Inspector da pagailoria militar
inteirando-o de que, segundo foi declarado
cm aviso do ministerio da guerra do II de
fevereiro prximo (indo, na mesma datase
ordenara a pagadoria das tropas da curie que
lizesse cessardusse mez eai dianlo a conaig-
iir;ao,que havia deixdo na curte o segundo
tenente do quarlo hatalbliu de arlilheria
a pe Paulino do Almeida Urilo.
Dito.Ao director do arsenal de guerra
autorisaudo-o a despender a quamia d
55,000 lis com a compra deuma biudeir..
imperial de seis panos de flele para o forte
du Guaili.--Intelligeuciou-se ao inspector
da pagadoria militar.
Dito.Ao desembargador Jos Tellcs de
Mnezes, remetiendo, em cumpriinonto de
aviso imperial de 26 do Janeiro ultimo,
uiiu nota da despeza que, na confrmala le
doarl. ldodeccl'i n. 632 de27 de agosto
do anno prximo Iludo, tem Smc de pagar
pa a obter a sua carta de desembargador da
relcelo desla provincia ; i fim de que nos
termos ilo artigo 13 do citado decreto, ro
c.jIIi i a thesouraria de fazonda a quaulia
respectivo conliecimento solicite a sohre-
dita carta.Igual ao Dr. Jos Nicolao Re-
gueira Cosa como juiz de direilo da co-
marca de Garanhuns.
Dilo. Ao cu.liman Imite superior de
Olinda e Iguarass, declarando leranprova-
do a proposta que acompanhou ao ollicio do
Smc do primeiro do corrente, oara nfli-
ciaes do primeiro batalh.lo da legiilo de
Olinda.
EXTERIOR.
O PAPA EOS ROMANOS.
Huma, '9 de frvereiro dt 1850.
Antes de hontem escrevi a Vine, de Civita-
Vecchia paraannunciar-llieoadiainento .lo re-
gresso do papa ao Quirinal, e hojr o taco daqui
da cidade eterna. Slnlo mullo nao (er nada de
bom ou de Mtislactorio que cominunicar-lhe,
pois us negocios papes vao-se tornando real-
iiionie trio complicados que he mister uma ca-
beca multo mais hbil que a minha para poddr
explicar o seu estado actual ou descobrir-lhe*
remedio.
A intervencao Tranceza tem produzido os
irutos que Vine, com tanta verdade antecipou,
e consciosameute poso dizer-lhe que tudo ago-
ra neata parte da pennsula acha se em milita
peior condlcno duque a 3 de julho, quandn o
general Oudinot lancou por trra o estandarte
da republicn, e arvorou uocastello de S.-An-
gelo a bandelra do papi. Faltas obre faltas
tcein sido Ciiminetlidas de toda as parles, as-
sim em Roma como em Portici, e ao passo que
o governo francs tem sido mal succedido em
todos os scus prujectos, o pobre Po IX tein-sc
..I'hii l.nl.i tanto no atuieiro que niuguem h
que possa boje prever como delle ha de extri-
car-se Por minha parte, coineco a pensar que
tudo quinto escrevi a Vine de i.ivita-Vecchia
em malo do auno panado val ser re.Usado, c
que o papa deve ou cuidar em abdicar, o que
ji ni istrei que elle podia fazer. ou resulver-se a
passar no exilio o restante de se'i malfadado
reinado.
A sitnacao em summa val-se tornando cada
hora peior. e he absolutamente necessario, ou
que as grandes potencias rcconstiluain o go-
verno temporal da cabeca da Igrela calhulica
romana, ou que abandouem a Italia central
.ni 11 ilii.i e ao desespero.
Se os dominios do papi devem ser reduzidos
ao que se nhama o patrimonio de San-Pedro,
isto hc.ii cidade de Roma, hequest que exige
'aullo nuil consideraban do que ueste momen-
habitacOes forem previamente preparadas e
os emigrados irlandezes trouxerem comsi-
go os seus padres e forem sabiamente orga-
nisadns, muilo hem se poderA effeituar tan-
to para elles como para o governo papal.
Gomo fallei da quesillo de dinheiro, nio
quero dnixar de communicar a Vmc. que,
segundo dizem uns, o emprestimo dedous
milhOes de libras esterlinas fura contratado
a 71 1|2 pelo primeiro prnzo e a 78 pelo
segundo, a 5 por cenlo, tendo j sido o
respectivo contracto assignaJo pelo papa ;
outros.porm.asseveram quo o grande capi-
talista hebreu que emprehendeu este em-
prestimo, recusa assignare sellar o contra-
to emquanlo certas franquezas nSo forem
conced las ansjudeos rumios.
Vmc. j sabe que, segundo os despachos
do ministro francez e oulras umitas noticias
vindas de Poitici, o papa tencinnava sahir
de aples para liorna na quarta-feira de
Cinza ; mas agora digo-lha que a volta de
Soa Santidade fura oulra vez indefinidamen-
te adiada. Pi IX disse a uma pessoa minha
conhocida que voltaria pela pirschoa po-
ro m eslou certo que esla promessa n3o ser
cumprida.
Por que rasfo recusa o papa arriscar sua
pesso.i no Quiri ial ? A esta questilo tem-se
dado mil respostas, porm, nenliuna sa-
lisfatona. Simples como son, imagino qua
o recejo de nutra revoluc,flo em Franga e a
desordem que reinou a jiii durante o carna-
val silo as causas immediatas disso ; e aven-
lurarei arcresrenlar que, ao ineu ver, o
papa tem rasflo.
Se os socialistas Iriumpliarem em Frang,
as tropasfraucezastaqui estacionadas, obo-
decer.lo as ordens do ministro da guerra,
s-ja elle qnein Mr, e Pi IX polena hem
ser preso pelos Francezcs no castello de S.-
Angclo, se a revoluQio fosse ultra-vermel/ia ;
mas qualquer que teja o caso, que espe-
ra iQa p le elle agora ter de ser bem reec-
bido depois da scena que ltimamente teve
lugar no Corso? Og-neral llaraqiny d'llil-
liers nao i]ni/, permittil' que as tro >s fran-
cezas guarnecessein o Corso, pisto que
livesseem todas as pracas viziuhas um nu-
njero suflicienta de soldados promplos para
reprimir qualquer desorden!; e a conse-
quencia fui que han los de acelralos pagos
pelos chfes romanos, rnsullaram asclass-s
t se Ihc poder dar; perin he physica e moral- f resp^itaveis quasl impunemente. Podras
menle impossivcl que o territorio sobre o qual fOr im collocalas nos ramallietes e papis de
..,.. .ln 1.-.;.. .. _... J _____.._,__. 1 -__.-. 1__________
e estende boje o poder nominal do meiino, I doce alirados neslas oceu-iies, ealgunsdos
possa continuar a ser gov-ernado por urna mao, I hillres tiveram aaudacn de haler na face
cuja autoridade activa, ha multo, acha-se d: as senl.oras romanas, nuanio suas carroa-
Hoi.rmut.mnn ,. n B""8 ?. V n Ingle* meu amigo fui
lluiive n ni tcinno cm que se Dan ion me a- _i ,. t
declaraco da neu.'ralidade do, dominio,no,.- i "S"n ;l,sull""> poreins. lando da Carroa-
t li- ios c o patrocinio unido de todas as grande' Bem "baix ca'H'0U a ingle za O scu covar-
potencias rrstaurariam a tranqulllidide nopre-' *'e "ggressor. Tl foi n desenvoltura da
sent e assegurarlam a ordem no futuro po-' plebe que chegou a ponto do le dar assassi-
rin a populacao da Romana c a das oulras' nar o filho e a lillia do principe de Canino,
provincias repudiaran) a ideia dr aerein asslm atirando-lhes dentro do Carro um petardo.
redu/..das a nulhdadc poltica, e reclaman) en. Seguio-SO depois o assassinato di lima mei.
de nada apprnveila e que o povo nio pode
ser mais levado a amar o governo da gro-
ja, nem por engodo nem por terror.
No posso comprehen ler como, estando a
amnista em vigor, estas prises Inem (ido
lugar, ou como se pdem fazer relaces de
criminosos, sendo todos - pirito; porem assegu-arn me que as .trdens
de prisan invariavelmente ahstem-s-) de fal-
lar em crimes polticos, e a victima ha lan-
Qadana masmona, aceusala de lerconcor-
ridoparaa deslriiirjio de lal palacio, ou de
ter tomado parte em tal roubo. Nenhuma
oulra puniclo lem lido lugar ; porm, ao
meu ver, he isso lano peior. Punam-se os
criminosos quan lo se tiver provado que o
silo ; mas n.lo se atulhem as p'isiis dede-
liq'i ules imaginarios para o fim ile satis-
fazer vingancas polticas. Este faeto he em
minha opiniflo urna oulra rasiloque itnluz
o papa a n;"o vnllar ; porquanto no obs-
tante lorias as medidas coercitivas empre-
gadasupelos ca'd'aos, o puvo de Roma an-
da nao est convertido.
N3o posso comprehender porque rasito o
governo francez abri milo da inspec(ito
que no principio exerceu da mais humana
inaneira sobre a polica do paiz, porm pa-
rece que o seu grande desejo de promover
a volta do papa fui que o fez aban lonar to-
das as oulras considerares, o que a plena
henea que os eardeaes exigiam, smente
por esta causa Mies foi concedida. \ con-
duela das autoridades franre/as toin sido
h anda de mais, e fui s nenie esta manlia
quo leve lugar a prim ira execuQ.lo publica
folla por ellas. Um sceleradn que assassi-
non um sol lado durante o carnaval foi fu-
silado na praQa del Poplo. Espera-se que
esla execueo. a que as pessoas presentes
parecern) applau lir, produzir um bom
effeito, eque os bandos orgaalsados de so-
cialistas, que lem conservado Roma alerro-
risida, BerSu rmalmente obligados a terein
um bom coinportaniento.
(Correspondencia da T>met.)
da, para mandar entregar ao capitao do porto
interino a quanlia de 400,000 rs., que deve ser
applicada continuado da obra do telheiro em
Jaragu.
Dito. Ao iiiesinn Inspector, para mandar
entregar ao coinmandante do brigue Canopo a
quanlia de 1:400,000 rs., alim de se occorrer as
despezas que all se lizerein no crreme mez.
i------------r-a--i~ i -i-n-ni--a
INTERIOR.
IIOMOEOPATIIIA PURA.
CARTA 00 SR. DR. SARMENT A S. F.XC nVMA.
( A resposta a este arligo vai er.tre pa-
rentheses as entrelinhas do texto, que ho
em itlico. )
Exm. e Rom. Sr.Tendo oSr, Dr. Sabi-
o no em srus annunrioi de curra homrtopithi-
ca puras, affirmado que alqucm he dissera
que eu me attribuia a honra da cura de P.
Exc
( Elle que assim o tem aflirmado, be por-
que he Verlade ; e nlo he seu carcter af-
firmar cousa alguma, que nSo possa provar,
e mup-t'ou lo nislo uma palpavel diff-",en(;a
ber em suas a.iribuicoes, formular posturas 0.daquelles. que muilo se gloriam de auVmar
sentido da 2.', I". Ve 10.' propos5ea do \ q1""1 verdade reprova. lia de ter notado o
mencionado parecer, rnvlandoin'as logomi- Sr. Ir. Sarment,que desde minha chegada
. nha approvacSo. Outro Im.coDvinque Viuot.jat agora anda nilo publiquei um so caso
lliiuiio ao governo clerical, creio que nao .c'",""and8nte em Chefe a oiiipregnr me- uiendeiii anuunci ir por editaes a existencia da -Jo cura ho.liw tpatica. O unico que fiz pu-
pnderpor mais tempo ersupp'ortado, eoue a d'laS de "ma "*ureM severa, e a publicar! comuiissao encarrrgad.i de curar a pobreza de-! hlicar [oi O de S. Exc. O Sr. bispo. Ejlllga
m i..,! nnaanata clarando o nmiic c i csidcncia dos facultativos, ge, .que isto fiz sem alguma rasSo? Enga-
AI.AGOAS.
Extracto do expediente do Exm. Sr. presi-
dente Dr. Jos Dent da Cunta Figueiredo.
3 DE MARCO.
OHico. A' cunara municipal de Macelo.
Heuiello Vmcs. o parecer da conniissao, en-
carregada de cuidar na sade publica, no qual
leinbra ella algunias medidas que devem ser
proiiiplinient-' lomada alim de occorrer-se ao
mal que vai causando a epidemia reinante : e
nao coiivindn Inver a menor demora na exc-
ciico dellas, cuuipre que Vmcs. reunindo-sc
em seisfio permanente liaiam de, segundo con
PEltNAMBUCQ
ASSEMBLEX LEGISLATIVA PROVINCIAL.
2.jsessa0 preparatoria, km 5db abril
di 1850.
Presidencia do Sr. Pedro Calateante.
Ao nipo-dla acham-se reunido na sala das
sessfles os senhores Augusto Frederico de Oli-
veira, Pedro Gaudiano Rales e Silva, I.ni/. Pau-
lino Vellez de Guevara, Jalo Floripe Dias Rar-
reto, UinbelinnGuedes de Mello. Francisco do
Reg Karros Itarreto, Francisco Raphael de Mel-
lo Reg, Mauorl Joaqulin Carneiro da Cunha c
Florianuo Correa de Uiitto
0 Sr. Presidente: Entendo que devenios of-
ficiar S. Kxc, para que elle ordene cmara
municipal, esneca diplomas a mais algu.is de-
putados, porquanto mis sabemos que inuitos
depurados proprielarios, esto uns Inri da ci-
dade, outros na cidade, mas doentes, c outro
impedidos por diversos motivos, e que nao com-
11 iii-.-, ni em duvida ; nisto nao pude haver
incoiivenienle algum, porque a lodo o lempo
que compareca o proprietario. e supplentedeve
ceder o lugar que occupa ; e fui o que se prali-
uou o anuo panado,
A casa astete a esta proposta.
llanda-te expedir o ollicio chamando seis
suppleiites.
Us senhores Rariio de Suassuna e Jos Igna-
cio .Suares de Macedo rcmcttein i casa os scus
diplomas.
A pedido do Sr. Mello Reg otfleia-se o go-
verno pedindo a retuesta das actas dos colle-
gios de Iguarass, Sauto-Anto, Po-d'Alho,
Urejo c Bonito, visto nao csiarcm na secretaria
da assembla.
O Sr. fuiente dissolve a reuniao. Era urna
hora da tarde.
propria iade de ouro terla" "rejeitada, e os utn *Jital, ordenando que todas as pessoas
clrigos devessem oceupar o primeiro lugar. I encontradas corn punhaes, ou armas occul-
De que modo, poi, dever o governo temporal tas l'.issein irnmediatauenle espingardea-
ler sustentado? Po IX nao pode collocar r.| das. Esla medida coqleve, he verdade, a
as na inaos de seus vassalios, porque abe milo do assassino ; porem o espirito dedes-
voTu-laseoima0,,."^ ^ ,"'"'"; "' ordem permanece anda o meJmo. e nSo he
* olu las conira os pautes; e tamben nao pode de admirar que Po IX a vista d.sso recuso
esperar que a Franja e a Austria continen) por
muilo mai lempo a pagar soldados para a sua
propria del'enso. A Franja vai gradualmente
retirando uas tropas, de sorte que presente-
mente ja nao lem nos estado romanos senao
12 a 14 mil homens; e eslou persuadido que
brevemente a Austria cansada remover tudo
os seus soldados para dentro de sua propria
Ironieira do outro lado do P. Aluda adniit-
tindo a neceiiidade do pmlr temporal do pa-
pa -
na, resta sauer-e como dever elle ser physi-
camente assegurado? O povo romano na pro
purea.! de 0 para I, recusa(ustenta lo, e na fal-
ta doapoio dos naturaes, he ridiculo esperar-
se que os estrangelros pojsam fazer tudo quan-
to be necessario. Houve um periodo em que
o papa esperou obter da Hespanba um suppri-
iiicuto conveniente de bayonetas ; man< que
coiibecemu o que sao os Ucspatibes, com 11-
das as suas boas qualidades, devenios concluir
que a eiir.l s.-tia l.iu uta eomo a d ieii,- i. De-
poi disto elle prnpoz colonia irlandeza, solda-
dos em ponto de faci, postoque devessem ser
el tsstiie.idos comorniigradn; porm esta pro-
posta nao leve resultado, porquanto o governo
inglcz insisti em nomear todo os olliciaes, e
o papa e os cardeae nao tcem tanta conftanca
na boa f da Inglaterra protestante que podes*
sem consentir que todo o sem chele milita-
res fossem nomeado por lord Palmerston. Tal-
vez esta ultima noticia eja contradlcta, por
isso vou explicar de que modo foi fe ta a pro-
posta e a resposta que leve.
O governo papal nlo se dirigi, he ver-
dade, nossa.reparticilo dos negocios es-
trangfliros, nem lord Palmerslon disse nada
por cscripto a favor ou contra o plano ; po-
rm o nuncio do papa em Paris, falln a
lord Normanhy sobre este assumplo. e, pas-
sadosalguns das, S. Ex. deu a resposta ver-
bal cima referida. Depois disto concebeu-
se otitra vez a ideia de eslahelecer u na co-
lonia irlandeza, a qual com o andar dos
lempos se converlesse em forrea militar; po-
rm a malaria (doenr-.a', assim como a dilli-
culdade deacharuma localida le convenien-
te e a falta de dinheiro para favorecer ao
sustento dos colonos durante o primeiro
anno, ll/.eram com que por agora fosse pos-
ta de parle. Tro K
Todava creio que nao est inteiramente
abandonado, porquanto eslou persuadido
que urna omigmcSo da Irlanda em ponto
grande pod.e ter lugar roveitosamont-, e
que a maiV.a cessara, logo que oesgola-
menlo e a cultura melhorem o solo lia en
tre liorna e Givita-Vecoliia uma immensa ex-
tenso de terreno pcrloncente a iustituicilo
do Es|)irito-Sanlo, o qual he admiravel-
mencionada em a referida nota, e com o mente proprio para a colonisas3o c se as
LAR ENCONTRADO
voltar
Vmc sabe quo o principe de Canino foi
um dos principaes cabeQas da revoluQilo, e
por coiiseguiole ha de estranhar ver agora
o filho ea lilha do mesmo perseguido pela
vingani;a popular ; mas romo uo lia de ser
assim, sea plebe do Roma uo rcspeiU no-
me, njmpessoa .' Este cavalheiro foi tiesto
modo punido, porque o sou carro foi um
dos primen os que appureceram n i Corso,
a ilespeito dos pasquins quo os agentes da
sociedade secreta est belecida na Suissa
acharam meios de distribuir tilo abundan-
te mente
O petardo foi meltido dentro de um rami-
Ihete, o outros minios da mesma fabrica f-
i'.uii depois descobertos ; porm o nico de
que se fez uso, pelo menos o unico quo rhe-
gou ao meu conliecimento, foi o que coube
em sortean principe de Musignano, o qual
anula esta soffrendu bastante das feridas
que receben. Aclasse media de Roma n;lo
tomn parlo neslas demonstrarles hostia,
posto quo recusisse firmemente decorar
suas casas, ou concorrer para os divortimen-
tos da frsta, sendo nee.ss.nio que a polica
a isto a compellisse, entretanto que os ce-
leradas que mais empenliados su mostraran)
fura ni evi leulement* pagos para este lim j
porm toda a extiibicHo deu urna licilo ao
pipa e aos eardeaes, porquanto a friesa das
cha-es medias o a brutsli lude da picho de-
vem convencer a qualquer que a volta do
su, remo pontfice e sua crtesela tudo mo-
nos popular. Asseguram-ine tamben, que
toda nobretl se retirara para o campo no
primeiro dia do carnaval, assustada pelas
proclamarles ameac,aduras quo os agentes
da sociedade secreta lizeram circular por lu-
das as partes ; e foi smente a pedido dos
eardeaes que representan! o papa, que con-
sentirn! cm voltar. A mesma influencia
inln/.io estes fialgost: suas familias a ap-
pareceremeo publico ; po'tn sous aclos,
anda quan lo procedessem de suas livres
vontades, nilo sendo sustentados pelas clas-
sas uienas.e achaudu-seem directa opposi-
c; lo aos da plebe, poderQo acaso proJuzir
um Porlti algum ouiro elTeilo que u3oseja
O de induzi.ro papa a permanecer onde esta
em plena seguanla iiom perf'ilo commo-
do ? As prises estilo to las cheias, porque
asseguram-me que a polica franceza rece-
hra ni dom do mo iulcrvir, como zura ou-
lra ora, com as autoridades papes ; porm
esto fado musir smente que a severidsde
se; foi njuito de proposito ; foi mesmo cal-
lii ni cuino quaes as boticas etu que os enfer-
inforniac.io do estado sanitario de seu termo; c VI
linalineiite recomuiendn Ihes mui lermiiiante-
meiueqiie faoam j e j remover lodos os fo-
maram que ouviram o Sr Dr. Sarment di-
zer que a homcopathia estava matando S.
co de emanafffea mepbyticas que exisiein no Exc. c qua elle com os seus remedios o liu-
" via sajvo. Pedindo a S. Exc. que me escla-
recesse sobre este fado, se dignou de res-
poruler-me o que ja publiquei; isto he:
que nlo havia lomado remedio algum alan dos
quo eq Ihe havia administrado ; e que o Sr.
Dr. Sarniento era incapaz de dizer o que Ihe
atlrihuiam. Eu nfio creio que S. Exc. (sem
quema de sua propria honra) diga agora o
contrario do que a mim asseverou.
('mu a puhlicnQflo dessa cura eu tivn em
vista saber da verdade. Ou foi certo que o
Sr. Dr. Sarniento cunta-a, o que ouviratn
essas pessoas, ou nSo. Se o foi, para nSo
passar por contador de historias, elle ha de
responder alguma cousa ; o isto mo serve
hem para eu saber com quem ando ; e se o
nilo foi, nada tem que responder, visto que
o que relatei a sen rospeilo em nada o of-
feole.
O Sr. Dr. Sarment veio ao publico com
um csr.tasu dirigida ao.Sr. hispo,e a com-
petente resposta para fazer-me passar por
falsario,; e eu j Ihe irei mostrar quem
he o mentiroso. )
que ella fura devida exclusivamente as ap-
plicafes homnipalicas,
( Anda he isto uma verdade, que s mal
intcncibnados podero obscurecer )
. rojo a V. Exc. seja servido declarar se as
awiercbe* setjumtes sdo ou ndo verdudeiras.
* Al [fino que o primeiro remedio que V.
Exc. inmnu foi citrato de magnesia, com o
qual tete copiosos vmitos e dejeccies alvi-
nas, que depois tomou um tuadouro, ftvou
convalesctnte;
( Isto agora nSo he commjgn ? h com
osSrs. niHjor Moura e cirurgiDo-Rodrigo,
que nada ru disscranvaJ>il respeito na pri-
meira visita, que fiz a S. Exc, e sim me
disseram que tiepois da administrado de
uma du se de aconit he que S. Exc. reeobrou
os sentidos e lieou convalesccnle. Elles que
me respondam. Nesto diz o Sr. Dr. (|ueS.
Exc. tomou citrato de magnesia ; mas no
diz que (oi elle quem receitou.)
A [firmo que urna lev* in[raecdo de rtgi-
n meu occasionou uma recahida, cuja gravi-
a dade ignoro, porque a nao observe!,
( Ohsorvei-a eu, que achei o doente t3o
grave, que prevoni as pessoas, que o cer-
cavam, do termo provavel de semelhante
mal; o requer toda a prudencia o vigilan-
cia, alim d.! no apanha-lo a morte sem os
soccorros da igreja. i
eque nessa rtoakiiaum amigo tnthusias-
cetilro da cidade para o que me reqiiisilaro o
auxilio de que iiecessilarein.
Dito. Ao commaiidaiilc do Catiope, alim
de nao se retirar para Peruanibuco sem segun-
da ordem deslc governo.
DEM Dt) DIA 4.
OITicio. Ao coiniiiandante do brigue Catio-
pe, comiiiiiiiicindo-lhe ter-sc expedido ordem
thesouraria, para Ihc mandar entregar a
quanlia de MOU.UOO rs. por elle rrqnisilada,
para pagamento dos sidos vencidos da tripo-
lacao do brigue sol. ett commando.
Portarla. Nomeandc para comtnandantc
uperiur da guarda nacional da comarca das
Alagn ao coronel de legio Flix Jos da Cos-
ta. Coininunicou-sc ao dito roroncl de le-
gio.
Dita. Nomeando |ira coronel chefe de Ic-
giao d guarda nacional do municipio desta ca-
pital ao tenenle-coronel do primeiro baUlho
do mesmo municipio Manuel da Costa Moraes,
e para tenente-coroncl em lugar deste, a Kra n-
cisco de Meu i Lima. Couiuiunicoii-se ao res-
pectivo coinmandante superior.
Dita. Nomeando ao Dr. Silverio Fernandes
de Araujo Jurge para delegado de polica do
termo desla capital. Coinmuiiicou se ao Dr.
chefe de polica.
Ollicio. *o cirurgiao-mr do liospiiai, pa-
ra que desune urna sala do mesmo lazareto da
gente de mar e Ierra que forem asfaltados da
epidemia que ora grassa n provincia.
irctilar. __ A o vice-consules, para que en-
vicio sen, nialmcnic urna relaco nominal dos
subditos de suas respeclivas narde que freiu
acuoimuettidos da epidemia reinante.
Dito. Aos viganus, para enviaren) aecre-
larin do governo una rclaco dos bitos llovidos
em suas freguexias desde o primeiro de Janeiro
do crrente aune, indicando a nacao, cor c con-
dico.
Dito. Ao Dr. chefe de polica, mandando
que elle d ans delegadoi e subdelegado da
provincia as mais terminantes ordens para que
envii'in semanaluiente uma rclaco do estado
sanilario dos leus dislricto, a qual dever ser
remedida a ote governo com a maior ur-
gencia.
Hilo Ans membros da commissaodc salu-
bridade publica, dUcndo-lhes que este governo
tem expedido as convenientes ordens, para
que sej un saiisl. ii i's as suasrequisiedes; c que
muilo agradece a pbilantropia com que elle
se teein prestado a mitigar o solfrimento do
scus comprovincianos.
Dito. Aos mesmo, communieando-lbes
que se expedio ordem aocirurgio do hospital,
alim de que Ibes seja franqueado all o iugres-
o, podendo elles dispr dos objectos exisicn-
les no meiino huspii.il, bem cuino coajuvar o
dito ciruigio-iur no curativo dos doculrs.
Dito. Ao inspector da thceouraria de fazen-


ta, mas nao habilitado para decidir ques-
les de /teraputica, introdujo a hornee pa-
thia cm1cata di' f'. Lxc.
( Notiedianingucm, n'em jamis pedi-
rei.que'faca introducco da homoeopalhia
em casa Jo pessoa alguma ; pois ella lia de
S^r adoptada pelos milhes de fados, que
constantemente altestam sua sublimidade,
eabatem sua enfatala Inimiga. E persua-
da s oSr. |)r. Sarniento que lant3 honra
me d a cura de S. Exc, como a da mais
humilde de suas ovelhas ; porquanto no lei-
to da dr nfio vejo qualidades, e sim info-
lizes, que precisam dos meus soccorros
Tambem nfio consta deste que o Sr. Dr.
receitasse a S. Exc. )
AIfirmo quereassumindo cu o exercicio de
minhat funcres medical em palacio,
( Eis-aqu o Sr. Dr. Sarment enfatuado
porque he medico de palacio! SeS. Exc
fosse um pobre, que por sua posic,3o nilo (1-
gurassenascena do munlo. o Sr. Dr. Sar-
ment nfio se lembraria de dizer que reas-
turnia oexercicio de suas fiincnus medical na
casa desse pobre; porquo tilo vaidoso, e
cheioderumacas.comohe. entenda que a
casa do pobre Ihe causava des louro e o
abata na ordem dos hotnens Yanitas van-
tatum!! )
achei a V. Exc. mando de clisleii purgati-
i, tos e dr ban/tot momos ;
( Esta palavras envolvom ornis misera-
vcl artificio, com que o Sr. Dr. Sarment
pretendeu mostrar que S. Exc nfio foi cu-
rado honiceopnthicamente; porque dizen-
do que achou S. Exc. usando th disteis pur-
gafiau, da a entender que en Ihe recei-
tei algum elecluario de senne compos-
to, algum sulphato de soda cm cozimen-
to de ceva.la, algum sulphato de mag-
nesia, mann ou qual.uier otitra haca-
martda, dessas que se do pelas boticas.
Repiti esta insinuac.o do Sr. Dr. Sarmen-
t com to la a n ibresa do meu carcter e
desafio-o para que prove o contrario. Os
clisteres, de que S. Ex. usou, fram por
minha ordem, dous de agua morna com
urna colher de manleiga lavada em disso-
Juc3o, os quaes fram empregados mo co-
mo meio curativo, porque anda no cons-
tou.nem consta, nein constar, que clisteres
to simplices.produzissemcura de molestia
grave, mas como um meio mecnico capaz
de distender os cenlos inleslinaes, e faci-
litar a sabida das fezes. Concedo mesmo
, que ou mamlasse fazer um uso diario desles
clisteres. E quem disse ao Sr. Dr. Sarnien-
to que a hon ccopathia reprova o uso de
meios lito simplices, e o le banhos momos.''
Kmquelivro de houo'opalhia achou S. S.
a proscripto dest^s meios ? Se tem algum
thesourb encoberto da sciencia, uo seja
egosta, declarc-o para que lodos aprenda-
mos. .\inguem descontinu quo o acceio
concorre muito para o reslabelecimento Ua
sade;' e seniar-se um bomein n'agua de-
pois de ter toma lo un clister, hedecerto
um louvavel ac'.o de acceio Note-se, que
os bannos, de qus ralla o Sr. Dr fram
dos que vulgarmente se cha j.um desssen-
to. Esl, portante, provailo.queS. S. neste
paragrapho obrou de muito ma l ; e sendo
elle O mais forte de.-t i caita, el iro esl que
sehouve mentira, foi S S. quem a pre-
go". ).
Affirmo que Y. Ex. por vezes me tem dito
que de todvs os remedios, que lomara, fram
ot evacuantes uqueUes, que mais bem litfi-
seraw.
(Alfirmo que S. Ex., amigo enthusiasta do
Sr. Dr. Sarment, poslo que enrequecido
de muitos conhecmentos divinos e huma-
nos, no he comtudo habilitado para deci-
dir quesles de Iherapeulhica. Sil. eslas
as proprias palavras do Sr. Dr. Sarmenio
no M'u penltimo quesilo.J
k Dios guarde a V. Ex Recife, 23 de
marco de 1850.."Jos Joaquim de Moran
Sarment.
(Sim, senhor; he o mesmo Sr. Dr. Sar-
ment, que aqui esta. Agora Ihe peco, Sr
Dr., que torne a lr a minha propaganda
de 23 de marco, e veja seooflVndi, nem
de leve, pura V. S. tilo desabridamente
querer fa7er-ine passar por mentiros-i ans
ulhos do puhilco. Yirou-se, porm, ojeiti-
(0 contra o feilieeiro. Ou V. S. ha de pro-
var oconlrario do que lica dito, ouentfio
ha de snfficr os rigores do juizo publico.;
i Declaro que as atrete* exaradas ua pre-
sent carta sdoverdaileiras e de viva vozus
a conrmarei a quem I ver iutcrcssse em as
verificar. Palacio da Soledude, 21 de mar-
co (h iSbO.Joa, bispo diocesano.
( Provada a falsidade das asserces do
Sr. Dr. Sarment, nada devo dizer sobre a
derlaracflo ileS Exc aquem muito respei-
to, estimo e venero. S. Exc. niandando-me
visitar no dia primeiro ,:e ahril pur oceasiao
de minha molestia, me mando i significa
seu reconhecimenlo por have-lo salva dope-
rigo, em quo esteve He esta a minha vic-
toria. Tenho dito asss para ser compre-
hen ldo.i
Com o documento supra tenho reipondida
(i ao Sr'. Dr. bobino na paite em que atlnbue
a excluiiramcnte a homir ipalkia a cura de S
i Exc: Iteverendissima Emquanto ao que <>se
a/guem contou ao Sr Dr Sabino, po.sso ai-
i tererar Ihe que ninguna dir rom ttrdad
a que mt ouvitse a respeito do tratamento de
S. Exc, otitra cousa mais do que o factm
que fieam relatados, e que sdo verdadei-
ros lltcife, 25 de marco de 1850.Dr. Sar-
ii meato.
( Com este documento provo'i o Sr. |)r.
Sarment que seachava despullado pida al
lus.lo que fiz dse haver S. S. inculcado
como o salvador de S. Exc; porm conlra a
cura pela hon n- ipatlna nada obsolulamen-
te provou, a n.iu ser que ignora i prlica
dVssa sciencia, e seus principios mais tii
viaes. Emquanlo a esse alguem, nfio sei par-
que tanto su encommeiidou S. S.; pois que
a ser falooqueello measseverou, n'da !i-
nha o Sr. Dr. que dizer depois da declara-
cilo, que fi/ do que e passou entre mim e s.
Exc. a seu respeito. ;
Agttra faco um convite solemne ao Sr. Dr
S rmento;eestou persuadido que o ha de
aceitar. A homoeopathia fui objecto de urna
correspondencia sua. He ella digna das
honras-de urna discussfio. Convido-o, pois,
em nome da humanidado para queS. S. s
incumba de mostrar ao publico os erros,
que professamos e que queremos fazer pas-
sar por verdades He melhoritodoqueoccu-
parmo-nos com queatoes pequeninas, poia
que d'eslas nenhurn inleresse real pode co-
lher o genero humano.
Espero que acceite a luva.
Recife, < de abril de 1850.
P. S. Esli rosposta nao foi dada logo, por-
que cahi doente no mesmo dia 27 de marco
quarta-feira de trevas ), em quo sanio pu-
blicada a carta supraditi.
X'iiblicuado a pedido.
-3

n
3
o.
a
2 5
-i O W3 e = ssi 52 c a N B 0 > 0 0 Pl c/)
* >* a* 1 1
g O ' cna
en o oc to -^ 0 3 SS > 0 (A
M * Ci 0 1 O O v.
10 * W Ou O 13 n n 11
10 0 ic 0 9.2 r. M *- y 1
10 0:1c - 5 n S E Id
u f o 1 * iO n 0 o 3 fl 9 n a> rB fin -* a 2 = 5 l 2 gs 1 3-6 < a. 0 b 7 --1 n 0 er & 0 t I
non 9 9 S on 10 W Cd 0 1 -J r^ l i o
a
_n3 m 9-
sS
______________*>;-__________
Wm
Secretaria da tiiesouraria da faznda pro-
vincial du Pernambuco, 14 do marQo de
1850. -'- O secretario, Antonio Vertir da
Aununciaclo.
Clausulas especian da (rrematacio.
1. As obras para o aterro e ponte dos
Remedios serffo feitas de conformidade
com os riscos o orcameutog ne9ta data apo-
sentados a approvfin do Exin. Sr. presidente,
pelo preco de 7:040,000 rs.
2* As obras puncipiarSo no prazo
de um mez e serao concluidas no de quatro
mezes, ambos contados em conformidade
do artigo 10 do regulamento das arrema-
tarles.
3.a Todos os materiaes serio examina-
dos pelo engenheiro, e lavrar-so-ha um
termo.
4.' O pagamento do importe das obras
realisar-se-ha conforme o artigo 15.fc do re-
gulamento de 11 dejulho de 1843.
5.a Para ludo o mais que nfio est de-
terminado as proseles clausulas, seguir-
se-ha o que dispon o precitado regulamen-
to de 11 de julho de 1843.
Recife, 21 de marco de 1850. O enge-
nheiro, i I.. Viclor Lieuthier.
^Brf*mmBtmmmamBstmm-mass^BS
Deca i'a<;6es.
<*mm
Publicaca lilterari
s.
Cbegou do Rio-de-Janeiro reccotemente
a inleressanle obra de Mr. de Lamartine,
Itaphael, Paginas da Juventude, traduzid*
em porluguez, preco 3,000 rs. : adiase a
venda na rus da Cadeia do Recife, n. 38,
primeiro andar.
= 2
<
o a.
<:omk
HCI
Dr. Subino OlegarioLudgero Pinho,
ALFANOBGA.
Rondimento do dia 5.....13 320,626
Descarreqam hoje 6.
Ilrigue austraco Cout-llardig farinha.
Uarca ingleza -- Janei-Condie bac-lhao.
Polaca brasileira Sociedade-I'elh a fa-
zema.
Patacho nacional onephina vinho, fgo
da China,siibilo.queijos e toucinho.
Di igue inglel Magnel Ierro.
Ildrca americana Conrad faiiuha o bo-
lacha.
Patacho fraucez Eclipse mercadorias.
Uarca ingleza Sivord-l'ich iJein.
CONSULADO GERAL.
Rendimento do dia 5.....2:132.991
Diversas provincias...... 305,921)
2:738,911
EXPORTACAO.
Despachos martimos no dia 5.
Rio Grande do Mil, escuna nacional Santa-
Crux condal o seguinle :
TO pipas com 10,10(1 medidas de ago'ardenle,
2S0 barricas Com 1,980 arrobas e 22 libra* de
atsttcar, un calile com 1 arroba o 22 libras
de dticc de caj seeco.
lUXEBEuRIA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Rendimento do dia 5.......1:266,neo
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 5..... 1 368,901
Vovimeino do *nrlo.
Navio entrado no dia 5.
Havre 3ti dias, barca franceza Henritla, de
288 toneladas, capito itcguler, ei|uipagem
13, carga faicnd^s e tasas de madeira : ao
eapitio. Vcni refrescar e segu para Val-
Paraiao.
Navios sahidos no mesmo dia.
Macelo Ilrigue ueco Fclorya, capilao J. II.
i'laniis. Fin lastro de assucar.
Uinaragibe Uiate nacional NacoDeilino, ca-
pilao hilevaoaitteiro, carga varios gneros.
Passageiros, Manuel Antonio do Nascliuenlo
e Jos llamos, brasilciros.
-OescrivSo servindodeadministradorda
recebedoria de rendas internas gerao.^, con-
vida as pessoas ahaixo declaradas, kfim de
comparecerem na mesma recebedoria para
liquidarem seus dbitos, relativos ao im-
posto do sello sobre os baralhos de cartas
dejogar, e isto pelo es ac de 15 dias con-
tados da d ta deste, findo o qual, se pro-
ceder executivamenle conlra os Srs. de-
velores. Recebedoria, 4 de abril de 1830.--
Manocl Antonio Simiies do Amoral.
Oliveira & Irmuos. JoaquimMonteirods
Cruz, Kalkemam & Rossemund, Jos Carlos
Perrcira Soares & Eirniino Jos Flix da
Rosa, Thomaz l'ernandes da Cunha, J. Kel
ler &(;., Jos Saporily, Araujo & Soarrs
Victorino Castro Mour'a, Jos Domingueg
Codeceira, Antonio Joaquim Vital, llenri-
que&C, ChristuviloCuilherme Dckeiifield,
Francisco Jos Duarle, Manoel Rodrigues
da Silva Eiguciredo, Simiies & Castro, An-
tonio Pereira da Costa Gama, Costa & Gui-
marfies, Manoel da Silva Santos, Augusto
I'erreira Pinto Guimariles, Jos Joaquim de
Carvalbo.
Oescrlvffo servinlo de administrador
da recrbednria das rendas internas geraes,
ahaixo assignado, avisa a lo ios os conec-
tados 1 elos diversos impostos que sflo ar-
recadados pela mesma recebedoria, que
achando-se crea los os dous cobradores de
que irata o artigo 32 do regulamento de
15dejunhoilel84i n. 361, para receberem
amigav. Imenle no domicilio dos devedo-
res a importancia dos seus dbitos, a ellos
pdenlo pagar, dando por desobriga os ie
cilios extrahidos dos tales para este fin
organisailos, assignados pelo Ihesoureiro,
Joaquim Marfa de Carvalho, e os emprega-
dos que os passarem, cujos agentes recebe-
doros nomeados e Habilitados para este re-
cehimenlo, Silo : Jos Chrispim d'Assump-
{flo o Luis Gomes Silverio.
Manoel Antonio Simocs do Amoral.
Faz-se publico, pela segunda secciio do
consulado provincial, que s* esl fazendo
a cohranca do inipnslo de 20 por cento do
consumo das agoas-ardentes de prodcelo
brasileira, vencido no semestre de dezem-
bro do anuo prximo passade, e que, findo
o presente mez, se proceder exeeutivamen-
te contra todos os que doixarem do ter pago
o referido imposto.
CONSULADO DE FRANCA.
Previno-se as pessoasque liverem penho-
res vencidos, na liquidagilo da casa do de-
funlo Duhois, hajam do os resgatarato
dia 10 dn correte mez, do contrario, os di-
tus penhores se'lo vendidos.
Timbem so prevenidas as pessoas que
tiiiliam conlas com o defunlo llerbaut, o
qnal morreu na Capunga, ou alguu.as rc-
Clamacoesa fazer, de so apresentar na chan-
cellarla desto consulado at terca-fuira, 8
do crrante, do contra-io, as suas reclama-
QOes n.iu sarita mais aceitas.
Convidarse a tojos os individuos li-
vres quo se qneiram empregar como ser-
ventes as obras do arsenal i\i marinha, e
as do melhorament do porto, a seenten-
derem com o respectivo inspector, o qual,
na conformidade dasordens do Exm. Sr.
presidente da provincia, Ihes garanto a
isenegodo recrulamento. Tambem se a I-
milte osescravosem taes obras, dando-so
tanto uestes como a aquellas individuos o
jornal de6l0rs. InspeccSo do arsenal de
marinha do Peroamboco, 30 do marco do
1850 -- O secretario, Thom Fernanda lUa-
ileira de Castro.
-- O cnsul de S. M. Rritanniea convida o
ajuntamento dos subditos residentes nesU
ciila-te e qualificaiios para comparecerem
10 dia lerga-feira, 9 do crrente, a tratar
sobre as nielidas para o estabelecimenlo do
novo hospital. Consulado bnlauiico, 2 de
abril de 1850. H. A. C.
Publica^ao religiosa.
Sabio luz um livrinho com o titulo de
DEVOTO CIIRISTO,
o qual conlm a doutrina christSa, breve
noticia dos misterios da missa, obras que
ilevein fazer o christfio, orar;0es para dema-
nhfia o a noite, ditas para a confissfio e
Cvimmonhfio, exercicios para cadadi, no-
venas das almas, asseucSo do Senhor, Con-
cec,no, Menino Jezus, Santo Anlouio, modo
do resar a estaclo, breve emenda dos erros,
signaes de Christo, sentencas do plalos,
methodo de resar o rozaiio e lerr;o de Nossa
Senhora, mysterios gozosos dolorosos, e
gloriosos, ladainha de Nossa Senhora, ora-
responso de S. Antonio, eseada mystica,
imitacSo dos justos, suspiros pels gloria do
co, ele : vende-se na hvraria, ns. 6 e 8, ds
pniea da Independencia, a 640 rs., cm meia
encadernac,3o.
-------------- i,ii ,=
Avisos martimos.
EDITA ES.
O lllm. Sr. Inspector da Ihcsouraria da
fazonda provincial manda fazer publico que,
do da 8 do correte mez em liante, pa-
gam-se os ordenados c mais despezas do
mezdcma'go prximo passado.
Secrotaria da tbesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 4 de abril de
1850 -O secretario, Antonio I'erreira d' j,-
nunciacdo.
O lllm. Sr. inspector da Ihosouraria
da fazenda provincial, emeumprimento da
ordem do Exm Sr. presidente da provincia
de 4 do corrente, manda fazer publico que,
nos da< 30 do mesmo, i e 2 de maio prxi-
mo futuro, ir a pi.-i(,-a, peraulo o tribunal
a liniuislrativo da mesma tbesouraria, para
ser arre untado a quem por menos lizer, as
obras do aterro o ponte des Remedios, sh
as clausulas especiaos ahaixo transcriptas,
e pelo preco de 7.040,000 ris
As pessoas que se piopozcrem aesla ar-
rematadlo ciinipareeam na sala das se-sdes
do SObredito tilbunal. nos das cima men-
cionados, polo meio-dia, competentemente
habilitadas.
E para constar se mandn aflixar o pre-
sente e publicar pelo Diaria.
licparlicao da polica.
lllm. e Exm. Sr.Fram honlem presos :
a ordem do delegado do segundo dM-icto
desto termo. Manuel l'ernandes da Silva,
por correcefii) : e do sub lelegado d< f.e-
guezia da Ua-VisU desta cidade, us prelos
Joflo h Thomaz, pomnlarem fgidos.
O delegado supplenle do termo do 0i icu-
ry.em ollicio de 3 do marco ultimo, me
cuinmuiiicuu que 110 dia antecedente ha-
vi m sido assassinados BufraZio Nunes de
Alencar, e Jos de Tal, este com um tiro, e
aquello com onze Tacadas; cssim como que
Kayimindo Mendos da Silva fra gravemen-
te fendo de um tiro, sem que me livosse
declarado quaes os auto es desses atten-
lados, limitando-sea dizer que licava dan-
do as necessarias providencias a respailo.
D-os guarde a V. Exc. Secretaria da
polica de Pernambuco. 5 de abril de
1850.lllm. e Exm. Sr. Honorio llermto
Carueiro Leflo, concelhoiro de estado, pre-
sidente desla provincia.- Jos Nicolao Re-
gueira Costa, chefe de polica interino.
Aveleira escuna nacional Emilia, de
que he capililo e praliro Antonio Silveira
Maciel Jnior, deve chegar do Para por
estes das, para onde voltar com esca-
la pelo Maranhfio, com a maior brevi-
dade: quem na mesma pretender carre-
gar, ou ir de passagem, dever entender-se
com Jofio Carlos Augusto da Silva, na ra
dt Cruz, no Recife, n. 13, armazem.
Para o Ceara segu viagem com muila
breyidade o hiato Noco-Olinda, mestre An-
tonio Jos Viauna, por ler j boa parte
do seu carregameiitu a bordo, alm de 011-
tras cargas ja tratadas: quem nelle mais
quizer carregare ir do passagem, so enten-
der com o mesmo mestre, ou na ra da
Cadeia-Velha, n. 17. segundo andar.
--Para o Rio-de-Janeiro sabe, impre-
terivelmente no dia 6 de abiil prximo fu-
turo, o litigue Rrasilei'o San-Jos, por ter
parle do seu carregamento a bordo, faltan-
do smente algum resto, para abarrotar:
quem liver de carregar, ir de passagem e
renielter escravns a frete, dirija-se ao
escriploriodeCauJino Agostinho de Bar-
ros, atrs do Corpo Santo, n. 66, ou ao
capililo Jos Ramos deSouza.
-- Para o Itio-de-Janeiro sahe com maior
brevidade possivel, por ter melado de seu
carregamento engajado, a escuna nacional
Tentadora : para carga, passagairos e escra-
vos a fretc. dirija-se a Antonio Alves de Mi-
randa Cimimi rfies ou a Nuvai'S 6 C, na ra
do Trapiche, n. 34.
Para o llio-de-Janeiro segu com toda
a brevidade o brigue nacional Josefina :
quem no mesmo quizer carregar ou ir de
passigem, trate com Domingos Rodrigues
do Afldrade, no Trapiche-Novo, 11. 4, ou
com Jos Carlos Fon eir Soares Jnior, na
ra da Cadeia do Recife, ou com o capito
do mesmo, Marcos Jos da Silva.
Para Lisboa sabe com a maior brevida-
de o brigue pnrtuguez Veloz, capito Anto-
nio Pedro de Eigueiredo : quem no mesmo
quizer carregar ou ir de passagem, dirija-se
aos consignatarios, Oliveira Irmos & Com-
pa iihia,
-- Para a ilha de San-Miguel tem de se-
guir viagem uestes 15 dias, com a carga que
tivera bordo, o bergamtim portuguez OU
vera, que j do Rio-de-Janeiro conduz par-
te do seu carregamento para o mesmo des-
tino : quem nelle pretender carregar ou ir
de passagem se entender com o respec-
tivo eapitfio na praca do Commercio, ou
com Joo Tavares Cordeiro, na ra do Vi-
gario, n 8. O mesmo navio tambem pode
receher carga e passageiros para as ilhas de
Eaial e Terceira, appaiccendo em forma que
convide s escalas.
Para Lisboa sabe, no dia 12 do abril, a
barca porlugueza toe Antonio Joaquim Rodrigues: para o resto da
carga tratase com o mesmo capito, ou
com Francisco Severianp (tabello & Filho.
-- Para o Rio-de-Janeirb sabe, com mui-
ta brevidade, o patacho nacional Curioso,
capilo Domingos Antonio de Azevedo, por
se sebar com parle da carga prompla : para
o restante, passageiros a escravos a frete,
trata-se com o mesmo capitSn, ou com Luiz
Jos de Sa Araujo, na ra da Cruz, n 33.
-- Para a ilha de S -Miguel pretendo sa-
bir com brevidade, pur ler melada do car-
r.'gamenlo piompta, o brigue nacional
Espirito-Santo, capito Alexandre Jos Al-
ves : para o resto da carga e passageiros,
commodo prego, e conduz passageiros
para o que tem excellentes commodus
tratar na ra do Crespo, o. 11.
PARA A CIDADE DO PORTO.
segu o brigue porluguez 0om-/>*for,rece-
b? carga a relo e passageiros.para os quaes
olTorece excellentes commodos : os preten-
dentes dir jam-sa ao capito, Jos Gomes da
Silva, ou a Bailar & Oliveira, na ra da Ca-
deta-Velha, armazem, n. 12.
Para a Babia
beohiale/jije/ro, Torrado o pregado de
cobre, e de primeira marcha : para carga e
passageiros, trala-se na ra do Vigario,
n.5.
-- Quem tiver contas com a barca sueca
Harmona quelra enlrega-las, al ao meio-
dia do dia 6 do correte, no escriptorio de
seusconsignatarios. 1N. O. Bieber & Compa-
nhia, ra da Cruz, n. 4
Precisa-se de 2:500,000 a 3:000,000 rs.
sobre o casco e quilha da escuna ingleza
Aqenoria, carregada e prompla a seguir pa-
ra o Canal Brilannico : as propostas salla-
das podero ser enviadas ao consulado bri-
lannico, no dia ou antes da segnnda-feira,
8 do corrente.
Leiioes.
--Em consequencia do lllm. Sr. desembsr-
gador Gregorio da Costa Lima Belmoni se
haver retirado para o MaranhSo, o corretor
Oliveira far leilo de toda a mnbilia de
que usava em sua casa, inclusive trem de
cozinba, Picando os prelendenles na corte-
sa de que ludo ser vendido sm limites
om prego, conformo a ordem do referido
lllm Sr.,aos quaes foi reaignado a subjeitar-
se, embora o grave prejuizo : lerca-feira,
9 do corrente, s 10 horas do manhSa, na
bem condecida casa, que habilou por des-
sele unos, no principio da ra da Aurora.
O leilo dos salvados do brigue Socie.
dade, naufragado no districto de Caigaia,
lica transferido, por causa da chuva, para
quarta-feira, 10 do corrente, as 10 horas da
manha, na-pren;a do Sr. M. I. de O. Lobo,
Forle-do-Mattos.
Avisos diversos.
Relacdo dat pesios hoje despachadoi com pas-
sapurte poi esta repartido.
Para a llahia, Francisco, Africano liberto.
Secretaria da polica de Pernambuco, 5
de abril de 1850./lufonie Jos de Er tilas,
primeiro amanuense.
trata-se com Francisco Sjariins Ferreira, no
largo do Terco, n. 139T"011 com o mesmo
capito, na praQa do Commercio.
Par as ilhas de S -Miguel e Terceira,
sogue viagem o brigue portuguez Oliveira,
nestes 15 dias, pur ler j tratado grande
parte de seu carregamcnln nesta -praca,
alem da que onduz do Rio-de-Janeiro para
o mesmo deslino quem nelle mais pre-
tender carregar ouirde passagem, se en-
tender com o respectivo capilo na praca
do Commercio, ou n ra do Vigario, 11. 8,
com Joo Tavares Cordeiro.
Para o lio-de-Janeiro
segu em poucos dias o patacho
nacional imizatle-Constante, por
ter parle de sua caiga prompta :
para o resto da carga, escravos e
passageiros, trata-se com Macha-
do & i'inicii'o, na ra do Vigario,
n. 19, ou luid o c.1 |>itao a bordo
do mesmo patucho
Vende-se o patacho ameri-
cano fomp, de lote de I2G tone-
ladas americanas, forrado de co-
h;e, muito veleiio epromptopara
seguir qualquer viagem ; os pre-
tendeotes dirijani-se aos consig-
natarios, Ilenry Forster & C. na
ra do Trapiche, n. 8.
Cesar Kruger, tendo de retirar-se tem-
porariamente para a Europa, cunslitue por
seus bastantes procuradores nesta prar;a,
em primeiro lugar o Sr Lino Jos da Sil-
veira, e em segundo o Sr. Adolpho Sctmiidt,
continuando ogyio da casa do anpuncian-
le da mesma maneira em que se acna.
Joo Licio Moiques vai a Portugal, e
quem se julgar seu credor sirva-so de apre-
sentar sua roula para ser salisfeita.
Offerece-se para ama de c*sa de um
rapaz solteiro urna mofa branca, com 22 an-
uos, a qual engomma ptimamente e cozi-
nba o diario de urna casa: quem quizor
procure na ra d'AssumpQo, sobrado n.
t>2, lerceiro andar : afiaua-se a sua con-
ducta.
Precisa-se de urna sala ou solo de al-
gum sobrado nesta freguezia : quem tiver
annuncie. *
Antonio Pereira Jacome, subdito pnr-
tugurz, relira-se para a Paiahiba.
-Precisase de urna luja para fazendas
as ras do Crespo, Queimado, Calinga, Li-
vra0.etilo e Cadeia do Recife : quem tiver,
dirija-se ao hotel Francisco, quo achara
com quem tratar, ou annuncie.
I'erdeu-se na quinta-feira santa, om oc-
casiSo de se vizilar as igrejas, um lenco de
lavarinlo com hico em roda, e com as qua-
tro letlras M R. A. C. no meio ; iulga-se ter
cabido do Livramento t os Martynos, on-
de se deu por falta : quem o achou, que-
rendo-o restituir, leve-oao Alerro-da-Boa-
Visla, n 41, que se gratificar.
Perdeu-se no da 30.no lugar da ribeira
do bairro de S.-Antonio, um livro de di-
reilo de Mello Freir ; e, no dia 19 do cor-
rele, a ra Direiti a do l.ivrairenlo, urna
maca, ou matulo decouro deovelha em
cabello, contendo dentro urna redo, um
lencol, carnizas e tres cartas dirigidas a Jo-
vino Carnero Machado Rios, Francisco
Jos Correia e Manoel Januario Bezerra : o
primeiro, om Una; o segundo, em o Passo-
de-Cainaragiho ; eo lerceiro, em Macei :
quem achare restituir osles objectos ao es-
criptorio do Sr. Francisco Ignacio de Ata-
hyde, na ra da Aurora, ser recompon
sado.
Philip Frilh Needbam, subdito de S.
M. Britannica, retira-se para fra do impe-
rio.
Ha um mez, pouco mais ou menos,
achou-se um ripancona Estrada Nova do
Recife: quem fr seu dono, dirija-so ao
convenio de S.-Francisco, na cidato de
Olinda, a fallar com o Rvd Sr. frei Cela-
tao de S.-Francisco de Assis. que, segun-
do os signaes dados pelo dono, o entregar.
-- Antonio Jos Alves da Silva relira-se
para Portugal.
O i-rremalanle das aferres deste mu-
nicipio faz scienle quo he chegado o lem-
po do se rever as mesmas aer<;es, desde
o.* de abril emdianie; assim como de-
clara a quem possa interessar, que se tem
dado ao Irubalhn do fazer um alistamento
dos donos dos escravos, e dos forros que an-
dam vendendo pelas ras desta cidade e
seus suburbios com medidas sem a compe-
tente afericiio; bem como as ancoras e
nutras muitas cousas que deivam ja so
acharara aferidas, pois que os mesmos do-
nos nao ignoram esta est'icta obrigagflo,
quo a mesma lei Ihe impoe ; outrosim, a
respeito dos mcslres do ca pinas n pedrei-
ros, vendedores de madeiras, e assim l"in
de empregar os meios qua a mesma lei Ihe
faculta kflm de iio sor prejudicado em
dita arremalicao. Antonio Goncalvcs de lo-
raes.
Srvele.
Em Olin la, ladeira do Varadouro, pas.
saiido a rolinar;o, hivera sorveto todos o
das, principiando de domingo, 7 do cor
rente, las 6 horas em diante.
Domingo, 7 du corrente, se abrir de
novo, no Paaseio-Publico, n. 23, urna casa
de pastu, onde os bons Treguezes acharo
diversas corniles, e todos os domingos nio
de vacca e cabidela.
Olerece-se, para caixeiro de luja de
f.wendas, ou miudezas, um menino de 19 a
1:1 nonos, quo sabe ler e escrever solTrivel-
me n te o qual suhjeita-so a dar algum lem-
po gratis, por uo ter ortica du negocio :
. quem o pretender, dirija-se ma Direita,
-lara o llio-de-Janeiro sahe, por estes taberna n. 27. que se dir quem be.
das, a barca porlugueza Braeharense: carre-l Quem liver um sitio perto da praca pa-
ga assucar para completar o lastro, por'ra arrendar, annuucie.
MFLHOR FXFMPL


*>
O snvandija e inf>me que publicou o
annuncio inserta no Diario de Pernaatbuco
de 5 do frrente, rogando ao alfares M fos-
se-lhepagar quanlia de3.000 rs naja de-
clarar se semelhante annuncio enlen le-ss
con o mano do abiixo assignado ; ou entilo
o seo nomo por estenso. pois assim entende-
r o- mesm o aba i so assignado ser com o seu
mano alfares de polica, Manoel Joaquim de
Castro Madeira, tilo ridiculo insulto.
Thom Femandes Vadcira de Catiro.
Casa de commisso de
escravos.
Na ra Direita, n. 3, sobrado de 3 anda-
res, defronte do becco de S.-Pedro, rece-
bem escravos do ambos os sexos para se
venderem de commissSo, nao se levando
por este trabalho mais do que dous por
canto, sem se levar cousa alguma de co-
medorias. flereceodo-se para isto toda a
seguranca precisa para os ditos escravos.
Acha-se urna carta, vioda do Aracaty,
para o Sr. Licurgo Brasil e Maya, na ra do
Collegio, n. 10, primeiro andar.
Aluga-se, pelo preco de 10.000 rs. o
segundo andar do sobra lo da ra das Trin-
cheras, n. 46 : a tratar no primeiro andar
do mesmo sobrado.
Quem quizer dar almoco, juntar e ceia
para duas pessoas, no barru-4'e S.-Jos ,
mandaQd-oso buscar em casa, (tlrija-se an
pateo do Terco, taberna n 7, que se dir
quem qur, para ajustar o seu importe dia-
rio.
Offerece-se un sacerdote para cele-
brar nos domingos e dias santos em algum
sitio, ou capel I Cora ou dentro da cidade :
quem quizer, dirija-se ra Nova, loja do
Sr. Caj.
F.,, r.\: -n-. .-.-.- .".*.' JJJ, I .1'.'. TR"\s\v ivAfH?)Hn(V7v*7T '-". ^a>
Consultorio homceo- |
pathc<>. I
IUJV DA CADKIA DE S.-ANTONIO. N 22 f
Este consultorio estar abeito to- *
% dos os diaa, desde as 7 horas da ma- 9
Snhfla al as 3 da tarde. j;
Os pobres serio tratados gratuita- ;j;
?J mente. $
41 I
9mvtmmmwmmm mwmwnmwmm^
Itoga-se a pessoa curiosa que em o
mez de marco ndo, tirou urna carta do
correio, viuda do Rio-d- -Janeiro, para Jos
Antonio de Araojo, o favor de a levar a ra
da Gloria, n. 39.
-- Quem annunciuu querer alugar duas
pelas ; bem como tambem querer alugtr
um sitio, dirija-se ra de S -Thereza,
n. 38.
Quem tiver escravos ou escravas que
saibam vender hortalice o fructas, e quizer
aluga-los, dirija-se ao largo da Trempe, so-
brado n. 1, que tem venda por baixo. No
mesmo sobrado anda tem para vender bo-
nitos psda parreira muscatel de cheiro,
ditos de sapoty edeoutros arvoredos deli-
cados.
USr-Jos Carlos deMenlonca Vascon-
ccllos, lavrador doengenlio S -Elias, quei-
ra vir ou mandar a ra da i'raia, arumze.ni
n. 2, para concluir o negocio que no igno-
ra ; pn's parece que 3 para anuos lie lem-
po suITlciente para ti r cumprido o seu de-
ver, oque no lem feilo, nem ao menos
tem r. spondi Jo as cartas que se Ihe tem di-
rigido
A pessoa que na sexla-fcira da semana
pnssada foi a ra do Crespo, loja n. 9, fil-
iar respeilo a diversas frucleras, eque |e-
voii um bilhete para ir ao Caldeireiru, quei-
ra lera bondadedeir na inesma loja,par la
se ultimar tal negocio, ou anuuiiciar sua
morada para ser procurada.
AI uga-se
um bom cozinheiro forro oucaptivo : a tra-
tar na ra da Aurora, n. 26, ou na ponto de
UchAa, em casa de Francisco Antonio de
Oliveira JU'iior.
Alugam-se as seguintes casas: o primei-
ro andar do sobrado u. 4, no Alerro-da-lioa-
Vista, lendo grandes commu ios para fami-
lia, por 300,000 mil rs. annuaes ; o tercei-
ro andar do sobrado n. 6, da mesma ra,
com grande solio e muito bous commo los
para familia, por 240 000 rs. annuaes;
urna rasa terrea, na ra Formosi, n. 6, cum
cxcellenles commodos, ten lo duas salas
grandes, c neo quartos, um gabinete, cu-
zinli.-i fura, quarlo para escravos, quintal e
cacimba, por 200,000 rs. annuaes; outia
dita,na ra da UniSo, com duas salas, cinco
quartos, cozinlia e quintal, por 14,000 rs
mensacs; outra dita pequea, na ra da
Saudade, por 10,000 rs. oiensaes e urna
loja do sobrado n. 14, pateo da Santa-Cruz,
por 5,000 rs. mensaes : os pretndanlos -1
rijain-.se a ra da Aurora, n. 26, escripto-
lio de Francisco Augusto de Oliveira.
l'ivcisa-se de una pessoa para cobrar
urna divida distante desta prafa 6 legoas,
dando-se-lhe bom pagamento no caso de co-
bra' dita divida: ha documentos; a le Ira be
endossada,e tanto o aceitante co no o endos-
saute lem bailante com que paguem : tra-
tt-se na ruada Praia, n. 15, com Antonio
Dias da Silva Cardeal.
SOIt VETES.
A casa de sin vetes- no Passeio-Publico,
principia a trabiillmr domingo, 7 do corren-
te, das 6 horas da tarde em oante: conlinu'a
todos dias, al cabar o gelo, mo sendu t r-
des de chuvas o havendo boa comurrencia
com seus 200 rs. a copo.
-- Rosas Braga & Companhia fazem pu-
blico que, (endo de fazer urna viagem a Fu-
ro pi o seu socio Manuel Perora Rosas, para
tratar de urna saude, lica a sua casa com-
mercial gyrandoda mesma forma, que at
agora, sem inlerrupcflu alguma cm suas
traiisnccfies, tundo constitu Jo por seus bas-
tantes procuradores, durantes ausencia d'a
quelle, em primeuo lugar o Sr. Joaquim
1'ereiia Rosas, em segundo o Sr. Jos 1.a-
Iham, em terceiro oSr. Jos J-ronymoMon-
teiru e em quarlo o Sr. Francisco Ra-
dien.
- Aluga-se um moleque de 18 annos, de
muito tiua conducta e proprio para qual-
quer servico : na Bua-Vista, ra do Araglo,
ii. 40, ou na ra da Madre-de-Deos, n. 3.
-- Na ra das Cruces, n. 40, venda de Do-
mingos ia Silva Campos, ha biclias hm-
hurguezas para alugar e vender, tanto
relalllo como em porfo : por prt c,o com-
inudu.
-- Augusto Reight, subdito britannico,
relira-se pira fra do imperio.
Ovas do sertao
lie chegado alguns pares dcste excel-
lentopelisco : na ra doQueimado, loja de
fcrr.igens, n. U.
Chapeos de sol.
RnadoPasseio, n. 5.
Ntsta fabrica ha presentemente um rico
8ortiment destes objectos do todas as c6-
rese qualidades, tanlo de seda como de
panuinho, por precos commodos; ditos pa-
ra senhora, de bom gosto : estes chapeos
sSo feitos pela ultima moda ; seda adamas-
cada com ricas franjas de retroz. Na mesma
casa se acha igual sortimento de seda e pan-
ninhns imitando sedas, para cobrir ;n-
maces servidas : todas estas fazendas ven-
de n-seem pnrcSo e a reallio : tamberr se
concerta qualquer chapeo de sol, tanto de
hasteas de ferro como de baleia, assim co-
mo umbelas de igrejas: ludo por pre?o
com modo.
OsSrs. Jos Marcellino e Alexandrino
Pedro, msicos, tenham a bondade de an-
nunciar suas moradas, ou dirigirem-se ao
Alerro-da-Boa-Vista, n. 72, loja de miude-
zas.onde se Ihes deseja fallar a negocio que
ihes diz respeilo.
-- Ricardo Royle vai a Europa, e durante
sua ausencia ficam encarregados de sua
casa os seus procuradores George Chadwick
i Cuilherme Raymond Jnior.
Restauran! trancis.
Hebrard, ruedu Trapiclie-Ncuf, a l'hon-
neur da prevenir le publie, qu' daler de
limaiiclieprochain, 7 du cuurant, son res-
'aurant sea dispos pour recevoir les per-
sonnes qni voudront l'honorer de leurs
uraliques. A toutes les heures du jour on
trouver de quoi se restaurer. II sera ts-
hlie une labio spciale pour recevoir des
pensionaires, comme aussi les personnes
i|ni dcsireront se taire servir donucile,
uourrunt s'a tresser au susdit Hebrard. Si
quelques amis veulle.nl se reunir pour tre
bien Irals, ils auront soin decommander
la veille. So sieur Hebrard se recommande
auxamateurs, ils seront servs avec cle-
nle, proprelH des prlx Iros moderes.
Agencia de passnporles.
Tiram-se passaportes para dentro e fra
do imperio, com presteza o commoJo pro-
co : na ra do Itaugel, n. 57.
Oabaixo assignado, lilho e herdeiro
da fallecida Mariana de Jess das \ ve-, faz
ver pela presente Mlia aos seus irruios tam-
bem berdeiros. quoa eserava Joanna, quo
f-z parle ros bensdeixado pela sua mili,
Miriana de Jesusil is Neves, se acha em seu
poder desda o dia 4 do corrente, a qual es-
erava achando-se em casa do seu mano, Ma-
nuel Theoro Rodrigues Pinto, e por ella nio
ser bem tratada,veio para sua companhia, a
qual eserava o abaixo assignado s a entre-
gar a qualquer herdeiro quando Ihe tocar
em parlilhas ; assim como s-t acha os oulros
escravos em poder de um dos berdeiros, e
mais bens, ha perlo de 3 anuos, sem desses
hens quere-los inventariar para dar par-
lilhas aos seus brdenos.--Joie Mauricio
dot Simios.
-- llumphey II. Senft retira-se com sua
familia para os Estailos-IJuidos.
Roga-se ao Sr. Antonio Jos Vieira de
Snuza o favor de ir ra da Ruda, n. 15,
concluir o negocio que nio ignora : islo no
.na/o de 8 dias.
Precisa-se alugar urna prcta para o ser-
vico de urna casa de pouca familia: no Aler-
ro-dn-Roa-Visla, n. I, loja.
--Procisa-se iloun leilor que saiba tra-
tar de liorta, pomar a enchertar : na Mag-
laleni, estrada da Torre, O. 78.
--Antonio Jos Dias Braga, subdito por-
luguez, relira-separa fra da provincia.
Precisa-se de homens li vi es, ou escra-
vos para o sorvico de campo : na estrada do
Arraial, sitio do Sr. Marcellino Jos Lopes
Precis-se de un pequeuo de 12 an-
nos, brasileiroou portuguez, para caixeiro
le um armazem de familia: na ra do Itan-
gil, n. 36.
Deseju-se saber se existe nesta cidade
ou provincia o Sr. Jos Joaquim da Cusa,
caso exista, roga-se-lhe quoira annunciar
sua morada, ou dirija-so a casa n. 15, de-
froiite da igreja do Corpo Santo, a negocio
de seu inleresse.
0 distribuidor e contador Oliveira
transferio a sua residencia da ra do Cu I Ic-
io para a de Hortas, sntirado de 2 andares,
n 48, que Pica antes do primeiro becco da
nimia para a ra de Santa-Thercza.
JuAo Richardson Armstrung. Inglez, re-
lira-se para fra do imperio.
VicenteTeixira Coimbra,subdito b:a-
sil-iro. relira-se para Portugal, a tratar de
sua sade
-Quem tiver para arrendar um engenho
com alguma fabrica, e que tenba porto de
embarque perto, procure na ra Nova, loja
n. 49, ou no engenho i\uvo da Muribeca.
Joaquim Antonio Vieira e Custodio
Antonio Vieira, Brasil iros adoptivos, reti-
ra m-so para Portugal.
Quem quizer urna ou duas pretas para
o servido de casa, annuncie
-- Precisa-se de uina mulher idosa, Pur-
tuguoza, que queira encarregar-se da ad-
ministrado de urna casa de familia, sem
pequeos a pensar: na ra da S.-Cruz, n
66, defronte da ribeira.
Aviso aos amadores e
apreciadores de msi-
cas novas e de bom
ves da Si'va, pretende nio illudir a expec-
tacio do publico com anuuucios importu-
nos do andamento das rodas desta lotera;
esforQar-se-ha quaoto couber em suas fr-
c.as para com a possivcl presteza annunciar
o da, alem do qual nSo llovera passar a es-
peranza dos compradores ; porque entende
qneaessa illusio em que alguns leem por
vezes deixado o respeitavel publico, se de-
ve essa especie de descrdito, que tanto
lem demorado o andamento das nossas lo-
teras ; por isso limita-se por ora a annun-
ciar a venda dos bilhetes, e a extrah-los
com lodo o empenlio, afim de poder asae-
gurar aos compradores o da em que deve,
ra ella impreterivelmenle correr.
A vantagem do plano j publicado e o flm
religioso para que foi esta lotera concedi-
da, convida e seduz os tentadores da sorte
a concorrerem sem demora para a compra
dos nmeros que Ihes preparam a suave
acquisicSo de bens da fortuna, sem risco
de grande capital, e com o importe smen-
te da diminuta quanlia de 5 ou 10,000 rs.
porpoucos das.
Desde j achar-se-ho os bilhetes: no
Recife, lujas do thesnureiro e do Vieira
cambista ; em S.-Antonio, botica de JoSo
MoreiraMarques.no pateo da Mal i/, e de
Francisco Antonio das Chagas, na ra do
Livramento ; loja de Bernardino Jos Mon-
teiro, pracinha do Livramento, n. 44 ; no
Aterro-da-Boa-Vista, lujas de Cuimares,
n. 44. e de liuarte Borges da Silva, n. 18.
Q O
q Alugam-se evendem-se as verda- Q
f\ deiras bixas de llamburgo : na prata q
ruada Cadcia do Recife, u. 50, primeiro
andar.
Compra-se urna espada, urna banda, e
mais alguns pertences doofTIcial da guarda
nacional a pe, quo pouco uso tenlia tido :
quem liver annuncie, ou va ao Aterro-da-
Boa-Visla, fabrica de charutos, junto a
matriz.
Fructeiras.
Compram-se todas as qualidades de freu-
teiras : na rus do Crespo, loja, n. 9.
Compra-se para urna encommenda es-
cravos de ambos os sexos, de 10 40 annos
de idade : na ra do Rangel, n. 57.
Compram-se garrafas vasias que no
tenham servido de aznite ou oleo : na ra
larga do Roza'io, n. 48, taberna.
-- Compra-se um tenda de ferreiro, e um
pao para tipoa : quem tiver, annuncie.
Compram-se as parles da casa da ra do
Rozario larga, n. 40, pertencentes a l.uiz
dos Sarrios Reg Barros e a Antonio Nico-
lao do Reg Barros: quem se julgar com
direito ao seu valor, queira declarar por
este Diario, no prazo de oito dias, cunlan-
rlos da dala desle annuncio. Recife, 3 de
abril de 1850.
Vendas.
da Independencia, n. 10, ao voltar
para a ra das Cruzds.
O
o o
oe>o>oGt&a<&a<& <&o<&s>
Antonio Joaquim Vidal, como procura-
dor de Antonio da Co-la Fcrreira, previne
aos deve.lor.-s desle para que, qualquer
quantia que devam, vio pagar, sem quo
seja preciso procurar os meios que os o-
briguem
Precisa-se de urna pessoa que entenda
de venda e sirva para cobranza, e que do
fiador a sua conducta : na (ravessa do Quei-
mado, venda n. 3.
Roubo.
Na noito de 6 para 7 do passalo, foi fur-
tado a um prcto que venda fazendas, urna
grande lata e um cart.io com diversas fa-
zendas finas ; pnis tendo o mesmo preto,
por motivos do embriaguez, chamado um
gauhador para carrregar a fazenta, o mes-
mo se evadir com todas as fazendas e al-
gum dinhero que carregava. Itoga-se, por-
lanto, a polica ou a qualquer pessoa que
tenha noticia do occorrido, du dirigir-se
roa da Cadeia-Velha n. 21, casa de Manoel
Antonio da Silva Antunes, que ser gratifi-
cado com 100.000 rs.
Precisa-se de um feitor que trabalho,
entenda de noria, arvoredos e vaceas : na
Magdalena, estrada nova, primeiro sitio de
purtiode ferro.
:>
>
>
i
>
->
->
->
->
Consultorio homoso-
patliico.
Rita do Trapiche, Hotel-
Francisco,
Dirigido pelos doutores SabinoO. I,.
Pinho, J. A. Luz, e C. ChiJIoe.
Todos os dias, desde as 7 horas da
inanhia ateas 3 da larde, pdem ser
procurados qualquer destes Sin s.
As consultas serio iecebid qualquer dos tres medicus que se
adiar no consultorio.
as pessoas necessiladas continua-
rSo a receber graluilamenle, todos
ossoccorros de que precisarem, a
qualquer hora do dia ; a IvertinJo
i
Lotera do Kio-de-
Janeiro.
Vendem-se, na praca da In-
dependencia, loja n. /|, bilhetes e
cautelas da milito acreditada nona
loterii a beneficio do lliealro S.-
l'edro-de-Alcantara di Uio-de-
Janeiro, sendo os niaicres" pre-
mios '-o:unosooo e iojooo.nooo.
Pieta, se irato sei,
Piel, signor, di noi :
Abbian castigo i rei,
Mi l'abbiano da te.
Scmis, romance, e aria do Sanio Princi-
pe Ozia de Betulha para afastar do seu po-
vo o castigo de lieos. Recommenda-se esla
grande peca as meninas que locam piano
na poca presente da reinante febre. Acha-
se na casa de Inflo Vignes, impressa em Pa-
rs, com o retrato do principe, na ra larga
do Bozario, n. 28, primeiro andar.
Vendem-se carros de inflo, duas cor-
rosas novas com os competenies irreios, e
arreios para carga de um ravallo : tambem
se vendem p* de todas as qualidades de
arvoredos fructferos : ludo por prego mui-
to rommndo : na ponte d'l'cha, sitio de
Joflo Caroll.
Contina-se a vender o superior algo-
.15o da Ierra, a 200 rs. a vara.-em porr;ao, e
a retadlo a 220 rs. ; bem como cobertores
de lia IranCidOS, pelo barato prego de 1,600
rs. : na ra do Qucimado, n. 20, loja de J.
J. Pcreira de Ueudonca.
Ven le-se urna porgflo de sapatos em
fraiic i, chegados ltimamente do Aracaty :
na ra da Cadeia do bairro do Recife, loja
de miudezas, n 9, de Antonio Lopes Pcrena
do Mello.
j^Cassas pretas a 140 rs. o
covado.
Vende-se cassas p'etas de muito bom gos-
lo a 140 rs. o covado : na ra do Crespo,
loja da esquina, que volta para a cadeia.
Vende-se um checheo, milito cantador;
na rua da Conccicio da Boa-Vista, n. 33.
Vende-se urna linda mulatlnhl de 11
anuos, com muito bous principios de cos-
tura e engomma lo, ptima para se fazer
urna dadiva a alguma menina, por ser don-
zeta ; uma dita de 18 anuos, que Cuse mui-
to bem e ongomma ; urna inoleca de 15 au-
nes, qu1 cose soflrivel ; uma prela de 2
anuos, que engomna e cozinha o diario de
uma casa ptimamente ; dous molecotes de
0,000
l.arsn-

<;
< -
<-
<
<
<'-
<
<~
piu
mceopalhia, sem haver lomado Ve-
medio algum allopalhico.
<-:
%
regular, secco do corpo, representa ter 24
anuos; he ofcial desapaleiio; quando
anda ai r. lula os (ledos dos ps c Ira/ sem-
| re as Ventas eheias do tabaco: quemo
pegar leve-o a bojica da piaga da Boa-Vis-
ta, n. 6, que ser bem recompensado.
Precisa-se alugtr urna prela que sai-
ba lavar, engommar e coser, para urna casa
eslrangeira : na rua do Torres, n. 34, das
11 horas da mantilla s 3 da tarde. Na mes-
ma casa tambem se precisa alugar um pre-
to que entenda do servido interno e de tra-
tar re ra vallo*.
IIOMOF.OPATIIIA PURA.
fua do Trapiche, n. 40.
roslo.
Joflo Vignes, morador na rua larga do
Rozario, n. 28, primeiro andar, acaba de
receber pelo ultimo navio vindo dn Franca,
um grande sortimento de msicas, como
sejam : Valsas, variacOes, polkas, quarlri-
Ihas, modinbasbrasileiras e oulras italia-
nas ; bem como o melhor methodo para
piano, soli'ojns para canloria. ludo pelos
ni Inores autores ra Europa e Ja mais mo-
derna escola. Na mesma casa vendem-se
os mais ricos pianos que teem vindo a Per-
nambuco, osquaes s9o feitos do proposi-
to e com novo martiinismo. para que te-
nliaui grande duratjiu ; assim Como tain
iiem achar.io na mesma casa pianos ingie-
res, rom pouco uso, vendendo-se ludo pe-
lo mais com modo preco.
Lotera da matriz da fioa
Vista.
O respectivo thesooreiro, Manoel GoncI
que, serflo succorridos com prefe- -nacAo; um preto de 30 annos, por
rencia, iiquelles que logo no prtlici- -*lrs- ; e oulros escravos : na rua das
pi da moleslia recorrerem W geires, n. 14, secunJo ailar.
Vendeni-se sapalocs uecou-
de lustro, de ponto xo, a
QKikMAMMMMMV 'i-000, ?' di,os xde dilTerentes
Desappareceu, no dia 20do corrente,! qualidades para liomem ; sapa-
um tardo denome F.ustiquio, do estatura toes de couro de lustro e brancos
para meninos: na rua da Cadeia
do Hccife, n. (j.
Vende-se urna bonita prela de 20 an-
nos, que ongomma, cose e co>inha o dia-
rio de urna casa ; nfio tm molestia alguma:
defronteda ribeira do peixe, n. 3.
.Stiiii para senhora.
Vende-se, por seu dono se ter
retirado, um sellim para senhora,
quasi novo : na rua da Cruz, n.
10, armazem de Kalkmann lr-
mos.
Vende-se uma por;So de sola muilo
superior, chegada agora do Aracaty ; um ca-
brinha de 11 a 12 annos, sem dcfeitos nem
achaques, e que hn proprio para pagan ou
para aprender ufllcio; velas de carnauba
sem mistura alguma : ludo porpreco com-
mo lo para liquidar conlas : no Recife, Bec-
co-l.argo, n. 2, segundo andar, a qualquer
hora.
Oh! que pechincha!
Ven lem-se lencos de seda, lano pira
homem como para senhora, pelo diminuto
prego de dous cruzados : no Atorro-da- llua-
Vista, n.18, toja.
Aos Srs. de engenho
Na rua Nova, loja de ferra^cus, n 20.de
JuSo Femandes Prente Viaiina, vendem-se
enx das calcadas de reo : estas enxadas Se
toriam lecomniendaveis pela sua boa qua-
lidado : a ellas, freguezes, pois es ti o se aca-
bando. Tambem cliegaram a mesma loja as
verJadeiras colheres do metal de principe,
tanlo para sopa, cumo para cha, terrina e
arroz.
Acha-se,em casa de Mero/ relojoeiro,na
praca da Independencia, um sortimento de
ferramentas para relojooirose ourives, che-
gado niamente.
Vende-se uma tenda de ferreiro com
todos os seus accessorios: dirija-se a rua
do Codorniz, no Forte-do-Matlos, loja de
relojoeiro.
Vende-se um carrinho de 4 rodas o 4
Boticas e livros para otratsmen-
to dos enfermos pela homceopalhia :
acbam-se a venda por mdicos
precos.
nlir. Luz se offerece dar todos
Z. os esclarecimentos necessarios para
^. o melhor uso dos mesmos.
O M* AAAA A* AAA AAAAAAO
Precisa-se alugar um preto : na rua da
Cadeia de Ssnto-Antonio, n 13, na loja.
Kngenho Qneiuz.
Frrgueziade Ipojuca.
Traspassa-se o arrendamento do dito en-
genho, o qual tem a presente safra a tirar
elres a criar. A tralar na rua da Aurora,'
n. 26, ou no mesmo engenho com Miguel
Augusto de Oliveira.
N B.O engenho tem excellente paslo,
he bom d'agoa, e tem bons cercados; o
caso haj quem queira comprar a safra.'
ser-lhe-na ella vendida, ontregando-se
mediatamente o nstabelecimento.

im
Compras.
Compram-se duas pretas mocas, com
habilidades, de boa conducta, sem vicios
nem achaques, e que sejam recolhidas : na
assentos, tendo todo o necessario par.i sor
puxado por um ou dous cavillos : lamtiem
so vende um escravo croulo, alfaiate e bo-
lioiro, de20annos: na rua do I ivrimento,
n. 33.
Vende-so um alambique de cobre, em
meio uso, com serpentina de estanho fino,
levando a caldeira 50 caadas, e elevando a
ago'ardente a 36 graos na primeira destila-
eflo: scha-se montado para o comprador
ver, e d-se por preco commndo : noAter-
ro-da-Boa-Vista, n. 17, fabrica de licores.
Vende-se um escravo de 18 annos, de
bonita figura, e que nao tem vicios : na rua
ra Cruz, no Recife, n. 43.
Vende-se um moleque de 18 annos,
ptimo cozinheiro do diario de uma casa, o
que he de boa conducta ; uma negrinha de
16annos, que cozinha e lava: na rua do
Collogio, n. 21. primeiro andar.
--Vende-ge rap de l.ishOa, em frascos :
no largo da Assembla, n. 4.
Vende-se um mulatinho de 16 annos,
vindo de fra da provinci; lie de bonita
fisura, e nflo tem vicios nem achaques, por
isso proprio para pagem : na rua da Cadeia
do Recife, u.41, loja
Vendem-se 3 sellins usados, porpreco
commodo : no paleo do Terco, n. 7, taberna.
Xarope do bosque.
SALVACADEMAIS UMA VIDA.
Eu abaixo auignado, morador na rua da Val-
la, n. 10, tendo padecido por espafo de 13 an-
nos do mal de asthma, proveniente de uma
constipadlo r|iic apanhet quando niorcl no lu-
gar chamado Pona-Negra, no districto de Ma-
rica", durante esic lempo uuncr. cessei de to-
mar remedios, uns applicadus por amig
ineus. oulros por professores a quem con* 1
Iri ; por lim deaengaraiii-inc que o meii nl
nao tiulia cura, por ser j inuilo antigo ; cu.
nesla triste situacao, com os ataques coul i uu
que me perseguan) em toda as uiudaiicadt
la, e com o desengao de nn poder ser nwis
curado, esperava a morte a todos os momentos
fin <|iie me vinh.im os ataquea, porque licava
lao 11 i 111 < I >, 11 -. < perdia a respiracao ; e assim
que me passava a maior frca do ataque comc-
rava-mc euto uina tosse tao forte.iiue nem dei-
tado, nem de inaneira alguma podia socegar,
c para descansar alguinas poucas horas, passa-
va recostado na cabeceira da cama. Ha sete.
anuos para c, quando vim para a corte, fui
aconselhado para ir residir fra da cidade, ede
turnar de lempos em lempos vomitorio) de
poaia : assim fia, porm ludo foi intil. Con-
tinu.ivam os mesmos ataques da mesma inanei-
ra : j cansado de tantos sottrimentos vullei
para a cidade : nesta occasio disseraiu-ine
que liavia um novo remedio que curava a
asthma, c que se venda na rua do Hospicio,
n. 40. Ora, eu lendo j gastado tanlo dinhero,
c nn leudo ohtidb resultado algum favoravel,
pouco esperava do (al remedio da rua do Hos-
picio, n. 40 ; porm nao foi o que cu esperava,
foi a minlia salvaco Compre i uma garrafa do
xarope do bosque, que he o tal remedio que l
se vende priucipiei a lomar osle precioso e
impa^avel remedio : desde o dia em que prin-
cipieia lomar a primeira dsc logo >enlij|ue o
remedio couiecava a fazer-me bem; nao me
euganei, fui t >dos os dias a melhorar at aca-
bar uma gnala, e ha j um me/, que nao sei o
que he ataque de asllima. Dos prolongue os
dias de vida ao descobridor desle to precioso
i eme 1.1 para bem da liumanidadc soll'redora,
assim como eu ; digo, e seniprc o direi, que o
xarope do busque he um grande e excellente
remedio para as molestias de peilo.
Bata uiinlia declararn loi feila de muito mi-
iiha livre voutade, e em leconhecimento ao
bem rlleilo poitnto, recoiiimcnrlo a to-
dos os que sotlierem, assim como cu sollri,
que nao percaiu lempo em irem rua do Hos-
picio, n. 40, comprar o iiicompaiavel xarope
rio bosque, para gozaren! do que estou gozan-
do, |ii<- he de niiiiha perfeila sade.
Todo o cima referido juro aos santos evan-
gelhosque he verdade ter eu soffrido.
IWn-deJaneiro, 14 de agosto de 1848.Joii
Anlimio ila Silva.
Reconheco verdadelro o gnal supra feilo
perante niiiii.Juaquim Jote de Catiro.
Vende-se na rua dos Quarteis, n. 12.
Oleo de mamona.
Vende-se oleo de mamona ,
a l,a8o rs. a garrafa, e em porra o
a i,rio rs. : na rua das Mors,
n. ai.
Vendem-se dous palanquins em bom
estado : na rua do Caldeireiro, atrs dos
Mariyrios, sobrado i. 4.
Vendem-se i ecas de madapolo com 20
varas, muito largo, e com algum toque, a
2,500 e 2,600 rs limpo a 2,800 rs ; pecas
de chitas, a 4,200 rs., proprias para escra-
vos : por tras do Iheatro velho, n. 20, pri-
meiro andar.
Contiiuia-se a vender o bem acredita-
do rap l'aulo-Cordeiro ; mercurio-doce
superior, em caixiuhasdo cinco libras ; e
Capsulas do balsamo do cn| alliba : na rua
da Senzalla-Nova, n. 40,primeiro andar.
Vendem-se, na rua Direita, n. 27, ve-
las de esperroacete, a 480 rs. a libra ; man-
leiga mgieza boa, a 560 rs. ; queijos de Mi-
nas, a 320 rs. ; lingoi^as muilo novas, a
360 rs. a libra.
Vendem-se amarras ae rro: na rua
Ja Senzalla-Nova, n. 42.
Vendem-se saccascom familia de man-
dioca, vindas do Ri-de-Jaueiio no bnguo
Josefina, por preco cummodo : no armazem
de Hias l'cn cira, Jefunile da r.-radmlia OU
a tratar com Domingos Rodrigues de An-
drade, na rua do Trapiche-Novo, n. 4. Ad-
verle-se quo as saccas sao grandes.
Linli i de carretel de 200 jardas.
Vende-se a superior qualidade de 1 inlia
em carretel de 200 jardas, den. 20a 130:
na rua do Queimado, n. 16, loja de miude-
zas, de Jos Das Simes.
Farinha de mandioca.
Vende-se farinha de S.-Catharina, muilo
superior, por preco commodo : a bordo do
brrgue Conceico tundeado na volta do For-
to-do-Mstlos, ou a trtarcom Manuel AI ves
Cuerra Jnior, ou na rua Cadeia do Reci-
fe, n. 38.
Agencia de Kdwia llavv.
Na rua de Apollo armazem a. 6, de M. Cal-
montos Companhia, acha-se constan teniente
um grande sortimento de ferragens inglezas
para engenhos de fabricar assucar, bem
como taixas de ferro coado e balido de dif- *
terenles lmannos e modelos, moendas
de dito, tanto para armar em madeira como
rodas de ferro para animaes e agoa, ma-
chinas de vaporde frfa de 4cavallos, alta
pressSo, reparlideiras, espumaderas, etc.
de ferro estanhado. Na mesma agencia acha-
se um sortimento de pesos para balanzas ,
escovins pata navios. Ierro era barra, tanto
quadrado como redondo, safra para ferrei-
ro e uma poreflo de tinta verde em latas:
tudo por barato pre^o.
LAR ENCONTRADO
^^i


Vendcrn-se pos de larangciras do om-
bigo, soleras, di< China o tangerina ; ditos
do sapolys. fruot-pJo. condeca e delimito
doce : no principio da eslra la dos Afililos,
em casa de Manoe' Marques da Cunha.
Vi ndem-se
o alugam-se bichas as mais superiores, che-
gadas ultmameos de Mambrgo : no Ater-
ro-da-Boa-Vista, n. 66, padaria.
Superior fumo.
Joaqulm Bernardo do Res, na sua fabri-
ca de charutos da ra larga do Rozarte, n.
32, tem para vender superior fumo pHra
charutos, de primeira, segunda o terceira
sorte, tanto em pnrcffo como a retalho a
vontale do comprador, por preco rasoavel.
o o
ptimo arroz rilado g
braneo,
5 vendo-se p> preco commodo, em O
O saccas ou a retalho : na ra da Cadeia O
& do Recite, n. 1, armazem de mo- O
O IhaJos. O
O 8
Na rua do Crespo, n. O,
lo ja amarella,
vendem-se varias qualidades de
fazendas, comosejnm: cassas; cr-
les de vestidos de lita ; diales de
seda e de liia; lencos de seda ;
coi lis de colleles de velludo c de
gorgurao,* casimiras de tures ;
pannos pretos ; chapeos de castor
[trancos e pretos ; e outras mili-
tas fazendas que por serem de gos-
tos antigos, e pelo preco por que
se vendem n3o deixar de agradar
ao comprador.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro de difi-
ranles modelos : na fnbiica do machinas e
fundicHo de ferro, na ra do Rriiin ,
ns t;. s<- in.
Vende-se urna prela de naQiio, do 20
annos, com urna cria de 6 anuos, de bonita
figura esem vicios : na ra Oireita, n. 55.
Teeidos de algodo tran-
cado da fabrica de To-
dos-us-SfsiiIos.
Na rua da Cadeia, n. i5'2,
vendem-se por Macado duas qualidades,
proprias para sacros de assucar e roupa de
escravos.
N 39.
Fraca-cla-Inde-

pendencia.
li! he les do i o-de-
laneiro.
Aes 20:000,000 de rs.
qualidade, presuntos inglezes para fiam-
bre, dilos portuguezes para panolis, latas
com 2 o 4 libras de marmelada, ditas com
hoUcliinha de Lisboa, dilas de sardinha, di-
tas com liervillias, frascos com conservas
inglezas. queijos de qualha vindos do Cea-
ra, por barato preco, manas de toucinho
inglez de fumeiro.de 7 a 8 libras cadauma,e
outros muilos gneros de boa qualidade :
na rua da Cruz, no Recite, n. 46.
Polassada Itussia.
Vende-se superior potassa da Russia, da
mais nova que ha no mercado, por preco
commodo : na rua do Trapiche, n. 17.
Deposito de Potassa.
Vende-se muito nova potassa,
de boa qualidade, em barriszinhob
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
lempo se nao vende: nc Kecife,
rua da Cadeia, armazem n. 11.
--Vendem-se meias barricas de farinha
gallega, a mais nova que ha presentemen-
te no mercado ; raixas de velas de esper-
macele : na rua da Alfandega-Velha, n.
36, casa de Maltieus Auslin & Cnmpatiliia.
Vende-se superior farinha de
trigo da marca SSSF, chegsila ul-
timamente a este mercado : a tra-
tar com Mnnoel da Silva S no ar-
mazcm do Aunes, no caes da Al-
fandega.
- Vende se resina do angico, as librase
om porefio : na rua da Cadeia, leja i!o Jofio
Jos de Carvalho Moraes.
Fardo novo a 5,500 rs.
Vendem-se saooas grandes com 3 arro-
bas de farelo, rhega'ias no ultimo navio
de lian.burgo : na rua do Amorim, n. 35,
casa de J. J. Tasso Jnior.
Ovas do serillo.
Vende-se este excellentc pelisco: na rua
do Quoimado. n. 14, loja de frrragens.
Novo soruento de fa-
zendas baratas na rua
do Crespo, n. 0, ao p
do lampean.
Vende-se cassa-chita muito fina, de bo-
nitos padros, corea lisas e C'>m 4 palmos
Je largura, a 320 rs. o covado ; cortes da
lila a .000 rs. ; riscado d i listras do l-
nlio, a 240 rs. o covado ; dito do algodiln, a
140 e 100 rs. o covado ; corles de brim par-
rio claro, com duas varas e una quaila, e
1.C00 rs.; ripeados monslros, a 200 rs. o
covado; zuai te azul, a 200 rs. o covado;
chitas, a IflOe 180 rs. o covadu ; fustfio, a
C40 rs. o corte chales de lailalana, a 500
rs. ; cobertores de algodflo americano, a
610 rs ; e oulras muitas fazendas por bara-
to pre?o.
Farinha de mandioca.
Vende-se fannha do Cear, em saccas,
por proco roiiin.oiJo : na iuh da Cruz, no
Recite, n 43.
Vende-se um cSo alravessado, cxeol-
lonle para sitio, ou loja: na praia de S.-Jos,
ao | do foitc.
--Ven !c-se urna prela crioula, mota, que
cozinha o diario lo unta casa, engomma,
coseeensaba : na la do Quoimado, n.
25, luja de lliiu.'ezas.
Vende-se a taberna do pateo de S.-Pe-
dro, ii. 1, com poneos fundos: vende-se
Idori para qualquer officio j um dito de 6

annos
loja.
4=
Moendas superiores.
Na rini.iie.iio de C. Starr & Companhia',
em S.-Amaro, acham-se venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construcco muito superior.
iaixas para engenho.
Na fundiefio de ferro da rua do Brum,
acaba-se de receber um completo sorlimen-
toie tnixas de 4 a 8 palmos de bocea, as
quaes acham-se a venda por prec.0 com-
modo e com promptidSo embarcam-se,
ou carregam-seem carrossem despezas ao
comprador.
Farinha nova de S.-Ma-
theus, por preco mui-
to commodo :
vende-se a bordo do patacho na-
cional A mizade-Constante i entra-
do recentemente daquelle porto,
e Tundeado em frente da escadi-
nha do Collegio, ou a tratar com
Machado &: Finheiro, na rua do
Vigario, n 19, segundo andar.
o verdadeiro oleo de
Hissino,
em meias garrafas, para commo-
didade das familias, por preco
mais commodo do que em nutra
qualquer parte : vende-se na rua
do Trapiche. 11. h'\, aun; zem de
Dowshy & C.
Lotera do Rio-de-
Janeiro.
Aos 20:000,000 deis.
Na praca da Independencia, n. 3, que
doila para as ras do Quoimado e Crespo,
estilo a venda bilbctes, meios, quartos, oi-
tavos e vigsimosila nona lotera a benefi-
cio do Ibealro de S.-Pedro daquella pru-,--
vineia. Na mesma loja est palenle a lisia quarla casa, da.- 6 as 9 hoias da mantilla, o
da 2.a lotera da fabrica de lecidos daqoclla da;
na rua larga do Rozario, n. 35,
rechincha.
Vende urna porsflo de madapoles, com
pequeno loque de mofo, muilo largo e fino,
a 3,000 rs. a pega ; o outras muilas fazen-
das ror preco commodo : no Passeio-Pu-
blico, n. 11, loja de Firmiano Joaquim Ro-
drigues Ferreira.
Na rua do Crespo, n. 9,
loja amarella,
vendem-se cortes de parisienses,
a 8,000 rs. o certe ; cassa muito
finae de cores, a 800 rs. a vara:
dita franceza, a 4o rs. o covado ;
dita ingleza ; cortes de vestidos
de seda branca e de cores ; cha-
les de seda e de las e seda ; man-
tas de seda ; pannos pretos finos ;
merino preto ; alpaca preta muito
fina ; chapeos de mass-i francezes;
e outias muitas fazendis, sendo
todas de muito bom goslo e mui-
to modernas.
Na rua da Cruz, armazem n. 33, de Sa
Araujo, vende-sc sola, couros nimios, sa-
patosde couro de lustro, charcos de pa-
Iha, esleirs, velas de carnauba pura do
Aracaly.
Massas de vapor.
No pateo do Terco, n 10, ha diariamente
iini oiimpicio sorlimento de massas finas,
proprias paia cha, ou doenles, comosejam.
bolaclimhas de manila, nova regala de di-
la, e outras muitas qualidades de massas.
A ellas, a ellas.
he Ufo pouco, confuso e alrapalhado que
parece bucal ; he um pouco lsoou malu-
co : quem o pegar, ou delle der noticia,
ser bem recompensado; porm quem o
apresentar ao ahaixo declarado, senhor do
dito preto, receber 108,000 rs., e nao se
quer saber quem o traz, nem onde o pe-
54, fabrica de licores, que receber o pie-
mio de Victorino Francisco dos Santos.
-- Lm a noile de 38 do prximo passad o
rugi, da povoacSo do Monleiro, da casa da
residencia de Manoel Antonio da Silva An-
lunes, a preta Maiia, do genlio de Angola,
moija, de estatura e corpo regulares, cor
preta, rosto aboceitado, falla bem o vulgar;
em os pea um tanlo grossos: quem a pe-
gar leve-a rua da Cadeia-Velha, n. 24,
que ser gratificado.
50,000 rs.
*.
Vendem-se riquissimas golas c pescoci-
nhos par senhora, pelo dnniuulo prego de
2,000 rs. cada um : na rua do Queimado,
n. 9.
Vende-se urna escrava de nacilo Ango-
la, de meia idade, hoa coyinheira e docei-
ra, sadia e sem vicios: na rua Formosa,
Vendem-se bilhels, mciOS, cuartos, oi-
tavos e vigsimos da B io'/via a benefi-
cio do iheatro de S.-Pedro-iie-Alcautara. I pi'eu don querer tratar dasade de sua
Na mesma loja existe a lista da 2." da r- rmli: a tratar na mesma tatema.
brica de teeidos. Vende-se le le puio, das 6 as 7 horas
PltECOS.
Buhles 22.000
Meios 11,000
Quartos 5,500
Oitavos 2,800
Vigsimos 1,300
Deposito da fabrica de
Todos-os>Snto8 naltahia
Vende-se em rasa de N.O. Itieber & C.
aa rua da Cruz, n. 4, alcodo trancado
da iiiaiiha, na rua estrella du Rozario, na
porta da V' uda que volla para o Oarmo.
Vendem-se meias prelas de algodilo pie
ra liiiiiu-'ii', i'1 m a'.-u m.i avaria, a 80 rs. O
par: no teiro-da-Iioa-Visla, D. 72, loja
de nuudczas.
Sapatos iio Aracaly fe i los a ca-
pricho
Acabam de chegar do Aracaly urna gran-
de porgHo de sapa los feilos de eiicoameii-
la. islo por efleito de novas recoiiiiiieiula-
provincta.
Antigo deposito de cal
virrem.
Na rua do Trapiche, n. 17, ha
muilo superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muilo commodo.
Arados de ferro.
Na fundico da Aurora, em S. -Amaro ,
vendem-sc arados de ferro diversos mo-
delos.
Na rua Nova, n. 6, loja
de Moya RamosaC..
arham-sc venda duas ricas salas de papel
com paiz'gens, a lomada de Roma pelos
Francezeaem isifl, c a
ricos papis par forrar sa
meos e barras, lano avell
satinadas; ricos jarios para flores na turaes;
serpentinas con. 5 luifs ; lanternas com |
de vidro, de metal e de casquiuha : tudo o
mais barato possive!.
Vendem-se lelhas de vidro de supe-
rior qualidade, om glandes e pequeas ror-
qoea, por preco commodo na rua da Cruz,
n. 48, armazem.
bardo h 5,000 rs. a
sacca,
e o melbor que tem vindo a esto mercado
na rua da Madre-de-Deos, armazem de Vi-
cente Ferreira da Costa.
-- Vende-se urna cabra (bicho) muito boa
de Icile : nfs Cinco-Ponas, n. 82.
fS.ll.efcsdo Rio-
~ Vendem-se 8 lindos moloques de 12 a
18 annos, sendo um dellesptimo coznhei-
ro ; 8 pretos de 20 a 25 anuos, send i um
delles bom sapaleiro ; 4 pardo.i do 16 a 20
annos, sendo um delles boa) co/inheiro e
oulro ptimo sapaleiro ; 2 pardas de 18
annos, com algumas habilidades; 5 pre-
las com algumas habilidades, de 12 a 20 an-
uos ; um pardo de 20 annos, ptimo cozi-
nheiro, holieiroe empalhadr, o qual tem
boa conducta : na rua do Collegio, n. 3.
Vende-se una prela de 20 annos, de
(umita (gura, que engomma, cozinha o
diario de urna casa, cose alguma cousa, la-
va de sabo e varrella, nilo tem vicios nem
achaques : o motivo por que se vende he
iiao querer servir a sua senhora : na rua da
Concordia, passmdn a pontezinlia, a es-
querda, segunda casa terrea.
~ Vende-se urna marquoza de pao d'oleo,
urna ciiimiima de amaiello, urna cama de
uaiaina oe isny ;!arIB(;i0i um lavatorio com bci>, 6 cadei-
aias; ricas guar- ,as do Porto com assenlo do palhinha, lu-
L"o"" ?.0"'-aS: "0*111 muilo bom estado; um apparelho
para cha, alguma louca de mesa, um foga-
reuo, um candieiro francez e mais alguns
arranjos de casa : ludo por preco commodo,
por se ler precisilo de dinlieiru : na rua do
Sol, n. 9.
Vendem-sa 60 enchair-iis de sedro,
proprios para cun-ii m\mo de casas ; bem
como cavernas de s.rciipira de 14 a 1C pal-
mos de coinprfmento : na rua do Vigario,
n 5.
--Vende se cobre o metal amrrello para
forro de navios, por prer;o commodo : na
rua du M.iilre-ile-IK'us, arina/ein de J. V.
da Silva barroca. -
Cal vir^ciu de Lisboa.
Vende-se cal vlrgom de Lisboa, por com-
modissimopre?o : na rua da Cadeia do He-
cife, n. 50, loja de Cunha & Amorim.

A Fugio, emdiasdefevereiro, da ci- r
) dade de Penedo, provincias das Ala- f
t> gas, o pardo Cosme, de 22 annos, de
estatura baia, corpo cheio, bracos ^
e pernas grossas, cor assa, rosto *.
compridoe carnudo, cabellos ruivos, ^
com deus denles da frente princi- ^
piando a apodrecerrm, buco debar-,.)
ba ; tem ja cicatriz as sobrance- p>
lbas,ou4n na ' quem o legar e o levar neala cidade m
aodoulor Sabino Olegario l.udgero n
l'inho, eem Maeei ao doulor Jos
SesmaodoAvellinoPinho, ou a Joflo
de Almeii'a Monleiro, e no Penedo ao g
H abaixo assignado.ouaseupai, o Sr 2
^ Pedro Jos Pinho, se gratificar. J
fj lanoel Ferldiano Pinho.
d^-tfaneiro.
daquclla rabrica, muito proprio para.saccos cOes que para la se lem feilo ; poique os' ane >u\ U\i\ U\t\ ga rit3
de assucar, roupa de escravos e fio iroirio que al agora tinham viudo, notavam-se-. i*U!* ^^-",V "C I CIS.
para redes de pescar, por prec/i muito com- ||le, mpel tttflo, ja no cosido, j em lr- NA RUA DA CADEIA DO RECIFE, N 24,
modo. I mea antigs emeamo-em corte; eslessaia- LOJA DBCAMBIli DA VIUVA VIEIHA
AGKNCJA
tos dt pois de linl< s e acoslumados a boa
grasa cliegam a confudjrem-se cum os de
da tlinulC/iO ljO\V-!IOOr,!decnuro de lustro; o eu preco sfio de
RUA Dfc SCBZALT.A-KOVA, ^. 11.
Neste eslaheleciment conti-
. nn rua larga do Rozario, n. 35, loja do miu-
, dezas.
, -- Vende-se um preto mogo, muito ro-
nua a haverum completo sorli- busto, sem vicios nem achaques,e que he
ment de moendas e meias moen- i'ri"io para qualquer servs urna preta
cozinheira, eugommadeira e costureira
i, ,
& 1 II lilis.
I'elo vapor entrado ueste (orlo no da 26
do passado dos portos do-sul, recebmosos
1,200 e 1,280 rs. o par( dinheiro "a vista ):; muilo afortunados bilhetes, e cautelas da
9 le lena a beneficio do Ihcatro de S.-
l'edro-de Alcntara : ben como a lista da
2.* I Ubrica de teeidos de Fiuciuozo
l.uiz da Molla.
Acham-se a venda sempre os bilhetes e
cautelas pelos presos seguinles :
Bilhetes 22,000
Meios 11,000
Quartos 5,500
Oilavos 2,800
Vigsimos 1,300
Vendem-se dous pardos, um de 40 an-
nos, e o oulro de 24 anuos pouco mais ou
menos, e ambos sem molestias, sendo o
primeiro bom sapaleiro e bolieiro, e o se-
gundo ourives e lambein bolieiro : o moti-
vo por que se vende se dir ao comprador,
com preferencia e por menos para tura da
das, pJia engenta; machinas de chSa: na fu da Cadeia do Recite, n 34.
vapor, e tachas de ferro hatido e> Vende-ae, por precisao, urna linda
-j 1 *,! ^a 1, ,,,...,1 mulaiiiiha ii'collnda, de 17 annos. que en-
co^do, de todos os tamanhos, FOm,i,a, cose erom outras man habilida-
para dito. des, propria para mueaca, por ser de bo
Tkt -ii.. i_ p 1 conduela : na rua do llaugel, n 57, so-
IVovo sorlimento de fa~.brSdo.
tnntlaa hrlA6 Vende-se um bonito molequede I8an-
At iiii'in lniama, [ ni s, crioulo, ptimo para lodo o servico :
Vcndem-se cortes de cassa-chita muilo na rua do Kangel, n 57.
bonitos, a 2,000, 2.400 e 2,800 rs. ; riscadi-, -- Vendc-se um sino beirado rio, com
nlios de linho.a 210 rs. o covado ; dito de mais de mil palmus de frente e baixa com
algodfin muilo encorpado, pniprio para ca im paiB mais de 3o f> sis por dia.com provincia : na rua de Joo-Fernandes-Viei-
roupa de escravos, a 14o rs o covado ; cor- grande casa modei na, coiitendo duas salas ra> ao sabir da Soledade. m um sitio que
tes de brim braneo de. lii.ho, a 1,500 rs. ; grandes, 2 gabinetes, dual alcovas, 3 quar-1(!l" |lous ll',",es IIOS portOis, a qualquer hora
dito muito bom, a 1,700 rs. ; dito amarello, tos e cozinha ; he perlo da prr;a, pola lie
a 1,600 rs. jdiiocom hstra ao lado, a 1,280 antes de chegar ao l'oco-da-l'anella ; o ar
ra. ; easaa* de cores nuiito bonilas, 3 3-'0 he muito gaudavel, poi inda abi nao leve
rs. o rovado ; ri.-cados monstios com qua- ingresso a epidemia aclual: na rua de S-
tro palmos u moto de largura, a 2C0 rs. o Amaro, 11. 16.
covado ; zuarle furta-cres, a 200 rs. o co-1 Na cocheira da rua da Florentina, ven-
vado ; pecas de cambmia lisa com 8,varas de-sc urna burra nova, bastante gorda, por
e meia, a 2,720 rs.; chitas de bonitos pn- preco commodo.
drOes, a 1611 r. o1 covado ; dilas multo Ii- ForlCI)atlO
as, a 200, 220, 240, 260 e 280 rs. ; lencos
de seda para algibeini. a 1,000 e 1.28U rs. ;
dilos para grvala, 1,280 rs. ; e outras mui- r
tas fazendas por preco commodo: na rua fa7er J leiiao da nll"lla W i""-
do Crespo, loja da esquina que volta para 11. 1). Kalklliann, roga-SC aos pre-
a e*.eia 1 ,. tendentes do forte piano do mes-
feemenlrsdenortalice. '
Vendem-se semenles de borlalice de to-
das as qualidades, muilo novas e chegadas
de Lisboa na laica ligtira : na rua da Ciu/,
no Recite, aimazem 11. 62.
Vendem-se bous queijos Ion Jrinos
ditos de prato muilo frescaes e de superior
do dia.
Chegou novamcnle gelo e se vender
bnjo, 28-le marco, pelo iiiesmo piteo, ad-
veite-se as possoas, que mandavam bus-
car com biltictes, que leudo o vendedor
peidido alguns, nilo Iheconvm mais ven-
derassim; o os portadores IrarSo oimpor-
le ilo gelo que quizerem.
~ Chegaram novamente rua da Sen-
zalla-Nova, n. 42, reloginsde ouro e prata
U lempo nao convidando para Ple"te inglez, para homem e senhora.
.._ :i 5i_:ia_ .1-___i.:i:. a, c_ Vende se um lindo casalde moleques,
de 9 a 10 annos, por barato proco, por sen
dono relirar-se para fra : na rua do Tor-
res, n. 6.
Vende-se urna prela meca, que en-
mo, a entenijercm se particular-'gomma, dse, cozinha e faz com potfei;.1o
mente com o Senhor Henrique'f "",is,sor.v'v> Je urna casa urna dita que
., ., 1 be muito boa cozinheira, e que engomma
Kalkmann, na ruada Cruz, n. 10,' soinivel, Uva hem.e he muito propna para
ou 110 sitio dos Allictos, aonde se "'"llcsa, meanro de homem solteiro, apapagaiad,".
. f i por ler excellonle conducta, o que se alian-jpsabertos para dentro; quasi nunca fl-
aclia o iikmi.o lorie piano, lea ; umbouitopardinhode II annos, pro-'a, pelo que parece mudo, e quando falla
ib cravos Fuisli)s
4i(IO,(IOO rs.
Fugiram, no dia 13 de Janeiro do coiren-
tc, do engenho Novo de Senuliem, os es-
cravos seguiutes: Thomaz, cabra-escuro ;
tem os olhos e palmas das uifios amarella-
das, ii'h fula, representa ler 25 a 30 annos,
com officio de pedreiro pescador e de cor-
tar carne; he muito regrista : Amaro, ca-
bra claro, de 45 a 50 annos, com bastantes
cabellos brancos, pernaa linas, ps apallie-
tados;he uiiiilu proguicoso para qualquer
servico ; he canoeiro ; cosluma andar sem-
pre ebrio : estes escravos quando lucirain
foram a praia do Gamella, do Kio-Formuso,
onde coinpiarain urna jangada e seguiram
na mesma para a | rovuicia das Alagoas, de
onde o dito Amaio he natural, e que tem
prenles para o entro : quem os pegar le-
ve-os bo iiiiu engenho, ou tiesta praca, em
casa de Silverio Joaquim dos Santos, na
Camhoa-do-Carmo, n. 33, que ser gratifi-
cado com 2CO,000 rs.
Fugio, de I,ni do ilo hrigue
nacional Sem-Par9 no dia 26 do
passado, o preloda Costa, de no-
me Antonio, de 35 annos pouco
mais ou menos, do altura regular,
levou calcase camisa de algodao
azul, ehui.o de palha na cabeca :
quem o pegar leve-o a casa de No-
vaes & Companhia, na rua do Tra-
piche, n. 34 sado.
100,000 rs
Fui taram, ea larde de 8 de fevereiro do
anno passado, do sitio, no Iiemedio, por-
ti (cenle ao abaixo declarado, um prelo de
nome Vicenle, de naijiio llenguella, que re-
presenta de 35 a 40 anuos, cOr preta, altu-
ra e corpo regulares, pouca barba; lem
pequeiios signaesdn hexigas rodado na-
riz, um lalho no meio do queixo que a bar-
ba encobre; pisa um pouco esbarrado e
apapagaiad, com os dedos grandes dos
Fugiram, do engenho Cuaiarapea, Tre-
guezia da Moribeca, ao amanhecer do dia
26 de margo, tres escravos com oa signaos
seguinles : l.uiz, alio, cheio do corpo, ps
apBlhelados, rosto bonito, de 22annos pou-
co mais ou ii eiios, ror pouco fula, denlos
a herios : Paulo, alto, serco do corpo, ps
seceos e com os de dos comprdos, de 18 an-
uos pouco maisou menos, cOr prela : Job,
alio, coipo esiigado e um pouco cheio,
com falla do nm dedo em um dos rc"s, cor
a'gum lano fula : todos so da Coala, e he
de ci er que audem juntos : quem os pegar
leve-os ao dito engenho, que ser tecorn-
pensado generosamente.
-- Fugio, om dias de marco prximo pas-
sado, do sobrado da Trompe, n. 1, que tem
venda por baixo, urna preta de nome Alaria,
conhecida por Mana Cajueira ; he baila do
corpo; lem alguns cabollos brancos, cara
redonda, com urna costura no beico ; lem
algumas malhas pelos bracos e pernaa, ps
muilo bom feilos ; lem em um dos peitos
urna costura ; he meia corcovada e de 50
annos pouco maisou menos. Pede-se a lu-
das as autoridades policiaes, que a appre-
hendam e levem-na ao dito sitio, que se
agradecer.
-- Anda fgido, ha dous mozos, um prelo
de nome l'atrlcio, que reprsenla 30 annos,
porm tem pouco mais de 20; he offirial de
pedreiro ; foi escravo do fallecido mrquez
(lo Iterite ; consta que anda trabalh-ndo
nesta cidade e suburbios pelo referido odi-
en, dizeinlo que he fo ro ; hi alio, magro,
bem parecido ; tem cicatrizes no pesclo
provenientes dealporcas que leve : quem
o pegar leve-o a praca da Independencia,
livraria ns 6 e 8, que ser recompensado.
Fugiram, de hordo do hri-
gue nacional Sem-Par, vindo do
lio-de-Janeiro, tres escravos, sen-
do : Sahino, pardo, de ao annos
pouro mais ou menos \ levou cI-
cal e camisa ezues, e bonete en-
carnado : dous ditos ci ionios, de
nomes Euzebio e Antonio, que re-
presenlarn ter ?5 annos cada um,
de estaturas altas ; levaratn calcas,
camisas e bonetes azues. Koga-se
as autoridades policiaes c capites
de campo, que os apprehendam e
Icvcni nos a Novaes &c Compa-
nhia, na rua do Trapiche, n. 3}.
Fugio, no dia 29 de marco, o prelo ala-
noel, de na(\"m Congo, da 45 annos pouco
maisou menos, de estatua baixa, magro,
defeituoso dos peilos e costas, que sfio es-
tufadas para fra, e dos quartos quo repu-
xam para um dos lados; levou camisa e
calcas de riscado de algodilo americano :
quem o pegar leve-o rua das Cnues, n. 30,
que ser recompensado.
Fugio, no dia primeiro do corrente, um
cabra quasi n altura mais que regular, grosso do corro,
rosto redondo, falla descansada; levou ca- .
misa do algodiloziobo liso, calcas de brim
trancado, levou mais urna Irouxa conteni
calcnsde casimira, de brim, de algodilo
americano riscado, camisa de madapoln e
de algodSozinho, dous lencoes, um de brim
e oulro de algodilo, orna bala e urna par-
naln lia : quem o pegar leve-o rua Direila,
n. 121, ou au engenho Pintos, que ser gra-
tilicado.
Fugio. no dia 12 do passado, pelas 9
horas da noile, o prelo benedicto, crioulo,
quo reprsenla ler 24 annos, de altura re-
gular, sem barba, cara redonda, olhos car-
rancudos; lem os ps lortos, e he cambado
de urna perna ; levou calcas o camisa de
lisc.ido oeslj rola, o bonete ; quem o
pegar leve-o a rua da Cadeia do llecife, n.
51, que ser bem recompensado.
-- Fugio, em dias do mez de fevereiro,
urna mulalinha de nome Marcellina, mas
(alvez lenlia mudado de nome, como cns-
tuma, de 13 a 14 annos pouco mais ou me-
nos ; he secca do corpo, cabello corrido ;
lem urna quebradura no braco esquerdo
que ficou muilo lino, por ser mal encana-
do, todo estelado eeoro a pollo teveira no
lugar da quebradura,; levou saia do chita
branca com palmas encarnadas, e urna sua
mana de 9 anuos, de nomo Antonia, vesti-
da com camisa de riscado azul : quem a
pegar leve-a rua do Jardim, n 42, que
ser recompensado : assiin como se pro-
testa eoin lodo o rigor aa lei contra quem
a liver oceulta.
r
Pf>K. : NA TTP. DEM. UK rAM. 1850
MFLHOR EXEMPL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENUFM8RKM_GDDRGF INGEST_TIME 2013-04-13T00:27:23Z PACKAGE AA00011611_06265
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES